Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros"

Transcrição

1 Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros 2º ciclo PCA - 6º ano Planificação Anual MATEMÁTICA METAS CURRICULARES DOMÍNIO NÚMEROS E OPERAÇÕES - Números Racionais Não Negativos - Números inteiros. Comparação de números inteiros OBJETIVOS/DESCRITORES Objectivo geral 1: Efetuar operações com números racionais não negativos Descritor 1: Multiplicar e dividir números racionais não negativos representado em diferentes formas (fracções, decimais e numerais mistos). Descritor 2: Compreender o efeito de multiplicar (dividir) um número racional não negativo por um número menor que 1. Descritor 3: Compreender a noção de inverso de um número. Descritor 4: Calcular a potência de expoente natural de um número racional não negativo, representado nas suas diferentes formas. Objectivo geral 2: Reconhecer um número inteiro e sua representação na recta numérica Descritor 1: Identificar grandezas utilizadas no dia a dia cuja medida se exprime em números positivos e negativos, conhecendo o significado do zero em cada um dos contextos. Descritor 2: Identificar grandezas que variam em sentidos opostos e utilizar números inteiros para representar as suas medidas. Descritor 3: Localizar e posicionar números inteiros positivos e negativos na recta numérica. Descritor 4: Compreender as noções de valor absoluto e de simétrico de um número. Descritor 5: Reconhecer, dado um número positivo a, que existem na reta numérica exatamente dois pontos cuja distância à origem é igual a a unidades: um pertencente à semirreta dos números inteiros positivos (o ponto que representa a) e o outro à semirreta oposta, e associar ao segundo o número designado por «número inteiro negativo a». Descritor 6: Identificar, dado um número inteiro positivo a, os números a e - a como «simétricos» um do outro e 0 como simétrico de si próprio. Descritor 7: Identificar, dado um número inteiro positivo a, «+ a» como o próprio número a e utilizar corretamente os termos «sinal de um número», «sinal positivo» e «sinal negativo». Descritor 8: Identificar a «semirreta de sentido positivo» associada a um dado ponto da reta numérica como a semirreta de origem nesse ponto com o mesmo sentido da semirreta dos números positivos. Objectivo geral 3: Comparar números positivos e negativos Descritor 1: Identificar um número racional como maior do que outro se o ponto a ele associado pertencer à semirreta de sentido positivo associada ao segundo. Descritor 2: Reconhecer que 0 é maior do que qualquer número negativo e menor do que qualquer número positivo.

2 . Adição de números inteiros. Subtração de números inteiros GEOMETRIA E MEDIDA - Figuras no Plano e no Espaço. Ângulos - Amplitude e medição Descritor 3: Identificar o «valor absoluto» (ou «módulo») de um número a como a distância à origem do ponto que o representa na reta numérica e utilizar corretamente a expressão «a». Descritor 4: Reconhecer, dados dois números positivos, que é maior o de maior valor absoluto e, dados dois números negativos, que é maior o de menor valor absoluto. Descritor 5: Reconhecer que dois números racionais não nulos são simétricos quando tiverem o mesmo valor absoluto e sinais contrários. Descritor 6: Identificar o conjunto dos «números inteiros relativos» (ou simplesmente «números inteiros») como o conjunto formado pelo 0, os números naturais e os respetivos simétricos, representá-lo por N e o conjunto dos números naturais por N. Objectivo geral 4: Adicionar números inteiros Descritor 1: Reconhecer, dados números inteiros com o mesmo sinal, que a respetiva soma é igual ao número inteiro com o mesmo sinal e de valor absoluto igual à soma dos valores absolutos das parcelas. Descritor 2: Reconhecer, dados dois números inteiros de sinal contrário não simétricos, que a respetiva soma é igual ao número inteiro de sinal igual ao da parcela com maior valor absoluto e de valor absoluto igual à diferença entre o maior e o menor dos valores absolutos das parcelas. Descritor 3: Reconhecer que a soma de qualquer número com 0 é o próprio número e que a soma de dois números simétricos é nula. Objectivo geral 5: Subtrair números racionais Descritor 1: Interpretar a subtracção como a operação inversa da adição, compreendendo que ela é sempre possível no conjunto dos números inteiros Descritor 2: Reconhecer, dados dois números inteiros a e b, que a - b é igual à soma de a com o simétrico de b e designar, de forma genérica, a soma e a diferença de dois números inteiros por «soma algébrica». Descritor 3: Reconhecer, dado um número inteiro q, que 0 - q é igual ao simétrico de q e representá-lo por «- q». Descritor 4: Reconhecer, dado um número inteiro q, que (- q) = q. Descritor 5: Reconhecer que o módulo de um número inteiro q é igual a q se q for positivo e a - q se q for negativo. Objectivo geral 5: Resolver problemas Descritor 1: Abordar as operações com números inteiros em contexto, por exemplo, recta numérica, temperaturas, cartas geográficas e saldos bancários. Objectivo geral 1: Reconhecer propriedades envolvendo ângulos, paralelismo e perpendicularidade Descritor 1: Designar por «bissetriz» de um dado ângulo a semirreta nele contida, de origem no vértice e que forma com cada um dos lados ângulos iguais, e construi-la utilizando régua e compasso Descritor 2: Na medição de amplitudes aproximar ao grau. Descritor 3: Estabelecer relações entre ângulos e classificar ângulos. Descritor 4: Identificar dois ângulos como «suplementares» quando a respetiva soma for igual a um ângulo raso. Descritor 5: Identificar dois ângulos como «complementares» quando a respetiva soma for igual a um ângulo reto. Descritor 6: Reconhecer que ângulos verticalmente opostos são iguais. Descritor 7: Identificar, dadas duas retas r e s intersetadas por uma secante, «ângulos internos» e «ângulos externos» e pares de ângulos «alternos internos» 2

3 . Propriedades de triângulos - Isometrias do plano - Reflexão, rotação e translação. reflexão central. reflexão axial e «alternos externos» e reconhecer que os ângulos de cada um destes pares são iguais quando (e apenas quando) r e s são paralelas. Descritor 8: Distinguir ângulos complementares e suplementares e identificar ângulos verticalmente opostos e ângulos alternos internos. Objectivo geral 2: Reconhecer propriedades de triângulos Descritor 1: Construir triângulos e compreender os casos de possibilidade na construção de triângulos. Descritor 2: Construir triângulos dados os comprimentos dos três lados. Descritor 3: Construir triângulos dados os comprimentos de dois lados e a amplitude do ângulo por eles formado. Descritor 4: Construir triângulos dado o comprimento de um lado e as amplitudes dos ângulos adjacentes a esse lado. Descritor 5: Na medição de comprimentos aproximar ao milímetro. Descritor 6: Reconhecer que num triângulo a lados iguais opõem-se ângulos iguais e reciprocamente. Descritor 7: Reconhecer que em triângulos iguais a lados iguais opõem-se ângulos iguais e reciprocamente. Descritor 8: Saber que num triângulo ao maior lado opõe-se o maior ângulo e ao menor lado opõe-se o menor ângulo, e vice-versa. Descritor 9: Saber que num triângulo a medida do comprimento de qualquer lado é menor do que a soma das medidas dos comprimentos dos outros dois e maior do que a respetiva diferença. Objectivo geral 3: Construir e reconhecer propriedades de isometrias do plano. Descritor 1: Designar, dados dois pontos O e M, o ponto M por «imagem do ponto M pela reflexão central de centro O» quando O for o ponto médio do segmento [MM ] e identificar a imagem de O pela reflexão central de centro O como o próprio ponto O. Descritor 2: Reconhecer, dado um ponto O e as imagens A e B de dois pontos A e B pela reflexão central de centro O, que são iguais os comprimentos dos segmentos [AB] e [A B ] e designar, neste contexto, a reflexão central como uma «isometria». Descritor 3: Reconhecer, dado um ponto O e as imagens A, B e C de três pontos A, B e C pela reflexão central de centro O, que são iguais os ângulos ABC e A B C. Descritor 4: Designar por «mediatriz» de um dado segmento de reta num dado plano a reta perpendicular a esse segmento no ponto médio. Descritor 5: Reconhecer que os pontos da mediatriz de um segmento de reta são equidistantes das respetivas extremidades. Descritor 6: Identificar, dada uma reta r e um ponto M não pertencente a r, a «imagem de M pela reflexão axial de eixo r» como o ponto M tal que r é mediatriz do segmento [MM ] e identificar a imagem de um ponto de r pela reflexão axial de eixo r como o próprio ponto. Descritor 7: Designar, quando esta simplificação de linguagem não for ambígua, «reflexão axial» por «reflexão». Descritor 8: Saber, dada uma reta r, dois pontos A e B e as respetivas imagens A e B pela reflexão de eixo r, que são iguais os comprimentos dos segmentos [AB] e [A B ] e designar, neste contexto, a reflexão como uma «isometria». Descritor 9: Reconhecer, dada uma reta r, três pontos A, O e B e as respetivas imagens A, O e B pela reflexão de eixo r, que são iguais os ângulos AO B e 3

4 . Simetrias rotacional e axial. Rotação A O B. Descritor 10: Identificar uma reta r como «eixo de simetria» de uma dada figura plana quando as imagens dos pontos da figura pela reflexão de eixo r formam a mesma figura. Descritor 11: Saber que a reta suporte da bissetriz de um dado ângulo convexo é eixo de simetria do ângulo, reconhecendo que os pontos a igual distância do vértice nos dois lados do ângulo são imagem um do outro pela reflexão de eixo que contém a bissetriz. Descritor 12: Identificar os eixos de simetria de uma figura, particularmente no caso dos triângulos. Descritor 13: Construir figuras com mais de um eixo de simetria. Descritor 14: Designar, dados dois pontos O e M e um ângulo a, um ponto M por «imagem do ponto M por uma rotação de centro O e ângulo a» quando os segmentos [OM] e [OM ] têm o mesmo comprimento e os ângulos a e MOM a mesma amplitude. Descritor 15: Na rotação, indicar o centro, o sentido e a amplitude do ângulo de rotação. Descritor 16: Construir imagens (ou os transformados) de figuras geométricas planas por reflexão central, reflexão axial e rotação utilizando régua e compasso. Descritor 17: Reconhecer, dados dois pontos O e M e um ângulo a (não nulo, não raso e não giro), que existem exatamente duas imagens do ponto M por rotações de centro O e ângulo a e distingui-las experimentalmente por referência ao sentido do movimento dos ponteiros do relógio, designando uma das rotações por «rotação de sentido positivo» (ou «contrário ao dos ponteiros do relógio») e a outra por «rotação de sentido negativo» (ou «no sentido dos ponteiros do relógio»). Descritor 18: Reconhecer, dados dois pontos O e M, que existe uma única imagem do ponto M por rotação de centro O e ângulo raso, que coincide com a imagem de M pela reflexão central de centro O e designá-la por imagem de M por «meia volta em torno de O». Descritor 19: Reconhecer que a (única) imagem de um ponto M por uma rotação de ângulo nulo ou giro é o próprio ponto M. Descritor 20: Saber, dado um ponto O, um ângulo a e as imagens A e B de dois pontos A e B por uma rotação de centro O e ângulo a de determinado sentido, que são iguais os comprimentos dos segmentos [AB] e [A B ] e designar, neste contexto, a rotação como uma «isometria». Descritor 21: Reconhecer, dado um ponto O, um ângulo a e as imagens A, B e C de três pontos A, B e C por uma rotação de centro O e ângulo a de determinado sentido, que são iguais os ângulos ABC e A BC. Descritor 22: Identificar uma figura como tendo «simetria de rotação» quando existe uma rotação de ângulo não nulo e não giro tal que as imagens dos pontos da figura por essa rotação formam a mesma figura. Descritor 23: Saber que a imagem de um segmento de reta por uma isometria é o segmento de reta cujas extremidades são as imagens das extremidades do segmento de reta inicial. Descritor 24: Construir imagens (ou os transformados) de figuras geométricas planas por rotação utilizando régua e transferidor. Descritor 25: Construir o transformado de uma figura, a partir de uma isometria ou de uma composição de isometrias. 4

5 - Medida volumes de sólidos e unidades de volume ÁLGEBRA - Potências de expoente natural Descritor 26: Identificar, predizer e descrever a isometria em causa, dada a figura geométrica e o transformado. Descritor 27: Compreender as noções de simetria axial e rotacional e identificar as simetrias numa figura. Descritor 28: Identificar simetrias de rotação e de reflexão em figuras dadas. Objectivo geral 4: Ser capaz de analisar padrões geométricos e desenvolver o conceito de isometria. Descritor 1: Completar, desenhar e explorar padrões geométricos que envolvam Isometrias, recorrendo por exemplo à exploração de obras de arte e artesanato. Descritor 2: Identificar as isometrias de frisos e rosáceas. Descritor 3: Construir frisos e rosáceas, por decalque e por dobragem de papel, utilizando, por exemplo, espelhos e papel vegetal. Objectivo geral 5: Medir volumes de sólidos Descritor 1: Relacionar as unidades de volume com as unidades de capacidade do sistema SI. Descritor 2: Reconhecer, fixada uma unidade de comprimento e dados três números racionais positivos que o volume de um paralelepípedo retângulo com dimensões de medidas q, r e s é igual a q x r x s unidades cúbicas. Descritor 3: Reconhecer, fixada uma unidade de comprimento, que a medida do volume de um prisma (em unidades cúbicas) é igual ao produto da medida da área da base (em unidades quadradas) pela medida da altura. Descritor 4: Reconhecer, fixada uma unidade de comprimento, que a medida do volume de um cilindro (em unidades cúbicas) é igual ao produto da medida da área da base (em unidades quadradas) pela medida da altura. Objectivo geral 6: Ser capazes de resolver problemas, comunicar e raciocinar matematicamente em situações que envolvam contextos geométricos. Descritor 1: Compreender relações entre elementos de um triângulo e usá-las na resolução de problemas. Descritor 2: Compreender o valor da soma das amplitudes dos ângulos internos e externos de um triângulo. Descritor 3: Identificar as propriedades da circunferência e distinguir circunferência de círculo. Descritor 4: Resolver problemas envolvendo propriedades dos triângulos e do círculo. Descritor 5: Resolver problemas envolvendo as propriedades das isometrias utilizando raciocínio dedutivo. Descritor 6: Resolver problemas envolvendo figuras com simetrias de rotação e de reflexão axial. Descritor 7: Resolver problemas que envolvam volumes de cubos, paralelepípedos e cilindros. Descritor 8: Resolver problemas envolvendo o cálculo de volumes de sólidos. Objectivo geral 1: Efectuar operações com potências Descritor 1: Calcular potências de um número e determinar o produto e o quociente de potências com a mesma base ou com o mesmo expoente. Descritor 2: Reconhecer que o produto de duas potências com a mesma base é igual a uma potência com a mesma base e cujo expoente é igual à soma dos expoentes dos fatores. Descritor 3: Representar uma potência de base a e expoente n elevada a um expoente m por (a n ) m e reconhecer que é igual a uma potência de base a e 5

6 . Multiplicação e divisão de potências. Propriedades das operações e regras operatórias - Sequências e regularidades - Proporcionalidade Directa expoente igual ao produto dos expoentes e utilizar corretamente a expressão «potência de potência». Descritor 4: Representar um número racional a elevado a uma potência n m m m n n (sendo n e m números naturais) por a e reconhecer que, em geral, a (a n ) m. Descritor 5: Reconhecer que o produto de duas potências com o mesmo expoente é igual a uma potência com o mesmo expoente e cuja base é igual ao produto das bases. Descritor 6: Reconhecer que o quociente de duas potências com a mesma base não nula e expoentes diferentes (sendo o expoente do dividendo superior ao do divisor) é igual a uma potência com a mesma base e cujo expoente é a diferença dos expoentes. Descritor 7: Reconhecer que o quociente de duas potências com o mesmo expoente (sendo a base do divisor não nula) é igual a uma potência com o mesmo expoente e cuja base é igual ao quociente das bases. Descritor 8: Conhecer a prioridade da potenciação relativamente às restantes operações aritméticas e simplificar e calcular o valor de expressões numéricas envolvendo as quatro operações aritméticas e potências bem como a utilização de parênteses. Descritor 9: Compreender as propriedades e regras das operações (adição, subtração, multiplicação e divisão) e usá-las no cálculo. Descritor 10: Utilizar a calculadora no cálculo de potências. Objectivo geral 2: Resolver problemas Descritor 1: Resolver problemas que envolvam a multiplicação, divisão bem como potenciação, incluindo regularidades com potências, mínimo múltiplo comum, máximo divisor comum. Descritor 2: Traduzir em linguagem simbólica enunciados expressos em linguagem natural e vice-versa. Descritor 3: Usar a calculadora na exploração de regularidades numéricas. Objectivo geral 3: Resolver problemas Descritor 1: Resolver problemas envolvendo a determinação de termos de uma sequência definida por uma expressão geradora ou dada por uma lei de formação que permita obter cada termo a partir dos anteriores, conhecidos os primeiros termos. Descritor 2: Determinar expressões geradoras de sequências definidas por uma lei de formação que na determinação de um dado elemento recorra aos elementos anteriores. Descritor 3: Resolver problemas envolvendo a determinação de uma lei de formação compatível com uma sequência parcialmente conhecida e formulá-la em linguagem natural e simbólica. Objectivo geral 4: Relacionar grandezas diretamente proporcionais Descritor 1: Compreender os conceitos de razão, proporção e constante de proporcionalidade. Descritor 2: Utilizar proporções para modelar situações e fazer previsões. Descritor 3: Identificar uma grandeza como «diretamente proporcional» a outra quando dela depende de tal forma que, fixadas unidades, ao multiplicar a medida da segunda por um dado número positivo, a medida da primeira fica também multiplicada por esse número. Descritor 3: Reconhecer que uma grandeza é diretamente proporcional a outra 6

7 ORGANIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS - Representação e tratamento de dados da qual depende quando, fixadas unidades, o quociente entre a medida da primeira e a medida da segunda é constante e utilizar corretamente o termo «constante de proporcionalidade». Descritor 4: Reconhecer que se uma grandeza é diretamente proporcional a outra então a segunda é diretamente proporcional à primeira e as constantes de proporcionalidade são inversas uma da outra. Descritor 5: Distinguir situações em que não existe proporcionalidade de situações em que existe, recorrendo, neste caso, à constante de proporcionalidade. Descritor 6: Identificar uma proporção como uma igualdade entre duas razões não nulas e utilizar corretamente os termos «extremos», «meios» e «termos» de uma proporção. Descritor 7: Reconhecer que numa proporção o produto dos meios é igual ao produto dos extremos. Descritor 8: Verificar a propriedade fundamental das proporções. Descritor 9: Determinar o termo em falta numa dada proporção utilizando a regra de três simples ou outro processo de cálculo. Descritor 10: Saber que existe proporcionalidade direta entre distâncias reais e distâncias em mapas e utilizar corretamente o termo «escala». Objectivo geral 5: Resolver problemas Descritor 1: Identificar pares de grandezas mutuamente dependentes distinguindo aquelas que são diretamente proporcionais. Descritor 2: Resolver problemas envolvendo a noção de proporcionalidade direta. Utilizando situações que envolvam percentagens e escalas, e a análise de tabelas e gráficos. Descritor 3: Resolver e formular problemas envolvendo situações de proporcionalidade directa. Representação e tratamento de dados Objectivo geral 1: Organizar e representar dados Descritor 1: Identificar «população estatística» ou simplesmente «população» como um conjunto de elementos, designados por «unidades estatísticas», sobre os quais podem ser feitas observações e recolhidos dados relativos a uma característica comum. Descritor 2: Identificar «variável estatística» como uma característica que admite diferentes valores (um número ou uma modalidade), um por cada unidade estatística. Descritor 3: Designar uma variável estatística por «quantitativa» ou «numérica» quando está associada a uma característica suscetível de ser medida ou contada e por «qualitativa» no caso contrário. Descritor 4: Designar por «amostra» o subconjunto de uma população formado pelos elementos relativamente aos quais são recolhidos dados, designados por «unidades estatísticas», e por «dimensão da amostra» o número de unidades estatísticas pertencentes à amostra. Descritor 5: Representar um conjunto de dados num «gráfico circular» dividindo um círculo em setores circulares sucessivamente adjacentes, associados respetivamente às diferentes categorias/classes de dados, de modo que as amplitudes dos setores sejam diretamente proporcionais às frequências relativas das categorias/classes correspondentes. Descritor 6: Representar um mesmo conjunto de dados utilizando várias representações gráficas, selecionando a mais elucidativa de acordo com a 7

8 informação que se pretende transmitir. Objectivo geral 2: Resolver problemas Descritor 1: Resolver problemas envolvendo a análise de dados representados de diferentes formas. Descritor 2: Resolver problemas envolvendo a análise de um conjunto de dados a partir da respetiva média, moda e amplitude. 8

9 MATRIZ DE CONTEÚDOS E DE PROCEDIMENTOS CONTEÚDOS PROCEDIMENTOS Nº de Tempos 1º Período Números e operações Números naturais (Capítulo 2) Potências de base e expoente naturais Regularidades com potências Operações com potências Multiplicação de potências Divisão de potências 1º Período Números e operações Números racionais não negativos (Capítulo 4) Noção e representação de número racional (5º ano) Comparação e ordenação (5º ano) Operações (5º ano) Valores aproximados Adição e subtracção de números racionais Propriedades da adição de números racionais Expressões numéricas Multiplicação de números racionais Simplificação de produtos 2º Período Álgebra Relações e regularidades (Capítulo 6) Sequências e regularidades numéricas e não numéricas Leis de formação Proporcionalidade directa Proporções Percentagem (5º ano) Percentagem Escala 2º Período Organização e representação de dados Representação e interpretação de dados (Capítulo 3) Formulação de questões Natureza dos dados Interpretação e construção de gráficos circulares. Extremos e amplitudes. Distribuições de dados. Situações aleatórias - Realização de actividades práticas para superação de dificuldades e consolidação de conhecimentos - Aplicação da Matemática a situações da vida real - Resolução de problemas em contextos variados, envolvendo a aplicação a outras ciências - Observação e análise de gráficos, esquemas e modelos - Realização de actividades de investigação - Discussão de temas e situações diversificadas - Utilização de Calculadora / Computador - Realização de trabalhos de grupo/ individuais - Resolução de fichas de trabalho - Utilização de materiais diversificados - Utilização do manual escolar e caderno de actividades - Realização de actividades práticas para superação de dificuldades e

10 CONTEÚDOS PROCEDIMENTOS Nº de Tempos 2º Período Geometria Figuras no plano (Capítulo 1) Ângulos complementares e suplementares Ângulos verticalmente opostos Ângulos alternos internos Construção de triângulos Relação entre os comprimentos dos lados de um triângulo Soma das amplitudes dos ângulos externos de um triângulo Relação entre ângulos externos e internos de um triângulo Relação entre lados e ângulos de um triângulo 3º Período Geometria Reflexão, rotação e translação (Capítulo 5) Reflexão Rotação Translação Simetria axial Simetria rotacional 3º Período Geometria Volumes (Capítulo 7) Unidades de volume Volume do paralelepípedo, do cubo Volume do cilindro Capacidade. Unidades de capacidade Volumes - Capacidades consolidação de conhecimentos - Aplicação da Matemática a situações da vida real - Resolução de problemas em contextos variados, envolvendo a aplicação a outras ciências - Observação e análise de gráficos, esquemas e modelos - Realização de actividades de investigação - Discussão de temas e situações diversificadas - Utilização de Calculadora / Computador - Realização de trabalhos de grupo/ individuais - Resolução de fichas de trabalho - Utilização de materiais diversificados - Utilização do manual escolar e caderno de actividades TOTAL 186 Prevê-se a realização de duas fichas de avaliação e respectiva correcção no 1ºP - (4t+4t); 2ºP - (4t+4t) e 3ºP (4t+2t) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Objeto da avaliação Instrumentos de avaliação Coeficiente de ponderação Conteúdos Trabalhos realizados em casa e na aula: 20% 10

11 Capacidades Definidos na planificação - Mostrar capacidade de comunicar conceitos, raciocínios e ideias, oralmente e por escrito, quer em linguagem corrente quer em linguagem matemática. Participação oral na sala de aula Trabalhos (casa, grupo e/ou individuais) Fichas de avaliação 60 % - Utilizar adequadamente as tecnologias da informação - Aperfeiçoar o cálculo - Resolver problemas em domínios diversificados Cooperar nas diferentes atividades pospostas Ser pontual; Ser assíduo; Manifestar comportamentos adequados; Demonstrar iniciativa e empenho das tarefas propostas; Participar de forma regular e oportuna; Assumir uma postura responsável na realização das tarefas diárias, manifestando atitudes e hábitos de trabalho (fichas de trabalho, fichas formativas, trabalhos de casa) Grelhas de registo/observação direta: Pontualidade /assiduidade Comportamento Material escolar Iniciativa e empenho das tarefas propostas Participar de forma regular e oportuna Responsabilidade/Organização 2% 5% 2% 5% 3% 3% 11

PLANIFICAÇÃO POR UNIDADE TEMÁTICA MATEMÁTICA 6.º ANO 2015/2016

PLANIFICAÇÃO POR UNIDADE TEMÁTICA MATEMÁTICA 6.º ANO 2015/2016 Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade Agrupamento de Escolas Dr. Francisco Sanches PLANIFICAÇÃO POR UNIDADE TEMÁTICA MATEMÁTICA 6.º ANO 2015/2016 Tema 1: Números naturais. Potências de expoente

Leia mais

Planificação de Matemática -6ºAno

Planificação de Matemática -6ºAno DGEstE - Direção-Geral de Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços Região Alentejo Agrupamento de Escolas de Moura código n.º 135471 Escola Básica nº 1 de Moura (EB23) código n.º 342294 Planificação

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA CLARA DE RESENDE

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA CLARA DE RESENDE 1. NÚMEROS NATURAIS ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA CLARA DE RESENDE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ESPECÍFICOS (Aprovados em Conselho Pedagógico a 21 de Outubro de 2014) No caso específico da disciplina de Matemática,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS MATEMÁTICA_6º ANO_B. Ano Letivo: 2013/2014. 1. Introdução / Finalidades. Metas de aprendizagem

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS MATEMÁTICA_6º ANO_B. Ano Letivo: 2013/2014. 1. Introdução / Finalidades. Metas de aprendizagem DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS MATEMÁTICA_6º ANO_B Ano Letivo: 203/204. Introdução / Finalidades A disciplina de Matemática tem como finalidade desenvolver: A estruturação do pensamento A apreensão e

Leia mais

CONTEÚDOS METAS / DESCRITORES RECURSOS

CONTEÚDOS METAS / DESCRITORES RECURSOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Planificação Anual de Matemática 6º Ano Ano Letivo 2015/2016

Leia mais

Número de aulas previstas 206

Número de aulas previstas 206 Período 2º Unidade didática Nº DE TEMPOS PREVISTOS Apresentação. 1 Atividades de diagnóstico 2 Números e operações (NO5) ( não negativos) 20 1- Efetuar operações com números racionais não negativos Geometria

Leia mais

PLANIFICAÇÃO POR UNIDADE TEMÁTICA MATEMÁTICA 5º ANO DISTRIBUIÇÃO ANUAL DAS UNIDADES TEMÁTICAS/ TEMPOS LETIVOS (AULAS DE 45 )

PLANIFICAÇÃO POR UNIDADE TEMÁTICA MATEMÁTICA 5º ANO DISTRIBUIÇÃO ANUAL DAS UNIDADES TEMÁTICAS/ TEMPOS LETIVOS (AULAS DE 45 ) Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade Agrupamento de Escolas Dr. Francisco Sanches PLANIFICAÇÃO POR UNIDADE TEMÁTICA MATEMÁTICA 5º ANO DISTRIBUIÇÃO ANUAL DAS UNIDADES TEMÁTICAS/ TEMPOS LETIVOS

Leia mais

MATEMÁTICA 7.º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014 / 2015

MATEMÁTICA 7.º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014 / 2015 GRUPO DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA 7.º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014 / 2015 (Em conformidade com o Programa de Matemática homologado em 17 de junho de 2013 e com as de Matemática homologadas em 3

Leia mais

Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro 1º Ciclo. Critérios de Avaliação. Ano Letivo 2015/16 Disciplina MATEMÁTICA 3.º Ano

Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro 1º Ciclo. Critérios de Avaliação. Ano Letivo 2015/16 Disciplina MATEMÁTICA 3.º Ano Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro 1º Ciclo Critérios de Avaliação Ano Letivo 2015/16 Disciplina MATEMÁTICA 3.º Ano Números e Operações Números naturais Utilizar corretamente os numerais ordinais

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL MATEMÁTICA 3 DOMÍNIOS OBJETIVOS ATIVIDADES

PLANIFICAÇÃO ANUAL MATEMÁTICA 3 DOMÍNIOS OBJETIVOS ATIVIDADES PLANIFICAÇÃO ANUAL MATEMÁTICA 3 DOMÍNIOS OBJETIVOS ATIVIDADES Números naturais Conhecer os numerais ordinais Utilizar corretamente os numerais ordinais até centésimo. Contar até um milhão Estender as regras

Leia mais

MATEMÁTICA - 5.º Ano

MATEMÁTICA - 5.º Ano Salesianos de Mogofores - 2015/2016 MATEMÁTICA - 5.º Ano Ana Soares ( amariasoares@gmail.com ) Catarina Coimbra ( catarinacoimbra@mail.ru ) Rota de aprendizage m por Projetos NÚMEROS NATURAIS Desenvolver

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS DA NATUREZA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS DA NATUREZA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS DA NATUREZA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 27 de outubro de 2015) AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE CÓD. 152 870 No caso específico

Leia mais

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais PLANO DE ESTUDO MATEMÁTICA 2014/2015-3ºCICLO. AVALIAÇÃO DO ALUNO MATEMÁTICA 2º/3º ciclos AVALIAÇÃO

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais PLANO DE ESTUDO MATEMÁTICA 2014/2015-3ºCICLO. AVALIAÇÃO DO ALUNO MATEMÁTICA 2º/3º ciclos AVALIAÇÃO Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade Agrupamento de Escolas Dr. Francisco Sanches Departamento de Matemática e Ciências Experimentais PLANO DE ESTUDO MATEMÁTICA 201/2015-3ºCICLO OBJETO A AVALIAR

Leia mais

CAPÍTULO 1- OPERAÇÕES COM NÚMEROS INTEIROS Indicadores de aprendizagem Verifica se sabes: Identificar o conjunto dos números inteiros.

CAPÍTULO 1- OPERAÇÕES COM NÚMEROS INTEIROS Indicadores de aprendizagem Verifica se sabes: Identificar o conjunto dos números inteiros. CAPÍTULO 1- OPERAÇÕES COM NÚMEROS INTEIROS Identificar o conjunto dos números inteiros. Representar na recta numérica os números inteiros. Indicar o valor absoluto e o simétrico de um número. Comparar

Leia mais

Plano Curricular de Matemática 3.º Ano - Ano Letivo 2015/2016

Plano Curricular de Matemática 3.º Ano - Ano Letivo 2015/2016 Plano Curricular de Matemática 3.º Ano - Ano Letivo 2015/2016 1.º Período Conteúdos Programados Previstas Dadas Números e Operações Utilizar corretamente os numerais ordinais até vigésimo. Ler e representar

Leia mais

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALENTEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA PLANIFICAÇÃO ANUAL

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALENTEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA PLANIFICAÇÃO ANUAL DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALENTEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA PLANIFICAÇÃO ANUAL Professor: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Matemática Ano: 6 Turma: A Ano lectivo: 2011/2012 Objectivos

Leia mais

Preparação para o teste intermédio de Matemática 8º ano

Preparação para o teste intermédio de Matemática 8º ano Preparação para o teste intermédio de Matemática 8º ano Conteúdos do 7º ano Conteúdos do 8º ano Conteúdos do 8º Ano Teorema de Pitágoras Funções Semelhança de triângulos Ainda os números Lugares geométricos

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DO NOVO PROGRAMA DE MATEMÁTICA

PLANIFICAÇÃO ANUAL DO NOVO PROGRAMA DE MATEMÁTICA PLANIFICAÇÃO ANUAL DO NOVO PROGRAMA DE MATEMÁTICA 5º ano 2012/2013 UNIDADE: Números e Operações 1 - NÚMEROS NATURAIS OBJECTIVOS GERAIS: - Compreender e ser capaz de usar propriedades dos números inteiros

Leia mais

Informação - Teste Comum 2.ºCICLO DO ENSINO BÁSICO MATEMÁTICA - 6.º ANO 2015

Informação - Teste Comum 2.ºCICLO DO ENSINO BÁSICO MATEMÁTICA - 6.º ANO 2015 Direção de Serviços da Região Norte Informação - Teste Comum 2.ºCICLO DO ENSINO BÁSICO MATEMÁTICA - 6.º ANO 2015 1- Informação O presente documento divulga informação relativa ao teste comum do 2.º Ciclo

Leia mais

DISCIPLINA DE MATEMÁTICA

DISCIPLINA DE MATEMÁTICA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA OBJETIVOS: 6 ano Levar os estudantes a reconhecerem, em situações cotidianas, as diferentes funções, os diferentes significados e as representações dos números, operações, medidas

Leia mais

Conteúdo Programático Anual MATEMÁTICA

Conteúdo Programático Anual MATEMÁTICA MATEMÁTICA 1º BIMESTRE 5ª série (6º ano) CALCULANDO COM NÚMEROS NATURAIS 1. Idéias associadas à adição 2. Idéias associadas à subtração 3. Idéias associadas à multiplicação 4. Idéias associadas à divisão

Leia mais

Num cilindro as bases são círculos. O perímetro do círculo é igual ao comprimento da circunferência que limita o círculo.

Num cilindro as bases são círculos. O perímetro do círculo é igual ao comprimento da circunferência que limita o círculo. 1. Círculos e cilindros 1.1. Planificação da superfície de um cilindro Num cilindro as bases são círculos. O perímetro do círculo é igual ao comprimento da circunferência que limita o círculo. A planificação

Leia mais

Planificação 2015/2016

Planificação 2015/2016 Planificação 2015/2016 ENSINO SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA A 11º ANO DE ESCOLARIDADE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS GEOMETRIA NO PLANO E NO ESPAÇO II 1-Resolução de Problemas Envolvendo

Leia mais

ENSINO BÁSICO 2.º CICLO PROGRAMA DE MATEMÁTICA PLANO DE ORGANIZAÇÃO DO ENSINO - APRENDIZAGEM VOLUME II

ENSINO BÁSICO 2.º CICLO PROGRAMA DE MATEMÁTICA PLANO DE ORGANIZAÇÃO DO ENSINO - APRENDIZAGEM VOLUME II 1 ENSINO BÁSICO 2.º CICLO PROGRAMA DE MATEMÁTICA PLANO DE ORGANIZAÇÃO DO ENSINO - APRENDIZAGEM VOLUME II 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO PLANO DE ORGANIZAÇÃO E SEQUÊNCIA DO ENSINO-APRENDIZAGEM SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: Matemática Ano: 6º ano Ano Letivo: 2015 OBJETIVO GERAL

Planejamento Anual. Componente Curricular: Matemática Ano: 6º ano Ano Letivo: 2015 OBJETIVO GERAL Planejamento Anual Componente Curricular: Matemática Ano: 6º ano Ano Letivo: 2015 Professor(s): Eni e Patrícia OBJETIVO GERAL Desenvolver e aprimorar estruturas cognitivas de interpretação, análise, síntese,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA 5.º ANO PLANIFICAÇÃO GLOBAL ANO LETIVO 2012/2013 Planificação Global 5º Ano 2012-2013 1/7 NÚMEROS

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE MATEMÁTICA 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE MATEMÁTICA 8.º ANO DE MATEMÁTICA 8.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No domínio dos Números e Operações, o aluno deve ser capaz de relacionar números racionais e dízimas, completar a reta numérica e ordenar números

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE MATEMÁTICA (ao longo do ano)

PLANIFICAÇÃO DE MATEMÁTICA (ao longo do ano) PLANIFICAÇÃO DE MATEMÁTICA (ao longo do ano) DOMÍNIOS Subdomínios / Conteúdos programáticos Metas / Descritores de desempenho Números e operações Números naturais Números racionais não negativos Compreender

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA

CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA 6ºANO CONTEÚDOS-1º TRIMESTRE Números naturais; Diferença entre número e algarismos; Posição relativa do algarismo dentro do número; Leitura do número; Sucessor e antecessor;

Leia mais

Que imagens têm ou não têm simetria?

Que imagens têm ou não têm simetria? O mundo da simetria Que imagens têm ou não têm simetria? Isometrias Isometria: Transformação geométrica que preserva as distâncias; as figuras do plano são transformadas noutras geometricamente iguais.

Leia mais

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual / Critérios de avaliação. Disciplina: Matemática 2.º ano 2015/2016

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual / Critérios de avaliação. Disciplina: Matemática 2.º ano 2015/2016 DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110 Planificação Anual / Critérios de avaliação Disciplina: Matemática 2.º ano 2015/2016 Domínio (Unidade/ tema) Subdomínio/Conteúdos Metas de Aprendizagem Estratégias/

Leia mais

MATEMÁTICA Edwaldo Bianchini. Um supertalento para fazer livros mais um consagrado time de autores. Resultado: ensino com muito mais valor.

MATEMÁTICA Edwaldo Bianchini. Um supertalento para fazer livros mais um consagrado time de autores. Resultado: ensino com muito mais valor. Material de divulgação da Editora Moderna PNLD 2011 Um supertalento para fazer livros mais um consagrado time de autores. Resultado: ensino com muito mais valor. MATEMÁTICA Edwaldo Bianchini MATEMÁTICA

Leia mais

Não é permitido o uso de corrector. Em caso de engano, deve riscar, de forma inequívoca, aquilo que pretende que não seja classificado.

Não é permitido o uso de corrector. Em caso de engano, deve riscar, de forma inequívoca, aquilo que pretende que não seja classificado. Teste Intermédio de Matemática B 2010 Teste Intermédio Matemática B Duração do Teste: 90 minutos 13.04.2010 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Utilize apenas caneta ou esferográfica

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de MATEMÁTICA do Ensino Médio Exames Supletivos/2013

Conteúdo Básico Comum (CBC) de MATEMÁTICA do Ensino Médio Exames Supletivos/2013 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

CALEIDOSCÓPIOS DIÉDRICOS

CALEIDOSCÓPIOS DIÉDRICOS CALEIDOSCÓPIOS DIÉDRICOS SIMETRIAS NO PLANO Introdução O conceito de simetria de figuras planas representadas em obras de arquitetura, de arte, de decoração e em numerosos exemplos naturais, intuitivamente

Leia mais

Conceitos: A fração como coeficiente. A fração e a sua representação gráfica. Termos que compõem uma fração. Fração unidade. Fração de um número.

Conceitos: A fração como coeficiente. A fração e a sua representação gráfica. Termos que compõem uma fração. Fração unidade. Fração de um número. Unidade 1. As frações. Enquadramento Curricular em Espanha: Objetos de aprendizagem: 1.1. Conceito de fração Identificar os termos de uma fração. Escrever e ler frações. Comparar frações com igual denominador.

Leia mais

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Planificação Anual das Atividades Letivas

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Planificação Anual das Atividades Letivas Departamento Curricular: 1º ciclo Ano de escolaridade: 3º ano Área Curricular: MATEMÁTICA Ano letivo:2015/2016 Perfil do aluno à saída do 1º ciclo: Participar na vida sala de aula, da escola e da comunidade

Leia mais

Prova Final de Matemática. 3.º Ciclo do Ensino Básico. Prova 92/1.ª Chamada. Duração da Prova: 90 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Final de Matemática. 3.º Ciclo do Ensino Básico. Prova 92/1.ª Chamada. Duração da Prova: 90 minutos. Tolerância: 30 minutos. PROVA FINAL DO 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Matemática/Prova 92/1.ª Chamada/2012 Decreto-Lei n.º 6/2001, de 18 de janeiro A PREENCHER PELO ESTUDANTE Nome completo Documento de identificação CC n.º ou BI

Leia mais

Plano Curricular de Matemática 9º ano - 2014 /2015-3º Ciclo

Plano Curricular de Matemática 9º ano - 2014 /2015-3º Ciclo Plano Curricular de Matemática 9º ano - 2014 /2015-3º Ciclo Tema/Subtema Conteúdos Metas Nº de Aulas Previstas Org.Trat.Dados / Planeamento Estatístico Especificação do problema Recolha de dados População

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de 21 de Outubro de 2014) No caso específico da disciplina de FÍsica, do 12ºano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

Tema/Tópico Propósito principal de ensino Objetivos gerais Números e operações Números naturais Números racionais não negativos Números inteiros

Tema/Tópico Propósito principal de ensino Objetivos gerais Números e operações Números naturais Números racionais não negativos Números inteiros Secretaria Regional da Educação e Formação Direção Regional da Educação e Formação Escola Básica 2 Gaspar Frutuoso Departamento de Matemática e Ciências Naturais Planificação a médio prazo da Área Curricular

Leia mais

FICHA N.º1:Isometrias: Reflexão, rotação e translação ISOMETRIAS

FICHA N.º1:Isometrias: Reflexão, rotação e translação ISOMETRIAS FICHA N.º1:Isometrias: Reflexão, rotação e translação Matemática 8º Ano Aluno: Data: / /2013 Nº Ano/Turma: 8º ISOMETRIAS Uma ISOMETRIA (iso = igual, metria = medição) é uma transformação geométrica que

Leia mais

Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula

Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL RELAÇÃO

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais Prova de Exame Nacional de Matemática Aplicada às Ciências Sociais Prova 835 2011 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Para: Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO. Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho. Departamento de Ciências Experimentais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO. Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho. Departamento de Ciências Experimentais AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Ciências Experimentais Planificação Anual de Matemática A 10º ano Ano Letivo 2015/2016 TEMA

Leia mais

I CAPÍTULO 19 RETA PASSANDO POR UM PONTO DADO

I CAPÍTULO 19 RETA PASSANDO POR UM PONTO DADO Matemática Frente I CAPÍTULO 19 RETA PASSANDO POR UM PONTO DADO 1 - RECORDANDO Na última aula, nós vimos duas condições bem importantes: Logo, se uma reta passa por um ponto e tem um coeficiente angular,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA 7.º ANO PLANIFICAÇÃO GLOBAL Planificação 7º ano 2012/2013 Página 1 DOMÍNIO TEMÁTICO: NÚMEROS

Leia mais

Novo Programa de Matemática do Ensino Básico - 3º Ciclo

Novo Programa de Matemática do Ensino Básico - 3º Ciclo Proposta de cadeia de tarefas para o 8.º ano - 3.º ciclo Isometrias Autores: Professores das turmas piloto do 8.º ano de escolaridade Ano Lectivo 2009/2010 Outubro de 2010 Isometrias Página 1 Índice Introdução

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIACÃO

CRITÉRIOS DE AVALIACÃO CRITÉRIOS DE AVALIACÃO Educação Visual 5º Ano Educação Visual 6º Ano Educação Tecnológica 5º Ano Educação Tecnológica 6º Ano ANO ESCOLAR 2015 / 2016 Ano letivo de 2015 / 2016 INTRODUÇÃO Sendo a avaliação

Leia mais

Caderno de Apoio 3.º Ciclo

Caderno de Apoio 3.º Ciclo METAS CURRICULARES DO ENSINO BÁSICO MATEMÁTICA Caderno de Apoio 3.º Ciclo António Bivar, Carlos Grosso, Filipe Oliveira, Maria Clementina Timóteo INTRODUÇÃO Este Caderno de Apoio, organizado por ciclos

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS - Grupo 500. Planificação Anual /Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS - Grupo 500. Planificação Anual /Critérios de avaliação AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS - Grupo 500 Planificação Anual /Critérios de avaliação Disciplina: Matemática A 10º ano 2014/2015 Início Fim

Leia mais

PROGRAMA DE MATEMÁTICA

PROGRAMA DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE MATEMÁTICA 10ª Classe 2º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO GERAL Área de Ciências Económico-Jurídicas Ficha Técnica Título Programa de Matemática - 10ª Classe (Área de Ciências Económico-Jurídicas)

Leia mais

Fundamentos Tecnológicos

Fundamentos Tecnológicos 1 2 Potenciação Fundamentos Tecnológicos Potenciação, radiciação e operações algébricas básicas Prof. Flavio Fernandes Dados um número real positivo a e um número natural n diferente de zero, chama-se

Leia mais

ESCOLA E.B. 2,3 D. AFONSO III. Planificação da disciplina de Matemática - CEF - 2º Ano Ano letivo de 2014/2015

ESCOLA E.B. 2,3 D. AFONSO III. Planificação da disciplina de Matemática - CEF - 2º Ano Ano letivo de 2014/2015 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Planificação da disciplina de Matemática - CEF - 2º Ano Ano letivo de 2014/2015 COMPETÊNCIAS OBJECTIVOS CONCEITOS METEDOLOGIAS /SITUAÇÕES DE APREDIZAGEM AULAS PREVISTAS Módulo 11

Leia mais

Escola Secundária de Lousada. Matemática do 8º ano FT nº15 Data: / / 2013 Assunto: Preparação para o 1º teste de avaliação Lição nº e

Escola Secundária de Lousada. Matemática do 8º ano FT nº15 Data: / / 2013 Assunto: Preparação para o 1º teste de avaliação Lição nº e Escola Secundária de Lousada Matemática do 8º ano FT nº15 Data: / / 013 Assunto: Preparação para o 1º teste de avaliação Lição nº e Apresentação dos Conteúdos e Objetivos para o 3º Teste de Avaliação de

Leia mais

Matriz Curricular de Matemática 6º ao 9º ano 6º ano 6º Ano Conteúdo Sistemas de Numeração Sistema de numeração Egípcio Sistema de numeração Romano Sistema de numeração Indo-arábico 1º Trimestre Conjunto

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE FÍSICA 12º ANO Ano lectivo 2015/2016

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE FÍSICA 12º ANO Ano lectivo 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ BELCHIOR VIEGAS PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE FÍSICA 12º ANO Ano lectivo 2015/2016 Competências Gerais Conteúdos programáticos /Temas Objectivos Gerais Aulas Previstas (blocos

Leia mais

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº10 Prof. Daniel Szente

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº10 Prof. Daniel Szente Nome: Ano: º Ano do E.M. Escola: Data: / / 3º Ano do Ensino Médio Aula nº10 Prof. Daniel Szente Assunto: Função exponencial e logarítmica 1. Potenciação e suas propriedades Definição: Potenciação é a operação

Leia mais

Sumário 1.OPERAÇÕES COM NÚMEROS RACIONAIS...2. 1.1 Adição e Subtração de Números Racionais...2. 1.2 Multiplicação e Divisão de Números Racionais...

Sumário 1.OPERAÇÕES COM NÚMEROS RACIONAIS...2. 1.1 Adição e Subtração de Números Racionais...2. 1.2 Multiplicação e Divisão de Números Racionais... Sumário 1.OPERAÇÕES COM NÚMEROS RACIONAIS...2 1.1 Adição e Subtração de Números Racionais...2 1.2 Multiplicação e Divisão de Números Racionais...2 2.OPERAÇÕES COM NÚMEROS DECIMAIS...4 2.1 Adição e Subtração

Leia mais

1. Apresentação da Prova... 2. 2. Resultados Nacionais Globais... 4. 3. Resultados Nacionais por Área Temática... 5

1. Apresentação da Prova... 2. 2. Resultados Nacionais Globais... 4. 3. Resultados Nacionais por Área Temática... 5 0 ÍNDICE PROVA DE AFERIÇÃO DE MATEMÁTICA 2.º CICLO 1. Apresentação da Prova... 2 2. Resultados Nacionais Globais... 4 3. Resultados Nacionais por Área Temática... 5 4. Resultados Nacionais por Item...

Leia mais

Caderno 1: 30 minutos. Tolerância: 10 minutos. (é permitido o uso de calculadora)

Caderno 1: 30 minutos. Tolerância: 10 minutos. (é permitido o uso de calculadora) Prova Final de Matemática 2.º Ciclo do Ensino Básico Prova 62/1.ª Fase/2015 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho A PREENCHER PELO ALUNO Nome completo Documento de identificação Assinatura do Aluno CC

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ DISCIPLINA PRISE/PROSEL - 1ª ETAPA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ DISCIPLINA PRISE/PROSEL - 1ª ETAPA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ DISCIPLINA PRISE/PROSEL - 1ª ETAPA Competência Geral para a Matemática no Ensino Médio: Reconhecer, Interpretar e utilizar as informações matemáticas selecionadas a partir

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES MAGALHÃES 1º CICLO. Critérios de Avaliação. 1º Ano

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES MAGALHÃES 1º CICLO. Critérios de Avaliação. 1º Ano AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES MAGALHÃES 1º CICLO Critérios de Avaliação 1º Ano Disciplina: PORTUGUÊS Domínio Parâmetros de Avaliação Instrumentos de avaliação Ponderação Oralidade Assimilar e expressar

Leia mais

CIRCUNFERÊNCIA E POLÍGONOS. ROTAÇÕES

CIRCUNFERÊNCIA E POLÍGONOS. ROTAÇÕES B3 CIRCUNFERÊNCIA E POLÍGONOS. ROTAÇÕES Circunferência Circunferência é um conjunto de pontos do plano situados à mesma distância de um ponto fixo (centro). Corda é um segmento de recta cujos extremos

Leia mais

MATEMÁTICA A - 12o Ano N o s Complexos - Equações e problemas

MATEMÁTICA A - 12o Ano N o s Complexos - Equações e problemas MATEMÁTICA A - 1o Ano N o s Complexos - Equações e problemas Exercícios de exames e testes intermédios 1. Em C, conjunto dos números complexos, considere z = + i19 cis θ Determine os valores de θ pertencentes

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 34, Toledo PR Fone: 377-850 PLANEJAMENTO ANUAL DE MATEMÁTICA 5º Ano PROFESSORAS: JESSICA ALINE

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE MATEMÁTICA

PLANEJAMENTO ANUAL DE MATEMÁTICA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE MATEMÁTICA 6º ANO "... A minha contribuição

Leia mais

Escola Secundária Gabriel Pereira Évora Matemática A 10º ano. Planificação da Unidade Geometria

Escola Secundária Gabriel Pereira Évora Matemática A 10º ano. Planificação da Unidade Geometria Escola Secundária Gabriel Pereira Évora Matemática A 10º ano Planificação da Unidade Geometria 1. Generalidades Objecto da estatística e breve nota histórica sobre a evolução desta ciência; utilidade na

Leia mais

Currículo da Disciplina de Matemática - 7º ano. Funções, Sequências e Sucessões (FSS) Organização e Tratamento de Dados (OTD)

Currículo da Disciplina de Matemática - 7º ano. Funções, Sequências e Sucessões (FSS) Organização e Tratamento de Dados (OTD) Domínios de conteúdos: Números e Operações (NO) Geometria e Medida (GM) Funções, Sequências e Sucessões (FSS) Álgebra (ALG) Organização e Tratamento de Dados (OTD) Domínio NO7 9 GM7 33 Números racionais

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO 1º Ciclo Planificação Anual de Matemática 1º ano Ano Letivo 2015/2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO 1º Ciclo Planificação Anual de Matemática 1º ano Ano Letivo 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO 1º Ciclo Planificação Anual de Matemática 1º ano Ano Letivo 2015/2016 1º Trimestre Domínios Números e Operações Números naturais Contar até cinco Correspondências

Leia mais

Conselho de Docentes do 1.º Ano PLANIFICAÇÃO Anual de Matemática Ano letivo de 2015/2016

Conselho de Docentes do 1.º Ano PLANIFICAÇÃO Anual de Matemática Ano letivo de 2015/2016 Conselho de Docentes do 1.º Ano PLANIFICAÇÃO Anual de Matemática Ano letivo de 2015/2016 Domínios/Subdomínios Objetivos gerais Descritores de desempenho Avaliação Números e Operações Números naturais Contar

Leia mais

Caderno de Apoio 2.º Ciclo

Caderno de Apoio 2.º Ciclo METAS CURRICULARES DO ENSINO BÁSICO MATEMÁTICA Caderno de Apoio 2.º Ciclo António Bivar, Carlos Grosso, Filipe Oliveira, Maria Clementina Timóteo INTRODUÇÃO Este Caderno de Apoio, organizado por ciclos

Leia mais

Matriz do Teste de Avaliação de Física e Química A - 11.º ano 1 de fevereiro de 2016 120 minutos

Matriz do Teste de Avaliação de Física e Química A - 11.º ano 1 de fevereiro de 2016 120 minutos Ano Letivo 2015/ 2016 Matriz do Teste de Avaliação de Física e Química A - 11.º ano 1 de fevereiro de 2016 120 minutos Objeto de avaliação O teste tem por referência o programa de Física e Química A para

Leia mais

1 ELEMENTOS DA CIRCUNFERÊNCIA

1 ELEMENTOS DA CIRCUNFERÊNCIA Matemática 2 Pedro Paulo GEOMETRIA PLANA II 1 ELEMENTOS DA CIRCUNFERÊNCIA Circunferência é o conjunto de pontos que está a uma mesma distância (chamaremos essa distância de raio) de um ponto fixo (chamaremos

Leia mais

MATEMÁTICA. Recenseamento/Sondagem ESTATÍSTICA

MATEMÁTICA. Recenseamento/Sondagem ESTATÍSTICA MATEMÁTICA NOME: ANO: TURMA: N.º FICHA INFORMATIVA ESTATÍSTICA A estatística é uma área da Matemática que trata da recolha, organização, resumo e interpretação de dados, e está presente em todos os ramos

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE MATEMÁTICA

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE MATEMÁTICA PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE MATEMÁTICA 1- APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA A disciplina de matemática é uma área que abrange inúmeros saberes, onde o objeto de estudo ainda está em construção e centrado

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE. MATEMÁTICA 7º ano

PLANEJAMENTO ANUAL DE. MATEMÁTICA 7º ano COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE MATEMÁTICA 7º ano PROFESSORAS: SANDRA MARA

Leia mais

Agrupamento de Escolas António Feijó. Ano Letivo de 2014/2015. PLANIFICAÇÃO A MÉDIO PRAZO DE MATEMÁTICA 7º Ano 1.º PERÍODO.

Agrupamento de Escolas António Feijó. Ano Letivo de 2014/2015. PLANIFICAÇÃO A MÉDIO PRAZO DE MATEMÁTICA 7º Ano 1.º PERÍODO. Agrupamento de Escolas António Feijó Ano Letivo de 2014/2015 PLANIFICAÇÃO A MÉDIO PRAZO DE MATEMÁTICA 7º Ano 1.º PERÍODO Unidade 1 Números racionais. Números primos e números compostos.. Máximo divisor

Leia mais

Possibilitar ao candidato condições para que ele possa fazer uma breve revisão dos conteúdos no ensino fundamental.

Possibilitar ao candidato condições para que ele possa fazer uma breve revisão dos conteúdos no ensino fundamental. INTRODUÇÃO Esse trabalho abordará alguns conceitos importantes sobre a Matemática no Ensino Fundamental. Além desse material, indicamos que você leia livros, acesse sites relacionados à Matemática para

Leia mais

19 de Outubro de 2012

19 de Outubro de 2012 Escola Básica Integrada com JI de Santa Catarina Ficha de Avaliação de Matemática 19 de Outubro de 2012 A PREENCHER PELO ALUNO 8ºano Nome: nº Turma A PREENCHER PELO PROFESSOR Classificação: Nível: ( )

Leia mais

Metas Curriculares. Ensino Básico. Matemática. António Bivar, Carlos Grosso, Filipe Oliveira, Maria Clementina Timóteo

Metas Curriculares. Ensino Básico. Matemática. António Bivar, Carlos Grosso, Filipe Oliveira, Maria Clementina Timóteo Metas Curriculares Ensino Básico Matemática António Bivar, Carlos Grosso, Filipe Oliveira, Maria Clementina Timóteo METAS CURRICULARES DO ENSINO BÁSICO - MATEMÁTICA O presente documento descreve o conjunto

Leia mais

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS LENIMAR NUNES DE ANDRADE INTRODUÇÃO À ÁLGEBRA: QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS 1 a edição ISBN 978-85-917238-0-5 João Pessoa Edição do Autor 2014 Prefácio Este texto foi elaborado para a disciplina Introdução

Leia mais

EMENTA 6 ANO - II TRIMESTRE Data Conteúdo Conteúdo das provas

EMENTA 6 ANO - II TRIMESTRE Data Conteúdo Conteúdo das provas EMENTA 6 ANO - II TRIMESTRE Data Conteúdo Conteúdo das provas 2-junho Reduzindo duas ou mais frações ao mesmo denominador Prova 1 3-junho Adição e subtração de frações - Números Primos 5-junho Adição e

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016 1º CICLO - 2º ANO DE ESCOLARIDADE PORTUGUÊS PLANIFICAÇÃO MENSAL DE JANEIRO DOMÍNIOS METAS/OBJETIVOS OPERACIONALIZAÇÃO (DESCRITORES) MATERIAIS/ RECURSOS ORALIDADE

Leia mais

Aprender com o scratch. E.B. 2,3 José Afonso, Alhos Vedros Filomena Benavente e Ricardo Costa 5.º ano matemática

Aprender com o scratch. E.B. 2,3 José Afonso, Alhos Vedros Filomena Benavente e Ricardo Costa 5.º ano matemática Aprender com o scratch Filomena Benavente e Ricardo Costa 5.º ano matemática 2012 Aprender com o scratch Filomena Benavente e Ricardo Costa 2012 Designação: Aprender com o scratch Enquadramento curricular

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PREFEITO WILLIAMS DE SOUZA ARRUDA PROFESSOR: PEDRO ROMÃO BATISTA COMPONENTE CURRICULAR: MATEMÁTICA

ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PREFEITO WILLIAMS DE SOUZA ARRUDA PROFESSOR: PEDRO ROMÃO BATISTA COMPONENTE CURRICULAR: MATEMÁTICA ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PREFEITO WILLIAMS DE SOUZA ARRUDA PROFESSOR: PEDRO ROMÃO BATISTA COMPONENTE CURRICULAR: MATEMÁTICA PLANOS DE CURSO PARA 6º E 7º ANOS Campina Grande, 2011 -

Leia mais

Prova Escrita de Matemática A

Prova Escrita de Matemática A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Matemática A 12.º Ano de Escolaridade Prova 635/2.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 150 minutos. Tolerância:

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRANDELA Escola Secundária/3 de Mirandela

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRANDELA Escola Secundária/3 de Mirandela AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRANDELA Plano a médio prazo 204/205 27 horas----------32 s Temas/Conteúdos Estatística. Generalidades - População e amostra. Unidade estatística. - Censo e Sondagem. Técnica

Leia mais

Apenas o enunciado da prova será recolhido. As cotações dos itens de cada uma das partes encontram-se no final do respetivo caderno da prova.

Apenas o enunciado da prova será recolhido. As cotações dos itens de cada uma das partes encontram-se no final do respetivo caderno da prova. Provas a Nível de Escola PROVA FINAL DO 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO Matemática/Prova 52/1ª Fase/2014 Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho A PREENCHER PELO ESTUDANTE Nome completo Documento de CC identificação

Leia mais

(Exames Nacionais 2002)

(Exames Nacionais 2002) (Exames Nacionais 2002) 105. Na figura estão representadas, num referencial o.n. xoy: parte do gráfico de uma função f, de domínio R +, definida por f(x)=1+2lnx; a recta r, tangente ao gráfico de f no

Leia mais

"SISTEMAS DE COTAGEM"

SISTEMAS DE COTAGEM AULA 6T "SISTEMAS DE COTAGEM" Embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. A cotagem do desenho técnico deve tornar

Leia mais

muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas pilotos possa

muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas pilotos possa Carta Aeronáutica é a mapa projetou ajudar dentro navegação de avião, muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas

Leia mais

FRAÇÕES DE UMA QUANTIDADE

FRAÇÕES DE UMA QUANTIDADE FRAÇÕES DE UMA QUANTIDADE FRAÇÕES DE UMA QUANTIDADE PREPARANDO O BOLO DICAS Helena comprou 4 ovos. Ela precisa de dessa quantidade para fazer o bolo de aniversário de Mariana. De quantos ovos Helena vai

Leia mais

Domínio Subdomínio Conteúdos Metas

Domínio Subdomínio Conteúdos Metas Escola Básica e Secundária da Graciosa Planificação Anual de Matemática de 1º ano Ano letivo 2014/2015 Períodos Domínio Subdomínio Conteúdos Metas Situar-se e situar objetos no espaço - Relações de posição

Leia mais

Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1

Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1 Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1 Índice Pg. Números Naturais... 02 Números Inteiros... 06 Números Racionais... 23 Números Decimais... - Dízimas Periódicas... - Expressões Numéricas... - Divisibilidade...

Leia mais

VERSÃO DE TRABALHO. Prova Final de Matemática. 2.º Ciclo do Ensino Básico. Prova 62/2.ª Fase. Critérios de Classificação.

VERSÃO DE TRABALHO. Prova Final de Matemática. 2.º Ciclo do Ensino Básico. Prova 62/2.ª Fase. Critérios de Classificação. Prova Final de Matemática 2.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 62/2.ª Fase Critérios de Classificação 9 Páginas 2015 Prova 62/2.ª F. CC Página 1/ 9 CRITÉRIOS GERAIS

Leia mais

Projeção Perspectiva. Desenho Técnico I Profº Msc. Edgar Nogueira Demarqui

Projeção Perspectiva. Desenho Técnico I Profº Msc. Edgar Nogueira Demarqui Projeção Perspectiva Desenho Técnico I Profº Msc. Edgar Nogueira Demarqui Definição Quando olhamos para um objeto, temos a sensação de profundidade e relevo; O desenho, para transmitir essa mesma idéia,

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE MATEMÁTICA 5ª. SÉRIE, 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º BIMESTRE DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO CAIEIRAS

PLANO DE ENSINO DE MATEMÁTICA 5ª. SÉRIE, 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º BIMESTRE DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO CAIEIRAS PLANO DE ENSINO DE MATEMÁTICA 5ª. SÉRIE, 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º BIMESTRE 1-Estrutura do ensino de numeração decimal; agrupamento e contagens; valor posicional; operações básicas; operações inversas;

Leia mais

7º ano Teste de Sondagem. Língua Portuguesa. Matemática

7º ano Teste de Sondagem. Língua Portuguesa. Matemática 7º ano Teste de Sondagem Interpretação e produção de textos de gêneros variados: Carta, notícia, artigo de Opinião, relatos de viagem, tirinha, charge. Sistema de numeração decimal Conjunto dos números

Leia mais