Capítulo 5: Aplicações da Derivada

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capítulo 5: Aplicações da Derivada"

Transcrição

1 Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo 5: Aplicações da Derivada 5- Acréscimos e Diferenciais - Acréscimos Seja y f ( uma função Se x varia de x a x, definimos o acréscimo de x, denotado por x, como x x x A variação de x origina uma correspondente variação de y, denotada por y, dada por: y f x ) f ( x ) f ( x + f ( ) ( x - Diferenciais Sejam y f ( uma função derivável e x um acréscimo de x Definimos: a) A diferencial da variável independente x, denotada por dx, como dx x A diferencial da variável dependente y, denotada por dy, como dy f '( x f '( dx dy Observação: De acordo com a definição anterior, podemos escrever f '( dx usada para f '(, pode agora ser considerada um quociente entre duas diferenciais dy A notação, já dx 3- Interpretação Geométrica Consideremos a figura ao lado, que representa o gráfico de uma função y f ( derivável O acréscimo x que define a diferencial dx está geometricamente representado pela medida do segmento PM O acréscimo y está representado pela medida do segmento MQ A reta t é tangente à curva no ponto P Esta reta corta a reta x x no ponto R, formando o triângulo retângulo PMR MR dy A inclinação desta reta t é dada por f '( x ) tgα Usando o fato de que f '( x ), concluímos PM dx que dy MR, já que PM dx Observamos que, quando x torna-se muito pequeno, o mesmo ocorre com a diferença y dy Usamos esse fato em exemplos práticos, considerando y dy, desde que o x considerado seja um valor pequeno 83

2 4- Exemplos Se y x 6x + 5, calcule o acréscimo y para x 3 e x 0, 0 Se y 6x 4, calcule y e dy para x e x 0, 00 3 Calcule um valor aproximado para 3 65, 5 usando diferenciais 4- Obtenha o volume de uma fina coroa cilíndrica de altura m, raio interior 7 m e espessura 0,05 m Qual o erro decorrente se resolvermos usando diferenciais? 5- Exercícios Página 78 do livro texto (números 6 ao 36) 84

3 53- Taxa de Variação Taxas Relacionadas - Definições Dada uma função y f (, quando a variável independente varia de x a x + x, a correspondente variação de y será y f ( x + f ( O quociente y f ( x + f ( x ) representa a taxa (razão) média de variação de y em relação a x x x f ( x + f ( A derivada f '( lim é a taxa instantânea de variação de y em relação a x ou, x 0 x simplesmente, taxa de variação de y em relação a x - Exemplos Quando um corpo se move em uma trajetória qualquer com a equação do movimento s s(t), a sua velocidade é dada por v s '( t), que é a taxa de variação da função s (t) por unidade de variação do tempo t A aceleração é dada por a ( t) v '( t) ; assim a (t) é a taxa de variação da função v(t) por unidade de variação do tempo t Sejam A a área de um quadrado e l seu lado Determine: a) a taxa de variação média da área de um quadrado em relação ao lado quando este varia de,5 a 3 m; a taxa de variação da área em relação ao lado quando este mede 4m 3 Uma cidade X é atingida por uma moléstia epidêmica Os setores de saúde calculam que o número de pessoas atingidas pela moléstia depois de um tempo t (medido em dias a partir do primeiro dia da 3 t epidemia) é, aproximadamente, dado por f ( t) 64t 3 a) Qual a razão (taxa) da expansão da epidemia no tempo t 4? 85

4 Qual a razão da expansão da epidemia no tempo t 8? Quantas pessoas serão atingidas pela epidemia no 5º dia? 4 Analistas de produção verificaram que em uma montadora, o número de peças produzidas nas 50( t + t), para 0 t 4 primeiras t horas diárias de trabalho é dado por f ( t) 00( t + ), para 4 t 8 a) Qual a razão de produção (em unidades por hora) após 3 horas de trabalho? E após 7 horas? Quantas peças são produzidas na 8ª hora de trabalho? 86

5 5 Um reservatório de água está sendo esvaziado para limpeza A quantidade de água no reservatório, em litros, t horas após o escoamento ter começado é dada por V 50(80 t) Determine: a) a taxa de variação média do volume de água no reservatório durante as 0 primeiras horas de escoamento; a taxa de variação do volume de água no reservatório após 8 horas de escoamento; a quantidade de água que sai do reservatório nas 5 primeiras horas de escoamento Taxas Relacionadas: Em muitas situações, a quantidade em estudo é dada por uma função composta Nestes casos, para determinar a taxa de variação devemos usar a regra da cadeia 6 Um quadrado de lado l está se expandindo segundo a equação l + t, onde a variável t representa o tempo Determinar a taxa de variação da área desse quadrado no tempo t 87

6 7 O raio de uma circunferência cresce à razão de cm/s Qual a taxa de crescimento do comprimento da circunferência em relação ao tempo? 8 Um ponto P ( x, y) se move ao longo do gráfico da função y Se a abscissa varia à razão de 4 x unidades por segundo, qual é a taxa de variação da ordenada quando a abscissa é x? 0 9 Acumula-se areia em um monte com a forma de um cone onde a altura é igual ao raio da base Se o volume de areia cresce a uma taxa de 0 m 3 /h, a que razão aumenta a área da base quando a altura do monte é de 4 m? 0 Uma escada de 5m está apoiada a uma parede vertical Num dado instante, o pé da escada está a 3m da base da parede da qual se afasta à razão de m/s Com que velocidade se move o topo da escada ao longo da parede neste instante? 54- Exercícios Páginas 9 e 9 do livro texto (números ao 6) 88

7 55- Análise do Comportamento de uma Função Dada uma curva y f (, usaremos a derivada para obter alguns dados acerca da curva Por exemplo, discutiremos os pontos de máximos e mínimos, os intervalos onde a curva é crescente ou decrescente, etc Esses dados nos levam a um método geral para construir esboços de gráficos de funções 55- Máximos e Mínimos Definições: Uma função f tem um máximo relativo (local) em c, se existir um intervalo aberto I, contendo c, tal que f ( f (, para todo x I D( f ) Uma função f tem um mínimo relativo (local) em c, se existir um intervalo aberto I, contendo c, tal que f ( f (, para todo x I D( f ) Se f tem um máximo relativo (ou mínimo relativo) em c, então o ponto (, f ( ) extremo da função e f ( é chamado máximo relativo (ou mínimo relativo) Exemplos: c é chamado ponto Os pontos de abscissa x, x, x3 e x4 são pontos extremos da função f representada pelo gráfico ao lado f x ) e f ( ) são máximos relativos ( x3 f x ) e f ( ) são mínimos relativos ( x4 4 A função f ( 3x x tem um máximo relativo em c 0, pois existe o intervalo (,) tal que f ( 0) f (, para todo x (,) Em c e c, a função tem mínimos relativos, pois 3, para todo (,0) f ( ) f ( x ( 0,) x, e f ( ) f (, para todo Teorema Seja f uma função definida no intervalo aberto (, e se f '( existe, então f '( 0 a, Se f tem um extremo relativo em c, onde a < c < b Demonstração: Suponhamos que f tenha um ponto de máximo relativo em c e que f '( existe Então, f ( f ( f ( f ( f ( f ( f '( lim lim lim x c + x c x c x c x c x c Como f tem um ponto de máximo relativo em c, se x estiver suficientemente próximo de c, temos f ( f (, ou seja, f ( f ( 0 89

8 Se x + c, temos x c > 0 e, assim, f ( f ( f ( f ( 0 Logo, f '( lim 0 (I) + x c x c x c Se x c, temos x c < 0 e, assim, f ( f ( f ( f ( 0 Logo, f '( lim 0 (II) x c x c x c De (I) e (II) concluímos que f '( 0 Se f tem um ponto de mínimo relativo em c, a demonstração é análoga Observações: - Geometricamente, se f tem um extremo relativo em c (a, e se f '( existe, então o gráfico de y f ( tem uma reta tangente horizontal no ponto onde x c - Se f '( 0, a função pode ter ou não um extremo relativo em c Por exemplo, se f ( 3 x temos f '(0) 0 e f não tem um extremo relativo em 0; se g ( x temos g '(0) 0 e g tem um extremo relativo em 0 3- Se f '( não existe, a função pode ter ou não um extremo relativo em c f '( não existe e f tem extremo relativo em c f '( não existe e f não tem extremo relativo em c 4- O ponto c D( f ) tal que f '( 0 ou f '( não existe é chamado ponto crítico de f 5- Dizemos que f ( é o máximo absoluto da função f se f ( f ( para todo x no domínio de f Dizemos que f ( é o mínimo absoluto da função f se f ( f ( para todo x no domínio de f Exemplos: A função f ( 3x definida em [,3) tem um mínimo absoluto igual a 3 e não admite máximo absoluto nesse intervalo A função f ( x + possui máximo absoluto igual a e mínimo absoluto igual a 7 quando definida em [ 3,] A função f ( x + 6x 3 tem mínimo absoluto igual a em c 3, pois f ( 3) f (, para todo x R A função f ( x + 6x 3 tem máximo absoluto igual a 6 em c 3, pois f ( 3) 6 f (, para todo x R Teorema (Weierstrass) f a, b Seja : [ ] R uma função contínua definida em um intervalo fechado [ b] absoluto e mínimo absoluto em [ a, b] a, Então f assume máximo Observação: Note que os candidatos a c M (abscissa do ponto de máximo absoluto) e c m (abscissa do ponto de mínimo absoluto) são os pontos críticos de f em ( a, juntamente com os extremos a e b do a, b intervalo [ ] 90

9 55- Teoremas sobre Derivadas Teorema de Rolle Seja f uma função contínua em [ a, b] e derivável em ( f ( a) f ( b, então existe c ( a, tal que '( 0 Se ) Demonstração: a, f Se f é constante em [ a, b] então f '( 0, para todo c ( a, Seja f não constante Como f é contínua em [ b] seu mínimo m em [ a, b] Se ambos fossem atingidos nas extremidades e sendo ( a) f ( M m e, assim, f seria constante Logo, f atingirá seu máximo M ou seu mínimo m em c ( a, f é derivável em ( a,, concluímos que f '( 0 a,, pelo teorema de Weierstrass, f atinge seu máximo M e f teríamos Como Teorema do Valor Médio Seja f uma função contínua em [ a, b] e derivável em ( Então existe c ( a, tal que f ( f ( a) f '( b a Demonstração: Sejam P ( a, f ( a) ) e Q( b, f ( ) A equação da reta que passa pelos pontos P e Q é dada por: y f ( a) f ( f ( a) ( x a) b a Fazendo y h( temos : h( f ( f ( a) ( x a) + b a f ( a) Como h ( é uma função polinomial, h ( é contínua e derivável em todos os pontos Consideremos a função g( f ( h( Esta função determina a distância vertical entre um ponto ( x, f ( ) do gráfico de f e o ponto correspondente na reta secante PQ f ( f ( a) Temos: g( f ( ( x a) f ( a) b a A função g ( satisfaz as hipóteses do Teorema de Rolle em [ a, b], pois: g ( é contínua em [ a, b] já que f ( e h( são contínuas em [ a, b] ; g ( é derivável em ( a, já que f ( e h( são deriváveis em ( a, ; g ( a) 0 g( Portanto, existe um ponto c ( a, tal que g '( 0 Como g '( f '( f ( f ( a), temos b a g '( f '( f ( f ( a) f ( f ( a) 0 Segue que f '( b a b a Observação: Geometricamente, o teorema do valor médio estabelece que se a função y f ( é contínua em [ a, b] e derivável em ( a,, então existe pelo menos um ponto c ( a, onde a tangente à curva é paralela à reta que passa pelos pontos P ( a, f ( a) ) e Q( b, f ( ) a, 9

10 553- Funções Crescentes e Decrescentes Definições: Dizemos que uma função f, definida em um intervalo I, é crescente neste intervalo se para quaisquer x x I, x < x, temos f ( x ) < f ( ), x Dizemos que uma função f, definida em um intervalo I, é decrescente neste intervalo se para quaisquer x x I, x < x, temos f ( x ) > f ( ), x Se uma função é crescente ou decrescente num intervalo, dizemos que é monótona neste intervalo f crescente f decrescente Proposição Seja f uma função contínua no intervalo [ a, b] e derivável no intervalo ( a) Se f '( > 0 para todo x ( a,, então f é crescente em [ a, b] Se f '( < 0 para todo x ( a,, então f é decrescente em [ a, b] Demonstração: Sejam x, x [ a, b] tais que x < x Então f é contínua em [ x, x ] e derivável em ( x, x ) Pelo teorema f ( x ) do valor médio, segue que existe c ( x, x ) tal que f '( x x a) Por hipótese, f '( > 0 para todo x ( a, Assim f '( > 0 e, como x < x, temos x x > 0 Concluímos que f x ) f ( x ) > 0, ou seja, f ( x ) > f ( ) a, b ( x a, Logo, f é crescente em [ ] Por hipótese, '( < 0 x a, b Então f '( < 0 e, como x < x, temos x x > 0 Concluímos que f x ) f ( x ) < 0, isto é, f ( x ) < f ( ) a, b f para todo ( ) Logo, f é decrescente em [ ] ( x Observação: A hipótese da continuidade de f no intervalo fechado [ a, b] é muito importante x +, para 0 x < Por exemplo, seja f : [ 0, ] R definida por f ( Temos que f '( > 0, para x para x ( 0, ) e, no entanto, f não é crescente em [ 0, ] A proposição não pode ser aplicada, pois f não é contínua em Exemplos: Determinar os intervalos nos quais as seguintes funções são crescentes ou decrescentes a) f ( x 3 + f ( x x + 5 f ( x 4, x, se se x x 9

11 554- Critérios para determinar os extremos de uma função Teorema (Critério da derivada primeira para determinação de extremos de uma função) Seja f uma função contínua em [ a, b] e derivável em ( a,, exceto possivelmente num ponto c a) Se f '( > 0 para todo x < c e f '( < 0 para todo x > c, então f tem um máximo relativo em c Se f '( < 0 para todo x < c e f '( > 0 para todo x > c, então f tem um mínimo relativo em c Demonstração: a) Podemos concluir que f é crescente em [ a, c] e decrescente em [ b] x c em ( a, e, assim, f tem um máximo relativo em c Concluímos que f é decrescente em [ a, c] e crescente em [ b] x c em ( a, e, portanto, f tem um mínimo relativo em c c, Portanto, f ( < f ( para todo c, Logo, f ( > f ( para todo Teorema (Critério da derivada segunda para determinação de extremos de uma função) Sejam f uma função derivável num intervalo ( a, e c um ponto crítico de f neste intervalo, isto é, f '( 0, com a < c < b Se f admite derivada segunda em ( a,, temos: a) Se f ''( < 0, f tem um máximo relativo em c Se f ''( > 0, f tem um mínimo relativo em c Demonstração: f '( f '( a) Temos que f ''( lim < 0 x c x c f '( f '( f '( que < 0 para todo x ( e, f ), x c, isto é, < 0 x c x c f '( 0 Sejam A ( e, e B ( c, f ) Se x A temos x c < 0 e resulta que f '( > 0 Se x B temos x c > 0 e resulta que f '( < 0 Pelo critério da derivada primeira, f tem máximo relativo em c A prova é análoga Logo, existe um intervalo aberto I ( e, f ) para todo x ( e, f ), contendo c, tal, x c, já que Exemplos: Encontre os intervalos de crescimento, decrescimento e os máximos e mínimos relativos de f aplicando o critério da derivada primeira 3 a) f ( x 7x + 6 f ( ( x ) ( x + 7), 3, se x 5 se x > 5 Encontre os máximos e os mínimos relativos de f aplicando o critério da derivada segunda a) f ( x( x ) 3 f ( 6x 3x + x 93

12 555- Concavidade e Pontos de Inflexão Definições: a,, se f '( é crescente neste intervalo Geometricamente, o gráfico de f está acima da reta tangente à curva nos pontos de abscissa no intervalo ( a, e a reta tangente à curva gira no sentido anti-horário à medida que avançamos sobre a curva da esquerda para a direita Uma função f é dita côncava para cima no intervalo ( a,, se f '( é decrescente neste intervalo Geometricamente, o gráfico de f está abaixo da reta tangente à curva nos pontos de abscissa no intervalo ( a, e a reta tangente à curva gira no sentido horário à medida que avançamos sobre a curva da esquerda para a direita Uma função f é dita côncava para baixo no intervalo ( Um ponto ( c, f ( ) intervalo ( a) f é côncava para cima em ( a, e côncava para baixo em ( f é côncava para baixo em ( a, e côncava para cima em ( P do gráfico de uma função contínua f é chamado ponto de inflexão, se existir um a, contendo c tal que uma das seguintes situações ocorra: c, ; c, Os pontos de abscissa c, c, c3 e c4 são pontos de inflexão Observe que c e c3 são abscissas de pontos extremos de f e que f não é derivável nestes pontos Nos pontos c e c4 existem as derivadas f ( c ) e f '( ) Nos pontos ( c f ( c )) e ( c, f ( )) a reta tangente corta o gráfico de f ' c4, 4 c4 94

13 Proposição Seja f uma função contínua no intervalo [ a, b] e derivável até ª ordem no intervalo ( a) Se f ''( > 0 para todo x ( a,, então f é côncava para cima em ( a, f ''( < para todo x ( a,, então f é côncava para baixo em ( Se 0 Demonstração: a) Como f ''( [ f '( ] ', se ''( > 0 ( a, Logo, f é côncava para cima em ( a, Se ''( < 0 baixo em ( a, f para todo x ( a, f para todo x ( a, temos que '( a, a, temos que f '( é crescente no intervalo f é decrescente em ( a, Assim, f é côncava para Exemplos: Determinar os pontos de inflexão e reconhecer os intervalos onde as funções têm concavidade voltada para cima ou para baixo a) f ( ( x ) 3 f 4 ( x x f ( x, ( x ), se x se x > 95

14 556- Esboço de Gráficos Utilizando todos os itens citados na análise do comportamento de uma função f, bem como, a existência ou não de assíntotas horizontais e verticais, podemos fazer um resumo de atividades que nos levarão ao esboço de gráficos ETAPAS PROCEDIMENTO DEFINIÇÕES E TEOREMAS UTILIZADOS ª Encontrar D(f) ª Calcular os pontos de interseção com os eixos, quando não requer muito trabalho 3ª Encontrar os pontos críticos de f O ponto c D(f) tal que f ( 0 ou f ( não existe é chamado ponto crítico de f 4ª Determinar os intervalos de crescimento e decrescimento de f 5ª Encontrar os máximos e mínimos relativos 6ª Determinar a concavidade e os pontos de inflexão de f 7ª Encontrar as assíntotas horizontais e verticais, se existirem Seja f uma função contínua no intervalo [a, b] e derivável no intervalo (a, a) Se f ( > 0 para todo x (a,, então f é crescente em [a, b] Se f ( < 0 para todo x (a,, então f é decrescente em [a, b] Critério da derivada primeira para determinação de extremos: Seja f uma função contínua no intervalo [a, b] e derivável no intervalo (a,, exceto possivelmente num ponto c a) Se f ( > 0 para todo x < c e f ( < 0 para todo x > c, então f tem um máximo relativo em c Se f ( < 0 para todo x < c e f ( > 0 para todo x > c, então f tem um mínimo relativo em c ou Critério da derivada segunda para determinação de extremos: Sejam f uma função derivável no intervalo (a, e c um ponto crítico de f neste intervalo, isto é, f ( 0, com a < c < b Se f admite a derivada f em (a,, temos: a) Se f ( < 0, f tem máximo relativo em c Se f ( > 0, f tem mínimo relativo em c O ponto do gráfico de f no qual a concavidade muda de sentido é chamado ponto de inflexão Seja f uma função contínua no intervalo [a, b] e derivável até ª ordem no intervalo (a, a) Se f ( > 0 para todo x (a,, então f é côncava para cima em (a, Se f ( < 0 para todo x (a,, então f é côncava para baixo em (a, A reta x a é uma assíntota vertical do gráfico de f se pelo menos uma das seguintes afirmações for verdadeira: a) lim f ( + lim f ( + + x a lim f ( + x a x a d) lim f ( x a 8ª Esboçar o gráfico A reta y b é uma assíntota horizontal do gráfico de f se pelo menos uma das seguintes afirmações for verdadeira: a) lim f ( b lim f ( b x + x 96

15 Exemplos: Esboçar o gráfico das seguintes funções: 4 3 a) f ( 3x 8x + 6x + 97

16 x f ( x 3 98

17 ( ) 3 f ( x Exercícios Páginas 5, 6, 7 e 8 do livro texto (números ao 5) 99

18 57- Problemas de Maximização e Minimização O primeiro passo para solucionar estes problemas é escrever precisamente qual a função que deverá ser analisada Esta função poderá ser escrita em função de uma ou mais variáveis Quando a função é de mais de uma variável devemos procurar expressar uma das variáveis em função da outra Com a função bem definida, devemos identificar um intervalo apropriado e proceder a rotina matemática aplicando definições e teoremas Exemplos: Um galpão deve ser construído tendo uma área retangular de 00 m A prefeitura exige que exista um espaço livre de 5 m na frente, 0 m atrás e m em cada lado Encontre as dimensões do lote que tenha área mínima na qual possa ser construído este galpão Uma rede de água potável ligará uma central de abastecimento situada à margem de um rio de 500 m de largura a um conjunto habitacional situado na outra margem do rio, 000 m abaixo da central O custo da obra através do rio é de R$640,00 por metro, enquanto, em terra, custa R$3,00por metro Qual é a forma mais econômica de se instalar a rede de água potável? 00

19 3 Um fio de comprimento l é cortado em dois pedaços Com um deles se fará um círculo e com o outro um quadrado a) Como devemos cortar o fio a fim de que a soma das duas áreas compreendidas pelas figuras seja mínima? Como devemos cortar o fio a fim de que a soma das áreas compreendidas seja máxima? 4 Uma caixa sem tampa, de base quadrada, deve ser construída de forma que o seu volume seja 500 m 3 O material da base vai custar R$00,00 por m e o material dos lados R$980,00 por m Encontre as dimensões da caixa de modo que o custo do material seja mínimo 58- Exercícios Páginas 4, 5 e 6 do livro texto 0

20 59- Regras de L Hospital As Regras de L Hospital apresentam um método geral para levantar indeterminações do tipo 0 0 ou Teorema (Regras de L Hospital) Sejam f e g funções deriváveis num intervalo aberto I, exceto possivelmente em um ponto Suponhamos que g '( 0 para todo x a em I f '( f ( f '( a) Se lim f ( lim g( 0 e lim L então lim lim x a x a x a g '( x a g( x a g '( L f '( f ( f '( Se lim f ( lim g( e lim L então lim lim x a x a x a g '( x a g( x a g '( L a I Observações: f '( - Se lim f ( lim g( 0 ou lim f ( lim g( e lim x a x a x a x a x a g '( f ( f '( continua valendo, isto é, lim lim x a g( x a g '(, a Regra de L Hospital - A Regra de L Hospital também é válida para os limites laterais e para limites no infinito ( ± ) x Exemplos: Determinar os seguintes limites usando a Regra de L Hospital x a) lim x 0 x e x + x lim x x 3x + 6 senx x lim x 0 x x e + e d) e x lim x + x 3 + 4x 0

21 e) ( ) x lim 3x + 9 x + f) lim + x x sen x g) lim x 0 x + x cos x h) lim ( x + x + x 0 i) lim + x + x x 50- Exercícios Páginas 3 e 33 do livro texto 03

22 5- Fórmula de Taylor A Fórmula de Taylor consiste num método de aproximação de uma função por um polinômio, com erro possível de ser estimado Definição Seja f : I R uma função que admite derivadas até ordem n num ponto c do intervalo I O polinômio de Taylor de ordem n de f no ponto c, que denotamos por (, é dado por: ( n) f ''( f ( n Pn ( f ( + f '( ( x + ( x + + ( x! n! Dado o polinômio de Taylor de grau n de uma função f (, denotamos por R n ( a diferença entre f ( e P (, isto é, R ( f ( P ( n n n ( n) f ''( f ( n Assim, f ( Pn ( + Rn ( f ( + f '( ( x + ( x + + ( x + Rn (! n! Para os valores de x nos quais R n ( é pequeno, o polinômio P n ( dá uma boa aproximação de f ( Por isso R n ( chama-se resto P n Teorema (Fórmula de Taylor) f a, b Seja : [ ] R uma função definida no intervalo [ a, b] ( n) Suponhamos que as derivadas f ', f '',, f existam e sejam contínuas em [ b] ( a, Seja c um ponto qualquer fixado em [ a, b] Então para cada x [ a b], x c a, e que ( n + ) f exista em,, existe um ponto z entre c e x tal que f ( f ( + f '( ( x + ( n) ( n + ) f ''( f ( n f ( z) ( x + + ( x + ( x! n! ( n + )! Observação: Quando c 0, a Fórmula de Taylor recebe o nome de Fórmula de Mac-Laurin e se expressa como f ( f (0) + f '(0) x + ( n) ( n + ) f ''(0) f (0) n f ( z) n + x + + x + x! n! ( n + )! Demonstração: Faremos a demonstração supondo x > c Para x < c, o procedimento é análogo Sejam P n (t) o polinômio de Taylor de grau n de f no ponto c e R n (t) o resto correspondente Então, f ( t) Pn ( t) + Rn ( t), para qualquer t [ a, b] No ponto x temos: ( n) f ''( f ( n f ( f ( + f '( ( x + ( x + + ( x + Rn (! n! ( n + ) f ( z) n + Devemos mostrar que R n( ( x, onde z é um número entre c e x ( n + )! n + 04

23 Seja g [ c, x] R g : a função definida por f ''( t) f ( t) ( x t)! n! ( x c, x Além disso, temos que g ( 0 g( Pelo z c, x tal que g '( z) ( n) n + n ( t) f ( f ( t) f '( t)( x t) ( x t) ( x t) Rn ( n + Temos que g é contínua em [ x] Teorema de Rolle em [ x] Derivando a função g obtemos c, e derivável em ( ) c, existe ( ) 0 f ( z) ( n + )! ( n + ) n + R n( ( x Observação: ( n + ) f ( z) n + Na Fórmula de Taylor apresentada, o resto R n( ( x Essa forma para o resto é ( n + )! chamada Forma de Lagrange do Resto e a Fórmula de Taylor é chamada Fórmula de Taylor com Resto de Lagrange Exemplos: Determinar os polinômios de Taylor de grau e de grau 4 da função f ( cos x no ponto c 0 Esboçar o gráfico de f e dos polinômios encontrados Usando o polinômio P 4( x ) para determinar um valor aproximado para cos π, o que se pode afirmar 6 sobre o erro cometido? 05

24 Determinar o polinômio de Taylor de grau 6 da função polinômio para determinar um valor aproximado para π sen 3 f ( senx no ponto c Fazer uma estimativa para o erro π Usar este 4 06

25 Usando a Fórmula de Taylor, pode-se demonstrar a seguinte proposição que nos dá mais um critério para determinação de máximos e mínimos de uma função Proposição Seja f : ( a, ( n) R uma função derivável n vezes e cujas derivadas f ', f '',, f são contínuas em ( a, Seja c ( a, um ponto crítico de f tal que f '( f ''( ( n ) f ( 0 e ( n) f ( 0 Então, a) se n é par e ( ) f n ( < 0, f tem máximo relativo em c; ( ) se n é par e f n ( > 0, f tem mínimo relativo em c; se n é ímpar, ( c, f ( ) é ponto de inflexão Exemplos: Determinar os extremos da função 6 f ( ( x ) Pesquisar máximos e mínimos da função f ( x 5 3 x 5- Exercícios Página 39 do livro texto 07

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas Resolução dos Eercícios sobre Derivadas Eercício Utilizando a idéia do eemplo anterior, encontre a reta tangente à curva nos pontos onde e Vamos determinar a reta tangente à curva nos pontos de abscissas

Leia mais

Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias 1. Trajectórias Planas. 1 Trajectórias. 4.3 exercícios... 6. 4 Coordenadas polares 5

Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias 1. Trajectórias Planas. 1 Trajectórias. 4.3 exercícios... 6. 4 Coordenadas polares 5 Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias Trajectórias Planas Índice Trajectórias. exercícios............................................... 2 2 Velocidade, pontos regulares e singulares 2 2. exercícios...............................................

Leia mais

9. Derivadas de ordem superior

9. Derivadas de ordem superior 9. Derivadas de ordem superior Se uma função f for derivável, então f é chamada a derivada primeira de f (ou de ordem 1). Se a derivada de f eistir, então ela será chamada derivada segunda de f (ou de

Leia mais

7 AULA. Curvas Polares LIVRO. META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares).

7 AULA. Curvas Polares LIVRO. META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares). 1 LIVRO Curvas Polares 7 AULA META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares). OBJETIVOS Estudar movimentos de partículas no plano. Cálculos com curvas planas em coordenadas polares.

Leia mais

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980 Questão 1. Uma venda imobiliária envolve o pagamento de 12 prestações mensais iguais a R$ 10.000,00, a primeira no ato da venda, acrescidas de uma parcela final de R$ 100.000,00, 12 meses após a venda.

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então:

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então: FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de = 0. Então: (A) f tem necessariamente derivada finita em = 0; (B) f não tem com certeza derivada finita

Leia mais

MATEMÁTICA 3. Resposta: 29

MATEMÁTICA 3. Resposta: 29 MATEMÁTICA 3 17. Uma ponte deve ser construída sobre um rio, unindo os pontos A e, como ilustrado na figura abaixo. Para calcular o comprimento A, escolhe-se um ponto C, na mesma margem em que está, e

Leia mais

Karine Nayara F. Valle. Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta

Karine Nayara F. Valle. Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Karine Nayara F. Valle Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Professor Orientador: Alberto Berly Sarmiento Vera Belo Horizonte 2012 Karine Nayara F. Valle Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Monografia

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro De Ciências Exatas e da Terra. Departamento de Física Teórica e Experimental

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro De Ciências Exatas e da Terra. Departamento de Física Teórica e Experimental Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro De Ciências Exatas e da Terra Departamento de Física Teórica e Experimental Programa de Educação Tutorial Curso de Nivelamento: Pré-Cálculo PET DE FÍSICA:

Leia mais

b) a 0 e 0 d) a 0 e 0

b) a 0 e 0 d) a 0 e 0 IFRN - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RN PROFESSOR: MARCELO SILVA MATEMÁTICA FUNÇÃO DO º GRAU 1. Um grupo de pessoas gastou R$ 10,00 em uma lanchonete. Quando foram pagar a conta,

Leia mais

Curvas em coordenadas polares

Curvas em coordenadas polares 1 Curvas em coordenadas polares As coordenadas polares nos dão uma maneira alternativa de localizar pontos no plano e são especialmente adequadas para expressar certas situações, como veremos a seguir.

Leia mais

4. Tangentes e normais; orientabilidade

4. Tangentes e normais; orientabilidade 4. TANGENTES E NORMAIS; ORIENTABILIDADE 91 4. Tangentes e normais; orientabilidade Uma maneira natural de estudar uma superfície S consiste em considerar curvas γ cujas imagens estão contidas em S. Se

Leia mais

Aula 6 Derivadas Direcionais e o Vetor Gradiente

Aula 6 Derivadas Direcionais e o Vetor Gradiente Aula 6 Derivadas Direcionais e o Vetor Gradiente MA211 - Cálculo II Marcos Eduardo Valle Departamento de Matemática Aplicada Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Universidade Estadual

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Quarta lista de Eercícios de Cálculo Diferencial e Integral I - MTM 1 1. Nos eercícios a seguir admita

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

Cap. 7 - Fontes de Campo Magnético

Cap. 7 - Fontes de Campo Magnético Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Física Física III 2014/2 Cap. 7 - Fontes de Campo Magnético Prof. Elvis Soares Nesse capítulo, exploramos a origem do campo magnético - cargas em movimento.

Leia mais

1 Propagação de Onda Livre ao Longo de um Guia de Ondas Estreito.

1 Propagação de Onda Livre ao Longo de um Guia de Ondas Estreito. 1 I-projeto do campus Programa Sobre Mecânica dos Fluidos Módulos Sobre Ondas em Fluidos T. R. Akylas & C. C. Mei CAPÍTULO SEIS ONDAS DISPERSIVAS FORÇADAS AO LONGO DE UM CANAL ESTREITO As ondas de gravidade

Leia mais

v m = = v(c) = s (c).

v m = = v(c) = s (c). Capítulo 17 Teorema do Valor Médio 17.1 Introdução Vimos no Cap. 16 como podemos utilizar a derivada para traçar gráficos de funções. Muito embora o apelo gráfico apresentado naquele capítulo relacionando

Leia mais

28 de agosto de 2015. MAT140 - Cálculo I - Derivação Impĺıcita e Derivadas de Ordem Superior

28 de agosto de 2015. MAT140 - Cálculo I - Derivação Impĺıcita e Derivadas de Ordem Superior MAT140 - Cálculo I - Derivação Impĺıcita e Derivadas de Ordem Superior 28 de agosto de 2015 Derivação Impĺıcita Considere o seguinte conjunto R = {(x, y); y = 2x + 1} O conjunto R representa a reta definida

Leia mais

Matemática SSA 2 REVISÃO GERAL 1

Matemática SSA 2 REVISÃO GERAL 1 1. REVISÃO 01 Matemática SSA REVISÃO GERAL 1. Um recipiente com a forma de um cone circular reto de eixo vertical recebe água na razão constante de 1 cm s. A altura do cone mede cm, e o raio de sua base

Leia mais

Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo.

Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo. Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Cinemática Básica: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo. Velocidade: Consiste na taxa de variação dessa distância

Leia mais

Função do 2º Grau. Alex Oliveira

Função do 2º Grau. Alex Oliveira Função do 2º Grau Alex Oliveira Apresentação A função do 2º grau, também chamada de função quadrática é definida pela expressão do tipo: y = f(x) = ax² + bx + c onde a, b e c são números reais e a 0. Exemplos:

Leia mais

Esboço de Gráficos (resumo)

Esboço de Gráficos (resumo) Esboço de Gráficos (resumo) 1 Máximos e Mínimos Definição: Diz-se que uma função tem um valor máximo relativo (máximo local) em c se existe um intervalo ( a, b) aberto contendo c tal que f ( c) f ( x)

Leia mais

Equações Diferenciais

Equações Diferenciais Equações Diferenciais EQUAÇÕES DIFERENCIAS Em qualquer processo natural, as variáveis envolvidas e suas taxas de variação estão interligadas com uma ou outras por meio de princípios básicos científicos

Leia mais

Um estudo sobre funções contínuas que não são diferenciáveis em nenhum ponto

Um estudo sobre funções contínuas que não são diferenciáveis em nenhum ponto Um estudo sobre funções contínuas que não são diferenciáveis em nenhum ponto Maria Angélica Araújo Universidade Federal de Uberlândia - Faculdade de Matemática Graduanda em Matemática - Programa de Educação

Leia mais

4Distribuição de. freqüência

4Distribuição de. freqüência 4Distribuição de freqüência O objetivo desta Unidade é partir dos dados brutos, isto é, desorganizados, para uma apresentação formal. Nesse percurso, seção 1, destacaremos a diferença entre tabela primitiva

Leia mais

1 A Integral por Partes

1 A Integral por Partes Métodos de Integração Notas de aula relativas aos dias 14 e 16/01/2004 Já conhecemos as regras de derivação e o Teorema Fundamental do Cálculo. Este diz essencialmente que se f for uma função bem comportada,

Leia mais

Além do Modelo de Bohr

Além do Modelo de Bohr Além do Modelo de Bor Como conseqüência do princípio de incerteza de Heisenberg, o conceito de órbita não pode ser mantido numa descrição quântica do átomo. O que podemos calcular é apenas a probabilidade

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família AULA 12 - AJUSTAMENTO DE CURVAS E O MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS Ajustamento de Curvas Sempre que desejamos estudar determinada variável em função de outra, fazemos uma análise de regressão. Podemos dizer

Leia mais

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010. Matemática Essencial Extremos de funções reais Departamento de Matemática - UEL - 2010 Conteúdo Ulysses Sodré http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Leia mais

(Testes intermédios e exames 2005/2006)

(Testes intermédios e exames 2005/2006) 158. Indique o conjunto dos números reais que são soluções da inequação log 3 (1 ) 1 (A) [,1[ (B) [ 1,[ (C) ], ] (D) [, [ 159. Na figura abaio estão representadas, em referencial o. n. Oy: parte do gráfico

Leia mais

4.2 Teorema do Valor Médio. Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html

4.2 Teorema do Valor Médio. Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html 4.2 Teorema do Valor Médio Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html Teorema de Rolle: Seja f uma função que satisfaça as seguintes hipóteses: a) f é contínua no intervalo

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - CAMPUS JOINVILLE CENTRO DE ENGENHARIAS DA MOBILIDADE Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire MARÇO / 2015 Sumário 1. Introdução... 5 2. Conjuntos...

Leia mais

Cálculo I USP- FFCLRP Prof. Rafael A. Rosales 5 de março de 2014. Lista 2 Funçoes

Cálculo I USP- FFCLRP Prof. Rafael A. Rosales 5 de março de 2014. Lista 2 Funçoes Departamento de Computação é Matemática Cálculo I USP- FFCLRP Prof. Rafael A. Rosales 5 de março de 204 Lista 2 Funçoes Salvo seja indicado o contrário, todas as funções nesta lista de eercícios estão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE BELAS ARTES SISTEMA GEOMÉTRICO DE REPRESENTAÇÃO I PROF. CRISTINA GRAFANASSI TRANJAN

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE BELAS ARTES SISTEMA GEOMÉTRICO DE REPRESENTAÇÃO I PROF. CRISTINA GRAFANASSI TRANJAN UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE BELAS ARTES SISTEMA GEOMÉTRICO DE REPRESENTAÇÃO I PROF. CRISTINA GRAFANASSI TRANJAN MÉTODOS DESCRITIVOS Há determinados problemas em Geometria Descritiva

Leia mais

Texto 07 - Sistemas de Partículas. A figura ao lado mostra uma bola lançada por um malabarista, descrevendo uma trajetória parabólica.

Texto 07 - Sistemas de Partículas. A figura ao lado mostra uma bola lançada por um malabarista, descrevendo uma trajetória parabólica. Texto 07 - Sistemas de Partículas Um ponto especial A figura ao lado mostra uma bola lançada por um malabarista, descrevendo uma trajetória parabólica. Porém objetos que apresentam uma geometria, diferenciada,

Leia mais

MATEMÁTICA GEOMETRIA ANALÍTICA I PROF. Diomedes. E2) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B.

MATEMÁTICA GEOMETRIA ANALÍTICA I PROF. Diomedes. E2) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B. I- CONCEITOS INICIAIS - Distância entre dois pontos na reta E) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B. d(a,b) = b a E: Dados os pontos A e B de coordenadas

Leia mais

24/Abril/2013 Aula 19. Equação de Schrödinger. Aplicações: 1º partícula numa caixa de potencial. 22/Abr/2013 Aula 18

24/Abril/2013 Aula 19. Equação de Schrödinger. Aplicações: 1º partícula numa caixa de potencial. 22/Abr/2013 Aula 18 /Abr/013 Aula 18 Princípio de Incerteza de Heisenberg. Probabilidade de encontrar uma partícula numa certa região. Posição média de uma partícula. Partícula numa caixa de potencial: funções de onda e níveis

Leia mais

A abordagem do assunto será feita inicialmente explorando uma curva bastante conhecida: a circunferência. Escolheremos como y

A abordagem do assunto será feita inicialmente explorando uma curva bastante conhecida: a circunferência. Escolheremos como y 5 Taxa de Variação Neste capítulo faremos uso da derivada para resolver certos tipos de problemas relacionados com algumas aplicações físicas e geométricas. Nessas aplicações nem sempre as funções envolvidas

Leia mais

36 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase

36 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase 36 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase Problema 1 Turbo, o caracol, está participando de uma corrida Nos últimos 1000 mm, Turbo, que está a 1 mm por hora, se motiva e

Leia mais

Root Locus (Método do Lugar das Raízes)

Root Locus (Método do Lugar das Raízes) Root Locus (Método do Lugar das Raízes) Ambos a estabilidade e o comportamento da resposta transitória em um sistema de controle em malha fechada estão diretamente relacionadas com a localização das raízes

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

Matemática. Euclides Roxo. David Hilbert. George F. B. Riemann. George Boole. Niels Henrik Abel. Karl Friedrich Gauss.

Matemática. Euclides Roxo. David Hilbert. George F. B. Riemann. George Boole. Niels Henrik Abel. Karl Friedrich Gauss. Matemática Jacob Palis Álgebra 1 Euclides Roxo David Hilbert George F. B. Riemann George Boole Niels Henrik Abel Karl Friedrich Gauss René Descartes Gottfried Wilhelm von Leibniz Nicolaus Bernoulli II

Leia mais

A Equação de Bernoulli

A Equação de Bernoulli Aula 4 A equação de Bernoulli Objetivos O aluno deverá ser capaz de: Descrever a dinâmica de escoamento de um fluido. Deduzir a Equação de Bernoulli. Aplicar a Equação de Bernoulli e a Equação da Continuidade

Leia mais

Taxas Relacionadas. Começaremos nossa discussão com um exemplo que descreve uma situação real.

Taxas Relacionadas. Começaremos nossa discussão com um exemplo que descreve uma situação real. 6/0/008 Fatec/Tatuí Calculo II - Taxas Relacionadas 1 Taxas Relacionadas Um problema envolvendo taxas de variação de variáveis relacionadas é chamado de problema de taxas relacionadas. Os passos a seguir

Leia mais

VESTIBULAR 2004 - MATEMÁTICA

VESTIBULAR 2004 - MATEMÁTICA 01. Dividir um número real não-nulo por 0,065 é equivalente a multiplicá-lo por: VESTIBULAR 004 - MATEMÁTICA a) 4 c) 16 e) 1 b) 8 d) 0. Se k é um número inteiro positivo, então o conjunto A formado pelos

Leia mais

Notas de Cálculo Numérico

Notas de Cálculo Numérico Notas de Cálculo Numérico Túlio Carvalho 6 de novembro de 2002 2 Cálculo Numérico Capítulo 1 Elementos sobre erros numéricos Neste primeiro capítulo, vamos falar de uma limitação importante do cálculo

Leia mais

EXERCÍCIOS 2ª SÉRIE - LANÇAMENTOS

EXERCÍCIOS 2ª SÉRIE - LANÇAMENTOS EXERCÍCIOS ª SÉRIE - LANÇAMENTOS 1. (Unifesp 01) Em uma manhã de calmaria, um Veículo Lançador de Satélite (VLS) é lançado verticalmente do solo e, após um período de aceleração, ao atingir a altura de

Leia mais

CPV O Cursinho que Mais Aprova na GV

CPV O Cursinho que Mais Aprova na GV CPV O Cursinho que Mais Aprova na GV FGV ADM Objetiva Prova A 03/junho/01 matemática 01. Em um período de grande volatilidade no mercado, Rosana adquiriu um lote de ações e verificou, ao final do dia,

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Prof. Dr. Sergio Pilling (IPD/ Física e Astronomia) II Métodos numéricos para encontrar raízes (zeros) de funções reais. Objetivos:

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL UNIFICADA CAMPOGRANDENSE (FEUC) FACULDADES INTEGRADAS CAMPO-GRANDENSES (FIC) COORDENAÇÃO DE MATEMÁTICA

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL UNIFICADA CAMPOGRANDENSE (FEUC) FACULDADES INTEGRADAS CAMPO-GRANDENSES (FIC) COORDENAÇÃO DE MATEMÁTICA E N A D E 005 LICENCIATURA MATEMÁTICA QUESTÕES RESOLVIDAS I N T R O D U Ç Ã O Estamos apresentando a prova do ENADE aplicada em 005 para os cursos de Licenciatura em Matemática. Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

Exercícios Complementares 5.2

Exercícios Complementares 5.2 Exercícios Complementares 5.2 5.2A Veri que se a função dada é ou não solução da edo indicada: (a) y = 2e x + xe x ; y 00 + 2y 0 + y = 0: (b) x = C e 2t + C 2 e 3t ; :: x 0 : x + 6x = 0: (c) y = ln x;

Leia mais

I. Cálculo Diferencial em R n

I. Cálculo Diferencial em R n Análise Matemática II Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Ano Lectivo 2010/2011 2 o Semestre Exercícios propostos para as aulas práticas I. Cálculo Diferencial em R n Departamento

Leia mais

Problemas de Otimização. Problemas de Otimização. Solução: Exemplo 1: Determinação do Volume Máximo

Problemas de Otimização. Problemas de Otimização. Solução: Exemplo 1: Determinação do Volume Máximo UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Eemplo 1: Determinação

Leia mais

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA 2014 NOTA AULA PRÁTICA No. 04 VETORES - 20 A 26 DE MARÇO PROF. ANGELO BATTISTINI NOME RA TURMA NOTA Objetivos do experimento: Nesta aula você deverá aprender (ou recordar) a representação

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Prof. Dr. Sergio Pilling (IPD/ Física e Astronomia) III Resolução de sistemas lineares por métodos numéricos. Objetivos: Veremos

Leia mais

Aula 2 - Cálculo Numérico

Aula 2 - Cálculo Numérico Aula 2 - Cálculo Numérico Erros Prof. Phelipe Fabres Anhanguera Prof. Phelipe Fabres (Anhanguera) Aula 2 - Cálculo Numérico 1 / 41 Sumário Sumário 1 Sumário 2 Erros Modelagem Truncamento Representação

Leia mais

Simulado ENEM: Matemática

Simulado ENEM: Matemática Simulado ENEM: Matemática Questão 1 Cinco diretores de uma grande companhia, doutores Arnaldo, Bernardo, Cristiano, Denis e Eduardo, estão sentados em uma mesa redonda, em sentido horário, para uma reunião

Leia mais

(c) 2a = b. (c) {10,..., 29}

(c) 2a = b. (c) {10,..., 29} 11 Atividade extra UNIDADE CONJUTOS Fascículo 4 Matemática Unidade 11 Conjuntos Exercı cio 11.1 Sejam os conjuntos A = {a, 7, 0} e B = {0, 1, b}, tal que os conjuntos A e B sejam iguais. Qual é a relação

Leia mais

Propriedades das Funções Deriváveis. Prof. Doherty Andrade

Propriedades das Funções Deriváveis. Prof. Doherty Andrade Propriedades das Funções Deriváveis Prof Doerty Andrade 2005 Sumário Funções Deriváveis 2 Introdução 2 2 Propriedades 3 3 Teste da derivada segunda para máimos e mínimos 7 2 Formas indeterminadas 8 2 Introdução

Leia mais

INTITUTO SUPERIOR TUPY 2009/1

INTITUTO SUPERIOR TUPY 2009/1 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS CÁLCULO I ANÁLISE GRAFICA, FUNÇÃO CONSTANTE, FUNÇÃO DO 1º GRAU E FUNÇÃO DO º GRAU 1) A dívida pública dos EUA (em bilhões de dólares) para alguns anos encontra-se no gráfico abaixo.

Leia mais

Capítulo 3 Modelos Estatísticos

Capítulo 3 Modelos Estatísticos Capítulo 3 Modelos Estatísticos Slide 1 Resenha Variáveis Aleatórias Distribuição Binomial Distribuição de Poisson Distribuição Normal Distribuição t de Student Distribuição Qui-quadrado Resenha Slide

Leia mais

CURSO DE CÁLCULO INTEGRAIS

CURSO DE CÁLCULO INTEGRAIS CURSO DE CÁLCULO MÓDULO 4 INTEGRAIS SUMÁRIO Unidade 1- Integrais 1.1- Introdução 1.2- Integral Indefinida 1.3- Propriedades da Integral Indefinida 1.4- Algumas Integrais Imediatas 1.5- Exercícios para

Leia mais

Experimento. Guia do professor. Otimização da cerca. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Experimento. Guia do professor. Otimização da cerca. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação Números e funções Guia do professor Experimento Otimização da cerca Objetivos da unidade 1. Resolver um problema de otimização através do estudo de uma função quadrática. 2. Estudar as propriedades de

Leia mais

UFMG - 2005 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2005 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2005 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Durante um voo, um avião lança uma caixa presa a um paraquedas. Após esse lançamento, o paraquedas abre-se e uma força F,

Leia mais

PROVA DE FÍSICA QUESTÃO 01 UFMG

PROVA DE FÍSICA QUESTÃO 01 UFMG QUESTÃO 01 Em uma corrida de Fórmula 1, o piloto Miguel Sapateiro passa, com seu carro, pela linha de chegada e avança em linha reta, mantendo velocidade constante Antes do fim da reta, porém, acaba a

Leia mais

Matemática A. Fevereiro de 2010

Matemática A. Fevereiro de 2010 Matemática A Fevereiro de 2010 Matemática A Itens 10.º Ano de Escolaridade No Teste intermédio, que se irá realizar no dia 5 de Maio de 2010, os itens de grau de dificuldade mais elevado poderão ser adaptações

Leia mais

Unidade 3 Função Logarítmica. Definição de logaritmos de um número Propriedades operatórias Mudança de base Logaritmos decimais Função Logarítmica

Unidade 3 Função Logarítmica. Definição de logaritmos de um número Propriedades operatórias Mudança de base Logaritmos decimais Função Logarítmica Unidade 3 Função Logarítmica Definição de aritmos de um número Propriedades operatórias Mudança de base Logaritmos decimais Função Logarítmica Definição de Logaritmo de um número Suponha que certo medicamento,

Leia mais

Matemática. O coeficiente angular dado pelo 3º e 4º pontos é igual ao coeficiente angular dado pelo 1º e 3º. Portanto:

Matemática. O coeficiente angular dado pelo 3º e 4º pontos é igual ao coeficiente angular dado pelo 1º e 3º. Portanto: Matemática O gráfico de uma função polinomial do primeiro grau passa pelos pontos de coordenadas ( x, y) dados abaixo x y 0 5 m 8 6 4 7 k Podemos concluir que o valor de k m é: A 5,5 B 6,5 C 7,5 D 8,5

Leia mais

Desenhando perspectiva isométrica

Desenhando perspectiva isométrica Desenhando perspectiva isométrica A UU L AL A Quando olhamos para um objeto, temos a sensação de profundidade e relevo. As partes que estão mais próximas de nós parecem maiores e as partes mais distantes

Leia mais

CPV 82% de aprovação na ESPM

CPV 82% de aprovação na ESPM CPV 8% de aprovação na ESPM ESPM julho/010 Prova E Matemática 1. O valor da expressão y =,0 é: a) 1 b) c) d) e) 4 Sendo x =, e y =,0, temos: x 1 + y 1 x. y 1 y. x 1 1 1 y + x x 1 + y 1 + x y xy = = = xy

Leia mais

FUNÇÃO DE 1º GRAU. = mx + n, sendo m e n números reais. Questão 01 Dadas as funções f de IR em IR, identifique com um X, aquelas que são do 1º grau.

FUNÇÃO DE 1º GRAU. = mx + n, sendo m e n números reais. Questão 01 Dadas as funções f de IR em IR, identifique com um X, aquelas que são do 1º grau. FUNÇÃO DE 1º GRAU Veremos, a partir daqui algumas funções elementares, a primeira delas é a função de 1º grau, que estabelece uma relação de proporcionalidade. Podemos então, definir a função de 1º grau

Leia mais

A trigonometria do triângulo retângulo

A trigonometria do triângulo retângulo A UA UL LA A trigonometria do triângulo retângulo Introdução Hoje vamos voltar a estudar os triângulos retângulos. Você já sabe que triângulo retângulo é qualquer triângulo que possua um ângulo reto e

Leia mais

V = 0,30. 0,20. 0,50 (m 3 ) = 0,030m 3. b) A pressão exercida pelo bloco sobre a superfície da mesa é dada por: P 75. 10 p = = (N/m 2 ) A 0,20.

V = 0,30. 0,20. 0,50 (m 3 ) = 0,030m 3. b) A pressão exercida pelo bloco sobre a superfície da mesa é dada por: P 75. 10 p = = (N/m 2 ) A 0,20. 11 FÍSICA Um bloco de granito com formato de um paralelepípedo retângulo, com altura de 30 cm e base de 20 cm de largura por 50 cm de comprimento, encontra-se em repouso sobre uma superfície plana horizontal.

Leia mais

Universidade Federal de São Carlos Departamento de Matemática 083020 - Curso de Cálculo Numérico - Turma E Resolução da Primeira Prova - 16/04/2008

Universidade Federal de São Carlos Departamento de Matemática 083020 - Curso de Cálculo Numérico - Turma E Resolução da Primeira Prova - 16/04/2008 Universidade Federal de São Carlos Departamento de Matemática 08300 - Curso de Cálculo Numérico - Turma E Resolução da Primeira Prova - 16/0/008 1. (0 pts.) Considere o sistema de ponto flutuante normalizado

Leia mais

6. Aplicações da Derivada

6. Aplicações da Derivada 6 Aplicações da Derivada 6 Retas tangentes e normais - eemplos Encontre a equação da reta tangente e da normal ao gráfico de f () e, em 0 Represente geometricamente Solução: Sabemos que a equação da reta

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO

INSTITUTO TECNOLÓGICO PAC - PROGRAMA DE APRIMORAMENTO DE CONTEÚDOS. ATIVIDADES DE NIVELAMENTO BÁSICO. DISCIPLINAS: MATEMÁTICA & ESTATÍSTICA. PROFº.: PROF. DR. AUSTER RUZANTE 1ª SEMANA DE ATIVIDADES DOS CURSOS DE TECNOLOGIA

Leia mais

29/Abril/2015 Aula 17

29/Abril/2015 Aula 17 4/Abril/015 Aula 16 Princípio de Incerteza de Heisenberg. Probabilidade de encontrar uma partícula numa certa região. Posição média de uma partícula. Partícula numa caixa de potencial: funções de onda

Leia mais

Derivação Implícita e Taxas Relacionadas

Derivação Implícita e Taxas Relacionadas Capítulo 14 Derivação Implícita e Taxas Relacionadas 14.1 Introdução A maioria das funções com as quais trabalhamos até agora é da forma y = f(x), em que y é dado diretamente ou, explicitamente, por meio

Leia mais

O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão.

O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão. ESTATÍSTICA INDUTIVA 1. CORRELAÇÃO LINEAR 1.1 Diagrama de dispersão O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão.

Leia mais

(a) a aceleração do sistema. (b) as tensões T 1 e T 2 nos fios ligados a m 1 e m 2. Dado: momento de inércia da polia I = MR / 2

(a) a aceleração do sistema. (b) as tensões T 1 e T 2 nos fios ligados a m 1 e m 2. Dado: momento de inércia da polia I = MR / 2 F128-Lista 11 1) Como parte de uma inspeção de manutenção, a turbina de um motor a jato é posta a girar de acordo com o gráfico mostrado na Fig. 15. Quantas revoluções esta turbina realizou durante o teste?

Leia mais

MD Sequências e Indução Matemática 1

MD Sequências e Indução Matemática 1 Sequências Indução Matemática Renato Martins Assunção assuncao@dcc.ufmg.br Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br MD Sequências e Indução Matemática 1 Introdução Uma das tarefas mais importantes

Leia mais

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL.1 Funções Vetoriais de Uma Variável Real Vamos agora tratar de um caso particular de funções vetoriais F : Dom(f R n R m, que são as funções vetoriais de uma

Leia mais

A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática

A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática I. O jogo A Torre de Hanói consiste de uma base com três pinos e um certo número n de discos de diâmetros diferentes, colocados um sobre o outro em

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

3.4 O Princípio da Equipartição de Energia e a Capacidade Calorífica Molar

3.4 O Princípio da Equipartição de Energia e a Capacidade Calorífica Molar 3.4 O Princípio da Equipartição de Energia e a Capacidade Calorífica Molar Vimos que as previsões sobre as capacidades caloríficas molares baseadas na teoria cinética estão de acordo com o comportamento

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL EM REDE NACIONAL PROFMAT

SOCIEDADE BRASILEIRA DE MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL EM REDE NACIONAL PROFMAT SOCIEDADE BRASILEIRA DE MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL EM REDE NACIONAL PROFMAT GABARITO da 3 a Avaliação Nacional de Aritmética - MA14-21/12/2013 Questão 1. (pontuação: 2) (1,0) a) Enuncie e demonstre

Leia mais

CINEMÁTICA VETORIAL. Observe a trajetória a seguir com origem O.Pode-se considerar P a posição de certo ponto material, em um instante t.

CINEMÁTICA VETORIAL. Observe a trajetória a seguir com origem O.Pode-se considerar P a posição de certo ponto material, em um instante t. CINEMÁTICA VETORIAL Na cinemática escalar, estudamos a descrição de um movimento através de grandezas escalares. Agora, veremos como obter e correlacionar as grandezas vetoriais descritivas de um movimento,

Leia mais

ESTUDO GRÁFICO DOS MOVIMENTOS. Gráfico posição x tempo (x x t)

ESTUDO GRÁFICO DOS MOVIMENTOS. Gráfico posição x tempo (x x t) ESTUDO GRÁFICO DOS MOVIMENTOS No estudo do movimento é bastante útil o emprego de gráficos. A descrição de um movimento a partir da utilização dos gráficos (posição x tempo; velocidade x tempo e aceleração

Leia mais

Exercícios Adicionais

Exercícios Adicionais Exercícios Adicionais Observação: Estes exercícios são um complemento àqueles apresentados no livro. Eles foram elaborados com o objetivo de oferecer aos alunos exercícios de cunho mais teórico. Nós recomendamos

Leia mais

4.1 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL COM FORÇAS CONSTANTES

4.1 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL COM FORÇAS CONSTANTES CAPÍTULO 4 67 4. MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL COM FORÇAS CONSTANTES Consideremos um bloco em contato com uma superfície horizontal, conforme mostra a figura 4.. Vamos determinar o trabalho efetuado por uma

Leia mais

UNIDADE 4 FUNÇÕES 2 MÓDULO 1 FUNÇÃO QUADRÁTICA 1 - FUNÇÃO QUADRÁTICA. 103 Matemática e Lógica Unidade 04. a > 0 a < 0 > 0

UNIDADE 4 FUNÇÕES 2 MÓDULO 1 FUNÇÃO QUADRÁTICA 1 - FUNÇÃO QUADRÁTICA. 103 Matemática e Lógica Unidade 04. a > 0 a < 0 > 0 1 - FUNÇÃO QUADRÁTICA UNIDADE 4 FUNÇÕES 2 MÓDULO 1 FUNÇÃO QUADRÁTICA 01 É toda função do tipo f(x)=ax 2 +bx+c, onde a, b e c são constantes reais com a 0. Ou, simplesmente, uma função polinomial de grau

Leia mais

Refração da Luz Índice de refração absoluto Índice de refração relativo Leis da refração Reflexão total da luz Lentes Esféricas Vergência de uma lente

Refração da Luz Índice de refração absoluto Índice de refração relativo Leis da refração Reflexão total da luz Lentes Esféricas Vergência de uma lente Refração da Luz Índice de refração absoluto Índice de refração relativo Leis da refração Reflexão total da luz Lentes Esféricas Vergência de uma lente Introdução Você já deve ter reparado que, quando colocamos

Leia mais

Introdução ao estudo de equações diferenciais

Introdução ao estudo de equações diferenciais Matemática (AP) - 2008/09 - Introdução ao estudo de equações diferenciais 77 Introdução ao estudo de equações diferenciais Introdução e de nição de equação diferencial Existe uma grande variedade de situações

Leia mais

MATEMÁTICA TIPO A GABARITO: VFFVF. Solução: é a parábola com foco no ponto (0, 3) e reta diretriz y = -3.

MATEMÁTICA TIPO A GABARITO: VFFVF. Solução: é a parábola com foco no ponto (0, 3) e reta diretriz y = -3. 1 MATEMÁTICA TIPO A 01. Seja o conjunto de pontos do plano cartesiano, cuja distância ao ponto é igual à distância da reta com equação. Analise as afirmações a seguir. 0-0) é a parábola com foco no ponto

Leia mais

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº10 Prof. Daniel Szente

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº10 Prof. Daniel Szente Nome: Ano: º Ano do E.M. Escola: Data: / / 3º Ano do Ensino Médio Aula nº10 Prof. Daniel Szente Assunto: Função exponencial e logarítmica 1. Potenciação e suas propriedades Definição: Potenciação é a operação

Leia mais

Apresentação de Dados em Tabelas e Gráficos

Apresentação de Dados em Tabelas e Gráficos Apresentação de Dados em Tabelas e Gráficos Os dados devem ser apresentados em tabelas construídas de acordo com as normas técnicas ditadas pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

www.enemdescomplicado.com.br

www.enemdescomplicado.com.br Exercícios de Física Gravitação Universal 1-A lei da gravitação universal de Newton diz que: a) os corpos se atraem na razão inversa de suas massas e na razão direta do quadrado de suas distâncias. b)

Leia mais