Departamento de Matemática - UEL Ulysses Sodré. Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010."

Transcrição

1 Matemática Essencial Extremos de funções reais Departamento de Matemática - UEL Conteúdo Ulysses Sodré Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de Introdução aos máximos e mínimos de funções reais 2 2 Pontos especiais 2 3 Teste da segunda derivada para máximos e mínimos 3 4 Funções crescentes e decrescentes 5 5 Método para obter extremos de função em um intervalo 8 6 Teste da primeira derivada para máximos e mínimos 11 7 Aplicações de máximos e mínimos 14 Toda Escritura é divinamente inspirada e proveitosa para ensinar, para repreender, para corrigir, para instruir em justiça; para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente preparado para toda boa obra. A Bíblia Sagrada, II Timóteo 3:16-17

2 Seção 1 Introdução aos máximos e mínimos de funções reais 2 1 Introdução aos máximos e mínimos de funções reais Uma aplicação importante do Cálculo é o estudo de máximos e mínimos de funções, de situações onde a reta tangente ao gráfico é horizontal, isto é, estudo de pontos em que a derivada se anula. Também existem pontos de máximo ou de mínimo em pontos onde a derivada não se anula, quando os pontos estão nas extremidades do intervalo de definição da função. 2 Pontos especiais Pontos Críticos: Ponto crítico para uma função f = f (x) é um ponto x tal que f (x) = 0 ou um ponto onde a derivada não existe. Se f (x) = 0, o gráfico da função possui uma reta tangente horizontal. Existem quatro situações que impedem que uma função tenha derivada em um dado ponto: 1. A função não é contínua no ponto x. Exemplo: A função f (x) = x não é contínua em x = 0. x 2. O gráfico de f = f (x) forma um bico no ponto de abscissa x. Exemplo: A função f (x) = x forma um bico em x = O gráfico da função é suave, mas possui uma tangente vertical. Exemplo: A função f (x) = 3 x possui uma reta tangente em x = O gráfico da função possui uma cúspide no ponto de abscissa x. Exemplo: A função f (x) = 3 x possui uma cúspide em x = 0. Pontos extremos: Uma função f possui um ponto extremo de 1. máximo local em x 0 se os valores f (x) para x próximos de x 0 são menores que f (x 0 ). O gráfico de f próximo de x 0 tem um pico em x mínimo local em x 0 se os valores f (x) para x próximo de x 0 são maiores que f (x 0 ). O gráfico de f próximo de x 0 é semelhante a um vale em x 0. Se o mínimo local é o menor valor de f = f (x) em seu domínio, este mínimo é denominado mínimo global de f. Se o máximo local é o maior valor de f = f (x) em seu domínio, este máximo é denominado máximo global de f.

3 Seção 3 Teste da segunda derivada para máximos e mínimos 3 Ao usar a palavra próximo, sempre estamos tratando com distâncias pequenas relativas ao problema específico, e as palavras pico ou vale no gráfico devem representar algo claro para o estudante para não haver dúvidas nas definições. Pontos de inflexão: Ponto de inflexão de uma curva y = f (x) é um ponto (x, y) da curva onde f (x) = 0. Neste ponto acontece a mudança de concavidade (boca) da curva. Exemplo: A curva y = x 3 possui ponto de inflexão quando x = 0, pois tomando a função f (x) = x 3, temos que f (x) = 3x 2 e f (x) = 6x, logo f (0) = 0. A parte desta curva desenhada no primeiro quadrante tem concavidade (boca) voltada para cima e a parte desta curva desenhada no terceiro quadrante tem concavidade (boca) voltada para baixo. 3 Teste da segunda derivada para máximos e mínimos Seja f = f (x) uma função que possui a primeira e também a segunda derivada em R. Este teste funciona da seguinte forma: 1. Realizar a primeira derivada e a segunda derivada da função f = f (x). 2. Resolver a equação f (x) = 0 para obter os pontos críticos de f = f (x). 3. Construir uma lista com os pontos críticos na forma: {x 1, x 2,..., x n }. 4. Calcular os valores {f (x 1 ), f (x 2 ),.., f (x n )} = {f (x j )} n j =1. 5. Se algum f (x j ) < 0, então este x j é um ponto de máximo de f = f (x). 6. Se algum f (x j ) > 0, então este x j é um ponto de mínimo de f = f (x). Exemplos: Para obter os pontos de máximo ou de mínimo da função: 1. f (x) = 3x 2 6x + 7, obtemos f (x) = 6x 6 e f (x) = 6. Resolvemos a equação 6x 6 = 0 para obter o ponto crítico x 1 = 1. Aplicamos a segunda derivada f em x 1 para obter f (x 1 ) = 6 > 0 e garantimos que x 1 = 1 é um ponto de mínimo.

4 Seção 3 Teste da segunda derivada para máximos e mínimos 4 2. f (x) = x 3 12x +3, calculamos f (x) = 3x 2 12 e f (x) = 6x. Resolvemos a equação 3x 2 12 = 0, que pode ser fatorada como (x 2)(x +2) = 0 para obter dois pontos críticos x 1 = 2 e x 2 = 2. Aplicamos f nestes pontos x 1 e x 2. f (x 1 ) = f ( 2) = 6( 2) = 12 < 0 f (x 2 ) = f (2) = 6(2) = 12 > 0 Pelos sinais de f nos pontos críticos, segue que x 1 = 2 é ponto de máximo e x 2 = 2 é um ponto de mínimo para f = f (x). 3. f (x) = x 4 8x 2 + 5, calculamos f (x) = 4x 3 16x e f (x) = 12x A equação 4x 3 16x = 0, que pode ser escrita na forma x(x 2)(x + 2) = 0 possui três raízes, que são os pontos críticos x 1 = 2, x 2 = 0 e x 3 = 2. Aplicamos f nestes pontos x 1, x 2 e x 3 f (x 1 ) = f ( 2) = 12( 2) 2 16 = 32 > 0 f (x 2 ) = f (0) = 12(0) 2 16 = 16 < 0 f (x 3 ) = f (2) = 12(2) 2 16 = 32 > 0 Pelos sinais de f nos pontos críticos, segue que x 1 = 2 e x 3 = 2 são pontos de mínimo, enquanto que x 2 = 0 é um ponto de máximo para f = f (x). 4. f (x) = ax 2 +bx+c, sendo a 0, cujo gráfico é uma parábola. Calculamos f (x) = 2ax + b e f (x) = 2a. Resolvemos a equação 2ax + b = 0, para obter o ponto crítico x 1 = b 2a. Aplicando a derivada segunda neste ponto, obtemos f (x 1 ) = 2a que pode ser positivo ou negativo, dependendo do valor de a. (a) Se a > 0 então f (x 1 ) = 2a > 0 e o ponto x 1 é um ponto de mínimo. A concavidade (boca) da parábola está voltada para cima. (b) Se a < 0 então f (x 1 ) = 2a < 0 e o ponto x 1 é um ponto de máximo. A concavidade (boca) da parábola está voltada para baixo. Exercícios: 1. Explicar o motivo pelo qual a função f (x) = 1 3 x3 2x 2 +13x 17 não possui nem máximo e nem mínimo em R.

5 Seção 4 Funções crescentes e decrescentes 5 2. Mostrar a função f (x) = 3x 5 25x x 2 possui os seguintes pontos críticos: x 1 = 2, x 2 = 1, x 3 = 1 e x 4 = 2. Analisar quais deles são pontos de máximo ou de mínimo. 3. Determinar os pontos de máximo e de mínimo para as funções: (a) f (x) = x2 x 1 x 2 + x + 1 (b) f (x) = (x 1)2 (c) f (x) = x2 1 (x + 1) 3 5x 2 + 4x 4 Funções crescentes e decrescentes Definições: 1. Uma função f = f (x) é crescente quando a variável x se move da esquerda para a direita, os valores de f (x) aumentam. Neste caso, se x < y então f (x) f (y), como por exemplo: f (x) = 2x Uma função f = f (x) é decrescente quando a variável x se move da esquerda para a direita, os valores de f (x) diminuem. Neste caso, se x < y então f (x) f (y), como por exemplo: f (x) = 2x Uma função f = f (x) é constante quando a variável x se move da esquerda para a direita, os valores de f (x) permanecem iguais, isto é, se x < y então f (x) = f (y), como por exemplo: f (x) = 7 Nota: Existem funções que são crescentes em alguns intervalos e decrescentes em outros intervalos. Por exemplo, a função f (x) = x 2 é crescente para x > 0 e decrescente para x < 0. Sinais dos coeficientes angulares: O crescimento ou decrescimento de funções reais pode ser estudado pelos sinais das Declividades (coeficientes angulares das tangentes) das funções. 1. Uma função f = f (x) é crescente em um intervalo I 1 se as inclinações k das retas tangentes são positivas sobre este intervalo I 1. Exemplo: f (x) = 5x 3 tem declividade k = 5 > 0

6 Seção 4 Funções crescentes e decrescentes 6 2. Uma função f = f (x) é decrescente em um intervalo I 2 se as inclinações k das retas tangentes são negativas sobre este intervalo I 2. Exemplo: f (x) = 5x 3 tem declividade k = 5 < 0 3. Uma função f = f (x) é constante em um intervalo I 3 se as inclinações k das retas tangentes são nulas sobre este intervalo I 3. Exemplo: f (x) = 12 tem declividade k = 0 Sinais das derivadas das funções: O crescimento ou decrescimento de funções reais pode ser estudado pelos sinais das derivadas das funções. 1. Uma função f = f (x) é crescente sobre um intervalo I 1 se f (x) > 0 para todo x I 1. Por exemplo: f (x) = x 2 é crescente em I 1 = (0, ), pois f (x) = 2x > 0 para todo x I 1 2. Uma função f = f (x) é decrescente sobre um intervalo I 2 se f (x) < 0 para todo x I 2. Por exemplo: f (x) = x 2 é decrescente em I 2 = (,0), pois f (x) = 2x < 0 para todo x I 2 3. Uma função f = f (x) é constante em um intervalo I 3 se f (x) = 0 para todo x I 3. Por exemplo: f (x) = 7 é constante em I 3 = (,+ ) = R, pois f (x) = 0 para todo x I 3 Não precisamos desenhar o gráfico para saber se uma função é crescente ou decrescente, mas lembramos que a construção do gráfico fornece uma ótima ajuda para o estudante. Os pontos onde o gráfico possui uma reta tangente horizontal, são pontos onde a derivada da função é igual a zero, locais onde ocorrem pontos de máximo ou pontos de mínimo da função. Método para obter intervalos onde a função é crescente ou decrescente: 1. Calculamos a primeira derivada de f. 2. Resolvemos a equação f (x) = 0 para obter os pontos críticos de f. 3. Criamos uma lista ordenada {x 1, x 2,..., x n } com os pontos críticos.

7 Seção 4 Funções crescentes e decrescentes 7 4. Se existem pontos onde a função não é contínua ou não tem derivada, tais pontos devem ser acrescentados à lista no local próprio, mas lembramos que pontos de descontinuidade ou pontos onde a função não tem derivada não são pontos críticos. 5. Devemos exibir pontos auxiliares t i intercalados com os pontos da lista de modo a cobrir toda a reta real com algo da forma: < t 0 < x 1 < t 1 < x 2 < t 2 <... < x n 1 < t n 1 < x n < t n < 6. Calculamos a derivada f nos pontos auxiliares t i para concluir: (a) Se f (t i+1 ) > 0, então f é crescente no intervalo (x i, x i+1 ), isto é, quando os valores x aumentam, os valores de f (x) aumentam. (b) Se f (t i+1 ) < 0, então f é decrescente no intervalo (x i, x i+1 ), isto é, quando os valores de x aumentam, os valores de f (x) diminuem. 7. Sobre o intervalo (, x 1 ) (primeiro à esquerda), se f (t 0 ) > 0 então a função f é crescente e se f (t 0 ) < 0 então a função f é decrescente. 8. Sobre o intervalo (x n,+ ) (último à direita), se f (t n ) > 0 então a função f é crescente e se f (t n ) < 0 então a função f é decrescente. Existem vários métodos para realizar este processo quando estudamos funções polinomiais de grau baixo ou outras funções simples. Mas, se você consegue calcular valores de (derivadas de) funções com a sua calculadora, você pode usar este procedimento com quaisquer funções. Os pontos auxiliares devem ser timados com cuidado, para que estejam nos intervalos certos, pois necessitamos apenas de um ponto em cada intervalo para saber se f é positiva ou negativa no intervalo. Em geral, tomamos números inteiros ou números fáceis de calcular as derivadas nos pontos desejados. É importante construir este processo, mesmo que a pergunta não esteja diretamente relacionada a pontos críticos, nem se refira a intervalos, ou se está implícito que temos que obter os pontos críticos e analisar se as funções crescem ou decrescem nos intervalos entre os pontos críticos.

8 Seção 5 Método para obter extremos de função em um intervalo 8 Exemplos: Obter os pontos críticos e intervalos onde a 1. função f (x) = x 2 + 2x + 9 é crescente ou decrescente. Solução: Derivamos a função f para obter f (x) = 2x + 2. Resolvemos a equação 2x + 2 = 0 para obter x 1 = 1. À esquerda de x 1 = 1 usamos o ponto auxiliar t 0 = 2 e à direita usamos o ponto auxiliar t 1 = 0. Assim, f (t 0 ) = f ( 2) = 2 < 0, logo f é decrescente no intervalo (, 1). Como f (t 1 ) = f (0) = 2 > 0, então f é crescente no intervalo ( 1, ). 2. função f (x) = x 3 12x + 3 é crescente ou decrescente. Solução: Derivamos a função f para obter f (x) = 3x Resolvemos a equação 3x 2 12 = 0, obtendo x 1 = 2 e x 2 = 2. À esquerda de x 1 = 2 tomamos o ponto t 0 = 3, entre x 1 = 2 e x 2 = 2 tomamos t 1 = 0, e à direita de x 2 = 2 escolhemos t 2 = 3. Aplicando f nos pontos auxiliares, obtemos f (t 0 ) = f ( 3) = > 0, logo f é crescente em (, 2). Como f (t 1 ) = f (0) = 12 < 0, então f é decrescente em ( 2,+2), e como f (t 2 ) = f (3) = > 0, f é crescente em (2, ). Não do valor exato da derivada em cada ponto auxiliar, basta saber o sinal da derivada neste ponto. Às vezes os cálculos são tão complicados, que devem ser evitados e até interrompidos tão logo tenhamos a informação que a derivada é positiva ou negativa. Exercício: Obter os pontos críticos e intervalos onde ocorre o crescimento ou decrescimento de cada função: (1) f (x) = x 2 + 2x + 9 (2) f (x) = 3x 2 6x + 7 (3) f (x) = x 3 12x Método para obter extremos de função em um intervalo 1. Calculamos a derivada de f, e resolvemos a equação f (x) = 0 para obter a lista dos pontos críticos de f. 2. Excluímos todos os pontos críticos que estão fora do intervalo [a, b]. 3. Anexamos à lista as extremidades a e b do intervalo, e os pontos onde a função não é contínua ou não tem derivada.

9 Seção 5 Método para obter extremos de função em um intervalo 9 4. Aplicamos a função f em cada ponto da lista, sendo que o maior valor é o valor máximo de f, e o menor valor é o valor mínimo de f. Exemplo: Para obter os mínimos e máximos da função f (x) = x 4 8x sobre o intervalo [ 1, 3], primeiro, derivamos a função e fazemos a derivada igual a zero para obter os pontos críticos, isto é: 4x 3 16x = 0 Dividimos a equação por 4 para obter x 3 4x = 0, fatorando a mesma como: x(x 2)(x + 2) = 0 Os pontos críticos são -2, 0 e 2. Como o intervalo não inclui -2, nós retiramos este ponto da lista. Acrescentamos as extremidades do intervalo: -1 e 3 à lista. Desse modo, a lista de números que podem ser mínimos ou máximos, é formada por: { 1,0,2,3} Aplicando a função a estes valores, obtemos (nesta ordem) f ( 1) = 2, f (0) = 5, f (2) = 11, f (3) = 14. Logo, f (3) = 14 é o máximo e f (2) = 11 é o mínimo. Neste exemplo, o máximo não ocorre em um ponto crítico, mas em uma extremidade do intervalo [a, b]. Exemplo: Temos 200 metros de arame para cercar um jardim retangular com a maior área possível. Qual devem ser as dimensões do jardim? Solução: Seja x a medida da largura e y a medida do comprimento do jardim. A área retangular é dada por A = x y. Como o perímetro é 200 metros, sabemos que 2x + 2y = 200, e extraindo o valor de y nesta relação obtemos y = 100 x. Agora, podemos reescrever a função que fornece a área usando apenas a variável x, na forma: A(x) = x y = x(100 x) = 100x x 2 A derivada desta função com respeito à variável x é A (x) = 100 2x. Tomando a expressão da derivada igual a zero, obtemos 100 2x = 0

10 Seção 5 Método para obter extremos de função em um intervalo 10 Figura 1: Parábola associada ao problema do jardim Resolvendo esta equação, obtemos apenas um ponto crítico x = 50. Qual é o intervalo que representa o domínio desta função? Quais são as extremidades deste intervalo? Aqui, vamos considerar x 0 e y 0 para podermos calcular a área. Como y = 100 x, devemos ter que x 100. Assim, o intervalo é [0,100]. Calculando a função A(x) = x(100 x) nos pontos 0, 50 e 100, obtemos A(0) = 0, A(50) = 2500, A(50) = 0. Assim, temos y = = 50, e a área máxima é A(50) = 50(50) = Exercícios: 1. Obter os mínimos e os máximos da função f (x) = 3x 4 4x sobre o intervalo [ 2, 3]. 2. Obter o valor mínimo e o valor máximo da função f (x) = x 3 +3x+1 sobre o intervalo [ 2, 2]. 3. Obter os pontos de máximo e de mínimo da função f (x) = 2x +3 sobre o intervalo [3, 6]. 4. Se x 1 e y 1 e x.y = 16, qual é a maior e qual é a menor soma possível destes números? 5. Se x 0 e y 0 e x + y = 12, qual é o maior e qual é o menor produto soma possível destes números?

11 Seção 6 Teste da primeira derivada para máximos e mínimos 11 6 Teste da primeira derivada para máximos e mínimos Agora estudaremos um método para obter extremos locais de uma função f sobre um intervalo [a, b], utilizando informações sobre os intervalos de crescimento e decrescimento da função, ou obter extremos absolutos (globais). Este processo inicia do mesmo modo que a análise de intervalos de crescimento ou decrescimento, e segue o procedimento para obter extremos (absolutos) de funções. Processo para obter extremos locais de uma função em um intervalo: 1. Calculamos a derivada de f. 2. Resolvemos a equação f (x) = 0 para obter os pontos críticos de f. 3. Geramos a lista com os pontos críticos do intervalo [a,b]. 4. Acrescentamos à lista as extremidades a e b e os pontos onde a função não é contínua ou pontos onde a função não possui derivada). A lista deve estar ordenada com os pontos do intervalo: {a = x 0, x 1,..., x n = b}. 5. Intercalamos pontos auxiliares t i entre os pontos x i da lista, tal que < t 0 < x 1 < t 1 < x 2 < t 2 <... < x n 1 < t n 1 < x n < t n < 6. Calculamos a derivada f em todos os pontos auxiliares t i. 7. Para cada ponto crítico x i, existe um ponto auxiliar à sua esquerda e outro à sua direita: t i < x i < t i+1. Vamos considerar quatro casos: (a) Se f (t i ) > 0 e f (t i+1 ) < 0, então f é crescente à esquerda de x i, f é decrescente à direita de x i, e f possui um máximo local em x i. (b) Se f (t i ) < 0 e f (t i+1 ) > 0, então f é decrescente à esquerda de x i, f é crescente à direita de x i, e f possui um mínimo local em x i. (c) Se f (t i ) < 0 e f (t i+1 ) < 0, então f é decrescente à esquerda de x i e também decrescente à direita de x i, então f não tem nem máximo local máximo nem mínimo local em x i. (d) Se f (t i ) > 0 e f (t i+1 ) > 0, então f é crescente à esquerda de x i e também crescente à direita de x i, então f não possui nem máximo local nem mínimo local em x i.

12 Seção 6 Teste da primeira derivada para máximos e mínimos 12 As extremidades do (intervalo) domínio de definição da função, exigem um tratamento separado: Existe um ponto auxiliar t 1 à direita da extremidade a, e um ponto auxiliar t n à esquerda da extremidade b: 1. Na extremidade esquerda a, se f (t 1 ) < 0 então f é decrescente à direita de a, assim, a é um máximo local. 2. Na extremidade esquerda a, se f (t 0 ) > 0 então f é crescente à direita de a, assim, a é um mínimo local. 3. Na extremidade direita b, se f (t n ) < 0 então f é decrescente à esquerda de b, logo b é um mínimo local. 4. Na extremidade direita b, se f (t n ) > 0 então f é crescente à esquerda de b, logo b é um máximo local. Se houver confusão ao usar a lista, ela deve desaparecer após o seu uso. Já tratamos sobre o cálculo de f em pontos auxiliares entre pontos críticos para analisar se a função é crescente ou decrescente. Agora vamos aplicar aquela informação para analisar se existem picos do gráfico, ou vales do gráfico, ou nada em volta de cada ponto crítico e das extremidades do intervalo. Isto é, o significado geométrico da derivada ser positiva ou negativa é facilmente transformada em conclusões sobre máximos e mínimos locais. Exemplo: Obter os pontos de máximo e mínimo locais (relativos) da função f (x) = 2x 3 9x sobre o intervalo [a,b] = [ 2,2]. Solução: Derivamos a função, resolvemos a equação f (x) = 0, para obter 6x 2 18x = 0, ou seja, x(x 3) = 0, para obter os pontos críticos: 0 e 3. Como 3 não está no intervalo, nós retiramos o 3 da lista. Acrescentamos as extremidades do intervalo a = 2 e b = 2 à lista, para obter a lista ordenada { 2, 0, 2} de pontos especiais. Usaremos os pontos auxiliares - 1 e 1. Assim, f ( 1) = 24 > 0 e a função é crescente. Temos que f (1) = 12 < 0 e a função é decrescente. Assim, como f é crescente à esquerda e f é decrescente à direita de 0, o ponto 0 é um máximo local. Como f é crescente à direita da extremidade esquerda a = 2, a extremidade esquerda deve ter um mínimo local.

13 Seção 6 Teste da primeira derivada para máximos e mínimos 13 Como f é decrescente à esquerda da extremidade direita b = 2, a extremidade direita deve ser um mínimo local. Os processos para obter extremos absolutos e extremos locais são similares, mas também existem diferenças fundamentais. As únicas relações entre eles são que, pontos críticos e extremidades (e pontos de descontinuidade, etc.) fazem um enorme papel em ambas as situações, e que o máximo absoluto é certamente um máximo local, e da mesma forma, o mínimo absoluto é certamente um mínimo local. Por exemplo, apenas aplicar a função nos pontos críticos não indica sobre quais pontos são extremos locais. Mas, sabendo quais dos pontos críticos são extremos locais, é apenas um pequeno passo para obter quais são extremos absolutos: valores ainda devem ser aplicados na função! Assim, não confunda os dois processos! Desse modo, é fácil criar problemas para obter o valores extremos de uma função em um intervalo, mas é difícil produzir uma aplicação simples de extremos locais. Exercício: Obter todos os máximos e mínimos locais (relativos) da função 1. f (x) = (x + 1) 3 3(x + 1) sobre o intervalo [ 2,1]. 2. f (x) = (x + 1) 3 3(x + 1) sobre o intervalo [ 3,2]. 3. f (x) = 1 12x + x 3 sobre o intervalo [ 3,3]. 4. f (x) = 3x 4 8x 3 + 6x sobre o intervalo [ 3,3].

14 Seção 7 Aplicações de máximos e mínimos 14 7 Aplicações de máximos e mínimos 1. A tabela abaixo indica a concentração y de alumínio (mg/kg) em uma espécie de planta em função do acúmulo de fósforo x (mg/kg) no solo. Fósforo (x) Alumínio (y) A curva de ajuste quadrático é y = a +bx +cx 2, onde os coeficientes tem valores aproximados: a = , b = e c = Figura 2: Concentração de alumínio devido ao fósforo no solo Usando a função de ajuste, obtenha o ponto de menor concentração de alumínio nesta situação? 2. Se y = ax 2 + bx + c é a equação do gráfico de uma função quadrática, obter os valores a, b e c se f ( 1) = 12, f (0) = 8 e f (1) = 6. Usando a função obtida, calcular os valores f (2), f (3), f (4) e f (5). Use a derivada para obter o ponto de máximo ou de mínimo no intervalo [-2,4].

15 Seção 7 Aplicações de máximos e mínimos A tabela mostra a densidade volumétrica y do solo (mg /m 3 ) em diferentes alturas x (m) do perfil do solo, para um dado tipo de manejo. x y A curva de ajuste cúbico é y = a +bx +cx 2 +dx 3, com coeficientes tendo valores aproximados: a = , b = , c = e d = Figura 3: Densidade volumétrica em função da altura do perfil (a) Quais são os pontos de máximo e de mínimo da densidade volumétrica se 0 < x < 0.5? (b) Qual é o ponto de inflexão desta curva? (c) Em quais intervalos há crescimento e decrescimento desta função? (d) Em quais intervalos, a declividade da curva é positiva ou negativa?

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação).

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação). 5. FUNÇÕES DE UMA VARIÁVEL 5.1. INTRODUÇÃO Devemos compreender função como uma lei que associa um valor x pertencente a um conjunto A a um único valor y pertencente a um conjunto B, ao que denotamos por

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Segundo grau Conteúdo Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ 1 Introdução

Leia mais

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y Capítulo Funções, Plano Cartesiano e Gráfico de Função Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

Pesquisa Operacional. Função Linear - Introdução. Função do 1 Grau. Função Linear - Exemplos Representação no Plano Cartesiano. Prof.

Pesquisa Operacional. Função Linear - Introdução. Função do 1 Grau. Função Linear - Exemplos Representação no Plano Cartesiano. Prof. Pesquisa Operacional Prof. José Luiz Prof. José Luiz Função Linear - Introdução O conceito de função é encontrado em diversos setores da economia, por exemplo, nos valores pagos em um determinado período

Leia mais

Esboço de Curvas. Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html

Esboço de Curvas. Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html Esboço de Curvas Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html Roteiro para esboçar uma curva A. Verifique o domínio da função Exemplo: f(x) = 1 x {x x = 0} Roteiro para esboçar

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU FUNÇÃO IDENTIDADE... FUNÇÃO LINEAR... FUNÇÃO AFIM... GRÁFICO DA FUNÇÃO DO º GRAU... IMAGEM... COEFICIENTES DA FUNÇÃO AFIM... ZERO DA FUNÇÃO AFIM... 8 FUNÇÕES CRESCENTES OU DECRESCENTES... 9 SINAL DE UMA

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Primeiro grau Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ Resumo: Notas de

Leia mais

Função Quadrática Função do 2º Grau

Função Quadrática Função do 2º Grau Colégio Adventista Portão EIEFM MATEMÁTICA Função Quadrática 1º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO Professor: Hermes Jardim Disciplina: Matemática Lista 5 º Bimestre/13 Aluno(a): Número: Turma: Função Quadrática

Leia mais

Gráfico: O gráfico de uma função quadrática é uma parábola. Exemplos: 1) f(x) = x 2 + x -3-2 -1-1/2 1 3/2 2. 2) y = -x 2 + 1 -3-2 -1

Gráfico: O gráfico de uma função quadrática é uma parábola. Exemplos: 1) f(x) = x 2 + x -3-2 -1-1/2 1 3/2 2. 2) y = -x 2 + 1 -3-2 -1 Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 1º semestre 2015 Profa Olga Função Quadrática Uma função f : R R chama-se função quadrática quando existem números reais a, b e c, com a 0, tais que f(x) = ax 2 + bx

Leia mais

O coeficiente angular

O coeficiente angular A UA UL LA O coeficiente angular Introdução O coeficiente angular de uma reta já apareceu na Aula 30. Agora, com os conhecimentos obtidos nas Aulas 40 e 45, vamos explorar mais esse conceito e descobrir

Leia mais

Função do 2º Grau. V(x) 3x 12x. C(x) 5x 40x 40.

Função do 2º Grau. V(x) 3x 12x. C(x) 5x 40x 40. Função do º Grau. (Espcex (Aman) 04) Uma indústria produz mensalmente x lotes de um produto. O valor mensal resultante da venda deste produto é dado por C(x) 5x 40x 40. V(x) 3x x e o custo mensal da produção

Leia mais

Esboço de Gráficos (resumo)

Esboço de Gráficos (resumo) Esboço de Gráficos (resumo) 1 Máximos e Mínimos Definição: Diz-se que uma função tem um valor máximo relativo (máximo local) em c se existe um intervalo ( a, b) aberto contendo c tal que f ( c) f ( x)

Leia mais

Aplicações de Derivadas

Aplicações de Derivadas Aplicações de Derivadas f seja contínua no [a,b] e que f '(x) exista no intervalo aberto a x b. Então, existe pelo menos um valor c entre a eb, tal que f '(c) f (b) f (a) b a. pelo menos um ponto c (a,

Leia mais

ATENÇÃO: Escreva a resolução COMPLETA de cada questão no espaço reservado para a mesma.

ATENÇÃO: Escreva a resolução COMPLETA de cada questão no espaço reservado para a mesma. 2ª Fase Matemática Introdução A prova de matemática da segunda fase é constituída de 12 questões, geralmente apresentadas em ordem crescente de dificuldade. As primeiras questões procuram avaliar habilidades

Leia mais

MATEMÁTICA I AULA 07: TESTES PARA EXTREMOS LOCAIS, CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO TÓPICO 02: CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO Este tópico tem o objetivo de mostrar como a derivada pode ser usada

Leia mais

Métodos Estatísticos II 1 o. Semestre de 2010 ExercíciosProgramados1e2 VersãoparaoTutor Profa. Ana Maria Farias (UFF)

Métodos Estatísticos II 1 o. Semestre de 2010 ExercíciosProgramados1e2 VersãoparaoTutor Profa. Ana Maria Farias (UFF) Métodos Estatísticos II 1 o. Semestre de 010 ExercíciosProgramados1e VersãoparaoTutor Profa. Ana Maria Farias (UFF) Esses exercícios abrangem a matéria das primeiras semanas de aula (Aula 1) Os alunos

Leia mais

Capítulo 5: Aplicações da Derivada

Capítulo 5: Aplicações da Derivada Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo 5: Aplicações da Derivada 5- Acréscimos e Diferenciais - Acréscimos Seja y f

Leia mais

Funções algébricas do 1º grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior

Funções algébricas do 1º grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior Maurício Bezerra Bandeira Junior Definição Chama-se função polinomial do 1º grau, ou função afim, a qualquer função f de IR em IR dada por uma lei da forma f(x) = ax + b, onde a e b são números reais dados

Leia mais

9. Derivadas de ordem superior

9. Derivadas de ordem superior 9. Derivadas de ordem superior Se uma função f for derivável, então f é chamada a derivada primeira de f (ou de ordem 1). Se a derivada de f eistir, então ela será chamada derivada segunda de f (ou de

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - CAMPUS JOINVILLE CENTRO DE ENGENHARIAS DA MOBILIDADE Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire MARÇO / 2015 Sumário 1. Introdução... 5 2. Conjuntos...

Leia mais

Se ele optar pelo pagamento em duas vezes, pode aplicar o restante à taxa de 25% ao mês (30 dias), então. tem-se

Se ele optar pelo pagamento em duas vezes, pode aplicar o restante à taxa de 25% ao mês (30 dias), então. tem-se "Gigante pela própria natureza, És belo, és forte, impávido colosso, E o teu futuro espelha essa grandeza Terra adorada." 01. Um consumidor necessita comprar um determinado produto. Na loja, o vendedor

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina0.com.br Funções Reais CÁLCULO VOLUME ZERO - Neste capítulo, estudaremos as protagonistas do longa metragem

Leia mais

XXXI Olimpíada de Matemática da Unicamp Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Universidade Estadual de Campinas

XXXI Olimpíada de Matemática da Unicamp Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Universidade Estadual de Campinas Gabarito da Prova da Primeira Fase Nível Alfa 1 Questão 1 0 pontos Na Tabela 1 temos a progressão mensal para o Imposto de Renda Pessoa Física 014 01. Tabela 1: Imposto de Renda Pessoa Física 014 01. Base

Leia mais

PROJETO SALA DE AULA

PROJETO SALA DE AULA PROJETO SALA DE AULA 1. Identificação: Título: APRENDENDO FUNÇÕES BRINCANDO Série: 1º série do Ensino Fundamental Softwares Necessários: Cabri-Géomètre, Jogos de Funções e Graphmatica Tempo previsto: Seis

Leia mais

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Notasdeaula Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Os primeiros conjuntos numéricos conhecidos pela humanidade são os chamados inteiros positivos

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro De Ciências Exatas e da Terra. Departamento de Física Teórica e Experimental

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro De Ciências Exatas e da Terra. Departamento de Física Teórica e Experimental Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro De Ciências Exatas e da Terra Departamento de Física Teórica e Experimental Programa de Educação Tutorial Curso de Nivelamento: Pré-Cálculo PET DE FÍSICA:

Leia mais

MÓDULO 1 - Abrindo o Winplot e construindo gráficos

MÓDULO 1 - Abrindo o Winplot e construindo gráficos 1 MÓDULO 1 - Abrindo o Winplot e construindo gráficos 1 - Abrindo o Winplot Para abrir o Winplot.exe clique duas vezes no ícone. Abrirá a caixa: Clique (uma vez) no botão. Surgirá uma coluna: Clique no

Leia mais

FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL

FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL Hewlett-Packard FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL Aulas 01 a 04 Elson Rodrigues, Gabriel Carvalho e Paulo Luís Ano: 2015 Sumário INTRODUÇÃO AO PLANO CARTESIANO... 2 PRODUTO CARTESIANO... 2 Número de elementos

Leia mais

Módulo 2 Unidade 7. Função do 2 grau. Para início de conversa... Imagine você sentado. em um ônibus, indo. para a escola, jogando uma

Módulo 2 Unidade 7. Função do 2 grau. Para início de conversa... Imagine você sentado. em um ônibus, indo. para a escola, jogando uma Módulo 2 Unidade 7 Função do 2 grau Para início de conversa... Imagine você sentado em um ônibus, indo para a escola, jogando uma caneta para cima e pegando de volta na mão. Embora para você a caneta só

Leia mais

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional. n=1

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional. n=1 Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA Números e Funções Reais Avaliação - GABARITO 3 de abril de 203. Determine se as afirmações a seguir são verdadeiras

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

Apostila de Matemática Aplicada. Volume 1 Edição 2004. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Matemática Aplicada. Volume 1 Edição 2004. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostila de Matemática Aplicada Volume Edição 00 Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Capítulo - Revisão Neste capítulo será feita uma revisão através da resolução de alguns eercícios, dos principais tópicos já

Leia mais

PROFº. LUIS HENRIQUE MATEMÁTICA

PROFº. LUIS HENRIQUE MATEMÁTICA Geometria Analítica A Geometria Analítica, famosa G.A., ou conhecida como Geometria Cartesiana, é o estudo dos elementos geométricos no plano cartesiano. PLANO CARTESIANO O sistema cartesiano de coordenada,

Leia mais

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES FUNÇÕES O conceito de função é um dos mais importantes em toda a matemática. O conceito básico de função é o seguinte: toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

9xy yx9 = (9 100+x 10+y) (y 100+x 10+9) = (8 y) 100+9 10+(y+1)

9xy yx9 = (9 100+x 10+y) (y 100+x 10+9) = (8 y) 100+9 10+(y+1) Gabarito da Prova do Nível II Primeira Questão: ANULADA- Com três algarismos distintos, formamos três números: O primeiro número é obtido ordenando-se os algarismos em ordem decrescente, da esquerda para

Leia mais

casa. Será uma casa simples, situada em terreno plano, com sala, dois quartos, cozinha, banheiro e área de serviço.

casa. Será uma casa simples, situada em terreno plano, com sala, dois quartos, cozinha, banheiro e área de serviço. A UUL AL A A casa Nesta aula vamos examinar a planta de uma casa. Será uma casa simples, situada em terreno plano, com, dois quartos, cozinha, banheiro e área de serviço. Introdução terreno 20 m rua 30

Leia mais

2. Estude o sinal da função f cujo gráfico é a reta de inclinação 3 e que passa pelo ponto ( 5, 2).

2. Estude o sinal da função f cujo gráfico é a reta de inclinação 3 e que passa pelo ponto ( 5, 2). MAT1157 Cálculo a uma Variável A - 2014.1 Lista de Exercícios 7 PUC-Rio Função afim: 1. (a) Qual é a inclinação de uma reta horizontal (paralela ao eixo-x)? (b) Qual é a expressão da função cujo gráfico

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MATEMÁTICA 2 PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MATEMÁTICA 2 PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS 1 MATEMÁTICA PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ ESTUDO DAS DERIVADAS (CONCEITO E APLICAÇÕES) No presente capítulo, estudaremos as

Leia mais

A abordagem do assunto será feita inicialmente explorando uma curva bastante conhecida: a circunferência. Escolheremos como y

A abordagem do assunto será feita inicialmente explorando uma curva bastante conhecida: a circunferência. Escolheremos como y 5 Taxa de Variação Neste capítulo faremos uso da derivada para resolver certos tipos de problemas relacionados com algumas aplicações físicas e geométricas. Nessas aplicações nem sempre as funções envolvidas

Leia mais

UNIDADE 3 FUNÇÕES OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM

UNIDADE 3 FUNÇÕES OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Unidade 2 Matrizes e Sistemas de Equações Apresentação Lineares UNIDADE 3 FUNÇÕES OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar esta Unidade você deverá ser capaz de: Descrever e comentar possibilidades

Leia mais

Experimento. Guia do professor. Qual é o cone com maior volume? Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia

Experimento. Guia do professor. Qual é o cone com maior volume? Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia geometria e medidas Guia do professor Experimento Qual é o cone com maior volume? Objetivos da unidade 1. Dado um círculo de cartolina, investigar qual seria o cone com maior volume que se poderia montar;

Leia mais

Função polinomial Seja dado um número inteiro não negativo n, bem como os coeficientes reais a 0, a 1,,a n, com a n 0. A função definida por

Função polinomial Seja dado um número inteiro não negativo n, bem como os coeficientes reais a 0, a 1,,a n, com a n 0. A função definida por Funções polinomiais 4 Antes de ler o capítulo Esse capítulo trata de um grupo particular de funções, de modo que, antes de lê-lo, o leitor precisa dominar o conteúdo do Capítulo 1. Depois de tratarmos

Leia mais

FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES

FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES Í N D I C E Funções Definição... Gráficos (Resumo): Domínio e Imagem... 5 Tipos de Funções... 7 Função Linear... 8 Função Linear Afim... 9 Coeficiente Angular e Linear... Função

Leia mais

Aula: Equações polinomiais

Aula: Equações polinomiais Aula: Equações polinomiais Turma 1 e 2 Data: 05/09/2012-12/09/2012 Tópicos Equações polinomiais. Teorema fundamental da álgebra. Raízes reais e complexas. Fatoração e multiplicação de raízes. Relações

Leia mais

Função. Definição formal: Considere dois conjuntos: o conjunto X com elementos x e o conjunto Y com elementos y. Isto é:

Função. Definição formal: Considere dois conjuntos: o conjunto X com elementos x e o conjunto Y com elementos y. Isto é: Função Toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça corresponder a todo elemento do primeiro conjunto um único elemento do segundo, ocorre uma função. Definição formal:

Leia mais

MAT2454 - Cálculo Diferencial e Integral para Engenharia II

MAT2454 - Cálculo Diferencial e Integral para Engenharia II MAT454 - Cálculo Diferencial e Integral para Engenharia II a Lista de Exercícios -. Ache os pontos do hiperboloide x y + z = onde a reta normal é paralela à reta que une os pontos (,, ) e (5,, 6).. Encontre

Leia mais

Equações do segundo grau

Equações do segundo grau Módulo 1 Unidade 4 Equações do segundo grau Para início de conversa... Nesta unidade, vamos avançar um pouco mais nas resoluções de equações. Na unidade anterior, você estudou sobre as equações de primeiro

Leia mais

Funções e Aplicações. Ministrado por Bruno Tenório da S Lopes Coordenado por Profa Dra Edna Maura Zuffi

Funções e Aplicações. Ministrado por Bruno Tenório da S Lopes Coordenado por Profa Dra Edna Maura Zuffi Funções e Aplicações Ministrado por Bruno Tenório da S Lopes Coordenado por Profa Dra Edna Maura Zuffi Maio de 2011 Índice 1 - Conjuntos Numéricos... 4 Intervalos... 5 Intervalos finitos... 5 Intervalos

Leia mais

Equações Diferenciais

Equações Diferenciais Equações Diferenciais EQUAÇÕES DIFERENCIAS Em qualquer processo natural, as variáveis envolvidas e suas taxas de variação estão interligadas com uma ou outras por meio de princípios básicos científicos

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO COLÉGIO PEDRO II - CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO III 1ª SÉRIE MATEMÁTICA I PROF MARCOS EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO 1 wwwprofessorwaltertadeumatbr 1) Seja f uma função de N em N definida por f(n) 10 n Escreva

Leia mais

Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação

Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação Gustavo Sousa Pavani Universidade Federal do ABC (UFABC) 3º Trimestre - 2009 Aulas 1 e 2 Sobre o curso Bibliografia: James Stewart, Cálculo, volume I,

Leia mais

Forças internas. Objetivos da aula: Mostrar como usar o método de seções para determinar as cargas internas em um membro.

Forças internas. Objetivos da aula: Mostrar como usar o método de seções para determinar as cargas internas em um membro. Forças internas Objetivos da aula: Mostrar como usar o método de seções para determinar as cargas internas em um membro. Generalizar esse procedimento formulando equações que podem ser representadas de

Leia mais

CÁLCULO PARA ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO: VOLUME I

CÁLCULO PARA ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO: VOLUME I CÁLCULO PARA ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO: VOLUME I MAURICIO A. VILCHES Departamento de Análise - IME UERJ 2 Copyright by Mauricio A. Vilches Todos os direitos reservados Proibida a reprodução parcial ou total

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO - 2013 VP4 MATEMÁTICA 3 a ETAPA 6 o ao 9º Ano INTEGRAL ENSINO FUNDAMENTAL 1º E 2º ANOS INTEGRAIS ENSINO MÉDIO

ROTEIRO DE ESTUDO - 2013 VP4 MATEMÁTICA 3 a ETAPA 6 o ao 9º Ano INTEGRAL ENSINO FUNDAMENTAL 1º E 2º ANOS INTEGRAIS ENSINO MÉDIO 6 o ANO MATEMÁTICA I Adição e subtração de frações: Frações com denominadores iguais. Frações com denominadores diferentes. Multiplicação de um número natural por uma fração. Divisão entre um número natural

Leia mais

Somatórias e produtórias

Somatórias e produtórias Capítulo 8 Somatórias e produtórias 8. Introdução Muitas quantidades importantes em matemática são definidas como a soma de uma quantidade variável de parcelas também variáveis, por exemplo a soma + +

Leia mais

Utilização de Softwares Gráficos no Estudo de Funções

Utilização de Softwares Gráficos no Estudo de Funções Universidade Federal do Paraná UFPR Utilização de Softwares Gráficos no Estudo de Funções Amanda Carvalho de Oliveira Juliana Rodrigues de Araújo Marcelo José Cardozo Caldeira Mayara Poyer da Silva Verediana

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 2005/2

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 2005/2 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 00/ SUMÁRIO. LIMITES E CONTINUIDADE..... NOÇÃO INTUITIVA DE LIMITE..... FUNÇÃO CONTÍNUA NUM

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO

INSTITUTO TECNOLÓGICO PAC - PROGRAMA DE APRIMORAMENTO DE CONTEÚDOS. ATIVIDADES DE NIVELAMENTO BÁSICO. DISCIPLINAS: MATEMÁTICA & ESTATÍSTICA. PROFº.: PROF. DR. AUSTER RUZANTE 1ª SEMANA DE ATIVIDADES DOS CURSOS DE TECNOLOGIA

Leia mais

A função do primeiro grau

A função do primeiro grau Módulo 1 Unidade 9 A função do primeiro grau Para início de conversa... Já abordamos anteriormente o conceito de função. Mas, a fim de facilitar e aprofundar o seu entendimento, vamos estudar algumas funções

Leia mais

Derivação Implícita e Taxas Relacionadas

Derivação Implícita e Taxas Relacionadas Capítulo 14 Derivação Implícita e Taxas Relacionadas 14.1 Introdução A maioria das funções com as quais trabalhamos até agora é da forma y = f(x), em que y é dado diretamente ou, explicitamente, por meio

Leia mais

2) Se z = (2 + i).(1 + i).i, então a) 3 i b) 1 3i c) 3 i d) 3 + i e) 3 + i. ,será dado por: quando x = i é:

2) Se z = (2 + i).(1 + i).i, então a) 3 i b) 1 3i c) 3 i d) 3 + i e) 3 + i. ,será dado por: quando x = i é: Aluno(a) Nº. Ano: º do Ensino Médio Exercícios para a Recuperação de MATEMÁTICA - Professores: Escossi e Luciano NÚMEROS COMPLEXOS 1) Calculando-se corretamente as raízes da função f(x) = x + 4x + 5, encontram-se

Leia mais

Aula 18 Elipse. Objetivos

Aula 18 Elipse. Objetivos MÓDULO 1 - AULA 18 Aula 18 Elipse Objetivos Descrever a elipse como um lugar geométrico. Determinar a equação reduzida da elipse no sistema de coordenadas com origem no ponto médio entre os focos e eixo

Leia mais

Fundamentos da Matemática Fernando Torres. Números Complexos. Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508

Fundamentos da Matemática Fernando Torres. Números Complexos. Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508 Fundamentos da Matemática Fernando Torres Números Complexos Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508 Sumário 1. História...3 2.Introdução...4 3. A origem de i ao quadrado igual a -1...7 4. Adição, subtração,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA SERRA DOS ÓRGÃOS. Curso de Matemática

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA SERRA DOS ÓRGÃOS. Curso de Matemática Introdução ao GeoGebra software livre 0 CENTRO UNIVERSITÁRIO DA SERRA DOS ÓRGÃOS Curso de Matemática Primeiros Passos Com o Software Livre GeoGebra Março de 2010 Prof. Ilydio Pereira de Sá Introdução ao

Leia mais

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas Resolução dos Eercícios sobre Derivadas Eercício Utilizando a idéia do eemplo anterior, encontre a reta tangente à curva nos pontos onde e Vamos determinar a reta tangente à curva nos pontos de abscissas

Leia mais

3º Trimestre TRABALHO DE MATEMÁTICA - 2012 Ensino Fundamental 9º ano classe: A-B-C Profs. Marcelo/Fernando Nome:, nº Data de entrega: 09/ 11/12

3º Trimestre TRABALHO DE MATEMÁTICA - 2012 Ensino Fundamental 9º ano classe: A-B-C Profs. Marcelo/Fernando Nome:, nº Data de entrega: 09/ 11/12 3º Trimestre TRABALHO DE MATEMÁTICA - 2012 Ensino Fundamental 9º ano classe: A-B-C Profs. Marcelo/Fernando Nome:, nº Data de entrega: 09/ 11/12 NOTA:. Nota: Toda resolução deve ser feita no seu devido

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - DCET GEOMETRIA ANALÍTICA ASSUNTO: CÔNICAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - DCET GEOMETRIA ANALÍTICA ASSUNTO: CÔNICAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - DCET GEOMETRIA ANALÍTICA ASSUNTO: CÔNICAS. Usando a definição de parábola determinar, em cada um dos itens a

Leia mais

Í N D I C E Introdução Função Constante... 01 Função Linear... 02

Í N D I C E Introdução Função Constante... 01 Função Linear... 02 UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL Conhecendo a teoria III Curso: Pós-graduação / MBA Campus Virtual Cruzeiro do Sul - 009 Professor Responsável: Carlos Henrique de Jesus Costa Professores Conteudistas: Carlos

Leia mais

Lista de Exercícios - Integrais

Lista de Exercícios - Integrais Lista de Exercícios - Integrais 4) Calcule as integrais indefinidas: 5) Calcule as integrais indefinidas: 1 6) Suponha f(x) uma função conhecida e que queiramos encontrar uma função F(x), tal que y = F(x)

Leia mais

Resolução da Prova da Escola Naval 2009. Matemática Prova Azul

Resolução da Prova da Escola Naval 2009. Matemática Prova Azul Resolução da Prova da Escola Naval 29. Matemática Prova Azul GABARITO D A 2 E 2 E B C 4 D 4 C 5 D 5 A 6 E 6 C 7 B 7 B 8 D 8 E 9 A 9 A C 2 B. Os 6 melhores alunos do Colégio Naval submeteram-se a uma prova

Leia mais

Experimento. Guia do professor. Otimização da cerca. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Experimento. Guia do professor. Otimização da cerca. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação Números e funções Guia do professor Experimento Otimização da cerca Objetivos da unidade 1. Resolver um problema de otimização através do estudo de uma função quadrática. 2. Estudar as propriedades de

Leia mais

Função do 2 grau. Módulo 2 Unidade 6. Para início de conversa... Matemática e suas Tecnologias Matemática 67

Função do 2 grau. Módulo 2 Unidade 6. Para início de conversa... Matemática e suas Tecnologias Matemática 67 Módulo Unidade 6 Função do grau Para início de conversa... A função é um grande instrumento de modelagem de fenômenos físicos e situações cotidianas como foi visto em unidades anteriores. Um tipo de função

Leia mais

PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO

PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO (Tóp. Teto Complementar) PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO 1 PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO Este teto estuda um grupo de problemas, conhecido como problemas de otimização, em tais problemas, quando possuem soluções, é

Leia mais

Distribuição de Freqüência

Distribuição de Freqüência Distribuição de Freqüência Representação do conjunto de dados Distribuições de freqüência Freqüência relativa Freqüência acumulada Representação Gráfica Histogramas Organização dos dados Os métodos utilizados

Leia mais

Curso Satélite de. Matemática. Sessão n.º 2. Universidade Portucalense

Curso Satélite de. Matemática. Sessão n.º 2. Universidade Portucalense Curso Satélite de Matemática Sessão n.º 2 Universidade Portucalense Funções reais de variável real Deinição e generalidades Uma unção é uma correspondência que a qualquer elemento de um conjunto D az corresponder

Leia mais

Roda de Samba. Série Matemática na Escola

Roda de Samba. Série Matemática na Escola Roda de Samba Série Matemática na Escola Objetivos 1. Apresentar uma aplicação de funções quadráticas; 2. Analisar pontos de máximo de uma parábola;. Avaliar o comportamento da parábola com variações em

Leia mais

Truques e Dicas. = 7 30 Para multiplicar fracções basta multiplicar os numeradores e os denominadores: 2 30 = 12 5

Truques e Dicas. = 7 30 Para multiplicar fracções basta multiplicar os numeradores e os denominadores: 2 30 = 12 5 Truques e Dicas O que se segue serve para esclarecer alguma questão que possa surgir ao resolver um exercício de matemática. Espero que lhe seja útil! Cap. I Fracções. Soma e Produto de Fracções Para somar

Leia mais

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL.1 Funções Vetoriais de Uma Variável Real Vamos agora tratar de um caso particular de funções vetoriais F : Dom(f R n R m, que são as funções vetoriais de uma

Leia mais

Construção na orla marítima

Construção na orla marítima Reforço escolar M ate mática Construção na orla marítima Dinâmica 4 9º Ano 2º Bimestre Professor DISCIPLINA Ano CAMPO CONCEITO Matemática 9º do Ensino Fundamental Algébrico Simbólico Equação do 2º. Grau

Leia mais

Lógica Matemática e Computacional 5 FUNÇÃO

Lógica Matemática e Computacional 5 FUNÇÃO 5 FUNÇÃO 5.1 Introdução O conceito de função fundamenta o tratamento científico de problemas porque descreve e formaliza a relação estabelecida entre as grandezas que o integram. O rigor da linguagem e

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

NO ESTUDO DE FUNÇÕES

NO ESTUDO DE FUNÇÕES 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA SEMANA DA MATEMÁTICA 2014 UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES GRÁFICOS NO ESTUDO DE FUNÇÕES PIBID MATEMÁTICA 2009 CURITIBA

Leia mais

A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários:

A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários: 1 1.1 Função Real de Variável Real A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários: 1. Um conjunto não vazio para ser o domínio;

Leia mais

Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,...

Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,... Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,... 0) O que veremos na aula de hoje? Um fato interessante Produtos notáveis Equação do 2º grau Como fazer a questão 5 da 3ª

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web . (Pucrj 015) Sejam as funções f(x) = x 6x e g(x) = x 1. O produto dos valores inteiros de x que satisfazem a desigualdade f(x) < g(x) é: a) 8 b) 1 c) 60 d) 7 e) 10 4. (Acafe 014) O vazamento ocorrido

Leia mais

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA PROF. CARLINHOS NOME: N O :

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA PROF. CARLINHOS NOME: N O : ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA FUNÇÃO DO 1º GRAU PROF. CARLINHOS NOME: N O : 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU DEFINIÇÃO Chama-se função do 1. grau toda função definida de por f() = a b com a, b e a 0.

Leia mais

Explorações de alunos

Explorações de alunos A partir dos exemplos sugeridos e explorados pelos alunos pretende-se que possam conjecturar que, dadas duas funções reais de variável real f e g, o domínio da função quociente pode ser dado por: f f g

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 6. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado por: = =

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 6. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado por: = = Energia Potencial Elétrica Física I revisitada 1 Seja um corpo de massa m que se move em linha reta sob ação de uma força F que atua ao longo da linha. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo

Leia mais

COLÉGIO ETIP NIVELAMENTO BÁSICO DE MATEMÁTICA ENSINO MÉDIO INTEGRADO À INFORMÁTICA PROFESSOR RUBENS SOARES

COLÉGIO ETIP NIVELAMENTO BÁSICO DE MATEMÁTICA ENSINO MÉDIO INTEGRADO À INFORMÁTICA PROFESSOR RUBENS SOARES COLÉGIO ETIP NIVELAMENTO BÁSICO DE MATEMÁTICA ENSINO MÉDIO INTEGRADO À INFORMÁTICA PROFESSOR RUBENS SOARES SANTO ANDRÉ 2012 MEDIDAS DE SUPERFÍCIES (ÁREA): No sistema métrico decimal, devemos lembrar que,

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa E. alternativa B. alternativa E. A figura exibe um mapa representando 13 países.

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa E. alternativa B. alternativa E. A figura exibe um mapa representando 13 países. Questão A figura eibe um mapa representando países. alternativa E Inicialmente, no recipiente encontram-se 40% ( 000) = 400 m de diesel e 60% ( 000) = = 600 m de álcool. Sendo, em mililitros, a quantidade

Leia mais

Vestibular 2ª Fase Resolução das Questões Discursivas

Vestibular 2ª Fase Resolução das Questões Discursivas COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 010 Prova de Matemática Vestibular ª Fase Resolução das Questões Discursivas São apresentadas abaixo possíveis

Leia mais

FUNÇÕES. 1. Equação. 2. Gráfico. 3. Tabela.

FUNÇÕES. 1. Equação. 2. Gráfico. 3. Tabela. FUNÇÕES Em matemática, uma função é dada pela relação entre duas ou mais quantidades. A função de uma variável f(x) relaciona duas quantidades, sendo o valor de f dependente do valor de x. Existem várias

Leia mais

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia ENG 1403 Circuitos Elétricos e Eletrônicos Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia Guilherme P. Temporão 1. Introdução Nas últimas duas aulas, vimos como circuitos com

Leia mais

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão 1 AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão Ernesto F. L. Amaral 23, 28 e 30 de setembro de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS

CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA FAETEC ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL SANTA CRUZ ETESC DISCIPLINA DE QUÍMICA EXPERIMENTAL Profs.: Ana Cristina, Denis Dutra e José Lucas

Leia mais

Geometria Analítica. Katia Frensel - Jorge Delgado. NEAD - Núcleo de Educação a Distância. Curso de Licenciatura em Matemática UFMA

Geometria Analítica. Katia Frensel - Jorge Delgado. NEAD - Núcleo de Educação a Distância. Curso de Licenciatura em Matemática UFMA Geometria Analítica NEAD - Núcleo de Educação a Distância Curso de Licenciatura em Matemática UFMA Katia Frensel - Jorge Delgado Março, 011 ii Geometria Analítica Conteúdo Prefácio ix 1 Coordenadas na

Leia mais

Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções

Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções 1. INTRODUÇÃO Ao se obter uma sucessão de pontos experimentais que representados em um gráfico apresentam comportamento

Leia mais