CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES"

Transcrição

1 CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES IDENTIFICADORES Os objetos que usamos no nosso algoritmo são uma representação simbólica de um valor de dado. Assim, quando executamos a seguinte instrução: atribua o valor 2 ao objeto valor; O valor 2 fica associado ao objeto valor. Assim, cada vez que mencionamos o nome do objeto valor, nós estaremos referenciando, implicitamente, ao valor que foi associado a ele. Isto torna o algoritmo mais prático, pois além de ser fácil lembrarmos de um nome do que de um valor de dado, o nome de um objeto permanece inalterada durante toda a execução de um algoritmo, ao passo que o valor a ele associado pode mudar com o dinamismo do algoritmo, como por exemplo: objetos x, y; início das ações: fim das ações. atribua 3 ao objeto x; calcule 2 x e atribua o resultado ao objeto y; calcule 4 y e atribua o resultado ao objeto x; Note que os valores de x e y variam no decorrer da execução do algoritmo. O objeto x começa com o valor 3 e termina com o valor 24, e o y começa com um valor não definido e termina com 6. Note que não nos preocupa a variação de valores dos objetos, pois eles continuam a ter o mesmo nome. Por este motivo, dizemos que os objetos de um algoritmo identificam valores a eles associados, e por isto, estes objetos são chamados de identificadores. Como os nossos algoritmos têm como finalidade a comunicação do homem com a máquina (computador), podemos dizer, de uma forma grosseira, que um identificador do algoritmo será associado com uma célula de memória do computador, a qual armazenará o valor associado ao identificador. E toda vez que mencionamos o nome do identificador no algoritmo, o computador irá "buscar", na célula de memória associada com o identificador, o valor armazenado e realizará a operação descrita no algoritmo. Existe uma certa semelhança entre identificadores e variáveis matemáticas, logo é comum, em literaturas do gênero computacional encontrar, também, esta denominação para os identificadores. Mas queremos deixar claro que esta analogia nem sempre é possível, pois, considere a seguinte expressão matemática: x = x + 1. Esta expressão matemática não tem solução, pois qual é o número que é igual a ele mesmo somado em uma unidade.

2 CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES 39 Já computacionalmente está expressão é válida, pois o significado semântico é diferente, o qual é: Calcule a expressão x + 1 e atribua o resultado a x; Para o computador, isto significa: recupere o valor que está armazenado na célula x some uma unidade e armazene o resultado na própria célula x. É importante deixar claro que um identificador (objeto) só pode armazenar um único valor por vez. E sempre armazenará o último valor que lhe for fornecido. Assim, se fizermos o identificador x receber o valor 100, e logo mais adiante atribuirmos ao mesmo identificador x o valor 50, a partir deste ponto o valor associado a x será 50. Você deverá escolher os nomes dos identificadores que serão utilizados, mas devendo respeitar as seguintes regras na escolha dos nomes: 1) Use somente letras e números na escolha dos nomes; 2) O primeiro caractere do nome deve ser sempre uma letra; 3) Não é permitido o uso de qualquer caractere especial (;,, -, +, é, á,.,?, espaço em branco) no nome de identificador. Exemplos de identificadores válidos: ImpostoDeRenda, F1, soma, produto, desconto, SalarioHora Exemplos de identificadores não válidos: 1 f não começa com uma letra Imposto-renda tem caractere especial "-" no nome do identificador salário hora espaço em branco no nome do identificador Obs.: Procure sempre adotar nomes de identificadores curtos mas que se relacionem com as funções que eles irão representar no decorrer do algoritmo, será muito mais fácil de lembrar dos identificadores e para que eles servem. Um exemplo, para representar o número de matrícula de um funcionário de uma empresa, você poderia escolher qualquer identificador, como x1, xurt23,..., mas seria muito mais esclarecedor e de bom gosto adotar um nome de identificador NumeroFuncionário, ou simplesmente NumFunc. No conceito de identificador de dado estão associadas quatro características (figura 3.1): o seu nome, o seu tipo, endereço da célula de memória do computador associado ao identificador e o valor armazenado na célula de memória. Nome nome do identificador conteúdo (valor armazenado na célula de memória ) célula de memória Figura Atributos de um identificador.

3 CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES 40 O tipo do identificador especifica uma classe de valores que podem ser armazenados na célula de memória associada ao identificador, além de definir quais são as operações legais que poderão ser usadas para criar, acessar e modificar o conteúdo da célula de memória, isto é, supondo que na célula esteja armazenado um número, poderemos fazer uma operação de subtração com um outro número, mas se for uma letra, a operação de subtração não pode ser feita IDENTIFICADOR E O TIPO DO DADO ARMAZENADO Um identificador, como já vimos, armazena um único valor de dado por vez. Mas, será que ele pode armazenar qualquer dado? Os dados podem ter estruturas físicas diferentes na representação do seu valor. Vejamos, como exemplo. Os valores: 1 1,00 0,1 x representam a mesma grandeza, mas possuem estruturas de organização diferentes. Observe que estamos tratando somente com dados numéricos. Caso, resolvamos envolver outros tipos de dados (como dados caracteres, dados lógicos, dados cadeias de caracteres, entre outros) teríamos estruturas completamente diferentes. As células de memória do computador precisam ser compatível com o tipo da estrutura do dado que ela irá armazenar, e como vimos estas estruturas variam com o tipo dado. Isto quer dizer que, precisamos informar ao computador quais serão as células de memória que serão utilizadas e qual o tipo de dado que será armazenado na mesma. A informação do tipo do dado armazenado na célula de memória tem outra função, que é a de definir quais serão as operações válidas que poderão ser aplicadas sobre o dado armazenado. Por exemplo: Se o dado for numérico podemos fazer operações aritméticas (adição, subtração, multiplicação, divisão e exponenciação). Caso, o dado seja uma cadeia de caracteres, poderemos efetuar uma operação de concatenação (juntar dois textos, armazenados em duas células de memória distintas em uma única célula de memória). Os tipos de dados são classificados em dois grandes grupos: os tipos simples (ou primitivos) e os tipos estruturados (capítulo 8). Os dados do tipo simples (figura 3.2) se subdividem em conjuntos específicos, como ilustra a árvore a seguir.

4 CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES 41 Tipos de dados simples numérico caractere lógico inteiro real Figura Representação dos tipos de dados simples Tipo de dados numéricos A princípio, podemos admitir a existência de dois grandes conjuntos de natureza numérica: o conjunto dos números reais e o conjunto dos números inteiros. Com exceção do conjunto dos números complexos, os outros (naturais, fracionários) são subconjunto dos conjuntos dos inteiros e reais, respectivamente. Os números complexos não serão abrangidos no contexto deste trabalho Inteiros Os números inteiros podem ser positivos, negativos ou nulos e não possuem um componente decimal. Na notação matemática em forma de conjunto, poderíamos ter a seguinte representação: Z = {..., -2, -1, 0, 1, 2,...}. Matematicamente, os números inteiros são compatíveis com os números reais, pois o conjunto dos reais contém o conjunto dos inteiros. Mas, a recíproca não é verdadeira, pois, nem todo número real é um inteiro, mas todo inteiro é um real. Adotaremos aqui, esta definição matemática. Todo identificador definido como real poderá receber um valor inteiro, mas os identificadores inteiros nunca poderão receber um valor real, mesmo que a parte fracionária do mesmo seja nula. Identificadores que forem deste tipo serão declarados como sendo do tipo inteiro Reais Os números podem ser positivos, negativos ou nulos, e possuem, sempre, um componente decimal. Exemplificando alguns números reais: 2,34-3,14 0,0 34,0-214, x x10-4 Computacionalmente, existem muitas diferenças na forma de armazenamento de números inteiros e reais. Geralmente, valores inteiros exigem um espaço de memória menor do que os reais.

5 CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES 42 Identificadores que forem deste tipo serão declarados como sendo do tipo real Tipos de dados não numéricos Os tipos simples não numéricos representam os conjuntos dos caracteres e dos valores lógicos (ou booleanos) Caractere O conjunto dos caracteres são formados por letras (de A a Z), dígitos (de 0 a 9) e caracteres especiais (~,.,?, >, <,...). As diferenças entre dados numéricos e caracteres estão na forma de armazenamento e nas operações legais que podem manipular dados. Podemos fazer operações aritméticas com os dados numéricos, mas estas operações não são permitidas para os caracteres. Para diferenciar um dado numérico e um identificador de um caractere, utilizaremos sempre o dado caractere entre apóstrofes ( ). Assim poderíamos ter: 8 é numérico '8' é caractere A é um identificador 'A' é um caractere Identificadores que forem deste tipo serão declarados como sendo do tipo caractere. Identificadores que forem declaradas como sendo do tipo caractere poderão armazenar um único caractere. Para armazenar uma seqüência de caracteres, criaremos a estrutura cadeia de caracteres, a qual, consideraremos aqui como sendo um tipo de dado estruturado, e por ser mais complexa a estudaremos mais adiante. Mas para diferenciar a duas estruturas, eis um exemplo: Lógicos Z é um caractere ANA é uma cadeia de caracteres O conjunto dos valores lógicos é formado, unicamente por duas possibilidades (falso e verdadeiro). Isto que dizer que, qualquer identificador que for declarado como sendo deste tipo, só poderá armazenar um destes valores. Os dados do tipo lógico são muito utilizados para controle do fluxo lógico do algoritmo. Os únicos operadores que podem manipular dados deste tipo são os operadores relacionais (<>, <, =,...) e os operadores lógicos (E, OU, NÃO), os quais serão inseridos posteriormente. Identificadores que forem deste tipo serão declarados como sendo do tipo booleano ou lógico.

6 CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES DECLARAÇÃO DO TIPO DO IDENTIFICADOR A declaração do tipo do identificador deve ser feita na seção de declaração dos objetos que serão utilizadas no algoritmo. Esta declaração deve ser feita com a seguinte sintaxe: objetos identificador : tipo; Caso haja mais de um identificador com o mesmo tipo no mesmo algoritmo, poderemos declará-los da seguinte forma: objetos identificador1, identificador2, identificador3: tipo; Supondo que em um algoritmo, tenhamos os identificadores i1, i2 e i3 do tipo inteiro e c1, c2 do tipo caractere e b do tipo booleano e r do tipo real, teríamos a seguinte declaração dos tipos dos objetos: objetos i1, i2, i3 cl, c2 b r : inteiro; : caractere; : booleano; : real; Uma das dificuldades de definição de tipo de um identificador ocorre quando temos que declará-lo como sendo de um tipo numérico, pois o mesmo poderá ser do tipo real ou inteiro. A priori, não existe um receituário para a escolha do tipo do identificador. O próprio problema, ou o caminho escolhido para a sua solução é que permitirá a escolha do tipo do identificador. Mas enxergaremos isto somente se, estivermos devidamente afinados com a solução do problema, isto é, devemos conhecer profundamente a solução do problema, suas limitações e restrições. Exemplo de números inteiros: número de pessoas convidadas para uma festa; um número par ou ímpar; um número primo; idade de uma pessoa (geralmente é tratada como inteiro); quantidade de mercadorias em estoque. Exemplos de números reais: o peso de uma pessoa (em Kg); percentual; nota de uma avaliação; média aritmética; preço de um produto.

7 CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES 44 Existem situações em que podemos ficar em dúvida quanto ao tipo de resultado esperado em uma expressão, como por exemplo: a raiz quadrada de um número inteiro a divisão entre dois números inteiros Se quisermos calcular a raiz quadrada de 4, matematicamente, podemos admitir que o resultado é do tipo inteiro, mas se calcularmos a raiz quadrada de 5, o resultado obtido será do tipo real. Logo, qual deverá ser a tipo do identificador que receberá o resultado desta expressão? Quando houver alguma possibilidade do resultado de uma expressão ser do tipo real, o identificador que receberá o resultado da mesma deverá ser sempre do tipo real, pois os inteiros estão contidos nos reais, assim, se atribuirmos um valor inteiro a um identificador real nenhum erro ocorrerá, mas a recíproca não é verdadeira. Exemplo: Dados dois números inteiros, diferentes de zero, faça um algoritmo que calcule a razão entre os mesmos. ae (n1, n2); as (razão); objetos n1, n2 : inteiro; razão : real; inicio das ações: conheça dois valores inteiros diferentes de zero e atribua-os a n1 e a n2, respectivamente; calcule a expressão n1/n2 e atribua o resultado ao identificador razão; informe o valor armazenado no identificador razão; fim das ações VALORES DOS DADOS Os dados são os valores que serão armazenados em células de memória e que poderão ser acessados por referência aos identificadores, respectivos, associados com estas células. Assim, se tivermos os identificadores i, r, c e b como sendo inteiro, real, caractere e booleano, respectivamente, e atribuirmos a estes identificadores os valores de dados 100; 3,14, 'Z' e falso, teríamos a seguinte configuração: i r c b 100 3,14 Z falso Se executarmos a ação informe o valor de r o resultado obtido será 3,14, pois este valor está associado com o identificador r. Assim, qualquer referência que fizermos a um identificador, estaremos, implicitamente, nos referenciando ao valor do dado associado ao mesmo.

Aula 4 Pseudocódigo Tipos de Dados, Expressões e Variáveis

Aula 4 Pseudocódigo Tipos de Dados, Expressões e Variáveis 1. TIPOS DE DADOS Todo o trabalho realizado por um computador é baseado na manipulação das informações contidas em sua memória. Estas informações podem ser classificadas em dois tipos: As instruções, que

Leia mais

Algoritmos Computacionais ( Programas )

Algoritmos Computacionais ( Programas ) Algoritmos Computacionais ( Programas ) A partir deste tópico, consideramos a utilização do universo Computacional na solução de problemas. Para tanto devemos lembrar que a transposição de problemas do

Leia mais

A lógica de programação ajuda a facilitar o desenvolvimento dos futuros programas que você desenvolverá.

A lógica de programação ajuda a facilitar o desenvolvimento dos futuros programas que você desenvolverá. INTRODUÇÃO A lógica de programação é extremamente necessária para as pessoas que queiram trabalhar na área de programação, seja em qualquer linguagem de programação, como por exemplo: Pascal, Visual Basic,

Leia mais

Algoritmos e Programação de Computadores

Algoritmos e Programação de Computadores Algoritmos e Programação de Computadores Algoritmos Estrutura Sequencial Parte 1 Professor: Victor Hugo L. Lopes Agenda Etapas de ação do computador; TDP Tipos de Dados Primitivos; Variáveis; Constantes;

Leia mais

Algoritmos e Programação Conceitos e Estruturas básicas (Variáveis, constantes, tipos de dados)

Algoritmos e Programação Conceitos e Estruturas básicas (Variáveis, constantes, tipos de dados) Algoritmos e Programação Conceitos e Estruturas básicas (Variáveis, constantes, tipos de dados) Os algoritmos são descritos em uma linguagem chamada pseudocódigo. Este nome é uma alusão à posterior implementação

Leia mais

Apostila de Fundamentos de Programação I. Prof.: André Luiz Montevecchi

Apostila de Fundamentos de Programação I. Prof.: André Luiz Montevecchi Apostila de Fundamentos de Programação I Prof: André Luiz Montevecchi Introdução O mundo atual é dependente da tecnologia O uso intenso de diversos aparatos tecnológicos é parte integrante do nosso dia-a-dia

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação Dados X O computador nada mais é do que uma máquina de processar dados eletronicamente, com alta velocidade de processamento. Por meio de entrada de dados, ele executa instruções,

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos 1. Domínio e Aplicação Orientação a Objetos Um domínio é composto pelas entidades, informações e processos relacionados a um determinado contexto. Uma aplicação pode ser desenvolvida para automatizar ou

Leia mais

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área.

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área. Disciplina Lógica de Programação Visual Ana Rita Dutra dos Santos Especialista em Novas Tecnologias aplicadas a Educação Mestranda em Informática aplicada a Educação ana.santos@qi.edu.br Conceitos Preliminares

Leia mais

Conceitos Importantes:

Conceitos Importantes: Conceitos Importantes: Variáveis: Por Flávia Pereira de Carvalho, 2007 i O bom entendimento do conceito de variável é fundamental para elaboração de algoritmos, consequentemente de programas. Uma variável

Leia mais

Introdução aos cálculos de datas

Introdução aos cálculos de datas Page 1 of 7 Windows SharePoint Services Introdução aos cálculos de datas Aplica-se a: Microsoft Office SharePoint Server 2007 Ocultar tudo Você pode usar fórmulas e funções em listas ou bibliotecas para

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES (Teoria)

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES (Teoria) PC PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES (Teoria) Aula 01 Prof. Ricardo Veras (prof.rveras@gmail.com) ALGORITMOS "Seqüência ordenada de passos, que deve ser seguida para a realização de um tarefa" "Algoritmo é um

Leia mais

Introdução à Lógica de Programação

Introdução à Lógica de Programação Sistemas Operacionais e Introdução à Programação Introdução à Lógica de Programação 1 Estruturas de dados Representação computacional das informações do problema ser resolvido Informações podem ser de

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA. CC 2º Período

PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA. CC 2º Período PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CC 2º Período PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA Aula 06: Ponteiros Declarando e utilizando ponteiros Ponteiros e vetores Inicializando ponteiros Ponteiros para Ponteiros Cuidados a serem

Leia mais

ULA Sinais de Controle enviados pela UC

ULA Sinais de Controle enviados pela UC Solução - Exercícios Processadores 1- Qual as funções da Unidade Aritmética e Lógica (ULA)? A ULA é o dispositivo da CPU que executa operações tais como: Adição Subtração Multiplicação Divisão Incremento

Leia mais

2. Representação Numérica

2. Representação Numérica 2. Representação Numérica 2.1 Introdução A fim se realizarmos de maneira prática qualquer operação com números, nós precisamos representa-los em uma determinada base numérica. O que isso significa? Vamos

Leia mais

Aula 2 Modelo Simplificado de Computador

Aula 2 Modelo Simplificado de Computador Aula 2 Modelo Simplificado de Computador Um computador pode ser esquematizado de maneira bastante simplificada da seguinte forma: Modelo Simplificado de Computador: Memória Dispositivo de Entrada Processador

Leia mais

Exercícios de Fixação Pseudocódigo e Estruturas Básicas de Controle

Exercícios de Fixação Pseudocódigo e Estruturas Básicas de Controle Disciplina: TCC-00.7 Prog. de Computadores III Professor: Leandro Augusto Frata Fernandes Turma: A- Data: / / Exercícios de Fixação Pseudocódigo e Estruturas Básicas de Controle. Construa um algoritmo

Leia mais

Resolução de problemas e desenvolvimento de algoritmos

Resolução de problemas e desenvolvimento de algoritmos SSC0101 - ICC1 Teórica Introdução à Ciência da Computação I Resolução de problemas e desenvolvimento de algoritmos Prof. Vanderlei Bonato Prof. Cláudio Fabiano Motta Toledo Sumário Análise e solução de

Leia mais

Algoritmos e Programação _ Departamento de Informática

Algoritmos e Programação _ Departamento de Informática 5 TIPOS DE DADOS Todo o trabalho realizado por um computador é baseado na manipulação das informações contidas em sua memória. De um modo geral estas informações podem ser classificadas em dois tipos:

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Disciplina de Lógica Computacional Aplicada. Prof. Dr.

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Disciplina de Lógica Computacional Aplicada. Prof. Dr. Índice 1. SISTEMAS NUMÉRICOS 1.1 Caracterização dos Sistemas Numéricos 1.2 Sistemas Numéricos em uma Base B Qualquer 1.2.1 Sistema de Numeração Decimal 1.2.2. Sistema de Numeração Binário 1.2.3 Sistema

Leia mais

23/02/2015. 006 007 8 NOME João 011 12 CPF 98395831153 021 022 023 24 SALARIO 3000,00 VARIÁVEL VARIÁVEIS

23/02/2015. 006 007 8 NOME João 011 12 CPF 98395831153 021 022 023 24 SALARIO 3000,00 VARIÁVEL VARIÁVEIS VARIÁVEL Uma variável é um local na memória principal, isto é um endereço que armazena um conteúdo. Em linguagens de alto nível, nós é permitido dar nome a esse endereço para facilitar a programação. Gilvan

Leia mais

Introdução. A Informação e sua Representação (Parte III) Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação

Introdução. A Informação e sua Representação (Parte III) Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Introdução à Computação A Informação e sua Representação (Parte III) Prof.a Joseana Macêdo Fechine Régis de Araújo joseana@computacao.ufcg.edu.br

Leia mais

Linguagem algorítmica: Portugol

Linguagem algorítmica: Portugol Programação de Computadores I Aula 03 Linguagem algorítmica: Portugol José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/34 Introdução I Lógica A lógica é usada

Leia mais

Algoritmo e Programação

Algoritmo e Programação Algoritmo e Programação Professor: José Valentim dos Santos Filho Colegiado: Engenharia da Computação Prof.: José Valentim dos Santos Filho 1 Ementa Noções básicas de algoritmo; Construções básicas: operadores,

Leia mais

3. Tipos de Dados, Constantes e Variáveis.

3. Tipos de Dados, Constantes e Variáveis. 3. Tipos de Dados, Constantes e Variáveis. O computador realiza a sua tarefa trabalhando as informações contidas em sua memória, essas podem ser classificadas em dois tipos básicos: as instruções e os

Leia mais

Algoritmos Estruturas Seqüenciais. José Gustavo de Souza Paiva

Algoritmos Estruturas Seqüenciais. José Gustavo de Souza Paiva Algoritmos Estruturas Seqüenciais José Gustavo de Souza Paiva 1 Introdução Objetivo básico da computação auxiliar os seres humanos em trabalhos repetitivos e braçais, diminuindo i i d esforços e economizando

Leia mais

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Introdução O computador como ferramenta indispensável: Faz parte das nossas vidas; Por si só não faz nada de útil; Grande capacidade de resolução

Leia mais

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES FUNÇÕES O conceito de função é um dos mais importantes em toda a matemática. O conceito básico de função é o seguinte: toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça

Leia mais

Curso: Técnico de Informática Disciplina: Redes de Computadores. 1- Apresentação Binária

Curso: Técnico de Informática Disciplina: Redes de Computadores. 1- Apresentação Binária 1- Apresentação Binária Os computadores funcionam e armazenam dados mediante a utilização de chaves eletrônicas que são LIGADAS ou DESLIGADAS. Os computadores só entendem e utilizam dados existentes neste

Leia mais

Cálculo Numérico Aula 1: Computação numérica. Tipos de Erros. Aritmética de ponto flutuante

Cálculo Numérico Aula 1: Computação numérica. Tipos de Erros. Aritmética de ponto flutuante Cálculo Numérico Aula : Computação numérica. Tipos de Erros. Aritmética de ponto flutuante Computação Numérica - O que é Cálculo Numérico? Cálculo numérico é uma metodologia para resolver problemas matemáticos

Leia mais

Capacidade = 512 x 300 x 20000 x 2 x 5 = 30.720.000.000 30,72 GB

Capacidade = 512 x 300 x 20000 x 2 x 5 = 30.720.000.000 30,72 GB Calculando a capacidade de disco: Capacidade = (# bytes/setor) x (méd. # setores/trilha) x (# trilhas/superfície) x (# superfícies/prato) x (# pratos/disco) Exemplo 01: 512 bytes/setor 300 setores/trilha

Leia mais

O Excel é um programa de computador desenvolvido para gerenciar dados na forma de planilhas.

O Excel é um programa de computador desenvolvido para gerenciar dados na forma de planilhas. O que é o Excel? O Excel é um programa de computador desenvolvido para gerenciar dados na forma de planilhas. Ele possibilita ao usuário desenvolver planilhas que efetuem cálculos, dos mais simples aos

Leia mais

1. Sistemas de numeração

1. Sistemas de numeração 1. Sistemas de numeração Quando mencionamos sistemas de numeração estamos nos referindo à utilização de um sistema para representar uma numeração, ou seja, uma quantidade. Sistematizar algo seria organizar,

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA MATEMÁTICA

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA MATEMÁTICA 2 Aula 45 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA 3 Vídeo Arredondamento de números. 4 Arredondamento de números Muitas situações cotidianas envolvendo valores destinados à contagem, podem ser facilitadas utilizando o

Leia mais

Matemática Financeira RECORDANDO CONCEITOS

Matemática Financeira RECORDANDO CONCEITOS 1 Matemática Financeira RECORDANDO CONCEITOS Propriedades da matemática Prioridades: É importante relembrar e entender alguns conceitos da matemática, que serão muito úteis quando trabalharmos com taxas.

Leia mais

Algoritmo. Linguagem natural: o Ambígua o Imprecisa o Incompleta. Pseudocódigo: o Portugol (livro texto) o Visualg (linguagem) Fluxograma

Algoritmo. Linguagem natural: o Ambígua o Imprecisa o Incompleta. Pseudocódigo: o Portugol (livro texto) o Visualg (linguagem) Fluxograma Roteiro: Conceitos básicos de algoritmo, linguagem, processador de linguagem e ambiente de programação; Aspectos fundamentais da organização e do funcionamento de um computador; Construções básicas de

Leia mais

Componentes da linguagem C++

Componentes da linguagem C++ Componentes da linguagem C++ C++ é uma linguagem de programação orientada a objetos (OO) que oferece suporte às características OO, além de permitir você realizar outras tarefas, similarmente a outras

Leia mais

CAPÍTULO 6 - ESTRUTURA DE SELEÇÃO

CAPÍTULO 6 - ESTRUTURA DE SELEÇÃO 6.1 - INTRODUÇÃO CAPÍTULO 6 - ESTRUTURA DE SELEÇÃO Existem problemas que podem ter mais de um caminho a ser seguido para seleção correta, ou existem restrições em suas soluções. O sujeito que irá executar

Leia mais

Manual do Sistema Lisura Unimed Norte Nordeste

Manual do Sistema Lisura Unimed Norte Nordeste Manual do Sistema Lisura Unimed Norte Nordeste 1 - Informações Gerais 1.1 - Compatibilidade O Sistema Lisura é um sistema web, o que significa que ele poderá funcionar em qualquer computador que esteja

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Aritmética Computacional Slide 1 Sumário Unidade Lógica e Aritmética Representação de Números Inteiros Aritmética de Números Inteiros Representação de Números

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados III. Árvores

Algoritmos e Estrutura de Dados III. Árvores Algoritmos e Estrutura de Dados III Árvores Uma das mais importantes classes de estruturas de dados em computação são as árvores. Aproveitando-se de sua organização hierárquica, muitas aplicações são realizadas

Leia mais

Excel Planilhas Eletrônicas

Excel Planilhas Eletrônicas Excel Planilhas Eletrônicas Capitulo 1 O Excel é um programa de cálculos muito utilizado em empresas para controle administrativo, será utilizado também por pessoas que gostam de organizar suas contas

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade

REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade O conteúdo deste documento é baseado no livro Princípios Básicos de Arquitetura e Organização

Leia mais

LP II Estrutura de Dados. Introdução e Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br

LP II Estrutura de Dados. Introdução e Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br LP II Estrutura de Dados Introdução e Linguagem C Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br Resumo da aula Considerações Gerais Introdução a Linguagem C Variáveis e C Tipos de

Leia mais

ALGORITMOS PARTE 01. Fabricio de Sousa Pinto

ALGORITMOS PARTE 01. Fabricio de Sousa Pinto ALGORITMOS PARTE 01 Fabricio de Sousa Pinto Algoritmos: Definição 2 É uma sequência de instruções finita e ordenada de forma lógica para a resolução de uma determinada tarefa ou problema. Algoritmos 3

Leia mais

2. ENTRADA DE DADOS 2.1. TEXTOS

2. ENTRADA DE DADOS 2.1. TEXTOS 2. ENTRADA DE DADOS Os dados digitados em uma célula são divididos em duas categorias principais: constantes ou fórmulas. Um valor constante é um dado digitado diretamente na célula e que não é alterado.

Leia mais

Microsoft Excel 2007

Microsoft Excel 2007 Microsoft Excel 2007 O Microsoft Excel é um aplicativo para a construção e edição de planilhas eletrônicas, que permite o trabalho com: formulários, tabelas, gráficos e outros. 2.1 CONCEITOS INICIAIS:

Leia mais

Introdução a Algoritmos Parte 04

Introdução a Algoritmos Parte 04 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia de Computação Introdução a Algoritmos Parte 04 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO)

Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Parte: 1 Prof. Cristóvão Cunha Objetivos de aprendizagem

Leia mais

1. Introdução ao uso da calculadora

1. Introdução ao uso da calculadora 1. Introdução ao uso da calculadora O uso da calculadora científica no curso de Estatística é fundamental pois será necessário o cálculo de diversas fórmulas com operações que uma calculadora com apenas

Leia mais

Aritmética Binária e. Bernardo Nunes Gonçalves

Aritmética Binária e. Bernardo Nunes Gonçalves Aritmética Binária e Complemento a Base Bernardo Nunes Gonçalves Sumário Soma e multiplicação binária Subtração e divisão binária Representação com sinal Sinal e magnitude Complemento a base. Adição binária

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2

SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2 SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Estrutura do IP... 3 1.3 Tipos de IP... 3 1.4 Classes de IP... 4 1.5 Máscara de Sub-Rede... 6 1.6 Atribuindo um IP ao computador... 7 2

Leia mais

Internet e Programação Web

Internet e Programação Web COLÉGIO ESTADUAL PEDRO MACEDO Ensino Profissionalizante Internet e Programação Web 3 Técnico Prof. Cesar 2014 1 SUMÁRIO Criar sites dinâmicos em PHP --------------------------------------------------------

Leia mais

Disciplina: Unidade III: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade III: Prof.: E-mail: Período: Encontro 08 Disciplina: Sistemas de Banco de Dados Unidade III: Modelagem Lógico de Dados Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 5º. SIG - ADM Relembrando... Necessidade de Dados Projeto

Leia mais

Exemplo de Subtração Binária

Exemplo de Subtração Binária Exemplo de Subtração Binária Exercícios Converta para binário e efetue as seguintes operações: a) 37 10 30 10 b) 83 10 82 10 c) 63 8 34 8 d) 77 8 11 8 e) BB 16 AA 16 f) C43 16 195 16 3.5.3 Divisão binária:

Leia mais

Projeto e Desenvolvimento de Algoritmos

Projeto e Desenvolvimento de Algoritmos Projeto e Desenvolvimento de Algoritmos Variáveis Adriano Cruz e Jonas Knopman Índice Objetivos Introdução Modelo de Memória Armazenamento de Dados Numéricos Dados Inteiros Dados Reais Armazenamento de

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO. Vitor Valerio de Souza Campos

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO. Vitor Valerio de Souza Campos LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Vitor Valerio de Souza Campos Exemplos de algoritmos Faça um algoritmo para mostrar o resultado da multiplicação de dois números. Algoritmo em descrição narrativa Passo 1 Receber

Leia mais

Sumário. INF01040 Introdução à Programação. Elaboração de um Programa. Regras para construção de um algoritmo

Sumário. INF01040 Introdução à Programação. Elaboração de um Programa. Regras para construção de um algoritmo INF01040 Introdução à Programação Introdução à Lógica de Programação s Seqüenciais Sumário Elaboração de um programa/algoritmo Formas de representação de um algoritmo Elementos manipulados em um programa/algoritmo

Leia mais

e à Linguagem de Programação Python

e à Linguagem de Programação Python Introdução a Algoritmos, Computação Algébrica e à Linguagem de Programação Python Curso de Números Inteiros e Criptografia Prof. Luis Menasché Schechter Departamento de Ciência da Computação UFRJ Agosto

Leia mais

Algoritmos com VisuAlg

Algoritmos com VisuAlg Algoritmos com VisuAlg Prof Gerson Volney Lagemann Depto Eng de Produção e Sistemas UDESC - CCT Algoritmos com VisuAlg Introdução A linguagem VisuAlg é simples, seu objetivo é disponibilizar um ambiente

Leia mais

Métodos Os métodos de uma classe podem ser classificados como construtores, destrutores, funções ou procedimentos.

Métodos Os métodos de uma classe podem ser classificados como construtores, destrutores, funções ou procedimentos. Métodos Os métodos de uma classe podem ser classificados como construtores, destrutores, funções ou procedimentos. Construtor: método executado por uma CLASSE (e não por um objeto, instância da classe)

Leia mais

Sistemas de Numerações.

Sistemas de Numerações. Matemática Profº: Carlos Roberto da Silva; Lourival Pereira Martins. Sistema de numeração: Binário, Octal, Decimal, Hexadecimal; Sistema de numeração: Conversões; Sistemas de Numerações. Nosso sistema

Leia mais

Estruturas de Controle A Tomada de Decisões

Estruturas de Controle A Tomada de Decisões Estruturas de Controle A Tomada de Decisões Foi visto anteriormente como trabalhar com entrada, processamento e saída utilizando variáveis, constantes e operadores aritméticos. Apesar de já se conseguir

Leia mais

Aula 01. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios. Algoritmo e Programação. Prof. Fábio Nelson.

Aula 01. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios. Algoritmo e Programação. Prof. Fábio Nelson. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios Aula 01 Slide 1 BIBLIOGRAFIA SCHILDT H. C Completo e Total, Makron Books. SP, 1997. Curso de linguagem C da UFMG. ZIVIANI,

Leia mais

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C Resumo da Matéria de Linguagem de Programação Linguagem C Vitor H. Migoto de Gouvêa 2011 Sumário Como instalar um programa para executar o C...3 Sintaxe inicial da Linguagem de Programação C...4 Variáveis

Leia mais

Prof. Dr. Iron Macêdo Dantas

Prof. Dr. Iron Macêdo Dantas Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado da Educação e da Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN MESTRADO EM CIÊNCIAS NATURAIS Prof. Dr. Iron Macêdo Dantas

Leia mais

ESTRUTURA DE UM PROGRAMA EM C++ Estrutura de um Programa em C++

ESTRUTURA DE UM PROGRAMA EM C++ Estrutura de um Programa em C++ ESTRUTURA DE UM PROGRAMA EM C++ Estrutura de um Programa em C++ #include { Este trecho é reservado para o corpo da função, com a declaração de suas variáveis locais, seus comandos e funções

Leia mais

Tópico 2. Conversão de Unidades e Notação Científica

Tópico 2. Conversão de Unidades e Notação Científica Tópico 2. Conversão de Unidades e Notação Científica Toda vez que você se refere a um valor ligado a uma unidade de medir, significa que, de algum modo, você realizou uma medição. O que você expressa é,

Leia mais

AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS

AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS Orientando: Oliver Mário

Leia mais

Sistemas de Numeração. Engenharia da Computação 3 Período Alex Vidigal Bastos

Sistemas de Numeração. Engenharia da Computação 3 Período Alex Vidigal Bastos UNIPAC Sistemas Digitais Sistemas de Numeração Engenharia da Computação 3 Período Alex Vidigal Bastos 1 Agenda Objetivos Introdução Sistema Binário Sistema Octal Sistema Hexadecimal Aritméticas no Sistema

Leia mais

PROGRAMAÇÃO II 4. ÁRVORE

PROGRAMAÇÃO II 4. ÁRVORE 4. ÁRVORE PROGRAMAÇÃO II Prof. Jean Eduardo Glazar Uma árvore impõe uma estrutura hierárquica em uma coleção de itens. Um exemplo familiar é a árvore genealógica. Árvores despontam de forma natural em

Leia mais

Linguagem e Técnicas de Programação I Operadores, expressões e funções. Prof. MSc. Hugo Souza Material desenvolvido por: Profa.

Linguagem e Técnicas de Programação I Operadores, expressões e funções. Prof. MSc. Hugo Souza Material desenvolvido por: Profa. Linguagem e Técnicas de Programação I Operadores, expressões e funções Prof. MSc. Hugo Souza Material desenvolvido por: Profa. Ameliara Freire Operadores básicos Toda linguagem de programação, existem

Leia mais

Regras Métodos Identificadores Variáveis Constantes Tipos de dados Comandos de atribuição Operadores aritméticos, relacionais e lógicos

Regras Métodos Identificadores Variáveis Constantes Tipos de dados Comandos de atribuição Operadores aritméticos, relacionais e lógicos Lógica Aula 2 Técnicas de Programação Criando algoritmos Regras Métodos Identificadores Variáveis Constantes Tipos de dados Comandos de atribuição Operadores aritméticos, relacionais e lógicos Criando

Leia mais

Diagrama de Classes. Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes.

Diagrama de Classes. Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes. 1 Diagrama de Classes Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes. Um dos objetivos do diagrama de classes é definir a base para

Leia mais

Unidade 5: Sistemas de Representação

Unidade 5: Sistemas de Representação Arquitetura e Organização de Computadores Atualização: 9/8/ Unidade 5: Sistemas de Representação Números de Ponto Flutuante IEEE 754/8 e Caracteres ASCII Prof. Daniel Caetano Objetivo: Compreender a representação

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA. CC 2º Período

PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA. CC 2º Período PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CC 2º Período PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA Aula 07: Funções O comando return Protótipo de funções O tipo void Arquivos-cabeçalho Escopo de variáveis Passagem de parâmetros por valor

Leia mais

PROGRAMANDO EM C# ORIENTADO A OBJETOS

PROGRAMANDO EM C# ORIENTADO A OBJETOS PROGRAMANDO EM C# ORIENTADO A OBJETOS AGENDA MÓDULO 2 Domínio e Aplicação Objetos, Atributos e Métodos Classes em C# Criando Objetos em C# Referências em C# Manipulando Atributos Valores Padrão Exercícios

Leia mais

MATERIAL MATEMÁTICA I

MATERIAL MATEMÁTICA I MATERIAL DE MATEMÁTICA I CAPÍTULO I REVISÃO Curso: Administração 1 1. Revisão 1.1 Potência de Epoente Inteiro Seja a um número real e m e n números inteiros positivos. Podemos observar as seguintes propriedades

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Segundo grau Conteúdo Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ 1 Introdução

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Engenharia de Software III Casos de uso http://dl.dropbox.com/u/3025380/es3/aula6.pdf (flavio.ceci@unisul.br) 09/09/2010 O que são casos de uso? Um caso de uso procura documentar as ações necessárias,

Leia mais

indicadas por letras e 65.536 linhas, indicadas por números. Para selecionar uma planilha para uso, devemos utilizar a guia de planilhas:

indicadas por letras e 65.536 linhas, indicadas por números. Para selecionar uma planilha para uso, devemos utilizar a guia de planilhas: Pasta de trabalho: Planilha: É um arquivo do Calc. Pode conter várias planilhas. Ao criar uma nova Pasta de trabalho, automaticamente 3 planilhas em branco são inseridas na Pasta. Uma planilha contém 256

Leia mais

PC Fundamentos Revisão 4

PC Fundamentos Revisão 4 exatasfepi.com.br PC Fundamentos Revisão 4 André Luís Duarte...mas os que esperam no Senhor renovarão as suas forças; subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; andarão, e não se fatigarão.is

Leia mais

Lição 1 - Criação de campos calculados em consultas

Lição 1 - Criação de campos calculados em consultas 1 de 5 21-08-2011 22:15 Lição 1 - Criação de campos calculados em consultas Adição de Colunas com Valores Calculados: Vamos, inicialmente, relembrar, rapidamente alguns conceitos básicos sobre Consultas

Leia mais

EXERCÍCIOS. 2. Faça um algoritmo que receba dois números e ao final mostre a soma, subtração, multiplicação e a divisão dos números lidos.

EXERCÍCIOS. 2. Faça um algoritmo que receba dois números e ao final mostre a soma, subtração, multiplicação e a divisão dos números lidos. EXERCÍCIOS 1. Faça um algoritmo que receba dois números e exiba o resultado da sua soma. 2. Faça um algoritmo que receba dois números e ao final mostre a soma, subtração, multiplicação e a divisão dos

Leia mais

INE5403 - Fundamentos de Matemática Discreta para a Computação

INE5403 - Fundamentos de Matemática Discreta para a Computação INE5403 - Fundamentos de Matemática Discreta para a Computação 2) Fundamentos 2.1) Conjuntos e Sub-conjuntos 2.2) Números Inteiros 2.3) Funções 2.4) Seqüências e Somas 2.5) Crescimento de Funções Divisão

Leia mais

Fração como porcentagem. Sexto Ano do Ensino Fundamental. Autor: Prof. Francisco Bruno Holanda Revisor: Prof. Antonio Caminha M.

Fração como porcentagem. Sexto Ano do Ensino Fundamental. Autor: Prof. Francisco Bruno Holanda Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Material Teórico - Módulo de FRAÇÕES COMO PORCENTAGEM E PROBABILIDADE Fração como porcentagem Sexto Ano do Ensino Fundamental Autor: Prof. Francisco Bruno Holanda Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Neto

Leia mais

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 7

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 7 CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 7 Revisão para prova: Comandos de Entrada e Saída Estruturas de Decisão (Se, caso (escolha)) Laços de Repetição (Enquanto, Repita, Para) Relembrando Trabalho 1 Prazo de

Leia mais

Características do PHP. Começando a programar

Características do PHP. Começando a programar PHP Introdução Olá pessoal. Desculpe o atraso na publicação da aula. Pude perceber pelas respostas (poucas) ao fórum que a realização da atividade do módulo I foi relativamente tranquila. Assistam ao vídeo

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES FEITAS PELO ALUNO. 1. O que são as Atividades Complementares de Ensino do NED-ED?

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES FEITAS PELO ALUNO. 1. O que são as Atividades Complementares de Ensino do NED-ED? PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES FEITAS PELO ALUNO 1. O que são as Atividades Complementares de Ensino do NED-ED? O Centro Universitário de Goiás (Uni-Anhangüera) estabeleceu no início letivo de 2006 que todo

Leia mais

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional. n=1

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional. n=1 Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA Números e Funções Reais Avaliação - GABARITO 3 de abril de 203. Determine se as afirmações a seguir são verdadeiras

Leia mais

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Atualizado em Prof. Rui Mano E mail: rmano@tpd.puc rio.br SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Sistemas de Numer ação Posicionais Desde quando se começou a registrar informações sobre quantidades, foram criados diversos

Leia mais

Entendendo como funciona o NAT

Entendendo como funciona o NAT Entendendo como funciona o NAT Vamos inicialmente entender exatamente qual a função do NAT e em que situações ele é indicado. O NAT surgiu como uma alternativa real para o problema de falta de endereços

Leia mais

A Estação da Evolução

A Estação da Evolução Microsoft Excel 2010, o que é isto? Micorsoft Excel é um programa do tipo planilha eletrônica. As planilhas eletrônicas são utilizadas pelas empresas pra a construção e controle onde a função principal

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 7 Unidade Central de Processamento (UCP): O processador é o componente vital do sistema de computação, responsável pela realização das operações de processamento e de controle, durante a execução de um

Leia mais

2. OPERADORES... 6 3. ALGORITMOS, FLUXOGRAMAS E PROGRAMAS... 8 4. FUNÇÕES... 10

2. OPERADORES... 6 3. ALGORITMOS, FLUXOGRAMAS E PROGRAMAS... 8 4. FUNÇÕES... 10 1. TIPOS DE DADOS... 3 1.1 DEFINIÇÃO DE DADOS... 3 1.2 - DEFINIÇÃO DE VARIÁVEIS... 3 1.3 - VARIÁVEIS EM C... 3 1.3.1. NOME DAS VARIÁVEIS... 3 1.3.2 - TIPOS BÁSICOS... 3 1.3.3 DECLARAÇÃO DE VARIÁVEIS...

Leia mais

Terceiro Milênio Informática

Terceiro Milênio Informática MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO BOLETO Visão Geral Use este manual para criar boletos de cobrança sem registro, veja como preencher os campos e onde preenchê-los. Se tiver intenção de usar cobranças com boleto,

Leia mais

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010. Matemática Essencial Extremos de funções reais Departamento de Matemática - UEL - 2010 Conteúdo Ulysses Sodré http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Leia mais

Aula Teórica 12. Material Didático Proposto

Aula Teórica 12. Material Didático Proposto Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Departamento de Computação - DECOM Comissão da Disciplina Programação de Computadores I CDPCI Programação de Computadores I BCC701 www.decom.ufop.br/red 2014/1

Leia mais