1 Propagação de Onda Livre ao Longo de um Guia de Ondas Estreito.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 Propagação de Onda Livre ao Longo de um Guia de Ondas Estreito."

Transcrição

1 1 I-projeto do campus Programa Sobre Mecânica dos Fluidos Módulos Sobre Ondas em Fluidos T. R. Akylas & C. C. Mei CAPÍTULO SEIS ONDAS DISPERSIVAS FORÇADAS AO LONGO DE UM CANAL ESTREITO As ondas de gravidade de superfície linear se propagando ao longo de um canal estreito revelam um fenômeno interessante. Primeiro, avaliamos as ondas livres se propagando ao longo de um canal estreito infinito. Damos a solução para este problema como uma sobreposição de modos de onda e ilustramos os conceitos como a noção de freqüência de corte. Segundo, avaliamos um canal semi-infinito com ondas forçadas excitadas por um gerador de ondas localizado em uma das extremidades do canal. Como no caso anterior, o campo de onda gerado pelo gerador de onda pode ser descrito como uma sobreposição de modos de onda. À medida que o gerador de ondas inicia a excitação do fluido, uma frente de onda se desenvolve e inicia a propagação ao longo do canal, se a freqüência de excitação do primeiro canal de modo de onda estiver acima da freqüência de corte. Se a freqüência de excitação estiver abaixo, a perturbação de onda permanece localizada próximo ao gerador de onda e, no caso em particular, onde a freqüência de excitação se compara à freqüência natural de um determinado canal de modos de onda, existe ressonância entre este modo de onda e o gerador, e a amplitude de onda no gerador aumenta com o tempo. Efeitos de não-linearidade e dissipação não são levados em consideração. Neste capítulo, conseguimos e ilustramos com animações a evolução no tempo do deslocamento de superfície livre ao longo do canal estreito semi-infinito excitado por um gerador de onda em uma de suas extremidades. 1 Propagação de Onda Livre ao Longo de um Guia de Ondas Estreito. Consideramos ondas livres se propagando ao longo de um canal infinito de comprimento h e largura 2b. Adotamos um sistema de coordenadas x, y, z onde x e z estão no plano horizontal e y está na coordenada vertical. O eixo x está ao longo do canal, as paredes laterais estão localizadas em z = ±b e o fundo é o plano y = h. A superfície livre está localizada em y = η(x, z, t), o qual é desconhecido. Presumimos fluxo irrotacional e fluido incompressível tal que o campo de velocidade possa ser determinado como o gradiente de uma função potencial ø(x, y, z, t), onde t é a parametrização do tempo. O problema do valor limite linear para propagação de ondas livres é determinado pelo conjunto de equações (1.1) (1.2) (1.3) (1.4)

2 2 e condições de radiação apropriadas. Este é um problema do valor limite homogêneo que pode ser resolvido pela técnica de separação de variáveis. Primeiro, supomos que as ondas livres que se propagam ao longo do canal são dadas como uma sobreposição de ondas monocromáticas planas. Devido à linearidade do problema de valor limite, precisamos resolvê-lo apenas para um plano de onda monocromática com freqüência de onda ω. A dependência de tempo é exp( iωt), e agora podemos escrever a função potencial ø(x, y, z, t) e o deslocamento da superfície livre η(x, z, t) na fórmula (1.5) (1.6) O problema do valor limite dado pelas equações (1.1) a (1.4) considera a fórmula (1.7) (1.8) (1.9) (1.10) onde eliminamos o deslocamento da superfície livre η(x, z) e reduzimos o problema do valor limite a um problema do valor limite de uma variável dependente, ø(x, y, z). Em seguida, aplicamos a técnica de separação de variáveis para resolver o problema do valor limite dado pelas equações (1.7) a (1.10). Supomos que a função potencial ø(x, y, z) dada como (1.11) onde os possíveis valores k z sejam determinados pela condição-limite nas paredes do canal localizadas em z = ±b, e os possíveis valores da constante k discutidos abaixo. Se substituirmos a expressão dada pela equação (1.11) pelo problema do valor limite dado pelas equações (1.7) a (1.10), obtemos um problema Sturm-Liouville (problema do valor limite unidimensional em relação a uma equação diferencial de segunda ordem) para a função H(y), a qual é dada pelas equações (1.12) (1.13) (1.14)

3 3 onde Λ 2 = k z 2 + k 2. A constante Λ representa um conjunto de eigenvalores, que são funções da freqüência de onda ω, da aceleração da gravidade g e da profundidade h. Se aplicarmos as condições-limite dadas pela equação (1.10) à função potencial ø(x, y, z), percebemos que podemos usar tanto cos(k z z) ou sen(k z z) na expressão de ø(x, y, z) dada pela equação (1.11), mas com um conjunto diferente de possíveis valores para a constante k z. O conjunto de valores para k z é determinado pela condição-limite (1.10) e a escolha entre cos(k z z) e sen(k z z). Se considerarmos a dependência de z do potencial ø(x, y, z) dado em função de cos(k z z), a constante k z tem que assumir os valores (1.15) Se considerarmos a dependência z do potencial ø(x, y, z), dado em função de sen(k z z), a constante k z tem que assumir os valores A fórmula geral da solução para a equação (1.12) é (1.16) (1.17) mas a condição-limite sobre o fundo dada pela equação (1.14) indica que B = 0. A condição-limite da superfície livre (y = 0) dá a equação eigenvalor ou relação de dispersão (1.18) para a constante Λ. Esta equação de eigenvalor implícita possui uma solução real Λ 0 e um conjunto contável infinito de eigenvalores puramente imaginários iλ l, l = 1,2... Associado a estes eigenvalores temos as eigenfunções (1.19) (1.20) O termo exp(ikx)(exp( ikx)) na equação (1.11) acima para ø(x, y, z) representa uma onda se propagando para a direita (esquerda), caso a constante k seja real ou uma onda infinitesimal direita (esquerda), caso k seja um número puramente imaginário, ou uma combinação de ambos, caso k seja complexo. Classificamos a constante k como um número de onda. Já que estamos interessados nas ondas de propagação livre, precisamos da constante K para ser um número real. O valor desta constante é dado em função das constantes Λ e k z, de acordo com a equação (1.21)

4 4 onde os possíveis valores de k z são dados pelas equações (1.15) e (1.16). Os possíveis valores de Λ são soluções da relação de dispersão dadas pela equação (1.18). Já que desejamos k como um número real, isto exclui as soluções imaginárias da equação (1.18), então podemos escrever a equação acima na fórmula (1.22) (1.23) onde anexamos os índices n e m à constante k para deixar claro sua dependência sobre os eigenvalores k zn e k zm. Agora, podemos escrever a função potencial ø(x, y, z) na fórmula e o deslocamento da superfície livre η(x, z) é dado pela equação (1.24) (1.25) onde o valor das constantes A m, A n,b m e B n é especificado pelas condições adequadas de radiação. De acordo com o valor de k zm ou k zn, as constantes k m e k n nas equações (1.24) e (1.25) podem ser reais (modo de propagação de onda) ou números puramente imaginários (modo de onda infinitesimal). Se fixarmos o valor de k zm ou k zn (fixe o valor de m ou n), para uma determinada profundidade h, podemos variar a freqüência de onda ω tal que Λ 0 > k zm (k zn ) ou Λ 0 < k zm (k zn ). Quando Λ 0 > k zm (k zn ), k m (k n ) for um número real e tivermos um modo de propagação de onda, mas quando Λ 0 < k zm (k zn ), necessitamos que k m (k n ) seja um número puramente imaginário e que o modo de onda associado a este valor de k seja infinitesimal. Portanto, o valor de freqüência de onda onde k zm = Λ 0 (k zn = Λ 0 ) é chamado de freqüência de corte para o modo de onda mth (nth). Em seguida, traçamos a relação de dispersão dada pela equação (1.18) como uma função do número de onda k e de profundidade h para os diversos valores de eigenvalores k zm (modos de onda senoidal na coordenada z) nas figuras 1 e 2. À medida que o valor de k zm aumenta (o valor de m aumenta), a freqüência de onda assume valores maiores para a gama do número de onda k considerada. O valor de onda de freqüência em k = 0 para um determinado k zm (determinado m) é a freqüência de corte para o modo de onda associado ao eigenvalor k zm. Para um valor fixo de k zm, as freqüências abaixo das freqüências de corte implicam em números de onda puramente imaginários e o modo de onda associado é exponencialmente decrescente (infinitesimal) ou exponencialmente crescente. Os modos de onda associados aos números de onda puramente imaginários não participam da sobreposição que resulta nas soluções de ondas livres. De acordo com as figuras 1 e 2, quanto maior a freqüência de onda, maior o número de modos de onda que participam da sobreposição que resulta nas soluções de ondas livres.

5 5 Uma outra forma de ver que os modos de onda associados aos números de onda imaginários (onda abaixo do modo de onda de freqüência de corte) não se propagam é através da velocidade de grupo do modo de onda. Nas figuras 3 e 4, traçamos a velocidade de grupo para os 10 primeiros modos de onda associados aos eigenvalores k zm (m de 0 a 9). Para freqüências de onda acima da freqüência de corte, o modo de onda considerado (valor fixo de k zm ) possui um número de onda real k e velocidade de grupo diferente de zero, conforme podemos observar através das figuras 3 e 4. À medida que a freqüência de onda se aproxima da freqüência de corte, a velocidade de grupo do modo de onda considerado se aproxima de zero, de acordo com as figuras 3 e 4. Na freqüência de corte do modo de onda considerado, sua velocidade de grupo é zero e nenhuma energia é transportada por este modo de onda para freqüências de onda na freqüência de corte do modo de onda ou abaixo dela. Figura 1: Freqüência de onda como uma função do número de onda k para diversos valores do eigenvalor k zm e profundidade de água h = 100 metros.

6 6 Figura 2: Freqüência de onda como uma função do número de onda k para diversos valores do eigenvalor k zm e profundidade de água h = 0,1 metros. De acordo com as figuras 3 e 4, a velocidade de grupo para cada modo de onda possui um valor máximo, o qual decai à medida que o valor de k zm aumenta (o valor de m aumenta). O primeiro modo de onda (modo de onda senoidal com k z = 0) possui a máxima velocidade de grupo, e já que sua freqüência de corte é zero, podemos ter ondas de propagação livre para qualquer freqüência do canal especificado através de sua profundidade h, sua largura 2b e aceleração de gravidade g. Acima, observamos os modos de onda com dependência senoidal na coordenada z. Para os modos de onda com dependência senoidal na coordenada z, o valor absoluto mínimo do eigenvalor k zn é maior que o valor absoluto mínimo para eigenvalores k zm, o qual é zero. Portanto, para qualquer freqüência de onda temos ondas de propagação livre ao longo do canal. Para os modos de onda de co-seno existe uma freqüência de corte mínimo. A propagação deste tipo de modo de onda é possível apenas por causa das freqüências acima de sua freqüência de corte mínima. 2 Propagação de Onda Forçada ao Longo de um Guia de Ondas Estreito Agora, consideramos as ondas forçadas se propagando ao longo de um canal semi-infinito com a mesma profundidade h e largura 2b, como o canal na seção anterior. O canal semi-inifinito possui

7 7 um gerador de ondas em uma de suas extremidades, o qual gera perturbações de onda que podem ou não se propagar ao longo do canal. A solução para as ondas forçadas é dada como uma sobreposição de modos de onda. Os mesmos modos de onda que obtivemos na seção anterior. Os modos de onda infinitesimais também fazem parte da solução deste caso. Eles estão localizados próximo ao gerador de onda e descrevem o campo de onda local. Para uma excitação monocromática, os modos de onda com freqüência de corte abaixo da freqüência de excitação constituem o campo de propagação de onda, e os modos de onda com freqüência de corte acima da freqüência de excitação são infinitesimais e permanecem localizados próximo ao gerador de ondas. A sua sobreposição proporciona o campo de onda infinitesimal. Figura 3: Velocidade de grupo como uma função do número de onda k para diversos valores do eigenvalor k zm e profundidade de água h = 100 metros.

8 Figura 4: Velocidade de grupo como uma função do número de onda k para diversos valores do eigenvalor k zm e profundidade de água h = 0,1 metros. 8

9 9 3 Problema do Valor Limite Inicial. Levamos em consideração o mesmo sistema de coordenada da seção anterior. O gerador de ondas está localizado em x = 0 e o canal situado em x > 0. O problema do valor limite linear para ondas forçadas é semelhante ao problema do valor limite para os problemas de ondas livres. A diferença é a condição-limite que descreve o efeito do gerador de ondas e o fato de que o canal agora é semiinfinito. O problema do valor limite linear para ondas forçadas é dado pelo conjunto de equações (3.26) (3.27) (3.28) (3.29) (3.30) e o deslocamento da superfície livre η(x, z, t) é relativo à função potencial ø(x, y, z, t), de acordo com a equação (3.31) A função f(t) é uma função de tempo conhecida. Na verdade, escolhemos uma excitação harmônica, então obtemos (3.32) onde ω é a freqüência de excitação. Precisamos também levar em consideração as condições iniciais do problema do valor limite acima. Elas são dadas pelas equações (3.33) (3.34) onde a condição inicial (3.34) é equivalente a ter uma superfície livre em repouso em t = 0 (η(x, z, 0) = 0). Em seguida, resolvemos o problema do valor limite inicial, o qual será discutido na próxima seção.

10 Solução do Problema do Valor Limite Inicial. O primeiro passo para resolver o problema do valor limite inicial dado pelas equações (3.26) a (3.30) é aplicar a transformação de co-seno na variável x. Isto resulta em uma equação tipo Helmholtz não-homogênea para a função potencial sob condições-limite homogêneas. Já que a equação resultante não é homogênea, a solução é dada como uma sobreposição da solução para a parte homogênea do problema e uma determinada solução que lida com a não-homogeneidade. Para resolver o problema homogêneo associado, usamos o método de separação de variáveis como na seção anterior. A solução do problema homogêneo é dada como uma sobreposição de modos nas variáveis y e z. A solução específica é obtida usando a solução homogênea através do método de variação dos parâmetros. As constantes da solução homogênea são obtidas por meio de aplicação das condições-limite na solução completa (soluções homogênea e específica). Em seguida, detalharemos os passos descritos acima. Levamos em consideração o par de transformações de co-seno (3.35) (3.36) Se aplicarmos a transformação de co-seno (3.36) ao segundo derivado parcial da função potencial ø(x, y, z, t) em relação à variável x, obtemos essa (3.37) já que supomos que ø x 0 e ø 0, enquanto x. O termo ø x (0, y, z, t) é especificado pela condição-limite em x = 0 e dado pela equação (3.30). Em seguida, aplicamos a transformação de coseno ao problema do valor limite inicial dado pelas equações (3.26) a (3.30). Isto resulta no conjunto de equações (3.38) (3.39) (3.40) (3.41)

11 11 com as condições iniciais dadas pelas equações (3.33) e (3.34) escritas na fórmula (3.42) (3.43) Este é um problema do valor limite inicial não-homogêneo para a função (transformação de co-seno de ø(x, y, z, t)). Nossa estratégia para resolver este problema de valor limite inicial é encontrar a forma geral da solução da parte homogênea do problema do valor limite inicial dada pelas equações (3.38) a (3.41), e uma solução específica para a parte não-homogênea do problema do valor limite inicial. Para encontrar o valor das constantes da parte homogênea da solução, aplicamos as condições iniciais e limítrofes à solução completa (homogênea e específica). Em seguida, levamos em consideração a parte homogênea do problema do valor limite inicial de, a qual é dada como sobreposição dos modos de onda obtidas na seção anterior. Então, a solução do problema homogêneo é semelhante à dada pela equação (1.24). A solução para o problema homogêneo é onde Λ m 2 = k 2 + k zm 2, Λ n 2 = k 2 + k zn 2 e k zn e k zm são dadas respectivamente nas equações (1.16) e (1.15). Conforme mencionado anteriormente, a solução geral é dada como uma sobreposição da solução homogênea esta fórmula e mais uma solução específica. Supomos que a solução específica possua Substituímos o potencial na equação Helmholtz não-homogênea (3.38) nas variáveis y e z. Também submetemos (3.44)

12 12 O procedimento acima resulta no conjunto de equações para as amplitudes e. (3.45) (3.46) (3.47) (3.48) onde (3.49) (3.50) Se resolvermos o conjunto de equações acima e integrá-las em relação à variável y de h a 0, obteremos as seguintes expressões para as amplitudes e, como segue: (3.51) (3.52) (3.53) (3.54) onde as funções G n (y), H n (y), G m (y) e H m (y) são dadas pelas equações (3.55) (3.56) (3.57) (3.58)

13 13 Agora, a solução total pode ser escrita na fórmula (3.59) Na expressão acima, ainda precisamos obter as constantes A m, B m, C n e D n da parte homogênea da solução. Para tanto, aplicamos as condições-limite (3.39) em y = 0 e (3.40) em y = h. A condiçãolimite em y = 0 proporciona a equação (3.60) Também obtemos uma equação semelhante para C m. Esta é uma equação diferencial de segunda ordem não-homogênea, no devido tempo, para a amplitude A n. Esta solução é dada como a sobreposição da solução da parte homogênea da equação e mais uma solução específica, a qual satisfaz o termo não-homogêneo na equação (3.60). A solução homogênea é dada como com Ω n 2 = gλ n tanh(λ n h). Supomos a solução específica dada na fórmula (3.61) Submetemos (3.62) (3.63)

14 14 Se substituirmos a fórmula da solução específica, dada pela equação (3.62) dentro da equação governante (3.61), e levarmos em consideração a fórmula presumida (3.63), obtemos para as amplitudes as expressões dada pela equação ( (3.64) (3.65) onde (3.66) Se substituirmos estas expressões para as amplitudes presumida da solução específica, obtemos na fórmula (3.67) Como resultado, obtemos para A n (t) a seguinte expressão (3.68) Para a amplitude C m, obtemos a mesma expressão acima para A n (t), porém com um índice m em vez do índice n. Agora, a função potencial pode ser escrita na fórmula (3.69)

15 15 que é uma função das constantes desconhecidas e. Para obter estas constantes, usamos as condições iniciais para dada pelas equações (3.42) e (3.43). Obtemos (3.70) (3.71) (3.72) (3.73) A fórmula final da função potencial é dada pela equação (3.74) Estamos interessados no deslocamento da superfície livre η(k, z, t), a qual é dada em termos da função potencial ø(k, y, z, t), de acordo com a equação (3.31). Em seguida, a transformação de co-seno do deslocamento de superfície livre é dada em termos da transformação de Fourier do potencial, de acordo com a equação (3.75)

16 16 Se aplicarmos esta equação à expressão para dada pela equação (3.74), obtemos (3.76) 3.2 Solução da Integral de Fourier. Aplicamos aqui a transformação de co-seno inverso à expressão acima para a transformação de coseno do deslocamento de superfície livre. A transformação de co-seno inverso é dada pela equação (3.36) e a aplicamos à equação (3.76) para obter o deslocamento de superfície livre (3.77) As integrantes nas integrais acima possuem aparentemente pólos no plano k complexo para soluções de números de onda de ω 2 Ω n 2 (k) = 0. À medida que Ω n (k) se aproxima de ±ω, temos esse Ω n (k) sen(ωt) que se aproxima de ω sen(ωt) da mesma forma, então não há singularidade na integrante e a integral está bem comportada. Para obter o deslocamento da superfície livre avaliamos numericamente as transformações de co-seno inverso que aparecem na equação (3.77). Os resultados destas simulações foram usados para gerar animações da evolução do deslocamento da superfície livre, devido à ação do gerador de ondas sobre o fluido. Essas animações serão discutidas na próxima seção. 3.3 Resultados Numéricos. Mostramos aqui os resultados da avaliação numérica das transformações de co-seno inverso que aparecem na equação (3.77) para o deslocamento da superfície livre. Exibimos a evolução do deslocamento da superfície livre, no devido tempo, através da avaliação numérica da equação (3.77). Geramos animações desta evolução devido à ação do gerador de ondas em x = 0. Discutimos aqui os exemplos e oferecemos links para os filmes associados a estes exemplos. Consideramos que o deslocamento do gerador de ondas coincide como primeiro modo de onda de co-seno na direção z. A freqüência de excitação está acima da freqüência de corte para o primeiro modo de onda de co-seno. Com este tipo de excitação, o único modo de onda que faz parte da solução é o primeiro modo de onda co-seno. Já que o gerador de ondas funciona a partir do restante do movimento harmônico, ele inicialmente excita todas

17 17 as freqüências de onda e gera um transiente que se propaga ao longo do canal e é seguido pelo grupo de onda monocromático (o modo de onda de co-seno) com freqüência igual à freqüência de excitação. O transiente possui uma frente de onda que se propaga com o máximo de velocidade de grupo possível para este modo de onda de co-seno. Para a profundidade h = 0,1 metros, a figura 5 ilustra a velocidade de grupo máxima para os modos de onda de co-seno. A velocidade de grupo máxima possível C g,max é a velocidade de grupo máxima do modo de onda de co-seno com. Em seguida, para um determinado instante de tempo t, não há perturbação de onda nas posições x > C g,max t. O transiente para um determinado instante t permanece na região C g,max t > x > C g (ω)t, onde C g (ω) é a velocidade de grupo do modo de onda de co-seno excitado na freqüência de excitação ω. Para visualizar a animação associada a este exemplo, clique aqui. Consideramos que o deslocamento do gerador de ondas coincide com o segundo modo de onda de co-seno na direção z. A freqüência de excitação está abaixo da freqüência de corte para o segundo modo de onda de co-seno, porém abaixo da freqüência de corte para o segundo modo de co-seno. Mais uma vez, o gerador de ondas funciona a partir do restante do movimento harmônico. Todas as freqüências são excitadas inicialmente e desenvolvem um transiente. O transiente se propaga ao longo do canal, e atrás dele restou apenas o segundo modo de onda de co-seno, o qual decai exponencialmente, à medida que avançamos a partir do gerador de ondas, já que nesta freqüência de excitação o modo de onda de co-seno é infinitesimal. Igualmente, o transiente possui uma frente de onda que se propaga com a velocidade de grupo máxima possível para o segundo modo de onda de coseno. Para visualizar a animação associada a este exemplo, clique aqui. Consideramos que o deslocamento do gerador de ondas coincide como primeiro modo de onda de co-seno na direção z. A freqüência de excitação está exatamente na freqüência de corte. Novamente, o gerador de ondas funciona a partir do restante do movimento harmônico e inicialmente todas as freqüências de onda são excitadas, desenvolvendo um transiente que se propaga ao longo do canal. Ele possui uma frente de onda que se propaga com a velocidade de grupo máxima possível C g, max para o restante do modo de onda de coseno. Atrás do transiente, nos resta o primeiro modo de onda de co-seno, já que ele é o único modo de onda excitado pelo gerador de ondas. A velocidade de grupo deste modo de onda em sua freqüência de corte é zero, portanto não há propagação de energia ao longo do canal depois que a parte do transiente da solução já estiver longe do gerador de ondas. Já que a energia não pode ser emitida a partir do gerador de ondas, visualizamos a amplitude da onda crescer com o tempo próximo ao gerador de ondas. Neste caso, o modo de onda de co-seno ressoa com o gerador de ondas. Para visualizar a animação associada a este exemplo, clique aqui. Agora, o gerador de ondas é uma função linear na direção z (F(z) = z). Mostramos a evolução da perturbação devido à ação do gerador de ondas. Consideramos todos os modos que fazem parte da solução. Na verdade, consideramos apenas um número finito de modos de onda de seno e co-seno. À medida que o número de onda k zm ou k zn associado aos modos de onda aumenta, sua amplitude diminui. Portanto, somente um número finito de modos de onda é significativo. Mais uma vez, o gerador de ondas funciona a partir do restante do movimento harmônico. Inicialmente, possuímos um transiente que se propaga ao longo do canal. Ele possui uma frente de onda que se propaga com a velocidade de grupo máxima possível, que é a velocidade de grupo máxima para o primeiro modo de onda de co-seno. Antecedendo a frente de onda (x > C g,max t para um determinado instante t, onde C g,max é a velocidade de grupo máxima para o primeiro modo de onda de co-seno), não temos

18 18 nenhuma perturbação de ondas. Para um dado instante t, o transiente permanece na região C g,max t > x > C g (ω)t, onde C g (ω) é a velocidade de grupo do primeiro modo de onda de coseno em freqüência de excitação ω. Por trás desta região, temos uma solução de estado estacionário. Para visualizar a animação associada a este exemplo, clique aqui. Figura 5: Velocidade de grupo como uma função do número de onda k para diversos valores do eigenvalor k zn e profundidade de água h = 0,1 metros. A velocidade de grupo máxima para o primeiro modo de onda de co-seno (C g,max ) é indicado na figura. A velocidade de grupo máxima para o segundo modo de onda de co-seno também é indicada.

Capítulo 5: Aplicações da Derivada

Capítulo 5: Aplicações da Derivada Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo 5: Aplicações da Derivada 5- Acréscimos e Diferenciais - Acréscimos Seja y f

Leia mais

29/Abril/2015 Aula 17

29/Abril/2015 Aula 17 4/Abril/015 Aula 16 Princípio de Incerteza de Heisenberg. Probabilidade de encontrar uma partícula numa certa região. Posição média de uma partícula. Partícula numa caixa de potencial: funções de onda

Leia mais

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 21

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 21 Aula 1 Ondas sonoras harmônicas Na aula passada deduzimos a equação de onda para ondas sonoras propagando-se em uma dimensão. Vimos que ela pode ser escrita em termos de três variáveis medidas em relação

Leia mais

Além do Modelo de Bohr

Além do Modelo de Bohr Além do Modelo de Bor Como conseqüência do princípio de incerteza de Heisenberg, o conceito de órbita não pode ser mantido numa descrição quântica do átomo. O que podemos calcular é apenas a probabilidade

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

24/Abril/2013 Aula 19. Equação de Schrödinger. Aplicações: 1º partícula numa caixa de potencial. 22/Abr/2013 Aula 18

24/Abril/2013 Aula 19. Equação de Schrödinger. Aplicações: 1º partícula numa caixa de potencial. 22/Abr/2013 Aula 18 /Abr/013 Aula 18 Princípio de Incerteza de Heisenberg. Probabilidade de encontrar uma partícula numa certa região. Posição média de uma partícula. Partícula numa caixa de potencial: funções de onda e níveis

Leia mais

Características de um fluido

Características de um fluido FLUIDOS - Propriedades Características de um fluido Gases e liquídos podem ambos ser considerados fluidos. Há certas características partilhadas por todos os fluidos que podem usar-se para distinguir liquidos

Leia mais

Análise e Processamento de Bio-Sinais. Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica. Sinais e Sistemas. Licenciatura em Engenharia Física

Análise e Processamento de Bio-Sinais. Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica. Sinais e Sistemas. Licenciatura em Engenharia Física Análise e Processamento de Bio-Sinais Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica Licenciatura em Engenharia Física Faculdade de Ciências e Tecnologia Slide Slide 1 1 Tópicos: Representação de Sinais por

Leia mais

PUCRS FAMAT Exemplos de Equações Diferenciais Parciais- Prof. Eliete

PUCRS FAMAT Exemplos de Equações Diferenciais Parciais- Prof. Eliete PUCRS FAMAT Exemplos de Equações Diferenciais Parciais- Prof. Eliete Equação diferencial parcial (EDP) é a uma equação que envolve duas ou mais variáveis independentes ( x, y,z,t, K ) e derivadas parciais

Leia mais

por séries de potências

por séries de potências Seção 23: Resolução de equações diferenciais por séries de potências Até este ponto, quando resolvemos equações diferenciais ordinárias, nosso objetivo foi sempre encontrar as soluções expressas por meio

Leia mais

Este procedimento gera contribuições não só a φ 2 e φ 4, mas também a ordens superiores. O termo por exemplo:

Este procedimento gera contribuições não só a φ 2 e φ 4, mas também a ordens superiores. O termo por exemplo: Teoria Quântica de Campos II 168 Este procedimento gera contribuições não só a φ 2 e φ 4, mas também a ordens superiores. O termo por exemplo: Obtemos acoplamentos com derivadas também. Para o diagrama

Leia mais

TEORIA UNIDIMENSIONAL DAS

TEORIA UNIDIMENSIONAL DAS Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS HIDRÁULICAS AT-087 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: O conhecimento das velocidades do fluxo de

Leia mais

Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas

Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Objetivos

Leia mais

Texto 07 - Sistemas de Partículas. A figura ao lado mostra uma bola lançada por um malabarista, descrevendo uma trajetória parabólica.

Texto 07 - Sistemas de Partículas. A figura ao lado mostra uma bola lançada por um malabarista, descrevendo uma trajetória parabólica. Texto 07 - Sistemas de Partículas Um ponto especial A figura ao lado mostra uma bola lançada por um malabarista, descrevendo uma trajetória parabólica. Porém objetos que apresentam uma geometria, diferenciada,

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

CADA QUESTÃO DEVE SER RESOLVIDA NA SUA PRÓPRIA FOLHA

CADA QUESTÃO DEVE SER RESOLVIDA NA SUA PRÓPRIA FOLHA Nome: CADA QUESTÃO DEVE SER RESOLVIDA NA SUA PRÓPRIA FOLHA Universidade do Estado do Rio de Janeiro Mecânica Clássica Um fio tem a sua forma descrita por y = x 3. O fio esta orientado verticalmente com

Leia mais

Karine Nayara F. Valle. Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta

Karine Nayara F. Valle. Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Karine Nayara F. Valle Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Professor Orientador: Alberto Berly Sarmiento Vera Belo Horizonte 2012 Karine Nayara F. Valle Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Monografia

Leia mais

Determinação de Massas e Raios Estelares

Determinação de Massas e Raios Estelares Determinação de Massas e Raios Estelares 1 Introdução A massa de uma estrela é a sua característica mais importante. Conhecendo-se a massa inicial e a composição química inicial de uma estrela, devemos

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família AULA 12 - AJUSTAMENTO DE CURVAS E O MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS Ajustamento de Curvas Sempre que desejamos estudar determinada variável em função de outra, fazemos uma análise de regressão. Podemos dizer

Leia mais

Figura 2.1: Carro-mola

Figura 2.1: Carro-mola Capítulo 2 EDO de Segunda Ordem com Coeficientes Constantes 2.1 Introdução - O Problema Carro-Mola Considere um carro de massa m preso a uma parede por uma mola e imerso em um fluido. Colocase o carro

Leia mais

Problemas de Valor Inicial para Equações Diferenciais Ordinárias

Problemas de Valor Inicial para Equações Diferenciais Ordinárias Problemas de Valor Inicial para Equações Diferenciais Ordinárias Carlos Balsa balsa@ipb.pt Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Bragança Matemática Aplicada - Mestrados

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias

Equações Diferenciais Ordinárias Capítulo 8 Equações Diferenciais Ordinárias Vários modelos utilizados nas ciências naturais e exatas envolvem equações diferenciais. Essas equações descrevem a relação entre uma função, o seu argumento

Leia mais

Exercícios Adicionais

Exercícios Adicionais Exercícios Adicionais Observação: Estes exercícios são um complemento àqueles apresentados no livro. Eles foram elaborados com o objetivo de oferecer aos alunos exercícios de cunho mais teórico. Nós recomendamos

Leia mais

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980 Questão 1. Uma venda imobiliária envolve o pagamento de 12 prestações mensais iguais a R$ 10.000,00, a primeira no ato da venda, acrescidas de uma parcela final de R$ 100.000,00, 12 meses após a venda.

Leia mais

x d z θ i Figura 2.1: Geometria das placas paralelas (Vista Superior).

x d z θ i Figura 2.1: Geometria das placas paralelas (Vista Superior). 2 Lentes Metálicas Este capítulo destina-se a apresentar os princípios básicos de funcionamento e dimensionamento de lentes metálicas. Apresenta, ainda, comparações com as lentes dielétricas, cujas técnicas

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO

INSTITUTO TECNOLÓGICO PAC - PROGRAMA DE APRIMORAMENTO DE CONTEÚDOS. ATIVIDADES DE NIVELAMENTO BÁSICO. DISCIPLINAS: MATEMÁTICA & ESTATÍSTICA. PROFº.: PROF. DR. AUSTER RUZANTE 1ª SEMANA DE ATIVIDADES DOS CURSOS DE TECNOLOGIA

Leia mais

Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias 1. Trajectórias Planas. 1 Trajectórias. 4.3 exercícios... 6. 4 Coordenadas polares 5

Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias 1. Trajectórias Planas. 1 Trajectórias. 4.3 exercícios... 6. 4 Coordenadas polares 5 Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias Trajectórias Planas Índice Trajectórias. exercícios............................................... 2 2 Velocidade, pontos regulares e singulares 2 2. exercícios...............................................

Leia mais

Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede

Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede Fig. 1: Arranjo do experimento P2510502 O que você vai necessitar: Fotocélula sem caixa 06779.00 1 Rede de difração, 600 linhas/mm 08546.00 1 Filtro

Leia mais

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS 01 - Questão Esta questão deve ser corrigida? SIM NÃO Um transformador de isolação monofásico, com relação de espiras N

Leia mais

Introdução às equações diferenciais

Introdução às equações diferenciais Introdução às equações diferenciais Professor Leonardo Crochik Notas de aula 1 O que é 1. é uma equação:... =... 2. a incógnita não é um número x R, mas uma função x(t) : R R 3. na equação estão presentes,

Leia mais

Curvas em coordenadas polares

Curvas em coordenadas polares 1 Curvas em coordenadas polares As coordenadas polares nos dão uma maneira alternativa de localizar pontos no plano e são especialmente adequadas para expressar certas situações, como veremos a seguir.

Leia mais

Lista 1 para a P2. Operações com subespaços

Lista 1 para a P2. Operações com subespaços Lista 1 para a P2 Observação 1: Estes exercícios são um complemento àqueles apresentados no livro. Eles foram elaborados com o objetivo de oferecer aos alunos exercícios de cunho mais teórico. Nós sugerimos

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Dinâmicos

Introdução ao Estudo de Sistemas Dinâmicos Introdução ao Estudo de Sistemas Dinâmicos 1 01 Introdução ao Estudo de Sistemas Dinâmicos O estudo de sistemas dinâmicos envolve a modelagem matemática, a análise e a simulação de sistemas físicos de

Leia mais

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 15

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 15 Ondas (continuação) Ondas propagando-se em uma dimensão Vamos agora estudar propagação de ondas. Vamos considerar o caso simples de ondas transversais propagando-se ao longo da direção x, como o caso de

Leia mais

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA CAPÍTULO 1. Prof. Carlos R. A. Lima INTRODUÇÃO AO CURSO E TEORIA DA RELATIVIDADE ESPECIAL

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA CAPÍTULO 1. Prof. Carlos R. A. Lima INTRODUÇÃO AO CURSO E TEORIA DA RELATIVIDADE ESPECIAL NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA Prof. Carlos R. A. Lima CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO AO CURSO E TEORIA DA RELATIVIDADE ESPECIAL Edição de junho de 2014 2 CAPÍTULO 1 TEORIA DA RELATIVIDADE ESPECIAL ÍNDICE 1.1-

Leia mais

UniposRio - FÍSICA. Leia atentamente as oito (8) questões e responda nas folhas de respostas fornecidas.

UniposRio - FÍSICA. Leia atentamente as oito (8) questões e responda nas folhas de respostas fornecidas. UniposRio - FÍSICA Exame Unificado de Acesso às Pós-Graduações em Física do Rio de Janeiro 9 de novembro de 00 Nome (legível): Assinatura: Leia atentamente as oito (8) questões e responda nas folhas de

Leia mais

Díodo de Junção Semicondutora

Díodo de Junção Semicondutora íodo de Junção emicondutora ispositivos Eletrónicos Licenciatura em Engenharia Electrónica C. Ferreira Fernandes 2012-13 Laboratório de ispositivos Electrónicos ÍOO E JUNÇÃO Material utilizado: Placa de

Leia mais

Laboratório 7 Circuito RC *

Laboratório 7 Circuito RC * Laboratório 7 Circuito RC * Objetivo Observar o comportamento de um capacitor associado em série com um resistor e determinar a constante de tempo do circuito. Material utilizado Gerador de função Osciloscópio

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

O degrau de potencial. Caso II: energia maior que o degrau

O degrau de potencial. Caso II: energia maior que o degrau O degrau de potencial. Caso II: energia maior que o degrau U L 9 Meta da aula plicar o formalismo quântico ao caso de uma partícula quântica que incide sobre o degrau de potencial, definido na ula 8. Vamos

Leia mais

Capítulo 8: Transferência de calor por condução

Capítulo 8: Transferência de calor por condução Capítulo 8: ransferência de calor por condução Equação da condução de calor Condução de calor unidimensional e em regime permanente Condução Um corpo sólido isolado está em equilíbrio térmico se a sua

Leia mais

"SISTEMAS DE COTAGEM"

SISTEMAS DE COTAGEM AULA 6T "SISTEMAS DE COTAGEM" Embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. A cotagem do desenho técnico deve tornar

Leia mais

φ(x,y,y',y'',y''',..., d n y/dx n ) = 0 (1) Esta equação é de n-ésima ordem e tem somente uma variável independente, x.

φ(x,y,y',y'',y''',..., d n y/dx n ) = 0 (1) Esta equação é de n-ésima ordem e tem somente uma variável independente, x. 245 Capítulo 15 Resolução numérica de equações diferenciais Para podermos investigar exemplos de simulação que surgem na Física, Engenharia, Biomatemática etc., estudamos, neste capítulo, alguns métodos

Leia mais

6 Ações Mecânicas Principais sobre Edificações de uma Usina Nuclear

6 Ações Mecânicas Principais sobre Edificações de uma Usina Nuclear 6 Ações Mecânicas Principais sobre Edificações de uma Usina Nuclear 6.1 Forças sobre estruturas civis sensíveis Na avaliação da força sobre a estrutura é utilizada a relação força/velocidade descrita pela

Leia mais

3 Técnicas de conversão de comprimento de onda utilizando amplificador óptico semicondutor

3 Técnicas de conversão de comprimento de onda utilizando amplificador óptico semicondutor 3 Técnicas de conversão de comprimento de onda utilizando amplificador óptico semicondutor Neste capítulo, serão analisados os métodos de conversão de comprimento de onda, e como os sinais originais e

Leia mais

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é introduzir e preparar o estudante para o uso de dois instrumentos muito importantes no curso: o gerador de funções e

Leia mais

Cotagem de dimensões básicas

Cotagem de dimensões básicas Cotagem de dimensões básicas Introdução Observe as vistas ortográficas a seguir. Com toda certeza, você já sabe interpretar as formas da peça representada neste desenho. E, você já deve ser capaz de imaginar

Leia mais

Cap. 7 - Fontes de Campo Magnético

Cap. 7 - Fontes de Campo Magnético Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Física Física III 2014/2 Cap. 7 - Fontes de Campo Magnético Prof. Elvis Soares Nesse capítulo, exploramos a origem do campo magnético - cargas em movimento.

Leia mais

Experimento. Guia do professor. Otimização da cerca. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Experimento. Guia do professor. Otimização da cerca. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação Números e funções Guia do professor Experimento Otimização da cerca Objetivos da unidade 1. Resolver um problema de otimização através do estudo de uma função quadrática. 2. Estudar as propriedades de

Leia mais

Função do 2º Grau. Alex Oliveira

Função do 2º Grau. Alex Oliveira Função do 2º Grau Alex Oliveira Apresentação A função do 2º grau, também chamada de função quadrática é definida pela expressão do tipo: y = f(x) = ax² + bx + c onde a, b e c são números reais e a 0. Exemplos:

Leia mais

4 Aplicações I. 4.6 Exercícios. partícula numa caixa. 4.6.1 A probabilidade de transição de uma 2 L 4-1

4 Aplicações I. 4.6 Exercícios. partícula numa caixa. 4.6.1 A probabilidade de transição de uma 2 L 4-1 4-1 4 Aplicações I 4.6 Exercícios 4.6.1 A probabilidade de transição de uma partícula numa caixa A seguir iremos calcular a probabilidade de transição para uma partícula de massa m e de carga e numa caixa

Leia mais

Princípio da Incerteza de Heisenberg

Princípio da Incerteza de Heisenberg Princípio da Incerteza de Heisenberg UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Instituto de Física. Departamento de Física. Física do Século XXA (FIS1056). Prof. César Augusto Zen Vasconcellos. Lista

Leia mais

e R 2 , salta no ar, atingindo sua altura máxima no ponto médio entre A e B, antes de alcançar a rampa R 2

e R 2 , salta no ar, atingindo sua altura máxima no ponto médio entre A e B, antes de alcançar a rampa R 2 FÍSICA 1 Uma pista de skate, para esporte radical, é montada a partir de duas rampas R 1 e R 2, separadas entre A e B por uma distância D, com as alturas e ângulos indicados na figura. A pista foi projetada

Leia mais

O caso estacionário em uma dimensão

O caso estacionário em uma dimensão O caso estacionário em uma dimensão A U L A 6 Meta da aula Aplicar o formalismo quântico no caso de o potencial ser independente do tempo. objetivos verificar que, no caso de o potencial ser independente

Leia mais

DIFERENÇA FINITA DE QUARTA ORDEM A equação de equilíbrio, para o problema elastodinâmico, é:

DIFERENÇA FINITA DE QUARTA ORDEM A equação de equilíbrio, para o problema elastodinâmico, é: DIFERENÇA FINITA DE QUARTA ORDEM PARA INTEGRAÇÃO EXPLÍCITA NO DOMÍNIO DO TEMPO DE PROBLEMAS ELASTODINÂMICOS L. A. Souza 1 e C. A. Moura 2 1 Instituto Politécnico / UERJ Caixa Postal 97282 28601-970 Nova

Leia mais

A Equação de Bernoulli

A Equação de Bernoulli Aula 4 A equação de Bernoulli Objetivos O aluno deverá ser capaz de: Descrever a dinâmica de escoamento de um fluido. Deduzir a Equação de Bernoulli. Aplicar a Equação de Bernoulli e a Equação da Continuidade

Leia mais

Aula 00 Aula Demonstrativa

Aula 00 Aula Demonstrativa Aula 00 Aula Demonstrativa Apresentação... Relação das questões comentadas... 10 Gabaritos... 11 www.pontodosconcursos.com.br 1 Apresentação Olá, pessoal! Tudo bem com vocês? Esta é a aula demonstrativa

Leia mais

Dinâmica de um Sistema de Partículas Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Dinâmica de um Sistema de Partículas Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Dinâmica de um Sistema de Partículas Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Profa. Dra. Diana Andrade & Prof. Dr. Sergio Pilling Parte 1 - Movimento Retilíneo Coordenada de posição, trajetória,

Leia mais

4 Transformadores de impedância em linha de transmissão planar

4 Transformadores de impedância em linha de transmissão planar 4 Transformadores de impedância em linha de transmissão planar 4.1 Introdução A utilização de estruturas de adaptação de impedância capazes de acoplar os sinais elétricos, de modo eficiente, aos dispositivos

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias

Equações Diferenciais Ordinárias Equações Diferenciais Ordinárias Uma equação diferencial é uma equação que relaciona uma ou mais funções (desconhecidas com uma ou mais das suas derivadas. Eemplos: ( t dt ( t, u t d u ( cos( ( t d u +

Leia mais

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Instituída pela Lei 0.45, de 9/04/00 - D.O.U. de /04/00 Pró-Reitoria de Ensino de Graduação - PROEN Disciplina: Cálculo Numérico Ano: 03 Prof: Natã Goulart

Leia mais

Modelo Matemático e Controle de um Robô Móvel. 2.1. Modelo do motor que aciona cada roda do robô

Modelo Matemático e Controle de um Robô Móvel. 2.1. Modelo do motor que aciona cada roda do robô 1. Introdução Modelo Matemático e Controle de um Robô Móvel Nesta aula serão apresentadas leis de controle que permitem a um robô móvel nãoholonômico navegar de maneira coordenada desde uma localização

Leia mais

Transitores de tempo em domínio de tempo

Transitores de tempo em domínio de tempo Em muitos processos, a regulação do caudal permite controlar reacções químicas ou propriedades físicas através de um controlo de variáveis como a pressão, a temperatura ou o nível. O caudal é uma variável

Leia mais

Inteligência Artificial Prof. Marcos Quinet Pólo Universitário de Rio das Ostras PURO Universidade Federal Fluminense UFF

Inteligência Artificial Prof. Marcos Quinet Pólo Universitário de Rio das Ostras PURO Universidade Federal Fluminense UFF Inteligência Artificial Prof. Marcos Quinet Pólo Universitário de Rio das Ostras PURO Universidade Federal Fluminense UFF No capítulo anterior... Estratégias de busca auxiliadas por heurísticas (A*, BRPM)

Leia mais

objetivos A partícula livre Meta da aula Pré-requisitos

objetivos A partícula livre Meta da aula Pré-requisitos A partícula livre A U L A 7 Meta da aula Estudar o movimento de uma partícula quântica livre, ou seja, aquela que não sofre a ação de nenhuma força. objetivos resolver a equação de Schrödinger para a partícula

Leia mais

3.4 O Princípio da Equipartição de Energia e a Capacidade Calorífica Molar

3.4 O Princípio da Equipartição de Energia e a Capacidade Calorífica Molar 3.4 O Princípio da Equipartição de Energia e a Capacidade Calorífica Molar Vimos que as previsões sobre as capacidades caloríficas molares baseadas na teoria cinética estão de acordo com o comportamento

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia

Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia Oscilações 1. Movimento Oscilatório. Cinemática do Movimento Harmônico Simples (MHS) 3. MHS e Movimento

Leia mais

Ondas Eletromagnéticas. E=0, 1 B=0, 2 E= B t, 3 E

Ondas Eletromagnéticas. E=0, 1 B=0, 2 E= B t, 3 E Ondas Eletromagnéticas. (a) Ondas Planas: - Tendo introduzido dinâmica no sistema, podemos nos perguntar se isto converte o campo eletromagnético de Maxwell em uma entidade com existência própria. Em outras

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 14:26. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 14:26. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Exercícios Resolvidos de Física Básica Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Doutor em Física pela Universidade udwig Maximilian de Munique, Alemanha Universidade Federal da

Leia mais

5 Comportamento Dinâmico de um EDFA com Ganho Controlado sob Tráfego de Pacotes

5 Comportamento Dinâmico de um EDFA com Ganho Controlado sob Tráfego de Pacotes 86 5 Comportamento Dinâmico de um EDFA com Ganho Controlado sob Tráfego de Pacotes No capítulo anterior estudamos a resposta do EDFA sob variações lentas da potência em sua entrada e vimos que é possível

Leia mais

Os Postulados da Mecânica Quântica

Os Postulados da Mecânica Quântica Márcio H. F. Bettega Departamento de Física Universidade Federal do Paraná bettega@fisica.ufpr.br Postulados Introdução Vamos apresentar nestas notas os postulados da mecânica quântica de acordo com o

Leia mais

Objectivos. Classificação dos Sons. Agradáveis Úteis Incómodos / Ruído

Objectivos. Classificação dos Sons. Agradáveis Úteis Incómodos / Ruído Ruído Objectivos Classificação dos Sons Agradáveis Úteis Incómodos / Ruído O som como uma Onda O som propaga-se com um movimento ondulatório, no qual as cristas das ondas são substituídas por compressões

Leia mais

Freqüência dos sons audíveis: entre 20Hz (infra-sônica) e 20.000Hz (ultra-sônica, audíveis para muitos animais).

Freqüência dos sons audíveis: entre 20Hz (infra-sônica) e 20.000Hz (ultra-sônica, audíveis para muitos animais). Ondas Sonoras: - São ondas longitudinais de pressão, que se propagam no ar ou em outros meios. - Têm origem mecânica, pois são produzidas por deformação em um meio elástico. - As ondas sonoras não se propagam

Leia mais

COLISÕES UNIDIMENSIONAIS

COLISÕES UNIDIMENSIONAIS ACIDENTES DE TRÂNSITO: COLISÕES UNIDIMENSIONAIS Copyright 2014: Sérgio Gustavo de Miranda I- INTRODUÇÃO: Acesse www.sgmiranda.com.br/forensics/unidim_collisions.html para utilizar a planilha eletrônica

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS Campus Itumbiara

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS Campus Itumbiara MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS Campus Itumbiara Docente: Prof. Frederico Mercadante Aluno(a): Técnicos

Leia mais

Aula 3 OS TRANSITÒRIOS DAS REDES ELÉTRICAS

Aula 3 OS TRANSITÒRIOS DAS REDES ELÉTRICAS Aula 3 OS TRANSITÒRIOS DAS REDES ELÉTRICAS Prof. José Roberto Marques (direitos reservados) A ENERGIA DAS REDES ELÉTRICAS A transformação da energia de um sistema de uma forma para outra, dificilmente

Leia mais

Matemática para Engenharia

Matemática para Engenharia Matemática para Engenharia Profa. Grace S. Deaecto Faculdade de Engenharia Mecânica / UNICAMP 13083-860, Campinas, SP, Brasil. grace@fem.unicamp.br Segundo Semestre de 2013 Profa. Grace S. Deaecto ES401

Leia mais

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 32 ACÚSTICA

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 32 ACÚSTICA FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 32 ACÚSTICA (FIOLHAIS, C. Física divertida. Brasília: UnB, 2001 [Adaptado].) Em qual das situações a seguir está representado o fenômeno descrito no texto? a) Ao se esconder

Leia mais

7 AULA. Curvas Polares LIVRO. META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares).

7 AULA. Curvas Polares LIVRO. META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares). 1 LIVRO Curvas Polares 7 AULA META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares). OBJETIVOS Estudar movimentos de partículas no plano. Cálculos com curvas planas em coordenadas polares.

Leia mais

Circuito RC: Processo de Carga e Descarga de Capacitores

Circuito RC: Processo de Carga e Descarga de Capacitores Departamento de Física - IE - UFJF As tarefas desta prática têm valor de prova! Leia além deste roteiro também os comentários sobre elaboração de gráficos e principalmente sobre determinação de inclinações

Leia mais

Manual de Laboratório Física Experimental I- Hatsumi Mukai e Paulo R.G. Fernandes

Manual de Laboratório Física Experimental I- Hatsumi Mukai e Paulo R.G. Fernandes Pêndulo Simples 6.1 Introdução: Capítulo 6 Um pêndulo simples se define como uma massa m suspensa por um fio inextensível, de comprimento com massa desprezível em relação ao valor de m. Se a massa se desloca

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Terminologia e Definições Básicas No curso de cálculo você aprendeu que, dada uma função y f ( ), a derivada f '( ) d é também, ela mesma, uma função de e

Leia mais

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0803: Geoestatística (Prof. Dr. Elódio Sebem)

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0803: Geoestatística (Prof. Dr. Elódio Sebem) Considerações Iniciais É impossível saber, antes de amostrar, de que maneira os valores das variáveis irão se comportar: se dependente ou independente uma da outra. Devido as limitações da estatística

Leia mais

Estatística no EXCEL

Estatística no EXCEL Estatística no EXCEL Prof. Ms. Osorio Moreira Couto Junior 1. Ferramentas... 2 2. Planilha de dados... 3 2.1. Introdução... 3 2.2. Formatação de células... 4 2.3. Inserir ou Excluir Linhas e Colunas...

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Medeiros EXERCÍCIOS NOTA DE AULA IV Goiânia - 2014 EXERCÍCIOS 1. Uma partícula eletrizada positivamente é

Leia mais

pontuação Discursiva 02 questões 15 pontos 30 pontos Múltipla escolha 25 questões 2,8 pontos 70 pontos

pontuação Discursiva 02 questões 15 pontos 30 pontos Múltipla escolha 25 questões 2,8 pontos 70 pontos Caderno de Provas CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL E ÁLGEBRA LINEAR Edital Nº. 36/2011 REITORIA/IFRN 29 de janeiro de 2012 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul

Leia mais

PRÁTICA 12: VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS

PRÁTICA 12: VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS PRÁTICA 12: VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS Viscosidade é uma característica dos líquidos que está relacionada com a sua habilidade de fluir. Quanto maior a viscosidade de um líquido (ou de uma solução) mais difícil

Leia mais

NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.2. Conceito Escala é a relação entre as medidas do desenho de um objeto e seu tamanho real:

NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.2. Conceito Escala é a relação entre as medidas do desenho de um objeto e seu tamanho real: 2.7. ESCALAS NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.1. OBJETIVO Fixa as condições exigíveis para o emprego de escalas e suas designações em desenho técnico e documentos semelhantes. 2.7.2. Conceito Escala é a relação

Leia mais

Underwater Comunicação Rádio

Underwater Comunicação Rádio Underwater Comunicação Rádio por VK5BR Butler Lloyd (Originalmente publicado em Rádio Amador, Abril de 1987) Até onde podemos comunicar submerso no mar ou em um lago. Quão grande é a atenuação do sinal

Leia mais

Equações diferencias são equações que contém derivadas.

Equações diferencias são equações que contém derivadas. Equações diferencias são equações que contém derivadas. Os seguintes problemas são exemplos de fenômenos físicos que envolvem taxas de variação de alguma quantidade: Escoamento de fluidos Deslocamento

Leia mais

CONVOLUÇÃO. O que é a Convolução? o Significado. o Conceito Físico. o Definição Matemática. o Será benéfico ou prejudicial o efeito de. convolução?

CONVOLUÇÃO. O que é a Convolução? o Significado. o Conceito Físico. o Definição Matemática. o Será benéfico ou prejudicial o efeito de. convolução? CONVOLUÇÃO O que é a Convolução? o Significado o Conceito Físico o Definição Matemática o Será benéfico ou prejudicial o efeito de convolução? O que é a Desconvolução? Propriedades Matemáticas Visualização

Leia mais

MODELAMENTO SÍSMICO: A EQUAÇÃO DA ONDA ACÚSTICA

MODELAMENTO SÍSMICO: A EQUAÇÃO DA ONDA ACÚSTICA Universidade Estadual de Campinas Instituto de Matemática, Estatística, e Computação Científica RELATÓRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA MODELAMENTO SÍSMICO: A EQUAÇÃO DA ONDA ACÚSTICA Prof. Dr. Lúcio Tunes dos

Leia mais

2 Mecânica ondulatória

2 Mecânica ondulatória - Mecânica ondulatória. Equação de Schrödinger Em só dois anos, de 95-96, foram desenvolvidas duas novas abordagens aos fenômenos atômicos. Werner Heisenberg (9-976) criou sua mecânica matricial e Erwin

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTROLE I APLICAÇÃO DE COMPENSADORES DE FASE DE 1ª ORDEM E DE 2ª ORDEM

LABORATÓRIO DE CONTROLE I APLICAÇÃO DE COMPENSADORES DE FASE DE 1ª ORDEM E DE 2ª ORDEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE CONTROLE I Experimento 5: APLICAÇÃO DE COMPENSADORES DE FASE DE 1ª ORDEM E DE 2ª ORDEM COLEGIADO DE ENGENHARIA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A22 (1) O circuito a seguir amplifica a diferença de

Leia mais

Potência, uma coisa mais que complicada Parte V

Potência, uma coisa mais que complicada Parte V Potência, uma coisa mais que complicada Parte V Autor: Fernando Antônio Bersan Pinheiro Cálculo de potência necessária em um ambiente fechado No artigo anterior, disponível em http://www.somaovivo.mus.br/artigos.php?id=180,

Leia mais

Problemas de Otimização. Problemas de Otimização. Solução: Exemplo 1: Determinação do Volume Máximo

Problemas de Otimização. Problemas de Otimização. Solução: Exemplo 1: Determinação do Volume Máximo UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Eemplo 1: Determinação

Leia mais

Ondas Sonoras. Velocidade do som

Ondas Sonoras. Velocidade do som Ondas Sonoras Velocidade do som Ondas sonoras são o exemplo mais comum de ondas longitudinais. Tais ondas se propagam em qualquer meio material e sua velocidade depende das características do meio. Se

Leia mais

VESTIBULAR 2004 - MATEMÁTICA

VESTIBULAR 2004 - MATEMÁTICA 01. Dividir um número real não-nulo por 0,065 é equivalente a multiplicá-lo por: VESTIBULAR 004 - MATEMÁTICA a) 4 c) 16 e) 1 b) 8 d) 0. Se k é um número inteiro positivo, então o conjunto A formado pelos

Leia mais

Limalhas de ferro sob ação de um campo magnético (Esquerda). Linhas de campo magnético da Terra (Direita)

Limalhas de ferro sob ação de um campo magnético (Esquerda). Linhas de campo magnético da Terra (Direita) O ampo Magnético Os primeiros registros de campos magnéticos foram feitos pelos gregos quando descobriram a quase 6 anos A.. uma pedra que tinha a propriedade de atrair metais Esta pedra, mais precisamente

Leia mais