Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas"

Transcrição

1 Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas

2 Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Objetivos desta Unidade Esta unidade tem o objetivo de dar continuidade ao estudo das funções, abordando as funções exponenciais e logarítmicas, frequentemente utilizadas para resolver problemas de administração e, em especial, aqueles envolvendo cálculos financeiros. Complementarmente se estudará as progressões aritméticas e geométricas, que são a base para o cálculo de juros na matemática financeira. Funções Exponenciais Em álgebra, as potências inteiras e racionais de um número a estão definidas por: a é chamada de base da potência e n o seu expoente. Na prática, um expoente fracionário é equivalente a se tirar a raiz do número. Veja o exemplo: Se a for negativo, então algumas das potências fracionárias de a terão valores fora do campo dos números reais, como por exemplo: 2 Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Universidade Anhembi Morumbi

3 Este tipo de consideração, no entanto, foge ao escopo de nosso estudo, pelo que para expoentes fracionários sempre consideraremos a condição de a 0. Nestas condições, uma função ou equação exponencial nunca terá uma raiz (terá como resultado de cálculo um valor igual a zero). Por consequência, a função sempre será positiva. Comportamento das Funções Exponenciais Considerando o valor de a, temos duas condições: Quando a está compreendido entre 0 e 1, a função é decrescente. Quando a é maior que 1, a função é crescente. Veja os gráficos: Figura 14 - Potências de Bases Maiores Que 1 Figura 15 - Potências de Bases Entre 0 e 1 Observe que se a = 1, teremos uma função constante. 3 Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Universidade Anhembi Morumbi

4 Propriedades das Funções Exponenciais A seguir se apresenta as principais propriedades das funções exponenciais. As propriedades básicas, das quais todas as outras derivam, são: O produto de exponenciais de mesma base é igual a esta base elevada à soma dos expoentes dos fatores multiplicados: A divisão de exponenciais de mesma base é igual a esta base elevada à diferença entre o expoente do numerador e o expoente do denominador. Outras propriedades derivadas das propriedades básicas são: Qualquer número diferente de zero, elevada a zero resulta em 1: Qualquer número elevado 1 é igual e este mesmo número: Qualquer potência de um número, elevada a outra potência, é igual a este número elevado ao produto das duas potências: Duas potências iguais de bases diferentes, quando multiplicadas, dão como resultado o produto das bases elevado àquela potência: 4 Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Universidade Anhembi Morumbi

5 Equações Exponenciais Equações exponenciais são aquelas em que a incógnita se encontra no expoente de pelo menos uma potência. A forma de resolução de uma equação exponencial permite que as funções exponenciais sejam também resolvidas de forma prática. São exemplos de equações exponenciais: Para resolvermos uma equação exponencial precisamos aplicar técnicas para igualar as bases. Assim, considerando a equação como um todo, podemos dizer que os expoentes também serão iguais. Observe a resolução da seguinte equação exponencial: Se fatorarmos o número 2187, teremos que ele é igual a 3 7. Substituindo isto na equação original, temos: E, considerando-se a igualdade como um todo, podemos concluir que x = 7. Vejamos outra equação: Após a fatoração de 1024, temos: 5 Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Universidade Anhembi Morumbi

6 Exemplo 1 Para igualarmos as bases, é preciso lembrar que qualquer base elevada a zero é igual a 1. Então teremos: Disto resulta que: Para saber o(s) valor(es) de x, basta resolver a equação do 2º grau que acabamos de determinar. Funções Logarítmicas Toda função é denominada função logarítmica de base a se for definida pela lei de formação: Lê-se a expressão acima como logaritmo de x na base a. Em especial, a variável x neste caso recebe o nome de logaritmando ou antilogaritmo. Nesse tipo de função o domínio é representado pelo conjunto dos números reais maiores que zero e o contradomínio, o conjunto dos reais. Na prática, achar um logaritmo de um número equivale a achar o expoente que transforma a base considerada neste número. Veja o exemplo: 6 Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Universidade Anhembi Morumbi

7 A resposta para esta equação exponencial é simples: x deve ser igual a 2 para que a igualdade seja verdadeira. Mas muitos não sabem que estamos resolvendo um problema de logaritmos quando tratamos equações exponenciais deste tipo: Se dizer que o logaritmo de 9 na base 3 é igual a 2 significa que 3 elevado a 2 será igual a 9. Na prática, se pode transformar qualquer problema de logaritmos em um problema exponencial equivalente. Gráfico de Uma Função Logarítmica Assim como procedemos com as funções exponenciais, devemos dividir as considerações da representação gráfica das funções logarítmicas em dois casos: Quando a base do logaritmo for maior que 1, teremos uma função crescente. Figura 16 - Log em uma Base Maior Que 1 7 Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Universidade Anhembi Morumbi

8 Quando a base do logaritmo estiver entre 0 e 1, teremos uma função decrescente. Figura 17 - Log Em uma Base ente 0 E 1 Note que em qualquer situação, o gráfico da função logarítmica está sempre à direita do eixo y e que a raiz da função logarítmica, em qualquer base, é 1. Propriedade da Função Logarítmica As propriedades da função logarítmica são totalmente equivalentes às propriedades das funções exponenciais. Veja a tabela comparativa: Tabela 8 Relação entreas Propriedades dos Logaritmos e as das Exponenciais 8 Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Universidade Anhembi Morumbi

9 Eis alguns exemplos de logaritmos: Mudança de Base As calculadoras existentes no mercado conseguem calcular o logaritmo de qualquer número, mas trabalham em geral, apenas em duas bases: a base decimal e a base neperiana. A base neperiana é assim chamada porque o valor da base é igual à constante de Neper: 2, Esta constante é frequentemente referenciada em cálculos financeiros ou de economia, entre outros, daí se dar destaque ao uso dela quando é utilizada como base para cálculo dos logaritmos. Neste ponto vale a pena se mencionar duas convenções utilizadas quando se trabalha com logaritmos. Assim como acontece com as operações de raiz, onde sempre que queremos calcular a raiz quadrada de um número não se precisa indicar o 2 na raiz, no caso dos logaritmos temos duas convenções equivalentes. Quando a base do logaritmo desejado é 10, usualmente não se escreve a base: E quando usamos a base neperiana, ao invés de se escrever log, escreve-se ln : 9 Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Universidade Anhembi Morumbi

10 Agora, suponha que você queira calcular o logaritmo de 49 na base 7: É claro que, pela definição inicial, a resposta para isto é 2, porque 7 elevado ao quadrado é igual a 49. Mas vamos supor que você não soubesse disto e desejasse calcular este resultado com uma calculadora que tenha uma função logarítmica: decimal ou neperiana. Neste caso, existe um recurso simples. Para todo e qualquer logaritmo em uma base se pode escrever: Isto significa que, se não temos como calcular o logaritmo de um número em uma determinada base, porque não se tem uma calculadora que o faça de forma direta, temos o recurso de calcular o logaritmo deste número em outra base; calcular o logaritmo da base original nesta outra base; e se dividir um resultado pelo outro, conseguindo da resposta ao problema original: Para o nosso caso teríamos: O mesmo vale para uma calculadora que só tenha a função logarítmica na base neperiana (que é o caso da calculadora HP 12c): Resumidamente, temos um problema típico de logaritmo quando nossa incógnita está em um expoente. 10 Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Universidade Anhembi Morumbi

11 Exemplo 2 Se um cavalo engorda 10% ao mês. A partir de um peso inicial (x), quando ele irá dobrar o seu peso (x)? Primeiramente devemos entender como cresce o peso do cavalo do problema. Se o peso inicial dele era 100 kg, a tabela a seguir mostra a evolução do peso ao longo dos três primeiros meses: Tabela 9 Evolução do Peso de um Cavalo Note que para cada mês se deve multiplicar o peso anterior por 1,1. Neste caso para o mês m se deverá multiplicar o peso inicial m vezes por 1,1. E quando se espera que o peso esteja dobrado, teremos a equação: Neste caso se percebe que não importa qual o peso inicial do cavalo, porque para resolver a equação podemos simplificar o fator P nos dois lados da equação: 11 Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Universidade Anhembi Morumbi

12 Agora, já que temos uma igualdade, se aplicarmos a mesma operação dos dois lados da igualdade, continuaremos a ter uma igualdade. A operação que iremos aplicar é o logaritmo: Usando-se a propriedade dos logaritmos, referente ao logaritmo de uma potência, nós teremos: Substituindo-se esta expressão na igualdade inicial: Isto significa que o cavalo levará pouco mais de 7 meses para dobrar de peso. Você precisa fixar este tipo de encaminhamento de solução de problemas, porque o mesmo raciocínio se aplica ao cálculo do tempo necessário para que uma determinada aplicação tenha um rendimento previamente desejado. Progressões Aritméticas Sequência numérica é todo conjunto de números cujos elementos obedecem a uma determinada ordem. Existem sequências infinitas como, por exemplo, a sequência dos números naturais pares em ordem crescente: (0, 2, 4, 6, 8,...). C Cada elemento de uma sequência também pode ser denominado de termo da sequência e em uma sequência, o termo que ocupa a posição de número n é indicado pelo símbolo a n. 12 Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Universidade Anhembi Morumbi

13 Isto é: a 1 indica o primeiro termo da sequência; a 2 indica o segundo termo da sequência; a 3 indica o terceiro termo da sequência;... a n indica o enésimo termo da sequência. Toda sequência numérica tem uma Lei de Formação, isto é, um conjunto de informações capazes de determinar todos os termos da sequência, assim como a ordem em que se apresentam. Consideremos, agora, a situação descrita a seguir. Quando a quantidade de água de um reservatório atinge o mínimo de 5 m 3, é aberto um registro, automaticamente, despejando-se 4 m 3 de água por hora neste reservatório, até completar sua capacidade, que é de 45 m 3. A sequência a seguir apresenta a quantidade, em metros cúbicos, contida no reservatório, de hora em hora, a partir do instante que foi atingida a quantidade mínima: (5, 9, 13, 17, 21, 25, 29, 33, 37, 41, 45) Essa sequência numérica é chamada de Progressão Aritmética (PA), porque se adicionando uma mesma constante a cada termo, obtém-se o termo seguinte: neste caso a constante adicionada é 4. Progressão Aritmética é, então, toda sequência numérica em cada termo, a partir do segundo, é igual à soma do termo precedente (anterior) com uma constante r. O número r é chamado de razão da progressão aritmética. 13 Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Universidade Anhembi Morumbi

14 As Progressões Aritméticas podem ser: Crescentes: quando cada termo, a partir do segundo, é maior que o termo que o antecede. Para que isso aconteça, é necessário e suficiente que a razão seja positiva. Exemplo: (2, 4, 6, 8...). Decrescentes: quando em cada termo, a partir do segundo, é menor que o termo que o antecedente. Para que isso aconteça, é necessário e suficiente que a razão seja negativa. Exemplo: (15,12, 9,6...). Constantes: quando todos os seus termos são iguais. Para que isso aconteça, é necessário e suficiente que a razão seja igual a zero. Exemplo: (5, 5, 5, 5...). Termo Geral de uma PA Consideremos a PA de razão r : (a 1, a 2, a 3, a 4, a 5,... a n...) Qualquer termo dessa PA pode ser representada em função de a e de r : observe: (a 1 + 0r; a 1 + 1r, a 1 + 2r, a 1 + 3r,...), Isto quer dizer, que qualquer termo an é igual à soma de a1 com o produto: (n-1) r Ou seja, a fórmula do termo geral da PA pode ser expressa como: a n =a 1 +(n-1) r Desta fórmula se pode deduzir que numa PA finita, a soma de dois termos equidistantes dos extremos é igual à soma dos extremos. Veja o exemplo anterior: (5, 9, 13, 17, 21, 25, 29, 33, 37, 41, 45) Temos então: 5+45=9+41=13+37=17+33= Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Universidade Anhembi Morumbi

15 E se a PA tiver um número de termos ímpar, o termo central será igual à metade da soma dos extremos: Soma dos n Primeiros Termos de uma PA A soma S n dos n primeiros termos da PA (a 1, a 2, a 3,... a n...) é dada por: E se você substituir an pela expressão do termo geral terá outra fórmula equivalente: Com o uso das fórmulas do termo geral e da soma dos n primeiros termos de uma PA, os problemas de PA (e também de PG, como veremos a seguir) se resumem a identificar três das grandezas que são utilizadas na primeira fórmula, para se calcular a quarta grandeza. Vamos a um exemplo. Calcular a soma dos termos da PA (2, 5, 8,... 65). O problema nos fornece a 1 (2), r (3) e a n (65). Para calcularmos a soma precisamos saber quantos termos tem a PA, ou a ordem do último termo. Nos falta n. Usando a fórmula do termo geral, temos: 15 Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Universidade Anhembi Morumbi

16 Substituindo os valores na fórmula da soma, temos: Progressões Geométricas Uma Progressão Geométrica (PG) é uma sequência numérica em que cada termo, a partir do segundo, é igual ao produto do termo precedente (anterior) por uma constante q. O número q é chamado de razão da Progressão Geométrica. Vejamos um exemplo de uso de PG. Um capital de R$ ,00 é aplicado durante cinco anos à taxa de juros composto de 20% ao ano. A seguir, se apresenta os montantes (resultado acumulado do investimento), em reais, ano a ano, a partir do início da aplicação: 16 Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Universidade Anhembi Morumbi

17 Tabela 10 Montantes de Uma Aplicação Financeira Essa sequência é numérica é chamada de Progressão Geométrica (PG), porque, multiplicandose cada termo por uma mesma constante, obtém-se o termo seguinte: nesse caso, multiplicouse cada termo pela constante 1,2. As Progressões Geométricas podem ser: Crescentes: quando cada termo, a partir do segundo, é maior que o termo que o antecede. Para que isso aconteça, é necessário e suficiente que a 1 >0 e q>1, ou a 1 <0 e 0<q<1. Exemplo: (2, 4, 8, 16...). Decrescentes: quando cada termo, a partir do segundo, é menor que o termo que o antecede. Para que isso aconteça, é necessário e suficiente que a 1 >0 e 0<q<1, ou a 1 <0 e q>1. Exemplo: (250, 50, 10, 2...). Constantes: quando os seus termos são iguais. Para que isso aconteça, é necessário e suficiente que sua razão seja 1 ou que todos os seus termos sejam nulos. Exemplo: (5, 5, 5, 5...). Oscilante: quando todos os seus termos são diferentes de zero e dois termos consecutivos quaisquer têm sinais opostos. Para que isso aconteça, é necessário e suficiente que a 1 0 e q< 0. Exemplo: (2, -4, 8, ). 17 Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Universidade Anhembi Morumbi

18 Propriedade dos Termos de uma PG Uma sequência de três termos, em que o primeiro é diferente de zero, é uma PG se, e somente se, o quadrado do termo médio é igual ao produto dos outros dois, isto é, sendo a 0, temos: Termo Geral de uma PG Consideremos a PG de razão q : Qualquer termo dessa PG pode ser representada em função de a e de r : observe: Isto quer dizer, que qualquer termo an é igual ao produto de a1 pela exponencial: Ou seja, a fórmula do termo geral da PA pode ser expressa como: Soma dos n Primeiros Termos de uma PG A soma dos n primeiros termos de uma PG não constante, com o primeiro termo a1 e a razão q é dada por: Existe um caso particular de emprego desta fórmula, quando a razão está compreendida entre 0 (zero) e 1; e o número de termos é infinito. 18 Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Universidade Anhembi Morumbi

19 Neste caso, o termo qn (a razão elevada ao número de termos) tende a ficar tão pequeno que pode ser desprezado, o que reduz a fórmula a: Assim como no caso da PA, com o uso das fórmulas do termo geral e da soma dos n primeiros termos de uma PG, os problemas se resumem a identificar três das grandezas que são utilizadas na primeira fórmula, para se calcular a quarta grandeza. Note que para se determinar o valor de n, em uma PG, por se tratar que uma variável que aparece em um expoente, em alguns casos se pode (ou tem de) lançar mão do uso de logaritmos. Aplicações de Progressões As progressões aritméticas e geométricas são modelos matemáticos cujas aplicações nos ajudaram a entender muitos comportamentos de evolução de valores em diversos ramos da atividade humana. Exemplo 3 A companhia que administra uma rodovia quer colocar radares eletrônicos de controle de velocidade ao longo de 500 quilômetros. Dessa forma, segue a tabela com os seguintes dados: O primeiro radar será colocado no quilômetro 10. Um novo radar será instalado a cada 40 km, a partir da colocação do primeiro. Quantos radares eletrônicos serão colocados no trecho planejado? 19 Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Universidade Anhembi Morumbi

20 Seguindo-se o procedimento proposto, devemos levantar o tipo de progressão envolvida no problema e que dados temos em mãos. Como a distância entre os radares é constante, se pode assumir que se trata de um problema de PA. E os dados disponíveis são: a 1 : 10 a n : estima-se que seja 500, já que não se sabe se o último radar coincidirá com o término da rodovia, mês estará dentro dela. r: igual a 40 km. n: é o que se deseja calcular. Usando a fórmula do termo geral, teremos: Este resultado sugere que o último radar não coincidiria com o final da estrada, mas se teria 13 radares instalados. E o último radar seria colocado no quilômetro: Exemplo 4 Num jogo de basquete, pudemos observar que com 10 minutos de jogo o time A tinha 4 pontos marcados no placar, com 20 minutos de jogo o mesmo time tinha 8 pontos, com 30 minutos tinha 16 pontos e assim sucessivamente. 20 Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Universidade Anhembi Morumbi

21 Ao término do jogo, que tem duração de 60 minutos, qual será a pontuação do time A? Fazendo-se o inventário do que se tem, conclui-se que os pontos crescem pela multiplicação do fator 2 (razão) e chega-se a seguinte situação: Usando-se a fórmula do termo geral da PG, temos: Exemplo 5 Em uma experiência de laboratório, um frasco recebe, no primeiro dia do mês, 3 gotas de um determinado líquido; no segundo dia recebe 9 gotas; no terceiro dia recebe 27 gotas; e assim por diante. No dia em que recebeu 2187 gotas ficou completamente cheio. Em que dia do mês isso aconteceu? Fazendo-se o inventário do que se tem, conclui-se que os pontos crescem pela multiplicação do fator 3 (razão) e chega-se a seguinte situação: 21 Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Universidade Anhembi Morumbi

22 Usando-se a fórmula do termo geral da PG, temos: Pode-se resolver esta equação de duas maneiras: Fatorando 729 e verificando se podemos igualar as bases. Ao se usar este método se pode perceber que 729 é igual a 36. Aplicando-se o logaritmo dos dois lados e isolando-se o termo n-1 : Exemplo 6 Uma pessoa aplicou a importância de R$500,00 numa instituição bancária que paga juros mensais de 3,5%, no regime de juros compostos. Quanto tempo após a aplicação o montante será de R$3.500,00? 22 Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Universidade Anhembi Morumbi

23 No regime de juros compostos, o rendimento é sempre calculado sobre o saldo atualizado da aplicação: Na prática, a cada período, se deve multiplicar o valor investido atualizado por: Onde i é a taxa da aplicação. Neste caso, temos uma aplicação típica de PG. Mas se deve tomar um cuidado: o valor inicial corresponde ao instante inicial da aplicação, logo no mês 1 já temos rendimento. Isto pode ser representado pela fórmula do termo geral da PG adaptada: Em matemática financeira M designa o montante ou total do saldo do investimento e C representa o valor inicial investido. Então teremos: Em matemática financeira M designa o montante ou total do saldo do investimento e C representa o valor inicial investido. Então teremos: 23 Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Universidade Anhembi Morumbi

24 Exemplo 7 Uma máquina comprada por uma indústria sofre uma depreciação de 8% ao ano. Após quantos anos, aproximadamente, essa máquina estará valendo um quarto de seu valor inicial? Este problema é muito semelhante ao anterior, mas ao invés de se somar a porcentagem relativa à depreciação a 1, se deve diminuir este valor, resultando a cada mês um valor total do bem menor que o do mês anterior. Nossa expressão geral ficaria assim: Onde V a seria o valor da máquina no ano a e V0 seria o valor inicial da máquina. A máquina terá um quarto de seu valor original em aproximadamente 17 anos (16,6). 24 Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Universidade Anhembi Morumbi

25 Exercícios de Fixação 1- Qual é o número para o qual deve convergir a soma: (Soma de uma PG com infinitos termos) 2- Em uma determinada cidade, a taxa de crescimento populacional é de 3% ao ano, aproximadamente. Em quantos anos a população desta cidade irá dobrar, se a taxa de crescimento continuar a mesma? 3- Um investimento foi realizado sob uma taxa fixa de 3% ao mês (juros compostos). Após quanto tempo o montante final será igual ao DOBRO do capital inicial? Respostas dos Exercícios 1. ¾ ou 0, ,45 anos anos. 25 Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Universidade Anhembi Morumbi

26 Bibliografia IEZZI, G. Fundamentos da Matemática Elementar, São Paulo, IEZZI, G. et al. Matemática, São Paulo, SILVA, S. M. D. Matemática Básica Para Cursos Superiores, São Paulo, ZOLD, H. H. N.; CORRÊA, S. Novíssimo Curso Vestibular, São Paulo, I e II, Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Universidade Anhembi Morumbi

27 Este documento é de uso exclusivo da Universidade Anhembi Morumbi, está protegido pelas leis de Direito Autoral e não deve ser copiado, divulgado ou utilizado para outros fins que não os pretendidos pelo autor ou por ele expressamente autorizados. 27 Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Universidade Anhembi Morumbi

Unidade 3 Função Logarítmica. Definição de logaritmos de um número Propriedades operatórias Mudança de base Logaritmos decimais Função Logarítmica

Unidade 3 Função Logarítmica. Definição de logaritmos de um número Propriedades operatórias Mudança de base Logaritmos decimais Função Logarítmica Unidade 3 Função Logarítmica Definição de aritmos de um número Propriedades operatórias Mudança de base Logaritmos decimais Função Logarítmica Definição de Logaritmo de um número Suponha que certo medicamento,

Leia mais

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº10 Prof. Daniel Szente

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº10 Prof. Daniel Szente Nome: Ano: º Ano do E.M. Escola: Data: / / 3º Ano do Ensino Médio Aula nº10 Prof. Daniel Szente Assunto: Função exponencial e logarítmica 1. Potenciação e suas propriedades Definição: Potenciação é a operação

Leia mais

MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA

MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA PORCENTAGEM MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA Quando é dito que 40% das pessoas entrevistadas votaram no candidato A, esta sendo afirmado que, em média, de cada pessoas, 40 votaram no candidato

Leia mais

Resolvendo problemas com logaritmos

Resolvendo problemas com logaritmos A UA UL LA Resolvendo problemas com logaritmos Introdução Na aula anterior descobrimos as propriedades dos logaritmos e tivemos um primeiro contato com a tábua de logarítmos. Agora você deverá aplicar

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980 Questão 1. Uma venda imobiliária envolve o pagamento de 12 prestações mensais iguais a R$ 10.000,00, a primeira no ato da venda, acrescidas de uma parcela final de R$ 100.000,00, 12 meses após a venda.

Leia mais

Resolverei neste artigo uma prova da fundação VUNESP realizada em 2010.

Resolverei neste artigo uma prova da fundação VUNESP realizada em 2010. Olá pessoal! Resolverei neste artigo uma prova da fundação VUNESP realizada em 2010. 01. (Fundação CASA 2010/VUNESP) Em um jogo de basquete, um dos times, muito mais forte, fez 62 pontos a mais que o seu

Leia mais

FUNÇÃO DE 1º GRAU. = mx + n, sendo m e n números reais. Questão 01 Dadas as funções f de IR em IR, identifique com um X, aquelas que são do 1º grau.

FUNÇÃO DE 1º GRAU. = mx + n, sendo m e n números reais. Questão 01 Dadas as funções f de IR em IR, identifique com um X, aquelas que são do 1º grau. FUNÇÃO DE 1º GRAU Veremos, a partir daqui algumas funções elementares, a primeira delas é a função de 1º grau, que estabelece uma relação de proporcionalidade. Podemos então, definir a função de 1º grau

Leia mais

Notas de Cálculo Numérico

Notas de Cálculo Numérico Notas de Cálculo Numérico Túlio Carvalho 6 de novembro de 2002 2 Cálculo Numérico Capítulo 1 Elementos sobre erros numéricos Neste primeiro capítulo, vamos falar de uma limitação importante do cálculo

Leia mais

MD Sequências e Indução Matemática 1

MD Sequências e Indução Matemática 1 Sequências Indução Matemática Renato Martins Assunção assuncao@dcc.ufmg.br Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br MD Sequências e Indução Matemática 1 Introdução Uma das tarefas mais importantes

Leia mais

UNIDADE 4 FUNÇÕES 2 MÓDULO 1 FUNÇÃO QUADRÁTICA 1 - FUNÇÃO QUADRÁTICA. 103 Matemática e Lógica Unidade 04. a > 0 a < 0 > 0

UNIDADE 4 FUNÇÕES 2 MÓDULO 1 FUNÇÃO QUADRÁTICA 1 - FUNÇÃO QUADRÁTICA. 103 Matemática e Lógica Unidade 04. a > 0 a < 0 > 0 1 - FUNÇÃO QUADRÁTICA UNIDADE 4 FUNÇÕES 2 MÓDULO 1 FUNÇÃO QUADRÁTICA 01 É toda função do tipo f(x)=ax 2 +bx+c, onde a, b e c são constantes reais com a 0. Ou, simplesmente, uma função polinomial de grau

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO

INSTITUTO TECNOLÓGICO PAC - PROGRAMA DE APRIMORAMENTO DE CONTEÚDOS. ATIVIDADES DE NIVELAMENTO BÁSICO. DISCIPLINAS: MATEMÁTICA & ESTATÍSTICA. PROFº.: PROF. DR. AUSTER RUZANTE 1ª SEMANA DE ATIVIDADES DOS CURSOS DE TECNOLOGIA

Leia mais

Numa turma de 26 alunos, o número de raparigas excede em 4 o número de rapazes. Quantos rapazes há nesta turma?

Numa turma de 26 alunos, o número de raparigas excede em 4 o número de rapazes. Quantos rapazes há nesta turma? GUIÃO REVISÕES Equações e Inequações Equações Numa turma de 6 alunos, o número de raparigas ecede em 4 o número de rapazes. Quantos rapazes há nesta turma? O objectivo do problema é determinar o número

Leia mais

Undécima lista de exercícios. Função exponencial e função logarítmica.

Undécima lista de exercícios. Função exponencial e função logarítmica. MA091 Matemática básica Verão de 01 Undécima lista de exercícios Função exponencial e função logarítmica 1 Você pegou um empréstimo bancário de R$ 500,00, a uma taxa de 5% ao mês a) Escreva a função que

Leia mais

Como erguer um piano sem fazer força

Como erguer um piano sem fazer força A U A UL LA Como erguer um piano sem fazer força Como vimos na aula sobre as leis de Newton, podemos olhar o movimento das coisas sob o ponto de vista da Dinâmica, ou melhor, olhando os motivos que levam

Leia mais

Matemática Básica - 08. Função Logarítmica

Matemática Básica - 08. Função Logarítmica Matemática Básica Função Logarítmica 08 Versão: Provisória 0. Introdução Quando calculamos as equações exponenciais, o método usado consistia em reduzirmos os dois termos da equação à mesma base, como

Leia mais

André Ito ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO

André Ito ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO Pág. 1 de 7 Aluno (: Disciplina Matemática Curso Professor Ensino Fundamental II André Ito ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO Série 8º ANO Número: 1 - Conteúdo: Equações de 1º grau (Operações,

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

Capital = 100 Juros simples Juros compostos Nº de anos Montante simples Montante composto

Capital = 100 Juros simples Juros compostos Nº de anos Montante simples Montante composto Juros compostos Cada período, os juros são incorporados ao principal e passam, por sua vez, a render juros. Também conhecido como juros sobre juros. Vamos ilustrar a diferença entre os crescimentos de

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro De Ciências Exatas e da Terra. Departamento de Física Teórica e Experimental

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro De Ciências Exatas e da Terra. Departamento de Física Teórica e Experimental Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro De Ciências Exatas e da Terra Departamento de Física Teórica e Experimental Programa de Educação Tutorial Curso de Nivelamento: Pré-Cálculo PET DE FÍSICA:

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA

MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Matemática Aplicada II

Matemática Aplicada II Matemática Aplicada II 010G Cópia não autorizada. Reservados todos os MATEMÁTICA direitos APLICADA autorais. II 5E Editora Aline Palhares Desenvolvimento de conteúdo, mediação pedagógica e design gráfico

Leia mais

TEXTO DE REVISÃO: Uso da calculadora científica e potências de 10.

TEXTO DE REVISÃO: Uso da calculadora científica e potências de 10. TEXTO DE REVISÃO: Uso da calculadora científica e potências de 10. Caro aluno (a): No livro texto (Halliday) cap.01 - Medidas alguns conceitos muito importantes são apresentados. Por exemplo, é muito importante

Leia mais

A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática

A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática I. O jogo A Torre de Hanói consiste de uma base com três pinos e um certo número n de discos de diâmetros diferentes, colocados um sobre o outro em

Leia mais

Conteúdo. Apostilas OBJETIVA - Ano X - Concurso Público 2015

Conteúdo. Apostilas OBJETIVA - Ano X - Concurso Público 2015 Apostilas OBJETIVA - Ano X - Concurso Público 05 Conteúdo Matemática Financeira e Estatística: Razão; Proporção; Porcentagem; Juros simples e compostos; Descontos simples; Média Aritmética; Mediana; Moda.

Leia mais

Equações Diferenciais

Equações Diferenciais Equações Diferenciais EQUAÇÕES DIFERENCIAS Em qualquer processo natural, as variáveis envolvidas e suas taxas de variação estão interligadas com uma ou outras por meio de princípios básicos científicos

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor Fábio Maia. AULA 1 - Juros Simples. Formulário: Juros Simples: j = C.i.n e Montante: M = C. (1 + i.

MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor Fábio Maia. AULA 1 - Juros Simples. Formulário: Juros Simples: j = C.i.n e Montante: M = C. (1 + i. MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor Fábio Maia AULA 1 - Juros Simples Juros Simples é o processo financeiro onde apenas o principal rende juros, isto é, os juros são diretamente proporcionais ao capital empregado.

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS TRANSFORMADAS DE LAPLACE

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS TRANSFORMADAS DE LAPLACE INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS TRANSFORMADAS DE LAPLACE Preliminares No estudo de sistemas de controle, e comum usar-se diagramas de blocos, como o da figura 1. Diagramas de blocos podem ser utilizados

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 6. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado por: = =

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 6. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado por: = = Energia Potencial Elétrica Física I revisitada 1 Seja um corpo de massa m que se move em linha reta sob ação de uma força F que atua ao longo da linha. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo

Leia mais

Os gráficos estão na vida

Os gráficos estão na vida Os gráficos estão na vida A UUL AL A Nas Aulas 8, 9 e 28 deste curso você já se familiarizou com o estudo de gráficos. A Aula 8 introduziu essa importante ferramenta da Matemática. A Aula 9 foi dedicada

Leia mais

Truques e Dicas. = 7 30 Para multiplicar fracções basta multiplicar os numeradores e os denominadores: 2 30 = 12 5

Truques e Dicas. = 7 30 Para multiplicar fracções basta multiplicar os numeradores e os denominadores: 2 30 = 12 5 Truques e Dicas O que se segue serve para esclarecer alguma questão que possa surgir ao resolver um exercício de matemática. Espero que lhe seja útil! Cap. I Fracções. Soma e Produto de Fracções Para somar

Leia mais

Capítulo 5: Aplicações da Derivada

Capítulo 5: Aplicações da Derivada Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo 5: Aplicações da Derivada 5- Acréscimos e Diferenciais - Acréscimos Seja y f

Leia mais

por séries de potências

por séries de potências Seção 23: Resolução de equações diferenciais por séries de potências Até este ponto, quando resolvemos equações diferenciais ordinárias, nosso objetivo foi sempre encontrar as soluções expressas por meio

Leia mais

Gabarito de Matemática do 7º ano do E.F.

Gabarito de Matemática do 7º ano do E.F. Gabarito de Matemática do 7º ano do E.F. Lista de Exercícios (L10) a Colocarei aqui algumas explicações e exemplos de exercícios para que você possa fazer todos com segurança e tranquilidade, no entanto,

Leia mais

O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão.

O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão. ESTATÍSTICA INDUTIVA 1. CORRELAÇÃO LINEAR 1.1 Diagrama de dispersão O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão.

Leia mais

Preparação para o teste intermédio de Matemática 8º ano

Preparação para o teste intermédio de Matemática 8º ano Preparação para o teste intermédio de Matemática 8º ano Conteúdos do 7º ano Conteúdos do 8º ano Conteúdos do 8º Ano Teorema de Pitágoras Funções Semelhança de triângulos Ainda os números Lugares geométricos

Leia mais

matemática álgebra 2 potenciação, radiciação, produtos notáveis, fatoração, equações de 1 o e 2 o graus Exercícios de potenciação

matemática álgebra 2 potenciação, radiciação, produtos notáveis, fatoração, equações de 1 o e 2 o graus Exercícios de potenciação matemática álgebra equações de o e o graus Exercícios de potenciação. (FUVEST ª Fase) Qual desses números é igual a 0,064? a) ( 80 ) b) ( 8 ) c) ( ) d) ( 800 ) e) ( 0 8 ). (GV) O quociente da divisão (

Leia mais

Circuito RC: Processo de Carga e Descarga de Capacitores

Circuito RC: Processo de Carga e Descarga de Capacitores Departamento de Física - IE - UFJF As tarefas desta prática têm valor de prova! Leia além deste roteiro também os comentários sobre elaboração de gráficos e principalmente sobre determinação de inclinações

Leia mais

Este procedimento gera contribuições não só a φ 2 e φ 4, mas também a ordens superiores. O termo por exemplo:

Este procedimento gera contribuições não só a φ 2 e φ 4, mas também a ordens superiores. O termo por exemplo: Teoria Quântica de Campos II 168 Este procedimento gera contribuições não só a φ 2 e φ 4, mas também a ordens superiores. O termo por exemplo: Obtemos acoplamentos com derivadas também. Para o diagrama

Leia mais

Juros Simples, Compostos, e Contínuos

Juros Simples, Compostos, e Contínuos Juros Simples, Compostos, e Contínuos Conceito Principal Juros são o preço pago pelo benefício do empréstimo de dinheiro por um certo período de tempo. Tipicamente, a taxa de juros é expressa como uma

Leia mais

Nome: Data. Prof: Manoel Amaurício. p p% de C é C. 100 exemplo 1: 14% = 0,14 20% = 0,2 2% = 0,02

Nome: Data. Prof: Manoel Amaurício. p p% de C é C. 100 exemplo 1: 14% = 0,14 20% = 0,2 2% = 0,02 M A T E M Á T I C A PROPORÇÕES Nome: Data Prof: Manoel Amaurício P O R C E N T A G E M p p% de C é C. 100 exemplo 1: 14% = 0,14 20% = 0,2 2% = 0,02 Após um aumento de p% sobre C passamos a ter 100 p C.

Leia mais

www.pontodosconcursos.com.br

www.pontodosconcursos.com.br Olá pessoal! Resolverei neste artigo as primeiras questões da prova do Banco do Brasil realizado em 010 pela FCC. Estamos lançando no Ponto um curso de exercícios específico para este concurso de 011 (edital

Leia mais

Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET www.concursosecursos.com.br. Aula Gratuita PORCENTAGEM

Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET www.concursosecursos.com.br. Aula Gratuita PORCENTAGEM MATEMÁTICA FINANCEIRA ON LINE Aula Gratuita PORCENTAGEM Introdução (Clique aqui para assistir à aula gravada) A porcentagem é o estudo da matemática financeira mais aplicado ao nosso dia-a-dia. É freqüente

Leia mais

Lista de Exercícios - Potenciação

Lista de Exercícios - Potenciação Nota: Os exercícios desta aula são referentes ao seguinte vídeo Matemática Zero 2.0 - Aula 14 - Potenciação ou Exponenciação - (parte 1 de 2) Endereço: https://www.youtube.com/watch?v=20lm2lx6r0g Gabaritos

Leia mais

Hoje estou elétrico!

Hoje estou elétrico! A U A UL LA Hoje estou elétrico! Ernesto, observado por Roberto, tinha acabado de construir um vetor com um pedaço de papel, um fio de meia, um canudo e um pedacinho de folha de alumínio. Enquanto testava

Leia mais

Universidade Federal de São Carlos Departamento de Matemática 083020 - Curso de Cálculo Numérico - Turma E Resolução da Primeira Prova - 16/04/2008

Universidade Federal de São Carlos Departamento de Matemática 083020 - Curso de Cálculo Numérico - Turma E Resolução da Primeira Prova - 16/04/2008 Universidade Federal de São Carlos Departamento de Matemática 08300 - Curso de Cálculo Numérico - Turma E Resolução da Primeira Prova - 16/0/008 1. (0 pts.) Considere o sistema de ponto flutuante normalizado

Leia mais

Construção dos números racionais, Números fracionários e operações com frações

Construção dos números racionais, Números fracionários e operações com frações Construção dos números racionais, Números fracionários e operações com frações O número racional pode ser definido a partir da aritmética fechamento da operação de divisão entre inteiros ou partir da geometria

Leia mais

Unidade 5: Sistemas de Representação

Unidade 5: Sistemas de Representação Arquitetura e Organização de Computadores Atualização: 9/8/ Unidade 5: Sistemas de Representação Números de Ponto Flutuante IEEE 754/8 e Caracteres ASCII Prof. Daniel Caetano Objetivo: Compreender a representação

Leia mais

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 15

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 15 UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 15 CÁLCULO DA PERPETUIDADE COM E SEM CRESCIMENTO O que é valor residual As aplicações da perpetuidade em avaliação de empresas e análise de projetos de investimento Quando utilizar

Leia mais

Falso: F = Low voltage: L = 0

Falso: F = Low voltage: L = 0 Curso Técnico em Eletrotécnica Disciplina: Automação Predial e Industrial Professor: Ronimack Trajano 1 PORTAS LOGICAS 1.1 INTRODUÇÃO Em 1854, George Boole introduziu o formalismo que até hoje se usa para

Leia mais

Oficina Porcentagem e Juros

Oficina Porcentagem e Juros Oficina Porcentagem e Juros Esta oficina está dividida em duas partes. A primeira consiste em uma revisão do conceito de porcentagem. Na segunda parte, os conceitos vistos na primeira parte serão aplicados

Leia mais

DEPRECIAÇÃO E OBSOLÊNCIA

DEPRECIAÇÃO E OBSOLÊNCIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ESCONÔMICO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL

Leia mais

COMO ENSINEI MATEMÁTICA

COMO ENSINEI MATEMÁTICA COMO ENSINEI MATEMÁTICA Mário Maturo Coutinho COMO ENSINEI MATEMÁTICA.ª edição 511 9 AGRADECIMENTOS À Deus À minha família Aos mestres da matemática do C.E.Visconde de Cairu APRESENTAÇÃO O objetivo deste

Leia mais

Probabilidade e Estatística I Antonio Roque Aula 11 Probabilidade Elementar: Novos Conceitos

Probabilidade e Estatística I Antonio Roque Aula 11 Probabilidade Elementar: Novos Conceitos Probabilidade Elementar: Novos Conceitos Vamos começar com algumas definições: Experimento: Qualquer processo ou ação bem definida que tenha um conjunto de resultados possíveis 1) Lançamento de um dado;

Leia mais

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 01.06.14

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 01.06.14 FGV Administração - 01.06.1 VETIBULAR FGV 01 01/06/01 REOLUÇÃO DA QUETÕE DE MATEMÁTICA DA PROVA DA TARDE - MÓDULO DICURIVO QUETÃO 1 Em certo mês, o Departamento de Estradas registrou a velocidade do trânsito

Leia mais

Aula 1: Conhecendo a Calculadora

Aula 1: Conhecendo a Calculadora Nome completo do(a) aluno(a): Nº Ano: Turma: Data: / / Aula 1: Conhecendo a Calculadora Nosso objetivo é que vocês consigam identificar os conteúdos matemáticos já aprendidos na sala de aula de uma forma

Leia mais

Gráficos de funções em calculadoras e com lápis e papel (*)

Gráficos de funções em calculadoras e com lápis e papel (*) Rafael Domingos G Luís Universidade da Madeira/Escola Básica /3 São Roque Departamento de Matemática Gráficos de funções em calculadoras e com lápis e papel (*) A difusão de calculadoras gráficas tem levado

Leia mais

O QUE É A ESCALA RICHTER? (OU COMO SE MEDE UM TERREMOTO)

O QUE É A ESCALA RICHTER? (OU COMO SE MEDE UM TERREMOTO) 1 O QUE É A ESCALA RICHTER? (OU COMO SE MEDE UM TERREMOTO) Ilydio Pereira de Sá Atualmente, com o crescimento da tecnologia e da informação, tem sido muito comum o noticiário sobre catástrofes, principalmente

Leia mais

Exercícios Adicionais

Exercícios Adicionais Exercícios Adicionais Observação: Estes exercícios são um complemento àqueles apresentados no livro. Eles foram elaborados com o objetivo de oferecer aos alunos exercícios de cunho mais teórico. Nós recomendamos

Leia mais

Exercícios 1. Determinar x de modo que a matriz

Exercícios 1. Determinar x de modo que a matriz setor 08 080509 080509-SP Aula 35 MATRIZ INVERSA Uma matriz quadrada A de ordem n diz-se invertível, ou não singular, se, e somente se, existir uma matriz que indicamos por A, tal que: A A = A A = I n

Leia mais

CURSO E COLÉGIO APOIO. Professor: Ronaldo Correa

CURSO E COLÉGIO APOIO. Professor: Ronaldo Correa CURSO E COLÉGIO APOIO Professor: Ronaldo Correa Holiday - Christmas.mpg medidas 1-Medidas Grandeza tudo aquilo que pode ser medido. Medir comparar com um padrão. No Brasil e na maioria dos países as unidades

Leia mais

3 - CONJUNTO DOS NÚMEROS RACIONAIS

3 - CONJUNTO DOS NÚMEROS RACIONAIS 3 - CONJUNTO DOS NÚMEROS RACIONAIS Introdução É o conjunto de todos os números que estão ou podem ser colocados em forma de fração. Fração Quando dividimos um todo em partes iguais e queremos representar

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO:

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: 1 MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: O PRINCIPAL CONCEITO QUE ORIENTARÁ TODO O NOSSO RACIOCÍNIO AO LONGO DESTE CURSO É O CONCEITO DO VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO. EMPRÉSTIMOS OU INVESTIMENTOS

Leia mais

Eventos independentes

Eventos independentes Eventos independentes Adaptado do artigo de Flávio Wagner Rodrigues Neste artigo são discutidos alguns aspectos ligados à noção de independência de dois eventos na Teoria das Probabilidades. Os objetivos

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA AUTORIA: Prof Edgar Abreu CONTEÚDOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA EDITAL 2010 DA CEF 1. Funções exponenciais e logarítmicas. 2. Noções de probabilidade e estatística. Juros simples e compostos:

Leia mais

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística Aula 4 Conceitos básicos de estatística A Estatística é a ciência de aprendizagem a partir de dados. Trata-se de uma disciplina estratégica, que coleta, analisa

Leia mais

3.4 O Princípio da Equipartição de Energia e a Capacidade Calorífica Molar

3.4 O Princípio da Equipartição de Energia e a Capacidade Calorífica Molar 3.4 O Princípio da Equipartição de Energia e a Capacidade Calorífica Molar Vimos que as previsões sobre as capacidades caloríficas molares baseadas na teoria cinética estão de acordo com o comportamento

Leia mais

Aula 3 CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS EM PAPEL DILOG. Menilton Menezes. META Expandir o estudo da utilização de gráficos em escala logarítmica.

Aula 3 CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS EM PAPEL DILOG. Menilton Menezes. META Expandir o estudo da utilização de gráficos em escala logarítmica. Aula 3 CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS EM PAPEL DILOG META Expandir o estudo da utilização de gráficos em escala logarítmica. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Construir gráficos em escala di-logarítmica.

Leia mais

Atividade Proporcionalidade (vídeo)

Atividade Proporcionalidade (vídeo) Atividade Proporcionalidade (vídeo) Atividade CNI/EM Presencial 1. Introdução O objetivo dessa atividade é estudar as relações de proporcionalidade (direta e inversa) entre grandezas. O material-base será

Leia mais

Não. A Sabesprev tem dinheiro em caixa suficiente para garantir o pagamento aos beneficiários pelos próximos anos. O que existe é um déficit atuarial.

Não. A Sabesprev tem dinheiro em caixa suficiente para garantir o pagamento aos beneficiários pelos próximos anos. O que existe é um déficit atuarial. PRINCIPAIS DÚVIDAS SOBRE O SABESPREV MAIS. 1. A Sabesprev está em dificuldades financeiras? Não. A Sabesprev tem dinheiro em caixa suficiente para garantir o pagamento aos beneficiários pelos próximos

Leia mais

Álgebra. SeM MiSTéRio

Álgebra. SeM MiSTéRio Álgebra SeM MiSTéRio Série SeM MiSTéRio Alemão Sem Mistério Álgebra Sem Mistério Cálculo Sem Mistério Conversação em Alemão Sem Mistério Conversação em Espanhol Sem Mistério Conversação em Francês Sem

Leia mais

ATAQUE TRIBUTÁRIO À INFORMALIDADE

ATAQUE TRIBUTÁRIO À INFORMALIDADE LC/BRS/R.171 Dezembro de 2006 Original: português CEPAL COMISSÃO ECONÔMICA PARA A AMÉRICA LATINA E O CARIBE Escritório no Brasil ATAQUE TRIBUTÁRIO À INFORMALIDADE Samuel Pessoa Silvia Matos Pessoa Documento

Leia mais

GABARITO. Resolução: 98!2! 50 98! 2. www.chiquinho.org

GABARITO. Resolução: 98!2! 50 98! 2. www.chiquinho.org )(UFF-0) Povos diferentes com escrita e símbolos diferentes podem descobrir um mesmo resultado matemático. Por exemplo, a figura ao lado ilustra o riângulo de Yang Yui, publicado na China em 303, que é

Leia mais

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos Boletim Manual de Procedimentos Contabilidade Internacional Custos de transação e prêmios na emissão de títulos e valores mobiliários - Tratamento em face do Pronunciamento Técnico CPC 08 - Exemplos SUMÁRIO

Leia mais

JUROS SIMPLES. Onde: n é o número de períodos (number of periods) ou prazo em dias; i é o índice da taxa de juros (index) anual;

JUROS SIMPLES. Onde: n é o número de períodos (number of periods) ou prazo em dias; i é o índice da taxa de juros (index) anual; curso completo de CALCULADORA HP-12C - 3 JUROS SIMPLES Além dos registradores X (visor), Y, Z e W, discutidos no capítulo anterior, vimos também que a calculadora HP-12C apresenta os registradores financeiros,

Leia mais

Aula 2 Sistemas de Numeração (Revisão)

Aula 2 Sistemas de Numeração (Revisão) Aula 2 Sistemas de Numeração (Revisão) Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@recife.ifpe.edu.br http://dase.ifpe.edu.br/~alsm 1 O que fazer com essa apresentação 2 Agenda Breve revisão da aula anterior

Leia mais

22.5.1. Data de Equivalência no Futuro... 22.5.2. Data de Equivalência no Passado... 2. 22.5. Equivalência de Capitais Desconto Comercial...

22.5.1. Data de Equivalência no Futuro... 22.5.2. Data de Equivalência no Passado... 2. 22.5. Equivalência de Capitais Desconto Comercial... Aula 22 Juros Simples. Montante e juros. Descontos Simples. Equivalência Simples de Capital. Taxa real e taxa efetiva. Taxas equivalentes. Capitais equivalentes. Descontos: Desconto racional simples e

Leia mais

Matemática, Raciocínio Lógico e suas Tecnologias

Matemática, Raciocínio Lógico e suas Tecnologias Matemática, Raciocínio Lógico e suas Tecnologias 21. (UFAL 2008) Uma copiadora pratica os preços expressos na tabela a seguir: Número de cópias Preço unitário (em reais) 1 a 10 0,20 11 a 50 0,15 51 a 200

Leia mais

Processos Estocásticos

Processos Estocásticos Processos Estocásticos Terceira Lista de Exercícios 22 de julho de 20 Seja X uma VA contínua com função densidade de probabilidade f dada por Calcule P ( < X < 2. f(x = 2 e x x R. A fdp dada tem o seguinte

Leia mais

Equacionando problemas

Equacionando problemas Reforço escolar M ate mática Equacionando problemas Dinâmica 2 1º Série 2º Bimestre DISCIPLINA Ano CAMPO CONCEITO Matemática Ensino Médio 1ª Campo Algébrico Simbólico Função polinomial do 1 grau Aluno

Leia mais

29/Abril/2015 Aula 17

29/Abril/2015 Aula 17 4/Abril/015 Aula 16 Princípio de Incerteza de Heisenberg. Probabilidade de encontrar uma partícula numa certa região. Posição média de uma partícula. Partícula numa caixa de potencial: funções de onda

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2011 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2011 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR a Fase Profa. Maria Antônia Gouveia. Questão. Considerando-se as funções f: R R e g: R R definidas por f(x) = x e g(x) = log(x² + ), é correto afirmar: () A função

Leia mais

RQ Edição Fevereiro 2014

RQ Edição Fevereiro 2014 RQ Edição Fevereiro 2014 18. Um noivo foi postar os convites de casamento nos Correios. Durante a pesagem das cartas, percebeu que todas tinham 0,045 kg, exceto uma, de 0,105 kg. Em um primeiro instante,

Leia mais

Ciências Econômicas 28/10/2015. Marcado Financeiro e de Capitais (Aula-2015/10.30) Prof. Johnny 1 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS

Ciências Econômicas 28/10/2015. Marcado Financeiro e de Capitais (Aula-2015/10.30) Prof. Johnny 1 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Ciências Econômicas Análise Fundamentalista Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br Pode-se conceituar a análise fundamentalista como o estudo

Leia mais

NIVELAMENTO 2007/1 MATEMÁTICA BÁSICA. Núcleo Básico da Primeira Fase

NIVELAMENTO 2007/1 MATEMÁTICA BÁSICA. Núcleo Básico da Primeira Fase NIVELAMENTO 00/ MATEMÁTICA BÁSICA Núcleo Básico da Primeira Fase Instituto Superior Tupy Nivelamento de Matemática Básica ÍNDICE. Regras dos Sinais.... Operações com frações.... Adição e Subtração....

Leia mais

Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR

Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR Data: VPL(VAL) Valor Presente Líquido ou Valor Atual Líquido O valor presente líquido (VPL), também conhecido como valor atual líquido (VAL)

Leia mais

Texto 07 - Sistemas de Partículas. A figura ao lado mostra uma bola lançada por um malabarista, descrevendo uma trajetória parabólica.

Texto 07 - Sistemas de Partículas. A figura ao lado mostra uma bola lançada por um malabarista, descrevendo uma trajetória parabólica. Texto 07 - Sistemas de Partículas Um ponto especial A figura ao lado mostra uma bola lançada por um malabarista, descrevendo uma trajetória parabólica. Porém objetos que apresentam uma geometria, diferenciada,

Leia mais

Capítulo 3- Modelos populacionais

Capítulo 3- Modelos populacionais Capítulo 3- Modelos populacionais 3.1- Introdução (página 64 do manual) Aqui pretendemos estudar a evolução do número de indivíduos de uma população. (64) Crescimento populacional positivo: Há um aumento

Leia mais

NOTA CEMEC 05/2015 INVESTIMENTO E RECESSÃO NA ECONOMIA BRASILEIRA 2010-2015: 2015: UMA ANÁLISE SETORIAL

NOTA CEMEC 05/2015 INVESTIMENTO E RECESSÃO NA ECONOMIA BRASILEIRA 2010-2015: 2015: UMA ANÁLISE SETORIAL NOTA CEMEC 05/2015 INVESTIMENTO E RECESSÃO NA ECONOMIA BRASILEIRA 2010-2015: 2015: UMA ANÁLISE SETORIAL Agosto de 2015 O CEMEC não se responsabiliza pelo uso dessas informações para tomada de decisões

Leia mais

Um jogo de preencher casas

Um jogo de preencher casas Um jogo de preencher casas 12 de Janeiro de 2015 Resumo Objetivos principais da aula de hoje: resolver um jogo com a ajuda de problemas de divisibilidade. Descrevemos nestas notas um jogo que estudamos

Leia mais

I. MATEMÁTICA FINANCEIRA - ANDRÉ ARRUDA TAXAS DE JUROS. Taxas Proporcionais

I. MATEMÁTICA FINANCEIRA - ANDRÉ ARRUDA TAXAS DE JUROS. Taxas Proporcionais 1º BLOCO...2 I. Matemática Financeira - André Arruda...2 2º BLOCO...6 I. Matemática - Daniel Lustosa...6 3º BLOCO... 10 I. Tabela de Acumulação de Capital... 10 I. MATEMÁTICA FINANCEIRA - ANDRÉ ARRUDA

Leia mais

Banco do Brasil + BaCen

Banco do Brasil + BaCen 1. TAXA Taxa [ i ] é um valor numérico de referência, informado por uma das notações: Forma percentual, p.ex. 1%. Forma unitária, p.ex. 0,01 Forma fracionária centesimal, p.ex. 1/100. Ambos representam

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família AULA 12 - AJUSTAMENTO DE CURVAS E O MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS Ajustamento de Curvas Sempre que desejamos estudar determinada variável em função de outra, fazemos uma análise de regressão. Podemos dizer

Leia mais

PROVA RESOLVIDA E COMENTADA DO BANCO DO BRASIL - 2010 - FCC MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO.

PROVA RESOLVIDA E COMENTADA DO BANCO DO BRASIL - 2010 - FCC MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO. PROVA RESOLVIDA E COMENTADA DO BANCO DO BRASIL - 2010 - FCC MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO. Professor Joselias - http://professorjoselias.blogspot.com/. MATEMÁTICA 16. Segundo a Associação Brasileira de

Leia mais

EQUAÇÃO DO 1º GRAU. 2 melancias + 2Kg = 14Kg 2 x + 2 = 14

EQUAÇÃO DO 1º GRAU. 2 melancias + 2Kg = 14Kg 2 x + 2 = 14 EQUAÇÃO DO 1º GRAU EQUAÇÃO: Para resolver um problema matemático, quase sempre devemos transformar uma sentença apresentada com palavras em uma sentença que esteja escrita em linguagem matemática. Esta

Leia mais

CPV 82% de aprovação na ESPM

CPV 82% de aprovação na ESPM CPV 8% de aprovação na ESPM ESPM julho/010 Prova E Matemática 1. O valor da expressão y =,0 é: a) 1 b) c) d) e) 4 Sendo x =, e y =,0, temos: x 1 + y 1 x. y 1 y. x 1 1 1 y + x x 1 + y 1 + x y xy = = = xy

Leia mais

Distribuição de probabilidades

Distribuição de probabilidades Luiz Carlos Terra Para que você possa compreender a parte da estatística que trata de estimação de valores, é necessário que tenha uma boa noção sobre o conceito de distribuição de probabilidades e curva

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária II

Administração Financeira e Orçamentária II Administração Financeira e Orçamentária II Capítulo 6 Matemática Financeira Série Uniforme de Pagamentos e de Desembolsos Sistemas de Amortização Análise de Fluxo de Caixa Séries Uniformes de Pagamentos

Leia mais