Matemática Básica Função Logarítmica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Matemática Básica - 08. Função Logarítmica"

Transcrição

1 Matemática Básica Função Logarítmica 08 Versão: Provisória 0. Introdução Quando calculamos as equações exponenciais, o método usado consistia em reduzirmos os dois termos da equação à mesma base, como no exemplo: x 8 x x Mas, com este método, a solução de uma equação como x ainda é muito difícil! Podemos perceber que e, logo o valor procurado de x está entre e, mas não temos o valor exato. Para resolver este tipo de equação é preciso determinar qual é o expoente (x ao qual deveremos elevar a base (a para que obtenhamos o resultado, ou seja, precisamos encontrar uma função que seja inversa à função exponencial. x log x log x log log x log log x,5896. Definição O logaritmo de um número real e positivo b, na base a, positiva e diferente de um, é o número c ao qual se deve elevar a para se obter b. Abrevia-se logaritmo por log. log a b c b >0 0 < a pg. /9 ac c

2 Exemplos: a é o logaritmo de 8 na base. 8 b ( c 6 9 é o logaritmo de na base. 6 - é o logaritmo de na base. 9 (a Nomenclatura O logaritmando também é chamado de antilogaritmo. Para os exemplos dados anteriormente: a b c 8 ( a b8 c log log 6 b 6 c log 9 a a b 9 c (b Representações especiais de logaritmos log 0 a log a log e a ln a As calculadoras científicas normalmente possuem as funções log x, 0x, ln x, ex. pg. /9

3 (c Condições de existência do logaritmo log a b c 0 < a b >0 ac c a A que expoente devo elevar o número para obter qualquer real diferente de? A equação x b só é verdadeira para b! Por exemplo: a que expoente devo elevar para obter o resultado? x x a>0 A que expoente devo elevar o número 0 para obter qualquer número diferente de 0? A equação 0 x b só é verdadeira para b 0! Por exemplo: a que expoente devo elevar 0 para obter o resultado? x x 0 De forma semelhante, verificamos a impossibilidade de valores de a negativos: b>0 A que número deve-se elevar a para que se obtenha zero? Para comprovar a impossibilidade, basta tentar encontrar o valor de x que faça a igualdade x x a 0 (por exemplo: 8 0, logo, log a 0 não existe; Para valiarmos a impossibilidade de b < 0 (logaritmando negativo, devemos lembrar que 0 < a, assim, teríamos log a b c, ou seja, ac b, o que é impossível se a> 0. (d Exemplos Calcular log 8 (lê-se logaritmo de 8 na base ou, simplesmente log de 8 na base : c c 8 ⁴ x Calcular 0 valor de a em: log a 8 : log a 8 a ± 8 a ± mas, pela condição de existência dos lagarítmos, a > 0, logo: a Calcular o valor de x em log x (lê-se log de x na base : log x x x 8 Calcular o valor de x para que a expressão log ( x exista: pg. /9

4 log a b se b > 0, ou seja : log ( x se ( x > 0, x >0 x > x > x ℝ x> { assim : } Calcular o valor de x para que log x 5 5 exista: log a b se 0 < a, ou seja: a deve cumprir as duas condições. log x 5 5 se ( x 5 > 0 assim : ( x 5 { } ( x 5 > 0 ( x 5 x 6 x >5 x> 5 x { x ℝ x > 5, x } Calcular log 6 : log 6 x 6 x ( x x 6 6 x x x 6 (e Resumindo: O logaritmo nos permite responder à pergunta: A que expoente x se deve elevar o número a para se obter o valor b? pg. /9

5 . Consequências da definição Sendo: log a b c b>0 0 < a c>0 α ℝ ac b poderemos afirmar: log a b a b log a 0 qualquer número elevado a zero é igual a. log a a qualquer número elevado à unidade é igual a ele mesmo. b c log a a α número ao qual se deve elevar a base a para obter b. loga b log a c α (a Exemplos: log 5 5 log 5 resulta no número ao qual deve-se elevar para obter 5, ora, se elevamos este número, encontramos 5. log log log 5 x log5 log 5 5 x 5 5. Propriedades dos logaritmos (a Logaritmo do produto O logaritmo de um produto é igual à soma dos logaritmos dos fatores: log a ( b c log a b + log a c b >0 c>0 0 < a Exemplo: log log (8 log 8 + log + 5 pg. 5/9

6 (b Logaritmo do quociente b log a b log a c c b>0 c>0 0 < a log a ( Exemplo: log 5 log log log ' ' log 5 ' (c Logaritmo de uma potência O logaritmo de uma potência é igual ao produto do expoente pelo logaritmo da base da potência: n log a b n log a b b>0 0 < a Exemplos: a log 9 log 9 6 ou log 79 log 6 6 b log 8 log 8 log 8 (d Exemplos Dados: log b a, log b c 6 e log b d, calcular: log b a c : d log b (a c log b d log b a + log b c log b d + 6 ( Dados log x e log y, calcular: a log log ( 8 log ( log +' log y + x b log( 9 8 log 9 + log 8 log + log ( log + pg. 6/9 x log y +

7 Dados log x a 8, log x b e log x c, calcular log x ( a b c : log x a log x ( b c log x a (log x b + log x c log x a ( log x b + log x c 8 ( + 6 Dado log x A log x m + log x n, determinar o valor de A em função de m e n: log x A log x m + log x n log x m + log x n log x (m n se log x A log x (m n, então: A m n. Equações logarítmicas Toda equação que apresente a incógnita em logaritmo. A solução da equação normalmente é obtida usando as propriedades dos logaritmos, mas sempre deverão ser verificadas as condições de existência dos logaritmos. Exemplo: Determinar a solução da equação log x ( x x As condições de existência do logaritmo nesta igualdade são: ( x ² x > 0 x > 0 e x Aplicando a definição de logaritmo, teremos: log x ( x x x ( x x x x 0 Resolvendo a equação do segundo grau: x ( x 0 { } x 0 x pg. 7/9

8 Verificando as condições de existência: Para x Para x 0 ( x ² x > 0 ( ( Falso ( x ² x > 0 ( > 0 > 0 (Verdadeiro ( x > 0 x > 0 x 0 0 > 0 (Falso x > 0 (Verdadeiro x x x 0 0 x (Verdadeiro (Verdadeiro Assim, a única condição que satisfaz a equação é: S { } pg. 8/9

9 5. Cologaritmo O logaritmo do inverso de um número é igual ao simétrico do logaritmo do número inicial: log a log a b 0 log a b loga b colog a b b log a Sendo: b>0 0< a Exemplos de uso do colog: Calcular o valor do colog 6 colog 6 log 6 colog 6 log 6 log 6 colog 6 6 Resolver a equação: log 5 x log 5 + colog 5 : condição de existência: x > 0 log 5 x log 5 + colog 5 log 5 x log 5 x log 5 x log 5 log 5 como a condição de existência x > 0 é satisfeita, temos: S pg. 9/9 { }

10 6. Mudança de base Se: e: log a b x b ax log c b x b cx Então: { x b a b cy log c a x logc c y } logo : x log c a y log c c x y a c, assim : substituindo x log c b e y log c b, teremos : log a b log c a log c b log c b loga b log c a log c b log c a log a b b>0 0<a 0 <c (a Logaritmos na base decimal (base 0 log0 b c representa se: log b c c 0 b ou: O expoente ao qual devemos elevar 0 para obtermos b. pg. 0/9

11 (b Logaritmos na base natural (base e O valor de e Na matemática, número de Euler, assim chamado em homenagem ao matemático suíço Leonhard Euler, é a base dos logaritmos naturais. As variantes do nome do número incluem: número de Napier, constante de Néper, número neperiano, constante matemática e número exponencial, etc. A primeira referência à constante foi publicada em 68 na tabela de um apêndice de um trabalho sobre logaritmos de John Napier. e lim ( + h h h 0 e lim + h h ( ou h O valor de e determinado no software Maple (maplesoft.com: > evalf(exp(, 75; loge b c representa se : ln b c c e b lê-se: logaritmo neperiano de b ou, simplesmente neperiano de b. (c Exemplos: Dados log 0, e log '' 0,, calcular log 6 : log 6 log 6 log + log 0, + 0, 0,7 log log 0, 0, log verificação: se log 6 7, então: 6. 7 mas, usando a calculadora encontramos: porque log 0,00 5, - porque?? e log 0,77 se usarmos os valores com as quatro casas decimais teremos: 0,00 + 0,77 0,00,589 6,00 pg. /9

12 CUIDADO PARA NÃO ERRAR!! log 8 8 log!!! log 6 log!!!! 6 log 8 log log (d Exemplos de uso da calculadora para mudança de base: Usando a calculadora para determinar logaritmos e para verificar os resultados encontrados: a log 7 : como a calculadora não dispõe da função logaritmo na base dois, usamos a base 0: log 7 log 7 log log 7 log7 0,85098,80755 log 0,000 e usamos a calculadora para determinar os valores E podemos verificar o resultado encontrado fazendo (na própria calculadora:, ,00 b log 7 : como a calculadora não dispõe da função logaritmo na base sete, neste exemplo usaremos a base natural (e: log 7 ln ln 7 log 7 ln 0,697 0,5607 ln 7,9590 e usamos a calculadora para determinar os valores E podemos verificar o resultado encontrado fazendo (na própria calculadora: 70,5607,00 pg. /9

13 c log : como a calculadora não dispõe da função logaritmo na base quatro, neste exemplo usaremos a base 0: log log log log log 0,000 0,50 log 0,60060 e usamos a calculadora para determinar os valores ou E podemos verificar o resultado encontrado fazendo (na própria calculadora:,00 7. Inequações logarítmicas Uma inequação que possui pelo menos um termo envolvendo logaritmo é dita uma inequação logarítmica e a sua solução é feita impondo-se e resolvendo as condições de existência, após isso, são construídos gráficos para comparação das bases ou dos logaritmandos (a Propriedades importantes na solução de inequações logarítmicas a > x > x 0 < a log a x > log a x o sentido da desigualdade se conserva x > x log a x < log a x o sentido da desigualdade se inverte Mais detalhes sobre a representação gráfica da função logarítmica serão vistos mais adiante. pg. /9

14 Exemplos Resolver a inequação log (5 x > log : Pela condição de existência: (5 x > 0 Resolvendo a condição de existência: (5 x > 0 5x > x > 5 ① Esboçando o gráfico: base > 0 função crescente. Pela observação do gráfico confirma-se que a função é crescente, logo, o sentido da desigualdade se conserva. Relacionando os logaritmandos: 5x > 5x > + x > ➁ Representando os intervalos na reta real: Assim: S { x ℝ x > } pg. /9

15 Resolver a inequação log ( x log : Pela condição de existência: (x > 0 Resolvendo a condição de existência: (x > 0 ① x > Esboçando o gráfico: base < 0 função decrescente. Pela observação do gráfico confirma-se que a função é decrescente, logo, o sentido da desigualdade se inverte. Relacionando os logaritmandos: log ( x log - o sentido da desigualdade se inverte, assim: x x + x 7 ➁ Representando os intervalos na reta real: Assim: S { x ℝ < x 7 } pg. 5/9

16 8. Função logarítmica (a Definição A função exponencial ( a x admite uma função inversa: f ( x a x f ( x log a x x ay forma exponencial: forma logarítmica: log a x y Chama-se função logarítmica à função real de variável real tal que: f :ℝ ℝ f ( x log a g( x sendo: g( x > 0 0 < a Exemplos: f (x log ( x 7 g( x ln x h(t log t t D(I 0 log ( II r pg. 6/9

17 A função logarítmica é a função inversa da função exponencial: f-(x f(x x f ( x x x f ( x log x NOTE QUE OS PARES ORDENADOS SE INVERTEM Representando graficamente as duas funções, teremos: Dm(f : (, Im( f Im( f : ( 0, Dm( f pg. 7/9

18 (b Gráficos da função logarítmica Exemplos: Completar a tabela e construir o gráfico correspondente: x f ( x log x 8 8 pg. 8/9

19 Completar a tabela e construir o gráfico correspondente: x f ( x log x 8 8 pg. 9/9

20 (c Observações sobre a função logarítmica (com base nos gráficos O gráfico da função é contínuo em todo o seu domínio; É um gráfico suave - não possui cantos vivos em sua representação; Domínio da função logarítmica: ℝ+ (reais positivos graficamente: está totalmente representado à direita do eixo y (ao qual é assintótico; Imagem da função logarítmica: Intercepta eixo y? NÃO Intercepta eixo x? Na abcissa Ou seja: passa pelo ponto (, 0; Assíntota: É crescente para a > 0 e decrescente para 0 < a ; Intercepta qualquer linha horizontal em exatamente um ponto, ou seja, para cada valor de x corresponde um valor de y e vice-versa; Comportamento em pontos extremos: * ℝ x 0 y log a x, para b > y log a x, para b < para x 0: para x 0: para x : para x : pg. 0/9

21 Exemplo: Representar no mesmo par de eixos ordenados as funções f (x e x, g(x ln x, h( x x : Determinar a ordenada do ponto de abcissa (o par ordenado! em f(x; Determinar a abcissa do ponto de ordenada (o par ordenado! em g(x; Observar os pontos importantes do gráfico. 9. Aplicações da função logarítmica Modelagem logarítmica Os logaritmos são usados para proporcionar maios de tratamento a escalas numéricas MUITO amplas como, por exemplo, a escala da audição humana, na qual a diferença no som de um murmúrio para uma explosão pode ser maior que 0. Outras escalas que usam logaritmos são a escala de ph e a escala Richter. (a Definição do decibel (db O decibel é definido como: pg. /9

22 D 0 log I Ir ( Sendo: D o nível do som em decibéis (db; I é a intensidade do som, medida em Watts por metro quadrado (W/m²; Ir é o limite inferior de audição humana ( I r 0 W /m ; Notar que, quando I Ir, teremos: D 0 log 0 db Tabela ilustrativa: Intensidade do som (W/m² db Limiar da audição,0 0 0 db Aspirador de pó (tipo silencioso, db ipod, db Turbina de avião, db Fonte do Som Exemplos: Na apresentação de um determinado grupo de rock, a intensidade típica do som é de I 0 W /m. A quantos db isto corresponde? D 0 log I Ir ( 0 log (,0 0,0 0 0 log, D 00 db Qual é a intensidade sonora correspondente a um nível de 80 db? I 80 0 (log I log,0 0, (log I + log I + log I 0 I,0 0 W / m² D 0 log I Ir ( 80 0 log ( pg. /9

23 (b A escala Richter A magnitude M de um terremoto é medida através da escala Richter e pode ser obtida através de: M E log E0 ( Sendo: M a magnitude do terremoto; E é a energia sísmica liberada pelo terremoto ( em Joules; E0 é a energia sísmica liberada pelo terremoto de referência ( E0 0, J ; Exemplos: Um dado terremoto liberou uma energia equivalente a, 0 5 Joules. Determinar a magnitude deste terremoto. M E log E0 ( 5 (, 0 log,,0 0 0,6 log (, 0 M 7, (c O ph de uma solução O ph de uma solução é a medida molar da concentração de íons de hidrogênio (H+, em moles por litro, na solução. PH significa potencial de hidrogênio e seu valor numérico pode ser calculado através de: ph log [ H + ] Soluções muito ácidas têm ph perto de, Soluções neutras têm ph perto de 7 e Soluções muito alcalinas (básicas têm ph próximo de. Exemplo: O produto Pepto-Bismol possui uma concentração de íons de hidrogênio de 5,0 0 moles /litro. Calcular o seu ph: + ph log [ H ] log [5,0 0 ph,7 ] 0. Exercícios. Aplicar a definição de logaritmos para calcular as expressões a seguir: (a log 5 5 pg. /9

24 (b log 5 5 (c log 6 (d log 6 (e log 8 (f log (g log 5 0, (h log 5 0, (i log 0,5 (j log 6 (k log 8 (l log 5 0,00006 (m log (n log 6 (o log (p log 5 8 (q log 65 5 (r log 5 65 (s log a a. Calcular o valor de b: (a log b (b log b (c log b 0 (d log 5 b (e log b. Calcular o valor da base: (a log a 6 (b log a 6 pg. /9

25 6 8 (c log a (d log a 8 6 (e log a. Calcular o valor da soma em cada um dos casos: (a S log0 0,00 + log log 8 (b S log 5 + log 7 log 5 9 (c S log 8 log 7 + log 0 6 (d S log ( log 6 log ( log 8 (e S log 8 log 0 0,0 + log 8 5. Resolver as equações: (a log x ( x x (b log x + ( x (c log (x + + log (x (d log 7 x log 7 x + log 7 6 (e log ( x ² + x log ( x + x 5 (f log { log ( log (x + } 0 6. Calcular: (a 5log 5 (b log (c log Dados log b a e log b c, determinar: (a log b (a c a (b log b ( c (c log b (a c (d log b ( a c pg. 5/9

26 8. Dados log x a 5, log x b e log x c, determinar: (a log x (a b c (b log x ( a b c 9. Sabendo que log 0,00 e log 0,77, resolver a equação x + x Dados log c a 5 e log c b, determinar log c a b c. Dado log b a, determinar o valor de log a b 6. Resolver a equação: log x + log 8 x 8. Usando as propriedades dos logaritmos e/ou mudança de bases, determine o valor das expressões (dados: log 0,0, log 0,77 e log 5 0,699 - dê as respostas com decimais e apresente o desenvolvimento completo da solução proposta. (a log (b log 6 5 (c log Resolver as inequações: (a log ( x 6 > log 5 (b log ( a a+ < (c log (x ² (d log 7 ( x 9 x+8 > log 7 (x 8 x +7 ( (e log x > (f log x < log 5 5. Nas seguintes expressões, identifique aquela que está correta e, para as que estão erradas, identifique o erro, usando as propriedades e/ou regra de conversão de base dos logaritmos: (a log 5log log 5 (b log 8 log 9 pg. 6/9

27 (c ln 9( ln 7 (d log 7 6. Assinalar a opção verdadeira justifique, indicando o erro nas opções descartadas: (a log log 8 (b log 9 log (c log log 6 log (d log 6 log + log 7. Uma determinada grandeza física é dada pela função logarítmica sui o valor 5, 0, qual é o valor da grandeza? f ( x log 0 (x. Se x pos- 8. Na figura a seguir, determinar as coordenadas dos pontos A, B, C e D. Justifique o valor de cada uma das coordenadas (mostre como determinou o valor obtido. 9. Usar a figura s seguir para determinar as coordenadas, na forma P(x, y, dos pontos A, B, C e D: pg. 7/9

28 0. Na figura estão representadas as oito funções seguintes. Identificar, no gráfico, cada uma das funções e construir uma tabela relacionando cada uma delas com a sua função inversa. Funções representadas: f ( x f ( x f (x ln x g( x ln x h( x e x i( x e x j( x k (x ex ex ( l( x ln( x m(x ln( x pg. 8/9

29 . Um dado terremoto liberou uma energia equivalente a, 0 Joules. Determinar a magnitude deste terremoto.. Qual a energia (em Joules liberada por um terremoto de magnitude 9,0 na escala Richter?. Em 956 os geólogos Richter e Gutenberg desenvolveram a seguinte fórmula para estimar a quantidade de energia liberada em um terremoto: log 0 E, + (,5 M, sendo E a energia em Joules liberada e M a intensidade o terremoto na escala Richter. Agora, usando a tabela a seguir e sendo E a energia do terremoto ocorrido nas Filipinas e E a energia liberada pelo terremoto de E Washington. Determine a razão para comparar as energias liberadas pelos dois terremotos: E Localização Data Magnitude na escala Richter Mindanao, Filipinas 0 janeiro de 00 7,5 Washington 8 de fevereiro de 00 6,8. A água sanitária comum possui uma concentração de íons de hidrogênio de aproximadamente 5,0 0 moles / litro. Calcular o seu ph. 5. Numa conversa normal, a intensidade típica do som chega a I 0 6 W /m. A quantos db isto corresponde? 6. Uma campainha de porta gera uma intensidade típica do som chega a I 0,5 W /m. A quantos db isto corresponde? 7. Se $ 8000 são investidos à uma taxa de 9 % ao ano, computada continuamente, quanto tempo levará para que o investimento chegue a $ 0000? 8. Quanto tempo leva para que um investimento de $ atinja o valor de $ se for aplicado a uma taxa de 5% ao ano, computada continuamente? 9. Qual será a taxa de juros computada continuamente necessária para que um investimento de $ 0 atinja o valor de $ 50 em anos? pg. 9/9

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro De Ciências Exatas e da Terra. Departamento de Física Teórica e Experimental

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro De Ciências Exatas e da Terra. Departamento de Física Teórica e Experimental Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro De Ciências Exatas e da Terra Departamento de Física Teórica e Experimental Programa de Educação Tutorial Curso de Nivelamento: Pré-Cálculo PET DE FÍSICA:

Leia mais

Onde usar os conhecimentos os sobre função?

Onde usar os conhecimentos os sobre função? II FUNÇÃO E LOGARITMO Por que aprender função?... As funções exponenciais e logarítmicas estão presentes no estudo de fenômenos que envolvem taxas de crescimento e de decrescimento. Onde usar os conhecimentos

Leia mais

Unidade 3 Função Logarítmica. Definição de logaritmos de um número Propriedades operatórias Mudança de base Logaritmos decimais Função Logarítmica

Unidade 3 Função Logarítmica. Definição de logaritmos de um número Propriedades operatórias Mudança de base Logaritmos decimais Função Logarítmica Unidade 3 Função Logarítmica Definição de aritmos de um número Propriedades operatórias Mudança de base Logaritmos decimais Função Logarítmica Definição de Logaritmo de um número Suponha que certo medicamento,

Leia mais

É usual representar uma função f de uma variável real a valores reais e com domínio A, simplesmente por y=f(x), x A

É usual representar uma função f de uma variável real a valores reais e com domínio A, simplesmente por y=f(x), x A 4. Função O objeto fundamental do cálculo são as funções. Assim, num curso de Pré-Cálculo é importante estudar as idéias básicas concernentes às funções e seus gráficos, bem como as formas de combiná-los

Leia mais

UNIDADE 4 FUNÇÕES 2 MÓDULO 1 FUNÇÃO QUADRÁTICA 1 - FUNÇÃO QUADRÁTICA. 103 Matemática e Lógica Unidade 04. a > 0 a < 0 > 0

UNIDADE 4 FUNÇÕES 2 MÓDULO 1 FUNÇÃO QUADRÁTICA 1 - FUNÇÃO QUADRÁTICA. 103 Matemática e Lógica Unidade 04. a > 0 a < 0 > 0 1 - FUNÇÃO QUADRÁTICA UNIDADE 4 FUNÇÕES 2 MÓDULO 1 FUNÇÃO QUADRÁTICA 01 É toda função do tipo f(x)=ax 2 +bx+c, onde a, b e c são constantes reais com a 0. Ou, simplesmente, uma função polinomial de grau

Leia mais

Função do 2º Grau. Alex Oliveira

Função do 2º Grau. Alex Oliveira Função do 2º Grau Alex Oliveira Apresentação A função do 2º grau, também chamada de função quadrática é definida pela expressão do tipo: y = f(x) = ax² + bx + c onde a, b e c são números reais e a 0. Exemplos:

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

Teorema de Taylor. Prof. Doherty Andrade. 1 Fórmula de Taylor com Resto de Lagrange. 2 Exemplos 2. 3 Exercícios 3. 4 A Fórmula de Taylor 4

Teorema de Taylor. Prof. Doherty Andrade. 1 Fórmula de Taylor com Resto de Lagrange. 2 Exemplos 2. 3 Exercícios 3. 4 A Fórmula de Taylor 4 Teorema de Taylor Prof. Doherty Andrade Sumário 1 Fórmula de Taylor com Resto de Lagrange 1 2 Exemplos 2 3 Exercícios 3 4 A Fórmula de Taylor 4 5 Observação 5 1 Fórmula de Taylor com Resto de Lagrange

Leia mais

Universidade Federal de São Carlos Departamento de Matemática 083020 - Curso de Cálculo Numérico - Turma E Resolução da Primeira Prova - 16/04/2008

Universidade Federal de São Carlos Departamento de Matemática 083020 - Curso de Cálculo Numérico - Turma E Resolução da Primeira Prova - 16/04/2008 Universidade Federal de São Carlos Departamento de Matemática 08300 - Curso de Cálculo Numérico - Turma E Resolução da Primeira Prova - 16/0/008 1. (0 pts.) Considere o sistema de ponto flutuante normalizado

Leia mais

Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas

Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Objetivos

Leia mais

MATEMÁTICA. y Q. (a,b)

MATEMÁTICA. y Q. (a,b) MATEMÁTICA 1. Sejam (a, b), com a e b positivos, as coordenadas de um ponto no plano cartesiano, e r a reta com inclinação m

Leia mais

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº10 Prof. Daniel Szente

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº10 Prof. Daniel Szente Nome: Ano: º Ano do E.M. Escola: Data: / / 3º Ano do Ensino Médio Aula nº10 Prof. Daniel Szente Assunto: Função exponencial e logarítmica 1. Potenciação e suas propriedades Definição: Potenciação é a operação

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

GABARITO. Resolução: 98!2! 50 98! 2. www.chiquinho.org

GABARITO. Resolução: 98!2! 50 98! 2. www.chiquinho.org )(UFF-0) Povos diferentes com escrita e símbolos diferentes podem descobrir um mesmo resultado matemático. Por exemplo, a figura ao lado ilustra o riângulo de Yang Yui, publicado na China em 303, que é

Leia mais

Lista de Exercícios 03

Lista de Exercícios 03 Lista de Exercícios 03 Aplicações das relações e funções no cotidiano Ao lermos um jornal ou uma revista, diariamente nos deparamos com gráficos, tabelas e ilustrações. Estes, são instrumentos muito utilizados

Leia mais

XXVI Olimpíada de Matemática da Unicamp. Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Universidade Estadual de Campinas

XXVI Olimpíada de Matemática da Unicamp. Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Universidade Estadual de Campinas Gabarito da Prova da Primeira Fase 15 de Maio de 010 1 Questão 1 Um tanque de combustível, cuja capacidade é de 000 litros, tinha 600 litros de uma mistura homogênea formada por 5 % de álcool e 75 % de

Leia mais

Capítulo 5: Aplicações da Derivada

Capítulo 5: Aplicações da Derivada Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo 5: Aplicações da Derivada 5- Acréscimos e Diferenciais - Acréscimos Seja y f

Leia mais

Resolvendo problemas com logaritmos

Resolvendo problemas com logaritmos A UA UL LA Resolvendo problemas com logaritmos Introdução Na aula anterior descobrimos as propriedades dos logaritmos e tivemos um primeiro contato com a tábua de logarítmos. Agora você deverá aplicar

Leia mais

O QUE É A ESCALA RICHTER? (OU COMO SE MEDE UM TERREMOTO)

O QUE É A ESCALA RICHTER? (OU COMO SE MEDE UM TERREMOTO) 1 O QUE É A ESCALA RICHTER? (OU COMO SE MEDE UM TERREMOTO) Ilydio Pereira de Sá Atualmente, com o crescimento da tecnologia e da informação, tem sido muito comum o noticiário sobre catástrofes, principalmente

Leia mais

Função. Definição formal: Considere dois conjuntos: o conjunto X com elementos x e o conjunto Y com elementos y. Isto é:

Função. Definição formal: Considere dois conjuntos: o conjunto X com elementos x e o conjunto Y com elementos y. Isto é: Função Toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça corresponder a todo elemento do primeiro conjunto um único elemento do segundo, ocorre uma função. Definição formal:

Leia mais

VESTIBULAR 2004 - MATEMÁTICA

VESTIBULAR 2004 - MATEMÁTICA 01. Dividir um número real não-nulo por 0,065 é equivalente a multiplicá-lo por: VESTIBULAR 004 - MATEMÁTICA a) 4 c) 16 e) 1 b) 8 d) 0. Se k é um número inteiro positivo, então o conjunto A formado pelos

Leia mais

Distribuição Gaussiana. Modelo Probabilístico para Variáveis Contínuas

Distribuição Gaussiana. Modelo Probabilístico para Variáveis Contínuas Distribuição Gaussiana Modelo Probabilístico para Variáveis Contínuas Distribuição de Frequências do Peso, em gramas, de 10000 recém-nascidos Frequencia 0 500 1000 1500 2000 2500 3000 3500 1000 2000 3000

Leia mais

1)Faça a representação gráfica das seguintes funções do primeiro grau: a)y = - x + 3 b)f(x) = - 3x + 5 c)y = x + 2 d)y = x + 3

1)Faça a representação gráfica das seguintes funções do primeiro grau: a)y = - x + 3 b)f(x) = - 3x + 5 c)y = x + 2 d)y = x + 3 Função do Primeiro Grau 1)Faça a representação gráfica das seguintes funções do primeiro grau: a)y = - x + 3 b)f(x) = - 3x + 5 c)y = x + 2 d)y = x + 3 2)Uma função polinomial do 1 o grau y = f(x) é tal

Leia mais

Notas de Cálculo Numérico

Notas de Cálculo Numérico Notas de Cálculo Numérico Túlio Carvalho 6 de novembro de 2002 2 Cálculo Numérico Capítulo 1 Elementos sobre erros numéricos Neste primeiro capítulo, vamos falar de uma limitação importante do cálculo

Leia mais

Álgebra. SeM MiSTéRio

Álgebra. SeM MiSTéRio Álgebra SeM MiSTéRio Série SeM MiSTéRio Alemão Sem Mistério Álgebra Sem Mistério Cálculo Sem Mistério Conversação em Alemão Sem Mistério Conversação em Espanhol Sem Mistério Conversação em Francês Sem

Leia mais

Plano de Aula. 1 - Como abrir o programa KmPlot

Plano de Aula. 1 - Como abrir o programa KmPlot Plano de Aula Aluno(a):PIBID MATEMÁTICA Escola: Escola Estadual de Ensino Médio Mestre Santa Bárbara Disciplina: Matemática Conteúdo: Função quadrática Assunto: Gráficos, coeficientes da função Público

Leia mais

Instruções para a Prova de MATEMÁTICA APLICADA:

Instruções para a Prova de MATEMÁTICA APLICADA: Instruções para a Prova de : Confira se seu nome e RG estão corretos. Não se esqueça de assinar a capa deste caderno, no local indicado, com caneta azul ou preta. A duração total do Módulo Discursivo é

Leia mais

Possibilitar ao candidato condições para que ele possa fazer uma breve revisão dos conteúdos no ensino fundamental.

Possibilitar ao candidato condições para que ele possa fazer uma breve revisão dos conteúdos no ensino fundamental. INTRODUÇÃO Esse trabalho abordará alguns conceitos importantes sobre a Matemática no Ensino Fundamental. Além desse material, indicamos que você leia livros, acesse sites relacionados à Matemática para

Leia mais

Truques e Dicas. = 7 30 Para multiplicar fracções basta multiplicar os numeradores e os denominadores: 2 30 = 12 5

Truques e Dicas. = 7 30 Para multiplicar fracções basta multiplicar os numeradores e os denominadores: 2 30 = 12 5 Truques e Dicas O que se segue serve para esclarecer alguma questão que possa surgir ao resolver um exercício de matemática. Espero que lhe seja útil! Cap. I Fracções. Soma e Produto de Fracções Para somar

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2011 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2011 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR a Fase Profa. Maria Antônia Gouveia. Questão. Considerando-se as funções f: R R e g: R R definidas por f(x) = x e g(x) = log(x² + ), é correto afirmar: () A função

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO

INSTITUTO TECNOLÓGICO PAC - PROGRAMA DE APRIMORAMENTO DE CONTEÚDOS. ATIVIDADES DE NIVELAMENTO BÁSICO. DISCIPLINAS: MATEMÁTICA & ESTATÍSTICA. PROFº.: PROF. DR. AUSTER RUZANTE 1ª SEMANA DE ATIVIDADES DOS CURSOS DE TECNOLOGIA

Leia mais

FUNÇÃO. Exemplo: Dado os conjuntos A = { -2, -1, 0, 1, 2} e B = {0, 1, 2, 3, 4, 5} São funções de A em B as relações a) R 1 = {(x,y) AXB/ y = x + 2}

FUNÇÃO. Exemplo: Dado os conjuntos A = { -2, -1, 0, 1, 2} e B = {0, 1, 2, 3, 4, 5} São funções de A em B as relações a) R 1 = {(x,y) AXB/ y = x + 2} Sistemas de Informação e Tecnologia em Proc. de Dados Matemática Ms. Carlos Roberto da Silva/ Ms. Lourival Pereira Martins FUNÇÃO Definição: Dados dois conjuntos e define-se como função de em a toda relação

Leia mais

Capítulo 5 - Funções Reais de Variável Real

Capítulo 5 - Funções Reais de Variável Real Capítulo 5 - Funções Reais de Variável Real Carlos Balsa balsa@ipb.pt Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Bragança Matemática I - 1 o Semestre 2011/2012 Matemática I 1/

Leia mais

ITA - 2004 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

ITA - 2004 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR ITA - 2004 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Matemática Questão 01 Considere as seguintes afirmações sobre o conjunto U = {0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9} I. U e n(u) = 10 III. 5 U e {5}

Leia mais

Apostila 7: Logaritmo

Apostila 7: Logaritmo Colégio Nossa Senhora de Lourdes Matemática - Professor: Leonardo Maciel Matemática - Professor: Leonardo Maciel. Apostila 7: Logaritmo 1.. (Puc-rio) Os valores de x tais que o logaritmo de 2x + 1 na base

Leia mais

FUNÇÕES E INEQUAÇÕES

FUNÇÕES E INEQUAÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA ANDRÉIA SCHMIDT GEHHANNY ASSIS JAQUELINI ROCHA SIMÃO LARISSA VANESSA DOMINGUES FUNÇÕES E INEQUAÇÕES CURITIBA 2012

Leia mais

FUNÇÃO DE 1º GRAU. = mx + n, sendo m e n números reais. Questão 01 Dadas as funções f de IR em IR, identifique com um X, aquelas que são do 1º grau.

FUNÇÃO DE 1º GRAU. = mx + n, sendo m e n números reais. Questão 01 Dadas as funções f de IR em IR, identifique com um X, aquelas que são do 1º grau. FUNÇÃO DE 1º GRAU Veremos, a partir daqui algumas funções elementares, a primeira delas é a função de 1º grau, que estabelece uma relação de proporcionalidade. Podemos então, definir a função de 1º grau

Leia mais

MATEMÁTICA ENEM 2009 PROF. MARCELO CÓSER

MATEMÁTICA ENEM 2009 PROF. MARCELO CÓSER MATEMÁTICA ENEM 09 PROF. MARCELO CÓSER Funções Lineares: problemas com variação constante. f(x) = ax + b VARIAÇÃO CONSTANTE VALOR INICIAL a > 0 a < 0 a y x 0) (UFRJ) Uma operadora de celular oferece dois

Leia mais

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS LENIMAR NUNES DE ANDRADE INTRODUÇÃO À ÁLGEBRA: QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS 1 a edição ISBN 978-85-917238-0-5 João Pessoa Edição do Autor 2014 Prefácio Este texto foi elaborado para a disciplina Introdução

Leia mais

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Instituída pela Lei 0.45, de 9/04/00 - D.O.U. de /04/00 Pró-Reitoria de Ensino de Graduação - PROEN Disciplina: Cálculo Numérico Ano: 03 Prof: Natã Goulart

Leia mais

Maia Vest. Denominamos o fator de base e de expoente; é a n-ésima potência de. Portanto, potência é um produto de fatores iguais.

Maia Vest. Denominamos o fator de base e de expoente; é a n-ésima potência de. Portanto, potência é um produto de fatores iguais. Maia Vest Disciplina: Matemática Professor: Adriano Mariano FUNÇÃO EXPONENCIAL Revisão sobre potenciação Potência de expoente natural Sendo a um número real e n um número natural maior ou igual a 2, definimos

Leia mais

Questão 02 (UFJF MG/2012) Considere as afirmativas abaixo envolvendo as funções f (x) = sen(x), g(x) = x 2 3x + 2 e h(x) = e x.

Questão 02 (UFJF MG/2012) Considere as afirmativas abaixo envolvendo as funções f (x) = sen(x), g(x) = x 2 3x + 2 e h(x) = e x. SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: ª Série

Leia mais

AULAS 14, 15 E 16 Análise de Regressão Múltipla: Problemas Adicionais

AULAS 14, 15 E 16 Análise de Regressão Múltipla: Problemas Adicionais 1 AULAS 14, 15 E 16 Análise de Regressão Múltipla: Problemas Adicionais Ernesto F. L. Amaral 20 e 22 de abril e 04 de maio de 2010 Métodos Quantitativos de Avaliação de Políticas Públicas (DCP 030D) Fonte:

Leia mais

Funções Exponenciais e Logarítmicas

Funções Exponenciais e Logarítmicas Capítulo 3 Funções Exponenciais e Logarítmicas Problema 1. Uma piscina tem capacidade para 100 m de água. Quando a piscina está completamente cheia, é colocado 1 kg de cloro na piscina. Água pura (sem

Leia mais

Conteúdo Programático Anual MATEMÁTICA

Conteúdo Programático Anual MATEMÁTICA MATEMÁTICA 1º BIMESTRE 5ª série (6º ano) CALCULANDO COM NÚMEROS NATURAIS 1. Idéias associadas à adição 2. Idéias associadas à subtração 3. Idéias associadas à multiplicação 4. Idéias associadas à divisão

Leia mais

Conteúdo. Apostilas OBJETIVA - Ano X - Concurso Público 2015

Conteúdo. Apostilas OBJETIVA - Ano X - Concurso Público 2015 Apostilas OBJETIVA - Ano X - Concurso Público 05 Conteúdo Matemática Financeira e Estatística: Razão; Proporção; Porcentagem; Juros simples e compostos; Descontos simples; Média Aritmética; Mediana; Moda.

Leia mais

MATEMÁTICA UFRGS 2011

MATEMÁTICA UFRGS 2011 MATEMÁTICA UFRGS 2011 01. Uma torneira com vazamento pinga, de maneira constante, 25 gotas de água por minuto. Se cada gota contém 0,2 ml de água, então, em 24 horas o vazamento será de a) 0,072 L. b)

Leia mais

NIVELAMENTO 2007/1 MATEMÁTICA BÁSICA. Núcleo Básico da Primeira Fase

NIVELAMENTO 2007/1 MATEMÁTICA BÁSICA. Núcleo Básico da Primeira Fase NIVELAMENTO 00/ MATEMÁTICA BÁSICA Núcleo Básico da Primeira Fase Instituto Superior Tupy Nivelamento de Matemática Básica ÍNDICE. Regras dos Sinais.... Operações com frações.... Adição e Subtração....

Leia mais

Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias 1. Trajectórias Planas. 1 Trajectórias. 4.3 exercícios... 6. 4 Coordenadas polares 5

Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias 1. Trajectórias Planas. 1 Trajectórias. 4.3 exercícios... 6. 4 Coordenadas polares 5 Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias Trajectórias Planas Índice Trajectórias. exercícios............................................... 2 2 Velocidade, pontos regulares e singulares 2 2. exercícios...............................................

Leia mais

Aula 2 - Cálculo Numérico

Aula 2 - Cálculo Numérico Aula 2 - Cálculo Numérico Erros Prof. Phelipe Fabres Anhanguera Prof. Phelipe Fabres (Anhanguera) Aula 2 - Cálculo Numérico 1 / 41 Sumário Sumário 1 Sumário 2 Erros Modelagem Truncamento Representação

Leia mais

RQ Edição Fevereiro 2014

RQ Edição Fevereiro 2014 RQ Edição Fevereiro 2014 18. Um noivo foi postar os convites de casamento nos Correios. Durante a pesagem das cartas, percebeu que todas tinham 0,045 kg, exceto uma, de 0,105 kg. Em um primeiro instante,

Leia mais

LISTA DE FUNÇÃO POLINOMIAL DO 1º GRAU - 2012. ax b, sabendo que:

LISTA DE FUNÇÃO POLINOMIAL DO 1º GRAU - 2012. ax b, sabendo que: 1) Dada a função f(x) = 2x + 3, determine f(1). LISTA DE FUNÇÃO POLINOMIAL DO 1º GRAU - 2012 2) Dada a função f(x) = 4x + 5, determine x tal que f(x) = 7. 3) Escreva a função afim f ( x) ax b, sabendo

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

Supondo que se mantém constante o ritmo de desenvolvimento da população de vírus, qual o número de vírus após uma hora?

Supondo que se mantém constante o ritmo de desenvolvimento da população de vírus, qual o número de vírus após uma hora? Lista prova parcial 4º bimestre. 1. (Upf 01) Num laboratório está sendo realizado um estudo sobre a evolução de uma população de vírus. A seguinte sequência de figuras representa os três primeiros minutos

Leia mais

TEXTO DE REVISÃO: Uso da calculadora científica e potências de 10.

TEXTO DE REVISÃO: Uso da calculadora científica e potências de 10. TEXTO DE REVISÃO: Uso da calculadora científica e potências de 10. Caro aluno (a): No livro texto (Halliday) cap.01 - Medidas alguns conceitos muito importantes são apresentados. Por exemplo, é muito importante

Leia mais

Aula 2 Sistemas de Numeração (Revisão)

Aula 2 Sistemas de Numeração (Revisão) Aula 2 Sistemas de Numeração (Revisão) Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@recife.ifpe.edu.br http://dase.ifpe.edu.br/~alsm 1 O que fazer com essa apresentação 2 Agenda Breve revisão da aula anterior

Leia mais

Banco do Brasil + BaCen

Banco do Brasil + BaCen 1. TAXA Taxa [ i ] é um valor numérico de referência, informado por uma das notações: Forma percentual, p.ex. 1%. Forma unitária, p.ex. 0,01 Forma fracionária centesimal, p.ex. 1/100. Ambos representam

Leia mais

MATEMÁTICA 3. Resposta: 29

MATEMÁTICA 3. Resposta: 29 MATEMÁTICA 3 17. Uma ponte deve ser construída sobre um rio, unindo os pontos A e, como ilustrado na figura abaixo. Para calcular o comprimento A, escolhe-se um ponto C, na mesma margem em que está, e

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO. Vitor Valerio de Souza Campos

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO. Vitor Valerio de Souza Campos LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Vitor Valerio de Souza Campos Exemplos de algoritmos Faça um algoritmo para mostrar o resultado da multiplicação de dois números. Algoritmo em descrição narrativa Passo 1 Receber

Leia mais

Aritmética de Ponto Flutuante e Noções de Erro. Ana Paula

Aritmética de Ponto Flutuante e Noções de Erro. Ana Paula Aritmética de Ponto Flutuante e Noções de Erro Sumário 1 Introdução 2 Sistemas de Numeração 3 Representação de Números Inteiros no Computador 4 Representação de Números Reais no Computador 5 Operações

Leia mais

A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática

A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática I. O jogo A Torre de Hanói consiste de uma base com três pinos e um certo número n de discos de diâmetros diferentes, colocados um sobre o outro em

Leia mais

FEPI FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE ITAJUBÁ UNIVERSITAS CENTRO UNIVERSITÁRIO DEITAJUBÁ CÁLCULO 1. Prof. William Mascia Resende. Engenharia Elétrica

FEPI FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE ITAJUBÁ UNIVERSITAS CENTRO UNIVERSITÁRIO DEITAJUBÁ CÁLCULO 1. Prof. William Mascia Resende. Engenharia Elétrica FEPI FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE ITAJUBÁ UNIVERSITAS CENTRO UNIVERSITÁRIO DEITAJUBÁ CÁLCULO 1 Prof. William Mascia Resende Engenharia Elétrica ITAJUBÁ 2013 CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ITAJUBÁ Curso: Engenharia

Leia mais

fx-82ms fx-83ms fx-85ms fx-270ms fx-300ms fx-350ms

fx-82ms fx-83ms fx-85ms fx-270ms fx-300ms fx-350ms O uso da Calculadora Científica (Casio fx) fx-82ms fx-83ms fx-85ms fx-270ms fx-300ms fx-350ms Prof. Ms. Renato Francisco Merli 2013 1 Sumário 1. Antes de Começar... 2 2. Cálculos Básicos... 8 3. Cálculos

Leia mais

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística SEFAZ - Analista em Finanças Públicas Prova realizada em 04/12/2011 pelo CEPERJ

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística SEFAZ - Analista em Finanças Públicas Prova realizada em 04/12/2011 pelo CEPERJ Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística SEFAZ - Analista em Finanças Públicas Prova realizada em 04/1/011 pelo CEPERJ 59. O cartão de crédito que João utiliza cobra 10% de juros ao mês,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA TÓPICOS DE MATEMÁTICA APLICADA B

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA TÓPICOS DE MATEMÁTICA APLICADA B UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA TÓPICOS DE MATEMÁTICA APLICADA B JORGE MELO PAULO FLORES PLANO DE AULA PESQUISA OPERACIONAL

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2011/1

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2011/1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 0/ SUMÁRIO. FUNÇÕES REAIS DE UMA VARIÁVEL..... CONCEITO..... ZEROS DE UMA

Leia mais

Prova de Admissão para o Mestrado em Matemática IME-USP - 23.11.2007

Prova de Admissão para o Mestrado em Matemática IME-USP - 23.11.2007 Prova de Admissão para o Mestrado em Matemática IME-USP - 23.11.2007 A Nome: RG: Assinatura: Instruções A duração da prova é de duas horas. Assinale as alternativas corretas na folha de respostas que está

Leia mais

Construção dos números racionais, Números fracionários e operações com frações

Construção dos números racionais, Números fracionários e operações com frações Construção dos números racionais, Números fracionários e operações com frações O número racional pode ser definido a partir da aritmética fechamento da operação de divisão entre inteiros ou partir da geometria

Leia mais

b) a 0 e 0 d) a 0 e 0

b) a 0 e 0 d) a 0 e 0 IFRN - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RN PROFESSOR: MARCELO SILVA MATEMÁTICA FUNÇÃO DO º GRAU 1. Um grupo de pessoas gastou R$ 10,00 em uma lanchonete. Quando foram pagar a conta,

Leia mais

Undécima lista de exercícios. Função exponencial e função logarítmica.

Undécima lista de exercícios. Função exponencial e função logarítmica. MA091 Matemática básica Verão de 01 Undécima lista de exercícios Função exponencial e função logarítmica 1 Você pegou um empréstimo bancário de R$ 500,00, a uma taxa de 5% ao mês a) Escreva a função que

Leia mais

, então. a) 0. c) log 3. c) 1 d) log 4. a) 2 b) c) d) 6. 9-(UECE) Se 6 igual a: a) 36 b) 45 c) 54 d) 81. , então. a) log 20 log 2. a) 3 b) 2 c) 1 d) 0

, então. a) 0. c) log 3. c) 1 d) log 4. a) 2 b) c) d) 6. 9-(UECE) Se 6 igual a: a) 36 b) 45 c) 54 d) 81. , então. a) log 20 log 2. a) 3 b) 2 c) 1 d) 0 LOGARITMOS Professor Clístenes Cunha -(CESGRANRIO-RJ) Se 5 0 a solução vale: a) 5 c) 7/ 0 -(PUC-MG) A soma das raízes da equação 5 a) c) -(CESGRANRIO-RJ) O valor de a) / / c) / / -(UEL-PR) Se 5 7 é igual

Leia mais

(Testes intermédios e exames 2010/2011)

(Testes intermédios e exames 2010/2011) (Testes intermédios e eames 00/0) 57. Na Figura, está parte da representação gráfica da função f, de domínio +, definida por f() = log 9 () Em qual das opções seguintes está definida uma função g, de domínio,

Leia mais

Exercícios 1. Determinar x de modo que a matriz

Exercícios 1. Determinar x de modo que a matriz setor 08 080509 080509-SP Aula 35 MATRIZ INVERSA Uma matriz quadrada A de ordem n diz-se invertível, ou não singular, se, e somente se, existir uma matriz que indicamos por A, tal que: A A = A A = I n

Leia mais

2ª fase. 19 de Julho de 2010

2ª fase. 19 de Julho de 2010 Proposta de resolução da Prova de Matemática A (código 635) ª fase 19 de Julho de 010 Grupo I 1. Como só existem bolas de dois tipos na caixa e a probabilidade de sair bola azul é 1, existem tantas bolas

Leia mais

Capital = 100 Juros simples Juros compostos Nº de anos Montante simples Montante composto

Capital = 100 Juros simples Juros compostos Nº de anos Montante simples Montante composto Juros compostos Cada período, os juros são incorporados ao principal e passam, por sua vez, a render juros. Também conhecido como juros sobre juros. Vamos ilustrar a diferença entre os crescimentos de

Leia mais

CURSO: ADMINISTRAÇÃO Prof Dra. Deiby Santos Gouveia Disciplina: Matemática Aplicada OFERTA DE MERCADO

CURSO: ADMINISTRAÇÃO Prof Dra. Deiby Santos Gouveia Disciplina: Matemática Aplicada OFERTA DE MERCADO CURSO: ADMINISTRAÇÃO Prof Dra. Deiby Santos Gouveia Disciplina: Matemática Aplicada OFERTA DE MERCADO A oferta de uma mercadoria, a um dado preço, é a quantidade que os vendedores estão dispostos a oferecer

Leia mais

Introdução. A Informação e sua Representação (Parte II) Universidade Federal de Campina Grande. Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação

Introdução. A Informação e sua Representação (Parte II) Universidade Federal de Campina Grande. Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Introdução à Computação A Informação e sua Representação (Parte II) Prof. a Joseana Macêdo Fechine Régis de Araújo joseana@computacao.ufcg.edu.br

Leia mais

Lista 2. Considere os dados abaixo sobre distribuição de salário (em reais) num grupo de 1000 individuos.

Lista 2. Considere os dados abaixo sobre distribuição de salário (em reais) num grupo de 1000 individuos. Lista 2 Exercício 1 Considere os dados abaixo sobre distribuição de salário (em reais) num grupo de 1000 individuos. Tabela 1: Distribuição de frequências da variável salário Classe de Salário n i f i

Leia mais

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980 Questão 1. Uma venda imobiliária envolve o pagamento de 12 prestações mensais iguais a R$ 10.000,00, a primeira no ato da venda, acrescidas de uma parcela final de R$ 100.000,00, 12 meses após a venda.

Leia mais

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas Resolução dos Eercícios sobre Derivadas Eercício Utilizando a idéia do eemplo anterior, encontre a reta tangente à curva nos pontos onde e Vamos determinar a reta tangente à curva nos pontos de abscissas

Leia mais

Processos Estocásticos

Processos Estocásticos Processos Estocásticos Terceira Lista de Exercícios 22 de julho de 20 Seja X uma VA contínua com função densidade de probabilidade f dada por Calcule P ( < X < 2. f(x = 2 e x x R. A fdp dada tem o seguinte

Leia mais

Texto de Aprofundamento / Apoio Conceito de Função

Texto de Aprofundamento / Apoio Conceito de Função Texto de Aprofundamento / Apoio Conceito de Função Texto baseado no material preparado por Ângela Patricia Spilimbergo, Cleusa Jucela Meller Auth e Lecir Dalabrida da Universidade Regional do Noroeste

Leia mais

4Distribuição de. freqüência

4Distribuição de. freqüência 4Distribuição de freqüência O objetivo desta Unidade é partir dos dados brutos, isto é, desorganizados, para uma apresentação formal. Nesse percurso, seção 1, destacaremos a diferença entre tabela primitiva

Leia mais

Unidade 5: Sistemas de Representação

Unidade 5: Sistemas de Representação Arquitetura e Organização de Computadores Atualização: 9/8/ Unidade 5: Sistemas de Representação Números de Ponto Flutuante IEEE 754/8 e Caracteres ASCII Prof. Daniel Caetano Objetivo: Compreender a representação

Leia mais

Aula 3 CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS EM PAPEL DILOG. Menilton Menezes. META Expandir o estudo da utilização de gráficos em escala logarítmica.

Aula 3 CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS EM PAPEL DILOG. Menilton Menezes. META Expandir o estudo da utilização de gráficos em escala logarítmica. Aula 3 CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS EM PAPEL DILOG META Expandir o estudo da utilização de gráficos em escala logarítmica. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Construir gráficos em escala di-logarítmica.

Leia mais

ENSINO ENS. FUNDAMENTAL PROFESSOR(ES) TURNO. 01. A) 83 16 B) 3 2005 D) 103 a. 02. A) 5 2 B) 3 2 C) 6 2 D) a 2006 E) (ab) 3 F) (3a) p 03.

ENSINO ENS. FUNDAMENTAL PROFESSOR(ES) TURNO. 01. A) 83 16 B) 3 2005 D) 103 a. 02. A) 5 2 B) 3 2 C) 6 2 D) a 2006 E) (ab) 3 F) (3a) p 03. SÉRIE 8º ANO OLÍMPICO ENSINO ENS. FUNDAMENTAL PROFESSOR(ES) SEDE ALUNO(A) Nº RESOLUÇÃO TURMA TURNO DATA / / ÁLGEBRA CAPÍTULO POTENCIAÇÃO Exercícios orientados para a sua aprendizagem (Pág. 6 e 7) 0. A)

Leia mais

MATEMÁTICA PRIMEIRA ETAPA - 1999

MATEMÁTICA PRIMEIRA ETAPA - 1999 MATEMÁTICA PRIMEIRA ETAPA - 1999 QUESTÃO 46 Observe a figura. Essa figura representa o intervalo da reta numérica determinado pelos números dados. Todos os intervalos indicados (correspondentes a duas

Leia mais

Experimento. Guia do professor. Otimização da cerca. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Experimento. Guia do professor. Otimização da cerca. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação Números e funções Guia do professor Experimento Otimização da cerca Objetivos da unidade 1. Resolver um problema de otimização através do estudo de uma função quadrática. 2. Estudar as propriedades de

Leia mais

1) Eficiência e Equilíbrio Walrasiano: Uma Empresa

1) Eficiência e Equilíbrio Walrasiano: Uma Empresa 1) Eficiência e Equilíbrio Walrasiano: Uma Empresa Suponha que há dois consumidores, Roberto e Tomás, dois bens abóbora (bem 1) e bananas (bem ), e uma empresa. Suponha que a empresa 1 transforme 1 abóbora

Leia mais

Para converter uma razão de potência em decibel, encontre o logaritmo de base 10 para a razão de potência; e depois multiplique o valor por 10.

Para converter uma razão de potência em decibel, encontre o logaritmo de base 10 para a razão de potência; e depois multiplique o valor por 10. Calculando o decibel Joel R. Hallas, W1ZR (1) Muitos dados técnicos encontrados em publicações de rádio são mensurados em decibel com sua respectiva sigla db. Isso não é feito para mistificar ou dificultar

Leia mais

(Testes intermédios e exames 2005/2006)

(Testes intermédios e exames 2005/2006) 158. Indique o conjunto dos números reais que são soluções da inequação log 3 (1 ) 1 (A) [,1[ (B) [ 1,[ (C) ], ] (D) [, [ 159. Na figura abaio estão representadas, em referencial o. n. Oy: parte do gráfico

Leia mais

Figura 2.1: Carro-mola

Figura 2.1: Carro-mola Capítulo 2 EDO de Segunda Ordem com Coeficientes Constantes 2.1 Introdução - O Problema Carro-Mola Considere um carro de massa m preso a uma parede por uma mola e imerso em um fluido. Colocase o carro

Leia mais

Um estudo sobre funções contínuas que não são diferenciáveis em nenhum ponto

Um estudo sobre funções contínuas que não são diferenciáveis em nenhum ponto Um estudo sobre funções contínuas que não são diferenciáveis em nenhum ponto Maria Angélica Araújo Universidade Federal de Uberlândia - Faculdade de Matemática Graduanda em Matemática - Programa de Educação

Leia mais

FUNÇÃO DO 1º GRAU. Vamos iniciar o estudo da função do 1º grau, lembrando o que é uma correspondência:

FUNÇÃO DO 1º GRAU. Vamos iniciar o estudo da função do 1º grau, lembrando o que é uma correspondência: FUNÇÃO DO 1º GRAU Vamos iniciar o estudo da função do 1º grau, lembrando o que é uma correspondência: Correspondência: é qualquer conjunto de pares ordenados onde o primeiro elemento pertence ao primeiro

Leia mais

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS 1) Numa célula eletroquímica a solução tem que ser um eletrólito, mas os eletrodos

Leia mais

Somatórias e produtórias

Somatórias e produtórias Capítulo 8 Somatórias e produtórias 8. Introdução Muitas quantidades importantes em matemática são definidas como a soma de uma quantidade variável de parcelas também variáveis, por exemplo a soma + +

Leia mais

16) O produto nr tem um valor constante de 50atm.cm 3 /K. 32) A densidade final do gás foi de 50% do valor inicial.

16) O produto nr tem um valor constante de 50atm.cm 3 /K. 32) A densidade final do gás foi de 50% do valor inicial. Exercícios de termodinâmica Para as questões 01 e 02: Em uma transformação isotérmica, mantida a 127 C, o volume de certa quantidade de gás, inicialmente sob pressão de 2,0 atm, passa de 10 para 20 litros.

Leia mais

MATEMÁTICA TIPO A GABARITO: VFFVF. Solução: é a parábola com foco no ponto (0, 3) e reta diretriz y = -3.

MATEMÁTICA TIPO A GABARITO: VFFVF. Solução: é a parábola com foco no ponto (0, 3) e reta diretriz y = -3. 1 MATEMÁTICA TIPO A 01. Seja o conjunto de pontos do plano cartesiano, cuja distância ao ponto é igual à distância da reta com equação. Analise as afirmações a seguir. 0-0) é a parábola com foco no ponto

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA 7.º ANO PLANIFICAÇÃO GLOBAL Planificação 7º ano 2012/2013 Página 1 DOMÍNIO TEMÁTICO: NÚMEROS

Leia mais

O decibel e seus mistérios - Parte II

O decibel e seus mistérios - Parte II O decibel e seus mistérios - Parte II Autor: Fernando Antônio Bersan Pinheiro Já aprendemos como podemos relacionar decibéis e potências, e já vimos como isso é legal para compararmos potências de sistemas

Leia mais