I. Cálculo Diferencial em R n

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I. Cálculo Diferencial em R n"

Transcrição

1 Análise Matemática II Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Ano Lectivo 2010/ o Semestre Exercícios propostos para as aulas práticas I. Cálculo Diferencial em R n Departamento de Matemática da Universidade de Coimbra

2

3 I Cálculo Diferencial em R n Análise Matemática II - MIEEC /2011 Geometria anaĺıtica 0 Revisões de geometria analítica 0.1 Vectores, rectas e planos 1. Mostre que o produto escalar verifica a identidade u v = 1 2 ( u 2 + v 2 u v 2 ). 2. Determine o produto escalar de u pelo versor de v (ou seja, v ), sendo: v (a) u = 2î + 3ĵ, v = 1 2 î ĵ; (b) u = 2î + 3ĵ, v = î + ĵ; (c) u = 2î + 3ĵ + 5ˆk, v = î + ĵ; (d) u = 2î + 3ĵ + 5ˆk, v = 3î + 2ĵ + ˆk. 3. Em R 2, determine dois vectores unitários paralelos a 2î + 3ĵ. 4. Em R 2, determine dois vectores unitários ortogonais a (ou seja, perpendiculares a) 2î + 3ĵ. 5. Em R 3, determine quatro vectores unitários ortogonais a 2î + 3ĵ. 6. Determine o vector projecção de 2î + ĵ + ˆk sobre î + 3ĵ ˆk. 7. Sejam u = 3î + 4ĵ, v = î + ĵ. (a) Qual a projecção escalar de u sobre v? (b) Sendo w = î ĵ, qual a combinação linear de v e w que é igual a u? 8. Calcule os produtos vectoriais u v e v u quando: (a) u = î, v = ˆk; (b) u = 2î + 3ĵ ˆk, v = ĵ; (c) u = î + 3ĵ ˆk, v = î 3ĵ + ˆk; (d) u = 2î + 3ĵ ˆk, v = î + 2ĵ + 3ˆk. 9. Mostre que î (î ĵ) (î î) ĵ. 10. Calcule a área do paralelogramo definido pelos vectores î + 3ĵ e 2î + ĵ. 11. Calcule o volume do paralelepípedo definido pelos vectores î ĵ + 2ˆk, 3î + 6ˆk e 2î 2ĵ 3ˆk. 12. (a) Escreva a equação da recta que contém os pontos (1, 2) e (3, 5). (b) Escreva as equações paramétricas da recta que contém os pontos (1, 2, 1) e (3, 5, 2). (c) Escreva a equação do plano que contém os pontos (1, 2, 1), (3, 5, 2) e (0, 1, 0). 13. Sejam P = (1, 0, 1), Q = (2, 4, 5), R = (3, 1, 7). (a) Determine um vector ortogonal ao plano que passa pelos pontos P, Q, R; (b) Calcule a área do triângulo P QR. 14. (a) Escreva as equações paramétricas e as equações simétricas da recta que passa no ponto (1, 2, 3) e é paralela ao vector 4î + 5ĵ + 6ˆk. (b) Determine a distância entre a origem (ponto O = (0, 0, 0)) e a recta da alínea anterior. (c) Escreva a equação do plano que contém o ponto (1, 2, 3) e é perpendicular ao vector 4î+5ĵ+6ˆk. 1

4 I Cálculo Diferencial em R n Análise Matemática II - MIEEC /2011 Funções de várias variáveis (d) Determine a distância entre a origem e o plano da alínea anterior. (e) Escreva as equações simétricas da recta que passa no ponto (1, 2, 3) e é perpendicular ao plano de equação x + y + z = 2. (f) Escreva a equação do plano que contém o ponto (1, 2, 3) e é paralelo aos vectores 4î + 5ĵ + 6ˆk e î + ĵ + ˆk. 15. Designemos por r a recta de equações x 1 2 = y + 3 = z 2. (a) Determine equações paramétricas da recta s que é paralela a r e passa por (0, 1, 2). (b) Determine a equação do plano que contém r e s. 16. Escreva uma equação para cada um dos seguintes planos em R 3 : (a) o plano que contém o ponto (1, 2, 3) e é perpendicular ao vector ( 1, 1, 0); (b) o plano que contém os pontos (2, 1, 3), ( 3, 1, 3) e (4, 2, 3); (c) o plano que contém o ponto (6, 0, 2) e é paralelo aos vectores (1, 0, 0) e (0, 2, 1); (d) o plano que contém o ponto (4, 1, 2) e é paralelo ao plano 2x 3y z = Cónicas e quádricas 17. Identifique e esboce a secção cónica definida pela equação: (a) y 2 = 64x; (e) (x + 4) 2 9(y 5) 2 = 1; (b) 9y 2 = 36 9x 2 ; (f) y 2 8x + 8y + 32 = 0; (c) 9y 2 = x 2 ; (g) 4x 2 + y 2 24x + 4y + 36 = 0; (d) x 2 y 2 4 = 0; (h) x 2 9y 2 + 8x + 7 = Identifique e esboce a superfície quádrica definida pela equação: (a) x 2 + z 2 = 9; (b) x 2 y 2 + z 2 = 4; (c) 4 x y z 2 = 36; (d) 4 z 2 x 2 y 2 = 1; (e) (z 4) 2 = x 2 + y 2 ; (f) x z 2 y = 0; (g) z = 2 + y 2 ; (h) x 2 + y 2 = 4 z; (i) x 2 + y 2 + z 2 = 2 z; (j) z = x 2 y Represente geometricamente o sólido S definido pelas condições: (a) x 2 + y 2 z 2 x 2 y 2 ; (b) x 2 + y 2 4 e x 2 + y 2 (z 6) 2 ; (c) x 2 + y 2 1 e 0 z x + y; (d) 0 z 2 e x 2 + y 2 z Faça o esboço gráfico dos seguintes subconjuntos de R 3 : (a) S = (x, y, z) R 3 : x 0, y 0, z 0 e 6x + 3y + 2z 12}; (b) S = (x, y, z) R 3 : x 2 + y 2 = 6y e x 2 + y 2 + z 2 36}; (c) S = (x, y, z) R 3 : 4 + z x 2 + y 2 e 2 z x 2 + y 2 }. 2

5 I Cálculo Diferencial em R n Análise Matemática II - MIEEC /2011 Funções de várias variáveis 1 Funções reais de várias variáveis reais 1.1 Funções de várias variáveis 21. Descreva e faça um esboço do domínio das seguintes funções: (a) f(x, y) = xy y 2x ; x (f) f(x, y) = 2 + y 2 1 x 2 + y 2 2x ; x + 1 (b) f(x, y) = 1 x 2 y ; 2 (g) f(x, y) = ln[x ln (y x 2 )]; (c) f(x, y) = ln (xy); (d) f(x, y) = x3 3 + arcsin (y + 3); (e) f(x, y, z) = 4 x 2 y 2 z 2 ; (h) f(x, y) = ln [(16 x 2 y 2 )(x 2 + y 2 4)]; sin(x 4 + y 6 ) x 4 + y 6 se x > 0 (i) f(x, y) = y + 1 x se x Esboce os gráficos das funções seguintes, e em seguida, algumas das suas curvas de nível. (a) f(x, y) = 2 + y 2 ; (b) f(x, y) = 4 x 2 y 2 ; (c) f(x, y) = x 2 y 2 ; (d) f(x, y) = x 2 y 2 ; (e) f(x, y) = 1 x 2 ; (f) f(x, y) = 2 4x 2 2y 2 ; (g) f(x, y) = 2x x 2 y 2 ; (h) f(x, y) = x 2 + y 2 1; (i) f(x, y) = 1 + x 2 + y 2 ; (j) f(x, y) = y Esboce algumas superfícies de nível para as seguintes funções: (a) f(x, y, z) = x + y + z; (b) f(x, y, z) = x 2 + y 2 + z 2 ; (c) f(x, y, z) = x 2 + y 2 ; (d) f(x, y, z) = x 2 + y 2 z. 1.2 Limites e continuidade 24. Prove, usando a definição, que: (a) (x,y) (0,1) x2 + y 2 x 3 y 2 2y = 1; (b) x(y 1) = 0; (c) (x,y) (1,1) (x,y) (0,0) x 2 + y 2 = 0. 3

6 I Cálculo Diferencial em R n Análise Matemática II - MIEEC /2011 Funções de várias variáveis 25. Calcule, caso existam: (a) (b) (c) (d) (e) (x,y) (1,2) x 2 x 2 + y 2 ; (x,y) (0,0) (x2 + 2y 2 ) sin 1 xy ; ( ) sin x ln + (yz) 2 3 ; (x,y,z) ( π 2, 1, ) 2 (x,y,z) (1, 1,4) (x,y) (0,0) 2xy (x + y) 2 ; 3x 2 sin y x 2 + 2y 2 ; (f) (g) (h) (i) (j) (x,y) (0,0) (x,y) (1, 1) 3x 2 y x 2 + 2y 2 ; x 2 y 2 x + y ; (x,y,z) (3,1,1) e xy sin(πz/2) ; (x,y) (1,3) (x,y) (0,0) xy 2x y + 2 (x 1)(y 2 4y + 4) ; x 2 + xy y 2 x 2 + y Usando trajectórias convenientes tire conclusões sobre a existência dos seguintes ites: (a) (b) (c) (x,y) (0,0) (x,y) (0,0) (x,y) (0,0) x 2 x 2 + y 2 ; xy x 2 + y 2 ; x 2 y x 4 + y 2 ; (d) (e) (f) (x,y,z) (1,0,0) (x,y) (1,0) (x,y) (0,0) (x 1)yz (x 1) 3 + y 3 + z 3 ; 2xy 2y (x 1) 2 + y 2 ; xy(x y) x 3 + y Determine o domínio das seguintes funções e estude a existência de ite nos pontos P 0 indicados. (a) f(x, y) = (b) f(x, y) = (c) f(x, y) = x y x + y, P 0 = (0, 0); x x 2 + y 2, P 0 = (0, 0); 2xy x 2 + y 2 se (x, y) (0, 0) 0 se (x, y) = (0, 0), P 0 = (0, 0); x (d) f(x, y) = x 2 se x = y, P 0 = (1, 1). se x y 4

7 I Cálculo Diferencial em R n Análise Matemática II - MIEEC /2011 Derivadas parciais 28. Determine o subconjunto de R 2 formado pelos pontos onde são contínuas as funções: x 2 + y 2 se x 2 + y 2 1 (a) f(x, y) = 0 se x 2 + y 2 > 1 e y x se x 0 (c) f(x, y) = 2y se x = 0 (b) f(x, y) = 3x 2 y x 2 + y 2 se (x, y) (0, 0) 0 se (x, y) = (0, 0) x + y se xy = 0 (d) f(x, y) = 0 se xy 0 2 Derivadas parciais, derivadas direccionais, gradiente 2.1 Derivadas parciais 29. Usando a definição de derivada parcial, calcule: (a) f x (0, 0) e f y (1, 2), onde f(x, y) = x 2 y; (b) f f x se x < y (1, 1) e (1, 0), onde f(x, y) = x y y se x y. 30. Mostre que a função f definida por f(x, y) = 2xy x 2 + y 4 se (x, y) (0, 0) 0 se (x, y) = (0, 0) tem derivadas parciais de primeira ordem em (0, 0), embora seja descontínua nesse ponto. 31. Calcule as (funções) derivadas parciais de 1 ā ordem das funções seguintes: (a) f(x, y) = e 2xy3 ; (e) f(x, y, z) = ln(e x + z y ); (b) f(x, y, z) = e x sin y + cos(z 3y); (f) f(x, y) = (cos x) sin y ; x 2 y 2 (c) f(x, y) = arcsin x 2 + y 2 ; (g) f(x, y, z) = cos(y x 2 + z 2 ); x se xy 0 (d) f(x, y) = y se xy = 0; (h) f(x, y) = xy x + y 32. Calcule as derivadas parciais de 2 ā ordem das funções seguintes: se x + y 0 x se x + y = 0. (a) f(x, y) = x 4 y 3 ; (b) f(x, y, z) = sin(xyz); (c) f(x, y, z) = x 2 e yz + y ln z. 5

8 I Cálculo Diferencial em R n Análise Matemática II - MIEEC /2011 Derivadas parciais 33. Mostre que a função definida por f(x, y) = ln(x 3 + y 3 ) verifica f xy = f x f y. Nota: a segunda igualdade acima não é, em geral, verdadeira. 34. Uma função f(x 1, x 2,..., x n ) diz-se harmónica se verificar a equação de Laplace, 2 f x f 1 x f 2 x 2 n (a) f(x, y) = arctan = 0. Mostre que as seguintes funções são harmónicas: ( y x) ; (b) f(x, y) = ln( x 2 + y 2 ); (c) f(x, y, z) = 1 x 2 + y 2 + z Sejam u(x, y) e v(x, y) duas funções com derivadas de 2 ā ordem contínuas. Mostre que se u x (x, y) = v y (x, y) então u e v são funções harmónicas. u y (x, y) = v x (x, y) Nota: as equações anteriores são conhecidas como Equações de Cauchy-Riemann, que são importantes em Análise Matemática III, nomeadamente no estudo das funções complexas da forma u(x, y) + i v(x, y). 36. Sendo w(x, y) = cos(x y) + ln(x + y) mostre que 2 w x 2 2 w y 2 = Utilizando o Teorema de Clairault, mostre que não existe nenhuma função f : R 2 R tal que f x = xy2 + 1 e f y = y Considere a função f : R 2 R definida por f(x, y) = xy 2 x + y se x y 0 se x = y Calcule f y (x, 0), f x (0, y) e mostre que f xy (0, 0) f yx (0, 0). 39. Mostre que caso f tenha derivadas parciais de 3 a ordem contínuas se tem f xxy = f yxx. 2.2 Diferenciabilidade e diferencial 40. Determine a equação do plano tangente às seguintes superfícies nos pontos indicados: (a) z = x 2 + 2y 2, (1, 2, 9); (d) x 2 + y 2 + z 2 = 1, (1/2, 1/2, 1/ 2); (b) z = 9 x 2, (2, 4, 5); (e) x = z 2 y 2, (0, 0, 1); (c) 2x 2 + 3y 2 + z 2 = 1, (0, 1/ 3, 0); (f) 4x 2 y 2 + 2z 2 2 = 0, (1, 2, 1). 41. Usando a definição, verifique se são diferenciáveis as seguintes funções nos pontos dados: (a) f(x, y) = xy, em qualquer (a, b) R 2 ; 6

9 I Cálculo Diferencial em R n Análise Matemática II - MIEEC /2011 Derivadas parciais (b) f(x, y, z) = x y z, em todo o seu domínio; (c) f(x, y) = (d) f(x, y) = x 2 + y 2 se x 0 y 4 no ponto P = (0, 0) ; se x = 0 0 se x y 2 y 1 se x = y 2 no ponto P = (1, 1). 42. Usando as condições suficientes/necessárias que conhece para uma função ser diferenciável num dado ponto, verifique se são ou não são diferenciáveis as seguintes funções nos pontos dados: (a) f(x, y) = e x2 +y 2, no ponto (2, 1); (b) f(x, y) = 3 xy, no ponto (1, 0); 0 se xy = 0 (c) f(x, y) =, no ponto (0, 0); 1 se xy 0 (d) f(x, y, z) = x 2 e yz + y ln z, no ponto (1, 2, 1); sin(xy y) (e) f(x, y) = (x 1) 2 + y 2 se (x, y) (1, 0) 0 se (x, y) = (1, 0), no ponto (1, 0); (f) f(x, y, z) = cos(y x 2 + z 2 ), no ponto (0, 1, 0). 43. Determine a equação do plano tangente às seguintes superfícies nos pontos indicados: (a) z = cos(x 2 + y), (0, π, 1); (b) z = x 3 y 2, (1, 1, 1). 44. Usando aproximações lineares, calcule o valor aproximado das seguintes funções nos pontos dados: (a) f(x, y) = cos(x 2 + y), no ponto (0, π 2 ); (b) g(x, y, z) = x 2 + y 2 + z 2, no ponto (2.001, 0.003, 0.001); (c) h(x, y) = x 3 y 2, no ponto (1.02, 0.97). 45. Calcule um valor aproximado para (3.05) 2 (2.01) 3 (1.006) O comprimento e a largura de um rectângulo foram medidos como 30 cm e 24 cm, respectivamente, com um erro de medida de, no máximo, 0.1 cm. Utilize os diferenciais para estimar o erro máximo cometido no cálculo da área do rectângulo. 47. Uma caixa sem tampa vai ser construída com madeira de 0.5 cm de espessura. O comprimento interno deve ter 70 cm, a largura interna 40 cm e a altura interna 35 cm. Utilize a aproximação linear de uma função conveniente para calcular a quantidade aproximada de madeira que será utilizada na construção da caixa, e compare o resultado com valor exacto. 7

10 I Cálculo Diferencial em R n Análise Matemática II - MIEEC /2011 Derivadas parciais 2.3 Derivada da composta ( Regra da Cadeia ) e matriz jacobiana 48. Considere as funções: f : R 2 R 2, definida por f(u, v) = (u cos v, u sin v); g : R 2 R, definida por g(x, y) = x 2 + y 3 ; h : R 2 R, definida por h(u, v) = (u cos v) 2 + (u sin v) 3. (a) Determine as matrizes jacobianas de f, g e h. (b) Calcule h (3, π). u 49. Seja g : R 3 R 2 uma função diferenciável tal que a matriz jacobiana de g no ponto ( [ ] é e seja h definida por h(r, θ, φ) = g(r cos θ sin φ, r sin θ sin φ, r cos φ) Calcule a matriz jacobiana de h o ponto (1, π 4, π 2 ). 50. Calcule du dt, sendo u = ln ( sin ( x )) x = 3t 2 y e y = 1 + t Calcule u s e u t, sendo u = x2 e xy + y 2 x = s 2 t sin(xy) e y = s e t. ( ) 52. Sendo z = y φ x + ln y, onde φ é diferenciável em R, mostre que y z y + x 2 z x = y Sendo u = x 3 F ( y x, z x), onde F é diferenciável em R 2, mostre que x u x + y u y + z u z = 3u. 2 2, 2 2, 0) 54. Suponha que a função f(u, v, w) é diferenciável e que as suas derivadas parciais satisfazem: f u (α, α, β) = f v (α, α, β) = αβ f w (α, α, β) = α 2 β 2. Calcule o valor das derivadas parciais de g(x, y) = f(x 2 y, 3x 3y 2, 2x), no ponto (2, 1). 55. Sejam f e g funções de uma variável com derivadas de 2 a ordem contínuas e c R uma constante. Mostre que a função u(x, t) = f(x + c t) + g(x c t) verifica a equação das ondas: 2 u t 2 = c2 2 u x Uma função diz-se homogénea de grau n se verificar a condição f(tx, ty, tz) = t n f(x, y, z) (para quaisquer t > 0 e x, y, z R). Mostre que uma função homogénea de grau n com derivadas parciais contínuas verifica a condição x f x + y f y + z f = nf(x, y, z). z 57. Um carro A viaja para norte na auto-estrada A1, e um carro B viaja para oeste na auto-estrada A25. Os dois carros aproximam-se da intersecção dessas duas vias rápidas. Num certo momento, o carro A está a 0.3km da intersecção viajando a 90km/h, ao passo que o carro B está a 0.4km da intersecção viajando a 80km/h. Qual a taxa de variação da distância entre os carros nesse instante (ignorando a altura do viaduto e supondo que as auto-estradas são rectas perpendiculares)? 8

11 I Cálculo Diferencial em R n Análise Matemática II - MIEEC /2011 Derivadas parciais 2.4 Derivação implícita 58. (a) Mostre que a equação (x 2 + y 2 1)(y x) = 0 define implicitamente y como função de x numa vizinhança de (1/2, 1/2). (b) Verifique se o mesmo acontece para os pontos (1, 0) e ( 2/2, 2/2). 59. Determine, utilizando a derivação implícita, dy nos casos seguintes: dx (a) x 2 xy + y 3 = 8; (b) cos(x y) = xe y. 60. Determine, utilizando a derivação implícita, z x e z y nos casos seguintes. (a) xy 2 + yz 2 + zx 2 = 3; (b) xe y + yz + ze x = Seja G : R 2 R uma função com derivadas parciais contínuas e não nulas numa vizinhança de (1, 1), e tal que G(1, 1) = 0. ( z (a) Mostre que a equação G x x), y = 0 define implicitamente z como função de x e y (z = φ(x, y)) numa vizinhança do ponto (2, 2, 2). (b) Mostre que x φ φ (x, y) + y (x, y) = φ(x, y), para (x, y) numa vizinhança do ponto (2, 2). x y 2.5 Derivadas direccionais e gradiente 62. Usando a definição, calcule as derivadas direccionais das funções seguintes nos pontos P 0 dados e segundo o vector v indicado. (a) f(x, y) = x 2 xy em P 0 = (0, 1) e v = 3 5î + 4 5ĵ ; (b) f(x, y, z) = xyz 2 em P 0 = (0, 1, 0) e v = 2 6 î ĵ ˆk. 63. Usando a definição, determine os vectores v para os quais D v f(p 0 ) existe, sendo: (a) f(x, y, z) = 2x + y + z + 3, P 0 = (1, 0, 0); (b) f(x, y) = x 2 y 2, P 0 = (1, 1); xy 2, se y 0 (c) f(x, y) =, P 0 = (0, 0). x 3, se y < Calcule Dˆv f(p 0 ), sendo: (a) f(x, y) = e x tg y + 2x 2 y, P 0 = (0, π/4), v = î 2 + ĵ 2 ; (b) f(x, y, z) = 3x 2 y + 2yz, P 0 = ( 1, 0, 4), v = î 2 ˆk 2 ; (c) f(x, y, z) = x 2 z + y e xz, P 0 = (1, 2, 3), v = î 2ĵ + 3ˆk; (d) f(x, y) = x 2 xy 2y 2, P 0 = (1, 2), v é um vector que faz um ângulo de 60 o com OX. 9

12 I Cálculo Diferencial em R n Análise Matemática II - MIEEC /2011 Derivadas parciais 65. Determine, caso exista, o vector gradiente das seguintes funções nos pontos indicados: x 3 + y (a) f(x, y) = x 2 + y 2 se (x, y) (0, 0) 0 se (x, y) = (0, 0), P 0 = (0, 0); (b) f(x, y) = sin(xy), P 0 = (0, 0); (c) f(x, y, z) = x 2 + y 2 + z 2, P 0 = (1, 2, 3); (d) f(x, y, z) = x 2 z + ye xz, P 0 = (1, 2, 3). 66. Para cada uma das funções anteriores, determine a expressão do vector gradiente em qualquer ponto onde este possa ser calculado. 67. Mostre que (fg) = f g + g f. 68. Calcule as derivadas direccionais das funções das alíneas (a) e (b) do exercício 65 nos pontos aí indicados e segundo a direcção de um vector v = v 1 î + v 2 ĵ. 69. Calcule as derivadas direccionais das funções das alíneas (c) e (d) do exercício 65 nos pontos aí indicados e segundo a direcção de um vector v = v 1 î + v 2 ĵ + v 3ˆk. 70. Um alpinista encontra-se no ponto de coordenadas (4, 9, 25) de uma montanha cuja superfície tem equação z = 300 2x 2 3y 2. Qual a direcção que deve tomar para ganhar altitude o mais depressa possível? 71. Se a temperatura num ponto de coordenadas (x, y, z) for dada pela expressão 3x 2 y z 2, em que direcção deverá voar um mosquito situado no ponto (4, 2, 1) para fugir rapidamente ao calor? 72. Seja f : R 2 R a função dada por f(x, y) = x 3 y, se y 0 0, se y = 0. (a) Mostre que f admite todas as derivadas parciais de 1 ā ordem em (0, 0). (b) Prove que f admite derivada direccional segundo qualquer vector (não nulo) v do plano, sendo Dˆv f(0, 0) = f(0, 0), ˆv. (c) Mostre que f não é diferenciável em (0, 0), justificando a sua resposta. 10

13 I Cálculo Diferencial em R n Análise Matemática II - MIEEC /2011 Extremos 73. Seja f : R 2 R definida por f(x, y) = Mostre que (a) f é contínua em (0, 0). x 3 + y 3 x 2 + y 2 se (x, y) (0, 0) 0 se (x, y) = (0, 0). (b) f possui derivada direccional em (0, 0) segundo qualquer vector unitário. (c) f não é diferenciável em (0, 0). 74. Sejam f e g definidas por f(x, y) = 0 se y = x 2 x se y x 2 e g(x, y) = 0 se y = x 2 x 2 se y x 2. (a) Mostre que D v f(0, 0) = f(0, 0) v e D v g(0, 0) = g(0, 0) v para todo o v R 2. (b) Averigúe se f e g são diferenciáveis em (0, 0). 2.6 Planos tangentes e rectas normais a uma superfície 75. Determine as equações do plano tangente e da recta normal à superfície dada no ponto indicado. (a) x 2 + 2y 2 + 3z 2 = 21, (4, 1, 1); (c) x 2 + y 2 z 2 2xy + 4xz = 4, (1, 0, 1); (b) z + 1 = xe y cos z, (1, 0, 0); (d) xe yz = 1, (1, 0, 5). 76. Sendo f(x, y) = x 2 + 4y 2, determine o vector gradiente f(2, 1) e utilize-o para determinar a recta tangente à curva de nível f(x, y) = 8 no ponto (2, 1). Esboce as curvas de nível, a recta tangente e o vector gradiente. 77. Mostre que a equação do plano tangente ao elipsóide x2 a 2 + y2 b 2 + z2 c 2 = 1 no ponto (x 0, y 0, z 0 ) pode ser escrita como xx 0 a 2 + yy 0 b 2 + zz 0 c 2 = Determine os pontos no hiperbolóide x 2 y 2 + 2z 2 = 1 onde a recta normal é paralela à recta que une os pontos (3, 1, 0) e (5, 3, 6). 79. Determine as equações paramétricas da recta tangente à curva formada pela intersecção do parabolóide z = x 2 + y 2 com o elipsóide 4x 2 + y 2 + z 2 = 9 no ponto ( 1, 1, 2). 3 Extremos livres e extremos condicionados 3.1 Máximos e mínimos locais 80. Determine os pontos estacionários e depois, mediante o estudo do comportamento da função numa vizinhança desses pontos, os máximos e os mínimos locais de cada uma das seguintes funções: (a) f(x, y) = x 4 + y 6 (c) f(x, y) = 3xy + 4 (e) f(x, y) = x 2 y 2 (b) f(x, y) = ( 4 x 2 y 2) 4 (d) f(x, y) = x + y (f) f(x, y) = 1 y 2 11

14 I Cálculo Diferencial em R n Análise Matemática II - MIEEC /2011 Extremos 81. Determine os extremos locais das seguintes funções: (a) f(x, y) = (x 1) 2 + 2y 2 (f) f(x, y) = (x 1) 2 2y 2 (b) f(x, y) = x 2 + xy + y 2 2x y (g) f(x, y) = (x 2 + y 2 )(x y 2 ) (c) f(x, y) = x 2 2xy 2 + y 4 y 5 (h) f(x, y) = cos x + cos y (d) f(x, y) = x 3 + y 3 9xy + 27 (i) f(x, y) = (x y) 2 x 4 y 4 (e) f(x, y, z) = 2x 2 + y 2 + 2xy + z 2 2xz (j) f(x, y) = e 2x (x + y 2 + 2y) 82. Seja f(x, y) = (2ax x 2 )(2by y 2 ) com a e b não nulos. (a) Determine a e b de modo que f tenha um máximo no ponto (1, 1). (b) Para os valores a e b da alínea anterior verifique se a função tem outros máximos, mínimos ou pontos sela. 3.2 Extremos condicionados: Multiplicadores de Lagrange 83. Considere a função f : R 2 R definida por f(x, y) = x 2 + (y 2) 2. (a) Determine, caso existam, os máximos e mínimos locais e os pontos de sela de f em todo o seu domínio. (b) Seja D = (x, y) R 2 : x 2 + y 2 = 1}. Justifique a existência de máximo e mínimo absoluto de f em D e determine-os utilizando o método dos multiplicadores de Lagrange. 84. Sejam f : R 3 R definida por f(x, y, z) = 3x 2 + 3y 2 + z 2 e M = (x, y, z) R 3 : x + y + z = 1}. (a) Determine os pontos estacionários de f em todo o seu domínio e analise a existência de extremos locais e de pontos sela. (b) Mostre que a restrição de f ao conjunto M possui um mínimo absoluto e determine-o. 85. Sejam E = (x, y) R 2 : 2x 4 + y 4 2} e f : R 2 R definida por f(x, y) = 2x 4 + 2y 4 + x. Determine, caso existam, os extremos absolutos restrição da função f ao conjunto E. 86. Sejam D = (x, y) R 2 : 0 y 1 x 2} e g : D R definida por g(x, y) = x 2 + 2y 2 1. (a) Comente a seguinte afirmação: g possui um máximo e um mínimo absolutos. (b) Determine os extremos absolutos de g. 87. Seja f : D R, definida por f(x, y) = xy, onde D = (x, y) R 2 : 3x 2 1 y x 2 + 1}. Determine os extremos absolutos de f. 88. Determine os pontos da superfície z 2 = xy + 1 que estão mais próximos da origem. 89. Determine três números positivos cuja soma é 100 e cujo produto é máximo. 12

15 I Cálculo Diferencial em R n Análise Matemática II - MIEEC /2011 Extremos 90. Determine o volume da maior caixa rectangular com arestas paralelas aos eixos e que pode ser inscrita no elipsóide 9x y 2 + 4z 2 = Considere o cilindro (circular recto) de altura a e raio de base b. Supondo que o seu volume é dado por πab 2 (isto será demonstrado mais tarde recorrendo ao integral duplo), determine as dimensões do cilindro (circular recto) cuja área de superfície, 2πb 2 + 2πab, é igual a 1 e cujo volume é máximo. 13

Complementos de Análise Matemática

Complementos de Análise Matemática Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia Departamento: Matemática Ficha prática n o 1 - Cálculo Diferencial em IR n 1. Para cada um dos seguintes subconjuntos de IR, IR 2 e IR 3, determine

Leia mais

Soluções abreviadas de alguns exercícios

Soluções abreviadas de alguns exercícios Tópicos de cálculo para funções de várias variáveis Soluções abreviadas de alguns exercícios Instituto Superior de Agronomia - 2 - Capítulo Tópicos de cálculo diferencial. Domínio, curva de nível e gráfico.

Leia mais

Universidade Federal da Bahia

Universidade Federal da Bahia Universidade Federal da Bahia Instituto de Matemática DISCIPLINA: CALCULO B UNIDADE III - LISTA DE EXERCÍCIOS Atualizado 2008.2 Domínio, Imagem e Curvas/Superfícies de Nível y2 è [1] Determine o domínio

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral II

Cálculo Diferencial e Integral II 1 álculo Diferencial e Integral II Exercícios para as aulas práticas - 5 1. alcule o integral estendido a, ds, em que é o segmento de recta de x y extremos A(0, 2) e B(4, 0), percorrido de A para B. 2.

Leia mais

(c) f(x, y) = x 2 + y 2. (3) Faça a correspondência entre a função dada e seu o gráfico. Justifique sua resposta.

(c) f(x, y) = x 2 + y 2. (3) Faça a correspondência entre a função dada e seu o gráfico. Justifique sua resposta. UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Quarta Lista de Exercícios de Cálculo II - MTM13 Prof. Júlio César do Espírito Santo (com colaboraçao

Leia mais

Exercícios propostos para as aulas práticas

Exercícios propostos para as aulas práticas Análise Matemática III Engenharia Civil 2005/2006 Exercícios propostos para as aulas práticas Departamento de Matemática da Universidade de Coimbra Algumas noções topológicas em IR n 1 Verifique se cada

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Departamento de Matemática 3 a Lista de exercícios de Cálculo III - MAT 241

Universidade Federal de Viçosa Departamento de Matemática 3 a Lista de exercícios de Cálculo III - MAT 241 Universidade Federal de Viçosa Departamento de Matemática a Lista de exercícios de Cálculo III - MAT 41 1. Calcule, se existirem, as derivadas parciais f f (0, 0) e (0, 0) sendo: x + 4 (a) f(x, ) = x,

Leia mais

Exercícios Resolvidos Integrais de Linha. Teorema de Green

Exercícios Resolvidos Integrais de Linha. Teorema de Green Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Exercícios Resolvidos Integrais de Linha. Teorema de Green Exercício 1 Um aro circular de raio 1 rola sem deslizar ao longo

Leia mais

Aula 6 Derivadas Direcionais e o Vetor Gradiente

Aula 6 Derivadas Direcionais e o Vetor Gradiente Aula 6 Derivadas Direcionais e o Vetor Gradiente MA211 - Cálculo II Marcos Eduardo Valle Departamento de Matemática Aplicada Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Universidade Estadual

Leia mais

II Cálculo Integral em R n

II Cálculo Integral em R n Análise Matemática II Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de omputadores Ano Lectivo 2/22 2 o emestre Exercícios propostos para as aulas práticas II álculo Integral em R n Departamento de

Leia mais

FICHA DE TRABALHO 6 - RESOLUÇÃO

FICHA DE TRABALHO 6 - RESOLUÇÃO ecção de Álgebra e Análise, Departamento de Matemática, Instituto uperior Técnico Análise Matemática III A - 1 o semestre de 23/4 FIHA DE TRABALHO 6 - REOLUÇÃO 1) Indique se as formas diferenciais seguintes

Leia mais

4. Tangentes e normais; orientabilidade

4. Tangentes e normais; orientabilidade 4. TANGENTES E NORMAIS; ORIENTABILIDADE 91 4. Tangentes e normais; orientabilidade Uma maneira natural de estudar uma superfície S consiste em considerar curvas γ cujas imagens estão contidas em S. Se

Leia mais

Mestrados Integrados em Engenharia Mecânica e em Eng Industrial e Gestão ANÁLISE MATEMÁTICA III DEMec 010-11-0 1ºTESTE A duração do exame é horas + 30minutos. Cotação: As perguntas 1 e 6 valem valores,

Leia mais

MAT2454 - Cálculo Diferencial e Integral para Engenharia II

MAT2454 - Cálculo Diferencial e Integral para Engenharia II MAT454 - Cálculo Diferencial e Integral para Engenharia II a Lista de Exercícios -. Ache os pontos do hiperboloide x y + z = onde a reta normal é paralela à reta que une os pontos (,, ) e (5,, 6).. Encontre

Leia mais

CEFET/RJ - Cálculo a Várias Variáveis Professor: Roberto Thomé e-mail: rthome@cefet-rj.br homepage: www.rcthome.pro.br LISTA DE EXERCÍCIOS 01

CEFET/RJ - Cálculo a Várias Variáveis Professor: Roberto Thomé e-mail: rthome@cefet-rj.br homepage: www.rcthome.pro.br LISTA DE EXERCÍCIOS 01 CEFET/RJ - Cálculo a Várias Variáveis Professor: Roberto Thomé e-mail: rthome@cefet-rj.br homepage: www.rcthome.pro.br LISTA DE EXERCÍCIOS 01 1) Seja f = 36 9x 2 4y 2. Então : (a) Calcule f, f(2, 0) e

Leia mais

x + y + 1 (2x 4y) = 10. (x 3) 5 y 2 + (x 3) 4 y 4 (x 2 6x + 9 + y 6 ) 3

x + y + 1 (2x 4y) = 10. (x 3) 5 y 2 + (x 3) 4 y 4 (x 2 6x + 9 + y 6 ) 3 1 Lista 2 de Cálculo Diferencial e Integral II Funções de Várias Variáveis e Diferenciação Parcial 1. Determine, descreva e represente geometricamente o domínio das funções abaixo: (a) f(x, y) = xy 5 x

Leia mais

Introdução ao estudo de equações diferenciais

Introdução ao estudo de equações diferenciais Matemática (AP) - 2008/09 - Introdução ao estudo de equações diferenciais 77 Introdução ao estudo de equações diferenciais Introdução e de nição de equação diferencial Existe uma grande variedade de situações

Leia mais

MAT Lista de exercícios

MAT Lista de exercícios 1 Curvas no R n 1. Esboce a imagem das seguintes curvas para t R a) γ(t) = (1, t) b) γ(t) = (t, cos(t)) c) γ(t) = (t, t ) d) γ(t) = (cos(t), sen(t), 2t) e) γ(t) = (t, 2t, 3t) f) γ(t) = ( 2 cos(t), 2sen(t))

Leia mais

Derivadas direcionais Definição (Derivadas segundo um vector): f : Dom(f) R n R e P 0 int(dom(f)) então

Derivadas direcionais Definição (Derivadas segundo um vector): f : Dom(f) R n R e P 0 int(dom(f)) então Derivadas direcionais Definição (Derivadas segundo um vector): f : Dom(f) R n R e P 0 int(dom(f)) então Seja D v f(p 0 ) = lim λ 0 f(p 0 + λ v) f(p 0 ) λ v representa a derivada direcional de f segundo

Leia mais

Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias 1. Trajectórias Planas. 1 Trajectórias. 4.3 exercícios... 6. 4 Coordenadas polares 5

Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias 1. Trajectórias Planas. 1 Trajectórias. 4.3 exercícios... 6. 4 Coordenadas polares 5 Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias Trajectórias Planas Índice Trajectórias. exercícios............................................... 2 2 Velocidade, pontos regulares e singulares 2 2. exercícios...............................................

Leia mais

Aula 9 Plano tangente, diferencial e gradiente

Aula 9 Plano tangente, diferencial e gradiente MÓDULO 1 AULA 9 Aula 9 Plano tangente, diferencial e gradiente Objetivos Aprender o conceito de plano tangente ao gráfico de uma função diferenciável de duas variáveis. Conhecer a notação clássica para

Leia mais

Introdução aos Modelos Biomatemáticos - aulas

Introdução aos Modelos Biomatemáticos - aulas Introdução aos Modelos Biomatemáticos - aulas Teórico-Práticas Mestrado em BBC, 2008/2009 1 Capítulo 1 Nos exercícios 1) e 2) suponha que o crescimento é exponencial. 1. Entre 1700 e 1800 a população humana

Leia mais

Funções de duas (ou mais)

Funções de duas (ou mais) Lista 5 - CDI II Funções de duas (ou mais) variáveis. Seja f(x, y) = x+y x y, calcular: f( 3, 4) f( 2, 3 ) f(x +, y ) f( x, y) f(x, y) 2. Seja g(x, y) = x 2 y, obter: g(3, 5) g( 4, 9) g(x + 2, 4x + 4)

Leia mais

1. Extremos de uma função

1. Extremos de uma função Máximo e Mínimo de Funções de Várias Variáveis 1. Extremos de uma função Def: Máximo Absoluto, mínimo absoluto Seja f : D R R função (i) Dizemos que f assume um máximo absoluto (ou simplesmente um máximo)

Leia mais

Capítulo 5: Aplicações da Derivada

Capítulo 5: Aplicações da Derivada Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo 5: Aplicações da Derivada 5- Acréscimos e Diferenciais - Acréscimos Seja y f

Leia mais

Lista de Exercícios sobre trabalho, teorema de Green, parametrizações de superfícies, integral de superfícies : MAT 1153-2006.1

Lista de Exercícios sobre trabalho, teorema de Green, parametrizações de superfícies, integral de superfícies : MAT 1153-2006.1 Lista de Exercícios sobre trabalho, teorema de Green, parametrizações de superfícies, integral de superfícies : MAT 1153-2006.1 1. Fazer exercícios 1, 4, 5, 7, 8, 9 da seção 8.4.4 pgs 186, 187 do livro

Leia mais

Máximos, mínimos e pontos de sela Multiplicadores de Lagrange

Máximos, mínimos e pontos de sela Multiplicadores de Lagrange Máximos, mínimos e pontos de sela Multiplicadores de Lagrange Anderson Luiz B. de Souza Livro texto - Capítulo 14 - Seção 14.7 Encontrando extremos absolutos Determine o máximo e mínimo absolutos das funções

Leia mais

Resumo de Aulas Teóricas de Análise Matemática II. Rui Albuquerque Universidade de Évora 2011/2012

Resumo de Aulas Teóricas de Análise Matemática II. Rui Albuquerque Universidade de Évora 2011/2012 1 Resumo de Aulas Teóricas de Análise Matemática II Rui Albuquerque Universidade de Évora 2011/2012 Aula 1 O espaço euclideano R n : Espaço vectorial, espaço de pontos, vectores a = (a 1,..., a n ), x

Leia mais

Exercícios de Cálculo Diferencial e Integral de Funções Definidas em R n. Diogo Aguiar Gomes, João Palhoto Matos e João Paulo Santos

Exercícios de Cálculo Diferencial e Integral de Funções Definidas em R n. Diogo Aguiar Gomes, João Palhoto Matos e João Paulo Santos Exercícios de Cálculo Diferencial e Integral de Funções Definidas em R n Diogo Aguiar Gomes, João Palhoto Matos e João Paulo Santos 24 de Janeiro de 2000 2 Conteúdo 1 Introdução 5 1.1 Explicação.........................................

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Cursos de Engenharia. Prof. Álvaro Fernandes Serafim

FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Cursos de Engenharia. Prof. Álvaro Fernandes Serafim FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA Cursos de Engenharia Prof. Álvaro Fernandes Serafim Última atualização: //7. Esta apostila de Álgebra Linear foi elaborada pela Professora Ilka Rebouças Freire. A formatação

Leia mais

Análise Matemática III. Textos de Apoio. Cristina Caldeira

Análise Matemática III. Textos de Apoio. Cristina Caldeira Análise Matemática III Textos de Apoio Cristina Caldeira A grande maioria dos exercícios presentes nestes textos de apoio foram recolhidos de folhas práticas elaboradas ao longo dos anos por vários docentes

Leia mais

1.1 Domínios e Regiões

1.1 Domínios e Regiões 1.1 Domínios e Regiões 1.1A Esboce a região R do plano R 2 dada abaixo e determine sua fronteira. Classi que R em: aberto (A), fechado (F), limitado (L), compacto (K), ou conexo (C). (a) R = (x; y) 2 R

Leia mais

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então:

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então: FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de = 0. Então: (A) f tem necessariamente derivada finita em = 0; (B) f não tem com certeza derivada finita

Leia mais

Matemática Computacional - Exercícios

Matemática Computacional - Exercícios Matemática Computacional - Exercícios 1 o semestre de 2009/2010 - LEMat e MEQ Teoria de erros e Representação de números no computador Nos exercícios deste capítulo os números são representados em base

Leia mais

Lista de Exercícios de Cálculo 3 Módulo 1 - Terceira Lista - 02/2016

Lista de Exercícios de Cálculo 3 Módulo 1 - Terceira Lista - 02/2016 Lista de Exercícios de Cálculo 3 Módulo 1 - Terceira Lista - 02/2016 Parte A 1. Identifique e esboce as superfícies quádricas x 2 + 4y 2 + 9z 2 = 1 x 2 y 2 + z 2 = 1 (c) y = 2x 2 + z 2 (d) x = y 2 z 2

Leia mais

Capítulo 2 CINEMÁTICA

Capítulo 2 CINEMÁTICA Capítulo CINEMÁTICA DISCIPLINA DE FÍSICA CAPÍTULO - CINEMÁTICA.1 Uma partícula com movimento rectilíneo desloca-se segundo a seguinte equação: x = 0,5 t.1.1 Desenhe o gráfico da função r(t), no intervalo

Leia mais

3.4 Movimento ao longo de uma curva no espaço (terça parte)

3.4 Movimento ao longo de uma curva no espaço (terça parte) 3.4-41 3.4 Movimento ao longo de uma curva no espaço (terça parte) Antes de começar com a nova matéria, vamos considerar um problema sobre o material recentemente visto. Problema: (Projeção de uma trajetória

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CAMPOS CONSERVATIVOS NO PLANO E NO ESPAÇO. CURVAS PARAMETRIZADAS, INTEGRAIS DE LINHA (COM RESPEITO A COMPRIMENTO DE ARCO).

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CAMPOS CONSERVATIVOS NO PLANO E NO ESPAÇO. CURVAS PARAMETRIZADAS, INTEGRAIS DE LINHA (COM RESPEITO A COMPRIMENTO DE ARCO). LISTA DE EXERCÍCIOS DE CAMPOS CONSERVATIVOS NO PLANO E NO ESPAÇO. CURVAS PARAMETRIZADAS, INTEGRAIS DE LINHA (COM RESPEITO A COMPRIMENTO DE ARCO. PROFESSOR: RICARDO SÁ EARP OBS: Faça os exercícios sobre

Leia mais

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas Resolução dos Eercícios sobre Derivadas Eercício Utilizando a idéia do eemplo anterior, encontre a reta tangente à curva nos pontos onde e Vamos determinar a reta tangente à curva nos pontos de abscissas

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS GRUPO Educação adistância Caderno de Estudos EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Prof. Ruy Piehowiak Editora UNIASSELVI 2012 NEAD Copyright Editora UNIASSELVI 2012 Elaboração: Prof. Ruy Piehowiak Revisão, Diagramação

Leia mais

Teorema de Taylor. Prof. Doherty Andrade. 1 Fórmula de Taylor com Resto de Lagrange. 2 Exemplos 2. 3 Exercícios 3. 4 A Fórmula de Taylor 4

Teorema de Taylor. Prof. Doherty Andrade. 1 Fórmula de Taylor com Resto de Lagrange. 2 Exemplos 2. 3 Exercícios 3. 4 A Fórmula de Taylor 4 Teorema de Taylor Prof. Doherty Andrade Sumário 1 Fórmula de Taylor com Resto de Lagrange 1 2 Exemplos 2 3 Exercícios 3 4 A Fórmula de Taylor 4 5 Observação 5 1 Fórmula de Taylor com Resto de Lagrange

Leia mais

Lista 4. 2 de junho de 2014

Lista 4. 2 de junho de 2014 Lista 4 2 de junho de 24 Seção 5.. (a) Estime a área do gráfico de f(x) = cos x de x = até x = π/2 usando quatro retângulos aproximantes e extremidades direitas. Esboce os gráficos e os retângulos. Sua

Leia mais

Exercícios Complementares 5.2

Exercícios Complementares 5.2 Exercícios Complementares 5.2 5.2A Veri que se a função dada é ou não solução da edo indicada: (a) y = 2e x + xe x ; y 00 + 2y 0 + y = 0: (b) x = C e 2t + C 2 e 3t ; :: x 0 : x + 6x = 0: (c) y = ln x;

Leia mais

Lições de Análise Matemática 2. Maria do Carmo Coimbra Departamento de Engenharia Civil Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto

Lições de Análise Matemática 2. Maria do Carmo Coimbra Departamento de Engenharia Civil Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Maria do Carmo Coimbra Departamento de Engenharia Civil Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Julho de 008 Conteúdo Prefácio vii 1 Breves Noções de Topologia em R n 1 Funções Diferenciáveis

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Quarta lista de Eercícios de Cálculo Diferencial e Integral I - MTM 1 1. Nos eercícios a seguir admita

Leia mais

Trabalho Computacional. A(h) = V h + 2 V π h, (1)

Trabalho Computacional. A(h) = V h + 2 V π h, (1) Unidade de Ensino de Matemática Aplicada e Análise Numérica Departamento de Matemática/Instituto Superior Técnico Matemática Computacional (Mestrado em Engenharia Física Tecnológica) 2014/2015 Trabalho

Leia mais

DÉCIMA SEGUNDA LISTA DE EXERCÍCIOS Cálculo III MATEMÁTICA DCET UESC Humberto José Bortolossi http://www.arbelos.kit.net.

DÉCIMA SEGUNDA LISTA DE EXERCÍCIOS Cálculo III MATEMÁTICA DCET UESC Humberto José Bortolossi http://www.arbelos.kit.net. DÉCIMA SEGUNDA LISTA DE EXERCÍCIOS Cálculo III MATEMÁTICA DCET UESC Humberto José Bortolossi http://www.arbelos.kit.net A regra da cadeia (Entregar os exercícios [16] e [18] até o dia 06/08/2003) [01]

Leia mais

(Exames Nacionais 2002)

(Exames Nacionais 2002) (Exames Nacionais 2002) 105. Na figura estão representadas, num referencial o.n. xoy: parte do gráfico de uma função f, de domínio R +, definida por f(x)=1+2lnx; a recta r, tangente ao gráfico de f no

Leia mais

28 de agosto de 2015. MAT140 - Cálculo I - Derivação Impĺıcita e Derivadas de Ordem Superior

28 de agosto de 2015. MAT140 - Cálculo I - Derivação Impĺıcita e Derivadas de Ordem Superior MAT140 - Cálculo I - Derivação Impĺıcita e Derivadas de Ordem Superior 28 de agosto de 2015 Derivação Impĺıcita Considere o seguinte conjunto R = {(x, y); y = 2x + 1} O conjunto R representa a reta definida

Leia mais

Métodos Numéricos 2010-11. Exame 11/07/11

Métodos Numéricos 2010-11. Exame 11/07/11 ESCOLA SUPERIOR DE BIOTECNOLOGIA Métodos Numéricos 2010-11 Exame 11/07/11 Parte Teórica Duração: 30 minutos Atenção: Teste sem consulta. Não é permitido o uso da máquina de calcular. Não esquecer de indicar

Leia mais

Teorema da Mudança de Variáveis

Teorema da Mudança de Variáveis Instituto Superior écnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Prof. Gabriel Pires eorema da Mudança de Variáveis 1 Mudança de Variáveis Definição 1 Seja R n um aberto. Di-se que uma

Leia mais

Notas de Aulas de Cálculo III. Prof. Sandro Rodrigues Mazorche. Turmas: A e C

Notas de Aulas de Cálculo III. Prof. Sandro Rodrigues Mazorche. Turmas: A e C Notas de Aulas de Cálculo III Prof. Sandro Rodrigues Mazorche 1 o semestre de 2015 Turmas: A e C Capítulo 4: Campos Escalares e Vetoriais Campo Escalar: Seja D uma região no espaço tridimensional e seja

Leia mais

ITA - 2004 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

ITA - 2004 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR ITA - 2004 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Matemática Questão 01 Considere as seguintes afirmações sobre o conjunto U = {0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9} I. U e n(u) = 10 III. 5 U e {5}

Leia mais

CAPÍTULO 6 TRANSFORMAÇÃO LINEAR

CAPÍTULO 6 TRANSFORMAÇÃO LINEAR INODUÇÃO AO ESUDO DA ÁLGEBA LINEA CAPÍULO 6 ANSFOMAÇÃO LINEA Introdução Muitos problemas de Matemática Aplicada envolvem o estudo de transformações, ou seja, a maneira como certos dados de entrada são

Leia mais

Teorema da Mudança de Coordenadas

Teorema da Mudança de Coordenadas Instituto uperior écnico Departamento de Matemática ecção de Álgebra e Análise Prof. Gabriel Pires eorema da Mudança de Coordenadas 1 Mudança de Coordenadas Definição 1 eja n um aberto. Diz-se que uma

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Exatas Departamento de Matematica Prof. Juan Carlos Vila Bravo Curitiba, 1 de Dezembro de 005 1. A posição de uma particula é dada por: r(t) = (sen t)i+(cost)j

Leia mais

UniposRio - FÍSICA. Leia atentamente as oito (8) questões e responda nas folhas de respostas fornecidas.

UniposRio - FÍSICA. Leia atentamente as oito (8) questões e responda nas folhas de respostas fornecidas. UniposRio - FÍSICA Exame Unificado de Acesso às Pós-Graduações em Física do Rio de Janeiro 9 de novembro de 00 Nome (legível): Assinatura: Leia atentamente as oito (8) questões e responda nas folhas de

Leia mais

CURSO DE CÁLCULO INTEGRAIS

CURSO DE CÁLCULO INTEGRAIS CURSO DE CÁLCULO MÓDULO 4 INTEGRAIS SUMÁRIO Unidade 1- Integrais 1.1- Introdução 1.2- Integral Indefinida 1.3- Propriedades da Integral Indefinida 1.4- Algumas Integrais Imediatas 1.5- Exercícios para

Leia mais

Aula 16 Mudança de Variável em Integrais Múltiplas

Aula 16 Mudança de Variável em Integrais Múltiplas Aula 16 Mudança de Variável em Integrais Múltiplas MA211 - Cálculo II Marcos Eduardo Valle Departamento de Matemática Aplicada Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Universidade

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

4.1A Esboce o grá co de cada curva dada abaixo, indicando a orientação positiva. cos (1=t), para 0 < t 1 e y 0 (0) = 0. Sendo esta derivada

4.1A Esboce o grá co de cada curva dada abaixo, indicando a orientação positiva. cos (1=t), para 0 < t 1 e y 0 (0) = 0. Sendo esta derivada 4.1 Curvas Regulares 4.1A Esboce o grá co de cada curva dada abaixo, indicando a orientação positiva. (a) ~r (t) = t~i + (1 t)~j; 0 t 1 (b) ~r (t) = 2t~i + t 2 ~j; 1 t 0 (c) ~r (t) = (1=t)~i + t~j; 1 t

Leia mais

Universidade Estadual de Montes Claros Departamento de Ciências Exatas Curso de Licenciatura em Matemática. Notas de Aulas de

Universidade Estadual de Montes Claros Departamento de Ciências Exatas Curso de Licenciatura em Matemática. Notas de Aulas de Universidade Estadual de Montes Claros Departamento de Ciências Exatas Curso de Licenciatura em Matemática Notas de Aulas de Cálculo Rosivaldo Antonio Gonçalves Notas de aulas que foram elaboradas para

Leia mais

MAT 2352 - Cálculo Diferencial e Integral II - 2 semestre de 2012 Registro das aulas e exercícios sugeridos - Atualizado 13.11.

MAT 2352 - Cálculo Diferencial e Integral II - 2 semestre de 2012 Registro das aulas e exercícios sugeridos - Atualizado 13.11. MT 2352 - Cálculo Diferencial e Integral II - 2 semestre de 2012 Registro das aulas e exercícios sugeridos - tualizado 13.11.2012 1. Segunda-feira, 30 de julho de 2012 presentação do curso. www.ime.usp.br/

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias

Equações Diferenciais Ordinárias Capítulo 8 Equações Diferenciais Ordinárias Vários modelos utilizados nas ciências naturais e exatas envolvem equações diferenciais. Essas equações descrevem a relação entre uma função, o seu argumento

Leia mais

Cálculo. Álgebra Linear. Programação Computacional. Metodologia Científica

Cálculo. Álgebra Linear. Programação Computacional. Metodologia Científica UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Cálculo Álgebra Linear Programação Computacional Metodologia Científica Realização: Fortaleza, Fevereiro/2012 UNIVERSIDADE

Leia mais

Funções reais de variável real

Funções reais de variável real Funções reais de variável real Função exponencial e função logarítmica 1. Determine a base de cada logaritmo. log a 36 = 2 (b) log a (25a) = 5 (c) log a 4 = 0.4 2. Considere x = log 10 2 e y = log 10 3.

Leia mais

Óptica Geométrica: Óptica de raios com matrizes

Óptica Geométrica: Óptica de raios com matrizes Óptica 0/007 UFRJ - IF Prof. Paulo H. S. Ribeiro Óptica Geométrica: Óptica de raios com matrizes Aula 4 Adriano Henrique de Oliveira Aragão Sumário Ótica Geométrica: postulados Princípio de Fermat A equação

Leia mais

4. A FUNÇÃO AFIM. Uma função f: R R chama-se afim quando existem números reais a e b tais que f(x) = ax + b para todo x R. Casos particulares

4. A FUNÇÃO AFIM. Uma função f: R R chama-se afim quando existem números reais a e b tais que f(x) = ax + b para todo x R. Casos particulares 38 4. A FUNÇÃO AFIM Uma função f: R R chama-se afim quando existem números reais a e b tais que f(x) = ax + b para todo x R. Casos particulares 1) A função identidade fr : Rdefinida por f(x) = x para todo

Leia mais

utilizando o software geogebra no ensino de certos conteúdos matemáticos

utilizando o software geogebra no ensino de certos conteúdos matemáticos V Bienal da SBM Sociedade Brasileira de Matemática UFPB - Universidade Federal da Paraíba 18 a 22 de outubro de 2010 utilizando o software geogebra no ensino de certos conteúdos matemáticos ermínia de

Leia mais

FOLHAS DE PROBLEMAS DE MATEMÁTICA II CURSO DE ERGONOMIA PEDRO FREITAS

FOLHAS DE PROBLEMAS DE MATEMÁTICA II CURSO DE ERGONOMIA PEDRO FREITAS FOLHAS DE PROBLEMAS DE MATEMÁTICA II CURSO DE ERGONOMIA PEDRO FREITAS Maio 12, 2008 2 Contents 1. Complementos de Álgebra Linear 3 1.1. Determinantes 3 1.2. Valores e vectores próprios 5 2. Análise em

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral III - EAD. Professor Paulo Cupertino de Lima

Cálculo Diferencial e Integral III - EAD. Professor Paulo Cupertino de Lima Cálculo Diferencial e Integral III - EAD Professor Paulo Cupertino de Lima Sumário Sumário i 0.1 Apresentação do livro............................. v 1 Revisão: retas, planos, superfícies cilíndricas

Leia mais

Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa TÓPICOS DE CORRECÇÃO DO EXAME DE CÁLCULO I. Ano Lectivo 2007-08 - 1 o Semestre

Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa TÓPICOS DE CORRECÇÃO DO EXAME DE CÁLCULO I. Ano Lectivo 2007-08 - 1 o Semestre Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa TÓPICOS DE COECÇÃO DO EXAME DE CÁLCULO I Ano Lectivo 7-8 - o Semestre Exame Final em 7 de Janeiro de 8 Versão B Duração: horas e 3 minutos Não é permitido

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL UNIFICADA CAMPOGRANDENSE (FEUC) FACULDADES INTEGRADAS CAMPO-GRANDENSES (FIC) COORDENAÇÃO DE MATEMÁTICA

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL UNIFICADA CAMPOGRANDENSE (FEUC) FACULDADES INTEGRADAS CAMPO-GRANDENSES (FIC) COORDENAÇÃO DE MATEMÁTICA E N A D E 005 LICENCIATURA MATEMÁTICA QUESTÕES RESOLVIDAS I N T R O D U Ç Ã O Estamos apresentando a prova do ENADE aplicada em 005 para os cursos de Licenciatura em Matemática. Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2011 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2011 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR a Fase Profa. Maria Antônia Gouveia. Questão. Considerando-se as funções f: R R e g: R R definidas por f(x) = x e g(x) = log(x² + ), é correto afirmar: () A função

Leia mais

Problemas de Valor Inicial para Equações Diferenciais Ordinárias

Problemas de Valor Inicial para Equações Diferenciais Ordinárias Problemas de Valor Inicial para Equações Diferenciais Ordinárias Carlos Balsa balsa@ipb.pt Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Bragança Matemática Aplicada - Mestrados

Leia mais

Aula 5 - Parte 1: Funções. Exercícios Propostos

Aula 5 - Parte 1: Funções. Exercícios Propostos Aula 5 - Parte 1: Funções Exercícios Propostos 1 Construção de Funções: a) Um grupo de amigos deseja alugar uma van, por um dia, para um passeio, ao custo de R$300,00. Um levantamento preliminar indicou

Leia mais

12) A círculo = π r 2. 13) A lateral cone = π.r.g. 16) V esfera = 18) A lateral pirâmide = 19) (y y 0 ) = m(x x 0 ) 20) T p+1 = a

12) A círculo = π r 2. 13) A lateral cone = π.r.g. 16) V esfera = 18) A lateral pirâmide = 19) (y y 0 ) = m(x x 0 ) 20) T p+1 = a MATEMÁTICA FORMULÁRIO 0 o 45 o 60 o sen cos tg base altura ) A triângulo = ) A círculo = π r x y ) A triângulo = D, onde D = x y x y ) A lateral cone = π.r.g ) sen (x)+ cos (x)= 4) A retângulo = base altura

Leia mais

Métodos Numéricos. A. Ismael F. Vaz. Departamento de Produção e Sistemas Escola de Engenharia Universidade do Minho aivaz@dps.uminho.

Métodos Numéricos. A. Ismael F. Vaz. Departamento de Produção e Sistemas Escola de Engenharia Universidade do Minho aivaz@dps.uminho. Métodos Numéricos A. Ismael F. Vaz Departamento de Produção e Sistemas Escola de Engenharia Universidade do Minho aivaz@dps.uminho.pt Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Ano lectivo 2007/2008 A.

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

Notas Para um Curso de Cálculo. Daniel V. Tausk

Notas Para um Curso de Cálculo. Daniel V. Tausk Notas Para um Curso de Cálculo Avançado Daniel V. Tausk Sumário Capítulo 1. Diferenciação... 1 1.1. Notação em Cálculo Diferencial... 1 1.2. Funções Diferenciáveis... 8 Exercícios para o Capítulo 1...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Escola de Engenharia Industrial Metalúrgica de Volta Redonda PROVAS RESOLVIDAS DE CÁLCULO VETORIAL Professora Salete Souza de Oliveira Aluna Thais Silva de Araujo P1 Turma

Leia mais

Objetivos. Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas e

Objetivos. Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas e MÓDULO 2 - AULA 13 Aula 13 Superfícies regradas e de revolução Objetivos Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas

Leia mais

1 Módulo ou norma de um vetor

1 Módulo ou norma de um vetor Álgebra Linear I - Aula 3-2005.2 Roteiro 1 Módulo ou norma de um vetor A norma ou módulo do vetor ū = (u 1, u 2, u 3 ) de R 3 é ū = u 2 1 + u2 2 + u2 3. Geometricamente a fórmula significa que o módulo

Leia mais

MAT1153 / LISTA DE EXERCÍCIOS : CAMPOS CONSERVATIVOS, INTEGRAIS DE LINHA, TRABALHO E TEOREMA DE GREEN

MAT1153 / LISTA DE EXERCÍCIOS : CAMPOS CONSERVATIVOS, INTEGRAIS DE LINHA, TRABALHO E TEOREMA DE GREEN MAT1153 / 2008.1 LISTA DE EXERCÍCIOS : CAMPOS CONSERVATIVOS, INTEGRAIS DE LINHA, TRABALHO E TEOREMA DE GREEN OBS: Faça os exercícios sobre campos conservativos em primeiro lugar. (1 Fazer exercícios 1:(c,

Leia mais

Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Última actualização: 11/Dez/2003 ÁLGEBRA LINEAR A

Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Última actualização: 11/Dez/2003 ÁLGEBRA LINEAR A Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Última actualização: 11/Dez/2003 ÁLGEBRA LINEAR A FICHA 8 APLICAÇÕES E COMPLEMENTOS Sistemas Dinâmicos Discretos (1) (Problema

Leia mais

APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II

APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II z t t C C α y β y Colaboradores para elaboração da apostila: Elisandra Bär de Figueiredo, Enori Carelli, Ivanete Zuchi Siple, Marnei Luis Mandler, Rogério

Leia mais

MATEMÁTICA I ECONOMIA (5598) Ficha de exercícios 1 (2012/2013)

MATEMÁTICA I ECONOMIA (5598) Ficha de exercícios 1 (2012/2013) Universidade da Beira Interior - Departamento de Matemática MATEMÁTICA I ECONOMIA (5598) Ficha de eercícios (0/03). Determine o conjunto dos pontos interiores, eteriores e fronteiros dos seguintes conjuntos:

Leia mais

Comprimentos de Curvas e Coordenadas Polares Aula 38

Comprimentos de Curvas e Coordenadas Polares Aula 38 Comprimentos de Curvas e Coordenadas Polares Aula 38 Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil 12 de Junho de 2014 Primeiro Semestre de 2014 Turma 2014106 - Engenharia

Leia mais

Comecemos por relembrar as propriedades das potências: = a x c) a x a y = a x+y

Comecemos por relembrar as propriedades das potências: = a x c) a x a y = a x+y . Cálculo Diferencial em IR.1. Função Exponencial e Função Logarítmica.1.1. Função Exponencial Comecemos por relembrar as propriedades das potências: Propriedades das Potências: Sejam a e b números positivos:

Leia mais

1.1 Domínios e Regiões

1.1 Domínios e Regiões 1.1 Domínios e Regiões 1.1A Esboce o conjunto R do plano R 2 dada abaixo e determine sua fronteira. Classi que R em: aberto, fechado, itado, compacto, ou conexo. (a) R = (x; y) 2 R 2 ; jxj 1; 0 y (b) R

Leia mais

Uma e.d.o. de segunda ordem é da forma

Uma e.d.o. de segunda ordem é da forma Equações Diferenciais de Ordem Superior Uma e.d.o. de segunda ordem é da forma ou então d 2 y ( dt = f t, y, dy ) 2 dt y = f(t, y, y ). (1) Dizemos que a equação (1) é linear quando a função f for linear

Leia mais

Definição. A expressão M(x,y) dx + N(x,y)dy é chamada de diferencial exata se existe uma função f(x,y) tal que f x (x,y)=m(x,y) e f y (x,y)=n(x,y).

Definição. A expressão M(x,y) dx + N(x,y)dy é chamada de diferencial exata se existe uma função f(x,y) tal que f x (x,y)=m(x,y) e f y (x,y)=n(x,y). PUCRS FACULDADE DE ATEÁTICA EQUAÇÕES DIFERENCIAIS PROF. LUIZ EDUARDO OURIQUE EQUAÇÔES EXATAS E FATOR INTEGRANTE Definição. A diferencial de uma função de duas variáveis f(x,) é definida por df = f x (x,)dx

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro De Ciências Exatas e da Terra. Departamento de Física Teórica e Experimental

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro De Ciências Exatas e da Terra. Departamento de Física Teórica e Experimental Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro De Ciências Exatas e da Terra Departamento de Física Teórica e Experimental Programa de Educação Tutorial Curso de Nivelamento: Pré-Cálculo PET DE FÍSICA:

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CURSO BIETÁPICO EM ENGENHARIA CIVIL º ciclo Regime Diurno/Nocturno Disciplina de COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA Ano lectivo de 7/8 - º Semestre Etremos

Leia mais

Números Complexos. Capítulo 1. 1.1 Unidade Imaginária. 1.2 Números complexos. 1.3 O Plano Complexo

Números Complexos. Capítulo 1. 1.1 Unidade Imaginária. 1.2 Números complexos. 1.3 O Plano Complexo Capítulo 1 Números Complexos 11 Unidade Imaginária O fato da equação x 2 + 1 = 0 (11) não ser satisfeita por nenhum número real levou à denição dos números complexos Para solucionar (11) denimos a unidade

Leia mais

O Teorema da Função Inversa e da Função Implícita

O Teorema da Função Inversa e da Função Implícita Universidade Estadual de Maringá - Departamento de Matemática Cálculo Diferencial e Integral: um KIT de Sobrevivência c Publicação eletrônica do KIT http://www.dma.uem.br/kit O Teorema da Função Inversa

Leia mais

Gobooks.com.br. PucQuePariu.com.br

Gobooks.com.br. PucQuePariu.com.br ÁLGEBRA LINEAR todos os conceitos, gráficos e fórmulas necessárias, em um só lugar. Gobooks.com.br PucQuePariu.com.br e te salvando de novo. Agora com o: RESUMO ÁLGEBRA LINEAR POR: Giovanni Tramontin 1.

Leia mais

PSAEN 2007/08 Primeira Fase - Matemática

PSAEN 2007/08 Primeira Fase - Matemática PSAEN 007/08 Primeira Fase - Matemática : Caio Guimarães, Rodolpho Castro, Victor Faria, Paulo Soares, Iuri Lima Digitação: Caio Guimarães, Júlio Sousa. Comentário da Prova: A prova de matemática desse

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS - Lista I

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS - Lista I EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS - Lista I 1. Desenhe um campo de direções para a equação diferencial dada. Determine o comportamento de y quando t +. Se esse comportamento depender do valor inicial de

Leia mais

MATEMÁTICA A - 12o Ano N o s Complexos - Equações e problemas

MATEMÁTICA A - 12o Ano N o s Complexos - Equações e problemas MATEMÁTICA A - 1o Ano N o s Complexos - Equações e problemas Exercícios de exames e testes intermédios 1. Em C, conjunto dos números complexos, considere z = + i19 cis θ Determine os valores de θ pertencentes

Leia mais