v m = = v(c) = s (c).

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "v m = = v(c) = s (c)."

Transcrição

1 Capítulo 17 Teorema do Valor Médio 17.1 Introdução Vimos no Cap. 16 como podemos utilizar a derivada para traçar gráficos de funções. Muito embora o apelo gráfico apresentado naquele capítulo relacionando funções crescentes e decrescentes com o sinal da derivada fosse muito sugestivo, não pode ser entendido como uma prova das afirmações feitas. Para uma demonstração rigorosa da relação eistente entre o crescimento ou decrescimento de uma função e o sinal da sua derivada, precisamos de um resultado conhecido como teorema do valor médio. O teorema do valor médio é um dos resultados mais importantes do cálculo diferencial e é usado, principalmente, na demonstração de outros teoremas. O teorema do valor médio é a tradução matemática para um fato que aparece de forma corriqueira em muitas situações de nossa vida. Por eemplo, se a média de velocidade em uma viagem de carro de uma cidade a outra é de 80 km/h, então em algum momento da viagem o velocímetro do carro deve ter marcado 80 km. Vamos traduzir a afirmação acima em termos matemáticos. Seja s(t) a posição do carro, em cada instante de tempo t. Se a viagem começa em t = a (horas) e termina em t = b (horas), a velocidade média é dada por v m = s(b) s(a). b a A afirmação de que, em algum momento da viagem, a velocidade instantânea deve ser igual a velocidade média significa que para algum instante de tempo c entre a e b tem-se v m = s(b) s(a) b a = v(c) = s (c). O teorema do valor médio estabelece as condições mínimas que uma função s deve satisfazer para que a igualdade acima seja verdadeira. Antes de provar o teorema do valor médio, enunciaremos um de seus casos particulares que ficou conhecido como teorema de Rolle, em homenagem a Michel Rolle ( ), que o demonstrou em Teorema de Rolle Considere uma função f satisfazendo as seguintes condições: (1) f é contínua no intervalo fechado [a, b] () f é derivável no intervalo aberto (a, b) (3) f(a) = f(b) Então, eiste um número c em (a, b), tal que, f (c) = 0. O teorema de Rolle pode ser interpretado, geometricamente, da maneira descrita a seguir. Seja f uma curva suave (contínua e derivável), não constante, ligando os pontos (a, f(a)) e (b, f(b)), tal que f(a) = f(b). Então, se o gráfico de f sobe, deverá descer, e vice-versa. Portanto, como a curva é suave, em algum ponto entre a e b, onde o gráfico para de subir e começa a descer (ou vice-versa), a reta tangente deve ser horizontal. Demonstração Como f é contínua em [a, b], pelo teorema dos valores etremos f assume um valor máimo e um valor mínimo em [a, b]. Sejam m e n os pontos de [a, b] onde estes valores são atingidos, isto é, sejam m e n tais que f(n) f() f(m), para todo em [a, b]. f(a)=f(b) a c b

2 30 Cap. 17. Teorema do Valor Médio Eistem dois casos a serem considerados: (i) A função f é constante em [a, b]. Neste caso, f() = f(a) = f(b) para todo de [a, b]. Assim, f () = 0 para todo de (a, b). (ii) f() f(a) = f(b) para algum no intervalo aberto (a, b). Neste caso, ou m ou n é diferente das etremidades a e b do intervalo considerado. Sem perda de generalidade, suponhamos que seja m este ponto. Como m é um ponto de máimo e está no intervalo aberto (a, b) onde f é derivável, tem-se f (m) = 0. Logo, o ponto c = m satisfaz a conclusão do teorema. Observação As hipóteses do teorema de Rolle são essenciais para que a conclusão se verifique, isto é, se uma das condições do teorema não for verificada, poderá não eistir o ponto c que satisfaz f (c) = 0. Os eemplos a seguir ilustram como este teorema pode ser aplicado e mostram como o teorema falha, caso qualquer uma de suas hipóteses não se verifique. Eemplo 1 { ( 1) Considere a função f() =, 1 < 1, 5 ( )., 1, 5 Esta função é contínua no intervalo [1, ], f(1) = f() = 0 mas não é derivável em (1, ). Repare que não eiste nenhum ponto da curva = f() no qual a reta tangente a esta curva seja zero. Em outras palavras, não eiste c em (1, ) tal que f (c) = 0. O teorema de Rolle não pode ser aplicado a este caso porque a função dada não é derivável no intervalo (1, ) Eemplo { Seja f() =, 0 definida no intervalo [ 1, 1]. Temos 1, = 0 que f( 1) = f(1) = 1, mas f não é contínua no zero. Não eiste c em ( 1, 1) tal que f (c) = 0. O teorema de Rolle falha neste caso porque f não é contínua em [ 1, 1]. Eemplo 3 Determine um ponto c que satisfaça o teorema de Rolle para as seguintes funções: (a) f() = + 3 definida em [0, 1]. (b) f() = + sen definida em [0, π]. Solução (a) A função f é contínua em [0, 1] e derivável em (0, 1). Mesmo que ela não seja derivável no zero, isto não importa: o teorema eige apenas que f seja derivável em (0, 1). Também temos que f(0) = f(1) =, de modo que todas as condições do teorema de Rolle são satisfeitas. Assim, eiste um ponto c em (0, 1), tal que f (c) = 0. Como f () = 1 3 (1 3 ) =, esta derivada será zero para = 1 3. Logo, no ponto c = 1 3 a reta tangente à curva é horizontal (b) Neste caso f é contínua e derivável em [0, π] e f(0) = f( π) =. Assim, pelo teorema de Rolle, eiste um ponto c em (0, π)), tal que f (c) = 0. De fato, usando o Maple para resolver esta última equação, obtemos > f:=->+sin(): > solve(diff(f(),)=0,); 1 π Portanto, c = π. Veja o gráfico a seguir. > plot([f(),f(pi/),[[pi/,0],[pi/,f(pi/)]]],=0..*pi,color=[red,blue]);

3 W.Bianchini, A.R.Santos Observe que, neste eemplo, eiste um outro ponto c em (0, π), a saber, c = 3 π, no qual a reta tangente ao gráfico da função também é horizontal. Isto não contradiz o teorema de Rolle. Este teorema garante a eistência de pelo menos um ponto no intervalo considerado, tal que f (c) = 0. Como vimos no eemplo acima, pode eistir mais de um ponto com esta propriedade Teorema do valor médio Considere uma função f satisfazendo as condições: (1) f é contínua no intervalo fechado [a, b] () f é derivável no intervalo aberto (a, b) Então, eiste um número c em (a, b), tal que f (c) = f(b) f(a). b a Geometricamente, o teorema do valor médio diz que se f é uma função suave que liga os pontos A = (a, f(a)) e B = (b, f(b)), eiste um ponto c, entre a e b, tal que a reta tangente ao gráfico de f em c é paralela à reta secante que passa por A e por B. A B a c b Demonstração A demonstração é feita usando-se o teorema de Rolle. Para isso, considere a função d() = f() g(), onde g() é a reta que une os pontos A = (a, f(a)) e B = (b, f(b)), isto é, g() = f(a) + f(b) f(a) b a ( a). Repare que a função d() assim definida, mede, para cada, a distância vertical entre os pontos (, f()), do gráfico de f, e (, g()), na reta suporte do segmento AB. A função d() satisfaz as hipóteses do teorema de Rolle, isto é, d é contínua em [a, b], diferenciável em (a, b), pois f e g o são, e, além disso, d(a) = d(b) = 0. Assim, eiste um ponto c (a, b) onde d (c) = 0. Note no diagrama a seguir que a reta tangente ao gráfico de f é paralela ao segmento AB eatamente no ponto em que a diferença d() atinge o seu maior valor. Logo, 0 = d (c) = f (c) g (c) = f (c) f(b) f(a) b a, ou seja, f (c) = f(b) f(a) b a Conseqüências do teorema do valor médio A primeira conseqüência é a recíproca do fato trivial de que a derivada de uma função constante é igual a zero, ou seja, se a derivada de uma função é zero, a função é constante. A princípio nada nos assegura que este fato seja verdadeiro. Será que não poderia eistir uma função desconhecida, estranha e não constante, cuja derivada fosse zero?

4 3 Cap. 17. Teorema do Valor Médio Usando o teorema do valor médio podemos provar que tal função estranha não eiste. Isto é feito no Corolário 1 a seguir. Nesse corolário e nos seguintes, consideramos f e g contínuas no intervalo fechado [a, b] e deriváveis em (a, b). Corolário 1 (Funções com derivada zero) Se f () = 0 em (a, b), então f é uma função constante em [a, b], isto é, eiste um número real k, tal que, f() = k, qualquer que seja o ponto de [a, b]. Demonstração Seja (a, b]. Apliquemos o teorema do valor médio em [a, ]. Então eiste c (a, ), tal que, f() f(a) = f (c) ( a). Como f () = 0 em (a, b), tem-se f (c) = 0. Assim, f() = f(a), para todo em (a, b]. Porém, obviamente, esta igualdade vale para todo em [a, b]. Assim, f é constante em [a, b]. Corolário (Funções com derivadas iguais) Suponha que f () = g () para todo no intervalo (a, b). Então, f e g diferem por uma constante, isto é, eiste um número real k, tal que f() = g() + k, para todo em [a, b]. Demonstração Considere a função h() = f() g(). Então, h () = f () g () = 0, para todo em (a, b). Logo, pelo Corolário 1, h() = k para todo em [a, b] e alguma constante k real, ou seja, Interpretação geométrica f() g() = k, que é equivalente a f() = g() + k. Como as duas funções f e g diferem por uma constante, o gráfico de f pode ser obtido a partir do gráfico de g, ou vice-versa, por uma translação vertical. Além disso, como estas funções têm a mesma derivada em cada ponto de [a, b], seus gráficos têm retas tangentes paralelas nos correspondentes pontos (, f()) e (, g()). Por isso estes gráficos são ditos paralelos. Eemplo 1 Se f () = 3 sen e f(0) =, determine a função f Solução Observe que a derivada da função g() = 3 cos é igual a 3 sen = f (). Assim, f e g diferem por uma constante, isto é, f() = g() + k = 3 cos + k, onde k é um número real qualquer. Como f(0) =, temos que f(0) = 3 + k =, ou seja, k = 5. Assim, f() = 3 cos + 5. Eemplo Suponha que f () = k em um intervalo [a, b], com k real. Prove que f é uma reta. Solução Seja g() = k + b. Então, g () = k. Logo, f e g diferem por uma constante, ou seja, f() = g() + c, onde c é real. Assim, f() = k + b + c = k + d, onde d = b + c. Logo, f é uma reta.

5 W.Bianchini, A.R.Santos 33 Corolário 3 (Funções crescentes e decrescentes) (i) Se f () > 0 para todo em [a, b], então f é uma função crescente em [a, b]. (ii) Se f () < 0 para todo em [a, b], então f é uma função decrescente em [a, b]. Demonstração Vamos demonstrar o primeiro item; a demonstração do segundo é análoga. Sejam m e n pontos de [a, b], tais que m < n. Aplicamos o teorema do valor médio no intervalo [m, n]. Como este intervalo está contido em [a, b], as hipóteses do teorema do valor médio continuam válidas em [m, n]. Assim, eiste um ponto c em (m, n), tal que f(n) f(m) = f (c) (n m). Como, por hipótese, f (c) > 0 e (n m) > 0, segue que f(n) f(m) > 0, isto é, f(m) < f(n). Como m e n são pontos quaisquer em [a, b], segue que f é uma função crescente em [a, b]. Corolário (Teorema do valor médio generalizado) Sejam f e g contínuas em [a, b] e deriváveis em (a, b) e suponha, além disso, que g () 0 para a < < b. Então, eiste pelo menos um c entre a e b, tal que f (c) f(b) f(a) g = (c) g(b) g(a). Demonstração Repare que se g(a) = g(b), pelo teorema de Rolle g () se anula em algum ponto entre a e b, o que contradiz a hipótese. Portanto, g(a) g(b), e o segundo membro da igualdade acima faz sentido. Para provar o corolário, considere a função F () = (f(b) f(a)) (g() g(a)) (f() f(a)) (g(b) g(a)). É fácil ver que esta função satisfaz as hipóteses do teorema de Rolle. Logo, eiste um ponto c, entre a e b, tal que F (c) = 0. Esta última afirmação é equivalente a (f(b) f(a)) g (c) f (c) (g(b) g(a)) = 0, que, por sua vez, é equivalente a afirmação que se quer provar. Repare que se g() =, este corolário se reduz ao teorema do valor médio e, portanto, é uma generalização deste teorema. 17. Eercícios 1. (a) Nos itens a seguir, mostre que a função dada satisfaz as hipóteses do teorema de Rolle no intervalo [a, b] indicado e ache todos os números c em (a, b) que verificam a conclusão do teorema: i. f() = em [0, ] ii. f() = 9 em [ 3, 3] iii. f() = 1 1+ em [ 1, 1] (b) Nos ítens a seguir, mostre que a função dada não satisfaz a conclusão do teorema de Rolle no intervalo indicado. Eplicite que hipótese do teorema não é satisfeita. i. f() = 1 em [ 1, 1] iii. f() = + em [0, 1] ii. f() = 1 ( ) 3 em [1, 3]. (a) Em cada um dos ítens a seguir, decida se o teorema do valor médio se aplica. Em caso afirmativo, ache um número c em (a, b) tal que f (c) = f(b) f(a) b a. Esboce um gráfico mostrando a tangente passando por (c, f(c)) e a reta passando pelos pontos etremos do gráfico em [a, b], indicado em cada caso. i. f() = 1 em [1, ] vii. f() = 1 em [ 1, 0] ii. f() = 1 em [ 1, ] viii. f(t) = t (t 1) em [0, 1] iii. f() = 3 em [0, 1] i. f() = 3 em [ 1, 7] iv. f() = 3 { em [ 1, 0] 1 0 < v. g() = sen () em [0, π ]. f() = em [ 1, 1] 0 < 0 vi. h() = tg() em [ π, 3 π ]

6 3 Cap. 17. Teorema do Valor Médio (b) Como vimos no item (i) acima, o teorema do valor médio não se aplica à função f() = 3 no intervalo [ 1, 7]. No entanto, mostre que eiste um número c em ( 1, 7), tal que f (c) = f(7) f( 1) 7 ( 1). (c) Eplique por que o teorema do valor médio não se aplica à função f() =, no intervalo [ 1, ]. 3. Para as funções dadas em cada um dos ítens a seguir, determine os intervalos abertos em que cada uma delas é crescente ou decrescente. Com base nas respostas encontradas, faça a correspondência de cada função com um dos gráficos dados. (a) f() = (b) f() = + 1 (1) (c) f() = (e) f() = (d) f() = 3 3 (f) f() = () (3) () (5) (6) (a) Use o teorema de Rolle para mostrar que a equação = 0, tem pelo menos uma raiz real no intervalo (0, 1). (b) Se f() é um polinômio de grau 3, use o teorema de Rolle para provar que f tem no máimo três zeros reais. Generalize este resultado para polinômios de grau n. (c) Nos itens seguintes, mostre que a equação dada tem eatamente uma solução no intervalo indicado. i = 0 em [0, 1] iii. 3 = 0 em [, 3] ii. 10 = 1000 em [1, ] 5. (a) Nos ítens seguintes, determine a função f que satisfaz às condições dadas: i. f () = ; f(0) = 5 ii. f () = iii. f () = ; f(0) =3 (); f(0) = iv. f () = 0; f(0) = 1 e f (0) = 1 3 (b) Em cada um dos ítens, ache todas as funções f tais que: i. f () = sen ii. f () = 3 iii. f () = Problemas propostos 1. (a) Seja f() =. Neste caso, mostre que para qualquer intervalo [a, b] o ponto c dado pelo teorema do valor médio é em realidade o ponto médio c = a+b, do intervalo [a, b]. (b) Mostre que o resultado acima vale para qualquer polinômio do segundo grau f() = c + c 1 + c 0. (c) Ache uma função f para a qual o ponto de valor médio c não é o ponto médio de [a, b].. (a) Prove que a função f() = (1 + ) é crescente em (0, ). Conclua então que (1 + ) 3 > para todo > 0. (b) Mostre que < 1 + se > Mostre que D(tg ) = D(sec ) no intervalo aberto ( π, π ). Conclua que eiste uma constante C tal que tg = sec + C para todo em ( π, π ). Calcule C.

7 W.Bianchini, A.R.Santos 35. (a) Suponha que haja n pontos distintos em [a, b] nos quais a função derivável f se anule. Prove que f deve se anular em pelo menos n 1 pontos de [a,b]. (b) Suponha que a função f seja derivável em [ 1, 1] e tal que f( 1) = 1 e f() = 5. Prove que eiste um ponto no gráfico de f em que a reta tangente é paralela à reta de equação =. 5. Suponha que as funções f e g sejam contínuas em [a, b] e diferenciáveis em (a, b). Suponha também que f(a) = g(a) e que f () < g () para a < < b. Prove que f(b) < g(b). Sugestão: Aplique o teorema do valor médio à função h = f g. 6. Usando o teorema de Rolle, prove que, qualquer que seja o valor de m, a função f m () = m não pode ter duas raízes reais em [0, 1]. Para entender geometricamente o que acontece, trace na mesma janela os gráficos de f 0 e f 1 e conclua como seria o gráfico de f m, para m qualquer. 7. Seja f() = 1 e g() = { 1, se > , se < 0 Mostre que f () = g () para todo nos seus domínios. É possível concluir que f g é constante? 8. (a) Se f é um polinômio de grau menor ou igual a um, sabemos que f () = 0 para todo. Demonstre a recíproca desta afirmação, isto é, se f é uma função qualquer, tal que f () = 0 para todo, então f() = a 1 + a 0, onde a 1 = f (0) e a 0 = f(0). (b) Se f é um polinômio de grau menor ou igual a dois, sabemos que f () = 0 para todo. Demonstre a recíproca desta afirmação isto é, se f é uma função qualquer tal que f () = 0 para todo, então f é um polinômio de grau menor ou igual a dois. De fato, f() = f(0) + f (0) + f (). (c) Suponha que f n () = 0, para todo. Caracterize f e demonstre a sua resposta. 9. (a) Suponha que f(1) = 1, f (1) = 3, f (1) = 6 e f () = 0 para todo. Demonstre que, para todo, f () = 6, f () = 6 3 e que f() = (b) Suponha que c é uma constante e que f(c) = a 0, f (c) = a 1, f (c) = a e f () = 0 para todo. Demonstre que f() = a ( c) + a 1 ( c) + a 0. (c) Suponha que c é uma constante e que f(c) = a 0, f (c) = a 1,..., f (n) (c) = a n e f (n+1) () = 0, para todo. Demonstre que f() = f(c) + ( c) f (c) + ( c) f (c) ( c)n n! f (n) (c), onde n! = n k. 10. Às duas horas da tarde, o velocímetro de um carro marca 30 km/h. Às duas horas e dez minutos, marca 50 km/h. Mostre que, em algum instante entre duas e duas e dez, a aceleração deste carro foi eatamente igual a 10 km/h. 11. Dois corredores começam uma disputa ao mesmo tempo e terminam empatados. Prove que, em algum instante durante a corrida, eles correram com a mesma velocidade. Sugestão: Considere a função f(t) = g(t) h(t), onde g e h são as funções que fornecem as posições dos dois corredores, para qualquer instante de tempo t. 1. Uma função f, não necessariamente derivável, definida em um intervalo I, é chamada convea em I, se f( ) f( 1 ) 1 f( 3) f( ) 3, sempre que 1 < < 3 forem três pontos de I. Veja a figura a seguir à esquerda e interprete geometricamente a definição dada. (a) Demonstre que se f eiste em I e é crescente, então f é convea. (b) Demonstre que se f é maior ou igual a zero em todo o intervalo I, então f é convea em I. (c) Mostre que se 1 < < 3, as duas condições abaio são equivalentes: ( 1 ) (Esta última condição fornece uma outra definição geométrica alternativa para conveidade: entre dois pontos quaisquer 1 e de I, o gráfico de f fica abaio da reta que passa por P 1 = ( 1, f( 1 )) e P 3 = ( 3, f( 3 )), como mostra a figura a seguir à direita. k=1

8 36 Cap. 17. Teorema do Valor Médio P1 P1 P P3 P P Para você meditar: O significado de c Em muitas situações físicas, os fenômenos observáveis são apresentados em tabelas, que relaciona a velocidade de um automóvel com a distância percorrida até que o mesmo pare, após acionados os freios. velocidade (km/h) distância (m) Fonte: Revista Quatro Rodas - Automóvel Fiat-Uno A partir de tabelas deste tipo, tentamos deduzir a lei ou função matemática que melhor se ajusta aos dados apresentados. Muitas vezes, precisamos fazer uma estimativa de um valor da variável dependente (neste eemplo, a distância percorrida pelo automóvel) correspondente a um valor da variável independente (neste caso a velocidade do automóvel), que não faz parte da tabela. Por eemplo, qual a distância percorrida por um automóvel que viaja a 70 km/h, antes que este pare completamente? Em geral, para obter uma resposta aproimada para esta pergunta usamos interpolação linear, isto é, aproimamos o gráfico da função que modela o problema por segmentos de reta que ligam os pontos da tabela e estimamos o valor pedido como se a função procurada variasse linearmente, entre os pontos dados. No eemplo apresentado, a equação da reta que liga os pontos (60, 18) e (80, 3) é > f:=unappl(interp([60,80],[18,3],),); f := 7 10 Usando esta equação para calcular uma estimativa para o valor pedido, temos: > f(70.); Como as grandezas anteriores, claramente não estão relacionadas por uma linha reta, o valor calculado envolve um erro que, a priori, nada garante que seja pequeno. 1. Eplique como o teorema do valor médio está relacionado com o erro máimo cometido ao usarmos interpolação linear para estimarmos os valores correspondentes a pontos que não estão eplicitados na tabela.. Observando os valores apresentados na tabela dada, você é capaz de deduzir a lei que governa o fenômeno? (Use a técnica da n-ésima diferença seção Para meditar, do Cap 7 para tentar chegar a uma conclusão e o comando interp do Maple para conferir a sua resposta.) 3. Faça um gráfico da interpolação linear e da função deduzida no item acima para tentar concluir se 5 m é uma boa resposta para a indagação feita. Esta estimativa é por falta ou por ecesso?. Use a função deduzida acima e o teorema do valor médio para, usando interpolação linear, estimar o erro máimo cometido ao calcularmos a distância que um automóvel percorre antes de parar completamente, após acionados os freios Projetos Estudando a queda dos corpos - Movimento uniformemente acelerado Suponha que uma partícula esteja se movendo, de acordo com uma determinada lei, ao longo de uma reta. Se você imaginar que o movimento se dá ao longo do eio, então o movimento pode ser descrito por uma função s, isto é,

9 W.Bianchini, A.R.Santos 37 para cada tempo t do intervalo I, s(t) fornece a posição da partícula neste instante. Na figura a seguir, a partícula se move durante o intervalo de tempo [t 1, t ]. Além disso, o movimento começa em t = t 1 quando a partícula está no ponto = 1; no intervalo de tempo [t 1, t ], a partícula se move do ponto =1 até o ponto = ; no intervalo [t, t 3 ], a partícula retrocede e muda da posição = para = -1; e no intervalo [t 3, t ], a partícula avança de = 1 até = t1 t t3 t 1 A figura mostra o movimento restrito a um intervalo de tempo I = [t 1, t ] finito. Mais geralmente, a função s pode ser definida num intervalo de tempo da forma I = [ t 1, ) ou mesmo I = R = (, ). Mas, na maioria das vezes, na Terra, os movimentos começam em algum instante de tempo t 0 e terminam quando a partícula se choca com alguma coisa ou por alguma outra razão, cessa de se movimentar de acordo com a lei dada. Como já vimos no Cap. 11, desde que a função s seja derivável o que ela usualmente é, a velocidade da partícula, em cada instante de tempo t, é dada pela derivada de s, isto é, v(t) = s (t). Desde que a função v seja derivável, o que ela usualmente é, a aceleração da partícula é dada, em cada instante de tempo t, pela derivada de v, isto é, a(t) = v (t) ou a(t) = s (t). (Observe que para movimentos no plano ou no espaço a velocidade e a aceleração em um dado instante devem ser entendidas como quantidades vetoriais, isto é, como grandezas que têm, também, sentido e direção. Somente para movimentos retilíneos podem ser descritos como fizemos acima, pois sobre uma reta a direção está definida e o sentido é determinado pelo sinal da velocidade.) Há ainda uma quarta função associada ao movimento da partícula que denotaremos por F. Essa função F representa, em cada instante de tempo t, a resultante das forças F (t) que agem sobre o corpo no instante t. O objetivo deste projeto é descrever por meio de equações matemáticas o movimento de uma partícula em queda livre. Antes de podermos trabalhar matematicamente com este problema, precisamos estabelecer as hipóteses físicas a serem consideradas. A Segunda Lei de Newton afirma que a aceleração de um corpo em movimento é proporcional à força dividida pela massa do corpo, isto é, (1) a(t) = k1 F (t) m (k 1 = constante) Para um corpo caindo em queda livre (ou um projétil lançado verticalmente para cima), a força é a resultante do peso (que atua para baio) e a resistência do ar (que atua no sentido contrário ao do movimento). Se a velocidade do corpo não é muito grande, a resistência do ar pode ser desprezada. Assim, temos que () F (t) = P (t) < 0 (o peso é negativo porque pua o objeto para baio). Obviamente o peso não varia somente porque o tempo está passando, mas na realidade depende de, isto é, da altitude do corpo no qual a gravidade está agindo: quanto maior a altitude, menor a força com que a Terra atrai o corpo. Por outro lado se a altitude não é muito grande, o peso pode ser considerado constante. Para todos os fins práticos, podemos considerar o peso de um objeto caindo em queda livre, próimo à superfície da Terra, como constante. Assim, temos (3) F (t) = k < 0 (k = constante). Como já vimos que o peso é a resultante das forças que atuam sobre a partícula de (1) e (3), temos que a(t) = k 3 m < 0 para todo t, onde k 3 = k 1 k. Esta última equação diz que para cada corpo caindo em queda livre eiste uma constante que é igual a sua aceleração, independentemente do tempo que dure o movimento. Permanece, entretanto, uma questão fundamental: eiste uma constante que descreve a aceleração de todos os corpos em queda livre, caso contrário a constante de aceleração depende de qual propriedade do corpo? Por muito tempo pensou-se que esta constante dependia da massa m do corpo, isto é, a lei que governa a queda de corpos pesados (balas de canhão, por eemplo) deveria ser diferente da lei que governa a queda de corpos leves (por eemplo, bolas de pingue-pongue).

10 38 Cap. 17. Teorema do Valor Médio De fato, até a época de Galileu pensava-se que corpos pesados caíssem mais depressa. A história conta que para provar a falsidade desta hipótese Galileu apelou para a força bruta: deiou cair do alto da Torre de Pisa duas bolas de ferro de tamanhos diferentes provando, assim, que elas chegavam ao chão ao mesmo tempo. Esta constante, que independe da massa do corpo e que fornece a aceleração de qualquer objeto em queda livre, é chamada aceleração da gravidade e é denotada, usualmente, pela letra g. Se a distância é medida em metros (m) e o tempo em segundos (s), numericamente, temos que g é aproimadamente igual a 10 m s. Os resultados desta discussão podem ser resumidos da seguinte maneira: Se a resistência do ar puder ser desprezada e se considerarmos desprezível a variação do peso devido à altitude, a aceleração de um corpo em queda livre é dada pela equação onde g é uma constante e vale aproimadamente 10 m s. a(t) = g, A discussão precedente serviu para tentarmos mostrar porque a afirmação acima, sob certas hipótese razoáveis, é uma boa tradução matemática para o problema em questão. Nós não provamos que esta afirmação é sempre correta ou para que valores limites ela vale. Esta não é uma questão matemática, mas algo com que os físicos se preocupam e tentam corroborar por meio de eperimentos. A questão matemática que queremos resolver é a de encontrar funções que satisfaçam a equação a(t) = f (t) = g Esta equação é um eemplo do que em matemática chamamos de equação diferencial ordinária, porque estabelece uma relação entre a função e suas derivadas. Para resolver esta equação é necessário encontrar a função f que satisfaça a relação dada. Esta questão é adequadamente formulada no problema a seguir. Problema Ache a função s que satisfaz as seguintes propriedades: (a) s (t) = g para todo t. (b) s (0) é um dado número v 0. (c) s(0) é um dado número s 0. Este problema pode ser interpretado em termos físicos da seguinte maneira: Conhecendo-se a aceleração da gravidade g, a velocidade inicial v 0 e a posição inicial s 0, determine a lei que governa o movimento de queda livre de um corpo, no vácuo. Problemas envolvendo equações diferenciais onde são conhecidos os valores da função e suas derivadas em um determinado ponto são conhecidos como problemas de valor inicial. Este problema pode ser generalizado como se segue: Se I é um intervalo de tempo qualquer (finito ou infinito) e t 0 é um ponto qualquer de I, determine a função s que satisfaz as seguintes condições: (a) s (t) = g para todo t. (b) s t 0 = v 0. (c) st 0 = s 0. A solução deste último problema é eatamente igual à do anterior. 1. Tendo em vista a discussão acima e usando o que vimos até agora sobre derivadas de funções, resolva o problema proposto, isto é, determine a lei que governa a queda livre dos corpos.. Se você resolveu corretamente o item acima, em algum momento da dedução deve ter usado uma conseqüência importante do teorema do valor médio. Especifique que resultado foi e onde ele foi usado. 3. Em cada um dos ítens a seguir ache a função desconhecida que satisfaz as condições dadas. Em todos os ítens, eceto em um deles, as condições dadas são suficientes para determinar a função. Nesse único item, entretanto, há infinitas possibilidades. Neste caso, tente determinar que tipo de funções satisfazem as condições dadas. (a) f (t) = 3 t +, f(0) = (b) f () = , f(0) = 1 (c) f (t) = 1, f (0) =, f(0) = 3 (d) f () = 3, f (1) = 0. Para resolver os ítens a seguir, não aplique fórmulas. Escreva as equações que modelam o problema e resolva o sistema resultante.

11 W.Bianchini, A.R.Santos 39 (a) Um projétil é lançado verticalmente para cima, da superfície da Terra, num tempo t = 0, com velocidade inicial de 3 m/s. Quando ele atingirá o solo novamente? Para que intervalo de tempo o movimento é descrito pela condição a(t) = g? (b) Um projétil é lançado verticalmente para cima e atinge o solo 10 segundos mais tarde. Qual era a sua velocidade inicial? (c) Uma bola de bilhar é deiada cair do alto de um edifício e atinge o solo 10 segundos mais tarde. Qual é a altura do edifício? (d) Queda livre perto da superfície da Lua funciona da mesma maneira que queda livre perto da superfície da Terra, eceto pela aceleração da gravidade g L, que é diferente por causa da massa menor da Lua. Suponha que você está na Lua e deia cair uma bola de bilhar, descobrindo, então, que a bola cai 1 metro, no primeiro segundo. O que você pode concluir a respeito de g L?

12

9. Derivadas de ordem superior

9. Derivadas de ordem superior 9. Derivadas de ordem superior Se uma função f for derivável, então f é chamada a derivada primeira de f (ou de ordem 1). Se a derivada de f eistir, então ela será chamada derivada segunda de f (ou de

Leia mais

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas Resolução dos Eercícios sobre Derivadas Eercício Utilizando a idéia do eemplo anterior, encontre a reta tangente à curva nos pontos onde e Vamos determinar a reta tangente à curva nos pontos de abscissas

Leia mais

Capítulo 5: Aplicações da Derivada

Capítulo 5: Aplicações da Derivada Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo 5: Aplicações da Derivada 5- Acréscimos e Diferenciais - Acréscimos Seja y f

Leia mais

4.2 Teorema do Valor Médio. Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html

4.2 Teorema do Valor Médio. Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html 4.2 Teorema do Valor Médio Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html Teorema de Rolle: Seja f uma função que satisfaça as seguintes hipóteses: a) f é contínua no intervalo

Leia mais

CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS

CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS 15 CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS Um dos problemas que ocorrem mais frequentemente em trabalhos científicos é calcular as raízes de equações da forma: f() = 0. A função f() pode ser um polinômio em

Leia mais

x 1 f(x) f(a) f (a) = lim x a

x 1 f(x) f(a) f (a) = lim x a Capítulo 27 Regras de L Hôpital 27. Formas indeterminadas Suponha que desejamos traçar o gráfico da função F () = 2. Embora F não esteja definida em =, para traçar o seu gráfico precisamos conhecer o comportamento

Leia mais

Equações Diferenciais

Equações Diferenciais Equações Diferenciais EQUAÇÕES DIFERENCIAS Em qualquer processo natural, as variáveis envolvidas e suas taxas de variação estão interligadas com uma ou outras por meio de princípios básicos científicos

Leia mais

Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo.

Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo. Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Cinemática Básica: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo. Velocidade: Consiste na taxa de variação dessa distância

Leia mais

Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias 1. Trajectórias Planas. 1 Trajectórias. 4.3 exercícios... 6. 4 Coordenadas polares 5

Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias 1. Trajectórias Planas. 1 Trajectórias. 4.3 exercícios... 6. 4 Coordenadas polares 5 Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias Trajectórias Planas Índice Trajectórias. exercícios............................................... 2 2 Velocidade, pontos regulares e singulares 2 2. exercícios...............................................

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então:

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então: FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de = 0. Então: (A) f tem necessariamente derivada finita em = 0; (B) f não tem com certeza derivada finita

Leia mais

4.1 Em cada caso use a definição para calcular f 0 (x). (a) f (x) =x 3,x R (b) f (x) =1/x, x 6= 0 (c) f (x) =1/ x, x > 0.

4.1 Em cada caso use a definição para calcular f 0 (x). (a) f (x) =x 3,x R (b) f (x) =1/x, x 6= 0 (c) f (x) =1/ x, x > 0. 4. Em cada caso use a definição para calcular f 0 (). (a) f () = 3, R (b) f () =/, 6= 0 (c) f () =/, > 0. 4.2 Mostre que a função f () = /3, R, não é diferenciável em =0. 4.3 Considere a função f : R R

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

4.1 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL COM FORÇAS CONSTANTES

4.1 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL COM FORÇAS CONSTANTES CAPÍTULO 4 67 4. MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL COM FORÇAS CONSTANTES Consideremos um bloco em contato com uma superfície horizontal, conforme mostra a figura 4.. Vamos determinar o trabalho efetuado por uma

Leia mais

Velocidade, Aceleração e Outras Taxas de

Velocidade, Aceleração e Outras Taxas de Capítulo 11 Velocidade, Aceleração e Outras Taxas de Variação 11.1 Introdução Até aqui entendemos a derivada de uma função como a inclinação da reta tangente ao seu gráfico. Veremos a seguir que o conceito

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 17 LANÇAMENTO VERTICAL E QUEDA LIVRE

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 17 LANÇAMENTO VERTICAL E QUEDA LIVRE FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 17 LANÇAMENTO VERTICAL E QUEDA LIVRE Como pode cair no enem? celeração de 5 g (ou 50 m/s²), ocorrendo o enrijecimento dos músculos devido a força que o sangue exerce na volta

Leia mais

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.)

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) Colégio Santa Catarina Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) 17 Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) 3.1- Aceleração Escalar (a): Em movimentos nos quais as velocidades

Leia mais

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL.1 Funções Vetoriais de Uma Variável Real Vamos agora tratar de um caso particular de funções vetoriais F : Dom(f R n R m, que são as funções vetoriais de uma

Leia mais

Propriedades das Funções Deriváveis. Prof. Doherty Andrade

Propriedades das Funções Deriváveis. Prof. Doherty Andrade Propriedades das Funções Deriváveis Prof Doerty Andrade 2005 Sumário Funções Deriváveis 2 Introdução 2 2 Propriedades 3 3 Teste da derivada segunda para máimos e mínimos 7 2 Formas indeterminadas 8 2 Introdução

Leia mais

NOME: Nº. ASSUNTO: Recuperação Final - 1a.lista de exercícios VALOR: 13,0 NOTA:

NOME: Nº. ASSUNTO: Recuperação Final - 1a.lista de exercícios VALOR: 13,0 NOTA: NOME: Nº 1 o ano do Ensino Médio TURMA: Data: 11/ 12/ 12 DISCIPLINA: Física PROF. : Petrônio L. de Freitas ASSUNTO: Recuperação Final - 1a.lista de exercícios VALOR: 13,0 NOTA: INSTRUÇÕES (Leia com atenção!)

Leia mais

APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II

APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II z t t C C α y β y Colaboradores para elaboração da apostila: Elisandra Bär de Figueiredo, Enori Carelli, Ivanete Zuchi Siple, Marnei Luis Mandler, Rogério

Leia mais

Figura 2.1: Carro-mola

Figura 2.1: Carro-mola Capítulo 2 EDO de Segunda Ordem com Coeficientes Constantes 2.1 Introdução - O Problema Carro-Mola Considere um carro de massa m preso a uma parede por uma mola e imerso em um fluido. Colocase o carro

Leia mais

Capítulo 2 A Cinemática

Capítulo 2 A Cinemática Capítulo 2 A Cinemática ACinemática é a parte da Física que tenta descrever os movimentos, sem levar em consideração as suas causas. Para isso, organiza informações sobre a posição, o deslocamento, o espaço

Leia mais

EXERCÍCIOS 2ª SÉRIE - LANÇAMENTOS

EXERCÍCIOS 2ª SÉRIE - LANÇAMENTOS EXERCÍCIOS ª SÉRIE - LANÇAMENTOS 1. (Unifesp 01) Em uma manhã de calmaria, um Veículo Lançador de Satélite (VLS) é lançado verticalmente do solo e, após um período de aceleração, ao atingir a altura de

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Terminologia e Definições Básicas No curso de cálculo você aprendeu que, dada uma função y f ( ), a derivada f '( ) d é também, ela mesma, uma função de e

Leia mais

Derivação Implícita e Taxas Relacionadas

Derivação Implícita e Taxas Relacionadas Capítulo 14 Derivação Implícita e Taxas Relacionadas 14.1 Introdução A maioria das funções com as quais trabalhamos até agora é da forma y = f(x), em que y é dado diretamente ou, explicitamente, por meio

Leia mais

ESTUDO GRÁFICO DOS MOVIMENTOS. Gráfico posição x tempo (x x t)

ESTUDO GRÁFICO DOS MOVIMENTOS. Gráfico posição x tempo (x x t) ESTUDO GRÁFICO DOS MOVIMENTOS No estudo do movimento é bastante útil o emprego de gráficos. A descrição de um movimento a partir da utilização dos gráficos (posição x tempo; velocidade x tempo e aceleração

Leia mais

3. Limites. = quando x está muito próximo de 0: a) Vejamos o que ocorre com a função f ( x)

3. Limites. = quando x está muito próximo de 0: a) Vejamos o que ocorre com a função f ( x) . Limites Ao trabalhar com uma função nossa primeira preocupação deve ser o seu domínio (condição de eistência) afinal só faz sentido utilizá-la nos pontos onde esteja definida e sua epressão matemática

Leia mais

CONSERVAÇÃO DA ENERGIA

CONSERVAÇÃO DA ENERGIA CONSERVAÇÃO DA ENERGIA Introdução Quando um mergulhador pula de um trampolim para uma piscina, ele atinge a água com uma velocidade relativamente elevada, possuindo grande energia cinética. De onde vem

Leia mais

CINEMÁTICA VETORIAL. Observe a trajetória a seguir com origem O.Pode-se considerar P a posição de certo ponto material, em um instante t.

CINEMÁTICA VETORIAL. Observe a trajetória a seguir com origem O.Pode-se considerar P a posição de certo ponto material, em um instante t. CINEMÁTICA VETORIAL Na cinemática escalar, estudamos a descrição de um movimento através de grandezas escalares. Agora, veremos como obter e correlacionar as grandezas vetoriais descritivas de um movimento,

Leia mais

4 Mudança de Coordenadas

4 Mudança de Coordenadas Material by: Caio Guimarães (Equipe Rumoaoita.com) Última atualização: 14 de outubro de 006 4 Mudança de Coordenadas Translação e Rotação de Curvas no R² Introdução O enfoque dos 3 primeiros capítulos

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2011/1

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2011/1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 0/ SUMÁRIO. FUNÇÕES REAIS DE UMA VARIÁVEL..... CONCEITO..... ZEROS DE UMA

Leia mais

sendo as componentes dadas em unidades arbitrárias. Determine: a) o vetor vetores, b) o produto escalar e c) o produto vetorial.

sendo as componentes dadas em unidades arbitrárias. Determine: a) o vetor vetores, b) o produto escalar e c) o produto vetorial. INSTITUTO DE FÍSICA DA UFRGS 1 a Lista de FIS01038 Prof. Thomas Braun Vetores 1. Três vetores coplanares são expressos, em relação a um sistema de referência ortogonal, como: sendo as componentes dadas

Leia mais

6. Aplicações da Derivada

6. Aplicações da Derivada 6 Aplicações da Derivada 6 Retas tangentes e normais - eemplos Encontre a equação da reta tangente e da normal ao gráfico de f () e, em 0 Represente geometricamente Solução: Sabemos que a equação da reta

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Notasdeaula Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Os primeiros conjuntos numéricos conhecidos pela humanidade são os chamados inteiros positivos

Leia mais

APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA

APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE POMPEIA CURSO TECNOLOGIA EM MECANIZAÇÃO EM AGRICULTURA DE PRECISÃO APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA Autor: Carlos Safreire Daniel Ramos Leandro Ferneta Lorival Panuto Patrícia de

Leia mais

Vestibular1 A melhor ajuda ao vestibulando na Internet Acesse Agora! www.vestibular1.com.br. Cinemática escalar

Vestibular1 A melhor ajuda ao vestibulando na Internet Acesse Agora! www.vestibular1.com.br. Cinemática escalar Cinemática escalar A cinemática escalar considera apenas o aspecto escalar das grandezas físicas envolvidas. Ex. A grandeza física velocidade não pode ser definida apenas por seu valor numérico e por sua

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 2005/2

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 2005/2 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 00/ SUMÁRIO. LIMITES E CONTINUIDADE..... NOÇÃO INTUITIVA DE LIMITE..... FUNÇÃO CONTÍNUA NUM

Leia mais

Esboço de Gráficos (resumo)

Esboço de Gráficos (resumo) Esboço de Gráficos (resumo) 1 Máximos e Mínimos Definição: Diz-se que uma função tem um valor máximo relativo (máximo local) em c se existe um intervalo ( a, b) aberto contendo c tal que f ( c) f ( x)

Leia mais

Lista de Exercícios - Movimento em uma dimensão

Lista de Exercícios - Movimento em uma dimensão UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA Departamento de Física Disciplina: Física Básica II Lista de Exercícios - Movimento em uma dimensão Perguntas 1. A Figura 1 é uma gráfico

Leia mais

Exemplos de aceleração Constante 1 D

Exemplos de aceleração Constante 1 D Exemplos de aceleração Constante 1 D 1) Dada a equação de movimento de uma partícula em movimento retilíneo, s=-t 3 +3t 2 +2 obtenha: a) A velocidade média entre 1 e 4 segundos; e) A velocidade máxima;

Leia mais

Lista de Exercícios - Integrais

Lista de Exercícios - Integrais Lista de Exercícios - Integrais 4) Calcule as integrais indefinidas: 5) Calcule as integrais indefinidas: 1 6) Suponha f(x) uma função conhecida e que queiramos encontrar uma função F(x), tal que y = F(x)

Leia mais

1 A Integral por Partes

1 A Integral por Partes Métodos de Integração Notas de aula relativas aos dias 14 e 16/01/2004 Já conhecemos as regras de derivação e o Teorema Fundamental do Cálculo. Este diz essencialmente que se f for uma função bem comportada,

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina0.com.br Funções Reais CÁLCULO VOLUME ZERO - Neste capítulo, estudaremos as protagonistas do longa metragem

Leia mais

Aula 29. Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil

Aula 29. Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil A integral de Riemann - Mais aplicações Aula 29 Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil 20 de Maio de 2014 Primeiro Semestre de 2014 Turma 2014106 - Engenharia Mecânica

Leia mais

Bacharelado Engenharia Civil

Bacharelado Engenharia Civil Bacharelado Engenharia Civil Disciplina: Física Geral e Experimental I Força e Movimento- Leis de Newton Prof.a: Msd. Érica Muniz Forças são as causas das modificações no movimento. Seu conhecimento permite

Leia mais

V = 0,30. 0,20. 0,50 (m 3 ) = 0,030m 3. b) A pressão exercida pelo bloco sobre a superfície da mesa é dada por: P 75. 10 p = = (N/m 2 ) A 0,20.

V = 0,30. 0,20. 0,50 (m 3 ) = 0,030m 3. b) A pressão exercida pelo bloco sobre a superfície da mesa é dada por: P 75. 10 p = = (N/m 2 ) A 0,20. 11 FÍSICA Um bloco de granito com formato de um paralelepípedo retângulo, com altura de 30 cm e base de 20 cm de largura por 50 cm de comprimento, encontra-se em repouso sobre uma superfície plana horizontal.

Leia mais

MATEMÁTICA I AULA 07: TESTES PARA EXTREMOS LOCAIS, CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO TÓPICO 02: CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO Este tópico tem o objetivo de mostrar como a derivada pode ser usada

Leia mais

Recuperação. - Mecânica: ramo da Física que estuda os movimentos;

Recuperação. - Mecânica: ramo da Física que estuda os movimentos; Recuperação Capítulo 01 Movimento e repouso - Mecânica: ramo da Física que estuda os movimentos; - Um corpo está em movimento quando sua posição, em relação a um referencial escolhido, se altera com o

Leia mais

Você acha que o rapaz da figura abaixo está fazendo força?

Você acha que o rapaz da figura abaixo está fazendo força? Aula 04: Leis de Newton e Gravitação Tópico 02: Segunda Lei de Newton Como você acaba de ver no Tópico 1, a Primeira Lei de Newton ou Princípio da Inércia diz que todo corpo livre da ação de forças ou

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Quarta lista de Eercícios de Cálculo Diferencial e Integral I - MTM 1 1. Nos eercícios a seguir admita

Leia mais

Resumo do Curso: CST Física Geral / Primeira parte

Resumo do Curso: CST Física Geral / Primeira parte Resumo do Curso: CST Física Geral / Primeira parte Notas: Rodrigo Ramos 1 o. sem. 2015 Versão 1.0 Em nossa introdução à Física falamos brevemente da história dessa ciência e sua relevância no desenvolvimento

Leia mais

Exercícios: Lançamento Vertical e Queda Livre

Exercícios: Lançamento Vertical e Queda Livre Exercícios: Lançamento Vertical e Queda Livre Cursinho da ETEC Prof. Fernando Buglia 1. (Unifesp) Em uma manhã de calmaria, um Veículo Lançador de Satélite (VLS) é lançado verticalmente do solo e, após

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias

Equações Diferenciais Ordinárias Equações Diferenciais Ordinárias Uma equação diferencial é uma equação que relaciona uma ou mais funções (desconhecidas com uma ou mais das suas derivadas. Eemplos: ( t dt ( t, u t d u ( cos( ( t d u +

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL YVONE PIMENTEL DISCIPLINA: FÍSICA (Professor Ronald Wykrota) EJA INDIVIDUAL 1ª SÉRIE - AULAS 01 e 02

COLÉGIO ESTADUAL YVONE PIMENTEL DISCIPLINA: FÍSICA (Professor Ronald Wykrota) EJA INDIVIDUAL 1ª SÉRIE - AULAS 01 e 02 EJA INDIVIDUAL 1ª SÉRIE - AULAS 01 e 02 FÍSICA: Física é a ciência exata que tem por objeto de estudo os fenômenos que ocorrem na natureza. Através do entendimento dos fenômenos da natureza, podemos entender

Leia mais

TC 1 UECE 2012 FASE 2. PROF.: Célio Normando

TC 1 UECE 2012 FASE 2. PROF.: Célio Normando TC 1 UECE 01 FASE PROF.: Célio Normando Conteúdo: Aritmética Ordem de Grandeza 1. Racionalizar o uso da água significa usá-la sem desperdício e considerá-la uma prioridade social e ambiental, para que

Leia mais

Lista 1 Cinemática em 1D, 2D e 3D

Lista 1 Cinemática em 1D, 2D e 3D UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA DEPARTAMENTO DE ESTUDOS BÁSICOS E INSTRUMENTAIS CAMPUS DE ITAPETINGA PROFESSOR: ROBERTO CLAUDINO FERREIRA DISCIPLINA: FÍSICA I Aluno (a): Data: / / NOTA: Lista

Leia mais

(Testes intermédios e exames 2005/2006)

(Testes intermédios e exames 2005/2006) 158. Indique o conjunto dos números reais que são soluções da inequação log 3 (1 ) 1 (A) [,1[ (B) [ 1,[ (C) ], ] (D) [, [ 159. Na figura abaio estão representadas, em referencial o. n. Oy: parte do gráfico

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão II

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão II Questões COVEST Física Mecânica Prof. Rogério Porto Assunto: Cinemática em uma Dimensão II 1. Um carro está viajando numa estrada retilínea com velocidade de 72 km/h. Vendo adiante um congestionamento

Leia mais

CI202 - Métodos Numéricos

CI202 - Métodos Numéricos CI202 - Métodos Numéricos Lista de Exercícios 2 Zeros de Funções Obs.: as funções sen(x) e cos(x) devem ser calculadas em radianos. 1. Em geral, os métodos numéricos para encontrar zeros de funções possuem

Leia mais

Curvas em coordenadas polares

Curvas em coordenadas polares 1 Curvas em coordenadas polares As coordenadas polares nos dão uma maneira alternativa de localizar pontos no plano e são especialmente adequadas para expressar certas situações, como veremos a seguir.

Leia mais

Boa Prova! arcsen(x 2 +2x) Determine:

Boa Prova! arcsen(x 2 +2x) Determine: Universidade Federal de Campina Grande - UFCG Centro de Ciências e Tecnologia - CCT Unidade Acadêmica de Matemática e Estatística - UAME - Tarde Prova Estágio Data: 5 de setembro de 006. Professor(a):

Leia mais

Lançamento Horizontal

Lançamento Horizontal Lançamento Horizontal 1. (Ufsm 2013) Um trem de passageiros passa em frente a uma estação, com velocidade constante em relação a um referencial fixo no solo. Nesse instante, um passageiro deixa cair sua

Leia mais

Soluções das Questões de Física da Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ

Soluções das Questões de Física da Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ Soluções das Questões de Física da Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ º Exame de Qualificação 011 Questão 6 Vestibular 011 No interior de um avião que se desloca horizontalmente em relação ao

Leia mais

Física 1 ano Prof. Miranda. Lista de Exercícios II Unidade

Física 1 ano Prof. Miranda. Lista de Exercícios II Unidade Física 1 ano Prof. Miranda Lista de Exercícios II Unidade mirandawelber@gmail.com 01. O que é necessário para determinar (caracterizar) uma: a) grandeza escalar? b) grandeza vetorial? 02. Classifique os

Leia mais

FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL

FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL Hewlett-Packard FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL Aulas 01 a 04 Elson Rodrigues, Gabriel Carvalho e Paulo Luís Ano: 2015 Sumário INTRODUÇÃO AO PLANO CARTESIANO... 2 PRODUTO CARTESIANO... 2 Número de elementos

Leia mais

Máximos e Mínimos em Intervalos Fechados

Máximos e Mínimos em Intervalos Fechados Capítulo 5 Máimos e Mínimos em Intervalos Fechados 5. Motivação Na Seção.., estudamos o problema da caia, onde queríamos montar uma caia recortando retângulos nos quatro cantos de uma lâmina de plástico

Leia mais

Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas

Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Objetivos

Leia mais

www.concursovirtual.com.br

www.concursovirtual.com.br Cinemática: É a parte da mecânica que estuda os movimentos, procurando determinar a posição, velocidade e aceleração do corpo a cada instante. Ponto Material: É todo corpo que não possua dimensões a serem

Leia mais

1 Propriedades das Funções Contínuas 2

1 Propriedades das Funções Contínuas 2 Propriedades das Funções Contínuas Prof. Doherty Andrade 2005 Sumário 1 Propriedades das Funções Contínuas 2 2 Continuidade 2 3 Propriedades 3 4 Continuidade Uniforme 9 5 Exercício 10 1 1 PROPRIEDADES

Leia mais

Gráficos: Q2)Para cada função posição x(t) diga se a aceleração é positiva, negativa ou nula.

Gráficos: Q2)Para cada função posição x(t) diga se a aceleração é positiva, negativa ou nula. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA-CFM DEPARTAMENTO DE FÍSICA FSC 5107 FÍSICA GERAL IA Semestre 2012.2 LISTA DE EXERCÍCIOS 2 - MOVIMENTO EM UMA DIMENSÃO Gráficos: Q1) Para cada gráfico seguinte de

Leia mais

0,999... OU COMO COLOCAR UM BLOCO QUADRADO EM UM BURACO REDONDO Pablo Emanuel

0,999... OU COMO COLOCAR UM BLOCO QUADRADO EM UM BURACO REDONDO Pablo Emanuel Nível Intermediário 0,999... OU COMO COLOCAR UM BLOCO QUADRADO EM UM BURACO REDONDO Pablo Emanuel Quando um jovem estudante de matemática começa a estudar os números reais, é difícil não sentir certo desconforto

Leia mais

FEPI FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE ITAJUBÁ UNIVERSITAS CENTRO UNIVERSITÁRIO DEITAJUBÁ CÁLCULO 1. Prof. William Mascia Resende. Engenharia Elétrica

FEPI FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE ITAJUBÁ UNIVERSITAS CENTRO UNIVERSITÁRIO DEITAJUBÁ CÁLCULO 1. Prof. William Mascia Resende. Engenharia Elétrica FEPI FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE ITAJUBÁ UNIVERSITAS CENTRO UNIVERSITÁRIO DEITAJUBÁ CÁLCULO 1 Prof. William Mascia Resende Engenharia Elétrica ITAJUBÁ 2013 CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ITAJUBÁ Curso: Engenharia

Leia mais

Aula 00 Aula Demonstrativa

Aula 00 Aula Demonstrativa Aula 00 Aula Demonstrativa Apresentação... Relação das questões comentadas... 10 Gabaritos... 11 www.pontodosconcursos.com.br 1 Apresentação Olá, pessoal! Tudo bem com vocês? Esta é a aula demonstrativa

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS TRANSFORMADAS DE LAPLACE

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS TRANSFORMADAS DE LAPLACE INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS TRANSFORMADAS DE LAPLACE Preliminares No estudo de sistemas de controle, e comum usar-se diagramas de blocos, como o da figura 1. Diagramas de blocos podem ser utilizados

Leia mais

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980 Questão 1. Uma venda imobiliária envolve o pagamento de 12 prestações mensais iguais a R$ 10.000,00, a primeira no ato da venda, acrescidas de uma parcela final de R$ 100.000,00, 12 meses após a venda.

Leia mais

Programa de Retomada de Conteúdo - 3º Bimestre

Programa de Retomada de Conteúdo - 3º Bimestre Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio Regular. Rua Cantagalo 313, 325, 337 e 339 Tatuapé Fones: 2293-9393 e 2293-9166 Diretoria de Ensino Região LESTE 5 Programa de Retomada de Conteúdo

Leia mais

Física Geral I - F 128 Aula 7 Energia Cinética e Trabalho. 2 o semestre, 2011

Física Geral I - F 128 Aula 7 Energia Cinética e Trabalho. 2 o semestre, 2011 Física Geral I - F 18 Aula 7 Energia Cinética e Trabalho o semestre, 011 Energia As leis de Newton permitem analisar vários movimentos. Essa análise pode ser bastante complea, necessitando de detalhes

Leia mais

Seja D R. Uma função vetorial r(t) com domínio D é uma correspondência que associa a cada número t em D exatamente um vetor r(t) em R 3

Seja D R. Uma função vetorial r(t) com domínio D é uma correspondência que associa a cada número t em D exatamente um vetor r(t) em R 3 1 Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire Cálculo Vetorial Texto 01: Funções Vetoriais Até agora nos cursos de Cálculo só tratamos de funções cujas imagens

Leia mais

(Testes intermédios e exames 2010/2011)

(Testes intermédios e exames 2010/2011) (Testes intermédios e eames 00/0) 57. Na Figura, está parte da representação gráfica da função f, de domínio +, definida por f() = log 9 () Em qual das opções seguintes está definida uma função g, de domínio,

Leia mais

Dinâmica de um Sistema de Partículas Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Dinâmica de um Sistema de Partículas Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Dinâmica de um Sistema de Partículas Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Profa. Dra. Diana Andrade & Prof. Dr. Sergio Pilling Parte 1 - Movimento Retilíneo Coordenada de posição, trajetória,

Leia mais

www.enemdescomplicado.com.br

www.enemdescomplicado.com.br Exercícios de Física Gravitação Universal 1-A lei da gravitação universal de Newton diz que: a) os corpos se atraem na razão inversa de suas massas e na razão direta do quadrado de suas distâncias. b)

Leia mais

28 de agosto de 2015. MAT140 - Cálculo I - Derivação Impĺıcita e Derivadas de Ordem Superior

28 de agosto de 2015. MAT140 - Cálculo I - Derivação Impĺıcita e Derivadas de Ordem Superior MAT140 - Cálculo I - Derivação Impĺıcita e Derivadas de Ordem Superior 28 de agosto de 2015 Derivação Impĺıcita Considere o seguinte conjunto R = {(x, y); y = 2x + 1} O conjunto R representa a reta definida

Leia mais

LISTA BÁSICA MATEMÁTICA

LISTA BÁSICA MATEMÁTICA LISTA BÁSICA Professor: ARGENTINO FÉRIAS: O ANO DATA: 0 / 06 / 0 MATEMÁTICA 6 0 6 +, + 4 é:. O valor de ( ) ( ) ( ) a) b) c) 7 d) 9 e). Considere a epressão numérica a) 9 b) 0 c) 8,00 d) 69 e) 9,00000

Leia mais

Limites e continuidade

Limites e continuidade Capítulo 3 Limites e continuidade 3.1 Limite no ponto Considere a função f() = 1 1, D f =[0, 1[ ]1, + ). Observe que esta função não é definida em =1. Contudo, fazendo suficientemente próimo de 1 (mas

Leia mais

Texto 07 - Sistemas de Partículas. A figura ao lado mostra uma bola lançada por um malabarista, descrevendo uma trajetória parabólica.

Texto 07 - Sistemas de Partículas. A figura ao lado mostra uma bola lançada por um malabarista, descrevendo uma trajetória parabólica. Texto 07 - Sistemas de Partículas Um ponto especial A figura ao lado mostra uma bola lançada por um malabarista, descrevendo uma trajetória parabólica. Porém objetos que apresentam uma geometria, diferenciada,

Leia mais

Capítulo 3 A Mecânica Clássica

Capítulo 3 A Mecânica Clássica Capítulo 3 A Mecânica Clássica AMecânica Clássica é formalmente descrita pelo físico, matemático e filósofo Isaac Newton no século XVII. Segundo ele, todos os eventos no universo são resultados de forças.

Leia mais

FUNÇÃO DE 1º GRAU. = mx + n, sendo m e n números reais. Questão 01 Dadas as funções f de IR em IR, identifique com um X, aquelas que são do 1º grau.

FUNÇÃO DE 1º GRAU. = mx + n, sendo m e n números reais. Questão 01 Dadas as funções f de IR em IR, identifique com um X, aquelas que são do 1º grau. FUNÇÃO DE 1º GRAU Veremos, a partir daqui algumas funções elementares, a primeira delas é a função de 1º grau, que estabelece uma relação de proporcionalidade. Podemos então, definir a função de 1º grau

Leia mais

4. A FUNÇÃO AFIM. Uma função f: R R chama-se afim quando existem números reais a e b tais que f(x) = ax + b para todo x R. Casos particulares

4. A FUNÇÃO AFIM. Uma função f: R R chama-se afim quando existem números reais a e b tais que f(x) = ax + b para todo x R. Casos particulares 38 4. A FUNÇÃO AFIM Uma função f: R R chama-se afim quando existem números reais a e b tais que f(x) = ax + b para todo x R. Casos particulares 1) A função identidade fr : Rdefinida por f(x) = x para todo

Leia mais

(Exames Nacionais 2000)

(Exames Nacionais 2000) (Eames Nacionais 000) 1.a) Seja [ABC] um triângulo O ângulo, assinalado na figura, tem o seu vértice no centro isósceles em que BA = BC. Seja α da Terra; o seu lado origem passa no perigeu, o seu lado

Leia mais

36 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase

36 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase 36 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase Problema 1 Turbo, o caracol, está participando de uma corrida Nos últimos 1000 mm, Turbo, que está a 1 mm por hora, se motiva e

Leia mais

a) O movimento do ciclista é um movimento uniforme, acelerado ou retardado? Justifique.

a) O movimento do ciclista é um movimento uniforme, acelerado ou retardado? Justifique. NOME: Nº. Progressão Parcial da1 a série (EM) TURMA: 21D DATA: 23/ 03/ 12 DISCIPLINA: Física PROF. : Petrônio ASSUNTO: Exercício de revisão sobre movimento acelerado VALOR: NOTA: 1) Escreva no espaço abaixo

Leia mais

PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO

PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO (Tóp. Teto Complementar) PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO 1 PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO Este teto estuda um grupo de problemas, conhecido como problemas de otimização, em tais problemas, quando possuem soluções, é

Leia mais

Exercícios Adicionais

Exercícios Adicionais Exercícios Adicionais Observação: Estes exercícios são um complemento àqueles apresentados no livro. Eles foram elaborados com o objetivo de oferecer aos alunos exercícios de cunho mais teórico. Nós recomendamos

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MATEMÁTICA 2 PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MATEMÁTICA 2 PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS 1 MATEMÁTICA PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ ESTUDO DAS DERIVADAS (CONCEITO E APLICAÇÕES) No presente capítulo, estudaremos as

Leia mais

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão III

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão III Questões COVEST Física Mecânica Prof. Rogério Porto Assunto: Cinemática em uma Dimensão III 1. Um atleta salta por cima do obstáculo na figura e seu centro de gravidade atinge a altura de 2,2 m. Atrás

Leia mais