ENILSON PALMEIRA CAVALCANTI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENILSON PALMEIRA CAVALCANTI"

Transcrição

1 ENILSON PALMEIRA CAVALCANTI Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências e Tecnologia Departamento de Ciências Atmosféricas Av. Aprígio Veloso, 88 Bodocongó Campina Grande PB Copyright 001- Enilson Palmeira Cavalcanti NOVEMBRO DE 001

2 NOTAS DE DINÂMICA DE FLUIDOS NOVEMBRO DE 001

3 Agradecimentos aos colegas Dr. Skaran Ram Patel e Dra. Maria Regina da Silva Aragão pelas sgestões apresentadas. Célia, Erika Renata, Edyla Raqel e Enilson José, dedico-lhes. 3

4 ÍNDICE Capítlo I - Características Cinemáticas do Escoamento de Flidos I.1 Conceito de Flido 01 I. O Contíno 03 I.3 Descrição Lagrangeana e Eleriana 04 I.4 Derivada Sbstantiva o Material 04 I.4.1 Derivada Sbstantiva como derivada total 04 I.4. Derivada Sbstantiva pela análise integral 05 I.5 Eqação da Continidade de Massa 07 I.6 Divergência Horizontal em Coordenadas Natrais 08 I.6.1 Interpretação da contribição do termo V s para a Divergência 09 I.6. Interpretação da contribição do termo θ n para a Divergência 09 I.7 Medidas de Rotação nm Flido 10 I.7.1 Vorticidade 10 I Interpretação da contribição do termo V R para a vorticidade 11 I.7.1. Interpretação da contribição do termo V n para a vorticidade 1 I.7. Circlação 1 I.8 Potencial de Velocidade 14 I.9 Fnção de Corrente 15 I.10 Exercícios 17 Capítlo II - Princípios de Momentm, Calor e Massa II.1 Conservação da qantidade de movimento linear 19 II.1.1 Eqação do movimento para m flido ideal o eqação de Eler 19 II Força do gradiente de pressão 19 II.1.1. Força Gravitacional 0 II.1. Eqação de Bernolli 1 4

5 II. Teorema da Circlação II.3 Eqação da Vorticidade 5 II.4 Eqação de Navier-Stokes 6 II.5 Eqação de transferência de calor 8 II.6 Eqação de transferência de vapor 31 II.7 Exercícios 3 Capítlo III - Processos na Camada Limite Sperficial III.1 Experiência de Reynolds 34 III. O conceito de camada limite 35 III..1 Espessra da camada limite 35 III.. Considerações sobre a eqação de Navier-Stokes dentro da camada limite laminar para m escoamento permanente 36 III.3 Camada limite térmica 38 III.4 Escoamento trblento 39 III.4.1 A trblência medida em relação ao tempo 39 III.4. Eqação de Reynolds 40 III.4..1 Teoria de comprimento de mistra de Pranl 4 III.4.. Perfil de velocidade nm escoamento trblento 43 III.4.3 Analogia de Reynolds para a temperatra 45 III Eqação de transferência de calor para escoamento trblento45 III.4.3. Flxo de calor na camada limite térmica trblenta 46 III.4.4 Analogia de Reynolds para o vapor III Eqação de transferência de vapor na camada limite trblenta 47 III.4.4. Flxo de vapor na camada limite trblenta 47 III.5 Exercícios 48 Capítlo IV - Análise Dimensional IV.1 Análise Dimensional 50 IV.1.1 Teorema de Bchinghan 51 5

6 IV. Exercícios 53 Bibliografia e Apêndices Bibliografia Consltada 54 A.1 Coordenadas Crvilíneas 55 A.1.1 Coordenadas Cilíndricas 56 A.1. Coordenadas Esféricas 57 Alfabeto Grego 59 6

7 CAPÍTULO I Características Cinemáticas do Escoamento de Flidos 7

8 I.1 CONCEITO DE FLUIDO Um flido é ma sbstância qe se deforma continamente qando sbmetido a ma tensão de cisalhamento, não importando o qão peqena possa ser essa tensão. Uma força de cisalhamento é a componente tangencial da força qe age sobre à sperfície e qando dividida pela área da sperfície dá origem à tensão de cisalhamento média sobre a área. Tensão de cisalhamento nm ponto é o valor limite da relação entre a força de cisalhamento e a área, qando a área tende a zero, o seja: τ lim Fx =. (I.1) δa 0 δ A Sponhamos ma sbstância confinada entre das placas paralelas bem próximas e grandes de modo qe as pertrbações nas bordas possam ser desprezadas ( Figra I.1). A placa inferior é fixa e ma força F é aplicada na placa sperior, a qal exerce ma tensão de cisalhamento Fx A na sbstância, em qe A é a área da placa sperior. Se a força Fx movimenta a placa sperior com ma velocidade (não nla) constante não importando qão peqena seja a intensidade de Fx, pode-se conclir qe a sbstância entre as das placas é m flido. y = U F δy δθ Fx PLACA FIXA ( = 0) x Figra I.1 - Placas paralelas contendo ma sbstância qe se deforma continamente qando sbmetida a ação de ma tensão de cisalhamento. Foi observado experimentalmente qe: τ δθ (I.) δ t sendo δ s= δ θδ y, tem-se qe δθ = δs δy em qe δ s δ x(figra I.). Portanto τ δ x δ t δ y e ma vez qe δ = δ x δ t pode-se reescrever I. como: τ δ δ y (I.3) A Figra I. ilstra o resltado obtido, em qe m delta de espaço é dado pelo prodto de m delta de ânglo pelo raio (no caso o δ ). y Foi observado também qe a constante de proporcionalidade é ma propriedade inerente do flido a qal chamo-se de VISCOSIDADE, simbolizada por: µ Viscosidade dinâmica; ν Viscosidade cinemática ( µ ). 8

9 Portanto, no limite tem-se θ τ = µ d (I.4) o τ = µ d. (I.5) dy δx δs δy δθ Figra I. - Visalização da propriedade trigonométrica. A eqação I.5 é conhecida como Lei de Newton da Viscosidade. Em experiências posteriores, com otros flidos, observo-se qe estes não apresentavam ma relação linear entre a tensão de cisalhamento (τ ) e a velocidade de deformação (d θ o d dy ) e sim ma do tipo: d n τ = µ ( ) (I.6) dy em qe n é m número inteiro diferente de 1. Esses flidos são classificados como não Newtonianos. Para melhor compreensão, vejamos a classificação mostrada através da Figra I.3 para flidos e otras sbstâncias. São exemplos de flidos as sbstâncias no estado líqido e gasoso. A viscosidade de m gás amenta com a temperatra, mas a viscosidade de m líqido dimini. A variação com a temperatra pode ser explicada examinando-se o mecanismo da viscosidade. A resistência de m flido ao cisalhamento depende da coesão moleclar e da velocidade de transferência da qantidade de movimento moleclar. Nm líqido, cjas moléclas estão mais próximas qe nm gás, existem forças de coesão mito maiores qe nos gases. A coesão parece ser a casa predominante da viscosidade nm líqido e como a coesão dimini com o amento da temperatra a viscosidade sege o mesmo comportamento. Por otro lado, nm gás existem forças de coesão mito peqenas, sa resistência ao cisalhamento é principalmente o resltado da qantidade de movimento moleclar qe amenta com o amento da temperatra com o conseqüente amento da viscosidade. 9

10 I. O CONTÍNUO Todos os materiais, evidentemente, são constitídos de átomos moléclas. Assim, o estdo das propriedades de m flido a partir do comportamento de sas moléclas consiste no enfoqe moleclar. O estdo de m flido a partir do enfoqe moleclar traz mitas complicações para as eqações governantes tornando-as, qase sempre, incapazes de serem solcionadas. Por esta razão é conveniente tratar o flido qe está-se lidando como m meio contíno. A hipótese do contíno consiste em abstrair-se da composição moleclar e sa conseqüente descontinidade o seja, por menor qe venha a ser ma divisão do flido, esta parte isolada deverá apresentar as mesmas propriedades qe a matéria tratada como m todo. A esta peqena parte do flido costma-se chamar de Partícla o Ponto Material. Com base na hipótese do contíno, pode-se definir densidade de m flido em m ponto como sendo o limite da razão entre δ (massa) e δ (volme) qando δ tende para m certo valor limite δ. Logo, m v v v * lim = δv δ v * δ m δ v. (I.7) Para gases e líqidos sbmetidos a condições normais, δ é da ordem de 10. Por exemplo: m volme de mm de ar nas condições normais de temperatra e pressão, contem aproximadamente moléclas de ar (número de Avogadro é igal 6, moléclas). Portanto, evidencia-se qe m volme desta ordem de grandeza é sficientemente peqeno para qe em Meteorologia, Engenharia, etc., seja tomado como sendo ma Partícla o Ponto Material enqanto qe a qantidade de moléclas existentes neste volme é sficiente para caracterizar o flido como m todo. v * 9 mm 3 No caso de gases rarefeitos, a hipótese do contíno não pode ser assmida em virtde das moléclas estarem dispersas de forma qe m volme desta ordem de grandeza pode não conter moléclas sficientes para caracterizar o gás. A hipótese do contíno permite estdar as propriedades do flido através do cálclo diferencial e (o) integral, ma vez qe continidade é fndamental na teoria do cálclo. 10

11 I.3 DESCRIÇÃO LAGRANGEANA E EULERIANA Estes dois tipos de descrições permitem analisar problemas em mecânica de flidos de das formas diferentes: 1) Descrição Lagrangeana consiste em identificar certas partíclas do flido e a partir daí observar variações de propriedades tais como temperatra; velocidade; pressão; etc. ao longo do tempo o seja, necessitase conhecer as propriedades das partíclas a medida qe estas se deslocam no espaço com o passar do tempo. Isto dificlta consideravelmente o estdo de m escoamento. A otra forma, a Eleriana, apresenta vantagens por oferecer maior simplicidade com precisões satisfatórias. ) A Descrição Eleriana é a mais apropriada para se estdar as propriedades do flido em escoamento. Este método consiste em fixar-se o tempo e observar-se propriedades do flido em vários pontos pré-estabelecidos podendo-se assim obter ma "visão" do comportamento do escoamento naqele instante. Repetindo-se estes procedimentos para instantes diferentes, pode-se ter m entendimento do comportamento do escoamento ao longo do tempo o seja, a tendência do comportamento do escoamento. Em Meteorologia, por exemplo, o escoamento do ar, em geral, é estdado pelo método Eleriano. As Estações Meteorológicas representam pontos pré-fixados do espaço e para certos instantes determinados pela Organização Meteorológica Mndial (OMM) são feitas observações de parâmetros, tais como: temperatra; pressão; vento; midade do ar; etc. qe irão descrever as características do escoamento atmosférico. O conceito de trajetória está ligado à Descrição Lagrangeana enqanto qe o conceito de linhas de corrente está ligado à Descrição Eleriana. Trajetória: dx = dy = v (I.8) dz = w. Linhas de corrente: dx = dy dz v = w. (I.9) I.4 DERIVADA SUBSTANTIVA OU MATERIAL Vejamos aqi dois enfoqes diferentes, m tilizando-se do cálclo diferencial e o otro do cálclo integral. I.4.1 A DERIVADA SUBSTANTIVA COMO DERIVADA TOTAL Considere a Descrição Eleriana f=f(x,y,z,t) qe descreve o campo da propriedade f. O incremento infinitesimal df é dado pela diferencial total como df = f (I.10) x dx + f y dy + f z dz + f t d t em qe os incrementos, dx, dy e dz são arbitrariamente independentes. Dividindo ambos os membros da eqação I.10 por, tem-se 11

12 df f f dx f dy = t x y f z dz (I.11) ma vez qe = dx/; v = dy/ e w = dz/ a eqação I.11 pode ser reescrita como df f f f = + + v +w f t x y z (I.1) o, de forma mais compacta, simplesmente por df f = + V. f (I.13) t em qe V = i + vj + w k. Esta expressão é conhecida como derivada sbstantiva o material, em qe d = + + v +w é simplesmente m operador. t x y z O termo f t é a taxa de variação local da propriedade f e o termo V. f é a taxa de variação advectiva (advecção) da propriedade f. Portanto a taxa de variação sbstantiva é dada pela soma da taxa de variação local e da advecção. I.4. DERIVADA SUBSTANTIVA PELA ANÁLISE INTEGRAL Neste caso iremos tilizar m volme de controle qalqer para a formlação da taxa de variação total em termos de parâmetros integrais. Seja N o valor de algma grandeza associada ao sistema no instante t (massa, energia, qantidade de movimento, etc.) e n o valor desta grandeza por nidade de massa. Em t +δ t, (Figra I.4) o sistema constitise dos volmes II e III, enqanto no instante t ocpava os volmes I e II. A variação da grandeza N no sistema, no intervalo de tempo δ t é dado por: N N = ( n dv + n dv) ( ndv + ndv) sis ( t + δ t ) sis ( t ) ( t + δ t) ( t ) II III I II rearranjando os termos e dividindo por δ t, tem-se (I.14) N δ t ndv n dv δ t + n dv δ t n dv δ t. (I.15) sis( t + δt ) Nsis( t ) II( t + δt ) II( t ) III ( t + δt ) I ( t ) = O primeiro membro é a taxa média de variação do valor de N no sistema no intervalo de tempo δ t. No limite, qando δ t tende a zero, pode-se escrever dn/. 1

13 III II I Figra I.4 - Volme de controle e sistema para m escoamento em dois instantes diferentes. O limite da primeira parcela do segndo membro, relativo ao volme II, é pela definição de derivada parcial escrita como n dv t. (I.16) vc A parcela seginte, qe é o flxo de saída de N do volme de controle, no limite pode ser escrita como δ lim t 0 III ( t + δ t ) n dv δ t = Asaída ( ) nv. nda (I.17) Da mesma forma para o último termo da eqação, sendo qe o valor negativo indica entrada do flxo de N no volme de controle ( contrário ao vetor nitário n ). No limite tem-se lim δ t 0 I( t) n dv δ t = A( entrada ) nv. nda. (I.18) Sbstitindo-se todos os termos na eqação I.15 tem-se dn = n dv+ n V nda t. (I.19) vc sc portanto, dn/ é dado pela soma da taxa de variação de N no volme de controle mais o flxo resltante de N através da sperfície de controle. 13

14 I.5 EQUAÇÃO DA CONTINUIDADE DE MASSA Partindo do princípio de conservação de massa, em qe a massa é conservada desde qe não haja fonte nem smidoro desta, tem-se dm = 0. (I.0) Para esse caso o N m (massa), logo n = N m de em qe se concli qe n = 1. Conforme a expressão para derivada sbstantiva dm/ é dado por: dm = dv + t vc sc V. nda (I.1) portanto, na forma integral temos qe a eqação da continidade de massa é dada como t vc dv + sc V. nda = 0 (I.) sendo o primeiro termo a taxa de variação da massa no volme de controle (taxa de variação local) e o segndo termo o flxo de massa resltante qe entra (negativo) o sai (positivo) através da sperfície de controle e normal a esta. forma: Aplicando o teorema da divergência de Gass no segndo termo da eqação I., esta toma a seginte t vc dv +. Vdv = 0 (I.3) vc o ( +. V) dv = 0. (I.4) t vc A eqação da continidade de massa na forma diferencial é obtida da eqação I.4. Como essa integral é zero qem deve ser zero é o integrando. Logo, tem-se t +. V = 0 (I.5) qe desmembrando o segndo termo assme a forma t + V. +. V = 0 (I.6) o a forma d +. V = 0 (I.7) 14

15 mediante o conceito de derivada sbstantiva. forma Para m flido homogêneo ( = 0) e incompressível ( t = 0) a eqação I.6 o I.7 assme a. V = 0 (I.8) qe em termos das componentes da velocidade, fica x + v w y + z = 0. (I.9) O termo. V é chamado de divergência e é representado pelo símbolo δ. I.6 DIVERGÊNCIA HORIZONTAL EM COORDENADAS NATURAIS A divergência horizontal é dada por v δ h = +. (I.30) x y y n s θ o x Figra I.5 - Eixos cartesianos x,y e natrais s,n rotacionados de m ânglo θ e vetor velocidade associado. Com base na Figra I.5 temos qe = V cosθ, v = V sen θ logo, = ( V, θ) e v = v ( V, θ). Portanto as variações de com x e de v com y são dadas por: x v y V θ = + ; (I.31) V x θ x v V v θ = +. (I.3) V y θ y Obtendo as derivadas correspondentes tem-se x θ V = cos V sen θ θ ; (I.33) x x 15

16 v y θ V = sen + V cos θ θ. (I.34) y y Observe qe qando θ tende para zero (θ 0 ) tem-se x s e y n, logo V θ δ h = + V. (I.35) s n I.6.1 INTERPRETAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO DO TERMO V s PARA A DIVERGÊNCIA Considere o escoamento da Figra I.6, onde a intensidade da velocidade (V) é representada pelo tamanho da seta (qanto maior for o tamanho da seta maior será o valor de V). No caso (a) V s> 0 e no caso (b) V s< 0 contribindo para divergência e convergência (divergência < 0) respectivamente. (a) (b) DIVERGÊNCIA CONVERGÊNCIA Figra I.6 - Contribições para (a) divergência (b) convergência. I.6. INTERPRETAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO DO TERMO θ n PARA A DIVERGÊNCIA Considere o caso da Figra I.7 onde as linhas de corrente apresentam crvatras diferentes. Na parte a) θ n < 0 e na parte (b) θ n > 0 contribindo para convergência e divergência respectivamente. Figra I.7 - Parte (a): convergência. Parte (b): divergência. I.7 MEDIDAS DE ROTAÇÃO NUM FLUIDO I.7.1 VORTICIDADE O rotacional de m campo vetorial qalqer é dado pela aplicação do operador (nabla) ao campo vetorial sob forma de prodto vetorial o seja, F. No caso do campo vetorial ser m campo de velocidade 16

17 em m escoamento, esta medida indica a rotação existente no escoamento e é chamada de Vorticidade. A vorticidade é das vezes a velocidade de rotação, logo a Vorticidade é dada por: Resolvendo, tem-se i j k V = (I.36) x y z v w V = ( w v + + (I.37) y z ) i ( w z x ) j ( v ) x y k qe representa medidas de rotação nm escoamento e cjos eixos de rotação são i, j, k. A componente k do rotacional o seja, a rotação no plano x,y é de fndamental importância no estdo da cinemática de flidos. Representada pelo símbolo ζ (zeta) pode também ser expressa por o ζ = k.( V ) (I.38) ζ = v x y (I.39) portanto, a componente vertical da vorticidade é ma medida de rotação para m ponto do plano o seja é ma medida "microscópica" da rotação nm escoamento plano. Para ma melhor interpretação física da vorticidade ( ζ ), convém escrevê-la em coordenadas natrais. Lembrando qe = V cosθ e v = V sen θ (Figra I.5) tem-se = ( V, θ) e v = v ( V, θ) e portanto v x y v V v θ = + ; (I.40) V x θ x V θ = +. (I.41) V y θ y Logo v x y θ V = sen + V cos θ θ ; x x (I.4) θ V = cos V sen θ θ. y y (I.43) x Qando θ tende a zero, e y n. Portanto, v x s θ = V e s y = V n. (I.44) 17

18 Considerando qe δ s= R δ θ em qe R é o raio de crvatra ver (Figra I.8) logo δθ δ s= 1 R, o qe torna o termo v x = V θ s igal a V R (a crvatra K é obtida por K=1/R). Dessa maneira, a vorticidade toma a seginte forma δs δθ R Figra I.8 - δs = Rδθ ζ V = R V n. (I.45) I INTERPRETAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO DO TERMO V R PARA A VORTICIDADE Considere dois casos de escoamentos com crvatra (Figra I.9). No caso (a) a crvatra está no mesmo sentido do vetor normal nitário e portanto positiva, sendo V o módlo da velocidade V a contribição oferecida para a vorticidade é positiva. No caso (b) a crvatra está no sentido contrário ao vetor normal nitário e portanto negativa, oferecendo ma contribição negativa para a vorticidade. Figra I.9 - Contribição do termo de crvatra no caso de: (a) vorticidade positiva e b) vorticidade negativa. I.7.1. INTERPRETAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO DO TERMO V n PARA A VORTICIDADE Considere m escoamento com cisalhamento conforme mostra a Figra I.10 ( R = o K = 0). No caso (a) o termo V n > 0 contribi para vorticidade positiva (anti-horária), já no caso (b) o termo V n < 0 contribi para vorticidade negativa (horária). 18

19 Figra I.10 - Contribição do cisalhamento lateral para a vorticidade no caso de: a) vorticidade positiva e b) vorticidade negativa. Pode acontecer casos em qe existam crvatra e cisalhamento lateral de forma qe essas contribições se compensem anlando a vorticidade o se somem tornando-a máxima. A títlo de informação adicional, em Meteorologia chama-se vorticidade ciclônica qando a rotação se dá no mesmo sentido do movimento de rotação da terra e vorticidade anticiclônica caso contrário. Logo: I.7. CIRCULAÇÃO ζ> 0 Vorticidade Ciclônica no Hemisfério Norte; Vorticidade Anticiclônica no Hemisfério Sl; ζ< 0 Vorticidade Anticiclônica no Hemisfério Norte; Vorticidade Ciclônica no Hemisfério Sl. Circlação é ma medida "macroscópica" da rotação nm flido. É definida como a integral de linha do vetor velocidade tangente em cada ponto a ma determinada crva fechada ( l ) (Figra I.11). Portanto, circlação mede a rotação nma área. A expressão matemática é dada como: C = V. dl (I.46) l Figra I.11 - Linhas de corrente e crva (linha) fechada para cálclo da circlação. Por convenção o sentido de integração anti-horário é considerado positivo. Uma relação entre a circlação e vorticidade pode ser obtida, para tal considere o caso da Figra I.1 qe representa ma área qadrada e infinitesimal de lados δ e δ. x y 19

20 y x Figra I.1 - Qadrado infinitesimal para definição da relação entre circlação e vorticidade. Calclando a circlação considerando a Figra I.1 tem-se C = V. dl = dx + vdy. (I.47) l Considerando cada lado do contorno a eqação I.47 fica l v C dx v (I.48) x dx dy = + ( + ) ( + dy) dx y vdy l1 l l3 l4 rearranjando os termos e eliminando os termos igais e de sinais contrários, tem-se v C = ( (I.49) x y ) dxdy s o da forma, ma vez qe ζ = v x y, fica C = ζ da. (I.50) s Tomando a vorticidade média pode-se escrever a seginte relação entre circlação e vorticidade C C = ζ A ζ =. (I.51) A Para o caso da vorticidade nm ponto a relação existente é lim C ζ = A δa A. (I.5) A relação mostrada anteriormente já é assegrada pelo teorema de Stokes, qe para o caso da circlação l Vdl. = ( V). kda (I.53) como ζ = ( V). k, pode-se escrever I.53 como s 0

21 Vdl. = ζ da. (I.54) l s I.8 POTENCIAL DE VELOCIDADE Sendo V m campo de velocidade, tal qe seja gerado de m campo escalar φ da forma V = φ, então diz-se qe V é m campo conservativo e φ é o potencial de V o seja, φ é o potencial de velocidade. Dessa forma, o campo de velocidade qe é m campo vetorial, pode ser convertido nm campo escalar. Um vez qe V = φ, pode-se afirmar qe este campo é irrotacional, pois V = ( φ ) = 0. (I.55) A recíproca também é verdadeira, para qe exista potencial de velocidade o campo de velocidade tem qe ser irrotacional, o seja v x = y ; w y = v z ; z = w x. (I.56) Para o caso de m escoamento plano a condição de irrotacionalidade é simplesmente v x = y, qe é também a condição para qe dx + vdy seja ma diferencial exata o total, digamos d φ, logo dx + vdy = φ. (I.57) x dx φ y dy O sinal negativo é ma convenção qe faz com qe o valor de φ decresça no sentido da velocidade. Comparando os termos da eqação I.57 tem-se O qe leva à expressão φ φ = e = v. (I.58) x y V = φ. (I.59) φ Isso prova a existência de ma fnção potencial φ tal qe sa derivada em relação a qalqer direção é a componente da velocidade nessa direção. A figra potencial. I.13 exemplifica a direção e sentido do vetor velocidade potencial nm campo da fnção 1

22 Figra I.13 - Potencial de velocidade e vetor velocidade (parte irrotacional). I.9 FUNÇÃO DE CORRENTE Da eqação das linhas de corrente para m movimento horizontal, dx dy =, (I.60) v tem-se qe vdx dy = 0. Sendo ψ ma fnção de corrente, para ψ = constante pode-se escrever vdx dy = ψ x dx + ψ y dy (I.61) portanto, comparando os termos da eqação I.61 concli-se qe ψ x ψ = v; =. (I.6) y Nesse caso. V = 0 o seja, o escoamento é não divergente. Nma forma vetorial, pode-se escrever qe o campo da velocidade não divergente é dado por V = k ψ (I.63) ψ em qe k é o vetor nitário na direção vertical. A figra I.14 exemplifica a direção e sentido do vetor velocidade nm campo da fnção de corrente Figra I.14 - Fnção de corrente e vetor velocidade (parte não divergente)

23 Eqacionando as expressões correspondentes das velocidades envolvidas, a fnção de corrente e o potencial de velocidade apresentam as segintes relações ψ y = φ x ; ψ x = φ y. (I.64) Portanto, se φ o ψ for conhecida, pelas relações I.64 pode-se obter a otra fnção. Um campo de velocidade V é composto por V = V + V (I.65) ψ φ em qe V e V são as partes não divergente e irrotacional respectivamente, tal qe ψ φ. V ψ = 0 e V φ = 0 (I.66) portanto, o campo de velocidade horizontal pode ser expresso em termos de sas componentes cartesianas como ψ φ = ; y x ψ φ v =. (I.67) x y Conseqüentemente, a vorticidade e a divergência tomam as formas ζ v = = + ψ = x y ( x y ) ψ; (I.68) v δ = + = + φ =. (I.69) x y ( x y ) φ As linhas de potencial de velocidade e de fnção de corrente formam m sistema ortogonal. Para verificar a relação de ortogonalidade, basta mostrar qe as inclinações das linhas de corrente e de potencial são recíprocas negativas em qalqer interseção, o seja 1 dy dy ( ) φ= cte = ( ) ψ cte (I.70) dx = dx 3

24 I.10 EXERCÍCIOS 1 - Uma tensão de cisalhamento de 4 dinas cm casa nm flido Newtoniano ma velocidade de deformação anglar de 1 rad/seg. Qal é a viscosidade do flido. - Analise qais as dimensões de viscosidade dinâmica e viscosidade cinemática. 3 - Calcle o número de moléclas encontradas nm volme de 10 9 mm 3 de ar nas condições normais de temperatra e pressão. 4 - Dado o campo de velocidade por = x e v = y, obter as eqações paramétricas da trajetória e a eqação das linhas de corrente. Compare-as. 5 - Expliqe fisicamente o teorema de Gass para o caso de V. n da =. Vdv. sc 6 - Calcle a advecção de temperatra nos pontos A e B da figra abaixo. vc 7 - Dê o conceito de a) flido compressível e incompressível; b)flido ideal o perfeito; c) escoamento permanente e escoamento variado. 8 - Calcle a densidade média da Terra. 9 - Classifiqe as sbstâncias segndo a relação apresentada abaixo (a) τ d/dy (b) τ d/dy Mostre qe sendo V = Vt, em qe t é o vetor tangente nitário, a aceleração em coordenadas natrais é composta de ma aceleração tangencial e ma aceleração centrípeta da forma dv dv t V Kn = + em qe K é a crvatra ( K = 1 R) e n é o vetor normal nitário Dado o campo de velocidade por = x y + 3 e v = x y calclar a divergência e a vorticidade no ponto x = 1 e y = Verifiqe se o campo de velocidade horizontal dado por 4

25 y = e x + y v x = x + y satisfaz a eqação da continidade de massa para m flido incompressível Os valores da divergência horizontal para vários níveis, obtidos com base nos dados de ma radiossondagem, são dados abaixo. Pressão (hpa) divergência ( seg ) , , , , , ,0 Calclar a velocidade vertical para cada nível, assmindo ma atmosfera isotérmica com T = 00 K e condição de contorno dada por W = 0 para 1000 hpa Qal é a circlação em torno de m qadrado de 1000 Km de aresta, para m escoamento qe decresse em 1 magnitde na direção positiva do eixo y à razão de 10 m. seg / 500Km Escreva a divergência e a vorticidade em coordenadas natrais e expliqe a contribição de cada termo isoladamente O potencial de velocidade de m escoamento plano é φ = y + x y + cte. Determine a fnção de corrente desse escoamento A fnção de corrente de m escoamento plano é ψ = 9+ 6x 4y+ 7xy. Determine o potencial de velocidade φ Dada a fnção de corrente por ψ ( x, y) = cos( y) + cos( x). Obter a vorticidade para o ponto x=0 e y= Obter o campo de ψ ( x, y ) e o campo de ζ ( x, y) relacionados com a fnção dada no problema anterior. Considere os intervalos: 0 x π e 0 y π. 0 - Mostre qe as linhas de potencial de velocidade e de fnção de corrente, formam m sistema ortogonal de coordenadas. 5

26 CAPÍTULO II Princípios de Momentm, Calor e Massa 6

27 II.1 CONSERVAÇÃO DA QUANTIDADE DE MOVIMENTO LINEAR Desprezando-se as forças eletromagnéticas e eletroqimicas, as principais forças qe agem nm flido são: força devido ao gradiente de pressão (, força gravitacional ( F p ) F G ) e força viscosa ( F v ). O princípio de conservação da qantidade de movimento linear diz qe: a taxa de variação sbstantiva da qantidade de movimento é igal ao somatório das forças qe agem nm flido, logo dmv = F (II.1) em qe, mv é a qantidade de movimento linear e F é a força resltante qe age no flido. Observe qe essa expressão corresponde a segnda lei de Newton ( F = ma ) formlada na mecânica clássica. II.1.1 EQUAÇÃO DO MOVIMENTO PARA UM FLUIDO IDEAL OU EQUAÇÃO DE EULER Como se trata de m flido ideal, a viscosidade é nla ( µ=0) logo, não existe força viscosa atando, existem somente as forças devido ao gradiente de pressão e à atração gravitacional. Para se obter a variação sbstantiva da qantidade de movimento linear tem-se qe: N = mv, como n = N m concli-se qe n = V. Sbstitindo-se na expressão qe dá a variação sbstantiva, expressa por dn = ndv+ t vc sc nv. nda (II.) assme a forma dmv = Vdv + VV n da t.. (II.3) vc sc Para se obter a eqação em sa forma final, resta saber a expressão das forças devido ao gradiente de pressão e à atração gravitacional. II FORÇA DO GRADIENTE DE PRESSÃO Esta força existe devido a diferença de pressão entre pontos do flido. Logo, expressa em termos do gradiente de pressão tem a forma F p = p dv vc (II.4) onde o sinal negativo indica qe essa força ata no sentido contrário ao gradiente de pressão p. 7

28 II.1.1. FORÇA GRAVITACIONAL Esta força é obtida do prodto da massa pela aceleração da gravidade ( g). Para m volme qalqer esta força pode ser expressa como = gdv, (II.5) em qe g = g F G vc k é o vetor aceleração da gravidade e ata no sentido contrário ao vetor nitário k (vertical). Retornando à qestão da eqação II.1 e considerando o flido incompressível ( =cte.) pode-se escrever a eqação com a introdção das forças expressas anteriormente. Portanto, o t V dv + VV. n da = p dv + g dv (II.6) vc sc vc vc t 1 V dv + VV. n da = p dv + g dv vc sc vc vc (II.7) qe expressa a eqação do movimento para m flido ideal e incompressível, chamada de eqação de Eler do movimento. Aplicando o teorema da divergência de Gass ao segndo termo do lado esqerdo de II.7 e rearranjando os termos tem-se t 1 Vdv+ ( V. ) Vdv+ pdv gdv= 0 (II.8) vc vc vc vc como a soma das integrais é igal a integral da soma dos integrandos, tem-se V [ + ( V. ) V + 1 p g] dv = 0. (II.9) t vc Para se obter a eqação de Eler na forma diferencial, basta considerar qe sendo esta integral de volme igal a zero então qem deve ser nlo é o integrando. Logo, V t 1 + ( V. ) V + p g = 0 (II.10) o apresentada nma forma mais sal, por V t 1 + ( V. ) V = p+ g. (II.11) 8

29 Lembre-se qe V t é a taxa de variação local do vetor velocidade e ( V. ) V é a taxa de variação advectiva, ambas também denominadas acelerações inerciais. Os termos 1 p e g são as forças do gradiente de pressão e gravitacional, ambas por nidade de massa. A eqação II.11 é ma eqação vetorial e portanto pode ser decomposta em sas componentes cartesianas na forma t v t w t 1 + V. = 1 + V. v = p x p y ; (II.1) ; (II.13) 1 p + V. w= g ; (II.14) z o tilizando o conceito de derivada sbstantiva como d dv dw p = 1 ; (II.15) x p = 1 ; (II.16) y 1 p = g ; (II.17) z em qe d = V v t + = t + + x y +w. z é m operador qe dá a variação sbstantiva. Vale salientar qe, qando é sposto o flido estático o seja, em reposo, não existem acelerações em nenhma das direções, e portanto, d/, dv/ e dw/ são nlos. Assim, as eqações II.15 a II.17 restringem-se a p = g z (II.18) qe é a eqação para o balanço hidrostático o eqação hidrostática. II.1. EQUAÇÃO DE BERNOULLI A eqação de Bernolli é ma caso particlar da eqação de Eler, o seja, é obtida pela integração da eqação de Eler ao longo de ma linha de corrente para o caso de m escoamento permanente e potencial ( V = 0). Portanto, considerando a eqação II.11 no caso de m escoamento permanente ( V t = 0) tem-se 1 ( V. ) V = p+ g. (II.19) 9

30 Aplicando a seginte proprie dade vetorial, em qe ( V. ) V = 1 ( V. V) V ( V) caso de irrotacionalidade redz-se a ( V. ) V = 1 ( V. V), a eqação II.19 toma a forma qe no 1 1 V + p g = 0. (II.0) Integrando II.0 ao longo de ma linha de corrente ( l) na forma o V. dl + p. dl + gk. dl = l l l l l 0 (II.1) 1 d( V )+ dp + gdz = cte. (II.) l l Desta forma, tem-se qe a eqação de Bernolli é dada por V p + + gz = cte. (II.3) Em qe: 1 V energia cinética por nidade de massa; gz energia potencial por nidade de massa e 1 p energia de pressão por nidade de massa. A eqação de Bernolli expressa ma lei de conservação das energias cinética, potencial e de pressão. II. TEOREMA DA CIRCULAÇÃO forma Seja a eqação do movimento para m flido incompressível e não viscoso (eqação de Eler) na dv 1 = p+ g. (II.4) Uma vez qe o campo gravitacional é m campo conservativo, este admite fnção potencial e pode ser escrito como g = φem qe φ é o geopotencial ( φ=gz), logo dv 1 = p φ. Tomando a integral de linha da eqação II.5 em m circito fechado, tem-se dv 1. dl = p. dl dl φ. l l l (II.5). (II.6) Analisando o integrando do primeiro termo do lado esqerdo da eqação II.6 verifica-se qe dvdl (. ) dv. dl V. d ( dl = + ). (II.7) 30

31 Por sa vez, o segndo termo do lado direito de II.7 é Vd. V dv ( dv = 1 ). Portanto, tem-se finalmente dvdl (. ). dl = 1 dv ( ), (II.8) conseqüentemente dv dvdl (. ) 1. dl = dv ( ). (II.9) l l l Reescrevendo a eqação II.6 com a tilização de II.9, ela toma a seginte forma d l V. dl = 1 d( V ) 1 p. dl φ. dl (II.30) qe apresentada em termos da diferencial exata fica d l l l 1 1 Vdl. = dv ( ) dp dφ. (II.31) l l l l Sendo a circlação definida como C = V. dl e sendo a integral de linha de ma diferencial exata nm circito fechado igal a zero, a eqação II.31 redz-se a l dc = 1 dp. (II.3) l Portanto, a variação da circlação (absolta) com o tempo se dá devido a ação do termo termo SOLENOIDAL. Essa eqação expressa o teorema de Bjerknes da circlação. 1 dp, chamado de l Para melhor explicar a inflência do termo solenoidal para a variação da circlação com o tempo, vamos considerar m recipiente contendo m determinado flido aqecido por ma fonte de calor, conforme mostra a Figra II.1. Pode-se observar qe as sperfícies de pressão constante apresentam crvatras para a parte sperior do recipiente enqanto qe as sperfícies de volme específico constante apresentam crvatras no sentido oposto o seja, para o lado da fonte de calor. Figra II.1 - Corte no plano x,z mostrando linhas de interseção com sperfícies de pressão 31

32 Para qe o termo solenoidal tenha ma forma conveniente à análise da Figra II.1, ele será expresso de otra forma tilizando-se o teorema de Stokes. Logo 1 1 dp = ( p). jda. (II.33) l A Fazendo so das propriedades vetoriais e do fato de qe p = 0 pode-se escrever o termo solenoidal da seginte forma ( p α ). jda. (II.34) A Observando a Figra II. pode-se verificar qe: 1) na parte A, existe ma contribição dos solenóides com giro no sentido anti-horário e, portanto, ma contribição do termo solenoidal para a taxa de variação da circlação na região A; ) na parte B, o solenóide é nlo pois p e α são paralelos e, portanto, p α = 0; 3) na parte C, tem-se a presença de solenóides com giro no sentido horário e, portanto, ma contribição do termo solenoidal para ma taxa de variação da circlação na região C. Em resmo tem-se, movimento ascendente no centro do recipiente e movimento descendente nas bordas do mesmo. Esse efeito, apesar de esperado, esclarece a contribição do termo solenoidal. Um otro exemplo da importante contribição do termo solenoidal pode ser verificado nos casos de brisa marítima e brisa terrestre. Observe ainda qe qando as sperfícies de pressão constante são paralelas às sperfícies de volme específico, densidade o temperatra constantes o termo solenoidal é nlo e é dito qe o flido é barotrópico p = p( ). Qando existem inclinações entre estas, diz-se qe o flido é baroclínico p = p(, T) o seja, a pressão é fnção da densidade e da temperatra. Para m flido barotrópico a expressão II.3 redz-se a Figra II. - Esqema da contribição do termo solenoidal para dc/, nas regiões A, B e C. dc = 0. (II.35) Portanto, ao integrar essa eqação tem-se qe C = cte. A eqação II.35 expressa o teorema de Kelvin da Circlação: "em m flido barotrópico a circlação (absolta) se conserva com o tempo". 3

33 II.3 EQUAÇÃO DA VORTICIDADE Para se obter a eqação da vorticidade para m escoamento no plano x, y em relação a m referencial absolto, vamos tomar a eqação de Eler para a direção x e derivar com relação a y, e tomar a eqação de Eler para a direção y e derivar em relação a x. Portanto v w p ( = 1 ); (II.36) y t x y z x v v v v w v p ( = 1 ). (II.37) x t x y z y Procedendo as derivadas, sbtraindo II.36 de II.37 e arranjando devidamente os termos obtém-se ζ t ζ ζ ζ ζ v w v w + + v + w = ( + ) ( ) + x y z x y x z y z o 1 ( p p x y y x ) (II.38) dζ v w v w p ζ 1 = ( + ) ( ) + ( x y x z y z x y y (A) (B) (C) p x ) (II.39) em qe os termos representam: A - termo da divergência, B - termo de torção e C - termo solenoidal. II.4 EQUAÇÃO DE NAVIER-STOKES A eqação de Navier-Stokes consiste basicamente da eqação de Eler acrescida do termo devido ao efeito da viscosidade. Nma forma simples tem-se dv = p+ g+ F vis cos a (II.40) Para estdar a força viscosa, considera-se m volme de controle infinitesimal na forma apresentada na Figra II.3. Vejamos como se comportam as tensões em cada ma das faces do volme. 33

34 Por exemplo: σ xx significa qe a tensão de cisalhamento ata na face normal ao eixo x e na direção do eixo x, já σ significa qe a tensão de cisalhamento ata na face normal ao eixo x e na direção do eixo y, e xy assim por diante. Logo, o primeiro índice está ligado ao eixo normal a face e o segndo índice está ligado a direção da tensão em relação aos eixos coordenados. Passando agora a fazer o balanço das forças viscosas para a direção y e por analogia obter para as direções dos eixos x e z. Portanto, na direção y agem as forças viscosas segndo mostra a Figra II.4. Figra II.4 - Balanço das forças viscosas na direção do eixo y. As forças viscosas nmeradas de 1 a 6 na Figra II.4 correspondem a σyy σzy 1) ( σ yy + δy) δxδz; ) σ yyδxδz ; 3) ( σ zy + δz) δxδy; y z σxy 4) σzyδ xδy ; 5) ( σ xy + δx) δyδz 6) σ xyδyδz. x Logo a força viscosa resltante na direção do eixo y é dada por F viscos a( y ) ( σ σ σ = + + x y z Analogamente, tem-se para as direções x e z F F viscos a( x ) ( viscos a( z ) ( xy yy zy σ σ σ = + + x y z xx yx zx σ σ σ = + + x y z xz yz zz ) δδδ x y z. (II.41) ) δδδ x y z; (II.4) ) δδδ x y z. (II.43) Sbstitindo estas forças viscosas por nidade de volme nas componentes cartesianas da expressão II.40 temse d dv p σ σ xx yx σzx = x x y z ; p σxy σyy σzy = y x y z ; (II.44) (II.45) 34

35 dw p σ σ xz yz σzz = g (II.46) z x y z Por otro lado, as tensões de cisalhamento qe agem nm flido são dadas (genericamente) pela Lei de Stokes para a viscosidade, na forma σ xx µ = λ. V ; (II.47) x σ σ yy zz µ v = λ V. ; y (II.48) µ w = λ. V ; z (II.49) σ σ µ v xy = yx = ( + ); y x (II.50) σ σ µ w xz = zx = ( + ); x z (II.51) σ σ µ v w yz = zy = ( + ); z y (II.5) em qe λ é chamado de segndo coeficiente de viscosidade. Sbstitindo-se os termos de II.47 a II.5 nas eqações de II.44 a II.46 tem-se d dv µ. = p µ λ x + ( x + y + ) z + ( ) x V (. ); (II.53) µ = p v µ λ y + v v ( x + y + ) z + ( ) y V (. ); (II.54) dw µ = p w g µ λ z + w w ( x + y + ) z + ( ) z V (. ).(II.55) Para o caso de m flido incompressível o seja, para. V = 0, as eqações acima redzem-se a d dv p = + µ ; (II.56) x p = + µ v ; (II.57) y 35

36 dw p = g+ µ w; (II.58) z em qe é o operador Laplaciano e não deve-se esqecer também do operador da variação sbstantiva d/. II.5 EQUAÇÃO DE TRANSFERÊNCIA DE CALOR A transferência de calor por condção é dada pela primeira Lei de Forier como T q '. (II.59) z A Figra II.5 mostra m esqema para a transferência de calor por condção. Tomando o limite de II.59 qando z tende a zero e chamando a constante de proporcionalidade de k (condtividade térmica), tem-se Figra II.5 - Tranferência de calor por condção. T q' = k (II.60) z o sinal negativo é devido ao sentido da transferência de calor qe se dá dos altos valores de T para os mais baixos. Considerando as três direções dos eixos cartesianos tem-se qe q ' = k T. (II.61) O flxo de calor por condção pode também ser obtido da seginte forma: considere o volme e a sperfície de controle segndo a Figra II.6. Figra II.6 - Volme de controle para obtenção do flxo de calor por condção. 36

37 Logo, o flxo de calor o qantidade de calor é dado por k T. n da (II.6) sc qe, aplicando o teorema da divergência de Gass, fica k Tdv. (II.63) vc A qantidade de calor (Q) em m sistema é dada pela soma da energia interna (U) e do trabalho realizado (W), logo Q = U + W. (II.64) Pela primeira lei da termodinâmica tem-se dq c dt p d α = v + (II.65) o dq c dt dp = p α. (II.66) Essas expressões fornecem a taxa de variação de calor por nidade de massa. Portanto, o princípio de conservação de calor é dado por dq = k Tdv, (II.67) vc o desprezando-se a parte do trabalho realizado (sposto processo isobárico), por dt c p = k Td (II.68) v vc conhecida como segnda Lei de Forier para a transferência de calor nm flido. Para o caso de m flido em escoamento, aplicando-se o conceito da derivada sbstantiva expresso pela Eqação I.19 fica o c p( T dv VT. n da) k T dv (II.69) t + = vc sc vc T c p( dv +. VT dv) k T dv (II.70) t = vc vc vc o ainda para o caso de m flido incompressível 37

38 T dv V T dv K T dv t +. =. (II.71) vc vc vc II.71 é a eqação de transferência de calor para m flido incompressível, em qe K = k c p é chamado de coeficiente de difsividade térmica. Essa eqação pode ser obtida na forma diferencial considerando qe T ( + V. T K T) dv = 0. (II.7) t vc Portanto, para qe essa integral seja nla o integrando é qe deve ser nlo. Logo T + V. T = K T t (II.73) também pode ser escrita sob a forma T t T T v w T T T T = K( + + ). (II.74) x y z x y z II.6 EQUAÇÃO DE TRANSFERÊNCIA DE VAPOR A transferência de vapor por condção sege o mesmo raciocínio qe o apresentado para a transferência de calor. Portanto, chamaremos de q ma medida da qantidade de vapor (por exemplo: midade específica - q = 0,6 e ( p e ), em qe e é a pressão parcial do vapor). Logo q f q z. (II.75) Qando da igaldade, e no limite qando z tende para zero, tem-se f q = k q q z (II.76) em qe k é m coeficiente de condção de vapor. Nma forma genérica pode-se escrever q f q = k q. (II.77) q A notação em termos de m volme de controle qalqer fica f = k q. n da = k q dv. (II.78) q sc q O princípio de conservação de vapor é dado por vc q dq = k q dv+ Φ vc q (II.79) em qe Φ representa ma fonte o smidoro de vapor. 38

39 Desprezando-se fontes o smidoros de vapor e aplicando a derivada sbstantiva tem-se q dv Vq n da kq q dv t +. = (II.80) vc sc vc o q dv Vq dv kq q dv t +. = (II.81) vc vc vc qe, para o caso de m flido incompressível, toma a forma q dv V q dv Kq q dv t +. =. (II.8) vc Neste caso K = k é m coeficiente de difsividade. logo o, ainda, q q vc Para se obter essa eqação na forma diferencial, toma-se vc q ( + V. q Kq q) dv = 0 (II.83) t vc q + V. q = K q q (II.84) t q t q q v w q q q = Kq( + + x y z x y q ). (II.85) z 39

40 II.7 EXERCÍCIOS 1 - Dada a eqação de Eler na forma dv aproximação hidrostática. 1 = p+ g, obtenha as eqações cartesianas e comente a - Mostre qe a expressão da aceleração vertical de m parcela de flido com pressão p', temperatra T ' e densidade ' em m flido estático com pt, e é dada por dw ' ' = g( ) ' o dw ' g T ' = ( T ). T 3 - Escreva a eqação de Eler em coordenadas natrais. 4 - Determine a velocidade de saída no bocal instalado na parede do reservatório da figra abaixo. Determine também a vazão no bocal. 5 - Desprezando-se a resistência do ar, determine a altra alcançada por m jato d'ága vertical, cja velocidade inicial é de 1, m/s. 6 - Mostre qe para o caso dos gases, pode-se escrever dp = R ( ln p T). n da em qe n é m vetor nitário normal a área A. 7 - Mostre qe se o flido é barotrópico p = p( ), o termo solenoidal é zero. 8 - Calcle a taxa de variação da circlação para m qadrado no plano x, y com lados igais a Km cada se a temperatra amenta na direção x a ma taxa de C 00Km e a pressão amenta na direção y a ma taxa de hpa / 00Km. A pressão na origem é hpa. 9 - Obtenha a aceleração tangencial média para os dados fornecidos no problema anterior Esqematize a contribição do termo solenoidal, para os casos de brisa marítima e brisa terrestre, com relação a taxa de variação da circlação Obtenha a expressão para o perfil de velocidade em m escoamento laminar bidimensional (x, z) entre placas paralelas (fixa e móvel). Considere o escoamento permanente e qe a variação da pressão na direção do escoamento é constante. 1 - Nas condições do problema anterior, obtenha o perfil de velocidade em m tbo cilíndrico o seja obtenha =(r) em qe r é o raio do tbo. 40

41 CAPÍTULO III Processos na Camada Limite Sperficial 41

42 III.1 EXPERIÊNCIA DE REYNOLDS Examinaremos a clássica experiência de Reynolds relativa ao escoamento viscoso. Ága escoa através de m tbo de vidro, como mostra a Figra III.1, tendo a velocidade controlada por ma válvla. válvla não provoca pertrbação). Na entrada do tbo, injeta-se tinta com o mesmo peso específico qe a ága. Qando a válvla de descarga encontra-se ligeiramente aberta a tinta escoa pelo tbo de vidro sem ser pertrbada, formando m fio. Entretanto, à medida qe se abre a válvla, atinge-se ma condição em qe a tinta adqire m movimento oscilatório à proporção qe se desloca pelo tbo. Um gráfico da velocidade verss tempo em dada posição do tbo do aparelho de Reynolds poderia aparecer como mostra a Figra III.. Figra III. Série temporal da velocidade para escoamento: (a) laminar permanente, O escoamento trblento variado (não permanente) pode ser considerado como aqele em qe o campo de velocidade média mda com o tempo. Reynolds verifico qe o critério para transição de laminar para trblento dependia do diâmetro do tbo, da velocidade e do tipo de flido. Logo, crio m número admensional chamado de Número de Reynolds qe, na verdade, é a relação entre a força inercial e a força viscosa sob a forma 4

43 1 x U L UL R = e x µ µ UL = ν. (III.1) Sob condições experimentais cidadosamente controladas, sando m tbo bem liso e permitindo qe o flido permanecesse tranqüilo no tanqe por longo tempo, verifico qe o escoamento laminar pode ser mantido para número de Reynolds até cerca de Todas as experiências até o momento indicaram qe abaixo de.300 pode existir escoamento apenas laminar. Assim, acima de.300 pode ocorrer ma transição, dependendo da extensão das pertrbações locais. Chamamos a este valor (.300) número de Reynolds crítico. Entretanto, deve-se lembrar qe o R e crítico acima mencionado aplica-se apenas ao escoamento em tbos e qe deve-se efetar m estdo separado sobre condições de transição de escoamento laminar para trblento na camada limite. III. O CONCEITO DE CAMADA LIMITE Considerando o escoamento sobre ma placa plana (Figra III.3), observe qe ma região laminar se forma na borda de ataqe e cresce em espessra, como mostra o diagrama. Atinge-se em segida ma região de transição onde o escoamento mda de laminar para trblento, com o conseqüente amento de espessra da camada limite. Na região trblenta veremos qe, à medida qe nos aproximamos do contorno, a trblência dimini em tal extensão qe predominam os efeitos laminares, condzindo-nos ao conceito de ma sbcamada laminar. Você não deve ficar com a impressão de qe essas várias regiões mostradas em nosso diagrama são demarcações vivas dos diferentes escoamentos. Há na realidade ma mdança gradativa das regiões onde certos efeitos predominam para otras onde efeitos diferentes prevalecem. Ainda qe a camada limite seja delgada, ela desempenha m papel importante na dinâmica de flidos. Figra III.3 - Diagrama mostrando as camadas limites laminar e trblenta. III..1 ESPESSURA DA CAMADA LIMITE Falamos a cerca da espessra da camada limite de forma qalitativa, como a elevação acima do contorno qe cobre ma região do escoamento onde existe m grande gradiente de velocidade e, conseqüentemente, efeitos viscosos não desprezíveis. De forma bastante simples a espessra da camada limite é dada qando U 099, (III.) isso qer dizer qe a espessra da camada limite é aqela em qe a velocidade se aproxima da velocidade do escoamento livre U. 43

44 Uma otra forma de se obter ma expressão para a espessra da camada limite é considerando qe na interface entre a camada limite e o escoamento livre as forças de inércia e viscosa se eqilibram. Logo x µ z. (III.3) Portanto, em termos das dimensões, tem-se U L U µ (III.4) δ qe, resolvendo para obter o valor de δ fica L δ= (III.5) R e o genericamente como fnção de x, sob a forma x δ ( x) =. (III.6) R e III.. CONSIDERAÇÕES SOBRE A EQUAÇÃO DE NAVIER-STOKES DENTRO DA CAMADA LIMITE LAMINAR PARA UM ESCOAMENTO PERMANENTE. Considerando qe tal tipo de escoamento se dá no plano x, z, tem-se qe a eqação de Navier- Stokes (sem a presença de força externa) se restringi às expressões para essas das dimensões. Logo w p ν 1 + = + ( + ) (III.7) x z x x z w w w p w w ν 1 + = + ( + ). (III.8) x z z x z Mas, antes de qalqer coisa, vamos analisar qal é a dimensão de w. Para isso tilizaremos a eqação da continidade de massa para m flido incompressível qe, para as condições estabelecidas, fica x + w z = 0. (III.9) Portanto, integrando de 0 até δ para obter a dimensão de w, tem-se δ 0 U W, (III.10) L z δ UL o, em termos do número de Reynolds, como U W. (III.11) R e 44

45 Agora pode-se retornar e analisar cada termo das eqações III.7 e III.8. Veja: U ; (III.1) x L U U U w = ; (III.13) z R δ L 1 p x e U ; (III.14) x L ν U 1 U ν = (peqeno); (III.15) x L R L e ν U U ν = ; (III.16) δ z L w U U U = 1 (peqeno); (III.17) x L R R L e e w W 1 U w = (peqeno); (III.18) z δ R L e 1 p 1 w w w U = (peqeno); (III.19) z x z R L e ν w W 1 U ν = (peqeno); (III.0) x L 3 R L e ν w W 1 U ν = (peqeno). (III.1) δ z R L e Após essas considerações, tem-se w p + = +ν 1 ; (III.) x z x z x + w z = 0. (III.3) A eqaçõe III. jntamente com a eqação da continidade de massa III.3, formam m conjnto de eqações simplificadas para a camada limite laminar. São chamadas de eqações de Pranl para a camada limite laminar. 45

46 III.3 CAMADA LIMITE TÉRMICA A camada limite térmica pode ser entendida por analogia à camada limite disctida anteriormente. Corresponde a ma faixa do flido qe vai da sperfície de ataqe a ma altra onde o transporte de calor por advecção se eqipara ao transporte de calor por condção o seja, T T K. (III.4) x z Define-se o número de Piclet como sendo a razão entre T x e K T x. Logo P e = T x K T x UΘ L KΘ L UL =. (III.5) K Define-se também o número de Pranl como sendo a razão entre a viscosidade cinemática (ν) e o coeficiente de difsividade térmica ( K ). Logo P = ν r K (III.6) e, conseqüentemente, tem-se P R P. (III.7) e = e r Podemos agora obter ma expressão para a espessra da camada limite térmica em fnção desses números admensionais já definidos. Sendo em termos das dimensões, tem-se portanto, T T K (III.8) x z U Θ L K Θ, (III.9) δ T L L δ T = =. (III.30) P RP e e r Vejamos agora as simplificações da eqação de transferência de calor para a camada limite térmica. Para o plano x, z a eqação de transferência de calor tem a forma T t T w T T + + = K( + x z x T ). (III.31) z Logo, as dimensões de cada m dos termos são: T t U Θ ; L (III.3) 46

47 T U Θ ; (III.33) x L T W Θ w P U Θ U Θ = r ; (III.34) z δ L L T K T x K Θ = L 1 RP e r U Θ L (peqeno); (III.35) K T z T K Θ UΘ. (III.36) δ L Após essas análises, a eqação simplificada para transferência de calor na camada limite térmica é simplesmente T t + T + w T = K x z T z. (III.37) III.4 ESCOAMENTO TURBULENTO Observo-se qe ma solção teórica completa para o escoamento trblento, análoga àqela do escoamento laminar, é impossível devido a complexidade e natreza aparentemente aleatória das fltações de velocidade no escoamento trblento. Todavia, a análise semi teórica, ajdada pelos dados experimentais, será apresentada. Isso permitirá formlar m perfil de velocidade para escoamento com elevado número de Reynolds. III.4.1 A TURBULÊNCIA MEDIDA EM RELAÇÃO AO TEMPO Nm escoamento trblento, a média em relação ao tempo representa a parte bem ordenada do escoamento. Tais qantidades são as medidas por m observador mnido de instrmentos padrão. A parte fltante do escoamento é indicada pelos desvios em relação a média (Figra III.4). Figra III.4 - Série temporal da componente da velocidade para escoamento trblento: parte média e desvios. Para m determinado intervalo de tempo t (peqeno), a média é obtida por 47

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS (CTG) DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA (DEMEC) MECÂNICA DOS FLUIDOS ME6 Prof. ALEX MAURÍCIO ARAÚJO (Capítulo 5) Recife - PE Capítulo

Leia mais

Conservação de Massa. A quantidade de fluido entrando no cubo pela face y z intervalo t

Conservação de Massa. A quantidade de fluido entrando no cubo pela face y z intervalo t Conservação de Massa Em um fluido real, massa deve ser conservada não podendo ser destruída nem criada. Se a massa se conserva, o que entrou e não saiu ficou acumulado. Matematicamente nós formulamos este

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à Mecânica dos Fluidos: Conceitos Fundamentais

Capítulo 2 Introdução à Mecânica dos Fluidos: Conceitos Fundamentais Capítulo 2 Introdução à Mecânica dos Fluidos: Conceitos Fundamentais Escoamento em volta de veículo para análise de sua performance aerodinâmica. Universidade Federal Fluminense EEIMVR - VEM Mecânica dos

Leia mais

Determinante Introdução. Algumas Propriedades Definição Algébrica Equivalências Propriedades Fórmula Matriz

Determinante Introdução. Algumas Propriedades Definição Algébrica Equivalências Propriedades Fórmula Matriz ao erminante Área e em R 2 O qe é? Qais são sas propriedades? Como se calcla (Qal é a fórmla o algoritmo para o cálclo)? Para qe sere? A = matriz. P paralelogramo com arestas e. + A é a área (com sinal)

Leia mais

Realce de Imagens Domínio da Frequência. Tsang Ing Ren - tir@cin.ufpe.br UFPE - Universidade Federal de Pernambuco CIn - Centro de Informática

Realce de Imagens Domínio da Frequência. Tsang Ing Ren - tir@cin.ufpe.br UFPE - Universidade Federal de Pernambuco CIn - Centro de Informática Realce de Imagens Domínio da Freqência Tsang Ing Ren - tir@cin.fpe.br UFPE - Universidade Federal de Pernambco CIn - Centro de Informática Tópicos Introdção Série de Forier. Transformada de Forier. Transformada

Leia mais

ANÁLISE DO ESCOAMENTO DE UM FLUIDO REAL: água

ANÁLISE DO ESCOAMENTO DE UM FLUIDO REAL: água UFF Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Química e de Petróleo Integração I Prof.: Rogério Fernandes Lacerda Curso: Engenharia de Petróleo Alunos: Bárbara Vieira

Leia mais

Disciplina : Termodinâmica. Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE

Disciplina : Termodinâmica. Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE Curso: Engenharia Mecânica Disciplina : Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE Prof. Evandro Rodrigo Dário, Dr. Eng. Vazão mássica e vazão volumétrica A quantidade de massa que

Leia mais

A EQUAÇÃO DO MOVIMENTO EM OCEANOGRAFIA

A EQUAÇÃO DO MOVIMENTO EM OCEANOGRAFIA A EQUAÇÃO DO MOVIMENTO EM OCEANOGRAFIA Escrever a equação do movimento corresponde a escrever a 2ª Lei de Newton (F = ma) numa forma que possa ser aplicada à oceanografia. Esta Lei diz-nos que como resultado

Leia mais

TIPO-A FÍSICA. r 1200 v média. Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 2. Resposta: 27

TIPO-A FÍSICA. r 1200 v média. Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 2. Resposta: 27 1 FÍSICA Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 01. Considere que cerca de 70% da massa do corpo humano é constituída de água. Seja 10 N, a ordem de grandeza do número de moléculas de água no corpo de um

Leia mais

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101

Leia mais

Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx

Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de dmissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx Questão Concurso 009 Uma partícula O descreve um movimento retilíneo uniforme e está

Leia mais

Unidade V - Estática e Dinâmica dos Fluidos

Unidade V - Estática e Dinâmica dos Fluidos 49 Unidade V - Estática e Dinâmica dos Fluidos fig. V.. Atmosfera terrestre é uma camada essencialmente gasosa um fluido. Na segunda parte da figura podemos ver a um fluido em movimento escoando em um

Leia mais

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS Este curso se restringirá às discussões dos princípios básicos das ciências térmicas, que são normalmente constituídas pela termodinâmica,

Leia mais

FÍSICA BÁSICA PARA CIÊNCIAS AGRÁRIAS

FÍSICA BÁSICA PARA CIÊNCIAS AGRÁRIAS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL FÍSICA BÁSICA PARA CIÊNCIAS AGRÁRIAS Profª. Angela Emilia de Almeida Pinto Departamento de

Leia mais

Bacharelado Engenharia Civil

Bacharelado Engenharia Civil Bacharelado Engenharia Civil Disciplina: Física Geral e Experimental I Força e Movimento- Leis de Newton Prof.a: Msd. Érica Muniz Forças são as causas das modificações no movimento. Seu conhecimento permite

Leia mais

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente:

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente: Rumo ao ITA Física Análise Dimensional Ivan Guilhon Mitoso Rocha A análise dimensional é um assunto básico que estuda as grandezas físicas em geral, com respeito a suas unidades de medida. Como as grandezas

Leia mais

Arquitectura de Computadores II. Exercícios sobre pipelining

Arquitectura de Computadores II. Exercícios sobre pipelining Arqitectra de Comptadores II LESI - 3º Ano Eercícios sobre pipelining Departamento do Informática Universidade do inho Abril 22 Considere o modelo de ma arqitectra IPS com o pipeline da figra em aneo,

Leia mais

O ESTUDO DA TRANSFERÊNCIA DE CALOR NO PROCESSO DE SECAGEM DE TIJOLOS MACIÇOS

O ESTUDO DA TRANSFERÊNCIA DE CALOR NO PROCESSO DE SECAGEM DE TIJOLOS MACIÇOS O ESTUDO DA TRANSFERÊNCIA DE CALOR NO PROCESSO DE SECAGEM DE TIJOLOS MACIÇOS GT 04 Modelagem Matemática Eliangela Weber da L, IFSC Camps Chapecó, eliangela.weber@ifsc.ed.br Resmo: O trabalho apresenta

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS UNIDADE ACADÊMICA DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS UNIDADE ACADÊMICA DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS UNIDADE ACADÊMICA DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS Cadernos de Dinâmica Vol. I Prof. Manoel F. Gomes Filho Campina Grande Paraíba

Leia mais

Terceiro Experimento

Terceiro Experimento niversidade de Brasília Facldade de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica Laboratório de Mecânica dos Flidos rofessor: Francisco Ricardo da nha Monitor: Jonas ntônio lbqerqe de arvalho Terceiro

Leia mais

[65, 187, 188, 189, 190]

[65, 187, 188, 189, 190] Anexo 12 Estimativa de Incertezas [65, 187, 188, 189, 190] 1. Introdção A estimativa da incerteza associada ao resltado de ma medição envolve vários passos: a especificação da grandeza em casa, a identificação

Leia mais

LISTA 2. 4. y = e 2 x + y 1, y(0) = 1

LISTA 2. 4. y = e 2 x + y 1, y(0) = 1 MAT 01167 Equações Diferenciais LISTA Resolva: 1. x y y = x sen x. y + y tan x = x sen x cos x, y0) =. x + 1) dy dx x y = 1 4. y = e x + y 1, y0) = 1 5. x y + x + x + ) dy dx = 0 ) x 6. Resolva a equação

Leia mais

Resolução Comentada CEFET/MG - 2 semestre 2014

Resolução Comentada CEFET/MG - 2 semestre 2014 Resolução Comentada CEFET/MG - 2 semestre 2014 01 - A figura mostra um sistema massa-mola que pode oscilar livremente, sem atrito, sobre a superfície horizontal e com resistência do ar desprezível. Nesse

Leia mais

No ano de 1687 foi publicado -com o imprimatur de S. Pepys- a Philosophiae naturalis principia mathematica de Isaac Newton (1643-1727).

No ano de 1687 foi publicado -com o imprimatur de S. Pepys- a Philosophiae naturalis principia mathematica de Isaac Newton (1643-1727). 2.1-1 2 As Leis de Newton 2.1 Massa e Força No ano de 1687 foi publicado -com o imprimatur de S. Pepys- a Philosophiae naturalis principia mathematica de Isaac Newton (1643-1727). As três Leis (leges)

Leia mais

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL.1 Funções Vetoriais de Uma Variável Real Vamos agora tratar de um caso particular de funções vetoriais F : Dom(f R n R m, que são as funções vetoriais de uma

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Física 12.º ano homologado em 21/10/2004 ENSINO SECUNDÁRIO FÍSICA 12.º ANO TEMAS/DOMÍNIOS

Leia mais

MAT 2352 - Cálculo Diferencial e Integral II - 2 semestre de 2012 Registro das aulas e exercícios sugeridos - Atualizado 13.11.

MAT 2352 - Cálculo Diferencial e Integral II - 2 semestre de 2012 Registro das aulas e exercícios sugeridos - Atualizado 13.11. MT 2352 - Cálculo Diferencial e Integral II - 2 semestre de 2012 Registro das aulas e exercícios sugeridos - tualizado 13.11.2012 1. Segunda-feira, 30 de julho de 2012 presentação do curso. www.ime.usp.br/

Leia mais

FÍSICA. Questões de 01 a 04

FÍSICA. Questões de 01 a 04 GRUPO 1 TIPO A FÍS. 1 FÍSICA Questões de 01 a 04 01. Considere uma partícula presa a uma mola ideal de constante elástica k = 420 N / m e mergulhada em um reservatório térmico, isolado termicamente, com

Leia mais

Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta

Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta Aula 03: Movimento em um Plano Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta Caro aluno, olá! Neste tópico, você vai aprender sobre um tipo particular de movimento plano, o movimento circular

Leia mais

Leis de Newton INTRODUÇÃO 1 TIPOS DE FORÇA

Leis de Newton INTRODUÇÃO 1 TIPOS DE FORÇA Leis de Newton INTRODUÇÃO Isaac Newton foi um revolucionário na ciência. Teve grandes contribuições na Física, Astronomia, Matemática, Cálculo etc. Mas com certeza, uma das suas maiores contribuições são

Leia mais

1 Analise a figura a seguir, que representa o esquema de um circuito com a forma da letra U, disposto perpendicularmente à superfície da Terra.

1 Analise a figura a seguir, que representa o esquema de um circuito com a forma da letra U, disposto perpendicularmente à superfície da Terra. FÍSIC 1 nalise a figura a seguir, que representa o esquema de um circuito com a forma da letra U, disposto perpendicularmente à superfície da Terra. Esse circuito é composto por condutores ideais (sem

Leia mais

a) os módulos das velocidades angulares ωr NOTE E ADOTE

a) os módulos das velocidades angulares ωr NOTE E ADOTE 1. Um anel condutor de raio a e resistência R é colocado em um campo magnético homogêneo no espaço e no tempo. A direção do campo de módulo B é perpendicular à superfície gerada pelo anel e o sentido está

Leia mais

2 - PRIMEIRA LEI DE NEWTON: PRINCÍPIO DA INÉRCIA

2 - PRIMEIRA LEI DE NEWTON: PRINCÍPIO DA INÉRCIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA F Í S I C A II - DINÂMICA ALUNO: RA: 1 - OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DINÂMICA A Dinâmica é a parte da Mecânica que estuda os movimentos e as causas que os produzem ou os modificam.

Leia mais

Capítulo 7 Conservação de Energia

Capítulo 7 Conservação de Energia Função de mais de uma variável: Capítulo 7 Conservação de Energia Que para acréscimos pequenos escrevemos Onde usamos o símbolo da derivada parcial: significa derivar U parcialmente em relação a x, mantendo

Leia mais

3.5 Sistemas de referência não-inerciais

3.5 Sistemas de referência não-inerciais 3.5-1 3.5 Sistemas de referência não-inerciais A primeira lei de Newton não é válida em todos os sistemas de referência, ver 2.1.2, mas, sempre podemos achar sistemas de referência nos quais ela (e o resto

Leia mais

Texto 03: Campos Escalares e Vetoriais. Gradiente. Rotacional. Divergência. Campos Conservativos.

Texto 03: Campos Escalares e Vetoriais. Gradiente. Rotacional. Divergência. Campos Conservativos. 1 Unversdade Salvador UNIFACS Crsos de Engenhara Cálclo IV Profa: Ila Reboças Frere Cálclo Vetoral Teto 03: Campos Escalares e Vetoras. Gradente. Rotaconal. Dvergênca. Campos Conservatvos. Campos Escalares

Leia mais

A seguir será dada uma classificação ampla da Mecânica dos Fluidos baseada nas características físicas observáveis dos campos de escoamento.

A seguir será dada uma classificação ampla da Mecânica dos Fluidos baseada nas características físicas observáveis dos campos de escoamento. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS HIDRÁULICAS AT-087 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br A seguir será dada uma classificação ampla da Mecânica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica Elementos de Máquinas II Elementos de Apoio F T O = 0 Óleo e.sen O F h máx e Eixo Mancal L Óleo F d n h min d Q máx F pmáx p O

Leia mais

CONSERVAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA

CONSERVAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA Departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa T3 Física Experimental I - 2007/08 CONSERVAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA 1. Objectivo Verificar a conservação da energia mecânica de

Leia mais

CAMPOS CONSERVATIVOS NO PLANO

CAMPOS CONSERVATIVOS NO PLANO CAMPOS CONSERVATIVOS NO PLANO Ricardo Bianconi Primeiro Semestre de 2008 Revisado em Fevereiro de 2015 Resumo Relacionamos os conceitos de campos irrotacionais, campos conservativos e forma do domínio

Leia mais

4.1A Esboce o grá co de cada curva dada abaixo, indicando a orientação positiva. cos (1=t), para 0 < t 1 e y 0 (0) = 0. Sendo esta derivada

4.1A Esboce o grá co de cada curva dada abaixo, indicando a orientação positiva. cos (1=t), para 0 < t 1 e y 0 (0) = 0. Sendo esta derivada 4.1 Curvas Regulares 4.1A Esboce o grá co de cada curva dada abaixo, indicando a orientação positiva. (a) ~r (t) = t~i + (1 t)~j; 0 t 1 (b) ~r (t) = 2t~i + t 2 ~j; 1 t 0 (c) ~r (t) = (1=t)~i + t~j; 1 t

Leia mais

2. Cinemática vetorial

2. Cinemática vetorial 2. Cinemática vetorial Quando um objeto se desloca no espaço sem seguir uma trajetória determinada, a sua posição já não pode ser definida com uma única variável como nos exemplos estudados no capítulo

Leia mais

ENERGIA POTENCIAL E CONSERVAÇÃO DE ENERGIA Física Geral I (1108030) - Capítulo 04

ENERGIA POTENCIAL E CONSERVAÇÃO DE ENERGIA Física Geral I (1108030) - Capítulo 04 ENERGIA POTENCIAL E CONSERVAÇÃO DE ENERGIA Física Geral I (1108030) - Capítulo 04 I. Paulino* *UAF/CCT/UFCG - Brasil 2012.2 1 / 15 Sumário Trabalho e EP Energia potencial Forças conservativas Calculando

Leia mais

CQ049 : FQ IV - Eletroquímica. CQ049 FQ Eletroquímica. prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr.

CQ049 : FQ IV - Eletroquímica. CQ049 FQ Eletroquímica. prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr. CQ049 FQ Eletroquímica prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr.br 1 a estrutura I-S (água) ion central moléculas de água orientadas interações ion - dipolo

Leia mais

Mecânica dos Fluidos Fundamentos da Cinemática dos Fluidos

Mecânica dos Fluidos Fundamentos da Cinemática dos Fluidos Mecânica dos Fluidos Fundamentos da Cinemática dos Fluidos Prof. Dr. Gabriel L. Tacchi Nascimento O que estuda a Cinemática? A cinemática dos fluidos estuda o movimento dos fluidos em termos dos deslocamentos,

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 3

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 3 Linhas de Força Mencionamos na aula passada que o físico inglês Michael Faraday (79-867) introduziu o conceito de linha de força para visualizar a interação elétrica entre duas cargas. Para Faraday, as

Leia mais

Centro de Massa. Curso: Engenharia Disciplina: complementos de Física Professor: Douglas Assunto: Centro de Massa E Momento de Inércia

Centro de Massa. Curso: Engenharia Disciplina: complementos de Física Professor: Douglas Assunto: Centro de Massa E Momento de Inércia Curso: Engenharia Disciplina: complementos de Física Professor: Douglas Assunto: Centro de Massa E Momento de Inércia Centro de Massa O centro de massa de um sistema de partículas é o ponto que se move

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Unidade 1- Propriedades Básicas dos Fluidos

Mecânica dos Fluidos. Unidade 1- Propriedades Básicas dos Fluidos Mecânica dos Fluidos Unidade 1- Propriedades Básicas dos Fluidos Quais as diferenças fundamentais entre fluido e sólido? Fluido é mole e deformável Sólido é duro e muito Sólido é duro e muito pouco deformável

Leia mais

Leis de Conservação. Exemplo: Cubo de gelo de lado 2cm, volume V g. =8cm3, densidade ρ g. = 0,917 g/cm3. Massa do. ρ g = m g. m=ρ.

Leis de Conservação. Exemplo: Cubo de gelo de lado 2cm, volume V g. =8cm3, densidade ρ g. = 0,917 g/cm3. Massa do. ρ g = m g. m=ρ. Leis de Conservação Em um sistema isolado, se uma grandeza ou propriedade se mantém constante em um intervalo de tempo no qual ocorre um dado processo físico, diz-se que há conservação d a propriedade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Escola de Engenharia Industrial Metalúrgica de Volta Redonda PROVAS RESOLVIDAS DE CÁLCULO VETORIAL Professora Salete Souza de Oliveira Aluna Thais Silva de Araujo P1 Turma

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

MÓDULO 03 - PROPRIEDADES DO FLUIDOS. Bibliografia

MÓDULO 03 - PROPRIEDADES DO FLUIDOS. Bibliografia MÓDULO 03 - PROPRIEDADES DO FLUIDOS Bibliografia 1) Estática dos Fluidos Professor Dr. Paulo Sergio Catálise Editora, São Paulo, 2011 CDD-620.106 2) Introdução à Mecânica dos Fluidos Robert W. Fox & Alan

Leia mais

AS LEIS DE NEWTON PROFESSOR ANDERSON VIEIRA

AS LEIS DE NEWTON PROFESSOR ANDERSON VIEIRA CAPÍTULO 1 AS LEIS DE NEWTON PROFESSOR ANDERSON VIEIRA Talvez o conceito físico mais intuitivo que carregamos conosco, seja a noção do que é uma força. Muito embora, formalmente, seja algo bastante complicado

Leia mais

3. Duas esferas A e B de massas m A = 5 g e m B =

3. Duas esferas A e B de massas m A = 5 g e m B = Curso de pós graduação em Astrofísica Prova de admissão 1. O menor ângulo sob o qual o olho humano consegue visualizar dois pontos é da ordem de 1 (um minuto de arco). Esse ângulo recebe o nome de ângulo

Leia mais

Kcr = número crítico de Reynolds Vcr = Velocidade crítica, m/s D = Diâmetro do tubo, m ʋ = Viscosidade cinemática, m²/s

Kcr = número crítico de Reynolds Vcr = Velocidade crítica, m/s D = Diâmetro do tubo, m ʋ = Viscosidade cinemática, m²/s 1/5 NÚMERO DE REYNOLDS O número de Reynolds, embora introduzido conceitualmente em l851 por um cientista da época, tornou-se popularizado na mecânica dos fluidos pelo engenheiro hidráulico e físico Irlandes,

Leia mais

Texto 07 - Sistemas de Partículas. A figura ao lado mostra uma bola lançada por um malabarista, descrevendo uma trajetória parabólica.

Texto 07 - Sistemas de Partículas. A figura ao lado mostra uma bola lançada por um malabarista, descrevendo uma trajetória parabólica. Texto 07 - Sistemas de Partículas Um ponto especial A figura ao lado mostra uma bola lançada por um malabarista, descrevendo uma trajetória parabólica. Porém objetos que apresentam uma geometria, diferenciada,

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia

Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia Oscilações 1. Movimento Oscilatório. Cinemática do Movimento Harmônico Simples (MHS) 3. MHS e Movimento

Leia mais

Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO. Comentário: Energia de Capacitor. Comentário: Questão sobre atrito

Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO. Comentário: Energia de Capacitor. Comentário: Questão sobre atrito Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO A prova de física exigiu um bom conhecimento dos alunos. Há questões relacionadas principalmente com a investigação e compreensão dos

Leia mais

Fenômenos de Transporte

Fenômenos de Transporte Fenômenos de Transporte Prof. Leandro Alexandre da Silva Processos metalúrgicos 2012/2 Fenômenos de Transporte Prof. Leandro Alexandre da Silva Motivação O que é transporte? De maneira geral, transporte

Leia mais

Vestibular1 A melhor ajuda ao vestibulando na Internet Acesse Agora! www.vestibular1.com.br. Cinemática escalar

Vestibular1 A melhor ajuda ao vestibulando na Internet Acesse Agora! www.vestibular1.com.br. Cinemática escalar Cinemática escalar A cinemática escalar considera apenas o aspecto escalar das grandezas físicas envolvidas. Ex. A grandeza física velocidade não pode ser definida apenas por seu valor numérico e por sua

Leia mais

Departamento Formação Básica Engenharia Civil Disciplina. Matéria. Fenômenos de Transporte. Código. Carga Horária (horas-aula) 120

Departamento Formação Básica Engenharia Civil Disciplina. Matéria. Fenômenos de Transporte. Código. Carga Horária (horas-aula) 120 Departamento Curso Formação Básica Engenharia Civil Disciplina Código Fenômenos de Transporte BT1 Docentes José Gabriel França Simões (Prof. Responsável) Adriana L. S. Domingues Matéria Fenômenos de Transporte

Leia mais

CÁLCULO: VOLUME III MAURICIO A. VILCHES - MARIA LUIZA CORRÊA. Departamento de Análise - IME UERJ

CÁLCULO: VOLUME III MAURICIO A. VILCHES - MARIA LUIZA CORRÊA. Departamento de Análise - IME UERJ CÁLCULO: VOLUME III MAURICIO A. VILCHES - MARIA LUIZA CORRÊA Departamento de Análise - IME UERJ 2 Copyright by Mauricio A. Vilches Todos os direitos reservados Proibida a reprodução parcial ou total 3

Leia mais

Capítulo 5: Aplicações da Derivada

Capítulo 5: Aplicações da Derivada Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo 5: Aplicações da Derivada 5- Acréscimos e Diferenciais - Acréscimos Seja y f

Leia mais

objetivos A partícula livre Meta da aula Pré-requisitos

objetivos A partícula livre Meta da aula Pré-requisitos A partícula livre A U L A 7 Meta da aula Estudar o movimento de uma partícula quântica livre, ou seja, aquela que não sofre a ação de nenhuma força. objetivos resolver a equação de Schrödinger para a partícula

Leia mais

Complementos de Análise Matemática

Complementos de Análise Matemática Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia Departamento: Matemática Ficha prática n o 1 - Cálculo Diferencial em IR n 1. Para cada um dos seguintes subconjuntos de IR, IR 2 e IR 3, determine

Leia mais

DINÂMICA. Força Resultante: É a força que produz o mesmo efeito que todas as outras aplicadas a um corpo.

DINÂMICA. Força Resultante: É a força que produz o mesmo efeito que todas as outras aplicadas a um corpo. DINÂMICA Quando se fala em dinâmica de corpos, a imagem que vem à cabeça é a clássica e mitológica de Isaac Newton, lendo seu livro sob uma macieira. Repentinamente, uma maçã cai sobre a sua cabeça. Segundo

Leia mais

Análise Dimensional Notas de Aula

Análise Dimensional Notas de Aula Primeira Edição Análise Dimensional Notas de Aula Prof. Ubirajara Neves Fórmulas dimensionais 1 As fórmulas dimensionais são formas usadas para expressar as diferentes grandezas físicas em função das grandezas

Leia mais

= R. Sendo m = 3,3. 10 27 kg, V = 3,0. 10 7 m/s e R = 0,45m, calcula-se a intensidade da força magnética. 3,3. 10 27. (3,0. 10 7 ) 2 = (N) 0,45

= R. Sendo m = 3,3. 10 27 kg, V = 3,0. 10 7 m/s e R = 0,45m, calcula-se a intensidade da força magnética. 3,3. 10 27. (3,0. 10 7 ) 2 = (N) 0,45 37 a FÍSICA Em um cíclotron tipo de acelerador de partículas um deutério alcança velocidade final de 3,0 x 10 7 m/s, enquanto se move em um caminho circular de raio 0,45m, mantido nesse caminho por uma

Leia mais

Rotação de um corpo rígido e as equações de Euler

Rotação de um corpo rígido e as equações de Euler Rotação de um corpo rígido e as equações de Euler As componentes u x, u y e u z de um vetor u podem ser escritas em termos de produtos escalares entre u e os versores da base x, ŷ e ẑ, u x = x u, e Como

Leia mais

Física Geral I F -128

Física Geral I F -128 Física Geral I F -18 Aula 5 Força e movimento I: Leis de Newton 0 semestre, 01 Leis de Newton (Isaac Newton, 164-177) Até agora apenas descrevemos os movimentos cinemática. É impossível, no entanto, prever

Leia mais

Aula 8 Gases Ideais e Teoria Cinética

Aula 8 Gases Ideais e Teoria Cinética Aula 8 Gases Ideais e Teoria Cinética Física II 2012 UNICAMP Quadro de Joseph Wrigth of Derby (1768) representando experimento de Robert Boyle Equação de estado dos gases ideais Qualquer objeto macroscópico

Leia mais

Fuvest 2005 2ª fase FÍSICA

Fuvest 2005 2ª fase FÍSICA Fuvest 2005 2ª fase FÍSICA 1. Procedimento de segurança, em auto-estradas, recomenda que o motorista mantenha uma distância de 2 segundos do carro que está à sua frente, para que, se necessário, tenha

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

Simulação Numérica Direta de Escoamentos Transicionais e Turbulentos

Simulação Numérica Direta de Escoamentos Transicionais e Turbulentos Simulação Numérica Direta de Escoamentos Transicionais e Turbulentos Simulação numérica direta (DNS), Formalismo, Equações Navier-Stokes no espaço espectral, Considerações sobre métodos numéricos para

Leia mais

Fenômenos de transferência

Fenômenos de transferência Tratam da movimentação de uma grandeza física de um ponto para outro do espaço e dão corpo à disciplina Fenômenos de Transporte: Fenômenos de transferência Transporte de quantidade de movimento; Transporte

Leia mais

Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar)

Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar) Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar) 1. OBJETIVOS DA EXPERIÊNCIA 1) Esta aula experimental tem como objetivo o estudo do movimento retilíneo uniforme

Leia mais

OSCILAÇÕES: Movimento Harmônico Simples - M. H. S.

OSCILAÇÕES: Movimento Harmônico Simples - M. H. S. Por Prof. Alberto Ricardo Präss Adaptado de Física de Carlos Alberto Gianotti e Maria Emília Baltar OSCILAÇÕES: Movimento Harmônico Simples - M. H. S. Todo movimento que se repete em intervelos de tempo

Leia mais

p A = p B = = ρgh = h = Por outro lado, dado que a massa total de fluido despejada foi m, temos M 1 m = ρ(v 1 + V 2 ) = ρ 4 H + πd2 4 h = H = 4

p A = p B = = ρgh = h = Por outro lado, dado que a massa total de fluido despejada foi m, temos M 1 m = ρ(v 1 + V 2 ) = ρ 4 H + πd2 4 h = H = 4 Q1 (,5) Um pistão é constituído por um disco ao qual se ajusta um tubo oco cilíndrico de diâmetro d. O pistão está adaptado a um recipiente cilíndrico de diâmetro D. massa do pistão com o tubo é M e ele

Leia mais

Sistemas abertos Equações de conservação

Sistemas abertos Equações de conservação Sistemas abertos Equações de conservação Diferenças entre sistemas abertos e fechados Fluxos de massa, calor e trabalho afetam o conteúdo energético O conteúdo energético de um volume de controle pode

Leia mais

Evocar os conceitos do MRUV (movimento retilíneo uniformemente variado), do MRU (movimento retilíneo uniforme) e a decomposição de forças.

Evocar os conceitos do MRUV (movimento retilíneo uniformemente variado), do MRU (movimento retilíneo uniforme) e a decomposição de forças. 14 Curso Básico de Mecânica dos Fluidos Objetivos da segunda aula da unidade 1: Evocar os conceitos do MRUV (movimento retilíneo uniformemente variado), do MRU (movimento retilíneo uniforme) e a decomposição

Leia mais

a) O tempo total que o paraquedista permaneceu no ar, desde o salto até atingir o solo.

a) O tempo total que o paraquedista permaneceu no ar, desde o salto até atingir o solo. (MECÂNICA, ÓPTICA, ONDULATÓRIA E MECÂNICA DOS FLUIDOS) 01) Um paraquedista salta de um avião e cai livremente por uma distância vertical de 80 m, antes de abrir o paraquedas. Quando este se abre, ele passa

Leia mais

18 a QUESTÃO Valor: 0,25

18 a QUESTÃO Valor: 0,25 6 a A 0 a QUESTÃO FÍSICA 8 a QUESTÃO Valor: 0,25 6 a QUESTÃO Valor: 0,25 Entre as grandezas abaixo, a única conservada nas colisões elásticas, mas não nas inelásticas é o(a): 2Ω 2 V 8Ω 8Ω 2 Ω S R 0 V energia

Leia mais

( ) ( ) ( ( ) ( )) ( )

( ) ( ) ( ( ) ( )) ( ) Física 0 Duas partículas A e, de massa m, executam movimentos circulares uniormes sobre o plano x (x e representam eixos perpendiculares) com equações horárias dadas por xa ( t ) = a+acos ( ωt ), ( t )

Leia mais

FISICA. Justificativa: Taxa = 1,34 kw/m 2 Energia em uma hora = (1,34 kw/m 2 ).(600x10 4 m 2 ).(1 h) ~ 10 7 kw. v B. v A.

FISICA. Justificativa: Taxa = 1,34 kw/m 2 Energia em uma hora = (1,34 kw/m 2 ).(600x10 4 m 2 ).(1 h) ~ 10 7 kw. v B. v A. FISIC 01. Raios solares incidem verticalmente sobre um canavial com 600 hectares de área plantada. Considerando que a energia solar incide a uma taxa de 1340 W/m 2, podemos estimar a ordem de grandeza

Leia mais

Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo.

Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo. Medição de Vazão 1 Introdução Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo. Transporte de fluidos: gasodutos e oleodutos. Serviços

Leia mais

Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe

Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe Disciplina: Física Geral e Experimental III Curso: Engenharia de Produção Assunto: Gravitação Prof. Dr. Marcos A. P. Chagas 1. Introdução Na gravitação

Leia mais

Cálculo Vetorial. Geometria Analítica e Álgebra Linear - MA Aula 04 - Vetores. Profa Dra Emília Marques Depto de Matemática

Cálculo Vetorial. Geometria Analítica e Álgebra Linear - MA Aula 04 - Vetores. Profa Dra Emília Marques Depto de Matemática Cálclo Vetorial Estdaremos neste tópico as grandezas etoriais, sas operações, propriedades e aplicações. Este estdo se jstifica pelo fato de, na natreza, se apresentarem 2 tipo de grandezas, as escalares

Leia mais

-----> V = 73,3V. Portanto: V2 = 73,3V e V1 = 146,6V, com isso somente L1 brilhará acima do normal e provavelmente queimará.

-----> V = 73,3V. Portanto: V2 = 73,3V e V1 = 146,6V, com isso somente L1 brilhará acima do normal e provavelmente queimará. TC 3 UECE 01 FASE POF.: Célio Normando Conteúdo: Lâmpadas Incandescentes 1. A lâmpada incandescente é um dispositivo elétrico que transforma energia elétrica em energia luminosa e energia térmica. Uma

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Prof. Engº Franco Brunetti.

Mecânica dos Fluidos. Prof. Engº Franco Brunetti. Mecânica dos Fluidos. Prof. Engº Franco Brunetti. Resolução dos Exercícios. Por Josenei Godoi( Dúvidas,sugestões ou correções enviar email para joseneigodoi@yahoo.com.br). Resumo de fórmulas: - Tensão

Leia mais

Fenômenos de Transporte

Fenômenos de Transporte Objetivos Fenômenos de Transporte I - Conceitos Fundamentais Identificar o campo de atuação da disciplina. Conceituar as variáveis básicas trabalhadas em Fenômenos de Transporte. Explanar sobre os conceitos

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A L 0 H mola apoio sem atrito B A figura acima mostra um sistema composto por uma parede vertical

Leia mais

Técnicas adotas para seu estudo: soluções numéricas (CFD); experimentação (análise dimensional); teoria da camada-limite.

Técnicas adotas para seu estudo: soluções numéricas (CFD); experimentação (análise dimensional); teoria da camada-limite. Escoamento externo Técnicas adotas para seu estudo: soluções numéricas (CFD); experimentação (análise dimensional); teoria da camada-limite. Soluções numéricas, hoje um campo interessante de pesquisa e

Leia mais

Descreve um caso de implantação de um modelo para reduzir custos e melhorar planejamento de transporte e armazenagem de açúcar.

Descreve um caso de implantação de um modelo para reduzir custos e melhorar planejamento de transporte e armazenagem de açúcar. Verax consltoria VX00 090826 Logistica OtimizacaoAccar.docx Fnção: operações Segmento: commodities / logística Tema: otimização de negócios / planeamento de operações Metodologia: análise qantitativa OTIMIZAÇÃO

Leia mais

Cap. 6 - Campo Magnético e Força Magnética

Cap. 6 - Campo Magnético e Força Magnética Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Física Física III 2014/2 Cap. 6 - Campo Magnético e Força Magnética Prof. Elvis Soares Nesse capítulo, estudaremos as forças que agem em cargas elétricas

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS. DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Disciplina: FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I (MAF 2201) Prof.

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS. DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Disciplina: FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I (MAF 2201) Prof. 01 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Disciplina: FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I (MAF 2201) Prof. EDSON VAZ NOTA DE AULA III (Capítulo 7 e 8) CAPÍTULO 7 ENERGIA CINÉTICA

Leia mais

Sumário. Prefácio... xi. Prólogo A Física tira você do sério?... 1. Lei da Ação e Reação... 13

Sumário. Prefácio... xi. Prólogo A Física tira você do sério?... 1. Lei da Ação e Reação... 13 Sumário Prefácio................................................................. xi Prólogo A Física tira você do sério?........................................... 1 1 Lei da Ação e Reação..................................................

Leia mais

Difusão. Introdução Histórica

Difusão. Introdução Histórica Estas notas de aula estão fortemente baseadas no livro de T. F. Weiss (2 vols.) indicado na bibliografia. Difusão A difusão pode ser definida como o processo pelo qual uma população de partículas é transportada

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ FÍSICA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA 1 MECÂNICA COMPETÊNCIAS

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ FÍSICA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA 1 MECÂNICA COMPETÊNCIAS 1.1 Conceitos fundamentais: Posição, deslocamento, velocidade e aceleração. 1.2 Leis de Newton e suas Aplicações. 1.3 Trabalho, energia e potência. 1.4 Momento linear e impulso. UNIVERSIDADE DO ESTADO

Leia mais

Universidade Federal da Bahia

Universidade Federal da Bahia Universidade Federal da Bahia Instituto de Matemática DISCIPLINA: CALCULO B UNIDADE III - LISTA DE EXERCÍCIOS Atualizado 2008.2 Domínio, Imagem e Curvas/Superfícies de Nível y2 è [1] Determine o domínio

Leia mais