ENERGIA POTENCIAL E CONSERVAÇÃO DE ENERGIA Física Geral I ( ) - Capítulo 04

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENERGIA POTENCIAL E CONSERVAÇÃO DE ENERGIA Física Geral I (1108030) - Capítulo 04"

Transcrição

1 ENERGIA POTENCIAL E CONSERVAÇÃO DE ENERGIA Física Geral I ( ) - Capítulo 04 I. Paulino* *UAF/CCT/UFCG - Brasil / 15

2 Sumário Trabalho e EP Energia potencial Forças conservativas Calculando EP Energia Potencial Gravitacional Energia Potencial Elástica Energia Mecânica Conservação de Energia Mecânica Curva de energia potencial Trab. Forças Externa e Cons. Energia Trabalho devido à forças externas Conservação de Energia 2 / 15

3 Trabalho e Energia Potencial A energia potencial U é o tipo de energia que pode ser associada à configuração (arranjo) de um sistema que exercem forças entre si. Se a configuração do sistema se alterar, a energia potencial também será alterada. Um tipo especial de energia potencial é a energia potencial gravitacional que deve-se ao estado de separação entre objetos. Outro tipo de energia potencial que será bastante discutido neste curso é a energia potencial elástica que está associada ao estado de compressão e estiramento de um objeto elástico tipo uma mola. 3 / 15

4 Trabalho e Energia Potencial No movimento do tomate ao lado, durante a subida, sabe-se que o trabalho realizado pela força gravitacional é negativo, ou seja, a força gravitacional retira energia da energia cinética do tomate. Isto acontece até que toda a energia seja transferida completamente. Quando o tomate chega ao topo da sua trajetória, este possui apenas energia potencial gravitacional. O processo contrário acontece quando o tomate realiza o movimento de descida. Durante a descida, sabe-se que o trabalho realizado pela força gravitacional é positivo. A energia potencial, que o tomate adquirira quando chegou ao topo da trajetória, é completamente transferido para a forma de energia cinética. Desta maneira, tanto na subida, quanto na descida, a variação da energia potencial pode ser escrita por: U = W. (1) Embora, o exemplo tomado se diz respeito à energia potencial gravitacional, a Equação 1 pode ser aplicada também para um sistema de uma massa presa a uma mola. 4 / 15

5 Forças conservativas e não-conservativas Sempre que um campo vetorial qualquer G puder ser escrito como ± gradiente de uma campo escalar φ, diz-se que este campo vetorial é um campo conservativo. Matematicamente, tem-se: G = ± φ, neste caso, é o operador gradiente e pode ser escrito, em coordenadas cartesianas, por: = ˆx x ŷ y + ẑ z. O campo escalar φ é dito campo potencial de G. Em analogia a essa definição matemática, pode-se escrever a seguinte expressão: F = U, neste caso, F é a força que atua sobre o sistema. Sempre que isto for possível, diz que U é a energia potencial associada à força F e a força F é dita conservativa. 5 / 15

6 Forças conservativas e não-conservativas Admitindo que a força variável F mude apenas em uma única direção, o módulo do campo vetorial F pode ser calculado por: F (x) = du dx Quando apenas forças conservativas atuam sobre um sistema, a solução do problema pode ser significantemente simplificada, utilizando-se os conceitos de energia Seja W 1 o trabalho realizada sobre o sistema e W 2 o trabalho realizado pelo sistema. Numa situação em que W 1 = W 2, a força resultante que está realizando trabalho é conservativa. Exemplos de forças conservativas: força gravitacional, força elástica (lei de Hooke), força eletrostática, etc. Um típico exemplo de uma força não conservativa é a força de atrito. 6 / 15

7 Independência do percurso para forças conservativas O principal teste para saber se uma força é conservativa é o seguinte: O Trabalho resultante realizado por uma força conservativa sobre um sistema que se move ao longo de qualquer percurso fechado é igual a zero. O exemplo dado anteriormente sobre a subida e descida do tomate é justamente sobre um percurso fechado, no qual a tomate sai de um ponto inicial e retorna aquele mesmo ponto. Um resultado importante do teste do caminho fechado é que: O trabalho realizado por uma força conservativa sobre um sistema em movimento entre dois pontos independe do percurso seguido. Em termos matemáticos, pode-se se escrever: W ab,1 = W ab,2 (2) Para demostrar a Equação 2, faz-se o seguinte: Sabe-se que o trabalho realizado por uma força conservativa ao longo de um percurso fechado é nulo, logo portanto, W ab,1 + W ba,2 = 0, W ab,1 = W ba,2, ou seja, o trabalho realizado ao longo da trajetória de ida deve ser igual ao trabalho realizado pela trajetória de volta. 7 / 15

8 Energia Potencial Gravitacional Sabendo que a variação da energia potencial pode ser escrita por: U = W Por outro lado, o trabalho de uma força variável qualquer que atua em apenas uma direção pode ser encontrado da seguinte forma: W = xf x i F (x)dx. Desta maneira, a variação da energia potencial pode ser calculada por: U = xf x i F (x)dx. (3) Para o caso da energia potencial gravitacional tem-se que F (y) = mg, em que g é o módulo do campo gravitacional que está atuando sobre o sistema. Substituindo na Equação 3, tem-se que: U = y f y i mgdy = mg y i y dy f U = mg(y f y i ) = mg y. Tomando um ponto de referência como sendo y i = 0 correspondente a um valor de energia potencial inicial U i = 0, pode-se se escrever a enrgia potencial para um y f = y como (4) U(y) = mgy. (5) Isto quer dizer que a energia potencial gravitacional depende apenas da posição vertical y do sistema em relação à um nível de referência arbitrário. 8 / 15

9 Energia Potencial Elástica Da mesma maneira, pode-se utilizar a lei de HooKe, ou seja, F (x) = kx, para calcular a energia potencial elástica, i.e.,: U = x f x i kxdx = k y i y f U = 1 2 kx 2 f 1 2 kx 2 i. xdx Escolhendo o valor de U i = 0 em x = 0 e fazendo x f = x tem-se que (6) U(x) = 1 2 kx 2. (7) O que quer dizer que a energia potencial elástica é proporcional ao quadrado da distância de deslocamento do sistema preso à mola. 9 / 15

10 Conservação de Energia Mecânica A energia mecânica de um sistema pode ser considerada como a soma da energia cinética e a energia potencial. Ou seja, E m = U + K. (8) Quando apenas forças conservativas atuam sobre o sistema e não há transferência de energia mecânica para uma outra forma de energia. Ou seja, quando nehuma força atua sobre o sistema. Sabe-se que neste caso a variação da energia cinética pode ser calculada por: K = W (9) e ainda, a variação da energia potencial pode ser estimada por: U = W. (10) Comparando as Equações 10 e 9, pode-se escrever que: U = K U f U i = K f K i K f + U f = K i + U i E mf = E mi E m = 0. (11) Isto implica que, num sistema isolado (sem a ação de uma força externa), a energia mecânica se conserva. Portanto, pode-se relacionar a soma da energia cinética e a energia potencial em instantes distintos sem se preocupar com o movimento intermediário que o sistema foi submetido. 10 / 15

11 Leitura da curva de Energia Potencial Olhando para curva de energia potencial pode-se facilmente escrever a curva da força variável que está atuando sobre o sistema considerando a seguinte equação: F (x) = du dx. No painel (c) desta figura, o ponto x 1 é conhecido como ponto de retorno. Os pontos x 2 e x 4 são conecidos como pontos de equiĺıbrio estável. O ponto x 3 é o ponto de equiĺıbrio instável e todos os pontos à direita de x 5 são pontos de equiĺıbrio neutro. 11 / 15

12 Equiĺıbrio neutro, estável e instável Na prática, os pontos de equiĺıbrio podem ser melhor visualizados na esquema da figura abaixo. 12 / 15

13 Trabalho realizado por uma força externa Trabalho é a energia transferida para um sistema ou retirada dele por meio de uma força externa que age sobre este sistema Quando a energia é tranferida para o sistema, o trabalho é positivo. Quando a energia é retirada do sistema, o trabalho é negativo. Como tática para solução de problemas, é sempre necessário escolher adequadamente o sistema que pretende-se estudar. Para o caso de um sistema livre de forças dissipativas, pode-se calcular o trabalho devido a uma força externa por: W = K + U W = E m, isto é, o trabalho devido à força externa sem a presença de atrito pode ser calculado a partir da variação da energia mecânica do sistema. (12) 13 / 15

14 Trabalho realizado por uma força externa Considere uma força F constante que puxa um bloco ao longo de um eixo x deslocando por uma distância d e fazendo a velocidade aumentar de v 0 para v. Durante este deslocamento, o piso exerce uma força de atrito cinético constante f k sobre o bloco. Aplicando a segunda lei de Newton, pode-se escrever que: F f k = ma, em que m é a massa do bloco e a é o módulo da aceleração que atua sobre o bloco. Utilizando a equação de Toricelli, pode-se reescrever a equação acima por: Fd = 1 2 mv mv f k d, Para uma situação mais geral (por exemplo, obloco subindo numa rampa) pode-se também considerar a energia potencial, ou seja: Fd = K + U + f k d Fd = E m + f k d. (13) Porém, o termo f k d que é o trabalho realizado pala força de atrito serve, por exemplo, para aquecer a superfície enquando to bloco desliza, logo este termo pode ser considerado como sendo uma energia térmica (E Te ), portanto, W = E m + E Te, (14) que é o trabalho de uma força externa na presença do atrito. 14 / 15

15 A energia total E de uma sitema deve obedecer ao princípio de conservação de energia que diz que: A energia total de um sistema pode variar apenas através de quantidades de energia que são transferidas para o sistema ou retiradas dele. O trabalho foi a única forma de transferência de energia estudada, sendo assim, W = E = E m + E Te + E int, aqui E int é a variação de energia interna do sistema. Esta é uma lei física formulada a partir de inúmeras experimentações e nunca foi encontrado exceções à essa lei. Se o sistema estiver isolado de sua vizinhaça, a lei de conservação de energia estabelece que: A energia total E de um sistema isolado não pode variar. Conservação de Energia Desta maneira pode-se escrever que: E m + E Te + E int = 0. De onde pode-se concluir que: E m,f = E m,i E Te E int. (15) Ou seja, em um sistema isolado pode-se relacionar a energia total em um instante qualquer com a energia em outro instante sem considerar valores da energia em instantes intermediários. A potência média devida à força que atua durante um intervalo t, de uma forma mais geral pode ser escrita por: P med = E t, (16) analogamente, a potência instantânea fica: P = de dt. (17) 15 / 15

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS. DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Disciplina: FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I (MAF 2201) Prof.

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS. DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Disciplina: FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I (MAF 2201) Prof. 01 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Disciplina: FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I (MAF 2201) Prof. EDSON VAZ NOTA DE AULA III (Capítulo 7 e 8) CAPÍTULO 7 ENERGIA CINÉTICA

Leia mais

Estudaremos aqui como essa transformação pode ser entendida a partir do teorema do trabalho-energia.

Estudaremos aqui como essa transformação pode ser entendida a partir do teorema do trabalho-energia. ENERGIA POTENCIAL Uma outra forma comum de energia é a energia potencial U. Para falarmos de energia potencial, vamos pensar em dois exemplos: Um praticante de bungee-jump saltando de uma plataforma. O

Leia mais

Leis de Conservação. Exemplo: Cubo de gelo de lado 2cm, volume V g. =8cm3, densidade ρ g. = 0,917 g/cm3. Massa do. ρ g = m g. m=ρ.

Leis de Conservação. Exemplo: Cubo de gelo de lado 2cm, volume V g. =8cm3, densidade ρ g. = 0,917 g/cm3. Massa do. ρ g = m g. m=ρ. Leis de Conservação Em um sistema isolado, se uma grandeza ou propriedade se mantém constante em um intervalo de tempo no qual ocorre um dado processo físico, diz-se que há conservação d a propriedade

Leia mais

Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista.

Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista. Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista. Plantão de Atendimento Horário: terças e quintas-feiras das 14:00 às 16:00. MSN:

Leia mais

Força atrito. Forças. dissipativas

Força atrito. Forças. dissipativas Veículo motorizado 1 Trabalho Ocorrem variações predominantes de Por ex: Forças constantes Sistema Termodinâmico Onde atuam Força atrito É simultaneamente Onde atuam Sistema Mecânico Resistente Ocorrem

Leia mais

O trabalho realizado por uma força gravitacional constante sobre uma partícula é representado em termos da energia potencial U = m.

O trabalho realizado por uma força gravitacional constante sobre uma partícula é representado em termos da energia potencial U = m. Referência: Sears e Zemansky Física I Mecânica Capítulo 7: Energia Potencial e Conservação da Energia Resumo: Profas. Bárbara Winiarski Diesel Novaes. INTRODUÇÃO Neste capítulo estudaremos o conceito de

Leia mais

Estrategia de resolução de problemas

Estrategia de resolução de problemas Estrategia de resolução de problemas Sistemas Isolados (p. 222) Muitos problemas na física podem ser resolvidos usando-se o princípio de conservação de energia para um sistema isolado. Deve ser utilizado

Leia mais

1 m 2. Substituindo os valores numéricos dados para a análise do movimento do centro de massa, vem: Resposta: D. V = 2 10 3,2 V = 8 m/s

1 m 2. Substituindo os valores numéricos dados para a análise do movimento do centro de massa, vem: Resposta: D. V = 2 10 3,2 V = 8 m/s 01 De acordo com o enunciado, não há dissipação ou acréscimo de energia. Considerando que a energia citada seja a mecânica e que, no ponto de altura máxima, a velocidade seja nula, tem-se: ε ε = ' + 0

Leia mais

Energia Cinética e Trabalho

Energia Cinética e Trabalho Energia Cinética e Trabalho Disciplina: Física Geral I Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: O que significa uma força realizar um trabalho sobre

Leia mais

CONSERVAÇÃO DA ENERGIA

CONSERVAÇÃO DA ENERGIA CONSERVAÇÃO DA ENERGIA Introdução Quando um mergulhador pula de um trampolim para uma piscina, ele atinge a água com uma velocidade relativamente elevada, possuindo grande energia cinética. De onde vem

Leia mais

Capítulo 4 Trabalho e Energia

Capítulo 4 Trabalho e Energia Capítulo 4 Trabalho e Energia Este tema é, sem dúvidas, um dos mais importantes na Física. Na realidade, nos estudos mais avançados da Física, todo ou quase todos os problemas podem ser resolvidos através

Leia mais

Capítulo 7 Conservação de Energia

Capítulo 7 Conservação de Energia Função de mais de uma variável: Capítulo 7 Conservação de Energia Que para acréscimos pequenos escrevemos Onde usamos o símbolo da derivada parcial: significa derivar U parcialmente em relação a x, mantendo

Leia mais

Questões do capítulo oito que nenhum aluno pode ficar sem fazer

Questões do capítulo oito que nenhum aluno pode ficar sem fazer Questões do capítulo oito que nenhum aluno pode ficar sem fazer 1) A bola de 2,0 kg é arremessada de A com velocidade inicial de 10 m/s, subindo pelo plano inclinado. Determine a distância do ponto D até

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia

Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia Oscilações 1. Movimento Oscilatório. Cinemática do Movimento Harmônico Simples (MHS) 3. MHS e Movimento

Leia mais

APLICAÇÕES DAS EQUAÇÕES DE EULER-LAGRANGE

APLICAÇÕES DAS EQUAÇÕES DE EULER-LAGRANGE APLICAÇÕES DAS EQUAÇÕES DE EULER-LAGRANGE Eliomar Corrêa Caetano Universidade Católica de Brasília Orientador: Cláudio Manoel Gomes de Sousa RESUMO Neste trabalho estudamos três aplicações das equações

Leia mais

As leis de Newton e suas aplicações

As leis de Newton e suas aplicações As leis de Newton e suas aplicações Disciplina: Física Geral e Experimental Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: O que significa o conceito de força

Leia mais

TIPO-A FÍSICA. r 1200 v média. Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 2. Resposta: 27

TIPO-A FÍSICA. r 1200 v média. Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 2. Resposta: 27 1 FÍSICA Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 01. Considere que cerca de 70% da massa do corpo humano é constituída de água. Seja 10 N, a ordem de grandeza do número de moléculas de água no corpo de um

Leia mais

FIS-14 Lista-09 Outubro/2013

FIS-14 Lista-09 Outubro/2013 FIS-14 Lista-09 Outubro/2013 1. Quando um projétil de 7,0 kg é disparado de um cano de canhão que tem um comprimento de 2,0 m, a força explosiva sobre o projétil, quando ele está no cano, varia da maneira

Leia mais

Energia potencial e Conservação da Energia

Energia potencial e Conservação da Energia Energia potencial e Conservação da Energia Disciplina: Física Geral I Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: Como usar o conceito de energia potencial

Leia mais

Física Fácil prof. Erval Oliveira. Aluno:

Física Fácil prof. Erval Oliveira. Aluno: Física Fácil prof. Erval Oliveira Aluno: O termo trabalho utilizado na Física difere em significado do mesmo termo usado no cotidiano. Fisicamente, um trabalho só é realizado por forças aplicadas em corpos

Leia mais

Aula 29. Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil

Aula 29. Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil A integral de Riemann - Mais aplicações Aula 29 Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil 20 de Maio de 2014 Primeiro Semestre de 2014 Turma 2014106 - Engenharia Mecânica

Leia mais

Energia potencial e Conservação da Energia

Energia potencial e Conservação da Energia Energia potencial e Conservação da Energia Disciplina: Física Geral e Experimental Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: Como usar o conceito de energia

Leia mais

Unidade 10 Teoremas que relacionam trabalho e energia. Teorema da energia cinética Teorema da energia potencial Teorema da energia mecânica

Unidade 10 Teoremas que relacionam trabalho e energia. Teorema da energia cinética Teorema da energia potencial Teorema da energia mecânica Unidade 10 Teoremas que relacionam trabalho e energia Teorema da energia cinética Teorema da energia potencial Teorema da energia mecânica Teorema da nergia Cinética Quando uma força atua de forma favorável

Leia mais

Leis de Newton INTRODUÇÃO 1 TIPOS DE FORÇA

Leis de Newton INTRODUÇÃO 1 TIPOS DE FORÇA Leis de Newton INTRODUÇÃO Isaac Newton foi um revolucionário na ciência. Teve grandes contribuições na Física, Astronomia, Matemática, Cálculo etc. Mas com certeza, uma das suas maiores contribuições são

Leia mais

Energia & Trabalho. Aula 3

Energia & Trabalho. Aula 3 Todo o material disponibilizado é preparado para as disciplinas que ministramos e colocado para ser acessado livremente pelos alunos ou interessados. Solicitamos que não seja colocado em sites nãolivres.

Leia mais

Cap. 4 - Princípios da Dinâmica

Cap. 4 - Princípios da Dinâmica Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Física Física I IGM1 2014/1 Cap. 4 - Princípios da Dinâmica e suas Aplicações Prof. Elvis Soares 1 Leis de Newton Primeira Lei de Newton: Um corpo permanece

Leia mais

Bacharelado Engenharia Civil

Bacharelado Engenharia Civil Bacharelado Engenharia Civil Disciplina: Física Geral e Experimental I Força e Movimento- Leis de Newton Prof.a: Msd. Érica Muniz Forças são as causas das modificações no movimento. Seu conhecimento permite

Leia mais

1 Analise a figura a seguir, que representa o esquema de um circuito com a forma da letra U, disposto perpendicularmente à superfície da Terra.

1 Analise a figura a seguir, que representa o esquema de um circuito com a forma da letra U, disposto perpendicularmente à superfície da Terra. FÍSIC 1 nalise a figura a seguir, que representa o esquema de um circuito com a forma da letra U, disposto perpendicularmente à superfície da Terra. Esse circuito é composto por condutores ideais (sem

Leia mais

FÍSICA. Questões de 01 a 04

FÍSICA. Questões de 01 a 04 GRUPO 1 TIPO A FÍS. 1 FÍSICA Questões de 01 a 04 01. Considere uma partícula presa a uma mola ideal de constante elástica k = 420 N / m e mergulhada em um reservatório térmico, isolado termicamente, com

Leia mais

Questão 57. Questão 59. Questão 58. alternativa D. alternativa C

Questão 57. Questão 59. Questão 58. alternativa D. alternativa C OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representada por g. Quando necessário adote: para g, o valor de 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

Exemplos de aplicação das leis de Newton e Conservação do Momento Linear

Exemplos de aplicação das leis de Newton e Conservação do Momento Linear Exemplos de aplicação das leis de Newton e Conservação do Momento Linear Cálculo de resultante I Considere um corpo sobre o qual atual três forças distintas. Calcule a força resultante. F 1 = 10 N 30 F

Leia mais

2 - PRIMEIRA LEI DE NEWTON: PRINCÍPIO DA INÉRCIA

2 - PRIMEIRA LEI DE NEWTON: PRINCÍPIO DA INÉRCIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA F Í S I C A II - DINÂMICA ALUNO: RA: 1 - OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DINÂMICA A Dinâmica é a parte da Mecânica que estuda os movimentos e as causas que os produzem ou os modificam.

Leia mais

horizontal, se choca frontalmente contra a extremidade de uma mola ideal, cuja extremidade oposta está presa a uma parede vertical rígida.

horizontal, se choca frontalmente contra a extremidade de uma mola ideal, cuja extremidade oposta está presa a uma parede vertical rígida. Exercícios: Energia 01. (UEPI) Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas das frases abaixo. O trabalho realizado por uma força conservativa, ao deslocar um corpo entre dois pontos é da

Leia mais

Conservação da Energia II

Conservação da Energia II Conservação da Energia II Objetivo Contexto O objetivo deste experimento é mostrar a transformação da Energia Potencial Gravitacional em Energia Cinética, ilustrando a Conservação da Energia Mecânica.

Leia mais

a) os módulos das velocidades angulares ωr NOTE E ADOTE

a) os módulos das velocidades angulares ωr NOTE E ADOTE 1. Um anel condutor de raio a e resistência R é colocado em um campo magnético homogêneo no espaço e no tempo. A direção do campo de módulo B é perpendicular à superfície gerada pelo anel e o sentido está

Leia mais

Provas Comentadas OBF/2011

Provas Comentadas OBF/2011 PROFESSORES: Daniel Paixão, Deric Simão, Edney Melo, Ivan Peixoto, Leonardo Bruno, Rodrigo Lins e Rômulo Mendes COORDENADOR DE ÁREA: Prof. Edney Melo 1. Um foguete de 1000 kg é lançado da superfície da

Leia mais

( ) ( ) ( ( ) ( )) ( )

( ) ( ) ( ( ) ( )) ( ) Física 0 Duas partículas A e, de massa m, executam movimentos circulares uniormes sobre o plano x (x e representam eixos perpendiculares) com equações horárias dadas por xa ( t ) = a+acos ( ωt ), ( t )

Leia mais

A figura a seguir representa um atleta durante um salto com vara, em três instantes distintos

A figura a seguir representa um atleta durante um salto com vara, em três instantes distintos Energia 1-Uma pequena bola de borracha, de massa 50g, é abandonada de um ponto A situado a uma altura de 5,0m e, depois de chocar-se com o solo, eleva-se verticalmente até um ponto B, situado a 3,6m. Considere

Leia mais

3. Duas esferas A e B de massas m A = 5 g e m B =

3. Duas esferas A e B de massas m A = 5 g e m B = Curso de pós graduação em Astrofísica Prova de admissão 1. O menor ângulo sob o qual o olho humano consegue visualizar dois pontos é da ordem de 1 (um minuto de arco). Esse ângulo recebe o nome de ângulo

Leia mais

Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar)

Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar) Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar) 1. OBJETIVOS DA EXPERIÊNCIA 1) Esta aula experimental tem como objetivo o estudo do movimento retilíneo uniforme

Leia mais

LEI DA CONSERVAÇÃO DE ENERGIA MECÂNICA. LEI DA VARIAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA.

LEI DA CONSERVAÇÃO DE ENERGIA MECÂNICA. LEI DA VARIAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA. LEI DA CONSERVAÇÃO DE ENERGIA MECÂNICA. LEI DA VARIAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA. OTRABALHO REALIZADO PELO PESO DE UM CORPO E A VARIAÇÃO DA ENERGIA POTENCIAL GRAVÍTICA O que têm em comum estas duas situações?

Leia mais

Resolução Comentada CEFET/MG - 2 semestre 2014

Resolução Comentada CEFET/MG - 2 semestre 2014 Resolução Comentada CEFET/MG - 2 semestre 2014 01 - A figura mostra um sistema massa-mola que pode oscilar livremente, sem atrito, sobre a superfície horizontal e com resistência do ar desprezível. Nesse

Leia mais

Vestibular1 A melhor ajuda ao vestibulando na Internet Acesse Agora! www.vestibular1.com.br. Cinemática escalar

Vestibular1 A melhor ajuda ao vestibulando na Internet Acesse Agora! www.vestibular1.com.br. Cinemática escalar Cinemática escalar A cinemática escalar considera apenas o aspecto escalar das grandezas físicas envolvidas. Ex. A grandeza física velocidade não pode ser definida apenas por seu valor numérico e por sua

Leia mais

Os princípios fundamentais da Dinâmica

Os princípios fundamentais da Dinâmica orça, Trabalho,Quantidade de Movimento e Impulso - Série Concursos Públicos M e n u orça, Exercícios Trabalho,Quantidade propostos Testes de Movimento propostos e Impulso Os princípios fundamentais da

Leia mais

a) 1200 W b) 2600 W c) 3000 W d) 4000 W e) 6000 W

a) 1200 W b) 2600 W c) 3000 W d) 4000 W e) 6000 W TRABALHO/ POTÊNCIA 01)UTFPR- No SI (Sistema Internacional de Unidades), o trabalho realizado pela força gravitacional pode ser expressa em joules ou pelo produto: a) kg.m.s 1 b)kg.m.s 2 c) kg.m 2.s 2 d)kg.m

Leia mais

Já vimos que a energia gravitacional entre duas partículas de massas m 1 e m 2, com vetores posição em r 1 e r 2, respectivamente, é dada por

Já vimos que a energia gravitacional entre duas partículas de massas m 1 e m 2, com vetores posição em r 1 e r 2, respectivamente, é dada por Força conservativa Já vimos que a energia gravitacional entre duas partículas de massas m 1 e m 2, com vetores posição em r 1 e r 2, respectivamente, é dada por U 12 = Gm 1m 2 r 2 r 1. Vimos também que

Leia mais

E irr = P irr T. F = m p a, F = ee, = 2 10 19 14 10 19 2 10 27 C N. C kg = 14 1027 m/s 2.

E irr = P irr T. F = m p a, F = ee, = 2 10 19 14 10 19 2 10 27 C N. C kg = 14 1027 m/s 2. FÍSICA 1 É conhecido e experimentalmente comprovado que cargas elétricas aceleradas emitem radiação eletromagnética. Este efeito é utilizado na geração de ondas de rádio, telefonia celular, nas transmissões

Leia mais

Mecânica. Forças Conservativas e a Energia Mecânica

Mecânica. Forças Conservativas e a Energia Mecânica Mecânica Forças Conservativas e a Energia Mecânica Mecânica» Forças Conservativas e a Energia Mecânica 1 Forças Conservativas O trabalho realizado por uma força, quando do deslocamento de uma partícula

Leia mais

Trabalho e Conservação da Energia

Trabalho e Conservação da Energia Trabalho e Conservação da Energia Os problemas relacionados com a produção e consumo de energia ocupam diariamente os noticiários de TV, rádios e jornais e constituem uma constante preocupação do governo

Leia mais

CONSERVAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA

CONSERVAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA Departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa T3 Física Experimental I - 2007/08 CONSERVAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA 1. Objectivo Verificar a conservação da energia mecânica de

Leia mais

TRABALHO E ENERGIA PROF. JOÃO VICENTE

TRABALHO E ENERGIA PROF. JOÃO VICENTE TRABALHO E ENERGIA PRO. JOÃO VICENTE ESTAÇÃO ECOLOGICA DE PETI 1 - CONCEITO DE TRABALHO Observe a figura abaixo: d Se o corpo sofreu a ação de força durante um certo deslocamento, foi realizado no corpo

Leia mais

ENERGIA CINÉTICA E TRABALHO

ENERGIA CINÉTICA E TRABALHO ENERGIA CINÉTICA E TRABALHO O que é energia? O termo energia é tão amplo que é diícil pensar numa deinição concisa. Teoricamente, a energia é uma grandeza escalar associada ao estado de um ou mais objetos;

Leia mais

p A = p B = = ρgh = h = Por outro lado, dado que a massa total de fluido despejada foi m, temos M 1 m = ρ(v 1 + V 2 ) = ρ 4 H + πd2 4 h = H = 4

p A = p B = = ρgh = h = Por outro lado, dado que a massa total de fluido despejada foi m, temos M 1 m = ρ(v 1 + V 2 ) = ρ 4 H + πd2 4 h = H = 4 Q1 (,5) Um pistão é constituído por um disco ao qual se ajusta um tubo oco cilíndrico de diâmetro d. O pistão está adaptado a um recipiente cilíndrico de diâmetro D. massa do pistão com o tubo é M e ele

Leia mais

Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx

Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de dmissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx Questão Concurso 009 Uma partícula O descreve um movimento retilíneo uniforme e está

Leia mais

OSCILAÇÕES: Movimento Harmônico Simples - M. H. S.

OSCILAÇÕES: Movimento Harmônico Simples - M. H. S. Por Prof. Alberto Ricardo Präss Adaptado de Física de Carlos Alberto Gianotti e Maria Emília Baltar OSCILAÇÕES: Movimento Harmônico Simples - M. H. S. Todo movimento que se repete em intervelos de tempo

Leia mais

1) d = V t. d = 60. (km) = 4km 60 2) Movimento relativo: s V rel 80 60 = t = (h) = h = 12min

1) d = V t. d = 60. (km) = 4km 60 2) Movimento relativo: s V rel 80 60 = t = (h) = h = 12min OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representado por g. Quando necessário, adote: para g, o valor de 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

IME - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

IME - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR IME - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Um pequeno refrigerador para estocar vacinas está inicialmente desconectado da rede elétrica e o ar em seu interior encontra-se

Leia mais

Curso de Engenharia Civil. Física Geral e Experimental I Movimento Prof.a: Msd. Érica Muniz 1 Período

Curso de Engenharia Civil. Física Geral e Experimental I Movimento Prof.a: Msd. Érica Muniz 1 Período Curso de Engenharia Civil Física Geral e Experimental I Movimento Prof.a: Msd. Érica Muniz 1 Período Posição e Coordenada de Referência Posição é o lugar no espaço onde se situa o corpo. Imagine três pontos

Leia mais

Movimento Harmônico Simples: Exemplos (continuação)

Movimento Harmônico Simples: Exemplos (continuação) Movimento Harmônico Simples: Exemplos (continuação) O Pêndulo Físico O chamado pêndulo físico é qualquer pêndulo real. Ele consiste de um corpo rígido (com qualquer forma) suspenso por um ponto O e que

Leia mais

Lista de Exercícios - Unidade 6 Aprendendo sobre energia

Lista de Exercícios - Unidade 6 Aprendendo sobre energia Lista de Exercícios - Unidade 6 Aprendendo sobre energia Energia Cinética e Potencial 1. (UEM 01) Sobre a energia mecânica e a conservação de energia, assinale o que for correto. (01) Denomina-se energia

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 13:37. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 13:37. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Exercícios Resolvidos de Física Básica Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Doutor em Física pela Universidade Ludwig Maximilian de Munique, Alemanha Universidade Federal

Leia mais

Um capacitor não armazena apenas carga, mas também energia.

Um capacitor não armazena apenas carga, mas também energia. Capacitores e Dielétricos (continuação) Energia armazenada num capacitor Um capacitor não armazena apenas carga, mas também energia. A energia armazenada num capacitor é igual ao trabalho necessário para

Leia mais

Física 2005/2006. Capitulo 5. Trabalho e Energia

Física 2005/2006. Capitulo 5. Trabalho e Energia ísica 005/006 Capitulo 5 Trabalho e Energia Trabalho e Energia A ideia de energia está intimamente ligada à de trabalho. Intuitivamente, podemos pensar em energia como alguma coisa que se manifesta continuamente

Leia mais

UNIDADE NO SI: F Newton (N) 1 N = 1 kg. m/s² F R = 6N + 8N = 14 N F R = 7N + 3N = 4 N F 2 = 7N

UNIDADE NO SI: F Newton (N) 1 N = 1 kg. m/s² F R = 6N + 8N = 14 N F R = 7N + 3N = 4 N F 2 = 7N Disciplina de Física Aplicada A 2012/2 Curso de Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora Ms. Valéria Espíndola Lessa DINÂMICA FORÇA: LEIS DE NEWTON A partir de agora passaremos a estudar a Dinâmica, parte

Leia mais

a) O tempo total que o paraquedista permaneceu no ar, desde o salto até atingir o solo.

a) O tempo total que o paraquedista permaneceu no ar, desde o salto até atingir o solo. (MECÂNICA, ÓPTICA, ONDULATÓRIA E MECÂNICA DOS FLUIDOS) 01) Um paraquedista salta de um avião e cai livremente por uma distância vertical de 80 m, antes de abrir o paraquedas. Quando este se abre, ele passa

Leia mais

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de Física

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de Física Vestibular URGS 2015 Resolução da Prova de ísica 1. Alternativa (C) O módulo da velocidade relativa de móveis em movimentos retilíneos de sentidos opostos pode ser obtido pela expressão matemática: v r

Leia mais

DINÂMICA DO PONTO MATERIAL

DINÂMICA DO PONTO MATERIAL DINÂMICA DO PONTO MATERIAL 1.0 Conceitos Forças se comportam como vetores. Forças de Contato: Representam o resultado do contato físico entre dois corpos. Forças de Campo: Representam as forças que agem

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A L 0 H mola apoio sem atrito B A figura acima mostra um sistema composto por uma parede vertical

Leia mais

DINÂMICA. Força Resultante: É a força que produz o mesmo efeito que todas as outras aplicadas a um corpo.

DINÂMICA. Força Resultante: É a força que produz o mesmo efeito que todas as outras aplicadas a um corpo. DINÂMICA Quando se fala em dinâmica de corpos, a imagem que vem à cabeça é a clássica e mitológica de Isaac Newton, lendo seu livro sob uma macieira. Repentinamente, uma maçã cai sobre a sua cabeça. Segundo

Leia mais

3) Uma mola de constante elástica k = 400 N/m é comprimida de 5 cm. Determinar a sua energia potencial elástica.

3) Uma mola de constante elástica k = 400 N/m é comprimida de 5 cm. Determinar a sua energia potencial elástica. Lista para a Terceira U.L. Trabalho e Energia 1) Um corpo de massa 4 kg encontra-se a uma altura de 16 m do solo. Admitindo o solo como nível de referência e supondo g = 10 m/s 2, calcular sua energia

Leia mais

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_ 4.O gráfico apresentado mostra a elongação em função do tempo para um movimento harmônico simples.

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_ 4.O gráfico apresentado mostra a elongação em função do tempo para um movimento harmônico simples. Eercícios Movimento Harmônico Simples - MHS 1.Um movimento harmônico simples é descrito pela função = 7 cos(4 t + ), em unidades de Sistema Internacional. Nesse movimento, a amplitude e o período, em unidades

Leia mais

Universidade Federal do Ceará 2ª ETAPA PROVA ESPECÍFICA DE FÍSICA PROVA ESPECÍFICA DE FÍSICA. Data: 14.12.2009 Duração: 04 horas CORRETOR 1

Universidade Federal do Ceará 2ª ETAPA PROVA ESPECÍFICA DE FÍSICA PROVA ESPECÍFICA DE FÍSICA. Data: 14.12.2009 Duração: 04 horas CORRETOR 1 1ª AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO FINAL CORRETOR 1 01 02 03 04 05 06 07 08 Reservado à CCV Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV Comissão do Vestibular Reservado à CCV 2ª ETAPA PROVA ESPECÍFICA

Leia mais

1.5 O oscilador harmónico unidimensional

1.5 O oscilador harmónico unidimensional 1.5 O oscilador harmónico unidimensional A energia potencial do oscilador harmónico é da forma U = 2 2, (1.29) onde é a constante de elasticidade e a deformação da mola. Substituindo (1.29) em (1.24) obtemos

Leia mais

Questão 57. Questão 58. alternativa D. alternativa C. seu mostrador deverá indicar, para esse mesmo objeto, o valor de

Questão 57. Questão 58. alternativa D. alternativa C. seu mostrador deverá indicar, para esse mesmo objeto, o valor de OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representado por g. Quando necessário, adote: para g, o valor 10 m/s ; para a massa específica

Leia mais

Física Geral I - F 128 Aula 8: Energia Potencial e Conservação de Energia. 2 o Semestre 2012

Física Geral I - F 128 Aula 8: Energia Potencial e Conservação de Energia. 2 o Semestre 2012 Física Geal I - F 18 Aula 8: Enegia Potencial e Consevação de Enegia o Semeste 1 Q1: Tabalho e foça Analise a seguinte afimação sobe um copo, que patindo do epouso, move-se de acodo com a foça mostada

Leia mais

Física Unidade IV Balística Série 1 - Queda livre e lançamento vertical

Física Unidade IV Balística Série 1 - Queda livre e lançamento vertical 01 Em uma queda livre, a resultante das forças é o peso; assim: R = P m a = m g a = g = constante Então, se há um movimento uniformemente variado (MUV), os itens b, d, e, g e h estão corretos, e os itens

Leia mais

TURMA DE ENGENHARIA - FÍSICA

TURMA DE ENGENHARIA - FÍSICA Prof Cazuza 1 (Uff 2012) O ciclo de Stirling é um ciclo termodinâmico reversível utilizado em algumas máquinas térmicas Considere o ciclo de Stirling para 1 mol de um gás ideal monoatônico ilustrado no

Leia mais

FÍSICA DADOS. 10 v som = 340 m/s T (K) = 273 + T( o C) s. 27) U = Q τ. 18) ρ = 30) A = = R. 45) ε = 09) 34) V AB 36) Instruções:

FÍSICA DADOS. 10 v som = 340 m/s T (K) = 273 + T( o C) s. 27) U = Q τ. 18) ρ = 30) A = = R. 45) ε = 09) 34) V AB 36) Instruções: FÍSIA DADOS m 9 N.m g = 0 k 0 = 9,0 0 s 8 m c = 3,0 0 v som = 340 m/s T (K) = 73 + T( o ) s 0) d = d 0 + v 0 t + at 3) τ = E c 5) Q = ml 37) eq = + +... + n 0) v = v 0 + at 4) F = kx 6) τ = P V 03) v =

Leia mais

FEP2195 - Física Geral e Experimental para Engenharia I

FEP2195 - Física Geral e Experimental para Engenharia I FEP195 - Física Geral e Experimental para Engenharia I Prova Substitutiva - Gabarito 1. Um corpo de massa m, enfiado em um aro circular de raio R situado em um plano vertical, está preso por uma mola de

Leia mais

Código: FISAP Disciplina: Física Aplicada Preceptores: Marisa Sayuri e Rodrigo Godoi Semana: 05/11/2015 14/11/2015

Código: FISAP Disciplina: Física Aplicada Preceptores: Marisa Sayuri e Rodrigo Godoi Semana: 05/11/2015 14/11/2015 Código: FISAP Disciplina: Física Aplicada Preceptores: Marisa Sayuri e Rodrigo Godoi Semana: 05/11/2015 14/11/2015 1) Certo dia, uma escaladora de montanhas de 75 kg sobe do nível de 1500 m de um rochedo

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa E. alternativa C

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa E. alternativa C Questão 46 O movimento de uma partícula é caracterizado por ter vetor velocidade e vetor aceleração não nulo de mesma direção. Nessas condições, podemos afirmar que esse movimento é a) uniforme. b) uniformemente

Leia mais

No ano de 1687 foi publicado -com o imprimatur de S. Pepys- a Philosophiae naturalis principia mathematica de Isaac Newton (1643-1727).

No ano de 1687 foi publicado -com o imprimatur de S. Pepys- a Philosophiae naturalis principia mathematica de Isaac Newton (1643-1727). 2.1-1 2 As Leis de Newton 2.1 Massa e Força No ano de 1687 foi publicado -com o imprimatur de S. Pepys- a Philosophiae naturalis principia mathematica de Isaac Newton (1643-1727). As três Leis (leges)

Leia mais

AULA 3 FORÇA ELÉTRICA. O conceito de força é a capacidade de provocar a mudança de intensidade, direção e sentido da velocidade.

AULA 3 FORÇA ELÉTRICA. O conceito de força é a capacidade de provocar a mudança de intensidade, direção e sentido da velocidade. AULA 3 FORÇA ELÉTRICA O conceito de força é a capacidade de provocar a mudança de intensidade, direção e sentido da velocidade. - Um objeto em repouso (v= 0) entra em movimento, mediante a aplicação de

Leia mais

Você acha que o rapaz da figura abaixo está fazendo força?

Você acha que o rapaz da figura abaixo está fazendo força? Aula 04: Leis de Newton e Gravitação Tópico 02: Segunda Lei de Newton Como você acaba de ver no Tópico 1, a Primeira Lei de Newton ou Princípio da Inércia diz que todo corpo livre da ação de forças ou

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

γ = 5,0m/s 2 2) Cálculo da distância percorrida para a velocidade escalar reduzir-se de 30m/s para 10m/s. V 2 2

γ = 5,0m/s 2 2) Cálculo da distância percorrida para a velocidade escalar reduzir-se de 30m/s para 10m/s. V 2 2 OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representado por g. Quando necessário, adote: para g, o valor 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

Física Geral I F -128

Física Geral I F -128 Física Geral I F -18 Aula 5 Força e movimento I: Leis de Newton 0 semestre, 01 Leis de Newton (Isaac Newton, 164-177) Até agora apenas descrevemos os movimentos cinemática. É impossível, no entanto, prever

Leia mais

Texto 07 - Sistemas de Partículas. A figura ao lado mostra uma bola lançada por um malabarista, descrevendo uma trajetória parabólica.

Texto 07 - Sistemas de Partículas. A figura ao lado mostra uma bola lançada por um malabarista, descrevendo uma trajetória parabólica. Texto 07 - Sistemas de Partículas Um ponto especial A figura ao lado mostra uma bola lançada por um malabarista, descrevendo uma trajetória parabólica. Porém objetos que apresentam uma geometria, diferenciada,

Leia mais

APOSTILA DE FÍSICA BÁSICA PARA E.J.A.

APOSTILA DE FÍSICA BÁSICA PARA E.J.A. CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE CURITIBA C.E.E.P CURITIBA APOSTILA DE FÍSICA BÁSICA PARA E.J.A. Modalidades: Integrado Subseqüente Proeja Autor: Ronald Wykrota (wykrota@uol.com.br) Curitiba

Leia mais

Trabalho. a) F; b) peso c) força normal; d) força de atrito; e) resultante das forças.

Trabalho. a) F; b) peso c) força normal; d) força de atrito; e) resultante das forças. Trabalho 1- Um corpo de massa igual 20Kg deslocava-se para a direita sobre um plano horizontal rugoso. Sobre o corpo é, então, aplicada uma força F, horizontal, constante de módulo igual a 100N. O módulo

Leia mais

FISICA. Justificativa: Taxa = 1,34 kw/m 2 Energia em uma hora = (1,34 kw/m 2 ).(600x10 4 m 2 ).(1 h) ~ 10 7 kw. v B. v A.

FISICA. Justificativa: Taxa = 1,34 kw/m 2 Energia em uma hora = (1,34 kw/m 2 ).(600x10 4 m 2 ).(1 h) ~ 10 7 kw. v B. v A. FISIC 01. Raios solares incidem verticalmente sobre um canavial com 600 hectares de área plantada. Considerando que a energia solar incide a uma taxa de 1340 W/m 2, podemos estimar a ordem de grandeza

Leia mais

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de?

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de? Física 01. Um fio metálico e cilíndrico é percorrido por uma corrente elétrica constante de. Considere o módulo da carga do elétron igual a. Expressando a ordem de grandeza do número de elétrons de condução

Leia mais

Física. Física Módulo 1 Leis de Newton

Física. Física Módulo 1 Leis de Newton Física Módulo 1 Leis de Newton Cinemática x Dinâmica: A previsão dos movimentos Até agora apenas descrevemos os movimentos : cinemática É impossível, no entanto, prever movimentos somente usando a cinemática.

Leia mais

Trabalho e potência. 1º caso: a força F não é paralela a d. 2º caso: a força F é paralela a d. 3º caso: a força F é perpendicular a d

Trabalho e potência. 1º caso: a força F não é paralela a d. 2º caso: a força F é paralela a d. 3º caso: a força F é perpendicular a d Trabalho e potência Trabalho mecânico Realizar trabalho, em Física, implica a transferência de energia de um sistema para outro e, para que isso ocorra, são necessários uma força e um deslocamento adequados.

Leia mais

Física Geral I - F 128 Aula 7 Energia Cinética e Trabalho. 2 o semestre, 2011

Física Geral I - F 128 Aula 7 Energia Cinética e Trabalho. 2 o semestre, 2011 Física Geral I - F 18 Aula 7 Energia Cinética e Trabalho o semestre, 011 Energia As leis de Newton permitem analisar vários movimentos. Essa análise pode ser bastante complea, necessitando de detalhes

Leia mais

Ec = 3. 10 5 J. Ec = m v 2 /2

Ec = 3. 10 5 J. Ec = m v 2 /2 GOIÂNIA, / / 015 PROFESSOR: MARIO NETO DISCIPLINA:CIÊNCIA NATURAIS SÉRIE: 9º ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Uma das formas de energia, que chamamos de energia mecânica, que pode ser das seguintes

Leia mais

AS LEIS DE NEWTON PROFESSOR ANDERSON VIEIRA

AS LEIS DE NEWTON PROFESSOR ANDERSON VIEIRA CAPÍTULO 1 AS LEIS DE NEWTON PROFESSOR ANDERSON VIEIRA Talvez o conceito físico mais intuitivo que carregamos conosco, seja a noção do que é uma força. Muito embora, formalmente, seja algo bastante complicado

Leia mais

-----> V = 73,3V. Portanto: V2 = 73,3V e V1 = 146,6V, com isso somente L1 brilhará acima do normal e provavelmente queimará.

-----> V = 73,3V. Portanto: V2 = 73,3V e V1 = 146,6V, com isso somente L1 brilhará acima do normal e provavelmente queimará. TC 3 UECE 01 FASE POF.: Célio Normando Conteúdo: Lâmpadas Incandescentes 1. A lâmpada incandescente é um dispositivo elétrico que transforma energia elétrica em energia luminosa e energia térmica. Uma

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 3.º

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 3.º ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 3.º teste sumativo de FQA 16.dezembro.01 11.º Ano Turma A Professor: Maria do Anjo Albuquerque Duração da prova: 90 minutos. Este teste é constituído por 8 páginas e termina

Leia mais

Prof. Rogério Porto. Assunto: Eletrostática

Prof. Rogério Porto. Assunto: Eletrostática Questões COVEST Física Elétrica Prof. Rogério Porto Assunto: Eletrostática 1. Duas esferas condutoras A e B possuem a mesma carga Q. Uma terceira esfera C, inicialmente descarregada e idêntica às esferas

Leia mais