p A = p B = = ρgh = h = Por outro lado, dado que a massa total de fluido despejada foi m, temos M 1 m = ρ(v 1 + V 2 ) = ρ 4 H + πd2 4 h = H = 4

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "p A = p B = = ρgh = h = Por outro lado, dado que a massa total de fluido despejada foi m, temos M 1 m = ρ(v 1 + V 2 ) = ρ 4 H + πd2 4 h = H = 4"

Transcrição

1 Q1 (,5) Um pistão é constituído por um disco ao qual se ajusta um tubo oco cilíndrico de diâmetro d. O pistão está adaptado a um recipiente cilíndrico de diâmetro D. massa do pistão com o tubo é M e ele está inicialmente no fundo do recipiente. Despeja-se então pelo tubo uma massa m de líquido de densidade ρ e, em consequência, o pistão se eleva de uma altura H. Desprezando a pressão atmosférica local, determine H em função das demais variáveis fornecidas. SOLUÇÃO Q1 Num campo gravitacional vertical e uniforme, as superfícies isobáricas são planos horizontais. Dessa forma, a pressão num ponto logo abaixo do pistão é igual à pressão de um ponto B à mesma altura na parte interior ao cilindro (sobre esse ponto a uma coluna de fluido de altura h). Logo: p = p B = Mg πd 4 πd 4 = ρgh = h = 4M πρ(d d ) Por outro lado, dado que a massa total de fluido despejada foi m, temos [ ] [ πd m = ρ(v 1 + V ) = ρ 4 H + πd 4 h = H = 4 πρd m ( D d ] M ) 1

2 Q Um bloco de massa M, em repouso sobre uma mesa horizontal sem atrito, é fixado a um suporte rígido através de duas molas de constantes elásticas k 1 e k como mostra a figura abaixo. Um projétil de massa m e velocidade v atinge o bloco e fica preso a ele após o choque. Considere conhecidos v, M, m, k 1 e k. (a) (1,) plique a a lei de Newton ao sistema após a colisão e escreva a equação diferencial para o deslocamento x(t) do bloco. (b) (,5) Obtenha a frequência natural ω de oscilação do sistema após a colisão. (c) (1,) Escreva o deslocamento x(t) do bloco após a colisão. Considere como instante inicial (t = ) o momento em que o bloco inicia seu movimento. Despreze o tempo de colisão. SOLUÇÃO Q (a) a lei de Newton aplicada ao sistema após a colisão fornece: F = kx = (M + m) d x dt = d x dt + k M + m x =, onde k é a constante elástica efetiva do sistema em paralelo das molas de constantes k 1 e k. Essa constante pode ser determinada, observando-se que ao se deformar a mola efetiva de uma quantidade x, a mesma deformação é induzida em cada uma das molas da associação, de modo que a força resultante: Logo, temos: F = kx = F 1 + F = k 1 x + ( k x) = (k 1 + k )x = k = k 1 + k d x dt + k1 + k x =. M + m (b) Da equação diferencial do ítem (a), vemos que o movimento é um MHS com frequência natural de oscilação: k1 + k ω = M + m (c) solução da equação diferencial do ítem (a) é dada por x(t) = x m cos(ωt + φ), onde x m e φ são determinadas a partir das condições iniciais (posição x e velocidade v iniciais) através de: ( x m = x + v ) ω ( φ = atan v ), ωx O choque é inelástico, de modo que não há conservação da energia mecânica, mas somente da quantidade de movimento. velocidade inicial do sistema massa M + massa m é então mv = (M + m)v = V = m M + m v Temos então (tomando como origem do eixo x a posição em que o impacto inicial acontece): x m = ( x v ) V m M + m + = }{{} ω ω = M + m v mv = k 1 + k (M + m)(k1 + k ) φ = atan ( ) = 3π,

3 Q3 Um mol de gás ideal monoatômico descreve o ciclo representado na figura abaixo no plano p versus T, onde cada trecho é um segmento de reta. O prolongamento do segmento de reta BC passa pela origem do gráfico p versus T. (a) (,5) Calcule a pressão P 1 em atm. (b) (,5) Represente o ciclo no plano pv, indicando p em atm e V em m 3 para todos os vértices desse diagrama. (c) (1,) Calcule o trabalho realizado W, o calor trocado Q e a variação de energia interna U para cada um dos processos B, BC e C. (d) (,5) Calcule a eficiência de uma máquina térmica operando de acordo com esse ciclo. SOLUÇÃO Q3 (a) O trecho B é uma isobárica, de modo que T V = T B V B. lém disso, o trecho BC é feito a volume constante (isocórica), dado que a pressão varia linearmente com a temperatura, ou seja V B = V C = nrt C (1 mol) (8, 31 J/mol K) (3 K) = p C 1 5 =, 5 m 3. atm Logo, V = T TB V C = V C e p 1 = nrt /V = 1 5 N/m = atm. (b) Com base no ítem (a), temos o seguinte diagrama no plano pv (c) Trabalho: W B = p 1 (V B V ) = p 1 (V C V C ) = p V C 1 = 493 J (isobárica) W BC = J (isocórica) V W C = nrt ln = nrt ln() = 178 J (isotérmica) V C

4 Calor: dado que o gás é monoatômico, c V = 3 R e c P = 5 R Q B = nc P T B = 5 nr(t B T ) = 633 J Q BC = nc V T BC = 3 nr(t C T B ) = 374 J Q C = dq = du + dw = W C = 178 J Variação de energia interna: aplicando a primeira lei da Termodinâmica U B = Q B W B = 374 J U BC = Q BC W BC = 374 J U C = Q C W C = J (d) Vemos que o calor só é absorvido pelo gás no trecho B, de forma que: ɛ = W sistema Q entra = W B + W BC + W C = =, 13 (1, 3%) Q B 633

5 Q4 Dentro de um calorímetro com capacidade calorífica desprezível mistura-se,5 litro de água à temperatura de 1 C com 5, kg de gelo a uma temperatura de - C. Supondo que o sistema gelo+água se encontra isolado termicamente, determine: a) (1,) a temperatura final de equilíbrio T eq do sistema e a massa de gelo restante m eq no equilíbrio térmico; b) (1,) a variação da entropia S a da água e a variação da entropia S g do gelo. c) (,5) partir da variação de entropia S ag do sistema água+gelo, discuta a natureza do processo quanto a reversibilidade ou irreversibilidade; SOLUÇÃO Q4 a) Chegando a C a água pode ceder Q 1 = 5 cal, mas o gelo precisa de Q = 1 cal para chegar até C. Uma transição de fase completa da áqua líquida para gelo fornece mais Q 3 = 4 cal, de modo que o gelo inicial não atingirá C. temperatura final é obtida então observando-se que o processo completo envolve uma queda de temperatura T = 1 C da água líquida até C, o congelamento de 5 g de água e uma transferência de calor adicional entre as duas amostras de gelo até que atinjam a temperatura de equilíbrio T f. Logo: Então: m g c g (T f + ) Q absorvido pelo gelo = m a c a T + m a L f m a c g T f Q cedido pela água T f = m ac a T + m a L f m g c g (m g + m a )c g = 1, 8 C = 71, K. Dessa forma, a massa de gelo restante é m eq = 55 g. b) variação de entropia da água ocorre primeiramente num processo com temperatura variável e depois numa transição de fase a temperatura constante (Q/T f ): ( 73K 4 cal S a = (5 g) (1, cal /g C) ln + 83 K 73 K Já a variação de entropia do gelo é S a = 695, 7 J /K S g = (5 g) (, 5 cal /g C) ln c) variação de entropia do sistema água+gelo vale de modo que o processo é irreversível. ) +(5 g) (, 5 cal /g C) ln 71, = 173, 7 53 cal /K = 77, 1 J /K S ag = S a + S g = 695, 7 J /K + 77, 1 J /K = 31, 4 J /K >, mc ln( T f T i ) 71, K 73 K

Preparação na Potência Máxima Página 1

Preparação na Potência Máxima Página 1 Gases e Termodinâmica 1) A figura a seguir representa dois reservatórios cilíndricos providos de êmbolos de massa desprezível, com mesma área de base e que contêm o mesmo número de mols de um gás ideal.

Leia mais

Questões de Vestibulares

Questões de Vestibulares (UEP) No fim do século XVIII, enjamin Thompson, engenheiro americano exilado na Inglaterra (país onde recebeu o título de conde Rumford), realizou os primeiros experimentos convincentes sobre a natureza

Leia mais

2- TRABALHO NUMA TRANSFORMAÇÃO GASOSA 4-1ª LEI DA TERMODINÂMICA

2- TRABALHO NUMA TRANSFORMAÇÃO GASOSA 4-1ª LEI DA TERMODINÂMICA AULA 07 ERMODINÂMICA GASES 1- INRODUÇÃO As variáveis de estado de um gás são: volume, pressão e temperatura. Um gás sofre uma transformação quando pelo menos uma das variáveis de estado é alterada. Numa

Leia mais

2 O trabalho da força elástica é independente da trajetória do seu ponto de aplicação. IFSUL CAMPUS VISCONDE DA GRAÇA 1 FÍSICA 2º ANO

2 O trabalho da força elástica é independente da trajetória do seu ponto de aplicação. IFSUL CAMPUS VISCONDE DA GRAÇA 1 FÍSICA 2º ANO TRABALHO E POTÊNCIA 1- TRABALHO DE UMA FORÇA CONSTANTE. O trabalho de uma força é a medida da energia que a força transfere num deslocamento. Considerando uma situação pratica na qual uma pessoa puxa uma

Leia mais

UFRGS 2001 RESOLUÇÃO DA PROVA DE FÍSICA. Prof. Giovane Irribarem de Mello Curso: Uniforte Pré-Vestibular

UFRGS 2001 RESOLUÇÃO DA PROVA DE FÍSICA. Prof. Giovane Irribarem de Mello Curso: Uniforte Pré-Vestibular UFRGS 00 RESOLUÇÃO DA PROVA DE Prof. Giovane Irribarem de Mello Curso: 0. O gráfico de velocidade (v) contra tempo (t), mostrado abaixo, representa, em unidades arbitrárias, o movimento retilíneo de uma

Leia mais

CAPÍTULO I ESCALAS TERMOMÉTRICAS

CAPÍTULO I ESCALAS TERMOMÉTRICAS CAPÍTULO I ESCALAS TERMOMÉTRICAS 1 - Um mesmo termômetro é graduado simultaneamente nas escalas Celsius e Fahrenheit. Pede-se determinar: a) qual a indicação fornecida por esse termômetro, na escala Fahrenheit,

Leia mais

Programa de Nivelamento 2010

Programa de Nivelamento 2010 Programa de Nivelamento 2010 Apresentação A presente apostila foi confeccionada com o objetivo retomar alguns conteúdos que fizeram parte do currículo da disciplina de Física do ensino médio e serão necessários

Leia mais

ATENÇÃO ESTE CADERNO CONTÉM 10 (DEZ) QUESTÕES. VERIFIQUE SE ESTÁ COMPLETO. DURAÇÃO DA PROVA: 3 (TRÊS) HORAS

ATENÇÃO ESTE CADERNO CONTÉM 10 (DEZ) QUESTÕES. VERIFIQUE SE ESTÁ COMPLETO. DURAÇÃO DA PROVA: 3 (TRÊS) HORAS ATENÇÃO ESTE CADERNO CONTÉM 10 (DEZ) QUESTÕES. VERIFIQUE SE ESTÁ COMPLETO. DURAÇÃO DA PROVA: 3 (TRÊS) HORAS VERIFIQUE SE NA PÁGINA CORRESPONDENTE À RESPOSTA DAS QUESTÕES 01, 06 E 08 APARECE UM DESENHO

Leia mais

UFRGS 2014 RESOLUÇÃO DA PROVA DE FÍSICA. Prof. Giovane Irribarem de Mello

UFRGS 2014 RESOLUÇÃO DA PROVA DE FÍSICA. Prof. Giovane Irribarem de Mello UFRGS 2014 RESOLUÇÃO DA PROVA DE FÍSICA Prof. Giovane Irribarem de Mello INSTRUÇÃO: Sempre que for necessário utilizar valores dos módulos da aceleração da gravidade na superfície da Terra ou da velocidade

Leia mais

TC 3 UECE - 2013 FASE 2 MEDICINA e REGULAR

TC 3 UECE - 2013 FASE 2 MEDICINA e REGULAR TC 3 UECE - 03 FASE MEICINA e EGULA SEMANA 0 a 5 de dezembro POF.: Célio Normando. A figura a seguir mostra um escorregador na forma de um semicírculo de raio = 5,0 m. Um garoto escorrega do topo (ponto

Leia mais

Questão 57. Questão 58. alternativa D. alternativa C. seu mostrador deverá indicar, para esse mesmo objeto, o valor de

Questão 57. Questão 58. alternativa D. alternativa C. seu mostrador deverá indicar, para esse mesmo objeto, o valor de OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representado por g. Quando necessário, adote: para g, o valor 10 m/s ; para a massa específica

Leia mais

Capítulo 22: CARGA ELÉTRICA

Capítulo 22: CARGA ELÉTRICA 1 Capítulo : CARGA ELÉTRICA A intensidade da interação elétrica de uma partícula com objetos ao seu redor depende da sua carga elétrica, que pode ser tanto positiva quanto negativa. Cargas com o mesmo

Leia mais

32. Um sistema termodinâmico realiza um ciclo conforme representado na figura abaixo:

32. Um sistema termodinâmico realiza um ciclo conforme representado na figura abaixo: 0 GABARITO O DIA o PROCESSO SELETIVO/005 FÍSICA QUESTÕES DE 3 A 45 3. Uma fonte de luz monocromática está imersa em um meio líquido de índice de refração igual a,0. Os raios de luz atingem a superfície

Leia mais

Material do bloco Alcance do lançamento chumbo A 1 ferro A 2 granito A 3

Material do bloco Alcance do lançamento chumbo A 1 ferro A 2 granito A 3 1. Três blocos de mesmo volume, mas de materiais e de massas diferentes, são lançados obliquamente para o alto, de um mesmo ponto do solo, na mesma direção e sentido e com a mesma velocidade. Observe as

Leia mais

= 9. Relação entre escalas: CELV Colégio Estadual Luiz Vianna Física 2 Adriano do Valle Pág. 1

= 9. Relação entre escalas: CELV Colégio Estadual Luiz Vianna Física 2 Adriano do Valle Pág. 1 CELV Colégio Estadual Luiz Vianna Física 2 driano do Valle Pág. 1 Os estados de agrupamento da matéria Estado Sólido: s forças de coesão entre as moléculas são intensas e só permitem às partículas ligeiras

Leia mais

LEIS DE NEWTON E SUAS APLICAÇÕES

LEIS DE NEWTON E SUAS APLICAÇÕES NOTA DE AULA PROF. JOSÉ GOMES RIBEIRO FILHO LEIS DE NEWTON E SUAS APLICAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Como pode um rebocador pequeno rebocar um navio muito mais pesado do que ele? Por que ele precisa de uma longa

Leia mais

COLÉGIO MARISTA NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO

COLÉGIO MARISTA NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO MARISTA COLÉGIO MARISTA NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO DISCIPLINA: FÍSICA Terceiro Trimestre ENSINO MÉDIO ALUNO(a): Nº : SÉRIE: TURMA: DATA: / 11 /010 PROFESSORA: BERENICE HELENA WIENER STENSMANN (Exercícios

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DA BAHIA IFBA. Mecânica dos Fluidos ENG 520. Prof. Édler Lins de Albuquerque. Lista de Exercícios

INSTITUTO FEDERAL DA BAHIA IFBA. Mecânica dos Fluidos ENG 520. Prof. Édler Lins de Albuquerque. Lista de Exercícios Mecânica dos Fluidos ENG 520 Prof. Édler Lins de Albuquerque Lista de Exercícios Parte 1 - Aplicações da Lei de Viscosidade de Newton e Introdução aos Escoamentos de Fluidos Questão 1.1 Na figura abaixo,

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 1 Definição de Mecânica dos Fluidos, Sistema de Unidades. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 1 Definição de Mecânica dos Fluidos, Sistema de Unidades. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 1 Definição de Mecânica dos Fluidos, Sistema de Unidades Aula 1 Tópicos Abordados Nesta Aula Apresentação do Curso e da Bibliografia. Definição de. Conceitos Fundamentais. Sistema de Unidades. Aula

Leia mais

Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA

Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA Termoquímica Energia e Trabalho Energia é a habilidade ou capacidade de produzir trabalho. Mecânica; Elétrica; Calor; Nuclear; Química. Trabalho Trabalho mecânico

Leia mais

DISCIPLINA AMB30093 TERMODINÂMICA - Aula 3 17/10/2013. Prof. Robson Alves de Oliveira robson.aoliveira@gmail.com.br robson.oliveira@unir.

DISCIPLINA AMB30093 TERMODINÂMICA - Aula 3 17/10/2013. Prof. Robson Alves de Oliveira robson.aoliveira@gmail.com.br robson.oliveira@unir. DISCIPLINA AMB30093 TERMODINÂMICA - Aula 3 17/10/2013 Prof. Robson Alves de Oliveira robson.aoliveira@gmail.com.br robson.oliveira@unir.br Ji-Paraná - 2013 Porque a água atinge o seu ponto máximo em 3,98

Leia mais

Cabeça. -2 mv 2 mv. 2º Processo Seletivo/2004 1º DIA GABARITO 1 15

Cabeça. -2 mv 2 mv. 2º Processo Seletivo/2004 1º DIA GABARITO 1 15 2º rocesso Seletivo/2004 1º DIA GABARITO 1 15 30. As linhas de campo elétrico (contínuas) e as linhas equipotenciais (tracejadas) para o peixe elétrico Eigenmannia virescens estão esquematizadas na figura

Leia mais

a) Incorreta. Os corpos podem apresentar velocidades diferentes de mesmo sentido e ainda assim colidir posteriormente.

a) Incorreta. Os corpos podem apresentar velocidades diferentes de mesmo sentido e ainda assim colidir posteriormente. FÍS 10 A - AULA 8 8.01 a) ncorreta. Os corpos podem apresentar elocidades diferentes de mesmo sentido e ainda assim colidir posteriormente. b) ncorreta. Se o módulo da elocidade de afastamento for maior

Leia mais

alternativa D 400). Como f(0) = 200 + a(0 400) = 200 + a =, a

alternativa D 400). Como f(0) = 200 + a(0 400) = 200 + a =, a 8 QUESTÃO 45 A trajetória de um projétil, lançado da beira de um penhasco sobre um terreno plano e horizontal, é parte de uma parábola com eixo de simetria vertical, como ilustrado na figura. O ponto P

Leia mais

UNIDADES DAS VARIÁVEIS DE ESTADO DE UM GÁS E CARACTERÍSTICAS DOS GASES

UNIDADES DAS VARIÁVEIS DE ESTADO DE UM GÁS E CARACTERÍSTICAS DOS GASES Prof. Agamenon Roberto ESTUDO DOS GASES www.agamenonquimica.com 1 ESTUDO DOS GASES UNIDADES DAS VARIÁVEIS DE ESTADO DE UM GÁS E CARACTERÍSTICAS DOS GASES 01)Um corpo apresenta uma temperatura de 37 o encontraremos

Leia mais

a) Tradução, no qual o RNAt transporta os amino - ácidos e os encadeia, de acordo com o RNAm. b) Citosol, onde aparecem ribossomos e plasmídeos.

a) Tradução, no qual o RNAt transporta os amino - ácidos e os encadeia, de acordo com o RNAm. b) Citosol, onde aparecem ribossomos e plasmídeos. BIOLOGIA 1 Alguns antibióticos são particularmente usados em doen - ças causadas por bactérias. A tetraciclina é um deles; sua ação impede que o RNA transportador (RNAt) se ligue aos ribossomos da bactéria,

Leia mais

NOME: ANO: 9º OLÍMPIADA BRASILEIRA DE FÍSICA NÍVEL 1

NOME: ANO: 9º OLÍMPIADA BRASILEIRA DE FÍSICA NÍVEL 1 NOME: ANO: 9º TURMA: ENS. FUND. II DATA: / /014 PROF.: RAMILTON BATINGA OLÍMPIADA BRASILEIRA DE FÍSICA NÍVEL 1 1. (G1 - ifsp 014) Sete crianças saíram em uma van para visitar as obras de um dos estádios

Leia mais

Água no feijão, que chegou mais um!

Água no feijão, que chegou mais um! Água no feijão, que chegou mais um! A UU L AL A Sábado! Cristiana passou a manhã toda na cozinha, preparando uma feijoada! Roberto tinha convidado sua vizinha, Maristela, para o almoço. Logo cedo, Cristiana

Leia mais

A massa em gramas de um elemento químico, que é numericamente igual à sua massa atômica, é chamada de massa molar, cuja unidade é o g/mol

A massa em gramas de um elemento químico, que é numericamente igual à sua massa atômica, é chamada de massa molar, cuja unidade é o g/mol QUÍMICA QUANTITATIVA QUANTIDADE DE MEDIDAS Desde a antigüidade criou-se um sistema de unidades de medidas apropriado para cada tipo de material. Devido à algumas incoveniências, há necessidade de recorrer

Leia mais

Forças internas. Objetivos da aula: Mostrar como usar o método de seções para determinar as cargas internas em um membro.

Forças internas. Objetivos da aula: Mostrar como usar o método de seções para determinar as cargas internas em um membro. Forças internas Objetivos da aula: Mostrar como usar o método de seções para determinar as cargas internas em um membro. Generalizar esse procedimento formulando equações que podem ser representadas de

Leia mais