Menor diferença entre indicações de um dispositivo mostrador que pode ser significativamente percebida. RESOLUÇÃO (DE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Menor diferença entre indicações de um dispositivo mostrador que pode ser significativamente percebida. RESOLUÇÃO (DE"

Transcrição

1 1 1,QVWUXomRGH7UDEDOKR ^'_a`cbdegfihkj lgmndm opmnqir>stdumkfihtj vkw xymz_g{} ~wabdj! ƒu ˆ Š Œ iž ƒ u i %šœ, Ÿž u SUMÁRIO 3 DEFINIÇÕES 1 OBJETIVO 2 REFERÊNCIA 3 DEFINIÇÕES 4 DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE 5 REGISTROS 6 DOCUMENTOS 7 RESPONSABILIDADES 8 ANEXOS 1 OBJETIVO Esta instrução tem como finalidade estabelecer um critério para calibração de manômetros convencionais ou de medição para equipamentos de testes em geral, com faixa de indicação até 600 Kgf/cm 2 e qualquer tipo de resolução / valor de uma divisão. 2 REFERÊNCIAS MB Verificação das características. NB-1230 Utilização de manômetro. NBR s com sensor de elemento elástico Recomendações de fabricação e uso. CB-182 V.I.M. Vocabulário Internacional de Termos Fundamentais e Gerais de Metrologia.!" #%$'& ()*,+.- & *%-+0/ ) *, / 03 / 2003 Revisão do item 5 Luis Walter / 05 / 2001 Revisão Geral João Walter / 07 / 2000 Edição Inicial Tiago Walter M B N OIPIQ MANÔMETRO DE COLUNA LÍQUIDA BOMBA DE PESO MORTO MANÔMETRO PADRÃO INDICAÇÃO (DE UM INSTRUMENTO DE MEDIÇÃO) FAIXA DE INDICAÇÃO VALOR DE UMA DIVISÃO O manômetro de coluna líquida é um padrão de aferição emprega do para manômetros de baixas pressões, onde o resultado da pressão é função do peso específico e da altura do líquido da coluna. A bomba de peso morto é o pa drão primário na aferição direta de manômetros de teste. O princípio desta basea-se no equilíbrio entre a força proveniente da pressão do fluido e o peso das massas em função de massas calibradas. O manômetro de padrão é o instrumento de aferição mais freqüentemente usado. Ele é montado numa bomba hidráulica e serve de comparador-padrão da pressão verdadeira a que é submetido o manômetro a ser ensaiado. Valor de uma grandeza fornecido por um instrumento de medição. Conjunto de valores limitados pelas indicações extremas. Diferença entre os valores da escala correspondentes a duas marcas sucessivas. RTSIUIVXW4Y Z [>\]

2 RESOLUÇÃO (DE UM DISPOSITIVO MOSTRADOR) TENDÊNCIA (DE UM INSTRUMENTO DE MEDIÇÃO) ERRO FIDUCIAL (DE UM INSTRUMENTO DE MEDIÇÃO) INCERTEZA DE MEDIÇÃO CALIBRAÇÃO PADRÃO CALIBRAÇÃO INTERNA CALIBRAÇÃO EXTERNA Menor diferença entre indicações de um dispositivo mostrador que pode ser significativamente percebida. Erro sistemático da indicação de um instrumento de medição. Erro de um instrumento de medição dividido por um valor especificado para o instrumento. Parâmetro, associado ao resultado de uma medição, que caracteriza a dispersão dos valores que podem ser fundamentadamente atribuídos a um mensurando. Conjunto de operações que estabelece, sob condições especificadas, a relação entre os valores indicados por um instrumento de medição ou sistema de medição ou um material de referência, e os valores correspondentes das grandezas estabelecidos por padrões. Medida materializada, instrumento de medição, material de referência ou sistema de medição destinado a definir, realizar, conservar ou reproduzir uma unidade ou um ou mais valores de uma grandeza para servir como referência. Nome designado quando uma equipe executa calibração de instrumentos dentro do laboratório da Labortec Metrologia Ltda. Nome designado quando uma equipe executa calibração de instrumentos na produção ou laboratório de uma determinada empresa. 4 DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE 4.1 EQUIPAMENTOS E PADRÕES UTILIZADOS de coluna líquida, rastreado à RBC (Rede Brasileira de Calibração), com certificado de calibração constando a data da calibração, os desvios apresentados, a incerteza da calibração e o órgão executor. Bomba de Peso Morto, rastreado a RBC (Rede Brasileira de Calibração), com certificado de calibração constando a data da calibração, os desvios apresentados, a incerteza da calibração e o órgão executor. de Teste, rastreado à RBC (Rede Brasileira de Calibração), com certificado de calibração constando a data da calibração, os desvios apresentados, a incerteza da calibração e o órgão executor PARÂMETROS A SEREM CALIBRADOS Quando se executa a calibração de manômetros deve-se verificar: A ) Tendência MÉTODO DE CALIBRAÇÃO Calibração Interna: Deixar o instrumento juntamente com o padrão, em repouso na sala de calibração, com temperatura controlada entre 20ºC ± 2ºC por um período mínimo de uma hora. Calibração Externa: Deixar o instrumento e padrão próximo, em repouso para uniformização das temperaturas entre eles por aproximadamente trinta minutos. A ) Tendência Antes de iniciar a calibração, é necessário consultar a tabela 1 e definir a qual classe de tolerância o manômetro a ser calibrado pertence. Com a classe de tolerância definida, é possível determinar a aplicação do padrão à ser utilizado que deverá obedecer ao critério seguinte :! " #$% &(')*+, -./

3 TABELA PARA DEFINIÇÃO DE CLASSES Diâmetro Qualquer Classe A4 A3 A2 A1 A B C D Amplitude Menor Divisão (Bar) s 0 1,0 0,002 0,005 0,01 0,02 0,02 0,02 0,05 0,05 0 1,6 0,002 0,005 0,01 0,02 0,02 0,05 0,05 0,1 0 2,5 0,005 0,01 0,02 0,05 0,05 0,05 0,1 0,1 0 4,0 0,005 0,02 0,025 0,05 0,05 0,1 0,2 0,2 0 6,0 0,01 0,02 0,05 0,1 0,1 0,2 0,2 0, ,02 0,05 0,1 0,2 0,2 0,2 0,5 0, ,02 0,05 0,1 0,2 0,2 0,5 0,5 1, ,05 0,1 0,2 0,5 0,5 0,5 1,0 1, ,05 0,2 0,25 0,5 0,5 1,0 2,0 2, ,1 0,2 0,5 1,0 1,0 2,0 2,0 5, ,2 0,5 1,0 2,0 2,0 2,0 5,0 5, ,2 0,5 1,0 2,0 2,0 5,0 5, ,5 1,0 2,0 5,0 5,0 5, ,5 2,0 2,5 5,0 5, ,0 2,0 5, ,0 5,0 10, Seguir as etapas de calibração do item relacionado ao padrão determinado. Classe do TABELA DE DISTRIBUIÇÃO DE PONTOS Mínimo Recomendável de Pontos a Serem Calibrados Faixa de Pontos Recomendáveis, em Relação ao Fundo de Escala do A % 20% 30% 40% 50% 60% A % 20% 30% 40% 50% 60% A % 20% 30% 40% 50% 60% A % 20% 30% 40% 50% 60% A 5 10% 30% 50% 70% e 90% B 5 10% 30% 50% 70% e 90% C 5 10% 30% 50% 70% e 90% D 5 10% 30% 50% 70% e 90% Tabela 1 Definição de classe dos manômetros. CLASSES DE TOLERÂNCIA A 4 A 3 A 2 A 1 A B C D. Tabela 2 Número de pontos de ensaios recomendados MANÔMETRO DE COLUNA LÍQUIDA Para se determinar a tendência utilizando manometro de coluna líquida deve-se: Para os manômetros com classe de tolerâncias A 4, A 3 e A 2, o padrão de cali-bração é a bomba de peso morto ou a coluna líquida em caso de baixas pressões. Para os manômetros com classe de tolerâncias A 1, A, B, C e D, os padrões de calibração podem ser escolhidos da seguinte maneira : a) para as faixas de pressão 1 bar (vácuo) até + 1 bar, o manômetro de coluna líquida ou o manômetro de teste; b) para as faixas de pressão acima de 600 bar o manômetro de teste ou bomba de peso morto. 1º Passo: Limpar as superfícies do manômetro, definir a classe e os pontos de calibração do instrumento. 2º Passo: Ajustar o líquido na escala zero em ambos os lados. 3º Passo: Conectar em série o manômetro a ser calibrado e a entrada de ar. 4º Passo: Selecionar os números de pontos de acordo com a tabela 1 e 2, recomendado para cada classe de exatidão. 5º Passo: Regular a entrada e saída do ar em cada indicação de calibração no instrumento. O manômetro a ser calibrado deve ser levemente batido antes de cada leitura, de modo a minimizar os erros de atrito.! " #$% &(')*+, -./

4 6º Passo: Aplicar a pressão até o final da faixa, depois liberar a pressão deixando o instrumento em repouso para acomodação do elemento elástico. Efetuar a leitura no sentido crescente de pressão somando as diferenças de indicações sem relação ao zero de ambos os lados. 7º Passo: Repetir este processo para as demais indicações. Em seguida liberar a pressão anotando as leituras nos sentido decrescente. Realizar a conversão de unidade mmhg da coluna para unidade do instrumento sendo calibrado. 6º Passo: Realizar a conversão de unidade de medida MPascal para a unidade do instrumento ensaiado MANÔMETRO PADRÃO 1º Passo: Limpar as superfícies do manômetro, definir a classe e os pontos de calibração conforme tabela 1 e 2. 2º Passo: Fixar o manômetro de teste e o manômetro ensaiado na bomba de pressão manual BOMBA DE PESO MORTO 1º Passo: Limpar as superfícies do manômetro, definir a classe e os pontos de calibração conforme tabela 1 e 2. 2º Passo: Fixar o manômetro a ser calibrado na bomba de peso morto. 3º Passo: Abrir o reservatório de água ou óleo, recuar o pistão até o final do curso, fechar o reservatório avançando o pistão para gerar pressão para o teste. Elevar a pressão até a indicação máxima do manômetro ensaiado, após está aplicação liberar a pressão deixando o instrumento em repouso para acomodação do elemento elástico. 3º Passo: Abrir a entrada de óleo da bomba de peso morto recuar o pistão até o final do curso. Aplicar pressão até a indicação máxima do manômetro ensaiado, após está aplicação liberar a pressão deixando o instrumento em repouso para acomodação do elemento elástico. 4º Passo: Selecionar a massa correspondente ao ponto a ser calibrado. Fechar a entrada de óleo avançando o pistão até que ocorra o equilíbrio entre a massa e a pressão fazendo com que a massa se eleve até o nível da bomba. 5º Passo: Efetuar a leitura no manômetro ensaiado em ordem crescente. Repetir este processo para as demais indicações. Em seguida liberar a pressão anotando as leituras em ordem decrescente. O manômetro ensaiado pode ser levemente batido antes de cada leitura, de modo a minimizar os erros de atrito. 4º Passo: Elevar ponto a ponto em ordem crescente até o final do curso, o manômetro ensaiado deve ser levemente batido antes de cada leitura, de modo a minimizar os erros de atrito. Anotar as leituras 5º Passo: Retornar o pistão aliviando a pressão exercida ponto a ponto da calibração anotando as leituras agora no sentido decrescente. 6º Passo: Recuar o pistão e abrir a válvula para que o óleo retorne ao reservatório. Após ter sido calibrado, lacrar e colocar instrumento em prateleira identificada, juntamente com a planilha de calibração.! " #$% &(')*+, -./

5 4.4 TRATAMENTO DAS NÃO CONFORMI- DADES. Os instrumentos calibrados que apresentarem erros acima dos desvios permissíveis ou problemas funcionais, deverão ser segregados dos demais instrumentos, emitido um relatório de Não Conformidade descrevendo os problemas, e encaminhados aos departamentos responsáveis (conforme instrução de trabalho IT-105). ficados para a planilha de calibração, e é responsabilidade do técnico da qualidade a transcrição dos dados da planilha para o software de emissão de certificado. 8 ANEXOS Anexo 1 Planilha para calibração de s. 4.5 DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DE ME- DIÇÃO A incerteza de medição deverá ser calculada conforme a instrução de trabalho IT APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS Os resultados da calibração contidos nas planilhas deverão ser transcritos e emitidos em forma de certificado de calibração. 5 REGISTROS Planilha para calibração de São indexadas no Arquivo Morto, sendo divididas em sacos plásticos identificados pelo nome dos clientes e arquivadas em caixas de papelão codificadas por letras alfabéticas ou em casos especiais pelo nome do cliente. Permanecem neste local por 5 (cinco) anos, e após esse período são eliminadas. O acesso é restrito aos funcionários da engenharia da qualidade. Planilha Eletrônica de calibração Quando for utilizada planilha eletrônica para registro dos valores encontrados durante a calibração, essas ficarão no software de calibração por no mínimo 5 (cinco) anos indexados por cliente e nº de certificado, e também ficarão armazenados como cópia de segurança em HDD ou ZIP Drive ou CD, selecionada a mídia de acordo com o tamanho do banco de dados. 6 DOCUMENTOS Certificado de calibração (ver instrução de trabalho IT-073). 7 RESPONSABILIDADES É de responsabilidade do metrologista a calibração do instrumento e transcrição correta dos dados veri-! " #$% &(')*+ $,

6 ANEXO 1 PLANILHA PARA CALIBRAÇÃO DE MANÔMETRO CALSSES A, B, C E D IT-059 Rev. 01 Nº DA O.S.: SOLICITANTE : INSTRUMENTO : MARCA : CÓDIGO : FAIXA DE INDICAÇÃO : RESOLUÇÃO / VALOR DE UMA DIVISÃO : CLASSE : TEMPERATURA : º C UMIDADE RELATIVA DO AR % AVANÇO ", RETORNO PADRÕES UTILIZADOS Nº DO PADRÃO MANÔMETRO DE COLUNA LÍQUIDA BOMBA DE PESO MORTO MANÔMETRO PADRÃO DATA DA CALIBRAÇÃO : / / CONFORME ( ) NÃO CONFORME ( ) EXECUTADO POR : OBS.:! #$% &(')*+ -./

7 ANEXO 2 PLANILHA PARA CALIBRAÇÃO DE MANÔMETRO CLASSES A4, A3, A2 E A1 Nº DA O.S.: SOLICITANTE : INSTRUMENTO : ARCA : CÓDIGO : FAIXA DE INDICAÇÃO : RESOLUÇÃO / VALOR DE UMA DIVISÃO : CLASSE : TEMPERATURA : º C UMIDADE RELATIVA DO AR % IT-059 Rev. 01 AVANÇO RETORNO ", PADRÕES UTILIZADOS Nº DO PADRÃO MANÔMETRO DE COLUNA LÍQUIDA BOMBA DE PESO MORTO MANÔMETRO PADRÃO DATA DA CALIBRAÇÃO : / / CONFORME ( ) NÃO CONFORME ( ) EXECUTADO POR : OBS.:! #$% &(')*+,

VERIFICAÇÃO INICIAL DE MEDIDORES DE VOLUME DE GÁS TIPO DIAFRAGMA

VERIFICAÇÃO INICIAL DE MEDIDORES DE VOLUME DE GÁS TIPO DIAFRAGMA VERIFICAÇÃO INICIAL DE MEDIDORES DE VOLUME DE GÁS TIPO DIAFRAGMA NORMA N o NIE-DIMEL-073 APROVADA EM DEZ/05 N o /06 SUMÁRIO 1. Objetivo 2. Campo de Aplicação 3. Responsabilidades 4. Documentos de Referência

Leia mais

Portaria Inmetro nº 89, de 06 de abril de 2006.

Portaria Inmetro nº 89, de 06 de abril de 2006. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria Inmetro nº 89, de 06 de abril de 2006. O PRESIDENTE

Leia mais

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as Confiabilidade, calibração e definições importantes para os instrumentos de medir Os instrumentos de medição são os dispositivos utilizados para realizar uma medição e no âmbito da metrologia legal são

Leia mais

E-QP-ECD-070 REV. C 01/Abr/2008 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - CALIBRAÇÃO DE MICRÔMETRO EXTERNO - - NÍVEL BÁSICO -

E-QP-ECD-070 REV. C 01/Abr/2008 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - CALIBRAÇÃO DE MICRÔMETRO EXTERNO - - NÍVEL BÁSICO - ENGENHARIA PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - CALIBRAÇÃO DE MICRÔMETRO EXTERNO - - NÍVEL BÁSICO - Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando o

Leia mais

E-QP-ECD-069 REV. C 26/Set/2007 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - CALIBRAÇÃO DE TRENA COM RÉGUA PADRÃO E TRENA PADRÃO - - NÍVEL BÁSICO -

E-QP-ECD-069 REV. C 26/Set/2007 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - CALIBRAÇÃO DE TRENA COM RÉGUA PADRÃO E TRENA PADRÃO - - NÍVEL BÁSICO - ENGENHARIA PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - CALIBRAÇÃO DE TRENA COM RÉGUA PADRÃO E TRENA PADRÃO - - NÍVEL BÁSICO - Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao

Leia mais

Art. 5º Esta Portaria revoga a Portaria Inmetro n.º 24/1996.

Art. 5º Esta Portaria revoga a Portaria Inmetro n.º 24/1996. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria Inmetro n.º 153, de 12 de agosto de 2005 O PRESIDENTE

Leia mais

2. Simbologia e Nomenclatura

2. Simbologia e Nomenclatura 2. Simbologia e Nomenclatura Nessa seção simbologia e nomenclatura é apresentado os termos mais utilizados e padronizados em instrumentação industrial. Sua compreensão é de suma importância para o entendimento

Leia mais

KIT SUCTOR III 2 SUGADORES SEM FILTRO ACESSÓRIO BOMBA DE VÁCUO MANUAL DO PROPRIETÁRIO WWW.SCHUSTER.IND.BR PERIFÉRICOS ODONTOLÓGICOS

KIT SUCTOR III 2 SUGADORES SEM FILTRO ACESSÓRIO BOMBA DE VÁCUO MANUAL DO PROPRIETÁRIO WWW.SCHUSTER.IND.BR PERIFÉRICOS ODONTOLÓGICOS KIT SUCTOR III 2 SUGADORES SEM FILTRO ACESSÓRIO BOMBA DE VÁCUO MANUAL DO PROPRIETÁRIO PERIFÉRICOS ODONTOLÓGICOS WWW.SCHUSTER.IND.BR 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. TERMOS DE GARANTIA... 3 3. ESPECIFICAÇÕES GERAIS...

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 115, de 29 de junho de 1998 O Presidente do Instituto Nacional

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Manual de Operação e Instalação Transmissor de nível Cod: 073AA-005-122M Rev. A Série LT-200 Fevereiro / 2004 S/A. Rua João Serrano, 250 Bairro do Limão São Paulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

AUDITANDO UM SISTEMA DE MEDIÇÃO

AUDITANDO UM SISTEMA DE MEDIÇÃO AUDITANDO UM SISTEMA DE MEDIÇÃO Bernardino Coelho da Silva 1 or não ser um tema de domínio de todos, ainda é muito comum percebermos certa dificuldade dos Auditores na condução de avaliação de sistemas

Leia mais

CARGA ARTIFICAL PADRÃO PARA TESTE DE MEDIDORES EM CAMPO

CARGA ARTIFICAL PADRÃO PARA TESTE DE MEDIDORES EM CAMPO CARGA ARTIFICAL PADRÃO PARA TESTE DE MEDIDORES EM CAMPO MANUAL DO USUÁRIO Versão 1.1 Julho 2012 EnergyTest Ind. Eletroeletrônica Ltda. P&F Indústria Eletrônica Ltda. Konecty Ind. e Comercio Ltda. 1 PROCEDIMENTOS

Leia mais

Ganhos do Plano de Calibração. Celso P. Saraiva Resp. Técnico Lab. Calibração

Ganhos do Plano de Calibração. Celso P. Saraiva Resp. Técnico Lab. Calibração Ganhos do Plano de Calibração Celso P. Saraiva Resp. Técnico Lab. Calibração Desenvolvimento Definições básicas em Metrologia; Propriedades das distribuições normais; O que calibrar? Como estabelecer um

Leia mais

Guia 8 DETERMINAÇÃO INCERTEZA CALIBRAÇÃO DE MASSAS. Associação de Laboratórios Acreditados de Portugal

Guia 8 DETERMINAÇÃO INCERTEZA CALIBRAÇÃO DE MASSAS. Associação de Laboratórios Acreditados de Portugal Guia 8 DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DA CALIBRAÇÃO DE MASSAS Associação de Laboratórios Acreditados de Portugal FICHA TÉCNICA TÍTULO: Guia RELACRE 8 DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DA CALIBRAÇÃO DE MASSAS EDIÇÃO:

Leia mais

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná Ministério da Saúde/ Diretoria de Coordenação e Articulação do Sistema Nacional - DSNVS Apresentaçã ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012 Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril

Leia mais

Esta Norma se aplica a todas as UO da Dimel e aos órgãos integrantes da RBMLQ. A responsabilidade pela revisão desta Norma é da Dimel/Disem.

Esta Norma se aplica a todas as UO da Dimel e aos órgãos integrantes da RBMLQ. A responsabilidade pela revisão desta Norma é da Dimel/Disem. ELABORAÇÃO DE CERTIFICADOS, LAUDOS E RELATÓRIOS EMITIDOS PELA DIMEL E PELA RBMLQ NORMA N o NIE-DIMEL-032 APROVADA EM SET/03 N o /06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos

Leia mais

Técnicas para Assegurar Resultados Confiáveis

Técnicas para Assegurar Resultados Confiáveis Gilberto Carlos Fidélis Técnicas para Assegurar Resultados Confiáveis CECT Florianópolis 2010 Direitos desta edição reservados ao CECT - Centro de Educação, Consultoria e Treinamento em Metrologia, Sistema

Leia mais

Manual de Operação BALANÇA ELETRÔNICA US 30/2

Manual de Operação BALANÇA ELETRÔNICA US 30/2 Manual de Operação BALANÇA ELETRÔNICA US 30/2 1- CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Prato em aço inoxidável 340 x 310 mm. Saída serial para impressora matricial Urano USE-PII. Temperatura de operação: 0 a 50 ºC.

Leia mais

MOVIMENTADOR PARA PORTAS DE ENROLAR

MOVIMENTADOR PARA PORTAS DE ENROLAR MOVIMENTADOR PARA PORTAS DE ENROLAR www.mastertec.ind.br 1 ÍNDICE 1. Recursos:... 3 2. Condições de funcionamento:... 3 3. Características técnicas:... 3 4. Características construtivas:... 3 5. Diagrama

Leia mais

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Calibração, Aferição, Instrumentação e Ferramentaria Data da Revisão: 13/05/2011

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Calibração, Aferição, Instrumentação e Ferramentaria Data da Revisão: 13/05/2011 Data da 1/ 7 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento Diretoria de Negócios Vendas Service Qualidade Suprimentos Fabrica Gestão de Materiais Demais envolvidos na análise e aprovação

Leia mais

Hand-held de temperatura Modelo CTH7000

Hand-held de temperatura Modelo CTH7000 Tecnologia de calibração Hand-held de temperatura Modelo CTH7000 Folha de dados WIKA CT 55.50 Aplicações Termômetro de precisão para medições de temperatura com alta exatidão em uma faixa de -200... +962

Leia mais

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM ANEXO À RESOLUÇÃO N o 370, DE 13 DE MAIO DE 2004. NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM 1. Objetivo Esta norma estabelece os requisitos técnicos

Leia mais

Leitora Perto Smart. Guia de Instalação. Leitora Perto Smart Guia de Instalação. Janeiro/2010. Instalação da leitora Perto Smart.

Leitora Perto Smart. Guia de Instalação. Leitora Perto Smart Guia de Instalação. Janeiro/2010. Instalação da leitora Perto Smart. Leitora Perto Smart Guia de Instalação Página 1 de 14 Pré Requisitos para a instalação Dispositivos de Certificação Digital (Leitora Perto) Para que o processo de instalação tenha sucesso, é necessário

Leia mais

METROLOGIA E ENSAIOS

METROLOGIA E ENSAIOS METROLOGIA E ENSAIOS Requisitos de Calibração e Ensaios Prof. Alexandre Pedott pedott@producao.ufrgs.br Requisitos de Calibração OBRIGAÇÃO DA ISO (PAPELADA) X REDUÇÃO DA VARIAÇÃO (QUALIDADE DO PRODUTO)

Leia mais

Pavimentação - imprimação

Pavimentação - imprimação MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

Manual do Painel Aceno Digital A3000/A6000. www.acenodigital.com.br. Rua Porto Alegre, 212 Jd. Agari 43 3027-2255 Cep: 86.

Manual do Painel Aceno Digital A3000/A6000. www.acenodigital.com.br. Rua Porto Alegre, 212 Jd. Agari 43 3027-2255 Cep: 86. Manual do Painel Aceno Digital A3000/A6000 Manual do Painel Aceno Digital A3000/A6000 Este manual apresenta o funcionamento e os procedimentos de configuração e instalação dos painéis Aceno Digital, modelos

Leia mais

Guia do Usuário. Registrador de Dados de Pressão barométrica / Umidade e Temperatura Modelo SD700

Guia do Usuário. Registrador de Dados de Pressão barométrica / Umidade e Temperatura Modelo SD700 Guia do Usuário Registrador de Dados de Pressão barométrica / Umidade e Temperatura Modelo SD700 Introdução Parabéns pela sua compra do Registrador de Dados de Pressão barométrica/umidade/temperatura Extech

Leia mais

CERTIFICADO DE ANÁLISE Nº 1306100484-01

CERTIFICADO DE ANÁLISE Nº 1306100484-01 CERTIFICADO DE ANÁLISE Nº 1306100484-01 Objeto da Certificação Solução Tampão de ph 4,01 Fabricante: GEHAKA Nº de Lote: 1306100484-01 Data de Fabricação: 10/06/2013 Data de Validade: Dois anos fechado

Leia mais

Manual de operações e instruções

Manual de operações e instruções Manual de operações e instruções Transmissor e Indicador de Vazão de Ar TIVA Com display LCD Rua Cincinati, 101 - São Paulo -SP Tel. / Fax (011) 5096-4654 - 5096-4728. E-mail: vectus@vectus.com.br Para

Leia mais

Portaria Inmetro /Dimel n.º 0202 de 09 de agosto de 2010

Portaria Inmetro /Dimel n.º 0202 de 09 de agosto de 2010 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Portaria Inmetro /Dimel n.º 0202 de 09

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO DE MICROFONES ACÚSTICOS. RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC/CNPq/INPE)

IMPLANTAÇÃO DE MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO DE MICROFONES ACÚSTICOS. RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC/CNPq/INPE) IMPLANTAÇÃO DE MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO DE MICROFONES ACÚSTICOS RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC/CNPq/INPE) Leandro Lessa Cândido Nascimento (UNIP, Bolsista PIBIC/CNPq) E-mail: leandro.lessa@lit.inpe.br

Leia mais

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Instrutor Gilberto Carlos Fidélis Eng. Mecânico com Especialização em Metrologia pelo NIST - Estados Unidos e NAMAS/UKAS

Leia mais

Manual de Operação. Balança UR10000 LIGHT 300/100

Manual de Operação. Balança UR10000 LIGHT 300/100 Manual de Operação Balança UR10000 LIGHT 300/100 1 - INTRODUÇÃO Este equipamento foi projetado para atender aos mais rigorosos requisitos de precisão em pesagem, possuindo componentes de altíssima qualidade,

Leia mais

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA *EDIÇÃO 2015*

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA *EDIÇÃO 2015* PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA *EDIÇÃO 2015* 1 SINOPSE. Um dos maiores desafios atuais para as empresas é ter um sistema de gestão documental de fácil entendimento entre todos profissionais da organização.

Leia mais

Determinação de Lipídios em Leite Fluido pelo Método de Gerber

Determinação de Lipídios em Leite Fluido pelo Método de Gerber Página 1 de 7 1 Escopo Este método tem como objetivo descrever os procedimentos para o ensaio Determinação de Lipídios em Leite Fluido pelo Método de Gerber. É aplicável para leite fluido in natura ou

Leia mais

Medir é uma atividade

Medir é uma atividade Algumas noções básicas sobre os padrões metrológicos Medir é uma atividade bastante corriqueira na sociedade atual. Ao olhar no relógio, por exemplo, a pessoa vê no mostrador o resultado de uma medição

Leia mais

Manual de Operação LINHA UR LIGHT

Manual de Operação LINHA UR LIGHT Manual de Operação LINHA UR LIGHT 1 APRESENTAÇÃO Este equipamento atende os usuários que necessitam automatizar ou agilizar processos que envolvam pesagem ou dosagens de receitas. O comando UR LIGHT possui

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 068

Norma Técnica SABESP NTS 068 Norma Técnica SABESP NTS 068 Medidor de vazão ultrassônico tipo CLAMP-ON Especificação São Paulo Revisão 02 - Agosto / 2012 NTS 068 : 2012 Revisão 2 Norma Técnica SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO... 1 2

Leia mais

Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição.

Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição. Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição. De acordo com a Norma NBR 1001, um grande número de fatores influência a freqüência de calibração. Os mais importantes,

Leia mais

Um macaco hidráulico é necessário para elevar um automóvel de 1000 kgf através do bombeamento manual.

Um macaco hidráulico é necessário para elevar um automóvel de 1000 kgf através do bombeamento manual. Um macaco hidráulico é necessário para elevar um automóvel de 1000 kgf através do bombeamento manual. Com os dados abaixo, calcular a força F1 necessária para elevar o automóvel e quantas vezes o operador

Leia mais

MISTURADOR E DIRECIONADOR DE ÁGUA

MISTURADOR E DIRECIONADOR DE ÁGUA MISTURADOR E DIRECIONADOR DE ÁGUA MANUAL DE INSTRUÇÕES (UTILIZAÇÃO E INSTALAÇÃO) MODELO: AMX-102 UT-1 PARABÉNS!!!! VOCÊ ACABOU DE ADQUIRIR UMA DAS MELHORES VÁLVULAS MISTURADORA E DIRECIONADORA DE ÁGUA.

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO KIT TORQUÍMETRO

MANUAL DO USUÁRIO KIT TORQUÍMETRO KIT TORQUÍMETRO Prezado Dr (a). Introdução Parabéns por ter adquirido um equipamento Dentscler. O KIT Torquimetro Star Tork Dentscler foi desenvolvido para proporcionar maior conforto e segurança durante

Leia mais

6 Calibração de Sistemas de. Fundamentos de Metrologia

6 Calibração de Sistemas de. Fundamentos de Metrologia 6 Calibração de Sistemas de Medição Fundamentos de Metrologia Motivação definição do mensurando procedimento de medição resultado da medição condições ambientais operador sistema de medição Posso confiar

Leia mais

PROTOCOLO DO 3º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA 2015 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PRESSÃO

PROTOCOLO DO 3º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA 2015 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PRESSÃO PROTOCOLO DO 3º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA 2015 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PRESSÃO Revisão 01 24 de julho de 2015 Fol. 1 de 8 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES iniciou suas atividades

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 105, de 11 de julho de 2002.

Leia mais

ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 100406011-002

ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 100406011-002 MEDIDOR ELETRÔNICO ELO2106 MANUAL DO USUÁRIO Agosto de 2008 ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 100406011-002 Índice ÍNDICE... I INTRODUÇÃO... 1-1 CONTEÚDO DESTE MANUAL... 1-1 ONDE OBTER MAIS INFORMAÇÕES...

Leia mais

Transmissor de Pressão Diferencial NP800H

Transmissor de Pressão Diferencial NP800H Transmissor de Pressão Diferencial NP800H MANUAL DE INSTRUÇÕES V2 DESCRIÇÃO O transmissor inteligente NP800H é utilizado na medição e monitoração de pressão diferencial em ambientes agressivos, onde além

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 5 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo definir os critérios aplicáveis para calibração / verificação de equipamentos de medição utilizados na empresa, cujas medições impactam na qualidade

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE UM TERMÔMETRO Pt-100 COMO PADRÃO DE TRABALHO DE UM LABORATÓRIO DE SERVIÇOS METROLÓGICOS

CALIBRAÇÃO DE UM TERMÔMETRO Pt-100 COMO PADRÃO DE TRABALHO DE UM LABORATÓRIO DE SERVIÇOS METROLÓGICOS MEROLOGIA-003 Metrologia para a Vida Sociedade Brasileira de Metrologia (SBM) Setembro 0 05, 003, Recife, Pernambuco - BRASIL CALIBRAÇÃO DE UM ERMÔMERO Pt-00 COMO PADRÃO DE RABALO DE UM LABORAÓRIO DE SERVIÇOS

Leia mais

Iris Trindade Chacon Chefe da Difiq

Iris Trindade Chacon Chefe da Difiq Rastreabilidade dos Padrões Iris Trindade Chacon Chefe da Difiq Aspectos associados Calibração Padrões Cadeia de rastreabilidade Processo produtivo Sistema da qualidade Certificado de calibração AcreditaçãoA

Leia mais

Coleta de produtos pré-medidos para determinação do conteúdo efetivo e/ou exame formal.

Coleta de produtos pré-medidos para determinação do conteúdo efetivo e/ou exame formal. AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE MERCADORIAS PRÉ- MEDIDAS PARA REALIZAÇÃO DE EXAME QUANTITATIVO NORMA N o NIT-DIMEP-004 APROVADA EM SET/2014 N o 01/05 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade

Leia mais

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA AREA DE TEMPERATURA FORA DAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 02 22 de Novembro de

Leia mais

Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar

Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar I Congresso Brasileiro de Engenharia Clínica Palestra: Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar São Paulo, 30 de Setembro de 2005 Gilberto Carlos Fidélis Instrutor

Leia mais

2.1 Dados Técnicos - Dimensões na Condição de Altura Fechada (Sem Pressão)

2.1 Dados Técnicos - Dimensões na Condição de Altura Fechada (Sem Pressão) 1. Considerações Gerais 1.1 Instruções de recebimento Deve-se inspecionar visualmente todo o equipamento para detectar avarias causadas durante o transporte, como vazamentos e marcas de batidas. Avarias

Leia mais

RUA ÁLVARO CHAVES, 155 PORTO ALEGRE RS BRASIL 90220-040

RUA ÁLVARO CHAVES, 155 PORTO ALEGRE RS BRASIL 90220-040 RUA ÁLVARO CHAVES, 155 PORTO ALEGRE RS BRASIL 90220-040 MANUAL DE INSTRUÇÕES TEL: (51) 3323 3600 FAX: (51) 3323 3644 info@novus.com.br INTRODUÇÃO O é um sensor de temperatura (modelo TEMP) ou temperatura

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA ELABORAÇÃO E ENVIO DO ARQUIVO DE DIFERENÇA MENSAL DE RECEITA DMR ANUAL

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA ELABORAÇÃO E ENVIO DO ARQUIVO DE DIFERENÇA MENSAL DE RECEITA DMR ANUAL Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Gestão Técnica da Informação SGI Superintendência de Regulação dos Serviços Comerciais SRC MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA ELABORAÇÃO E ENVIO DO

Leia mais

Registrador de Dados de CO 2 /Umidade/Temperatura

Registrador de Dados de CO 2 /Umidade/Temperatura Guia do Usuário Registrador de Dados de CO 2 /Umidade/Temperatura Modelo SD800 Introdução Parabéns pela sua compra do Registrador de Dados de CO 2 /Temperatura/Umidade Extech SD800. Este aparelho mede,

Leia mais

Termopares: calibração por comparação com instrumento padrão

Termopares: calibração por comparação com instrumento padrão Termopares: calibração por comparação com instrumento padrão Os termopares são dispositivos elétricos utilizados na medição de temperatura. Foram descobertos por acaso em 1822, quando o físico Thomas Seebeck

Leia mais

Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica

Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica Metrologia é a Ciência da Medida Uma reputação de qualidade é um dos bens de mais alto valor de uma empresa. A grande importância de uma alta

Leia mais

2. Fundamentos Teóricos

2. Fundamentos Teóricos 2. Fundamentos Teóricos 2.1. Conceitos Metrológicos 2.1.1. O Sistema Internacional de Unidades O Sistema Internacional de Unidades ( SI ) está dividido em duas classes ; - Unidades de Base - Unidades derivadas

Leia mais

Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial INMETRO

Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial INMETRO Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial INMETRO Portaria INMETRO n 33, de de Dezembro de 1994. O Presidente do Instituto

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO 5º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA PESO PADRÃO

RELATÓRIO FINAL DO 5º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA PESO PADRÃO RELATÓRIO FINAL DO 5º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA PESO PADRÃO PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:008 pela SGS Certificadora Certificado BR 98/0139 8-set-00 SUMÁRIO

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO. Eng. Marcelo Saraiva Coelho

INSTRUMENTAÇÃO. Eng. Marcelo Saraiva Coelho INSTRUMENTAÇÃO CONCEITOS E DEFINIÇÕES Nas indústrias, o termo PROCESSO tem um significado amplo. Uma operação unitária, como por exemplo, destilação, filtração ou aquecimento, é considerado um PROCESSO.

Leia mais

PAC 13. Calibração e Aferição de Instrumentos de Controle de Processo

PAC 13. Calibração e Aferição de Instrumentos de Controle de Processo PAC 13 Página 1 de 8 PAC 13 Calibração e Aferição de Instrumentos de Controle de Processo PAC 13 Página 2 de 8 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

Transmissor de Vazão Mod. RTVG

Transmissor de Vazão Mod. RTVG 1. Introdução O Medidor de vazão tipo turbina é um instrumento de medição de vazão volumétrico. O elemento sensível à vazão é um rotor com um sistema de palhetas fixas, suspenso livremente sobre um eixo

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL- INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/n.º 207, de 03 de agosto de 2007. O Diretor

Leia mais

Valério Lucas Gonçalves 13/12/12 Técnico Saulo de Tarso Mota 14/12/12

Valério Lucas Gonçalves 13/12/12 Técnico Saulo de Tarso Mota 14/12/12 Pág.: 01/05 Elaboração (nome/ass): Data: Departamento: Aprovação (nome/ass.): Data: Valério Lucas Gonçalves 13/12/12 Técnico Saulo de Tarso Mota 14/12/12 SUMÁRIO 1 Objetivo 6 Glossário 2 Âmbito 7 Procedimento

Leia mais

ASPECTOS DA CALIBRAÇÃO DE ANEMÔMETROS NOS EMPREENDIMENTOS EÓLICOS

ASPECTOS DA CALIBRAÇÃO DE ANEMÔMETROS NOS EMPREENDIMENTOS EÓLICOS ASPECTOS DA CALIBRAÇÃO DE ANEMÔMETROS NOS EMPREENDIMENTOS EÓLICOS Jorge Antonio Villar Alé - villar@pucrs.br Gabriel Cirilo da Silva Simioni - simioni@pucrs.br Pedro da Silva Hack - pedro.hack@pucrs.br

Leia mais

Balança Especial tipo Silo para ensaque de Big- Bag Suspenso 0007-EV-00-M

Balança Especial tipo Silo para ensaque de Big- Bag Suspenso 0007-EV-00-M Balança Especial tipo Silo para ensaque de Big- Bag Suspenso 0007-EV-00-M MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Revisão 1.0 Alfa Instrumentos Eletrônicos Ltda R. Cel. Mário de Azevedo, 138 São Paulo - SP 02710-020

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0257, de 13 de outubro de 2010.

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0257, de 13 de outubro de 2010. Portaria Inmetro/Dimel n.º 0257, de 13 de outubro de 2010. O Diretor de Metrologia Legal do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - Inmetro, no exercício da delegação de

Leia mais

3 Procedimento experimental

3 Procedimento experimental 3 Procedimento experimental O trabalho experimental foi realizado utilizando-se os equipamentos disponíveis na PUC-Rio, juntamente com aqueles que foram cedidos pelo Instituto Militar de Engenharia (IME).

Leia mais

ANÁLISE DOS PADRÕES DE RESISTÊNCIA ELÉTRICA DO LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS DA ELETRONORTE PARA MELHORIA DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO

ANÁLISE DOS PADRÕES DE RESISTÊNCIA ELÉTRICA DO LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS DA ELETRONORTE PARA MELHORIA DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO ANÁLISE DOS PADRÕES DE RESISTÊNCIA ELÉTRICA DO LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS DA ELETRONORTE PARA MELHORIA DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO Thiago Brito P. de Souza 1, Marcelo Melo da Costa, Thiago

Leia mais

DECRETO Nº 18.480 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2000

DECRETO Nº 18.480 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2000 DECRETO Nº 18.480 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2000 Regulamenta a Lei nº 16.478/99, publicada no Diário Oficial da Cidade do Recife em 23.02.99 CAPÍTULO I OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Art. 1º Estas normas têm

Leia mais

Portaria n.º 656, de 17 de dezembro de 2012.

Portaria n.º 656, de 17 de dezembro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 656, de 17 de dezembro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

Roteiro para aulas de calibração com manômetros Analógicos

Roteiro para aulas de calibração com manômetros Analógicos Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Curso Técnico em Automação Industrial Roteiro para aulas de calibração com manômetros Analógicos Rio Grande, setembro

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Sensor / Detector de Fumaça Óptico Convencional + Módulo Endereçável Código: AFDFE. (Ideal Para Utilizar em Conjunto com a Central de Alarme de Incêndio AFSLIM). O detector de fumaça código AFDFE é um

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS MOTO V2. N de Homologação: 1702-09-2791. Versão 1.00

MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS MOTO V2. N de Homologação: 1702-09-2791. Versão 1.00 MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS MOTO V2 N de Homologação: 1702-09-2791 Versão 1.00 Manual de Instalação TETROS MOTO V2 2 Índice 1. Introdução... 3 2. Especificações técnicas... 3 3. Conhecendo o equipamento...

Leia mais

CONVERSORES DE VOLUME: TIPO PTZ

CONVERSORES DE VOLUME: TIPO PTZ ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 440 5 de maio de 2015 Página 2 de 17 ÍNDICE Registo das revisões... 4 1. Objectivo... 5 2. Âmbito... 5 3. Referências... 5 4. Definições / Siglas... 6 5. Cumprimento normativo...

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO SISTEMA ROR

MANUAL DE OPERAÇÃO SISTEMA ROR MANUAL DE OPERAÇÃO SISTEMA ROR ÍNDICE I - INTRODUÇÃO... 02 II - RECEBENDO SEU SISTEMA ROR... 02 III - MONTAGEM DO EQUIPAMENTO... 03 IV - LIGANDO SUA BALANÇA... 03 V - RECURSOS PARA OPERAÇÃO... 04 VI -

Leia mais

IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO

IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO TÍTULO: IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO Instrução para calibração de Simulador e Medidor de Sinais IT N.º : 040 1 OBJETIVO Sinais. Esta instrução tem por finalidade estabelecer um critério para a calibração de

Leia mais

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA Revisão 00-24 de novembro de 2014 Fol. 1 de 8 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES iniciou suas atividades

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior- MDIC

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior- MDIC Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior- MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria nº 145, de 30 de dezembro de 1999 O PRESIDENTE

Leia mais

DETECTORES AUTOMÁTICOS DE FUMAÇA ENSAIO DE SENSIBILIDADE

DETECTORES AUTOMÁTICOS DE FUMAÇA ENSAIO DE SENSIBILIDADE ENQUALAB-2008 Congresso da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo REMESP 09 a 12 de junho de 2008, São Paulo, Brasil DETECTORES AUTOMÁTICOS DE FUMAÇA ENSAIO DE SENSIBILIDADE Alex

Leia mais

Art. 2º Para os efeitos desta Resolução serão considerados os seguintes conceitos e definições:

Art. 2º Para os efeitos desta Resolução serão considerados os seguintes conceitos e definições: RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 398, DE 23 DE MARÇO DE 2010 Regulamenta a Lei nº 11.934, de 5 de maio de 2009, no que se refere aos limites à exposição humana a campos elétricos e magnéticos originários de

Leia mais

filmadora sport FS201

filmadora sport FS201 MANUAL DO USUÁRIO filmadora sport FS201 Acessórios Encaixe dos Suportes Aviso Requisitos do Sistema Aparência e Botões Iniciando o Uso Uso do cartão de memória Ligando e Desligando Conversão entre modos

Leia mais

Especificação Técnica ÍNDICE DE REVISÕES

Especificação Técnica ÍNDICE DE REVISÕES UNIDADE: GERAL 1 de 15 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 1 2 6.1.6-b inclusão: repetibilidade de 0,1% (zero virgula um por cento); 6.1.7 inclusão: Desvio padrão

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de Potência. Versão: 5

Manual Técnico. Transformadores de Potência. Versão: 5 Manual Técnico Transformadores de Potência Versão: 5 Índice 2 8 Página 1 1 INTRODUÇÃO Este manual fornece instruções referentes ao recebimento, instalação e manutenção dos transformadores de potência a

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel nº 0163, de 09 de julho de 2010.

Portaria Inmetro/Dimel nº 0163, de 09 de julho de 2010. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL- INMETRO Portaria Inmetro/Dimel nº 0163, de 09

Leia mais

g) Realizar as leituras das amostras de fezes e lançar seus resultados nas respectivas folhas de trabalho;

g) Realizar as leituras das amostras de fezes e lançar seus resultados nas respectivas folhas de trabalho; 1/9 1. OBJETIVO Definir todas as rotinas executadas no setor da parasitologia, como também as ações pertinentes aos Controles de Qualidade Interno e Externo (Programas de Proficiência e Testes Interlaboratoriais)

Leia mais

E-QP-ECD-097 REV. B 15/Abr/2008

E-QP-ECD-097 REV. B 15/Abr/2008 ENGENHARIA CONTROLE DIMENSIONAL TOPOGRAFIA VERIFICAÇÃO DE ESTAÇÃO TOTAL / TEODOLITO Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando o item a ser revisado,

Leia mais

SMART START (Recirculação).

SMART START (Recirculação). MANUAL RCS-7BR 1/10 EXPERIENCE OUR INNOVATION SMART START (Recirculação). RCS-7BR MANUAL DE INSTRUÇÕES (UTILIZAÇÃO E INSTALAÇÃO) MODELO: RCS-7BR PARABÉNS!!! VOCÊ ACABOU DE ADQUIRIR UM DOS MELHORES APARELHOS

Leia mais

PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA AREA DE TEMPERATURA INSTALAÇÕES PERMANENTES Revisão 02 23 de Setembro de 2013 Vide alterações

Leia mais

Leitora GemPC Twin Guia de Instalação

Leitora GemPC Twin Guia de Instalação Todos os direitos reservados. Imprensa Oficial do Estado S.A. 2011 página 1 de 16 Pré Requisitos para a instalação Dispositivos de Certificação Digital (Leitora GemPC Twin) Para que o processo de instalação

Leia mais

2. DEFINIÇÃO E CONCEITO

2. DEFINIÇÃO E CONCEITO 1/5 1. OBJETIVO Estabelecer procedimentos para controlar todos os equipamentos e instrumentos do Laboratório do Grupo Santa Helena garantindo suas inspeções, manutenções e calibrações de forma a mantê-los

Leia mais

Manual do Usuário do Produto EmiteNF-e. Manual do Usuário

Manual do Usuário do Produto EmiteNF-e. Manual do Usuário Manual do Usuário Produto: EmiteNF-e Versão: 1.2 Índice 1. Introdução... 2 2. Acesso ao EmiteNF-e... 2 3. Configurações Gerais... 4 3.1 Gerenciamento de Usuários... 4 3.2 Verificação de Disponibilidade

Leia mais

Sistemas Fixos de CO2 - Parte 2 Departamento Técnico da GIFEL Engenharia de Incêndios

Sistemas Fixos de CO2 - Parte 2 Departamento Técnico da GIFEL Engenharia de Incêndios Sistemas Fixos de CO2 - Parte 2 Departamento Técnico da GIFEL Engenharia de Incêndios Sistemas fixos de CO 2 : Os sistemas fixos diferem conforme a modalidade de armazenamento do meio extintor entre Sistemas

Leia mais

Relatório Final do. Ensaio de Proficiência em. Espectrofotometria - 1ª rodada

Relatório Final do. Ensaio de Proficiência em. Espectrofotometria - 1ª rodada Relatório Preliminar do Ensaio de Proficiência em Espectrofotometria 1ª rodada Relatório Final do Ensaio de Proficiência em Espectrofotometria - 1ª rodada ENSAIO DE PROFICIÊNCIA EM ESPECTROFOTOMETRIA 1ª

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TR 087 PROCEDIMENTO PARA REMOÇÃO DE TANQUES SUBTERRÂNEOS DE SISTEMA DE ARMAZENAMENTO E ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL

TERMO DE REFERÊNCIA TR 087 PROCEDIMENTO PARA REMOÇÃO DE TANQUES SUBTERRÂNEOS DE SISTEMA DE ARMAZENAMENTO E ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL TERMO DE REFERÊNCIA TR 087 PROCEDIMENTO PARA REMOÇÃO DE TANQUES SUBTERRÂNEOS DE SISTEMA DE ARMAZENAMENTO E ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL Este documento apresenta o procedimento a ser adotado na remoção

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 15 Instalação, operação e manutenção dos sistemas de refrigeração comercial 03/04 Introdução É bem provável que a maioria das deficiências de operação em sistemas de refrigeração

Leia mais