Estatística descritiva. Também designada Análise exploratória de dados ou Análise preliminar de dados

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estatística descritiva. Também designada Análise exploratória de dados ou Análise preliminar de dados"

Transcrição

1 Estatística descritiva Também designada Análise exploratória de dados ou Análise preliminar de dados 1

2 Estatística descritiva vs inferencial Estatística Descritiva: conjunto de métodos estatísticos que visam sumariar e descrever os atributos mais proeminentes aos dados. Estatística Inferencial: conjunto de métodos estatísticos que visam caracterizar (ou inferir sobre) uma população a partir de uma parte dela (a amostra). 2

3 x Estatísticas ou medidas amostrais Estatística ou medida amostral: uma medida numérica que descreve alguma característica de uma amostra. É habitualmente representada por letras latinas. Por exemplo: x (média), s (desvio padrão), r (coeficiente de correlação) Amostra Estatística / medida amostral 3

4 Parâmetros Parâmetro: uma medida numérica que descreve alguma característica de uma população. É habitualmente representado por letras gregas. Por exemplo: µ (média), σ (desvio padrão), ρ (coeficiente de correlação) População Parâmetro 4

5 Ferramentas de Estatística Descritiva Cálculo numérico de medidas amostrais. Resumo e descrição global dos dados através da construção de tabelas e de gráficos. Análise e interpretação dos resultados obtidos. 5

6 Medidas amostrais Tendência ou localização central: média (mean), mediana (median), moda (mode), média aparada (trimmed mean). 6

7 Medidas amostrais Localização relativa: Mínimo (minimum), Máximo (maximum), Quantil (quantile), Quartil (quartile), Percentil (percentile). 7

8 Medidas amostrais Dispersão: amplitude (range), distância inter-quartil (inter-quartile range), variância (variance), desvio padrão (standard deviation), coeficiente de variação (coefficient of variation), 8

9 Medidas amostrais Assimetria: Coeficiente de assimetria (skweness). 9

10 Tabelas de frequências Tabelas que resumem a informação contida na amostra, ordenando os seus valores e agrupando-os em classes (de valores repetidos ou de valores distribuídos por intervalos). 10

11 Gráficos Gráficos de frequências Histogramas Caixas de bigodes ou diagramas de extremos e quartis (boxplots) Diagramas de caule-e-folhas (stem and leaf) Diagramas de dispersão (scatterplot) 11

12 Descrição resumida das várias ferramentas de Estatística descritiva 12

13 Ordenação e tabela de frequências Tipos de frequências: Frequência absoluta Frequência relativa Frequência absoluta acumulada Frequência relativa acumulada Uma tabela de frequências é uma tabela onde figuram os valores de pelo menos um destes tipos de frequências. 13

14 Tabela de frequências Exemplo de uma tabela produzida pelo SPSS: Durante um ano contabilizou-se diariamente o nº de golfinhos presos nas redes dos pescadores das águas Açoreanas. nº de golfinhos presos num dia Valid Total Cumulative Frequency Percent Valid Percent Percent 37 14,4 14,4 14, ,5 17,5 31, ,7 32,7 64, ,2 20,2 84,8 23 8,9 8,9 93,8 11 4,3 4,3 98,1 2,8,8 98,8 1,4,4 99,2 1,4,4 99,6 1,4,4 100, ,0 100,0 14

15 Medidas amostrais Tendência ou localização central: média (mean), mediana (median), moda (mode), média aparada (trimmed mean). 15

16 16 Medidas de localização central: Média Média: Numa amostra de n observações, x 1, x 2,, x n Se os dados estiverem agrupados (k valores distintos) onde f i designa a frequência absoluta de x i* (ou a frequência absoluta da classe com marca x i* no caso de dados agrupados em classes) n x n x n x x x x i n i i n = = = = n f x n f x n f x f x f x x i i k i i i n n = = = = * 1 * * 2 * 2 1 * 1...

17 Medidas de localização central: Média A média pode ser pensada como o centro de massa dos valores das observações, ie, o ponto de equilibrio após dispormos as observações sobre uma régua. Pontos afastados ou erros nas observações podem afastar a média do grosso das observações. 17

18 Medidas de localização central: Mediana A mediana á a observação central, depois de ordenada a amostra. Se a amostra tiver dimensão ímpar, coincide com a observação central. Exemplo: Na amostra 1.2; 1.7; 2.1; 2.2; 2.4 a mediana é 2.1. Se a amostra tiver dimensão par, a mediana toma o valor da média das duas observações mais centrais. Exemplo: Na amostra 0.3; 0.7; 0.9; 1.1 a mediana é 0.8. A mediana é mais robusta que a média a erros ou a observações afastadas. 18

19 Medidas de localização central: Média aparada Uma média aparada não é mais do que uma mistura entre os conceitos de média e mediana por forma a combinar as qualidades de ambas. Uma média aparada é uma média que é calculada excluindo uma certa proporção de observações em cada extremo da amostra. 19

20 Medidas de localização central: Moda A moda é o valor mais frequente de uma amostra. Ao contrário do que acontece com a mediana e a média, uma amostra pode possuir mais do que uma moda. Moda 20

21 Medidas de localização central: Moda A moda é a única medida de localização central que pode ser utilizada para dados numa escala nominal. A moda pode não ter significado, especialmente em dados de natureza contínua ou em dados discretos com poucas observações repetidas! Quando os dados estão agrupados em classes podemos falar da classe modal, ou seja, da classe com maior frequência. 21

22 Medidas amostrais Localização relativa: Mínimo (minimum), Máximo (maximum), Quantil (quantile), Quartil (quartile), Percentil (percentile). 22

23 Medidas de localização relativa: Mínimo e Máximo Mínimo é o valor mais reduzido da amostra Máximo é o valor mais elevado da amostra 23

24 Medidas de localização relativa: Quartis Quartis são os valores (Q 1, Q 2 e Q 3 ) que dividem a amostra, depois de ordenada, em quatro partes iguais (ou o mais iguais possível). Q 2 coincide com a mediana. 24

25 Medidas de localização relativa: Quantis e Percentis Quantil de ordem p (0 p 1) é um valor, x p, que divide a amostra em duas partes, tal que à esquerda de x p está a proporção p da amostra e à direita a proporção 1-p. Percentil de ordem p (p vai de 1 a 100) - é o mesmo que um quantil mas em que a proporção é dada em percentagem. 25

26 Medidas amostrais Dispersão: amplitude (range), distância inter-quartil (inter-quartile range), variância (variance), desvio padrão (standard deviation), coeficiente de variação (coefficient of variation), 26

27 Medidas de dispersão: Amplitude A amplitude de uma amostra é a diferença entre o máximo e o mínimo. Exemplo: Na amostra 1.2; 1.7; 2.1; 2.2; 2.3 a amplitude é =

28 Medidas de dispersão: Distância interquartil Distância inter-quartil é a diferença entre o 3º e o 1º quartis, Q 3 - Q 1. No intervalo que vai de Q 1 a Q 3 encontram-se 50% das observações (as mais centrais). 28

29 Medidas de dispersão: variância A variância é a média dos quadrados dos desvios das observações em relação à média da amostra. Habitualmente considera-se uma versão corrigida da variância 29

30 Medidas de dispersão: desvio padrão A variância não vem representada na mesma unidade das observações. Se tomarmos a raiz quadrada da variância obtemos o desvio padrão que também é uma medida de dispersão e vem na mesma unidade das observações. Nos programas de estatística e nas máquinas de calcular o que aparece são as versões corrigidas da variância e do desvio padrão. O desvio padrão e a variância podem ser fortemente afectados por erros ou observações muito afastadas. 30

31 Medidas de dispersão: coeficiente de variação O Coeficiente de variação é a razão entre o desvio padrão e a média, v = s / x. Trata-se de uma medida relativa de dispersão e por isso não tem unidades. 31

32 Medidas amostrais: assimetria Coeficiente de assimetria é uma medida que assume o valor zero quando a distribuição de frequências da amostra é completamente simétrica e assume valores diferentes de zero (positivos ou negativos) quando a distribuição não é simétrica. Atenção que numa amostra é quase impossível observar simetria pura. Por isso o coeficiente de assimetria assume valores quase sempre diferentes de zero. Para termos uma ideia se a assimetria é relevante devemos comparar o valor do coeficiente com o erro associado. Se o coeficiente não exceder 2 ou 3 vezes o erro, o seu valor não será muito relevante, especialmente quando queremos extrapolar para a população. 32

33 Medidas amostrais: assimetria Uma distribuição possui assimetria positiva (alternativamente negativa) quando existe uma concentração de valores na zona de valores mais reduzidos (alternativamente elevados) da amostra. Assimetria positiva Quase simetria Assimetria negativa Coef.ass. >0 Coef.ass. ~ 0 Coef.ass. <0 33

34 Medidas amostrais: assimetria A assimetria também pode ser avaliada comparando os valores da média, mediana e moda (desde que esta última faça sentido). Assimetria positiva: moda < mediana < média moda média mediana 34

35 Medidas amostrais: assimetria Assimetria negativa: média < mediana < moda Simetria pura: média = mediana = moda Simetria aproximada: média ~ mediana ~ moda 35

36 Gráficos Gráficos de frequências Histogramas Caixas de bigodes ou diagramas de extremos e quartis (boxplots) Diagramas de caule-e-folhas (stem and leaf) Diagramas de dispersão (scatterplot) 36

37 Histogramas O histograma é um gráfico que reflecte a forma da distribuição de frequências da amostra. Também procura reflectir a estrutura (forma) da população de onde foi retirada a amostra. Para construir um histograma é necessário primeiro repartir os dados por classes e depois calcular as respectivas frequências. O histograma é um gráfico de frequências construído a partir desta tabela de frequências (por classes). Os histogramas são particularmente úteis para variáveis contínuas ou variáveis com poucos valores repetidos. 37

38 Histogramas A apresentação do histograma depende muito do número de classes considerado. Um número muito grande de classes produz um histograma com demasiada irregularidade, enquanto um histograma com um número demasiado reduzido de classes oculta a forma da distribuição (perde-se demasiada informação). 38

39 Histogramas Poucas classes Muitas classes 39

40 Gráficos de frequências Gráficos de frequências são gráficos de barras que traduzem graficamente o conteúdo da tabela de frequências. Os mais habituais são os gráficos de frequências absolutas ou relativas, mas também podemos construir gráficos de frequências absolutas ou relativas acumuladas. Os gráficos de frequências (não acumuladas) são apropriados para dados qualitativos ou numéricos discretos (ou que se comportam como tal). Quando as frequências absolutas são reduzidas e a gama de valores da amostra é dispersa os gráficos de frequências tornam-se pouco interessantes (muito irregulares). 40

41 Gráficos de frequências Chama-se função de distribuição empírica à função cuja imagem gráfica é o gráfico de frequências relativas acumuladas. Exemplo: 100% 75% Percent 50% 25% 0% x 41

42 Caixas de bigodes Pode ser encarada como a representação gráfica de algumas medidas de localização: mediana Q 1 Q 3 outliers e extremos 42

43 Caixas de bigodes Mínimo da amostra mas não menos de Q 1-1.5(Q 3 -Q 1 ) Máximo da amostra mas não mais de Q (Q 3 -Q 1 ) 43

44 Caixa de bigodes Algumas caixas têm os bigodes até ao mínimo e máximo e não têm representados outliers. As caixas de bigodes dão informação sobre A localização central: mediana Outras localizações: 1º e 3º quartis e mínimo e máximo. Dispersão: amplitude e distância inter-quartil Assimetria: posição relativa da mediana na caixa, comprimento dos bigodes. 44

45 Caixas de bigodes Assimetria positiva Simetria Assimetria negativa 45

46 Caixa de bigodes comparativas As caixas de bigodes também são úteis para comparar várias amostras num mesmo gráfico, caixas de bigodes comparativas. 46

47 Caixas de bigodes comparativas Exercício 3 da folha 2: 47

48 Diagramas de caule e folha Representa os dados, separando cada valor em duas partes: o caule (valor à esquerda do traço vertical) e a folha (algarismo à direita do traço vertical) Exemplo: ( ) diametro Stem-and-Leaf Plot Frequency Stem & Leaf 3, , , , , Stem width: 1,00 Each leaf: 1 case(s) 48

49 Diagramas de caule e folha Outro exemplo: altura Stem-and-Leaf Plot Frequency Stem & Leaf ( ) Devemos multiplicar cada valor por 10 para recuperar os dados. 2, , , , , , Stem width: 10,00 Each leaf: 1 case(s) 49

50 Formas de distribuições Os gráficos de frequências, histogramas, diagramas de caule-e-folhas (e em parte as caixas de bigodes) dão-nos informação quanto à forma da distribuição dos dados (e consequentemente da população de onde foram retirados) Existem distribuições de vários tipos: unimodais, bimodais e multimodais 50

51 Formas de distribuições Exemplo: unimodal bimodal 51

52 Diagramas de dispersão Os diagramas de dispersão são gráficos que permitem relacionar duas variáveis entre si. Representam-se pares de dados (x,y), onde no eixo horizontal marcam-se os valores de x e no eixo vertical os valores de y 52

53 Diagramas de dispersão Exemplo: pesos e comprimentos de 414 recémnascidos. 53

54 Matrix de diagramas de dispersão Exercício 4 da folha 2: Árvores 54

Estatística Descritiva

Estatística Descritiva Estatística Descritiva Como construir uma distribuição de freqüências. Como construir gráficos de freqüências. Como encontrar medidas de tendência central. Como encontrar medidas de variabilidade. Como

Leia mais

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas 1 AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas Ernesto F. L. Amaral 19 e 28 de agosto de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro:

Leia mais

Escola Secundária Gabriel Pereira Évora Matemática A 10º ano. Planificação da Unidade Geometria

Escola Secundária Gabriel Pereira Évora Matemática A 10º ano. Planificação da Unidade Geometria Escola Secundária Gabriel Pereira Évora Matemática A 10º ano Planificação da Unidade Geometria 1. Generalidades Objecto da estatística e breve nota histórica sobre a evolução desta ciência; utilidade na

Leia mais

MATEMÁTICA. Recenseamento/Sondagem ESTATÍSTICA

MATEMÁTICA. Recenseamento/Sondagem ESTATÍSTICA MATEMÁTICA NOME: ANO: TURMA: N.º FICHA INFORMATIVA ESTATÍSTICA A estatística é uma área da Matemática que trata da recolha, organização, resumo e interpretação de dados, e está presente em todos os ramos

Leia mais

MÓDULO 1. I - Estatística Básica

MÓDULO 1. I - Estatística Básica MÓDULO 1 I - 1 - Conceito de Estatística Estatística Técnicas destinadas ao estudo quantitativo de fenômenos coletivos e empíricamente observáveis. Unidade Estatística nome dado a cada observação de um

Leia mais

Revisão: Noções básicas de estatística aplicada a avaliações de imóveis

Revisão: Noções básicas de estatística aplicada a avaliações de imóveis Curso de Avaliações Prof. Carlos Aurélio Nadal cnadal@ufpr.br 1 AULA 03 Revisão: Noções básicas de estatística aplicada a avaliações de imóveis 2 OBSERVAÇÃO: é o valor obtido durante um processo de medição.

Leia mais

Estatística descritiva

Estatística descritiva Estatística descritiva Para que serve a estatística? Qual o seu principal objectivo? obter conclusões sobre a população usando uma amostra? População Amostragem Amostra Uma ou mais variáveis (X) são observadas

Leia mais

Ferramentas da Qualidade. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT

Ferramentas da Qualidade. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Ferramentas da Qualidade Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histogramas Histograma O histograma é um gráfico de barras no qual o eixo horizontal, subdividido em vários pequenos intervalos, apresenta

Leia mais

UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM

UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Unidade 2 Distribuições de Frequências e Representação Gráfica UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar esta Unidade, você deverá ser capaz de: Calcular

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA TABELAS E GRÁFICOS Departamento de Estatística Luiz Medeiros Tabela de dados multidimensionais Até agora vimos como organizar, resumir e descrever informações referentes

Leia mais

Apresentação Caule e Folha. Exemplo

Apresentação Caule e Folha. Exemplo Análise Exploratória de Dados As técnicas de análise exploratória de dados consistem em gráficos simples de desenhar que podem ser utilizados para resumir rapidamente um conjunto de dados. Uma destas técnicas

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A DETERMINAÇÃO DOS INTERVALOS DE CLASSE

CRITÉRIOS PARA A DETERMINAÇÃO DOS INTERVALOS DE CLASSE CRITÉRIOS PARA A DETERMINAÇÃO DOS INTERVALOS DE CLASSE Número de classes a considerar (k): a) Tabela de Truman L. Kelley n 5 10 25 50 100 200 500 1000 k 2 4 6 8 10 12 15 15 b) k=5 para n 25 e para n >25.

Leia mais

Estatística Descritiva I

Estatística Descritiva I Estatística Descritiva I Bacharelado em Economia - FEA - Noturno 1 o Semestre 2016 Profs. Fábio P. Machado e Gilberto A. Paula MAE0219 (Economia-FEA-Noturno) Estatística Descritiva I 1 o Semestre 2016

Leia mais

1ª Actividade Formativa

1ª Actividade Formativa 1ª Actividade Formativa 1. Foi feito um inquérito a um grupo de 40 compradores de carros novos, de determinada marca, para determinar quantas reparações ou substituições de peças foram feitas durante o

Leia mais

Distribuição de Freqüência

Distribuição de Freqüência Distribuição de Freqüência Representação do conjunto de dados Distribuições de freqüência Freqüência relativa Freqüência acumulada Representação Gráfica Histogramas Organização dos dados Os métodos utilizados

Leia mais

Apresentação de Dados em Tabelas e Gráficos

Apresentação de Dados em Tabelas e Gráficos Apresentação de Dados em Tabelas e Gráficos Os dados devem ser apresentados em tabelas construídas de acordo com as normas técnicas ditadas pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

MÉDIA ARITMÉTICA MÉDIA PONDERADA MODA MEDIANA

MÉDIA ARITMÉTICA MÉDIA PONDERADA MODA MEDIANA MÉDIA ARITMÉTICA MÉDIA PONDERADA MODA MEDIANA Em um amostra, quando se têm os valores de uma certa característica, é fácil constatar que os dados normalmente não se distribuem uniformemente, havendo uma

Leia mais

AULA 03 Resumos e Gráficos de Dados

AULA 03 Resumos e Gráficos de Dados 1 AULA 03 Resumos e Gráficos de Dados Ernesto F. L. Amaral 17 de agosto de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro: LTC.

Leia mais

Capítulo 3 Modelos Estatísticos

Capítulo 3 Modelos Estatísticos Capítulo 3 Modelos Estatísticos Slide 1 Resenha Variáveis Aleatórias Distribuição Binomial Distribuição de Poisson Distribuição Normal Distribuição t de Student Distribuição Qui-quadrado Resenha Slide

Leia mais

Análise Exploratória de Dados

Análise Exploratória de Dados Análise Exploratória de Dados Profª Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva email: alcione.miranda@gmail.com Introdução O primeiro passo

Leia mais

Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro 1º Ciclo. Critérios de Avaliação. Ano Letivo 2015/16 Disciplina MATEMÁTICA 3.º Ano

Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro 1º Ciclo. Critérios de Avaliação. Ano Letivo 2015/16 Disciplina MATEMÁTICA 3.º Ano Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro 1º Ciclo Critérios de Avaliação Ano Letivo 2015/16 Disciplina MATEMÁTICA 3.º Ano Números e Operações Números naturais Utilizar corretamente os numerais ordinais

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL MATEMÁTICA 3 DOMÍNIOS OBJETIVOS ATIVIDADES

PLANIFICAÇÃO ANUAL MATEMÁTICA 3 DOMÍNIOS OBJETIVOS ATIVIDADES PLANIFICAÇÃO ANUAL MATEMÁTICA 3 DOMÍNIOS OBJETIVOS ATIVIDADES Números naturais Conhecer os numerais ordinais Utilizar corretamente os numerais ordinais até centésimo. Contar até um milhão Estender as regras

Leia mais

Análise descritiva de Dados. a) Média: (ou média aritmética) é representada por x e é dada soma das observações, divida pelo número de observações.

Análise descritiva de Dados. a) Média: (ou média aritmética) é representada por x e é dada soma das observações, divida pelo número de observações. Análise descritiva de Dados 4. Medidas resumos para variáveis quantitativas 4.1. Medidas de Posição: Considere uma amostra com n observações: x 1, x,..., x n. a) Média: (ou média aritmética) é representada

Leia mais

Estatística Básica. Armando Oscar Cavanha Filho

Estatística Básica. Armando Oscar Cavanha Filho Estatística Básica Armando Oscar Cavanha Filho 1- INTRODUÇÃO A Estatística tem ampliado a sua participação na linguagem das atividades profissionais da atualidade, já que os números e seus significados

Leia mais

RESUMO DA AULA PRÁTICA DE EXCEL

RESUMO DA AULA PRÁTICA DE EXCEL PARA CONSTRUIR TABELAS: RESUMO DA AULA PRÁTICA DE EXCEL Vai em ; Em seguida irá abrir a janela: Na parte Selecione os dados ou somente a variável que deseja analisar, por exemplo: Em seguida marque a opção

Leia mais

4Distribuição de. freqüência

4Distribuição de. freqüência 4Distribuição de freqüência O objetivo desta Unidade é partir dos dados brutos, isto é, desorganizados, para uma apresentação formal. Nesse percurso, seção 1, destacaremos a diferença entre tabela primitiva

Leia mais

Distribuição de Frequência

Distribuição de Frequência Distribuição de Frequência Tabela de requências Tabela de classiicação simples Tabela de classiicação cruzada Representação gráica Histograma Polígono de requências Distribuição de requências e gráicos

Leia mais

Ferramentas da Qualidade. Professor: Fabrício Maciel Gomes fmgomes@usp.br

Ferramentas da Qualidade. Professor: Fabrício Maciel Gomes fmgomes@usp.br Ferramentas da Qualidade Professor: Fabrício Maciel Gomes fmgomes@usp.br ABORDAGENS DA QUALIDADE ABORDAGENS DA QUALIDADE Desde que a Qualidade se tornou um atributo do processo produtivo, ela vem sendo

Leia mais

Lista de Exercícios 1 - Estatística Descritiva

Lista de Exercícios 1 - Estatística Descritiva 1. O arquivo satisfaçãocomuniversidade.xlsx contém informações de uma amostra de 400 alunos de uma universidade. Deseja-se construir um histograma para a variável desempenho acadêmico, com intervalos de

Leia mais

Conceitos Básicos de Estatística Aula 2

Conceitos Básicos de Estatística Aula 2 Conceitos Básicos de Estatística Aula 2 ISCTE - IUL, Mestrados de Continuidade Diana Aldea Mendes diana.mendes@iscte.pt 13 de Setembro de 2011 DMQ, ISCTE-IUL (diana.mendes@iscte.pt) Estatística 13 de Setembro

Leia mais

CAPÍTULO 1- OPERAÇÕES COM NÚMEROS INTEIROS Indicadores de aprendizagem Verifica se sabes: Identificar o conjunto dos números inteiros.

CAPÍTULO 1- OPERAÇÕES COM NÚMEROS INTEIROS Indicadores de aprendizagem Verifica se sabes: Identificar o conjunto dos números inteiros. CAPÍTULO 1- OPERAÇÕES COM NÚMEROS INTEIROS Identificar o conjunto dos números inteiros. Representar na recta numérica os números inteiros. Indicar o valor absoluto e o simétrico de um número. Comparar

Leia mais

Afinal o que são e como se calculam os quartis? Universidade do Algarve Departamento de Matemática

Afinal o que são e como se calculam os quartis? Universidade do Algarve Departamento de Matemática Afinal o que são e como se calculam os quartis? Susana Fernandes Mónica Pinto Universidade do Algarve Departamento de Matemática Introdução Imaginemos que queremos calcular os quartis de um conjunto de

Leia mais

CAPÍTULO 2 ANÁLISE PRELIMINAR DE DADOS HIDROLÓGICOS. 2.1 Apresentação Gráfica de Dados Hidrológicos

CAPÍTULO 2 ANÁLISE PRELIMINAR DE DADOS HIDROLÓGICOS. 2.1 Apresentação Gráfica de Dados Hidrológicos CAPÍTULO AÁLISE PRELIMIAR DE DADOS HIDROLÓGICOS Conforme exposto no capítulo 1, os fenômenos hidrológicos apresentam uma aleatoriedade intrínseca devida à complexa interação e dependência entre inúmeros

Leia mais

1. Os métodos Não-Paramétricos podem ser aplicados a uma ampla diversidade de situações, porque não exigem populações distribuídas normalmente.

1. Os métodos Não-Paramétricos podem ser aplicados a uma ampla diversidade de situações, porque não exigem populações distribuídas normalmente. TESTES NÃO - PARAMÉTRICOS As técnicas da Estatística Não-Paramétrica são, particularmente, adaptáveis aos dados das ciências do comportamento. A aplicação dessas técnicas não exige suposições quanto à

Leia mais

CAP5: Amostragem e Distribuição Amostral

CAP5: Amostragem e Distribuição Amostral CAP5: Amostragem e Distribuição Amostral O que é uma amostra? É um subconjunto de um universo (população). Ex: Amostra de sangue; amostra de pessoas, amostra de objetos, etc O que se espera de uma amostra?

Leia mais

Preparação para o teste intermédio de Matemática 8º ano

Preparação para o teste intermédio de Matemática 8º ano Preparação para o teste intermédio de Matemática 8º ano Conteúdos do 7º ano Conteúdos do 8º ano Conteúdos do 8º Ano Teorema de Pitágoras Funções Semelhança de triângulos Ainda os números Lugares geométricos

Leia mais

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980 Questão 1. Uma venda imobiliária envolve o pagamento de 12 prestações mensais iguais a R$ 10.000,00, a primeira no ato da venda, acrescidas de uma parcela final de R$ 100.000,00, 12 meses após a venda.

Leia mais

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística Aula 4 Conceitos básicos de estatística A Estatística é a ciência de aprendizagem a partir de dados. Trata-se de uma disciplina estratégica, que coleta, analisa

Leia mais

Construção da base de dados

Construção da base de dados Construção da base de dados Construção da base de dados Construção da base de dados Exemplos de Inquéritos O instrumento de notação Codificação e dicionário das variáveis Data view e variable view Introdução

Leia mais

Stela Adami Vayego - DEST/UFPR 1

Stela Adami Vayego - DEST/UFPR 1 Aula 03 Análise Exploratória dos Dados (Medidas Descritivas de Variáveis Quantitativas) Parte 1 Medidas de Tendência Central Stela Adami Vayego - DEST/UFPR 1 Medidas de Tendência Central dos Dados Para

Leia mais

Testes (Não) Paramétricos

Testes (Não) Paramétricos Armando B. Mendes, DM, UAç 09--006 ANOVA: Objectivos Verificar as condições de aplicabilidade de testes de comparação de médias; Utilizar ANOVA a um factor, a dois factores e mais de dois factores e interpretar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO CAMPUS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO CAMPUS BIOESTATÍSTICA Aula 0 TÓPICOS ABORDADOS: Introdução a estatística; Coleta de dados; Estatística descritiva; Distribuição de frequências; Notação de somatório Medidas de posição. ESTATÍSTICA É um ramo da

Leia mais

Matemática Ficha de Trabalho/Apoio Tratamento de Dados

Matemática Ficha de Trabalho/Apoio Tratamento de Dados Matemática Ficha de Trabalho/Apoio Tratamento de Dados Constrói um gráfico de barras que represente a informação sobre os animais domésticos dos alunos da turma A. 7ºano Organização e análise de dados

Leia mais

Dossiês Didácticos LUÍSA CANTO E CASTRO LOURA MARIA EUGÉNIA GRAÇA MARTINS

Dossiês Didácticos LUÍSA CANTO E CASTRO LOURA MARIA EUGÉNIA GRAÇA MARTINS www.alea.pt Dossiês Didácticos XIII Estatística Descritiva com Excel Complementos. LUÍSA CANTO E CASTRO LOURA MARIA EUGÉNIA GRAÇA MARTINS Departamento de Estatística e Investigação Operacional da Faculdade

Leia mais

Estatística Descritiva II

Estatística Descritiva II Estatística Descritiva II Bacharelado em Economia - FEA - Noturno 1 o Semestre 2015 Gilberto A. Paula G. A. Paula - MAE0219 (IME-USP) Estatística Descritiva II 1 o Semestre 2015 1 / 47 Objetivos da Aula

Leia mais

Análise de regressão linear simples. Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Viseu

Análise de regressão linear simples. Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Viseu Análise de regressão linear simples Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Viseu Introdução A análise de regressão estuda o relacionamento entre uma variável chamada a variável dependente

Leia mais

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros 2º ciclo PCA - 6º ano Planificação Anual 2013-2014 MATEMÁTICA METAS CURRICULARES

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

Disponibilizo a íntegra das 8 questões elaboradas para o Simulado, no qual foram aproveitadas 4 questões, com as respectivas resoluções comentadas.

Disponibilizo a íntegra das 8 questões elaboradas para o Simulado, no qual foram aproveitadas 4 questões, com as respectivas resoluções comentadas. Disponibilizo a íntegra das 8 questões elaboradas para o Simulado, no qual foram aproveitadas questões, com as respectivas resoluções comentadas. Amigos, para responder às questões deste Simulado, vamos

Leia mais

Capítulo 5 Representações gráficas para variáveis quantitativas

Capítulo 5 Representações gráficas para variáveis quantitativas Capítulo 5 Representações gráficas para variáveis quantitativas Introdução Até o capítulo passado, você aprendeu a sintetizar dados a partir de um conjunto desordenado de dados, identificando a quantidade

Leia mais

Lista 2. Considere os dados abaixo sobre distribuição de salário (em reais) num grupo de 1000 individuos.

Lista 2. Considere os dados abaixo sobre distribuição de salário (em reais) num grupo de 1000 individuos. Lista 2 Exercício 1 Considere os dados abaixo sobre distribuição de salário (em reais) num grupo de 1000 individuos. Tabela 1: Distribuição de frequências da variável salário Classe de Salário n i f i

Leia mais

Índice de Exercícios. Exercício 1.

Índice de Exercícios. Exercício 1. Índice de Exercícios Exercício 1...1 Exercício 2...2 Exercício 3...4 Exercício 4...7 Exercício 5. (Ficha de trabalho de Metrologia e Qualidade módulo 4)...8 Exercício 6. (Ficha de trabalho de Metrologia

Leia mais

Distribuição de probabilidades

Distribuição de probabilidades Luiz Carlos Terra Para que você possa compreender a parte da estatística que trata de estimação de valores, é necessário que tenha uma boa noção sobre o conceito de distribuição de probabilidades e curva

Leia mais

Análise de Regressão Linear Simples e Múltipla

Análise de Regressão Linear Simples e Múltipla Análise de Regressão Linear Simples e Múltipla Carla Henriques Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Viseu Carla Henriques (DepMAT ESTV) Análise de Regres. Linear Simples e Múltipla

Leia mais

2.1. Para este tipo de estudo determine a população e a variável estatística.

2.1. Para este tipo de estudo determine a população e a variável estatística. Universidade de Santiago FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA Estatística Aplicada a Ciência Sociais Teste Escrito Estatística Descritiva Leia com atenção e responda convenientemente às questões. 1. Na empresa

Leia mais

ActivALEA. active e actualize a sua literacia

ActivALEA. active e actualize a sua literacia ActivALEA active e actualize a sua literacia N.º 0 - DIIAGRAMA DE EXTREMOS E QUARTIIS Por: Maria Eugénia Graça Martins Departamento de Estatística e Investigação Operacional da FCUL memartins@fc.ul.pt

Leia mais

OUTLIERS Conceitos básicos

OUTLIERS Conceitos básicos Outliers: O que são? As observações que apresentam um grande afastamento das restantes ou são inconsistentes com elas são habitualmente designadas por outliers. Estas observações são também designadas

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA 7.º ANO PLANIFICAÇÃO GLOBAL Planificação 7º ano 2012/2013 Página 1 DOMÍNIO TEMÁTICO: NÚMEROS

Leia mais

ESTATÍSTICA ORGANIZAÇÃO E REPRESENTAÇÃO DE DADOS. Tabelas. Frequência absoluta. Frequência relativa

ESTATÍSTICA ORGANIZAÇÃO E REPRESENTAÇÃO DE DADOS. Tabelas. Frequência absoluta. Frequência relativa Tabelas. Frequência absoluta. Frequência relativa Com a análise de uma turma, elaborou as seguintes Tabelas: Tabelas. Frequência absoluta. Frequência relativa Perguntou-se a cada aluno a altura e obteve-se

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIAS

DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIAS DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIAS 1 Dados Brutos: são os dados tomados como eles são, de forma desorganizada. Indica-se por x i Rol: são os dados organizados em ordem crescente ou decrescente. Tamanho da amostra:

Leia mais

O teste de McNemar. A tabela 2x2. Depois

O teste de McNemar. A tabela 2x2. Depois Prof. Lorí Viali, Dr. http://www.pucrs.br/famat/viali/ viali@pucrs.br O teste de McNemar O teste de McNemar para a significância de mudanças é particularmente aplicável aos experimentos do tipo "antes

Leia mais

UNIVERSIDADE DOS AÇORES Cursos de Sociologia e de Serviço Social Estatística I 1º Semestre 2006/2007

UNIVERSIDADE DOS AÇORES Cursos de Sociologia e de Serviço Social Estatística I 1º Semestre 2006/2007 UNIVERSIDADE DOS AÇORES Cursos de Sociologia e de Serviço Social Estatística I 1º Semestre 2006/2007 Ficha de Exercícios nº 5 Distribuições Importantes 1. A probabilidade de os doentes de uma determinada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA 1 a LISTA DE EXERCÍCIOS Bioestatística Professor: Ednaldo Carvalho Guimarães

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA 1 a LISTA DE EXERCÍCIOS Bioestatística Professor: Ednaldo Carvalho Guimarães UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA a LISTA DE EXERCÍCIOS Bioestatística Professor: Ednaldo Carvalho Guimarães ) Um pesquisador obteve os seguintes valores de umidade (%) em casa

Leia mais

Distribuição Gaussiana. Modelo Probabilístico para Variáveis Contínuas

Distribuição Gaussiana. Modelo Probabilístico para Variáveis Contínuas Distribuição Gaussiana Modelo Probabilístico para Variáveis Contínuas Distribuição de Frequências do Peso, em gramas, de 10000 recém-nascidos Frequencia 0 500 1000 1500 2000 2500 3000 3500 1000 2000 3000

Leia mais

PROBABILIDADE. Aula 5

PROBABILIDADE. Aula 5 Curso: Psicologia Disciplina: Métodos Quantitativos Profa. Valdinéia Data: 28/10/15 PROBABILIDADE Aula 5 Geralmente a cada experimento aparecem vários resultados possíveis. Por exemplo ao jogar uma moeda,

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE

FERRAMENTAS DA QUALIDADE FERRAMENTAS DA QUALIDADE Docente: Dr. José Carlos Marques Discentes: Estêvão Andrade N.º 2089206 Maria da Luz Abreu N.º 2405797 Teodoto Silva N.º 2094306 Vitalina Cunha N.º 2010607 FERRAMENTAS DA QUALIDADE

Leia mais

I- Estatística Descritiva Exercícios

I- Estatística Descritiva Exercícios Estatística/ Bioestatística/ Métodos Estatísticos/ Bioestatística e Epistemologia da Educação I- Estatística Descritiva Exercícios 1. Considere a seguinte colecção de dados correspondentes ao comprimento

Leia mais

1. Registou-se o número de assoalhadas da população de 100 apartamentos vendidos num bairro residencial

1. Registou-se o número de assoalhadas da população de 100 apartamentos vendidos num bairro residencial Escola Superior de Tecnologia de Viseu Fundamentos de Estatística 2010/2011 Ficha nº 1 1. Registou-se o número de assoalhadas da população de 100 apartamentos vendidos num bairro residencial 0; 0; 0; 1;

Leia mais

Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti

Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti Medidas de Posição Depois de se fazer a coleta e a representação dos dados de uma pesquisa, é comum analisarmos as tendências

Leia mais

http://www.de.ufpb.br/~luiz/

http://www.de.ufpb.br/~luiz/ UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA MEDIDAS DESCRITIVAS Departamento de Estatística Luiz Medeiros http://www.de.ufpb.br/~luiz/ Vimos que é possível sintetizar os dados sob a forma de distribuições de frequências

Leia mais

UTILIZANDO O HISTOGRAMA COMO UMA FERRAMENTA ESTATÍSTICA DE ANÁLISE DA PRODUÇÃO DE ÁGUA TRATADA DE GOIÂNIA

UTILIZANDO O HISTOGRAMA COMO UMA FERRAMENTA ESTATÍSTICA DE ANÁLISE DA PRODUÇÃO DE ÁGUA TRATADA DE GOIÂNIA UTILIZANDO O HISTOGRAMA COMO UMA FERRAMENTA ESTATÍSTICA DE ANÁLISE DA PRODUÇÃO DE ÁGUA TRATADA DE GOIÂNIA Edson Kurokawa (*) Engenheiro Civil pela UFG e Mestre em Engenharia de Produção pela UFSC. Trabalha

Leia mais

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística - SEPLAG-2010 - APO

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística - SEPLAG-2010 - APO Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística - SEPLAG-010 - APO 11. O Dia do Trabalho, dia 1º de maio, é o 11º dia do ano quando o ano não é bissexto. No ano de 1958, ano em que o Brasil ganhou,

Leia mais

Elaborado por Eduardo Rebouças Carvalho Hermano Alexandre Lima Rocha DISTRIBUIÇÃO NORMAL

Elaborado por Eduardo Rebouças Carvalho Hermano Alexandre Lima Rocha DISTRIBUIÇÃO NORMAL Faculdade de Medicina Universidade Federal do Ceará Elaborado por Eduardo Rebouças Carvalho Hermano Alexandre Lima Rocha DISTRIBUIÇÃO NORMAL - Uma curva de distribuição pode descrever a forma da distribuição

Leia mais

36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase

36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase 36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase Soluções Nível 1 Segunda Fase Parte A CRITÉRIO DE CORREÇÃO: PARTE A Na parte A serão atribuídos 5 pontos para cada resposta correta e a pontuação

Leia mais

Estatística Básica. Introdução à Análise Exploratória de Dados. Renato Dourado Maia. Instituto de Ciências Agrárias

Estatística Básica. Introdução à Análise Exploratória de Dados. Renato Dourado Maia. Instituto de Ciências Agrárias Estatística Básica Introdução à Análise Exploratória de Dados Renato Dourado Maia Instituto de Ciências Agrárias Universidade Federal de Minas Gerais Organização de Dados Hoje, serão discutidos alguns

Leia mais

Os gráficos estão na vida

Os gráficos estão na vida Os gráficos estão na vida A UUL AL A Nas Aulas 8, 9 e 28 deste curso você já se familiarizou com o estudo de gráficos. A Aula 8 introduziu essa importante ferramenta da Matemática. A Aula 9 foi dedicada

Leia mais

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Instituída pela Lei 0.45, de 9/04/00 - D.O.U. de /04/00 Pró-Reitoria de Ensino de Graduação - PROEN Disciplina: Cálculo Numérico Ano: 03 Prof: Natã Goulart

Leia mais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 04. Carregamento Axial Tensão Normal

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 04. Carregamento Axial Tensão Normal FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA TECNOLOGIA MECÂNICA Aula 04 Carregamento Axial Tensão Normal Prof. Me. Dario de Almeida Jané Mecânica dos Sólidos - Revisão do conceito de Tensão - Carregamento

Leia mais

Não é permitido o uso de corrector. Em caso de engano, deve riscar, de forma inequívoca, aquilo que pretende que não seja classificado.

Não é permitido o uso de corrector. Em caso de engano, deve riscar, de forma inequívoca, aquilo que pretende que não seja classificado. Teste Intermédio de Matemática B 2010 Teste Intermédio Matemática B Duração do Teste: 90 minutos 13.04.2010 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Utilize apenas caneta ou esferográfica

Leia mais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais Exame Final Nacional do Ensino Secundário Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 835/2.ª Fase 15 Páginas Duração

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ANÁLISE DE DADOS Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ANÁLISE DE DADOS Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular ANÁLISE DE DADOS Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Gestão das Organizações Desportivas 3. Ciclo de Estudos 1º

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família AULA 12 - AJUSTAMENTO DE CURVAS E O MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS Ajustamento de Curvas Sempre que desejamos estudar determinada variável em função de outra, fazemos uma análise de regressão. Podemos dizer

Leia mais

TQT. As 7 Ferramentas Básicas da Qualidade. Formação em Qualidade Total. adapt UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA ESCOLA SUPERIOR DE BIOTECNOLOGIA

TQT. As 7 Ferramentas Básicas da Qualidade. Formação em Qualidade Total. adapt UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA ESCOLA SUPERIOR DE BIOTECNOLOGIA Formação em Qualidade Total TQT As 7 Ferramentas Básicas da Qualidade UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA ESCOLA SUPERIOR DE BIOTECNOLOGIA adapt FSE MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE ÍNDICE 1 Introdução

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo

UNIVERSIDADE DO ALGARVE Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo UNIVERSIDADE DO ALGARVE Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo APLICAÇÕES NO SPSS Disciplina de Estatística Gestão Disciplina de Estatística Gestão Hoteleira Disciplina de Estatística Descritiva

Leia mais

1 Propagação de Onda Livre ao Longo de um Guia de Ondas Estreito.

1 Propagação de Onda Livre ao Longo de um Guia de Ondas Estreito. 1 I-projeto do campus Programa Sobre Mecânica dos Fluidos Módulos Sobre Ondas em Fluidos T. R. Akylas & C. C. Mei CAPÍTULO SEIS ONDAS DISPERSIVAS FORÇADAS AO LONGO DE UM CANAL ESTREITO As ondas de gravidade

Leia mais

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008 1 Sumário 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. Introdução...3 Ferramentas da Qualidade...4 Fluxograma...5 Cartas de Controle...7 Diagrama de Ishikawa...9 Folha de Verificação...11 Histograma...13 8. 9. 10. Gráfico de

Leia mais

Cotagem de dimensões básicas

Cotagem de dimensões básicas Cotagem de dimensões básicas Introdução Observe as vistas ortográficas a seguir. Com toda certeza, você já sabe interpretar as formas da peça representada neste desenho. E, você já deve ser capaz de imaginar

Leia mais

Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias 1. Trajectórias Planas. 1 Trajectórias. 4.3 exercícios... 6. 4 Coordenadas polares 5

Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias 1. Trajectórias Planas. 1 Trajectórias. 4.3 exercícios... 6. 4 Coordenadas polares 5 Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias Trajectórias Planas Índice Trajectórias. exercícios............................................... 2 2 Velocidade, pontos regulares e singulares 2 2. exercícios...............................................

Leia mais

Exemplo Considere novamente os dados sobre a dureza do alumínio. Fonte: Hoaglin, Mosteller e Tukey, 1983, apud Morettin & Bussab,

Exemplo Considere novamente os dados sobre a dureza do alumínio. Fonte: Hoaglin, Mosteller e Tukey, 1983, apud Morettin & Bussab, Gráficos Exemplo Considere novamente os dados sobre a dureza do alumínio. 53,0 70,2 84,3 69,5 77,8 87,5 53,4 82,5 67,3 54,1 70,5 71,4 95,4 51,1 74,4 55,7 63,5 85,8 53,5 64,3 82,7 78,5 55,7 69,1 72,3 59,5

Leia mais

CARTOGRAFIA TEMÁTICA: MÉTODOS DE CLASSIFICAÇÃO DOS DADOS GEOGRÁFICOS QUANTITATIVOS

CARTOGRAFIA TEMÁTICA: MÉTODOS DE CLASSIFICAÇÃO DOS DADOS GEOGRÁFICOS QUANTITATIVOS CARTOGRAFIA TEMÁTICA: MÉTODOS DE CLASSIFICAÇÃO DOS DADOS GEOGRÁFICOS QUANTITATIVOS NOTAS DE AULA PROFA. MÔNICA M. S. DECANINI 2003 DPTO DE CARTOGRAFIA FCT UNESP PRESIDENTE PRUDENTE CARTOGRAFIA TEMÁTICA:

Leia mais

Gráficos estatísticos: histograma. Série Software ferramenta

Gráficos estatísticos: histograma. Série Software ferramenta Gráficos estatísticos: histograma Série Software ferramenta Funcionalidade Este software permite a construção de histogramas a partir de uma tabela de dados digitada pelo usuário. Gráficos estatísticos:

Leia mais

Variáveis aleatórias contínuas e distribuiçao Normal. Henrique Dantas Neder

Variáveis aleatórias contínuas e distribuiçao Normal. Henrique Dantas Neder Variáveis aleatórias contínuas e distribuiçao Normal Henrique Dantas Neder Definições gerais Até o momento discutimos o caso das variáveis aleatórias discretas. Agora vamos tratar das variáveis aleatórias

Leia mais

Capítulo 5 Apresentação Estatística - Gráficos e Tabelas.

Capítulo 5 Apresentação Estatística - Gráficos e Tabelas. Capítulo 5 Apresentação Estatística - Gráficos e Tabelas. 5.1 - OBJETIVO DO CAPÍTULO Um dos objetivos da Estatística é sintetizar os valores que uma ou mais variáveis podem assumir, para que tenhamos uma

Leia mais

Dados e Estatística na TI-nspire MATERIAIS DE APOIO ÀS SESSÕES PRÁTICAS. Grupo de Trabalho T 3 da Associação de Professores de Matemática

Dados e Estatística na TI-nspire MATERIAIS DE APOIO ÀS SESSÕES PRÁTICAS. Grupo de Trabalho T 3 da Associação de Professores de Matemática na TI-nspire MATERIAIS DE APOIO ÀS SESSÕES PRÁTICAS 0. Os números loucos do futebol Em plena crise financeira, os clubes de futebol conseguem continuar a investir milhões nas contratações de novos jogadores

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Índice RESUMO EXECUTIVO...

Leia mais

Capítulo 5: Aplicações da Derivada

Capítulo 5: Aplicações da Derivada Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo 5: Aplicações da Derivada 5- Acréscimos e Diferenciais - Acréscimos Seja y f

Leia mais

INFLAÇÃO DE NOTAS E O SEU IMPACTO NO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

INFLAÇÃO DE NOTAS E O SEU IMPACTO NO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR INFLAÇÃO DE NOTAS E O SEU IMPACTO NO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR Gil Nata (gil.nata@gmail.com) Universidade Portucalense/CIIE-UP Tiago Neves* (tiago@fpce.up.pt) Universidade do Porto/CIIE-UP Centro de Investigação

Leia mais

Medidas de Tendência Central

Medidas de Tendência Central Medidas de Tendência Central Generalidades Estatística Descritiva: Resumo ou descrição das características importantes de um conjunto conhecido de dados populacionais Inferência Estatística: Generalizações

Leia mais

Aula 5 Distribuição amostral da média

Aula 5 Distribuição amostral da média Aula 5 Distribuição amostral da média Nesta aula você irá aprofundar seus conhecimentos sobre a distribuição amostral da média amostral. Na aula anterior analisamos, por meio de alguns exemplos, o comportamento

Leia mais