Semana da Metrologia e Qualidade De 19 a 23 de maio de 2014 Curitiba - PR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Semana da Metrologia e Qualidade De 19 a 23 de maio de 2014 Curitiba - PR"

Transcrição

1 Página 1 de 5 Semana da Metrologia e Qualidade De 19 a 23 de maio de Curitiba - PR O objetivo desta semana é permitir que você se atualize através de cursos especializados na área de Metrologia e Qualidade, recebendo informações e conhecimentos fundamentais para a sua atuação profissional. Os cursos da Semana da Metrologia e Qualidade são: - 19 de maio: Calibração, Ajuste e Verificação: 3 Operações Fundamentais da Metrologia (8h): R$ 295,00-20 de maio: Interpretação, validação e análise crítica de certificados de calibração (8h): R$ 295,00-21 de maio: Metrologia e Confiabilidade Metrológica (8h): R$ 295,00-22 de maio: MSA (8h): R$ 295,00-23 de maio: Estatística Básica Aplicada nas Calibrações, Medições e Ensaios (8h): R$ 295,00 19 de maio de Curso Calibração, Ajuste e Verificação: 3 operações Fundamentais da Metrologia (Duração: 8 h) Por que Você conhecerá os aspectos técnicos mais importantes associados com as 3 operações metrológicas fundamentais da participar? metrologia para o completo entendimento e aplicação dos resultados de uma calibração, como ela é realizada e as principais diferenças em relação ao ajuste e a verificação. Será destacada a verificação periódica para a manutenção da confiabilidade da última calibração realizada. Programa - Conceitos Básicos: Instrumento de Medição, Medida Materializada, Padrão de Referência e de Trabalho, Valor Verdadeiro e Valor Convencional, Indicação, Erro de Indicação, Erro Máximo Admissível, Tendência do instrumento de medição e Correção. - Calibração, verificação e ajuste de um instrumento de medição - Os Métodos de Calibração e o procedimento geral de calibração - Curva de Erros ou Tendência - Como selecionar adequadamente os padrões de calibração - Como selecionar adequadamente os fornecedores de calibração/rastreabilidade metrológica - Gerenciamento das calibrações - Ajuste e Regulagem dos Instrumentos de Medição - Verificação Periódica dos Instrumentos de Medição - Gerenciamento das Verificações e Verificação versus Calibração - Dicas para a elaboração de Procedimentos de Calibração: conteúdo e orientações.

2 Página 2 de 5 20 de maio de Curso Interpretação, Validação e Análise Crítica de Certificados de Calibração (Duração: 8 h) Por que Trabalhar com medições ou ensaios envolve o uso de uma série de equipamentos de medição. O conhecimento e a participar? interpretação adequada dos certificados de calibração destes equipamentos permitem ao usuário realizar ações de correções nas medições, determinar se o equipamento é o mais adequado para a aplicação, avaliar a incerteza de forma adequada e, portanto, garantir a qualidade dos resultados obtidos. Definir os critérios de aceitação é fundamental para a análise se o instrumento de medição é adequado ou não para a aplicação desejada. Curso fundamental para todos aqueles envolvidos com os requisitos técnicos dos sistemas de gestão da qualidade. Programa - Conceitos básicos da metrologia segundo o Vocabulário Internacional de Metrologia (VIM) - Valor de uma Divisão e Resolução; - O Sistema Internacional de Unidades - Calibração e ajuste - Conteúdo e interpretação dos certificados de calibração; - Valor Convencional - Média das Indicações no Instrumento de Medição - Erro de Indicação do Instrumento de medição e Tendência - Correção - Incerteza de medição da calibração - Probabilidade de Abrangência (nível de confiança) - Fator de Abrangência k - Condições de Referência - Resultado corrigido; - O resultado de uma Medição e seus elementos - Como obter resultados confiáveis a partir do uso do certificado de calibração - A importância da Incerteza de Medição na Avaliação da Conformidade - Critérios de aceitação: Como definir o Erro Máximo Admissível e o Erro Máximo do Instrumento de Medição - Como analisar se o instrumento de medição é adequado para a aplicação pretendida.

3 Página 3 de 5 21 de maio de Curso Metrologia e Confiabilidade Metrológica (Duração: 8 h) Por que Obter um número e ter um valor confiável são coisas distintas. Este curso é indicado para a garantia da qualidade de participar? resultados nas calibrações, medições e ensaios, seja no chão de fábrica ou em laboratórios, com aplicação em todas as áreas. Como todos os demais cursos, é extremamente didático e com conteúdo de aplicação imediata. Sem dúvida é curso fundamental para quem deseja um curso com informações e recomendações práticas e aplicadas para a confiabilidade metrológica. Programa 1. Conceitos Básicos do Vocabulário Internacional de Metrologia - Metrologia, Medição, Mensurando, Instrumentos de Medição e Medida Materializada Padrão, Valor Verdadeiro e Valor Convencional, Indicação e Erro de Indicação, Incerteza de Medição, Valor de uma Divisão e Resolução, Tendência e Correção 2. Resultado de uma Medição - Elementos do Resultado de uma Medição e como utilizar o certificado de calibração para a aplicação de correções 3. Os erros de medição e como reduzi-los. 4. O Erro Máximo do Instrumento de Medição e como determiná-lo. 5. Conceito de Calibração, Ajuste e Regulagem 6. Intervalos de Calibração e recomendações para reajustar intervalos (método de Schumacher) 7. A importância da Incerteza de Medição na Avaliação da Conformidade 8. Rastreabilidade Metrológica - Elementos da Rastreabilidade Metrológica 9. Verificação - Calibração versus Verificação - Porque Verificar os Instrumentos de Medição Periodicamente - Métodos de Verificação - Verificação não é Evidência de Rastreabilidade - Verificações não programadas 10. Comparações Inter e intralaboratoriais como ferramenta de garantia da qualidade de resultados

4 Página 4 de 5 22 de maio de Curso Incerteza de Medição em Química Analítica Aplicação de Cases (Duração: 8 h) Por que Neste curso apresentaremos cases específicos de avaliação da incerteza de medição na área de química analítica, de participar? modo a fornecer subsídios importantes para facilitar estas avaliações, já que não existe muita literatura a respeito. Programa - Revisão da metodologia para avaliação da incerteza de medição. - case de medição de um volume com uma vidraria - case de medição de uma massa - case de medição em medições envolvendo expressões matemáticas (Concentração, diluições e outros exemplos) 23 de maio de Curso Estatística Básica Aplicada nas Calibrações, Medições e Ensaios (Duração: 8 h) Por que participar? Este curso apresenta aplicação direta em qualquer tipo de calibração, medição e ensaio. A estatística muitas vezes assusta muita gente porque geralmente não é ensinada de forma adequada. Aprender e utilizar estas ferramentas fundamentais da estatística para obter resultados de medição mais confiáveis é um diferencial na carreira dos melhores profissionais da metrologia. Aplicação direta para profissionais que trabalham com calibração, Avaliação de incerteza validação de métodos. Programa 1. A Importância da Distribuição de Probabilidade Normal na Metrologia e Qualidade A média e o desvio padrão 2. A Distribuição t de Student e os Graus de Liberdade O desvio padrão e os graus de liberdade Exemplo de determinação do desvio padrão experimental e sua interpretação 3. A Repetitividade e Reprodutibilidade 4. A Identificação e Rejeição de Outliers em Medições, Calibrações e Ensaios A importância da identificação de outliers A influência de um outlier sobre a média e o desvio padrão experimental O teste de Dixon para a identificação de outliers Teste de Grubbs 5. Testes para a Comparabilidade de Resultados Teste de Cochran, Teste F de Snedecor, Teste t entre duas médias e Erro Normalizado

5 Página 5 de 5 Política de descontos para a Semana da Metrologia e Qualidade: - inscrição, por participante ou empresa, em um curso: R$ 300,00 - inscrição, por participante ou empresa, em dois cursos: R$ 550,00 - inscrição, por participante ou empresa, em três cursos: R$ 800,00 - inscrição, por participante ou empresa, em quatro cursos: R$ 1.100,00 - inscrição, por participante ou empresa, em cinco cursos: R$ 1.300,00 - mais de cinco inscrições para a mesma empresa: R$ 250,00 por inscrição. O valor da inscrição inclui: certificado de participação, apostila sobre o tema abordado e 2 coffee-breaks Solicite as inscrições pelo Local de Realização: A Semana da Metrologia e Qualidade acontecerá na K&L, parceiro do CECT, no endereço abaixo: K&L Laboratório de Metrologia Endereço:Rua Sergipe, Nº Boneca do Iguaçu CEP: Cidade:São José dos Pinhais - PR Tel/Fax:(41) Veja o mapa do local no link Observação: São José dos Pinhais é uma cidade que fica ao lado de Curitiba. Do local do curso ao centro de Curitiba são 15 quilômetros. O aeroporto de Curitiba fica em São José dos Pinhais, bem próximo do local do curso.

RELATÓRIO FINAL DO 5º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA PESO PADRÃO

RELATÓRIO FINAL DO 5º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA PESO PADRÃO RELATÓRIO FINAL DO 5º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA PESO PADRÃO PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:008 pela SGS Certificadora Certificado BR 98/0139 8-set-00 SUMÁRIO

Leia mais

Técnicas para Assegurar Resultados Confiáveis

Técnicas para Assegurar Resultados Confiáveis Gilberto Carlos Fidélis Técnicas para Assegurar Resultados Confiáveis CECT Florianópolis 2010 Direitos desta edição reservados ao CECT - Centro de Educação, Consultoria e Treinamento em Metrologia, Sistema

Leia mais

Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar

Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar I Congresso Brasileiro de Engenharia Clínica Palestra: Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar São Paulo, 30 de Setembro de 2005 Gilberto Carlos Fidélis Instrutor

Leia mais

Orientações para a Implantação da NBR ISO/IEC 17025

Orientações para a Implantação da NBR ISO/IEC 17025 Gilberto Carlos Fidélis Guia Prático Orientações para a Implantação da NBR ISO/IEC 17025 CECT Florianópolis 2010 2010 CECT Direitos desta edição reservados ao CECT - Centro de Educação, Consultoria e Treinamento

Leia mais

PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA AREA DE TEMPERATURA INSTALAÇÕES PERMANENTES Revisão 02 23 de Setembro de 2013 Vide alterações

Leia mais

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA AREA DE TEMPERATURA FORA DAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 02 22 de Novembro de

Leia mais

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as Confiabilidade, calibração e definições importantes para os instrumentos de medir Os instrumentos de medição são os dispositivos utilizados para realizar uma medição e no âmbito da metrologia legal são

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS

GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS Curso GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS Data: 23 de abril de 2014 Hora: 13 às 17 horas Ministrante: Eng. Químico ROBÉRIO FERNANDES ALVES DE OLIVEIRA Diretor Vice-Presidente da ABQ Meus contatos: Email:

Leia mais

PROTOCOLO DO 3º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA 2015 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PRESSÃO

PROTOCOLO DO 3º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA 2015 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PRESSÃO PROTOCOLO DO 3º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA 2015 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PRESSÃO Revisão 01 24 de julho de 2015 Fol. 1 de 8 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES iniciou suas atividades

Leia mais

Ganhos do Plano de Calibração. Celso P. Saraiva Resp. Técnico Lab. Calibração

Ganhos do Plano de Calibração. Celso P. Saraiva Resp. Técnico Lab. Calibração Ganhos do Plano de Calibração Celso P. Saraiva Resp. Técnico Lab. Calibração Desenvolvimento Definições básicas em Metrologia; Propriedades das distribuições normais; O que calibrar? Como estabelecer um

Leia mais

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Instrutor Gilberto Carlos Fidélis Eng. Mecânico com Especialização em Metrologia pelo NIST - Estados Unidos e NAMAS/UKAS

Leia mais

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA Revisão 00-24 de novembro de 2014 Fol. 1 de 8 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES iniciou suas atividades

Leia mais

Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica

Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica Metrologia é a Ciência da Medida Uma reputação de qualidade é um dos bens de mais alto valor de uma empresa. A grande importância de uma alta

Leia mais

Marcus Henrique C. de la Cruz

Marcus Henrique C. de la Cruz Incerteza de Medição em Análise Química Análise Cromatográfica Marcus Henrique C. de la Cruz Comissão do Programa de Ensaio de Proficiência EP - INCQS Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde

Leia mais

METROLOGIA E ENSAIOS

METROLOGIA E ENSAIOS METROLOGIA E ENSAIOS Requisitos de Calibração e Ensaios Prof. Alexandre Pedott pedott@producao.ufrgs.br Requisitos de Calibração OBRIGAÇÃO DA ISO (PAPELADA) X REDUÇÃO DA VARIAÇÃO (QUALIDADE DO PRODUTO)

Leia mais

Leticia de A. P. Rodrigues Msc Ciência de Alimentos, doutoranda em Química Analítica Metrologia Química e volumétrica - MQV SENAI Lauro de Freitas

Leticia de A. P. Rodrigues Msc Ciência de Alimentos, doutoranda em Química Analítica Metrologia Química e volumétrica - MQV SENAI Lauro de Freitas Leticia de A. P. Rodrigues Msc Ciência de Alimentos, doutoranda em Química Analítica Metrologia Química e volumétrica - MQV SENAI Lauro de Freitas Definição de rastreabilidade metrológica VIM, 2012 Propriedade

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO 4º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA

RELATÓRIO FINAL DO 4º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA RELATÓRIO FINAL DO 4º PROGRAMA DE SAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:2008 pela SGS Certificadora Certificado BR 98/0139 8-set-200 Relatório do PEP 004/2010

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 02/2014

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 02/2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 02/2014 O Presidente da Fundação Ezequiel Dias, no uso das atribuições que lhe confere o Decreto n.º 45.712, de 30/08/2011, em consonância ao disposto na Lei Delegada

Leia mais

PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA AREA DE PRESSÃO FORA DAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 02 22 de Novembro de 2013

Leia mais

Formulário de Resíduos Sólidos - Destinador

Formulário de Resíduos Sólidos - Destinador Formulário de Resíduos Sólidos - Destinador Quem deve preencher este formulário? Destinadores de resíduos sólidos perigosos, que realizem atividades relacionadas no Anexo I da Instrução Normativa Ibama

Leia mais

Esta Norma se aplica a todas as UO da Dimel e aos órgãos integrantes da RBMLQ. A responsabilidade pela revisão desta Norma é da Dimel/Disem.

Esta Norma se aplica a todas as UO da Dimel e aos órgãos integrantes da RBMLQ. A responsabilidade pela revisão desta Norma é da Dimel/Disem. ELABORAÇÃO DE CERTIFICADOS, LAUDOS E RELATÓRIOS EMITIDOS PELA DIMEL E PELA RBMLQ NORMA N o NIE-DIMEL-032 APROVADA EM SET/03 N o /06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos

Leia mais

2. Fundamentos Teóricos

2. Fundamentos Teóricos 2. Fundamentos Teóricos 2.1. Conceitos Metrológicos 2.1.1. O Sistema Internacional de Unidades O Sistema Internacional de Unidades ( SI ) está dividido em duas classes ; - Unidades de Base - Unidades derivadas

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade. Documentação e Controlo da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade. Documentação e Controlo da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade. Documentação e Controlo da Qualidade João Seabra e Barros INETI - Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação, Departamento de Engenharia Energética e Controlo

Leia mais

AUDITANDO UM SISTEMA DE MEDIÇÃO

AUDITANDO UM SISTEMA DE MEDIÇÃO AUDITANDO UM SISTEMA DE MEDIÇÃO Bernardino Coelho da Silva 1 or não ser um tema de domínio de todos, ainda é muito comum percebermos certa dificuldade dos Auditores na condução de avaliação de sistemas

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE GESTÃO QUALIDADE E AMBIENTAL ISO 9001: 2008 CONCEITOS FUNDAMENTAIS E INTERPRETAÇÃO DOS REQUISITOS Proporcionar aos treinandos

Leia mais

PORTIFÓLIO DE TREINAMENTOS

PORTIFÓLIO DE TREINAMENTOS PORTIFÓLIO DE TREINAMENTOS CURSOS PROFISSIONALIZANTES: CÓDIGO CURSO DESCRIÇÃO PRÉ-REQUISITO CH 30 KN-001 Metrologia Básica Formação em metrologia dimensional ou e instrumentação básica KN-002 Desenho Técnico

Leia mais

Orçamento de Obras. Introdução. Resumo

Orçamento de Obras. Introdução. Resumo Orçamento de Obras Introdução O orçamento é uma das mais importantes áreas no negócio da construção civil e pode determinar o sucesso ou fracasso de uma empresa construtora ou construtor. É um documento

Leia mais

"CANCELADO E SUBSTITUÍDO

CANCELADO E SUBSTITUÍDO Ano 7 Nº 22 fevereiro 2012 Petrobras implementa sistema de gestão de projetos de P&D com parceiros Desde 1º de fevereiro, entrou em operação o Sistema de Gestão de Investimentos em Tecnologia (SIGITEC),

Leia mais

DESCRIÇÃO DO SERVIÇO

DESCRIÇÃO DO SERVIÇO DESCRIÇÃO DO SERVIÇO Serviço de consultoria metodológica é oferecido com a participação de profissionais com grau de Doutor em Educação e é oferecido em duas modalidades: reais e virtuais. No modelo tradicional

Leia mais

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná Ministério da Saúde/ Diretoria de Coordenação e Articulação do Sistema Nacional - DSNVS Apresentaçã ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012 Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril

Leia mais

Iris Trindade Chacon Chefe da Difiq

Iris Trindade Chacon Chefe da Difiq Rastreabilidade dos Padrões Iris Trindade Chacon Chefe da Difiq Aspectos associados Calibração Padrões Cadeia de rastreabilidade Processo produtivo Sistema da qualidade Certificado de calibração AcreditaçãoA

Leia mais

Curso e-learning CEP Controle Estatístico de Processo

Curso e-learning CEP Controle Estatístico de Processo Curso e-learning CEP Controle Estatístico de Processo Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Objetivos

Leia mais

PLANO DO PROJETO. Início: 18/11/10 Término: 16/12/10. Projeto: Treinamento em Gerenciamento de Projetos

PLANO DO PROJETO. Início: 18/11/10 Término: 16/12/10. Projeto: Treinamento em Gerenciamento de Projetos PLANO DO PROJETO : Treinamento em Gerenciamento de s : Carlos Magno da Silva Xavier Início: 18/11/10 Término: 16/12/10 Versão: 01 1 Introdução 1.1. Justificativa No momento atual, em que várias organizações

Leia mais

METROLOGIA E ENSAIOS CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

METROLOGIA E ENSAIOS CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 164 METROLOGIA E ENSAIOS CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 1. Identificação Código 1.1. Disciplina: Metrologia e Ensaios 0980012 1.2. Unidade: Centro de Engenharias 458 1.3 Responsável*: Engenharia de Produção

Leia mais

CALIBRAÇÃO 2 O QUE É CALIBRAÇÃO DE UM INSTRUMENTO DE MEDIÇÃO?

CALIBRAÇÃO 2 O QUE É CALIBRAÇÃO DE UM INSTRUMENTO DE MEDIÇÃO? DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE MECÂNICA APOSTILA DE METROLOGIA Cid Vicentini Silveira 2005 1 OBJETIVOS DESTE CAPÍTULO Determinar o que é calibração, por quê, o quê, quando, onde e como calibrar; Interpretar

Leia mais

Jateamento controle NOSSA QUALIDADE É O NOSSO CARTÃO DE APRESENTAÇÃO. Peça Original. Corpo de Prova

Jateamento controle NOSSA QUALIDADE É O NOSSO CARTÃO DE APRESENTAÇÃO. Peça Original. Corpo de Prova NOSSA QUALIDADE É O NOSSO CARTÃO DE APRESENTAÇÃO A PS Anticorrosão possui uma sólida política de qualidade, que assegura o cumprimento das inúmeras exigências previstas em normas para cada fase do processo

Leia mais

Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição.

Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição. Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição. De acordo com a Norma NBR 1001, um grande número de fatores influência a freqüência de calibração. Os mais importantes,

Leia mais

VALIDAÇÃO DE MÉTODOS DE ANÁLISE QUÍMICA

VALIDAÇÃO DE MÉTODOS DE ANÁLISE QUÍMICA VALIDAÇÃO DE MÉTODOS DE ANÁLISE QUÍMICA Sabrine Guedes Gonçalves da Silva Bolsista de Iniciação Científica, Química Industrial, UFF Maria Alice Cabral de Goes Orientadora, Eng o. Metalúrgica, M. Sc. RESUMO

Leia mais

Relatório Final do. Ensaio de Proficiência em. Espectrofotometria - 1ª rodada

Relatório Final do. Ensaio de Proficiência em. Espectrofotometria - 1ª rodada Relatório Preliminar do Ensaio de Proficiência em Espectrofotometria 1ª rodada Relatório Final do Ensaio de Proficiência em Espectrofotometria - 1ª rodada ENSAIO DE PROFICIÊNCIA EM ESPECTROFOTOMETRIA 1ª

Leia mais

Comparação de métodos rápidos

Comparação de métodos rápidos Comparação de métodos rápidos 03/05/2016 Sandra Heidtmann 3M 2015. All Rights Reserved A preocupação INOCUIDADE QUALIDADE SAÚDE PUBLICA COMÉRCIO NACIONAL E INTERNACIONAL 3M 2015. All Rights Reserved 2

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO 2º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VOLUME

RELATÓRIO FINAL DO 2º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VOLUME RELATÓRIO FINAL DO 2º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VOLUME PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:2008 pela SGS Certificadora Certificado BR 98/0139 8-set-200 Relatório do PEP

Leia mais

Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais IMPLANTAÇÃO DO LABORATÓRIO DE VAZÃO DE GÁS DA FUNDAÇÃO CENTRO TECNOLÓGICO DE MINAS GERAIS

Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais IMPLANTAÇÃO DO LABORATÓRIO DE VAZÃO DE GÁS DA FUNDAÇÃO CENTRO TECNOLÓGICO DE MINAS GERAIS Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais IMPLANTAÇÃO DO LABORATÓRIO DE VAZÃO DE GÁS DA FUNDAÇÃO CENTRO TECNOLÓGICO DE MINAS GERAIS V Seminário de Metrologia Aeroespacial V SEMETRA 21 a 24 de julho de

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO - CAMPUS SÃO LUIS - MONTE CASTELO PRÓ-REITORIA DE ENSINO Matrizes Curriculares

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO - CAMPUS SÃO LUIS - MONTE CASTELO PRÓ-REITORIA DE ENSINO Matrizes Curriculares Matriz 842 - Engenharia Mecânica Industrial (2002/1) Curso EM - Engenharia Mecânica Industrial Nível Periodicidade Regime Situação Superior Período Não-seriado Matriz em Vigor Per. Letivo Inicial 2002/1

Leia mais

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística Aula 4 Conceitos básicos de estatística A Estatística é a ciência de aprendizagem a partir de dados. Trata-se de uma disciplina estratégica, que coleta, analisa

Leia mais

Curso de Gerência de Projetos Módulo VI Encerrando um

Curso de Gerência de Projetos Módulo VI Encerrando um Curso de Gerência de Projetos Módulo VI Encerrando um projeto (PMBOK) Revisão O que vimos até agora? Iniciando um projeto Desenvolver o termo de abertura Desenvolver o escopo preliminar do projeto Gerenciamento

Leia mais

FATURAMENTO PRESUMIDO OPÇÕES ADICIONAIS - RELATO

FATURAMENTO PRESUMIDO OPÇÕES ADICIONAIS - RELATO FATURAMENTO PRESUMIDO OPÇÕES ADICIONAIS - RELATO O que é o Faturamento Presumido? O Faturamento Presumido disponibiliza o faturamento anual estimado da maioria das empresas brasileiras no último exercício

Leia mais

METROLOGIA SENAI / SP

METROLOGIA SENAI / SP METROLOGIA SENAI / SP Rede de Laboratórios de Serviços Senai / SP Eduardo Ferreira Garcia GIT Metrologia Definição : Metrologia : Ciência da medição e suas aplicações Nota : A metrologia engloba todos

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO 6º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA 2011 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ELETRICIDADE. GRANDEZA: CORRENTE ALTERNADA 60 Hz

RELATÓRIO FINAL DO 6º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA 2011 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ELETRICIDADE. GRANDEZA: CORRENTE ALTERNADA 60 Hz RELATÓRIO FINAL DO 6º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA 2011 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ELETRICIDADE GRANDEZA: CORRENTE ALTERNADA 60 Hz PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:2008 pela SGS Certificadora Certificado

Leia mais

Engenharia de Produção: Grande Área e Diretrizes Curriculares

Engenharia de Produção: Grande Área e Diretrizes Curriculares ABEPRO Associação Brasileira de Engenharia de Produção Engenharia de Produção: Grande Área e Diretrizes Curriculares Documento elaborado nas reuniões do grupo de trabalho de graduação em Engenharia de

Leia mais

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos SENAC Pós-Graduação em Segurança da Informação: Análise de Riscos Parte 2 Leandro Loss, Dr. Eng. loss@gsigma.ufsc.br http://www.gsigma.ufsc.br/~loss Roteiro Introdução Conceitos básicos Riscos Tipos de

Leia mais

Divulgação de Dados Meteorológicos das Estações da Grande Florianópolis

Divulgação de Dados Meteorológicos das Estações da Grande Florianópolis Projeto Integrador Divulgação de Dados Meteorológicos das Estações da Grande Florianópolis Alunos: Rafael Censi Borges Viviane Tayão Dutra Joice Taise Martins Rogério Uhr Santiago Fimínia Martins Professor

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DA GARANTIA DA QUALIDADE PELA NBR ISO/IEC 17025: 2005 E SEUS FATORES CRÍTICOS

A IMPLEMENTAÇÃO DA GARANTIA DA QUALIDADE PELA NBR ISO/IEC 17025: 2005 E SEUS FATORES CRÍTICOS ENQUALAB-2006 Congresso e Feira da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 30 de maio a 01 de junho de 2006, São Paulo, Brasil A IMPLEMENTAÇÃO DA GARANTIA DA QUALIDADE

Leia mais

Desenvolvimento e operação de programas de ensaio de proficiência

Desenvolvimento e operação de programas de ensaio de proficiência XV Encontro Nacional sobre Metodologias e Gestão de Laboratórios da EMBRAPA XV MET Embrapa Clima Temperado PELOTAS - RS Desenvolvimento e operação de programas de ensaio de proficiência Gilberto Batista

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DO ESTREITO DE CÂMARA DE LOBOS Ano Letivo 2014/2015

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DO ESTREITO DE CÂMARA DE LOBOS Ano Letivo 2014/2015 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DO ESTREITO DE CÂMARA DE LOBOS Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO PROVA DE AVALIAÇÃO EXTRAORDINÁRIA DA DISCIPLINA DE LÍNGUA ESTRANGEIRA I - INGLÊS Componente de Formação:

Leia mais

2. Simbologia e Nomenclatura

2. Simbologia e Nomenclatura 2. Simbologia e Nomenclatura Nessa seção simbologia e nomenclatura é apresentado os termos mais utilizados e padronizados em instrumentação industrial. Sua compreensão é de suma importância para o entendimento

Leia mais

EDITAL EDUCAÇÃO CORPORATIVA UNISEPE 2º SEMESTRE DE 2011

EDITAL EDUCAÇÃO CORPORATIVA UNISEPE 2º SEMESTRE DE 2011 EDITAL EDUCAÇÃO CORPORATIVA UNISEPE 2º SEMESTRE DE 2011 Evandro Paulo Bolsoni, Diretor das Faculdades Integradas do Vale do Ribeira - FVR, no uso de suas atribuições, torna público que estarão abertas

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE UM TERMÔMETRO Pt-100 COMO PADRÃO DE TRABALHO DE UM LABORATÓRIO DE SERVIÇOS METROLÓGICOS

CALIBRAÇÃO DE UM TERMÔMETRO Pt-100 COMO PADRÃO DE TRABALHO DE UM LABORATÓRIO DE SERVIÇOS METROLÓGICOS MEROLOGIA-003 Metrologia para a Vida Sociedade Brasileira de Metrologia (SBM) Setembro 0 05, 003, Recife, Pernambuco - BRASIL CALIBRAÇÃO DE UM ERMÔMERO Pt-00 COMO PADRÃO DE RABALO DE UM LABORAÓRIO DE SERVIÇOS

Leia mais

Guia 8 DETERMINAÇÃO INCERTEZA CALIBRAÇÃO DE MASSAS. Associação de Laboratórios Acreditados de Portugal

Guia 8 DETERMINAÇÃO INCERTEZA CALIBRAÇÃO DE MASSAS. Associação de Laboratórios Acreditados de Portugal Guia 8 DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DA CALIBRAÇÃO DE MASSAS Associação de Laboratórios Acreditados de Portugal FICHA TÉCNICA TÍTULO: Guia RELACRE 8 DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DA CALIBRAÇÃO DE MASSAS EDIÇÃO:

Leia mais

Aula 4 Estatística Conceitos básicos

Aula 4 Estatística Conceitos básicos Aula 4 Estatística Conceitos básicos Plano de Aula Amostra e universo Média Variância / desvio-padrão / erro-padrão Intervalo de confiança Teste de hipótese Amostra e Universo A estatística nos ajuda a

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA

CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA O Curso Técnico de Nível Médio em Mecânica, Eixo Tecnológico Controle e Processos Industriais são organizados em 3 módulos de 400 horas. Ao final do curso, 400 horas de estágio

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 40/ 2009 Altera o Artigo 4. e os Anexos II e III da Resolução nº. 64/2008 do CONSEPE,

Leia mais

LABSOL Laboratório de Energia Solar UFRGS

LABSOL Laboratório de Energia Solar UFRGS PROMEC PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA EE ESCOLA DE ENGENHARIA DA UFRGS RELATÓRIO TÉCNICO LABSOL/UFRGS Nº 094/13 PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM ENSAIO DE MÓDULO FOTOVOLTAICO SOLAR

Leia mais

I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013

I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013 I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013 As Redes Metrológicas Estaduais As Redes Metrológicas são específicas e tecnológicas pela atuação. Foram criadas espontaneamente pela

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA Alessandra Luize Fontes SALES Eng.ª Civil, Universidade Federal do Ceará, Rua Quintino Cunha, nº 994, CEP 60425.780, Benfica, Fortaleza (Ce)

Leia mais

UMA EQUIPE PARA MONOGRAFIAS E TCC s.

UMA EQUIPE PARA MONOGRAFIAS E TCC s. UMA EQUIPE PARA MONOGRAFIAS E TCC s. Escrevendo um projeto de tese ou dissertação, escrever um ensaio ou monografia requer uma ampla gama de circunstâncias favoráveis, incluindo a preparação acadêmica

Leia mais

UMA EQUIPE PARA MONOGRAFIAS E TCC s.

UMA EQUIPE PARA MONOGRAFIAS E TCC s. UMA EQUIPE PARA MONOGRAFIAS E TCC s. Escrevendo um projeto de tese ou dissertação, escrever um ensaio ou monografia requer uma ampla gama de circunstâncias favoráveis, incluindo a preparação acadêmica

Leia mais

Tutorial Interpretando o Prognóstico Climático Sazonal

Tutorial Interpretando o Prognóstico Climático Sazonal Tutorial Interpretando o Prognóstico Climático Sazonal COMO TRADUZIR A FAIXA NORMAL EM MILÍMETROS DE PRECIPITAÇÃO i RESUMO O prognóstico climático sazonal de precipitação é usualmente expresso pelas probabilidades

Leia mais

Usando a instrumentação na obtenção de água purificada para produção de fármacos

Usando a instrumentação na obtenção de água purificada para produção de fármacos Usando a instrumentação na obtenção de água purificada para produção de fármacos Como funciona um sistema gerador de água purificada para o processo de fabricação de fármacos através do método de osmose

Leia mais

Comissão Própria de Avaliação. Resultado Avaliação Desempenho Docente 2012.1

Comissão Própria de Avaliação. Resultado Avaliação Desempenho Docente 2012.1 Comissão Própria de Avaliação Resultado Avaliação Desempenho Docente 1 Desempenho dos Docentes por Curso Curso Desempenho Eletrônica Industrial 90,54% Engenharia Mecânica (1º Trimestre) 88,38% Gestão da

Leia mais

Controle de. Fundamentos, Aplicação e Prática

Controle de. Fundamentos, Aplicação e Prática Controle de 2 0 0 7. 1 Qualidade Fundamentos, Aplicação e Prática 1 2 3 4 5 6 7 8 Controle de Qualidade prática O Ensaio de Proficiência (controle externo) e o Controle Interno são ferramentas eficazes

Leia mais

Objetivos: Público Alvo: www.licidata.com.br gerencia@licidata.com.br (41) 3064-1100

Objetivos: Público Alvo: www.licidata.com.br gerencia@licidata.com.br (41) 3064-1100 VITÓRI A - ES 25 A 27 D E FEVEREIRO Objetivos: * Destacar os procedimentos gerenciais e operacionais que devem ser implementados para cumprir as recentes normativas sobre o assunto, em especial a IN 02/2008,

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

esags.edu.br Santo André >Av. Industrial, 1455 - Bairro Jardim (11) 4433-6161 Santos >Av. Conselheiro Nébias, 159 (13) 2127-0003

esags.edu.br Santo André >Av. Industrial, 1455 - Bairro Jardim (11) 4433-6161 Santos >Av. Conselheiro Nébias, 159 (13) 2127-0003 EDITORAÇÃO DIGITAL: NOÇÕES BÁSICAS DE INDESIGN APRESENTAÇÃO: Os softwares de editoração de imagens são ferramentas extremamente potentes e importantes para a atuação de profissionais de diferentes áreas.

Leia mais

6 Calibração de Sistemas de. Fundamentos de Metrologia

6 Calibração de Sistemas de. Fundamentos de Metrologia 6 Calibração de Sistemas de Medição Fundamentos de Metrologia Motivação definição do mensurando procedimento de medição resultado da medição condições ambientais operador sistema de medição Posso confiar

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles.

Leia mais

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA Revisão 01-15 de abril de 2013 Fol. 1 de 8 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES iniciou suas atividades

Leia mais

Menor diferença entre indicações de um dispositivo mostrador que pode ser significativamente percebida. RESOLUÇÃO (DE

Menor diferença entre indicações de um dispositivo mostrador que pode ser significativamente percebida. RESOLUÇÃO (DE 1 1,QVWUXomRGH7UDEDOKR ^'_a`cbdegfihkj lgmndm opmnqir>stdumkfihtj vkw xymz_g{} ~wabdj! ƒu ˆ Š Œ iž ƒ u i %šœ, Ÿž u SUMÁRIO 3 DEFINIÇÕES 1 OBJETIVO 2 REFERÊNCIA 3 DEFINIÇÕES 4 DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE 5 REGISTROS

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM POLÍMEROS UEZO CURRÍCULO NOVO (INGRESSOS A PARTIR DE 2010/01) DISCIPLINAS DO 1º PERÍODO

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM POLÍMEROS UEZO CURRÍCULO NOVO (INGRESSOS A PARTIR DE 2010/01) DISCIPLINAS DO 1º PERÍODO CURRÍCULO NOVO (INGRESSOS A PARTIR DE 2010/01) Código POL1001 POL1002 POL1003 POL1004 POL1005 POL1006 POL1007 DISCIPLINAS DO 1º PERÍODO Disciplina Química Orgânica Química Geral Teoria Química Geral Experimental

Leia mais

Curso Nacional de Capacitação em Pesquisa Clínica

Curso Nacional de Capacitação em Pesquisa Clínica Curso Nacional de Capacitação em Pesquisa Clínica Informações sobre o curso Objetivo Aprimoramento técnico dos profissionais de saúde envolvidos em Pesquisa Clínica. Público Alvo Perfil do aluno: profissionais

Leia mais

2ª ETAPA - TURMA P e R

2ª ETAPA - TURMA P e R CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I PAIE 3 CIÊNCIAS DO AMBIENTE PAIE 3 ÉTICA E CIDADANIA I PAIE 3 FÍSICA GERAL I PAIE 3 GEOMETRIA ANALÍTICA E VETORES PAIE 3 1ª ETAPA - TURMA P e R INTRODUÇÃO À ENGENHARIA

Leia mais

EVENTO PÚBLICO ALVO CARGA HORÁRIA. 16 horas

EVENTO PÚBLICO ALVO CARGA HORÁRIA. 16 horas EVENTO O 1 Fórum Brasileiro de RDC tem como objetivo transmitir as mais recentes atualizações instituídas pelo governo federal, capacitando e aperfeiçoando os agentes públicos, a fim de ampliar a eficiência

Leia mais

INFORMAÇÕES AOS COMITÊS E FRANQUEADOS

INFORMAÇÕES AOS COMITÊS E FRANQUEADOS INFORMAÇÕES AOS COMITÊS E FRANQUEADOS Este material tem o objetivo de fornecer aos comitês regionais e setoriais do PGQP, e a seus franqueados, informações atualizadas sobre o SAG e orientações para a

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Sistemas

Avaliação de Desempenho de Sistemas Avaliação de Desempenho de Sistemas Introdução a Avaliação de Desempenho de Sistemas Prof. Othon M. N. Batista othonb@yahoo.com Roteiro Definição de Sistema Exemplo de Sistema: Agência Bancária Questões

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO CEARÁ CAMPUS SOBRAL

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO CEARÁ CAMPUS SOBRAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO CEARÁ CAMPUS SOBRAL CURSO DE TECNOLOGIA EM IRRIGAÇÃO E DRENAGEM DAVI PAIVA OLIVEIRA ANÁLISE DE CONTROLE E CONFIABILIDADE DE LABORATÓRIOS, UTILIZANDO

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 02 de junho de 2003 [Página 51-52]

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 02 de junho de 2003 [Página 51-52] *Este texto não substitui o publicado do Diário Oficial da União* Diário Oficial da União Seção 1 DOU 02 de junho de 2003 [Página 51-52] RESOLUÇÃO-RE Nº 895, DE 29 DE MAIO DE 2003 O Adjunto da Diretoria

Leia mais

MANUAL DO. estagiário

MANUAL DO. estagiário MANUAL DO estagiário ESTÁCIO SUMÁRIO MANUAL DO ESTAGIÁRIO 1) Vai fazer estágio...5 a) Importância do estágio...5 b) Estágio obrigatório x estágio não obrigatório...5 c) Como é a legislação de estágio?...5

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 5 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo definir os critérios aplicáveis para calibração / verificação de equipamentos de medição utilizados na empresa, cujas medições impactam na qualidade

Leia mais

2 FUNDAMENTOS TEÓRICOS

2 FUNDAMENTOS TEÓRICOS FUNDAMENTOS TEÓRICOS 23 2 FUNDAMENTOS TEÓRICOS 2.1 Histórico da ABNT NBR ISO / IEC 17025 Requisitos gerais para competência de laboratórios de ensaios e calibração. Esta norma foi concebida para substituir

Leia mais

Comércio Exterior. Cursos Completos

Comércio Exterior. Cursos Completos Comércio Exterior Relação de Cursos Cursos Completos Curso Completo de Comércio Exterior: Este curso inclui o conteúdo de quase todos os cursos que oferecemos na área de comércio exterior. Este curso é

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Introdução Planejar o Gerenciamento dos Riscos. Identificar os Riscos Realizar a Análise Qualitativa

Leia mais

Requisitos da Qualidade. Erica Chimara Instituto Adolfo Lutz

Requisitos da Qualidade. Erica Chimara Instituto Adolfo Lutz Requisitos da Qualidade Erica Chimara Instituto Adolfo Lutz Variáveis que afetam a qualidade Conhecimento teórico e treinamento do profissional de laboratório Condição da amostra Controles usados nos testes

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

Treinando a sua equipe para aumentar a competitividade da sua empresa.

Treinando a sua equipe para aumentar a competitividade da sua empresa. Informativo Bimestral da Siqueira Campos Associados junho de 2015 - ano IX - Número 25 Catálogo de Cursos 2015 Treinando a sua equipe para aumentar a competitividade da sua empresa. Nesta edição Estatística

Leia mais

AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE MATURIDADE DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS NA ENERGISA SERGIPE. MSc. Sandra Patrícia B. Rocha

AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE MATURIDADE DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS NA ENERGISA SERGIPE. MSc. Sandra Patrícia B. Rocha AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE MATURIDADE DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS NA ENERGISA SERGIPE MSc. Sandra Patrícia B. Rocha A EMPRESA Um dos principais grupos privados do setor elétrico brasileiro A EMPRESA A EMPRESA

Leia mais

Método de Monte Carlo e ISO

Método de Monte Carlo e ISO Método de Monte Carlo e ISO GUM para cálculo l de incerteza Prof. Dr. Antonio Piratelli Filho Universidade de Brasilia (UnB) Faculdade de Tecnologia Depto. Engenharia Mecânica 1 Introdução: Erro x incerteza

Leia mais

Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas. 14.1. Treinamento é investimento

Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas. 14.1. Treinamento é investimento Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas 14.1. Treinamento é investimento O subsistema de desenvolver pessoas é uma das áreas estratégicas do Gerenciamento de Pessoas, entretanto em algumas organizações

Leia mais

REQUISITOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE ENSAIO E DE CALIBRAÇÃO EM ATIVIDADES DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA

REQUISITOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE ENSAIO E DE CALIBRAÇÃO EM ATIVIDADES DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA SUMÁRIO REQUISITOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE ENSAIO E DE CALIBRAÇÃO EM ATIVIDADES DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA NORMA No NIT-DICLA-026 APROVADA EM MAI/08 Nº 01/06 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação

Leia mais

Manual para acesso às disciplinas na modalidade EAD

Manual para acesso às disciplinas na modalidade EAD Manual para acesso às disciplinas na modalidade EAD Para acessar sua senha: 1. Entrar no portal Metodista online Acesse o site www.bennett.br. No lado superior direito aparecerá a janela da área de login,

Leia mais

Relatório de Boas Práticas

Relatório de Boas Práticas Relatório de Boas Práticas Nome da empresa: WEG EQUIPAMENTOS ELETRICOS S/A CNPJ: 07.175.725/0010-50 Responsável pela prática: Natalino Petry Cargo / Função: Chefe da seção QPOP E-Mail: natalinop@weg.net

Leia mais

Preparação para a Certificação de Engenheiro da Qualidade 1

Preparação para a Certificação de Engenheiro da Qualidade 1 Preparação para a Certificação de Engenheiro da Qualidade 1 OBJETIVOS DO CURSO Apresentar aos participantes os conteúdos do Corpo de Conhecimento necessários à certificação, possibilitando que aprimorem

Leia mais