CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)"

Transcrição

1 CONSELHO REGIONAL DE QUÍICA IV REGIÃO (SP) faebk.m/qv twtte.m/qv Píp e Aplaçõe da Cmatgafa Líqda de Alta Efêa (HPLC) tate: Glheme Jlã Zl Dt em Qíma Aalíta Uep/Aaaqaa Ctat: Ap Aaaqaa, 5 de etemb de Obevaçã: A veã gal deta apeetaçã, m lde ld, fmat PDF, etá dpível a eçã dwlad d te d CRQIV (www.q4.g.b)

2 Píp e Aplaçõe da Cmatgafa Líqda de Alta Efêa (HPLC) D. Glheme Jlã Zl Emal: Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

3 Aplaçõe da Cmatgafa Líqda de Alta Efêa ê (HPLC) HPLC Péeqt: eqt: a amta deve e lúvel a fae móvel Txlga Cmét Fáma Petda d Almet Pteía Amád Cate Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

4 Cmatgafa Líqda de Alta Efêa (HPLC) Stema de HPLC Slvete Cla Ijet Stema de dad Bmba Detet Deate Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

5 Htó khael Semevh Twett (96) Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

6 khael Semevh Twett (96) Cmatgafa Cmatgama étd matgáf Behte de Dethe Btahe Geellhaft étd fíqím de epaaçã de mpete de ma mta, qe evlve a dtbçã dfeeal dete em m tema hetegêe bfá: FASE ESTACIONÁRIA; FASE ÓVEL. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

7 Evlçã da Téa Cmatgáfa 96 Twett CROATOGRAFIA E COLUNA (CC) extat vegeta; la / CaCO 3 ; éte de petóle 938 Izmalv e Shabe CROATOGRAFIA E CAADA DELGADA (CCD, TLC) extat vegeta; plaa de vd / alma ERA da Cmatgafa dea : Pêm Nbel 937, 938, at e Syge CROATOGRAFIA GASOSA (CG, GC) 95 ate Jame CROATOGRAFIA GASOSA (CG, GC) Déada de 96/97 Ka, Jetft, Gw, Hbe, Hlma, Syde e Kklad CROATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTA EFICIÊNCIA (CLAE, HPLC) Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

8 eam de epaaçã matgáfa A epaaçã matgáfa é btda a pat de teaçõe dfeeada ete aalt mpete da mta, fae etaáa e fae móvel. F amta FE FASE ÓVEL AOSTRA FASE ESTACIONÁRIA CAVALHEIRO, A.J. (IQUNESP) Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

9 CROATOGRAFIA: CLASSIFICAÇÃO PELA POLARIDADE DA FASE ESTACIONÁRIA Cmatgafa em FASE NORAL: fae etaáa pla. Ex.: íla gel OR RO S OH OR Cmatgafa em FASE REVERSA: fae etaáa de baxa pladade. Ex. íla de fae lgada C8 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

10 FASE NORAL: fae etaáa pla RO OR S OR OH Qm. Nva, Vl. 5, N. 4, 6663, Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

11 FASE NORAL: fae etaáa pla X=Cl Qad e tlza lagel devatzada m gp plae (fela, a, am, dl), ta fae etaáa pdem e tlzada tat paa matgafa em md mal (fae etaáa pla à elete apla) em fae evea (fae etaáa apla à elete pla). Qm. Nva, Vl. 5, N. 4, 6663, R = CN, Dl, Fela, NH Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

12 FASE NORAL: fae etaáa pla Elem pme a btâa aplae qe pem ma me teaçã m a fae etaáa pla. Aplável a aále de btâa lúve em ága: óle, gda, lpíd. Detaae a epaaçã de ôme. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal Fte: Wate pat

13 eam de epaaçã matgáfa Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal Fte: Adaptad de Wate pat

14 Caateíta da FASES NORAIS Vatage. Veatldade a mdaça de eletvdade altead a fae móve e etaáa. Cla etáve qad e tlza lvete ã aq 3. Uma gade vaedade de btâa gâa ã ma lúve lvete ad em fae mal (útl em LC pepaatva) Devatage. Amta ôa ã de dfíl epaaçã e ã ma váve de e epaa p fae evea. Ctle da fça de elçã me pevível e ma demad qe em fae evea 3. P elçã 4. Deém de peã me devd à 4. Pt de eblçã edzd pde gea baxa vdade d lvete blha 5. Útl paa amta qe pam e demp em lçõe aqa. 5. Alt t d lvete gâ Fte:Adaptad de CROATOGRAFIA LIQUIDA ODERNA HPLC/CLAE. LANÇAS, FERNANDO AURO Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

15 Gah e Peda em FASE NORAL CAVALHEIRO, A.J. (IQUNESP) Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

16 Fae móve em Fae Nmal Fça de Elçã Baxa (lvete A) Hexa éda Fte (lvete B) Clfóm, aettla, tetahdfa Ippal, metal Reteçã ameta m amet da pladade d lt. Agete de peã ôa melham a elçã matgáfa P amét Ád aét fóm paa ád. Amôa tetlama paa bae. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

17 EFEITOS DA FASE ÓVEL E FASE NORAL Slvete fa (A): ãpla 5<k<,5 < Slvete fte (B): pla Seletvdade (α) é ftemete fleada pela ppçã d lvete B tlzad a fae móvel. Seletvdade (α) é ada ma ftemete fleada pel tp d lvete B tlzad a fae móvel. F.E. (pde de eteçã): íla > am > dl > a F.E. (pde de epaaçã): a > íla > dl > am Fte:Adaptad de CROATOGRAFIA LIQUIDA ODERNA HPLC/CLAE. LANÇAS, FERNANDO AURO Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

18 Efet da vaaçã de lvete POLAR a epaaçã matgáfa Cdçõe matgáfa B: Aetat de etla A Clhexa Cla de la 5x4,6 mmx5 µm Vazã de ml m Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

19 Deevlvmet de métd em FASE NORAL Etatéga A. Cla Ca (lvete A: hexa; lvete B: ppal). B. Vefqe a peeça de ada p. C. da a ppçã d lvete B; bttd tp de lvete B (dlmeta, ACN) e a ppçã.em últm a, btta tp de la (dl, am, íla). D. Otmze a dçõe da la (L; damet da patla e vazã da fae móvel.) Fte:Adaptad de CROATOGRAFIA LIQUIDA ODERNA HPLC/CLAE. LANÇAS, FERNANDO AURO Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

20 Fae lgada am (NH ) Aále de eteóde em age Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

21 Fae lgada am (NH ) Amta de de fta: va, tmate laaja... Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

22 FASE REVERSA Fae etaáa de baxa pladade C, C4, C8, C8. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

23 eam de Iteaçã em Fae Revea Iteaçõe ANALITO X FE e F X F (em dem deeete de tedade): Va de Waal Dpl dpl Dpl dpl dzd Dpl dzd dpl dzd Iteaçõe eda: pte. H Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

24 FASE REVERSA: Fae etaáa de baxa pladade C, C4, C8, C8 X=Cl C= C4= C8= C8= R = C, C4, C8 E C8 d de HPLC ma tlzad (~8%): mpt ã ô, mpt plae a medamete aplae. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

25 Cmatgafa de Fae Revea (FR)* FE me pla qe F. Cla Fae Revea C8: Aplaçã qae veal (~ 7% da aplaçõe a lteata) Pemte aále dede btâa hdlúve e/ ôa até btâa lpfíla. *Vatage: Eqlíb ma ápd e adçã eveível Ága ã fl a epdtbldade Sít de adçã ma hmgêe Elçã em gadete faltada Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

26 Cmatgafa de Fae Revea (FR) ODS, RP8, C8 S O S RP8, C8 Fel TS, C SOLVENTES AIS COUNS: Ága Aettla (ACN) eoh Tetadfa (THF) S O S S O S S O S ORDE DE ELUIÇÃO (eete) POLAR APOLAR Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

27 Cmatgafa de Fae Revea (FR) FE me pla qe F. Fa (lvete A) Ága Fte (lvete B) Nmgama etal, Aettla, Tetahdfa Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

28 Agete de peã ôa melham a elçã matgáfa P amét RCOOH RCOO + H + pka 45 Amta de ád abxíl feól Cla: BONDAPAK C8 3 m X 3,9 mm F: Ága, m 5% HOA Deteçã: UV 54m Temp: 3 m. OH O + H + pka Ád aét fóm paa ád. tetlama paa bae. 9. Á. feúl O OH O OH O OH Oe 8. Á. má. Á. âm OH O OH. Ád gál. Á. ptate 3. Á. pohbezó O OH O OH HO O OH OH Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal OH OH HO OH O OH OH O OH 4. dcateqa OH OH OH 6. Á. alíl OH OH 5. Á. afe 7. Á. pmá

29 Aplaçã: atdepev tíl FASE REVERSA (C8) Cla: Zbax ODS 5 m, 5 x,46 mm F: ACN/Tampã 3:7 +,% TEA e,% TFA Tampã Ffat 5 m ph,5 Flx:, ml/m Detet: UV O N H 3 C N H 3 C CH CH 3 N CH 4 N NH H 3 C CH 3 CH 3 N H 3 C Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

30 Aplaçã: aále de tfeó FASE REVERSA (C8) Cla: Ietl ODS 5 x 4,6 mm F: eoh a, ml/m Detet: UV ( e : 95 m) HO CH 3 CH 3 CH 3 O CH 3 CH 3 CH 3 tfel tfel CH 3 O CH 3 CH 3 CH 3 H 3 C HO HO CH 3 CH 3 CH 3 CH 3 tfel CH 3 CH 3 CH 3 H 3 C O CH 3 CH 3 CH 3 tfel (vtama E) O O H 3 C CH 3 CH 3 O CH 3 CH 3 CH 3 Vtama Vtama E aetat CH 3 CH 3 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

31 Aplaçõe da Ppa Fae Etaáa Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

32 FASE ESTACIONÁRIA (Nma e Revea) COLUNAS CROATOGRÁFICAS tb: aç xdável 36 tatad; tém FE * la aplae e a: tb de íla fdda Cla gada (péla): C8 (5 µm) Cla aalíta: C8 5 x 4,6mm x 5µm Cla empepaatva: C8 5 x,mm x µm Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

33 CAVALHEIRO, A.J. (IQUNESP) /37 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

34 Cavalhe, A. J. IQ UNESP Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

35 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal Cavalhe, A. J. IQ UNESP

36 Otmzaçã d paâmet evlvd a epaaçã matgáfa Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

37 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

38 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

39 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

40 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

41 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

42 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

43 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

44 CÁLCULO DO FATOR DE RETENÇÃO (k) Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

45 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

46 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

47 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

48 Eqaçã de Pell: A Eqaçã Fdametal da Relçã em HPLC R Relçã (R) N ( ) k'.. 4 ( k ' ) EFICIÊNCIA Depede da fgaçã d tema FATORES FÍSICOS SELETIVIDADE RETENÇÃO Depedem da aateíta da F e FE d tema FATORES QUÍICOS Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal /37

49 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

50 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

51 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

52 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

53 Efet da etaçã de metal temp de eteçã de mpt aalad Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

54 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

55 Efet da Seletvdade (α) be R. daça a FE gealmete ampahada p mdaça a F Ex. FE al = etl; FE alteatva = C8, C8 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

56 Efet da Seletvdade (α) be R 3. daça a tempeata C k de % α Jal f Chmatgaphy A Vlme 84, Ie, 4 Jly 998, Page 97 4 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

57 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

58 Vlme de Ijeçã x áxma Relçã Paa evta a ataçã d ít de teaçã da la, qe pde aa ma pa a elçã matgáfa, ã e deve jeta m vlme ma qe % d vlme da la vaza. Cáll d vlme máxm dxl, de d=dâmet em mm e L=mpmet da la em m Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

59 Otmzaçã Cmatgáfa d de elçã em Cmatgafa Líqda Iát %B %B Teq. temp Teq. k = (t R t m )/t m %B k k t R t R W e It. Gadete temp k* = (.F)/(V m.%/m) %/m k* k* t R t R W e It. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

60 Otmzaçã Cmatgáfa d Iát Gadete? Gadete explató tlzad paa tete a: Cla RP C8, 5 x 4,6 mm, 5 mm Gadete Lea: 5 a % de ACN, 6 Flx:, ml/m. Amta: < 5 L; 5 mg (,5 mg/ml) d Iát pível t/tg <,5 < k < t/tg <,4,5 < k < d gadete eá eeá á e: t/tg >,4 Ode t = t d últm p t d pme p /tg = temp ttal de gadete explató Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

61 FASE REVERSA C8 AVALIAÇÃO DA AOSTRA GRADIENTE EXPLORATÓRIO d Iát pível t/tg <,5 < k < t/tg <,4,5 < k < d gadete eá eeá t/tg >,4 Amta mplexa Amta mt eta, mt apla Ua THF fae evea ãaqa (NARP). Ua la me lpfíla. Amta mt pla. Ád/Bae/Açae Ctla ph, fça ôa. Ípa. Ta îôa. Cla RP C8, 5 x 4,6 mm, 5 m Gadete Lea: 5 a % de ACN, 6 Flx:, ml/m. Detet: DAD 54 m Amta: < 5 L; 5 g (,5 mg/ml) CAVALHEIRO, A.J. (IQUNESP) Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

62 Amta fál md át pível t Rp = 9 m. t R = 4 m. Gadete Explató C8, 5 x 4,6 mm, 5 m 5 a % de ACN, 6, ml/m. t R /t G = (4 9)/6 =,83 <,5 Elçã áta pível < k < k = 7 % ACN = 7t,7.t R = 74=,7.4 4,8 % k = % ACN = 7t,7.t R = 3,8 % ACN/Ága 4:6 ACN/Ága 3:7 CAVALHEIRO, A.J. (IQUNESP) Relçã atfatóa Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

63 Amta ma dfíl md át pível I t R /t G = (4 9,5)/6 =,4 <,5 t Rp = 9,5 95m. t R =4m m. Gadete Explató C8, 5 x 4,6 mm, 5 m 5 a % de ACN, 6, ml/m. Elçã áta pível < k < k = 7 % ACN =,7.t R =,7.4 = 4,8 % k = % ACN =,7.t R = 3,8 % ACN/Ága 4:6 ACN/Ága 3:7 CAVALHEIRO, A.J. (IQUNESP) Relçã atfatóa Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

64 Amta ma dfíl md át pível II Otmzaçã da F ACN ACN/eOH eoh Gadete Explató k = 7 k = ACN/Ága 4:6 3 ACN/Ága 3: %eoh =, +,37(%ACN),4(%ACN) 6 ACN/eOHÁga 7 ACN/eOHÁga :5:55 5::65 4 eohága 5:5 5 eohága 4:6 ACN/eOHÁga 3:3:47 CAVALHEIRO, A.J. (IQUNESP) J. Chmatg. A, 7: Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

65 Amta ma dfíl md gadete I t Rp = m. t R = 3 m. Gadete Explató C8, 5 x 4,6 mm, 5 m 5 a % de ACN, 6, ml/m. t R /t G = (3 )/6 =,35 <,4 Elçã áta pível,5 < k < d gadete %I ACN =,65.t Rp 9 =,65. 9 = 5,7 % %F ACN =,65.t Rp +,3 =, = 48% % ACN /m = 48/ = 4,8 k*.f/(v m.%m) 83 8,3 % ACN /m = 48/3 =,6 k*.f/(v m.%m),5 a 47 % de ACN,, ml/m. 3 C a 47 % de ACN, 3, ml/m. 6 C CAVALHEIRO, A.J. (IQUNESP) Relçã atfatóa Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

66 Amta ma dfíl md gadete II Gadete Explató Ajta % I e % F k* = 5 k*= 7 5 %/m,6 %/m a 47 % de ACN, 35 C 8, ml/m. 3 C 65 C a 47 % de ACN, 3, ml/m. 6 C a 47 % de ACN, a 47 % de ACN, 36, ml/m. 6 C ml/m, ml/m. 6 C a 47 % de ACN, 7, ml/m. 6 C Cl. 3 m 3,5 m CAVALHEIRO, A.J. (IQUNESP) Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

67 Gadete Otmzaçã. Ajta % Ial e % Fal de B. Otmza k* (dea t G ) 3. Vefa flêa d lvete B 4. Avala flêa da tempeata 5. Ajta fgaçã da la 6. Ota vaáve Ajta % Ial e % Fal de B % eoh 5 m. (%/m.) 5% eoh 5 m. (%/m.) ta de Hebda: 9 feléa e 6 taza (J. Chmat., 6:39 983) 4% eoh 3 m. (%/m.) 57% eoh m. (%/m.) 6% eoh m. (%/m.) 58% eoh 5 m. (%/m.) CAVALHEIRO, A.J. (IQUNESP) Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

68 Gadete Otmzaçã. Ajta % Ial e % Fal de B. Otmza k* (dea t G ) 3. Vefa flêa d lvete B 4. Avala flêa da tempeata 5. Ajta fgaçã da la 6. Ota vaáve Vefa flêa d lvete B 6 m. temp % ACN ta de feó (J. Chmatg., 4:35 98) 6 m. temp % eoh Cl.: C8 m 3 x,4 m ml/m t.a. % ACN % eoh 6 m. temp Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

69 Gadete Otmzaçã. Ajta % Ial e % Fal de B. Otmza k* (dea t G ) 3. Vefa flêa d lvete B 4. Avala flêa da tempeata 5. Ajta fgaçã da la Ajta fgaçã da la: mpmet, patíla, flx R =, 5 m m R =,3 ml/m 4 p ta de Hebda: 9 feléa e 6 taza (J. Chmat., 6:39 983) 5 m m ml/m 5 p Cla C8 d..,46 m F: 4 a 77% eoh a,7%/m R =,5 5 m m R = ml/m 8 p 5 m 5 m ml/m 8 p Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

70 BOBAS DE ALTA PRESSÃO Pemtem vee a etêa à paagem da F exeda pela patíla da FE. Fçã: ppa p flx tate e epdtível de F a td tema. CARACTERÍSTICAS DESEJÁVEIS: mpçã da F e flx pe e exat vazã tía e lve de plaçõe epta ápda a alteaçõe flx e mpçã da F gadete de elçã!! peã máxma: 7 atm (. p) ma pate tída em aç x 36; t matea: ttâ, peek, tefl éa qíma a lvete m mateçã mple eevató de lvete lmtad Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

71 BOBAS DE ALTA PRESSÃO BOBAS DE VOLUE (FLUXO) CONSTANTE Bmba ma tlzada em CLAE Vatagem: Capadade de epetçã d vlme flx e, eqetemete, da áea d p, mem m mdaça a vdade da F blqe da la p patíla. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

72 BOBAS DE ALTA PRESSÃO BOBAS DE VOLUE (FLUXO) CONSTANTE BOBA DO TIPO SERINGA Cll; Baga; Bat, 6 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal Laça, 9

73 BOBAS DE ALTA PRESSÃO BOBAS DE VOLUE (FLUXO) CONSTANTE BOBA DO TIPO PISTÃO RECIPROCANTE OU ALTERNANTE ptã etad a mt p me de egeage e EXCÊNTRICO eam vlme tate de fma ã tía plate bmbamaempegada ma em CLAE atalmetealmete adeqada paa peõe elevada eevató de F: lmtad mvmet d ptã a âmaa geam PULSOS aplaçõe: CLAE aalíta e pepaatva Laça, 9 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

74 SISTEAS DE INTRODUÇÃO DE AOSTRAS (INJETORES) INJETORES ANUAIS amta deve e aplada a la pezada a fma de ma bada eteta válvla de tdçã de amta ma mm: válvla de 6 pót (fí) lp paa eala aalíta (µl) alça de amtagem lp: mpmet e dâmet te defem e vlme lp paa eala pepaatva (ml) Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

75 SISTEAS DE INTRODUÇÃO DE AOSTRAS (INJETORES) INJETORES ANUAIS VISÃO ESQUEÁTICA DO FUNCIONAENTO DA VÁLVULA DE 6 PÓRTICOS POSIÇÃO DE CARGA LOAD etada da amta 6 la 5 aída da amta Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal 3 4 alça de amtagem (lp) etada d elete POSIÇÃO DE INJEÇÃO INJECT /37

76 DETECTORES Fçã d detet: detfa a peeça de btâa de teee qe etejam eld da la matgáfa. Caateíta deejáve: alta ebldade e bax lmte de deteçã ampla faxa de leadade fável e epdtível fál de pea e mate fmaçã qaltatva e qattatva ã detçã d lt ebldade a mdaça a F e de T epta ápda e lea a alteaçõe da etaçõe d lt bax ível de íd Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

77 CLASSIFICAÇÃO De ad m a ppedade medda: Detete de ppedade d elete: medem a vaaçã de ppedade d elete (ex. tate deléta) Detete de ppedade d aalt: medem ppedade fía qíma d aalt (ex. fleêa) De ad m tp de epta: Detete e eíve e à etaçã: e epta ppal à etaçã de m mpete elete (ex. UV, fleêa). Detete eíve a flx de maa: epta ppal à qatdade de maa d mpete da amta qe hega a detet p dade de temp (ex. eletqím, epalhamet de lz). De ad m a eletvdade: Detete vea Detete eletv Detete epeíf Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

78 DETECTORES Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

79 DETECTORES Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

80 DETECTORES CO BASEADOS NA ABSORÇÃO O DE LUZ UV/VIS Faxa de λ tlzada: Ultavleta: 9 4 m Vível: 4 8 m Epet eletmagét /37 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

81 DETECTORES /37 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

82 DETECTORES Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

83 DETECTORES ε LEI DE LABERTBEER Leta = Udade de Abbâa (UA) UA = Depeaçã da lz dete em 9 % Cmpmet de da λ máxm Slvete ε máxm ph Tempeata > Sebldade Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

84 DETECTOR NO UV/VIS DE COPRIENTO DE ONDA FIXO Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

85 DETECTOR NO UV/VIS DE COPRIENTO DE ONDA VARIÁVEL Lâmpada: deté UV tgtê vível Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

86 DETECTOR NO UV/VIS CO ARRANJO DE FOTODIODOS (DAD) aaj de dd: ée de ftdd pad lad a lad m tal de lí de md qe ada λ dfatad pela gade atja m dd. a abbâa de ma amta pde e detemada em td λ de md mltâe. Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

87 CAVALHEIRO, A.J. (IQUNESP) Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

88 DETECTOR UV/VIS mau 5 3 Qal mpmet de da deal paa a aále qattatva? OH OH O m O 5 m 3 m 5 m 8 m max = > > > ebldade Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

89 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

90 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

91 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

92 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

93 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

94 Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

95 Detet Eletqím Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

96 DETECTORES Epetômet de maa (HPLC S/S) Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

97 DETECTORES Cmpaaçã da epta de alg detete Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

98 Algma Da Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

99 Ád ít/k 3 tat Algma Da TAPÕES E CLAE Tampã pk a Faxa UV lmte Ád Tfaét (TFA) >>,5,5 m (,%) H 3 PO 4 /KH PO 4 K HPO 4, < 3, 7, 6,8, < m (, %),3,33,3 Ád fóm/fmat de K Ád aét/aetat de K KHCO 3 K CO 3 /Ád aét Bt ppa.hcl/bt ppa T.HCl/T NH 4 Cl/NH 3 eppeda.hcl/eppeda Et 3 N.HCl/Et 3 N 3, 4,7 5,4 3,8 4,8 64 6,4,3 6,8 9, 8,3 9,,,,6,4,84,8 3,85, ,47,4 9,3,3 5,87,8 8,, 7,39,3 8,, 9,,,, 3 m ( m) m ( m) m ( m) < m ( m) 5 m ( m) 5 m ( m) 5 m ( m) m ( m) 5 m ( m) < m ( m) Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

100 Algma Da Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

101 Algma Da Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

102 Algma Da Gadete tmzad Temp (m) %HO % eoh Temp de eqlíb de 8 m Temp de eqlíb de 3 m Fqe atet a temp de eqlíb da a la Ád áet, % f ad m pe ô Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

103 O qe vê ã deve faze em HPLC Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

104 Agademet A Celh Regal de Qíma CRQIV A Patpate d C Ctat Glheme Jlã Zl Emal: Qaqe dúvda etae empe a dpçã Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa Eôma Fedeal

105 CRQ IV Píp da HPLC Píp da Cmatgafa Líqda de Alta Efêa (HPLC) Dâma. O etedmet d pe matgáf e d fate de eteçã (k ), eletvdade ( ) e efêa (N) é fdametal paa deevlvmet aal de m métd matgáf. Am ed, expla bjetvamete: a) O qe é fça de elçã e qal a a flêa a dtbçã de ada mpete de ma mta de btâa gâa ete a fae etaáa (FE) e móvel (F); b) O qe é eletvdade matgáfa? Cte exempl de lvete e advete m eletvdade dfeete. ) O qe é efêa matgáfa?. Qa a vatage e devatage d d md de elçã át e gadete? 3. Paa avala a qaldade de ma la de CLAE, qa paâmet (te pel me tê) devem e feqüetemete mtad e qe ele pdem da? Ap Caxa Eôma Fedeal

106 CRQ IV Píp da HPLC Píp da Cmatgafa Líqda de Alta Efêa (HPLC) Dâma. a. Qal a aateíta ma mptate de m detet em tema de matgafa líqda? P qe? Qa detete atfazem ea aateíta? b. Cdead ebldade e eletvdade, qe detete eam ma dad paa aale qattatva em CLAE da mta abax: I. Ál e ama atad dta de almet. II. Atxdate plfeól peete em medamet ftteáp. III. Hdabet plíl amát peete a flgem eltate da qema da aadeaçúa amta ambetal etaçõe a dem de g ml (ppb) Ap Caxa Eôma Fedeal

Operação de Estação de Tratamento de Efluentes Líquidos Processo físico-químico

Operação de Estação de Tratamento de Efluentes Líquidos Processo físico-químico Opeaçã de Etaçã de Tatamet de Eflete Líqd Pe fí-qím tate: Kal Adé de Amaal el Qím Idtal - Clt da Edteh Ambetal k.ademel@gmal.m Rbeã Pet, 8 de etemb de Rbeã Pet, 8 de etemb de. Tatamet de Eflete Pe Fí-Qím

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍICA IV REGIÃO (SP) Itdçã à ISO 9:8 Stema de Getã da Qaldade tate: Nefe Bge Faça Teólg ambetal Geete de Negó da QS Cetfat Ctat: efebf@gmal.m Ap Sã Pal, de agt de Obevaçã: A veã gal

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍICA IV REGIÃO (SP) faebk.m/qv twtte.m/qv Atmaçã e getã de labató e tle de qaldade dtal tate: Geg Raphaell Pedete da Labft Telga Ctat: f@mylm.m.b Ap Sã Pal, 9 de etemb de Obevaçã:

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍICA IV REGIÃO (SP) faebk.m/qv twtte.m/qv Bq Qalty tate: Fa Je Feade Jº Clt de Stema de Getã / Adt Ctat: gfeade.fj@gmal.m Ap Paaba, 9 de etemb de Obevaçã: A veã gal deta apeetaçã,

Leia mais

Análise instrumental - da amostragem à validação

Análise instrumental - da amostragem à validação Aále tmetal - da amtagem à valdaçã Mtate: Tha Vtóa da Slva Re Dtada em Qíma Aalíta pel IQ/USP, é deada d Aále Itmetal Avaçada da Faldade Owald Cz tha.vta@waldz.b Sat, de jlh de M ANÁLISE INSTRUMENTAL Da

Leia mais

QUI 102 Metodologia Analítica

QUI 102 Metodologia Analítica QUI 102 Metodologia Analítica 1 semestre 2011 Profa. Maria Auxiliadora Costa Matos Prática: DETERMINAÇÃO DE ÁCIDO ACETILSALICÍLICO, ÁCIDO SALICÍLICO, PARACETAMOL E CAFEÍNA EM MEDICAMENTOS POR HPLC DETERMINAÇÃO

Leia mais

Gerenciamento de passivos ambientais

Gerenciamento de passivos ambientais Geeamet de pav ambeta Mtate: Ma Sll Bahael em Qíma (IQ-USP), Mete em Telga Ambetal (IPT) Det da Edteh Ambetal ma@edtehambetal.m.b - 7-674 Paaba, 6 de tb de Geeamet de Pav Ambeta Apeetaçã MS M.S. Ma Sll

Leia mais

Interpretação da Norma NBR ISO 14001:2004

Interpretação da Norma NBR ISO 14001:2004 Itepetaçã da Nma NBR ISO 4:4 Mtate: Cal Rbet Bead Egehe Qím, Det da Mate Clta albead@matelta.m.b Sã Jé d Camp, 5 de jh de NORMA ISO 4: 4 Pgama: - Beefí da mplemetaçã da ISO 4 - Cet Me Ambete e Getã Ambetal

Leia mais

Polímeros termoplásticos, termofixos e elastômeros

Polímeros termoplásticos, termofixos e elastômeros Plíme templát, temfx e elatôme tate: Oda Jé a Qím Idtal m epealzaçã a áea de matea tét e Gaata da Qaldade de matéa-pma e pe dta jma@htmal.m Sã Pal - 9 e de agt de Plíme Templát, temfx e elatôme Caateíta

Leia mais

Cromatografia Líquida

Cromatografia Líquida Analítica V: Aula 10 Cromatografia Líquida ATENÇÃO À SEQUENCIA DAS PRÁTICAS: Para a Prática de 08/11 cada grupo deverá trazer: - um pacote de M&M (embalagem marrom, de 104 g) - um par de luvas de procedimento

Leia mais

Gerenciamento de resíduos químicos na área da saúde

Gerenciamento de resíduos químicos na área da saúde Geeamet de eíd qím a áea da aúde tate: Cá Gva Bahael em Qíma e Epealta em Getã Públa de Ctle e Edaçã Ambetal gva@fep.b Sã Pal, de jlh de Geeamet de eíd qím em evç de aúde Cá Gva Qím Cmã Ittal de Reíd Qím

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍICA IV REGIÃO (SP) Getã de Pdt Qím tate: Ség At Gçalve Qím Idtal e Clt paa At Reglató Ctat: eggalve.lta@l.m.b Ap Sat e Saba, ag/et de Obevaçã: A veã gal deta apeetaçã, m lde ld,

Leia mais

Corantes nas Indústrias de Bebidas e Alimentos

Corantes nas Indústrias de Bebidas e Alimentos Cate a Idúta de Bebda e Almet tate: Pal Gaa de Almeda ete em Egehaa de Pe Qím e Bqím pga.fd.bev@l.m.b Ba, 5 de ma de CORANTES ALIENTARES Pf. S. Pal Gaa de Almeda Celh Regal de Qíma IV Regã (SP) Ap: Caxa

Leia mais

Cromatografia e suas aplicações em purificação de proteínas e peptídeos. Alexandre Rosolia Assessor Técnico - HPLC

Cromatografia e suas aplicações em purificação de proteínas e peptídeos. Alexandre Rosolia Assessor Técnico - HPLC Cromatografia e suas aplicações em purificação de proteínas e peptídeos Alexandre Rosolia Assessor Técnico - HPLC 1 - Cromatografia Líquida História e Evolução Alexandre Rosolia Assessor Técnico - HPLC

Leia mais

Cromatografia líquida de alta eficiência

Cromatografia líquida de alta eficiência Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Química Cromatografia líquida de alta eficiência Aula de: Michelle Barcellos Professor: Ivan Gonçalves de Souza 1 Cromatografia líquida de alta eficiência

Leia mais

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS Aula 7 Cromatografia Liquida de Alta Eficiência CLAE Profa. Daniele Adão Cromatografia a líquido clássica O que é Cromatografia a líquido de alta eficiência - CLAE? Emprego de altas

Leia mais

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS: MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS Aula 8 Cromatografia Liquida de Alta Eficiência CLAE (Continuação) Profa. Daniele Adão - Solvente grau HPLC (alta pureza): impurezas presentes na FM

Leia mais

'!"( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, ".6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # )

'!( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, .6 )) -2 7! 6))  ) 6 #$ ))! 6) 8 9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) !" #$%&& #% 1 !"# $%& '!"( )*+%, ( -. ) #) /)01 01)0) 2! ' 3.!1(,,, " 44425"2.6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 4442$ ))2 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) 44425"2 ))!)) 2() )! ()?"?@! A ))B " > - > )A! 2CDE)

Leia mais

GABINETE DO SECRETÁRIO

GABINETE DO SECRETÁRIO GABINT DO SRTÁRIO DITAL Nº 006/20 SLÇÃO INTRNA D DONTS ARA ATUAR NOS ROGRAAS STRUTURANTS DA SRTARIA D DUAÇÃO DO STADO DA BAHIA: NSINO ÉDIO AÇÃO IÊNIA NA SOLA, NA ONDIÇÃO D SURVISORS ONITORS/TUTORS ONLIN.

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

4027 Síntese de 11-cloroundec-1-eno a partir de 10-undecen-1-ol

4027 Síntese de 11-cloroundec-1-eno a partir de 10-undecen-1-ol 4027 Síntese de 11-cloroundec-1-eno a partir de 10-undecen-1-ol OH SOCl 2 Cl + HCl + SO 2 C 11 H 22 O C 11 H 21 Cl (170.3) (119.0) (188.7) (36.5) (64.1) Classificação Tipos de reações e classes das substâncias

Leia mais

! $&% '% "' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 / " ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',!

! $&% '% ' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 /  ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',! "#$%% $&% '% "' ' '# '"''%(&%') '*'+&%'# ),'#+# ' %, # - ' # ' "%'''' ' * '. % % ', '%'# ''''') /%, 0.1 2 / " ') 33*&,% *"'",% '4'5&%64'' # ' + 7*' # + "*''''' 12''&% '''&")#'35 ''+,'#.8.&&%, 1 92 '. #

Leia mais

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO GLOSSÁRIO PREV PEPSICO A T A A ABRAPP Aã Aã I Aí I R ANAPAR A A M A A A Lí Aá S C é ç í ê çõ 13ª í ã. Açã B E F Pê P. Cí ê, ã ê. V Cê Aã P ( á). N í, - I R P Fí (IRPF), S R F, à í á, ( 11.053 2004), çã.

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS Aula 1 - Introdução a Cromatografia Profa. Daniele Adão DEFINIÇÃO Conjunto de técnicas de separação cujo princípio depende da distribuição diferenciada dos componentes de uma mistura

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Determinação de cafeína por CLAE

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Determinação de cafeína por CLAE Página: 1 de 5 Nome Função Assinatura Data Elaboração: Liliamarta Novato Colaboradora Análise crítica: Alessandra Pulcineli RQ Substituta Aprovação: Francisco Jairo R. Fonseca RT 1. Objetivo A cafeína

Leia mais

Separação e Cromatografia de Proteínas

Separação e Cromatografia de Proteínas QBQ0316N: Bioquímica Experimental Farmácia São Paulo, 11 de setembro 2013 Separação e Cromatografia de Proteínas Universidade de São Paulo QBQ0316N: Bioquímica Experimental Farmácia São Paulo, 11 de setembro

Leia mais

Sugerencias para el uso de equipos de CLAE. Geison Modesti Costa Escola de Verão em Farmacognosia Fevereiro, 2010 Florianópolis

Sugerencias para el uso de equipos de CLAE. Geison Modesti Costa Escola de Verão em Farmacognosia Fevereiro, 2010 Florianópolis Sugerencias para el uso de equipos de CLAE Geison Modesti Costa Escola de Verão em Farmacognosia Fevereiro, 2010 Florianópolis ESQUEMA DE FUNCIONAMENTO HPLC Injetor Bomba Reservatório Coluna Registrador

Leia mais

Exemplo - Adsorção. Introdução à Cromatografia Líquida Moderna CROMATOGRAFIA CROMATOGRAFIA LÍQUIDO-SÓLIDO (LSC)

Exemplo - Adsorção. Introdução à Cromatografia Líquida Moderna CROMATOGRAFIA CROMATOGRAFIA LÍQUIDO-SÓLIDO (LSC) CROMATOGRAFIA Introdução à Cromatografia Líquida Moderna GSC GÁS GLC FLUÍDO SUPERCRÍTICO COLUNA LÍQUIDO PLANAR TLC PC LSC BPC IEC SEC BPC-RP BPC-NP GPC GFC CROMATOGRAFIA LÍQUIDO-SÓLIDO (LSC) Princípio:

Leia mais

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira.

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira. Q u a, 3 0 d e J u l h o d e 2 0 1 4 search... REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES Selecione a Edição ANTIGAS C l i q u e n o l i n k a b a i xo p a r a a c e s s a r a s e d i ç õ e s a n

Leia mais

Em vigor desde 03/07/2015 Máquinas e Ferramentas - 1 / 20 TABELA DE PREÇOS 3490270 MA0416 TOCHA MIG PLUS 14 2,5MT UN 70,00 1

Em vigor desde 03/07/2015 Máquinas e Ferramentas - 1 / 20 TABELA DE PREÇOS 3490270 MA0416 TOCHA MIG PLUS 14 2,5MT UN 70,00 1 Em vigor desde 03/07/2015 Máquinas e Ferramentas - 1 / 20 3490270 MA0416 TOCHA MIG PLUS 14 2,5MT UN 70,00 1 3490271 MA0417 TOCHA MIG PLUS 14 3MT UN 75,00 1 3490290 MA7043 TOCHA MIG ERGOPLUS 15 3MT UN 80,00

Leia mais

TÉCNICAS CROMATOGRÁFICAS

TÉCNICAS CROMATOGRÁFICAS TÉCNICAS CROMATOGRÁFICAS Técnicas cromatográficas Termo cromatografia são atribuídos ao botânico Mikhael Tswett, em 1906. Chrom cor Graphe escrever Reed (Inglaterra) e Day (EUA) Petróleo Época Moderna

Leia mais

Bem-vindo! Depois de percorrer

Bem-vindo! Depois de percorrer B-! D çã O ê B, ê ê á! A, í ó, á,,,, ç. P é, á ê á. N ó á, ê á çã. D-! Tâ T ê. V ó ê. Há? - >>> >>> >>> >>> - >>> ìì - >>> >>> >>> 2 3 + TRÂNSTO DE PALAVRAS Há á õ ê. V. FRASES CÉLEBRES A ã í? Fç ê. O

Leia mais

Nota10 ESCOLAS DA DIVERSIDADE

Nota10 ESCOLAS DA DIVERSIDADE A fl Clg, Al Glbg: l g q PÁGINA 8 N10 A 13 ú 48 bl//jh 2013 Pblçã l Fçã AlMl Bl ESCOLAS DA DIVERSIDADE Pj Fçã AlMl Bl úbl b blh lã ç fê l l l PÁGINAS 4 E 5 ARUIVO FUNDAÇÃO ARCELORMITTAL BRASIL O l Jé f

Leia mais

6/16/2014 INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS INSTRUMENTAIS DE ANÁLISE MÉTODOS DE SEPARAÇÃO CROMATOGRAFIA. Tipos de Métodos de Separação

6/16/2014 INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS INSTRUMENTAIS DE ANÁLISE MÉTODOS DE SEPARAÇÃO CROMATOGRAFIA. Tipos de Métodos de Separação INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS INSTRUMENTAIS DE ANÁLISE MÉTODOS DE SEPARAÇÃO CROMATOGRAFIA Prof. Wendell Coltro Tipos de Métodos de Separação 1) CLÁSSICOS: precipitação, destilação e extração - Tiveram uso intenso

Leia mais

Telecomunicações Básico

Telecomunicações Básico Telecomunicações Básico Prof. MSc. Eng. ! "!"!"#$ %!"# #% # $ &# #!% '($ ) ) *+, ) $-!.) / 0 1#() 0!2) $% & '() * %# ') % &# /) *%+,,%-, 334-3564.7 &3897.%& / /% 0 0% 1 0 :'( : : $00'( :'(;< : 4.*6 :4.*6

Leia mais

F G. m 2. Figura 32- Lei da gravitação Universal de Newton e Lei de Coulomb.

F G. m 2. Figura 32- Lei da gravitação Universal de Newton e Lei de Coulomb. apítul 3-Ptencal eletc PÍTULO 3 POTEIL ELÉTRIO Intduçã Sabems ue é pssível ntduz cncet de enega ptencal gavtacnal pue a fça gavtacnal é cnsevatva Le de Gavtaçã Unvesal de ewtn e a Le de ulmb sã mut paecdas

Leia mais

A questão a seguir é do concurso público para Perito Criminal da Polícia Federal 2002

A questão a seguir é do concurso público para Perito Criminal da Polícia Federal 2002 A questão a seguir é do concurso público para Perito Criminal da Polícia Federal 2002) 39. A exposição a pesticidas tem levado a um incremento no número de casos de intoxicação que, muitas vezes, não são

Leia mais

- CROMATOGRAFIA EM CAMADA FINA (CCF)

- CROMATOGRAFIA EM CAMADA FINA (CCF) - CROMATOGRAFIA EM CAMADA FINA (CCF) Técnica de identificação e separação de compostos orgânicos Aplicações: - Identificação de componentes de uma mistura - Acompanhamento da evolução de uma reação - Análise

Leia mais

O EMPREITEIRO. Copatrocínio

O EMPREITEIRO. Copatrocínio KH T M W TÃ G A N F NAL UC Lp D CA -A 1200 ÁT X A JT - / A ã 5 1 0 2 D m 26 A A ç p 27 MW c áb fz h C J F g c h Lb 290/ -116 6 1 0 y 2 w h çã f pc G pc m D x f L ª 4 G c M A Jg q A b é C gh H V V g ã M

Leia mais

E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a. A n t o n i o P a i m

E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a. A n t o n i o P a i m E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a A n t o n i o P a i m N o B r a s i l s e d i me nt o u - s e u ma v is ã o e r r a d a d a c id a d a n ia. D e u m mo d o g e r a l, e s s a c

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

PROJETO FIC IFES PRONATEC

PROJETO FIC IFES PRONATEC MNT A AÇÃ NTTT FAL PÍT ANT AMP NVA VNA Mg y 799 Lz 29830-000 N Vé 27 3752-4300 PJT F F PNAT NTFAÇÃ - p p N Vé N Vé - 30/06/204 29/0/204 2 - p N Vâ Mq N 02/05/988 PF 23983487-09 AP 9362 q@fb g A Açã Lçã

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍICA IV REGIÃO (SP) faebk.m/qv twtte.m/qv Píp de m tema APPCC tate: aa Teezha Betz Slva Qíma Idtal e Bólga Fll Slçõe Empeaa Itegada Ctat: maa@fllle.m.b Ap Ba, de dezemb de Obevaçã:

Leia mais

HPLC - Cromatografia líquida de alta eficiência

HPLC - Cromatografia líquida de alta eficiência HPLC - Cromatografia líquida de alta eficiência HPLC High Performance (pressure) Liquid Chromatography nas colunas de enchimemto o fluxo é baixo mesmo para granulometrias elevadas (150-200 µm) < granulometria

Leia mais

Cromat. Líquida. Cromatografia Líquida. Fase Estacionária. Sílica: SiO 2. X H 2 O, também chamado do ácido silícico é a mais empregada.

Cromat. Líquida. Cromatografia Líquida. Fase Estacionária. Sílica: SiO 2. X H 2 O, também chamado do ácido silícico é a mais empregada. Cromatografia Líquida Fase Estacionária Sílica: SiO 2. X H 2 O, também chamado do ácido silícico é a mais empregada. Alumina: Al 2 O 3. X H 2 O, também é largamente empregado. (Adaptado de Harris Quantitative

Leia mais

3. Materiais, amostras, procedimentos analíticos:

3. Materiais, amostras, procedimentos analíticos: 3. Materiais, amostras, procedimentos analíticos: 3.1 Materiais: A Tabela 3.1 apresenta os equipamentos e materiais utilizados, suas características principais, fornecedores, e em quais procedimentos os

Leia mais

Cromatografia Líquida

Cromatografia Líquida Analítica V Aula 11: 05-03-13 Cromatografia Líquida PRÓXIMA AULA TEÓRICA (Eletroforese Capilar): 12-03-13, às 08:15h, como Prof. Marcone Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br

Leia mais

caso especial de micelas:= microfase/pseudofase/fase microdispersa/fase pseudo-estacionária

caso especial de micelas:= microfase/pseudofase/fase microdispersa/fase pseudo-estacionária Cromatografia Separação de solutos de uma solução por diferenças de coeficientes de partição Princípio: partição de um soluto entre duas fases sendo uma sólida ou estacionária e outra móvel, líquida ou

Leia mais

01/04/2015. Métodos Instrumentais Farmacêuticos FENÔMENOS DE SUPERFÍCIE. Cromatografia. Parte 2 CROMATOGRAFIA E ELETROFORESE CROMATOGRAFIA

01/04/2015. Métodos Instrumentais Farmacêuticos FENÔMENOS DE SUPERFÍCIE. Cromatografia. Parte 2 CROMATOGRAFIA E ELETROFORESE CROMATOGRAFIA Métodos Instrumentais Farmacêuticos FENÔMENOS DE SUPERFÍCIE Cromatografia CROMATOGRAFIA Plano de Aula -Princípios da separação de moléculas -Cromatografia: Classificação e mecanismos de separação -Cromatografia

Leia mais

Cromatografia líquida de alta eficiência

Cromatografia líquida de alta eficiência Cromatografia líquida de alta eficiência O que é cromatografia líquida? A cromatografia fundamenta-se na migração diferencial dos componentes de uma mistura, o que ocorre devido a diferentes interações

Leia mais

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO TERMO DE ABERTURA DO PROJETO... 5 P A R T I C I P A N T E S... 5 I D E N T I F I C A Ç Ã O D O P R O J E T O... 5 Nome e Sigla do Projeto... 5 Cliente e Representante...

Leia mais

Missa Nossa Senhora do Brasil

Missa Nossa Senhora do Brasil é%0'.m> }JÍU Pe. José Alves Mssa Nossa Senhoa do Basl PARTTURA Paa 3 vozes guas e Assebléa (*) (*) A pate paa Assebléa é edtada sepaadaente " en cha A 10. Publcado pela: Cossão Aqudocesana de Músca Saca

Leia mais

Aparelho de cromatografia líquida de alta eficiência (HPLC), modelo Prominence, marca SHIMADZU:

Aparelho de cromatografia líquida de alta eficiência (HPLC), modelo Prominence, marca SHIMADZU: Aparelho de cromatografia líquida de alta eficiência (HPLC), modelo Prominence, marca SHIMADZU: Os componentes de uma cromatografia líquida são: bomba, coluna cromatográfica, detector e o registrador.

Leia mais

IMPORTAÇÃO DO CADASTRO DE PESSOAS

IMPORTAÇÃO DO CADASTRO DE PESSOAS IMPORTAÇÃO DO CADASTRO DE PESSOAS 1. Objetivo: 1. Esta rotina permite importar para o banco de dados do ibisoft Empresa o cadastro de pessoas gerado por outro aplicativo. 2. O cadastro de pessoas pode

Leia mais

PROJETOHORTAEMCASA. Manualdo. Apoio. Realização CDHU PREFEITUR A DE SÃO PAULO VERDE E MEIO AMBIENTE. Instituto GEA

PROJETOHORTAEMCASA. Manualdo. Apoio. Realização CDHU PREFEITUR A DE SÃO PAULO VERDE E MEIO AMBIENTE. Instituto GEA M RJETHRTAEMCAA CM LANTAR E CLHER ALIMENT EM CAA 201 A Rzçã Ch Dvv Hb Ub CDHU I GEA é b REFEITUR A DE Ã AUL VERDE E MEI AMBIENTE FhTé Ebçã Tx Agô Jé Lz Ch T Nh Rh Rvã A M Dg Lz Egá j Nh Rh Rq L R Rf Tv

Leia mais

CROMATOGRAFIA: CURSO BÁSICO

CROMATOGRAFIA: CURSO BÁSICO CROMATOGRAFIA: CURSO BÁSICO Profa. Dra. Glaucia Maria F. Pinto 1 Cromatografia é a separação de uma mistura devido a diferentes afinidades que seus componentes possuem pela fase estacionária (líquida ou

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

a) Incorreta. O aumento da temperatura desloca o equilíbrio para o lado direito, no sentido da formação do vapor (transformação endotérmica).

a) Incorreta. O aumento da temperatura desloca o equilíbrio para o lado direito, no sentido da formação do vapor (transformação endotérmica). 01 a) Incorreta. O aumento da temperatura desloca o equilíbrio para o lado direito, no sentido da formação do vapor (transformação endotérmica). b) Incorreta. Quanto mais volátil o líquido, menor será

Leia mais

TITULAÇÃO ÁCIDO-BASE

TITULAÇÃO ÁCIDO-BASE Introdução a Analise Química - II sem/2013 Profa Ma Auxiliadora - 1 Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Disciplina QUIO94 - Introdução à Análise Química

Leia mais

Purificação de Proteínas

Purificação de Proteínas Purificação de Proteínas Propriedades usadas na purificação de proteínas através de cromatografia líquida Na separação a amostra contendo a mistura de proteínas é preparada em solução aquosa, a solução

Leia mais

plantas GAFANHOTOS outros gafanhotos

plantas GAFANHOTOS outros gafanhotos plantas luz vento parasitas GAFANHOTOS umidade predadores outros gafanhotos Luz CO O O Moluscos CO Fitoplâncton Zooplâncton Bactérias e fungos Insetos Peixes Porco Milho Galinha Solitária Homem Piolho

Leia mais

2 - Definições: (a) Corrente Primária Nominal (I pn ) (b) Corrente Secundária Nominal (I sn ) (c) Relação de Transformação Nominal (k n )

2 - Definições: (a) Corrente Primária Nominal (I pn ) (b) Corrente Secundária Nominal (I sn ) (c) Relação de Transformação Nominal (k n ) Trfrdre de Crrete Clever Perer TRNSFORMDORES DE CORRENTE 1 - trduçã: Trfrdre de truet de edçã de rteçã TC TP e TPC Trfrdre de Crrete Fuçõe Bác - Reduzr crrete vlre egur r edçã. - lr crcut rár d ecudár.

Leia mais

CONTROLE AVES DE VENDA EXPOSIÇÃO 2014 ORLANDO NASCIMENTO- 21 98825-5609/96739-8619

CONTROLE AVES DE VENDA EXPOSIÇÃO 2014 ORLANDO NASCIMENTO- 21 98825-5609/96739-8619 CONTROLE AVES DE VENDA EXPOSIÇÃO 2014 CRIADOR TELEFONE GAIOLA ANEL SEXO NOMENCLATURA VALOR OBS ORLANDO NASCIMENTO- 21 98825-5609/96739-8619 1 IB-105-40-13 FM CN OP AM MF IN 100,00 BANCO: 2 BB-3992-44-11

Leia mais

Resíduos Sólidos: da geração à destinação

Resíduos Sólidos: da geração à destinação Reíd Sóld: da geaçã à detaçã tate: Lz Alfed Favaett Teólg em Getã Ambetal m epealzaçã em Edaçã Ambetal (Uv. Cdade de S. Pal) e em Getã Públa (Uv. Te. Fedeal d Paaá) lz.favaett@elta.m.b Saba, 7 de agt de

Leia mais

Respostas da terceira lista de exercícios de química. Prof a. Marcia M. Meier

Respostas da terceira lista de exercícios de química. Prof a. Marcia M. Meier Respostas da terceira lista de exercícios de química Prof a. Marcia M. Meier 1) O íon brometo não aceita mais de um elétron, pois este segundo elétron ocupará numeros quânticos maiores quando comparado

Leia mais

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe 27,0 28,1 31,0 32,1 35,5 39,9 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83, Ga Ge As Se Br Kr. In Sn 114,8 118,7.

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe 27,0 28,1 31,0 32,1 35,5 39,9 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83, Ga Ge As Se Br Kr. In Sn 114,8 118,7. PRVA DE QUÍMICA º 2º 3º 4º 5º 6º 7º TABELA PERIÓDICA DS ELEMENTS (IA),0 3 Li 6,9 Na 23,0 9 K 39, 2 (IIA) 4 Be 9,0 2 Mg 24,3 3 (III B) 4 5 6 7 8 9 0 2 20 2 22 23 24 25 26 27 28 29 30 Ca Sc Ti V Cr Mn Fe

Leia mais

Determinação dos Ácidos Benzóico e Sórbico em vinhos, alcoólicos por mistura e bebidas não alcoólicas por HPLC/DAD

Determinação dos Ácidos Benzóico e Sórbico em vinhos, alcoólicos por mistura e bebidas não alcoólicas por HPLC/DAD Página 1 de 5 1 Escopo Determinação simultânea de conservantes (ácido sórbico e ácido benzóico) em vinhos, alcoólicos por mistura e bebidas não alcoólicas, empregando a técnica de Cromatografia Líquida

Leia mais

ENGENHARIA ELÉTRICA HORÁRIO: Primeiro Semestre do Ano Letivo de 2012 Disciplinas do 1 o período do Fluxo Sugerido

ENGENHARIA ELÉTRICA HORÁRIO: Primeiro Semestre do Ano Letivo de 2012 Disciplinas do 1 o período do Fluxo Sugerido Disciplinas do 1 o período do Fluxo Sugerido 7:10 8:00 GA MC GA Q* 8:00 8:50 GA MC GA Q* Q 8:50 9:00 Q 9:00 9:50 F1 IE F1 AP1 - A Q (9:40h) 9:50 10:40 F1 IE F1 AP1 - A L Q 10:50 11:40 C1 L AP1 A 1/2 C1

Leia mais

Cilindro de bielas de pistão Cilindro padronizado ISO 15552, série ITS. Catálogo impresso

Cilindro de bielas de pistão Cilindro padronizado ISO 15552, série ITS. Catálogo impresso ISO 15552, série ITS Catálogo impresso 2 ISO 15552, série ITS Ø 160-320 mm Conexões: G 3/4 - G 1 com efeito duplo com pistão magnético Amortecimento: pneumático, regulável Haste do pistão: rosca externa

Leia mais

Purificação de Proteínas

Purificação de Proteínas Purificação de Proteínas Recuperação da atividade enzimática Etapa de purificação 100 mu 80 mu 2ml de lisado contendo 50 mu/ml 10ml de material contendo 8 mu/ml Recuperação = 80% = 80 mu/100 mu Recuperação:

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 2ª Etapa 2014. 3ª Série Turma: FG

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 2ª Etapa 2014. 3ª Série Turma: FG COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2014 Disciplina: QUÍMICA Professora: Maria Luiza 3ª Série Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA FEDERAL DE SÃO PAULO CEFET SP ÁREA INDUSTRIAL Disciplina: Máquinas Hidráulicas MHL Exercícios resolvidos

ESCOLA TÉCNICA FEDERAL DE SÃO PAULO CEFET SP ÁREA INDUSTRIAL Disciplina: Máquinas Hidráulicas MHL Exercícios resolvidos Diciplina: Máquina Hidráulica MHL Exercício reolido /7 Data: 02/0/00 ) Deontrar a igualdade nuérica entre a aa de u fluido no itea MKS e eu peo no itea MK*S Seja x o núero que repreenta, ito é: x coo:

Leia mais

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES CAPÍTULO 4 PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA Nota de aula pepaada a pati do livo FUNDAMENTALS OF ENGINEERING THERMODINAMICS Michael J. MORAN & HOWARD N. SHAPIRO. 4. GENERALIDADES Enegia é um conceito fundamental

Leia mais

Marina Ansolin Especialista em Cromatografia Líquida Waters Waters Corporation 1

Marina Ansolin Especialista em Cromatografia Líquida Waters Waters Corporation 1 Ferramentas Modernas em Cromatografia Líquida Aplicadas a Produtos de Degradação de Fármacos Marina Ansolin Especialista em Cromatografia Líquida Waters 2013 Waters Corporation 1 Conteúdo O que é cromatografia

Leia mais

Métodos Clássicos de Separação

Métodos Clássicos de Separação Analítica V: Aula 8 Métodos Clássicos de Separação ATENÇÃO À SEQUENCIA DAS PRÁTICAS: Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br Notas de aula: www.ufjf.br/baccan Plano

Leia mais

Química Analítica Avançada: Volumetria de Neutralização. Prof a Lilian Silva 2011

Química Analítica Avançada: Volumetria de Neutralização. Prof a Lilian Silva 2011 Química Analítica Avançada: Volumetria de Neutralização Prof a Lilian Silva 2011 INTRODUÇÃO À VOLUMETRIA TITULAÇÃO Processo no qual uma solução padrão ou solução de referência é adicionada a uma solução

Leia mais

TITULAÇÃO DE ÁCIDO-BASE

TITULAÇÃO DE ÁCIDO-BASE Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Introdução a Analise Química - II sem/2012 Profa Ma Auxiliadora - 1 Disciplina QUIO94 - Introdução à Análise Química

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

PRIMEIRA IGREJA BATISTA EM GRAÇA ARANHA-MA

PRIMEIRA IGREJA BATISTA EM GRAÇA ARANHA-MA "Abre os meus olhos para que eu contemple as maravilhas da tua Lei". Sl.119.18 PLANO DE LEITURA BÍBLICA ANUAL - JANEIRO 01 Gn 1-3 Sl 1 02 Gn 4-7 Sl 2 03 Gn 8-10 Sl 3 04 Gn 11-13 Sl 4 05 Gn 14-17 Sl 5 06

Leia mais

A Metrologia da Transferência de Custódia de Petróleo e seus Derivados Líquidos: do fornecedor ao cliente

A Metrologia da Transferência de Custódia de Petróleo e seus Derivados Líquidos: do fornecedor ao cliente A Metrologia da Transferência de Custódia de Petróleo e seus Derivados Líquidos: do fornecedor ao cliente Sistea Supervisório Dados analógicos Controle FT DT TT PT FT Instruentação ROTEIRO Incerteza na

Leia mais

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA FSFAT DISSÓDIC DE DEXAMETASNA Dexamethasoni natrii phosphas H H H P Na Na F H C 22 H 28 FNa 2 8 P 516,41 02821 Fosfato dissódico de 9-fluoro-11β,17 diidroxi-16α-metil-3, 20- dioxopregna- 1,4 dieno-21-il

Leia mais

Cromatografia Gasosa. Principles of Instrumental Analysis Skoog, West, Holler, Nieman. Thomson Learning; ISBN: 0030020786. Departamento de Química

Cromatografia Gasosa. Principles of Instrumental Analysis Skoog, West, Holler, Nieman. Thomson Learning; ISBN: 0030020786. Departamento de Química Capítulo X-5 Cromatografia Gasosa Principles of Instrumental Analysis Skoog, West, Holler, Nieman Thomson Learning; ISBN: 0030020786 1 Na cromatografia de fase gasosa (GC) a amostra é volatizada e injectada

Leia mais

- NC : Variável continua Nº total de automóveis ligeiros à disposição diária do agregado per capita (FNAUTODiario/NInd)

- NC : Variável continua Nº total de automóveis ligeiros à disposição diária do agregado per capita (FNAUTODiario/NInd) - Variáveis binárias do escalão etário (excepto Id1) - Variáveis binárias do nível de instrução (excepto In4) - Variável binária Sexo (Sexo) - Variável binária de disponibilidade de Licença de condução

Leia mais

Equilíbrio Ácido-Base. Ácidos e Bases Fracos

Equilíbrio Ácido-Base. Ácidos e Bases Fracos Equilíbrio Ácido-Base Ácidos e Bases Fracos ph de soluções CH 3 COOH (aq) 0,10 mol/dm 3 HCl (aq) 0,10 mol/dm 3 ph? ph= 2,9 ph= 1 [H 3 O + ] < [H 3 O + ] PORQUÊ? 2 ph de soluções Segundo Arrhenius o ácido

Leia mais

. D A D O S I N I C I A I S 1.1 N a t u r e z a e fi n a l i d a d e d a e d i f i c a ç ã o : i n d i ca r o ti p o d e e d ifi ca ç ã o ( e x : e s c o l a r u r a l co m 0 2 s a l a s, e sc o la u r

Leia mais

1. Qual a fórmula do composto formado entre o cálcio, Ca (Z = 20) e o flúor F (Z = 9)?

1. Qual a fórmula do composto formado entre o cálcio, Ca (Z = 20) e o flúor F (Z = 9)? EXERCÍCIOS REVISÃO 1ª série 1. Qual a fórmula do composto formado entre o cálcio, Ca (Z = 20) e o flúor F (Z = 9)? 2. Qual a fórmula do composto formado entre o potássio, K (Z = 19) e o enxofre, S (Z =

Leia mais

PROJETO FIC IFES PRONATEC

PROJETO FIC IFES PRONATEC NTTT FAL PÍT ANT AMP NVA VNA Mg y 799 Lz 29830-000 N Vé 27 3752-4300 PJT F F PNAT NTFAÇÃ - Ax A p N Vé N Vé - 30/06/204 04//203 2 - N Tí g Ag N 20/05/987 PF 7265577-40 M p 788725 - @fb g A Açã Lçã Ap p

Leia mais

Manobra e Proteção de Motores. sirius. Métodos de Partida

Manobra e Proteção de Motores. sirius. Métodos de Partida anobra e Proteção de otores sirius étodos de Partida étodos de partida Índice Páginas Partida direta coordenada com fusível... e Partida direta com reversão coordenada com fúsivel... 5 e 6 Partida estrela-triângulo

Leia mais

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa E. alternativa A. gasto pela pedra, entre a janela do 12 o piso e a do piso térreo, é aproximadamente:

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa E. alternativa A. gasto pela pedra, entre a janela do 12 o piso e a do piso térreo, é aproximadamente: Questão 46 gasto pela pedra, entre a janela do 1 o piso e a do piso térreo, é aproxiadaente: A figura ostra, e deterinado instante, dois carros A e B e oviento retilíneo unifore. O carro A, co velocidade

Leia mais

COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD.

COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD. COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD. I.E.S. ANDRÉS DE VANDELVIRA J. G a r r i g ó s ÍNDICE 1 COMBINAR CORRESPONDENCIA... 2 2. CREACIÓN DE ÍNDICES EN MICROSOFT

Leia mais

André Silva Franco ASF Escola Olímpica de Química Julho de 2011

André Silva Franco ASF Escola Olímpica de Química Julho de 2011 André Silva Franco ASF Escola Olímpica de Química Julho de 011 Origem Termodinâmica do Equilíbrio Numa reação, o equilíbrio ocorre quando a energia livre é nula. A O que é Q? a B B Quociente reacional:

Leia mais

Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de

Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação!" !" $%& '( ) %) * +, - +./0/1/+10,++$.(2

Leia mais

CONCEITO CONCEITO HISTÓRIA 21/03/2013

CONCEITO CONCEITO HISTÓRIA 21/03/2013 CONCEITO Cromatografia é um processo físico de separação, no qual os componentes a serem separados distribuem-se em duas fases: fase estacionária e fase móvel. PROFA. ALESSANDRA GUEDES SALVADOR, 2013.

Leia mais

Física e Química A Tabela de Constantes Formulário Tabela Periódica

Física e Química A Tabela de Constantes Formulário Tabela Periódica Física e Quíica A Tabela de Constantes Forulário Tabela Periódica http://fisicanalixa.blogspot.pt/ CONSTANTES Velocidade de propagação da luz no vácuo c = 3,00 10 8 s 1 Módulo da aceleração gravítica de

Leia mais

Estabilidade em ph alto e ph baixo de uma Agilent Poroshell HPH C18

Estabilidade em ph alto e ph baixo de uma Agilent Poroshell HPH C18 Estabilidade em ph alto e ph baixo de uma Agilent Poroshell HPH C8 Nota de aplicação Autor William Long Agilent Technologies, Inc. Introdução A estabilidade de uma coluna de HPLC é um dos fatores determinantes

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

Eletroforese Capilar(EC) EC - Técnica instrumental. Eletroforese capilar e Cromatografia Líquida 30/05/2012. Analítica V: 1S2012.

Eletroforese Capilar(EC) EC - Técnica instrumental. Eletroforese capilar e Cromatografia Líquida 30/05/2012. Analítica V: 1S2012. Analítica V: 1S2012 EC - Técnica instrumental Eletroforese capilar e Cromatografia Líquida Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br Notas de aula: www.ufjf.br/baccan

Leia mais