ANÁLISE CONJUNTA BASEADA EM NOTAS VIA MODELO DE REGRESSÃO BETA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE CONJUNTA BASEADA EM NOTAS VIA MODELO DE REGRESSÃO BETA"

Transcrição

1 ANÁLISE CONJUNTA BASEADA EM NOTAS VIA MODELO DE REGRESSÃO BETA Vanea Silva RESENDE Eduado Yohio NAKANO RESUMO: O modelo tadicional de análie conunta upõe que a nota atibuída eguem uma ditibuição Nomal. No entanto, a upoção de nomalidade pode não e azoável vito que a nota ão limitada. Como toda a nota limitada podem e padonizada a valoe ente 0 e, ee tabalho apeenta uma nova metodologia que pemite modela ea nota po meio de uma ditibuição Beta. Ademai, ee tabalho apeenta um pocedimento geal de cálculo da impotância elativa que pode e aplicado paa qualque outa ditibuição adotada paa modela a nota. A metodologia apeentada foi ilutada em uma aplicação numéica efeente à podução de um matphone e em dado mulado. O modelo de egeão Beta e motou uma técnica mai pecia paa o aute do dado na análie conunta baeada em nota. PALAVRAS-CHAVE: Análie de pefeência; impotância elativa; função de utilidade. Intodução A Análie Conunta, também chamada de Análie de Pefeência (ARTES, 99), é uma técnica etatítica multivaiada utilizada paa deceve como o epondente deenvolvem pefeência po quaique tipo de obeto, tai como poduto, ideia ou eviço (HAIR, 2005). Ete método tem como bae a pemia de que o conumidoe avaliam o valo de um obeto fazendo uma combinação da quantia epaada de valo fonecida po cada atibuto. Ou ea, divea veze a etimativa da pefeência do conumidoe ão melhoe quando ulgada po uma combinação de atibuto. A análie conunta uge como mai uma técnica paa eniquece o etudo de maketing e paa auxilia o pofionai da áea a entende a etutua de pefeência do conumido. Ao identifica o atibuto de maio influência no poceo de decião de compa do conumido, eta técnica auxilia no momento de e elaboa um poduto, analia o poduto á exitente no mecado a fim de apefeiçoá-lo, abe a vantagen e devantagen em elação a empea concoente, a fim de toná-lo mai competitivo no mecado. A análie conunta poui tê de tipo modelo: o modelo baeado em poto, modelo baeado em ecolha e o modelo baeado em nota, endo ete último o enfoque do tabalho. A difeença ente ee modelo ão a foma como o epondente avaliam Univedade de Baília - UnB, Depatamento de Etatítica, CEP: , Baília, DF, Bal. Rev. Ba. Biom., São Paulo, v.33, n., p.5-62, 205 5

2 o poduto. No modelo baeado em poto, o epondente odena o poduto apeentado de acodo com ua pefeência, no modelo baeado em ecolha o epondente ecolhe o poduto de ua maio pefeência, e po fim, no modelo baeado em nota o epondente atibuem uma nota paa cada poduto apeentado. O modelo uuai baeado em nota condeam que a nota atibuída pelo epondente eguem uma ditibuição Nomal, utilizando-e da técnica de egeão linea múltipla (NETER et al., 996) paa a obtenção da etimativa do paâmeto do modelo. No entanto, nem empe a upoção de nomalidade é azoável. Como o valo da nota é empe limitado em um intevalo, o memo pode e padonizado de foma que auma valoe ente 0 e. Nete contexto, ete tabalho popõe a modelagem da nota condeando que a mema eguem uma ditibuição Beta, tendo eu coeficiente etimado po meio de um modelo de egeão Beta (FERRARI et al., 2004; PAOLINO, 200). Outa aplicaçõe do modelo de egeão beta podem e vita em Silva e Souza (204) e Cibai-Neto e Peeia (203). Foi também popoto um pocedimento geal de cálculo da impotância elativa do atibuto do poduto. Ee pocedimento pode e aplicado em qualque tuação, independente da ditibuição adotada paa modela a nota. A metodologia apeentada foi ilutada em conunto de dado fictício efeente à podução de um matphone que podem e encontado no tabalho de Mato (20) e também em dado mulado. O eultado obtido pelo modelo de egeão Beta foam compaado com aquele obtido upondo-e a nomalidade da nota. Toda a mulaçõe e etimativa foam ealizada pelo oftwae live R (R CORE TEAM, 203). 2 Método 2. Modelo baeado em nota uual O modelo de Análie Conunta baeado em nota upõe que a vaiável epota egue uma ditibuição Nomal (ARTES, 99; DA-SILVA, 200; KOTRI, 2006). Deta maneia, utiliza-e um modelo de egeão múltipla paa a etimação de eu paâmeto e da utilidade paciai. Segundo Hai J (2005), a análie conunta é uma técnica que pode e aplicada tanto a um único individuo como a um gupo e pode fonece uma pepectiva não ó paa a pefeência po um atibuto, ma também paa a quantia do memo (nívei). O cao em que a etimativa ão feita condeando-e que apena um indivíduo faz a avaliação do poduto coeponde ao cao deagegado. Neta tuação o eultado do modelo ão analiado epaadamente paa ete indivíduo. Já o nível agegado efee-e a tuação em que a etimativa ão feita condeando-e um gupo de indivíduo (MATOS, 20). A análie deagegada pemite que a pecião peditiva ea avaliada paa cada peoa, em vez de e calculada paa a amota total. Já a análie agegada apeenta maio eficiência etatítica, po utiliza mai obevaçõe no poceo de etimação. O poduto (também chamado de tatamento) ão o eultado de uma combinação do nívei de cada um do atibuto. Potanto, no cao de atibuto com m nívei cada tem-e um total de J = = m poduto. A utilidade total atibuída ao - émo poduto pelo n-émo epondente é dada po: 52 Rev. Ba. Biom., São Paulo, v.33, n., p.5-62, 205

3 U n = m 0 + X β + εn = i= β () em que, U n é a utilidade total, ou ea, é a nota dada pelo n-émo epondente paa o - émo poduto, X é a vaiável bináia que indica e um deteminado nível de eu epectivo atibuto enconta-e no modelo ( X =, e o i-émo nível do -émo atibuto etive peente no -émo poduto; X = 0, cao contáio), β 0 é uma contante coepondente à nota média atibuída pelo epondente paa todo o poduto, β é a utilidade pacial aociada ao i-émo nível do -émo atibuto e; ε n é o eo aleatóio não 2 obevável no modelo. Em geal, aume-e que ε ~ N ( 0, σ ) n. Note que () epeenta um modelo de egeão múltipla paa cada epondente. Am, a etimativa paciai do modelo podem e facilmente obtida po meio do Método de Mínimo Quadado Odinai (GRAYBILL e IYER, 994). Nete tabalho ea etimativa foam obtida pelo pocedimento lm do oftwae R (R CORE TEAM, 203). Apó obte a etimativa da utilidade paciai pode-e etima a impotância elativa de cada atibuto na etutua de pefeência do conumido. Ou ea, a impotância elativa pode e intepetada como quanto um -émo atibuto impacta na pefeência do conumido po aquele deteminado poduto. Note que, e β < 0, há indício de efeito defavoável do i-émo nível do -émo atibuto na pefeência do epondente, ou ea, que ete item diminui a nota de pefeência do poduto e; e β > 0, há indício de efeito favoável na pefeência do epondente, ou ea, que ete item aumenta a nota de pefeência do poduto. Am, a impotância elativa (em %) do -émo atibuto paa o modelo () é dada po: em que I max{ β } min{ β } i i I IR = 00%, u= I u = é a impotância do -émo atibuto, =, 2,...,. 2.2 Modelo baeado em nota com ditibuição Beta Como vito anteiomente, o modelo () upõe que a nota do poduto egue uma ditibuição Nomal. No entanto, nem empe a upoção de nomalidade pode e azoável paa epeenta a nota do epondente. Vito que o epondente empe epeentaá ua pefeência de um poduto po meio de uma nota limitada em um intevalo (ente zeo e dez, po exemplo), a mema podeá e padonizada de foma que auma valoe ente 0 e. Nete contexto, popõe-e um modelo de Análie Conunta paa o aute deta nota padonizada admitindo-e que ela têm ditibuição Beta. A ditibuição Beta pode e utilizada paa modela vaiávei aleatóia contínua delimitada no intevalo (0,), como po exemplo, taxa e popoçõe. Uma da vantagen (2) Rev. Ba. Biom., São Paulo, v.33, n., p.5-62,

4 da utilização da ditibuição Beta é o fato da mema e batante flexível, podendo a função dendade de pobabilidade apeenta difeente foma. Feai e Cibai-Neto (2004) popueam um modelo de egeão no qual e popõe que a vaiável epota egue uma ditibuição Beta. Ete modelo de egeão utiliza uma epaametização do modelo Beta que condea como paâmeto a média, 0 < µ <, e um paâmeto de pecião, φ > 0. A função dendade da ditibuição Beta com ea paametização altenativa é dada po: Γ( φ) Γ( µφ) Γ µφ ( ) φ f ( y; µ, φ) = y ( y) µ, 0 y (3) (( µ ) φ ) que eulta em E(Y) = µ e Va(Y) = µ( µ)/( + φ). Am, o modelo de egeão Beta poui como componente temático: g( ) = β + X β 0 m µ, (4) = i= em que g(.) é a função que faz a ligação ente o componente temático e a média do modelo Beta. Há alguma funçõe de ligação que podem e utilizada, como po exemplo, a função de ligação logito, pobito, e a função de ligação complemento log-log. Mai detalhe obe ea funçõe de ligaçõe podem e encontado em (McCULLAGH e NELDER, 99). Paa ete tabalho eá utilizada a função de ligação logito, cua função é etitamente cecente em (0,) e contínua, bem como a outa funçõe de ligação citada. A função logito é dada po: µ g( µ = ) log. (5) µ Am, de (4) e (5) tem-e que a utilidade total atibuída ao -émo poduto pelo n- émo epondente é dada po: U n exp β0 + = + exp β0 + = i= m m = i= X β + ε n X β, (6) em que, U n é a utilidade total, ou ea, é a nota dada pelo n-émo epondente paa o - émo poduto, X é a vaiável bináia que indica e um deteminado nível de eu epectivo atibuto enconta-e no modelo ( X =, e o i-émo nível do -émo atibuto etive peente no -émo poduto; X = 0, cao contáio), β 0 e β ão o coeficiente obtido pela egeão Beta aociado ao i-émo nível do -émo atibuto e ε n é o eo aleatóio não obevável no modelo. 54 Rev. Ba. Biom., São Paulo, v.33, n., p.5-62, 205

5 Cabe lemba que a etimativa ão feita condeando-e o nível deagegado e, potanto cada epondente, n, é modelado epaadamente (MATOS, 20). Am, a função de veomilhança paa o n-émo epondente é dada po: L em que n J Γ ( ) ( φn ) n; φn = = Γ( µ φ ) Γ( ( µ ) φ ) n n n n µ nφn n ( u ) ( µ n ) φn n µ u, (7) n exp βn0 + = + exp βn0 + = i= m m = i= xnβn xnβn µ. Note que o etimadoe de máxima veomilhança (EMV) do paâmeto não podem e obtido analiticamente pela maximização dieta da função de veomilhança (7). No entanto, o memo podem e obtido numeicamente atavé de pacote etatítico exitente. Nete tabalho, o EMV do paâmeto foam obtido atavé do pacote betaeg (CRIBARI-NETO e ZEILEIS, 200) do oftwae R (R CORE TEAM, 203). Ao contáio do modelo Nomal, a utilidade paciai do modelo de egeão Beta não apeentam foma fechada, impobilitando etima a impotância elativa de cada atibuto po meio do método uuai. Nete contexto, ete tabalho popõe um pocedimento altenativo paa e etima a impotância elativa do atibuto. Pimeiamente calcula-e a vaiação média da utilidade (6) quando X paa de 0 paa. Ou ea, ea a vaiação média é dada po: U n : X = 0 : X = 0 U n : X = VM =, =, 2, 3,..., (8) : X = em que, U é a oma da utilidade com X = 0 ; n : X n =0 U é a oma da utilidade com X = ; n : X n = : X n =0 : X n = é a fequência de obevaçõe com = 0 X e; é a fequência de obevaçõe com X =. Rev. Ba. Biom., São Paulo, v.33, n., p.5-62,

6 Am, a impotância elativa (em %) do -émo atibuto paa o modelo é dada po: IR * =, VM u= VM em que VM é a vaiação média do -émo atibuto dado po (7), =, 2, 3,...,. Note que, ao contáio de (2), a impotância elativa definida em (9) pode e utilizada paa qualque que ea a ditibuição ou a função de ligação utilizada paa modelagem da nota. A impotância elativa (2) pode e condeada um cao paticula de (9). De fato, na upoção de nomalidade da nota, (9) é equivalente à (2). Note também que a vaiação média (8) epeenta também a impotância do -émo atibuto. 3 Ilutação numéica A metodologia apeentada nete tabalho é ilutada em doi exemplo numéico e em uma pequena mulação. O pimeio exemplo condea uma análie a nível deagegado e no egundo exemplo, a análie é ealizada agegando a nota de doi epondente. De foma análoga, a análie agegada pode e ealizada paa n epondente. Mato (20) apeenta um exemplo da aplicação da Análie Conunta baeada em nota ob a peupoção de nomalidade. O conunto de dado é efeente à nota atibuída po um epondente a fim de e abe qual atibuto (tipo de teclado, tema opeacional ou co do apaelho) um conumido ulga e mai impotante ao compa um matphone. Imagina-e que uma empea epecializada em celulae petende fabica e lança um novo poduto (matphone) no mecado. Ma paa io petende-e decidi quai atibuto apota paa e obte uma vantagem competitiva no mecado. Foam condeado tê atibuto paa uma boa aceitação do conumidoe: teclado (touch ceam = ou qwet = 0), tipo de tema opeacional (Andoid = ou Window = 0), e coe (banca = ou peta = 0). Um planeamento fatoial completo foi feito, e am obtiveam-e oito difeente poduto. Paa efeito de ilutação, nota de um egundo epondente foam geada paa ealiza a análie no nível agegado. A Tabela apeenta a nota atibuída pelo doi epondente paa o oito poduto analiado. Tabela - Nota do doi epondente paa todo o tipo de matphone Teclado Sitema Nota* Nota** Co Opeacional Repondente Repondente 2 Touch ceen Andoid Banco 9,0 8,5 Touch ceen Andoid Peto 8,0 7,5 Touch ceen Window Banco 7,5 8,2 Touch ceen Window Peto 6,5 6,0 Qwet Andoid Banco 7,0 5,9 Qwet Andoid Peto 6,0 6,5 Qwet Window Banco 5,0 4,5 Qwet Window Peto 4,0 3,5 *Fonte: Mato (20) ** Nota geada aleatoiamente pelo auto u (9) 56 Rev. Ba. Biom., São Paulo, v.33, n., p.5-62, 205

7 3. Análie de dado a nível deagegado Inicialmente a metodologia é aplicada no nível deagegado paa o Repondente. A Tabela 2 apeenta o coeficiente etimado paa o modelo baeado em nota com ditibuição Nomal () e Beta (2). Vito que a nota foam limitada a valoe ente 0 e 0, a mema devem e padonizada paa o aute do modelo Beta. A padonização adotada aqui foi mplemente dividi po dez o valoe oiginai da nota. Tabela 2 - Etimativa do coeficiente do modelo Nomal e Beta paa o dado do Repondente Atibuto* Coeficiente Etimativa do coeficiente Modelo Nomal Modelo Beta β 0 4,25-0,467 Teclado β 2,250,093 Sitema Opeacional β 2,750 0,86 Co β 3,000 0,498 * Teclado qwet, tema opeacional Window e co peto ão o nívei de efeência do atibuto. Etimado o coeficiente do modelo, a utilidade etimada podem e obtida a pati () e (6). A título de ilutação, a utilidade etimada do modelo Beta foam multiplicada po 0 de foma obte a nota em ua ecala oiginal. A nota etimada paa o modelo Nomal e Beta encontam-e na Tabela 3 a egui, bem como o eo cometido na etimação. Tabela 3 - Etimativa da nota, eo (eíduo) da etimativa e oma de quadado do eíduo calculado pelo modelo Nomal e Beta paa o dado do Repondente Poduto Nota etimada (eo) Teclado Sitema Opeacional Co Nomal Beta Touch ceen Andoid Banco 9,25 (0,25) 8,792 (0,208) Touch ceen Andoid Peto 8,25 (0,25) 8,56 (0,56) Touch ceen Window Banco 7,375 (0,25) 7,548 (0,048) Touch ceen Window Peto 6,375 (0,25) 6,56 (0,06) Qwet Andoid Banco 6,875 (0,25) 7,093 (0,093) Qwet Andoid Peto 5,875 (0,25) 5,973 (0,027) Qwet Window Banco 5,25 (0,25) 5,078 (0,078) Qwet Window Peto 4,25 (0,25) 3,854 (0,46) Soma de Quadado Reíduo 0,25 0,07 Pode-e nota que paa ete epondente o poduto de ua maio pefeência é o apaelho celula com teclado touch, com tema opeacional Andoid, e co banca. Nete exemplo ambo o modelo, Nomal e Beta, apeentaam boa etimativa paa a nota, Rev. Ba. Biom., São Paulo, v.33, n., p.5-62,

8 tendo o modelo Beta apeentado meno Soma de Quadado Reíduo SQRe (oma do quadado da difeença ente o a nota obevada e etimada pelo modelo) e potanto apeentando um eultado envelmente melho do que o modelo Nomal. A Tabela 4 apeenta a impotância buta e elativa, obtida po (8) e (9), de cada atibuto condeando o modelo Nomal e Beta. Tabela 4 - Impotância buta e elativa do atibuto paa o dado do Repondente Modelo Nomal Modelo Beta Atibuto Impotância Impotância Impotância Impotância Relativa Relativa Teclado 2,25 45% 2,253 44,98% Sitema Opeacional,75 35%,754 35,0% Co,00 20%,003 20,0% O Teclado foi o atibuto mai impotante, cua impotância elativa foi etimada em 45% pelo modelo Nomal e 44,98% pelo modelo Beta. Po outo lado, a co do apaelho foi o atibuto de meno impotância, tendo a impotância elativa etimada em 20% pelo modelo Nomal e 20,0% pelo modelo beta. Reultado milae podem e obevado paa a análie deagegada paa o Repondente Análie de dado a nível agegado Neta eção, a metodologia é aplicada agegando a nota do doi epondente (Tabela ). Apó padonização da nota paa o aute do modelo Beta, o modelo Nomal () e Beta (2) foam autado e a etimativa de eu coeficiente ão apeentada na Tabela 5. Tabela 5 - Etimativa do coeficiente do modelo Nomal e Beta paa o dado agegado do doi epondente Atibuto* Coeficiente Etimativa do coeficiente Modelo Nomal Modelo Beta β 0 4,000-0,498 Teclado β 2,350,06 Sitema Opeacional β 2,650 0,789 Co β 3 0,950 0,464 * Teclado qwet, tema opeacional Window e co peto ão o nívei de efeência do atibuto. A nota etimada paa o modelo Nomal e Beta na análie agegada ão apeentada na Tabela 6. De foma mila à análie deagegada, o poduto de maio pefeência é o apaelho celula com teclado touch, com tema opeacional Andoid, e co banca. Ambo o modelo apeentaam boa etimativa paa a nota, tendo o modelo Beta apeentado novamente um eultado envelmente melho (meno SQRe) do que o modelo Nomal. 58 Rev. Ba. Biom., São Paulo, v.33, n., p.5-62, 205

9 Tabela 6 - Etimativa da nota e oma de quadado do eíduo calculado pelo modelo Nomal e Beta paa o dado agegado do doi epondente Poduto Nota etimada Teclado Sitema Opeacional Co Nomal Beta Touch ceen Andoid Banco 8,950 8,655 Touch ceen Andoid Peto 8,000 8,08 Touch ceen Window Banco 7,300 7,45 Touch ceen Window Peto 6,350 6,476 Qwet Andoid Banco 6,600 6,804 Qwet Andoid Peto 5,650 5,724 Qwet Window Banco 4,950 4,96 Qwet Window Peto 4,000 3,78 Soma de Quadado Reíduo 3,400 3,044 A Tabela 7 apeenta a impotância buta e elativa, obtida po (8) e (9), de cada atibuto condeando o modelo Nomal e Beta paa o dado agegado. O eultado obido pelo doi modelo foam milae. O Teclado foi o atibuto mai impotante, cua impotância elativa foi etimada em 47,48% pelo modelo Nomal e 47,4% pelo modelo Beta. A co do apaelho foi o atibuto de meno impotância, tendo a impotância elativa etimada em 9,9% pelo modelo Nomal e 9,34% pelo modelo Beta. Tabela 7 - Impotância buta e elativa do atibuto paa o dado agegado do doi epondente Modelo Nomal Modelo Beta Atibuto Impotância Impotância Impotância Impotância Relativa Relativa Teclado 2,35 47,48% 2,344 47,4% Sitema Opeacional,65 33,33%,644 33,25% Co 0,95 9,9% 0,956 9,34% A emelhança ente o eultado obtido paa modelo Nomal e Beta apeentado na ilutação foi povelmente devido à metia da nota obevada (note que o eíduo da etimativa do modelo Nomal paa a análie deagegada ão contante). Nete contexto, é apeentado na póxima eção o deempenho do modelo Nomal e Beta em dado amético geado po meio da ditibuição Beta. 3.3 Etudo de mulação Eta eção apeenta o aute do modelo Nomal e Beta condeando dado mulado. A amota condeada contiu de um total de 00 epondente. Cada nota Rev. Ba. Biom., São Paulo, v.33, n., p.5-62,

10 foi geada pela ditibuição Beta decita em (3) com média dada pela nota do Repondente em cada um do 8 poduto apeentado pela Tabela e paâmeto de pecião φ = 025. Deta foma, a amota foi geada atavé de uma ditibuição Beta(a,b ), com a = φµ = 025µ e b = φ( µ ) = 025( µ ), com µ igual a nota padonizada do -émo poduto apeentado pelo Repondente, =,2,...,8. O valo do paâmeto de pecião foi ecolhido de foma aumenta a vaiância da ditibuição Beta e também paa difeencia eu paâmeto e toná-la amética. O aute do modelo Beta e Nomal foi ealizado no nível agegado condeando, e como citéio de compaação utilizou-e o citéio de Akaike AIC (AKAIKE, 974) e a oma de quadado eíduo. O eultado ão apeentado na Tabela 8. Tabela 8 - Compaação do modelo com bae na mulaçõe da nota de 00 epondente Modelo Nomal Modelo Beta AIC , ,465 SQRe 45,07 4,723 Obeva-e pela Tabela 8 um melho aute do modelo Beta paa o dado mulado (meno AIC). A oma de quadado eíduo foi meno ao e utiliza o novo modelo popoto, ou ea, o aute do modelo baeado em nota em que e utiliza a egeão Beta apeentou um eultado mai pecio do que aquele que utiliza a egeão Nomal. Concluõe A análie conunta é uma técnica etatítica que pode e utilizada paa entende a etutua de pefeência de um conumido po um deteminado poduto. A etimativa da pefeência do conumidoe ão melhoe, em geal, quando e avalia um conunto de atibuto. Com ea técnica multivaiada pode-e identifica o atibuto de maio influência obe a pefeência do conumido. O modelo baeado em nota é um do pincipai modelo da análie conunta. Ete conte em um modelo no qual o epondente atibuem uma nota paa cada poduto apeentado, ou ea, paa cada conunto de atibuto e nívei etabelecido pelo pequiado. A pati deta nota atibuída é poível etima a utilidade paciai, utilidade totai e a impotância elativa. Tadicionalmente, eta etimativa ão feita atavé de modelo de egeão múltipla, upondo que a nota dada eguem ditibuição Nomal. Ete tabalho popô a modelagem da nota po meio de uma ditibuição Beta, obtendo a etimativa a pati de uma egeão Beta. Eta etimativa podem e obtida facilmente po meio do pacote betaeg do oftwae R. O doi modelo abodado nete tabalho foam aplicado a um conunto de dado fictício elativo à podução de um celula (matphone). Foam condeado tê atibuto: teclado, tema opeacional e, co; com doi nívei cada. Com bae no eultado obtido, concluiu-e que o atibuto de maio impotância foi o teclado. Obeva-e ainda que o modelo baeado em nota com ditibuição Beta obteve eultado emelhante ao do modelo baeado em nota com ditibuição Nomal, entetanto o modelo com nota com ditibuição Beta foi envelmente melho. A emelhança ente o 60 Rev. Ba. Biom., São Paulo, v.33, n., p.5-62, 205

11 eultado do doi modelo apeentado na ilutação foi, povelmente, devido à metia da nota, algo não pecebido quando e geou dado amético atavé da ditibuição Beta. Neta última tuação o modelo Nomal apeentou um aute infeio. Nete contexto, obeva-e que o modelo de egeão Beta e motou uma técnica mai pecia paa o aute do dado na análie conunta baeada em nota. Ito poque a upoção de nomalidade da obevaçõe pode não e azoável em alguma tuaçõe, vito que a nota ão limitada e nem empe apeentam um compotamento mético. A etimação do paâmeto do modelo Beta envolve maximização numéica e não é tão mple como no modelo Nomal. Entetanto, no oftwae R há a biblioteca betaeg que fonece a etimativa do paâmeto de foma mple, viabilizando o uo do modelo Beta na Análie Conunta. A metodologia popota nete tabalho paa o cálculo da impotância elativa é um pocedimento intuitivo e computacionalmente mple, e pode e utilizada qualque que ea a ditibuição utilizada paa a modelagem da nota. Potanto, paa o modelo da análie conunta baeado em nota há uma nova metodologia deenvolvida que pode e aplicada quando e deea, po exemplo, cia um novo poduto ou apefeiçoa um á exitente de tal foma que ete tenha vantagem competitiva no mecado. Pode-e condea paa futuo tabalho o uo de outa ditibuiçõe paa modela a nota e/ou a genealização do calculo da impotância elativa paa qualque númeo de nívei de cada atibuto. Agadecimento A pimeia autoa agadece ao Conelho Nacional de Deenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) pelo auxílio concedido paa a ealização dee tabalho. RESENDE, V. S.; NAKANO, E. Y. Scoe-baed conoint analy via beta egeon model. Rev. Ba. Biom., São Paulo, v.33, n., p.5-62, 205. ABSTRACT: The taditional model of conoint analy aume that attibuted coe follow a Nomal ditibution. Howeve, nomality aumption may not be eaonable nce the coe ae limited. Since any limited coe can be tandadized to value fom 0 to, thi pape peent a new methodology to allow modeling thee coe by a Beta ditibution. In addition, the pape peent a geneal pocedue to calculate the elative impotance, which can be applied to any othe ditibution. The peented methodology i illutated on a numeical application of a matphone poduction and on mulated data. The Beta egeon model howed a moe accuate technique fo aduting the taditional conoint analy model. KEYWORDS: Stated pefeence analy; elative impotance; utility function. Refeência AKAIKE, H. A new look at the tatitical model identification. IEEE Tanaction on Automatic Contol, v.2, n.6, p , 974 ARTES, R. Análie de pefeência ( conoint analy ) f. Dietação (Metado em Etatítica) Intituto de Matemática e Etatítica da Univedade de São Paulo (IME-USP), São Paulo, 99. Rev. Ba. Biom., São Paulo, v.33, n., p.5-62, 205 6

12 CRIBARI-NETO, F; PEREIRA, T.L. Avaliação da eficiência de adminitaçõe municipai no Etado de São Paulo: Uma nova abodagem via modelo de egeão Beta. Rev. Ba. Biom., São Paulo, v.3, n.2, p , 203. CRIBARI-NETO, F; ZEILEIS, A. Beta Regeon in R. Jounal of Statitical Softwae, v. 34, n.2, p. -24, 200. DA SILVA; C. H.; BASTOS, F. S. Intodução à Conoint Analy. In: IX ENCONTRO MINEIRO DE ESTATÍSTICA, Viçoa MG. Minicuo minitado, 200. FERRARI, S.L.P.; CIRBARI-NETO, F. Beta Regeon Fo Rate and Popotion, Jounal of Applied Statitic, v.3, n. 7, p , GRAYBILL; F.A.; IYER, H.K. Regeon Analy: Concept and Application..ed. Duxbuy: Duxbuy Pe, p. HAIR JR, J. F. Análie multivaiada de dado. 5.ed. Poto Alege: Bookman, p. KOTRI, A. Analyzing cutome value ung Conoint Analy: the example of a packaging company. Woking Pape Seie, Faculty of Economic and Bune Adminitation, Univety of Tatu (Etonia). n.46, p. -38, MATOS, T.O. Conoint Analy: Uma Aplicação ao Maketing. Monogafia (Bachaelado em Etatítica) Intituto de Ciência Exata da Univedade Fedeal de Juiz de Foa (UFJF). Mina Geai, 20. McCULLAGH, P.; NELDER, J.A. Genealized Linea Model. 2.ed. Londe: Chapman & Hall, p. NETER, J.; KUTNER, M.; NACHTSHEIM, C.; WASSERMAN, W. Applied Linea Statitical Model, 4. ed. Etado Unido: Iwin Seie in Statitic, p. PAOLINO, P. Maximum Likelihood Etimation of Model with Beta Ditibuted Dependent Vaiable. Political Analy, v.9, n.4, p , 200. R CORE TEAM (203). R: A language and envionment fo tatitical computing. R Foundation fo Statitical Computing, Vienna, Autia. ISBN , URL SILVA, C.R.; SOUZA, T.C. Modelagem da taxa de analfabetimo no Etado da Paaíba via modelo de egeão Beta. Rev. Ba. Biom., São Paulo, v.32, n.3, p , 204. Recebido em Apovado apó evião em Rev. Ba. Biom., São Paulo, v.33, n., p.5-62, 205

Matemática / Física. Figura 1. Figura 2

Matemática / Física. Figura 1. Figura 2 Matemática / Fíica SÃO PAULO: CAPITAL DA VELOCIDADE Diveo título foam endo atibuído à cidade de São Paulo duante eu mai de 00 ano de fundação, como, po exemplo, A cidade que não pode paa, A capital da

Leia mais

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES CAPÍTULO 4 PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA Nota de aula pepaada a pati do livo FUNDAMENTALS OF ENGINEERING THERMODINAMICS Michael J. MORAN & HOWARD N. SHAPIRO. 4. GENERALIDADES Enegia é um conceito fundamental

Leia mais

Eletrotécnica. Módulo III Parte II - Máquina de Indução. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr.

Eletrotécnica. Módulo III Parte II - Máquina de Indução. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr. 1 Eletotécnica Módulo III Pate II - Máquina de Indução Pof. Máquina de Indução ou Máquina Aíncona Tipo de máquina elética otativa mai utilizado Tipo de máquina com contução mai obuta (oto em gaiola quiel

Leia mais

Campo Gravítico da Terra

Campo Gravítico da Terra Campo Gavítico da ea 1. Condiçõe de medição eodéica O intumento com que ão efectuada a mediçõe eodéica, obe a upefície da ea, etão ujeito à foça da avidade. Paa pode intepeta coectamente o eultado da mediçõe,

Leia mais

2. MÉTODO DE POSICIONAMENTO RELATIVO 1. INTRODUÇÃO

2. MÉTODO DE POSICIONAMENTO RELATIVO 1. INTRODUÇÃO Método de poicionamento elativo po atélite GPS com coeção do efeito do multicaminho em etaçõe de efeência: fomulação matemátic eultado e análie Weley Gildo Canducci Polezel Eniuce Meneze de Souza João

Leia mais

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo Coente altenada é fonecida ao etato dietamente; Coente altenada cicula no cicuito de oto po indução, ou ação tanfomado; A coente de etato (que poui uma etutua n-fáica) poduzem um campo giante no entefeo;!"

Leia mais

DIFERENCIAIS SALARIAIS E MERCADO POTENCIAL: EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL

DIFERENCIAIS SALARIAIS E MERCADO POTENCIAL: EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL FACULDADE DE ECOOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOOMIA APLICADA DIFERECIAIS SALARIAIS E MERCADO POTECIAL: EVIDÊCIAS PARA O BRASIL Pedo Vaconcelo Amaal Mauo Boge Lemo Rodigo Feeia Simõe Flávia Lúcia

Leia mais

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS. Intodução O conjunto dos númeos epesentáveis em uma máquina (computadoes, calculadoas,...) é finito, e potanto disceto, ou seja não é possível

Leia mais

Eficiência das Instituições de Microcrédito: uma aplicação de DEA/VRS no contexto brasileiro

Eficiência das Instituições de Microcrédito: uma aplicação de DEA/VRS no contexto brasileiro Poduction, v. 25, n. 3, p. 70-72, jul./et. 205 http://dx.doi.og/0.590/003-653.4203 Eficiência da Intituiçõe de Micocédito: uma aplicação de DEA/VRS no contexto baileio Elaine Apaecida Aaújo a *, Chale

Leia mais

Análise de Correlação e medidas de associação

Análise de Correlação e medidas de associação Análise de Coelação e medidas de associação Pof. Paulo Ricado B. Guimaães 1. Intodução Muitas vezes pecisamos avalia o gau de elacionamento ente duas ou mais vaiáveis. É possível descobi com pecisão, o

Leia mais

ACESSIBILIDADE ECONÓMICA E BEM-ESTAR: EVIDÊNCIA DA PENÍNSULA IBÉRICA. Armando José Garcia Pires * ISEG/UTL. Dezembro 2001

ACESSIBILIDADE ECONÓMICA E BEM-ESTAR: EVIDÊNCIA DA PENÍNSULA IBÉRICA. Armando José Garcia Pires * ISEG/UTL. Dezembro 2001 ACESSIBILIDADE ECONÓMICA E BEM-ESTAR: EVIDÊNCIA DA PENÍNSULA IBÉRICA Amando Joé Gacia Pie * ISEG/UTL Dezembo 200 RESUMO: Ete tabalho apeenta uma metodologia paa quantifica aceibilidade económica no contexto

Leia mais

CONTROLE DE VELOCIDADE SENSORLESS DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS SUJEITOS A DISTÚRBIOS DE TORQUE

CONTROLE DE VELOCIDADE SENSORLESS DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS SUJEITOS A DISTÚRBIOS DE TORQUE UFSM Dietação de Metado CONTROE DE VEOCIDADE SENSORESS DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS SUJEITOS A DISTÚRBIOS DE TORQUE CRISTIANE CAUDURO GASTADINI PPGEE Santa Maia, RS, BRASI. 28 - CONTROE DE VEOCIDADE

Leia mais

Torque Eletromagnético de Máquinas CA. com Entreferro Constante

Torque Eletromagnético de Máquinas CA. com Entreferro Constante 1. Intodução Apotila 4 Diciplina de Coneão de Enegia B Toque Eletoagnético de Máquina CA co Entefeo Contante Neta apotila ão abodado o pincipai apecto elacionado co a podução de toque e áquina de coente

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Escola Secundáia com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Medi - é compaa uma gandeza com outa da mesma espécie, que se toma paa unidade. Medição de uma gandeza

Leia mais

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação Aula 5 Pof. D. Maco Antonio Leonel Caetano Guia de Estudo paa Aula 5 Poduto Vetoial - Intepetação do poduto vetoial Compaação com as funções

Leia mais

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário Unidade 13 Noções de atemática Financeia Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto acional ou eal Desconto comecial ou bancáio Intodução A atemática Financeia teve seu início exatamente

Leia mais

Física Geral I - F 128 Aula 8: Energia Potencial e Conservação de Energia. 2 o Semestre 2012

Física Geral I - F 128 Aula 8: Energia Potencial e Conservação de Energia. 2 o Semestre 2012 Física Geal I - F 18 Aula 8: Enegia Potencial e Consevação de Enegia o Semeste 1 Q1: Tabalho e foça Analise a seguinte afimação sobe um copo, que patindo do epouso, move-se de acodo com a foça mostada

Leia mais

Suporte à Execução. Compiladores. Procedimentos. Árvores de Ativação. Exemplo: o Quicksort. Procedimentos em ação (ativação)

Suporte à Execução. Compiladores. Procedimentos. Árvores de Ativação. Exemplo: o Quicksort. Procedimentos em ação (ativação) Supote à Execução Compiladoe Ambiente de upote à execução O Compilado gea código executável. Ma nem tudo etá conhecido ante que o pogama eja executado! Valoe de paâmeto e funçõe, Memóia dinamicamente alocada,

Leia mais

Relatório Interno. Método de Calibração de Câmaras Proposto por Zhang

Relatório Interno. Método de Calibração de Câmaras Proposto por Zhang LABORATÓRIO DE ÓPTICA E MECÂNICA EXPERIMENTAL Relatóio Inteno Método de Calibação de Câmaas Poposto po Zhang Maia Cândida F. S. P. Coelho João Manuel R. S. Tavaes Setembo de 23 Resumo O pesente elatóio

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Índice:

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Índice: ANEXO 4 ROTEIRO DE VERIFICAÇÃO DO CÁLCULO DO CUSTO DO CAPITAL Roteio de Veificação do Cálculo do Custo do Capital Índice: Índice: Conceitos Veificações 1 VISÃO GERAL... 3 1.1 O QUE É CUSTO DE CAPITAL...

Leia mais

NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL

NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL SALVADOR BA 7 EQUAÇÃO VETORIAL DA RETA EQUAÇÕES DA RETA DEF: Qualque eto não nulo paalelo a uma eta chama-e eto dieto dea

Leia mais

Controlo de Motores Eléctricos

Controlo de Motores Eléctricos Contolo de otoe Eléctico Gil aque 999 Índice Pefácio Ete texto eultou de um efoço que fiz quando leccionei a diciplina de Contolo de Accionamento Electomecânico no ano lectivo de 996/97. ai tade, no ano

Leia mais

CONTROLE INTELIGENTE DE UM SISTEMA DE USINAGEM ACIONADO POR MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO

CONTROLE INTELIGENTE DE UM SISTEMA DE USINAGEM ACIONADO POR MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO Univeidade Fedeal da Paaíba Cento de Tecnologia Pogama de Pó-Gaduação em Engenhaia Mecânica Metado - Doutoado CONTROLE INTELIGENTE DE UM SISTEMA DE USINAGEM ACIONADO POR MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO po Élida

Leia mais

ESTUDO E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE ESTRATÉGIAS DE CONTROLE DIRETO DO TORQUE EM MÁQUINAS DE INDUÇÃO

ESTUDO E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE ESTRATÉGIAS DE CONTROLE DIRETO DO TORQUE EM MÁQUINAS DE INDUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ESTUDO E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE ESTRATÉGIAS DE CONTROLE DIRETO DO TORQUE EM MÁQUINAS DE INDUÇÃO

Leia mais

Ivan Correr (UNIMEP) ivcorrer@unimep.br. Ronaldo de Oliveira Martins (UNIMEP) romartin@unimep.br. Milton Vieira Junior (UNIMEP) mvieira@unimep.

Ivan Correr (UNIMEP) ivcorrer@unimep.br. Ronaldo de Oliveira Martins (UNIMEP) romartin@unimep.br. Milton Vieira Junior (UNIMEP) mvieira@unimep. X SMPEP Bauu, SP, Basil, 7 a 9 de ovembo de 2005 Avaliação do índice de utilização de máquinas feamentas CC em uma empesa de usinagem, po meio da análise da técnica de pé ajustagem de feamentas. - van

Leia mais

Índice de Sharpe e outros Indicadores de Performance Aplicados a Fundos de Ações Brasileiros

Índice de Sharpe e outros Indicadores de Performance Aplicados a Fundos de Ações Brasileiros Índice de Shape e outos Indicadoes de Pefomance Aplicados a Fundos de Ações Basileios Gyogy Vaga RESUMO Implementamos e aplicamos divesas medidas estatísticas de avaliação de pefomance aos dez maioes fundos

Leia mais

ESTIMAÇÃO DE ESTADOS, PARÂMETROS E VELOCIDADE DO MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO COM METODOLOGIAS DE IDENTIFICAÇÃO EM TEMPO REAL

ESTIMAÇÃO DE ESTADOS, PARÂMETROS E VELOCIDADE DO MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO COM METODOLOGIAS DE IDENTIFICAÇÃO EM TEMPO REAL ESIMAÇÃO DE ESADOS, PARÂMEROS E VELOCIDADE DO MOOR DE INDUÇÃO RIFÁSICO COM MEODOLOGIAS DE IDENIFICAÇÃO EM EMPO REAL AMÉRICO VICENE EIXEIRA LEIE Dietação ubmetida à Faculdade de Engenhaia da Univeidade

Leia mais

ANÁLISE DA FIABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE DA FIABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO NÁLIE D IBILIDDE D REDE DE TRNPORTE E DITRIBUIÇÃO. Maciel Babosa Janeio 03 nálise da iabilidade da Rede de Tanspote e Distibuição. Maciel Babosa nálise da iabilidade da Rede de Tanspote e Distibuição ÍNDICE

Leia mais

x p - O Valor do total das actividades consideradas, na região padrão p.

x p - O Valor do total das actividades consideradas, na região padrão p. Conceitos e Metodologias Medidas de Especialização Regional As medidas de análise egional, tadicionalmente utilizadas na análise dos tecidos podutivos egionais e em análises económicas sectoiais à escala

Leia mais

ANÁLISE DE GERADOR DE INDUÇÃO PARA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DAS ONDAS DO MAR. Thiago Machado Monteiro

ANÁLISE DE GERADOR DE INDUÇÃO PARA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DAS ONDAS DO MAR. Thiago Machado Monteiro ANÁLISE DE GERADOR DE INDUÇÃO PARA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DAS ONDAS DO MAR Thiago Machado Monteio PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA ESCOLA POLITÉCNICA

Leia mais

CONTROLE POR REALIMENTAÇÃO DOS ESTADOS SISTEMAS SERVOS

CONTROLE POR REALIMENTAÇÃO DOS ESTADOS SISTEMAS SERVOS CONTROLE POR REALIMENTAÇÃO DOS ESTADOS SISTEMAS SERVOS. Moivaçõe Como vio o Regulado de Eado maném o iema em uma deeminada condição de egime pemanene, ou eja, ena mane o eado em uma dada condição eacionáia.

Leia mais

3. Elementos de Sistemas Elétricos de Potência

3. Elementos de Sistemas Elétricos de Potência Sistemas Eléticos de Potência. Elementos de Sistemas Eléticos de Potência..4 apacitância e Susceptância apacitiva de Linhas de Tansmissão Pofesso:. Raphael Augusto de Souza Benedito E-mail:aphaelbenedito@utfp.edu.b

Leia mais

2. Projetos de Investimento como Opções Reais

2. Projetos de Investimento como Opções Reais 8. Pojetos de nvestimento como Opções Reais Uma fima que possui uma opotunidade de investimento adquiiu algo semelhante a uma opção de compa financeia: ela possui o dieito, mas não necessaiamente a obigação

Leia mais

Introdução. Base de Dados: Linha de Calibração Observatório Nacional Agulhas Negras

Introdução. Base de Dados: Linha de Calibração Observatório Nacional Agulhas Negras A impotância da eestutuação da Linha de Calibação Obsevatóio Nacional Agulhas Negas paa atende as caacteísticas dos gavímetos Scintex CG5. Fancisma Rimoli Bequó, IFF, Itapeuna, Basil*. Iis Peeia Escoba,

Leia mais

ELETRÔNICA II. Engenharia Elétrica Campus Pelotas. Revisão Modelo CA dos transistores BJT e MOSFET

ELETRÔNICA II. Engenharia Elétrica Campus Pelotas. Revisão Modelo CA dos transistores BJT e MOSFET ELETRÔNICA II Engenaia Elética Campus Pelotas Revisão Modelo CA dos tansistoes BJT e MOSFET Pof. Mácio Bende Macado, Adaptado do mateial desenvolvido pelos pofessoes Eduado Costa da Motta e Andeson da

Leia mais

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras Livro para a SBEA (material em contrução) Edmundo Rodrigue 9 4.1. Análie granulométrica Granulometria, graduação ou compoição granulométrica de um agregado é a ditribuição percentual do eu divero tamanho

Leia mais

Avaliação: por que? Técnicas de Avaliação. Avaliação: Estudos em Laboratório. Objetivos da Avaliação. Avaliação Outros Grupos

Avaliação: por que? Técnicas de Avaliação. Avaliação: Estudos em Laboratório. Objetivos da Avaliação. Avaliação Outros Grupos intemidia.usp.b Avaliação: po que? intemidia.usp.b Técnicas de Avaliação Avalia adequação de designs Testa a usabilidade e a funcionalidade do sistema Requisitos dos usuáios estão efetivamente sendo atendidos?

Leia mais

João Eduardo de Souza Grossi

João Eduardo de Souza Grossi UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA MESTRADO PROFISSIONALIZANTE, MODELAGEM MATEMÁTICA EM FINANÇAS MODELO DISCRETO DE APREÇAMENTO

Leia mais

A Disposição a Pagar pelo Uso da Água na Bacia Hidrográfica do Rio Pardinho

A Disposição a Pagar pelo Uso da Água na Bacia Hidrográfica do Rio Pardinho A Disposição a Paga pelo Uso da Água na Bacia Hidogáfica do Rio Padinho Auto: Augusto Mussi Alvim (CPF: 564402430-04). Douto em Economia, Pofesso Adunto do Depatamento de Ciências Econômicas, PUCRS. Av.

Leia mais

IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTICO REPRESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS. José Roberto Securato 1 RESUMO

IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTICO REPRESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS. José Roberto Securato 1 RESUMO IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTIO EPESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS José obeto Secuato ESUMO O atigo tata da possibilidade de obtemos um título sintético que seja uma mímica em temos de isco e etono de

Leia mais

CAMPOS MAGNETOSTÁTICOS PRODUZIDOS POR CORRENTE ELÉTRICA

CAMPOS MAGNETOSTÁTICOS PRODUZIDOS POR CORRENTE ELÉTRICA ELETOMAGNETMO 75 9 CAMPO MAGNETOTÁTCO PODUZDO PO COENTE ELÉTCA Nos capítulos anteioes estudamos divesos fenômenos envolvendo cagas eléticas, (foças de oigem eletostática, campo elético, potencial escala

Leia mais

Dimensionamento de uma placa de orifício

Dimensionamento de uma placa de orifício Eata de atigo do engenheio Henique Bum da REBEQ 7-1 Po um eo de fechamento de mateial de ilustação, pate do atigo do Engenheio Químico Henique Bum, publicado na seção EQ na Palma da Mão, na edição 7-1

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: Spoleto Fanchising LTDA. Nome Fantasia: Spoleto. Data de fundação: 07 de feveeio de 1999. Númeo

Leia mais

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST 58-2BR Comando linea modelos, -B e I Gaiola de esfeas Esfea Eixo Castanha Vedação Fig.1 Estutua do comando linea modelo Estutua e caacteísticas O modelo possui uma gaiola de esfeas e esfeas incopoadas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA MONITORAMENTO EM LINHA E CONTROLE DE REATORES DE POLIMERIZAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA MONITORAMENTO EM LINHA E CONTROLE DE REATORES DE POLIMERIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA MONITORAMENTO EM LINHA E CONTROLE DE REATORES DE POLIMERIZAÇÃO Macelo Esposito, Calos A. Claumann, Ricado A. F. Machado, Claudia Saye, Pedo H. H. Aaújo* Univesidade Fedeal

Leia mais

3 - DESCRIÇÃO DO ELEVADOR. Abaixo apresentamos o diagrama esquemático de um elevador (obtido no site da Atlas Schindler).

3 - DESCRIÇÃO DO ELEVADOR. Abaixo apresentamos o diagrama esquemático de um elevador (obtido no site da Atlas Schindler). 3 - DESCRIÇÃO DO EEVADOR Abaixo apesentamos o diagama esquemático de um elevado (obtido no site da Atlas Schindle). Figua 1: Diagama esquemático de um elevado e suas pates. No elevado alvo do pojeto, a

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FUNDO PATRIMONIAL DE APOIO AO JORNALISMO INVESTIGATIVO (F/ABRAJI) Aprovado pela Assembleia Geral de Associados realizada em.

REGIMENTO INTERNO DO FUNDO PATRIMONIAL DE APOIO AO JORNALISMO INVESTIGATIVO (F/ABRAJI) Aprovado pela Assembleia Geral de Associados realizada em. REGIMENTO INTERNO DO FUNDO PATRIMONIAL DE APOIO AO JORNALISMO INVESTIGATIVO (F/ABRAJI) Apovado pela Assembleia Geal de Associados ealizada em. Capítulo I Disposições Peliminaes At. 1º O pesente egimento

Leia mais

Gestão de Inventários: Introdução 1

Gestão de Inventários: Introdução 1 Gestão de Inventáios: Intodução 1 Gestão de Inventáios Intodução Definição de inventáio (ou stock) Acumulação de matéias-pimas, podutos semi-acabados e/ou podutos acabados, bem como de sobessalentes necessáios

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL OBJETIVOS DO CURSO UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL Fonece ao aluno as egas básicas do cálculo vetoial aplicadas a muitas gandezas na física e engenhaia (noção de

Leia mais

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material.

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material. Campo magnético Um ímã, com seus pólos note e sul, também pode poduzi movimentos em patículas, devido ao seu magnetismo. Contudo, essas patículas, paa sofeem esses deslocamentos, têm que te popiedades

Leia mais

ESPAÇO VETORIAL REAL DE DIMENSÃO FINITA

ESPAÇO VETORIAL REAL DE DIMENSÃO FINITA EPÇO ETORIL REL DE DIMENÃO FINIT Defnção ejam um conjuno não ao o conjuno do númeo ea R e dua opeaçõe bnáa adção e mulplcação po ecala : : R u a u a é um Epaço eoal obe R ou Epaço eoal Real ou um R-epaço

Leia mais

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009 Temodinâmica - FMT 59 Notuno segundo semeste de 2009 Execícios em classe: máquinas témicas 30/0/2009 Há divesos tipos de motoes témicos que funcionam tanfeindo calo ente esevatóios témicos e ealizando

Leia mais

Gerador Assíncrono Auto-Excitado Controlado por Processador Digital de Sinal

Gerador Assíncrono Auto-Excitado Controlado por Processador Digital de Sinal Geado Aíncono Auto-Excitado Contolado po Poceado Digital de Sinal Joé Faia (,,4, Elmano Magato (,,4, M. J. Reende (,4, ( Intituto Supeio de Engenhaia de Liboa, Rua Conelheio Emídio Navao, 950-06 Liboa,

Leia mais

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL SEUNDA LEI DE NEWON PARA FORÇA RAVIACIONAL, PESO E NORMAL Um copo de ssa m em queda live na ea está submetido a u aceleação de módulo g. Se despezamos os efeitos do a, a única foça que age sobe o copo

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: MF 1000 FRANQUIA DE COSMÉTICOS LTDA Nome Fantasia: VITA DERM DAY CLINIC Data de fundação: 12/03/1984

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Infotec Cusos Pofissionalizantes Ltda. Nome Fantasia: CEBRAC Cento Basileio de Cusos Data de fundação:

Leia mais

Structural changes in employment in the economy: 1996 and 2002 compared

Structural changes in employment in the economy: 1996 and 2002 compared MPRA Munich Pesonal RePEc Achive Stuctual changes in employment in the economy: 1996 and 22 compaed Ichihaa, Silvio Massau; Guilhoto, Joaquim J.M. and Amoim, Mácio Guea 27 Online at http://mpa.ub.uni-muenchen.de/31514/

Leia mais

Alessandro Tadeu Rodrigues Gomides. Avaliação de Riscos em Estratégias de Investimentos de Longo Prazo: Aplicação Prática em um Fundo de Pensão

Alessandro Tadeu Rodrigues Gomides. Avaliação de Riscos em Estratégias de Investimentos de Longo Prazo: Aplicação Prática em um Fundo de Pensão lessando Tadeu Rodigues Gomides valiação de Riscos em Estatégias de Investimentos de Longo azo: plicação ática em um Fundo de ensão EGE/FGV Rio de Janeio, 9 de junho de 004 valiação de Riscos em Estatégias

Leia mais

De Kepler a Newton. (através da algebra geométrica) 2008 DEEC IST Prof. Carlos R. Paiva

De Kepler a Newton. (através da algebra geométrica) 2008 DEEC IST Prof. Carlos R. Paiva De Keple a Newton (atavés da algeba geomética) 008 DEEC IST Pof. Calos R. Paiva De Keple a Newton (atavés da álgeba geomética) 1 De Keple a Newton Vamos aqui mosta como, a pati das tês leis de Keple sobe

Leia mais

Capítulo 12. Gravitação. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação:

Capítulo 12. Gravitação. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação: Capítulo Gavitação ecusos com copyight incluídos nesta apesentação: Intodução A lei da gavitação univesal é um exemplo de que as mesmas leis natuais se aplicam em qualque ponto do univeso. Fim da dicotomia

Leia mais

75$%$/+2(327(1&,$/ (/(75267È7,&2

75$%$/+2(327(1&,$/ (/(75267È7,&2 3 75$%$/+(37(&,$/ (/(7567È7,& Ao final deste capítulo você deveá se capa de: ½ Obte a epessão paa o tabalho ealiado Calcula o tabalho que é ealiado ao se movimenta uma caga elética em um campo elético

Leia mais

Professor: Newton Sure Soeiro, Dr. Eng.

Professor: Newton Sure Soeiro, Dr. Eng. UNIVERSIDDE FEDERL DO PRÁ MESTRDO EM ENGENHRI MECÂNIC GRUPO DE VIRÇÕES E CÚSTIC nálise Modal Expeimental Pofesso: Newton Sue Soeio, D. Eng. elém Paá Outubo/00 Gupo de Vibações e cústica UFP nálise Modal

Leia mais

Dinâmica Trabalho e Energia

Dinâmica Trabalho e Energia CELV Colégio Estadual Luiz Vianna Física 1 diano do Valle Pág. 1 Enegia Enegia está elacionada à capacidade de ealiza movimento. Um dos pincípios básicos da Física diz que a enegia pode se tansfomada ou

Leia mais

TEORIA DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL

TEORIA DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL Aula 0 EORIA DA GRAVIAÇÃO UNIVERSAL MEA Mosta aos alunos a teoia da gavitação de Newton, peda de toque da Mecânica newtoniana, elemento fundamental da pimeia gande síntese da Física. OBJEIVOS Abi a pespectiva,

Leia mais

2 Compressor Automotivo

2 Compressor Automotivo Compesso Automotivo Neste capítulo seá apesentado o desenvolvimento de um modelo de simulação de compessoes altenativos automotivos..1. Intodução O compesso é o componente mais impotante de um sistema

Leia mais

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F LIST 03 LTROSTÁTIC PROSSOR MÁRCIO 01 (URJ) Duas patículas eleticamente caegadas estão sepaadas po uma distância. O gáfico que melho expessa a vaiação do módulo da foça eletostática ente elas, em função

Leia mais

ESTRATÉGIA DE CONTROLE PARA ACIONAMENTO A VELOCIDADE VARIÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSICOS COM OPERAÇÃO OTIMIZADA

ESTRATÉGIA DE CONTROLE PARA ACIONAMENTO A VELOCIDADE VARIÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSICOS COM OPERAÇÃO OTIMIZADA ESTRATÉGA DE CONTROLE PARA ACONAMENTO A VELOCDADE VARÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSCOS COM OPERAÇÃO OTMZADA Ronilson Rocha * Pedo F Donoso Gacia * Selênio Rocha Silva * Mácio Fonte Boa Cotez x UFMG -CPDEE *

Leia mais

'CRYSTAL :FASHION EVENTO! alimentares '- -. ---- BULIMIA e ~'... C;;ritiba b~ distúrbios. os mais caro! e veloze! do mundc. MARIAlpU ,-- UTOMÓVEI!

'CRYSTAL :FASHION EVENTO! alimentares '- -. ---- BULIMIA e ~'... C;;ritiba b~ distúrbios. os mais caro! e veloze! do mundc. MARIAlpU ,-- UTOMÓVEI! , a --,;-,,; BULMA e ' C;;itiba b ANO REliA distúbios alimentaes '- - ---- MARAlpU \, EVENTO! sobe o Tudo 'CRYSTAL,-- UTOMÓVE! os mais cao! e veloze! do mundc :FASHON -- - - - - - - ---==--- - - - " ",

Leia mais

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2016

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2016 IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO CENTRO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL CREDENCIADO PELO COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIÕES (CBC) EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO

Leia mais

LISTA de GRAVITAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ

LISTA de GRAVITAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ LISA de GRAVIAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ 1. (Ufgs 01) Em 6 de agosto de 01, o jipe Cuiosity" pousou em ate. Em um dos mais espetaculaes empeendimentos da ea espacial, o veículo foi colocado na supefície do planeta

Leia mais

Linhas de Campo Magnético

Linhas de Campo Magnético Linha de Campo Magnético Popiedade da Linha de Campo Magnético Não há evidência expeimental de monopolo magnético (pólo iolado) Etutua magnética mai imple: dipolo magnético Linha de Campo Magnético ão

Leia mais

APRIMORAMENTO DA PRODUTIVIDADE DE SISTEMAS DE MANUFATURA E APLICAÇÃO DE ALGORITMOS GENÉTICOS NA SOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE AGRUPAMENTOS CELULARES

APRIMORAMENTO DA PRODUTIVIDADE DE SISTEMAS DE MANUFATURA E APLICAÇÃO DE ALGORITMOS GENÉTICOS NA SOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE AGRUPAMENTOS CELULARES Univesidade Fedeal de Santa Cataina Floianópolis SC - Basil APRIMORAMENTO DA PRODUTIVIDADE DE SISTEMAS DE MANUFATURA E APLICAÇÃO DE ALGORITMOS GENÉTICOS NA SOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE AGRUPAMENTOS CELULARES

Leia mais

Um exemplo de Análise de Covariância. Um exemplo de Análise de Covariância (cont.)

Um exemplo de Análise de Covariância. Um exemplo de Análise de Covariância (cont.) Um exemplo de Análie de Covariância A Regreão Linear e a Análie de Variância etudada até aqui, ão cao particulare do Modelo Linear, que inclui também a Análie de Covariância Em qualquer deta trê ituaçõe

Leia mais

CAPÍTULO 6 - Testes de significância

CAPÍTULO 6 - Testes de significância INF 16 CAPÍTULO 6 - Tete de ignificância Introdução Tete de ignificância (também conhecido como Tete de Hipótee) correpondem a uma regra deciória que no permite rejeitar ou não rejeitar uma hipótee etatítica

Leia mais

Bragantia ISSN: 0006-8705 editor@iac.sp.gov.br Instituto Agronômico de Campinas Brasil

Bragantia ISSN: 0006-8705 editor@iac.sp.gov.br Instituto Agronômico de Campinas Brasil Baantia ISSN: 0006-8705 edito@iac.sp.ov. Instituto Aonômico de Campinas Basil SILVA, HEYDER DINIZ; FERREIRA, DANIEL FURTADO; PATTO PACHECO, CLESO ANTÔNIO Avaliação de quato altenativas de análise de expeimentos

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Questão 3. alternativa C. alternativa E

Questão 1. Questão 2. Questão 3. alternativa C. alternativa E Questão 1 Dois pilotos iniciaam simultaneamente a disputa de uma pova de automobilismo numa pista cuja extensão total é de, km. Enquanto Máio leva 1,1 minuto paa da uma volta completa na pista, Júlio demoa

Leia mais

I~~~~~~~~~~~~~~-~-~ krrrrrrrrrrrrrrrrrr. \fy --~--.. Ação de Flexão

I~~~~~~~~~~~~~~-~-~ krrrrrrrrrrrrrrrrrr. \fy --~--.. Ação de Flexão Placas - Lajes Placas são estutuas planas onde duas de suas tês dimensões -lagua e compimento - são muito maioes do que a teceia, que é a espessua. As cagas nas placas estão foa do plano da placa. As placas

Leia mais

Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático considerando o efeito do atrito dinâmico

Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático considerando o efeito do atrito dinâmico Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático coniderando o efeito do atrito dinâmico Antonio C. Valdiero, Carla S. Ritter, Luiz A. Raia Depto de Ciência Exata e Engenharia, DCEEng,

Leia mais

Palavras-chave:Algoritmo Genético; Carregamento de Contêiner; Otimização Combinatória.

Palavras-chave:Algoritmo Genético; Carregamento de Contêiner; Otimização Combinatória. Reolução do Problema de Carregamento e Decarregamento 3D de Contêinere em Terminai Portuário para Múltiplo Cenário via Repreentação por Regra e Algoritmo Genético Aníbal Tavare de Azevedo (UNICAMP) anibal.azevedo@fca.unicamp.br

Leia mais

Fundação Getulio Vargas Escola de Pós-Graduação em Economia Mestrado em Finanças e Economia Empresarial

Fundação Getulio Vargas Escola de Pós-Graduação em Economia Mestrado em Finanças e Economia Empresarial Fundação Getulio Vagas Escola de Pós-Gaduação em Economia Mestado em Finanças e Economia Empesaial UTILIZAÇÃO DO MODELO DE BLACK-LITTERMAN PARA GESTÃO DE HEDGE FUNDS DO BRASIL Ricado Lafayette Stockle

Leia mais

FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba

FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético Pof. Alexande A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Cuitiba EMENTA Caga Elética Campo Elético Lei de Gauss Potencial Elético Capacitância Coente e esistência Cicuitos Eléticos em

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: Spoleto Fanchising LTDA. Nome Fantasia: Spoleto Data de fundação: 07 de feveeio de 1999 Númeo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE GERADOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO CONECTADO ASSINCRONAMENTE À REDE MONOFÁSICA

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE GERADOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO CONECTADO ASSINCRONAMENTE À REDE MONOFÁSICA DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE GERADOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO CONECTADO ASSINCRONAMENTE À REDE MONOFÁSICA LIMA, Nélio Neves; CUNHA, Ygho Peteson Socoo Alves MARRA, Enes Gonçalves. Escola de Engenhaia Elética

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Votos e Contribuição

PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Votos e Contribuição PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Voto e Contribuição Reponável pelo PM: Acompanhamento do Mercado CONTROLE DE ALTERAÇÕES Verão Data Decrição da Alteração Elaborada por Aprovada por PM AM.04 - Cálculo

Leia mais

Equações Básicas na Forma Integral - I. Prof. M. Sc. Lúcio P. Patrocínio

Equações Básicas na Forma Integral - I. Prof. M. Sc. Lúcio P. Patrocínio Fenômenos de Tanspote Equações Básicas na Foma Integal - I Pof. M. Sc. Lúcio P. Patocínio Objetivos Entende a utilidade do teoema de Tanspote de Reynolds. Aplica a equação de consevação da massa paa balancea

Leia mais

Aula ONDAS ELETROMAGNÉTICAS

Aula ONDAS ELETROMAGNÉTICAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS Aula 6 META Intoduzi aos alunos conceitos básicos das ondas eletomagnéticas: como elas são poduzidas, quais são suas caacteísticas físicas, e como desceve matematicamente sua popagação.

Leia mais

O HEDGE SIMULTÂNEO DOS RISCOS DE PREÇO E DE CÂMBIO DA PRODUÇÃO DE SOJA EM MATO GROSSO UTILIZANDO CONTRATOS DA BM&F-BOVESPA

O HEDGE SIMULTÂNEO DOS RISCOS DE PREÇO E DE CÂMBIO DA PRODUÇÃO DE SOJA EM MATO GROSSO UTILIZANDO CONTRATOS DA BM&F-BOVESPA O HEDGE SIMULTÂNEO DOS RISCOS DE PREÇO E DE CÂMBIO DA PRODUÇÃO DE SOJA EM MATO GROSSO UTILIZANDO CONTRATOS DA BM&F-BOVESPA Waldema Antonio da Rocha de Souza Pofesso Adjunto da UFAM João Gomes Matines-Filho

Leia mais

4. Análise Envoltória de Dados (DEA) e uma proposta de modelo para avaliar a eficiência das empresas de comércio eletrônico

4. Análise Envoltória de Dados (DEA) e uma proposta de modelo para avaliar a eficiência das empresas de comércio eletrônico 4. Aálie Evoltóia de Dado (DEA) e ma popota de modelo paa avalia a eficiêcia da empea de comécio eletôico 4.. Coceito Báico 4... Podtividade, Cva de Podção, Eficiêcia e Eficácia. Devido à globalização,

Leia mais

Simulador de Transmissões Digitais

Simulador de Transmissões Digitais Simulado de Tansmissões Digitais Fancisco A. Taveia Banco. Monteio, Fancisco A. B. Cecas IST - Depatamento de Engenhaia Electotécnica e de Computadoes Instituto de Telecomunicações, IST - Toe ote -9, Av.

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Cultua Anglo Ameicana de Petolina LTDA Nome Fantasia: Yázigi Petolina Data de fundação 03 de janeio

Leia mais

Movimentos: Variações e Conservações

Movimentos: Variações e Conservações Movimentos: Vaiações e Consevações Volume único Calos Magno S. da Conceição Licinio Potugal Lizado H. C. M. Nunes Raphael N. Púbio Maia Apoio: Fundação Ceciej / Extensão Rua Visconde de Niteói, 1364 Mangueia

Leia mais

Prof. Dirceu Pereira

Prof. Dirceu Pereira Polícia odoviáia edeal Pof. Diceu Peeia ísica 3.4. OÇAS EM TAJETÓIAS CUILÍNEAS Se lançamos um copo hoizontalmente, póximo a supefície da Tea, com uma velocidade inicial de gande intensidade, da odem de

Leia mais

PARTE IV COORDENADAS POLARES

PARTE IV COORDENADAS POLARES PARTE IV CRDENADAS PLARES Existem váios sistemas de coodenadas planas e espaciais que, dependendo da áea de aplicação, podem ajuda a simplifica e esolve impotantes poblemas geométicos ou físicos. Nesta

Leia mais

Children s Mental Representations of Parental Figures

Children s Mental Representations of Parental Figures Psicologia: Teoia e Pesquisa Out-Dez 2008, Vol. 24 n. 4, pp. 393-405 As Repesentações Mentais das Cianças aceca das Figuas Paentais 1 Susana Custódio Univesidade do Poto, Faculdade de Psicologia e de Ciências

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Cusos e Empeendimentos VER Ltda Nome Fantasia: Micolins Unidade Nova Lima Data de fundação: 09/03/2007

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5 - RESPOSTA EM FREQUENCIA EM UM CIRCUITO RLC - RESSONÂNCIA

EXPERIÊNCIA 5 - RESPOSTA EM FREQUENCIA EM UM CIRCUITO RLC - RESSONÂNCIA UM/AET Eng. Elética sem 0 - ab. icuitos Eléticos I Pof. Athemio A.P.Feaa/Wilson Yamaguti(edição) EPEIÊNIA 5 - ESPOSTA EM FEQUENIA EM UM IUITO - ESSONÂNIA INTODUÇÃO. icuito séie onsideando o cicuito da

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Verão.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife PE GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC GAT

Leia mais