Análise da Resposta Transitória

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise da Resposta Transitória"

Transcrição

1 Uiveridade Etadual do Oete do Paraá Programa de Pó-graduação em Egeharia de Sitema Diâmico e Eergético Tema da Aula: Aálie da Repota Traitória Prof. Dr. Carlo Herique Faria do Sato 1

2 Etrutura da aula 1 Itrodução Sitema de primeira ordem; 3 Sitema de eguda ordem; 4 Pólo domiate; 5 Efeito de pólo e zero adicioai.

3 1 Itrodução Apó o egeheiro obter a repreetação matemática de um itema, ete itema é aaliado a partir de ua repota traitória e de regime permaete. Para verificar e ua caracterítica etão de acordo com o comportameto deejado. Na aálie e o projeto de itema de cotrole, devemo obter uma bae de comparação de deempeho da vário itema de cotrole. Ea bae de comparação pode er etabelecida detalhado-e iai de etrada de tete epecífico e em eguida, comparado a repota do vário itema com ee iai Nete módulo deevolve-e um etudo obre a parte traitória da repota diâmica do itema. O modelo dete itema diâmico ão claificado pela ordem da equaçõe difereciai que o repreetam. Nete cao de primeira ou de eguda ordem. 3

4 1 Itrodução PÓLOS, ZEROS E RESPOSTA DO SISTEMA O coceito de pólo e zero é fudametal a aálie e projeto de itema de cotrole, poi implificam a aálie qualitativa da repota do itema diâmico. Pólo de uma Fução de Traferêcia O pólo de uma fução de traferêcia ão o valore da variávei de Laplace,, que toram a fução de traferêcia ifiita, ou quaiquer raíze do deomiador da fução de traferêcia que ão comu à raíze do umerador. Zero de uma Fução de Traferêcia O zero de uma fução de traferêcia ão o valore da variávei de Laplace,, que toram a fução de traferêcia ula, ou quaiquer raíze do umerador da fução de traferêcia que ão comu à raíze do deomiador. 4

5 1 Itrodução Pólo e zero de um itema de primeira ordem: um exemplo Dada a fução de traferêcia G() motrada a figura (a), oberva-e que ela poui um pólo em -5 e um zero em -. Ee valore ão repreetado graficamete o plao complexo motrado a figura (b), utilizado X para o pólo e O para o zero. 5

6 6 1 Itrodução Para motrar a propriedade do pólo e zero é precio determiar a repota ao degrau uitário do itema. Multiplicado-e a fução de traferêcia da figura (a) por uma fução degrau, tem-e () ( ) ( ) B A 5 C ( ) ( ) ( ) 5 3 B 5 5 A ode Aim, () t 5 e t c +

7 1 Itrodução Com bae o deevolvimeto reumido a figura (c), a eguite cocluõe podem er etabelecida: 1) Um pólo da fução de etrada gera a forma da repota forçada (ito é, o pólo a origem gerou uma fução degrau a aída). ) Um pólo da fução de traferêcia gera a forma da repota atural (ito é, o pólo em 5 gerou a fução e -5t ). 7

8 1 Itrodução 3) Um pólo obre o eixo real gera uma repota expoecial da forma e -αt, ode α é a localização do pólo obre o eixo real. Aim, quato mai à equerda, o eixo real egativo, etiver o pólo, mai rápido o decaimeto da repota traiete expoecial par zero. 4) O zero e o pólo geram a amplitude tato para a repota forçada quato para a repota atural. 8

9 1 Itrodução SINAIS DE TESTE TÍPICOS Etrada degrau: A fução de etrada em degrau repreeta uma mudaça itatâea a etrada de referêcia.a repreetação matemática da fução degrau ou magitude R é r(t) R, t > 0 0, t < 0. ode R é uma cotate real. Ou, r(t) R u (t). Ode u (t) é a fução degrau uitário. A fução degrau é motrada a figura a eguir como uma fução do tempo. Ete fução é muito utilizada como fução de tete dede que eu alto iicial itatâeo revela a velocidade que um itema repode a etrada com mudaça abrupta. 9

10 1 Itrodução Etrada rampa: A fução rampa é um ial que muda cotatemete com o tempo. Matematicamete, r(t) Rtu (t) ode R é uma cotate real. A fução rampa tem a habilidade de tetar como o itema pode repoder a um ial que muda liearmete com o tempo (ver figura abaixo). 10

11 1 Itrodução Etrada parábola: Eta fução repreeta um ial que é uma ordem mai rápida que a fução rampa. Matematicamete, r(t) Rt u () t ode R é uma cotate real e o fator ½ é adicioado por coveiêcia matemática dede que a traformada de Laplace de r(t) é implemete R/ 3. Ete ial é expoto a figura a eguir. 11

12 1 Itrodução Dede a fução degrau até a fução parábola, o iai e toram progreivamete mai rápido em relação ao tempo. Teoricamete, podemo defiir iai com taxa mai rápida, como t 3, deomiada fução jerk, e aim por diate. Etretato, como erá etudado poteriormete, para o eguimeto precio de etrada de alta ordem, o itema deve pouir itegradore de alta ordem a malha, o quai freqüetemete cauam ério problema de etabilidade. Será vito a próxima eçõe que para uma forma geral da fução de traferêcia de primeira ordem com aída Y() e etrada U(), Y() K U() τ + 1 ode K e τ ão repectivamete, o gaho e a cotate de tempo. Uma olução geral o domíio do tempo pode er obtida uma vez que a atureza da mudaça de etrada eja epecificada. 1

13 Sitema de primeira ordem Coidere o itema de primeira ordem em zero, decrito por uma fução de traferêcia G() motrada a figura (a). Se a etrada for um degrau uitário, ode R() 1/, a traformada de Laplace da repota ao degrau é C(), ode a C() R()G() (1) + a ( ) Aplicado-e a traformada ivera, a repota ao degrau pode er exprea como, at () c(t) c f (t) + c (t) 1 e ode o pólo de etrada origem gerou a repota forçada c f (t) 1, e o pólo do itema em a, coforme motrado a figura (b), gerou a repota atural c (t) e -αt. 13

14 Sitema de primeira ordem A equação () é repreetada graficamete a figura a eguir. A equação () diz que, iicialmete, a aída c(t) é ula e fialmete e tora uitária. Examiado o igificado do parâmetro a, quado t 1/a. e at t 1 a e 1 0,37 ou c(t) at 1 1 e 1 0,37 t 1 a t a 0,63 (3) Portato, quado t 1/a, a repota c(t) alcaça 63, % de ua variação total (ver figura). Com eta cotataçõe, defiimo a eguir trê epecificaçõe da repota traitória. 14

15 Sitema de primeira ordem CONSTANTE DE TEMPO Deomia-e o fator 1/a cotate de tempo. Da equação (3), trata-e do tempo para e -at decair 37 % do eu valor iicial, ou o tempo para a repota ao degrau alcaçar 63 % do eu valor fial. Como o pólo da fução de traferêcia etá em a, podemo dizer que o pólo etá localizado a recíproca da cotate de tempo, e quato mai afatado o pólo etiver do eixo imagiário, mai rápida erá a repota traiete. 15

16 Sitema de primeira ordem TEMPO DE SUBIDA, T r É o tempo eceário para a repota paar de 10 % a 90 % do eu valor fial. O tempo de ubida é obtido da equação (). Para 10 % : Para 90 % : Dete modo : 0,1 1 e e at 1 at 0,9 1 0,9 1 e e at at 0,1 T r t t 1,3 a 0,11 a at t 1 1 l 0,9 0,11 a at t,3 a l 0,1 T r, a 16

17 Sitema de primeira ordem TEMPO DE ASSENTAMENTO, T É o tempo eceário para a curva de alcaçar e permaecer detro de uma faixa em toro de % do eu valor fial. Coiderado c(t) 0,98 e reolvedo a equação () em fução do tempo, tem-e: 0,98 1 e -at T 4/a 17

18 Sitema de primeira ordem FUNÇÕES DE TRANSFERÊNCIA DE PRIMEIRA ORDEM VIA EXPERIMENTO Freqüetemete, ão é poível ou prático, obter a fução de traferêcia de um itema. Ito ocorre devido ao itema er fechado, e parte de eu compoete ão erem facilmete idetificávei. Dede que a fução de traferêcia é uma repreetação da etrada para a aída do itema, a repota ao degrau uitário pode iduzir a repreetação do itema, aida que ua cotituição itera eja decohecida. Coidere G() K/( + a), cuja repota ao degrau eja: C() K ( + a) K a K a ( + a) Se idetificarmo K e a em laboratório, obtemo G(). 18

19 Sitema de primeira ordem Por exemplo, coidere a repota ao degrau uitário motrada a figura a eguir. Para a obteção da cotate de tempo (Tc), preciamo ecotrar o itate ode ocorre 63 % do valor fial. Para tato, multiplica-e 0,63 pelo valor fial da repota e ecotramo graficamete o repectivo itate (Tc). Como o valor fial é de aproximadamete de 0,7, a cotate de tempo é calculada ode a curva atige 0,63 X 0,7 0,45, ou eja, cerca de 0,13. Aim, com o valor de Tc, calcula-e o valor de a pela relação, Tc 1/a, a 1/0,13 7,7. 19

20 Sitema de primeira ordem Para o cálculo de K, abemo que a repota forçada alcaça o valor de regime permaete em K/a 0,7 (valor fial). Subtituido o valor de a, ecotra-e K 5,54. Portato, a fução de traferêcia para o itema é, G() 5,54 ( + 7,7) 0

21 3 Sitema de eguda ordem INTRODUÇÃO Equato a variação do parâmetro do itema de primeira ordem alteram apea a velocidade da repota, a alteraçõe o parâmetro do itema de eguda ordem podem mudar o formato da repota. Por exemplo, um itema de eguda ordem pode apreetar caracterítica muito imilare à de um itema de primeira ordem ou, depededo do valore de eu elemeto, apreetar ocilaçõe pura ou amortecida para ua repota traiete. Ate de formalizarmo a dicuão, vamo o familiarizar com a poívei repota dete tipo de itema. 1

22 3 Sitema de eguda ordem Repota uperamortecida Para eta repota tem-e, C() ( ) 9 ( + 7,854)( + 1,146) Eta fução poui um pólo a origem, referete à etrada em degrau uitário, e doi pólo reai decorrete do itema, o que reulta em uma repota atural expoecial com freqüêcia expoeciai iguai à localizaçõe do pólo. c(t) K 7,854t 1,146t 1 + K e + K3e

23 3 Sitema de eguda ordem Repota ubamortecida Para eta repota, tem-e 9 C() ( + + 9) ( + 1 j 8)( + 1+ Eta fução poui um pólo a origem, proveiete do degrau uitário a etrada, e doi pólo complexo decorrete do itema. Nete cao, a parte real do pólo emprega um decaimeto expoecial da amplitude da eóide, equato a parte imagiária do pólo etá relacioada à freqüêcia da ocilação eoidal. 9 j 8) ( K co(13,3t) K e(13,3t) ) 5t c(t) K1 + e + 3 3

24 3 Sitema de eguda ordem Repota ão-amortecida Para eta repota, tem-e 9 9 C() ( + 9) ( j3)( + j3) Eta fução poui um pólo a origem, proveiete do degrau uitário a etrada, e doi pólo imagiário decorrete do itema. Ete pólo imagiário geram a repota atural eoidal cuja frequêcia é igual a localização do eixo imagiário. A auêcia de uma parte real o par de pólo implica em uma expoecial que ão apreeta decaimeto (e -0t 1). c 4 (t) K1 + K co(3t φ) 4

25 3 Sitema de eguda ordem Repota criticamete amortecida Para eta repota, tem-e C() ( ) 9 ( + 3) Eta fução poui um pólo a origem, proveiete do degrau uitário a etrada, e doi pólo o eixo real a coordeada 3 decorrete do itema. Ete pólo reai geram a repota atural que coite em uma expoecial imple e uma expoecia multiplicada pelo tempo, ode a frequêcia da expoeciai é igual à coordeada de localização do pólo reai. c(t) K 3t 3t 1 + K e + K3te 5

26 3 Sitema de eguda ordem Coidere um itema de cotrole de eguda ordem com realimetação uitária repreetado pelo diagrama de bloco a eguir. A fução de traferêcia de malha aberta do itema é dada por: G() Y() E() ( ω + ζω ) (1) ode ζ e ω ão cotate reai. A fução de traferêcia de malha fechadado itema é: Y() R() ω + ζω + ω () O itema da figura ao lado, com a fuçõe em (1) e () é defiido como protótipo de itema de eguda ordem. 6

27 3 Sitema de eguda ordem Para uma fução de etrada degrau uitário, R() 1/, a repota da aída do itema é obtida atravé da traformada de Laplace ivera da traformada da aída, O reultado é dado por: Y() ω ( + ζω + ω ) (3) y(t) 1 e ζ w t 1 ζ i ( ) 1 w 1 ζ t + co ζ t 0 (4) 7

28 3 Sitema de eguda ordem A figura ao lado motra a repota ao degrau uitário do protótipo de itema de eguda ordem gerado como fuçõe do tempo ormalizado, ω t para vário valore de ζ. 8

29 3 Sitema de eguda ordem O efeito do parâmetro do itema ζ e ω a repota ao degrau y(t) podem er etudado atravé da localização do pólo do itema em malha fechada. Para tato, calcula-e a raíze da equação caracterítica dete protótipo, obtida pela igualdade do deomiador a zero: () + ζω + ω 0 (5) A dua raíze podem er exprea como: 1, ζω α ± ± ω jω ζ 1 (6) ode α ζω (7) ω ω 1 ζ (8) O igificado fíico de ζ e ω é ivetigado. De acordo com a equação (4), α opera como uma cotate que é multiplicada por t o termo expoecial de y(t). 9

30 3 Sitema de eguda ordem Dete modo, α cotrola a taxa de crecimeto ou decaimeto da repota ao degrau uitário y(t). Em outra palavra, α cotrola o amortecimeto do itema e é chamado de fator de amortecimeto ou cotate de amortecimeto. O ivero de α, 1/α, é proporcioal a cotate de tempo do itema. Em relação a equação (6), o amortecimeto crítico ocorre quado ζ 1. Sob eta codição, o fator de amortecimeto é implemete α ω. Portato, podemo coiderar ζ como a taxa de amortecimeto, ou eja, ζ taxa de amortecimeto α ω fator de amortecimeto atual fator de amortecimeto ob amortecimeto crítico O fator ω é defiido como frequêcia atural ão amortecida. Uma vez defiida ζ e ω, cotata-e atravé da equação (6) que o divero cao de repota de eguda ordem depedem de ζ; ee cao ão reumido a figura a eguir. (9) 30

31 3 Sitema de eguda ordem 31

32 3 Sitema de eguda ordem 3

33 3 Sitema de eguda ordem A figura abaixo ilutra a relaçõe etre a localização da raíze da equação caracterítica e α, ζ, ω e ω. A figura idica o cao de raíze complexa cojugada. α parte real da raíze ω ditâcia radial da raíze até a origem do plao- ω parte imagiária da raíze ζ, coeo do âgulo etre a liha radial até a raíze e o eixo egativo quado a raíze etão emi-plao equerdo do plao-, ou, ζ co θ. (10) 33

34 3 Sitema de eguda ordem A figura (a) ilutra a ituação ode a freqüêcia atural é cotate, equato a figura (b) motra a o movimeto do pólo ao logo de uma liha radial cotate, o que implica um memo valor de obreial, como expoto a figura (c). (a) (c) (b) 34

35 3 Sitema de eguda ordem A figura a eguir expõe o cao ode o lugar da raíze pouem diferete valore de taxa de amortecimeto ζ. 35

36 3 Sitema de eguda ordem A figura (a) ilutra a ituação ode a parte real da raíze α é ialterada, equato a figura (b) motra a o movimeto do pólo ao logo de uma liha vertical cotate, o que implica o aumeto da freqüêcia, embora a evoltória permaeça a mema, como expoto a figura (c). (a) (c) (b) 36

37 3 Sitema de eguda ordem A figura (a) ilutra a ituação ode freqüêcia, ou a parte imagiária da raíze, permaece ialterada, equato a figura (b) motra a freqüêcia cotate ao logo da faixa de variação da parte real. Quado o pólo ão movido para a equerda, a repota e amortece mai rapidamete, equato a freqüêcia é a mema, como expoto a figura (c). (a) (c) (b) 37

38 3 Sitema de eguda ordem A figura ao lado apreeta o efeito da raíze da equação caracterítica ob o amortecimeto do itema de eguda ordem. Detaca-e que ω permaece cotate equato a taxa de amortecimeto ζ é variada de a +. A eguite claificação da diâmica do itema em relação ao valor de ζ é realizada: 0 < ζ < 1: 1, ζω ± jω 1 ζ ubamortecido ζ 1: ζ > 1: ζ ζ < 0 : 0 : ,,,, ω ζω ± jω ζω ± ω ± jω ζ 1 ζ criticamete amortecido obreamortecido ão amortecido egativamete amortecido 38

39 3 Sitema de eguda ordem SOBRESINAL A relação exata etre a taxa de amortecimeto e o valor de obreial pode er obtida atravé da derivada da equação (4), y(t), em relação a t e igualado ete valor a zero. [ ( ) ( )] ζ i wt + θ 1 ζ co wt + θ t 0 ζw t dy(t) w e dt 1 ζ (11) ode ω e θ ão defiido a equaçõe (8) e (10), repectivamete. A equação aterior pode er reduzida a, dy (t) ω ζωt e i ω 1 ζ t t dt 1 ζ 0 (1) 39

40 3 Sitema de eguda ordem Igualado dy(t)/dt a zero, temo a oluçõe: t, e ω 1 ζ t π 0,1,,K da qual podemo ecrever, t ω π 1 ζ 0,1,,K (13) para t 1, o itate ode ocorre o máximo obreial é dado pelo tempo de pico, t p ω π (14) 1 ζ 40

41 3 Sitema de eguda ordem Refereciado a figura a eguir, o obreiai ocorrem em valore ímpare, ito é, 1, 3, 5,..., e o ubiai ocorrem o valore pare de. O itate ode ele ocorrem ão dado pela equação (13). Pode er otado que apear da repota ao degrau uitário para ζ 0, ão er periódica, o obreiai e o ubiai da repota ocorrem em itervalo periódico, como obervado a figura. 41

42 3 Sitema de eguda ordem A magitude do obreiai e ubiai podem er determiado pela ubtituição da equação (13) a equação (4). O reultado é dado por, y(t) max ou mi 1 e πζ / 1 ζ 1 ζ i ( π + θ) 1,, K (15) ou y(t) 1 πζ / 1 ζ ( 1) e 1,, K 1+ max ou mi (16) O máximo obreial é obtido fazedo 1 a equação (16). Portato, max obre πζ / 1 ζ ymax 1 e (17) 4

43 3 Sitema de eguda ordem O máximo obreial percetual é dado por, max obre% πζ / 1 ζ 100e (18) A figura a eguir expõe a relação etre o máximo obreial percetual e a taxa de amortecimeto. 43

44 3 Sitema de eguda ordem TEMPO DE ATRASO E DE SUBIDA Para o tempo de atrao, podemo ajutar y(t) 0.5 a equação (4) e reolver para t. Uma forma mai fácil eria plotar ω t d veru ζ, como motrado a figura abaixo, e aproximar a curva por uma liha o itervalo de 0 < ζ < 1. Da figura, o tempo de atrao é aproximado por, ζ t 0 < ζ < 1.0 d ω 44

45 3 Sitema de eguda ordem Podemo ecotrar uma aproximação melhor uado uma equação de egudo grau para t d ζ ζ t 0 < ζ 1. 0 d < ω Podemo ecotrar o tempo de ubida t r, para o qual a repota ao degrau vai de 10 a 90% do valor fial. O gráfico de ω t r veru ζ é motrado a figura a eguir. Nete cao, a relação pode ovamete er aproximada por uma liha reta o itervalo de ζ ζ t 0 < ζ < 1.0 r ω 45

46 3 Sitema de eguda ordem Podemo ecotrar uma aproximação melhor uado uma equação de egudo grau para t r ζ +.917ζ t r 0 < ζ < 1.0 ω TEMPO DE ASSENTAMENTO Para determiar o tempo de aetameto é precio obter o tempo para o qual y(t) atige a faixa de ± % do valor de regime etacioário, em toro dee valor e permaece ea faixa. Utilizado a defiição, o tempo de aetameto é o tempo eceário para a amplitude da eóide er reduzida até atigir o valor 0.0, ito é, e 1 ζω t 1 ζ

47 3 Sitema de eguda ordem Explicitado-e t a equação aterior, o tempo de aetameto t pode er ecrito por, ( ) l ζ t ζω Verifica-e que o umerador da equação aterior varia de 3.91 até 4.74 quado ζ varia de 0 até 0.9. Pode-e aim, utilizar a eguite aproximação para o tempo de aetameto, t 4 ζω Outra faixa de valore utilizada é a de 5% do valor fial, que reulta em t 3. ζω 47

48 4 Pólo domiate De acordo com a eõe ateriore, fica evidete que a localização do pólo de uma fução de traferêcia o plao- afeta diretamete a repota traiete do itema. Para propóito de aálie e projeto, é importate idetificar o pólo que pouem efeito domiate a repota traiete do itema, o quai deomiam-e pólo domiate. Em projeto, podemo utilizar o pólo domiate para cotrolar o deempeho diâmico do itema, equato o pólo iigificate ão uado com o propóito de aegurar que a fução de traferêcia do cotrolador poa er realizada por compoete fíico. 48

49 4 Pólo domiate O pólo que etão próximo do eixo imagiário o lado equerdo do plao complexo proporcioam grade repota traitória que vão decaido de forma relativamete leta, equato o pólo que etão localizado mai ditate do eixo, correpodem à repota temporai de decaimeto mai rápido. A ditâcia D etre a região domiate e a região meo igificate e expota a figura a eguir. 49

50 4 Pólo domiate A dicuão é : Quão grade um pólo é coiderado realmete grade? Oberva-e a literatura que e a magitude da parte real e um pólo for 5 a 10 veze que a de um pólo domiate ou a de um par de pólo complexo domiate, etão o pólo pode er coiderado iigificate para a repota traiete. 50

51 5 Efeito de pólo e zero adicioai EFEITO DE PÓLOS ADICIONAIS Neta eção a codiçõe a erem atedida viado a e aproximar o comportameto de um itema com trê pólo de um itema de doi pólo ão agora dicutida. Coidere um itema com trê pólo, edo doi complexo e um obre o eixo real. Admitido que o pólo complexo etejam em ζω ± jω 1 ζ e o pólo real eteja em - α r, a repota ao degrau do itema pode er determiada a partir de uma expaão em fraçõe parciai. Aim, a traformada da aída fica () C A + ( + ζω ) + Cωd D + ( + ζω ) + ω + αr B d (1) ou o domíio do tempo, c(t) Au(t) + e ζω t αrt ( Bco ω t + Ceω t) + De d d () 51

52 5 Efeito de pólo e zero adicioai A parte compoete de c(t) etão motrada a figura a eguir para o trê cao de α r. Para o cao I, α r α r1 e ão é muito maior que ζω ; para o cao II, α r α r e é muito maior que ζω ; e para o cao III,. α r 5

53 5 Efeito de pólo e zero adicioai Recapitulado a figura aterior e a equação (). Se α r >> ζω (cao II), a expoecial pura erá ateuada muito mai rápido do que a repota de eguda ordem ubamortecida ao degrau. Se o termo da expoecial pura e reduz a um valor iigificate o tempo do primeiro obrevalor o parâmetro como obrevalor percetual, o tempo de aetameto e o tempo de pico erão gerado pela compoete da repota ao degrau de eguda ordem ubamortecida. Aim, a repota total e aproximará da repota de um itema de eguda ordem puro (cao III). Cao cotrário, o decaimeto expoecial é igificativo e o itema ão pode er repreetado como um itema de eguda ordem. Admite-e que e o pólo for cico veze mai afatado para a equerda do que o pólo domiate, coidera-e que o itema poa er repreetado por eu par de pólo de eguda ordem domiate. 53

54 5 Efeito de pólo e zero adicioai Pode-e motrar, atravé de uma expaão em fraçõe parciai, que a magitude do reíduo do terceiro pólo, o itema de trê pólo com pólo de eguda ordem domiate e em zero, realmete dimiuirá quado o terceiro pólo for movimetado o etido de afatar-e o emiplao equerdo. Admita a eguite repota ao degrau, C(), de um itema com trê pólo: bc A B + C C() + ( + a + b)( + c) + a + b + D + c Quado o pólo ão-domiate tede a ou c A 1; B -1; C -a; D 0. Aim, para ete exemplo o reíduo do pólo ão-domiate e ua repota e toram iguai a zero quado o pólo ão-domiate tede ao ifiito. 54

55 5 Efeito de pólo e zero adicioai EXEMPLO Determie a repota ao degrau de cada uma da fuçõe de traferêcia apreetada a eguir, comparado-a. T 1() T () T () 1 4, ,54 45,4 ( )( ,54) 73,66 ( )( ,54) 55

56 5 Efeito de pólo e zero adicioai A repota ao degrau, C i (), para a fução de traferêcia, T i (), pode er obtida multiplicado a fução de traferêcia por 1/, e utilizado uma expaão em fraçõe parciai, eguida pela traformada de Laplace ivera para obter a repota, c(t). c c c 1 3 (t) 1 1,09e (t) 1 1,14e t (t) 1 0,9e 10t 3t co ( o 4,53t 3,8 ) t ( o co 4,53t 53,34 ) t ( o co 4,53t + 78,63 ) 1,189e + 0,707e Nota-e a figura ao lado que c (t) com eu terceiro pólo em 10 e o mai afatado do pólo domiate, é a melhor aproximação de c 1 (t), a repota do itema de eguda ordem puro; c 3 (t), com um terceiro pólo mai próximo ao pólo domiate, forece o maior erro. 56

57 5 Efeito de pólo e zero adicioai EFEITO DE ZEROS ADICIONAIS Neta eção adicioa-e um zero o eixo real a um itema de doi pólo. O zero erá adicioado primeiro o emiplao equerdo e, em eguida, o emiplao direito, e eu efeito erá obervado e aaliado. A eção é cocluída realizado-e uma dicuão obre o cacelameto de pólo e zero. Coidere iicialmete um itema com doi pólo poicioado em ao qual ão adicioado ( 1± j,88) coecutivamete zero em 3, -5 e 10. O reultado ormalizado para o valor em regime etacioário ão motrado a figura ao lado. 57

58 5 Efeito de pólo e zero adicioai Pode-e obervar que quato mai próximo o zero etiver do pólo domiate, maior eu efeito a repota traiete. Na medida em que um zero e afata do pólo domiate, a repota e aproxima daquela referete ao itema de doi pólo. Eta aálie pode er cofirmada via expaão por fraçõe parciai. Se admitirmo um grupo de pólo e um zero afatado do pólo, o reíduo de cada pólo erá afetado da mema forma pelo zero. Aim, baicamete, a amplitude relativa permaecem a mema. Por exemplo, coidere a expaão em fraçõe parciai motrada a eguir, ( + a) A B T() + ( + b)( + c) + b + c ( b + a) ( c + a) ( b + c) ( c + b) + + b + c 58

59 5 Efeito de pólo e zero adicioai Se o zero for afatado do pólo, etão o parâmetro a erá grade e comparado a b e c, e T() a 1 ( b + c) + b + 1 ( c + + c b) ( + a b)( + c) Portato, o zero e comporta como um imple fator de gaho e ão altera a amplitude relativa da compoete da repota. Uma outra forma de e obervar o efeito do zero é o eguite: eja C() a repota de um itema, T() com a uidade o umerador. Ao e icluir um zero a fução de traferêcia, obtedo-e ( + a)t(), a traformada de Laplace da repota erá. ( + a) C() C() + ac() 59

60 5 Efeito de pólo e zero adicioai Aim, a repota de um itema com um zero coite em dua parte: a derivada da repota origial e uma verão em ecala da repota origial. Na medida que a e tora meor, o termo da derivada cotribui mai para a repota e apreeta um efeito maior. Para a repota ao degrau a derivada é, baicamete, poitiva o iício da repota. Aim, para pequeo valore de a pode-e eperar um obrevalor maior o itema de eguda ordem, uma vez que o termo de derivada erá aditivo. No cao do zero etar o emiplao direito, oberva-e que o termo derivativo, que ormalmete é poitivo o itate iiciai, erá de ial cotrário ao termo da repota em ecala. Aim, de acordo com a figura ao lado, e o termo derivativo, C(), for maior do que o termo em ecala ac(), a repota iicialmete eguirá termo derivativo o etido opoto ao da repota em ecala (itema de fae ãomíima). 60

61 OBRIGADO 61

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Itrodução Aálie o domíio do tempo Repota ao degrau Repota à rampa Repota à parábola Aálie o domíio da freqüêcia Diagrama de Bode Diagrama de Nyquit Diagrama de Nichol Eta aula EM

Leia mais

CONTROLO. Cap 3 Respostano Tempo

CONTROLO. Cap 3 Respostano Tempo Capítulo 3 Repota o Tempo CONTROLO º emetre 007/008 Traparêcia de apoio à aula teórica Cap 3 Repotao Tempo Maria Iabel Ribeiro Atóio Pacoal Setembro de 007 Todo o direito reervado Eta ota ão podem er uada

Leia mais

CAPÍTULO 7 - Intervalos de confiança

CAPÍTULO 7 - Intervalos de confiança INF 16 CAPÍTULO 7 - Itervalo de cofiaça É uma maeira de calcularmo uma etimativa de um parâmetro decohecido. Muita veze também fucioa como um tete de hipótee. A idéia é cotruir um itervalo de cofiaça para

Leia mais

Unidade V - Desempenho de Sistemas de Controle com Retroação

Unidade V - Desempenho de Sistemas de Controle com Retroação Uidade V - Desempeho de Sistemas de Cotrole com Retroação Itrodução; Siais de etrada para Teste; Desempeho de um Sistemas de Seguda Ordem; Efeitos de um Terceiro Pólo e de um Zero a Resposta Sistemas de

Leia mais

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos CAPÍTULO 10 Modelagem e repota de itema dicreto 10.1 Introdução O itema dicreto podem er repreentado, do memo modo que o itema contínuo, no domínio do tempo atravé de uma tranformação, nete cao a tranformada

Leia mais

Osciladores sinusoidais

Osciladores sinusoidais Ociladore iuoidai Jorge Guilherme 008 #5 Ociladore iuoidai Vi xf xi A Vo Vo A Vi βvo A Vo Vi Aβ ara exitir Vo com Vi0 β Aβ 0 Im Equação caracterítica jb Idetermiação 0 -A -jb Re x t k x t ke x t ke t t

Leia mais

Investigação Operacional

Investigação Operacional Ivetigação Operacioal Fila de Epera Liceciatura em Egeharia Civil Liceciatura em Egeharia do Território Nuo Moreira - 4/5 roblema Nuo Moreira - 4/5 No erviço de urgêcia do hopital da cidade o paciete ão

Leia mais

CONHECIMENTOS BÁSICOS MATEMÁTICA

CONHECIMENTOS BÁSICOS MATEMÁTICA CONHECIENTOS BÁSICOS ATEÁTICA Para repoder à quetõe de o e, utilize o dado da tabela abaixo, que apreeta a freqüêcia acumulada da idade de 0 jove etre 4 e 0 ao. Idade (ao) Freqüêcia Acumulada 4 5 4 6 9

Leia mais

Formatação de fonte. Teorema da amostragem

Formatação de fonte. Teorema da amostragem Formatação de ote 1 Teorema da amotragem Do aalógico para o digital A amotragem (itatâea) de um ial ou orma de oda aalógica é o proceo pelo qual o ial paa a er repreetado por um cojuto dicreto de úmero.

Leia mais

Validação do método de dimensionamento do número médio ideal de sementes por saca

Validação do método de dimensionamento do número médio ideal de sementes por saca Validação do método de dimeioameto do úmero médio ideal de emete por aca Quitiliao Siqueira Schrode Nomelii 1, Dayae Alve Cota 1, Luca Floretio Silva 1, Alie Sato Ferreira 1, Jaer Moura Pereira 2, Nádia

Leia mais

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode 9 Diagramas de Bode 9. Itrodução aos diagramas de Bode 3 9. A Fução de rasferêcia 4 9.3 Pólos e zeros da Fução de rasferêcia 8 Equação característica 8 Pólos da Fução de rasferêcia 8 Zeros da Fução de

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

Aula 07 Análise no domínio do tempo Parte II Sistemas de 2ª ordem

Aula 07 Análise no domínio do tempo Parte II Sistemas de 2ª ordem Aula 07 Aálise o domíio do tempo Parte II Sistemas de ª ordem Aálise o domíio do tempo - Sistemas de ª ordem iput S output Sistema de seguda ordem do tipo α G(s) as + bs + c Aálise o domíio do tempo -

Leia mais

Sumário: 6.3.3. Intervalo de confiança para a diferença entre duas médias de. populações independentes com variâncias conhecidas...

Sumário: 6.3.3. Intervalo de confiança para a diferença entre duas médias de. populações independentes com variâncias conhecidas... 0 Sumário: 6. Itervalo de Cofiaça...0 6.. etimação por itervalo...0 6.. Itervalo de cofiaça para a média...0 6... Itervalo de cofiaça para a média com variâcia cohecida...0 6... Itervalo de cofiaça para

Leia mais

Projetos de Controle

Projetos de Controle Projetos de Cotrole EA7 - Prof. Vo Zube Cotrole do Pêdulo Ivertido com Carro.... Modelo matemático (pg. 7 das Notas de Aula).... Cotrole por realimetação de estados supodo acesso a todos os estados (CASO

Leia mais

PROTÓTIPO DE GERENCIADOR DE ARQUIVOS PARA AMBIENTE DISTRIBUÍDO

PROTÓTIPO DE GERENCIADOR DE ARQUIVOS PARA AMBIENTE DISTRIBUÍDO UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) PROTÓTIPO DE GERENCIADOR DE ARQUIVOS PARA AMBIENTE DISTRIBUÍDO TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada.

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada. Compenadore 0.1 Introdução Controle 1 - DAELN - UTFPR Prof. Paulo Roberto Brero de Campo O compenadore ão utilizado para alterar alguma caracterítica do itema em malha fechada. 1. Avanço de fae (lead):

Leia mais

Unidade de Ensino Descentralizada de Colatina Coordenadoria de Informática Disciplina: Probabilidade e Estatística Prof. Leandro Melo de Sá 2006/2

Unidade de Ensino Descentralizada de Colatina Coordenadoria de Informática Disciplina: Probabilidade e Estatística Prof. Leandro Melo de Sá 2006/2 Uidade de io Decetralizada de Colatia Coordeadoria de Iformática Diciplia: Probabilidade e tatítica Prof. Leadro Melo de Sá 006/ Uidade 4 STIMAÇÃO Nea uidade uaremo o dado amotrai para fazer iferêcia (ou

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA NOVA ESTRATÉGIA DE CONTROLE DE POTÊNCIA REATIVA EM GERADOR DE INDUÇÃO DE DUPLA ALIMENTAÇÃO PARA TURBINAS EÓLICAS

DESENVOLVIMENTO DE UMA NOVA ESTRATÉGIA DE CONTROLE DE POTÊNCIA REATIVA EM GERADOR DE INDUÇÃO DE DUPLA ALIMENTAÇÃO PARA TURBINAS EÓLICAS DESENVOLVIMENTO DE UMA NOVA ESTRATÉGIA DE CONTROLE DE POTÊNCIA REATIVA EM GERADOR DE INDUÇÃO DE DUPLA ALIMENTAÇÃO PARA TURBINAS EÓLICAS Rodrigo Gaiba de Oliveira, João Luca da Silva, Selêio Rocha Silva

Leia mais

O oscilador harmônico

O oscilador harmônico O oscilador harmôico A U L A 5 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial de um oscilador harmôico simples, V( x) kx. objetivos obter a solução da equação de Schrödiger para um oscilador

Leia mais

5 Análise de sistemas no domínio da frequência. 5.1 Resposta em regime estacionário a uma onda sinusoidal

5 Análise de sistemas no domínio da frequência. 5.1 Resposta em regime estacionário a uma onda sinusoidal 5 Aálise de sistemas o domíio da frequêcia O termo resposta a frequêcia utiliza-se para desigar a resposta de um sistema, em regime estacioário, a uma oda siusoidal. Esta resposta, para o caso de um sistema

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

Análise no domínio dos tempos de sistemas representados no Espaço dos Estados

Análise no domínio dos tempos de sistemas representados no Espaço dos Estados MEEC Mestrado em Egeharia Electrotécica e de Computadores MCSDI Guião do trabalho laboratorial º 3 Aálise o domíio dos tempos de sistemas represetados o Espaço dos Estados Aálise o domíio dos tempos de

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO REVISÕES SOBRE SISTEMAS DE CONTROLO CONTÍNUO Elemetos coligidos por: Prof. Luís Filipe Baptista

Leia mais

Teoria de Filas. Agner Krarup Erlang (*1878, Lonborg, Dinamarca; 1929, Copenhagen, Dinamarca). Fernando Nogueira Teoria de Filas 1

Teoria de Filas. Agner Krarup Erlang (*1878, Lonborg, Dinamarca; 1929, Copenhagen, Dinamarca). Fernando Nogueira Teoria de Filas 1 Teoria de Fila Ager Kraru Erlag (*878, Loborg, Diamarca; 99, Coehage, Diamarca). Ferado Nogueira Teoria de Fila Itrodução O etudo de Teoria de Fila trata com o feômeo de aguardar em fila uado medida rereetativa

Leia mais

somente um valor da variável y para cada valor de variável x.

somente um valor da variável y para cada valor de variável x. Notas de Aula: Revisão de fuções e geometria aalítica REVISÃO DE FUNÇÕES Fução como regra ou correspodêcia Defiição : Uma fução f é uma regra ou uma correspodêcia que faz associar um e somete um valor

Leia mais

A transformada de Laplace pode ser usada para resolver equações diferencias lineares com coeficientes constantes, ou seja, equações da forma

A transformada de Laplace pode ser usada para resolver equações diferencias lineares com coeficientes constantes, ou seja, equações da forma Introdução A tranformada de Laplace pode er uada para reolver equaçõe diferencia lineare com coeficiente contante, ou eja, equaçõe da forma ay + by + cy = ft), para a, b, c R Para io, a equação diferencial

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

CONTROLO. 1º semestre 2007/2008. Transparências de apoio às aulas teóricas. Capítulo 10 Diagrama de Bode e Relação Tempo-Frequência

CONTROLO. 1º semestre 2007/2008. Transparências de apoio às aulas teóricas. Capítulo 10 Diagrama de Bode e Relação Tempo-Frequência Mestrado Itegrado em Egeharia Electrotécica e de Computadores (LEEC Departameto de Egeharia Electrotécica e de Computadores (DEEC CONTROLO º semestre 007/008 Trasparêcias de apoio às aulas teóricas Capítulo

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

Motor de Indução Trifásico (MIT)

Motor de Indução Trifásico (MIT) Motor de Idução riáico (MI) 4 IRODUÇÃO 47 4 PRICÍPIO DE FUCIOAMEO 47 43 CAMPO GIRAE 48 44 ELOCIDADES DO CAMPO GIRAE, FREQÜÊCIA MECÂICA DO ROOR, FREQÜÊCIA ELÉRICA DO ROOR E ELOCIDADE DO CAMPO DO ROOR 5

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Egeharia - Campus de Guaratiguetá esquisa Operacioal Livro: Itrodução à esquisa Operacioal Capítulo 6 Teoria de Filas Ferado Maris fmaris@feg.uesp.br Departameto de rodução umário Itrodução

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

Estrutura geral de um sistema com realimentação unitária negativa, com um compensador (G c (s) em série com a planta G p (s).

Estrutura geral de um sistema com realimentação unitária negativa, com um compensador (G c (s) em série com a planta G p (s). 2 CONTROLADORES PID Introdução Etrutura geral de um itema com realimentação unitária negativa, com um compenador (G c () em érie com a planta G p (). 2 Controladore PID 2. Acção proporcional (P) G c ()

Leia mais

1. Objetivo: determinar as tensões normais nas seções transversais de uma viga sujeita a flexão pura e flexão simples.

1. Objetivo: determinar as tensões normais nas seções transversais de uma viga sujeita a flexão pura e flexão simples. FACULDADES NTEGRADAS ENSTEN DE LMERA Curso de Graduação em Egeharia Civil Resistêcia dos Materiais - 0 Prof. José Atoio Schiavo, MSc. NOTAS DE AULA Aula : Flexão Pura e Flexão Simples. Objetivo: determiar

Leia mais

ANÁLISE E CONTROLE DE SISTEMAS LINEARES

ANÁLISE E CONTROLE DE SISTEMAS LINEARES sid.ipe.br/mtc-m9/0/07.3..08-pud ANÁLISE E CONTROLE DE SISTEMAS LINEARES Valdemir Carrara URL do documeto origial: INPE São José dos Campos 0 PUBLICADO POR: Istituto

Leia mais

O poço de potencial infinito

O poço de potencial infinito O poço de potecial ifiito A U L A 14 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial V(x) que tem a forma de um poço ifiito: o potecial é ifiito para x < a/ e para x > a/, e tem o valor

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

AMOSTRAGEM. metodologia de estudar as populações por meio de amostras. Amostragem ou Censo?

AMOSTRAGEM. metodologia de estudar as populações por meio de amostras. Amostragem ou Censo? AMOSTRAGEM metodologia de estudar as populações por meio de amostras Amostragem ou Ceso? Por que fazer amostragem? população ifiita dimiuir custo aumetar velocidade a caracterização aumetar a represetatividade

Leia mais

Quantas equações existem?

Quantas equações existem? www2.jatai.ufg.br/oj/index.php/matematica Quanta equaçõe exitem? Rogério Céar do Santo Profeor da UnB - FUP profeorrogeriocear@gmail.com Reumo O trabalho conite em denir a altura de uma equação polinomial

Leia mais

Experimento #4. Filtros analógicos ativos LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA

Experimento #4. Filtros analógicos ativos LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA UNIVESIDADE FEDEAL DE CAMPINA GANDE CENTO DE ENGENHAIA ELÉTICA E INFOMÁTICA DEPATAMENTO DE ENGENHAIA ELÉTICA LABOATÓIO DE ELETÔNICA Experimento #4 Filtro analógico ativo EXPEIMENTO #4 Objetivo Gerai Eta

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

Secção 9. Equações de derivadas parciais

Secção 9. Equações de derivadas parciais Secção 9 Equações de derivadas parciais (Farlow: Sec 9 a 96) Equação de Derivadas Parciais Eis chegado o mometo de abordar as equações difereciais que evolvem mais do que uma variável idepedete e, cosequetemete,

Leia mais

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais.

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais. 03 Capítulo 3 Regressão liear e poliomial Neste capítulo, pretedemos ajustar retas ou poliômios a um cojuto de potos experimetais. Regressão liear A tabela a seguir relacioa a desidade (g/cm 3 ) do sódio

Leia mais

Departamento de Matemática - Universidade de Coimbra. Mestrado Integrado em Engenharia Civil. Capítulo 1: Sucessões e séries

Departamento de Matemática - Universidade de Coimbra. Mestrado Integrado em Engenharia Civil. Capítulo 1: Sucessões e séries Departameto de Matemática - Uiversidade de Coimbra Mestrado Itegrado em Egeharia Civil Exercícios Teórico-Práticos 200/20 Capítulo : Sucessões e séries. Liste os primeiros cico termos de cada uma das sucessões

Leia mais

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013 ANDRÉ REIS MATEMÁTICA TEORIA 6 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Adré Reis Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição NOV 0

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

Grupo I (5 valores) Grupo II (5 valores)

Grupo I (5 valores) Grupo II (5 valores) Duração: 3h. Jutifique a ua repota. ISCTE Lieiatura em Eeharia de Teleomuiaçõe e Iformátia Sitema de Teleomuiaçõe Guiado Exame de ª époa, o letivo 07/08, /0/008 Grupo I (5 valore) Uma rede telefóia utiliza

Leia mais

Aula 4 Modelagem de sistemas no domínio da frequência Prof. Marcio Kimpara

Aula 4 Modelagem de sistemas no domínio da frequência Prof. Marcio Kimpara FUDAMETOS DE COTROLE E AUTOMAÇÃO Aula 4 Modelagem de itema no domínio da requência Pro. Marcio impara Unieridade Federal de Mato Groo do Sul Sitema mecânico tranlação Elemento Força deloc. tempo Laplace

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0 Itrodução Por método umérico etede-se um método para calcular a solução de um problema realizado apeas uma sequêcia fiita de operações aritméticas A obteção de uma solução

Leia mais

Capítulo 5: Análise através de volume de controle

Capítulo 5: Análise através de volume de controle Capítulo 5: Análie atravé de volume de controle Volume de controle Conervação de maa Introdução Exite um fluxo de maa da ubtância de trabalho em cada equipamento deta uina, ou eja, na bomba, caldeira,

Leia mais

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras Livro para a SBEA (material em contrução) Edmundo Rodrigue 9 4.1. Análie granulométrica Granulometria, graduação ou compoição granulométrica de um agregado é a ditribuição percentual do eu divero tamanho

Leia mais

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS C E N T R O D E C I Ê N C I A S E X A T A S E D E T E C N O L O G I A D E P A R T A M E N T O D E E S T A T Í S T I C A INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO E ANÁLISE ESTATÍSTICA

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Física

Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Física Uiversidade Federal do Marahão Cetro de Ciêcias Exatas e Tecologia Coordeação do Programa de Pós-Graduação em Física Exame de Seleção para Igresso o 1º. Semestre de 2011 Disciplia: Mecâica Clássica 1.

Leia mais

Um exemplo de Análise de Covariância. Um exemplo de Análise de Covariância (cont.)

Um exemplo de Análise de Covariância. Um exemplo de Análise de Covariância (cont.) Um exemplo de Análie de Covariância A Regreão Linear e a Análie de Variância etudada até aqui, ão cao particulare do Modelo Linear, que inclui também a Análie de Covariância Em qualquer deta trê ituaçõe

Leia mais

Curso de Matemática Financeira com a Calculadora hp12c

Curso de Matemática Financeira com a Calculadora hp12c Edição de Fevereiro de 2008 Nota do Autor: A qualificação do profissioal passa pela ecessidade dos cohecimetos que possam lhe trasmitir seguraça as decisões fiaceiras. Seja este profissioal da área de

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem VII Equações Difereciais Ordiárias de Primeira Ordem Itrodução As equações difereciais ordiárias são istrumetos esseciais para a modelação de muitos feómeos proveietes de várias áreas como a física, química,

Leia mais

Motivação e Definição..1. Factores Básicos...3. Constante...3. Factor derivativo e Integral...4. Factores Básicos...12

Motivação e Definição..1. Factores Básicos...3. Constante...3. Factor derivativo e Integral...4. Factores Básicos...12 ÍNDICE Motivação e Defiição.. Diagramas de Bode... Factores Básicos...3 Costate...3 Factor derivativo e Itegral...4 Factores de ª ordem...5 Factores de ª ordem...7 Sistemas de Fase míima e Não-Míima...

Leia mais

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21 Nome: ºANO / CURSO TURMA: DATA: 0 / 0 / 05 Professor: Paulo. (Pucrj 0) Vamos empilhar 5 caixas em ordem crescete de altura. A primeira caixa tem m de altura, cada caixa seguite tem o triplo da altura da

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Gilmar Boratto Material de apoio para o curso de Admiistração. ÍNDICE CONCEITOS BÁSICOS...- 2-1- CONCEITO DE FLUXO DE CAIXA...- 2-2-A MATEMÁTICA FINANCEIRA E SEUS OBJETIVOS...-

Leia mais

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uiformes Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Coceito A resolução de problemas de matemática fiaceira tora-se muito

Leia mais

Demonstrações especiais

Demonstrações especiais Os fudametos da Física Volume 3 Meu Demostrações especiais a ) RLAÇÃO NTR próx. e sup. osidere um codutor eletrizado e em equilíbrio eletrostático. Seja P sup. um poto da superfície e P próx. um poto extero

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO Kelle Roberta de Souza (1) Egeheira Química pela UNIMEP, Especialista em Gestão Ambietal pela UFSCar, Mestre em Egeharia e Tecologia Ambietal pela Uiversidad

Leia mais

Equações Diferenciais Lineares de Ordem n

Equações Diferenciais Lineares de Ordem n PUCRS Faculdade de Matemática Equações Difereciais - Prof. Eliete Equações Difereciais Lieares de Ordem Cosideremos a equação diferecial ordiária liear de ordem escrita a forma 1 d y d y dy L( y( x ))

Leia mais

O modelo atômico de J. J. Thomson, proposto em 1904, é constituído pelas hipóteses que se seguem.

O modelo atômico de J. J. Thomson, proposto em 1904, é constituído pelas hipóteses que se seguem. Modelo Atômico de Bohr No fial do século XIX, o elétro já estava estabelecido como partícula fudametal, pricipalmete depois que, em 897, J. J. Thomso determiou a sua razão carga/massa. Sabia-se, etão,

Leia mais

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b JUROS COMPOSTOS Chamamos de regime de juros compostos àquele ode os juros de cada período são calculados sobre o motate do período aterior, ou seja, os juros produzidos ao fim de cada período passam a

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

UNIVERSIDADE DA MADEIRA

UNIVERSIDADE DA MADEIRA Biofísica UNIVERSIDADE DA MADEIRA P9:Lei de Sell. Objetivos Verificar o deslocameto lateral de um feixe de luz LASER uma lâmia de faces paralelas. Verificação do âgulo critico e reflexão total. Determiação

Leia mais

onde d, u, v são inteiros não nulos, com u v, mdc(u, v) = 1 e u e v de paridades distintas.

onde d, u, v são inteiros não nulos, com u v, mdc(u, v) = 1 e u e v de paridades distintas. !"$# &%$" ')( * +-,$. /-0 3$4 5 6$7 8:9)$;$< =8:< > Deomiaremos equação diofatia (em homeagem ao matemático grego Diofato de Aleadria) uma equação em úmeros iteiros. Nosso objetivo será estudar dois tipos

Leia mais

VARIAÇÃO DE VELOCIDADE DE MOTORES ELÉCTRICOS

VARIAÇÃO DE VELOCIDADE DE MOTORES ELÉCTRICOS VARIAÇÃO DE VELOCIDADE DE OTORES ELÉCTRICOS ACCIONAENTOS A VELOCIDADE VARIÁVEL Rede Coversor de potecia otor Carga Dispositivo de cotrolo Parâmetros O coversor estático trasforma a eergia eléctrica de

Leia mais

Universidade Presbiteriana Mackenzie. Processamento Digital de Sinais

Universidade Presbiteriana Mackenzie. Processamento Digital de Sinais Uiversidade Presbiteriaa Mackezie Curso de Egeharia Elétrica Processameto Digital de Siais Notas de Aula Prof. Marcio Eisecraft Segudo semestre de 7 Uiversidade Presbiteriaa Mackezie Curso de Egeharia

Leia mais

Professora FLORENCE. Resolução:

Professora FLORENCE. Resolução: 1. (FEI-SP) Qual o valor, em newton, da reultante da força que agem obre uma maa de 10 kg, abendo-e que a mema poui aceleração de 5 m/? Reolução: F m. a F 10. 5 F 50N. Uma força contante F é aplicada num

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE D TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013 CONCURSO PÚBLICO 01 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL UFMS MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 16 QUESTÕES POR TÓPICOS Coordeação e Orgaização: Mariae dos Reis 1ª Edição

Leia mais

Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciência da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2

Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciência da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2 Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciêcia da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2. (2,0): Resolva a seguite relação de recorrêcia. T() = T( ) + 3 T() = 3 Pelo método iterativo progressivo.

Leia mais

Tensão Induzida por Fluxo Magnético Transformador

Tensão Induzida por Fluxo Magnético Transformador defi deartamento de fíica Laboratório de Fíica www.defi.ie.i.t Tenão Induzida or Fluxo Magnético Tranformador Intituto Suerior de Engenharia do Porto- Deartamento de Fíica Rua Dr. António Bernardino de

Leia mais

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação Confrontando Reultado Experimentai e de Simulação Jorge A. W. Gut Departamento de Engenharia Química Ecola Politécnica da Univeridade de São Paulo E mail: jorgewgut@up.br Um modelo de imulação é uma repreentação

Leia mais

Prova 3 Matemática ... GABARITO 1 NOME DO CANDIDATO:

Prova 3 Matemática ... GABARITO 1 NOME DO CANDIDATO: Prova 3 QUESTÕES OBJETIIVAS N ọ DE ORDEM: NOME DO CANDIDATO: N ọ DE INSCRIÇÃO: IINSTRUÇÕES PARA A REALIIZAÇÃO DA PROVA. Cofira os campos N ọ DE ORDEM, N ọ DE INSCRIÇÃO e NOME, que costam da etiqueta fixada

Leia mais

Disciplina: Séries e Equações Diferenciais Ordinárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL matos@mat.ufpb.br

Disciplina: Séries e Equações Diferenciais Ordinárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL matos@mat.ufpb.br Disciplia: Séries e Equações Difereciais Ordiárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL matos@mat.ufpb.br Ambiete Virtual de Apredizagem: Moodle (www.ead.ufpb.br) Site do Curso: www.mat.ufpb.br/ead

Leia mais

Resolução de Equações Diferenciais Ordinárias por Série de Potências e Transformada de Laplace

Resolução de Equações Diferenciais Ordinárias por Série de Potências e Transformada de Laplace Reolução de Equaçõe Diferenciai Ordinária por Série de Potência e Tranformada de Laplace Roberto Tocano Couto rtocano@id.uff.br Departamento de Matemática Aplicada Univeridade Federal Fluminene Niterói,

Leia mais

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER X Ecotro Nacioal de Educação Matemática UM NOVO OLHA PAA O TEOEMA DE EULE Iácio Atôio Athayde Oliveira Secretária de Educação do Distrito Federal professoriacio@gmail.com Aa Maria edolfi Gadulfo Uiversidade

Leia mais

Equações Diferenciais (GMA00112) Resolução de Equações Diferenciais por Séries e Transformada de Laplace

Equações Diferenciais (GMA00112) Resolução de Equações Diferenciais por Séries e Transformada de Laplace Equaçõe Diferenciai GMA Reolução de Equaçõe Diferenciai por Série e Tranformada de Laplace Roberto Tocano Couto tocano@im.uff.br Departamento de Matemática Aplicada Univeridade Federal Fluminene Niterói,

Leia mais

Eletrodinâmica III. Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos. Aula 6

Eletrodinâmica III. Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos. Aula 6 Aula 6 Eletrodiâmica III Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos setido arbitrário. A ddp obtida deve ser IGUAL a ZERO, pois os potos de partida e chegada são os mesmos!!! Gerador Ideal Todo

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com Aalise de Ivestimetos e Custos Prof. Adilso C. Bassa email: adilsobassa@adilsobassa.com JUROS SIMPLES 1 Juro e Cosumo Existe juro porque os recursos são escassos. As pessoas têm preferêcia temporal: preferem

Leia mais

Apostila de SINAIS E SISTEMAS

Apostila de SINAIS E SISTEMAS Apotila de SINAIS E SISTEMAS Álvaro Luiz Stelle (PhD) DAELN CPGEI CEFET PR Março de 5 I PREFÁCIO Eta apotila tem como objetivo dar ao leitor um embaamento teórico da Tranformada de Laplace, de Fourier

Leia mais

Questão 11. Questão 13. Questão 12. Questão 14. alternativa B. alternativa E. alternativa A

Questão 11. Questão 13. Questão 12. Questão 14. alternativa B. alternativa E. alternativa A Questão Em uma pesquisa, foram cosultados 00 cosumidores sobre sua satisfação em relação a uma certa marca de sabão em pó. Cada cosumidor deu uma ota de 0 a 0 para o produto, e a média fial das otas foi

Leia mais