Um exemplo de Análise de Covariância. Um exemplo de Análise de Covariância (cont.)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Um exemplo de Análise de Covariância. Um exemplo de Análise de Covariância (cont.)"

Transcrição

1 Um exemplo de Análie de Covariância A Regreão Linear e a Análie de Variância etudada até aqui, ão cao particulare do Modelo Linear, que inclui também a Análie de Covariância Em qualquer deta trê ituaçõe e procura modelar uma variável repota quantitativa (numérica) Y O que ditingue a trê ituaçõe é a natureza da variávei preditora Numa Regreão Linear, a variávei preditora ão variávei igualmente quantitativa (numérica) Numa Análie de Variância, a variáve preditora ão factore (variávei qualitativa, ou categórica) Numa Análie de Covariância, entre a variávei preditora encontramo quer variávei numérica, quer factore Um exemplo de Análie de Covariância (cont) A Análie de Covariância erá apena vita no contexto dum problema epecífico de interee prático, aociado à Regreão Linear Admita que e verificou er válida uma regreão linear imple entre uma variável Y e um preditor x, num dado contexto Surge de forma natural a quetão de aber e a recta de regreão teórica é, ou não, idêntica, noutro contexto aparentado, ou eja, noutro nívei de um dado factor J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426 J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426 Um exemplo de Análie de Covariância (cont) No exemplo do lírio (já coniderado anteriormente), a relação entre Largura de Pétala e Comprimento de Pétala talvez (gráfico à equerda) eja comum para a trê epécie de lírio (etoa, vericolor e virginica) Já a relação entre Largura de Pétala e Largura de Sépala é claramente diferente para cada epécie (e até inexitente, enquanto relação linear, para o conjunto da trê epécie - gráfico à direita): Um exemplo de Análie de Covariância (cont) O problema em quetão pode er formulado como um problema de Análie de Covariância poi conite no etudo duma relação linear entre y e x, ma influenciada também por uma variável qualitativa: o factor epécie, que tem trê nívei, ou eja, trê diferente epécie PetalWidth PetalWidth O problema erá formulado de tal forma que admitir a exitência de uma única relação na trê epécie eja admitir a igualdade entre um modelo de regreão linear completo e um eu ubmodelo - permitindo aim uar a teoria de que já dipomo para ee efeito PetalLength SepalWidth J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426 J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426 Um exemplo de Análie de Covariância (cont) Conidere-e o exemplo de trê contexto aparentado (eg epécie, localidade, ano, etc), na quai a relação entre uma variável repota Y e uma preditora X eja dada, repectivamente, por: Contexto : Y = β + β x + ε Contexto 2: Contexto 3: Y = β + β x + ε Y = β + β x + ε Vamo coniderar que o primeiro contexto é o nível de referência e ecrever o parâmetro do contexto retante à cuta do primeiro: A hipótee de interee Com o parâmetro de cada recta ecrito deta forma, a hipótee de que a trê recta de regreão ejam iguai é a hipótee α :2 = α :3 = α :2 = α :3 = Vamo arranjar um modelo de regreão múltipla que contenha o parâmetro α i:j (i =, e j = 2,3), de forma a poder tirar proveito dete facto β = β + α :2 ; β = β + α :2 β = β + α :3 ; β = β + α :3 J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426 J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426

2 2 3 4 x A variávei aociada ao acrécimo Conidere que e fazem n obervaçõe para ajutar o modelo, endo n correpondente ao primeiro contexto; n 2 correpondente ao egundo contexto; n 3 correpondente ao terceiro contexto Definam-e a variávei indicatrize de pertença ao nívei (como na Análie de Variância) Definam-e também vectore com o valore da variável X num dado contexto i (i > ) e zero noutra poiçõe, que erão repreentado por x I i : x 4 I 2 =, x I 2 = x 5 x 6 x 7, I 3 =, x I 3 = x 8 x 9 A equação de bae no noo exemplo Podemo agora ecrever a relação de bae entre o vector Y da n obervaçõe da variável repota, e o preditor X, da eguinte forma: Y = β n + β x + α :2 I 2 + α :3 I 3 + α :2 x I 2 + α :3 x I 3 No exemplo com a n = 3, n 2 = 4 e n 3 = 2 obervaçõe: Y x ε Y 2 x 2 Y 3 x 3 β ε 2 Y 4 x 4 x 4 β ε 3 Y 5 = x 5 x 5 α :2 ε 4 Y 6 x 6 x 6 α :3 + ε 5 Y 7 x 7 x 7 α :2 ε 6 Y 8 x 8 x 8 α ε 7 :3 ε 8 Y 9 x 9 x 9 ε 9 J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426 J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426 A equação de bae no noo exemplo (cont) A relação de bae para comparar 3 recta Ito é, β + β x i + ε i, e i =,,3 Y i = (β + α :2 ) + (β + α :2 )x i + ε i, e i = 4,,7 (β + α :3 ) + (β + α :3 )x i + ε i, e i = 8,,9 (5) Temo aim uma equação do tipo modelo linear com 3 2 = 6 parâmetro (e variávei preditora x, I 2, I 3, x I 2, x I 3 ), que ajuta recta de regreão diferente para a obervaçõe de cada um do 3 contexto Cao α :2 = α :3 = α :2 = α :3 =, obtém-e o ubmodelo correpondente a ajutar uma única recta ao 3 contexto: O modelo do acetato 374 ajuta, à obervaçõe de cada um do trê contexto, uma recta de regreão ditinta Cao o parâmetro de acrécimo α i:j ejam todo iguai a zero, a recta de regreão é a mema, para o trê contexto Y = β n + β x + α :2 I 2 + α :3 I 3 + α :2 x I 2 + α :3 x I 3 + ε Y = β n + β x + ε Um tete F parcial permite tetar a admiibilidade duma recta única para o trê contexto coniderado J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426 J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426 O tete para 3 regreõe imple diferenciada Tete F a 3 recta diferente Tete F de comparação de um modelo com 3 recta de regreão linear diferente e o ubmodelo de recta única Hipótee: H : α i:j =, ( i=,;j=2,3) v H : (i,j) tq α i:j [RECTA ÚNICA] [RECTAS DIFERENTES] Etatítica do Tete: F = (SQRE S SQRE C )/4 SQRE C /(n 6) F (4,n 6), ob H Nível de ignificância do tete: γ Região Crítica (Região de Rejeição): Unilateral direita Rejeitar H e F calc > f γ(4,n 6) df(x, 4, 6) Outra comparaçõe no exemplo É poível fazer outra comparaçõe, com bae no modelo Y = β n + β x + α :2 I 2 + α :3 I 3 + α :2 x I 2 + α :3 x I 3 + ε A hipótee de trê recta paralela (ie, com o memo declive), ma podendo ter diferente ordenada na origem, é a hipótee α :2 = α :3 = A hipótee de trê recta com igual ordenada na origem, ma declive diferente, é a hipótee α :2 = α :3 = A hipótee de a primeira e egunda recta terem o memo declive, é a hipótee α :2 = A hipótee de a egunda e terceira recta terem o memo declive, é a hipótee α :2 = α :3, ou eja, α :2 α :3 = Eta hipótee (ou outra análoga) podem er tetada atravé de tete já vito no etudo geral do modelo linear J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426 J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426

3 2 3 4 x A comparação de recta de regreão Generalizando, a comparação de modelo de regreão linear imple, cada um com n i (i =,,) obervaçõe (n + + n = n): β + β x i + ε i,,,n (β Y i = + α :2 ) + (β + α :2 )x i + ε i, i=n +,,n +n 2 (β + α : ) + (β + α : )x i + ε i, i=n ++n +,,n ++n +n, uando a notação β t = (β,β,α :2,,α :,α :2,,α : ) Admitir uma recta única na ituaçõe é admitir a hipótee H : α :2 = = α : = α :2 = = α : = Modelo com recta diferenciada notação vectorial Um modelo que prevê a poibilidade de exitirem recta de regreão linear imple diferente em cada um de contexto, tem a eguinte equação de bae: Y = β n + β x + α :2 I 2 + α :3 I α : I + Ete modelo tem 2 parâmetro +α :2 x I 2 + α :3 x I α : x I + ε Admitir uma recta única na ituaçõe é admitir que ete modelo equivale ao eu ubmodelo: O ubmodelo tem 2 parâmetro Y = β n + β x + ε J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426 J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426 Modelo com recta notação matricial O modelo diferenciado reulta de admitir, em notação matricial, Y = Y n = X n 2 β 2 + ε n Y Y 2 Y n Y n, β = β β α :2 α : α :2 α :, ε = ε ε 2 ε n ε n [ n x I X = 2 I I 2 x I x ] Recta única ou recta? A comparação do modelo faz-e pelo tete F parcial a ubmodelo: Y n = X n 2 β 2 + ε n (ubmodelo recta única) Y n = X n 2 β 2 + ε n (modelo recta), O ubmodelo é a recta (única) de regreão com bae na totalidade da n obervaçõe, endo Y x [ ] ε β Y =, X n 2 =, β 2 =, ε = β, Y n x n ε n J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426 J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426 O tete para regreõe imple diferenciada Tete F: recta diferente ou uma recta única? Tete F de comparação de um modelo com recta de regreão linear diferente (índice D) e o ubmodelo de recta única (índice U) Hipótee: H : α i:j =, (i=,;j=2,3,,) v H : (i,j) tq α i:j [RECTA ÚNICA] [RECTAS DIFERENTES] Etatítica do Tete: F = (SQRE U SQRE D )/(2 2) SQRE D /(n 2) F (2 2,n 2), ob H Nível de ignificância do tete: γ Região Crítica (Região de Rejeição): Unilateral direita recta paralela? Tal como no cao inicial, com apena 3 recta, também no cao geral e pode tetar a hipótee de a recta de regreão linear imple erem paralela, ito é, terem o memo declive (podendo, no entanto, ter diferente ordenada na origem) O modelo completo tem 2 parâmetro Y = β n + β x + α :2 I 2 + α :3 I α : I + +α :2 x I 2 + α :3 x I α : x I + ε Admitir recta paralela na ituaçõe é admitir que α :2 = α :3 = = α : = Rejeitar H e F calc > f γ(2 2,n 2) df(x, 4, 6) logo, que o modelo equivale ao ubmodelo (com + parâmetro): Y = β n + β x + α :2 I 2 + α :3 I α : I + ε J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426 J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426

4 2 3 4 x O tete para recta de regreão paralela Tete F: recta paralela ou recta diferente? Tete F de comparação do modelo com recta de regreão linear diferente (índice D) e o ubmodelo de recta paralela (índice P) Hipótee: H : α i:j =, ( ;j=2,3,,) v H : j tq α :j [RECTAS PARALELAS] [NÃO PARALELAS] Etatítica do Tete: F = (SQRE P SQRE D )/( ) SQRE D /(n 2) F (,n 2), ob H Nível de ignificância do tete: γ Região Crítica (Região de Rejeição): Unilateral direita Rejeitar H e F calc > f γ(,n 2) df(x, 4, 6) Outra comparaçõe no exemplo É poível fazer outra comparaçõe, com bae no modelo Y = β n + β x + α :2 I 2 + α :3 I α : I + +α :2 x I 2 + α :3 x I α : x I + ε A hipótee de a recta terem igual ordenada na origem, ma declive diferente, é a hipótee α :2 = α :3 = = α : = A hipótee de a primeira e egunda recta terem o memo declive, é a hipótee α :2 = A hipótee de a egunda e terceira recta terem o memo declive, é a hipótee α :2 = α :3 Eta hipótee (ou outra análoga) podem er tetada atravé de tete já vito no etudo geral do modelo linear J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426 J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426 Cruzando factore com variávei numérica no No, um modelo de regreão de y obre x, admitindo recta diferente para cada nível do factor f, é indicado pela fórmula No exemplo do n = 5 lírio, y x f > modepecielm <- lm(petallength ~ SepalLength * Specie) > ummary(modepecielm) Coefficient: Etimate Std Error t value Pr(> t ) (Intercept) SepalLength Specievericolor Specievirginica SepalLength:Specievericolor e-5 *** SepalLength:Specievirginica e-6 *** --- Reidual tandard error: 26 on 44 degree of freedom Multiple R-quared: 9789, Adjuted R-quared: 978 F-tatitic: 333 on 5 and 44 DF, p-value: < 22e-6 Um exemplo no Recta única? De novo o exemplo do 5 lírio Pretende-e modelar Comprimento da Pétala, à cuta de Comprimento da Sépala Recta única ou recta diferenciada por epécie? > modunicolm <- lm(petallength ~ SepalLength) > modepecielm <- lm(petallength ~ SepalLength*Specie) > anova(modunicolm, modepecielm) Analyi of Variance Table Model : PetalLength ~ SepalLength Model 2: PetalLength ~ SepalLength * Specie ReDf RSS Df Sum of Sq F Pr(>F) < 22e-6 *** Rejeita-e a hipótee de uma recta única, em favor de recta diferente J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426 J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426 Um exemplo no Recta paralela? No, um modelo de regreão de y obre x, que admite recta paralela, ma com diferente ordenada na origem para cada nível de um factor f, pode er indicado na forma y x + f > modparalelalm <- lm(petallength ~ SepalLength + Specie) > ummary(modparalelalm) Coefficient: Etimate Std Error t value Pr(> t ) (Intercept) e- *** SepalLength < 2e-6 *** Specievericolor < 2e-6 *** Specievirginica < 2e-6 *** --- Reidual tandard error: 2826 on 46 degree of freedom Multiple R-quared: 9749, Adjuted R-quared: 9744 F-tatitic: 89 on 3 and 46 DF, p-value: < 22e-6 Um exemplo no Recta paralela? (cont) Ma é admiível que a trê recta ejam paralela? Vamo fazer um tete ao modelo encaixado que admitem recta paralela e recta diferente > modparalelalm <- lm(petallength ~ SepalLength + Specie) > modepecielm <- lm(petallength ~ SepalLength * Specie) > anova(modparalelalm,modepecielm) Analyi of Variance Table Model : PetalLength ~ SepalLength + Specie Model 2: PetalLength ~ SepalLength * Specie ReDf RSS Df Sum of Sq F Pr(>F) e-6 *** Rejeita-e a hipótee de recta paralela J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426 J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426

5 O preupoto Modelo com recta ou regreõe imple? O tete anteriormente referido ão válido cao e verifiquem o preupoto já admitido no Modelo Lineare, ie, que o erro aleatório da equação do modelo verificam: ε i N (,σ 2 ), i; erro aleatório independente Trata-e (quae) do memo preupoto que eria neceário upor para ajutar cada recta, de forma eparada, uando apena a n i obervaçõe correpondente ao eu contexto Ma há um preupoto adicional em relação ao ajutamento em eparado: a homogeneidade da variância do erro aleatório tem de er comum ao contexto Qual a relação entre a recta ajutada pelo modelo que admite recta diferenciada para o vário nívei de um factor (decrito no acetato 374); e pelo modelo de regreão linear imple em eparado (uando apena a obervaçõe de um dado nível do factor)? A etimativa do parâmetro da recta ão iguai na dua abordagen Ou eja, a recta ajutada atravé da Análie de Covariância ão a mema recta que e obteriam cao foem feita regreõe eparada, uando apena a obervaçõe de um dado contexto J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426 J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426 O modelo conjunto e regreõe individuai (cont) Modelo com recta ou regreõe imple? (cont) Portanto, o valore ajutado de y em cada recta ão iguai na dua abordagen; o reíduo ão iguai na dua abordagen; a oma de quadrado do reíduo na abordagem conjunta é a oma do SQRE de cada modelo eparado Ou eja, SQRE conjunto = SQRE + SQRE SQRE o Quadrado Médio Reidual no modelo conjunto é uma média ponderada do QMRE de cada modelo eparado, endo o peo na média ponderada dado pelo grau de liberdade de cada QMRE eparado Ou eja, SQRE conjunto = SQRE + SQRE SQRE SQRE conjunto = QMRE (n 2) + QMRE 2 (n 2 2) + + QMRE (n 2) QMRE conjunto = QMRE (n 2) + QMRE 2 (n 2 2) + + QMRE (n 2) n 2 que é uma média ponderada do QMRE, poi a oma da ponderaçõe é (n i 2) = n 2 J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426 J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426 Modelo com recta ou regreõe imple? (cont) O Coeficiente de Determinação, R 2, do modelo eparado e do modelo conjunto ão mai difícei de relacionar O R 2 do modelo conjunto mede a relação linear da nuvem de ponto obtida com a totalidade do n ponto Pode er maior ou menor do que qualquer do valore individuai de R 2 ó da obervaçõe de um dado nível do factor Um exemplo Exemplo do acetato 369, com a relaçõe entre Largura de Pétala e Comprimento de Pétala única, diferenciada e eparada, para a trê epécie de lírio (etoa, vericolor e virginica) Atenção ao R 2! PetalWidth R2=9477 R2= PetalWidth[:5] 3 5 R2= Não equecer que o valor do Coeficiente de Determinação é empre dado por R 2 = SQR SQT, em que o valore de SQR e SQT (e SQRE) e referem empre ao conjunto de ponto uado no ajutamento PetalWidth[5:] 4 8 PetalLength R2=688 PetalWidth[:5] PetalLength[:5] R2= PetalLength[5:] PetalLength[:5] J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426 J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426

6 Comparando o SQT Comparando o SQR A relação entre o SQT do modelo conjunto da recta e o SQT i de cada um do modelo individuai, obtido ajutando apena o n i ponto de cada ituação, envolve a decompoição de SQT que reulta de efectuar a ANOVA a Factor, endo o factor dado pela ditinção da ituaçõe analiada Seja SQF a Soma do Quadrado do Factor nea ANOVA relacionando Y e o factor Tem-e: SQT = SQT i + SQF Tendo em conta a relação fundamental de qualquer regreão, SQT = SQR + SQRE, e tendo ainda em conta a relação entre o SQRE do modelo conjunto e o SQRE i de cada modelo, vito no Acetato 394, tem-e a eguinte relação entre o SQR do modelo conjunto e a Soma de Quadrado da Regreão, aociada à regreõe individuai: SQR = SQR i + SQF J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426 J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426 Comparando o Coeficiente de Determinação A relaçõe do acetato anteriore permitem agora relacionar o valor do Coeficiente de Determinação R 2 do modelo conjunto, com o Coeficiente de Determinação Ri 2 de cada modelo individual Tem-e: Note-e que: R 2 = SQR i + SQF SQT i + SQF = Ri 2 SQT i + SQF SQT i + SQF e SQF (ie, e o Factor não tem efeito ignificativo obre Y ), R 2 erá aproximadamente uma média ponderada do R 2 i (endo a ponderaçõe dada pelo SQT i ) Nete cao, R 2 ó pode er próximo de e a generalidade do R 2 i for próxima de para SQF grande (ie, efeito ignificativo do Factor obre Y ), R 2 erá próximo de : a eparação da média de Y em cada grupo vai predominar na expreão J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento / 426 Ainda o exemplo do Acetato 396 O valore de cada Soma de Quadrado, bem como do Coeficiente de Determinação, para cada um do modelo referido no exemplo do Acetato 396, ão: SQT SQR SQRE QMRE R2 etoa vericolor virginica conjunto Reultado ANOVA a Factor: PetalWidth ~ Specie SQF=84333 SQRE=6566 É o valor elevado de SQF que gera um valor elevado do R 2 conjunto NOTA: o modelo único não urge neta comparação J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento 29-4 / 426 Generalizando para qualquer número de preditore A ideia de fundo uada para comparar recta de regreão linear em contexto diferente pode er generalizada para etudar qualquer regreão linear múltipla em contexto diferente Para cada preditor, admite-e a poibilidade de haver acrécimo no repectivo coeficiente (em relação ao coeficiente do primeiro contexto), diferente em cada um do retante contexto J Cadima (DM/ISA) Etatítica e Delineamento 29-4 / 426

CAPÍTULO 6 - Testes de significância

CAPÍTULO 6 - Testes de significância INF 16 CAPÍTULO 6 - Tete de ignificância Introdução Tete de ignificância (também conhecido como Tete de Hipótee) correpondem a uma regra deciória que no permite rejeitar ou não rejeitar uma hipótee etatítica

Leia mais

Associação de Professores de Matemática PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO EXAME DE MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS (PROVA 835) 2013 2ªFASE

Associação de Professores de Matemática PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO EXAME DE MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS (PROVA 835) 2013 2ªFASE Aociação de Profeore de Matemática Contacto: Rua Dr. João Couto, n.º 7-A 1500-36 Liboa Tel.: +351 1 716 36 90 / 1 711 03 77 Fax: +351 1 716 64 4 http://www.apm.pt email: geral@apm.pt PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

Leia mais

O modelo ANOVA a dois factores, hierarquizados

O modelo ANOVA a dois factores, hierarquizados O modelo ANOVA a dois factores, hierarquizados Juntando os pressupostos necessários à inferência, Modelo ANOVA a dois factores, hierarquizados Seja A o Factor dominante e B o Factor subordinado. Existem

Leia mais

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos CAPÍTULO 10 Modelagem e repota de itema dicreto 10.1 Introdução O itema dicreto podem er repreentado, do memo modo que o itema contínuo, no domínio do tempo atravé de uma tranformação, nete cao a tranformada

Leia mais

Capítulo 5: Análise através de volume de controle

Capítulo 5: Análise através de volume de controle Capítulo 5: Análie atravé de volume de controle Volume de controle Conervação de maa Introdução Exite um fluxo de maa da ubtância de trabalho em cada equipamento deta uina, ou eja, na bomba, caldeira,

Leia mais

Intervalo de confiança para α

Intervalo de confiança para α Intervalo de confiança para α Teorema (Intervalo de Confiança a (1 γ) 100% para α) Dado o Modelo de Regressão Linear Simples, um intervalo a (1 γ) 100% de confiança para a ordenada na origem, α, da recta

Leia mais

Exercícios Resolvidos de Biofísica

Exercícios Resolvidos de Biofísica Exercício Reolvido de Biofíica Faculdade de Medicina da Univeridade de oimbra Exercício Reolvido de Biofíica Metrado ntegrado em Medicina MEMBRNS HOMOGÉNES Exercício 1. Numa experiência com uma membrana

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS PROCEDIMENTOS DE AMOSTRAGEM CASUAL SIMPLES E AMOSTRAGEM SISTEMÁTICA

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS PROCEDIMENTOS DE AMOSTRAGEM CASUAL SIMPLES E AMOSTRAGEM SISTEMÁTICA Etudo comparativo entre o procedimento de amotragem... 67 ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS PROCEDIMENTOS DE AMOSTRAGEM CASUAL SIMPLES E AMOSTRAGEM SISTEMÁTICA EM INVENTÁRIOS DE ARBORIZAÇÃO URBANA Comparative

Leia mais

Quantas equações existem?

Quantas equações existem? www2.jatai.ufg.br/oj/index.php/matematica Quanta equaçõe exitem? Rogério Céar do Santo Profeor da UnB - FUP profeorrogeriocear@gmail.com Reumo O trabalho conite em denir a altura de uma equação polinomial

Leia mais

Estrutura geral de um sistema com realimentação unitária negativa, com um compensador (G c (s) em série com a planta G p (s).

Estrutura geral de um sistema com realimentação unitária negativa, com um compensador (G c (s) em série com a planta G p (s). 2 CONTROLADORES PID Introdução Etrutura geral de um itema com realimentação unitária negativa, com um compenador (G c () em érie com a planta G p (). 2 Controladore PID 2. Acção proporcional (P) G c ()

Leia mais

Competências/ Objetivos Especifica(o)s

Competências/ Objetivos Especifica(o)s Tema B- Terra em Tranformação Nº previta Materiai Contituição do mundo material Relacionar apecto do quotidiano com a Química. Reconhecer que é enorme a variedade de materiai que no rodeiam. Identificar

Leia mais

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação Confrontando Reultado Experimentai e de Simulação Jorge A. W. Gut Departamento de Engenharia Química Ecola Politécnica da Univeridade de São Paulo E mail: jorgewgut@up.br Um modelo de imulação é uma repreentação

Leia mais

Resistência dos Materiais SUMÁRIO 1. TENSÕES DE CISALHAMENTO... 1 1.1 DIMENSIONAMENTO... 2 1.2 EXEMPLOS... 2

Resistência dos Materiais SUMÁRIO 1. TENSÕES DE CISALHAMENTO... 1 1.1 DIMENSIONAMENTO... 2 1.2 EXEMPLOS... 2 Reitência do Materiai SUMÁRIO 1. TESÕES DE CISLHMETO... 1 1.1 DIMESIOMETO... 1. EXEMPLOS... Cialhamento 0 Prof. Joé Carlo Morilla Reitência do Materiai 1. Tenõe de Cialhamento Quando dua força cortante

Leia mais

Palavras-chave:Algoritmo Genético; Carregamento de Contêiner; Otimização Combinatória.

Palavras-chave:Algoritmo Genético; Carregamento de Contêiner; Otimização Combinatória. Reolução do Problema de Carregamento e Decarregamento 3D de Contêinere em Terminai Portuário para Múltiplo Cenário via Repreentação por Regra e Algoritmo Genético Aníbal Tavare de Azevedo (UNICAMP) anibal.azevedo@fca.unicamp.br

Leia mais

Professora FLORENCE. Resolução:

Professora FLORENCE. Resolução: 1. (FEI-SP) Qual o valor, em newton, da reultante da força que agem obre uma maa de 10 kg, abendo-e que a mema poui aceleração de 5 m/? Reolução: F m. a F 10. 5 F 50N. Uma força contante F é aplicada num

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Votos e Contribuição

PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Votos e Contribuição PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Voto e Contribuição Reponável pelo PM: Acompanhamento do Mercado CONTROLE DE ALTERAÇÕES Verão Data Decrição da Alteração Elaborada por Aprovada por PM AM.04 - Cálculo

Leia mais

Equações Diferenciais (GMA00112) Resolução de Equações Diferenciais por Séries e Transformada de Laplace

Equações Diferenciais (GMA00112) Resolução de Equações Diferenciais por Séries e Transformada de Laplace Equaçõe Diferenciai GMA Reolução de Equaçõe Diferenciai por Série e Tranformada de Laplace Roberto Tocano Couto tocano@im.uff.br Departamento de Matemática Aplicada Univeridade Federal Fluminene Niterói,

Leia mais

3 Fuga de cérebros e investimentos em capital humano na economia de origem uma investigação empírica do brain effect 3.1.

3 Fuga de cérebros e investimentos em capital humano na economia de origem uma investigação empírica do brain effect 3.1. 3 Fuga de cérebro e invetimento em capital humano na economia de origem uma invetigação empírica do brain effect 3.1. Introdução Uma da vertente da literatura econômica que etuda imigração eteve empre

Leia mais

Um Modelo de Encaminhamento Hierárquico Multi-Objectivo em Redes MPLS, com Duas Classes de Serviço

Um Modelo de Encaminhamento Hierárquico Multi-Objectivo em Redes MPLS, com Duas Classes de Serviço Um Modelo de Encaminhamento Hierárquico Multi-Objectivo em Rede MPLS, com Dua Clae de Serviço Rita Girão Silva a,c (Tee de Doutoramento realizada ob upervião de Profeor Doutor Joé Craveirinha a,c e Profeor

Leia mais

Resolução de Equações Diferenciais Ordinárias por Série de Potências e Transformada de Laplace

Resolução de Equações Diferenciais Ordinárias por Série de Potências e Transformada de Laplace Reolução de Equaçõe Diferenciai Ordinária por Série de Potência e Tranformada de Laplace Roberto Tocano Couto rtocano@id.uff.br Departamento de Matemática Aplicada Univeridade Federal Fluminene Niterói,

Leia mais

Análise de Variância (ANOVA)

Análise de Variância (ANOVA) Análise de Variância (ANOVA) A Regressão Linear visa modelar uma variável resposta numérica (quantitativa), à custa de uma ou mais variáveis preditoras, igualmente numéricas. Mas uma variável resposta

Leia mais

Experimento #4. Filtros analógicos ativos LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA

Experimento #4. Filtros analógicos ativos LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA UNIVESIDADE FEDEAL DE CAMPINA GANDE CENTO DE ENGENHAIA ELÉTICA E INFOMÁTICA DEPATAMENTO DE ENGENHAIA ELÉTICA LABOATÓIO DE ELETÔNICA Experimento #4 Filtro analógico ativo EXPEIMENTO #4 Objetivo Gerai Eta

Leia mais

Tensão Induzida por Fluxo Magnético Transformador

Tensão Induzida por Fluxo Magnético Transformador defi deartamento de fíica Laboratório de Fíica www.defi.ie.i.t Tenão Induzida or Fluxo Magnético Tranformador Intituto Suerior de Engenharia do Porto- Deartamento de Fíica Rua Dr. António Bernardino de

Leia mais

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas.

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas. Ecola Báic a 2º º e 3º º Ciclo Tema 1 Viver com o outro Tema Conteúdo Competência Actividade Tema 1 Viver com o outro Valore Direito e Devere Noção de valor O valore como referenciai para a acção: - o

Leia mais

XLVI Pesquisa Operacional na Gestão da Segurança Pública

XLVI Pesquisa Operacional na Gestão da Segurança Pública PROBLEMA DE CORTE UNIDIMENSIONAL COM SOBRAS APROVEITÁVEIS: RESOLUÇÃO DE UM MODELO MATEMÁTICO Adriana Cherri Departamento de Matemática, Faculdade de Ciência, UNESP, Bauru adriana@fc.unep.br Karen Rocha

Leia mais

Afetação de recursos, produtividade e crescimento em Portugal 1

Afetação de recursos, produtividade e crescimento em Portugal 1 Artigo 65 Afetação de recuro, produtividade e crecimento em Portugal 1 Daniel A. Dia 2 Carlo Robalo Marque 3 Chritine Richmond 4 Reumo No período 1996 a 2011 ocorreu uma acentuada deterioração na afetação

Leia mais

Máquinas Eléctricas. Motores de indução. Motores assíncronos. Arranque

Máquinas Eléctricas. Motores de indução. Motores assíncronos. Arranque Motore de indução Arranque São motore robuto e barato (fabricado em maa), embora tendo o inconveniente de não erem regulávei. Conequentemente, uma vez definido um binário e uma corrente, ete apena dependem

Leia mais

Aula 4 Modelagem de sistemas no domínio da frequência Prof. Marcio Kimpara

Aula 4 Modelagem de sistemas no domínio da frequência Prof. Marcio Kimpara FUDAMETOS DE COTROLE E AUTOMAÇÃO Aula 4 Modelagem de itema no domínio da requência Pro. Marcio impara Unieridade Federal de Mato Groo do Sul Sitema mecânico tranlação Elemento Força deloc. tempo Laplace

Leia mais

Avaliação de Ações. Mercado de Capitais. Luiz Brandão. Ações. Mercado de Ações

Avaliação de Ações. Mercado de Capitais. Luiz Brandão. Ações. Mercado de Ações Mercado de Capitai Avaliação de Açõe Luiz Brandão O título negociado no mercado podem de renda fixa ou de renda variável. Título de Renda Fixa: Conhece-e de antemão qual a remuneração a er recebida. odem

Leia mais

EFEITOS DO COEFICIENTE DE POISSON E ANÁLISE DE ERRO DE TENSÕES EM TECTÔNICA DE SAL

EFEITOS DO COEFICIENTE DE POISSON E ANÁLISE DE ERRO DE TENSÕES EM TECTÔNICA DE SAL Copright 004, Intituto Braileiro de Petróleo e Gá - IBP Ete Trabalho Técnico Científico foi preparado para apreentação no 3 Congreo Braileiro de P&D em Petróleo e Gá, a er realizado no período de a 5 de

Leia mais

GABARITO NÍVEL III. Questão 1) As Leis de Kepler.

GABARITO NÍVEL III. Questão 1) As Leis de Kepler. SOCIEDADE ASTONÔMICA BASILEIA SAB IV Olimpíada Braileira de Atronomia IV OBA - 001 Gabarito da Prova de nível III (para aluno do enino médio) GABAITO NÍVEL III Quetão 1) A Lei de Kepler. Johanne Kepler,

Leia mais

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada.

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada. Compenadore 0.1 Introdução Controle 1 - DAELN - UTFPR Prof. Paulo Roberto Brero de Campo O compenadore ão utilizado para alterar alguma caracterítica do itema em malha fechada. 1. Avanço de fae (lead):

Leia mais

Capítulo I Tensões. Seja um corpo sob a ação de esforços externos em equilíbrio, como mostra a figura I-1:

Capítulo I Tensões. Seja um corpo sob a ação de esforços externos em equilíbrio, como mostra a figura I-1: apítuo I Seja um corpo ob a ação de eforço externo em equiíbrio, como motra a figura I-1: Figura I-3 Eforço que atuam na eção para equiibrar o corpo Tome-e, agora, uma pequena área que contém o ponto,

Leia mais

PROTEÇÕES COLETIVAS. Modelo de Dimensionamento de um Sistema de Guarda-Corpo

PROTEÇÕES COLETIVAS. Modelo de Dimensionamento de um Sistema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema

Leia mais

ESTUDOS EXPERIMENTAIS SOBRE A AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES DE FLUIDOS DE PERFURAÇÃO EM MEIOS POROSOS ANISOTRÓPICOS

ESTUDOS EXPERIMENTAIS SOBRE A AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES DE FLUIDOS DE PERFURAÇÃO EM MEIOS POROSOS ANISOTRÓPICOS 3 a 6 de outubro de 0 Univeridade Federal Rural do Rio de Janeiro Univeridade Severino Sombra aoura RJ ESTUDOS EXPERIMENTIS SOBRE LIÇÃO DS PROPRIEDDES DE FLUIDOS DE PERFURÇÃO EM MEIOS POROSOS NISOTRÓPICOS.

Leia mais

CONTROLO DE SISTEMAS. APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox. Pedro Dinis Gaspar António Espírito Santo J. A. M.

CONTROLO DE SISTEMAS. APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox. Pedro Dinis Gaspar António Espírito Santo J. A. M. UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROMECÂNICA CONTROLO DE SISTEMAS APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox Pedro Dini Gapar António Epírito Santo J. A. M. Felippe de Souza

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE DADOS CLIMATOLÓGICOS DO RIO GRANDE DO SUL E SANTA CATARINA

RECUPERAÇÃO DE DADOS CLIMATOLÓGICOS DO RIO GRANDE DO SUL E SANTA CATARINA UPERAÇÃO DE DADOS CLIMATOLÓGICOS DO RIO GRANDE DO SUL E SANTA CATARINA Flavio Varone Gonçalve (1) Ilia S. Kim (1) Curo Pó-Graduação em Meteorologia, Faculdade de Meteorologia, UFPel. ABSTRACT Climatological

Leia mais

Filtros Analógicos Ativos

Filtros Analógicos Ativos Filtro Analógico Ativo Topologia Sallen-Key FPB Prof. láudio A. Fleury onteúdo. Introdução. Filtro Paa-Baixa de a. Ordem 3. Mudança de Ecala 4. Filtro Paa-Alta de a. Ordem 5. Filtro Paa-Faixa e ejeita-faixa

Leia mais

Vestibular 2013 2 a fase Gabarito Física

Vestibular 2013 2 a fase Gabarito Física etibular 203 2 a fae Gabarito Fíica Quetão 0 (alor: 5 ponto) Cálculo da variação da quantidade de movimento A velocidade inicial no momento do impacto erá a velocidade final da queda Aplicando conervação

Leia mais

Análise de Sensibilidade de Anemômetros a Temperatura Constante Baseados em Sensores Termo-resistivos

Análise de Sensibilidade de Anemômetros a Temperatura Constante Baseados em Sensores Termo-resistivos UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE ELETRICIDADE Análie de Senibilidade de Anemômetro a Temperatura Contante Baeado em Senore Termo-reitivo

Leia mais

Figura 3.1 - Curva granulométrica por peneiramento e sedimentação de uma amostra de solo residual (Minas de calcáreo Caçapava do Sul)

Figura 3.1 - Curva granulométrica por peneiramento e sedimentação de uma amostra de solo residual (Minas de calcáreo Caçapava do Sul) Nota de Aula - Mecânica do Solo 23 UNIDADE 3 GRANULOMETRIA DOS SOLOS 3.1 Introdução Todo o olo, em ua fae ólida, contêm partícula de diferente tamanho em proporçõe a mai variada. A determinação do tamanho

Leia mais

Curso de Análise Matricial de Estruturas 1 I - INTRODUÇÃO

Curso de Análise Matricial de Estruturas 1 I - INTRODUÇÃO Curo de Análie Matricial de Etrutura 1 I - INTRODUÇÃO I.1 - Introdução O proceo de um projeto etrutural envolve a determinação de força interna e de ligaçõe e de delocamento de uma etrutura. Eta fae do

Leia mais

Marés, fases principais da Lua e bebês

Marés, fases principais da Lua e bebês Maré, fae principai da ua e bebê CADERNO BRASIEIRO DE ENSINO DE FÍSICA, FORIANÓPOIS, V.0, N. 1: P.10-9, ABR. 003 Fernando ang da Silveira Univeridade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Intituto de Fíica

Leia mais

Nestas notas será analisado o comportamento deste motor em regime permanente.

Nestas notas será analisado o comportamento deste motor em regime permanente. MOTO DE INDUÇÃO TIFÁSICO 8/0/006 Ivan Camargo Introdução O motor de indução trifáico correponde a, aproximadamente, 5 % da carga elétrica do Brail, ou eja, 50 % da carga indutrial que, por ua vez, correponde

Leia mais

Programa de Formação Técnica Continuada. Categoria de Emprego para Motores CA / CC

Programa de Formação Técnica Continuada. Categoria de Emprego para Motores CA / CC Programa de Formação Técnica Continuada Categoria de Emprego para Motore CA / CC Índice.Introdução.... Chave manuai etrela triângulo.... O motore.... Motore de indução tipo gaiola.... Motore de indução

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 CONVERSORES PARA ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS

EXPERIÊNCIA 7 CONVERSORES PARA ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO - UNICAMP EE-832 - LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA INDUSTRIAL EXPERIÊNCIA 7 CONVERSORES PARA ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS 7. Introdução A máquina de corrente

Leia mais

SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS

SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS Reumo Luca Franco de Ai¹ Marcelo Semenato² ¹Intituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia/Campu Jataí/Engenharia Elétrica/PIBIT-CNPQ lucafranco_jty@hotmail.com

Leia mais

A transformada de Laplace pode ser usada para resolver equações diferencias lineares com coeficientes constantes, ou seja, equações da forma

A transformada de Laplace pode ser usada para resolver equações diferencias lineares com coeficientes constantes, ou seja, equações da forma Introdução A tranformada de Laplace pode er uada para reolver equaçõe diferencia lineare com coeficiente contante, ou eja, equaçõe da forma ay + by + cy = ft), para a, b, c R Para io, a equação diferencial

Leia mais

AULA 02 POTÊNCIA MECÂNICA. = τ. P ot

AULA 02 POTÊNCIA MECÂNICA. = τ. P ot AULA 0 POTÊNCIA MECÂNICA 1- POTÊNCIA Uma força pode realizar um memo trabalho em intervalo de tempo diferente. Quando colocamo um corpo de maa m obre uma mea de altura H num local onde a aceleração da

Leia mais

UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA

UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA Benjamin Mariotti Feldmann Mie Yu Hong Chiang Marco Antonio Brinati Univeridade de São Paulo Ecola Politécnica da

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Verão.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife PE GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC GAT

Leia mais

Estratégias MIMO-OFDM para Sistemas de

Estratégias MIMO-OFDM para Sistemas de XXII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TELECOMUICAÇÕES - SBrT 05, 04-08 DE SETEMBRO DE 005, CAMPIAS, SP Etratégia -OFDM para Sitema de Comunicaçõe Móvei Walter C. Freita Jr., Charle C. Cavalcante e F. Rodrigo. P.

Leia mais

A CAPACIDADE DE SUBITIZING EM CRIANÇAS DE 4 ANOS

A CAPACIDADE DE SUBITIZING EM CRIANÇAS DE 4 ANOS A CAPACIDADE DE SUBIIZING EM CRIANÇAS DE 4 ANOS Maria João Ramalho Cordeiro Diertação apreentada à ecola Superior de Educação de Liboa para obtenção de grau de metre em Educação Matemática na Educação

Leia mais

RESISTÊNCIA E PROPULSÃO Mestrado em Engenharia e Arquitectura Naval Exame de 2ª Época 26 de Janeiro de 2010 Duração: 3 horas

RESISTÊNCIA E PROPULSÃO Mestrado em Engenharia e Arquitectura Naval Exame de 2ª Época 26 de Janeiro de 2010 Duração: 3 horas RESISTÊNCIA E PROPULSÃO Metrado e Engenharia e Arquitectura Naval Exae de ª Época 6 de Janeiro de 010 Duração: 3 hora Quetão 1. U porta-contentore te a eguinte caracterítica: -Superfície olhada: 5454.

Leia mais

Imposto de Renda Pessoa Física

Imposto de Renda Pessoa Física Impoto de Renda Peoa Fíica 2006 Manual de Preenchimento Declaração de Ajute Anual Modelo Completo - Ano-calendário de 2005 Receita Federal Minitério da Fazenda GOVERNO FEDERAL Índice PÁG. ENTREGA DA DECLARAÇÃO

Leia mais

TRATAMENTO DE SEMENTES COM CLORETO DE MEPIQUAT PARA REDUÇÃO DO CRESCIMENTO DA MAMONEIRA

TRATAMENTO DE SEMENTES COM CLORETO DE MEPIQUAT PARA REDUÇÃO DO CRESCIMENTO DA MAMONEIRA TRATAMENTO DE SEMENTES COM CLORETO DE MEPIQUAT PARA REDUÇÃO DO CRESCIMENTO DA MAMONEIRA Diego de M. Rodrigue 1,2, Maria Iaura P. de Oliveira 1,2, Maria Aline de O. Freire 1,3, Lígia R. Sampaio 1,2, Walker

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET SP

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET SP Diciplina: Mecânica do Fluido Aplicada Lita de Exercício Reolvido Profeor: 1 de 11 Data: 13/0/08 Caruo 1. Um menino, na tentativa de melhor conhecer o fundo do mar, pretende chegar a uma profundidade de

Leia mais

Universidade Presbiteriana Mackenzie. Automação e Controle I

Universidade Presbiteriana Mackenzie. Automação e Controle I Univeridade Prebiteriana Mackenzie Curo de Engenharia Elétrica Automação e Controle I Nota de Aula Prof. Marcio Eiencraft Segundo emetre de 006 Univeridade Prebiteriana Mackenzie Curo de Engenharia Elétrica

Leia mais

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras Livro para a SBEA (material em contrução) Edmundo Rodrigue 9 4.1. Análie granulométrica Granulometria, graduação ou compoição granulométrica de um agregado é a ditribuição percentual do eu divero tamanho

Leia mais

METODOLOGIA DE PROJETO DE FILTROS DE SEGUNDA ORDEM PARA INVERSORES DE TENSÃO COM MODULAÇÃO PWM DIGITAL

METODOLOGIA DE PROJETO DE FILTROS DE SEGUNDA ORDEM PARA INVERSORES DE TENSÃO COM MODULAÇÃO PWM DIGITAL METODOLOGIA DE PROJETO DE FILTROS DE SEGUNDA ORDEM PARA INVERSORES DE TENSÃO COM MODULAÇÃO PWM DIGITAL Leandro Michel * Robinon F. de Camargo * michel@ieee.org robinonfc@bol.com.br Fernando Botterón *

Leia mais

Lider. ança. para criar e gerir conhecimento. }A liderança é um fator essencial para se alcançar o sucesso também na gestão do conhecimento.

Lider. ança. para criar e gerir conhecimento. }A liderança é um fator essencial para se alcançar o sucesso também na gestão do conhecimento. Liderança para criar e gerir conhecimento Lider ança para criar e gerir conhecimento }A liderança é um fator eencial para e alcançar o uceo também na getão do conhecimento.~ 48 R e v i t a d a ES P M janeiro

Leia mais

Taxa de Juros e Default em Mercados de Empréstimos Colateralizados

Taxa de Juros e Default em Mercados de Empréstimos Colateralizados Etudo Econômico 41(4) outubro/dezembro de 2011 Taxa de Juro e Default em Mercado de Emprétimo Colateralizado Sergio Ricardo Fautino Batita - Joé Angelo Divino - Jaime Orrillo Submetido: 26 de março de

Leia mais

Apostila de SINAIS E SISTEMAS

Apostila de SINAIS E SISTEMAS Apotila de SINAIS E SISTEMAS Álvaro Luiz Stelle (PhD) DAELN CPGEI CEFET PR Março de 5 I PREFÁCIO Eta apotila tem como objetivo dar ao leitor um embaamento teórico da Tranformada de Laplace, de Fourier

Leia mais

1. Introdução... 1. 1.1 Âmbito... 1 1.2 Motivação... 2 1.3 Objectivo... 3 1.4 Organização... 3. 2. O Motor de Indução Trifásico...

1. Introdução... 1. 1.1 Âmbito... 1 1.2 Motivação... 2 1.3 Objectivo... 3 1.4 Organização... 3. 2. O Motor de Indução Trifásico... Indice Índice Pág. 1. Introdução... 1 1.1 Âmbito... 1 1. Motivação... 1.3 Objectivo... 3 1.4 Organização... 3. O Motor de Indução Trifáico... 5.1 Parâmetro que Caracterizam o eu Funcionamento... 5. Modelo

Leia mais

ANÁLISE LINEAR COM REDISTRIBUIÇÃO E ANÁLISE PLÁSTICA DE VIGAS DE EDIFÍCIOS

ANÁLISE LINEAR COM REDISTRIBUIÇÃO E ANÁLISE PLÁSTICA DE VIGAS DE EDIFÍCIOS Anai do 47º Congreo Braileiro do Concreto - CBC005 Setembro / 005 ISBN 85-98576-07-7 Volume XII - Projeto de Etrutura de Concreto Trabalho 47CBC06 - p. XII7-85 005 IBRACON. ANÁLISE LINEAR COM REDISTRIBUIÇÃO

Leia mais

II.3. Análise de Variância (ANOVA)

II.3. Análise de Variância (ANOVA) II.3. Análise de Variância (ANOVA) A Regressão Linear visa modelar uma variável resposta numérica (quantitativa), à custa de uma ou mais variáveis preditoras, igualmente numéricas. Mas uma variável resposta

Leia mais

I Desafio Petzl Para Bombeiros Regulamento Campeonato Internacional de Técnicas Verticais e Resgate

I Desafio Petzl Para Bombeiros Regulamento Campeonato Internacional de Técnicas Verticais e Resgate ! I Deafio Petzl Para Bombeiro Regulamento Campeonato Internacional de Técnica Verticai e Regate A Spelaion, ditribuidor excluivo Petzl no Brail e o Corpo de Bombeiro de Goiá, etá organizando o Primeiro

Leia mais

O URBANO E A PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA EM CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM - ES

O URBANO E A PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA EM CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM - ES P A N Ó P T I C A O URBANO E A PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA EM CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM - ES Daniel Pitzer Zippinotti Univeridade Federal do Epírito Santo - UFES 1. INTRODUÇÃO O preente trabalho procura apreentar

Leia mais

PENSAMENTO SISTÊMICO APLICADO A SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO. Leila Lage Humes lhumes@usp.br

PENSAMENTO SISTÊMICO APLICADO A SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO. Leila Lage Humes lhumes@usp.br V I I S E M E A D E S T U D O D E C A S O M É T O D O S Q U A N T I T A T I V O S E I N F O R M Á T I C A PENSAMENTO SISTÊMICO APLICADO A SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO Leila Lage Hume lhume@up.br

Leia mais

A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NAS ÚLTIMAS DÉCADAS: OBSTÁCULOS E METAS DENTRO E FORA DA ESCOLA

A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NAS ÚLTIMAS DÉCADAS: OBSTÁCULOS E METAS DENTRO E FORA DA ESCOLA 329 A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NAS ÚLTIMAS DÉCADAS: OBSTÁCULOS E METAS DENTRO E FORA DA ESCOLA BRAZILIAN EDUCATION IN LAST DECADES: BARRIERS AND GOALS INSIDE AND OUTSIDE SCHOOL 1 t r a v e i a e d. 1 0 i n

Leia mais

Implementando modelos DEA no R

Implementando modelos DEA no R Implementando modelo DEA no R Joé Francico Moreira Peanha profeorfmp@hotmail.com UERJ Alexandre Marinho alexandre.marinho@ipea.gov.br UERJ Luiz da Cota Laurencel llaurenc.ntg@terra.com.br UERJ Marcelo

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE TEMPOS DE RESIDÊNCIA EM SISTEMAS ALIMENTADOS COM VAZÃO VARIÁVEL. Renata Akemi Sassaki

DISTRIBUIÇÃO DE TEMPOS DE RESIDÊNCIA EM SISTEMAS ALIMENTADOS COM VAZÃO VARIÁVEL. Renata Akemi Sassaki DISTRIBUIÇÃO DE TEMPOS DE RESIDÊNIA EM SISTEMAS ALIMENTADOS OM VAZÃO VARIÁVEL Renata Akemi Saaki TESE SUBMETIDA AO ORPO DOENTE DA OORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Fotografando o Eclipse Total da Lua

Fotografando o Eclipse Total da Lua Fotografando o Eclipe Total da Lua (trabalho apreentado para o Mueu de Atronomia e Ciência Afin) http://atrourf.com/diniz/artigo.html Autor: Joé Carlo Diniz (REA-BRASIL) "Você pode e deve fotografar o

Leia mais

Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático considerando o efeito do atrito dinâmico

Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático considerando o efeito do atrito dinâmico Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático coniderando o efeito do atrito dinâmico Antonio C. Valdiero, Carla S. Ritter, Luiz A. Raia Depto de Ciência Exata e Engenharia, DCEEng,

Leia mais

eber nunes ferreira 2013.2 geometria descritiva

eber nunes ferreira 2013.2 geometria descritiva 0. MTERIL PROISÓRIO ORREÇÃO NÃO FOI FINLIZ ÍNIE. INTROUÇÃO. SISTEMS E PROJEÇÃO. GEOMETRI ESRITI. OORENS. SINIS. REPRESENTÇÃO EM ÉPUR. IST E PERFIL (TEREIR PROJEÇÃO) 4. ESTUO RET 4. ETERMINÇÃO E RETS 4.

Leia mais

Palavras-chave: Tubo Evaporador; Modelo de Drift Flux; Escoamento Bifásico, Simulação Numérica. 1. INTRODUÇÃO

Palavras-chave: Tubo Evaporador; Modelo de Drift Flux; Escoamento Bifásico, Simulação Numérica. 1. INTRODUÇÃO IN 1984-818 Reolução da Equaçõe de Conervação da Maa, Eneria e Momento em Termo de Preão, Título Máico e Fração de Vazio para um Tubo Evaporador Utilizando o Modelo de Drit Flux Luí Henrique Gazeta de

Leia mais

P U C R S PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO II FORÇA CORTANTE

P U C R S PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO II FORÇA CORTANTE P U C R S PONTIFÍCI UNIERSIDDE CTÓLIC DO RIO GRNDE DO SUL FCULDDE DE ENGENHRI CURSO DE ENGENHRI CIIL CONCRETO RMDO II FORÇ CORTNTE Pro. lmir Schäer PORTO LEGRE MRÇO DE 006 1 FORÇ CORTNTE 1- Notaçõe principai

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO 1 EDITAL CONVITE Nº 009/2011-CPL/GPDP Proceo Adminitrativo nº 0221/2011 -CPL/GDPG A, atravé da Comião Permanente de Licitação, intituída pela Portaria nº 383/2011-GDPG, datada de 08/07/2011, da Exma. Sra.

Leia mais

Cap. 8 - Controlador P-I-D

Cap. 8 - Controlador P-I-D CONTROLADOR ID Metrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Comptadore (MEEC) Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Comptadore (DEEC) CONTROLO º emetre 7/8 Tranparência de apoio à ala teórica

Leia mais

Simplified method for calculation of solid slabs supported on flexible beams: validation through the non-linear analysis

Simplified method for calculation of solid slabs supported on flexible beams: validation through the non-linear analysis Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.14, p.71-81, Outubro, 2009 Método implificado para cálculo de laje maciça apoiada em viga fleívei: validação por meio da análie não linear Simplified method for

Leia mais

ESTIMAÇÃO DO PRÊMIO DE OPÇÕES ASIÁTICAS POR MONTE CARLO E QUASI-MONTE CARLO

ESTIMAÇÃO DO PRÊMIO DE OPÇÕES ASIÁTICAS POR MONTE CARLO E QUASI-MONTE CARLO FAÇAS ESTMAÇÃO DO PRÊMO DE OPÇÕES ASÁTCAS POR MOTE CARLO E QUAS-MOTE CARLO ESTMATO OF ASA OPTOS PREMUM BY MOTE CARLO AD QUAS-MOTE CARLO FAÇAS Rafael greja da Silva Pontifícia Univeridade Católica do Rio

Leia mais

Física 1 Capítulo 7 Dinâmica do Movimento de Rotação Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori.

Física 1 Capítulo 7 Dinâmica do Movimento de Rotação Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori. Fíica Capítulo 7 Dinâmica do Movimento de Rotação Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori. Introdução: Ao uarmo uma chave de roda para retirar o parafuo para trocar o pneu de um automóvel, a roda inteira pode

Leia mais

Cap. 3 Máquinas de Indução Polifásicas 1. Máquinas de Indução Polifásicas

Cap. 3 Máquinas de Indução Polifásicas 1. Máquinas de Indução Polifásicas Cap. 3 Máquina de Indução Polifáica Máquina de Indução Polifáica Cap. 3 Máquina de Indução Polifáica Índice ÍNDICE... CAPÍTULO 3... MÁQUINAS DE INDUÇÃO POLIFÁSICAS... A. Decrição geral da máquina de indução

Leia mais

Observação: CURSOS MICROSOFT

Observação: CURSOS MICROSOFT Obervação: O material utilizado nete curo é de propriedade e ditribuição da emprea Microoft, podendo er utilizado por qualquer peoa no formato de ditribuição WEB e leitura em PDF conforme decrito na lei

Leia mais

A PRODUÇÃO DE SENTIDOS NOS CAMINHOS DO HIPERTEXTO THE PRODUCTION OF SENSE IN THE HYPERTEXT WAY

A PRODUÇÃO DE SENTIDOS NOS CAMINHOS DO HIPERTEXTO THE PRODUCTION OF SENSE IN THE HYPERTEXT WAY 27 A PRODUÇÃO DE SENTIDOS NOS CAMINHOS DO HIPERTEXTO THE PRODUCTION OF SENSE IN THE HYPERTEXT WAY 1 RESUMO: A tecnologia da informação e comunicação - TIC ampliam o epaço para comunicação e interação na

Leia mais

INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ESTUDANTES ERAMUS OUT

INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ESTUDANTES ERAMUS OUT INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ETUDANTE ERAMU OUT Dede já, agradecemo a ua participação neta nova etapa do Projecto de Tutoria a Etudante ERAMU verão OUT. Com ete inquérito, pretendemo dar a conhecer

Leia mais

Objectivo Geral: Familiarização com os conceitos de sinais, espectros e modulação.

Objectivo Geral: Familiarização com os conceitos de sinais, espectros e modulação. Deartamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicaçõe Metrado integrado em Engenharia Electrotécnica e de Comutadore Licenciatura em Engenharia Informática º Trabalho de Laboratório Gruo:

Leia mais

Considere as seguintes expressões que foram mostradas anteriormente:

Considere as seguintes expressões que foram mostradas anteriormente: Demontração de que a linha neutra paa pelo centro de gravidade Foi mencionado anteriormente que, no cao da flexão imple (em eforço normal), a linha neutra (linha com valore nulo de tenõe normai σ x ) paa

Leia mais

No campo da eletrcidade podemos sintetizar 03 elementos fundamentais passivos e são eles: resisores, capacitores e indutores.

No campo da eletrcidade podemos sintetizar 03 elementos fundamentais passivos e são eles: resisores, capacitores e indutores. SIMULAÇÃO MODELAGEM DE SISTEMAS POR LAPLACE Pro. Luí Calda Simulação de Proceo em Eng. de Materiai Diiciplina - MR070 A modelagem matemática de um itema é empre uma tarea muito complexa para o engenheiro

Leia mais

Vicente Leite (1), Henrique Teixeira (1), Rui Araújo (2), Diamantino Freitas (2) Resumo

Vicente Leite (1), Henrique Teixeira (1), Rui Araújo (2), Diamantino Freitas (2) Resumo Sitema Electrónico de Condicionamento e Proceamento, em Tempo Real, da Tenõe e Corrente do Motor de Indução Trifáico Alimentado por Converore de Frequência Vicente Leite (1), Henrique Teieira (1), Rui

Leia mais

ESTUDO DINÂMICO DA PRESSÃO EM VASOS SEPARADORES VERTICAIS GÁS-LÍQUIDO UTILIZADOS NO PROCESSAMENTO PRIMÁRIO DE PETRÓLEO

ESTUDO DINÂMICO DA PRESSÃO EM VASOS SEPARADORES VERTICAIS GÁS-LÍQUIDO UTILIZADOS NO PROCESSAMENTO PRIMÁRIO DE PETRÓLEO ESTUDO DINÂMICO DA PRESSÃO EM VASOS SEPARADORES VERTICAIS GÁS-LÍQUIDO UTILIZADOS NO PROCESSAMENTO PRIMÁRIO DE PETRÓLEO Thale Cainã do Santo Barbalho 1 ; Álvaro Daniel Tele Pinheiro 2 ; Izabelly Laria Luna

Leia mais

Problemas de Injeção Os 10 Mais

Problemas de Injeção Os 10 Mais DuPont Perfomance Polymer Problema de Injeção O 10 Mai 0800-17-17-15 http://platico.dupont.com.br Problema de Injeção O 10 mai Por R.Wilkinon, E. A. Poppe, Karl Leidig, Karl Schirmer - Conultore Técnico

Leia mais

arxiv:1301.4910v1 [cs.lo] 21 Jan 2013

arxiv:1301.4910v1 [cs.lo] 21 Jan 2013 MÁRIO SÉRGIO FERREIRA ALVIM JÚNIOR arxiv:1301.4910v1 [c.lo] 21 Jan 2013 ASPECTOS COMPUTACIONAIS DO CÁLCULO DAS ESTRUTURAS Belo Horizonte, Mina Gerai 04 de abril de 2008 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

Leia mais

Rentabilidade das Instituições Financeiras no Brasil: Mito ou Realidade? Autores JOSÉ ALVES DANTAS Centro Universitário Unieuro

Rentabilidade das Instituições Financeiras no Brasil: Mito ou Realidade? Autores JOSÉ ALVES DANTAS Centro Universitário Unieuro Rentabilidade da Intituiçõe Financeira no Brail: Mito ou Realidade? Autore JOSÉ ALVES DANTAS Centro Univeritário Unieuro PAULO ROBERTO BARBOSA LUSTOSA PMIRPGCC - UNB/UFPB/UFPE/UFRN Reumo A dicuão obre

Leia mais

Modelos de Regressão Linear Simples - Erro Puro e Falta de Ajuste

Modelos de Regressão Linear Simples - Erro Puro e Falta de Ajuste Modelos de Regressão Linear Simples - Erro Puro e Falta de Ajuste Erica Castilho Rodrigues 2 de Setembro de 2014 Erro Puro 3 Existem dois motivos pelos quais os pontos observados podem não cair na reta

Leia mais

2 Introdução à Fluorescência

2 Introdução à Fluorescência 2 Introdução à luorecência 2. O fenômeno da fluorecência Luminecência é a emião de luz por alguma ubtância, ocorrendo a partir de etado eletrônico excitado. Para ecrever ee capítulo conultamo principalmente

Leia mais

CATÁLOGO DE CURSOS SELECIONADOS

CATÁLOGO DE CURSOS SELECIONADOS CATÁLOGO DE CURSOS SELECIONADOS Laureate Network Product & Service Copyright 2013 Laureate Education, Inc. ÍNDICE C A T Á L O G O L N P S ÍCONE Nome do Curo Língua Duração Deenvolvimento do Corpo Acadêmico

Leia mais

Artigos. Comunicação organizacional e relações públicas: caminhos que se cruzam, entrecruzam ou sobrepõem?

Artigos. Comunicação organizacional e relações públicas: caminhos que se cruzam, entrecruzam ou sobrepõem? E t u d o17 Artigo Comunicação organizacional e relaçõe pública: caminho que e cruzam, entrecruzam ou obrepõem? IVONE DE LOUDES OLIVEIRA Metre em Ciência da Comunicação pela ECA-USP e doutora em Comunicação

Leia mais

6.2.1 Prescrições gerais

6.2.1 Prescrições gerais CAPÍTULO 6.2 PRESCRIÇÕES RELATIVAS AO FABRICO E AOS ENSAIOS SOBRE OS RECIPIENTES SOB PRESSÃO, AEROSSÓIS, RECIPIENTES DE BAIXA CAPACIDADE CONTENDO GÁS (CARTUCHOS DE GÁS) E CARTUCHOS DE PILHAS DE COMBUSTÍVEL

Leia mais

= T B. = T Bloco A: F = m. = P Btang. s P A. 3. b. P x. Bloco B: = 2T s T = P B 2 s. s T = m 10 B 2. De (I) e (II): 6,8 m A. s m B

= T B. = T Bloco A: F = m. = P Btang. s P A. 3. b. P x. Bloco B: = 2T s T = P B 2 s. s T = m 10 B 2. De (I) e (II): 6,8 m A. s m B eolução Fíica FM.9 1. e Com bae na tabela, obervamo que o atleta etá com 5 kg acima do peo ideal. No gráfico, temo, para a meia maratona: 1 kg,7 min 5 kg x x,5 min. Na configuração apreentada, a força

Leia mais