A transformada de Laplace pode ser usada para resolver equações diferencias lineares com coeficientes constantes, ou seja, equações da forma

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A transformada de Laplace pode ser usada para resolver equações diferencias lineares com coeficientes constantes, ou seja, equações da forma"

Transcrição

1 Introdução A tranformada de Laplace pode er uada para reolver equaçõe diferencia lineare com coeficiente contante, ou eja, equaçõe da forma ay + by + cy = ft), para a, b, c R Para io, a equação diferencial é inicialmente tranformada pela tranformada de Laplace numa equação algébrica. Depoi reolve-e a equação algébrica e finalmente tranforma-e de volta a olução da equação algébrica na olução da equação diferencial inicial. A tranformada de Laplace de uma função f : [, ) R é definida por Lf)) = F ) = e t ft)dt. para todo em que a integral acima converge. Repreentaremo a função original por uma letra minúcula e a ua variável por t, e a ua tranformada de Laplace pela letra correpondente maiúcula e a ua variável. Por exemplo, a tranformada de Laplace da funçõe ft), gt) e ht) erão repreentada por F ), G) e H), repectivamente. Exemplo. A tranformada de Laplace da função f : [, ) R definida por ft) = é dada por F ) = e t dt = e t e T = lim T e = e =, para >. Exemplo. Seja a uma contante real. A tranformada de Laplace da função f : [, ) R definida por ft) = e at é dada por F ) = e t e at dt = e a)t dt = e a)t a = e a) a =, para > a. a

2 Exemplo 3. Seja a uma contante real. Vamo determinar a tranformada de Laplace da funçõe f : [, ) R dada por ft) = co at e g : [, ) R dada por gt) = en at. Para io, vamo calcular a tranformada de Laplace da função h : [, ) R definida por ht) = e iat. H) = e t e iat dt = e ia)t dt = e ia)t ia) = lim T e T co at + i en at ) e ia) ia) = e ia) ia =, para >. ia Calculamo a acima a tranformada de Laplace de H) = Lh)) = ht) = e iat = co at + i en at = ft) + igt) e t co at + i en at) dt = Lf)) + ilg)) = F ) + ig) Comparando a parte real imaginária) do lado direito com a parte real imaginária) do lado equerdo da igualdade obtemo F ) = Re{ ia } = Re{ + ia ia) + ia) } = + a, para > G) = Im{ ia } = Im{ + ia ia) + ia) } = a, + a para >. Exemplo 4. Seja n um inteiro poitivo. Vamo calcular a tranformada de Laplace da função f : [, ) R dada por f n t) = t n, para n =,,,... F n ) = e t t n dt = tn e t n e t t n dt = n e t t n dt = n F n ) Aplicando-e recurivamente a fórmula obtida obtemo F n ) = nn ) F n ) = nn )... F n )

3 ma F ) = é a tranformada de Laplace da função contante, ou eja, F ) =. a tranformada de Laplace de f n t) = t n, para n =,,,... é F n ) = n!, para >. n+ Para calcular a tranformada de Laplace de outra funçõe vamo uar a propriedade que apreentamo a eguir. Teorema Linearidade). Se a tranformada de Laplace de ft) é F ), para > a, e a tranformada de Laplace de gt) é G), para > a, então para contante α e β Lαf + βg)) = αlf)) + βlg)) = αf ) + βg), para > max{a, a }. Teorema ọ Teorema de Delocamento). Seja a uma contante. Se a tranformada de Laplace da função f : [, ) R é F ), para > c, então a tranformada de Laplace da função gt) = e at ft) é G) = F a), para > a + c Exemplo 5. Sejam a e b contante. Uando o Teorema anterior obtemo que a tranformada de Laplace de f : [, ) R dada por ft) = e bt co at é dada por F ) = b, para > a. b) + a

4 Exemplo 6. Sejam a e b contante. Uando o Teorema anterior obtemo que a tranformada de Laplace de f : [, ) R dada por ft) = e bt en at é dada por F ) = a, para > a. b) + a Exemplo 7. Seja a um contante e n um inteiro poitivo. Uando o Teorema anterior obtemo que a tranformada de Laplace de f : [, ) R dada por ft) = e at t n é dada por F ) = n!, para > a. a) n+ Exemplo 8. Seja a uma contante. Pelo Teorema anterior a tranformada de Laplace do coeno hiperbólico de at, ft) = coh at = eat + e at, é dada por F ) = a + + a = a, para > a. Exemplo 9. Seja a uma contante. Pelo Teorema anterior a tranformada de Laplace do eno hiperbólico de at, ft) = enh at = eat e at, é dada por F ) = a + a = a a, para > a. Exemplo. Se a tranformada de Laplace de uma função ft) é F ) = então vamo determinar a função ft). Para io vamo decompor F ) em fraçõe parciai. O denominador de F ) tem dua raíze reai = e =. F ) = + 3 ) ) = A + B, em que A e B ão contante a determinar. Multiplicando F ) por ) ) obtemo + 3 = A ) + B ) = A + B) + A B)

5 Comparando o termo de memo grau obtemo = A + B e 3 = A B de onde obtemo que A = 4 e B = F ) = ) ) = e a função cuja tranformada é F ) é ft) = 4e t + 5e t. Exemplo. Se a tranformada de Laplace de uma função ft) é 3 F ) = então vamo determinar a função ft). O denominador de F ) tem omente uma raiz real, =. Podemo reecrever F ) da eguinte forma F ) = 3 + ) = ) = + + ) ) = ). Obervando a Tabela na página, uando o ọ Teorema do delocamento e o Teorema da Linearidade vemo que a função cuja tranformada de Laplace é F ) é dada por ft) = e t 5e t t. Exemplo. Se a tranformada de Laplace de uma função ft) é F ) = + + então vamo determinar a função ft). Completando quadrado podemo reecrever F ) da eguinte forma F ) = + + = [ + + ] = [ + /) + 3/4] = + / 5/ [ + /) + 3/4] = + / [ + /) + 3/4] 5/ [ + /) + 3/4] = + / + /) + 3/ /) + 3/4 = + / + /) + 3/4 5 3/ 3 + /) + 3/4

6 Obervando a Tabela na página, uando o ọ Teorema do delocamento e o Teorema da Linearidade vemo que a função cuja tranformada de Laplace é F ) é dada por ) ) ft) = 3 e t/ co t e t/ en t.

7 Solução de Problema de Valor Inicial Dizemo que uma função f : [, ) R é eccionalmente contínua ou contínua por parte e ft) é contínua em [, ) exceto poivelmente em um número finito de ponto, no quai o limite laterai exitem. Teorema 3 Derivação). a) Suponha que f : [, ) R eja derivável com f t) eccionalmente contínua. Então Lf )) = F ) f), em que F ) é a tranformada de Laplace de ft). b) Suponha que f : [, ) R eja derivável dua veze com f t) eccionalmente contínua. Então Lf )) = F ) f) f ), em que F ) é a tranformada de Laplace de ft). Exemplo 3. Seja a uma contante. Seja ft) = t en at. Vamo determinar F ). f t) = en at + at co at f t) = a co at a t enat = a co at a ft) aplicando-e a tranformada de Laplace e uando o Teorema anterior obtemo F ) f) f ) = a + a a F ) F ) = a + a )

8 Exemplo 4. Seja a uma contante. Seja ft) = t co at. Deixamo como exercício motrar que F ) = a + a ) Exemplo 5. Vamo reolver o eguinte problema de valor inicial y + y + 5y = 4e t co t, y) =, y ) = Aplicando-e a tranformada de Laplace à equação acima obtemo Y ) y) y ) ) + + Y ) y)) + 5Y ) = 4 + ) + 4 Subtituindo-e o valore y) = e y ) = obtemo ) + Y ) = 4 + ) = ) + + 5) = Y ) = ) Como o denominador tem omente raíze complexa, para decompor Y ) em fraçõe parciai vamo encontrar A, B, C e D tai que ou eja Y ) = A + B C + D + + 5) = A + B) + + 5) + C + D) = A 3 + B + A) + B + 5A + C) + 5B + D)

9 Comparando-e o termo de memo grau obtemo o itema A = A + B = 4 5A + B + C = 3 5B + D = 4 que tem olução A =, B =, C = 4 e D = 4. Y ) = = De onde obtemo ) = ) [ + ) + 4] + + ) ) + + ) + 4 [ + ) + 4] yt) = e t co t + e t en t + te t en t

10 6 Tabela de Tranformada de Laplace Tranformada de Laplace Elementare ft) F ) = Lf)) ft) F ) = Lf)) co at, para > eat a, para > a + a, para > en at a + a, para > t n, para n Z + n! n+, para > eat ft) F a) f t) F ) f) f t) F ) f) f ) t co at a + a ), > t en at a + a ), > en at at co at a 3 + a ), > δt t ))) e t, > u a t) = {, t< a, t a e a, para > u at)ft a) e a F ) ft)δt t ))) e t ft ), > t ft τ)gτ)dτ F )G)

11 7 Exercício. Reolva o problema de valor inicial: a) y + y y = t, y) =, y ) = b) y + 4y = t + 3e t, y) =, y ) = c) y y + y = te t + 4, y) =, y ) = d) y y 3y = 3te t, y) =, y ) = e) y + 4y = 3 en t, y) =, y ) = {, para t < π/ f) y +y=ft), y) =,y ) =, em que ft) =, para t π/, para t < π g) y +y +y = ft), y) =,y ) =, em que ft) =, para π t < π, para t π { en t, para t < π h) y + 4y = ft), y) =,y ) =, em que ft) =, para t π { en t, para t < π i) y + 4y = ft), y) =,y ) =, em que ft) =, para t π {, para t < j) y + 3y + y = ft), y) =,y ) =, em que ft) =, para t {, para t < k) y + 3y + y = ft), y) =,y ) =, em que ft) =, para t {, para t < 3π l) y + y = ft), y) =,y ) =, em que ft) =, para t 3π { en t, para t < π m) y +y + 5y = ft), y) = 4,y ) =, em que ft) =, para t π n) y + 4y = ft), y) =,y ) =, em que ft) = o) y + y = δt π) co t, y) =, y ) = p) y + 4y + 4y = ft), y) =, y ) = 3. Reolva o problema: y 6y + 8y = en t, y) = y ) =, para t < π, para π t < 3π, para t 3π

12 a) em uar tranformada de Laplace b) uando tranformada de Laplace

13 8 Repota do Exercício. a) Y ) y) y ) ) + Y ) y)) Y ) = Subtituindo-e o valore y) = e y ) = obtemo + ) Y ) = + Y ) = = + ) ) + + ) ) + + ) ) Y ) = A + B + C + + D + = A + ) + B + ) + C ) + D + ) = A + C + D) 3 + A + B C + D) + A + B) + B) Comparando-e o termo de memo grau obtemo o itema A + C + D = A + B C + D = A + B = B = que tem olução A = /, B =, C = / e D =. Y ) = / / + + yt) = t e t + e t

14 5 y 4 3 x.5.5 b) Y ) y) y ) ) + 4Y ) = Subtituindo-e o valore y) = e y ) = obtemo + 4 ) Y ) = Y ) = 3 + 4) + 3 ) + 4) ) = A + B + C + D + E = A + 4) + B + 4) + C + 4) + D + E) 3 = A + D) 4 + B + E) 3 + 4A + C) + 4B + 4C Comparando-e o termo de memo grau obtemo o itema A + D = B + E = 4A + C = 4B = 4C =

15 que tem olução A = /8, B =, C = /, D = /8 e E = ) = / ) + 4) = A + B + C = A + 4) + B + C) ) = A + B) + B + C) + 4A C) A + B = B + C = 4A C = 3 que tem olução A = 3/5, B = 3/5 e C = 3/5. 3 ) + 4) = 3/ = 3/ Y ) = / / yt) = t 9 4 co t et + 7 en t 6 y x c) Y ) y) y ) ) Y ) y)) + Y ) = ) + 4

16 Subtituindo-e o valore y) = e y ) = obtemo + ) Y ) = ) Y ) = = ) ) + ) ) ) + 4 ) = A + Multiplicando-e por ) obtemo B + C ) 4 = A + ) + B ) + C Comparando-e o termo de memo grau obtemo o itema A + B = A B + C = A = 4 que tem olução A = 4, B = 4 e C = 4. Y ) = ) ) + = 6 6 ) ) yt) = 6 t3 e t + 4 3e t + 4te t

17 8 y x d) Y ) y) y ) ) Y ) y)) 3Y ) = 3 ) Subtituindo-e o valore y) = e y ) = obtemo 3 ) Y ) = 3 ) + Y ) = 3 3) ) + 3 = 3 3) + ) ) + 3) + ) = 3 + ) 3 3) + ) ) = Y ) = ) + ) ) A 3 + B + + C + D ) Multiplicando-e Y ) por 3) + ) ) obtemo = A + ) 4 + 4) + B 3) 4 + 4) + C 3) ) + D 3)

18 Comparando-e o termo de memo grau obtemo o itema A + B + C = 3A 7B 4C + D = 6 6B + C D = 4A B + 6C 3D = 5 Reolvendo-e o itema por ecalonamento obtemo a olução A =, B = /3, C = /3 e D =. Y ) = 3 + /3 + /3 ) yt) = e 3t + 3 e t 3 et te t 9 y x e) Y ) y) y ) ) + 4Y ) = Subtituindo-e o valore y) = e y ) = obtemo Y ) = + 4 ) Y ) = ) + + 4

19 = ) = ) yt) = 3 8 en t t co t) + co t en t = co t 8 en t 3 t co t 4 y x f) Y ) y) y ) ) + Y ) = e π/ Subtituindo-e o valore y) = e y ) = obtemo + ) Y ) = e π/ + em que Y ) = = + ) + e π/ + ) H) e π/ H), H) = + )

20 yt) = en t + ht) ht π/)u π/ t). H) = A + B + C +. Multiplicando-e H) por + + ) obtemo = A + ) + B + C) = A + B) + C + A A + B = C = A = que tem olução A =, B = e C =. H) = + De onde obtemo que a função cuja tranformada de Laplace é H) é ht) = co t e a olução do problema de valor inicial é dado por yt) = en t + ht) ht π/)u π/ t) = co t + en t u π/ t) en t)..5 y x g) Y ) y) y ) ) + Y ) y)) + Y ) = e π e π

21 Subtituindo-e o valore y) = e y ) = obtemo + + ) Y ) = e π e π + em que Y ) = e π e π + + ) + = e π e π )H) + H) = + + ) ) +, yt) = ht π)u π t) ht π)u π t) + e t en t. H) = A + B + C + +. Multiplicando-e H) por + + ) obtemo = A + + ) + B + C) = A + B) + A + C) + A A + B = A + C = A = que tem olução A =, B = e C =. H) = = + + ) + = + + ) + + ) + De onde obtemo que a função cuja tranformada de Laplace é H) é ht) = e t co t e t en t e a olução do problema de valor inicial é dado por yt) = ht π)u π t) ht π)u π t) + e t en t.

22 . y x h) Y ) y) y ) ) + 4Y ) = + e π + Subtituindo-e o valore y) = e y ) = obtemo + 4 ) Y ) = + e π + Y ) = + ) + 4) e π + ) + 4) = H) e π H) em que H) = + ) + 4) Multiplicando-e por + ) + 4): yt) = ht) u π t)ht π) H) = A + B + + C + D + 4 = A + B) + 4) + C + D) + ) = A + C) 3 + B + D) + 4A + C) + 4B + D)

23 Comparando-e o termo de memo grau obtemo o itema A + C = B + D = 4A + C = 4B + D = Reolvendo-e o itema obtemo a olução A =, B = /3, C = e D = /3. H) = /3 + + /3 + 4 ht) = 3 en t en t 6 yt) = ht) u π t)ht π) = 3 en t 6 en t u πt) 3 en t en t) 6.5 y x i) Y ) y) y ) ) + 4Y ) = + + e π + Subtituindo-e o valore y) = e y ) = obtemo + 4 ) Y ) = + + e π + Y ) = + ) + 4) + e π + ) + 4) = H) + e π H)

24 em que H) = + ) + 4) yt) = ht) + u π t)ht π) Do exercício anterior temo que H) = /3 + + /3 + 4 ht) = 3 en t en t 6 e portanto yt) = ht) + u π t)ht π) = 3 en t 6 en t u πt) 3 en t + en t) 6.5 y x j) Y ) y) y ) ) + 3 Y ) y)) + Y ) = e Subtituindo-e o valore y) = e y ) = obtemo ) Y ) = e Y ) = ) e ) = H) e H)

25 em que H) = H) = ) yt) = ht) u t)ht ) ) = + ) + ) = A + Multiplicando H) por ) obtemo B + + C + = A ) +B+)+C+) = A+B+C) +3A+B+C)+A A + B + C = 3A + B + C = A = que tem olução A = /, B = e C = /. H) = ht) = e t + e t yt) = ht) u t)ht ) y x. 5 5 k) Y ) y) y ) ) + 3 Y ) y)) + Y ) = e

26 Subtituindo-e o valore y) = e y ) = obtemo ) Y ) = e + Y ) = e ) = Y ) + e H) em que H) = ) e Y ) = Y ) = yt) = y t) u t)ht ) = Y ) = Multiplicando Y ) por : + ) + ) = A + + = A + ) + B + ) = A + B) + A + B) { A + B = A + B = que tem olução A = e B =. Do exercício anterior Y ) = + + y t) = e t e t. H) = B + ht) = e t + e t yt) = y t) + u t)ht ) = e t e t + u t)ht )

27 y x l) Y ) y) y ) ) + Y ) = e 3π Subtituindo-e o valore y) = e y ) = obtemo em que + ) Y ) = e 3π + e 3π Y ) = + ) + + = e 3π H) + +, H) = + ) yt) = en t + ht 3π)u 3π t). H) = A + B + C +. Multiplicando-e H) por + + ) obtemo = A + ) + B + C) = A + B) + C + A A + B = C = A =

28 que tem olução A =, B = e C =. H) = + De onde obtemo que a função cuja tranformada de Laplace é H) é ht) = co t yt) = en t + ht 3π)u 3π t) = en t + u 3π t)[ cot 3π)].5 y.5.5 x m) Y ) y) y ) ) + Y ) y)) Y ) = + + e π + Subtituindo-e o valore y) = e y ) = obtemo ) Y ) = e π + Y ) = + ) ) + e π ) ) = H) + e π H) em que H) = + ) )

29 yt) = ht) + u π t)ht π) H) = + ) ) = A + B + + C + D Multiplicando-e H) por + ) ) : = A + B) ) + C + D) + ) = A + C) 3 + A + B + D) A + B + C) B + D) A + C = A + B + D = 5 4 A + B + C = 5 4 B + D = Reolvendo-e o itema por ecalonamento obtemo a olução A = 6/7, B = 4/7, C = 6/7 e D = /7. H) = ) = ) /) + = ) /4 + /) + = ) / + /) /) + ht) = co t + en t + 4e t/ co t + e t/ en t ) yt) = ht) + u π t)ht π)

30 y.5.5 x n) Y ) y) y ) ) + 4Y ) = e π e 3π Subtituindo-e o valore y) = e y ) = obtemo + 4 ) Y ) = e π e 3π Y ) = e π e π + 4) = e π e 3π )H), em que H) = + 4) yt) = u π t)ht π) u 3π t)ht 3π). H) = + 4) = A + B + C + 4. Multiplicando-e H) por + 4) obtemo = A + 4) + B + C) = A + B) + C + 4A A + B = C = 4A =

31 que tem olução A = /, B = / e C =. H) = + 4 De onde obtemo que a função cuja tranformada de Laplace é H) é ht) = 4 co t 4 yt) = u π t)ht π) u 3π ht 3π) y x o) Y ) y) y ) ) + Y ) = e π coπ) Subtituindo-e o valore y) = e y ) = obtemo + ) Y ) = e π + Y ) = e π e a olução do problema de valor inicial é dado por yt) = u π t) ent π) + en t = u π t) + )en t.

32 p) Y ) y) y ) ) + 4 Y ) y)) + 4Y ) = G) Subtituindo-e o valore y) = e y ) = 3 obtemo ) Y ) = G) Y ) = = G) G) + ) ) Multiplicando-e por + ) obtemo ) = A + + B + ) 5 + = A + ) + B = A + A + B) Comparando-e o termo de memo grau obtemo o itema { A = A + B = 5 que tem olução A = e B =. Y ) = G) + ) ) yt) = e t t g)t) + e t + e t t = t e t τ) t τ)gτ)dτ + e t + e t t. a) A equação caracterítica é r 6r + 8 =, que tem raíze r = e r = 4. A equação homogênea correpondente tem olução geral yt) = c e t + c e 4t.

33 Uma olução particular da equação não homogênea é da forma y p t) = A co t+ B in t. Subtituindo-e y p t), y pt) e y pt) na equação: 7A 6B) co t + 6A + 7B) in t = in t De onde obtemo A = 6/85 e B = 7/85. homogênea é yt) = 6 85 co t in t + c e t + c e 4t A olução geral da equação não y ) = = c + 4c c = / e c = /34. y) = = c + c yt) = 6 85 co t in t et + 34 e4t b) Y ) y) y ) ) 6 Y ) y)) + 8Y ) = + Subtituindo-e o valore y) = e y ) = obtemo ) Y ) = + Y ) = 6 + 8) + ) 6 + 8) + ) = A + B 4 + C + D + Multiplicando-e por 6 + 8) + ) obtemo = A 4) + ) + B ) + ) + C + D) 6 + 8) = A + B + C) 3 + 4A B 6C + D) + +A + B + 8C 6D) + 4A B + 8D)

34 Comparando-e o termo de memo grau obtemo o itema A + B + C = 4A B 6C + D = A + B + 8C 6D = 4A B + 8D = que tem olução A = /, B = /34, C = 6/85 e D = 7/85. Y ) = yt) = et + 34 e4t co t in t

35 Referência [] William E. Boyce and Richard C. DiPrima. Equaçõe Diferenciai Elementare e Problema de Valore de Contorno. Livro Técnico e Científico Editora S.A., Rio de Janeiro, 7a. edition,. [] Erwin Kreizig. Matemática Superior. Livro Técnico e Científico Editora S.A., Rio de Janeiro, a. edition, 985. [3] Denni G. Zill and Michael R. Cullen. Equaçõe Diferenciai. Makron Book, São Paulo, 3a. edition,.

Equações Diferenciais (GMA00112) Resolução de Equações Diferenciais por Séries e Transformada de Laplace

Equações Diferenciais (GMA00112) Resolução de Equações Diferenciais por Séries e Transformada de Laplace Equaçõe Diferenciai GMA Reolução de Equaçõe Diferenciai por Série e Tranformada de Laplace Roberto Tocano Couto tocano@im.uff.br Departamento de Matemática Aplicada Univeridade Federal Fluminene Niterói,

Leia mais

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos CAPÍTULO 10 Modelagem e repota de itema dicreto 10.1 Introdução O itema dicreto podem er repreentado, do memo modo que o itema contínuo, no domínio do tempo atravé de uma tranformação, nete cao a tranformada

Leia mais

Resolução de Equações Diferenciais Ordinárias por Série de Potências e Transformada de Laplace

Resolução de Equações Diferenciais Ordinárias por Série de Potências e Transformada de Laplace Reolução de Equaçõe Diferenciai Ordinária por Série de Potência e Tranformada de Laplace Roberto Tocano Couto rtocano@id.uff.br Departamento de Matemática Aplicada Univeridade Federal Fluminene Niterói,

Leia mais

Transformada de Laplace

Transformada de Laplace Capítulo 8 Transformada de Laplace A transformada de Laplace permitirá que obtenhamos a solução de uma equação diferencial ordinária de coeficientes constantes através da resolução de uma equação algébrica.

Leia mais

Quantas equações existem?

Quantas equações existem? www2.jatai.ufg.br/oj/index.php/matematica Quanta equaçõe exitem? Rogério Céar do Santo Profeor da UnB - FUP profeorrogeriocear@gmail.com Reumo O trabalho conite em denir a altura de uma equação polinomial

Leia mais

5 Transformadas de Laplace

5 Transformadas de Laplace 5 Transformadas de Laplace 5.1 Introdução às Transformadas de Laplace 4 5.2 Transformadas de Laplace definição 5 5.2 Transformadas de Laplace de sinais conhecidos 6 Sinal exponencial 6 Exemplo 5.1 7 Sinal

Leia mais

Apostila de SINAIS E SISTEMAS

Apostila de SINAIS E SISTEMAS Apotila de SINAIS E SISTEMAS Álvaro Luiz Stelle (PhD) DAELN CPGEI CEFET PR Março de 5 I PREFÁCIO Eta apotila tem como objetivo dar ao leitor um embaamento teórico da Tranformada de Laplace, de Fourier

Leia mais

Exercícios Resolvidos de Biofísica

Exercícios Resolvidos de Biofísica Exercício Reolvido de Biofíica Faculdade de Medicina da Univeridade de oimbra Exercício Reolvido de Biofíica Metrado ntegrado em Medicina MEMBRNS HOMOGÉNES Exercício 1. Numa experiência com uma membrana

Leia mais

Análise Matemática IV

Análise Matemática IV Análie Maemáica IV Problema para a Aula Práica Semana. Calcule a ranformada de Laplace e a regiõe de convergência da funçõe definida em 0 pela expreõe eguine: a f = cha b f = ena Reolução: a Aendendo a

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Itrodução Aálie o domíio do tempo Repota ao degrau Repota à rampa Repota à parábola Aálie o domíio da freqüêcia Diagrama de Bode Diagrama de Nyquit Diagrama de Nichol Eta aula EM

Leia mais

TENSÕES E CORRENTES TRANSITÓRIAS E TRANSFORMADA LAPLACE

TENSÕES E CORRENTES TRANSITÓRIAS E TRANSFORMADA LAPLACE TNSÕS CONTS TANSTÓAS TANSFOMADA D APAC PNCPAS SNAS NÃO SNODAS Degrau de ampliude - É um inal que vale vol para < e vale vol, conane, para >. Ver fig. -a. v (a) (b) v Fig. A fig. -b mora um exemplo da geração

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS RESOLUÇÃO DE CIRCUITOS TRANSITÓRIOS NO DOMÍNIO DA FREQÜÊNCIA

CIRCUITOS ELÉTRICOS RESOLUÇÃO DE CIRCUITOS TRANSITÓRIOS NO DOMÍNIO DA FREQÜÊNCIA 1 CIRCUITOS ELÉTRICOS RESOLUÇÃO DE CIRCUITOS TRANSITÓRIOS NO DOMÍNIO DA FREQÜÊNCIA Simulação de chaves utilizando a função degrau a) Fonte de tensão que entra em operação em t = 0 Substituindo a chave

Leia mais

Resistência dos Materiais SUMÁRIO 1. TENSÕES DE CISALHAMENTO... 1 1.1 DIMENSIONAMENTO... 2 1.2 EXEMPLOS... 2

Resistência dos Materiais SUMÁRIO 1. TENSÕES DE CISALHAMENTO... 1 1.1 DIMENSIONAMENTO... 2 1.2 EXEMPLOS... 2 Reitência do Materiai SUMÁRIO 1. TESÕES DE CISLHMETO... 1 1.1 DIMESIOMETO... 1. EXEMPLOS... Cialhamento 0 Prof. Joé Carlo Morilla Reitência do Materiai 1. Tenõe de Cialhamento Quando dua força cortante

Leia mais

TRANSFORMADA DE LAPLACE. Revisão de alguns: Conceitos Definições Propriedades Aplicações

TRANSFORMADA DE LAPLACE. Revisão de alguns: Conceitos Definições Propriedades Aplicações TRANSFORMADA DE LAPLACE Revião de algun: Conceito Deiniçõe Propriedade Aplicaçõe Introdução A Tranormada de Laplace é um método de tranormar equaçõe dierenciai em equaçõe algébrica mai acilmente olucionávei

Leia mais

PUCRS FAMAT Exemplos de Equações Diferenciais Parciais- Prof. Eliete

PUCRS FAMAT Exemplos de Equações Diferenciais Parciais- Prof. Eliete PUCRS FAMAT Exemplos de Equações Diferenciais Parciais- Prof. Eliete Equação diferencial parcial (EDP) é a uma equação que envolve duas ou mais variáveis independentes ( x, y,z,t, K ) e derivadas parciais

Leia mais

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia ENG 1403 Circuitos Elétricos e Eletrônicos Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia Guilherme P. Temporão 1. Introdução Nas últimas duas aulas, vimos como circuitos com

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Métodos Matemáticos Aplicados / Cálculo Avançado / Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Métodos Matemáticos Aplicados / Cálculo Avançado / Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire Univridad Salvador UNIFACS Curo d Engnharia Método Matmático Alicado / Cálculo Avançado / Cálculo IV Profa: Ilka Rbouça Frir A Tranformada d Lalac Txto 3: Dlocamnto obr o ixo t. A Função Dgrau Unitário.

Leia mais

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL.1 Funções Vetoriais de Uma Variável Real Vamos agora tratar de um caso particular de funções vetoriais F : Dom(f R n R m, que são as funções vetoriais de uma

Leia mais

Universidade Presbiteriana Mackenzie. Automação e Controle I

Universidade Presbiteriana Mackenzie. Automação e Controle I Univeridade Prebiteriana Mackenzie Curo de Engenharia Elétrica Automação e Controle I Nota de Aula Prof. Marcio Eiencraft Segundo emetre de 006 Univeridade Prebiteriana Mackenzie Curo de Engenharia Elétrica

Leia mais

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013 Álgebra Linear Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru 19 de fevereiro de 2013 Sumário 1 Matrizes e Determinantes 3 1.1 Matrizes............................................ 3 1.2 Determinante

Leia mais

Transformadas de Laplace

Transformadas de Laplace Transformadas de Laplace Notas de aulas - material compilado no dia 6 de Maio de 23 Computação, Engenharia Elétrica e Engenharia Civil Prof. Ulysses Sodré ii Copyright c 22 Ulysses Sodré. Todos os direitos

Leia mais

= T B. = T Bloco A: F = m. = P Btang. s P A. 3. b. P x. Bloco B: = 2T s T = P B 2 s. s T = m 10 B 2. De (I) e (II): 6,8 m A. s m B

= T B. = T Bloco A: F = m. = P Btang. s P A. 3. b. P x. Bloco B: = 2T s T = P B 2 s. s T = m 10 B 2. De (I) e (II): 6,8 m A. s m B eolução Fíica FM.9 1. e Com bae na tabela, obervamo que o atleta etá com 5 kg acima do peo ideal. No gráfico, temo, para a meia maratona: 1 kg,7 min 5 kg x x,5 min. Na configuração apreentada, a força

Leia mais

Análise de Circuitos Elétricos III

Análise de Circuitos Elétricos III Análise de Circuitos Elétricos III Prof. Danilo Melges (danilomelges@cpdee.ufmg.br) Depto. de Engenharia Elétrica Universidade Federal de Minas Gerais Introdução à Transformada de Laplace A Transformada

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL- ESTREMOZ MATEMÁTICA A 12ºANO ANO LETIVO 2015/2016 OBJECTIVOS ESPECÍFICOS

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL- ESTREMOZ MATEMÁTICA A 12ºANO ANO LETIVO 2015/2016 OBJECTIVOS ESPECÍFICOS PROBABILIDADES E COMBINATÓRIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL- ESTREMOZ MATEMÁTICA A 12ºANO ANO LETIVO 2015/2016 Introdução ao cálculo Conhecer terminologia das probabilidades de Probabilidades

Leia mais

MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA

MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA PAULO, João Pedro Antunes de Universidade Estadual de Goiás UnU de Iporá jpadepaula@hotmail.com RESUMO Esta pesquisa foi feita

Leia mais

Definição. A expressão M(x,y) dx + N(x,y)dy é chamada de diferencial exata se existe uma função f(x,y) tal que f x (x,y)=m(x,y) e f y (x,y)=n(x,y).

Definição. A expressão M(x,y) dx + N(x,y)dy é chamada de diferencial exata se existe uma função f(x,y) tal que f x (x,y)=m(x,y) e f y (x,y)=n(x,y). PUCRS FACULDADE DE ATEÁTICA EQUAÇÕES DIFERENCIAIS PROF. LUIZ EDUARDO OURIQUE EQUAÇÔES EXATAS E FATOR INTEGRANTE Definição. A diferencial de uma função de duas variáveis f(x,) é definida por df = f x (x,)dx

Leia mais

36 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase

36 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase 36 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase Problema 1 Turbo, o caracol, está participando de uma corrida Nos últimos 1000 mm, Turbo, que está a 1 mm por hora, se motiva e

Leia mais

11/07/2012. Professor Leonardo Gonsioroski FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA.

11/07/2012. Professor Leonardo Gonsioroski FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Aulas anteriores Tipos de Sinais (degrau, rampa, exponencial, contínuos, discretos) Transformadas de Fourier e suas

Leia mais

RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS DE ORDEM 2 HOMOGÊNEAS, COM COEFICIENTES CONSTANTES

RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS DE ORDEM 2 HOMOGÊNEAS, COM COEFICIENTES CONSTANTES Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Matemática Equações Diferenciais RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS DE ORDEM HOMOGÊNEAS, COM COEFICIENTES CONSTANTES FORMA

Leia mais

Matemática para Engenharia

Matemática para Engenharia Matemática para Engenharia Profa. Grace S. Deaecto Faculdade de Engenharia Mecânica / UNICAMP 13083-860, Campinas, SP, Brasil. grace@fem.unicamp.br Segundo Semestre de 2013 Profa. Grace S. Deaecto ES401

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS TRANSFORMADAS DE LAPLACE

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS TRANSFORMADAS DE LAPLACE INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS TRANSFORMADAS DE LAPLACE Preliminares No estudo de sistemas de controle, e comum usar-se diagramas de blocos, como o da figura 1. Diagramas de blocos podem ser utilizados

Leia mais

Seja D R. Uma função vetorial r(t) com domínio D é uma correspondência que associa a cada número t em D exatamente um vetor r(t) em R 3

Seja D R. Uma função vetorial r(t) com domínio D é uma correspondência que associa a cada número t em D exatamente um vetor r(t) em R 3 1 Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire Cálculo Vetorial Texto 01: Funções Vetoriais Até agora nos cursos de Cálculo só tratamos de funções cujas imagens

Leia mais

Física Básica: Mecânica - H. Moysés Nussenzveig, 4.ed, 2003 Problemas do Capítulo 2

Física Básica: Mecânica - H. Moysés Nussenzveig, 4.ed, 2003 Problemas do Capítulo 2 Fíica Báica: Mecânica - H. Moyé Nuenzveig, 4.ed, 003 Problea do Capítulo por Abraha Moyé Cohen Departaento de Fíica - UFAM Manau, AM, Brail - 004 Problea Na célebre corrida entre a lebre e a tartaruga,

Leia mais

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas Resolução dos Eercícios sobre Derivadas Eercício Utilizando a idéia do eemplo anterior, encontre a reta tangente à curva nos pontos onde e Vamos determinar a reta tangente à curva nos pontos de abscissas

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET SP

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET SP Diciplina: Mecânica do Fluido Aplicada Lita de Exercício Reolvido Profeor: 1 de 11 Data: 13/0/08 Caruo 1. Um menino, na tentativa de melhor conhecer o fundo do mar, pretende chegar a uma profundidade de

Leia mais

Professora FLORENCE. Resolução:

Professora FLORENCE. Resolução: 1. (FEI-SP) Qual o valor, em newton, da reultante da força que agem obre uma maa de 10 kg, abendo-e que a mema poui aceleração de 5 m/? Reolução: F m. a F 10. 5 F 50N. Uma força contante F é aplicada num

Leia mais

1 s. Propriedades da transformada de Laplace A seguir apresentam-se algumas propriedades importantes da transformada de Laplace:

1 s. Propriedades da transformada de Laplace A seguir apresentam-se algumas propriedades importantes da transformada de Laplace: Secção 6 Tranformada de aplace (Farlow: Capítulo 5) Definição Tranformada de aplace A tranformada de aplace é, baicamente, um operador matemático que tranforma uma função numa outra Ea operação é definida

Leia mais

Uma e.d.o. de segunda ordem é da forma

Uma e.d.o. de segunda ordem é da forma Equações Diferenciais de Ordem Superior Uma e.d.o. de segunda ordem é da forma ou então d 2 y ( dt = f t, y, dy ) 2 dt y = f(t, y, y ). (1) Dizemos que a equação (1) é linear quando a função f for linear

Leia mais

Filtros Analógicos Ativos

Filtros Analógicos Ativos Filtro Analógico Ativo Topologia Sallen-Key FPB Prof. láudio A. Fleury onteúdo. Introdução. Filtro Paa-Baixa de a. Ordem 3. Mudança de Ecala 4. Filtro Paa-Alta de a. Ordem 5. Filtro Paa-Faixa e ejeita-faixa

Leia mais

Estrutura geral de um sistema com realimentação unitária negativa, com um compensador (G c (s) em série com a planta G p (s).

Estrutura geral de um sistema com realimentação unitária negativa, com um compensador (G c (s) em série com a planta G p (s). 2 CONTROLADORES PID Introdução Etrutura geral de um itema com realimentação unitária negativa, com um compenador (G c () em érie com a planta G p (). 2 Controladore PID 2. Acção proporcional (P) G c ()

Leia mais

Resumo. Sinais e Sistemas Transformada de Laplace. Resposta ao Sinal Exponencial. Transformada de Laplace

Resumo. Sinais e Sistemas Transformada de Laplace. Resposta ao Sinal Exponencial. Transformada de Laplace Resumo Sinais e Sistemas Transformada de aplace lco@ist.utl.pt Instituto Superior Técnico Definição da transformada de aplace. Região de convergência. Propriedades da transformada de aplace. Sistemas caracterizados

Leia mais

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação Confrontando Reultado Experimentai e de Simulação Jorge A. W. Gut Departamento de Engenharia Química Ecola Politécnica da Univeridade de São Paulo E mail: jorgewgut@up.br Um modelo de imulação é uma repreentação

Leia mais

4.10 Solução das Equações de Estado através da Transformada de Laplace Considere a equação de estado (4.92)

4.10 Solução das Equações de Estado através da Transformada de Laplace Considere a equação de estado (4.92) ADL22 4.10 Solução das Equações de Estado através da Transformada de Laplace Considere a equação de estado (4.92) A transformada de Laplace fornece: (4.93) (4.94) A fim de separar X(s), substitua sx(s)

Leia mais

Análise Complexa e Equações Diferenciais 2 o Semestre 2014/15 Cursos: LEGM, MEC. Michael Paluch

Análise Complexa e Equações Diferenciais 2 o Semestre 2014/15 Cursos: LEGM, MEC. Michael Paluch Análise Complexa e Equações Diferenciais 2 o Semestre 2014/15 Cursos: LEGM, MEC Michael Paluch Avaliação 1. Avaliação Contínua a) 1 Teste dia 11 de abril de 2015 duração 90 minutes (40% de nota final)

Leia mais

Capítulo 5: Transformações Lineares

Capítulo 5: Transformações Lineares 5 Livro: Introdução à Álgebra Linear Autores: Abramo Hefez Cecília de Souza Fernandez Capítulo 5: Transformações Lineares Sumário 1 O que são as Transformações Lineares?...... 124 2 Núcleo e Imagem....................

Leia mais

Aula 4 Modelagem de sistemas no domínio da frequência Prof. Marcio Kimpara

Aula 4 Modelagem de sistemas no domínio da frequência Prof. Marcio Kimpara FUDAMETOS DE COTROLE E AUTOMAÇÃO Aula 4 Modelagem de itema no domínio da requência Pro. Marcio impara Unieridade Federal de Mato Groo do Sul Sitema mecânico tranlação Elemento Força deloc. tempo Laplace

Leia mais

Capítulo 5: Análise através de volume de controle

Capítulo 5: Análise através de volume de controle Capítulo 5: Análie atravé de volume de controle Volume de controle Conervação de maa Introdução Exite um fluxo de maa da ubtância de trabalho em cada equipamento deta uina, ou eja, na bomba, caldeira,

Leia mais

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional. n=1

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional. n=1 Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA Números e Funções Reais Avaliação - GABARITO 3 de abril de 203. Determine se as afirmações a seguir são verdadeiras

Leia mais

Movimentos Periódicos: representação vetorial

Movimentos Periódicos: representação vetorial Aula 5 00 Movimentos Periódicos: representação vetorial A experiência mostra que uma das maneiras mais úteis de descrever o movimento harmônico simples é representando-o como uma projeção perpendicular

Leia mais

2. Imagine um mercado que apresenta as seguintes curvas de oferta e demanda: (Curva de Demanda)

2. Imagine um mercado que apresenta as seguintes curvas de oferta e demanda: (Curva de Demanda) Universidade de Brasília Departamento de Economia Disciplina: Economia Quantitativa I Professor: Carlos Alberto Período: 1/7 Segunda Prova Questões 1. Resolver a seguinte integral: 1 ln ( 1 + x.5 ) dx

Leia mais

Modelagem no Domínio da Frequência. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Modelagem no Domínio da Frequência. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Modelagem no Domínio da Frequência Carlos Alexandre Mello 1 Transformada de Laplace O que são Transformadas? Quais as mais comuns: Laplace Fourier Cosseno Wavelet... 2 Transformada de Laplace A transf.

Leia mais

AÇÕES DE CONTROLE. Ações de Controle Relação Controlador/Planta Controlador proporcional Efeito integral Efeito derivativo Controlador PID

AÇÕES DE CONTROLE. Ações de Controle Relação Controlador/Planta Controlador proporcional Efeito integral Efeito derivativo Controlador PID AÇÕES E CONTROLE Açõe de Controle Relação Controlador/Planta Controlador roorcional Efeito integral Efeito derivativo Controlador PI Controle de Sitema Mecânico - MC - UNICAMP Açõe comun de controle Ação

Leia mais

Modelagem no Domínio do Tempo. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Modelagem no Domínio do Tempo. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Carlos Alexandre Mello 1 Modelagem no Domínio da Frequência A equação diferencial de um sistema é convertida em função de transferência, gerando um modelo matemático de um sistema que algebricamente relaciona

Leia mais

por séries de potências

por séries de potências Seção 23: Resolução de equações diferenciais por séries de potências Até este ponto, quando resolvemos equações diferenciais ordinárias, nosso objetivo foi sempre encontrar as soluções expressas por meio

Leia mais

Transformada de Laplace. Parte 3

Transformada de Laplace. Parte 3 Transformada de Laplace Parte 3 Elementos de circuito no domínio da frequência O resistor no domínio da frequência Pela lei de OHM : v= Ri A transformada da equação acima é V(s) = R I(s) O indutor no domínio

Leia mais

Associação de Professores de Matemática PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO EXAME DE MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS (PROVA 835) 2013 2ªFASE

Associação de Professores de Matemática PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO EXAME DE MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS (PROVA 835) 2013 2ªFASE Aociação de Profeore de Matemática Contacto: Rua Dr. João Couto, n.º 7-A 1500-36 Liboa Tel.: +351 1 716 36 90 / 1 711 03 77 Fax: +351 1 716 64 4 http://www.apm.pt email: geral@apm.pt PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

Leia mais

Tensão Induzida por Fluxo Magnético Transformador

Tensão Induzida por Fluxo Magnético Transformador defi deartamento de fíica Laboratório de Fíica www.defi.ie.i.t Tenão Induzida or Fluxo Magnético Tranformador Intituto Suerior de Engenharia do Porto- Deartamento de Fíica Rua Dr. António Bernardino de

Leia mais

Capítulo I Tensões. Seja um corpo sob a ação de esforços externos em equilíbrio, como mostra a figura I-1:

Capítulo I Tensões. Seja um corpo sob a ação de esforços externos em equilíbrio, como mostra a figura I-1: apítuo I Seja um corpo ob a ação de eforço externo em equiíbrio, como motra a figura I-1: Figura I-3 Eforço que atuam na eção para equiibrar o corpo Tome-e, agora, uma pequena área que contém o ponto,

Leia mais

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%)

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%) Distribuição das 1.048 Questões do I T A 94 (8,97%) 104 (9,92%) 69 (6,58%) Equações Irracionais 09 (0,86%) Equações Exponenciais 23 (2, 101 (9,64%) Geo. Espacial Geo. Analítica Funções Conjuntos 31 (2,96%)

Leia mais

Modelos Variáveis de Estado

Modelos Variáveis de Estado Modelos Variáveis de Estado Introdução; Variáveis de Estados de Sistemas Dinâmicos; Equação Diferencial de Estado; Função de Transferência a partir das Equações de Estados; Resposta no Domínio do Tempo

Leia mais

Chapter 2. 2.1 Noções Preliminares

Chapter 2. 2.1 Noções Preliminares Chapter 2 Seqüências de Números Reais Na Análise os conceitos e resultados mais importantes se referem a limites, direto ou indiretamente. Daí, num primeiro momento, estudaremos os limites de seqüências

Leia mais

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada.

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada. Compenadore 0.1 Introdução Controle 1 - DAELN - UTFPR Prof. Paulo Roberto Brero de Campo O compenadore ão utilizado para alterar alguma caracterítica do itema em malha fechada. 1. Avanço de fae (lead):

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Terminologia e Definições Básicas No curso de cálculo você aprendeu que, dada uma função y f ( ), a derivada f '( ) d é também, ela mesma, uma função de e

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÀS Pro- Reitoria de Graduação PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÀS Pro- Reitoria de Graduação PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÀS Pro- Reitoria de Graduação PLANO DE ENSINO DISCIPLINA Equações Diferenciais CÓDIGO MAF-2010-C01 PROFESSOR CRISTIAN PATRICIO NOVOA BUSTOS CURSO Engenharia PERÍODO CRÉDITO

Leia mais

Equação do 1º Grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior

Equação do 1º Grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior Maurício Bezerra Bandeira Junior Introdução às equações de primeiro grau Para resolver um problema matemático, quase sempre devemos transformar uma sentença apresentada com palavras em uma sentença que

Leia mais

MAT1154 ANÁLISE QUALITATIVA DE PONTOS DE EQUILÍBRIO DE SISTEMAS NÃO-LINEARES

MAT1154 ANÁLISE QUALITATIVA DE PONTOS DE EQUILÍBRIO DE SISTEMAS NÃO-LINEARES MAT1154 ANÁLISE QUALITATIVA DE PONTOS DE EQUILÍBRIO DE SISTEMAS NÃO-LINEARES VERSÃO 1.0.2 Resumo. Este texto resume e complementa alguns assuntos dos Capítulo 9 do Boyce DiPrima. 1. Sistemas autônomos

Leia mais

Conteúdo. 3 Transformada de Laplace Aplicações em equações diferenciais de primeira ordem... 34

Conteúdo. 3 Transformada de Laplace Aplicações em equações diferenciais de primeira ordem... 34 Conteúdo 1 Introdução/Revisão a integral 3 1.1 Integral de funções primitivas......................... 3 1.1.1 Integral de uma constante:...................... 3 1.1.2 Integral de um função:.........................

Leia mais

Aula: Equações polinomiais

Aula: Equações polinomiais Aula: Equações polinomiais Turma 1 e 2 Data: 05/09/2012-12/09/2012 Tópicos Equações polinomiais. Teorema fundamental da álgebra. Raízes reais e complexas. Fatoração e multiplicação de raízes. Relações

Leia mais

Cap. 8 - Controlador P-I-D

Cap. 8 - Controlador P-I-D CONTROLADOR ID Metrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Comptadore (MEEC) Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Comptadore (DEEC) CONTROLO º emetre 7/8 Tranparência de apoio à ala teórica

Leia mais

MATEMÁTICA. Aula 1 Revisão. Prof. Anderson

MATEMÁTICA. Aula 1 Revisão. Prof. Anderson MATEMÁTICA Aula 1 Revisão Prof. Anderson Assuntos Equação do 1º grau com uma variável. Sistemas de equações do 1º grau com duas variáveis. Equação do º grau com uma variável. Equação do 1º grau com uma

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO À ANÁLISE MATEMÁTICA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO À ANÁLISE MATEMÁTICA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO À ANÁLISE MATEMÁTICA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Engenharia Informática 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina MAT147 Cálculo II

Programa Analítico de Disciplina MAT147 Cálculo II Programa Analítico de Disciplina Departamento de Matemática - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Aprovação processo: 00/4802 Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CEFET-SP ÁREA INDUSTRIAL Disciplina: Mecânica dos Fluidos Aplicada Exercícios Resolvidos 1 a lista.

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CEFET-SP ÁREA INDUSTRIAL Disciplina: Mecânica dos Fluidos Aplicada Exercícios Resolvidos 1 a lista. ÁREA INDUSTRIAL Diciplina: Mecânica do Fluido Aplicada Exercício Reolvido 1 a lita Profeor: 1 de 7 Data: /03/008 Caruo Em todo o problema, ão upoto conhecido: água =1000kgm 3 e g= 9,80665m 1. Motrar que

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE MATEMÁTICA 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE MATEMÁTICA 8.º ANO DE MATEMÁTICA 8.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No domínio dos Números e Operações, o aluno deve ser capaz de relacionar números racionais e dízimas, completar a reta numérica e ordenar números

Leia mais

Exp e Log. Roberto Imbuzeiro Oliveira. 21 de Fevereiro de 2014. 1 O que vamos ver 1. 2 Fatos preliminares sobre espaços métricos 2

Exp e Log. Roberto Imbuzeiro Oliveira. 21 de Fevereiro de 2014. 1 O que vamos ver 1. 2 Fatos preliminares sobre espaços métricos 2 Funções contínuas, equações diferenciais ordinárias, Exp e Log Roberto Imbuzeiro Oliveira 21 de Fevereiro de 214 Conteúdo 1 O que vamos ver 1 2 Fatos preliminares sobre espaços métricos 2 3 Existência

Leia mais

1 A função δ de Dirac

1 A função δ de Dirac Transformadas de Laplace - Delta de Dirac Prof ETGalante Nesta nota de aula abordaremos a função (que não é bem uma função) delta de Dirac, tão importante nas equações diferenciais que modelam fenômenos

Leia mais

Considere um triângulo eqüilátero T 1

Considere um triângulo eqüilátero T 1 Considere um triângulo eqüilátero T de área 6 cm. Unindo-se os pontos médios dos lados desse triângulo, obtém-se um segundo triângulo eqüilátero T, que tem os pontos médios dos lados de T como vértices.

Leia mais

Circuitos Elétricos III

Circuitos Elétricos III Circuitos Elétricos III Prof. Danilo Melges (danilomelges@cpdee.ufmg.br) Depto. de Engenharia Elétrica Universidade Federal de Minas Gerais A Transformada de Laplace em análise de circuitos parte 2 Equivalente

Leia mais

Experimento #4. Filtros analógicos ativos LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA

Experimento #4. Filtros analógicos ativos LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA UNIVESIDADE FEDEAL DE CAMPINA GANDE CENTO DE ENGENHAIA ELÉTICA E INFOMÁTICA DEPATAMENTO DE ENGENHAIA ELÉTICA LABOATÓIO DE ELETÔNICA Experimento #4 Filtro analógico ativo EXPEIMENTO #4 Objetivo Gerai Eta

Leia mais

2 Introdução à Fluorescência

2 Introdução à Fluorescência 2 Introdução à luorecência 2. O fenômeno da fluorecência Luminecência é a emião de luz por alguma ubtância, ocorrendo a partir de etado eletrônico excitado. Para ecrever ee capítulo conultamo principalmente

Leia mais

Álgebra Linear. Aula 02

Álgebra Linear. Aula 02 Álgebra Linear Aula Determinante Para aproveitar 1% dessa aula vocês precisam saber: ü Matrizes ü Equação do 1º grau ü Equação do º grau Como representamos o determinante de uma matriz? Colocando os elementos

Leia mais

Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático considerando o efeito do atrito dinâmico

Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático considerando o efeito do atrito dinâmico Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático coniderando o efeito do atrito dinâmico Antonio C. Valdiero, Carla S. Ritter, Luiz A. Raia Depto de Ciência Exata e Engenharia, DCEEng,

Leia mais

Análise de Sistemas em Tempo Contínuo usando a Transformada de Laplace

Análise de Sistemas em Tempo Contínuo usando a Transformada de Laplace Análise de Sistemas em Tempo Contínuo usando a Transformada de Laplace Edmar José do Nascimento (Análise de Sinais e Sistemas) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do

Leia mais

Laboratório de Sistemas e Sinais Equações Diferenciais

Laboratório de Sistemas e Sinais Equações Diferenciais Laboratório e Sitema e Sinai Equaçõe Diferenciai Luí Cala e Oliveira Abril 2009 O objectivo ete trabalho e laboratório é o e realizar experiência com moelo e itema em tempo contínuo ecrito por equaçõe

Leia mais

Nestas notas será analisado o comportamento deste motor em regime permanente.

Nestas notas será analisado o comportamento deste motor em regime permanente. MOTO DE INDUÇÃO TIFÁSICO 8/0/006 Ivan Camargo Introdução O motor de indução trifáico correponde a, aproximadamente, 5 % da carga elétrica do Brail, ou eja, 50 % da carga indutrial que, por ua vez, correponde

Leia mais

O mercado de bens CAPÍTULO 3. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

O mercado de bens CAPÍTULO 3. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard O mercado de bens Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 3 3.1 A composição do PIB A composição do PIB Consumo (C) são os bens e serviços adquiridos pelos consumidores. Investimento (I), às vezes

Leia mais

Sistemas de Equações Diferenciais Lineares

Sistemas de Equações Diferenciais Lineares Capítulo 9 Sistemas de Equações Diferenciais Lineares Agora, estamos interessados em estudar sistemas de equações diferenciais lineares de primeira ordem: Definição 36. Um sistema da linear da forma x

Leia mais

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas.

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas. Ecola Báic a 2º º e 3º º Ciclo Tema 1 Viver com o outro Tema Conteúdo Competência Actividade Tema 1 Viver com o outro Valore Direito e Devere Noção de valor O valore como referenciai para a acção: - o

Leia mais

8 Equações de Estado

8 Equações de Estado J. A. M. Felippe de Souza 8 Equaçõe de Etado 8 Equaçõe de Etado 8. Repreentação por Variávei de Etado Exemplo 4 Exemplo 8. 4 Exemplo 8. 6 Exemplo 8. 6 Exemplo 8.4 8 Matriz na forma companheira Exemplo

Leia mais

Complementos de Análise Matemática

Complementos de Análise Matemática Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia Departamento: Matemática Ficha prática n o 1 - Cálculo Diferencial em IR n 1. Para cada um dos seguintes subconjuntos de IR, IR 2 e IR 3, determine

Leia mais

1. (Uerj 2001) Mostre que, em 1 de outubro de 2000, a razão entre os números de eleitores de A e B era maior que 1.

1. (Uerj 2001) Mostre que, em 1 de outubro de 2000, a razão entre os números de eleitores de A e B era maior que 1. 1. (Uerj 2001) Mostre que, em 1 de outubro de 2000, a razão entre os números de eleitores de A e B era maior que 1. TEXTO PARA AS PRÓXIMAS 2 QUESTÕES. (Uerj 2001) Em um município, após uma pesquisa de

Leia mais

Instituto de Matemática Departamento de Matemática Pura e Aplicada

Instituto de Matemática Departamento de Matemática Pura e Aplicada Instituto de Matemática Departamento de Matemática Pura e Aplicada Dados de identificação Disciplina: MATEMÁTICA APLICADA II Período Letivo: 2015/1 Período de Início de Validade : 2015/1 Professor Responsável

Leia mais

Números Complexos. Capítulo 1. 1.1 Unidade Imaginária. 1.2 Números complexos. 1.3 O Plano Complexo

Números Complexos. Capítulo 1. 1.1 Unidade Imaginária. 1.2 Números complexos. 1.3 O Plano Complexo Capítulo 1 Números Complexos 11 Unidade Imaginária O fato da equação x 2 + 1 = 0 (11) não ser satisfeita por nenhum número real levou à denição dos números complexos Para solucionar (11) denimos a unidade

Leia mais

ficha 3 espaços lineares

ficha 3 espaços lineares Exercícios de Álgebra Linear ficha 3 espaços lineares Exercícios coligidos por Jorge Almeida e Lina Oliveira Departamento de Matemática, Instituto Superior Técnico 2 o semestre 2011/12 3 Notação Sendo

Leia mais

Aluno: Fatorar é transformar uma expressão num produto indicado, ou seja, numa multiplicação de dois ou mais fatores.

Aluno: Fatorar é transformar uma expressão num produto indicado, ou seja, numa multiplicação de dois ou mais fatores. 8º ANO LISTA 1 de fatoração AV 1 3º Bim. Escola adventista de Planaltina Professor: Celmo Xavier. Aluno: Fatorar é transformar uma expressão num produto indicado, ou seja, numa multiplicação de dois ou

Leia mais

CONTROLO DE SISTEMAS. APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox. Pedro Dinis Gaspar António Espírito Santo J. A. M.

CONTROLO DE SISTEMAS. APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox. Pedro Dinis Gaspar António Espírito Santo J. A. M. UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROMECÂNICA CONTROLO DE SISTEMAS APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox Pedro Dini Gapar António Epírito Santo J. A. M. Felippe de Souza

Leia mais

1 A Equação Fundamental Áreas Primeiras definições Uma questão importante... 7

1 A Equação Fundamental Áreas Primeiras definições Uma questão importante... 7 Conteúdo 1 4 1.1- Áreas............................. 4 1.2 Primeiras definições...................... 6 1.3 - Uma questão importante.................. 7 1 EDA Aula 1 Objetivos Apresentar as equações diferenciais

Leia mais

Capítulo 2 - Problemas de Valores Fronteira para Equações Diferenciais Ordinárias

Capítulo 2 - Problemas de Valores Fronteira para Equações Diferenciais Ordinárias Capítulo 2 - Problemas de Valores Fronteira para Equações Diferenciais Ordinárias Departamento de Matemática balsa@ipb.pt Mestrados em Engenharia da Construção Métodos de Aproximação em Engenharia 1 o

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1) Considerações gerais sobre os conjuntos numéricos. Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

11 a LISTA DE PROBLEMAS DE ÁLGEBRA LINEAR LEIC-Taguspark, LERCI, LEGI, LEE 1 o semestre 2003/04 - semana de 2003-12-08

11 a LISTA DE PROBLEMAS DE ÁLGEBRA LINEAR LEIC-Taguspark, LERCI, LEGI, LEE 1 o semestre 2003/04 - semana de 2003-12-08 INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO - DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA a LISTA DE PROBLEMAS DE ÁLGEBRA LINEAR LEIC-Taguspark LERCI LEGI LEE o semestre 23/4 - semana de 23-2-8. Diga justificando quais dos seguintes ternos

Leia mais