3 Fuga de cérebros e investimentos em capital humano na economia de origem uma investigação empírica do brain effect 3.1.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3 Fuga de cérebros e investimentos em capital humano na economia de origem uma investigação empírica do brain effect 3.1."

Transcrição

1 3 Fuga de cérebro e invetimento em capital humano na economia de origem uma invetigação empírica do brain effect 3.1. Introdução Uma da vertente da literatura econômica que etuda imigração eteve empre preocupada com o fenômeno de brain drain - a tranferência de capital humano de uma economia em deenvolvimento para uma economia deenvolvida. Até recentemente, a vião conenual a repeito do tema era de que ete fenômeno tinha um impacto negativo inequívoco obre o crecimento da renda per capita da economia de origem. De acordo com a Nova Teoria do Crecimento (Luca 1988; Romer 1986), o crecimento de uma economia etá poitivamente relacionado ao nível de capital humano da mema. Portanto, a emigração do trabalhadore mai educado faria com que o produto per capita no paí meno deenvolvido caíe, uma vez que a contribuição de um trabalhador educado para ea economia é uperior à ua produtividade marginal. Dede 1997, uma érie de artigo vem defendendo que a concluão a repeito do impacto negativo do brain drain obre a produtividade da economia de origem pode etar equivocada em algun cao [Mountford 1997, Vidal 1998, Stark et al (1997, 1998)]. O argumento central dete trabalho é que a literatura tradicional negligenciava o efeito da poibilidade de migração obre o incentivo do agente. Se o alário de um trabalhador qualificado é maior na economia mai deenvolvida do que na economia em deenvolvimento, a poibilidade de emigração acaba por aumentar a taxa de retorno à educação no paí meno deenvolvido. Coneqüentemente, mai indivíduo etarão dipoto a invetir em educação no paí em deenvolvimento. Ete efeito é conhecido como brain effect. Porém, como o alário de um trabalhador qualificado é maior no paí deenvolvido do que no paí em deenvolvimento, todo trabalhadore

2 28 qualificado na economia meno deenvolvida etarão dipoto a emigrar. Ete artigo conideram que há algum tipo de política de imigração, que faz com que apena parte dete trabalhadore coniga ingrear no paí de detino. A emigração dee trabalhadore acaba por reduzir o etoque de capital humano na economia em deenvolvimento. Ete efeito, que é o reconhecido tradicionalmente pela literatura, é chamado de drain effect. O impacto do fenômeno de brain drain obre a economia do paí de origem erá poitivo - cunhado por beneficial brain drain (BBD) - dede que o brain effect domine o drain effect, ito é, e o número de trabalhadore educado no paí em deenvolvimento for maior quando a emigração é permitida do que no cao de uma economia fechada. O argumento teórico do BBD contradiz a crença da literatura tradicional a repeito do tema, que defendia que o brain drain eria empre em detrimento do paíe em deenvolvimento. Uma indagação natural que e egue é a repeito da exitência do beneficial brain drain: o BBD de fato é obervado na prática ou trata-e apena de uma curioidade teórica? Beine, Docquier e Rapoport (2001, 2003) repreentam dua tentativa importante de avançar neta direção. O artigo concentram eu eforço na etimação de dua relaçõe: uma entre a taxa de crecimento da economia e eu etoque de capital humano e a outra entre o invetimento em capital humano e a probabilidade de um trabalhador educado emigrar. Beine et al (2001 e 2003) utilizam um modelo imilar ao de Mountford (1997), que prevê uma relação poitiva entre o invetimento em capital humano e o produto da probabilidade de emigrar de um trabalhador educado pelo ganho líquido de emigrar, para embaar o tete empírico. O autore interpretam a relação poitiva encontrada entre o invetimento em educação e a probabilidade de emigrar de um trabalhador educado como evidência a favor da hipótee de BBD. Contudo, ea concluão pode etar equivocada e a probabilidade de emigrar de um trabalhador educado e o benefício líquido de emigrar (de um trabalhador educado) forem negativamente correlacionado. 8 Ete trabalho propõe uma abordagem alternativa ao coniderar o brain drain em um contexto de migração interna. Nete cao, a probabilidade relevante para determinar a taxa de retorno à educação é a probabilidade de um trabalhador 8 Ete argumento é dicutido na ubeção

3 29 educado coneguir empregar-e na economia deenvolvida e eta probabilidade é igual para todo o trabalhadore independente da economia de origem. 9 Eta hipótee garante que o invetimento em capital humano ão uma função decrecente do cuto de emigração. O artigo explora a contrução de Palma capital do Tocantin - em 1990 para invetigar empiricamente a exitência do brain effect. A contituição de um mercado de trabalho no centro geográfico do etado que paga um alário a trabalhadore qualificado uperior ao pago no retante do Tocantin repreentou um aumento na taxa de retorno à educação. O trabalhadore educado paaram a ter a poibilidade de emigrar para a capital e erem mai bem remunerado. Entretanto, aquele trabalhadore que moram em município mai ditante de Palma têm um cuto de emigração maior e, portanto, o aumento na taxa de retorno à educação foi menor para ete indivíduo. Palma e o Tocantin têm alguma caracterítica que tornam o experimento particularmente intereante. Em primeiro lugar, Palma foi criada no centro geográfico do território do etado e todo município do TO etão mai próximo de Palma do que da capital de qualquer outra UF com a qual o etado faz fronteira. Além dio, o Tocantin faz fronteira com regiõe pouco deenvolvida economicamente. Eta razõe conjuntamente contribuem para que o etado tenha um mercado de trabalho iolado de outra regiõe, voltado para dentro. Outro fato importante é que o dado ugerem que o mercado de trabalho do demai município do TO não ofreram mudança ignificativa dede a fundação da capital. Por fim, o etado tem uma vata extenão territorial, fazendo com que a ditância eja uma variável importante para determinar o cuto de emigração. A análie empírica utiliza dado do Ceno de 1991 e 2000 para invetigar e houve uma quebra etrutural na relação entre a decião de invetir em educação e a ditância até a capital ao comparar o período anterior e poterior à fundação de Palma. A evidência ão favorávei à ocorrência do brain effect (BE). É importante realtar, entretanto, que a análie e ocupa apena de verificar a exitência do BE, não endo capaz de concluir e ete efeito domina o drain effect. Em outra palavra, o exercício empírico não invetiga a ocorrência do beneficial brain drain. 9 Aumindo, é claro, que não exite dicriminação.

4 30 Ete artigo etá organizado da eguinte forma. Na eção 3.2, comenta-e a repeito da etratégia empírica do trabalho. Na eção 3.3, apreenta-e a bae de dado. A análie empírica é dicutida na eção 3.4. Por fim, a conideraçõe finai ão feita na eção Etratégia Empírica Brain Effect Inicialmente, apreenta-e uma verão modificada do modelo uado por Beine et al (2001, 2003) com o intuito de ilutrar a metodologia que e utilizará para invetigar a exitência do brain effect. 10 Conidere um mundo em que há apena um continente e nete continente exitem n + 1 economia: n economia periférica e um centro gravitacional. O agente em cada economia periférica devem decidir e invetem ou não em educação. Em cada uma da n economia periférica, há uma população de tamanho 1. A população em cada uma deta economia é idêntica, com a exceção de que diferem na ditância que etão do centro gravitacional endo d i a ditância da economia i para a economia central. Em uma dada economia, o agente diferem apena no talento que pouem para o aprendizado, parametrizado aqui por φ. O cuto de um indivíduo com habilidade φ de educar-e é dado por ( 1 φ) E, endo que φ tem uma função de ditribuição contínua com uporte no intervalo [0,1]. O cuto de emigração para o centro gravitacional de um trabalhador na economia i é dado por M d i, onde M>0. O alário para um trabalhador em ecolaridade é igual em toda n + 1 economia, w u, e o alário de um trabalhador qualificado é igual em toda economia periférica dado por H w. 11 Portanto, não há incentivo para a 10 O modelo apreentado por Beine et al (2001,2003) é batante imilar àquele apreentado por Mountford (1997). 11 Beine et al (2001,2003) aumem que a economia periférica é uma economia aberta pequena e que por ito toma a taxa de juro internacional como dada. O alário no paí em

5 31 emigração de trabalhadore não-qualificado e a migração de trabalhadore qualificado entre a economia periférica. O alário do trabalhadore qualificado no centro gravitacional é F w, endo que F w > H M max - w + { } ou eja, o alário de um trabalhador qualificado na economia central decontado do cuto de emigração mai elevado poível é uperior ao alário de um trabalhador qualificado na economia periférica. Há, entretanto, na economia central uma imperfeição de mercado que faz com que haja deemprego. Aim endo, um trabalhador qualificado em qualquer economia periférica tem uma probabilidade π de empregar-e no mercado de trabalho do centro gravitacional. 12 O deemprego impede que todo o trabalhadore educado na economia periférica migrem para o centro gravitacional. Dito ito, há um nível crítico de talento φ * ( d i ) a partir do qual todo o trabalhadore na economia i decidem invetir em educação dado por: 13 i d i F H ( d ) E w = 0 * π ( w d M ) + (1 π ) w (1 φ (1) i i u Por fim, é fácil provar que: * φ ( d i )> φ * ( d ) e j d > d i j deenvolvimento é dado, portanto, pela taxa de juro internacional, uma vez que ele adotam uma tecnologia com retorno contante de ecala e preupõem competição perfeita. O autore fazem também uma hipótee de que a imigração é uficientemente pequena para não impactar o alário no mercado de trabalho da economia deenvolvida. 12 A hipótee a repeito da exitência ou não do deemprego na economia periférica é H irrelevante, uma vez que pode e interpretar w como o alário eperado ponderado pela probabilidade do agente empregar-e em uma economia periférica de um trabalhador qualificado. 13 F H Adota-e a hipótee de que { } π ( w π ) M max i d i ) + (1 w > u toda economia periférica há pelo meno um trabalhador dipoto a invetir em educação. w tal que em

6 32 Ete modelo fornece como reultado que a proporção de trabalhadore que decide invetir em educação em uma economia periférica é uma função decrecente da ditância deta para a economia central. Ito no permite tetar de forma indireta a ocorrência do brain effect. O centro gravitacional paga alário mai alto à ua mão-de-obra qualificada que a economia periférica e com ito a poibilidade de empregar-e na economia central aumenta a taxa de retorno à educação na economia periférica. Entretanto, o etímulo à educação exercido pela atração da economia central é menor na economia mai ditante do centro, uma vez que o ganho líquido de emigrar de um trabalhador qualificado é decrecente na ditância. Em outra palavra, e de fato há um brain effect, o centro gravitacional exerce um poder de atração maior obre a economia mai próxima e devemo obervar uma relação negativa entre o invetimento em educação e a ditância entre a periferia e a economia central. A equação (2) permite ilutrar a etratégia adotada por Beine et al (2001, 2003). Uma vez que e conidere d = 1 para qualquer i, é poível reecrever (1) como: 14 i F H ( w M w ) * E π ( w wu ) φ =. (2) E H O autore concluem que * φ é decrecente em π, já que w F M w H > 0. Como o doi trabalho etão preocupado com migração internacional, π é interpretado por ele como a probabilidade de um trabalhador educado em uma economia em deenvolvimento coneguir emigrar para a economia deenvolvida e é, portanto, diferente para cada paí de origem. Ele utilizam eta relação entre invetimento em educação e a probabilidade de um trabalhado educado emigrar para invetigar a exitência do brain effect em uma amotra cro-country. No entanto, é poível ver que, ao compararmo diferente paíe de origem, o modelo não neceariamente prevê uma relação negativa entre φ * e π e 14 Beine et al (2001,2003) deconideram que trabalhadore de diferente paíe têm cuto de emigração ditinto.

7 33 w H + M é crecente em π. 15 Em um contexto de migração internacional com quota de imigração, a probabilidade de emigrar para a economia deenvolvida torna-e uma variável endógena. Nete cao, a probabilidade do trabalhador coneguir emigrar para a economia deenvolvida é função do número de vito diponívei para trabalhadore do eu paí de origem e do número de trabalhadore do eu paí de origem dipoto a emigrar (para a economia deenvolvida). Suponha que a economia deenvolvida etabeleça uma quota, comum a todo o paíe, de vito a erem concedido. 16 Aim endo, a probabilidade de emigrar para a economia deenvolvida de trabalhadore qualificado em uma economia em deenvolvimento é função apena (decrecente) do número de trabalhadore dea economia dipoto a emigrar. Se o número de trabalhadore qualificado dipoto a emigrar é uma função decrecente de w H + M - o cuto de oportunidade de emigrar de um trabalhador qualificado, então a probabilidade de emigrar (π ) é uma função crecente de w H + M. Nee cao, o modelo não neceariamente prevê que o invetimento em educação devem er uma função crecente da probabilidade de emigrar de um trabalhador qualificado e a concluõe de Beine et al (2001,2003) podem etar equivocada. Ete artigo propõe uma abordagem alternativa ao coniderar o brain effect em um contexto de migração interna. Nee cao, é poível interpretar π como a probabilidade de um trabalhador coneguir empregar-e na economia deenvolvida e eta probabilidade é igual independente da economia de origem. 17 Uma vez que e controle para o alário de trabalhadore qualificado e nãoqualificado na origem, o fato de π er contante garante que o invetimento em 15 De (2), * F H H φ w π ( w + M = + ) M w π E E π φ * ( w H + M ) é ambíguo cao > 0 π π.. Portanto, o inal da derivada 16 De fato, o Etado Unido têm hoje uma política de imigração que combina uma eleção baeada na caracterítica do imigrante e um itema de quota com uma quota comum para todo o paíe, independentemente do tamanho populacional dee. 17 A hipótee implícita é de que não exite dicriminação.

8 34 educação ão uma função decrecente do cuto de emigrar medido aqui pela ditância. A análie empírica feita na eção 3.4 compara a decião de invetir em educação em um cao em que há um centro gravitacional e em outro no qual a economia periférica ão fechada. A equação abaixo reume a relaçõe previta pelo modelo para o nível crítico de talento na dua hipótee: * φ = E π ( w F d M ) i H H ( w w ) + π ( w ) E u, H, onde w wu é o prêmio de educação na economia periférica. Note que o cao em que não há centro gravitacional é um cao particular do equação acima com π = 0. Para uma economia fechada, o invetimento em educação ão função (crecente) omente do prêmio de educação na economia periférica. Cao haja um centro gravitacional, o alário de um trabalhador qualificado tem um impacto negativo dado o prêmio de educação - obre a decião de invetir em educação. A proporção de joven que invete em educação é também uma função crecente do prêmio de educação e decrecente do cuto de emigração. Na ubeção eguinte, apreenta-e o experimento O experimento Em 1988, apó mai de um éculo de luta pela emancipação política, o etado do Tocantin foi criado a partir da Proclamação da Contituição da República. O Tocantin contituía originalmente a parte norte do etado de Goiá e era uma da regiõe meno deenvolvida da economia goiana. Com a criação da nova unidade federativa, um inteno debate urgiu na política local a repeito de qual cidade eria ecolhida para er a capital. Por fim, decidiu-e pela criação de uma nova cidade para er a capital: Palma. Tendo em mente preocupaçõe relativa à integração da UF recém criada, optou-e por fundar a nova capital no centro geográfico do território do etado -

9 35 como é poível ver no mapa abaixo. Miracema do Tocantin foi ecolhida para er a capital proviória do etado até 1º de Janeiro de 1990 quando Palma foi fundada. Dede então, a cidade tem tido um elevado crecimento econômico e populacional. De acordo com o Ceno do IBGE de 1991 e de 2000, a população de Palma era de habitante em 1991 e de habitante em o que repreenta um crecimento de 464,5% no período. Figura 3-Mapa do Tocantin Ete artigo utiliza a contrução de Palma, capital do Tocantin, como experimento para tetar a previõe do modelo. O argumento é de que não havia ante da fundação da capital uma cidade no etado que remunerae a mão-deobra qualificada uficientemente melhor do que a retante de tal forma que atraíe trabalhadore qualificado de toda a regiõe do TO. Em outra palavra, não havia um centro gravitacional. Contudo, apó a contrução de Palma, muita vaga de trabalho para mão-de-obra qualificada foram criada na capital pagando alário mai alto do que na outra cidade do etado e ela paou a deempenhar o papel de centro gravitacional do Tocantin. 18 O modelo apreentado prevê, portanto, que o invetimento em educação não têm relação 18 Alguma etatítica ão apreentada na ubeção eguinte para embaar o argumento.

10 36 com a ditância até a capital no período pré-palma e que ão uma função decrecente da ditância no período pó-palma. O etado do Tocantin apreenta caracterítica que fazem com que ele eja particularmente intereante para o tete do modelo. Primeiramente, o etado tem uma vata extenão territorial Km aproximadamente - o que faz com que o cuto de emigração, medido aqui pela ditância até Palma, eja uma variável relevante para determinar a deciõe de migração. Segundo, dua razõe conjuntamente contribuem para que o deenvolvimento econômico do etado e aemelhe ao de uma ilha econômica com o mercado de trabalho no Tocantin iolado de outra regiõe. A primeira é a dipoição epacial de Palma no centro do território que faz com que qualquer município do etado eteja mai próximo de Palma do que da capital de qualquer outra UF com a qual o Tocantin tem fronteira (ão ele Mato Groo, Pará, Maranhão, Piauí, Bahia e Goiá). 19 A egunda é o fato de o etado fazer fronteira com regiõe pouco deenvolvida economicamente. Eta caracterítica do Tocantin de ilha econômica torna a extrapolação da hipótee de um continente com um centro gravitacional e n economia periférica do modelo mai plauível. Um terceiro apecto importante do experimento e refere à impoibilidade da previão por parte do trabalhadore da contrução de Palma. Se o agente pudeem antecipar a fundação da capital, é poível que algun tiveem mudado ua deciõe a repeito de invetimento em capital humano ante memo da contrução da cidade. Na entanto, a criação da capital ó foi decida pela Aembléia Legilativa do Etado em julho de Até ea data, a maiore cidade do etado Araguaína, Gurupi, Porto Nacional e Guaraí travavam uma batalha política pelo privilégio de er ecolhida a capital da nova UF. Por fim, alguma evidência apreentada na ubeção eguinte revelam que não houve mudança ignificativa entre 1991 e 2000 no mercado de trabalho do Tocantin com a exceção de Palma. 19 A localização de Palma no centro geográfico é importante também, poi torna a hipótee de um único centro gravitacional mai realita. Se a capital etivee localizada em uma da extremidade do território do etado, o cuto de emigração eria demaiadamente alto e uma epecialização de emigração ocorreria, com o trabalhadore qualificado preferindo emigrar para cidade de médio porte mai próxima de eu município de origem.

11 37 A ubeção eguinte dicute a hipótee de identificação do modelo Hipótee de Identificação Neta ubeção, algun dado ão apreentado para embaar o argumento de que Palma paou a deempenhar, apó ua fundação, um papel de centro gravitacional do Tocantin. O deafio é evidenciar que o poder de atração do outro município pouco mudou entre 1991 e 2000 enquanto muita vaga de trabalho pagando alto alário a trabalhadore qualificado foram criada na capital dede então. A ubeção trata do tema. Uma outra dificuldade é invetigar e o deenvolvimento do município nete período eteve relacionado à proximidade com Palma, o que eria uma explicação alternativa para um aumento no invetimento em capital humano na localidade meno ditante. Ete problema é explorado na ubeção Palma como centro gravitacional O argumento do trabalho é de que a fundação de Palma repreentou a contituição de um mercado de trabalho que remunera melhor a mão-de-obra qualificada do que a outra cidade do Tocantin e que a poibilidade de emigração para a capital aumentou o incentivo para e invetir em educação. A tabela 1 explicita o alário médio por hora em 2000 de um trabalhador com enino fundamental completo na trê principai cidade do etado: Araguaína, Gurupi e Palma. A última linha da tabela indica o alário médio para o Tocantin excluindo Palma. Como é poível ver, o alário por hora em Palma era 20% maior do que a média no retante do etado e 17% maior do que em Gurupi. A evidência demontram que um trabalhador educado é mai bem remunerado na capital e que, portanto, há condiçõe para a ocorrência do brain drain.

12 38 Salário-hora em 2000 Araguaína 2.13 Gurupi 2.19 Palma 2.57 Tocantin 2.15 Tabela 1-Salário-hora em 2000 no Tocantin A Tabela 2 evidencia que a contrução da capital implicou em um forte aumento na demanda por mão-de-obra educada no etado. A egunda e terceira coluna informam o número de trabalhadore com enino fundamental empregado em 1991 e A fundação da capital permitiu a abertura de muita vaga para ete tipo de trabalhador: o aumento no número de poto de trabalho em Palma entre 1991 e 2000 foi uperior a 1000%. Além dio, 1/3 da nova vaga no Tocantin para ete nível de ecolaridade foram criada na cidade. É importante realtar aqui o conceito de trabalhador educado utilizado na análie empírica. O egmento do mercado de trabalho no Tocantin mai afetado pela contrução da nova capital foi aquele compoto por trabalhadore com enino médio ou uperior e, portanto, uma definição de trabalhadore qualificado que incluíe ete indivíduo apena pareceria a mai apropriada. Contudo, é razoável imaginar que o problema de oferta de ecola de enino médio em muito município do etado criaria éria dificuldade para a invetigação empírica. 21 Optou-e então por definir como trabalhadore qualificado aquele com enino fundamental completo. Empregado c/ Fundamental Empregado Imigr. TO c/ Fund % % Araguaína % % Gurupi % % Palma % % Tocantin % % Coluna Tabela 2-Número de trabalhadore empregado e empregado imigrante oriundo de outro município do Tocantin com enino fundamental completo em 1991 e Contabilizou-e tanto empregado como trabalhadore conta-própria entre 18 e 64 ano. 21 Outra dificuldade deta definição eria o número reduzido de indivíduo na amotra.

13 39 A coluna 5, 6 e 7 da Tabela 2 comprovam que a abertura de novo poto de trabalho e o alário mai alto pago em Palma atraíram muito imigrante de outro município do etado. É importante notar que o conceito de imigrante utilizado aqui e refere a indivíduo que tenham imigrado a meno de 10 ano. Portanto, trata-e de uma variável de fluxo e não de etoque. O dado revelam que 40% do imigrante ocupado no TO com enino fundamental etavam empregado em Palma. 22 Como vito, Palma de fato remunera melhor ua mão de obra qualificada e muita oportunidade para ete tipo de trabalhador foram criada na capital dede ua fundação. Trabalhadore com enino fundamental de outro município do Tocantin foram então atraído para a cidade pela condiçõe favorávei do mercado de trabalho. A análie empírica feita na eção 3.4 procura motrar que a poibilidade de emigração para Palma aumentou o invetimento em capital humano na outra localidade do etado O deenvolvimento do outro município entre 1991 e 2000 O dado apreentado corroboram a hipótee de que Palma funciona como um centro gravitacional, atraindo trabalhadore qualificado de outro município do Tocantin. No entanto, é poível que a fundação da capital tenha etimulado o deenvolvimento na área mai próxima da cidade, o que explicaria uma relação negativa entre invetimento em educação e a ditância até a capital. Ete argumento cauaria problema para a invetigação empírica. Em eguida, apreentam-e algun gráfico que motram a relação entre a variação de algun indicadore para cada município entre 1991 e 2000 e a ditância até Palma Ete número paa para 52% e conideramo que Palma, Paraío do Tocantin, Porto Nacional e Miracema do Tocantin contituem um único mercado de trabalho. 23 O dado da Figura 4, 5, 7 e 8 foram extraído do Atla de Deenvolvimento Humano no Brail da Pnud. O indicadore do município com pequena populaçõe ão calculado utilizando uma técnica de uavização para corrigir a etimativa, que cotumam apreentar etatítica intávei devido ao número reduzido da amotra. Caracterítica de cada município ão empregada para que a correção eja feita. Outro problema para o cálculo do aumento de renda per

14 40 A Figura 4 motra a variação populacional no período. O gráfico evidencia que o aumento populacional não eteve aociado à proximidade com a capital. A cidade com maior aumento no número de habitante foram: Palma (99.249), Araguaína (23.393) e Gurupi (11.385). Todo o outro município tiveram aumento inferiore a habitante Variação Populacional Ditância em Km até Palma Figura 4- Variação Populacional no Tocantin entre 1991 e 2000 como função da ditância até Palma A Figura 5 apreenta a evolução da renda per capita por município entre 1991 e Apear de o aumento na renda e a ditância erem negativamente correlacionado, o coeficiente da ditância não é etatiticamente ignificante a 10%. A renda per capita de Araguaína aumentou R$ 22 no período enquanto a de Gurupi decreceu. Em média, a renda per capita aumentou no etado R$ 66. capita entre 1991 e 2000 é o de compatibilização da malha municipal do Tocantin em 2000 (139 município) e 1991 (79 município). A malha de 2000 é reproduzida em 1991 uando a definição de etor cenitário, a menor unidade de pequia diponível no Ceno. Em cao em que um etor foi dividido entre município, adotou-e o memo reultado para a dua parte do etor em litígio. A figura 6 e 9 têm como fonte o Ceno de 1991 e 2000 do IBGE.

15 Variação da Renda per capita Ditância em Km até Palma Figura 5- Variação da Renda per capita no Tocantin entre 1991 e 2000 como função da ditância até Palma Variação no número de peoa ocupada Ditância em Km até Palma Figura 6- Variação no número de peoa ocupada no Tocantin entre 1991 e 2000 como função da ditância até Palma

16 42 A Figura 6 motra a variação no número de peoa ocupada entre 1991 e A ditância não é etatiticamente ignificante a 10%. Tanto a evolução da renda como do número de peoa ocupada por município ugerem que não houve qualquer relação entre a melhora nete indicadore e a proximidade de Palma. Portanto, ete não parece er um entrave à análie empírica. Um outro meio atravé do qual a proximidade da capital pode influenciar poitivamente a deciõe de invetimento em educação e refere à difuão de informação. É poível que o choque cultural repreentado pela contrução da capital, o aceo mai fácil à informação decorrente e o convívio com peoa mai educada aumentem a conciência do indivíduo de uma localidade da importância da educação. Trata-e obviamente de um componente ociológico em que nenhum caráter econômico eteja envolvido. A medida utilizada para tentar captar eta variável é a redução na taxa de analfabetimo da criança entre 7 e 14 ano de um município. A lógica que jutifica a utilização deta variável é a de que não faltam vaga na clae de alfabetização e que, portanto, a decião de alfabetizar a criança depende apena de um julgamento a repeito da importância da educação. 25 A Figura 7 deixa claro que a redução na taxa de analfabetimo foi maior para município mai ditante de Palma. A evidência ugerem, portanto, que a evolução em algun indicadore - uado aqui para medir deenvolvimento - não eteve relacionada à proximidade da capital, o que criaria problema para a análie empírica. 24 O Ceno de 1991 conidera como ocupado o indivíduo que trabalhou em pelo meno parte do 12 mee anteriore à entrevita. O Ceno de 2000 conidera como ocupado o indivíduo que trabalhou no mê da pequia. Portanto, o número de ocupado do Ceno de 1991 uperetima o número de ocupado em comparação com o Ceno de Ito explica porque tanto município tiveram uma redução no número de ocupado no período. 25 É importante chamar a atenção para o fato de que apena 12 do 139 município do Tocantin tinham em 2000 uma taxa de analfabetimo inferior a 10% da população de criança entre 7 e 14 ano.

17 Variação na Taxa de Analfabetimo Ditância em Km até Palma Figura 7- Variação na Taxa de Analfabetimo no Tocantin entre 1991 e 2000 como função da ditância até Palma Mudança na oferta de educação Uma da razõe que explica a luta do tocantinene ao longo do tempo por ua emancipação política é a do abandono da região por parte da autoridade governamentai do etado de Goiá. O invetimento em infra-etrutura eram ecao e o erviço público não raro precário. Dito ito, é natural imaginar que política pública, como a política de educação, tenham ofrido uma grande tranformação apó a criação do Tocantin. A oferta de educação e a qualidade deta oferta penada aqui como a capacidade de tranformar o tempo gato etudando em produtividade do trabalho ão importante para determinar a deciõe de invetimento em educação do agente. A oferta de educação pode criar problema para a análie empírica cao a melhora nete indicador eteja negativamente relacionada à ditância até Palma. O Minitério da Educação omente paou a coletar informaçõe obre a qualidade da oferta do enino público a partir de Logo, há uma clara dificuldade para obter boa etimativa. A medida utilizada aqui é calculada pelo Atla do Deenvolvimento Econômico no Brail com bae no Ceno de 1991 e 2000 e fornece o percentual de profeore no enino fundamental de cada

18 44 município com formação uperior. 26 O gráfico de diperão com a variação entre 1991 e 2000 deta medida e a ditância de cada município até Palma etá apreentado na Figura 8. Como é poível ver, não há evidência de que o aumento na qualidade da oferta de enino fundamental tenha e retringido à localidade mai próxima de Palma Variação da % do Profeore do En. Fund. c/ Formação Superior Ditância em Km até Palma Figura 8- Variação na % do Profeore do Enino Fundamental com Formação Superior no Tocantin entre 1991 e 2000 como função da ditância até Palma A medida utilizada na análie anterior reflete a qualidade da oferta de educação ao pao que não conegue captar uma dimenão quantitativa da oferta relativa ao número de vaga oferecida no enino fundamental. Nete trabalho utiliza-e como proxy deta dimenão da oferta de educação a razão número de profeore do enino fundamental para cada grupo de 100 criança na faixa etária de 7 a 14 ano. A Figura 9 ilutra a variação deta razão entre 1991 e 2000 como função da ditância até Palma. Fica claro pelo gráfico que o aumento na oferta de educação foi maior para município mai ditante da capital. Eta evidência faz 26 Uma técnica de uavização para o indicador para município menore é feita. Para maiore eclarecimento, ler nota de rodapé número 23.

19 45 entido e coniderarmo que a criação do etado naturalmente ucitou preferência por política de educação compenatória. 15.0% Variação na razão Profeore por 100 criança 10.0% 5.0% 0.0% % -10.0% Ditância em Km até Palma Figura 9- Variação na razão número de profeore do enino fundamental para cada grupo de 100 criança na faixa etária entre 7 e 14 ano no Tocantin entre 1991 e 2000 como função da ditância até Palma Vito que a política de educação não variou negativamente de acordo com a ditância à capital, optou-e por não incluir na análie empírica variávei que reflitam a oferta de educação. A eção eguinte apreenta a bae de dado Bae de dado Neta eção, comenta-e a repeito da bae de dado utilizada na análie empírica. A amotra é contituída de joven entre 14 e 18 ano que foram entrevitado pelo Ceno de 1991 e 2000 do IBGE. O microdado da amotra do Ceno do IBGE foram coletado utilizando uma fração amotral de 20% para município com população etimada inferior a habitante e de 10% no município retante. A bae fornece dado relacionado a alguma variávei

20 46 ocioeconômica como ecolaridade, idade, raça e exo. Além dio, há informaçõe relativa à condiçõe do domicílio no qual o indivíduo moravam. A preocupação no trabalho diz repeito à comparação entre o período anterior e poterior à criação de Palma. O Ceno de 1991, realizado um ano e meio apó a fundação de Palma, é a primeira pequia domiciliar feita a nível nacional que faz ditinção entre Goiá e Tocantin. Na análie empírica, o dado do Ceno de 1991 repreentam o período pré-palma e o dado do Ceno de 2000 repreentam o período pó-palma. A hipótee implícita utilizada é a de que o ajute do invetimento em educação não foi feito de forma intantânea apó a fundação da capital. O indivíduo da amotra reidiam no período da pequia no etado do Tocantin - em município que não Palma - e moravam na caa do pai (ou na do padrato ou madrata). Eta última caracterítica era neceária para que foe poível aegurar que havia um reponável decidindo a repeito do invetimento em educação dee joven e dipoto a financiar ee invetimento. Outro importante apecto da amotra diz repeito ao tempo de moradia do joven no município de reidência. Um problema comum à invetigaçõe empírica de brain effect é o de que a proporção de trabalhadore educado obervada na economia de origem é a proporção líquida de emigração. Ito é, a amotra é contituída apena daquele trabalhadore que permeceram na economia de origem. Para e medir o impacto do brain effect, é precio que a deciõe de invetimento de educação de todo o agente na economia de origem ejam conhecida, incluive daquele que emigraram. Ete problema é contornado na análie empírica feita a eguir, uma vez que o indivíduo da amotra reidem no memo município a pelo meno cinco ano. 27 O joven da amotra têm primário completo e nível de ecolaridade inferior a enino médio completo. Pela razõe mencionada na eção anterior, a análie conidera como trabalhadore qualificado aquele com enino fundamental completo. Optou-e por decartar o indivíduo com enino médio completo ou uperior por erem ele intrinecamente diferente daquele com enino 27 Entretanto, ito não ugere que noa amotra de joven eja vieada e coniderarmo que ete indivíduo ó podem tomar a decião de emigrar apó completado eu 18 ano.

21 47 fundamental completo ou grau de intrução inferior. No modelo apreentado, o agente tinham de fazer uma ecolha binária de invetimento em educação. Eta decião é repreentada na invetigação empírica como a decião de indivíduo com enino primário em completar ou não o enino fundamental. 28 A variável de invetimento em educação é uma variável binária; ela aume valor um e o indivíduo completou o enino fundamental e zero cao contrário. A outra variável de uma importância no exercício é a ditância até Palma. A medida e refere à ditância rodoviária por via principai entre o centro de cada município e a capital e é publicada pela emprea Webraka do Brail em eu ite Um problema aociado a eta medida é que ela reflete a condiçõe atuai da malha rodoviária etadual e, portanto, pode não er muito precia para medir a ditância em Um problema que urge ao tetarmo empiricamente a previão do modelo é o da impoibilidade de etimarmo o alário de trabalhadore não-qualificado e qualificado para cada economia periférica, dado o pequeno número de obervaçõe diponívei. A etratégia adotada então foi de elecionar ei centro regionai Araguaína, Araguatin, Dianápoli, Guaraí, Gurupi e Palma (Palma em 2000 e Porto Nacional em 1991) - que repreentavam o mercado de trabalho mai importante em ua regiõe em cada período. O pao eguinte foi definir a área de atração. A partir da ditância rodoviária de cada município até cada um do ei centro regionai, convencionou-e que um dado município etava na área de atração de um centro e aquele centro era o mai próximo. A divião em área de atração tem como objetivo fazer uma divião epacial do território do etado. O pao eguinte foi etimar uma equação de alário para 1991 e outra para 2000 com amotra formada por trabalhadore entre 18 e 64 ano que etavam empregado ou eram trabalhadore conta própria no mê de referência da pequia. 29 A amotra eram contituída apena de trabalhadore com primário 28 Joven com primário incompleto têm um cuto ignificativamente maior de completar o enino fundamental do que joven com primário completo. Ito jutifica a incluão na amotra omente de joven com primário completo. 29 Exclui-e da amotra trabalhadore que recebiam por mê mai de 5000 reai a preço de 2000, poi ele ditorciam a ditribuição de alário. Ete trabalhadore repreentavam apena 0,3% do total da amotra.

22 48 completo pelo meno e ecolaridade inferior a enino médio completo. Foram utilizado como controle a idade, a idade ao quadrado, o exo e a raça do indivíduo. 30 Introduziu-e na regreão para cada área de atração uma dummy de intercepto e uma dummy de ecolaridade que aume valor um e o trabalhador completou o enino fundamental. A contante e a dummie de intercepto fornecem o alário de um trabalhador não qualificado enquanto a dummie de ecolaridade indicam o prêmio de educação em cada área de atração. Dada a caracterítica relativa à raça e ao exo de cada jovem na amotra de interee, foi poível etimar aim o alário para cada indivíduo de acordo com ua área de reidência para a dua hipótee: 1) uma em que ele tivee apena primário completo e 2) outra em que ele completae o enino fundamental. O reultado da regreão de alário etão apreentado no Apêndice. Outra variável importante na etimação é a renda per capita familiar que conite no rendimento médio do membro do domicílio, excluindo penionita, empregado e parente de empregado. A variávei de controle utilizada na análie empírica podem er divida em doi grande grupo: um de caracterítica do indivíduo e outro de caracterítica da família do indivíduo. A variávei etão apreentada na Tabela 3 que exibe toda a variávei utilizada na análie empírica, a ua decrição e a média, devio padrão, mínimo e máximo da mema Com o objetivo de evitar a perda de grau de liberdade, adotou-e a hipótee de que a remuneração à idade, ao exo e à raça ão a mema em qualquer centro regional. Além dio, optou-e por não interagir eta variávei com a dummie de ecolaridade, aumindo aim que o prêmio de educação independe de raça, exo ou idade. 31 A fonte de toda a variávei ão o Ceno de 1991 e 2000 do IBGE com exceção da variável DISTÂNCIA que é extraída de

23 49 Variável Medida Média Devio Mínimo Máximo Padrão EDUCAÇÃO variável binária que aume um e indivíduo completou o enino fundamental DISTÂNCIA ditância rodoviária entre o município de reidência do entrevitado e Palma D_PERÍODO dummy que aume o valor um para o período pó-palma RENDA total de rendimento de todo o FAMILIAR PERCAP habitante do domicílio, excluindo penionita, empregado e parente de empregado, dividido pelo número de membro da família RENDA FAMILIAR PERCAP_2 RENDA FAMILIAR PERCAP ao quadrado 1.48E E E+08 PRÊMIO de EDUCAÇÃO SALÁRIO QUALIFICADO diferença alarial entre trabalhador com primário completo apena e trabalhador com fundamental completo no "centro regional" da "área de atração" alário de um trabalhador com fundamental completo no "centro regional" da "área de atração" ESCOL_CHEFE ano de etudo do chefe do domicílio CHEFE MULHER variável binária que aume um e o chefe do domicílio é mulher, ma mora com cônjuge variável binária que aume um e o chefe do domicílio é mulher e vive em cônjuge variável binária que aume um e o chefe do domicílio é homem e vive em cônjuge MULHER SOLTEIRA HOMEM SOLTEIRO IDADE idade em ano completo do entrevitado IDADE_2 IDADE ao quadrado FEMININO NEGRO PARDO GRAVIDEZ PRECOCE DEFICIÊNCIA variável binária que aume um e entrevitado é do exo feminino variável binária que aume um e entrevitado é da raça negra variável binária que aume um e entrevitado é pardo ou índio dummy que aume valor um e jovem já engravidou alguma vez variável binária que aume um e o entrevitado apreenta algum tipo de deficiência fíica e/ou mental permanente Tabela 3-Variávei utilizada na análie empírica A caracterítica do indivíduo controlada foram: 1) idade, 2) exo, 3) raça, 4) gravidez precoce e 5) algum tipo de deficiência permanente. A caracterítica da família controlada foram: 1) tipo de família (chefe do domicílio do exo maculino com cônjuge e em cônjuge, chefe do exo feminino com cônjuge e em cônjuge) e 2) renda familiar per capita. Na eção eguinte, apreentam-e o reultado da análie empírica.

24 Reultado Segundo a Lei Univeral da Gravidade e a 2ª Lei de Newton, a aceleração de um corpo atraído pela força gravitacional da Terra é inveramente proporcional ao quadrado da ditância entre o corpo e a Terra. Suponha que tivéemo um grupo de objeto com mema maa flutuando no epaço ante da exitência da Terra. Se repentinamente o planeta urgie, o corpo em ua órbita eriam atraído por ua força gravitacional, alterando aim a direção e/ou velocidade dete objeto. Em particular, o mai próximo da Terra ofreriam uma força de atração maior do que aquele mai ditante. O exercício empírico replica eta idéia ao utilizar como experimento natural a criação de Palma. Com a fundação da cidade, muito poto de trabalho pagando uma remuneração para mão-de-obra qualificada uperior àquela paga no retante do Tocantin foram criado na capital. Palma paou a funcionar como um centro gravitacional, atraindo o trabalhadore qualificado de outro município do etado. Entretanto, como o cuto de emigração é maior para agente que vivem mai ditante da capital, Palma exerce um poder de atração maior obre a economia mai próxima. O objetivo do artigo é invetigar empiricamente a exitência de uma quebra etrutural entre 1991 e 2000 na relação entre invetimento em educação e a ditância até a capital que o brain effect preupõe. A evidência erão favorávei cao o reultado indiquem que a relação e tornou mai negativa apó a criação da capital. Uma análie inicial é feita na ubeção Na ubeção 3.4.2, apreentam-e o reultado empírico. Por fim, na eção 3.4.3, invetiga-e como o reultado variam de acordo com a caracterítica do jovem entrevitado e de ua família Análie Preliminar Uma análie preliminar é feita inicialmente. O primeiro exercício utiliza apena o joven da amotra de interee para calcular para 1991 e 2000 a média da ditância do município de reidência do entrevitado até Palma por grupo de

25 51 ecolaridade: primário completo apena e fundamental completo. A Tabela 4 fornece ete reultado. Enquanto a ditância média do indivíduo com fundamental incompleto pouco mudou (2,2 Km) entre 1991 e 2000, a ditância para peoa com fundamental completo diminuiu 19 Km no memo período. Fundamental Incompleto Fundamental Completo Tabela 4- Ditância média até Palma por nível de ecolaridade (em Km) Outra evidência é motrada na Figura 10. Apó etimar um probit para 1991 e outro para 2000 com a variável de educação como variável dependente e idade, idade ao quadrado, dummie de raça e exo, ecolaridade do chefe e ditância até Palma como variávei independente, calculou-e a propenão do joven da amotra de completarem o enino fundamental com bae em ua caracterítica. Feito ito, foi poível calcular a média deta propenão para cada município em 1991 e O gráfico abaixo motra a relação entre eta medida e a ditância em Km até Palma. A figura ugere uma relação negativa entre o invetimento em educação e a ditância até a capital para o período poterior à fundação da capital e uma relação praticamente nula para o período anterior.

26 Proporção de Educado por município Ditância em Km até Palma Linear (2000) Linear (1991) Figura 10- Propenão a completar o fundamental por município como função da ditância do município até Palma Reultado Neta ubeção, apreenta-e a análie empírica. O objetivo da análie é invetigar e houve uma quebra etrutural na relação entre o invetimento em educação e a ditância até Palma ao compararmo o período anterior e poterior à fundação da capital. A expreão abaixo apreenta a equação a er etimada: P( EDUC) = β DIST + β D _ DIST + β D _ PER + α PRÊMIO + α D _ SAL _ Q + πx + ε, onde EDUC é uma variável binária que aume um e o jovem completou o enino fundamental, DIST é a ditância do município de reidência até Palma, D_PER é uma dummy que é um para o período pó-palma, D_DIST é o produto de DIST por D_PER, PRÊMIO é o prêmio de educação no mercado de trabalho de origem, D_SAL_Q é o produto do alário de um trabalhador qualificado no mercado de trabalho de origem por D_PER, X é um vetor de controle e ε é o erro.

27 53 É importante notar que β 1 é o coeficiente da ditância no período pré- Palma enquanto β 2 é o coeficiente da quebra etrutural entre o período anterior e poterior à fundação da capital. A evidência erão favorávei ao brain effect dede que β 0. O modelo apreentado na eção 3.2 prevê ainda que α 0 e 2 < α < 0. 2 O reultado da regreõe etão expoto na Tabela O coeficiente apreentado informam a variação na probabilidade para uma variação infiniteimal em uma da variávei independente. A linha correpondente a D_DISTÂNCIA indica o coeficiente da quebra etrutural ao longo da cinco epecificaçõe enquanto a linha correpondente a DISTÂNCIA fornece o coeficiente do período pré-palma. É importante obervar que a medida de ditância etá em centena de Km de tal forma que o coeficiente de DISTÂNCIA informa a variação na probabilidade do indivíduo completar o fundamental e ele reide em um município a 100 Km de Palma. O p-valor do coeficiente é apreentado entre parêntei. Na regreão 1, a variável de educação é etimada como função de DISTÂNCIA, D_DISTÂNCIA e D_PERÍODO. O coeficiente da quebra etrutural é etatiticamente ignificante a 10%. Em toda a outra epecificaçõe, é poível rejeitar a hipótee de que a relação entre invetimento em educação e ditância é igual no doi período ao nível de ignificância de 5%. Na 2ª equação, incluem-e controle para caracterítica do indivíduo (idade, raça, exo, gravidez precoce e algum tipo de deficiência). Todo o coeficiente com exceção de DEFICIÊNCIA ignificante a 5% - ão etatiticamente ignificante a 1% e de acordo com a expectativa. A jutificativa para a incluão de GRAVIDEZ_PRECOCE e DEFICIÊNCIA na regreão é de que eta caracterítica aumentam o cuto de e invetir em educação. Ao incluirmo ete controle, o coeficiente da quebra etrutural paa a er ignificante a 5% enquanto não é poível rejeitar a hipótee nula de que não há relação entre invetimento em educação e a ditância para o período pré- 1 > 32 Em toda a regreõe, utilizou-e cluter para a variável município. Além dio, o devio-padrão ão robuto.

28 54 Palma. Ito ocorre porque houve uma mudança na compoição do joven qualificado e não-qualificado entre 1991 e (1) (2) (3) (4) (5) EDUCACAO EDUCACAO EDUCACAO EDUCACAO EDUCACAO DISTANCIA (0.108) (0.305) (0.680) (0.962) (0.980) D_DISTANCIA (0.093)* (0.011)** (0.032)** (0.009)*** (0.001)*** D_PERIODO (0.000)*** (0.000)*** (0.000)*** (0.000)*** (0.000)*** RENDA_FAMILIAR_PERCAP (0.000)*** (0.000)*** RENDA_FAMILIAR_PERCAP_ (0.000)*** (0.000)*** PREMIO_EDUC (0.054)* D_SALARIO_QUALIFICADO (0.096)* IDADE (0.000)*** (0.000)*** (0.000)*** (0.000)*** IDADE_ (0.000)*** (0.000)*** (0.000)*** (0.000)*** FEMININO (0.000)*** (0.000)*** (0.000)*** (0.000)*** NEGRO (0.000)*** (0.000)*** (0.000)*** (0.000)*** PARDO (0.000)*** (0.000)*** (0.000)*** (0.000)*** GRAVIDEZ_PRECOCE (0.000)*** (0.000)*** (0.000)*** (0.000)*** DEFICIENCIA (0.050)** (0.118) (0.134) (0.139) ESCOL_CHEFE (0.000)*** (0.000)*** (0.000)*** CHEFE_MULHER (0.002)*** (0.004)*** (0.004)*** HOMEM_SOLTEIRO (0.012)** (0.015)** (0.015)** MULHER_SOLTEIRA (0.001)*** (0.018)** (0.019)** Obervaçõe P-valor entre parêntei Peudo R Tabela 5- Análie Empírica Na 3ª coluna, adicionam-e controle para a caracterítica da família do entrevitado (ecolaridade do chefe e tipo de família chefe mulher com cônjuge, chefe homem em cônjuge e chefe mulher olteira). O coeficiente de toda eta variávei ão etatiticamente ignificante a 5%. O coeficiente da quebra etrutural paa a er ignificante a 1%. É intereante notar que a probabilidade de um indivíduo completar o fundamental é maior e ele mora em um domicílio

29 55 em que o chefe é do exo feminino e vive em cônjuge do que no cao em que o chefe é do exo feminino e vive com cônjuge ou o chefe é do exo maculino e vive em cônjuge. Um poível problema para a etimação é de que invetimento em capital humano ão limitado pela riqueza da família cao o mercado de crédito eja imperfeito. Dito ito, alteraçõe na riqueza da família que etejam correlacionada com a ditância até a capital podem viear o coeficiente da quebra etrutural. Como o CENSO não diponibiliza informaçõe quanto à riqueza da família, optou-e por utilizar a renda per capita familiar (excluindo empregado, penionita e parente de empregado) como proxy da riqueza. A variávei de renda familiar per capita e renda familiar per capita ao quadrado ão utilizada como controle na 4ª equação. 33 O coeficiente da quebra etrutural permanece ignificante a 1% enquanto o coeficiente de renda e renda ao quadrado têm o inal de acordo com a expectativa e ão ignificante a 1%. É razoável imaginar que a contrução de Palma e a emigração que e eguiu do trabalhadore de outro município do Tocantin para lá impactaram o alário no mercado de trabalho de origem. Nee entido, o alário ão endógeno. A variaçõe do alário na economia de origem é um outro canal atravé do qual a contrução de Palma produziu efeito obre o invetimento em capital humano. O reultado apreentado na coluna (4) evidenciam tanto o efeito da mudança de alário como o brain effect. Entretanto, o foco do trabalho é invetigar excluivamente e a poibilidade de emigração para Palma aumentou o invetimento em capital humano no outro município, expurgando aim quaiquer efeito aociado à variaçõe na remuneraçõe da mão-de-obra qualificada e não-qualificada no mercado de trabalho de origem. Por io, o controle relativo ao alário no mercado de trabalho de origem ão adicionado na regreão 5. Na eção 3.2, utilizou-e o modelo para demontrar que a decião de invetir em educação no período anterior à fundação de Palma era função apena do prêmio de educação. Apó a contrução da cidade, a decião de invetir em educação depende não ó do alário do trabalhador qualificado na economia periférica como também do alário na 33 A converão do valore monetário de 1991 para valore reai de 2000 foi feita eguindo a ugetõe de Coreuil e Fogel (2002).

CAPÍTULO 6 - Testes de significância

CAPÍTULO 6 - Testes de significância INF 16 CAPÍTULO 6 - Tete de ignificância Introdução Tete de ignificância (também conhecido como Tete de Hipótee) correpondem a uma regra deciória que no permite rejeitar ou não rejeitar uma hipótee etatítica

Leia mais

Avaliação de Ações. Mercado de Capitais. Luiz Brandão. Ações. Mercado de Ações

Avaliação de Ações. Mercado de Capitais. Luiz Brandão. Ações. Mercado de Ações Mercado de Capitai Avaliação de Açõe Luiz Brandão O título negociado no mercado podem de renda fixa ou de renda variável. Título de Renda Fixa: Conhece-e de antemão qual a remuneração a er recebida. odem

Leia mais

Lider. ança. para criar e gerir conhecimento. }A liderança é um fator essencial para se alcançar o sucesso também na gestão do conhecimento.

Lider. ança. para criar e gerir conhecimento. }A liderança é um fator essencial para se alcançar o sucesso também na gestão do conhecimento. Liderança para criar e gerir conhecimento Lider ança para criar e gerir conhecimento }A liderança é um fator eencial para e alcançar o uceo também na getão do conhecimento.~ 48 R e v i t a d a ES P M janeiro

Leia mais

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos CAPÍTULO 10 Modelagem e repota de itema dicreto 10.1 Introdução O itema dicreto podem er repreentado, do memo modo que o itema contínuo, no domínio do tempo atravé de uma tranformação, nete cao a tranformada

Leia mais

Inclusão Social dos Jovens nos Assentamentos Rurais de Areia com ênfase no trabalho da Tutoria e recursos das novas TIC s

Inclusão Social dos Jovens nos Assentamentos Rurais de Areia com ênfase no trabalho da Tutoria e recursos das novas TIC s Incluão Social do Joven no Aentamento Rurai de Areia com ênfae no trabalho da Tutoria e recuro da nova TIC MIRANDA 1, Márcia C.V.; SILVA 2, Fátima do S.; FÉLIX 3, Jânio 1 Profeora orientadora e coordenadora

Leia mais

Professora FLORENCE. Resolução:

Professora FLORENCE. Resolução: 1. (FEI-SP) Qual o valor, em newton, da reultante da força que agem obre uma maa de 10 kg, abendo-e que a mema poui aceleração de 5 m/? Reolução: F m. a F 10. 5 F 50N. Uma força contante F é aplicada num

Leia mais

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação Confrontando Reultado Experimentai e de Simulação Jorge A. W. Gut Departamento de Engenharia Química Ecola Politécnica da Univeridade de São Paulo E mail: jorgewgut@up.br Um modelo de imulação é uma repreentação

Leia mais

Um exemplo de Análise de Covariância. Um exemplo de Análise de Covariância (cont.)

Um exemplo de Análise de Covariância. Um exemplo de Análise de Covariância (cont.) Um exemplo de Análie de Covariância A Regreão Linear e a Análie de Variância etudada até aqui, ão cao particulare do Modelo Linear, que inclui também a Análie de Covariância Em qualquer deta trê ituaçõe

Leia mais

Associação de Professores de Matemática PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO EXAME DE MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS (PROVA 835) 2013 2ªFASE

Associação de Professores de Matemática PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO EXAME DE MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS (PROVA 835) 2013 2ªFASE Aociação de Profeore de Matemática Contacto: Rua Dr. João Couto, n.º 7-A 1500-36 Liboa Tel.: +351 1 716 36 90 / 1 711 03 77 Fax: +351 1 716 64 4 http://www.apm.pt email: geral@apm.pt PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

Leia mais

Máquinas Eléctricas. Motores de indução. Motores assíncronos. Arranque

Máquinas Eléctricas. Motores de indução. Motores assíncronos. Arranque Motore de indução Arranque São motore robuto e barato (fabricado em maa), embora tendo o inconveniente de não erem regulávei. Conequentemente, uma vez definido um binário e uma corrente, ete apena dependem

Leia mais

Quantas equações existem?

Quantas equações existem? www2.jatai.ufg.br/oj/index.php/matematica Quanta equaçõe exitem? Rogério Céar do Santo Profeor da UnB - FUP profeorrogeriocear@gmail.com Reumo O trabalho conite em denir a altura de uma equação polinomial

Leia mais

COP Comunication on Progress EQÜIDADE DE GÊNERO

COP Comunication on Progress EQÜIDADE DE GÊNERO COP Comunication on Progre São Paulo, 28 de fevereiro de 2011 A Ferol Indútria e Comércio SA declara eu apoio contínuo ao Pacto Global. A Ferol acredita na diveridade e na pluralidade como ferramenta de

Leia mais

Capítulo 5: Análise através de volume de controle

Capítulo 5: Análise através de volume de controle Capítulo 5: Análie atravé de volume de controle Volume de controle Conervação de maa Introdução Exite um fluxo de maa da ubtância de trabalho em cada equipamento deta uina, ou eja, na bomba, caldeira,

Leia mais

Competências/ Objetivos Especifica(o)s

Competências/ Objetivos Especifica(o)s Tema B- Terra em Tranformação Nº previta Materiai Contituição do mundo material Relacionar apecto do quotidiano com a Química. Reconhecer que é enorme a variedade de materiai que no rodeiam. Identificar

Leia mais

Afetação de recursos, produtividade e crescimento em Portugal 1

Afetação de recursos, produtividade e crescimento em Portugal 1 Artigo 65 Afetação de recuro, produtividade e crecimento em Portugal 1 Daniel A. Dia 2 Carlo Robalo Marque 3 Chritine Richmond 4 Reumo No período 1996 a 2011 ocorreu uma acentuada deterioração na afetação

Leia mais

A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NAS ÚLTIMAS DÉCADAS: OBSTÁCULOS E METAS DENTRO E FORA DA ESCOLA

A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NAS ÚLTIMAS DÉCADAS: OBSTÁCULOS E METAS DENTRO E FORA DA ESCOLA 329 A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NAS ÚLTIMAS DÉCADAS: OBSTÁCULOS E METAS DENTRO E FORA DA ESCOLA BRAZILIAN EDUCATION IN LAST DECADES: BARRIERS AND GOALS INSIDE AND OUTSIDE SCHOOL 1 t r a v e i a e d. 1 0 i n

Leia mais

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas.

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas. Ecola Báic a 2º º e 3º º Ciclo Tema 1 Viver com o outro Tema Conteúdo Competência Actividade Tema 1 Viver com o outro Valore Direito e Devere Noção de valor O valore como referenciai para a acção: - o

Leia mais

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade Enterprie Quality Management [EQM] Excelência em Getão da Qualidade A Getão da Qualidade Total, do inglê Total Quality Management - TQM é uma etratégia de adminitração completa que tem como objetivo principal

Leia mais

A PRODUÇÃO DE SENTIDOS NOS CAMINHOS DO HIPERTEXTO THE PRODUCTION OF SENSE IN THE HYPERTEXT WAY

A PRODUÇÃO DE SENTIDOS NOS CAMINHOS DO HIPERTEXTO THE PRODUCTION OF SENSE IN THE HYPERTEXT WAY 27 A PRODUÇÃO DE SENTIDOS NOS CAMINHOS DO HIPERTEXTO THE PRODUCTION OF SENSE IN THE HYPERTEXT WAY 1 RESUMO: A tecnologia da informação e comunicação - TIC ampliam o epaço para comunicação e interação na

Leia mais

UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA

UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA Benjamin Mariotti Feldmann Mie Yu Hong Chiang Marco Antonio Brinati Univeridade de São Paulo Ecola Politécnica da

Leia mais

Fotografando o Eclipse Total da Lua

Fotografando o Eclipse Total da Lua Fotografando o Eclipe Total da Lua (trabalho apreentado para o Mueu de Atronomia e Ciência Afin) http://atrourf.com/diniz/artigo.html Autor: Joé Carlo Diniz (REA-BRASIL) "Você pode e deve fotografar o

Leia mais

Estrutura geral de um sistema com realimentação unitária negativa, com um compensador (G c (s) em série com a planta G p (s).

Estrutura geral de um sistema com realimentação unitária negativa, com um compensador (G c (s) em série com a planta G p (s). 2 CONTROLADORES PID Introdução Etrutura geral de um itema com realimentação unitária negativa, com um compenador (G c () em érie com a planta G p (). 2 Controladore PID 2. Acção proporcional (P) G c ()

Leia mais

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras Livro para a SBEA (material em contrução) Edmundo Rodrigue 9 4.1. Análie granulométrica Granulometria, graduação ou compoição granulométrica de um agregado é a ditribuição percentual do eu divero tamanho

Leia mais

Pescando direitos. Medidas Provisórias nºs 664 e 665 de 30 dezembro de 2014. Sobre as MP's 664 e 665 de 2014:

Pescando direitos. Medidas Provisórias nºs 664 e 665 de 30 dezembro de 2014. Sobre as MP's 664 e 665 de 2014: Pecando direito Boletim Jurídico do CPP/ Abril de 2015. 1ª edição. Medida Proviória nº 664 e 665 de 30 dezembro de 2014. Sobre a MP' 664 e 665 de 2014: Em 30 dezembro de 2014 foram promulgada a Medida

Leia mais

XLVI Pesquisa Operacional na Gestão da Segurança Pública

XLVI Pesquisa Operacional na Gestão da Segurança Pública PROBLEMA DE CORTE UNIDIMENSIONAL COM SOBRAS APROVEITÁVEIS: RESOLUÇÃO DE UM MODELO MATEMÁTICO Adriana Cherri Departamento de Matemática, Faculdade de Ciência, UNESP, Bauru adriana@fc.unep.br Karen Rocha

Leia mais

PENSAMENTO SISTÊMICO APLICADO A SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO. Leila Lage Humes lhumes@usp.br

PENSAMENTO SISTÊMICO APLICADO A SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO. Leila Lage Humes lhumes@usp.br V I I S E M E A D E S T U D O D E C A S O M É T O D O S Q U A N T I T A T I V O S E I N F O R M Á T I C A PENSAMENTO SISTÊMICO APLICADO A SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO Leila Lage Hume lhume@up.br

Leia mais

Taxa de Juros e Default em Mercados de Empréstimos Colateralizados

Taxa de Juros e Default em Mercados de Empréstimos Colateralizados Etudo Econômico 41(4) outubro/dezembro de 2011 Taxa de Juro e Default em Mercado de Emprétimo Colateralizado Sergio Ricardo Fautino Batita - Joé Angelo Divino - Jaime Orrillo Submetido: 26 de março de

Leia mais

O CORPO HUMANO E A FÍSICA

O CORPO HUMANO E A FÍSICA 1 a fae Prova para aluno do 9º e 1º ano LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO: 01) Eta prova detina-e excluivamente a aluno do 9 o ano do enino fundamental e 1º ano do enino médio. Ela contém trinta quetõe.

Leia mais

Marés, fases principais da Lua e bebês

Marés, fases principais da Lua e bebês Maré, fae principai da ua e bebê CADERNO BRASIEIRO DE ENSINO DE FÍSICA, FORIANÓPOIS, V.0, N. 1: P.10-9, ABR. 003 Fernando ang da Silveira Univeridade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Intituto de Fíica

Leia mais

CATÁLOGO DE CURSOS SELECIONADOS

CATÁLOGO DE CURSOS SELECIONADOS CATÁLOGO DE CURSOS SELECIONADOS Laureate Network Product & Service Copyright 2013 Laureate Education, Inc. ÍNDICE C A T Á L O G O L N P S ÍCONE Nome do Curo Língua Duração Deenvolvimento do Corpo Acadêmico

Leia mais

Curso de Análise Matricial de Estruturas 1 I - INTRODUÇÃO

Curso de Análise Matricial de Estruturas 1 I - INTRODUÇÃO Curo de Análie Matricial de Etrutura 1 I - INTRODUÇÃO I.1 - Introdução O proceo de um projeto etrutural envolve a determinação de força interna e de ligaçõe e de delocamento de uma etrutura. Eta fae do

Leia mais

Experimento #4. Filtros analógicos ativos LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA

Experimento #4. Filtros analógicos ativos LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA UNIVESIDADE FEDEAL DE CAMPINA GANDE CENTO DE ENGENHAIA ELÉTICA E INFOMÁTICA DEPATAMENTO DE ENGENHAIA ELÉTICA LABOATÓIO DE ELETÔNICA Experimento #4 Filtro analógico ativo EXPEIMENTO #4 Objetivo Gerai Eta

Leia mais

METODOLOGIA DE PROJETO DE FILTROS DE SEGUNDA ORDEM PARA INVERSORES DE TENSÃO COM MODULAÇÃO PWM DIGITAL

METODOLOGIA DE PROJETO DE FILTROS DE SEGUNDA ORDEM PARA INVERSORES DE TENSÃO COM MODULAÇÃO PWM DIGITAL METODOLOGIA DE PROJETO DE FILTROS DE SEGUNDA ORDEM PARA INVERSORES DE TENSÃO COM MODULAÇÃO PWM DIGITAL Leandro Michel * Robinon F. de Camargo * michel@ieee.org robinonfc@bol.com.br Fernando Botterón *

Leia mais

Rentabilidade das Instituições Financeiras no Brasil: Mito ou Realidade? Autores JOSÉ ALVES DANTAS Centro Universitário Unieuro

Rentabilidade das Instituições Financeiras no Brasil: Mito ou Realidade? Autores JOSÉ ALVES DANTAS Centro Universitário Unieuro Rentabilidade da Intituiçõe Financeira no Brail: Mito ou Realidade? Autore JOSÉ ALVES DANTAS Centro Univeritário Unieuro PAULO ROBERTO BARBOSA LUSTOSA PMIRPGCC - UNB/UFPB/UFPE/UFRN Reumo A dicuão obre

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Votos e Contribuição

PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Votos e Contribuição PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Voto e Contribuição Reponável pelo PM: Acompanhamento do Mercado CONTROLE DE ALTERAÇÕES Verão Data Decrição da Alteração Elaborada por Aprovada por PM AM.04 - Cálculo

Leia mais

EFEITOS DO COEFICIENTE DE POISSON E ANÁLISE DE ERRO DE TENSÕES EM TECTÔNICA DE SAL

EFEITOS DO COEFICIENTE DE POISSON E ANÁLISE DE ERRO DE TENSÕES EM TECTÔNICA DE SAL Copright 004, Intituto Braileiro de Petróleo e Gá - IBP Ete Trabalho Técnico Científico foi preparado para apreentação no 3 Congreo Braileiro de P&D em Petróleo e Gá, a er realizado no período de a 5 de

Leia mais

Resolução de Equações Diferenciais Ordinárias por Série de Potências e Transformada de Laplace

Resolução de Equações Diferenciais Ordinárias por Série de Potências e Transformada de Laplace Reolução de Equaçõe Diferenciai Ordinária por Série de Potência e Tranformada de Laplace Roberto Tocano Couto rtocano@id.uff.br Departamento de Matemática Aplicada Univeridade Federal Fluminene Niterói,

Leia mais

Vestibular 2013 2 a fase Gabarito Física

Vestibular 2013 2 a fase Gabarito Física etibular 203 2 a fae Gabarito Fíica Quetão 0 (alor: 5 ponto) Cálculo da variação da quantidade de movimento A velocidade inicial no momento do impacto erá a velocidade final da queda Aplicando conervação

Leia mais

Palavras-chave:Algoritmo Genético; Carregamento de Contêiner; Otimização Combinatória.

Palavras-chave:Algoritmo Genético; Carregamento de Contêiner; Otimização Combinatória. Reolução do Problema de Carregamento e Decarregamento 3D de Contêinere em Terminai Portuário para Múltiplo Cenário via Repreentação por Regra e Algoritmo Genético Aníbal Tavare de Azevedo (UNICAMP) anibal.azevedo@fca.unicamp.br

Leia mais

Equações Diferenciais (GMA00112) Resolução de Equações Diferenciais por Séries e Transformada de Laplace

Equações Diferenciais (GMA00112) Resolução de Equações Diferenciais por Séries e Transformada de Laplace Equaçõe Diferenciai GMA Reolução de Equaçõe Diferenciai por Série e Tranformada de Laplace Roberto Tocano Couto tocano@im.uff.br Departamento de Matemática Aplicada Univeridade Federal Fluminene Niterói,

Leia mais

P R O J E T O. Arte. Pneus

P R O J E T O. Arte. Pneus P R O J E T O Arte em C NSCIÊNCIA Promovendo a concientização ecológica utilizando como ferramenta a arte e o ecodeign, criando produto e artefato a partir de reíduo ólido de póconumo (pneu uado) como

Leia mais

2 Introdução à Fluorescência

2 Introdução à Fluorescência 2 Introdução à luorecência 2. O fenômeno da fluorecência Luminecência é a emião de luz por alguma ubtância, ocorrendo a partir de etado eletrônico excitado. Para ecrever ee capítulo conultamo principalmente

Leia mais

CRECHE COMUNITARIA PINGO DE GENTE AV.Senador Levindo Coelho 130 Tirol CEP.30662-290 CNPJ: 21508312.0001/80

CRECHE COMUNITARIA PINGO DE GENTE AV.Senador Levindo Coelho 130 Tirol CEP.30662-290 CNPJ: 21508312.0001/80 ORGANIZAÇÃO PROPONENTE: CRECHE COMUNITARIA PINGO DE GENTE PROJETO : CUIDANDO EDUCANDO E CONSTRUINDO CIDADÃOS DO FUTURO. LINHA PROGRAMÁTICA DO PROJETO Creche, Educação Infantil, Socialização,Garantia de

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS PROCEDIMENTOS DE AMOSTRAGEM CASUAL SIMPLES E AMOSTRAGEM SISTEMÁTICA

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS PROCEDIMENTOS DE AMOSTRAGEM CASUAL SIMPLES E AMOSTRAGEM SISTEMÁTICA Etudo comparativo entre o procedimento de amotragem... 67 ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS PROCEDIMENTOS DE AMOSTRAGEM CASUAL SIMPLES E AMOSTRAGEM SISTEMÁTICA EM INVENTÁRIOS DE ARBORIZAÇÃO URBANA Comparative

Leia mais

Programa de Formação Técnica Continuada. Categoria de Emprego para Motores CA / CC

Programa de Formação Técnica Continuada. Categoria de Emprego para Motores CA / CC Programa de Formação Técnica Continuada Categoria de Emprego para Motore CA / CC Índice.Introdução.... Chave manuai etrela triângulo.... O motore.... Motore de indução tipo gaiola.... Motore de indução

Leia mais

Artigos. Comunicação organizacional e relações públicas: caminhos que se cruzam, entrecruzam ou sobrepõem?

Artigos. Comunicação organizacional e relações públicas: caminhos que se cruzam, entrecruzam ou sobrepõem? E t u d o17 Artigo Comunicação organizacional e relaçõe pública: caminho que e cruzam, entrecruzam ou obrepõem? IVONE DE LOUDES OLIVEIRA Metre em Ciência da Comunicação pela ECA-USP e doutora em Comunicação

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos gerais para gerir a Secretaria do Conselho da Magistratura (SECCM).

Estabelecer critérios e procedimentos gerais para gerir a Secretaria do Conselho da Magistratura (SECCM). Propoto por: Equipe da Secretaria do Conelho da Magitratura (SECCM) Analiado por: Repreentante da Adminitração Superior (RAS/SECCM) Aprovado por: Secretária da Secretaria do Conelho da Magitratura (SECCM)

Leia mais

PROTEÇÕES COLETIVAS. Modelo de Dimensionamento de um Sistema de Guarda-Corpo

PROTEÇÕES COLETIVAS. Modelo de Dimensionamento de um Sistema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema

Leia mais

Imposto de Renda Pessoa Física

Imposto de Renda Pessoa Física Impoto de Renda Peoa Fíica 2006 Manual de Preenchimento Declaração de Ajute Anual Modelo Completo - Ano-calendário de 2005 Receita Federal Minitério da Fazenda GOVERNO FEDERAL Índice PÁG. ENTREGA DA DECLARAÇÃO

Leia mais

I Desafio Petzl Para Bombeiros Regulamento Campeonato Internacional de Técnicas Verticais e Resgate

I Desafio Petzl Para Bombeiros Regulamento Campeonato Internacional de Técnicas Verticais e Resgate ! I Deafio Petzl Para Bombeiro Regulamento Campeonato Internacional de Técnica Verticai e Regate A Spelaion, ditribuidor excluivo Petzl no Brail e o Corpo de Bombeiro de Goiá, etá organizando o Primeiro

Leia mais

www.inglesdojerry.com.br

www.inglesdojerry.com.br www.ingledojerry.com.br AGRADECIMENTOS Meu mai incero agradecimento, A Deu, que em ua incomenurável e infinita abedoria tem me dado aúde e força para atravé dete trabalho levar o enino do idioma a peoa

Leia mais

Projeto Visita Virtual e Videoconferência Judicial

Projeto Visita Virtual e Videoconferência Judicial Projeto Viita Virtual e Videoconferência Judicial Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN) Minitério da Jutiça Ete projeto naceu de uma parceria entre o Departamento Penitenciário Nacional e a Defenoria

Leia mais

Projeto Crescer I e II

Projeto Crescer I e II Projeto Crecer I e II Motra Local de: Araponga Categoria do projeto: I Projeto em Andamento (projeto em execução atualmente) Nome da Intituição/Emprea: Paulo Hermínio Pennacchi, preidente da Caa do Bom

Leia mais

Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático considerando o efeito do atrito dinâmico

Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático considerando o efeito do atrito dinâmico Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático coniderando o efeito do atrito dinâmico Antonio C. Valdiero, Carla S. Ritter, Luiz A. Raia Depto de Ciência Exata e Engenharia, DCEEng,

Leia mais

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada.

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada. Compenadore 0.1 Introdução Controle 1 - DAELN - UTFPR Prof. Paulo Roberto Brero de Campo O compenadore ão utilizado para alterar alguma caracterítica do itema em malha fechada. 1. Avanço de fae (lead):

Leia mais

Intruçõe Breve Verão 1 0 junho 2005 INSTRUÇÕES APENAS PARA PESSOAL QUALIFICADO APERTO DO CONJUNTO DE SUPORTES AVISO: O funcionamento da ua coluna como componente de um itema upeno pode potencialmente expor

Leia mais

O URBANO E A PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA EM CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM - ES

O URBANO E A PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA EM CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM - ES P A N Ó P T I C A O URBANO E A PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA EM CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM - ES Daniel Pitzer Zippinotti Univeridade Federal do Epírito Santo - UFES 1. INTRODUÇÃO O preente trabalho procura apreentar

Leia mais

AULA 02 POTÊNCIA MECÂNICA. = τ. P ot

AULA 02 POTÊNCIA MECÂNICA. = τ. P ot AULA 0 POTÊNCIA MECÂNICA 1- POTÊNCIA Uma força pode realizar um memo trabalho em intervalo de tempo diferente. Quando colocamo um corpo de maa m obre uma mea de altura H num local onde a aceleração da

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE DADOS CLIMATOLÓGICOS DO RIO GRANDE DO SUL E SANTA CATARINA

RECUPERAÇÃO DE DADOS CLIMATOLÓGICOS DO RIO GRANDE DO SUL E SANTA CATARINA UPERAÇÃO DE DADOS CLIMATOLÓGICOS DO RIO GRANDE DO SUL E SANTA CATARINA Flavio Varone Gonçalve (1) Ilia S. Kim (1) Curo Pó-Graduação em Meteorologia, Faculdade de Meteorologia, UFPel. ABSTRACT Climatological

Leia mais

A CAPACIDADE DE SUBITIZING EM CRIANÇAS DE 4 ANOS

A CAPACIDADE DE SUBITIZING EM CRIANÇAS DE 4 ANOS A CAPACIDADE DE SUBIIZING EM CRIANÇAS DE 4 ANOS Maria João Ramalho Cordeiro Diertação apreentada à ecola Superior de Educação de Liboa para obtenção de grau de metre em Educação Matemática na Educação

Leia mais

Aula 4 Modelagem de sistemas no domínio da frequência Prof. Marcio Kimpara

Aula 4 Modelagem de sistemas no domínio da frequência Prof. Marcio Kimpara FUDAMETOS DE COTROLE E AUTOMAÇÃO Aula 4 Modelagem de itema no domínio da requência Pro. Marcio impara Unieridade Federal de Mato Groo do Sul Sitema mecânico tranlação Elemento Força deloc. tempo Laplace

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 CONVERSORES PARA ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS

EXPERIÊNCIA 7 CONVERSORES PARA ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO - UNICAMP EE-832 - LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA INDUSTRIAL EXPERIÊNCIA 7 CONVERSORES PARA ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS 7. Introdução A máquina de corrente

Leia mais

TRATAMENTO DE SEMENTES COM CLORETO DE MEPIQUAT PARA REDUÇÃO DO CRESCIMENTO DA MAMONEIRA

TRATAMENTO DE SEMENTES COM CLORETO DE MEPIQUAT PARA REDUÇÃO DO CRESCIMENTO DA MAMONEIRA TRATAMENTO DE SEMENTES COM CLORETO DE MEPIQUAT PARA REDUÇÃO DO CRESCIMENTO DA MAMONEIRA Diego de M. Rodrigue 1,2, Maria Iaura P. de Oliveira 1,2, Maria Aline de O. Freire 1,3, Lígia R. Sampaio 1,2, Walker

Leia mais

GABARITO NÍVEL III. Questão 1) As Leis de Kepler.

GABARITO NÍVEL III. Questão 1) As Leis de Kepler. SOCIEDADE ASTONÔMICA BASILEIA SAB IV Olimpíada Braileira de Atronomia IV OBA - 001 Gabarito da Prova de nível III (para aluno do enino médio) GABAITO NÍVEL III Quetão 1) A Lei de Kepler. Johanne Kepler,

Leia mais

Usos do Orkut O Movimento Heavy Metal e o BuddyPoke Enquanto Expressão de Subjetividade e de Identificação 1

Usos do Orkut O Movimento Heavy Metal e o BuddyPoke Enquanto Expressão de Subjetividade e de Identificação 1 Uo do Orkut O Movimento Heavy Metal e o BuddyPoke Enquanto Expreão de Subjetividade e de Identificação 1 Élida Fabiani Morai de CRISTO; Haroldo França REBOUÇAS Neto; Jacklene de Souza CARRÉRA; Keila Marina

Leia mais

Implementando modelos DEA no R

Implementando modelos DEA no R Implementando modelo DEA no R Joé Francico Moreira Peanha profeorfmp@hotmail.com UERJ Alexandre Marinho alexandre.marinho@ipea.gov.br UERJ Luiz da Cota Laurencel llaurenc.ntg@terra.com.br UERJ Marcelo

Leia mais

ÍNDICE. 03 Desenvolvimento do Corpo Acadêmico Laureate. 10 Laureate Languages. 14 Produtos da Marca Laureate. 18 Melhores Práticas Laureate

ÍNDICE. 03 Desenvolvimento do Corpo Acadêmico Laureate. 10 Laureate Languages. 14 Produtos da Marca Laureate. 18 Melhores Práticas Laureate ÍNDICE 03 Deenvolvimento do Corpo Acadêmico Laureate 10 Laureate Language 14 Produto da Marca Laureate 18 Melhore Prática Laureate MY.LAUREATE.NET 3 Promovendo a Excelência de Enino Como Melhorar o Enino

Leia mais

s Rede Locais s Shielded Twisted Pair (STP); s Unshielded Twisted Pair (UTP); s Patch Panels; s Cabo Coaxial; s Fibra Óptica;

s Rede Locais s Shielded Twisted Pair (STP); s Unshielded Twisted Pair (UTP); s Patch Panels; s Cabo Coaxial; s Fibra Óptica; Rede de Computadore Rede Locai Shielded Twited Pair (STP); Unhielded Twited Pair (UTP); Patch Panel; Cabo Coaxial; Fibra Óptica; 2 2010 Airton Junior. All right reerved. Rede de Computadore É um conjunto

Leia mais

operação. Determine qual o percentual de vezes que o servidor adicional será acionado.

operação. Determine qual o percentual de vezes que o servidor adicional será acionado. P r i m e i r o e m e t r e d e 2 4 Revião da Poion e da Exponencial. Suponha ue o aceo a um ervidor de web iga uma Poion com taxa de uatro aceo por minuto. (i) Encontre a probabilidade de ue ocorram aceo

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA DO AMBIENTE FÍSICA E QUÍMICA DA ATMOSFERA

CURSO DE ENGENHARIA DO AMBIENTE FÍSICA E QUÍMICA DA ATMOSFERA CURSO DE ENGENHARIA DO AMBIENE FÍSICA E QUÍMICA DA AMOSFERA Ano Lectivo 2004/2005 Época Epecial: 17/10/2005 I (4.8 valore) Atribua a cada uma da afirmaçõe eguinte, em jutificar, uma da claificaçõe: Verdadeiro

Leia mais

Os projetos realizados pelos Núcleos se encaixam em todas as áreas de enfoque do Rotary, sendo

Os projetos realizados pelos Núcleos se encaixam em todas as áreas de enfoque do Rotary, sendo Núcleo Rotary de Deenvolvimento Comunitário (NRDC) Reultado da pequia de 2013 e 2014 I. NRDC e eu projeto: 2014 2013 87% do NRDC e reuniram pelo meno uma vez por mê. 34% do NRDC dieram ter membro na faixa

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Verão.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife PE GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC GAT

Leia mais

Mudança de paradigma. d a. M. Dueñas. maio / junho de

Mudança de paradigma. d a. M. Dueñas. maio / junho de Mudança de paradigma M. Dueña u M dança de 50 R e v i t a d a ES P M maio / junho de 2009 João Boaventura Branco de Mato ParadigMa, crie e oportunidade em trê onda e}o trê ciclo apreentado imbolizam período

Leia mais

SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS

SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS Reumo Luca Franco de Ai¹ Marcelo Semenato² ¹Intituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia/Campu Jataí/Engenharia Elétrica/PIBIT-CNPQ lucafranco_jty@hotmail.com

Leia mais

INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ESTUDANTES ERAMUS OUT

INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ESTUDANTES ERAMUS OUT INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ETUDANTE ERAMU OUT Dede já, agradecemo a ua participação neta nova etapa do Projecto de Tutoria a Etudante ERAMU verão OUT. Com ete inquérito, pretendemo dar a conhecer

Leia mais

Nestas notas será analisado o comportamento deste motor em regime permanente.

Nestas notas será analisado o comportamento deste motor em regime permanente. MOTO DE INDUÇÃO TIFÁSICO 8/0/006 Ivan Camargo Introdução O motor de indução trifáico correponde a, aproximadamente, 5 % da carga elétrica do Brail, ou eja, 50 % da carga indutrial que, por ua vez, correponde

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO 1 EDITAL CONVITE Nº 009/2011-CPL/GPDP Proceo Adminitrativo nº 0221/2011 -CPL/GDPG A, atravé da Comião Permanente de Licitação, intituída pela Portaria nº 383/2011-GDPG, datada de 08/07/2011, da Exma. Sra.

Leia mais

CONTROLO DE SISTEMAS. APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox. Pedro Dinis Gaspar António Espírito Santo J. A. M.

CONTROLO DE SISTEMAS. APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox. Pedro Dinis Gaspar António Espírito Santo J. A. M. UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROMECÂNICA CONTROLO DE SISTEMAS APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox Pedro Dini Gapar António Epírito Santo J. A. M. Felippe de Souza

Leia mais

Física 1 Capítulo 7 Dinâmica do Movimento de Rotação Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori.

Física 1 Capítulo 7 Dinâmica do Movimento de Rotação Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori. Fíica Capítulo 7 Dinâmica do Movimento de Rotação Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori. Introdução: Ao uarmo uma chave de roda para retirar o parafuo para trocar o pneu de um automóvel, a roda inteira pode

Leia mais

Um Modelo de Encaminhamento Hierárquico Multi-Objectivo em Redes MPLS, com Duas Classes de Serviço

Um Modelo de Encaminhamento Hierárquico Multi-Objectivo em Redes MPLS, com Duas Classes de Serviço Um Modelo de Encaminhamento Hierárquico Multi-Objectivo em Rede MPLS, com Dua Clae de Serviço Rita Girão Silva a,c (Tee de Doutoramento realizada ob upervião de Profeor Doutor Joé Craveirinha a,c e Profeor

Leia mais

ANÁLISE LINEAR COM REDISTRIBUIÇÃO E ANÁLISE PLÁSTICA DE VIGAS DE EDIFÍCIOS

ANÁLISE LINEAR COM REDISTRIBUIÇÃO E ANÁLISE PLÁSTICA DE VIGAS DE EDIFÍCIOS Anai do 47º Congreo Braileiro do Concreto - CBC005 Setembro / 005 ISBN 85-98576-07-7 Volume XII - Projeto de Etrutura de Concreto Trabalho 47CBC06 - p. XII7-85 005 IBRACON. ANÁLISE LINEAR COM REDISTRIBUIÇÃO

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS DE CONTROLADORIA EM ORGÃOS PÚBLICOS: UM ESTUDO NOS MUNICÍPIOS MATOGROSSENSES DA REGIÃO SUDOESTE

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS DE CONTROLADORIA EM ORGÃOS PÚBLICOS: UM ESTUDO NOS MUNICÍPIOS MATOGROSSENSES DA REGIÃO SUDOESTE SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS DE CONTROLADORIA EM ORGÃOS PÚBLICOS: UM ESTUDO NOS MUNICÍPIOS MATOGROSSENSES DA REGIÃO SUDOESTE Autoria: Marco Antonio de Souza, Aldo Céar da Silva Ortiz, Lauro Brito

Leia mais

Padronizar os procedimentos relativos ao suporte de áudio e vídeo na Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro - EMERJ.

Padronizar os procedimentos relativos ao suporte de áudio e vídeo na Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro - EMERJ. Propoto por: Diretor do Departamento de Tecnologia de Informação e Comunicação (DETEC) Analiado por: Aeora da Aeoria de Getão Etratégica (ASGET) Aprovado por: Secretária-Geral de Enino (SECGE) 1 OBJETIVO

Leia mais

Figura 3.1 - Curva granulométrica por peneiramento e sedimentação de uma amostra de solo residual (Minas de calcáreo Caçapava do Sul)

Figura 3.1 - Curva granulométrica por peneiramento e sedimentação de uma amostra de solo residual (Minas de calcáreo Caçapava do Sul) Nota de Aula - Mecânica do Solo 23 UNIDADE 3 GRANULOMETRIA DOS SOLOS 3.1 Introdução Todo o olo, em ua fae ólida, contêm partícula de diferente tamanho em proporçõe a mai variada. A determinação do tamanho

Leia mais

6.2.1 Prescrições gerais

6.2.1 Prescrições gerais CAPÍTULO 6.2 PRESCRIÇÕES RELATIVAS AO FABRICO E AOS ENSAIOS SOBRE OS RECIPIENTES SOB PRESSÃO, AEROSSÓIS, RECIPIENTES DE BAIXA CAPACIDADE CONTENDO GÁS (CARTUCHOS DE GÁS) E CARTUCHOS DE PILHAS DE COMBUSTÍVEL

Leia mais

EDUARDO VIDAL VIOLA PRONOMES PESSOAIS E MARCADORES DE PESSOAS NAS LÍNGUAS AMERÍNDIAS

EDUARDO VIDAL VIOLA PRONOMES PESSOAIS E MARCADORES DE PESSOAS NAS LÍNGUAS AMERÍNDIAS EDUARDO VIDAL VIOLA PRONOMES PESSOAIS E MARCADORES DE PESSOAS NAS LÍNGUAS AMERÍNDIAS CAMPINAS, 2015 i ii UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE ESTUDOS DA LINGUAGEM EDUARDO VIDAL VIOLA PRONOMES

Leia mais

Vicente Leite (1), Henrique Teixeira (1), Rui Araújo (2), Diamantino Freitas (2) Resumo

Vicente Leite (1), Henrique Teixeira (1), Rui Araújo (2), Diamantino Freitas (2) Resumo Sitema Electrónico de Condicionamento e Proceamento, em Tempo Real, da Tenõe e Corrente do Motor de Indução Trifáico Alimentado por Converore de Frequência Vicente Leite (1), Henrique Teieira (1), Rui

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

ESTUDO DE GEOMARKETING

ESTUDO DE GEOMARKETING ESTUDO DE GEOMARKETING Aplicabilidade no egmento de Franquia O etudo de Geomarketing permite avaliar o ponto de venda exitente da rede em etudo e poibilita apontar nova oportunidade de negócio em comprometer

Leia mais

Matemática / Física. Figura 1. Figura 2

Matemática / Física. Figura 1. Figura 2 Matemática / Fíica SÃO PAULO: CAPITAL DA VELOCIDADE Diveo título foam endo atibuído à cidade de São Paulo duante eu mai de 00 ano de fundação, como, po exemplo, A cidade que não pode paa, A capital da

Leia mais

Capítulo I Tensões. Seja um corpo sob a ação de esforços externos em equilíbrio, como mostra a figura I-1:

Capítulo I Tensões. Seja um corpo sob a ação de esforços externos em equilíbrio, como mostra a figura I-1: apítuo I Seja um corpo ob a ação de eforço externo em equiíbrio, como motra a figura I-1: Figura I-3 Eforço que atuam na eção para equiibrar o corpo Tome-e, agora, uma pequena área que contém o ponto,

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL N.º 001/2007

CONCURSO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL N.º 001/2007 CONCURSO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL N.º 001/2007 A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE INHAMBUPE, Etado da Bahia, no uo de ua atribuiçõe legai, mediante a condiçõe etipulada nete Edital, repaldada no art. 37, II da

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA LIMA

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA LIMA EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL: n 070/204 PROCESSO ADMINISTRATIVO: n 278/204 IMPORTANTE: AO RETIRAR ESTE EDITAL, FAVOR PREENCHER O RECIBO DE RETIRADA DE EDITAL E ENVIÁ-LO PARA O E-MAIL INFORMADO NO PROPRIO

Leia mais

Reducao da. Maioridade Penal: o que voce precisa. essa ideia nao e boa. saber para entender que

Reducao da. Maioridade Penal: o que voce precisa. essa ideia nao e boa. saber para entender que Reducao da Maioridade Penal: o que voce precia aber para entender que ea ideia nao e boa. Expediente Eta cartilha foi originalmente produzida e publicada pela equipe do Centro de Defea da Criança e do

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Reolução n 12/ 2013 Aprova a reformulação do Projeto Pedagógico do Curo de Graduação em Pedagogia

Leia mais

Gestão de Recursos em Redes com Suporte de Qualidade de Serviço

Gestão de Recursos em Redes com Suporte de Qualidade de Serviço Univeridade de Aveiro Departamento de Electrónica e Telecomunicaçõe, 2003 Suana Iabel Barreto de Miranda Sargento Getão de Recuro em Rede com Suporte de Qualidade de Serviço Tee apreentada à Univeri dade

Leia mais

Estratégias MIMO-OFDM para Sistemas de

Estratégias MIMO-OFDM para Sistemas de XXII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TELECOMUICAÇÕES - SBrT 05, 04-08 DE SETEMBRO DE 005, CAMPIAS, SP Etratégia -OFDM para Sitema de Comunicaçõe Móvei Walter C. Freita Jr., Charle C. Cavalcante e F. Rodrigo. P.

Leia mais

Tensão Induzida por Fluxo Magnético Transformador

Tensão Induzida por Fluxo Magnético Transformador defi deartamento de fíica Laboratório de Fíica www.defi.ie.i.t Tenão Induzida or Fluxo Magnético Tranformador Intituto Suerior de Engenharia do Porto- Deartamento de Fíica Rua Dr. António Bernardino de

Leia mais

Programa de Formação Técnica Continuada. Proteção contra descargas Atmosféricas

Programa de Formação Técnica Continuada. Proteção contra descargas Atmosféricas Programa de Formação Técnica Continuada Proteção contra decarga Atmoférica 1. Origem e formação da decarga atmoférica...2 Índice 2. O parâmetro do Raio...4 3. Claificação da intalaçõe...4 4. Técnica de

Leia mais

ESTUDOS EXPERIMENTAIS SOBRE A AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES DE FLUIDOS DE PERFURAÇÃO EM MEIOS POROSOS ANISOTRÓPICOS

ESTUDOS EXPERIMENTAIS SOBRE A AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES DE FLUIDOS DE PERFURAÇÃO EM MEIOS POROSOS ANISOTRÓPICOS 3 a 6 de outubro de 0 Univeridade Federal Rural do Rio de Janeiro Univeridade Severino Sombra aoura RJ ESTUDOS EXPERIMENTIS SOBRE LIÇÃO DS PROPRIEDDES DE FLUIDOS DE PERFURÇÃO EM MEIOS POROSOS NISOTRÓPICOS.

Leia mais