ANÁLISE E CONTROLE DE SISTEMAS LINEARES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE E CONTROLE DE SISTEMAS LINEARES"

Transcrição

1 sid.ipe.br/mtc-m9/0/ pud ANÁLISE E CONTROLE DE SISTEMAS LINEARES Valdemir Carrara URL do documeto origial: <http://urlib.et/8jmkd3mgp7w/3cchmqp> INPE São José dos Campos 0

2 PUBLICADO POR: Istituto Nacioal de Pesquisas Espaciais - INPE Gabiete do Diretor (GB) Serviço de Iformação e Documetação (SID) Caixa Postal 55 - CEP São José dos Campos - SP - Brasil Tel.:(0) /69 Fax: (0) CONSELHO DE EDITORAÇÃO E PRESERVAÇÃO DA PRODUÇÃO INTELECTUAL DO INPE (RE/DIR-04): Presidete: Marciaa Leite Ribeiro - Serviço de Iformação e Documetação (SID) Membros: Dr. Atoio Ferado Bertachii de Almeida Prado - Coordeação Egeharia e Tecologia Espacial (ETE) Dr a Iez Staciarii Batista - Coordeação Ciêcias Espaciais e Atmosféricas (CEA) Dr. Gerald Jea Fracis Bao - Coordeação Observação da Terra (OBT) Dr. Germao de Souza Kiebaum - Cetro de Tecologias Especiais (CTE) Dr. Maoel Aloso Ga - Cetro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPT) Dr a Maria do Carmo de Adrade Noo - Coselho de Pós-Graduação Dr. Plíio Carlos Alvalá - Cetro de Ciêcia do Sistema Terrestre (CST) BIBLIOTECA DIGITAL: Dr. Gerald Jea Fracis Bao - Coordeação de Observação da Terra (OBT) REVISÃO E NORMALIZAÇÃO DOCUMENTÁRIA: Marciaa Leite Ribeiro - Serviço de Iformação e Documetação (SID) Yolada Ribeiro da Silva Souza - Serviço de Iformação e Documetação (SID) EDITORAÇÃO ELETRÔNICA: Vivéca Sat Aa Lemos - Serviço de Iformação e Documetação (SID)

3 sid.ipe.br/mtc-m9/0/ pud ANÁLISE E CONTROLE DE SISTEMAS LINEARES Valdemir Carrara URL do documeto origial: <http://urlib.et/8jmkd3mgp7w/3cchmqp> INPE São José dos Campos 0

4 ii

5 Resumo Este curso de Aálise e Cotrole de Sistemas Lieares foi preparado para ateder as ecessidades de disciplias de Sistemas Lieares e Cotrole de Sistemas Lieares em cursos de Egeharia da Computação, Egeharia Elétrica-Eletrôica, Egeharia Mecâica e Egeharia de Cotrole e Automação. Procurou-se dar êfase aos pricípios básicos ecessários à compreesão do assuto, sem cotudo dar êfase em excesso à teoria. O leitor poderá cosultar os livros citados a bibliografia caso teha ecessidade de iformações detalhadas sobre determiado tópico. Os exemplos foram escolhidos para cosolidar o cohecimeto e permitir a visão das possíveis aplicações, sem cotudo ser exaustivo. Os capítulos de a 6 cobrem a Aálise de Sistemas Lieares e o Cotrole é coberto a partir do capítulo 7. O capítulo faz uma revisão da teoria de equações difereciais lieares, cobrido também as ferrametas ecessárias para a sua compreesão como, por exemplo, as fuções descotíuas (degrau e impulso) e os úmeros complexos. A trasformada de Laplace é desevolvida o capítulo e as equações elemetares de sistemas lieares é apresetada o capítulo seguite. O capítulo 4 mostra a decomposição de fuções de trasferêcia em frações parciais, e os diagramas de blocos são mostrados o capítulo 5. Seguem a aálise da resposta de sistemas lieares às excitações descotíuas e o cotrole clássico (proporcioal, derivativo, itegral) os demais capítulos. O material de cosulta utilizado baseou-se os livros clássicos da área, apresetados a bibliografia. iii

6 iv

7 Aalysis ad Cotrol of Liear Systems Abstract This course of Aalysis ad Cotrol of Liear Systems was prepared to help uder gratuated studets i the courses of Liear Systems ad Liear Cotrol Systems i Computer Egieerig, Electrical Egieerig, Electroics, Mechaical Egieerig ad Cotrol ad Automatio Egieerig. The basic priciples ecessary to uderstad each topic were emphasized, avoidig to give much attetio o theory. The readers are ecouraged to cosult the books cited i the bibliography if they eed more iformatio o a particular subject. The examples cotaied i this book were chose i order to cosolidate the kowledge ad to provide to the readers the possible applicatios of theory, however ot beig to much comprehesive, i favor of clariess. Chapters -6 cover the Aalysis of Liear Systems ad the Cotrol is covered startig from Chapter 7. Chapter reviews the theory of liear differetial equatios, ad covers the tools ecessary for their uderstadig, like, for istace, discotiuous fuctios (step ad impulse) ad complex umbers. The Laplace trasform is developed i Chapter ad the basic equatios of liear systems is preseted i the ext chapter. Chapter 4 shows the decompositio of trasfer fuctios i partial fractios, ad the block diagrams are show i Chapter 5. I sequece the respose aalysis of liear systems with discrete excitatios ad the classic cotroller (proportioal, derivative, itegral) are preseted i the remaiig chapters. The bibliografy used to compile this course was based o the classical books of Cotrol Systems. v

8 vi

9 Sumário CONCEITOS FUNDAMENTAIS.... Noções básicas de sistemas.... Liearizações de sistemas ão lieares Números complexos Séries de fuções com ifiitos termos Fuções descotíuas o tempo....6 Equações difereciais ordiárias a coeficietes costates Movimeto harmôico amortecido Exercícios... TRANSFORMADA DE LAPLACE...3. Defiição de trasformada de Laplace...3. Propriedades da trasformada de Laplace Trasformadas de Laplace de fuções simples Fução de trasferêcia Poliômio característico SISTEMAS DINÂMICOS LINEARES Elemetos de sistemas diâmicos Mecâico traslacioal Mecâico rotacioal Elétrico Hidráulico Elemetos de etrada fotes Modelagem de sistemas diâmicos pela trasformada de Laplace Elemetos trasformadores e trasdutores Elemetos trasformadores Elemetos trasdutores Exercícios TRANSFORMADAS INVERSAS DE FUNÇÕES DE TRANSFERÊNCIA Trasformada iversa de Laplace para sistemas lieares Decomposição em frações parciais para m < Decomposição em frações parciais quado m Decomposição em frações quado G(s) possui pólos múltiplos Aálise algébrica da fução de trasferêcia Exercícios DIAGRAMA DE BLOCOS Coceito de diagrama de blocos Maipulação de diagrama de blocos Exercícios ANÁLISE DO TRANSIENTE DE RESPOSTA Trasiete de resposta Sistemas de primeira ordem Resposta do sistema de primeira ordem ao degrau uitário Resposta do sistema de primeira ordem ao impulso uitário Resposta do sistema de primeira ordem à rampa Sistemas de seguda ordem...87 vii Pág.

10 6.3. Resposta do sistema de seguda ordem para 0 < ζ < Resposta do sistema de seguda ordem para ζ = Resposta do sistema de seguda ordem para ζ > Aálise de desempeho com base a resposta trasiete CONTROLE CLÁSSICO DE SISTEMAS Defiições Cotroladores auto-operados Cotrole o-off Cotroladores proporcioais (P) Cotrolador proporcioal-derivativo (PD) Cotroladores itegrais (I) Cotrolador proporcioal-itegral (PI) Cotrolador proporcioal-itegral-derivativo (PID) Exercícios... APÊNDICE A... 7 A- Alfabeto Grego... 7 viii

11 CONCEITOS FUNDAMENTAIS Neste capítulo serão abordados algus coceitos ecessários à compreesão e o estudo de cotrole de sistemas. Serão revistos a termilogia empregada, os coceitos de sistemas, a liearização de sistemas ão-lieares, uma revisão de úmeros complexos, de séries covergetes com ifiitos termos, fuções descotíuas o tempo e as soluções de equações difereciais de sistemas lieares.. Noções básicas de sistemas Sistemas são cojutos de compoetes que atuam jutos realizado determiada fialidade. Um sistema pode ser costituído de sub-sistemas, e pode também ser parte de um sistema maior. O estado de um sistema é o cojuto de valores ecessários e suficietes que permitem saber, a cada istate, a cofiguração e a situação atual de todo ele. Por exemplo, para cotrolar a temperatura de uma câmara frigorífica é ecessário que esta temperatura esteja dispoível para o cotrolador, de tal forma que ele possa aumetá-la quado a câmara estiver muito fria ou reduzi-la se estiver quete. A temperatura (e tudo o mais que for ecessário) costitui uma das variáveis de estado deste sistema. O estado de um sistema é caracterizado, portato, pelas suas variáveis de estado. Sistemas diâmicos são sistemas cujas variáveis de estado variam o tempo, segudo leis físicas que podem ser modeladas matematicamete. Uma plata é também um cojuto de compoetes, ou parte de uma máquia, ou uma máquia como um todo, com a fialidade de desempehar uma determiada operação. Uma plata ecessariamete ão egloba o equipameto que efetua o seu cotrole, equato que um sistema pode represetar ambos. A Figura. exemplifica a difereça etre uma plata e um sistema. Em outras palavras, uma plata é um sistema que precisa ser cotrolado. Sob este poto de vista, a plata pode até coter um cotrolador itero de um ou mais de seus compoetes, mas estes cotroladores ão são vistos exteramete. Sistema Cotrole Plata Figura. - Um sistema pode evolver um cotrole, que também pode ser cosiderado um sistema, e a plata a ser cotrolada. Uma perturbação é um esforço ou sial que afeta a resposta do sistema ou de uma plata. A perturbação é cosiderada geralmete a forma aditiva à diâmica, isto é, sobrepõe-se ao modelo matemático da diâmica. Cotudo, certas perturbações exibem características ão aditivas que depedem do estado da plata e atuam de forma ão-liear. Cotrole realimetado ou cotrole em malha fechada é uma operação que reduz a difereça etre a saída (resposta) de um sistema ou plata a uma referêcia extera préestabelecida. Um sistema de cotrole de temperatura ambiete por meio de um equipameto

12 de ar-codicioado ou um simples termostato são exemplos de cotrole realimetado. A Figura. ilustra a represetação gráfica de um cotrole realimetado. O cotrolador calcula o sial de atuação com base a discrepâcia etre a saída da plata e a referêcia extera. Servo-sistemas são cotroladores de posição, velocidade ou de aceleração. Um servosistema é composto por um elemeto sesor, pela lógica de cotrole e pelo atuador (de posição, velocidade ou aceleração). Reguladores automáticos são sistemas cotroladores em malha fechada ode o sial de referêcia é costate e ão pode ser alterado. referêcia do cotrole Cotrole sial de atuação Plata saída ou estado Figura. Cotrole realimetado ou em malha fechada Sistemas em malha aberta ou cotroladores em malha aberta são sistemas o qual o cotrolador ão ecessita da iformação da saída ou do estado da plata para utilizar o sial de atuação (ver Figura.3). referêcia do cotrole Cotrole sial de atuação Plata saída ou estado Figura.3 Represetação do cotrole em malha aberta Modelos de sistemas são represetações que permitem estabelecer relações etre causa e efeito de sistemas diâmicos. Os modelos podem ser físicos ou matemáticos. Modelos físicos assemelham-se a sistemas reais, porém são mais simples, matedo as características mais importates. Os modelos matemáticos procuram represetar o comportameto diâmico dos sistemas por meio de equações matemáticas (equações de derivadas, equações de difereças). Pode-se prever o comportameto diâmico de uma plata pela aálise do seu modelo físico ou matemático. Por exemplo, seja o sistema diâmico mostrado a Figura.4, composto por uma massa m, uma mola de coeficiete k e um amortecedor com coeficiete de amortecimeto b. Este sistema, que se desloca a vertical, pode represetar um sistema de suspesão de um veículo. A equação matemática que descreve o movimeto do cojuto em fução do deslocameto x o da massa e da extremidade do amortecedor e mola, x i, é também mostrada a figura.

13 m x o k b mɺɺ x b( xɺ xɺ ) k ( x x ) = 0 o o i o i x i Figura.4 Um sistema composto por uma massa, mola e amortecedor pode represetar a suspesão de um veículo. O diagrama mostrado Figura.5 ilustra os diferetes tipos de sistemas e os modelos matemáticos utilizados a sua represetação. Sistemas diâmicos estocásticos possuem um comportameto imprevisível, e portato ão podem ser modelados. Um ruído é um exemplo de uma diâmica estocástica. Sistemas determiísticos, ao cotrário, possuem uma diâmica previsível que pode ser modelada matematicamete. Se o sistema for determiístico, ele pode ser modelado por parâmetros cocetrados ou distribuídos. Sistema a parâmetros cocetrados sigifica que, dado as codições do sistema um istate, é possível prever a sua codição em qualquer istate. Já com parâmetros distribuídos, o estado é uma fução de outros parâmetros. Um exemplo de um sistema com parâmetros cocetrados é o sistema massa-mola-amortecedor mostrado a Figura.4. Este tipo de sistema é descrito por uma equação diferecial o tempo (df/dt). A distribuição de temperatura uma placa aquecida, por sua vez, é um sistema com parâmetros distribuídos, uma vez que a temperatura em cada poto depede da posição ode é medida e do tempo. Sistemas a parâmetros distribuídos são goverados por equações difereciais parciais ( f/ x). Quado o sistema possuir parâmetros cocetrados, ele poderá ser modelado por fuções cotíuas ou discretas o tempo. Sistemas discretos são aqueles que assumem valores apeas em determiados istates de tempo. Eles podem, evetualmete, ser modelados por fuções cotíuas. A propriedade discreta pode tato estar o próprio sistema quato a forma de se medir o sistema. Se a medição for discreta, a itervalos regulares o tempo, este sistema é cosiderado discreto. Exemplos de sistema discretos são: o úmero de habitates cotamiados a cada ao pelo vírus da gripe, a temperatura máxima do dia observada durate um ao um dado local, etc. Se um sistema diâmico cotíuo for simulado um computador, ele passa a ser discreto, uma vez que é impossível obter o valor do estado a cada istate de tempo, mas somete os potos calculados pelo computador. Na prática, porém, cosidera-se que o cálculo efetuado pelo computador é preciso o suficiete para que o sistema possa ser admitido como cotíuo. Sistemas cotíuos o tempo são aqueles os quais é possível cohecer o estado a qualquer istate de tempo. Detro de sistemas cotíuos, o comportameto diâmico pode ser liear ou ão liear. Sistemas lieares são descritos por equações lieares (defiidas logo a seguir) que se assemelham à equação de uma reta, ao passo que sistemas ão lieares possuem termos com o quadrado, ou o cubo, ou o seo ou aida a fução expoecial das variáveis de estado. Se o sistema for liear, os coeficietes da equação liear podem ser costates (sistema a parâmetros costates) ou etão variar letamete o tempo (sistemas variates o tempo). Se os coeficietes variam rapidamete o tempo, é muito provável que este sistema ão seja liear. Exemplos de sistemas com parâmetros variates o tempo são aeroaves e foguetes. Neles, a massa do veículo varia coforme o combustível é cosumido, e as características diâmicas sofrem ifluêcia desta variação. Fialmete, os 3

14 sistemas podem aida depeder de apeas uma ou de mais de uma variável de estado. No primeiro caso tem-se os sistemas moovariáveis e, o segudo, tem-se sistemas multivariáveis. A Figura.4 mostra um exemplo de sistema moovariável. Porém, o cojuto completo de suspesão de um veículo seria um sistema multivariável, já que depederia do úmero de rodas presetes o veículo. Para cada roda, acresceta-se uma equação a mais o modelo matemático e, portato, mais uma variável de estado. Modelos matemáticos Estocásticos comportameto imprevisível Parâmetros cocetrados T = f(t) Determiísticos Parâmetros distribuídos T = f(x, y, t) Discreto x k = f(x k, x k-, ) Cotíuo xɺ = f ( x, t) Liear Não liear xɺ = A x Bu xɺ = f ( x, u, t) Variate o tempo A = A(t) (foguete) Parâmetros costates A = cte (m-k-b) Moovariáveis Multivariáveis Figura.5 Sistemas diâmicos e sua represetação por modelos matemáticos Serão utilizados aqui apeas modelos matemáticos, uma vez que eles permitem efetuar a aálise do comportameto diâmico dos sistemas, bem como sua cotrolabilidade, isto é, a verificação se estes sistemas podem ou ão ser cotrolados e como deve ser este cotrole. Além disso, serão abordados sistemas lieares a quase totalidade do curso, pricipalmete em virtude de que a teoria de cotrole modera deriva exclusivamete de sistemas lieares. Um sistema y = H(x) é liear se obedece à relação: H ( α x β x ) = α H ( x ) β H ( x ) = α y β y (.) Seja, por exemplo, a equação diferecial ordiária de a ordem y = mɺɺ x b xɺ k x. Esta equação é liear, pois se x = x x, etão 4

15 y = mɺɺ x b xɺ k x = m ( ɺɺ x ɺɺ x ) b ( xɺ xɺ ) k ( x x ) = mɺɺ x b xɺ k x mɺɺ x b xɺ k x de ode se coclui que (.) y = y y (.3) Nem todos os sistemas físicos reais são lieares. Na verdade, a grade maioria deles é ão liear até um certo grau. Isto ão sigifica que a teoria de cotrole de sistemas lieares ão possa ser aplicada a sistemas ão lieares, mas sim que se deve proceder a uma liearização (quado possível) do sistema a fim de torar o cotrole meos suscetível às ão liearidades. Ifelizmete em sempre esta prática resulta um sistema cotrolável.. Liearizações de sistemas ão lieares O comportameto de sistemas ão lieares pode ser aproximado por meio de um sistema liear equivalete, em toro de uma região pequea de operação. Dado etão um modelo ão liear, o modelo liearizado é obtido por expasão em série de Taylor da diâmica, e cosidera-se esta expasão apeas o termo costate e o termo de primeiro grau. Se y = f(x) represetar uma diâmica ão liear, etão a expasão em série de Taylor desta fução forece: 3 df d f d f 3 y f ( xo ) ( xo ) ( x xo ) ( x ) ( ) ( ) ( ) o x xo x 3 o x xo (.4) dx dx 3! dx Se, cotudo, a fução depeder de mais de uma variável, como por exemplo y = f(x, x,, x ), etão a série de Taylor com termos até o primeiro grau, em toro do poto ( x,, x ) fica: f f y f ( x,, x ) ( x,, x ) ( x x ) ( x,, x ) ( x x ). (.5) x x O valor f ( x,, x ) é cohecido como poto de operação. A aproximação da série de Taylor é válida, portato, uma pequea região em toro do poto de operação. Quase todos os sistemas diâmicos exibem alguma ão liearidade. Felizmete, também quase todos podem ser aproximados por meio de equações lieares. Algus exemplos destes sistemas são forecidos a seguir. Exemplo. O arrasto aerodiâmico em um veículo (atrito do ar que tede a deter seu movimeto), mostrado esquematicamete a Figura.6, é modelado matematicamete em fução da velocidade xɺ por: Fa = ρ Cd A xɺ ode ρ é a desidade do ar, C d é o coeficiete de atrito, e A é a área frotal do veículo. O atrito aumeta, portato, com o quadrado da velocidade. Logo, tem-se um comportameto ão liear desta força. A liearização da força em toro do poto de operação v leva a 5

16 Fa ρ Cd A v ρ Cd A v ( v v ) = ρ Cd A v ( v v ) v Figura.6 Arrasto aerodiâmico de um veículo em movimeto. Exemplo. O movimeto de um pêdulo simples, mostrado a Figura.7, pode ser obtido pelo equilíbrio dos mometos que atuam ele, ou seja: τ θ = ɺɺ θ θ = ( ) ml m g l se 0 Uma vez que seθ ão é liear, pode-se etão liearizar a equação em toro do poto de operação θ = 0, que resulta: τ θ ɺɺ, τ( θ) τ (0) (0) = ml θ m g l cos(0) θ e fialmete τ( θ) ml ɺɺ θ m g l θ. l θ m P = m g Figura.7 Movimeto de um pêdulo simples Os sistemas lieares ocupam lugar de grade destaque a aálise e o estudo de cotroladores. Sistemas lieares ivariates o tempo (parâmetros costates) são descritos matematicamete por equações difereciais ordiárias, e portato a aálise destas equações difereciais forece iformações sobre a cotrolabilidade de sistemas. 6

17 Ates porém de apresetar-se os sistemas diâmicos lieares, covém efetuar-se uma pequea recordação de úmeros complexos, séries ifiitas e de fuções descotíuas o tempo, que serão vistos as próximas seções..3 Números complexos Números complexos surgem em decorrêcia da solução de equações algébricas a forma: a x a x a x a0 = 0. (.6) Pode-se mostrar que se for ímpar, uma das raízes é real. Além disso, se houver raízes complexas, etão elas aparecem aos pares, formado pares cojugados. As raízes complexas surgem quado a solução da equação aparece a raiz quadrada de um úmero egativo. Seja, por exemplo, a equação do o grau: a x b x c cujas raízes são: = 0, (.7) x i b ± b 4ac =, i =, (.8) a Se o valor sob a raiz for egativo, isto é, se = b 4ac < 0, etão esta equação ão possui raízes reais, mas sim duas raízes complexas cojugadas, dadas por: b b x = j, e x = j, (.9) a a a a ode j é a base dos úmeros complexos, e vale j =. Um úmero complexo z = x y j pode ser etedido como um poto um plao, já que possui duas coordeadas idepedetes, ou seja z = (x, y), com z C (cojuto dos úmeros complexos), e x e y R (cojuto dos úmeros reais). x é deomiado de parte real: x = Re( z), (.0) e y é a parte imagiária do úmero complexo: y = Im( z). (.) O cojugado de um úmero complexo é também um úmero complexo o qual a parte imagiária troca de sial com relação ao úmero complexo origial. Represeta-se o cojugado de um úmero complexo por uma barra sobre o símbolo da variável. Assim, se z = x y j for um úmero complexo, seu cojugado é dado por z = x y j. É claro que o cojugado do cojugado é o próprio úmero complexo, isto é z = z. A soma de um úmero complexo com seu cojugado resulta um úmero real: z z = x y j x y j = x. (.) Da mesma forma, a difereça de um úmero complexo e seu cojugado resulta um úmero imagiário puro: 7

18 z z = x y j x y j = y j. (.3) O cojugado da soma de dois úmeros complexos é igual à soma dos cojugados: z z = z z (.4) O cojugado de um produto etre dois úmeros complexos é também igual ao produto dos cojugados: z z = z z, (.5) e o cojugado do iverso de um úmero complexo é igual ao iverso do cojugado: z = z. (.6) Segue, da defiição de base complexa, que j =, j 3 = j, j 4 =, j 5 = j, e assim em diate. Igualmete, tem-se também pela defiição, que /j = j, bastado que se multiplique o umerador e o deomiador por j para se provar a idetidade. Logo, o produto de dois úmeros complexos é também um úmero complexo, pois: z ( x y j) ( x y j) x x ( x y x y ) j y y j = = = = x x y y ( x y x y ) j e o produto de um úmero complexo pelo seu cojugado é um úmero real: (.7) z = ( x y j)( x y j) = x x y y j = x x y y (.8) Igualmete, a razão de úmeros complexos também pode ser reduzida a um úmero complexo bastado que se multiplique o umerador e o deomiador pelo cojugado do deomiador: x y j x y j x y j x x y y x y x y z = = = j = a b j x y x y x y x y x y j j j Com isso tem-se que qualquer úmero a forma: (.9) z = aj a j aj aj a0 m m bm j bm j b j b j b0 (.0) pode ser reduzido a um úmero complexo z = x y j. De fato, qualquer poliômio em j pode ser reduzido a um úmero complexo com parte real e parte imagiária, uma vez que potêcias da base complexa podem ser reduzidas a um úmero real ou imagiário puro, como mostrado o exemplo a seguir. Exemplo.3 Simplificar o úmero complexo dado por z = Solução: 3 j j j 3j j

19 Primeiramete simplifica-se o umerador e o deomiador do úmero complexo por meio da defiição de potêcia da base complexa, ou seja, j = e j 3 = j. Tem-se etão que: j 4j 3 5j z = = 3 j 4 j Em seguida, multiplica-se o umerador e o deomiador pelo cojugado do deomiador, o que resulta: 5j j 4j 5j 6 4j z = = = = 3 j j j Números complexos podem ser postos em coordeadas polares (r, θ), a forma: jθ z = r(cos θ j se θ ) = r e (.) A prova da expressão acima é dada a próxima seção..4 Séries de fuções com ifiitos termos A relação apresetada a seção aterior, e repetida aqui jθ z = r(cos θ j se θ ) = r e (.) é, de certa forma, de difícil compreesão. Afial, o que sigifica a fução expoecial de um úmero complexo? Sabe-se, por exemplo, que e = ode e é a base dos logaritmos eperiaos, mas como avaliar a expoecial de um úmero imagiário, ou e j, ou aida e? Para obter este resultado e algus outros, recorre-se à expasão de fuções em séries ifiitas. Ao aplicar-se a série de Taylor à fução expoecial em toro do poto x = 0, tem-se que: x x 3 x x 0 d e d e d e 3 e e (0) ( x 0) (0) ( x 0) (0) ( x 0) (.3) 3 dx dx 3! dx É coveiete ressaltar que o símbolo! idica o fatorial de um úmero, isto é, o produto deste úmero por todos os iteiros positivos meores do que ele:! = () () Uma vez que a derivada da fução expoecial é igual a ela própria, todas as derivadas acima resultam iguais a e a série fica: x x x x x e x (.4) 3! 4! 5! Pode-se mostrar que esta fução, e também as séries do seo e do co-seo são covergetes, isto é, a cada ovo termo calculado da série, a fução tede para seu valor real, isto é: x lim = 0 (.5)! e portato 9

20 e x i = x lim i! (.6) i = 0 As fuções seo e co-seo de x podem igualmete ser expadidas em séries ifiitas em toro do poto x = 0, resultado, respectivamete: e i i x x x x x x se x = ( ) = x (.7) ( i )! 3! 5! 7! 9!! i= 0 i i x x x x x x cos x = ( ) = (.8) ( i)!! 4! 6! 8! 0! i= 0 Nota-se que a série do seo possui apeas expoetes ímpares, equato que a série do coseo possui apeas expoetes pares. Além disso, pode-se mostrar que a derivada destas séries resultam formas corretas, ou seja: x d e d x x x x x x x = x = x = e, (.9) dt dx 3! 4! 3! 4! e d se x d x x x x x x = x = = cos x (.30) dx dx 3! 5! 7!! 4! 6! d cos x d x x x x x x = = x = se x (.3) dx dx! 4! 6! 3! 5! 7! A partir da defiição da fução expoecial em termos de uma série de fatores ifiita, para avaliar agora a expoecial de um úmero complexo basta fazer j j j j j e j. (.3) 3! 4! 5! Porém, sabe-se que j =, j 3 = j, j 4 =, j 5 = j,..., ou seja j 4k i, para i = 0 j, para i = =, para k = 0,,,... (.33), para i = j, para i = 3 e substituido estes resultados a fução expoecial, tem-se j j j j e = j = 3! 4! 5! 6! 7! = j 4! 6! 3! 5! 7! (.34) 0

21 que é um úmero complexo. A expoecial de um úmero complexo z = x yj pode ser avaliada agora como j j j j j j x y x y x y y y y e = e e e yj, (.35) 3! 4! 5! ou aida j x y x y y y y y y y y e e j y. (.36) 4! 6! 8! 3! 5! 7! 9! Vê-se, porém, que a parte real é uma série de co-seo e a parte imagiária é uma série de seo, o que leva a x yj x e = e (cos y j se y). (.37) Este coceito leva à famosa equação de Euler, tida por muitos como a mais bela fórmula matemática, dada a sua simplicidade: e π j = Pode-se agora calcular a expoecial do cojugado de z, que vale: (.38) x yj x e = e (cos y j se y). (.39) Se a parte real do úmero complexo for ula, etão as expoeciais do complexo e de seu cojugado ficam: yj e = cos y jse y, (.40) yj e = cos y jse y A adição de ambas as expressões permite obter o valor do co-seo, equato que a subtração permite calcular o seo: e y y cos y = (e j e j ) (.4) yj yj j yj yj se y = (e e ) = (e e ) j (.4) Estas duas expressões serão utilizadas adiate para calcular a trasformada de Laplace das fuções seo e co-seo..5 Fuções descotíuas o tempo Na solução de problemas diâmicos, é freqüete ecotrar-se situações as quais um sistema sofre um impacto, ou uma ação descotíua o tempo, ou um impulso. Exemplos de tais ações são: o choque etre duas bolas (impulso) o qual a força exercida o cotacto é alta e a duração da ação é curta, e o brusco acioameto de um sistema elétrico ao ligar-se a chave de alimetação. Tais ações são cosideradas descotíuas o tempo, pois assumem valores

22 diferetes em istates de tempo muito próximos etre si. No mudo real macroscópico, cotudo, ão existem descotiuidades, pois a cada istate pode ser determiado o valor exato da ação. Matematicamete, porém, é coveiete cosiderá-las descotíuas, uma vez que é muito difícil estabelecer quais os limites do impulso e da duração do eveto. Defie-se, com isso, algumas fuções típicas que caracterizam evetos descotíuos o tempo. Estas fuções são: a fução degrau, a fução impulso e a fução rampa. a) Fução degrau uitário A fução degrau uitário correspode a uma ação que modifica istataeamete uma determiada codição, ou variável, de um sistema, como a posição, ou a velocidade, ou a carga elétrica um capacitor, ou a vazão em uma tubulação, a ativação elétrica de um circuito, ou aida o iício da ação de uma força, por exemplo. A fução degrau uitário é defiida como 0, para t 0 ( t) <, para t 0 (.43) cujo gráfico é mostrado a Figura.8. (t) t Figura.8 Fução degrau uitário. b) Fução impulso uitário A fução impulso uitário correspode a uma ação que age sobre um sistema durate um itervalo ifiitesimal de tempo, ou seja, ela atua por um pequeo itervalo de tempo e depois cessa a atuação. Esta fução é também cohecida como fução delta de Dirac. Na fução impulso uitário a potêcia e a eergia despedidas a ação são limitados, porém a ação ão é. Isto se deve ao fato de que o itervalo de tempo que dura o acioameto é muito pequeo, e tede a zero, fazedo com que a força este itervalo teda a ifiito. Um bom exemplo da aplicação de um impulso uitário é o choque etre duas partes mecâicas. A fução impulso uitário é defiida como: 0, para t < 0 δ( t) lim, para 0 t < t (.44) t 0 t 0, para t t cujo comportameto é visto a Figura.9

23 δ (t) t c) Fução rampa Figura.9 Fução impulso uitário. A fução rampa correspode a uma ação que cresce liearmete o tempo, a partir de uma ação ula. Ela é cotíua o tempo, porém sua derivada é descotíua a origem. Quado o tempo tede a ifiito, o valor da ação a fução rampa também tede a ifiito. Na prática isto ão ocorre, uma vez que ão se cosegue gerar ações de itesidade ifiita. A fução rampa é defiida por: 0, para t < 0 ρ( t) t, para t 0 (.45) com comportameto visto a Figura.0. ρ(t) t Figura.0 Fução rampa. As fuções degrau uitário, impulso uitário e rampa são utilizadas as trasformadas de Laplace, pois permitem obter a solução de um sistema sujeito a ações descotíuas o tempo..6 Equações difereciais ordiárias a coeficietes costates. Um sistema diâmico liear ivariate o tempo y(t) é modelado por uma equação diferecial a forma: m m d y d y dy d x d x dx 0 = m m m m 0 a a a a y b b b b x (.46) dt dt dt dt dt dt ode x(t) é cohecido como etrada do sistema, ou etão por termo forçate, y(t) costitui a saída do sistema ou variável de estado e a i (i =,, ) e b j (j =,, m) são costates. Se o termo forçate for ulo, etão a equação diferecial resultate, 3

24 d y d y dy 0 0 = a a a a y, (.47) dt dt dt é deomiada de equação homogêea. A solução da equação diferecial é composta por uma combiação liear das soluções da equação homogêea, adicioada a uma solução (cohecida como solução particular ) da equação diferecial completa. Assim tem-se y( t) = c y ( t) c y ( t) c y ( t) y ( t) (.48) p ode cada y i (t) é uma das soluções da equação homogêea e y p (t) é uma solução particular (pode haver mais de uma solução particular). Pode-se mostrar, sem muita dificuldade, que as soluções da equação homogêea são dadas por: λ y ( t) = α e i t, (.49) i i tal que α i e λ i são costates que depedem da equação homogêea. De fato, substituido esta solução a equação homogêea, tem-se λi t λi t λi t λi t a α λ e a α λ e a α λ e a α e = 0, (.50) i i i i i i 0 i que pode ser reescrita como a λ a λ a λ a =. (.5) i i i 0 0 A equação acima é uma equação algébrica de ordem que irá gerar as raízes, ou soluções λ i da equação diferecial homogêea. Esta equação é cohecida como equação característica da equação homogêea. Esta equação será estudada adiate, quado forem vistas as fuções de trasferêcia de sistemas lieares. A solução da equação homogêea é etão dada por λ ( ) e i t y t = c α (.5) h i i i= mas como ão há como obter separadamete os valores de c i e de α i, etão fazedo b i = c i α i a solução da equação homogêea fica ( ) e i t y t = b λ (.53) h i= i Pode-se agora calcular os valores de b i a partir das codições iiciais, que iformam qual é o estado do sistema o istate t = 0. As codições iiciais estabelecem restrições ão apeas ao valor de y, mas também ao valor de suas derivadas temporais. Num sistema mecâico, por exemplo, as codições iiciais seriam a posição ocupada pelo sistema o istate iicial, sua velocidade e, evetualmete, também sua aceleração. Estas codições levam a um sistema de equações lieares a icógitas: 4

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode 9 Diagramas de Bode 9. Itrodução aos diagramas de Bode 3 9. A Fução de rasferêcia 4 9.3 Pólos e zeros da Fução de rasferêcia 8 Equação característica 8 Pólos da Fução de rasferêcia 8 Zeros da Fução de

Leia mais

Análise no domínio dos tempos de sistemas representados no Espaço dos Estados

Análise no domínio dos tempos de sistemas representados no Espaço dos Estados MEEC Mestrado em Egeharia Electrotécica e de Computadores MCSDI Guião do trabalho laboratorial º 3 Aálise o domíio dos tempos de sistemas represetados o Espaço dos Estados Aálise o domíio dos tempos de

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

O oscilador harmônico

O oscilador harmônico O oscilador harmôico A U L A 5 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial de um oscilador harmôico simples, V( x) kx. objetivos obter a solução da equação de Schrödiger para um oscilador

Leia mais

O poço de potencial infinito

O poço de potencial infinito O poço de potecial ifiito A U L A 14 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial V(x) que tem a forma de um poço ifiito: o potecial é ifiito para x < a/ e para x > a/, e tem o valor

Leia mais

somente um valor da variável y para cada valor de variável x.

somente um valor da variável y para cada valor de variável x. Notas de Aula: Revisão de fuções e geometria aalítica REVISÃO DE FUNÇÕES Fução como regra ou correspodêcia Defiição : Uma fução f é uma regra ou uma correspodêcia que faz associar um e somete um valor

Leia mais

Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Física

Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Física Uiversidade Federal do Marahão Cetro de Ciêcias Exatas e Tecologia Coordeação do Programa de Pós-Graduação em Física Exame de Seleção para Igresso o 1º. Semestre de 2011 Disciplia: Mecâica Clássica 1.

Leia mais

Equações Diferenciais Lineares de Ordem n

Equações Diferenciais Lineares de Ordem n PUCRS Faculdade de Matemática Equações Difereciais - Prof. Eliete Equações Difereciais Lieares de Ordem Cosideremos a equação diferecial ordiária liear de ordem escrita a forma 1 d y d y dy L( y( x ))

Leia mais

Secção 9. Equações de derivadas parciais

Secção 9. Equações de derivadas parciais Secção 9 Equações de derivadas parciais (Farlow: Sec 9 a 96) Equação de Derivadas Parciais Eis chegado o mometo de abordar as equações difereciais que evolvem mais do que uma variável idepedete e, cosequetemete,

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO REVISÕES SOBRE SISTEMAS DE CONTROLO CONTÍNUO Elemetos coligidos por: Prof. Luís Filipe Baptista

Leia mais

Projetos de Controle

Projetos de Controle Projetos de Cotrole EA7 - Prof. Vo Zube Cotrole do Pêdulo Ivertido com Carro.... Modelo matemático (pg. 7 das Notas de Aula).... Cotrole por realimetação de estados supodo acesso a todos os estados (CASO

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N Estudaremos este capítulo as equações diereciais lieares de ordem, que são de suma importâcia como suporte matemático para vários ramos da egeharia e das ciêcias.

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

Unidade V - Desempenho de Sistemas de Controle com Retroação

Unidade V - Desempenho de Sistemas de Controle com Retroação Uidade V - Desempeho de Sistemas de Cotrole com Retroação Itrodução; Siais de etrada para Teste; Desempeho de um Sistemas de Seguda Ordem; Efeitos de um Terceiro Pólo e de um Zero a Resposta Sistemas de

Leia mais

CONTROLO. 1º semestre 2007/2008. Transparências de apoio às aulas teóricas. Capítulo 10 Diagrama de Bode e Relação Tempo-Frequência

CONTROLO. 1º semestre 2007/2008. Transparências de apoio às aulas teóricas. Capítulo 10 Diagrama de Bode e Relação Tempo-Frequência Mestrado Itegrado em Egeharia Electrotécica e de Computadores (LEEC Departameto de Egeharia Electrotécica e de Computadores (DEEC CONTROLO º semestre 007/008 Trasparêcias de apoio às aulas teóricas Capítulo

Leia mais

VARIAÇÃO DE VELOCIDADE DE MOTORES ELÉCTRICOS

VARIAÇÃO DE VELOCIDADE DE MOTORES ELÉCTRICOS VARIAÇÃO DE VELOCIDADE DE OTORES ELÉCTRICOS ACCIONAENTOS A VELOCIDADE VARIÁVEL Rede Coversor de potecia otor Carga Dispositivo de cotrolo Parâmetros O coversor estático trasforma a eergia eléctrica de

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

Departamento de Matemática - Universidade de Coimbra. Mestrado Integrado em Engenharia Civil. Capítulo 1: Sucessões e séries

Departamento de Matemática - Universidade de Coimbra. Mestrado Integrado em Engenharia Civil. Capítulo 1: Sucessões e séries Departameto de Matemática - Uiversidade de Coimbra Mestrado Itegrado em Egeharia Civil Exercícios Teórico-Práticos 200/20 Capítulo : Sucessões e séries. Liste os primeiros cico termos de cada uma das sucessões

Leia mais

Tópicos de Mecânica Quântica I. Equações de Newton e de Hamilton versus Equações de Schrödinger

Tópicos de Mecânica Quântica I. Equações de Newton e de Hamilton versus Equações de Schrödinger Tópicos de Mecâica Quâtica I Equações de Newto e de Hamilto versus Equações de Schrödiger Ferado Ferades Cetro de Ciêcias Moleculares e Materiais, DQBFCUL Notas para as aulas de Química-Física II, 010/11

Leia mais

O período do pêndulo: Porque Galileu estava ao mesmo tempo certo e errado

O período do pêndulo: Porque Galileu estava ao mesmo tempo certo e errado UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS UFMG DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA ICEx MONOGRAFIA PARA OBTENÇÃO DE TÍTULO DE ESPECIALISTA EM MATEMÁTICA COM ÊNFASE EM CÁLCULO O período do pêdulo: Porque Galileu estava

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

APLICAÇÃO DO MÉTODO DE INTEGRAÇÃO TRAPEZOIDAL EM SISTEMAS ELÉTRICOS

APLICAÇÃO DO MÉTODO DE INTEGRAÇÃO TRAPEZOIDAL EM SISTEMAS ELÉTRICOS AT49-07 - CD 6-07 - PÁG.: APLICAÇÃO DO MÉTODO DE INTEGAÇÃO TAPEZOIDAL EM SISTEMAS ELÉTICOS J.. Cogo A.. C. de Oliveira IEE - EFEI Uiv. Taubaté Artigo apresetado o Semiário de Pesquisa EFEI 983 ESUMO Este

Leia mais

1. Objetivo: determinar as tensões normais nas seções transversais de uma viga sujeita a flexão pura e flexão simples.

1. Objetivo: determinar as tensões normais nas seções transversais de uma viga sujeita a flexão pura e flexão simples. FACULDADES NTEGRADAS ENSTEN DE LMERA Curso de Graduação em Egeharia Civil Resistêcia dos Materiais - 0 Prof. José Atoio Schiavo, MSc. NOTAS DE AULA Aula : Flexão Pura e Flexão Simples. Objetivo: determiar

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt defi departameto de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt stituto Superior de Egeharia do Porto- Departameto de Física Rua Dr. Atóio Berardio de Almeida, 431 4200-072 Porto. T 228 340 500.

Leia mais

Universidade Presbiteriana Mackenzie. Processamento Digital de Sinais

Universidade Presbiteriana Mackenzie. Processamento Digital de Sinais Uiversidade Presbiteriaa Mackezie Curso de Egeharia Elétrica Processameto Digital de Siais Notas de Aula Prof. Marcio Eisecraft Segudo semestre de 7 Uiversidade Presbiteriaa Mackezie Curso de Egeharia

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

RESISTORES E RESISTÊNCIAS

RESISTORES E RESISTÊNCIAS ELETICIDADE CAPÍTULO ESISTOES E ESISTÊNCIAS No Capítulo estudamos, detre outras coisas, o coceito de resistêcia elétrica. Vimos que tal costitui a capacidade de um corpo qualquer se opôr a passagem de

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

Eletrodinâmica III. Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos. Aula 6

Eletrodinâmica III. Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos. Aula 6 Aula 6 Eletrodiâmica III Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos setido arbitrário. A ddp obtida deve ser IGUAL a ZERO, pois os potos de partida e chegada são os mesmos!!! Gerador Ideal Todo

Leia mais

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem VII Equações Difereciais Ordiárias de Primeira Ordem Itrodução As equações difereciais ordiárias são istrumetos esseciais para a modelação de muitos feómeos proveietes de várias áreas como a física, química,

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante .5 Aritmética de Poto Flutuate A represetação em aritmética de poto flutuate é muito utilizada a computação digital. Um exemplo é a caso das calculadoras cietíficas. Exemplo:,597 03. 3 Este úmero represeta:,597.

Leia mais

Questão 11. Questão 13. Questão 12. Questão 14. alternativa B. alternativa E. alternativa A

Questão 11. Questão 13. Questão 12. Questão 14. alternativa B. alternativa E. alternativa A Questão Em uma pesquisa, foram cosultados 00 cosumidores sobre sua satisfação em relação a uma certa marca de sabão em pó. Cada cosumidor deu uma ota de 0 a 0 para o produto, e a média fial das otas foi

Leia mais

5 Análise de sistemas no domínio da frequência. 5.1 Resposta em regime estacionário a uma onda sinusoidal

5 Análise de sistemas no domínio da frequência. 5.1 Resposta em regime estacionário a uma onda sinusoidal 5 Aálise de sistemas o domíio da frequêcia O termo resposta a frequêcia utiliza-se para desigar a resposta de um sistema, em regime estacioário, a uma oda siusoidal. Esta resposta, para o caso de um sistema

Leia mais

MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I

MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I 00 MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I TEXTO DE APOIO MARIA ALICE FILIPE ÍNDICE NOTAS PRÉVIAS ALGUNS CONCEITOS SOBRE SÉRIES6 NOTAS PRÉVIAS As otas seguites referem-se ao maual adoptado: Cálculo, Vol I James

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE D TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013 CONCURSO PÚBLICO 01 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL UFMS MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 16 QUESTÕES POR TÓPICOS Coordeação e Orgaização: Mariae dos Reis 1ª Edição

Leia mais

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013 ANDRÉ REIS MATEMÁTICA TEORIA 6 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Adré Reis Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição NOV 0

Leia mais

Demonstrações especiais

Demonstrações especiais Os fudametos da Física Volume 3 Meu Demostrações especiais a ) RLAÇÃO NTR próx. e sup. osidere um codutor eletrizado e em equilíbrio eletrostático. Seja P sup. um poto da superfície e P próx. um poto extero

Leia mais

MOMENTOS DE INÉRCIA. Física Aplicada à Engenharia Civil II

MOMENTOS DE INÉRCIA. Física Aplicada à Engenharia Civil II Física Aplicada à Egeharia Civil MOMENTOS DE NÉRCA Neste capítulo pretede-se itroduzir o coceito de mometo de iércia, em especial quado aplicado para o caso de superfícies plaas. Este documeto, costitui

Leia mais

Exercícios de Matemática Polinômios

Exercícios de Matemática Polinômios Exercícios de Matemática Poliômios ) (ITA-977) Se P(x) é um poliômio do 5º grau que satisfaz as codições = P() = P() = P(3) = P(4) = P(5) e P(6) = 0, etão temos: a) P(0) = 4 b) P(0) = 3 c) P(0) = 9 d)

Leia mais

Prova 3 Matemática ... GABARITO 1 NOME DO CANDIDATO:

Prova 3 Matemática ... GABARITO 1 NOME DO CANDIDATO: Prova 3 QUESTÕES OBJETIIVAS N ọ DE ORDEM: NOME DO CANDIDATO: N ọ DE INSCRIÇÃO: IINSTRUÇÕES PARA A REALIIZAÇÃO DA PROVA. Cofira os campos N ọ DE ORDEM, N ọ DE INSCRIÇÃO e NOME, que costam da etiqueta fixada

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ASSUNTO: INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS, EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM SEPARÁVEIS, HOMOGÊNEAS, EXATAS, FATORES

Leia mais

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais.

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais. 03 Capítulo 3 Regressão liear e poliomial Neste capítulo, pretedemos ajustar retas ou poliômios a um cojuto de potos experimetais. Regressão liear A tabela a seguir relacioa a desidade (g/cm 3 ) do sódio

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

mgh = 1 2 mv2 + 1 2 Iω2 (1)

mgh = 1 2 mv2 + 1 2 Iω2 (1) a Supoha que um ioiô parte do repouso e desce até uma altura (deslocameto vertical) h, medida desde o poto de ode o ioiô foi solto. Ecotrar a sua velocidade fial de traslação e rotação, e sua aceleração

Leia mais

Definição 1.1: Uma equação diferencial ordinária é uma. y ) = 0, envolvendo uma função incógnita y = y( x) e algumas das suas derivadas em ordem a x.

Definição 1.1: Uma equação diferencial ordinária é uma. y ) = 0, envolvendo uma função incógnita y = y( x) e algumas das suas derivadas em ordem a x. 4. EQUAÇÕES DIFERENCIAIS 4.: Defiição e coceitos básicos Defiição.: Uma equação diferecial ordiária é uma dy d y equação da forma f,,,, y = 0 ou d d ( ) f (, y, y,, y ) = 0, evolvedo uma fução icógita

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0 Itrodução Por método umérico etede-se um método para calcular a solução de um problema realizado apeas uma sequêcia fiita de operações aritméticas A obteção de uma solução

Leia mais

Motivação e Definição..1. Factores Básicos...3. Constante...3. Factor derivativo e Integral...4. Factores Básicos...12

Motivação e Definição..1. Factores Básicos...3. Constante...3. Factor derivativo e Integral...4. Factores Básicos...12 ÍNDICE Motivação e Defiição.. Diagramas de Bode... Factores Básicos...3 Costate...3 Factor derivativo e Itegral...4 Factores de ª ordem...5 Factores de ª ordem...7 Sistemas de Fase míima e Não-Míima...

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

Disciplina: Séries e Equações Diferenciais Ordinárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL matos@mat.ufpb.br

Disciplina: Séries e Equações Diferenciais Ordinárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL matos@mat.ufpb.br Disciplia: Séries e Equações Difereciais Ordiárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL matos@mat.ufpb.br Ambiete Virtual de Apredizagem: Moodle (www.ead.ufpb.br) Site do Curso: www.mat.ufpb.br/ead

Leia mais

O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA

O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA Paulo César de Resede ANDRADE Lucas Moteiro CHAVES 2 Devail Jaques de SOUZA 2 RESUMO: Este trabalho apreseta a teoria do teste de Galto

Leia mais

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades:

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades: CURTOSE O que sigifica aalisar um cojuto quato à Curtose? Sigifica apeas verificar o grau de achatameto da curva. Ou seja, saber se a Curva de Freqüêcia que represeta o cojuto é mais afilada ou mais achatada

Leia mais

(1) E que a força contra-eletromotriz é dada por: (2)

(1) E que a força contra-eletromotriz é dada por: (2) Resolução da questão 3 Para respoder essa questão é ecessário veriicar que o motor já está operado e que em determiado mometo algum gradeza do motor irá variar. Frete a essa variação, deve-se determiar

Leia mais

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21 Nome: ºANO / CURSO TURMA: DATA: 0 / 0 / 05 Professor: Paulo. (Pucrj 0) Vamos empilhar 5 caixas em ordem crescete de altura. A primeira caixa tem m de altura, cada caixa seguite tem o triplo da altura da

Leia mais

Aula 2 - POT - Teoria dos Números - Fabio E. Brochero Martinez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldanha Eduardo Tengan

Aula 2 - POT - Teoria dos Números - Fabio E. Brochero Martinez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldanha Eduardo Tengan Aula - POT - Teoria dos Números - Nível III - Pricípios Fabio E. Brochero Martiez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldaha Eduardo Tega de Julho de 01 Pricípios Nesta aula apresetaremos algus

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE MINISÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENO DO ERRIÓRIO E AMBIENE Istituto do Ambiete PROCEDIMENOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENE Abril 2003 . Equadrameto O presete documeto descreve a metodologia a seguir

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Gilmar Boratto Material de apoio para o curso de Admiistração. ÍNDICE CONCEITOS BÁSICOS...- 2-1- CONCEITO DE FLUXO DE CAIXA...- 2-2-A MATEMÁTICA FINANCEIRA E SEUS OBJETIVOS...-

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.1- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA

5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.1- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA 5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA Itegrar umericamete uma fução y f() um dado itervalo [a, b] é itegrar um poliômio P () que aproime f() o dado itervalo. Em particular, se y f()

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b JUROS COMPOSTOS Chamamos de regime de juros compostos àquele ode os juros de cada período são calculados sobre o motate do período aterior, ou seja, os juros produzidos ao fim de cada período passam a

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

CIRCUITOS SEQUÊNCIAIS

CIRCUITOS SEQUÊNCIAIS Coelh ho, J.P. @ Sistem mas Digita ais : Y20 07/08 CIRCUITOS SEQUÊNCIAIS O que é um circuito it sequêcial? Difereça etre circuito combiatório e sequecial... O elemeto básico e fudametal da lógica sequecial

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

Até que tamanho podemos brincar de esconde-esconde?

Até que tamanho podemos brincar de esconde-esconde? Até que tamaho podemos bricar de escode-escode? Carlos Shie Sejam K e L dois subcojutos covexos e compactos de R. Supoha que K sempre cosiga se escoder atrás de L. Em termos mais precisos, para todo vetor

Leia mais

Parte I - Projecto de Sistemas Digitais

Parte I - Projecto de Sistemas Digitais Parte I - Projecto de Sistemas Digitais Na disciplia de sistemas digitais foram estudadas técicas de desevolvimeto de circuitos digitais ao ível da porta lógica, ou seja, os circuito digitais projectados,

Leia mais

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1 MAC122 Pricípios de Desevolvimeto de Algoritmos EP o. 1 Prof. Dr. Paulo Mirada 1 Istituto de Matemática e Estatística (IME) Uiversidade de São Paulo (USP) 1. Estrutura dos arquivos de images o formato

Leia mais

Incertezas de Medição e Ajuste de dados

Incertezas de Medição e Ajuste de dados Uiversidade Federal do Rio Grade do Sul Escola de Egeharia Egeharia Mecâica Icertezas de Medição e Ajuste de dados Medições Térmicas - ENG0308 Prof. Paulo Scheider www.geste.mecaica.ufrgs.br pss@mecaica.ufrgs.br

Leia mais

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges*

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges* LAYOUT Fabrício Quadros Borges* RESUMO: O texto a seguir fala sobre os layouts que uma empresa pode usar para sua arrumação e por coseguite ajudar em solucioar problemas de produção, posicioameto de máquias,

Leia mais

onde d, u, v são inteiros não nulos, com u v, mdc(u, v) = 1 e u e v de paridades distintas.

onde d, u, v são inteiros não nulos, com u v, mdc(u, v) = 1 e u e v de paridades distintas. !"$# &%$" ')( * +-,$. /-0 3$4 5 6$7 8:9)$;$< =8:< > Deomiaremos equação diofatia (em homeagem ao matemático grego Diofato de Aleadria) uma equação em úmeros iteiros. Nosso objetivo será estudar dois tipos

Leia mais

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 60 Sumário CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 5.1. Itrodução... 62 5.2. Tabelas de trasição dos flip-flops... 63 5.2.1. Tabela de trasição do flip-flop JK... 63 5.2.2. Tabela de

Leia mais

UNIVERSIDADE DA MADEIRA

UNIVERSIDADE DA MADEIRA Biofísica UNIVERSIDADE DA MADEIRA P9:Lei de Sell. Objetivos Verificar o deslocameto lateral de um feixe de luz LASER uma lâmia de faces paralelas. Verificação do âgulo critico e reflexão total. Determiação

Leia mais

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda 1 Uma Metodologia de Busca Otimizada de Trasformadores de Distribuição Eficiete para qualquer Demada A.F.Picaço (1), M.L.B.Martiez (), P.C.Rosa (), E.G. Costa (1), E.W.T.Neto () (1) Uiversidade Federal

Leia mais

Resposta: L π 4 L π 8

Resposta: L π 4 L π 8 . A figura a seguir ilustra as três primeiras etapas da divisão de um quadrado de lado L em quadrados meores, com um círculo iscrito em cada um deles. Sabedo-se que o úmero de círculos em cada etapa cresce

Leia mais

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com Aalise de Ivestimetos e Custos Prof. Adilso C. Bassa email: adilsobassa@adilsobassa.com JUROS SIMPLES 1 Juro e Cosumo Existe juro porque os recursos são escassos. As pessoas têm preferêcia temporal: preferem

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO Capítulo Previsão de Echetes. GENERALIDADES Até agora vimos quais as etapas do ciclo hidrológico e como quatificá-las. O problema que surge agora é como usar estes cohecimetos para prever, a partir de

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

Probabilidades. José Viegas

Probabilidades. José Viegas Probabilidades José Viegas Lisboa 001 1 Teoria das probabilidades Coceito geral de probabilidade Supoha-se que o eveto A pode ocorrer x vezes em, igualmete possíveis. Etão a probabilidade de ocorrêcia

Leia mais

Matemática Em Nível IME/ITA

Matemática Em Nível IME/ITA Caio dos Satos Guimarães Matemática Em Nível IME/ITA Volume 1: Números Complexos e Poliômios 1ª Edição São José dos Campos 007 SP Prefácio O livro Matemática em Nível IME/ITA tem como objetivo ão somete

Leia mais

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum Otimização e complexidade de algoritmos: problematizado o cálculo do míimo múltiplo comum Custódio Gastão da Silva Júior 1 1 Faculdade de Iformática PUCRS 90619-900 Porto Alegre RS Brasil gastaojuior@gmail.com

Leia mais

Equações Diferenciais (ED) Resumo

Equações Diferenciais (ED) Resumo Equações Difereciais (ED) Resumo Equações Difereciais é uma equação que evolve derivadas(diferecial) Por eemplo: dy ) 5 ( y: variável depedete, : variável idepedete) d y dy ) 3 0 y ( y: variável depedete,

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO Kelle Roberta de Souza (1) Egeheira Química pela UNIMEP, Especialista em Gestão Ambietal pela UFSCar, Mestre em Egeharia e Tecologia Ambietal pela Uiversidad

Leia mais

SIMULAÇÃO DO SISTEMA DE ENERGIA DE UM VEÍCULO

SIMULAÇÃO DO SISTEMA DE ENERGIA DE UM VEÍCULO SMULAÇÃO DO SSTEMA DE ENEGA DE UM VEÍULO Luiz Gustavo Gusmão Soeiro Fiat Automóveis luiz.soeiro@fiat.com.br ESUMO O trabalho tem como objetivo viabilizar uma simulação computacioal para se determiar o

Leia mais