5 Análise de sistemas no domínio da frequência. 5.1 Resposta em regime estacionário a uma onda sinusoidal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "5 Análise de sistemas no domínio da frequência. 5.1 Resposta em regime estacionário a uma onda sinusoidal"

Transcrição

1 5 Aálise de sistemas o domíio da frequêcia O termo resposta a frequêcia utiliza-se para desigar a resposta de um sistema, em regime estacioário, a uma oda siusoidal. Esta resposta, para o caso de um sistema liear, é também uma siusóide, com a mesma frequêcia, mas com uma amplitude e um desfasameto que depedem da frequêcia da oda. Neste capítulo estudaremos três tipos de traçados, de Bode, de Nyquist e de Nichols, e itroduzir-se-á um critério para determiação de estabilidade o domíio da frequêcia. 5. Resposta em regime estacioário a uma oda siusoidal Seja G(s) a fução de trasferêcia de um sistema, cuja etrada é rt () = Rsi( t). Como Rs () = s +, a trasformada de Laplace da saída é: G( j) G( j) Gs () = + termos da forma j s j j s j ( ) ( + ) i s p i (5.) Se aplicarmos a trasformada de Laplace iversa, temos: ( ) ( ) G j jt G j jt pt i ct () = e e + termos da forma e i (5.) j j Se o sistema fôr estável, em regime estacioário os termos dado que: ( ) ( ) G j jt G j jt css () t = lim c() t = e e = t j j ( ) j( t+ G( j) ) G( j) j t+ G( j) G j ( ) = e e = j j ( ) ( ) si ( ) = G j t+ G j ( ) ( ) j( G( j) ) p i e t i tederão para, isto é:, (5.3) G j = G j e (5.4) Sistemas de Cotrolo I 53

2 Vemos assim que, em regime estacioário, um sistema SLIT respode a uma oda siusoidal com uma oda siusoidal, com uma gaho G( j ) e um desfasameto de G( j ). Se variarmos a frequêcia da oda de etrada, podemos verificar como o gaho e a o desfasameto (mais vulgarmete a fase) variam com a frequêcia, isto é, determiamos a resposta a frequêcia do sistema. Existem 3 tipos de traçados gráficos que são ormalmete utilizados, e vamos começar com o diagrama de Bode. 5. Traçado logarítmico Diagramas de Bode Os diagramas de Bode, também cohecidos como traçados de cato ou logarítmicos, cosistem em dois gráficos, o º represetado o logaritmo do módulo e o º a fase, ambos em fução do logaritmo da frequêcia. Ates de apresetar este traçado, vamos itroduzir algus coceitos: O logaritmo de um úmero complexo é também um úmero complexo, cuja parte real é o logaritmo do módulo, e a parte imagiária é proporcioal ao argumeto do úmero: Neperiao - ( ) Decimal - ( ) jg( j) ( ) ( ) ( ) l G j = l G( j) e = l G( j) + j G( j) (5.5) jg( j) ( ) ( ) ( ) log G j = log G( j) e = log G( j) + j, 434 G( j) (5.6) O módulo, em decibeis (db), é dado por log G( j) Lm( G( j) ) =. Esta otação apreseta algumas vatages, dado que os valores em dbs de dois úmeros iversos difere apeas o sial, quado um úmero duplica o seu valor, em dbs sobe 6 dbs, e quado um úmero decuplica o seu valor sobe dbs. A bada de frequêcia etre f e f é deomiada de oitava se f / f =, e é deomiada de década se f / f =. O úmero de oitavas etre f e f geéricas é dada por: f f ( ) log f / f log() = = (5.7) O úmero de décadas etre f e f geéricas é dada por: Sistemas de Cotrolo I 54

3 f f ( ) = = log f / f (5.8) Tedo em mete estes coceitos, podemos agora apresetar o traçado de Bode. Vamos cosiderar que partimos duma fução de trasferêcia a seguite forma (caso ão esteja devemos coverte-la para esta forma): ( ) G j = ( + )( + ) jta jtb s ξ j j + jt + jt b j + + m ( ) ( )( ) r (5.9) O módulo, em dbs de (5.9), é: Lm( G( j) ) = Lm( ) + Lm( + jta) + rlm( + jtb) + ξ j mlm( j) Lm( + jt ) slm( + jtb ) Lm j + +, (5.) e a fase é: ( G( j) ) ( ) ( jt ) r ( jt ) = + + a + + b + ξ j m ( j) ( + jt ) s ( + jt b ) j + +. (5.) Esta última equação pode escrever-se como: ( G( j) ) ( ) ata( T ) rata( T ) = + a + b + ξ j mπ ata( + jt ) s ata( + jtb ) ata j + + (5.) O traçado dos diagramas de Bode obtém-se através das equações (5.) e (5.). Como ambas as equações são uma soma de termos, vamos primeiramete abordar o traçado de cada um desses termos. 5.. Diagramas de Bode para diferetes tipos de factores Aalisdo as equações (5.) e (5.), podemos ver que existem 4 tipos de factores: (5.3) ( ) m j ± (5.4) Sistemas de Cotrolo I 55

4 + jt ± r (5.5) ξ j j + + (5.6) Vamos esboçar os traçados de Bode para cada tipo de factor, dado que o traçado completo é a soma, frequêcia a frequêcia, da cotribuição idvidual de cada termo Gaho Um valor de maior que a uidade possui um valor em db positivo, equato que se for meor o valor é egativo. Em termos de fase, ela será também costate, e igual a ou a π, cosoate seja positivo ou egativo. A seguite figura mostra o diagrama de Bode, para =. Bode Diagram Magitude (db) Phase (deg) Frequecy (rad/sec) Figura 5. Traçado de Bode para = 5... Factores itegradores e derivativos O módulo de, em db, é dada por: j Lm = log( ) j (5.7) Sistemas de Cotrolo I 56

5 Numa escala semi-logarítmica, trata-se de uma recta com um declive de - db/década. Do mesmo modo, um factor derivativo, j, tem um módulo dado por (5.8), e trata-se de uma recta com um declive de db/década. Lm( j) = log( ) (5.8) Caso a multiplicidade do pólo ou zero em s seja m, as rectas têm umm declive de m db/década. Em termos de fase, para um termo do tipo ( ± m (( j) ) j ) ± m, ela é dada por: =± mπ (5.9) A figura seguite ilustra o diagrama de Bode para j. 5 Bode Diagram Magitude (db) Phase (deg) Frequecy (rad/sec) Figura 5. Diagrama de Bode de j Factores de ª ordem Vamos começar por. O módulo, em db, é dado por: + jt Lm = log + + jt ( T ) (5.) Sistemas de Cotrolo I 57

6 Para / T, (5.) pode ser aproximada por log() = db. Para / T, (5.) pode ser aproximada por log( T ), que represeta uma recta com um declive de - db/década. Estas aproximações assitóticas, ou assítotas, cruzam-se para c =, T frequêcia que se desiga por frequêcia de cato. O erro etre a curva real e a aproximação assitótica é maximo para No que respeita `fase, é dada por: = ata + jt c, e vale log( ) = log() 3dB. ( j) (5.) Para a frequêcia de cato, a fase é de π /4, e varia, à medida que varia de a, de a π /. A aproximção que se faz é cosiderar que a fase pode ser cosiderada como uma fução liear por partes, dada por:, < c π =, = + jt 4 π, > c c (5.) O traçado de zeros ão oferece problemas de maior dado que: Lm( + jt ) = Lm + jt, e (5.3) + = + jt. (5.4) ( jt ) Se cosiderarmos pólos ou zeros múltiplos, as equações ateriores trasformam-se em: ± ( ) r ( ) Lm + jt =± rlm + jt, e (5.5) ± ( jt ) r r ( jt ) + =± +. (5.6) Sistemas de Cotrolo I 58

7 Bode Diagram Magitude (db) - - Phase (deg) Frequecy (rad/sec) Figura 5.3 Diagramas de Bode real e asitótico de + j 4 Bode Diagram Magitude (db) 3 9 Phase (deg) 45-3 Frequecy (rad/sec) j Figura 5.3 Diagramas de Bode real e asitótico de Factores quadráticos Quado os pólos ou zeros são complexos cojugados, aparecem factores quadráticos, do tipo: Sistemas de Cotrolo I 59

8 , (5.7) ξ j j + + para o caso de pólos. Estamos aqui a cosiderar que ξ < pois, caso cotrário, os pólos seriam reais e estariamos o caso aterior. O módulo, em db, é dado por: e a sua fase como: ξ j Lm log π j = + + = ξ j j + +, (5.8) ξ = log + ξ = ata ξ j + j+ (5.9) Do mesmo modo que fizémos para factores de ª ordem, podemos ver que, para o módulo, quado, (5.9) pode ser aproximada por log() = db. Para, (5.9) pode ser aproximada por 4log( ), que represeta uma recta com um declive de -4 db/década. As assítotas cruzam-se em =, que é a frequêcia de cato. Já vimos que quado ξ <, a resposta a um degrau apreseta um pico. Do mesmo modo, quado ξ < / =.77 existe um pico a reposta em frequêcia. A frequêcia para a qual esse pico ocorre chama-se frequêcia de ressoâcia, e é dada por: r =, (5.3) ξ ξ que depede apeas de ξ, e o valor do pico é dado por: Sistemas de Cotrolo I 6

9 r = (5.3) M ξ Bode Diagram Magitude (db) Phase (deg) Frequecy (rad/sec) Figura 5.4 Diagramas de Bode real e asitótico de ξ j j + +, com ξ =.5 e = 4 Para o caso de pólos e zeros múltiplos, utilizam-se as equações: ± r j j Lm ξ ξ j rlm j + + =± + +, e (5.3) ± r ξ j ξ j j r j + + =± + +. (5.33) 5.. Diagramas de Bode de uma fução de trasferêcia geérica Para uma fução de traferêcia geérica somam-se as cotribuições, poto a poto, dos vários factores. Utilzado os exemplos dados as sub-secções ateriores, vamos cosiderar a fução de trasferêcia para a frete: Sistemas de Cotrolo I 6

10 Gs () = j + j j + j j ( )( ) (5.34) Bode Diagram 5 Magitude (db) Phase (deg) Frequecy (rad/sec) Figura 5.5 Diagramas de Bode real de Gs () = j + j j + j j ( )( ) Na fig. 5.5 apresetam-se os diagramas reais de Bode. Nas figura seguite os assitóticos, ode, a preto, se apresetam os diagramas globais e a azul os idividuais. 5 Magitude (db) Frequecy (rad/s) Sistemas de Cotrolo I 6

11 5 Phase (deg) Frequecy (rad/s) Figura 5.6 Diagramas de Bode assitóticos de Gs () = j + j j + j j ( )( ) 5..3 Sistemas com fase míima As fuções de trasferêcia que ão possuem sigularidades (pólos e zeros) do lado direito do plao s são chamados de sistemas de fase míima. Para esses sistemas o diagrama de fases pode-se obter directamete do digrama de amplitudes, e o diagrama de amplitudes pode-se obter do de fases, desde que se coheça a magitude para uma frequêcia. Para os sistemas com fase míima, o âgulo de fase para = é obtido de 9( m), sedo o úmero de pólos e m o úmero de zeros. Para esses sistemas, a partir de um dos diagramas assitóticos é possível determiar a fução de trasferêcia do sistema através da aálise do declive das rectas (o caso de se usar o diagrama de fase tem que se coheçer a magitude para uma frequêcia, para se determiar o gaho). No caso de o sistema ser de fase ão-míima, a fução de trasferêcia pode também ser determiada, mas é ecessário os dois diagramas simultaeamete. Sistemas de Cotrolo I 63

12 5.3 Traçado polar - Diagramas de Nyquist O traçado polar, ou diagrama de Nyquist, de uma fução de trasferêcia é o lugar geométrico descrito, em coordeadas polares, pelos potos cujo módulo é G( j ) e cuja fase é G( j ), quado varia de a. Equato o traçado Bode existiam gráficos (de módulo e de fase), toda a iformação é codesada aqui um só gráfico. O gráfico polar de ( ) G j é chamado de traçado directo, equato que o gráfico de [ ( )] G j é chamado de traçado iverso. A obteção de um diagrama de Nyquist detalhado pressupõe a utilização de um pacote CADSC, como Matlab. No etato, ele pode ser esboçado através de técicas que descreveremos de seguida. Vamos cosiderar que utilzaremos fuções de trasferêcia descritas como: Gs () = z ( s+ z ) i= m p ( + j) s s p j= i (5.35) com gaho DC, z zeros, p pólos fora da origem, e m pólos a origem. Sabemos que o módulo de (5.35) é dado por: G( j) = z z= p m p= + T z + T p, (5.36) e a sua fase por: mπ G( j) = + ta T ta T z p ( z) ( p) (5.37) z= p= Coforme iremos ver o capítulo seguite, por vezes ecessitamos de calcular o diagrama de Nyquist para frequêcias egativas. Tal ão costitui problema, dado sabermos que: G( j) = G( j) (5.38) Sistemas de Cotrolo I 64

13 5.3. Diagramas de Nyquist para diferetes factores Do mesmo modo que fizémos para o digrama de Bode, vamos determiar o diagrama de Nyquist para cada tipo de factores que aparecem as fuções de trasferêcia Itegradores e derivativos O traçado polar para um factor itegrador - imagiário egativo, dado que: G( j) = - coicide com o semi-eixo j π j G( j) = = e (5.39) j j σ Figura 5.7 Traçado polar de um factor itegrador Do mesmo modo, o traçado polar para um factor derivativo - G( j) o semi-eixo imagiário positivo, dado que: π j = j - coicide com G( j) = j= e (5.4) j σ Figura 5.8 Traçado polar de um factor derivativo Sistemas de Cotrolo I 65

14 5.3.. Factores de primeira ordem Cosideremos primeiramete pólos - G( j) =. Sabemos que pode ser expresso, + jt a forma polar, por: G( j) = j ta( T ) e + T (5.4) Podemos represetar esta fução uma forma tabelar: /T G( j ) + T G( j ) π 4 ta ( T ) π Este traçado correspode a um semi-círculo. As partes reais e imagiárias de (5.4) são: T x= ; y= (5.4) + T + T e satisfazem a equação: x + y = Obviamete, esta é uma equação de uma circuferêcia cetrada em, (5.43) e com raio. O diagrama polar está esboçado a figura seguite. j / σ Figura 5.9 Traçado polar de um factor de ª ordem (pólo) Sistemas de Cotrolo I 66

15 Para um zero -+ jt, é fácil de ver que o traçado é uma semi-recta paralela ao semieixo imagiário positivo, cetrada em. j σ Figura 5. Traçado polar de um factor de ª ordem (zero) Factores quadráticos Cosideremos primeiro pólos - G( j) = j + ξ j +. Costruido uma tabela coforme se fêz ateriormete, temos: G( j ) ξ + ξ G( j ) π ta ξ π A forma exacta do traçado irá depeder da razão de amortecimeto. Idepedetemete disso, o traçado começa em º e termia em π. Para sistemas com < ξ <.7, o poto do traçado mais distaciado da origem correspode à frequêcia de ressoâcia ξ r =. Sistemas de Cotrolo I 67

16 Figura 5. Traçado polar de um termo quadrático (pólos) Para os termos quadráticos correspodetes a zeros, o traçado começa em º e termia em π Factor de atraso Para os termos G( j) = e jt, dado que: jt G( j) = e = cos( T) j si( T ) (5.44) o traçado é uma circuferêcia cetrada a origem e de raio uitário Diagramas de Nyquist para fuções de trasferêcia geéricas O comportameto do traçado, quado, depede apeas do úmero de sigularidades a origem. Atededo à ossa fução de trasferêcia geérica Sistemas de Cotrolo I 68

17 Gs () = s z z= m ( + st ) p ( + stp) p= z (5.45) etão: z ( + jt ) z z= lim G( j) = lim = lim ( ) m m j p ( + jtp) ( j) p= (5.46) Assim, o diagrama provém do ifiito quado m>, com um âgulo de m π. Quado m=, provém do eixo real positivo, do poto. Quado m<, provém da origem. O comportameto do traçado, quado, depede da difereça etre os graus das poliomiais do deomiador e do umerador. Para a fução ser físicamete realizável, temos. Dividido o umerador e o deomiador por ( l ( j) j ) z, temos: a lim G( j) = z, l= m+ (5.47) p z Quado l>o, o diagrama morre a origem, com um âgulo de l π. Quado l=, o traçado acaba o eixo real em a z Traçado de Nyquist quado existem pólos o eixo imagiário Se Gs () possuir pólos o eixo imagiário, em s=± j, etão deveremos expadir Gs () em fracções parciais. G() s = + ( s j ) { outros termos} (5.48) sedo ( ) = lim s j G( s) (5.49) Para valores de a vizihaça de, podemos cosiderar: Sistemas de Cotrolo I 69

18 G( j) = ( j j ) j ( ) (5.5) A partir de (5.5), temos que: lim G ( j ) =, (5.5) e π, par π lim G( j) =, >, π ( + ), < impar (5.5) 5.4 Traçado de Nichols Neste tipo de traçado, à semelhaça do diagrama de Nyquist, usa-se apeas um úico gráfico, este caso do logaritmo da amplitude, em dbs, versus a fase. Para este tipo de traçado, os gráficos de G( j ) e de relação à origem, dado que: e G ( j) são ati-simétricos em G ( j) ( db) = G( j) ( db) (5.53) G j G j ( ) = ( ) (5.54) Para estes traçados, uma variação de gaho traduz-se apeas uma traslacção do gráfico. A seguir apresetam-se os traçados de Nichols para algus termos usuais. Sistemas de Cotrolo I 7

19 Nichols Charts 5 O p e - L o o p G a i (d B) Gs () s Gs () s s Gs () s Gs () s Gs () s s Ope-Loop Phase (deg) Figura 5. Diagramas de Nichols para diferetes termos 5.5 Comparação dos vários traçados A figura seguite compara os diferetes traçados para a fução quadrática Gs () =. s s ξ + + Bode Diagrams Ph as e (de g); Ma gi tud e (d B) M r r Frequecy (rad/sec) a) Bode Sistemas de Cotrolo I 7

20 Nyquist Diagrams Im agi ar y Axi s r Real Axis b) Nyquist Nichols Charts r Mr Op e- Lo op Ga i (d B) Ope-Loop Phase (deg) c) Nichols Figura 5.3 Diferetes traçados 5.6 Critério de estabilidade de Nyquist O critério de estabilidade de Nyquist baseia-se o teorema de Cauchy, e traduz-se a aplicação de uma trasformação coforme de um cotoro o plao s por uma determiada fução. Estes coceitos foram itroduzidos a disciplia de Matemática Aplicada. Sistemas de Cotrolo I 7

21 Já foi referido que, para que um sistema em malha fechada seja estável, a sua poliomial característica () s = + G() s H() s deve ter todas as raízes o semi-plao esquerdo. O critério de Nyquist vai determiar se isso é verdade ou ão, mas o plao GsHs () () Bases matemáticas Covém relembrar os coceitos de rodeado e fechado. Um poto P diz-se rodeado pelo camiho Γ se este percurso ivolver P. A região situada à esquerda desse camiho, se este fôr percorrido o setido da seta, diz-se que é fechada por Γ. P P P a) rodeado e fechado b) rodeado e ão fechado c) fechado e ão rodeado Figura 5.4 Noção de rodeado e fechado Admitamos que a fução F(s) é uma fução aalítica em todo o plao s, excepto um úmero fiito de potos, e escolha-se um cotoro fechado Γ s o plao s ode F(s) é aalítica. Se fizermos a trasformação coforme deste camiho pela fução F(s) vamos obter o plao F(s) também um cotoro fechado, que desigaremos por F. O teorema de Cauchy diz-os que, se Γ s rodeia Z zeros e P pólos de F(s) o plao s, etão a sua represetação coforme o plao F(s) rodeia a origem N vezes, ode N = Z P, o mesmo setido em que Γ s rodeia as sigularidades o plao s se N é positivo, e em setido cotrário se N é egativo. Este coceito é fácil de eteder, se atetarmos a figura seguite. Na fig. a) estão represetados o cotoro movemos ao logo de s Γ s e os pólos e zeros da fução F(s). Repare que quado os Γ, a cotribuição agular total de φ, φ e Ψ é ula. No etato, a cotribuição agular total de Ψ é de π, positiva visto tratar-se de um zero. Portato, a ispecção do mapeameto F(s) uma rotação completa o mesmo setido - demostra- Sistemas de Cotrolo I 73

22 os que estamos a preseça de um zero detro do cotoro pólos detro desse cotoro é ulo. Γ s, dado que o úmero de p z s s F p a) Plao s b) Plao F(s) Figura 5.5 Exemplo 5.6. Aplicação para sistemas de cotrolo Em cotrolo, estamos iteressados em saber se os zeros de () s = + GsHs () () estão todos o semi-plao esquerdo, ou ão. Se cosiderarmos Fs () = GsHs () (), etão podemos aplicar directamete os coceitos ateriores, com a difereça de que temos de ispeccioar quatas vezes o poto = + j é rodeado. Se cosiderarmos Γ s um cotoro que feche todo o semi-plao direito, a aplicação directa do teorema de Cauchy diz-os que a sua represetação coforme o plao F(s) rodeia o poto = + j N vezes, ode N = Z P, o mesmo setido em que Γ s rodeia as sigularidades o plao s se N é positivo, e em setido cotrário se N é egativo. Como: NG( s) NH( s) DG( s) DH( s) + NG( s) NH( s) () s = + G() s H() s = + = (5.55) D D D D G( s) H( s) G( s) H( s) podemos saber os pólos da fução, e os zeros são determiados através de Z = N+ P. O sistema é estável se Z =, isto é, se N = P. O cotoro Γ s tem que fechar o semi-plao direito do plao s, mas a fução deve ser aalítica este cotoro. Caso F(s) possua pólos o eixo imagiário, o camiho deve cotorá-los. Assim, admitido esta situação, utilizaremos o seguite cotoro: Sistemas de Cotrolo I 74

23 3 A 4 B C 5 D Figura 5.6 Cotoro o plao s Podemos cosiderar este cotoro dividido em 5 partes:. Neste caso temos uma semi-circuferêcia de raio ifiito, cujo âgulo varia de π π a. Portato, para determiar a trasformação coforme, calculamos lim Fs ( ) R jθ s= Re (5.56). Para este caso, a trasformação coicide com o diagrama de Nyquist, com a difereça de que varia de a ; 3. Trata-se do simétrico da trasformação obtida o poto aterior, dado que F ( j) = F( j) 4. O cotoro o plao s é uma semi-circuferêcia de raio ifiitesimal, cujo âgulo π π varia de a. Para determiar a trasformação coforme, calculamos lim Fs ( ) ε jθ s j = εe (5.57) 5. A mesma coisa que o poto aterior, com a difereça que a substituição é jθ s+ j = ε e. Sistemas de Cotrolo I 75

24 5.6.3 Exemplo de aplicação Vamos determiar a estabilidade do sistema de cotrolo cuja fução de trasferêcia em malha aberta é GH () s = s st + st +. ( )( ) Primeiramete, vamos esboçar o diagrama de Nyquist, isto é, o mapeameto da semirecta da fig. 5.6 pela fução Fs () = GsHs () (). Fazedo a tabela, temos: F( j ) ( + )( + ) T T G( j ) π π ( ) ta T ta ( T ) 3 π O diagrama de Nyquist está represetado a figura seguite (para =, T =, T =): Nyquist Diagrams From: U() 5 Imagiary Axis To: Y() Real Axis Figura 5.7 Diagrama de Nyquist O sistema possui um pólo em s=. Correspode ao mapeameto de um semicircuferêcia de raio ifiitesimal, do tipo 4 ou 5, cetrada em. Temos assim: lim Fs ( ) = lim = e ε jθ e jθ jθ jθ s= ε ε εe εe T εe T ( + )( + ) jθ (5.58) Sistemas de Cotrolo I 76

25 π π Como θ varia de etão o âgulo de F(s) varia de seguite ilustra este facto. π π +. A figura Nyquist Diagrams From: U() 5 Im agi To a : ry Y( Ax ) is Real Axis Figura 5.8 Cotoro o plao F(s) Relativamete à semi-circuferêcia de raio ifiito (tipo ), teremos o seguite mapeameto: j3θ lim Fs ( ) = lim = e (5.59) ε jθ jθ jθ jθ s= εe ε εe ( εe T+ )( εe T+ ) π π Como θ varia de etão o âgulo de F(s) varia de 3 π 3 π. Este cotoro ão é represetado o gráfico. Embora ão seja muito perceptível o gráfico, o poto +j é rodeado vez. Isto implica que, dado o úmero de pólos de F(s) o semi-plao direito ser ulo, existe um zero de F(s) o semi-plao direito, isto é, o sistema é istável. A estabilidade do sistema geérico depede do poto em que o traçado de Nyquist itersecta o semi-eixo real egativo de F(s). Se itersectar ates de +j, o sistema é istável; caso cotrário é estável. Obviamete isto depede de uma relação etre o gaho e as costates de tempo. Esta relação pode-se determiar de duas maeiras: Sistemas de Cotrolo I 77

26 Vamos represetar F(s) em termos de parte real e imagiária. Temos etão: F( j) = = = j jt + jt + j TT + j T + T + ( ) ( T T) j( TT ) + ( ( )) ( ) ( )( ) ( ) = = j TT T + T T + T + TT ( ) ( ) A parte imagiária é ula quado ( ) ( TT ) a =±. Para essas frequêcias, a parte real vale TT quado: (5.6) = =. A ª igualdade correspode T + T F( j) =. Isto é, T + T TT < < (5.6) TT o sistema é estável. Outra maeira será aplicar a rede de Routh-Huritz. A poliomial característica é: ( ) = s TT + s T + T + s+ (5.6) 3 A rede de Routh-Huritz é etão: 3 s TT s T + T s ( T+ T) TT s T + T T+ T O sistema é estável se < <. Formado a equação auxiliar, para = c, temos TT =±. TT Sistemas com tempo de atraso s Cosidere-se o sistema Gse ( ) τ, com Gs ( ) racioal e só com pólos. Sabemos que o seu jτ jτ módulo é G( j) e = G( j) e G( j) e = G( j) τ. O seu diagrama de Sistemas de Cotrolo I 78

27 π quado o seu Nyquist é etão uma espiral decrescete Caso a fase seja maior que módulo é igual a, etão o sistema é estável, dado que, quado a fase dimiuir para o seu módulo é meor que. 5.7 Marges de gaho e de fase π, Coforme se viu, em sistemas que potecialmete podem ser istáveis, um aumeto de gaho ormalmete traduz-se uma variação do grau de estabilidade do sistema. Quato mais perto o digrama de Nyquist passar do poto +j, mais rápida e oscilatória será a resposta do sistema. A estabilidade relativa pode etão exprimir-se em fução da distâcia míima etre o traçado de Nyquist de GH(s) e o poto +j. Esta estabilidade relativa mede-se ormalmete em termos de marges de gaho e de marges de fase. A margem de gaho é o factor pelo qual é ecessário multiplicar o gaho para que o sistema se tore margialmete estável. Se gaho) para a qual a fase de GH(j) é como: c é a frequêcia (frequêcia da margem de π, etão a margem de gaho, a, é defiida ( ) ( ) G j H j a= (5.63) c A margem de fase é defiida como o atraso adicioal ecessário para que o sistema se tore margialmete estável. Se desigarmos por φ a frequêcia (frequêcia da margem de fase) para a qual o módulo de GH(j) é uitário, temos: c ( φ) ( φ) γ= π+ G j H j (5.64) 5.7. Exemplo Vamos cosiderar a fução de trasferêcia.8 GH () s =. Para ( s )( s )( s 3) determiar as marges de gaho e de fase, vamos separar GH ( j ) em partes real e imagiária. Etão: Sistemas de Cotrolo I 79

28 .8.8 GH () s = = ( s+ )( s+ )( s+ ) s + s + s+.8 GH ( j) = = ( j) ( j) ( j) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) 3.8 ( 6 6 ) j( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ).8 = = = j j.8 = Para determiar a margem de gaho iguala-se a a parte imagiária: ( c ) ( c ) 3 = = j =± e o módulo correspodete a essa frequêcia, frequêcia da margem de gaho, é:.8 GH ( j ) = = 6.6 Logo a margem de gaho é de.6, ou 8.4 dbs. Para determiar a frequêcia da margem de fase, temos de determiar a frequêcia para a qual o gaho é uitário..8.8 GH ( j) = = = 3 + j x + y ( ) ( ) ( 6 6 ) ( ) ( ) ( ) x + y = =.8 3 z z z 3 6 6z + z z = z+ 36z + z z + z = = Esta equação tem como soluções (empregado Matlab) z= 4. z= 9± 5.7 j. Isto implica que, para =±.5 rad/s o módulo é uitário. Esta é a frequêcia da margem de fase. A margem de fase própriamete dita é dada por: γ= π ta ta ta =.63rad = 36º 3. A figura seguite ilustra, com o diagrama de Bode, as marges de fase e de gaho obtidas em simulação. Sistemas de Cotrolo I 8

29 - Bode Diagrams Gm=8.443 db (at rad/sec), Pm=37.88 deg. (at.9998 rad/sec) Phase (deg); Magitude (db) Frequecy (rad/sec) Figura 5.9 Marges de fase e de gaho 5.8 Resposta em malha fechada A partir da reposta a frequêcia de um sistema em malha aberta pode-se obter uma aproximação à resposta a frequêcia do sistema em malha fechada. Cosideremos um sistema em malha fechada com realimetação. A sua fução de trasferêcia é: G( j) jφ( ) = M( ) e (5.65) + G( j) Se escrevermos a fução de trasferêcia em malha aberta em termos de parte real e imagiária, temos: G( j) = u( j) + jv( j) = u+ jv (5.66) A amplitude vale: G ( ) u + v M( ) = = + G ( ) + u + v ( ) (5.67) Se quadrarmos (5.67), ficamos com: Sistemas de Cotrolo I 8

30 (( ) ) u + v = M + u + v ( ) ( ) u M M u+ v M = M u Mu M + v = M M (5.68) Se adicioarmos perfeito: M M a ambos os membros de (5.68), ficamos com um quadrado u Mu M M M + v + = + M M M M M u + = M M v ( M ) (5.69) Esta última equação cositui a equação de uma circuferêcia com cetro em M, M M e raio ( M ). Sobrepodo essas circuferêcias o diagrama de Nyquist, os potos em que o diagrama itersecta cada circuferêcia dá-os um par de valores (, ) M que os permitem traçar a curva da resposta da frequêcia em malha fechada. i i Pegado as equações (5.65) e (5.66) e utilizado o mesmo processo para a frequêcia, temos: v v v v ata ata ata u u v φ = + = = ata u u v v + u + u+ v + u+ u (5.7) Aplicado tagete a ambos os lados, temos: v N ( ) = ta( φ) = (5.7) u + u + v Rearrajado, temos: Sistemas de Cotrolo I 8

31 v u + u+ v = N v u + u+ + v + = + N N N + N u+ + v = N 4N (5.7) Esta equação cositui a equação de uma circuferêcia com cetro em, N e raio N +. Do mesmo modo que para a curva de magitude, podemos sobrepôr as N circuferêcias N um diagrama de Nyquist e esboçar a fase em malha fechada. Na prática, é mais comum sobrepôr essas curvas um diagrama de Nichols. A figura seguite ilustra esta aplicação para a o sistema em malha fechada, com realimetação uitária e fução de trasferêcia (5.34). 6 Nichols Chart 4.5 db.5 db db 3 db 6 db db - db -3 db -6 db - db Ope-Loop Gai (db) db -4 db -6-6 db -8-8 db - - db - db Ope-Loop Phase (deg) Figura 5. Carta de Nichols, com círculos M e N Sistemas de Cotrolo I 83

32 Sistemas de Cotrolo I 84

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode 9 Diagramas de Bode 9. Itrodução aos diagramas de Bode 3 9. A Fução de rasferêcia 4 9.3 Pólos e zeros da Fução de rasferêcia 8 Equação característica 8 Pólos da Fução de rasferêcia 8 Zeros da Fução de

Leia mais

Motivação e Definição..1. Factores Básicos...3. Constante...3. Factor derivativo e Integral...4. Factores Básicos...12

Motivação e Definição..1. Factores Básicos...3. Constante...3. Factor derivativo e Integral...4. Factores Básicos...12 ÍNDICE Motivação e Defiição.. Diagramas de Bode... Factores Básicos...3 Costate...3 Factor derivativo e Itegral...4 Factores de ª ordem...5 Factores de ª ordem...7 Sistemas de Fase míima e Não-Míima...

Leia mais

CONTROLO. 1º semestre 2007/2008. Transparências de apoio às aulas teóricas. Capítulo 10 Diagrama de Bode e Relação Tempo-Frequência

CONTROLO. 1º semestre 2007/2008. Transparências de apoio às aulas teóricas. Capítulo 10 Diagrama de Bode e Relação Tempo-Frequência Mestrado Itegrado em Egeharia Electrotécica e de Computadores (LEEC Departameto de Egeharia Electrotécica e de Computadores (DEEC CONTROLO º semestre 007/008 Trasparêcias de apoio às aulas teóricas Capítulo

Leia mais

Projetos de Controle

Projetos de Controle Projetos de Cotrole EA7 - Prof. Vo Zube Cotrole do Pêdulo Ivertido com Carro.... Modelo matemático (pg. 7 das Notas de Aula).... Cotrole por realimetação de estados supodo acesso a todos os estados (CASO

Leia mais

Unidade V - Desempenho de Sistemas de Controle com Retroação

Unidade V - Desempenho de Sistemas de Controle com Retroação Uidade V - Desempeho de Sistemas de Cotrole com Retroação Itrodução; Siais de etrada para Teste; Desempeho de um Sistemas de Seguda Ordem; Efeitos de um Terceiro Pólo e de um Zero a Resposta Sistemas de

Leia mais

somente um valor da variável y para cada valor de variável x.

somente um valor da variável y para cada valor de variável x. Notas de Aula: Revisão de fuções e geometria aalítica REVISÃO DE FUNÇÕES Fução como regra ou correspodêcia Defiição : Uma fução f é uma regra ou uma correspodêcia que faz associar um e somete um valor

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

Prova 3 Matemática ... GABARITO 1 NOME DO CANDIDATO:

Prova 3 Matemática ... GABARITO 1 NOME DO CANDIDATO: Prova 3 QUESTÕES OBJETIIVAS N ọ DE ORDEM: NOME DO CANDIDATO: N ọ DE INSCRIÇÃO: IINSTRUÇÕES PARA A REALIIZAÇÃO DA PROVA. Cofira os campos N ọ DE ORDEM, N ọ DE INSCRIÇÃO e NOME, que costam da etiqueta fixada

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

O poço de potencial infinito

O poço de potencial infinito O poço de potecial ifiito A U L A 14 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial V(x) que tem a forma de um poço ifiito: o potecial é ifiito para x < a/ e para x > a/, e tem o valor

Leia mais

MOMENTOS DE INÉRCIA. Física Aplicada à Engenharia Civil II

MOMENTOS DE INÉRCIA. Física Aplicada à Engenharia Civil II Física Aplicada à Egeharia Civil MOMENTOS DE NÉRCA Neste capítulo pretede-se itroduzir o coceito de mometo de iércia, em especial quado aplicado para o caso de superfícies plaas. Este documeto, costitui

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0 Itrodução Por método umérico etede-se um método para calcular a solução de um problema realizado apeas uma sequêcia fiita de operações aritméticas A obteção de uma solução

Leia mais

Departamento de Matemática - Universidade de Coimbra. Mestrado Integrado em Engenharia Civil. Capítulo 1: Sucessões e séries

Departamento de Matemática - Universidade de Coimbra. Mestrado Integrado em Engenharia Civil. Capítulo 1: Sucessões e séries Departameto de Matemática - Uiversidade de Coimbra Mestrado Itegrado em Egeharia Civil Exercícios Teórico-Práticos 200/20 Capítulo : Sucessões e séries. Liste os primeiros cico termos de cada uma das sucessões

Leia mais

Análise no domínio dos tempos de sistemas representados no Espaço dos Estados

Análise no domínio dos tempos de sistemas representados no Espaço dos Estados MEEC Mestrado em Egeharia Electrotécica e de Computadores MCSDI Guião do trabalho laboratorial º 3 Aálise o domíio dos tempos de sistemas represetados o Espaço dos Estados Aálise o domíio dos tempos de

Leia mais

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem VII Equações Difereciais Ordiárias de Primeira Ordem Itrodução As equações difereciais ordiárias são istrumetos esseciais para a modelação de muitos feómeos proveietes de várias áreas como a física, química,

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

Definição 1.1: Uma equação diferencial ordinária é uma. y ) = 0, envolvendo uma função incógnita y = y( x) e algumas das suas derivadas em ordem a x.

Definição 1.1: Uma equação diferencial ordinária é uma. y ) = 0, envolvendo uma função incógnita y = y( x) e algumas das suas derivadas em ordem a x. 4. EQUAÇÕES DIFERENCIAIS 4.: Defiição e coceitos básicos Defiição.: Uma equação diferecial ordiária é uma dy d y equação da forma f,,,, y = 0 ou d d ( ) f (, y, y,, y ) = 0, evolvedo uma fução icógita

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO REVISÕES SOBRE SISTEMAS DE CONTROLO CONTÍNUO Elemetos coligidos por: Prof. Luís Filipe Baptista

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

Secção 9. Equações de derivadas parciais

Secção 9. Equações de derivadas parciais Secção 9 Equações de derivadas parciais (Farlow: Sec 9 a 96) Equação de Derivadas Parciais Eis chegado o mometo de abordar as equações difereciais que evolvem mais do que uma variável idepedete e, cosequetemete,

Leia mais

37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO

37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO 37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 Esio Médio) GABARITO GABARITO NÍVEL 3 ) B ) A ) B ) D ) C ) B 7) C ) C 7) B ) C 3) D 8) E 3) A 8) E 3) A ) C 9) B ) B 9) B ) C ) E 0) D ) A

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Física

Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Física Uiversidade Federal do Marahão Cetro de Ciêcias Exatas e Tecologia Coordeação do Programa de Pós-Graduação em Física Exame de Seleção para Igresso o 1º. Semestre de 2011 Disciplia: Mecâica Clássica 1.

Leia mais

O oscilador harmônico

O oscilador harmônico O oscilador harmôico A U L A 5 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial de um oscilador harmôico simples, V( x) kx. objetivos obter a solução da equação de Schrödiger para um oscilador

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... INTRODUÇÃO Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário

Leia mais

MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I

MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I 00 MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I TEXTO DE APOIO MARIA ALICE FILIPE ÍNDICE NOTAS PRÉVIAS ALGUNS CONCEITOS SOBRE SÉRIES6 NOTAS PRÉVIAS As otas seguites referem-se ao maual adoptado: Cálculo, Vol I James

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

Equivalência entre holomorfia, analiticidade e teorema de Cauchy

Equivalência entre holomorfia, analiticidade e teorema de Cauchy Capítulo 6 Equivalêcia etre holomorfia, aaliticidade e teorema de Cauchy 6 Itrodução O resultado cetral deste capítulo é a equivalêcia etre holomorfia, aaliticidade e validade do Teorema de Cauchy Trata-se

Leia mais

+... + a k. Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são cartesianos retangulares.

+... + a k. Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são cartesianos retangulares. MATEMÁTICA NOTAÇÕES : cojuto dos úmeros aturais; = {,,, } : cojuto dos úmeros iteiros : cojuto dos úmeros racioais : cojuto dos úmeros reais : cojuto dos úmeros complexos i: uidade imagiária, i = z: módulo

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

Eletrodinâmica III. Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos. Aula 6

Eletrodinâmica III. Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos. Aula 6 Aula 6 Eletrodiâmica III Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos setido arbitrário. A ddp obtida deve ser IGUAL a ZERO, pois os potos de partida e chegada são os mesmos!!! Gerador Ideal Todo

Leia mais

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21 Nome: ºANO / CURSO TURMA: DATA: 0 / 0 / 05 Professor: Paulo. (Pucrj 0) Vamos empilhar 5 caixas em ordem crescete de altura. A primeira caixa tem m de altura, cada caixa seguite tem o triplo da altura da

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais.

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais. 03 Capítulo 3 Regressão liear e poliomial Neste capítulo, pretedemos ajustar retas ou poliômios a um cojuto de potos experimetais. Regressão liear A tabela a seguir relacioa a desidade (g/cm 3 ) do sódio

Leia mais

Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciência da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2

Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciência da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2 Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciêcia da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2. (2,0): Resolva a seguite relação de recorrêcia. T() = T( ) + 3 T() = 3 Pelo método iterativo progressivo.

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE D TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013 CONCURSO PÚBLICO 01 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL UFMS MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 16 QUESTÕES POR TÓPICOS Coordeação e Orgaização: Mariae dos Reis 1ª Edição

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

Questão 11. Questão 13. Questão 12. Questão 14. alternativa B. alternativa E. alternativa A

Questão 11. Questão 13. Questão 12. Questão 14. alternativa B. alternativa E. alternativa A Questão Em uma pesquisa, foram cosultados 00 cosumidores sobre sua satisfação em relação a uma certa marca de sabão em pó. Cada cosumidor deu uma ota de 0 a 0 para o produto, e a média fial das otas foi

Leia mais

1.1 Comecemos por determinar a distribuição de representantes por aplicação do método de Hondt:

1.1 Comecemos por determinar a distribuição de representantes por aplicação do método de Hondt: Proposta de Resolução do Exame de Matemática Aplicada às Ciêcias Sociais Cód. 835-2ª 1ª Fase 2014 1.1 Comecemos por determiar a distribuição de represetates por aplicação do método de Hodt: Divisores PARTIDOS

Leia mais

INTERPOLAÇÃO. Interpolação

INTERPOLAÇÃO. Interpolação INTERPOLAÇÃO Profa. Luciaa Motera motera@facom.ufms.br Faculdade de Computação Facom/UFMS Métodos Numéricos Iterpolação Defiição Aplicações Iterpolação Liear Equação da reta Estudo do erro Iterpolação

Leia mais

1. Objetivo: determinar as tensões normais nas seções transversais de uma viga sujeita a flexão pura e flexão simples.

1. Objetivo: determinar as tensões normais nas seções transversais de uma viga sujeita a flexão pura e flexão simples. FACULDADES NTEGRADAS ENSTEN DE LMERA Curso de Graduação em Egeharia Civil Resistêcia dos Materiais - 0 Prof. José Atoio Schiavo, MSc. NOTAS DE AULA Aula : Flexão Pura e Flexão Simples. Objetivo: determiar

Leia mais

CPV seu Pé Direito no INSPER

CPV seu Pé Direito no INSPER CPV seu Pé Direito o INSPE INSPE esolvida /ovembro/0 Prova A (Marrom) MATEMÁTICA 7. Cosidere o quadrilátero coveo ABCD mostrado a figura, em que AB = cm, AD = cm e m(^a) = 90º. 8. No plao cartesiao da

Leia mais

Exercícios de Matemática Polinômios

Exercícios de Matemática Polinômios Exercícios de Matemática Poliômios ) (ITA-977) Se P(x) é um poliômio do 5º grau que satisfaz as codições = P() = P() = P(3) = P(4) = P(5) e P(6) = 0, etão temos: a) P(0) = 4 b) P(0) = 3 c) P(0) = 9 d)

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

Disciplina: Séries e Equações Diferenciais Ordinárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL matos@mat.ufpb.br

Disciplina: Séries e Equações Diferenciais Ordinárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL matos@mat.ufpb.br Disciplia: Séries e Equações Difereciais Ordiárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL matos@mat.ufpb.br Ambiete Virtual de Apredizagem: Moodle (www.ead.ufpb.br) Site do Curso: www.mat.ufpb.br/ead

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

UNIVERSIDADE DA MADEIRA

UNIVERSIDADE DA MADEIRA Biofísica UNIVERSIDADE DA MADEIRA P9:Lei de Sell. Objetivos Verificar o deslocameto lateral de um feixe de luz LASER uma lâmia de faces paralelas. Verificação do âgulo critico e reflexão total. Determiação

Leia mais

Matemática Em Nível IME/ITA

Matemática Em Nível IME/ITA Caio dos Satos Guimarães Matemática Em Nível IME/ITA Volume 1: Números Complexos e Poliômios 1ª Edição São José dos Campos 007 SP Prefácio O livro Matemática em Nível IME/ITA tem como objetivo ão somete

Leia mais

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013 ANDRÉ REIS MATEMÁTICA TEORIA 6 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Adré Reis Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição NOV 0

Leia mais

O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA

O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA Paulo César de Resede ANDRADE Lucas Moteiro CHAVES 2 Devail Jaques de SOUZA 2 RESUMO: Este trabalho apreseta a teoria do teste de Galto

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades:

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades: CURTOSE O que sigifica aalisar um cojuto quato à Curtose? Sigifica apeas verificar o grau de achatameto da curva. Ou seja, saber se a Curva de Freqüêcia que represeta o cojuto é mais afilada ou mais achatada

Leia mais

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações.

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações. Matemática Fiaceira Uidade de Sorriso - SENAC M, Prof Rikey Felix Cálculo Fiaceiro Comercial e suas aplicações. Método Algébrico Parte 0 Professor Rikey Felix Edição 0/03 Matemática Fiaceira Uidade de

Leia mais

Resposta: L π 4 L π 8

Resposta: L π 4 L π 8 . A figura a seguir ilustra as três primeiras etapas da divisão de um quadrado de lado L em quadrados meores, com um círculo iscrito em cada um deles. Sabedo-se que o úmero de círculos em cada etapa cresce

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

CIRCUITOS SEQUÊNCIAIS

CIRCUITOS SEQUÊNCIAIS Coelh ho, J.P. @ Sistem mas Digita ais : Y20 07/08 CIRCUITOS SEQUÊNCIAIS O que é um circuito it sequêcial? Difereça etre circuito combiatório e sequecial... O elemeto básico e fudametal da lógica sequecial

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

onde d, u, v são inteiros não nulos, com u v, mdc(u, v) = 1 e u e v de paridades distintas.

onde d, u, v são inteiros não nulos, com u v, mdc(u, v) = 1 e u e v de paridades distintas. !"$# &%$" ')( * +-,$. /-0 3$4 5 6$7 8:9)$;$< =8:< > Deomiaremos equação diofatia (em homeagem ao matemático grego Diofato de Aleadria) uma equação em úmeros iteiros. Nosso objetivo será estudar dois tipos

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Gilmar Boratto Material de apoio para o curso de Admiistração. ÍNDICE CONCEITOS BÁSICOS...- 2-1- CONCEITO DE FLUXO DE CAIXA...- 2-2-A MATEMÁTICA FINANCEIRA E SEUS OBJETIVOS...-

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Itrodução Aálie o domíio do tempo Repota ao degrau Repota à rampa Repota à parábola Aálie o domíio da freqüêcia Diagrama de Bode Diagrama de Nyquit Diagrama de Nichol Eta aula EM

Leia mais

Tópicos de Mecânica Quântica I. Equações de Newton e de Hamilton versus Equações de Schrödinger

Tópicos de Mecânica Quântica I. Equações de Newton e de Hamilton versus Equações de Schrödinger Tópicos de Mecâica Quâtica I Equações de Newto e de Hamilto versus Equações de Schrödiger Ferado Ferades Cetro de Ciêcias Moleculares e Materiais, DQBFCUL Notas para as aulas de Química-Física II, 010/11

Leia mais

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante .5 Aritmética de Poto Flutuate A represetação em aritmética de poto flutuate é muito utilizada a computação digital. Um exemplo é a caso das calculadoras cietíficas. Exemplo:,597 03. 3 Este úmero represeta:,597.

Leia mais

SUMÁRIO 1. AMOSTRAGEM 4. 1.1. Conceitos básicos 4

SUMÁRIO 1. AMOSTRAGEM 4. 1.1. Conceitos básicos 4 SUMÁRIO 1. AMOSTRAGEM 4 1.1. Coceitos básicos 4 1.. Distribuição amostral dos estimadores 8 1..1. Distribuição amostral da média 8 1... Distribuição amostral da variâcia 11 1..3. Distribuição amostral

Leia mais

Universidade Presbiteriana Mackenzie. Processamento Digital de Sinais

Universidade Presbiteriana Mackenzie. Processamento Digital de Sinais Uiversidade Presbiteriaa Mackezie Curso de Egeharia Elétrica Processameto Digital de Siais Notas de Aula Prof. Marcio Eisecraft Segudo semestre de 7 Uiversidade Presbiteriaa Mackezie Curso de Egeharia

Leia mais

5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.1- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA

5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.1- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA 5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA Itegrar umericamete uma fução y f() um dado itervalo [a, b] é itegrar um poliômio P () que aproime f() o dado itervalo. Em particular, se y f()

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

Capítulo 5. Misturas Simples

Capítulo 5. Misturas Simples Capítulo 5. Misturas Simples aseado o livro: tkis Physical Chemistry Eighth Editio Peter tkis Julio de Paula 04-06-2007 Maria da Coceição Paiva 1 Misturas Simples Para iterpretar termodiamicamete o efeito

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE MINISÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENO DO ERRIÓRIO E AMBIENE Istituto do Ambiete PROCEDIMENOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENE Abril 2003 . Equadrameto O presete documeto descreve a metodologia a seguir

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

A = Amplitude (altura máxima da onda) c = velocidade da luz = 2,998 x 10 8 m.s -1 3,00 x 10 8 m.s -1. 10 14 Hz. Verde: λ = = Amarela: λ =

A = Amplitude (altura máxima da onda) c = velocidade da luz = 2,998 x 10 8 m.s -1 3,00 x 10 8 m.s -1. 10 14 Hz. Verde: λ = = Amarela: λ = RADIAÇÃO ELETROMAGNÉ QUÍMICA BÁSICAB ESTRUTURA ATÔMICA II PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DAQBI Prof. Luiz Alberto RADIAÇÃO ELETROMAGNÉ RADIAÇÃO ELETROMAGNÉ λ comprimeto de oda Uidade: metro

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uiformes Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Coceito A resolução de problemas de matemática fiaceira tora-se muito

Leia mais

Aula 2 - POT - Teoria dos Números - Fabio E. Brochero Martinez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldanha Eduardo Tengan

Aula 2 - POT - Teoria dos Números - Fabio E. Brochero Martinez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldanha Eduardo Tengan Aula - POT - Teoria dos Números - Nível III - Pricípios Fabio E. Brochero Martiez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldaha Eduardo Tega de Julho de 01 Pricípios Nesta aula apresetaremos algus

Leia mais

2.1 Dê exemplo de uma seqüência fa n g ; não constante, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamente crescente;

2.1 Dê exemplo de uma seqüência fa n g ; não constante, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamente crescente; 2.1 Dê exemplo de uma seqüêcia fa g ; ão costate, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamete crescete; (b) limitada e estritamete decrescete; (c) limitada e ão moótoa; (d) ão limitada

Leia mais

Equações Diferenciais Lineares de Ordem n

Equações Diferenciais Lineares de Ordem n PUCRS Faculdade de Matemática Equações Difereciais - Prof. Eliete Equações Difereciais Lieares de Ordem Cosideremos a equação diferecial ordiária liear de ordem escrita a forma 1 d y d y dy L( y( x ))

Leia mais

Aula 07 Análise no domínio do tempo Parte II Sistemas de 2ª ordem

Aula 07 Análise no domínio do tempo Parte II Sistemas de 2ª ordem Aula 07 Aálise o domíio do tempo Parte II Sistemas de ª ordem Aálise o domíio do tempo - Sistemas de ª ordem iput S output Sistema de seguda ordem do tipo α G(s) as + bs + c Aálise o domíio do tempo -

Leia mais

ANÁLISE E CONTROLE DE SISTEMAS LINEARES

ANÁLISE E CONTROLE DE SISTEMAS LINEARES sid.ipe.br/mtc-m9/0/07.3..08-pud ANÁLISE E CONTROLE DE SISTEMAS LINEARES Valdemir Carrara URL do documeto origial: INPE São José dos Campos 0 PUBLICADO POR: Istituto

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

Demonstrações especiais

Demonstrações especiais Os fudametos da Física Volume 3 Meu Demostrações especiais a ) RLAÇÃO NTR próx. e sup. osidere um codutor eletrizado e em equilíbrio eletrostático. Seja P sup. um poto da superfície e P próx. um poto extero

Leia mais

FILAS DE ESPERA. Notas baseadas em Introduction to Operations Research de Hillier e Lieberman.

FILAS DE ESPERA. Notas baseadas em Introduction to Operations Research de Hillier e Lieberman. FILA DE EPERA otas baseadas em Itroductio to Operatios Research de Hillier e Lieberma. 77 ETRUTURA BÁICA DO ITEMA DE FILA DE EPERA Quado um determiado serviço é procurado por vários clietes, poder-se-ão

Leia mais

MATEMÁTICA A - 12o Ano Funções - Limite segundo Heine

MATEMÁTICA A - 12o Ano Funções - Limite segundo Heine MATEMÁTICA A - o Ao Fuções - Limite segudo Heie Eercícios de eames e testes itermédios. Seja f a fução, de domíio R \ {}, defiida por f) = e Cosidere a sucessão de úmeros reais ) tal que = Qual é o valor

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

Componente de Física

Componente de Física Compoete de Física. Comuicação a loga distâcia A luz tem um comportameto dual. Comporta-se como um fluxo de partículas, os fotões, pacotes de eergia quatizada, i.e., quata, em que a eergia trasportada

Leia mais

RESISTORES E RESISTÊNCIAS

RESISTORES E RESISTÊNCIAS ELETICIDADE CAPÍTULO ESISTOES E ESISTÊNCIAS No Capítulo estudamos, detre outras coisas, o coceito de resistêcia elétrica. Vimos que tal costitui a capacidade de um corpo qualquer se opôr a passagem de

Leia mais

Testes χ 2 (cont.) Testes χ 2 para k categorias (cont.)

Testes χ 2 (cont.) Testes χ 2 para k categorias (cont.) Testes χ 2 de ajustameto, homogeeidade e idepedêcia Testes χ 2 (cot.) Os testes χ 2 cosiderados este último poto do programa surgem associados a dados de cotagem. Mais cocretamete, dados que cotam o úmero

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ASSUNTO: INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS, EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM SEPARÁVEIS, HOMOGÊNEAS, EXATAS, FATORES

Leia mais

Parte I - Projecto de Sistemas Digitais

Parte I - Projecto de Sistemas Digitais Parte I - Projecto de Sistemas Digitais Na disciplia de sistemas digitais foram estudadas técicas de desevolvimeto de circuitos digitais ao ível da porta lógica, ou seja, os circuito digitais projectados,

Leia mais

Até que tamanho podemos brincar de esconde-esconde?

Até que tamanho podemos brincar de esconde-esconde? Até que tamaho podemos bricar de escode-escode? Carlos Shie Sejam K e L dois subcojutos covexos e compactos de R. Supoha que K sempre cosiga se escoder atrás de L. Em termos mais precisos, para todo vetor

Leia mais

ERROS ERRO DE ARREDONDAMENTO

ERROS ERRO DE ARREDONDAMENTO ERROS Seja o valor aproimado do valor eacto. O erro de deie-se por ε ε erro absoluto de Aálise N um érica 4 ERRO DE ARREDONDAENTO Seja o valor aproimado do valor eacto tedo eactamete k dígitos após o poto

Leia mais

Capitulo 9 Resolução de Exercícios

Capitulo 9 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Empréstimos a Curto Prazo (Juros Simples) Taxa efetiva liear i l i ; Taxa efetiva expoecial i Empréstimos a Logo Prazo Relações Básicas C k R k i k ; Sk i Sk i e i ; Sk Sk Rk ; Sk i Sk R k ;

Leia mais