Motores Elétricos Motores Eléctricos Electric Motors CATÁLOGO Aplicações industriais Aplicaciones industriales Industrial applications

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Motores Elétricos Motores Eléctricos Electric Motors CATÁLOGO 2004 2005. Aplicações industriais Aplicaciones industriales Industrial applications"

Transcrição

1 otores Elétricos otores Eléctricos Electric otors CTÁLOGO plicações idustriais plicacioes idustriales dustrial applicatios

2 Tecologia e qualidade osch dispoível para a idústria maioria das idústrias automobilísticas do mudo se beeficiam com a iovação tecológica e o alto padrão de qualidade dos produtos desevolvidos pela osch. Nada mais atural do que esteder a oferta de produtos para outros setores da idústria, começado por uma liha que possibilita iúmeras aplicações, a de motores elétricos. Foram criados departametos especiais em diversos países, resposáveis por suprir as exigêcias de suporte técico e de forecimeto desses fabricates, qualquer que seja seu porte. O objetivo é oferecer aos clietes da idústria produtos com preços competitivos, por serem fabricados em larga escala, e que atedem aos rigorosos padrões de qualidade da idústria automotiva. Tecología y calidad osch dispoible para la idustria La mayoría de las idustrias automovilísticas del mudo se beeficia co la iovació tecológica y el alto estádar de calidad de los productos desarrollados por osch. Nada más atural que exteder la oferta de productos para otros sectores de la idustria, comezado por ua líea que posibilita iumerables aplicacioes, la de motores eléctricos. e crearo departametos especiales e diversos países, resposables de suplir las exigecias de soporte técico y de sumiistro de esos fabricates, de cualquier porte. El objetivo es ofrecer a los clietes de la idustria productos co precios competitivos, por fabricarse e larga escala, y que atiede a los rigurosos patroes de calidad de la idustria automotriz. osch techology ad quality available for idustry ost automotive maufacturers worldwide take advatage of techological iovatio ad outstadig quality of products developed by osch. There is othig more atural tha to exted our product supply to other idustries. product lie to start with is that of electric motors which provides a variety of applicatios. pecial departmets have bee created i differet coutries. They are resposible for providig techical support ad meetig supply demads by those maufacturers, whatever its size may be. Our goal is to provide our idustry customers with products at competitive prices for the fact that they are maufactured o a large scale ad comply with strict quality stadards i the automotive idustry. Coheça algumas das diversas aplicações idustriais dos motores elétricos osch, o fial deste catálogo. Coozca alguas de las diversas aplicacioes idustriales de los motores eléctricos osch, al fial de este catálogo. Lear more about some of differet idustrial applicatios of osch electric motors i the fial pages of this catalog. ara obter iformações sobre especificações técicas, aplicações ou forecimeto de motores elétricos, por favor cotate o escritório resposável por vedas idustriais (última capa deste catálogo). ara obteer iformacioes sobre especificacioes técicas, aplicacioes o sumiistro de motores eléctricos, por favor cotacte la oficia resposable de vetas idustriales (cotraportada de este catálogo). For further iformatio o techical specificatios, applicatios or supply of electric motors, please cotact our local sales office i charge of idustry customers (see the last page of this catalog).

3 otores elétricos otores eléctricos Electric motors formações técicas... 5 formacioes técicas... 9 Techical iformatios C DD...2 DG...24 GC...29 G...2 G...5 GD... CH... 7 CE...9 CD EF...42 DO...4 FG...44 H NOT Este catálogo relacioa as peças padrão forecidas, com todas as iformações técicas ormalmete exigidas pelos egeheiros, para selecioar o melhor motor para seus requisitos particulares. Estes motores foram projetados origialmete para serem usados a idústria automobilística. tes de usar os motores para qualquer outra aplicação que ão sejam as especificadas, recomedamos uma cosulta à osch; pricipalmete o caso de outros requisitos, cargas, ou codições ambietais. NOT Este catálogo relacioa las autopartes estádar sumiistradas, co todas las iformacioes técicas ormalmete exigidas por los igeieros, para seleccioar el mejor motor segú sus requisitos particulares. Estos motores fuero proyectados origialmete para ser usados e la idustria automovilística. tes de utilizar los motores e cualquier otra aplicació que o sea de las especificadas, recomedamos que cosulte a osch; pricipalmete e el caso de otros requisitos, cargas, o codicioes ambietales. Veja explicação sobre as tabelas a págia 4. Véase explicació sobre las tablas e la págia 4. NOTE This catalog lists available stadard parts ad all techical data usually required by egieers to select the best motors for their particular demads. These motors were origially desiged for use i the automotive idustry. efore their use i ay applicatio other tha those specified, we recommed that you always cosult osch particularly i case of differet demads, loads or evirometal coditios. ee page 4 for explaatio about tables.

4 4 Como utilizar este catálogo Como utilizar este catalogo How to use this catalog Tipo de motor Tipo del motor otor type Tesão omial Tesió omial Nomial voltage otêcia omial otecia omial Nomial power Tesão omial Tesió omial Nomial voltage N otêcia omial otecia omial Nomial power N otação omial otació omial Nomial speed N Correte omial tesidad omial Nomial curret Torque de bloqueio ar de arraque reakaway torque Direção de rotação: Direita () ou Esquerda (L) etido de giro: Derecho () o zquierdo (L) Directio of rotatio: Left (L) or ight () Classe de fucioameto Clase de fucioamieto Type of duty Grau de proteção Grado de protecció Degree of protectio Esquema elétrico Esquema eléctrico Electrical diagram Deseho dimesioal Diseño dimesioal Dimesioal drawig Curva característica Curva característica Characteristic curve eso eight eso Número de tipo eferecia de pedido art umber

5 5 C Dados técicos Valor omial Valor da variável (exemplo voltagem, correte, resistêcia, etc.) pelo qual um motor, vetilador, bomba, suas peças ou características são medidas e pelas quais são omeadas. otêcia de etrada 1 1 = U. 1 otêcia de etrada em U Voltagem em V Correte em otêcia de saída 2 potêcia de saída 2 é sempre especifi cada para motores. 2 = 2 π.. 2 potêcia de saída em Torque em N m velocidade em mi 1 Eficiêcia η efi ciêcia é a relação etre a potêcia mecâica 2 e a potêcia elétrica de etrada 1. = 2 1 Exemplo: uma voltagem omial de 24 V e uma correte omial de 5, a equação teórica de potêcia para a otêcia de etrada 1 é: 1 =. N ; 1 = 24 V. 5 ; 1 = 84 través desta potêcia de etrada 1 e da potêcia de saída 2N determiada pelo padrão de curva característica (ver fi g. pág 8), podemos calcular a efi ciêcia η: η = 2N 1 = =.71 = 71 % 84 Torque N O torque de um motor é calculado através da seguite equação: N = 2π 2N Velocidade Nomial N velocidade omial é a rotação do eixo do motor, alimetado com tesão omial o poto de torque omial. etido de rotação Em relação ao setido de rotação, as especifi cações aplicam-se quado se olha para o eixo do motor. Em casos ode existam dois eixos, o eixo oposto ao coletor é o que determia a direção da rotação. Valores de curto-circuito correte K é a correte de etrada do motor em caso de um curto-circuito, por exemplo a codição de travameto do motor. O torque máximo K é efetivo em caso de curto-circuito. Grau de proteção Válido para equipametos utilizados em veículos de estrada para DN 4 5 (part9). roteção itera para o equipameto elétrico cotra os efeitos de corpos estrahos, iclusive poeira. roteção itera para o equipameto elétrico cotra etrada de água. reveção cotra toques em partes iteras perigosas 1) da carcaça. 1) eças mecâicas móveis. otagem esfriameto otagem da carcaça: Feita com a utilização de parafusos a carcaça, ou a caixa de redução. No caso dos vetiladores, isso também é feito por meio do uso de parafusos o motor ou o ael de defletor de ar. otagem do flage: O escudo a parte aterior do motor possui um flage com dois ou três furos, ou há três ou quatro furos a face posterior destiados à motagem. esfriameto atural itero: Costrução aberta, sem vetilador. uto-resfriameto itero: Costrução aberta, sem vetilador próprio. esfriameto itero separado: Costrução aberta, com vetiladores adaptados separadamete. esfriameto atural de superfície: Costrução fechada, sem vetilador. uto-resfriameto de superfície: Costrução fechada, com vetilador próprio.

6 formações técicas C Elemetos do código Letras código rimeiro dígito... ou letra X egudo dígito...9 ou letra X Letra adicioal (opcioal),,c,d Letra uplemetar (opcioal), K 2) 2 2) ) C e o dígito ão for forecido, ele deve ser substituído pela letra X (ex. XX se ambos os dígitos ão forem mecioados). Letras suplemetares ou adicioais podem ser omitidas sem que teham que ser substituídas. 2) letra suplemetar K ecotra-se imediatamete após os primeiros dígitos 5 e, ou imediatamete após os segudos dígitos 4, e 9. ) Com o teste de água. Exemplo: 1K proteção cotra a peetração de corpos estrahos sólidos com diâmetro maior ou igual a 5 mm, proteção cotra jatos pesados de água com alta pressão, proteção cotra cotato com dedos. Explicação do código 1 dígito e letra suplemetar K roteção dos equipametos cotra peetração de corpos estrahos essoal 2 dígito e letra suplemetar K roteção do equipameto cotra peetração de água Letra (opcioal) roteção de pessoal cotra cotato em partes perigosas Letra (opcioal) Não protegido Não protegido Não protegido roteção cotra cotato com as costas da mão Deslocameto de peças ) 1 roteção cotra corpos estrahos Ø 5 mm roteção cotra toque com as costas da mão 1 roteção cotra água pigado verticalmete roteção cotra cotato com dedos arada de peças ) 2 roteção cotra corpos estrahos Ø,5 mm roteção cotra toque com dedos 2 roteção cotra água pigado uma icliação de C roteção cotra cotato com ferrametas roteção cotra corpos estrahos Ø 2,5 mm roteção cotra toques com ferrametas roteção cotra spray de água D roteção cotra cotato com ferrametas 4 roteção cotra corpos estrahos Ø 1, mm roteção cotra toques por fi os 4 roteção cotra baho de água 5K rotegido cotra poeira roteção cotra toques por fi os 4K roteção cotra água sob pressão K Lacrado cotra poeira roteção cotra toques por fi os 5 roteção cotra jatos de água roteção cotra jatos fortes de água K roteção cotra jatos de água com pressão 7 roteção cotra imersão rápida 8 roteção cotra imersão de loga duração 9K roteção cotra limpeza de alta pressão/vapor

7 7 C Classes de fucioameto (VDE 5) erviço cotíuo 1 Operação em carga cotíua, com duração em que se pode alcaçar um equilíbrio térmico sufi ciete. edidas para as curvas 1 potêcia de etrada V perda de potêcia θ temperatura θ max temperatura máxima t tempo de carga t r fator de duração relativa (em porcetagem) t duração do ciclo t t tempo de permaêcia parada erviço de curta duração 2 Operação em carga costate, duração em que, o etato, ão seja sufi ciete para alcaçar o equilíbrio térmico, com uma parada subseqüete que dure até que a temperatura do motor tore-se diferete da do resfriador em ão mais que 2 K. Exemplo: 2 mi. (o tempo represeta um itervalo de miutos) erviço itermitete-periódico Operação composta de uma seqüêcia de ciclos idêticos a qual cada ciclo iclui um período uma carga costate e uma parada, ode a correte iicial ão possui ehum efeito cosiderável o aquecimeto. Exemplo: 1% (a porcetagem refere-se ao fator da duração do ciclo) otêcia de etrada otêcia de etrada otêcia de etrada t 1 t t t 1 1 t t = t t + t t. 1 % erda de potêcia erda de potêcia erda de potêcia V V V Temperatura Temperatura Temperatura Θ Θ max. Θ Θ max. Θ Θ max. t t t ímbolos gráficos otor DC magético-permaete Disco varistor Capacitor de supressão de iterferêcia ote retifi cadora esistêcia terruptor de limite upressor de iterferêcia terruptor térmico Varistor (resistêcia depedete da voltagem)

8 8 formações técicas C Curvas características Uma curva vertical é traçada através do poto de fucioameto de 1 N cm perpedicular em relação ao eixo do torque. Os potos de iterseção desta liha reta com as outras curvas resultam os dados de operação para velocidade omial N, correte omial N e potêcia de saída mecaica 2N. edidas para avaliação de curvas características: poto de fucioameto torque 2 otêcia de saída correte velocidade Exemplo: Dado: N = 1. Ecotrado = N = 8 mi 1. 2N = e N = N = 8 mi -1 2N = 2 mi N N = 1 ímbolo CE e declaração do fabricate com respeito às istruções EC De acordo com as istruções EC, um símbolo CE deve acompahar todas as máquias, dispositivos e sistemas elétricos produzidos, importados e comercializados detro da Uião Européia. s istruções EC icluem as seguites istruções idividuais relevates para usuários de motores. 1. struções sobre a máquia Estas istruções aplicam-se a máquias em fucioameto idepedete ou à itercoexão de máquias para se formar sistemas. Etretato, ão se aplicam a compoetes das máquias, por exemplo, uidades de cotroles elétricos ou motores elétricos que ão têm fucioameto idepedete. máquia completa e a fábrica devem sempre seguir as istruções. 2. struções para baixa voltagem Estas istruções devem ser aplicadas a todos os motores elétricos de voltagem omial limite de 75 V DC e 5 V C e maiores. Uma vez que os motores elétricos listados este catálogo são projetados para voltages omiais de até 24 V, eles também devem cumprir estas istruções.. struções EC Estas istruções se aplicam a todos os dispositivos, fábricas e sistemas elétricos e eletrôicos. Etretato, estas istruções também se aplicam a compoetes complexos tais como motores elétricos, mas somete se eles estiverem livremete dispoíveis ao público em geral. Os motores elétricos listados este catálogo são forecidos exclusivamete como peças de forecedor e de reposição e, coforme seção 5 da Lei EC, ão ecessitam ser acompahadas do símbolo CE. Os valores limite para propagação e emissão de iterferêcia de alta freqüêcia são defi idos em EN da Lei EC. elas razões mecioadas acima, os motores elétricos osch uca precisam levar o símbolo CE. Favor etrar em cotato coosco caso haja dúvidas em relação a pedidos para sua aplicação em particular.

9 9 C Datos técicos Valor Nomial Valor de la variable (ejemplo voltaje, corriete, resistecia...) por la cual u motor, vetilador, bomba, sus autopartes o características so medidas y por las cuales so ombradas. otecia de etrada 1 1 = U. 1 otecia de etrada e U Voltaje e V Corriete e otecia de salida 2 La potecia de salida 2 siempre se especifi ca para motores. 2 = 2 π.. 2 potecia de salida e Torque e N m velocidad e mi 1 Eficiecia La efi ciecia es la relació etre la potecia mecáica 2 y la potecia eléctrica de etrada 1. = 2 1 Ejemplo: ara u voltaje omial de 24 V y ua corriete omial de 5, la ecuació teórica de potecia para la otecia de etrada 1 es: 1 =. N ; 1 = 24 V. 5 ; 1 = 84 ediate esta potecia de etrada 1 y de la potecia de salida 2N determiada por el estádar de curva característica (véase fi g. pág. ), podemos calcular la efi ciecia η: η = 2N 1 = =.71 = 71 % 84 Torque N El torque de u motor se calcula por medio de la siguiete ecuació: 2N N = 2π Velocidad Nomial N La velocidad omial es la rotació del eje del motor, alimetado co tesió omial e el puto de torque omial. etido de rotació Co relació al setido de rotació, las especifi cacioes se aplica cuado se ve el eje del motor. E los casos dode exista dos ejes, el eje opuesto al colector es el que determia la direcció de la rotació. Valores de cortocircuito La corriete K es la corriete de etrada del motor e caso de u cortocircuito, por ejemplo, e el caso de trabamieto del motor. El torque máximo K es efectivo e caso de cortocircuito. Grado de protecció Válido para equipos utilizados e vehículos de carretera para DN 4 5 (part9). rotecció itera del equipo eléctrico cotra los efectos de cuerpos extraños, icluso polvo. rotecció itera del equipo eléctrico cotra la etrada de agua. reveció cotra toques e partes iteras peligrosas 1) de la carcaza. 1) iezas mecáicas móviles. otaje Efriamieto otaje de la carcaza: Esto se efectúa mediate el uso de torillos e la carcaza, o e la caja de reducció. E el caso de los vetiladores, esto tambié se hace por uso de torillos e el motor o e el aillo defletor de aire. otaje del flage: el escudo e la parte aterior del motor posee u flage co dos o tres orificios, o hay tres o cuatro agujeros e el lado posterior destiados al motaje. Efriamieto atural itero: Costrucció abierta, si vetilador uto-efriamieto itero: Costrucció abierta, si vetilador propio. Efriamieto itero separado: Costrucció abierta, co vetiladores adaptados separadamete Efriamieto atural de superficie: Costrucció cerrada, si vetilador uto-efriamieto de superficie: Costrucció cerrada, co vetilador propio.

10 1 formacioes técicas C Elemetos del código Letras código rimer úmero... ó la letra X egudo úmero...9 ó la letra X Letra adicioal (opcioal),, C, D Letra uplemetaria (opcioal), K 2) 2 2) ) C i el úmero o se iforma, el mismo debe sustituirse por la letra X (ej. XX si iguo de los dos úmeros se mecioa). Letras suplemetarias o adicioales puede omitirse si que tega que ser sustituidas. 2) La letra suplemetaria K se ecuetra imediatamete después de los primeros úmeros 5 y, o imediatamete después de los segudos úmeros 4, y 9. ) Co la prueba de agua. Ejemplo: 1K protecció cotra la peetració de cuerpos extraños sólidos co diámetro mayor o igual a 5 mm, protecció cotra chorros pesados de agua a alta presió, protecció cotra el cotacto co los dedos. Explicació del código 1º úmero y letra suplemetaria K rotecció de equipos cotra peetració de cuerpos extraños ersoal 2º úmero y letra suplemetaria K rotecció del equipo cotra peetració de agua Letra (opcioal) rotecció del persoal cotra el cotacto co partes peligrosas Letra (opcioal) No protegido No protegido No protegido rotecció cotra cotacto co el dorso de la mao Deslizamieto de partes 1 rotecció cotra cuerpos extraños Ø 5 mm rotecció cotra toque co el dorso dela mao 1 rotecció cotra agua goteado verticalmete rotecció cotra cotacto co los dedos arada de partes 2 rotecció cotra cuerpos extraños Ø,5 mm rotecció cotra toque co los dedos 2 rotecció cotra agua goteado e ua icliació de C rotecció cotra cotacto co herramietas rotecció cotra cuerpos extraños Ø 2,5 mm rotecció cotra toques com herramietas rotecció cotra spray de agua D rotecció cotra cotacto co herramietas 4 rotecció cotra cuerpos extraños Ø 1, mm rotecció cotra toques por alambres 4 rotecció cotra baño de agua 5K rotegido cotra polvo rotecció cotra toques por alambres 4K rotecció cotra agua bajo presió K ellado cotra polvo rotecció cotra toques por alambres 5 rotecció cotra chorros de agua rotecció cotra chorros fuertes de agua K rotecció cotra chorros de agua co presió 7 rotecció cotra imersió rápida 8 rotecció cotra imersió de larga duració 9K rotecció cotra limpieza de alta presió /vapor

11 11 C Clases de fucioamieto (VDE 5) ervicio cotiuo 1 Operació e carga cotiua, co duració e que se puede alcazar u equilibrio térmico sufi ciete. edidas para las curvas 1 potecia de etrada v potecia de pérdida θ temperatura θ max temperatura máxima t tiempo de carga t r factor de duració relativa (e porcetaje) t tiempo de fucioamieto t t tiempo de imovilizació ervicio breve 2 Operació e carga costate, duració que o sea sufi ciete para alcazar el equilibrio térmico, co ua parada subsecuete que dure hasta que la temperatura del motor se tore diferete de la del efriador e o más de 2 K. Ejemplo: 2 mi. (el tiempo represeta u itervalo de miutos) ervicio itermitete-periódico Operació compuesta de ua secuecia de ciclos idéticos e la cual cada ciclo icluye u período a ua carga costate y ua parada, dode la corriete iicial o posee igú efecto cosiderable e el caletamieto. Ejemplo: 1% (el porcetaje se refi ere al factor de la duració del ciclo) otecia de etrada otecia de etrada otecia de etrada t 1 t t t 1 1 t t = t t + t t. 1 % otecia de pérdida otecia de pérdida otecia de pérdida V V V Temperatura Temperatura Temperatura Θ Θ max. Θ Θ max. Θ Θ max. t t t ímbolos gráficos otor DC magético-permaete Disco varistor Capacitor de supresió de iterferecia uete rectifi cadora esistecia terruptor de límite upresor de iterferecia terruptor térmico Varistor (resistecia depediete del voltaje)

12 formacioes técicas C Curvas características Ua curva vertical se traza a través del puto de fucioamieto de 1 N cm perpedicular e relació al eje del torque. Los putos de itersecció de esta líea recta co las otras curvas resulta e los datos de operació para velocidad omial N, corriete omial N y potecia de salida mecáica 2N. edidas para evaluació de curvas características: puto de fucioamieto torque 2 otecia de salida corriete velocidad Ejemplo: Dado: N = 1. Ecotrado = N = 8 mi 1. 2N = y N = N = 8 mi -1 2N = 2 mi N N = 1 ímbolo CE y declaració del fabricate co respecto a las istruccioes EC De acuerdo co las istruccioes EC, u símbolo CE debe acompañar a todas las máquias, dispositivos y sistemas eléctricos producidos, importados y comercializados detro de la Uió Europea. Las istruccioes EC icluye las siguietes istruccioes idividuales relevates para usuarios de motores. 1. struccioes sobre la máquia Estas istruccioes se aplica a máquias de fucioamieto idepediete o a la itercoexió de máquias para formar sistemas. i embargo, o se aplica a los compoetes de las máquias, como por ejemplo, uidades de cotroles eléctricos o motores eléctricos que o tiee fucioamieto idepediete. La máquia completa y la fábrica debe siempre seguir las istruccioes. 2. struccioes para bajo voltaje Estas istruccioes debe aplicarse a todos los motores eléctricos de voltaje omial límite de 75 V DC y 5 V C y mayores. Ua vez que los motores eléctricos listados e este catálogo se proyecta para voltajes omiales de hasta 24 V, los mismos tambié debe cumplir estas istruccioes.. struccioes EC Estas istruccioes se aplica a todos los dispositivos, fábricas y sistemas eléctricos y electróicos. No obstate, estas istruccioes tambié se aplica a compoetes complejos tales como motores eléctricos, pero solamete si los mismos está libremete dispoibles al público e geeral. Los motores eléctricos listados e este catálogo se abastece exclusivamete como partes del productor y de recambio y, coforme secció 5 de la Ley EC, o ecesita estar acompañadas del símbolo CE. Los valores límite para propagació y emisió de iterferecia de alta frecuecia se defi e e EN de la Ley EC. or las razoes ates mecioadas, los motores eléctricos osch uca ecesita llevar el símbolo CE. Favor etre e cotacto co osotros e caso que haya dudas co relació a pedidos para su aplicació e particular.

13 1 C Techical data Nomial Value Value of a variable (e.g. voltage, curret, resistace...) for which a motor, fa, pump, its parts or characteristics are measured ad by which they are amed. ower iput 1 1 ower iput i U Voltage i V Curret i 1 = U. ower output 2 The power output 2 is always specifi ed for motors. 2 = 2 π 2 power output i torque i N m peed i mi-1 Efficiecy.. The effi ciecy is the relatioship betwee mechaical power output 2 ad electrical power iput 1. = 2 1 Example: t a omial voltage of 24 V ad a omial curret of 5, a theoretical wattage ratig for the power iput 1 is: 1 =. N ; 1 = 24 V. 5 ; 1 = 84 From this power iput 1 ad the power output 2N determied from the characteristic-curve patter (see fi g. o page 1), we are able to calculate the effi ciecy η: η = 2N 1 = =.71 = 71 % 84 Torque N The torque of a motor is calculated usig the followig equatio: 2N N = 2π Nomial speed N The omial speed is the speed output by a motor supplied with omial voltage ad drive with omial power. Directio of rotatio pecifi catios regardig directio of rotatio apply whe lookig oto the shaft ed of the motor. the case of motors with two shaft eds, the shaft ed opposite the commutator determies the directio of rotatio. hort-circuit values The curret K is the curret take by the motor i the case of short circuit, i.e. i the locked-armature coditio. The maximum torque K is effective i the case of short circuit. degree of protectio Valid for electrical equipmet used i road vehicles to DN 4 5 (part 9) rotectio of the electrical equipmet iside the housig agaist the effects of solid foreig bodies icludig dust. rotectio of the electrical equipmet iside the housig agaist igress of water. revetio of persoel touchig hazardous parts 1) iside the housig. 1) ovig, mechaical parts. outig Coolig Housig moutig: this is performed usig screws o the motor housig or o the gear- assembly housig. the case of fas, this is also performed usig screws either o the drivig motor or o the air-deflector rig. Flage moutig: The drive-ed shield of the motor has a 2-hole or -hole flage or there are three or four tapped holes o the ed face for moutig. teral atural coolig: Ope costructio, without fa. teral self-coolig: Ope costructio, with ow fa. teral separate coolig: Ope costructio, with separately drive fa. urface atural coolig: Eclosed costructio, without fa. urface self-coolig: Eclosed costructio, with ow fa.

14 14 Techical iformatios C Elemets of the code Code letters First digit... or letter X ecod digit...9 or letter X dditioal letter (optioal),, C, D upplemetary letter (optioal), K 2) 2 2) ) C f a digit is ot give, it must be replaced by the letter X (i.e. XX if both digits are ot give). dditioal ad/or supplemetary letters ca be omitted without havig to be replaced. 2) The supplemetary letter K stads either immediately after the fi rst digits 5 ad or immediately after the secod digits 4,, ad 9. ) ith the water test. Example: 1K protectio agaist the peetratio of solid foreig bodies with diameter 5 mm, protectio agaist heavy jet water with high pressure, protectio agaist cotact with fi gers. Explaatio of the code 1st digit ad supplemetary letter K rotectio of eletrical equipmet agaist peetratioo by foreig bodies ersoel 2d digit ad supplemetary letter K rotectio of electrical equipmet agaist igress of water Letter (optioal) rotectio of persoel agaist cotact with hazardous parts Letter (optioal) Not protected Not protected Not protected rotectio agaist cotact with back of had ovemet of movig parts ) 1 rotectio agaist foreig bodies Ø 5 mm rotectio agaist beig touched by back of had 1 rotectio agaist vertically drippig water rotectio agaist cotact with fi gers tadstill of movig parts ) 2 rotectio agaist foreig bodies Ø.5 mm rotectio agaist beig touched by fi gers 2 rotectio agaist drippig water, iclied C rotectio agaist cotact tools rotectio agaist foreig bodies Ø 2.5 mm rotectio agaist beig touched by tools rotectio agaist spray water D rotectio agaist cotact with wires 4 rotectio agaist foreig bodies Ø 1. mm rotectio agaist beig touched by wires 4 rotectio agaist splash water 5K rotected agaist dust rotectio agaist beig touched by wires 4K rotectio agaist splash water with high pressure K Dust-tight rotectio agaist beig touched by wires 5 rotectio agaist jet water rotectio agaist heavy jet water K rotectio agaist heavig jet water with high pressure 7 rotectio agaist short-term immersio 8 rotectio agaist log-term immersio 9K rotectio agaist high pressure/ steampressure cleaig

15 C Types of duty (VDE 5) Cotiuous-ruig duty 1 Operatio at costat load. The duratio of which is suffi ciet to reach thermal equilibrium. Key to curves 1 power poit V power loss θ temperature θ max maximum temperature t load time t r relative duratio factor (i percet) t cycle duratio t t stadstill time hort-time duty 2 Operatio at costat load, duratio which is ot suffi ciet to reach thermal equilibrium, with a subsequet rest lastig util the motor temperature differs o more tha 2 K from the temperature of the coolat. Example: 2 mi (The time meas miutes ratig) termittet-periodic duty Operatio composed of a sequece of idetical cycles of which each cycle icludes a period at costat load ad a rest whereby the startig curret does ot have ay cosiderable effect o heatig. Example: 1% (The percet fi gure refers to the cyclic duratio factor) ower iput ower iput ower iput t 1 t t t 1 1 t t = t t + t t. 1 % ower loss ower loss ower loss V V V Temperature Temperature Temperature Θ Θ max. Θ Θ max. Θ Θ max. t t t ímbolos Gráficos ermaet-maget DC motor Varistor disc terferece-suppressio capacitor ridge rectifi er esistor Limit-switch terferece-suppressio choke Thermo-switch Varistor (voltage-depedet resistor)

16 1 Techical iformatios C Characteristic curves vertical lie is draw through the specifi ed workig poit of 1 N cm, perpedicular with respect to the torque axis. The poits of itersectio of this straight lie with the other curves results i the operatig data for omial speed N, omial curret N ad mechaical power output 2N. Key for evaluatio of characteristic curves: orkig poit Torque 2 ower output Curret peed Example: Give: N = 1. Foud: N = 8 mi 1. 2N = ad N = N = 8 mi -1 2N = 2 mi N N = 1 CE symbol ad maufacturer s declaratio as per EC directive accordace with the EC directive, a CE symbol must be attached to all electrically drive machiery, devices, ad systems maufactured, imported, ad sold withi the Europea Uio. The EC directive icludes the followig idividual directives relevat for users of motors. 1. achie directive This directive applies to idepedetly fuctioal machiery or the iterlikig of machies to form etire systems. However, it does ot apply to machie compoets, for example, electric cotrol uits or electric motors which have o idepedet fuctio. The complete machie ad plat must always fulfi l the directive. 2. Low-voltage directive This directive must be applied to all electric motors from a omial voltage limit of 75 V DC ad 5 V C ad greater. ice the electric motors listed i this catalog are desiged for omial voltages of up to 24 V, they must also comply with this directive. EC directive This directive applies to all electric ad electroic devices, plats, ad systems. However, this directive also applies to complex compoets such as electric motors, but oly if they are freely available to the geeral public. The electric motors listed i this catalog are supplied exclusively as supplier ad replacemet parts ad, as per 5 sectio of the EC Law, do ot have to bear the CE symbol.

2010 2011 Motores Eléctricos Electric Motors

2010 2011 Motores Eléctricos Electric Motors plicações idustriais plicacioes idustriales dustrial applicatios Distribuidor BOH otores Elétricos 21 211 otores Eléctricos Electric otors matriz:(19)3242-4797 ão aulo(11)5514-78 Joiville(47)3425-42 -

Leia mais

VARIAÇÃO DE VELOCIDADE DE MOTORES ELÉCTRICOS

VARIAÇÃO DE VELOCIDADE DE MOTORES ELÉCTRICOS VARIAÇÃO DE VELOCIDADE DE OTORES ELÉCTRICOS ACCIONAENTOS A VELOCIDADE VARIÁVEL Rede Coversor de potecia otor Carga Dispositivo de cotrolo Parâmetros O coversor estático trasforma a eergia eléctrica de

Leia mais

MODELO MATEMÁTICO PARA ANALISAR O DESEMPENHO DOS MOTORES ELÉTRICOS EM MÁQUINAS DE PROCESSAMENTO DE ARROZ

MODELO MATEMÁTICO PARA ANALISAR O DESEMPENHO DOS MOTORES ELÉTRICOS EM MÁQUINAS DE PROCESSAMENTO DE ARROZ MODELO MATEMÁTO ARA ANALAR O DEEMENHO DO MOTORE ELÉTRO EM MÁQUNA DE ROEAMENTO DE ARROZ LUZ G.. ORTO, RENATO. REE Departameto de Egeharia Elétrica, Faculdade de Egeharia de Bauru Uiversidade Estadual aulista

Leia mais

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE ROTÓTIO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE Marcel Muk E/COE/UFRJ - Cetro de Tecologia, sala F-18, Ilha Uiversitária Rio de Jaeiro, RJ - 21945-97 - Telefax: (21) 59-4144 Roberto Citra Martis, D. Sc.

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Egeharia - Campus de Guaratiguetá esquisa Operacioal Livro: Itrodução à esquisa Operacioal Capítulo 6 Teoria de Filas Ferado Maris fmaris@feg.uesp.br Departameto de rodução umário Itrodução

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

LEICHTMETALL-GETRIEBE MIT GLATTMOTOREN 0,37 1,1 kw

LEICHTMETALL-GETRIEBE MIT GLATTMOTOREN 0,37 1,1 kw Itelliget Drivesystems, Worldwide Services Services LEICHTMETALL-GETRIEBE MIT GLATTMOTOREN 0,37 1,1 kw BR PT REDUTORES E MOTORES EM ALUMÍNIO AS VANTAGENS DE REDUTORES DE LIGA LEVE Carcaça resistete à corrosão,

Leia mais

REDUTORES DE LIGA LEVE COM MOTORES LISOS 0.37 1,1 kw

REDUTORES DE LIGA LEVE COM MOTORES LISOS 0.37 1,1 kw Itelliget Drivesystems, Worldwide Services Services REDUTORES DE LIGA LEVE COM MOTORES LISOS 0.37 1,1 kw BR PT REDUTORES E MOTORES DE ALUMÍNIO AS VANTAGENS DE REDUTORES DE LIGA LEVE Carcaça resistete à

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato 1 PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato 1. Estimação: O objetivo da iferêcia estatística é obter coclusões a respeito de populações através de uma amostra extraída

Leia mais

RESISTORES E RESISTÊNCIAS

RESISTORES E RESISTÊNCIAS ELETICIDADE CAPÍTULO ESISTOES E ESISTÊNCIAS No Capítulo estudamos, detre outras coisas, o coceito de resistêcia elétrica. Vimos que tal costitui a capacidade de um corpo qualquer se opôr a passagem de

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda 1 Uma Metodologia de Busca Otimizada de Trasformadores de Distribuição Eficiete para qualquer Demada A.F.Picaço (1), M.L.B.Martiez (), P.C.Rosa (), E.G. Costa (1), E.W.T.Neto () (1) Uiversidade Federal

Leia mais

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1 MAC122 Pricípios de Desevolvimeto de Algoritmos EP o. 1 Prof. Dr. Paulo Mirada 1 Istituto de Matemática e Estatística (IME) Uiversidade de São Paulo (USP) 1. Estrutura dos arquivos de images o formato

Leia mais

ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR Alexadre Stamford da Silva Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção PPGEP / UFPE Uiversidade Federal

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO Kelle Roberta de Souza (1) Egeheira Química pela UNIMEP, Especialista em Gestão Ambietal pela UFSCar, Mestre em Egeharia e Tecologia Ambietal pela Uiversidad

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Josiae Costa Durigo Uiversidade Regioal do Noroeste do Estado do Rio Grade do Sul - Departameto

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

UNIVERSIDADE DA MADEIRA

UNIVERSIDADE DA MADEIRA Biofísica UNIVERSIDADE DA MADEIRA P9:Lei de Sell. Objetivos Verificar o deslocameto lateral de um feixe de luz LASER uma lâmia de faces paralelas. Verificação do âgulo critico e reflexão total. Determiação

Leia mais

RECon Line. Conversores para Energias Renováveis

RECon Line. Conversores para Energias Renováveis RECo Lie Coversores para Eergias Reováveis Com ivestimetos cotíuos o sector da ivestigação e do desevolvimeto, a FRIEM FRIEM é líder as ovas tecologias aplicadas a coversores de alta potêcia a díodos,

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem 1 Modelado o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Apredizagem RESUMO Este documeto aborda a modelagem do tempo de execução de tarefas em projetos, ode a tomada de decisão

Leia mais

CIRCUITOS SEQUÊNCIAIS

CIRCUITOS SEQUÊNCIAIS Coelh ho, J.P. @ Sistem mas Digita ais : Y20 07/08 CIRCUITOS SEQUÊNCIAIS O que é um circuito it sequêcial? Difereça etre circuito combiatório e sequecial... O elemeto básico e fudametal da lógica sequecial

Leia mais

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais.

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais. 03 Capítulo 3 Regressão liear e poliomial Neste capítulo, pretedemos ajustar retas ou poliômios a um cojuto de potos experimetais. Regressão liear A tabela a seguir relacioa a desidade (g/cm 3 ) do sódio

Leia mais

DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS DO CIRCUITO EQUIVALENTE DO MIT ATRAVÉS DE DADOS DE CATÁLOGOS DE FABRICANTE

DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS DO CIRCUITO EQUIVALENTE DO MIT ATRAVÉS DE DADOS DE CATÁLOGOS DE FABRICANTE DETERMINAÇÃO DOS ARÂMETROS DO CIRCUITO EQUIVALENTE DO MIT ATRAVÉS DE DADOS DE CATÁLOGOS DE FABRICANTE José Tarcísio Assução 1 ; Tereza Cristia Bessa Nogueira Assução Uiversidade Federal de São João del-rei,

Leia mais

O USO DA ENGENHARIA DE AUTOMAÇÃO NA REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM UM SISTE-

O USO DA ENGENHARIA DE AUTOMAÇÃO NA REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM UM SISTE- O USO DA ENGENHARIA DE AUTOMAÇÃO NA REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM UM SISTE- MA DE IRRIGAÇÃO POR PIVÔ CENTRAL PAULO HENRIQUE C. PEREIRA 1, ALBERTO COLOMBO 2, GIOVANNI FRANCISCO RABELO 2. 1.

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual 1 Artículo técico Joatha Azañó Departameto de Gestão Eergética e Qualidade de Rede CVM-ET4+ Cumpre com a ormativa de Eficiêcia Eergética ovo aalisador de redes e cosumo multicaal Situação actual As ormativas

Leia mais

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges*

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges* LAYOUT Fabrício Quadros Borges* RESUMO: O texto a seguir fala sobre os layouts que uma empresa pode usar para sua arrumação e por coseguite ajudar em solucioar problemas de produção, posicioameto de máquias,

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2007 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão 1 (Costrução de modelo ER - Peso 3) Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee

Leia mais

Resolução -Vestibular Insper 2015-1 Análise Quantitativa e Lógica. Por profa. Maria Antônia Conceição Gouveia.

Resolução -Vestibular Insper 2015-1 Análise Quantitativa e Lógica. Por profa. Maria Antônia Conceição Gouveia. Resolução -Vestibular Isper 0- Aálise Quatitativa e Lógica Por profa. Maria Atôia Coceição Gouveia.. A fila para etrar em uma balada é ecerrada às h e, quem chega exatamete esse horário, somete cosegue

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

LIVRETO. Armazenamento de Amostra, Manuseio e Gestão. Um armazenamento de amostra completo e rastreável para o seu laboratório

LIVRETO. Armazenamento de Amostra, Manuseio e Gestão. Um armazenamento de amostra completo e rastreável para o seu laboratório Um armazeameto de amostra completo e rastreável para o seu laboratório LIVRETO Armazeameto de Amostra, Mauseio e Gestão PRODUÇÃO NA HOLANDA E NOS ESTADOS UNIDOS MOLDE POR INJEÇÃO E MONTAGEM EM SALA LIMPA

Leia mais

QUALIDADE APLICADA EM LABORATÓRIO DE METROLOGIA: INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM BLOCOS PADRÃO

QUALIDADE APLICADA EM LABORATÓRIO DE METROLOGIA: INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM BLOCOS PADRÃO QUALIDADE APLICADA EM LABORATÓRIO DE METROLOGIA: INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM BLOCOS PADRÃO Dr. Olívio Novaski Uiversidade Estadual de Campias - UNICAMP - DEF CP 6122 CEP 13083-970 CAMPINAS - SP - BRASIL MSc.

Leia mais

KME Kit. Size 8 and 8E. Kit KME. Tamaño 8y8E. Kit KME. Mecânica 8e8E. KME Kit. Kit KME. Kit KME. Installation Guide. Guía de Instalación

KME Kit. Size 8 and 8E. Kit KME. Tamaño 8y8E. Kit KME. Mecânica 8e8E. KME Kit. Kit KME. Kit KME. Installation Guide. Guía de Instalación KME Kit Size 8 and 8E Kit KME Tamaño 8y8E Kit KME Mecânica 8e8E KME Kit Installation Guide Kit KME Guía de Instalación Kit KME Guia de Instalação KME Kit - Size 8 and 8E Summary - English I. General information......0

Leia mais

VALORES por unidade (pu)

VALORES por unidade (pu) VALORES por uidade (pu) 13,8/230kV 230/69kV Como trabalhar um circuito com múltiplas tesões? As impedâcias deem ser referidas ao lado de alta ou baixa (o trafo)? Solução: ormalizar os alores para uma base

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

Prova 3 Matemática ... GABARITO 1 NOME DO CANDIDATO:

Prova 3 Matemática ... GABARITO 1 NOME DO CANDIDATO: Prova 3 QUESTÕES OBJETIIVAS N ọ DE ORDEM: NOME DO CANDIDATO: N ọ DE INSCRIÇÃO: IINSTRUÇÕES PARA A REALIIZAÇÃO DA PROVA. Cofira os campos N ọ DE ORDEM, N ọ DE INSCRIÇÃO e NOME, que costam da etiqueta fixada

Leia mais

Inspeção e medição em Full HD Excelente sistema de inspeção de vídeo digital, projetado para captura de imagens, documentação e medição fáceis

Inspeção e medição em Full HD Excelente sistema de inspeção de vídeo digital, projetado para captura de imagens, documentação e medição fáceis Ispeção e medição em Full HD Excelete sistema de ispeção de vídeo digital, projetado para captura de images, documetação e medição fáceis Realize ispeções, ampliações e medições em Full HD com o Makrolite

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2

1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2 GUIA DO UTILIZADOR Cartão ACP Master Ídice 1. O Cartão ACP Master...2 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2 3. O que fazer em caso de perda, furto, roubo ou extravio do cartão...3 4. Ode

Leia mais

ACHOCOLATADO EN POLVO ACHOCOLATADO EM PÓ CHOCOLATE POWDER DRINK

ACHOCOLATADO EN POLVO ACHOCOLATADO EM PÓ CHOCOLATE POWDER DRINK ACHOCOLATADO EN POLVO ACHOCOLATADO EM PÓ CHOCOLATE POWDER DRINK ACHOCOLATADO EN POLVO ACHOCOLATADO EM PÓ CHOCOLATE POWDER DRINK ACHOCOLATADO EN POLVO Achocolatado em Pó Chocolate Powder Drink El achocolatado

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

06 a 10 de abril de 2016 Hotel Bourbon Cataratas Foz do Iguaçu - PR. REF: Exposição Paralela

06 a 10 de abril de 2016 Hotel Bourbon Cataratas Foz do Iguaçu - PR. REF: Exposição Paralela 2º CONGRESSO BRASILEIRO DE ONDAS DE CHOQUE 06 a 10 de abril de 2016 Hotel Bourbo Cataratas Foz do Iguaçu - PR REF: Exposição Paralela Motadora Oficial: Stads Solutios STTC Evetos e Turismo Telefoe: (45)

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/203 UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - - TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCIEIRA

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO

MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO A Empresa A Cozil produz equipametos para cozihas profissioais desde 1985. São aproximadamete três décadas de dedicação, seriedade e profissioalismo, ode costatemete vem iovado, aperfeiçoado e produzido

Leia mais

Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Física

Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Física Uiversidade Federal do Marahão Cetro de Ciêcias Exatas e Tecologia Coordeação do Programa de Pós-Graduação em Física Exame de Seleção para Igresso o 1º. Semestre de 2011 Disciplia: Mecâica Clássica 1.

Leia mais

LOCALIZAÇÃO ÓTIMA DE TRANSFORMADORES E OTIMIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM PROPRIEDADES RURAIS

LOCALIZAÇÃO ÓTIMA DE TRANSFORMADORES E OTIMIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZAÇÃO ÓTIMA E TRANSFORMAORES E OTIMIZAÇÃO E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM PROPRIEAES RURAIS *ROGÉRIO SILVA A CUNHA (BSC) - JOSÉ ROBERTO CAMACHO (PH) SEBASTIÃO CAMARGO GUIMARÃES JR. (R.) *UNIVERSIAE FEERAL

Leia mais

(1) E que a força contra-eletromotriz é dada por: (2)

(1) E que a força contra-eletromotriz é dada por: (2) Resolução da questão 3 Para respoder essa questão é ecessário veriicar que o motor já está operado e que em determiado mometo algum gradeza do motor irá variar. Frete a essa variação, deve-se determiar

Leia mais

SIMULAÇÃO DO SISTEMA DE ENERGIA DE UM VEÍCULO

SIMULAÇÃO DO SISTEMA DE ENERGIA DE UM VEÍCULO SMULAÇÃO DO SSTEMA DE ENEGA DE UM VEÍULO Luiz Gustavo Gusmão Soeiro Fiat Automóveis luiz.soeiro@fiat.com.br ESUMO O trabalho tem como objetivo viabilizar uma simulação computacioal para se determiar o

Leia mais

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte Aplicação de geomarketig em uma cidade de médio porte Guilherme Marcodes da Silva Vilma Mayumi Tachibaa Itrodução Geomarketig, segudo Chasco-Yrigoye (003), é uma poderosa metodologia cietífica, desevolvida

Leia mais

Análise no domínio dos tempos de sistemas representados no Espaço dos Estados

Análise no domínio dos tempos de sistemas representados no Espaço dos Estados MEEC Mestrado em Egeharia Electrotécica e de Computadores MCSDI Guião do trabalho laboratorial º 3 Aálise o domíio dos tempos de sistemas represetados o Espaço dos Estados Aálise o domíio dos tempos de

Leia mais

CONTROLE DA QUALIDADE DE PADRÕES ESCALONADOS UTILIZADOS NA VERIFICAÇÃO DE MÁQUINAS DE MEDIR POR COORDENADAS

CONTROLE DA QUALIDADE DE PADRÕES ESCALONADOS UTILIZADOS NA VERIFICAÇÃO DE MÁQUINAS DE MEDIR POR COORDENADAS CONTROLE DA QUALIDADE DE PADRÕES ESCALONADOS UTILIZADOS NA VERIFICAÇÃO DE MÁQUINAS DE MEDIR POR COORDENADAS José Carlos Valete de Oliveira Aluo do mestrado profissioal em Sistemas de Gestão da Uiversidade

Leia mais

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER X Ecotro Nacioal de Educação Matemática UM NOVO OLHA PAA O TEOEMA DE EULE Iácio Atôio Athayde Oliveira Secretária de Educação do Distrito Federal professoriacio@gmail.com Aa Maria edolfi Gadulfo Uiversidade

Leia mais

PARABÉNS! ASSISTÊNCIA TÉCNICA DADOS DA EMPRESA. Assistência Técnica Autorizada Cozil MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO

PARABÉNS! ASSISTÊNCIA TÉCNICA DADOS DA EMPRESA. Assistência Técnica Autorizada Cozil MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO A Empresa A Cozil produz equipametos para cozihas profissioais desde 1985. São aproximadamete três décadas de dedicação, seriedade e profissioalismo, ode costatemete vem iovado, aperfeiçoado e produzido

Leia mais

ATIVIDADE DE CÁLCULO, FÍSICA E QUÍMICA ZERO

ATIVIDADE DE CÁLCULO, FÍSICA E QUÍMICA ZERO ATIVIDADE DE CÁLCULO, FÍSICA E QUÍMICA ZERO Rita Moura Fortes proeg.upm@mackezie.com.br Uiversidade Presbiteriaa Mackezie, Escola de Egeharia, Departameto de Propedêutica de Egeharia Rua da Cosolação,

Leia mais

PROVA DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 2008. são fixos (não aleatórios), α e β são parâmetros desconhecidos e os εi

PROVA DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 2008. são fixos (não aleatórios), α e β são parâmetros desconhecidos e os εi PROVA DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 008 Istruções para a prova: a) Cada questão respodida corretamete vale um poto. b) Questões deixadas em braco valem zero potos (este caso marque

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

5) Verifique a existência de novos pincéis no painel Brushes. Para os usar, basta seleccionar um deles e aplicar sobre a sua imagem:

5) Verifique a existência de novos pincéis no painel Brushes. Para os usar, basta seleccionar um deles e aplicar sobre a sua imagem: 76 Ph o t o s h o p cs4 - Cu r s o Co m p l e t o 5.1.1 Predefiições de picéis e ferrametas É possível gravar um cojuto de opções de picel como uma predefiição para aceder rapidamete às características

Leia mais

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade Caledário de ispecções em Mauteção Prevetiva Codicioada com base a Fiabilidade Rui Assis Faculdade de Egeharia da Uiversidade Católica Portuguesa Rio de Mouro, Portugal rassis@rassis.com http://www.rassis.com

Leia mais

Sistemas de Visualização Estéreo. Uma superior qualidade de imagem para aplicação em todos os tipos de inspeção. Inclui NOVA opção

Sistemas de Visualização Estéreo. Uma superior qualidade de imagem para aplicação em todos os tipos de inspeção. Inclui NOVA opção Iclui NOVA opção de captura de imagem Sistemas de Visualização Estéreo Uma superior qualidade de imagem para aplicação em todos os tipos de ispeção. Tecologia ótica pateteada para visualização livre de

Leia mais

PROBLEMA DE DESLOCAMENTO DE VIATURAS MILITARES PELA REDE FERROVIÁRIA FEDERAL (UMA ABORDAGEM EM PROGRAMAÇÃO LINEAR)

PROBLEMA DE DESLOCAMENTO DE VIATURAS MILITARES PELA REDE FERROVIÁRIA FEDERAL (UMA ABORDAGEM EM PROGRAMAÇÃO LINEAR) PROBLEMA DE DESLOCAMENTO DE VIATURAS MILITARES PELA REDE FERROVIÁRIA FEDERAL (UMA ABORDAGEM EM PROGRAMAÇÃO LINEAR) NEI CARLOS DOS SANTOS ROCHA ALBA REGINA MORETTI 2 LUIZ HENRIQUE DA COSTA ARAÚJO CARLA

Leia mais

Sistemas de medição por vídeo para medição e inspeção precisas

Sistemas de medição por vídeo para medição e inspeção precisas S W IFT-DUO SWIFT Sistemas de medição por vídeo para medição e ispeção precisas S W IFT-DUO Sistemas de medição por vídeo 2 eixos, ideais para medir recursos em 2D de peças pequeas e itricadas Variação

Leia mais

Detecção de Perdas com WaterGEMS usando AG - Case de Sucesso

Detecção de Perdas com WaterGEMS usando AG - Case de Sucesso Detecção de Perdas com WaterGEMS usado AG - Case de Sucesso Ego. Jua Carlos Gutiérrez, M.Sc. Regioal Egieer - Water ad Wastewater Solutios Jua.Gutierrez@Betley.com Problema Mudial: cotrole e redução de

Leia mais

CAPÍTULO VIII - REGIMES DE TRABALHO

CAPÍTULO VIII - REGIMES DE TRABALHO 8. Regimes de trabalho. CAÍULO VIII - REGIMES DE RABALHO Há iúmeros tios de máquias cujos regimes de trabalho se caracterizam or aresetar eríodos curtos de oeração, seguidos de logos eríodos de reouso.

Leia mais

1. Objetivo: determinar as tensões normais nas seções transversais de uma viga sujeita a flexão pura e flexão simples.

1. Objetivo: determinar as tensões normais nas seções transversais de uma viga sujeita a flexão pura e flexão simples. FACULDADES NTEGRADAS ENSTEN DE LMERA Curso de Graduação em Egeharia Civil Resistêcia dos Materiais - 0 Prof. José Atoio Schiavo, MSc. NOTAS DE AULA Aula : Flexão Pura e Flexão Simples. Objetivo: determiar

Leia mais

CAPÍTULO 2 2 - NORMAS RELATIVAS A FATOR DE POTÊNCIA E DISTORÇÃO HARMÔNICA

CAPÍTULO 2 2 - NORMAS RELATIVAS A FATOR DE POTÊNCIA E DISTORÇÃO HARMÔNICA FASCÍCULO / harmôicos Este texto foi preparado como um curso de extesão: Ifluêcia dos Harmôicos as Istalações Elétricas Idustriais. Trata-se de um curso voltado para profissioais atuates o setor elétrico

Leia mais

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006 Aluo(a): Professor: Chiquiho Revisão 0-20 Exercícios Lista 0 2/02/20 Questão 0 UFRJ - 2006 Dois estados produzem trigo e soja. Os gráficos abaixo represetam a produção relativa de grãos de cada um desses

Leia mais

FLUXO DE CARGA CONTINUADO CONSIDERANDO O CONTROLE DE INTERCÂMBIO ENTRE ÁREAS

FLUXO DE CARGA CONTINUADO CONSIDERANDO O CONTROLE DE INTERCÂMBIO ENTRE ÁREAS Aais do XIX Cogresso Brasileiro de Automática, CBA 2012. FLUXO DE CARA CONTINUADO CONSIDERANDO O CONTROLE DE INTERCÂMBIO ENTRE ÁREAS HEBERT AILA CARHUALLANQUI, DILSON AMANCIO ALES LASEP, DEE, UNESP Av.

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA

PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA Taylor Motedo Machado Uiversidade de Brasília/Mestrado em Trasportes Campus Uiversitário - SG-12,

Leia mais

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual 49 5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempeho Atual O presete capítulo tem por objetivo elaborar uma proposta de melhoria para o atual sistema de medição de desempeho utilizado pela

Leia mais

PROJETO E OTIMIZAÇÃO, POR COMPUTADOR,DE SISTEMAS DE BOMBEAMENTO

PROJETO E OTIMIZAÇÃO, POR COMPUTADOR,DE SISTEMAS DE BOMBEAMENTO PROJETO E OTIMIZAÇÃO, POR COMPUTADOR,DE SISTEMAS DE BOMBEAMENTO Carlos Alberto de Melo Uiversidade Federal de Uberlâdia Departameto de Egeharia Mecâica 384-89, Uberlâdia MG, Brasil Resumo Desevolveu-se

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER) Deseja-se projetar uma base de dados que dará suporte a

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE MINISÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENO DO ERRIÓRIO E AMBIENE Istituto do Ambiete PROCEDIMENOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENE Abril 2003 . Equadrameto O presete documeto descreve a metodologia a seguir

Leia mais

INTERPOLAÇÃO. Interpolação

INTERPOLAÇÃO. Interpolação INTERPOLAÇÃO Profa. Luciaa Motera motera@facom.ufms.br Faculdade de Computação Facom/UFMS Métodos Numéricos Iterpolação Defiição Aplicações Iterpolação Liear Equação da reta Estudo do erro Iterpolação

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Julho de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER - Peso 2 Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee a comuicação

Leia mais

Introdução às Telecomunicações 2014/2015. 4º Trabalho de Laboratório

Introdução às Telecomunicações 2014/2015. 4º Trabalho de Laboratório Itrodução às Telecomuicações 2014/2015 Departameto de Egeharia Electrotécica Secção de Telecomuicações Mestrado itegrado em Egeharia Electrotécica e de Computadores Liceciatura em Egeharia Iformática Grupo:

Leia mais

COLÉGIO ANCHIETA-BA. ELABORAÇÃO: PROF. ADRIANO CARIBÉ e WALTER PORTO. RESOLUÇÃO: PROFA, MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

COLÉGIO ANCHIETA-BA. ELABORAÇÃO: PROF. ADRIANO CARIBÉ e WALTER PORTO. RESOLUÇÃO: PROFA, MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Questão 0. (UDESC) A AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA DA UNIDADE I-0 COLÉGIO ANCHIETA-BA ELABORAÇÃO: PROF. ADRIANO CARIBÉ e WALTER PORTO. PROFA, MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um professor de matemática, após corrigir

Leia mais

MOMENTOS DE INÉRCIA. Física Aplicada à Engenharia Civil II

MOMENTOS DE INÉRCIA. Física Aplicada à Engenharia Civil II Física Aplicada à Egeharia Civil MOMENTOS DE NÉRCA Neste capítulo pretede-se itroduzir o coceito de mometo de iércia, em especial quado aplicado para o caso de superfícies plaas. Este documeto, costitui

Leia mais

CA-310 CAIXA AMPLIFICADORA MULTIUSO COM KARAOKÊ MANUAL DO USUÁRIO TERMO DE GARANTIA. Prezado Consumidor:

CA-310 CAIXA AMPLIFICADORA MULTIUSO COM KARAOKÊ MANUAL DO USUÁRIO TERMO DE GARANTIA. Prezado Consumidor: TERMO DE GARANTIA Prezado Cosumidor: O DISTRIBUIDOR AUTORIZADO LENOXX assegura 4 em caso de flutuações excessivas de eergia ao proprietário-cosumidor deste aparelho elétrica; garatia cotra qualquer defeito

Leia mais

O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA

O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA Paulo César de Resede ANDRADE Lucas Moteiro CHAVES 2 Devail Jaques de SOUZA 2 RESUMO: Este trabalho apreseta a teoria do teste de Galto

Leia mais

Confort / Excellence - E U. Interior / Exterior 2,6 / 3,5 / 5,3 / 6,5 KW PT

Confort / Excellence - E U. Interior / Exterior 2,6 / 3,5 / 5,3 / 6,5 KW PT Catálogo de peças de substituição (2014/08) JF Cofort / Excellece - E U. Iterior / Exterior 2,6 / 3,5 / 5,3 / 6,5 KW PT 2 3 4 Idice U. Exterior 2,6KW 7 738 311 090 U. Exterior 2,6KW 7 738 311 082 8 U.

Leia mais

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode 9 Diagramas de Bode 9. Itrodução aos diagramas de Bode 3 9. A Fução de rasferêcia 4 9.3 Pólos e zeros da Fução de rasferêcia 8 Equação característica 8 Pólos da Fução de rasferêcia 8 Zeros da Fução de

Leia mais

Lista 2 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 2 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista - Itrodução à Probabilidade e Estatística Modelo Probabilístico experimeto. Que eveto represeta ( =1 E )? 1 Uma ura cotém 3 bolas, uma vermelha, uma verde e uma azul.

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS C E N T R O D E C I Ê N C I A S E X A T A S E D E T E C N O L O G I A D E P A R T A M E N T O D E E S T A T Í S T I C A INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO E ANÁLISE ESTATÍSTICA

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

Teste de Hipóteses VÍCTOR HUGO LACHOS DÁVILAD

Teste de Hipóteses VÍCTOR HUGO LACHOS DÁVILAD Teste de ióteses VÍCTOR UGO LACOS DÁVILAD Teste De ióteses. Exemlo. Cosidere que uma idustria comra de um certo fabricate, ios cuja resistêcia média à rutura é esecificada em 6 kgf (valor omial da esecificação).

Leia mais