ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO"

Transcrição

1 ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO TUTORIAL Marcos Anôno de Camargos Admnsrador de Empresas, MBA em Gesão Esraégca (Fnanças), Mesre em Admnsração pelo NUFI/CEPEAD/FACE/UFMG e Professor do Cenro Unversáro de Belo Horzone UNI-BH E-mal: Francsco Vdal Barbosa Engenhero pela UFF, Mesre em Admnsração pela UFMG, Ph. D. em Cêncas das Organzações e Pós-douor pela Unversdade de Harvard e Professor Adjuno do NUFI/CEPEAD/FACE/UFMG E-mal: RESUMO Os Esudos de Eveno são amplamene ulzados em Fnanças, prncpalmene na aferção da efcênca nformaconal do mercado em sua forma semfore. Conssem na análse do efeo da dvulgação de nformações específcas de deermnadas frmas sobre os preços de suas ações. Nese argo são descros a meodologa Esudos de Eveno, seus procedmenos, eapas, eses esaíscos, e apresenados de forma analíca alguns esudos realzados com dados do mercado de capas braslero, para faclar o uso e enendmeno dessa meodologa. Palavras-chave: Esudo de Eveno; Reorno Normal; Reorno Anormal; Modelos Esaíscos; Modelos Econômco-Fnanceros; Hpóese da Efcênca de Mercado; Esudos de Eveno no Mercado Braslero. ABSTRACT Even Sudes are wdely used n Fnance usually for gaugng nformaon effcency of he marke n s sem-srong form. Sudes analyze he effec of dssemnang specfc nformaon abou he company on he prce of he sock. Included are he mehodology, procedures, seps and sascal ess for Even Sudes. Examples carred ou n he Brazlan capal marke are ncluded n an analyc form for he purpose of faclang he use and undersandng of Even Sudes. Key words: Even Sudy; Normal Reurn; Abnormal Reurn; Sascal Models; Economc-Fnancal Models; Marke Effcency Hypohess; Even Sudes n he Brazlan Marke.. INTRODUÇÃO Um Esudo de Eveno consse na análse do efeo de nformações específcas de deermnadas frmas sobre os preços de suas ações. Traa-se de uma meodologa amplamene usada em eses de efcênca de mercados, denomnação comum a odos os eses da forma semfore de ajusameno de preços a anúncos públcos, sugerda por FAMA (99). Pode ser realzado em város evenos mporanes (nformações relevanes dvulgadas ao mercado) que mpacam as expecavas dos nvesdores e, conseqüenemene, os preços dos íulos. Enre esses evenos desacam-se: subscrção de ações, emssão de íulos de dívda, como debênures, lançameno de recbos de depóso em ouros mercados (DRs); bonfcações, pagameno de dvdendos, dvulgações rmesras, semesras ou anuas de lucros; fusões e aqusções, vencmeno de opções, desdobrameno de ações (spls), enre ouros. Segundo BROWN e WNER (980), a maor preocupação de um Esudo de Eveno é avalar a exensão em que o desempenho dos preços de íulos em das próxmos ao eveno em sdo anormal. Iso é, a exensão em que reornos de íulos são dferenes daqueles consderados normas, dado um modelo de equlíbro de deermnação de reornos esperados. Caderno de Pesqusas em Admnsração, São Paulo, v. 0, nº 3, p. 0-0, julho/seembro 003

2 Marcos Anôno de Camargos e Francsco Vdal Barbosa Para CAMPBELL, LO e MACKINLAY (997), um Esudo de Eveno, na maora de suas aplcações, focalza o efeo de um eveno no preço de uma classe parcular dos íulos de frmas, dos quas os mas ulzados são as ações ordnáras. Para eles, a uldade dessa meodologa advém do fao de que, dada a raconaldade do mercado, os efeos do eveno reflerão medaamene nos preços. Ese argo em por objevo descrever a meodologa Esudos de Eveno, seus procedmenos, eapas, eses esaíscos, e apresenar de forma analíca alguns esudos realzados com dados do mercado de capas braslero, para faclar o enendmeno e uso dessa meodologa. Apresena a segune esruura: na prmera seção faz-se uma breve descrção da evolução da meodologa; na seção descreve-se a sua operaconalzação; em seguda, na seção 3, os modelos de geração de reornos normas são descros; após sso, dssera-se rapdamene sobre a relação exsene enre os Esudos de Eveno e a Hpóese da Efcênca de Mercado; a seção 4 apresena e analsa Esudos de Eveno realzados no mercado de capas braslero, e é seguda de algumas consderações... Evolução da meodologa MACKINLAY (997), em análse sobre a evolução da meodologa, assnala que os Esudos de Eveno não são recenes. O prmero fo realzado por DOLLEY (933), que examnou os efeos nos preços em das próxmos aos anúncos de 95 desdobramenos de ações ocorrdos enre 9 e 93. Nos 30 anos decorrdos aé o fnal dos anos 60, o nível de sofscação da meodologa aumenou. Desacaram-se nesse período os esudos de MYERS e BAKAY (948), BKER (956, 957 e 958) e ASHLEY (96), prncpalmene sobre a remoção dos efeos geras nos preços e a separação de dferenes evenos. No fnal dos anos 60, dos esudos semnas propcaram uma maor conssênca esaísca à meodologa: BALL e BROWN (968) analsaram a resposa do mercado à dvulgação de Demonsrações Conábes pela varação dos preços de suas ações, denfcando uma resposa anecpada do mercado à dvulgação desses relaóros; e FAMA e al. (969), que examnaram o processo pelo qual os preços de ações ordnáras se ajusaram às novas nformações mplícas em um desdobrameno de ações, conclundo que o mercado aconáro era efcene no sendo de que os preços das ações se ajusaram rapdamene às novas nformações. Nos anos 80, BROWN e WNER (980 e 985) publcaram argos úes que raaram da mporânca práca de complcações decorrenes do ajusameno dos dados às hpóeses que volavam os pressuposos esaíscos. O argo de 980 conemplou quesões envolvendo o uso de dados amosras em um nervalo mensal, e o argo de 985, quesões para dados dáros. Segundo eles, pesqusas com dados dáros em Esudos de Eveno envolvem alguns problemas poencas, como: não normaldade dos reornos dáros, negocações não sncronzadas e modelo de esmação de parâmeros de mercado, esmação da varânca, conhecmeno das propredades de séres emporas e de dados do po cross-secon. Esses dos argos são duas referêncas que fguram enre as mas cadas, quando se raa de Esudos de Eveno.. OPERACIONALIZAÇÃO Um Esudo de Eveno ulza um modelo de geração de reorno de ações, consderado padrão, denomnado de reorno normal ou esperado, que é do como o reorno que o íulo era caso o eveno não ocorresse. Depos dsso, para denfcar um comporameno anormal nos períodos próxmos a um eveno específco analsado, calcula-se a dferença enre o reorno esperado fornecdo pelo modelo e o reorno observado no período de análse. Iso é, focalza-se a deermnação de reornos anormas de íulos nos das próxmos ou na daa do anúnco de um eveno. Esse reorno anormal é consderado um desvo dos reornos dos íulos ex ane não condconados ao eveno (KLOECKNER, 995). O fao de a varânca dos reornos aumenar quando próxma à daa de dvulgação do eveno, ndca que ese coném nformações relevanes. CAMPBELL, LO e MACKINLAY (997) descrevem os procedmenos de um esudo de eveno conforme a Fgura : Caderno de Pesqusas em Admnsração, São Paulo, v. 0, nº 3, p. 0-0, julho/seembro 003

3 Esudos de Eveno: eora e operaconalzação Fgura : Eapas de um Esudo de Eveno Defnção do Eveno Créros de Seleção Reornos Normas e Anormas Procedmeno de Esmação Procedmeno de Tese Resulados Empírcos.. Defnção do Eveno Nesa eapa defne-se o eveno de neresse, denfca-se sua daa de ocorrênca ( daa zero ) e o período durane o qual os preços dos íulos das frmas envolvdas nesse eveno serão examnados (janela de eveno). A defnção dessa janela (quanos das anes e quanos das depos do eveno) envolve um cero grau de subjevdade e arbraredade por pare do pesqusador e depende do eveno esudado e dos objevos que se almejam com o uso da meodologa. Essa janela deve englobar períodos consderados relevanes para a verfcação de anormaldades no comporameno dos preços; não deve ser muo exensa, pos havera o rsco de se englobarem ouros evenos, envesando-se os resulados, e nem muo pequena, pos arrscar-se-a não se consegur capar a anormaldade nos preços. De forma geral, a análse do período aneror à daa zero vsa à denfcação dos ndícos do uso de nformações prvlegadas (nsde nformaon), enquano a do período poseror vsa a fornecer evdêncas da velocdade e precsão do ajuse dos preços à nova nformação lberada ao mercado... Créros de seleção Defnem-se os créros (base de dados ulzada, seleção do seor econômco, empresas afeadas pelo eveno em esudo) para a nclusão de uma dada frma na amosra e sua caracerzação..3. Reornos Normas e Anormas Avala-se o mpaco do eveno por meo de uma medda do reorno anormal. O reorno normal é defndo como o reorno esperado sem a condção de que o eveno ocorra, enquano o reorno anormal é defndo como o reorno observado ex pos de um íulo menos o reorno normal da frma na janela de eveno. Dessa forma, o reorno anormal de um íulo para uma dada frma e uma daa de eveno é dado pela fórmula: = R E R / X ) () ( onde, R e E ( R / X ) são, respecvamene, o reorno anormal, reorno observado e reorno esperado do avo para o período, com base nas nformações X, condconanes do modelo de geração de reornos normas. Supondo-se que E R X ) = E( R ), em-se: ( = R E R ) () ( SOES, ROSTAGNO e SOES (00) apresenam duas formas de cálculo dos reornos normas: a Tradconal, que pressupõe um regme de capalzação dscrea, e a Logarímca, que pressupõe um regme de capalzação conínua. Para esses auores, a ulzação da capalzação conínua ou da dscrea dependerá da vsão do pesqusador sobre a dnâmca nformaconal do mercado e a reação das ações às nformações. As formas seram:.3.. Tradconal (Capalzação Dscrea): P ( ) = P + r (3) sendo: r, P e P a axa de reorno, o preço da ação no período e o preço da ação no período -, respecvamene. De forma drea, o reorno podera ser obdo por: P r = (3 ) P Os modelos de deermnação de reornos normas são descros com maores dealhes na Seção 3. Caderno de Pesqusas em Admnsração, São Paulo, v. 0, nº 3, p. 0-0, julho/seembro 003 3

4 Marcos Anôno de Camargos e Francsco Vdal Barbosa.3.. Logarímca (Capalzação Conínua): Por essa forma de capalzação, o preço de um íulo é dado por P = P e (4) r com =, por se esar ulzando apenas um período, sendo: r, P e P a axa de reorno, o preço da ação no período e o preço da ação no período, respecvamene. Por meo de ajuses algébrcos a equação 4 pode ser reescra da segune forma: P r = ln ou r = ( ln P ln P ) (4 ) P Em ermos esaíscos, segundo SOES, ROSTAGNO e SOES (00), na forma Tradconal de cálculo do reorno (equação 3 ) a dsrbução dos reornos das ações, calculada com o pressuposo de ser de capalzação dscrea, é assmérca à drea, conforme mosrado na Fgura : Fgura : Dsrbução de Freqüênca dos Reornos pela Fórmula Tradconal Freqüênca P P Reorno Fone: SOES, ROSTAGNO e SOES (00). Na forma Logarímca, a curva relava à dsrbução de freqüênca dos reornos, pressupondo-se ser de capalzação conínua, sera smérca em relação a zero, como se pode vsualzar na Fgura 3. Esa ende a aproxmar a dsrbução de freqüêncas dos reornos calculados por meo do logarmo naural da curva normal. Fgura 3: Dsrbução de Freqüênca dos Reornos pela Fórmula Logarímca Freqüênca P ln P Reorno Fone: SOES, ROSTAGNO e SOES (00). SOES, ROSTAGNO e SOES (00) assnalam que a forma de cálculo dos reornos mas adequada é a Logarímca, pos esa apresena uma dsrbução de reornos mas próxma à dsrbução normal, a qual consu um dos pressuposos de eses esaíscos paramércos. 4 Caderno de Pesqusas em Admnsração, São Paulo, v. 0, nº 3, p. 0-0, julho/seembro 003

5 Esudos de Eveno: eora e operaconalzação.4. Procedmeno de Esmação Defne-se a janela de esmação a ser ulzada para cálculo dos parâmeros do modelo de deermnação de reornos normas escolhdo. Normalmene, ulza-se um período aneror ao da janela de eveno, ambém defndo de forma subjeva e arbrára pelo pesqusador, devendo ser exenso o basane para que possíves dscrepâncas nos preços possam ser dluídas sem provocar grandes alerações em sua dsrbução de freqüênca. O que deve ser observado na defnção desa janela é que ela não deve nclur, so é, sobrepor-se à janela do eveno, a fm de não nfluencar os parâmeros do modelo de deermnação de reornos normas. Segundo BROWN e WNER (980), os resulados e as conclusões podem ser sensíves à nclusão (ou exclusão) do período próxmo ao eveno. No caso de elevados níves de reornos anormas esarem presenes, a nclusão de observações de das próxmos (anerores e poserores) ao eveno ende a dar mas peso a aparenes oulers, aumenando a varânca da mensuração dos reornos específcos de íulos e reduzndo o poder dos eses. Adconalmene, se exsem reornos anormas no período do eveno é dfícl nferr reornos normas, parcularmene se o período de reornos anormas for longo e nclur uma quandade de dados sgnfcava em relação ao oal dsponível. A Fgura 4 apresena o formao da meodologa: Fgura 4: Lnha de Tempo de um Esudo de Eveno ( Esmação) L (J. de Eveno) L (J. Comparação) L 3 T 0 T 0 T T 3 na qual: Fone: Adapado de CAMPBELL, LO e MACKINLAY (997:57). = 0 é a daa do eveno; = T 0 + aé = T é a janela de esmação e L = T T0, a sua exensão; = T + aé = T é a janela de eveno e L = T T, a sua exensão; = T + aé = T3 é a janela de comparação e L3 = T3 T, a sua exensão; Oulers ou "observações aberranes", segundo GUJATI (000: 357), são observações muo dferenes (muo pequenas ou muo grandes) das ouras observações da amosra. Caderno de Pesqusas em Admnsração, São Paulo, v. 0, nº 3, p. 0-0, julho/seembro 003 5

6 Marcos Anôno de Camargos e Francsco Vdal Barbosa.5. Procedmeno de ese Desenha-se a esruura de ese para que os reornos anormas possam ser calculados. Defnemse a hpóese nula e as écncas para agregação dos reornos anormas das frmas ndvdualmene. Em razão da dfculdade de deermnar a daa exaa em que o mercado recebeu a nformação do eveno em esudo e como a reação do mercado pode dfundr-se nos das subseqüenes a esse, acumulam-se os reornos anormas nesses das para avalar a reação dos preços no mercado ao longo da janela de eveno. Essa acumulação pode ser fea em duas dmensões: no empo e nos íulos..5.. Acumulação dos Reornos Anormas no empo para íulos ndvduas afeados por um Eveno Específco 3 De forma geral, é ulzada a écnca do Reorno Anormal Acumulado, ou C (Cumulave Abnormal Reurn), que pode ser expressa pela segune fórmula: = (, ) = C (5) O reorno anormal acumulado de a esá no nervalo: T < T Assnocamene (pos L aumena), a varânca de C pode ser descra por: (, ) = ( ) σ ε σ + (6) Com base na equação 6, sob H 0 o reorno anormal acumulado apresena a segune dsrbução: C (, ) ~ N[0, σ (, )] (7) Pode-se consrur um ese para H 0 para um íulo, com base na equação 7, usando-se o reorno anormal acumulado padronzado (SC), dado por: SC (, C (, ) ) = (8) σ (, ) onde σ, ) é calculado pela fórmula veoral 4 : σ ε ( = ' ε ε L (9) Sob H 0, a dsrbução de SC (, ) é de Suden, com L graus de lberdade. Aravés das propredades da dsrbução de Suden, a expecava de SC, ) é 0 e a varânca é ( L. L 4 Desare, para janelas de esmação grandes (ex: L > 30 ), a dsrbução de SC (, ) será aproxmada da dsrbução normal padrão..5.. Acumulação dos Reornos Anormas nos íulos e no empo para íulos ndvduas afeados por um Eveno Específco Como um Esudo de Eveno em como objevo analsar o mpaco de evenos econômcofnanceros nos preços dos íulos no mercado de capas, deve-se examnar um conjuno de város íulos de dferenes empresas, ao nvés de casos solados. Para sso, devem-se ober as médas de reornos anormas para um deermnado nervalo de empo. Pare-se da premssa de que não exse qualquer correlação enre os reornos anormas de dferenes íulos, o que será o caso quando não exsr cluserng, so é, qualquer sobreposção na janela de eveno dos íulos da amosra. Na ausênca de qualquer sobreposção e manendo-se os pressuposos da dsrbução de freqüênca, os reornos anormas e os reornos anormas acumulados serão ndependenes nos íulos (CAMPBELL, LO e MACKINLAY, 997). Dada uma amosra de N evenos, defnndo-se como a méda amosral dos reornos anormas a parr da equação de um modelo de geração de reornos normas, pode-se ober uma amosra de reornos anormas para um período (, ), como segue: 3 As equações 5 aé 7 foram obdas de MACKINLAY (997) e CAMPBELL, LO e MACKINLAY (997). 4 Para maores dealhes, veja CAMPBELL, LO e MACKINLAY (997: 58). 6 Caderno de Pesqusas em Admnsração, São Paulo, v. 0, nº 3, p. 0-0, julho/seembro 003

7 Esudos de Eveno: eora e operaconalzação = N N = com varânca: Var N ( ) = ε N = (0) σ () De forma equvalene, para a acumulação de íulos ndvduas pode-se ober o reorno médo acumulado de uma amosra [ C (, ) ] com N evenos: C ( () com varânca: N, ) = C (, ) N = N Var[ C (, )] = σ (, ) = (, ) σ N = (3) Observando-se o pressuposo de que a janela de eveno de N íulos não se sobrepõe ao conjuno dos ermos de co-varânca para zero, nferêncas sobre os reornos anormas acumulados podem ser obdas usando-se: C (, ) ~ N[0, σ (, )] (4) com a expecava de que reornos anormas sob H 0 serão zero. Em ermos prácos, para grandes amosras de evenos, sendo σ (, ) desconhecda, pode-se usar N σ (, ) = σ (, ) como um = N esmador aproxmado e proceder aos eses de H 0 ulzando-se: J C (, ) [ σ (, )] = N (0,) (5) CAMPBELL, LO e MACKINLAY (997) assnalam um segundo méodo de acumulação que dá peso gual para os SC s, com SC (, ) sendo a méda de N íulos a parr do empo de eveno aé. Tem-se, assm, N SC (, ) = = SC (, ) (6) N Assumndo-se que a janela de eveno de N íulos não se sobrepõe no empo sob H 0, SC (, ) será normalmene dsrbuída em grandes amosras L com méda zero e varânca N( L 4) Desare, H 0 pode ser esada como segue: N( L 4) J = SC(, ) N(0,) L (7) Segundo CAMPBELL, LO e MACKINLAY (997), quando se procede a um Esudo de Eveno,deve-se escolher enre J e J das equações 5 e 7, respecvamene, para os eses esaíscos. A escolha da esaísca mas robusa dependerá da hpóese alernava (H ), sendo J mas ndcada para amosras com os verdaderos reornos anormas consanes no empo, e J mas recomendada para amosras que apresenem grandes reornos anormas reas para íulos com varâncas elevadas. Na maora das pesqusas, os resulados provavelmene não serão sensíves à escolha de J versus J porque a varânca dos reornos anormas acumulados é de magnude smlar nos íulos..6. Resulados empírcos Os resulados devem ser apresenados respeando-se o desenho economérco, observando-se possíves nfluêncas de oulers, prncpalmene em esudos com amosras pequenas..7. Inerpreação e Conclusões Levando-se em cona os objevos ncas, as hpóeses são esadas e os resulados obdos são descros. 3. MODELOS DE DETERMINAÇÃO DE RETORNOS NORMAIS CAMPBELL, LO e MACKINLAY (997) dvdem esses modelos em duas caegoras: esaíscos e econômcos. 3.. Modelo Esaíscos Os modelos esaíscos obedecem aos pressuposos esaíscos que envolvem o comporameno de reornos de avos (deve-se assumr que os reornos do íulo são, Caderno de Pesqusas em Admnsração, São Paulo, v. 0, nº 3, p. 0-0, julho/seembro 003 7

8 Marcos Anôno de Camargos e Francsco Vdal Barbosa smulaneamene, normas, mulvarados e dsrbuídos de manera ndependene e dênca no empo) e não dependem de quasquer argumenos econômcos, quando a daa do eveno é faclmene denfcada. Os rês modelos esaíscos de mensuração de reornos normas sugerdos por BROWN e WNER em seus argos de 980 e 985 são os cados a segur Modelo de Reornos Ajusados à Méda (Consane) É o modelo mas smples dos rês. Assume que o reorno esperado ex ane para um dado íulo é gual à consane K (calculada como a méda arméca de reornos passados do íulo ou aproxmada por um únco reorno passado dese). Assume ambém valores dferenes para cada ação ~ de um porfólo de mercado, ou seja, E ( R ) = K. O reorno calculado ex pos do íulo no período é gual a K. O reorno anormal é gual à dferença enre o reorno observado R e o reorno calculado. Maemacamene, em-se: = R K (8) O Modelo de Reornos Ajusados à Méda é conssene com o CAPM, consderando-se a premssa de que um íulo em um rsco ssemáco ( β ) consane e que a fronera efcene é esaconára (BROWN e WNER, 980) Modelo de Reornos Ajusados ao Mercado Ese modelo assume que os reornos esperados ex ane são guas para odos os avos, mas não necessaramene consanes ao longo do empo. Assume ambém que o reorno esperado ex ane de reorno do mercado é a méda ponderada do volume fnancero negocado dos reornos das ações que a compõem. Consderando-se o porfólo de mercado de rsco de avos m a combnação lnear de odos os ~ ~ íulos, segue-se que E ( R ) = E( Rm ) para qualquer íulo. Dessa forma, o reorno anormal ex pos, em qualquer íulo, é dado pela dferença enre seu reorno e o do porfólo de mercado. Em lnguagem maemáca, em-se: = R R (9) m A mplemenação dese modelo envolve a comparação do reorno do íulo durane o período do eveno com o reorno de um índce aproprado de mercado. Qualquer dferença enre o reorno do íulo e o reorno de mercado é roulado de anormal ou excesso de reorno, em razão do eveno em quesão. No caso dos rabalhos realzados no mercado de capas braslero, o IBOVESPA 5 é o índce de comparação mas ulzado. KLOECKNER (995) desaca que o Modelo de Reornos Ajusados ao Mercado (...) é conssene ano com o Modelo de Mercado ( R = α + βr + ε ), quano com o CAPM, pressupondo que odas as ações êm um rsco ssemáco ( β ) gual a um. No caso do modelo de mercado exse uma premssa adconal de que o nercepo (α ) seja gual a zero. LEAL (988 e 989) propôs uma varane dese modelo, denomnada Méodo do Índce de Comparação IC, que consse em enconrar a razão enre a coação de uma ação no mercado numa daa qualquer e o seu preço na daa do eveno, ajusando-a à varação do mercado no mesmo período, por meo da razão enre o valor de fechameno de um índce de mercado, numa daa fuura escolhda, e o seu valor na daa base. Esse méodo ambém é conssene com o modelo CAPM, com α gual a zero e β gual a um. A exsênca de reornos anormas é verfcada esando-se se o LIC de um período qualquer é sgnfcavamene dferene de 0. Usa-se o logarmo naural de IC (LIC) para se ober uma melhor aderênca à hpóese de normaldade dos reornos. O modelo é expresso por ~ P ~ Po L IC = Ln( ~ ) (0) I I sendo P 0 é o preço da ação; o 5 Índce da Bolsa de Valores de São Paulo. É composo por ações cujo conjuno represena 80% do volume negocado à vsa e que êm negocações em pelo menos 80% dos pregões, com recomposção quadrmesral das empresas que o compõem. 8 Caderno de Pesqusas em Admnsração, São Paulo, v. 0, nº 3, p. 0-0, julho/seembro 003

9 Esudos de Eveno: eora e operaconalzação P ~ é a coação no mercado das após o eveno; I 0 é o índce de mercado na daa do eveno; ~ I é o índce de mercado das após o eveno; L I ~ C é o logarmo do Índce de Comparação Modelo de Reornos Ajusados ao Rsco e ao Mercado (Modelo de Mercado) Segundo MACKINLAY (997), ese modelo é ambém conhecdo como Modelo de Índce Únco. É um dos modelos esaíscos que relaconam lnearmene o reorno de um deermnado avo fnancero com o reorno do porfólo de mercado, observando as especfcações de lneardade (lneardade, esaconaredade, ndependênca seral dos resíduos em relação ao reorno de mercado e esabldade de varânca dos resíduos). O Modelo de Mercado esabelece uma relação lnear enre o reorno da ação e o reorno de mercado. Segundo BROWN e WNER (980 e 985), esse modelo apresena um desempenho lgeramene melhor que os demas modelos quando a daa de eveno é de dfícl denfcação. Além dsso, o modelo leva em cona o rsco específco de cada frma. Iso é, leva em consderação a classfcação das frmas em dferenes classes de rsco sugerda por MODIGLIANI e MILLER (958), o que orna envesada a ulzação de um índce comum a odas as frmas, uma vez que esas apresenam dferenes graus de rsco. Dessa forma, não faz sendo elmnar o rsco do modelo e ulzar um índce comum, pos esar-se-a ncorrendo no séro rsco de subesmar ou superesmar os resulados. A fórmula de cálculo dos reornos normas é: R = α + β R + ε () m na qual E( ε ) = 0 Fca enão a equação () como segue: E R ) = α + β E( R ) () ( m sendo: R = reorno observado do íulo no período ; R m = reorno observado da carera de mercado no período, sendo ese ermo consderado o esmador para E R ) ; ( m ε = resíduo para o período 6 ; α e β = parâmeros OLS (Ordnary Leas Squares OLS) ou mínmos quadrados ordnáros ndvduas a ser esmados, os quas, segundo CAMPBELL, LO e MACKINLAY (997), devem ser calculados fora da janela de eveno, para evar nfluêncas no seu desempenho normal. Admndo-se que R e R m enham dsrbução normal, podem-se esmar β e α a parr das segunes fórmulas: Cov( R, Rm ) β = (3) Var( R ) m α = E R ) β E( R ) (4) Sendo: ( m T E ( R ) = = T0 + R (5) L e E ( Rm ) = Rm (6) L T = T0 + FAMA e al. (969: 4) propuseram a segune forma logarímca para ese modelo: LogR = α + β LogR + ε (7) m Segundo eles, esa forma de cálculo orna a dsrbução de reornos assmérca à drea em uma dsrbução smérca; e quando o méodo dos mínmos quadrados ordnáros (OLS) é ulzado para esmar α e β na equação 7, os resíduos amosras são bem comporados em relação aos pressuposos do modelo de regressão lnear smples. 6 O ermo de dsúrbo ε é nerpreado como uma medda do reorno anormal para aconsas deenores de ações no período. Consu-se de um reorno anormal, no sendo de que represena o desvo de um íulo de sua expecava de reorno, dado o reorno obdo pelo porfólo de mercado no mesmo período (DODD, 980). Caderno de Pesqusas em Admnsração, São Paulo, v. 0, nº 3, p. 0-0, julho/seembro 003 9

10 Marcos Anôno de Camargos e Francsco Vdal Barbosa O reorno anormal ( ) de qualquer avo fnancero pode ser obdo pela dferença enre a axa de reorno do avo (R ) e a axa de reorno prevsa ou esperada, de acordo com o modelo de esmação de reornos normas ulzados, dadas as esmavas α e β : = R α + β R ) (8) ( m Esses modelos são de naureza paramérca, em que as premssas específcas são feas sobre a dsrbução dos reornos anormas. Um Esudo de Eveno ambém pode ser complemenado por abordagens alernavas, de naureza não paramérca, que forneçam uma checagem da robuseza de suas conclusões. Enre esses eses não paramércos desacam-se os Teses de Snas e os Rank Tess ou Teses de Posção (MACKINLAY, 997). BROWN e WNER (980 e 985), comparando dferenes modelos, concluíram que não há melhoras sgnfcavas com a ulzação de meodologas mas sofscadas. O Modelo de Reorno Ajusado ao Mercado é o mas ulzado em pesqusas nore-amercanas e apresena um desempenho smlar ao dos modelos mas sofscados. De manera semelhane, em esudo com reornos mensas de ações negocadas na BOVESPA, KLOECKNER (995) concluu que é ndferene para o pesqusador opar por um ou ouro modelo gerador de reornos normas, sugerndo que a adoção de um modelo mas smples, como o Modelo de Reorno Ajusado ao Mercado, não acarrea prejuízos aos resulados e conclusões. 3.. Modelos Econômco-Fnanceros Os modelos econômcos obedecem, além de a esses pressuposos esaíscos, a resrções econômcas, o que lhes possbla calcular meddas mas precsas de reornos normas. Exemplos desses modelos econômcos seram o Capal Asse Prcng Model CAPM e a sua versão mulfaoral Arbrage Prcng Theory APT. Desenvolvdo por SHPE (964), LINTNER (965) e MOSSIN (966), o modelo CAPM esá baseado na eora de porfólos (careras) de MKOWITZ (95), que nha como quesão cenral enconrar melhores combnações de avos de mercado na formação de porfólos que maxmzassem o reorno para um dado nível de rsco (fronera efcene). O CAPM é um modelo que relacona a renabldade esperada de um avo ou de um porfólo de avos, consderando um mercado em equlíbro, com o rsco não dversfcável (de mercado), pelo coefcene bea (β), aravés da segune fórmula: E R ) = R + β [ E( R ) R ] (9) ( f m f onde: E( R ) é o reorno esperado de um íulo, R f é o reorno de um avo lvre de rsco, β é o rsco ssemáco do íulo dane do mercado e E( R m ) é o reorno esperado do porfólo de mercado. Nos modelos de deermnação de reornos normas que ulzam o CAPM, o reorno anormal ( ) pode ser obdo pressupondo-se que os reornos esperados (ex ane) sejam gerados por algum modelo de precfcação de avos fnanceros. BLACK (97) descreveu um modelo de precfcação de avos baseado no CAPM pela segune equação, na qual de um dado íulo é calculado por: [ R ( β ) + β R ] = R (30) z onde, R é o reorno observado da ação no período ; R m é a varação relava de um índce represenavo do porfólo eórco de mercado; R z é o reorno no período de um porfólo de varânca mínma; β é o coefcene bea do rsco ssemáco. Alernavamene, segundo KLOECKNER (995), a versão orgnal do CAPM pode ser empregada, ulzando-se no lugar de R z a axa de reornos lvre de rsco. O modelo APT fo desenvolvdo por ROSS (976). Esá baseado no pressuposo de que é mpossível dos porfólos lvres de rsco erem reornos esperados dferenes, uma vez que, caso haja dferença, esa é rapdamene elmnada pelo mecansmo da arbragem 7. Nese modelo, o prêmo de rsco é obdo pela soma lnear (de nclnação 7 O mecansmo da arbragem pode ser defndo como uma operação correva de uma rraconaldade momenânea dos preços no mercado, com reorno cero e rsco zero. m 0 Caderno de Pesqusas em Admnsração, São Paulo, v. 0, nº 3, p. 0-0, julho/seembro 003

11 Esudos de Eveno: eora e operaconalzação posva ou negava) do reorno esperado de um íulo ou avo com város faores (β s) mcro ou macroeconômcos que represenam o rsco de mercado. A grande desvanagem dese modelo é que ele não especfca quas são esses faores, o que orna dfícl a sua ulzação. O cálculo do reorno anormal ulzando o modelo APT apresena a segune fórmula: = R E( R ) + β F + β F +... β F + ε ) (3) ( k k sendo β o bea de um íulo relavo ao faor ulzado no modelo, e assm sucessvamene Procedmeno Trade-o-Trade Em razão da fala de lqudez de alguns íulos de mercados de capas como o braslero, é recomendável que seja adoado o Procedmeno Trade-o-Trade para soluconar possíves problemas de negocações nfreqüenes, conforme proposo por MAYNES e RUMSEY (993). O Procedmeno Trade-o-Trade despreza os das sem negocação, ulzando, assm, as axas de reorno efevamene observadas, com adapações dos processos de esmação e dos eses esaíscos. O reorno normal ( R, n ) ulzando ese procedmeno é obdo pela fórmula: P, = Ln P, n( n R, n (47) n ) na qual n P, é o preço da ação da empresa, no da poseror ao nervalo, ocorrdo desde a negocação aneror; P é preço da ação da empresa, no da, n( n ) aneror ao nervalo, ocorrdo desde a negocação aneror; n é o nervalo de empo decorrdo desde a negocação aneror. MAYNES e RAMSEY (993) examnaram, por meo de smulações, dferenes procedmenos (Lumped Reurn Procedure, Unform Reurn Procedure e Trade-o Trade Procedure) para medr o desempenho anormal próxmo aos evenos, quando íulos apresenam negocações nfreqüenes. Concluíram que os reornos obdos pelo Procedmeno Trade-o-Trade, assocados a Teses não paramércos de Posção (Rank Tes), levavam a conclusões mas correas para odos os níves de freqüênca de negocação, o que mosrou ser esse procedmeno superor aos demas. Segundo MAYNES e RAMSEY (993), o Modelo de Reorno Ajusado à Méda pode ser adapado pelo procedmeno Trade-o-Trade da segune manera:, n R, n Rm, n onde: = (3), n sãos os resíduos da empresa, no da, com n das decorrdos desde a úlma negocação; R, é o reorno calculado; n R, é o reorno rade-o-rade do índce de m n mercado correspondene aos das em que a ação da empresa fo negocada, com n das decorrdos desde a negocação aneror da empresa. O Modelo de Mercado pode ser adapado da segune forma:, n = R, n + α, n βrm, n ε, n (33) 0 Segundo esses auores, como o ermo de n dsúrbo ε, n é heerocedásco, com var = n σ, S 0 deve-se dvdr os parâmeros da regressão lnear pela raz quadrada de n. Segundo CORRADO (989), ulzando-se o procedmeno Trade-o-Trade, o Rank ese apresena desempenho superor ao ese para amosras com mas de 0 empresas e para casos em que as daas de eveno não se sobrepõem 8. 8 Para maores dealhes sobre os eses esaíscos, veja MAYNES e RAMSEY (993) e CORRADO (989). n S Caderno de Pesqusas em Admnsração, São Paulo, v. 0, nº 3, p. 0-0, julho/seembro 003

12 Marcos Anôno de Camargos e Francsco Vdal Barbosa 4. ESTUDOS DE EVENTO E A HIPÓTESE DA EFICIÊNCIA DE MERCADO (HEM) Os Esudos de Eveno são amplamene ulzados nos eses de aferção da efcênca do mercado em sua forma semfore, por fornecerem um ese dreo de efcênca, uma vez que os reornos anormas de íulos esascamene guas a zero que perssem após um po parcular de eveno são conssenes com a hpóese de que os preços se ajusam rapdamene às novas nformações. A Hpóese da Efcênca de Mercado fo esruurada por ROBERTS (967) e FAMA (970), os quas defnram rês formas de efcênca na operaconalzação da hpóese, consderando o subconjuno de nformações dsponíves, dferencando-as quano à relevânca no processo de precfcação de avos, conforme Tabela : Tabela : Formas de Efcênca de Mercado Forma Caraceríscas Nova Classfcação FAMA (99) O mercado ncorpora compleamene as nformações sobre os preços Fraca passados dos íulos. Iso é, reornos anormas (acma da méda de mercado) não poderam ser obdos com base nas expecavas de que os preços passados são bons snalzadores dos preços fuuros. Semfore Os preços refleem não apenas o hsórco do comporameno dos preços, como ambém oda nformação públca, as como balanços das companhas, noícas na mprensa, comuncados de faos relevanes, ec. Além das nformações menconadas anerormene (hsórco dos preços e Fore nformações públcas), os preços refleem as nformações não públcas (prvadas) Fone: Complado de FAMA (970, 99). Prevsbldade de Reornos Passados Esudos de Eveno Teses de Informação Prvada Segundo FAMA (99), o resulado ípco em Esudos de Eveno com dados dáros é os preços de ações aparenemene se ajusarem um da depos do anúnco do eveno. Ele pondera que, embora os preços, em méda, se ajusem rapdamene para nformações específcas de empresas, um resulado comum em esudos de eveno é o aumeno da dspersão dos reornos (medda pelas frmas na época do eveno) em das próxmos ao eveno. 5. ESTUDOS DE EVENTO NO MERCADO BRASILEIRO Na Tabela esão descras 5 pesqusas empírcas realzadas no mercado de capas braslero. Além delas, merecem desaque os rabalhos de KLOECKNER (995) e de SOES, ROSTAGNO e SOES (00), que analsaram a capacdade de deecção de anormaldade de dferenes modelos de cálculo de reornos normas com dados do mercado de capas braslero. KLOECKNER (995) realzou um esudo com reornos mensas de ações negocadas na BOVESPA, no qual analsou a nerferênca de modelos alernavos para a geração de reornos nos resulados obdos pelas pesqusas que ulzaram esse po de esudo, conclundo que os resulados seram ndferenes à escolha enre o Modelo de Mercado, o Modelo de Reornos Ajusados ao Mercado (mas não ao rsco) e o CAPM. SOES, ROSTAGNO e SOES (00) realzaram um esudo semelhane a ese, ulzando dados dáros. Os resulados aponaram uma maor efcáca do Modelo de Reornos Ajusados ao Rsco e ao Mercado, apesar de os rês modelos esados (Ajusado ao Mercado, Ajusado ao Rsco e ao Mercado e CAPM) serem capazes de capar a anormaldade nserda arfcalmene na pesqusa. Pela Tabela pode-se observar que uma das grandes vanagens dos Esudos de Eveno é a sua adapabldade a dferenes objevos, evenos e conexos nos quas são aplcados. Conforme desacado anerormene, alguns parâmeros, como a Caderno de Pesqusas em Admnsração, São Paulo, v. 0, nº 3, p. 0-0, julho/seembro 003

13 Esudos de Eveno: eora e operaconalzação janela de esmação, de eveno e de comparação, envolvem um cero grau de subjevdade e arbraredade por pare do pesqusador. Dependem do eveno esudado e dos objevos que se almejam com o uso da meodologa. Essa arbraredade pode ser vsualzada nos dferenes períodos ulzados pelas pesqusas analsadas. Da amosra de 5 pesqusas analsadas, observase uma predomnânca de esudos com dados dáros ( das 5). Não exse uma predomnânca de deermnado eveno na amosra. Foram os evenos analsados, com desaque para esudos com Demonsrações Conábes e para dvulgação de dvdendos aconáros, 4 e 3 respecvamene. Já em relação ao modelo de deermnação de reornos normas, a maora (8 das 5) ulzou o Modelo de Mercado. O movo aparene para essa predomnânca fo assnalado por BROWN e WNER (980, 985), que concluíram que o Modelo de Mercado apresena um desempenho lgeramene melhor quando a daa do eveno é de dfícl denfcação. Além dsso, algumas pesqusas ulzaram o procedmeno Trade-o-Trade (5 das 5) para elmnar possíves dsorções provocadas por íulos de negocações nfreqüenes em razão da baxa lqudez do mercado de capas braslero. E, analsando-se os seus objevos, noa-se que a maora eve por objevo mensurar a efcênca nformaconal (semfore) do mercado de capas braslero, so é, a velocdade e a precsão com que os preços se ajusaram quando da dvulgação dos evenos analsados. deermnação de reornos normas, desacando-se que o Modelo de Mercado apresena um desempenho lgeramene melhor quando a daa do eveno é de dfícl denfcação. A escolha de um modelo mas robuso esascamene ou economcamene dependerá do conexo e do pesqusador que esá empreendendo um Esudo de Eveno. Além dsso, os Esudos de Eveno apresenam a vanagem de serem adapáves a dferenes objevos, evenos e conexos nos quas são aplcados, e de possuírem alernavas esaíscas. Com base na amosra de 5 pesqusas descras, observa-se que nos Esudos de Eveno realzados no mercado de capas braslero predomnam esudos com dados dáros; não exse uma predomnânca de deermnado eveno; o modelo de deermnação de reornos normas mas ulzado é o Modelo de Mercado; algumas pesqusas ulzaram o procedmeno Trade-o-Trade para elmnar possíves dsorções provocadas por íulos de negocações; e a maora eve por objevo mensurar a efcênca nformaconal (semfore) do mercado de capas braslero. 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS Os Esudos de Eveno são amplamene ulzados em Fnanças, prncpalmene na aferção da efcênca nformaconal do mercado em sua forma semfore. Cenram-se na análse da exensão em que o desempenho dos preços de íulos em das próxmos a um eveno em sdo anormal. Nese argo foram descros sua operaconalzação, seus procedmenos, eapas, eses esaíscos, e apresenados de forma descrva alguns esudos realzados no mercado de capas braslero, para faclar o seu uso e enendmeno. Com base nos esudos de KLOECKNER (995), SOES, ROSTAGNO e SOES (00) e BROWN e WNER (980, 985), conclu-se que é ndferene a escolha enre os modelos de Caderno de Pesqusas em Admnsração, São Paulo, v. 0, nº 3, p. 0-0, julho/seembro 003 3

14 Marcos Anôno de Camargos e Francsco Vdal Barbosa Auor(es)/ Ano LEAL (988, 989) LEAL e AMAL (990) LEITE e SANVICENTE (99) SCHIEHLL (996) NAVRO (997) Período/ Dados Jan./ 8 a dez./ 85 (dáros) 978 a 987 (dáros) Jan. a abr. de 89 (dáros) Jan./ 87 a abr./ 95 (mensas) Jan./88 a dez./93 (semanas) Tabela : Esudos de Eveno no Mercado de Capas Braslero Objevos Descrever o comporameno dos preços no período aneror ao anúnco de um aumeno de capal, com base nas emssões públcas de ações. Mensurar o reorno ncal obdo pelos nvesdores, verfcar a relação do reorno ncal com as caraceríscas da emssão e examnar o desempenho pósemssão. Analsar a ulzação do valor parmonal da ação no processo de análse de nvesmeno no mercado e esar a sgnfcânca do seu coneúdo nformaconal. Invesgar se a dvulgação de Demonsrações Conábes de cas. de capal abero produz efeos no comporameno dos preços de suas ações no mercado. Esudar a nfluênca da rbuação ncdene sobre os dvdendos no mercado braslero de ações, ajusando reornos por níves de rsco ssemáco. Eveno Esudado Emssões Públcas de Ações Aberuras de Capal Demonsrações Conábes Demonsrações Conábes Dvdendos Modelo de Deermnação de Reornos Normas Méodo do Índce de Comparação (IC) Méodo do Índce de Comparação (IC) Modelo de Mercado Modelo de Mercado Modelo de Mercado Esmação, 5, 5, 30 e 60 das úes n. u. n. u. 30 pregões 00 meses 3 semanas (6 anos) eveno n. u. n. u a + 5 pregões - 4 a + 4 meses - a + (semanas) Comparação,, 3, 4, 5, 30, 60, 90, 80 e 60 das úes n. u. n. u. n. u. 4 Caderno de Pesqusas em Admnsração, São Paulo, v. 0, nº 3, p. 0-0, julho/seembro 003

15 Esudos de Eveno: eora e operaconalzação Auor(es)/ Ano HERRERA e PROCIANOY (998) VIEIRA e PROCIANOY (998) CORDEIRO, PEROBELLI e BEX (999) BUENO, BRAGA e ALMEIDA (000) PEROBELLI e NESS JR. (000) Período/ Dados Ou./88 a jun/96 (semanas) Jan./ 87 a ma./ 97 (dáros) Se./ 97 a jan./ 99 (dáros) Ma./ 95 a jan./ 98 (dáros) Jan./ 97 a ma./ 98 (dáros) Objevos Analsar os reornos das ações de empresas ex ane e ex pos o eveno da concordaa. Idenfcar a reação dos nvesdores à realzação de sock spls e sock dvdends de cas. aberas da BOVESPA, e buscar explcações para a perssênca desses evenos na hpóese de lqudez. Mosrar que o mercado aconáro braslero é efcene na condução da políca moneára. Invesgar a possbldade de ulzação de nformações prvadas anes de um anúnco de ofera de fusão ou aqusção, para a realzação de ganhos anormas. Analsar a efcênca nformaconal no mercado aconáro braslero, em sua forma semfore, a parr da observação de reações dos preços das ações à dvulgação de lucros rmesras que enham sdo superesmados ou subesmados. Eveno Esudado Anúnco de Concordaa Sock spls e sock dvdends Evenos Macroeconômcos Fusões & Aqusções Dvulgação de Lucros Trmesras Modelo de Deermnação de Reornos Normas Reorno Ajusado ao Mercado e Ajusado ao Rsco e ao Mercado com Trade-o-Trade Modelo de Mercado com Trade-o-Trade Reorno Ajusado à Méda Méodo do Índce de Comparação (IC) Reorno Ajusado ao Mercado Esmação 50 semanas 40 das úes das, 5, 0, 5 e 30 pregões eveno -0 a + 0 (das) - 30 a + 30 das - 0 a + -0 a + -7 a a a + 4 (das) Comparação 50 semanas n. u. 0 das n. u. n. u. 30 das - 9 a + 9 das n. u. Caderno de Pesqusas em Admnsração, São Paulo, v. 0, nº 3, p. 0-0, julho/seembro 003 5

16 Marcos Anôno de Camargos e Francsco Vdal Barbosa Auor(es)/ Ano HOLTHAUSEN e GALLI (00) PROCIANOY e ANTUNES (00) VIEIRA e PROCIANOY (00) Período/ Dados n. d. (dáros) Mar./ 989 a ago./ 999 (dáros) Jan./ 87 a ma./ 97 (dáros) Objevos Verfcar os reflexos, nas ações de cas. brasleras, do lançameno de ADR s, em relação ao valor de mercado, volaldade e performance ajusada ao rsco. Invesgar a nfluênca das decsões de nvesmeno sobre o valor da empresa, analsando se as varações do avo permanene e do moblzado, verfcadas nas demonsrações fnanceras, afeam o preço das ações negocadas na bolsa de valores. Idenfcar se a reação posva a bonfcações enconrada nos Esados Undos e em ouros países desenvolvdos ambém ocorre em alguns países da Amérca Lana; comparar os resulados obdos para nvesgar se a reação dos nvesdores dfere nos países esudados; e verfcar se para cada país as ações de bancos, seor mas represenavo da amosra, apresenam resulados dferenes dos demas seores. Eveno Esudado Lançameno de ADRs Demonsrações Conábes Bonfcações Modelo de Deermnação de Reornos Normas Reorno de Mercado com Trade-o-Trade Reorno de Mercado com Trade-o-Trade Reorno Ajusado ao Rsco e ao Mercado com Trade-o-Trade Esmação 50 pregões eveno - 40 a + 40 pregões 39 das - 5 a + 5 das n. u. 0 das úes - 30 a + 30 das Comparação 00 pregões n. u. 6 Caderno de Pesqusas em Admnsração, São Paulo, v. 0, nº 3, p. 0-0, julho/seembro 003

17 Esudos de Eveno: eora e operaconalzação Auor(es)/ Ano BERTUCCI, AMAL e GCIA (00) NOVIS NETO e SAITO (00) Período/ Dados Jul./ 94 a se./ 0 (dáros) Jan./98 a dez./ 00 (dáros) Objevos Invesgar os efeos sobre os preços de ações e se aspecos como o amanho da emssão e o fao da empresa expandr seu nível de aberura de nformações ao mercado conduzem a uma melhor avalação de suas ações quando do anúnco de subscrção de ações. Analsar emprcamene o comporameno dos preços das ações após o anúnco do pagameno de dvdendos. n. d. não dvulgado; n. u. não ulzou. Eveno Esudado Subscrção de Ações Pagameno de Dvdendos Modelo de Deermnação de Reornos Normas Modelo de Mercado Modelo de Mercado Esmação 60 das 90 das eveno - 0 a + 0 das - 0 a + 0 das Comparação n. u. 90 das Caderno de Pesqusas em Admnsração, São Paulo, v. 0, nº 3, p. 0-0, julho/seembro 003 7

18 Marcos Anôno de Camargos e Francsco Vdal Barbosa 7. REFERÊNCIAS ASHLEY, J. Sock prces and changes n earnngs and dvdends: some emprcal resuls. Journal of Polcal Economy, Chcago: Unversy of Chcago, v. 70, n., p. 8-85, 96. BALL, R.; BROWN, P. An emprcal evaluaon of accounng numbers. Journal of Accounng Research, Chcago: Unversy of Chcago, v. 6, n., p , Au BKER, C. Effecve sock spls. Harvard Busness Revew, New York: Harvard Unversy, v. 34, n., p. 0-06, Jan.-Feb Evaluaon of sock spls dvdends. Harvard Busness Revew, New York: Harvard Unversy, v. 36, n. 4, p. 99-4, July-Aug Sock spls n a bull marke. Harvard Busness Revew, New York: Harvard Unversy, v. 35, n. 3, p. 7-79, May-June 957. BERTUCCI, L. A.; AMAL, H. F.; GCIA, F. G. A esraéga de fnancameno com subscrções de ações: o caso de empresas brasleras. In: ENCONTRO NACIONAL DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, XIII, Anas... Ro de Janero: ENANGRAD, ago p. BLACK, F. Capal marke equlbrum wh resrced borrowng. Journal of Busness, Chcago: Unversy of Chcago, v. 45, n. 3, July 97. BROWN, S. J.; WNER, J. B. Measurng secury prce performance. Journal of Fnancal Economcs, Amserdam: Norh Holland, v. 8, n. 3, p , Sep BROWN, S. J.; WNER, J. B. Usng daly Sock Reurns. Journal of Fnancal Economcs, Amserdam: Norh Holland,v. 4, n., p. 3-3, Mar BUENO, A. F.; BRAGA, R. F. R.; ALMEIDA, R. J. Pesqusa sobre a efcênca nformaconal no mercado braslero nos casos de fusões e aqusções. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, XXIV, Anas... Floranópols: ANPAD, se p. CAMPBELL, J. Y.; LO, A. W.; MACKINLAY, A. C. The economercs of fnancal markes.. ed. New Jersey: Prnceon Unversy Press, p. CORDEIRO, F. F.; PEROBELLI, F. S.; BEX, M. A. Expecavas raconas e efcênca nformaconal: análse do mercado aconáro braslero num cenáro de regras no período In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, XXIII, Anas... Foz do Iguaçu: ANPAD, se p. CORRADO, C. J. A Nonparamerc Tes For Abnormal Secury-Prce Performance n Even Sudes. Journal of Fnancal Economcs, Amserdam: Norh Holland, v. 3, n. 3, p , Aug DODD, P. Merger proporsal, managemen dscron and sockholder wealh. Journal of Fnancal Economcs, Amserdam: Norh Holland, v. 8, n., p , June 980. DOLLEY, J. C. Characerscs and procedure of common sock spl-ups. Harvard Busness Revew, New York: Harvard Unversy, v., p , Apr FAMA, E. F. Effcen capal markes II. The Journal of Fnance, Chcago: Unversy of Chcago, v. 46, n. 5, p , Dec. 99. FAMA, E. F. Effcen capal markes: a revew of heory and emprcal work. The Journal of Fnance, Chcago: Unversy of Chcago, v. 5, n., p , May 970. FAMA, E. F.; FISCHER, L.; JENSEN, M. C.; ROLL, R. The adjusmen of sock prces o new nformaon. Inernaonal Economc Revew, Osaka: Unversy of Pennsylvana, v. 0, n., p. -, Feb GUJATI, D. N. Economera básca. São Paulo: Makron Books, 000. HERRERA, P.; PROCIANOY, J. Avalação dos Reornos das Ações das Empresas Concordaáras. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, XXII, Anas... Foz do Iguaçu: ANPAD, se p. 8 Caderno de Pesqusas em Admnsração, São Paulo, v. 0, nº 3, p. 0-0, julho/seembro 003

19 Esudos de Eveno: eora e operaconalzação HOLTHAUSEN, F. S; GALLI, O. C. Lançameno de DRs por empresas brasleras no mercado nore-amercano: valorzação de mercado, volaldade e performance ajusada ao rsco. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, XXV, Anas... Campnas: ANPAD, se p. KLOECKNER, G. O. Esudos de eveno: a análse de um méodo. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, XIX, Anas... João Pessoa: ANPAD, se p LEAL, R. P. C. Reornos anormas e snalzação nas aberuras de capal. Revsa Braslera do Mercado de Capas, Ro de Janero: Insuo Braslero de Mercado de Capas, v. 4, n. 40, p , 988/989. LEAL, R. P. C.; AMAL, A. S. Um momeno para o nsder radng: o período aneror ao anúnco de uma emssão públca de ações. Revsa Braslera do Mercado de Capas, Ro de Janero: Insuo Braslero de Mercado de Capas, v. 5, n. 4, p. -6, 990. LEITE, H.; SANVICENTE, A. Z. Valor parmonal: usos, abusos e coneúdo nformaconal. Revsa de Admnsração de Empresas, São Paulo: FGV, v. 30, n. 3, p. 7-3, jul.-se LINTNER, J. The valuaon of rsk asses and he selecon of rsky nvesmens n sock porfolos and capal budges. Revew of Economcs and Sascs, Amserdam: Elsever Scence Publshers, v. 47, n., p. 3-37, Feb MACKINLAY, A. C. Even sudes n economcs and fnance. Journal of Economc Leraure, Nashvlle: Amercan Economc Assocaon, v. 35, n., p. 3-39, Mar MKOWITZ, H. M. Porfolo selecon. The Journal of Fnance, Chcago: Unversy of Chcago, v. 7, n., p. 77-9, Mar. 95. MAYNES, E.; RUMSEY, J. Conducng even sudes wh hnky rade socks. Journal of Bankng and Fnance, Amserdam: Norh- Holland, v. 7, n., p , Feb MODIGLIANI, F.; MILLER, M. H. The cos of capal, corporae fnance and he heory of nvesmen. Amercan Economc Revew, Nashvlle: Amercan Economc Assocaon, v. 48, n. 3, p. 6-97, June 958. MOSSIN, J. Equlbrum n a capal asse marke. Economerca, Menasha: Economerc Socey, v. 34, n. 4, p , Oc MYERS, J.; BAKAY, A. Influence of sock splups on marke prce. Harvard Busness Revew, New York: Harvard Unversy, v. 6, n., p. 5-65, 948. NAVRO, P. O mpaco de formas soceáras sobre o valor das empresas de capal abero: o caso da ransformação de conglomerados fnanceros em bancos múlplos. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, XXI, Anas... Ro das Pedras: ANPAD, p. NOVIS NETO, J. A.; SAITO, R. Dvdend yelds e perssênca de reornos anormas das ações: evdênca do mercado braslero. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, XXVI, Anas... Salvador: ANPAD, se p. PEROBELLI, F. F. C.; NESS JR., W. Reações do mercado aconáro a varações nesperadas nos lucros das empresas: um esudo sobre a efcênca nformaconal no mercado braslero. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, XXIV, Anas... Floranópols: ANPAD, se p. PROCIANOY, J. L.; ANTUNES, M. A. Os efeos das decsões de nvesmeno das frmas sobre os preços de suas ações no mercado de capas. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, XXV, Anas... Campnas: ANPAD, se p. ROBERTS, H. Sascal versus clncal predcon of he sock marke. Unspublshed Work presened n he Conference of Secures Prce Analyss, Chcago, May 967. ROSS, S. A. The arbrage heory of capal asse prcng. Journal of Economc Theory, New Caderno de Pesqusas em Admnsração, São Paulo, v. 0, nº 3, p. 0-0, julho/seembro 003 9

20 Marcos Anôno de Camargos e Francsco Vdal Barbosa York: Academc Press, v. 3, n., p , Dec SCHIEHLL, E. O efeo da dvulgação das demonsrações conábes no mercado de capas braslero: um esudo sobre a varação no preço das ações. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, XX, Anas... Angra dos Res: ANPAD, se p SHPE, W. F. Capal asse prces: a heory of marke equlbrum under condons of rsk. The Journal of Fnance, Chcago: Unversy of Chcago, v. 9, n. 3, p , Sep SOES, R. O.; ROSTAGNO, L. M.; SOES, K. T. C. Esudo de eveno: o méodo e as formas de cálculo do reorno anormal. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, XXVI, Anas... Salvador: ANPAD, se p. VIEIRA, K. M.; PROCIANOY, J. L. Reação do mercado a sock spls e sock dvdends: um esudo de eveno e um ese para a hpóese de lqudez. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, XXII, Anas... Foz do Iguaçu: ANPAD, se p. VIEIRA, K. M.; PROCIANOY, J. L. Reação dos nvesdores a bonfcações: um esudo em países da Amérca Lana. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, XXV, Anas... Campnas: ANPAD, se p. 0 Caderno de Pesqusas em Admnsração, São Paulo, v. 0, nº 3, p. 0-0, julho/seembro 003

CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013. Padrão. Padrão. max i. I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4.

CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013. Padrão. Padrão. max i. I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4. CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013 Esabelece os procedmenos para o cálculo da parcela dos avos ponderados pelo rsco (RWA) referene às exposções sueas à varação de axas de uros prefxadas denomnadas

Leia mais

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. ECONOMETRIA Prof. Parca Mara Borolon. Sc. Modelos de ados em Panel Fone: GUJARATI;. N. Economera Básca: 4ª Edção. Ro de Janero. Elsever- Campus 006 efnções Geras Nos dados em panel a mesma undade de core

Leia mais

2 Programação Matemática Princípios Básicos

2 Programação Matemática Princípios Básicos Programação Maemáca Prncípos Báscos. Consderações Geras Os objevos dese capíulo são apresenar os conceos de Programação Maemáca (PM) necessáros à compreensão do processo de omzação de dmensões e descrever

Leia mais

MARKOV SWITCHING CAPM: UMA ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO DAS EMPRESAS GAÚCHAS EM RELAÇÃO AO MERCADO EM DIFERENTES AMBIENTES DE RISCO

MARKOV SWITCHING CAPM: UMA ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO DAS EMPRESAS GAÚCHAS EM RELAÇÃO AO MERCADO EM DIFERENTES AMBIENTES DE RISCO MARKOV SWITCHING CAPM: UMA ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO DAS EMPRESAS GAÚCHAS EM RELAÇÃO AO MERCADO EM DIFERENTES AMBIENTES DE RISCO Pedro Tonon Zuanazz 1 Marcos Vnco Wnk Junor 2 Resumo Um dos prncpas

Leia mais

Ricardo Ratner Rochman FGV-EAESP. William Eid Junior FGV-EAESP

Ricardo Ratner Rochman FGV-EAESP. William Eid Junior FGV-EAESP INSIDERS CONSEGUEM RETORNOS ANORMAIS?: ESTUDOS DE EVENTOS SOBRE AS OPERAÇÕES DE INSIDERS DAS EMPRESAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DIFERENCIADA DA BOVESPA Rcardo Raner Rochman FGV-EAESP Wllam Ed Junor FGV-EAESP

Leia mais

CAPÍTULO 1 REPRESENTAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS. Sistema monovariável SISO = Single Input Single Output. s 1 s 2. ... s n

CAPÍTULO 1 REPRESENTAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS. Sistema monovariável SISO = Single Input Single Output. s 1 s 2. ... s n 1 CAPÍTULO 1 REPREENTAÇÃO E CLAIFICAÇÃO DE ITEMA 1.1. Represenação de ssemas 1.1.1. semas com uma enrada e uma saída (IO) e sema monovarável IO = ngle Inpu ngle Oupu s e = enrada s = saída = ssema 1.1..

Leia mais

Análise comparativa e teste empírico da validade dos modelos CAPM tradicional e condicional: o caso das ações da Petrobrás

Análise comparativa e teste empírico da validade dos modelos CAPM tradicional e condicional: o caso das ações da Petrobrás Análse comparava e ese empírco da valdade dos modelos capm radconal e condconal: o caso das ações da Perobrás Análse comparava e ese empírco da valdade dos modelos CAPM radconal e condconal: o caso das

Leia mais

Interpolação e Extrapolação da Estrutura a Termo de Taxas de Juros para Utilização pelo Mercado Segurador Brasileiro

Interpolação e Extrapolação da Estrutura a Termo de Taxas de Juros para Utilização pelo Mercado Segurador Brasileiro Inerpolação e Exrapolação da Esruura a Termo de Taxas de Juros para Ulzação pelo Mercado Segurador Braslero Sergo Lus Frankln Jr. Thago Baraa Duare César da Rocha Neves + Eduardo Fraga L. de Melo ++ M.Sc.,

Leia mais

ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR MEIO DOS MODELOS CAPM NÃO-CONDICIONAL E CAPM CONDICIONAL

ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR MEIO DOS MODELOS CAPM NÃO-CONDICIONAL E CAPM CONDICIONAL ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR EIO DOS ODELOS CAP NÃO-CONDICIONAL E CAP CONDICIONAL (Cos of equy analyss n Brazl: Non-Condonal CAP and Condonal CAP) Lumla Souza Grol 1 1 Unversdade Federal

Leia mais

Análise do Desempenho dos Gestores de Fundos, baseada nas Transações e nas Participações das Carteiras

Análise do Desempenho dos Gestores de Fundos, baseada nas Transações e nas Participações das Carteiras Vâna Sofa Sequera Umbelno Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Dsseração de Mesrado apresenado à Faculdade de Economa da Unversdade de Combra

Leia mais

S&P Dow Jones Indices: Metodologia da matemática dos índices

S&P Dow Jones Indices: Metodologia da matemática dos índices S&P Dow Jones Indces: Meodologa da maemáca dos índces S&P Dow Jones Indces: Meodologa do índce Ouubro 2013 Índce Inrodução 3 Dferenes varedades de índces 3 O dvsor do índce 4 Índces ponderados por capalzação

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMPÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMPÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO AULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO SÃO AULO 28 THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMÍRICOS DA EFICIÊNCIA

Leia mais

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil BBR - Brazlan Busness Revew E-ISSN: 1807-734X bbronlne@bbronlne.com.br FUCAPE Busness School Brasl Fausno Maos, Paulo Rogéro; Texera da Rocha, José Alan Ações e Fundos de Invesmeno em Ações: Faores de

Leia mais

Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido.

Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. A Prevsão com o Modelo de Regressão.... Inrodução ao Modelo de Regressão.... Exemplos de Modelos Lneares... 3. Dervação dos Mínmos Quadrados no Modelo de Regressão... 6 4. A Naureza Probablísca do Modelo

Leia mais

Autoria: Josilmar Cordenonssi Cia

Autoria: Josilmar Cordenonssi Cia Uma Possível Solução para o Equy Premum Puzzle (EPP Auora: Joslmar Cordenonss Ca Resumo MEHRA e PRESCO (985 levanaram uma quesão que aé hoje não fo respondda de forma sasfaóra: o prêmo de rsco das ações

Leia mais

DINÂMICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS COM O FILTRO DE KALMAN

DINÂMICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS COM O FILTRO DE KALMAN XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DINÂICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COODITIES AGRÍCOLAS CO O FILTRO DE KALAN Flávo Pnhero Corsn (POLI-USP) flavo.corsn@gmal.com Celma de Olvera Rbero (POLI-USP)

Leia mais

PREVISIBILIDADE NO MERCADO DE COMMODITIES: UM ESTUDO APLICADO AO PREÇO DA SOJA NO BRASIL

PREVISIBILIDADE NO MERCADO DE COMMODITIES: UM ESTUDO APLICADO AO PREÇO DA SOJA NO BRASIL Salvador, BA, Brasl, 08 a de ouubro de 03. PREVISIBILIDADE O MERCADO DE COMMODITIES: UM ESTUDO APLICADO AO PREÇO DA SOJA O BRASIL Everon Anger Cavalhero (UFPEL ) ecavalhero@cvsm.com.br Kelmara Mendes Vera

Leia mais

ANEXO III. Nota Técnica nº 148/2010-SRE/ANEEL Brasília, 24 de maio de 2010.

ANEXO III. Nota Técnica nº 148/2010-SRE/ANEEL Brasília, 24 de maio de 2010. ANEXO III Noa Técnca nº 148/21-SRE/ANEEL Brasíla, 24 de mao de 21. M E T O D O L O G I A E Á L U L O D O F A T O R X ANEXO II Noa Técnca n o 148/21 SRE/ANEEL Em 24 de mao de 21. Processo nº 485.269/26-61

Leia mais

1. Introdução. B = S = Valor presente esperado dos superávits futuros (1) P

1. Introdução. B = S = Valor presente esperado dos superávits futuros (1) P . Inrodução A vsão radconal da deermnação do nível de preços é baseada na eora Quanava da Moeda. Segundo essa vsão o padrão de avdade real em uma economa mplca um cero nível desejado de encaxes moneáros

Leia mais

ipea COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA

ipea COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA Paulo Mansur Levy Mara Isabel Fernans Serra Esa noa em como objevo dvulgar resulados relavos ao comporameno das exporações e mporações produos ndusras

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PIMES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DOUTORADO EM ECONOMIA MARCOS ROBERTO GOIS DE OLIVEIRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PIMES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DOUTORADO EM ECONOMIA MARCOS ROBERTO GOIS DE OLIVEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PIMES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DOUTORADO EM ECONOMIA MARCOS ROBERTO GOIS DE OLIVEIRA GERENCIAMENTO DO RISCO DE MERCADO BASEADO NO VALUE AT RISK ESTÁTICO

Leia mais

3 Planejamento da Operação Energética no Brasil

3 Planejamento da Operação Energética no Brasil 3 Planeameno da Operação Energéca no Brasl 3.1 Aspecos Geras O ssema elérco braslero é composo por dos dferenes pos de ssemas: os ssemas solados, os quas predomnam na regão Nore do Brasl e represenam cerca

Leia mais

Arbitragem na Estrutura a Termo das Taxas de Juros: Uma Abordagem Bayesiana

Arbitragem na Estrutura a Termo das Taxas de Juros: Uma Abordagem Bayesiana Arbragem na Esruura a ermo das axas de Juros: Uma Abordagem Bayesana Márco Pole Laurn Armêno Das Wesn Neo Insper Workng Paper WPE: / Copyrgh Insper. odos os dreos reservados. É probda a reprodução parcal

Leia mais

A estrutura a termo de taxas de juros no Brasil: modelos, estimação, interpolação, extrapolação e testes

A estrutura a termo de taxas de juros no Brasil: modelos, estimação, interpolação, extrapolação e testes A esruura a ermo de axas de juros no Brasl: modelos, esmação, nerpolação, exrapolação e eses Sergo Lus Frankln Jr. Thago Baraa Duare César da Rocha Neves + Eduardo Fraga L. de Melo ++ M.Sc., SUSEP/CGSOA

Leia mais

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas.

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas. 1 INTRODUÇÃO E CONCEITOS INICIAIS 1.1 Mecânca É a pare da Físca que esuda os movmenos dos corpos. 1. -Cnemáca É a pare da mecânca que descreve os movmenos, sem se preocupar com suas causas. 1.3 - Pono

Leia mais

3 Teoria de imunização

3 Teoria de imunização 33 3 Teora de munzação Como fo vso, o LM é um gerencameno conuno de avos e passvos como o nuo de dmnur ou aé elmnar os rscos enfrenados pelas nsuções fnanceras. Deses rscos, o rsco de axa de uros represena

Leia mais

Impacto da Educação Defasada sobre a Criminalidade no Brasil: 2001-2005

Impacto da Educação Defasada sobre a Criminalidade no Brasil: 2001-2005 1 Impaco da Educação Defasada sobre a Crmnaldade no Brasl: 2001-2005 Evandro Camargos Texera Ana Lúca Kassouf Seembro, 2011 Workng Paper 010 Todos os dreos reservados. É probda a reprodução parcal ou negral

Leia mais

Denilson Ricardo de Lucena Nunes. Gestão de suprimentos no varejo

Denilson Ricardo de Lucena Nunes. Gestão de suprimentos no varejo Denlson Rcardo de Lucena Nunes Gesão de suprmenos no varejo semas de reposção de esoques em duas camadas e análse de esquemas de monorameno da prevsão de demanda Tese de Douorado Tese apresenada ao programa

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO

ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO Roque Passos Pvel Escola Polécnca da Unversdade de São Paulo - EPUSP Pedro Alem Sobrnho Escola Polécnca da Unversdade

Leia mais

ANÁLISE CONDICIONADA DA DEMANDA COM CORREÇÃO DE HETEROCEDASTICIDADE

ANÁLISE CONDICIONADA DA DEMANDA COM CORREÇÃO DE HETEROCEDASTICIDADE ANÁLISE CONDICIONADA DA DEMANDA COM CORREÇÃO DE HETEROCEDASTICIDADE Angela Crsna Morera da Slva UFRJ/COPPE - Unversdade Federal do Ro de Janero, Cenro de Tecnologa, Bloco F, sala 114, Cdade Unversára Ro

Leia mais

HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE

HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE Pesqusa Operaconal e o Desenvolvmeno Susenável 7 a /9/5, Gramado, RS HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE André Luís Shguemoo Faculdade de Engenhara Elérca e Compuação Unversdade Esadual

Leia mais

PROF. DR. JACQUES FACON LIMIARIZAÇÃO POR ENTROPIA DE WULU

PROF. DR. JACQUES FACON LIMIARIZAÇÃO POR ENTROPIA DE WULU 1 PUCPR- Ponfíca Unversdade Caólca Do Paraná PPGIA- Programa de Pós-Graduação Em Informáca Aplcada PROF. DR. JACQUES FACON IMIARIZAÇÃO POR ENTROPIA DE WUU Resumo: Uma nova écnca de marzação baseada em

Leia mais

EFEITOS DA MIGRAÇÃO PARA OS NÍVEIS DE GOVERNANÇA DA BOVESPA

EFEITOS DA MIGRAÇÃO PARA OS NÍVEIS DE GOVERNANÇA DA BOVESPA EFEITOS DA MIGRAÇÃO PARA OS NÍVEIS DE GOVERNANÇA DA BOVESPA TRABALHO PREPARADO PARA A BOVESPA Anono Gledson de Carvalho (esa versão: Janero/23) RESUMO Muo em-se ressalado sobre a mporânca de uma boa governança

Leia mais

Nota Técnica sobre a Circular nº 2.972, de 23 de março de 2000

Nota Técnica sobre a Circular nº 2.972, de 23 de março de 2000 Noa Técnca sobre a rcular nº 2.972, de 23 de março de 2000 Meodologa ulzada no processo de apuração do valor da volaldade padrão e do mulplcador para o da, dvulgados daramene pelo Banco enral do Brasl.

Leia mais

Palavras-Chave: Eficiência de Mercado, Modelo de Valor Presente, Testes de Cointegração em Painéis Dinâmicos.

Palavras-Chave: Eficiência de Mercado, Modelo de Valor Presente, Testes de Cointegração em Painéis Dinâmicos. TÍTULO: ANÁLISE DO MODELO DE VALOR PRESENTE ENTRE PREÇOS DAS AÇÕES E DIVIDENDOS PARA O MERCADO FINANCEIRO NO BRASIL: EVIDÊNCIA BASEADA NOS DADOS EM PAINEL DINÂMICO. Auora: Parca Maríla Rcomn e Almeda,

Leia mais

Avaliação Inter/Intra-regional de absorção e difusão tecnológica no Brasil: Uma abordagem não-paramétrica. AUTORES.

Avaliação Inter/Intra-regional de absorção e difusão tecnológica no Brasil: Uma abordagem não-paramétrica. AUTORES. Avalação Iner/Inra-regonal de absorção e dfusão ecnológca no Brasl: Uma abordagem não-paramérca. Palavras chave: Efcênca écnca Produvdade oal Varação ecnológca AUTORES Emerson Marnho ouor em Economa pela

Leia mais

Índice de Preços Imobiliários para o Brasil: Estudos para Discussão

Índice de Preços Imobiliários para o Brasil: Estudos para Discussão Mnséro do Planejameno, Orçameno e Gesão Insuo Braslero de Geografa e Esaísca IBGE Dreora de Pesqusas Coordenação de Índces de Preços Ssema Naconal de Índces de Preços ao Consumdor SNIPC Índce de Preços

Leia mais

Renda Básica da Cidadania versus Imposto de Renda Negativo: O Papel dos Custos de Focalização

Renda Básica da Cidadania versus Imposto de Renda Negativo: O Papel dos Custos de Focalização Renda Básca da Cdadana versus Imposo de Renda Negavo: O Papel dos Cusos de Focalzação Nelson Leão Paes Marcelo Leer Squera Re s u m o O presene argo procura comparar duas polícas socas alernavas de combae

Leia mais

Análise RFV do Cliente na Otimização de Estratégias de Marketing: Uma Abordagem por Algoritmos Genéticos

Análise RFV do Cliente na Otimização de Estratégias de Marketing: Uma Abordagem por Algoritmos Genéticos Análse RFV do Clene na Omzação de Esraégas de Markeng: Uma Abordagem por Algormos Genécos Anderson Gumarães de Pnho Ponfíca Unversdade Caólca do Ro de Janero Ro de Janero RJ Brasl agp.ne@gmal.com 1. Inrodução

Leia mais

Desconcentração e interiorização da economia fluminense na última década

Desconcentração e interiorização da economia fluminense na última década DSCONCNTRAÇÃO INTRIORIZAÇÃO DA CONOMIA FLUMINNS NA ÚLTIMA DÉCADA PAULO MARCLO SOUZA; NIRALDO JOSÉ PONCIANO; MARLON GOMS NY; HNRIQU TOMÉ MATA; UNIVRSIDAD FDRAL DA BAHIA SALVADOR - BA - BRASIL pmsouza@uenf.br

Leia mais

Belém Pará (Março de 2012)

Belém Pará (Março de 2012) Pardade Descobera da Taxa de Juros da Economa Braslera num Ambene de Crse Fnancera Mundal: Teora e Evdênca Empírca Davd Ferrera Carvalho(*) Resumo O argo em como propóso avalar o efeo da recene políca

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP OTIMIZAÇÃO DA

Leia mais

5 Apreçamento de ESOs com preço de exercício fixo

5 Apreçamento de ESOs com preço de exercício fixo 5 Apreçameno de ESOs com preço de exercíco fxo Ese capíulo rá explorar os prncpas modelos de apreçameno das ESOs ulzados hoje em da. Neses modelos a regra de decsão é esruurada em orno da maxmzação do

Leia mais

Agosto / 2014 Versão 2.16

Agosto / 2014 Versão 2.16 Agoso / 4 Versão.6 Todos os dreos reservados. Nenhuma pare dessa obra pode ser reproduzda em qualquer forma ou meo, seja elerônco, mecânco, de foocópa, ec, sem permssão do Safra, deenor do dreo auoral.

Leia mais

A Concorrência entre o Brasil. uma Aplicação do Modelo Constant-Market-Share*

A Concorrência entre o Brasil. uma Aplicação do Modelo Constant-Market-Share* A Concorrênca enre o Brasl e a Chna no ercado Sul-afrcano: uma Aplcação do odelo Consan-arke-Share* Arane Danelle Baraúna da Slva Álvaro Barranes Hdalgo 2 RESUO: O fore crescmeno da economa chnesa nos

Leia mais

Convergência e Formação de Clubes no Brasil sob a Hipótese de Heterogeneidade no Desenvolvimento Tecnológico

Convergência e Formação de Clubes no Brasil sob a Hipótese de Heterogeneidade no Desenvolvimento Tecnológico Convergênca e Formação de Clubes no Brasl sob a Hpóese de Heerogenedade no Desenvolvmeno Tecnológco Chrsano Penna Fabríco Lnhares RESUMO: Esse argo examna a exsênca de endêncas de crescmeno comuns e formação

Leia mais

Gripe: Época de gripe; actividade gripal; cálculo da linha de base e do respectivo intervalo de confiança a 95%; e área de actividade basal.

Gripe: Época de gripe; actividade gripal; cálculo da linha de base e do respectivo intervalo de confiança a 95%; e área de actividade basal. Grpe: Época de grpe; acvdade grpal; cálculo da lnha de ase e do respecvo nervalo de confança a 95%; e área de acvdade asal. ÉPOCA DE GRPE Para maor facldade de compreensão será desgnado por época de grpe

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA LEI KANDIR SOBRE A ARRECADAÇÃO DE ICMS NO ESTADO DO CEARÁ

AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA LEI KANDIR SOBRE A ARRECADAÇÃO DE ICMS NO ESTADO DO CEARÁ AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA LEI KANDIR SOBRE A ARRECADAÇÃO DE ICMS NO ESTADO DO CEARÁ Alejandro Magno Lma Leão Mesre em economa pelo CAEN Audor Fscal da Recea do Esado do Ceará Fabríco Carnero Lnhares Phd

Leia mais

ESTOQUE DE RIQUEZA E A POUPANÇA DO SETOR PRIVADO NO BRASIL 1970/95 *

ESTOQUE DE RIQUEZA E A POUPANÇA DO SETOR PRIVADO NO BRASIL 1970/95 * TEXTO PARA DISCUSSÃO N ο 572 ISSN 1415-4765 ESTOQUE DE RIQUEZA E A POUPANÇA DO SETOR PRIVADO NO BRASIL 1970/95 * Luclene Morand ** Ro de Janero, julho de 1998 * A esmação do esoque de rqueza nerna, angível

Leia mais

Gestão de uma Carteira de Activos de Produção de Energia Eléctrica

Gestão de uma Carteira de Activos de Produção de Energia Eléctrica Gesão de uma Carera de Acvos de Produção de Energa Elécrca Invesmeno na ópca da Teora da Carera Mara Margarda D Ávla Duro de Sousa e Slva Dsseração para a obenção do Grau de Mesre em Engenhara e Gesão

Leia mais

MECÂNICA CLÁSSICA. AULA N o 3. Lagrangeano Princípio da Mínima Ação Exemplos

MECÂNICA CLÁSSICA. AULA N o 3. Lagrangeano Princípio da Mínima Ação Exemplos MECÂNICA CÁSSICA AUA N o 3 agrangeano Prncípo da Mínma Ação Exemplos Todas as les da Físca êm uma esruura em comum: as les de uma parícula em movmeno sob a ação da gravdade, o movmeno dado pela equação

Leia mais

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA MODELO DE APOIO À DECISÃO PARA UM PROBLEMA DE POSICIONAMENTO DE BASES, ALOCAÇÃO E REALOCAÇÃO DE AMBULÂNCIAS EM CENTROS URBANOS: ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO RESUMO Ese argo apresena uma proposa

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS

A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS Nelson Leão Paes PIMES/UFPE Resumo Nese argo, ulzou-se um modelo de equlíbro geral dnâmco para esmar

Leia mais

FILTROS ATIVOS: UMA ABORDAGEM COMPARATIVA. Héctor Arango José Policarpo G. Abreu Adalberto Candido

FILTROS ATIVOS: UMA ABORDAGEM COMPARATIVA. Héctor Arango José Policarpo G. Abreu Adalberto Candido FILTROS ATIVOS: UMA ABORDAGEM COMPARATIVA Hécor Arango José Polcaro G. Abreu Adalbero Canddo Insuo de Engenhara Elérca - EFEI Av. BPS, 1303-37500-000 - Iajubá (MG) e-mal: arango@ee.efe.rmg.br Resumo -

Leia mais

A economia política dos fluxos de capitais brasileiros pós-plano Real. Title: The Political Economy of Brazilian Capital Flows after the Real Plan

A economia política dos fluxos de capitais brasileiros pós-plano Real. Title: The Political Economy of Brazilian Capital Flows after the Real Plan A economa políca dos fluxos de capas brasleros pós-plano Real Dvanldo Trches * Soraa Sanos da Slva ** Tle: The Polcal Economy of Brazlan Capal Flows afer he Real Plan RESUMO O presene esudo em como objevo

Leia mais

Despacho n.º 13/06. 2. A presente resolução entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. João Renato Lima Presidente do C.A.

Despacho n.º 13/06. 2. A presente resolução entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. João Renato Lima Presidente do C.A. Despacho n.º 13/06 De enre as arbuções da Agênca de Regulação Económca desaca-se a compeênca de fxar as arfas e os mecansmos de reajuses a serem pracados pela oncessonára do servço públco de ranse e dsrbução

Leia mais

Exemplo pág. 28. Aplicação da distribuição normal. Normal reduzida Z=(900 1200)/200= 1,5. Φ( z)=1 Φ(z)

Exemplo pág. 28. Aplicação da distribuição normal. Normal reduzida Z=(900 1200)/200= 1,5. Φ( z)=1 Φ(z) Exemplo pág. 28 Aplcação da dsrbução ormal Normal reduzda Z=(9 2)/2=,5 Φ( z)= Φ(z) Subsudo valores por recurso à abela da ormal:,9332 = Φ(z) Φ(z) =,668 Φ( z)= Φ(z) Φ(z) =,33 Φ(z) =,977 z = (8 2)/2 = 2

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações.

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações. A CONSTRUÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES POR INTERMÉDIO DO CAPM NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO: UM ESTUDO DE CASO PARA O PERÍODO 006-010 Rodrgo Augusto Vera (PROVIC/UEPG), Emerson Martns Hlgemberg (Orentador),

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INVESTIMENTOS EM DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SOB INCERTEZA REGULATÓRIA UTILIZANDO OPÇÕES REAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INVESTIMENTOS EM DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SOB INCERTEZA REGULATÓRIA UTILIZANDO OPÇÕES REAIS UNIRSIDAD FDRAL D ITAJUBÁ TS D DOUTORADO INSTIMNTOS M DISTRIBUIÇÃO D NRGIA LÉTRICA SOB INCRTZA RGULATÓRIA UTILIZANDO OPÇÕS RAIS JULIA CRISTINA CAMINHA NORONHA Tese apresenada ao Programa de Pós-Graduação

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

Renda Básica da Cidadania ou Imposto de Renda Negativo: Qual o Mais Eficiente no Combate a Pobreza?

Renda Básica da Cidadania ou Imposto de Renda Negativo: Qual o Mais Eficiente no Combate a Pobreza? Renda Básca da Cdadana ou Imposo de Renda Negavo: Qual o Mas Efcene no Combae a Pobreza? Auores Nelson Leão Paes Marcelo Leer Squera Ensao Sobre Pobreza Nº 12 Feverero de 2008 CAEN - UFC 1 Renda Básca

Leia mais

Crescimento do Produto Agropecuário Brasileiro: uma Aplicação do Vetor Auto-regressivo (VAR)

Crescimento do Produto Agropecuário Brasileiro: uma Aplicação do Vetor Auto-regressivo (VAR) Quesões Agráras, Educação no Campo e Desenvolvmeno CRESCIMENTO DO PRODUTO AGROPECUÁRIO: UMA APLICAÇÃO DO VETOR AUTO-REGRESSIVO (VAR) CARLOS ALBERTO GONÇALVES DA SILVA; LÉO DA ROCHA FERREIRA; PAULO FERNANDO

Leia mais

O MERCADO DE CÂMBIO E A TAXA DE CÂMBIO NA ECONOMIA BRASILEIRA: 1999 A 2007

O MERCADO DE CÂMBIO E A TAXA DE CÂMBIO NA ECONOMIA BRASILEIRA: 1999 A 2007 FRANCISCO CARLOS DA CUNHA CASSUCE O MERCADO DE CÂMBIO E A TAXA DE CÂMBIO NA ECONOMIA BRASILEIRA: 999 A 007 Tese apresenada à Unversdade Federal de Vçosa, como pare das exêncas do Prorama de Pós- Graduação

Leia mais

CIBRIUS INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE SOCIAL

CIBRIUS INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE SOCIAL CIBRIUS INSTITUTO CONAB SEGURIDA SOCIAL Plano ConabPrev (COM BASE NA PROPOSTA REGULAMENTO A SER SUBMETIDA A PREVIC Noa Técnca Auaral 060/13 (Refcada) Agoso/2015 1 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 5 2 GLOSSÁRIO...

Leia mais

Módulo 2: Métodos Numéricos. (problemas de valores iniciais e problemas de condições-fronteira)

Módulo 2: Métodos Numéricos. (problemas de valores iniciais e problemas de condições-fronteira) Módulo : Méodos Numércos Equações dferencas ordnáras problemas de valores ncas e problemas de condções-fronera Modelação Compuaconal de Maeras -5. Equações dferencas ordnáras - Inrodução Uma equação algébrca

Leia mais

Análise genética de escores de avaliação visual de bovinos com modelos bayesianos de limiar e linear

Análise genética de escores de avaliação visual de bovinos com modelos bayesianos de limiar e linear Análse genéca de escores de avalação vsual 835 Análse genéca de escores de avalação vsual de bovnos com modelos bayesanos de lmar e lnear Carna Ubrajara de Fara (1), Cláudo Ulhôa Magnabosco (2), Lúca Galvão

Leia mais

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 Paulo J. Körbes 2 Marcelo Marins Paganoi 3 RESUMO O objeivo dese esudo foi verificar se exise influência de evenos de vencimeno de conraos de opções sobre

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

CRESCIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE: O QUE ESTÁ FALTANDO PARA ENTENDER O ELO ENTRE ELES?

CRESCIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE: O QUE ESTÁ FALTANDO PARA ENTENDER O ELO ENTRE ELES? RESUMO CRESCIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE: O QUE ESTÁ FALTANDO PARA ENTENDER O ELO ENTRE ELES? Fábo Henrque Granja e Barros 1 Bernardo Mueller 2 Jorge Madera Noguera 3 Exse vasa leraura empírca ressalando

Leia mais

Esta monografia é dedicada a Letícia e aos meus pais, João e Adelangela

Esta monografia é dedicada a Letícia e aos meus pais, João e Adelangela Esa monografa é dedcada a Leíca e aos meus pas, João e Adelangela Agradecmenos Gosara de agradecer ao Prof. Vrgílo, pelo apoo e orenação dados durane ese e ouros rabalhos. Agradeço ambém a meus colegas

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY a 5 Novembro de 009 Recfe - PE GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL HIDROTERM

Leia mais

Otimização no Planejamento Agregado de Produção em Indústrias de Processamento de Suco Concentrado Congelado de Laranja

Otimização no Planejamento Agregado de Produção em Indústrias de Processamento de Suco Concentrado Congelado de Laranja Omzação no Planeameno Agregado de Produção em Indúsras de Processameno de Suco Concenrado Congelado de Larana José Renao Munhoz Crova Agro Indusral Lda., 15800-970, Caanduva, SP (ose.munhoz@crova.com)

Leia mais

Projeções de inflação

Projeções de inflação Projeções de nflação A experênca do Banco Cenral do Brasl Leonardo Po Perez Banco Cenral do Brasl Depep III Fórum Baano de Economa Aplcada Agoso de 23 Sumáro ) Inrodução Regme de Meas para Inflação no

Leia mais

CRESCIMENTO E DESIGUALDADE: PROSPERIDADE VERSUS ARMADILHAS DA POBREZA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DOS ESTADOS BRASILEIROS*

CRESCIMENTO E DESIGUALDADE: PROSPERIDADE VERSUS ARMADILHAS DA POBREZA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DOS ESTADOS BRASILEIROS* CRESCIMENTO E DESIGUALDADE: PROSPERIDADE VERSUS ARMADILHAS DA POBREZA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DOS ESTADOS BRASILEIROS* Renaa Couo Morera 1, Marcelo José Braga 2 e Slva Harum Toyoshma 3 Resumo: O problema

Leia mais

ESTIMAÇÃO DA VOLATILIDADE PARA A SÉRIE DO IBOVESPA: APLICAÇÃO DE MODELOS DE MEMÓRIA CURTA

ESTIMAÇÃO DA VOLATILIDADE PARA A SÉRIE DO IBOVESPA: APLICAÇÃO DE MODELOS DE MEMÓRIA CURTA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maurdade e desafos da Engenhara de Produção: compevdade das empresas, condções de rabalho, meo ambene. São Carlos, SP, Brasl, a5 de ouubro de. ESTIMAÇÃO

Leia mais

MOMENTO ÓTIMO PARA INVESTIR EM PROJETOS DE MINERAÇÃO: UMA ANÁLISE POR OPÇÕES REAIS E TEORIA DOS JOGOS

MOMENTO ÓTIMO PARA INVESTIR EM PROJETOS DE MINERAÇÃO: UMA ANÁLISE POR OPÇÕES REAIS E TEORIA DOS JOGOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ALEXANDRE DE CÁSSIO RODRIGUES MOMENTO ÓTIMO PARA INVESTIR EM PROJETOS DE MINERAÇÃO: UMA ANÁLISE POR OPÇÕES REAIS E TEORIA DOS JOGOS Belo Horzone MG 202 UNIVERSIDADE

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

CÁLCULO DE ÍNDICES DE CONFIABILIDADE EM SISTEMAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA USANDO UM ALGORITMO GENÉTICO MODIFICADO

CÁLCULO DE ÍNDICES DE CONFIABILIDADE EM SISTEMAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA USANDO UM ALGORITMO GENÉTICO MODIFICADO CÁLCULO DE ÍNDICES DE CONFIABILIDADE EM SISTEMAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA USANDO UM ALGORITMO GENÉTICO MODIFICADO RODRIGO ALBUQUERQUE, ANSELMO RODRIGUES, MARIA G. DA SILVA. Grupo de Ssemas de Poênca, Deparameno

Leia mais

7. FILTROS PASSIVOS E ATIVOS

7. FILTROS PASSIVOS E ATIVOS 7. FILTROS PASSIVOS E ATIVOS São esudadas nese capíulo esruuras de crcuos capazes de mgar o problema de dsorção de correnes e/ou ensões em ssemas elércos. Inca-se com os flros passvos, verfcando alguns

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

MODELOS PARA A PREVISÃO DE EVAPORAÇÃO EM RESERVATÓRIOS DE ÁGUA

MODELOS PARA A PREVISÃO DE EVAPORAÇÃO EM RESERVATÓRIOS DE ÁGUA MODELOS PARA A PREVISÃO DE EVAPORAÇÃO EM RESERVATÓRIOS DE ÁGUA André Luz Emdo de Abreu Cenro Unversáro Francscano FAE; Programa de Pós-Graduação em Méodos Numércos em Engenhara - UFPR FAE Rua 4 de mao

Leia mais

KEE WORDS: Exchange Rates, Parity, Purchasing Power, Gstav Cassel

KEE WORDS: Exchange Rates, Parity, Purchasing Power, Gstav Cassel [VIANNA, PEDRO JORGE; PARIDADE DO PODER DE COPRA: TEORIA OU ETODOLOGIA?]. Recfe. V Enconro de Economsas da Língua Poruguesa, 5-7 de novembro de 2003. TÍTULO: PARIDADE DO PODER DE COPRA: TEORIA OU ETODOLOGIA?

Leia mais

3 Análise de Demanda Condicionada

3 Análise de Demanda Condicionada 3 Análse de Demanda Condconada 3.1 Inrodução A análse Condconada da Demanda é uma écnca que quebra o consumo resdencal em pares, cada uma assocada a um uso fnal ou a um deermnado equpameno em parcular.

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

COLETÂNEA DAS EQUAÇÕES DE CHUVA DO BRASIL

COLETÂNEA DAS EQUAÇÕES DE CHUVA DO BRASIL COLETÂNEA DAS EQUAÇÕES DE CHUVA DO BASIL Aparecdo Vanderle Fes 1 ESUMO O conhecmeno do comporameno dos pcos das chuvas em dferenes regões do Brasl, assm como de ouros pases, orna-se mporane no projeo e

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

1- Testes Acelerados. Como nível usual entende-se o nível da variável stress a que o componente ou aparelho será submetido no dia-adia.

1- Testes Acelerados. Como nível usual entende-se o nível da variável stress a que o componente ou aparelho será submetido no dia-adia. - Teses Aelerados São de rande mporâna na ndúsra espealmene na ndúsra elero-elerôna em que eses de empos de vda demandam muo empo. (os produos são muo onfáves) Inorporação de uma arável-sress adonada a

Leia mais

Avaliação de Métodos de Interpolação do Sinal de Variabilidade da Freqüência Cardíaca

Avaliação de Métodos de Interpolação do Sinal de Variabilidade da Freqüência Cardíaca Avalação de Méodos de Inerolação do Snal de Varabldade da Freqüênca Cardíaca João Luz Azevedo de Carvalho, Oávo Sérgo de Araúo e Noguera, Adson Ferrera da Rocha, Francsco Asss de Olvera Nascmeno, João

Leia mais

INTRODUÇÃO AS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS PARCIAIS

INTRODUÇÃO AS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS PARCIAIS INTROUÇÃO S QUÇÕS IFRNIIS PRIIS. INTROUÇÃO Porqe esdar as qações ferencas Parcas? Smplesmene porqe a maora dos fenômenos físcos qe ocorrem na nareza são descros por eqações dferencas parcas como por eemplo:

Leia mais

Crescimento econômico e restrição externa: Um modelo de simulação pós-keynesiano

Crescimento econômico e restrição externa: Um modelo de simulação pós-keynesiano Crescmeno econômco e resrção exerna: Um modelo de smulação pós-keynesano Mara Isabel Busao 1 Maro Luz Possas 2 Resumo O argo busca dscur a dnâmca do crescmeno econômco das economas em desenvolvmeno a parr

Leia mais

defi departamento de física

defi departamento de física def deparameno de físca Laboraóros de Físca www.def.sep.pp.p Equações de Fresnel Insuo Superor de Engenhara do Poro Deparameno de Físca Rua Dr. Anóno Bernardno de Almeda, 431 400-07 Poro. Tel. 8 340 500.

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 81 UMA ANÁLISE DAS DISPARIDADES DE BEM-ESTAR ENTRE OS ESTADOS DO BRASIL

TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 81 UMA ANÁLISE DAS DISPARIDADES DE BEM-ESTAR ENTRE OS ESTADOS DO BRASIL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 81 UMA ANÁLISE DAS DISPARIDADES DE BEM-ESTAR

Leia mais

da rede são atualizados de acordo com a equação 2 [13]:

da rede são atualizados de acordo com a equação 2 [13]: LS-DRAUGHTS - UM SISTEMA DE ARENDIZAGEM ARA DAMAS COM GERAÇÃO AUTOMÁ- TICA DE CARACTERÍSTICAS HENRIQUE CASTRO NETO, RITA MARIA SILVA JULIA Faculdade de Compuação, Unversdade Federal de Uberlânda Av. João

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

Análises de ciclos econômicos no Brasil

Análises de ciclos econômicos no Brasil Análses de cclos econômcos no Brasl 1980-2009 Armando Vaz Sampao RESUMO - As sequêncas de expansões e conrações da avdade econômca são conhecdas como cclos econômcos e afeam odos os agenes econômcos. O

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais