Esta monografia é dedicada a Letícia e aos meus pais, João e Adelangela

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Esta monografia é dedicada a Letícia e aos meus pais, João e Adelangela"

Transcrição

1

2 Esa monografa é dedcada a Leíca e aos meus pas, João e Adelangela

3 Agradecmenos Gosara de agradecer ao Prof. Vrgílo, pelo apoo e orenação dados durane ese e ouros rabalhos. Agradeço ambém a meus colegas e amgos do Vsago, Cao, Leo, Moreo e Renao. Tenho a grande sasfação de rabalhar com eses, prncpalmene porque se o valor de nosso rabalho para a socedade braslera. Por fm, sou exremamene grao ao Prof. Salby, que ano apoo me deu durane o empo em que esve no Coppead.

4 GARCIA, EUARO SAGGIORO GESTÃO E ESTOUES NA CAEIA E SUPRIMENTOS [Ro de Janero] 003 (EI-POLI/UFRJ, Engenhara de Produção, 003) v p. 84 9,7 cm Projeo de Fm de Curso Unversdade Federal do Ro de Janero, Escola Polécnca, eparameno de Engenhara Indusral, Curso de Engenhara de Produção Pesqusa Operaconal, Logísca, 3 Cadea de Suprmenos v

5 Resumo do Projeo de Fm de Curso apresenado ao eparameno de Engenhara de Produção da Escola Polécnca do eparameno de Engenhara Indusral da Unversdade Federal do Ro de Janero como pare dos requsos necessáros para a obenção de grau de Engenhero de Produção. GESTÃO E ESTOUES NA CAEIA E SUPRIMENTOS Eduardo Saggoro Garca ezembro/003 Orenador: Vrglo José Marns Ferrera Flho Programa: Engenhara de Produção A proposa dese rabalho é apresenar conceos e modelos maemácos referenes à gesão de esoques. Prmeramene são apresenados conceos báscos da gesão de esoques, como prncpas decsões, funções e cusos. É ambém abordada a mporânca esraégca da gesão de esoques, denro de sua neração com fnanças, markeng e logísca negrada. Modelos maemácos deermníscos são enão apresenados. O loe econômco, algumas de suas prncpas exensões e modelos de programação maemáca são vsos nese conexo. Modelos probablíscos são a segur abordados. Polícas de esoque e modelos para deermnação de esoques de segurança são apresenados, além dos efeos da cenralzação dos esoques e aplcações de smulação Mone Carlo. Por úlmo, são dscudas as prncpas quesões relavas à gesão de esoques mul-elo e ao supply chan. Complexdades da cadea de suprmenos, polícas colaboravas e ecnologa da nformação são assm analsados. v

6 ÍNICE Capíulo Conceos Báscos e Imporânca da Gesão de Esoques.... Inrodução.... Gesão de Esoques, Markeng e Logísca Inegrada Gesão de Esoques e Fnanças Funções dos Esoques Cusos relavos à Gesão de Esoques Posconameno de Esoques Prncpas ecsões da Gesão de Esoques Classfcação ABC e Prorzação de Produos... Capíulo Modelos eermníscos...3. Inrodução...3. O Modelo de Loe Econômco Análse de Sensbldade do EO O Loe Econômco de Produção....5 Loe com esconos por uandade Loe com Backorder Permdo Loe com Inflação Compra Especulava Ressuprmeno Conjuno de Múlplos Iens Loe com Resrções...3. Modelos com emanda Varável no Tempo O Modelo CLSP (Capacaed Lo Szng Problem) O Modelo APP (Aggregae Producon Plannng)...37 Capíulo 3 Modelos Probablíscos e Polícas de Esoque Inrodução O Clássco Modelo do Newsvendor Conceos Báscos Relavos às Polícas de Esoques Políca <s,> Políca <R,S> Ouras Polícas Modelos com Parâmeros Varáves no Tempo Peças de Reposção e ouros Iens de Baxo Gro Cenralzação de Esoques e Efeo Porfolo Smulação de Polícas de Esoque...59 Capíulo 4 Gesão de Esoques Mul-Elo e Supply Chan Inrodução Complexdades da Cadea de Suprmenos: Efeo Chcoe e ouros Fenômenos Conraos e Polícas Colaboravas Tecnologa da Informação e Advanced Plannng Sysems Modelos Maemácos aplcados à Gesão de Esoques Mul-Elo...73 Bblografa...79 v

7 Capíulo Conceos Báscos e Imporânca da Gesão de Esoques. Inrodução O conceo de esoque é possvelmene claro para odos. esde o começo de sua hsóra a humandade em usado esoques de dferenes recursos, como almenos e ferramenas, para apoar sua sobrevvênca e desenvolvmeno. A gesão de esoques é assm um conceo amplamene dfunddo, esando presene em pracamene odo o po de organzação, aé mesmo no da-a-da das pessoas. No ambene empresaral, se por um lado baxos níves de esoque podem levar a perdas de economas de escala e alos cusos de fala de produos, por ouro lado o excesso de esoques represena cusos operaconas e de oporundade do capal empaado. Enconrar o melhor rade-off enre eses cusos não é em geral uma arefa smples. O aumeno da compeção global e da dferencação de produos, caracerzada pela prolferação do número de SKUs (Sock Keepng Uns), êm feo com que esa arefa se orne anda mas árdua. Companhas brasleras de cerveja, por exemplo, oferecam há poucas décadas apenas um po de produo, a garrafa de 600 ml. Hoje exsem dversos pos de cerveja e embalagens, sendo a gesão de esoques dessas empresas muo mas complexa. a mesma forma, monadoras de auomóves oferam nos das de hoje uma grande varedade de veículos, com dversas cores e acessóros, endo o clene possbldade de cusomzar seu peddo. Esa varedade era nmagnável anerormene, sendo a expressão clássca da nflexbldade da ndúsra de massa do século XX a frase do fundador da Ford Moor Company, Henry Ford, pode-se escolher o carro da cor que quser, conano que preo. Apesar de sua mporânca, complexdade e exensão, a gesão de esoques é anda neglgencada em muas empresas, sendo aé classfcada como uma quesão não esraégca e resrngda à omada de decsões em níves organzaconas mas baxos. Ouras empresas enreano já perceberam como a gesão de esoques pode razer Um SKU represena um produo com alguma dferencação, mesmo que esa seja mínma, como cor, embalagem, peso, ec.

8 vanagens compevas e esão nclusve olhando os esoques ao longo de oda a cadea de suprmenos da qual fazem pare. No que se refere às prácas de gesão de esoques exsenes nos das de hoje nas organzações, vê-se que esas vão de análses econômcas rebuscadas aé regras smplsas sem fundamenação eórca, que podem levar a soluções de baxa efcênca (Slver e al, 998). Em alguns casos, empresas que passaram a ver a poencaldade da gesão de esoques e enaram mudar radcalmene suas prácas obveram resulados pobres. Iso se deve ao fao de muas desas erem enado mplemenar soluções benchmark, como modernos ssemas de nformação, sem prmero analsar a adequação das mesmas aos seus ambenes de negócos, além de não verfcar se eram cumprdos os pressuposos necessáros para o bom funconameno dessas soluções. Ouro problema é que muas soluções de gesão de esoques se preocupam em omzar os dados exsenes, como por exemplo mnmzar a soma de um dado conjuno de cusos. Eses dados enreano não são conesados, apesar de poderem ser alerados em dversas suações. Um programa de melhora connua, por exemplo, podera reduzr os cusos logíscos, razendo melhores resulados que a smples omzação desses cusos sem uma préva conesação de seus valores. A proposa dese rabalho é porano apresenar conceos, modelos e aplcações da eora de gesão de esoques. O Capíulo apresena conceos geras e caracerza as nerações da gesão de esoques com aspecos esraégcos da admnsração de empresas, como markeng e fnanças. O Capíulo apresena modelos maemácos deermníscos aplcáves a um únco elo de uma cadea de suprmenos. O Capíulo 3 esende as déas do capíulo aneror ncorporando modelos maemácos probablíscos e apresenando as prncpas polícas de esoque. O Capíulo 4 apresena a problemáca da gesão de esoques mul-elo e da cadea de suprmenos. Apesar da fundamenação eórca esar foremene baseada em modelos maemácos, em-se que er sempre em mene que eses são smplfcações da realdade, devendo ser vsos como ferramenas de apoo à decsão que necessam ser negradas de forma snérgca com os faores humanos e os processos de rabalho de uma organzação.

9 . Gesão de Esoques, Markeng e Logísca Inegrada A logísca negrada pode ser vsa como o desdobrameno da função praça, um dos quaro elemenos fundamenas do markeng, como mosra LAMBERT e al (99). Esa represena o aendmeno da demanda, so é, er o produo desejado pelo clene no lugar cero e na hora cera. A logísca negrada pode ser decomposa em rês áreas prncpas: Logísca Inbound, represenando a gesão de suprmenos e a nerface da empresa com seus fornecedores; Logísca Indusral, represenando as operações de planejameno, programação e conrole da produção denro da empresa; Logísca Oubound, represenando a dsrbução físca de produos e a nerface da empresa com seus clenes. Junas esas rês áreas formam o processo de aendmeno da demanda e presação de servço ao clene, desde a compra de maéras-prmas aé a enrega de produos acabados. A gesão de esoques, em neração com o ranspore e a armazenagem, é uma função fundamenal da logísca negrada. Uma gesão efeva de esoques é aquela que garane o nível de servço desejado com o mínmo cuso logísco oal. A fgura. lusra a relação enre markeng, logísca negrada e gesão de esoques. 3

10 Produo Markeng Mx Preço Promoção Praça Logísca Inbound Logísca Oubound Logísca Inegrada Gesão de Esoques Gesão de Transpore Gesão de Armazenagem Logísca Indusral Fgura. Relação enre Markeng, Logísca Inegrada e Gesão de Esoques.3 Gesão de Esoques e Fnanças Os demonsravos conábes usuas, como o Balanço Parmonal e a RE (emonsração de Resulados do Exercíco), são nsrumenos fracos para avalar a performance das operações logísca de uma companha, nclundo a gesão de esoques (Bowersox e al, 996). Enreano, o efeo dos esoques na lucravdade pode ser vso em alguns ndcadores fnanceros, como ROI (Reurn on Invesmen) e EVA (Economc Value Added). ROI é defndo como a razão enre o lucro lqudo e o avo oal. Como os esoques fazem pare do avo crculane, a dmnução dos níves de esoque leva ao aumeno do ROI. A fgura. lusra a lógca por rás do ROI, como vso em Gman, 997. RECEITAS CUSTOS ( - ) 4 LUCRO ESTOUES ( / ) ROI

11 Fgura. Ilusração do Cálculo do ROI Ouros faores relavos à gesão de esoques ambém esão presenes no cálculo do ROI, porém de uma forma menos clara. Perdas de venda ocasonadas pela fala de esoques reduzem as receas, fazendo com que o ROI caa ambém. a mesma forma, operações logíscas não omzadas levam ao aumeno de cusos, reduzndo o lucro e conseqüenemene o ROI. EVA é ouro ndcador de desempenho fnancero nfluencado pelos níves de esoque. Ese é meddo pela dferença enre o lucro líqudo e o cuso de capal, podendo ese úlmo ser calculado pelo capal nvesdo pela empresa mulplcado por seu WACC (Weghed Average Cos of Capal). O WACC é dado pela segune expressão: WACC E f β + E ( r + ( r r )) + r ( Tx) m f + E d (.) Sendo E o parmôno líqudo da empresa, os débos da mesma com erceros, r f a axa de reorno lvre de rsco, r m a axa méda de reorno do mercado, β o coefcene bea da empresa (uma medda de rsco fnancero), r d a axa méda de pagameno de juros ao capal de erceros e Tx a alíquoa de mposos. Para o cálculo do cuso de capal, deve-se consderar o capal nvesdo pela empresa como a soma de E e, ou seja, seu capal própro (parmôno lqudo) mas 5

12 seu débo com erceros. Os esoques são uma das possíves aplcações de capal da empresa, e porano quano menores forem os níves de esoque, maor será o EVA..4 Funções dos Esoques Exsem dversas razões para se maner esoques, esando esas agrupadas em cnco funções prncpas: esoque de cclo, esoque de segurança, esoque de coordenação, esoque especulavo e esoque em rânso. Esoques de cclo exsem por causa das possbldades de economas de escala no processo de ressuprmeno, o que faz com que seja vanajoso ordenar em loes com mas de uma undade. Uma economa de escala é caracerzada pelo fao de que quano maor a quandade ordenada, menor é o cuso de peddo por undade de produo. Exemplos de faores que levam a esas economas de escala são cusos fxos de ranspore, cusos fxos de emssão de ordens e recebmeno de peddos, desconos por quandade, cusos de se-up (preparação de máqunas no chão-de-fábrca), denre ouros. Por exemplo, se um varejsa ncorre em cusos fxos de emssão de ordens e ranspore por cada peddo realzado, deve ser neressane ordenar em grandes loes, dlundo eses cusos fxos por um maor número de undades de produo. e forma semelhane, se para produzr um deermnado em um fabrcane gasa alos empos de se-up em uma máquna, deve ser convenene produzr muos ens de uma vez, reduzndo o número oal de se-ups por período. Esoques de segurança são mandos para proeger uma organzação de ncerezas em suas operações logíscas. emanda dos clenes, lead mes (empos de ressuprmeno) e quandades recebdas são exemplos de faores que podem apresenar varações mprevsas. Os esoques de segurança ambém evam que problemas nesperados em uma operação produva ou mesmo em um elo da cadea de suprmenos nerrompam as avdades sucessvas de aendmeno da demanda. Em uma fábrca, se uma máquna quebrar, a exsênca de esoques de segurança eva que o processo produvo pare, almenando as máqunas subseqüenes durane o reparo. Esoques de coordenação são usados em casos nos quas é mpossível coordenar suprmeno e demanda. Por exemplo, seja um fabrcane com capacdade máxma para produzr a uma axa de 000 undades/mês e, em razão de faores sazonas, a demanda 6

13 ocorre nos oo prmeros meses do ano a uma axa de 500 undades/mês e nos úlmos quaro meses a uma axa de 500 undades/mês. Ese fabrcane deve assm produzr 500 undades/mês nos prmeros quaro meses do ano e 000 undades/mês nos meses sucessvos para garanr o aendmeno da demanda. O esoque de coordenação sera formado a parr do quno mês (quando a produção passasse para 000 undades enquano a demanda fosse anda de 500 undades), e começara a ser consumdo a parr do nono mês. Em alguns casos, o esoque de coordenação é ambém conhecdo como esoque pulmão ou de anecpação. Esoques especulavos exsem em razão de varações de preço no mercado. Uma empresa pode comprar grandes quandades de um produo específco se é esperado que seu preço suba no curo prazo. Ese po de esoque é comum em economas nflaconáras. Esoques em rânso são esoques ao longo dos canas de dsrbução, exsenes em razão da necessdade de se levar um em de um lugar para ouro. Eses são funções dos lead mes enre os elos de uma cadea de suprmenos..5 Cusos relavos à Gesão de Esoques Os prncpas cusos assocados à gesão de esoques podem ser dvddos em rês áreas prncpas: cusos de peddo, cusos de manuenção de esoques e cusos de fala. Cusos de peddo são cusos referenes a uma ordem de ressuprmeno, podendo ser ano fxos quano varáves. O exemplo prncpal de cuso varável é o preço unáro de compra dos ens peddos. Já os cusos fxos assocados a um peddo são free, envo da ordem, recebmeno e nspeção, denre ouros. Cusos de manuenção de esoques são cusos proporconas à quandade esocada e ao empo que esa permanece em esoque. Um dos cusos de esoque mas relevanes é o cuso de oporundade do capal. Ese represena a perda de recea por er o capal nvesdo em esoques ao nvés de oura avdade econômca, como íulos do governo e ações. Uma abordagem para calcular a axa de oporundade do capal é o WACC, apresenado na equação. (Chopra e al, 00). Ouros cusos relavos à manuenção de esoques são manuseo de maeras, uso de espaço, seguros, 7

14 obsolescênca e perecbldade. Uma smplfcação usual é consderar o cuso de manuenção de esoques de um produo como uma fração de seu valor unáro. Cusos de fala são cusos ncorrdos quando não há esoque sufcene para sasfazer a demanda do clene em um dado nsane de empo. Alguns exemplos são perdas de venda, deeroração de magem, pagameno de mulas conrauas, perda de marke share, reprogramação de avdades e uso de planos de conngênca, como ranspore premum..6 Posconameno de Esoques Esoques podem esar presenes em dferenes eapas do processo de aendmeno da demanda de uma empresa. Exsem assm esoques na forma, de maéras-prmas, sem-acabados (ambém conhecdos como WIP, Work-n-Process) e produos acabados. Os níves de esoque em cada eságo dependem de caraceríscas operaconas nernas à empresa e do empo em que os clenes aceam esperar para er suas demandas aenddas. A fgura.3, baseada em SLACK e al (997), lusra dferenes suações. Comprar Fazer Enregar Tempo de Processo Tempo do Clene Tempo 8 de Enregar

15 Fgura.3 Tempo de Processo e Tempo do Clene O empo do clene é o empo que os clenes da empresa aceam esperar para er o produo, sem gerar cusos relaconados a falas e arasos. O empo do processo é composo dos empos de aqusção de maeras, ransformação nerna e dsrbução de produos acabados, sendo dependene da organzação nerna e das ecnologas usadas pela empresa. Se o empo do clene é menor que a soma dos empos de enregar e fazer, enão a empresa deve operar em uma lógca do po make-o-sock (MTS), so é, são mandos esoques de produos acabados. Prevsões de demanda são necessáras para deermnar o aconameno das operações de produção e compra. Se o empo do clene é maor que a soma dos empos de fazer e enregar, mas menor que o empo de processo, enão uma lógca do po make-o-order (MTO) deve ser usada, ou seja, a empresa só precsa maner maéras-prmas em esoque, ncando suas operações de produção apenas quando as ordens dos clenes chegarem. Não há necessdade de er esoques de produos acabados nesa suação. Um caso exremo é quando o empo do clene é maor que o empo oal de processo. Nese caso, que é por vezes assocado a uma lógca engneer-o-order (ETO), não há necessdade de se maner esoques em nenhuma operação. Esa suação é comum no processo de aendmeno da demanda de produos exremamene cusomzados e de alo cuso, como navos, avões e plaaformas de peróleo, dando a ordem do clene níco ao projeo do produo demandado. 9

16 Exsem ambém alguns ouros casos. Um deles é quando o empo do clene esá enre o empo de enregar e a soma dos empos de enregar e fazer. A empresa precsa maner assm sem-acabados em esoque, podendo usar uma lógca do po assemble-o-order (ATO), so é, a produção é fnalzada quando chega a ordem do clene. As lógcas apresenadas podem ser esenddas para oda a cadea de suprmenos. Enquano alguns elos rabalham com lógcas MTO e ATO, ouros êm que operar no MTS. Um produor de navos, por exemplo, pode operar em um ETO, não endo que maner pracamene nenhum em em esoque. Enquano sso, seu fornecedor de aço é obrgado a er esoque a mão sempre, senão o processo de aendmeno da demanda do consumdor fnal sera compromedo. Nese sendo, uma empresa pode consegur rabalhar com pouco ou nenhum esoque em suas operações, mas é pracamene cero que ouros elos de sua cadea de suprmenos ncorram em cusos de manuenção de esoques..7 Prncpas ecsões da Gesão de Esoques Os gesores de logísca devem consanemene ldar com decsões referenes a compras, produção e dsrbução. Algumas das decsões mas mporanes são: uano pedr: odo peddo de ressuprmeno deve especfcar a quandade requerda, endo como base demandas fuuras esperadas, resrções de suprmeno, desconos exsenes e cusos envolvdos; uando pedr: o empo exao de emr uma nova ordem é deermnado pelo parâmero pono de peddo, que depende do lead me de ressuprmeno, da demanda esperada e do nível de esoque de segurança; Com que freqüênca revsar os níves de esoque: os níves de esoque podem ser revsados connuamene ou perodcamene, dependendo da ecnologa presene e dos cusos de revsão, denre ouros faores; Onde localzar os esoques: se uma empresa pode esocar seus produos em mas de uma nsalação, decsões de localzação devem ser omadas, como por exemplo maner produos acabados em armazéns pequenos próxmos aos clenes ou em um armazém cenral, o que depende dos cusos de 0

17 dsrbução, resrções de servço, cusos de esoque, cusos das nsalações, ec; Como conrolar o ssema: a ulzação de ndcadores de desempenho e o monorameno das operações devem esar presenes para apoar meddas correvas e ações de conngênca se o ssema logísco esver fora de conrole ou operando com baxa performance. A complexdade na omada de decsões aumena rapdamene com o aumeno do número de SKUs e de nsalações. ese modo, enconrar uma solução óma exaa para o ssema logísco se orna por vezes nvável, sendo convenene o uso de regras aproxmadas. Enreano, muas das regras usadas em suações reas são míopes e smplsas, não avalando correamene os rade-offs de cusos exsenes e as caraceríscas específcas de dferenes produos, o que pode resular em perdas consderáves para a empresa. A ulzação de procedmenos de classfcação para crar grupos de produos, deermnando regras de decsão comuns para SKUs perencenes a um mesmo grupo, é em geral uma abordagem válda para reduzr a complexdade do problema, devendo porém ser usada com cudado..8 Classfcação ABC e Prorzação de Produos Uma abordagem usual para o agrupameno de SKUs é a classfcação ABC. Esa é baseada na le de Pareo, que dz que em muas suações uma pequena pare de um grupo represena a maor pare de uma cera caracerísca. Um exemplo clássco é a renda da população: nos casos esudados por Pareo, consaou-se que apenas 0% da população denha 80% da renda oal por esse movo, a le de Pareo é ambém chamada regra 80/0. Na gesão de esoques é comum agrupar os SKUs com base na demanda anual em valor (consumo anual do em meddo por seu valor moneáro). Os ens classe A seram assm os 0% represenando 80% da demanda anual em valor, os classe B seram os próxmos 30% represenando 5% da demanda anual em valor e os classe C seram os 50% resanes represenando 5% da demanda anual em valor. A fgura.4 lusra ese exemplo. oal em Valor 00 80

18 Fgura.4 Classfcação ABC baseada na emanda Anual em Valor Muos ouros créros podem ser usados para agrupar os SKUs, como valor em esoque, gro, consumo de recursos, crcdade para as operações, ec. Uma déa dessas classfcações é prorzar a gesão de alguns SKUs com base em um ou mas créros. A classfcação ABC pode ambém servr como ferramena de auxílo a programas de melhora conínua, endo em vsa que esa ndca quas ens represenam a maor pare das nefcêncas. Uma classfcação ABC baseada no valor em esoque pode por exemplo ndcar quas SKUs esão gerando os maores cusos de manuenção de esoques. Os gesores concenraram assm seus esforços prmeramene nos ens classe A. Méodos de gesão de esoques mas sofscados, que requerem mas pessoal qualfcado e recursos compuaconas, deveram ser usados para eses ens, enquano regras mas smples e de menor cuso seram usadas para os ouros SKUs. A classfcação ABC ambém é usada para classfcar clenes e fornecedores. Por exemplo, clenes classe A, classfcados de acordo com as receas geradas, poderam ser prorzados em empo de enrega e dsponbldade de produos. a mesma forma, os fornecedores mas mporanes poderam ser prorzados em programas de parcera e negração da cadea de suprmenos.

19 Capíulo Modelos eermníscos. Inrodução Os pressuposos consderados na formulação de modelos maemácos deermníscos aplcados à gesão de esoques podem parecer muo dsanes da realdade. Apenas o fao de não consderar varáves aleaóras já sera uma boa razão para conesar a valdade desses modelos, endo em vsa que ncerezas esão presenes no ambene operaconal de pracamene qualquer organzação. No enano, modelos deermníscos são úes em muas suações reas para auxlar no apoo a decsões de gesão de esoques. Mesmo não consderando odas as complexdades do ssema logísco de uma empresa, eses modelos se consuem em uma abordagem robusa para avalar os rade-offs de cusos exsenes, ajudando os omadores de decsão a resolver e enender pelo menos pare de seus problemas. Modelos deermníscos ambém podem ser usados como blocos de modelos mas complexos, sendo conjugados com modelos probablíscos para se ornarem mas aderenes à realdade. Uma vanagem dos modelos deermníscos é, em geral, sua fácl mplemenação e ulzação, já que muos deses são baseados apenas em fórmulas analícas smples. essa forma, eses modelos podem ser faclmene paramerzados em planlhas elerôncas usuas. Ese capíulo apresena os prncpas modelos deermníscos aplcados à gesão de esoques. Prmeramene, é apresenado o clássco modelo de Loe Econômco, ambém chamado de EO (Economc Order uany). Apesar dos quase 00 anos de sua prmera formulação, ese modelo e suas exensões são anda capazes de apoar decsões em muas suações reas, além de serem a base para o desenvolvmeno de modelos mas complexos. Modelos de omzação baseados em programação maemáca e méodos aproxmados (heuríscas) são ambém abordados como ferramenas de supore à gesão de esoques. 3

20 . O Modelo de Loe Econômco O clássco modelo de loe econômco (EO, Economc Order uany) fo prmeramene apresenada por Ford Harrs em 93, um resulado de seu rabalho na Wesnghouse Corporaon. Ese fcou ambém conhecdo como loe de Wlson, em referênca ao nome do consulor que o mplemenou em muas empresas. Os prncpas pressuposos da formulação clássca do EO são: ) A demanda é deermnísca, consane e conínua; ) O lead me de ressuprmeno é deermnísco e consane; 3) Falas de produos e backorders (enregas com araso) não são permdas; 4) Cusos de peddo e de esoque são ndependenes do amanho da ordem (não exsem por exemplo desconos por quandade) e não varam no empo; 5) O peddo chega compleo em um únco nsane de empo; 6) Iens dversos são peddos de forma ndependene, ou seja, não são consderadas possbldades de um peddo com város ens; 7) Não exsem resrções, como espaço de armazenagem e capacdade de ranspore. Com base neses pressuposos, os níves de esoque podem ser represenados por um gráfco dene-de-serra, como mosra a fgura.. Uma quandade é ordenada sempre que o esoque ange o nível de s undades, chamado pono de peddo. Após o lead me de ressuprmeno L, o peddo chega e é consumdo connuamene aé que o esoque anja novamene s undades. Ese cclo do peddo é assm repedo ndefndamene. 4

21 Esoque s Tempo L Cclo do Peddo Fgura. Gráfco ene-de-serra baseado nos Pressuposos do EO Já que a demanda e o lead me são parâmeros deermníscos, a decsão de quando pedr um novo ressuprmeno é rval: o pono de peddo s é calculado como a demanda por undade de empo mulplcada pelo lead me. O problema é quano pedr. Um alo resula em alos níves de esoque e poucas ordens por período, enquano um pequeno resula em baxos níves de esoque e muas ordens por período. essa forma, para um dado horzone de empo, o cuso de esoque aumena e o cuso de peddos dmnu com o aumeno de. A proposa do EO é resolver ese rade-off, enconrando o que mnmza o cuso oal. Consderando um período de amanho T, a modelagem dos cusos para um em genérco é a segur descra: CP CE h ( F + v) (.) (.) CT CE + CP (.3) 5

22 Sendo: CE Cuso de esoque por período T ($ / T); CP Cuso de peddos por período T ($ / T); CT Cuso oal referene ao ressuprmeno do em por período T ($ / T); Tamanho do loe de ressuprmeno (undades do em); emanda por período T (undades do em / T); h Cuso de manuenção de esoques por undade esocada por período T ($ / undades do em x T); F Cuso fxo ncorrdo por peddo realzado ($); v Cuso varável por undade pedda ($ / undade do em). O cuso de esoque CE é proporconal à quandade méda em esoque no empo T. Com base no gráfco dene-de-serra da fgura., pode-se demonsrar faclmene que o esoque médo é gual ao loe de ressuprmeno dvddo por (Lee e Nahmas, 993). O cuso de um peddo, como descro na seção.5, coném uma pare fxa e oura varável. A dvsão de por ndca o número oal de peddos a serem realzados por período T. Obém-se assm o cuso de peddos CP mulplcando o número oal de peddos em T pelo cuso de um peddo de amanho. A fgura. mosra os cusos apresenados como funções de. Pode ser vso que exse um únco valor de que mnmza a função de cuso oal CT. o pono de vsa maemáco dz-se que CT é convexo em, so é, o valor ómo * ocorre em um pono de dervada gual a zero. 6

23 $ CT CE CP * Fgura. Cusos como Funções do Loe de Ressuprmeno Usando cálculo básco, em-se: CT h F (.4) CT F * 0 h (.5) CT F 3 > 0, (.6) A dervada prmera de CT em, gualando a expressão resulane a zero, leva à expressão analíca de *. Já a dervada segunda de CT em (equação.6) serve para confrmar que * é um pono de mínmo, ou seja, seu valor mnmza o cuso oal CT. O loe econômco EO é assm dado pela expressão obda para *. F EO h (.7) Vê-se pela equação.7 que o EO é função de rês parâmeros: demanda por período, cuso fxo por peddo e cuso unáro de manuenção de esoques por período. uano maor for o cuso fxo por peddo F, maor será o EO, endo em vsa que a 7

24 economa de escala gerada pela dlução de F em se orna mas relevane. Por ouro lado, quano maor for h, menor será o EO, dmnundo a quandade méda em esoque. Algumas meddas mporanes podem ser obdas a parr da fórmula do EO. Subsundo por EO na expressão do cuso oal CT (equação.3), em-se: CT (EO) F h + v (.8) O cclo do peddo, Tcp na equação.9, além de expressar o empo enre duas ordens sucessvas, é uma medda de coberura do loe de ressuprmeno. Tcp EO F h (.9) Oura medda relevane é o gro do esoque, Ge na equação.0, defndo como a demanda por período dvdda pelo esoque médo. Ese é um ndcador de desempenho usado em muas empresas. Ge EO / h F (.0) Uma forma dferene de se chegar à equação do EO é por uma análse do fluxo de caxa dos cusos de ressuprmeno. Prmeramene, consdera-se que o cuso de manuenção de esoques h é composo apenas pelo cuso de oporundade do capal, ou seja, h é gual ao cuso unáro do em (parâmero v) mulplcado por uma axa r. É anda consderado que oda a vez que um ressuprmeno é recebdo desembolsa-se o valor de vezes v mas F. A fgura.3 lusra a relação enre os níves de esoque e o fluxo de caxa dos cusos de ressuprmeno. 8

25 Esoque Tempo F+. v F+. v F+. v F+. v F+. v Fluxo de Caxa dos Cusos Fgura.3 Relação enre Níves de Esoque e Fluxo de Caxa dos Cusos Sendo ese fluxo de caxa nfno, o valor presene líqudo (VPL) assumndo capalzação connua é dado por: VPL ( F + v) e 0 r ( F + v) e r (.) Pode-se provar que o valor de que mnmza ese VPL é muo próxmo ao EO (Slver e al., 998). Cusos operaconas de manuenção de esoques podem ser consderados ambém como pare do fluxo de caxa sem compromeer a valdade da fórmula do EO. Uma vanagem da abordagem do fluxo de caxa é que os omadores de decsão podem vsualzar no empo suas despesas referenes aos ressuprmenos, esando o cuso de oporundade de maner esoques mplíco na axa r..3 Análse de Sensbldade do EO Uma críca ao EO é a dfculdade de esmar seus parâmeros. emandas por período e cusos de peddo e de manuenção de esoques são por vezes dfíces de serem mensurados em suações reas. Porém, uma mporane caracerísca do EO é sua robuseza, que sgnfca que erros de esmava êm efeos reduzdos no cuso oal resulane. Consderando um loe de amanho, dferndo de um percenual p do EO: ' ( + p) EO ( + p) F h 9

26 (.) O cuso oal resulane é: p + p + ' CT ( ' ) h + F + v F h + v ' + p (.3) Comparando ese cuso com o cuso mínmo apresenado na equação.8, vê-se que a penaldade por usar um valor não ómo para o loe de ressuprmeno é muo menor que o erro de esmava. Por exemplo, se é 50% maor que o EO, a soma do cuso fxo de peddo por período com o cuso esoque por período é acrescda de apenas 8,33%. A fgura.4 mosra, para dferenes valores de p, o aumeno da soma desses cusos. Aumeno na soma do cuso fxo de peddo por período com o cuso de esoque por período 4% % 0% 8% 6% 4% % -40% -30% -0% -0% 0% 0% 0% 30% 40% 50% p Fgura.4 Aumeno de Cuso gerado por um Erro Percenual p no Loe de Ressuprmeno Um aumeno de cuso anda menor é gerado por um erro de esmava em um dos parâmeros do EO, como, F e h. Por exemplo, se o cuso fxo por peddo F fosse esmado 00% maor que seu valor real, sera 4% maor que o EO e a soma do cuso fxo de peddo por período com o cuso de esoque por período sera apenas 6,% acma do cuso mínmo possível. a mesma forma, se h fosse esmado 00% 0

CAPÍTULO 1 REPRESENTAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS. Sistema monovariável SISO = Single Input Single Output. s 1 s 2. ... s n

CAPÍTULO 1 REPRESENTAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS. Sistema monovariável SISO = Single Input Single Output. s 1 s 2. ... s n 1 CAPÍTULO 1 REPREENTAÇÃO E CLAIFICAÇÃO DE ITEMA 1.1. Represenação de ssemas 1.1.1. semas com uma enrada e uma saída (IO) e sema monovarável IO = ngle Inpu ngle Oupu s e = enrada s = saída = ssema 1.1..

Leia mais

2 Programação Matemática Princípios Básicos

2 Programação Matemática Princípios Básicos Programação Maemáca Prncípos Báscos. Consderações Geras Os objevos dese capíulo são apresenar os conceos de Programação Maemáca (PM) necessáros à compreensão do processo de omzação de dmensões e descrever

Leia mais

3 Planejamento da Operação Energética no Brasil

3 Planejamento da Operação Energética no Brasil 3 Planeameno da Operação Energéca no Brasl 3.1 Aspecos Geras O ssema elérco braslero é composo por dos dferenes pos de ssemas: os ssemas solados, os quas predomnam na regão Nore do Brasl e represenam cerca

Leia mais

HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE

HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE Pesqusa Operaconal e o Desenvolvmeno Susenável 7 a /9/5, Gramado, RS HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE André Luís Shguemoo Faculdade de Engenhara Elérca e Compuação Unversdade Esadual

Leia mais

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. ECONOMETRIA Prof. Parca Mara Borolon. Sc. Modelos de ados em Panel Fone: GUJARATI;. N. Economera Básca: 4ª Edção. Ro de Janero. Elsever- Campus 006 efnções Geras Nos dados em panel a mesma undade de core

Leia mais

ANEXO III. Nota Técnica nº 148/2010-SRE/ANEEL Brasília, 24 de maio de 2010.

ANEXO III. Nota Técnica nº 148/2010-SRE/ANEEL Brasília, 24 de maio de 2010. ANEXO III Noa Técnca nº 148/21-SRE/ANEEL Brasíla, 24 de mao de 21. M E T O D O L O G I A E Á L U L O D O F A T O R X ANEXO II Noa Técnca n o 148/21 SRE/ANEEL Em 24 de mao de 21. Processo nº 485.269/26-61

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013. Padrão. Padrão. max i. I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4.

CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013. Padrão. Padrão. max i. I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4. CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013 Esabelece os procedmenos para o cálculo da parcela dos avos ponderados pelo rsco (RWA) referene às exposções sueas à varação de axas de uros prefxadas denomnadas

Leia mais

S&P Dow Jones Indices: Metodologia da matemática dos índices

S&P Dow Jones Indices: Metodologia da matemática dos índices S&P Dow Jones Indces: Meodologa da maemáca dos índces S&P Dow Jones Indces: Meodologa do índce Ouubro 2013 Índce Inrodução 3 Dferenes varedades de índces 3 O dvsor do índce 4 Índces ponderados por capalzação

Leia mais

3 Teoria de imunização

3 Teoria de imunização 33 3 Teora de munzação Como fo vso, o LM é um gerencameno conuno de avos e passvos como o nuo de dmnur ou aé elmnar os rscos enfrenados pelas nsuções fnanceras. Deses rscos, o rsco de axa de uros represena

Leia mais

Interpolação e Extrapolação da Estrutura a Termo de Taxas de Juros para Utilização pelo Mercado Segurador Brasileiro

Interpolação e Extrapolação da Estrutura a Termo de Taxas de Juros para Utilização pelo Mercado Segurador Brasileiro Inerpolação e Exrapolação da Esruura a Termo de Taxas de Juros para Ulzação pelo Mercado Segurador Braslero Sergo Lus Frankln Jr. Thago Baraa Duare César da Rocha Neves + Eduardo Fraga L. de Melo ++ M.Sc.,

Leia mais

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA MODELO DE APOIO À DECISÃO PARA UM PROBLEMA DE POSICIONAMENTO DE BASES, ALOCAÇÃO E REALOCAÇÃO DE AMBULÂNCIAS EM CENTROS URBANOS: ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO RESUMO Ese argo apresena uma proposa

Leia mais

ipea COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA

ipea COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA Paulo Mansur Levy Mara Isabel Fernans Serra Esa noa em como objevo dvulgar resulados relavos ao comporameno das exporações e mporações produos ndusras

Leia mais

Denilson Ricardo de Lucena Nunes. Gestão de suprimentos no varejo

Denilson Ricardo de Lucena Nunes. Gestão de suprimentos no varejo Denlson Rcardo de Lucena Nunes Gesão de suprmenos no varejo semas de reposção de esoques em duas camadas e análse de esquemas de monorameno da prevsão de demanda Tese de Douorado Tese apresenada ao programa

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP OTIMIZAÇÃO DA

Leia mais

Impacto da Educação Defasada sobre a Criminalidade no Brasil: 2001-2005

Impacto da Educação Defasada sobre a Criminalidade no Brasil: 2001-2005 1 Impaco da Educação Defasada sobre a Crmnaldade no Brasl: 2001-2005 Evandro Camargos Texera Ana Lúca Kassouf Seembro, 2011 Workng Paper 010 Todos os dreos reservados. É probda a reprodução parcal ou negral

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO

ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO Roque Passos Pvel Escola Polécnca da Unversdade de São Paulo - EPUSP Pedro Alem Sobrnho Escola Polécnca da Unversdade

Leia mais

Otimização no Planejamento Agregado de Produção em Indústrias de Processamento de Suco Concentrado Congelado de Laranja

Otimização no Planejamento Agregado de Produção em Indústrias de Processamento de Suco Concentrado Congelado de Laranja Omzação no Planeameno Agregado de Produção em Indúsras de Processameno de Suco Concenrado Congelado de Larana José Renao Munhoz Crova Agro Indusral Lda., 15800-970, Caanduva, SP (ose.munhoz@crova.com)

Leia mais

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas.

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas. 1 INTRODUÇÃO E CONCEITOS INICIAIS 1.1 Mecânca É a pare da Físca que esuda os movmenos dos corpos. 1. -Cnemáca É a pare da mecânca que descreve os movmenos, sem se preocupar com suas causas. 1.3 - Pono

Leia mais

Análise do Desempenho dos Gestores de Fundos, baseada nas Transações e nas Participações das Carteiras

Análise do Desempenho dos Gestores de Fundos, baseada nas Transações e nas Participações das Carteiras Vâna Sofa Sequera Umbelno Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Dsseração de Mesrado apresenado à Faculdade de Economa da Unversdade de Combra

Leia mais

DINÂMICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS COM O FILTRO DE KALMAN

DINÂMICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS COM O FILTRO DE KALMAN XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DINÂICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COODITIES AGRÍCOLAS CO O FILTRO DE KALAN Flávo Pnhero Corsn (POLI-USP) flavo.corsn@gmal.com Celma de Olvera Rbero (POLI-USP)

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY a 5 Novembro de 009 Recfe - PE GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL HIDROTERM

Leia mais

A estrutura a termo de taxas de juros no Brasil: modelos, estimação, interpolação, extrapolação e testes

A estrutura a termo de taxas de juros no Brasil: modelos, estimação, interpolação, extrapolação e testes A esruura a ermo de axas de juros no Brasl: modelos, esmação, nerpolação, exrapolação e eses Sergo Lus Frankln Jr. Thago Baraa Duare César da Rocha Neves + Eduardo Fraga L. de Melo ++ M.Sc., SUSEP/CGSOA

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR MEIO DOS MODELOS CAPM NÃO-CONDICIONAL E CAPM CONDICIONAL

ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR MEIO DOS MODELOS CAPM NÃO-CONDICIONAL E CAPM CONDICIONAL ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR EIO DOS ODELOS CAP NÃO-CONDICIONAL E CAP CONDICIONAL (Cos of equy analyss n Brazl: Non-Condonal CAP and Condonal CAP) Lumla Souza Grol 1 1 Unversdade Federal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INVESTIMENTOS EM DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SOB INCERTEZA REGULATÓRIA UTILIZANDO OPÇÕES REAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INVESTIMENTOS EM DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SOB INCERTEZA REGULATÓRIA UTILIZANDO OPÇÕES REAIS UNIRSIDAD FDRAL D ITAJUBÁ TS D DOUTORADO INSTIMNTOS M DISTRIBUIÇÃO D NRGIA LÉTRICA SOB INCRTZA RGULATÓRIA UTILIZANDO OPÇÕS RAIS JULIA CRISTINA CAMINHA NORONHA Tese apresenada ao Programa de Pós-Graduação

Leia mais

MOMENTO ÓTIMO PARA INVESTIR EM PROJETOS DE MINERAÇÃO: UMA ANÁLISE POR OPÇÕES REAIS E TEORIA DOS JOGOS

MOMENTO ÓTIMO PARA INVESTIR EM PROJETOS DE MINERAÇÃO: UMA ANÁLISE POR OPÇÕES REAIS E TEORIA DOS JOGOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ALEXANDRE DE CÁSSIO RODRIGUES MOMENTO ÓTIMO PARA INVESTIR EM PROJETOS DE MINERAÇÃO: UMA ANÁLISE POR OPÇÕES REAIS E TEORIA DOS JOGOS Belo Horzone MG 202 UNIVERSIDADE

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS

A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS Nelson Leão Paes PIMES/UFPE Resumo Nese argo, ulzou-se um modelo de equlíbro geral dnâmco para esmar

Leia mais

Renda Básica da Cidadania versus Imposto de Renda Negativo: O Papel dos Custos de Focalização

Renda Básica da Cidadania versus Imposto de Renda Negativo: O Papel dos Custos de Focalização Renda Básca da Cdadana versus Imposo de Renda Negavo: O Papel dos Cusos de Focalzação Nelson Leão Paes Marcelo Leer Squera Re s u m o O presene argo procura comparar duas polícas socas alernavas de combae

Leia mais

Autoria: Josilmar Cordenonssi Cia

Autoria: Josilmar Cordenonssi Cia Uma Possível Solução para o Equy Premum Puzzle (EPP Auora: Joslmar Cordenonss Ca Resumo MEHRA e PRESCO (985 levanaram uma quesão que aé hoje não fo respondda de forma sasfaóra: o prêmo de rsco das ações

Leia mais

Crescimento econômico e restrição externa: Um modelo de simulação pós-keynesiano

Crescimento econômico e restrição externa: Um modelo de simulação pós-keynesiano Crescmeno econômco e resrção exerna: Um modelo de smulação pós-keynesano Mara Isabel Busao 1 Maro Luz Possas 2 Resumo O argo busca dscur a dnâmca do crescmeno econômco das economas em desenvolvmeno a parr

Leia mais

Exemplo pág. 28. Aplicação da distribuição normal. Normal reduzida Z=(900 1200)/200= 1,5. Φ( z)=1 Φ(z)

Exemplo pág. 28. Aplicação da distribuição normal. Normal reduzida Z=(900 1200)/200= 1,5. Φ( z)=1 Φ(z) Exemplo pág. 28 Aplcação da dsrbução ormal Normal reduzda Z=(9 2)/2=,5 Φ( z)= Φ(z) Subsudo valores por recurso à abela da ormal:,9332 = Φ(z) Φ(z) =,668 Φ( z)= Φ(z) Φ(z) =,33 Φ(z) =,977 z = (8 2)/2 = 2

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

Arbitragem na Estrutura a Termo das Taxas de Juros: Uma Abordagem Bayesiana

Arbitragem na Estrutura a Termo das Taxas de Juros: Uma Abordagem Bayesiana Arbragem na Esruura a ermo das axas de Juros: Uma Abordagem Bayesana Márco Pole Laurn Armêno Das Wesn Neo Insper Workng Paper WPE: / Copyrgh Insper. odos os dreos reservados. É probda a reprodução parcal

Leia mais

Análise RFV do Cliente na Otimização de Estratégias de Marketing: Uma Abordagem por Algoritmos Genéticos

Análise RFV do Cliente na Otimização de Estratégias de Marketing: Uma Abordagem por Algoritmos Genéticos Análse RFV do Clene na Omzação de Esraégas de Markeng: Uma Abordagem por Algormos Genécos Anderson Gumarães de Pnho Ponfíca Unversdade Caólca do Ro de Janero Ro de Janero RJ Brasl agp.ne@gmal.com 1. Inrodução

Leia mais

Índice de Preços Imobiliários para o Brasil: Estudos para Discussão

Índice de Preços Imobiliários para o Brasil: Estudos para Discussão Mnséro do Planejameno, Orçameno e Gesão Insuo Braslero de Geografa e Esaísca IBGE Dreora de Pesqusas Coordenação de Índces de Preços Ssema Naconal de Índces de Preços ao Consumdor SNIPC Índce de Preços

Leia mais

1. Introdução. B = S = Valor presente esperado dos superávits futuros (1) P

1. Introdução. B = S = Valor presente esperado dos superávits futuros (1) P . Inrodução A vsão radconal da deermnação do nível de preços é baseada na eora Quanava da Moeda. Segundo essa vsão o padrão de avdade real em uma economa mplca um cero nível desejado de encaxes moneáros

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

Gestão de uma Carteira de Activos de Produção de Energia Eléctrica

Gestão de uma Carteira de Activos de Produção de Energia Eléctrica Gesão de uma Carera de Acvos de Produção de Energa Elécrca Invesmeno na ópca da Teora da Carera Mara Margarda D Ávla Duro de Sousa e Slva Dsseração para a obenção do Grau de Mesre em Engenhara e Gesão

Leia mais

Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido.

Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. A Prevsão com o Modelo de Regressão.... Inrodução ao Modelo de Regressão.... Exemplos de Modelos Lneares... 3. Dervação dos Mínmos Quadrados no Modelo de Regressão... 6 4. A Naureza Probablísca do Modelo

Leia mais

Despacho n.º 13/06. 2. A presente resolução entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. João Renato Lima Presidente do C.A.

Despacho n.º 13/06. 2. A presente resolução entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. João Renato Lima Presidente do C.A. Despacho n.º 13/06 De enre as arbuções da Agênca de Regulação Económca desaca-se a compeênca de fxar as arfas e os mecansmos de reajuses a serem pracados pela oncessonára do servço públco de ranse e dsrbução

Leia mais

Desconcentração e interiorização da economia fluminense na última década

Desconcentração e interiorização da economia fluminense na última década DSCONCNTRAÇÃO INTRIORIZAÇÃO DA CONOMIA FLUMINNS NA ÚLTIMA DÉCADA PAULO MARCLO SOUZA; NIRALDO JOSÉ PONCIANO; MARLON GOMS NY; HNRIQU TOMÉ MATA; UNIVRSIDAD FDRAL DA BAHIA SALVADOR - BA - BRASIL pmsouza@uenf.br

Leia mais

Renda Básica da Cidadania ou Imposto de Renda Negativo: Qual o Mais Eficiente no Combate a Pobreza?

Renda Básica da Cidadania ou Imposto de Renda Negativo: Qual o Mais Eficiente no Combate a Pobreza? Renda Básca da Cdadana ou Imposo de Renda Negavo: Qual o Mas Efcene no Combae a Pobreza? Auores Nelson Leão Paes Marcelo Leer Squera Ensao Sobre Pobreza Nº 12 Feverero de 2008 CAEN - UFC 1 Renda Básca

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PIMES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DOUTORADO EM ECONOMIA MARCOS ROBERTO GOIS DE OLIVEIRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PIMES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DOUTORADO EM ECONOMIA MARCOS ROBERTO GOIS DE OLIVEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PIMES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DOUTORADO EM ECONOMIA MARCOS ROBERTO GOIS DE OLIVEIRA GERENCIAMENTO DO RISCO DE MERCADO BASEADO NO VALUE AT RISK ESTÁTICO

Leia mais

Agosto / 2014 Versão 2.16

Agosto / 2014 Versão 2.16 Agoso / 4 Versão.6 Todos os dreos reservados. Nenhuma pare dessa obra pode ser reproduzda em qualquer forma ou meo, seja elerônco, mecânco, de foocópa, ec, sem permssão do Safra, deenor do dreo auoral.

Leia mais

MODELAGEM DO PLANEJAMENTO AGREGADO DA PRODUÇÃO DE UMA USINA SUCROALCOOLEIRA

MODELAGEM DO PLANEJAMENTO AGREGADO DA PRODUÇÃO DE UMA USINA SUCROALCOOLEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Anerson Francsco da Slva MODELAGEM DO PLANEJAMENTO AGREGADO DA PRODUÇÃO DE UMA USINA SUCROALCOOLEIRA Dsseração submeda ao Programa de Pós-Graduação em Engenhara de Produção

Leia mais

Nota Técnica sobre a Circular nº 2.972, de 23 de março de 2000

Nota Técnica sobre a Circular nº 2.972, de 23 de março de 2000 Noa Técnca sobre a rcular nº 2.972, de 23 de março de 2000 Meodologa ulzada no processo de apuração do valor da volaldade padrão e do mulplcador para o da, dvulgados daramene pelo Banco enral do Brasl.

Leia mais

KEE WORDS: Exchange Rates, Parity, Purchasing Power, Gstav Cassel

KEE WORDS: Exchange Rates, Parity, Purchasing Power, Gstav Cassel [VIANNA, PEDRO JORGE; PARIDADE DO PODER DE COPRA: TEORIA OU ETODOLOGIA?]. Recfe. V Enconro de Economsas da Língua Poruguesa, 5-7 de novembro de 2003. TÍTULO: PARIDADE DO PODER DE COPRA: TEORIA OU ETODOLOGIA?

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA LEI KANDIR SOBRE A ARRECADAÇÃO DE ICMS NO ESTADO DO CEARÁ

AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA LEI KANDIR SOBRE A ARRECADAÇÃO DE ICMS NO ESTADO DO CEARÁ AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA LEI KANDIR SOBRE A ARRECADAÇÃO DE ICMS NO ESTADO DO CEARÁ Alejandro Magno Lma Leão Mesre em economa pelo CAEN Audor Fscal da Recea do Esado do Ceará Fabríco Carnero Lnhares Phd

Leia mais

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil BBR - Brazlan Busness Revew E-ISSN: 1807-734X bbronlne@bbronlne.com.br FUCAPE Busness School Brasl Fausno Maos, Paulo Rogéro; Texera da Rocha, José Alan Ações e Fundos de Invesmeno em Ações: Faores de

Leia mais

Avaliação Inter/Intra-regional de absorção e difusão tecnológica no Brasil: Uma abordagem não-paramétrica. AUTORES.

Avaliação Inter/Intra-regional de absorção e difusão tecnológica no Brasil: Uma abordagem não-paramétrica. AUTORES. Avalação Iner/Inra-regonal de absorção e dfusão ecnológca no Brasl: Uma abordagem não-paramérca. Palavras chave: Efcênca écnca Produvdade oal Varação ecnológca AUTORES Emerson Marnho ouor em Economa pela

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

CÁLCULO DE ÍNDICES DE CONFIABILIDADE EM SISTEMAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA USANDO UM ALGORITMO GENÉTICO MODIFICADO

CÁLCULO DE ÍNDICES DE CONFIABILIDADE EM SISTEMAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA USANDO UM ALGORITMO GENÉTICO MODIFICADO CÁLCULO DE ÍNDICES DE CONFIABILIDADE EM SISTEMAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA USANDO UM ALGORITMO GENÉTICO MODIFICADO RODRIGO ALBUQUERQUE, ANSELMO RODRIGUES, MARIA G. DA SILVA. Grupo de Ssemas de Poênca, Deparameno

Leia mais

FILTROS ATIVOS: UMA ABORDAGEM COMPARATIVA. Héctor Arango José Policarpo G. Abreu Adalberto Candido

FILTROS ATIVOS: UMA ABORDAGEM COMPARATIVA. Héctor Arango José Policarpo G. Abreu Adalberto Candido FILTROS ATIVOS: UMA ABORDAGEM COMPARATIVA Hécor Arango José Polcaro G. Abreu Adalbero Canddo Insuo de Engenhara Elérca - EFEI Av. BPS, 1303-37500-000 - Iajubá (MG) e-mal: arango@ee.efe.rmg.br Resumo -

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

Gripe: Época de gripe; actividade gripal; cálculo da linha de base e do respectivo intervalo de confiança a 95%; e área de actividade basal.

Gripe: Época de gripe; actividade gripal; cálculo da linha de base e do respectivo intervalo de confiança a 95%; e área de actividade basal. Grpe: Época de grpe; acvdade grpal; cálculo da lnha de ase e do respecvo nervalo de confança a 95%; e área de acvdade asal. ÉPOCA DE GRPE Para maor facldade de compreensão será desgnado por época de grpe

Leia mais

A economia política dos fluxos de capitais brasileiros pós-plano Real. Title: The Political Economy of Brazilian Capital Flows after the Real Plan

A economia política dos fluxos de capitais brasileiros pós-plano Real. Title: The Political Economy of Brazilian Capital Flows after the Real Plan A economa políca dos fluxos de capas brasleros pós-plano Real Dvanldo Trches * Soraa Sanos da Slva ** Tle: The Polcal Economy of Brazlan Capal Flows afer he Real Plan RESUMO O presene esudo em como objevo

Leia mais

INTRODUÇÃO AS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS PARCIAIS

INTRODUÇÃO AS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS PARCIAIS INTROUÇÃO S QUÇÕS IFRNIIS PRIIS. INTROUÇÃO Porqe esdar as qações ferencas Parcas? Smplesmene porqe a maora dos fenômenos físcos qe ocorrem na nareza são descros por eqações dferencas parcas como por eemplo:

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

7. FILTROS PASSIVOS E ATIVOS

7. FILTROS PASSIVOS E ATIVOS 7. FILTROS PASSIVOS E ATIVOS São esudadas nese capíulo esruuras de crcuos capazes de mgar o problema de dsorção de correnes e/ou ensões em ssemas elércos. Inca-se com os flros passvos, verfcando alguns

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMPÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMPÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO AULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO SÃO AULO 28 THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMÍRICOS DA EFICIÊNCIA

Leia mais

Análise Discriminante: classificação com 2 populações

Análise Discriminante: classificação com 2 populações Análse Dscrmnane: classcação com oulações Eemlo : Proreáros de coradores de rama oram avalados seundo duas varáves: Renda U$ ; Tamanho da roredade m. Eemlo : unção dscrmnane unvarada ~ ama4 4 3 e ~ ama8.5

Leia mais

CRESCIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE: O QUE ESTÁ FALTANDO PARA ENTENDER O ELO ENTRE ELES?

CRESCIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE: O QUE ESTÁ FALTANDO PARA ENTENDER O ELO ENTRE ELES? RESUMO CRESCIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE: O QUE ESTÁ FALTANDO PARA ENTENDER O ELO ENTRE ELES? Fábo Henrque Granja e Barros 1 Bernardo Mueller 2 Jorge Madera Noguera 3 Exse vasa leraura empírca ressalando

Leia mais

Belém Pará (Março de 2012)

Belém Pará (Março de 2012) Pardade Descobera da Taxa de Juros da Economa Braslera num Ambene de Crse Fnancera Mundal: Teora e Evdênca Empírca Davd Ferrera Carvalho(*) Resumo O argo em como propóso avalar o efeo da recene políca

Leia mais

Análise comparativa e teste empírico da validade dos modelos CAPM tradicional e condicional: o caso das ações da Petrobrás

Análise comparativa e teste empírico da validade dos modelos CAPM tradicional e condicional: o caso das ações da Petrobrás Análse comparava e ese empírco da valdade dos modelos capm radconal e condconal: o caso das ações da Perobrás Análse comparava e ese empírco da valdade dos modelos CAPM radconal e condconal: o caso das

Leia mais

1- Testes Acelerados. Como nível usual entende-se o nível da variável stress a que o componente ou aparelho será submetido no dia-adia.

1- Testes Acelerados. Como nível usual entende-se o nível da variável stress a que o componente ou aparelho será submetido no dia-adia. - Teses Aelerados São de rande mporâna na ndúsra espealmene na ndúsra elero-elerôna em que eses de empos de vda demandam muo empo. (os produos são muo onfáves) Inorporação de uma arável-sress adonada a

Leia mais

ESTOQUE DE RIQUEZA E A POUPANÇA DO SETOR PRIVADO NO BRASIL 1970/95 *

ESTOQUE DE RIQUEZA E A POUPANÇA DO SETOR PRIVADO NO BRASIL 1970/95 * TEXTO PARA DISCUSSÃO N ο 572 ISSN 1415-4765 ESTOQUE DE RIQUEZA E A POUPANÇA DO SETOR PRIVADO NO BRASIL 1970/95 * Luclene Morand ** Ro de Janero, julho de 1998 * A esmação do esoque de rqueza nerna, angível

Leia mais

Planejamento e Controle de Estoques PUC. Prof. Dr. Marcos Georges. Adm. Produção II Prof. Dr. Marcos Georges 1

Planejamento e Controle de Estoques PUC. Prof. Dr. Marcos Georges. Adm. Produção II Prof. Dr. Marcos Georges 1 e Controle de Estoques PUC CAMPINAS Prof. Dr. Marcos Georges Adm. Produção II Prof. Dr. Marcos Georges 1 Fornecmento de produtos e servços Recursos da operação Planejamento e Controle de Estoque Compensação

Leia mais

Tráfego em Redes de Comutação de Circuitos

Tráfego em Redes de Comutação de Circuitos Caracerzação do ráfego nálse de ssemas de esados nálse de ráfego em ssemas de erda nálse de ráfego em ssemas de araso Bloqueo em ssemas de andares múllos Máro Jorge Leão Inenconalmene em branco Caracerzação

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

MARKOV SWITCHING CAPM: UMA ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO DAS EMPRESAS GAÚCHAS EM RELAÇÃO AO MERCADO EM DIFERENTES AMBIENTES DE RISCO

MARKOV SWITCHING CAPM: UMA ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO DAS EMPRESAS GAÚCHAS EM RELAÇÃO AO MERCADO EM DIFERENTES AMBIENTES DE RISCO MARKOV SWITCHING CAPM: UMA ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO DAS EMPRESAS GAÚCHAS EM RELAÇÃO AO MERCADO EM DIFERENTES AMBIENTES DE RISCO Pedro Tonon Zuanazz 1 Marcos Vnco Wnk Junor 2 Resumo Um dos prncpas

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

O MERCADO DE CÂMBIO E A TAXA DE CÂMBIO NA ECONOMIA BRASILEIRA: 1999 A 2007

O MERCADO DE CÂMBIO E A TAXA DE CÂMBIO NA ECONOMIA BRASILEIRA: 1999 A 2007 FRANCISCO CARLOS DA CUNHA CASSUCE O MERCADO DE CÂMBIO E A TAXA DE CÂMBIO NA ECONOMIA BRASILEIRA: 999 A 007 Tese apresenada à Unversdade Federal de Vçosa, como pare das exêncas do Prorama de Pós- Graduação

Leia mais

EFEITOS DA MIGRAÇÃO PARA OS NÍVEIS DE GOVERNANÇA DA BOVESPA

EFEITOS DA MIGRAÇÃO PARA OS NÍVEIS DE GOVERNANÇA DA BOVESPA EFEITOS DA MIGRAÇÃO PARA OS NÍVEIS DE GOVERNANÇA DA BOVESPA TRABALHO PREPARADO PARA A BOVESPA Anono Gledson de Carvalho (esa versão: Janero/23) RESUMO Muo em-se ressalado sobre a mporânca de uma boa governança

Leia mais

A Concorrência entre o Brasil. uma Aplicação do Modelo Constant-Market-Share*

A Concorrência entre o Brasil. uma Aplicação do Modelo Constant-Market-Share* A Concorrênca enre o Brasl e a Chna no ercado Sul-afrcano: uma Aplcação do odelo Consan-arke-Share* Arane Danelle Baraúna da Slva Álvaro Barranes Hdalgo 2 RESUO: O fore crescmeno da economa chnesa nos

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

ANÁLISE CONDICIONADA DA DEMANDA COM CORREÇÃO DE HETEROCEDASTICIDADE

ANÁLISE CONDICIONADA DA DEMANDA COM CORREÇÃO DE HETEROCEDASTICIDADE ANÁLISE CONDICIONADA DA DEMANDA COM CORREÇÃO DE HETEROCEDASTICIDADE Angela Crsna Morera da Slva UFRJ/COPPE - Unversdade Federal do Ro de Janero, Cenro de Tecnologa, Bloco F, sala 114, Cdade Unversára Ro

Leia mais

ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO

ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO TUTORIAL Marcos Anôno de Camargos Admnsrador de Empresas, MBA em Gesão Esraégca (Fnanças), Mesre em Admnsração pelo NUFI/CEPEAD/FACE/UFMG e Professor do Cenro

Leia mais

CRESCIMENTO E DESIGUALDADE: PROSPERIDADE VERSUS ARMADILHAS DA POBREZA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DOS ESTADOS BRASILEIROS*

CRESCIMENTO E DESIGUALDADE: PROSPERIDADE VERSUS ARMADILHAS DA POBREZA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DOS ESTADOS BRASILEIROS* CRESCIMENTO E DESIGUALDADE: PROSPERIDADE VERSUS ARMADILHAS DA POBREZA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DOS ESTADOS BRASILEIROS* Renaa Couo Morera 1, Marcelo José Braga 2 e Slva Harum Toyoshma 3 Resumo: O problema

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

Ana Cristina Guimarães Carneiro

Ana Cristina Guimarães Carneiro UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CCSA CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA CME NÍVEL MESTRADO Ana Crsna Gumarães Carnero Avalação das Mudanças Recenes na Marz Energéca

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

Ricardo Ratner Rochman FGV-EAESP. William Eid Junior FGV-EAESP

Ricardo Ratner Rochman FGV-EAESP. William Eid Junior FGV-EAESP INSIDERS CONSEGUEM RETORNOS ANORMAIS?: ESTUDOS DE EVENTOS SOBRE AS OPERAÇÕES DE INSIDERS DAS EMPRESAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DIFERENCIADA DA BOVESPA Rcardo Raner Rochman FGV-EAESP Wllam Ed Junor FGV-EAESP

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

PREVISIBILIDADE NO MERCADO DE COMMODITIES: UM ESTUDO APLICADO AO PREÇO DA SOJA NO BRASIL

PREVISIBILIDADE NO MERCADO DE COMMODITIES: UM ESTUDO APLICADO AO PREÇO DA SOJA NO BRASIL Salvador, BA, Brasl, 08 a de ouubro de 03. PREVISIBILIDADE O MERCADO DE COMMODITIES: UM ESTUDO APLICADO AO PREÇO DA SOJA O BRASIL Everon Anger Cavalhero (UFPEL ) ecavalhero@cvsm.com.br Kelmara Mendes Vera

Leia mais

Convergência e Formação de Clubes no Brasil sob a Hipótese de Heterogeneidade no Desenvolvimento Tecnológico

Convergência e Formação de Clubes no Brasil sob a Hipótese de Heterogeneidade no Desenvolvimento Tecnológico Convergênca e Formação de Clubes no Brasl sob a Hpóese de Heerogenedade no Desenvolvmeno Tecnológco Chrsano Penna Fabríco Lnhares RESUMO: Esse argo examna a exsênca de endêncas de crescmeno comuns e formação

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

CONVERSORES CC-CC Aplicações: Controlo de motores de CC-CC Fontes de alimentação comutadas Carga de baterias bateria

CONVERSORES CC-CC Aplicações: Controlo de motores de CC-CC Fontes de alimentação comutadas Carga de baterias bateria CÓNCA PÊNCA Aplcações: CN CC-CC CN CC-CC Crolo de moores de CC-CC Fes de almenação comuadas Carga de baeras ensão cínua de enrada moor de correne cínua crolo e comando baera ede CA ecfcador não crolado

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez Universidade Federal de Peloas UFPEL Deparameno de Economia - DECON Economia Ecológica Professor Rodrigo Nobre Fernandez Capíulo 6 Conabilidade Ambienal Nacional Peloas, 2010 6.1 Inrodução O lado moneário

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Estratégia Ótima de Oferta de Preços no Mercado de Curto Prazo em Sistemas com Predominância Hidrelétrica

Estratégia Ótima de Oferta de Preços no Mercado de Curto Prazo em Sistemas com Predominância Hidrelétrica Armando Maos de Olvera Esraéga Óma de Ofera de Preços no Mercado de Curo Prazo em Ssemas com Predomnânca Hdrelérca Tese de Douorado Tese apresenada ao Deparameno de Engenara Elérca da Ponfíca Unversdade

Leia mais

(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE IME 2013 DISCURSIVAS FÍSICA FÍSICA. , devido à equação (1). Voltando à equação (2) obtemos:

(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE IME 2013 DISCURSIVAS FÍSICA FÍSICA. , devido à equação (1). Voltando à equação (2) obtemos: (9) - O LIT SOLV IM DISCUSIVS ÍSIC USTÃO ÍSIC sendo nula a velocdade vercal ncal v, devdo à equação (). Volando à equação () obemos:,8 ˆj ˆj b) Dado o momeno lnear da equação () obemos a velocdade na dreção

Leia mais

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES 3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES Os microconroladores selecionados para o presene rabalho foram os PICs 16F628-A da Microchip. Eses microconroladores êm as vanagens de serem facilmene enconrados no

Leia mais

PROBLEMA DE ESTOQUE E ROTEIRIZAÇÃO: UM MODELO COM DEMANDA DETERMINÍSTICA E ESTOCÁSTICA

PROBLEMA DE ESTOQUE E ROTEIRIZAÇÃO: UM MODELO COM DEMANDA DETERMINÍSTICA E ESTOCÁSTICA Pesqusa Opeaconal e o Desenolmeno Susenáel 27 a 30/09/05, Gamado, RS PROBLEMA DE ESTOQUE E ROTEIRIZAÇÃO: UM MODELO COM DEMADA DETERMIÍSTICA E ESTOCÁSTICA Paíca Pado Belfoe Unesdade de São Paulo A. Pof.

Leia mais

EEL-001 CIRCUITOS ELÉTRICOS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO

EEL-001 CIRCUITOS ELÉTRICOS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO L IRUITOS LÉTRIOS 8 UNIFI,VFS, Re. BDB PRT L IRUITOS LÉTRIOS NGNHRI D OMPUTÇÃO PÍTULO 5 PITORS INDUTORS: omporameno com Snas onínuos e com Snas lernaos 5. INTRODUÇÃO Ressor elemeno que sspa poênca. 5.

Leia mais