Análise genética de escores de avaliação visual de bovinos com modelos bayesianos de limiar e linear

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise genética de escores de avaliação visual de bovinos com modelos bayesianos de limiar e linear"

Transcrição

1 Análse genéca de escores de avalação vsual 835 Análse genéca de escores de avalação vsual de bovnos com modelos bayesanos de lmar e lnear Carna Ubrajara de Fara (1), Cláudo Ulhôa Magnabosco (2), Lúca Galvão de Albuquerque (3), Arcado de los Reyes (4), Luz Anôno Framarno Bezerra (5) e Raysldo Barbosa Lobo (6) (1) Unversdade Federal de Goás (UFG), Campus de Jaaí, Caxa Posal 03, CEP Jaaí, GO. E-mal: (2) Embrapa Cerrados, Caxa Posal 08223, CEP Planalna, DF. E-mal: (3) Unversdade Esadual Paulsa, Faculdade de Cêncas Agráras e Veernáras, Deparameno de Melhorameno Anmal, Va de acesso Prof. Paulo Donao Casellane, s/n o, CEP Jabocabal, SP. E-mal: (4) UFG, Escola de Veernára, Deparameno de Produção Anmal, Campus Samambaa, Caxa Posal 131, CEP Goâna, GO. E-mal: (5) Unversdade de São Paulo, Faculdade de Medcna de Rberão Preo, Deparameno de Genéca, Avenda Banderanes, n o 3.900, Mone Alegre, CEP Rberão Preo, SP. E-mal: (6) Assocação Naconal de Cradores e Pesqusadores, Rua João Godoy, n o 463, CEP Rberão Preo, SP. E-mal: Resumo O objevo dese rabalho fo comparar as esmavas de parâmeros genécos obdas em análses bayesanas un-caracerísca e b-caracerísca, em modelo anmal lnear e de lmar, consderando-se as caraceríscas caegórcas morfológcas de bovnos da raça Nelore. Os dados de musculosdade, esruura físca e conformação foram obdos enre 2000 e 2005, em anmas de 13 fazendas parcpanes do Programa Nelore Brasl. Foram realzadas análses bayesanas un e b-caraceríscas, em modelos de lmar e lnear. De modo geral, os modelos de lmar e lnear foram efcenes na esmação dos parâmeros genécos para escores vsuas em análses bayesanas un-caraceríscas. Nas análses b-caraceríscas, observou-se que: com ulzação de dados conínuos e caegórcos, o modelo de lmar proporconou esmavas de correlação genéca de maor magnude do que aquelas do modelo lnear; e com o uso de dados caegórcos, as esmavas de herdabldade foram semelhanes. A vanagem do modelo lnear fo o menor empo gaso no processameno das análses. Na avalação genéca de anmas para escores vsuas, o uso do modelo de lmar ou lnear não nfluencou a classfcação dos anmas, quano aos valores genécos predos, o que ndca que ambos os modelos podem ser ulzados em programas de melhorameno genéco. Termos para ndexação: amosragem de Gbbs, caraceríscas morfológcas, gado de core, valores genécos. Genec analyss for vsual scores of bovnes wh he lnear and hreshold bayesan models Absrac The objecve of hs work was o compare he esmaes of genec parameers obaned n snglera and wo-ra bayesan analyses, under lnear and hreshold anmal models, consderng caegorcal morphologcal ras of bovnes of he Nelore breed. Daa of musculaure, physcal srucure and conformaon were obaned beween years 2000 and 2005, from 3,864 bovnes of he Nelore breed from 13 parcpan farms of he Nelore Brazl Program. Sngle-ra and wo-ra bayesan analyses were performed under lnear and hreshold anmal models. In general, he lnear and hreshold models were effcen n esmang genec parameers for vsual scores under sngle-ra bayesan analyses. In he wo-ra analyses, was observed ha: usng connuous and caegorcal daa, he hreshold model provded greaer esmaes of genec correlaon han hose of he lnear model; wh caegorcal daa, he herably esmaes were smlar. One major advanage of he lnear models was s smaller requremens n he analyses processng me. In he genec evaluaon of anmals for vsual scores, he use of he lnear or hreshold model dd no nfluence he classfcaon of he anmals, based on her predced breedng values, whch suggess ha boh models can be used n genec mprovemen programs. Index erms: Gbbs samplng, morphologcal ras, beef cale, breedng values. Inrodução No Brasl, as caraceríscas morfológcas de conformação de bovnos de core êm desperado grande neresse em cradores e pesqusadores, e esudos êm sdo realzados para se verfcar quas são os faores genécos e ambenas que afeam essas caraceríscas. As pesqusas realzadas ndcam que a seleção baseada nos escores de conformação, precocdade e musculaura pode ser efeva, vso que as esmavas de herdabldade obdas são de moderada a méda magnude (Dal Farra e al., 2002; Koury Flho, 2005; Kpper e al., 2006). No enano, para se ober sucesso com a ulzação dos

2 836 C.U. de Fara e al. escores vsuas como créros de seleção, é necessáro conhecer os faores ambenas e genécos. Os parâmeros genécos êm sdo esmados por dferenes méodos, que evoluem à medda que novas eoras e écncas compuaconas são desenvolvdas. O méodo de esmação é um faor mporane na obenção dos parâmeros genécos, com o esabelecmeno de um modelo que descreva correamene os dados. Ganola & Foulley (1983) desenvolveram o modelo de lmar para avalação genéca de dados caegórcos. Poserormene, Van Tassel e al. (1998) ornaram possíves as análses mul-caraceríscas que relaconam dados conínuos e caegórcos. Os modelos de lmar admem que exse uma varável subjacene de dsrbução conínua, em relação à varável dscrea (Sorensen e al., 1995), e as esmavas referenes a uma deermnada caegora são observadas se os valores da escala subjacene esverem localzados enre os lmares que defnem essa caegora. Assm, a dsrbução de probabldade das esmavas, para dados caegórcos, depende da posção da méda da dsrbução subjacene conínua, em relação aos lmares fxos. O programa MTGSAM Threshold ( mulple ra Gbbs sampler for anmal models ), desenvolvdo por Van Tassel e al. (1998), que ulza a nferênca bayesana sob o enfoque da amosragem de Gbbs, em sdo ulzado na esmação de parâmeros genécos para dados caegórcos em modelo de ouro e em modelo ouro avô maerno. Em modelo anmal, alguns auores (Moreno e al., 1997; Luo e al., 2001; Phocas & Laloë, 2003) enconraram dfculdades para angr a convergênca da cadea de Gbbs, uma vez que o algormo ulzado caracerza-se como um processo eravo. Os modelos lneares êm sdo preferdos em relação aos de lmar, na avalação genéca de caraceríscas caegórcas, pela facldade de aplcação ano em modelo anmal quano no modelo de ouro, e pelo menor empo gaso de processameno. Esses modelos foram ulzados em dversos esudos com dados caegórcos, enre os quas se desacam os de Wegel e al. (1999), Carner e al. (2000), Benne e al. (2001), Cardoso e al. (2001) e Kpper e al. (2006). No enano, os procedmenos lneares são descros como não aproprados para se quanfcar a naureza dscrea dos dados caegórcos (Marcondes e al., 2005). Esse fao mplca no problema de se gerarem valores baxos das esmavas dos parâmeros genécos e em conclusões equvocadas referenes ao ganho genéco dessas caraceríscas, quando submedas à seleção. O objevo dese rabalho fo comparar as esmavas de parâmeros genécos, obdas em análses bayesanas un-caracerísca e b-caracerísca, em modelo anmal lnear e de lmar, quano às caraceríscas caegórcas morfológcas de bovnos da raça Nelore. Maeral e Méodos Foram esudadas as caraceríscas caegórcas morfológcas musculosdade, esruura físca e conformação; e a caracerísca conínua peso, aos 210 das de dade (P210), em bovnos da raça Nelore. As nformações das caraceríscas morfológcas foram obdas enre 2000 e 2005, relavas a anmas de 13 fazendas parcpanes do Programa Nelore Brasl, localzadas em Goás, Mao Grosso, Paraná e Dsro Federal. As nformações de P210 foram obdas de anmas, perencenes aos rebanhos avalados, nascdos enre 1990 e Os anmas foram avalados vsualmene, pelo méodo MERCOS, adapado por Lôbo (1996), em que: na musculosdade, avalou-se a dsrbução muscular no corpo do anmal, bem como o seu desenvolvmeno, volume e comprmeno dos músculos, quano à precocdade de acabameno e maor rendmeno de carcaça; na esruura físca, avalou-se a susenação do anmal, ou seja, cascos quano à negrdade e amanho, lgamenos ou arculações, quano à frmeza, e a largura dos ossos; na conformação, avalou-se o esqueleo do anmal, comprmeno do corpo, amplude orácca, arqueameno e comprmeno das coselas, largura de garupa e comprmeno, relação amanho dos membros e comprmeno das coselas, em que as lnhas dorsal e venral devem ser paralelas ou abrr levemene no sendo da garupa. De acordo com Lôbo (1996), em cada varável morfológca, os anmas avalados podem ober escores de 1 a 5 ponos, e a maor ponuação represena o grau mas favorável. Na Tabela 1, esá apresenada a dsrbução dos escores em percenagem para cada caracerísca morfológca. Tabela 1. Dsrbução (%) por escore das caraceríscas musculosdade (M), esruura físca (E) e conformação (C), em bovnos da raça Nelore. Caracerísca Escores M 0,6 12,4 43,2 33,4 10,4 E 0,4 6,5 37,6 44,0 11,5 C 0,4 11,3 39,0 35,8 13,5

3 Análse genéca de escores de avalação vsual 837 A esruuração dos arquvos de dados fo realzada com a ulzação do SAS (SAS Insue, 2004). Os dados analsados connham anmas cuja dade varou enre 570 e 750 das, nervalo deermnado de acordo com a dade-padrão de anmas jovens, 660 das (22 meses de dade). Na verfcação dos faores de ambene, que nfluencam as caraceríscas morfológcas, foram realzadas análses prévas pelos procedmenos GLM e REG do SAS (SAS Insue, 2004). A defnção dos grupos de conemporâneos quano às caraceríscas caegórcas morfológcas fo esabelecda por fazenda, ano e esação de nascmeno e loe de avalação. Na caracerísca conínua P210, os grupos conemporâneos consuíram-se de fazenda, ano e esação de nascmeno, sexo e loe de manejo aos 210 das. O efeo de esação de nascmeno fo dvddo em quaro classes para os anmas nascdos nos períodos de: janero a março, abrl a junho, julho a seembro e ouubro a dezembro. Foram elmnados os grupos conemporâneos que connham menos de quaro anmas para odas as caraceríscas avaladas. No peso aos 210 das de dade, além desa resrção, foram rerados os anmas com meddas de 3,5 desvos-padrão, acma ou abaxo da méda do seu grupo de conemporâneos, para elmnar possíves dados dscrepanes. Na esmação dos parâmeros genécos, foram consderadas as análses bayesanas un e bcaraceríscas, em modelos de lmar e lnear. Os parâmeros genécos das caraceríscas caegórcas morfológcas e o P210 foram esmados por meo do aplcavo MTGSAM Threshold. Quano às caraceríscas morfológcas, fo consderado o sexo como efeo fxo, os grupos de conemporâneos como efeos aleaóros e a dade na daa da colea como covarável (efeo lnear). Em relação ao peso aos 210 das de dade, foram ncluídos os efeos fxos de grupo de conemporâneos e a classe de dade da vaca ao paro. O modelo compleo pode ser represenado em noação marcal como: y = Xβ + Z 1 a + Z 2 c + e, em que: y é o veor das observações (caracerísca caegórca ou conínua); β é o veor dos efeos fxos (sexo para as caraceríscas morfológcas, grupo de conemporâneos e classe de dade da vaca ao paro para P210); a é o veor dos efeos aleaóros que represenam os valores genécos advos dreos de cada anmal; c é o veor de efeos aleaóros não correlaconados (efeo de grupos conemporâneos para as caraceríscas morfológcas ou efeo de ambene permanene maerno para P210); e é o veor de efeos aleaóros resduas; e X, Z 1 e Z 2 são as marzes de ncdênca, que relaconam as observações aos efeos fxos e aos efeos aleaóros genécos advos dreos e não correlaconados, respecvamene. O arquvo de genealoga ncluu anmas da raça Nelore. Os modelos de lmar, geralmene, apresenam problemas na esmação de componenes de varânca e predção dos valores genécos, quando se em um grande número de níves de efeos fxos (Moreno e al., 1997; Varona e al., 1999; Luo e al., 2002). Nesa condção, os auores recomendam assumr esses efeos como aleaóros. No enano, para que a convergênca seja angda, ambém é necessáro que haja maor número de dados denro de cada nível (Varona e al., 1999). Assm, os efeos de grupos de conemporâneos foram assumdos como aleaóros, e o sexo como efeo fxo, para as análses genécas de caraceríscas caegórcas. No modelo de lmar, assumu-se que a escala subjacene apresena dsrbução normal conínua, represenada como: U θ ~ N(W θ, Iσ 2 e), em que: U é o veor da escala base de ordem r; θ = (β, a, c ) é o veor dos parâmeros de locação de ordem s, com β defndo sob o pono de vsa freqüensa como efeos fxos, e ordem s, com a e c como efeos aleaóros genéco advo dreo e de grupo de conemporâneos; W é a marz de ncdênca conhecda, de ordem r por s; I é a marz de dendade de ordem r por r; e σ 2 e é a varânca resdual. Consderando-se que a varável na dsrbução subjacene não é observável, a paramerzação σ 2 e = 1 é geralmene adoada para se ober denfcabldade na função de verossmlhança (Ganola & Sorensen, 2002). Tal pressuposção é padrão em análses para dados caegórcos em modelo de lmar (Van Tassel e al., 1998). As caraceríscas caegórcas são deermnadas por varáves conínuas não observáves, em escala subjacene, em que são fxados valores ncas de lmares, as que: 1 < 2 K < j - 1, com 0 = - e j =, em que j é o número de caegoras. Os dados observáves são dependenes da varável subjacene, que é lmada enre dos lmares não observáves (Ganola & Foulley, 1983). Assm, as caegoras ou escores de y (caraceríscas morfológcas), para cada anmal, são defndos por U, na escala subjacene:

4 838 C.U. de Fara e al. 1 0 U 2 1 U y 3 2 U 4 3 U 5 4 U em que: n é o número de observações. Após as especfcações dos lmares 0 a 5, é necessáro que um deles (de 1 a 4 ) seja ajusado a uma consane arbrára. Nese rabalho, adoou-se a resrção 1 = 0, al que o veor de lmares esmáves fo defndo como: Nas análses b-caraceríscas envolvendo caegórcas e conínuas, de acordo com o enfoque bayesano, admu-se que as dsrbuções ncas dos efeos aleaóros genécos, não correlaconados e resduas, seguem dsrbução normal mulvarada, conforme represenado a segur: a1 0 G ~ N,G G a 2 0 e1 0 R ~ N,R R e 2 0 p 0 p ,, n c1 0 A, p C ~ N,C C0 I, c2 0 I em que: G 0 é a marz de varâncas e covarâncas genécas; C 0 é a marz das varâncas de efeos não correlaconados; R 0 é a marz de varâncas resduas; é o operador do produo dreo; A é a marz de parenesco; e I é a marz dendade. Assumram-se dsrbuções ncas das (co)varâncas como uma Wshar nverda para os efeos aleaóros genécos, não correlaconados e resduas das caraceríscas esudadas, nclusve a covarânca enre elas. Foram defndas dsrbuções ncas unformes ano para os efeos fxos quano para os lmares. O parâmero v é o grau de lberdade correspondene à dsrbução Wshar nverda que ndca o grau de confabldade da dsrbução ncal. Nese rabalho, o parâmero v ulzado fo de valor zero, ou seja, não refleu grau de conhecmeno sobre os parâmeros (Van Tassel e al., 1998). Na mplemenação da amosragem de Gbbs, nas análses em modelo anmal de lmar (un-caracerísca), modelo anmal lnear-lmar (b-caracerísca conínua-caegórca) e modelo anmal lmar-lmar (b-caracerísca caegórca-caegórca), fo ulzado um amanho de cadea ncal de cclos, em que os prmeros foram descarados, e as amosras foram reradas a cada ml cclos, no oal de 400 amosras ncas. Em seguda, foram adconados cclos a cada rodada, aé que as esmavas obdas na úlma análse fossem guas às obdas na análse aneror. Esse créro fo ulzado com o nuo de se verfcar se realmene a convergênca fo alcançada. As análses das amosras da correlação seral e da convergênca da cadea de Gbbs foram realzadas com o auxílo do programa Gbanal (Van Kaam, 1998). Nas análses b-caraceríscas em modelo anmal de lmar-lmar, so é, na análse smulânea de duas varáves caegórcas, dferenemene da resrção para o processo aneror, adoaram-se as segunes resrções, 1 = 0 e 2 = 1 (Van Tassel e al., 1998). Nas análses em modelo anmal lnear (un-caracerísca) e modelo anmal lnear-lnear, fo ulzado o mesmo programa, endo-se alerado somene a opção para consderar o modelo como lnear (opção zero no módulo mgsprep.exe). As soluções dos valores genécos, obdas para cada anmal, foram ransformadas em escala de probabldade pela função PROBNORM do SAS (SAS Insue, 2004), que resulou em dferenças esperadas na progêne (DEPs), desvadas do valor 0,50 ou 50%. Essa ransformação em escala de probabldade é realzada, para que a undade da DEP para os escores vsuas fosse dada em percenagem. Nese caso, as DEPs predzem a probabldade de um reproduor de dexar descendenes que anjam o escore máxmo para a caracerísca avalada. Na verfcação das correlações de poso ou correlações de Spearman, enre os dferenes modelos de análse genéca das caraceríscas morfológcas avaladas por escores vsuas, fo aplcado o procedmeno PROC CORR do SAS (SAS Insue, 2004). Resulados e Dscussão Foram ulzados amanhos de cadea de Gbbs de aé cclos, na obenção das esmavas de parâmeros genécos das caraceríscas morfológcas musculosdade, esruura físca e conformação, consderando-se análses bayesanas em modelo anmal de lmar (un-caracerísca), modelo anmal lnear-lmar (b-caracerísca com dados conínuos e caegórcos) e modelo anmal lmar-lmar (b-caracerísca com dados caegórcos). Nas análses

5 Análse genéca de escores de avalação vsual 839 bayesanas em modelo anmal lnear, o amanho da cadea de Gbbs fo de cclos, e não foram necessáros cclos adconas para angr a convergênca da cadea amosral. Observou-se que, para musculosdade, as esmavas de méda, moda e medana da herdabldade foram maores, quando se ulzou o modelo de lmar (Tabela 2). Para esruura físca e conformação, as esmavas obdas pelos dos modelos foram pracamene dêncas. De modo geral, observou-se que os dos modelos apresenaram resulados smlares quano à esmação dos parâmeros genécos das caraceríscas morfológcas em análses bayesanas un-caraceríscas, pos as regões de credbldade se sobrepõem, o que caracerza não rejeção da hpóese esaísca de gualdade, enre as esmavas geradas pelos dos modelos. Esses resulados esão de acordo com os relaos de Maos e al. (1997), que concluíram que os modelos de lmar não foram mas adequados que os modelos lneares, na obenção de esmavas de parâmeros genécos, para dados caegórcos de caraceríscas reproduvas de ovelhas das raças Ramboulle e Fnnsheep. Porém, em rabalhos realzados por Ramrez-Valverde e al. (2001), Mwansa e al. (2002) e Marcondes e al. (2005), as esmavas obdas pelo modelo lnear foram de menor magnude que o modelo de lmar. É mporane ressalar que, no presene rabalho, as caraceríscas morfológcas possuíam cnco classes ou escores, o que pode er conrbuído para que as esmavas obdas pelo modelo lnear não fossem subesmadas. Tabela 2. Esaísca descrva das esmavas de herdabldade para musculosdade, esruura físca e conformação de bovnos da raça Nelore, obdas a parr de análses bayesanas un-caraceríscas, em modelo anmal de lmar e lnear. Esaísca descrva Lmar Lnear Musculosdade Méda 0,14 0,12 Moda 0,14 0,11 Medana 0,14 0,11 Regão de credbldade (95%) 0,09 a 0,20 0,06 a 0,18 Esruura físca Méda 0,15 0,14 Moda 0,14 0,14 Medana 0,15 0,14 Regão de credbldade (95%) 0,07 a 0,24 0,06 a 0,22 Conformação Méda 0,10 0,11 Moda 0,09 0,11 Medana 0,10 0,11 Regão de credbldade (95%) 0,04 a 0,15 0,05 a 0,18 Na Tabela 3, são apresenadas as esaíscas descrvas das esmavas de parâmeros genécos para as caraceríscas morfológcas musculosdade, esruura físca e conformação, obdas a parr de análses bayesanas b-caraceríscas em modelo anmal lnearlmar e lnear-lnear. Observou-se que, nese caso, a análse ncluu a caracerísca conínua peso aos 210 das de dade. De modo geral, as esmavas de herdabldade para as caraceríscas morfológcas foram semelhanes. Em relação à caracerísca conínua de peso aos 210 das de dade, observou-se que a méda das esmavas de herdabldade fo dênca nas duas análses. No enano, nas correlações genécas, observou-se que o modelo lnear-lmar proporconou esmavas de maor magnude do que o modelo lnear. De acordo com Slva e al. (2005), o uso de modelos de lmar pode proporconar esmavas mas adequadas, pos eses modelos relaconam a resposa observada na escala caegórca a uma escala subjacene normal conínua. Resulados de rabalhos de smulação Tabela 3. Esaísca descrva das esmavas de parâmeros genécos, para as caraceríscas caegórcas musculosdade (M), esruura físca (E), conformação (C) e caracerísca conínua peso aos 210 das de dade (P210), de bovnos da raça Nelore, obdas a parr de análses bayesanas b-caraceríscas, em modelo anmal lnear-lmar e lnear-lnear (1). Análse Méda Moda Medana RC (95%) Modelo lnear-lmar P M 2 0,19 0,19 0,19 0,14 a 0,23 0,21 0,22 0,21 0,13 a 0,30 r g 0,62 0,61 0,62 0,45 a 0,75 P E 2 0,21 0,21 0,21 0,17 a 0,25 0,27 0,28 0,28 0,20 a 0,35 r g 0,94 0,99 0,96 0,80 a 0,99 P C 2 0,25 0,25 0,25 0,20 a 0,30 0,29 0,31 0,31 0,07 a 0,40 r g 0,89 0,87 0,89 0,80 a 0,99 Modelo lnear-lnear P M 2 0,19 0,18 0,19 0,14 a 0,23 h 2 2 0,20 0,19 0,19 0,13 a 0,27 r g 0,61 0,62 0,61 0,46 a 0,74 P E 2 0,21 0,21 0,21 0,17 a 0,26 0,29 0,28 0,29 0,20 a 0,37 r g 0,86 0,90 0,87 0,76 a 0,95 P C 2 0,25 0,25 0,25 0,20 a 0,29 0,33 0,33 0,33 0,25 a 0,42 r g 0,85 0,85 0,85 0,78 a 0,92 (1) RC: regão de credbldade a 95%; h 2 : herdabldade; r g : correlação genéca; os valores subscros 1 e 2 ndcam, respecvamene, caraceríscas 1 e 2 da análse b-caracerísca.

6 840 C.U. de Fara e al. (Mejerng & Ganola, 1985; Hoeschele & Ganola, 1988) mosraram vanagens dos modelos de lmar, em relação aos modelos lneares. No enano, as análses com dados de campo não permram afrmar que os méodos de lmar são mas adequados que os méodos lneares, a não ser, eorcamene. Porém, Varona e al. (1999) ulzaram dados de grandes rebanhos em modelo anmal e observaram melhores resulados do modelo de lmar sobre o lnear, em análses b-caraceríscas, o que não ocorreu para análses un-caraceríscas. Observou-se que as esmavas de parâmeros genécos, para as caraceríscas caegórcas de musculosdade, esruura físca e conformação, obdas a parr de análses bayesanas b-caraceríscas em modelo anmal lmar-lmar e modelo anmal lnear-lnear, foram semelhanes para ambos os modelos (Tabela 4). Em relação à regão de credbldade, observou-se que as ampludes foram muo próxmas. A vanagem do modelo lnear fo a maor velocdade de processameno das análses. De acordo com Marcondes e al. (2005), as análses nese modelo podem ser preferdas, quando houver um grande arquvo de Tabela 4. Esaísca descrva das esmavas de parâmeros genécos, para musculosdade (M), esruura físca (E) e conformação (C) de bovnos da raça Nelore, obdas a parr de análses bayesanas b-caraceríscas, em modelo anmal de lmar-lmar e lnear-lnear (1). Análse Méda Moda Medana RC (95%) Modelo de lmar-lmar M 1 + E 2 0,15 0,15 0,15 0,08 a 0,22 0,18 0,16 0,17 0,09 a 0,28 r g 0,18 0,23 0,20-0,23 a 0,50 M 1 + C 2 0,17 0,18 0,17 0,11 a 0,26 0,18 0,18 0,18 0,09 a 0,27 r g 0,75 0,74 0,76 0,57 a 0,88 E 1 + C 2 0,18 0,15 0,17 0,10 a 0,28 0,14 0,15 0,15 0,05 a 0,22 r g 0,56 0,53 0,57 0,26 a 0,86 Modelo lnear-lnear M 1 + E 2 0,13 0,13 0,13 0,07 a 0,19 0,15 0,12 0,15 0,09 a 0,25 r g 0,19 0,23 0,21-0,21 a 0,50 M 1 + C 2 0,15 0,16 0,15 0,09 a 0,22 0,16 0,16 0,16 0,09 a 0,24 r g 0,76 0,81 0,77 0,58 a 0,89 E 1 + C 2 0,13 0,14 0,13 0,07 a 0,20 0,15 0,12 0,14 0,09 a 0,24 r g 0,59 0,60 0,60 0,24 a 0,85 (1) RC: regão de credbldade a 95%; h 2 : herdabldade; r g : correlação genéca; os valores subscros 1 e 2 ndcam, respecvamene caraceríscas 1 e 2 da análse b-caracerísca. dados e muos regsros de produção. Nese rabalho, o uso de modelos de lmar apresenou maor demanda compuaconal como o maor empo gaso na obenção das esmavas de parâmeros genécos, e ese fao fo proporconado, provavelmene, pela maor demanda de cclos da cadea de Gbbs, para se alcançar a convergênca. As correlações de poso ou correlações de Spearman, para as esmavas de DEPs para musculosdade, esruura físca e conformação, consderando-se as análses un-caraceríscas em modelo anmal lnear e de lmar, foram acma de 99%, o que ndca que, pracamene, não houve mudança na classfcação dos anmas, conforme o modelo adoado. O mesmo ocorreu nas análses b-caraceríscas (dados conínuos e caegórcos), em modelo anmal lnear-lmar e lnearlnear e nas análses b-caraceríscas (dados caegórcos) em modelo anmal lnear-lnear e lmarlmar, em que as correlações de poso ambém foram maores que 99%. Assm, verfcou-se que o uso dos dferenes modelos de avalação genéca, proposos nese rabalho, não modfcou a classfcação dos anmas. Eses resulados corroboram os de Marcondes e al. (2005), que concluíram que não houve dferença na classfcação dos anmas, quando os valores genécos foram predos pelos modelos bayesanos de lmar ou lnear. Devdo ao menor empo compuaconal, os auores recomendaram o uso dos modelos lneares para dados caegórcos. Jamrozk e al. (1991) esudaram cnco caraceríscas de conformação, em bovnos da raça Holandesa, e observaram que a classfcação dos ouros fo a mesma para ambos os modelos. Conclusão 1. Não há dferença enre o modelo lnear e o de lmar, na obenção de esmavas de herdabldades e correlações genécas, de caraceríscas caegórcas morfológcas mulnomas. 2. Na avalação genéca, o uso do modelo de lmar ou lnear, não nfluenca a classfcação dos anmas, quano aos valores genécos predos, o que favorece a ulzação de ambos os modelos em programas de melhorameno genéco. Agradecmenos Ao Conselho Naconal de Desenvolvmeno Cenífco e Tecnológco, pelo apoo fnancero; à Embrapa Arroz e Fejão, ao Deparameno de Genéca e Melhorameno

7 Análse genéca de escores de avalação vsual 841 da Unversdade Esadual Paulsa e à Escola de Veernára da Unversdade Federal de Goás, pelo apoo écnco-cenífco; ao Dr. José Benedo de Freas Trovo, pela revsão dese rabalho. Referêncas BENNETT, G.L.; GREGORY, K.E. Genec (co)varances for calvng dffculy score n compose and parenal populaons of beef cale: I. Calvng dffculy score, brh wegh, weanng wegh, and posweanng gan. Journal of Anmal Scence, v.79, p.45-51, CARDOSO, F.F.; CARDELLINO, R.A.; CAMPOS, L.T. Faores ambenas sobre escores de avalação vsual à desmama em bezerros Angus crados no Ro Grande do Sul. Revsa Braslera de Zooecna, v.30, p , CARNIER, P.; ALBERA, A.; DAL ZOTTO, R.; GROEN, A.F.; BONA, M.; BITTANTE, G. Genec parameers for drec and maernal calvng ably over pares n Pedmonese cale. Journal of Anmal Scence, v.78, p , DAL FARRA, R.A.; ROSO, V.M.; SCHENKEL, F.S. Efeos de ambene e de heerose sobre o ganho de peso do nascmeno ao desmame e sobre os escores vsuas ao desmame de bovnos de core. Revsa Braslera de Zooecna, v.31, p , (Suplemeno). GIANOLA, D.; FOULLEY, J.L. Sre evaluaon for ordered caegorcal daa wh a hreshold model. Genecs Selecon Evoluon, v.15, p , GIANOLA, D.; SORENSEN, D. Lkelhood, Bayesan, and MCMC mehods n quanave genecs. New York: Sprnger- Verlag, p. HOESCHELE, I.; GIANOLA, D. Bayesan versus maxmum quaslkelhood mehods for sre evaluaon wh caegorcal daa. Journal of Dary Scence, v.72, p , JAMROZIK, J.; SCHAEFFER, L.R.; BURNSIDE, E.B.; SULLIVAN, B.P. Threshold models appled o Holsen conformaon ras. Journal of Dary Scence, v.74, p , KIPPERT, C.J.; RORATO, P.R.N.; CAMPOS, L.T.; BOLIGON, A.A.; WEBER, T.; GHELLER, D.G.; LOPES, J.S. Efeo de faores ambenas sobre escores de avalação vsual à desmama e esmava de parâmeros genécos, para bezerros da raça Charolês. Cênca Rural, v.36, p , KOURY FILHO, W. Escores vsuas e suas relações com caraceríscas de crescmeno em bovnos de core p. Tese (Douorado) - Unversdade Esadual Paulsa, Jabocabal. LÔBO, R.B. Programa de melhorameno genéco da raça Nelore. Rberão Preo: Fnep, p. LUO, M.F.; BOETTCHER, P.J.; SCHAEFFER, L.R.; DECKKERS, J.C.M. Bayesan nference for caegorcal ras wh an applcaon o varance componen esmaon. Journal of Dary Scence, v.84, p , LUO, M.F.; BOETTCHER, P.J.; SCHAEFFER, L.R.; DEKKERS, J.C.M. Esmaon of genec parameers of calvng ease n frs and second pares of Canadan Holsens usng Bayesan mehods. Lvesock Producon Scence, v.74, p , MARCONDES, C.R.; PANETO, J.C.C.; SILVA, J.A.V.; OLIVEIRA, H.N.; LÔBO, R.B. Comparação enre análses para permanênca no rebanho de vacas Nelore ulzando modelo lnear e modelo de lmar. Arquvo Braslero de Medcna Veernára e Zooecna, v.57, p , MATOS, C.A.P.; THOMAS, D.L.; GIANOLA, D.; TEMPELMAN, R.J.; YOUNG, L.D. Genec analyss of dscree reproducve ras n sheep usng lnear and nonlnear models: I. Esmaon of genec parameers. Journal of Anmal Scence, v.75, p.76-87, MEIJERING, A.; GIANOLA, D. Lnear versus nonlnear mehods of sre evaluaon for caegorcal ras: a smulaon sudy. Genecs Selecon Evoluon, v.17, p , MORENO, C.; SORENSEN, D.; GARCÍA-CORTÉS, L.A.; VARONA, L.; ALTARRIBA, J. On based nferences abou varance componens n he bnary hreshold model. Genecs Selecon Evoluon, v.29, p , MWANSA, P.B.; CREWS, D.H.J.; WILTON, J.W.; KEMP, R.A. Mulple ra selecon for maernal producvy n beef cale. Journal of Anmal Breedng Genecs, v.119, p , PHOCAS, F.; LALOË, D. Evaluaon models and genec parameers for calvng dffculy n beef cale. Journal of Anmal Scence, v.81, p , RAMIREZ-VALVERDE, R.; MISZTAL, I.; BERTRAND, J.K. Comparson of hreshold vs lnear and anmal vs sre models for predcng drec and maernal genec effecs on calvng dffculy n beef cale. Journal of Anmal Scence, v.79, p , SAS INSTITUTE. SAS OnlneDoc Cary: SAS Insue, SILVA, J.A.V.; DIAS, L.T.; ALBUQUERQUE, L.G. Esudo genéco da precocdade sexual de novlhas em um rebanho Nelore. Revsa Braslera de Zooecna, v.34, p , SORENSEN, D.A.; ANDERSEN, S.; GIANOLA, D.; KORSGAARD, I. Bayesan nference n hreshold models usng Gbbs samplng. Genecs Selecon Evoluon, v.27, p , VAN KAAM, J.B.C.H.M. Gbanal 2.9: analyzng program for Markov chan Mone Carlo sequences. Wagenngen: Wagenngen Agrculural Unversy, VAN TASSELL, C.P.; VAN VLECK, L.D.; GREGORY, K.E. Bayesan analyss of wnnng and ovulaon raes usng a mulplera hreshold model and Gbbs samplng. Journal of Anmal Scence, v.76, p , VARONA, L.; MISZTAL, I.; BERTRAND, J.K. Threshold-lnear versus lnear-lnear analyss of brh wegh and calvng ease usng an anmal model: I. Varance componen esmaon. Journal of Anmal Scence, v.77, p , WEIGEL, K.A.; REKAYA, R. Genec parameers for reproducve ras of Holsen cale n Calforna and Mnnesoa. Journal of Dary Scence, v.83, p , Recebdo em 20 de janero de 2008 e aprovado em 30 de junho de 2008

2 Programação Matemática Princípios Básicos

2 Programação Matemática Princípios Básicos Programação Maemáca Prncípos Báscos. Consderações Geras Os objevos dese capíulo são apresenar os conceos de Programação Maemáca (PM) necessáros à compreensão do processo de omzação de dmensões e descrever

Leia mais

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. ECONOMETRIA Prof. Parca Mara Borolon. Sc. Modelos de ados em Panel Fone: GUJARATI;. N. Economera Básca: 4ª Edção. Ro de Janero. Elsever- Campus 006 efnções Geras Nos dados em panel a mesma undade de core

Leia mais

Interpolação e Extrapolação da Estrutura a Termo de Taxas de Juros para Utilização pelo Mercado Segurador Brasileiro

Interpolação e Extrapolação da Estrutura a Termo de Taxas de Juros para Utilização pelo Mercado Segurador Brasileiro Inerpolação e Exrapolação da Esruura a Termo de Taxas de Juros para Ulzação pelo Mercado Segurador Braslero Sergo Lus Frankln Jr. Thago Baraa Duare César da Rocha Neves + Eduardo Fraga L. de Melo ++ M.Sc.,

Leia mais

Análise do Desempenho dos Gestores de Fundos, baseada nas Transações e nas Participações das Carteiras

Análise do Desempenho dos Gestores de Fundos, baseada nas Transações e nas Participações das Carteiras Vâna Sofa Sequera Umbelno Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Dsseração de Mesrado apresenado à Faculdade de Economa da Unversdade de Combra

Leia mais

CAPÍTULO 1 REPRESENTAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS. Sistema monovariável SISO = Single Input Single Output. s 1 s 2. ... s n

CAPÍTULO 1 REPRESENTAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS. Sistema monovariável SISO = Single Input Single Output. s 1 s 2. ... s n 1 CAPÍTULO 1 REPREENTAÇÃO E CLAIFICAÇÃO DE ITEMA 1.1. Represenação de ssemas 1.1.1. semas com uma enrada e uma saída (IO) e sema monovarável IO = ngle Inpu ngle Oupu s e = enrada s = saída = ssema 1.1..

Leia mais

Arbitragem na Estrutura a Termo das Taxas de Juros: Uma Abordagem Bayesiana

Arbitragem na Estrutura a Termo das Taxas de Juros: Uma Abordagem Bayesiana Arbragem na Esruura a ermo das axas de Juros: Uma Abordagem Bayesana Márco Pole Laurn Armêno Das Wesn Neo Insper Workng Paper WPE: / Copyrgh Insper. odos os dreos reservados. É probda a reprodução parcal

Leia mais

Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido.

Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. A Prevsão com o Modelo de Regressão.... Inrodução ao Modelo de Regressão.... Exemplos de Modelos Lneares... 3. Dervação dos Mínmos Quadrados no Modelo de Regressão... 6 4. A Naureza Probablísca do Modelo

Leia mais

S&P Dow Jones Indices: Metodologia da matemática dos índices

S&P Dow Jones Indices: Metodologia da matemática dos índices S&P Dow Jones Indces: Meodologa da maemáca dos índces S&P Dow Jones Indces: Meodologa do índce Ouubro 2013 Índce Inrodução 3 Dferenes varedades de índces 3 O dvsor do índce 4 Índces ponderados por capalzação

Leia mais

Impacto da Educação Defasada sobre a Criminalidade no Brasil: 2001-2005

Impacto da Educação Defasada sobre a Criminalidade no Brasil: 2001-2005 1 Impaco da Educação Defasada sobre a Crmnaldade no Brasl: 2001-2005 Evandro Camargos Texera Ana Lúca Kassouf Seembro, 2011 Workng Paper 010 Todos os dreos reservados. É probda a reprodução parcal ou negral

Leia mais

HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE

HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE Pesqusa Operaconal e o Desenvolvmeno Susenável 7 a /9/5, Gramado, RS HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE André Luís Shguemoo Faculdade de Engenhara Elérca e Compuação Unversdade Esadual

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA LEI KANDIR SOBRE A ARRECADAÇÃO DE ICMS NO ESTADO DO CEARÁ

AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA LEI KANDIR SOBRE A ARRECADAÇÃO DE ICMS NO ESTADO DO CEARÁ AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA LEI KANDIR SOBRE A ARRECADAÇÃO DE ICMS NO ESTADO DO CEARÁ Alejandro Magno Lma Leão Mesre em economa pelo CAEN Audor Fscal da Recea do Esado do Ceará Fabríco Carnero Lnhares Phd

Leia mais

A Concorrência entre o Brasil. uma Aplicação do Modelo Constant-Market-Share*

A Concorrência entre o Brasil. uma Aplicação do Modelo Constant-Market-Share* A Concorrênca enre o Brasl e a Chna no ercado Sul-afrcano: uma Aplcação do odelo Consan-arke-Share* Arane Danelle Baraúna da Slva Álvaro Barranes Hdalgo 2 RESUO: O fore crescmeno da economa chnesa nos

Leia mais

da rede são atualizados de acordo com a equação 2 [13]:

da rede são atualizados de acordo com a equação 2 [13]: LS-DRAUGHTS - UM SISTEMA DE ARENDIZAGEM ARA DAMAS COM GERAÇÃO AUTOMÁ- TICA DE CARACTERÍSTICAS HENRIQUE CASTRO NETO, RITA MARIA SILVA JULIA Faculdade de Compuação, Unversdade Federal de Uberlânda Av. João

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO

ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO Roque Passos Pvel Escola Polécnca da Unversdade de São Paulo - EPUSP Pedro Alem Sobrnho Escola Polécnca da Unversdade

Leia mais

3 Planejamento da Operação Energética no Brasil

3 Planejamento da Operação Energética no Brasil 3 Planeameno da Operação Energéca no Brasl 3.1 Aspecos Geras O ssema elérco braslero é composo por dos dferenes pos de ssemas: os ssemas solados, os quas predomnam na regão Nore do Brasl e represenam cerca

Leia mais

1- Testes Acelerados. Como nível usual entende-se o nível da variável stress a que o componente ou aparelho será submetido no dia-adia.

1- Testes Acelerados. Como nível usual entende-se o nível da variável stress a que o componente ou aparelho será submetido no dia-adia. - Teses Aelerados São de rande mporâna na ndúsra espealmene na ndúsra elero-elerôna em que eses de empos de vda demandam muo empo. (os produos são muo onfáves) Inorporação de uma arável-sress adonada a

Leia mais

Gripe: Época de gripe; actividade gripal; cálculo da linha de base e do respectivo intervalo de confiança a 95%; e área de actividade basal.

Gripe: Época de gripe; actividade gripal; cálculo da linha de base e do respectivo intervalo de confiança a 95%; e área de actividade basal. Grpe: Época de grpe; acvdade grpal; cálculo da lnha de ase e do respecvo nervalo de confança a 95%; e área de acvdade asal. ÉPOCA DE GRPE Para maor facldade de compreensão será desgnado por época de grpe

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY a 5 Novembro de 009 Recfe - PE GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL HIDROTERM

Leia mais

ipea COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA

ipea COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA Paulo Mansur Levy Mara Isabel Fernans Serra Esa noa em como objevo dvulgar resulados relavos ao comporameno das exporações e mporações produos ndusras

Leia mais

Convergência e Formação de Clubes no Brasil sob a Hipótese de Heterogeneidade no Desenvolvimento Tecnológico

Convergência e Formação de Clubes no Brasil sob a Hipótese de Heterogeneidade no Desenvolvimento Tecnológico Convergênca e Formação de Clubes no Brasl sob a Hpóese de Heerogenedade no Desenvolvmeno Tecnológco Chrsano Penna Fabríco Lnhares RESUMO: Esse argo examna a exsênca de endêncas de crescmeno comuns e formação

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013. Padrão. Padrão. max i. I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4.

CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013. Padrão. Padrão. max i. I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4. CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013 Esabelece os procedmenos para o cálculo da parcela dos avos ponderados pelo rsco (RWA) referene às exposções sueas à varação de axas de uros prefxadas denomnadas

Leia mais

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas.

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas. 1 INTRODUÇÃO E CONCEITOS INICIAIS 1.1 Mecânca É a pare da Físca que esuda os movmenos dos corpos. 1. -Cnemáca É a pare da mecânca que descreve os movmenos, sem se preocupar com suas causas. 1.3 - Pono

Leia mais

A estrutura a termo de taxas de juros no Brasil: modelos, estimação, interpolação, extrapolação e testes

A estrutura a termo de taxas de juros no Brasil: modelos, estimação, interpolação, extrapolação e testes A esruura a ermo de axas de juros no Brasl: modelos, esmação, nerpolação, exrapolação e eses Sergo Lus Frankln Jr. Thago Baraa Duare César da Rocha Neves + Eduardo Fraga L. de Melo ++ M.Sc., SUSEP/CGSOA

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS

A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS Nelson Leão Paes PIMES/UFPE Resumo Nese argo, ulzou-se um modelo de equlíbro geral dnâmco para esmar

Leia mais

Programação Não Linear Irrestrita

Programação Não Linear Irrestrita EA 044 Planejameno e Análse de Ssemas de Produção Programação Não Lnear Irresra DCA-FEEC-Uncamp Tópcos -Inrodução -Busca undmensonal 3-Condções de omaldade 4-Convedade e omaldade global 5-Algormos DCA-FEEC-Uncamp

Leia mais

PREVISIBILIDADE NO MERCADO DE COMMODITIES: UM ESTUDO APLICADO AO PREÇO DA SOJA NO BRASIL

PREVISIBILIDADE NO MERCADO DE COMMODITIES: UM ESTUDO APLICADO AO PREÇO DA SOJA NO BRASIL Salvador, BA, Brasl, 08 a de ouubro de 03. PREVISIBILIDADE O MERCADO DE COMMODITIES: UM ESTUDO APLICADO AO PREÇO DA SOJA O BRASIL Everon Anger Cavalhero (UFPEL ) ecavalhero@cvsm.com.br Kelmara Mendes Vera

Leia mais

CÁLCULO DE ÍNDICES DE CONFIABILIDADE EM SISTEMAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA USANDO UM ALGORITMO GENÉTICO MODIFICADO

CÁLCULO DE ÍNDICES DE CONFIABILIDADE EM SISTEMAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA USANDO UM ALGORITMO GENÉTICO MODIFICADO CÁLCULO DE ÍNDICES DE CONFIABILIDADE EM SISTEMAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA USANDO UM ALGORITMO GENÉTICO MODIFICADO RODRIGO ALBUQUERQUE, ANSELMO RODRIGUES, MARIA G. DA SILVA. Grupo de Ssemas de Poênca, Deparameno

Leia mais

ANEXO III. Nota Técnica nº 148/2010-SRE/ANEEL Brasília, 24 de maio de 2010.

ANEXO III. Nota Técnica nº 148/2010-SRE/ANEEL Brasília, 24 de maio de 2010. ANEXO III Noa Técnca nº 148/21-SRE/ANEEL Brasíla, 24 de mao de 21. M E T O D O L O G I A E Á L U L O D O F A T O R X ANEXO II Noa Técnca n o 148/21 SRE/ANEEL Em 24 de mao de 21. Processo nº 485.269/26-61

Leia mais

BOLETIM. Nº. 02, Volume 1

BOLETIM. Nº. 02, Volume 1 BOLETIM SEÇÃO BRASILEIRA DA ISBA Nº. Volume Seembro 4 BOLETIM ISBRA Volume Número Seembro 4 Bolem Ofcal do Capíulo Braslero da Inernaonal Socey of Bayesan Analyss ISBRA Presdene: Secreáro: Tesourero: Josemar

Leia mais

5 Apreçamento de ESOs com preço de exercício fixo

5 Apreçamento de ESOs com preço de exercício fixo 5 Apreçameno de ESOs com preço de exercíco fxo Ese capíulo rá explorar os prncpas modelos de apreçameno das ESOs ulzados hoje em da. Neses modelos a regra de decsão é esruurada em orno da maxmzação do

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP OTIMIZAÇÃO DA

Leia mais

Avaliação Inter/Intra-regional de absorção e difusão tecnológica no Brasil: Uma abordagem não-paramétrica. AUTORES.

Avaliação Inter/Intra-regional de absorção e difusão tecnológica no Brasil: Uma abordagem não-paramétrica. AUTORES. Avalação Iner/Inra-regonal de absorção e dfusão ecnológca no Brasl: Uma abordagem não-paramérca. Palavras chave: Efcênca écnca Produvdade oal Varação ecnológca AUTORES Emerson Marnho ouor em Economa pela

Leia mais

Análise comparativa e teste empírico da validade dos modelos CAPM tradicional e condicional: o caso das ações da Petrobrás

Análise comparativa e teste empírico da validade dos modelos CAPM tradicional e condicional: o caso das ações da Petrobrás Análse comparava e ese empírco da valdade dos modelos capm radconal e condconal: o caso das ações da Perobrás Análse comparava e ese empírco da valdade dos modelos CAPM radconal e condconal: o caso das

Leia mais

1. Introdução. B = S = Valor presente esperado dos superávits futuros (1) P

1. Introdução. B = S = Valor presente esperado dos superávits futuros (1) P . Inrodução A vsão radconal da deermnação do nível de preços é baseada na eora Quanava da Moeda. Segundo essa vsão o padrão de avdade real em uma economa mplca um cero nível desejado de encaxes moneáros

Leia mais

ANÁLISE CONDICIONADA DA DEMANDA COM CORREÇÃO DE HETEROCEDASTICIDADE

ANÁLISE CONDICIONADA DA DEMANDA COM CORREÇÃO DE HETEROCEDASTICIDADE ANÁLISE CONDICIONADA DA DEMANDA COM CORREÇÃO DE HETEROCEDASTICIDADE Angela Crsna Morera da Slva UFRJ/COPPE - Unversdade Federal do Ro de Janero, Cenro de Tecnologa, Bloco F, sala 114, Cdade Unversára Ro

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

Denilson Ricardo de Lucena Nunes. Gestão de suprimentos no varejo

Denilson Ricardo de Lucena Nunes. Gestão de suprimentos no varejo Denlson Rcardo de Lucena Nunes Gesão de suprmenos no varejo semas de reposção de esoques em duas camadas e análse de esquemas de monorameno da prevsão de demanda Tese de Douorado Tese apresenada ao programa

Leia mais

Análise Discriminante: classificação com 2 populações

Análise Discriminante: classificação com 2 populações Análse Dscrmnane: classcação com oulações Eemlo : Proreáros de coradores de rama oram avalados seundo duas varáves: Renda U$ ; Tamanho da roredade m. Eemlo : unção dscrmnane unvarada ~ ama4 4 3 e ~ ama8.5

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMPÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMPÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO AULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO SÃO AULO 28 THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMÍRICOS DA EFICIÊNCIA

Leia mais

Análise RFV do Cliente na Otimização de Estratégias de Marketing: Uma Abordagem por Algoritmos Genéticos

Análise RFV do Cliente na Otimização de Estratégias de Marketing: Uma Abordagem por Algoritmos Genéticos Análse RFV do Clene na Omzação de Esraégas de Markeng: Uma Abordagem por Algormos Genécos Anderson Gumarães de Pnho Ponfíca Unversdade Caólca do Ro de Janero Ro de Janero RJ Brasl agp.ne@gmal.com 1. Inrodução

Leia mais

(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE IME 2013 DISCURSIVAS FÍSICA FÍSICA. , devido à equação (1). Voltando à equação (2) obtemos:

(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE IME 2013 DISCURSIVAS FÍSICA FÍSICA. , devido à equação (1). Voltando à equação (2) obtemos: (9) - O LIT SOLV IM DISCUSIVS ÍSIC USTÃO ÍSIC sendo nula a velocdade vercal ncal v, devdo à equação (). Volando à equação () obemos:,8 ˆj ˆj b) Dado o momeno lnear da equação () obemos a velocdade na dreção

Leia mais

Modelos de regressão aleatória com diferentes estruturas de variância residual para descrever o tamanho da leitegada 1

Modelos de regressão aleatória com diferentes estruturas de variância residual para descrever o tamanho da leitegada 1 Revsa Cênca Agronômca, v. 4, n. 4, p. 1043-1050, ou-dez, 011 Cenro de Cêncas Agráras - Unversdade Federal do Ceará, Foraleza, CE Argo Cenífco www.ccarevsa.ufc.br ISSN 1806-6690 Modelos de regressão aleaóra

Leia mais

Desconcentração e interiorização da economia fluminense na última década

Desconcentração e interiorização da economia fluminense na última década DSCONCNTRAÇÃO INTRIORIZAÇÃO DA CONOMIA FLUMINNS NA ÚLTIMA DÉCADA PAULO MARCLO SOUZA; NIRALDO JOSÉ PONCIANO; MARLON GOMS NY; HNRIQU TOMÉ MATA; UNIVRSIDAD FDRAL DA BAHIA SALVADOR - BA - BRASIL pmsouza@uenf.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INVESTIMENTOS EM DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SOB INCERTEZA REGULATÓRIA UTILIZANDO OPÇÕES REAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INVESTIMENTOS EM DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SOB INCERTEZA REGULATÓRIA UTILIZANDO OPÇÕES REAIS UNIRSIDAD FDRAL D ITAJUBÁ TS D DOUTORADO INSTIMNTOS M DISTRIBUIÇÃO D NRGIA LÉTRICA SOB INCRTZA RGULATÓRIA UTILIZANDO OPÇÕS RAIS JULIA CRISTINA CAMINHA NORONHA Tese apresenada ao Programa de Pós-Graduação

Leia mais

DINÂMICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS COM O FILTRO DE KALMAN

DINÂMICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS COM O FILTRO DE KALMAN XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DINÂICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COODITIES AGRÍCOLAS CO O FILTRO DE KALAN Flávo Pnhero Corsn (POLI-USP) flavo.corsn@gmal.com Celma de Olvera Rbero (POLI-USP)

Leia mais

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA MODELO DE APOIO À DECISÃO PARA UM PROBLEMA DE POSICIONAMENTO DE BASES, ALOCAÇÃO E REALOCAÇÃO DE AMBULÂNCIAS EM CENTROS URBANOS: ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO RESUMO Ese argo apresena uma proposa

Leia mais

Despacho n.º 13/06. 2. A presente resolução entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. João Renato Lima Presidente do C.A.

Despacho n.º 13/06. 2. A presente resolução entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. João Renato Lima Presidente do C.A. Despacho n.º 13/06 De enre as arbuções da Agênca de Regulação Económca desaca-se a compeênca de fxar as arfas e os mecansmos de reajuses a serem pracados pela oncessonára do servço públco de ranse e dsrbução

Leia mais

A economia política dos fluxos de capitais brasileiros pós-plano Real. Title: The Political Economy of Brazilian Capital Flows after the Real Plan

A economia política dos fluxos de capitais brasileiros pós-plano Real. Title: The Political Economy of Brazilian Capital Flows after the Real Plan A economa políca dos fluxos de capas brasleros pós-plano Real Dvanldo Trches * Soraa Sanos da Slva ** Tle: The Polcal Economy of Brazlan Capal Flows afer he Real Plan RESUMO O presene esudo em como objevo

Leia mais

ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR MEIO DOS MODELOS CAPM NÃO-CONDICIONAL E CAPM CONDICIONAL

ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR MEIO DOS MODELOS CAPM NÃO-CONDICIONAL E CAPM CONDICIONAL ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR EIO DOS ODELOS CAP NÃO-CONDICIONAL E CAP CONDICIONAL (Cos of equy analyss n Brazl: Non-Condonal CAP and Condonal CAP) Lumla Souza Grol 1 1 Unversdade Federal

Leia mais

PROF. DR. JACQUES FACON LIMIARIZAÇÃO POR ENTROPIA DE WULU

PROF. DR. JACQUES FACON LIMIARIZAÇÃO POR ENTROPIA DE WULU 1 PUCPR- Ponfíca Unversdade Caólca Do Paraná PPGIA- Programa de Pós-Graduação Em Informáca Aplcada PROF. DR. JACQUES FACON IMIARIZAÇÃO POR ENTROPIA DE WUU Resumo: Uma nova écnca de marzação baseada em

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

Avaliação de Métodos de Interpolação do Sinal de Variabilidade da Freqüência Cardíaca

Avaliação de Métodos de Interpolação do Sinal de Variabilidade da Freqüência Cardíaca Avalação de Méodos de Inerolação do Snal de Varabldade da Freqüênca Cardíaca João Luz Azevedo de Carvalho, Oávo Sérgo de Araúo e Noguera, Adson Ferrera da Rocha, Francsco Asss de Olvera Nascmeno, João

Leia mais

Esta monografia é dedicada a Letícia e aos meus pais, João e Adelangela

Esta monografia é dedicada a Letícia e aos meus pais, João e Adelangela Esa monografa é dedcada a Leíca e aos meus pas, João e Adelangela Agradecmenos Gosara de agradecer ao Prof. Vrgílo, pelo apoo e orenação dados durane ese e ouros rabalhos. Agradeço ambém a meus colegas

Leia mais

Otimização no Planejamento Agregado de Produção em Indústrias de Processamento de Suco Concentrado Congelado de Laranja

Otimização no Planejamento Agregado de Produção em Indústrias de Processamento de Suco Concentrado Congelado de Laranja Omzação no Planeameno Agregado de Produção em Indúsras de Processameno de Suco Concenrado Congelado de Larana José Renao Munhoz Crova Agro Indusral Lda., 15800-970, Caanduva, SP (ose.munhoz@crova.com)

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

MARKOV SWITCHING CAPM: UMA ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO DAS EMPRESAS GAÚCHAS EM RELAÇÃO AO MERCADO EM DIFERENTES AMBIENTES DE RISCO

MARKOV SWITCHING CAPM: UMA ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO DAS EMPRESAS GAÚCHAS EM RELAÇÃO AO MERCADO EM DIFERENTES AMBIENTES DE RISCO MARKOV SWITCHING CAPM: UMA ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO DAS EMPRESAS GAÚCHAS EM RELAÇÃO AO MERCADO EM DIFERENTES AMBIENTES DE RISCO Pedro Tonon Zuanazz 1 Marcos Vnco Wnk Junor 2 Resumo Um dos prncpas

Leia mais

Análise Fatorial F 1 F 2

Análise Fatorial F 1 F 2 Análse Fatoral Análse Fatoral: A Análse Fatoral tem como prncpal objetvo descrever um conjunto de varáves orgnas através da cração de um número menor de varáves (fatores). Os fatores são varáves hpotétcas

Leia mais

MAE5778 - Teoria da Resposta ao Item

MAE5778 - Teoria da Resposta ao Item MAE5778 - Teora da Resposta ao Item Fernando Henrque Ferraz Perera da Rosa Robson Lunard 1 de feverero de 2005 Lsta 2 1. Na Tabela 1 estão apresentados os parâmetros de 6 tens, na escala (0,1). a b c 1

Leia mais

Inferência Bayesiana Aplicada ao Desenvolvimento de Modelos Neurais para Tratamento de Alarmes em Subestações

Inferência Bayesiana Aplicada ao Desenvolvimento de Modelos Neurais para Tratamento de Alarmes em Subestações Inferênca Bayesana Aplcada ao Desenvolvmeno de Modelos Neuras para Traameno de Alarmes em Subesações Vor Huo Ferrera, Julo esar Saccn de Souza e Mlon Brown Do ouo Flo Absrac-- Ts wor nvesaes e applcaon

Leia mais

FILTROS ATIVOS: UMA ABORDAGEM COMPARATIVA. Héctor Arango José Policarpo G. Abreu Adalberto Candido

FILTROS ATIVOS: UMA ABORDAGEM COMPARATIVA. Héctor Arango José Policarpo G. Abreu Adalberto Candido FILTROS ATIVOS: UMA ABORDAGEM COMPARATIVA Hécor Arango José Polcaro G. Abreu Adalbero Canddo Insuo de Engenhara Elérca - EFEI Av. BPS, 1303-37500-000 - Iajubá (MG) e-mal: arango@ee.efe.rmg.br Resumo -

Leia mais

ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO

ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO TUTORIAL Marcos Anôno de Camargos Admnsrador de Empresas, MBA em Gesão Esraégca (Fnanças), Mesre em Admnsração pelo NUFI/CEPEAD/FACE/UFMG e Professor do Cenro

Leia mais

Renda Básica da Cidadania versus Imposto de Renda Negativo: O Papel dos Custos de Focalização

Renda Básica da Cidadania versus Imposto de Renda Negativo: O Papel dos Custos de Focalização Renda Básca da Cdadana versus Imposo de Renda Negavo: O Papel dos Cusos de Focalzação Nelson Leão Paes Marcelo Leer Squera Re s u m o O presene argo procura comparar duas polícas socas alernavas de combae

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

O díodo. Dispositivo de dois terminais

O díodo. Dispositivo de dois terminais eparameno de Engenhara Elecroécnca (EE) sposvo de dos ermnas Ânodo O díodo Cáodo Componene elemenar não-lnear ulzado em crcuos muo varados Aplcações: conversores de poênca AC/C recfcadores, processameno

Leia mais

Universidade Federal de Lavras

Universidade Federal de Lavras Universidade Federal de Lavras Deparameno de Ciências Exaas Prof. Daniel Furado Ferreira 8 a Lisa de Exercícios Disribuição de Amosragem 1) O empo de vida de uma lâmpada possui disribuição normal com média

Leia mais

4 - ANÁLISE DE SÉRIES TEMPORAIS

4 - ANÁLISE DE SÉRIES TEMPORAIS INE 700 Aálse de Séres Temporas 4 - ANÁLISE DE SÉRIES TEMPORAIS Sére Temporal é um cojuo de observações sobre uma varável, ordeado o empo, e regsrado em períodos regulares. Podemos eumerar os segues exemplos

Leia mais

NUVENS HP: UMA PROPOSTA SEM MALHA PARA O MEC

NUVENS HP: UMA PROPOSTA SEM MALHA PARA O MEC UVES HP: UMA PROPOSTA SEM MALHA PARA O MEC Adrano Scremn Unversdade Federal do Paraná Deparameno de Engenhara Mecânca Cx. P. 90 853-900 Curba, PR, Brasl Resumo. Duare & Oden (996) desenvolveram recenemene

Leia mais

EFEITOS DA MIGRAÇÃO PARA OS NÍVEIS DE GOVERNANÇA DA BOVESPA

EFEITOS DA MIGRAÇÃO PARA OS NÍVEIS DE GOVERNANÇA DA BOVESPA EFEITOS DA MIGRAÇÃO PARA OS NÍVEIS DE GOVERNANÇA DA BOVESPA TRABALHO PREPARADO PARA A BOVESPA Anono Gledson de Carvalho (esa versão: Janero/23) RESUMO Muo em-se ressalado sobre a mporânca de uma boa governança

Leia mais

Autoria: Josilmar Cordenonssi Cia

Autoria: Josilmar Cordenonssi Cia Uma Possível Solução para o Equy Premum Puzzle (EPP Auora: Joslmar Cordenonss Ca Resumo MEHRA e PRESCO (985 levanaram uma quesão que aé hoje não fo respondda de forma sasfaóra: o prêmo de rsco das ações

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

7. FILTROS PASSIVOS E ATIVOS

7. FILTROS PASSIVOS E ATIVOS 7. FILTROS PASSIVOS E ATIVOS São esudadas nese capíulo esruuras de crcuos capazes de mgar o problema de dsorção de correnes e/ou ensões em ssemas elércos. Inca-se com os flros passvos, verfcando alguns

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

Nota Técnica sobre a Circular nº 2.972, de 23 de março de 2000

Nota Técnica sobre a Circular nº 2.972, de 23 de março de 2000 Noa Técnca sobre a rcular nº 2.972, de 23 de março de 2000 Meodologa ulzada no processo de apuração do valor da volaldade padrão e do mulplcador para o da, dvulgados daramene pelo Banco enral do Brasl.

Leia mais

PREVISÃO DE PARTIDAS DE FUTEBOL USANDO MODELOS DINÂMICOS

PREVISÃO DE PARTIDAS DE FUTEBOL USANDO MODELOS DINÂMICOS PREVISÃO DE PRTIDS DE FUTEBOL USNDO MODELOS DINÂMICOS Oswaldo Gomes de Souza Junor Insttuto de Matemátca Unversdade Federal do Ro de Janero junor@dme.ufrj.br Dan Gamerman Insttuto de Matemátca Unversdade

Leia mais

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil BBR - Brazlan Busness Revew E-ISSN: 1807-734X bbronlne@bbronlne.com.br FUCAPE Busness School Brasl Fausno Maos, Paulo Rogéro; Texera da Rocha, José Alan Ações e Fundos de Invesmeno em Ações: Faores de

Leia mais

Índice de Preços Imobiliários para o Brasil: Estudos para Discussão

Índice de Preços Imobiliários para o Brasil: Estudos para Discussão Mnséro do Planejameno, Orçameno e Gesão Insuo Braslero de Geografa e Esaísca IBGE Dreora de Pesqusas Coordenação de Índces de Preços Ssema Naconal de Índces de Preços ao Consumdor SNIPC Índce de Preços

Leia mais

KEE WORDS: Exchange Rates, Parity, Purchasing Power, Gstav Cassel

KEE WORDS: Exchange Rates, Parity, Purchasing Power, Gstav Cassel [VIANNA, PEDRO JORGE; PARIDADE DO PODER DE COPRA: TEORIA OU ETODOLOGIA?]. Recfe. V Enconro de Economsas da Língua Poruguesa, 5-7 de novembro de 2003. TÍTULO: PARIDADE DO PODER DE COPRA: TEORIA OU ETODOLOGIA?

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

Conceitos Básicos de Circuitos Elétricos

Conceitos Básicos de Circuitos Elétricos onceos Báscos de rcuos lércos. nrodução Nesa aposla são apresenados os conceos e defnções fundamenas ulzados na análse de crcuos elércos. O correo enendmeno e nerpreação deses conceos é essencal para o

Leia mais

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010 AVALIAÇÃO ATUARIAL Daa da Avaliação: 3/2/200 Dados do Plano Nome do Plano: CEEEPREV CNPB: 20.020.04-56 Parocinadoras: Companhia Esadual de Geração e Transmissão de Energia Elérica CEEE-GT Companhia Esadual

Leia mais

MOMENTO ÓTIMO PARA INVESTIR EM PROJETOS DE MINERAÇÃO: UMA ANÁLISE POR OPÇÕES REAIS E TEORIA DOS JOGOS

MOMENTO ÓTIMO PARA INVESTIR EM PROJETOS DE MINERAÇÃO: UMA ANÁLISE POR OPÇÕES REAIS E TEORIA DOS JOGOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ALEXANDRE DE CÁSSIO RODRIGUES MOMENTO ÓTIMO PARA INVESTIR EM PROJETOS DE MINERAÇÃO: UMA ANÁLISE POR OPÇÕES REAIS E TEORIA DOS JOGOS Belo Horzone MG 202 UNIVERSIDADE

Leia mais

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como:

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como: REGRESSÃO LOGÍSTCA. ntrodução Defnmos varáves categórcas como aquelas varáves que podem ser mensurados usando apenas um número lmtado de valores ou categoras. Esta defnção dstngue varáves categórcas de

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

defi departamento de física

defi departamento de física def deparameno de físca Laboraóros de Físca www.def.sep.pp.p Equações de Fresnel Insuo Superor de Engenhara do Poro Deparameno de Físca Rua Dr. Anóno Bernardno de Almeda, 431 400-07 Poro. Tel. 8 340 500.

Leia mais

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 IV SEMEAD METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 RESUMO Uma das ferramenas de gesão do risco de mercado

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostla de Estatístca Curso de Matemátca Volume II 008 Probabldades, Dstrbução Bnomal, Dstrbução Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna 1 Capítulo 8 - Probabldade 8.1 Conceto Intutvamente pode-se defnr probabldade

Leia mais

2. MATERIAIS E MÉTODOS

2. MATERIAIS E MÉTODOS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS MODELOS DO IPCC-AR4 NO NORDESTE SETENTRIONAL DO BRASIL QUANTO À VARIABILIDADE PLURIANUAL DA PRECIPITAÇÃO NO SÉCULO XX RESUMO--- Os modelos globas do Intergovernmental Panel

Leia mais

Ricardo Ratner Rochman FGV-EAESP. William Eid Junior FGV-EAESP

Ricardo Ratner Rochman FGV-EAESP. William Eid Junior FGV-EAESP INSIDERS CONSEGUEM RETORNOS ANORMAIS?: ESTUDOS DE EVENTOS SOBRE AS OPERAÇÕES DE INSIDERS DAS EMPRESAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DIFERENCIADA DA BOVESPA Rcardo Raner Rochman FGV-EAESP Wllam Ed Junor FGV-EAESP

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Instituto de Matemática e Estatística Econometria

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Instituto de Matemática e Estatística Econometria Unversdade do Estado do Ro de Janero Insttuto de Matemátca e Estatístca Econometra Revsão de modelos de regressão lnear Prof. José Francsco Morera Pessanha professorjfmp@hotmal.com Regressão Objetvo: Estabelecer

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Escola Secundária Dom Manuel Martins

Escola Secundária Dom Manuel Martins Escola Secundária Dom Manuel Marins Seúbal Prof. Carlos Cunha 1ª Ficha de Avaliação FÍSICO QUÍMICA A ANO LECTIVO 2006 / 2007 ANO II N. º NOME: TURMA: C CLASSIFICAÇÃO Grisson e a sua equipa são chamados

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez Universidade Federal de Peloas UFPEL Deparameno de Economia - DECON Economia Ecológica Professor Rodrigo Nobre Fernandez Capíulo 6 Conabilidade Ambienal Nacional Peloas, 2010 6.1 Inrodução O lado moneário

Leia mais

Ana Cristina Guimarães Carneiro

Ana Cristina Guimarães Carneiro UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CCSA CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA CME NÍVEL MESTRADO Ana Crsna Gumarães Carnero Avalação das Mudanças Recenes na Marz Energéca

Leia mais

CIBRIUS INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE SOCIAL

CIBRIUS INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE SOCIAL CIBRIUS INSTITUTO CONAB SEGURIDA SOCIAL Plano ConabPrev (COM BASE NA PROPOSTA REGULAMENTO A SER SUBMETIDA A PREVIC Noa Técnca Auaral 060/13 (Refcada) Agoso/2015 1 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 5 2 GLOSSÁRIO...

Leia mais

Gestão de uma Carteira de Activos de Produção de Energia Eléctrica

Gestão de uma Carteira de Activos de Produção de Energia Eléctrica Gesão de uma Carera de Acvos de Produção de Energa Elécrca Invesmeno na ópca da Teora da Carera Mara Margarda D Ávla Duro de Sousa e Slva Dsseração para a obenção do Grau de Mesre em Engenhara e Gesão

Leia mais

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial O mgrante de retorno na Regão Norte do Brasl: Uma aplcação de Regressão Logístca Multnomal 1. Introdução Olavo da Gama Santos 1 Marnalva Cardoso Macel 2 Obede Rodrgues Cardoso 3 Por mgrante de retorno,

Leia mais