Nota Técnica sobre a Circular nº 2.972, de 23 de março de 2000

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nota Técnica sobre a Circular nº 2.972, de 23 de março de 2000"

Transcrição

1 Noa Técnca sobre a rcular nº 2.972, de 23 de março de 2000 Meodologa ulzada no processo de apuração do valor da volaldade padrão e do mulplcador para o da, dvulgados daramene pelo Banco enral do Brasl. - OBJETIVO O onselho Moneáro Naconal auorzou o Banco enral do Brasl a dvulgar a meodologa de cálculo para a deermnação do valor de cada uma das parcelas represenavas do valor de Parmôno Líqudo Exgdo (PLE, para coberura do rsco de mercado de axa de juro em deermnada moeda/base de remuneração, conforme dsposo no ar. 4, ncso III, do Regulameno anexo à Resolução nº 2.099, de 7 de agoso de 994, com a redação dada pela Resolução nº 2.692, de 24 de feverero de 2000, de forma a assegurar às nsuções a ransparênca com relação aos procedmenos que esão sendo adoados. Dane de al prerrogava, esão sendo dvulgados os procedmenos adoados para o cálculo da volaldade padrão (σ e do mulplcador (M de que raa o ar. º da rcular nº 2.972, de 23 de março de 2000, consderados para efeo de deermnação do valor da parcela de PLE para coberura do rsco de mercado de axa de juros de naureza prefxada e dvulgados daramene pelo Banco enral do Brasl. Nessa ordem de déas a ransparênca com relação aos procedmenos adoados, anda que os valores de σ e M sejam dvulgados pelo Banco enral do Brasl, assegura que os cálculos acma referdos podem ser replcados pelos neressados e dexa clara a meodologa que noreará a evolução da exgênca de PLE objeo dos normavos em referênca. 2 - ONSTRUÇÃO DA ESTRUTURA A TERMO DA TAXA DE JUROS O cálculo do Valor em Rsco (VaR decorrene da exposção em deermnados nsrumenos fnanceros é feo a parr da consrução das séres de reornos dos faores de rsco correspondenes. Os faores de rsco relevanes para o cálculo do VaR relavo ao rsco decorrene da exposção das operações em Real (R$ e em axa de juros prefxadas são as axas assocadas a prazos fxos prevamene escolhdos ambém qualfcados como vérces da esruura a ermo. Os vérces em vgor para efeo de consrução da esruura a ermo das axas de juros prefxadas são os prazos de, 2, 42, 63, 26, 252, 504 e 756 das úes. O reorno em assocado ao vérce de prazo T é dado por: r T, RT, + ln 00 = R, T + 00 Onde, R,T é a axa de juros anual com composção dscrea (consderados 252 das úes no ano para a daa, a ncorrer durane o prazo de T das úes.

2 A cada da úl, são calculadas as axas a serem ncorrdas para os dferenes prazos escolhdos, que propcam a geração de séres dáras de axas spo para cada um dos vérces. São ulzados dados relavos ao DI, a conraos de fuuros e de swaps negocados na BM&F e que represenam os nsrumenos mas líqudos. Enreano, em função da lqudez observada, o Banco enral do Brasl poderá exclur ou adconar novos nsrumenos fnanceros e/ou vérces a parr dos quas calculará a esruura a ermo e as volaldades para efeo da exgênca de PLE para coberura de rsco de mercado em axa de juros prefxada. A esruura a ermo é obda medane a ulzação das axas de juros embudas nas coações do DI over, conrao fuuro de DI (prmero ao ercero vencmenos e axas de swaps DI x PRE apuradas para os prazos de 6, 2 e 24 meses. A consrução das axas spo é obda medane a acumulação das axas a ermo mplícas enre os vencmenos dos nsrumenos fnanceros lsados, assumda a hpóese de que a axa a ermo enre os vencmenos é consane. Dessa forma, a axa de juros mplíca nos preços dos nsrumenos fnanceros supracados, para um prazo de T das úes, é dada por: R T, T máx 0;mn 0 ( T T ; 5 j T [ 0; 6] T j+ Tj máx T T R R 0 j, j R + 5,6 = j= Onde: R0 é a axa spo DI over apurada; R0, R,2 R2,3 R3,4 R4,5 é a axa a ermo mplíca pelo DI e a coação do prmero vencmeno de fuuro de DI; é a axa a ermo mplíca pelas coações do prmero e segundo vencmenos de fuuro de DI; é a axa a ermo mplíca pelas coações do segundo e ercero vencmenos de fuuro de DI; é a axa a ermo mplíca pelas coações do ercero vencmeno de DI e axa de swaps DI x PRE de 6 meses; é a axa a ermo mplíca pelas axas de swaps DI x PRE de 6 e 2 meses; R5,6 é a axa a ermo mplíca pelas axas de swaps DI x PRE de 2 e 24 meses; T a T 0 6 prazos, em das úes, de vencmeno de cada nsrumeno fnancero ulzado, respecvamene, DI - da úl -, prmero, segundo e ercero vencmenos de fuuro de DI, swaps de 6, 2 e 24 meses; 2

3 Para os prazos superores a 24 meses so é, 504 das úes, é assumda a hpóese de axa spo consane com valor gual àquele calculado para o vérce de 504 das úes. Esse créro será alerado caso os nsrumenos de prazos mas longos venham a ganhar lqudez. 3 ÁLULO DA VOLATILIDADE PADRÃO A volaldade padrão (σ é uma função das volaldades assocadas a cada um dos vérces (σ, excluído o prmero vérce. A expressão em vgor para seu cálculo é dada por: σ = máxmo(σ 2,..., σ 8 A volaldade assocada ao vérce da esruura a ermo das axas de juros é dada por: σ maxmo( f( λ,, f( λ, = + 2 para f dada por: f( λ, = λ( σ + ( λ( r 2 2 Onde r é o reorno em relavo à axa assocada ao prazo do vérce e o parâmero lambda provém do méodo do alsameno exponencal, represenando a esruura de pesos arbuída aos reornos ocorrdos no passado recene vs-à-vs o passado mas remoo. A regra do máxmo objeva permr a rápda absorção de um choque pela va de um lambda menor, bem como uma saída mas cauelosa do mesmo pela va do lambda maor. Os parâmeros aualmene em vgor são: λ = 0.85 e λ 2 = ÁLULO DO MULTIPLIADOR O mulplcador M é raado como função decrescene da volaldade. Tal função leva em consderação a dsrbução de freqüêncas da volaldade padrão e os valores desejados para o maor e para o menor valor do mulplcador - M e m -, respecvamene. Sendo σ pco a maor volaldade observada, com janela crescene e sendo o valor referene a um dado percenl assocado à dsrbução de freqüênca da volaldade com janela de ano, o mulplcador M é dado por: M = M( σ = Mseσ σ p% + 2 se σ σp% σ 3

4 A deermnação das consanes e 2 é fea consderando-se M(σ =M e M(σ Pco =m, porano: M m σ σ = e Pco e 2 = M σ A abela abaxo especfca os valores dos parâmeros aualmene em vgor para o cálculo do mulplcador M : Parâmero Especfcação M 3 m 0 Janela para cálculo de Úlmos 252 das úes Janela para cálculo de σpco [ , Da orrene]. 5 EXEMPLOS De manera a lusrar os cálculos a serem feos pelas nsuções para a deermnação da exgênca de capal (E em reas, em decorrênca do dsposo na rcular nº 2.972/00, são dados 2 exemplos a segur: º Exemplo do cálculo da exgênca de capal, conforme a rcular nº 2.972/00 Monagem dos fluxos prefxados: Em 29/04/99 uma nsução possuía os segunes fluxos: Valor oal em R$ Prncpal em R$ Juros em R$ Demas valores Prazo em das úes , , , , , , , , , , , , Resulados líqudos: Valor líqudo em R$ Prazo em das úes (Tl , ,

5 2 Marcação dos fluxos (resulados líqudos a mercado: Prazo em das úes (Tl Taxa de juros vgene (% aa Fórmula ulzada para marcação a mercado: Valor oal em R$ Valor marcado a mercado (Fl em R$ 30 26, , , , , ,00 Valor oal Fl = T axa de juros vgene l ( Alocação dos fluxos nos vérces: Fluxo (Fl em R$ Valor alocado no vérce 26 das úes VMTM5, em R$ Valor alocado no vérce 252 das úes VMTM6, em R$ , , , , , ,8 Toal alocado no vérce (Σ , ,78 Fórmula ulzada para alocação dos fluxos nos vérces: Pj Tl Valor alocado no vérce aneror = * Fl P P j T P = P P l Valor alocado no vérce poseror * j F l 4 álculo da volaldade padrão: Volaldade dára para λ=0,85 Volaldade dára para λ=0,94 Máxmo das volaldades 2 0, , , , , , , , , , , , ,0065 0, , , , , , , ,03377 Volaldade padrão (máxmo das volaldades calculadas σ = 0,03377(* (* Dvulgada pelo Banco enral do Brasl 5

6 Fórmula ulzada para o cálculo da volaldade: Volaldade λ σ λ 2 2 = * ( + ( *( r Dealhameno do cálculo para o vérce de 26 das: Reorno Volaldade Volaldade Volaldade Volaldade Máxmo das r (σ - para dára para (σ - para dára para volaldades λ=0,85 λ=0,85 λ=0,94 λ=0,94 5 0, , , , , , álculo do valor em rsco assocado aos vérces (VaR, Fórmula ulzada: P σ VMTM em R$ VaR, em R$ , , , , , ,4 VaR P = 2,33* * σ * VMTM, 252, * 0 6 álculo dos coefcenes de correlação (ρ,j ρ (* j P Pj κ(* ρ,j 0, ,22 0, (* Dvulgados pelo Banco enral do Brasl Fórmula ulzada para o cálculo: ρ κ max( P, Pj mn( P, Pj, j = ρ + ( ρ 7 álculo do valor em rsco do conjuno das operações (VaR Padrão j VaR em R$ VaRj em R$ ρ,j , ,4 0, VaR Padrão em R$ 39.34,8 VaR = VaR * VaR *+ 2* VaR * VaR * ρ + VaR * VaR * Padrao j, j j j 6

7 8 álculo do mulplcador (M σ σ σ Pco 2 M(* 0, ,0055 0,0683 0,020 0,8248,72 (* Dvulgado pelo Banco enral do Brasl Fórmulas ulzadas para o cálculo de M : M = M ( σ M se σ σ = + 2 se σ σ σ M m σ σ = e Pco e 2 = M σ Especfcação dos parâmeros ulzados pelo Banco enral do Brasl: Parâmero Especfcação M 3 m 0 Janela para cálculo de Úlmos 252 das úes Janela para cálculo de σpco [ , Da orrene]. 9 álculo da exgênca de capal: Méda do VaR dos úlmos 60 das em R$ Mulplcador (M Valor em rsco do conjuno das operações (VaR Padrão em R$ Exgênca de apal (E em R$ 22.54,66, , ,22 Fórmula para o cálculo da Exgênca de apal: M E VaR VaR 60 Padrão Padrão = max *, 60 = 7

8 2º Exemplo do cálculo da exgênca de capal, conforme a rcular nº 2.972/00 Monagem dos fluxos prefxados: Em 30/2/99 uma nsução possuía os segunes fluxos: Valor líqudo em R$ Prazo em das úes (Tl , , Marcação dos fluxos (resulados líqudos a mercado: Prazo em das úes (Tl Taxa de juros vgene (% aa Valor oal em R$ Valor marcado a mercado (Fl em R$ 30 20, , , , , ,00 Fórmula ulzada para marcação a mercado: Valor oal Fl = T axa de juros vgene l ( Alocação dos fluxos nos vérces: Fluxo (Fl em R$ Valor alocado no vérce 26 das úes VMTM5, em R$ Fórmula ulzada para alocação dos fluxos nos vérces: Valor alocado no vérce 252 das úes VMTM6, em R$ , , , , , ,8 Toal alocado no vérce (Σ , ,78 Pj Tl Valor alocado no vérce aneror = * Fl P P j T P = P P l Valor alocado no vérce poseror * j F l 8

9 4 álculo da volaldade padrão: Volaldade dára para λ=0,85 (* Dvulgada pelo Banco enral do Brasl Volaldade dára para λ=0,94 Fórmula ulzada para o cálculo da volaldade: Máxmo das volaldades 2 0, , , , ,0030 0, , , , , , , , , , , , , , , ,00422 Volaldade padrão (máxmo das volaldades calculadas σ = 0,00422(* Volaldade λ σ λ 2 2 = *( + ( *( r Dealhameno do cálculo para o vérce de 42 das: Reorno r Volaldade Volaldade Volaldade Volaldade Máxmo das (σ - para dára para (σ - para Dára volaldades λ=0,85 λ=0,85 λ=0,94 para λ=0,94 3 0, , , ,0035 0,0030 0, álculo do valor em rsco assocado aos vérces (VaR, P σ VMTM em R$ VaR, em R$ , , , , , ,38 Fórmula ulzada: VaR P = 2,33* * σ * VMTM, 252, * 0 9

10 6 álculo dos coefcenes de correlação (ρ,j ρ (* j P Pj κ(* ρ,j 0, ,42 0,99427 (* Dvulgados pelo Banco enral do Brasl Fórmula ulzada para o cálculo: ρ κ max( P, Pj mn( P, Pj, j = ρ + ( ρ 7 álculo do valor em rsco do conjuno das operações (VaR Padrão j VaR em R$ VaRj em R$ ρ,j , ,38 0,99427 VaR Padrão em R$ ,95 Fórmula ulzada para o cálculo: VaR = VaR * VaR *+ 2* VaR * VaR * ρ + VaR * VaR * Padrao j, j j j 8 álculo do mulplcador (M σ σ σ Pco 2 M(* 0, ,0034 0, ,0066 0,898 2,47 (* Dvulgado pelo Banco enral do Brasl Fórmulas ulzadas para o cálculo de M : M = M ( σ M se σ σ = + 2 se σ σ σ M m σ σ = e Pco e 2 = M σ 0

11 Especfcação dos parâmeros ulzados pelo Banco enral do Brasl: Parâmero Especfcação M 3 m 0 Janela para cálculo de Úlmos 252 das úes Janela para cálculo de σpco [ , Da orrene]. 9 álculo da exgênca de capal: Méda do VaR dos úlmos 60 das em R$ Mulplcador (M Valor em rsco do conjuno das operações (VaR Padrão em R$ Exgênca de apal (E em R$ 52.73,50 2, , ,8 Fórmula para o cálculo da Exgênca de apal: M E VaR VaR 60 Padrão Padrão = max *, 60 =

CIRCULAR Nº 3.568, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2011

CIRCULAR Nº 3.568, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2011 CAPÍTULO : Crculares não Codfcadas 2 CIRCULAR Nº 3.568, DE 2 DE DEZEMBRO DE 20 Alera dsposvos das Crculares ns. 3.36, de 2 de seembro de 2007, 3.388, de 4 de unho de 2008, 3.389, de 25 de unho de 2008,

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013. Padrão. Padrão. max i. I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4.

CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013. Padrão. Padrão. max i. I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4. CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013 Esabelece os procedmenos para o cálculo da parcela dos avos ponderados pelo rsco (RWA) referene às exposções sueas à varação de axas de uros prefxadas denomnadas

Leia mais

VaR t = valor em risco, em reais, do conjunto das exposições de que trata o caput para o dia "t", obtido de acordo com a seguinte fórmula:

VaR t = valor em risco, em reais, do conjunto das exposições de que trata o caput para o dia t, obtido de acordo com a seguinte fórmula: CIRCULAR Nº 3.568, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2011 Documeo ormavo revogado, a parr de 1º/10/2013, pela Crcular º 3.634, de 4/3/2013. Alera dsposvos das Crculares s. 3.361, de 12 de seembro de 2007, 3.388, de

Leia mais

ANEXO III. Nota Técnica nº 148/2010-SRE/ANEEL Brasília, 24 de maio de 2010.

ANEXO III. Nota Técnica nº 148/2010-SRE/ANEEL Brasília, 24 de maio de 2010. ANEXO III Noa Técnca nº 148/21-SRE/ANEEL Brasíla, 24 de mao de 21. M E T O D O L O G I A E Á L U L O D O F A T O R X ANEXO II Noa Técnca n o 148/21 SRE/ANEEL Em 24 de mao de 21. Processo nº 485.269/26-61

Leia mais

5 Apreçamento de ESOs com preço de exercício fixo

5 Apreçamento de ESOs com preço de exercício fixo 5 Apreçameno de ESOs com preço de exercíco fxo Ese capíulo rá explorar os prncpas modelos de apreçameno das ESOs ulzados hoje em da. Neses modelos a regra de decsão é esruurada em orno da maxmzação do

Leia mais

Despacho n.º 13/06. 2. A presente resolução entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. João Renato Lima Presidente do C.A.

Despacho n.º 13/06. 2. A presente resolução entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. João Renato Lima Presidente do C.A. Despacho n.º 13/06 De enre as arbuções da Agênca de Regulação Económca desaca-se a compeênca de fxar as arfas e os mecansmos de reajuses a serem pracados pela oncessonára do servço públco de ranse e dsrbução

Leia mais

5 Endogeneidade A Literatura

5 Endogeneidade A Literatura 5 Endogenedade No capíulo aneror esmamos a varânca condconal da axa de câmbo, levando em cona os possíves efeos das nervenções do Banco Cenral do Brasl nese mercado. Enreano, nesa análse gnorou-se o provável

Leia mais

MARK-TO-MARKET DESCRIÇÃO DE PROCESSOS E METODOLOGIAS

MARK-TO-MARKET DESCRIÇÃO DE PROCESSOS E METODOLOGIAS MARK-TO-MARKET DESCRIÇÃO DE PROCESSOS E METODOLOGIAS VERSÃO: NOVEMBRO/9 SUMÁRIO Inrodução...4. Defnção de Varáves... 4. Meodologa para acúmulo de axas... 5.3 Vsão do Processo e Esruura Organzaconal...

Leia mais

Interpolação e Extrapolação da Estrutura a Termo de Taxas de Juros para Utilização pelo Mercado Segurador Brasileiro

Interpolação e Extrapolação da Estrutura a Termo de Taxas de Juros para Utilização pelo Mercado Segurador Brasileiro Inerpolação e Exrapolação da Esruura a Termo de Taxas de Juros para Ulzação pelo Mercado Segurador Braslero Sergo Lus Frankln Jr. Thago Baraa Duare César da Rocha Neves + Eduardo Fraga L. de Melo ++ M.Sc.,

Leia mais

A estrutura a termo de taxas de juros no Brasil: modelos, estimação, interpolação, extrapolação e testes

A estrutura a termo de taxas de juros no Brasil: modelos, estimação, interpolação, extrapolação e testes A esruura a ermo de axas de juros no Brasl: modelos, esmação, nerpolação, exrapolação e eses Sergo Lus Frankln Jr. Thago Baraa Duare César da Rocha Neves + Eduardo Fraga L. de Melo ++ M.Sc., SUSEP/CGSOA

Leia mais

2. A Medição da Actividade Económica Grandezas Nominais e Reais e Índices de Preços

2. A Medição da Actividade Económica Grandezas Nominais e Reais e Índices de Preços 2. A Medção da Acvdade Económca 2.4. Grandezas Nomnas e Reas e Índces de Preços Ouubro 2007, nesdrum@fe.u. Sldes baseados no guão dsonível no se da cadera 1 2.4. Grandezas Nomnas e Reas e Índces de Preços

Leia mais

MARK-TO-MARKET DESCRIÇÃO DE PROCESSOS E METODOLOGIAS VERSÃO: NOVEMBRO/2014 SUMÁRIO

MARK-TO-MARKET DESCRIÇÃO DE PROCESSOS E METODOLOGIAS VERSÃO: NOVEMBRO/2014 SUMÁRIO MARK-TO-MARKET DESRIÇÃO DE PROESSOS E METODOLOGIAS VERSÃO: NOVEMBRO/4 SUMÁRIO Inrodução... 4. Defnção de Varáves... 4. Meodologa para acúmulo de axas... 5.3 Vsão do Processo e Esruura Organzaconal... 5.3.

Leia mais

MARK-TO-MARKET DESCRIÇÃO DE PROCESSOS E METODOLOGIA

MARK-TO-MARKET DESCRIÇÃO DE PROCESSOS E METODOLOGIA MARK-TO-MARKET DESCRIÇÃO DE PROCESSOS E METODOLOGIA VERSÃO MAIO 6 SUMÁRIO Inrodução... 5. Defnção de Varáves... 5. Meodologa para acúmulo de axas... 5.3 Vsão do Processo e Esruura Organzaconal... 6.3.

Leia mais

S&P Dow Jones Indices: Metodologia da matemática dos índices

S&P Dow Jones Indices: Metodologia da matemática dos índices S&P Dow Jones Indces: Meodologa da maemáca dos índces S&P Dow Jones Indces: Meodologa do índce Ouubro 2013 Índce Inrodução 3 Dferenes varedades de índces 3 O dvsor do índce 4 Índces ponderados por capalzação

Leia mais

Projeções de inflação

Projeções de inflação Projeções de nflação A experênca do Banco Cenral do Brasl Leonardo Po Perez Banco Cenral do Brasl Depep III Fórum Baano de Economa Aplcada Agoso de 23 Sumáro ) Inrodução Regme de Meas para Inflação no

Leia mais

Revisão dos Modelos de Projeção de Pequeno Porte 2015

Revisão dos Modelos de Projeção de Pequeno Porte 2015 Revsão dos Modelos de Projeção de Pequeno Pore 05 Os modelos de projeção consuem mporane nsumo para auxlar o processo de omada de decsão do omê de Políca Moneára (opom). Especfcamene denre os modelos de

Leia mais

3 Modelos de Apreçamento de Opções

3 Modelos de Apreçamento de Opções 3 Modelos de Apreçameno de Opções Preços de fuuros na Bolsa de Valores, na práca, são defndos de forma lvre na BM&FBOVESPA a parr das relações apresenadas enre ofera e demanda. Para que a formação de as

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N.º 273. Ref.: Alterações decorrentes do Projeto de Padronização de Taxas

CARTA-CIRCULAR N.º 273. Ref.: Alterações decorrentes do Projeto de Padronização de Taxas CARTA-CIRCULAR N.º 273 Aos Partcpantes de Todos os Sstemas Ref.: Alterações decorrentes do Projeto de Padronzação de Taxas A Central de Custóda e de Lqudação Fnancera de Títulos - CETIP comunca que a partr

Leia mais

Matemática dos índices Metodologia

Matemática dos índices Metodologia Maemáca dos índces Meodologa Abrl 2017 Ese documeno fo raduzdo para o poruguês apenas para fns de convenênca. Se exsrem dferenças enre as versões do documeno em nglês e poruguês, a versão em nglês prevalecerá.

Leia mais

CIBRIUS INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE SOCIAL

CIBRIUS INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE SOCIAL CIBRIUS INSTITUTO CONAB SEGURIDA SOCIAL Plano ConabPrev (COM BASE NA PROPOSTA REGULAMENTO A SER SUBMETIDA A PREVIC Noa Técnca Auaral 060/13 (Refcada) Agoso/2015 1 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 5 2 GLOSSÁRIO...

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO CONSONNI

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO CONSONNI FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO CONSONNI MODELAGEM DE SUPERFÍCIES DE VOLATILIDADE PARA OPÇÕES COM BAIXA LIQUIDEZ SOBRE PARES DE MOEDAS, CUJOS COMPONENTES APRESENTAM OPÇÕES

Leia mais

O Relacionamento entre a Taxa de Câmbio R$/US$ e Fundamentos

O Relacionamento entre a Taxa de Câmbio R$/US$ e Fundamentos O Relaconameno enre a axa de Câmbo R$/US$ e Fundamenos Rodrgo Mederos José Luz Ross Júnor Insper Workng Paper WPE: 90/009 Copyrgh Insper. odos os dreos reservados. É probda a reprodução parcal ou negral

Leia mais

Richard John Brostowicz Junior. Futuros de swap de variância e volatilidade na BM&F - apreçamento e viabilidade de hedge

Richard John Brostowicz Junior. Futuros de swap de variância e volatilidade na BM&F - apreçamento e viabilidade de hedge FACULDADE IBMEC SÃO PAULO Programa de Mesrado Profssonal em Economa Rchard John Brosowcz Junor Fuuros de swap de varânca e volaldade na BM&F - apreçameno e vabldade de hedge São Paulo 009 Lvros Grás hp://www.lvrosgras.com.br

Leia mais

Introdução à Computação Gráfica

Introdução à Computação Gráfica Inrodução à Compuação Gráfca Desenho de Consrução Naval Manuel Venura Insuo Superor Técnco Secção Auónoma de Engenhara Naval Sumáro Represenação maemáca de curvas Curvas polnomas e curvas paramércas Curvas

Leia mais

Uma análise da não-linearidade da função de reação do Banco Central do Brasil: Avesso a Inflação ou a Recessão?

Uma análise da não-linearidade da função de reação do Banco Central do Brasil: Avesso a Inflação ou a Recessão? Uma análse da não-lneardade da função de reação do Banco Cenral do Brasl: Avesso a Inflação ou a Recessão? Terence de Almeda Pagano José Luz Ross Júnor Insper Workng Paper WPE: 88/9 Coprgh Insper. Todos

Leia mais

Agosto / 2014 Versão 2.16

Agosto / 2014 Versão 2.16 Agoso / 4 Versão.6 Todos os dreos reservados. Nenhuma pare dessa obra pode ser reproduzda em qualquer forma ou meo, seja elerônco, mecânco, de foocópa, ec, sem permssão do Safra, deenor do dreo auoral.

Leia mais

ipea COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA

ipea COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA Paulo Mansur Levy Mara Isabel Fernans Serra Esa noa em como objevo dvulgar resulados relavos ao comporameno das exporações e mporações produos ndusras

Leia mais

CAPÍTULO 1 REPRESENTAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS. Sistema monovariável SISO = Single Input Single Output. s 1 s 2. ... s n

CAPÍTULO 1 REPRESENTAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS. Sistema monovariável SISO = Single Input Single Output. s 1 s 2. ... s n 1 CAPÍTULO 1 REPREENTAÇÃO E CLAIFICAÇÃO DE ITEMA 1.1. Represenação de ssemas 1.1.1. semas com uma enrada e uma saída (IO) e sema monovarável IO = ngle Inpu ngle Oupu s e = enrada s = saída = ssema 1.1..

Leia mais

defi departamento de física

defi departamento de física def deparameno de físca Laboraóros de Físca www.def.sep.pp.p Equações de Fresnel Insuo Superor de Engenhara do Poro Deparameno de Físca Rua Dr. Anóno Bernardno de Almeda, 431 400-07 Poro. Tel. 8 340 500.

Leia mais

Caderno de Fórmulas em Implementação. SWAP Alterações na curva Libor

Caderno de Fórmulas em Implementação. SWAP Alterações na curva Libor Caderno de Fórmulas em Implementação SWAP Alterações na curva Lbor Atualzado em: 15/12/217 Comuncado: 12/217 DN Homologação: - Versão: Mar/218 Índce 1 Atualzações... 2 2 Caderno de Fórmulas - SWAP... 3

Leia mais

Contrato Futuro de Taxa Média das Operações Compromissadas de Um Dia (OC1) com Lastro em Títulos Públicos Federais

Contrato Futuro de Taxa Média das Operações Compromissadas de Um Dia (OC1) com Lastro em Títulos Públicos Federais Conrao Fuuro de Taxa Média das Operações Compromissadas de Um Dia (OC1) com Lasro em Tíulos Públicos Federais Especificações 1. Definições Conrao Fuuro de OC1: Taxa Média das Operações Compromissadas de

Leia mais

Número 17. Evolução Recente da Informalidade no Brasil: Uma Análise Segundo Características da Oferta e Demanda de Trabalho

Número 17. Evolução Recente da Informalidade no Brasil: Uma Análise Segundo Características da Oferta e Demanda de Trabalho TEXTO PARA DSCUSSÃO Número 7 Evolução Recene da nformaldade no Brasl: Uma Análse Segundo Caraceríscas da Ofera e Demanda de Trabalho Fernando Holanda Barbosa Flho Rodrgo Leandro de Moura Agoso de 202 Evolução

Leia mais

4 A composição do passivo externo líquido brasileiro e o processo de ajuste externo

4 A composição do passivo externo líquido brasileiro e o processo de ajuste externo 4 A composção do passvo exerno líqudo braslero e o processo de ajuse exerno 4..Movação Há décadas, economsas êm esudado o processo de ajuse do balanço de pagamenos dos países. A eora mas acea caracerza

Leia mais

ANÁLISE DE COMPONENTES PRINCIPAIS NA DINÂMICA DA VOLATILIDADE IMPLÍCITA E SUA CORRELAÇÃO COM O ATIVO OBJETO

ANÁLISE DE COMPONENTES PRINCIPAIS NA DINÂMICA DA VOLATILIDADE IMPLÍCITA E SUA CORRELAÇÃO COM O ATIVO OBJETO ANDRÉ GNECCO AVELAR ANÁLISE DE COMPONENTES PRINCIPAIS NA DINÂMICA DA VOLATILIDADE IMPLÍCITA E SUA CORRELAÇÃO COM O ATIVO OBJETO São Paulo 009 ANDRÉ GNECCO AVELAR ANÁLISE DE COMPONENTES PRINCIPAIS NA DINÂMICA

Leia mais

Critérios e Metodologia de Apuração de Superfície de Volatilidade

Critérios e Metodologia de Apuração de Superfície de Volatilidade Criérios e Meodologia de Apuração de Superfície de Volailidade Diariamene são calculadas superfícies de volailidade implícia de odos os vencimenos de conraos de opções em que há posição em abero e/ou séries

Leia mais

Exemplo pág. 28. Aplicação da distribuição normal. Normal reduzida Z=(900 1200)/200= 1,5. Φ( z)=1 Φ(z)

Exemplo pág. 28. Aplicação da distribuição normal. Normal reduzida Z=(900 1200)/200= 1,5. Φ( z)=1 Φ(z) Exemplo pág. 28 Aplcação da dsrbução ormal Normal reduzda Z=(9 2)/2=,5 Φ( z)= Φ(z) Subsudo valores por recurso à abela da ormal:,9332 = Φ(z) Φ(z) =,668 Φ( z)= Φ(z) Φ(z) =,33 Φ(z) =,977 z = (8 2)/2 = 2

Leia mais

MECÂNICA CLÁSSICA. AULA N o 3. Lagrangeano Princípio da Mínima Ação Exemplos

MECÂNICA CLÁSSICA. AULA N o 3. Lagrangeano Princípio da Mínima Ação Exemplos MECÂNICA CÁSSICA AUA N o 3 agrangeano Prncípo da Mínma Ação Exemplos Todas as les da Físca êm uma esruura em comum: as les de uma parícula em movmeno sob a ação da gravdade, o movmeno dado pela equação

Leia mais

Gripe: Época de gripe; actividade gripal; cálculo da linha de base e do respectivo intervalo de confiança a 95%; e área de actividade basal.

Gripe: Época de gripe; actividade gripal; cálculo da linha de base e do respectivo intervalo de confiança a 95%; e área de actividade basal. Grpe: Época de grpe; acvdade grpal; cálculo da lnha de ase e do respecvo nervalo de confança a 95%; e área de acvdade asal. ÉPOCA DE GRPE Para maor facldade de compreensão será desgnado por época de grpe

Leia mais

Arbitragem na Estrutura a Termo das Taxas de Juros: Uma Abordagem Bayesiana

Arbitragem na Estrutura a Termo das Taxas de Juros: Uma Abordagem Bayesiana Arbragem na Esruura a ermo das axas de Juros: Uma Abordagem Bayesana Márco Pole Laurn Armêno Das Wesn Neo Insper Workng Paper WPE: / Copyrgh Insper. odos os dreos reservados. É probda a reprodução parcal

Leia mais

Análise da Confiabilidade de Componentes Não Reparáveis

Análise da Confiabilidade de Componentes Não Reparáveis Análse da onfabldade de omponenes Não Reparáves. omponenes versus Ssemas! Ssema é um conjuno de dos ou mas componenes nerconecados para a realzação de uma ou mas funções! A dsnção enre ssema, sub-ssema

Leia mais

Módulo 2: Métodos Numéricos. (problemas de valores iniciais e problemas de condições-fronteira)

Módulo 2: Métodos Numéricos. (problemas de valores iniciais e problemas de condições-fronteira) Módulo : Méodos Numércos Equações dferencas ordnáras problemas de valores ncas e problemas de condções-fronera Modelação Compuaconal de Maeras -5. Equações dferencas ordnáras - Inrodução Uma equação algébrca

Leia mais

Conceitos Básicos de Circuitos Elétricos

Conceitos Básicos de Circuitos Elétricos onceos Báscos de rcuos lércos. nrodução Nesa aposla são apresenados os conceos e defnções fundamenas ulzados na análse de crcuos elércos. O correo enendmeno e nerpreação deses conceos é essencal para o

Leia mais

Capítulo 1 Introdução

Capítulo 1 Introdução Capíulo Inrodução No mercado braslero de prevdênca complemenar abera e de seguro, regulado e fscalzado pela Supernendênca de Seguros Prvados SUSEP, os planos de prevdênca e de seguro de vda que possuam

Leia mais

MODELOS PARA A UTILIZAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE REDESCONTO PELOS BANCOS COM CARTEIRA COMERCIAL NO BRASIL

MODELOS PARA A UTILIZAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE REDESCONTO PELOS BANCOS COM CARTEIRA COMERCIAL NO BRASIL MODELOS PARA A UTILIZAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE REDESCONTO PELOS BANCOS COM CARTEIRA COMERCIAL NO BRASIL Sérgo Mko Koyama Deparameno de Esudos e Pesqusas, Banco Cenral do Brasl Márco Issao Nakane Deparameno

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

FATORES DETERMINANTES DA DEMANDA POR MOEDA NO BRASIL: UMA ABORDAGEM ECONOMÉTRICA USANDO REGRESSÃO LINEAR DINÂMICA

FATORES DETERMINANTES DA DEMANDA POR MOEDA NO BRASIL: UMA ABORDAGEM ECONOMÉTRICA USANDO REGRESSÃO LINEAR DINÂMICA Pesqusa Operaconal e o Desenvolvmeno Susenável FATORES DETERMINANTES DA DEMANDA POR MOEDA NO BRASIL: UMA ABORDAGEM ECONOMÉTRICA USANDO REGRESSÃO LINEAR DINÂMICA Wesley Vera da Slva Ponfíca Unversdade Caólca

Leia mais

3 Retorno, Marcação a Mercado e Estimadores de Volatilidade

3 Retorno, Marcação a Mercado e Estimadores de Volatilidade eorno, Marcação a Mercado e Esimadores de Volailidade 3 3 eorno, Marcação a Mercado e Esimadores de Volailidade 3.. eorno de um Aivo Grande pare dos esudos envolve reorno ao invés de preços. Denre as principais

Leia mais

Crescimento econômico e restrição externa: Um modelo de simulação pós-keynesiano

Crescimento econômico e restrição externa: Um modelo de simulação pós-keynesiano Crescmeno econômco e resrção exerna: Um modelo de smulação pós-keynesano Mara Isabel Busao 1 Maro Luz Possas 2 Resumo O argo busca dscur a dnâmca do crescmeno econômco das economas em desenvolvmeno a parr

Leia mais

Título: Análise de Componentes Principais na Correlação da Volatilidade Implícita com o Ativo Objeto

Título: Análise de Componentes Principais na Correlação da Volatilidade Implícita com o Ativo Objeto Área Temáca: Fnanças Tíulo: Análse de Componenes Prncpas na Correlação da Volaldade Implíca com o Avo Objeo AUTORES ANDRÉ GNECCO AVELAR Unversdade de São Paulo andreavelar@yahoo.com OSWALDO LUIZ DO VALLE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PIMES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DOUTORADO EM ECONOMIA MARCOS ROBERTO GOIS DE OLIVEIRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PIMES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DOUTORADO EM ECONOMIA MARCOS ROBERTO GOIS DE OLIVEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PIMES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DOUTORADO EM ECONOMIA MARCOS ROBERTO GOIS DE OLIVEIRA GERENCIAMENTO DO RISCO DE MERCADO BASEADO NO VALUE AT RISK ESTÁTICO

Leia mais

Análises de ciclos econômicos no Brasil

Análises de ciclos econômicos no Brasil Análses de cclos econômcos no Brasl 1980-2009 Armando Vaz Sampao RESUMO - As sequêncas de expansões e conrações da avdade econômca são conhecdas como cclos econômcos e afeam odos os agenes econômcos. O

Leia mais

5 Modelo de Previsão de Temperatura

5 Modelo de Previsão de Temperatura 5 Modelo de Prevsão de Temperaura 5. Prevsão de Clma As varações do clma nfluencam os preços das commodes pela nfluênca na demanda. Todava, a correlação enre eses preços e o parâmero de clma não são perfeos,

Leia mais

ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO

ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO TUTORIAL Marcos Anôno de Camargos Admnsrador de Empresas, MBA em Gesão Esraégca (Fnanças), Mesre em Admnsração pelo NUFI/CEPEAD/FACE/UFMG e Professor do Cenro

Leia mais

MESTRADO EM CIÊNCIAS DE GESTÃO/MBA. MÉTODOS QUANTITATIVOS APLICADOS À GESTÃO V Funções Exponencial, Potência e Logarítmica

MESTRADO EM CIÊNCIAS DE GESTÃO/MBA. MÉTODOS QUANTITATIVOS APLICADOS À GESTÃO V Funções Exponencial, Potência e Logarítmica MESTRADO EM IÊNIAS DE GESTÃO/MBA MÉTODOS QUANTITATIVOS APIADOS À GESTÃO V Funções Eponencal, Poênca e ogaríca V- FUNÇÕES EXPONENIA, POTÊNIA E OGARÍTMIA. U capal, coposo anualene a ua aa de juro anual durane

Leia mais

O RETORNO DE LONGO PRAZO DE UMA OFERTA PÚBLICA DE AÇÃO RESUMO

O RETORNO DE LONGO PRAZO DE UMA OFERTA PÚBLICA DE AÇÃO RESUMO O RETORNO DE LONGO PRAZO DE UMA OFERTA PÚBLICA DE AÇÃO RESUMO César Auguso Tbúrco Slva UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Joana Darc Vera de Olvera UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Lucana Barbosa Gomes UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

Leia mais

VOLATILIDADE NO MERCADO FUTURO DE BOI GORDO NA BM&F: UM ESTUDO EMPÍRICO UTILIZANDO MODELOS DA CLASSE ARCH

VOLATILIDADE NO MERCADO FUTURO DE BOI GORDO NA BM&F: UM ESTUDO EMPÍRICO UTILIZANDO MODELOS DA CLASSE ARCH VOLATILIDADE NO MERCADO FUTURO DE BOI GORDO NA BM&F: UM ESTUDO EMPÍRICO UTILIZANDO MODELOS DA CLASSE ARCH LUIZ EDUARDO GAIO; WANDERCI ALVES BITENCOURT; GABRIEL RODRIGO GOMES PESSANHA; ANDRÉ RIBEIRO DE

Leia mais

Caderno de Fórmulas. LCI Cetip21

Caderno de Fórmulas. LCI Cetip21 LCI Cetp21 Elaboração: Feverero/2008 Últma Atualzação: 05/06/2017 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes ao atvo LCI

Leia mais

Taxa de Paridade: Real (R$)/Dólar Americano (US$) - IPA-OG Índice Dez/98 = 100 Período: Mar/94 a Fev/2003

Taxa de Paridade: Real (R$)/Dólar Americano (US$) - IPA-OG Índice Dez/98 = 100 Período: Mar/94 a Fev/2003 80 Taxa de Pardade: Real (R$/Dólar Amercano (US$ - IPA-OG Índce Dez/98 00 Período: Mar/94 a Fev/2003 60 40 20 Índce 00 80 60 40 20 0 mar/94 jul/94 Fone: IPA nov/94 mar/95 jul/95 nov/95 mar/96 jul/96 nov/96

Leia mais

Decomposição das taxas de homicídios no Brasil e seus estados: a demografia é de fato importante?

Decomposição das taxas de homicídios no Brasil e seus estados: a demografia é de fato importante? Decomposção das axas de homcídos no Brasl e seus esados: a demografa é de fao mporane? Ar Francsco de Araujo Junor * Cláudo Djssey Shkda ** Resumo - Ese argo esuda a relação enre faores demográfcos e axa

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS DE ESTATÍSTICA MÓDULO 2 DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA - ELEMENTOS Prof. Rogério Rodrigues

CONCEITOS INICIAIS DE ESTATÍSTICA MÓDULO 2 DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA - ELEMENTOS Prof. Rogério Rodrigues CONCEITOS INICIAIS DE ESTATÍSTICA MÓDULO DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA - ELEMENTOS Prof. Rogéro Rodrgues I) TABELA PRIMITIVA E DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA : No processo de amostragem, a forma de regstro mas

Leia mais

ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR MEIO DOS MODELOS CAPM NÃO-CONDICIONAL E CAPM CONDICIONAL

ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR MEIO DOS MODELOS CAPM NÃO-CONDICIONAL E CAPM CONDICIONAL ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR EIO DOS ODELOS CAP NÃO-CONDICIONAL E CAP CONDICIONAL (Cos of equy analyss n Brazl: Non-Condonal CAP and Condonal CAP) Lumla Souza Grol 1 1 Unversdade Federal

Leia mais

2 Programação Matemática Princípios Básicos

2 Programação Matemática Princípios Básicos Programação Maemáca Prncípos Báscos. Consderações Geras Os objevos dese capíulo são apresenar os conceos de Programação Maemáca (PM) necessáros à compreensão do processo de omzação de dmensões e descrever

Leia mais

ANÁLISE DAS RELAÇÕES ENTRE A VOLATILIDADE HISTÓRICA E IMPLÍCITA E A VOLATILIDADE REALIZADA DO ÍNDICE PSI-20

ANÁLISE DAS RELAÇÕES ENTRE A VOLATILIDADE HISTÓRICA E IMPLÍCITA E A VOLATILIDADE REALIZADA DO ÍNDICE PSI-20 ANÁLISE DAS RELAÇÕES ENTRE A VOLATILIDADE HISTÓRICA E IMPLÍCITA E A VOLATILIDADE REALIZADA DO ÍNDICE PSI-20 Elsabee Fernanda Mendes Duare, Insuo Polécnco de Lera RESUMO A volaldade desempenha um papel

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Notas Comerciais Cetip21

Caderno de Fórmulas. Notas Comerciais Cetip21 Notas Comercas Cetp21 Últma Atualzação: 22/12/2015 E ste Caderno tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos de valorzação de Notas Comercas. É acatado regstro

Leia mais

Autoria: Josilmar Cordenonssi Cia

Autoria: Josilmar Cordenonssi Cia Uma Possível Solução para o Equy Premum Puzzle (EPP Auora: Joslmar Cordenonss Ca Resumo MEHRA e PRESCO (985 levanaram uma quesão que aé hoje não fo respondda de forma sasfaóra: o prêmo de rsco das ações

Leia mais

Crescimento do Produto Agropecuário Brasileiro: uma Aplicação do Vetor Auto-regressivo (VAR)

Crescimento do Produto Agropecuário Brasileiro: uma Aplicação do Vetor Auto-regressivo (VAR) Quesões Agráras, Educação no Campo e Desenvolvmeno CRESCIMENTO DO PRODUTO AGROPECUÁRIO: UMA APLICAÇÃO DO VETOR AUTO-REGRESSIVO (VAR) CARLOS ALBERTO GONÇALVES DA SILVA; LÉO DA ROCHA FERREIRA; PAULO FERNANDO

Leia mais

Belém Pará (Março de 2012)

Belém Pará (Março de 2012) Pardade Descobera da Taxa de Juros da Economa Braslera num Ambene de Crse Fnancera Mundal: Teora e Evdênca Empírca Davd Ferrera Carvalho(*) Resumo O argo em como propóso avalar o efeo da recene políca

Leia mais

DINÂMICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS COM O FILTRO DE KALMAN

DINÂMICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS COM O FILTRO DE KALMAN XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DINÂICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COODITIES AGRÍCOLAS CO O FILTRO DE KALAN Flávo Pnhero Corsn (POLI-USP) flavo.corsn@gmal.com Celma de Olvera Rbero (POLI-USP)

Leia mais

Projeto de Inversores e Conversores CC-CC

Projeto de Inversores e Conversores CC-CC eparameno de Engenhara Elérca Aula. onversor Buck Prof. João Amérco lela Bblografa BAB, vo. & MANS enzar ruz. onversores - Báscos Não-solados. ª edção, UFS,. MOHAN Ned; UNEAN ore M.; OBBNS Wllam P. Power

Leia mais

Índice. 1.2 Siscomex Sistema Integrado de Comércio Exterior Registro de Exportação (RE): Declaração de Exportação (DDE):...

Índice. 1.2 Siscomex Sistema Integrado de Comércio Exterior Registro de Exportação (RE): Declaração de Exportação (DDE):... C r Ex n rá c sc C l b! Módul oexpor aç ão S mul adordes s c omexexpor aç ão:reg s r odeexpor aç ão( RE)eDec l ar aç ãopar a Des pac hodeexpor aç ão( DDE).Al ém defa ur acomer c al,pac k ngl s, Cer f c

Leia mais

Confiabilidade e Taxa de Falhas

Confiabilidade e Taxa de Falhas Prof. Lorí Viali, Dr. hp://www.pucrs.br/fama/viali/ viali@pucrs.br Definição A confiabilidade é a probabilidade de que de um sisema, equipameno ou componene desempenhe a função para o qual foi projeado

Leia mais

Metodologia dos Índices S&P E.U.A.

Metodologia dos Índices S&P E.U.A. Meodologa dos Índces S&P E.U.A. Dezembro 2013 S&P Dow Jones Indces: Meodologa do índce Índce Inrodução 3 Famíla de ndces Créro de elegbldade 3 5 Adções - S&P 500, S&P MdCap 400 e S&P SmallCap 600 5 Exclusões

Leia mais

Contribuição do Capital Humano para o Crescimento da Agropecuária Brasileira Período de 1970 a 1996 *

Contribuição do Capital Humano para o Crescimento da Agropecuária Brasileira Período de 1970 a 1996 * Conrbução do Capal Humano para o Crescmeno da Agropecuára Braslera Período de 1970 a 1996 * Clalon Aaídes de Freas ** Carlos José Caeano Bacha *** Sumáro: 1. Inrodução; 2. O modelo neoclássco radconal;

Leia mais

EFEITOS DA MIGRAÇÃO PARA OS NÍVEIS DE GOVERNANÇA DA BOVESPA

EFEITOS DA MIGRAÇÃO PARA OS NÍVEIS DE GOVERNANÇA DA BOVESPA EFEITOS DA MIGRAÇÃO PARA OS NÍVEIS DE GOVERNANÇA DA BOVESPA Anono Gledson de Carvalho (esa versão: Abrl/23) RESUMO A adoção de boas prácas de governança corporava em sdo aponada como uma condção essencal

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO

ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO Roque Passos Pvel Escola Polécnca da Unversdade de São Paulo - EPUSP Pedro Alem Sobrnho Escola Polécnca da Unversdade

Leia mais

Experiência IV (aulas 06 e 07) Queda livre

Experiência IV (aulas 06 e 07) Queda livre Experênca IV (aulas 06 e 07) Queda lvre 1. Obevos. Inrodução 3. Procedmeno expermenal 4. Análse de dados 5. Quesões 6. Referêncas 1. Obevos Nesa experênca esudaremos o movmeno da queda de um corpo, comparando

Leia mais

Vinícius Simmer de Lima FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISAS EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS

Vinícius Simmer de Lima FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISAS EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS 1 CONSRUÇÃO EMPÍRIC E NÁLISE EÓRIC DO BE CONÁBIL: UM INVESIGÇÃO NO MERCDO CIONÁRIO BRSILEIRO SOB ÓIC DE DIFERENES PRESSUPOSOS ECONOMÉRICOS Vnícus Smmer de Lma FUNDÇÃO INSIUO CPIXB DE PESQUISS EM CONBILIDDE,

Leia mais

Testes De Não Estacionariedade Em Séries Financeiras Com Dados Em Painel: Uma Síntese Aplicada

Testes De Não Estacionariedade Em Séries Financeiras Com Dados Em Painel: Uma Síntese Aplicada eses De Não Esaconaredade Em Séres Fnanceras Com Dados Em Panel: Uma Sínese Aplcada Rober Aldo Iquapaza Cenro De Pós-Graduação E Pesqusas Em Admnsração Cepead, Unversdade Federal De Mnas Geras rquapaza@gmal.com;rbal@ufmg.br

Leia mais

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010 AVALIAÇÃO ATUARIAL Daa da Avaliação: 3/2/200 Dados do Plano Nome do Plano: CEEEPREV CNPB: 20.020.04-56 Parocinadoras: Companhia Esadual de Geração e Transmissão de Energia Elérica CEEE-GT Companhia Esadual

Leia mais

Controle Cinemático de Robôs Manipuladores

Controle Cinemático de Robôs Manipuladores Conrole Cnemáco de Robôs Manpuladores Funconameno Básco pos de rajeóra rajeóras Pono a Pono rajeóras Coordenadas ou Isócronas rajeóras Conínuas Geração de rajeóras Caresanas Inerpolação de rajeóras Inerpoladores

Leia mais

Fundação Getúlio Vargas. Escola de Pós Graduação em Economia. Mestrado em Finanças e Economia Empresarial

Fundação Getúlio Vargas. Escola de Pós Graduação em Economia. Mestrado em Finanças e Economia Empresarial Fundação Geúlo Vargas Escola de Pós Graduação em Economa Mesrado em Fnanças e Economa Empresaral EMPREGADOS ALOCAM EFICIENTEMENTE SUA POUPANÇA PARA APOSENTADORIA? UM ESTUDO DE CASO PARA OS FUNCIONÁRIOS

Leia mais

Demonstração do cálculo da base de incidência tributária por diferença de curvas

Demonstração do cálculo da base de incidência tributária por diferença de curvas arigo ARTIGO Demonsração do cálculo da base de incidência ribuária por diferença de curvas O objeivo dese rabalho é demonsrar a base ribuária sobre derivaivos para PIS, Cofins, CSLL e IRPJ, com base na

Leia mais

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. ECONOMETRIA Prof. Parca Mara Borolon. Sc. Modelos de ados em Panel Fone: GUJARATI;. N. Economera Básca: 4ª Edção. Ro de Janero. Elsever- Campus 006 efnções Geras Nos dados em panel a mesma undade de core

Leia mais

3 Análise de Demanda Condicionada

3 Análise de Demanda Condicionada 3 Análse de Demanda Condconada 3.1 Inrodução A análse Condconada da Demanda é uma écnca que quebra o consumo resdencal em pares, cada uma assocada a um uso fnal ou a um deermnado equpameno em parcular.

Leia mais

ANÁLISE DOS EFEITOS ECONÔMICOS DA IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES SOBRE A POBREZA E A DESIGUALDADE DE RENDA

ANÁLISE DOS EFEITOS ECONÔMICOS DA IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES SOBRE A POBREZA E A DESIGUALDADE DE RENDA ANÁLISE DOS EFEITOS ECONÔMICOS DA IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES SOBRE A POBREZA E A DESIGUALDADE DE RENDA Nelson Leão Paes Audor Fscal da Recea Federal - AFRF

Leia mais

Impacto da Educação Defasada sobre a Criminalidade no Brasil: 2001-2005

Impacto da Educação Defasada sobre a Criminalidade no Brasil: 2001-2005 1 Impaco da Educação Defasada sobre a Crmnaldade no Brasl: 2001-2005 Evandro Camargos Texera Ana Lúca Kassouf Seembro, 2011 Workng Paper 010 Todos os dreos reservados. É probda a reprodução parcal ou negral

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica dos Modelos de Previsão

2 Revisão Bibliográfica dos Modelos de Previsão 19 2 Revsão Bblográfca dos Modelos de Prevsão Nese capíulo, são abordados alguns modelos e conceos ulzados na leraura para realzar prevsão de carga elérca. Denre os modelos lneares exsenes, serão examnados

Leia mais

Sistema de Suporte à Decisão para Predição de Cargas e Modelagem de Dependência em Sistemas Elétricos de Potência

Sistema de Suporte à Decisão para Predição de Cargas e Modelagem de Dependência em Sistemas Elétricos de Potência Anas do XXVI Congresso da SBC SEMISH l XXXIII Semnáro Inegrado de Sofware e Hardware 14 a 20 de julho de 2006 Campo Grande, MS Ssema de Supore à Decsão para Predção de Cargas e Modelagem de Dependênca

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Títulos do Agronegócio - Cetip21 CDCA, CPR, CRA, CRH, CRP, CRPH, LCA, NCR

Caderno de Fórmulas. Títulos do Agronegócio - Cetip21 CDCA, CPR, CRA, CRH, CRP, CRPH, LCA, NCR Caderno de Fórmulas Títulos do Agronegóco - Cetp21 CDCA, CPR, CRA, CRH, CRP, CRPH, LCA, NCR Últma Atualzação: 15/08/2016 Caderno de Fórmulas CDCA CPR CRA - CRH CRP CRPH LCA NCR E ste Caderno de Fórmulas

Leia mais

Regionalização da Depleção Regional com Dados Primários de Vazão

Regionalização da Depleção Regional com Dados Primários de Vazão RBRH Revsa Braslera de Recursos Hídrcos Volume 1 n.3 Jul/Se 25, 43-51 Regonalzação da Depleção Regonal com Dados Prmáros de Vazão Geraldo Lopes da Slvera, Jussara Cabral Cruz Deparameno de Hdráulca e Saneameno

Leia mais

A composição tributária responde a tentativa de manipulações eleitorais? A experiência de quatorze países latino-americanos

A composição tributária responde a tentativa de manipulações eleitorais? A experiência de quatorze países latino-americanos A composção rbuára responde a enava de manpulações eleoras? A experênca de quaorze países lano-amercanos Auora: Paulo Robero Arvae, Claudo Rbero Lucnda Resumo Países lano-amercanos possuem um hsórco recene

Leia mais

PROPOSIÇÃO DE CÁLCULO DO FATOR X EM CONTRATOS DE TELECOMUNICAÇÕES CONSIDERANDO MEDIDAS DE EFICIÊNCIA DEA

PROPOSIÇÃO DE CÁLCULO DO FATOR X EM CONTRATOS DE TELECOMUNICAÇÕES CONSIDERANDO MEDIDAS DE EFICIÊNCIA DEA XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO A Engenhara de Produção e o Desenvolvmeno Susenável: Inegrando Tecnologa e Gesão. Salvador, BA, Brasl, 06 a 09 de ouubro de 2009 PROPOSIÇÃO DE CÁLCULO DO

Leia mais

A VOLATILIDADE DOS PREÇOS À VISTA DO BOI GORDO NO ESTADO DE SÃO PAULO: UMA APLICAÇÃO DOS MODELOS HETEROSCEDÁSTICOS

A VOLATILIDADE DOS PREÇOS À VISTA DO BOI GORDO NO ESTADO DE SÃO PAULO: UMA APLICAÇÃO DOS MODELOS HETEROSCEDÁSTICOS A VOLATILIDADE DOS PREÇOS À VISTA DO BOI GORDO NO ESTADO DE SÃO PAULO: UMA APLICAÇÃO DOS MODELOS HETEROSCEDÁSTICOS Carlos Albero Gonçalves da Slva Professor Vsane, Unversdade do Esado do Ro de Janero (UERJ),

Leia mais

Análise comparativa e teste empírico da validade dos modelos CAPM tradicional e condicional: o caso das ações da Petrobrás

Análise comparativa e teste empírico da validade dos modelos CAPM tradicional e condicional: o caso das ações da Petrobrás Análse comparava e ese empírco da valdade dos modelos capm radconal e condconal: o caso das ações da Perobrás Análse comparava e ese empírco da valdade dos modelos CAPM radconal e condconal: o caso das

Leia mais

Análise do Desempenho dos Gestores de Fundos, baseada nas Transações e nas Participações das Carteiras

Análise do Desempenho dos Gestores de Fundos, baseada nas Transações e nas Participações das Carteiras Vâna Sofa Sequera Umbelno Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Dsseração de Mesrado apresenado à Faculdade de Economa da Unversdade de Combra

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS EXERCÍCIOS ) Para o circuito da figura, determinar a tensão de saída V out, utilizando a linearidade.

CIRCUITOS ELÉTRICOS EXERCÍCIOS ) Para o circuito da figura, determinar a tensão de saída V out, utilizando a linearidade. FISP CIRCUITOS ELÉTRICOS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS 00 CIRCUITOS ELÉTRICOS EXERCÍCIOS 00 Para o crcuo da fgura, deermnar a ensão de saída V ou, ulzando a lneardade. Assumremos que a ensão de saída seja V ou

Leia mais

3 Teoria de imunização

3 Teoria de imunização 33 3 Teora de munzação Como fo vso, o LM é um gerencameno conuno de avos e passvos como o nuo de dmnur ou aé elmnar os rscos enfrenados pelas nsuções fnanceras. Deses rscos, o rsco de axa de uros represena

Leia mais

FACULDADE IBMEC SÃO PAULO Programa de Mestrado Profissional em Economia

FACULDADE IBMEC SÃO PAULO Programa de Mestrado Profissional em Economia FACULDADE IBMEC SÃO PAULO Programa de Mesrado Profssonal em Economa ANTONIO ARTHUR PITANGUY SAMPAIO ALOCAÇÃO DE ATIVOS COM MODELOS DE VOLATILIDADE MULTIVARIADA EVIDÊNCIAS COM DADOS BRASILEIROS São Paulo

Leia mais

Agosto Perspectivas da Balança Comercial Brasileira Há Risco de Desindustrialização?

Agosto Perspectivas da Balança Comercial Brasileira Há Risco de Desindustrialização? Agoso 2011 Perspecvas da Balança Comercal Braslera Há Rsco de Desndusralzação? 1 Apex-Brasl Maurco Borges Presdene Ana Paula Gumarães Dreora de Gesão e Planejameno Rogéro Belln Dreor de Negócos Ana Paula

Leia mais

Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido.

Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. A Prevsão com o Modelo de Regressão.... Inrodução ao Modelo de Regressão.... Exemplos de Modelos Lneares... 3. Dervação dos Mínmos Quadrados no Modelo de Regressão... 6 4. A Naureza Probablísca do Modelo

Leia mais