FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO CONSONNI

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO CONSONNI"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO CONSONNI MODELAGEM DE SUPERFÍCIES DE VOLATILIDADE PARA OPÇÕES COM BAIXA LIQUIDEZ SOBRE PARES DE MOEDAS, CUJOS COMPONENTES APRESENTAM OPÇÕES LÍQUIDAS EM OUTROS PARES SÃO PAULO 0

2 RICARDO CONSONNI MODELAGEM DE SUPERFÍCIES DE VOLATILIDADE PARA OPÇÕES COM BAIXA LIQUIDEZ SOBRE PARES DE MOEDAS, CUJOS COMPONENTES APRESENTAM OPÇÕES LÍQUIDAS EM OUTROS PARES Dsseração apresenada à Escola de Economa da Fundação Geúlo Vargas (FGV/EESP) como requso para obenção do íulo de Mesre em Fnanças e Economa Empresaral. Orenador: Prof. Dr. Afonso de Campos Pno SÃO PAULO 0

3 Consonn, Rcardo. Modelagem de Superfíces de Volaldade para Opções com Baxa Lqudez Sobre Pares de Moedas, Cujos Componenes Apresenam Opções Líqudas em Ouros Pares / Rcardo Consonn f. Orenador: Afonso de Campos Pno Dsseração (mesrado profssonal) - Escola de Economa de São Paulo.. Câmbo a ermo.. Lqudez (Economa). 3. Análse esocásca. 4. Mercado de opções. 5. Moeda. I. Pno, Afonso de Campos. II. Dsseração (mesrado profssonal) - Escola de Economa de São Paulo. III. Tíulo. CDU

4 RICARDO CONSONNI MODELAGEM DE SUPERFÍCIES DE VOLATILIDADE PARA OPÇÕES COM BAIXA LIQUIDEZ SOBRE PARES DE MOEDAS, CUJOS COMPONENTES APRESENTAM OPÇÕES LÍQUIDAS EM OUTROS PARES Dsseração apresenada à Escola de Economa da Fundação Geúlo Vargas (FGV/EESP) como requso para obenção do íulo de Mesre em Fnanças e Economa Empresaral. Daa de aprovação: / / Banca Examnadora: Prof. Dr. Afonso de Campos Pno (Orenador) FGV-EESP Prof. Dr. José Evarso dos Sanos FGV-EAESP Prof. Dr. Oswaldo Luz do Valle Cosa USP-EPUSP 4

5 Agradecmenos Ao meu orenador, Prof. Afonso de Campos Pno, por odo o apoo e dedcação ao longo dese rabalho. Ao Prof. Rcardo Rochman, pela aenção dada na apresenação da dsseração. A Chrsan Iveson, pelos esclarecmenos a respeo do modelo. Aos meus colegas de rabalho, Cláudo de Nard Queroz, Paulo do Cano Huber Jr. e Rodrgo Polasro, pelo apoo na resolução dos cálculos e equações e sugesões na apresenação dos resulados. Aos meus pas, que me deram apoo durane ese empo odo. À mnha namorada, Tas Souza Borba, por odo carnho e compreensão. 5

6 Resumo Ese rabalho apresena um modelo para deermnação da superfíce de volaldades de um par de moedas cujas opções êm baxa lqudez, ulzando superfíces de volaldade com maor lqudez, de pares de moedas em que as moedas esudadas sejam uma de suas componenes. Esse objevo é angdo aravés da ulzação de um modelo de volaldade esocásca. A calbração de seus parâmeros é fea a parr dos valores de mercado de Buerfly Spreads e Rsk Reversals dos pares de moedas líqudos. O rabalho conrbu em relação à leraura no sendo de amplar a coberura de srkes e vencmenos consderados, permndo que, ano opções pouco líqudas e fora do dnhero, como noas esruuradas com opções embudas possam ser mas adequadamene apreçadas. Palavras-chave: Volaldade Esocásca, Superfíce de Volaldade, Opções de Câmbo Absrac Ths work presens a model for deermnng he volaly surface of a currency par whose opons have low lqudy, usng hgher lqudy volaly surfaces of oher currency pars, n whch he desred currences are one of her componens. Ths goal s acheved hrough he use of a sochasc volaly model. The calbraon of s parameers s done from marke values of he Buerfly Spreads and Rsk Reversals of he lqud-currency pars. Ths work conrbues o he leraure n an effor o broaden he scope of srkes and maures consdered, allowng for boh llqud and ou of-he-money opons, as well as srucured noes wh embedded opons, o be more appropraely prced. Keywords: Sochasc Volaly. Volaly Surface, Currency Opons 6

7 LISTA DE FIGURAS Fgura - Volaldade mensal observada nos pares de moedas USDCAD, EURUSD e EURCAD no período de Jan/006 a Mar/0...4 Fgura Smle de volaldade ípco, observado no da 5/03/0, para o par USDBRL...5 Fgura 3 - Exemplo de superfíce de volaldades...5 Fgura 4: Ilusração de uma árvore bnomal com volaldade esocásca (Derman, 008)...7 Fgura 5: Volaldades mplícas para o par de moedas EURBRL, no da 5/03/0...5 Fgura 6: Rsk Reversals e Buerfly Spreads do par de moedas EURBRL, no da 5/03/0...6 Fgura 7: Fluxograma do processo de obenção das volaldades mplícas...9 Fgura 8: Alphas calculados para as moedas USDCAD e EURUSD no da 5/03/0...3 Fgura 9: Rhos calculados para as moedas USDCAD e EURUSD no da 5/03/0...3 Fgura 0: Alphas e Rhos calculados para o par de moedas EURCAD, no da 5/03/ Fgura : Buerfly Spreads e Rsk Reversals calculados para o par de moedas EURCAD, no da 5/03/ Fgura : Superposção das superfíces de volaldade esmada e de mercado para as calls do par EURCAD, para o da 5/03/ Fgura 3: Resulado da subração das superfíces de volaldade esmada e de mercado das calls do par EURCAD para o da 5/03/ Fgura 4: Secções emporas das superfíces de volaldade esmada e de mercado das calls do par EURCAD para o da 5/03/ Fgura 5: Secções emporas das superfíces de volaldade esmada e de mercado das pus do par EURCAD para o da 5/03/ Fgura 6: Secções por Dela das superfíces de volaldade esmada e de mercado das calls do par EURCAD para o da 5/03/0...4 Fgura 7: Secções por Dela das superfíces de volaldade esmada e de mercado das pus do par EURCAD para o da 5/03/ Fgura 8: Superposção das superfíces de volaldade esmada (por baxo) e de mercado para as calls do par EURCAD, para o da 5/09/ Fgura 9: Resulado da subração das superfíces de volaldade esmada e de mercado das calls do par EURCAD para o da 5/09/ Fgura 0: Superposção das superfíces de volaldade esmada (por cma) e de mercado para as calls do par EURCAD, para o da 06/05/ Fgura : Resulado da subração das superfíces de volaldade esmada e de mercado das calls do par EURCAD para o da 06/05/

8 SUMÁRIO. Inrodução...9. Revsão Bblográfca Descrção do Modelo Apresenação e Dscussão dos Resulados Conclusões Bblografa...45 Apêndce I Demonsração maemáca da deermnação dos parâmeros α e ρ dos pares de moedas líqudos a parr dos valores de Rsk Reversals e Buerfly Spreads...47 Apêndce II - Saídas do sofware Evews para as regressões da volaldade de cada Par de Moedas, em função da varação de suas coações Fase...54 Apêndce III Comparação das Superfíces de Volaldades para Ouros Das de Ineresse

9 . INTRODUÇÃO O mercado de opções de câmbo apresena grande lqudez há város anos, e o correo apreçameno de seus nsrumenos se orna mperavo para o sucesso dos parcpanes desse mercado. Esse assuno já fo abordado em números esudos, e as caraceríscas de cada faor que nfluencam o preço das opções, prncpalmene as plan vanlla, cujo volume negocado corresponde a mas da meade do volume oal desse mercado, connuam a ser dscudos, em busca de novos faores e explcações, que possam ornar o processo de apreçameno mas refnado. O preço de uma opção depende dreamene de sua volaldade mplíca, ndcador da expecava de volaldade fuura do avo-objeo, arbuída pelos parcpanes do mercado. A movação para ese rabalho vem da crescene demanda por modelos que permam deermnar, com maor precsão, as superfíces de volaldades mplícas de avos cujas opções êm baxa lqudez, mesmo que seus avos-objeo sejam basane negocados. O objevo dese rabalho é desenvolver uma forma de deermnar a superfíce de volaldades de opções com baxa lqudez, cujo avo-objeo seja um par de moedas cujos componenes enham opções com maor lqudez quando pareadas com uma ercera moeda. O par de moedas escolhdo para ese esudo é o Euro x Dólar Canadense (EURCAD), cujas opções apresenavam baxa lqudez aé meados de 007, quando começaram a ser negocadas com maor freqüênca. Para possblar a execução do esudo, foram ulzadas as opções das moedas componenes do par esudado pareadas com o Dólar Amercano (EURUSD e USDCAD), que possuem lqudez elevada. A relevânca dese esudo consse em permr que os ponos falanes em uma superfíce de volaldades sejam deermnados, prncpalmene quando os dados são escassos. Uma vez esado para um mercado com maor lqudez, o modelo pode ser esenddo para mercados com lqudez reduzda. Esas superfíces servem como base para o apreçameno de nsrumenos fnanceros mas sofscados, como opções exócas e noas esruuradas. O neresse dese rabalho nasce do consane desenvolvmeno do mercado fnancero, e da sofscação dos nsrumenos envolvendo opções sobre pares de 9

10 moedas. A dversfcação dos nvesmenos em crescdo em rmo acelerado para as opções sobre pares de moedas menos líqudos. O mercado de moedas expermenou uma fore expansão na úlma década, não só como meo de especulação, mas ambém como nsrumeno de proeção de nvesmenos cross-border, uma vez que a busca por renabldades maores geralmene é acompanhada pela busca de alernavas mas efcenes de realzar hedge. Esperamos que as opções de câmbo endo o Real como um de seus componenes passem a fgurar denre essas alernavas em um fuuro próxmo. Iveson (00) apresenou um modelo para deermnar a superfíce de volaldades de um par de moedas cujas opções êm baxa lqudez, ulzando as superfíces de volaldades de ouros pares de moedas cujas opções são mas líqudas. Ese rabalho esende esse modelo, ao ulzar um número maor de prazos aé o vencmeno e de relações de moneyness, buscando ober valores mas precsos para odo o range de valores negocados. Seu objevo prmáro é permr que se esmem com maor acuráca os valores ausenes das superfíces de volaldades exsenes, devdo a dados ncompleos, devdo à fala de hsórco de negócos. Adconalmene, busca permr que se deermne uma superfíce de volaldades que possble denfcar oporundades de arbragem devdo a desvos na precfcação das opções dsponíves no mercado. Ese rabalho se dvde em cnco capíulos. O segundo capíulo raz uma vsão geral da bblografa que orenou ese rabalho, desacando os méodos que foram desenvolvdos ao longo do empo para conornar as dfculdades e as dossncrasas desse mercado. São apresenados os rabalhos que denfcam e dscuem o smle de volaldade e a esruura a ermo da volaldade mplíca, e dversas formas para enar modelá-los. O ercero capíulo descreve o modelo ulzado, que se basea no modelo de volaldade esocásca proposo por Heson (993), e ulza duas esruuras negocadas no mercado de moedas, o Rsk Reversal e o Buerfly Spread, cujos preços dervam das volaldades mplícas da opção a-he-money e das calls e pus com um deermnado Dela. Ese modelo fo escolhdo por apresenar uma solução analíca para a volaldade mplíca das dversas opções, faclando a Medda que ndca a relação enre o preço à vsa do avo-objeo e o preço de exercíco da opção sobre esse avo-objeo. 0

11 obenção da superfíce de volaldades. O quaro capíulo apresena a calbração dos parâmeros do modelo a parr dos dados de mercado, a consrução da superfíce de volaldades mplícas e a dscussão da qualdade dos resulados obdos. O quno capíulo apresena as conclusões do rabalho, dscundo as vanagens e lmações do modelo, bem como sugesões de melhoras para desenvolvmenos poserores no ema.

12 . REVISÃO BIBLIOGRÁFICA O objevo dese capíulo é revsar a evolução das eoras que noream o esudo de modelos de precfcação de opções, ndcando o embasameno eórco que permu desenvolver o modelo adoado nese rabalho. Pracamene odos os modelos de apreçameno de opções exsenes baseam-se no modelo desenvolvdo por Black-Scholes (973), que apresena uma solução fechada e que não depende do ajuse de parâmeros, ornando-se muo popular por sua facldade de aplcação. Sua smplcdade, enreano, provém de uma sére de premssas, que embora úes e convenenes, afasa o modelo do mercado real: O exercíco da opção é do po Europeu, ou seja, somene no da de seu vencmeno; O mercado é efcene, de forma que odos os agenes de mercado possuem as mesmas nformações, não sendo possível prever conssenemene a dreção do mercado ou de um avo específco; O mercado opera de forma conínua, segundo um processo de Iō; Não há frcção (cusos de ransação, mposos) no mercado, ou é desprezível; A axa de juros é conhecda e se maném consane durane a vgênca da opção; Os nvesdores podem capar e aplcar à mesma axa de juros, que é a axa lvre de rsco; Os reornos do avo-objeo obedecem a uma dsrbução lognormal; A volaldade do avo-objeo é consane ao longo da vda da opção, para odo e qualquer preço de exercíco ou prazo de vencmeno de opção desse avo-objeo. Garman e Kohlagen (983) adaparam o modelo Black-Scholes (B-S) para as opções de câmbo, manendo suas premssas de smplfcação, esendendo-o para ldar com a presença de duas axas de juros, uma para cada moeda. A prncpal

13 conrbução do modelo Garman-Kohlhagen (GK) é que a axa de câmbo pode ser vsa como um avo que paga um dvdendo conínuo. Os valores para as opções de compra c (call) e opções de venda p (pu) são dados por: qt c = Se Φ( d ) Xe Φ ( d ) [] rt onde: rt p = Xe Φ( d ) Se Φ( d ) [] d qt S σ ln + r q + T X = [3] σ T e S σ ln + r q T X d = = d σ T [4] σ T S = a axa de câmbo spo X = valor de exercíco da axa de câmbo r = axa de juros lvre-de-rsco local, capalzada connuamene q = axa de juros lvre-de-rsco esrangera, capalzada connuamene T = prazo aé o vencmeno, expresso em anos σ = volaldade da axa de câmbo do par de moedas Φ(.) = função de probabldade acumulada da dsrbução normal padrão. O únco parâmero desa equação que não pode ser dreamene observado é a volaldade do preço do avo-objeo. Dessa forma, a volaldade é o prncpal faor de ncereza no preço de uma opção. Na práca, os parcpanes do mercado esmam a volaldade que o avo-objeo devera er para que a opção avalada vesse o preço pracado nesse momeno esá é a chamada volaldade mplíca. A volaldade mplíca é usada para monorar a opnão do mercado acerca da volaldade fuura de deermnado avo. Na práca é comum observar valores dferenes da volaldade mplíca de opções de um mesmo avo objeo. Tal fao decorre de dversos aspecos, enre eles o prazo de vencmeno e o preço de exercíco da opção. Apesar do mercado se basear no modelo B-S para apreçar opções européas, os operadores, sabendo que a volaldade do avo não é 3

14 consane ao longo do empo, ou ao longo do moneyness, cosumam referr-se às opções em função de suas volaldades mplícas. Assm, é práca comum negocar opções em ermos de suas volaldades mplícas, em vez de por seus preços. Um nvesdor em opções geralmene realza suas decsões em relação ao valor da volaldade mplíca que ese esá dsposo a receber ou pagar por uma opção, pos seu preço, por s só, não raz as nformações necessáras para as decsões de nvesmeno. Nese sendo, o nvesdor opera sobre a volaldade mplíca de cada opção. A Fgura apresena as volaldades mensas para os pares de moedas ulzados nese rabalho.,5% USDCAD EURUSD EURCAD,0%,5%,0% 0,5% 0,0% Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-0 Jan- Fgura - Volaldade mensal observada nos pares de moedas USDCAD, EURUSD e EURCAD no período de Jan/006 a Mar/0 Derman e Kan (994) mosraram que há um efeo conhecdo como sorrso de volaldade (ambém volaly smle ou skew), onde a volaldade mplíca das opções aumena à medda que se afasa do preço spo do avo-objeo, ano para opções n-he-money, como para as opções ou-of-he-money. Adconalmene, mosram que a volaldade ambém aumena com o prazo aé o vencmeno, um fenômeno conhecdo como esruura a ermo da volaldade. Esses efeos se opõem ao que o modelo proposo por Black-Scholes (973), onde a volaldade é Essas expressões são comumene referdas pelos seus ermos em nglês, n-he-money (denro-dodnhero) (ITM), a-he-money (no-dnhero) (ATM) e ou-of-he-money (fora-do-dnhero) (OTM), referndo-se ao moneyness das opções. 4

15 consane, para qualquer srke ou prazo de vencmeno, e a árvore bnomal que descreve a evolução do preço do avo-objeo sera a mesma para qualquer opção que se eseja apreçando. A Fgura mosra um exemplo de smle de volaldade. 7.0% 6.5% 6.0% 5.5% 5.0% 4.5% 4.0% 3.5% 3.0% 0P 5P 0P 5P 30P 35P 40P 45P ATM 45C 40C 35C 30C 5C 0C 5C 0C Fgura Smle de volaldade ípco, observado no da 5/03/0, para o par USDBRL Dversos esudos focam nos faores que conrbuem na formação do sorrso de volaldade: Fama (964) demonsrou que os reornos dos avos não seguem uma dsrbução normal; Jarrow e Rudd (98) e Corrado e Su (997) esudaram a assmera e a curose nas dsrbuções hsórcas dos reornos; Meron (976) aborda a exsênca de salos nos preços dos avos; Hull & Whe (987) abordaram o comporameno esocásco da volaldade. Quando se ordena os prazos de vencmeno das opções em um exo, o moneyness das opções em ouro, e ploa os valores das volaldades mplícas em um ercero, formando um gráfco rdmensonal, como mosrado na Fgura 3, eremos a superfíce de volaldades mplícas das opções desse deermnado avo. Fgura 3 - Exemplo de superfíce de volaldades 5

16 Consderando as premssas enumeradas, de acordo com Wlmo (006), os modelos de volaldade esocásca admem que os preços do avo-objeo seguem um processo de dfusão esocásca random walk da forma ds S = µ. d + σ. dw [5] onde µ é o reorno esperado de um avo com preço S no nsane, volaldade do preço do avo e dw é um processo de Wener padrão. σ é Os modelos de volaldade esocásca ambém prevêem que a varânca segue um processo esocásco Ornsen-Uhlenbeck, conforme descro por Gardner (004), da forma σ dσ = κ( θ σ ) d + λσ dz [6] onde θ é a varânca méda de longo prazo do mercado, κ é a velocdade de reversão à méda da varânca de curo prazo σ, λ é a volaldade de σ e dz é um processo de Wener padrão, possundo correlação ρ com < dw, dz >= ρ. d. dw, de forma que O esudo desse modelo, realzado por Heson (993), mosrou que há dos efeos ndependenes: ρ nfluenca posvamene a assmera dos reornos da dsrbução de reornos do avo-objeo, deslocando a dsrbução para a esquerda e ornando sua cauda drea mas pesada, aumenando o valor das opções ouof-he-money, e dmnuído o valor das opções n-he-money. λ nfluenca posvamene a curose da dsrbução de reornos do avoobjeo, e com sso aumena ambém o valor de suas opções muo n- e ou-ofhe-money, e reduz o valor das opções a-of-he-money. 6

17 Fgura 4: Ilusração de uma árvore bnomal com volaldade esocásca (Derman, 008) O modelo GK assume que as axas de juros local r e exerna q são dferenes. O modelo de Heson (993) expande ese conceo, assumndo que essas axas varam com o empo, segundo um modelo esocásco. O mercado de opções sobre pares de moedas conversíves é caracerzado por elevada lqudez e volaldade, e os nvesdores fazem uso de dversos ndcadores para medr e conrolar seu rsco. Uma das formas mas comuns consse na ulzação das dervadas parcas do modelo GK de apreçameno de opções, em relação a seus faores, colevamene chamadas de gregas, como proxys de sensbldade de preço, conforme defndas abaxo: c S q. T dela = = = e Φ d c e gamma = Γ = =. ( ). Φ( d ) q. T S S. σ. T c. vega = Λ = = S. e q T. Φ( d). T σ q. T c S. e. Φ( d). σ q. T r. T hea = Θ = = + q. S. e. Φ( d) r. X. e. Φ( d) T T [7] [8] [9] [0] rho domésco = Ρ = X T e Φ d [] D E r. T... ( ) rho esrangero = Ρ = S T e Φ d [] q. T... ( ) 7

18 Adconalmene, o mercado crou nsrumenos esruurados, para permr aos nvesdores realzarem esraégas varadas de negocação, possblando que sejam monadas ano posções de hedge, quano de especulação. Denre as dversas esruuras presenes no mercado, dos produos largamene negocados serão de grande uldade para nosso esudo: O Dela Rsk Reversal (RR ) é a dferença enre as volaldades mplícas de uma call e uma pu, ambas com mesmo Dela, e nos fornece a nclnação da curva de volaldade, que pode ser ulzada como uma medda do grau de assmera da dsrbução de reornos do avo-objeo: RR = σ σ [3] Call Pu O Dela Buerfly Spread (BF ) é a dferença enre a méda das volaldades mplícas da call e da pu com mesmo Dela e a volaldade mplíca da opção a-he-money, e nos fornece a curvaura da curva de volaldades, sendo uma boa medda do grau de achaameno da dsrbução de reornos do avo-objeo: BF σ Call + σ Pu = σ ATM [4] Quano maor for a procura por um conrao de opções, maor será o seu preço e, conseqüenemene, maor será a sua volaldade mplíca assocada. Para um dado Dela, um Rsk Reversal posvo ndca que a volaldade da call é superor à da pu, ndcando que o mercado arbu uma dsrbução assmérca de expecavas de reornos do avo-base, com maor número de pessoas aposando numa ala de seu preço do que numa baxa. Ouros ndcadores de sensbldade de expecavas de reornos ulzam dervadas superores das gregas, permndo que se obenha uma melhor aproxmação dos reornos do mercado: Volga: denoa a axa de varação do Vega com relação a mudanças de volaldade do avo-objeo, de acordo com a segune dervada parcal: 8

19 c Λ Λ d d S T dd..( ). ( ) ( ) σ σ d σ σ σ σ Volga = = = = S d Φ d T = d d Φ d = Λ [5] Vanna: denoa a axa de varação do Vega em relação a mudanças de preço do avo-objeo, de acordo com a segune dervada parcal: c Λ Λ d d Vanna = = = = Φ ( d) T + S. ( d) Φ ( d) T = Λ σ. S S d S Sσ T Sσ T [6] Os valores de Volga e Vanna são os mesmos para as calls e as pus. Yekuel (004) apona que se a volaldade da opção a-he-money for ulzada para calcular os prêmos das opções ou-of-he-money e n-he-money, os valores obdos serão nferores aos observados no mercado, ndcando que há um aumeno na volaldade mplíca, à medda que o srke se afasa do valor spo do avo-objeo. Ele sugere que se adape o modelo de B-S para um modelo de volaldade esocásca com as segunes caraceríscas: a varânca do avo-objeo vare de forma aleaóra, com magnude proporconal à volaldade e há um ermo de reversão à méda do drf da varânca Ambas essas caraceríscas fazem pare dos modelos proposos por Cox- Ingersoll-Ross (985) e Heson (993). Yekuel (004) ambém desaca que os modelos de volaldade esocásca apresenam bons sorrsos de volaldade para opções com város meses aé seus vencmenos, mas seus resulados para opções com vencmenos curos é nsasfaóro. Fengler e al (007) aponam que a modelagem da superfíce de volaldade mplíca apresena dos grandes desafos a serem raados, o mas mporane deles sendo o que fo denomnado a consrução degenerada, ou seja, o fao da volaldade mplíca só esar dsponível para um número lmado de prazos (,, 3, 6, 9,, 8, 4 e 36 meses para o vencmeno, a parr de sua emssão), ornando a amosra de dados dscrea. Desa forma, os dados de volaldade mplíca aparecem como lnhas, obrgando os modelos a nerpolarem os ponos nermedáros da 9

20 superfíce. O segundo desafo é decorrene do prmero, pos os dados observados não compõem uma grade de volaldades complea, pos é comum que dversos dos dados esejam falando em deermnadas regões, com combnações de prazos de vencmeno e moneyness de menor lqudez. Bossens e al (009) afrmam que o smle é caracerísco para cada par de moedas e vencmeno das opções, de modo que um modelo que apresena bons resulados para um deermnado par de moedas, pode não er o mesmo desempenho para ouros pares de moedas. Nesse rabalho ambém é dscudo que a volaldade mplíca das opções ou-of-he-money é maor que a volaldade mplíca das opções a-he-money, mosrando que o mercado não presume que a volaldade do avo seja consane ao longo do empo, nem na relação de moneyness da opção. Essa assmera nas volaldades das opções pode ser explcada pela crescene demanda por nsrumenos de hedge pelos nvesdores, que buscam proeger-se de movmenos abrupos do mercado, e esão dsposos a pagar preços mas elevados por essa proeção. Esse efeo, lusrado pela Fgura, é evdencado pelo fao que o mercado ulza volaldades mas elevadas para apreçar esas opções. Alexander (005) ressala que o mercado de ações mosra-se mas volál após uma grande queda nos preços do que após uma elevação de preços de mesma magnude, e essa caracerísca em se ornado mas aparene após o crash das Bolsas em 987. O efeo fnal é que os prêmos das opções sofrem um aumeno em vrude da expecava de elevação da volaldade do mercados no fuuro. Kamal e Gaheral (00) esudaram a dnâmca de formação e aleração das superfíces de volaldades, e deermnaram que seu formao não pode ser arbráro, pos devem obedecer a condções de não-arbragem, como a convexdade do preço em relação ao srke e a aderênca à esruura a ermo das axas de juros. Em geral, essas resrções são aenddas desde que não exsam grandes gradenes na superfíce. Adconalmene, rês pos de aleração no formao da superfíce de volaldades explcam grande pare da sua dnâmca de movmenação: O deslocameno paralelo da superfíce, geralmene caracerzado por um movmeno síncrono, de oda a superfíce, para cma ou para baxo, é responsável pela maor pare das movmenações da superfíce de 0

21 volaldade. Ese movmeno geralmene não é plano : as volaldade mas curas endem a se movmenar mas do que as longas, e uma nclnação (l) ascendene no exo do prazo se orna mas pronuncada. A movmenação da esruura a ermo, onde as volaldades de curo prazo se movmenam em dreção oposa à das volaldades de longo prazo, apoandose em um dos prazos de vencmeno, com pequena nfluênca ao longo do exo de srkes. No esudo realzado, o pono de pvoameno se suava no vencmeno de 9 das. A mudança de curvaura do smle, ao longo do exo dos srkes, com as volaldades das opções com srkes abaxo e acma do spo se aumenando a curvaura da superfíce, e com uma aenuação à medda que aumena o prazo aé o vencmeno. Yoshno e Cosa (004) desacam que, apesar do grande desenvolvmeno de esudos a respeo da ndúsra de dervavos, o mercado de opções européas de câmbo anda se basea em modelos menos sofscados, como B-S e GK, que subesmam efeos quanavos mporanes. Eles ressalam que esses efeos poderam ser melhor explorados aravés de modelos mas robusos, como os que ncorporam o conceo de volaldade esocásca. Segundo eles, eses são os modelos que melhor lusram as caraceríscas dos mercados de câmbo de países emergenes, caracerzados por repedos cclos de ala volaldade, mudanças de regme cambal e crses moneáras, que acarream mudanças na lqudez do mercado. Nesse sendo, propõem uma forma de mplemenar e calbrar o modelo de Heson para o mercado braslero, ulzando uma superfíce de volaldades mplícas. Os modelos radconas (e mas dfunddos aé o momeno) de apreçameno de opções de câmbo baseam-se na adapação de um modelo onde se assume que a volaldade do avo-objeo é consane. Enreano, a observação do mercado não dá supore a essa hpóese, e város modelos foram desenvolvdos para enar modelar um ambene onde a volaldade não é consane: a) Modelos de dfusão un varada, onde as premssas de dfusão e nãoarbragem são mandas, mas a hpóese do Movmeno Brownano Geomérco é relaxada. Nesa caegora enconramos os modelos de árvores

22 bnomas e rnomas mplícas, onde a únca fone de aleaoredade se orgna do movmeno do preço do avo-objeo. Esa não é uma caracerísca presene nos mercados de câmbo, segundo esudo de Carr e Wu (007), que mosra que a nclnação da superfíce de volaldade em relação ao preço de exercíco (X) não é consane, sugerndo que há ouros efeos no mercados que não são capurados/denfcados por ese po de modelo. b) Modelos de volaldade esocásca, em que o processo de dfusão nclu um comporameno esocásco (no empo) da volaldade dos preços do avoobjeo. Sen e Sen (99) e Heson (993) foram os responsáves por raar ese problema de forma analíca, ulzando o mesmo processo esocásco de Ornsen-Uhlenbeck descro em [6], com ρ 0. Eses modelos em a vanagem de ncorporar os efeos do smle e skewness; e c) Modelos de salos, como o proposo por Meron (976), onde a hpóese de dfusão nos preços dos avos é relaxada, combnando o conceo de dfusão Brownano, ulzada nos modelos anerores, com o conceo de salos de Posson, aravés de uma equação do po ds = µ S d + σ S dw JS dq. A + denfcação de salos nos preços depende do uso de écncas de méodos numércos para a resolução de equações dferencas parcas bdmensonas, e a fala de uma solução analíca (fechada) dfcula sua ulzação de manera mas ampla. Yoshno e Cosa (004) dscuem dversos desses modelos, comparando os arfícos ulzados para conornar as dfculdades maemácas enconradas em cada um, e avalando sua efcênca em apreçar opções de câmbo no mercado braslero. Segundo Alexander (005), a maor pare das opções negocadas no mercado de moedas se basea no Modelo GK, apesar das hpóeses que o susenam não serem observadas emprcamene. A assmera observada no apreçameno de opções com dferenes srkes pode ser observada por duas das caraceríscas desse mercado: a dsrbução dos reornos exbe caudas pesadas e a volaldade do avo-objeo não é consane. Dessa forma, a ulzação de um modelo que modele o preço do avo-objeo como um movmeno brownano geomérco não é aproprado, pos ese modelo assume dsrbução normal dos reornos e volaldade

23 consane e os reornos dos avos observados no mercado mosram uma varação elevada, com uma freqüênca maor que a prevsa. Recenemene, dversos auores brasleros ulzaram écncas para aprofundar o esudo das superfíces de volaldades mplícas: Oya (009) ulzou a Análse de Componenes Prncpas para esudar a superfíce de volaldade mplíca de opções européas do par de moedas USDBRL (Dólar Amercano / Real). Vargas (00) ulzou a volaldade hsórca do avo-objeo como parâmero para deermnar a superfíce de volaldades mplícas de ações do Ibovespa. Busamane (00) ulzou a Transformada Rápda de Fourer para deermnar a superfíce de volaldades das opções USDBRL aravés do modelo de Heson (983). Iveson (00) esudou a deermnação de uma superfíce de volaldades de um par de moedas com baxa lqudez, a parr de superfíces de volaldades com maor lqudez. A busca por novas oporundades de nvesmenos causou um aumeno no fluxo de capal enre países, e a necessdade de realzar hedge cambal desses nvesmenos. O mercado de dervavos cambas desenvolveu-se anda mas, expandndo o pagameno das ransações comercas já exsenes, e ornando-se um dos mas líqudos do mercado. Por ouro lado, a lqudez do mercado de dervavos sobre moedas nãoconversíves é muo menor. As opções sobre pares envolvendo o Real, como por exemplo, USDBRL e EURBRL possuem baxa lqudez, e o pareameno com ouras moedas, como por exemplo, JPYBRL, CHFBRL e GBPBRL, pracamene não há lqudez. A combnação dos desafos cados por Fengler e al (007) com a dmnua lqudez dos dervavos de alguns pares de moedas nos apresena o problema que ese rabalho se propõe a auxlar a soluconar: como ulzar superfíces de volaldades de avos com grande lqudez para esmar as superfíces de volaldades de pares de moedas com baxa lqudez. O próxmo capíulo apresenará o modelo ulzado nese rabalho, as premssas ulzadas e o fluxo de rabalho para mplemená-lo. 3

24 3. DESCRIÇÃO DO MODELO O modelo ulzado nese esudo se basea naquele desenvolvdo por Iveson (00), e preende calcular as volaldades mplícas das opções de um par de moedas (Euro x Dólar Canadense - EURCAD), cuja lqudez é reduzda, e sua superfíce de volaldade apresena dversas áreas vazas. O modelo ulzará as nformações das volaldades mplícas de opções de pares com maor lqudez (USDCAD - Dólar Amercano x Dólar Canadense e EURUSD - Euro x Dólar Amercano), modelando os processos das volaldades como puramene esocáscos. A escolha deses pares de moedas se deu pela fala de lqudez de ouros pares de moedas que envolvessem o Real como um de seus componenes, e pelo fao das opções sobre o EURCAD erem apresenado um aumeno sgnfcavo de lqudez desde 008, permndo que o modelo pudesse ser verfcado com maor precsão. O esudo orgnal ambém ulzou dados de Rsk Reversals e Buerfly Spreads com Dela 0.5 e vencmeno de 6 meses, dos pares de moedas USDBRL e EURUSD para deermnar a superfíce de volaldades do par EURBRL. Enreano, os fenômenos do smle de volaldade e da esruura a ermo da volaldade, descros por Derman e Kan (994), mosram que essa abordagem smplfcada (com apenas um Dela e um vencmeno) pode ser nefcene para deermnar uma superfíce de volaldades mplícas complea, e aqu resde a maor conrbução dese rabalho. A fgura 5 mosra as volaldades mplícas das calls e das pus para o par de moedas EURBRL, no da 5/03/0, desacando que os valores para um mesmo prazo, ou para um mesmo Dela, podem apresenar grandes varações. Observa-se um crescmeno consderável nos valores das volaldades mplícas, aumenando à medda que cresce o srke da opção: as volaldades mplícas são mas baxas para as pus mas ou-of-he-money (com Delas menores), aumenando à medda que se aproxma da opção a-he-money, connuando seu crescmeno, aé culmnar nas calls mas ou-of-he-money (novamene com Delas menores). Ouro mporane 4

25 fenômeno observado é a pequena varação das volaldades mplícas das pus ao longo do empo, apresenando um aumeno sensível apenas nos prazos de vencmenos acma de 6 meses. Essa caracerísca não se observa nas volaldades mplícas das calls, que exbem um crescmeno consane ao longo do empo, como esperado. 0D Call 5D Call 5D Call 35D Call ATM 35D Pu 5D Pu 5D Pu 0D Pu 4% % 0% 8% 6% 4% % 0% W W 3W M M 3M 4M 6M 9M Y 8% 6% M 4% 3M 6M Y % 0% 8% 6% 4% % 0% 5P 0P 5P 0P 5P 30P 35P 40P 45P ATM 45C 40C 35C 30C 5C 0C 5C 0C 5C 8% Fgura 5: Volaldades mplícas para o par de moedas EURBRL, no da 5/03/0 A fgura 6 mosra os valores dos Rsk Reversals e Buerfly Spreads observados no mercado no da 5/03/0, para o mesmo par de moedas. De forma análoga, os valores para dferenes Delas e prazos mosram-se basane dsnos, 5

26 prncpalmene nos prazos de 6 meses para o vencmeno. As dferenças enre as volaldades mplícas das calls e pus de mesmo Dela são evdencadas nesses gráfcos, ndcando que a generalzação de um valor para odo e qualquer prazo pode se mosrar nefcaz para a correa deermnação da superfíce de volaldades. 4% % 0% 8% 6% 4% % 0% 0D RR 5D RR 5D RR 35D RR W W 3W M M 3M 6M Y Prazo M 3M 6M Y RR 45 RR 40 RR 35 RR 30 RR 5 RR 0 RR 5 RR 0 RR 5 6% 4% % 0% 8% 6% 4% % 0% 4% 0D BF 5D BF 5D BF 35D BF M 3M 6M Y 4% % % 0% W W 3W M M 3M 6M Y Prazo BF 45 BF 40 BF 35 BF 30 BF 5 BF 0 BF 5 BF 0 BF 5 0% Fgura 6: Rsk Reversals e Buerfly Spreads do par de moedas EURBRL, no da 5/03/0 O modelo adoado nese rabalho é um adapação do modelo de Heson, pos assume que a axa de câmbo é esocásca, uma vez que a axa de câmbo pode ser expressa como uma relação enre as axas de juros local e exerna. Cada par de moedas é denfcado por um índce, para =,, 3, com as respecvas dnâmcas descras pelas segunes equações: ds S = µ. d + σ. dw dσ = α σ. dz < dw, dz >= ρ. d [7] Wener A expressão < dw, dz > denoa o produo escalar enre os processos de dw e dz, podendo ser nerpreado como a correlação enre ambos. As volaldades nsanâneas σ êm axa de reversão à méda nula. 6

27 O índce denfcará os pares de moedas aqu consderados de acordo com a Tabela abaxo: Cálculo dos parâmeros Par de Moedas USDCAD EURUSD 3 EURCAD Tabela : Pares de Moedas consderados dos valores de Rsk Reversals e Buerfly Spreads α e ρ dos pares de moedas líqudos a parr De acordo com o modelo, os parâmeros α e ρ das equações de [7], para = {, }, podem ser obdos a parr do Rsk Reversal, do Buerfly Spread e da volaldade da opção a-he-money de um deermnado par de moedas. A demonsração maemáca da deermnação dos parâmeros α e ρ enconra-se no Apêndce I. Aravés das equações [3] e [33], reproduzdas abaxo, podemos ober α, α, ρ e ρ, ulzando os valores dos Rsk Reversals e Buerfly Spreads observados nos mercados de câmbo dos pares USDCAD e EURUSD. α = 6σ ABF BF T d + σ A [3] BF d + RR σ A ρ = [33] d 6σ BF Yekuel (004) ulzou as coações dos conraos de opções Rsk Reversals e Buerfly Spreads como npus em uma rona de calbração que busca o melhor ajuse (bes-f) dos valores para os parâmeros do Modelo de Heson. A funçãocuso ulzada para o ajuse no esudo era a soma dos quadrados dos erros enre as volaldades mplícas dos preços de mercado e as volaldades dos valores obdos A 7

28 do modelo. Foram enconrados rês problemas prncpas quando se enou ajusar o Modelo de Heson a uma superfíce de volaldades real de mercado: Por ser um modelo de 5 parâmeros, o Modelo de Heson não em a precsão necessára para adequar uma superfíce de volaldades, que muas vezes coném mas de 30 ponos de nformação. O Modelo de Heson gera dnamcamene a assmera e a curvaura (curose) da superfíce de volaldade, devdo à naureza esocásca da volaldade. Em períodos curos de empo, essas caraceríscas fornecdas pelo modelo são muo nferores àqueles observados nas superfíces de volaldade presenes no mercado. Rebonao (004) apona que ese problema podera ser soluconado por um modelo que ambém ncluísse salos, mas que essa solução não sera parcmonosa. O formao da evolução da curva das volaldades mplícas das opções ahe-money à medda que aumena o prazo para o vencmeno (do curo para o longo prazo) não obedece à forma de ransção exponencal prescro pelo comporameno de reversão à méda do Modelo de Heson (suação não relevane nese rabalho, dada a adoção da axa de reversão à méda nula). Em vsa de as observações, Yekuel (004) decdu exclur os dados das opções com vencmenos nferores a dos meses do conjuno de dados para a calbração do Modelo, assm como as opções com Dela 0.0, que compõem o RR 0 e o BF 0. Tas caraceríscas são confrmadas nese esudo. O processo de consrução da superfíce de volaldades mplícas das calls e pus do par de moedas líqudo, a parr dos dados de mercado, depende da deermnação dos Rsk Reversals e Buerfly Spreads desse par de moedas. A obenção desses valores depende da deermnação de α 3 e ρ 3, que por sua vez são calculados em função dos valores de α, α, ρ e ρ, das séres de correlações esocáscas < dw, dz >, < dw, dz > e < dz, dz > e dos parâmeros Φ A e Eses úlmos necessam do parâmero ρ, dependene do processo de flragem dos reornos dos pares de moedas USDCAD e EURUSD. Esse processo é composo por nove fases, e o fluxo de operações é lusrado pela Fgura 7, e descro em maores dealhes em seguda. Φ B. 8

29 Obenção. de α, α, ρ e ρ Realzação. das regressões dos movmenos dos pares de moedas Realzação. 3 Obenção.5 das regressões das dos resíduos das correlações regressões anerores esocáscas 7 Obenção. de α 3 e ρ 3 8 Obenção. 9 Obenção. das volaldades de RR 3 e BF mplícas das 3 callse das pus 4 Obenção de ρ 6 Obenção de Φ A e Φ B Fgura 7: Fluxograma do processo de obenção das volaldades mplícas. Cálculo das séres hsórcas de α, α, ρ e ρ, a parr dos dados de mercado dsponíves de Rsk Reversals e Buerfly Spreads, dos respecvos pares de moedas, ulzando [3] e [33].. Cálculo das séres de reornos flrados dw e dw, e das séres dos resíduos ' dw e ' dw, a parr dos coefcenes obdos da regressão lnear da volaldade dos pares de moedas e, em função de seus reornos dáros. 3. Com as séres dw, dw, ' dw e ' dw (obdas na fase ), são feas as regressões lneares para ober os coefcenes < dw ',dw >, < dw, dw ' > e < dw ',dw ' >. 4. A parr da regressão dos reornos flrados, dw e dw, calcula-se o coefcene ρ, de acordo com [37]: < dw, dw >= ρ d [37] 5. A parr das séres α, α, ρ e ρ (obdas na fase ), e do valor do parâmero ρ (obdo na fase 4), são calculadas as séres de correlações esocáscas < dw, dz >, < dw, dz > e < dz, dz >, segundo [45], reproduzda abaxo: < dw, dz >= ρ ρ + ρ < dw, dw > ' < dw, dz >= ρ ρ + ρ < dw, dw > ' < dz, dz >= ρ ρ ρ + ρ ρ < dw, dw > + ρ ρ < dw, dw > ' ' + ρ ρ < dw, dw > ' ' [45] 9

30 6. Os valores para os parâmeros Φ A e Φ B são calculados ulzando-se [40], reproduzda abaxo, a parr dos valores das volaldades hsórcas dos pares de moedas, σ e σ, e o valor do parâmero ρ (obdo na fase 4): σ + ρσ Φ A = σ σ + ρσ Φ B = σ 3 3 [40] 7. Cálculo das séres de α 3 e ρ 3, ulzando [4] e [46], reproduzdas abaxo: α3 = α Φ A + αφ B + αα ΦAΦ B < dz, dz > [4] ρ = α σ Φ ρ + α σ Φ < dw, dz > + α σ Φ < dw, dz > + α σ Φ ρ [46] 3 A A B B Para a obenção dessas séres, são necessáras as séres α, α, ρ e ρ (obdos na fase ), as séres de correlações esocáscas < dw, dz >, < dw, dz > e dz, dz < > (obdas na fase 5), e os valores de Φ A e Φ B (calculados na fase 6). 8. Cálculo dos valores das séres dos Rsk Reversals e Buerfly Spreads para o par de moedas 3, a parr das séres α 3 e ρ 3, ulzando [3] e [33]. 9. Deermnação das volaldades mplícas para as calls e pus do par de moedas 3, a parr das séres dos Rsk Reversals e Buerfly Spreads para esse par de moedas. No próxmo capíulo o processo descro acma será desenvolvdo para ober as volaldades mplícas para as calls e pus do par de moedas EURCAD, a parr dos Rsk Reversals e Buerfly Spreads para os pares de moedas USDCAD e EURUSD. 30

31 4. APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Ese capíulo apresena os resulados de cada uma das fases da aplcação do processo de obenção dos valores das volaldades mplícas das calls e pus a parr dos dados de mercado. Amosra Foram ulzados dados dáros do ermnal Bloomberg, para os Rsk Reversals e Buerfly Spreads para os pares de moedas USDCAD e EURUSD, com Delas de 0.0, 0.5, 0.5 e 0.35, para os prazos de mês ( das úes), 3 meses (63 du), 6 meses (6 du) e ano (5 du), de 06/0/006 a 5/03/0. O número oal de observações da sére é de 353 das. Cada da nos fornece 3 observações, para os dversos prazos e Delas. Apesar de esarem dsponíves opções com prazos de vencmeno de aé 7 anos, as opções com prazos acma de anos apresenavam lqudez baxa, e, porano foram descaradas dese esudo pelo número excessvo de oulers. Fase : Geração dos α e ρ para os pares de moedas USDCAD e EURUSD As séres hsórcas de α e ρ para os pares de moedas USDCAD e EURUSD foram calculados a parr dos valores hsórcos dos Rsk Reversals e Buerfly Spreads de cada um dos pares de moedas, ulzando [3] e [33]. As fguras 8 e 9 lusram as dferenças enre os valores calculados para os dversos Delas e prazos, fornecendo bons ndícos que a segmenação em áreas dsnas pode razer um refnameno nos resulados. Na fgura 8 observamos que os valores dos Alphas para os dferenes Delas não dvergem ano quando comparados com ouro Alphas de mesmo prazo, mas que varam muo para o mesmo Dela, para prazos de vencmeno dferenes. Na fgura 9, noamos que a mesma caracerísca ocorre, exceo para os Alphas Dela 0.35, que apresenam valores modulares menores que para os demas Delas. dw e Oura caracerísca noável é que a correlação enre os processos esocáscos dz, ndcado pelos Rhos de cada par de moedas, é negava para o par USDCAD, enquano que para o par EURUSD, é posva. Essa caracerísca ndcará 3

32 a sncrona de dreção dos movmenos dos preços e das volaldades do par de moedas em quesão Alpha - USDCAD 0,0 0,5 0,5 0, Alpha - EURUSD 0,0 0,5 0,5 0,35 6 M 3M 6M Y Prazo 6 M 3M 6M Y Prazo Alpha - USDCAD M 3M 6M Y Alpha - EURUSD M 3M 6M Y ,0 0,5 0,5 0,35 Dela 6 0,0 0,5 0,5 0,35 Dela Fgura 8: Alphas calculados para as moedas USDCAD e EURUSD no da 5/03/0-0, -0,4-0,6-0,8-0,30-0,3-0,34-0,36-0,38-0,40 Rho - USDCAD M 3M 6M Y Prazo 0,0 0,5 0,5 0,35 0,39 0,38 0,37 0,36 0,35 0,34 0,33 0,3 Rho - EURUSD M 3M 6M Y 0,0 0,5 0,5 0,35 Prazo -0,4-0,6-0,8-0,30-0,3 Rho - USDCAD 0,0 0,5 0,5 0,35 Dela M 3M 6M Y 0,39 0,38 0,37 0,36 0,35 Rho - EURUSD M 3M 6M Y -0,34 0,34-0,36-0,38-0,40 0,33 0,3 0,0 0,5 0,5 0,35 Dela Fgura 9: Rhos calculados para as moedas USDCAD e EURUSD no da 5/03/0 3

33 Fase : Regressão das volaldades de cada par de moedas, em função dos movmenos de preços dessa moeda geração de dw e ' dw Foram feas regressões das volaldades hsórcas de mês, 3 meses, 6 meses e ano, em função dos movmenos dáros (reornos logarímcos de d-0, d- e d-), AR() e AR() para cada par de moedas, USDCAD e EURUSD. A ulzação de processos auo-regressvos de a e a ordens se faz necessáro, pos a sére apresena uma fore correlação seral posva. Essa correlação seral é confrmada pelos resulados dos coefcenes de Durbn-Wason das regressões. Apresenamos a segur os resulados obdos para cada um dos coefcenes, e seus níves de sgnfcânca: USDCAD Coefcene M 3M 6M Y d-0 0,0058 ns 0,0007 ns 0,0003 o 0,037 o d- -0,5474 ** -0,0850 ** -0,08 ns -0,0003 o d- -0,0948 * -0,0767 * -0,04089 * -0,0008 * EURUSD Coefcene M 3M 6M Y d-0 0,00097 ns 0,0808 * 0,086 ns 0,049 * d- -0,3783 *** -0,408 ** -0,076 *** -0,067 ** d- -0,894 o -0,356 ** -0,00047 * - Sgnfcânca: ns não-sgnfcavo o 90% * 95% ** 99% *** 99,9% As abelas de saída do sofware Evews para cada uma das regressões realzadas enconram-se no Apêndce II. Com os coefcenes obdos, forma calculados as séres de dw e dw para cada um dos períodos analsados, e a parr dos resíduos das regressões, foram gerados as séres de ' dw e ' dw para cada um dos períodos analsados. 33

34 Fase 3: Regressão das séres geradas na Fase Ulzando-se as séres hsórcas dw, dw, ' dw e ' dw, geradas pelas regressões anerores, foram feas as regressões de < dw, dw >, < dw, dw ' > e ' ' < dw,dw ' >. Nese caso ambém foram ulzados processos auo-regressvos de a e a ordens, para corrgr a correlação seral posva. Os coefcenes obdos são apresenados abaxo, junamene com seus níves de sgnfcânca: Coefcene M 3M 6M Y ' < dw, dw > 0,07445 *** 0,05978 *** 0,03984 ** 0,04077 * < dw, dw > 0,0994 *** 0,708 *** 0,533 *** 0,496 *** ' ' ' < dw,dw > 0,946 *** 0,308 *** 0,380 *** 0,7867 *** Sgnfcânca: ns não-sgnfcavo o 90% * 95% ** 99% *** 99,9% Fase 4: Deermnação de ρ A parr de [37], podemos calcular ρ d =< dw, dw > da regressão do hsórco de reornos dáros de USDCAD e EURUSD em cada período. Os valores obdos são mosrados abaxo, com com seus níves de sgnfcânca: M 3M 6M Y ρ 0,37757 *** 0,37446 *** 0,37057 *** 0,36 *** Sgnfcânca: ns não-sgnfcavo o 90% * 95% ** 99% *** 99,9% Nese caso, os valores obdos para cada prazo são muo próxmos, havendo uma dferença menor que 4,3% enre os valores exremos. Fase 5: Deermnação de < dw, dz >, < dw, dz > e < dz, dz > Tendo os valores de ρ e as séres < dw, dw >, < dw, dw ' > e < dw ',dw ' >, ' são calculadas as séres de correlações esocáscas hsórcas de < dw, dz >, < dw, dz > e dz, dz < > para cada prazo, aravés de [45]. 34

35 Fase 6: Deermnação de Φ A e Φ B Com os valores das volaldades hsórcas para cada período de USDCAD e EURUSD, e com os valores de ρ, as séres hsórcas de Φ A e foram calculadas, conforme [40]. Φ B para cada prazo Fase 7: Deermnação de α 3 e ρ 3 Ulzando as séres e coefcenes obdos, as séres de valores hsórcos para α 3 e ρ 3 para cada prazo podem ser calculadas, de acordo com [4] e [46]. A fgura 0 apresena os valores obdos para os Alphas e Rhos para o da 5/03/0. 6 Alpha 3 0,07 Rho ,0 0,5 0,5 0,35 0,06 0,05 0,04 0,03 0,0 0,5 0,5 0,35 8 0,0 0,0 6 M 3M 6M Y Prazo 0,00 M 3M 6M Y Prazo 5 Alpha 3 0,07 Rho M 3M 6M Y 0,06 0,05 0,04 0,03 0,0 0,0 M 3M 6M Y 6 0,0 0,5 0,5 0,35 Dela 0,00 0,0 0,5 0,5 0,35 Dela Fgura 0: Alphas e Rhos calculados para o par de moedas EURCAD, no da 5/03/0 Noamos que o mesmo comporameno apresenado para os Alphas do pares de moedas ulzados anerormene é repedo para o par de moedas esudado agora: os valores dos Alphas para os dferenes Delas não dferem muo quando comparados com os de mesmo prazo, mas varam basane para um mesmo Dela, com prazos de vencmeno dferenes. Os valores de Rho, assm como os do par de 35

36 moedas EURUSD, são posvos, ndcando uma correlação posva enre os processos esocáscos dw 3 e dz 3. Fase 8: Deermnação de RR EURCAD e BF EURCAD Ulzando [3] e [33], podemos deermnar as séres hsórcas dos valores de RR EURCAD e BF EURCAD a parr de cada um dos valores de α 3 e ρ 3. A fgura apresena os valores obdos para os RR EURCAD e BF EURCAD para o da 5/03/0. Todos os valores de BF EURCAD são posvos, assm como os observados para o par EURBRL, mas os valores dos Buerfly Spreads calculados para o par EURCAD ndcam que sua superfíce de volaldades mplícas possu uma curvaura menor que a da superfíce do par EURBRL. Além dsso, os valores de RR EURCAD são negavos, ao conráro aos do par EURBRL. Essa caracerísca nos ndca que há uma assmera nas expecavas do mercado, snalzando uma perspecva de ala na coação do par de moedas EURBRL, enquano que projea uma queda na coação do par EURCAD. 0,9 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0, 0, 0,0 Buerfly Spread 0,0 0,5 0,5 0,35 M 3M 6M Y Prazo 0,00-0,05-0,0-0,5-0,0-0,5-0,30 Rsk Reversal M 3M 6M Y 0,0 0,5 0,5 0,35 Prazo 0,9 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0, 0, 0,0 Buerfly Spread 0,0 0,5 0,5 0,35 M 3M 6M Y Dela 0,00-0,05-0,0-0,5-0,0-0,5-0,30 Rsk Reversal 0,0 0,5 0,5 0,35 Dela M 3M 6M Y Fgura : Buerfly Spreads e Rsk Reversals calculados para o par de moedas EURCAD, no da 5/03/0 36

37 Fase 9: Deermnação das volaldades mplícas das calls e pus para o par de moedas EURCAD, e sua superfíce de volaldades mplícas. Tendo os valores dos Buerfly Spreads e Rsk Reversals para o par de moedas EURCAD, é possível calcular as volaldades mplícas de suas calls e pus, e consrur sua superfíce de volaldades mplícas, ulzando [3] e [4]. A superfíce de volaldades fo consruída ulzando-se nerpolação aravés de splnes cúbcos. Esse méodo de nerpolação fo ulzado para compensar a relava escassez de ponos para consrução da curva, porém não garane que a superfíce obda apresene falsas oporundades de arbragem enre as opções e seu avo-objeo. Anda assm, essas oporundades só apareceram enre os vérces, que não são alerados no processo. Comparação da superfíce esmada com a observada no mercado. Uma vez consruída a superfíce de volaldades, podemos compará-la com a superfíce de volaldades real de mercado. A Fgura apresena a superfíce de volaldades para as calls do par EURCAD para o da 5/03/0. A superfíce que esá por cma, menos ondulada, é a esmada. Fgura : Superposção das superfíces de volaldade esmada e de mercado para as calls do par EURCAD, para o da 5/03/0. 37

38 A Fgura 3 mosra a subração das superfíces de volaldades das calls, desacando as dferenças absoluas, em ponos percenuas, enre elas. É possível observar que as dferenças são aceáves para um modelo como ese, exceuando os valores para o prazo de mês para o vencmeno, e para Dela 0.0, que apresenam valores dscordanes. Essas dferenças, para os prazos mas curos, mosraram um comporameno erráco, de um da para o ouro, no período observado. No Apêndce III, apresenamos ouras duas comparações das superfíces de volaldades para ouros das de neresse: 5/09/008, quando o Lehman Brohers pedu concordaa, e 06/05/00, daa do período esudado em que se observou a máxma dferença enre as volaldades do mercado e as calculadas pelo modelo. Fgura 3: Resulado da subração das superfíces de volaldade esmada e de mercado das calls do par EURCAD para o da 5/03/0. 38

39 , Prazo = mês,6 Prazo = 3 meses,5 Volaldade Implíca (%),0,9 Esmado Mercado Volaldade Implíca (%),4,3 Esmado Mercado,8,,7 0,0 0,5 0,5 Dela 0,35, 0,0 0,5 0,5 Dela 0,35 3,5 Prazo = 6 meses 4,0 Prazo = ano 3,4 3,9 Volaldade Implíca (%) 3,3 3, 3, 3,0,9 Esmado Mercado Volaldade Implíca (%) 3,8 3,7 3,6 3,5 3,4 3,3 Esmado Mercado,8 3,,7 3,,6 0,0 0,5 0,5 Dela 0,35 3,0 0,0 0,5 0,5 Dela 0,35 Fgura 4: Secções emporas das superfíces de volaldade esmada e de mercado das calls do par EURCAD para o da 5/03/0. Uma análse dlgene da Fgura 4 nos perme denfcar as razões que ocasonam as fluuações mas acenuadas presenes na Fgura 3: o descolameno enre os valores calculados pelo modelo para o prazo de vencmeno de mês, comparados aos valores observados no mercado nese da são muo maores do que para os demas prazos, chegando a 0,36%. 39

Nota Técnica sobre a Circular nº 2.972, de 23 de março de 2000

Nota Técnica sobre a Circular nº 2.972, de 23 de março de 2000 Noa Técnca sobre a rcular nº 2.972, de 23 de março de 2000 Meodologa ulzada no processo de apuração do valor da volaldade padrão e do mulplcador para o da, dvulgados daramene pelo Banco enral do Brasl.

Leia mais

5 Apreçamento de ESOs com preço de exercício fixo

5 Apreçamento de ESOs com preço de exercício fixo 5 Apreçameno de ESOs com preço de exercíco fxo Ese capíulo rá explorar os prncpas modelos de apreçameno das ESOs ulzados hoje em da. Neses modelos a regra de decsão é esruurada em orno da maxmzação do

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.568, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2011

CIRCULAR Nº 3.568, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2011 CAPÍTULO : Crculares não Codfcadas 2 CIRCULAR Nº 3.568, DE 2 DE DEZEMBRO DE 20 Alera dsposvos das Crculares ns. 3.36, de 2 de seembro de 2007, 3.388, de 4 de unho de 2008, 3.389, de 25 de unho de 2008,

Leia mais

PROF. DR. JACQUES FACON LIMIARIZAÇÃO POR ENTROPIA DE WULU

PROF. DR. JACQUES FACON LIMIARIZAÇÃO POR ENTROPIA DE WULU 1 PUCPR- Ponfíca Unversdade Caólca Do Paraná PPGIA- Programa de Pós-Graduação Em Informáca Aplcada PROF. DR. JACQUES FACON IMIARIZAÇÃO POR ENTROPIA DE WUU Resumo: Uma nova écnca de marzação baseada em

Leia mais

5 Endogeneidade A Literatura

5 Endogeneidade A Literatura 5 Endogenedade No capíulo aneror esmamos a varânca condconal da axa de câmbo, levando em cona os possíves efeos das nervenções do Banco Cenral do Brasl nese mercado. Enreano, nesa análse gnorou-se o provável

Leia mais

CAPÍTULO 1 REPRESENTAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS. Sistema monovariável SISO = Single Input Single Output. s 1 s 2. ... s n

CAPÍTULO 1 REPRESENTAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS. Sistema monovariável SISO = Single Input Single Output. s 1 s 2. ... s n 1 CAPÍTULO 1 REPREENTAÇÃO E CLAIFICAÇÃO DE ITEMA 1.1. Represenação de ssemas 1.1.1. semas com uma enrada e uma saída (IO) e sema monovarável IO = ngle Inpu ngle Oupu s e = enrada s = saída = ssema 1.1..

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013. Padrão. Padrão. max i. I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4.

CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013. Padrão. Padrão. max i. I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4. CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013 Esabelece os procedmenos para o cálculo da parcela dos avos ponderados pelo rsco (RWA) referene às exposções sueas à varação de axas de uros prefxadas denomnadas

Leia mais

Richard John Brostowicz Junior. Futuros de swap de variância e volatilidade na BM&F - apreçamento e viabilidade de hedge

Richard John Brostowicz Junior. Futuros de swap de variância e volatilidade na BM&F - apreçamento e viabilidade de hedge FACULDADE IBMEC SÃO PAULO Programa de Mesrado Profssonal em Economa Rchard John Brosowcz Junor Fuuros de swap de varânca e volaldade na BM&F - apreçameno e vabldade de hedge São Paulo 009 Lvros Grás hp://www.lvrosgras.com.br

Leia mais

Conceitos Básicos de Circuitos Elétricos

Conceitos Básicos de Circuitos Elétricos onceos Báscos de rcuos lércos. nrodução Nesa aposla são apresenados os conceos e defnções fundamenas ulzados na análse de crcuos elércos. O correo enendmeno e nerpreação deses conceos é essencal para o

Leia mais

Projeções de inflação

Projeções de inflação Projeções de nflação A experênca do Banco Cenral do Brasl Leonardo Po Perez Banco Cenral do Brasl Depep III Fórum Baano de Economa Aplcada Agoso de 23 Sumáro ) Inrodução Regme de Meas para Inflação no

Leia mais

Experiência IV (aulas 06 e 07) Queda livre

Experiência IV (aulas 06 e 07) Queda livre Experênca IV (aulas 06 e 07) Queda lvre 1. Obevos. Inrodução 3. Procedmeno expermenal 4. Análse de dados 5. Quesões 6. Referêncas 1. Obevos Nesa experênca esudaremos o movmeno da queda de um corpo, comparando

Leia mais

Uma análise da não-linearidade da função de reação do Banco Central do Brasil: Avesso a Inflação ou a Recessão?

Uma análise da não-linearidade da função de reação do Banco Central do Brasil: Avesso a Inflação ou a Recessão? Uma análse da não-lneardade da função de reação do Banco Cenral do Brasl: Avesso a Inflação ou a Recessão? Terence de Almeda Pagano José Luz Ross Júnor Insper Workng Paper WPE: 88/9 Coprgh Insper. Todos

Leia mais

Número 17. Evolução Recente da Informalidade no Brasil: Uma Análise Segundo Características da Oferta e Demanda de Trabalho

Número 17. Evolução Recente da Informalidade no Brasil: Uma Análise Segundo Características da Oferta e Demanda de Trabalho TEXTO PARA DSCUSSÃO Número 7 Evolução Recene da nformaldade no Brasl: Uma Análse Segundo Caraceríscas da Ofera e Demanda de Trabalho Fernando Holanda Barbosa Flho Rodrgo Leandro de Moura Agoso de 202 Evolução

Leia mais

ANÁLISE DE COMPONENTES PRINCIPAIS NA DINÂMICA DA VOLATILIDADE IMPLÍCITA E SUA CORRELAÇÃO COM O ATIVO OBJETO

ANÁLISE DE COMPONENTES PRINCIPAIS NA DINÂMICA DA VOLATILIDADE IMPLÍCITA E SUA CORRELAÇÃO COM O ATIVO OBJETO ANDRÉ GNECCO AVELAR ANÁLISE DE COMPONENTES PRINCIPAIS NA DINÂMICA DA VOLATILIDADE IMPLÍCITA E SUA CORRELAÇÃO COM O ATIVO OBJETO São Paulo 009 ANDRÉ GNECCO AVELAR ANÁLISE DE COMPONENTES PRINCIPAIS NA DINÂMICA

Leia mais

Controle Cinemático de Robôs Manipuladores

Controle Cinemático de Robôs Manipuladores Conrole Cnemáco de Robôs Manpuladores Funconameno Básco pos de rajeóra rajeóras Pono a Pono rajeóras Coordenadas ou Isócronas rajeóras Conínuas Geração de rajeóras Caresanas Inerpolação de rajeóras Inerpoladores

Leia mais

Introdução à Computação Gráfica

Introdução à Computação Gráfica Inrodução à Compuação Gráfca Desenho de Consrução Naval Manuel Venura Insuo Superor Técnco Secção Auónoma de Engenhara Naval Sumáro Represenação maemáca de curvas Curvas polnomas e curvas paramércas Curvas

Leia mais

ANÁLISE DAS RELAÇÕES ENTRE A VOLATILIDADE HISTÓRICA E IMPLÍCITA E A VOLATILIDADE REALIZADA DO ÍNDICE PSI-20

ANÁLISE DAS RELAÇÕES ENTRE A VOLATILIDADE HISTÓRICA E IMPLÍCITA E A VOLATILIDADE REALIZADA DO ÍNDICE PSI-20 ANÁLISE DAS RELAÇÕES ENTRE A VOLATILIDADE HISTÓRICA E IMPLÍCITA E A VOLATILIDADE REALIZADA DO ÍNDICE PSI-20 Elsabee Fernanda Mendes Duare, Insuo Polécnco de Lera RESUMO A volaldade desempenha um papel

Leia mais

CAPÍTULO 4. Vamos partir da formulação diferencial da lei de Newton

CAPÍTULO 4. Vamos partir da formulação diferencial da lei de Newton 9 CPÍTUL 4 DINÂMIC D PRTÍCUL: IMPULS E QUNTIDDE DE MVIMENT Nese capíulo será analsada a le de Newon na forma de negral no domíno do empo, aplcada ao momeno de parículas. Defne-se o conceo de mpulso e quandade

Leia mais

ipea COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA

ipea COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA Paulo Mansur Levy Mara Isabel Fernans Serra Esa noa em como objevo dvulgar resulados relavos ao comporameno das exporações e mporações produos ndusras

Leia mais

Instituto de Física USP. Física V Aula 30. Professora: Mazé Bechara

Instituto de Física USP. Física V Aula 30. Professora: Mazé Bechara Insuo de Físca USP Físca V Aula 30 Professora: Maé Bechara Aula 30 Tópco IV - Posulados e equação básca da Mecânca quânca 1. Os posulados báscos da Mecânca Quânca e a nerpreação probablísca de Ma Born.

Leia mais

Análise da Confiabilidade de Componentes Não Reparáveis

Análise da Confiabilidade de Componentes Não Reparáveis Análse da onfabldade de omponenes Não Reparáves. omponenes versus Ssemas! Ssema é um conjuno de dos ou mas componenes nerconecados para a realzação de uma ou mas funções! A dsnção enre ssema, sub-ssema

Leia mais

2 Programação Matemática Princípios Básicos

2 Programação Matemática Princípios Básicos Programação Maemáca Prncípos Báscos. Consderações Geras Os objevos dese capíulo são apresenar os conceos de Programação Maemáca (PM) necessáros à compreensão do processo de omzação de dmensões e descrever

Leia mais

Palavras-chave: Volatilidade Estocástica, Superfície de Volatilidade, Opções de Câmbio

Palavras-chave: Volatilidade Estocástica, Superfície de Volatilidade, Opções de Câmbio Modelagem De Superfíces De Volatldade Para Opções Com Baxa Lqudez Sobre Pares De Moedas, Cujos Componentes Apresentam Opções Líqudas Em Outros Pares Resumo Este trabalho apresenta um modelo para determnação

Leia mais

ESTIMAÇÃO DA VOLATILIDADE PARA A SÉRIE DO IBOVESPA: APLICAÇÃO DE MODELOS DE MEMÓRIA CURTA

ESTIMAÇÃO DA VOLATILIDADE PARA A SÉRIE DO IBOVESPA: APLICAÇÃO DE MODELOS DE MEMÓRIA CURTA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maurdade e desafos da Engenhara de Produção: compevdade das empresas, condções de rabalho, meo ambene. São Carlos, SP, Brasl, a5 de ouubro de. ESTIMAÇÃO

Leia mais

ANEXO III. Nota Técnica nº 148/2010-SRE/ANEEL Brasília, 24 de maio de 2010.

ANEXO III. Nota Técnica nº 148/2010-SRE/ANEEL Brasília, 24 de maio de 2010. ANEXO III Noa Técnca nº 148/21-SRE/ANEEL Brasíla, 24 de mao de 21. M E T O D O L O G I A E Á L U L O D O F A T O R X ANEXO II Noa Técnca n o 148/21 SRE/ANEEL Em 24 de mao de 21. Processo nº 485.269/26-61

Leia mais

MODELOS PARA A UTILIZAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE REDESCONTO PELOS BANCOS COM CARTEIRA COMERCIAL NO BRASIL

MODELOS PARA A UTILIZAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE REDESCONTO PELOS BANCOS COM CARTEIRA COMERCIAL NO BRASIL MODELOS PARA A UTILIZAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE REDESCONTO PELOS BANCOS COM CARTEIRA COMERCIAL NO BRASIL Sérgo Mko Koyama Deparameno de Esudos e Pesqusas, Banco Cenral do Brasl Márco Issao Nakane Deparameno

Leia mais

Física I. 2º Semestre de Instituto de Física- Universidade de São Paulo. Aula 5 Trabalho e energia. Professor: Valdir Guimarães

Física I. 2º Semestre de Instituto de Física- Universidade de São Paulo. Aula 5 Trabalho e energia. Professor: Valdir Guimarães Físca I º Semesre de 03 Insuo de Físca- Unversdade de São Paulo Aula 5 Trabalho e energa Proessor: Valdr Gumarães E-mal: valdrg@.usp.br Fone: 309.704 Trabalho realzado por uma orça consane Derenemene

Leia mais

DINÂMICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS COM O FILTRO DE KALMAN

DINÂMICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS COM O FILTRO DE KALMAN XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DINÂICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COODITIES AGRÍCOLAS CO O FILTRO DE KALAN Flávo Pnhero Corsn (POLI-USP) flavo.corsn@gmal.com Celma de Olvera Rbero (POLI-USP)

Leia mais

Decomposição das taxas de homicídios no Brasil e seus estados: a demografia é de fato importante?

Decomposição das taxas de homicídios no Brasil e seus estados: a demografia é de fato importante? Decomposção das axas de homcídos no Brasl e seus esados: a demografa é de fao mporane? Ar Francsco de Araujo Junor * Cláudo Djssey Shkda ** Resumo - Ese argo esuda a relação enre faores demográfcos e axa

Leia mais

MECÂNICA CLÁSSICA. AULA N o 4. Carga de Noether- Simetrias e Conservação

MECÂNICA CLÁSSICA. AULA N o 4. Carga de Noether- Simetrias e Conservação MECÂNIC CLÁSSIC UL N o 4 Carga de Noeher- Smeras e Conservação Vamos ver o caso de uma parícula movendo-se no plano, porém descrevendo-a agora em coordenadas polares: r r d dr T T m dr m d r d d m r m

Leia mais

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. ECONOMETRIA Prof. Parca Mara Borolon. Sc. Modelos de ados em Panel Fone: GUJARATI;. N. Economera Básca: 4ª Edção. Ro de Janero. Elsever- Campus 006 efnções Geras Nos dados em panel a mesma undade de core

Leia mais

3 Planejamento da Operação Energética no Brasil

3 Planejamento da Operação Energética no Brasil 3 Planeameno da Operação Energéca no Brasl 3.1 Aspecos Geras O ssema elérco braslero é composo por dos dferenes pos de ssemas: os ssemas solados, os quas predomnam na regão Nore do Brasl e represenam cerca

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA CÁSSIA PEREIRA DA ROSA MOSCHOUTIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA CÁSSIA PEREIRA DA ROSA MOSCHOUTIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA CÁSSIA PEREIRA DA ROSA MOSCHOUTIS ANÁLISE DO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO Poro Alegre 13 CÁSSIA PEREIRA DA ROSA MOSCHOUTIS

Leia mais

Capítulo 1 Introdução

Capítulo 1 Introdução Capíulo Inrodução No mercado braslero de prevdênca complemenar abera e de seguro, regulado e fscalzado pela Supernendênca de Seguros Prvados SUSEP, os planos de prevdênca e de seguro de vda que possuam

Leia mais

4 A composição do passivo externo líquido brasileiro e o processo de ajuste externo

4 A composição do passivo externo líquido brasileiro e o processo de ajuste externo 4 A composção do passvo exerno líqudo braslero e o processo de ajuse exerno 4..Movação Há décadas, economsas êm esudado o processo de ajuse do balanço de pagamenos dos países. A eora mas acea caracerza

Leia mais

defi departamento de física

defi departamento de física def deparameno de físca Laboraóros de Físca www.def.sep.pp.p Equações de Fresnel Insuo Superor de Engenhara do Poro Deparameno de Físca Rua Dr. Anóno Bernardno de Almeda, 431 400-07 Poro. Tel. 8 340 500.

Leia mais

Arbitragem na Estrutura a Termo das Taxas de Juros: Uma Abordagem Bayesiana

Arbitragem na Estrutura a Termo das Taxas de Juros: Uma Abordagem Bayesiana Arbragem na Esruura a ermo das axas de Juros: Uma Abordagem Bayesana Márco Pole Laurn Armêno Das Wesn Neo Insper Workng Paper WPE: / Copyrgh Insper. odos os dreos reservados. É probda a reprodução parcal

Leia mais

Matemática dos índices Metodologia

Matemática dos índices Metodologia Maemáca dos índces Meodologa Abrl 2017 Ese documeno fo raduzdo para o poruguês apenas para fns de convenênca. Se exsrem dferenças enre as versões do documeno em nglês e poruguês, a versão em nglês prevalecerá.

Leia mais

5 Modelo de Previsão de Temperatura

5 Modelo de Previsão de Temperatura 5 Modelo de Prevsão de Temperaura 5. Prevsão de Clma As varações do clma nfluencam os preços das commodes pela nfluênca na demanda. Todava, a correlação enre eses preços e o parâmero de clma não são perfeos,

Leia mais

FACULDADE IBMEC SÃO PAULO Programa de Mestrado Profissional em Economia

FACULDADE IBMEC SÃO PAULO Programa de Mestrado Profissional em Economia FACULDADE IBMEC SÃO PAULO Programa de Mesrado Profssonal em Economa ANTONIO ARTHUR PITANGUY SAMPAIO ALOCAÇÃO DE ATIVOS COM MODELOS DE VOLATILIDADE MULTIVARIADA EVIDÊNCIAS COM DADOS BRASILEIROS São Paulo

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMPÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMPÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO AULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO SÃO AULO 28 THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMÍRICOS DA EFICIÊNCIA

Leia mais

MEDIDA DO TEMPO DE RESPOSTA DOS MEDIDORES DE PRESSÃO DO SPR DA U.N.A. A. A. - UNIDADE I UTILIZANDO O MÉTODO DE MEDIDA DIRETA

MEDIDA DO TEMPO DE RESPOSTA DOS MEDIDORES DE PRESSÃO DO SPR DA U.N.A. A. A. - UNIDADE I UTILIZANDO O MÉTODO DE MEDIDA DIRETA MEDIDA DO TEMPO DE RESPOSTA DOS MEDIDORES DE PRESSÃO DO SPR DA U.N.A. A. A. - UNIDADE I UTILIZANDO O MÉTODO DE MEDIDA DIRETA Sergo Rcardo Perera Perllo *, Irac Maríne Perera Gonçalves *, Robero Carlos

Leia mais

Crescimento do Produto Agropecuário Brasileiro: uma Aplicação do Vetor Auto-regressivo (VAR)

Crescimento do Produto Agropecuário Brasileiro: uma Aplicação do Vetor Auto-regressivo (VAR) Quesões Agráras, Educação no Campo e Desenvolvmeno CRESCIMENTO DO PRODUTO AGROPECUÁRIO: UMA APLICAÇÃO DO VETOR AUTO-REGRESSIVO (VAR) CARLOS ALBERTO GONÇALVES DA SILVA; LÉO DA ROCHA FERREIRA; PAULO FERNANDO

Leia mais

MARKOV SWITCHING CAPM: UMA ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO DAS EMPRESAS GAÚCHAS EM RELAÇÃO AO MERCADO EM DIFERENTES AMBIENTES DE RISCO

MARKOV SWITCHING CAPM: UMA ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO DAS EMPRESAS GAÚCHAS EM RELAÇÃO AO MERCADO EM DIFERENTES AMBIENTES DE RISCO MARKOV SWITCHING CAPM: UMA ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO DAS EMPRESAS GAÚCHAS EM RELAÇÃO AO MERCADO EM DIFERENTES AMBIENTES DE RISCO Pedro Tonon Zuanazz 1 Marcos Vnco Wnk Junor 2 Resumo Um dos prncpas

Leia mais

S&P Dow Jones Indices: Metodologia da matemática dos índices

S&P Dow Jones Indices: Metodologia da matemática dos índices S&P Dow Jones Indces: Meodologa da maemáca dos índces S&P Dow Jones Indces: Meodologa do índce Ouubro 2013 Índce Inrodução 3 Dferenes varedades de índces 3 O dvsor do índce 4 Índces ponderados por capalzação

Leia mais

4 O modelo econométrico

4 O modelo econométrico 4 O modelo economérico O objeivo desse capíulo é o de apresenar um modelo economérico para as variáveis financeiras que servem de enrada para o modelo esocásico de fluxo de caixa que será apresenado no

Leia mais

Interpolação e Extrapolação da Estrutura a Termo de Taxas de Juros para Utilização pelo Mercado Segurador Brasileiro

Interpolação e Extrapolação da Estrutura a Termo de Taxas de Juros para Utilização pelo Mercado Segurador Brasileiro Inerpolação e Exrapolação da Esruura a Termo de Taxas de Juros para Ulzação pelo Mercado Segurador Braslero Sergo Lus Frankln Jr. Thago Baraa Duare César da Rocha Neves + Eduardo Fraga L. de Melo ++ M.Sc.,

Leia mais

A pesquisa Operacional e os Recursos Renováveis. 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN

A pesquisa Operacional e os Recursos Renováveis. 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves 4 a 7 de novembro de 003, Naal-RN AVALIAÇÃO DE OPÇÕES AMERICANAS EXÓTICAS PELO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS José Paulo Texera Deparameno de Engenhara Indusral

Leia mais

MARK-TO-MARKET DESCRIÇÃO DE PROCESSOS E METODOLOGIAS

MARK-TO-MARKET DESCRIÇÃO DE PROCESSOS E METODOLOGIAS MARK-TO-MARKET DESCRIÇÃO DE PROCESSOS E METODOLOGIAS VERSÃO: NOVEMBRO/9 SUMÁRIO Inrodução...4. Defnção de Varáves... 4. Meodologa para acúmulo de axas... 5.3 Vsão do Processo e Esruura Organzaconal...

Leia mais

Análise do Desempenho dos Gestores de Fundos, baseada nas Transações e nas Participações das Carteiras

Análise do Desempenho dos Gestores de Fundos, baseada nas Transações e nas Participações das Carteiras Vâna Sofa Sequera Umbelno Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Dsseração de Mesrado apresenado à Faculdade de Economa da Unversdade de Combra

Leia mais

Revisão dos Modelos de Projeção de Pequeno Porte 2015

Revisão dos Modelos de Projeção de Pequeno Porte 2015 Revsão dos Modelos de Projeção de Pequeno Pore 05 Os modelos de projeção consuem mporane nsumo para auxlar o processo de omada de decsão do omê de Políca Moneára (opom). Especfcamene denre os modelos de

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS UNIVARIADAS NO APOIO À TOMADA DE DECISÃO: UM ESTUDO DE CASO

UTILIZAÇÃO DE MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS UNIVARIADAS NO APOIO À TOMADA DE DECISÃO: UM ESTUDO DE CASO UTILIZAÇÃO DE MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS UNIVARIADAS NO APOIO À TOMADA DE DECISÃO: UM ESTUDO DE CASO ALAN FIGUEIREDO DE ARÊDES; ALESSANDRO DE ASSIS SANTOS OLIVEIRA ALESSANDRO; SÔNIA MARIA LEITE RIBEIRO

Leia mais

A DINÂMICA DOS TERMOS DE TROCA E DA BALANÇA COMERCIAL: CURVA S NA EUROPA?

A DINÂMICA DOS TERMOS DE TROCA E DA BALANÇA COMERCIAL: CURVA S NA EUROPA? Prospecva e Planeameno, 7 2 A DINÂMICA DOS TERMOS DE TROCA E DA BALANÇA COMERCIAL: CURVA S NA EUROPA? Alda Ro Drecção Geral de Esudos e Prevsão Alexandra Ferrera @ Deparameno de Prospecva e Planeameno

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

Projeto de Inversores e Conversores CC-CC

Projeto de Inversores e Conversores CC-CC eparameno de Engenhara Elérca Aula. onversor Buck Prof. João Amérco lela Bblografa BAB, vo. & MANS enzar ruz. onversores - Báscos Não-solados. ª edção, UFS,. MOHAN Ned; UNEAN ore M.; OBBNS Wllam P. Power

Leia mais

4 O Papel das Reservas no Custo da Crise

4 O Papel das Reservas no Custo da Crise 4 O Papel das Reservas no Cuso da Crise Nese capíulo buscamos analisar empiricamene o papel das reservas em miigar o cuso da crise uma vez que esa ocorre. Acrediamos que o produo seja a variável ideal

Leia mais

Autoria: Josilmar Cordenonssi Cia

Autoria: Josilmar Cordenonssi Cia Uma Possível Solução para o Equy Premum Puzzle (EPP Auora: Joslmar Cordenonss Ca Resumo MEHRA e PRESCO (985 levanaram uma quesão que aé hoje não fo respondda de forma sasfaóra: o prêmo de rsco das ações

Leia mais

3 Teoria de imunização

3 Teoria de imunização 33 3 Teora de munzação Como fo vso, o LM é um gerencameno conuno de avos e passvos como o nuo de dmnur ou aé elmnar os rscos enfrenados pelas nsuções fnanceras. Deses rscos, o rsco de axa de uros represena

Leia mais

Transformações e tendências do mercado de trabalho no Brasil entre 2001 e 2015: paradoxo do baixo desemprego?

Transformações e tendências do mercado de trabalho no Brasil entre 2001 e 2015: paradoxo do baixo desemprego? DOI hp://dx.do.org/10.20947/s0102-30982016c0005 Transformações e endêncas do mercado de rabalho no Brasl enre 2001 e 2015: paradoxo do baxo desemprego? Pedro Henrque de Casro Smões * José Eusáquo Dnz Alves

Leia mais

MARK-TO-MARKET DESCRIÇÃO DE PROCESSOS E METODOLOGIAS VERSÃO: NOVEMBRO/2014 SUMÁRIO

MARK-TO-MARKET DESCRIÇÃO DE PROCESSOS E METODOLOGIAS VERSÃO: NOVEMBRO/2014 SUMÁRIO MARK-TO-MARKET DESRIÇÃO DE PROESSOS E METODOLOGIAS VERSÃO: NOVEMBRO/4 SUMÁRIO Inrodução... 4. Defnção de Varáves... 4. Meodologa para acúmulo de axas... 5.3 Vsão do Processo e Esruura Organzaconal... 5.3.

Leia mais

Fundação Getúlio Vargas. Escola de Pós Graduação em Economia. Mestrado em Finanças e Economia Empresarial

Fundação Getúlio Vargas. Escola de Pós Graduação em Economia. Mestrado em Finanças e Economia Empresarial Fundação Geúlo Vargas Escola de Pós Graduação em Economa Mesrado em Fnanças e Economa Empresaral EMPREGADOS ALOCAM EFICIENTEMENTE SUA POUPANÇA PARA APOSENTADORIA? UM ESTUDO DE CASO PARA OS FUNCIONÁRIOS

Leia mais

PRECIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE ATIVOS BRASILEIROS: TESTE DO MORGAN STANLEY CAPITAL INTERNATIONAL (MSCI) WORLD EQUITY INDEX

PRECIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE ATIVOS BRASILEIROS: TESTE DO MORGAN STANLEY CAPITAL INTERNATIONAL (MSCI) WORLD EQUITY INDEX PECIFICAÇÃO INTENACIONAL DE ATIVOS BASILEIOS: TESTE DO MOGAN STANLEY CAPITAL INTENATIONAL (MSCI) WOLD EQUITY INDEX Auora: enê Coppe Pmenel, Govan Anono Slva Bro, Flavo Donzee Basella O argo revsa os prncpas

Leia mais

Gripe: Época de gripe; actividade gripal; cálculo da linha de base e do respectivo intervalo de confiança a 95%; e área de actividade basal.

Gripe: Época de gripe; actividade gripal; cálculo da linha de base e do respectivo intervalo de confiança a 95%; e área de actividade basal. Grpe: Época de grpe; acvdade grpal; cálculo da lnha de ase e do respecvo nervalo de confança a 95%; e área de acvdade asal. ÉPOCA DE GRPE Para maor facldade de compreensão será desgnado por época de grpe

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA FÁBIO MAGALHÃES NUNES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA FÁBIO MAGALHÃES NUNES 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA FÁBIO MAGALHÃES NUNES ANÁLISE DA CORRELAÇÃO ENTRE O IBOVESPA E O ATIVO PETR4: ESTIMAÇÃO

Leia mais

Critérios e Metodologia de Apuração de Superfície de Volatilidade

Critérios e Metodologia de Apuração de Superfície de Volatilidade Criérios e Meodologia de Apuração de Superfície de Volailidade Diariamene são calculadas superfícies de volailidade implícia de odos os vencimenos de conraos de opções em que há posição em abero e/ou séries

Leia mais

MARK-TO-MARKET DESCRIÇÃO DE PROCESSOS E METODOLOGIA

MARK-TO-MARKET DESCRIÇÃO DE PROCESSOS E METODOLOGIA MARK-TO-MARKET DESCRIÇÃO DE PROCESSOS E METODOLOGIA VERSÃO MAIO 6 SUMÁRIO Inrodução... 5. Defnção de Varáves... 5. Meodologa para acúmulo de axas... 5.3 Vsão do Processo e Esruura Organzaconal... 6.3.

Leia mais

3 Retorno, Marcação a Mercado e Estimadores de Volatilidade

3 Retorno, Marcação a Mercado e Estimadores de Volatilidade eorno, Marcação a Mercado e Esimadores de Volailidade 3 3 eorno, Marcação a Mercado e Esimadores de Volailidade 3.. eorno de um Aivo Grande pare dos esudos envolve reorno ao invés de preços. Denre as principais

Leia mais

Análise comparativa e teste empírico da validade dos modelos CAPM tradicional e condicional: o caso das ações da Petrobrás

Análise comparativa e teste empírico da validade dos modelos CAPM tradicional e condicional: o caso das ações da Petrobrás Análse comparava e ese empírco da valdade dos modelos capm radconal e condconal: o caso das ações da Perobrás Análse comparava e ese empírco da valdade dos modelos CAPM radconal e condconal: o caso das

Leia mais

UMA ABORDAGEM PARA OTIMIZAÇÃO DE PORTFÓLIO DE CONTRATOS DE ENERGIA NO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO

UMA ABORDAGEM PARA OTIMIZAÇÃO DE PORTFÓLIO DE CONTRATOS DE ENERGIA NO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GAE-15 19 a 24 Ouubro de 2003 Uberlânda - Mnas Geras GRUPO VI GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS EMPRESARIAIS - GAE UMA ABORDAGEM PARA OTIMIZAÇÃO

Leia mais

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas.

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas. 1 INTRODUÇÃO E CONCEITOS INICIAIS 1.1 Mecânca É a pare da Físca que esuda os movmenos dos corpos. 1. -Cnemáca É a pare da mecânca que descreve os movmenos, sem se preocupar com suas causas. 1.3 - Pono

Leia mais

Testes De Não Estacionariedade Em Séries Financeiras Com Dados Em Painel: Uma Síntese Aplicada

Testes De Não Estacionariedade Em Séries Financeiras Com Dados Em Painel: Uma Síntese Aplicada eses De Não Esaconaredade Em Séres Fnanceras Com Dados Em Panel: Uma Sínese Aplcada Rober Aldo Iquapaza Cenro De Pós-Graduação E Pesqusas Em Admnsração Cepead, Unversdade Federal De Mnas Geras rquapaza@gmal.com;rbal@ufmg.br

Leia mais

A estrutura a termo de taxas de juros no Brasil: modelos, estimação, interpolação, extrapolação e testes

A estrutura a termo de taxas de juros no Brasil: modelos, estimação, interpolação, extrapolação e testes A esruura a ermo de axas de juros no Brasl: modelos, esmação, nerpolação, exrapolação e eses Sergo Lus Frankln Jr. Thago Baraa Duare César da Rocha Neves + Eduardo Fraga L. de Melo ++ M.Sc., SUSEP/CGSOA

Leia mais

ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR MEIO DOS MODELOS CAPM NÃO-CONDICIONAL E CAPM CONDICIONAL

ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR MEIO DOS MODELOS CAPM NÃO-CONDICIONAL E CAPM CONDICIONAL ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR EIO DOS ODELOS CAP NÃO-CONDICIONAL E CAP CONDICIONAL (Cos of equy analyss n Brazl: Non-Condonal CAP and Condonal CAP) Lumla Souza Grol 1 1 Unversdade Federal

Leia mais

Função de risco, h(t) 3. Função de risco ou taxa de falha. Como obter a função de risco. Condições para uma função ser função de risco

Função de risco, h(t) 3. Função de risco ou taxa de falha. Como obter a função de risco. Condições para uma função ser função de risco Função de risco, h() 3. Função de risco ou axa de falha Manuenção e Confiabilidade Prof. Flavio Fogliao Mais imporane das medidas de confiabilidade Traa-se da quanidade de risco associada a uma unidade

Leia mais

Crescimento econômico e restrição externa: Um modelo de simulação pós-keynesiano

Crescimento econômico e restrição externa: Um modelo de simulação pós-keynesiano Crescmeno econômco e resrção exerna: Um modelo de smulação pós-keynesano Mara Isabel Busao 1 Maro Luz Possas 2 Resumo O argo busca dscur a dnâmca do crescmeno econômco das economas em desenvolvmeno a parr

Leia mais

Desconcentração e interiorização da economia fluminense na última década

Desconcentração e interiorização da economia fluminense na última década DSCONCNTRAÇÃO INTRIORIZAÇÃO DA CONOMIA FLUMINNS NA ÚLTIMA DÉCADA PAULO MARCLO SOUZA; NIRALDO JOSÉ PONCIANO; MARLON GOMS NY; HNRIQU TOMÉ MATA; UNIVRSIDAD FDRAL DA BAHIA SALVADOR - BA - BRASIL pmsouza@uenf.br

Leia mais

Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação. Resumo Expandido

Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação. Resumo Expandido Pró-Reora de Pesqusa, Inovação e Pós-Graduação Resumo Expanddo Tíulo da Pesqusa: Invesmeno Dreo Esrangero e Crescmeno Econômco no Brasl: um esudo de casualdade. Palavras-chave: Invesmeno Dreo Esrangero,

Leia mais

Agosto Perspectivas da Balança Comercial Brasileira Há Risco de Desindustrialização?

Agosto Perspectivas da Balança Comercial Brasileira Há Risco de Desindustrialização? Agoso 2011 Perspecvas da Balança Comercal Braslera Há Rsco de Desndusralzação? 1 Apex-Brasl Maurco Borges Presdene Ana Paula Gumarães Dreora de Gesão e Planejameno Rogéro Belln Dreor de Negócos Ana Paula

Leia mais

XXXII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO

XXXII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO II ECOTRO ACIOAL DE EGEHARIA DE PRODUCAO Desenvolvmeno Susenável e Responsabldade Socal: As Conrbuções da Engenhara de Produção Beno Gonçalves, RS, Brasl, 15 a 18 de ouubro de 01. APLICAÇÃO DE GRÁFICOS

Leia mais

4 Premissas quanto aos Modelos de Despacho de Geração, Formação do Preço da Energia e Comercialização de Energia

4 Premissas quanto aos Modelos de Despacho de Geração, Formação do Preço da Energia e Comercialização de Energia 61 4 Premssas quano aos Modelos de Despacho de Geração, Formação do Preço da Energa e Comercalzação de Energa 4.1. Inrodução A remuneração de uma geradora depende do modelo de despacho de geração e formação

Leia mais

Impacto da Educação Defasada sobre a Criminalidade no Brasil: 2001-2005

Impacto da Educação Defasada sobre a Criminalidade no Brasil: 2001-2005 1 Impaco da Educação Defasada sobre a Crmnaldade no Brasl: 2001-2005 Evandro Camargos Texera Ana Lúca Kassouf Seembro, 2011 Workng Paper 010 Todos os dreos reservados. É probda a reprodução parcal ou negral

Leia mais

Aplicações à Teoria da Confiabilidade

Aplicações à Teoria da Confiabilidade Aplicações à Teoria da ESQUEMA DO CAPÍTULO 11.1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS 11.2 A LEI DE FALHA NORMAL 11.3 A LEI DE FALHA EXPONENCIAL 11.4 A LEI DE FALHA EXPONENCIAL E A DISTRIBUIÇÃO DE POISSON 11.5 A LEI

Leia mais

Taxa de Paridade: Real (R$)/Dólar Americano (US$) - IPA-OG Índice Dez/98 = 100 Período: Mar/94 a Fev/2003

Taxa de Paridade: Real (R$)/Dólar Americano (US$) - IPA-OG Índice Dez/98 = 100 Período: Mar/94 a Fev/2003 80 Taxa de Pardade: Real (R$/Dólar Amercano (US$ - IPA-OG Índce Dez/98 00 Período: Mar/94 a Fev/2003 60 40 20 Índce 00 80 60 40 20 0 mar/94 jul/94 Fone: IPA nov/94 mar/95 jul/95 nov/95 mar/96 jul/96 nov/96

Leia mais

Denilson Ricardo de Lucena Nunes. Gestão de suprimentos no varejo

Denilson Ricardo de Lucena Nunes. Gestão de suprimentos no varejo Denlson Rcardo de Lucena Nunes Gesão de suprmenos no varejo semas de reposção de esoques em duas camadas e análse de esquemas de monorameno da prevsão de demanda Tese de Douorado Tese apresenada ao programa

Leia mais

O Relacionamento entre a Taxa de Câmbio R$/US$ e Fundamentos

O Relacionamento entre a Taxa de Câmbio R$/US$ e Fundamentos O Relaconameno enre a axa de Câmbo R$/US$ e Fundamenos Rodrgo Mederos José Luz Ross Júnor Insper Workng Paper WPE: 90/009 Copyrgh Insper. odos os dreos reservados. É probda a reprodução parcal ou negral

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS

A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS Nelson Leão Paes PIMES/UFPE Resumo Nese argo, ulzou-se um modelo de equlíbro geral dnâmco para esmar

Leia mais

Artigos IMPACTO DA PRECIPITAÇÃO EDOS EFEITOS DE CALENDÁRIO NAS VENDAS DE CIMENTO* Maria Helena Nunes**

Artigos IMPACTO DA PRECIPITAÇÃO EDOS EFEITOS DE CALENDÁRIO NAS VENDAS DE CIMENTO* Maria Helena Nunes** Argos IMPACTO DA PRECIPITAÇÃO EDOS EFEITOS DE CALENDÁRIO NAS VENDAS DE CIMENTO* Mara Helena Nunes** 1. INTRODUÇÃO * As opnões expressas no argo são da nera responsabldade da auora e não concdem necessaramene

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA MACROECONOMIA III

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA MACROECONOMIA III UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACUDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA MACROECONOMIA III icenciaura de Economia (ºAno/1ºS) Ano ecivo 007/008 Caderno de Exercícios Nº 1

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS EXERCÍCIOS ) Para o circuito da figura, determinar a tensão de saída V out, utilizando a linearidade.

CIRCUITOS ELÉTRICOS EXERCÍCIOS ) Para o circuito da figura, determinar a tensão de saída V out, utilizando a linearidade. FISP CIRCUITOS ELÉTRICOS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS 00 CIRCUITOS ELÉTRICOS EXERCÍCIOS 00 Para o crcuo da fgura, deermnar a ensão de saída V ou, ulzando a lneardade. Assumremos que a ensão de saída seja V ou

Leia mais

3 LTC Load Tap Change

3 LTC Load Tap Change 54 3 LTC Load Tap Change 3. Inrodução Taps ou apes (ermo em poruguês) de ransformadores são recursos largamene uilizados na operação do sisema elérico, sejam eles de ransmissão, subransmissão e disribuição.

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO

ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO Roque Passos Pvel Escola Polécnca da Unversdade de São Paulo - EPUSP Pedro Alem Sobrnho Escola Polécnca da Unversdade

Leia mais

Expectativas, consumo e investimento CAPÍTULO 16. Olivier Blanchard Pearson Education Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Expectativas, consumo e investimento CAPÍTULO 16. Olivier Blanchard Pearson Education Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Expecaivas, consumo e Olivier Blanchard Pearson Educaion CAPÍTULO 16 16.1 Consumo A eoria do consumo foi desenvolvida na década de 1950 por Milon Friedman, que a chamou de eoria do consumo da renda permanene,

Leia mais

ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO

ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO TUTORIAL Marcos Anôno de Camargos Admnsrador de Empresas, MBA em Gesão Esraégca (Fnanças), Mesre em Admnsração pelo NUFI/CEPEAD/FACE/UFMG e Professor do Cenro

Leia mais

Índice de Preços Imobiliários para o Brasil: Estudos para Discussão

Índice de Preços Imobiliários para o Brasil: Estudos para Discussão Mnséro do Planejameno, Orçameno e Gesão Insuo Braslero de Geografa e Esaísca IBGE Dreora de Pesqusas Coordenação de Índces de Preços Ssema Naconal de Índces de Preços ao Consumdor SNIPC Índce de Preços

Leia mais

ANDRÉ ALVES PORTELA SANTOS PREVISÃO NÃO-LINEAR DA TAXA DE CÂMBIO REAL/DÓLAR UTILIZANDO REDES NEURAIS E SISTEMAS NEBULOSOS

ANDRÉ ALVES PORTELA SANTOS PREVISÃO NÃO-LINEAR DA TAXA DE CÂMBIO REAL/DÓLAR UTILIZANDO REDES NEURAIS E SISTEMAS NEBULOSOS ANDRÉ ALVES PORTELA SANTOS PREVISÃO NÃO-LINEAR DA TAXA DE CÂMBIO REAL/DÓLAR UTILIZANDO REDES NEURAIS E SISTEMAS NEBULOSOS FLORIANÓPOLIS 2005 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE ECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE ECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE ECONOMIA RESTRIÇÃO DO BALANÇO DE PAGAMENTOS AO CRESCIMENTO: Um modelo mulsseoral abero ANA CRISTINA REIF DE PAULA marícula n 1162571 ORIENTADOR: Prof.

Leia mais

Efetividade de hedge do milho com contratos futuros da BM&F: uma aplicação para a região de Maringá (PR)

Efetividade de hedge do milho com contratos futuros da BM&F: uma aplicação para a região de Maringá (PR) Efevdade de hedge do mlho com conraos fuuros da BM&F: uma aplcação para a regão de Marngá (PR) Julyerme Maheus Tonn 1 Marcelo José Braga Alexandre Bragança Coelho 3 Resumo: O presene argo obeva examnar

Leia mais

Belém Pará (Março de 2012)

Belém Pará (Março de 2012) Pardade Descobera da Taxa de Juros da Economa Braslera num Ambene de Crse Fnancera Mundal: Teora e Evdênca Empírca Davd Ferrera Carvalho(*) Resumo O argo em como propóso avalar o efeo da recene políca

Leia mais

Contribuição do Capital Humano para o Crescimento da Agropecuária Brasileira Período de 1970 a 1996 *

Contribuição do Capital Humano para o Crescimento da Agropecuária Brasileira Período de 1970 a 1996 * Conrbução do Capal Humano para o Crescmeno da Agropecuára Braslera Período de 1970 a 1996 * Clalon Aaídes de Freas ** Carlos José Caeano Bacha *** Sumáro: 1. Inrodução; 2. O modelo neoclássco radconal;

Leia mais

Exemplo pág. 28. Aplicação da distribuição normal. Normal reduzida Z=(900 1200)/200= 1,5. Φ( z)=1 Φ(z)

Exemplo pág. 28. Aplicação da distribuição normal. Normal reduzida Z=(900 1200)/200= 1,5. Φ( z)=1 Φ(z) Exemplo pág. 28 Aplcação da dsrbução ormal Normal reduzda Z=(9 2)/2=,5 Φ( z)= Φ(z) Subsudo valores por recurso à abela da ormal:,9332 = Φ(z) Φ(z) =,668 Φ( z)= Φ(z) Φ(z) =,33 Φ(z) =,977 z = (8 2)/2 = 2

Leia mais