Análise do Desempenho dos Gestores de Fundos, baseada nas Transações e nas Participações das Carteiras

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise do Desempenho dos Gestores de Fundos, baseada nas Transações e nas Participações das Carteiras"

Transcrição

1 Vâna Sofa Sequera Umbelno Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Dsseração de Mesrado apresenado à Faculdade de Economa da Unversdade de Combra para cumprmeno dos requsos necessáros à obenção de grau de Mesre em Economa Fnancera. Feverero de 2014

2 Vâna Sofa Sequera Umbelno Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Tese de Dsseração de Mesrado em Economa, na especaldade de Economa Fnancera, apresenada à Faculdade de Economa da Unversdade de Combra para obenção do grau de Mesre Orenador: Prof. Douor Nuno Slva Combra, 2014

3

4 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Agradecmenos Agradecmenos Quero agradecer prmeramene ao Professor Douor Nuno Slva, pelo apoo e dsponbldade dspensados na elaboração do meu rabalho de projeo, onde desde o níco me orenou para que consegusse concrezar um bom rabalho. Tenho que agradecer à Professora Douora Mara Olvera por odo o apoo e força que me deu. Aos meus pas, que sempre me ncenvaram a luar pelos meus objevos. Um especal agradecmeno ao Pedro, pela sua compreensão, pela dedcação, por me ncenvar a fazer mas e me fazer acredar que sou capaz. Vâna Sofa Sequera Umbelno

5 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Resumo Resumo Esudos realzados desde meados da década de sessena, no âmbo da avalação do desempenho dos gesores de fundos de nvesmeno, permram o desenvolvmeno de meddas radconas de avalação do desempenho ajusado ao rsco. Tendo por base esas meddas, dversos rabalhos empírcos êm evdencado perssenes níves de fraco desempenho, pelo que a efcáca das mesmas em sdo posa em causa. Conrarando esas meddas, alguns auores propuseram novas abordagens, no sendo de oberem meddas de desempenho, recorrendo à nformação conda na composção das careras. Nese sendo, e com base numa amosra de dezasses Fundos de Invesmeno Mobláro Porugueses, para o período de janero de 2004 a feverero de 2013, analsou-se o desempenho mensal dos gesores, ao nível das parcpações, com base na meodologa proposa por Grnbla e Tman (1993) e Danel e al., (1997), assm como o desempenho ao nível das ransações ndvduas. Os resulados obdos sugerem que as ações dedas pelos gesores proporconam renabldades anormas conssenes com alguma capacdade de seleção de ações por pare dos gesores. Em relação ao desempenho das suas ransações ndvduas, é revelada alguma capacdade por pare dos gesores para preverem renabldades esperadas. Classfcação JEL: G11; G12 Palavras-chave: Fundos de nvesmeno; Desempenho; Parcpações; Transações; Selevdade. Vâna Sofa Sequera Umbelno

6 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Absrac Absrac Sudes made snce he md-sxes on he evaluaon of he fund managers performance developed radonal rsk-adjused performance evaluaon measures. Based on hese measures, several emprcal sudes have shown connued levels of nferor performance, beng he effecveness of hese measures pu o doub. Some auhors, conradcng hese measures, proposed new mehodologes n order o oban performance measures, usng nformaon conaned on he muual funds. Ths way, and based on a sample of sxeen poruguese muual funds, for a me perod from january 2004 o february 2013, he monhly performance of fund managers s analyzed, a sock holdngs level, based on he mehodology proposed by Grnbla and Tman (1993) and Danel e al., (1997), as well as he ndvdual rades level performance. The resuls obaned sugges ha he socks held by he fund managers gve abnormal reurns, conssen wh some sock selecon ably by he fund managers. As for he performance of her ndvdual rades, some ably s verfed, by he fund managers, o predc he expeced reurns. JEL classfcaon: G11; G12 Keywords: Muual funds; Performance; Sock holdngs; Trades, Selecvy. Vâna Sofa Sequera Umbelno

7 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Índce Índce Lsa de Tabelas... v Lsa de Sglas... v 1. INTRODUÇÃO REVISÃO DA LITERATURA METODOLOGIA Undades de Observação necessáras à Avalação do Desempenho A Renabldade dos Fundos de Invesmeno Meodologa de Avalação do Desempenho com Observação dos Pesos da Carera A Medda de Desempenho DGTW A Medda de Desempenho GT DESCRIÇÃO DA BASE DE DADOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO Resulados da Avalação do Desempenho baseado nas Transações Resulados da Avalação do Desempenho baseado nas Parcpações CONCLUSÃO REFERÊNCIAS ANEXOS Anexo A Anexo B Anexo C Anexo D Vâna Sofa Sequera Umbelno v

8 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Índce LISTA DE TABELAS Tabela 1. Esmava do desempenho para as ransações dos gesores Tabela 2. Esmava do desempenho para as parcpações dos gesores Vâna Sofa Sequera Umbelno v

9 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Lsa de Sglas LISTA DE SIGLAS APFIPP - Assocação Poruguesa de Fundos de Invesmeno, Pensões e Parmónos CAPM Capal Asse Prcng Model CMVM - Comssão do Mercado de Valores Mobláros DGTW Danel, Grnbla, Tman e Wermers FAN - Fundos de Ações Naconas FPA - Fundos Poupança Ações GT Grnbla e Tman PSI Poruguese Sock Index Vâna Sofa Sequera Umbelno v

10 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Inrodução 1. INTRODUÇÃO Nos úlmos anos, os fundos de nvesmeno adqurram grande mporânca, sendo consderados como a prncpal causa para o fenómeno de desnermedação fnancera. Esa crescene mporânca resula da combnação de um leque de vanagens faculadas por eses nsrumenos fnanceros. Pelo faco de agregarem poupanças de város nvesdores, os fundos de nvesmeno permem que cada nvesdor benefce de vanagens que dfclmene era acesso a nível ndvdual. Da vasa gama de benefícos oferecdos pelos fundos de nvesmeno para o nvesdor, podemos desacar os segunes: gesão por profssonas qualfcados que acompanham consanemene os mercados fnanceros, analsando as endêncas e denfcando oporundades de nvesmeno; movmenação de grandes monanes, permndo às socedades gesoras erem acesso a ouros mercados e ouros avos, possblando a dversfcação do rsco que, muas vezes, não é possível ao pequeno nvesdor; consderam-se nsrumenos de elevada lqudez; e a endade gesora, em vrude dos elevados monanes sob gesão, dspor de um poder negocal que lhe perme realzar operações mas favoráves que os nvesdores ndvduas e reduzr as comssões pagas aos nermedáros fnanceros. Face à mporânca dos fundos nas decsões de nvesmeno dos dversos agenes económcos, orna-se pernene elaborar um esudo da realdade naconal ao nível da avalação do desempenho dos gesores deses fundos. Enre ouras quesões, preende-se nvesgar se a gesão ava dos fundos de nvesmeno consegue gerar rendmeno para os nvesdores. Esa quesão é conroversa, na medda em que a exsênca de desempenhos posvos e perssenes por pare dos gesores não é compaível com a hpóese de efcênca fore do mercado aconsa. Por ouro lado, a exsênca de desempenhos perssenemene negavos coloca em causa a uldade da gesão ava e a raconaldade dos nvesdores que recorrem a esses fundos, por suporarem comssões de gesão elevadas e njusfcadas. Face a esa suação, os nvesdores passaram a nvesr em fundos que replcam os índces de mercado, caso de gesão passva, em dermeno dos fundos cuja gesão é ava, compromeendo a sua exsênca no longo prazo. Vâna Sofa Sequera Umbelno 1

11 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Inrodução Desde meados da década de 60 êm sdo elaborados números esudos com o prncpal objevo de avalar o comporameno dos fundos de nvesmeno, nomeadamene os rabalhos poneros de Treynor (1965); Sharpe (1966); Jensen (1968), enre ouros, que desenvolveram meddas radconas de avalação do desempenho ajusado ao rsco. Tendo por base esas meddas, dversos rabalhos empírcos êm evdencado perssenes níves de fraco desempenho, pelo que a efcáca das mesmas em sdo posa em causa (Roll, 1978). Em alernava a eses méodos de avalação do desempenho global, novas lnhas de nvesgação êm surgdo. Conudo, na sua maora, eses rabalhos baseam-se apenas nas séres emporas das renabldades. Porém, e em conrase com os esudos radconas, Grnbla e Tman (1993), Danel e al., (1997), enre ouros, adoaram uma abordagem dferene e analsaram o desempenho das ações ndvduas dedas na carera do gesor. De acordo com os resulados deses esudos, os gesores êm capacdade para escolher ações que superem os seus benchmarks, anes de odas as despesas deduzdas. No enano, eses esudos êm sdo alvo de crícas por conrararem os esudos de desempenho radconas que sugerem que os gesores não possuem nformação superor. O presene esudo preende analsar o desempenho dos gesores, recorrendo à composção das careras. A análse será ao nível das parcpações das ações, ulzando para o efeo a meodologa proposa por Grnbla e Tman (1993) e Danel e al., (1997) e, anda, o desempenho ao nível das ransações ndvduas de cada gesor, com base numa amosra de dezasses Fundos de Invesmeno Mobláro Porugueses, com dados mensas compreenddos enre janero de 2004 e feverero de Segundo Chen e al., (2000), uma análse das ransações das ações ndvduas que compõem a carera, ao nvés das parcpações desas, perme deermnar com maor exadão a exsênca de nformação superor e, além dsso, perme aferr a qualdade do servço presado por eses gesores. Ese esudo enconra-se organzado em ses secções. A secção 2 coném a revsão da leraura fundamenal ao esudo presene nese rabalho. A secção 3 esabelece, em ermos eórcos, a meodologa ulzada na análse empírca. A secção 4 apresena uma breve descrção do po dos Fundos de Invesmeno Mobláro Porugueses que compõem a amosra. A secção 5 apresena e analsa os prncpas resulados empírcos. A secção 6 dscue as prncpas conclusões do esudo. Vâna Sofa Sequera Umbelno 2

12 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Revsão da leraura 2. REVISÃO DA LITERATURA As meodologas de avalação do desempenho dvdem-se em dos grandes grupos. No prmero grupo emos as meddas assenes nas séres emporas das renabldades, que comparam as renabldades da carera face à renabldade de um ou mas benchmarks No segundo, emos as meddas que recorrem à evolução da composção das careras para quanfcar o seu desempenho. Permndo, desa forma, analsar a evolução dos pesos de cada ação seleconada pelo gesor. A avalação do desempenho dnamzou-se com o desenvolvmeno da Moderna Teora da Carera, que surgu em 1952 com a publcação do célebre argo de Markowz, Porfolo Selecon. Esa eora defende que a maxmzação da renabldade da carera deve ser fea numa perpeva de dversfcação do rsco, so é, o gesor deve consderar a relação enre o respevo valor esperado e a varânca, no momeno da escolha de avos e careras. Sharpe (1963) propõe o Modelo de Mercado baseado no prncípo de que as renabldades dos avos esão correlaconadas, uma vez que eses avos respondem sensvelmene da mesma forma às varações do mercado. Segundo ese modelo, a renabldade de um avo é uma função lnear da renabldade de um deermnado índce do mercado bolssa. Esa renabldade do avo resula de duas componenes: uma que é ndependene do desempenho do mercado e a oura, por sua vez, esramene lgada a ese mesmo desempenho. A decomposção do rsco oal de um avo em rsco ssemáco e rsco específco, é levada a cabo ambém por ese modelo. O Modelo de Equlíbro dos Avos Fnanceros (Capal Asse Prcng Model, CAPM) eve orgem nos rabalhos poneros de Sharpe (1964), Lnner (1965) e Mossn (1966) e esá esramene relaconado com o modelo referdo anerormene. Ese modelo em por objevo deermnar qual sera a axa de renabldade de um avo nas condções normas de mercado, ou seja, numa suação de equlíbro, o mercado apenas remunera o rsco ssemáco, dado que corresponde à pare do rsco que o nvesdor não consegue suprmr. De acordo com ese modelo, o excesso de renabldade esperada de cada avo em relação ao avo sem rsco, é um prémo de rsco proporconal ao coefcene de sensbldade do avo às varações da carera de mercado. Vâna Sofa Sequera Umbelno 3

13 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Revsão da leraura O desenvolvmeno deses modelos eórcos servu de base às meddas radconas de avalação do desempenho global. Treynor (1965) fez uma análse do desempenho global com recurso a uma únca medda, que consdera a renabldade em excesso por undade de rsco ssemáco. Semelhane a esa, Sharpe (1966) propôs uma medda em que, apesar de ulzar a renabldade em excesso por undade de rsco, consdera o rsco oal. No enano, exse uma lmação relaconada com o faco de esa só ser aproprada quando as renabldades seguem uma dsrbução normal. Leland (1999), Goezmann e al., (2005), descobrram resulados enganadores quando se usa esa medda e se esá na presença de renabldades que não seguem uma dsrbução normal. Os rácos sugerdos dzem respeo a meddas de desempenho relavo. Conraramene a eses, Jensen (1968) desenvolveu uma medda de desempenho absoluo. Aragon e Ferson (2006) aponam como desvanagem o faco desa medda requerer um grande período emporal para os dados de desempenho. Fundamenado na sua medda, Jensen (1968) analsou o desempenho de uma amosra composa por ceno e qunze fundos de nvesmeno nore-amercanos no período enre 1945 e 1964, conclundo que os gesores não nham capacdade para superar uma esraéga de nvesmeno buy-he-marke-and-hold mesmo anes de se deduzr as respevas axas e despesas de gesão dos fundos. Embora város esudos connuem a ser realzados com recurso a meddas radconas de avalação do desempenho global, pelo faco de serem faclmene mplemenadas e nerpreadas, ao longo das úlmas décadas esas êm sdo alvo de númeras crícas ano por pare dos gesores, como de lusres auores que realzam nvesgação nesa área. Por pare dos gesores, eses não concordam com os resulados demonsrados pelos esudos empírcos e defendem que esa análse prejudca a sua repuação e desempenho, no sendo de que conrbu para uma redução do nível de confança que os clenes deposam nesses nsrumenos fnanceros. Relavamene ao meo académco, as crícas cenram-se sobreudo na componene eórca dessas meddas. Como prncpas lmações arbuídas às meddas radconas emos a dependênca dos resulados do benchmark ulzado como aproxmação da carera de mercado, a escolha do horzone emporal, a relação com as meddas de rsco e, por fm, o pressuposo da esabldade da medda do rsco. Vâna Sofa Sequera Umbelno 4

14 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Revsão da leraura Em ermos prácos, é muo complcado consrur a carera de referênca de mercado, sendo necessáro ulzar benchmarks de modo a aproxmar a carera à realdade do mercado. Se o índce adoado como aproxmação da carera de mercado for efcene, segundo a preposção de Markowz,.e., em ermos de renabldade méda e varânca, não é possível denfcar qual das careras avaladas deu lugar a um melhor desempenho. Por sua vez, se ese mesmo índce for nefcene, a avalação das careras não remee para nenhuma conclusão, vso que a ulzação de índces dferenes auomacamene leva a desempenhos gualmene dferenes. Quando a carera adoada como aproxmação à verdadera carera de mercado não for efcene em ermos de renabldade méda e varânca, haverá sempre benchmark error (Roll, 1980). Ouros auores reforçam as crícas aponadas por Roll (1980) conclundo, no essencal, que a ulzação de benchmarks conrbu para que os resulados empírcos do CAPM sejam afeados. Flecher (2002) ulzou uma gama de cnco especfcações de benchmark para explorar a valdade deses benchmarks na avalação do desempenho de fundos do Reno Undo. Ese descobru que o desempenho é sensível aos benchmarks e ambém que, qualquer que fosse a medda de desempenho ulzada, odos os benchmarks mosravam um desvo na avalação do desempenho dos fundos. Pelo faco desas crícas perssrem, Cornell (1979), baseado na Even Sudy Measure, fo dos prmeros auores a defender a dea da avalação do desempenho sem recorrer a índces de aproxmação da carera de mercado, propondo uma medda baseada na composção das careras. Esa medda avala o desempenho aravés da dferença enre as renabldades dos avos que compõem a carera no período proporconadas por esses mesmos avos no período, com as renabldades 1. No enano, a escolha do período 1 pode provocar envesamenos devdo a esses mesmos íulos poderem não exsr nese período. Danel e al., (1997), e Chen e al., (2000), em conrase com esudos radconas adoaram uma abordagem baseada na composção das careras e analsaram o desempenho das ações ndvduas. Segundo os seus resulados, os gesores êm capacdade para escolher ações que superam os seus benchmarks anes de odas as despesas deduzdas. Grnbla e Tman (1993) desenvolveram novas meddas de avalação sem recorrer a índces de mercado. Esa medda ulza uma carera do gesor exsene no período k como aproxmação da carera do gesor no presene e subsu a dferença Vâna Sofa Sequera Umbelno 5

15 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Revsão da leraura das renabldades dos avos, pela dferença dos pesos desses avos nos períodos consderados. Sendo esa, uma das vanagens desa meodologa, uma vez que, perme rabalhar com dados conhecdos, ulzando apenas as renabldades dos avos que compõem a carera no período. Ferson e Khang (2002) usam a meodologa de Grnbla e Tman (1993) com uma abordagem dferene aos pesos da carera. Enquano a medda proposa por Grnbla e Tman (1993) usa os pesos passados como os pesos da carera de referênca, Ferson e Khang (2002) defnem os pesos da carera de referênca como os pesos reas da carera, desfasados k períodos. A mesma abordagem ambém é usada para relaconar o desempenho com varáves macroeconómcas. As meddas radconas arbuem odo o desempenho do gesor à sua capacdade de prever os preços dos íulos ndvduas (selevdade), gnorando as capacdades do gesor consegur prever as osclações do mercado (mng), podendo assm ober ganhos superores ao normal. Danel e al., (1997) mosraram que os fundos de nvesmeno, parcularmene fundos de crescmeno agressvo, revelam alguma capacdade de selevdade mas não revelam capacdade de mng. Com o nuo de dsngur esas duas capacdades, város esudos de naureza empírca foram realzados. Fama (1972), fo o prmero auor a propor formalmene uma meodologa para a decomposção do desempenho em ermos de mng e selevdade, embora esa se revele de dfícl aplcação empírca. Jang e al., (2007) apresenam uma medda baseada nas parcpações para prever a capacdade de mng. Kacperczyk e al., (2012) esudaram uma perspeva dferene para prever a capacdade de mng e de selevdade do gesor. Ao conráro de esudos anerores, eses não esperam que o gesor enha ambas as capacdades ao mesmo empo. Ese esudo nclu o efeo de dferenes esados económcos, booms e recessões e esuda a capacdade dos gesores acrescenarem valor em dferenes cenáros económcos. Vâna Sofa Sequera Umbelno 6

16 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Meodologa 3. METODOLOGIA Concluída a revsão da leraura, na qual foram referdas e debadas as prncpas lnhas de nvesgação desenvolvdas no âmbo da avalação do desempenho dos gesores de fundos de nvesmeno, nesa secção é desenvolvda uma meodologa de avalação do desempenho baseada no rabalho de Pnnuck (2003), sendo esada emprcamene na avalação de uma amosra de fundos de nvesmeno mobláro porugueses Undades de Observação necessáras à Avalação do Desempenho Nese rabalho, o desempenho do gesor de cada fundo j é analsado de acordo com duas undades de observação dsnas, nomeadamene as parcpações e as ransações. Uma análse do desempenho ao nível das parcpações perme medr o desempenho sobre a renabldade de cada ação cada mês. O desempenho da carera do fundo, deda na carera do gesor no fnal de j, no período, é smplesmene o valor ponderado do desempenho de odas as ações que a consuem. O peso da ação carera do fundo j, no período, é defndo como,, na w j N 1 PH j PH j, (1) onde P é o preço da ação no período, H j é o número de ações dedas pelo gesor do fundo j na ação no período e N o número oal das dferenes ações dedas por cada gesor de fundos. Em seguda, são analsadas as renabldades anormas das ações ransaconadas pelo gesor, nomeadamene as ações que compra e vende. O faco de um gesor realzar ransações, quer de compra ou venda de ações, ndca que ese em acesso a nformação acerca da evolução dos preços do mercado aconsa. O gesor vende uma ação quando prevê renabldades fuuras negavas e compra uma ação quando prevê renabldades fuuras posvas. Com efeo, as ransações são mas susceíves de represenar um snal de nformação superor, relavamene à suação de gesão passva, na qual o gesor maném a Vâna Sofa Sequera Umbelno 7

17 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Meodologa posção exsene na ação (Chen e al., 2000). Os mesmos auores sugerem que um gesor pode maner a parcpação numa ação por razões que vão além de fuuras renabldades anormas. Esa posção resula de frções envolvdas nas ransações, como os cusos de ransação, e anda cusos mplícos como um mposo sobre ganhos de capal provenene de uma venda. Como consequênca, as renabldades anormas deermnadas com base nas parcpações podem não revelar a verdadera nformação superor que os gesores deêm. Dese modo, as ransações poderão fornecer uma maor evdênca da nformação que os gesores dspõem acerca das renabldades fuuras. Nese rabalho, como já fo referdo, serão calculadas as renabldades anormas com base nas ransações e nas parcpações, com o nuo de ober resulados calculados de manera dferene, mas que provem o mesmo, ou seja, se o gesor em ou não acesso a nformação superor. Relavamene à medda Transações, esa é dada pela aleração do peso da ação j, desde o níco aé ao fnal do mês, na carera do gesor do fundo j, Transações w w p j j j 1, (2) onde w j é defndo pela equação (1) e p wj 1 defndo como, w p j1 N 1 PH PH j1 j1. (3) Os pesos no período 1, dados pela equação (3), refleem as parcpações na carera em 1 avaladas aos mesmos preços de fnal do mês consderados no peso w j. Assm, as ransações meddas pela equação (2), dadas pela dferença enre duas careras dferenes (em e 1), são avaladas ao mesmo preço no fnal do mês, descarando efeos de aleração dos preços. Porano, p w dfere de wj 1 uncamene devdo às ransações de j 1 para p. O wj 1 é o peso da ação no período, se o gesor não realzar nenhuma ransação durane o mês. Esas ransações podem ser consderadas compras ou vendas, sendo que a compra de ações corresponde a odas as ações com uma medda Transações posva. Iso é, se o j gesor prevê um aumeno da renabldade esperada da ação, compra a ação, aumenado o Vâna Sofa Sequera Umbelno 8

18 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Meodologa peso desa na carera, no mês e, porano a medda lado, o gesor prevê uma dmnução da renabldade esperada da ação peso desa na carera dmnu, no mês, levando a que a medda negava. Transações é posva. Se por ouro j, vende a ação e o Transações j Relavamene à nvesgação em causa, são consruídas careras de compra e venda de ações e, poserormene, analsadas as renabldades desas careras com recurso aos méodos de avalação do desempenho descros poserormene. seja 3.2. A Renabldade dos Fundos de Invesmeno O modelo da méda-varânca de Markowz (1952) surgu para dar resposa ao problema da mpossbldade de prever com exadão os valores fuuros de um nvesmeno realzado. Perane ese problema, os nvesdores omam as suas decsões com base nos resulados possíves de cada nvesmeno, e respevas probabldades, e anda no rsco que os avos fnanceros apresenam. Ese modelo pressupõe que a renabldade dos avos fnanceros segue uma dsrbução normal. A varânca é vsa como uma mporane medda de rsco, ou seja, quano mas elevada, maor é a probabldade do resulado efevo se afasar do resulado esperado. Esa abordagem adme que os nvesdores são avessos ao rsco e omam as suas decsões de nvesmeno com base na relação enre o respevo valor esperado e a varânca (ou, em alernava, o desvo-padrão). P A renabldade de um avo fnancero que é comprado no momeno e venddo no momeno no monane d 1 dvdendos, é defnda como, 1, pelo preço P 1, pelo preço, e que paga anda rendmenos nesa daa,, sendo que, no caso das ações esses rendmenos, se desgnam por R P d P 1 1. (4) P Com base no modelo referdo anerormene, demonsra-se que a dversfcação das careras de avos perme reduzr o rsco, sendo possível fazer a seleção das careras efcenes, ou seja, careras de avos fnanceros cujo rsco é mínmo para cada nível de renabldade esperada. Vâna Sofa Sequera Umbelno 9

19 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Meodologa A renabldade esperada de uma carera é dada pela soma das renabldades esperadas dos avos que a compõem, ponderadas pelos respevos pesos. Assm, a renabldade esperada de uma carera composa por N avos, cujos pesos presenes na carera são represenadas por X, é defnda como, onde ( ) ER c N X E R E R c 1 é a renabldade esperada da carera e, ( ) ER (5) é a renabldade esperada de cada ação. Pelo que fo referdo, é possível deermnar a renabldade do Poruguese Sock Index 20 (PSI 20) ulzado como carera de referênca para o mercado poruguês. Com as coações das undades de parcpação, é obda a renabldade de cada ação que compõe a carera, sendo poserormene mulplcada pelo respevo peso da ação nessa mesma carera Meodologa de Avalação do Desempenho com Observação dos Pesos da Carera Nese esudo, é mplemenada a medda proposa por Danel e al., (1997), fuuramene desgnada por DGTW, que avala se o gesor em capacdade para superar o mercado. Ou seja, preende-se avalar se a carera deda pelo gesor proporcona renabldades anormas superores às renabldades proporconadas pelo nvesmeno numa carera de referênca de mercado. Nese esudo, o que se faz é comparar as renabldades dos dezasses Fundos de Invesmeno Mobláro Porugueses que compõem a amosra, com o prncpal índce de referênca do mercado de capas poruguês, índce PSI 20. Tendo em cona os problemas assocados aos resulados provenenes da ulzação de deermnado po de benchmark e não da nformação superor deda pelos gesores, é ulzada a medda proposa por Grnbla e Tman (1993), fuuramene desgnada por GT, de avalação do desempenho que, aqulo que faz é consrur uma carera de referênca com base nos pesos passados. A razão para avalar as parcpações da carera do gesor de acordo com os auores referdos anerormene, é porque esa é vanajosa na análse do desempenho dos Vâna Sofa Sequera Umbelno 10

20 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Meodologa gesores. Ao observar as parcpações da carera, é possível delnear benchmarks que capam melhor o eslo de nvesmeno ulzado pelos gesores. De acordo com Pnnuck (2003), na análse realzada com a medda de desempenho DGTW, consdera-se uma correspondênca de caraceríscas, ou seja, cada ação deda pelo gesor é comparada com uma ação do benchmark com as mesmas caraceríscas. Eses benchmarks consruídos com base na nformação das ações que o gesor escolhe para a sua carera, são represenavos do eslo de nvesmeno ulzado por eses. E anda, o faco das renabldades deermnadas a parr das parcpações da carera não nclurem axas e cusos de ransação que levem à redução das renabldades efevas dos fundos de nvesmeno, muo ulzadas nouros esudos. Embora esas renabldades deermnadas sobresmem as renabldades da carera, elas são apropradas para deermnar se os gesores êm capacdade de selevdade e de mng, uma vez que são comparadas com um benchmark que ambém gnora os cusos de ransação A Medda de Desempenho DGTW De acordo com Danel e al., (1997), a medda de desempenho para cada fundo é obda pela mulplcação dos pesos das ações na carera pelas renabldades anormas. Sendo esas renabldades dadas pela subração da renabldade das ações com as mesmas caraceríscas na carera de referênca, da renabldade das ações na carera do gesor. Formalmene, a medda de desempenho DGTW, para o gesor do fundo defnda como j no mês, é N b, 1 j, 1 (, ) 1 DGTW w R R onde w, 1é o peso da ação na carera no fnal do mês 1,, (6) R, a renabldade da ação no mês e R b, 1 a renabldade do mês da ação com as mesmas caraceríscas que a ação durane o mês 1 na carera de referênca. Para ese esudo, como não emos ações com as mesmas caraceríscas que nos permam consrur um benchmark adequado, o que se faz é subrar à renabldade da carera do gesor, a renabldade da carera de referênca, índce PSI 20. A medda DGTW para cada mês, é defnda como Vâna Sofa Sequera Umbelno 11

21 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Meodologa DGTW R R c cf j, (7) onde c R é a renabldade da carera do gesor no mês e cf R a renabldade da carera de referênca, índce PSI 20, no mês. Permndo assm, analsar se o gesor é ou não capaz de superar esa carera de referênca. Noe-se que esa medda de selevdade não capura nenhum desempenho conduzdo pela capacdade de mng por pare dos gesores. Por sso, para medr o sucesso da capacdade de mng de um gesor, nroduz-se a medda de desempenho GT A Medda de Desempenho GT A medda desenvolvda por Grnbla e Tman (1993), ulza os pesos passados da carera de modo a calcular um índce de referênca para o período de avalação. A vanagem desa medda para o cálculo da renabldade anormal é que não ajusa as renabldades de acordo com o Modelo de Equlíbro dos Avos Fnanceros. Com esa medda, o benchmark usado para ajusar a renabldade da carera do gesor do fundo seu nível de rsco num deermnado mês parcpações na carera desempenho GT da carera é defnda como, k, é a renabldade do mês meses anes das parcpações no mês T N, k 1 1 GT R w w T j ao obda pelas. Ou seja, a medda de, (8) onde R é a renabldade da ação desde a daa aé 1, w é o peso da ação na daa, w, k é o peso da ação na daa k e T o número de períodos. Uma nova versão desa medda perme o cálculo para um únco período de empo. Assm, a medda de desempenho GT da carera para o mês é defnda como, N GT R w w, k 1, (9) de al forma que, 1 T GT T 1 GT. (10) Vâna Sofa Sequera Umbelno 12

22 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Meodologa Grnbla e Tman (1993) propõem que o peso passado da ação forma de aproxmação para o peso esperado da ação peso passado da ação. A escolha do desfasameno, em mplcações para esa medda. Se o desempenho que ocorre para além dos prmeros k k é a melhor k, do for pequeno, o meses em que o gesor deém a ação será gnorado, no caso em que o gesor maném a ação numa quandade consane durane esses k meses. Ou seja, a dferença de pesos aravés da equação (9) será 0, o que leva a que o desempenho meddo por GT seja ambém zero. Quando aplcada esa medda aos fundos de nvesmeno dos Esados Undos, Grnbla e Tman (1993) descobrram que o desempenho dos fundos parece aumenar quando se vara o k de 1 aé 12 meses. Assm, os auores recomendam um desfasameno de 12 meses para eses fundos analsados, sendo ese o adoado para o esudo dos Fundos de Invesmeno Mobláro Porugueses. Sob a hpóese nula da nexsênca de nformação superor, as alerações nos pesos do período aneror não esão correlaconadas com as renabldades auas. Nese caso, a medda converge para zero em grandes amosras. Sob a hpóese alernava de que um gesor esá nformado, a medda converge para a covarânca méda enre R e w w, k não esão correlaconados com a sua renabldade., sob a suposção de que os pesos da ação Se os gesores não verem acesso a nformação superor, não êm conhecmeno acerca da evolução da renabldade esperada da ação Dese modo, a equação (9) erá valor zero para gesores não nformados. e, por sso, manêm o seu peso. Para gesores nformados, a equação (9) será posva. Se o gesor em nformação que a renabldade esperada da ação va aumenar, o que ele faz é comprar essa ação, aumenando o seu peso, w, no mês (9) seja posva, assm como o desempenho do gesor., fazendo com que a dferença dos pesos da equação Vâna Sofa Sequera Umbelno 13

23 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Descrção da Base de Dados 4. DESCRIÇÃO DA BASE DE DADOS Para realzar a nvesgação proposa são ulzadas duas amosras, sendo uma composa por dezasses Fundos de Invesmeno Mobláro Porugueses que se enconravam em avdade em 31 de março de 2013, consderados fundos aberos dado que o número de undades de parcpação pelas quas são consuídos vara de acordo com a procura de mercado. São ambém desgnados fundos naconas, no sendo de que são fundos gerdos por endades domcladas em erróro naconal e que nvesem prncpalmene em valores ransaconados no nosso mercado. Quano à forma de remuneração, eses não dsrbuem rendmenos e porano, são fundos de capalzação, ou seja, os rendmenos gerados são ncorporados no valor da undade de parcpação. Segundo os créros da Assocação Poruguesa de Fundos de Invesmeno, Pensões e Parmónos (APFIPP) os fundos consderados são classfcados como Fundos de Ações Naconas (FAN) e Fundos Poupança Ações (FPA) (ver Anexo A). Em relação à oura amosra, esa é composa pelo índce PSI 20, que reflee a evolução dos preços das ações das vne maores empresas coadas na bolsa de valores de Lsboa e, porano, as de maor lqudez enre as que são negocadas nese mercado. No que dz respeo ao período de análse, ese esá compreenddo enre o mês de janero de 2004 e o mês de feverero de Embora fosse recomendável a seleção de um horzone emporal mas alargado, al não fo possível devdo à lmação dos valores do índce PSI 20. Relavamene à perodcdade dos dados, ulzam-se regsos mensas, o que possblou ober ceno e nove observações para cada fundo, e ceno e quaro observações para o índce PSI 20 por não exsrem dados para o mês de mao de Assm, a análse só fo possível a parr de junho de A composção dscrmnada dos fundos, nomeadamene os dados relavos à quandade e à coação das ações que os compõem, no fnal de cada mês, fo obda aravés do se da Comssão do Mercado de Valores Mobláros (CMVM), assm como os dados referenes ao índce PSI 20, ou seja os pesos das ações na carera do índce presenes nos bolens mensas da CMVM. Para a consrução desas duas amosras foram levadas em consderação fusões, ncorporações nouros fundos, nformação respeane aos dreos, alerações de denomnação ou de polícas de nvesmeno por pare dos fundos. Vâna Sofa Sequera Umbelno 14

24 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Resulados da Avalação de Desempenho 5. RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO Esa secção dscue os resulados dos dos méodos de avalação do desempenho apresenados na secção 3, baseados nas ransações e nas parcpações da carera do gesor. Para deermnar a sgnfcânca esaísca das meddas de desempenho, é segudo o argo de Pnnuck (2003), que calcula a esaísca baseada nas séres emporas dos fundos que compõem a amosra. Especfcamene, é calculado o desempenho exsene num período de empo, para cada um dos meses na base de dados, e poserormene é comparada a méda desses valores com o desvo padrão das séres emporas. Com o nuo de colmaar alguns problemas que possam surgr pela ulzação da smples esaísca, são usados dos eses não paramércos, nomeadamene, o ese de Snal e o ese de Wlcoxon (ver Anexo C). São apresenadas meddas de desempenho ao nível das ransações e das parcpações da carera do gesor no fnal de cada mês (mês 0) para os próxmos ses meses. Iso é, são calculados separadamene as esmavas de desempenho para cada mês de eveno, do mês 1 aé ao mês de junho, as esmavas de desempenho para o mês 6. Como exemplo, para as parcpações da carera a 30 1 represenam a renabldade anormal das ações no mês de julho. A esmava do desempenho para o mês 2 represena a renabldade anormal das ações dedas em 30 de junho, no mês de agoso, e assm por dane. A razão para que, nese esudo, se enham calculado ses meses de evenos para cada fundo de nvesmeno, é que não esá claro em que período do empo a nformação superor deda pelo gesor será revelada ao mercado. Se os gesores possuírem nformação superor que se revela ao mercado denro de um mês, a medda mês 1 em maor poder de prevsão. No enano, se a nformação é ncorporada no mercado de preços mas lenamene, o mês 3, 4, 5 ou o mês 6 podem er maor poder de prevsão. Vâna Sofa Sequera Umbelno 15

25 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Resulados da Avalação de Desempenho 5.1. Resulados da Avalação do Desempenho baseado nas Transações A abela 1 apresena os resulados da avalação do desempenho para as ransações dos gesores. A medda ransações é dada pela aleração nos pesos das ações da carera. Esa medda é calculada no fnal de cada mês para cada ação exsene em odas as careras da amosra em análse. As ações ransaconadas pelos gesores são classfcadas como compras e vendas, em que a compra de ações são odas as ações com uma medda ransações posva. As renabldades das careras de compra e venda de ações para os meses de eveno desde o mês +1 aé ao mês +6, de acordo com a medda ransações, são calculadas endo em cona a magnude da medda ransações para cada ação no mês 0. Iso é, para o cálculo das renabldades da carera de compra de ações, para os meses de eveno desde o mês +1 aé ao mês +6, consdera-se a medda ransações posva das ações correspondenes ao mês 0. Na abela 1, enre parêneses, são apresenadas as esaíscas, baseadas no desvo padrão das séres emporas, assm como os resulados do ese de Snal e do ese de Wlcoxon. Os níves de sgnfcânca 1%, 5% e 10% para um ese blaeral, são represenados por ***, ** e *, respevamene. A abela 1 apresena as esmavas do desempenho, expressas em percenagem, para as ransações dos gesores dos fundos da amosra analsada, para o período de janero de 2004 a janero de 2013, bem como os resulados dos eses aplcados, para os ses meses de eveno. Vâna Sofa Sequera Umbelno 16

26 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Resulados da Avalação de Desempenho Tabela 1: Esmava do desempenho para as ransações dos gesores. Mês de Eveno Mês 0 Mês+1 Mês+2 Mês+3 Mês+4 Mês+5 Mês+6 Compras 0,152-0,047-0,502-0,317 0,189-0,199-0,029 (1,638) (-0,520) (-7,192)*** (-3,336)*** (1,464) (-1,803)* (-0,305) Snal (1,149) (-1,058) (-1,740)* (0,243) (2,684)*** (-0,147) (0,788) Wlcoxon (2,256) (0,336) (-1,024) (0,893) (3,184) (0,595) (1,503) Vendas -0,341-0,307-0,121-0,375-0,346-0,440-0,419 (-6,001)*** (-4,283)*** (-2,073)** (-4,341)*** (-4,197)*** (-6,531)*** (-4,906)*** Snal (-0,383) (1,155) (0,000) (0,583) (-0,878) (-0,784) (-0,394) Wlcoxon (-0,536) (1,163) (1,303) (0,066) (-0,571) (-0,647) (-0,732) Compras menos Vendas 0,493 0,260-0,381 0,058 0,535 0,241 0,390 (4,197)*** (2,023)** (-4,259)*** (0,422) (3,062)*** (1,507) (2,849)*** Snal (0,192) (-0,722) (-2,369)** (-1,554) (1,025) (1,765)* (1,232) Wlcoxon (2,802) (1,178) (-2,163) (0,582) (3,385) (2,413) (2,695) Relavamene aos resulados apresenados na abela 1, a compra de ações apenas apresena renabldades anormas posvas na daa de mensuração das parcpações (mês 0) e no quaro mês após essa daa (mês +4). No segundo e ercero mês após a daa de mensuração das parcpações, verfcam-se renabldades anormas negavas esascamene sgnfcavas e pero dos níves de sgnfcânca radconas no quno mês (esaísca de -1,803). As renabldades anormas referenes à venda de ações apresenam valores negavos para os ses meses de eveno, sendo odos os valores esascamene sgnfcavos de acordo com o ese blaeral. O faco de as esaíscas serem sgnfcanes em relação à venda de ações, revela que exse capacdade por pare dos gesores para prever renabldades negavas e, por sso, vendem as ações. O faco das renabldades anormas serem posvas para as compras e negavas para as vendas, no mês 0, pode não ser jusfcado pela capacdade de prevsão do gesor. No mês 0, as renabldades posvas ou negavas, para a compra e venda de ações, respevamene, podem ocorrer aravés de dos casos dferenes. No prmero caso, para as compras, o gesor compra uma ação, no mês, porque prevê que a sua renabldade é Vâna Sofa Sequera Umbelno 17

27 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Resulados da Avalação de Desempenho posva e, porano, exse capacdade de prevsão. No segundo caso, o gesor sabe que a renabldade da ação é posva, no mês, e compra a ação no mês 1, não se verfcando capacdade de prevsão, mas sm uma esraéga de momenum por pare do gesor. De acordo com os resulados do ese de Snal, verfca-se, para a compra de ações, uma renabldade anormal negava esascamene sgnfcava ao nível de sgnfcânca 1% no que dz respeo ao quaro mês após a daa de mensuração das parcpações. sgnfcavo. Em relação à venda de ações nenhum dos resulados é esascamene Segundo o ese de Wlcoxon, e endo em cona os valores crícos de Anexo D), é possível verfcar, no que dz respeo à compra de ações, que as renabldades anormas posvas do mês 0 e do mês +4 são esascamene sgnfcavas. Sendo ese um ese mas robuso do que os eses apresenados anerormene, ese resulado para o mês +4 demonsra que o gesor em acesso a nformação superor, sendo capaz de prever renabldades esperadas posvas e, por sso, compra essas ações. Relavamene à venda de ações, esas apresenam renabldades anormas negavas para os ses meses de eveno. No enano, ao conráro do que se verfcou nos resulados da esaísca,, os valores de z não são esascamene sgnfcavos. Em relação à medda compras menos vendas, verfcam-se renabldades anormas posvas, à exceção do mês +2, sendo, de uma forma geral, esascamene sgnfcavas. z (ver Vâna Sofa Sequera Umbelno 18

28 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Resulados da Avalação de Desempenho 5.2. Resulados da Avalação do Desempenho baseado nas Parcpações A abela 2 apresena os resulados do desempenho obdos com as meddas GT e DGTW. A medda de desempenho GT, para um deermnado mês, é dada pela subração da renabldade em carera deda no mês de uma carera deda no mês 12, da renabldade em de uma. Em relação à medda de desempenho DGTW, para um deermnado mês, esa é calculada pela dferença enre a renabldade da carera do gesor e a renabldade da carera de referênca (índce PSI 20). A esmava do desempenho para esas duas meddas, para os meses de eveno desde o mês +1 aé ao mês +6 é calculada com base nos pesos de cada ação que compõe a carera no mês 0. Na abela 2, enre parêneses, são apresenadas as esaíscas, baseadas no desvo padrão das séres emporas, assm como os resulados do ese de Snal e do ese de Wlcoxon. Os níves de sgnfcânca 1%, 5% e 10% para um ese blaeral, são represenados por ***, ** e *, respevamene. A abela 2 apresena as esmavas do desempenho, expressas em percenagem, para as parcpações dos gesores dos fundos da amosra analsada bem como os resulados dos eses aplcados, para os ses meses de eveno. As esmavas do desempenho dadas pela medda DGTW represenam o período de junho de 2004 a janero de 2013, enquano que para a medda GT represenam o período de janero de 2005 a janero de Tabela 2: Esmava do desempenho para as parcpações dos gesores. Mês de Eveno Mês 0 Mês +1 Mês +2 Mês +3 Mês +4 Mês +5 Mês +6 DGTW 0,155 0,131 0,100 0,086 0,081 0,024-0,033 (7,599)*** (7,761)*** (5,803)*** (5,472)*** (4,614)*** (1,042) (-1,711)* Snal (1,471) (2,365)** (1,287) (1,592) (2,300)** (-0,553) (-2,525)** Wlcoxon (2,509) (2,180) (1,723) (1,476) (1,426) (-0,247) (-1,298) GT 0,182 0,150 0,112 0,061 0,068-0,022-0,075 (6,151)*** (6,766)*** (4,488)*** (2,564)** (2,424)** (-0,628) (-2,666)*** Snal (6,295)*** (5,562)*** (4,771)*** (3,352)*** (2,437)** (-0,417) (-1,310) Wlcoxon (6,146) (5,395) (4,111) (2,736) (2,453) (-0,556) (-2,411) Vâna Sofa Sequera Umbelno 19

29 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Resulados da Avalação de Desempenho De acordo com os valores da esaísca apresenados na abela 2 para a medda DGTW, a méda dos fundos em uma medda de selevdade sgnfcavamene posva nos quaro meses após a daa de mensuração das parcpações. Ou seja, o gesor em capacdade para escolher ações capazes de superar a renabldade da carera do índce PSI 20. Os resulados relavos à medda GT demosram que o desempenho médo dado por esa medda é sgnfcavamene posvo nos quaro meses após a daa de mensuração das parcpações. Tendo em cona as hpóeses nerenes a esa medda, o faco de ser esascamene sgnfcava aé ao mês +4 possbla a rejeção da hpóese de nexsênca de nformação superor por pare dos gesores. Relavamene ao ese de Snal presene na abela 2, a medda DGTW apenas apresena uma medda de selevdade esascamene sgnfcava ao nível de sgnfcânca 5%, nos meses +1, +4 e +6. Para a medda GT verfca-se que ese ese ambém concluí que o desempenho médo dado é sgnfcavamene posvo nos quaro meses após a daa de mensuração das parcpações. Segundo o cálculo da esaísca dese ese, o faco de os resulados serem posvos e elevados perme conclur que mas de meade dos valores deermnados com recurso às meddas DGTW e GT, dzem respeo a renabldades anormas posvas. Mas uma vez, e consderando o esde de Wlcoxon o mas robuso, os resulados nerenes às meddas de desempenho DGTW e GT apresenam renabldades anormas posvas e esascamene sgnfcavas. Eses resulados esão de acordo com o que fo referdo anerormene, os gesores êm capacdade de selecvdade e acesso a nformação superor que os ajuda na omada de decsões. Vâna Sofa Sequera Umbelno 20

30 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Conclusão 6. CONCLUSÃO O presene esudo analsa se os gesores de fundos de nvesmeno possuem nformação superor em relação à escolha das ações que compõem a sua carera. Para sso, fo avalado o desempenho de dezasses fundos de ações perencenes ao mercado poruguês, que nvesem apenas em ações naconas, para o período de janero de 2004 a feverero de A avalação do desempenho realzou-se de acordo com meodologas que recorrem à nformação conda na composção das careras. As meodologas aplcadas nese esudo, êm por base as ransações e parcpações das ações que compõem as careras. No que dz respeo às ações dedas pelos gesores, esas proporconam renabldades anormas, esascamene sgnfcavas, nos meses segunes à daa de parcpação, para ambas as meddas de desempenho aplcadas DGTW e GT. Ese resulado é conssene com o faco de os gesores possuírem alguma capacdade de seleção de ações, sendo possível conclur que os gesores êm acesso a nformação superor. Tal como uma análse mas poderosa da exsênca de nformação superor por pare dos gesores de fundos, fo ambém analsado o desempenho das suas ransações ndvduas. De acordo com eses resulados, as ações compradas pelos gesores proporconam renabldades anormas negavas, à exceção de um resulado que apresena uma renabldade posva esascamene sgnfcava. Não sendo possível conclur se os gesores apresenam alguma capacdade para prever renabldades posvas. No que dz respeo às renabldades assocadas à venda de ações, esas são negavas e esascamene sgnfcavas para os ses meses de eveno. Revela-se, assm, a exsênca de capacdade por pare dos gesores para prever renabldades negavas. As conclusões reradas nese esudo são semelhanes às do argo de Pnnuck (2003), do qual fo adoada a meodologa, exceo para os resulados correspondenes ao desempenho das ransações ndvduas dos gesores. De modo geral, eses resulados esão de acordo com a generaldade dos rabalhos que usam as meodologas de avalação do desempenho baseadas na composção das careras. O faco de ulzar nformação adconal sobre a composção das careras, ende a gerar esmavas de desempenho mas encorajadoras para a gesão profssonal dos fundos. Conudo, dvergem das conclusões de Vâna Sofa Sequera Umbelno 21

31 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Conclusão rabalhos que avalam o desempenho aravés de meddas que ulzam apenas séres emporas de renabldades, obendo esmavas de desempenho negavo. Em suma, a exsênca de desempenhos posvos e perssenes por pare dos gesores, verfcados nese esudo, não é compaível com a hpóese de efcênca fore do mercado aconsa. Vâna Sofa Sequera Umbelno 22

32 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Referêncas 7. REFERÊNCIAS APFIPP: Assocação Poruguesa de Fundos de Invesmeno, Pensões e Parmónos hp://www.apfpp.p [20 de Novembro de 2013] Aragon, G. O.; Ferson, W. E. (2006) Porfolo Performance Evaluaon Foundaons and Trends n Fnance. 2(2), Chen, H.; Jegadeesh, N.; Wermers, R. (2000) The Value of Acve Fund Managemen: An Examnaon of he Sockholdngs and Trades of Fund Managers Journal of Fnancal and Quanave Analyss. 35, CMVM: Comssão do Mercado de Valores Mobláros hp://www.cmvm.p [19 de Novembro de 2013] Cornell, B. (1979) Asymmerc nformaon and porfolo performance measuremen Journal of Fnancal Economcs. 7, Danel, K.; Grnbla, M.; Tman, S.; Wermers, R. (1997) Measurng Muual Fund Performance wh Characersc-Based Benchmarks The Journal of Fnance. 52(3), Fama, E. F. (1972) Componens of Invesmen Performance The Journal of Fnance. 27(3), Ferson, W.; Khang, K. (2002) Condonal Performance Measuremen Usng Porfolo Weghs: Evdence for Penson Funds Journal of Fnancal Economcs. 65(2), Flecher, J. (2002) Examnaon of Condonal Asse Prcng n UK Sock Reurns The Fnancal Revew. 37(3), Fonseca, J. S. (2010) Economa Moneára e Fnancera. Combra: Imprensa da Unversdade de Combra. Frend, I.; Blume, M. (1970) Measuremen of Porfolo Performance under Uncerany The Amercan Economc Revew. 70(4), Goezmann, W.; Ingersoll, J.; Spegel, M.;Welch, I. (2005) Sharpenng Sharpe Raos NBER Workng Paper Grnbla, M.; Tman, S. (1993) Performance Measuremen whou Benchmarks: An Examnaon of Muual Fund Reurns Journal of Busness. 66(1), Jensen, M. C. (1968) The Performance of Muual Funds n he Perod Journal of Fnance. 23, Jang, G. J.; Yao, T.; Yu, T. (2007) Do muual funds me he marke? Evdence from porfolo holdngs Journal of Fnancal Economcs. 86, Kacperczyk, M. T.; Neuwerburgh, S. V.; Veldkamp, L. (2012) Tme-Varyng Fund Manager Skll Journal of Fnance. Leland, H. E. (1999) Beyond Mean-Varance: Performance Measuremen n a Nonsymmercal World Fnancal Analyss Journal. 55 (1), Lnner, J. (1965) The Valuaon of Rsk Asses and he of Rsk Invesmen n Sock Porfolo and Capal Budges The Revew of Economcs and Sascs. 47(1), Markowz, H. M. (1952) Porfolo Selecon The Journal of Fnance. 8(1), Mossn, J. (1966) Equlbrum n a Capal Asse Marke Economerca. 34(4), Pnnuck, M. (2003) An Examnaon of he Performance of he Trades and Sock Holdngs of Fund Managers: Furher Evdence Journal of Fnancal and Quanave Analyss. 38(4). Roll, R. (1978) Ambguy when Performance s Measured by he Secures Marke Lne Journal of Fnance. 33(4), Roll, R. (1980) Performance Evaluaon and Benchmark Errors I The Journal of Porfolo Managemen. 6(4), Sharpe, W. (1963) A smplfed Model for Porfolo Analyss Managemen Scence. 19(3), Sharpe, W. (1964) Capal Asse Prce: A Theory of Marke Equlbrum under Condons of Rsk The Vâna Sofa Sequera Umbelno 23

33 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Referêncas Journal of Fnance. 19(3), Sharpe, W. F. (1966) Muual Fund Performance Journal of Busness. 39(1), Treynor, J. L. (1965) How o Rae Managemen of Invesmen Funds Harvard Busness Revew. 43, Vâna Sofa Sequera Umbelno 24

34 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Anexos ANEXOS Anexo A Quadro 1: Desgnação dos Fundos de Invesmeno Mobláros Porugueses que compõem a amosra analsada, para o período de janero de 2004 a feverero de Desgnação do Fundo de Invesmeno Mobláro Poruguês Iníco da Avdade Suação do Fundo Alves Rbero Médas Empresas Porugal Em avdade Fundos de Ações Fundos Poupança Ações (FPA) Naconas (FAN) Banf Ações Porugal Em avdade BPI Porugal Em avdade Caxages Ações Porugal Em avdade Espíro Sano Porugal Ações Em avdade Sanander Ações Porugal Em avdade Mllennum Ações Porugal Em avdade BPI Poupança Ações Em avdade Caxages Plano Poupança Ações Em avdade Espíro Sano Poupança Ações Em avdade Barclays Fundo Poupança Ações Em avdade BBVA Plano Poupança Ações Índce PSI Em avdade Sanander Plano Poupança Ações Em avdade Raz Poupança Ações Lqudado em 2013 Mllennum Plano Poupança em Ações Em avdade Plano Poupança em Ações Monepo Lqudado em 2013 Vâna Sofa Sequera Umbelno 25

35 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Anexos Anexo B Tabela 1 Esaíscas das renabldades dos Fundos de Invesmeno Mobláros Porugueses para a amosra analsada, expressas em percenagem, para o período de junho de 2004 a janero de Méda Máxmo Mínmo Desvo Padrão Alves Rbero Médas Empresas Porugal -0,321 16,720-19,848 6,018 Banf Ações Porugal 0,001 15,743-19,577 5,964 Barclays Fundo Poupança Ações -0,181 13,496-19,818 5,955 BBVA Plano Poupança Ações Índce PSI 20-0,227 9,511-20,824 5,393 BPI Porugal -0,127 13,654-20,066 5,863 BPI Poupança Ações -0,076 13,829-19,118 5,698 Caxages Ações Porugal -0,217 13,510-21,023 5,986 Caxages Plano Poupança Ações -0,219 13,527-20,780 5,970 Espíro Sano Porugal Ações -0,140 16,020-20,067 6,216 Espíro Sano Poupança Ações -0,122 15,999-20,018 6,213 Índce PSI 20-0,302 9,666-21,457 5,504 Mllennum Ações Porugal -0,039 13,697-18,973 5,678 Mllennum Plano Poupança em Ações -0,085 12,510-19,200 5,590 Plano Poupança em Ações Monepo -0,184 15,221-17,315 5,549 Raz Poupança Ações -0,205 13,762-19,836 5,759 Sanander Ações Porugal -0,106 18,093-19,497 6,245 Sanander Plano Poupança Ações -0,105 18,231-19,509 6,228 Vâna Sofa Sequera Umbelno 26

36 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Anexos A esaísca de ese Jarque-Bera (JB) mede a dferença enre a assmera e a curose de uma sére com a assmera e a curose de uma dsrbução normal, defnda como, n n JB A B , (11) Onde A é a assmera, C a curose e N represena o número de observações da amosra. Tabela 2 Resulados da esaísca de ese Jarque- Bera, para as renabldades dos Fundos de Invesmeno Mobláro Porugueses, para o período de junho de 2004 a janero de Assmera Curose Jarque-Bera Alves Rbero Médas Empresas Porugal -0,411 1,184 17,208 Banf Ações Porugal -0,606 1,523 15,820 Barclays Fundo Poupança Ações -0,657 1,337 19,473 BBVA Plano Poupança Ações Índce PSI 20-0,915 1,883 19,922 BPI Porugal -0,812 1,663 19,174 BPI Poupança Ações -0,776 1,659 18,236 Caxages Ações Porugal -0,800 1,538 20,351 Caxages Plano Poupança Ações -0,788 1,518 20,266 Espíro Sano Porugal Ações -0,600 1,311 18,595 Espíro Sano Poupança Ações -0,589 1,331 18,079 Índce PSI 20-0,993 2,023 21,230 Mllennum Ações Porugal -0,708 1,296 21,275 Mllennum Plano Poupança em Ações -0,793 1,537 20,168 Plano Poupança em Ações Monepo -0,524 0,923 23,460 Raz Poupança Ações -0,713 1,367 20,376 Sanander Ações Porugal -0,507 1,343 16,347 Sanander Plano Poupança Ações -0,518 1,433 15,300 O faco do ese de Jarque-Bera apresenar valores elevados, leva à rejeção da hpóese de normaldade. Vâna Sofa Sequera Umbelno 27

37 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Anexos Anexo C Com o nuo de avalar a conssênca dos resulados obdos aravés das meodologas descras nese rabalho, são realzados eses de sgnfcânca esaísca para esses mesmos resulados. Os eses de hpóese denomnam-se de eses paramércos se sasfazem smulaneamene as segunes condções: Os eses ncdem explcamene sobre um parâmero da população (por exemplo, sobre a méda ou valor esperado, ou sobre a varânca); A dsrbução de probabldades da esaísca de ese pressupõe uma forma parcular das dsrbuções populaconas de onde as amosras foram recolhdas. Por exemplo, a dsrbução da esaísca do ese -Suden para comparar as médas de duas amosras pressupõe que as amosras foram reradas de uma população que se dsrbu segundo uma função de probabldades Normal, e anda que as varâncas das duas amosras são homogéneas. Os erros ou resíduos (al que x ) êm dsrbução normal; Os erros ou resíduos êm varânca fna e consane 2 ; Os erros ou resíduos são ndependenes. Assm, se algum deses pressuposos for volado, enão eses eses não êm rgor esaísco e deverão ser evados, ulzando-se eses que não exgem o cumprmeno de as pressuposos, os eses não paramércos. Os eses não paramércos não esão condconados a nenhuma dsrbução de probabldades dos dados em análse, sendo ambém desgnados por dsrbuon-free ess. Para além dos pressuposos acma referdos, qualquer ese de hpóeses só em valdade esaísca se as amosras sobre as quas esão a ser aplcados forem aleaóras, quer se rae de um ese paramérco ou não paramérco. Vâna Sofa Sequera Umbelno 28

38 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Anexos Esaísca A esaísca é um ese de hpóese paramérco que usa conceos esaíscos para rejear, ou não, uma hpóese nula quando a esaísca segue uma dsrbução Suden. Ese ese é um dos mas sensíves que exse, podendo deear dferenças basane pequenas, basando apenas que se respee as suas condções. Nese esudo, a esaísca referene aos resulados das meddas de avalação do desempenho é dada pelo ráco enre a méda das médas e o desvo padrão da méda das médas. Tendo em cona a defnção da hpóese nula, deve ser usada uma ou duas caudas da dsrbução -Suden na avalação do ese. Para além da hpóese nula, H : 0 0 -, é necessáro uma hpóese alernava, H A, e um nível de sgnfcânca. A hpóese alernava, H A, pode ser unlaeral ( H : A 0, H : A 0 ) ou blaeral ( H : A 0 ). Nese esudo fo adoada a hpóese alernava blaeral, com o nuo de avalar se o desempenho dos gesores é superor ou nferor ao mercado. Se se preende a probabldade de rejear H 0, sendo esa verdadera, dz-se que se realza o ese ao nível de sgnfcânca, normalmene de 1%, 5% e 10%. Escolhdo procura-se o percenl de ordem lberdade ( df 1 ), desgnado valor críco ( c ). da dsrbução -Suden com Para o ese blaeral ( H A : 0 ) fxa-se o valor críco baseado em n1 graus de 2 e rejease H 0, se 2 c ; se 2 c, não se rejea H 0. Se (não) se rejea a hpóese nula, dz-se que x (não) é esascamene sgnfcavo ao nível de sgnfcânca. Vâna Sofa Sequera Umbelno 29

39 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Anexos Tese do Snal O objevo dese ese é deermnar se a dferença enre o número de vezes em que o valor de uma varável é maor do que oura e o número de vezes em que é menor é esascamene sgnfcavo. Para calcular a esaísca do ese é necessáro o número de casos em que a renabldade anormal é posva, N, e o número oal de casos, N. Sendo J a esaísca do ese, enão assnocamene com o aumeno de N emos que, J 1/2 N N 0,5 ~ (0,1) N 0,5. (12) Tese de Wlcoxon O objevo dese ese é deermnar se a dferença enre a magnude das dferenças posvas enre os valores de duas varáves e a magnude das dferenças negavas é esascamene sgnfcava. O ese de Wlcoxon não exge a suposção de que a população segue uma dsrbução normal. O procedmeno dese ese assume que a amosra em esudo é rerada aleaoramene de uma população, com uma dsrbução de probabldades smérca. Esa smera não assume normaldade, smplesmene parece exsr mas ou menos o mesmo número de valores acma e abaxo da méda. No enano, à medda que aumena o número de observações, a dsrbução da amosra em esudo aproxma-se de uma dsrbução normal. Procedmenos no cálculo da esaísca do ese de Wlcoxon: Calculam-se as dferenças d x x ; Ordenam-se as dferenças d por ordem crescene dos respevos valores absoluos d ; Vâna Sofa Sequera Umbelno 30

40 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Anexos Arbu-se um número de ordem sequencalmene a cada d, sendo que os números de ordem referenes a d posvos são preceddos do snal, e os números de ordem referenes a d negavos são preceddos do snal ; Quando o valor absoluo de duas ou mas dferenças é o mesmo (so é, quando exse um empae), o número de ordem arbuído a cada uma dessas dferenças com o mesmo valor absoluo d é a méda arméca dos números de ordem que as observações receberam se não esvessem empaadas. Quando exsem zeros, so é, quando d 0, eses valores devem gnorar-se, e consequenemene, reduzr o amanho da amosra em anas undades, quano os zeros exsenes. Calcula-se a soma dos números de ordem posvos e negavos, sendo esa quandade desgnada por W. Sob a hpóese nula é de esperar que o valor W lmes de varabldade aleaóra, so é, qualquer valor observado de W dsrbução amosral com méda gual a zero. Assm, consdera-se que W se aproxme de zero denro dos w perence a uma Para qualquer valor parcular de N, o desvo-padrão da dsrbução amosral de é defndo como, N( N 1)(2 N 1) w. (13) 6 O ese de Wlcoxon nclu um coefcene de correção de connudade, que pode assumr o valor de 0,5. Assm, a esruura do z -rao para o ese de Wlcoxon é defnda como 0. ( W w) 0.5 z w. (14) O coefcene de correção de connudade oma o valor de w e de 0,5 quando W é nferor a w. 0,5 quando W é superor a Vâna Sofa Sequera Umbelno 31

41 Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Anexos Anexo D Tabela 1: Valores crícos de z. Fone: vassarsas.ne, ouubro Vâna Sofa Sequera Umbelno 32

CAPÍTULO 1 REPRESENTAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS. Sistema monovariável SISO = Single Input Single Output. s 1 s 2. ... s n

CAPÍTULO 1 REPRESENTAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS. Sistema monovariável SISO = Single Input Single Output. s 1 s 2. ... s n 1 CAPÍTULO 1 REPREENTAÇÃO E CLAIFICAÇÃO DE ITEMA 1.1. Represenação de ssemas 1.1.1. semas com uma enrada e uma saída (IO) e sema monovarável IO = ngle Inpu ngle Oupu s e = enrada s = saída = ssema 1.1..

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013. Padrão. Padrão. max i. I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4.

CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013. Padrão. Padrão. max i. I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4. CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013 Esabelece os procedmenos para o cálculo da parcela dos avos ponderados pelo rsco (RWA) referene às exposções sueas à varação de axas de uros prefxadas denomnadas

Leia mais

2 Programação Matemática Princípios Básicos

2 Programação Matemática Princípios Básicos Programação Maemáca Prncípos Báscos. Consderações Geras Os objevos dese capíulo são apresenar os conceos de Programação Maemáca (PM) necessáros à compreensão do processo de omzação de dmensões e descrever

Leia mais

S&P Dow Jones Indices: Metodologia da matemática dos índices

S&P Dow Jones Indices: Metodologia da matemática dos índices S&P Dow Jones Indces: Meodologa da maemáca dos índces S&P Dow Jones Indces: Meodologa do índce Ouubro 2013 Índce Inrodução 3 Dferenes varedades de índces 3 O dvsor do índce 4 Índces ponderados por capalzação

Leia mais

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. ECONOMETRIA Prof. Parca Mara Borolon. Sc. Modelos de ados em Panel Fone: GUJARATI;. N. Economera Básca: 4ª Edção. Ro de Janero. Elsever- Campus 006 efnções Geras Nos dados em panel a mesma undade de core

Leia mais

Impacto da Educação Defasada sobre a Criminalidade no Brasil: 2001-2005

Impacto da Educação Defasada sobre a Criminalidade no Brasil: 2001-2005 1 Impaco da Educação Defasada sobre a Crmnaldade no Brasl: 2001-2005 Evandro Camargos Texera Ana Lúca Kassouf Seembro, 2011 Workng Paper 010 Todos os dreos reservados. É probda a reprodução parcal ou negral

Leia mais

Interpolação e Extrapolação da Estrutura a Termo de Taxas de Juros para Utilização pelo Mercado Segurador Brasileiro

Interpolação e Extrapolação da Estrutura a Termo de Taxas de Juros para Utilização pelo Mercado Segurador Brasileiro Inerpolação e Exrapolação da Esruura a Termo de Taxas de Juros para Ulzação pelo Mercado Segurador Braslero Sergo Lus Frankln Jr. Thago Baraa Duare César da Rocha Neves + Eduardo Fraga L. de Melo ++ M.Sc.,

Leia mais

Gripe: Época de gripe; actividade gripal; cálculo da linha de base e do respectivo intervalo de confiança a 95%; e área de actividade basal.

Gripe: Época de gripe; actividade gripal; cálculo da linha de base e do respectivo intervalo de confiança a 95%; e área de actividade basal. Grpe: Época de grpe; acvdade grpal; cálculo da lnha de ase e do respecvo nervalo de confança a 95%; e área de acvdade asal. ÉPOCA DE GRPE Para maor facldade de compreensão será desgnado por época de grpe

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INVESTIMENTOS EM DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SOB INCERTEZA REGULATÓRIA UTILIZANDO OPÇÕES REAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INVESTIMENTOS EM DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SOB INCERTEZA REGULATÓRIA UTILIZANDO OPÇÕES REAIS UNIRSIDAD FDRAL D ITAJUBÁ TS D DOUTORADO INSTIMNTOS M DISTRIBUIÇÃO D NRGIA LÉTRICA SOB INCRTZA RGULATÓRIA UTILIZANDO OPÇÕS RAIS JULIA CRISTINA CAMINHA NORONHA Tese apresenada ao Programa de Pós-Graduação

Leia mais

3 Planejamento da Operação Energética no Brasil

3 Planejamento da Operação Energética no Brasil 3 Planeameno da Operação Energéca no Brasl 3.1 Aspecos Geras O ssema elérco braslero é composo por dos dferenes pos de ssemas: os ssemas solados, os quas predomnam na regão Nore do Brasl e represenam cerca

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS

A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS Nelson Leão Paes PIMES/UFPE Resumo Nese argo, ulzou-se um modelo de equlíbro geral dnâmco para esmar

Leia mais

A Concorrência entre o Brasil. uma Aplicação do Modelo Constant-Market-Share*

A Concorrência entre o Brasil. uma Aplicação do Modelo Constant-Market-Share* A Concorrênca enre o Brasl e a Chna no ercado Sul-afrcano: uma Aplcação do odelo Consan-arke-Share* Arane Danelle Baraúna da Slva Álvaro Barranes Hdalgo 2 RESUO: O fore crescmeno da economa chnesa nos

Leia mais

MARKOV SWITCHING CAPM: UMA ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO DAS EMPRESAS GAÚCHAS EM RELAÇÃO AO MERCADO EM DIFERENTES AMBIENTES DE RISCO

MARKOV SWITCHING CAPM: UMA ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO DAS EMPRESAS GAÚCHAS EM RELAÇÃO AO MERCADO EM DIFERENTES AMBIENTES DE RISCO MARKOV SWITCHING CAPM: UMA ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO DAS EMPRESAS GAÚCHAS EM RELAÇÃO AO MERCADO EM DIFERENTES AMBIENTES DE RISCO Pedro Tonon Zuanazz 1 Marcos Vnco Wnk Junor 2 Resumo Um dos prncpas

Leia mais

Arbitragem na Estrutura a Termo das Taxas de Juros: Uma Abordagem Bayesiana

Arbitragem na Estrutura a Termo das Taxas de Juros: Uma Abordagem Bayesiana Arbragem na Esruura a ermo das axas de Juros: Uma Abordagem Bayesana Márco Pole Laurn Armêno Das Wesn Neo Insper Workng Paper WPE: / Copyrgh Insper. odos os dreos reservados. É probda a reprodução parcal

Leia mais

ANEXO III. Nota Técnica nº 148/2010-SRE/ANEEL Brasília, 24 de maio de 2010.

ANEXO III. Nota Técnica nº 148/2010-SRE/ANEEL Brasília, 24 de maio de 2010. ANEXO III Noa Técnca nº 148/21-SRE/ANEEL Brasíla, 24 de mao de 21. M E T O D O L O G I A E Á L U L O D O F A T O R X ANEXO II Noa Técnca n o 148/21 SRE/ANEEL Em 24 de mao de 21. Processo nº 485.269/26-61

Leia mais

Despacho n.º 13/06. 2. A presente resolução entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. João Renato Lima Presidente do C.A.

Despacho n.º 13/06. 2. A presente resolução entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. João Renato Lima Presidente do C.A. Despacho n.º 13/06 De enre as arbuções da Agênca de Regulação Económca desaca-se a compeênca de fxar as arfas e os mecansmos de reajuses a serem pracados pela oncessonára do servço públco de ranse e dsrbução

Leia mais

1. Introdução. B = S = Valor presente esperado dos superávits futuros (1) P

1. Introdução. B = S = Valor presente esperado dos superávits futuros (1) P . Inrodução A vsão radconal da deermnação do nível de preços é baseada na eora Quanava da Moeda. Segundo essa vsão o padrão de avdade real em uma economa mplca um cero nível desejado de encaxes moneáros

Leia mais

ipea COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA

ipea COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA Paulo Mansur Levy Mara Isabel Fernans Serra Esa noa em como objevo dvulgar resulados relavos ao comporameno das exporações e mporações produos ndusras

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP OTIMIZAÇÃO DA

Leia mais

DINÂMICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS COM O FILTRO DE KALMAN

DINÂMICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS COM O FILTRO DE KALMAN XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DINÂICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COODITIES AGRÍCOLAS CO O FILTRO DE KALAN Flávo Pnhero Corsn (POLI-USP) flavo.corsn@gmal.com Celma de Olvera Rbero (POLI-USP)

Leia mais

HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE

HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE Pesqusa Operaconal e o Desenvolvmeno Susenável 7 a /9/5, Gramado, RS HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE André Luís Shguemoo Faculdade de Engenhara Elérca e Compuação Unversdade Esadual

Leia mais

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil BBR - Brazlan Busness Revew E-ISSN: 1807-734X bbronlne@bbronlne.com.br FUCAPE Busness School Brasl Fausno Maos, Paulo Rogéro; Texera da Rocha, José Alan Ações e Fundos de Invesmeno em Ações: Faores de

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY a 5 Novembro de 009 Recfe - PE GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL HIDROTERM

Leia mais

Convergência e Formação de Clubes no Brasil sob a Hipótese de Heterogeneidade no Desenvolvimento Tecnológico

Convergência e Formação de Clubes no Brasil sob a Hipótese de Heterogeneidade no Desenvolvimento Tecnológico Convergênca e Formação de Clubes no Brasl sob a Hpóese de Heerogenedade no Desenvolvmeno Tecnológco Chrsano Penna Fabríco Lnhares RESUMO: Esse argo examna a exsênca de endêncas de crescmeno comuns e formação

Leia mais

A economia política dos fluxos de capitais brasileiros pós-plano Real. Title: The Political Economy of Brazilian Capital Flows after the Real Plan

A economia política dos fluxos de capitais brasileiros pós-plano Real. Title: The Political Economy of Brazilian Capital Flows after the Real Plan A economa políca dos fluxos de capas brasleros pós-plano Real Dvanldo Trches * Soraa Sanos da Slva ** Tle: The Polcal Economy of Brazlan Capal Flows afer he Real Plan RESUMO O presene esudo em como objevo

Leia mais

Autoria: Josilmar Cordenonssi Cia

Autoria: Josilmar Cordenonssi Cia Uma Possível Solução para o Equy Premum Puzzle (EPP Auora: Joslmar Cordenonss Ca Resumo MEHRA e PRESCO (985 levanaram uma quesão que aé hoje não fo respondda de forma sasfaóra: o prêmo de rsco das ações

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA LEI KANDIR SOBRE A ARRECADAÇÃO DE ICMS NO ESTADO DO CEARÁ

AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA LEI KANDIR SOBRE A ARRECADAÇÃO DE ICMS NO ESTADO DO CEARÁ AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA LEI KANDIR SOBRE A ARRECADAÇÃO DE ICMS NO ESTADO DO CEARÁ Alejandro Magno Lma Leão Mesre em economa pelo CAEN Audor Fscal da Recea do Esado do Ceará Fabríco Carnero Lnhares Phd

Leia mais

Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido.

Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. A Prevsão com o Modelo de Regressão.... Inrodução ao Modelo de Regressão.... Exemplos de Modelos Lneares... 3. Dervação dos Mínmos Quadrados no Modelo de Regressão... 6 4. A Naureza Probablísca do Modelo

Leia mais

ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR MEIO DOS MODELOS CAPM NÃO-CONDICIONAL E CAPM CONDICIONAL

ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR MEIO DOS MODELOS CAPM NÃO-CONDICIONAL E CAPM CONDICIONAL ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR EIO DOS ODELOS CAP NÃO-CONDICIONAL E CAP CONDICIONAL (Cos of equy analyss n Brazl: Non-Condonal CAP and Condonal CAP) Lumla Souza Grol 1 1 Unversdade Federal

Leia mais

3 Teoria de imunização

3 Teoria de imunização 33 3 Teora de munzação Como fo vso, o LM é um gerencameno conuno de avos e passvos como o nuo de dmnur ou aé elmnar os rscos enfrenados pelas nsuções fnanceras. Deses rscos, o rsco de axa de uros represena

Leia mais

Análise comparativa e teste empírico da validade dos modelos CAPM tradicional e condicional: o caso das ações da Petrobrás

Análise comparativa e teste empírico da validade dos modelos CAPM tradicional e condicional: o caso das ações da Petrobrás Análse comparava e ese empírco da valdade dos modelos capm radconal e condconal: o caso das ações da Perobrás Análse comparava e ese empírco da valdade dos modelos CAPM radconal e condconal: o caso das

Leia mais

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas.

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas. 1 INTRODUÇÃO E CONCEITOS INICIAIS 1.1 Mecânca É a pare da Físca que esuda os movmenos dos corpos. 1. -Cnemáca É a pare da mecânca que descreve os movmenos, sem se preocupar com suas causas. 1.3 - Pono

Leia mais

Desconcentração e interiorização da economia fluminense na última década

Desconcentração e interiorização da economia fluminense na última década DSCONCNTRAÇÃO INTRIORIZAÇÃO DA CONOMIA FLUMINNS NA ÚLTIMA DÉCADA PAULO MARCLO SOUZA; NIRALDO JOSÉ PONCIANO; MARLON GOMS NY; HNRIQU TOMÉ MATA; UNIVRSIDAD FDRAL DA BAHIA SALVADOR - BA - BRASIL pmsouza@uenf.br

Leia mais

PREVISIBILIDADE NO MERCADO DE COMMODITIES: UM ESTUDO APLICADO AO PREÇO DA SOJA NO BRASIL

PREVISIBILIDADE NO MERCADO DE COMMODITIES: UM ESTUDO APLICADO AO PREÇO DA SOJA NO BRASIL Salvador, BA, Brasl, 08 a de ouubro de 03. PREVISIBILIDADE O MERCADO DE COMMODITIES: UM ESTUDO APLICADO AO PREÇO DA SOJA O BRASIL Everon Anger Cavalhero (UFPEL ) ecavalhero@cvsm.com.br Kelmara Mendes Vera

Leia mais

KEE WORDS: Exchange Rates, Parity, Purchasing Power, Gstav Cassel

KEE WORDS: Exchange Rates, Parity, Purchasing Power, Gstav Cassel [VIANNA, PEDRO JORGE; PARIDADE DO PODER DE COPRA: TEORIA OU ETODOLOGIA?]. Recfe. V Enconro de Economsas da Língua Poruguesa, 5-7 de novembro de 2003. TÍTULO: PARIDADE DO PODER DE COPRA: TEORIA OU ETODOLOGIA?

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO

ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO Roque Passos Pvel Escola Polécnca da Unversdade de São Paulo - EPUSP Pedro Alem Sobrnho Escola Polécnca da Unversdade

Leia mais

da rede são atualizados de acordo com a equação 2 [13]:

da rede são atualizados de acordo com a equação 2 [13]: LS-DRAUGHTS - UM SISTEMA DE ARENDIZAGEM ARA DAMAS COM GERAÇÃO AUTOMÁ- TICA DE CARACTERÍSTICAS HENRIQUE CASTRO NETO, RITA MARIA SILVA JULIA Faculdade de Compuação, Unversdade Federal de Uberlânda Av. João

Leia mais

ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO

ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO TUTORIAL Marcos Anôno de Camargos Admnsrador de Empresas, MBA em Gesão Esraégca (Fnanças), Mesre em Admnsração pelo NUFI/CEPEAD/FACE/UFMG e Professor do Cenro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PIMES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DOUTORADO EM ECONOMIA MARCOS ROBERTO GOIS DE OLIVEIRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PIMES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DOUTORADO EM ECONOMIA MARCOS ROBERTO GOIS DE OLIVEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PIMES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DOUTORADO EM ECONOMIA MARCOS ROBERTO GOIS DE OLIVEIRA GERENCIAMENTO DO RISCO DE MERCADO BASEADO NO VALUE AT RISK ESTÁTICO

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

Denilson Ricardo de Lucena Nunes. Gestão de suprimentos no varejo

Denilson Ricardo de Lucena Nunes. Gestão de suprimentos no varejo Denlson Rcardo de Lucena Nunes Gesão de suprmenos no varejo semas de reposção de esoques em duas camadas e análse de esquemas de monorameno da prevsão de demanda Tese de Douorado Tese apresenada ao programa

Leia mais

Avaliação Inter/Intra-regional de absorção e difusão tecnológica no Brasil: Uma abordagem não-paramétrica. AUTORES.

Avaliação Inter/Intra-regional de absorção e difusão tecnológica no Brasil: Uma abordagem não-paramétrica. AUTORES. Avalação Iner/Inra-regonal de absorção e dfusão ecnológca no Brasl: Uma abordagem não-paramérca. Palavras chave: Efcênca écnca Produvdade oal Varação ecnológca AUTORES Emerson Marnho ouor em Economa pela

Leia mais

Renda Básica da Cidadania versus Imposto de Renda Negativo: O Papel dos Custos de Focalização

Renda Básica da Cidadania versus Imposto de Renda Negativo: O Papel dos Custos de Focalização Renda Básca da Cdadana versus Imposo de Renda Negavo: O Papel dos Cusos de Focalzação Nelson Leão Paes Marcelo Leer Squera Re s u m o O presene argo procura comparar duas polícas socas alernavas de combae

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMPÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMPÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO AULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO SÃO AULO 28 THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMÍRICOS DA EFICIÊNCIA

Leia mais

Ricardo Ratner Rochman FGV-EAESP. William Eid Junior FGV-EAESP

Ricardo Ratner Rochman FGV-EAESP. William Eid Junior FGV-EAESP INSIDERS CONSEGUEM RETORNOS ANORMAIS?: ESTUDOS DE EVENTOS SOBRE AS OPERAÇÕES DE INSIDERS DAS EMPRESAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DIFERENCIADA DA BOVESPA Rcardo Raner Rochman FGV-EAESP Wllam Ed Junor FGV-EAESP

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

Análise RFV do Cliente na Otimização de Estratégias de Marketing: Uma Abordagem por Algoritmos Genéticos

Análise RFV do Cliente na Otimização de Estratégias de Marketing: Uma Abordagem por Algoritmos Genéticos Análse RFV do Clene na Omzação de Esraégas de Markeng: Uma Abordagem por Algormos Genécos Anderson Gumarães de Pnho Ponfíca Unversdade Caólca do Ro de Janero Ro de Janero RJ Brasl agp.ne@gmal.com 1. Inrodução

Leia mais

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA MODELO DE APOIO À DECISÃO PARA UM PROBLEMA DE POSICIONAMENTO DE BASES, ALOCAÇÃO E REALOCAÇÃO DE AMBULÂNCIAS EM CENTROS URBANOS: ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO RESUMO Ese argo apresena uma proposa

Leia mais

Exemplo pág. 28. Aplicação da distribuição normal. Normal reduzida Z=(900 1200)/200= 1,5. Φ( z)=1 Φ(z)

Exemplo pág. 28. Aplicação da distribuição normal. Normal reduzida Z=(900 1200)/200= 1,5. Φ( z)=1 Φ(z) Exemplo pág. 28 Aplcação da dsrbução ormal Normal reduzda Z=(9 2)/2=,5 Φ( z)= Φ(z) Subsudo valores por recurso à abela da ormal:,9332 = Φ(z) Φ(z) =,668 Φ( z)= Φ(z) Φ(z) =,33 Φ(z) =,977 z = (8 2)/2 = 2

Leia mais

5 Apreçamento de ESOs com preço de exercício fixo

5 Apreçamento de ESOs com preço de exercício fixo 5 Apreçameno de ESOs com preço de exercíco fxo Ese capíulo rá explorar os prncpas modelos de apreçameno das ESOs ulzados hoje em da. Neses modelos a regra de decsão é esruurada em orno da maxmzação do

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

Índice de Preços Imobiliários para o Brasil: Estudos para Discussão

Índice de Preços Imobiliários para o Brasil: Estudos para Discussão Mnséro do Planejameno, Orçameno e Gesão Insuo Braslero de Geografa e Esaísca IBGE Dreora de Pesqusas Coordenação de Índces de Preços Ssema Naconal de Índces de Preços ao Consumdor SNIPC Índce de Preços

Leia mais

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 Paulo J. Körbes 2 Marcelo Marins Paganoi 3 RESUMO O objeivo dese esudo foi verificar se exise influência de evenos de vencimeno de conraos de opções sobre

Leia mais

EFEITOS DA MIGRAÇÃO PARA OS NÍVEIS DE GOVERNANÇA DA BOVESPA

EFEITOS DA MIGRAÇÃO PARA OS NÍVEIS DE GOVERNANÇA DA BOVESPA EFEITOS DA MIGRAÇÃO PARA OS NÍVEIS DE GOVERNANÇA DA BOVESPA TRABALHO PREPARADO PARA A BOVESPA Anono Gledson de Carvalho (esa versão: Janero/23) RESUMO Muo em-se ressalado sobre a mporânca de uma boa governança

Leia mais

A estrutura a termo de taxas de juros no Brasil: modelos, estimação, interpolação, extrapolação e testes

A estrutura a termo de taxas de juros no Brasil: modelos, estimação, interpolação, extrapolação e testes A esruura a ermo de axas de juros no Brasl: modelos, esmação, nerpolação, exrapolação e eses Sergo Lus Frankln Jr. Thago Baraa Duare César da Rocha Neves + Eduardo Fraga L. de Melo ++ M.Sc., SUSEP/CGSOA

Leia mais

1- Testes Acelerados. Como nível usual entende-se o nível da variável stress a que o componente ou aparelho será submetido no dia-adia.

1- Testes Acelerados. Como nível usual entende-se o nível da variável stress a que o componente ou aparelho será submetido no dia-adia. - Teses Aelerados São de rande mporâna na ndúsra espealmene na ndúsra elero-elerôna em que eses de empos de vda demandam muo empo. (os produos são muo onfáves) Inorporação de uma arável-sress adonada a

Leia mais

Otimização no Planejamento Agregado de Produção em Indústrias de Processamento de Suco Concentrado Congelado de Laranja

Otimização no Planejamento Agregado de Produção em Indústrias de Processamento de Suco Concentrado Congelado de Laranja Omzação no Planeameno Agregado de Produção em Indúsras de Processameno de Suco Concenrado Congelado de Larana José Renao Munhoz Crova Agro Indusral Lda., 15800-970, Caanduva, SP (ose.munhoz@crova.com)

Leia mais

4 - ANÁLISE DE SÉRIES TEMPORAIS

4 - ANÁLISE DE SÉRIES TEMPORAIS INE 700 Aálse de Séres Temporas 4 - ANÁLISE DE SÉRIES TEMPORAIS Sére Temporal é um cojuo de observações sobre uma varável, ordeado o empo, e regsrado em períodos regulares. Podemos eumerar os segues exemplos

Leia mais

ANÁLISE CONDICIONADA DA DEMANDA COM CORREÇÃO DE HETEROCEDASTICIDADE

ANÁLISE CONDICIONADA DA DEMANDA COM CORREÇÃO DE HETEROCEDASTICIDADE ANÁLISE CONDICIONADA DA DEMANDA COM CORREÇÃO DE HETEROCEDASTICIDADE Angela Crsna Morera da Slva UFRJ/COPPE - Unversdade Federal do Ro de Janero, Cenro de Tecnologa, Bloco F, sala 114, Cdade Unversára Ro

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

Esta monografia é dedicada a Letícia e aos meus pais, João e Adelangela

Esta monografia é dedicada a Letícia e aos meus pais, João e Adelangela Esa monografa é dedcada a Leíca e aos meus pas, João e Adelangela Agradecmenos Gosara de agradecer ao Prof. Vrgílo, pelo apoo e orenação dados durane ese e ouros rabalhos. Agradeço ambém a meus colegas

Leia mais

PROF. DR. JACQUES FACON LIMIARIZAÇÃO POR ENTROPIA DE WULU

PROF. DR. JACQUES FACON LIMIARIZAÇÃO POR ENTROPIA DE WULU 1 PUCPR- Ponfíca Unversdade Caólca Do Paraná PPGIA- Programa de Pós-Graduação Em Informáca Aplcada PROF. DR. JACQUES FACON IMIARIZAÇÃO POR ENTROPIA DE WUU Resumo: Uma nova écnca de marzação baseada em

Leia mais

O MERCADO DE CÂMBIO E A TAXA DE CÂMBIO NA ECONOMIA BRASILEIRA: 1999 A 2007

O MERCADO DE CÂMBIO E A TAXA DE CÂMBIO NA ECONOMIA BRASILEIRA: 1999 A 2007 FRANCISCO CARLOS DA CUNHA CASSUCE O MERCADO DE CÂMBIO E A TAXA DE CÂMBIO NA ECONOMIA BRASILEIRA: 999 A 007 Tese apresenada à Unversdade Federal de Vçosa, como pare das exêncas do Prorama de Pós- Graduação

Leia mais

7. FILTROS PASSIVOS E ATIVOS

7. FILTROS PASSIVOS E ATIVOS 7. FILTROS PASSIVOS E ATIVOS São esudadas nese capíulo esruuras de crcuos capazes de mgar o problema de dsorção de correnes e/ou ensões em ssemas elércos. Inca-se com os flros passvos, verfcando alguns

Leia mais

Análise Discriminante: classificação com 2 populações

Análise Discriminante: classificação com 2 populações Análse Dscrmnane: classcação com oulações Eemlo : Proreáros de coradores de rama oram avalados seundo duas varáves: Renda U$ ; Tamanho da roredade m. Eemlo : unção dscrmnane unvarada ~ ama4 4 3 e ~ ama8.5

Leia mais

Análise de Eficiência Energética em Sistemas Industriais de Ventilação

Análise de Eficiência Energética em Sistemas Industriais de Ventilação Aálse de Efcêca Eergéca em Ssemas Idusras de elação Kleber Davd Belovsk, Déco Bspo, Aôo Carlos Delaba, Sérgo Ferrera de aula Slva Faculdade de Egehara Elérca da Uversdade Federal de Uberlâda UFU, Aveda

Leia mais

Análise genética de escores de avaliação visual de bovinos com modelos bayesianos de limiar e linear

Análise genética de escores de avaliação visual de bovinos com modelos bayesianos de limiar e linear Análse genéca de escores de avalação vsual 835 Análse genéca de escores de avalação vsual de bovnos com modelos bayesanos de lmar e lnear Carna Ubrajara de Fara (1), Cláudo Ulhôa Magnabosco (2), Lúca Galvão

Leia mais

Renda Básica da Cidadania ou Imposto de Renda Negativo: Qual o Mais Eficiente no Combate a Pobreza?

Renda Básica da Cidadania ou Imposto de Renda Negativo: Qual o Mais Eficiente no Combate a Pobreza? Renda Básca da Cdadana ou Imposo de Renda Negavo: Qual o Mas Efcene no Combae a Pobreza? Auores Nelson Leão Paes Marcelo Leer Squera Ensao Sobre Pobreza Nº 12 Feverero de 2008 CAEN - UFC 1 Renda Básca

Leia mais

Nota Técnica sobre a Circular nº 2.972, de 23 de março de 2000

Nota Técnica sobre a Circular nº 2.972, de 23 de março de 2000 Noa Técnca sobre a rcular nº 2.972, de 23 de março de 2000 Meodologa ulzada no processo de apuração do valor da volaldade padrão e do mulplcador para o da, dvulgados daramene pelo Banco enral do Brasl.

Leia mais

Crescimento econômico e restrição externa: Um modelo de simulação pós-keynesiano

Crescimento econômico e restrição externa: Um modelo de simulação pós-keynesiano Crescmeno econômco e resrção exerna: Um modelo de smulação pós-keynesano Mara Isabel Busao 1 Maro Luz Possas 2 Resumo O argo busca dscur a dnâmca do crescmeno econômco das economas em desenvolvmeno a parr

Leia mais

CRESCIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE: O QUE ESTÁ FALTANDO PARA ENTENDER O ELO ENTRE ELES?

CRESCIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE: O QUE ESTÁ FALTANDO PARA ENTENDER O ELO ENTRE ELES? RESUMO CRESCIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE: O QUE ESTÁ FALTANDO PARA ENTENDER O ELO ENTRE ELES? Fábo Henrque Granja e Barros 1 Bernardo Mueller 2 Jorge Madera Noguera 3 Exse vasa leraura empírca ressalando

Leia mais

CIBRIUS INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE SOCIAL

CIBRIUS INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE SOCIAL CIBRIUS INSTITUTO CONAB SEGURIDA SOCIAL Plano ConabPrev (COM BASE NA PROPOSTA REGULAMENTO A SER SUBMETIDA A PREVIC Noa Técnca Auaral 060/13 (Refcada) Agoso/2015 1 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 5 2 GLOSSÁRIO...

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

Universidade Federal de Lavras

Universidade Federal de Lavras Universidade Federal de Lavras Deparameno de Ciências Exaas Prof. Daniel Furado Ferreira 8 a Lisa de Exercícios Disribuição de Amosragem 1) O empo de vida de uma lâmpada possui disribuição normal com média

Leia mais

Programação Não Linear Irrestrita

Programação Não Linear Irrestrita EA 044 Planejameno e Análse de Ssemas de Produção Programação Não Lnear Irresra DCA-FEEC-Uncamp Tópcos -Inrodução -Busca undmensonal 3-Condções de omaldade 4-Convedade e omaldade global 5-Algormos DCA-FEEC-Uncamp

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

Gestão de uma Carteira de Activos de Produção de Energia Eléctrica

Gestão de uma Carteira de Activos de Produção de Energia Eléctrica Gesão de uma Carera de Acvos de Produção de Energa Elécrca Invesmeno na ópca da Teora da Carera Mara Margarda D Ávla Duro de Sousa e Slva Dsseração para a obenção do Grau de Mesre em Engenhara e Gesão

Leia mais

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010 AVALIAÇÃO ATUARIAL Daa da Avaliação: 3/2/200 Dados do Plano Nome do Plano: CEEEPREV CNPB: 20.020.04-56 Parocinadoras: Companhia Esadual de Geração e Transmissão de Energia Elérica CEEE-GT Companhia Esadual

Leia mais

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza 9/04/06 Escolha do Consumdor sob condções de Rsco e de Incerteza (Capítulo 7 Snyder/Ncholson e Capítulo Varan) Turma do Prof. Déco Kadota Dstnção entre Rsco e Incerteza Na lteratura econômca, a prmera

Leia mais

(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE IME 2013 DISCURSIVAS FÍSICA FÍSICA. , devido à equação (1). Voltando à equação (2) obtemos:

(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE IME 2013 DISCURSIVAS FÍSICA FÍSICA. , devido à equação (1). Voltando à equação (2) obtemos: (9) - O LIT SOLV IM DISCUSIVS ÍSIC USTÃO ÍSIC sendo nula a velocdade vercal ncal v, devdo à equação (). Volando à equação () obemos:,8 ˆj ˆj b) Dado o momeno lnear da equação () obemos a velocdade na dreção

Leia mais

ESTOQUE DE RIQUEZA E A POUPANÇA DO SETOR PRIVADO NO BRASIL 1970/95 *

ESTOQUE DE RIQUEZA E A POUPANÇA DO SETOR PRIVADO NO BRASIL 1970/95 * TEXTO PARA DISCUSSÃO N ο 572 ISSN 1415-4765 ESTOQUE DE RIQUEZA E A POUPANÇA DO SETOR PRIVADO NO BRASIL 1970/95 * Luclene Morand ** Ro de Janero, julho de 1998 * A esmação do esoque de rqueza nerna, angível

Leia mais

O díodo. Dispositivo de dois terminais

O díodo. Dispositivo de dois terminais eparameno de Engenhara Elecroécnca (EE) sposvo de dos ermnas Ânodo O díodo Cáodo Componene elemenar não-lnear ulzado em crcuos muo varados Aplcações: conversores de poênca AC/C recfcadores, processameno

Leia mais

MOMENTO ÓTIMO PARA INVESTIR EM PROJETOS DE MINERAÇÃO: UMA ANÁLISE POR OPÇÕES REAIS E TEORIA DOS JOGOS

MOMENTO ÓTIMO PARA INVESTIR EM PROJETOS DE MINERAÇÃO: UMA ANÁLISE POR OPÇÕES REAIS E TEORIA DOS JOGOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ALEXANDRE DE CÁSSIO RODRIGUES MOMENTO ÓTIMO PARA INVESTIR EM PROJETOS DE MINERAÇÃO: UMA ANÁLISE POR OPÇÕES REAIS E TEORIA DOS JOGOS Belo Horzone MG 202 UNIVERSIDADE

Leia mais

Guia de Recursos e Atividades

Guia de Recursos e Atividades Guia de Recursos e Aividades girls worldwide say World Associaion of Girl Guides and Girl Scous Associaion mondiale des Guides e des Eclaireuses Asociación Mundial de las Guías Scous Unir as Forças conra

Leia mais

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB Revisa Fafibe On Line n.3 ago. 007 ISSN 808-6993 www.fafibe.br/revisaonline Faculdades Inegradas Fafibe Bebedouro SP Influência de Variáveis Meeorológicas sobre a Incidência de Meningie em Campina Grande

Leia mais

CRESCIMENTO E DESIGUALDADE: PROSPERIDADE VERSUS ARMADILHAS DA POBREZA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DOS ESTADOS BRASILEIROS*

CRESCIMENTO E DESIGUALDADE: PROSPERIDADE VERSUS ARMADILHAS DA POBREZA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DOS ESTADOS BRASILEIROS* CRESCIMENTO E DESIGUALDADE: PROSPERIDADE VERSUS ARMADILHAS DA POBREZA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DOS ESTADOS BRASILEIROS* Renaa Couo Morera 1, Marcelo José Braga 2 e Slva Harum Toyoshma 3 Resumo: O problema

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

O CUSTO DE BEM ESTAR DA INFLAÇÃO COM TRIBUTAÇÃO DISTORCIONÁRIA*

O CUSTO DE BEM ESTAR DA INFLAÇÃO COM TRIBUTAÇÃO DISTORCIONÁRIA* O CUSTO DE BEM ESTAR DA INFLAÇÃO COM TRIBUTAÇÃO DISTORCIONÁRIA* 81 Bernardno Adão** André C. Sva*** Argos Resumo Mosramos que o uso de bem-esar dmnu quando se em em ona que a rbuação é dsoronára. As esmavas

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

Belém Pará (Março de 2012)

Belém Pará (Março de 2012) Pardade Descobera da Taxa de Juros da Economa Braslera num Ambene de Crse Fnancera Mundal: Teora e Evdênca Empírca Davd Ferrera Carvalho(*) Resumo O argo em como propóso avalar o efeo da recene políca

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

Renata Amarante de Andrade Monte Alto UMA INVESTIGAÇÃO EMPÍRICA DA INFLUÊNCIA DO DESEMPENHO PASSADO DAS AÇÕES SOBRE MÚLTIPLOS PREÇO VALOR PATROMINAL

Renata Amarante de Andrade Monte Alto UMA INVESTIGAÇÃO EMPÍRICA DA INFLUÊNCIA DO DESEMPENHO PASSADO DAS AÇÕES SOBRE MÚLTIPLOS PREÇO VALOR PATROMINAL Ibmec São Paulo Faculdade de Economia e Adminisração Renaa Amarane de Andrade Mone Alo UMA INVESTIGAÇÃO EMPÍRICA DA INFLUÊNCIA DO DESEMPENHO PASSADO DAS AÇÕES SOBRE MÚLTIPLOS PREÇO VALOR PATROMINAL São

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

ffiffix b..\ ffi F. Turismo SGFII, SA Empreendimento Campo Real - Avaliagao de Campo de Golfe de 18 buracos - Turcifal - Torres Vedras -

ffiffix b..\ ffi F. Turismo SGFII, SA Empreendimento Campo Real - Avaliagao de Campo de Golfe de 18 buracos - Turcifal - Torres Vedras - ffffx ff ff r P con SULTO m U b..\ F, TuRrsMo - SGF, SA Ay'c. xma. Sra. Dra. Ra Magalh5es Rua vone Slva loe 6-30 Do 1050-124 Lsboa F. Tursmo SGF, SA mpreendmeno Campo Real - Avalagao de Campo de Golfe

Leia mais

BOLETIM. Nº. 02, Volume 1

BOLETIM. Nº. 02, Volume 1 BOLETIM SEÇÃO BRASILEIRA DA ISBA Nº. Volume Seembro 4 BOLETIM ISBRA Volume Número Seembro 4 Bolem Ofcal do Capíulo Braslero da Inernaonal Socey of Bayesan Analyss ISBRA Presdene: Secreáro: Tesourero: Josemar

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

Escola Secundária Dom Manuel Martins

Escola Secundária Dom Manuel Martins Escola Secundária Dom Manuel Marins Seúbal Prof. Carlos Cunha 1ª Ficha de Avaliação FÍSICO QUÍMICA A ANO LECTIVO 2006 / 2007 ANO II N. º NOME: TURMA: C CLASSIFICAÇÃO Grisson e a sua equipa são chamados

Leia mais