Índice de Preços Imobiliários para o Brasil: Estudos para Discussão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Índice de Preços Imobiliários para o Brasil: Estudos para Discussão"

Transcrição

1 Mnséro do Planejameno, Orçameno e Gesão Insuo Braslero de Geografa e Esaísca IBGE Dreora de Pesqusas Coordenação de Índces de Preços Ssema Naconal de Índces de Preços ao Consumdor SNIPC Índce de Preços Imobláros para o Brasl: Esudos para Dscussão DEZEMBRO/2010 1

2 Índce de Preços Imobláros para o Brasl: Esudos para Dscussão Fláva Vnhaes Sanos 1 Marlon Bruno Salazar 2 1. INTRODUÇÃO Váras pesqusas êm sdo nensamene conduzdas na busca pelo melhor méodo de avalação de fluuações no preço da morada. Do pono de vsa eórco, não é possível defnr qual meodologa obera melhores resulados, mas, sob uma perspecva práca, pelo fao de o seor mobláro guardar caraceríscas basane dsnas quando comparados dferenes países, a dversdade de méodos só vem a ajudar. A dsponbldade de dados, a rqueza de dealhameno dos mesmos e a sua perodcdade pracamene delmam a meodologa a ser adoada. A complexdade de se consrur um Índce de Preços de Imóves derva parcularmene da dfculdade em se capar preços de resdêncas semelhanes num deermnado período de empo. Por ser ese um mercado muo heerogêneo, os preços sofrem grande nfluênca de quasquer caraceríscas que possam dsngur os móves. Anda que fosse possível enconrar produos basane semelhanes, pequenas dferenças de localzação já seram sufcenes para exercer vsível nfluênca nos preços de venda. É por ese movo que alguns países adoam o méodo de vendas repedas como forma de acompanhar o mesmo móvel ao longo do empo, enando mnmzar a 1 Economsa IBGE/DPE/COINP, 2 Economsa IBGE/DPE/COINP, 2

3 heerogenedade do produo. Enreano, em algumas economas onde ese mercado responde por menor lqudez, ese méodo orna-se nvável. Ademas, problemas de deprecação e obras de melhoras ambém nfluencaram o valor fnal e abrram espaço para se quesonar a precsão do índce. Os demas méodos, abordados ao longo dese rabalho, apresenam gualmene algumas lmações quano à dfculdade do ajuse de qualdade nas moradas. Os Índces de Preços de Imóves já exsenes em ouros países vêm sendo ulzados enquano uma mporane ferramena de monorameno dese mercado, agndo, drea ou ndreamene, ano para auxlar as decsões prácas de ofera e demanda de móves quano para acompanhar a condução de polícas econômcas. Nos úlmos anos, observa-se no Brasl um elevado número de ransações de compra e venda de móves foremene assocado ao aumeno do fnancameno mobláro de longo prazo, alado à crescene renda e maor geração de empregos, mpacando no movmeno dos preços de móves resdencas em odo o País. Por ese movo, em sdo dscuda a necessdade de um rgoroso acompanhameno do seor por órgãos responsáves de forma a capar o movmeno dese mercado. Nese conexo, a cração de um Índce de Preços de Imóves vem preencher esa lacuna. O objevo dese argo é apresenar fones, méodos e experêncas nernaconas de modo a servr de base para a produção de um índce de preços de móves braslero que aenda às necessdades da socedade de forma ampla e aproprada. Para angr al objevo, ese rabalho esá dvddo em ses seções, além da nrodução, a segunda seção apresena os dferenes usos do Índce de Preços de Imóves, a ercera seção apresena as prncpas meodologas ulzadas, a quara seção descreve as experêncas nernaconas mas relevanes, a quna seção dscue as possbldades e possíves aplcações para o Brasl e, por úlmo, na sexa seção conclu-se o rabalho. 2. DIFERENTES USOS DO ÍNDICE DE PREÇOS IMOBILIÁRIOS A evolução do mercado mobláro em muos países movou dversos esudos com a fnaldade de se compreender o comporameno dese seor. O Índce de Preços de Imóves em sdo ulzado enquano uma mporane ferramena de monorameno dese 3

4 mercado, agndo drea ou ndreamene, ano para auxlar as decsões prácas de ofera e demanda de móves quano para acompanhar a condução de polícas econômcas. Denre as dversas possbldades de uso do índce, a opção por uma delas é que rá defnr a meodologa aproprada a ser adoada. Uma breve vsão dos dferenes usos para o Índce de Preços Imobláros apresenada no relaóro da EUROSTAT (2010) segue abaxo: 2.1. Como um ndcador macroeconômco de nflação O aumeno do preço da morada esá frequenemene assocado a períodos de expansão econômca, assm como a queda dos preços cosuma corresponder a um desaquecmeno da economa. Goodhard and Hofman (2006), cados no Relaóro EUROSTAT (2010), analsaram que denre alguns países ndusralzados observados, em 16 deses exse uma fore correlação enre o preço de móves e a avdade econômca, anda que não se possa afrmar se exse uma relação de causaldade ou uma smples concdênca. O que se pode dzer é que o aumeno do preço da morada normalmene esmula a economa aravés de quaro canas: a) Dos empregos e da renda gerada nese seor, como, por exemplo, a remuneração dos correores e as axas/mposos pagos pela ransferênca de propredade; b) Do aumeno do gaso em consumo, pela elevada confança do consumdor que resula em gasos com reparos e melhoramenos na morada assm como ouros ens de consumo; c) Do aumeno da avdade econômca, prncpalmene a consrução cvl, vso que expecavas omsas em relação a reornos fuuros do nvesmeno na morada levam as consruoras a consrur mas edfícos, dnamzando o mercado mobláro; e d) Do aumeno de preços nese mercado e o efeo rqueza levam a novas oporundades de nvesmeno. 4

5 É adoado como ndcador macroeconômco de nflação e sugere-se que ese seja um dos subíndces do Índce de Preços ao Consumdor - daqu em dane chamado de IPC - a ser paralelamene acompanhado pelos agenes econômcos na busca por um melhor monorameno do mercado e da evolução dos preços, pos a dversdade de ndcadores proporconara um melhor enendmeno sobre economa, em geral, e a endênca da nflação, em parcular Condução da políca moneára e de meas O preço das resdêncas pode desempenhar um mporane papel na condução das polícas econômcas, denre elas a políca moneára. Iso aconece parcularmene quando o índce mobláro é ulzado como uma varável relevane na formulação de polícas moneáras ou quando as meas de nflação ncluem, de alguma forma, o cuso da morada e depos refleem, em pare, uma endênca no preço das mesmas. Anda assm é mporane sublnhar que não exse nenhum padrão nernaconal para a nclusão do cuso de morada no índce de preço, ao consumdor, parcularmene quando ese é ulzado como referênca num ssema de meas de nflação. Apenas dscuese que a nclusão dese cuso num índce ao consumdor elevara a relevânca ano do índce quano da mea para a nflação Como medda de rqueza O preço dos móves compõe uma mporane proxy da renda agregada da economa. O aumeno do preço da morada leva ao aumeno da renda naconal e vce-versa. Do pono de vsa do propreáro, sso se dá porque a habação é o únco nvesmeno que as famílas fazem e, dessa forma, ese efeo renda pode levar os ndvíduos a aumenarem seu consumo ou capar crédo. No longo prazo, a compra da casa própra pode levar a um sgnfcavo ganho de capal para o propreáro, vso que poderá gerar um reorno enquano renda de aluguel. 5

6 2.4. Indcador para medr a exposção ao rsco São ndcadores que reraam a soldez do ssema fnancero e das nsuções do país. O Fundo Moneáro Inernaconal juno à comundade nernaconal crou um índce (FSI Fnancal Soundness Indcaors) com a fnaldade de melhor embasar análses macroeconômcas e demonsrar as forças e vulnerabldades do ssema fnancero de forma a enar combaer o crescene número de crses bancáras que ocorreram em anos recenes. O índce nclu dados agregados das nsuções e ouros ndcadores represenavos do mercado, onde nsuções fnanceras operam, nclundo esaíscas de móves não só referenes a preço de venda, mas ambém relavas a fnancameno mobláro ou quandade de resdêncas adqurdas à vsa, sem a necessdade de fnancameno, a axa méda de emprésmos por preço de móvel e volume de ransações Como deflaor para as Conas Naconas Alguns Insuos de Esaísca ulzam o índce de preço de móves para deflaconar o valor correne das resdêncas novas Para auxlar os ndvíduos na decsão da compra da morada A compra ou venda da morada é pcamene a maor ransação fnancera que uma famíla rá se envolver ao longo da vda. Mudanças no preço das resdêncas rão nfluencar subsancalmene a decsão de compra da casa assm como a admnsração dos recursos para al. Esa ransação é consderada pelas famílas não só a oporundade de aqusção da casa própra com fns de morada, mas ambém uma oporundade de nvesmeno no longo prazo. O nível de preços correnes, juno às expecavas sobre as endêncas fuuras dos preços e axas de juros para fnancameno, rá nfluencar as decsões dos ndvíduos de adqurrem a morada no momeno presene ou posergarem esa 6

7 compra para um momeno fuuro. Por sso, eses rão consderar em sua omada de decsão o mpaco da varação de preço dos móves Como nformação para a consrução de ouros índces, parcularmene o Índce de Preços ao Consumdor O preço dos móves rá afear o cálculo da nflação quando o Índce de Preços ao Consumdor nclur o cuso da morada. Além do mas a nflação é ndreamene afeada quando o preço dos móves repercue no mercado de aluguel, que consu um dos elemenos do IPC, assm como no caso da mpuação do aluguel que em alguns países é ulzada como proxy do cálculo do cuso da morada Para comparação nernaconal A cração de um índce de móves pode ser úl como um comparavo enre países, nclusve podendo ser ulzado para o acompanhameno de endêncas dese mercado nos dsnos países. Obvamene é necessáro que a meodologa adoada seja padronzada, assm como o período de apuração, o que já vem ocorrendo na área do Euro. 3. MÉTODOS A consrução de um Índce de Preços em como pono de parda a colea de preço de um mesmo produo enre dos períodos dsnos, porém no caso de um Índce de Preços de Imóves, o rabalho de colear preço do mesmo produo mpõe dfculdades, prncpalmene por causa das caraceríscas dsnas, ou seja, o esoque de móves é basane heerogêneo. Como argumena Dewer (2007), o problema fundamenal dos índces de preços de móves é que, mesmo acompanhando a mesma resdênca ao longo do empo, não há garanas de que a qualdade do móvel se manenha. A deprecação aua reduzndo a 7

8 qualdade enquano reparos e reformas melhoram a qualdade dos móves, prejudcando, assm, o acompanhameno consane do mesmo móvel. Ouro mporane problema desacado pelo auor, é que em muo países a revenda de móves é consderada baxa, ou seja, o mesmo móvel pode demorar alguns anos para volar a ser venddo, o que mplca pouca quandade de observações a serem ulzadas no cálculo do índce. Em paralelo, a fala de dados, em parcular, as caraceríscas ou arbuos das propredades podem dfcular a escolha do méodo de cálculo do Índce de Preços de Imóves. A segur, desaca-se os prncpas méodos ulzados em ouros países: 3.1. Méodo de Vendas Repedas O méodo de Vendas Repedas consse na ulzação das nformações de propredades que já foram venddas mas de uma vez. Como desaca EUROSTAT (2010), o méodo adme que não há mudanças de qualdade nas propredades. A abordagem de Vendas Repedas fo proposa ncalmene por Baley e al. (1963) e a sua prncpal aplcação proposa por Case e Shller (1987), dando orgem ao S&P/Case-Shller Home Prce Indces, prncpal índce de preços de móves nos Esados Undos. O modelo básco do méodo pode ser mosrado supondo que uma amosra de resdêncas fo vendda pela prmera vez no período s e revenddas no período (0 s < T) ln( p ) ln( p s p ) ln s p T 1 D T s 1 s D s s ( ) (3.1) em que, p e p s referem-se aos preços de um móvel nos períodos s e, D denoa varável dummy que recebe valor 1 para móvel venddo no período e 0 caso conráro. A equação (3.1) pode ser reescra como: s T * D 1 ln( p p ) (3.2) 8

9 em que, D * é uma varável dummy com valor 1 para a prmera venda e 1 para a revenda do móvel 3. Dewer (2007) desaca as prncpas vanagens e desvanagens do méodo de vendas repedas. Prncpas Vanagens: ) O méodo ulza apenas dados de preço e endereço, não sendo necessáro mas caraceríscas ou arbuos; e ) Os resulados são reproduíves, ou seja, é possível refazer os resulados de posse dos mesmo dados e raamenos. Prncpas Desvanagens: ) O méodo não ulza odas as nformações de venda dos móves, ulza apenas as undades que foram venddas no mínmo pela segunda vez; ) O méodo não raa adequadamene os móves que passaram por reparos ou reformas. A deprecação ambém não pode ser raada; ) A ulzação do méodo pressupõe um mercado relavamene grande de compra e venda de móves, pos só são ulzadas as nformações de móves que foram venddos pela segunda vez ou mas; e v) Pode er vés na amosra de dados, pos os móves comercalzados com mas nensdade podem er caraceríscas pouco comum no esoque de móves. O prncpal índce que ulza a meodologa de Vendas Repedas é o S&P/Case- Shller Home Prce Indces publcado pelo Banco Sandard & Poor s. O índce em perodcdade mensal, os dados são obdos em 20 regões dos EUA, e os dados são coleados após publcação nos regsros locas. São coleadas as nformações referenes ao endereço, daa e preço de venda, po de propredade e em alguns casos comprador, vendedor e monane fnancado. (S&P INDICES, 2009). 3 Mas dealhes a respeo da regressão por Vendas Repedas podem ser obdos em Wang e Zorn (1999). 9

10 Há de se desacar Canadá, onde exsem quaro dferenes pos de índces de preços de móves. Um deles o Terane Naonal Bank Compose House Prce Index - é calculado mensalmene para ses regões meropolanas: Oawa; Torono; Calgary; Vancouver; Monreal; e Halfax. A meodologa ulzada é baseada no méodo de Vendas Repedas Méodo de Avalação Ese méodo é uma exensão do méodo de Vendas Repedas. A dferença é que no lugar do prmero preço de venda de cada móvel, ese méodo ulza o preço de avalação da resdênca. Em muos países há mposos sobre propredades e, dessa forma, é possível que em alguns o preço de avalação do móvel seja compaível com o preço de mercado (DIEWERT, 2007). O méodo consse em comparar o preço de avalação com o preço de venda de cada móvel. O uso de Informações de Avalação é mporane para corrgr uma grande desvanagem do méodo de Vendas Repedas, a baxa ncdênca de revendas de móves Clapp e Gaccoo (1998). O méodo pode ser defndo como: p 0 n S 0 p P SA w 0 0 (3.3) a S a n S em que a 0 é o valor de avalação do móvel, 0 0 a w 0 a S é denomnado peso-valor do índce arméco, ou seja, o peso que cada móvel em no índce depende do seu valor no esoque de móves avalados e venddos. O prncpal índce de preços de móves a ulzar esa meodologa é o Sales Prce Apprasal Rao - SPAR proposo por Bourassa e al. (2006) para Nova Zelânda. Conudo como desaca Vres e al. (2009) ese méodo é ulzado desde a década de 1960 pela 10

11 Sascs New Zeland. Ouros países que o ulzam: Holanda (Sascs Neherlands); Dnamarca (Danmarks Sask); e Suéca (Sascs Sweden). Dewer (2007) desaca as prncpas vanagens e desvanagens do méodo de vendas repedas. Prncpas Vanagens: ) O méodo de avalação ulza muo mas nformações que o méodo de Vendas Repedas; ) Não ulza nformações de caraceríscas e arbuos; e ) Dados de avalação e vendas geralmene podem ser enconrados em regsros admnsravos. Prncpas desvanagens: ) O méodo não se adapa a mudanças de qualdade (reparos, reformas e deprecação). ) O méodo depende essencalmene da qualdade dos dados da avalação Méodo de Esrafcação O Méodo de Esrafcação se caracerza pela relava smplcdade meodológca e práca. Ese méodo consse em decompor o mercado de móves em esraos de acordo com caraceríscas comuns, como meragem, dade, padrão de acabameno, localzação enre ouros, com a fnaldade de ornar cada esrao o mas homogêneo possível. A forma maemáca pode ser expressa como: P 0 ES L w P (3.4) l 1 l 0 l em que L é o número de esraos, P o é o índce de preço médo ou medana da cada esrao, w l é o peso arbuído a cada esrao. A ponderação de cada esrao pode ser dada de duas 11

12 formas dsnas, dependendo das necessdades. Se o propóso do índce de preços de móves é medr a varação de preços do esoque de resdêncas, o valor do esoque de cada esrao ou subgrupo deve ser o parâmero relevane para deermnar o peso. Por ouro lado, se o objevo for medr a varação de preços dos móves comercalzados, a despesa ou valor de venda de cada esrao deve ser parâmero para deermnar o peso. Dewer (2007) desaca que um maor dealhameno das especfcações de cada esrao aumena a homogenedade e reduz o problema de mudança de qualdade. Por ouro lado, esrafcar em demasa reduz o número médo de observações em cada esrao, além de poder aumenar o erro padrão no índce agregado. O prncpal nsuo de esaísca a ulzar o méodo de esrafcação é o Ausralan Bureau of Sascs ABS. ABS produz e publca índces de preços de móves desde 1986 para oo capas ausralanas: Sydeney; Brsbane; Perh; Melbourne; Adelade Hobar; Darwn; e Canberra. O ssema de pesos é baseado no oal de esoque de resdêncas e ulza a medana como medda de endênca cenral, cujo uso se jusfca por consderarem como a medda que menos é afeada por oulers, como desacam Olczyk e Nedeck (2007). Prncpas Vanagens 4 : ) o méodo é conceualmene aceável, porém depende fundamenalmene das varáves ulzadas para esrafcar os dados; ) O índce de preços de móves pode ser consruído para dferenes pos de localdades, ou seja, é possível er índces regonas; e ) O méodo é fácl de aplcar e explcar. Prncpas Desvanagens: ) o méodo não conrola adequadamene mudança de qualdade nas resdêncas (deprecação, reparos e reformas); ) numa ordem de gradação, o méodo de esrafcação ulza mas nformações que os méodos de Vendas Repedas e de Avalação; e 4 Dewer (2007) e EUROSTAT (2010). 12

13 ) a qualdade dos dados de cada esrao depende da quandade de caraceríscas dsposas para ornar mas homogêneo o esrao Méodo de Regressão Hedônca O méodo hedônco reconhece os móves como bens basane heerogêneos, de forma que as caraceríscas e arbuos de cada resdênca deermnam seu preço. Cada móvel em um conjuno de caraceríscas que o dferencam dos demas, de modo que não há dos móves com um mesmo conjuno de arbuos. A écnca de regressão hedônca busca deermnar o preço mplíco ou sombra (shadow prce 5 ) dos arbuos de cada móvel. O modelo básco regrde o logarmo do preço de venda do móvel em relação às caraceríscas deermnscas somadas a uma varável dummy emporal, ou seja, uma varável que arbu valor 1 para deermnado ano e 0 caso conráro. Como pode ser vso na equação (3.5): T K D 1 k 1 ln( p ) z (3.5) k k em que, D denoa a varável dummy emporal, do móvel, é o ermo de erro denomnado ruído branco. z k represena o conjuno de caraceríscas k Como oda análse de regressão, as varáves explanaóras ncluídas no modelo são de grande mporânca. O modelo deve ser muo bem-especfcado para que se eve erros de omssão ou mesmo de excesso de varáves que podem vesar os resulados da análse. Mulcolneardade pode ser um problema mporane, pos pode haver ala correlação enre algumas varáves ncluídas no modelo de modo a afear o erro padrão e as esaíscas de eses dos coefcenes esmados (EUROSTAT, 2010). O prncpal nsuo de esaísca a ulzar o méodo de regressão hedônca é o Insuo Naconal de Esadísca - INE da Espanha, denomnado Índce de Precos de 5 Shadow Prce defne-se como sendo o preço arbuído a um bem ou servço na ausênca de um preço de mercado explíco. 13

14 Vvendas - IPV. Ese índce em perodcdade rmesral, cuja prncpal fone de dados são os caróros de regsros noáros (INE, 2009). Prncpas Vanagens: ) O índce de preços pode ser consruído para dferenes pos de locas e classes de móves; ) O méodo é provavelmene o mas efcene na ulzação dos dados dsponíves; e ) Se os dados dsponíves são sufcenemene dealhados, é possível ajusar o méodo a mudanças de qualdade, ano deprecação quano reparos e reformas. Prncpas Desvanagens: ) O méodo é nensvo na ulzação de dados, requer uma grande varedade de nformações das propredades e das caraceríscas ao redor; ) O méodo não é faclmene reproduível, pode-se assumr dferenes formas funconas para a regressão proposa; e ) O méodo não é faclmene explcável para o usuáro. 4. EXPERIÊNCIAS INTERNACIONAIS Ese capíulo em como objevo mosrar dealhes dos prncpas índces de preços de móves relaconando dferenes fones e méodos, de modo a exemplfcar as varadas aplcações em cada país abordado. 14

15 4.1. Esados Undos 6 O prncpal índce de preços de móves nos EUA é o S&P/Case-Shller Home Prce Indces, cuja meodologa fo desenvolvda pelos pesqusadores Karl E. Case e Rober J. Shller. O propóso do índce é medr a varação méda nos preços dos móves em dferenes regões do país. O índce é calculado mensalmene para as 20 maores regões meropolanas 7. O S&P/Case-Shller ulza o méodo de Vendas Repedas para calcular o índce, ulzando dados de móves que enham sdo venddos no mínmo duas vezes, de modo a capar a verdadera varação no preço de cada móvel. O índce busca maner consane o nível de qualdade dos móves e, para sso, qualquer aleração no padrão, amanho ou mudanças físcas nas resdêncas mplca na exclusão desa do cálculo do índce para evar erros de medção. É publcado, ambém, o S&P/Case-Shller U.S. Naonal Home Prce Index agregando odos os índces regonas e ulzando como peso o valor agregado do esoque de móves em cada período, cuja perodcdade é rmesral. Para o cálculo do índce, os dados são coleados de odas as ransações resdencas durane o mês em quesão. A prncpal varável ulzada no cálculo é a varação de preço no período em que o mesmo móvel fo venddo duas vezes. Os dados são coleados a parr do momeno que se ornam públcos nos escróros locas de regsro Nova Zelânda 8 Na Nova Zelânda, não há um índce ofcal de preços de móves. A empresa ProperyIQ Ld. produz Quoable Value House Prce Index QVHPI em parcera com a empresa esaal Quoable Value Ld., responsável pela avalação de móves. O QVHPI ulza o méodo Sales Prce Apprasal Rao SPAR. Os dados são coleados rmesralmene nas 74 auordades erroras, gerando um índce de preços de 6 Seção baseada em S&P Indces (2009) regões: Boson; Chcago; Denver; Las Vegas; Los Angeles; Mam; San Dego; San Francsco; Washngon DC; Alana; Charloe; Cleveland; Dallas; Dero; Mnneapols; Phoenx; Porland; Seale; e Tampa. 15

16 móves para cada uma e poserormene agregado com um ssema de pesos baseados no valor de esoque das resdêncas. Os resulados do QVHPI saem com uma defasagem de aproxmadamene rês meses do rmesre de referênca. Iso se deve às daa de venda, regsro nas auordades locas e o níco do cálculo pelos produores do índce. Todava, ese lag perme a consoldação de aproxmadamene 90% das vendas em odo o Terróro Naconal, o que garane precsão e confabldade ao índce Ausrála Desde 1986, o Ausralan Bureau of Sascs - ABS vem calculando o índce de preço mobláro para oo capas 9, assm como um índce agregado em nível naconal. O House Prce Index - HPI é calculado e dvulgado rmesralmene. Apesar de o méodo de elaboração do índce vr se aprmorando ao longo do empo, eles êm prorzado o méodo de esrafcação. Na composção do índce, o peso é dado pelo valor de esoque das moradas, e o índce é consruído medndo-se as varações da medana. Essa opção meodológca se jusfca pelo fao da medana ser a melhor medda de endênca cenral e menos afeada por oulers. Uma revsão do HPI, demandada pelo Reserve Bank of Ausrála Annual Repor (RBA), fo fea em 2004 pela ABS, devdo à consaação de haver defasagem nas nformações recebdas. O resulado fo uma mudança na forma como o HPI fo consruído, adoando uma base de esrafcação baseada na Esruura (refere-se às caraceríscas do móvel, como amanho, número de quaros, dade, ec.), Localdade (dsânca de shoppng cener, hospal, escola, ec.) e Vznhança (caraceríscas relaconadas com as condções socal e ambenal). Ese méodo é chamado S, L, N Srafcaon (srucural, locaonal and neghbourhood). Resulados de análses deermnaram que seram ulzadas quaro varáves esruuras, quaro varáves locaconas e uma de vznhança. As caraceríscas 8 Sascs New Zealand (2010). 9 Sydney, Melbourne, Brsbane, Adelade, Perh, Hobar, Darwn e Canberra. 16

17 esruuras são pesqusadas no Censo Populaconal e as caraceríscas de vznhança vêm do SEIFA (The Socoeconomc Index for Areas), que ndca o saus das áreas Espanha 10 Na Espanha o nsuo ofcal de esaísca, Insuo Naconal de Esadísca - INE, publca o Índce de Precos de Vvenda IPV, cujo prncpal objevo é medr a evolução do nível de preços de compra e venda de móves novos e usados ao longo do empo. Ouro mporane uso do IPV é servr de comparação enre os dferenes membros da Unão Europea. O IPV é um índce conjunural, de perodcdade rmesral, cujos dados ulzados represenam aproxmadamene 90% de odas as ransações de compra e venda de móves em odo o erróro espanhol. Os dados ulzados são fornecdos pelo Consejo General del Noarado aravés da Agenca Noaral de Cerfcacón - ANCERT. A ANCERT dsponblza nformações relavas a varáves de localzação, preço, arbuos e caraceríscas, quano ao comprador, daas e caraceríscas regonas. O méodo de cálculo do IPV é a Regressão Hedônca, que perme esmar preços rmesras por esrao, ndependene da quandade de móves venddos em cada período de empo. Desa forma, quano maor o grau de dealhameno, maor é o ajuse esaísco. A esruura de ponderação perme esabelecer a mporânca ou peso de cada esrao de móves frene a odas as demas, em função do gaso oal agregado durane um período de referênca. O que pode ser resumdo a parr de odos os méodos exposos é que comparações enre índces de preços de móves podem ser muo lmadas com relação aos resulados, pos a fone de dados, fnancados ou à vsa, usados ou novos, valor avalado ou preço de regsro, nerferem nos resulados, o que na práca pode sgnfcar comparar índces dferenes. 10 Seção baseada no INE (2009). 17

18 5. ÍNDICE DE PREÇOS DE IMÓVEIS NA REALIDADE BRASILEIRA Com uma população esmada em 190,7 mlhões de habanes 11 e um erróro de aproxmadamene 8,5 mlhões de km 2, o Brasl fgura como um dos maores países do mundo em ermos populaconal e erroral. Conudo, de acordo com nformações apresenadas pelo Mnséro das Cdades, com base em dados da PNAD 2008, o IBGE mosrou um défc habaconal esmado em 5,572 mlhões de domcílos naquele ano, o que corresponde a aproxmadamene 9,7% do esoque oal de domcílos exsenes no País. Por ouro lado, dados relaconados com a conjunura econômca aponam que o Brasl passa aualmene por vruosa fase de crescmeno econômco e desenvolvmeno socal, apresenando uma queda na axa de desemprego de 11,7%, em 2002, para 7,1%, aé seembro de 2010 e um aumeno de 4,1% no rendmeno médo mensal real por domcílo, de 2001 a Ademas, esmavas do Mnséro da Fazenda, sobre o produo braslero, preveem crescmeno do PIB real de 7,5% em As consaações de um cenáro macroeconômco benéfco em relação à renda e ao emprego, assocado ao cado défc habaconal, parecem er mpulsonado o fore crescmeno do mercado mobláro braslero nos úlmos anos. Some-se a as faos o aumeno da ofera de crédo e a expansão dos prazos, melhorando as condções de fnancameno que ambém nfluencam decsvamene nese crescmeno, gerando uma demanda de nformações seoras, denre as quas, dados relavos à varação de preços das moradas. Aravés das Pesqusas de Orçamenos Famlares - POF, desenvolvdas pelo IBGE, é possível observar (Fgura 1) o aumeno da parcpação das despesas moneáras e não moneáras mensas famlares com a aqusção e presação do móvel prncpal e ouros móves, por regão. Vale ressalar que al dsrbução agrega as regões urbana e rural. Abaxo, o gráfco com a proporção das despesas na POF 2002/2003 e 2008/ Segundo Censo 2010 (IBGE). 18

19 Gráfco 1 - Dsrbução das despesas com aqusção e presação do móvel - períodos , e ,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 Nore Nordese Sudese Sul Cenro Oese Fone: IBGE/POF. As escolhas que deermnam as fones de dados para o Índce de Preços de Imóves devem levar em consderação alguns créros, como, por exemplo, facldade na obenção dos dados, confabldade, abrangênca e ambém o cuso da colea. A preferênca por fones de dados admnsravos se deve prncpalmene ao baxo cuso da colea e da possível abrangênca, dado que odos os móves comercalzados devem ser regsrados em algum momeno no órgão responsável. Nese caso, vale desacar o banco de dados dsponível nas prefeuras, referenes ao Imposo sobre a Propredade Predal e Terroral Urbana - IPTU e ao Imposo sobre Transmssão de Bens Imóves - ITBI. Com relação ao banco de dados, foram feas duas vsas écncas às prefeuras de São Paulo e Ro de Janero com o nuo de frmar parceras para acesso ao banco de dados das referdas prefeuras. Conudo, ouras fones de dados podem ser levadas em consderação. A Caxa Econômca Federal é o banco com maor parcpação do mercado em fnancameno de móves com aproxmadamene 67% do mercado. Para que seja aprovada uma lnha de 19

20 fnancameno, é necessáro que se faça uma avalação do valor de mercado do móvel, o que possbla à CEF ober dados específcos sobre cada móvel fnancado. Depos de ser feo um mapeameno das possíves fones de dados, é necessáro deermnar o méodo adequado para o raameno e complação dos dados obdos. No capulo 3 dese rabalho, foram enumerados os prncpas méodos ulzados nos mas conceuados nsuos de esaísca. O que pode ser percebdo é que exse uma ordem de gradação enre os méodos lsados e a quandade de dados necessára. Do pono de vsa da quandade de dados, o méodo de Vendas Repedas necessa da menor quandade, enquano o méodo de Regressão Hedônca é o que necessa da maor quandade. Nese sendo, a escolha de uma fone, que possa fornecer odos os dados necessáros a um cuso/benefíco aproprado, deve ser levada em cona. Nese caso, a vanagem fca com a Caxa Econômca Federal, Insução que dspõe das nformações relavas a móves fnancados pelos fundos da poupança e FGTS. Resumndo, para a mplanação de um índce de preços de móves no Brasl será necessáro resolver quesões quano à: ) Perodcdade: Mensal, caso o mercado de compra e venda de móves seja sufcenemene grande, rmesral, caso conráro; ) Fone de dados: Dados admnsravos, fnancadores ou mesmo coleas especas; ) Coberura: Imóves novos e/ou usados, resdêncas e/ou comercas; v) Coberura geográfca: Naconal, regões meropolanas ou mesmo em alguns esados mas represenavos; v) Meodologa: Vendas Repedas, Avalação, Esrafcação ou Regressão Hedônca. v) Ponderação: Valor de esoque de móves ou valor agregado das vendas. Para efeos da produção do Índce de Preços de Imóves, o IBGE em parcera com a Caxa Econômca Federal, que dsponblzará os dados relavos aos móves fnancados pelos fundos da poupança e FGTS, deermnará o méodo a ser ulzado, assm como as formas de raameno dos dados, coberura, perodcdade, ponderação, e, por fm, dvulgará o índce. 20

21 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS Como vso, alguns países êm evoluído em muo no desenvolvmeno de méodos que vsam esmar a varação de preços de errenos e móves. Há os que se desacam pelo alcance de fore esruuração e refnameno do índce, como a Ausrála. No Brasl, se por um lado cada vez mas usuáros em poencal demandam por as esaíscas, os índces medem os cusos da consrução e não a varação de preços dos bens dos móves efevamene ransaconados no seor como um odo. Há, enão, que se consrur um ndcador de preços que reúna caraceríscas nerenes a uma esaísca de al pore e possbldades de usos por dversos seores de modo a aender a demanda da socedade e preencher a lacuna exsene. Um ndcador de preços cujos procedmenos meodológcos sejam revesdos de ransparênca, consruído a parr de dscussão e debaes com represenanes da socedade. Um ndcador que seja robuso, abrangene e, sobreudo, confável. Nese sendo, para ncar sua experênca na consrução de um ndcador que meça a evolução de preços dos móves, um País necessa analsar crerosamene cada uma das eapas a ser percorrda, observando as recomendações nernaconas exsenes. Desaca-se como eapa fundamenal, a mas mporane e base de odos os procedmenos, a análse das fones de nformações dsponíves. Iso porque sem as condções de qualdade requerdas no dado prmáro nenhuma esaísca em resulado adequado. Por esa razão os créros de seleção da fone de nformação para consrução do índce de móves deve examnar dealhadamene os aspecos a segur: Ponualdade: A fone deve esar hablada a dsponblzar os dados perodcamene no prazo necessáro para a produção e dvulgação do índce. Aualdade: Os dados devem ser os mas recenes possíves vsando a produção de um índce aual. Coberura: Irá se prorzar a fone cujos dados enham abrangênca por odo erróro naconal. Coneúdo: Os dados devem esar dsponíves no formao e caraceríscas necessáras para produção do índce. 21

22 Conclu-se, por fm, que odos os esforços devem ser volados para a defnção de uma boa e confável fone de nformações, sem o quê o ndcador produzdo pode não er o sgnfcado que se pensa esar nerpreando. 22

23 7. BIBLIOGRAFIA BAILEY, M. J; MUTH, R. F; NOURSE, H. O. A Regresson Mehod for Real Esae Prce Index Consrucon. Journal of he Amercan Sascal Assocaon. Vol. 58, no. 304, pp , Dsponível em: hp://www.jsor.org/sable/ BOURASSA, S. C; HOESLI, M; SUN, J. A Smple Alernave House Prce Index Mehod. Journal of Housng Economcs. pp Vol. 15(1) CASE, K. E; SHILLER, R. J. Prces of Sngle-Famly Homes Snce 1970: New Indexes for Four Ces. New England Economc Revew. pp CLAPP, J. M; GIACCOTTO, M. Prce Indces Based on he Hedonc Repea-Sale Mehod: Applcaon o he Housng Marke. Journal of Real Esae Fnance and Economcs, pp. 5-26, vol. 16(1) DIEWERT, E. The Pars OECD-IMF Workshop on Real Esae Prce Indexes: Conclusons and Fuure Drecons. Dscusson Paper Dsponível em: hp://www.oecd.org/documen/47/0,3343,en_2649_34355_ _1_1_1_1,00.hml. EUROSTAT. Handbook on Resdenal Propery Prce Indces. Dsponível em: hp://epp.eurosa.ec.europa.eu/poral/page/poral/hcp/mehodology/resdenal_propery_p rce_ndces FÁVERO, L. P. L, BELFIORE; P. P; LIMA, G. A. S. F. de. Modelos de Precfcação Hedônca de Imoves Resdencas na Regão Meropolana de São Paulo: Uma Aboradagem sob as Perpecvas da Demanda e da Ofera. Esasca Economca, vol. 38 n. 1, pp , jan-mar, INE INSTITUTO NACIONAL DE ESTADÍSTICA. Meodología de Ìndce de Precos de Vvenda. Madr, OLCZYK, A; NEIDECK, G. Measurng House Prce Movemens: Mehods, Issues and some Recen Experence n he Ausralan Conex. 10h Meeng of he UM Inernaonal Workng Group on Prce Indces PESQUISA DE ORÇAMENTOS FAMILIARES POF 2002/2003 E 2008/2009. IBGE. ROZENBAUM, S.; MACEDO-SOARES, T. D. L. V. Proposas para Consrução de um Índce local de Preços de Imovés a parr dos Lançamenos Imobláros de Condomínos Resdencas. Revsa de Admnsração Púbca. Vol. 41, pp , nov-dez,

24 STATISTICS NEW ZELAND. House Prce Measuremen n New Zealand. Wellngon, New Zealand S&P/CASE-SHILLER. S&P/Case-Shller Home Prce Indces: Index Mehodology Dsponvel em: hp://www.sandardandpoors.com/ndces/sp-case-shller-home- prce-ndces/en/us/?ndexid=spusa-cashpdff--p-us---- VRIES, P. de; HANN, J. de; MARIËN, G; WAL, E. van der. A House Prce Index Based on he SPAR Mehod. Journal of Housng Economcs. pp Vol. 18(3) WANG, T; ZORN, P. M. Esmang House Prce Growh wh Repea Sales Daa: Wha s he Am of he Game?. Journal of Housng Economcs. pp Vol. 6(2)

CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013. Padrão. Padrão. max i. I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4.

CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013. Padrão. Padrão. max i. I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4. CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013 Esabelece os procedmenos para o cálculo da parcela dos avos ponderados pelo rsco (RWA) referene às exposções sueas à varação de axas de uros prefxadas denomnadas

Leia mais

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. ECONOMETRIA Prof. Parca Mara Borolon. Sc. Modelos de ados em Panel Fone: GUJARATI;. N. Economera Básca: 4ª Edção. Ro de Janero. Elsever- Campus 006 efnções Geras Nos dados em panel a mesma undade de core

Leia mais

3 Planejamento da Operação Energética no Brasil

3 Planejamento da Operação Energética no Brasil 3 Planeameno da Operação Energéca no Brasl 3.1 Aspecos Geras O ssema elérco braslero é composo por dos dferenes pos de ssemas: os ssemas solados, os quas predomnam na regão Nore do Brasl e represenam cerca

Leia mais

ipea COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA

ipea COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA Paulo Mansur Levy Mara Isabel Fernans Serra Esa noa em como objevo dvulgar resulados relavos ao comporameno das exporações e mporações produos ndusras

Leia mais

S&P Dow Jones Indices: Metodologia da matemática dos índices

S&P Dow Jones Indices: Metodologia da matemática dos índices S&P Dow Jones Indces: Meodologa da maemáca dos índces S&P Dow Jones Indces: Meodologa do índce Ouubro 2013 Índce Inrodução 3 Dferenes varedades de índces 3 O dvsor do índce 4 Índces ponderados por capalzação

Leia mais

2 Programação Matemática Princípios Básicos

2 Programação Matemática Princípios Básicos Programação Maemáca Prncípos Báscos. Consderações Geras Os objevos dese capíulo são apresenar os conceos de Programação Maemáca (PM) necessáros à compreensão do processo de omzação de dmensões e descrever

Leia mais

CAPÍTULO 1 REPRESENTAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS. Sistema monovariável SISO = Single Input Single Output. s 1 s 2. ... s n

CAPÍTULO 1 REPRESENTAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS. Sistema monovariável SISO = Single Input Single Output. s 1 s 2. ... s n 1 CAPÍTULO 1 REPREENTAÇÃO E CLAIFICAÇÃO DE ITEMA 1.1. Represenação de ssemas 1.1.1. semas com uma enrada e uma saída (IO) e sema monovarável IO = ngle Inpu ngle Oupu s e = enrada s = saída = ssema 1.1..

Leia mais

Impacto da Educação Defasada sobre a Criminalidade no Brasil: 2001-2005

Impacto da Educação Defasada sobre a Criminalidade no Brasil: 2001-2005 1 Impaco da Educação Defasada sobre a Crmnaldade no Brasl: 2001-2005 Evandro Camargos Texera Ana Lúca Kassouf Seembro, 2011 Workng Paper 010 Todos os dreos reservados. É probda a reprodução parcal ou negral

Leia mais

ANEXO III. Nota Técnica nº 148/2010-SRE/ANEEL Brasília, 24 de maio de 2010.

ANEXO III. Nota Técnica nº 148/2010-SRE/ANEEL Brasília, 24 de maio de 2010. ANEXO III Noa Técnca nº 148/21-SRE/ANEEL Brasíla, 24 de mao de 21. M E T O D O L O G I A E Á L U L O D O F A T O R X ANEXO II Noa Técnca n o 148/21 SRE/ANEEL Em 24 de mao de 21. Processo nº 485.269/26-61

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY a 5 Novembro de 009 Recfe - PE GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL HIDROTERM

Leia mais

Desconcentração e interiorização da economia fluminense na última década

Desconcentração e interiorização da economia fluminense na última década DSCONCNTRAÇÃO INTRIORIZAÇÃO DA CONOMIA FLUMINNS NA ÚLTIMA DÉCADA PAULO MARCLO SOUZA; NIRALDO JOSÉ PONCIANO; MARLON GOMS NY; HNRIQU TOMÉ MATA; UNIVRSIDAD FDRAL DA BAHIA SALVADOR - BA - BRASIL pmsouza@uenf.br

Leia mais

Interpolação e Extrapolação da Estrutura a Termo de Taxas de Juros para Utilização pelo Mercado Segurador Brasileiro

Interpolação e Extrapolação da Estrutura a Termo de Taxas de Juros para Utilização pelo Mercado Segurador Brasileiro Inerpolação e Exrapolação da Esruura a Termo de Taxas de Juros para Ulzação pelo Mercado Segurador Braslero Sergo Lus Frankln Jr. Thago Baraa Duare César da Rocha Neves + Eduardo Fraga L. de Melo ++ M.Sc.,

Leia mais

Despacho n.º 13/06. 2. A presente resolução entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. João Renato Lima Presidente do C.A.

Despacho n.º 13/06. 2. A presente resolução entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. João Renato Lima Presidente do C.A. Despacho n.º 13/06 De enre as arbuções da Agênca de Regulação Económca desaca-se a compeênca de fxar as arfas e os mecansmos de reajuses a serem pracados pela oncessonára do servço públco de ranse e dsrbução

Leia mais

Ricardo Ratner Rochman FGV-EAESP. William Eid Junior FGV-EAESP

Ricardo Ratner Rochman FGV-EAESP. William Eid Junior FGV-EAESP INSIDERS CONSEGUEM RETORNOS ANORMAIS?: ESTUDOS DE EVENTOS SOBRE AS OPERAÇÕES DE INSIDERS DAS EMPRESAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DIFERENCIADA DA BOVESPA Rcardo Raner Rochman FGV-EAESP Wllam Ed Junor FGV-EAESP

Leia mais

Análise do Desempenho dos Gestores de Fundos, baseada nas Transações e nas Participações das Carteiras

Análise do Desempenho dos Gestores de Fundos, baseada nas Transações e nas Participações das Carteiras Vâna Sofa Sequera Umbelno Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Dsseração de Mesrado apresenado à Faculdade de Economa da Unversdade de Combra

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS

A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS Nelson Leão Paes PIMES/UFPE Resumo Nese argo, ulzou-se um modelo de equlíbro geral dnâmco para esmar

Leia mais

Renda Básica da Cidadania versus Imposto de Renda Negativo: O Papel dos Custos de Focalização

Renda Básica da Cidadania versus Imposto de Renda Negativo: O Papel dos Custos de Focalização Renda Básca da Cdadana versus Imposo de Renda Negavo: O Papel dos Cusos de Focalzação Nelson Leão Paes Marcelo Leer Squera Re s u m o O presene argo procura comparar duas polícas socas alernavas de combae

Leia mais

ESTOQUE DE RIQUEZA E A POUPANÇA DO SETOR PRIVADO NO BRASIL 1970/95 *

ESTOQUE DE RIQUEZA E A POUPANÇA DO SETOR PRIVADO NO BRASIL 1970/95 * TEXTO PARA DISCUSSÃO N ο 572 ISSN 1415-4765 ESTOQUE DE RIQUEZA E A POUPANÇA DO SETOR PRIVADO NO BRASIL 1970/95 * Luclene Morand ** Ro de Janero, julho de 1998 * A esmação do esoque de rqueza nerna, angível

Leia mais

A economia política dos fluxos de capitais brasileiros pós-plano Real. Title: The Political Economy of Brazilian Capital Flows after the Real Plan

A economia política dos fluxos de capitais brasileiros pós-plano Real. Title: The Political Economy of Brazilian Capital Flows after the Real Plan A economa políca dos fluxos de capas brasleros pós-plano Real Dvanldo Trches * Soraa Sanos da Slva ** Tle: The Polcal Economy of Brazlan Capal Flows afer he Real Plan RESUMO O presene esudo em como objevo

Leia mais

1. Introdução. B = S = Valor presente esperado dos superávits futuros (1) P

1. Introdução. B = S = Valor presente esperado dos superávits futuros (1) P . Inrodução A vsão radconal da deermnação do nível de preços é baseada na eora Quanava da Moeda. Segundo essa vsão o padrão de avdade real em uma economa mplca um cero nível desejado de encaxes moneáros

Leia mais

DINÂMICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS COM O FILTRO DE KALMAN

DINÂMICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS COM O FILTRO DE KALMAN XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DINÂICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COODITIES AGRÍCOLAS CO O FILTRO DE KALAN Flávo Pnhero Corsn (POLI-USP) flavo.corsn@gmal.com Celma de Olvera Rbero (POLI-USP)

Leia mais

Avaliação Inter/Intra-regional de absorção e difusão tecnológica no Brasil: Uma abordagem não-paramétrica. AUTORES.

Avaliação Inter/Intra-regional de absorção e difusão tecnológica no Brasil: Uma abordagem não-paramétrica. AUTORES. Avalação Iner/Inra-regonal de absorção e dfusão ecnológca no Brasl: Uma abordagem não-paramérca. Palavras chave: Efcênca écnca Produvdade oal Varação ecnológca AUTORES Emerson Marnho ouor em Economa pela

Leia mais

HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE

HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE Pesqusa Operaconal e o Desenvolvmeno Susenável 7 a /9/5, Gramado, RS HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE André Luís Shguemoo Faculdade de Engenhara Elérca e Compuação Unversdade Esadual

Leia mais

Nota Técnica sobre a Circular nº 2.972, de 23 de março de 2000

Nota Técnica sobre a Circular nº 2.972, de 23 de março de 2000 Noa Técnca sobre a rcular nº 2.972, de 23 de março de 2000 Meodologa ulzada no processo de apuração do valor da volaldade padrão e do mulplcador para o da, dvulgados daramene pelo Banco enral do Brasl.

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO

ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO Roque Passos Pvel Escola Polécnca da Unversdade de São Paulo - EPUSP Pedro Alem Sobrnho Escola Polécnca da Unversdade

Leia mais

Arbitragem na Estrutura a Termo das Taxas de Juros: Uma Abordagem Bayesiana

Arbitragem na Estrutura a Termo das Taxas de Juros: Uma Abordagem Bayesiana Arbragem na Esruura a ermo das axas de Juros: Uma Abordagem Bayesana Márco Pole Laurn Armêno Das Wesn Neo Insper Workng Paper WPE: / Copyrgh Insper. odos os dreos reservados. É probda a reprodução parcal

Leia mais

3 Teoria de imunização

3 Teoria de imunização 33 3 Teora de munzação Como fo vso, o LM é um gerencameno conuno de avos e passvos como o nuo de dmnur ou aé elmnar os rscos enfrenados pelas nsuções fnanceras. Deses rscos, o rsco de axa de uros represena

Leia mais

Esta monografia é dedicada a Letícia e aos meus pais, João e Adelangela

Esta monografia é dedicada a Letícia e aos meus pais, João e Adelangela Esa monografa é dedcada a Leíca e aos meus pas, João e Adelangela Agradecmenos Gosara de agradecer ao Prof. Vrgílo, pelo apoo e orenação dados durane ese e ouros rabalhos. Agradeço ambém a meus colegas

Leia mais

PROF. DR. JACQUES FACON LIMIARIZAÇÃO POR ENTROPIA DE WULU

PROF. DR. JACQUES FACON LIMIARIZAÇÃO POR ENTROPIA DE WULU 1 PUCPR- Ponfíca Unversdade Caólca Do Paraná PPGIA- Programa de Pós-Graduação Em Informáca Aplcada PROF. DR. JACQUES FACON IMIARIZAÇÃO POR ENTROPIA DE WUU Resumo: Uma nova écnca de marzação baseada em

Leia mais

Denilson Ricardo de Lucena Nunes. Gestão de suprimentos no varejo

Denilson Ricardo de Lucena Nunes. Gestão de suprimentos no varejo Denlson Rcardo de Lucena Nunes Gesão de suprmenos no varejo semas de reposção de esoques em duas camadas e análse de esquemas de monorameno da prevsão de demanda Tese de Douorado Tese apresenada ao programa

Leia mais

A Concorrência entre o Brasil. uma Aplicação do Modelo Constant-Market-Share*

A Concorrência entre o Brasil. uma Aplicação do Modelo Constant-Market-Share* A Concorrênca enre o Brasl e a Chna no ercado Sul-afrcano: uma Aplcação do odelo Consan-arke-Share* Arane Danelle Baraúna da Slva Álvaro Barranes Hdalgo 2 RESUO: O fore crescmeno da economa chnesa nos

Leia mais

ANÁLISE CONDICIONADA DA DEMANDA COM CORREÇÃO DE HETEROCEDASTICIDADE

ANÁLISE CONDICIONADA DA DEMANDA COM CORREÇÃO DE HETEROCEDASTICIDADE ANÁLISE CONDICIONADA DA DEMANDA COM CORREÇÃO DE HETEROCEDASTICIDADE Angela Crsna Morera da Slva UFRJ/COPPE - Unversdade Federal do Ro de Janero, Cenro de Tecnologa, Bloco F, sala 114, Cdade Unversára Ro

Leia mais

Análise comparativa e teste empírico da validade dos modelos CAPM tradicional e condicional: o caso das ações da Petrobrás

Análise comparativa e teste empírico da validade dos modelos CAPM tradicional e condicional: o caso das ações da Petrobrás Análse comparava e ese empírco da valdade dos modelos capm radconal e condconal: o caso das ações da Perobrás Análse comparava e ese empírco da valdade dos modelos CAPM radconal e condconal: o caso das

Leia mais

A estrutura a termo de taxas de juros no Brasil: modelos, estimação, interpolação, extrapolação e testes

A estrutura a termo de taxas de juros no Brasil: modelos, estimação, interpolação, extrapolação e testes A esruura a ermo de axas de juros no Brasl: modelos, esmação, nerpolação, exrapolação e eses Sergo Lus Frankln Jr. Thago Baraa Duare César da Rocha Neves + Eduardo Fraga L. de Melo ++ M.Sc., SUSEP/CGSOA

Leia mais

3 Análise de Demanda Condicionada

3 Análise de Demanda Condicionada 3 Análse de Demanda Condconada 3.1 Inrodução A análse Condconada da Demanda é uma écnca que quebra o consumo resdencal em pares, cada uma assocada a um uso fnal ou a um deermnado equpameno em parcular.

Leia mais

Autoria: Josilmar Cordenonssi Cia

Autoria: Josilmar Cordenonssi Cia Uma Possível Solução para o Equy Premum Puzzle (EPP Auora: Joslmar Cordenonss Ca Resumo MEHRA e PRESCO (985 levanaram uma quesão que aé hoje não fo respondda de forma sasfaóra: o prêmo de rsco das ações

Leia mais

Crescimento econômico e restrição externa: Um modelo de simulação pós-keynesiano

Crescimento econômico e restrição externa: Um modelo de simulação pós-keynesiano Crescmeno econômco e resrção exerna: Um modelo de smulação pós-keynesano Mara Isabel Busao 1 Maro Luz Possas 2 Resumo O argo busca dscur a dnâmca do crescmeno econômco das economas em desenvolvmeno a parr

Leia mais

CRESCIMENTO E DESIGUALDADE: PROSPERIDADE VERSUS ARMADILHAS DA POBREZA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DOS ESTADOS BRASILEIROS*

CRESCIMENTO E DESIGUALDADE: PROSPERIDADE VERSUS ARMADILHAS DA POBREZA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DOS ESTADOS BRASILEIROS* CRESCIMENTO E DESIGUALDADE: PROSPERIDADE VERSUS ARMADILHAS DA POBREZA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DOS ESTADOS BRASILEIROS* Renaa Couo Morera 1, Marcelo José Braga 2 e Slva Harum Toyoshma 3 Resumo: O problema

Leia mais

Projeções de inflação

Projeções de inflação Projeções de nflação A experênca do Banco Cenral do Brasl Leonardo Po Perez Banco Cenral do Brasl Depep III Fórum Baano de Economa Aplcada Agoso de 23 Sumáro ) Inrodução Regme de Meas para Inflação no

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP OTIMIZAÇÃO DA

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA LEI KANDIR SOBRE A ARRECADAÇÃO DE ICMS NO ESTADO DO CEARÁ

AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA LEI KANDIR SOBRE A ARRECADAÇÃO DE ICMS NO ESTADO DO CEARÁ AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA LEI KANDIR SOBRE A ARRECADAÇÃO DE ICMS NO ESTADO DO CEARÁ Alejandro Magno Lma Leão Mesre em economa pelo CAEN Audor Fscal da Recea do Esado do Ceará Fabríco Carnero Lnhares Phd

Leia mais

Belém Pará (Março de 2012)

Belém Pará (Março de 2012) Pardade Descobera da Taxa de Juros da Economa Braslera num Ambene de Crse Fnancera Mundal: Teora e Evdênca Empírca Davd Ferrera Carvalho(*) Resumo O argo em como propóso avalar o efeo da recene políca

Leia mais

Otimização no Planejamento Agregado de Produção em Indústrias de Processamento de Suco Concentrado Congelado de Laranja

Otimização no Planejamento Agregado de Produção em Indústrias de Processamento de Suco Concentrado Congelado de Laranja Omzação no Planeameno Agregado de Produção em Indúsras de Processameno de Suco Concenrado Congelado de Larana José Renao Munhoz Crova Agro Indusral Lda., 15800-970, Caanduva, SP (ose.munhoz@crova.com)

Leia mais

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA MODELO DE APOIO À DECISÃO PARA UM PROBLEMA DE POSICIONAMENTO DE BASES, ALOCAÇÃO E REALOCAÇÃO DE AMBULÂNCIAS EM CENTROS URBANOS: ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO RESUMO Ese argo apresena uma proposa

Leia mais

ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO

ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO TUTORIAL Marcos Anôno de Camargos Admnsrador de Empresas, MBA em Gesão Esraégca (Fnanças), Mesre em Admnsração pelo NUFI/CEPEAD/FACE/UFMG e Professor do Cenro

Leia mais

Renda Básica da Cidadania ou Imposto de Renda Negativo: Qual o Mais Eficiente no Combate a Pobreza?

Renda Básica da Cidadania ou Imposto de Renda Negativo: Qual o Mais Eficiente no Combate a Pobreza? Renda Básca da Cdadana ou Imposo de Renda Negavo: Qual o Mas Efcene no Combae a Pobreza? Auores Nelson Leão Paes Marcelo Leer Squera Ensao Sobre Pobreza Nº 12 Feverero de 2008 CAEN - UFC 1 Renda Básca

Leia mais

2.4. Grandezas Nominais e Reais

2.4. Grandezas Nominais e Reais 2.4. Gradezas Nomas e Reas rcpas varáves macroecoómcas (IB, C, G, I, X, Q,...): sedo agregações, são ecessaramee valores moeáros Calculadas a preços correes / em valor / em ermos omas, Mas eressa, frequeemee,

Leia mais

ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR MEIO DOS MODELOS CAPM NÃO-CONDICIONAL E CAPM CONDICIONAL

ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR MEIO DOS MODELOS CAPM NÃO-CONDICIONAL E CAPM CONDICIONAL ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR EIO DOS ODELOS CAP NÃO-CONDICIONAL E CAP CONDICIONAL (Cos of equy analyss n Brazl: Non-Condonal CAP and Condonal CAP) Lumla Souza Grol 1 1 Unversdade Federal

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas.

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas. 1 INTRODUÇÃO E CONCEITOS INICIAIS 1.1 Mecânca É a pare da Físca que esuda os movmenos dos corpos. 1. -Cnemáca É a pare da mecânca que descreve os movmenos, sem se preocupar com suas causas. 1.3 - Pono

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMPÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMPÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO AULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO SÃO AULO 28 THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMÍRICOS DA EFICIÊNCIA

Leia mais

Gestão de uma Carteira de Activos de Produção de Energia Eléctrica

Gestão de uma Carteira de Activos de Produção de Energia Eléctrica Gesão de uma Carera de Acvos de Produção de Energa Elécrca Invesmeno na ópca da Teora da Carera Mara Margarda D Ávla Duro de Sousa e Slva Dsseração para a obenção do Grau de Mesre em Engenhara e Gesão

Leia mais

Análise RFV do Cliente na Otimização de Estratégias de Marketing: Uma Abordagem por Algoritmos Genéticos

Análise RFV do Cliente na Otimização de Estratégias de Marketing: Uma Abordagem por Algoritmos Genéticos Análse RFV do Clene na Omzação de Esraégas de Markeng: Uma Abordagem por Algormos Genécos Anderson Gumarães de Pnho Ponfíca Unversdade Caólca do Ro de Janero Ro de Janero RJ Brasl agp.ne@gmal.com 1. Inrodução

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PIMES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DOUTORADO EM ECONOMIA MARCOS ROBERTO GOIS DE OLIVEIRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PIMES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DOUTORADO EM ECONOMIA MARCOS ROBERTO GOIS DE OLIVEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PIMES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DOUTORADO EM ECONOMIA MARCOS ROBERTO GOIS DE OLIVEIRA GERENCIAMENTO DO RISCO DE MERCADO BASEADO NO VALUE AT RISK ESTÁTICO

Leia mais

CRESCIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE: O QUE ESTÁ FALTANDO PARA ENTENDER O ELO ENTRE ELES?

CRESCIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE: O QUE ESTÁ FALTANDO PARA ENTENDER O ELO ENTRE ELES? RESUMO CRESCIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE: O QUE ESTÁ FALTANDO PARA ENTENDER O ELO ENTRE ELES? Fábo Henrque Granja e Barros 1 Bernardo Mueller 2 Jorge Madera Noguera 3 Exse vasa leraura empírca ressalando

Leia mais

KEE WORDS: Exchange Rates, Parity, Purchasing Power, Gstav Cassel

KEE WORDS: Exchange Rates, Parity, Purchasing Power, Gstav Cassel [VIANNA, PEDRO JORGE; PARIDADE DO PODER DE COPRA: TEORIA OU ETODOLOGIA?]. Recfe. V Enconro de Economsas da Língua Poruguesa, 5-7 de novembro de 2003. TÍTULO: PARIDADE DO PODER DE COPRA: TEORIA OU ETODOLOGIA?

Leia mais

Exemplo pág. 28. Aplicação da distribuição normal. Normal reduzida Z=(900 1200)/200= 1,5. Φ( z)=1 Φ(z)

Exemplo pág. 28. Aplicação da distribuição normal. Normal reduzida Z=(900 1200)/200= 1,5. Φ( z)=1 Φ(z) Exemplo pág. 28 Aplcação da dsrbução ormal Normal reduzda Z=(9 2)/2=,5 Φ( z)= Φ(z) Subsudo valores por recurso à abela da ormal:,9332 = Φ(z) Φ(z) =,668 Φ( z)= Φ(z) Φ(z) =,33 Φ(z) =,977 z = (8 2)/2 = 2

Leia mais

2. A Medição da Actividade Económica Grandezas Nominais e Reais e Índices de Preços

2. A Medição da Actividade Económica Grandezas Nominais e Reais e Índices de Preços 2. A Medção da Acvdade Económca 2.4. Grandezas Nomnas e Reas e Índces de Preços Ouubro 2007, nesdrum@fe.u. Sldes baseados no guão dsonível no se da cadera 1 2.4. Grandezas Nomnas e Reas e Índces de Preços

Leia mais

5 Apreçamento de ESOs com preço de exercício fixo

5 Apreçamento de ESOs com preço de exercício fixo 5 Apreçameno de ESOs com preço de exercíco fxo Ese capíulo rá explorar os prncpas modelos de apreçameno das ESOs ulzados hoje em da. Neses modelos a regra de decsão é esruurada em orno da maxmzação do

Leia mais

PREVISIBILIDADE NO MERCADO DE COMMODITIES: UM ESTUDO APLICADO AO PREÇO DA SOJA NO BRASIL

PREVISIBILIDADE NO MERCADO DE COMMODITIES: UM ESTUDO APLICADO AO PREÇO DA SOJA NO BRASIL Salvador, BA, Brasl, 08 a de ouubro de 03. PREVISIBILIDADE O MERCADO DE COMMODITIES: UM ESTUDO APLICADO AO PREÇO DA SOJA O BRASIL Everon Anger Cavalhero (UFPEL ) ecavalhero@cvsm.com.br Kelmara Mendes Vera

Leia mais

Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido.

Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. A Prevsão com o Modelo de Regressão.... Inrodução ao Modelo de Regressão.... Exemplos de Modelos Lneares... 3. Dervação dos Mínmos Quadrados no Modelo de Regressão... 6 4. A Naureza Probablísca do Modelo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INVESTIMENTOS EM DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SOB INCERTEZA REGULATÓRIA UTILIZANDO OPÇÕES REAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INVESTIMENTOS EM DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SOB INCERTEZA REGULATÓRIA UTILIZANDO OPÇÕES REAIS UNIRSIDAD FDRAL D ITAJUBÁ TS D DOUTORADO INSTIMNTOS M DISTRIBUIÇÃO D NRGIA LÉTRICA SOB INCRTZA RGULATÓRIA UTILIZANDO OPÇÕS RAIS JULIA CRISTINA CAMINHA NORONHA Tese apresenada ao Programa de Pós-Graduação

Leia mais

EFEITOS DA MIGRAÇÃO PARA OS NÍVEIS DE GOVERNANÇA DA BOVESPA

EFEITOS DA MIGRAÇÃO PARA OS NÍVEIS DE GOVERNANÇA DA BOVESPA EFEITOS DA MIGRAÇÃO PARA OS NÍVEIS DE GOVERNANÇA DA BOVESPA TRABALHO PREPARADO PARA A BOVESPA Anono Gledson de Carvalho (esa versão: Janero/23) RESUMO Muo em-se ressalado sobre a mporânca de uma boa governança

Leia mais

MARKOV SWITCHING CAPM: UMA ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO DAS EMPRESAS GAÚCHAS EM RELAÇÃO AO MERCADO EM DIFERENTES AMBIENTES DE RISCO

MARKOV SWITCHING CAPM: UMA ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO DAS EMPRESAS GAÚCHAS EM RELAÇÃO AO MERCADO EM DIFERENTES AMBIENTES DE RISCO MARKOV SWITCHING CAPM: UMA ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO DAS EMPRESAS GAÚCHAS EM RELAÇÃO AO MERCADO EM DIFERENTES AMBIENTES DE RISCO Pedro Tonon Zuanazz 1 Marcos Vnco Wnk Junor 2 Resumo Um dos prncpas

Leia mais

Gripe: Época de gripe; actividade gripal; cálculo da linha de base e do respectivo intervalo de confiança a 95%; e área de actividade basal.

Gripe: Época de gripe; actividade gripal; cálculo da linha de base e do respectivo intervalo de confiança a 95%; e área de actividade basal. Grpe: Época de grpe; acvdade grpal; cálculo da lnha de ase e do respecvo nervalo de confança a 95%; e área de acvdade asal. ÉPOCA DE GRPE Para maor facldade de compreensão será desgnado por época de grpe

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

FILTROS ATIVOS: UMA ABORDAGEM COMPARATIVA. Héctor Arango José Policarpo G. Abreu Adalberto Candido

FILTROS ATIVOS: UMA ABORDAGEM COMPARATIVA. Héctor Arango José Policarpo G. Abreu Adalberto Candido FILTROS ATIVOS: UMA ABORDAGEM COMPARATIVA Hécor Arango José Polcaro G. Abreu Adalbero Canddo Insuo de Engenhara Elérca - EFEI Av. BPS, 1303-37500-000 - Iajubá (MG) e-mal: arango@ee.efe.rmg.br Resumo -

Leia mais

Agosto / 2014 Versão 2.16

Agosto / 2014 Versão 2.16 Agoso / 4 Versão.6 Todos os dreos reservados. Nenhuma pare dessa obra pode ser reproduzda em qualquer forma ou meo, seja elerônco, mecânco, de foocópa, ec, sem permssão do Safra, deenor do dreo auoral.

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil BBR - Brazlan Busness Revew E-ISSN: 1807-734X bbronlne@bbronlne.com.br FUCAPE Busness School Brasl Fausno Maos, Paulo Rogéro; Texera da Rocha, José Alan Ações e Fundos de Invesmeno em Ações: Faores de

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

CIBRIUS INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE SOCIAL

CIBRIUS INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE SOCIAL CIBRIUS INSTITUTO CONAB SEGURIDA SOCIAL Plano ConabPrev (COM BASE NA PROPOSTA REGULAMENTO A SER SUBMETIDA A PREVIC Noa Técnca Auaral 060/13 (Refcada) Agoso/2015 1 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 5 2 GLOSSÁRIO...

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

Convergência e Formação de Clubes no Brasil sob a Hipótese de Heterogeneidade no Desenvolvimento Tecnológico

Convergência e Formação de Clubes no Brasil sob a Hipótese de Heterogeneidade no Desenvolvimento Tecnológico Convergênca e Formação de Clubes no Brasl sob a Hpóese de Heerogenedade no Desenvolvmeno Tecnológco Chrsano Penna Fabríco Lnhares RESUMO: Esse argo examna a exsênca de endêncas de crescmeno comuns e formação

Leia mais

Número 17. Evolução Recente da Informalidade no Brasil: Uma Análise Segundo Características da Oferta e Demanda de Trabalho

Número 17. Evolução Recente da Informalidade no Brasil: Uma Análise Segundo Características da Oferta e Demanda de Trabalho TEXTO PARA DSCUSSÃO Número 7 Evolução Recene da nformaldade no Brasl: Uma Análse Segundo Caraceríscas da Ofera e Demanda de Trabalho Fernando Holanda Barbosa Flho Rodrgo Leandro de Moura Agoso de 202 Evolução

Leia mais

O MERCADO DE CÂMBIO E A TAXA DE CÂMBIO NA ECONOMIA BRASILEIRA: 1999 A 2007

O MERCADO DE CÂMBIO E A TAXA DE CÂMBIO NA ECONOMIA BRASILEIRA: 1999 A 2007 FRANCISCO CARLOS DA CUNHA CASSUCE O MERCADO DE CÂMBIO E A TAXA DE CÂMBIO NA ECONOMIA BRASILEIRA: 999 A 007 Tese apresenada à Unversdade Federal de Vçosa, como pare das exêncas do Prorama de Pós- Graduação

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ARRECADAÇÃO TRIBUTÁRIA MUNICIPAL EM MINAS GERAIS NO INÍCIO DO NOVO MILÊNIO. Cláudio Burian Wanderley (ICEG/PUCMinas; CEPP/FJP)

EVOLUÇÃO DA ARRECADAÇÃO TRIBUTÁRIA MUNICIPAL EM MINAS GERAIS NO INÍCIO DO NOVO MILÊNIO. Cláudio Burian Wanderley (ICEG/PUCMinas; CEPP/FJP) EVOLUÇÃO D RRECDÇÃO TRIBUTÁRI MUNICIPL EM MINS GERIS NO INÍCIO DO NOVO MILÊNIO Cláudo Buran Wanderley ICEG/PUCMnas; CEPP/FJP Resumo: dsrbução do produo, da população, das receas muncpas e das arrecadações

Leia mais

Análises de ciclos econômicos no Brasil

Análises de ciclos econômicos no Brasil Análses de cclos econômcos no Brasl 1980-2009 Armando Vaz Sampao RESUMO - As sequêncas de expansões e conrações da avdade econômca são conhecdas como cclos econômcos e afeam odos os agenes econômcos. O

Leia mais

Transformações e tendências do mercado de trabalho no Brasil entre 2001 e 2015: paradoxo do baixo desemprego?

Transformações e tendências do mercado de trabalho no Brasil entre 2001 e 2015: paradoxo do baixo desemprego? DOI hp://dx.do.org/10.20947/s0102-30982016c0005 Transformações e endêncas do mercado de rabalho no Brasl enre 2001 e 2015: paradoxo do baxo desemprego? Pedro Henrque de Casro Smões * José Eusáquo Dnz Alves

Leia mais

MOMENTO ÓTIMO PARA INVESTIR EM PROJETOS DE MINERAÇÃO: UMA ANÁLISE POR OPÇÕES REAIS E TEORIA DOS JOGOS

MOMENTO ÓTIMO PARA INVESTIR EM PROJETOS DE MINERAÇÃO: UMA ANÁLISE POR OPÇÕES REAIS E TEORIA DOS JOGOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ALEXANDRE DE CÁSSIO RODRIGUES MOMENTO ÓTIMO PARA INVESTIR EM PROJETOS DE MINERAÇÃO: UMA ANÁLISE POR OPÇÕES REAIS E TEORIA DOS JOGOS Belo Horzone MG 202 UNIVERSIDADE

Leia mais

MODELAGEM DO PLANEJAMENTO AGREGADO DA PRODUÇÃO DE UMA USINA SUCROALCOOLEIRA

MODELAGEM DO PLANEJAMENTO AGREGADO DA PRODUÇÃO DE UMA USINA SUCROALCOOLEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Anerson Francsco da Slva MODELAGEM DO PLANEJAMENTO AGREGADO DA PRODUÇÃO DE UMA USINA SUCROALCOOLEIRA Dsseração submeda ao Programa de Pós-Graduação em Engenhara de Produção

Leia mais

Decomposição das taxas de homicídios no Brasil e seus estados: a demografia é de fato importante?

Decomposição das taxas de homicídios no Brasil e seus estados: a demografia é de fato importante? Decomposção das axas de homcídos no Brasl e seus esados: a demografa é de fao mporane? Ar Francsco de Araujo Junor * Cláudo Djssey Shkda ** Resumo - Ese argo esuda a relação enre faores demográfcos e axa

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 81 UMA ANÁLISE DAS DISPARIDADES DE BEM-ESTAR ENTRE OS ESTADOS DO BRASIL

TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 81 UMA ANÁLISE DAS DISPARIDADES DE BEM-ESTAR ENTRE OS ESTADOS DO BRASIL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 81 UMA ANÁLISE DAS DISPARIDADES DE BEM-ESTAR

Leia mais

Palavras-Chave: Eficiência de Mercado, Modelo de Valor Presente, Testes de Cointegração em Painéis Dinâmicos.

Palavras-Chave: Eficiência de Mercado, Modelo de Valor Presente, Testes de Cointegração em Painéis Dinâmicos. TÍTULO: ANÁLISE DO MODELO DE VALOR PRESENTE ENTRE PREÇOS DAS AÇÕES E DIVIDENDOS PARA O MERCADO FINANCEIRO NO BRASIL: EVIDÊNCIA BASEADA NOS DADOS EM PAINEL DINÂMICO. Auora: Parca Maríla Rcomn e Almeda,

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez Universidade Federal de Peloas UFPEL Deparameno de Economia - DECON Economia Ecológica Professor Rodrigo Nobre Fernandez Capíulo 6 Conabilidade Ambienal Nacional Peloas, 2010 6.1 Inrodução O lado moneário

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis.

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis. EXERCICIOS AVALIATIVOS Dscplna: ECONOMETRIA Data lmte para entrega: da da 3ª prova Valor: 7 pontos INSTRUÇÕES: O trabalho é ndvdual. A dscussão das questões pode ser feta em grupo, mas cada aluno deve

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

CÁLCULO DE ÍNDICES DE CONFIABILIDADE EM SISTEMAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA USANDO UM ALGORITMO GENÉTICO MODIFICADO

CÁLCULO DE ÍNDICES DE CONFIABILIDADE EM SISTEMAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA USANDO UM ALGORITMO GENÉTICO MODIFICADO CÁLCULO DE ÍNDICES DE CONFIABILIDADE EM SISTEMAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA USANDO UM ALGORITMO GENÉTICO MODIFICADO RODRIGO ALBUQUERQUE, ANSELMO RODRIGUES, MARIA G. DA SILVA. Grupo de Ssemas de Poênca, Deparameno

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

MECÂNICA CLÁSSICA. AULA N o 3. Lagrangeano Princípio da Mínima Ação Exemplos

MECÂNICA CLÁSSICA. AULA N o 3. Lagrangeano Princípio da Mínima Ação Exemplos MECÂNICA CÁSSICA AUA N o 3 agrangeano Prncípo da Mínma Ação Exemplos Todas as les da Físca êm uma esruura em comum: as les de uma parícula em movmeno sob a ação da gravdade, o movmeno dado pela equação

Leia mais

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 IV SEMEAD METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 RESUMO Uma das ferramenas de gesão do risco de mercado

Leia mais

Revisão dos Modelos de Projeção de Pequeno Porte 2015

Revisão dos Modelos de Projeção de Pequeno Porte 2015 Revsão dos Modelos de Projeção de Pequeno Pore 05 Os modelos de projeção consuem mporane nsumo para auxlar o processo de omada de decsão do omê de Políca Moneára (opom). Especfcamene denre os modelos de

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

Ana Cristina Guimarães Carneiro

Ana Cristina Guimarães Carneiro UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CCSA CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA CME NÍVEL MESTRADO Ana Crsna Gumarães Carnero Avalação das Mudanças Recenes na Marz Energéca

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

Análise econômica dos benefícios advindos do uso de cartões de crédito e débito. Outubro de 2012

Análise econômica dos benefícios advindos do uso de cartões de crédito e débito. Outubro de 2012 1 Análise econômica dos benefícios advindos do uso de carões de crédio e débio Ouubro de 2012 Inrodução 2 Premissas do Esudo: Maior uso de carões aumena a formalização da economia; e Maior uso de carões

Leia mais