Desconcentração e interiorização da economia fluminense na última década

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desconcentração e interiorização da economia fluminense na última década"

Transcrição

1 DSCONCNTRAÇÃO INTRIORIZAÇÃO DA CONOMIA FLUMINNS NA ÚLTIMA DÉCADA PAULO MARCLO SOUZA; NIRALDO JOSÉ PONCIANO; MARLON GOMS NY; HNRIQU TOMÉ MATA; UNIVRSIDAD FDRAL DA BAHIA SALVADOR - BA - BRASIL PÔSTR Desenvolvmeno Rural, Terroral e regonal Desconcenração e nerorzação da economa flumnense na úlma década Grupo de Pesqusa: Desenvolvmeno rural, erroral e regonal Resumo O objevo da pesqusa fo analsar o processo de desconcenração e nerorzação da economa do esado do ro de Janero na úlma década, mas especfcamene o período de 1996 a 25. Com o uso do modelo esruural dferencal, fez-se uma análse da evolução do pessoal ocupado nas dversas mesorregões geográfcas que compõem o esado, consderandose as avdades: ndúsra exrava mneral, ndúsra de ransformação, servços ndusras de uldade públca, ndúsra da consrução cvl, comérco, servços, admnsração públca e agropecuára. Os resulados evdencaram a ocorrênca de desconcenração ndusral, com redução da parcpação da regão meropolana no emprego e na renda, o que se deve, prncpalmene, à expansão da ndúsra exrava mneral assocada ao peróleo. Palavras-chaves: economa regonal, modelo esruural-dferencal, peróleo. Absrac The objecve of he research was o analyze he process of reducon n he concenraon of he Ro de Janero's economy, durng he las decade (from 1996 o 25). I was consdered he empolymen n he acves: mneral exracon ndusry, manufacurng ndusry, ndusral uly servces, consrucon ndusry, rade, servces, publc admnsraon and farmng. The employmen evoluon, by regons of Ro de Janero, was suded wh he shfshare analyss. By he resuls, Ro de Janero's economy became less concenraed, reducng he parcpaon of he meropolan regon n he job and he ncome. The growh of he mneral exracon ndusry, assocae o he ol, s one of he man causes of hese changes. Ro Branco Acre, 2 a 23 de julho de 28

2 Key-words: regonal economy, shf-share analyss, ol. 1. Inrodução A década de oena, consderada a década perdda, fo caracerzada pela queda da axa de crescmeno do PIB, acenuada elevação da dívda exerna, redução do emprego e nensfcação da nflação. Como desafos, ela legou à década segune as preocupações com a quesão moneára e a reomada da rajeóra de modernzação e crescmeno (Fernandes, 27). As reformas por que passou a economa braslera no níco da década de novena, aprofundadas com Plano Real, não colocaram o país numa rajeóra de crescmeno susenado. A aposa de que a aberura da economa ao comérco e aos fluxos de capas nernaconas, o programa prvazações e o fm do processo nflaconáro promoveram um ambene compevo, elmnando dsorções de mercado, gerando aumenos de produvdade, proporconando um ambene esável para os nvesmenos e razendo, como resulado, um círculo vruoso de crescmeno com esabldade, mosrou seus equívocos (Damasceno e Araújo, 23) 1. sse período assnala a crse, ncada na década aneror, do modelo de desenvolvmeno aé enão adoado pelo governo braslero, nrnsecamene vnculado à fore presença esaal nos nvesmenos e no planejameno da economa. A redução da presença esaal e a maor aberura do mercado naconal à concorrênca nernaconal, especalmene a parr dos anos 9, evdencaram a ncapacdade da produção nerna de comper com os produos esrangeros, o que levou váras empresas, naconas ou não, a se reesruurarem organzaconal e produvamene. (Almeda, 22). Conforme Barral Neo e Slva Neo (26), o esado do Ro de Janero fo um dos mas mpacados por ese conexo de mudanças, que eve como efeo dreo o agravameno de sua crse. O processo de desenvolvmeno econômco flumnense, em grande pare assocado às ações do Governo Federal, que auava como demandane de suas empresas, ressenu-se da menor presença dese úlmo, num conexo de reforma do sado. Desse conexo fez pare anda a aberura do mercado naconal à ala compeção com produos esrangeros, expondo à compeção mporanes seores produvos, como o naval, o sucroalcoolero e o mealúrgco (Slva Neo, 26). A dspardade econômca enre as regões do esado, caracerzada pela concenração das avdades econômcas e da geração de renda na regão meropolana, é um faor adconal a acrrar os efeos decorrenes das mudanças cadas. A regão meropolana, conforme Sanos (23), responde pracamene por oda a economa flumnense, que não apresena arculação fore enre as suas regões. Segundo o auor, o Ro de Janero é o esado com maor concenração espacal em ermos de produo e de população. Dane da necessdade de reduzr essa concenração, vêm sendo adoadas meddas vsando a nerorzação ndusral, medane a cração de bases ndusras e ssemas de apoo 1 A axa de crescmeno médo anual do PIB fo de 2,41% no período , e de 2,2% no período , axas que são, nclusve, nferores à axa de crescmeno da década de 8, de 2,9%, consderada a década perdda. Ro Branco Acre, 2 a 23 de julho de 28

3 ecnológco em dferenes ponos do erróro flumnense. Além de ser uma endênca mundal, o processo de nerorzação ndusral esá relaconado, segundo Barral Neo e Slva Neo (26), aos novos papés dos esados e dos muncípos, surgdos ao fnal da década de 8. A parr da consução 1988, os governos esaduas e muncpas ganharam mas auonoma, passando a não depender exclusvamene do planejameno cenral para formular suas polícas econômcas. Uma das conseqüêncas dessa auonoma fo a chamada Guerra Fscal enre os muncípos que, na enava de arar maores nvesmenos exernos, passaram a reduzr mposos muncpas para, com sso, arar novas empresas. ssas meddas conrbuíram para arar nvesmenos para as regões perfércas, represenando, porano, um ncenvo ao processo de nerorzação da economa flumnense. Porém, ressalam os auores, as esraégas fscas, soladamene, não explcam a recene recuperação e reesruuração econômca do sado do Ro de Janero e o processo de nerorzação da economa flumnense. Denre ouros faores que conrbuíram para sso, há que se desacar o aumeno das avdades exravsas, seor chave na explcação da recuperação econômca e do aprofundameno da nerorzação da economa do esado. Como desacado por Slva (24), a economa flumnense, na década de novena, passou por dos momenos dsnos: de níco, a permanênca do ambene críco vvdo nos anos 198, e a segur uma nflexão posva em sua rajeóra de esvazameno econômco. ssa reversão na rajeóra de esvazameno econômco ocorre a parr da segunda meade da década de 199, quando a economa do esado do Ro de Janero passou a emr alguns snas de recuperação, elevando, nclusve, sua parcpação na economa naconal. ssa nova dnâmca esá relaconada, prncpalmene, ao crescmeno da avdade perolífera, que apresena fore nfluênca sobre a economa, seja pelos ganhos obdos dreamene da avdade exrava e pelo seu efeo mulplcador sobre as demas cadeas produvas, seja por seus efeos sobre o balanço de pagamenos e as conas públcas (Fernandes, 27). Tamanha em sdo a nfluênca desse seor que, segundo Slva Neo (26), as perspecvas de reomada do processo de crescmeno econômco do sado relaconam-se, de forma esrea, com a ndúsra do peróleo, suada na Baca de Campos. Tal fao, além dsso, coloca a regão nore flumnense, base desse processo, como um pólo de desaque econômco. 2. Objevos O objevo geral da pesqusa é abordar o processo de desconcenração e nerorzação da economa do esado do ro de Janero na úlma década, mas especfcamene o período de 1996 a 25. Para sso, faz-se uma análse da evolução do pessoal ocupado nas dversas mesorregões geográfcas que compõem o esado, consderando-se as avdades: ndúsra exrava mneral, ndúsra de ransformação, servços ndusras de uldade públca, ndúsra da consrução cvl, comérco, servços, admnsração públca e agropecuára. 3. Meodologa 3.1. O modelo esruural-dferencal: Ro Branco Acre, 2 a 23 de julho de 28

4 Para analsar a evolução do pessoal ocupado nas dversas avdades que compõem a economa do esado do Ro de Janero, preende-se empregar o modelo esruural-dferencal. Aravés desse modelo, espera-se poder comparar o crescmeno do pessoal ocupado, nas dversas avdades, bem como denfcar a presença de faores, em nível regonal e muncpal, que conrbuem para explcar esse comporameno. Nesse méodo, cuja descrção basea-se em HADDAD e ANDRAD (1989), PRIRA (1997) e PRIRA e CAMPANIL (1999), adme-se que o crescmeno de deermnado seor, numa dada regão j, pode ser decomposo num efeo esruural ou proporconal e num efeo dferencal ou regonal. O efeo esruural reflee a composção seoral regonal, ndcando, quando posvo, a predomnânca de seores mas dnâmcos da economa, ou seja, de seores com axa de crescmeno maor do que a do conjuno da economa. Já o efeo dferencal ou regonal ndca, quando posvo, que o seor que esá crescendo mas numa regão do que em ouras, reflendo assm a presença de faores locas propcadores desse dferencal de crescmeno, evdencando que a regão se apresena especalmene vanajosa para a produção desse seor, relavamene ao país. Sejam e o pessoal ocupado no seor da regão j nos períodos ncal e fnal, respecvamene. Assm, a varação real do pessoal ocupado enre esses períodos ( ) é equvalene a: (1) Admndo como e a axa de crescmeno do pessoal ocupado no seor da regão j, enre os empos ncal e fnal, obda por e (2) resula que o monane do pessoal ocupado no período fnal, no seor da regão j ( ), pode ser expresso como o produo do pessoal ocupado ncalmene no seor da regão j ( ) pela axa de crescmeno desse mesmo seor na mesma regão ( e ), ou seja: e (3) Subsundo a equação (3) na expressão da varação real do pessoal ocupado no seor da regão j enre os períodos ncal e fnal (1), obém-se e ( e 1) (4) Ro Branco Acre, 2 a 23 de julho de 28

5 Defne-se a axa de crescmeno do pessoal ocupado no seor no país ( e ) como a dvsão enre o monane do pessoal ocupado no seor do país no período fnal ( ) pelo monane ncalmene ocupado no seor do país ( ), so é, e (5) Smlarmene, a axa de crescmeno do pessoal ocupado no país enre os nsanes ncal e fnal como a dvsão do oal do pessoal ocupado ao fnal do período ( ) pelo pessoal ocupado no níco ( ), ou seja, e (6) Somando-se e subrando-se essas axas de crescmeno na expressão (4), ou seja, fazendo ( e 1 e e e e ) e, mulplcando e reagrupando os ermos, obém-se: ( e 1) ( e e) ( e e ) (7) que é a expressão para a decomposção da varação do pessoal ocupado no seor enre o período ncal e fnal, na regão j. Nessa expressão: ( e 1) corresponde à varação eórca do pessoal ocupado em nível regonal, que sera obda caso a regão crescesse à axa de crescmeno do emprego naconal; ( e e) é a varação esruural ou proporconal que, se posva, represena uma suação em que seor cresce acma da méda do país; e, ( e e ) represena o efeo dferencal ou regonal, ndcando a exsênca ou não de vanagens locaconas, ou seja, de condções propícas crescmeno do seor. Se posvo, ndca que o seor cresce mas na regão j que em ouras. O efeo oal é obdo pela soma dos efeos esruural e dferencal, e mede a dferença enre o crescmeno real ou efevo apresenado pelo esado e o crescmeno eórco, so é, aquele que sera obdo caso crescesse à axa do país como um odo. Assm, reomando a expressão (7) e fazendo uso da equação (3), demonsra-se que o efeo oal corresponde a: ( e 1) ( e e) ( e e ) ( e e) (8) Ro Branco Acre, 2 a 23 de julho de 28

6 Da expressão (8) pode-se conclur que os efeos oas posvos correspondem a seores dnâmcos, que esaram crescendo, em ermos reas, mas do que cresceram se esvem evolundo à axa naconal. No presene esudo, o que se busca não é analsar as dferenças de compevdade enre seores ou as especfcdades locaconas/regonas que os favoreçem. Assm, a varação eórca do pessoal ocupado em nível regonal (no presene conexo, o ermo regonal poderá referr-se a uma das mesoregões esudadas ou aos muncípos), quando negava, ndcara suações de redução do oal do pessoal ocupado na economa do esado do Ro de Janero, so é (e < 1). A varação esruural ou proporconal, quando posva, ndca que a avdade analsada () cresce mas do que o oal do pessoal ocupado na economa flumnense (e > e), ou seja, exbe crescmeno maor do que o observado para o conjuno das avdades consderadas. Já o efeo dferencal ou regonal ndca a exsênca ou não de condções regonas/muncpas que favoreçam o aumeno do monane de rabalhadores ocupados em deermnada avdade. Se posvo, esse efeo ndcara a presença de faores regonas/muncpas propícos ao crescmeno de deermnada avdade, que esara evolundo a axas mas elevadas nessa(e) regão/muncípo do que na economa do esado (e > e). O efeo oal, por sua vez, represena a dferença enre o crescmeno efevo da mãode-obra ocupada numa regão ou muncípo e seu crescmeno eórco, so é aquele que ele era caso evoluísse a uma axa dênca à do crescmeno do emprego na economa do esado do Ro de Janero. Assm, efeo oal posvo represenara, para uma avdade específca, numa regão ou muncípo específco, um comporameno dnâmco, pos sua evolução sera maor do que o crescmeno do pessoal ocupado na economa do esado Varáves e fone dos dados As nformações sobre o pessoal ocupado nas avdades econômcas, em nível de mesorregões e muncípos, foram obdas na Fundação CID - Cenro de Informações e Dados do Ro de Janero. sses dados correspondem às nformações publcadas orgnalmene na Relação Anual de Informações Socas-RAIS, do Mnséro do Trabalho e mprego. As nformações provenenes dessa fone são mas adequadas a análses esruuras do mercado de rabalho formal, como é o caso da pesqusa, sendo, porano, mas recomendáves do que as nformações provenenes do Cadasro Geral de mpregados e Desempregados-CAGD, ndcadas para análses de conjunura do mercado de rabalho formal (BRASIL, 28). Do oal de muncípos que compõem as regões nore e noroese flumnense, os muncípos de Carapebus, São Francsco de Iabapoana e São José de Ubá foram consuídos a parr da segunda meade da década de novena: Carapebus, ourora dsro de Macaé, fo emancpado em 1995; São Francsco do Iabapoana, que perencera ao muncípo de São João da Barra, emancpou-se em 1995; e, São José de Ubá, fo fundada em 1997, após separar-se de Cambuc. Por essa razão, embora o período de análse envolva a década compreendda enre 1996 e 25, as nformações sobre o emprego, para os muncípos cados, ncam-se apenas em Ro Branco Acre, 2 a 23 de julho de 28

7 4. Resulados e dscussão Nas Tabelas 1 e 2 são apresenados os resulados da decomposção da varação do pessoal ocupado nas mesorregões do esado, enre os anos de 1996 e 2, em varação eórca, varação esruural e varação regonal. Pode-se observar que a varação eórca do pessoal ocupado, que sera obda caso a mão-de-obra ocupada se elevasse à axa de crescmeno do oal do pessoal ocupado no esado do Ro de Janero, é posva para odas as avdades consderadas. Tal resulado decorre do fao de que houve, no período, um crescmeno do oal do pessoal ocupado no esado. Observa-se anda que a varação esruural fo negava para a maor pare das avdades, com exceção dos seores de Comérco e Servços. Isso evdenca que, durane esse período, o crescmeno do emprego nesses seores se deu a uma axa maor do que a axa de crescmeno do emprego oal, ou seja, esses seores apresenaram maor dnamsmo do que os demas. Com relação ao efeo regonal, observa-se claramene o menor dnamsmo da regão meropolana do esado, na qual, com exceção do seor Indúsra exrava mneral, esse efeo é negavo para odas as demas avdades. De um modo geral, as demas regões apresenam maor dnamsmo, com efeo regonal posvo para maor pare dos seores, com exceção de: Servços e Admnsração públca, na regão Noroese; Indúsra exrava mneral, Indúsra de ransformação e Servços ndusras de uldade públca, na regão Nore; Servços ndusras de uldade públca, na regão Serrana; Servços ndusras de uldade públca e Indúsra exrava mneral, nas Baxadas Lorâneas; Indúsra de ransformação e Agropecuára, no Médo Paraíba; Indúsra de ransformação e Indúsra da consrução cvl, no Cenro-Sul; e, Indúsra de ransformação, Indúsra da consrução cvl e Agropecuára, na Cosa Verde. sses resulados podem, porano, ser omados como evdênca em favor de uma nerorzação da economa do esado do Ro de Janero no período em quesão, caracerzada pelo maor dnamsmo das economas suadas fora da regão meropolana. Tabela 1 Decomposção da varação oal do pessoal ocupado nos efeos eórco (T), esruural () e regonal (R), para as regões Meropolana, Noroese Flumnense, Nore Flumnense e Serrana, Meropolana Noroese Nore Serrana Avdade T R T R T R T R Ind. xr. Mneral Ind. Transformação Serv. I. U. Públca Ind. Consr. Cvl Comérco Servços Admnsr. Públca Agropecuára Fone: dados da pesqusa Tabela 2 Decomposção da varação oal do pessoal ocupado nos efeos eórco (T), esruural () e regonal (R), para as regões Baxadas Lorâneas, Médo Paraíba, Cenro-Sul Flumnense e Cosa Verde, Baxadas Lorâneas Médo Paraíba Cenro-Sul Cosa Verde Avdade T R T R T R T R Ro Branco Acre, 2 a 23 de julho de 28

8 Ind. xr. Mneral Ind. Transformação Serv. I. U. Públca Ind. Consr. Cvl Comérco Servços Admnsr. Públca Agropecuára Fone: dados da pesqusa O efeo oal, obdo pela soma dos efeos esruural e regonal, e correspondene à dferença enre a varação efeva e a eórca, é apresenado na Tabela 3. De um modo geral, o efeo oal espelha os valores obdos para o efeo regonal, anerormene descros, o que não ocorre somene nos casos em que o efeo esruural se sobressa. Assm, na regão Meropolana, apenas os seores Comérco e Servços, nos quas o efeo esruural superou o efeo regonal negavo, apresenam efeo oal posvos. Nas demas regões, fo consaado efeo oal negavo nos seores: Servços e Admnsração públca, na regão Noroese; Indúsra exrava mneral, Indúsra de ransformação e Servços ndusras de uldade públca, na regão Nore; Indúsra de ransformação, Servços ndusras de uldade públca e Indúsra da consrução cvl, na regão Serrana; Servços ndusras de uldade públca, Indúsra exrava mneral e Indúsra da consrução cvl, nas Baxadas Lorâneas; Indúsra de ransformação e Agropecuára, no Médo Paraíba; Indúsra de ransformação, Indúsra exrava mneral e Indúsra da consrução cvl, no Cenro-Sul; e, Indúsra de ransformação, Indúsra da consrução cvl, Servços ndusras de uldade públca e Agropecuára, na Cosa Verde. Logo, ambém pelo efeo oal fca evdencado o maor dnamsmo das economas das regões neroranas. Nesse aspeco desacam-se, prncpalmene, as regões Noroese e Médo Paraíba, nas quas a maora dos seores apresenaram crescmeno superor ao observado no esado como um odo, com exceção de Servços e Admnsração públca, na prmera, e da Indúsra de ransformação e da Agropecuára, na segunda. Tabela 3 feo oal (efeo esruural mas regonal) sobre o pessoal ocupado nas avdades econômcas das mesorregões do esado do Ro de Janero, Avdade Meropol. Noroese Nore Serrana Bax. Lor. M. Paraíba Cenro-Sul Cosa Verde Ind. xr. Mneral Ind. Transformação Serv. I. U. Públca Ind. Consr. Cvl Comérco Servços Admnsr. Públca Agropecuára Fone: dados da pesqusa Pela análse fea, pode-se consderar que esse período, que fo caracerzado por um processo de desconcenração e nerorzação, fo ambém marcado pela esagnação Ro Branco Acre, 2 a 23 de julho de 28

9 econômca e pela menor capacdade de geração de emprego no conjuno da economa flumnense, como fcou evdencado pelo pequeno efeo eórco. A suação do período segune (2-25) é dsna, pos, como pode ser observado na Fgura 1, o ano de 2 marca uma reomada sgnfcava do crescmeno da economa flumnense, com possíves reflexos no nível de emprego em suas dversas avdades. ssa reomada de crescmeno é, segundo algumas análses (Fernandes, 27; Slva Neo, 26), reflexo da amplação da expansão da avdade perolífera, que, aravés de seus encadeamenos, exerce fore efeo mulplcador sobre as demas cadeas produvas. 12, 1, 8, 6, 4, 2,, Fgura 1: Índce de crescmeno do PIB do esado do Ro de Janero no período de 1996 a 25 (Base 1996=1) Fone: dados orgnas da Fundação CID (elaboração dos auores) Os resulados da decomposção da varação oal do pessoal ocupado, ocorrda no período de 2 a 25, enconram-se nas Tabelas 4 e 5. Nesse período, como no aneror, a varação eórca do pessoal ocupado maném-se posva, evdencando a connudade do crescmeno do emprego oal no esado. sse crescmeno mosra-se, porém, bem mas elevado do que no qünqüêno aneror, com efeos eórcos sgnfcavamene superores, reflendo, ceramene, o maor crescmeno econômco expermenado nese qünqüêno. Nesse período, a Indúsra exrava mneral, o Comérco e a Agropecuára desacaram-se como os seores mas dnâmcos do esado, com efeo esruural posvo e apresenando, porano, crescmeno superor ao dos demas seores. Tabela 4 Decomposção da varação oal do pessoal ocupado nos efeos eórco (T), esruural () e regonal (R), para as regões Meropolana, Noroese Flumnense, Nore Flumnense e Serrana, 2-5 Avdade Meropolana Noroese Nore Serrana T R T R T R T R Ind. xr. Mneral Ind. Transformação Ro Branco Acre, 2 a 23 de julho de 28

10 Serv. I. U. Públca Ind. Consr. Cvl Comérco Servços Admnsr. Públca Agropecuára Fone: dados da pesqusa Tabela 5 Decomposção da varação oal do pessoal ocupado nos efeos eórco (T), esruural () e regonal (R), para as regões Baxadas Lorâneas, Médo Paraíba, Cenro-Sul Flumnense e Cosa Verde, 2-5 Avdade Baxadas Lorâneas Médo Paraíba Cenro-Sul Cosa Verde T R T R T R T R Ind. xr. Mneral Ind. Transformação Serv. I. U. Públca Ind. Consr. Cvl Comérco Servços Admnsr. Públca Agropecuára Fone: dados da pesqusa m nível regonal, o período acenua a consaação de menor dnamsmo da regão Meropolana, onde o efeo regonal é negavo para odos os seores. Porém, há dferenças enre o comporameno das demas regões, nem odas elas benefcando-se do processo de nerorzação consaado no período precedene. Assm, observa-se efeo regonal negavo nos seores: Indúsra exrava mneral, Indúsra de ransformação, Servços e Admnsração públca, Indúsra da consrução cvl e Agropecuára, na regão Noroese; em pracamene odos os seores na regão Serrana, com exceção das Indúsras de ransformação e da consrução cvl; Indúsra exrava mneral e Agropecuára, nas Baxadas Lorâneas; e, Indúsra exrava mneral, Servços ndusras de uldade públca, Indúsra da consrução cvl, Comérco, Admnsração públca e Agropecuára, no Médo Paraíba. Por ouro lado, esse período é marcado por condções mas propícas ao crescmeno dos seores analsados na regão Nore, e ambém nas regões Cenro Sul e Cosa verde, nas quas se observa efeo regonal posvo para odos ou quase odos os seores. A soma dos efeos esruural e regonal, correspondene ao efeo oal, resula nas nformações consanes da Tabela 6. sses resulados, que em grande medda refleem o efeo regonal, mosram um comporameno menos dnâmco da regão Meropolana, na qual, com exceção do seor de Comérco, odos os demas apresenam crescmeno nferor ao crescmeno do emprego oal na economa flumnense. Suação semelhane é observada nas regões Noroese, Serrana e Médo Paraíba, nas quas apenas os seores Comérco, Servços e Admnsração Públca, na prmera, Indúsra de Transformação e Comérco, na segunda, e Comérco, Servços e Agropecuára, na ercera, apresenaram efeo oal posvo. Tabela 6 feo oal (efeo esruural mas regonal) sobre o pessoal ocupado nas avdades econômcas das Ro Branco Acre, 2 a 23 de julho de 28

11 mesorregões do esado do Ro de Janero, 2-25 Avdade Meropol. Noroese Nore Serrana Bax. Lor. M. Paraíba Cenro-Sul Cosa Verde Ind. xr. Mneral Ind. Transformação Serv. I. U. Públca Ind. Consr. Cvl Comérco Servços Admnsr. Públca Agropecuára Fone: dados da pesqusa Por ouro lado, fca evdene o maor dnamsmo da regão Nore, onde o crescmeno do emprego é, em odos os seores, superor ao crescmeno ao crescmeno do emprego no esado. Olvera (23) afrmava que as expecavas para o desenvolvmeno do seor exravo eram maores para a regão meropolana, já que nela enconram-se a maor pare da esruura ndusral e de servços do esado. De cero modo, anda que não conrarem essa afrmação, os resulados aqu obdos evdencam que a regão Nore em, sm, se benefcado sgnfcavamene desse processo. ssa suação ocorre ambém nas regões Baxadas Lorâneas, Cenro-Sul e Cosa Verde, nas quas o efeo oal é predomnanemene posvo, com exceção dos seores Indúsra xrava Mneral e Agropecuára, Indúsra de Transformação, e Indúsra xrava Mneral, respecvamene. O processo de desconcenração e nerorzação da economa flumnense, denfcado na análse fea, pode ser ambém consaado na Tabela 7, que apresena o comporameno da parcpação das dsnas regões no PIB do esado. Responsável, em 1999, por 72% do PIB flumnense, a regão meropolana reduz expressvamene essa parcpação ao longo do período, respondendo, em 24, por 62% do produo esadual. Traa-se, porano, de uma desconcenração sgnfcava, consderando-se que ela se deu num período relavamene curo. Tabela 7 - Dsrbução do PIB Flumnense pelas Regões de Governo (%) Regão Baca de Campos 1 1,89 18,57 18,99 16,45 17,77 18,96 Baxadas Lorâneas 2,6 1,8 1,78 1,9 2,17 2,11 Cenro-Sul Flumnense,81,73,69,73,84,79 Cosa Verde 2 1,33 1,12 1,22 1,58 1,33 1,44 Médo Paraíba 6, 5,67 5,94 6,58 7,74 8,41 Meropolana 72,5 66,58 65,9 66,65 63,59 61,9 Noroese Flumnense,87,72,69,65,78,7 Nore Flumnense 2,34 2, 2,28 2,82 2,95 3, Serrana 3,65 2,81 2,52 2,66 2,83 2,69 Obs.: 1 Refere-se à exração de peróleo e gás naural na Baca de Campos; 2 Aé 21, essa regão era denomnada Baía da Ilha Grande. Fone: Fernandes (27) Ro Branco Acre, 2 a 23 de julho de 28

12 Nesse processo de desconcenração, fca evdene a mporânca do seor perolífero para o crescmeno da economa flumnense., de fao, essa desconcenração fo reflexo da elevação da parcpação da Baca de Campos no PIB esadual, que pracamene dobra no período consderado, elevando-se de 1,89% para 18,96%. sse processo benefcou anda as regões Médo Paraíba e Nore Flumnense 2, cujas parcpações se elevaram em alguma medda, em dermeno, além da regão Meropolana, ambém da regão Serrana, cuja parcpação no PIB esadual sofreu redução no período. 5. Conclusões Os resulados da análse permem nferr que o esado do Ro de Janero passou por um processo de desconração e nerorzação de sua economa na úlma década. Tal processo mplcou num crescmeno mas elevado do emprego nas avdades suadas nas regões do neror do esado, do que na regão meropolana, onde, radconalmene, esão concenrados o emprego e a renda. sse processo aconeceu na segunda meade da década de novena, e se acenuou na prmera meade da década segune. nquano o prmero período caracerzou-se por relava esagnação, com desaque apenas para os seores de Comérco e de Servços, a prmera meade da década segune fo marcada por maor geração de renda e emprego. Nesse segundo período, a Indúsra exrava mneral, o Comérco e a Agropecuára desacaram-se como os seores mas dnâmcos do esado. As mudanças nroduzdas a parr da consução 1988, que deram maor auonoma ao governos esaduas e muncpas, pode ser um dos faores que conrbuíram para o processo de desconcenração econômca. A redução de mposos muncpas para arar maores nvesmenos exernos, na chamada Guerra fscal, pode er ncenvado o processo de nerorzação da economa flumnense. Porém, como relaam alguns esudos, esse faor é ncapaz de, soladamene, de explcar as mudanças observadas. Denre ouros faores que conrbuíram para sso, há que se desacar o aumeno das avdades exravsas, seor chave na explcação da recuperação econômca e do aprofundameno da nerorzação da economa do esado. O maor dnamsmo da Indúsra exrava mneral, observado no esudo, é uma evdênca de que a expansão da ndúsra exrava mneral, foremene calcada na exploração perolífera, em sdo um faor prmordal no processo de reomada do crescmeno econômco e da geração de empregos no esado. Os resulados aqu obdos evdencam a desconcenração e a nerorzação da economa flumnense. Porém, em face do eságo ncal em que se enconra a pesqusa, o presene exo não analsa com profunddade as causas das alerações consaadas, que são apenas abordadas como hpóeses, nem os possíves mpacos econômcos e socas delas decorrenes, que serão alvo de fuuros esudos. 2 Como as nformações relavas a peróleo e gás foram desmembradas das mesorregões em que esses produos são exraídos, e colocadas à pare, na Baca de Campos, a parcpação da regão Nore, que concenra a maor pare desas avdades, fca alamene subesmada. Ro Branco Acre, 2 a 23 de julho de 28

13 Referêncas bblográfcas ALMIDA, S. V. A reesruuração produva da ndúsra braslera na década de 199: uma analse dos seores êxl, calçadsa e auomoblísco. Ro de Janero: Insuo Unversáro de Pesqusa do Ro de Janero, p. (Dsseração de Mesrado). BARRAL NTO, J., SILVA NTO, R.. Reesruuração produva e nerorzação da economa no esado do Ro de Janero: uma nova dnâmca para a regão nore flumnense. nconro Naconal de sudos Populaconas, ABP, 15, Caxambu MG, 26. Anas... Campnas: ABP, 26. BRASIL. Mnséro do Trabalho e mprego. Programa de Dssemnação das saíscas do Trabalho: regsros admnsravos (PDT). Brasl: TM. Dsponível em: hp://www.me.gov.br/sudosos Pesqusadores/PDT/ RGISTROS.asp (acessado em 3 de março de 28). CID. Fundação Cenro de Informações e Dados do Ro de Janero. Ro de Janero: CID. Dsponível em: hp://www.cde.rj.gov.br/cde/ndex.php. Acesso em 31 de março de 28. DAMASCNO, A. O., ARAÚJO, R. D. Crescmeno econômco e reformas: a economa braslera na década de 9 e perspecvas. Baha Análse & Dados. Salvador, v. 13, n. 3, p , dez. 23 FRNANDS. C. F. A evolução da arrecadação de royales do peróleo no Brasl e seu mpaco sobre o desenvolvmeno econômco do esado do Ro de Janero. Ro de Janero: Unversdade Federal do Ro de Janero, 27, 72p. (Trabalho de Conclusão de Curso). HADDAD, P. R., ANDRAD, T. A. Méodo de análse dferencal esruural. In: HADDAD, P. R. (org.). conoma Regonal: eoras e méodos de análse. Foraleza: Banco do Nordese do Brasl, 1989, p OLIVIRA, F. G.. Reesruuração produva e regonalzação da economa no erróro flumnense. São Paulo: USP, p. (Tese de Douorado). PRIRA, A. S. O méodo esruural-dferencal e suas reformulações. Teora e vdênca conômca, v. 5, n.9, p , Passo Fundo, ma PRIRA, A. S., CAMPANIL, N. O Méodo esruural-modfcado: uma aplcação para o esado do Ro de Janero enre 1986 e Teora e vdênca conômca, v. 7, n. 13, p , Passo Fundo, nov Ro Branco Acre, 2 a 23 de julho de 28

14 SANTOS, A. M. S. P. conoma, espaço e socedade no Ro de Janero. 1. ed. Ro de Janero: dora FGV, 23. v p. SILVA, R.D. Crescmeno, ransformações e sua mporânca para a economa naconal (193 a 2).Campnas: Uncamp/Insuo de economa, 24. (Dsseração de Mesrado). Ro Branco Acre, 2 a 23 de julho de 28

ipea COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA

ipea COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA Paulo Mansur Levy Mara Isabel Fernans Serra Esa noa em como objevo dvulgar resulados relavos ao comporameno das exporações e mporações produos ndusras

Leia mais

3 Planejamento da Operação Energética no Brasil

3 Planejamento da Operação Energética no Brasil 3 Planeameno da Operação Energéca no Brasl 3.1 Aspecos Geras O ssema elérco braslero é composo por dos dferenes pos de ssemas: os ssemas solados, os quas predomnam na regão Nore do Brasl e represenam cerca

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013. Padrão. Padrão. max i. I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4.

CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013. Padrão. Padrão. max i. I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4. CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013 Esabelece os procedmenos para o cálculo da parcela dos avos ponderados pelo rsco (RWA) referene às exposções sueas à varação de axas de uros prefxadas denomnadas

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS

A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS Nelson Leão Paes PIMES/UFPE Resumo Nese argo, ulzou-se um modelo de equlíbro geral dnâmco para esmar

Leia mais

A dinâmica do emprego formal na região Norte do estado do Rio de Janeiro, nas últimas duas décadas

A dinâmica do emprego formal na região Norte do estado do Rio de Janeiro, nas últimas duas décadas A dinâmica do emprego formal na região Nore do esado do Rio de Janeiro, nas úlimas duas décadas Helio Junior de Souza Crespo Insiuo Federal Fluminense-IFF E-mail: hjunior@iff.edu.br Paulo Marcelo de Souza

Leia mais

CAPÍTULO 1 REPRESENTAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS. Sistema monovariável SISO = Single Input Single Output. s 1 s 2. ... s n

CAPÍTULO 1 REPRESENTAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS. Sistema monovariável SISO = Single Input Single Output. s 1 s 2. ... s n 1 CAPÍTULO 1 REPREENTAÇÃO E CLAIFICAÇÃO DE ITEMA 1.1. Represenação de ssemas 1.1.1. semas com uma enrada e uma saída (IO) e sema monovarável IO = ngle Inpu ngle Oupu s e = enrada s = saída = ssema 1.1..

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA LEI KANDIR SOBRE A ARRECADAÇÃO DE ICMS NO ESTADO DO CEARÁ

AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA LEI KANDIR SOBRE A ARRECADAÇÃO DE ICMS NO ESTADO DO CEARÁ AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA LEI KANDIR SOBRE A ARRECADAÇÃO DE ICMS NO ESTADO DO CEARÁ Alejandro Magno Lma Leão Mesre em economa pelo CAEN Audor Fscal da Recea do Esado do Ceará Fabríco Carnero Lnhares Phd

Leia mais

CRESCIMENTO E DESIGUALDADE: PROSPERIDADE VERSUS ARMADILHAS DA POBREZA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DOS ESTADOS BRASILEIROS*

CRESCIMENTO E DESIGUALDADE: PROSPERIDADE VERSUS ARMADILHAS DA POBREZA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DOS ESTADOS BRASILEIROS* CRESCIMENTO E DESIGUALDADE: PROSPERIDADE VERSUS ARMADILHAS DA POBREZA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DOS ESTADOS BRASILEIROS* Renaa Couo Morera 1, Marcelo José Braga 2 e Slva Harum Toyoshma 3 Resumo: O problema

Leia mais

A Concorrência entre o Brasil. uma Aplicação do Modelo Constant-Market-Share*

A Concorrência entre o Brasil. uma Aplicação do Modelo Constant-Market-Share* A Concorrênca enre o Brasl e a Chna no ercado Sul-afrcano: uma Aplcação do odelo Consan-arke-Share* Arane Danelle Baraúna da Slva Álvaro Barranes Hdalgo 2 RESUO: O fore crescmeno da economa chnesa nos

Leia mais

2 Programação Matemática Princípios Básicos

2 Programação Matemática Princípios Básicos Programação Maemáca Prncípos Báscos. Consderações Geras Os objevos dese capíulo são apresenar os conceos de Programação Maemáca (PM) necessáros à compreensão do processo de omzação de dmensões e descrever

Leia mais

Renda Básica da Cidadania versus Imposto de Renda Negativo: O Papel dos Custos de Focalização

Renda Básica da Cidadania versus Imposto de Renda Negativo: O Papel dos Custos de Focalização Renda Básca da Cdadana versus Imposo de Renda Negavo: O Papel dos Cusos de Focalzação Nelson Leão Paes Marcelo Leer Squera Re s u m o O presene argo procura comparar duas polícas socas alernavas de combae

Leia mais

Análise do Desempenho dos Gestores de Fundos, baseada nas Transações e nas Participações das Carteiras

Análise do Desempenho dos Gestores de Fundos, baseada nas Transações e nas Participações das Carteiras Vâna Sofa Sequera Umbelno Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Dsseração de Mesrado apresenado à Faculdade de Economa da Unversdade de Combra

Leia mais

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. ECONOMETRIA Prof. Parca Mara Borolon. Sc. Modelos de ados em Panel Fone: GUJARATI;. N. Economera Básca: 4ª Edção. Ro de Janero. Elsever- Campus 006 efnções Geras Nos dados em panel a mesma undade de core

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

A economia política dos fluxos de capitais brasileiros pós-plano Real. Title: The Political Economy of Brazilian Capital Flows after the Real Plan

A economia política dos fluxos de capitais brasileiros pós-plano Real. Title: The Political Economy of Brazilian Capital Flows after the Real Plan A economa políca dos fluxos de capas brasleros pós-plano Real Dvanldo Trches * Soraa Sanos da Slva ** Tle: The Polcal Economy of Brazlan Capal Flows afer he Real Plan RESUMO O presene esudo em como objevo

Leia mais

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas.

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas. 1 INTRODUÇÃO E CONCEITOS INICIAIS 1.1 Mecânca É a pare da Físca que esuda os movmenos dos corpos. 1. -Cnemáca É a pare da mecânca que descreve os movmenos, sem se preocupar com suas causas. 1.3 - Pono

Leia mais

ANEXO III. Nota Técnica nº 148/2010-SRE/ANEEL Brasília, 24 de maio de 2010.

ANEXO III. Nota Técnica nº 148/2010-SRE/ANEEL Brasília, 24 de maio de 2010. ANEXO III Noa Técnca nº 148/21-SRE/ANEEL Brasíla, 24 de mao de 21. M E T O D O L O G I A E Á L U L O D O F A T O R X ANEXO II Noa Técnca n o 148/21 SRE/ANEEL Em 24 de mao de 21. Processo nº 485.269/26-61

Leia mais

Crescimento econômico e restrição externa: Um modelo de simulação pós-keynesiano

Crescimento econômico e restrição externa: Um modelo de simulação pós-keynesiano Crescmeno econômco e resrção exerna: Um modelo de smulação pós-keynesano Mara Isabel Busao 1 Maro Luz Possas 2 Resumo O argo busca dscur a dnâmca do crescmeno econômco das economas em desenvolvmeno a parr

Leia mais

O MERCADO DE CÂMBIO E A TAXA DE CÂMBIO NA ECONOMIA BRASILEIRA: 1999 A 2007

O MERCADO DE CÂMBIO E A TAXA DE CÂMBIO NA ECONOMIA BRASILEIRA: 1999 A 2007 FRANCISCO CARLOS DA CUNHA CASSUCE O MERCADO DE CÂMBIO E A TAXA DE CÂMBIO NA ECONOMIA BRASILEIRA: 999 A 007 Tese apresenada à Unversdade Federal de Vçosa, como pare das exêncas do Prorama de Pós- Graduação

Leia mais

Interpolação e Extrapolação da Estrutura a Termo de Taxas de Juros para Utilização pelo Mercado Segurador Brasileiro

Interpolação e Extrapolação da Estrutura a Termo de Taxas de Juros para Utilização pelo Mercado Segurador Brasileiro Inerpolação e Exrapolação da Esruura a Termo de Taxas de Juros para Ulzação pelo Mercado Segurador Braslero Sergo Lus Frankln Jr. Thago Baraa Duare César da Rocha Neves + Eduardo Fraga L. de Melo ++ M.Sc.,

Leia mais

Despacho n.º 13/06. 2. A presente resolução entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. João Renato Lima Presidente do C.A.

Despacho n.º 13/06. 2. A presente resolução entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. João Renato Lima Presidente do C.A. Despacho n.º 13/06 De enre as arbuções da Agênca de Regulação Económca desaca-se a compeênca de fxar as arfas e os mecansmos de reajuses a serem pracados pela oncessonára do servço públco de ranse e dsrbução

Leia mais

Impacto da Educação Defasada sobre a Criminalidade no Brasil: 2001-2005

Impacto da Educação Defasada sobre a Criminalidade no Brasil: 2001-2005 1 Impaco da Educação Defasada sobre a Crmnaldade no Brasl: 2001-2005 Evandro Camargos Texera Ana Lúca Kassouf Seembro, 2011 Workng Paper 010 Todos os dreos reservados. É probda a reprodução parcal ou negral

Leia mais

DINÂMICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS COM O FILTRO DE KALMAN

DINÂMICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS COM O FILTRO DE KALMAN XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DINÂICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COODITIES AGRÍCOLAS CO O FILTRO DE KALAN Flávo Pnhero Corsn (POLI-USP) flavo.corsn@gmal.com Celma de Olvera Rbero (POLI-USP)

Leia mais

Índice de Preços Imobiliários para o Brasil: Estudos para Discussão

Índice de Preços Imobiliários para o Brasil: Estudos para Discussão Mnséro do Planejameno, Orçameno e Gesão Insuo Braslero de Geografa e Esaísca IBGE Dreora de Pesqusas Coordenação de Índces de Preços Ssema Naconal de Índces de Preços ao Consumdor SNIPC Índce de Preços

Leia mais

Ana Cristina Guimarães Carneiro

Ana Cristina Guimarães Carneiro UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CCSA CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA CME NÍVEL MESTRADO Ana Crsna Gumarães Carnero Avalação das Mudanças Recenes na Marz Energéca

Leia mais

Avaliação Inter/Intra-regional de absorção e difusão tecnológica no Brasil: Uma abordagem não-paramétrica. AUTORES.

Avaliação Inter/Intra-regional de absorção e difusão tecnológica no Brasil: Uma abordagem não-paramétrica. AUTORES. Avalação Iner/Inra-regonal de absorção e dfusão ecnológca no Brasl: Uma abordagem não-paramérca. Palavras chave: Efcênca écnca Produvdade oal Varação ecnológca AUTORES Emerson Marnho ouor em Economa pela

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP OTIMIZAÇÃO DA

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY a 5 Novembro de 009 Recfe - PE GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL HIDROTERM

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO

ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO Roque Passos Pvel Escola Polécnca da Unversdade de São Paulo - EPUSP Pedro Alem Sobrnho Escola Polécnca da Unversdade

Leia mais

CRESCIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE: O QUE ESTÁ FALTANDO PARA ENTENDER O ELO ENTRE ELES?

CRESCIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE: O QUE ESTÁ FALTANDO PARA ENTENDER O ELO ENTRE ELES? RESUMO CRESCIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE: O QUE ESTÁ FALTANDO PARA ENTENDER O ELO ENTRE ELES? Fábo Henrque Granja e Barros 1 Bernardo Mueller 2 Jorge Madera Noguera 3 Exse vasa leraura empírca ressalando

Leia mais

A estrutura a termo de taxas de juros no Brasil: modelos, estimação, interpolação, extrapolação e testes

A estrutura a termo de taxas de juros no Brasil: modelos, estimação, interpolação, extrapolação e testes A esruura a ermo de axas de juros no Brasl: modelos, esmação, nerpolação, exrapolação e eses Sergo Lus Frankln Jr. Thago Baraa Duare César da Rocha Neves + Eduardo Fraga L. de Melo ++ M.Sc., SUSEP/CGSOA

Leia mais

ESTOQUE DE RIQUEZA E A POUPANÇA DO SETOR PRIVADO NO BRASIL 1970/95 *

ESTOQUE DE RIQUEZA E A POUPANÇA DO SETOR PRIVADO NO BRASIL 1970/95 * TEXTO PARA DISCUSSÃO N ο 572 ISSN 1415-4765 ESTOQUE DE RIQUEZA E A POUPANÇA DO SETOR PRIVADO NO BRASIL 1970/95 * Luclene Morand ** Ro de Janero, julho de 1998 * A esmação do esoque de rqueza nerna, angível

Leia mais

Renda Básica da Cidadania ou Imposto de Renda Negativo: Qual o Mais Eficiente no Combate a Pobreza?

Renda Básica da Cidadania ou Imposto de Renda Negativo: Qual o Mais Eficiente no Combate a Pobreza? Renda Básca da Cdadana ou Imposo de Renda Negavo: Qual o Mas Efcene no Combae a Pobreza? Auores Nelson Leão Paes Marcelo Leer Squera Ensao Sobre Pobreza Nº 12 Feverero de 2008 CAEN - UFC 1 Renda Básca

Leia mais

Denilson Ricardo de Lucena Nunes. Gestão de suprimentos no varejo

Denilson Ricardo de Lucena Nunes. Gestão de suprimentos no varejo Denlson Rcardo de Lucena Nunes Gesão de suprmenos no varejo semas de reposção de esoques em duas camadas e análse de esquemas de monorameno da prevsão de demanda Tese de Douorado Tese apresenada ao programa

Leia mais

HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE

HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE Pesqusa Operaconal e o Desenvolvmeno Susenável 7 a /9/5, Gramado, RS HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE André Luís Shguemoo Faculdade de Engenhara Elérca e Compuação Unversdade Esadual

Leia mais

1. Introdução. B = S = Valor presente esperado dos superávits futuros (1) P

1. Introdução. B = S = Valor presente esperado dos superávits futuros (1) P . Inrodução A vsão radconal da deermnação do nível de preços é baseada na eora Quanava da Moeda. Segundo essa vsão o padrão de avdade real em uma economa mplca um cero nível desejado de encaxes moneáros

Leia mais

Belém Pará (Março de 2012)

Belém Pará (Março de 2012) Pardade Descobera da Taxa de Juros da Economa Braslera num Ambene de Crse Fnancera Mundal: Teora e Evdênca Empírca Davd Ferrera Carvalho(*) Resumo O argo em como propóso avalar o efeo da recene políca

Leia mais

Gripe: Época de gripe; actividade gripal; cálculo da linha de base e do respectivo intervalo de confiança a 95%; e área de actividade basal.

Gripe: Época de gripe; actividade gripal; cálculo da linha de base e do respectivo intervalo de confiança a 95%; e área de actividade basal. Grpe: Época de grpe; acvdade grpal; cálculo da lnha de ase e do respecvo nervalo de confança a 95%; e área de acvdade asal. ÉPOCA DE GRPE Para maor facldade de compreensão será desgnado por época de grpe

Leia mais

ANÁLISE CONDICIONADA DA DEMANDA COM CORREÇÃO DE HETEROCEDASTICIDADE

ANÁLISE CONDICIONADA DA DEMANDA COM CORREÇÃO DE HETEROCEDASTICIDADE ANÁLISE CONDICIONADA DA DEMANDA COM CORREÇÃO DE HETEROCEDASTICIDADE Angela Crsna Morera da Slva UFRJ/COPPE - Unversdade Federal do Ro de Janero, Cenro de Tecnologa, Bloco F, sala 114, Cdade Unversára Ro

Leia mais

7. FILTROS PASSIVOS E ATIVOS

7. FILTROS PASSIVOS E ATIVOS 7. FILTROS PASSIVOS E ATIVOS São esudadas nese capíulo esruuras de crcuos capazes de mgar o problema de dsorção de correnes e/ou ensões em ssemas elércos. Inca-se com os flros passvos, verfcando alguns

Leia mais

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil BBR - Brazlan Busness Revew E-ISSN: 1807-734X bbronlne@bbronlne.com.br FUCAPE Busness School Brasl Fausno Maos, Paulo Rogéro; Texera da Rocha, José Alan Ações e Fundos de Invesmeno em Ações: Faores de

Leia mais

PREVISIBILIDADE NO MERCADO DE COMMODITIES: UM ESTUDO APLICADO AO PREÇO DA SOJA NO BRASIL

PREVISIBILIDADE NO MERCADO DE COMMODITIES: UM ESTUDO APLICADO AO PREÇO DA SOJA NO BRASIL Salvador, BA, Brasl, 08 a de ouubro de 03. PREVISIBILIDADE O MERCADO DE COMMODITIES: UM ESTUDO APLICADO AO PREÇO DA SOJA O BRASIL Everon Anger Cavalhero (UFPEL ) ecavalhero@cvsm.com.br Kelmara Mendes Vera

Leia mais

EFEITOS DA MIGRAÇÃO PARA OS NÍVEIS DE GOVERNANÇA DA BOVESPA

EFEITOS DA MIGRAÇÃO PARA OS NÍVEIS DE GOVERNANÇA DA BOVESPA EFEITOS DA MIGRAÇÃO PARA OS NÍVEIS DE GOVERNANÇA DA BOVESPA TRABALHO PREPARADO PARA A BOVESPA Anono Gledson de Carvalho (esa versão: Janero/23) RESUMO Muo em-se ressalado sobre a mporânca de uma boa governança

Leia mais

Análise RFV do Cliente na Otimização de Estratégias de Marketing: Uma Abordagem por Algoritmos Genéticos

Análise RFV do Cliente na Otimização de Estratégias de Marketing: Uma Abordagem por Algoritmos Genéticos Análse RFV do Clene na Omzação de Esraégas de Markeng: Uma Abordagem por Algormos Genécos Anderson Gumarães de Pnho Ponfíca Unversdade Caólca do Ro de Janero Ro de Janero RJ Brasl agp.ne@gmal.com 1. Inrodução

Leia mais

S&P Dow Jones Indices: Metodologia da matemática dos índices

S&P Dow Jones Indices: Metodologia da matemática dos índices S&P Dow Jones Indces: Meodologa da maemáca dos índces S&P Dow Jones Indces: Meodologa do índce Ouubro 2013 Índce Inrodução 3 Dferenes varedades de índces 3 O dvsor do índce 4 Índces ponderados por capalzação

Leia mais

Otimização no Planejamento Agregado de Produção em Indústrias de Processamento de Suco Concentrado Congelado de Laranja

Otimização no Planejamento Agregado de Produção em Indústrias de Processamento de Suco Concentrado Congelado de Laranja Omzação no Planeameno Agregado de Produção em Indúsras de Processameno de Suco Concenrado Congelado de Larana José Renao Munhoz Crova Agro Indusral Lda., 15800-970, Caanduva, SP (ose.munhoz@crova.com)

Leia mais

Autoria: Josilmar Cordenonssi Cia

Autoria: Josilmar Cordenonssi Cia Uma Possível Solução para o Equy Premum Puzzle (EPP Auora: Joslmar Cordenonss Ca Resumo MEHRA e PRESCO (985 levanaram uma quesão que aé hoje não fo respondda de forma sasfaóra: o prêmo de rsco das ações

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 81 UMA ANÁLISE DAS DISPARIDADES DE BEM-ESTAR ENTRE OS ESTADOS DO BRASIL

TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 81 UMA ANÁLISE DAS DISPARIDADES DE BEM-ESTAR ENTRE OS ESTADOS DO BRASIL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 81 UMA ANÁLISE DAS DISPARIDADES DE BEM-ESTAR

Leia mais

Convergência e Formação de Clubes no Brasil sob a Hipótese de Heterogeneidade no Desenvolvimento Tecnológico

Convergência e Formação de Clubes no Brasil sob a Hipótese de Heterogeneidade no Desenvolvimento Tecnológico Convergênca e Formação de Clubes no Brasl sob a Hpóese de Heerogenedade no Desenvolvmeno Tecnológco Chrsano Penna Fabríco Lnhares RESUMO: Esse argo examna a exsênca de endêncas de crescmeno comuns e formação

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

MOMENTO ÓTIMO PARA INVESTIR EM PROJETOS DE MINERAÇÃO: UMA ANÁLISE POR OPÇÕES REAIS E TEORIA DOS JOGOS

MOMENTO ÓTIMO PARA INVESTIR EM PROJETOS DE MINERAÇÃO: UMA ANÁLISE POR OPÇÕES REAIS E TEORIA DOS JOGOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ALEXANDRE DE CÁSSIO RODRIGUES MOMENTO ÓTIMO PARA INVESTIR EM PROJETOS DE MINERAÇÃO: UMA ANÁLISE POR OPÇÕES REAIS E TEORIA DOS JOGOS Belo Horzone MG 202 UNIVERSIDADE

Leia mais

KEE WORDS: Exchange Rates, Parity, Purchasing Power, Gstav Cassel

KEE WORDS: Exchange Rates, Parity, Purchasing Power, Gstav Cassel [VIANNA, PEDRO JORGE; PARIDADE DO PODER DE COPRA: TEORIA OU ETODOLOGIA?]. Recfe. V Enconro de Economsas da Língua Poruguesa, 5-7 de novembro de 2003. TÍTULO: PARIDADE DO PODER DE COPRA: TEORIA OU ETODOLOGIA?

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMPÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMPÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO AULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO SÃO AULO 28 THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMÍRICOS DA EFICIÊNCIA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INVESTIMENTOS EM DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SOB INCERTEZA REGULATÓRIA UTILIZANDO OPÇÕES REAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INVESTIMENTOS EM DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SOB INCERTEZA REGULATÓRIA UTILIZANDO OPÇÕES REAIS UNIRSIDAD FDRAL D ITAJUBÁ TS D DOUTORADO INSTIMNTOS M DISTRIBUIÇÃO D NRGIA LÉTRICA SOB INCRTZA RGULATÓRIA UTILIZANDO OPÇÕS RAIS JULIA CRISTINA CAMINHA NORONHA Tese apresenada ao Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Análise comparativa e teste empírico da validade dos modelos CAPM tradicional e condicional: o caso das ações da Petrobrás

Análise comparativa e teste empírico da validade dos modelos CAPM tradicional e condicional: o caso das ações da Petrobrás Análse comparava e ese empírco da valdade dos modelos capm radconal e condconal: o caso das ações da Perobrás Análse comparava e ese empírco da valdade dos modelos CAPM radconal e condconal: o caso das

Leia mais

(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE IME 2013 DISCURSIVAS FÍSICA FÍSICA. , devido à equação (1). Voltando à equação (2) obtemos:

(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE IME 2013 DISCURSIVAS FÍSICA FÍSICA. , devido à equação (1). Voltando à equação (2) obtemos: (9) - O LIT SOLV IM DISCUSIVS ÍSIC USTÃO ÍSIC sendo nula a velocdade vercal ncal v, devdo à equação (). Volando à equação () obemos:,8 ˆj ˆj b) Dado o momeno lnear da equação () obemos a velocdade na dreção

Leia mais

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA MODELO DE APOIO À DECISÃO PARA UM PROBLEMA DE POSICIONAMENTO DE BASES, ALOCAÇÃO E REALOCAÇÃO DE AMBULÂNCIAS EM CENTROS URBANOS: ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO RESUMO Ese argo apresena uma proposa

Leia mais

Nota Técnica sobre a Circular nº 2.972, de 23 de março de 2000

Nota Técnica sobre a Circular nº 2.972, de 23 de março de 2000 Noa Técnca sobre a rcular nº 2.972, de 23 de março de 2000 Meodologa ulzada no processo de apuração do valor da volaldade padrão e do mulplcador para o da, dvulgados daramene pelo Banco enral do Brasl.

Leia mais

ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR MEIO DOS MODELOS CAPM NÃO-CONDICIONAL E CAPM CONDICIONAL

ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR MEIO DOS MODELOS CAPM NÃO-CONDICIONAL E CAPM CONDICIONAL ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR EIO DOS ODELOS CAP NÃO-CONDICIONAL E CAP CONDICIONAL (Cos of equy analyss n Brazl: Non-Condonal CAP and Condonal CAP) Lumla Souza Grol 1 1 Unversdade Federal

Leia mais

EEL-001 CIRCUITOS ELÉTRICOS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO

EEL-001 CIRCUITOS ELÉTRICOS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO L IRUITOS LÉTRIOS 8 UNIFI,VFS, Re. BDB PRT L IRUITOS LÉTRIOS NGNHRI D OMPUTÇÃO PÍTULO 5 PITORS INDUTORS: omporameno com Snas onínuos e com Snas lernaos 5. INTRODUÇÃO Ressor elemeno que sspa poênca. 5.

Leia mais

Guia de Recursos e Atividades

Guia de Recursos e Atividades Guia de Recursos e Aividades girls worldwide say World Associaion of Girl Guides and Girl Scous Associaion mondiale des Guides e des Eclaireuses Asociación Mundial de las Guías Scous Unir as Forças conra

Leia mais

Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido.

Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. A Prevsão com o Modelo de Regressão.... Inrodução ao Modelo de Regressão.... Exemplos de Modelos Lneares... 3. Dervação dos Mínmos Quadrados no Modelo de Regressão... 6 4. A Naureza Probablísca do Modelo

Leia mais

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produividade no Brasil Fernando de Holanda Barbosa Filho Samuel de Abreu Pessôa Resumo Esse arigo consrói uma série de horas rabalhadas para a

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL,

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, 1980/2000 2 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 3 3. ANÁLISE COMPARATIVA

Leia mais

Estratégia Ótima de Oferta de Preços no Mercado de Curto Prazo em Sistemas com Predominância Hidrelétrica

Estratégia Ótima de Oferta de Preços no Mercado de Curto Prazo em Sistemas com Predominância Hidrelétrica Armando Maos de Olvera Esraéga Óma de Ofera de Preços no Mercado de Curo Prazo em Ssemas com Predomnânca Hdrelérca Tese de Douorado Tese apresenada ao Deparameno de Engenara Elérca da Ponfíca Unversdade

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

Arbitragem na Estrutura a Termo das Taxas de Juros: Uma Abordagem Bayesiana

Arbitragem na Estrutura a Termo das Taxas de Juros: Uma Abordagem Bayesiana Arbragem na Esruura a ermo das axas de Juros: Uma Abordagem Bayesana Márco Pole Laurn Armêno Das Wesn Neo Insper Workng Paper WPE: / Copyrgh Insper. odos os dreos reservados. É probda a reprodução parcal

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

Influência da Taxa de Câmbio e do Dólar sobre os Preços da Borracha Natural Brasileira

Influência da Taxa de Câmbio e do Dólar sobre os Preços da Borracha Natural Brasileira INFLUÊNCIA DA TAXA DE CÂMBIO E DO DÓLAR SOBRE OS PREÇOS DA BORRACHA NATURAL BRASILEIRA naisysilva@yahoo.com.br APRESENTACAO ORAL-Comercialização, Mercados e Preços NAISY SILVA SOARES; MÁRCIO LOPES DA SILVA;

Leia mais

Tráfego em Redes de Comutação de Circuitos

Tráfego em Redes de Comutação de Circuitos Caracerzação do ráfego nálse de ssemas de esados nálse de ráfego em ssemas de erda nálse de ráfego em ssemas de araso Bloqueo em ssemas de andares múllos Máro Jorge Leão Inenconalmene em branco Caracerzação

Leia mais

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Fernando Siqueira dos Sanos Resumo: ese rabalho analisa a evolução do desemprego nos úlimos anos, com foco no período 1998 a 2012 devido à melhor disponibilidade

Leia mais

Ricardo Ratner Rochman FGV-EAESP. William Eid Junior FGV-EAESP

Ricardo Ratner Rochman FGV-EAESP. William Eid Junior FGV-EAESP INSIDERS CONSEGUEM RETORNOS ANORMAIS?: ESTUDOS DE EVENTOS SOBRE AS OPERAÇÕES DE INSIDERS DAS EMPRESAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DIFERENCIADA DA BOVESPA Rcardo Raner Rochman FGV-EAESP Wllam Ed Junor FGV-EAESP

Leia mais

FILTROS ATIVOS: UMA ABORDAGEM COMPARATIVA. Héctor Arango José Policarpo G. Abreu Adalberto Candido

FILTROS ATIVOS: UMA ABORDAGEM COMPARATIVA. Héctor Arango José Policarpo G. Abreu Adalberto Candido FILTROS ATIVOS: UMA ABORDAGEM COMPARATIVA Hécor Arango José Polcaro G. Abreu Adalbero Canddo Insuo de Engenhara Elérca - EFEI Av. BPS, 1303-37500-000 - Iajubá (MG) e-mal: arango@ee.efe.rmg.br Resumo -

Leia mais

CIBRIUS INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE SOCIAL

CIBRIUS INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE SOCIAL CIBRIUS INSTITUTO CONAB SEGURIDA SOCIAL Plano ConabPrev (COM BASE NA PROPOSTA REGULAMENTO A SER SUBMETIDA A PREVIC Noa Técnca Auaral 060/13 (Refcada) Agoso/2015 1 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 5 2 GLOSSÁRIO...

Leia mais

Esta monografia é dedicada a Letícia e aos meus pais, João e Adelangela

Esta monografia é dedicada a Letícia e aos meus pais, João e Adelangela Esa monografa é dedcada a Leíca e aos meus pas, João e Adelangela Agradecmenos Gosara de agradecer ao Prof. Vrgílo, pelo apoo e orenação dados durane ese e ouros rabalhos. Agradeço ambém a meus colegas

Leia mais

MARKOV SWITCHING CAPM: UMA ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO DAS EMPRESAS GAÚCHAS EM RELAÇÃO AO MERCADO EM DIFERENTES AMBIENTES DE RISCO

MARKOV SWITCHING CAPM: UMA ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO DAS EMPRESAS GAÚCHAS EM RELAÇÃO AO MERCADO EM DIFERENTES AMBIENTES DE RISCO MARKOV SWITCHING CAPM: UMA ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO DAS EMPRESAS GAÚCHAS EM RELAÇÃO AO MERCADO EM DIFERENTES AMBIENTES DE RISCO Pedro Tonon Zuanazz 1 Marcos Vnco Wnk Junor 2 Resumo Um dos prncpas

Leia mais

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB Revisa Fafibe On Line n.3 ago. 007 ISSN 808-6993 www.fafibe.br/revisaonline Faculdades Inegradas Fafibe Bebedouro SP Influência de Variáveis Meeorológicas sobre a Incidência de Meningie em Campina Grande

Leia mais

ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO

ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO TUTORIAL Marcos Anôno de Camargos Admnsrador de Empresas, MBA em Gesão Esraégca (Fnanças), Mesre em Admnsração pelo NUFI/CEPEAD/FACE/UFMG e Professor do Cenro

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

MODELAGEM DO PLANEJAMENTO AGREGADO DA PRODUÇÃO DE UMA USINA SUCROALCOOLEIRA

MODELAGEM DO PLANEJAMENTO AGREGADO DA PRODUÇÃO DE UMA USINA SUCROALCOOLEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Anerson Francsco da Slva MODELAGEM DO PLANEJAMENTO AGREGADO DA PRODUÇÃO DE UMA USINA SUCROALCOOLEIRA Dsseração submeda ao Programa de Pós-Graduação em Engenhara de Produção

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

Exemplo pág. 28. Aplicação da distribuição normal. Normal reduzida Z=(900 1200)/200= 1,5. Φ( z)=1 Φ(z)

Exemplo pág. 28. Aplicação da distribuição normal. Normal reduzida Z=(900 1200)/200= 1,5. Φ( z)=1 Φ(z) Exemplo pág. 28 Aplcação da dsrbução ormal Normal reduzda Z=(9 2)/2=,5 Φ( z)= Φ(z) Subsudo valores por recurso à abela da ormal:,9332 = Φ(z) Φ(z) =,668 Φ( z)= Φ(z) Φ(z) =,33 Φ(z) =,977 z = (8 2)/2 = 2

Leia mais

1 Introdução. Onésio Assis Lobo 1 Waldemiro Alcântara da Silva Neto 2

1 Introdução. Onésio Assis Lobo 1 Waldemiro Alcântara da Silva Neto 2 Transmissão de preços enre o produor e varejo: evidências empíricas para o seor de carne bovina em Goiás Resumo: A economia goiana vem se desacado no conexo nacional. Seu PIB aingiu R$ 75 bilhões no ano

Leia mais

Câmbio de Equilíbrio

Câmbio de Equilíbrio Câmbio de Equilíbrio Seção 1 Meodologia do cálculo do câmbio...4 Seção 2 - Passivo Exerno... 11 Seção 3 Susenabilidade do Passivo Exerno... 15 Seção 4 - Esimaivas... 17 Seção 5 - Conclusão... 20 2 Inrodução

Leia mais

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica.

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica. Análse do Retorno da Edcação na Regão Norte em 2007: Um Estdo à Lz da Regressão Qantílca. 1 Introdcão Almr Rogéro A. de Soza 1 Jâno Macel da Slva 2 Marnalva Cardoso Macel 3 O debate sobre o relaconamento

Leia mais

Dinâmica de interação da praga da cana-de-açúcar com seu parasitóide Trichogramma galloi

Dinâmica de interação da praga da cana-de-açúcar com seu parasitóide Trichogramma galloi Dinâmica de ineração da praga da cana-de-açúcar com seu parasióide Trichogramma galloi Elizabeh de Holanda Limeira 1, Mara Rafikov 2 1 Universidade Federal do ABC - UFABC, Sano André, Brasil, behmacampinas@yahoo.com.br

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

Programação Não Linear Irrestrita

Programação Não Linear Irrestrita EA 044 Planejameno e Análse de Ssemas de Produção Programação Não Lnear Irresra DCA-FEEC-Uncamp Tópcos -Inrodução -Busca undmensonal 3-Condções de omaldade 4-Convedade e omaldade global 5-Algormos DCA-FEEC-Uncamp

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PIMES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DOUTORADO EM ECONOMIA MARCOS ROBERTO GOIS DE OLIVEIRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PIMES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DOUTORADO EM ECONOMIA MARCOS ROBERTO GOIS DE OLIVEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PIMES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DOUTORADO EM ECONOMIA MARCOS ROBERTO GOIS DE OLIVEIRA GERENCIAMENTO DO RISCO DE MERCADO BASEADO NO VALUE AT RISK ESTÁTICO

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

Economia e Finanças Públicas Aula T21. Bibliografia. Conceitos a reter. Livro EFP, Cap. 14 e Cap. 15.

Economia e Finanças Públicas Aula T21. Bibliografia. Conceitos a reter. Livro EFP, Cap. 14 e Cap. 15. Economia e Finanças Públicas Aula T21 6.3 Resrição Orçamenal, Dívida Pública e Susenabilidade 6.3.1 A resrição orçamenal e as necessidades de financiameno 6.3.2. A divida pública 6.3.3 A susenabilidade

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 00 ODELOS ATEÁTICOS E CONSUO DE ENERGIA ELÉTRICA Clece de Cássa Franco Cdade Centro Unverstáro Francscano klleyce@hotmal.com Leandra Anversa Foreze Centro Unverstáro Francscano

Leia mais

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo Uma avaliação da poupança em cona correne do governo Manoel Carlos de Casro Pires * Inrodução O insrumeno de políica fiscal em vários ojeivos e não é surpreendene que, ao se deerminar uma mea de superávi

Leia mais

COLETÂNEA DAS EQUAÇÕES DE CHUVA DO BRASIL

COLETÂNEA DAS EQUAÇÕES DE CHUVA DO BRASIL COLETÂNEA DAS EQUAÇÕES DE CHUVA DO BASIL Aparecdo Vanderle Fes 1 ESUMO O conhecmeno do comporameno dos pcos das chuvas em dferenes regões do Brasl, assm como de ouros pases, orna-se mporane no projeo e

Leia mais

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo?

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo? Boom nas vendas de auoveículos via crédio faro, preços baixos e confiança em ala: o caso de um ciclo? Fábio Auguso Reis Gomes * Fabio Maciel Ramos ** RESUMO - A proposa dese rabalho é conribuir para o

Leia mais