A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS"

Transcrição

1 A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS Nelson Leão Paes PIMES/UFPE Resumo Nese argo, ulzou-se um modelo de equlíbro geral dnâmco para esmar os efeos econômcos e sobre a arrecadação esaduas da adoção do prncípo do desno na rbuação do ICMS, de longe o prncpal rbuo braslero. Os resulados mosram mpacos mporanes sobre a arrecadação dos Esados, com ganhos de quase 40% no Pauí, e perda de mas de 3% no Espíro Sano, o maor prejudcado. De manera geral, os Esados menos desenvolvdos são benefcados pela nova ssemáca, conrbundo para a redução das desgualdades na dsrbução da arrecadação na federação, mas com pouco efeo sobre o produo e o consumo. Palavras-chave: ICMS, prncípo do desno, equlíbro geral dnâmco, fnanças públcas. Absrac In hs paper, we used a dynamc general equlbrum model o esmae he effecs of he adopon of desnaon prncple a ICMS, he mos mporan Brazlan ax, on he saes publc fnance. The resuls had shown ha Pauí could ncrease s revenue from ICMS by almos 40%, whle Espíro Sano could suffer a loss by more han 3%. In general, less developed saes wll gan wh he adopon of desnaon prncple, conrbung o reduce he nequaly of ax revenues beween saes n Brazl, wh lle effec n oupu and consumpon. Key Words: ICMS, desnaon prncple, dynamc general equlbrum, publc fnance. ÁREA DE INTERESSE: ÁREA 4 - ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO Códgos JEL: H7, C68, H20. Sumáro:. Inrodução; 2. Breve Análse do ICMS; 3. Meodologa; 4. Resulados; 5. Conclusões. Endereço para correspondênca.: Nelson Paes, Rua Fausno Poro, 295/302, Recfe-PE. Tel: (8) E-mal:

2 . INTRODUÇÃO A desgualdade regonal é um dos raços mas marcanes e perssenes da federação braslera. Superá-la consse de um desafo de grandes proporções e envolve aspecos econômcos, socas e culuras, enre ouros. O presene rabalho busca enfocar como a forma de rbuar o Imposo sobre Crculação de Mercadoras e Servços (ICMS), prncpal rbuo braslero, conrbu aualmene para o aprofundameno das dferenças econômcas enre os Esados e como a aleração na ssemáca da cobrança abre a possbldade para o seu enfrenameno. Apenas para conexualzar a suação presene, a arrecadação própra per capa de dos Esados nordesnos como Pauí e Maranhão corresponde apenas a 25% e 3%, respecvamene, da méda braslera, suação aenuada, mas longe de ser resolvda, após as ransferêncas vercas da Unão, quando a dsponbldade de recursos sobe para 54% no Maranhão e 66% no Pauí 2. Em cera medda, a suação exremamene desfavorável em ermos de dsponbldade de recursos esaduas per capa da maora dos Esados menos desenvolvdos decorre da adoção do prncípo da orgem na rbuação do ICMS nas ransações neresaduas. Por ese prncípo, pare subsancal da arrecadação dese rbuo se desna ao Esado produor da mercadora. Com so, o ICMS perde o seu caráer de mposo sobre o consumo, ornando-se um rbuo mso, ncdndo ano sobre a produção quano o consumo. A proposa que será aqu analsada examna os efeos econômcos e sobre a arrecadação dos Esados, da adoção do prncípo do desno, no qual o ICMS é repassado negralmene ao Esado onde a mercadora é consumda, recolocando o mposo novamene na condção de um auênco rbuo sobre o consumo. Tal mudança promoverá uma razoável redsrbução de recursos com clara vanagem para os Esados consumdores em dermeno dos produores. Não é por ouro movo que a adoção do prncípo do desno sempre se consuu num dos prncpas óbces para a mplanação da Reforma Trbuára, uma vez que, os Esados produores, que normalmene se suam na parcela superor da dsrbução de recursos esaduas per capa, se colocam em posção conrára, emendo a perda de receas. Adconalmene, deve-se ressalar o peso que o ICMS em na arrecadação dos Esados, que na maora deles, ulrapassa os 80%. Na leraura naconal são poucos os rabalhos que exploram o mpaco quanavo da mudança da ssemáca da cobrança do ICMS. O prmero a esmar a redsrbução de receas decorrene da adoção do prncípo do desno, anda que muo superfcalmene, fo o argo de Varsano (997), mas fo o rabalho de Paes e Squera (2005) que adoando um modelo de equlíbro geral, calculou perdas e ganhos para os Esados. Tal argo concenrou-se demasadamene na demanda, adoando a hpóese de uma frma represenava para odo o país. O presene rabalho enrquece e aprofunda a análse ao ncorporar uma frma e famíla represenava por Esado, alerando os resulados obdos por aqueles auores. A próxma seção rará uma rápda análse do ICMS e da forma de rbuação das ransações enre Esados. Na seção segune será apresenado o modelo de equlíbro geral usado para smular a adoção do prncípo do desno, sendo em seguda realzada a calbração. Na seção 4 os resulados serão dscudos e por úlmo, a seção 5 raz os comenáros fnas. 2. BREVE ANÁLISE DA IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NO BRASIL Como se sabe o ICMS, um mposo esadual, é o prncpal rbuo braslero, respondendo por aproxmadamene 25% de oda a carga rbuára naconal. Para bens produzdos ou mporados e consumdos denro do própro Esado, odo o produo da arrecadação desna-se ao própro ene federavo. Enreano, nas ransações neresaduas, a arrecadação do mposo se subdvde enre o 2 Ver Salv (2005). 2

3 Esado onde ocorreu a produção da mercadora e o Esado onde ela é consumda. A alíquoa padrão do ICMS é de 7% 3. Para o comérco neresadual valem as alíquoas defndas por resolução do Senado Federal. Os Esados do Nore (N), Nordese (NE), Cenro-Oese (CO) e Espíro Sano (ES) possuem alíquoas mas benéfcas do que o resane dos Esados do Sudese (SE) e o Sul (S) como forma de ncenvar o desenvolvmeno dos prmeros. A regra para o comérco enre os Esados é resumda na abela : Tabela Dsrbução das Alíquoas do ICMS no comérco neresadual Enrada Saída N/NE/CO + ES S/SE (-ES) N/NE/CO + ES 2% 2% S/SE (-ES) 7% 2% Fone: Elaboração do auor Assm, um produo venddo da Regão Nordese para a Regão Nore erá alíquoa oal para o consumdor de 7%, mas 2% perencerão ao local de produção (NE) e 5% ao local de consumo (N). O mesmo resulado se aplca caso a venda fosse para um Esado do Sul ou Sudese. Por ouro lado, um produo venddo da Regão Sul para o Espíro Sano, da alíquoa oal de 7%, 7% perence ao Esado produor (S) e 0% ao consumdor (ES). A regra geral é que, sando de uma regão menos favorecda (N/NE/CO+ES), o produo paga sempre 2% na orgem e 5% no desno. Quando sa de uma regão mas favorecda (S/SE-ES), paga 7% na orgem e 0% no consumo se for desnado ao N/NE/CO+ES, ou 2% na orgem e 5% no consumo se for desnado ao S/SE-ES. Porano, aualmene, o Brasl aplca um prncípo mso na rbuação neresadual, com pare da arrecadação na orgem e pare no desno. Como uma faa subsancal dos recursos fca com o Esado produor, orna-se neressane para os enes federavos expandr ao máxmo a sua produção, aumenando a sua arrecadação, mesmo que nos lmes do seu erróro não haja aumeno do consumo. Melhor dzendo, o ICMS adqure em pare um caráer de mposo sobre a produção. Traa-se de um arranjo njuso, uma vez que os rbuos pagos pelos cdadãos de cero Esado são drgdos a ouro que produzu a mercadora consumda, prejudcando aqueles que vvem no local onde houve o consumo, pos o governo esadual conará com menos recursos para\aender a necessdade da sua população. O prncípo da orgem é o prncpal responsável pela chamada Guerra Fscal. Todos os Esados buscam arar ndúsras para os seus erróros, ano pela cração de empregos e geração de renda assocada ao nvesmeno como ambém pelo poencal ganho rbuáro fuuro com a venda de mercadoras denro e fora do Esado. Iso ocorre porque, embora do pono de vsa naconal o ICMS seja um mposo sobre o consumo, para os Esados ele é um mposo sobre a produção, já que a parcela da arrecadação decorrene da sua produção em um peso mporane na recea esadual. Adconalmene, o prncípo da orgem ambém em papel fundamenal nos problemas de comérco exeror. Iso por cona da chamada Le Kandr que garane o ressarcmeno do ICMS pago pelas empresas exporadoras, não só das mercadoras venddas quano dos nsumos adqurdos. É muo comum que uma empresa exporadora adqura nsumos de ouro Esado, dexando para ese uma pare da arrecadação, e depos ao exporar, se vole para o Esado em que se sua, solcando ressarcmeno nclusve dos rbuos que se desnaram ao Esado produor do nsumo. Enfm, há uma sére de razões de ordem econômca e de equdade que demandam a adoção do prncípo do desno, segundo o qual oda a arrecadação do ICMS passara para o Esado onde a mercadora é consumda. 3 É claro que nem odas as mercadoras são rbuadas a 7%, já que os Esados possuem compeênca para legslar a respeo do ICMS. Assm, enconram-se uma sére de mercadoras com alíquoas superores, pcamene comuncações, combusíves e bebdas, e ouras com alíquoas menores, especalmene almenos e medcamenos. 3

4 É uma quesão de equdade, pos odo o ICMS pago pelo cdadão se revere aos cofres do própro Esado, e que deverá ser ulzado na melhor ofera de bens e servços para a sua população. O prncípo do desno represena um ganho em efcênca, com a elmnação da Guerra Fscal e com a redução dos problemas dos exporadores. Enreano, há uma compreensível dfculdade a ser conornada e que ao longo dos úlmos anos nvablzou qualquer proposa de reforma rbuára. Espera-se que a adoção do prncípo do desno represene perdas mporanes de arrecadação nos Esados com maor produção, e que esão enre os mas desenvolvdos da federação, e ganhos para os Esados consumdores, que esão enre os mas pobres. Dada a dfculdade de recursos pela qual odos os enes federavos vêm passando, não é surpresa que aqueles que em a perder com a proposa se oponham a ela. Enreano, al resrção pode ser conornada com um período de ransção razoável e o apoo federal durane esa passagem de forma a suavzar o cuso de ajusameno daqueles que erão perdas. A proposa que será aqu analsada consse em se elmnar do ssema rbuáro braslero o prncípo da orgem para que seja adoado o prncípo do desno. Na proposa a ser apresenada a elmnação do prncípo da orgem ocorrerá aos poucos. Incando em, as alíquoas neresaduas mosradas na abela seram reduzdas em 50% em 2009 e oalmene elmnadas em 204, quando fnalmene oda a arrecadação do ICMS fcara com o Esado de desno. O prazo de 0 anos é razoável e perme que os Esados prejudcados enham uma ransção mas suave com o apoo da Unão. O Esado do Amazonas não será ncluído no prncípo do desno, pos é lá que fca localzada a Zona Franca de Manaus, local que cona com dversos ncenvos fscas, muncpas, esaduas e federas. Pressupõe-se que eles serão mandos, já que a sua elmnação reduzra em mas de 50% a arrecadação do Esado segundo nossos cálculos. As smulações que serão realzadas são mporanes para que se enha uma déa mas clara das conseqüêncas para cada ene federavo da nova ssemáca de cobrança do ICMS. Por exemplo, Varsano (997) esma que São Paulo perdera mas de 0% da sua arrecadação oal, enquano Paes e Squera (2005) com uma meodologa com famílas (uma por Esado) e apenas uma frma represenava naconal, enconra perdas mporanes, enre 5% e 5% da recea, para São Paulo, Espíro Sano, Goás, Mao Grosso do Sul e Sana Caarna. Enreano, como se verá em seguda, ao se adoar um modelo que conemple mas dealhadamene o lado da ofera, com a nclusão de frmas represenavas (uma para cada Esado), e orna mas realsa o lado da demanda, ao permr que a despesa públca esadual no únco bem da economa seja ambém rbuada pelo ICMS, as perdas ornam-se menos sgnfcavas. 3. METODOLOGIA 3.. O Modelo A economa arfcal esá baseada no modelo neoclássco, é fechada, deermnísca e com população e ecnologa consanes. Há nformação perfea por pare de odos os agenes econômcos e os mercados são compleos. Cada Esado possurá uma frma e uma famíla represenava, dferencada pela renda e pelo esoque de capal. Exse apenas um únco bem nesa economa. Cada famíla fornece mão-de-obra e capal para a frma de seu Esado e cada frma conraa apenas capal e mão-de-obra da famíla do seu Esado. As famílas pagam mposos sobre consumo e renda, enquano o governo ransfere renda e demanda o únco bem produzdo por esa economa. Famílas O modelo cona com famílas represenavas com vda nfna, cada uma com níves de renda e consumo e esoque de capal ncal dferencados. Para a dferencação da renda das famílas, supõe-se que cada famíla possu uma produvdade por hora rabalhada fxa. Assm, cada hora de rabalho de cada famíla represenará mas (ou menos) produção de acordo com esa produvdade. 4

5 As famílas resolvem um problema dnâmco, com preços e alíquoas rbuáras dados e escolhem as seqüêncas de consumo, horas de rabalho e esoque de capal, no período segune, que maxmzam a sua função uldade (). = o [ α ln( c ) + ( α) ln( h ] U = β ) Em que β denoa o faor de descono neremporal, α o peso do consumo na função uldade, c o consumo da famíla (=,...,) no empo e h as horas rabalhadas pela famíla no empo. As famílas, enreano, devem obedecer a resrção orçamenára (2) e ao fao de que o esoque de capal deve ser não negavo, ou seja, k 0. () j j ( + s a j ( τ )) c T + k+ ( δ ) k ( τ ) ξ w h h + ( τ ) r k k (2) Nesas expressões, τ represena a alíquoa do mposo federal sobre o consumo no empo ; s represena a fração do consumo da famíla que é rbuada pelo ICMS, já que prncpalmene servços j não sofrem a ncdênca dese mposo, τ a pare da alíquoa do ICMS do consumo da famíla que é j repassada para o Esado produor j; τ a pare da alíquoa do ICMS do consumo da famíla de bens produzdos no Esado j que fca com o Esado consumdor e a j é a proporção no consumo da famíla de bens produzdos no Esado j. Observe que quando a famíla consome bens produzdos denro do j própro Esado τ = 0. Por convenção, para esas varáves, o prmero índce (j no caso) corresponde ao local onde o bem fo produzdo e o segundo índce ( no caso) é o local onde o bem fo consumdo. As demas varáves e parâmeros são τ h a alíquoa do mposo sobre a renda do rabalho pago pela famíla no empo ; w é o saláro bruo da economa no empo ; ξ é a produvdade da famíla ; T a ransferênca governamenal recebda pela famíla no empo e r é o preço anes dos mposos, do aluguel do capal no empo, k represena o esoque de capal da famíla no empo e τ k é a alíquoa do mposo sobre a renda do capal. As respecvas condções de prmera ordem nos fornecem as segunes equações: h j j ( α)( FT + ( τ ) a j ) c (3) = α( τ ) ξ w h j j + s ( τ ) a j c + = β + ) + j j + s ( τ + + ) a j {( δ ) + ( τ k r } c (4) Frmas Todas as frmas são compevas, conraando mão-de-obra ( h ) e capal ( k ) das famílas do seu esado. O problema da frma é bascamene esáco, ou seja, ela escolhe as quandades de nsumos e produo que maxmza o seu lucro. A função de produção é do po Cobb-Douglas: θ θ y = k ( ξ h ) (5) 5

6 Onde θ é a parcpação da renda do capal na renda oal e y é o produo esadual. Maxmzando os lucros obém-se a axa de juros e o saláro: θ θ r = θk ( ξ h ) (6) w w θ θ = = ( θ ) k ( ξ h ) ξ (7) Governos São dos os pos de governo. O governo esadual possu apenas um rbuo, o ICMS, e a sua arrecadação decorre ano das vendas realzadas denro do Esado quano das vendas de seus produos realzadas em ouros Esados. A resrção orçamenára dos governos esaduas é dada por: g = s τ j a j ( c + g ) + τ a s ( c j j j j + g j ) (8) Onde g é a despesa públca esadual com o únco bem da economa. De forma a ornar o modelo mas próxmo da realdade, as compras dos governos esaduas são ambém rbuadas pelo ICMS. O governo federal arrecada mposos dervados de odos os demas rbuos, à exceção do ICMS, para fnancar seus gasos no únco bem da economa e fazer ransferêncas para as famílas. g = = η ( τ c ξ w h r k ) h Em que η é o percenual da população no Esado em relação a população oal do Brasl. A resrção orçamenára federal é dada por: k Γ = g + T (0) Em que Γ corresponde a arrecadação rbuára no empo, g a despesa federal com o bem únco da economa no empo e T é o oal de ransferêncas às famílas ambém no empo. j j O conjuno das seqüêncas relavas às varáves e parâmeros fscas { T, g, τ h, τ, τ, τ, τ k } é dado exógenamene, exceo a despesa esadual, calculada endogenamene por (8). Equlíbro As famílas escolherão as seqüêncas { c, h, k } que maxmzam sua uldade sujeo a resrção orçamenára de cada uma, enquano que as frmas represenavas escolhem { k, h } de forma a maxmzar seus lucros, respeando a resrção agregada da economa esadual: (9) a j ( c j + g j ) + [ k + ( δ ) k ] + γ g = k θ ( ξ h θ ) () Onde γ é a fração da despesa federal no bem únco produzdo no Esado. Para o cálculo do equlíbro deve se resolver o ssema de equações de dferenças não-lneares composo por (3), (4), (6), (7), (8), (9) e (0), dado k 0. A dnâmca do consumo das famílas é obda subsundo (6) em (4): 6

7 c j j + s ( τ ) a j + = β ) j j + + s ( τ + + ) a j θ θ {( δ ) + ( τ k ) θk ( ξ h } c Subsundo (7) em (3) em-se a condção para as horas rabalhadas das famílas. (2) h = ( α)( + s ( τ α( τ ) ξ ( θ ) k h j θ j ) a ( ξ h ) θ j ) c (3) Solução do Modelo Subsundo o consumo de (3) em (2) e em () e usando (8) para calcular g, obemos um ssema de equações composo por (8), () e (2) em cada período, e endo como ncógnas as rajeóras de { h } T, { g = 0 }T e { k = 0 }T para cada Esado. = 0 h + g = s τ j = β = a j s τ a j j α j α θ θ ( τ ) ξ ( θ ) k ( ξ h ) ( h ) ( α ) θ θ ( τ ) ξ ( θ ) k ( ξ h ) ( h ) h j ( α ) h s s j = j j ( τ ( τ j j j ) a j j ) a j ) j ) j + g + g j + { } ( ) θ ( ) θ ( ) θ θ τ h k ξ h h ( δ ) + ( τ ) θk ( ξ h ) k+ + + ( ) θ τ k ( ξ h ) θ h+ + + (8a) (a) k θ θ α( τ ) ξ ( θ ) k ( ξ h ) ( h ) ( δ ) k (2a) θ θ h j j j j j k ( ξ h ) γ g a j g + = + j + j = j j ( α ) s j ( τ ) aj ) = Adoamos o período de ransção aé T = 50. São porano,.377 varáves de horas de rabalho ( Esados x 5 períodos (0 a 50)),.377 varáves para o gaso esadual e.323 varáves do capal. A dferença ocorre porque o capal ncal de cada um dos Esados da federação é dado, bem como pelo capal de esado esaconáro, obdo por meo da equação (2a) em esado esaconáro: k h ~ = k SS β = ( τ k ) θξ ( δ ) θ θ (4) 7

8 Como cada uma das equações (8a), (a) e (2a) acma são aplcáves para cada Esado, emos um oal de 2 x x 50 (capal e horas de rabalho) + x 5 (gaso esadual) = equações. Resolvemos ese ssema não lnear composo por equações e varáves ulzando o méodo de Broyden para solução de ssemas não-lneares Calbragem do Modelo Parâmeros Obdos do Novo Ssema de Conas Naconas do IBGE Dsrbução das Famílas Tabela 2 Parâmeros das Conas Naconas Parâmero Descrção Valor θ Parcpação da Renda do Capal 0,475 τ Alíquoa Trb. Consumo Federal 0,533 F τ Alíquoa Trb. Renda do Trabalho 0,2202 h τ Alíquoa Trb. Renda do Capal 0,95 k Fone: Ssema de Conas Naconas A dsrbução das famílas por Esado no modelo é dada pelo parâmero η e usou-se os dados das Conas Regonas do IBGE para deermná-lo. Tabela 3 Dvsão das Famílas por Esado Esado Proporção Esado Proporção Esado Proporção Esado Proporção AC 0,34% ES,84% PB,99% RO 0,82% AL,65% GO 2,99% PR 5,6% RR 0,20% AP 0,30% MA 3,32% PE 4,62% SC 3,7% AM,7% MT,50% PI,66% SP 2,87% BA 7,6% MS,23% RN,63% SE,06% CE 4,38% MG 0,50% RS 5,95% TO 0,69% DF,23% PA 3,7% RJ 8,42% BRASIL 0 Fone: Conas Regonas Horas Trabalhadas As horas rabalhadas para cada famíla foram deermnadas ulzando os dados do Censo 2000 do IBGE. O Censo, enreano, não fornece dreamene o número de horas rabalhadas por Esado. Para resolver ese problema, ulzou-se de dados do Censo que mosram horas rabalhadas por regão e consderou-se que odos os Esados denro de deermnada regão possu o mesmo número de horas rabalhadas. De posse deses dados pôde-se deermnar as horas rabalhadas semanas por Esado. Para ese modelo, preferu-se rabalhar com a relação oal de horas rabalhadas por oal de horas semanas. Tabela 4 Horas Trabalhadas por Regão Regão Horas de Trabalho Regão Horas de Trabalho Regão Horas de Trabalho Nore 0,2479 Nordese 0,2399 Sudese 0,2542 Sul 0,257 Cenro-Oese 0,2560 Brasl 0,250 Fone: Censo Para referênca em relação ao méodo ver Mranda e Falckler (2002). 8

9 Produo e Arrecadação Esadual. O produo per capa por Esado fo obdo das Conas Regonas. Todos os valores calbrados nese modelo esão em proporção do PIB per capa naconal, que fo fxado em. Já os dados da arrecadação esadual per capa foram rerados de nformações do Conselho Naconal de Políca Fazendára (CONFAZ) para. Tem-se, enão, a abela 5 a segur. Tabela 5 Produo e Arrecadação per capa por Esado Esado Produo Arrecadação Esado Produo Arrecadação Esado Produo Arrecadação AC 0,5287 0,0396 MA 0,2825 0,092 RN 0,5520 0,0457 AL 0,3985 0,037 MT,0445 0,050 RS,369 0,0873 AP 0,6987 0,03 MS 0,994 0,023 RJ,5046 0,0834 AM,752 0,0808 MG 0,905 0,0676 RO 0,642 0,0658 BA 0,65 0,0506 PA 0,53 0,034 RR 0,507 0,0384 CE 0,4286 0,0365 PB 0,428 0,032 SC,2497 0,0884 DF,9602 0,098 PR,023 0,0750 SP,407 0,20 ES,0575 0,08 PE 0,5890 0,0428 SE 0,697 0,0438 GO 0,770 0,070 PI 0,2973 0,0248 TO 0,388 0,0466 Fone: Conas Regonas Taxa de Juros, Saláro, Produvdade e Capal. A axa de juros real é dada pela dferença enre a axa SELIC vgene em dezembro de e a nflação acumulada pelo IPCA em, o que mplca em r = 0, 70. Por ouro lado, dada a esruura compeva das frmas podemos calcular saláros e esoque de capal por Esado como w = ( θ ) y h e k = θy r. A produvdade pode ser calculada da equação dos saláros, (7). Subsundo valores consruímos a abela 6: Tabela 6 Saláro, Produvdade e Esoque de Capal por Esado Esado Saláro Prod. Capal Esado Saláro Prod. Capal Esado Saláro Prod. Capal AC,9 0,5998 2,468 MA 0,68 0,333,47 RN,208 0,6473 2,244 AL 0,872 0,4673,68 MT 2,42,479 4,243 RS 2,855,5300 5,5594 AP,479 0,79 2,837 MS,885,004 3,7333 RJ 3,07,6652 6,096 AM 2,488,3333 4,772 MG,862 0,9977 3,6606 RO,358 0,75 2,6037 BA,428 0,7654 2,6503 PA,086 0,582 2,0835 RR,062 0,5692 2,0372 CE 0,938 0,5026,7404 PB 0,937 0,5020,7383 SC 2,606,3965 5,0745 DF 4,020 2,542 7,9596 PR 2,299,238 4,476 SP 2,93,562 5,7283 ES 2,84,704 4,294 PE,289 0,6907 2,397 SE,525 0,874 2,8306 GO,58 0,8473 3,307 PI 0,65 0,3486,2072 TO 0,822 0,4403,5759 Fone: Elaboração do auor Deprecação e Taxa de Descono Ineremporal. A deprecação é obda do nvesmeno, δ = I k = 0, 0439, enquano a axa de descono neremporal sa da equação (2) no esado esaconáro, β = 0, 944. Consumo, Fluxo comercal enre os Esados e Percenual do Consumo Trbuado pelo ICMS. O fluxo comercal enre os Esados fo obdo do rabalho Balança Comercal Ineresadual 999 do CONFAZ, que mosra quano cada Esado vendeu para os demas. De posse deses dados fo monada a marz consane do apêndce A, que represena os coefcenes a, ou seja, a proporção no consumo da j 9

10 famíla de bens produzdos no Esado j. Adoou-se a hpóese de que não houve modfcação na dsrbução percenual do consumo dos Esados por orgem dos produos enre 999 e. Com relação ao consumo, nem odo ele sofre a ncdênca da rbuação do ICMS, e mas anda, as alíquoas não são odas fxas em 7%. De fao, exse uma sére de produos que recebem alíquoas mas elevadas como comuncações, combusíves e bebdas, e ouras com alíquoas menores, especalmene almenos e medcamenos. No modelo o parâmero s raa de fxar a alíquoa efeva que cada famíla paga em seu Esado, ao ser mulplcada por 7%, a alíquoa padrão do ICMS. Desa manera s 7% represena a alíquoa efeva do ICMS no Esado. Parndo dos dados de arrecadação esadual do CONFAZ (), com nformações sobre a arrecadação do ICMS por Esado, e usando as equações (8) e (3) calculamos o consumo e a alíquoa efeva do ICMS por Esado, conforme abela 7: Tabela 7 Consumo e Alíquoa Efeva do ICMS UF Consumo S Alíq. UF Consumo S Alíq. UF Consumo S Alíq. AC 0,3302 0,73 0,24 MA 0,863 0,65 0,0 RN 0,3580 0,78 0,32 AL 0,2562 0,84 0,43 MT 0,6062 0,96 0,64 RS 0,8638 0,50 0,086 AP 0,4552 0,42 0,07 MS 0,5372 0,9 0,55 RJ 0,935 0,52 0,088 AM 0,780 0,28 0,047 MG 0,55 0,64 0,09 RO 0,3870 0,99 0,68 BA 0,4342 0,58 0,099 PA 0,3252 0,62 0,05 RR 0,3078 0,86 0,47 CE 0,283 0,68 0,6 PB 0,2846 0,59 0,00 SC 0,7798 0,59 0,00 DF,929 0,60 0,03 PR 0,693 0,55 0,093 SP 0,8589 0,67 0,4 ES 0,6368 0,75 0,28 PE 0,39 0,60 0,02 SE 0,4669 0,53 0,09 GO 0,458 0,78 0,33 PI 0,894 0,9 0,55 TO 0,23,23 0,209 Fone: Elaboração do auor São necessáras algumas observações a respeo deses números. Prmero em relação ao Amazonas, local onde fca a Zona Franca de Manaus que goza de númeras senções relaconadas ao ICMS, ano nas vendas locas quano para ouros Esados, e explca a baxa alíquoa efeva obda. Por ouro lado, alguns Esados aparecem com alíquoas efevas muo próxmas ou superores a 7%, como Mao Grosso, Mao Grosso do Sul, Pauí, Rondôna e Tocanns. A explcação aqu resde ano no fao de que neses locas o consumo é relavamene pequeno em relação ao resane do país, seja por fala de renda ou por baxa população, quano na própra caracerísca do ICMS de que a arrecadação em um Esado decorre em boa medda do consumo nos ouros Esados de mercadoras produzdas no Esado de orgem. Ora, como a alíquoa efeva é calculada dvdndo a arrecadação do ICMS de vendas nernas e a ouros Esados pelo consumo do própro Esado, em-se nesas duas explcações a razão para a alíquoa elevada. Reforçando al argumeno, observa-se que ao dvdr a arrecadação do ICMS fornecda pelo CONFAZ () com os dados do produo por Esado das Conas Regonas, abela 5, Tocanns, Mao Grosso do Sul e Rondôna fornecem os valores mas elevados. Trbuação sobre o Consumo Esadual Como já vso, para o comérco neresadual valem as alíquoas defndas por resolução do Senado Federal e descras na abela. Denro dessa lógca, τ j represena a pare da alíquoa do ICMS do j consumo da famíla que é repassada para o Esado produor j (2% ou 7% conforme a abela ) e τ é a pare da alíquoa do ICMS do consumo da famíla de bens produzdos no Esado j que fca com o Esado consumdor (5% ou 0% conforme a abela, ou anda, 7% se o bem for produzdo e consumdo denro do própro Esado). Para efeo do modelo, as alíquoas da rbuação do ICMS devem ser mulplcadas pelo coefcene s para a represenação das alíquoas efevas. 0

11 Peso do Consumo na Função Uldade. O peso do consumo na função uldade, α, fo obdo de forma a compablzar o consumo esadual calculado na abela 7 com a parcpação do consumo no PIB dado pelo Novo Ssema de Conas Naconas do IBGE para o ano de, c = 0, 629, endo sdo obdo o valor de α = 0, 392, valor em lnha com os descros na leraura 5. Parcpação dos Esados na Despesa Federal e Transferêncas Governamenas A parcpação dos Esados na despesa federal per capa com o bem únco é dada pelo parâmero γ, pode ser calculada usando a resrção agregada, equação (). Já as ransferêncas per capa do governo federal para as famílas em cada Esado, são obdas pela resrção orçamenára das famílas equação (2). Os valores esão dsposos na abela 8 abaxo: Tabela 8 Parcpação dos Esados na Despesa Federal e Transferêncas Governamenas Esado Despesa Transferênca Despesa Transferênca Despesa Transferênca Esado Esado Federal Federal Federal Federal Federal Federal AC,2998 0,0783 MA 0,7348 0,059 RN,2070 0,04 AL,282 0,0732 MT 2,4323 0,200 RS,040 0,80 AP,2385 0,035 MS 0,9756 0,056 RJ 2,6832 0,837 AM 0,375 0,74 MG 0,6644 0,0 RO,4678 0,0950 BA 0,6522 0,99 PA,842 0,0760 RR,6688 0,0743 CE 0,6262 0,0787 PB 0,6855 0,0786 SC 0,8833 0,652 DF 6,7 0,225 PR 0,930 0,457 SP 0,56 0,723 ES 0,5543 0,29 PE,428 0,082 SE,2562 0,28 GO,584 0,0885 PI 0,979 0,0546 TO,009 0,0575 Fone: Conas Regonas e Elaboração do auor Em lnha com o que sera de se esperar, Dsro Federal e Ro de Janero, capal e ex-capal braslera, são os enes federavos mas benefcados pela despesa e ransferênca federal. 4. DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Nas smulações que serão apresenadas, é mporane desacar que a Zona Franca de Manaus fo preservada, o que para efeo de modelo, mplca na manuenção do Esado do Amazonas na esruura da rbuação do ICMS aual. A mudança do prncípo da orgem para o do desno não mplcará em mudança na alíquoa rbuára efeva do ICMS, que permanecerá com o mesmo valor de anes da mudança. O que ocorrerá será uma grande redsrbução da recea do ICMS enre os Esados. A nova dsrbução das receas erá um mpaco sgnfcavo sobre as receas esaduas, alerando, por consegune a despesa esadual. Enreano, para cada Esado, a relação capal-rabalho não se alerará, embora para alguns Esados haja aumeno da produção enquano que para ouros, redução. Para aqueles em que houve crescmeno da produção, em razão prncpalmene do aumeno da demanda do governo, eremos ncremeno do esoque de capal acompanhado por aumeno das horas de rabalho. Dado que da maxmzação da uldade das famílas, a relação enre a uldade margnal do consumo e do lazer é dada pela relação enre o preço do consumo com rbuos e o preço do lazer com rbuos e que não houve aleração neses preços, o aumeno das horas de rabalho mplca em redução do lazer e conseqüenemene em dmnução do consumo. Vso de oura forma, o aumeno da produção leva a necessdade de mas nvesmenos que mplca em redução do consumo. Assm, os Esados que 5 Ver por exemplo Paes e Bugarn (2006) e Araújo e Ferrera (999).

12 aumenaram a sua arrecadação com a nova ssemáca do ICMS, expermenarão ambém aumeno da produção e redução do consumo. Para os Esados com perda de arrecadação, o processo é o nverso com redução da produção e aumeno do consumo. A Tabela 9 mosra o efeo da mudança da cobrança do ICMS sobre o consumo e a produção no longo prazo: Tabela 9 Varação Percenual da Produção e do Consumo com o Prncípo do Desno UF Produção (%) Consumo (%) UF Produção (%) Consumo (%) UF Produção (%) Consumo (%) AC 0,68-0,22 MA 0,65-0,2 RN 0,70-0,22 AL,20-0,38 MT 0,60-0,2 RS -0,3 0,0 AP 0,22-0,07 MS -0,25 0,09 RJ 0,2-0,07 AM -0,0 0,00 MG -0,06 0,02 RO 0,9-0,30 BA -0,28 0,09 PA 0,43-0,4 RR 0,78-0,26 CE 0,4-0,04 PB 0,2-0,04 SC -0,5 0,05 DF 0,70-0,24 PR -0,2 0,07 SP -0,0 0,03 ES -0,65 0,22 PE 0,6-0,05 SE 0,23-0,07 GO 0,08-0,03 PI,3-0,4 TO,34-0,44 Fone: Elaboração do auor As fguras e 2 mosram a evolução do produo e consumo para alguns Esados seleconados: Fgura Evolução do Produo Esados seleconados,50% Alagoas,50% Pauí,00%,00% 0,50% 0,50% ,50% Rondôna,50% Tocanns,00%,00% 0,50% 0,50% Espíro Sano Ro Grande do Sul -0,50% -0,50% -,00% -,00%

13 Fgura 2 Evolução do Consumo Esados Seleconados Alagoas Pauí -0,25% -0,25% -0,50% -0,50% -0,75% -0,75% Rondôna Tocanns -0,25% -0,25% -0,50% -0,50% -0,75% -0,75% ,50% Espíro Sano 0,50% Ro Grande do Sul 0,25% 0,25% Os resulados mosram que a mudança na ssemáca da rbuação do ICMS pracamene não afea o produo e o consumo dos Esados. Assm, apesar de ser uma aleração rbuára de grande mona, seu efeo dreo sobre os agenes é reduzdo. Não será dreamene que o prncípo do desno afeará as desgualdades regonas. Na verdade, conforme se vê na Tabela 0, a sua força esá na aleração da dsrbução das receas do ICMS enre os enes federavos: 3

14 Tabela 0 Varação na Arrecadação Esadual UF Arrecadação Varação Varação Arrecadação Varação Varação UF R$ mlhões () (%) (R$ mlhões) R$ mlhões () (%) (R$ mlhões) AC 257 5,9% 4 PB.45 0,7% 8 AL ,8% 39 PR ,5% -433 AP 84 6,5% 2 PE ,3% 83 AM ,0% PI ,8% 280 BA ,7% -40 RN.395 7,7% 247 CE ,4% 2 RS ,6% -732 DF ,3% 576 RJ ,6% 992 ES ,4% -499 RO.058 7,6% 86 GO ,0% RR 5 24,0% 36 MA.92 8,6% 222 SC ,7% -42 MT ,2% 363 SP ,0% MS ,0% -94 SE 873 5,9% 5 MG ,6% -83 TO 606,0% 64 PA ,6% 256 BRASIL ,% 59 Fone: Elaboração do auor Verfca-se que os Esados do Sul, do Sudese, exceo o Ro de Janero, e mas Baha e Mao Grosso do Sul perderam com a mplanação do prncípo do desno. Com a exceção da Baha, nenhum dos perdedores se sua enre os mas pobres do Brasl. Já os maores ganhadores são Acre, Alagoas, Maranhão, Dsro Federal, Pauí e Rorama. Exceo pela presença do Dsro Federal, os demas Esados perencem ao grupo mas pobre da federação. Assm, a adoção do prncípo do desno levara a uma dsrbução mas eqüava dos recursos rbuáros enre os enes federavos. Quano ao Dsro Federal, raa-se de uma regão que pracamene não possu ndúsras e mpora quase udo o que consome, como qualquer Esado pobre. Enreano, a capal federal possu a mas ala renda per capa do Brasl. Observa-se, assm, que o grande poencal do prncípo do desno para a redução das desgualdades regonas não esá nos seus efeos dreos sobre o produo ou o consumo dos Esados mas pobres, e sm no seu efeo ndreo, ao carrear grandes somas de recursos para eses Esados, que passam a dspor de quanas própras fundamenas para o seu desenvolvmeno. Há muo que se fazer em áreas como nfra-esruura, educação, saúde, saneameno e ouras, e a mudança no ICMS pode gerar boa pare dos recursos necessáros. Enreano, algumas ressalvas são necessáras. É precso mua parcmôna dos Esados benefcados com o uso deses recursos, evando o desperdíco e a corrupção. O mesmo se aplca com os prejudcados pela aleração, que deverão se reesruurar para convver com menos recursos, endo a Unão papel preponderane no auxílo durane a ransção. Por úlmo, a mplemenação do prncípo do desno gera um poencal de arrecadação exra para os Esados ganhadores, que só se ornará efeva com a modernzação da Admnsração Trbuára esadual e uma legslação que eve a evasão fscal nas ransações neresaduas. Uma das alernavas que já foram proposas é o mecansmo conhecdo como modelo do barqunho, proposo por Varsano (999), sob a hpóese de mplemenação de um IVA Dual, ou seja, um IVA no desno com pare da alíquoa federal e pare esadual. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS O prncpal mposo braslero, o ICMS, esá assenado aualmene em pare sobre a produção e em pare sobre o consumo. A razão para esa dsorção num rbuo que devera ser apenas sobre o consumo decorre da adoção do prncípo da orgem na dsrbução das receas arrecadadas por ese mposo nas ransações neresaduas. 4

15 O prncípo da orgem, além de njuso, pos desva receas rbuáras do Esado consumdor para o produor, é fone de uma sére de nefcêncas, como a Guerra Fscal, que ano prejuízo em razdo aos esouros esaduas, quano das enormes dfculdades de ressarcmeno do ICMS pago nas exporações. A solução proposa passa pela adoção do prncípo do desno, no qual oda a arrecadação do ICMS sera desnada ao Esado consumdor das mercadoras. Além de maner a recea denro do própro Esado, elmnase a compeção fscal predaóra e facla sobremanera o ressarcmeno das exporações. Enreano, a adoção do prncípo do desno não é neura do pono de vsa dos Esados. Como se vu nos resulados, os Esados produores em perdas de arrecadação que chegam a quase R$,4 blhão, como no caso de São Paulo, em valor absoluo, ou 3,4%, para o Espíro Sano, em ermos relavos. Já os ganhadores são os Esados consumdores, em geral, os menos desenvolvdos da federação, mas que ambém nclu alguns dos mas desenvolvdos e com relavamene pouca produção de mercadoras. Em ermos absoluos, os maores ganhos esão no Ro de Janero, quase R$ blhão, e Dsro Federal, R$ 576 mlhões. Em ermos relavos, os mas favorecdos são Pauí, com um acréscmo de 37% na sua arrecadação, e Alagoas com um ncremeno de 33%. Dado o mpaco sgnfcavo nas fnanças dos Esados prejudcados pelo prncípo do desno, é recomendável que a ransção de um regme para ouro seja fea num nervalo de empo razoável e com o apoo do governo federal, de forma a mnmzar os cusos de bem-esar que serão mposos à população. Polícas de aumeno da efcênca na Admnsração Trbuára são mporanes ano para ganhadores quano para perdedores. Os prmeros para que a recea poencal com a nova ssemáca se orne real, e os úlmos como enava de recuperar pare das perdas. Fnalmene, resa a quesão do uso que os recursos adconas erão em cada Esado benefcado pelo prncípo do desno. Como se raa na sua maora de Esados pobres, a opção pelo nvesmeno em capal humano e nfra-esruura pode se converer em uma boa opção, à semelhança do que fo realzado pela Unão Européa em relação aos seus membros menos desenvolvdos. Traa-se de uma agenda de pesqusa fuura para o esudo do poencal do prncípo do desno sobre o desenvolvmeno das regões mas arasadas do país. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARAÚJO, C.H.V; FERREIRA, P. C. Reforma rbuára: efeos alocavos e mpacos de bem-esar. Revsa Braslera de Economa, Vol.53, Nº. 2, Ro de Janero, 999. CONFAZ. Balança Comercal Ineresadual de 999. Em hp://www.fazenda.gov.br/confaz.. Bolem do ICMS. Em hp://www.fazenda.gov.br/confaz/bolem/. IBGE. Censo Demográfco 2000 resulados prelmnares. Ro de Janero, Conas Regonas. Ro de Janero, Ssema de Conas Naconas Ro de Janero,. MIRANDA, M.J.; FACKLER, P.L. Appled Compuaonal Economcs and Fnance. MIT Press, MORAES, M. R. As relações Inergovernamenas na Repúblca Federal da Alemanha: uma análse econômco-nsuconal. São Paulo: Fundação Konrad Adenauer, 200. PAES, N.L; BUGARIN, M.N.S. Reforma Trbuára: Impacos Dsrbuvos, sobre o Bem-Esar e a Progressvdade. Revsa Braslera de Economa, vol.60, n.2, ; SIQUEIRA, M.L. Análse dos Efeos Econômcos da Implanação do prncípo do desno na Cobrança do ICMS e suas Implcações sobre a Pobreza e a Desgualdade de Renda. Revsa Economa, ANPEC Brasíla-DF, v.6, n.3, Edção Seleca, SALVI, A. F.C. Mecansmos de ransferêncas de renda ner-regonas: experêncas brasleras e européas. Escola de Admnsração Fazendára ESAF, Brasíla,

16 VARSANO, R. A guerra fscal do ICMS: quem ganha e quem perde. Ro de Janero: IPEA, Texo para Dscussão nº 500, Subnaonal axaon and reamen of nersae rade n Brazl: problems and a proposed soluon. Valdva/Chle: The World Bank Conference,

17 Apêndce A Dsrbução percenual do consumo dos Esados por orgem dos produos (em %) PRODUÇÃO AC AL AP AM BA CE DF ES GO MA MT MS MG PA PB PR PE PI RN RS RJ RO RR SC SP SE TO TOTAL AC 62,7 0,0 0,0 2,2 0,2 0,3 0,0 0,2,6 0,0,3,0 2,4 0,0,6,9 0,6 0,0 0,0 3,4,2,4 0,0,4 6,5 0,0 0,0 00 AL 0,0 49,0 0,0 0,9 5,3,2 0,0 0,4 0,6 0,0 0,0 0,0 3,3 0,5,4,8 9,9 0,0 0,2 2,0 2,4 0,0 0,0,3 8,6, 0,0 00 AP 0,0 0,0 80, 0,6 0,,4 0,0 0,2 0,5 0,0 0,0 0,0 2, 0, 0,2 0,8 0,3 0,0 0,0,4 0,9 0,0 0,0,3 9,9 0, 0,0 00 AM 0, 0,0 0, 29,0 0,9, 0,0 0,7 0,7 0,4 0,3 0,2 3,6 0, 0,6 2,3 0,9 0, 0,3 3,3 5,7,5 0,2 2,0 45,6 0,3 0,0 00 BA 0,0 0,2 0,0 0,8 66,7 0,7 0,0 0,7 0,6 0,2 0, 0, 3,9 0,2 0,3,4 2,6 0,0 0,0 2,0 2,4 0,0 0,0,3 4,8 0,8 0,0 00 CE 0,0 0,2 0,0,7,6 5,5 0,0 0,4 0,8 0,7 0,2 0, 3,6 0,6,4,5 4,8 0,2 0,9 3,7 2,5 0,0 0,0 2,3 20,8 0,3 0,2 00 DF 0,0 0,0 0,0,9 0,3 0,2 59,7 0,4 4,0 0,0 0, 0, 4,2 0, 0,,6 0, 0,0 0,0,8 2,9 0,0 0,0,5 20,9 0,0 0,0 00 ES 0,0 0,0 0,0 0,5,9 0,3 0,0 47,4 0,3 0,0 0,0 0, 0,5 0, 0, 2,0 0,3 0,0 0, 2,2 8,4 0,0 0,0,8 23,8 0,0 0,0 00 GO 0,0 0,0 0,0 0,8 0,8 0,7 0,4 0,7 37,0 0, 0,7 0,4 9,3 0,3 0, 2,8 0,2 0,0 0, 3,0 4,3 0,0 0,0 2,3 35,7 0, 0, 00 MA 0,0 0,2 0,0,5 0,8 3,9 0,0 0,5,7 52,5 0, 0, 5,,7 0,5,4,8 2,3 0,0 2, 2,8 0,0 0,0,4 8,9 0,3 0,4 00 MT 0,0 0,0 0,0 0,9 0,2 0,2 0,0 0,2 2,2 0,0 55,3,3 3,7 0,0 0, 6,2 0, 0,0 0,0 3,0 2,2 0,2 0,0,6 22,6 0,0 0,0 00 MS 0,0 0,0 0,0 0,7 0,2 0,2 0,0 0,2 0,6 0,0, 52,3 2,7 0,0 0,0 6,8 0, 0,0 0, 2,7,6 0,0 0,0,8 28,8 0,0 0,0 00 MG 0,0 0,0 0,0 0,7,2 0,3 0,0,6,5 0, 0,2 0,2 48,9 0,2 0,2 2,2 0,2 0,0 0, 2,6 4,3 0,0 0,0,9 33, 0, 0,2 00 PA 0,0 0,0 0,0,6 0,8,3 0,0 0,3,9 0,7 0,2 0, 3,7 63, 0,5,5 0,6 0, 0,2 2,,5 0,0 0,0, 8,2 0,2 0,2 00 PB 0,2 0,3 0,0,3,5 3, 0,0 0,4 0,6 0,2 0,2 0, 3,2 0,5 48,5,3 2,5 0,0,2 2,0 2,2 0,0 0,0,6 8,6 0,2 0,3 00 PR 0,0 0,0 0,0 0,7 0,6 0,3 0,0 0,9 0,6 0,0 0,7 0,8 3, 0, 0, 44,0 0, 0,0 0, 5,6 2,4 0,2 0,0 5,8 33,7 0, 0,0 00 PE 0,0 0,6 0,0,5 3,4 2,2 0,0 0,7,0 0,3 0, 0, 4,8 0,5 2,3,9 47,3 0, 0,4 2,5 2,8 0,0 0,0 2,2 24,6 0,4 0,2 00 PI 0,0 0,2 0,0,9,8 0,0 0,0 0,4,4,6 0, 0, 4,0 0,6 0,8 2, 4,0 44,0 0,2 2, 2,5 0,0 0,0,8 9,3 0,5 0,4 00 RN 0,0 0,2 0,0 0,8,7 6, 0,0 0,5 0,7 0,0 0,2 0, 2,5 0,6 3,9,7 7,0 0,0 52,3,6 2,3 0,0 0,0,4 6, 0,2 0, 00 RS 0,0 0,0 0,0 0,9 0,5 0,2 0,0 0,2 0,5 0, 0, 0,2 2,3 0,0 0, 4,3 0, 0,0 0, 60,2 2, 0,0 0,0 5,2 22,7 0, 0,0 00 RJ 0,0 0,0 0,0,4 0,7 0,3 0,0,4 0,4 0, 0,2 0,3 5, 0,2 0, 2,0 0,2 0,0 0, 2,2 58,7 0, 0,0,9 24,7 0,0 0,0 00 RO 0, 0,0 0,0 2,6 0, 0,2 0,0 0,2, 0,0 2,9 0,9 2,5 0,0 0, 3,9 0,2 0,0 0, 2,3 2,6 57,4 0,0 2, 20,8 0,0 0,0 00 RR 0,0 0,0 0,0 3,6 0,3,0 0,0 0,2,0 0,0 0,4 0,2 3,2 0,0 0,2 2,5,3 0,0 0,0 3, 4,4 0,4 45,8 2,4 9,6 0,4 0,0 00 SC 0,0 0,0 0,0 0,6 0,7 0,7 0,0 0,2 0,3 0,0 0,7 0,8 3, 0, 0,4 3,9 0,2 0,0 0,,5 2,5 0,0 0,0 36,4,8 0, 0,0 00 SP 0,0 0,0 0,0 3,2 2,5 0,6 0,0 2,2,3 0, 0,4, 9,3 0,2 0,2 5,3 0,6 0,0 0,4 4,9 5,5 0, 0,0 3,5 58,5 0, 0,0 00 SE 0,0,0 0,0 0,9 5,9 0,9 0,0 0,4 0,5 0, 0, 0,0 2,7 0,3 0,5,0 4,9 0,0 0,2,4,6 0,0 0,0,3 4,5 6,7 0,0 00 TO 0,0 0,0 0,0 0,8 0,5 0,8 0,2 0,2,4 0,5 0,3 0,2 7,3 0,5 0, 2, 0, 0,5 0, 2,2 3,6 0,0 0,0,7 20,8 0, 46, CONSUMO

CAPÍTULO 1 REPRESENTAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS. Sistema monovariável SISO = Single Input Single Output. s 1 s 2. ... s n

CAPÍTULO 1 REPRESENTAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS. Sistema monovariável SISO = Single Input Single Output. s 1 s 2. ... s n 1 CAPÍTULO 1 REPREENTAÇÃO E CLAIFICAÇÃO DE ITEMA 1.1. Represenação de ssemas 1.1.1. semas com uma enrada e uma saída (IO) e sema monovarável IO = ngle Inpu ngle Oupu s e = enrada s = saída = ssema 1.1..

Leia mais

Renda Básica da Cidadania versus Imposto de Renda Negativo: O Papel dos Custos de Focalização

Renda Básica da Cidadania versus Imposto de Renda Negativo: O Papel dos Custos de Focalização Renda Básca da Cdadana versus Imposo de Renda Negavo: O Papel dos Cusos de Focalzação Nelson Leão Paes Marcelo Leer Squera Re s u m o O presene argo procura comparar duas polícas socas alernavas de combae

Leia mais

2 Programação Matemática Princípios Básicos

2 Programação Matemática Princípios Básicos Programação Maemáca Prncípos Báscos. Consderações Geras Os objevos dese capíulo são apresenar os conceos de Programação Maemáca (PM) necessáros à compreensão do processo de omzação de dmensões e descrever

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA LEI KANDIR SOBRE A ARRECADAÇÃO DE ICMS NO ESTADO DO CEARÁ

AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA LEI KANDIR SOBRE A ARRECADAÇÃO DE ICMS NO ESTADO DO CEARÁ AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA LEI KANDIR SOBRE A ARRECADAÇÃO DE ICMS NO ESTADO DO CEARÁ Alejandro Magno Lma Leão Mesre em economa pelo CAEN Audor Fscal da Recea do Esado do Ceará Fabríco Carnero Lnhares Phd

Leia mais

Renda Básica da Cidadania ou Imposto de Renda Negativo: Qual o Mais Eficiente no Combate a Pobreza?

Renda Básica da Cidadania ou Imposto de Renda Negativo: Qual o Mais Eficiente no Combate a Pobreza? Renda Básca da Cdadana ou Imposo de Renda Negavo: Qual o Mas Efcene no Combae a Pobreza? Auores Nelson Leão Paes Marcelo Leer Squera Ensao Sobre Pobreza Nº 12 Feverero de 2008 CAEN - UFC 1 Renda Básca

Leia mais

1. Introdução. B = S = Valor presente esperado dos superávits futuros (1) P

1. Introdução. B = S = Valor presente esperado dos superávits futuros (1) P . Inrodução A vsão radconal da deermnação do nível de preços é baseada na eora Quanava da Moeda. Segundo essa vsão o padrão de avdade real em uma economa mplca um cero nível desejado de encaxes moneáros

Leia mais

Interpolação e Extrapolação da Estrutura a Termo de Taxas de Juros para Utilização pelo Mercado Segurador Brasileiro

Interpolação e Extrapolação da Estrutura a Termo de Taxas de Juros para Utilização pelo Mercado Segurador Brasileiro Inerpolação e Exrapolação da Esruura a Termo de Taxas de Juros para Ulzação pelo Mercado Segurador Braslero Sergo Lus Frankln Jr. Thago Baraa Duare César da Rocha Neves + Eduardo Fraga L. de Melo ++ M.Sc.,

Leia mais

3 Planejamento da Operação Energética no Brasil

3 Planejamento da Operação Energética no Brasil 3 Planeameno da Operação Energéca no Brasl 3.1 Aspecos Geras O ssema elérco braslero é composo por dos dferenes pos de ssemas: os ssemas solados, os quas predomnam na regão Nore do Brasl e represenam cerca

Leia mais

ipea COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA

ipea COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA Paulo Mansur Levy Mara Isabel Fernans Serra Esa noa em como objevo dvulgar resulados relavos ao comporameno das exporações e mporações produos ndusras

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY a 5 Novembro de 009 Recfe - PE GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL HIDROTERM

Leia mais

S&P Dow Jones Indices: Metodologia da matemática dos índices

S&P Dow Jones Indices: Metodologia da matemática dos índices S&P Dow Jones Indces: Meodologa da maemáca dos índces S&P Dow Jones Indces: Meodologa do índce Ouubro 2013 Índce Inrodução 3 Dferenes varedades de índces 3 O dvsor do índce 4 Índces ponderados por capalzação

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP OTIMIZAÇÃO DA

Leia mais

Análise do Desempenho dos Gestores de Fundos, baseada nas Transações e nas Participações das Carteiras

Análise do Desempenho dos Gestores de Fundos, baseada nas Transações e nas Participações das Carteiras Vâna Sofa Sequera Umbelno Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Dsseração de Mesrado apresenado à Faculdade de Economa da Unversdade de Combra

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

Desconcentração e interiorização da economia fluminense na última década

Desconcentração e interiorização da economia fluminense na última década DSCONCNTRAÇÃO INTRIORIZAÇÃO DA CONOMIA FLUMINNS NA ÚLTIMA DÉCADA PAULO MARCLO SOUZA; NIRALDO JOSÉ PONCIANO; MARLON GOMS NY; HNRIQU TOMÉ MATA; UNIVRSIDAD FDRAL DA BAHIA SALVADOR - BA - BRASIL pmsouza@uenf.br

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez Universidade Federal de Peloas UFPEL Deparameno de Economia - DECON Economia Ecológica Professor Rodrigo Nobre Fernandez Capíulo 6 Conabilidade Ambienal Nacional Peloas, 2010 6.1 Inrodução O lado moneário

Leia mais

KEE WORDS: Exchange Rates, Parity, Purchasing Power, Gstav Cassel

KEE WORDS: Exchange Rates, Parity, Purchasing Power, Gstav Cassel [VIANNA, PEDRO JORGE; PARIDADE DO PODER DE COPRA: TEORIA OU ETODOLOGIA?]. Recfe. V Enconro de Economsas da Língua Poruguesa, 5-7 de novembro de 2003. TÍTULO: PARIDADE DO PODER DE COPRA: TEORIA OU ETODOLOGIA?

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO

ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO Roque Passos Pvel Escola Polécnca da Unversdade de São Paulo - EPUSP Pedro Alem Sobrnho Escola Polécnca da Unversdade

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Autoria: Josilmar Cordenonssi Cia

Autoria: Josilmar Cordenonssi Cia Uma Possível Solução para o Equy Premum Puzzle (EPP Auora: Joslmar Cordenonss Ca Resumo MEHRA e PRESCO (985 levanaram uma quesão que aé hoje não fo respondda de forma sasfaóra: o prêmo de rsco das ações

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

Convergência e Formação de Clubes no Brasil sob a Hipótese de Heterogeneidade no Desenvolvimento Tecnológico

Convergência e Formação de Clubes no Brasil sob a Hipótese de Heterogeneidade no Desenvolvimento Tecnológico Convergênca e Formação de Clubes no Brasl sob a Hpóese de Heerogenedade no Desenvolvmeno Tecnológco Chrsano Penna Fabríco Lnhares RESUMO: Esse argo examna a exsênca de endêncas de crescmeno comuns e formação

Leia mais

ANEXO III. Nota Técnica nº 148/2010-SRE/ANEEL Brasília, 24 de maio de 2010.

ANEXO III. Nota Técnica nº 148/2010-SRE/ANEEL Brasília, 24 de maio de 2010. ANEXO III Noa Técnca nº 148/21-SRE/ANEEL Brasíla, 24 de mao de 21. M E T O D O L O G I A E Á L U L O D O F A T O R X ANEXO II Noa Técnca n o 148/21 SRE/ANEEL Em 24 de mao de 21. Processo nº 485.269/26-61

Leia mais

Impacto da Educação Defasada sobre a Criminalidade no Brasil: 2001-2005

Impacto da Educação Defasada sobre a Criminalidade no Brasil: 2001-2005 1 Impaco da Educação Defasada sobre a Crmnaldade no Brasl: 2001-2005 Evandro Camargos Texera Ana Lúca Kassouf Seembro, 2011 Workng Paper 010 Todos os dreos reservados. É probda a reprodução parcal ou negral

Leia mais

Análise econômica dos benefícios advindos do uso de cartões de crédito e débito. Outubro de 2012

Análise econômica dos benefícios advindos do uso de cartões de crédito e débito. Outubro de 2012 1 Análise econômica dos benefícios advindos do uso de carões de crédio e débio Ouubro de 2012 Inrodução 2 Premissas do Esudo: Maior uso de carões aumena a formalização da economia; e Maior uso de carões

Leia mais

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. ECONOMETRIA Prof. Parca Mara Borolon. Sc. Modelos de ados em Panel Fone: GUJARATI;. N. Economera Básca: 4ª Edção. Ro de Janero. Elsever- Campus 006 efnções Geras Nos dados em panel a mesma undade de core

Leia mais

ANÁLISE DOS EFEITOS ECONÔMICOS DA IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES SOBRE A POBREZA E A DESIGUALDADE DE RENDA

ANÁLISE DOS EFEITOS ECONÔMICOS DA IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES SOBRE A POBREZA E A DESIGUALDADE DE RENDA ANÁLISE DOS EFEITOS ECONÔMICOS DA IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES SOBRE A POBREZA E A DESIGUALDADE DE RENDA Nelson Leão Paes Audor Fscal da Recea Federal - AFRF

Leia mais

A Concorrência entre o Brasil. uma Aplicação do Modelo Constant-Market-Share*

A Concorrência entre o Brasil. uma Aplicação do Modelo Constant-Market-Share* A Concorrênca enre o Brasl e a Chna no ercado Sul-afrcano: uma Aplcação do odelo Consan-arke-Share* Arane Danelle Baraúna da Slva Álvaro Barranes Hdalgo 2 RESUO: O fore crescmeno da economa chnesa nos

Leia mais

Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional. Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011

Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional. Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011 Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011 Quem ganha com a Guerra Fiscal? O país perde Porque grande parte dos incentivos é concedido a importações

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

A Implantação do Princípio do Destino na Cobrança do ICMS e suas Implicações Dinâmicas sobre os Estados

A Implantação do Princípio do Destino na Cobrança do ICMS e suas Implicações Dinâmicas sobre os Estados A Implantação do Princípio do Destino na Cobrança do ICMS e suas Implicações Dinâmicas sobre os Estados Nelson Leitão Paes Contents: Keywords: 1. Introdução; 2. O ICMS Interestadual; 3. Metodologia; 4.

Leia mais

A economia política dos fluxos de capitais brasileiros pós-plano Real. Title: The Political Economy of Brazilian Capital Flows after the Real Plan

A economia política dos fluxos de capitais brasileiros pós-plano Real. Title: The Political Economy of Brazilian Capital Flows after the Real Plan A economa políca dos fluxos de capas brasleros pós-plano Real Dvanldo Trches * Soraa Sanos da Slva ** Tle: The Polcal Economy of Brazlan Capal Flows afer he Real Plan RESUMO O presene esudo em como objevo

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

Gripe: Época de gripe; actividade gripal; cálculo da linha de base e do respectivo intervalo de confiança a 95%; e área de actividade basal.

Gripe: Época de gripe; actividade gripal; cálculo da linha de base e do respectivo intervalo de confiança a 95%; e área de actividade basal. Grpe: Época de grpe; acvdade grpal; cálculo da lnha de ase e do respecvo nervalo de confança a 95%; e área de acvdade asal. ÉPOCA DE GRPE Para maor facldade de compreensão será desgnado por época de grpe

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Nível superior Cargo 1: Contador DF Brasília/Sede da Administração Central 35 1820 52,00 Nível médio Cargo 2: Agente Administrativo AC Rio Branco/Sede da SRTE 2 1496 748,00 Nível médio Cargo 2: Agente

Leia mais

Arbitragem na Estrutura a Termo das Taxas de Juros: Uma Abordagem Bayesiana

Arbitragem na Estrutura a Termo das Taxas de Juros: Uma Abordagem Bayesiana Arbragem na Esruura a ermo das axas de Juros: Uma Abordagem Bayesana Márco Pole Laurn Armêno Das Wesn Neo Insper Workng Paper WPE: / Copyrgh Insper. odos os dreos reservados. É probda a reprodução parcal

Leia mais

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010 AVALIAÇÃO ATUARIAL Daa da Avaliação: 3/2/200 Dados do Plano Nome do Plano: CEEEPREV CNPB: 20.020.04-56 Parocinadoras: Companhia Esadual de Geração e Transmissão de Energia Elérica CEEE-GT Companhia Esadual

Leia mais

DINÂMICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS COM O FILTRO DE KALMAN

DINÂMICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS COM O FILTRO DE KALMAN XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DINÂICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COODITIES AGRÍCOLAS CO O FILTRO DE KALAN Flávo Pnhero Corsn (POLI-USP) flavo.corsn@gmal.com Celma de Olvera Rbero (POLI-USP)

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido.

Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. A Prevsão com o Modelo de Regressão.... Inrodução ao Modelo de Regressão.... Exemplos de Modelos Lneares... 3. Dervação dos Mínmos Quadrados no Modelo de Regressão... 6 4. A Naureza Probablísca do Modelo

Leia mais

O Custo de Bem-Estar da Inflação: Cálculo Tentativo

O Custo de Bem-Estar da Inflação: Cálculo Tentativo O Cuso de Bem-Esar da Inflação: Cálculo Tenaivo com o Uso de um Modelo de Equilíbrio Geral José W. Rossi Resumo O cuso de bem-esar da inflação em sido calculado usando-se basicamene dois ipos de abordagem:

Leia mais

A agenda que está na mesa: A agenda do ICMS e do PIS-Cofins

A agenda que está na mesa: A agenda do ICMS e do PIS-Cofins A agenda que está na mesa: A agenda do ICMS e do PIS-Cofins Fórum Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy outubro de 2012 Relevância da agenda PIS e Cofins ICMS Relevância da agenda PIS e Cofins ICMS Relevância

Leia mais

Despacho n.º 13/06. 2. A presente resolução entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. João Renato Lima Presidente do C.A.

Despacho n.º 13/06. 2. A presente resolução entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. João Renato Lima Presidente do C.A. Despacho n.º 13/06 De enre as arbuções da Agênca de Regulação Económca desaca-se a compeênca de fxar as arfas e os mecansmos de reajuses a serem pracados pela oncessonára do servço públco de ranse e dsrbução

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013. Padrão. Padrão. max i. I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4.

CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013. Padrão. Padrão. max i. I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4. CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013 Esabelece os procedmenos para o cálculo da parcela dos avos ponderados pelo rsco (RWA) referene às exposções sueas à varação de axas de uros prefxadas denomnadas

Leia mais

EVOLUÇÃO & PROGNÓSTICOS

EVOLUÇÃO & PROGNÓSTICOS APRESENTAÇÃO POPULAÇÃO CARCERÁRIA BRASILEIRA O objetivo deste trabalho, elaborado pela Comissão de Monitoramento e Avaliação do DEPEN, é realizar um levantamento, de forma sucinta, sobre o quadro evolutivo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INVESTIMENTOS EM DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SOB INCERTEZA REGULATÓRIA UTILIZANDO OPÇÕES REAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INVESTIMENTOS EM DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SOB INCERTEZA REGULATÓRIA UTILIZANDO OPÇÕES REAIS UNIRSIDAD FDRAL D ITAJUBÁ TS D DOUTORADO INSTIMNTOS M DISTRIBUIÇÃO D NRGIA LÉTRICA SOB INCRTZA RGULATÓRIA UTILIZANDO OPÇÕS RAIS JULIA CRISTINA CAMINHA NORONHA Tese apresenada ao Programa de Pós-Graduação

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF UF Tecnologia Velocidade Quantidade de Acessos AC ATM 12 Mbps a 34Mbps 3 AC ATM 34 Mbps

Leia mais

1- Testes Acelerados. Como nível usual entende-se o nível da variável stress a que o componente ou aparelho será submetido no dia-adia.

1- Testes Acelerados. Como nível usual entende-se o nível da variável stress a que o componente ou aparelho será submetido no dia-adia. - Teses Aelerados São de rande mporâna na ndúsra espealmene na ndúsra elero-elerôna em que eses de empos de vda demandam muo empo. (os produos são muo onfáves) Inorporação de uma arável-sress adonada a

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

Mortos e Acidentes por Unidade Federativa

Mortos e Acidentes por Unidade Federativa e Acidentes por Unidade Federativa - 2016 Data: 23/05/2017 FILTROS: Veículos: Todos, Caminhões, Ônibus Valores: Absolutos Estado: Todos BR: Todas Estados com maior número de mortes e acidentes - 2016 Este

Leia mais

Avaliação Inter/Intra-regional de absorção e difusão tecnológica no Brasil: Uma abordagem não-paramétrica. AUTORES.

Avaliação Inter/Intra-regional de absorção e difusão tecnológica no Brasil: Uma abordagem não-paramétrica. AUTORES. Avalação Iner/Inra-regonal de absorção e dfusão ecnológca no Brasl: Uma abordagem não-paramérca. Palavras chave: Efcênca écnca Produvdade oal Varação ecnológca AUTORES Emerson Marnho ouor em Economa pela

Leia mais

ANÁLISE DAS EVIDÊNCIAS DE PODER DE MERCADO NO SEGMENTO DE DISTRIBUIÇÃO DE GASOLINA C NO BRASIL, DE 2002 A

ANÁLISE DAS EVIDÊNCIAS DE PODER DE MERCADO NO SEGMENTO DE DISTRIBUIÇÃO DE GASOLINA C NO BRASIL, DE 2002 A ROSANGELA AARECIDA SOARES FERNANDES ANÁLISE DAS EVIDÊNCIAS DE ODER DE MERCADO NO SEGMENTO DE DISTRIBUIÇÃO DE GASOLINA C NO BRASIL, DE 22 A 28 Tese apresenada à Unversdade Federal de Vçosa, como pare das

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO 8º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO 8º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO Cargo 1: Analista do MPU Área de Atividade: Apoio Técnico-Administrativo Especialidade: Arquivologia Distrito Federal / DF 596 4 149,00 Especialidade: Biblioteconomia Acre / AC 147 1 147,00 Especialidade:

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

Perfil Municipal de Fortaleza Tema V: Aspectos Educacionais. 23 de Agosto/2012 Fortaleza - Ceará

Perfil Municipal de Fortaleza Tema V: Aspectos Educacionais. 23 de Agosto/2012 Fortaleza - Ceará IPECE Informe nº 38 Perfil Municipal de Fortaleza Tema V: Aspectos Educacionais 23 de Agosto/2012 Fortaleza - Ceará 1. INTRODUÇÃO O Neste documento serão analisados os aspectos educacionais da capital

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA O movimento Constitucional; O processo de discussão que antecedeu a LDB nº9394/96; A concepção de Educação Básica e a universalização do

Leia mais

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 Situação da microcefalia no Brasil Até 21 de novembro, foram notificados 739 casos suspeitos de microcefalia, identificados em 160 municípios de nove

Leia mais

(MLRV) SEGURO EMPRESARIAL JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1

(MLRV) SEGURO EMPRESARIAL JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 SEGURO JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: O Seguro Empresarial vem sofrendo baixas expressivas em função da situação econômica do País. Baixo

Leia mais

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS Seminário POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS LEGISLAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E POLÍTICA DE SEGURANÇA Brasília DF 13 de setembro de 2012 Regulamentação da atividade de mototaxista Mesmo diante da ausência

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (julho/2015) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS: Repartição das responsabilidades entre União, Estados e Municípios; Vinculação de impostos; Definição de Manutenção e Desenvolvimento do

Leia mais

EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007.

EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007. VA PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO DE 4/10/2007, SEÇÃO 3, PÁG.. EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007. Divulgar a distribuição de vagas do Concurso Público para provimento de cargos e formação

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DA RORAIMA Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 224.118 2,64% 5,82% População - mil (1)

Leia mais

HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE

HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE Pesqusa Operaconal e o Desenvolvmeno Susenável 7 a /9/5, Gramado, RS HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE André Luís Shguemoo Faculdade de Engenhara Elérca e Compuação Unversdade Esadual

Leia mais

A estrutura a termo de taxas de juros no Brasil: modelos, estimação, interpolação, extrapolação e testes

A estrutura a termo de taxas de juros no Brasil: modelos, estimação, interpolação, extrapolação e testes A esruura a ermo de axas de juros no Brasl: modelos, esmação, nerpolação, exrapolação e eses Sergo Lus Frankln Jr. Thago Baraa Duare César da Rocha Neves + Eduardo Fraga L. de Melo ++ M.Sc., SUSEP/CGSOA

Leia mais

Indenizações Pagas Quantidades

Indenizações Pagas Quantidades Natureza da Indenização Jan a Dez 2011 % Jan a Dez 2012 % Jan a Dez 2012 x Jan a Dez 2011 Morte 58.134 16% 60.752 12% 5% Invalidez Permanente 239.738 65% 352.495 69% 47% Despesas Médicas (DAMS) 68.484

Leia mais

ECONOMIA DA CULTURA - EQUIPAMENTOS AUDIOVISUAIS NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS

ECONOMIA DA CULTURA - EQUIPAMENTOS AUDIOVISUAIS NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS IV ENECULT - Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura 28 a 30 de maio de 2008 Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. ECONOMIA DA CULTURA - EQUIPAMENTOS AUDIOVISUAIS NOS MUNICÍPIOS

Leia mais

7. FILTROS PASSIVOS E ATIVOS

7. FILTROS PASSIVOS E ATIVOS 7. FILTROS PASSIVOS E ATIVOS São esudadas nese capíulo esruuras de crcuos capazes de mgar o problema de dsorção de correnes e/ou ensões em ssemas elércos. Inca-se com os flros passvos, verfcando alguns

Leia mais

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 1 2 8 1» Centro de Artes e Esportes Unificados Rio Branco AC 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 Recanto das Emas DF 3» Creche Ipê Rosa Samambaia DF 4» Quadra escolar Maria Nascimento

Leia mais

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas.

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas. 1 INTRODUÇÃO E CONCEITOS INICIAIS 1.1 Mecânca É a pare da Físca que esuda os movmenos dos corpos. 1. -Cnemáca É a pare da mecânca que descreve os movmenos, sem se preocupar com suas causas. 1.3 - Pono

Leia mais

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE?

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? Instrumento que permite o financiamento, por meio de incentivos fiscais, de projetos esportivos aprovados pelo Ministério do Esporte. BASE LEGAL: Lei 11.438/06 -

Leia mais

ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR MEIO DOS MODELOS CAPM NÃO-CONDICIONAL E CAPM CONDICIONAL

ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR MEIO DOS MODELOS CAPM NÃO-CONDICIONAL E CAPM CONDICIONAL ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR EIO DOS ODELOS CAP NÃO-CONDICIONAL E CAP CONDICIONAL (Cos of equy analyss n Brazl: Non-Condonal CAP and Condonal CAP) Lumla Souza Grol 1 1 Unversdade Federal

Leia mais

PROF. DR. JACQUES FACON LIMIARIZAÇÃO POR ENTROPIA DE WULU

PROF. DR. JACQUES FACON LIMIARIZAÇÃO POR ENTROPIA DE WULU 1 PUCPR- Ponfíca Unversdade Caólca Do Paraná PPGIA- Programa de Pós-Graduação Em Informáca Aplcada PROF. DR. JACQUES FACON IMIARIZAÇÃO POR ENTROPIA DE WUU Resumo: Uma nova écnca de marzação baseada em

Leia mais

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX SUMÁRIO 1 ICMS 1.1 CONTRIBUINTE 1.2 FATO GERADOR DO IMPOSTO 1.3 BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO 1.4 REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO 1.5 CARTA DE CORREÇÃO 1.6 CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

CRESCIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE: O QUE ESTÁ FALTANDO PARA ENTENDER O ELO ENTRE ELES?

CRESCIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE: O QUE ESTÁ FALTANDO PARA ENTENDER O ELO ENTRE ELES? RESUMO CRESCIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE: O QUE ESTÁ FALTANDO PARA ENTENDER O ELO ENTRE ELES? Fábo Henrque Granja e Barros 1 Bernardo Mueller 2 Jorge Madera Noguera 3 Exse vasa leraura empírca ressalando

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

5 Apreçamento de ESOs com preço de exercício fixo

5 Apreçamento de ESOs com preço de exercício fixo 5 Apreçameno de ESOs com preço de exercíco fxo Ese capíulo rá explorar os prncpas modelos de apreçameno das ESOs ulzados hoje em da. Neses modelos a regra de decsão é esruurada em orno da maxmzação do

Leia mais

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Um total de 131 municípios da região Norte participou do Levantamento Nacional do Transporte Escolar. No Acre, 36% dos municípios responderam

Leia mais

Ana Cristina Guimarães Carneiro

Ana Cristina Guimarães Carneiro UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CCSA CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA CME NÍVEL MESTRADO Ana Crsna Gumarães Carnero Avalação das Mudanças Recenes na Marz Energéca

Leia mais

Art. 208... O dever do Estado com a Educação será efetivado mediante a garantia de:

Art. 208... O dever do Estado com a Educação será efetivado mediante a garantia de: CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 208... O dever do Estado com a Educação será efetivado mediante a garantia de: VII -... programas suplementares de material didático-escolar, transporte, alimentação e assistência

Leia mais

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 Paulo J. Körbes 2 Marcelo Marins Paganoi 3 RESUMO O objeivo dese esudo foi verificar se exise influência de evenos de vencimeno de conraos de opções sobre

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Ministério da Saúde Ministério da PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Fevereiro 2013 Ministério da Ministério da CRONOGRAMA 2013 Semana Saúde na Escola Adesão de 20/02 a 10/03 Ações nas escolas entre os dias 11 e

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 Tributos incluídos no Simples Nacional Brasília 19 de setembro de 2013 ROTEIRO 1 2 3 4 O PROJETO RESULTADOS DIFERENÇA NAS ALÍQUOTAS

Leia mais

1. O Novo Plano Nacional de Educação (2011 2020) O antigo Plano Nacional de Educação terminou sua vigência em 2010 e o Novo Plano encontra-se em

1. O Novo Plano Nacional de Educação (2011 2020) O antigo Plano Nacional de Educação terminou sua vigência em 2010 e o Novo Plano encontra-se em 1. O Novo Plano Nacional de Educação (2011 2020) O antigo Plano Nacional de Educação terminou sua vigência em 2010 e o Novo Plano encontra-se em discussão na Câmara dos Deputados (PL 8.035/2010). Até o

Leia mais

Índice de Preços Imobiliários para o Brasil: Estudos para Discussão

Índice de Preços Imobiliários para o Brasil: Estudos para Discussão Mnséro do Planejameno, Orçameno e Gesão Insuo Braslero de Geografa e Esaísca IBGE Dreora de Pesqusas Coordenação de Índces de Preços Ssema Naconal de Índces de Preços ao Consumdor SNIPC Índce de Preços

Leia mais

DEMANDA DE CANDIDATOS POR CARGO / UF NÍVEL SUPERIOR

DEMANDA DE CANDIDATOS POR CARGO / UF NÍVEL SUPERIOR EM CARGOS DE E DE NÍVEL INTERMEDIÁRIO Administrador AC 1 14 14.00 Administrador AL 1 53 53.00 Administrador AP 1 18 18.00 Administrador BA 1 75 75.00 Administrador DF 17 990 58.24 Administrador MT 1 55

Leia mais

CRESCIMENTO E DESIGUALDADE: PROSPERIDADE VERSUS ARMADILHAS DA POBREZA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DOS ESTADOS BRASILEIROS*

CRESCIMENTO E DESIGUALDADE: PROSPERIDADE VERSUS ARMADILHAS DA POBREZA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DOS ESTADOS BRASILEIROS* CRESCIMENTO E DESIGUALDADE: PROSPERIDADE VERSUS ARMADILHAS DA POBREZA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DOS ESTADOS BRASILEIROS* Renaa Couo Morera 1, Marcelo José Braga 2 e Slva Harum Toyoshma 3 Resumo: O problema

Leia mais

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012.

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. Os casos de Invalidez Permanente representaram a maioria das indenizações pagas

Leia mais

Espírito Santo Governador Renato Casagrande

Espírito Santo Governador Renato Casagrande Espírito Santo Governador Renato Casagrande Parte I O Comércio Internacional no Espírito Santo Parte II Ranking Federativo Parte III Propostas Comércio Internacional no Espírito Santo Ranking Nacional

Leia mais

ÁREA PARA ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 45 julho 2002 POUPANÇA PÚBLICA VALE EM AÇÃO : PERFIL DOS COMPRADORES COM RECURSOS DO FGTS

ÁREA PARA ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 45 julho 2002 POUPANÇA PÚBLICA VALE EM AÇÃO : PERFIL DOS COMPRADORES COM RECURSOS DO FGTS INFORME-SE ÁREA PARA ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 45 julho 2002 POUPANÇA PÚBLICA VALE EM AÇÃO : PERFIL DOS COMPRADORES COM RECURSOS DO FGTS Em março de 2002, os trabalhadores puderam usar, pela

Leia mais

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS VIEIRA, Douglas Tadeu. TCC, Ciências Econômicas, Fecilcam, vieira.douglas@gmail.com PONTILI,

Leia mais

Propostas do Governo para o ICMS

Propostas do Governo para o ICMS Propostas do Governo para o ICMS Audiência pública da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 11 de março de 2013 Avaliação geral Proposta do Governo vai na direção correta em termos

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Perspectivas da economia / Comprometimento de renda Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para

Leia mais