SUFICIÊNCIA DE REDE: Ligia Bahia Ronir Raggio Luiz Maria Lucia Werneck Vianna. Edital 005/2014 ANS/OPAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUFICIÊNCIA DE REDE: Ligia Bahia Ronir Raggio Luiz Maria Lucia Werneck Vianna. Edital 005/2014 ANS/OPAS"

Transcrição

1 SUFICIÊNCIA DE REDE: UM ESTUDO ECOLÓGICO SOBRE BENEFICIÁRIOS E REDES DE CUIDADOS À SAÚDE A PARTIR DE ANÁLISES EXPLORATÓRIAS DAS PROPORÇÕES DE PARTOS CESARIANOS E TAXAS DE MORTALIDADE POR CÂNCER DE MAMA E INFARTO NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS EM 2012 Ligia Bahia Ronir Raggio Luiz Maria Lucia Werneck Vianna Edital 005/2014 ANS/OPAS

2 OBJETIVO GERAL Estudar e mapear 3 desfechos em saúde a proporção de partos cesarianos e as taxas de mortalidades por câncer de mama e infarto segundo o perfil dos municípios brasileiros, considerando seu porte e integração à região metropolitana e as potenciais relações com o sistema suplementar de saúde, a partir da proporção de beneficiários de planos em cada município e do número de médicos que atendem e que não atendem no SUS

3 MODELO TEÓRICO GERAL "SUFICIÊNCIA (indicadores de rede assistencial: médicos total e especialistas, equipamentos (p. ex. mamógrafos), etc) Óbitos (taxas de mortalidade de câncer de mama e infarto) e partos cesarianos em 2012 Condições/características na/da cidade (tamanho, desigualdade, renda, etc em 2012) beneficiários de planos (estratificar as cidades entre "muitos", "mais ou menos" ou "poucos" beneficiários em 2012)

4 CONSIDERAÇÕES METODOLÓGICAS Estudo ecológico Uso de sistemas de informações públicos: SIM, CNES, IBGE e da ANS Ano: 2012 Número de vínculos a planos Número de beneficiários Número de mamógrafos entre 2007 a 2011, combinando o total de mamógrafos e aqueles disponíveis no SUS Dados agregados VS. dados desagregados Regiões/Estados VS. Porte do município e integração à Região Metropolitana Indicadores de saúde: os números, presença de heterogeneidade e interpretações úteis

5 CONSIDERAÇÕES METODOLÓGICAS INDICADORES EXPLORADOS Desfechos 1. Taxa de mortalidade por câncer de mama (por ) evento crônico e mais sensível a cuidados preventivos 2. Taxa de mortalidade por infarto (por ) evento agudo e mais sensível à assistência 3. Proporção de partos cesarianos (%) procedimento potencialmente inseguro Número de médicos Força de um sistema de saúde Atendendo e não atendendo no SUS (por habitantes ou beneficiários de planos) Geral e especialistas

6 OS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: UM BREVE PERFIL PARA 2012

7 MUNICÍPIOS BRASILEIROS E POPULAÇÃO, SEGUNDO O SEU PORTE POPULACIONAL Porte populacional Municípios População N % % acumul. N % % acumul. Extremamente pequeno (até 4.999) ,3 23, ,3 2,3 Muito pequeno (5.000 a 9.999) ,7 45, ,4 6,7 Pequeno ( a ) ,0 70, ,1 16,8 Médio-pequeno ( a ) ,0 89, ,5 33,3 Médio ( a ) 326 5,9 94, ,6 44,9 Grande ( a ) 250 4,5 99, ,8 70,7 Muito grande (> ) 38 0,7 100, ,3 100,0 BRASIL , ,0

8 MUNICÍPIOS BRASILEIROS E POPULAÇÃO, SEGUNDO O SEU PORTE E INCLUINDO DENSIDADE DEMOGRÁFICA Porte populacional* Municípios População N % % acumul. N % % acumul. Pequeno ,0 80, ,5 27,5 Médio ,9 94, ,5 45,0 Grande 286 5,1 100, ,0 100,0 BRASIL , ,0 *Pequeno = população < e densidade < 80 hab/km 2 ; Médio = população entre e ou densidade > 80 hab/km 2 ; Grande = população >

9 NÚMERO DE MUNICÍPIOS, SEGUNDO AS REGIÕES METROPOLITANAS E AS REGIÕES INTEGRADAS DE DESENVOLVIMENTO (RIDE) Regiões Metropolitanas e Regiões Integradas de Desenvolvimento (RIDEs) Número de municípios São Paulo - SP 39 Rio de Janeiro - RJ 19 Belo Horizonte - MG 48 Porto Alegre - RS 31 RIDE Distrito Federal e Entorno 22 Recife - PE 14 Fortaleza - CE 15 Salvador - BA 13 Curitiba - PR 26 Campinas - SP 19 Goiânia - GO 20 Manaus - AM 8 Belém - PA 6 Grande Vitória - ES 7 Baixada Santista - SP 9 Natal - RN 10 Grande São Luís - MA 5 João Pessoa - PB 13 Maceió - AL 11 RIDE Grande Teresina 14 Norte/Nordeste Catarinense - SC 20 Florianópolis - SC 22 Vale do Rio Cuiabá - MT 13 Aracaju - SE 4 Londrina - PR 11 Campina Grande - PB 28 Maringá - PR 25 Vale do Itajaí - SC 16 RIDE Petrolina/Juazeiro 8 Vale do Aço - MG 26 Agreste - AL 20 Cariri - CE 9 Carbonífera - SC 25 Foz do Rio Itajaí - SC 9 Macapá - AP 2 Chapecó - SC 25 Tubarão - SC 18 Lages - SC 23 Sudoeste Maranhense - MA 8 Total RM e RIDE 661 Fonte: IBGE, Censo Demográfico Segundo o site do Ministério da Integração, RIDE é mais uma forma de construção de redes de cooperação e por envolver municípios de mais de uma Unidade da Federação, a RIDE é uma forma de ação mais ampla que a prevista nas Regiões Metropolitanas.

10 MUNICÍPIOS BRASILEIROS PELO SEU PORTE POPULACIONAL EM 2012, SEGUNDO CONDIÇÃO DE AGREGAÇÃO A OUTROS MUNICÍPIOS Condição de agregação Grande Região Metropolitana (população > ) Porte populacional em 2012 BRASIL Pequeno Médio Grande N (%) N (%) N (%) N (%) 81 (1,8) 99 (11,9) 100 (35,0) 280 (5,0) Região Metropolitama 221 (5,0) 110 (13,3) 50 (17,5) 381 (6,8) Aglomerado urbano 21 (0,5) 10 (1,2) 4 (1,4) 35 (0,6) Fora de Região Metropolitana (92,7) 610 (73,6) 132 (46,2) (87,5) BRASIL (total em 2011) (100,0) 829 (100,0) 286 (100,0) (100,0) *Pequeno = população < e densidade < 80 hab/km 2 ; Médio = população entre e ou densidade > 80 hab/km 2 ; Grande = população > habitantes

11 DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS SEGUNDO PORTE E INTEGRAÇÃO À REGIÃO METROPOLITANA

12 Sintetizando... Pode-se reconhecer que o perfil dos municípios brasileiros, diferente do que se pensa, é majoritariamente formado por municípios pequenos, embora a maior parte da população esteja concentrada nas cidades grandes. O reconhecimento deste perfil é fundamental para se analisar as condições da assistência à saúde, incluindo o potencial de suficiência da rede assistencial suplementar. Análises do binômio "condições de saúde-assistência" condicionadas ao porte das cidades bem como se elas interagem geograficamente por estarem agregadas ou não com outras nos parece fundamental.

13 OS BENEFICIÁRIOS DE PLANOS DE SAÚDE NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS

14 COBERTURA (%) DE PLANOS DE SAÚDE (GERAL E IDOSOS) NO BRASIL EM 2012, SEGUNDO AS REGIÕES E OS ESTADOS DADOS AGREGADOS Região e Estado Cobertura* de planos de saúde Idosos Geral (60 anos ou +) BRASIL 24,3% 25,6% REGIÂO NORTE 10,5% 11,7% Rondônia (RO) 11,8% 13,4% Acre (AC) 5,9% 15,1% Amazonas (AM) 15,1% 13,8% Roraima (RR) 6,6% 10,2% Pará (PA) 9,7% 11,3% Amapá (AP) 9,5% 15,2% Tocantins (TO) 6,6% 6,0% REGIÂO NORDESTE 11,5% 11,3% Maranhão (MA) 6,1% 5,8% Piauí (PI) 7,3% 7,2% Ceará (CE) 12,6% 11,5% Rio Grande do Norte (RN) 15,2% 15,3% Paraíba (PB) 9,7% 12,2% Pernambuco (PE) 16,2% 14,9% Alagoas (AL) 11,6% 12,6% Sergipe (SE) 13,5% 14,7% Bahia (BA) 10,6% 10,0% REGIÂO SUDESTE 36,7% 37,3% Minas Gerais (MG) 26,1% 26,2% Espírito Santo (ES) 31,3% 30,5% Rio de Janeiro (RJ) 36,0% 42,0% São Paulo (SP) 42,5% 41,1% REGIÂO SUL 23,9% 22,0% Paraná (PR) 24,9% 23,8% Santa Catarina (SC) 21,7% 19,9% Rio Grande do Sul (RS) 24,3% 21,4% REGIÂO CENTRO-OESTE 17,9% 20,2% Mato Grosso do Sul (MS) 17,7% 20,9% Mato Grosso (MT) 14,6% 15,2% Goiás (GO) 14,9% 12,9% Distrito Federal (DF) 28,7% 46,1% *Segundo a ANS, o termo "beneficiários" se refere ao número de vínculos a planos.

15 QUANTITATIVOS POPULACIONAIS E DE BENEFICIÁRIOS* DE PLANOS DE SAÚDE E COBERTURAS (%), GERAL E ENTRE IDOSOS, NAS CAPITAIS BRASILEIRAS EM 2012 Capitais População em 2012 Beneficiários* em 2012 Cobertura* Idosos (60 anos ou +) Idosos (60 anos ou +) Idosos Geral Geral Geral N % N % (60a ou +) REGIÂO NORTE Porto Velho (RO) ,6% ,7% 24,6% 37,9% Rio Branco (AC) ,4% ,3% 10,9% 22,6% Manaus (AM) ,0% ,5% 28,0% 25,8% Boa Vista (RR) ,2% ,5% 10,1% 16,7% Belém (PA) ,3% ,3% 27,2% 36,0% Macapá (AP) ,1% ,2% 13,2% 23,5% Palmas (TO) ,4% ,1% 19,5% 27,3% REGIÂO NORDESTE São Luis (MA) ,7% ,9% 27,3% 31,5% Teresina (PI) ,5% ,6% 21,2% 26,5% Fortaleza (CE) ,7% ,4% 33,4% 36,0% Natal (RN) ,4% ,6% 36,9% 44,3% João Pessoa (PB) ,3% ,7% 27,8% 42,2% Recife (PE) ,8% ,8% 41,6% 45,1% Maceió (AL) ,5% ,4% 26,7% 35,9% Aracaju (SE) ,1% ,2% 35,8% 44,3% Salvador (BA) ,3% ,4% 27,5% 33,9% REGIÂO SUDESTE Belo Horizonte (MG) ,6% ,1% 55,1% 61,8% Vitória (ES) ,0% ,1% 71,7% 83,6% Rio de Janeiro (RJ) ,9% ,2% 52,6% 60,9% São Paulo (SP) ,9% ,0% 56,4% 56,9% REGIÂO SUL Curitiba (PR) ,3% ,8% 56,1% 53,7% Florianópolis (SC) ,5% ,4% 42,9% 61,4% Porto Alegre (RS) ,0% ,9% 49,3% 45,7% REGIÂO CENTRO-OESTE Campo Grande (MS) ,9% ,1% 25,3% 36,0% Cuiabá (MT) ,1% ,4% 35,7% 45,7% Goiânia (GO) ,6% ,2% 29,0% 30,9% Brasília (DF) ,7% ,3% 28,7% 46,1% Fonte: DATASUS (acesso em julho de 2015) Nota: proporção de habitantes nas capitais brasileiras = 23,8%; e proporção de beneficiários nas capitais = 41,7% *Segundo a ANS, o termo "beneficiários" se refere ao número de vínculos a planos.

16 ESTATÍSTICAS DESCRITIVAS DA COBERTURA (%) DE PLANOS DE SAÚDE NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS EM 2012, SEGUNDO AS REGIÕES E OS ESTADOS Região e Estado Estatísticas das coberturas* municipais (%) N Média DP CV Mín 1ºQ Mediana 3ºQ Máx REGIÂO NORTE 448 2,56 5,35 209,0% 0,01 0,41 0,87 1,98 49,35 Rondônia (RO) 52 5,29 8,24 155,7% 0,53 1,48 2,63 5,91 42,34 Acre (AC) 21 1,15 2,28 198,9% 0,11 0,39 0,56 0,86 10,91 Amazonas (AM) 62 1,45 3,75 258,8% 0,14 0,30 0,51 1,17 27,95 Roraima (RR) 15 1,14 2,51 220,9% 0,01 0,21 0,45 0,86 10,11 Pará (PA) 143 2,88 6,29 218,2% 0,03 0,37 0,75 2,01 49,35 Amapá (AP) 16 3,61 4,55 126,0% 0,07 0,74 2,09 4,12 15,17 Tocantins (TO) 139 1,95 3,54 181,8% 0,04 0,47 0,87 1,64 22,52 REGIÂO NORDESTE ,50 5,05 202,1% 0,01 0,49 1,04 2,38 82,10 Maranhão (MA) 216 1,18 2,40 203,5% 0,01 0,24 0,48 0,98 27,31 Piauí (PI) 219 1,53 3,16 205,9% 0,02 0,21 0,69 1,53 33,91 Ceará (CE) 184 2,06 3,81 184,5% 0,16 0,53 0,95 1,91 33,43 Rio Grande do Norte (RN) 167 3,22 5,12 159,0% 0,09 1,02 1,65 2,80 36,85 Paraíba (PB) 223 2,11 6,39 303,3% 0,03 0,41 0,87 1,82 82,10 Pernambuco (PE) 185 4,15 7,33 176,7% 0,08 0,83 1,66 4,10 61,37 Alagoas (AL) 101 2,51 3,45 137,7% 0,21 0,85 1,28 2,65 26,73 Sergipe (SE) 75 4,43 7,73 174,6% 0,12 0,99 1,94 4,40 53,65 Bahia (BA) 417 2,72 4,66 171,3% 0,02 0,54 1,08 2,45 33,55 REGIÂO SUDESTE ,18 13,70 90,3% 0,09 4,32 10,56 22,04 74,30 Minas Gerais (MG) 853 9,92 10,90 110,0% 0,09 2,46 5,73 13,85 70,82 Espírito Santo (ES) 78 14,33 11,87 82,8% 1,60 7,06 10,41 17,43 71,66 Rio de Janeiro (RJ) 92 18,66 12,06 64,6% 3,67 11,47 15,90 21,41 66,75 São Paulo (SP) ,75 14,47 66,5% 0,86 9,20 19,62 31,73 74,30 REGIÂO SUL ,81 10,58 107,8% 0,11 2,94 6,04 12,85 86,66 Paraná (PR) 399 9,80 9,10 92,8% 0,17 3,29 6,52 13,45 56,10 Santa Catarina (SC) ,65 11,58 108,7% 0,37 3,44 6,97 13,66 86,66 Rio Grande do Sul (RS) 496 9,32 11,04 118,5% 0,11 2,49 5,36 11,66 67,04 REGIÂO CENTRO-OESTE 466 6,86 8,17 119,2% 0,09 1,86 3,93 8,91 83,08 Mato Grosso do Sul (MS) 78 10,46 6,81 65,1% 1,55 5,46 8,41 13,94 31,72 Mato Grosso (MT) 141 5,91 7,26 122,9% 0,09 1,57 3,24 7,47 39,90 Goiás (GO) 246 6,18 8,66 140,3% 0,18 1,74 3,42 6,94 83,08 Distrito Federal (DF) 1 28, ,75 28,75 28,75 28,75 28,75 BRASIL ,24 11,16 135,5% 0,01 1,07 3,47 10,67 86,66 Nota: 9 municípios (1 em SP, 1 no MA, 5 no PI, 1 em AL e 1 no AC) sem informação confiável sobre beneficiários *Segundo a ANS, o termo "beneficiários" se refere ao número de vínculos a planos.

17 MUNICÍPIOS BRASILEIROS POR PROPORÇÃO DE BENEFICIÁRIOS* DE PLANOS DE SAÚDE EM 2012, SEGUNDO AS REGIÕES E OS ESTADOS Região e Estado Proporção de beneficiários* no município Até 4,9% De 5 a 24,9% 25% ou + BRASIL N % N % N % N % BRASIL , , , ,0 REGIÂO NORTE , ,3 6 1, ,0 Rondônia (RO) 37 71, ,0 2 3, ,0 Acre (AC) 20 95,2 1 4,8 0 0, ,0 Amazonas (AM) 59 95,2 2 3,2 1 1, ,0 Roraima (RR) 14 93,3 1 6,7 0 0, ,0 Pará (PA) , ,9 3 2, ,0 Amapá (AP) 13 81,3 3 18,8 0 0, ,0 Tocantins (TO) ,5 9 6,5 0 0, ,0 REGIÂO NORDESTE , ,6 19 1, ,0 Maranhão (MA) ,8 8 3,7 1 0, ,0 Piauí (PI) ,1 12 5,5 1 0, ,0 Ceará (CE) ,2 17 9,2 1 0, ,0 Rio Grande do Norte (RN) , ,6 2 1, ,0 Paraíba (PB) ,2 10 4,5 3 1, ,0 Pernambuco (PE) , ,6 4 2, ,0 Alagoas (AL) 89 88, ,9 1 1, ,0 Sergipe (SE) 58 77, ,0 2 2, ,0 Bahia (BA) , ,0 4 1, ,0 REGIÂO SUDESTE , , , ,0 Minas Gerais (MG) , , , ,0 Espírito Santo (ES) 12 15, , , ,0 Rio de Janeiro (RJ) 3 3, , , ,0 São Paulo (SP) 66 10, , , ,0 REGIÂO SUL , ,1 97 8, ,0 Paraná (PR) , ,1 31 7, ,0 Santa Catarina (SC) , ,9 25 8, ,0 Rio Grande do Sul (RS) , ,4 41 8, ,0 REGIÂO CENTRO-OESTE , ,8 21 4, ,0 Mato Grosso do Sul (MS) 16 20, ,1 5 6, ,0 Mato Grosso (MT) 94 66, ,5 4 2, ,0 Goiás (GO) , ,9 11 4, ,0 Distrito Federal (DF) 0 0,0 0 0, , ,0 Nota: 9 municípios (1 em SP, 1 no MA, 5 em PI, 1 em AL e 1 no AC) sem informação confiável sobre beneficiários *Segundo a ANS, o termo "beneficiários" se refere ao número de vínculos a planos.

18 QUANTITATIVOS POPULACIONAIS E DE BENEFICIÁRIOS* DE PLANOS DE SAÚDE E COBERTURAS (%), GERAL E ENTRE IDOSOS, SEGUNDO O PORTE DO MUNICÍPIO E INTEGRAÇÃO À REGIÃO METROPOLITANA DADOS AGREGADOS Integração à Região Número População em 2012 Beneficiários** em 2012 Cobertura* Metropolitana (RM) e de Idosos (60 anos ou +) Idosos (60 anos ou +) Idosos Geral Geral Geral Porte* do município municípios N % N % (60a ou +) Integra RM ,4% ,3% 35,4% 38,4% Grande ,4% ,5% 38,5% 42,5% Médio ,6% ,9% 19,5% 16,0% Pequeno ,6% ,5% 8,7% 7,2% Não integra RM ,1% ,4% 14,1% 14,5% Grande ,5% ,4% 28,5% 30,8% Médio ,8% ,4% 13,9% 14,6% Pequeno ,5% ,6% 6,2% 6,3% *Pequeno = população < e densidade < 80 hab/km 2 ; Médio = população entre e ou densidade > 80 hab/km2; Grande = população > habitantes **Segundo a ANS, o termo "beneficiários" se refere ao número de vínculos a planos.

19 Proporção de municípios DISTRIBUIÇÃO DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS QUANTO À COBERTURA DE PLANOS EM 2012, SEGUNDO O PORTE DO MUNICÍPIO E INTEGRAÇÃO À REGIÃO METROPOLITANA 100% 4,6 3,9 90% 22,5 18,0 80% 29,4 50,0 70% 50,5 61,0 60% 35,7 50% 52,8 40% 30% 20% 44,9 66,6 46,2 37,0 43,9 10% 0% Pequenos e em RM Pequenos e fora de RM 24,8 Médios e em RM Médios e fora de RM 1,9 Grandes e em RM Porte dos municípios e integração à região metropolitana 6,1 Grandes e fora de RM Até 4,9% de beneficiários De 5 a 24,9% 25% ou +

20 QUANTITATIVOS DE MÉDICOS QUE ATENDEM NO SUS E QUE NÃO ATENDEM NO SUS NO BRASIL EM 2012

21 QUANTITATIVOS DE MÉDICOS NO BRASIL ATENDENDO E NÃO ATENDENDO NO SUS EM JULHO DE 2012 E TAXAS POR HABITANTES OU BENEFICIÁRIOS*, SEGUNDO AS REGIÕES E OS ESTADOS Região e Estado Médicos em julho de 2012 Médicos atendendo no SUS Médicos não atendendo no SUS Por Por N % N % habitantes beneficiários* BRASIL ,0% 1, ,0% 1,53 REGIÂO NORTE ,8% 0, ,4% 1,00 Rondônia (RO) ,5% 0, ,4% 1,41 Acre (AC) 716 0,3% 0, ,1% 0,82 Amazonas (AM) ,2% 0, ,5% 0,66 Roraima (RR) 497 0,2% 1, ,0% 0,65 Pará (PA) ,7% 0, ,2% 1,18 Amapá (AP) 577 0,2% 0, ,0% 0,38 Tocantins (TO) ,6% 0, ,2% 1,42 REGIÂO NORDESTE ,8% 0, ,0% 1,40 Maranhão (MA) ,5% 0, ,7% 1,26 Piauí (PI) ,1% 0, ,3% 1,05 Ceará (CE) ,9% 0, ,0% 1,36 Rio Grande do Norte (RN) ,4% 1, ,8% 1,16 Paraíba (PB) ,6% 0, ,0% 1,86 Pernambuco (PE) ,0% 1, ,9% 1,44 Alagoas (AL) ,2% 0, ,5% 0,96 Sergipe (SE) ,0% 1, ,6% 1,54 Bahia (BA) ,2% 0, ,2% 1,52 REGIÂO SUDESTE ,2% 1, ,0% 1,51 Minas Gerais (MG) ,9% 1, ,1% 1,54 Espírito Santo (ES) ,0% 1, ,8% 1,79 Rio de Janeiro (RJ) ,8% 1, ,8% 1,69 São Paulo (SP) ,5% 1, ,4% 1,43 REGIÂO SUL ,6% 1, ,0% 1,63 Paraná (PR) ,3% 1, ,6% 1,54 Santa Catarina (SC) ,2% 1, ,6% 1,86 Rio Grande do Sul (RS) ,1% 1, ,8% 1,58 REGIÂO CENTRO-OESTE ,6% 1, ,6% 2,14 Mato Grosso do Sul (MS) ,3% 1, ,9% 1,41 Mato Grosso (MT) ,0% 0, ,3% 2,02 Goiás (GO) ,0% 1, ,0% 1,58 Distrito Federal (DF) ,2% 1, ,5% 3,30 Fonte: DATASUS (acesso em julho de 2015) *Segundo a ANS, o termo "beneficiários" se refere ao número de vínculos a planos.

22 QUANTITATIVOS DE MÉDICOS NO BRASIL ATENDENDO E NÃO ATENDENDO NO SUS EM JULHO DE 2012 E TAXAS POR HABITANTES OU BENEFICIÁRIOS*, SEGUNDO AS CAPITAIS BRASILEIRAS Região e Estado Médicos em julho de 2012 Médicos atendendo no SUS Médicos não atendendo no SUS Por Por N N habitantes beneficiários* REGIÂO NORTE Porto Velho (RO) 649 1, ,02 Rio Branco (AC) 517 1, ,92 Manaus (AM) , ,66 Boa Vista (RR) 444 1, ,67 Belém (PA) , ,59 Macapá (AP) 480 1, ,44 Palmas (TO) 401 1, ,55 REGIÂO NORDESTE São Luis (MA) , ,36 Teresina (PI) , ,22 Fortaleza (CE) , ,55 Natal (RN) , ,55 João Pessoa (PB) , ,47 Recife (PE) , ,82 Maceió (AL) , ,20 Aracaju (SE) , ,00 Salvador (BA) , ,39 REGIÂO SUDESTE Belo Horizonte (MG) , ,25 Vitória (ES) , ,94 Rio de Janeiro (RJ) , ,55 São Paulo (SP) , ,61 REGIÂO SUL Curitiba (PR) , ,43 Florianópolis (SC) , ,71 Porto Alegre (RS) , ,02 REGIÂO CENTRO-OESTE Campo Grande (MS) , ,12 Cuiabá (MT) 965 1, ,00 Goiânia (GO) , ,56 Brasília (DF) , ,30 Fonte: DATASUS (acesso em julho de 2015) Nota: proporção de médicos atendendo no SUS nas capitais=40,9%; e proporção de médicos não atendendo=50,8% *Segundo a ANS, o termo "beneficiários" se refere ao número de vínculos a planos.

23 QUANTITATIVOS DE MÉDICOS NO BRASIL ATENDENDO E NÃO ATENDENDO NO SUS EM JULHO DE 2012 E TAXAS POR HABITANTES OU BENEFICIÁRIOS, SEGUNDO O PORTE DO MUNICÍPIO E INTEGRAÇÃO À REGIÃO METROPOLITANA DADOS AGREGADOS Integração à Médicos em julho de 2012 Região Metropolitana Atendendo no SUS (N= ) Não atendendo no SUS (N=72.030) (RM) e Porte* Por Por N % N % do município habitantes beneficiários** Integra RM ,3% 1, ,3% 1,67 Grande ,2% 1, ,3% 1,74 Médio ,0% 0, ,7% 0,70 Pequeno ,1% 0, ,2% 0,46 Não integra RM ,7% 0, ,7% 1,20 Grande ,7% 1, ,1% 1,52 Médio ,1% 0, ,1% 1,06 Pequeno ,9% 0, ,5% 0,59 *Pequeno = população < e densidade < 80 hab/km 2 ; Médio = população entre e ou densidade > 80 hab/km 2 ; Grande = população > habitantes **Segundo a ANS, o termo "beneficiários" se refere ao número de vínculos a planos.

24 Médicos por Medianas do número de médicos que atendem no SUS (por habitantes) e não atendem (por beneficiários) nos municípios brasileiros em 2012, segundo o porte do município e integração à região metropolitana 1,4 1,2 1,0 0,8 0,6 0,4 0,2 0,0 Pequeno Médio Grande Não atendem no SUS - Em RM Não atendem no SUS - Fora de RM Atendem no SUS - Em RM Atendem no SUS - Fora de RM

25 A MORTALIDADE POR CÂNCER DE MAMA EM 2012

26 QUANTITATIVOS DE MUNICÍPIOS, POPULACIONAL E DE ÓBITOS POR CÂNCER DE MAMA NO BRASIL EM 2012 E TAXA DE MORTALIDADE POR MULHERES, SEGUNDO O PORTE DO MUNICÍPIO E INTEGRAÇÃO À REGIÃO METROPOLITANA (ANÁLISE AGREGADA) Integração à Região Número População feminina Óbitos por câncer de mama em 2012 Metropolitana (RM) e de Taxa por N % N % porte* do município municípios mulheres Integra RM ,8% ,6% 17,0 Grande ,1% ,1% 17,8 Médio ,6% 557 4,1% 12,2 Pequeno ,0% 197 1,4% 9,8 Não integra RM ,2% ,4% 10,9 Grande ,9% ,5% 14,5 Médio ,8% ,1% 11,0 Pequeno ,5% ,7% 8,9 BRASIL ,0% ,0% 13,9 *Pequeno = população < e densidade < 80 hab/km 2 ; Médio = população entre e ou densidade > 80 hab/km 2 ; Grande = população > habitantes

27 Taxa por câncer de mama ( mulheres) MÉDIAS DAS TAXAS DE MORTALIDADE POR CÂNCER DE MAMA (POR MULHERES) NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS EM 2012, SEGUNDO O PORTE DO MUNICÍPIO E INTEGRAÇÃO À REGIÃO METROPOLITANA (ANÁLISE DESAGREGADA) Pequeno Médio Grande Integra RM Não integra RM

28 Mamógrafos EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE MAMÓGRAFOS NO BRASIL NO PERÍODO DE 2007 A Ano Total de mamógrafos Disponíveis no SUS

29 NÚMERO DE MUNICÍPIOS COMBINANDO AS QUANTIDADES DE MAMÓGRAFOS TOTAIS E DISPONÍVEIS NO SUS POR CONJUNTO DE MULHERES COM PELO MENOS 50 ANOS NO BRASIL Mamógrafos totais por mulheres beneficiárias de plano Município sem beneficiárias com 50 anos ou mais Sem mamógrafo ou menos que 1 por beneficiárias Entre 1 e menos que 10 mamógrafos por beneficiárias 10 ou mais mamógrafos por beneficiárias com 50 anos ou mais Mamógrafos disponíveis no SUS por mulheres Município Menos que 1 Pelo menos 1 sem mamógrafo por mamógrafo por BRASIL mamógrafo mulheres mulheres N % N % N % N % 265 4,8% 0 0,0% 0 0,0% 265 4,8% ,6% 10 0,2% 0 0,0% ,8% 59 1,1% 451 8,1% 77 1,4% ,5% 51 0,9% 161 2,9% 170 3,1% 382 6,9% BRASIL ,4% ,2% 247 4,4% ,0% Nota: a quantidade de mamógrafos foi determinada pela média entre os anos 2007 e 2011 e o ano de 2009 foi usado como referência da quantidade de mulheres com pelo menos 50 anos.

30 Média da taxa de mortalidade por câncer de mama (por mulheres) MÉDIAS DAS TAXAS DE MORTALIDADE POR CÂNCER DE MAMA (POR MULHERES) NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS EM 2012 SEGUNDO A DISPONIBILIDADE COMBINADA DE MAMÓGRAFOS TOTAL E NO SUS ENTRE 2007 E Municípios sem disponibilidade de oferecer satisfatoriamante exames mamográficos Disponibilidade para oferecer satisfatoriamente apenas para beneficiárias de planos Sem disponibilidade para oferecer satisfatoriamente no SUS, mas boas condições no sistema privado Disponibilidade satisfatórias tanto no SUS quanto na rede privada

31 ESTATÍSTICAS DESCRITIVAS DA TAXA DE MORTALIDADE POR CÂNCER DE MAMA (POR MULHERES) NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS EM 2012 PELA COBERTURA DE PLANO DE SAÚDE NO MUNICÍPIO, SEGUNDO A DISPONIBILIDADE COMBINADA DE MAMÓGRAFOS TOTAL E NO SUS ENTRE 2007 E 2011 Disponibilidade Estatísticas da Cobertura de planos de saúde de mamógrafos taxa de mortalidade Brasil Até 4,9% De 5 a 24,9% 25% ou mais entre 2007 e 2011 por câncer de mama N Municípios sem disponibilidade de Média 9,3 7,4 13,1 12,5 oferecer satisfatoriamante exames Desvio-padrão 18,4 16,5 21,6 18,3 Mínimo 0,0 0,0 0,0 0,0 mamográficos Mediana 0,0 0,0 0,0 6,2 Máximo 239,8 152,2 239,8 119,5 N Disponibilidade para oferecer Média 12,2 8,8 12,1 16,1 satisfatoriamente apenas para Desvio-padrão 9,6 8,3 9,7 9,7 Mínimo 0,0 0,0 0,0 0,0 beneficiárias de planos Mediana 11,7 6,4 12,4 15,5 Máximo 43,3 26,6 43,3 41,8 N Sem disponibilidade para oferecer Média 13,4 9,3 13,2 15,3 satisfatoriamente no SUS, mas Desvio-padrão 8,1 8,0 8,4 7,2 Mínimo 0,0 0,0 0,0 0,0 boas condições no sistema privado Mediana 12,6 8,5 12,1 15,6 Máximo 58,3 34,8 58,3 41,7 N Disponibilidade satisfatórias tanto Média 12,7 8,6 13,4 16,4 Desvio-padrão 11,8 12,6 10,8 12,2 no SUS quanto na rede privada Mínimo 0,0 0,0 0,0 0,0 Mediana 9,7 4,1 10,7 14,2 Máximo 72,0 72,0 50,8 54,0 N Média 9,9 7,5 13,1 14,3 BRASIL Desvio-padrão 17,2 16,2 19,1 13,5 Mínimo 0,0 0,0 0,0 0,0 Mediana 0,0 0,0 8,3 13,4 Máximo 239,8 152,2 239,8 119,5

32 Média da taxa de mortalidade por câncer de mama (por mulheres) MÉDIAS DAS TAXAS DE MORTALIDADE POR CÂNCER DE MAMA (POR MULHERES) NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS EM 2012 PELA DISPONIBILIDADE COMBINADA DE MAMÓGRAFOS TOTAL E NO SUS ENTRE 2007 E 2011, SEGUNDO A COBERTURA MUNICIPAL DE PLANOS DE SAÚDE Municípios sem disponibilidade de oferecer satisfatoriamante exames mamográficos Disponibilidade para oferecer satisfatoriamente apenas para beneficiárias de planos Sem disponibilidade para oferecer satisfatoriamente no SUS, mas boas condições no sistema privado Disponibilidade satisfatórias tanto no SUS quanto na rede privada BRASIL 6 Até 4,9% De 5 a 24,9% 25% ou mais Cobertura municipal de plano de saúde

33 SÍNTESE E CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES SOBRE A MORTALIDADE POR CÂNCER DE MAMA Taxa de mortalidade por câncer de mama no Brasil em 2012: 13,9/ mulheres Média municipal das taxas de mortalidade por câncer de mama no Brasil em 2012: 9,9/ mulheres Municípios maiores e/ou integrando regiões metropolitanas maiores taxas de mortalidade por câncer de mama (?) Disponibilidade de mamógrafos em anos anteriores maiores taxas (?)

34 SÍNTESE E CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES SOBRE A MORTALIDADE POR CÂNCER DE MAMA Pode-se pensar que a complexidade subjacente à mortalidade por câncer de mama no Brasil, especialmente no que diz respeito à qualidade diagnóstica, e agravada pela heterogeneidade de seus municípios, dificulta maiores esclarecimentos a partir de estudos ecológicos Adicionalmente, mesmo reconhecendo as diferenças entre municípios pequenos, médios e grandes, deve haver, ainda importante heterogeneidade entre os municípios pequenos, devido potencialmente às suas intrínsecas diferenças por conta de suas condições geográficas, demográficas ou econômicas. Mas, principalmente, deve haver também importantes variações dentro dos municípios grandes. Variações intraurbanas nos municípios grandes constituem desafio adicional para a implementação de ações ou políticas efetivas.

35 A MORTALIDADE POR INFARTO NO BRASIL EM 2012

36 QUANTITATIVOS DE MUNICÍPIOS, POPULACIONAL E DE ÓBITOS POR INFARTO* NO BRASIL EM 2012 E TAXA DE MORTALIDADE POR INFARTO POR HABITANTES, SEGUNDO O PORTE DO MUNICÍPIO E INTEGRAÇÃO À REGIÃO METROPOLITANA (ANÁLISE AGREGADA) Integração à Região Número População em 2012 Óbitos por infarto* em 2012 Metropolitana (RM) e de porte** do município municípios N % N % Taxa por hab. Integra RM ,9% ,9% 43,2 Grande ,2% ,4% 43,4 Médio ,7% ,3% 39,9 Pequeno ,1% ,2% 46,1 Não integra RM ,1% ,1% 43,2 Grande ,8% ,7% 39,7 Médio ,9% ,7% 42,6 Pequeno ,3% ,6% 45,4 BRASIL ,0% ,0% 43,2 *CID's I21 e I22 **Pequeno = população < e densidade < 80 hab/km 2 ; Médio = população entre e ou densidade > 80 hab/km 2 ; Grande = população > habitantes

37 BOX-PLOT TAXAS DE MORTALIDADE POR INFARTO (POR ) NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS EM 2012, SEGUNDO O PORTE DO MUNICÍPIO E INTEGRAÇÃO À REGIÃO METROPOLITANA (ANÁLISE DESAGREGADA)

38 BOX-PLOT DAS TAXAS DE MORTALIDADE POR INFARTO (POR HABITANTES) NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS EM 2012, SEGUNDO A COBERTURA DE PLANO DE SAÚDE MUNICIPAL

39 NÚMERO DE MUNICÍPIOS COMBINANDO AS CONDIÇÕES MÉDICAS PARA ATENDIMENTO DE CASOS DE INFARTO NO SUS E NA REDE PRIVADA NO BRASIL EM JULHO DE 2012 Condições médicas para atendimento na rede privada Condições médicas Sem Condições Boas condições BRASIL para atendimento condições intermediárias para atender no SUS de atender para atendimento casos de infarto N % N % N % N % Sem condições de atender 366 6,6% 1 0,0% 4 0,1% 371 6,7% Condições intermediárias para atendimento Boas condições para atender casos de infarto ,1% 182 3,3% 315 5,7% ,1% ,4% 284 5,1% ,8% ,3% BRASIL ,1% 467 8,4% ,5% ,0% Nota: "Sem condições médicas de atender" = municípios sem médicos; "Condições intermediárias" = municípios onde há médicos com uma frequência menor que 1 por usuários (habitantes ou beneficiários), mas não apresenta nenhum médico-cardiologista; e "Boas condições de atendimento" = municípios com pelo menos 1 médico por usuários, mesmo que não tenha nenhum cardiologista mais os municípios que dispõem de pelo menos 1 cardiologista

40 ESTATÍSTICAS DESCRITIVAS DA TAXA DE MORTALIDADE POR INFARTO (POR HABITANTES) NOS 657 MUNICÍPIOS BRASILEIROS EM 2012 QUE APRESENTAVAM SIMULTANEAMENTE BOAS CONDIÇÕES MÉDICAS* PARA ATENDIMENTO NO SUS E NA REDE PRIVADA (NÃO SUS), PELA COBERTURA DE PLANO DE SAÚDE NO MUNICÍPIO, SEGUNDO O PORTE E INTEGRAÇÃO À REGIÃO METROPOLITANA Porte* do município Estatísticas Cobertura de planos de saúde e integração à da taxa de Brasil região metropolitana (RM) mortalidade Até 4,9% De 5 a 24,9% 25% ou mais N Média 44,5 43,0 45,2 integrando RM Mínimo 11,6 11,6 17,8 Mediana 40,8 48,4 40,0 Máximo 86,3 77,6 86,3 N Média 43,3 52,8 46,4 39,4 integrando RM Mínimo 0,0 52,8 14,0 0,0 Mediana 41,6 52,8 42,0 39,9 Máximo 84,5 52,8 80,6 84,5 N Média 50,6 66,5 43,8 integrando RM Mínimo 27,6 46,1 27,6 Mediana 45,9 58,7 43,9 Máximo 94,6 94,6 69,7 N Média 41,5 36,4 39,0 43,9 integrando RM Mínimo 13,0 23,2 13,0 19,3 Mediana 36,9 27,6 30,9 40,6 Máximo 93,1 67,4 93,1 90,0 N Média 41,7 44,0 42,4 38,7 integrando RM Mínimo 0,0 6,0 0,0 13,7 Mediana 37,7 36,5 39,9 36,1 Máximo 104,8 104,8 97,5 80,6 N Média 54,3 49,9 58,5 32,6 integrando RM Mínimo 0,0 0,0 0,0 15,4 Mediana 50,3 40,9 56,5 31,3 Máximo 148,2 144,4 148,2 55,0 N Média 45,8 48,1 47,5 42,4 BRASIL Mínimo 0,0 0,0 0,0 0,0 Mediana 41,3 40,4 45,5 39,0 Máximo 148,2 144,4 148,2 90,0 *Boas condições médicas de atendimento" = municípios com pelo menos 1 médico atendendo no SUS por habitantes e 1 médico na rede privada por beneficiários, mesmo que não tenham nenhum cardiologista mais os municípios que dispõem de pelo menos 1 cardiologista atendendo no SUS e na rede privada

41 Média da taxa de mortalidade por infarto Média da taxa de mortalidade por infarto Taxas médias de mortalidade por infarto (por habitantes) nos municipios brasileiros em 2012 pelas condições médicas para atendimento no SUS, segundo cobertura de plano de saúde no município Taxas médias de mortalidade por infarto (por habitantes) nos municipios brasileiros em 2012 pelas condições médicas para atendimento na rede privada (não SUS), segundo cobertura de plano de saúde no município Sem condições médicas Condições intermediárias Boas condições médicas 0 Sem condições médicas Condições intermediárias Boas condições médicas Condições médicas para atendimento no SUS Condições médicas para atendimento na rede privada (não SUS) Até 4,9% De 5 a 24,9% 25% ou mais Até 4,9% De 5 a 24,9% 25% ou mais

42 SÍNTESE E CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES SOBRE A MORTALIDADE POR INFARTO A taxa de mortalidade por infarto no Brasil em 2012 foi de 43,2/ e em termos médios, município a município, ligeiramente superior, igual a 46,9/ No geral, e contrariamente ao que seria esperado, não se observam diferenças importantes nas taxas com relação ao porte do município e integração à região metropolitana (?) Número de médicos disponível nas cidades, no SUS ou na rede privada não parece fazer muita diferença (?)

43 SÍNTESE E CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES SOBRE A MORTALIDADE POR INFARTO Pode-se pensar que a complexidade subjacente à mortalidade por câncer de mama no Brasil, especialmente no que diz respeito à qualidade diagnóstica Tal como para a mortalidade por câncer de mama, a heterogeneidade dos municípios brasileiros especialmente intraurbana nas cidades grandes e/ou interurbanas, em cidade pequenas ou grandes, dificulta maiores esclarecimentos a partir de estudos ecológicos, pelo menos para estes indicadores

44 PROPORÇÃO DE PARTOS CESARIANOS NO BRASIL EM 2012

45 Média do número de partos ESTATÍSTICAS DESCRITIVAS DO NÚMERO DE PARTOS (NASCIDOS VIVOS) PELO MUNICÍPIO DE RESIDÊNCIA DA MÃE E PELO MUNICÍPIO DE OCORRÊNCIA DO NASCIMENTO NO BRASIL EM 2012, SEGUNDO O PORTE DO MUNICÍPIO E INTEGRAÇÃO À REGIÃO METROPOLITANA Porte* do município Pequeno Médio Grande BRASIL Estatísticas do número de partos Partos (nascidos vivos) pelo município de residência da mãe Intergração à RM Partos (nascidos vivos) pelo município de ocorrência do nascimento Intergração à RM (nascidos vivos) Brasil Integra Não integra Brasil Integra Não integra N (municípios) Soma (nascimentos) Média Desvio-padrão Mínimo º quartil Mediana º quartil Máximo N (municípios) Soma (nascimentos) Média Desvio-padrão Mínimo º quartil Mediana º quartil Máximo N (municípios) Soma (nascimentos) Média Desvio-padrão Mínimo º quartil Mediana º quartil Máximo N (municípios) Soma (nascimentos) Média Desvio-padrão Mínimo º quartil Mediana º quartil Máximo *Pequeno = população < e densidade < 80 hab/km 2 ; Médio = população entre e ou densidade > 80 hab/km 2 ; Grande = população > habitantes Médias dos números de partos (nascidos vivos) pelo município de residência da mãe e pelo municipio de ocorrência do nascimento no Brasil em 2012, segundo o porte do município e integração à região metropolitana Pequeno Médio Grande Parto pelo município de residência da mãe e intergrando RM Parto pelo município de ocorrência do nascimento e intergrando RM Parto pelo município de residência da mãe e NÃO intergrando RM Parto pelo município de ocorrência do nascimento e NÃO intergrando RM

46 NÚMERO DE MUNICÍPIOS DE ACORDO COM A RAZÃO ENTRE O NÚMERO DE PARTOS PELO LOCAL DE OCORRÊNCIA DO NASCIMENTO E O NÚMERO DE PARTOS PELA RESIDÊNCIA DA MÃE NO BRASIL EM 2012, SEGUNDO A COBERTURA DE PLANOS DE SAÚDE EM MULHERES DE 15 A 49 ANOS Razão entre o número de partos pelo local de ocorrência do nascimento e pela residência da mãe Sem ocorrência de parto no município Proporção de beneficiárias de 15 a 49 anos Até 4,9% 5 a 24,9% 25% ou mais BRASIL N % N % N % N % ,2% ,1% ,0% ,4% 0 < Razão < 0, ,1% ,1% ,9% ,9% N=644; 11,6% Distribuição dos municípios de acordo com a razão entre o número de partos pelo local de ocorrência do nascimento e o número de partos pela residência da mãe no Brasil em 2012 N=610; 11,0% N=4311; 77,6% Município sem estrutura mínima para parto (Razão < 0,9) Estutura autossuficiente para parto (0,9 =< Razão < 1,2) Atende inclusive demanda externa (Razão >= 1,2) 0,5 =< Razão < 0, ,0% ,1% ,2% ,1% 0,9 =< Razão < 1, ,5% ,1% ,7% ,6% Razão >= 1, ,1% ,6% ,2% ,0% BRASIL ,0% ,0% ,0% ,0%

47 QUANTITATIVOS DE MUNICÍPIOS, POPULACIONAL (MULHERES DE 15 A 49 ANOS), NASCIDOS VIVOS PELO MUNICÍPIO DE RESIDÊNCIA DA MÃE E PARTOS CESARIANOS NO BRASIL EM 2012 E TAXAS DE FECUNDIDADE GERAL (POR MULHERES DE 15 A 49 ANOS), SEGUNDO AS REGIÕES E OS ESTADOS Região e Estado População feminina Nascidos vivos em 2012 Número de de 15 a 49 anos Fecundidade N % municípios N % geral (/1.000) Partos cesarianos em 2012 N %* BRASIL ,0% ,0% 53, ,6% REGIÂO NORTE ,2% ,6% 68, ,5% Rondônia (RO) ,8% ,9% 58, ,3% Acre (AC) ,4% ,6% 81, ,2% Amazonas (AM) ,8% ,7% 79, ,0% Roraima (RR) ,2% ,4% 82, ,2% Pará (PA) ,9% ,7% 64, ,5% Amapá (AP) ,4% ,5% 75, ,6% Tocantins (TO) ,7% ,8% 62, ,0% REGIÂO NORDESTE ,7% ,7% 55, ,4% Maranhão (MA) ,3% ,0% 64, ,6% Piauí (PI) ,6% ,7% 54, ,7% Ceará (CE) ,5% ,4% 52, ,6% Rio Grande do Norte (RN) ,7% ,6% 51, ,0% Paraíba (PB) ,9% ,0% 53, ,8% Pernambuco (PE) ,7% ,9% 55, ,2% Alagoas (AL) ,6% ,8% 59, ,9% Sergipe (SE) ,1% ,2% 55, ,0% Bahia (BA) ,3% ,2% 52, ,0% REGIÂO SUDESTE ,2% ,7% 50, ,6% Minas Gerais (MG) ,1% ,0% 47, ,5% Espírito Santo (ES) ,9% ,8% 51, ,7% Rio de Janeiro (RJ) ,3% ,7% 49, ,0% São Paulo (SP) ,9% ,2% 51, ,9% REGIÂO SUL ,1% ,1% 49, ,7% Paraná (PR) ,5% ,3% 51, ,9% Santa Catarina (SC) ,3% ,1% 48, ,7% Rio Grande do Sul (RS) ,3% ,8% 47, ,0% REGIÂO CENTRO- OESTE ,7% ,9% 54, ,4% Mato Grosso do Sul (MS) ,3% ,5% 60, ,1% Mato Grosso (MT) ,6% ,8% 57, ,6% Goiás (GO) ,3% ,2% 52, ,0% Distrito Federal (DF) ,5% ,5% 52, ,7% Fonte: DATASUS (acesso em agosto de 2015) *Em relação ao total de nascidos vivos no município de residência da mãe

48 QUANTITATIVOS DE MUNICÍPIOS, POPULACIONAL (MULHERES DE 15 A 49 ANOS), NASCIDOS VIVOS PELO MUNICÍPIO DE RESIDÊNCIA DA MÃE E PARTOS CESARIANOS NO BRASIL EM 2012 E TAXAS DE FECUNDIDADE GERAL (POR MULHERES DE 15 A 49 ANOS), SEGUNDO AS CAPITAIS BRASILEIRAS População Nascidos vivos em 2012 Partos cesarianos em 2012 Capitais feminina de Fecundidade N 15 a 49 anos geral (/1.000) N %* REGIÂO NORTE Porto Velho (RO) , ,8% Rio Branco (AC) , ,3% Manaus (AM) , ,5% Boa Vista (RR) , ,8% Belém (PA) , ,0% Macapá (AP) , ,0% Palmas (TO) , ,9% REGIÂO NORDESTE São Luis (MA) , ,5% Teresina (PI) , ,2% Fortaleza (CE) , ,4% Natal (RN) , ,1% João Pessoa (PB) , ,2% Recife (PE) , ,0% Maceió (AL) , ,8% Aracaju (SE) , ,6% Salvador (BA) , ,4% REGIÂO SUDESTE Belo Horizonte (MG) , ,1% Vitória (ES) , ,8% Rio de Janeiro (RJ) , ,8% São Paulo (SP) , ,0% REGIÂO SUL Curitiba (PR) , ,5% Florianópolis (SC) , ,0% Porto Alegre (RS) , ,2% REGIÂO CENTRO-OESTE Campo Grande (MS) , ,9% Cuiabá (MT) , ,4% Goiânia (GO) , ,8% Brasília (DF) , ,7% Fonte: DATASUS (acesso em agosto de 2015) *Em relação ao total de nascidos vivos no município de residência da mãe

49 QUANTITATIVOS DE MUNICÍPIOS, POPULACIONAL (MULHERES DE 15 A 49 ANOS), NASCIDOS VIVOS PELA RESIDÊNCIA DA MÃE E PARTOS CESARIANOS NO BRASIL EM 2012 E TAXAS DE FECUNDIDADE GERAL (POR MULHERES ENTRE 15 E 49 ANOS), SEGUNDO O PORTE DO MUNICÍPIO E INTEGRAÇÃO À REGIÃO METROPOLITANA Integração à Região População feminina Nascidos vivos em 2012 Partos cesarianos em 2012 Número Metropolitana (RM) e de de 15 a 49 anos Fecundidade N % N %** porte* do município municípios N % geral (/1.000) Integra RM ,0% ,8% 52, ,0% Grande ,3% ,1% 51, ,3% Médio ,7% ,7% 53, ,5% Pequeno ,0% ,9% 52, ,2% Não integra RM ,0% ,2% 54, ,3% Grande ,1% ,2% 53, ,7% Médio ,6% ,0% 55, ,3% Pequeno ,3% ,0% 54, ,9% BRASIL ,0% ,0% 53, ,6% Fonte: DATASUS (acesso em agosto de 2015) *Pequeno = população < e densidade < 80 hab/km 2 ; Médio = população entre e ou densidade > 80 hab/km 2 ; Grande = população > habitantes **Em relação ao total de nascidos vivos no município de residência da mãe

50 Média das proporções de partos cesarianos ESTATÍSTICAS DESCRITIVAS DAS PROPORÇÕES (%) DE PARTOS CESARIANOS NOS MUNICIPIOS BRASILEIROS EM 2012, SEGUNDO O PORTE DO MUNICÍPIO E INTEGRAÇÃO À REGIÃO METROPOLITANA Estatísticas Porte* do município Integração à RM da proporção BRASIL Pequeno de cesárias Médio Grande N Média 56,6 55,8 57,4 56,9 Desviopadrão 13,2 15,0 12,5 10,0 Integra Coefic. de variação 23,4% 26,8% 21,8% 17,5% Região Mínimo 23,8 23,8 27,8 34,0 Metropolitana 1º quartil 46,9 44,6 47,6 51,5 Mediana 56,2 54,5 58,2 56,5 3º quartil 65,2 66,7 65,2 63,1 Máximo 93,8 93,8 92,7 81,7 N Média 56,0 55,7 56,6 61,5 Desviopadrão 19,4 19,9 16,8 13,4 Não integra Coefic. de variação 34,6% 35,7% 29,7% 21,9% Região Mínimo 3,3 3,3 14,3 24,5 Metropolitana 1º quartil 40,7 39,8 43,6 54,8 Mediana 56,8 56,6 55,7 62,1 3º quartil 70,8 71,1 69,1 69,1 Máximo 100,0 100,0 95,1 90,8 *Pequeno = população < e densidade < 80 hab/km 2 ; Médio = população entre e ou densidade > 80 hab/km 2 ; Grande = população > habitantes Médias das proporções de partos cesarianos nos municipios brasileiros em 2012, segundo o porte do município e integração à região metropolitana Pequeno Médio Grande Integra RM Não integra RM

51 PROPORÇÃO DE PARTOS CESARIANOS PELO MUNICÍPIO DE RESIDÊNCIA DA MÃE NO BRASIL EM 2012 PROPORÇÃO DE PARTOS CESARIANOS PELO MUNICÍPIO DE OCORRÊNCIA DO NASCIMENTO NO BRASIL EM 2012

52 QUANTITATIVOS DE MUNICÍPIOS, POPULACIONAL (MULHERES DE 15 A 49 ANOS), NASCIDOS VIVOS PELA RESIDÊNCIA DA MÃE E PARTOS CESARIANOS NO BRASIL EM 2012 E TAXAS DE FECUNDIDADE GERAL (POR MULHERES ENTRE 15 E 49 ANOS), SEGUNDO A COBERTURA DE PLANOS DE SAÚDE ENTRE MULHERES DE 15 A 49 ANOS NO MUNICÍPIO Cobertura de planos de saúde entre mulheres de 15 a 49 anos Número de municípios População feminina Nascidos vivos em 2012 Partos cesarianos de 15 a 49 anos Fecundidade N % geral (/1.000) N % N %* Até 4,9% ,6% ,9% 59, ,2% De 5 a 24,9% ,6% ,6% 53, ,5% 25% ou mais ,8% ,4% 50, ,9% BRASIL ,0% ,0% 53, ,6% Fonte: DATASUS (acesso em agosto de 2015) *Em relação ao total de nascidos vivos no município de residência da mãe

53 ESTATÍSTICAS DESCRITIVAS DAS PROPORÇÕES (%) DE PARTOS CESARIANOS* NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS EM 2012 PELA COBERTURA DE PLANO DE SAÚDE ENTRE MULHERES DE 15 A 49 ANOS NO MUNICÍPIO, SEGUNDO O PORTE** DO MUNICÍPIO E INTEGRAÇÃO À REGIÃO METROPOLITANA Porte do município Estatísticas Cobertura de planos de saúde entre mulheres de 15 a 49 anos e integração descritivas da à região proporção (%) de Até 4,9% 5 a 24,9% 25% ou mais metropolitana (RM)** parto cesariano* N Média 36,1 52,8 59,4 Grande e Desvio-padrão 10,7 8,6 integrando RM Mínimo 36,1 34,0 39,6 Mediana 36,1 54,5 58,2 Máximo 36,1 81,7 79,5 N Média 47,8 58,7 63,0 Médio e Desvio-padrão 10,8 11,7 10,7 integrando RM Mínimo 27,8 34,6 36,5 Mediana 46,4 59,2 63,3 Máximo 81,4 92,7 83,9 N Média 50,8 57,9 70,8 Pequeno e Desvio-padrão 13,8 14,2 14,3 integrando RM Mínimo 23,8 25,1 51,1 Mediana 49,7 57,1 69,5 Máximo 89,2 89,3 93,8 N Média 37,7 56,2 68,9 Grande e Não Desvio-padrão 8,3 11,1 9,9 integrando RM Mínimo 24,5 30,4 42,8 Mediana 38,9 56,1 67,5 Máximo 47,7 81,0 90,8 N Média 45,1 62,4 71,2 Médio e Não Desvio-padrão 12,3 14,9 10,6 integrando RM Mínimo 14,3 21,3 44,3 Mediana 44,4 62,0 69,7 Máximo 81,8 95,1 92,5 N Média 49,2 66,3 73,9 Pequeno e Não Desvio-padrão 19,2 15,1 14,0 integrando RM Mínimo 4,6 15,1 3,3 Mediana 46,9 66,7 76,0 Máximo 100,0 100,0 100,0 *Em relação ao total de nascidos vivos no município de residência da mãe **Pequeno = população < e densidade < 80 hab/km 2 ; Médio = população entre e ou densidade > 80 hab/km 2 ; Grande = população > habitantes

54 Média das proporções (%) de partos cesarianos Proporções (%) médias de partos cesarianos nos municipios brasileiros em 2012 pelos grupos de municípios de acordo com "estrutura" para atender partos, segundo o porte do município e integração à região metropolitana =Município aparentemente sem estrutura para parto 2=Estrutura autossuficiente para parto 3=Atende inclusive demanda externa Grupos de municípios de acordo com "estrutura" para atender partos Pequeno e Não integrando RM Médio e Não integrando RM Grande e Não integrando RM Pequeno e integrando RM Médio e integrando RM Grande e integrando RM

55 SÍNTESE E CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES SOBRE A PROPORÇÃO DE PARTOS CESARIANOS A proporção de partos cesarianos no Brasil em 2012 foi de 55,6%. A variabilidade na proporção de partos cesarianos entre estados e regiões é marcante. Percebe-se claro gradiente na proporção de partos cesarianos em função do número de beneficiários de planos, para os 6 grupos de municípios

56 CONSIDERAÇÕES FINAIS Deve ser sublinhada que não são consideradas várias dimensões demográficas, sociais, econômicas e de saúde dos municípios que poderiam ajudar na explicação dos 3 eventos estudados. Por exemplo, poderiam ser calculadas as taxas de mortalidade por câncer de mama e infarto de cada município padronizadas por idade. Mas a proposta não era "explicar as taxas de mortalidade ou a proporção de cesariana, e sim mapeá-las explorando suas diversidades em nível municipal, por meio de um estudo ecológico, e contribuindo com indicadores obtidos e analisados em nível agregado e desagregado (município), nível no qual, de fato, às ações e políticas acontecem.

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 Situação da microcefalia no Brasil Até 21 de novembro, foram notificados 739 casos suspeitos de microcefalia, identificados em 160 municípios de nove

Leia mais

Regiões Metropolitanas do Brasil

Regiões Metropolitanas do Brasil Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia IPPUR/UFRJ CNPQ FAPERJ Regiões Metropolitanas do Brasil Equipe responsável Sol Garson Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Juciano Martins Rodrigues Regiões Metropolitanas

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA. LEI 12.587 3 de janeiro de 2012

POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA. LEI 12.587 3 de janeiro de 2012 LEI 12.587 3 de janeiro de 2012 A POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA, INSTITUDA PELA LEI 12.587, É INSTRUMENTO DA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO URBANO, OBJETIVANDO A INTEGRAÇÃO ENTRE OS DIFERENTES MODOS

Leia mais

Perfil Municipal de Fortaleza Tema V: Aspectos Educacionais. 23 de Agosto/2012 Fortaleza - Ceará

Perfil Municipal de Fortaleza Tema V: Aspectos Educacionais. 23 de Agosto/2012 Fortaleza - Ceará IPECE Informe nº 38 Perfil Municipal de Fortaleza Tema V: Aspectos Educacionais 23 de Agosto/2012 Fortaleza - Ceará 1. INTRODUÇÃO O Neste documento serão analisados os aspectos educacionais da capital

Leia mais

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS Seminário POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS LEGISLAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E POLÍTICA DE SEGURANÇA Brasília DF 13 de setembro de 2012 Regulamentação da atividade de mototaxista Mesmo diante da ausência

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (julho/2015) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

ECONOMIA DA CULTURA - EQUIPAMENTOS AUDIOVISUAIS NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS

ECONOMIA DA CULTURA - EQUIPAMENTOS AUDIOVISUAIS NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS IV ENECULT - Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura 28 a 30 de maio de 2008 Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. ECONOMIA DA CULTURA - EQUIPAMENTOS AUDIOVISUAIS NOS MUNICÍPIOS

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015

Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015 Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015 PRESIDENTE: Marciano Gianerini Freire EQUIPE TÉCNICA: Coordenação: Mariana Nery Pesquisadores: Heike Duske César Melo

Leia mais

Manual Identidade Visual CFC - CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

Manual Identidade Visual CFC - CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE Partindo da figura da engrenagem, presente na logo atual do CFC, o novo logo desenvolvido mantém uma relação com o passado da instituição, porém com um olhar no presente e no futuro, na evolução e ascensão

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

Inventar com a diferenca,

Inventar com a diferenca, Inventar com a diferenca, cinema e direitos humanos PATROCÍNIO APOIO REALIZAÇÃO Fundação Euclides da Cunha O que é Inventar com a diferença: cinema e direitos humanos O projeto visa oferecer formação e

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

LOCALIZAÇÃO DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA ESCALA SUBNACIONAL: ÁGUA E ESGOTO

LOCALIZAÇÃO DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA ESCALA SUBNACIONAL: ÁGUA E ESGOTO LOCALIZAÇÃO DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA ESCALA SUBNACIONAL: ÁGUA E ESGOTO Maria da Piedade Morais 1º Seminário Franco-Brasileiro sobre Saúde Ambiental Brasília, 28 de junho de 2011 Objetivos

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO 8º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO 8º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO Cargo 1: Analista do MPU Área de Atividade: Apoio Técnico-Administrativo Especialidade: Arquivologia Distrito Federal / DF 596 4 149,00 Especialidade: Biblioteconomia Acre / AC 147 1 147,00 Especialidade:

Leia mais

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 ( t ) ( US$ / t ) 450.000 120.000 400.000 100.000 350.000 80.000 300.000 250.000 60.000 200.000 150.000 40.

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 ( t ) ( US$ / t ) 450.000 120.000 400.000 100.000 350.000 80.000 300.000 250.000 60.000 200.000 150.000 40. BRASIL IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 (POR PAÍS) PAÍSES ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 269.719,83 387.213,30 406.882,12 310.956,48 318.530,07 375.612,10 414.745,41 233.717,31 309.486,24 320.128,57 267.045,80 205.498,88

Leia mais

FINANCIAMENTO DOS MUNICÍPIOS DO BRASIL Um balanço o entre aspectos sociais e econômicos

FINANCIAMENTO DOS MUNICÍPIOS DO BRASIL Um balanço o entre aspectos sociais e econômicos Seminário Internacional sobre Tributação Imobiliária FINANCIAMENTO DOS MUNICÍPIOS DO BRASIL Um balanço o entre aspectos sociais e econômicos Maria Cristina Mac Dowell maria-macdowell.azevedo@fazenda.gov.br

Leia mais

DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Analista de Correios / Administrador AC / Rio Branco 123 1 123,00 Analista de Correios / Técnico em Comunicação Social Atuação: Jornalismo AC / Rio Branco 27 1 27,00 Médico do Trabalho Formação: Medicina

Leia mais

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Um total de 131 municípios da região Norte participou do Levantamento Nacional do Transporte Escolar. No Acre, 36% dos municípios responderam

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Nota Técnica elaborada em 01/2014 pela CGAN/DAB/SAS. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NOTA TÉCNICA Nº15/2014-CGAN/DAB/SAS/MS

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010 ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL PROFESSORES DAS REDES ESTADUAIS NO BRASIL A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES

Leia mais

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para mapear os hábitos de consumo e compras para época

Leia mais

2014 DEZEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2014 DEZEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2014 DEZEMBRO Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos Elaboração, distribuição e informações: MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) Diretoria

Leia mais

Seleção Territorial Enfrentamento a Violência contra Juventude Negra Classificação 2010

Seleção Territorial Enfrentamento a Violência contra Juventude Negra Classificação 2010 Posição Nome do Município Estado Região RM, RIDE ou Aglomeração Urbana 1 Salvador BA Nordeste RM Salvador 2 Maceió AL Nordeste RM Maceió 3 Rio de Janeiro RJ Sudeste RM Rio de Janeiro 4 Manaus AM Norte

Leia mais

Avanços e encaminhamentos sobre a Pesquisa de Turismo Internacional:

Avanços e encaminhamentos sobre a Pesquisa de Turismo Internacional: Avanços e encaminhamentos sobre a Pesquisa de Turismo Internacional: Avaliações para o desenho amostral em rodovias segundo a metodologia proposta para a PTI Palestrante: Alfredo García Ramos (Consultor

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 7.938 0,37 0 0,00-7.938 0,37

Leia mais

Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil

Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil O Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil é mais uma publicação do Plano Juventude Viva, que reúne ações de prevenção para reduzir a vulnerabilidade de jovens

Leia mais

A REALIDADE DAS ÁREAS METROPOLITANAS DIA GNÓSTIC O SOCIO ECONÔMICO E DA ESTRUTURA DE GESTÃO

A REALIDADE DAS ÁREAS METROPOLITANAS DIA GNÓSTIC O SOCIO ECONÔMICO E DA ESTRUTURA DE GESTÃO A REALIDADE DAS ÁREAS METROPOLITANAS E SEUS DESAFIOS NA FEDERAÇÃO BRASILEIRA: DIA GNÓSTIC O SOCIO ECONÔMICO E DA ESTRUTURA DE GESTÃO Brasília - março de 2004 1ª fase - anos 70 Lei Federal 14/73 e 20/74

Leia mais

Interior de SP. Mailing Jornais

Interior de SP. Mailing Jornais São Paulo AGORA SÃO PAULO BRASIL ECONÔMICO D.C.I. DESTAK (SP) DIÁRIO DO COMMERCIO (SP) DIÁRIO DE SÃO PAULO DIÁRIO DO GRANDE ABC EMPREGO JÁ (SP) EMPREGOS & CONCURSOS (SP) EMPRESAS & NEGÓCIOS (SP) FOLHA

Leia mais

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX SUMÁRIO 1 ICMS 1.1 CONTRIBUINTE 1.2 FATO GERADOR DO IMPOSTO 1.3 BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO 1.4 REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO 1.5 CARTA DE CORREÇÃO 1.6 CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

População residente, por situação do domicílio Brasil, 2000 Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2000 Resultados do Universo

População residente, por situação do domicílio Brasil, 2000 Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2000 Resultados do Universo Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3o Bimestre 5o ano Geografia Data: / / Nível: Escola: Nome: 1. Leia os dados e o gráfico do censo do

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES Brasília, janeiro/2011 Objetivos específicos da pesquisa 2 Avaliar a quantidade e a qualidade da rede credenciada. Avaliar os serviços oferecidos: o Plano CASSI Família

Leia mais

As Metrópoles no Censo 2010: novas tendências? 1

As Metrópoles no Censo 2010: novas tendências? 1 P á g i n a 1 As Metrópoles no Censo 2010: novas tendências? 1 Os primeiros resultados do Censo 2010 já permitem algumas reflexões sobre mudanças e permanências da posição das metrópoles na rede urbana

Leia mais

Fonte: CPS/FGV a partir dos microdados da POF/IBGE

Fonte: CPS/FGV a partir dos microdados da POF/IBGE Agentes de Crédito e Grupos Solidários Segurado Segurador Agente de Seguro Segurado Segurado Definição de Microseguros Critério Renda Per Capita % Pop E 13.48 DE 34.96 83.83 1 SM 51.05 2 SM 74.82 3 SM

Leia mais

Pesquisa da 10ª Semana. Coordenação de Estudos Sócioeconômicos CESES Departamento de Difusão Fomento e Economia de Museus DDFEM Ibram, 2012

Pesquisa da 10ª Semana. Coordenação de Estudos Sócioeconômicos CESES Departamento de Difusão Fomento e Economia de Museus DDFEM Ibram, 2012 Pesquisa da 10ª Semana de Museus Coordenação de Estudos Sócioeconômicos CESES Departamento de Difusão Fomento e Economia de Museus DDFEM Ibram, 2012 Panorama geral - Pesquisa da 10ª Semana Nº entradas

Leia mais

Dimensão social. Habitação

Dimensão social. Habitação Dimensão social Habitação Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 235 39 Adequação de moradia Este indicador expressa as condições de moradia através da proporção de domicílios com condições

Leia mais

O CUSTO DOS DESLOCAMENTOS NAS PRINCIPAIS ÁREAS URBANAS DO BRASIL

O CUSTO DOS DESLOCAMENTOS NAS PRINCIPAIS ÁREAS URBANAS DO BRASIL PUBLICAÇÕES SISTEMA FIRJAN PESQUISAS E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS AMBIENTE DE NEGÓCIOS O CUSTO DOS DESLOCAMENTOS NAS PRINCIPAIS ÁREAS URBANAS DO BRASIL Setembro/2015 Esta publicação contempla os seguintes

Leia mais

Sondagem Festas Juninas 2015

Sondagem Festas Juninas 2015 Sondagem Festas Juninas 0 de Maio de 0 0 Copyright Boa Vista Serviços Índice o Objetivo, metodologia e amostra... 0 o Perfil dos respondentes... 0 o Comemoração das Festas Juninas... 09 o Do que os consumidores

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DA RORAIMA Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 224.118 2,64% 5,82% População - mil (1)

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Nível superior Cargo 1: Contador DF Brasília/Sede da Administração Central 35 1820 52,00 Nível médio Cargo 2: Agente Administrativo AC Rio Branco/Sede da SRTE 2 1496 748,00 Nível médio Cargo 2: Agente

Leia mais

50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias

50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias 50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias Pesquisa realizada pela Rizzo Franchise e divulgada pela revista Exame listou as 50 cidades com as melhores oportunidades para abertura de

Leia mais

DENGUE, CHIKUNGUNYA E ZIKA VÍRUS: CENÁRIO EPIDEMIOLÓGICO E PERSPECTIVAS

DENGUE, CHIKUNGUNYA E ZIKA VÍRUS: CENÁRIO EPIDEMIOLÓGICO E PERSPECTIVAS DENGUE, CHIKUNGUNYA E ZIKA VÍRUS: CENÁRIO EPIDEMIOLÓGICO E PERSPECTIVAS Priscila Leal e Leite Coordenação do Programa Nacional do Controle da Dengue - CGPNCD Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis

Leia mais

OAB/RN RELATÓRIO DE APROVADOS NA PROVA OBJETIVA POR INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR

OAB/RN RELATÓRIO DE APROVADOS NA PROVA OBJETIVA POR INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR OAB/RN RELATÓRIO DE APROVADOS NA PROVA OBJETIVA POR INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR Tabela 01 - Aprovados Prova Objetiva - Exame de Ordem 2009.3, Natal/RN, 2009. UF MUNICÍPIO DA IES IES INSCRITOS PRESENTES

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DAPARAÍBA

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Perspectivas da economia / Comprometimento de renda Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para

Leia mais

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE?

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? Instrumento que permite o financiamento, por meio de incentivos fiscais, de projetos esportivos aprovados pelo Ministério do Esporte. BASE LEGAL: Lei 11.438/06 -

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Ministério da Saúde Ministério da PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Fevereiro 2013 Ministério da Ministério da CRONOGRAMA 2013 Semana Saúde na Escola Adesão de 20/02 a 10/03 Ações nas escolas entre os dias 11 e

Leia mais

TERMS OF SALES. 1. Condições Comerciais. 2. Meios de pagamento e reembolso de valores. 3. Da entrega dos produtos

TERMS OF SALES. 1. Condições Comerciais. 2. Meios de pagamento e reembolso de valores. 3. Da entrega dos produtos TERMS OF SALES 1. Condições Comerciais 1.1. Somente poderão fazer uso e adquirir produtos divulgados no site Heidelberg.com.br pessoas físicas ou jurídicas capazes e em pleno exercício de seus direitos

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (Setembro/14) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

UN 4 0,00 Catraca pedestal com cofre com leitor smart card

UN 4 0,00 Catraca pedestal com cofre com leitor smart card ITEM 1 - Município - Rio de Janeiro - RJ ANEXO II DO TERMO DE REFERÊNCIA QT Valor Unitário R$ Valor Total R$ 1 - Projeto (verba para infraestrutura e ativação local) VB 1 Software de Acesso - Licença Web

Leia mais

Perfil Municipal de Fortaleza. Tema X: A Dinâmica das Classes Sociais na Última Década. Edição Especial. Nº 45 Novembro 2012

Perfil Municipal de Fortaleza. Tema X: A Dinâmica das Classes Sociais na Última Década. Edição Especial. Nº 45 Novembro 2012 Nº 45 Novembro 2012 Edição Especial Perfil Municipal de Fortaleza Tema X: A Dinâmica das Classes Sociais na Última Década 4 1 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas doenças do pulmão, câncer, insuficiência renal crônica e outras doenças crônicas Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas doenças do pulmão, câncer, insuficiência renal crônica e outras doenças crônicas Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas doenças do pulmão, câncer, insuficiência renal crônica e outras doenças crônicas Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis

Leia mais

Hábitos de Consumo Dia dos Namorados 2015

Hábitos de Consumo Dia dos Namorados 2015 Hábitos de Consumo Dia dos Namorados 2015 3 de junho de 2015 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: a sondagem ter por objetivo identificar os hábitos de compras

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

CONVOCAÇÕES REALIZADAS ATÉ 01/01/2012

CONVOCAÇÕES REALIZADAS ATÉ 01/01/2012 SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) CONCURSO PÚBLICO PARA PREENCHIMENTO DE E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA PARA OS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO EDITAL Nº 1 SERPRO, DE 08 DE OUTUBRO

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (Junho/14) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

Evolução demográfica 1950-2010

Evolução demográfica 1950-2010 Evolução demográfica 195-1 37 A estrutura etária da população brasileira em 1 reflete as mudanças ocorridas nos parâmetros demográficos a partir da segunda metade do século XX. Houve declínio rápido dos

Leia mais

Aspec Informática - Tecnologia da Informação Plano de Numeração dos Ramais. Revisão 07/07/2015 12:02:36

Aspec Informática - Tecnologia da Informação Plano de Numeração dos Ramais. Revisão 07/07/2015 12:02:36 UF Estado Capital DDD SP São Paulo São Paulo 11 RJ Rio de Janeiro Rio de Janeiro 21 ES Espírito Santo Vitória 27 MG Minas Gerais Belo Horizonte 31 PR Paraná Curitiba 41 SC Santa Catarina Florianópolis

Leia mais

INFORMATIVO SICAB. Sistema de Informações Cadastrais do Artesanato Brasileiro SICAB

INFORMATIVO SICAB. Sistema de Informações Cadastrais do Artesanato Brasileiro SICAB INFORMATIVO SICAB Sistema de Informações Cadastrais do Artesanato Brasileiro SICAB O Sistema de Informações Cadastrais do Artesanato Brasileiro (SICAB) foi desenvolvido com o propósito de prover informações

Leia mais

Crédito Suplementar. 2049 Moradia Digna 2.000.000.000 OPERAÇÕES ESPECIAIS 28 845 2049 00AF Integralização de Cotas ao Fundo de Arrendamento

Crédito Suplementar. 2049 Moradia Digna 2.000.000.000 OPERAÇÕES ESPECIAIS 28 845 2049 00AF Integralização de Cotas ao Fundo de Arrendamento ÓRGÃO: 56000 - Ministério das Cidades UNIDADE: 56101 - Ministério das Cidades ANEXO I PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTAÇÃO) Crédito Suplementar Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00 FUNCIONAL PROGRAMÁTICA

Leia mais

NOTA TÉCNICA 05/2011

NOTA TÉCNICA 05/2011 NOTA TÉCNICA 05/2011 DENGUE SITUAÇÃO ATUAL, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS PARA ENFRENTAMENTO Brasília, 13 de março de 2011. DENGUE SITUAÇÃO ATUAL, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS PARA ENFRENTAMENTO 1. Situação atual Segundo

Leia mais

AC - ACRE UFAC - UNIVESIDADE FEDERAL DO ACRE - CAMPUS UNIVERSITÁRIO (RIO BRANCO, AC) 760,97 765,54

AC - ACRE UFAC - UNIVESIDADE FEDERAL DO ACRE - CAMPUS UNIVERSITÁRIO (RIO BRANCO, AC) 760,97 765,54 INSTITUIÇÃO Nota de Corte - Dia 1 Nota de Corte - Dia 3 AC - ACRE UFAC - UNIVESIDADE FEDERAL DO ACRE - CAMPUS UNIVERSITÁRIO (RIO BRANCO, AC) 760,97 765,54 AL - ALAGOAS UFAL - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

SITUAÇÃO ATÉ 10/04/2015 CONTRATAÇÕES AUTORIZADAS (2) VAGAS OFERTADAS (1)

SITUAÇÃO ATÉ 10/04/2015 CONTRATAÇÕES AUTORIZADAS (2) VAGAS OFERTADAS (1) SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) CONCURSO PÚBLICO PARA PREENCHIMENTO DE E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA PARA OS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO EDITAL Nº 1 SERPRO, DE 26 DE FEVEREIRO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ENADE 2011 NOTAS DOS CURSOS DE CIÊNCIAS SOCIAIS

AVALIAÇÃO DO ENADE 2011 NOTAS DOS CURSOS DE CIÊNCIAS SOCIAIS AVALIAÇÃO DO ENADE 2011 NOTAS DOS CUOS DE Cursos com avaliação 1 ou 2 (sujeitos a encerramento/reestruturação de suas atividades) Cursos com avaliação 5 Públicas Cursos com avaliação 5 no Enade, mas com

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (dezembro/13) Janeiro de 2014 Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda

Leia mais

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 (Estudo Técnico nº 175) François E. J. de Bremaeker Salvador, julho de 2012 2 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 François E. J. de Bremaeker Economista e Geógrafo Associação

Leia mais

UF Universidade Turno Vagas Nota de corte em 21/1/2015, às 0h. Integral (Mat/Vesp) Integral (Mat/Vesp) Integral (Mat/Vesp) Integral (Mat/Vesp)

UF Universidade Turno Vagas Nota de corte em 21/1/2015, às 0h. Integral (Mat/Vesp) Integral (Mat/Vesp) Integral (Mat/Vesp) Integral (Mat/Vesp) Cursos de medicina UF Universidade Turno Vagas Nota de corte em 21/1/2015, às 0h AC ACRE (Rio Branco) 40 748,49 AL UFAL ALAGOAS (Maceió) AM UFAM AMAZONAS (Manaus) AP UNIFAP AMAPÁ (Macapá) BA UFOB OESTE

Leia mais

CRESCIMENTO DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS NO PERÍODO ENTRE 2013 E 2014

CRESCIMENTO DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS NO PERÍODO ENTRE 2013 E 2014 CRESCIMENTO DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS NO PERÍODO ENTRE 2013 E 2014 François E. J. de Bremaeker Rio de janeiro, setembro de 2014 CRESCIMENTO DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS NO PERÍODO ENTRE 2013 E 2014 François

Leia mais

Panorama da Educação em Enfermagem no Brasil

Panorama da Educação em Enfermagem no Brasil Panorama da Educação em Enfermagem no Brasil Rede ABEn de Pesquisa em Educação em Enfermagem GT EDUCAÇÃO 2012 Portaria Nº 17/2012 Realizar a Pesquisa Panorama da Formação em Enfermagem no Brasil no período

Leia mais

CASAS ABRIGO. OG 3225-0604 AL Maceió Casa Abrigo Maceió (82) Casa Abrigo. OG 3336-8361 AM Manaus Casa Abrigo

CASAS ABRIGO. OG 3225-0604 AL Maceió Casa Abrigo Maceió (82) Casa Abrigo. OG 3336-8361 AM Manaus Casa Abrigo CASAS ABRIGO UF MUNICÍPIO NOME TELEFONE E-MAIL INAUGURAÇÃO OU OBSERVAÇÕES AC Rio Branco Casa Abrigo Mãe (68) Casa Abrigo da Mata 3225-0604 AL Maceió Casa Abrigo Maceió (82) Casa Abrigo Viva a Vida 3336-8361

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA O movimento Constitucional; O processo de discussão que antecedeu a LDB nº9394/96; A concepção de Educação Básica e a universalização do

Leia mais

Mapa do Ensino Superior no Brasil

Mapa do Ensino Superior no Brasil Mapa do Ensino Superior no Brasil 2015 Índice Índice Palavra do Presidente...5 Brasil...6 Região Sudeste... 16 Estado de São Paulo...17 Estado de Minas Gerais...24 Estado do Rio de Janeiro...31 Estado

Leia mais

ThyssenKrupp Elevadores Garantindo sustentabilidade, pensando no planeta

ThyssenKrupp Elevadores Garantindo sustentabilidade, pensando no planeta ThyssenKrupp Elevadores Garantindo sustentabilidade, pensando no planeta TK Elevadores Americas Business Unit tk 2 ThyssenKrupp Elevadores A Empresa Fábrica de Guaíba - RS Linha de Produtos Elevadores

Leia mais

DIAGNÓSTICO DOS INVESTIMENTOS

DIAGNÓSTICO DOS INVESTIMENTOS DIAGNÓSTICO DOS INVESTIMENTOS EM CULTURA NO BRASIL v. 1 Gastos públicos com cultura no Brasil: 1985-1995 Contrato de prestação de serviços que entre si celebram a União Federal, por intermédio da Secretaria

Leia mais

A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012

A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012 A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012 BRASIL Série Estudos e Pesquisas A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DE 2009 A 2012 Junho/2014 Estudos e Pesquisas

Leia mais

Unidade I: SEPN 515 - Bloco B - Ed. Ômega CEP: 70770-502 - Brasília - DF Telefone: (61) 3448-1000

Unidade I: SEPN 515 - Bloco B - Ed. Ômega CEP: 70770-502 - Brasília - DF Telefone: (61) 3448-1000 5. órgãos do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) Unidade I: SEPN 515 - Bloco B - Ed. Ômega CEP: 70770-502 - Brasília - DF Telefone: (61) 3448-1000

Leia mais

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing Edson José de Lemos Júnior Ermeson Gomes da Silva Jardson Prado Coriolano da Silva Marcos Antonio Santos Marinho Rosinaldo Ferreira da Cunha RELATÓRIO GERENCIAL

Leia mais

TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2011

TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2011 SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL COINT - Coordenação-Geral de Análise e Informações das Transferências Financeiras Intergovernamentais TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2011

Leia mais

Espírito Santo Governador Renato Casagrande

Espírito Santo Governador Renato Casagrande Espírito Santo Governador Renato Casagrande Parte I O Comércio Internacional no Espírito Santo Parte II Ranking Federativo Parte III Propostas Comércio Internacional no Espírito Santo Ranking Nacional

Leia mais

Diretoria de Geociências Coordenação de Geografia. Regiões de Influência das Cidades

Diretoria de Geociências Coordenação de Geografia. Regiões de Influência das Cidades Diretoria de Geociências Coordenação de Geografia Regiões de Influência das Cidades 2007 Objetivos Gerais Hierarquizar os centros urbanos Delimitar as regiões de influência associadas aos centros urbanos

Leia mais

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS ESTUDOS & pesquisas INFORMAÇÃO DEMOGRÁFICA E SOCIoeconômica 5 SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2000 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Presidente da República Fernando Henrique Cardoso

Leia mais

A NECESSIDADE DE AUDITORES-FISCAIS DO TRABALHO NO BRASIL: UMA ANÁLISE CONTEMPLANDO O GRAU DE DESCUMPRIMENTO DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA

A NECESSIDADE DE AUDITORES-FISCAIS DO TRABALHO NO BRASIL: UMA ANÁLISE CONTEMPLANDO O GRAU DE DESCUMPRIMENTO DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA A NECESSIDADE DE AUDITORES-FISCAIS DO TRABALHO NO BRASIL: UMA ANÁLISE CONTEMPLANDO O GRAU DE DESCUMPRIMENTO DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA RELATÓRIO FINAL ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA IPEA/SINAIT Nº 25/2010

Leia mais

ANEXO II - PLANILHA DE FORMAÇÃO DE PREÇOS - MODELO DE PROPOSTA PROPOSTADEFORNECIMENTO

ANEXO II - PLANILHA DE FORMAÇÃO DE PREÇOS - MODELO DE PROPOSTA PROPOSTADEFORNECIMENTO ANEXO II - PLANILHA DE FORMAÇÃO DE PREÇOS - MODELO DE PROPOSTA PROPOSTADEFORNECIMENTO Ref.:COTAÇÃO ELETRÔNICANº003/2015 ApresentamosnossapropostaparafornecimentodosItensabaixodiscriminados,conformeAnexoI

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA: O ENVELHECIMENTO E A QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS

AUDIÊNCIA PÚBLICA: O ENVELHECIMENTO E A QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS AUDIÊNCIA PÚBLICA: O ENVELHECIMENTO E A QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS BRASÍLIA, Julho de 2014 1 Proteção Social entre os Idosos (pessoas com 60 anos ou mais de idade) - Brasil 2 Cobertura Social entre os

Leia mais

NOTA TÉCNICA ESTIMATIVAS DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS COM DATA DE REFERÊNCIA EM 1º DE JULHO DE 2014

NOTA TÉCNICA ESTIMATIVAS DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS COM DATA DE REFERÊNCIA EM 1º DE JULHO DE 2014 NOTA TÉCNICA ESTIMATIVAS DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS COM DATA DE REFERÊNCIA EM 1º DE JULHO DE 2014 A divulgação anual das estimativas da população residente nos municípios brasileiros obedece

Leia mais

É uma ação permanente de promoção dos museus brasileiros coordenada pelo Ibram;

É uma ação permanente de promoção dos museus brasileiros coordenada pelo Ibram; Pesquisa da 13ª Semana Nacional de Museus Período de aplicação: 25 de maio a 30 de junho de 2015 Coordenação de Estudos Socioeconômicos e Sustentabilidade Ceses Departamento de Difusão, Fomento e Economia

Leia mais

Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 2010

Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 21 A Secretaria de Vigilância em Saúde, em trabalho

Leia mais

Página 1 de 8 IPI - Jurisdição - Regiões fiscais 18 de Maio de 2012 Em face da publicação da Portaria MF nº 203/2012 - DOU 1 de 17.05.2012, este procedimento foi atualizado (novas disposições - tópico

Leia mais

NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO

NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO Repasse financeiro do Fundo Nacional de Saúde aos Fundos de Saúde Estaduais, Municipais e do Distrito Federal, por meio do Piso Variável

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DAS CONVOCAÇÕES

ACOMPANHAMENTO DAS CONVOCAÇÕES ACOMPANHAMENTO DAS CONVOCAÇÕES PROFISSIONAL JÚNIOR ADMINISTRAÇÃO NACIONAL 57ª PROFISSIONAL JÚNIOR ADMINISTRAÇÃO NACIONAL PNE * PROFISSIONAL JÚNIOR ANALISTA DE SISTEMAS - ÊNFASE EM DESENVOLVIMENTO EM ERP

Leia mais

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Tabulação dos Resultados da Pesquisa Objetivos: Diagnosticar a situação atual dos municípios

Leia mais

COORDENAÇÕES ESTADUAIS DO ARTESANATO

COORDENAÇÕES ESTADUAIS DO ARTESANATO COORDENAÇÕES ESTADUAIS DO ARTESANATO ACRE Secretaria de Estado de Turismo e Lazer Endereço: Av. Chico Mendes, s/n - Arena da Floresta - Bairro Areal. CEP: 69.906-119 - Rio Branco - AC TEL: (68) 3901-3027/

Leia mais

Indenizações Pagas Quantidades

Indenizações Pagas Quantidades Natureza da Indenização Jan a Dez 2011 % Jan a Dez 2012 % Jan a Dez 2012 x Jan a Dez 2011 Morte 58.134 16% 60.752 12% 5% Invalidez Permanente 239.738 65% 352.495 69% 47% Despesas Médicas (DAMS) 68.484

Leia mais

HIV/AIDS no Norte e Nordeste

HIV/AIDS no Norte e Nordeste HIV/AIDS no Norte e Nordeste Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde www.aids.gov.br 04 de dezembro de 2014 Foco em populações chave 12% 10% 10,5%

Leia mais

Programa de Requalificação de UBS. Março/2015

Programa de Requalificação de UBS. Março/2015 Programa de Requalificação de UBS Março/2015 PROGRAMA DE REQUALIFICAÇÃO DE UBS Instituído no ano de 2011 OBJETIVOS: Criar incentivo financeiro para as UBS Contribuir para estruturação e o fortalecimento

Leia mais