IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL"

Transcrição

1 IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL Brasília, Novembro/ 2013 Unidade de Políticas Públicas

2 NOTA TÉCNICA IMPACTOS DAS DISTORÇOES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL Este estudo complementa a Nota Técnica Impactos do ICMS e Substituição Tributária para os Optantes do Simples Nacional, estendendo a avaliação da carga tributária do ICMS para cada um dos estados brasileiros e o Distrito Federal. É destacado o impacto da carga tributária na geração de empregos e na evolução das empresas, uma vez que as micro e pequenas empresas, que representam 99% das empresas brasileiras, são responsáveis por mais de 83% do saldo líquido de geração de empregos nos últimos dez anos. Esclarecimentos: a) Carga Tributária A carga tributária do ICMS tratada neste estudo foi apurada conforme pesquisa desenvolvida pela IOB, referente aos meses Novembro/2012 e Setembro/2013. A metodologia utilizada para a pesquisa e tratamento dos dados é apresentada na Nota Técnica Impactos do ICMS e Substituição Tributária para os Optantes do Simples Nacional. A carga tributária foi ponderada exclusivamente com base no faturamento das empresas optantes do Simples Nacional, conforme informado na DASN (Declaração Anual do Simples Nacional) dos anos 2012 e Observa-se que a metodologia para tratamento e ponderação dos dados adotada neste estudo é diferente da metodologia utilizada no estudo apresentado pela CNI Carga Tributária sobre as Micro e Pequenas Empresas Ranking dos Estados. No presente estudo, as parcelas do ICMS foram ponderadas com base no faturamento informado na DASN (Declaração Anual do Simples Nacional), por segmento e faixa de receita. No estudo da CNI, a ponderação foi efetuada com base no número de empresas. Aqui também se considerou a Substituição Tributária paga pela Indústria, nos casos em que esta for o substituto tributário esta participação não foi considerada pela CNI. Esta opção foi adotada uma vez que os segmentos pesquisados foram selecionados com base no número de empresas, não se atendo às cadeias econômicas. Para consultar o estudo apresentado pela CNI, acesse o link: F16F A0 Para a ordenação deste estudo, os estados foram divididos em quatro quartis, de acordo com o total da carga do ICMS em Setembro/2013 (ver Gráficos 1 e 2): 1º quartil: 6 estados com menores cargas tributárias PR, SC, GO, RS, ES, RJ 2º quartil: 7 estados com cargas medianas inferiores MS, DF, PE, MG, RN, MA, SP 3º quartil: 8 estados com cargas medianas superiores PA, RO, PB, TO, SE, CE, BA, AM

3 4º quartil: 6 estados com as maiores cargas tributárias PI, AP, MT, AL, RR, AC Gráfico 01: Carga Tributária Total sobre Optantes do Simples Nacional - % sobre Receita Bruta Comércio e Indústria Set/2013 Gráfico 02: Carga do ICMS sobre Optantes do Simples Nacional - % sobre Receita Bruta Comércio e Indústria Set/2013

4 Observa-se nos gráficos 1 e 2 que a carga tributária sobre optantes do Simples Nacional apresenta uma diferença de até 5,41% entre os estados e que o ICMS e suas variações (Sublimite, Substituição Tributária, Diferencial de Alíquota e Antecipação Tributária) são as causas desta diferença. O ICMS, que é legislado pelos estados, não seguiu os preceitos de simplificação e desoneração estabelecidos através da Lei Complementar Federal 123/2006. Ao contrário, quando os estados passaram a expandir a aplicação dos institutos do Sublimite, Substituição Tributária, Antecipação Tributária e Diferencial de Alíquota, geraram um aumento significativo na carga tributária, bem como a necessidade de controles e procedimentos adicionais. A carga do ICMS nas empresas optantes do Simples Nacional chega a representar 6,77% da receita bruta das empresas optantes do Simples Nacional enquanto a alíquota máxima de ICMS prevista na Lei Complementar Federal 123/2006 é de 3,95%. A necessidade de controles e procedimentos adicionais do ICMS contribui significativamente para o tempo gasto para o pagamento de impostos de acordo com o Doing Business, uma empresa pequena ou média gasta horas para o pagamento de impostos (159ª colocação entre 188 economias avaliadas). Destaca-se ainda que, com os atuais formatos de tributação através do ICMS adotados pelos estados, é ignorado o tratamento diferenciado previsto na Constituição Federal para os pequenos negócios. b) Geração de Emprego Conforme já apresentado na Nota Técnica Impactos do ICMS e Substituição Tributária para os Optantes do Simples Nacional, demonstramos algumas constatações importantes sobre a geração de emprego e a carga tributária do ICMS nas micro e pequenas empresas. Nos últimos anos, as micro e pequenas empresas foram responsáveis pela geração de mais de 84% dos novos postos de trabalho (ver Gráfico 03).

5 Gráfico 03: Saldo Líquido de Geração de Empregos no período 2003 a Fonte: CAGED Os estados com menor carga tributária apresentam a tendência de ter maior saldo líquido de geração de empregos nas micro e pequenas empresas, proporcionalmente às respectivas populações economicamente ativas. O Gráfico 04 apresenta o saldo líquido de geração de emprego nas micro e pequenas empresas observado em 12 meses (outubro/12 a setembro/13), convertido em percentual da população economicamente ativa de cada estado. Gráfico 04: Saldo Líquido de Geração de Emprego nas MPE (período Out/12 a Set/13) - % da PEA. Fonte: CAGED

6 Para demonstrar a constatação de que estados com menor carga tributária apresentam maior saldo de geração de empregos, foram correlacionadas as curvas detalhadas nos gráficos 02 e 04. Observa-se que este gráfico apresenta uma linha de tendência, demonstrando que, na média dos estados brasileiros, as menores cargas tributárias correspondem aos maiores saldos de geração de empregos. Gráfico 05: Carga Tributária de ICMS e Geração de Emprego nas MPE / Linha de Tendência Set/2013. Fontes: Pesquisa IOB e CAGED c) Outras variáveis Esta Nota Técnica considera também, para avaliação dos impactos da carga tributária do ICMS nas micro e pequenas empresas, outras variáveis que são indicativas do nível de favorabilidade dos ambientes de negócios em cada estado: nível de formalização, distribuição das empresas conforme faixas do Simples Nacional, arrecadação do ICMS, índice de confiança dos pequenos negócios, etc. Existem vários outros fatores que impactam estas variáveis, como por exemplo, planos de governo, eventos esportivos Copa e Olimpíada, PIB estadual, etc. Estes fatores não são considerados neste estudo. Fica, portanto, esclarecido que as análises aqui apresentadas apontam apenas para linhas de tendência observadas nas variáveis consideradas.

7 I - Estados do primeiro quartil, com as menores cargas tributárias: Paraná, Santa Catarina, Goiás, Rio Grande do Sul, Espírito Santo e Rio de Janeiro Os seis estados com menor carga tributária do ICMS apresentam como pontos de destaque, em relação à carga do ICMS e às práticas adotadas de tributação: Não adoção do sublimite estadual: inclusive Santa Catarina, Goiás e Espírito Santo, que pela participação no PIB podem adotar sublimite de R$ , optaram por adotar o limite do Simples Nacional, de R$ Isenções e reduções das alíquotas do ICMS: adotadas por Goiás, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro; Menores taxas de Substituição Tributária: Paraná e Goiás têm as menores taxas de ST; Espírito Santo, Santa Catarina e Rio de Janeiro tem a 4ª, 5ª e 6ª menores taxas de ST; Menores taxas de Antecipação Tributária: Paraná, Santa Catarina, Goiás, Espírito Santo e Rio de Janeiro estão entre os seis estados com menor percentual de antecipação tributária; Menores taxas de Diferencial de Alíquota: Paraná, Santa Catarina, Goiás, Rio Grande do Sul, Espírito Santo e Rio de Janeiro possuem as seis menores taxas de Diferencial de Alíquota; Benefícios especiais para a Indústria da Confecção adotados em Goiás e Rio de Janeiro menor carga por segmento da pesquisa é deste segmento, para GO; Práticas diferenciadas no Paraná (redução de alíquotas a 12%, zerando a antecipação tributária) e Santa Catarina (redução para 30% da MVA para os optantes do Simples Nacional). Como impactos da carga tributária menor, os seis estados deste quartil apresentam como pontos de destaque: Maior geração de empregos: quatro estados (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro) são enquadrados no primeiro quartil da curva de geração de empregos, ou seja, estão entre os seis estados que mais geraram empregos no período de out/12 a set/13. Goiás e Espírito Santo estão nas primeiras posições do segundo quartil de geração de empregos. Comparando os níveis de formalização de micro e pequenas empresas e de microempreendedores individuais obtém-se: o Cinco estados apresentam índices de formalização de micro e pequenas empresas superiores à média nacional (exceção: Rio de Janeiro); o Seis estados apresentam índices de formalização de microempreendedores individuais superiores à média nacional; o Cinco estados apresentam índices de formalização de micro e pequenas empresas inferiores às respectivas médias regionais (exceção: Espírito Santo); o Quatro estados apresentam índices de formalização de microempreendedores individuais superiores às respectivas médias nacionais; (exceções: Paraná e Goiás).

8 A análise do crescimento da arrecadação, entre os estados do primeiro quartil, não apresenta uma divisão claramente definida: o Três estados tiveram aumento da arrecadação do ICMS Total entre 2007 e 2013, superando as médias regionais e nacional; o Quatro estados tiveram aumento da arrecadação do ICMS no Simples Nacional entre 2007 e 2013, superando as médias regionais e nacional; o Quatro estados tiveram o mesmo ICMS Total per capita observado a nível nacional. Um estado teve crescimento superior a média nacional e outro, inferior. o Três estados tiveram o mesmo ICMS Total per capita observado a nível regional. Dois estados tiveram crescimento superior a média nacional e outro, inferior. o Seis estados tiveram o ICMS Simples Nacional per capita superior à média nacional. Três superaram as médias regionais. O índice de sobrevivência das empresas dos estados do primeiro quartil é similar aos índices nacional e regional. Quatro estados apresentam as mesmas taxas. Cinco estados apresentam o índice de Confiança dos Pequenos Negócios superior a média nacional. Três estados superam as médias das respectivas regiões. As micro e pequenas empresas instaladas nos estados do primeiro quartil mostram uma tendência maior para alcançar faixas mais altas de receita bruta. Em cinco estados, a proporção das empresas sem receita ou na primeira faixa do Simples é inferior à média nacional e regional. Em três estados, a proporção das empresas na última faixa do Simples ou com receita superior é superior à média nacional e regional. Os estados do primeiro quartil são avaliados individualmente a seguir.

9 1 - Paraná Conforme os dados levantados na pesquisa IOB, em setembro/2013, a carga tributária ponderada total do ICMS e todos os seus mecanismos representa 2,17% da receita bruta anual do Comércio e Indústria no Paraná. É a menor carga tributária identificada na pesquisa. A distribuição da carga tributária do ICMS no estado do Paraná, considerando os segmentos avaliados na pesquisa IOB, é apresentada no gráfico a seguir. Gráfico 06: Distribuição da Carga ICMS por Segmento de Atividade no Paraná Set/13. Fonte: Pesquisa IOB O componente de maior representatividade na carga do ICMS no Paraná é o ICMS recolhido através do DAS Simples Nacional (55,25%), seguido da Substituição Tributária (42,33%). Não é adotado o Sublimite estadual, uma vez que o Paraná tem participação superior a 5% no PIB Nacional. Gráfico 07: Componentes da Carga Tributária do ICMS no Paraná Set/2013. Fonte: Pesquisa IOB.

10 Paraná é exemplo de boas práticas na tributação do ICMS. É concedida a isenção do ICMS para os optantes do Simples Nacional de todos os segmentos da Indústria e Comércio, até o limite de receita bruta anual de R$ ,00. Nas demais faixas de receita, são aplicadas alíquotas reduzidas de tributação. A Substituição Tributária é restrita a cinco produtos com convênio nacional pneus, medicamentos genéricos, esparadrapo, sabão de toucador e refrigerantes, afetando três segmentos comerciais. A Antecipação Tributária é restrita aos segmentos industriais. O Diferencial de Alíquota atinge apenas os segmentos comerciais, nas compras interestaduais de mercadorias para revenda. O Paraná elevou as alíquotas de alguns produtos (combustíveis, comunicação, energia). Para os demais, a alíquota é 12%, que reduz o valor da antecipação. Indicadores do Paraná População Paraná Região Sul Brasil Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita PEA MPE MEI Geração de Emprego Evolução da arrecadação mensal do ICMS total 2007 / 2013 Evolução da Arrecadação Mensal do ICMS Simples Nacional 2007/2013 Arrecadação ICMS Total (R$ mil, média mensal) Arrecadação ICMS Simples (média mensal) ,16% ,35% ,24% ,13% ,28% ,24% ,20% ,26% ,28% ,65% ,73% ,71% ,27% ,07% ,15% ,33% ,28% ,86% ,65% 56,20% 64,79% ,86% 56,55% 119,17% , , , , , , , , , , , ,44 Sobrevivência das Empresas Índice de Confiança dos Pequenos Negócios % Empresas sem faturamento / 1ª faixa do Simples ,02% 67,90% 68,87%

11 % Empresas 20ª faixa Simples / faturamento superior ,55% 0,66% 0,56%

12 2 Santa Catarina Conforme os dados levantados na pesquisa IOB, em setembro/2013, a carga tributária ponderada total do ICMS e todos os seus mecanismos representa 2,79% da receita bruta anual do Comércio e Indústria em Santa Catarina. É a segunda menor carga tributária identificada na pesquisa. A distribuição da carga tributária do ICMS em Santa Catarina, considerando os segmentos avaliados na pesquisa IOB, é apresentada no gráfico a seguir. Gráfico 08: Distribuição da Carga ICMS por Segmento de Atividade em Santa Catarina Set/13. Fonte: Pesquisa IOB O componente de maior representatividade na carga do ICMS em Santa Catarina é o ICMS recolhido através do DAS Simples Nacional (61%), seguido da Substituição Tributária (37,43%). Não é adotado o Sublimite estadual, apesar de Santa Catarina, devido a sua participação no PIB Nacional, ter a opção de adotar o sublimite de R$ ,00. Gráfico 09: Componentes da Carga Tributária do ICMS em Santa Catarina Set/2013. Fonte: Pesquisa IOB. Dos 19 produtos da pesquisa IOB, oito são sujeitos a Substituição Tributária em Santa Catarina: iogurte, pão de forma, pneus, medicamentos genéricos, sabões de toucador, esparadrapo, massas

13 alimentícias e refrigerantes, afetando dois segmentos industriais e quatro segmentos comerciais. Contudo, Santa Catarina adota a MVA (Margem de Valor Agregado) reduzida a 30% da MVA normal, utilizada na substituição tributária do ICMS quando há nas fases seguintes da cadeia produtiva alguma empresa optante pelo Simples Nacional. A Antecipação Tributária é restrita aos segmentos industriais. O Diferencial de Alíquota atinge apenas os segmentos comerciais, nas compras interestaduais de mercadorias para revenda. Santa Catarina tem as menores cargas de Antecipação Tributária e de Diferencial de Alíquota entre todos os estados brasileiros (a exceção de Mato Grosso, que devido ao regime tributário diferenciado - Regime de Estimativa Simplificado, apresenta uma carga menor para Antecipação Tributária). Indicadores Santa Catarina População Santa Catarina Região Sul Brasil Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita PEA MPE ,27% ,35% ,24% ,20% ,28% ,24% MEI ,29% ,26% ,28% ,76% ,73% ,71% Geração de Emprego ,17% ,07% ,15% ,43% ,28% ,86% Evolução da arrecadação mensal do ICMS total 2007 / ,61% 56,20% 64,79% Evolução da Arrecadação Mensal do ICMS Simples Nacional ,61% 56,55% 119,17% 2007/2013 Arrecadação ICMS Total (R$ mil, , , ,14 média mensal) , , ,13 Arrecadação ICMS Simples (média , , ,20 mensal) , , ,44 Sobrevivência das Empresas Índice de Confiança dos Pequenos Negócios % Empresas sem faturamento / 1ª faixa do Simples % Empresas 20ª faixa Simples / faturamento superior ,80% 67,90% 68,87% ,61% 0,66% 0,56%

14

15 3 Goiás Conforme os dados levantados na pesquisa IOB, em setembro/2013, a carga tributária ponderada total do ICMS e todos os seus mecanismos representa 2,90% da receita bruta anual do Comércio e Indústria em Goiás. É a terceira menor carga tributária identificada na pesquisa. A distribuição da carga tributária do ICMS em Goiás, considerando os segmentos avaliados na pesquisa IOB, é apresentada no gráfico a seguir. Gráfico 10: Distribuição da Carga ICMS por Segmento de Atividade em Goiás Set/13. Fonte: Pesquisa IOB O componente de maior representatividade na carga do ICMS em Goiás é o ICMS recolhido através do DAS Simples Nacional (74,86%), seguido da Substituição Tributária (22,11%). Não é adotado o Sublimite estadual, apesar de Goiás, devido a sua participação no PIB Nacional, ter a opção de adotar o sublimite de R$ ,00. Gráfico 11: Componentes da Carga Tributária do ICMS em Goiás Set/2013. Fonte: Pesquisa IOB. O segmento da Indústria Confecção de Peças de vestuário é isento do ICMS, em todas as faixas de receita bruta. É o segmento com a menor carga tributária, em todos os estados e segmentos pesquisados.

16 Goiás é o estado com o menor número de produtos sujeitos à Substituição Tributária: apenas três produtos (pão de forma, pneus e refrigerantes) são sujeitos a ST, afetando um segmento da indústria e dois do comércio. Estes produtos fazem parte do convênio nacional. A Antecipação Tributária é restrita aos segmentos industriais. O Diferencial de Alíquota atinge apenas os segmentos comerciais, nas compras interestaduais de mercadorias para revenda. Indicadores Goiás População Goiás Região Centro Oeste Brasil Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita PEA MPE MEI Geração de Emprego Evolução da arrecadação mensal do ICMS total 2007 / 2013 Evolução da Arrecadação Mensal do ICMS Simples Nacional 2007/2013 Arrecadação ICMS Total (R$ mil, média mensal) Arrecadação ICMS Simples (média mensal) ,19% ,22% ,24% ,17% ,25% ,24% ,50% ,59% ,28% ,03% ,12% ,71% ,38% ,19% ,15% ,90% ,76% ,86% ,22% 73,36% 64,79% ,61% 199,91% 119,17% , , , , , , , , , , , ,44 Sobrevivência das Empresas Índice de Confiança dos Pequenos Negócios % Empresas sem faturamento / 1ª faixa do Simples % Empresas 20ª faixa Simples / faturamento superior ,84% 66,10% 68,87% ,53% 0,50% 0,56%

17 4 Rio Grande do Sul Conforme os dados levantados na pesquisa IOB, em setembro/2013, a carga tributária ponderada total do ICMS e todos os seus mecanismos representa 2,92% da receita bruta anual do Comércio e Indústria no Rio Grande do Sul. A distribuição da carga tributária do ICMS no Rio Grande do Sul, considerando os segmentos avaliados na pesquisa IOB, é apresentada no gráfico a seguir. Gráfico 12: Distribuição da Carga ICMS por Segmento de Atividade no Rio Grande do Sul Set/13. Fonte: Pesquisa IOB O componente de maior representatividade na carga do ICMS no Rio Grande do Sul é a Substituição Tributária (52,99%), seguido do ICMS recolhido através do DAS Simples Nacional (35,92%). Não é adotado o Sublimite estadual, uma vez que a participação do Rio Grande do Sul no PIB Nacional ser superior a 5%. Gráfico 13: Componentes da Carga Tributária do ICMS em Rio Grande do Sul Set/2013. Fonte: Pesquisa IOB.

18 O Rio Grande do Sul concede isenção do ICMS para as empresas optantes do Simples Nacional com receita bruta anual até o limite de R$ Acima deste limite, as alíquotas de ICMS estabelecidas pela Lei Complementar 123/2006 são reduzidas em percentuais que variam de 16% a 43%. A Substituição Tributária é aplicada a nove produtos, entre os 19 produtos pesquisados: iogurte, pão de forma, tijolos, pneus, medicamentos genéricos, sabões de toucador, massas alimentícias, refrigerantes, meia calça feminina, afetando três segmentos industriais e cinco segmentos comerciais. No Comércio, a Antecipação Tributária aplicada em quatro segmentos, a exceção de Mercearias e Restaurantes, para todas as faixas de receitas. O Diferencial de Alíquota sobre compras interestaduais de mercadorias para revenda é aplicado em todos os segmentos, para todas as faixas de receita. Na Indústria, a Antecipação Tributária aplica-se a todos os segmentos, mas o Diferencial de Alíquota não é aplicado. Indicadores Rio Grande do Sul População Rio Grande do Sul Região Sul Brasil Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita PEA MPE MEI Geração de Emprego Evolução da arrecadação mensal do ICMS total 2007 / 2013 Evolução da Arrecadação Mensal do ICMS Simples Nacional 2007/2013 Arrecadação ICMS Total (R$ mil, média mensal) Arrecadação ICMS Simples (média mensal) ,58% ,35% ,24% ,49% ,28% ,24% ,31% ,26% ,28% ,79% ,73% ,71% ,82% ,07% ,15% ,15% ,28% ,86% ,30% 56,20% 64,79% ,09% 56,55% 119,17% , , , , , , , , , , , ,44 Sobrevivência das Empresas Índice de Confiança dos Pequenos Negócios % Empresas sem faturamento / 1ª faixa do Simples % Empresas 20ª faixa Simples / faturamento superior ,23% 67,90% 68,87% ,41% 0,66% 0,56%

19 5 Espírito Santo Conforme os dados levantados na pesquisa IOB, em setembro/2013, a carga tributária ponderada total do ICMS e todos os seus mecanismos representa 3,20% da receita bruta anual do Comércio e Indústria no Espírito Santo. A distribuição da carga tributária do ICMS no Espírito Santo, considerando os segmentos avaliados na pesquisa IOB, é apresentada no gráfico a seguir. Gráfico 14: Distribuição da Carga ICMS por Segmento de Atividade no Espírito Santo Set/13. Fonte: Pesquisa IOB O componente de maior representatividade na carga do ICMS no Espírito Santo é ICMS recolhido através do DAS Simples Nacional (65,14%), seguido pela Substituição Tributária (32,11%), seguido do Não é adotado o Sublimite estadual, apesar do Espírito Santo, por sua participação no PIB Nacional, poder optar pelo sublimite de R$ Gráfico 15: Componentes da Carga Tributária do ICMS no Espírito Santo Set/2013. Fonte: Pesquisa IOB. Espírito Santo aplica a Substituição Tributária em cinco produtos com convênio nacional, dos dezenove produtos pesquisados: pão de forma, pneus, medicamentos genéricos, esparadrapo, refrigerantes, afetando um segmento da Indústria e três segmentos do comércio.

20 A Antecipação Tributária é restrita aos segmentos industriais. O Diferencial de Alíquota atinge apenas os segmentos comerciais, nas compras interestaduais de mercadorias para revenda. Indicadores Espírito Santo População Espírito Santo Região Sudeste Brasil Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita PEA MPE MEI Geração de Emprego Evolução da arrecadação mensal do ICMS total 2007 / 2013 Evolução da Arrecadação Mensal do ICMS Simples Nacional 2007/2013 Arrecadação ICMS Total (R$ mil, média mensal) Arrecadação ICMS Simples (média mensal) ,26% ,65% ,24% ,17% ,66% ,24% ,80% ,50% ,28% ,32% ,02% ,71% ,14% ,46% ,15% ,86% ,93% ,86% ,96% 64,48% 64,79% ,07% 91,30% 119,17% , , , , , , , , , , , ,44 Sobrevivência das Empresas Índice de Confiança dos Pequenos Negócios % Empresas sem faturamento / 1ª faixa do Simples % Empresas 20ª faixa Simples / faturamento superior ,99% 67,90% 68,87% ,73% 0,66% 0,56%

21 6 Rio de Janeiro Conforme os dados levantados na pesquisa IOB, em setembro/2013, a carga tributária ponderada total do ICMS e todos os seus mecanismos representa 3,50% da receita bruta anual do Comércio e Indústria no Rio de Janeiro. A distribuição da carga tributária do ICMS no Rio de Janeiro, considerando os segmentos avaliados na pesquisa IOB, é apresentada no gráfico a seguir. Gráfico 16: Distribuição da Carga ICMS por Segmento de Atividade no Rio de Janeiro Set/13. Fonte: Pesquisa IOB O componente de maior representatividade na carga do ICMS no Rio de Janeiro é a Substituição Tributária (57,44%), seguido pelo ICMS recolhido através do DAS Simples Nacional (40,80%). Não é adotado o Sublimite estadual, uma vez que o Rio de Janeiro tem uma participação no PIB Nacional superior a 5%. Gráfico 17: Componentes da Carga Tributária do ICMS no Rio de Janeiro Set/2013. Fonte: Pesquisa IOB.

22 O Rio de Janeiro estabeleceu redução das alíquotas do ICMS para as empresas optantes do Simples Nacional, de acordo com a receita bruta acumulada nos doze meses anteriores ao período de apuração. A redução não se aplica em alguns casos especiais como na importação de bens ou mercadorias; nas operações sujeitas a substituição tributária, antecipação tributária ou diferencial de alíquota; nas operações ou prestações desacobertadas de documento fiscal. A Substituição Tributária incide sobre sete dos 19 produtos pesquisados: iogurte, pão de forma, pneus, medicamentos genéricos, esparadrapo, massas alimentícias e refrigerantes (dois segmentos da Indústria e quatro segmentos de comércio). As últimas inclusões da pauta pesquisada foram realizadas no segundo semestre de 2013 (iogurte, pão de forma e massas alimentícias), quando também foram revistos os valores de MVA e alíquotas. Para se ter uma idéia mais clara dos efeitos da expansão da ST, observa-se que, no primeiro semestre de 2013, a ST representava 31,60% da carga tributária do ICMS no Rio de Janeiro. Com a expansão da pauta, este percentual passou para 57,44% da carga total do ICMS um aumento de 55%. A Antecipação Tributária é restrita aos segmentos industriais. O Diferencial de Alíquota atinge apenas os segmentos comerciais, nas compras interestaduais de mercadorias para revenda. Indicadores Rio de Janeiro População Rio de Janeiro Região Sudeste Brasil Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita PEA MPE MEI Geração de Emprego Evolução da arrecadação mensal do ICMS total 2007 / 2013 Evolução da Arrecadação Mensal do ICMS Simples Nacional 2007/2013 Arrecadação ICMS Total (R$ mil, média mensal) Arrecadação ICMS Simples (média mensal) ,73% ,65% ,24% ,79% ,66% ,24% ,87% ,50% ,28% ,51% ,02% ,71% ,11% ,46% ,15% ,04% ,93% ,86% ,60% 69,38% 64,79% ,99% 91,30% 119,17% , , , , , , , , , , , ,44

23 Sobrevivência das Empresas Índice de Confiança dos Pequenos Negócios % Empresas sem faturamento / 1ª faixa do Simples % Empresas 20ª faixa Simples / faturamento superior ,73% 67,90% 68,87% ,17% 0,66% 0,56%

24 II Estados do segundo quartil, com as cargas medianas inferiores: Mato Grosso do Sul, Distrito Federal, Pernambuco, Minas Gerais, Rio Grande do Norte, Maranhão, São Paulo Neste segundo quartil, composto pelos estados com carga tributária média inferior, os pontos de destaque são mais dispersos; não existe um perfil de tributação específico, como observado nos quartis 1 e 4. Os pontos de destaque não são comuns aos sete estados, mas apenas à maioria deles: Cinco estados não adotam sublimite, sendo que 3 estados (DF, PE e RN) poderiam adotar sublimites inferiores ao teto do Simples Nacional; A Substituição Tributária é a parcela de maior peso em 5 estados, variando entre 31% a 69% da tributação total. A ST só não é a parcela mais representativa onde encontramos maior dispersão entre a aplicação das variações do ICMS: no Maranhão, que adota o sublimite; e no Rio Grande do Norte, que adota uma antecipação tributária de 22%, enquanto a antecipação média do quartil é de 9,9%. Os sete estados fazem uma larga aplicação da Antecipação Tributária e do Diferencial de Alíquota.

25 7 Mato Grosso do Sul Conforme os dados levantados na pesquisa IOB, em setembro/2013, a carga tributária ponderada total do ICMS e todos os seus mecanismos representa 3,54% da receita bruta anual do Comércio e Indústria no Mato Grosso do Sul. A distribuição da carga tributária do ICMS no Mato Grosso do Sul, considerando os segmentos avaliados na pesquisa IOB, é apresentada no gráfico a seguir. Gráfico 18: Distribuição da Carga ICMS por Segmento de Atividade no Mato Grosso do Sul Set/13. Fonte: Pesquisa IOB O componente de maior representatividade na carga do ICMS no Mato Grosso do Sul é a Substituição Tributária (68,87%), seguido do Sublimite (15,26%). Mato Grosso do Sul adota o sublimite de R$ Gráfico 19: Componentes da Carga Tributária do ICMS em Mato Grosso do Sul Set/2013. Fonte: Pesquisa IOB. Mato Grosso do Sul é o estado com o maior número de produtos sujeitos à Substituição Tributária, excetuando-se apenas o Mato Grosso, que adota o Regime de Estimativa por Operação Simplificado dos 19 produtos que integram a pauta da pesquisa, 14 são sujeitos à ST: pão de forma, tijolos,

26 oxigênio industrial, pneus, medicamentos genéricos, sabões de toucador, esparadrapo, areia, massas alimentícias, refrigerantes, refeições, camisas de malha e meia calça feminina, afetando dois segmentos industriais e todos os seis segmentos comerciais pesquisados. Na Indústria, a Antecipação Tributária e o Diferencial de Alíquota sobre a compra de matérias primas são aplicados a todos os segmentos pesquisados. No Comércio, não é aplicada a Antecipação Tributária, mas o Diferencial de Alíquota sobre as compras interestaduais de mercadorias para revenda se aplica a todos os segmentos pesquisados. Uma boa prática do Mato Grosso do Sul, mas que não afeta os resultados da pesquisa IOB é a isenção do Diferencial de Alíquota e da Antecipação Tributária para o Microempreendedor Individual. Indicadores do Mato Grosso do Sul População Mato Grosso do Sul Região Centro Oeste Brasil Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita PEA MPE MEI Geração de Emprego Evolução da arrecadação mensal do ICMS total 2007 / 2013 Evolução da Arrecadação Mensal do ICMS Simples Nacional 2007/2013 Arrecadação ICMS Total (R$ mil, média mensal) Arrecadação ICMS Simples (média mensal) ,81% ,22% ,24% ,88% ,25% ,24% ,61% ,59% ,28% ,07% ,12% ,71% ,91% ,19% ,15% ,83% ,76% ,86% ,44% 73,36% 64,79% ,91% 199,91% 119,17% , , , , , , , , , , , ,44 Sobrevivência das Empresas Índice de Confiança dos Pequenos Negócios % Empresas sem faturamento / 1ª faixa do Simples % Empresas 20ª faixa Simples / faturamento superior ,66% 66,10% 68,87% ,35% 0,50% 0,56%

27 8 Distrito Federal Conforme os dados levantados na pesquisa IOB, em setembro/2013, a carga tributária ponderada total do ICMS e todos os seus mecanismos representa 3,89% da receita bruta anual do Comércio e Indústria no Distrito Federal. A distribuição da carga tributária do ICMS no Distrito Federal, considerando os segmentos avaliados na pesquisa IOB, é apresentada no gráfico a seguir. Gráfico 20: Distribuição da Carga ICMS por Segmento de Atividade no Distrito Federal Set/13. Fonte: Pesquisa IOB O componente de maior representatividade na carga do ICMS no Distrito Federal é a Substituição Tributária (57,52%), seguido do ICMS recolhido através do DAS Simples Nacional (36,26%). O Distrito Federal não adota sublimite estadual, apesar de ter a opção de adotar o teto de R$ Gráfico 21: Componentes da Carga Tributária do ICMS no Distrito Federal Set/2013. Fonte: Pesquisa IOB.

28 O Distrito Federal concede redução da alíquota do ICMS na primeira faixa do Simples Nacional para 0,06%. A Substituição Tributária atinge sete produtos dos 19 pesquisados: pão de forma, tijolos, pneus, medicamentos genéricos, esparadrapo, areia, massas alimentícias, refrigerantes, afetando dois segmentos industriais e cinco segmentos comerciais. No Comércio, não é aplicada a Antecipação Tributária, mas o Diferencial de Alíquota sobre as compras interestaduais de mercadorias para revenda se aplica a todos os segmentos pesquisados. Na Indústria, a Antecipação Tributária se aplica a todos os segmentos pesquisados. O Diferencial de Alíquota se aplica a quatro segmentos industriais, a exceção de Fabricação de Calçados de Couro e de Fabricação de Produtos de Panificação. Indicadores do Distrito Federal População Distrito Federal Região Centro Oeste Brasil Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita PEA MPE ,94% ,22% ,24% ,91% ,25% ,24% MEI ,78% ,59% ,28% ,32% ,12% ,71% Geração de Emprego ,96% ,19% ,15% ,40% ,76% ,86% Evolução da arrecadação mensal do ICMS total 2007 / ,07% 73,36% 64,79% Evolução da Arrecadação Mensal do ICMS Simples Nacional 2007/ ,33% 199,91% 119,17% Arrecadação ICMS Total (R$ mil, , , ,14 média mensal) , , ,13 Arrecadação ICMS Simples (média , , ,20 mensal) , , ,44 Sobrevivência das Empresas Índice de Confiança dos Pequenos Negócios % Empresas sem faturamento / 1ª faixa do Simples % Empresas 20ª faixa Simples / faturamento superior ,15% 66,10% 68,87% ,59% 0,50% 0,56%

29 9 Pernambuco Conforme os dados levantados na pesquisa IOB, em setembro/2013, a carga tributária ponderada total do ICMS e todos os seus mecanismos representa 4,17% da receita bruta anual do Comércio e Indústria em Pernambuco. A distribuição da carga tributária do ICMS em Pernambuco, considerando os segmentos avaliados na pesquisa IOB, é apresentada no gráfico a seguir. Gráfico 22: Distribuição da Carga ICMS por Segmento de Atividade em Pernambuco Set/13. Fonte: Pesquisa IOB O componente de maior representatividade na carga do ICMS em Pernambuco é a Substituição Tributária (42,68%), seguido do ICMS recolhido através do DAS Simples Nacional (36,19%). O Pernambuco não adota sublimite estadual, apesar de ter a opção de adotar o teto de R$ Gráfico 23: Componentes da Carga Tributária do ICMS no Pernambuco Set/2013. Fonte: Pesquisa IOB. No Pernambuco, a Substituição Tributária atinge nove produtos dos 19 pesquisados: armários de cozinha, pão de forma, tijolos, pneus, medicamentos genéricos, sabão de toucador, esparadrapo,

30 massas alimentícias, refrigerantes, afetando três segmentos industriais e quatro segmentos comerciais. No Comércio, a Antecipação Tributária é aplicada a cinco segmentos, a exceção de Farmácias. O Diferencial de Alíquota sobre as compras interestaduais de mercadorias para revenda se aplica a todos os segmentos pesquisados. Na Indústria, a Antecipação Tributária não se aplica a nenhum dos segmentos pesquisados. O Diferencial de Alíquota se aplica a dois segmentos industriais, Confecção de Artigos do Vestuário e Fabricação de Calçados de Couro. Pernambuco apresenta algumas boas práticas, que não afetam a pesquisa IOB: Valor fixo para o recolhimento do ICMS por microempresa optante do Simples Nacional, pertencente ao Pólo de Confecções da Mesorregião Agreste; Limite do Diferencial de Alíquota para optantes do Simples Nacional, enquadrados como microempreendedor individual ou como microempresa; Dispensa o optante do Simples Nacional do recolhimento do ICMS sobre estoque. Indicadores Pernambuco População Pernambuco Região Nordeste Brasil Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita PEA MPE MEI Geração de Emprego Evolução da arrecadação mensal do ICMS total 2007 / 2013 Evolução da Arrecadação Mensal do ICMS Simples Nacional 2007/2013 Arrecadação ICMS Total (R$ mil, média mensal) Arrecadação ICMS Simples (média mensal) ,20% ,39% ,24% ,21% ,41% ,24% ,94% ,96% ,28% ,26% ,26% ,71% ,14% ,74% ,15% ,68% ,66% ,86% ,27% 69,38% 64,79% ,79% 142,35% 119,17% , , , , , , , , , , , ,44 Sobrevivência das Empresas Índice de Confiança dos Pequenos Negócios % Empresas sem faturamento / 1ª faixa do Simples ,63% 73,69% 68,87%

31 % Empresas 20ª faixa Simples / faturamento superior ,55% 0,36% 0,56%

32 10 Minas Gerais Conforme os dados levantados na pesquisa IOB, em setembro/2013, a carga tributária ponderada total do ICMS e todos os seus mecanismos representa 4,20% da receita bruta anual do Comércio e Indústria em Minas Gerais. A distribuição da carga tributária do ICMS em Minas Gerais, considerando os segmentos avaliados na pesquisa IOB, é apresentada no gráfico a seguir. Gráfico 24: Distribuição da Carga ICMS por Segmento de Atividade em Minas Gerais Set/13. Fonte: Pesquisa IOB O componente de maior representatividade na carga do ICMS em Minas Gerais é a Substituição Tributária (46,17%), seguido do ICMS recolhido através do DAS Simples Nacional (37,49%). O Minas Gerais não adota sublimite estadual, uma vez que sua participação no PIB nacional é superior a 5%. Gráfico 25: Componentes da Carga Tributária do ICMS em Minas Gerais Set/2013. Fonte: Pesquisa IOB. Em Minas Gerais, a Substituição Tributária atinge nove produtos dos 19 pesquisados: iogurte, pão de forma, pneus, medicamentos genéricos, sabão de toucador, esparadrapo, massas alimentícias,

33 refrigerantes, meia calça feminina, afetando dois segmentos industriais e cinco segmentos comerciais. No Comércio, a Antecipação Tributária é aplicada a cinco segmentos, a exceção de Farmácias. O Diferencial de Alíquota sobre as compras interestaduais de mercadorias para revenda se aplica a todos os segmentos pesquisados. Na Indústria, a Antecipação Tributária e o Diferencial de Alíquota se aplicam a todos os segmentos pesquisados. Minas Gerais apresenta como boa prática, a utilização do MVA original (menor que o MVA ajustado) nas vendas interestaduais em que o remetente é optante do Simples Nacional. Indicadores Minas Gerais População Minas Gerais Região Sudeste Brasil Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita PEA MPE MEI Geração de Emprego Evolução da arrecadação mensal do ICMS total 2007 / 2013 Evolução da Arrecadação Mensal do ICMS Simples Nacional 2007/2013 Arrecadação ICMS Total (R$ mil, média mensal) Arrecadação ICMS Simples (média mensal) ,50% ,65% ,24% ,47% ,66% ,24% ,28% ,50% ,28% ,76% ,02% ,71% ,03% ,46% ,15% ,80% ,93% ,86% ,47% 64,48% 64,79% ,22% 91,30% 119,17% , , , , , , , , , , , ,44 Sobrevivência das Empresas Índice de Confiança dos Pequenos Negócios % Empresas sem faturamento / 1ª faixa do Simples % Empresas 20ª faixa Simples / faturamento superior ,88% 67,90% 68,87% ,43% 0,66% 0,56%

34 11 Rio Grande do Norte Conforme os dados levantados na pesquisa IOB, em setembro/2013, a carga tributária ponderada total do ICMS e todos os seus mecanismos representa 4,31% da receita bruta anual do Comércio e Indústria no Rio Grande do Norte. A distribuição da carga tributária do ICMS em Rio Grande do Norte, considerando os segmentos avaliados na pesquisa IOB, é apresentada no gráfico a seguir. Gráfico 26: Distribuição da Carga ICMS por Segmento de Atividade no Rio Grande do Norte Set/13. Fonte: Pesquisa IOB O componente de maior representatividade na carga do ICMS no Rio Grande do Norte é ICMS recolhido através do DAS Simples Nacional (40,08%), seguido pela Substituição Tributária (31,13%). O Rio Grande do Norte não adota sublimite estadual, apesar poder optar pelo limite de R$ , devido a sua participação no PIB Nacional. O Rio Grande do Norte é o único estado cuja participação no PIB nacional é inferior a 1% e que não adota sublimite. Entre todos os estados nesta faixa de participação do PIB é o que apresenta a menor carga tributária.

35 Gráfico 27: Componentes da Carga Tributária do ICMS no Rio Grande do Norte Set/2013. Fonte: Pesquisa IOB. No Rio Grande do Norte, a Substituição Tributária atinge seis produtos dos 19 pesquisados: pão de forma, pneus, medicamentos genéricos, esparadrapo, massas alimentícias, refrigerantes, afetando um segmento industrial e quatro segmentos comerciais. No Comércio, a Antecipação Tributária e o Diferencial de Alíquota se aplicam aos seis segmentos pesquisados. Na Indústria, a Antecipação Tributária se aplica a todos os segmentos pesquisados. O Diferencial de Alíquota se aplica a cinco segmentos - a exceção é Fabricação de Produtos de Panificação. Rio Grande do Norte autoriza o crédito presumido para o adquirente de mercadorias de indústria optante do Simples Nacional. Indicadores Rio Grande do Norte População Rio Grande do Norte Região Nordeste Brasil Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita PEA MPE MEI Geração de Emprego Evolução da arrecadação mensal do ICMS total 2007 / 2013 Evolução da Arrecadação Mensal do ICMS Simples Nacional 2007/ ,48% ,39% ,24% ,50% ,41% ,24% ,07% ,96% ,28% ,40% ,26% ,71% ,95% ,74% ,15% ,73% ,66% ,86% ,60% 69,38% 64,79% ,08% 142,35% 119,17% Arrecadação ICMS Total (R$ mil, , , ,14 média mensal) , , ,13 Arrecadação ICMS Simples (média , , ,20

36 mensal) , , ,44 Sobrevivência das Empresas Índice de Confiança dos Pequenos Negócios % Empresas sem faturamento / 1ª faixa do Simples % Empresas 20ª faixa Simples / faturamento superior ,03% 73,69% 68,87% ,37% 0,36% 0,56%

37 12 Maranhão Conforme os dados levantados na pesquisa IOB, em setembro/2013, a carga tributária ponderada total do ICMS e todos os seus mecanismos representa 4,31% da receita bruta anual do Comércio e Indústria no Maranhão. A distribuição da carga tributária do ICMS no Maranhão, considerando os segmentos avaliados na pesquisa IOB, é apresentada no gráfico a seguir. Gráfico 28: Distribuição da Carga ICMS por Segmento de Atividade no Maranhão Set/13. Fonte: Pesquisa IOB O componente de maior representatividade na carga do ICMS no Maranhão é ICMS recolhido através do DAS Simples Nacional (32,66%), seguido pela Substituição Tributária (31,02%). O Maranhão adota sublimite estadual de R$ ,00 apesar poder optar pelo limite de R$ , devido a sua participação no PIB Nacional. Gráfico 29: Componentes da Carga Tributária do ICMS no Maranhão Set/2013. Fonte: Pesquisa IOB.

38 No Maranhão, a Substituição Tributária atinge seis produtos dos 19 pesquisados: pão de forma, pneus, medicamentos genéricos, esparadrapo, massas alimentícias, refrigerantes, afetando um segmento industrial e quatro segmentos comerciais. No Comércio, a Antecipação Tributária e o Diferencial de Alíquota se aplicam aos seis segmentos pesquisados. Na Indústria, a Antecipação Tributária se aplica a todos os segmentos pesquisados. O Diferencial de Alíquota se aplica a cinco segmentos - a exceção é Fabricação de Produtos de Panificação. Maranhão autoriza o crédito presumido para o adquirente de mercadorias de indústria optante do Simples Nacional. Indicadores Maranhão População Maranhão Região Nordeste Brasil Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita PEA MPE MEI Geração de Emprego Evolução da arrecadação mensal do ICMS total 2007 / 2013 Evolução da Arrecadação Mensal do ICMS Simples Nacional 2007/2013 Arrecadação ICMS Total (R$ mil, média mensal) Arrecadação ICMS Simples (média mensal) ,06% ,39% ,24% ,13% ,41% ,24% ,52% ,96% ,28% ,71% ,26% ,71% ,42% ,74% ,15% ,31% ,66% ,86% ,96% 69,38% 64,79% ,24% 142,35% 119,17% , , , , , , , , , , , ,44 Sobrevivência das Empresas Índice de Confiança dos Pequenos Negócios % Empresas sem faturamento / 1ª faixa do Simples % Empresas 20ª faixa Simples / faturamento superior ,45% 73,69% 68,87% ,24% 0,36% 0,56%

39 13 - São Paulo Conforme os dados levantados na pesquisa IOB, em setembro/2013, a carga tributária ponderada total do ICMS e todos os seus mecanismos representa 4,31% da receita bruta anual do Comércio e Indústria em São Paulo. A distribuição da carga tributária do ICMS em São Paulo, considerando os segmentos avaliados na pesquisa IOB, é apresentada no gráfico a seguir. Gráfico 30: Distribuição da Carga ICMS por Segmento de Atividade em São Paulo Set/13. Fonte: Pesquisa IOB O componente de maior representatividade na carga do ICMS no São Paulo é a Substituição Tributária (58,91%), seguido pelo ICMS recolhido através do DAS Simples Nacional (31,40%),. São Paulo não adota sublimite estadual, devido a sua participação no PIB Nacional. Gráfico 31: Componentes da Carga Tributária do ICMS no São Paulo Set/2013. Fonte: Pesquisa IOB. Em São Paulo, a Substituição Tributária atinge oito produtos dos 19 pesquisados: iogurte, pão de forma, tijolos, pneus, medicamentos genéricos, sabão de toucador, esparadrapo, refrigerantes, afetando três segmentos industriais e quatro segmentos comerciais. Observa-se que o segmento de

40 Farmácias de São Paulo apresenta o maior percentual de Substituição Tributária por segmento individual, entre todos os segmentos e estados pesquisados (18,36%). Na Indústria, a Antecipação Tributária e o Diferencial de Alíquota se aplicam aos seis segmentos pesquisados. No Comércio, a Antecipação Tributária se aplica aos segmentos Comércio de Artigos de Vestuário e Comércio de Autopeças. O Diferencial de Alíquota se aplica a todos os segmentos pesquisados. Indicadores São Paulo População São Paulo Região Sudeste Brasil Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita PEA MPE MEI Geração de Emprego Evolução da arrecadação mensal do ICMS total 2007 / 2013 Evolução da Arrecadação Mensal do ICMS Simples Nacional 2007/2013 Arrecadação ICMS Total (R$ mil, média mensal) Arrecadação ICMS Simples (média mensal) ,11% ,65% ,24% ,12% ,66% ,24% ,43% ,50% ,28% ,94% ,02% ,71% ,42% ,46% ,15% ,95% ,93% ,86% ,00% 64,48% 64,79% ,81% 91,30% 119,17% , , , , , , , , , , , ,44 Sobrevivência das Empresas Índice de Confiança dos Pequenos Negócios % Empresas sem faturamento / 1ª faixa do Simples % Empresas 20ª faixa Simples / faturamento superior ,87% 67,90% 68,87% ,64% 0,66% 0,56%

41 III - Estados do terceiro quartil, com as cargas medianas superiores: Pará, Rondônia, Paraíba, Tocantins, Sergipe, Ceará, Bahia, Amazonas A exemplo do observado para os estados no segundo quartil, neste segundo quartil, composto pelos estados com carga tributária média superior, os pontos de destaque também são mais dispersos; não existe um perfil de tributação específico, como observado nos quartis 1 e 4. Os pontos de destaque não são comuns aos sete estados, mas apenas à maioria deles: Seis estados adotam sublimite. As exceções são Bahia e Amazonas, que poderiam adotar o sublimite de R$ , porém optaram por acatar o teto do Simples Nacional; Entre os seis estados que adotam sublimite, em quatro estados o sublimite é a parcela mais significativa da carga do ICMS. A Substituição Tributária é a parcela de maior peso em quatro estados: Paraíba, Ceará, Bahia e Amazonas. Porém a ST é presente em todos os oito estados do quartil. Os oito estados fazem uma larga aplicação da Antecipação Tributária e do Diferencial de Alíquota

42 14 - Pará Conforme os dados levantados na pesquisa IOB, em setembro/2013, a carga tributária ponderada total do ICMS e todos os seus mecanismos representa 4,53% da receita bruta anual do Comércio e Indústria no Pará. A distribuição da carga tributária do ICMS no Pará, considerando os segmentos avaliados na pesquisa IOB, é apresentada no gráfico a seguir. Gráfico 32: Distribuição da Carga ICMS por Segmento de Atividade no Pará Set/13. Fonte: Pesquisa IOB O componente de maior representatividade na carga do ICMS no Pará é o Sublimite (43,56%), seguido pelo ICMS recolhido através do DAS Simples Nacional (30,53%). Pará adota o sublimite estadual de R$ , devido a sua participação no PIB Nacional. Para todos os segmentos pesquisados, o Pará concede isenção de ICMS, até o limite de receita bruta anual de R$ ,00. Gráfico 33: Componentes da Carga Tributária do ICMS no Pará Set/2013. Fonte: Pesquisa IOB.

43 No Pará, a Substituição Tributária atinge sete produtos dos 19 pesquisados: iogurte, pão de forma, pneus, medicamentos genéricos, sabão de toucador, esparadrapo, refrigerantes, afetando dois segmentos industriais e três segmentos comerciais. Na Indústria, a Antecipação Tributária se aplicam aos seis segmentos pesquisados. O Diferencial de Alíquota se aplica apenas ao segmento Fabricação de Produtos de Panificação. No Comércio, o Diferencial de Alíquota sobre compras interestaduais de mercadorias para revenda se aplica a todos os segmentos pesquisados. Não incide Antecipação Tributária. Indicadores Pará População Pará Região Norte Brasil Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita Vr. Abs PEA MPE MEI Geração de Emprego Evolução da arrecadação mensal do ICMS total 2007 / 2013 Evolução da Arrecadação Mensal do ICMS Simples Nacional 2007/2013 Arrecadação ICMS Total (R$ mil, média mensal) Arrecadação ICMS Simples (média mensal) ,87% ,12% ,24% ,92% ,14% ,24% ,87% ,97% ,28% ,16% ,24% ,71% ,76% ,78% ,15% ,37% ,32% ,86% ,80% 66,41% 64,79% ,01% 108,98% 119,17% , , , , , , , , , , , ,44 Sobrevivência das Empresas Índice de Confiança dos Pequenos Negócios % Empresas sem faturamento / 1ª faixa do Simples % Empresas 20ª faixa Simples / faturamento superior ,30% 70,95% 68,87% ,45% 0,42% 0,56%

44 15 - Rondônia Conforme os dados levantados na pesquisa IOB, em setembro/2013, a carga tributária ponderada total do ICMS e todos os seus mecanismos representa 4,72% da receita bruta anual do Comércio e Indústria em Rondônia. A distribuição da carga tributária do ICMS em Rondônia, considerando os segmentos avaliados na pesquisa IOB, é apresentada no gráfico a seguir. Gráfico 34: Distribuição da Carga ICMS por Segmento de Atividade em Rondônia Set/13. Fonte: Pesquisa IOB O componente de maior representatividade na carga do ICMS em Rondônia é o Sublimite (42,33%), seguido pelo ICMS recolhido através do DAS Simples Nacional (31,28%). Rondônia adota o sublimite estadual de R$ , devido a sua participação no PIB Nacional. Gráfico 35: Componentes da Carga Tributária do ICMS em Rondônia Set/2013. Fonte: Pesquisa IOB. No Rondônia, a Substituição Tributária atinge cinco produtos dos 19 pesquisados: armários de cozinha, pneus, medicamentos genéricos, esparadrapo, refrigerantes, afetando um segmento industrial e três segmentos comerciais.

45 Na Indústria, a Antecipação Tributária se aplicam aos seis segmentos pesquisados, não incidindo o Diferencial de Alíquota. No Comércio, o Diferencial de Alíquota sobre compras interestaduais de mercadorias para revenda se aplica a todos os segmentos pesquisados. Não incide Antecipação Tributária. Indicadores Rondônia População Rondônia Região Norte Brasil Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita PEA MPE MEI Geração de Emprego Evolução da arrecadação mensal do ICMS total 2007 / 2013 Evolução da Arrecadação Mensal do ICMS Simples Nacional 2007/2013 Arrecadação ICMS Total (R$ mil, média mensal) Arrecadação ICMS Simples (média mensal) ,96% ,12% ,24% ,84% ,14% ,24% ,27% ,97% ,28% ,54% ,24% ,71% ,30% ,78% ,15% ,10% ,32% ,86% ,90% 66,41% 64,79% ,40% 108,98% 119,17% , , , , , , , , , , , ,44 Sobrevivência das Empresas Índice de Confiança dos Pequenos Negócios % Empresas sem faturamento / 1ª faixa do Simples % Empresas 20ª faixa Simples / faturamento superior ,53% 70,95% 68,87% ,44% 0,42% 0,56%

46 16 Paraíba Conforme os dados levantados na pesquisa IOB, em setembro/2013, a carga tributária ponderada total do ICMS e todos os seus mecanismos representa 4,80% da receita bruta anual do Comércio e Indústria na Paraíba. A distribuição da carga tributária do ICMS em Paraíba, considerando os segmentos avaliados na pesquisa IOB, é apresentada no gráfico a seguir. Gráfico 36: Distribuição da Carga ICMS por Segmento de Atividade em Paraíba Set/13. Fonte: Pesquisa IOB O componente de maior representatividade na carga do ICMS em Paraíba é a Substituição Tributária (31,26%), seguido pelo ICMS recolhido através do DAS Simples Nacional (26,17%). Paraíba adota o sublimite estadual de R$ , devido a sua participação no PIB Nacional. Gráfico 37: Componentes da Carga Tributária do ICMS na Paraíba Set/2013. Fonte: Pesquisa IOB.

47 No Paraíba, a Substituição Tributária atinge seis produtos dos 19 pesquisados: pão de forma, pneus, medicamentos genéricos, esparadrapo, massas alimentícias, refrigerantes, afetando um segmento industrial e quatro segmentos comerciais. Na Indústria, o Diferencial de Alíquota se aplica a cinco dos seis segmentos pesquisados (não incide sobre Fabricação de produtos de Panificação), até o limite de receita bruta anual estabelecido do Sublimite estadual. Não incide o Diferencial de Alíquota. No Comércio, o Diferencial de Alíquota e a Antecipação Tributária se aplicam a todos os segmentos pesquisados, até o limite do Sublimite estadual. A partir de janeiro/2014, a Paraíba irá aderir ao teto do Simples Nacional. Indicadores Paraíba População Paraíba Região Nordeste Brasil Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita PEA MPE MEI Geração de Emprego Evolução da arrecadação mensal do ICMS total 2007 / 2013 Evolução da Arrecadação Mensal do ICMS Simples Nacional 2007/2013 Arrecadação ICMS Total (R$ mil, média mensal) Arrecadação ICMS Simples (média mensal) ,09% ,39% ,24% ,11% ,41% ,24% ,90% ,96% ,28% ,20% ,26% ,71% ,66% ,74% ,15% ,61% ,66% ,86% ,15% 69,38% 64,79% ,54% 142,35% 119,17% , , , , , , , , , , , ,44 Sobrevivência das Empresas Índice de Confiança dos Pequenos Negócios % Empresas sem faturamento / 1ª faixa do Simples % Empresas 20ª faixa Simples / faturamento superior ,22% 73,69% 68,87% ,32% 0,36% 0,56%

48 17 Tocantins Conforme os dados levantados na pesquisa IOB, em setembro/2013, a carga tributária ponderada total do ICMS e todos os seus mecanismos representa 5,04% da receita bruta anual do Comércio e Indústria em Tocantins. A distribuição da carga tributária do ICMS em Tocantins, considerando os segmentos avaliados na pesquisa IOB, é apresentada no gráfico a seguir. gvb Gráfico 38: Distribuição da Carga ICMS por Segmento de Atividade em Tocantins Set/13. Fonte: Pesquisa IOB O componente de maior representatividade na carga do ICMS em Tocantins é o Sublimite (38,52%), seguido da a Substituição Tributária (27,21%). Tocantins adota o sublimite estadual de R$ , devido a sua participação no PIB Nacional. Gráfico 39: Componentes da Carga Tributária do ICMS na Tocantins Set/2013. Fonte: Pesquisa IOB.

49 No Tocantins, a Substituição Tributária atinge cinco produtos dos 19 pesquisados: tijolos, pneus, medicamentos genéricos, esparadrapo, massas alimentícias afetando um segmento industrial e quatro segmentos comerciais. Na Indústria, o Diferencial de Alíquota se aplica a cinco dos seis segmentos pesquisados (não incide sobre Fabricação de produtos de Panificação), até o limite de receita bruta anual estabelecido do Sublimite estadual. Não incide o Diferencial de Alíquota. No Comércio, o Diferencial de Alíquota sobre compras interestaduais de mercadorias para revenda se aplica a todos os segmentos e faixas de receita bruta pesquisados. A Antecipação Tributária se aplica a todos os segmentos, mas não atinge as faixas de receita bruta superiores ao sublimite estadual. Na Indústria e a Antecipação Tributária se aplicam a todos os segmentos e faixas de receita pesquisados. O Diferencial de Alíquota também se aplica à todas os segmentos da Indústria, mas não atinge as as faixas de receita superiores ao limite do Sublimite estadual. Indicadores Tocantins População Tocantins Região Norte Brasil Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita PEA MPE MEI Geração de Emprego Evolução da arrecadação mensal do ICMS total 2007 / 2013 Evolução da Arrecadação Mensal do ICMS Simples Nacional 2007/2013 Arrecadação ICMS Total (R$ mil, média mensal) Arrecadação ICMS Simples (média mensal) ,61% ,12% ,24% ,62% ,14% ,24% ,46% ,97% ,28% ,90% ,24% ,71% ,21% ,78% ,15% ,15% ,32% ,86% ,20% 66,41% 64,79% ,66% 108,98% 119,17% , , , , , , , , , , , ,44 Sobrevivência das Empresas Índice de Confiança dos Pequenos Negócios % Empresas sem faturamento / 1ª faixa do Simples ,23% 70,95% 68,87%

50 % Empresas 20ª faixa Simples / faturamento superior ,21% 0,42% 0,56%

51 18 Sergipe Conforme os dados levantados na pesquisa IOB, em setembro/2013, a carga tributária ponderada total do ICMS e todos os seus mecanismos representa 5,16% da receita bruta anual do Comércio e Indústria em Sergipe. A distribuição da carga tributária do ICMS em Sergipe, considerando os segmentos avaliados na pesquisa IOB, é apresentada no gráfico a seguir. Gráfico 40: Distribuição da Carga ICMS por Segmento de Atividade em Sergipe Set/13. Fonte: Pesquisa IOB O componente de maior representatividade na carga do ICMS em Sergipe é o Sublimite (37,15%), seguido da a Substituição Tributária (25,95%). Sergipe adota o sublimite estadual de R$ , devido a sua participação no PIB Nacional. Gráfico 41: Componentes da Carga Tributária do ICMS na Sergipe Set/2013. Fonte: Pesquisa IOB. No Sergipe, a Substituição Tributária atinge seis produtos dos 19 pesquisados: pão de forma, pneus, medicamentos genéricos, esparadrapo, massas alimentícias, refrigerantes afetando um segmento industrial e quatro segmentos comerciais.

52 Na Indústria, o Diferencial de Alíquota sobre compras interestaduais de matérias primas se aplica a cinco dos seis segmentos pesquisados (não incide sobre Fabricação de produtos de Panificação, cujo produto é sujeito a Substituição Tributária). Não incide a Antecipação Tributária. No Comércio, Antecipação Tributária se aplica a todos os segmentos, mas não atinge as faixas de receita bruta superiores ao sublimite estadual. O Diferencial de Alíquota sobre compras interestaduais de mercadorias para revenda se aplica a todos os segmentos e faixas de receita. Indicadores Sergipe População Sergipe Região Nordeste Brasil Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita PEA MPE MEI Geração de Emprego Evolução da arrecadação mensal do ICMS total 2007 / 2013 Evolução da Arrecadação Mensal do ICMS Simples Nacional 2007/2013 Arrecadação ICMS Total (R$ mil, média mensal) Arrecadação ICMS Simples (média mensal) ,95% ,39% ,24% ,98% ,41% ,24% ,84% ,96% ,28% ,07% ,26% ,71% ,89% ,74% ,15% ,20% ,66% ,86% ,13% 69,38% 64,79% ,69% 142,35% 119,17% , , , , , , , , , , , ,44 Sobrevivência das Empresas Índice de Confiança dos Pequenos Negócios % Empresas sem faturamento / 1ª faixa do Simples % Empresas 20ª faixa Simples / faturamento superior ,88% 73,69% 68,87% ,39% 0,36% 0,56%

53 19 Ceará Conforme os dados levantados na pesquisa IOB, em setembro/2013, a carga tributária ponderada total do ICMS e todos os seus mecanismos representa 5,29% da receita bruta anual do Comércio e Indústria no Ceará. A distribuição da carga tributária do ICMS no Ceará, considerando os segmentos avaliados na pesquisa IOB, é apresentada no gráfico a seguir. Gráfico 42: Distribuição da Carga ICMS por Segmento de Atividade no Ceará Set/13. Fonte: Pesquisa IOB O componente de maior representatividade na carga do ICMS no Ceará é a Substituição Tributária (36,81%), seguido do ICMS recolhido pelo DAS (26,20%). Ceará adota o sublimite estadual de R$ Gráfico 43: Componentes da Carga Tributária do ICMS na Ceará Set/2013. Fonte: Pesquisa IOB.

54 No Ceará, a Substituição Tributária atinge nove produtos dos 19 pesquisados: calçados, pão de forma, camisas, pneus, medicamentos genéricos, sabão de toucador, esparadrapo, massas alimentícias, refrigerantes afetando três segmentos industriais e quatro segmentos comerciais. Na Indústria, o Diferencial de Alíquota não incide sobre os segmentos Confecção de Peças de Vestuário e Fabricação de Produtos de Panificação. Nos demais segmentos, não incide sobre receitas brutas superiores ao sublimite estadual. Não incide a Antecipação Tributária. No Comércio, a Antecipação Tributária se aplica a todos os segmentos, a exceção de Farmácias, mas não atinge as faixas de receita bruta superiores ao sublimite estadual. O Diferencial de Alíquota sobre compras interestaduais de mercadorias para revenda se aplica a todos os segmentos e faixas de receita. Indicadores Ceará População Ceará Região Nordeste Brasil Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita PEA MPE MEI Geração de Emprego Evolução da arrecadação mensal do ICMS total 2007 / 2013 Evolução da Arrecadação Mensal do ICMS Simples Nacional 2007/2013 Arrecadação ICMS Total (R$ mil, média mensal) Arrecadação ICMS Simples (média mensal) ,74% ,39% ,24% ,74% ,41% ,24% ,89% ,96% ,28% ,28% ,26% ,71% ,92% ,74% ,15% ,10% ,66% ,86% ,67% 69,38% 64,79% ,86% 142,35% 119,17% , , , , , , , , , , , ,44 Sobrevivência das Empresas Índice de Confiança dos Pequenos Negócios % Empresas sem faturamento / 1ª faixa do Simples % Empresas 20ª faixa Simples / faturamento superior ,77% 73,69% 68,87% ,22% 0,36% 0,56%

55 20 Bahia Conforme os dados levantados na pesquisa IOB, em setembro/2013, a carga tributária ponderada total do ICMS e todos os seus mecanismos representa 5,32% da receita bruta anual do Comércio e Indústria no Bahia. A distribuição da carga tributária do ICMS no Bahia, considerando os segmentos avaliados na pesquisa IOB, é apresentada no gráfico a seguir. Gráfico 44: Distribuição da Carga ICMS por Segmento de Atividade no Bahia Set/13. Fonte: Pesquisa IOB O componente de maior representatividade na carga do ICMS em Bahia é o Substituição Tributária (54,16%), seguido do ICMS recolhido pelo DAS (27,27%). Bahia não adota sublimite estadual. Gráfico 45: Componentes da Carga Tributária do ICMS na Bahia Set/2013. Fonte: Pesquisa IOB. No Bahia, a Substituição Tributária atinge oito produtos dos 19 pesquisados: calçados, pão de forma, pneus, medicamentos genéricos, esparadrapo, massas alimentícias, refrigerantes afetando dois segmentos industriais e quatro segmentos comerciais.

56 Na Indústria, o Diferencial de Alíquota sobre compras interestaduais de matérias primas se aplica a cinco dos seis segmentos pesquisados (não incide sobre Fabricação de produtos de Panificação, cujo produto é sujeito a Substituição Tributária). Não incide a Antecipação Tributária. No Comércio, Antecipação Tributária se aplica a todos os segmentos e faixas de receita pesquisados. Não incide o Diferencial de Alíquota. Indicadores Bahia População Bahia Região Nordeste Brasil Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita PEA MPE MEI Geração de Emprego Evolução da arrecadação mensal do ICMS total 2007 / 2013 Evolução da Arrecadação Mensal do ICMS Simples Nacional 2007/2013 Arrecadação ICMS Total (R$ mil, média mensal) Arrecadação ICMS Simples (média mensal) ,70% ,39% ,24% ,68% ,41% ,24% ,28% ,96% ,28% ,55% ,26% ,71% ,60% ,74% ,15% ,57% ,66% ,86% ,22% 69,38% 64,79% ,86% 142,35% 119,17% , , , , , , , , , , , ,44 Sobrevivência das Empresas Índice de Confiança dos Pequenos Negócios % Empresas sem faturamento / 1ª faixa do Simples % Empresas 20ª faixa Simples / faturamento superior ,22% 73,69% 68,87% ,32% 0,36% 0,56%

57 21 - Amazonas Conforme os dados levantados na pesquisa IOB, em setembro/2013, a carga tributária ponderada total do ICMS e todos os seus mecanismos representa 5,32% da receita bruta anual do Comércio e Indústria, representando 135% da maior alíquota de ICMS prevista na Lei Geral (3,95%). A distribuição da carga tributária do ICMS no estado do Amazonas, considerando os segmentos avaliados na pesquisa IOB, é apresentada no gráfico a seguir. Gráfico 46: Distribuição da Carga ICMS por Segmento de Atividade no Amazonas Set/13. Fonte: Pesquisa IOB O componente de maior representatividade na carga do ICMS no Amazonas é a Substituição Tributária (41,71%), seguido do ICMS recolhido através do DAS (26,76%). Gráfico 47: Componentes da Carga Tributária do ICMS no Amazonas Set/2013. Fonte: Pesquisa IOB.

58 Amazonas aderiu, em 2013, ao teto do Simples Nacional (R$ ), porém de Nov/12 a Set/13 aumentou consideravelmente a sua pauta de produtos sujeitos a Substituição Tributária. Dos 19 produtos da pesquisa IOB, no mês de Nov/12, apenas 5 produtos da pauta nacional eram sujeitos a Substituição Tributária (pneus, medicamentos genéricos, sabões de toucador, areia e refrigerantes). Durante o ano 2013, a pauta foi acrescida de mais 6 produtos (iogurte, armários de cozinha, tijolos, pão de forma, esparadrapo, massas alimentícias). Em Nov/12, a carga da ST representava 26,30% da receita bruta das empresas ou seja, entre Nov/12 e Set/13, a representatividade da ST sobre a receita bruta aumentou 63%. Amazonas é o estado com maior cobrança para as parcelas de Diferencial de Alíquota sobre as compras interestaduais (0,28% sobre receita bruta) e Antecipação Tributária (1,39% sobre receita bruta). Como ponto positivo, cabe destacar a isenção do ICMS recolhido no DAS em todos os segmentos da Indústria e Comércio pesquisados, nas duas primeiras faixas do Ranking. Esta isenção não atinge as demais parcelas do ICMS (Substituição Tributária, Antecipação Tributária, Diferencial de Alíquota), que são cobrados normalmente. Outra boa prática de Amazonas (que, contudo, não afeta os resultados da Pesquisa IOB) é a adoção do Empreendedor Social, conforme Decreto Estadual /2008. A pessoa física que exerça atividade de comércio varejista, cuja receita bruta anual não ultrapasse o valor de R$ ,00, poderá ser enquadrada como Empreendedor Social - ES no Cadastro de Contribuintes do Amazonas - CCA, ficando dispensada do recolhimento do ICMS incidente nas operações de saída, bem como sujeita a um regime simplificado de obrigações. Indicadores Amazonas MPE MEI Geração de Emprego Evolução da arrecadação mensal do ICMS total 2007 / 2013 Evolução da Arrecadação Mensal do ICMS Simples Nacional 2007/2013 Arrecadação ICMS Total (R$ mil, média mensal) Amazonas Região Norte Brasil Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita ,96% ,12% ,24% ,93% ,14% ,24% ,76% ,97% ,28% ,94% ,24% ,71% ,56% ,78% ,15% ,62% ,32% ,86% ,19% 66,41% 64,79% ,07% 108,98% 119,17% , , , , , ,13

59 Arrecadação ICMS Simples (média mensal) , , , , , ,44 Sobrevivência das Empresas Índice de Confiança dos Pequenos Negócios % Empresas sem faturamento / 1ª faixa do Simples ,81% 70,95% 68,87% % Empresas 20ª faixa Simples / faturamento superior ,57% 0,42% 0,56%

60 4 Estados do quarto quartil, com maiores cargas tributárias: Piauí, Amapá, Mato Grosso, Alagoas, Roraima, Acre Os seis estados com maior carga tributária do ICMS apresentam como pontos de destaque: Adoção de sublimite estadual para o ICMS por todos os estados do quartil. Amapá, Alagoas, Roraima e Acre adotam o sublimite de R$ nestes estados, a correção do sublimite decorrente da Lei Complementar 139/2011 não acompanhou a correção do teto do Simples Nacional (50%). Adoção da Substituição Tributária: destaque para Mato Grosso, onde 100% dos produtos são sujeitos à substituição tributária a tributação é efetuada por CNAE, devido ao Regime de Estimativa por Operação Simplificada. Mato Grosso é o estado com maior incidência da ST (5,72% sobre a receita bruta de Comércio e Indústria). Antecipação tributária: a exceção de Mato Grosso, os demais estados adotam Antecipação Tributária. Diferencial de Alíquota: todos os estados deste quartil adotam o Diferencial de Alíquota para as compras interestaduais de matérias-primas ou mercadorias para revenda. Como impactos da carga tributária maior, os seis estados deste quartil apresentam como pontos de destaque: Menor geração de empregos: dois estados (Acre e Alagoas, ) são enquadrados no último quartil da curva de geração de empregos, ou seja, estão entre os seis estados que menos geraram empregos no período de out/12 a set/13.amapá e Piauí estão no terceiro quartil de geração de emprego; Mato Grosso e Roraima no segundo. Comparando os níveis de formalização de micro e pequenas empresas e de microempreendedores individuais obtém-se: o Os seis estados apresentam índices de formalização de micro e pequenas empresas inferiores à média nacional. o Cinco estados apresentam índices de formalização de microempreendedores individuais inferiores à média nacional (exceção: Mato Grosso). o Três estados Piauí, Mato Grosso e Alagoas - apresentam índices de formalização de micro e pequenas empresas inferiores às respectivas médias regionais. Amapá, Roraima e Acre tem índices de formalização superiores à média regional. o Quatro estados apresentam índices de formalização de microempreendedores individuais inferiores às respectivas médias regionais; (exceções: Mato Grosso e Roraima). A análise do crescimento da arrecadação, entre os estados do primeiro quartil, aponta como tendência o baixo impacto na arrecadação provocado pela maior carga tributária:

61 o Em quatro estados do quartil (Piauí, Roraima, Alagoas e Acre), apesar de apresentarem o crescimento da arrecadação do ICMS total e/ou do Simples Nacional (2007 a 2013) superior às médias nacional e/ou regional, apresentam o ICMS total per capita e o ICMS Simples Nacional per capita (2013) inferiores às mesmas médias. Intui-se, portanto, que o aumento da arrecadação per capita depende mais do estímulo à formalização e ao desenvolvimento das empresas. o Amapá, apesar de ser o quinto estado brasileiro com a maior carga tributária, apresenta médias inferiores às médias nacionais e regionais, tanto em se comparando a evolução do ICMS Total e do ICMS Simples Nacional no período 2007 a 2013, quanto se comparando os valores per capita observados em No caso de Mato Grosso, que adota o Regime de Estimativa por Operação Simplificada, observa-se um forte crescimento do ICMS Total per capita, enquanto o crescimento do ICMS Simples Nacional é ínfimo. Isto porque a aplicação do referido regime avaliado como Substituição Tributária é realizada separada do Simples. Confirma-se aqui a perda dos benefícios do Simples Nacional e do tratamento diferenciado para os pequenos negócios previsto na Constituição Federal. Cinco estados apresentam índices de sobrevivência das empresas inferiores aos índices nacional e regional (exceção: Alagoas). Cinco estados apresentam o índice de Confiança dos Pequenos Negócios superior a média nacional. Três estados superam as médias das respectivas regiões. As micro e pequenas empresas instaladas nos estados do primeiro quartil mostram uma tendência a maior concentração nas faixas iniciais do Simples Nacional ou sem receita. Em todos os estados, a proporção das empresas sem receita ou na primeira faixa do Simples é superior à média nacional. Em cinco estados, a proporção é superior a média regional. A proporção das empresas na última faixa do Simples ou com receita superior é menor que as médias nacional e regional em cinco estados (exceção: Mato Grosso). Os estados do quarto quartil são avaliados individualmente a seguir.

62 22 Piauí Conforme os dados levantados na pesquisa IOB, em setembro/2013, a carga tributária ponderada total do ICMS e todos os seus mecanismos representa 5,38% da receita bruta anual do Comércio e Indústria, representando 136% da maior alíquota de ICMS prevista na Lei Geral (3,95%). A distribuição da carga tributária do ICMS no estado do Piauí, considerando os segmentos avaliados na pesquisa IOB, é apresentada no gráfico a seguir. Gráfico 48: Distribuição da Carga ICMS por Segmento de Atividade no Piauí Set/13. Fonte: Pesquisa IOB O componente de maior representatividade na carga do ICMS no Piauí é o Sublimite (31,61%), seguido da Substituição Tributária (30,92%). Gráfico 49: Componentes da Carga Tributária do ICMS no Piauí Set/2013. Fonte: Pesquisa IOB.

63 Em 2013, Piauí aderiu ao sublimite de R$ , equivalente a 50% do teto do Simples Nacional. Até 2012, o sublimite adotado pelo estado era de R$ A Substituição Tributária incide sobre seis dos 19 produtos pesquisados: pão de forma, pneus, medicamentos genéricos, esparadrapo, massas alimentícias e refrigerantes (4 segmentos de comércio e 1 de Indústria). Não houve alteração da pauta em 2013, referente aos produtos pesquisados. Piauí adota o Diferencial de Alíquota sobre as compras interestaduais de mercadorias para revenda em todos os segmentos do Comércio, não afetando os segmentos da Indústria (carga ponderada total: 0,08% sobre receita bruta). A Antecipação Tributária (carga ponderada total: 0,76% sobre receita bruta) é aplicada para todos os segmentos da Indústria, nas faixas de receita superiores ao sublimite estadual e para todos os segmentos do Comércio. Indicadores Piauí MPE MEI Geração de Emprego Evolução da arrecadação mensal do ICMS total 2007 / 2013 Evolução da Arrecadação Mensal do ICMS Simples Nacional 2007/2013 Arrecadação ICMS Total (R$ mil, média mensal) Arrecadação ICMS Simples (média mensal) Piauí Região Norte Brasil Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita ,96% ,12% ,24% ,93% ,14% ,24% ,76% ,97% ,28% ,94% ,24% ,71% ,56% ,78% ,15% ,62% ,32% ,86% ,94% 69,38% 64,79% ,04% 142,35% 119,17% , , , , , , , , , , , ,44 Sobrevivência das Empresas Índice de Confiança dos Pequenos Negócios % Empresas sem faturamento / 1ª faixa do Simples % Empresas 20ª faixa Simples / faturamento superior ,81% 70,95% 68,87% ,57% 0,42% 0,56%

64 23 Amapá Carga Tributária do ICMS Conforme os dados levantados na pesquisa IOB, em setembro/2013, a carga tributária ponderada total do ICMS e todos os seus mecanismos representa 6,39% da receita bruta anual do Comércio e Indústria no Amapá, representando 161% da maior alíquota de ICMS prevista na Lei Geral (3,95%). A distribuição da carga tributária do ICMS no estado do Amapá, considerando os segmentos avaliados na pesquisa IOB, é apresentada no gráfico a seguir. Gráfico 50: Distribuição da Carga ICMS por Segmento de Atividade no Amapá Set/13. Fonte: Pesquisa IOB O componente de maior representatividade na carga do ICMS no Amapá é o Sublimite (55,10%), seguido da Substituição Tributária (29,11%). O ICMS recolhido através do Simples Nacional representa apenas 7,60% da carga total do imposto.

65 Gráfico 51: Componentes da Carga Tributária do ICMS no Amapá Set/2013. Fonte: Pesquisa IOB. O Amapá adota o sublimite estadual de R$ ,00 este é o menor valor para sublimite permitido pela Lei Geral a partir de janeiro/2012, mas é um valor corrigido abaixo da atualização do Simples Nacional. Até 2011, Amapá adotava o sublimite de R$ e o teto estadual foi atualizado em apenas 5%, enquanto o teto do Simples Nacional foi corrigido em 50%. A adoção deste sublimite é o principal motivo da elevada carga tributária no Amapá. O sublimite afeta todos os segmentos da pesquisa. A Substituição Tributária incide sobre oito dos 19 produtos pesquisados: iogurte, pão de forma, tijolos, pneus, medicamentos genéricos, esparadrapo, massas alimentícias e refrigerantes (5 segmentos de comércio e 3 de Indústria). Não houve alteração da pauta em 2013, referente aos produtos pesquisados. Amapá adota a Antecipação Tributária para todos os segmentos industriais e comerciais pesquisados e para todas as faixas de receita bruta. O Diferencial de Alíquota sobre as compras interestaduais de matérias primas e mercadorias para revenda é adotado para todos os segmentos industriais e comerciais, nas faixas de receita inferiores ao sublimite estadual. Indicadores Amapá Amapá Região Norte Brasil Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. População PEA MPE ,62% ,12% ,24% ,65% ,14% ,24% MEI ,07% ,97% ,28% ,21% ,24% ,71% Geração de Emprego ,65% ,78% ,15% Evolução da arrecadação mensal do ICMS total 2007 / 2013 Evolução da Arrecadação Mensal do ICMS Simples Nacional 2007/2013 Arrecadação ICMS Total (R$ mil, média mensal) Arrecadação ICMS Simples (média mensal) ,65% ,32% ,86% ,75% 66,41% 64,79% ,73% 108,98% 119,17% , , , , , , , , , , , ,44 Sobrevivência das Empresas Índice de Confiança dos Pequenos Negócios % Empresas sem faturamento / 1ª faixa do Simples ,73% 70,95% 68,87%

66 % Empresas 20ª faixa Simples / faturamento superior 24 Mato Grosso ,21% 0,42% 0,56% Conforme os dados levantados na pesquisa IOB, em setembro/2013, a carga tributária ponderada total do ICMS e todos os seus mecanismos representa 6,41% da receita bruta anual do Comércio e Indústria no Mato Grosso, representando 162% da maior alíquota de ICMS prevista na Lei Geral (3,95%). A distribuição da carga tributária do ICMS no estado do Mato Grosso, considerando os segmentos avaliados na pesquisa IOB, é apresentada no gráfico a seguir. Gráfico 52: Distribuição da Carga ICMS por Segmento de Atividade no Mato Grosso Set/13. Fonte: Pesquisa IOB O componente de maior representatividade na carga do ICMS no Mato Grosso é a Substituição Tributária (89,15%). O ICMS recolhido através do Simples Nacional representa apenas 4,03% da carga total do imposto.

67 Gráfico 53: Componentes da Carga Tributária do ICMS no Mato Grosso Set/2013. Fonte: Pesquisa IOB. Esta parcela atribuída à Substituição Tributária no Mato Grosso origina-se da adoção de uma forma diferenciada de tributação no Estado, denominada Regime de Estimativa por Operação Simplificada. Este regime substituiu o Sistema Garantido (considerado muito complicado e com falhas de fiscalização). Foi definido pela Secretaria de Fazenda, com a participação de associações de classe. A mudança foi realizada em Os CNAE s (sejam indústria, comércio ou serviços) são tributados pela Carga Tributária Média. O artigo 87 do RICMS/MT estabelece a apuração simplificada, que utiliza percentuais fixos para o cálculo do ICMS, variáveis de acordo com os CNAE s (Anexos 11, 16 e 18 do RICMS). Todos os produtos e segmentos pesquisados pela IOB são tributados pela Carga Tributária Média. No caso dos segmentos industriais, a carga tributária média incide sobre o valor total das notas fiscais relativas às aquisições interestaduais e também sobre o total das notas fiscais de venda. O débito de ICMS apurado sobre as vendas pode ser descontado do valor já recolhido nas compras interestaduais. Para os segmentos comerciais, o ICMS recolhido é resultado apenas da incidência da carga tributária média relativa ao CNAE da empresa sobre as notas ficais de compras interestaduais nas compras realizadas de indústrias do próprio estado a carga tributária média pretendida pelo governo estadual já foi recolhida pela indústria. As empresas optantes pelo Simples Nacional utilizam uma carga tributária média menor do que a das demais empresas do mesmo CNAE, o que não impede que a tributação do ICMS seja muito superior à que seria devida se aplicado o Simples Nacional. O Regime de Estimativa por Operação Simplificada do Mato Grosso é especialmente prejudicial para as empresas dos segmentos industriais, como se observa no gráfico a seguir. Enquanto no Mato Grosso a carga total do ICMS representa 21,09% da receita bruta total, em Alagoas (que possui a segunda maior carga para a indústria) o ICMS equivale a 10,18% da receita bruta total.

68 Gráfico 54: Carga Tributária dos Optantes do Simples Nacional Indústria Set/2013, Fonte: Pesquisa IOB O Mato Grosso adota o sublimite estadual de R$ Este valor foi aumentado, em 2013 em 2012, ou seja, após a aprovação da Lei Complementar 139, que atualizou o teto do Simples, o sublimite era R$ Mas o aumento do limite estadual teve pouco impacto na carga tributária das micro e pequenas empresas, devido ao Regime de Estimativa por Operação Simplificada. O Mato Grosso adota a Antecipação Tributária apenas para os segmentos da Indústria. O Diferencial de Alíquota é aplicado para todos os segmentos industriais e comerciais pesquisados, sobre as compras interestaduais de mercadorias para revenda ou de matérias primas. Indicadores Mato Grosso Mato Grosso Região Centro Oeste Brasil Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita População PEA MPE ,00% ,22% ,24% ,13% ,25% ,24% MEI ,60% ,59% ,28% ,14% ,12% ,71% Geração de Emprego ,21% ,19% ,15% Evolução da arrecadação mensal do ICMS total 2007 / ,71% ,76% ,86% ,74% 73,36% 64,79%

69 Evolução da Arrecadação Mensal do ICMS Simples Nacional 2007/2013 Arrecadação ICMS Total (R$ mil, média mensal) Arrecadação ICMS Simples (média mensal) ,35% 199,91% 119,17% , , , , , , , , , , , ,44 Sobrevivência das Empresas Índice de Confiança dos Pequenos Negócios % Empresas sem faturamento / 1ª faixa do Simples % Empresas 20ª faixa Simples / faturamento superior ,27% 66,10% 68,87% ,43% 0,50% 0,56%

70 25 - Alagoas Conforme os dados levantados na pesquisa IOB, em setembro/2013, a carga tributária ponderada total do ICMS e todos os seus mecanismos representa 6,72% da receita bruta anual do Comércio e Indústria no Alagoas, representando 170% da maior alíquota de ICMS prevista na Lei Geral (3,95%). A distribuição da carga tributária do ICMS no estado do Alagoas, considerando os segmentos avaliados na pesquisa IOB, é apresentada no gráfico a seguir. Gráfico 55: Distribuição da Carga ICMS por Segmento de Atividade no Alagoas Set/13. Fonte: Pesquisa IOB O componente de maior representatividade na carga do ICMS no Alagoas é o Sublimite (56,59%), seguido da Substituição Tributária (27,23%). O ICMS recolhido através do Simples Nacional representa apenas 7,23% da carga total do imposto.

71 Gráfico 56: Componentes da Carga Tributária do ICMS no Alagoas Set/2013. Fonte: Pesquisa IOB. Alagoas adota o sublimite estadual de R$ ,00 este é o menor valor para sublimite permitido pela Lei Geral a partir de janeiro/2012, mas é um valor corrigido abaixo da atualização do Simples Nacional. Até 2011, Alagoas adotava o sublimite de R$ e o teto estadual foi atualizado em apenas 5%, enquanto o teto do Simples Nacional foi corrigido em 50%. Obs.: A partir de jan/2014, o sublimite de Alagoas será de R$ A adoção deste sublimite é o principal motivo da elevada carga tributária no Alagoas. O sublimite afeta todos os segmentos da pesquisa. A Substituição Tributária incide sobre oito dos 19 produtos pesquisados: pão de forma, tijolos, pneus, medicamentos genéricos, sabão de toucador, esparadrapo, massas alimentícias e refrigerantes (2 segmentos da Indústria e 5 segmentos de comércio). As últimas inclusões da pauta pesquisada foram realizadas no segundo semestre de 2012 (tijolos e sabões de toucador). Não houve alteração da pauta em 2013, referente aos produtos pesquisados. Para se ter uma idéia mais clara dos efeitos da expansão da ST, observa-se que, no primeiro semestre de 2012, a ST representava 19,43% da carga tributária do ICMS em Estado de Alagoas. Com a expansão da pauta, este percentual passou para 27,23% da carga total do ICMS um aumento de 40%. Alagoas adota a Antecipação Tributária para todos os segmentos industriais e comerciais pesquisados. Apenas nos segmentos comerciais, a Antecipação Tributária não afeta as faixas de receita superiores ao sublimite estadual. Nos segmentos industriais, são afetadas todas as faixas de receita bruta. O Diferencial de Alíquota sobre as compras interestaduais de matérias primas e mercadorias para revenda é adotado para todos os segmentos industriais e comerciais, nas faixas de receita inferiores ao sublimite estadual. Ressalta-se que o Decreto Estadual de Alagoas número /2012 estabelece a isenção do pagamento do ICMS para as microempresas optantes pelo Simples Nacional cuja receita bruta acumulada nos 12 meses anteriores a do período de apuração não ultrapasse R$ ,00. Contudo, esta isenção não afeta os dados da pesquisa, que tem como faixa inicial de receita bruta R$ ,00. Indicadores Alagoas Alagoas Região Nordeste Brasil Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. População PEA MPE ,17% ,39% ,24% ,19% ,41% ,24% MEI ,05% ,96% ,28%

72 ,32% ,26% ,71% Geração de Emprego ,24% ,74% ,15% Evolução da arrecadação mensal do ICMS total 2007 / 2013 Evolução da Arrecadação Mensal do ICMS Simples Nacional 2007/2013 Arrecadação ICMS Total (R$ mil, média mensal) Arrecadação ICMS Simples (média mensal) ,32% ,66% ,86% ,43% 69,38% 64,79% ,83% 142,35% 119,17% , , , , , , , , , , , ,44 Sobrevivência das Empresas Índice de Confiança dos Pequenos Negócios % Empresas sem faturamento / 1ª faixa do Simples % Empresas 20ª faixa Simples / faturamento superior ,48% 73,69% 68,87% ,27% 0,36% 0,56%

73 26 Roraima Conforme os dados levantados na pesquisa IOB, em setembro/2013, a carga tributária ponderada total do ICMS e todos os seus mecanismos representa 7,36% da receita bruta anual do Comércio e Indústria no Roraima, representando 186% da maior alíquota de ICMS prevista na Lei Geral (3,95%). A distribuição da carga tributária do ICMS no estado do Roraima, considerando os segmentos avaliados na pesquisa IOB, é apresentada no gráfico a seguir. Gráfico 57: Distribuição da Carga ICMS por Segmento de Atividade no Roraima Set/13. Fonte: Pesquisa IOB O componente de maior representatividade na carga do ICMS no Roraima é o Sublimite (67,37%), seguido da Substituição Tributária (13,64%). O ICMS recolhido através do Simples Nacional representa apenas 9,72% da carga total do imposto. Gráfico 58: Componentes da Carga Tributária do ICMS no Roraima Set/2013. Fonte: Pesquisa IOB.

74 Roraima adota o sublimite estadual de R$ ,00 este é o menor valor para sublimite permitido pela Lei Geral a partir de janeiro/2012, mas é um valor corrigido abaixo da atualização do Simples Nacional. Até 2011, Roraima adotava o sublimite de R$ e o teto estadual foi atualizado em apenas 5%, enquanto o teto do Simples Nacional foi corrigido em 50%. A adoção deste sublimite é o principal motivo da elevada carga tributária no Roraima. O sublimite afeta todos os segmentos da pesquisa. A Substituição Tributária incide sobre cinco dos 19 produtos pesquisados: pão de forma, pneus, medicamentos genéricos, esparadrapo e refrigerantes (1 segmento da Indústria e 3 segmentos de comércio). Não houve alteração da pauta em 2013, referente aos produtos pesquisados. Roraima adota a Antecipação Tributária para todos os segmentos industriais e comerciais pesquisados. Apenas nos segmentos comerciais, a Antecipação Tributária afeta as faixas de receita de R$ ; R$ e R$ Nos segmentos industriais, são afetadas todas as faixas de receita bruta. O Diferencial de Alíquota sobre as compras interestaduais de mercadorias para revenda é adotado para todos os segmentos comerciais e todas as faixas de receita bruta. Não é adotado o Diferencial de Alíquota para os segmentos industriais pesquisados. Indicadores Roraima Roraima Região Norte Brasil Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita Vr. Abs. Per capita População , PEA MPE ,62% ,12% ,24% ,61% ,14% ,24% MEI ,16% ,97% ,28% ,50% ,24% ,71% Geração de Emprego ,52% ,78% ,15% Evolução da arrecadação mensal do ICMS total 2007 / 2013 Evolução da Arrecadação Mensal do ICMS Simples Nacional 2007/2013 Arrecadação ICMS Total (R$ mil, média mensal) Arrecadação ICMS Simples (média mensal) ,79% ,32% ,86% ,28% 66,41% 64,79% ,31% 108,98% 119,17% , , , , , , , , , , , ,44

75 Sobrevivência das Empresas Índice de Confiança dos Pequenos Negócios % Empresas sem faturamento / 1ª faixa do Simples % Empresas 20ª faixa Simples / faturamento superior ,97% 70,95% 68,87% ,40% 0,42% 0,56%

76 27 Acre Conforme os dados levantados na pesquisa IOB, em setembro/2013, a carga tributária ponderada total do ICMS e todos os seus mecanismos representa 7,58% da receita bruta anual do Comércio e Indústria no Acre, representando 191% da maior alíquota de ICMS prevista na Lei Geral (3,95%). A distribuição da carga tributária do ICMS no estado do Acre, considerando os segmentos avaliados na pesquisa IOB, é apresentada no gráfico a seguir. Gráfico 59: Distribuição da Carga ICMS por Segmento de Atividade no Acre Set/13. Fonte: Pesquisa IOB O componente de maior representatividade na carga do ICMS no Acre é o Sublimite (66,24%), seguido da Substituição Tributária (14,96%). O ICMS recolhido através do Simples Nacional representa apenas 7,20% da carga total do imposto. Gráfico 60: Componentes da Carga Tributária do ICMS no Acre Set/2013. Fonte: Pesquisa IOB.

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 Tributos incluídos no Simples Nacional Brasília 19 de setembro de 2013 ROTEIRO 1 2 3 4 O PROJETO RESULTADOS DIFERENÇA NAS ALÍQUOTAS

Leia mais

Boas Práticas de Desoneração do ICMS aos Optantes do Simples Nacional - Junho/2012 Listagem dos Estados e Legislação Correlata

Boas Práticas de Desoneração do ICMS aos Optantes do Simples Nacional - Junho/2012 Listagem dos Estados e Legislação Correlata Estado Legislação Dispões Sobre Definição Resumida AC AL Decreto 8/1998 (RICMS) Decreto 8/2008 Decreto 16.517/2012 e IN 9/2012 Boas Práticas de Desoneração do ICMS aos Optantes do Simples - Junho/2012

Leia mais

Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional. Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011

Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional. Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011 Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011 Quem ganha com a Guerra Fiscal? O país perde Porque grande parte dos incentivos é concedido a importações

Leia mais

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR)

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) Pontos Lei Geral Como é hoje 1 Alcance da Lei A lei do Simples está voltada para os tributos federais. Os sistemas de tributação

Leia mais

SINDCONT-SP PALESTRA ICMS NO COMÉRCIO ELETRONICO DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS OPERAÇÕES INTERESTADUAIS

SINDCONT-SP PALESTRA ICMS NO COMÉRCIO ELETRONICO DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS OPERAÇÕES INTERESTADUAIS SINDCONT-SP PALESTRA ICMS NO COMÉRCIO ELETRONICO DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS OPERAÇÕES INTERESTADUAIS TRÊS TIPOS DE DIFERENCIAIS (não confunda!!!) 1 Diferencial clássico 2 Diferencial S.T. 3 Diferencial nas

Leia mais

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX SUMÁRIO 1 ICMS 1.1 CONTRIBUINTE 1.2 FATO GERADOR DO IMPOSTO 1.3 BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO 1.4 REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO 1.5 CARTA DE CORREÇÃO 1.6 CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DA RORAIMA Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 224.118 2,64% 5,82% População - mil (1)

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011 Geração de Emprego Formal no RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 211 1 211 O crescimento da economia fluminense nos últimos

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (julho/2015) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

OS POSSÍVEIS EFEITOS DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 683/2015

OS POSSÍVEIS EFEITOS DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 683/2015 OS POSSÍVEIS EFEITOS DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 683/2015 SÓCRATES ARANTES TEIXEIRA FILHO Consultor Legislativo da Área IV Finanças Públicas AGOSTO/2015 Sócrates Arantes Teixeira Filho 2 SUMÁRIO 1. Introdução...

Leia mais

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Um total de 131 municípios da região Norte participou do Levantamento Nacional do Transporte Escolar. No Acre, 36% dos municípios responderam

Leia mais

A agenda que está na mesa: A agenda do ICMS e do PIS-Cofins

A agenda que está na mesa: A agenda do ICMS e do PIS-Cofins A agenda que está na mesa: A agenda do ICMS e do PIS-Cofins Fórum Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy outubro de 2012 Relevância da agenda PIS e Cofins ICMS Relevância da agenda PIS e Cofins ICMS Relevância

Leia mais

TEF / POS. Documento atualizado em 26/03/2015.

TEF / POS. Documento atualizado em 26/03/2015. TEF / POS A AFRAC Associação Brasileira de Automação para o Comércio, através de seu departamento jurídico, no interesse de atualizar seus associados, bem como demais interessados, confeccionou o presente

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2004 RESULTADOS DE RIO BRANCO - ACRE

SONDAGEM INDUSTRIAL PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2004 RESULTADOS DE RIO BRANCO - ACRE O QUE É A SONDAGEM INDUSTRIAL A Sondagem é uma pesquisa qualitativa realizada trimestralmente pela CNI e pelas Federações das s de 19 estados do país (AC, AL, AM, BA, CE, ES, GO, MG, MS, MT, PA, PB, PE,

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE?

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? Instrumento que permite o financiamento, por meio de incentivos fiscais, de projetos esportivos aprovados pelo Ministério do Esporte. BASE LEGAL: Lei 11.438/06 -

Leia mais

RICARDO BERZOINI Ministro de Estado do Trabalho e Emprego Presidente do Conselho Curador do FGTS

RICARDO BERZOINI Ministro de Estado do Trabalho e Emprego Presidente do Conselho Curador do FGTS CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 460, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2004 Estabelece diretrizes para a aplicação dos recursos e a elaboração das propostas orçamentárias do FGTS,

Leia mais

Propostas do Governo para o ICMS

Propostas do Governo para o ICMS Propostas do Governo para o ICMS Audiência pública da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 11 de março de 2013 Avaliação geral Proposta do Governo vai na direção correta em termos

Leia mais

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS Seminário POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS LEGISLAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E POLÍTICA DE SEGURANÇA Brasília DF 13 de setembro de 2012 Regulamentação da atividade de mototaxista Mesmo diante da ausência

Leia mais

Espírito Santo Governador Renato Casagrande

Espírito Santo Governador Renato Casagrande Espírito Santo Governador Renato Casagrande Parte I O Comércio Internacional no Espírito Santo Parte II Ranking Federativo Parte III Propostas Comércio Internacional no Espírito Santo Ranking Nacional

Leia mais

SEBRAE O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO. Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora.

SEBRAE O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO. Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. SEBRAE O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. PALESTRA: Os Novos Benefícios da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa

Leia mais

FINANCIAMENTO DOS MUNICÍPIOS DO BRASIL Um balanço o entre aspectos sociais e econômicos

FINANCIAMENTO DOS MUNICÍPIOS DO BRASIL Um balanço o entre aspectos sociais e econômicos Seminário Internacional sobre Tributação Imobiliária FINANCIAMENTO DOS MUNICÍPIOS DO BRASIL Um balanço o entre aspectos sociais e econômicos Maria Cristina Mac Dowell maria-macdowell.azevedo@fazenda.gov.br

Leia mais

20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO

20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO Treinamento atualizado com base na legislação vigente em: 20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO JP CONTÁBIL S/S LTDA AGOSTO/2012 Conceituação Consiste na alteração do momento do fato gerador,

Leia mais

Emissão de Nota Fiscal Eletrônica

Emissão de Nota Fiscal Eletrônica Emissão de Nota Fiscal Eletrônica DANFE - Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica. É um documento que serve para acobertar a circulação da mercadoria. Impresso em via única; Validade em meio digital

Leia mais

Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009

Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009 Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009 Estrutura e Distribuição Geográfica Estrutura Estatutária A GEAP GEAP é administrada por por um um Conselho Deliberativo responsável pela pela definição da da

Leia mais

TRIBUTAÇÃO SOBRE AS MPEs RANKING DOS ESTADOS 2012

TRIBUTAÇÃO SOBRE AS MPEs RANKING DOS ESTADOS 2012 TRIBUTAÇÃO SOBRE AS MPEs RANKING DOS ESTADOS 2012 ROTEIRO 1 2 3 4 O PROJETO RESULTADOS DIFERENÇA NAS ALÍQUOTAS LIÇÕES: BONS E MAUS EXEMPLOS 1 O PROJETO 1 2 3 4 O PROJETO RESULTADOS DIFERENÇA NAS ALÍQUOTAS

Leia mais

PALESTRANTE: MIRIAM FEUERHARMEL SILVA Secretaria Municipal de Finanças Prefeitura de Curitiba 2013

PALESTRANTE: MIRIAM FEUERHARMEL SILVA Secretaria Municipal de Finanças Prefeitura de Curitiba 2013 PALESTRANTE: MIRIAM FEUERHARMEL SILVA Secretaria Municipal de Finanças Prefeitura de Curitiba 2013 1. Auto de Infração e Notificação Fiscal 2. Descrição dos Fatos e enquadramento Legal 3. Demonstrativo

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Agricultura Familiar no Mundo São 500 milhões de estabelecimentos da agricultura familiar

Leia mais

ÁREA PARA ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 45 julho 2002 POUPANÇA PÚBLICA VALE EM AÇÃO : PERFIL DOS COMPRADORES COM RECURSOS DO FGTS

ÁREA PARA ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 45 julho 2002 POUPANÇA PÚBLICA VALE EM AÇÃO : PERFIL DOS COMPRADORES COM RECURSOS DO FGTS INFORME-SE ÁREA PARA ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 45 julho 2002 POUPANÇA PÚBLICA VALE EM AÇÃO : PERFIL DOS COMPRADORES COM RECURSOS DO FGTS Em março de 2002, os trabalhadores puderam usar, pela

Leia mais

ALTERAÇÕES NA SISTEMÁTICA DE COBRANÇA DO ICMS

ALTERAÇÕES NA SISTEMÁTICA DE COBRANÇA DO ICMS ALTERAÇÕES NA SISTEMÁTICA DE COBRANÇA DO ICMS LEGISLAÇÕES Emenda Constitucional 87/2015-17 de Abril de 2015; Lei nº 15.856/2015-03 de Julho de 2015; Convênio de ICMS 93/2015-21 de Setembro de 2015; Decreto

Leia mais

Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil

Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil Observatório das MPEs SEBRAE-SP Março/2008 1 Características da pesquisa Objetivos: Identificar o grau de conhecimento e a opinião dos

Leia mais

INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA: EFICIÊNCIA EM PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO. Desenvolvido por:

INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA: EFICIÊNCIA EM PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO. Desenvolvido por: INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA: EFICIÊNCIA EM PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO. Desenvolvido por: 2014 PRIMEIRA PARTE: DEFINIÇÃO E VANTAGENS O que é a industrialização por encomenda? É uma forma de ganhar eficiência

Leia mais

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012.

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. Os casos de Invalidez Permanente representaram a maioria das indenizações pagas

Leia mais

SUFICIÊNCIA DE REDE: Ligia Bahia Ronir Raggio Luiz Maria Lucia Werneck Vianna. Edital 005/2014 ANS/OPAS

SUFICIÊNCIA DE REDE: Ligia Bahia Ronir Raggio Luiz Maria Lucia Werneck Vianna. Edital 005/2014 ANS/OPAS SUFICIÊNCIA DE REDE: UM ESTUDO ECOLÓGICO SOBRE BENEFICIÁRIOS E REDES DE CUIDADOS À SAÚDE A PARTIR DE ANÁLISES EXPLORATÓRIAS DAS PROPORÇÕES DE PARTOS CESARIANOS E TAXAS DE MORTALIDADE POR CÂNCER DE MAMA

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE Santa Catarina - 20 de Novembro de 2010 IMPORTÂNCIA DA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS As MPEs correspondem à 98,81%* (CNE/IBGE 2009) das empresas

Leia mais

TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2011

TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2011 SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL COINT - Coordenação-Geral de Análise e Informações das Transferências Financeiras Intergovernamentais TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2011

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECRETARIA DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECRETARIA DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECRETARIA DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA Relatório Estatístico Preliminar de Resultados da Lei de Informática 8.248/91 e suas Alterações Dados dos Relatórios Demonstrativos

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Nível superior Cargo 1: Contador DF Brasília/Sede da Administração Central 35 1820 52,00 Nível médio Cargo 2: Agente Administrativo AC Rio Branco/Sede da SRTE 2 1496 748,00 Nível médio Cargo 2: Agente

Leia mais

Indenizações Pagas Quantidades

Indenizações Pagas Quantidades Natureza da Indenização Jan a Dez 2011 % Jan a Dez 2012 % Jan a Dez 2012 x Jan a Dez 2011 Morte 58.134 16% 60.752 12% 5% Invalidez Permanente 239.738 65% 352.495 69% 47% Despesas Médicas (DAMS) 68.484

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para mapear os hábitos de consumo e compras para época

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Material elaborado Apresentação: Eduardo Amorim

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Material elaborado Apresentação: Eduardo Amorim SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Material elaborado pela SEFAZ/PE Apresentação: Eduardo Amorim Copyright, 1997 Dale Carnegie & Associates, Inc. 1 Informações iniciais Entraram em vigor a partir de 01 de novembro

Leia mais

Transporte Escolar nos Estados e no DF. Novembro/2011

Transporte Escolar nos Estados e no DF. Novembro/2011 Transporte Escolar nos Estados e no DF Novembro/2011 UFs onde existe terceirização total ou parcial (amostra de 16 UFs) AC AL AP AM DF GO MT MS PB PI RJ RN RO RR SE TO TERCEIRIZAÇÃO TERCEIRIZAÇÃO TERCEIRIZAÇÃO

Leia mais

O Desempenho do Investimento Público do Ceará, 2007 2012, uma análise comparativa entre os Estados.

O Desempenho do Investimento Público do Ceará, 2007 2012, uma análise comparativa entre os Estados. Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

Vantagens do uso do Selo da Agricultura Familiar para os empreendimentos da Bahia

Vantagens do uso do Selo da Agricultura Familiar para os empreendimentos da Bahia Vantagens do uso do Selo da Agricultura Familiar para os empreendimentos da Bahia Guilherme Cerqueira Mateus e Souza 1 Daniel Costa Ferreira 2 Jeandro L. Ribeiro 3 1 Economista (UFBA), Consultor do PNUD/MDA/

Leia mais

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 Situação da microcefalia no Brasil Até 21 de novembro, foram notificados 739 casos suspeitos de microcefalia, identificados em 160 municípios de nove

Leia mais

O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL

O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL 08 de Novembro de 2012 O que é o Brasil Rural? O Brasil Rural Diversidade: raças, origens étnicas, povos, religiões, culturas Conflitos: concentração de terra, trabalho

Leia mais

Pesquisa da 10ª Semana. Coordenação de Estudos Sócioeconômicos CESES Departamento de Difusão Fomento e Economia de Museus DDFEM Ibram, 2012

Pesquisa da 10ª Semana. Coordenação de Estudos Sócioeconômicos CESES Departamento de Difusão Fomento e Economia de Museus DDFEM Ibram, 2012 Pesquisa da 10ª Semana de Museus Coordenação de Estudos Sócioeconômicos CESES Departamento de Difusão Fomento e Economia de Museus DDFEM Ibram, 2012 Panorama geral - Pesquisa da 10ª Semana Nº entradas

Leia mais

E-Book Formação de Preço Débito e Crédito ICMS. Pricing - Treinamento, Consultoria e Auditoria

E-Book Formação de Preço Débito e Crédito ICMS. Pricing - Treinamento, Consultoria e Auditoria E-Book Formação de Preço Débito e Crédito ICMS Pricing - Treinamento, Consultoria e Auditoria Sobre o que é este Ebook! Se Você esta lendo este Ebook é porque tem interesse sobre Pricing. No Brasil mais

Leia mais

50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias

50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias 50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias Pesquisa realizada pela Rizzo Franchise e divulgada pela revista Exame listou as 50 cidades com as melhores oportunidades para abertura de

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO 8º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO 8º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO Cargo 1: Analista do MPU Área de Atividade: Apoio Técnico-Administrativo Especialidade: Arquivologia Distrito Federal / DF 596 4 149,00 Especialidade: Biblioteconomia Acre / AC 147 1 147,00 Especialidade:

Leia mais

Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil

Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil O Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil é mais uma publicação do Plano Juventude Viva, que reúne ações de prevenção para reduzir a vulnerabilidade de jovens

Leia mais

Sondagem Festas Juninas 2015

Sondagem Festas Juninas 2015 Sondagem Festas Juninas 0 de Maio de 0 0 Copyright Boa Vista Serviços Índice o Objetivo, metodologia e amostra... 0 o Perfil dos respondentes... 0 o Comemoração das Festas Juninas... 09 o Do que os consumidores

Leia mais

A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012

A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012 A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012 BRASIL Série Estudos e Pesquisas A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DE 2009 A 2012 Junho/2014 Estudos e Pesquisas

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS atualizado em 06/01/2016 alterados os itens 1.1.2, 1.2, 1.3, 1.4, 2.1, 2.2 e 2.3.3 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO...5 1. PROGRAMA DE COMPUTADOR ( SOFTWARE ) NÃO PERSONALIZADO...7 1.1. Saída Interna...7 1.1.1. Isenção...7

Leia mais

Anexo 7. Questionário on line para a comunidade externa

Anexo 7. Questionário on line para a comunidade externa Anexo 7. Questionário on line para a comunidade externa Anexo 8. Padrão de respostas do questionário do estudante aplicados aos alunos do ENADE 2009 e 2010. Os dados foram estimados a partir do relatório

Leia mais

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS: Repartição das responsabilidades entre União, Estados e Municípios; Vinculação de impostos; Definição de Manutenção e Desenvolvimento do

Leia mais

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 1 2 8 1» Centro de Artes e Esportes Unificados Rio Branco AC 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 Recanto das Emas DF 3» Creche Ipê Rosa Samambaia DF 4» Quadra escolar Maria Nascimento

Leia mais

ICMS relativo ao Diferencial de Alíquotas. Implementação da Emenda Constitucional nº 87/2015 em Minas Gerais

ICMS relativo ao Diferencial de Alíquotas. Implementação da Emenda Constitucional nº 87/2015 em Minas Gerais ICMS relativo ao Diferencial de Alíquotas Implementação da Emenda Constitucional nº 87/2015 em Minas Gerais Emenda Constitucional 87/2015 CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1988 "Art. 155 (...) 2º (...) VII - nas operações

Leia mais

Contadores Associados S/S CRC/RS 3.361

Contadores Associados S/S CRC/RS 3.361 Circular Informativa Especial Assunto: Substituição Tributária do ICMS na Comercialização de Chás e Sucos De acordo com o Decreto (RS) 46.429, de 23/06/09 e Protocolo ICMS 18/09, a partir de 01/07/09,

Leia mais

IMPACTOS DA PARTILHA DO ICMS NO E-COMMERCE

IMPACTOS DA PARTILHA DO ICMS NO E-COMMERCE IMPACTOS DA PARTILHA DO ICMS NO E-COMMERCE SAMUEL GONSALES COPYRIGHT Copyright 2016 Samuel Gonsales Todos os direitos reservados Nenhuma parte dessa publicação pode ser reproduzida ou transmitida, em qualquer

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Siglas do Pa CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Indicador Nº 2/215 Técnicos Responsáv

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ-UFPR ESTATÍSTICA COMPUTACIONAL CE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ-UFPR ESTATÍSTICA COMPUTACIONAL CE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ-UFPR ESTATÍSTICA COMPUTACIONAL CE 083 Conrado Mattei de Cabane Oliveira GRR 20124694 Daniel Tyszka Júnior GRR 20124667 Prof Walmes Zeviani Análise Exploratória dos dados

Leia mais

Perfil Municipal de Fortaleza. Tema X: A Dinâmica das Classes Sociais na Última Década. Edição Especial. Nº 45 Novembro 2012

Perfil Municipal de Fortaleza. Tema X: A Dinâmica das Classes Sociais na Última Década. Edição Especial. Nº 45 Novembro 2012 Nº 45 Novembro 2012 Edição Especial Perfil Municipal de Fortaleza Tema X: A Dinâmica das Classes Sociais na Última Década 4 1 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de

Leia mais

Hábitos de Consumo Dia dos Namorados 2015

Hábitos de Consumo Dia dos Namorados 2015 Hábitos de Consumo Dia dos Namorados 2015 3 de junho de 2015 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: a sondagem ter por objetivo identificar os hábitos de compras

Leia mais

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Ministério das Comunicações Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD Suplementar 2013 Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular

Leia mais

Quantidade de pedidos registrados por mês

Quantidade de pedidos registrados por mês Relatório de Pedidos de Acesso à Informação e Solicitantes (*) Informações adicionais para o correto entendimento do relatório podem ser encontradas na última seção. Órgão(s) de referência: MinC - Ministério

Leia mais

Carga Tributária dos Combustíveis por Estado. Referência: Junho/2015

Carga Tributária dos Combustíveis por Estado. Referência: Junho/2015 Carga Tributária dos Combustíveis por Estado Referência: Junho/2015 Pontos importantes da Lei 12.741/2012 para a revenda de combustíveis Art. 1º Emitidos por ocasião da venda ao consumidor de mercadorias

Leia mais

ESTADO DO ACRE LEI N. 1.358 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2000.

ESTADO DO ACRE LEI N. 1.358 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2000. LEI N. 1.358 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2000.. Publicado no D.O.E n 7.942 de 09 de janeiro de 2001.. Alterada pela Lei nº 2.956, de 9 de abril de 2015 Institui o Programa de Incentivo Tributário para Empresas,

Leia mais

PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO

PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO Resumo Executivo Pesquisa 2014 APRESENTAÇÃO Pelo terceiro ano consecutivo, o CBCA Centro Brasileiro da Construção em Aço e a ABCEM Associação Brasileira da Construção

Leia mais

VARIAÇÕES DE CALCULOS SIMPLES NACIONAL

VARIAÇÕES DE CALCULOS SIMPLES NACIONAL VARIAÇÕES DE CALCULOS DO SIMPLES NACIONAL 1)Inicio de Atividade-Anexo III Regras para determinação da alíquota: A regra geral é utilizar a receita bruta total acumulada nos 12 (doze) meses anteriores ao

Leia mais

ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil

ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil Wadson Ribeiro Secretário Nacional de Esporte Educacional Ministério do Esporte A DÉCADA DO ESPORTE BRASILEIRO Criação do Ministério

Leia mais

DIAGNÓSTICO DOS INVESTIMENTOS

DIAGNÓSTICO DOS INVESTIMENTOS DIAGNÓSTICO DOS INVESTIMENTOS EM CULTURA NO BRASIL v. 1 Gastos públicos com cultura no Brasil: 1985-1995 Contrato de prestação de serviços que entre si celebram a União Federal, por intermédio da Secretaria

Leia mais

Informe Contfisco IMPORTANTE FECHAMENTO DE BALANÇO ANO BASE 2015

Informe Contfisco IMPORTANTE FECHAMENTO DE BALANÇO ANO BASE 2015 Contfisco Empresa de Contabilidade Ltda Janeiro/2016 Informe Contfisco Se temos que esperar, que seja para colher a semente boa que lançamos hoje no solo da vida. Se for para semear, então que seja para

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Perspectivas da economia / Comprometimento de renda Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para

Leia mais

1. O Novo Plano Nacional de Educação (2011 2020) O antigo Plano Nacional de Educação terminou sua vigência em 2010 e o Novo Plano encontra-se em

1. O Novo Plano Nacional de Educação (2011 2020) O antigo Plano Nacional de Educação terminou sua vigência em 2010 e o Novo Plano encontra-se em 1. O Novo Plano Nacional de Educação (2011 2020) O antigo Plano Nacional de Educação terminou sua vigência em 2010 e o Novo Plano encontra-se em discussão na Câmara dos Deputados (PL 8.035/2010). Até o

Leia mais

Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe. Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER

Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe. Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe Eustáquio Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER RR AP AM PA MA CE RN AC 90 s RO MT TO PI BA PB PE AL SE 80

Leia mais

Percepção da População Brasileira Sobre a Adoção

Percepção da População Brasileira Sobre a Adoção Percepção da População Brasileira Sobre a Adoção Brasília/DF Maio/2008 www.amb.com.br/mudeumdestino www.opiniaoconsultoria.com.br Objetivos Específicos Verificar o grau de consciência e envolvimento da

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS Nota Técnica 7/13 (7 de Maio) Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Núcleo de Assuntos Econômico-Fiscais NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS IMPACTOS DA DIVISÃO DO

Leia mais

file://c:\internet\orientação_substituição_20_10_08.htm

file://c:\internet\orientação_substituição_20_10_08.htm Page 1 of 20 Esclarecimentos relevantes: 1. o presente informativo: INFORMATIVO SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA (atualizado em 20.10.08) a) foi elaborado com base no Regulamento do ICMS de Santa Catarina, em vigor

Leia mais

LOCALIZAÇÃO DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA ESCALA SUBNACIONAL: ÁGUA E ESGOTO

LOCALIZAÇÃO DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA ESCALA SUBNACIONAL: ÁGUA E ESGOTO LOCALIZAÇÃO DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA ESCALA SUBNACIONAL: ÁGUA E ESGOTO Maria da Piedade Morais 1º Seminário Franco-Brasileiro sobre Saúde Ambiental Brasília, 28 de junho de 2011 Objetivos

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CONTRIBUINTES OPTANTES PELO SIMPLES NACIONAL SAULO ROBERTO DA ROCHA E SILVA E FRANCISCO HERMENELUCE VASCO FERNANDES

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CONTRIBUINTES OPTANTES PELO SIMPLES NACIONAL SAULO ROBERTO DA ROCHA E SILVA E FRANCISCO HERMENELUCE VASCO FERNANDES SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CONTRIBUINTES OPTANTES PELO SIMPLES NACIONAL SAULO ROBERTO DA ROCHA E SILVA E FRANCISCO HERMENELUCE VASCO FERNANDES 1. O Monitoramento Fundamentação possibilita: legal O acompanhamento

Leia mais

Os Recursos Financeiros Destinados à. Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal

Os Recursos Financeiros Destinados à. Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal Os Recursos Financeiros Destinados à Educação nos Anos de 2009 e 2010 Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal Agosto de 2011 Contas de Governo - Capítulo 4 (Análise Setorial) Execução

Leia mais

Evolução demográfica 1950-2010

Evolução demográfica 1950-2010 Evolução demográfica 195-1 37 A estrutura etária da população brasileira em 1 reflete as mudanças ocorridas nos parâmetros demográficos a partir da segunda metade do século XX. Houve declínio rápido dos

Leia mais

ORÇAMENTO DA NACIONAL 2002 1

ORÇAMENTO DA NACIONAL 2002 1 ORÇAMENTO DA NACIONAL 2002 1 ORÇAMENTO NACIONAL ANO FISCAL 2002 I. Introdução A Assembléia Ordinária e Extraordinária de 30.10.2001 aprovou o Orçamento para Exercício Financeiro de 2.002, conforme determinam

Leia mais

RELATÓRIO DE MERCADO INDUSTRIAL E LOGÍSTICO

RELATÓRIO DE MERCADO INDUSTRIAL E LOGÍSTICO 2T 2015 BRASIL RELATÓRIO DE MERCADO INDUSTRIAL E LOGÍSTICO PRIMEIRO SEMESTRE ENCERRA COM CRESCIMENTO DA DEMANDA ABAIXO DA MÉDIA DOS ÚLTIMOS ANOS Brasil Indicadores Classe A Acumulado 2015 - Brasil Estoque

Leia mais

ÍNDICE RELATÓRIO SIOR 2012. Pág. 02 NOTÍCIAS 2011/2012. Pág. 03 ANÁLISE DAS DEMANDAS. Pág. 04 GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO. Pág.

ÍNDICE RELATÓRIO SIOR 2012. Pág. 02 NOTÍCIAS 2011/2012. Pág. 03 ANÁLISE DAS DEMANDAS. Pág. 04 GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO. Pág. RELATÓRIO SIOR 2012 ÍNDICE NOTÍCIAS 2011/2012 ANÁLISE DAS DEMANDAS GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO TEMPO DE ATENDIMENTO DEMANDAS CONSIDERADAS PROCEDENTES MAPA DAS PRINCIPAIS DEMANDAS CONSIDERADAS PROCEDENTES

Leia mais

Desvio de Finalidade Papel Imune

Desvio de Finalidade Papel Imune Desvio de Finalidade Papel Imune Compliance com as Leis de Defesa da Concorrência ALERTA: Evitar quaisquer discussões ou conversações sobre temas sensíveis à livre competição entre as empresas associadas,

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (setembro/13) outubro de 2013 Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 227, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 227, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 227, DE 2010. Dispõe sobre o capital mínimo requerido para autorização e funcionamento e sobre planos corretivo e de recuperação

Leia mais

Ref.: Decreto do Estado do Rio de Janeiro nº 44.318 de 07.08.2013 - RJ - ICMS - Substituição tributária - Alterações.

Ref.: Decreto do Estado do Rio de Janeiro nº 44.318 de 07.08.2013 - RJ - ICMS - Substituição tributária - Alterações. Rio de Janeiro, 20 de agosto de 2013 Of. Circ. Nº 210/13 Ref.: Decreto do Estado do Rio de Janeiro nº 44.318 de 07.08.2013 - RJ - ICMS - Substituição tributária - Alterações. Senhor Presidente, Fazendo

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES Brasília, janeiro/2011 Objetivos específicos da pesquisa 2 Avaliar a quantidade e a qualidade da rede credenciada. Avaliar os serviços oferecidos: o Plano CASSI Família

Leia mais

A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO

A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO COM BASE NA LEI Nº 11738 DO PISO NACIONAL NA SUA FORMA ORIGINAL

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 7.841 DE 8 DE AGOSTO DE 1945 CÓDIGO DE ÁGUAS MINERAIS

DECRETO-LEI Nº 7.841 DE 8 DE AGOSTO DE 1945 CÓDIGO DE ÁGUAS MINERAIS DECRETO-LEI Nº 7.841 DE 8 DE AGOSTO DE 1945 CÓDIGO DE ÁGUAS MINERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º - Águas minerais são aquelas provenientes de fontes naturais ou de fontes artificialmente

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF UF Tecnologia Velocidade Quantidade de Acessos AC ATM 12 Mbps a 34Mbps 3 AC ATM 34 Mbps

Leia mais