Ricardo Ratner Rochman FGV-EAESP. William Eid Junior FGV-EAESP

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ricardo Ratner Rochman FGV-EAESP. William Eid Junior FGV-EAESP"

Transcrição

1 INSIDERS CONSEGUEM RETORNOS ANORMAIS?: ESTUDOS DE EVENTOS SOBRE AS OPERAÇÕES DE INSIDERS DAS EMPRESAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DIFERENCIADA DA BOVESPA Rcardo Raner Rochman FGV-EAESP Wllam Ed Junor FGV-EAESP Resumo: O assuno nsder radng é basane polêmco há muo empo, como, exemplo dso se em o Secures Exchange Ac of 934 sobre Insder Tradng nos Esados Undos, e a dscussão connua nos das de hoje com casos como da Ambev e da Marha Sewar em Ese rabalho apresena um conjuno de esudos de evenos realzados sobre as operações com ações da empresa realzadas por nsders com o objevo de deecar reornos excedenes aos esperados, em função do acesso a nformações prvlegadas. O banco de dados é composo por operações realzadas pelos nsders das empresas com ações negocadas na Bovespa, que são classfcadas como de governança corporava dferencada. Foram consaados ndícos de operações realzadas pelos nsders que resularam em reornos excedenes aos esperados esascamene sgnfcavos, como nas compras de ações ordnáras pelos Conroladores, Famlares, e Clubes de Invesmenos; ou pelas vendas de ações preferencas pelos Dreores, Conselheros, Assessores, e Consulores do Conselho.. Inrodução O uso de nformação prvlegada para negocação de íulos e valores mobláros vem sendo assuno de grande dscussão no meo acadêmco e empresaral, prncpalmene em decorrênca de fraudes e escândalos que quesonam os modelos de governança corporava e ncenvos como no caso da empresa de energa Enron em 200 (Palepu e Healy, 2003), e da apresenadora de programas de elevsão Marha Sewar que fo levada a prsão devdo as suas negocações de ações da empresa de boecnologa ImClone em 200, por meo de nformações recebdas dreamene do CEO da empresa Samuel Waksal (Hemnway, 2004). Com o desenvolvmeno do mercado braslero de capas a preocupação, as nvesgações e a dscussão sobre o uso de nformações prvlegadas ambém cresce como no caso da empresa Ambev sob nvesgação da CVM (Proença, 2005) a respeo das negocações realzadas pelos aconsas majoráros e dreção execuva da empresa, anes da fusão da companha com a cervejara belga Inerbrew em Também há o processo admnsravo sanconador CVM no. 8/0 que apurou o uso de nformação prvlegada relaconado ao fao relevane dvulgado pela COPEL em 25/07/0, sobre a possbldade de propcar aos deenores de ações ordnáras da empresa as mesmas condções de negocação que vessem a ser pracadas pelo Esado do Paraná com o BNDESPAR. A dvulgação do fao relevane causou uma elevação de aproxmadamene 4% nos preços das ações ordnáras. Ese processo punu a FAR Faor Admnsração de Recursos e o Sr. Waler Appel, admnsradores de fundos de nvesmeno que negocaram as ações da COPEL com uso de nformação prvlegada, com base na nsrução CVM no. 3/84. Exsem muas defnções para o nsder, aqu consderaremos como nsder em relação a cera empresa oda a pessoa que em acesso a nformações relevanes relavas aos negócos e suação da empresa. Enende-se como nformações relevanes aquelas que podem nflur de modo na coação dos íulos mobláros de emssão da empresa, afeando a decsão dos nvesdores de vender, comprar ou maner esses íulos. Assm sendo, nsder radng é oda operação realzada por um nsder com íulos e valores mobláros de emssão da companha, e em proveo própro, pessoal. A práca de nsder radng não é líco, que a prncípo não passa de uma operação realzada por um nsder, seja ela pessoa físca ou jurídca.

2 Nese rabalho são apresenados um conjuno de esudos de evenos realzados sobre as operações com ações da empresa realzadas por esses agenes (nsders) com o objevo de deecar reornos excedenes (anormas) aos esperados, em função do acesso a nformações prvlegadas. A defnção de nsder nese rabalho será a mesma empregada pelo nsrução 358 de 2002 da CVM, que será apresenada poserormene. O rabalho esá esruurado da segune forma: a seção 2 raa da leraura relaconada com o ema nsder radng, a seção 3 apresena a legslação braslera sobre o ema, a seção 4 dscue a amosra dese rabalho, a seção 5 apresena a meodologa de esudos de evenos, a seção 6 mosra os resulados obdos nos esudos de evenos, a seção 7 relaa as conclusões, a seção 8 relacona as referêncas bblográfcas. 2. Leraura Relaconada Beny (2004) dscue as duas prncpas caegoras de eoras que abordam as quesões sobre o uso de nformações prvlegadas (nsder radng): Teoras de Agênca, como de Jensen e Mecklng (976), que analsam o efeo do nsder radng no conflo de neresses enre aconsas e dreção execuva, se ese po de operação melhora ou pora ese conflo, e como a efcênca da empresa é afeada. Segundo esa lnha de pensameno enconra-se Manne (966) que argumena que o nsder radng despera o empreendedorsmo e novação. Teoras de Mercado, como dscudas em Bhaacharya e Daouk (2002), avalam as mplcações das operações dos nsders na efcênca e negrdade do mercado como um odo, e os seus reflexos nos preços e lqudez dos íulos mobláros. No mesmo rabalho, Beny (2004) examna emprcamene as les e punções relaconadas a práca de nsder radng em uma amosra de 36 países, denre eles o Brasl, e conclu que países com les mas severas sobre nsder radng possuem uma maor dspersão do capal aconáro, mercados de ações mas líqudos, e preços de ações mas nformavos, confrmando assm as eoras de agênca e mercado. Alguns auores, como Georgakopoulos (993), advogam que a probção do nsder radng reduz os cusos de operação, enquano ouros, como Haddock e Macey (986) argumenam que se as operações dos nsders prejudcassem a lqudez, as própras empresas probram al práca. Fshman e Hagery (992) demonsram que o nsder radng causa um pequeno número de nvesdores nformados no mercado, e uma dsrbução desgual da nformação no mercado. Cosa (2002) analsa o modelo de regulação das operações com nformações prvlegadas no mercado de valores mobláros braslero, aravés da avalação do mpaco da le 7.93 de 989 sobre os reornos das operações regsradas na CVM no período de 989 a 99. O rabalho, que fo realzado anes da nsrução 358/02 da CVM, concluu que os nvesdores corporavos não obveram reornos excedenes esascamene sgnfcavos por deer o monopólo das nformações prvlegadas. Mellone (2003) desenvolve um modelo sobre a neração enre nsders e ousders a relação com a deermnação da esruura de conrole de uma frma, e dvulgação de nformações sobre projeos de nvesmeno. Fo concluído por meo do modelo a exsênca de uma relação fore enre a esruura de conrole escolhda e o nível de rsco do projeo escolhdo. Mederos e Masumoo (2004) realzaram um esudo de eveno para examnar os reornos de ações relaconados a emssões públcas por empresas brasleras lsadas na BOVESPA, no período de 992 e Os auores nferram que há presença de nvesdores com nformação prvlegada (conhecmeno prévo da subscrção), que vendem sua posção aconára cerca de rês semanas anes do anúnco, sabendo que o anúnco ransmrá nformação negava sobre o valor da empresa. 2

3 3. Legslação Braslera A dvulgação de faos relevanes, lealdade e o dever de presar nformações de forma a cobr o uso de nformações prvlegadas surgu nas les e de 976 do mercado de capas. Com a nova le das socedades anônmas, le de 200, o uso de nformações prvlegadas passou a ser consderado crme com a segune punção: Ar. 27-D. Ulzar nformação relevane anda não dvulgada ao mercado, de que enha conhecmeno e da qual deva maner sglo, capaz de propcar, para s ou para ourem, vanagem ndevda, medane negocação, em nome própro ou de ercero, com valores mobláros: Pena - reclusão, de (um) a 5 (cnco) anos, e mula de aé 3 (rês) vezes o monane da vanagem líca obda em decorrênca do crme. A preocupação com a ransparênca nas operações e eqüdade de dreos fez com que a Comssão de Valores Mobláros emsse a nsrução 358 em 2002, que aualzou a nsrução 3 de 984, que obrga a dvulgação das operações realzadas por aqueles lgados a admnsração que possuam ou enham acesso a nformação prvlegada, como descro no argo a segur: Ar.. Os dreores, os membros do conselho de admnsração, do conselho fscal e de quasquer órgãos com funções écncas ou consulvas, crados por dsposção esauára, fcam obrgados a comuncar à CVM, à companha e, se for o caso, à bolsa de valores e endade do mercado de balcão organzado nas quas os valores mobláros de emssão da companha esejam admdos à negocação, a quandade, as caraceríscas e a forma de aqusção dos valores mobláros de sua emssão e de socedades conroladas ou conroladoras, que sejam companhas aberas, ou a eles referencados, de que sejam ulares, bem como as alerações em suas posções. o A comuncação deverá coner, no mínmo, as segunes nformações: I - nome e qualfcação do comuncane, ndcando o número de nscrção no Cadasro Naconal de Pessoas Jurídcas ou no Cadasro de Pessoas Físcas; II - quandade, por espéce e classe, no caso de ações, e demas caraceríscas no caso de ouros valores mobláros, além da denfcação da companha emssora; e III - forma, preço e daa das ransações. 2 o Os dreores, os membros do conselho de admnsração, os membros do conselho fscal e os de quasquer órgãos com funções écncas ou consulvas, crados por dsposção esauára, deverão efeuar a comuncação de que raa o capu medaamene após a nvesdura no cargo ou quando da apresenação da documenação para o regsro da companha como abera, e no prazo máxmo de 0 (dez) das após o érmno do mês em que se verfcar aleração das posções por eles dedas, ndcando o saldo da posção no período. 3 o As pessoas nauras menconadas nese argo ndcarão, anda, os valores mobláros que sejam de propredade de cônjuge do qual não esejam separados judcalmene, de companhero(a), de qualquer dependene ncluído em sua declaração anual de mposo sobre a renda, e de socedades conroladas drea ou ndreamene. Deve-se noar que no parágrafo ercero do argo da nsrução 358/02 da CVM, os famlares dos admnsradores e conselheros ambém fcam obrgados a dvulgar as operações realzadas com íulos mobláros, conrbundo assm para o aumeno da ransparênca da empresa, e melhora da sua governança corporava. A CVM vem demonsrando ao mercado o repúdo as nsders que acarream prejuízos aos demas parcpanes do mercado, como se pode perceber pela declaração do presdene da CVM Sr. Marcelo Fernandez Trndade no julgameno do processo admnsravo sanconador 8/0: O nsder radng, a negocação com nformação prvlegada, não dsponível aos demas agenes, nclu-se enre as mas graves nfrações em mercado de capas exaamene porque o subvere naqulo que em de mas fundamenal, que é a confança nos agenes e nas nformações dsponíves. 3

4 Dessa forma, por uma quesão de proporconaldade, raando-se de condua das mas graves, é correo que sejam aplcadas punções graves, como as mulas pecunáras máxmas e a pena de suspensão da auorzação do exercíco da função de admnsrador de carera, proposas pelo voo do Dreor Relaor e por sso endossadas pelos demas membros do Colegado. Os órgãos reguladores do mercado de capas e a legslação braslera procuram cobr e punr o uso de nformações prvlegadas nas operações pelos nsders para ober vanagens frene ao mercado. A legslação promove ambém a comuncação das operações dos nsders para garanr a ransparênca da gesão da empresa. 4. Amosra A amosra ncal é composa pelas empresas de capal abero com ações negocadas na Bovespa, e que são classfcadas como de governança corporava dferencada denros dos níves e 2, e novo mercado. O regulameno e dealhameno das caraceríscas e exgêncas dos níves de governança da Bovespa podem ser enconrados na págna nerne da Bovespa. O período de análse compreende os anos de 2002 (quando enrou em vgor a nsrução 358 da CVM) aé dezembro de Os dados sobre as operações com íulos mobláros realzadas pelos membros dos conselhos e comês, dreção execuva, aconsas conroladores, e famlares de odos eses agenes fo levanada por meo dos formuláros ndvduas de negocação de admnsradores e pessoas lgadas, conforme o argo da nsrução CVM 358/2002, envados mensalmene pelas empresas à CVM, e dvulgados nas págnas da nerne da CVM e Bovespa (nese caso para as empresas com nível de governança dferencada). As empresas que compõem a amosra ncal, classfcadas segundo o nível de governança da Bovespa, são: Nível : Aracruz, Bradesco, Banco Iaú, Bradespar, Brasl Telecom Parcpações, Brasl Telecom, Braskem, Pão de Açúcar (CBD), Cemg, Cedro Cachoera, Herng, Ca. Transmssão Energa Elérca Paulsa, Vale do Ro Doce, Confab, Gerdau, Iausa, Klabn, Mangels, Mealúrgca Gerdau, Perdgão, Randon, Rpasa, Ross Resdencal, Vgor, Sada, Alpargaas, Suzano Baha Sul, Unbanco Holdng, Unbanco, Vooranm Celulose e Papel (VCP), Weg; Nível 2: All Logísca, Celesc, Gol, Marcopolo, Ne, Eleropaulo, Eern, Suzano Peroquímca; Novo Mercado: CCR Rodovas, Sabesp, Naura, CPFL Energa, Dasa, Grendene, Poro Seguro, Submarno, Renar Maçãs Após o levanameno dos relaóros de operações com íulos das empresas conforme a nrução CVM 358/02, as segunes empresas foram reradas da amosra por seus nsders não erem realzado nenhuma operação no período de análse, ou por não erem dvulgado as posções ndvduas em avos da empresa, mas somene as posções consoldadas, não se pode denfcar a pessoa físca ou jurídca que realzou a operação, ou abrram seu capal em 2005: Braskem, Eern, Submarno, Renar Maçãs e Vgor. Seoralmene as empresas da amosra são dsrbuídas de manera quase unforme, com concenração maor nos seores de servços e de mealurga, auomóves e peças, da segune forma: Seor Almenos e comérco 3 Bancos 3 Calçados e êxl 4 Energa 5 Holdngs e parcpações 4 Logísca e ranspores 2 Mealurga, auomóves e peças 9 Papel e celulose 5 Químca e peroquímca 2 Servços 7 Toal geral 44 Empresas Tabela. Número de empresas na amosra por seor de avdade 4

5 O banco de dados levanado para ese rabalho em os segunes dados: nível de governança da empresa, nome da empresa, CPF ou CNPJ do nsder, nome do nsder, qualfcação do nsder, íulo negocado, po de operação, daa da operação, quandade de íulos, preço unáro ou do loe de íulos, volume fnancero, e seor de negócos. 5. Esudos de Evenos A écnca de esudo de evenos pare da hpóese que um deermnado fao, ou eveno, afea o valor da frma, e que esa mudança no valor é refleda aravés de um reorno anormal nas ações da empresa. Dessa forma, o conceo de reorno anormal é um dos mas mporanes no esudo do eveno. Consderando que em cada momeno os preços das ações da empresa e o mercado esão sujeos a uma grande varedade de faores, precsamos escolher um índce de referênca aproprado para conrolar os efeos dos faos não relaconados ao eveno em esudo. Podemos defnr o modelo empírco dos reornos da ação da frma, para os períodos em que o eveno não ocorreu da segune forma: R = B.β + ε R = é o reorno da ação no período ; B β = = é o veor de varáves ndependenes, por exemplo,o reorno da carera de mercado na daa ; é o veor de parâmeros, por exemplo,bea da ação em relação a carera do mercado;e ε = é o ermo aleaóro de méda zero. Para os períodos em que o eveno ocorreu o modelo empírco é da segune forma: R = B. β + FG + ε F = é o veor de caraceríscas da frma nfluencando o mpaco do eveno no processo do reorno da ação; G = é o veor de parâmeros medndo a nfluênca de F na ocorrênca do eveno. Para capurar a mudança do modelo empírco de reornos, usamos o procedmeno proposo por Campbell, Lo e MacKnlay (997), que descrevem os prncpas passos do processo de esudo do mpaco do eveno nos reornos da ação da frma como: defnção do eveno, seleção da amosra, medção do reorno amosral, procedmeno de esmação, procedmeno de ese, resulados empírcos, nerpreação e conclusões. Nese rabalho defnmos como eveno a daa de realzação de compra ou venda de ações ordnáras ou preferencas da empresa, efeuadas por os nsders da organzação (assessor, clube de nvesmenos, membro do conselho, consulor, conrolador, dreora, ou famlar). O período da amosra compreende os anos de 2002 (quando enrou em vgor a nsrução 358 da CVM) aé o fnal de Denro do período da amosra e consderando as empresas com nível de governança corporava dferencada da BOVESPA, enconramos 44 empresas no mercado braslero que aendam a defnção do eveno. No enano, lmamos o esudo àquelas empresas com nsders que fzeram um grande número de operações, e suas ações veram lqudez denro do período da amosra. Assm a amosra fnal dese rabalho é formada pelas 0 empresas segunes, negocadas na BOVESPA, e suas respecvas ações ordnáras (ON) ou preferencas (PN): Gerdau (ON e PN), Banco Iau Holdng (ON e PN), Banco Bradesco (ON e PN), Mealurgca Gerdau (ON e PN), Iaúsa (ON e PN), Sada (ON e PN), Ccr Rodovas (ON), Randon (ON e PN), Rpasa (ON), Weg (ON e PN). Foram oalzadas operações com ações pelos nsders desas 0 empresas no período da amosra, o que corresp a 8,5% do oal de operações realzadas pelos nsders das 44 empresas com nível de governança corporava dferencada da BOVESPA. A fone de dados de dsrbução de dreos e provenos das empresas, assembléas, faos relevanes, fusões, ec.; coações de preços de fechameno das ações ordnáras e preferencas, assm como dos índces Ibovespa e IBrX-00 fo o ssema Economáca. Os evenos de compras e vendas das ações 5

6 pelos nsders foram obdos dos relaóros mensas dvulgados pelas empresas na págna nerne da Comssão de Valores Mobláros (CVM) hp:// Em um esudo de eveno precsamos defnr um período de empo, em que os dados são ulzados para esmar parâmeros dos modelos empregados, o qual denomnamos janela de esmação. Além dese, defnmos um período ao redor para ese do eveno para o modelo escolhdo, que chamamos de janela do eveno. Adoamos uma janela de esmação composa por 70 observações dáras de coações ou reornos de ações. Já a janela do eveno adoada fo de 0 observações anerores, e 60 poserores a daa do eveno, exclusve, como lusrado na fgura abaxo: Eveno (daa 0) compra ou venda de ações das de negocação daa -80 daa -0 daa 60 Janela de esmação Janela do eveno Fgura. Janelas de esmação e do eveno. Deseja-se esar a sgnfcânca dos reornos anormas em uma janela de empo ao redor da daa do eveno, ou esar a hpóese nula de que o valor esperado dos reornos anormas acumulados na janela do eveno é gual a zero. Para dar prossegumeno ao esudo, prmeramene esmamos os reornos anormas, ex-pos, que podem ser obdos aravés da dferença enre os reornos observados da frma na janela do eveno, e o reorno esperado da frma suprdo por um modelo de referênca. Os modelos de esmação dos reornos anormas podem ser dvddos em duas grandes caegoras: modelos esaíscos, que não dependem de argumenação econômco-fnancera; e modelos econômco-fnanceros. Brown e Warner (980, 985) cam os prncpas modelos esaíscos de esmação dos reornos anormas: modelos ajusados à méda; modelos ajusados ao mercado; e modelos ajusados ao rsco e mercado. Kloeckner (995) mosra que os rês modelos esaíscos apresenam resulados smlares na esmação dos reornos anormas. Campbell, Lo e MacKnlay (997) apresenam os prncpas modelos econômcos fnanceros, que se baseam em modelos de apreçameno como o CAPM (Capal Asse Prcng Model) ou o APT (Arbrage Prcng Theory). Nese rabalho esmaremos os reornos anormas usando o modelo ajusado ao mercado, e o ajusado ao rsco e mercado, que chamaremos de modelo ajusado ao rsco. O mercado aconáro braslero nese esudo será represenado por dos índces de mercado: (a) Índce da Bolsa de Valores de São Paulo (Ibovespa) de fechameno, calculado pela BOVESPA; e (b) Índce Brasl (IBrX-00) de fechameno, calculado pela BOVESPA, e composo pelas 00 ações mas líqudas do mercado. No modelo de reornos ajusados ao mercado, os reornos anormas são esmados pela dferença enre o reorno da ação e o reorno da carera de mercado no mesmo período. Desa forma, são deermnados, para cada ação, os reornos anormas no período analsado. Assm, o reorno anormal da ação em uma daa é dado por: AR = R R m AR = reorno anormal da ação na daa ; R = reorno da ação na daa ; Rm = reorno do mercado na daa. Os reornos dáros são obdos aravés de coações dáras de fechameno dos preços das ações que compõem a amosra, e calculados da segune forma: 6

7 R ( P ) ln( P ) = ln R = reorno da ação na daa ; P = coação de fechameno do preço da ação na daa. O modelo de reornos ajusados ao rsco e ao mercado em como premssa que os reornos anormas das ações são observados pela dferença enre os reornos ndvduas observados, e os reornos calculados aravés um modelo de faor smples. O modelo de faor smples é esmado ulzando os dados da janela de esmação, e uma regressão lnear por meo de mínmos quadrados ordnáros. Desa forma, os reornos anormas são dados por: AR = R α + β R ( ) m AR = reorno anormal da ação na daa ; R = reorno da ação na daa ; α = coefcene lnear da regressão da ação em relação ao reorno do mercado; β = coefcene angular da regressão da ação em relação ao reorno do mercado; Rm = reorno do mercado na daa. Os reornos excedenes, ou anormas, são enão acumulados nas janelas de eveno, na varável reorno anormal médo acumulado (CAR), da segune forma: 2 N AR = = N CAR a = AR = reorno anormal da ação na daa ; N = número de ações na amosra ou sub - amosra; = daa ncal da janela; 2 = daa fnal da janela. Para esar o reorno anormal médo ulzamos a segune esaísca: N AR = N AR Tese = = N N 2 2 ˆ σ ˆ σ N N AR AR N = N = = reorno anormal da ação na reorno anormal médo na daa ; daa ; número de ações na amosra ou sub - amosra; = número de evenos para cada daa no período do eveno; ˆ σ 2 = varânca esmada dos resíduos para cada empresa denro do período de esmação. Para esar o reorno anormal acumulado ulzamos a segune esaísca: = = 7

8 Tese = CAR N a 2 N 2 = ~ 2 σ CAR = AR N = = reorno anormal médo acumulado; reorno anormal médo na daa ; número de ações na amosra ou sub - amosra; N = número de evenos para cada daa no período do eveno; ~ 2 σ = varânca esmada dos resíduos para cada empresa denro do período Os eses são realzados com a amosra de 0 empresas e as nsders nos anos de 2002, 2003, e 2004, e as segunes operações e condções são esadas conforme a abela abaxo usando-se o Ibovespa (análses a, 2a, 3a, ec.) e o IBrX-00 (análses b, 2b, 3b, ec.): Análse Compr a ON Venda ON Compr a PN Venda PN Mas de uma operação na daa Dreora, Conselho, Assessor e Consulor Conrolador, Famlar, Clube de Invesmeno Daas que não concdem com dreos das ações a 2. Daas que não concdem com evenos da empresa Exclusão das operações denro do período de 66 das X X X X 2 X X 3 X X 4 X 5 X 6 X 7 X 8 X X 9 X X 0 X X X X 2 X X 3 X X 4 X X 5 X X 6 X X 7 X X 8 X X 9 X X 20 X X 2 X X 22 X X 23 X X 24 X X 25 X X 26 X X 27 X X 28 X X X 29 X X X 30 X X X 3 X X X 32 X X X X 33 X X X X 34 X X X X 35 X X X X Tabela 2. Esudos de evenos e análses realzados 8

9 Aravés deses eses procuramos denfcar se o eveno de compra ou venda de ações pelos nsders gera um reorno excedene ou anormal nas coações das empresas da amosra. As análses de números 20 aé 3 excluem da amosra dsrbução de provenos e dreos (subscrção, dvdendos, bonfcações, juros sobre o capal própro, grupameno e desdobrameno) sobre as ações da empresa, ou o anúnco de faos relevanes, assembléas, fusões e aqusções, parceras, mudança de dreora, que podem afear os resulados dos esudos de evenos de operações dos nsders. As análses de números 32 aé 35 excluem da amosra a dsrbução de provenos e dreos, os anúncos de faos relevanes aos negócos da empresa, e ambém as operações que não veram ao menos 66 das (aproxmadamene 3 meses) de dsânca enre s. Esa exclusão é necessára para solar o eveno esudado, e reduzr o mpaco de evenos que podem se confundr uns com os ouros, conforme documenado por Foser (980). 6. Resulados Obdos As análses feas com o Ibovespa como índce de mercado não geraram resulados muo dferenes das realzada com o IBrX-00, por sso em alguns casos, como na Tabela 3, mosraremos somene os resulados das análses consderando ese úlmo como índce de mercado. Os resulados provenenes dos reornos anormas ajusados ao rsco mosraram-se mas robusos que os ajusados somene ao mercado, por sso focamos os resulados nos prmeros. Também mosramos a segur as abelas e gráfcos dos eses que veram um p-valor de no máxmo 25%, sendo que os demas podem ser enconrados no apêndce dese rabalho. A abela abaxo resume os resulados enconrados dos eses realzados: Análse Compra ON Venda ON Compra PN Venda PN Mas de uma operação na daa Dreora, Conselho, Assessor e Consulor Conrolador, Famlar, Clube de Invesmeno Daas que não concdem com dreos das ações Daas que não concdem com evenos da empresa Exclusão das operações denro do período de 66 das Reornos anormas enconrados nas daas (% sgnfcânca) Resulados Reorno anormal acumulado X X X X -2 (0%) e - (5%) não sgnfcavo 2 X X + (5%) e +6 (5%) período 0 a + (5%) 3 X X - (5%) não sgnfcavo 4 X + (5%) período 0 a + (5%) 5 X +2 (5%), +6 (0%) não sgnfcavo 6 X não sgnfcavo não sgnfcavo 7 X -2 e - (%), 0 (5%) período -0 a - (5%) 8 X X 0 (20%), + (0%) período 0 a + (5%) 9 X X + (5%), +2 e +6 (0%) não sgnfcavo 0 X X +7 (5%) não sgnfcavo X X -2 e - (%), 0 (5%) não sgnfcavo 2 X X não sgnfcavo não sgnfcavo 3 X X +2 e + (5%), +6 (%) não sgnfcavo 4 X X não sgnfcavo não sgnfcavo 5 X X -2, -, e 0 (%) período -0 a - (5%) 6 X X + (20%), +2 (0%) período -0 a - (25%) 7 X X +2 (0%) não sgnfcavo 8 X X não sgnfcavo não sgnfcavo 9 X X - (5%) não sgnfcavo 20 X X não sgnfcavo não sgnfcavo 2 X X +2 (5%) não sgnfcavo 22 X X não sgnfcavo não sgnfcavo 23 X X -2 e - (%), 0 (5%) não sgnfcavo 24 X X + (5%) período 0 a + (5%) 25 X X +2 (5%) não sgnfcavo 26 X X não sgnfcavo não sgnfcavo 27 X X -2 e - (%), 0 (5%) período -0 a - (20%) 28 X X X -2 (20%), +9 (0%) período 0 a + (25%) 29 X X X +2 (5%) não sgnfcavo 30 X X X não sgnfcavo não sgnfcavo 3 X X X -2 e - (%), 0 (5%) não sgnfcavo 32 X X X X -2 (20%) não sgnfcavo 33 X X X X +2 (5%), +3 (0%) não sgnfcavo 34 X X X X 0 (25%) não sgnfcavo 35 X X X X -3(5%), +2(5%) não sgnfcavo Tabela 3. Resumo dos resulados obdos nos esudos de evenos 9

10 Noamos na Tabela 3, que as compra de ações ordnáras realzadas pelos nsders veram um reorno anormal médo acumulado sgnfcavo na própra daa do eveno e no da segune ao eveno de operação de compra, como consaado nas análses 4, 8, 24 e 28. Nesas análses, reorno anormal médo acumulado enre a daa 0 e + é devdo em grande pare ao reorno anormal médo na daa + que se mosrou sgnfcavo. O reorno anormal médo acumulado resulane pode er sdo causado pelo aumeno da lqudez dado às ações ordnáras pelas operações de compras, ou a concdênca das compras com dsrbução de provenos e dreos aos aconsas, pos quando excluímos as operações cujas daas concdem com a dsrbução o reorno anormal médo acumulado dexar de ser sgnfcavo, como consaado pela análse 20. Nas compras de ações ordnáras pelos Conroladores, Famlares, e Clubes de Invesmenos (forma de negocação de ações escolhda por alguns conroladores das empresas) vemos reorno anormal médo acumulado sgnfcavo nos 0 das anerores as operações (análse 6), e reorno anormal médo sgnfcavo nos 2 das segunes às compras, ndcando no prmero momeno que eses nsders efeuaram compras em função de um bom desempenho passado, que se maneve ou recebeu um apoo em função das compras na daa zero do eveno. A sgnfcânca das compras de ações ordnáras pelos Conroladores, Famlares, e Clubes de Invesmenos ndca um omsmo da pare de quem conrola a empresa, ou a possbldade do uso de nformações prvlegadas, prncpalmene pelo reorno anormal médo sgnfcavo nos 2 das segunes a compra. Nesa análse a preferênca por compras de ações ordnáras pelos Conroladores, Famlares, e Clubes de Invesmenos se dá pela chance de aumenar sua parcpação no conrole da empresa de uma foma mas baraa. Noamos na Tabela 3, que as venda de ações preferencas realzadas pelos nsders veram um reorno anormal médo acumulado sgnfcavo nos 0 das anerores a daa do eveno de operação de venda, como consaado nas análses 7, 5 e 27. Nesas análses, reorno anormal médo acumulado enre as daas -0 e - é devdo em grande pare ao reorno anormal médo nas daas -2 e - que se mosrou sgnfcavo. O reorno anormal médo acumulado resulane pode er sdo causado por uma grande valorzação das ações, ou a concdênca das vendas com dsrbução de provenos e dreos aos aconsas, pos quando excluímos as operações cujas daas concdem com a dsrbução o reorno anormal médo acumulado dexar de ser sgnfcavo, como consaado pela análse 23, mas anda persse o reorno anormal médo sgnfcavo na daa do eveno de venda. Nas vendas de ações preferencas pelos Dreores, Conselheros, Assessores, e Consulores do Conselho vemos reorno anormal médo acumulado sgnfcavo nos 0 das anerores as operações (análse 5), e reorno anormal médo sgnfcavo nos 2 das anerores às vendas e na própra daa da venda, ndcando que eses nsders efeuaram vendas porque os preços das ações esavam alos, ou sabam anecpadamene de algum fao relevane ou dsrbução de provenos ou dreos que afearam de forma negava os preços das ações. Iso pode ser consaado pelo reorno anormal médo sgnfcavo nos das -2, - e 0 em relação a daa da venda, exbdo nas análses 23, 27 e 3. A venda de ações preferencas dos Dreores, Conselheros, Assessores, e Consulores do Conselho em sua preferênca devdo a maor lqudez dese po de ação no Brasl, e o fao delas não possuírem dreo ao voo e assm não afearem a parcela de conrole que eses nsders possuem. As compra de ações preferencas e de venda de ações ordnáras não apresenaram nenhum reorno anormal médo acumulado sgnfcavo. No enano, algumas desas operações apresenaram reorno anormal médo sgnfcavo em algum da próxmo ao eveno. Como vemos na Tabela 4 e na Tabela 5, há uma grande quandade de compra e venda de ações ao redor das daas de dsrbução de provenos ou dreos, e de anúnco de faos relevanes sobre a empresa. Especalmene nas daas de dsrbução de provenos ou dreos sobre ações a méda de compra é maor que a méda geral das ouras daas, enquano que nas daas de anúnco de faos relevanes é a méda de venda que é maor que a méda geral das ouras daas. A grande quandade de compra e venda ao redor das daas de dsrbução de provenos ou dreos, e de anúnco de faos relevanes sobre a empresa, pode conamnar os esudos de eveno analsados conforme Foser (980). Assm sendo, para solar os evenos ( compra e venda) de movmenos de operações provenenes de ouros 0

11 aconecmenos da empresa, e da nerferênca de operações próxmas enre s, foram realzadas as análses de números 32 aé 35 consderaram as operações que veram ao menos 66 das enre s. Esas análses não apresenaram reorno anormal médo acumulado sgnfcavo para as operações de compra e venda ano para ações ordnáras como preferencas, ndcando que os resulados dscudos anerormene podem er sofrdo nfluêncas de noícas ou dsrbuções realzadas pela empresa, bem como de ouras operações realzadas pelos nsders. Daa em relação a dsrbução de provenos ou dreos compra de ações venda de ações -22 5,56 3,50-2 4, 2, ,67 2,06-9 3,06 0,72-8 4,6,44-7 3,89 3,94-6 3,6 2,72-5,89,78-4 4,6,50-3 4,44,50-2 4,72 3,33-2,94 2,7-0,56 4,06-9 2,56 4, -8 2,78 0,94-7 3,33 2,56-6 3,39 2,44-5 2,72 3,50-4 2,78,28-3 5,7,22-2 3,56 0,44-2,44 0,56 0 3,94,33 8,6,44 2 5,39 3,6 3 4,44 4,89 4 3,28 2,56 5 2,39 5,00 6 3,78,22 7 5,33,56 8 4,28 5, 9 3,94 5,67 0 3,33 7,22 2,06 4,83 2 2,00 2,22 3 2,50 5,50 4 2,56 3,22 5 3,67 2,50 6 3,94 2,28 7 3,50 2,56 8 2,72 3,33 9 3,00, ,56 0,67 2 4,94 2, ,22 2,78 Méda de operações 3,77 2,69 Desvo padrão,33,56 Maor méda dára 8,6 7,22 Tabela 4. Méda de operações com ações ao redor da daa de dsrbução de provenos ou dreos Daa em relação a ao anúnco de faos relevanes compra de ações venda de ações -22 2,00 2,72-2 4,56 3,7-20 4,83 2,44-9 4,7 5,00-8 5,78 4,50-7 5,39 5,22-6 7,00 8,06-5 6,89 3,00-4 5,7 2, -3 3,50 2,89-2 6,67 3,7-3,72,22-0 4,94, -9 5,67 0,72-8 6,50,39-7 9,72 2,89-6 5,50 0,94-5 3,67 0,94-4 4,28 3,89-3 3, 2,28-2 3,83 0,67-4,89 2,7 0 2,78 5,56 2,83 2,33 2 2,78 4,44 3 2,50 2,6 4 2,83 2,50 5 3,00 0,94 6 2,56 2, 7 2,39 3,89 8 3,72 4,67 9 4,89 2,6 0 4,78 3,56 3,06 2,39 2 4,22 4, 3 2,56 2,72 4 4,94 4,06 5 4,06 4,28 6 4,67 3,50 7 5,67 3,44 8 6,44 2,22 9 2,83,83 20,94,67 2 2,89 2, 22 8,50,94 Méda de operações 4,4 2,89 Desvo padrão,72,48 Maor méda dára 9,72 8,06 Tabela 5. Méda de operações com ações ao redor da daa de anúnco de faos relevanes Na Tabela 6 consaamos que quando se raa de dsrbução de provenos ou dreos a méda de compras é superor às venda ao nível de sgnfcânca de % (esaísca gual a 3,53), ndcando maores benefícos ou perspecvas quano aos negócos da empresa. O mesmo resulado ocorre no anúnco de algum fao relevane da empresa ambém ao nível de sgnfcânca de % (esaísca gual a 4,49). Já a quandade méda de compra quando do anúnco de algum fao relevane é superor a méda da daa de dsrbução de provenos

12 ou dreos ao nível de sgnfcânca de 5% (esaísca gual a,97), ndcando que as noícas de faos relevanes endem a ser mas posvas do que as dsrbuções de dreos das ações. Do pono de vsa de vendas de ações, as médas não são sgnfcavamene dferenes para os casos de anúnco de fao ou de dsrbução de provenos ou dreos. Comparação das médas dáras das compras e vendas de ações (esaísca ) Daa em relação a dsrbução de provenos ou dreos Daa em relação a ao anúnco de faos relevanes compra de ações venda de ações compra de ações venda de ações Daa em relação a dsrbução de provenos ou dreos compra de ações méda de compras maor do que de vendas (=3,53) venda de ações méda de compras maor do que de vendas (=3,53) méda dos faos méda dos faos maor do que da maor do que da dsrbução (=,97) dsrbução (=4,97) méda da dsrbução maor do que dos faos (=2,97) médas não sgnfcavamene dferenes (=0,6) Daa em relação a ao anúnco de faos relevanes compra de ações méda dos faos maor do que da dsrbução (=,97) méda dos faos maor do que da dsrbução (=4,97) méda de compras maor do que de vendas (=4,49) venda de ações méda da dsrbução maor do que dos faos (=2,97) médas não sgnfcavamene dferenes (=0,6) méda de compras maor do que de vendas (=4,49) Tabela 6. Comparação das médas dáras de operações realzadas aos redor de dsrbuções ou faos relevanes Esudos de Pra e DeVere (970), Nunn e al. (983), e Rozeff e Zaman (988) concluem que as compras dos nsders possuem maor coneúdo nformaconal do que as de vendas. Enquano as pesqusas de Ln e Howe (990), Eckbo e Smh (998), e Bel Bro e al. (200) chegam a resulados conráros. Nese rabalho vemos que as compras de ações ordnáras dos nsders relaconados aos conroladores possuem mas coneúdo nformaconal, assm como as vendas das ações preferencas dos nsders lgados a dreora execuva da empresa. 7. Comenáros Fnas O assuno nsder radng é basane polêmco há muo empo, como, exemplo dso se em o Secures Exchange Ac of 934 sobre Insder Tradng nos Esados Undos, e a dscussão connua nos das de hoje com casos como da Ambev e da Marha Sewar em Ese rabalho apresena os esudos de evenos sobre as operações realzadas pelos nsders das empresas com ações negocadas na Bovespa, que são classfcadas como de governança corporava dferencada. Os dados aqu apresenados mosram que os nsders, como defndos pela nsrução CVM 358 de 2002, são agenes basane avos no mercado de capas braslero. O perfl das operações com íulos ransaconados pelos nsders nfere que a dreora vende mas íulos do que compra, ao conráro dos conroladores e conselheros; que os nsders das empresas do nível, de menores exgêncas e resrções de governança, são mas avos em operações no mercado do que seus pares nas empresas de nível de governança maor. Também mosramos que as compra de ações ordnáras, e as de venda de ações preferencas, realzadas pelos nsders apresenaram um reorno anormal (excedene ao esperado) médo acumulado sgnfcavo, fornecendo assm ndícos de operações realzadas com nformações prvlegadas. Iso é reforçado pelo reorno anormal médo acumulado sgnfcavo no prmero da segune e nas própras daas das as compras de ações ordnáras pelos Conroladores, Famlares, e Clubes de Invesmenos; ou pelas vendas de ações preferencas pelos Dreores, Conselheros, Assessores, e Consulores do Conselho vemos reorno anormal médo acumulado sgnfcavo nos 0 das anerores as operações. Como conseqüênca deses resulados podemos refuar a hpóese fore de efcênca de mercado. As 2

13 compra de ações preferencas e de venda de ações ordnáras não apresenaram nenhum reorno anormal médo acumulado sgnfcavo. No enano, algumas desas operações apresenaram reorno anormal médo sgnfcavo em algum da próxmo ao eveno. Quando solamos de forma abrangene os movmenos de operações provenenes de ouros aconecmenos da empresa, e da nerferênca de operações próxmas enre s, as análses efeuadas não apresenaram reorno anormal médo acumulado sgnfcavo para as compra e venda ano para ações ordnáras como preferencas, ndcando que os resulados dscudos podem er sofrdo nfluêncas de noícas ou dsrbuções realzadas pela empresa, bem como de ouras operações realzadas pelos nsders. Os dados aqu exbdos sucam mas pergunas e esudos fuuros a serem pesqusados ano pelo mundo acadêmco com pelos reguladores do mercado de capas, prncpalmene pelo crescmeno do mercado aconáro que se vem sdo percebdo no Brasl nos úlmos anos, como a aberura de capal de empresas de odos os pores e seores como, por exemplo, a Gol Lnhas Aéreas em 2004, da Renar Maças no níco de 2005, e da COSAN no fnal de Referêncas Bblográfcas BENY, L.N. A comparave emprcal nvesgaon of agency and marke heores of nsder radng. John M. Oln Cener form Law & Economcs, Research Paper, n , feb Dsponível em <hp://ssrn.com/absrac=93070>. Acesso em: 05 dez BHATTACHARYA, U.; DAOUK, H. The World Prce of Insder Tradng. Journal of Fnance, v.57, n., p.75-08, BROWN, S.; WARNER, J. Usng Daly Sock Reurns: The case of Even Sudes, Journal of Fnancal Economcs, v. 4, p.3-3, 985. CAMPBELL, J.; LO, A W.; MACKINLAY, A. The Economercs of Fnancal Markes. New Jersey: Prnceon Unversy Press, 997. COSTA, G.N. da. A regulação das compra e venda de valores mobláros com base em nformações prvlegadas: O caso braslero Dsseração (Mesrado em Economa) Escola de Pós-Graduação em Economa da Fundação Geúlo Vargas, Ro de Janero, DEL BRIO, E.B.; MIGUEL, A.; PEROTE, J. Insder radng n he spansh sock marke. EFMA 200 Lugano Meengs. hp://ssrn.com/absrac=2670, 200. ECKBO, B.; SMITH, D.C. The condonal performance of nsder rades. Journal of Fnance, v.53, n.2, p , 998.FISHMAN, M.; HAGERTY, K. Insder Tradng and he Effcency of Sock Prces. Rand Journal of Economcs, v.23, p.06, 992. FOSTER, G. Accounng Polcy Decsons and Capal Marke Research. Journal of Accounng and Economcs, v.2, p.29-62, 980. GEORGAKOPOULOS, N. Insder Tradng as a Transaconal Cos: A Marke Mcrosrucure Jusfcaon and Opmzaon of Insder Tradng Regulaon, v.26, n., 993. HADDOCK, D.; MACEY, J. A Coasan Model of Insder Tradng. Norhwesern Unversy Law Revew, v. 80, p.449, 986. HEMINWAY, J.M. Save Marha Sewar? Observaons abou equal jusce n U.S. nsder radng regulaon. Texas Journal of Women and he Law, v. 2, p , Dsponível em <hp://ssrn.com/absrac=489005>. Acesso em: 0 dez Insrução 3 de 984 da CVM. Dsponível em <hp:// Acesso em: 08 jan Insrução 358 de 2002 da CVM. Dsponível em <hp:// ld>. Acesso em: 08 jan

14 JENSEN, M.C.; MECKLING, W.H. Theory of he Frm: Manageral Behavor, Agency Coss and Ownershp Srucure. Journal of Fnancal Economcs, v.3, p , 976. KLOECKNER, G. Esudos de Eveno: A análse de um méodo, Revsa Braslera de Admnsração Conemporânea. v., n.2, se., p , 995. LIN, J.; HOWE, J.S. Insder radng n he OTC marke. Journal of Fnance, v.55, n.4, p , 990. MANNE, G. Insder Tradng and he Sock Marke. New York: The Free Press, 966. MEDEIROS, O.R. de; MATSUMOTO, A.S. Emssões públcas de ações, volaldade e nsder nformaon na Bovespa. In: ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, Anas elerôncos...curba: ANPAD, 2004, CD-ROM. MELLONE JR., G. Ineração enre nsders e ousders e a deermnação da esruura de conrole. In: ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, Anas elerôncos...abaa: ANPAD, 2003, CD-ROM. NUNN, K.; MADDEN, G; GOMBOLA, M. Are some nsders more nsde han ohers? Journal of Porfolo Managemen, v.9, p.8-22, 983. Níves de Governança da Bovespa. Dsponível em <hp:// Acesso em: 02 mar PALEPU, K.; HEALY, P.M. The Fall of Enron. Journal of Economc Perspecves, v.7, n.2, sprng Dsponível em <hp://ssrn.com/absrac=47840>. Acesso em: 0 dez PRATT, S.P.; DeVERE, C.W. Relaonshp beween nsder radng and raes of reurn for NYSE common socks, n LORIE, J.H.; BREALEY, R. ed. Modern Developmens n Invesmen Managemen. New York: Praeger Publshers, 970. PROENÇA, J.M.M. Insder Tradng Regme Jurídco do Uso de Informações Prvlegadas no Mercado de Capas. São Paulo: Edora Quarer Lan, ROZEFF, M.; ZAMAN, M. Marke effcency and nsder radng: new evdence. Journal of Busness, v.6, n., p.25-44,

CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013. Padrão. Padrão. max i. I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4.

CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013. Padrão. Padrão. max i. I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4. CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013 Esabelece os procedmenos para o cálculo da parcela dos avos ponderados pelo rsco (RWA) referene às exposções sueas à varação de axas de uros prefxadas denomnadas

Leia mais

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. ECONOMETRIA Prof. Parca Mara Borolon. Sc. Modelos de ados em Panel Fone: GUJARATI;. N. Economera Básca: 4ª Edção. Ro de Janero. Elsever- Campus 006 efnções Geras Nos dados em panel a mesma undade de core

Leia mais

Análise do Desempenho dos Gestores de Fundos, baseada nas Transações e nas Participações das Carteiras

Análise do Desempenho dos Gestores de Fundos, baseada nas Transações e nas Participações das Carteiras Vâna Sofa Sequera Umbelno Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Dsseração de Mesrado apresenado à Faculdade de Economa da Unversdade de Combra

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO E EMPRESAS DE SÃO PAULO GVPESQUISA RICARDO RATNER ROCHMAN

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO E EMPRESAS DE SÃO PAULO GVPESQUISA RICARDO RATNER ROCHMAN FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO E EMPRESAS DE SÃO PAULO GVPESQUISA RICARDO RATNER ROCHMAN INSIDER TRADING E GOVERNANÇA CORPORATIVA: O PERFIL E PRÁTICA DOS INSIDERS DE EMPRESAS DE GOVERNANÇA

Leia mais

ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO

ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO TUTORIAL Marcos Anôno de Camargos Admnsrador de Empresas, MBA em Gesão Esraégca (Fnanças), Mesre em Admnsração pelo NUFI/CEPEAD/FACE/UFMG e Professor do Cenro

Leia mais

CAPÍTULO 1 REPRESENTAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS. Sistema monovariável SISO = Single Input Single Output. s 1 s 2. ... s n

CAPÍTULO 1 REPRESENTAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS. Sistema monovariável SISO = Single Input Single Output. s 1 s 2. ... s n 1 CAPÍTULO 1 REPREENTAÇÃO E CLAIFICAÇÃO DE ITEMA 1.1. Represenação de ssemas 1.1.1. semas com uma enrada e uma saída (IO) e sema monovarável IO = ngle Inpu ngle Oupu s e = enrada s = saída = ssema 1.1..

Leia mais

MARKOV SWITCHING CAPM: UMA ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO DAS EMPRESAS GAÚCHAS EM RELAÇÃO AO MERCADO EM DIFERENTES AMBIENTES DE RISCO

MARKOV SWITCHING CAPM: UMA ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO DAS EMPRESAS GAÚCHAS EM RELAÇÃO AO MERCADO EM DIFERENTES AMBIENTES DE RISCO MARKOV SWITCHING CAPM: UMA ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO DAS EMPRESAS GAÚCHAS EM RELAÇÃO AO MERCADO EM DIFERENTES AMBIENTES DE RISCO Pedro Tonon Zuanazz 1 Marcos Vnco Wnk Junor 2 Resumo Um dos prncpas

Leia mais

3 Planejamento da Operação Energética no Brasil

3 Planejamento da Operação Energética no Brasil 3 Planeameno da Operação Energéca no Brasl 3.1 Aspecos Geras O ssema elérco braslero é composo por dos dferenes pos de ssemas: os ssemas solados, os quas predomnam na regão Nore do Brasl e represenam cerca

Leia mais

2 Programação Matemática Princípios Básicos

2 Programação Matemática Princípios Básicos Programação Maemáca Prncípos Báscos. Consderações Geras Os objevos dese capíulo são apresenar os conceos de Programação Maemáca (PM) necessáros à compreensão do processo de omzação de dmensões e descrever

Leia mais

ANEXO III. Nota Técnica nº 148/2010-SRE/ANEEL Brasília, 24 de maio de 2010.

ANEXO III. Nota Técnica nº 148/2010-SRE/ANEEL Brasília, 24 de maio de 2010. ANEXO III Noa Técnca nº 148/21-SRE/ANEEL Brasíla, 24 de mao de 21. M E T O D O L O G I A E Á L U L O D O F A T O R X ANEXO II Noa Técnca n o 148/21 SRE/ANEEL Em 24 de mao de 21. Processo nº 485.269/26-61

Leia mais

S&P Dow Jones Indices: Metodologia da matemática dos índices

S&P Dow Jones Indices: Metodologia da matemática dos índices S&P Dow Jones Indces: Meodologa da maemáca dos índces S&P Dow Jones Indces: Meodologa do índce Ouubro 2013 Índce Inrodução 3 Dferenes varedades de índces 3 O dvsor do índce 4 Índces ponderados por capalzação

Leia mais

ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR MEIO DOS MODELOS CAPM NÃO-CONDICIONAL E CAPM CONDICIONAL

ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR MEIO DOS MODELOS CAPM NÃO-CONDICIONAL E CAPM CONDICIONAL ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR EIO DOS ODELOS CAP NÃO-CONDICIONAL E CAP CONDICIONAL (Cos of equy analyss n Brazl: Non-Condonal CAP and Condonal CAP) Lumla Souza Grol 1 1 Unversdade Federal

Leia mais

EFEITOS DA MIGRAÇÃO PARA OS NÍVEIS DE GOVERNANÇA DA BOVESPA

EFEITOS DA MIGRAÇÃO PARA OS NÍVEIS DE GOVERNANÇA DA BOVESPA EFEITOS DA MIGRAÇÃO PARA OS NÍVEIS DE GOVERNANÇA DA BOVESPA TRABALHO PREPARADO PARA A BOVESPA Anono Gledson de Carvalho (esa versão: Janero/23) RESUMO Muo em-se ressalado sobre a mporânca de uma boa governança

Leia mais

DINÂMICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS COM O FILTRO DE KALMAN

DINÂMICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS COM O FILTRO DE KALMAN XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DINÂICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COODITIES AGRÍCOLAS CO O FILTRO DE KALAN Flávo Pnhero Corsn (POLI-USP) flavo.corsn@gmal.com Celma de Olvera Rbero (POLI-USP)

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMPÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMPÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO AULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO SÃO AULO 28 THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMÍRICOS DA EFICIÊNCIA

Leia mais

ipea COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA

ipea COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA Paulo Mansur Levy Mara Isabel Fernans Serra Esa noa em como objevo dvulgar resulados relavos ao comporameno das exporações e mporações produos ndusras

Leia mais

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil BBR - Brazlan Busness Revew E-ISSN: 1807-734X bbronlne@bbronlne.com.br FUCAPE Busness School Brasl Fausno Maos, Paulo Rogéro; Texera da Rocha, José Alan Ações e Fundos de Invesmeno em Ações: Faores de

Leia mais

Análise comparativa e teste empírico da validade dos modelos CAPM tradicional e condicional: o caso das ações da Petrobrás

Análise comparativa e teste empírico da validade dos modelos CAPM tradicional e condicional: o caso das ações da Petrobrás Análse comparava e ese empírco da valdade dos modelos capm radconal e condconal: o caso das ações da Perobrás Análse comparava e ese empírco da valdade dos modelos CAPM radconal e condconal: o caso das

Leia mais

Índice de Preços Imobiliários para o Brasil: Estudos para Discussão

Índice de Preços Imobiliários para o Brasil: Estudos para Discussão Mnséro do Planejameno, Orçameno e Gesão Insuo Braslero de Geografa e Esaísca IBGE Dreora de Pesqusas Coordenação de Índces de Preços Ssema Naconal de Índces de Preços ao Consumdor SNIPC Índce de Preços

Leia mais

Arbitragem na Estrutura a Termo das Taxas de Juros: Uma Abordagem Bayesiana

Arbitragem na Estrutura a Termo das Taxas de Juros: Uma Abordagem Bayesiana Arbragem na Esruura a ermo das axas de Juros: Uma Abordagem Bayesana Márco Pole Laurn Armêno Das Wesn Neo Insper Workng Paper WPE: / Copyrgh Insper. odos os dreos reservados. É probda a reprodução parcal

Leia mais

Agosto / 2014 Versão 2.16

Agosto / 2014 Versão 2.16 Agoso / 4 Versão.6 Todos os dreos reservados. Nenhuma pare dessa obra pode ser reproduzda em qualquer forma ou meo, seja elerônco, mecânco, de foocópa, ec, sem permssão do Safra, deenor do dreo auoral.

Leia mais

Avaliação Inter/Intra-regional de absorção e difusão tecnológica no Brasil: Uma abordagem não-paramétrica. AUTORES.

Avaliação Inter/Intra-regional de absorção e difusão tecnológica no Brasil: Uma abordagem não-paramétrica. AUTORES. Avalação Iner/Inra-regonal de absorção e dfusão ecnológca no Brasl: Uma abordagem não-paramérca. Palavras chave: Efcênca écnca Produvdade oal Varação ecnológca AUTORES Emerson Marnho ouor em Economa pela

Leia mais

1. Introdução. B = S = Valor presente esperado dos superávits futuros (1) P

1. Introdução. B = S = Valor presente esperado dos superávits futuros (1) P . Inrodução A vsão radconal da deermnação do nível de preços é baseada na eora Quanava da Moeda. Segundo essa vsão o padrão de avdade real em uma economa mplca um cero nível desejado de encaxes moneáros

Leia mais

Interpolação e Extrapolação da Estrutura a Termo de Taxas de Juros para Utilização pelo Mercado Segurador Brasileiro

Interpolação e Extrapolação da Estrutura a Termo de Taxas de Juros para Utilização pelo Mercado Segurador Brasileiro Inerpolação e Exrapolação da Esruura a Termo de Taxas de Juros para Ulzação pelo Mercado Segurador Braslero Sergo Lus Frankln Jr. Thago Baraa Duare César da Rocha Neves + Eduardo Fraga L. de Melo ++ M.Sc.,

Leia mais

3 Teoria de imunização

3 Teoria de imunização 33 3 Teora de munzação Como fo vso, o LM é um gerencameno conuno de avos e passvos como o nuo de dmnur ou aé elmnar os rscos enfrenados pelas nsuções fnanceras. Deses rscos, o rsco de axa de uros represena

Leia mais

Insider Trading No Brasil: Uma Análise Das Operações Nas Empresas De Governança Corporativa Diferenciada Da Bovespa

Insider Trading No Brasil: Uma Análise Das Operações Nas Empresas De Governança Corporativa Diferenciada Da Bovespa Insider Trading No Brasil: Uma Análise Das Operações Nas Empresas De Governança Corporativa Diferenciada Da Bovespa Ricardo Ratner Rochman FGV-EAESP rrochman@fgvsp.br Daniela Lima FGV-EAESP dclima@gmail.com

Leia mais

Impacto da Educação Defasada sobre a Criminalidade no Brasil: 2001-2005

Impacto da Educação Defasada sobre a Criminalidade no Brasil: 2001-2005 1 Impaco da Educação Defasada sobre a Crmnaldade no Brasl: 2001-2005 Evandro Camargos Texera Ana Lúca Kassouf Seembro, 2011 Workng Paper 010 Todos os dreos reservados. É probda a reprodução parcal ou negral

Leia mais

A Concorrência entre o Brasil. uma Aplicação do Modelo Constant-Market-Share*

A Concorrência entre o Brasil. uma Aplicação do Modelo Constant-Market-Share* A Concorrênca enre o Brasl e a Chna no ercado Sul-afrcano: uma Aplcação do odelo Consan-arke-Share* Arane Danelle Baraúna da Slva Álvaro Barranes Hdalgo 2 RESUO: O fore crescmeno da economa chnesa nos

Leia mais

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas.

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas. 1 INTRODUÇÃO E CONCEITOS INICIAIS 1.1 Mecânca É a pare da Físca que esuda os movmenos dos corpos. 1. -Cnemáca É a pare da mecânca que descreve os movmenos, sem se preocupar com suas causas. 1.3 - Pono

Leia mais

HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE

HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE Pesqusa Operaconal e o Desenvolvmeno Susenável 7 a /9/5, Gramado, RS HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE André Luís Shguemoo Faculdade de Engenhara Elérca e Compuação Unversdade Esadual

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA LEI KANDIR SOBRE A ARRECADAÇÃO DE ICMS NO ESTADO DO CEARÁ

AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA LEI KANDIR SOBRE A ARRECADAÇÃO DE ICMS NO ESTADO DO CEARÁ AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA LEI KANDIR SOBRE A ARRECADAÇÃO DE ICMS NO ESTADO DO CEARÁ Alejandro Magno Lma Leão Mesre em economa pelo CAEN Audor Fscal da Recea do Esado do Ceará Fabríco Carnero Lnhares Phd

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP OTIMIZAÇÃO DA

Leia mais

Desconcentração e interiorização da economia fluminense na última década

Desconcentração e interiorização da economia fluminense na última década DSCONCNTRAÇÃO INTRIORIZAÇÃO DA CONOMIA FLUMINNS NA ÚLTIMA DÉCADA PAULO MARCLO SOUZA; NIRALDO JOSÉ PONCIANO; MARLON GOMS NY; HNRIQU TOMÉ MATA; UNIVRSIDAD FDRAL DA BAHIA SALVADOR - BA - BRASIL pmsouza@uenf.br

Leia mais

Denilson Ricardo de Lucena Nunes. Gestão de suprimentos no varejo

Denilson Ricardo de Lucena Nunes. Gestão de suprimentos no varejo Denlson Rcardo de Lucena Nunes Gesão de suprmenos no varejo semas de reposção de esoques em duas camadas e análse de esquemas de monorameno da prevsão de demanda Tese de Douorado Tese apresenada ao programa

Leia mais

Nota Técnica sobre a Circular nº 2.972, de 23 de março de 2000

Nota Técnica sobre a Circular nº 2.972, de 23 de março de 2000 Noa Técnca sobre a rcular nº 2.972, de 23 de março de 2000 Meodologa ulzada no processo de apuração do valor da volaldade padrão e do mulplcador para o da, dvulgados daramene pelo Banco enral do Brasl.

Leia mais

CRESCIMENTO E DESIGUALDADE: PROSPERIDADE VERSUS ARMADILHAS DA POBREZA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DOS ESTADOS BRASILEIROS*

CRESCIMENTO E DESIGUALDADE: PROSPERIDADE VERSUS ARMADILHAS DA POBREZA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DOS ESTADOS BRASILEIROS* CRESCIMENTO E DESIGUALDADE: PROSPERIDADE VERSUS ARMADILHAS DA POBREZA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DOS ESTADOS BRASILEIROS* Renaa Couo Morera 1, Marcelo José Braga 2 e Slva Harum Toyoshma 3 Resumo: O problema

Leia mais

Despacho n.º 13/06. 2. A presente resolução entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. João Renato Lima Presidente do C.A.

Despacho n.º 13/06. 2. A presente resolução entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. João Renato Lima Presidente do C.A. Despacho n.º 13/06 De enre as arbuções da Agênca de Regulação Económca desaca-se a compeênca de fxar as arfas e os mecansmos de reajuses a serem pracados pela oncessonára do servço públco de ranse e dsrbução

Leia mais

Renda Básica da Cidadania versus Imposto de Renda Negativo: O Papel dos Custos de Focalização

Renda Básica da Cidadania versus Imposto de Renda Negativo: O Papel dos Custos de Focalização Renda Básca da Cdadana versus Imposo de Renda Negavo: O Papel dos Cusos de Focalzação Nelson Leão Paes Marcelo Leer Squera Re s u m o O presene argo procura comparar duas polícas socas alernavas de combae

Leia mais

A economia política dos fluxos de capitais brasileiros pós-plano Real. Title: The Political Economy of Brazilian Capital Flows after the Real Plan

A economia política dos fluxos de capitais brasileiros pós-plano Real. Title: The Political Economy of Brazilian Capital Flows after the Real Plan A economa políca dos fluxos de capas brasleros pós-plano Real Dvanldo Trches * Soraa Sanos da Slva ** Tle: The Polcal Economy of Brazlan Capal Flows afer he Real Plan RESUMO O presene esudo em como objevo

Leia mais

ANÁLISE CONDICIONADA DA DEMANDA COM CORREÇÃO DE HETEROCEDASTICIDADE

ANÁLISE CONDICIONADA DA DEMANDA COM CORREÇÃO DE HETEROCEDASTICIDADE ANÁLISE CONDICIONADA DA DEMANDA COM CORREÇÃO DE HETEROCEDASTICIDADE Angela Crsna Morera da Slva UFRJ/COPPE - Unversdade Federal do Ro de Janero, Cenro de Tecnologa, Bloco F, sala 114, Cdade Unversára Ro

Leia mais

Autoria: Josilmar Cordenonssi Cia

Autoria: Josilmar Cordenonssi Cia Uma Possível Solução para o Equy Premum Puzzle (EPP Auora: Joslmar Cordenonss Ca Resumo MEHRA e PRESCO (985 levanaram uma quesão que aé hoje não fo respondda de forma sasfaóra: o prêmo de rsco das ações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PIMES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DOUTORADO EM ECONOMIA MARCOS ROBERTO GOIS DE OLIVEIRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PIMES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DOUTORADO EM ECONOMIA MARCOS ROBERTO GOIS DE OLIVEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PIMES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DOUTORADO EM ECONOMIA MARCOS ROBERTO GOIS DE OLIVEIRA GERENCIAMENTO DO RISCO DE MERCADO BASEADO NO VALUE AT RISK ESTÁTICO

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY a 5 Novembro de 009 Recfe - PE GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL HIDROTERM

Leia mais

A estrutura a termo de taxas de juros no Brasil: modelos, estimação, interpolação, extrapolação e testes

A estrutura a termo de taxas de juros no Brasil: modelos, estimação, interpolação, extrapolação e testes A esruura a ermo de axas de juros no Brasl: modelos, esmação, nerpolação, exrapolação e eses Sergo Lus Frankln Jr. Thago Baraa Duare César da Rocha Neves + Eduardo Fraga L. de Melo ++ M.Sc., SUSEP/CGSOA

Leia mais

5 Apreçamento de ESOs com preço de exercício fixo

5 Apreçamento de ESOs com preço de exercício fixo 5 Apreçameno de ESOs com preço de exercíco fxo Ese capíulo rá explorar os prncpas modelos de apreçameno das ESOs ulzados hoje em da. Neses modelos a regra de decsão é esruurada em orno da maxmzação do

Leia mais

CIBRIUS INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE SOCIAL

CIBRIUS INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE SOCIAL CIBRIUS INSTITUTO CONAB SEGURIDA SOCIAL Plano ConabPrev (COM BASE NA PROPOSTA REGULAMENTO A SER SUBMETIDA A PREVIC Noa Técnca Auaral 060/13 (Refcada) Agoso/2015 1 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 5 2 GLOSSÁRIO...

Leia mais

Análise RFV do Cliente na Otimização de Estratégias de Marketing: Uma Abordagem por Algoritmos Genéticos

Análise RFV do Cliente na Otimização de Estratégias de Marketing: Uma Abordagem por Algoritmos Genéticos Análse RFV do Clene na Omzação de Esraégas de Markeng: Uma Abordagem por Algormos Genécos Anderson Gumarães de Pnho Ponfíca Unversdade Caólca do Ro de Janero Ro de Janero RJ Brasl agp.ne@gmal.com 1. Inrodução

Leia mais

Belém Pará (Março de 2012)

Belém Pará (Março de 2012) Pardade Descobera da Taxa de Juros da Economa Braslera num Ambene de Crse Fnancera Mundal: Teora e Evdênca Empírca Davd Ferrera Carvalho(*) Resumo O argo em como propóso avalar o efeo da recene políca

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS

A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS Nelson Leão Paes PIMES/UFPE Resumo Nese argo, ulzou-se um modelo de equlíbro geral dnâmco para esmar

Leia mais

PREVISIBILIDADE NO MERCADO DE COMMODITIES: UM ESTUDO APLICADO AO PREÇO DA SOJA NO BRASIL

PREVISIBILIDADE NO MERCADO DE COMMODITIES: UM ESTUDO APLICADO AO PREÇO DA SOJA NO BRASIL Salvador, BA, Brasl, 08 a de ouubro de 03. PREVISIBILIDADE O MERCADO DE COMMODITIES: UM ESTUDO APLICADO AO PREÇO DA SOJA O BRASIL Everon Anger Cavalhero (UFPEL ) ecavalhero@cvsm.com.br Kelmara Mendes Vera

Leia mais

FILTROS ATIVOS: UMA ABORDAGEM COMPARATIVA. Héctor Arango José Policarpo G. Abreu Adalberto Candido

FILTROS ATIVOS: UMA ABORDAGEM COMPARATIVA. Héctor Arango José Policarpo G. Abreu Adalberto Candido FILTROS ATIVOS: UMA ABORDAGEM COMPARATIVA Hécor Arango José Polcaro G. Abreu Adalbero Canddo Insuo de Engenhara Elérca - EFEI Av. BPS, 1303-37500-000 - Iajubá (MG) e-mal: arango@ee.efe.rmg.br Resumo -

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INVESTIMENTOS EM DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SOB INCERTEZA REGULATÓRIA UTILIZANDO OPÇÕES REAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INVESTIMENTOS EM DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SOB INCERTEZA REGULATÓRIA UTILIZANDO OPÇÕES REAIS UNIRSIDAD FDRAL D ITAJUBÁ TS D DOUTORADO INSTIMNTOS M DISTRIBUIÇÃO D NRGIA LÉTRICA SOB INCRTZA RGULATÓRIA UTILIZANDO OPÇÕS RAIS JULIA CRISTINA CAMINHA NORONHA Tese apresenada ao Programa de Pós-Graduação

Leia mais

ESTOQUE DE RIQUEZA E A POUPANÇA DO SETOR PRIVADO NO BRASIL 1970/95 *

ESTOQUE DE RIQUEZA E A POUPANÇA DO SETOR PRIVADO NO BRASIL 1970/95 * TEXTO PARA DISCUSSÃO N ο 572 ISSN 1415-4765 ESTOQUE DE RIQUEZA E A POUPANÇA DO SETOR PRIVADO NO BRASIL 1970/95 * Luclene Morand ** Ro de Janero, julho de 1998 * A esmação do esoque de rqueza nerna, angível

Leia mais

Renda Básica da Cidadania ou Imposto de Renda Negativo: Qual o Mais Eficiente no Combate a Pobreza?

Renda Básica da Cidadania ou Imposto de Renda Negativo: Qual o Mais Eficiente no Combate a Pobreza? Renda Básca da Cdadana ou Imposo de Renda Negavo: Qual o Mas Efcene no Combae a Pobreza? Auores Nelson Leão Paes Marcelo Leer Squera Ensao Sobre Pobreza Nº 12 Feverero de 2008 CAEN - UFC 1 Renda Básca

Leia mais

PROF. DR. JACQUES FACON LIMIARIZAÇÃO POR ENTROPIA DE WULU

PROF. DR. JACQUES FACON LIMIARIZAÇÃO POR ENTROPIA DE WULU 1 PUCPR- Ponfíca Unversdade Caólca Do Paraná PPGIA- Programa de Pós-Graduação Em Informáca Aplcada PROF. DR. JACQUES FACON IMIARIZAÇÃO POR ENTROPIA DE WUU Resumo: Uma nova écnca de marzação baseada em

Leia mais

KEE WORDS: Exchange Rates, Parity, Purchasing Power, Gstav Cassel

KEE WORDS: Exchange Rates, Parity, Purchasing Power, Gstav Cassel [VIANNA, PEDRO JORGE; PARIDADE DO PODER DE COPRA: TEORIA OU ETODOLOGIA?]. Recfe. V Enconro de Economsas da Língua Poruguesa, 5-7 de novembro de 2003. TÍTULO: PARIDADE DO PODER DE COPRA: TEORIA OU ETODOLOGIA?

Leia mais

Palavras-Chave: Eficiência de Mercado, Modelo de Valor Presente, Testes de Cointegração em Painéis Dinâmicos.

Palavras-Chave: Eficiência de Mercado, Modelo de Valor Presente, Testes de Cointegração em Painéis Dinâmicos. TÍTULO: ANÁLISE DO MODELO DE VALOR PRESENTE ENTRE PREÇOS DAS AÇÕES E DIVIDENDOS PARA O MERCADO FINANCEIRO NO BRASIL: EVIDÊNCIA BASEADA NOS DADOS EM PAINEL DINÂMICO. Auora: Parca Maríla Rcomn e Almeda,

Leia mais

Otimização no Planejamento Agregado de Produção em Indústrias de Processamento de Suco Concentrado Congelado de Laranja

Otimização no Planejamento Agregado de Produção em Indústrias de Processamento de Suco Concentrado Congelado de Laranja Omzação no Planeameno Agregado de Produção em Indúsras de Processameno de Suco Concenrado Congelado de Larana José Renao Munhoz Crova Agro Indusral Lda., 15800-970, Caanduva, SP (ose.munhoz@crova.com)

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

Crescimento econômico e restrição externa: Um modelo de simulação pós-keynesiano

Crescimento econômico e restrição externa: Um modelo de simulação pós-keynesiano Crescmeno econômco e resrção exerna: Um modelo de smulação pós-keynesano Mara Isabel Busao 1 Maro Luz Possas 2 Resumo O argo busca dscur a dnâmca do crescmeno econômco das economas em desenvolvmeno a parr

Leia mais

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA MODELO DE APOIO À DECISÃO PARA UM PROBLEMA DE POSICIONAMENTO DE BASES, ALOCAÇÃO E REALOCAÇÃO DE AMBULÂNCIAS EM CENTROS URBANOS: ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO RESUMO Ese argo apresena uma proposa

Leia mais

Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido.

Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. A Prevsão com o Modelo de Regressão.... Inrodução ao Modelo de Regressão.... Exemplos de Modelos Lneares... 3. Dervação dos Mínmos Quadrados no Modelo de Regressão... 6 4. A Naureza Probablísca do Modelo

Leia mais

Esta monografia é dedicada a Letícia e aos meus pais, João e Adelangela

Esta monografia é dedicada a Letícia e aos meus pais, João e Adelangela Esa monografa é dedcada a Leíca e aos meus pas, João e Adelangela Agradecmenos Gosara de agradecer ao Prof. Vrgílo, pelo apoo e orenação dados durane ese e ouros rabalhos. Agradeço ambém a meus colegas

Leia mais

Exemplo pág. 28. Aplicação da distribuição normal. Normal reduzida Z=(900 1200)/200= 1,5. Φ( z)=1 Φ(z)

Exemplo pág. 28. Aplicação da distribuição normal. Normal reduzida Z=(900 1200)/200= 1,5. Φ( z)=1 Φ(z) Exemplo pág. 28 Aplcação da dsrbução ormal Normal reduzda Z=(9 2)/2=,5 Φ( z)= Φ(z) Subsudo valores por recurso à abela da ormal:,9332 = Φ(z) Φ(z) =,668 Φ( z)= Φ(z) Φ(z) =,33 Φ(z) =,977 z = (8 2)/2 = 2

Leia mais

Gripe: Época de gripe; actividade gripal; cálculo da linha de base e do respectivo intervalo de confiança a 95%; e área de actividade basal.

Gripe: Época de gripe; actividade gripal; cálculo da linha de base e do respectivo intervalo de confiança a 95%; e área de actividade basal. Grpe: Época de grpe; acvdade grpal; cálculo da lnha de ase e do respecvo nervalo de confança a 95%; e área de acvdade asal. ÉPOCA DE GRPE Para maor facldade de compreensão será desgnado por época de grpe

Leia mais

Módulo 2: Métodos Numéricos. (problemas de valores iniciais e problemas de condições-fronteira)

Módulo 2: Métodos Numéricos. (problemas de valores iniciais e problemas de condições-fronteira) Módulo : Méodos Numércos Equações dferencas ordnáras problemas de valores ncas e problemas de condções-fronera Modelação Compuaconal de Maeras -5. Equações dferencas ordnáras - Inrodução Uma equação algébrca

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Crescimento do Produto Agropecuário Brasileiro: uma Aplicação do Vetor Auto-regressivo (VAR)

Crescimento do Produto Agropecuário Brasileiro: uma Aplicação do Vetor Auto-regressivo (VAR) Quesões Agráras, Educação no Campo e Desenvolvmeno CRESCIMENTO DO PRODUTO AGROPECUÁRIO: UMA APLICAÇÃO DO VETOR AUTO-REGRESSIVO (VAR) CARLOS ALBERTO GONÇALVES DA SILVA; LÉO DA ROCHA FERREIRA; PAULO FERNANDO

Leia mais

Convergência e Formação de Clubes no Brasil sob a Hipótese de Heterogeneidade no Desenvolvimento Tecnológico

Convergência e Formação de Clubes no Brasil sob a Hipótese de Heterogeneidade no Desenvolvimento Tecnológico Convergênca e Formação de Clubes no Brasl sob a Hpóese de Heerogenedade no Desenvolvmeno Tecnológco Chrsano Penna Fabríco Lnhares RESUMO: Esse argo examna a exsênca de endêncas de crescmeno comuns e formação

Leia mais

O MERCADO DE CÂMBIO E A TAXA DE CÂMBIO NA ECONOMIA BRASILEIRA: 1999 A 2007

O MERCADO DE CÂMBIO E A TAXA DE CÂMBIO NA ECONOMIA BRASILEIRA: 1999 A 2007 FRANCISCO CARLOS DA CUNHA CASSUCE O MERCADO DE CÂMBIO E A TAXA DE CÂMBIO NA ECONOMIA BRASILEIRA: 999 A 007 Tese apresenada à Unversdade Federal de Vçosa, como pare das exêncas do Prorama de Pós- Graduação

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

MOMENTO ÓTIMO PARA INVESTIR EM PROJETOS DE MINERAÇÃO: UMA ANÁLISE POR OPÇÕES REAIS E TEORIA DOS JOGOS

MOMENTO ÓTIMO PARA INVESTIR EM PROJETOS DE MINERAÇÃO: UMA ANÁLISE POR OPÇÕES REAIS E TEORIA DOS JOGOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ALEXANDRE DE CÁSSIO RODRIGUES MOMENTO ÓTIMO PARA INVESTIR EM PROJETOS DE MINERAÇÃO: UMA ANÁLISE POR OPÇÕES REAIS E TEORIA DOS JOGOS Belo Horzone MG 202 UNIVERSIDADE

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO

ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO Roque Passos Pvel Escola Polécnca da Unversdade de São Paulo - EPUSP Pedro Alem Sobrnho Escola Polécnca da Unversdade

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.568, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2011

CIRCULAR Nº 3.568, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2011 CAPÍTULO : Crculares não Codfcadas 2 CIRCULAR Nº 3.568, DE 2 DE DEZEMBRO DE 20 Alera dsposvos das Crculares ns. 3.36, de 2 de seembro de 2007, 3.388, de 4 de unho de 2008, 3.389, de 25 de unho de 2008,

Leia mais

CRESCIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE: O QUE ESTÁ FALTANDO PARA ENTENDER O ELO ENTRE ELES?

CRESCIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE: O QUE ESTÁ FALTANDO PARA ENTENDER O ELO ENTRE ELES? RESUMO CRESCIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE: O QUE ESTÁ FALTANDO PARA ENTENDER O ELO ENTRE ELES? Fábo Henrque Granja e Barros 1 Bernardo Mueller 2 Jorge Madera Noguera 3 Exse vasa leraura empírca ressalando

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

Ana Cristina Guimarães Carneiro

Ana Cristina Guimarães Carneiro UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CCSA CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA CME NÍVEL MESTRADO Ana Crsna Gumarães Carnero Avalação das Mudanças Recenes na Marz Energéca

Leia mais

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 Paulo J. Körbes 2 Marcelo Marins Paganoi 3 RESUMO O objeivo dese esudo foi verificar se exise influência de evenos de vencimeno de conraos de opções sobre

Leia mais

3 Análise de Demanda Condicionada

3 Análise de Demanda Condicionada 3 Análse de Demanda Condconada 3.1 Inrodução A análse Condconada da Demanda é uma écnca que quebra o consumo resdencal em pares, cada uma assocada a um uso fnal ou a um deermnado equpameno em parcular.

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

7. FILTROS PASSIVOS E ATIVOS

7. FILTROS PASSIVOS E ATIVOS 7. FILTROS PASSIVOS E ATIVOS São esudadas nese capíulo esruuras de crcuos capazes de mgar o problema de dsorção de correnes e/ou ensões em ssemas elércos. Inca-se com os flros passvos, verfcando alguns

Leia mais

Número 17. Evolução Recente da Informalidade no Brasil: Uma Análise Segundo Características da Oferta e Demanda de Trabalho

Número 17. Evolução Recente da Informalidade no Brasil: Uma Análise Segundo Características da Oferta e Demanda de Trabalho TEXTO PARA DSCUSSÃO Número 7 Evolução Recene da nformaldade no Brasl: Uma Análse Segundo Caraceríscas da Ofera e Demanda de Trabalho Fernando Holanda Barbosa Flho Rodrgo Leandro de Moura Agoso de 202 Evolução

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

CAPÍTULO 4. Vamos partir da formulação diferencial da lei de Newton

CAPÍTULO 4. Vamos partir da formulação diferencial da lei de Newton 9 CPÍTUL 4 DINÂMIC D PRTÍCUL: IMPULS E QUNTIDDE DE MVIMENT Nese capíulo será analsada a le de Newon na forma de negral no domíno do empo, aplcada ao momeno de parículas. Defne-se o conceo de mpulso e quandade

Leia mais

CÁLCULO DE ÍNDICES DE CONFIABILIDADE EM SISTEMAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA USANDO UM ALGORITMO GENÉTICO MODIFICADO

CÁLCULO DE ÍNDICES DE CONFIABILIDADE EM SISTEMAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA USANDO UM ALGORITMO GENÉTICO MODIFICADO CÁLCULO DE ÍNDICES DE CONFIABILIDADE EM SISTEMAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA USANDO UM ALGORITMO GENÉTICO MODIFICADO RODRIGO ALBUQUERQUE, ANSELMO RODRIGUES, MARIA G. DA SILVA. Grupo de Ssemas de Poênca, Deparameno

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA CÁSSIA PEREIRA DA ROSA MOSCHOUTIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA CÁSSIA PEREIRA DA ROSA MOSCHOUTIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA CÁSSIA PEREIRA DA ROSA MOSCHOUTIS ANÁLISE DO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO Poro Alegre 13 CÁSSIA PEREIRA DA ROSA MOSCHOUTIS

Leia mais

MECÂNICA CLÁSSICA. AULA N o 3. Lagrangeano Princípio da Mínima Ação Exemplos

MECÂNICA CLÁSSICA. AULA N o 3. Lagrangeano Princípio da Mínima Ação Exemplos MECÂNICA CÁSSICA AUA N o 3 agrangeano Prncípo da Mínma Ação Exemplos Todas as les da Físca êm uma esruura em comum: as les de uma parícula em movmeno sob a ação da gravdade, o movmeno dado pela equação

Leia mais

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 IV SEMEAD METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 RESUMO Uma das ferramenas de gesão do risco de mercado

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

Projeções de inflação

Projeções de inflação Projeções de nflação A experênca do Banco Cenral do Brasl Leonardo Po Perez Banco Cenral do Brasl Depep III Fórum Baano de Economa Aplcada Agoso de 23 Sumáro ) Inrodução Regme de Meas para Inflação no

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

4 A composição do passivo externo líquido brasileiro e o processo de ajuste externo

4 A composição do passivo externo líquido brasileiro e o processo de ajuste externo 4 A composção do passvo exerno líqudo braslero e o processo de ajuse exerno 4..Movação Há décadas, economsas êm esudado o processo de ajuse do balanço de pagamenos dos países. A eora mas acea caracerza

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 81 UMA ANÁLISE DAS DISPARIDADES DE BEM-ESTAR ENTRE OS ESTADOS DO BRASIL

TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 81 UMA ANÁLISE DAS DISPARIDADES DE BEM-ESTAR ENTRE OS ESTADOS DO BRASIL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 81 UMA ANÁLISE DAS DISPARIDADES DE BEM-ESTAR

Leia mais

ESTIMAÇÃO DA VOLATILIDADE PARA A SÉRIE DO IBOVESPA: APLICAÇÃO DE MODELOS DE MEMÓRIA CURTA

ESTIMAÇÃO DA VOLATILIDADE PARA A SÉRIE DO IBOVESPA: APLICAÇÃO DE MODELOS DE MEMÓRIA CURTA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maurdade e desafos da Engenhara de Produção: compevdade das empresas, condções de rabalho, meo ambene. São Carlos, SP, Brasl, a5 de ouubro de. ESTIMAÇÃO

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

CARGA E DESCARGA DE CAPACITORES

CARGA E DESCARGA DE CAPACITORES ARGA E DESARGA DE APAITORES O assuno dscudo ns argo, a carga a dscarga d capacors, aparcu dos anos conscuvos m vsbulars do Insuo Mlar d Engnhara ( 3). Ns sudo, srão mosradas as dduçõs das uaçõs d carga

Leia mais