(19) O ELITE RESOLVE IME 2013 DISCURSIVAS FÍSICA FÍSICA. , devido à equação (1). Voltando à equação (2) obtemos:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE IME 2013 DISCURSIVAS FÍSICA FÍSICA. , devido à equação (1). Voltando à equação (2) obtemos:"

Transcrição

1

2 (9) - O LIT SOLV IM DISCUSIVS ÍSIC USTÃO ÍSIC sendo nula a velocdade vercal ncal v, devdo à equação (). Volando à equação () obemos:,8 ˆj ˆj b) Dado o momeno lnear da equação () obemos a velocdade na dreção : mv 8 v v m/s e porano: v cosv,6 /,8 9, m Um corpo de kg esá preso a um fo e descreve um movmeno crcular em um plano perpendcular ao solo. Na posção ndcada na fgura, ele sofre a ação de uma força, no plano, perpendcular ao seu movmeno que o lbera do fo, sendo o mpulso nesa dreção gual a kgm s. Deermne: a) a varação do veor momeno lnear enre o nsane em que o corpo é lberado do fo e o nsane que ange o solo; b) a coordenada do pono onde o corpo ange o solo. USTÃO únel ao do movmeno crcular: 6, m; Velocdade do corpo preso no fo no pono mas alo: 6 ms; celeração da gravdade: ms. a) Vamos prmeramene calcular a velocdade v do corpo quando ese se enconra na posção ndcada na fgura, anes de ser lberado do fo. ara ano, observamos o prncípo de conservação de energa mecânca (cnéca mas poencal gravaconal, nesse caso), enre o pono mas alo e o pono em quesão: mvopo mg( ) mv mg( sen ) vopo g v g v vopo g v 6 6,V m/s Onde opo v 6 m/s é a velocdade no pono mas alo. Como o mpulso aplcado gera uma varação na quandade de movmeno, o momeno lnear logo após a lberação do fo será a soma (veoral) do momeno lnear mv sen ˆcos jˆ que o corpo já nha em sua rajeóra crcular (devdo a v ), com o mpulso aplcado I cosˆsenˆj kgm/s. Ou seja, cos senj mv sen cosj j j 8 kg m/s () ˆ ˆ ˆ ˆ ˆ ˆ ˆ ˆ ˆ Dessa forma, no momeno segune à lberação do fo o corpo não em momeno, e porano velocdade, na dreção vercal (dreção ĵ ), e o corpo é sujeo a um lançameno horzonal. nre o nsane de lançameno e o nsane em que o corpo ange o solo a únca força que aua sobre ele é a força peso, que é consane. elo eorema do mpulso sabemos que a varação do veor momeno lnear nesse recho é gual ao mpulso da força resulane: ou seja, mgj ˆ () recsamos enão calcular o empo de voo do corpo. Como o movmeno é de queda lvre: g S v sen,8 s (, ) Uma parícula de carga e massa m move-se denro de um únel esreo no plano, sem aro, sujea à força provocada pelo campo elérco (,), segundo a rajeóra conforme apresenado na fgura acma. Sabe-se que: a parícula enra no únel com velocdade (v,) no pono de coordenadas (,); a rajeóra da parícula forçada pelo únel é um quaro de crcunferênca de rao ; não há nfluênca da força da gravdade. o passar por um pono genérco denro do únel, deermne, em função da abscssa : a) o módulo da velocdade da parícula; b) as componenes v e v do veor velocdade da parícula; c) o módulo da aceleração angencal da parícula; d) o módulo da reação normal eercda pela parede do únel sobre a parícula; e) o rao nsanâneo da rajeóra da parícula medaamene após dear o únel. a) O rabalho do campo elérco é dado por: U, sendo U a dferença de poencal enre a orgem e o pono de coordenada. elo T..C (eorema do rabalho-energa cnéca): mv mv cn v v m b) Observe a fgura abao onde esão represenadas a velocdade da carga e o ângulo que esa forma com a horzonal. v v v

3 (9) - O LIT SOLV IM DISCUSIVS ÍSIC ela fgura, emos: ssm: v v sen cos sen v cos v sen v v m v v m c) No esquema a segur esão represenadas as forças que auam sobre a parícula num pono genérco denro do únel: N Na dreção angencal, emos apenas uma componene da força elérca agndo sobre a parícula. ssm: T cos m at at m d) nda com relação ao desenho do em aneror, observe que na dreção radal emos a reação normal e uma componene da força elérca, que junas formam a componene cenrípea da resulane em cada pono. orano: mv m N sen N v sen m mv N v N m e) O módulo da velocdade v da parícula medaamene após dear o únel pode ser obdo fazendo na epressão obda no em (a). Temos: Uma esfera de gelo de rao fluua parcalmene mersa em um copo com água, como mosra a fgura acma. Com a fnaldade de lumnar uma bolha de ar, ambém esférca, localzada no cenro da esfera de gelo, ulzou-se um fee lumnoso de seção rea crcular de área m que ncde vercalmene na esfera. Consderando que os raos mas eernos do fee refraado angencam a bolha conforme a fgura, deermne a massa específca do gelo. Índce de refração do ar:, Índce de refração do gelo:, Massa específca do ar:, kg m Massa específca da água: kg m Volume da caloa esférca: v Observe a fgura abao, nela represenamos um únco rao lumnoso mas eerno. Como fo dada a área da secção ransversal do fee, enconramos a dsânca enre o rao e o eo vercal que passa pelo cenro da esfera: d d m / v v m pós a parícula dear o únel, a únca força que aua sobre ela é a força elérca, já que a reação normal dea de agr e a gravdade não eerce nfluênca sobre essa parícula: r v r Como a força elérca esá agndo numa dreção perpendcular ao veor velocdade nesse nsane, ela se compora como uma resulane de naureza cenrípea. ssm: mv m v ' C ' m v ' m USTÃO mv ' Ulzando a Le de Snell: r n ar sen n gelo sen r, r o calcular o volume apenas de gelo, Vgelo r observa-se que o volume da esfera de ar é desprezível. ara a suação de equlíbro, emos Sendo o módulo do empuo e o peso do gelo.

4 (9) - O LIT SOLV IM DISCUSIVS ÍSIC gelog águag USTÃO Subsundo os dados numércos, enconramos: 98 kg/m gelo USTÃO se um nervalo mínmo de empo enre dos sons, conhecdo como lmar de fusão, para que eses sejam percebdos pelo ouvdo humano como sons separados. Um bloco deslza para bao, a parr do repouso, em um plano nclnado com ressalos gualmene espaçados que produzem ruídos. Desprezando o aro do bloco com o plano nclnado e a força eercda pelos ressalos sobre o bloco, deermne o lmar de fusão de uma pessoa que escua um ruído connuo após o bloco passar pelo enésmo ressalo. Observação: Despreze o empo de propagação do som. Ângulo do plano nclnado com a horzonal: celeração da gravdade: g Dsânca enre os ressalos: d ara ese problema precsamos deermnar o nervalo de empo que uma pessoa é capaz de dsngur os ruídos produzdos, baseado no empo que o bloco leva para passar enre dos ressalos sucessvos. Se a parr do n-ésmo ressalo a pessoa não dsngue mas sons, sgnfca que um lmane superor para o lmar de fusão é dado pelo nervalo de empo n que o bloco leva para r do n -ésmo ressalo aé o n-ésmo. De forma smlar, um lmane nferor é dado pelo nervalo. Temos, enão, que. n g s n s n n n aceleração com que o bloco desce a rampa é dada por a g sen, que é a projeção da força peso ao longo da dreção do movmeno na rampa. O empo n que o bloco leva para percorrer odo o rajeo relíneo, de comprmeno s n, aé o n-ésmo bloco (vde fgura acma) pode ser deermnado por n sn a, sn nd n Como n n n, nd n d n g sen g sen d n n nd g sen d n n n g sen Da forma equvalene, sendo n n n, n d nd n g sen g sen d n n n g sen fgura acma apresena uma barra BC apoada sem aro em B. Na eremdade, um corpo de massa M é preso por um fo. Na eremdade C ese um corpo com carga elérca negava e massa desprezível. bao desse corpo se enconram rês cargas elércas posvas,, e, em um mesmo plano horzonal, formando um rângulo sósceles, onde o lado formado pelas cargas e é gual ao formado pelas cargas e. Sabe-se, anda, que o rângulo formado pelas cargas, e é equláero de lado gual a m. Deermne a dsânca para que o ssema posso fcar em equlíbro. Massa específca lnear do segmeno B da barra:, g cm; Massa específca lnear do segmeno BC da barra:, g cm; Segmeno B da barra: cm; Segmeno D da barra: cm; M g ; 6 C ; celeração da gravdade: ms ; 9 Consane de Coulomb: 9 N. m C. Observação: s cargas e são fas e a carga, após seu posconameno, ambém permanecerá fa. sem forças que auam sobre a barra, proporconando a suação de equlíbro a que o eercíco se refere (vde fgura abao): ) força peso do bloco pendurado em, auando na vercal (dreção do eo z ) a uma dsânca de do pono B ; ) força peso B do segmeno B da barra, ambém vercal e auando a uma dsânca de, m de B ; ) força peso BC do segmeno BC, vercal e a, m de B ; ) força elérca promovda pelas rês cargas suspensas, que ambém deverá ser vercal (conforme será jusfcado a segur) e aua a, m de B ; ) força de conao no pono B, que deverá ser vercal e orenada para cma, endo módulo gual à soma das quaro forças anerores.,,, N, B z C Dessa forma, d n n n n d g sen g sen M B BC

5 (9) - O LIT SOLV IM DISCUSIVS ÍSIC Caso a força elérca vesse uma componene nclnada em relação ao eo z, alguma oura força ambém devera er uma componene na mesma dreção, mas com sendo oposo, a fm de garanr a resulane nula e, porano, o equlíbro. Como as forças peso só podem ser vercas, resara para a força de conao em B er essa componene. Segundo o enuncado, a barra esá apoada sem aro sobre o pono B, de forma que só é possível a esênca de componenes normas al, não esndo, dese modo, um aro horzonal. sa análse mosra que a força elérca auane sobre o pono C deve ser vercal. ela condção de equlíbro de roação, podemos calcular o módulo de. doando-se o pono B como referênca, emos: orques, M, B, BC,, M g, MB g, MBC g, () s massas dos segmenos B e BC da barra são g MB. cm g cm g MBC,. cm g cm Subsundo em ():,..,,..,,.., N 8 ara analsar como deve ser o balanço enre as forças elércas das rês cargas, e sobre a carga a fm de resular a força calculada acma, devemos analsar as relações geomércas enre elas. fm de faclar a vsualzação, defnmos anerormene o eo z como o eo vercal, denomnaremos agora por eo o eo ao longo da dreção da barra, e o eo será o perpendcular a ambos, ou seja, paralelo ao segmeno que lga a, no sendo de para. Vamos ncalmene calcular as dsâncas CD e C. ode-se ver na fgura abao que CD é a alura relava ao lado GG do rângulo equláero de lado m. Dessa forma, CD, m. m posse do valor de CD, podemos ober a dsânca enre a carga e o plano que coném as ouras rês cargas. Dado que o rângulo CD é pagórco e D,6 m, emos C,8 m. Da fgura, ambém concluímos que C mede,6. C D G G º, D, C,6 s forças elércas e geradas, respecvamene, pelas cargas e em êm ambas uma componene de gual nensdade ao longo da dreção CD, e uma oura componene ao longo da dreção, sendo que, para que seja vercal, as componenes em devem se anular. lém dsso,. Desa forma, a soma resula em uma força dreconada no plano para D, com nensdade cos 9 / 6 K 9 7 dc Observe a fgura: N / 8 N,8 z z, de C D C resulane das forças elércas sobre a carga em C é (fgura acma). nensdade de é 9 / 6 K 9 C,6 9.,6 /. z Como a resulane não pode er componenes ao longo de, enão: sen sen / 8 9,6,6,6 7 / 7 /,6 resulane na dreção vercal é, porano, cos cos / 8 9,8,8,6,6 8 / 7 /,6 Subsundo os valores enconrados para e para a razão envolvendo e resulamos com m 8,9 cm 88 USTÃO 6 Um ndusral deseja lançar no mercado uma máquna érmca que opere enre dos reservaóros érmcos cujas emperauras são 9 K e K, com rendmeno érmco de % do mámo eorcamene admssível. le adqure os dreos de um engenhero que deposou uma paene de uma máquna érmca operando em um cclo ermodnâmco composo por quaro processos descros a segur: rocesso : processo sovolumérco com aumeno de pressão: ( V, p ) ( V, p ). f rocesso : processo sobárco com aumeno de volume: ( V, p ) ( V, p ). f f f rocesso : processo sovolumérco com redução de pressão: ( V, p ) ( V, p ). f f f rocesso : processo sobárco com redução de volume: ( V, p ) ( V, p ). f O engenhero afrma que o rendmeno desejado é obdo para pf qualquer valor de p desde que a razão enre os volumes Vf V seja gual a. orém, eses eausvos do proópo da máquna ndcam que o rendmeno é nferor ao desejado. o ser quesonado sobre o assuno, o engenhero argumena que os eses não foram conduzdos de forma correa e maném sua afrmação orgnal. Supondo que a subsânca de rabalho que percorre o cclo ---- seja um gás deal monoaômco e baseado em uma análse ermodnâmca do problema, verfque se o rendmeno desejado pode ser angdo.

6 (9) - O LIT SOLV IM DISCUSIVS ÍSIC O mámo rendmeno de uma máquna érmca eecuando um cclo ermodnâmco enre as emperauras T H 9 K e T C K sera o rendmeno do cclo de Carno, dado por: TC CNOT. T 9 H O rendmeno que se preende consegur corresponde a % do rendmeno do cclo de Carno, ou seja: CNOT. O cclo ermodnâmco proposo esá represenado a segur: p USTÃO 7 Um planea desloca-se em orno de uma esrela de massa M, em uma órba elípca de sem-eos a e b (a b). Consdere a esrela fa em um dos focos. Deermne as velocdades mínma e máma do planea. consane gravaconal: G; dsânca enre os focos: c. rajeóra elípca do planea em orno da esrela, bem como as meddas caraceríscas da elpse, esão represenadas a segur: lanea c a p f srela b p O rabalho realzado ao longo de um cclo é dado por: p p V V f f O gás recebe calor no recho - (processo a volume consane) e no recho - (processo a pressão consane). ssm: U U H H pf V p Vpf Vf V pf Vf pf V H V pf p pf Vf V O rendmeno de um cclo será dado por: pf pvf V H V pf p pf Vf V Dvdndo o numerador e o denomnador por p V, emos: pf Vf p V pf pf Vf p p V Vf Como se preende er V, fazendo pf k p, segue que: k k k k 8k ara ober o rendmeno preenddo de k dada por:, deve-se er uma razão k k 8k k 9, 8k O que fscamene não em sendo, já que pressão é uma grandeza que não assume valores negavos e, porano a razão enre duas pressões ambém não podera ser negava. Logo, é mpossível angr o rendmeno desejado. V V f V Sabemos que, de acordo com a segunda Le de Kepler, o rao veor que lga o planea à esrela cenral varre áreas guas em nervalos de empo ambém guas, ou seja, a velocdade areolar é consane. Isso faz com que a velocdade angencal seja máma no pono mas prómo do planea em relação à esrela (denoado por na fgura), e mínma no pono mas afasado do planea em relação à esrela (denoado por na fgura). ara relaconar as velocdades angencas do planea nesses dos ponos, consdere um pequeno nervalo de empo d no qual o planea passa por cada um desses ponos, com deslocamenos ds e ds : v a c a c Se as áreas varrdas são guas, e consderando que cada uma delas é pracamene a área de um rângulo, emos: ac ds ac ds ds d s ac ac d d d d a c a cv acv v v a c Sendo um ssema conservavo, já que a únca força que aua no movmeno do planea é a força gravaconal, podemos mpor que a energa mecânca se conserva enre os ponos e. ssm: mv GMm mv GMm ac ac v v GM a c a c ac ac ac v v G M a c acac ac ac c v GM a c a c a c ac c v GM ac ac GMac v (velocdade mínma) aac v

7 (9) - O LIT SOLV IM DISCUSIVS ÍSIC Subsundo em v : v v ac a c G M a c v ac ac aac USTÃO 8 GMac (velocdade máma) aac Subsundo em (): p( p) p f, o que vale ano para p quano para p, logo: p p pf Daí: p p p f p f p p f p p pp p p f p f p p f p p () lene convergene conjuga magens reas nverdas. doemos o objeo com ordenada posva o, logo: L L Subsundo () nas formulas do aumeno ransversal: p p f L p p o f p o p p p p p L p () o p nalogamene, devdo à não dferencação enre p e p, emos: Um aparao ópco é consuído de uma ela de projeção e uma lene delgada convergene móvel guada por rlhos e fada em um dos lados por duas molas, conforme lusrado na fgura. O aparao enconra-se merso em um campo magnéco unforme B, orogonal ao eo ópco e às duas hases conduoras de supore da lene. o dspor-se de um objeo lumnoso na eremdade do aparao, com as molas relaadas, verfca-se a fomação de uma magem nída na ela de projeção de amanho L. plcando-se uma dferença de poencal consane enre as eremdades das hases de supore da lene aravés dos rlhos, observa-se a mudança na posção da lene, formando-se na ela de projeção uma nova magem nída, de amanho L, sendo L L. Deermne:. a) o amanho do objeo lumnoso; b) a dsânca enre o objeo lumnoso e a lene quando os rlhos não esão energzados; c) o valor da ddp que faz formar a nova magem nída. Igualando () com (): L L p, logo: o p o p L p o L o o b) Novamene a equação do aumeno: o LL () L L f L f p f p f p f L L Inensdade do campo magnéco: B Consane elásca de cada mola: k Dsânca focal da lene: f Comprmeno da hase conduora: a essênca eléca de cada hase conduora: Observações: Desconsdere a ressênca elérca do rlho e da fone elérca. Desconsdere a massa do conjuno móvel da lene e os aros nos rolees. a) Sendo a suação ncal (mola relaada) e a fnal (mola deformada pela força magnéca), pela equação de Gauss emos: pp' f f p p' p p' () c) nalogamene ao em (b), podemos conclur que: p f L L Observe que L L p p, o que é confrmado caso aplquemos a regra da mão esquerda para deermnar o sendo da força magnéca nas fguras do enuncado: B mag Seja a dsânca fa enre o objeo e a ela, emos: p p' p' p Desa forma, p p é a deformação da mola. 6

8 (9) - O LIT SOLV IM DISCUSIVS ÍSIC Seja a correne em cada hase, el a força elásca e mag a força magnéca, emos nas duas hases o equlíbro de forças: el mag el mag Suação (condção ncal de equlíbro) Suação (novo esado de equlíbro) Logo: V k k B akpp B av pp B a k L L V f f B a L L USTÃO 9 V kf L L B a LL X X calor L k am Temos, em cada caso, que a força resulane sobre o êmbolo deve ser nula para garanr a suação de equlíbro mecânco, dese modo, sendo M a massa do êmbolo e a sua área, emos: p M g ptm p L M g ptm kx X X gás deal p,, p,,,, p, a p, a fgura acma represena um ssema, ncalmene em equlíbro mecânco e ermodnâmco, consuído por um recpene clíndrco com um gás deal, um êmbolo e uma mola. O êmbolo confna o gás denro do recpene. Na condção ncal, a mola, conecada ao êmbolo e ao pono fo, não eerce força sobre o êmbolo. pós J de calor serem fornecdos ao gás, o ssema ange um novo esado de equlíbro mecânco e ermodnâmco, fcando o êmbolo a uma alura de, m em relação à base do clndro. Deermne a pressão e a emperaura do gás deal: a) na condção ncal; b) no novo esado de equlíbro. Observação: Consdere que não ese aro enre o clndro e o êmbolo. Consdere: Massa do gás deal:, kg; Calor específco a volume consane do gás deal: J/kg.K; lura ncal do êmbolo em relação à base do clndro: X m; Área da base do êmbolo:, m ; Consane elásca da mola: N/m; Massa do êmbolo: kg; celeração da gravdade: m/s ; e ressão amosférca:. a. Observe as forças que auam sobre o êmbolo em cada uma das duas suações de equlíbro: é o peso do êmbolo; é a força eercda pelo ar devdo à pressão amosférca; é a força eercda pelo gás na prmera suação; é a força eercda pelo gás na segunda suação; L é a força eercda pela mola na segunda suação. (as forças auam odas no eo do êmbolo clíndrco, foram apenas represenadas de modo não alnhado para dear o dagrama de forças mas claro) lém dsso, como o número de mols se maném consane denro do êmbolo enre as duas suações, podemos mpor a Le Geral dos Gases erfeos: pv p V px p X T T T T T p X,, T T T p X,, nre a prmera suação e a segunda, vamos ulzar agora o eorema do rabalho-energa cnéca: "O rabalho da força resulane é gual à varação da energa cnéca do corpo". Lembrando que das quaro forças que auaram sobre o êmbolo, somene a força que o gás deal eerce aua a favor do deslocameno (força morz), enquano odas as ouras auam conra o deslocameno (forças ressvas): M M S C MOL GÁS k X X M g X XpTM X X GÁS,,,, J GÁS GÁS Da rmera Le da Termodnâmca, vem que: U U U J GÁS Como a varação de energa nerna U enre dos esados de um gás, a emperauras T e T, sempre pode ser epressa como o calor rocado num processo a volume consane enre essas mesmas duas emperauras: U V mcv T T, emos:, T TT T K, ssm, emos o ssema: T T T K T T K T 6 K orano, emos as resposas: p, a p, a a) b) T K T 6 K 7

9 (9) - O LIT SOLV IM DISCUSIVS ÍSIC USTÃO T dferença de poencal aplcada ao ressor e à caa prea é a mesma, e gual a e, pos esão em paralelo com a fone. Dessa forma, e (),.. e( ) ssm, basa mulplcar por os valores ndcados no gráfco de e para se er o gráfco de : gura a apresena um crcuo composo por uma fone de ensão almenando um elemeno desconhecdo, denomnado CIX T, em paralelo com uma ressênca de,. s formas de onda da ensão fornecda pela fone e da poênca solcada pelo crcuo são apresenadas pelo crcuo são apresenadas nas fguras b e c, respecvamene. ede-se: a) o esboço dos gráfcos das correnes T, e ; b) o esboço do gráfco da poênca dsspada no ressor de, ; c) a energa consumda pelo crcuo no nervalo de empo enre e s. a) OBSVÇÃO: Os gráfcos não apresenam undades. Nesa resolução esamos supondo que são dados no ssema nernaconal de undades. poênca oal do crcuo é dada pela correne oal T mulplcada pela ensão e : () e (). T T () e () Nos nervalos [,] e [,], a função e () é consane, e assm a correne oal será dada pela curva em () dvdda por ou, os valores numércos das respecvas ensões. No nervalo [,], calculando a equação dos segmenos de rea em cada gráfco, obemos ( ) 6 e e ( ). Isso mplca que a correne oal é consane e gual a nesse nervalo (dvsão das duas equações). No nervalo [,], os dos gráfcos êm os mesmos valores numércos, o que mplca que a correne oal é nesse nervalo. Dadas essas nformações emos o segune gráfco: e correne oal deve ser a soma das correnes () T T e T () : Como ambos os gráfcos são composos por segumenos de reas, a correne ambém será. não só precsamos calcular a subração dos valores nos ponos eremos de cada segumeno e nerlgar por reas, obendo: b) Como a ensão sobre o ressor de, é dada por e ( ), a poênca dsspada nele será: e () (). e, Com sso vemos que nos nervalos onde e () for consane, () ambém será. Nos nervalos [,], [,] e [,], onde e () é uma função lnear do po a b, e será a ab b sendo 8

10 (9) - O LIT SOLV IM DISCUSIVS ÍSIC assm o coefcene da parábola ( a ) será sempre posvo (concavdade para cma) () será crescene/decrescene conforme o módulo de e () for crescene/decrescene. ssm emos qupe desa resolução () c) energa consumda pelo crcuo é dada pelo valor numérco da área sob a curva do gráfco X. pare do gráfco que fca abao do eo das abscssas conrbu com um valor negavo. () ísca Claon menel de Olvera Maheus Veronez Vníco Merçon olroner evsão Danlo José de Lma dson Vlela Gadbem lel Barbosa da Slva abano Gonçalves Lopes Marcelo Duare odrgues Cecchno Zaban Dgação, Dagramação e ublcação llan Moura Sandro Vmer Valenn Junos orano, 8 7J 9

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas.

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas. 1 INTRODUÇÃO E CONCEITOS INICIAIS 1.1 Mecânca É a pare da Físca que esuda os movmenos dos corpos. 1. -Cnemáca É a pare da mecânca que descreve os movmenos, sem se preocupar com suas causas. 1.3 - Pono

Leia mais

CAPÍTULO 1 REPRESENTAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS. Sistema monovariável SISO = Single Input Single Output. s 1 s 2. ... s n

CAPÍTULO 1 REPRESENTAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS. Sistema monovariável SISO = Single Input Single Output. s 1 s 2. ... s n 1 CAPÍTULO 1 REPREENTAÇÃO E CLAIFICAÇÃO DE ITEMA 1.1. Represenação de ssemas 1.1.1. semas com uma enrada e uma saída (IO) e sema monovarável IO = ngle Inpu ngle Oupu s e = enrada s = saída = ssema 1.1..

Leia mais

2 Programação Matemática Princípios Básicos

2 Programação Matemática Princípios Básicos Programação Maemáca Prncípos Báscos. Consderações Geras Os objevos dese capíulo são apresenar os conceos de Programação Maemáca (PM) necessáros à compreensão do processo de omzação de dmensões e descrever

Leia mais

CAPÍTULO 4. Vamos partir da formulação diferencial da lei de Newton

CAPÍTULO 4. Vamos partir da formulação diferencial da lei de Newton 9 CPÍTUL 4 DINÂMIC D PRTÍCUL: IMPULS E QUNTIDDE DE MVIMENT Nese capíulo será analsada a le de Newon na forma de negral no domíno do empo, aplcada ao momeno de parículas. Defne-se o conceo de mpulso e quandade

Leia mais

Física I. 2º Semestre de Instituto de Física- Universidade de São Paulo. Aula 5 Trabalho e energia. Professor: Valdir Guimarães

Física I. 2º Semestre de Instituto de Física- Universidade de São Paulo. Aula 5 Trabalho e energia. Professor: Valdir Guimarães Físca I º Semesre de 03 Insuo de Físca- Unversdade de São Paulo Aula 5 Trabalho e energa Proessor: Valdr Gumarães E-mal: valdrg@.usp.br Fone: 309.704 Trabalho realzado por uma orça consane Derenemene

Leia mais

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é:

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é: PROCESSO SELETIVO 27 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 31. Considere o circuio mosrado na figura abaixo: S V R C Esando o capacior inicialmene descarregado, o gráfico que represena a correne

Leia mais

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

Escola Secundária Dom Manuel Martins

Escola Secundária Dom Manuel Martins Escola Secundária Dom Manuel Marins Seúbal Prof. Carlos Cunha 1ª Ficha de Avaliação FÍSICO QUÍMICA A ANO LECTIVO 2006 / 2007 ANO II N. º NOME: TURMA: C CLASSIFICAÇÃO Grisson e a sua equipa são chamados

Leia mais

(note que não precisa de resolver a equação do movimento para responder a esta questão).

(note que não precisa de resolver a equação do movimento para responder a esta questão). Mestrado Integrado em Engenhara Aeroespacal Mecânca e Ondas 1º Ano -º Semestre 1º Teste 31/03/014 18:00h Duração do teste: 1:30h Lea o enuncado com atenção. Justfque todas as respostas. Identfque e numere

Leia mais

Física B Extensivo V. 5

Física B Extensivo V. 5 Gabario Eensivo V 5 Resolva Aula 8 Aula 9 80) E 80) A 90) f = 50 MHz = 50 0 6 Hz v = 3 0 8 m/s v = f = v f = 3 0 8 50 0 = 6 m 90) B y = 0,5 cos [ (4 0)] y = 0,5 cos y = A cos A = 0,5 m 6 = 4 s = 0,5 s

Leia mais

CAPÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATICAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS

CAPÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATICAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS APÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATIAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS A- TORÇÃO PROBLEMAS ESTATIAMENTE INDETERMINADOS Vimos aé aqui que para calcularmos as ensões em

Leia mais

Física. MU e MUV 1 ACESSO VESTIBULAR. Lista de Física Prof. Alexsandro

Física. MU e MUV 1 ACESSO VESTIBULAR. Lista de Física Prof. Alexsandro Física Lisa de Física Prof. Alexsandro MU e MU 1 - (UnB DF) Qual é o empo gaso para que um merô de 2m a uma velocidade de 18km/h aravesse um únel de 1m? Dê sua resposa em segundos. 2 - (UERJ) Um rem é

Leia mais

Trabalho e Energia. Definimos o trabalho W realizado pela força sobre uma partícula como o produto escalar da força pelo deslocamento.

Trabalho e Energia. Definimos o trabalho W realizado pela força sobre uma partícula como o produto escalar da força pelo deslocamento. Trabalho e Energa Podemos denr trabalho como a capacdade de produzr energa. Se uma orça eecutou um trabalho sobre um corpo ele aumentou a energa desse corpo de. 1 OBS: Quando estudamos vetores vmos que

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006/2 UNIFAL 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45

PROCESSO SELETIVO 2006/2 UNIFAL 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 OCEO EEIVO 006/ UNIF O DI GIO 1 13 FÍIC QUEÕE DE 31 45 31. Uma parícula é sola com elocidade inicial nula a uma alura de 500 cm em relação ao solo. No mesmo insane de empo uma oura parícula é lançada do

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

Mecânica de Sistemas de Partículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 *

Mecânica de Sistemas de Partículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 * Mecânica e Sisemas e Parículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 * 1. A velociae e escape e um planea ou esrela é e nia como seno a menor velociae requeria na superfície o objeo para que uma parícula escape

Leia mais

EEL-001 CIRCUITOS ELÉTRICOS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO

EEL-001 CIRCUITOS ELÉTRICOS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO L IRUITOS LÉTRIOS 8 UNIFI,VFS, Re. BDB PRT L IRUITOS LÉTRIOS NGNHRI D OMPUTÇÃO PÍTULO 5 PITORS INDUTORS: omporameno com Snas onínuos e com Snas lernaos 5. INTRODUÇÃO Ressor elemeno que sspa poênca. 5.

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriette Righi

Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriette Righi Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriee Righi LISTA DE EXERCÍCIOS # 1 Aenção: Aualize seu adobe, ou subsiua os quadrados por negaivo!!! 1) Deermine

Leia mais

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS DODOS 1.JUÇÃO Os crisais semiconduores, ano do ipo como do ipo, não são bons conduores, mas ao ransferirmos energia a um deses ipos de crisal, uma pequena correne elérica aparece. A finalidade práica não

Leia mais

Gripe: Época de gripe; actividade gripal; cálculo da linha de base e do respectivo intervalo de confiança a 95%; e área de actividade basal.

Gripe: Época de gripe; actividade gripal; cálculo da linha de base e do respectivo intervalo de confiança a 95%; e área de actividade basal. Grpe: Época de grpe; acvdade grpal; cálculo da lnha de ase e do respecvo nervalo de confança a 95%; e área de acvdade asal. ÉPOCA DE GRPE Para maor facldade de compreensão será desgnado por época de grpe

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013. Padrão. Padrão. max i. I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4.

CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013. Padrão. Padrão. max i. I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4. CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013 Esabelece os procedmenos para o cálculo da parcela dos avos ponderados pelo rsco (RWA) referene às exposções sueas à varação de axas de uros prefxadas denomnadas

Leia mais

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D Físca Módulo 1 Vetores, escalares e movmento em 2-D Vetores, Escalares... O que são? Para que servem? Por que aprender? Escalar Defnção: Escalar Grandea sem dreção assocada. Eemplos: Massa de uma bola,

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

Universidade Federal de Lavras

Universidade Federal de Lavras Universidade Federal de Lavras Deparameno de Ciências Exaas Prof. Daniel Furado Ferreira 8 a Lisa de Exercícios Disribuição de Amosragem 1) O empo de vida de uma lâmpada possui disribuição normal com média

Leia mais

Programação Não Linear Irrestrita

Programação Não Linear Irrestrita EA 044 Planejameno e Análse de Ssemas de Produção Programação Não Lnear Irresra DCA-FEEC-Uncamp Tópcos -Inrodução -Busca undmensonal 3-Condções de omaldade 4-Convedade e omaldade global 5-Algormos DCA-FEEC-Uncamp

Leia mais

Análise Discriminante: classificação com 2 populações

Análise Discriminante: classificação com 2 populações Análse Dscrmnane: classcação com oulações Eemlo : Proreáros de coradores de rama oram avalados seundo duas varáves: Renda U$ ; Tamanho da roredade m. Eemlo : unção dscrmnane unvarada ~ ama4 4 3 e ~ ama8.5

Leia mais

1 Princípios da entropia e da energia

1 Princípios da entropia e da energia 1 Prncípos da entropa e da energa Das dscussões anterores vmos como o conceto de entropa fo dervado do conceto de temperatura. E esta últma uma conseqüênca da le zero da termodnâmca. Dentro da nossa descrção

Leia mais

Interpolação e Extrapolação da Estrutura a Termo de Taxas de Juros para Utilização pelo Mercado Segurador Brasileiro

Interpolação e Extrapolação da Estrutura a Termo de Taxas de Juros para Utilização pelo Mercado Segurador Brasileiro Inerpolação e Exrapolação da Esruura a Termo de Taxas de Juros para Ulzação pelo Mercado Segurador Braslero Sergo Lus Frankln Jr. Thago Baraa Duare César da Rocha Neves + Eduardo Fraga L. de Melo ++ M.Sc.,

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 2012 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Sentdo de rotaçãoo do corpo y orça 30 º x orça solo Um corpo de 4 kg está preso a um o e descreve

Leia mais

Experiências para o Ensino de Queda Livre

Experiências para o Ensino de Queda Livre Universidade Esadual de Campinas Insiuo de Física Gleb Waagin Relaório Final da disciplina F 69A - Tópicos de Ensino de Física I Campinas, de juno de 7. Experiências para o Ensino de Queda Livre Aluno:

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

O díodo. Dispositivo de dois terminais

O díodo. Dispositivo de dois terminais eparameno de Engenhara Elecroécnca (EE) sposvo de dos ermnas Ânodo O díodo Cáodo Componene elemenar não-lnear ulzado em crcuos muo varados Aplcações: conversores de poênca AC/C recfcadores, processameno

Leia mais

S&P Dow Jones Indices: Metodologia da matemática dos índices

S&P Dow Jones Indices: Metodologia da matemática dos índices S&P Dow Jones Indces: Meodologa da maemáca dos índces S&P Dow Jones Indces: Meodologa do índce Ouubro 2013 Índce Inrodução 3 Dferenes varedades de índces 3 O dvsor do índce 4 Índces ponderados por capalzação

Leia mais

V = 0,30. 0,20. 0,50 (m 3 ) = 0,030m 3. b) A pressão exercida pelo bloco sobre a superfície da mesa é dada por: P 75. 10 p = = (N/m 2 ) A 0,20.

V = 0,30. 0,20. 0,50 (m 3 ) = 0,030m 3. b) A pressão exercida pelo bloco sobre a superfície da mesa é dada por: P 75. 10 p = = (N/m 2 ) A 0,20. 11 FÍSICA Um bloco de granito com formato de um paralelepípedo retângulo, com altura de 30 cm e base de 20 cm de largura por 50 cm de comprimento, encontra-se em repouso sobre uma superfície plana horizontal.

Leia mais

Exemplo: y 3, já que sen 2 e log A matriz nula m n, indicada por O m n é tal que a ij 0, i {1, 2, 3,..., m} e j {1, 2, 3,..., n}.

Exemplo: y 3, já que sen 2 e log A matriz nula m n, indicada por O m n é tal que a ij 0, i {1, 2, 3,..., m} e j {1, 2, 3,..., n}. Mrzes Mrz rel Defnção Sem m e n dos números neros Um mrz rel de ordem m n é um conuno de mn números res, dsrbuídos em m lnhs e n coluns, formndo um bel que se ndc em gerl por 9 Eemplo: A mrz A é um mrz

Leia mais

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20 1 3º Undade Capítulo XI Eletrcdade 3 Capítulo XII Campo Elétrco 8 Capítulo XIII Energa Potencal Elétrca 10 Capítulo XIV Elementos de Um Crcuto Elétrco 15 Capítulo XV Elementos de Um Crcuto Elétrco 20 Questões

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido.

Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. A Prevsão com o Modelo de Regressão.... Inrodução ao Modelo de Regressão.... Exemplos de Modelos Lneares... 3. Dervação dos Mínmos Quadrados no Modelo de Regressão... 6 4. A Naureza Probablísca do Modelo

Leia mais

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA MAEMÁICA 01 Um ourives possui uma esfera de ouro maciça que vai ser fundida para ser dividida em 8 (oio) esferas menores e de igual amanho. Seu objeivo é acondicionar cada esfera obida em uma caixa cúbica.

Leia mais

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. ECONOMETRIA Prof. Parca Mara Borolon. Sc. Modelos de ados em Panel Fone: GUJARATI;. N. Economera Básca: 4ª Edção. Ro de Janero. Elsever- Campus 006 efnções Geras Nos dados em panel a mesma undade de core

Leia mais

Adaptado de O Prisma e o Pêndulo as dez mais belas experiências científicas, p. 52, Crease, R. (2006)

Adaptado de O Prisma e o Pêndulo as dez mais belas experiências científicas, p. 52, Crease, R. (2006) PROVA MODELO GRUPO I Arisóeles inha examinado corpos em moimeno e inha concluído, pelo modo como os corpos caem denro de água, que a elocidade de um corpo em queda é uniforme, proporcional ao seu peso,

Leia mais

Conceitos Básicos de Circuitos Elétricos

Conceitos Básicos de Circuitos Elétricos onceos Báscos de rcuos lércos. nrodução Nesa aposla são apresenados os conceos e defnções fundamenas ulzados na análse de crcuos elércos. O correo enendmeno e nerpreação deses conceos é essencal para o

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 23 (pág. 86) D TM TC ula 24 (pág. 87) D TM TC ula 25 (pág. 88) D TM TC ula 26 (pág. 89) D TM TC ula 27 (pág. 91) D TM TC ula 28 (pág. 91) D TM TC evsanglo

Leia mais

Campo magnético variável

Campo magnético variável Campo magnéico variável Já vimos que a passagem de uma correne elécrica cria um campo magnéico em orno de um conduor aravés do qual a correne flui. Esa descobera de Orsed levou os cienisas a desejaram

Leia mais

SIMULADO. Física. 1 (Fuvest-SP) 3 (UERJ) 2 (UFPA)

SIMULADO. Física. 1 (Fuvest-SP) 3 (UERJ) 2 (UFPA) (Fuves-SP) (UERJ) No esáio o Morumbi, 0 000 orceores assisem a um jogo. Aravés e caa uma as 6 saías isponíveis, poem passar 000 pessoas por minuo. Qual é o empo mínimo necessário para esvaziar o esáio?

Leia mais

Energia de deformação na flexão

Energia de deformação na flexão - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Energa de deformação na

Leia mais

3 Planejamento da Operação Energética no Brasil

3 Planejamento da Operação Energética no Brasil 3 Planeameno da Operação Energéca no Brasl 3.1 Aspecos Geras O ssema elérco braslero é composo por dos dferenes pos de ssemas: os ssemas solados, os quas predomnam na regão Nore do Brasl e represenam cerca

Leia mais

F B d E) F A. Considere:

F B d E) F A. Considere: 5. Dois corpos, e B, de massas m e m, respecivamene, enconram-se num deerminado insane separados por uma disância d em uma região do espaço em que a ineração ocorre apenas enre eles. onsidere F o módulo

Leia mais

HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE

HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE Pesqusa Operaconal e o Desenvolvmeno Susenável 7 a /9/5, Gramado, RS HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE André Luís Shguemoo Faculdade de Engenhara Elérca e Compuação Unversdade Esadual

Leia mais

Capítulo. Capacitores Resoluções dos exercícios propostos. P.283 a) Dados: ε 0 8,8 10 12 F/m; A (0,30 0,50) m 2 ; d 2 10 3 m 0,30 0,50 2 10 3

Capítulo. Capacitores Resoluções dos exercícios propostos. P.283 a) Dados: ε 0 8,8 10 12 F/m; A (0,30 0,50) m 2 ; d 2 10 3 m 0,30 0,50 2 10 3 apítulo a físca xercícos propostos nae apítulo apactores apactores Resoluções os exercícos propostos P.8 a) aos: ε 0 8,8 0 F/m; (0,0 0,50) m ; 0 m ε 0 8,8 0 0,0 0,50 0 6,6 0 0 F b) ao:.000 V 6,6 00.000,

Leia mais

Análise do Desempenho dos Gestores de Fundos, baseada nas Transações e nas Participações das Carteiras

Análise do Desempenho dos Gestores de Fundos, baseada nas Transações e nas Participações das Carteiras Vâna Sofa Sequera Umbelno Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Dsseração de Mesrado apresenado à Faculdade de Economa da Unversdade de Combra

Leia mais

Capítulo. Associação de resistores. Resoluções dos exercícios propostos. P.135 a) R s R 1 R 2 R s 4 6 R s 10 Ω. b) U R s i U 10 2 U 20 V

Capítulo. Associação de resistores. Resoluções dos exercícios propostos. P.135 a) R s R 1 R 2 R s 4 6 R s 10 Ω. b) U R s i U 10 2 U 20 V apítulo 7 da físca Exercícos propostos Undade apítulo 7 ssocação de resstores ssocação de resstores esoluções dos exercícos propostos 1 P.15 a) s 1 s 6 s b) U s U 10 U 0 V c) U 1 1 U 1 U 1 8 V U U 6 U

Leia mais

NUVENS HP: UMA PROPOSTA SEM MALHA PARA O MEC

NUVENS HP: UMA PROPOSTA SEM MALHA PARA O MEC UVES HP: UMA PROPOSTA SEM MALHA PARA O MEC Adrano Scremn Unversdade Federal do Paraná Deparameno de Engenhara Mecânca Cx. P. 90 853-900 Curba, PR, Brasl Resumo. Duare & Oden (996) desenvolveram recenemene

Leia mais

01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo:

01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo: PROCESSO SELETIVO 7 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Rosane Soares Morera Vana, Luz Cláudo Perera, Lucy Tem Takahash, Olímpo Hrosh Myagak QUESTÕES OBJETIVAS Em porcentagem das emssões totas de gases do efeto estufa,

Leia mais

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20 1 4º Undade Capítulo XIII Eletrcdade 3 Questões do ENEM. 8 Capítulo XIV Campo Elétrco 11 Questões do ENEM 13 Capítulo XV Energa Potencal Elétrca 15 Questões do ENEM 20 Capítulo XVI Elementos de Um Crcuto

Leia mais

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir.

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir. PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 1ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A 01) O gráico a seguir represena a curva de aquecimeno de 10 g de uma subsância à pressão de 1 am. Analise as seguines airmações. I. O pono de ebulição

Leia mais

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS ESPELHOS E LENTES 1 Embora para os povos prmtvos os espelhos tvessem propredades mágcas, orgem de lendas e crendces que estão presentes até hoje, para a físca são apenas superfíces poldas que produzem

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

MECÂNICA CLÁSSICA. AULA N o 3. Lagrangeano Princípio da Mínima Ação Exemplos

MECÂNICA CLÁSSICA. AULA N o 3. Lagrangeano Princípio da Mínima Ação Exemplos MECÂNICA CÁSSICA AUA N o 3 agrangeano Prncípo da Mínma Ação Exemplos Todas as les da Físca êm uma esruura em comum: as les de uma parícula em movmeno sob a ação da gravdade, o movmeno dado pela equação

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

ipea COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA

ipea COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA Paulo Mansur Levy Mara Isabel Fernans Serra Esa noa em como objevo dvulgar resulados relavos ao comporameno das exporações e mporações produos ndusras

Leia mais

Aula - 2 Movimento em uma dimensão

Aula - 2 Movimento em uma dimensão Aula - Moimeno em uma dimensão Física Geral I - F- 18 o semesre, 1 Ilusração dos Principia de Newon mosrando a ideia de inegral Moimeno 1-D Conceios: posição, moimeno, rajeória Velocidade média Velocidade

Leia mais

GFI00157 - Física por Atividades. Caderno de Trabalhos de Casa

GFI00157 - Física por Atividades. Caderno de Trabalhos de Casa GFI00157 - Física por Aiidades Caderno de Trabalhos de Casa Coneúdo 1 Cinemáica 3 1.1 Velocidade.............................. 3 1.2 Represenações do moimeno................... 7 1.3 Aceleração em uma

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO

ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO Roque Passos Pvel Escola Polécnca da Unversdade de São Paulo - EPUSP Pedro Alem Sobrnho Escola Polécnca da Unversdade

Leia mais

Despacho n.º 13/06. 2. A presente resolução entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. João Renato Lima Presidente do C.A.

Despacho n.º 13/06. 2. A presente resolução entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. João Renato Lima Presidente do C.A. Despacho n.º 13/06 De enre as arbuções da Agênca de Regulação Económca desaca-se a compeênca de fxar as arfas e os mecansmos de reajuses a serem pracados pela oncessonára do servço públco de ranse e dsrbução

Leia mais

As cargas das partículas 1, 2 e 3, respectivamente, são:

As cargas das partículas 1, 2 e 3, respectivamente, são: 18 GAB. 1 2 O DIA PROCSSO SLTIVO/2006 FÍSICA QUSTÕS D 31 A 45 31. A figura abaixo ilusra as rajeórias de rês parículas movendo-se unicamene sob a ação de um campo magnéico consane e uniforme, perpendicular

Leia mais

defi departamento de física

defi departamento de física def deparameno de físca Laboraóros de Físca www.def.sep.pp.p Equações de Fresnel Insuo Superor de Engenhara do Poro Deparameno de Físca Rua Dr. Anóno Bernardno de Almeda, 431 400-07 Poro. Tel. 8 340 500.

Leia mais

Experiência IV (aulas 06 e 07) Queda livre

Experiência IV (aulas 06 e 07) Queda livre Experênca IV (aulas 06 e 07) Queda lvre 1. Obevos. Inrodução 3. Procedmeno expermenal 4. Análse de dados 5. Quesões 6. Referêncas 1. Obevos Nesa experênca esudaremos o movmeno da queda de um corpo, comparando

Leia mais

1 m 2. Substituindo os valores numéricos dados para a análise do movimento do centro de massa, vem: Resposta: D. V = 2 10 3,2 V = 8 m/s

1 m 2. Substituindo os valores numéricos dados para a análise do movimento do centro de massa, vem: Resposta: D. V = 2 10 3,2 V = 8 m/s 01 De acordo com o enunciado, não há dissipação ou acréscimo de energia. Considerando que a energia citada seja a mecânica e que, no ponto de altura máxima, a velocidade seja nula, tem-se: ε ε = ' + 0

Leia mais

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo.

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo. Motores síncronos Prncípo de funconamento ão motores com velocdade de rotação fxa velocdade de sncronsmo. O seu prncípo de funconamento está esquematzado na fgura 1.1 um motor com 2 pólos. Uma corrente

Leia mais

Avaliação Inter/Intra-regional de absorção e difusão tecnológica no Brasil: Uma abordagem não-paramétrica. AUTORES.

Avaliação Inter/Intra-regional de absorção e difusão tecnológica no Brasil: Uma abordagem não-paramétrica. AUTORES. Avalação Iner/Inra-regonal de absorção e dfusão ecnológca no Brasl: Uma abordagem não-paramérca. Palavras chave: Efcênca écnca Produvdade oal Varação ecnológca AUTORES Emerson Marnho ouor em Economa pela

Leia mais

Física - UFRGS 2010. 02. Alternativa D Afirmativa I Um ano corresponde à distância percorrida pela luz durante um ano.

Física - UFRGS 2010. 02. Alternativa D Afirmativa I Um ano corresponde à distância percorrida pela luz durante um ano. Física - UFRGS 2010 01. Alternativa E De acordo com as leis de Kepler, a órbita de cada planeta é uma elipse com o Sol em um dos focos. A reta que une um planeta e o Sol, varre áreas iguais em tempos iguais

Leia mais

UFMG - 2005 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2005 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2005 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Durante um voo, um avião lança uma caixa presa a um paraquedas. Após esse lançamento, o paraquedas abre-se e uma força F,

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

GABARITO DE QUÍMICA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA

GABARITO DE QUÍMICA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA GABARITO DE QUÍMICA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA Realizada em 8 de ouubro de 010 GABARITO DISCURSIVA DADOS: Massas aômicas (u) O C H N Na S Cu Zn 16 1 1 14 3 3 63,5 65,4 Tempo de meia - vida do U 38

Leia mais

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES CAPITULO 1 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES 1.1 INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA FENG Desinase o primeiro capíulo

Leia mais

Resolução Vamos, inicialmente, calcular a aceleração escalar γ. Da figura dada tiramos: para t 0

Resolução Vamos, inicialmente, calcular a aceleração escalar γ. Da figura dada tiramos: para t 0 46 a FÍSICA Um automóvel desloca-se a partir do repouso num trecho retilíneo de uma estrada. A aceleração do veículo é constante e algumas posições por ele assumidas, bem como os respectivos instantes,

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS EXERCÍCIOS ) Para o circuito da figura, determinar a tensão de saída V out, utilizando a linearidade.

CIRCUITOS ELÉTRICOS EXERCÍCIOS ) Para o circuito da figura, determinar a tensão de saída V out, utilizando a linearidade. FISP CIRCUITOS ELÉTRICOS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS 00 CIRCUITOS ELÉTRICOS EXERCÍCIOS 00 Para o crcuo da fgura, deermnar a ensão de saída V ou, ulzando a lneardade. Assumremos que a ensão de saída seja V ou

Leia mais

Soluções das Questões de Física da Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ

Soluções das Questões de Física da Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ Soluções das Questões de Física da Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ º Exame de Qualificação 011 Questão 6 Vestibular 011 No interior de um avião que se desloca horizontalmente em relação ao

Leia mais

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos.

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos. Insttuto de Físca de São Carlos Laboratóro de Eletrcdade e Magnetsmo: Transferênca de Potênca em Crcutos de Transferênca de Potênca em Crcutos de Nesse prátca, estudaremos a potênca dsspada numa resstênca

Leia mais

F-128 Física Geral I. Aula exploratória-07 UNICAMP IFGW F128 2o Semestre de 2012

F-128 Física Geral I. Aula exploratória-07 UNICAMP IFGW F128 2o Semestre de 2012 F-18 Física Geral I Aula eploraória-07 UNICAMP IFGW username@ii.unicamp.br F18 o Semesre de 01 1 Energia Energia é um conceio que ai além da mecânica de Newon e permanece úil ambém na mecânica quânica,

Leia mais

= F cp. mv 2. G M m G M. b) A velocidade escalar V também é dada por: V = = 4π 2 R 2 = R T 2 =. R 3. Sendo T 2 = K R 3, vem: K = G M V = R.

= F cp. mv 2. G M m G M. b) A velocidade escalar V também é dada por: V = = 4π 2 R 2 = R T 2 =. R 3. Sendo T 2 = K R 3, vem: K = G M V = R. FÍSICA Um satélite com massa m gira em torno da Terra com velocidade constante, em uma órbita circular de raio R, em relação ao centro da Terra. Represente a massa da Terra por M e a constante gravitacional

Leia mais

Impacto da Educação Defasada sobre a Criminalidade no Brasil: 2001-2005

Impacto da Educação Defasada sobre a Criminalidade no Brasil: 2001-2005 1 Impaco da Educação Defasada sobre a Crmnaldade no Brasl: 2001-2005 Evandro Camargos Texera Ana Lúca Kassouf Seembro, 2011 Workng Paper 010 Todos os dreos reservados. É probda a reprodução parcal ou negral

Leia mais

Nesse circuito, os dados indicam que a diferença de potencial entre os pontos X e Y, em volts, é a) 3,3 c) 10 e) 18 b) 6,0 d) 12.

Nesse circuito, os dados indicam que a diferença de potencial entre os pontos X e Y, em volts, é a) 3,3 c) 10 e) 18 b) 6,0 d) 12. Aprmorando os Conhecmentos de Eletrcdade Lsta 7 Assocação de esstores Prof.: Célo Normando. (UNIFO-97) O resstor, que tem a curva característca representada no gráfco abao, é componente do crcuto representado

Leia mais

Projeto de Inversores e Conversores CC-CC

Projeto de Inversores e Conversores CC-CC eparameno de Engenhara Elérca Aula. onversor Buck Prof. João Amérco lela Bblografa BAB, vo. & MANS enzar ruz. onversores - Báscos Não-solados. ª edção, UFS,. MOHAN Ned; UNEAN ore M.; OBBNS Wllam P. Power

Leia mais

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa D. alternativa E

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa D. alternativa E Questão 46 Correndo com uma bicicleta, ao longo de um trecho retilíneo de uma ciclovia, uma criança mantém a velocidade constante de módulo igual a,50 m/s. O diagrama horário da posição para esse movimento

Leia mais

F-128 Física Geral I. Aula exploratória-10b UNICAMP IFGW

F-128 Física Geral I. Aula exploratória-10b UNICAMP IFGW F-18 Físca Geral I Aula exploratóra-10b UNICAMP IFGW username@f.uncamp.br O teorema dos exos paralelos Se conhecermos o momento de nérca I CM de um corpo em relação a um exo que passa pelo seu centro de

Leia mais

FILTROS ATIVOS: UMA ABORDAGEM COMPARATIVA. Héctor Arango José Policarpo G. Abreu Adalberto Candido

FILTROS ATIVOS: UMA ABORDAGEM COMPARATIVA. Héctor Arango José Policarpo G. Abreu Adalberto Candido FILTROS ATIVOS: UMA ABORDAGEM COMPARATIVA Hécor Arango José Polcaro G. Abreu Adalbero Canddo Insuo de Engenhara Elérca - EFEI Av. BPS, 1303-37500-000 - Iajubá (MG) e-mal: arango@ee.efe.rmg.br Resumo -

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Inrodução Ins iuo de Info ormáic ca - UF FRGS Redes de Compuadores Conrole de fluxo Revisão 6.03.015 ula 07 Comunicação em um enlace envolve a coordenação enre dois disposiivos: emissor e recepor Conrole

Leia mais

MECÂNICA CLÁSSICA. AULA N o 4. Carga de Noether- Simetrias e Conservação

MECÂNICA CLÁSSICA. AULA N o 4. Carga de Noether- Simetrias e Conservação MECÂNIC CLÁSSIC UL N o 4 Carga de Noeher- Smeras e Conservação Vamos ver o caso de uma parícula movendo-se no plano, porém descrevendo-a agora em coordenadas polares: r r d dr T T m dr m d r d d m r m

Leia mais

Material de apoio para as aulas de Física do terceiro ano

Material de apoio para as aulas de Física do terceiro ano COLÉGIO LUTERANO CONCÓRDIA Concórda, desenvolvendo conhecmento com sabedora Mantenedora: Comundade Evangélca Luterana Crsto- Nteró Materal de apoo para as aulas de Físca do tercero ano Professor Rafael

Leia mais

QUESTÃO 01 Considere os conjuntos A = {x R / 0 x 3} e B = {y Z / 1 y 1}. A representação gráfica do produto cartesiano A B corresponde a:

QUESTÃO 01 Considere os conjuntos A = {x R / 0 x 3} e B = {y Z / 1 y 1}. A representação gráfica do produto cartesiano A B corresponde a: PROVA DE MATEMÁTICA - TURMA DO o ANO DO ENINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-A - JUlHO DE. ELAORAÇÃO: PROFEORE ADRIANO CARIÉ E WALTER PORTO. PROFEORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA QUETÃO Considere os conjunos A { R

Leia mais

Física Geral I - F Aula 11 Cinemática e Dinâmica das Rotações. 1º semestre, 2012

Física Geral I - F Aula 11 Cinemática e Dinâmica das Rotações. 1º semestre, 2012 Físca Geral I - F -8 Aula Cnemáca e Dnâmca das oações º semesre, 0 Movmeno de um corpo rígdo Vamos abandonar o modelo de parícula: passamos a levar em cona as dmensões do corpo, nroduzndo o conceo de corpo

Leia mais

ESTATÍSTICA. PROBABILIDADES Professora Rosana Relva Números Inteiros e Racionais ESTATÍSTICA. Professor Luiz Antonio de Carvalho

ESTATÍSTICA. PROBABILIDADES Professora Rosana Relva Números Inteiros e Racionais ESTATÍSTICA. Professor Luiz Antonio de Carvalho PROBABILIDADES Professora Rosana Relva Números Interos e Raconas APRESENTAÇÃO ROL:,,, 4, 4,,, DISCRETA : rrelva@globo.com PROGRESSÃO ARITMÉTICA CONTÍNUA PROGRESSÃO ARITMÉTICA DISTRIBUIÇÃO DE REQUÊCIAS

Leia mais

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações:

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações: Aula 1 Para as quesões dessa aula, podem ser úeis as seguines relações: 1. E c = P = d = m. v E m V E P = m. g. h cos = sen = g = Aividades Z = V caeo adjacene hipoenusa caeo oposo hipoenusa caeo oposo

Leia mais

Bacharelado Engenharia Civil

Bacharelado Engenharia Civil Bacharelado Engenharia Civil Disciplina: Física Geral e Experimental I Força e Movimento- Leis de Newton Prof.a: Msd. Érica Muniz Forças são as causas das modificações no movimento. Seu conhecimento permite

Leia mais

γ = C P C V = C V + R = q = 2 γ 1 = 2 S gas = dw = W isotermico

γ = C P C V = C V + R = q = 2 γ 1 = 2 S gas = dw = W isotermico Q1 Um clndro feto de materal com alta condutvdade térmca e de capacdade térmca desprezível possu um êmbolo móvel de massa desprezível ncalmente fxo por um pno. O rao nterno do clndro é r = 10 cm, a altura

Leia mais

Consideraremos agora, uma de cada vez, as equivalentes angulares das grandezas de posição, deslocamento, velocidade e aceleração.

Consideraremos agora, uma de cada vez, as equivalentes angulares das grandezas de posição, deslocamento, velocidade e aceleração. CAPÍTULO 5 77 5.1 Introdução A cnemátca dos corpos rígdos trata dos movmentos de translação e rotação. No movmento de translação pura todas as partes de um corpo sofrem o mesmo deslocamento lnear. Por

Leia mais

Overdose. Série Matemática na Escola. Objetivos

Overdose. Série Matemática na Escola. Objetivos Overdose Série Maemáica na Escola Objeivos 1. Analisar um problema sobre drogas, modelado maemaicamene por funções exponenciais; 2. Inroduzir o ermo meia-vida e com ele ober a função exponencial que modela

Leia mais