Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético"

Transcrição

1 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos pólos de um gerador, que, no caso, são duas plhas dêntcas, assocadas em sére. A respeto do descrto, fazem-se as seguntes afrmações: I - Ao ser percorrdo por corrente elétrca, o eletroímã apresenta polardade magnétca. Na representação da fgura, a extremdade A (cabeça do prego) será um pólo norte e a extremdade B será um pólo sul. II - Ao aproxmar-se um prego de ferro da extremdade A do eletroímã e outro da extremdade B, um deles será atraído e o outro será repeldo. III - Ao substtur-se se o conjunto de duas plhas por outro de 6 plhas dêntcas às prmeras, também assocadas em sére, a ntensdade do vetor ndução magnétca no nteror e nas extremdades do eletroímã não sofrerá alteração, uma vez que esse valor ndepende da ntensdade da corrente elétrca que crcula no fo. Está correto apenas o que se afrma em a) I e II. b) II e III. c) I e III. d) I. e) III. 2) Indque a alternatva errada: a) Dos fos longos e paralelos se atraem quando estão passando por eles correntes elétrcas no mesmo sentdo. b) Dobrando-se ao mesmo tempo o número de espras e o comprmento de uma bobna solenóde, mantêm-se nalterado o valor do campo magnétco no centro da mesma. c) A ntensdade do campo magnétco no centro de uma espra crcular ndepende do rao da espra. d) Ao se dvdr um mã em dos pedaços formam-smãs. dos novos e) O pólo norte de um mã tende a alnhar-se com o sul magnétco da Terra (norte geográfco da Terra). 3) O Eletromagnetsmo estuda os fenômenos que surgem da nteração entre campo elétrco e campo magnétco. Hans Chrstan Oersted, em 1820, realzou uma experênca fundamental para o desenvolvmento do eletromagnetsmo, na qual constatou que a agulha de uma bússola era defletda sob a ação de uma corrente elétrca percorrendo um fo condutor próxmo à bússola. A fgura a segur representa as secções transversas de dos fos condutores A e B, retos, extensos e paralelos. Esses condutores são percorrdos por uma corrente elétrca cujo sentdo está ndcado na fgura a segur. Uma pequena bússola é colocada no ponto P eqüdstante dos fos condutores. Desprezando os efetos do campo magnétco terrestre e consderando a ndcação N para pólo norte e S para pólo sul, a alternatva que apresenta a melhor orentação da agulha da bússola é 4) Um fo condutor reto e vertcal passa por um furo em uma mesa, sobre a qual, próxmo ao fo, são colocadas uma esfera carregada, pendurada em uma lnha de materal solante, e uma bússola, como mostrado na fgura: Incalmente, não há corrente elétrca no fo e a agulha da bússola aponta para ele, como se vê na fgura. Em certo nstante, uma corrente elétrca constante é estabelecda no fo. Consderando-se essas nformações, é CORRETO afrmar que, após se estabelecer a corrente elétrca no fo, a) a agulha da bússola va apontar para uma outra dreção e a esfera permanece na mesma posção. b) a agulha da bússola va apontar para uma outra dreção e a esfera va se aproxmar do fo. c) a agulha da bússola não se desva e a esfera permanece na mesma posção. d) a agulha da bússola não se desva e a esfera va se afastar do fo. 5) A fgura a segur representa dos fos muto longos, paralelos e perpendculares ao plano da págna. Os fos são percorrdos por correntes guas e no mesmo sentdo, sando do plano da págna. O vetor campo magnétco no ponto P, ndcado na fgura, é representado por: 6) Numa fera de cêncas, um estudante montou uma experênca para determnar a ntensdade do campo magnétco da Terra. Para tanto, fxou um pedaço de fo de cobre na borda de uma mesa, na dreção vertcal. Numa folha de papel, desenhou dos segmentos de retas perpendculares entre s e colocou uma bússola de manera que a dreção Norte-Sul concdsse com uma das retas, e o centro da bússola concdsse com o ponto de cruzamento das retas. O papel com a bússola fo colocado sobre a mesa de forma que a lnha orentada na dreção Norte-Sul encostasse no fo de cobre. O fo fo lgado a uma batera e, em função dsso, a agulha da bússola sofreu uma deflexão. A fgura mostra parte do esquema da construção e a orentação das lnhas no papel. a) Consderando que a resstênca elétrca do fo é de 0,2Ω, a tensão elétrca da batera é de 6,0V, a dstânca do fo ao centro da bússola é de 0,1m e desprezando o atrto da agulha da bússola com o seu suporte, determne a ntensdade do campo magnétco gerado pela corrente elétrca que atravessa o fo no local onde está o centro da agulha da bússola. Dado: µ = 4π x 10-7 T.m/A b ) Consderando que, numa posção dferente da anteror, mas ao longo da mesma dreção Norte-Sul, a agulha tenha sofrdo uma deflexão de 60 para a dreção Oeste, a partr da d reção Norte, e que nesta posção a ntensdade do campo magnétco devdo à corrente elétrca no fo é de 2Ë3 10 T, determne a ntensdade do campo magnétco da Terra no local do expermento. 1

2 7) A fgura a segur mostra uma pequena chapa metálca mantada que flutua sobre a água de um recpente. Um fo elétrco está colocado sobre esse recpente. O fo passa, então, a conduzr uma ntensa corrente elétrca contínua, no sentdo da esquerda para a dreta. A alternatva que melhor representa a posção da chapa metálca mantada, após um certo tempo, é 8) A fgura representa 4 bússolas apontando, ncalmente, para o polo norte terrestre. Pelo ponto O, perpendcularmente ao plano do papel, coloca-se um fo condutor retlíneo e longo. Ao se fazer passar pelo condutor uma corrente elétrca contínua e ntensa no sentdo do plano do papel para a vsta do letor, permanece pratcamente nalterada somente a posção a) das bússolas A e C. b) das bússolas B e D. c) das bússolas A, C e D. d) da bússola C. e) da bússola D. 9) Dos fos condutores retlíneos cruzamse perpendcularmente. A corrente no condutor X tem ntensdade e, no condutor Y, a corrente é 3. Seja B o módulo do campo magnétco crado pela corrente de X, no ponto P. O módluo do campo resultante em P é: a) zero b) B c) 2B d) BË2 e) BË3 10) Dos fos longos e retlíneos são dspostos perpendcularmente entre s e percorrdos por correntes elétrcas de ntensdades e como mostra a fgura a segur. O módulo do campo magnétco resultante, gerado pelas correntes nos dos fos, pode ser nulo SOMENTE em pontos dos quadrantes a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) II e IV 11) Uma bússola é colocada sobre uma mesa horzontal, próxma a dos fos comprdos, F1 e F2, percorrdos por correntes de mesma ntensdade. Os fos estão dspostos perpendcularmente à mesa e a atravessam. Quando a bússola é colocada em P, sua agulha aponta na dreção ndcada. Em seguda, a bússola é colocada na posção 1 e depos na posção 2, ambas eqüdstantes dos fos. Nessas posções, a agulha da bússola ndcará, respectvamente, as dreções 12) Em uma excursão acadêmca, um aluno levou uma lanterna com uma bússola acoplada. Em váras posções durante o da, ele observou que a bússola mantnha sempre uma únca orentação, perpendcular à dreção seguda pelo Sol. À note, estando a bússola sobre uma mesa e próxma de um fo perpendcular a ela, notou que a bússola mudou sua orentação, no momento em que fo lgado um gerador de corrente contínua. A orentação ncal da agulha da bússola é a mostrada na fgura a segur, onde a seta preenchda ndca o sentdo fo campo magnétco da Terra. Ao lgar o gerador, a corrente sobre o fo (sando do plano da lustração). Assm, a orentação da bússola passará a ser a segunte: a) b) c) d) e) 13) A fgura abaxo representa dos fos retlíneos e longos, (1) e (2), mostrados em corte, percorrdos por correntes elétrcas 1 e 2, perpendculares à folha de papel. Baseado no texto e em seus conhecmentos sobre Eletromagnetsmo, é correto afrmar que o campo magnétco no ponto A só poderá ser nulo se 1 e 2 forem tas que a) 1 < 2 e tverem ambos o mesmo sentdo. b) 1 < 2 e tverem sentdos opostos. c) 1 > 2 e tverem ambos o mesmo sentdo. d) 1 > 2 e tverem sentdos opostos. e) 1 = 2 e tverem sentdos opostos. 14) No vácuo, onde a constante de permssvdade magnétca vale, µ = 4π x 10-7 T.m/A há um fo retlíneo muto longo pelo qual passa uma corrente elétrca contínua de 2,5 A de ntensdade, como 2

3 mostra a fgura. Essa corrente gera no ponto A um campo magnétco de ntensdade 5µT. 18) Um trecho de condutor retlíneo l, apoado sobre uma mesa, é percorrdo por uma corrente elétrca contínua de ntensdade. Um estudante coloca uma bússola horzontalmente, prmero sobre o condutor (stuação I) e depos sob o condutor (stuação II). Supondo desprezível a ação do campo magnétco terrestre sobre a agulha (dada a forte ntensdade da corrente., a fgura que melhor representa a posção da agulha da bússola, observada de cma para baxo pelo estudante, nas stuações I e II, respectvamente, é: Qual é a dstânca d que separa o ponto A do fo? 15) O magnetsmo e a eletrcdade eram fenômenos já bem conhecdos, quando, em 1820, Hans Chrstan Oersted (1777 a 1851) observou que uma agulha magnétca era desvada quando uma corrente elétrca passava por um fo próxmo. A partr daí, eletrcdade e magnetsmo passaram a ser reconhecdos como fenômenos de uma mesma orgem. A fgura ao lado representa um fo percorrdo por uma corrente de grande ntensdade, stuado acma de uma agulha magnétca. A partr dessas nformações, é correto afrmar que a) a fgura é coerente, pos uma agulha magnétca tende a se orentar na mesma dreção do fo no qual passa a corrente. b) a fgura não é coerente, pos uma agulha magnétca tende a se orentar segundo um ângulo de 45, em relação ao f o no qual passa a corrente. c) a fgura não é coerente, pos uma agulha magnétca tende a se orentar perpendcularmente ente ao fo no qual passa a corrente. d) a fgura é coerente, pos a orentação da agulha magnétca e a da corrente que percorre o fo são guas, e o pólo sul da agulha aponta para a esquerda. e) a fgura não é coerente, pos a orentação da agulha magnétca e a da corrente que percorre o fo são guas, porém o pólo sul da agulha devera estar apontando para a dreta. 16) Dos fos longos, retlíneos e paralelos, separados por uma dstânca d, são perpendculares ao plano da págna (veja a fgura). Pelo fo 1 passa uma corrente I 1, cujo sentdo é para dentro da págna. O módulo e o sentdo da corrente que deve passar pelo fo 2, para que o campo magnétco resultante no ponto P seja nulo, devem ser, respectvamente, a) 2/3 de I 1 e para fora da págna. b) 2/3 de I 1 e para dentro da págna. c) 1/3 de I 1 e para dentro da págna. d) 1/3 de I 1 e para fora da págna. 17) A fgura mostra dos fos condutores retlíneos muto longos colocados perpendcularmente um ao outro, mas sem se tocarem, transportando a mesma corrente I nos sentdos ndcados pelas setas na fgura. Os números 1, 2, 3 e 4 ndcam as correspondentes regões no plano formado pelos dos fos. O campo magnétco total gerado pelas duas correntes pode ser nulo em pontos localzados: a) Nas regões 1 e 3. b) Nas regões 1 e 2. c) Nas regãões 3 e 4. d) Nas regões 2 e 4. e) Nas regões 1 e 4. 19) Três fos vertcas e muto longos atravessam uma superfíce plana e horzontal, nos vértces de um trângulo sósceles, como na fgura abaxo desenhada no plano. Por dos deles (*), passa uma mesma corrente que sa do plano do papel e pelo tercero (X), uma corrente que entra nesse plano. Desprezando-se se os efetos do campo magnétco terrestre, a dreção da agulha de uma bússola, colocada eqüsdstante deles, sera melhor representada pela reta a) A A b) B B c) C C d) D D e) perpendcular ao plano do papel. 20) A fgura representa dos condutores retlíneos colocados paralelamente. Os dos condutores estão submetdos a uma corrente elétrca de mesma ntensdade, conforme fgura. Consdere as afrmatvas. I. A ntensdade do campo magnétco resultante no ponto A corresponde à soma das ntensdades dos campos crados pela corrente elétrca em cada condutor. II. A ntensdade do campo magnétco resultante no ponto A é nula, pos as correntes elétrcas têm sentdos opostos. III. A ntensdade do campo magnétco resultante no ponto A é nula, pos as correntes elétrcas não geram campo magnétco. IV. Os condutores fcam sujetos a forças de orgem magnétca. É correta ou são corretas: 3

4 a) I e IV. b) apenas II. c)apenas III. d) II e III. e) apenas I. 21) Quatro fos retlíneos e longos estão dspostos nos vértces de um quadrado de lado 1m, percorrdos por correntes ndcadas na fgura a segur. espras, então pode-se afrmar que o vetor campo magnétco resultante está A B 10 A 10 A 5 A C D 5 A a) sando da regão A, entrando na regão B b) sando da regão A, sando da regão B c) entrando na regão A, sando da regão B d) entrando na regão A, entrando na regão B e) nulo na regão A, sando da regão B Calcule a ntensdade do vetor magnétco no centro do quadrado. Dê sua resposta em função de π e µ 0. 22) Uma espra crcular de rao R é percorrda por uma corrente. A uma dstânca 2R de seu centro encontra-se um condutor retlíneo muto longo que é percorrdo por uma corrente 1 (conforme a fgura). As condções que permtem que se anule o campo de ndução magnétca no centro da espra, são, respectvamente 1 a) (1/) = 2π e a corrente na espra no sentdo horáro. b) (1/) = 2π e a corrente na espra no sentdo ant-horáro. c) (1/) = π e a corrente na espra no sentdo horáro. d) (1/) = π e a corrente na espra no sentdo ant-horároe) (1/) = 2 e a corrente na espra no sentdo horáro. 23) Uma espra crcular de rao 4 cm está no plano do papel, conforme mostra a fgura abaxo. Na regão da espra tem-se vácuo, cuja constante de permeabldade magnétca é 4πx 10 7 T m/a. Quando a espra for percorrda por uma corrente elétrca de ntensdade 6A, o campo de ndução magnétca no seu centro é melhor representado pela alternatva: a) T, entrando no plano; b) 3, T, sando do plano; c) 3, T, entrando no plano; d) 3, T, sando do plano; e) 3, T, entrando no plano. R 2R 26) Uma espra crcular condutora é percorrda por uma corrente elétrca de ntensdade e perfura ortogonalmente uma superfíce plana e horzontal, conforme a fgura acma. O segmento CD, pertencente ao plano da superfíce, é dâmetro dessa espra e o segmento AB, também pertencente a esse plano, é perpendcular a CD, assm como EF é perpendcular a GH e ambos coplanares aos segmentos anterores. Se apoarmos o centro de uma pequena agulha mantada sobre o centro da espra, com lberdade de movmento, ela se alnhará a: a) AB b) CD c) EF d) GH e) um segmento dferente desses menconados. 27) O condutor retlíneo muto longo ndcado na fgura é percorrdo pela corrente I=62,8A. O valor da corrente I na espral crcular de rao R, a fm de que seja nulo o campo magnétco resultante no centro O da mesma, será gual a: a) nulo b) 1A c) 1000A d) 100A e) 10A 28) Duas espras crculares concêntrcas de raos r e 2r são percorrdas pelas correntes e 2, respectvamente. A espra 1 está no plano xz e a espra 2 no plano yz e o centro comum das espras está localzado no ponto o O, conforme a fgura a segur, determne o vetor campo magnétco resultante no ponto O (módulo, dreção e sentdo). 24) A fgura abaxo mostra duas espras condutoras concêntrcas de raos R 2 = 2R 1 colocadas no vácuo. Se a corrente 2 = 4 1, calcule o vetor ndução magnétca resultante no centro da espra. 25) A fgura a segur representa duas espras crculares e coplanares, almentadas por uma mesma fonte e consttuídas de fos de mesma secção transversal com resstvdade elétrca dferentes. O fo da espra externa possu alta resstvdade e o da espra nterna, baxa resstvdade. Consderando como regão A o espaço dentro da espra nterna e, regão B, o espaço entre as 4

5 29) A fgura a segur representa um eletroímã e um pêndulo, cuja massa presa à extremdade é um pequeno mã. Ao fechar a chave C, é correto afrmar que (01) o mã do pêndulo será repeldo pelo eletroímã. (02) o mã do pêndulo será atraído pelo eletroímã. (04) o mã do pêndulo rá grar 180 em torno do f o que o suporta. (08) o pólo sul do eletroímã estará à sua dreta. (16) o campo elétrco no nteror do eletroímã é nulo. Sabendo que a expressão para determnação da ntensdade do campo magnétco é, que a permeabldade magnétca do ferro é -4 µ = 3 10 T.m/A que a ntensdade de corrente que percorrerá o fo será de 2,0 A, determne número de espras por metro de solenode. Admtndo que a corrente elétrca crcule em torno do clndro de ferro como ndcado na fgura, qual será o pólo norte do ferro. 30) Consdere dos solenódes A e B percorrdos por uma corrente elétrca cujo sentdo é ndcado na fgura. Qual é a afrmação verdadera? 33) Na fgura, estão representados uma bobna (fo enrolado em torno de um tubo de plástco) lgada em sére com um resstor de resstênca R e uma batera. Próxmo à bobna, está colocado um ímã com os pólos norte (N) e sul (S) na posção ndcada. O ímã e a bobna estão fxos nas posções mostradas na fgura. A B a) A e B se atraem; b) A extremdade de B mas próxma de A corresponde ao pólo norte do solenóde B; c) A extremdade de A mas próxma de B corresponde ao pólo norte do solenóde A. d) A e B se repelem; 31) Uma bobna de fo condutor está nas vznhanças de um ímã, em repouso, como é mostrado na fgura abaxo. Após a chave C ser fechada, pode-se afrmar: a) O campo magnétco no nteror da bobna está orentado de D para E. b) O ímã será repeldo pela espra de fo condutor. c) O ímã será atraído pela espra de fo condutor. d) Haverá a nversão dos pólos no ímã. 32) Um professor deseja construr um eletroímã que seja capaz de gerar um campo magnétco de ntensdade T. Para sso, enrola um fo de cobre em torno de um clndro de ferro, como ndca a fgura. Com base nessas nformações, é CORRETO afrmar que a) a bobna não exerce força sobre o ímã. b) a força exercda pela bobna sobre o ímã dmnu quando se aumenta a resstênca R. c) a força exercda pela bobna sobre o ímã é dferente da força exercda pelo ímã sobre a bobna. d) o ímã é repeldo pela bobna. 34) fgura representa uma batera, de força eletromotrz E e resstênca nterna r = 5,0Ω,, lgada a um solenóde de 200 espras. Sabe-se que o amperímetro marca 200 ma e o voltímetro marca 8,0 V, ambos supostos deas. a) Qual o valor da força eletromotrz da batera? b) Qual a ntensdade do campo magnétco gerado no ponto P, localzado no meo do nteror vazo do solenóde? GABARITO: 1) d; 2) c; 3) c; 4) a; 5) a; 6) a) 6x 10-5 T, b) 2 x10-5 T; 7) c; 8) d; 8) c; 10) b; 11) a; 12) a; 13) a; 14) 0,1m; 15) c; 16) b; 17) a; 18) e 19) a; 20) a; 21) 5µ 0 / π ; 22) b; 23) b; 24) µ 1 /2R 1, entrando no plano do papel; 25) c; 26) a; 27) a; 28) 2 µ/2r; 29) 26; 30) d; 31) b; 32) 20esprras/m, lado esquerdo; 33) b; 34) a) 9V, b) 8π x 10-5 T. 5

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou!

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou! A U A UL LA Hoje não tem vtamna, o lqudfcador quebrou! Essa fo a notíca dramátca dada por Crstana no café da manhã, lgeramente amenzada pela promessa de uma breve solução. - Seu pa dsse que arruma à note!

Leia mais

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20 1 4º Undade Capítulo XIII Eletrcdade 3 Questões do ENEM. 8 Capítulo XIV Campo Elétrco 11 Questões do ENEM 13 Capítulo XV Energa Potencal Elétrca 15 Questões do ENEM 20 Capítulo XVI Elementos de Um Crcuto

Leia mais

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20 1 3º Undade Capítulo XI Eletrcdade 3 Capítulo XII Campo Elétrco 8 Capítulo XIII Energa Potencal Elétrca 10 Capítulo XIV Elementos de Um Crcuto Elétrco 15 Capítulo XV Elementos de Um Crcuto Elétrco 20 Questões

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ENSINO DE TÓPICOS DE ELETROMAGNETISMO VIA INSTRUÇÃO PELOS COLEGAS E ENSINO SOB MEDIDA PARA O ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE ENSINO DE TÓPICOS DE ELETROMAGNETISMO VIA INSTRUÇÃO PELOS COLEGAS E ENSINO SOB MEDIDA PARA O ENSINO MÉDIO UMA PROPOTA DE EIO DE TÓPICO DE ELETROMAGETIMO VIA ITRUÇÃO PELO COLEGA E EIO OB MEDIDA PARA O EIO MÉDIO TETE COCEITUAI Autores: Vagner Olvera Elane Angela Vet Ives olano Araujo TETE COCEITUAI (CAPÍTULO

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 23 (pág. 86) D TM TC ula 24 (pág. 87) D TM TC ula 25 (pág. 88) D TM TC ula 26 (pág. 89) D TM TC ula 27 (pág. 91) D TM TC ula 28 (pág. 91) D TM TC evsanglo

Leia mais

Magnetismo e. eletromagnetismo. Introdução ao magnetismo. Ímãs

Magnetismo e. eletromagnetismo. Introdução ao magnetismo. Ímãs Magnetsmo e eletromagnetsmo Este tópco apresenta o aspecto hstórco e os conhecmentos atuas dos ímãs e do campo gravtaconal terrestre. Introdução ao magnetsmo é mas pronuncado: são os polos do ímã (convenconalmente

Leia mais

Associação de resistores em série

Associação de resistores em série Assocação de resstores em sére Fg.... Na Fg.. está representada uma assocação de resstores. Chamemos de I, B, C e D. as correntes que, num mesmo nstante, passam, respectvamente pelos pontos A, B, C e D.

Leia mais

Nesse circuito, os dados indicam que a diferença de potencial entre os pontos X e Y, em volts, é a) 3,3 c) 10 e) 18 b) 6,0 d) 12.

Nesse circuito, os dados indicam que a diferença de potencial entre os pontos X e Y, em volts, é a) 3,3 c) 10 e) 18 b) 6,0 d) 12. Aprmorando os Conhecmentos de Eletrcdade Lsta 7 Assocação de esstores Prof.: Célo Normando. (UNIFO-97) O resstor, que tem a curva característca representada no gráfco abao, é componente do crcuto representado

Leia mais

Material de apoio para as aulas de Física do terceiro ano

Material de apoio para as aulas de Física do terceiro ano COLÉGIO LUTERANO CONCÓRDIA Concórda, desenvolvendo conhecmento com sabedora Mantenedora: Comundade Evangélca Luterana Crsto- Nteró Materal de apoo para as aulas de Físca do tercero ano Professor Rafael

Leia mais

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos.

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos. Insttuto de Físca de São Carlos Laboratóro de Eletrcdade e Magnetsmo: Transferênca de Potênca em Crcutos de Transferênca de Potênca em Crcutos de Nesse prátca, estudaremos a potênca dsspada numa resstênca

Leia mais

(note que não precisa de resolver a equação do movimento para responder a esta questão).

(note que não precisa de resolver a equação do movimento para responder a esta questão). Mestrado Integrado em Engenhara Aeroespacal Mecânca e Ondas 1º Ano -º Semestre 1º Teste 31/03/014 18:00h Duração do teste: 1:30h Lea o enuncado com atenção. Justfque todas as respostas. Identfque e numere

Leia mais

EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARALELA 4º BIMESTRE

EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARALELA 4º BIMESTRE EXERCÍCIOS DE RECUERAÇÃO ARALELA 4º BIMESTRE NOME Nº SÉRIE : 2º EM DATA : / / BIMESTRE 4º ROFESSOR: Renato DISCILINA: Físca 1 VISTO COORDENAÇÃO ORIENTAÇÕES: 1. O trabalho deverá ser feto em papel almaço

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos da físca Undade C Capítulo Campos magnétcos esoluções dos exercícos propostos. Incalmente determnamos, pela regra da mão dreta n o, a dreção e o sentdo dos vetores ndução magnétca e que e orgnam no centro

Leia mais

Consideraremos agora, uma de cada vez, as equivalentes angulares das grandezas de posição, deslocamento, velocidade e aceleração.

Consideraremos agora, uma de cada vez, as equivalentes angulares das grandezas de posição, deslocamento, velocidade e aceleração. CAPÍTULO 5 77 5.1 Introdução A cnemátca dos corpos rígdos trata dos movmentos de translação e rotação. No movmento de translação pura todas as partes de um corpo sofrem o mesmo deslocamento lnear. Por

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014 Aula 7: Crcutos Curso de Físca Geral III F-38 º semestre, 04 Ponto essencal Para resolver um crcuto de corrente contínua, é precso entender se as cargas estão ganhando ou perdendo energa potencal elétrca

Leia mais

Resoluções dos testes propostos. T.255 Resposta: d O potencial elétrico de uma esfera condutora eletrizada é dado por: Q 100 9 10 Q 1,0 10 9 C

Resoluções dos testes propostos. T.255 Resposta: d O potencial elétrico de uma esfera condutora eletrizada é dado por: Q 100 9 10 Q 1,0 10 9 C apítulo da físca apactores Testes propostos ndade apítulo apactores Resoluções dos testes propostos T.55 Resposta: d O potencal elétrco de uma esfera condutora eletrzada é dado por: Vk 0 9 00 9 0,0 0 9

Leia mais

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo.

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo. Motores síncronos Prncípo de funconamento ão motores com velocdade de rotação fxa velocdade de sncronsmo. O seu prncípo de funconamento está esquematzado na fgura 1.1 um motor com 2 pólos. Uma corrente

Leia mais

φ = 2,0 3,0 10 2 1 φ = 6,0 10 2 Wb 2 Uma espira quadrada de 20 cm de lado está totalmente imersa

φ = 2,0 3,0 10 2 1 φ = 6,0 10 2 Wb 2 Uma espira quadrada de 20 cm de lado está totalmente imersa 238 PTE III ELETOMGETIMO Tópco 4 1 E.. Uma espra retangular de 1 cm de largura por 3 cm de comprmento é colocada, totalmente mersa, em um campo de ndução magnétca unforme e constante, de módulo gual a

Leia mais

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição)

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição) 14. orrentes Alternadas (baseado no Hallday, 4 a edção) Por que estudar orrentes Alternadas?.: a maora das casas, comérco, etc., são provdas de fação elétrca que conduz corrente alternada (A ou A em nglês):

Leia mais

50 Calcule a resistência equivalente entre os pontos A e B das seguintes associações:

50 Calcule a resistência equivalente entre os pontos A e B das seguintes associações: p. 4 50 alcule a resstênca equvalente entre os pontos e das seguntes assocações: a) c) 3 5 5 5 0 b) d) 6 3 3 9 0 6 7 a) 5 5 5,5 6,5 0 b) 6 5 9 3 3 0 0 3 6 5 c) 5 3 5 3 3 d) 3 3 6 6 3 7 7 3 6 7 0 5 (FG-SP)

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES Prof(a) Stela Mara de arvalho Fernandes SSOIÇÃO DE ESISTOES ssocação de esstores em Sére Dos ou mas resstores estão assocados em sére quando são percorrdos pela mesma corrente elétrca. omo U D Somando

Leia mais

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS ESPELHOS E LENTES 1 Embora para os povos prmtvos os espelhos tvessem propredades mágcas, orgem de lendas e crendces que estão presentes até hoje, para a físca são apenas superfíces poldas que produzem

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS CAMPO MAGNÉTICO

LISTA DE EXERCÍCIOS CAMPO MAGNÉTICO 1. (Fuvest 96) A figura esquematiza um ímã permanente, em forma de cruz de pequena espessura, e oito pequenas bússolas, colocadas sobre uma mesa. As letras N e S representam, respectivamente, pólos norte

Leia mais

Órion MARATONA UFG FÍSICA. (Leonardo) NOME: Lista 03

Órion MARATONA UFG FÍSICA. (Leonardo) NOME: Lista 03 Óron ARATOA UFG FÍSICA (Leonardo) O: Lsta 03 01 - (FABC) A fgura representa um longo fo retlíneo percorrdo por uma corrente elétrca de ntensdade = 4mA. Podemos afrmar que a ntensdade do campo magnétco

Leia mais

1 Princípios da entropia e da energia

1 Princípios da entropia e da energia 1 Prncípos da entropa e da energa Das dscussões anterores vmos como o conceto de entropa fo dervado do conceto de temperatura. E esta últma uma conseqüênca da le zero da termodnâmca. Dentro da nossa descrção

Leia mais

Energia de deformação na flexão

Energia de deformação na flexão - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Energa de deformação na

Leia mais

Campo Magnético gerado por um condutor (fio) reto

Campo Magnético gerado por um condutor (fio) reto Campo Magnético gerado por um condutor (fio) reto 1. (Unesp 2015) Dois fios longos e retilíneos, 1 e 2, são dispostos no vácuo, fixos e paralelos um ao outro, em uma direção perpendicular ao plano da folha.

Leia mais

Exercícios de Física Eletromagnetismo

Exercícios de Física Eletromagnetismo Exercícios de Física Eletromagnetismo 1-Considerando as propriedades dos ímãs, assinale a alternativa correta. a) Quando temos dois ímãs, podemos afirmar que seus pólos magnéticos de mesmo nome (norte

Leia mais

Exercícios de Física Eletromagnetismo

Exercícios de Física Eletromagnetismo Exercícios de Física Eletromagnetismo 1-Considerando as propriedades dos ímãs, assinale a alternativa correta. a) Quando temos dois ímãs, podemos afirmar que seus pólos magnéticos de mesmo nome (norte

Leia mais

Exercícios Eletromagnetismo

Exercícios Eletromagnetismo Exercícios Eletromagnetismo 1-Considerando as propriedades dos ímãs, assinale a alternativa correta. a) Quando temos dois ímãs, podemos afirmar que seus pólos magnéticos de mesmo nome (norte e norte, ou

Leia mais

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D Físca Módulo 1 Vetores, escalares e movmento em 2-D Vetores, Escalares... O que são? Para que servem? Por que aprender? Escalar Defnção: Escalar Grandea sem dreção assocada. Eemplos: Massa de uma bola,

Leia mais

Material de apoio para as aulas de Física do terceiro ano

Material de apoio para as aulas de Física do terceiro ano COLÉGIO LUTERANO CONCÓRDIA 67 Anos Educando com o Coração Mantenedora: Comundade Evangélca Luterana Crsto- Nteró Materal de apoo para as aulas de Físca do tercero ano Professor Rafael Frank de Rodrgues

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Mederos ELETRICIDADE E MAGNETISMO NOTA DE AULA III Goâna - 2014 CORRENTE ELÉTRICA Estudamos anterormente

Leia mais

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág.

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 25 (pág. 86) D TM TC ula 26 (pág. 86) D TM TC ula 27 (pág. 87) D TM TC ula 28 (pág. 87) D TM TC ula 29 (pág. 90) D TM TC ula 30 (pág. 90) D TM TC ula 31 (pág.

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Capítulo. Associação de resistores. Resoluções dos exercícios propostos. P.135 a) R s R 1 R 2 R s 4 6 R s 10 Ω. b) U R s i U 10 2 U 20 V

Capítulo. Associação de resistores. Resoluções dos exercícios propostos. P.135 a) R s R 1 R 2 R s 4 6 R s 10 Ω. b) U R s i U 10 2 U 20 V apítulo 7 da físca Exercícos propostos Undade apítulo 7 ssocação de resstores ssocação de resstores esoluções dos exercícos propostos 1 P.15 a) s 1 s 6 s b) U s U 10 U 0 V c) U 1 1 U 1 U 1 8 V U U 6 U

Leia mais

Força Eletromotriz Induzida

Força Eletromotriz Induzida Força Eletromotriz Induzida 1. (Uerj 2013) Um transformador que fornece energia elétrica a um computador está conectado a uma rede elétrica de tensão eficaz igual a 120 V. A tensão eficaz no enrolamento

Leia mais

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2 Capítulo O plano compleo Introdução Os números compleos começaram por ser ntrodudos para dar sentdo à resolução de equações polnomas do tpo Como os quadrados de números reas são sempre maores ou guas a

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Campo Magnético. e horário. e anti-horário. e horário. e anti-horário. e horário. a) b) c) d) e)

Campo Magnético. e horário. e anti-horário. e horário. e anti-horário. e horário. a) b) c) d) e) Campo Magnético 1. (Ita 2013) Uma espira circular de raio R é percorrida por uma corrente elétrica i criando um campo magnético. Em seguida, no mesmo plano da espira, mas em lados opostos, a uma distância

Leia mais

ALQUATI FÍSICA III - MAGNETISMO

ALQUATI FÍSICA III - MAGNETISMO COLÉGIO TÉCICO IDUTRIAL Prof. MÁRIO ALQUATI FÍICA III - MAGETIMO Magnetsmo é a parte da físca que estuda os ímãs e os fenômenos produzdos pelos mesmos. Denomna-se ímã ou magneto a qualquer corpo capaz

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos Capítulo 10 da físca 3 xercícos propostos Undade Capítulo 10 eceptores elétrcos eceptores elétrcos esoluções dos exercícos propostos 1 P.50 a) U r 100 5 90 V b) Pot d r Pot d 5 Pot d 50 W c) Impedndo-se

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Versão prelmnar 7 de setembro de Notas de Aula de Físca 7. TRABAO E ENERGIA CINÉTICA... MOVIMENTO EM UMA DIMENSÃO COM FORÇA CONSTANTE... TRABAO EXECUTADO POR UMA FORÇA VARIÁVE... Análse undmensonal...

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

3. Um protão move-se numa órbita circular de raio 14 cm quando se encontra. b) Qual o valor da velocidade linear e da frequência ciclotrónica do

3. Um protão move-se numa órbita circular de raio 14 cm quando se encontra. b) Qual o valor da velocidade linear e da frequência ciclotrónica do Electromagnetsmo e Óptca Prmero Semestre 007 Sére. O campo magnétco numa dada regão do espaço é dado por B = 4 e x + e y (Tesla. Um electrão (q e =.6 0 9 C entra nesta regão com velocdade v = e x + 3 e

Leia mais

S.A. 1. 2002; TIPLER, P. A.; MOSCA, G.

S.A. 1. 2002; TIPLER, P. A.; MOSCA, G. Rotação Nota Alguns sldes, fguras e exercícos pertencem às seguntes referêncas: HALLIDAY, D., RESNICK, R., WALKER, J. Fundamentos da Físca. V 1. 4a.Edção. Ed. Lvro Técnco Centífco S.A. 00; TIPLER, P. A.;

Leia mais

Considerando a polaridade do ímã, as linhas de indução magnética criadas por ele e o sentido da corrente elétrica induzida no tubo condutor de cobre

Considerando a polaridade do ímã, as linhas de indução magnética criadas por ele e o sentido da corrente elétrica induzida no tubo condutor de cobre 1. Em uma aula de laboratório, os estudantes foram divididos em dois grupos. O grupo A fez experimentos com o objetivo de desenhar linhas de campo elétrico e magnético. Os desenhos feitos estão apresentados

Leia mais

Curso Wellington Física Magnetismo Prof Hilton Franco

Curso Wellington Física Magnetismo Prof Hilton Franco 1. Um condutor retilíneo de comprimento l percorrido por uma corrente elétrica i é imerso em um campo magnético uniforme B. Na figura a seguir, estão disponibilizadas as seguintes situações I, II, III,

Leia mais

ELEMENTOS DE CIRCUITOS

ELEMENTOS DE CIRCUITOS MINISTÉRIO D EDUCÇÃO SECRETRI DE EDUCÇÃO PROFISSIONL E TECNOLÓGIC INSTITUTO FEDERL DE EDUCÇÃO, CIÊNCI E TECNOLOGI DE SNT CTRIN CMPUS DE SÃO JOSÉ - ÁRE DE TELECOMUNICÇÕES CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICÇÕES

Leia mais

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M.

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M. Lsta de Exercícos de Recuperação do Bmestre Instruções geras: Resolver os exercícos à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fcháro). Copar os enuncados das questões. Entregar a lsta

Leia mais

lb d pol Para o trecho CB temos: pol Resposta: A tensão de cisalhamento no trecho AC é de 27,2 ksi e no trecho CB é de 10,9 ksi.

lb d pol Para o trecho CB temos: pol Resposta: A tensão de cisalhamento no trecho AC é de 27,2 ksi e no trecho CB é de 10,9 ksi. 1) O exo macço de 1,5 de dâmetro é usado para transmtr os torques aplcados às engrenagens. Determnar a tensão de csalhamento desenvolvda nos trechos AC e CB do exo. Para o trecho AC temos: T 1500.pés 1500

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

F-328 Física Geral III

F-328 Física Geral III F-328 Físca Geral III Aula exploratóra- 06 UNICAMP IFGW username@f.uncamp.br F328 2 o Semestre de 2013 1 Corrente elétrca e resstênca Defnção de corrente: Δq = dq = t+δt Undade de corrente: 1 Ampère =

Leia mais

Física C Intensivo V. 2

Física C Intensivo V. 2 Físca C Intensvo V Exercícos 01) C De acordo com as propredades de assocação de resstores em sére, temos: V AC = V AB = V BC e AC = AB = BC Então, calculando a corrente elétrca equvalente, temos: VAC 6

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas Unversdade Salvador UNIFACS Cursos de Engenhara Cálculo IV Profa: Ilka ebouças Frere Integras Múltplas Texto 3: A Integral Dupla em Coordenadas Polares Coordenadas Polares Introduzremos agora um novo sstema

Leia mais

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações.

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações. 1. TABELA DE DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA As tabelas resumem as normações obtdas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de normações. As tabelas sem perda de normação

Leia mais

Escola Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Matemática 12.º ano Números Complexos - Exercícios saídos em (Exames Nacionais 2000)

Escola Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Matemática 12.º ano Números Complexos - Exercícios saídos em (Exames Nacionais 2000) Internet: http://rolvera.pt.to ou http://sm.page.vu Escola Secundára Dr. Ângelo Augusto da Slva Matemátca.º ano Números Complexos - Exercícos saídos em (Exames Naconas 000). Seja C o conjunto dos números

Leia mais

1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. b r

1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. b r F Físca 1998 1. Um certo calorímetro contém 80 gramas de água à temperatura de 15 O C. dconando-se à água do calorímetro 40 gramas de água a 50 O C, observa-se que a temperatura do sstema, ao ser atngdo

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

Resoluções dos testes propostos

Resoluções dos testes propostos da físca Undade B Capítulo 9 Geradores elétrcos esoluções dos testes propostos 1 T.195 esposta: d De U r, sendo 0, resulta U. Portanto, a força eletromotrz da batera é a tensão entre seus termnas quando

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

3º Bimestre. Física I. Autor: Geraldo Velazquez

3º Bimestre. Física I. Autor: Geraldo Velazquez 3º Bimestre Autor: Geraldo Velazquez SUMÁRIO UNIDADE III... 4 Capítulo 3: Eletromagnetismo... 4 3.1 Introdução... 4 3.2 Campo Magnético (B)... 6 3.3 Campo Magnético Gerado Por Corrente... 7 3.4 Campo

Leia mais

8. O Campo Magnético (baseado no Halliday, 4 a edição)

8. O Campo Magnético (baseado no Halliday, 4 a edição) 8. O Campo Magnétco (baseado no Hallday, 4 a edção) O Campo Magnétco 1) Paralelo entre plástco carregado eletrcamente e um ímã Uma barra de plástco carregada produz um campo vetoral ( E ) em todos os pontos

Leia mais

Receptores elétricos. antes de estudar o capítulo PARTE I

Receptores elétricos. antes de estudar o capítulo PARTE I PARTE I Undade B capítulo 10 Receptores elétrcos seções: 101 Receptor Força contraeletromotrz 102 Crcutos gerador-receptor e gerador-receptor-resstor antes de estudar o capítulo Veja nesta tabela os temas

Leia mais

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 37 (pág. 88) AD TM TC. Aula 38 (pág. 88) AD TM TC. Aula 39 (pág.

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 37 (pág. 88) AD TM TC. Aula 38 (pág. 88) AD TM TC. Aula 39 (pág. ísca Setor Prof.: Índce-controle de Estudo ula 37 (pág. 88) D TM TC ula 38 (pág. 88) D TM TC ula 39 (pág. 88) D TM TC ula 40 (pág. 91) D TM TC ula 41 (pág. 94) D TM TC ula 42 (pág. 94) D TM TC ula 43 (pág.

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Ufpe) Constantes físicas necessárias para a solução dos problemas:

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Ufpe) Constantes físicas necessárias para a solução dos problemas: TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Ufpe) Constantes físicas necessárias para a solução dos problemas: aceleração da gravidade: 10 m/s constante de Planck: 6,6 x 10 J.s 3. (Fuvest) A figura adiante mostra, num

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR Matéra / Dscplna: Introdução à Informátca Sstema de Numeração Defnção Um sstema de numeração pode ser defndo como o conjunto dos dígtos utlzados para representar quantdades e as regras que defnem a forma

Leia mais

Lista de Eletromagnetismo. 1 Analise as afirmativas seguintes e marque a opção correta.

Lista de Eletromagnetismo. 1 Analise as afirmativas seguintes e marque a opção correta. Lista de Eletromagnetismo 1 Analise as afirmativas seguintes e marque a opção correta. I. Se duas barras de ferro sempre se atraem, podemos concluir que uma das duas não está magnetizada. II. Para conseguirmos

Leia mais

Eletromagnetismo Indutores e Indutância

Eletromagnetismo Indutores e Indutância Eletromagnetsmo Indutores e Indutânca Eletromagnetsmo» Indutores e Indutânca Introdução Indutores são elementos muto útes, pos com eles podemos armazenar energa de natureza magnétca em um crcuto elétrco.

Leia mais

TC DE FÍSICA 2 a SÉRIE ENSINO MÉDIO

TC DE FÍSICA 2 a SÉRIE ENSINO MÉDIO TC DE FÍSICA 2 a SÉRIE ENSINO MÉDIO Professor(es): Odair Mateus 14/6/2010 1.Na(s) questão(ões) a seguir, escreva no espaço apropriado a soma dos itens corretos. Sobre os conceitos e aplicações da Eletricidade

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

2ª PARTE Estudo do choque elástico e inelástico.

2ª PARTE Estudo do choque elástico e inelástico. 2ª PARTE Estudo do choque elástco e nelástco. Introdução Consderemos dos corpos de massas m 1 e m 2, anmados de velocdades v 1 e v 2, respectvamente, movmentando-se em rota de colsão. Na colsão, os corpos

Leia mais

Resoluções dos testes propostos

Resoluções dos testes propostos da físca 3 Undade apítulo 15 Indução eletromagnétca esoluções dos testes propostos 1 T.372 esposta: d ob ação da força magnétca, elétrons se deslocam para a extremdade nferor da barra metálca. essa extremdade,

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

Capítulo 30: Indução e Indutância

Capítulo 30: Indução e Indutância Capítulo 3: Indução e Indutânca Índce Fatos xpermentas; A e de Faraday; A e de enz; Indução e Tranferênca de nerga; Campos létrcos Induzdos; Indutores e Indutânca; Auto-ndução; Crcuto ; nerga Armazenada

Leia mais

Lista de Exercícios Física 2 - Prof. Mãozinha Tarefa 15 Eletromagnetismo. Resumo de fórmulas. Fórmulas para cargas elétricas

Lista de Exercícios Física 2 - Prof. Mãozinha Tarefa 15 Eletromagnetismo. Resumo de fórmulas. Fórmulas para cargas elétricas Resumo de fórmulas Força magnética em uma carga elétrica em movimento F = q. v. B. senθ Fórmulas para cargas elétricas Raio de uma trajetória circular gerada por uma partícula em um campo magnético R =

Leia mais

3.1. Conceitos de força e massa

3.1. Conceitos de força e massa CAPÍTULO 3 Les de Newton 3.1. Concetos de força e massa Uma força representa a acção de um corpo sobre outro,.e. a nteracção físca entre dos corpos. Como grandeza vectoral que é, só fca caracterzada pelo

Leia mais

F-128 Física Geral I. Aula exploratória-10b UNICAMP IFGW

F-128 Física Geral I. Aula exploratória-10b UNICAMP IFGW F-18 Físca Geral I Aula exploratóra-10b UNICAMP IFGW username@f.uncamp.br O teorema dos exos paralelos Se conhecermos o momento de nérca I CM de um corpo em relação a um exo que passa pelo seu centro de

Leia mais

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostla de Estatístca Curso de Matemátca Volume II 008 Probabldades, Dstrbução Bnomal, Dstrbução Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna 1 Capítulo 8 - Probabldade 8.1 Conceto Intutvamente pode-se defnr probabldade

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2013 DA UNICAMP-FASE 1. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2013 DA UNICAMP-FASE 1. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 03 DA UNICAMP-FASE. PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA QUESTÃO 37 A fgura abaxo exbe, em porcentagem, a prevsão da oferta de energa no Brasl em 030, segundo o Plano Naconal

Leia mais

01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo:

01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo: PROCESSO SELETIVO 7 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Rosane Soares Morera Vana, Luz Cláudo Perera, Lucy Tem Takahash, Olímpo Hrosh Myagak QUESTÕES OBJETIVAS Em porcentagem das emssões totas de gases do efeto estufa,

Leia mais

ELETROMAGNETISMO. Indicando por nada a ausência de atração ou repulsão da parte testada, os resultados das quatro experiências são, respectivamente:

ELETROMAGNETISMO. Indicando por nada a ausência de atração ou repulsão da parte testada, os resultados das quatro experiências são, respectivamente: ELETROMGETIMO 01 (Umesp-P) errando transversalmente um ímã em forma de barra, o que acontece? a) s duas partes se desmagnetzam. b) Obtém-se um pólo norte e um pólo sul solados. c) a secção de corte, surgem

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 6123. Forças devidas ao vento em edificações JUN 1988

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 6123. Forças devidas ao vento em edificações JUN 1988 ABNT-Assocação Braslera de Normas Técncas Sede: Ro de Janero Av. Treze de Mao, 13-28º andar CEP 20003 - Caxa Postal 1680 Ro de Janero - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Telex: (021) 34333 ABNT - BR Endereço

Leia mais

FÍSICA 3 Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba

FÍSICA 3 Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba FÍSICA 3 Campo Magnético Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba EMENTA Carga Elétrica Campo Elétrico Lei de Gauss Potencial Elétrico Capacitância Corrente e resistência Circuitos Elétricos

Leia mais

AULA 17.1. Eletromagnetismo: Introdução ao eletromagnetismo.

AULA 17.1. Eletromagnetismo: Introdução ao eletromagnetismo. AULA 17.1 Eletromagnetismo: Introdução ao eletromagnetismo. 1 INTRODUÇÃO AO ELETROMAGNETISMO A palavra magnetismo está relacionada à Magnésia, região da Ásia onde foi encontrada, pela primeira vez, a magnetita,

Leia mais

Lista de Eletromagnetismo - Tubarão. amostra em relação à localização dos. 1. Num laboratório de biofísica, um. lagos de onde vieram.

Lista de Eletromagnetismo - Tubarão. amostra em relação à localização dos. 1. Num laboratório de biofísica, um. lagos de onde vieram. 1. Num laboratório de biofísica, um pesquisador realiza uma experiência com "bactérias magnéticas", bactérias que tem pequenos ímãs no seu interior. Com auxílio desses imãs, amostra em relação à localização

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS Físca Laboratoral Ano Lectvo 003/04 ITRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS AS MEDIDAS DE GRADEAS FÍSICAS. Introdução.... Erros de observação: erros sstemátcos e erros fortutos ou acdentas... 3. Precsão e rgor...3

Leia mais

Deverão ser apresentados os cálculos e/ou as justificativas das respostas.

Deverão ser apresentados os cálculos e/ou as justificativas das respostas. Ensino Médio Unidade Parque Atheneu Professor (a): Pedro Paulo Aluno (a): Série: 2ª Data: / / 2015. LISTA DE FÍSICA I Deverão ser apresentados os cálculos e/ou as justificativas das respostas. 1) (FAMERP

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

Engenharias, Física Elétrica, prof. Simões. Eletromagnetismo. Campo magnético produzido em um fio percorrido por uma corrente elétrica. Exercícios 1.

Engenharias, Física Elétrica, prof. Simões. Eletromagnetismo. Campo magnético produzido em um fio percorrido por uma corrente elétrica. Exercícios 1. Engenharias, Física Elétrica, prof. Simões Eletromagnetismo. Campo magnético produzido em um fio percorrido por uma corrente elétrica. Exercícios 1. 1.(EEM-SP) É dado um fio metálico reto, muito longo,

Leia mais

Tópico 2. Em cada caso, observe o sentido do campo magnético devido ao f io e determine o sentido da corrente que passa por ele.

Tópico 2. Em cada caso, observe o sentido do campo magnético devido ao f io e determine o sentido da corrente que passa por ele. Tópco ogem do campo magnétco Tópco Um campo magnétco é geado: a) po eletzação: o polo note magnétco é postvo e o polo sul magnétco é negatvo. b) po cagas elétcas em epouso. c) po cagas elétcas necessaamente

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu Faculdade de Tecnologia e Ciências Exatas Cursos de Engenharia

Universidade São Judas Tadeu Faculdade de Tecnologia e Ciências Exatas Cursos de Engenharia Unversdade São Judas Tadeu Faculdade de Tecnologa e Cêncas Exatas Cursos de Engenhara Laboratóro de Físca Mesa de Forças Autor: Prof. Luz de Olvera Xaver F r = + = F1 + F + F1. F.cosα = ϕ β α BANCADA:

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

Tópico 2. Resolução: a) R eq. = 3 + 7 R eq = 10 Ω 1 = 1 R eq 12 + 1 36 + 1 36 R = 0,9 Ω 1 = 40. a) A e B? b) C e D? c) R eq.

Tópico 2. Resolução: a) R eq. = 3 + 7 R eq = 10 Ω 1 = 1 R eq 12 + 1 36 + 1 36 R = 0,9 Ω 1 = 40. a) A e B? b) C e D? c) R eq. Tópco ssocação de resstores e meddas elétrcas 113 Tópco esolução: a) eq 3 + 7 eq 10 Ω 1 Nas lustrações a segur, como estão assocadas as lâmpadas: a) e? b) e? b) 1 1 eq 36 + 1 1 + 1 1 40 36 0,9 Ω eq c)

Leia mais