Consideraremos agora, uma de cada vez, as equivalentes angulares das grandezas de posição, deslocamento, velocidade e aceleração.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Consideraremos agora, uma de cada vez, as equivalentes angulares das grandezas de posição, deslocamento, velocidade e aceleração."

Transcrição

1 CAPÍTULO Introdução A cnemátca dos corpos rígdos trata dos movmentos de translação e rotação. No movmento de translação pura todas as partes de um corpo sofrem o mesmo deslocamento lnear. Por outro lado, no movmento de rotação pura as partes de um corpo descrevem trajetóras crculares cujos centros stuam-se sobre uma mesma reta chamada de exo de rotação. No movmento de rotação pura todas as partes de um corpo sofrem o mesmo deslocamento angular. O movmento que se aproxma mas de uma stuação real é aquele que ncorpora tanto a translação quanto a rotação. 5. As varáves da rotação Desejamos examnar a rotação de um corpo rígdo em torno de um exo fxo. Um corpo rígdo é um corpo que pode grar com todas as suas partes mantdas juntas e sem qualquer mudança na sua forma. Um exo fxo sgnfca que a rotação se dá em torno de um exo que não se move. Assm, não examnaremos um objeto como uma bola de bolche rolando ao longo de uma psta de bolche, pos a bola gra em torno de um exo que se move (o movmento da bola é uma mstura de rotação com translação). Consderaremos agora, uma de cada vez, as equvalentes angulares das grandezas de posção, deslocamento, velocdade e aceleração Posção Angular A fgura 5.1 mostra uma lnha de referênca, fxa no corpo, perpendcular ao exo de rotação, e que gra acompanhando o corpo. A posção angular desta lnha é o ângulo que ela faz com uma dreção fxa, que tomamos como a posção angular nula. Fgura 5.1: Um corpo rígdo de forma arbtrára em rotação pura ao redor do exo z de um sstema de coordenadas. A posção da lnha de referênca em relação ao corpo rígdo é arbtrára, mas é perpendcular ao exo de rotação. Ela está fxa no corpo e gra com ele. Na fgura 5., a posção angular θ é medda em relação à dreção postva do exo x. Da geometra, sabemos que θ é dado por Apostla elaborada pela Profª. Ângela Emla de Almeda Pnto CAV/UDESC

2 78 s θ (ângulos meddos em radanos) 5.1 r Nesta equação, s é o comprmento de arco ao longo de um círculo e entre o exo x (a posção angular nula) e a lnha de referênca; r é o rao desse círculo. Fgura 5.: Uma seção transversal do corpo rígdo em rotação da fgura 5.1, vsta de cma. O plano da seção transversal é perpendcular ao exo de rotação, que nesta fgura se estende para fora da págna em dreção ao letor. Nesta posção do corpo, a lnha de referênca faz um ângulo θ com o exo x. Um ângulo defndo desta forma é meddo em radanos (rad) em vez de voltas (ou revoluções) ou graus. O radano, por ser a razão entre dos comprmentos, é um número puro, portanto não possu dmensão. Como a crcunferênca de um círculo de rao r é πr, em uma volta completa há π radanos: portanto πr 1 volta 360 π rad 5. r 1 rad 57,3 0,159 volta 5.3 Não zeramos θ a cada volta completa da lnha de referênca em torno do exo de rotação. Se a lnha de referênca completar duas voltas a partr da posção angular nula, a posção angular θ da lnha será θ 4π rad. Para uma translação pura ao longo da dreção x, podemos saber tudo a respeto do movmento de um corpo se conhecermos x(t), sua posção em função do tempo. De modo análogo, para uma rotação pura, podemos saber tudo a respeto do movmento de um corpo em rotação se conhecermos θ(t), a posção angular da lnha de referênca do corpo em função do tempo. 5.. Deslocamento Angular Se o corpo da fgura 5. grar em torno do exo de rotação como na fgura 5.3, varando a posção angular da lnha de referênca de θ 1 para θ, o corpo sofrerá um deslocamento angular θ dado por θ θ 5.4 θ 1 Esta defnção de deslocamento angular vale não apenas para o corpo rígdo como um todo, mas também para cada partícula no nteror desse corpo, porque as dstâncas às outras partículas se mantêm nalteradas. Apostla elaborada pela Profª. Ângela Emla de Almeda Pnto CAV/UDESC

3 79 Fgura 5.3: A lnha de referênca do corpo rígdo das fguras 5.1 e 5. está na posção angular θ 1 no tempo t 1 e na posção angular θ no tempo t. A grandeza θ (θ - θ 1 ) é o deslocamento angular que ocorre durante o ntervalo de tempo t (t t 1 ). O própro corpo não é mostrado Se um corpo estver se transladando ao longo de um exo x, seu deslocamento x será postvo ou negatvo, dependendo de o corpo estar se movendo no sentdo postvo ou negatvo do exo. Analogamente, o deslocamento angular θ de um corpo em rotação será postvo ou negatvo, de acordo com a segunte regra: Um deslocamento angular no sentdo ant-horáro é postvo, e um no sentdo horáro é negatvo. Observe que o sentdo postvo dos deslocamentos angulares é o mesmo sentdo usado em trgonometra. Assm, a frase os relógos são negatvos pode ajudar a relembrar esta regra Velocdade Angular Suponha (veja a fgura 5.3) que o corpo em rotação esteja na posção angular θ 1 no nstante t 1 e na posção angular θ no nstante t. Defnmos a velocdade angular méda do corpo no ntervalo de tempo t de t 1 para t como sendo θ θ1 θ ω méd 5.5 t t t 1 na qual θ é o deslocamento angular que ocorre durante t. Se o corpo grar: - no sentdo ant-horáro: θ aumenta e ω é postva. - no sentdo horáro: θ dmnu e ω é negatva. A velocdade angular (nstantânea) ω, na qual estaremos mas nteressados, é a dervada da posção angular em função do tempo dθ ω () t 5.6 dt Se conhecermos θ(t), podemos encontrar a velocdade angular ω dervando esta expressão. As equações 5.5 e 5.6 são váldas não só para o corpo rígdo em rotação como um todo, mas também para cada partícula desse corpo porque a posção relatva das partículas não se altera. A undade de velocdade angular é normalmente o radano por segundo (rad/s), ou revolução por segundo (rev/s). Apostla elaborada pela Profª. Ângela Emla de Almeda Pnto CAV/UDESC

4 Aceleração Angular Se a velocdade angular de um corpo em rotação não for constante, este corpo possu uma aceleração angular. Sejam ω 1 e ω as velocdades angulares nos nstantes t 1 e t, respectvamente. A aceleração angular méda do corpo em rotação no ntervalo de t 1 a t é defnda como ω ω1 ω α méd 5.7 t t t 1 onde ω é a varação da velocdade angular que ocorre durante o ntervalo de tempo t. A aceleração angular (nstantânea) α, com a qual estaremos mas envolvdos, é a taxa temporal da varação da velocdade angular - se ω aumenta com o tempo a aceleração do corpo é postva - se ω dmnu com o tempo a aceleração do corpo é negatva dω α 5.8 dt As equações 5.7 e 5.8 são váldas não apenas para o corpo rígdo como um todo, mas também para cada partícula desse corpo. A undade de aceleração angular usualmente empregada é o radano por segundo ao quadrado (rad/s ) ou a revolução por segundo ao quadrado (rev/s ). 5.3 Relaconando as Varáves Lneares com as Angulares No capítulo 4, dscutmos o movmento crcular unforme, no qual uma partícula se desloca com uma velocdade lnear constante v ao longo de um círculo e ao redor de um exo de rotação. Quando um corpo rígdo, como um carrossel, gra em torno de um exo, cada partícula no corpo se move em seu própro círculo ao redor desse exo. Como o corpo é rígdo, todas as partículas perfazem uma volta completa na mesma quantdade de tempo; ou seja, todas elas possuem a mesma velocdade angular ω. Entretanto, quanto mas afastada do exo estver uma partícula, maor será a crcunferênca do seu círculo e, conseqüentemente, maor deverá ser a sua velocdade lnear v. Isso pode ser percebdo em um carrossel. Você dá voltas com a mesma velocdade angular ω, ndependente da sua dstânca ao centro, mas a sua velocdade lnear v aumenta consderavelmente se você se mover em dreção à borda externa do carrossel. Com freqüênca, precsamos relaconar as varáves lneares s, v e a de um ponto partcular em um corpo em rotação com as varáves θ, ω e α desse corpo. Os dos conjuntos de varáves estão relaconados por r, a dstânca perpendcular do ponto ao exo de rotação. Esta dstânca entre o ponto e o exo de rotação é medda ao longo da perpendcular ao exo. Ela também é o rao r do círculo percorrdo pelo ponto ao redor do exo de rotação Posção Se na lnha de referênca sobre um corpo rígdo grar de um ângulo θ, um ponto no nteror do corpo a uma dstânca r do exo de rotação se move uma dstânca s ao longo de um arco de círculo, onde s é dado por Apostla elaborada pela Profª. Ângela Emla de Almeda Pnto CAV/UDESC

5 s θr (ângulos meddos em radanos) 5.9 Esta é a prmera das nossas relações entre as grandezas lneares e angulares Velocdade Dervando a equação 5.9 em relação ao tempo, com r mantdo constante, chega-se a ds dθ r dt dt Entretanto, ds/dt é a velocdade escalar lnear (a ntensdade do vetor velocdade lnear) do ponto em questão, e dθ/dt é a velocdade angular ω do corpo em rotação. Então v ω r (ângulos meddos em radanos) 5.11 A equação 5.11 nos dz que, já que todos os pontos no nteror do corpo rígdo possuem a mesma velocdade angular ω, pontos com um rao r maor possuem maor velocdade escalar lnear v. A fgura 5.4 nos lembra que a velocdade lnear é sempre tangente à trajetóra crcular do ponto em questão. Se a velocdade angular ω do corpo rígdo for constante, a equação 5.11 nos dz que a velocdade lnear v de qualquer ponto dentro dele também é constante. Assm, cada ponto dentro do corpo está sujeto a um movmento crcular unforme. O período de revolução T para o movmento de cada ponto e para o própro corpo rígdo é dado por πr T 5.1 v 81 Fgura 5.4: O corpo rígdo em rotação da fgura 5.1, mostrado em seção transversal vsta de cma. Todo e qualquer ponto do corpo (como, Por exemplo, P) se move em um círculo ao redor do exo de rotação. (a) O vetor velocdade lnear v de todo e qualquer ponto é tangente ao círculo no qual o ponto se move. (b) A aceleração lnear a do ponto possu (em geral) duas componentes: uma componente tangencal a t e uma componente radal a r. A equação 5.1 nos dz que o tempo para uma volta é a dstânca πr percorrda em uma volta dvdda pela velocdade com que essa dstânca é percorrda. Substtundo v da equação 5.11 e cancelando r, encontramos também que Apostla elaborada pela Profª. Ângela Emla de Almeda Pnto CAV/UDESC

6 8 T π 5.13 ω Aceleração Dervando a equação 5.11 em relação ao tempo, novamente com r mantdo constante, temos dv dt dω r 5.14 dt Aqu nos defrontamos com uma complcação. Na equação 5.14, dv/dt representa apenas a parcela da aceleração lnear que é responsável por mudanças na ntensdade v da velocdade lnear v. Como v, essa parcela da aceleração lnear é tangente à trajetóra do ponto em questão. Chamamos esta parcela de componente tangencal a t da aceleração lnear do ponto e escrevemos onde α dω/dt. a t α r (ângulos meddos em radanos) 5.15 Além dsso, como nos dz a equação 4.47, uma partícula (ou ponto) que se move em uma trajetóra crcular possu uma componente radal da aceleração lnear, a r v /r (drgda radalmente para dentro), que é responsável por varações na dreção da velocdade lnear v. Substtundo v da equação 5.11, podemos escrever essa componente como a r v ω r (ângulos meddos em radanos) 5.16 r Assm, como mostra a fgura 5.4b, a aceleração lnear de um ponto sobre um corpo rígdo em rotação possu, em geral, duas componentes. A componente radal a r drgda para o centro (dada pela equação 5.16) está presente sempre que a velocdade angular do corpo for dferente de zero. A componente tangencal a t (dada pela equação 5.15) está presente sempre que a aceleração angular for dferente de zero. 5.4 Torque, Momento de Inérca e Segunda Le de Newton para a Rotação Para por um dsco para grar é necessáro, por exemplo, a) aplcar duas forças F1 e F a sua perfera ou c) aplcar uma força a um ponto qualquer, cuja dstânca perpendcular entre a lnha de ação da força e o exo de rotação é o braço de alavanca da força. No caso b) da fgura abaxo, a combnação das forças F1 e F produz um efeto nulo, e o dsco não gra. Apostla elaborada pela Profª. Ângela Emla de Almeda Pnto CAV/UDESC

7 83 O produto entre a força e o braço de alavanca é o valor do torque τ para o ponto : τ F 5.17 Por outro lado, a capacdade da força F grar o corpo depende não apenas da ntensdade da sua componente tangencal F t, mas também da dstânca ao ponto O em que a força é aplcada. Para nclurmos estes dos fatores, defnmos o torque como sendo o produto dos dos fatores e escrevemos ( )( Fsen θ) τ r 5.18 Um torque pode ser magnado como uma torção tal como uma força é um empurrão. É o torque que modfca a velocdade de um corpo no movmento de rotação. Undade de torque: N.m Seja Ft a resultante das forças externas que atuam sobre a -ésma partícula. Pela segunda le de Newton: Multplcando a equação 5.19 por r, temos F t ma t mrα 5.19 r F τ t m r m r α α 5.0 Somando para todas as partículas do dsco: τ m r α 5.1 onde m r I, ou também conhecdo como momento de nérca do corpo, e τ τres. O momento de nérca é a medda da resstênca que um corpo oferece às modfcações do seu movmento de rotação. Dessa forma τres I ω 5. Apostla elaborada pela Profª. Ângela Emla de Almeda Pnto CAV/UDESC

8 84 Na tabela 5.1 vemos alguns momentos de nérca para geometras conhecdas. Tabela 5.1: Algumas nércas à rotação 5.5 Energa Cnétca de Rotação A energa cnétca de um corpo que gra, em torno do seu exo, é a soma das energas cnétcas das suas partículas. A energa cnétca de um elemento de massa m para uma únca partícula é 1 K mv 5.3 Estendendo a soma a todas as partículas do corpo e usando v r ω, temos a energa cnétca de rotação do corpo todo K K rot rot 1 1 mr ω 1 Iω m r ω 5.4 na qual ω é a mesma para todas as partículas. Apostla elaborada pela Profª. Ângela Emla de Almeda Pnto CAV/UDESC

9 5.6 Rotação sem Escorregamento Há mutas stuações em que se puxa uma corda enrolada em torno de um clndro. Se a corda não escorregar sobre o clndro, a sua velocdade lnear deve ser gual à velocdade tangencal da borda do clndro, v r ω (vde equação 5.11). A condção dada pela da velocdade defne uma stuação de ausênca de escorregamento. Se dervarmos a expressão em relação ao tempo, encontramos a relação entre a aceleração tangencal do clndro e a aceleração lnear da corda motrz, a t α r (vde equação 5.15). Exemplo 5-1: Um corpo de massa m está pendurado num cordel que passa por uma pola cujo momento de nérca em relação ao própro exo é I e o rao R, como mostra a fgura 5.5. A pola tem rolamento sem atrto e o cordel não escorrega pela sua borda. Calcular a tensão no cordel e a aceleração do corpo. 85 Fgura 5.5 Solução: Neste sstema, o corpo desce com aceleração constante para baxo a, enquanto a pola gra com aceleração constante α. Como o cordel se desenrola sem escorregar, arα. Aplcamos a le de Newton para a rotação à pola para ter a aceleração α e depos aplcamos a segunda le de Newton ao corpo em queda para ter a.vamos tomar como postvos o sentdo de rotação horáro da pola e a dreção vertcal para baxo. 1. A únca força que exerce um torque sobre a pola é a tensão T, cujo braço de alavanca, em relação ao exo de rotação, é R. Com a segunda le de Newton, τext Iα, podemos relaconar T e a aceleração angular TR I α. O dagrama de forças do corpo pendurado está abaxo. Aplcando a segunda le de Newton F ma temos a relação entre T e a aceleração lnear a mg T ma Apostla elaborada pela Profª. Ângela Emla de Almeda Pnto CAV/UDESC

10 86 3. Temos duas equações e três ncógntas, T, a e α. A tercera equação provém da ausênca de escorregamento, que relacona a com α a R α 4. Temos agora as três equações para determnar T, a e α. Elmna-se α na equação da etapa 1 e resolve-se em a: TR Iα TR a I 5. Com este resultado para a, a equação da segunda le de Newton nos dá T a I r TR mg T m I mg mr 1+ I I I + mr T 6. Entrando com este valor de T na etapa 4 vem a aceleração a mr I + mr a Exemplo 5-: Dos corpos estão presos a um cordel que passa por uma pola de rao R e momento de nérca I. O corpo de massa m 1 deslza sobre uma superfíce horzontal sem atrto. O corpo de massa m está pendurado no cordel (fgura 5.6). Calcular a aceleração a dos dos corpos e as tensões T 1 e T admtndo que não haja escorregamento do cordel na pola. g mg Fgura 5.6 Solução: Neste problema, as tensões T 1 e T não são guas, pos há atrto entre o cordel e a pola. (Se não houvesse atrto, a pola não rodara em torno do seu exo.) Veja que T provoca um torque Apostla elaborada pela Profª. Ângela Emla de Almeda Pnto CAV/UDESC

11 87 no sentdo horáro e T 1 um a cada corpo à pola τ I α, e com a condção da ausênca de escorregamento, a Rα, se têm as equações necessáras. 1. Dagrama de forças de cada corpo e da pola (fgura abaxo). A pola não é acelerada e o seu exo deve exercer uma força F s que equlbra as forças exercdas pelo cordel.. Aplcando a segunda le de Newton F ma a cada corpo, vem T 1 m1a m g T m a 3. Somando as duas equações anterores e reordenando tem-se a equação de T T 1 : T m g ( m m )a T Com ale de Newton aplcada ao movmento de rotação, τ I α, tem-se outra equação para T T 1. Elmna-se α pela condção de ausênca de escorregamento: ( T ) R Iα T 1 I T1 a R T 5. Com as equações das etapas 3 e 4, elmna-se T T 1 e se tem a em termos das massas, de I e de R : m a m g m + m + I / R 1 6. Entrando com este resultado para a em cada equação da etapa se resolve em T 1 e em T : m1 T1 m g m + m + I / R 1 ( m + I / R ) 1 T m g m + m + I / R 1 Apostla elaborada pela Profª. Ângela Emla de Almeda Pnto CAV/UDESC

12 88 5ª LISTA DE EXERCÍCIOS 1. Uma roda parte do repouso com a aceleração angular constante de,6 rad/s e rola durante 6 s. No fnal deste ntervalo de tempo, (a) qual a velocdade angular? (b) Qual o ângulo varrdo na rotação da roda? (c) Quantas voltas fez a roda? (d) Qual a velocdade e qual a aceleração de um ponto a 0,3 m de dstânca do exo da roda? R: (a) 15,6 rad/s; (b) 46,8 rad; (c) 7,45 rev; (d)4,68 m/s, 73 m/s. Um dsco, com o rao de 1 cm, em repouso, prncpa a grar em torno do própro exo, com a aceleração angular constante de 8 rad/s. Determnar, no nstante t 5 s, (a) a velocdade angular do dsco e (b) a aceleração tangencal a t e a aceleração centrípeta a c de um ponto na borda do dsco. R: (a) 40 rad/s; (b) 0,96 m/s ; 19 m/s 3. Uma roda ggante, com 1 m de rao, dá uma volta em 7 s. (a) Qual a velocdade angular em radanos por segundo? (b) Qual a velocdade lnear de um passagero da roda? (c) Qual a aceleração centrípeta do passagero? R: (a) 0,33 rad/s; (b),8 m/s; (c) 0,65 m/s 4. Um clndro de,5 kg e rao de 11 cm está ncalmente em repouso. Uma corda de massa desprezível está enrolada no clndro e é puxada com uma força constante de 17 N. Calcular (a) o torque exercdo pela corda, (b) a aceleração angular do clndro e (c) a velocdade angular do clndro em t 5 s. R: a) 1,87 N.m; b) 14 rad/s ; c) 60 rad/s 5. Um dsco horzontal homogêneo, de massa M e rao R, gra em torno do seu exo vertcal com velocdade angular ω. O coefcente de atrto cnétco entre o dsco e uma superfíces horzontal sobre a qual está pousado é µ c. (a) Determnar o torque dτ exercdo pela força de atrto sobre um elemento anular de rao r e largura dr. (b) Determnar o torque total do atrto sobre o dsco. (c) Determnar o tempo que o dsco leva para chegar ao repouso. R: a) (M/R ) µ c gr dr; b) (/3) MRµ c g; c)3 Rω/ 4µ c g 6. Um dsco unforme de massa M e rao R está montado de modo a poder grar lvremente em torno de um exo horzontal que passa pelo seu centro e é perpendcular ao seu plano. Uma pequenna partícula, de massa m, é presa à borda do dsco, no seu topo, na vertcal, acma do exo. O sstema recebe pequeno mpulso e o dsco prncpa a grar. (a) Qual a velocdade angular do dsco quando a partícula passa pelo ponto mas baxo da sua trajetóra? (b) Nesse ponto, que força deve ser exercda sobre a partícula, pelo dsco, a fm de ela não se desprender? R: a) 8mg R 8m ; b) mg (m + M) 1 + (m + M) 7. Um carro de 100 kg está sendo descarregado por um gundaste. No nstante em que a posção do carro era a esquematzada na fgura abaxo, a engrenagem do tambor do gundaste se rompeu e o carro cau., partndo do repouso. Durante a queda do caro não há escorregamento entre o cabo (cuja massa é desprezível), a pola e o tambor. O momento de nérca do tambor é de 30 kg.m e o da pola, 4 kg.m. O rao do tambor é 0,80 m e o da pola 0,30 m. Calcular a velocdade do carro ao atngr a água. R: 8, m/s Apostla elaborada pela Profª. Ângela Emla de Almeda Pnto CAV/UDESC

13 89 8. Um esfera macça homogênea, de massa M e rao R, pode grar lvremente em torno de um dâmetro horzontal. Uma fta é enrolada na esfera, sobre um círculo máxmo perpendcular ao exo de rotação, e suporta um peso de massa m, como mostra a fgura abaxo. Calcular (a) a aceleração do peso pendente e (b) a tensão na fta. g mmg R: a) ; b) M 5m + M 1 + 5m 9. Dos corpos estão pendurados em cordas que passam por uma pola dupla conforme o esquema da fgura abaxo. O momento de nérca total das duas polas é de 40 kg.m. Os raos são R 1 1, m e R 0,4 m. (a) Se m 1 4 kg, calcular m de modo a ser nula a aceleração angular da pola. (b) Se um corpo de 1 kg for colocado suavemente sobre o corpo de massa m 1, calcular a aceleração angular da pola e as tensões nas duas cordas. R: a) 7 kg; b) 1,37 rad/s, T 1 94 N, T 745 N 10. Na fgura ao lado, o volante A de rao r A 10 cm está acoplado pela correa B ao volante C de rao r c 5 cm. Aumenta-se a velocdade angular do volante A a partr do repouso a uma taxa constante de 1,6 rad/s. Determne o tempo para que o volante C alcance uma velocdade de rotação de 100 rpm, supondo que a correa não deslze (Dca: Se a correa não deslza, as velocdades lneares nas bordas dos dos volantes devem ser guas.) R: 16 s 11. Na fgura ao lado, um bloco tem massa M 500 g, o outro apresenta massa m 460 g, e a roldana, que está montada em mancas horzontas sem atrto, tem um rao de 5,00 cm. Quando solto do repouso, o bloco mas pesado ca 75,0 cm em 5,00 s (sem que a corda escorregue na roldana). (a) Qual a ntensdade da aceleração dos blocos? Qual a tração na parte da corda que sustenta (b) o bloco mas pesado e (c) o bloco mas leve? (d) Qual a ntensdade da aceleração angular da roldana? (e) Qual a sua nérca à rotação? R: (a) 6,00 cm/s ; (b) 4,87 N; (c) 4,54 N; (d) 1,0 rad/s ; (e) 0,0138 kg. Apostla elaborada pela Profª. Ângela Emla de Almeda Pnto CAV/UDESC

S.A. 1. 2002; TIPLER, P. A.; MOSCA, G.

S.A. 1. 2002; TIPLER, P. A.; MOSCA, G. Rotação Nota Alguns sldes, fguras e exercícos pertencem às seguntes referêncas: HALLIDAY, D., RESNICK, R., WALKER, J. Fundamentos da Físca. V 1. 4a.Edção. Ed. Lvro Técnco Centífco S.A. 00; TIPLER, P. A.;

Leia mais

F-128 Física Geral I. Aula exploratória-10b UNICAMP IFGW

F-128 Física Geral I. Aula exploratória-10b UNICAMP IFGW F-18 Físca Geral I Aula exploratóra-10b UNICAMP IFGW username@f.uncamp.br O teorema dos exos paralelos Se conhecermos o momento de nérca I CM de um corpo em relação a um exo que passa pelo seu centro de

Leia mais

Fone:

Fone: Prof. Valdr Gumarães Físca para Engenhara FEP111 (4300111) 1º Semestre de 013 nsttuto de Físca- Unversdade de São Paulo Aula 8 Rotação, momento nérca e torque Professor: Valdr Gumarães E-mal: valdrg@f.usp.br

Leia mais

(note que não precisa de resolver a equação do movimento para responder a esta questão).

(note que não precisa de resolver a equação do movimento para responder a esta questão). Mestrado Integrado em Engenhara Aeroespacal Mecânca e Ondas 1º Ano -º Semestre 1º Teste 31/03/014 18:00h Duração do teste: 1:30h Lea o enuncado com atenção. Justfque todas as respostas. Identfque e numere

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas Unversdade Salvador UNIFACS Cursos de Engenhara Cálculo IV Profa: Ilka ebouças Frere Integras Múltplas Texto 3: A Integral Dupla em Coordenadas Polares Coordenadas Polares Introduzremos agora um novo sstema

Leia mais

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou!

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou! A U A UL LA Hoje não tem vtamna, o lqudfcador quebrou! Essa fo a notíca dramátca dada por Crstana no café da manhã, lgeramente amenzada pela promessa de uma breve solução. - Seu pa dsse que arruma à note!

Leia mais

3.1. Conceitos de força e massa

3.1. Conceitos de força e massa CAPÍTULO 3 Les de Newton 3.1. Concetos de força e massa Uma força representa a acção de um corpo sobre outro,.e. a nteracção físca entre dos corpos. Como grandeza vectoral que é, só fca caracterzada pelo

Leia mais

Dinâmica do Movimento de Rotação

Dinâmica do Movimento de Rotação Dnâmca do Movmento de Rotação - ntrodução Neste Capítulo vamos defnr uma nova grandeza físca, o torque, que descreve a ação gratóra ou o efeto de rotação de uma força. Verfcaremos que o torque efetvo que

Leia mais

Trabalho e Energia. Definimos o trabalho W realizado pela força sobre uma partícula como o produto escalar da força pelo deslocamento.

Trabalho e Energia. Definimos o trabalho W realizado pela força sobre uma partícula como o produto escalar da força pelo deslocamento. Trabalho e Energa Podemos denr trabalho como a capacdade de produzr energa. Se uma orça eecutou um trabalho sobre um corpo ele aumentou a energa desse corpo de. 1 OBS: Quando estudamos vetores vmos que

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014 Aula 7: Crcutos Curso de Físca Geral III F-38 º semestre, 04 Ponto essencal Para resolver um crcuto de corrente contínua, é precso entender se as cargas estão ganhando ou perdendo energa potencal elétrca

Leia mais

Física I para Oceanografia FEP111 ( ) Aula 10 Rolamento e momento angular

Física I para Oceanografia FEP111 ( ) Aula 10 Rolamento e momento angular Físca para Oceanograa FEP (4300) º Semestre de 0 nsttuto de Físca- Unversdade de São Paulo Aula 0 olamento e momento angular Proessor: Valdr Gumarães E-mal: valdr.gumaraes@usp.br Fone: 309.704 olamento

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D Físca Módulo 1 Vetores, escalares e movmento em 2-D Vetores, Escalares... O que são? Para que servem? Por que aprender? Escalar Defnção: Escalar Grandea sem dreção assocada. Eemplos: Massa de uma bola,

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Versão prelmnar 7 de setembro de Notas de Aula de Físca 7. TRABAO E ENERGIA CINÉTICA... MOVIMENTO EM UMA DIMENSÃO COM FORÇA CONSTANTE... TRABAO EXECUTADO POR UMA FORÇA VARIÁVE... Análse undmensonal...

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Capítulo 9 Rotação de corpos rígidos

Capítulo 9 Rotação de corpos rígidos Capítulo 9 Rotação de corpos rígdos Defnção de corpo rígdo (CR): um sstema de partículas especal, cuja estrutura é rígda, sto é, cuja forma não muda, para o qual duas partes sempre estão gualmente dstantes

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Associação de resistores em série

Associação de resistores em série Assocação de resstores em sére Fg.... Na Fg.. está representada uma assocação de resstores. Chamemos de I, B, C e D. as correntes que, num mesmo nstante, passam, respectvamente pelos pontos A, B, C e D.

Leia mais

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição)

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição) 14. orrentes Alternadas (baseado no Hallday, 4 a edção) Por que estudar orrentes Alternadas?.: a maora das casas, comérco, etc., são provdas de fação elétrca que conduz corrente alternada (A ou A em nglês):

Leia mais

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo.

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo. Motores síncronos Prncípo de funconamento ão motores com velocdade de rotação fxa velocdade de sncronsmo. O seu prncípo de funconamento está esquematzado na fgura 1.1 um motor com 2 pólos. Uma corrente

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Mederos ELETRICIDADE E MAGNETISMO NOTA DE AULA III Goâna - 2014 CORRENTE ELÉTRICA Estudamos anterormente

Leia mais

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS ESPELHOS E LENTES 1 Embora para os povos prmtvos os espelhos tvessem propredades mágcas, orgem de lendas e crendces que estão presentes até hoje, para a físca são apenas superfíces poldas que produzem

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

Física Geral I - F Aula 12 Momento Angular e sua Conservação. 2º semestre, 2012

Física Geral I - F Aula 12 Momento Angular e sua Conservação. 2º semestre, 2012 Físca Geral I - F -18 Aula 1 Momento Angular e sua Conservação º semestre, 01 Momento Angular Como vmos anterormente, as varáves angulares de um corpo rígdo grando em torno de um exo fxo têm sempre correspondentes

Leia mais

Capítulo 24: Potencial Elétrico

Capítulo 24: Potencial Elétrico Capítulo 24: Potencal Energa Potencal Elétrca Potencal Superfíces Equpotencas Cálculo do Potencal a Partr do Campo Potencal Produzdo por uma Carga Pontual Potencal Produzdo por um Grupo de Cargas Pontuas

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear Probabldade e Estatístca Correlação e Regressão Lnear Correlação Este uma correlação entre duas varáves quando uma delas está, de alguma forma, relaconada com a outra. Gráfco ou Dagrama de Dspersão é o

Leia mais

Robótica. Prof. Reinaldo Bianchi Centro Universitário FEI 2016

Robótica. Prof. Reinaldo Bianchi Centro Universitário FEI 2016 Robótca Prof. Renaldo Banch Centro Unverstáro FEI 2016 6 a Aula IECAT Objetvos desta aula Momentos Lneares, angulares e de Inérca. Estátca de manpuladores: Propagação de forças e torques. Dnâmca de manpuladores:

Leia mais

Energia de deformação na flexão

Energia de deformação na flexão - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Energa de deformação na

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ENSINO DE TÓPICOS DE ELETROMAGNETISMO VIA INSTRUÇÃO PELOS COLEGAS E ENSINO SOB MEDIDA PARA O ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE ENSINO DE TÓPICOS DE ELETROMAGNETISMO VIA INSTRUÇÃO PELOS COLEGAS E ENSINO SOB MEDIDA PARA O ENSINO MÉDIO UMA PROPOTA DE EIO DE TÓPICO DE ELETROMAGETIMO VIA ITRUÇÃO PELO COLEGA E EIO OB MEDIDA PARA O EIO MÉDIO TETE COCEITUAI Autores: Vagner Olvera Elane Angela Vet Ives olano Araujo TETE COCEITUAI (CAPÍTULO

Leia mais

γ = C P C V = C V + R = q = 2 γ 1 = 2 S gas = dw = W isotermico

γ = C P C V = C V + R = q = 2 γ 1 = 2 S gas = dw = W isotermico Q1 Um clndro feto de materal com alta condutvdade térmca e de capacdade térmca desprezível possu um êmbolo móvel de massa desprezível ncalmente fxo por um pno. O rao nterno do clndro é r = 10 cm, a altura

Leia mais

EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARALELA 4º BIMESTRE

EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARALELA 4º BIMESTRE EXERCÍCIOS DE RECUERAÇÃO ARALELA 4º BIMESTRE NOME Nº SÉRIE : 2º EM DATA : / / BIMESTRE 4º ROFESSOR: Renato DISCILINA: Físca 1 VISTO COORDENAÇÃO ORIENTAÇÕES: 1. O trabalho deverá ser feto em papel almaço

Leia mais

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20 1 3º Undade Capítulo XI Eletrcdade 3 Capítulo XII Campo Elétrco 8 Capítulo XIII Energa Potencal Elétrca 10 Capítulo XIV Elementos de Um Crcuto Elétrco 15 Capítulo XV Elementos de Um Crcuto Elétrco 20 Questões

Leia mais

3. Um protão move-se numa órbita circular de raio 14 cm quando se encontra. b) Qual o valor da velocidade linear e da frequência ciclotrónica do

3. Um protão move-se numa órbita circular de raio 14 cm quando se encontra. b) Qual o valor da velocidade linear e da frequência ciclotrónica do Electromagnetsmo e Óptca Prmero Semestre 007 Sére. O campo magnétco numa dada regão do espaço é dado por B = 4 e x + e y (Tesla. Um electrão (q e =.6 0 9 C entra nesta regão com velocdade v = e x + 3 e

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 23 (pág. 86) D TM TC ula 24 (pág. 87) D TM TC ula 25 (pág. 88) D TM TC ula 26 (pág. 89) D TM TC ula 27 (pág. 91) D TM TC ula 28 (pág. 91) D TM TC evsanglo

Leia mais

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20 1 4º Undade Capítulo XIII Eletrcdade 3 Questões do ENEM. 8 Capítulo XIV Campo Elétrco 11 Questões do ENEM 13 Capítulo XV Energa Potencal Elétrca 15 Questões do ENEM 20 Capítulo XVI Elementos de Um Crcuto

Leia mais

Dinâmica do movimento de Rotação

Dinâmica do movimento de Rotação Dinâmica do movimento de Rotação Disciplina: Mecânica Básica Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: O que significa o torque produzido por uma força;

Leia mais

Mecânica Geral II Notas de AULA 3 - Teoria Prof. Dr. Cláudio S. Sartori

Mecânica Geral II Notas de AULA 3 - Teoria Prof. Dr. Cláudio S. Sartori ecânca Geral II otas de UL 3 - Teora Prof. Dr. Cláudo S. Sartor QUILÍBRIO D PRTÍCUL. QUILÍBRIO D CORPOS RÍGIDOS. DIGR D CORPO LIVR. QUILÍBRIO D CORPOS RÍGIDOS 3 DISÕS. QUILÍBRIO D CORPOS RÍGIDOS SUBTIDOS

Leia mais

1 Princípios da entropia e da energia

1 Princípios da entropia e da energia 1 Prncípos da entropa e da energa Das dscussões anterores vmos como o conceto de entropa fo dervado do conceto de temperatura. E esta últma uma conseqüênca da le zero da termodnâmca. Dentro da nossa descrção

Leia mais

2 - Análise de circuitos em corrente contínua

2 - Análise de circuitos em corrente contínua - Análse de crcutos em corrente contínua.-corrente eléctrca.-le de Ohm.3-Sentdos da corrente: real e convenconal.4-fontes ndependentes e fontes dependentes.5-assocação de resstêncas; Dvsores de tensão;

Leia mais

Física I p/ IO FEP111 ( )

Física I p/ IO FEP111 ( ) ísca I p/ IO EP (4300) º Semestre de 00 Insttuto de ísca Unversdade de São Paulo Proessor: Antono Domngues dos Santos E-mal: adsantos@.usp.br one: 309.6886 4 e 6 de setembro Trabalho e Energa Cnétca º

Leia mais

2010 The McGraw-Hill Companies, Inc. All rights reserved. Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho

2010 The McGraw-Hill Companies, Inc. All rights reserved. Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho rof.: nastáco nto Gonçalves lho Introdução Nem sempre é possível tratar um corpo como uma únca partícula. Em geral, o tamanho do corpo e os pontos de aplcação específcos de cada uma das forças que nele

Leia mais

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2 Capítulo O plano compleo Introdução Os números compleos começaram por ser ntrodudos para dar sentdo à resolução de equações polnomas do tpo Como os quadrados de números reas são sempre maores ou guas a

Leia mais

Curso de extensão, MMQ IFUSP, fevereiro/2014. Alguns exercício básicos

Curso de extensão, MMQ IFUSP, fevereiro/2014. Alguns exercício básicos Curso de extensão, MMQ IFUSP, feverero/4 Alguns exercíco báscos I Exercícos (MMQ) Uma grandeza cujo valor verdadero x é desconhecdo, fo medda três vezes, com procedmentos expermentas dêntcos e, portanto,

Leia mais

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas.

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas. 1 INTRODUÇÃO E CONCEITOS INICIAIS 1.1 Mecânca É a pare da Físca que esuda os movmenos dos corpos. 1. -Cnemáca É a pare da mecânca que descreve os movmenos, sem se preocupar com suas causas. 1.3 - Pono

Leia mais

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 37 (pág. 88) AD TM TC. Aula 38 (pág. 88) AD TM TC. Aula 39 (pág.

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 37 (pág. 88) AD TM TC. Aula 38 (pág. 88) AD TM TC. Aula 39 (pág. ísca Setor Prof.: Índce-controle de Estudo ula 37 (pág. 88) D TM TC ula 38 (pág. 88) D TM TC ula 39 (pág. 88) D TM TC ula 40 (pág. 91) D TM TC ula 41 (pág. 94) D TM TC ula 42 (pág. 94) D TM TC ula 43 (pág.

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos Capítulo 10 da físca 3 xercícos propostos Undade Capítulo 10 eceptores elétrcos eceptores elétrcos esoluções dos exercícos propostos 1 P.50 a) U r 100 5 90 V b) Pot d r Pot d 5 Pot d 50 W c) Impedndo-se

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

Miguel C. Branchtein, Delegacia Regional do Trabalho no Rio Grande do Sul

Miguel C. Branchtein, Delegacia Regional do Trabalho no Rio Grande do Sul DETERMINAÇÃO DE CONDIÇÃO DE ACIONAMENTO DE FREIO DE EMERGÊNCIA TIPO "VIGA FLUTUANTE" DE ELEVADOR DE OBRAS EM CASO DE QUEDA DA CABINE SEM RUPTURA DO CABO Miguel C. Branchtein, Delegacia Regional do Trabalho

Leia mais

Lista B - Data da prova: 01/11/2011. 4. Calcular o momento de inércia de uma

Lista B - Data da prova: 01/11/2011. 4. Calcular o momento de inércia de uma Universidade Estadual do Centro-Oeste Campus Universitário Centro Politécnico - CEDETEG Setor de Ciências Exatas e de Tecnologia Departamento de Física Curso: Química Série: 1 o Ano de 2011 Disciplina:

Leia mais

Capítulo 26: Corrente e Resistência

Capítulo 26: Corrente e Resistência Capítulo 6: Corrente e esstênca Cap. 6: Corrente e esstênca Índce Corrente Elétrca Densdade de Corrente Elétrca esstênca e esstvdade Le de Ohm Uma Vsão Mcroscópca da Le de Ohm Potênca em Crcutos Elétrcos

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

Escola Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Matemática 12.º ano Números Complexos - Exercícios saídos em (Exames Nacionais 2000)

Escola Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Matemática 12.º ano Números Complexos - Exercícios saídos em (Exames Nacionais 2000) Internet: http://rolvera.pt.to ou http://sm.page.vu Escola Secundára Dr. Ângelo Augusto da Slva Matemátca.º ano Números Complexos - Exercícos saídos em (Exames Naconas 000). Seja C o conjunto dos números

Leia mais

INTRODUÇÃO À ASTROFÍSICA

INTRODUÇÃO À ASTROFÍSICA Introdução à Astrofísca INTRODUÇÃO À ASTROFÍSICA LIÇÃO 7: A MECÂNICA CELESTE Lção 6 A Mecânca Celeste O que vmos até agora fo um panorama da hstóra da astronoma. Porém, esse curso não pretende ser de dvulgação

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 6123. Forças devidas ao vento em edificações JUN 1988

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 6123. Forças devidas ao vento em edificações JUN 1988 ABNT-Assocação Braslera de Normas Técncas Sede: Ro de Janero Av. Treze de Mao, 13-28º andar CEP 20003 - Caxa Postal 1680 Ro de Janero - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Telex: (021) 34333 ABNT - BR Endereço

Leia mais

50 Calcule a resistência equivalente entre os pontos A e B das seguintes associações:

50 Calcule a resistência equivalente entre os pontos A e B das seguintes associações: p. 4 50 alcule a resstênca equvalente entre os pontos e das seguntes assocações: a) c) 3 5 5 5 0 b) d) 6 3 3 9 0 6 7 a) 5 5 5,5 6,5 0 b) 6 5 9 3 3 0 0 3 6 5 c) 5 3 5 3 3 d) 3 3 6 6 3 7 7 3 6 7 0 5 (FG-SP)

Leia mais

Aula 6: Corrente e resistência

Aula 6: Corrente e resistência Aula 6: Corrente e resstênca Físca Geral III F-328 1º Semestre 2014 F328 1S2014 1 Corrente elétrca Uma corrente elétrca é um movmento ordenado de cargas elétrcas. Um crcuto condutor solado, como na Fg.

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

FIS-14 Lista-05 Setembro/2012

FIS-14 Lista-05 Setembro/2012 FIS-14 Lista-05 Setembro/2012 1. A peça fundida tem massa de 3,00 Mg. Suspensa em uma posição vertical e inicialmente em repouso, recebe uma velocidade escalar para cima de 200 mm/s em 0,300 s utilizando

Leia mais

Magnetismo e. eletromagnetismo. Introdução ao magnetismo. Ímãs

Magnetismo e. eletromagnetismo. Introdução ao magnetismo. Ímãs Magnetsmo e eletromagnetsmo Este tópco apresenta o aspecto hstórco e os conhecmentos atuas dos ímãs e do campo gravtaconal terrestre. Introdução ao magnetsmo é mas pronuncado: são os polos do ímã (convenconalmente

Leia mais

1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. b r

1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. b r F Físca 1998 1. Um certo calorímetro contém 80 gramas de água à temperatura de 15 O C. dconando-se à água do calorímetro 40 gramas de água a 50 O C, observa-se que a temperatura do sstema, ao ser atngdo

Leia mais

Mecânica 2007/2008. 6ª Série

Mecânica 2007/2008. 6ª Série Mecânica 2007/2008 6ª Série Questões: 1. Suponha a=b e M>m no sistema de partículas representado na figura 6.1. Em torno de que eixo (x, y ou z) é que o momento de inércia tem o menor valor? e o maior

Leia mais

Física C Intensivo V. 2

Física C Intensivo V. 2 Físca C Intensvo V Exercícos 01) C De acordo com as propredades de assocação de resstores em sére, temos: V AC = V AB = V BC e AC = AB = BC Então, calculando a corrente elétrca equvalente, temos: VAC 6

Leia mais

2 Principio do Trabalho Virtual (PTV)

2 Principio do Trabalho Virtual (PTV) Prncpo do Trabalho rtual (PT)..Contnuo com mcroestrutura Na teora que leva em consderação a mcroestrutura do materal, cada partícula anda é representada por um ponto P, conforme Fgura. Porém suas propredades

Leia mais

Material de apoio para as aulas de Física do terceiro ano

Material de apoio para as aulas de Física do terceiro ano COLÉGIO LUTERANO CONCÓRDIA Concórda, desenvolvendo conhecmento com sabedora Mantenedora: Comundade Evangélca Luterana Crsto- Nteró Materal de apoo para as aulas de Físca do tercero ano Professor Rafael

Leia mais

Prof. Anderson Coser Gaudio Departamento de Física Centro de Ciências Exatas Universidade Federal do Espírito Santo

Prof. Anderson Coser Gaudio Departamento de Física Centro de Ciências Exatas Universidade Federal do Espírito Santo POLEMS ESOLVDOS DE FÍSC Prof. nderson Coser Gaudo Departamento de Físca Centro de Cêncas Eatas Unversdade Federal do Espírto Santo http://www.cce.ufes.br/anderson anderson@npd.ufes.br Últma atualação:

Leia mais

Capítulo. Capacitores Resoluções dos exercícios propostos. P.283 a) Dados: ε 0 8,8 10 12 F/m; A (0,30 0,50) m 2 ; d 2 10 3 m 0,30 0,50 2 10 3

Capítulo. Capacitores Resoluções dos exercícios propostos. P.283 a) Dados: ε 0 8,8 10 12 F/m; A (0,30 0,50) m 2 ; d 2 10 3 m 0,30 0,50 2 10 3 apítulo a físca xercícos propostos nae apítulo apactores apactores Resoluções os exercícos propostos P.8 a) aos: ε 0 8,8 0 F/m; (0,0 0,50) m ; 0 m ε 0 8,8 0 0,0 0,50 0 6,6 0 0 F b) ao:.000 V 6,6 00.000,

Leia mais

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal www.obconcursos.com.br/portal/v1/carrerafscal Moda Exercíco: Determne o valor modal em cada um dos conjuntos de dados a segur: X: { 3, 4,, 8, 8, 8, 9, 10, 11, 1, 13 } Mo 8 Y: { 10, 11, 11, 13, 13, 13,

Leia mais

Problemas de Mecânica e Ondas 5

Problemas de Mecânica e Ondas 5 Problemas de Mecânica e Ondas 5 P 5.1. Um automóvel com uma massa total de 1000kg (incluindo ocupantes) desloca-se com uma velocidade (módulo) de 90km/h. a) Suponha que o carro sofre uma travagem que reduz

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2013 DA UNICAMP-FASE 1. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2013 DA UNICAMP-FASE 1. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 03 DA UNICAMP-FASE. PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA QUESTÃO 37 A fgura abaxo exbe, em porcentagem, a prevsão da oferta de energa no Brasl em 030, segundo o Plano Naconal

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

lb d pol Para o trecho CB temos: pol Resposta: A tensão de cisalhamento no trecho AC é de 27,2 ksi e no trecho CB é de 10,9 ksi.

lb d pol Para o trecho CB temos: pol Resposta: A tensão de cisalhamento no trecho AC é de 27,2 ksi e no trecho CB é de 10,9 ksi. 1) O exo macço de 1,5 de dâmetro é usado para transmtr os torques aplcados às engrenagens. Determnar a tensão de csalhamento desenvolvda nos trechos AC e CB do exo. Para o trecho AC temos: T 1500.pés 1500

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

Curvas Horizontais e Verticais

Curvas Horizontais e Verticais Insttução: Faculdade de Tecnologa e Cêncas Professor: Dego Queroz de Sousa Dscplna: Topografa Curvas Horzontas e ertcas 1. Introdução Exstem dversas ocasões na engenhara em que os projetos são desenvolvs

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 2012 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Sentdo de rotaçãoo do corpo y orça 30 º x orça solo Um corpo de 4 kg está preso a um o e descreve

Leia mais

Resoluções dos testes propostos

Resoluções dos testes propostos da físca 3 Undade apítulo 15 Indução eletromagnétca esoluções dos testes propostos 1 T.372 esposta: d ob ação da força magnétca, elétrons se deslocam para a extremdade nferor da barra metálca. essa extremdade,

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

1 Topologias Básicas de Conversores CC-CC não-isolados

1 Topologias Básicas de Conversores CC-CC não-isolados 1 opologas Báscas de Conversores CC-CC não-solados 1.1 Prncípos báscos As análses que se seguem consderam que os conversores não apresentam perdas de potênca (rendmento 100%). Os nterruptores (transstores

Leia mais

FEP2195 - Física Geral e Experimental para Engenharia I

FEP2195 - Física Geral e Experimental para Engenharia I FEP195 - Física Geral e Experimental para Engenharia I Prova Substitutiva - Gabarito 1. Um corpo de massa m, enfiado em um aro circular de raio R situado em um plano vertical, está preso por uma mola de

Leia mais

Capítulo 9. Colisões. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação:

Capítulo 9. Colisões. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação: Capítulo 9 Colsões Recursos com copyrght ncluídos nesta apresentação: http://phet.colorado.edu Denremos colsão como uma nteração com duração lmtada entre dos corpos. Em uma colsão, a orça externa resultante

Leia mais

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos.

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos. Insttuto de Físca de São Carlos Laboratóro de Eletrcdade e Magnetsmo: Transferênca de Potênca em Crcutos de Transferênca de Potênca em Crcutos de Nesse prátca, estudaremos a potênca dsspada numa resstênca

Leia mais

Figura 8.1: Distribuição uniforme de pontos em uma malha uni-dimensional. A notação empregada neste capítulo para avaliação da derivada de uma

Figura 8.1: Distribuição uniforme de pontos em uma malha uni-dimensional. A notação empregada neste capítulo para avaliação da derivada de uma Capítulo 8 Dferencação Numérca Quase todos os métodos numércos utlzados atualmente para obtenção de soluções de equações erencas ordnáras e parcas utlzam algum tpo de aproxmação para as dervadas contínuas

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2010 2 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2010 2 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBUAR a Fase RESOUÇÃO: Proa Mara Antôna Gouvea Questão Um quadrado mágco é uma matr quadrada de ordem maor ou gual a cujas somas dos termos de cada lnha de cada coluna da

Leia mais

φ = 2,0 3,0 10 2 1 φ = 6,0 10 2 Wb 2 Uma espira quadrada de 20 cm de lado está totalmente imersa

φ = 2,0 3,0 10 2 1 φ = 6,0 10 2 Wb 2 Uma espira quadrada de 20 cm de lado está totalmente imersa 238 PTE III ELETOMGETIMO Tópco 4 1 E.. Uma espra retangular de 1 cm de largura por 3 cm de comprmento é colocada, totalmente mersa, em um campo de ndução magnétca unforme e constante, de módulo gual a

Leia mais

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostla de Estatístca Curso de Matemátca Volume II 008 Probabldades, Dstrbução Bnomal, Dstrbução Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna 1 Capítulo 8 - Probabldade 8.1 Conceto Intutvamente pode-se defnr probabldade

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

Você acha que o rapaz da figura abaixo está fazendo força?

Você acha que o rapaz da figura abaixo está fazendo força? Aula 04: Leis de Newton e Gravitação Tópico 02: Segunda Lei de Newton Como você acaba de ver no Tópico 1, a Primeira Lei de Newton ou Princípio da Inércia diz que todo corpo livre da ação de forças ou

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos da físca 3 Undade C Capítulo 4 Força agnétca esoluções dos exercícos propostos P.33 Característcas da força agnétca : dreção: perpendcular a e a, sto é: da reta s C u D r sentdo: deternado pela regra da

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

Resoluções dos testes propostos. T.255 Resposta: d O potencial elétrico de uma esfera condutora eletrizada é dado por: Q 100 9 10 Q 1,0 10 9 C

Resoluções dos testes propostos. T.255 Resposta: d O potencial elétrico de uma esfera condutora eletrizada é dado por: Q 100 9 10 Q 1,0 10 9 C apítulo da físca apactores Testes propostos ndade apítulo apactores Resoluções dos testes propostos T.55 Resposta: d O potencal elétrco de uma esfera condutora eletrzada é dado por: Vk 0 9 00 9 0,0 0 9

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ROBÓTICA. Modelo Cinemático de Robôs Manipuladores

FUNDAMENTOS DE ROBÓTICA. Modelo Cinemático de Robôs Manipuladores FUNDMENTOS DE ROBÓTIC Modelo Cnemátco de Robôs Manpuladores Modelo Cnemátco de Robôs Manpuladores Introdução Modelo Cnemátco Dreto Modelo Cnemátco de um Robô de GDL Representação de Denavt-Hartenberg Exemplos

Leia mais

(a) a aceleração do sistema. (b) as tensões T 1 e T 2 nos fios ligados a m 1 e m 2. Dado: momento de inércia da polia I = MR / 2

(a) a aceleração do sistema. (b) as tensões T 1 e T 2 nos fios ligados a m 1 e m 2. Dado: momento de inércia da polia I = MR / 2 F128-Lista 11 1) Como parte de uma inspeção de manutenção, a turbina de um motor a jato é posta a girar de acordo com o gráfico mostrado na Fig. 15. Quantas revoluções esta turbina realizou durante o teste?

Leia mais

3.5 Sistemas de referência não-inerciais

3.5 Sistemas de referência não-inerciais 3.5-1 3.5 Sistemas de referência não-inerciais A primeira lei de Newton não é válida em todos os sistemas de referência, ver 2.1.2, mas, sempre podemos achar sistemas de referência nos quais ela (e o resto

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos da físca Undade C Capítulo Campos magnétcos esoluções dos exercícos propostos. Incalmente determnamos, pela regra da mão dreta n o, a dreção e o sentdo dos vetores ndução magnétca e que e orgnam no centro

Leia mais

Física I. Aula 9 Rotação, momento inércia e torque

Física I. Aula 9 Rotação, momento inércia e torque Físca º Semeste de 01 nsttuto de Físca- Unvesdade de São Paulo Aula 9 Rotação, momento néca e toque Pofesso: Vald Gumaães E-mal: valdg@f.usp.b Fone: 091.7104 Vaáves da otação Neste tópco, tataemos da otação

Leia mais