Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág."

Transcrição

1 Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 25 (pág. 86) D TM TC ula 26 (pág. 86) D TM TC ula 27 (pág. 87) D TM TC ula 28 (pág. 87) D TM TC ula 29 (pág. 90) D TM TC ula 30 (pág. 90) D TM TC ula 31 (pág. 90) D TM TC ula 32 (pág. 94) D TM TC ula 33 (pág. 94) D TM TC ula 34 (pág. 94) D TM TC ula 35 (pág. 94) D TM TC ula 36 (pág. 94) D TM TC Benal Caderno 7 Códgo:

2 ulas 25 e 26 O conceto de corrente elétrca Dferença de potencal (ddp) Intensdade méda de corrente elétrca ( m ): Δq m =, Δt Δq = n e (para corrente eletrônca), e Δt é o ntervalo de tempo no qual n elétrons atravessam uma seção transversal do condutor. Potênca elétrca: P elet =, é a ddp, e é a ntensdade de corrente elétrca. 1. a) Calcule a ntensdade da corrente elétrca num fo condutor, sabendo-se que, em 5s, uma carga de 60C atravessa uma seção reta desse fo, sendo a carga elementar 1, C. b) Determne a quantdade de elétrons que atravessa uma seção reta do fo no ntervalo de tempo consderado. Δq 60 a) = = = 12 Δt 5 b) Δq = ne 60 = n 1, n = 3, elétrons Determne, em coulombs, a ntensdade da carga elétrca que atravessou uma seção reta do condutor nesse ntervalo de tempo. Tomemos o trecho do gráfco correspondente ao ntervalo de tempo de 0 a 5s. área hachurada é: = Δt Como Δt = ΔQ, vem: _ N ΔQ Portanto a área corresponde à ntensdade da carga elétrca que atravessa a seção reta do fo no ntervalo de tempo consderado. Pode-se demonstrar que essa propredade também é válda no caso de corrente varável; portanto, a quantdade de carga total poderá ser calculada pela área do trapézo representado na fgura a segur. (m) 50 (m) 50 0 Δt 5 t (s) 2. O gráfco dá nformações sobre a ntensdade da corrente elétrca que percorre um fo metálco durante o ntervalo de tempo correspondente a t 0 = 0 e t = 10s. (m) 50 0 _ [(5 10) N ΔQ ΔQ = 3 ] 2 ΔQ = 0,375 C 5 10 t (s) t (s) ensno médo 2ª- sére benal 86 sstema anglo de ensno

3 3. ma carga de 8C desloca-se de um ponto para um ponto B de um campo elétrco. dferença de potencal entre os pontos e B é de 70V. Determne o trabalho realzado pelas forças elétrcas entre os dos pontos consderados. τ = q(v V B ) τ = 8 70 = 560 J 4. ntre dos pontos de um condutor, deslocam-se elétrons em 2 segundos, sendo consumda uma potênca de 400W. Sendo a carga elementar de 1, C, calcule a ddp entre os dos pontos. Δq (n e) P = = P = Δt Δt 400 = ( , ) 2 Logo: = 250 V Consulte Lvro 2 Capítulo 34 Caderno de xercícos 2 Capítulo 34 Tarefa Mínma L Lea os tens de 1 a Faça os exercícos de 1 a 5. L Lea o tem Faça os exercícos 11 e 12. Tarefa Complementar L 25 Faça os exercícos de 6 a 10, 27, 33 e 34. L 26 Faça os exercícos 13, 38, 39 e 41. ulas 27 e 28 Resstênca elétrca Resstênca elétrca: R = Prmera Le de Ohm: = R feto Joule: Transformação de energa elétrca em energa térmca nos resstores. Segunda Le de Ohm: R = ρ l S ρ é a resstvdade, l é o comprmento do fo, e S é a área da seção transversal do fo. ensno médo 2ª- sére benal 87 sstema anglo de ensno

4 potênca dsspada pelo resstor pode ser calculada da segunte manera: 1. O gráfco a segur mostra como vara a dferença de potencal () em um condutor mantdo a uma temperatura constante em função da corrente elétrca que passa por esse condutor. Tensão elétrca P = = 2 P = 100 W R 100 Portanto, a quantdade de energa (Δ) que fo transformada em calor vale, em joules: Δ = P Δt = = J Como 1cal = 4,2 J, vem: Δ = cal tlzando a equação fundamental da calormetra, Q = mcδt, vem: = (θ 5) θ = 15 C Corrente elétrca Com base nas nformações contdas no gráfco, é correto afrmar que: a) a corrente elétrca no condutor é dretamente proporconal à dferença de potencal. b) a resstênca do condutor aumenta, quando a corrente elétrca aumenta. c) a resstênca do condutor é a mesma, qualquer que seja a dferença de potencal. d) dobrando-se a corrente elétrca através do condutor, a potênca elétrca consumda quadruplca. e) a corrente elétrca no condutor é nversamente proporconal à dferença de potencal. análse do gráfco leva à conclusão de que a dferença de potencal não é dreta nem nversamente proporconal à corrente elétrca, o que elmna as alternatvas a, c, d, e. O que podemos afrmar é que a resstênca aumenta, quando a corrente elétrca aumenta. Portanto a alternatva correta é b. 2. ma massa de 100g de água, cujo calor específco é 1 cal/g C a 5 C, é aquecda por meo de um resstor de 100Ω lgado a uma fonte, cuja dferença de potencal é 100V, durante 42s. Supondo que todo calor fornecdo pelo resstor seja absorvdo pela água e que 1 cal = 4,2J, determne a temperatura fnal dessa massa de água. 3. ma banhera contendo 100kg de água teve sua temperatura elevada de 20 C para 35 C. tlzou-se para sso um resstor cuja potênca é 3kW. Desprezando as perdas para o ambente e consderando o calor específco da água c = 4, J/kg C, calcule: a) o ntervalo de tempo gasto nesse aquecmento; b) o consumo mensal de energa elétrca, sabendo que esse aquecmento é realzado daramente, uma vez por da. a) quantdade de calor absorvdo pela água pode ser obtda pela expressão: ΔQ = m c Δθ= 100 4, (35 20) ΔQ = 6, J Δ Δ Como ΔQ = Δ e P =, vem: Δt = Δt P Δt = 6, = s b) Como o aparelho funcona 2100s por da, em um mês, ele funcona = 63000s ou = 17,5h ntão, a energa consumda em um mês = P Δt = 3 17,5 = 52,5 kwh ensno médo 2ª- sére benal 88 sstema anglo de ensno

5 4. resstvdade do cobre é 1, Ωm e a do níquel-cromo é 1, Ωm. Tem-se um fo de cobre de 1mm de dâmetro e resstênca elétrca R = 1,0 Ω. a) Qual é o comprmento desse fo? b) Calcule o dâmetro de um fo de níquel-cromo para que se tenha a mesma resstênca com o mesmo comprmento do fo de cobre. a) área de seção transversal do fo é: S = π r 2, onde r = Portanto: S = 3,14 (5, ) 2 Logo: S = 7, m 2 Como R = ρ l S, vem: 1, , l 1 = l = 46 m (7, ) 2 = 5, m Consulte Lvro 2 Capítulo 34 Caderno de xercícos 2 Capítulo 34 Tarefa Mínma L Lea os tens de 7 a Faça os exercícos 17, 18, 42 e 43. L Lea os tens 12 e Faça os exercícos 19 e 22. Tarefa Complementar L 27 Faça os exercícos 14, 15, 16 e 21. L 28 Faça os exercícos de 59 a 62. b) Como R = ρ l, vem: S 1 = 1, S = m 2 S Portanto: π r 2 = Logo: r = 4,7 mm d = 9,4 mm ensno médo 2ª- sére benal 89 sstema anglo de ensno

6 ulas 29 a 31 ssocação de resstores m sére: = (dferença de potencal) R S = R 1 R 2 R 3... (R S : resstênca elétrca do resstor equvalente) 0 V 110 V B R 1 x R 2 y R 3 z R 4 R S ensno médo 2ª- sére benal 90 sstema anglo de ensno

7 m paralelo: = 1 = 2 = 3 =... (dferença de potencal) = (R p : resstênca elétrca do resstor equvalente) R p R 1 R 2 R 3 Neutro (0 V) Fase (110 V) R 1 1 R 2 2 R 3 3 R p 1. Consderemos a assocação de resstores em sére da fgura, com uma ddp 1 = 12V aplcada ao resstor R 1. 1 R 1 = 2 Ω Calcule: a) a ntensdade da corrente elétrca no resstor R 1 ; b) a ntensdade da corrente elétrca no resstor R 2 ; 2 R 2 = 4 Ω c) a dferença de potencal no resstor R 2 ; d) a resstênca elétrca do resstor equvalente; e) a ddp () da assocação. a) plcando a Prmera Le de Ohm ao resstor R 1, vem: 1 = R = = 6 b) Como a assocação é em sére, a corrente 2, em R 2, é gual à corrente 1 e é a corrente da assocação. = 1 = 2 = 6 c) ddp no resstor R 2 pode ser determnada pela Prmera Le de Ohm: 2 = R 2 2 = 4 6 = 24 V d) O resstor equvalente tem resstênca elétrca: R S = R 1 R 2 = 2 4 R S = 6 Ω e) ddp () da assocação é, portanto: = R S = 6 6 = 36 V Observação Para efeto de verfcação, temos: 1 2 = = 36 V = 1 2 ensno médo 2ª- sére benal 91 sstema anglo de ensno

8 2. ma lâmpada com dados nomnas (6V; 0,9W) deve ser lgada a uma batera de ddp 24V. Para que a lâmpada não se queme, um resstor de resstênca R fo lgado em sére com a lâmpada. Determne o valor de R. 3. Na fgura a segur, a corrente elétrca no resstor de resstênca R 1 = 4 Ω vale 1 = 3. R 1 = 4 Ω 1 = 3 L R (6 V; 0,9 W) R L R 2 = 2 Ω 2 24 V Determnação da ddp do resstor: Como a ddp da assocação é 24 V, e a da lâmpada é 6 V, e sendo a assocação em sére, vem: = L R 24 = 6 R R = 18 V Sendo a assocação em sére, o resstor tem corrente elétrca gual à da lâmpada. ssa corrente pode ser calculada por: P = L L 0,9 = 6 L L = 0,15 Fnalmente, a resstênca do resstor pode ser determnada: R = R R = 18 = 120 Ω 0,15 Determne: a) a ddp no resstor R1; b) a ddp no resstor R2; c) a corrente no resstor R2; d) a corrente da assocação; e) a resstênca equvalente. a) ddp no resstor R 1 pode ser determnada pela Prmera Le de Ohm: 1 = R 1 1 = 4 3 = 12 V b) ddp no resstor R 2 é a mesma que a do resstor R 1, pos a assocação é em paralelo. c) aplcação da Prmera Le de Ohm ao resstor R 2 permte a determnação da corrente que ele contém: 2 = R = = 6 d) corrente da assocação é: = 1 2 = 3 6 = 9 e) resstênca equvalente é: 1 = 1 1 R p = (R 1 R 2 ) R p R 1 R 2 (R 1 R 2 ) (4 2) R p = = 1,3 Ω (4 2) ensno médo 2ª- sére benal 92 sstema anglo de ensno

9 4. Dada a assocação de resstores representada a segur, determne a resstênca equvalente entre os pontos e B. 3 Ω 4 Ω 4 Ω 4 Ω 12 Ω B R 4 Os dos resstores de 4 Ω, em paralelo, podem ser substtuídos por um equvalente de 2 Ω =. n 2 4 Ω 2 Ω 3 Ω B 12 Ω No novo esquema, observa-se que os resstores de 2 Ω e 4 Ω estão assocados em sére, podendo ser substtuídos por um equvalente de 6 Ω. 6 Ω 3 Ω B 12 Ω R Os resstores de 6 Ω e 12 Ω estão assocados em paralelo, R p = 1 R 2 R p = (R 1 R 2 ) R p = 4 Ω, e pode ser substtuído por um equvalente de 4 Ω (6 12) 3 Ω 4 Ω B Como os resstores de 3 Ω e 4 Ω estão assocados em sére, temos que a resstênca equvalente de toda a assocação vale: R S = 3 4 = 7 Ω. 7 Ω B ensno médo 2ª- sére benal 93 sstema anglo de ensno

10 Consulte Lvro 2 Capítulo 34 Caderno de xercícos 2 Capítulo 34 Tarefa Mínma L Lea os tens 14, 15 e Faça o exercíco 80. L 30 Faça os exercícos 78, 79 e 81. L Lea o tem Faça os exercícos 87, 88 e 89. Tarefa Complementar L 29 Faça o exercíco 82. L 30 Faça os exercícos de 83 a 86. L 31 Faça os exercícos de 90 a 93. ulas 32 a 36 Geradores e receptores Geradores: São elementos necessáros para crar, no nteror de um condutor, um campo elétrco que possblte o aparecmento de uma corrente elétrca. Felet F ñelet Gerador Força eletromotrz (): Corresponde ao quocente entre a energa não elétrca e a carga elétrca: = energa não elétrca Δq Quando dzemos que uma plha elétrca tem força eletromotrz (f.e.m.) gual a 1,5V sgnfca que, a cada 1C de carga transportada entre os termnas da plha, a energa químca transformada em energa elétrca é de 1,5J. 1,5 V = 1,5 J C Plha de 1,5 V ensno médo 2ª- sére benal 94 sstema anglo de ensno

11 quação do gerador: = r r Plha de 1,5 V Realdade Representação Gráfco 0 r Crcuto smples Le de Poullet: = (r R) r R B B ensno médo 2ª- sére benal 95 sstema anglo de ensno

12 Rendmento de um gerador: η = (η% = η 100) nerga elétrca nerga não elétrca Gerador nerga dsspada Receptores: São bpolos responsáves pela conversão de energa elétrca em outra energa, não térmca e passível de aprovetamento. Motor elétrco Batera Força contraeletromotrz ( ): Corresponde ao quocente entre a energa não elétrca e a carga elétrca. = energa não elétrca Quando dzemos que um motor elétrco tem força contraeletromotrz (f.c.e.m.) gual a 32V sgnfca que, a cada 1C de carga transportada entre seus termnas, 32J de energa mecânca são obtdos no exo do motor. Motor elétrco de f.c.e.m. ensno médo 2ª- sére benal 96 sstema anglo de ensno

13 32V; 32V = 32 quação do receptor: = r J C nerga não elétrca útl ' nerga elétrca Receptor nerga dsspada r ' Crcuto de malha únca R 3 R 2 R 1 5 R 6 R 5 R 4 4 R 7 R 8 Le de Ohm generalzada: = [(Σ) (Σ )] (ΣR) 1. ssnale verdadero (V) ou falso (F), em cada uma das afrmações a segur. a) ( V) Geradores são dspostvos que transformam energa não elétrca em energa de natureza elétrca. b) (V) Turbnas hdráulcas e turbnas a vapor são exemplos de geradores mecâncos. c) ( V) Plhas e bateras são geradores químcos. d) (V) Como exemplos de gerador térmco temos os termômetros termoelétrcos e os geradores lumnosos, as células fotoelétrcas. 2. m cada afrmação a segur assnale verdadero (V) ou falso (F). força eletromotrz de uma batera a) (F) depende da resstênca elétrca nterna da batera. b) (F) só depende do crcuto elétrco ao qual é lgada a batera. c) (V) não depende da ntensdade da corrente elétrca fornecda. d) (V) é o quocente entre a energa não elétrca e a carga elétrca transportada. 3. força eletromotrz de um acumulador de automóvel é de 12V. Isso sgnfca que: a) a energa químca que se transforma em energa elétrca é de 12 joules para 1 coulomb de quantdade de carga que atravessa a batera. b) para 1 coulomb de quantdade de carga que atravessa a batera é necessára uma força de 12 newtons. c) a resstênca elétrca nterna da batera é de 12 ohms. d) a potênca elétrca entregue pela batera a qualquer crcuto externo é sempre de 12 watts. e) a corrente elétrca fornecda pela batera é sempre de 12 ampères. nterpretação físca que se deve dar quando se dz que a força eletromotrz de uma batera é de 12 V é que ela corresponde à energa químca de 12 joules, que se transforma em energa elétrca para uma quantdade de carga de 1 C que atravessa a batera. Portanto, a alternatva correta é a. ensno médo 2ª- sére benal 97 sstema anglo de ensno

14 4. xplque a dferença entre a força eletromotrz de uma batera de automóvel e a dferença de potencal entre seus termnas. força eletromotrz de uma batera, quando ela está noperante, corresponde à dferença de potencal entre os seus termnas. ntretanto, quando se dá partda ao automóvel, a dferença de potencal entre os termnas da batera dmnu. Isso sgnfca que uma corrente elétrca está crculando entre a batera e o motor de arranque do carro. Nesse caso, há uma dsspação na resstênca elétrca nterna da batera, fato que faz a ddp entre os termnas da batera fcar menor que a força eletromotrz. 5. ma batera de força eletromotrz 9V, quando colocada em curto-crcuto, é percorrda por uma corrente elétrca de ntensdade 4,5. dmta que a força eletromotrz e a resstênca nterna da batera são constantes. a) Qual é a resstênca nterna dessa batera? b) Construa o gráfco da curva característca dessa batera. Quando a ntensdade da corrente atnge um valor máxmo, a dferença de potencal nos termnas do gerador é nula. Qualquer plha, ou batera, tem um valor máxmo para a corrente elétrca que pode atravessá-la. sse valor é atngdo quando a dferença de potencal entre os termnas dessa batera é nula ( = 0), o que pode ser consegudo, na prátca, lgando-se esses termnas dretamente com um fo condutor. Nesse caso, essa corrente é chamada de corrente de curto-crcuto, cc. Da equação do gerador, podemos obter: cc = a) Como cc = 4,5, temos: 0 = 9 4,5 r Logo: r = 2 Ω b) Sendo e r constantes, a curva característca da batera é uma reta: (V) 9,0 r 6. m gerador de força eletromotrz gual a 10V, quando percorrdo por uma corrente elétrca de 2, apresenta uma ddp de 9,0V entre seus termnas. Determne: a) a resstênca nterna do gerador; b) a resstênca equvalente (R) do crcuto externo; c) as potêncas total, útl e dsspada, relatvas ao funconamento do crcuto. a) Como = r, vem: ( ) r = Logo, substtundo por valores numércos: (10 9) r = = 0,5 Ω 2 b) tlzando a Le de Poullet, temos: R = r 10 R = 0,5 = 4,5 Ω 2 c) Potênca total: P t = = 10 2 = 20 W Potênca útl: P u = = 9 2 = 18 W Potênca dsspada: P d = = 2 W 7. xplque a dferença entre um gerador deal e um gerador real. Dependendo do crcuto ao qual se lga um gerador, as perdas de energa assocadas à sua resstênca nterna podem ser consderadas desprezíves. Nesse caso, o gerador é consderado deal, e sua equação característca reduz-se a: =. Portanto, a dferença entre o gerador real e o deal está em se verfcar a relevânca ou não das perdas de energa assocadas à sua resstênca nterna. 0 4,5 () ensno médo 2ª- sére benal 98 sstema anglo de ensno

15 8. O gráfco a segur representa a dferença de potencal em função da corrente para um gerador: (V) () nalsando o gráfco, determne a força eletromotrz e a resstênca elétrca nterna do gerador. O ponto onde o gráfco corta o exo corresponde à força eletromotrz do gerador: = 6V Como = r, vem: ( ) r = Do gráfco, tem-se que, quando = 1, = 4 V. (6 4) r = 1 r = 2 Ω Substtundo por valores numércos: 12 = (0,1 1,9) = 6 a) tlzando a equação do gerador: = 12 0,1 6 Logo: = 11,4 V b) O rendmento da batera é, portanto: 11,4 η = 12 η = 0,95 ou η = 95% 10. Determne a ntensdade de corrente elétrca () no crcuto representado na fgura: 1 Ω 1 Ω 1 Ω 20 V 10 V 2 Ω 2 Ω 40 V Com a corrente elétrca no sentdo ndcado: 20 V 3 Ω 20 V 1 Ω 2 Ω 40 V 9. ma batera de 12V e resstênca elétrca nterna de 0,1 Ω almenta uma lâmpada de 1,9 Ω. Determne o rendmento da batera. r 1 Ω 2 Ω 1 Ω 10 V 20 V 3 Ω De acordo com a fgura, podemos escrever: para a batera: = r para a lâmpada: = R Portanto: r = R Logo: = (r R) R Podemos escrever: Σ = = 60 V Σ = = 30 V Σr = = 10 Ω Portanto, a ntensdade de corrente elétrca é: (60 30) = = 3 10 ensno médo 2ª- sére benal 99 sstema anglo de ensno

16 L 36 Faça os exercícos 7, 8 e 11, capítulo 36. Consulte Lvro 2 Capítulos 35 e 36 Caderno de xercícos 2 Capítulos 35 e 36 Tarefa Mínma L Lea os tens de 1 a 4, capítulo Faça os exercícos de 1 a 6, capítulo 35. L Lea o tem 5, capítulo Faça o exercíco 11, capítulo 35. L Lea os tens 1, 2 e 3, capítulo Faça os exercícos de 1 a 4, capítulo 36. L Lea os tens 4 e 5, capítulo Faça os exercícos 9 e 10, capítulo 36. Tarefa Complementar L 32 Faça os exercícos de 7 a 10, capítulo 35. L 33 Faça os exercícos 12, 13 e 14, capítulo 35. L 34 Faça os exercícos 5 e 6, capítulo 36. L 35 Faça os exercícos de 15 a 20, capítulo 35. L Faça os exercícos de 33 a 36, capítulo Faça os exercícos 12 e 13, capítulo 36. ensno médo 2ª- sére benal 100 sstema anglo de ensno

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 23 (pág. 86) D TM TC ula 24 (pág. 87) D TM TC ula 25 (pág. 88) D TM TC ula 26 (pág. 89) D TM TC ula 27 (pág. 91) D TM TC ula 28 (pág. 91) D TM TC evsanglo

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos Capítulo 10 da físca 3 xercícos propostos Undade Capítulo 10 eceptores elétrcos eceptores elétrcos esoluções dos exercícos propostos 1 P.50 a) U r 100 5 90 V b) Pot d r Pot d 5 Pot d 50 W c) Impedndo-se

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Mederos ELETRICIDADE E MAGNETISMO NOTA DE AULA III Goâna - 2014 CORRENTE ELÉTRICA Estudamos anterormente

Leia mais

Resoluções dos testes propostos

Resoluções dos testes propostos da físca Undade B Capítulo 9 Geradores elétrcos esoluções dos testes propostos 1 T.195 esposta: d De U r, sendo 0, resulta U. Portanto, a força eletromotrz da batera é a tensão entre seus termnas quando

Leia mais

Associação de resistores em série

Associação de resistores em série Assocação de resstores em sére Fg.... Na Fg.. está representada uma assocação de resstores. Chamemos de I, B, C e D. as correntes que, num mesmo nstante, passam, respectvamente pelos pontos A, B, C e D.

Leia mais

Resoluções dos testes propostos. T.255 Resposta: d O potencial elétrico de uma esfera condutora eletrizada é dado por: Q 100 9 10 Q 1,0 10 9 C

Resoluções dos testes propostos. T.255 Resposta: d O potencial elétrico de uma esfera condutora eletrizada é dado por: Q 100 9 10 Q 1,0 10 9 C apítulo da físca apactores Testes propostos ndade apítulo apactores Resoluções dos testes propostos T.55 Resposta: d O potencal elétrco de uma esfera condutora eletrzada é dado por: Vk 0 9 00 9 0,0 0 9

Leia mais

Capítulo. Associação de resistores. Resoluções dos exercícios propostos. P.135 a) R s R 1 R 2 R s 4 6 R s 10 Ω. b) U R s i U 10 2 U 20 V

Capítulo. Associação de resistores. Resoluções dos exercícios propostos. P.135 a) R s R 1 R 2 R s 4 6 R s 10 Ω. b) U R s i U 10 2 U 20 V apítulo 7 da físca Exercícos propostos Undade apítulo 7 ssocação de resstores ssocação de resstores esoluções dos exercícos propostos 1 P.15 a) s 1 s 6 s b) U s U 10 U 0 V c) U 1 1 U 1 U 1 8 V U U 6 U

Leia mais

Ciências Física e química

Ciências Física e química Dretos Exclusvos para o autor: rof. Gl Renato Rbero Gonçalves CMB- Colégo Mltar de Brasíla Reservados todos os dretos. É probda a duplcação ou reprodução desta aula, com ou sem modfcações (plágo) no todo

Leia mais

Física C Intensivo V. 2

Física C Intensivo V. 2 Físca C Intensvo V Exercícos 01) C De acordo com as propredades de assocação de resstores em sére, temos: V AC = V AB = V BC e AC = AB = BC Então, calculando a corrente elétrca equvalente, temos: VAC 6

Leia mais

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20 1 4º Undade Capítulo XIII Eletrcdade 3 Questões do ENEM. 8 Capítulo XIV Campo Elétrco 11 Questões do ENEM 13 Capítulo XV Energa Potencal Elétrca 15 Questões do ENEM 20 Capítulo XVI Elementos de Um Crcuto

Leia mais

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014 Aula 7: Crcutos Curso de Físca Geral III F-38 º semestre, 04 Ponto essencal Para resolver um crcuto de corrente contínua, é precso entender se as cargas estão ganhando ou perdendo energa potencal elétrca

Leia mais

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20 1 3º Undade Capítulo XI Eletrcdade 3 Capítulo XII Campo Elétrco 8 Capítulo XIII Energa Potencal Elétrca 10 Capítulo XIV Elementos de Um Crcuto Elétrco 15 Capítulo XV Elementos de Um Crcuto Elétrco 20 Questões

Leia mais

Nesse circuito, os dados indicam que a diferença de potencial entre os pontos X e Y, em volts, é a) 3,3 c) 10 e) 18 b) 6,0 d) 12.

Nesse circuito, os dados indicam que a diferença de potencial entre os pontos X e Y, em volts, é a) 3,3 c) 10 e) 18 b) 6,0 d) 12. Aprmorando os Conhecmentos de Eletrcdade Lsta 7 Assocação de esstores Prof.: Célo Normando. (UNIFO-97) O resstor, que tem a curva característca representada no gráfco abao, é componente do crcuto representado

Leia mais

CORRENTE ELÉTRICA, RESISTÊNCIA, DDP, 1ª E 2ª LEIS DE OHM

CORRENTE ELÉTRICA, RESISTÊNCIA, DDP, 1ª E 2ª LEIS DE OHM FÍSICA COENTE ELÉTICA, ESISTÊNCIA, DDP, ª E ª LEIS DE OHM. CAGA ELÉTICA (Q) Observa-se, expermentalmente, na natureza da matéra, a exstênca de uma força com propredades semelhantes à força gravtaconal,

Leia mais

Resistores. antes de estudar o capítulo PARTE I

Resistores. antes de estudar o capítulo PARTE I PARTE I Undade B 6 capítulo Resstores seções: 61 Consderações ncas 62 Resstênca elétrca Le de Ohm 63 Le de Joule 64 Resstvdade antes de estudar o capítulo Veja nesta tabela os temas prncpas do capítulo

Leia mais

Resoluções dos testes propostos

Resoluções dos testes propostos da físca 3 ndade apítulo 7 ssocação de resstores esoluções dos testes propostos T.6 esposta: b 0 V 5 V 5 V... 5 V 0 n 5 n n T.7 esposta: b = Igualando: Ω = ( + ) ( ) 3 Ω T.8 esposta: c Stuação ncal: I

Leia mais

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos.

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos. Insttuto de Físca de São Carlos Laboratóro de Eletrcdade e Magnetsmo: Transferênca de Potênca em Crcutos de Transferênca de Potênca em Crcutos de Nesse prátca, estudaremos a potênca dsspada numa resstênca

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS. material condutor. - fonte de tensão + 1. INTRODUÇÃO 2. FONTES DE TENSÃO 3. CORRENTE ELÉTRICA

CIRCUITOS ELÉTRICOS. material condutor. - fonte de tensão + 1. INTRODUÇÃO 2. FONTES DE TENSÃO 3. CORRENTE ELÉTRICA Eletrcdade ásca Eletrcdade ásca CICUITOS ELÉTICOS s bateras e plhas fornecem tensão contínua perfetamente retfcada, ou seja, não há varação da dferença de potencal com o tempo, conforme o gráfco abaxo.

Leia mais

Receptores elétricos. antes de estudar o capítulo PARTE I

Receptores elétricos. antes de estudar o capítulo PARTE I PARTE I Undade B capítulo 10 Receptores elétrcos seções: 101 Receptor Força contraeletromotrz 102 Crcutos gerador-receptor e gerador-receptor-resstor antes de estudar o capítulo Veja nesta tabela os temas

Leia mais

Aula 6: Corrente e resistência

Aula 6: Corrente e resistência Aula 6: Corrente e resstênca Físca Geral III F-328 1º Semestre 2014 F328 1S2014 1 Corrente elétrca Uma corrente elétrca é um movmento ordenado de cargas elétrcas. Um crcuto condutor solado, como na Fg.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES Prof(a) Stela Mara de arvalho Fernandes SSOIÇÃO DE ESISTOES ssocação de esstores em Sére Dos ou mas resstores estão assocados em sére quando são percorrdos pela mesma corrente elétrca. omo U D Somando

Leia mais

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 37 (pág. 88) AD TM TC. Aula 38 (pág. 88) AD TM TC. Aula 39 (pág.

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 37 (pág. 88) AD TM TC. Aula 38 (pág. 88) AD TM TC. Aula 39 (pág. ísca Setor Prof.: Índce-controle de Estudo ula 37 (pág. 88) D TM TC ula 38 (pág. 88) D TM TC ula 39 (pág. 88) D TM TC ula 40 (pág. 91) D TM TC ula 41 (pág. 94) D TM TC ula 42 (pág. 94) D TM TC ula 43 (pág.

Leia mais

50 Calcule a resistência equivalente entre os pontos A e B das seguintes associações:

50 Calcule a resistência equivalente entre os pontos A e B das seguintes associações: p. 4 50 alcule a resstênca equvalente entre os pontos e das seguntes assocações: a) c) 3 5 5 5 0 b) d) 6 3 3 9 0 6 7 a) 5 5 5,5 6,5 0 b) 6 5 9 3 3 0 0 3 6 5 c) 5 3 5 3 3 d) 3 3 6 6 3 7 7 3 6 7 0 5 (FG-SP)

Leia mais

ELEMENTOS DE CIRCUITOS

ELEMENTOS DE CIRCUITOS MINISTÉRIO D EDUCÇÃO SECRETRI DE EDUCÇÃO PROFISSIONL E TECNOLÓGIC INSTITUTO FEDERL DE EDUCÇÃO, CIÊNCI E TECNOLOGI DE SNT CTRIN CMPUS DE SÃO JOSÉ - ÁRE DE TELECOMUNICÇÕES CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICÇÕES

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARALELA 4º BIMESTRE

EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARALELA 4º BIMESTRE EXERCÍCIOS DE RECUERAÇÃO ARALELA 4º BIMESTRE NOME Nº SÉRIE : 2º EM DATA : / / BIMESTRE 4º ROFESSOR: Renato DISCILINA: Físca 1 VISTO COORDENAÇÃO ORIENTAÇÕES: 1. O trabalho deverá ser feto em papel almaço

Leia mais

Material de apoio para as aulas de Física do terceiro ano

Material de apoio para as aulas de Física do terceiro ano COLÉGIO LUTERANO CONCÓRDIA Concórda, desenvolvendo conhecmento com sabedora Mantenedora: Comundade Evangélca Luterana Crsto- Nteró Materal de apoo para as aulas de Físca do tercero ano Professor Rafael

Leia mais

Física 10 Questões [Difícil]

Física 10 Questões [Difícil] Físca Questões [Dfícl] - (UF MG) Um líqudo encontra-se, ncalmente, à temperatura T o, pressão P o e volume o, em um recpente fechado e solado termcamente do ambente, conforme lustra a fgura ao lado. Após

Leia mais

Esta aula: Conceitos fundamentais: bipolos, tensão e corrente Geradores de tensão e de corrente Convenções Transferência de energia Resistores

Esta aula: Conceitos fundamentais: bipolos, tensão e corrente Geradores de tensão e de corrente Convenções Transferência de energia Resistores Esta aula: Concetos fundamentas: bpolos, tensão e corrente Geradores de tensão e de corrente Conenções Transferênca de energa Resstores TEORA DE CRCUTOS Crcuto elétrco: Coleção de dspostos elétrcos conectados

Leia mais

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo.

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo. Motores síncronos Prncípo de funconamento ão motores com velocdade de rotação fxa velocdade de sncronsmo. O seu prncípo de funconamento está esquematzado na fgura 1.1 um motor com 2 pólos. Uma corrente

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

MAF 1292 Eletricidade e Eletrônica

MAF 1292 Eletricidade e Eletrônica PONTIFÍCIA UNIVESIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPATAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professores: Edson Vaz e enato Mederos MAF 1292 Eletrcdade e Eletrônca NOTA DE AULA I Goâna 2014 CAPACITOES Um capactor (ou condensador)

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenhara de Lorena EEL LOB1053 - FÍSICA III Prof. Dr. Durval Rodrgues Junor Departamento de Engenhara de Materas (DEMAR) Escola de Engenhara de Lorena (EEL) Unversdade

Leia mais

Associação de Resistores Física 2

Associação de Resistores Física 2 Assocação de esstores Físca 2 Aula 4. Sére I. A corrente elétrca é a mesma em cada resstor. II. A ddp total se dvde entre os resstores. III. A resstênca equvalente é a soma das resstêncas elétrcas de cada

Leia mais

Capítulo. Capacitores Resoluções dos exercícios propostos. P.283 a) Dados: ε 0 8,8 10 12 F/m; A (0,30 0,50) m 2 ; d 2 10 3 m 0,30 0,50 2 10 3

Capítulo. Capacitores Resoluções dos exercícios propostos. P.283 a) Dados: ε 0 8,8 10 12 F/m; A (0,30 0,50) m 2 ; d 2 10 3 m 0,30 0,50 2 10 3 apítulo a físca xercícos propostos nae apítulo apactores apactores Resoluções os exercícos propostos P.8 a) aos: ε 0 8,8 0 F/m; (0,0 0,50) m ; 0 m ε 0 8,8 0 0,0 0,50 0 6,6 0 0 F b) ao:.000 V 6,6 00.000,

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades VOM FÍSI esoluções das tvdades Sumáro apítulo 8 orrente elétrca... apítulo 9 Potênca elétrca... apítulo 0 nerga... apítulo esstores I Prmera e de Ohm...5 apítulo esstores II Segunda e de Ohm...7. apítulo

Leia mais

Capítulo 30: Indução e Indutância

Capítulo 30: Indução e Indutância Capítulo 3: Indução e Indutânca Índce Fatos xpermentas; A e de Faraday; A e de enz; Indução e Tranferênca de nerga; Campos létrcos Induzdos; Indutores e Indutânca; Auto-ndução; Crcuto ; nerga Armazenada

Leia mais

Geradores elétricos. Antes de estudar o capítulo PARTE I

Geradores elétricos. Antes de estudar o capítulo PARTE I PART I ndade B 9 Capítulo Geadoes elétcos Seções: 91 Geado Foça eletomotz 92 Ccuto smples Le de Poullet 93 Assocação de geadoes 94 studo gáfco da potênca elétca lançada po um geado em um ccuto Antes de

Leia mais

1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. b r

1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. b r F Físca 1998 1. Um certo calorímetro contém 80 gramas de água à temperatura de 15 O C. dconando-se à água do calorímetro 40 gramas de água a 50 O C, observa-se que a temperatura do sstema, ao ser atngdo

Leia mais

Tópico 2. Resolução: a) R eq. = 3 + 7 R eq = 10 Ω 1 = 1 R eq 12 + 1 36 + 1 36 R = 0,9 Ω 1 = 40. a) A e B? b) C e D? c) R eq.

Tópico 2. Resolução: a) R eq. = 3 + 7 R eq = 10 Ω 1 = 1 R eq 12 + 1 36 + 1 36 R = 0,9 Ω 1 = 40. a) A e B? b) C e D? c) R eq. Tópco ssocação de resstores e meddas elétrcas 113 Tópco esolução: a) eq 3 + 7 eq 10 Ω 1 Nas lustrações a segur, como estão assocadas as lâmpadas: a) e? b) e? b) 1 1 eq 36 + 1 1 + 1 1 40 36 0,9 Ω eq c)

Leia mais

Prof. Antônio Carlos Fontes dos Santos. Aula 1: Divisores de tensão e Resistência interna de uma fonte de tensão

Prof. Antônio Carlos Fontes dos Santos. Aula 1: Divisores de tensão e Resistência interna de uma fonte de tensão IF-UFRJ Elementos de Eletrônca Analógca Prof. Antôno Carlos Fontes dos Santos FIW362 Mestrado Profssonal em Ensno de Físca Aula 1: Dvsores de tensão e Resstênca nterna de uma fonte de tensão Este materal

Leia mais

2 - Análise de circuitos em corrente contínua

2 - Análise de circuitos em corrente contínua - Análse de crcutos em corrente contínua.-corrente eléctrca.-le de Ohm.3-Sentdos da corrente: real e convenconal.4-fontes ndependentes e fontes dependentes.5-assocação de resstêncas; Dvsores de tensão;

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

Eletromagnetismo Indutores e Indutância

Eletromagnetismo Indutores e Indutância Eletromagnetsmo Indutores e Indutânca Eletromagnetsmo» Indutores e Indutânca Introdução Indutores são elementos muto útes, pos com eles podemos armazenar energa de natureza magnétca em um crcuto elétrco.

Leia mais

Circuitos Elétricos. 1) Introducão. Revisão sobre elementos. Fontes independentes de tensão e corrente. Fonte Dependente

Circuitos Elétricos. 1) Introducão. Revisão sobre elementos. Fontes independentes de tensão e corrente. Fonte Dependente Crcutos Elétrcos 1) Introducão Resão sobre elementos Fontes ndependentes de tensão e corrente Estas fontes são concetos muto útes para representar nossos modelos de estudo de crcutos elétrcos. O fato de

Leia mais

Experiência V (aulas 08 e 09) Curvas características

Experiência V (aulas 08 e 09) Curvas características Experênca (aulas 08 e 09) Curvas característcas 1. Objetvos 2. Introdução 3. Procedmento expermental 4. Análse de dados 5. Referêncas 1. Objetvos Como no expermento anteror, remos estudar a adequação de

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professores: Edson Vaz e Renato Mederos ELETRICIDADE E MAGNETISMO NOTA DE AULA III Goâna - 2013 CORRENTE ELÉTRICA Estudamos

Leia mais

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou!

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou! A U A UL LA Hoje não tem vtamna, o lqudfcador quebrou! Essa fo a notíca dramátca dada por Crstana no café da manhã, lgeramente amenzada pela promessa de uma breve solução. - Seu pa dsse que arruma à note!

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

Prof.: Geraldo Barbosa Filho

Prof.: Geraldo Barbosa Filho AULA 07 GERADORES E RECEPTORES 5- CURVA CARACTERÍSTICA DO GERADOR 1- GERADOR ELÉTRICO Gerador é um elemento de circuito que transforma qualquer tipo de energia, exceto a elétrica, em energia elétrica.

Leia mais

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição)

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição) 14. orrentes Alternadas (baseado no Hallday, 4 a edção) Por que estudar orrentes Alternadas?.: a maora das casas, comérco, etc., são provdas de fação elétrca que conduz corrente alternada (A ou A em nglês):

Leia mais

GRANDEZAS ELÉTRICAS CONCEITOS BÁSICOS

GRANDEZAS ELÉTRICAS CONCEITOS BÁSICOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS DE SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO INTEGRADO EM TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

Material de apoio para as aulas de Física do terceiro ano

Material de apoio para as aulas de Física do terceiro ano COLÉGIO LUTERANO CONCÓRDIA 67 Anos Educando com o Coração Mantenedora: Comundade Evangélca Luterana Crsto- Nteró Materal de apoo para as aulas de Físca do tercero ano Professor Rafael Frank de Rodrgues

Leia mais

Prof. A.F.Guimarães Questões Eletricidade 6 Resistores

Prof. A.F.Guimarães Questões Eletricidade 6 Resistores Questão 1 (UNIMP) Um fusível é um nterruptor elétrco de proteção que quema, deslgando o crcuto, quando a corrente ultrapassa certo valor. rede elétrca de 110 V de uma casa é protegda por fusível de 15.

Leia mais

Circuitos Elétricos 1º parte. Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento

Circuitos Elétricos 1º parte. Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento Circuitos Elétricos 1º parte Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento Introdução Um circuito elétrico é constituido de interconexão de vários

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS JOINVILLE DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DE ENSINO CURSO TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS JOINVILLE DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DE ENSINO CURSO TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA NSTTUTO FEDEAL DE SANTA CATANA CAMPUS JONLLE DEPATAMENTO DE DESENOLMENTO DE ENSNO CUSO TÉCNCO EM ELETOELETÔNCA ELETCDADE Profª. Bárara Taques EFEÊNCAS BBLOÁFCAS EFEÊNCAS BBLOÁFCAS... CAPÍTULO ANDEZAS ELÉTCAS....

Leia mais

CARGA E DESCARGA DE UM CAPACITOR

CARGA E DESCARGA DE UM CAPACITOR EXPEIÊNCIA 06 CAGA E DESCAGA DE UM CAPACITO 1. OBJETIVOS a) Levantar, em um crcuto C, curvas de tensão no resstor e no capactor em função do tempo, durante a carga do capactor. b) Levantar, no mesmo crcuto

Leia mais

Na figura, são dados os vetores a, b e c.

Na figura, são dados os vetores a, b e c. 46 b FÍSICA a fgura, são dados os vetores a, b e c. u a b c Sendo u a undade de medda do módulo desses vetores, pode-se afrmar que o vetor d = a b + c tem módulo a) 2u, e sua orentação é vertcal, para

Leia mais

Instruções de segurança VEGAWELL WL51/52.A********C/D* VEGAWELL WELL72.A*******- C/D*

Instruções de segurança VEGAWELL WL51/52.A********C/D* VEGAWELL WELL72.A*******- C/D* Instruções de segurança VEGAWELL WL51/52.A********C/D* VEGAWELL WELL72.A*******- C/D* NCC 13.2121 X Ex a IIC T6 Ga, Gb 0044 Document ID: 46341 Índce 1 Valdade... 3 2 Geral... 3 3 Dados técncos... 3 4 Proteção

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

3. Um protão move-se numa órbita circular de raio 14 cm quando se encontra. b) Qual o valor da velocidade linear e da frequência ciclotrónica do

3. Um protão move-se numa órbita circular de raio 14 cm quando se encontra. b) Qual o valor da velocidade linear e da frequência ciclotrónica do Electromagnetsmo e Óptca Prmero Semestre 007 Sére. O campo magnétco numa dada regão do espaço é dado por B = 4 e x + e y (Tesla. Um electrão (q e =.6 0 9 C entra nesta regão com velocdade v = e x + 3 e

Leia mais

Capacitores. Prof. Ernesto F. F. Ramírez

Capacitores. Prof. Ernesto F. F. Ramírez apactores Prof. Ernesto F. F. Sumáro 1. Introdução 2. apactores 3. lassfcações de capactores 4. Especfcação de capactores 5. Assocação de capactores 6. Exercícos propostos Slde 2 1. Introdução apactor

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2013 DA UNICAMP-FASE 1. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2013 DA UNICAMP-FASE 1. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 03 DA UNICAMP-FASE. PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA QUESTÃO 37 A fgura abaxo exbe, em porcentagem, a prevsão da oferta de energa no Brasl em 030, segundo o Plano Naconal

Leia mais

GERADORES, RECEPTORES E POTÊNCIA

GERADORES, RECEPTORES E POTÊNCIA AULA 22 GERADORES, RECEPTORES E POTÊNCIA 1- GERADORES ELÉTRICOS Gerador elétrico é todo elemento que transforma energia não elétrica em energia elétrica. Observe que o gerador não gera energia e sim transforma

Leia mais

Potência e rendimento de geradores e receptores

Potência e rendimento de geradores e receptores Potência e rendimento de geradores e receptores 1 Fig.26.1 26.1. No circuito da Fig. 26.1, a potência transformada em calor é igual a: A) 15 watts. B) 36 watts. C) 51 watts. D) 108 watts. E) 121 watts.

Leia mais

Sendo n o número de elétrons que constituem a carga elétrica Q e a carga elétrica elementar, temos: Q = n.e.

Sendo n o número de elétrons que constituem a carga elétrica Q e a carga elétrica elementar, temos: Q = n.e. AULA Nº 0 CORRENTE ELÉTRICA a) Corrente elétrica É todo movimento ordenado de cargas elétricas b) Intensidade média da corrente elétrica Seja Q o valor absoluto da carga elétrica que atravessa a secção

Leia mais

Aula 10: Corrente elétrica

Aula 10: Corrente elétrica Unversdade Federal do Paraná Setor de Cêncas Exatas Departamento de Físca Físca III Prof. Dr. Rcardo Luz Vana Referêncas bblográfcas: H. 28-2, 28-3, 28-4, 28-5 S. 26-2, 26-3, 26-4 T. 22-1, 22-2 Aula 10:

Leia mais

1 Princípios da entropia e da energia

1 Princípios da entropia e da energia 1 Prncípos da entropa e da energa Das dscussões anterores vmos como o conceto de entropa fo dervado do conceto de temperatura. E esta últma uma conseqüênca da le zero da termodnâmca. Dentro da nossa descrção

Leia mais

Tensão, Corrente Elétrica e Resistência Elétrica

Tensão, Corrente Elétrica e Resistência Elétrica Tensão, Corrente Elétrca e Resstênca Elétrca Bblografa: Instalações Elétrcas Predas Geraldo Cavaln e Severno Cerveln Capítulo 1. Instalações Elétrcas Hélo Creder Capítulo 2. Curso de Físca Volume 3 Antôno

Leia mais

F-328 Física Geral III

F-328 Física Geral III F-328 Físca Geral III Aula exploratóra- 06 UNICAMP IFGW username@f.uncamp.br F328 2 o Semestre de 2013 1 Corrente elétrca e resstênca Defnção de corrente: Δq = dq = t+δt Undade de corrente: 1 Ampère =

Leia mais

CONTEÚDOS: Req. 2-A figura a seguir ilustra uma onda mecânica que se propaga numa velocidade 3,0m/s. Qual o valor do comprimento de onda?

CONTEÚDOS: Req. 2-A figura a seguir ilustra uma onda mecânica que se propaga numa velocidade 3,0m/s. Qual o valor do comprimento de onda? Exercícios para recuperação final 2 ano Acesso CONTEÚDOS: Óptica (reflexão refração lentes) Estudo das ondas Fenômenos ondulatórios Eletrodinâmica Leis de Ohm Associação de resistores Geradores e Receptores

Leia mais

Capítulo 26: Corrente e Resistência

Capítulo 26: Corrente e Resistência Capítulo 6: Corrente e esstênca Cap. 6: Corrente e esstênca Índce Corrente Elétrca Densdade de Corrente Elétrca esstênca e esstvdade Le de Ohm Uma Vsão Mcroscópca da Le de Ohm Potênca em Crcutos Elétrcos

Leia mais

Receptores elétricos

Receptores elétricos Receptores elétricos 1 Fig.20.1 20.1. A Fig. 20.1 mostra um receptor elétrico ligado a dois pontos A e B de um circuito entre os quais existe uma d.d.p. de 12 V. A corrente que o percorre é de 2,0 A. A

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR Matéra / Dscplna: Introdução à Informátca Sstema de Numeração Defnção Um sstema de numeração pode ser defndo como o conjunto dos dígtos utlzados para representar quantdades e as regras que defnem a forma

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO DE REVISÃO PARA RECUPERAÇÃO FINAL - 2015

ESTUDO DIRIGIDO DE REVISÃO PARA RECUPERAÇÃO FINAL - 2015 Nome: 3ª série: n o Professor: Luiz Mário Data: / / 2015. ESTUDO DIRIGIDO DE REVISÃO PARA RECUPERAÇÃO FINAL - 2015 Orientações: - Este estudo dirigido poderá ser usado para revisar a matéria que será cobrada

Leia mais

E X E R C Í C I O S. i(a) 7,5 10 elétrons

E X E R C Í C I O S. i(a) 7,5 10 elétrons E X E R C Í C I O S 1. O gráfico da figura abaixo representa a intensidade de corrente que percorre um condutor em função do tempo. Determine a carga elétrica que atravessa uma secção transversal do condutor

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

Os fundamentos da Física Volume 3 1. Resumo do capítulo. Eletrização. Força elétrica

Os fundamentos da Física Volume 3 1. Resumo do capítulo. Eletrização. Força elétrica Os fundamentos da Físca Volume 3 1 Capítulo 1 letrzação. Força elétrca CORPO LTRIZADO É o corpo que possu excesso de elétrons (carga negatva) ou falta de elétrons (carga postva). PRINCÍPIOS DA LTROSTÁTICA

Leia mais

QiD 6 3ª SÉRIE/PRÉ - VESTIBULAR PARTE 3 QUÍMICA

QiD 6 3ª SÉRIE/PRÉ - VESTIBULAR PARTE 3 QUÍMICA PARA A VALIDADE DO QD, AS RESPOSTAS DEVEM SER APRESENTADAS EM FOLHA PRÓPRIA, FORNECIDA PELO COLÉGIO, COM DESENVOLVIMENTO E SEMPRE A TINTA. TODAS AS QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA DEVEM SER JUSTIFICADAS.

Leia mais

Princípios De Eletrônica Analógica Prof. Luiz Antonio Vargas Pinto Revisada em 22-03-2010 2007-2010

Princípios De Eletrônica Analógica Prof. Luiz Antonio Vargas Pinto Revisada em 22-03-2010 2007-2010 Prncípos e letrônca Analógca Prof. Luz Antono argas Pnto evsada em -3-7- Índce Introdução... 3 Fonte retfcadora ½ onda e fltro a capactor... 4 Fonte retfcadora de onda completa e fltro a capactor... 4

Leia mais

Exercícios Eletrodinâmica

Exercícios Eletrodinâmica Exercícios Eletrodinâmica 01-Um gerador elétrico tem potência total 0,6 kw, quando percorrido por uma corrente de intensidade igual a 50 A. Qual a sua força eletromotriz. a) 30.000 V b) 100 V c) 120 V

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ENSINO DE TÓPICOS DE ELETROMAGNETISMO VIA INSTRUÇÃO PELOS COLEGAS E ENSINO SOB MEDIDA PARA O ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE ENSINO DE TÓPICOS DE ELETROMAGNETISMO VIA INSTRUÇÃO PELOS COLEGAS E ENSINO SOB MEDIDA PARA O ENSINO MÉDIO UMA PROPOTA DE EIO DE TÓPICO DE ELETROMAGETIMO VIA ITRUÇÃO PELO COLEGA E EIO OB MEDIDA PARA O EIO MÉDIO TETE COCEITUAI Autores: Vagner Olvera Elane Angela Vet Ives olano Araujo TETE COCEITUAI (CAPÍTULO

Leia mais

Eletrodinâmica. Circuito Elétrico

Eletrodinâmica. Circuito Elétrico Eletrodinâmica Circuito Elétrico Para entendermos o funcionamento dos aparelhos elétricos, é necessário investigar as cargas elétricas em movimento ordenado, que percorrem os circuitos elétricos. Eletrodinâmica

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D Físca Módulo 1 Vetores, escalares e movmento em 2-D Vetores, Escalares... O que são? Para que servem? Por que aprender? Escalar Defnção: Escalar Grandea sem dreção assocada. Eemplos: Massa de uma bola,

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos da físca ndade Capítulo 9 Geadoes elétcos esoluções dos execícos popostos 1 P.19 Dados: 4 ; 1 Ω; 0 a) 0 4 1 4 b) Pot g Pot g 4 4 Pot g 96 W Pot º Pot º 0 4 Pot º 80 W Pot d Pot g Pot º Pot d 96 80 Pot

Leia mais

CURSO DE APROFUNDAMENTO FÍSICA ENSINO MÉDIO

CURSO DE APROFUNDAMENTO FÍSICA ENSINO MÉDIO CURSO DE APROFUNDAMENTO FÍSICA ENSINO MÉDIO Prof. Cazuza 1. Arthur monta um circuito com duas lâmpadas idênticas e conectadas à mesma bateria, como mostrado nesta figura: Considere nula a resistência elétrica

Leia mais

(note que não precisa de resolver a equação do movimento para responder a esta questão).

(note que não precisa de resolver a equação do movimento para responder a esta questão). Mestrado Integrado em Engenhara Aeroespacal Mecânca e Ondas 1º Ano -º Semestre 1º Teste 31/03/014 18:00h Duração do teste: 1:30h Lea o enuncado com atenção. Justfque todas as respostas. Identfque e numere

Leia mais

Energia de deformação na flexão

Energia de deformação na flexão - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Energa de deformação na

Leia mais

ANALOGIA ENTRE INTENSIDADE DE CORRENTE ELÉCRICA E CAUDAL DE UM LÍQUIDO

ANALOGIA ENTRE INTENSIDADE DE CORRENTE ELÉCRICA E CAUDAL DE UM LÍQUIDO ANALOGA ENTRE NTENSDADE DE CORRENTE ELÉCRCA E CADAL DE M LÍQDO Exemplo de revisão do conceito de caudal: Para medir o caudal de uma torneira, podemos encher um balde com água e medir o tempo que o balde

Leia mais

Ruído. SEL 371 Sistemas de comunicação. Amílcar Careli César Departamento de Engenharia Elétrica da EESC-USP

Ruído. SEL 371 Sistemas de comunicação. Amílcar Careli César Departamento de Engenharia Elétrica da EESC-USP Ruído SEL 371 Sstemas de comuncação Amílcar Carel César Departamento de Engenhara Elétrca da EESC-USP Atenção! Este materal ddátco é planejado para servr de apoo às aulas de SEL-371 Sstemas de comuncação,

Leia mais

Colégio Paulo VI Aluno (a): Nº.: 3º Série do Ensino Médio Turma: Turno: Vespertino Lista 03 LISTA Nº 04

Colégio Paulo VI Aluno (a): Nº.: 3º Série do Ensino Médio Turma: Turno: Vespertino Lista 03 LISTA Nº 04 Colégio Paulo VI Aluno (a): Nº.: 3º Série do Ensino Médio Turma: Turno: Vespertino Lista 03 Disciplina: Física Professor (a): Murilo Gomes Data: / / 2014 Eletrodinâmica LISTA Nº 04 1. Resistores 01. Um

Leia mais

q = (Unidade: 1 C = 1A) t I m

q = (Unidade: 1 C = 1A) t I m 1 Corrente Elétrica Como visto no modulo anterior, os materiais condutores, devido as suas características físicas, formam elétrons livres quando de suas ligações atômicas. Contudo essas partículas que

Leia mais

Física I LEC+LET Guias de Laboratório 2ª Parte

Física I LEC+LET Guias de Laboratório 2ª Parte Físca I LEC+LET Guas de Laboratóro 2ª Parte 2002/2003 Experênca 3 Expansão lnear de sóldos. Determnação de coefcentes de expansão térmca de dferentes substâncas Resumo Grupo: Turno: ª Fera h Curso: Nome

Leia mais

Resoluções dos testes propostos

Resoluções dos testes propostos da físca 3 Undade apítulo 15 Indução eletromagnétca esoluções dos testes propostos 1 T.372 esposta: d ob ação da força magnétca, elétrons se deslocam para a extremdade nferor da barra metálca. essa extremdade,

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

CAPITULO 02 LEIS EXPERIMENTAIS E CIRCUITOS SIMPLES. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES

CAPITULO 02 LEIS EXPERIMENTAIS E CIRCUITOS SIMPLES. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES CAPITULO 0 LEIS EXPEIMENTAIS E CICUITOS SIMPLES Prof SILVIO LOBO ODIGUES INTODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVESIDADE CATÓLICA DO IO GANDE DO SUL Destnase o segundo capítulo ao estudo das les de Krchnoff e suas aplcações

Leia mais

Magnetismo e. eletromagnetismo. Introdução ao magnetismo. Ímãs

Magnetismo e. eletromagnetismo. Introdução ao magnetismo. Ímãs Magnetsmo e eletromagnetsmo Este tópco apresenta o aspecto hstórco e os conhecmentos atuas dos ímãs e do campo gravtaconal terrestre. Introdução ao magnetsmo é mas pronuncado: são os polos do ímã (convenconalmente

Leia mais