Magnetismo e. eletromagnetismo. Introdução ao magnetismo. Ímãs

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Magnetismo e. eletromagnetismo. Introdução ao magnetismo. Ímãs"

Transcrição

1 Magnetsmo e eletromagnetsmo Este tópco apresenta o aspecto hstórco e os conhecmentos atuas dos ímãs e do campo gravtaconal terrestre. Introdução ao magnetsmo é mas pronuncado: são os polos do ímã (convenconalmente chamados de polo norte () e polo sul (). o meo exste uma regão pratcamente natva chamada zona neutra. Os gregos antgos conhecam mas sobre o magnetsmo do que sobre a eletrcdade. Uma de suas hstóras conta que um pastor de cabras, de nome Magnes, notou que exsta uma pedra determnada que tnha a propredade de atrar a ponta de ferro do seu cajado de pastoreo, daí surgu o nome magnetsmo. Outra hpótese levantada para explcar a palavra magnetsmo é o fato de exstr uma regão que faza parte da Gréca e era chamada Magnésa, onde se encontravam rochas que tnham a propredade de atrar o ferro. Há referênca aos fenômenos magnétcos em Homero, quando ele narra que os gregos esfregavam seus anés de ferro em pedras especas e eles passavam a ter a propredade de atrar outros anés de ferro. a lteratura árabe, exstem hstóras de navos que afundaram porque uma montanha mágca hava arrancado os pregos que fxavam o casco. tualmente denomnamos magnetta ao mnéro de ferro que consttu os ímãs naturas (Fe 3 O 4 ). Ímãs Ímãs são corpos que têm a propredade de atrar o ferro, o aço, o níquel, o cobalto e outros metas, e nteragem com outros ímãs. Eles podem ser naturas ou artfcas, permanentes ou transtóros. e pegarmos um ímã em forma de barra, notamos que exstem regões onde o efeto de atração 684 polos de ímã em forma de barra polos de ímã em forma de ferradura e partrmos um ímã em forma de barra ao meo, notamos que os polos não se separam: aparecem dos novos ímãs com polos e. e repetmos essa dvsão váras vezes, vemos que sempre obtemos dos novos ímãs, cada um deles com polo norte e polo sul. Da experênca pode-se conclur que não podemos consegur um monopolo magnétco. teora molecular do magnetsmo admte que cada molécula seja um mã elementar. lgumas vezes, por defeto de mantação, podem aparecer outros polos, chamados pontos consequentes. tualmente, a melhor teora para explcar o magnetsmo é a da vnculação do spn (movmento de rotação de um elétron em torno de seu própro exo); um corpo magnetzado tem elétrons com spns coordenados, como mostrado na smulação: Este materal é parte ntegrante do acervo do IEDE RIL..,mas nformações 1

2 mã corpo mantado corpo não-mantado Processos de mantação Podem-se gerar ímãs artfcas por três processos clásscos: pela ação de outros ímãs; pela ação de corrente elétrca; pela ação da Terra. magnetzação por ação de ímãs pode realzar- -se por contato, por frcção ou por ndução. a magnetzação por frcção podem-se consderar város modos de proceder: por toque smples: frccona-se um polo magnétco ao longo da barra a mantar, sempre no mesmo sentdo; dessa manera, pode-se mantar as duas faces de uma lâmna delgada de aço em forma de losango (que vem a ser a agulha magnétc; barra amantar por toque duplo, sto é, frcconando os polos contráros de dos mãs ao longo da barra, em movmento alternado a partr do centro, e sem separar os ímãs; mã mã barra amantar madera mã mã 685 por toque em separado, dêntco ao anteror sendo cada um dos ímãs movdo para uma das extremdades da barra. a magnetzação por ndução consderam-se substâncas de três tpos: substâncas ferromagnétcas sob ação de um campo magnétco têm a propredade de aumentá-lo ntensamente. Por exemplo: ferro, aço, níquel, cobalto; substâncas paramagnétcas o campo de mantação nduzdo é muto pequeno. Por exemplo: platna, alumíno, manganês; substâncas damagnétcas o campo de mantação nduzdo é pouco ntenso e de sentdo oposto ao do ndutor. Por exemplo: bsmuto, quartzo, água. magnetzação por ação de corrente elétrca será objeto de dscussão nos próxmos módulos. magnetzação por ação da Terra é aprecável somente em objetos de aço e é pouco ntensa. Qualquer que seja o processo empregado para magnetzação, observa-se por exemplo, entre o ferro doce e o aço, uma dferença: o ferro doce magnetzase rapdamente, mas também perde mas rapdamente o poder magnétco, enquanto que o aço custa a magnetzar-se, conservando permanentemente as propredades magnétcas. Dz-se que o aço tem força coercva ou retentvdade magnétca elevada, enquanto o ferro tem fraca retentvdade. O campo magnétco Pelo tem anteror percebe-se a grande semelhança entre eletrcdade e magnetsmo. prncpal dferença é que, enquanto que o campo elétrco atua sobre cargas em qualquer stuação, o campo magnétco só atua sobre cargas em movmento. ão váldas as consderações da Le de du Fay e da Le de Coulomb, sto é, polos de mesmo nome se repelem e polos de nomes dstntos se atraem e a força de nteração é proporconal às massas magnétcas e nversamente proporconal ao quadrado da dstânca entre elas, exstndo uma constante de permeabldade magnétca cujo valor, no vácuo ou no ar, é de 10 7 ui. vsualzação do campo magnétco é mas fácl. Despejando-se lmalha de ferro sobre um cartão e colocando-se sobre ele um ímã veremos que a lmalha se dspõe segundo as lnhas de força. Este materal é parte ntegrante do acervo do IEDE RIL..,mas nformações

3 ação dretrz da Terra sobre uma agulha magnétca é ndcada por dos ângulos: a declnação e a nclnação magnétca. Defne-se merdano geográfco como a lnha magnára da Terra que passa pelos polos geográfcos. Da mesma manera, defne-se merdano magnétco da Terra como a lnha magnára que passa pelos polos magnétcos. Como não há concdênca entre os polos geográfcos e magnétcos, tem-se um ângulo entre esses merdanos: é a declnação magnétca. s lnhas de força do campo magnétco saem do polo norte e entram pelo polo sul. Como todo campo é vetoral, pode-se defnr uma ntensdade de campo magnétco; = F m mag. Hoje em da, pratcamente, não se usa mas essa dea de campo, substtundo-a pela dea do campo de ndução magnétca. Magnetsmo terrestre Terra se comporta como se dentro dela houvesse um ímã ggantesco. uspendendo-se uma agulha mantada pelo seu centro nota-se que tal agulha adqure determnada posção (sobre uma lnha de força, sto é, numa curva tal que, a reta tangente à curva nesse ponto representa a dreção do campo magnétco). ponta norte da agulha mantada (geralmente a ponta clar é atraída pelo polo sul magnétco da Terra (M), sto é, aponta para o norte geográfco, e a ponta sul da agulha magnétca (geralmente ponta escur, para o norte magnétco da Terra (M), sto é, aponta para o sul geográfco. Chamamos de lnha sógona a lnha que passa pelos pontos da Terra de mesma declnação magnétca e de lnha agônca aquela em que o ângulo de declnação magnétca é nulo. e estvermos sobre o equador magnétco (lnha magnára que equdsta dos dos polos magnétcos) a agulha permanece na horzontal. e nos aproxmarmos do polo norte geográfco (M), a ponta norte da agulha será abaxada e a ponta sul, levantada, determnando um ângulo entre a dreção da agulha e a horzontal: é o ângulo de nclnação magnétca. Os pontos da Terra que apresentam a mesma nclnação magnétca consttuem uma lnha sóclna; o ângulo de nclnação magnétca no equador magnétco é zero e nos polos é de 90. Introdução ao eletromagnetsmo 686 Um condutor de corrente elétrca gera um campo magnétco, como fo demonstrado por Oersted em experênca é bastante smples: pega-se um fo de um metal condutor de eletrcdade e coloca- -se este passando sobre uma agulha mantada, sob Este materal é parte ntegrante do acervo do IEDE RIL..,mas nformações 3

4 ação do campo magnétco terrestre, com dreção concdente com o exo maor da agulha, conforme a fgura abaxo: O sentdo de dreta; é dado pela regra da mão o passar corrente elétrca contínua pelo fo, nota-se que a agulha sofre uma rotação, fcando com dreção perpendcular à do fo. Cessada a corrente, ela volta à posção prmtva. Pode-se amplar a experênca: lga-se o polo de maor potencal de uma plha ao ponto do fo e o polo de menor potencal ao ponto : Observa-se a rotação da agulha para a esquerda da corrente; se nvertêssemos os polos, teríamos uma rotação para a dreta. Isso nos mostra que a passagem de corrente elétrca contínua em um fo condutor gera um campo magnétco e que, nvertendo-se o sentdo da corrente, o campo também nverte seu sentdo. Le de ot-avart Estudaremos, então, um pequeno trecho do fo que chamaremos elemento do fo e o representaremos por. Imagnemos que esse fo está contdo em um plano p; se observarmos um ponto P pertencente a esse plano, a uma dstânca r do elemento, D notaremos o aparecmento de um campo de ndução elementar no ponto P, conforme a fgura abaxo: O polegar estará acompanhando a corrente elétrca no fo e os demas dedos apontarão para o ponto M. O sentdo do vetor campo será o da saída da palma da mão para cma, como se fôssemos dar um tapa. ntensdade do vetor é dretamente proporconal ao módulo do elemento de corrente e será nversamente proporconal ao quadrado do módulo do vetor r, varando anda com o sen a, formado pelos vetores e r. Pode-se então escrever: sen a = k r sendo que k é uma constante de proporconaldade: 0 para o vácuo (e o ar) usamos k 0 = 4, onde m é 0 chamado de permeabldade magnétca do vácuo e tem valor, no I, 4p expressão acma é conhecda como Le de ot-avart ou 1.ª Le elementar de Laplace. Undades de undade no I é tesla (T). nda é bastante utlzado o gauss (G), dervada do CG tal que 1 T= 10 4 G. Campo de uma espra crcular Consdera-se um fo consttundo uma espra crcular, sto é, um fo que forma, quase completamente, um círculo e faça-se passar corrente contínua por ele. 4 dreção do campo elementar é perpendcular ao plano p e, portanto, ele é perpendcular ao vetor r e ao vetor l, este últmo chamado de vetor elemento de corrente. 687 Este materal é parte ntegrante do acervo do IEDE RIL..,mas nformações

5 a determnação do campo, no centro (M) da espra, pode-se notar que: 1 a dreção de é a da perpendcular ao plano da espra; o sentdo de pode ser dado pela regra da mão dreta ou do saca-rolhas; 3 a ntensdade pode ser calculada usando a Le de ot-avart. Esse vetor será a soma de todos os vetores para todo o comprmento da espra e como ela é crcular mplca que essa soma será o produto do perímetro do círculo pela corrente. lém dsso, sendo a espra crcular, o vetor r faz, sempre, um ângulo a = 90 com um elemento ; para uma espra mersa no ar = K. r. sen 90º 0 ou smplfcando: r = K 0. r 0 e usando k 0 = 4 0 = r. tem-se: Pode-se então notar que, se o campo sa de uma das faces da espra, essa face corresponde ao polo norte de um ímã, pos, por nossa convenção, o campo magnétco sa do polo norte e entra no polo sul. a espra colocada num plano perpendcular ao plano do papel: obna chata Consdere n espras crculares dêntcas e justapostas. Tal dspostvo é a bobna chata. O campo magnétco gerado por ela será, portanto, n vezes o campo gerado por uma espra, sto é: bobna =n. 0 r Como o nosso estudo é feto no R 3, exstem algumas convenções para representar o campo: a espra colocada no plano do papel: face norte face sul perpendcular ao papel e sando dele perpendcular ao papel e entrando nele obna longa ou solenode Chamamos de bobna longa ou solenode um fo condutor enrolado em n espras guas, uma ao lado da outra, mantendo o mesmo espaçamento entre s. O comprmento do solenode será desgnado por. 688 Este materal é parte ntegrante do acervo do IEDE RIL..,mas nformações 5

6 sentdo dado pela regra da mão dreta; envolvendo-se o fo com os dedos separados do polegar, ao sentdo da corrente, será dado pelo polegar. Os demas dedos ndcarão o campo, crcular, em torno do fo: um solenode consderamos o campo externo pratcamente nulo e podemos dzer que o campo nterno vale a soma dos elementos k l gerados pelas espras (Le de mpèr, ou, para um solenode no ar: nterno = 0. n s lnhas de força no nteror do solenode serão pratcamente retlíneas, equdstantes entre s, e paralelas ao exo do solenode (campo unform. Fo retlíneo Consdera-se, agora, um fo retlíneo longo, percorrdo por corrente contínua. Fazendo-se um esquema no R 3, teremos para o campo gerado em ponto P: Pode-se também usar a regra do saca-rolhas: H O mesmo esquema vsto de cma será R + P π fo r P 6 O ponto P, stuado a uma dstânca r do fo, fcará submetdo a um campo magnétco com as seguntes característcas: módulo dado pela Le de mpère 0 = r dreção contda no plano p que é perpendcular à dreção do fo; 689 o desenho anteror não desenhamos todos os círculos concêntrcos que ndcam as lnhas de força para melhor vsualzação. Uma vsta lateral do mesmo esquema será Este materal é parte ntegrante do acervo do IEDE RIL..,mas nformações

7 fo campo sando no papel campo entrando no papel 1. (UF) Uma pequena agulha magnétca orentada ncalmente na dreção orte-ul é colocada entre os polos de um ímã, como mostra a fgura.. (Cesgranro) O lugar geométrco dos pontos da superfíce terrestre que possuem mesma declnação magnétca denomna-se: lnha sóclna. lnha magnétca. lnha sógona. lnha agônca. lnha de maor declve. e o campo magnétco do ímã é da mesma ordem de grandeza do campo magnétco terrestre, o gráfco que melhor representa a orentação fnal é: `` olução: C O texto é a própra defnção da lnha sógona. 3. (Fuvest) Uma espra crcular de rao R é percorrda por uma corrente, no sentdo horáro. Uma outra espra crcular de rao R/ é concêntrca com a precedente e stuada no mesmo plano que esta. Qual deve ser o sentdo e qual o valor da ntensdade de uma corrente que, percorrendo essa segunda espra, anula o campo magnétco resultante no centro O? `` `` olução: E O dado mas mportante do exercíco é a nformação sobre as ntensdades do campo. Como elas são guas, a agulha se posconará segundo o campo restante. 690 olução: o campo gerado pela 1.ª será; 1 = µ0 R Este materal é parte ntegrante do acervo do IEDE RIL..,mas nformações 7

8 o campo gerado pela.ª será; 0 = µ ou R 0 = µ R 5. (UFL) Determne a ntensdade do vetor campo magnétco, orgnado pela corrente constante de 5,0, no centro O da espra crcular de rao gual a 5 mm. ( 0 = I) 4. Como o campo é vetoral, faremos 1 + = 0. Isso sgnfca que os dos vetores têm a mesma dreção, sentdos opostos e mesma ntensdade. Para ter o sentdo oposto deveremos ter corrente de sentdo ant- horáro na.ª espra. Como 1 = µ 0 ou = 1. R = µ 0 R (man) Duas espras crculares guas são dspostas com centros concdentes, segundo planos perpendculares entre s, sendo percorrdas por correntes constantes de ntensdades de mesmo valor. o centro das espras, o vetor campo magnétco resultante: ' `` olução: µ 0 plcando = e substtundo pelos valores no r 7 4 π.10 5 I, temos =. e smplfcando 3 5 π.10 =.10 4 T. O 6. (PUC) fgura mostra uma espra percorrda por uma corrente de ntensdade constante no sentdo ndcado. x? 8 `` forma ângulo de 45º com os planos das espras. está contdo em um dos planos das espras. não tem dreção constante. é nulo. ada do que se afrmou é correto. olução: Outra vez vamos fazer a soma vetoral dos campos, observando que, agora, esses campos estão perpendculares entre s, mas são guas em módulo: Como 1 e são guas em módulo (mesmo meo, mesma corrente, mesmo rao), o vetor resultante estará na bssetrz do ângulo, não é nulo, tem dreção constante e é perpendcular aos planos das duas espras, formando um ângulo de 45º com cada um desses planos. 691 `` 7. x' O ímã, stuado ao longo do exo x x, está atrando ou repelndo a espra? E se nvertêssemos o sentdo da corrente, o que acontecera ao ímã? olução: plcando a regra da mão dreta, notamos que a face da espra, em frente ao polo norte do ímã, é um polo norte; ocorrerá, então, repulsão entre o ímã e a espra; nvertendo-se a corrente, a face mas próxma do ímã se tornará polo sul e ocorrerá atração entre o ímã e a espra. (PUC) os pontos nternos de um longo solenode percorrdo por corrente elétrca contínua, as lnhas de força do campo magnétco são: radas com orgem no exo do solenode. crcunferêncas concêntrcas. retas paralelas ao exo do solenode. hélces clíndrcas. ão há lnhas de força, pos o campo é nulo. Este materal é parte ntegrante do acervo do IEDE RIL..,mas nformações

9 `` 8. `` 9. `` olução: C dmtdo que o campo exteror ao solenode é nulo, as lnhas de força no seu nteror serão razoavelmente retlíneas, paralelas e equdstantes, sto é, um campo unforme. (man) ndução magnétca no centro de um solenode é de undades I, quando este conduz uma corrente de,0 ampères. abendo-se que o solenode tem 30cm de comprmento e vácuo no seu nteror, determne o número total de espras. (Dado: 0 = u.i) olução: n Usando a equação solenode = µ 0 e substtundo l pelos valores dados, todos em I, temos: = 7 4 π. 10. n n 59,68 ou, como não podemos ter um número fraconáro de espras, n = 60 espras. (UFE) s fguras representam um núcleo de ferro sobre o qual é enrolado um fo de cobre e uma barra mantada, suspensa próxma ao núcleo. Fazendo passar uma corrente contínua através do fo de cobre no sentdo ndcado, a barra mantada é repelda. é atraída. não é atraída nem repelda. oscla como um pêndulo. se desmagnetza. olução: Usando a regra da mão dreta, nota-se que a face do núcleo de ferro mas próxma do ímã va ser uma face sul e, portanto, va atrar a barra mantada. 10. (UFRG) segunte fgura representa um fo retlíneo muto longo, percorrdo por uma corrente elétrca convenconal de para. 1 Qual o sentdo do campo magnétco crado pela corrente no ponto P? Para fora da págna. Para dentro da págna. `` olução: E Usando a regra da mão dreta observaremos que a regão do espaço à esquerda do fo apresenta campo perpendcular ao papel e sando dele. regão do espaço à dreta do fo, que contém o ponto P, apresenta campo perpendcular ao papel e entrando nele. 11. (anto maro) Um fo metálco, reto e extenso é percorrdo por uma corrente de ntensdade de 4,5. ntensdade do campo magnétco a 30cm do fo é de: (Dado: 0 = u.i) 6 3,0. 10 T. 7 3,0. 10 T. 7 9,0. 10 T. 7 1,. 10 T. n.d.a. `` olução: plcando a expressão de campo para um fo retlíneo µ 0 = e substtundo pelos valores dados, em I, π r 7 temos 4 π.10. 4,5 = e, portanto, = 3, T. π P 3 69 Este materal é parte ntegrante do acervo do IEDE RIL..,mas nformações 9

10 1. (F - adap.) uma experênca sobre o campo gravtaconal terrestre, um geógrafo precsa usar sua bússola em um campo unforme. Para se obter um campo magnétco unforme, ele pode usar um: `` torode. e a parte é cudadosamente retrada, então e C: se aproxmam. solenode. osclam. condutor reto. se desmagnetzam. mã clíndrco. se afastam. olução: permanecem em repouso. O solenode é o únco desses dspostvos que pode apresentar campo unforme. 1. (UEL) o Equador geográfco da Terra, o campo magnétco terrestre tem sentdo do: 4. (Fuvest) fgura representa quatro bússolas apontando ncalmente para o Polo orte terrestre. Pelo ponto O, perpendcularmente ao plano do papel, coloca-se um fo condutor retlíneo e longo. o se fazer passar pelo condutor uma corrente elétrca contínua e ntensa no sentdo do plano do papel para a vsta do letor, permanece(m) pratcamente nalterada(s) somente a(s) posção(ões): centro da Terra para o espaço exteror. orte para o ul geográfco. ul para o orte geográfco. Oeste para o Leste. Leste para o Oeste.. (Unfcado) Quatro bússolas estão colocadas no tampo de uma mesa de madera nas posções lustradas na fgura ao lado. Elas se orentam conforme é mostrado, sob a ação do forte campo magnétco de uma barra mantada colocada em uma das cnco posções numeradas. O campo magnétco terrestre é desprezível. partr da orentação das bússolas, pode-se conclur que o ímã está na posção: das bússolas e V. das bússolas e D. das bússolas, C e D. da bússola C. da bússola D. 5. (Unfcado) proxmando-se uma barra mantada de uma pequena blha de aço, observa-se que a blha: 1 é atraída pelo polo sul e repelda pelo polo norte. é atraída por qualquer dos polos. 3 é repelda por qualquer dos polos. 4 é repelda pela parte medana da barra (Cesgranro) Uma barra mantada, apoada numa superfíce perfetamente lsa e horzontal, é dvdda habldosamente em três pedaços (, e C): (UERJ) fgura representa três barras metálcas mantadas,, CD e EF: 693 Este materal é parte ntegrante do acervo do IEDE RIL..,mas nformações é atraída pelo polo norte e repelda pelo polo sul.

11 7. essas barras verfca-se que a extremdade atra a extremdade C e repele a extremdade F. Pode-se conclur que: atra E e repele D. atra C e repele F. e E atraem D. e E repelem D. atra D e E repele. (UFF) ssnale a opção em que as lnhas de ndução do campo magnétco de um ímã estão mas bem representadas. obre as lnhas do campo magnétco é correto afrmar que: elas são paralelas ao Equador. elas são radas ao centro da Terra. elas saem do polo orte magnétco e entram no polo ul magnétco. campo magnétco é mas ntenso no Equador. polo ul magnétco está próxmo ao ul geográfco. 9. (Med-FEo-RJ) Uma agulha magnétca de uma bússola tende a: mover-se segundo a perpendcular às lnhas de for- ça do campo magnétco local. orentar-se segundo a dreção das lnhas de força do campo magnétco local. efetuar uma rotação que tem por exo o campo magnétco local. o formar ângulos de 45 com a dreção do campo magnétco local. formar ângulos, não-nulos, de nclnação e de decl- nação com a dreção do campo magnétco local. 10. (UFU) fgura representa o chão de uma sala, sendo a dreção da Terra. Um fo reto é colocado vertcalmente nessa sala, conduzndo, uma corrente, drgda para cma, de ntensdade muto elevada. Uma pequena agulha magnétca é colocada no ponto P ndcado na fgura. orentação fnal da agulha magnétca é: 8. (UFRRJ) baxo, mostramos a fgura da Terra onde e são polos orte e ul geográfcos e e são os polos orte e ul magnétcos (UEL) Um fo retlíneo, longo, é percorrdo por uma corrente elétrca contínua, no sentdo ndcado pela fgura abaxo. Este materal é parte ntegrante do acervo do IEDE RIL..,mas nformações 11

12 plano de representação. O ponto O, onde o condutor fura esse plano, encontra-se: Os campos magnétcos e, gerados por essa corrente nos pontos e, são mas bem representados em: à esquerda de P, com a corrente entrando no plano. 1 à dreta de P com a corrente entrando no plano. à esquerda de P, com a corrente sando do plano. 1 à dreta de P com a corrente sando do plano. entre P e P, com a corrente entrando no plano (UFR) a fgura abaxo estão representados dos fos metálcos longos, perpendculares ao plano da págna, percorrdos por correntes e de sentdos guas. O campo magnétco resultante é nulo no ponto P se: 1 1. (UFCar) Um fo condutor é dvddo em dos, que logo se juntam novamente, formando uma espra crcular de rao r, conforme a fgura. e uma corrente crcula pelo fo, o módulo do campo magnétco, no centro da espra é: 13. proporconal à corrente. zero. proporconal a /R. proporconal a 1/R. proporconal a R. (FEI) a fgura estão representados, em escala, os campos de ndução magnétca crados nos pontos P 1 e P por um condutor reto muto longo, perpendcular ao 695 y = 0,5 x y = 0,50 x y = 0,75 x y = x y = 4 x 15. (UMC) Faz-se passar uma corrente elétrca, de ntensdade constante, por um fo retlíneo e longo. essas condções, a ntensdade da ndução magnétca num ponto stuado a 10cm do exo do condutor é. e consderarmos outro ponto, stuado a 0cm do exo do mesmo condutor, a ntensdade da ndução será: / /4 / Um fo longo e horzontal é percorrdo por uma corrente de 5. Calcule a ntensdade do campo magnétco em um ponto stuado a 40cm do fo, sendo a permeabldade magnétca gual a Tm Este materal é parte ntegrante do acervo do IEDE RIL..,mas nformações

13 17. Calcule a ntensdade e represente o vetor ndução magnétca, no centro da espra da fgura abaxo, sendo o seu rao gual a 4pcm e a ntensdade de corrente elétrca gual a 3,0. Consdere a permeabldade magnétca gual a 4p Tm 18. (UFRG) hstórca experênca de Oersted, que unfcou a eletrcdade e o magnetsmo, pode ser realzada por qualquer pessoa, bastando para tal que ela dsponha de uma plha comum de lanterna, de um fo elétrco e de: um reostato. um eletroscópo. um capactor. uma lâmpada. uma bússola. 19. (Unro) ssnale a opção que apresenta a afrmatva correta, a respeto de fenômenos eletromagnétcos. É possível solar os polos de um ímã. Imantar um corpo é fornecer elétrons a um de seus polos e prótons ao outro. o redor de qualquer carga elétrca, exste um campo elétrco e um campo magnétco. Cargas elétrcas em movmento geram um campo magné tco. s propredades magnétcas de um ímã de aço au- mentam com a temperatura. 0. (UEL) Dos fos longos e retlíneos são dspostos perpendcularmente entre s e percorrdos por correntes elétrcas de ntensdades 1 e como mostra a fgura a segur. 696 O módulo do campo magnétco resultante, gerado pelas correntes nos dos fos, pode ser nulo somente em pontos dos quadrantes: I e II. I e III. I e IV. II e III. II e IV. 1. (UFMG) esta fgura, estão representados dos fos, percorrdos por correntes elétrcas de mesma ntensdade e de sentdos contráros, e dos pontos, K e L: Os fos e os pontos estão no mesmo plano. O ponto L é equdstante dos dos fos e o ponto K está à esquerda deles. Consderando-se essas nformações, é correto afrmar que o campo magnétco: em K é nulo e, em L, está entrando no papel. em K, está entrando no papel e, em L está sando dele. em K, está sando do papel e, em L, é nulo. em K, está sando do papel e, em L, está entrando nele.. (FEI)Um fo condutor retlíneo muto longo, merso em um meo cuja permeabldade magnétca é µ 0 = 6p Tm/, é percorrdo por uma corrente. uma dstânca 1m do fo sabe-se que o módulo do campo magnétco é 10-6 T. Qual é a corrente elétrca que percorre o fo? 3, (Ose Uma espra crcular de rao p cm é percorrda por uma corrente de ntensdade de,0, no sentdo anthoráro, como mostra a fgura. O vetor campo magnétco no centro da espra é perpendcular ao plano da fgura, de ntensdade: Este materal é parte ntegrante do acervo do IEDE RIL..,mas nformações 13

14 T orentado para fora T orentado para dentro T orentado para fora T orentado para dentro T orentado para fora. 4. (UF) Duas espras crculares, concêntrcas e coplanares, de raos R1 e R, sendo R1 = R/5, são percorrdas respectvamente pelas correntes 1 e ; o campo magnétco resultante no centro da espra é nulo. razão entre as correntes 1 e é gual a: 0,4 1,0,0. (Cesgranro) Você faz uma bússola que descreve lentamente uma crcunferênca sobre uma mesa horzontal, no laboratóro do seu colégo. ão há materas magnétcos nas proxmdades. Qual das fguras propostas representa corretamente as posções sucessvas da agulha da bússola no decorrer do deslocamento?,5 4,0 5. Calcular a ntensdade de corrente, que deve atravessar uma bobna chata formada de 40 espras, de rao gual a pcm de modo que a ntensdade do vetor ndução magnétca, no centro, seja gual a: T. Tm Dado: µ = (Unfcado ) (Unro) Três barras de ferro de mesma forma são dêntcas pelas letras, e C. uas extremdades são dêntcas por 1 e, 1 e e C1 e C. Quando estas barras são aproxmadas, vemos que as extremdades 1 e 1 sofrem atração, as extremdades 1 e C sofrem 697 Este materal é parte ntegrante do acervo do IEDE RIL..,mas nformações a fgura, a agulha de uma bússola é colocada num ponto M, a uma dstânca l de uma barra mantada stuada na posção (1). segur uma segunda barra, dêntca à prmera, é colocada na posção (), também a uma dstânca de M, e numa dreção ortogonal a dreção da prmera barra. (Essa segunda barra mostrada em tracejado na fgura e tem o seu polo norte voltado para a esquerd. Qual das opções abaxo melhor representa a orentação de equlíbro estável da agulha magnétca quando em presença das duas cargas?

15 nas posções 1 e 5. repulsão, as extremdades 1 e C1 sofrem atração. ssm, podemos afrmar, em relação a estas barras, que é(são) ímã(s) permanentes(s): só. nas posções 1, 3 e 5. nas posções e (UERJ) Uma carga elétrca +Q está em repouso nas proxmdades do polo norte de um ímã, como mostra a fgura. só. só C. e. +Q e C. 4. (Unfcado) O prego de ferro ncalmente não-mantado é aproxmado do polo norte de um ímã, como mostra a fgura. respeto dessa stuação são fetas três afrmações: Podemos afrmar que: a carga será repelda pelo ímã, porque polo norte repele carga postva. a carga será atraída pelo ímã, porque polo norte atra carga postva. I. O campo magnétco do ímã magnetza o prego. a carga será atraída pelo polo sul e repelda pelo polo norte, porque polo sul atra carga postva e polo norte repele carga postva. II. Em se forma o polo norte e em um polo sul. III. O ímã atra o prego. Dessa(s) afrmação(ões), está(ão) correta(s): apenas I. a carga será repelda pelo polo sul e atraída pelo polo norte, porque polo sul repele carga postva e polo norte atra carga postva. apenas I e II. a carga não será atraída nem repelda, porque o ímã não nterage com a carga na stuação descrta. I, II e III. apenas II. 7. apenas II e III. 5. (Fuvest) poado sobre uma mesa, observa-se o trecho de um fo longo, lgado a uma batera. Cnco bússolas são colocadas próxmas ao fo, na horzontal, nas seguntes posções: 1 e 5 sobre a mesa;, 3 e 4 a alguns centímetros acma da mesa. s agulhas das bússolas só podem mover-se no plano horzontal. Quantos não há corrente no fo, todas as agulhas das bússolas permanecem paralelas ao fo. e passar corrente no fo, será observada deflexão, no plano horzontal, das agulhas das bússolas colocadas somente: (Unfcado) Investga-se o campo magnétco em torno de um ímã fxo, usando-se uma bússola. Qual das fguras abaxo pode determnar as posções corretas da bússola em torno do ímã? na posção 3. nas posções, 3 e Este materal é parte ntegrante do acervo do IEDE RIL..,mas nformações 15

16 8. (UFMG) Fazendo uma experênca com dos ímãs em forma de barra, Júla colocou-os sob uma folha de papel e espalhou lmalhas de ferro sobre essa folha. Ela colocou os ímãs em duas dferentes orentações e obteve os resultados mostrados nas fguras I e II: predomnar sobre outro. uponha que esse pesqusador obtenha três amostras das águas de lagos, de dferentes regões da Terra, contendo essas bactéras. a amostra, predomnam as bactéras que se orentam para o polo norte magnétco; na amostra, predomnam as bactéras que se orentam para o polo sul magnétco e na amostra C, há quantdades guas de ambos os grupos. partr dessas nformações, cope e preencha o quadro abaxo, na folha de respostas, assnalando a orgem de cada amostra em relação à localzação dos lagos de onde veram. essas fguras, os ímãs estão representados pelos retângulos. Com base nessas nformações, é correto afrmar que as extremdades dos ímãs voltadas para a regão entre eles correspondem aos polos: norte e norte na fgura I e sul e norte na fgura II. Lagos próxmos Lagos próx- ao Polo orte mos ao Polo ul Lagos próxmos ao geográfco (Polo geográfco (Polo Equador ul magnétco) orte magnétco) mostra: mostra: mostra: aseando-se na confguração do campo magnétco terrestre, justfque as assocações que você fez. 11. (IT) Um pedaço de ferro é posto nas proxmdades de um ímã, conforme a fgura a segur. norte e norte na fgura I e sul e sul na fgura II. norte e sul na fgura I e sul e norte na fgura II. norte e sul na fgura I e sul e sul na fgura II. ferro 9. (UFV) Cada uma das fguras I e II, abaxo mostra uma carga puntual, mantda fxa entre e equdstante de dos ímãs. (I) +Q + ( II ) -Q + mã Qual a afrmação correta: é o ímã que atra o ferro. É correto então afrmar que, após serem abandonadas com velocdades ncas nulas na ausênca do campo gravtaconal: a carga postva será atraída pelo polo sul do ímã à esquerda e a carga negatva será atraída pelo polo norte do ímã à dreta. a carga postva será atraída pelo polo norte do ímã à dreta e a carga negatva será atraída pelo polo sul do ímã à esquerda. cada carga permanecerá em sua posção orgnal. é o ferro que atra o ímã. a atração do ferro pelo ímã é mas ntensa. a atração do ímã é mas ntensa. o ímã e o ferro atraem-se com a mesma ntensdade. 1. (UFU) fgura mostra dos fos condutores e nfntos, percorrdos por correntes guas e opostas. meo camnho entre os fos abandona-se um elétron. força magnétca resultante sobre ele é mas bem representada pelo vetor: ambas as cargas são atraídas pelo polo norte do ímã à dreta. ambas as cargas serão atraídas pelo polo sul do ímã à esquerda nulo. sando do papel. entrando no papel. Este materal é parte ntegrante do acervo do IEDE RIL..,mas nformações 10. (Unesp) um laboratóro de bofísca, um pesqusador realza uma experênca, com bactéras magnétcas, bactéras, que têm pequenos ímãs no seu nteror. Com auxílo desses ímãs, essas bactéras se orentam para atngr o fundo dos lagos, onde há maor quantdade de almento. Dessa forma, devdo ao campo magnétco terrestre e à localzação desses lagos, há regões em que um tpo de bactéra se almenta melhor e, por sso, pode

17 13. (Fate Dos condutores retos, paralelos e longos, separados pela dstânca de 10cm, são percorrdos por correntes opostas, de ntensdade 5,0 e 10,0. Como são drgdos os campos de ndução que eles produzem nos pontos, e C? 1 = 3,0 P = 4,0 5, T, perpendcular ao plano da fgura, para fora. 5, T, perpendcular ao plano da fgura, para dentro. 1, T perpendcular ao plano da fgura para fora. 1, T perpendcular ao plano da fgura para dentro. nula. 16. (Unp) Consdere dos condutores retlíneos muto longos, percorrdos por correntes elétrcas de ntensdades constantes, dspostas perpendcularmente ao plano do papel com os sentdos de corrente ndcados na fgura. d 3d d 3d d d O condutor percorrdo pela corrente elétrca 1 produz em um campo magnétco cujo vetor ndução magnétca tem ntensdade 1. O campo magnétco resultante em, pela ação de 1 e, é nulo. O campo magnétco resultante em, pela ação de 1 e, tem um vetor ndução magnétca de ntensdade: zero 14. (Med-. Casa P) Dos fos dspostos, como ndca a fgura, determnam as quatro regões do plano. s correntes elétrcas 1 e, pelos condutores, podem produzr campos de ntensdade nula: (II) 1 31 (I) 1 (III) 41 (IV) 1 omente em (I). omente em (II). omente em (III). Em (II) e em (IV). Em (II) e em (III). 15. (Ose Dos fos longos são percorrdos por correntes de ntensdades 3,0 e 4,0 nos sentdos ndcados na fgura ao lado. O vetor campo de ndução magnétca no ponto P, que dsta,0cm de 1 e 4,0cm de é, no vácuo: 17. (UFU) Consderando o elétron, em um átomo de hdrogêno, como sendo uma massa pontual, grando no plano da folha, em uma órbta crcular, como mostra a fgura, o vetor campo magnétco crado no centro do círculo por esse elétron é representado por: Obs.: lembre que o sentdo convenconal da corrente elétrca é oposto ao do movmento dos elétrons é parte ntegrante Este materal do acervo do IEDE RIL..,mas nformações

18 1. (Fuvest) Uma espra condutora crcular, de rao R, é percorrda por uma corrente de ntensdade, no sentdo horáro. Uma outra espra crcular de rao R/ é concêntrca com a precedente e stuada no mesmo plano que ela. Qual deve ser o sentdo e qual o valor da ntensdade de uma corrente que, percorrendo essa segunda espra, anula o campo magnétco resultante no centro O? Justfque sua resposta. 18. (Med-. Casa P) O campo magnétco, produzdo no centro de uma espra crcular de rao R por uma corrente elétrca de ntensdade, é dretamente proporconal a:. (PUC Mnas) Dos fos condutores retlíneos cruzam-se perpendcularmente. corrente no condutor X tem ntensdade e, no condutor Y, a corrente é 3. eja o módulo do campo magnétco crado pela corrente de X, no ponto P. O módulo do campo resultante em P é:. R d R R P d 3 1 R. R Y X zero. 19. (UFMG) Os fos 1 e, mostrados na fgura, são retlíneos e muto comprdos, estando ambos no ar e stuados no plano desta folha. Há, no fo 1, uma corrente 1 = 5,0 e uma corrente no fo. Deseja-se que o campo magnétco resultante, devdo aos fos, seja nulo no ponto P (fgur. fo fo cm P 45cm 3 3. (F) Em um altofalante, desses utlzados em sonorzação de autos, temos uma bobna mersa em um campo magnétco ntenso produzdo por um ímã permanente, conforme o esquema abaxo. essas condções, podemos afrmar que: Cone de papelão obna móvel Para que sso aconteça. Determne qual deve ser o sentdo da corrente no fo. Calcule qual deve ser o valor de. 0. (UFPE) Dos longos fos paralelos transportam correntes guas e de sentdos opostos, e estão separados por uma dstânca gual a b. Determne a relação Q/P entre os módulos do vetor ndução magnétca no ponto Q, equdstante e coplanar aos dos fos, e no ponto P, coplanar com os fos e stuado a uma dstânca b do fo da esquerda. b b bobna poderá mover-se para frente ou para trás, dependendo do sentdo da corrente. O campo magnétco produzdo pela bobna será anulado pelo campo do ímã permanente. Q 18 Os polos do ímã repelrão a bobna móvel, mantendo-a parada sobre o seu exo. bobna móvel fcará paralela às lnhas do campo magnétco do ímã, se a corrente for gual a zero. P b Ímã permanente 701 Este materal é parte ntegrante do acervo do IEDE RIL..,mas nformações

19 4. (Fesp) Um solenode de comprmento 5cm é construído com 1000 espras e percorrdo por uma corrente de. Dado µ = 4π. 10-7T m/, o campo magnétco no centro do solenode vale, aproxmadamente: 1,. 10-T,5. 10-T 5,0. 10-T, para a esquerda. 4, para a esquerda. 8. (Uncamp) um condutor homogêneo, de resstênca 8Ω, tem a forma de uma crcunferênca. Uma corrente = 4 chega por um fo retlíneo ao ponto e sa pelo ponto por outro fo retlíneo podem ser consderadas desprezíves. 4 7,5. 10-T 1,5. 10-T 4 O 5. (Ose Uma bobna chata é formada de 50 espras crculares de rao 0,1m. abendo que as espras são percorrdas por uma corrente de 3, a ntensdade do vetor campo magnétco no seu centro será de (µ = 4π. 10-7T. m/): Calcule: a ntensdade das correntes nos dos arcos de crcunferênca compreenddos entre e ; 3π. 10-4T o valor da ntensdade do campo magnétco no centro O da crcunferênca. 60π. 10-7T 9. (Unesp) fgura mostra um fo condutor reto e longo, percorrdo por uma corrente I, e dos pontos M e, próxmos ao fo, todos no mesmo plano do papel. 15π. 10-8T 19π. 10-8T 50π. 10-4T 6. (FEI) ntensdade do campo magnétco produzdo no nteror de um solenode muto comprdo percorrdo por corrente depende bascamente: só da ntensdade da corrente. do dâmetro nterno do solenode. do número de espras por undade de comprmento e da ntensdade da corrente. do comprmento do solenode. 7. (F) Os dos condutores retlíneos e comprdos da fgura produzem um campo magnétco resultante no ponto de ntensdade 10-5T, sando perpendcularmente do plano do papel. e substturmos os dos condutores por um únco condutor, colocado exatamente onde se encontra o condutor, a ntensdade de corrente e o sentdo, para que o campo em contnue nalterado, serão: 1 10 Uma partícula carregada postvamente passa, num certo nstante, pelo ponto M com uma velocdade perpendcular ao plano do papel e penetrando nele. Uma outra partícula, também carregada postvamente, passa pelo ponto, num outro nstante, com uma velocdade que tem a mesma dreção e o mesmo sentdo da corrente. Cope a fgura no caderno de respostas e represente o campo magnétco, crado pela corrente I, nos pontos M e. Cope novamente a fgura no caderno de respostas e represente a força magnétca F agndo sobre as partículas nos pontos M e, nos nstantes consderados Para responder os ítens a e b, utlze as representações seguntes: Vetor no plano do papel Vetor penetrando perpendcular mente no plano do papel Vetor sando perpendcular mente ao plano do papel Vetor nulo O 10 M só do número de espras do solenode. 4, para a dreta. 4, para a dreta. 70 Este materal é parte ntegrante do acervo do IEDE RIL..,mas nformações 19

20 30. (Uncamp) corrente elétrca contínua em uma dada lnha de transmssão é de Um escotero perddo, andando perto da lnha de transmssão, tenta se orentar utlzando uma bússola. O campo magnétco terrestre é de 5, T perto da superfíce da Terra. permeabldade magnétca é µ0 = 4 π T. m/. e a corrente está sendo transmtda no sentdo leste para oeste, qual é o sentdo do campo magnétco gerado pela corrente perto do chão? Justfque sua resposta. 0 que dstânca do fo o campo gerado pela corrente terá o módulo gual ao do campo magnétco terrestre? 703 Este materal é parte ntegrante do acervo do IEDE RIL..,mas nformações

21 =. 0,4 =, T d 17. dreção e o sentdo são dados pela regra da mão dreta, ou seja, perpendcular ao plano que contém a espra e sando do papel 16. o caso: = 1. C. E D 5. C 6. C 7. E 8. C E D E ntensdade é dada por: =. R = = 1,5. 10 T D D. 3. E Este materal é parte ntegrante do acervo do IEDE RIL..,mas nformações 1

22 5. = 0 R = =.. 3. C C E C E E D C s bactéras devem se orentar segundo polos de nomes contráros. prmera é da amostra, a segunda amostra e a tercera amostra C. Uma bactéra que se orenta para um dos polos, quando colocada nesse polo tem maores facldades para atngr o fundo onde a almentação é mas fácl, tendo mas condções para sobrevver. Já no equador temos gual nfluênca dos polos, logo a amostra C é dessa regão. E D E plcando a regra da mão dreta, a corrente é para baxo. Campo nulo, 1 = 1 smplfcando: 0. = Q b e = P 3 b 5 15 = 45 Q P = d 1 = = 15. d e 1. O sentdo da corrente é oposto ao de, e o seu valor: = 1. R =. 1 R 1 = C D Um trecho corresponde a 1/4 da resstênca do fo e o outro a 3/4. Logo 1 = U = U = 4U R 1 3R 3R = 4R P 3R = R 4 3. R. 16 = 1 4 = 1 e = = 4 1 = 3. 1 corrente orgna um campo 1 1 sando do papel dado por 1 = R = 3 8R, já a corrente orgna um campo entrando no papel de: = R = 3 8R. soma é gual a zero. plcando a regra da mão dreta: M M M Pela regra da mão M dreta, M determnamos o sentdo da força magnétca F M F F V q > 0 q > 0 V q > 0 F V M = O Em M, o vetor é paralelo ao vetor V e formam um ângulo de 0 o. Portanto, neste ponto, a força magnétca é gual a zero. 30. plcando a regra da mão dreta: do norte para o sul. plcando: = 5, = d. d e d = 16m. Este materal é parte ntegrante do acervo do IEDE RIL..,mas nformações

23 706 Este materal é parte ntegrante do acervo do IEDE RIL..,mas nformações 3

24 4 707 Este materal é parte ntegrante do acervo do IEDE RIL..,mas nformações

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ENSINO DE TÓPICOS DE ELETROMAGNETISMO VIA INSTRUÇÃO PELOS COLEGAS E ENSINO SOB MEDIDA PARA O ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE ENSINO DE TÓPICOS DE ELETROMAGNETISMO VIA INSTRUÇÃO PELOS COLEGAS E ENSINO SOB MEDIDA PARA O ENSINO MÉDIO UMA PROPOTA DE EIO DE TÓPICO DE ELETROMAGETIMO VIA ITRUÇÃO PELO COLEGA E EIO OB MEDIDA PARA O EIO MÉDIO TETE COCEITUAI Autores: Vagner Olvera Elane Angela Vet Ives olano Araujo TETE COCEITUAI (CAPÍTULO

Leia mais

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou!

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou! A U A UL LA Hoje não tem vtamna, o lqudfcador quebrou! Essa fo a notíca dramátca dada por Crstana no café da manhã, lgeramente amenzada pela promessa de uma breve solução. - Seu pa dsse que arruma à note!

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 23 (pág. 86) D TM TC ula 24 (pág. 87) D TM TC ula 25 (pág. 88) D TM TC ula 26 (pág. 89) D TM TC ula 27 (pág. 91) D TM TC ula 28 (pág. 91) D TM TC evsanglo

Leia mais

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20 1 3º Undade Capítulo XI Eletrcdade 3 Capítulo XII Campo Elétrco 8 Capítulo XIII Energa Potencal Elétrca 10 Capítulo XIV Elementos de Um Crcuto Elétrco 15 Capítulo XV Elementos de Um Crcuto Elétrco 20 Questões

Leia mais

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20 1 4º Undade Capítulo XIII Eletrcdade 3 Questões do ENEM. 8 Capítulo XIV Campo Elétrco 11 Questões do ENEM 13 Capítulo XV Energa Potencal Elétrca 15 Questões do ENEM 20 Capítulo XVI Elementos de Um Crcuto

Leia mais

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS ESPELHOS E LENTES 1 Embora para os povos prmtvos os espelhos tvessem propredades mágcas, orgem de lendas e crendces que estão presentes até hoje, para a físca são apenas superfíces poldas que produzem

Leia mais

50 Calcule a resistência equivalente entre os pontos A e B das seguintes associações:

50 Calcule a resistência equivalente entre os pontos A e B das seguintes associações: p. 4 50 alcule a resstênca equvalente entre os pontos e das seguntes assocações: a) c) 3 5 5 5 0 b) d) 6 3 3 9 0 6 7 a) 5 5 5,5 6,5 0 b) 6 5 9 3 3 0 0 3 6 5 c) 5 3 5 3 3 d) 3 3 6 6 3 7 7 3 6 7 0 5 (FG-SP)

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos da físca Undade C Capítulo Campos magnétcos esoluções dos exercícos propostos. Incalmente determnamos, pela regra da mão dreta n o, a dreção e o sentdo dos vetores ndução magnétca e que e orgnam no centro

Leia mais

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 37 (pág. 88) AD TM TC. Aula 38 (pág. 88) AD TM TC. Aula 39 (pág.

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 37 (pág. 88) AD TM TC. Aula 38 (pág. 88) AD TM TC. Aula 39 (pág. ísca Setor Prof.: Índce-controle de Estudo ula 37 (pág. 88) D TM TC ula 38 (pág. 88) D TM TC ula 39 (pág. 88) D TM TC ula 40 (pág. 91) D TM TC ula 41 (pág. 94) D TM TC ula 42 (pág. 94) D TM TC ula 43 (pág.

Leia mais

Associação de resistores em série

Associação de resistores em série Assocação de resstores em sére Fg.... Na Fg.. está representada uma assocação de resstores. Chamemos de I, B, C e D. as correntes que, num mesmo nstante, passam, respectvamente pelos pontos A, B, C e D.

Leia mais

EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARALELA 4º BIMESTRE

EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARALELA 4º BIMESTRE EXERCÍCIOS DE RECUERAÇÃO ARALELA 4º BIMESTRE NOME Nº SÉRIE : 2º EM DATA : / / BIMESTRE 4º ROFESSOR: Renato DISCILINA: Físca 1 VISTO COORDENAÇÃO ORIENTAÇÕES: 1. O trabalho deverá ser feto em papel almaço

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Material de apoio para as aulas de Física do terceiro ano

Material de apoio para as aulas de Física do terceiro ano COLÉGIO LUTERANO CONCÓRDIA Concórda, desenvolvendo conhecmento com sabedora Mantenedora: Comundade Evangélca Luterana Crsto- Nteró Materal de apoo para as aulas de Físca do tercero ano Professor Rafael

Leia mais

ALQUATI FÍSICA III - MAGNETISMO

ALQUATI FÍSICA III - MAGNETISMO COLÉGIO TÉCICO IDUTRIAL Prof. MÁRIO ALQUATI FÍICA III - MAGETIMO Magnetsmo é a parte da físca que estuda os ímãs e os fenômenos produzdos pelos mesmos. Denomna-se ímã ou magneto a qualquer corpo capaz

Leia mais

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D Físca Módulo 1 Vetores, escalares e movmento em 2-D Vetores, Escalares... O que são? Para que servem? Por que aprender? Escalar Defnção: Escalar Grandea sem dreção assocada. Eemplos: Massa de uma bola,

Leia mais

Lei dos transformadores e seu princípio de funcionamento

Lei dos transformadores e seu princípio de funcionamento Le dos transformadores e seu prncípo de funconamento Os transformadores operam segundo a le de Faraday ou prmera le do eletromagnetsmo. Prmera le do eletromagnetsmo Uma corrente elétrca é nduzda em um

Leia mais

Referências bibliográficas: H. 31-5, 31-6 S. 29-7, 29-8 T Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Exatas Departamento de Física

Referências bibliográficas: H. 31-5, 31-6 S. 29-7, 29-8 T Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Exatas Departamento de Física Unversdade Federal do Paraná Setor de êncas Exatas epartamento de Físca Físca III Prof. r. Rcardo Luz Vana Referêncas bblográfcas: H. 31-5, 31-6 S. 9-7, 9-8 T. 5-4 ula - Le de mpère ndré Mare mpère (*

Leia mais

TC DE FÍSICA 2 a SÉRIE ENSINO MÉDIO

TC DE FÍSICA 2 a SÉRIE ENSINO MÉDIO TC DE FÍSICA 2 a SÉRIE ENSINO MÉDIO Professor(es): Odair Mateus 14/6/2010 1.Na(s) questão(ões) a seguir, escreva no espaço apropriado a soma dos itens corretos. Sobre os conceitos e aplicações da Eletricidade

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas Unversdade Salvador UNIFACS Cursos de Engenhara Cálculo IV Profa: Ilka ebouças Frere Integras Múltplas Texto 3: A Integral Dupla em Coordenadas Polares Coordenadas Polares Introduzremos agora um novo sstema

Leia mais

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág.

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 25 (pág. 86) D TM TC ula 26 (pág. 86) D TM TC ula 27 (pág. 87) D TM TC ula 28 (pág. 87) D TM TC ula 29 (pág. 90) D TM TC ula 30 (pág. 90) D TM TC ula 31 (pág.

Leia mais

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014 Aula 7: Crcutos Curso de Físca Geral III F-38 º semestre, 04 Ponto essencal Para resolver um crcuto de corrente contínua, é precso entender se as cargas estão ganhando ou perdendo energa potencal elétrca

Leia mais

Consideraremos agora, uma de cada vez, as equivalentes angulares das grandezas de posição, deslocamento, velocidade e aceleração.

Consideraremos agora, uma de cada vez, as equivalentes angulares das grandezas de posição, deslocamento, velocidade e aceleração. CAPÍTULO 5 77 5.1 Introdução A cnemátca dos corpos rígdos trata dos movmentos de translação e rotação. No movmento de translação pura todas as partes de um corpo sofrem o mesmo deslocamento lnear. Por

Leia mais

Aula 6: Corrente e resistência

Aula 6: Corrente e resistência Aula 6: Corrente e resstênca Físca Geral III F-328 1º Semestre 2014 F328 1S2014 1 Corrente elétrca Uma corrente elétrca é um movmento ordenado de cargas elétrcas. Um crcuto condutor solado, como na Fg.

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Mederos ELETRICIDADE E MAGNETISMO NOTA DE AULA III Goâna - 2014 CORRENTE ELÉTRICA Estudamos anterormente

Leia mais

Eletromagnetismo Indutores e Indutância

Eletromagnetismo Indutores e Indutância Eletromagnetsmo Indutores e Indutânca Eletromagnetsmo» Indutores e Indutânca Introdução Indutores são elementos muto útes, pos com eles podemos armazenar energa de natureza magnétca em um crcuto elétrco.

Leia mais

φ = 2,0 3,0 10 2 1 φ = 6,0 10 2 Wb 2 Uma espira quadrada de 20 cm de lado está totalmente imersa

φ = 2,0 3,0 10 2 1 φ = 6,0 10 2 Wb 2 Uma espira quadrada de 20 cm de lado está totalmente imersa 238 PTE III ELETOMGETIMO Tópco 4 1 E.. Uma espra retangular de 1 cm de largura por 3 cm de comprmento é colocada, totalmente mersa, em um campo de ndução magnétca unforme e constante, de módulo gual a

Leia mais

Física E Extensivo V. 6

Física E Extensivo V. 6 GAARITO ísca E Extenso V. 6 Exercícos ) I. also. Depende da permeabldade do meo. II. Verdadero. III. Verdadero. ~ R µ. µ. π. d R π π. R R ) R cm 6 A 5) 5 6 A µ. R 4 π. -7. 6., π. 6,π. 5 T 8 A 3) A A regra

Leia mais

Resoluções dos testes propostos. T.255 Resposta: d O potencial elétrico de uma esfera condutora eletrizada é dado por: Q 100 9 10 Q 1,0 10 9 C

Resoluções dos testes propostos. T.255 Resposta: d O potencial elétrico de uma esfera condutora eletrizada é dado por: Q 100 9 10 Q 1,0 10 9 C apítulo da físca apactores Testes propostos ndade apítulo apactores Resoluções dos testes propostos T.55 Resposta: d O potencal elétrco de uma esfera condutora eletrzada é dado por: Vk 0 9 00 9 0,0 0 9

Leia mais

Resoluções dos testes propostos

Resoluções dos testes propostos da físca 3 Undade apítulo 15 Indução eletromagnétca esoluções dos testes propostos 1 T.372 esposta: d ob ação da força magnétca, elétrons se deslocam para a extremdade nferor da barra metálca. essa extremdade,

Leia mais

Escola Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Matemática 12.º ano Números Complexos - Exercícios saídos em (Exames Nacionais 2000)

Escola Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Matemática 12.º ano Números Complexos - Exercícios saídos em (Exames Nacionais 2000) Internet: http://rolvera.pt.to ou http://sm.page.vu Escola Secundára Dr. Ângelo Augusto da Slva Matemátca.º ano Números Complexos - Exercícos saídos em (Exames Naconas 000). Seja C o conjunto dos números

Leia mais

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição)

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição) 14. orrentes Alternadas (baseado no Hallday, 4 a edção) Por que estudar orrentes Alternadas?.: a maora das casas, comérco, etc., são provdas de fação elétrca que conduz corrente alternada (A ou A em nglês):

Leia mais

Capítulo 24: Potencial Elétrico

Capítulo 24: Potencial Elétrico Capítulo 24: Potencal Energa Potencal Elétrca Potencal Superfíces Equpotencas Cálculo do Potencal a Partr do Campo Potencal Produzdo por uma Carga Pontual Potencal Produzdo por um Grupo de Cargas Pontuas

Leia mais

Aula 10: Corrente elétrica

Aula 10: Corrente elétrica Unversdade Federal do Paraná Setor de Cêncas Exatas Departamento de Físca Físca III Prof. Dr. Rcardo Luz Vana Referêncas bblográfcas: H. 28-2, 28-3, 28-4, 28-5 S. 26-2, 26-3, 26-4 T. 22-1, 22-2 Aula 10:

Leia mais

3. Um protão move-se numa órbita circular de raio 14 cm quando se encontra. b) Qual o valor da velocidade linear e da frequência ciclotrónica do

3. Um protão move-se numa órbita circular de raio 14 cm quando se encontra. b) Qual o valor da velocidade linear e da frequência ciclotrónica do Electromagnetsmo e Óptca Prmero Semestre 007 Sére. O campo magnétco numa dada regão do espaço é dado por B = 4 e x + e y (Tesla. Um electrão (q e =.6 0 9 C entra nesta regão com velocdade v = e x + 3 e

Leia mais

3.1. Conceitos de força e massa

3.1. Conceitos de força e massa CAPÍTULO 3 Les de Newton 3.1. Concetos de força e massa Uma força representa a acção de um corpo sobre outro,.e. a nteracção físca entre dos corpos. Como grandeza vectoral que é, só fca caracterzada pelo

Leia mais

8. O Campo Magnético (baseado no Halliday, 4 a edição)

8. O Campo Magnético (baseado no Halliday, 4 a edição) 8. O Campo Magnétco (baseado no Hallday, 4 a edção) O Campo Magnétco 1) Paralelo entre plástco carregado eletrcamente e um ímã Uma barra de plástco carregada produz um campo vetoral ( E ) em todos os pontos

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos Capítulo 10 da físca 3 xercícos propostos Undade Capítulo 10 eceptores elétrcos eceptores elétrcos esoluções dos exercícos propostos 1 P.50 a) U r 100 5 90 V b) Pot d r Pot d 5 Pot d 50 W c) Impedndo-se

Leia mais

Órion MARATONA UFG FÍSICA. (Leonardo) NOME: Lista 03

Órion MARATONA UFG FÍSICA. (Leonardo) NOME: Lista 03 Óron ARATOA UFG FÍSICA (Leonardo) O: Lsta 03 01 - (FABC) A fgura representa um longo fo retlíneo percorrdo por uma corrente elétrca de ntensdade = 4mA. Podemos afrmar que a ntensdade do campo magnétco

Leia mais

Capítulo. Associação de resistores. Resoluções dos exercícios propostos. P.135 a) R s R 1 R 2 R s 4 6 R s 10 Ω. b) U R s i U 10 2 U 20 V

Capítulo. Associação de resistores. Resoluções dos exercícios propostos. P.135 a) R s R 1 R 2 R s 4 6 R s 10 Ω. b) U R s i U 10 2 U 20 V apítulo 7 da físca Exercícos propostos Undade apítulo 7 ssocação de resstores ssocação de resstores esoluções dos exercícos propostos 1 P.15 a) s 1 s 6 s b) U s U 10 U 0 V c) U 1 1 U 1 U 1 8 V U U 6 U

Leia mais

N S N S N. Aula 16 Magnetismo. Imãs, campo magnético.

N S N S N. Aula 16 Magnetismo. Imãs, campo magnético. Aula 16 Magnetsmo Imãs, campo nétco. Introdução Desde a Antgudade, os habtantes de uma regão da Ása Menor chamada Magnésa conhecem as propredades de atração e repulsão de um mneral encontrado em abundânca,

Leia mais

Material de apoio para as aulas de Física do terceiro ano

Material de apoio para as aulas de Física do terceiro ano COLÉGIO LUTERANO CONCÓRDIA 67 Anos Educando com o Coração Mantenedora: Comundade Evangélca Luterana Crsto- Nteró Materal de apoo para as aulas de Físca do tercero ano Professor Rafael Frank de Rodrgues

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Trabalho e Energia. Definimos o trabalho W realizado pela força sobre uma partícula como o produto escalar da força pelo deslocamento.

Trabalho e Energia. Definimos o trabalho W realizado pela força sobre uma partícula como o produto escalar da força pelo deslocamento. Trabalho e Energa Podemos denr trabalho como a capacdade de produzr energa. Se uma orça eecutou um trabalho sobre um corpo ele aumentou a energa desse corpo de. 1 OBS: Quando estudamos vetores vmos que

Leia mais

Energia de deformação na flexão

Energia de deformação na flexão - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Energa de deformação na

Leia mais

Nesse circuito, os dados indicam que a diferença de potencial entre os pontos X e Y, em volts, é a) 3,3 c) 10 e) 18 b) 6,0 d) 12.

Nesse circuito, os dados indicam que a diferença de potencial entre os pontos X e Y, em volts, é a) 3,3 c) 10 e) 18 b) 6,0 d) 12. Aprmorando os Conhecmentos de Eletrcdade Lsta 7 Assocação de esstores Prof.: Célo Normando. (UNIFO-97) O resstor, que tem a curva característca representada no gráfco abao, é componente do crcuto representado

Leia mais

1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. b r

1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. b r F Físca 1998 1. Um certo calorímetro contém 80 gramas de água à temperatura de 15 O C. dconando-se à água do calorímetro 40 gramas de água a 50 O C, observa-se que a temperatura do sstema, ao ser atngdo

Leia mais

Exercícios de Física Eletromagnetismo

Exercícios de Física Eletromagnetismo Exercícios de Física Eletromagnetismo 1-Considerando as propriedades dos ímãs, assinale a alternativa correta. a) Quando temos dois ímãs, podemos afirmar que seus pólos magnéticos de mesmo nome (norte

Leia mais

Exercícios de Física Eletromagnetismo

Exercícios de Física Eletromagnetismo Exercícios de Física Eletromagnetismo 1-Considerando as propriedades dos ímãs, assinale a alternativa correta. a) Quando temos dois ímãs, podemos afirmar que seus pólos magnéticos de mesmo nome (norte

Leia mais

Exercícios Eletromagnetismo

Exercícios Eletromagnetismo Exercícios Eletromagnetismo 1-Considerando as propriedades dos ímãs, assinale a alternativa correta. a) Quando temos dois ímãs, podemos afirmar que seus pólos magnéticos de mesmo nome (norte e norte, ou

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

ELETROMAGNETISMO. Indicando por nada a ausência de atração ou repulsão da parte testada, os resultados das quatro experiências são, respectivamente:

ELETROMAGNETISMO. Indicando por nada a ausência de atração ou repulsão da parte testada, os resultados das quatro experiências são, respectivamente: ELETROMGETIMO 01 (Umesp-P) errando transversalmente um ímã em forma de barra, o que acontece? a) s duas partes se desmagnetzam. b) Obtém-se um pólo norte e um pólo sul solados. c) a secção de corte, surgem

Leia mais

Laboratório de Mecânica Aplicada I Estática: Roldanas e Equilíbrio de Momentos

Laboratório de Mecânica Aplicada I Estática: Roldanas e Equilíbrio de Momentos Laboratóro de Mecânca Aplcada I Estátca: Roldanas e Equlíbro de Momentos 1 Introdução O conhecmento das condções de equlíbro de um corpo é mprescndível em númeras stuações. Por exemplo, o estudo do equlíbro

Leia mais

Resolução. Capítulo 32. Força Magnética. 6. C Para que não haja desvio devemos garantir que as forças magnética ( F M. ) e elétrica ( F E

Resolução. Capítulo 32. Força Magnética. 6. C Para que não haja desvio devemos garantir que as forças magnética ( F M. ) e elétrica ( F E esolução orça Magnétca E D 3 C 4 D 5 Capítulo 3 Dos vetores são antparalelos quando suas dreções são concdentes (paralelos) e seus sentdos são opostos, sto é, θ 8º, coo ostra a fgura adante: E Deste odo,

Leia mais

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo.

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo. Motores síncronos Prncípo de funconamento ão motores com velocdade de rotação fxa velocdade de sncronsmo. O seu prncípo de funconamento está esquematzado na fgura 1.1 um motor com 2 pólos. Uma corrente

Leia mais

1 Princípios da entropia e da energia

1 Princípios da entropia e da energia 1 Prncípos da entropa e da energa Das dscussões anterores vmos como o conceto de entropa fo dervado do conceto de temperatura. E esta últma uma conseqüênca da le zero da termodnâmca. Dentro da nossa descrção

Leia mais

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M.

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M. Lsta de Exercícos de Recuperação do Bmestre Instruções geras: Resolver os exercícos à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fcháro). Copar os enuncados das questões. Entregar a lsta

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos da físca 3 Undade C Capítulo 4 Força agnétca esoluções dos exercícos propostos P.33 Característcas da força agnétca : dreção: perpendcular a e a, sto é: da reta s C u D r sentdo: deternado pela regra da

Leia mais

Física C Intensivo V. 2

Física C Intensivo V. 2 Físca C Intensvo V Exercícos 01) C De acordo com as propredades de assocação de resstores em sére, temos: V AC = V AB = V BC e AC = AB = BC Então, calculando a corrente elétrca equvalente, temos: VAC 6

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos.

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos. Insttuto de Físca de São Carlos Laboratóro de Eletrcdade e Magnetsmo: Transferênca de Potênca em Crcutos de Transferênca de Potênca em Crcutos de Nesse prátca, estudaremos a potênca dsspada numa resstênca

Leia mais

Capítulo 26: Corrente e Resistência

Capítulo 26: Corrente e Resistência Capítulo 6: Corrente e esstênca Cap. 6: Corrente e esstênca Índce Corrente Elétrca Densdade de Corrente Elétrca esstênca e esstvdade Le de Ohm Uma Vsão Mcroscópca da Le de Ohm Potênca em Crcutos Elétrcos

Leia mais

S.A. 1. 2002; TIPLER, P. A.; MOSCA, G.

S.A. 1. 2002; TIPLER, P. A.; MOSCA, G. Rotação Nota Alguns sldes, fguras e exercícos pertencem às seguntes referêncas: HALLIDAY, D., RESNICK, R., WALKER, J. Fundamentos da Físca. V 1. 4a.Edção. Ed. Lvro Técnco Centífco S.A. 00; TIPLER, P. A.;

Leia mais

Capítulo 30: Indução e Indutância

Capítulo 30: Indução e Indutância Capítulo 3: Indução e Indutânca Índce Fatos xpermentas; A e de Faraday; A e de enz; Indução e Tranferênca de nerga; Campos létrcos Induzdos; Indutores e Indutânca; Auto-ndução; Crcuto ; nerga Armazenada

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

Os fundamentos da Física Volume 3 1. Resumo do capítulo. Eletrização. Força elétrica

Os fundamentos da Física Volume 3 1. Resumo do capítulo. Eletrização. Força elétrica Os fundamentos da Físca Volume 3 1 Capítulo 1 letrzação. Força elétrca CORPO LTRIZADO É o corpo que possu excesso de elétrons (carga negatva) ou falta de elétrons (carga postva). PRINCÍPIOS DA LTROSTÁTICA

Leia mais

CORRENTE ELÉTRICA, RESISTÊNCIA, DDP, 1ª E 2ª LEIS DE OHM

CORRENTE ELÉTRICA, RESISTÊNCIA, DDP, 1ª E 2ª LEIS DE OHM FÍSICA COENTE ELÉTICA, ESISTÊNCIA, DDP, ª E ª LEIS DE OHM. CAGA ELÉTICA (Q) Observa-se, expermentalmente, na natureza da matéra, a exstênca de uma força com propredades semelhantes à força gravtaconal,

Leia mais

Campo Magnético. e horário. e anti-horário. e horário. e anti-horário. e horário. a) b) c) d) e)

Campo Magnético. e horário. e anti-horário. e horário. e anti-horário. e horário. a) b) c) d) e) Campo Magnético 1. (Ita 2013) Uma espira circular de raio R é percorrida por uma corrente elétrica i criando um campo magnético. Em seguida, no mesmo plano da espira, mas em lados opostos, a uma distância

Leia mais

(note que não precisa de resolver a equação do movimento para responder a esta questão).

(note que não precisa de resolver a equação do movimento para responder a esta questão). Mestrado Integrado em Engenhara Aeroespacal Mecânca e Ondas 1º Ano -º Semestre 1º Teste 31/03/014 18:00h Duração do teste: 1:30h Lea o enuncado com atenção. Justfque todas as respostas. Identfque e numere

Leia mais

Ciências Física e química

Ciências Física e química Dretos Exclusvos para o autor: rof. Gl Renato Rbero Gonçalves CMB- Colégo Mltar de Brasíla Reservados todos os dretos. É probda a duplcação ou reprodução desta aula, com ou sem modfcações (plágo) no todo

Leia mais

RECUPERAÇÃO TURMAS: 2º ANO FÍSICA

RECUPERAÇÃO TURMAS: 2º ANO FÍSICA RECUPERAÇÃO TURMAS: 2º ANO Professor: XERXES DATA: 22 / 11 / 2015 RECUPERAÇÃO FINAL FORÇA ELÉTRICA (LEI DE COULOMB) FÍSICA Para todas as questões, considere a constante eletrostática no vácuo igual a 9.10

Leia mais

4 Sistemas de partículas

4 Sistemas de partículas 4 Sstemas de partículas Nota: será feta a segunte convenção: uma letra em bold representa um vector,.e. b b Nesta secção estudaremos a generalzação das les de Newton a um sstema de váras partículas e as

Leia mais

Física: Eletromagnetismo

Física: Eletromagnetismo Física: Eletromagnetismo Questões de treinamento para a banca Cesgranrio elaborada pelo prof. Alex Regis Questão 01 Está(ão) correta(s): Considere as afirmações a seguir a respeito de ímãs. I. Convencionou-se

Leia mais

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza 9/04/06 Escolha do Consumdor sob condções de Rsco e de Incerteza (Capítulo 7 Snyder/Ncholson e Capítulo Varan) Turma do Prof. Déco Kadota Dstnção entre Rsco e Incerteza Na lteratura econômca, a prmera

Leia mais

Resoluções dos testes propostos

Resoluções dos testes propostos da físca Undade B Capítulo 9 Geradores elétrcos esoluções dos testes propostos 1 T.195 esposta: d De U r, sendo 0, resulta U. Portanto, a força eletromotrz da batera é a tensão entre seus termnas quando

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

PROBLEMAS SOBRE PONTOS Davi Máximo (UFC) e Samuel Feitosa (UFC)

PROBLEMAS SOBRE PONTOS Davi Máximo (UFC) e Samuel Feitosa (UFC) PROBLEMS SOBRE PONTOS Dav Máxmo (UFC) e Samuel Fetosa (UFC) Nível vançado Dstrbur pontos num plano ou num espaço é uma tarefa que pode ser realzada de forma muto arbtrára Por sso, problemas sobre pontos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenhara de Lorena EEL LOB1053 - FÍSICA III Prof. Dr. Durval Rodrgues Junor Departamento de Engenhara de Materas (DEMAR) Escola de Engenhara de Lorena (EEL) Unversdade

Leia mais

Na figura, são dados os vetores a, b e c.

Na figura, são dados os vetores a, b e c. 46 b FÍSICA a fgura, são dados os vetores a, b e c. u a b c Sendo u a undade de medda do módulo desses vetores, pode-se afrmar que o vetor d = a b + c tem módulo a) 2u, e sua orentação é vertcal, para

Leia mais

Conhecimentos Específicos

Conhecimentos Específicos PROCESSO SELETIVO 010 13/1/009 INSTRUÇÕES 1. Confra, abaxo, o seu número de nscrção, turma e nome. Assne no local ndcado. Conhecmentos Específcos. Aguarde autorzação para abrr o caderno de prova. Antes

Leia mais

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2 Capítulo O plano compleo Introdução Os números compleos começaram por ser ntrodudos para dar sentdo à resolução de equações polnomas do tpo Como os quadrados de números reas são sempre maores ou guas a

Leia mais

2. Um pedaço de ferro é posto nas proximidades de um ímã, conforme a figura abaixo.

2. Um pedaço de ferro é posto nas proximidades de um ímã, conforme a figura abaixo. Magnetismo 1. Um feixe constituído de três espécies de partículas, A eletrizada positivamente, B eletrizada negativamente e C neutra, é lançado de um ponto O de um campo magnético uniforme de indução B

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS CAMPO MAGNÉTICO

LISTA DE EXERCÍCIOS CAMPO MAGNÉTICO 1. (Fuvest 96) A figura esquematiza um ímã permanente, em forma de cruz de pequena espessura, e oito pequenas bússolas, colocadas sobre uma mesa. As letras N e S representam, respectivamente, pólos norte

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

Indutores ou bobinas: criam campos magnéticos numa dada região do circuito.

Indutores ou bobinas: criam campos magnéticos numa dada região do circuito. Unversdade Federal do Paraná Setor de Cêncas Exatas Departamento de Físca Físca III - Prof. Dr. Rcardo Luz Vana Referêncas bblográfcas: H. 33-2, 33-3, 33-4, 33-5, 33-6 S. 31-3, 31-4, 31-5 T. 26-7, 26-8,

Leia mais

F-128 Física Geral I. Aula exploratória-11b UNICAMP IFGW

F-128 Física Geral I. Aula exploratória-11b UNICAMP IFGW F-18 Físca Geral I Aula exploratóra-11b UNICAMP IFGW username@f.uncamp.br Momento Angular = r p O momento angular de uma partícula de momento em relação ao ponto O é: p (Note que a partícula não precsa

Leia mais

Prof. Antônio Carlos Fontes dos Santos. Aula 1: Divisores de tensão e Resistência interna de uma fonte de tensão

Prof. Antônio Carlos Fontes dos Santos. Aula 1: Divisores de tensão e Resistência interna de uma fonte de tensão IF-UFRJ Elementos de Eletrônca Analógca Prof. Antôno Carlos Fontes dos Santos FIW362 Mestrado Profssonal em Ensno de Físca Aula 1: Dvsores de tensão e Resstênca nterna de uma fonte de tensão Este materal

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

2ª PARTE Estudo do choque elástico e inelástico.

2ª PARTE Estudo do choque elástico e inelástico. 2ª PARTE Estudo do choque elástco e nelástco. Introdução Consderemos dos corpos de massas m 1 e m 2, anmados de velocdades v 1 e v 2, respectvamente, movmentando-se em rota de colsão. Na colsão, os corpos

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2013 DA UNICAMP-FASE 1. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2013 DA UNICAMP-FASE 1. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 03 DA UNICAMP-FASE. PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA QUESTÃO 37 A fgura abaxo exbe, em porcentagem, a prevsão da oferta de energa no Brasl em 030, segundo o Plano Naconal

Leia mais

Conteúdo 4 - Impulsos elétricos e fenômenos biológicos

Conteúdo 4 - Impulsos elétricos e fenômenos biológicos Conteúdo 4 - Impulsos elétrcos e fenômenos bológcos 4.1 Introdução Os seres vvos, em sua grande maora, são compostos majortaramente por água. A água é uma materal que na presença de certos sas se comporta

Leia mais

Experiência V (aulas 08 e 09) Curvas características

Experiência V (aulas 08 e 09) Curvas características Experênca (aulas 08 e 09) Curvas característcas 1. Objetvos 2. Introdução 3. Procedmento expermental 4. Análse de dados 5. Referêncas 1. Objetvos Como no expermento anteror, remos estudar a adequação de

Leia mais

ELEMENTOS DE CIRCUITOS

ELEMENTOS DE CIRCUITOS MINISTÉRIO D EDUCÇÃO SECRETRI DE EDUCÇÃO PROFISSIONL E TECNOLÓGIC INSTITUTO FEDERL DE EDUCÇÃO, CIÊNCI E TECNOLOGI DE SNT CTRIN CMPUS DE SÃO JOSÉ - ÁRE DE TELECOMUNICÇÕES CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICÇÕES

Leia mais

Campo Magnético gerado por um condutor (fio) reto

Campo Magnético gerado por um condutor (fio) reto Campo Magnético gerado por um condutor (fio) reto 1. (Unesp 2015) Dois fios longos e retilíneos, 1 e 2, são dispostos no vácuo, fixos e paralelos um ao outro, em uma direção perpendicular ao plano da folha.

Leia mais

Analise as seguintes afirmações sobre ímãs e suas propriedades magnéticas.

Analise as seguintes afirmações sobre ímãs e suas propriedades magnéticas. Imãs 1. (G1 - ifsp 2013) Um professor de Física mostra aos seus alunos 3 barras de metal AB, CD e EF que podem ou não estar magnetizadas. Com elas faz três experiências que consistem em aproximá-las e

Leia mais