Medição da Resistividade do Solo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Medição da Resistividade do Solo"

Transcrição

1 Medição d Resistividde do Solo. trodução Serão esecificmete bordds, este cítulo, s crcterístics d rátic d medição d resistividde do solo de um locl virgem. Os métodos de medição são resultdos d álise de crcterístics rátics ds equções de Mxwell do eletromgetismo, licds o solo. N curv r x, levtd el medição, está fudmetd tod rte e critividde dos métodos de estrtificção do solo, o que ermite elborção do roeto do sistem de terrmeto.. Loclizção do Sistem de Aterrmeto A loclizção do sistem de terrmeto deede d osição estrtégic ocud elos equimetos elétricos imorttes do sistem elétrico em questão. Cit-se, or exemlo, loclizção otimizd de um subestção, que deve ser defiid levdo em cosiderção os seguites ites: Cetro geométrico de crgs; Locl com terreo disoível; Terreo cessível ecoomicmete; Locl seguro às iudções; Não comrometer segurç d oulção. Portto, defiid loclizção d subestção, fic defiido o locl d ml de terr. Já distribuição de eergi elétric, os terrmetos situm-se os locis d istlção dos equimetos tis como: trsformdor, religdor, secciolizdor, reguldor de tesão, cves, etc. No sistem de distribuição com eutro multi-terrdo, o terrmeto será feito o logo d li distâcis reltivmete costtes. O locl do terrmeto fic codiciodo o sistem de eergi elétric ou, mis recismete, os elemetos imorttes do sistem. Escolido relimirmete o locl, devem ser lisdos ovos ites, tis como: Estbilidde d edologi do terreo; Possibilidde de iudções logo rzo; Medições locis. Hvedo lgum roblem que oss comrometer o dequdo erfil eserdo do sistem de terrmeto, devese, etão, escoler outro locl.. Medições o Locl Defiido o locl d istlção do sistem de terrmeto, deve-se efetur levtmeto trvés de medições, r se obter s iformções ecessáris à elborção do roeto. Um solo reset um resistividde que deede do tmo do sistem de terrmeto. A disersão de corretes elétrics tige cmds rofuds com o umeto d áre evolvid elo terrmeto. Pr se efetur o roeto do sistem de terrmeto deve-se coecer resistividde rete que o solo reset r o esecil terrmeto retedido. A resistividde do solo, que esel sus crcterístics, é, ortto, um ddo fudmetl e or isso, este cítulo, será dd esecil teção à su determição. O levtmeto dos vlores d resistividde é feito trvés de medições em cmo, utilizdo-se métodos de rosecção geoelétricos, detre os quis, o mis coecido e utilizdo é o Método de Weer.. Potecil em Um Poto Se um oto c imerso em um solo ifiito e omogêeo, emdo um correte elétric. O fluxo resultte de correte diverge rdilmete, coforme figur... Figur..: Lis de Corretes Elétrics O cmo elétrico E o oto é ddo el Lei de Om locl, bixo: E (.. J Ode: J Desidde de correte o oto A desidde de correte é mesm sobre suerfície d esfer de rio r, com cetro o oto c e que ss elo oto. Seu lor é: Portto, J r (.. J r O otecil do oto, em relção um oto ifiito é ddo or: r C r E dr (.. P Cte

2 Ode: dr é vrição ifiitesiml direção rdil o logo do rio r. r r dr dr r r ' r (.. Suefície do Solo.5 Potecil em Um Poto Sob Suerfície de Um Solo Homogêeo Solo Cte Um oto c, imerso sob suerfície de um solo omogêeo, emdo um correte elétric, roduz um erfil de distribuição do fluxo de correte como o mostrdo figur.5.. rp r'p P Suefície do Solo Solo Cte Figur.5.: Poto mgem.6 Método Weer Pr o levtmeto d curv de resistividde do solo, o locl do terrmeto, ode-se emregr diversos métodos, etre os quis: Figur.5.: Lis de Corretes Elétrics As lis de corretes se comortm como se ouvesse um fote de correte otul simétric em relção suerfície do solo. Figur.5.. O comortmeto é idêtico um imgem rel simétric d fote de correte otul. Portto, r cr o otecil de um oto em relção o ifiito, bst efetur suerosição do efeito de cd fote d correte idividulmete, o otecil do oto, bst usr dus vezes exressão... Método de Weer; Método de Lee; Método de Sclumbeger Plmer. Neste trblo será utilizdo o Método de Weer. O método us qutro otos lidos, igulmete esçdos, crvdos um mesm rofudidde. Figur.6.. Suefície do Solo Como: ' r r ' r r' ' (.5. Figur.6.: Qutro Hstes Crvds o Solo Um correte elétric é ietd o oto el rimeir ste e coletd o oto el últim ste. Est correte, ssdo elo solo etre os otos e, roduz otecil os otos e. usdo o método ds imges, desevolvido o item.5, ger-se figur.6. e obtém-se os oteciis os otos e. O otecil o oto é:

3 ( ( ( (.6. ' ' Suefície do Solo Cte.7 Medição Pelo Método de Weer O método utiliz um Megger, istrumeto de medid de resistêci que ossui qutro termiis, dois de correte e dois de otecil. O relo, trvés de su fote iter, fz circulr um correte elétric etre s dus stes exters que estão coectds os termis de correte C e C. Figur.7.. Megger C P G P C Figur.6.: mgem do Poto e / / O otecil o oto é: ( ( ( (.6. Figur.7.: Método de Weer Portto, difereç de otecil os otos e é: ( ( ( (.6. Fzedo divisão d difereç de otecil el correte, teremos o vlor d resistêci elétric R do solo r um rofudidde ceitável de eetrção d correte. Assim teremos: R ( ( ( (.6. R Leitur d resistêci em Ω o Megger, r um rofudidde Esçmeto ds stes crvds o solo Profudidde d ste crvd o solo As dus stes iters são ligds os termiis P e P. Assim, o relo rocess itermete e idic leitur, o vlor d resistêci elétric, de cordo com exressão.6.. O método cosider que rticmete 5% d distribuição de correte que ss etre s stes exters ocorre - um rofudidde igul o esçmeto etre s stes. Figur.7.. A resistividde elétric do solo é dd or: R ( ( ( [ Ω. m] (.6.5 A exressão.6.5 é coecid como Fórmul de Plmer, e é usd o Método de Weer. Recomed-se que: Diâmetro d ste, Pr um fstmeto etre s stes reltivmete grde, isto é, >, fórmul de Plmer.6.5 se reduz : [ m] R Ω. (.6.6 Figur.7.: Peetrção rofudidde A correte que tige um rofudidde mior, com um corresodete áre de disersão grde, tedo, em coseqüêci, um efeito que ode ser descosiderdo. Portto, r efeito do Método de Wier, cosider-se que o vlor d resistêci elétric lid o relo é reltiv um rofudidde do solo. As stes usds o método devem ter roximdmete 5cm de comrimeto com diâmetro etre 5mm. Devem ser feits diverss leiturs, r vários esçmetos, com s stes semre lids.

4 . Cuiddos Medição Durte medição devem ser observdos os ites bixo: As stes devem estr lids; As stes devem estr igulmete esçds; As stes devem estr crvds o solo um mesm rofudidde; recomed-se cm; O relo deve estr osiciodo simetricmete etre s stes; As stes devem estr bem lims, ricilmete isets de óxidos e gordurs r ossibilitr bom cotto com o solo; A codição do solo (seco, úmido, etc. durte medição deve ser otd; Não devem ser feits medições sob codições tmosférics dverss, tedo-se em vist ossibilidde de ocorrêci de rios; Não deixr que imis ou essos estrs se roximem do locl; Deve-se utilizr clçdos e luvs de isolção r executr s medições; erificr o estdo do relo, iclusive crg d bteri..9 Esçmetos ds Hstes Pr um determid direção devem ser usdos os esçmetos recomeddos Tbel.9.. Esçmeto (m 6 6 Leitur R (Ω Clculdo (Ω.m Tbel.9.: Esçmetos recomeddos Algus métodos de estrtificção do solo, que serão vistos o cítulo seguite, ecessitm mis leiturs r equeos esçmetos, o que é feito r ossibilitr determição d resistividde d rimeir cmd do solo.. Direções Serem Medids O úmero de direções em que s medids deverão se levtds deede: D imortâci do locl do terrmeto; D dimesão do sistem de terrmeto; D vrição cetud os vlores medidos r os resectivos esçmetos. Pr um úico oto de terrmeto, isto é, r cd osição do relo, devem ser efetuds medids em três direções, com âgulo de 6º etre si, figur... 6 Figur..: Direções do Poto de Medição Este é o cso de sistem de terrmeto equeo, com um úico oto de ligção equimetos tis como: reguldor de tesão, religdor, trsformdor, secciolizdor, TC, TP, cves óleo e SF 6, etc. No cso de subestções deve-se efetur vris medids em otos e direções diferetes. Ms se or lgum motivo, dese-se usr o míimo de direções, etão, deve-se elo meos efetur s medições direção idicd como segue: N direção d li de limetção; N direção do oto de terrmeto o terrmeto d fote de limetção.. Aálise ds Medids Feits s medições, um lise dos resultdos deve ser relizd r que os mesmos ossm ser vlidos em relção su ceitção ou ão. Est vlição é feit d seguite form: Clculr médi ritmétic dos vlores d resistividde elétric r cd esçmeto dotdo. sto é:, q M ( ( (.. i, Ode: i i M ( Resistividde médi r o resectivo esçmeto ( Número de medições efetuds r o resectivo esçmeto ( i ( lor d i-ésim medição d resistividde com o esçmeto ( q Número de esçmetos emregdos Proceder o cálculo do desvio de cd medid em relção o vlor médio como segue: i ( ( M i,, q

5 Observção (: Deve-se desrezr todos os vlores d resistividde que tem um desvio mior que 5% em relção médi, isto é: i ( M ( i,. 5% (, q M Observção (b: Se o vlor d resistividde tiver o desvio bixo de 5% o vlor será ceito como reresettivo. Observção (c: Se observd ocorrêci de cetudo úmero de medids com desvios cim de 5%, recomed-se executr ovs medids região corresodete. Se ocorrêci de desvios ersistir, devese etão, cosiderr áre como um região ideedete r efeito de modelgem. Com ov tbel, efetu-se o cálculo ds médis ritmétics ds resistividdes remescetes. Observdo-se Tbel.., cost-se dus medids sublids que resetm desvio cim de 5%. Els devem, ortto, ser descosiderds. Assim, refz-se o cálculo ds médis, r os esçmetos que tiverem medids reeitds. As demis médis são mtids. ide ultim colu d Tbel... Os vlores reresettivos do solo medido são os idicdos Tbel... Esçmeto (m Resistividde (Ω.m , 6 56,,5 Tbel.. : Resistividde do Solo Medido Com s resistividdes médis r cd esçmeto, tem-se etão os vlores defiitivos e reresettivos r trçr curv, se ecessári o rocedimeto ds licções dos métodos de estrtificção do solo, ssuto este, esecifico do cítulo seguite.. Exemlo Gerl Pr um determido locl, sob estudo, os ddos ds medições de cmo, reltivos vários otos e direções, são resetdos Tbel... Esçmeto (m Resistividde Elétric Medid (Ω.m Tbel.. : Medição em Cmo A seguir, reset-se Tbel.. com o vlor médio de cd esçmeto e o desvio reltivo de cd medid, clculdos rtir d Tbel... Esçm. (m Desvios Reltivos (% 5. médi (Ω.m médi re clculd (Ω.m,7 5,6,77,67,79,56,6 5,6 6,6 6, ,, 5,7,, ,7,,66,7, 9, 9, 6,5,,55,95 6,66 56, 56,,5,77 5,9 9, 57,5 6,5 Tbel.. : Determição de Médi e Desvios Reltivos 5

6 Estrtificção do Solo. trodução A Suefície do Solo Cosiderdo s crcterístics que ormlmete resetm os solos, em virtude d su róri formção geológic o logo dos os, modelgem em cmds estrtificds, isto é, em cmds orizotis, tem roduzido exceletes resultdos comrovdos rtic. A figur.. mostr o solo com um estrtificção em cmds orizotis. ª Cmd ª Cmd Figur.. : Solo em Dus Cmds d d Desevolvedo Equção de Llce reltivmete o otecil de qulquer oto d rimeir cmd do solo, distcido de r d fote de correte A, ceg-se seguite exressão: d r (.. r ( Ode: Figur.. : Solo Estrtificdo Com bse curv, obtid o citulo terior, serão resetdos diversos métodos de estrtificção do solo, etre os quis: Método de Estrtificção de Dus Cmds; Método de Pirso; Método Gráfico. Areset-se tmbém, outros métodos comlemetres.. Modelgem de Solo de Dus Cmds Usdo s teoris do eletromgetismo o solo com dus cmds orizotis, é ossível desevolver um modelgem mtemátic, que com o uxilio ds medids efetuds elo Método de Weer, ossibilit ecotrr resistividde do solo d rimeir e segud cmd, bem como su resectiv rofudidde. Um correte elétric etrdo o oto A, o solo de dus cmds d figur.., ger oteciis rimeir cmd, que deve stisfzer equção.., coecid como Equção de Llce. (.. Potecil rimeir cmd do solo É o otecil de um oto qulquer d rimeir cmd em relção o ifiito Resistividde d rimeir cmd Profudidde d rimeir cmd r Distâci do oto à fote de correte A Coeficiete de reflexão, defiido or: Resistividde d segud cmd (.. Pel exressão.., verific-se que vrição do coeficiete de reflexão é limitd etre - e. (... Cofigurção de Weer A exressão.. será licd cofigurção de Weer, sobre o solo de dus cmds. er figur... Nest cofigurção, correte elétric etr o solo elo oto A e retor o relo elo oto D. Os otos B e C são os elétrodos de otecil. O otecil o oto B, será ddo el suerosição d cotribuição d correte elétric etrdo em A e sido or D. usdo exressão.., e efetudo suerosição, tem-se: 6

7 7 ( ( ( B (.. ª Cmd ª Cmd B D C A C P G P C Megger Figur.. : Cofigurção de Weer o Solo de Dus Cmds Fzedo mesm cosiderção r o otecil do oto C, tem-se: ( ( ( C (.. A difereç de otecil etre os otos B e C é ddo or: C B BC Substituido-se s equções corresodetes, obtém-se: BC (.. BC A relção BC rereset o vlor d resistêci elétric (R lid o relo Megger do esquem resetdo. Assim, etão: R De cordo com exressão terior resistividde elétric do solo, r o esçmeto é dd or ( R. Aós substituição, obtém-se filmete: ( (.. A exressão.. é fudmetl elborção d estrtificção do solo em dus cmds.. Método de Estrtificção do Solo de Dus Cmds Emregdo estrtegicmete exressão.. é ossível obter lgus métodos de estrtificção do solo r dus cmds. Etre eles, os mis usdos são: Método de dus cmds usdo curvs; Método de dus cmds usdo técics de otimizção; Método simlificdo r estrtificção do solo de dus cmds. A seguir, é feit um detld descrição do rimeiro método..5 Método de dus cmds usdo curvs Como á observdo, fix de vrição do coeficiete de reflexão é eque, e está limitd etre - e. Pode-se etão, trçr um fmíli de curvs de (/ em fução de / r um serie de vlores de egtivos e ositivos, cobrido tod su fix de vrição. As curvs trçds r vrido fix egtiv, isto é, curv ( x descedete, figur.5., estão resetds figur.5.. Já s curvs obtids d exressão.. r curv ( x scedete, figur.5.b, r vrido fix ositiv, são mostrds figur.5.. b (m > < (m Figur.5. : Curv ( x Descedete e Ascedete Com bse fmíli de curvs teórics ds figurs.5. e.5. (gerds rátic, é ossível estbelecer um método que fz o csmeto d curv ( x, medid or Weer, com um determid curv rticulr. Est curv rticulr é crcterizd elos resectivos vlores de, Κ e. Assim, estes vlores são ecotrdos e estrtificção está estbelecid.

8 .9..7 k -, Curvs r egtivos 5º sso: Com o vlor de ( / ou /( obtido, etr-se s curvs teórics corresodetes e trç-se um li rlel o eixo d bsciss. Est ret cort curvs distits de. Proceder leitur de todos os esecíficos e / corresodetes. ro(/ro , / Figurs.5. e 6ºsso: Multilic-se todos os vlores de / ecotrdos o quito sso elo vlor de do terceiro sso. Assim, com o quito e sexto sso, ger-se um tbel com os vlores corresodetes de, / e. 7º sso: Plot-se curv x dos vlores obtidos d tbel gerd o sexto sso. º sso: Um segudo vlor de esçmeto é ovmete escolido, e todo o rocesso é reetido, resultdo um ov curv x. Curvs r ositivos 9º sso: Plot-se est ov curv x o mesmo gráfico do sétimo sso..9..7, º sso: A iterseção ds dus curvs x um ddo oto resultdo resultrá os vlores reis de e, e estrtificção estrá defiid. ro/ro( , Exemlo.5. Efetur estrtificção do solo elo método resetdo o item.5, corresodete à série de medids feirs em cmo ólo método de Weer, cuos ddos estão Tbel / Figur.5. A seguir são resetdos os ssos reltivos o rocedimeto deste método: º sso: Trçr em gráfico curv ( x obtid elo método de Weer; º sso: Prologr curv ( x té cortr o eixo ds ordeds do gráfico. Neste oto, é lido diretmete o vlor de, isto é, resistividde d rimeir cmd. Pr vibilizr este sso, recomed-se fzer váris leiturs elo método de Weer r equeos esçmetos. sto se ustific orque eetrção dest correte dá-se redomitemete rimeir cmd. º sso: Um vlor de esçmeto é escolido rbitrrimete, e levdo curv r obter-se o corresodete vlor de (. º sso: Pelo comortmeto d curv ( x, determi-se o sil de. sto é: Se curv for descedete, o sil de é egtivo e efetu-se o cálculo de ( / ; Se curv for scedete, o sil de é ositivo e efetu-se o cálculo de /( ; Resistividde (Ω.m Esçmeto (m Resistividde(Ω.m Tbel.5. : lores de Medição de Cmo Afstmeto (m Figur.5. Curv ( x A solução é feit seguido os ssos recomeddos.

9 º Psso: N figur.5. está trçd curv ( x º Psso: Prologdo-se curv, obtém-se r 7 Ω.m º Psso: Escole-se m e obtém-se r( 5 Ω.m º Psso: Como curv ( x é descedete, é egtivo, etão clcul-se relção: ( 5,59 7 5º Psso: Como é egtivo e com vlor r( /r,59 levdo fmíli de curvs teórics d figur.5., rocede-se leitur dos resectivos e /. Assim, ger-se Tbel.5. roost o sexto sso. 6m ( /, / [m] -, - - -, - - -, - - -, - - -,5,5, -,6,,56 -,7,,9 -,,55, -,9,69,7 -,,66,97 Tbel.5. : lores do Quito o Sexto Psso m ( /,59 / [m] -, - - -, - - -,,6,5 -,,,69 -,5,57, -,6,65,5 -,7,69,76 -,,75, -,9,, -,,6, Tbel.5. : lores do Quito e Sexto Psso º Psso: Escole-se um outro esçmeto. 6m ( 9 Ω.m ( / 9/7, Com esses ddos costrói-se Tbel.5.. 9º Psso: A figur.5. reset o trçdo ds dus curvs x obtids d Tbel.5. e.5.. Curvs x Figur.5. º Psso: A itersecção ocorre em: -,66 e,57 m Usdo equção.., obtém-se o vlor de 66,6 Ω.m. 9

10 Método de Estrtificção de Solos em áris Cmds. trodução Um solo com váris cmds reset um curv ( x oduld, com trecos scedetes e descedetes, coforme mostrdo figur. d d segud é ul: /. Este oto de trsição está loclizdo ode curv mud su cocvidde; 6º sso Cosiderdo o segudo treco d curv ( x, cr resistividde equivlete vist el terceir cmd. Pr isto, estimr rofudidde d segud cmd ĥ (Obs.: o ceto circuflexo sigific vlor estimdo elo método de Lcster-Joes, isto é: (. ˆ d dˆ ( Ode d Esessur d rimeir cmd; ˆd Esessur estimd d segud cmd ĥ Profudidde estimd d segud cmd; t Esçmeto corresodete o oto de trsição do segudo treco. t Figur. Assim, são obtidos os vlores estimdos de ˆ ˆ ed. Dividido curv ( x em vários trecos tíicos dos solos de dus cmds, é ossível etão, emregr métodos r estrtificção do solo com váris cmds, fzedo um extesão do solo de dus cmds. Será desevolvido seguir o Método de Pirso r estrtificção do solo com váris cmds. O Método de Pirso O Método de Pirso ode ser ecrdo como um extesão do método de dus cmds. Ao se dividir curv ( x em trecos scedetes e descedetes fic evidecido que o solo de váris cmds ode ser lisdo como um seqüêci de curvs de solo equivletes dus cmds. Cosiderdo o rimeiro treco como um solo de dus cmds, obtém-se, e. Ao lisr-se o segudo treco, deve-se rimeirmete determir um resistividde equivlete, vist el terceir cmd. Assim, rocur-se obter resistividde e rofudidde d cmd equivlete. E ssim sucessivmete, seguido mesm lógic. A seguir são resetdos os ssos serem seguidos metodologi dotd e roost or Pirso; º sso Trçr e um gráfic curv ( x obtid elo método de Weer; sso Dividir curv em trecos scedetes e descedetes, isto é, etre os seus otos máximos e míimos; º sso Prologr curv ( x té itercetr o eixo ds ordeds do gráfico. Neste oto é lido o vlor de, isto é, resistividde d rimeir cmd; º sso Em relção o rimeiro treco d curv ( x, crcterístic de um solo de dus cmds, roceder como o item e determir os vlores de e ; 5º sso Pr o segudo treco, cr o oto de trsição t ode derivd d/d é máxim, isto é, ode derivd 7º sso Clculr resistividde médi equivlete estimd ˆ vist el terceir cmd, utilzdo Fórmul de Hummel, que é médi rmôic oderd d rimeir e segud cmd: ˆ d d ˆ d dˆ A resistividde ˆ equivle do método de dus cmds. (. º sso Pr o segudo treco curv, reetir todo o rocesso de dus cmds visto teriormete, cosiderdo ˆ resistividde d rimeir cmd. Assim, são obtidos os ovos vlores estimdos de ˆ e ĥ. Estes vlores form obtidos rtir um um estimtiv el fórmul de Lcster-Joes. Se um refimeto mior o rocesso for desedo, deve-se refzer o rocesso rtir do ovo ĥ clculdo, isto é : ˆ d d olt-se seguir o sétimo sso r obter ovos vlores de e. Aós, etão, reete-se rtir do sexto sso, todo o rocesso r os outros trecos sucessores. Exemlo Efeturr estrtificção do solo elo Método de Pirso, r o couto de medids obtids em cmo elo Método de Weer, resetdo tbel. º sso Fzer curv ( x (figur. º sso Dividir curv ( x em dois trecos, um scedete e outro descedete. A serção é feit elo oto máximo d curv, isto é, ode d/d ;

11 Resistividde (Oms.m Esçmeto (m,6 Resistividde Medid (Ω.m Tbel., Afstmeto (m Figur. Curv ( x º sso Prologr curv ( x e obter resistividde d rimeir cmd do solo 6 Ω.m; º sso Relizr os ssos r modelgem do solo em dus cmds e obter tbel. reltivs os ssos itermediários. m, 7 m, 575 ( ( / (m / (m,,,, - -,,6,6,,5,,,6,6,,,56,5,7,7,5,,,6,,,6,9,9,7,9,9,7,57,,,9,9,,65, Tbel. Pr m obtém-se (.9 Ω.m; Pr m obtém-se ( 5.77 Ω.m Efetudo o trçdo ds dus curvs x, verific-se que s mesms se itercetm o oto d,6 m e,, o que lev o vlor de.575 Ω.m; 5º sso Ao exmir o segudo treco d curv, ode-se cocluir que o oto d curv com esçmeto de m reset mior iclição. (Fzedo curv do tio lig-oto isto fic mis ítido. Portto, o oto de trsição é reltivo o esçmeto de m t m ; Obs.:Se for difícil visulizr o oto de trsição, fç curv d fig.. ligdo es os otos or segmetos, como figur.: Resistividde Medid (Ω.m Afstmeto (m Figur. Curv ( x 6º sso Cosiderr o segudo treco d curv ( x e estimr rofudidde d segud cmd. Alicdo-se fórmul. temos ˆ ˆ,6 d ˆ ( d d ( t ˆ 5,m e dˆ, 76 m 7º sso Clculr resistividde médi el fórmul. d dˆ,6,76 ˆ. Ω. m d dˆ, º sso Pr o segudo treco d curv ( x reetir o rocedimeto r modelgem em dus cmds e obter tbel.. m (, 6 (, ˆ ˆ 76 / (m / (m -,,, -, - - -,,5,6 -, - - -,5,56, -, ,6,6 5,6 -,6,, -,7,7 5,76 -,7, 5, -,,7 6, -,, 6, -,9,6 6,6 -,9,9 7, Tbel.. Pr m obtém-se (.5 Ω.m; Pr 6 m obtém-se ( 5.6 Ω.m. Trçdo-se s dus curvs x, s mesms itercetmse o oto 5,6 m e -,7 Assim ˆ. Ω. m _ Portto, solução fil é ecotrd e o solo com três cmds estrtificds é mostrdo figur.,6, Figur. Solo estrtificdo em cmds

ATERRAMENTO ELÉTRICO DE SISTEMAS (PROGRAMA)

ATERRAMENTO ELÉTRICO DE SISTEMAS (PROGRAMA) ATERRAMENTO ELÉTRICO DE SISTEMAS (PROGRAMA). INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE ATERRAMENTO. MEDIÇÃO DA RESISTIVIDADE DO SOLO 3. ESTRATIFICAÇÃO DO SOLO 4. SISTEMAS DE ATERRAMENTO 5. TRATAMENTO QUÍMICO DO SOLO 6.

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA - TURMAS DO

PROVA DE MATEMÁTICA - TURMAS DO PROVA DE MATEMÁTICA - TURMAS DO o ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - MARÇO DE 0. ELABORAÇÃO: PROFESSORES ADRIANO CARIBÉ E WALTER PORTO. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Questão 0. (UDESC SC)

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRE. DISCIPLINA Matemática ALUNO(A) GABARITO

AVALIAÇÃO TRIMESTRE. DISCIPLINA Matemática ALUNO(A) GABARITO COORDENAÇÃO ENSINO MÉDIO AVALIAÇÃO - 0 TRIMESTRE NOTA UNIDADE(S): CAMBOINHAS PROFESSOR Equie DISCIPLINA Mtemátic SÉRIE/TURMA O /A E B DATA /0/00 NITERÓI SÃO GONÇALO X X ALUNO(A) GABARITO N IMPORTANTE:.

Leia mais

Resolução Numérica de Sistemas Lineares Parte II

Resolução Numérica de Sistemas Lineares Parte II Cálculo Numérico Resolução Numéric de Sistems Lieres Prte II Prof Jorge Cvlcti jorgecvlcti@uivsfedubr MATERIAL ADAPTADO DOS SLIDES DA DISCIPLINA CÁLCULO NUMÉRICO DA UFCG - wwwdscufcgedubr/~cum/ Sistems

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA HIDRÁULICA APLICADA AD 0195 Prof.: Raimundo Nonato Távora Costa CONDUTOS LIVRES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA HIDRÁULICA APLICADA AD 0195 Prof.: Raimundo Nonato Távora Costa CONDUTOS LIVRES UNVERSDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARA AGRÍCOLA HDRÁULCA APLCADA AD 019 Prof.: Rimudo Noto Távor Cost CONDUTOS LVRES 01. Fudmetos: Os codutos livres e os codutos forçdos, embor tem potos

Leia mais

Geometria Analítica e Álgebra Linear

Geometria Analítica e Álgebra Linear Geometri Alític e Álgebr Lier 8. Sistems Lieres Muitos problems ds ciêcis turis e sociis, como tmbém ds egehris e ds ciêcis físics, trtm de equções que relciom dois cojutos de vriáveis. Um equção do tipo,

Leia mais

Lista de Exercícios 01 Algoritmos Sequência Simples

Lista de Exercícios 01 Algoritmos Sequência Simples Uiversidde Federl do Prá UFPR Setor de Ciêcis Exts / Deprtmeto de Iformátic DIf Discipli: Algoritmos e Estrutur de Ddos I CI055 Professor: Dvid Meotti (meottid@gmil.com) List de Exercícios 0 Algoritmos

Leia mais

FUNÇÃO EXPONENCIAL. a 1 para todo a não nulo. a. a. a a. a 1. Chamamos de Função Exponencial a função definida por: f( x) 3 x. f( x) 1 1. 1 f 2.

FUNÇÃO EXPONENCIAL. a 1 para todo a não nulo. a. a. a a. a 1. Chamamos de Função Exponencial a função definida por: f( x) 3 x. f( x) 1 1. 1 f 2. 49 FUNÇÃO EXPONENCIAL Professor Lur. Potêcis e sus proprieddes Cosidere os úmeros ( 0, ), mr, N e, y, br Defiição: vezes por......, ( ), ou sej, potêci é igul o úmero multiplicdo Proprieddes 0 pr todo

Leia mais

Capítulo III. Circuitos Resistivos

Capítulo III. Circuitos Resistivos Cpítulo III Ciruitos esistivos. Itrodução Neste pítulo serão estudds s leis de Kirhhoff, utilizdo-se de iruitos resistivos que são mis filmete lisdos. O estudo desss leis é plido em seguid s deduções de

Leia mais

0,01. Qual a resposta correta à pergunta de Chiquinho, considerandose os valores atribuídos às variáveis pelo professor?

0,01. Qual a resposta correta à pergunta de Chiquinho, considerandose os valores atribuídos às variáveis pelo professor? GABARIO Questão: Chiquiho ergutou o rofessor qul o vlor umérico d eressão + y+ z. Este resodeu-lhe com cert iroi: como queres sber o vlor umérico de um eressão, sem tribuir vlores às vriáveis? Agor, eu

Leia mais

Matrizes e Sistemas de equações lineares. D.I.C. Mendes 1

Matrizes e Sistemas de equações lineares. D.I.C. Mendes 1 Mtrizes e Sistems de equções lieres D.I.C. Medes s mtrizes são um ferrmet básic formulção de problems de mtemátic e de outrs áres. Podem ser usds: resolução de sistems de equções lieres; resolução de sistems

Leia mais

Quando o polinômio divisor é da forma x + a, devemos substituir no polinômio P(x), x por a, visto que: x + a = x ( a).

Quando o polinômio divisor é da forma x + a, devemos substituir no polinômio P(x), x por a, visto que: x + a = x ( a). POLINÔMIOS II. TEOREMA DE D ALEMBERT O resto d divisão de um poliômio P(x) por x é igul P(). m m Sej, com efeito, P x x x..., um poliômio de x, ordedo segudo s potecis m m decrescetes de x. Desigemos o

Leia mais

Apostila de Introdução Aos Métodos Numéricos

Apostila de Introdução Aos Métodos Numéricos Apostil de Itrodução Aos Métodos Numéricos PARTE II o Semestre - Prof. Slete Souz de Oliveir Buffoi Ídice SISTEMAS LINEARES... INTRODUÇÃO... MÉTODOS DIRETOS: ELIMINAÇÃO DE GAUSS... Sistem lier com... Eemplo:...

Leia mais

SISTEMA DE EQUAÇÕES LINEARES

SISTEMA DE EQUAÇÕES LINEARES SISTEM DE EQUÇÕES LINERES Defiição Ddos os úmeros reis b com equção b ode são vriáveis ou icógits é deomid equção lier s vriáveis Os úmeros reis são deomidos coeficietes ds vriáveis respectivmete e b é

Leia mais

APOSTILA DE CÁLCULO NUMÉRICO

APOSTILA DE CÁLCULO NUMÉRICO APOSTILA DE CÁLCULO NUMÉRICO Professor: Willim Wger Mtos Lir Moitor: Ricrdo Albuquerque Ferdes ERROS. Itrodução.. Modelgem e Resolução A utilizção de simuldores uméricos pr determição d solução de um problem

Leia mais

Matemática 1 Professor Paulo Cesar Pfaltzgraff Ferreira. Sumário

Matemática 1 Professor Paulo Cesar Pfaltzgraff Ferreira. Sumário Mtemátic Professor Pulo Cesr Pfltgrff Ferreir i Sumário Uidde Revisão de Tópicos Fudmetis do Esio Médio... 0. Apresetção... 0. Simologi Mtemátic mis usul... 0. Cojutos Numéricos... 0. Operções com Números

Leia mais

Teoria de Quadripolos. Teoria de Quadripolos. Teoria de Quadripolos. Teoria de Quadripolos Classificação dos quadripolos

Teoria de Quadripolos. Teoria de Quadripolos. Teoria de Quadripolos. Teoria de Quadripolos Classificação dos quadripolos -07-04 Qudriolo é u circuito eléctrico co dois teriis de etrd e dois teriis de síd. Neste disositivo são deterids s corretes e tesões os teriis de etrd e síd e ão o iterior do eso. Clssificção dos udriolos

Leia mais

Resolução de sistemas lineares SME 0200 Cálculo Numérico I

Resolução de sistemas lineares SME 0200 Cálculo Numérico I Resolução de sistems lieres SME Cálculo Numérico I Docete: Prof. Dr. Mrcos Areles Estgiário PAE: Pedro Muri [reles@icmc.usp.br, muri@icmc.usp.br] Itrodução Sistems lieres são de grde importâci pr descrição

Leia mais

Matemática C Extensivo V. 6

Matemática C Extensivo V. 6 Mtemátic C Etesivo V 6 Eercícios ) D ) D ) C O vlor uitário do isumo é represetdo por y Portto pelo produto ds mtrizes A e B temos o seguite sistem: 5 5 9 y 5 5y 5y 9 5y 5 Portto: y 4 y 4 As médis uis

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNICAMP VESTIBULAR 2009 1 a e 2 a Fase RESOLUÇÃO: Professora Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNICAMP VESTIBULAR 2009 1 a e 2 a Fase RESOLUÇÃO: Professora Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNICAMP VESTIBULAR 9 e Fse Professor Mri Atôi Gouvei. FASE _ 9 9. N décd de 96,com redução do úmero de bleis de grde porte,como blei zul, s bleis mike tártic pssrm ser o lvo preferêci

Leia mais

1- SOLUÇÃO DE SISTEMAS LINEARES E INVERSÃO DE MATRIZES

1- SOLUÇÃO DE SISTEMAS LINEARES E INVERSÃO DE MATRIZES - SOLUÇÃO DE SISTEMAS LINEARES E INVERSÃO DE MATRIZES.- Métodos etos pr solução de sistems lieres Métodos pr solução de sistems de equções lieres são divididos priciplmete em dois grupos: ) Métodos Etos:

Leia mais

MÓDULO IV. EP.02) Determine o valor de: a) 5 3 = b) 3 4 = c) ( 4) 2 = d) 4 2 = EP.03) Determine o valor de: a) 2 3 = b) 5 2 = c) ( 3) 4 = d) 3 4 =

MÓDULO IV. EP.02) Determine o valor de: a) 5 3 = b) 3 4 = c) ( 4) 2 = d) 4 2 = EP.03) Determine o valor de: a) 2 3 = b) 5 2 = c) ( 3) 4 = d) 3 4 = MÓDULO IV. Defiição POTENCIACÃO Qudo um úmero é multiplicdo por ele mesmo, dizemos que ele está elevdo o qudrdo, e escrevemos:. Se um úmero é multiplicdo por ele mesmo váris vezes, temos um potêci:.. (

Leia mais

Revisão para o Vestibular do Instituto Militar de Engenharia www.rumoaoita.com & Sistema Elite de Ensino

Revisão para o Vestibular do Instituto Militar de Engenharia www.rumoaoita.com & Sistema Elite de Ensino Revisão pr o Vestibulr do Istituto Militr de Egehri wwwrumooitcom Sistem Elite de Esio CÔNICAS (IME-8/8) Determie equção de um círculo que tgeci hipérbole potos em que est hipérbole é ecotrd pel ret os

Leia mais

Este capítulo tem por objetivo apresentar métodos para resolver numericamente uma integral.

Este capítulo tem por objetivo apresentar métodos para resolver numericamente uma integral. Nots de ul de Métodos Numéricos. c Deprtmeto de Computção/ICEB/UFOP. Itegrção Numéric Mrcoe Jmilso Freits Souz, Deprtmeto de Computção, Istituto de Ciêcis Exts e Biológics, Uiversidde Federl de Ouro Preto,

Leia mais

SISTEMAS DE TEMPO DISCRETO DESCRITO POR EQUAÇÕES A DIFERENÇA

SISTEMAS DE TEMPO DISCRETO DESCRITO POR EQUAÇÕES A DIFERENÇA SISTEMAS DE TEMPO DISCRETO DESCRITO POR EQUAÇÕES A DIFEREÇA ( ( x( Coeficiete costte. ( ( x ( Coeficiete vriável (depedete do tempo. Aplicmos x( pr e cosidermos codição iicil ( ( ( M ( ( ( ( x( x( ( x(

Leia mais

2. Resolução Numérica de Equações Não-Lineares

2. Resolução Numérica de Equações Não-Lineares . Resolução Numéric de Equções Não-Lieres. Itrodução Neste cpítulo será visto lgoritmos itertivos pr ecotrr rízes de fuções ão-lieres. Nos métodos itertivos, s soluções ecotrds ão são ets, ms estrão detro

Leia mais

SISTEMAS LINEARES. Sendo x e y, respectivamente, o número de pontos que cada jogador marcou, temos uma equação com duas incógnitas:

SISTEMAS LINEARES. Sendo x e y, respectivamente, o número de pontos que cada jogador marcou, temos uma equação com duas incógnitas: SISTEMAS LINEARES Do grego system ( Sy sigific juto e st, permecer, sistem, em mtemátic,é o cojuto de equções que devem ser resolvids juts,ou sej, os resultdos devem stisfzêlos simultemete. Já há muito

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

As funções exponencial e logarítmica

As funções exponencial e logarítmica As fuções epoecil e logrítmic. Potêcis em Sej um úmero rel positivo, isto é, * +. Pr todo, potêci, de bse e epoete é defiid como o produto de ftores iguis o úmero rel :...... vezes Pr, estbelece-se 0,

Leia mais

3. Admitindo SOLUÇÃO: dy para x 1 é: dx. dy 3t. t na expressão da derivada, resulta: Questão (10 pontos): Seja f uma função derivável e seja g x f x

3. Admitindo SOLUÇÃO: dy para x 1 é: dx. dy 3t. t na expressão da derivada, resulta: Questão (10 pontos): Seja f uma função derivável e seja g x f x UIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ CALCULO e PROVA DE TRASFERÊCIA ITERA, EXTERA E PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR 9/6/ CADIDATO: CURSO PRETEDIDO: OBSERVAÇÕES: Prov sem cosult. A prov pode ser feit

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE ASSUNTO: SOMAÇÃO E ÁRAS E INTEGRAIS DEFINIDAS. INTEGRAIS DEFINIDAS

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE ASSUNTO: SOMAÇÃO E ÁRAS E INTEGRAIS DEFINIDAS. INTEGRAIS DEFINIDAS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ASSUNTO: SOMAÇÃO E ÁRAS E INTEGRAIS DEFINIDAS. PROFESSOR: MARCOS AGUIAR CÁLCULO II INTEGRAIS DEFINIDAS. NOTAÇÃO DE SOMAÇÃO

Leia mais

Somas de Riemann e Integração Numérica. Cálculo 2 Prof. Aline Paliga

Somas de Riemann e Integração Numérica. Cálculo 2 Prof. Aline Paliga Soms de Riem e Itegrção Numéric Cálculo 2 Prof. Alie Plig Itrodução Problems de tgete e de velocidde Problems de áre e distâci Derivd Itegrl Defiid 1.1 Áres e distâcis 1.2 Itegrl Defiid 1.1 Áres e distâcis

Leia mais

Unidade 2 Progressão Geométrica

Unidade 2 Progressão Geométrica Uidde Progressão Geométric Seuêci e defiição de PG Fórmul do termo gerl Fução expoecil e PG Juros compostos e PG Iterpolção geométric Som dos termos de um PG Seuêci e defiição de PG Imgie ue você tem dus

Leia mais

3 SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES

3 SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES . Itrodução SISTEAS DE EQUAÇÕES INEARES A solução de sistems lieres é um ferrmet mtemátic muito importte egehri. Normlmete os prolems ão-lieres são soluciodos por ferrmets lieres. As fotes mis comus de

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Fluxos de Caixa Séries Uniformes de Pagamento

Elementos de Análise Financeira Fluxos de Caixa Séries Uniformes de Pagamento Elemetos de Aálise Ficeir Fluxos de Cix Séries Uiformes de Pgmeto Fote: Cpítulo 4 - Zetgrf (999) Mtemátic Ficeir Objetiv 2ª. Ed. Editorção Editor Rio de Jeiro - RJ Séries de Pgmetos - Defiição Defiição:

Leia mais

o quociente C representa a quantidade de A por unidade de B. Exemplo Se um objecto custar 2, então 10 objectos custam 20. Neste caso temos 20 :10 2.

o quociente C representa a quantidade de A por unidade de B. Exemplo Se um objecto custar 2, então 10 objectos custam 20. Neste caso temos 20 :10 2. Mtemátic I - Gestão ESTG/IPB Resolução. (i).0 : r 0.000.0 00.0 00 0 0.0 00 0 00.000 00 000.008 90 0.000.000 00 000 008 90.00 00 00 00 9 Dividedo = Divisor x Quociete + Resto.0 = x.008 + 0.000. Num divisão

Leia mais

1. (6,0 val.) Determine uma primitiva de cada uma das seguintes funções. (considere a mudança de variável u = tan 2

1. (6,0 val.) Determine uma primitiva de cada uma das seguintes funções. (considere a mudança de variável u = tan 2 Istituto Superior Técico Deprtmeto de Mtemátic Secção de Álgebr e Aálise o TESTE DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I LMAC, MEBiom e MEFT o Sem. 00/ 5/J/0 - v. Durção: h30m RESOLUÇÃO. 6,0 vl. Determie um

Leia mais

Vamos supor um quadrado com este, divididos em 9 quadradinhos iguais.

Vamos supor um quadrado com este, divididos em 9 quadradinhos iguais. Rdicição O que é, fil, riz qudrd de um úmero? Vmos supor um qudrdo com este, divididos em 9 qudrdihos iguis. Pegdo cd qudrdiho como uidde de áre, podemos dizer que áre do qudrdo é 9 qudrdihos, ou sej,

Leia mais

Sequências Numéricas Progressão Aritmética. Prof.: Joni Fusinato

Sequências Numéricas Progressão Aritmética. Prof.: Joni Fusinato Sequêcis Numérics Progressão Aritmétic Prof.: Joi Fusito joi.fusito@ifsc.edu.br jfusito@gmil.com Sequêci de Fibocci Leordo Fibocci (1170 150) foi um mtemático itlio. Ficou cohecido pel descobert d sequêci

Leia mais

Uma figura plana bem conhecida e que não possui lados é o círculo. Como determinar o perímetro de um círculo?

Uma figura plana bem conhecida e que não possui lados é o círculo. Como determinar o perímetro de um círculo? erímetro A defiição de erímetro de um figur l muits vezes ode ser ecotrd do seguite modo: é som ds medids dos ldos d figur. Ms será que ess defiição é bo? or exemlo, um figur como que segue bixo ossui

Leia mais

Definição: Seja a equação diferencial linear de ordem n e coeficientes variáveis:. x = +

Definição: Seja a equação diferencial linear de ordem n e coeficientes variáveis:. x = + Vléi Zum Medeios & Mihil Lemotov Resolução de Equções Difeeciis Liees po Séies Poto Odiáio (PO) e Poto Sigul (PS) Defiição: Sej equção difeecil lie de odem e coeficietes viáveis: ( ) ( ) b ( ) é dito poto

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

Objetivo. Conhecer a técnica de integração chamada substituição trigonométrica. e pelo eixo Ox. f(x) dx = A.

Objetivo. Conhecer a técnica de integração chamada substituição trigonométrica. e pelo eixo Ox. f(x) dx = A. MÓDULO - AULA Aul Técnics de Integrção Substituição Trigonométric Objetivo Conhecer técnic de integrção chmd substituição trigonométric. Introdução Você prendeu, no Cálculo I, que integrl de um função

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Métodos Matemáticos Aplicados / Cálculo Avançado / Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Métodos Matemáticos Aplicados / Cálculo Avançado / Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire Uiversidde Slvdor UNIFACS Cursos de Egehri Métodos Mtemáticos Aplicdos / Cálculo Avçdo / Cálculo IV Prof: Ilk Rebouçs Freire Série de Fourier Texto : Itrodução. Algus Pré-requisitos No curso de Cálculo

Leia mais

Função Modular. x, se x < 0. x, se x 0

Função Modular. x, se x < 0. x, se x 0 Módulo de um Número Rel Ddo um número rel, o módulo de é definido por:, se 0 = `, se < 0 Observção: O módulo de um número rel nunc é negtivo. Eemplo : = Eemplo : 0 = ( 0) = 0 Eemplo : 0 = 0 Geometricmente,

Leia mais

Matemática /09 - Integral de nido 68. Integral de nido

Matemática /09 - Integral de nido 68. Integral de nido Mtemátic - 8/9 - Integrl de nido 68 Introdução Integrl de nido Sej f um função rel de vriável rel de nid e contínu num intervlo rel I = [; b] e tl que f () ; 8 [; b]: Se dividirmos [; b] em n intervlos

Leia mais

INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA LISTA 2 RADICIAÇÃO

INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA LISTA 2 RADICIAÇÃO INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA Professores: Griel Brião / Mrcello Amdeo Aluo(: Turm: ESTUDO DOS RADICAIS LISTA RADICIAÇÃO Deomi-se riz de ídice de um úmero rel, o úmero rel tl que

Leia mais

Incertezas e Propagação de Incertezas. Biologia Marinha

Incertezas e Propagação de Incertezas. Biologia Marinha Incertezs e Propgção de Incertezs Cursos: Disciplin: Docente: Biologi Biologi Mrinh Físic Crl Silv Nos cálculos deve: Ser coerente ns uniddes (converter tudo pr S.I. e tender às potêncis de 10). Fzer um

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Fculdde de Enenhri, Arquiteturs e Urnismo FEAU Pro. Dr. Serio Pillin IPD/ Físic e Astronomi V Ajuste de curvs pelo método dos mínimos qudrdos Ojetivos: O ojetivo dest ul é presentr o método

Leia mais

0.2 Exercícios Objetivo. (c) (V)[ ](F)[ ] A segunda derivada de f é (4) x 0 2

0.2 Exercícios Objetivo. (c) (V)[ ](F)[ ] A segunda derivada de f é (4) x 0 2 A segud derivd de f é f() = { < 0 0 0 (4) Cálculo I List úmero 07 Logritmo e epoecil trcisio.prcio@gmil.com T. Prcio-Pereir Dep. de Computção lu@: Uiv. Estdul Vle do Acrú 3 de outubro de 00 pági d discipli

Leia mais

TP062-Métodos Numéricos para Engenharia de Produção Interpolação Métodos de Lagrange

TP062-Métodos Numéricos para Engenharia de Produção Interpolação Métodos de Lagrange TP6-Métodos Numéricos pr Egehri de Produção Iterpolção Métodos de grge Prof. Volmir Wilhelm Curitib, 5 Iterpolção Cosiste em determir um fução g() que descreve de form proimd o comportmeto de outr fução

Leia mais

Somatórios e Recorrências

Somatórios e Recorrências Somtórios e Recorrêcis Uiversidde Federl do Amzos Deprtmeto de Eletrôic e Computção Exemplo: MxMi () Problem: Ddo um vetor de iteiros A, ecotrr o mior e o meor elemetos de A O úmero de comprções etre elemetos

Leia mais

Escola de Engenharia de Lorena - USP Cinética Química Capítulo 01 Introdução a Cinética

Escola de Engenharia de Lorena - USP Cinética Química Capítulo 01 Introdução a Cinética 1.1 - ITODUÇÃO O termo ciétic está relciodo movimeto qudo se pes ele prtir de seu coceito físico. tretto, s reções químics, ão há movimeto, ms sim mudçs de composição do meio reciol, o logo d reção. Termodiâmic

Leia mais

6/16/2011. Relações de Girard Relações entre raizes e coeficientes. a x. a 1. Considere-se as raízes i, i=1,2,...n, e P(x) na forma fatorada:

6/16/2011. Relações de Girard Relações entre raizes e coeficientes. a x. a 1. Considere-se as raízes i, i=1,2,...n, e P(x) na forma fatorada: 66 Numero de Rizes Reis Teorem de Bolzo Sej = um equção lgébric com coeficietes reis,b. Se b , etão eiste um úmero pr de rízes reis, ou ão eistem

Leia mais

FUNÇÕES EXPONENCIAIS E LOGARÍTMICAS - ITA. Equações Exponenciais

FUNÇÕES EXPONENCIAIS E LOGARÍTMICAS - ITA. Equações Exponenciais FUNÇÕES EXPONENCIAIS E LOGARÍTMICAS - ITA Equções Epoeciis... Fução Epoecil..4 Logritmos: Proprieddes 6 Fução Logrítmic. Equções Logrítmics...5 Iequções Epoeciis e Logrítmics.8 Equções Epoeciis 0. (ITA/74)

Leia mais

QUESTÕES DE 01 A 09. Assinale as proposições verdadeiras, some os valores obtidos e marque os resultados na Folha de Respostas.

QUESTÕES DE 01 A 09. Assinale as proposições verdadeiras, some os valores obtidos e marque os resultados na Folha de Respostas. PROVA DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - SETEMBRO DE ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C GOUVEIA QUESTÕES DE A 9 Assile

Leia mais

Amortização ótima por antecipação de pagamento de dívidas contraídas em empréstimos a juros compostos

Amortização ótima por antecipação de pagamento de dívidas contraídas em empréstimos a juros compostos XXVI ENEGEP - Fortlez, CE, Brsil, 9 de Outubro de 2006 Amortizção ótim por tecipção de pgmeto de dívids cotríds em empréstimos uros compostos Lucio Ndler Lis (UFPE) luciolis@ufpe.br Gertrudes Coelho Ndler

Leia mais

Cálculo Numérico Resolução Numérica de Sistemas Lineares Parte II

Cálculo Numérico Resolução Numérica de Sistemas Lineares Parte II Cálculo Numérico Resolução Numéric de Sistems Lieres Prte II Prof: Reildo Hs Métodos Itertivos Motivção I Ocorrêci em lrg escl de sistems lieres em cálculos de Egehri e modelgem cietífic Eemplos: Simulções

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Resolução dos Exercícios Propostos

Resolução dos Exercícios Propostos Mtemátic Ficeir: Aplicções à Aálise de Ivestimetos 4ª. Edição Resolução dos Exercícios Propostos Etre os méritos deste livro, que fzem dele um dos preferidos pelos estudtes e professores, está explicr

Leia mais

CAPÍTULO VI FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL. LIMITES E CONTINUIDADE

CAPÍTULO VI FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL. LIMITES E CONTINUIDADE 1. Itrodução CAPÍTULO VI FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL. LIMITES E CONTINUIDADE Ddo um qulquer cojuto A R, se por um certo processo se fz correspoder cd A um e um só y = f() R, diz-se que se defiiu um

Leia mais

APOSTILA Cálculo Numérico Universidade Tecnológica Federal do Paraná

APOSTILA Cálculo Numérico Universidade Tecnológica Federal do Paraná APOSTIA Cálculo Numérico Uiversidde Tecológic Federl do Prá UTFPR uro Césr Glvão, Dr. e uiz Ferdo Nues, Dr. Ídices NOÇÕES BÁSICAS SOBRE ERROS...-. ERROS...-. ERROS ABSOUTOS E REATIVOS...-.. Erro Asoluto...-..

Leia mais

Turno Disciplina Carga Horária Licenciatura Plena em

Turno Disciplina Carga Horária Licenciatura Plena em Curso Turo Discipli Crg Horári Licecitur Ple em Noturo Mtemátic Elemetr III 60h Mtemátic Aul Período Dt Coordedor.. 0 6/0/006 ª. feir Tempo Estrtégi Recurso Descrição (Produção) Descrição (Arte) :0 / :

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Integrção Numéric Diogo Pinheiro Fernndes Pedros Universidde Federl do Rio Grnde do Norte Centro de Tecnologi Deprtmento de Engenhri de Computção e Automção http://www.dc.ufrn.br/ 1 Introdução O conceito

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES SISTEMAS LINEARES

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES SISTEMAS LINEARES Universidde Federl do Rio Grnde FURG Instituto de Mtemátic, Esttístic e Físic IMEF Editl 5 - CAPES SISTEMAS LINEARES Prof. Antônio Murício Medeiros Alves Profª Denise Mri Vrell Mrtinez Mtemátic Básic r

Leia mais

ESTABILIDADE. Pólos Zeros Estabilidade

ESTABILIDADE. Pólos Zeros Estabilidade ESTABILIDADE Pólo Zero Etbilidde Itrodução Um crcterític importte pr um item de cotrole é que ele ej etável. Se um etrd fiit é plicd o item de cotrole, etão íd deverá er fiit e ão ifiit, ito é, umetr em

Leia mais

4 SISTEMAS DE ATERRAMENTO

4 SISTEMAS DE ATERRAMENTO 4 SISTEMAS DE ATEAMENTO 4. esistênci de terr Bix frequênci considerr o solo resistivo CONEXÃO À TEA Alt frequênci considerr cpcitânci indutânci e resistênci Em lt frequênci inclui-se s áres de telecomunicções

Leia mais

CÁLCULO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO NA CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO

CÁLCULO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO NA CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO CÁLCULO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO NA CALIRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o NIE-DIMEL-043 APROVADA EM AGO/03 N o 00 0/09 SUMÁRIO Objetvo 2 Cmo Alcção 3 Resosbld

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 3 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 13/03/10

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 3 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 13/03/10 RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: /0/0 PROFESSOR: CARIBÉ Num cert comuidde, 0% ds pessos estvm desempregds. Foi feit um cmph, que durou 6 meses, pr tetr iserir ests pessos

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

MÉTODO NUMÉRICO FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA DE LORENA PROF OSWALDO COBRA.

MÉTODO NUMÉRICO FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA DE LORENA PROF OSWALDO COBRA. MÉTODO NUMÉRICO FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA DE LORENA PROF OSWALDO COBRA oswldocobr@debsfequilbr oswldoluizguimr@itelefoiccombr INTERPOLAÇÃO Vmos supor que possuímos seguite tbel de ddos: X,5, 4,5

Leia mais

SOLUÇÕES DE EDO LINEARES DE 2 A ORDEM NA FORMA INFINITA

SOLUÇÕES DE EDO LINEARES DE 2 A ORDEM NA FORMA INFINITA SOLUÇÕES DE EDO LINEARES DE A ORDEM NA FORMA INFINITA Coforme foi visto é muito simples se obter solução gerl de um EDO lier de ordem coeficietes costtes y by cy em termos ds fuções lgébrics e trscedetes

Leia mais

Método de Eliminação de Gauss. Método de Eliminação de Gauss

Método de Eliminação de Gauss. Método de Eliminação de Gauss Método de Elimição de Guss idei básic deste método é trsormr o sistem b um sistem equivlete b, ode é um mtriz trigulr superior, eectudo trsormções elemetres sobre s lihs do sistem ddo. Cosidere-se o sistem

Leia mais

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes E. E. E. M. ÁREA DE CONHECIMENTO DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROFESSORA ALEXANDRA MARIA º TRIMESTRE/ SÉRIE º ANO NOME: Nº TURMA: Mteril envolvendo estudo de mtrizes e determinntes INSTRUÇÕES:. Este

Leia mais

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt defi departameto de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt stituto Superior de Egeharia do Porto- Departameto de Física Rua Dr. Atóio Berardio de Almeida, 431 4200-072 Porto. T 228 340 500.

Leia mais

Capítulo zero Glossário

Capítulo zero Glossário Cpítulo zero Glossário Esse cpítulo é formdo por tems idispesáveis à mtemátic que, certmete, você deve Ter estuddo de um ou outr form durte su vid escolr. Sempre que tiver dúvids o logo do restte do teto

Leia mais

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x?

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x? INTEGRAIS DEFINIDAS O Prolem d Áre Como determinr áre d região S que está so curv y = f(x) e limitd pels rets verticis x =, x = e pelo eixo x? Um idei é proximrmos região S utilizndo retângulos e depois

Leia mais

Recordando produtos notáveis

Recordando produtos notáveis Recordndo produtos notáveis A UUL AL A Desde ul 3 estmos usndo letrs pr representr números desconhecidos. Hoje você sbe, por exemplo, que solução d equção 2x + 3 = 19 é x = 8, ou sej, o número 8 é o único

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

Sistems Lineres Form Gerl onde: ij ij coeficientes n n nn n n n n n n b... b... b...

Sistems Lineres Form Gerl onde: ij ij coeficientes n n nn n n n n n n b... b... b... Cálculo Numérico Módulo V Resolução Numéric de Sistems Lineres Prte I Profs.: Bruno Correi d Nóbreg Queiroz José Eustáquio Rngel de Queiroz Mrcelo Alves de Brros Sistems Lineres Form Gerl onde: ij ij coeficientes

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

Aula 10 Estabilidade

Aula 10 Estabilidade Aul 0 Estbilidde input S output O sistem é estável se respost à entrd impulso 0 qundo t Ou sej, se síd do sistem stisfz lim y(t) t = 0 qundo entrd r(t) = impulso input S output Equivlentemente, pode ser

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

b) Expressando cada termo em função de sua posição SEQUÊNCIAS c) Por propriedades dos termos Igualdade Lei de Formação a) Por fórmula de recorrência

b) Expressando cada termo em função de sua posição SEQUÊNCIAS c) Por propriedades dos termos Igualdade Lei de Formação a) Por fórmula de recorrência SEQUÊNCIAS Seqüêci ou sucessão é todo cojuto ordedo de úmeros que escrevemos etre prêteses e seprdos um um por vírguls ou poto e vírgul. Exemplos: (, 8, 6,,, 8,, 5) (,, 5, 7,,, 7, 9...) (4, 7, 0,, 6, 9...)

Leia mais

Vale ressaltar que um programa foi desenvolvido em MatLab para solucionar os sistemas de equações propostos.

Vale ressaltar que um programa foi desenvolvido em MatLab para solucionar os sistemas de equações propostos. MSc Alexdre Estácio Féo Associção Educciol Dom Bosco - Fculdde de Egehri de Resede Cix Postl: 8.698/87 - CEP: 75-97 - Resede - RJ Brsil Professor e Doutordo de Egehri efeo@uifei.edu.br Resumo: Neste trblho

Leia mais

3 Teoria dos Conjuntos Fuzzy

3 Teoria dos Conjuntos Fuzzy 0 Teori dos Conjuntos Fuzzy presentm-se qui lguns conceitos d teori de conjuntos fuzzy que serão necessários pr o desenvolvimento e compreensão do modelo proposto (cpítulo 5). teori de conjuntos fuzzy

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática Vestibulr UFRG 0 Resolução d Prov de Mtemátic 6. Alterntiv (C) 00 bilhões 00. ( 000 000 000) 00 000 000 000 0 7. Alterntiv (B) Qundo multiplicmos dois números com o lgrismo ds uniddes igul 4, o lgrismo

Leia mais

6.1: Séries de potências e a sua convergência

6.1: Séries de potências e a sua convergência 6 SÉRIES DE FUNÇÕES 6: Séries de potêcis e su covergêci Deiição : Um série de potêcis de orm é um série d ( ) ( ) ( ) ( ) () Um série de potêcis de é sempre covergete pr De cto, qudo, otemos série uméric,

Leia mais

EXERCÍCIOS: d) 1.1 = e) = f) = g) 45.45= Potenciação de um número é o produto de fatores iguais a esse número; h)

EXERCÍCIOS: d) 1.1 = e) = f) = g) 45.45= Potenciação de um número é o produto de fatores iguais a esse número; h) d). = e).. = f).. = Potecição de um úmero é o produto de ftores iguis esse úmero; ) =. = 9 ) =.. = (OBS.: os úmeros:. são ditos ftores, ou ses) g).= h) 8.8.8= i) 89.89.89 = EXERCÍCIOS: 0. Sedo =, respod:

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

ESTATÍSTICA APLICADA. 1 Introdução à Estatística. 1.1 Definição

ESTATÍSTICA APLICADA. 1 Introdução à Estatística. 1.1 Definição ESTATÍSTICA APLICADA 1 Introdução à Esttístic 1.1 Definição Esttístic é um áre do conhecimento que trduz ftos prtir de nálise de ddos numéricos. Surgiu d necessidde de mnipulr os ddos coletdos, com o objetivo

Leia mais

Função Logaritmo - Teoria

Função Logaritmo - Teoria Fução Logritmo - Teori Defiição: O ritmo de um úmero rel positivo, bse IR { } podemos escrever Resumido temos: +, é o úmero rel tl que, equivletemete E: 7 8 8 8 8 7 * { }, IR { } * +, IR + Usdo que fução

Leia mais

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo.

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo. TRIGONOMETRIA A trigonometri é um prte importnte d Mtemátic. Começremos lembrndo s relções trigonométrics num triângulo retângulo. Num triângulo ABC, retângulo em A, indicremos por Bˆ e por Ĉ s medids

Leia mais

MÓDULO II POTENCIAÇÃO RADICIAÇÃO

MÓDULO II POTENCIAÇÃO RADICIAÇÃO MÓDULO II POTENCIAÇÃO E RADICIAÇÃO MÓDULO II POTENCIAÇÃO E RADICIAÇÃO O ódulo II é oposto por eeríios evolvedo poteição e rdiição Estos dividido-o e dus prtes pr elhor opreesão ª PARTE: POTENCIAÇÃO DEFINIÇÃO

Leia mais

Aula 02: Revisão de Probabilidade e Estatística. Sumário. O que é estatística 02/04/2014. Prof. Leonardo Menezes Tópicos em Telecomunicações

Aula 02: Revisão de Probabilidade e Estatística. Sumário. O que é estatística 02/04/2014. Prof. Leonardo Menezes Tópicos em Telecomunicações // Aul : Revisão de Probbilidde e sttístic Prof. Leonrdo Menezes Tóicos em Telecomunicções Sumário O que é esttístic O que é robbilidde Vriáveis letóris Distribuição de Probbilidde Alicções Mementos O

Leia mais

2 - Modelos em Controlo por Computador

2 - Modelos em Controlo por Computador Modelção, Idetificção e Cotrolo Digitl 2-Modelos e Cotrolo por Coputdor 2 - Modelos e Cotrolo por Coputdor Objectivo: Itroduzir clsse de odelos digitis que são epregues est discipli pr o projecto de cotroldores

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 3ª MENSAL - 3º TRIMESTRE TIPO A

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 3ª MENSAL - 3º TRIMESTRE TIPO A PROVA DE FÍSICA º ANO - ª MENSAL - º TRIMESTRE TIPO A 0) Aalise as afirativas abaixo. I. A lete atural do osso olho (cristalio) é covergete, ois gera ua iage virtual, eor e direita a retia. II. Istruetos

Leia mais