Matemática 1 Professor Paulo Cesar Pfaltzgraff Ferreira. Sumário

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Matemática 1 Professor Paulo Cesar Pfaltzgraff Ferreira. Sumário"

Transcrição

1 Mtemátic Professor Pulo Cesr Pfltgrff Ferreir i Sumário Uidde Revisão de Tópicos Fudmetis do Esio Médio Apresetção Simologi Mtemátic mis usul Cojutos Numéricos Operções com Números Reltivos Som ou Adição Sutrção ou Difereç Multiplicção Divisão Potecição Rdicição Produto Expoete Nulo Expoete Negtivo Expoete Frcioário Emprego de Potêcis de De pr simplificr represetção de certos úmeros Produtos Notáveis Qudrdo de um iômio Produto d Som de dois termos pel difereç etre eles Cuo de um iômio Equções Equção do.º gru com um Icógit Equção do.º gru com um Icógit Progressão Aritmétic (P. A Defiição Clssificção Termo Gerl Proprieddes Som dos primeiros termos de um P. A....8 Progressão Geométric (P. G Defiição Clssificção Termo Gerl Proprieddes Som dos primeiros termos de um P. G....9 Coordeds Crtesis o Plo....0 Equção reduid d Ret Noção de Aplicção.... Exercícios Propostos.... Resposts dos Exercícios Propostos Números Complexos Itrodução Potêcis de j Represetções e Forms de um Número Complexo... Represetções... As Fórmuls de Euler e sus decorrêcis... c Forms... c. Crtesi ou Retgulr... c. Trigoométric...

2 Mtemátic Professor Pulo Cesr Pfltgrff Ferreir ii c. Expoecil ou de Euler... c. Polr ou de Steimet... c. Algums Forms Polres Especiis c.6 Complexo Cojugdo Operções com Números Complexos... 6 Iguldde... 6 Adição e Sutrção... 6 c Multiplicção d Divisão e Potecição... 7 f Rdicição Desiguldde do Triâgulo Curvs e Regiões o Plo Complexo... 8 Circuferêci... 8 Disco Fechdo c Disco Aerto d Exterior d Circuferêci e Coro Fechd f Coro Aert g Circuferêci Uitári h Ret que ue dois potos Exercícios Propostos sore Números Complexos Resposts dos Exercícios Propostos sore Números Complexos Uidde Somtórios, Produtórios e um Itrodução às Medids de Posição.... Itrodução os Somtórios.... Defiição forml de somtório Proprieddes dos Somtórios Somtório Duplo.... Propriedde dos Somtórios Duplos Exercícios Propostos sore Somtórios Resposts dos Exercícios Propostos sore Somtórios....8 Itrodução os Produtórios....9 Defiição Forml de Produtório....0 Proprieddes dos Produtórios.... Exercícios Propostos sore Produtórios Resposts dos Exercícios sore Produtórios Itrodução às Medids de Posição Médi Aritmétic Ddos Não-grupdos Médi Aritmétic Ddos Agrupdos....6 Médi Gerl....7 Médi Geométric Ddos Não-grupdos....8 Médi Geométric Ddos Agrupdos....9 Médi Hrmôic Ddos Não-grupdos....0 Médi Hrmôic Ddos Agrupdos Exercícios Propostos sore Medids de Posição Exercícios de Revisão sore Medids de Posição.... Resposts dos Exercícios Propostos sore Medids de Posição.... Resposts dos Exercícios de Revisão sore Medids de Posição... Uidde Mtries, um primeiro efoque..... Apresetção..... Itrodução Históric...

3 Mtemátic Professor Pulo Cesr Pfltgrff Ferreir iii.. Coceitos Fudmetis..... Mtries Especiis e Operções com Mtries Mtri Lih Mtri Colu Mtri Qudrd Mtri Trigulr Mtri Digol Mtri Esclr Mtri Idetidde ou Mtri Uidde Mtri Nul ou Mtri Zero Iguldde de Mtries Trsposição de mtries Mtri Opost Mtri Cojugd Mtri Simétric Mtri Ati-simétric Mtri Hermiti Mtri Ati-hermiti Som ou Adição de Mtries Sutrção ou Difereç de Mtries Produto de um Número Complexo por um Mtri Produto de Mtries Mtri Periódic Mtri Idempotete Mtri Nilpotete ou Nulipotete Poliômio de um Mtri Mtries em Blocos ou Prtição de Mtries Exercícios Propostos....6 Resposts dos Exercícios Propostos... 8

4 Mtemátic Professor Pulo Cesr Pfltgrff Ferreir Uidde Revisão de Tópicos Fudmetis do Esio Médio. Apresetção Est é primeir uidde d discipli Mtemátic dos cursos d áre de Iformátic d Uiversidde Estácio de Sá. Devido à flgrte heterogeeidde dos luos, e já tedo tido váris turms teriores de experiêci, optmos por presetr, mesmo que de form sucit, lgus ssutos ásicos que etedemos como sedo solutmete fudmetis pr o restte do curso, e espermos que os estudtes que estejm for do om comte há lgum tempo, ou há muito tempo, possm colocr sus idéis de ovo em ordem, e os coceitos fudmetis os seus devidos lugres.. Simologi Mtemátic mis usul (igul à Espermos que o estudte coheç seguite simologi: (diferete de c φ ou {} (cojuto vio d (pertece à e (ão pertece à f (está cotido g (ão está cotido h (cotém i / (ão cotém j (existe pelo meos um k / (ão existe l (existe e é úico m (tl que / tis que (ou o (e p A B (iterseção dos cojutos A e B q A B (uião dos cojutos A e B

5 Mtemátic Professor Pulo Cesr Pfltgrff Ferreir r (pr todo e qulquer, qulquer que sej s (implic t (implic e recíproc é equivlete u (dode se coclui. Cojutos Numéricos É lógico que, pr Mtemátic, os cojutos de mior importâci são queles formdos por úmeros, e certos cojutos uméricos são especilmete importtes devido às proprieddes ds operções etre seus elemetos e, portto, receem omes especiis, quis sejm: N Z { 0,,,,,Κ } é o cojuto dos úmeros iteiros ão-egtivos. { Κ,,,, 0,,,, Κ } é o cojuto dos úmeros iteiros. p c Q x x sedo p Z, q Z e q 0. q É o cojuto dos úmeros rciois. São exemplos de úmeros rciois:, São exemplos de úmeros irrciois: logritmos eperios, 9, 8, etc. π,9κ (pi, e,788κ (se dos,κ,,70κ, etc. d R é o cojuto dos úmeros reis, formdos por todos os úmeros rciois e irrciois, e costummos ssocir tis úmeros os potos de um ret que, por defiição, é ifiit em mos os setidos. 0 Fig.. Represetção gráfic de lgus elemetos do cojuto R. e C { x jy}, sedo x R, y R e j, é o cojutos dos úmeros complexos (voltremos tl ssuto seção..

6 Mtemátic Professor Pulo Cesr Pfltgrff Ferreir 6 Qudo icluímos o símolo * (sterisco, estmos idicdo que o ero foi excluído do cojuto. Assim, temos: f N * {,,,,, Κ } { x x N e x 0} é o cojuto dos úmeros turis. g Z * { x x Z e x 0} h Q * { x x Q e x 0} i R * { x x R e x 0} j C * { x x C e x 0} Qudo icluímos o símolo (mis, estmos idicdo que form excluídos todos os úmeros egtivos dos cojuto. k Z { x x Z e x 0} N é o cojuto dos úmeros iteiros ão egtivos. l Q { x x Q e x 0} é o cojuto dos úmeros rciois ão egtivos m R { x x R e x 0} é o cojuto dos úmeros reis ão egtivos. Qudo crescetmos o símolo (meos estmos idicdo que form excluídos todos os úmeros positivos do cojuto. Assim, temos: Z { x x Z e x 0} é o cojuto dos úmeros iteiros ão positivos. o Q { x x Q e x 0} é o cojutos dos úmeros rciois ão positivos. p R { x x R e x 0} é o cojuto dos úmeros reis ão positivos. Devemos otr que o ero é elemeto dos cojutos Z, Z, Q, Q, R, R. Se excluímos o ero destes cojutos, teremos: * q Z { x x Z e x > 0} * r Z { x x Z e x < 0}

7 Mtemátic Professor Pulo Cesr Pfltgrff Ferreir 7 * s Q { x x Q e x > 0} * t Q { x x Q e x < 0} * u R { x x R e x > 0} * v R { x x R e x < 0} * * O cojuto R é chmdo cojuto dos úmeros reis estritmete positivos e R é o cojuto dos úmeros reis estritmete egtivos. Os outros têm omes semelhtes. Notemos propriedde: N * Z Q R C isto é, todo úmero turl é iteiro, todo úmero iteiro é rciol, todo úmero rciol é rel e todo úmero rel é tmém complexo.. Operções com Números Reltivos Ilustrção.: Números reltivos 0.. Som ou Adição Qudo os úmeros têm o mesmo sil st coservá-lo e dicior os úmeros; qudo os siis são cotrários sutrímos o meor do mior, e o sil que prevlece é o deste último. É om lemrr tmém que o sil mis ( tes de um prêtese ão vi lterr o sil do úmero que está etre prêteses, ocorredo o oposto qudo o sil tes do prêtese for o de (. Se ão houver ehum sil tes do prêtese estrá implícito que o sil será o de mis (. ILUSTRAÇÃO. ( 0 ( 0 ( 0 ( 0 8 c ( 0 ( 0 8 d ( 0 ( 0

8 Mtemátic Professor Pulo Cesr Pfltgrff Ferreir 8 Qudo devemos somr mis de dois úmeros reltivos o resultdo é otido somdo o primeiro com o segudo, o resultdo otido com o terceiro, e ssim por dite té últim prcel. ILUSTRAÇÃO. ( ( ( 7 ( ( ( ( 7 ( ( ( ( ( ( ( Podemos tmém dicior seprdmete tods s prcels positivs e tods s egtivs e, em seguid, somr os dois úmeros de siis cotrários otidos. ILUSTRAÇÃO. Efetudo som do exemplo terior, temos: som ds prcels positivs: ( ( ( som ds prcels egtivs: ( ( 7 0 som de mos os resultdos: ( ( 0.. Sutrção ou Difereç Cumpre oservr que o sil de meos ( tes de um prêtese troc o sil do úmero que está etre prêteses e, o mis, procedemos como operção terior.

9 Mtemátic Professor Pulo Cesr Pfltgrff Ferreir 9 ILUSTRAÇÃO. ( 0 ( 0 8 ( 0 ( 0 c ( 0 ( 0 d ( 0 ( 0 8 Pr s operções de multiplicção e divisão que virão logo seguir vle seguite regr: Números de mesmo sil dão sempre resultdo positivo, equto que os de siis cotrários coduem sempre à resultdos egtivos... Multiplicção Ilustrção.6 ( 0 ( 0 ( 0 ( 0 c ( 0 ( 0 d ( 0 ( 0.. Divisão Ilustrção.7 ( 0 ( ( 0 ( c ( 0 ( d ( 0 (

10 Mtemátic Professor Pulo Cesr Pfltgrff Ferreir 0.. Potecição Qudo, em um multiplicção, os ftores são todos iguis, em módulo e em sil, est operção recee o ome de potecição. Assim sedo, potêci de um úmero é o produto de ftores iguis este úmero, sedo represetd por: p expoete (.º de repetições dos ftores iguis se (é o úmero ou ftor em questão Coforme veremos seguir, tod potêci de expoete pr é positiv, qulquer que sej o sil d se, porém, tod potêci de expoete ímpr tem o sil de se. Ilustrção.8 ( ( ( ( ( 6 ( ( ( ( ( 6 c ( ( ( ( 8 d ( ( ( ( 8 Pr executr potecição de um úmero reltivo em um miiclculdor, seqüêci de operções é simples: ( Determir :.º Digitmos se (.º Pressiomos tecl expoecil que depede do modelo d miiclculdor. x y y x (CASIO modelo fx-8lb ou (CASIO modelo fx-600 G,.º Digitmos o expoete (

11 Mtemátic Professor Pulo Cesr Pfltgrff Ferreir.º Pressiomos tecl expoecil que depede do modelo d miiclculdor. EXE (CASIO modelo fx 8LB ou (CASIO modelo fx 600G,.º Vi precer o úmero 6 o visor d clculdor. ( Determir ( : Primeirmete digitmos se (. Em lgums clculdors (CASIO fx 8 LB, por exemplo digitmos o úmero e depois pertmos tecl pr trocr o sil pr meos. Em outrs (CASIO fx 600G pertmos tecl e depois digitmos o úmero. O restte d seqüêci de operções é igul do item : tecl expoecil, expoete... A est ltur é iteresste otr difereç etre potecição seqüecil e potecição esclod, que serão lisds logo seguir. Ilustrção.9 Potecição Seqüecil: [( ] [] 6, que tmém pode ser efetud diretmete mtedo-se se e multiplicdo-se os expoetes: 6 6 Potecição Esclod: que pode ser etedid como 8 6, ou sej:..6 Rdicição

12 Mtemátic Professor Pulo Cesr Pfltgrff Ferreir Ri -ésim de um úmero: Diemos que um úmero é ri -ésim ext de um úmero qudo e el é represetd por Deomi-se rdicição operção pel qul se otém ri -ésim de um úmero. Ns operções exts, rdicição é operção ivers d potecição. Temos etão: O sil é o rdicl O úmero" "é o rdicdo O úmero" "é o ídice do rdicl Assim sedo 9 porque 9 8 porque 8 No cso de ri se di qudrd e ão é usul escrever este ídice o rdicl. No cso de ri se di cúic, ms este ídice prece o rdicl. Vlor lgérico dos rdicis: Se o rdicdo é cosiderdo em vlor soluto (módulo, rdicição é um operção uívoc. No etto, se este rdicdo é um úmero reltivo uicidde, em lgus csos, ão estrá mis grtid e por isso vmos cosiderr três csos:.º Ídice pr e rdicdo positivo. Neste cso o rdicl dmitirá dus ríes reis e simétrics o cojuto dos úmeros reis, em como um pr complexo cojugdo (vide exercício proposto 9, item j d seção...º Ídice ímpr. Sedo o ídice do rdicl um úmero ímpr, temos um ri o cojuto dos úmeros reis, tedo o mesmo sil que o rdicdo, e ( ríes o cojuto dos úmeros complexos (vide exercício proposto 8, item f, d seção...º Ídice pr e rdicdo egtivo.

13 Mtemátic Professor Pulo Cesr Pfltgrff Ferreir Neste cso ão existe ehum vlor do cojuto dos úmeros reis que elevdo o ídice pr sej igul o rdicdo. Este ssuto será orddo seção.. Ilustrção.0.º cso 6 ± 8 pois 6 ± pois ( 8 ( 8 ( ( º cso pois pois ( (.º cso ± j e, coforme já meciodo tl ssuto será orddo seção. Oservção: pelo que foi exposto, se lguém lhe pergutr qul é o vlor de simplesmete. Agor se for pedido o vlor lgérico do 9 teremos etão ±. A determição de ríes trvés de miiclculdors é simples: Determir 6 :. Utilido um CASIO fx-8 LB:.º Digitmos o rdicdo 6.º Pressiomos s tecls d F e.º Digitmos o expoete.º Pressiomos tecl 9, respost e x y fim de covocr operção x.º O úmero prece o visor de clculdor, e devemos ter em mete que se desejmos o vlor lgérico d ri respost complet é ±.. Utilido um CASIO fx-600 G.º Digitmos o ídice.º Pressiomos tecl x.º Digitmos o rdicdo 6.º Pressiomos tecl EXE y

14 Mtemátic Professor Pulo Cesr Pfltgrff Ferreir.º O úmero prece o visor Determir :. Utilido um CASIO fx-8 LB.º Digitmos o vlor e pressiomos tecl pr trocr o seu sil.º Pressiomos s tecls d F e.º Digitmos o ídice.º Pressiomos tecl.º O vlor prece o visor.. Utilido um CASIO fx-600 G.º Digitmos o ídice.º Pressiomos tecl x.º Pressiomos tecl e depois o vlor.º Pressiomos tecl EXE.º O vlor prece o visor. x y fim de covocr operção x Oservção: Devemos otr que s rotis pr clculdors do mesmo fricte (CASIO, ms de modelos diferetes, são totlmete diferetes. O que ão esperr de modelos de outros frictes? Por isso isistimos que cd estudte deve dquirir logo su própri clculdor, fim de se fmilirir com o uso d mesm. y..7 Produto e Divisão de Potêcis de Mesm Bse Pr multiplicr potêcis de mesm se, repetimos se e sommos os expoetes. Pr dividir potêcis de mesm se, repetimos se e sutrímos o expoete do deomidor do expoete do umerdor.

15 Mtemátic Professor Pulo Cesr Pfltgrff Ferreir Ilustrção. c 8 x x 8 x x d I I I ( I Expoete Nulo Tod potêci de expoete ulo é igul à uidde. Ilustrção. 0 Oservção: 0 0 São exceções 0 e, que ão têm qulquer sigificdo umérico, sedo símolos de idetermição, e são orddos em Aálise Mtemátic prte de Limites...9 Expoete Negtivo Tod potêci de expoete egtivo equivle um frção cujo umerdor é uidde e o deomidor é potêci com o expoete positivo ou sej:. ( Ilustrção. 6 9

16 Mtemátic Professor Pulo Cesr Pfltgrff Ferreir 6 Oservções: ª Em coseqüêci do exposto teriormete temos: ( ª Agor podemos oter o mesmo resultdo do item (d d ilustrção por outro cmiho: I I I I I 7..0 Expoete Frcioário Tod potêci de expoete frcioário equivle um ri cujo ídice é o deomidor d frção e cujo rdicdo é se elevd um expoete igul o umerdor, ou sej: p q q p ( Ilustrção. Determir os vlores lgéricos ds seguites operções: ± 6 c ±.. Emprego de Potêcis de De pr simplificr represetção de certos Números

17 Mtemátic Professor Pulo Cesr Pfltgrff Ferreir 7 Ilustrção. No Brsil: * * c 0,000 0 d 0,0 0 Nos E.U.A.:,000 0,000, (* Atigmete represetv-se e milhões, respectivmete por.000 e Já há lgus os olirmse os potos seprtries de clsses, mtedo-se gor um espço etre s mesms.. Produtos Notáveis.. Qudrdo de um iômio ( : ( ( ( ou ( ( ( : ( ( ( ou

18 Mtemátic Professor Pulo Cesr Pfltgrff Ferreir 8 ( (.. Produto d som de dois termos pel difereç etre eles ( ( : ( ( ou ( ( (6.. Cuo de um iômio ( ( ( ( ( ou ( (7 ( ( ( ( ( ou

19 Mtemátic Professor Pulo Cesr Pfltgrff Ferreir 9 ( (8 ( x ( ( x ( x x 0 x Ilustrção.6 ( x y ( x ( x ( y ( y x 0x y 9y c ( x y ( x y ( x ( y x y d ( x y ( x ( x ( y ( x( y ( y 8x 6x y xy 7y e ( x y x ( x ( y ( x( y ( y x 6x y xy 8y.6 Equções.6. Equção do º Gru com um Icógit em que 0. Tod equção do º gru com um icógit pode ser reduid form Su solução é: 0 (9 0 (0 EXEMPLO. Resolver s seguites equções do º gru:

20 Mtemátic Professor Pulo Cesr Pfltgrff Ferreir 0 7 c x y 6 d p q 0 (sedo p 0 Solução: 7 7 x ( x 0x x x 0 6 c y 6 ( y 6y 6y y y 6 d p q 0 p q q p.6. Equção do º Gru com um Icógit A form gerl d equção do º gru com um icógit é:

21 Mtemátic Professor Pulo Cesr Pfltgrff Ferreir ode 0. c 0 ( Vmos etão trsformr equção em outr equivlete, de modo que o primeiro memro sej um qudrdo perfeito do tipo idicdo equção (. Trspodo costte pr o segudo memro, vem: c Multiplicdo por, teremos: c c Somdo os dois memros, result: c d Verificdo que o º memro é um qudrdo perfeito, teremos: ( c e Extrido s ríes qudrds de mos os memros, otemos: ± ± c c ± c ± Δ ( que é cohecid fórmul d Bhskr, ode Δ c...( é o discrimite d equção, e três csos podem ocorrer: º Δ > 0 teremos dus ríes reis e desiguis. º Δ 0 teremos dus ríes reis e iguis. º Δ < 0 ão teremos ríes o cojuto dos úmeros reis, e este cso será orddo seção.. Exemplo. Resolver s seguites equções do º gru: 0 0 c 0

22 Mtemátic Professor Pulo Cesr Pfltgrff Ferreir Solução: 0 c ( 9 Δ c 7 9 ± ± Δ ± c ( 0 Δ c ( ± ± Δ ± ri dupl c 0 c ( < Δ c e est equção ão dmite ríes o cmpo rel. Su solução será presetd suseção.. ( e são s sus ríes. j j.7 Progressão Aritmétic (P.A..7. Defiição É um sucessão de termos (,,,,,,,,, termos Κ Κ

23 Mtemátic Professor Pulo Cesr Pfltgrff Ferreir fiit ou ifiit, sedo que, prtir do º termo iclusive, difereç etre um termo qulquer e o seu tecedete é igul um qutidde costte r, deomid rão d progressão, ou sej: Κ r As seguites seqüêcis são exemplos de P.A.: (, 7,, 7, Κ e r ( x, x t, x t, x 6t Κ x e r t c (,,,, Κ e r 0 7 d 7,, 8,, 9 7 Κ e r e ( 8,,,, Κ 8 e r.7. Clssificção As progressões ritmétics podem ser clssificds de cordo com o vlor d rão r: r > 0 P.A. crescete r 0 P.A. costte ou estcioári r < 0 P.A. decrescete.7. Termo gerl A prtir d defiição, podemos escrever os termos d P.A. d seguite form: r r r r ( r ( r r r r r r r r r Λ ( r Oserve que cd termo é otido diciodo-se o primeiro um úmero de rões r igul à posição do termo meos um uidde, ou sej: r r ( ( ( r r Λ ( r r r

24 Mtemátic Professor Pulo Cesr Pfltgrff Ferreir O termo de ordem d P.A. é ddo, portto, pel fórmul seguir: ( r ( que pode tmém ser otid d seguite meir: r r r r ( r Somdo memro memro ests igulddes otemos expressão do termo de ordem. e ( r ( que é mesm equção teriormete ecotrd..7. Proprieddes I Num P.A. cd termo, prtir do segudo, é médi ritmétic etre o termo precedete e o termo seguite. Com efeito, se Κ,, Κ são termos cosecutivos de um P.A., etão podemos escrever: ou sej, e ( II Em qulquer P.A. limitd, som de dois termos eqüidisttes dos extremos é costte e igul à som dos próprios extremos. Sej pois P.A. limitd, com termos, rão r, e A e B os termos eqüidisttes dos extremos, coforme ilustrdo seguir: ( Κ Κ,, Κ, A,, B,,, p termos p termos

Geometria Analítica e Álgebra Linear

Geometria Analítica e Álgebra Linear Geometri Alític e Álgebr Lier 8. Sistems Lieres Muitos problems ds ciêcis turis e sociis, como tmbém ds egehris e ds ciêcis físics, trtm de equções que relciom dois cojutos de vriáveis. Um equção do tipo,

Leia mais

Capítulo zero Glossário

Capítulo zero Glossário Cpítulo zero Glossário Esse cpítulo é formdo por tems idispesáveis à mtemátic que, certmete, você deve Ter estuddo de um ou outr form durte su vid escolr. Sempre que tiver dúvids o logo do restte do teto

Leia mais

o quociente C representa a quantidade de A por unidade de B. Exemplo Se um objecto custar 2, então 10 objectos custam 20. Neste caso temos 20 :10 2.

o quociente C representa a quantidade de A por unidade de B. Exemplo Se um objecto custar 2, então 10 objectos custam 20. Neste caso temos 20 :10 2. Mtemátic I - Gestão ESTG/IPB Resolução. (i).0 : r 0.000.0 00.0 00 0 0.0 00 0 00.000 00 000.008 90 0.000.000 00 000 008 90.00 00 00 00 9 Dividedo = Divisor x Quociete + Resto.0 = x.008 + 0.000. Num divisão

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA - TURMAS DO

PROVA DE MATEMÁTICA - TURMAS DO PROVA DE MATEMÁTICA - TURMAS DO o ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - MARÇO DE 0. ELABORAÇÃO: PROFESSORES ADRIANO CARIBÉ E WALTER PORTO. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Questão 0. (UDESC SC)

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA. I. Se a expansão decimal de x é infinita e periódica, então x é um número racional. é um número racional.

COMENTÁRIO DA PROVA. I. Se a expansão decimal de x é infinita e periódica, então x é um número racional. é um número racional. COMENTÁRIO DA PROVA Como já er esperdo, prov de Mtemátic presetou um bom úmero de questões com gru reltivmete lto de dificuldde, s quis crcterístic fudmetl foi mescl de dois ou mis tems em um mesm questão

Leia mais

MÓDULO II POTENCIAÇÃO RADICIAÇÃO

MÓDULO II POTENCIAÇÃO RADICIAÇÃO MÓDULO II POTENCIAÇÃO E RADICIAÇÃO MÓDULO II POTENCIAÇÃO E RADICIAÇÃO O ódulo II é oposto por eeríios evolvedo poteição e rdiição Estos dividido-o e dus prtes pr elhor opreesão ª PARTE: POTENCIAÇÃO DEFINIÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO VI FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL. LIMITES E CONTINUIDADE

CAPÍTULO VI FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL. LIMITES E CONTINUIDADE 1. Itrodução CAPÍTULO VI FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL. LIMITES E CONTINUIDADE Ddo um qulquer cojuto A R, se por um certo processo se fz correspoder cd A um e um só y = f() R, diz-se que se defiiu um

Leia mais

EXERCÍCIOS: d) 1.1 = e) = f) = g) 45.45= Potenciação de um número é o produto de fatores iguais a esse número; h)

EXERCÍCIOS: d) 1.1 = e) = f) = g) 45.45= Potenciação de um número é o produto de fatores iguais a esse número; h) d). = e).. = f).. = Potecição de um úmero é o produto de ftores iguis esse úmero; ) =. = 9 ) =.. = (OBS.: os úmeros:. são ditos ftores, ou ses) g).= h) 8.8.8= i) 89.89.89 = EXERCÍCIOS: 0. Sedo =, respod:

Leia mais

ESTABILIDADE. Pólos Zeros Estabilidade

ESTABILIDADE. Pólos Zeros Estabilidade ESTABILIDADE Pólo Zero Etbilidde Itrodução Um crcterític importte pr um item de cotrole é que ele ej etável. Se um etrd fiit é plicd o item de cotrole, etão íd deverá er fiit e ão ifiit, ito é, umetr em

Leia mais

Professor Mauricio Lutz FUNÇÃO EXPONENCIAL

Professor Mauricio Lutz FUNÇÃO EXPONENCIAL Professor Muricio Lutz REVISÃO SOBRE POTENCIAÇÃO ) Expoete iteiro positivo FUNÇÃO EPONENCIAL Se é u uero rel e é iteiro, positivo, diferete de zero e ior que u, expressão represet o produto de ftores,

Leia mais

Método de Exaustão dos Antigos: O Princípio de Eudoxo-Arquimedes

Método de Exaustão dos Antigos: O Princípio de Eudoxo-Arquimedes Método de Exustão dos Atigos: O Pricípio de Eudoxo-Arquimedes Joquim Atóio P. Pito Aluo do Mestrdo em Esio d Mtemátic Número mecográfico: 03037007 Deprtmeto de Mtemátic Pur d Fculdde de Ciêcis d Uiversidde

Leia mais

Vamos supor um quadrado com este, divididos em 9 quadradinhos iguais.

Vamos supor um quadrado com este, divididos em 9 quadradinhos iguais. Rdicição O que é, fil, riz qudrd de um úmero? Vmos supor um qudrdo com este, divididos em 9 qudrdihos iguis. Pegdo cd qudrdiho como uidde de áre, podemos dizer que áre do qudrdo é 9 qudrdihos, ou sej,

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA DE BRASILIA CURSO DE MATEMÁTICA APLICADA

ESCOLA TÉCNICA DE BRASILIA CURSO DE MATEMÁTICA APLICADA AULA 0 POTENCIAÇÃO E RADICIAÇÃO. POTENCIAÇÃO N figur 0- teos o exeplo de u poteci DOIS ELEVADO A TRÊS ou DOIS ELEVADO AO CUBO ou siplesete DOIS AO CUBO. POTENCIAÇÃO Expoete (úero de vezes que o ftor se

Leia mais

MATEMÁTICA BÁSICA. a c ad bc. b d bd EXERCÍCIOS DE AULA. 01) Calcule o valor de x em: FRAÇÕES

MATEMÁTICA BÁSICA. a c ad bc. b d bd EXERCÍCIOS DE AULA. 01) Calcule o valor de x em: FRAÇÕES MATEMÁTICA BÁSICA FRAÇÕES EXERCÍCIOS DE AULA ) Clcule o vlor de x em: A som e sutrção de frções são efetuds prtir d oteção do míimo múltiplo comum dos deomidores. É difícil respoder de imedito o resultdo

Leia mais

Matrizes e Sistemas de equações lineares. D.I.C. Mendes 1

Matrizes e Sistemas de equações lineares. D.I.C. Mendes 1 Mtrizes e Sistems de equções lieres D.I.C. Medes s mtrizes são um ferrmet básic formulção de problems de mtemátic e de outrs áres. Podem ser usds: resolução de sistems de equções lieres; resolução de sistems

Leia mais

Como a x > 0 para todo x real, segue que: a x = y y 1. Sendo f -1 a inversa de f, tem-se que f -1 (y)= log a ( y y 1 )

Como a x > 0 para todo x real, segue que: a x = y y 1. Sendo f -1 a inversa de f, tem-se que f -1 (y)= log a ( y y 1 ) .(TA - 99 osidere s firmções: - Se f: é um fução pr e g: um fução qulquer, eão composição gof é um fução pr. - Se f: é um fução pr e g: um fução ímpr, eão composição fog é um fução pr. - Se f: é um fução

Leia mais

FUNÇÃO EXPONENCIAL. a 1 para todo a não nulo. a. a. a a. a 1. Chamamos de Função Exponencial a função definida por: f( x) 3 x. f( x) 1 1. 1 f 2.

FUNÇÃO EXPONENCIAL. a 1 para todo a não nulo. a. a. a a. a 1. Chamamos de Função Exponencial a função definida por: f( x) 3 x. f( x) 1 1. 1 f 2. 49 FUNÇÃO EXPONENCIAL Professor Lur. Potêcis e sus proprieddes Cosidere os úmeros ( 0, ), mr, N e, y, br Defiição: vezes por......, ( ), ou sej, potêci é igul o úmero multiplicdo Proprieddes 0 pr todo

Leia mais

Quando o polinômio divisor é da forma x + a, devemos substituir no polinômio P(x), x por a, visto que: x + a = x ( a).

Quando o polinômio divisor é da forma x + a, devemos substituir no polinômio P(x), x por a, visto que: x + a = x ( a). POLINÔMIOS II. TEOREMA DE D ALEMBERT O resto d divisão de um poliômio P(x) por x é igul P(). m m Sej, com efeito, P x x x..., um poliômio de x, ordedo segudo s potecis m m decrescetes de x. Desigemos o

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Fluxos de Caixa Séries Uniformes de Pagamento

Elementos de Análise Financeira Fluxos de Caixa Séries Uniformes de Pagamento Elemetos de Aálise Ficeir Fluxos de Cix Séries Uiformes de Pgmeto Fote: Cpítulo 4 - Zetgrf (999) Mtemátic Ficeir Objetiv 2ª. Ed. Editorção Editor Rio de Jeiro - RJ Séries de Pgmetos - Defiição Defiição:

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Z = {, 3, 2, 1,0,1,2,3, }

Z = {, 3, 2, 1,0,1,2,3, } Pricípios Aritméticos O cojuto dos úmeros Iteiros (Z) Em Z estão defiids operções + e. tis que Z = {, 3,, 1,0,1,,3, } A) + y = y + (propriedde comuttiv d dição) B) ( + y) + z = + (y + z) (propriedde ssocitiv

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA HIDRÁULICA APLICADA AD 0195 Prof.: Raimundo Nonato Távora Costa CONDUTOS LIVRES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA HIDRÁULICA APLICADA AD 0195 Prof.: Raimundo Nonato Távora Costa CONDUTOS LIVRES UNVERSDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARA AGRÍCOLA HDRÁULCA APLCADA AD 019 Prof.: Rimudo Noto Távor Cost CONDUTOS LVRES 01. Fudmetos: Os codutos livres e os codutos forçdos, embor tem potos

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

Escola de Engenharia de Lorena - USP Cinética Química Capítulo 01 Introdução a Cinética

Escola de Engenharia de Lorena - USP Cinética Química Capítulo 01 Introdução a Cinética 1.1 - ITODUÇÃO O termo ciétic está relciodo movimeto qudo se pes ele prtir de seu coceito físico. tretto, s reções químics, ão há movimeto, ms sim mudçs de composição do meio reciol, o logo d reção. Termodiâmic

Leia mais

Geometria Analítica e Álgebra Linear

Geometria Analítica e Álgebra Linear NOTS E U Geometri lític e Álger ier Sistems de Equções ieres Professor: ui Ferdo Nues, r Geometri lític e Álger ier ii Ídice Sistems de Equções ieres efiições Geris Iterpretção Geométric de Sistems de

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

MÓDULO IV. EP.02) Determine o valor de: a) 5 3 = b) 3 4 = c) ( 4) 2 = d) 4 2 = EP.03) Determine o valor de: a) 2 3 = b) 5 2 = c) ( 3) 4 = d) 3 4 =

MÓDULO IV. EP.02) Determine o valor de: a) 5 3 = b) 3 4 = c) ( 4) 2 = d) 4 2 = EP.03) Determine o valor de: a) 2 3 = b) 5 2 = c) ( 3) 4 = d) 3 4 = MÓDULO IV. Defiição POTENCIACÃO Qudo um úmero é multiplicdo por ele mesmo, dizemos que ele está elevdo o qudrdo, e escrevemos:. Se um úmero é multiplicdo por ele mesmo váris vezes, temos um potêci:.. (

Leia mais

FUNÇÕES EXPONENCIAIS E LOGARÍTMICAS - ITA. Equações Exponenciais

FUNÇÕES EXPONENCIAIS E LOGARÍTMICAS - ITA. Equações Exponenciais FUNÇÕES EXPONENCIAIS E LOGARÍTMICAS - ITA Equções Epoeciis... Fução Epoecil..4 Logritmos: Proprieddes 6 Fução Logrítmic. Equções Logrítmics...5 Iequções Epoeciis e Logrítmics.8 Equções Epoeciis 0. (ITA/74)

Leia mais

Lista de Exercícios 01 Algoritmos Sequência Simples

Lista de Exercícios 01 Algoritmos Sequência Simples Uiversidde Federl do Prá UFPR Setor de Ciêcis Exts / Deprtmeto de Iformátic DIf Discipli: Algoritmos e Estrutur de Ddos I CI055 Professor: Dvid Meotti (meottid@gmil.com) List de Exercícios 0 Algoritmos

Leia mais

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo.

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo. TRIGONOMETRIA A trigonometri é um prte importnte d Mtemátic. Começremos lembrndo s relções trigonométrics num triângulo retângulo. Num triângulo ABC, retângulo em A, indicremos por Bˆ e por Ĉ s medids

Leia mais

INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA LISTA 2 RADICIAÇÃO

INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA LISTA 2 RADICIAÇÃO INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA Professores: Griel Brião / Mrcello Amdeo Aluo(: Turm: ESTUDO DOS RADICAIS LISTA RADICIAÇÃO Deomi-se riz de ídice de um úmero rel, o úmero rel tl que

Leia mais

Unidade 2 Progressão Geométrica

Unidade 2 Progressão Geométrica Uidde Progressão Geométric Seuêci e defiição de PG Fórmul do termo gerl Fução expoecil e PG Juros compostos e PG Iterpolção geométric Som dos termos de um PG Seuêci e defiição de PG Imgie ue você tem dus

Leia mais

3 SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES

3 SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES . Itrodução SISTEAS DE EQUAÇÕES INEARES A solução de sistems lieres é um ferrmet mtemátic muito importte egehri. Normlmete os prolems ão-lieres são soluciodos por ferrmets lieres. As fotes mis comus de

Leia mais

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas.

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas. COLÉGIO PEDRO II U. E. ENGENHO NOVO II Divisão Gráfi de segmentos e Determinção gráfi de epressões lgéris (qurt e tereir proporionl e médi geométri). Prof. Sory Izr Coord. Prof. Jorge Mrelo TURM: luno:

Leia mais

1- SOLUÇÃO DE SISTEMAS LINEARES E INVERSÃO DE MATRIZES

1- SOLUÇÃO DE SISTEMAS LINEARES E INVERSÃO DE MATRIZES - SOLUÇÃO DE SISTEMAS LINEARES E INVERSÃO DE MATRIZES.- Métodos etos pr solução de sistems lieres Métodos pr solução de sistems de equções lieres são divididos priciplmete em dois grupos: ) Métodos Etos:

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

Cálculo II. Eliezer Batista Elisa Zunko Toma Márcio Rodolfo Fernandes Silvia Martini de Holanda Janesch

Cálculo II. Eliezer Batista Elisa Zunko Toma Márcio Rodolfo Fernandes Silvia Martini de Holanda Janesch Cálculo II Eliezer Btist Elis Zuko Tom Márcio Rodolfo Ferdes Silvi Mrtii de Hold Jesch ª Edição Floriópolis, Govero Federl Presidete d Repúblic: Dilm V Rousseff Miistro de Educção: Aloízio Mercdte Coordedor

Leia mais

SISTEMAS DE TEMPO DISCRETO DESCRITO POR EQUAÇÕES A DIFERENÇA

SISTEMAS DE TEMPO DISCRETO DESCRITO POR EQUAÇÕES A DIFERENÇA SISTEMAS DE TEMPO DISCRETO DESCRITO POR EQUAÇÕES A DIFEREÇA ( ( x( Coeficiete costte. ( ( x ( Coeficiete vriável (depedete do tempo. Aplicmos x( pr e cosidermos codição iicil ( ( ( M ( ( ( ( x( x( ( x(

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Resolução Numérica de Sistemas Lineares Parte II

Resolução Numérica de Sistemas Lineares Parte II Cálculo Numérico Resolução Numéric de Sistems Lieres Prte II Prof Jorge Cvlcti jorgecvlcti@uivsfedubr MATERIAL ADAPTADO DOS SLIDES DA DISCIPLINA CÁLCULO NUMÉRICO DA UFCG - wwwdscufcgedubr/~cum/ Sistems

Leia mais

PROF. GILMAR AUGUSTO PROF. GILMAR AUGUSTO

PROF. GILMAR AUGUSTO PROF. GILMAR AUGUSTO MÚLTIPLOS E DIVISORES - (Of. Justiç Bttis e Adrdi). Ds firmtivs: - O úmero zero é o úico úmero pr que é primo; - O úmero ão é primo em composto; - Os úmeros que têm mis de dois divisores são chmdos úmeros

Leia mais

FICHA DE TRABALHO N.º 3 MATEMÁTICA A - 10.º ANO RADICAIS E POTÊNCIAS DE EXPOENTE RACIONAL

FICHA DE TRABALHO N.º 3 MATEMÁTICA A - 10.º ANO RADICAIS E POTÊNCIAS DE EXPOENTE RACIONAL Rdicis e Potêcis de Expoete Rciol Site: http://recursos-pr-mtemtic.webode.pt/ FIH E TRLHO N.º MTEMÁTI - 0.º NO RIIS E POTÊNIS E EXPOENTE RIONL ohece Mtemátic e domirás o Mudo. Glileu Glilei GRUPO I ITENS

Leia mais

b) Expressando cada termo em função de sua posição SEQUÊNCIAS c) Por propriedades dos termos Igualdade Lei de Formação a) Por fórmula de recorrência

b) Expressando cada termo em função de sua posição SEQUÊNCIAS c) Por propriedades dos termos Igualdade Lei de Formação a) Por fórmula de recorrência SEQUÊNCIAS Seqüêci ou sucessão é todo cojuto ordedo de úmeros que escrevemos etre prêteses e seprdos um um por vírguls ou poto e vírgul. Exemplos: (, 8, 6,,, 8,, 5) (,, 5, 7,,, 7, 9...) (4, 7, 0,, 6, 9...)

Leia mais

Reforço Orientado. Matemática Ensino Médio Aula 4 - Potenciação. Nome: série: Turma: t) (0,2) 4. a) 10-2. b) (-2) -2. 2 d) e) (0,1) -2.

Reforço Orientado. Matemática Ensino Médio Aula 4 - Potenciação. Nome: série: Turma: t) (0,2) 4. a) 10-2. b) (-2) -2. 2 d) e) (0,1) -2. Reforço Orientdo Mtemátic Ensino Médio Aul - Potencição Nome: série: Turm: Exercícios de sl ) Clcule s potêncis, em cd qudro: r) b) (-) Qudro A s) t) (0,) Qudro B - b) (-) - e) (-,) g) (-) h) e) (0,) -

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

Definição: Seja a equação diferencial linear de ordem n e coeficientes variáveis:. x = +

Definição: Seja a equação diferencial linear de ordem n e coeficientes variáveis:. x = + Vléi Zum Medeios & Mihil Lemotov Resolução de Equções Difeeciis Liees po Séies Poto Odiáio (PO) e Poto Sigul (PS) Defiição: Sej equção difeecil lie de odem e coeficietes viáveis: ( ) ( ) b ( ) é dito poto

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE ASSUNTO: SOMAÇÃO E ÁRAS E INTEGRAIS DEFINIDAS. INTEGRAIS DEFINIDAS

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE ASSUNTO: SOMAÇÃO E ÁRAS E INTEGRAIS DEFINIDAS. INTEGRAIS DEFINIDAS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ASSUNTO: SOMAÇÃO E ÁRAS E INTEGRAIS DEFINIDAS. PROFESSOR: MARCOS AGUIAR CÁLCULO II INTEGRAIS DEFINIDAS. NOTAÇÃO DE SOMAÇÃO

Leia mais

No que segue, apresentamos uma definição formal para a exponenciação. Se a 0, por definição coloca-se a a a, a a a a e assim por diante. Ou.

No que segue, apresentamos uma definição formal para a exponenciação. Se a 0, por definição coloca-se a a a, a a a a e assim por diante. Ou. MAT Cálculo Diferecil e Itegrl I RESUMO DA AULA TEÓRICA 3 Livro do Stewrt: Seções.5 e.6. FUNÇÃO EXPONENCIAL: DEFINIÇÃO No ue segue, presetos u defiição forl pr epoecição uisuer R e., pr 2 3 Se, por defiição

Leia mais

UNIDADE 12 FUNÇÕES POLINOMIAIS

UNIDADE 12 FUNÇÕES POLINOMIAIS REVISÃO DA TEORIA MA UNIDADE 2 FUNÇÕES POLINOMIAIS Fuções Polioiis vs Poliôios Diz-se que p: IRIR é u fução polioil qudo eiste úeros 0,,..., tis que, pr todo R, te-se p() = + +... + + 0 Se 0, dizeos que

Leia mais

SISTEMA DE EQUAÇÕES LINEARES

SISTEMA DE EQUAÇÕES LINEARES SISTEM DE EQUÇÕES LINERES Defiição Ddos os úmeros reis b com equção b ode são vriáveis ou icógits é deomid equção lier s vriáveis Os úmeros reis são deomidos coeficietes ds vriáveis respectivmete e b é

Leia mais

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b]

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b] Interl Deinid Se é um unção de, então su interl deinid é um interl restrit à vlores em um intervlo especíico, dimos, O resultdo é um número que depende pens de e, e não de Vejmos deinição: Deinição: Sej

Leia mais

OVINOCULTURA MATEMÁTICA APLICADA A OVINOCULTURA JARDEL LEITE CURSO FIC

OVINOCULTURA MATEMÁTICA APLICADA A OVINOCULTURA JARDEL LEITE CURSO FIC Ministério d Educção - MEC Secretri de Educção Profissionl e Tecnológic (SETEC) Instituto Federl de Educção, Ciênci e Tecnologi do Cerá OVINOCULTURA MATEMÁTICA APLICADA A OVINOCULTURA JARDEL LEITE CURSO

Leia mais

; determine a matriz inversa A -1

; determine a matriz inversa A -1 - REVISÃO MATEMÁTICA Neste cpítulo recordrão-se lgus coceitos de Álger Lier e Aálise Mtemátic que serão ecessários pr o estudo d teori do Método Simple - Mtrizes Iversíveis Defiição Um mtriz A de ordem

Leia mais

SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES

SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES Um problem fudmetl que ormlmete é ecotrdo descrição mtemátic de feômeos físicos é o d solução simultâe de um cojuto de equções. Trduzido pr liuem mtemátic, tis feômeos pssm

Leia mais

PROGRESSÃO GEOMÉTRICA

PROGRESSÃO GEOMÉTRICA Professor Muricio Lutz PROGREÃO GEOMÉTRICA DEFINIÇÃO Progressão geométric (P.G.) é um seüêci de úmeros ão ulos em ue cd termo posterior, prtir do segudo, é igul o terior multiplicdo por um úmero fixo,

Leia mais

a é dita potência do número real a e representa a

a é dita potência do número real a e representa a IFSC / Mteátic Básic Prof. Júlio Césr TOMIO POTENCIAÇÃO [ou Expoecição] # Potêci co Expoete Nturl: Defiição: Ddo u úero iteiro positivo, expressão ultiplicção do úero rel e questão vezes. é dit potêci

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRE. DISCIPLINA Matemática ALUNO(A) GABARITO

AVALIAÇÃO TRIMESTRE. DISCIPLINA Matemática ALUNO(A) GABARITO COORDENAÇÃO ENSINO MÉDIO AVALIAÇÃO - 0 TRIMESTRE NOTA UNIDADE(S): CAMBOINHAS PROFESSOR Equie DISCIPLINA Mtemátic SÉRIE/TURMA O /A E B DATA /0/00 NITERÓI SÃO GONÇALO X X ALUNO(A) GABARITO N IMPORTANTE:.

Leia mais

0,01. Qual a resposta correta à pergunta de Chiquinho, considerandose os valores atribuídos às variáveis pelo professor?

0,01. Qual a resposta correta à pergunta de Chiquinho, considerandose os valores atribuídos às variáveis pelo professor? GABARIO Questão: Chiquiho ergutou o rofessor qul o vlor umérico d eressão + y+ z. Este resodeu-lhe com cert iroi: como queres sber o vlor umérico de um eressão, sem tribuir vlores às vriáveis? Agor, eu

Leia mais

As funções exponencial e logarítmica

As funções exponencial e logarítmica As fuções epoecil e logrítmic. Potêcis em Sej um úmero rel positivo, isto é, * +. Pr todo, potêci, de bse e epoete é defiid como o produto de ftores iguis o úmero rel :...... vezes Pr, estbelece-se 0,

Leia mais

CONJUNTOS NUMÉRICOS Símbolos Matemáticos

CONJUNTOS NUMÉRICOS Símbolos Matemáticos CONJUNTOS NUMÉRICOS Símolos Mtemáticos,,... vriáveis e prâmetros igul A, B,... conjuntos diferente pertence > mior que não pertence < menor que está contido mior ou igul não está contido menor ou igul

Leia mais

Capítulo III. Circuitos Resistivos

Capítulo III. Circuitos Resistivos Cpítulo III Ciruitos esistivos. Itrodução Neste pítulo serão estudds s leis de Kirhhoff, utilizdo-se de iruitos resistivos que são mis filmete lisdos. O estudo desss leis é plido em seguid s deduções de

Leia mais

Revisão de Álgebra Matricial

Revisão de Álgebra Matricial evisão de Álgebr Mtricil Prof. Ptrici Mri ortolo Fote: OLDINI, C. e WETZLE, F.; Álgebr Lier. ª. ed. São Pulo. Editor Hrbr, 986 Álgebr Mtricil D Mtemátic do º. Gru: y ( y ( De( : y Em ( : ( Em ( : y y 8

Leia mais

Progressões 16 2, 32 2 e por aí vai. outubro. julho a10. janeiro a7

Progressões 16 2, 32 2 e por aí vai. outubro. julho a10. janeiro a7 Progressões Itrodução Ao lçrmos um moed, teremos dois resultdos possíveis: cr ou coro. e lçrmos dus moeds diferetes, pssmos ter qutro resultdos diferetes: (cr, cr), (cr, coro), (coro, cr) e (coro, coro).

Leia mais

Matemática C Extensivo V. 6

Matemática C Extensivo V. 6 Mtemátic C Etesivo V 6 Eercícios ) D ) D ) C O vlor uitário do isumo é represetdo por y Portto pelo produto ds mtrizes A e B temos o seguite sistem: 5 5 9 y 5 5y 5y 9 5y 5 Portto: y 4 y 4 As médis uis

Leia mais

SISTEMAS LINEARES. Sendo x e y, respectivamente, o número de pontos que cada jogador marcou, temos uma equação com duas incógnitas:

SISTEMAS LINEARES. Sendo x e y, respectivamente, o número de pontos que cada jogador marcou, temos uma equação com duas incógnitas: SISTEMAS LINEARES Do grego system ( Sy sigific juto e st, permecer, sistem, em mtemátic,é o cojuto de equções que devem ser resolvids juts,ou sej, os resultdos devem stisfzêlos simultemete. Já há muito

Leia mais

Este capítulo tem por objetivo apresentar métodos para resolver numericamente uma integral.

Este capítulo tem por objetivo apresentar métodos para resolver numericamente uma integral. Nots de ul de Métodos Numéricos. c Deprtmeto de Computção/ICEB/UFOP. Itegrção Numéric Mrcoe Jmilso Freits Souz, Deprtmeto de Computção, Istituto de Ciêcis Exts e Biológics, Uiversidde Federl de Ouro Preto,

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA MATEMÁTICA FINANCEIRA Rio de Jeiro / 007 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO UNIDADE I PROGRESSÕES

Leia mais

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA [Digite teto] CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA BELO HORIZONTE MG [Digite teto] CONJUNTOS NÚMERICOS. Conjunto dos números nturis Ν é o conjunto de todos os números contáveis. N { 0,,,,,, K}. Conjunto dos números

Leia mais

9 = 3 porque 3 2 = 9. 16 = 4 porque 4 2 = 16. -125 = - 5 porque (- 5) 3 = - 125. 81 = 3 porque 3 4 = 81. 32 = 2 porque 2 5 = 32 -32 = - 2

9 = 3 porque 3 2 = 9. 16 = 4 porque 4 2 = 16. -125 = - 5 porque (- 5) 3 = - 125. 81 = 3 porque 3 4 = 81. 32 = 2 porque 2 5 = 32 -32 = - 2 COLÉGIO PEDRO II Cpus Niterói Discipli: Mteátic Série: ª Professor: Grziele Souz Mózer Aluo (: Tur: Nº: RADICAIS º Triestre (Reforço) INTRODUÇÃO 9 porque 9 porque - - porque (- ) - 8 porque 8 porque De

Leia mais

Revisão para o Vestibular do Instituto Militar de Engenharia www.rumoaoita.com & Sistema Elite de Ensino

Revisão para o Vestibular do Instituto Militar de Engenharia www.rumoaoita.com & Sistema Elite de Ensino Revisão pr o Vestibulr do Istituto Militr de Egehri wwwrumooitcom Sistem Elite de Esio CÔNICAS (IME-8/8) Determie equção de um círculo que tgeci hipérbole potos em que est hipérbole é ecotrd pel ret os

Leia mais

EXPOENTE. Podemos entender a potenciação como uma multiplicação de fatores iguais.

EXPOENTE. Podemos entender a potenciação como uma multiplicação de fatores iguais. EXPOENTE 2 3 = 8 RESULTADO BASE Podeos entender potencição coo u ultiplicção de ftores iguis. A Bse será o ftor que se repetirá O expoente indic qunts vezes bse vi ser ultiplicd por el es. 2 5 = 2. 2.

Leia mais

{ 2 3k > 0. Num triângulo, a medida de um lado é diminuída de 15% e a medida da altura relativa a esse lado é aumentada

{ 2 3k > 0. Num triângulo, a medida de um lado é diminuída de 15% e a medida da altura relativa a esse lado é aumentada MATEMÁTICA b Sbe-se que o qudrdo de um número nturl k é mior do que o seu triplo e que o quíntuplo desse número k é mior do que o seu qudrdo. Dess form, k k vle: ) 0 b) c) 6 d) 0 e) 8 k k k < 0 ou k >

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

Sequências Numéricas Progressão Aritmética. Prof.: Joni Fusinato

Sequências Numéricas Progressão Aritmética. Prof.: Joni Fusinato Sequêcis Numérics Progressão Aritmétic Prof.: Joi Fusito joi.fusito@ifsc.edu.br jfusito@gmil.com Sequêci de Fibocci Leordo Fibocci (1170 150) foi um mtemático itlio. Ficou cohecido pel descobert d sequêci

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-7 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA Questão Sore números reis, é correto firmr: () Se é o mior número de três lgrismos divisível

Leia mais

0.2 Exercícios Objetivo. (c) (V)[ ](F)[ ] A segunda derivada de f é (4) x 0 2

0.2 Exercícios Objetivo. (c) (V)[ ](F)[ ] A segunda derivada de f é (4) x 0 2 A segud derivd de f é f() = { < 0 0 0 (4) Cálculo I List úmero 07 Logritmo e epoecil trcisio.prcio@gmil.com T. Prcio-Pereir Dep. de Computção lu@: Uiv. Estdul Vle do Acrú 3 de outubro de 00 pági d discipli

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

Matemática Fascículo 03 Álvaro Zimmermann Aranha

Matemática Fascículo 03 Álvaro Zimmermann Aranha Mtemátic Fscículo 03 Álvro Zimmerm Arh Ídice Progressão Aritmétic e Geométric Resumo Teórico... Exercícios...3 Dics...4 Resoluções...5 Progressão Aritmétic e Geométric Resumo teórico Progressão Aritmétic

Leia mais

A potenciação indica multiplicações de fatores iguais. Por exemplo, o produto

A potenciação indica multiplicações de fatores iguais. Por exemplo, o produto POTENCIAÇÃO E RADICIAÇÃO POTENCIAÇÃO A potecição idic ultiplicções de ftores iguis. Por eeplo, o produto... pode ser idicdo for. Assi, o síolo, sedo u úero iteiro e u úero turl ior que, sigific o produto

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Fculdde de Enenhri, Arquiteturs e Urnismo FEAU Pro. Dr. Serio Pillin IPD/ Físic e Astronomi V Ajuste de curvs pelo método dos mínimos qudrdos Ojetivos: O ojetivo dest ul é presentr o método

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Bhaskara e sua turma Cícero Thiago B. Magalh~aes

Bhaskara e sua turma Cícero Thiago B. Magalh~aes 1 Equções de Segundo Gru Bhskr e su turm Cícero Thigo B Mglh~es Um equção do segundo gru é um equção do tipo x + bx + c = 0, em que, b e c são números reis ddos, com 0 Dd um equção do segundo gru como

Leia mais

CONTEÚDO ARTIGOS AOS LEITORES 2. VIII OLIMPÍADA DE MAIO 3 Enunciados e Resultado Brasileiro

CONTEÚDO ARTIGOS AOS LEITORES 2. VIII OLIMPÍADA DE MAIO 3 Enunciados e Resultado Brasileiro CONTEÚDO AOS LEITORES VIII OLIMPÍADA DE MAIO Eucidos e Resultdo Brsileiro XIII OLIMPÍADA DE MATEMÁTICA DO CONE SUL 6 Eucidos, Soluções e Resultdo Brsileiro XLIII OLIMPÍADA INTERNACIONAL DE MATEMÁTICA 7

Leia mais

AULA 1. 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Linguagem Matemática

AULA 1. 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Linguagem Matemática 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Lingugem Mtemátic AULA 1 1 1.2 Conjuntos Numéricos Chm-se conjunto o grupmento num todo de objetos, bem definidos e discerníveis, de noss percepção ou de nosso entendimento, chmdos

Leia mais

NOTAS DE AULA - ÁLGEBRA LINEAR MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS DE EQUAÇOES LINEARES

NOTAS DE AULA - ÁLGEBRA LINEAR MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS DE EQUAÇOES LINEARES NOTS DE U - ÁGER INER TRIZES, DETERINNTES E SISTES DE EQUÇOES INERES ISE C C EITE SVDOR Profª Isel Crisi C eie Álger ier TRIZES Um mri é um grupmeo regulr de úmeros ri de ordem m por é um reâgulo de m

Leia mais

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é Questão 0) Trlhndo-se com log = 0,47 e log = 0,0, pode-se concluir que o vlor que mis se proxim de log 46 é 0),0 0),08 0),9 04),8 0),64 Questão 0) Pr se clculr intensidde luminos L, medid em lumens, um

Leia mais

6.1: Séries de potências e a sua convergência

6.1: Séries de potências e a sua convergência 6 SÉRIES DE FUNÇÕES 6: Séries de potêcis e su covergêci Deiição : Um série de potêcis de orm é um série d ( ) ( ) ( ) ( ) () Um série de potêcis de é sempre covergete pr De cto, qudo, otemos série uméric,

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNICAMP VESTIBULAR 2009 1 a e 2 a Fase RESOLUÇÃO: Professora Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNICAMP VESTIBULAR 2009 1 a e 2 a Fase RESOLUÇÃO: Professora Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNICAMP VESTIBULAR 9 e Fse Professor Mri Atôi Gouvei. FASE _ 9 9. N décd de 96,com redução do úmero de bleis de grde porte,como blei zul, s bleis mike tártic pssrm ser o lvo preferêci

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

uma função real SOLUÇÃO 20 Temos f(x)

uma função real SOLUÇÃO 20 Temos f(x) Priipis otções o ojuto de todos os úmeros reis [,b] = { : b} ],b[ = { : < < b} (,b) pr ordedo gof fução omposto de g e f - mtri ivers d mtri T mtri trspost d mtri det () determite d mtri s uestões de ão

Leia mais

Material Teórico - Números Inteiros e Números Racionais. Números Inteiros e Operações. Sétimo Ano. Prof. Angelo Papa Neto

Material Teórico - Números Inteiros e Números Racionais. Números Inteiros e Operações. Sétimo Ano. Prof. Angelo Papa Neto Mteril Teórico - Números Inteiros e Números Rcionis Números Inteiros e Operções Sétimo Ano Prof. Angelo Pp Neto 1 Introdução os números inteiros Vmos começr considerndo seguinte situção: Pedro tinh R$

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

Cap 5 Equivalência de Métodos

Cap 5 Equivalência de Métodos Cp Equivlêci de Métodos. INTRODUÇÃO Qudo desejmos lisr ltertivs, o primeiro poto cuidr é que els sejm compráveis. ssim, ão fz setido lisr os vlores tuis ( ) de um ssitur de dois os de um revist com um

Leia mais

Resolução de sistemas lineares SME 0200 Cálculo Numérico I

Resolução de sistemas lineares SME 0200 Cálculo Numérico I Resolução de sistems lieres SME Cálculo Numérico I Docete: Prof. Dr. Mrcos Areles Estgiário PAE: Pedro Muri [reles@icmc.usp.br, muri@icmc.usp.br] Itrodução Sistems lieres são de grde importâci pr descrição

Leia mais

Resolução dos Exercícios Propostos

Resolução dos Exercícios Propostos Mtemátic Ficeir: Aplicções à Aálise de Ivestimetos 4ª. Edição Resolução dos Exercícios Propostos Etre os méritos deste livro, que fzem dele um dos preferidos pelos estudtes e professores, está explicr

Leia mais

Progressões Geométricas. Progressões. Aritméticas. A razão é... somada multiplicada. Condição para 3 termos Termo geral. b) 20 c) 40 3.

Progressões Geométricas. Progressões. Aritméticas. A razão é... somada multiplicada. Condição para 3 termos Termo geral. b) 20 c) 40 3. Aritmétics Geométrics A rzão é... somd multiplicd Codição pr termos Termo gerl om dos termos p r p p p q q q q 0) (UNIFEP) e os primeiros qutro termos de um progressão ritmétic são, b, 5, d, o quociete

Leia mais