APOSTILA DE CÁLCULO NUMÉRICO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APOSTILA DE CÁLCULO NUMÉRICO"

Transcrição

1 APOSTILA DE CÁLCULO NUMÉRICO Professor: Willim Wger Mtos Lir Moitor: Ricrdo Albuquerque Ferdes

2 ERROS. Itrodução.. Modelgem e Resolução A utilizção de simuldores uméricos pr determição d solução de um problem requer eecução d seguite seqüêci de etps: Etp : Defiir o problem rel ser resolvido Etp : Observr feômeos, levtr efeitos domites e fzer referêci cohecimetos prévios físicos e mtemáticos Etp 3: Crir modelo mtemático Etp 4: Resolver o problem mtemático Modelgem: Fse de obteção de um modelo mtemático que descreve um problem físico em questão. Resolução: Fse de obteção d solução do modelo mtemático trvés d obteção d solução lític ou uméric.

3 .. Cálculo Numérico O cálculo umérico compreede: A álise dos processos que resolvem problems mtemáticos por meio de operções ritmétics; O desevolvimeto de um seqüêci de operções ritmétics que levem às resposts umérics desejds (Desevolvimeto de lgoritmos); O uso de computdores pr obteção ds resposts umérics, o que implic em escrever o método umérico como um progrm de computdor Esper-se, com isso, obter resposts cofiáveis pr problems mtemáticos. No etto, ão é rro cotecer que os resultdos obtidos estejm disttes do que se esperri obter...3 Fotes de erros Supoh que você está dite do seguite problem: você está em cim de um edifício que ão sbe ltur, ms precis determiá-l. Tudo que tem em mãos é um bol de metl e um croômetro. O que fzer? Cohecemos tmbém equção ode: s é posição fil; s 0 é posição iicil; v 0 é velocidde iicil; t é o tempo percorrido; g é celerção grvitciol. A bolih foi solt do topo do edifício e mrcou-se o croômetro que el levou segudos pr tigir o solo. Com isso podemos coclui prtir d equção cim que ltur do edifício é de 9,6 metros. Ess respost é cofiável? Ode estão os erros? Erros de modelgem: Resistêci do r, Velocidde do veto, Form do objeto, etc. Estes erros estão ssocidos, em gerl, à simplificção do modelo mtemático.

4 Erros de resolução: Precisão dos ddos de etrd (E. Precisão leitur do croômetro. p/ t =,3 segudos, h = 5,9 metros, grvidde); Form como os ddos são rmzedos; Operções umérics efetuds; Erro de trucmeto (troc de um série ifiit por um série fiit).. Represetção uméric Motivção: Eemplo : Clculr áre de um circuferêci de rio 00 metros. ) 340 m b) 346 m c) 345,9654 m Eemplo : Clculr 3000 S = pr = 0. 5 e pr = 0. i i i S pr = 0. 5 S pr = 0. Clculdor Computdor ,9969 Por que ds difereçs? No cso do Eemplo form dmitidos três vlores diferetes pr o úmero π : ) π =3,4 b) π =3,46 c) π =3, Depedêci d proimção escolhid pr π. Aumetdo-se o úmero de dígitos umetmos precisão. Nuc coseguiremos um vlor eto. No cso do Eemplo s difereçs podem ter ocorrido em fução d bse utilizd, d form como os úmeros são rmzedos, ou em virtude dos erros cometidos s operções ritmétics. O cojuto dos úmeros represetáveis em qulquer máqui é fiito, e portto, discreto, ou sej ão é possível represetr em um máqui todos os úmeros de um ddo itervlo [,b]. A represetção de um úmero depede d BASE escolhid e do úmero máimo de dígitos usdos su represetção. i i

5 Qul bse utilizd o osso di--di? Bse deciml (Utiliz-se os lgrismos: 0,,, 3, 4, 5, 6, 7, 8 e 9). Eistem outrs bses: 8 (bse octl),, 60, porém, bse utilizd pel miori dos computdores é bse biári, ode se utiliz os lgrismos 0 e. Os computdores recebem iformção uméric bse deciml, fzem coversão pr su bse ( bse biári) e fzem ov coversão pr eibir os resultdos bse deciml pr o usuário. Eemplos: (000) = (38) 0 (00) = (5) 0.. Represetção de um úmero iteiro Em pricípio, represetção de um úmero iteiro o computdor ão preset qulquer dificuldde. Qulquer computdor trblh itermete com um bse fi β, ode β é um iteiro ; e é escolhido como um potêci de. Assim ddo um úmero iteiro 0, ele possui um úic represetção, = ± ( d d 0... ddd0) = ± ( dβ + d β dβ d0β ) + ode d i é um dígito d bse em questão, o cso de um bse biári d = e d,...,d0 são iguis ou 0 que são os dígitos d bse biári. Eemplos: ) Como seri represetção do úmero 00 um bse β = Portto ( 00) = (00). ( 00) 3 0 = b) Como seri represetção do úmero 997 em um bse β = 0? Logo, 997 = ( 997) =

6 .. Represetção de um úmero rel Se o úmero rel tem prte iteir i, su prte frcioári f = - i pode ser escrit como um som de frções biáris: f = ± ( b b... b b b 0 ( ) ) = ± ( b β + b β d β + d β ) Assim o úmero rel será represetdo jutdo s prtes iteirs e frcioáris, ou sej, ode, possui + lgrismos prte iteir e m+ lgrismos prte frcioári. Eemplo: ) Como seri represetção do úmero 39,8 em um bse deciml? (39,8) 0 0 = ( ) + ( 0 ( 39,8) = (39,8 0 ) ) b) Como seri represetção do úmero ( 4,375) 0 = (?) em um bse biári? ( 4,375) = (0,0 0 ) Precismos sber fzer coversão de bses que é o tópico seguite..3 Coversão etre s bses Coforme dito teriormete, miori dos computdores trblh bse β, ode β é um iteiro ; ormlmete escolhido como um potêci de..3. Biári pr Deciml Eemplos: 3 0 ( 0) = = = (3 ) ) b) ( 00) = = = (5) 0.3. Deciml pr Biári N coversão de um úmero escrito em bse deciml pr um bse biári são utilizdos: o método ds divisões sucessivs pr prte iteir e o método ds multiplicções sucessivs pr coversão d prte frcioári do úmero em questão.

7 - Método ds divisões sucessivs (prte iteir do úmero) ) Divide-se o úmero (iteiro) por ; b) Divide-se por, o quociete d divisão terior; c) Repete-se o processo té o último quociete ser igul. O úmero biário é etão formdo pel cocteção do último quociete com os restos ds divisões, lidos em setido iverso. - Método ds multiplicções sucessivs (prte frcioári do úmero) ) Multiplic-se o úmero (frcioário) por ; b) Do resultdo, prte iteir será o primeiro dígito do úmero bse biári e prte frcioári é ovmete multiplicd por ; c) O processo é repetido té que prte frcioári do último produto sej igul zero Eemplos: ) ( 3) 0 = (?) Quociete Resto 3/ 6 6/ 3 0 3/ Resultdo: ( 3) 0 = (0) b) ( 5) 0 = (?) Quociete Resto 5/ / 6 0 6/ 3 0 3/ Resultdo: ( 5) 0 = (00) c) ( 0,375) 0 = (?) 0,375 0,750 0,750,500 0,500,000 (0,375) 0 =(0,0)

8 c) ( 3,5) 0 = (?) Coverte-se iicilmete prte iteir do úmero: Quociete Resto 3/ 6 7/ 3 0 3/... em seguid coverte-se prte frcioári: ( 0,5) = (0,0 0 ) Resultdo: ( 3,5) 0 = (0,0) 0,5 0,50 0,50,0 Ateção: Nem todo úmero rel bse deciml possui um represetção fiit bse biári. Tete fzer coversão de ( 0,) 0. Est situção ilustr bem o cso de erro de rredodmeto os ddos..3.3 Eercícios Propostos Fç s coversões idicds bio: ) ( 000) = (?) 0 b) ( 000) = (?) 0 c) ( 40,8) 0 = (?) d) ( 0,0) = (?) 0 e) ( 3,8) 0 = (?).4 Arrredodmeto e ritmétic de poto flutute Um úmero é represetdo, itermete, um computdor ou máqui de clculr trvés de um seqüêci de impulsos elétricos que idicm dois estdos: 0 ou, ou sej, os úmeros são represetdos bse biári.

9 De um meir gerl, um úmero é represetdo bse β por: d d d 3 d t e = ± β 3 t β β β β ode: d i - são úmeros iteiros cotidos o itervlo 0 d i β ; i =,,.., t ; e - represet o epoete de β e ssume vlores etre I e S ode I, S - são, respectivmete, limite iferior e superior pr vrição do epoete; d d d 3 d t t é chmd mtiss e é prte do úmero que represet 3 β β β β seus dígitos sigifictivos e t é o úmero de dígitos sigifictivos do sistem de represetção, comumete chmdo de precisão d máqui. Um úmero rel o sistem de ritmétic de poto flutute pode ser escrito tmbém form: e = ± ( 0, ddd3... d t ). β com d 0, pois é o primeiro lgrismo sigifictivo de. Eemplos: ) Escrever os úmeros reis = 0. 35, = 5. 7, = 0. 03, 4 = , e 5 = ode estão todos bse β = 0 em otção de um sistem de ritmétic de poto flutute. Solução: = ( ) 0 = = ( ) 0 = = ( ) 0 0 = = ( ) 0 = = (3 0 ) 0 3 = b) Cosiderdo gor que estmos dite de um máqui que utilize pes três dígitos sigifictivos e que teh como limite iferior e superior pr o epoete, respectivmete, - e, como serim represetdos est máqui os úmeros do eemplo )? Solução: Temos etão pr est máqui t = 3, I = e S =. Dest form e. Sedo ssim temos:

10 = = = = Não pode ser represetdo por est máqui. Erro de overflow == Não pode ser represetdo por est máqui. Erro de uderflow. Um erro de overflow ocorre qudo o úmero é muito grde pr ser represetdo, já um erro de uderflow ocorre codição cotrári, ou sej, qudo um úmero é pequeo demis pr ser represetdo. c) Num máqui de clculr cujo sistem de represetção utilizdo de bse biári, cosiderdo que máqui teh cpcidde pr rmzer um úmero com dez dígitos sigifictivos, com limites iferior e superior pr o epoete de -5 e 5, respectivmete. Como que é represetdo o úmero (5) 0 este sistem?.5 Erros.5. Erros bsoluto, reltivo e percetul Erro bsoluto: Difereç etre o vlor eto de um úmero e seu vlor proimdo obtido prtir de um procedimeto umérico. E = Em gerl pes é cohecido, e o que se fz é ssumir um limitte superior ou um estimtiv pr o módulo do erro bsoluto. Eemplos: ) Sbedo-se que π = (3,4; 3,5) tomremos pr π um vlor detro deste itervlo e teremos, etão, E = π π < b) Sej represetdo por =, 9 de form que E < 0, podemos dizer que (,8; 3,0).

11 c) Sej y represetdo por y = 5, 3 de form que E < 0,, podemos dizer que y (5,; 5,4) Temos que os vlores pr os respectivos erros bsolutos s letrs b e c form idêticos. Podemos firmr que os vlores de e y form represetdos com mesm precisão? O erro bsoluto ão é suficiete pr descrever precisão de um cálculo. Dí mior utilizção do coceito de erro reltivo. Erro reltivo: Erro bsoluto dividido pelo vlor proimdo. y E r = E = Erro percetul: é o erro reltivo em termos percetuis, ou sej: E p = Er 00% Eemplos: ) Sej represetdo por =, 9 de form que E < 0, podemos dizer que (,8; 3,0). E r E = <,, ,7 0 E p = 4, % = 0,0047% b) Sej y represetdo por y = 5, 3 de form que E < 0,, podemos dizer que y (5,; 5,4) y E r y E = y y 0, < 5,3 0,0 E p y = 0,0.00% = Pr vlores próimos de, os erros bsoluto e reltivo, têm vlores muito próimos. Etretto, pr vlores fstdos de, podem ocorrer grdes difereçs, e se deve %

12 escolher um critério dequdo pr podermos vlir se o erro que está sedo cometido é grde ou pequeo..5. Eercícios Propostos. Supoh que tehmos um vlor proimdo de pr um vlor eto de Clculr os erros bsoluto, reltivo e percetul pr este cso.. Supoh que tehmos um vlor proimdo de pr um vlor eto de Clculr os erros bsoluto, reltivo e percetul pr este cso. 3. Cosiderdo os dois csos cim, ode se obteve um proimção com mior precisão? Justifique su respost..5.3 Erro de rredodmeto e trucmeto Dr represetção dos úmeros seguir um sistem de ritmétic de poto flutute de três dígitos pr β = 0, I=-4 e S=4 Represetção por rredodmeto Represetção por trucmeto,5 0,50 0,50 0,053 0,00 0,000-38,5-0, ,380 3,788 0,70 0,7.0 0, Ep< -4 (uderflow) Ep < -4 (uderflow) 7835,8 Ep > 4 (overflow) Ep > 4 (overflow) Qudo se utiliz o rredodmeto os erros cometidos são meores que o trucmeto, o etto o rredodmeto requer um mior tempo de eecução e por est rzão o trucmeto é mis utilizdo. A demostrção de que o rredodmeto icorremos em erros meores que o trucmeto pode ser ecotrd o livro de Cálculo Numérico d Márci Ruggiero e Ver Lopes..5.4 Propgção de erros Será mostrdo um eemplo que ilustr como os erros descritos teriormete podem ifluecir o desevolvimeto de um cálculo. Supohmos que s operções idicds os ites ) e b) sejm processds um máqui com 4 dígitos sigifictivos. ) ( + ) b) + ) (

13 4 Fzedo = e 0 = 0,345 temos: 0 ) ( + ) = (0,345.0 = = 0, ,349.0 ) 0, , b) + ( ) = 0,345.0 = (0, , ,349.0 = 0,345 A cus d difereç s operções teriores foi um rredodmeto que foi feito dição ( + ) do item ), cujo resultdo tem oito dígitos. Como máqui só rmze 4 dígitos, os meos sigifictivos form desprezdos. Ao se utilizr um máqui de clculr deve-se está teto esss prticulriddes cusds pelo erro de rredodmeto, ão só dição, ms tmbém s demis operções. 4 )

14 ZEROS DE FUNÇÕES. Crcterizção Mtemátic Cohecid um fução f(). Determir o vlor * tl que f( * )=0. Deomi-se * de zero d fução f() ou riz d equção f()=0. Solução lític: o Equções lgébrics (poliomiis) do o e o grus; o Certos formtos de equções lgébrics do 3 o e 4 o grus; o Algums equções trscedetis (ão poliomiis).. Ilustrção Atrvés de Algus Problems de Egehri.. Equilíbrio de Mecismos Eemplo: Mecâic Vetoril pr Egeheiros Estátic F. P. Beer & E. R. Johsto, Jr. 5 Edição Revisd 994 MAKRON Books do Brsil Editor Ltd Problem 4.60 (Pági 54) Um hste delgd de comprimeto R e peso P está pres um cursor em B e poid em um cilidro de rio R. Sbedo que o cursor pode se deslocr livremete o logo de su gui verticl, determie o vlor de θ correspodete o equilíbrio. Despreze o trito. R B R θ Icógit: Âgulo θ correspodete o equilíbrio. Equção resultte durte o desevolvimeto d solução: cos 3 θ=seθ Reformtção do problem: cos 3 θ-seθ=0 Cosiderdo f(θ)=cos 3 θ-seθ, solução d equção correspode o zero d fução f(θ).

15 .. Equilíbrio de Corpos Rígidos com Apoio Deformável Eemplo: Pórtico em L ivertido com um poio fleível de rotção. L/ P L θ K Icógit: Âgulo θ correspodete o equilíbrio. Equção resultte durte o desevolvimeto d solução: (K/PL).θ=0,5.cosθ+seθ Reformtção do problem: (K/PL).θ-0,5.cosθ-seθ=0 Cosiderdo f(θ)=(k/pl)θ-0,5.cosθ-seθ, solução d equção correspode o zero d fução f(θ)...3 Equção de Mig

16 ..4 Equilíbrio de Corpos Flututes Eemplo: Aplicção do Pricípio de Arquimedes pr determição do cldo de embrcções. Corpo flutute E(h): empuo W: peso do corpo h (cldo) Líquido Icógit: Profudidde h correspodete o equilíbrio. Equção resultte durte o desevolvimeto d solução: γ Sólido.V Sólido = γ Líquido.V Líquido deslocdo (h) Reformtção do problem: γ Sólido.V Sólido - γ Líquido.V Líquido deslocdo (h)=0 Cosiderdo f(h)=γ Sólido.V Sólido - γ Líquido.V Líquido deslocdo (h), solução d equção correspode o zero d fução f(h)..3 Algoritmos de Solução.3. Método Gráfico Utilizr lgum sistemátic pr o trçdo do gráfico d fução estudd. O itervlo iicil de observção pode ser criteriosmete defiido em fução do etedimeto físico do problem evolvido. O zero d fução correspode o poto de cotto do gráfico d fução com o eio ds bscisss. O itervlo de observção pode ser refido té se tigir precisão desejd. > ezplot( cos()^3-si(),[0 pi/]), grid > ezplot( cos()^3-si(),[0.5 ]), grid

17 .3. Métodos Prtir de um Itervlo (Bisseção e Cords) Pré-requisitos: o Cosidere um fução f() cotíu detro de um itervlo [, b]; o Cosidere id que os etremos do itervlo [, b] fução estudd presete siis cotrários, ou sej, f()*f(b)<0. Resultdo: o Grte-se eistêci de pelo meos um zero dess fução detro do itervlo [, b]. Idéi: o Ecotrr um itervlo meor que o itervlo origil e que ted os prérequisitos cim meciodos; o Repetir o procedimeto terior té que se tij o critério de tolerâci de determição do zero d fução. Estrtégi de dimiuição do itervlo: o Nehum cuiddo especil é ecessário pr grtir o primeiro pré-requisito um vez que tod fução cotíu em um itervlo, tmbém será cotíu em qulquer subitervlo meor; o Pr grtir que esse ovo itervlo fução cotiue presetr siis cotrários, deve-se: o Escolher um poto c detro do itervlo origil [, b]; o Redefiir o ovo itervlo substituido o etremo cujo sil d fução é o mesmo que o poto escolhido. Y Y=f(X) Y Y=f(X) f(b) Poto iterior f(b) f(c) f() c z Zero b X f(c) f() Zero z c b Poto iterior X Como f() preset o mesmo sil de f(c) Como f(b) preset o mesmo sil de f(c) Novo itervlo: [c, b] Novo itervlo: [, c]

18 .3.3 Método d Bisseção A estimtiv do zero d fução Y=f(X) é feit prtir do poto médio do itervlo lisdo. Se o vlor estimdo ão teder à tolerâci estbelecid pr o problem, ou sej, f(ze) >tol, redefie-se o itervlo de estudo, repetido-se estrtégi té que tolerâci sej verificd. Y Y=f(X) f(b) f(ze) X z ze b f() Zero Zero estimdo Equção de recorrêci: ze + b =.3.4 Método ds Cords O método ds cords fudmet-se o fto de que, gerlmete, o zero d fução vi estr loclizdo o mis próimo do etremo do itervlo ode fução preset o meor vlor em módulo. A estimtiv do zero d fução Y=f(X) é feit prtir d ret secte que ue os pres etremos (,f()) e (b,f(b)) do itervlo lisdo. O poto em que ess ret secte itercept o eio ds bscisss correspode à estimtiv do zero d fução. Se o vlor estimdo ão teder à tolerâci estbelecid pr o problem, ou sej, f(ze) >tol, redefie-se o itervlo de estudo, repetido-se estrtégi té que tolerâci sej verificd. Y Y=f(X) f(b) Zero Ret estimdo secte ze X f(ze) z b f() Zero Equção de recorrêci: Pel semelhç dos triâgulos retâgulos destcdos figur: f () f (b) = ze b ze f (b) b f () ze = f (b) f ()

19 .3.5 Método de Newto A estimtiv do zero d fução Y=f(X) é feit prtir d ret tgete à fução em um poto de prtid. O poto em que ess ret tgete itercept o eio ds bscisss correspode à estimtiv do zero d fução. Se o vlor estimdo ão teder à tolerâci estbelecid pr o problem, ou sej, f(ze) >tol, repete-se o esquem té que mesm sej verificd. Y f() f(ze) z Zero Ret Y=f(X) tgete θ = rct θ X ze Poto de Zero prtid estimdo ( f () ) Equção de recorrêci: Pr o triâgulo retâgulo destcdo figur: f () t( θ ) = f () = ze f () ze = f ()

20 3 SOLUÇÃO DE SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES 3. Crcterizção Mtemátic ode ij são os coeficietes; j são s vriáveis; b i são s costtes, tl que e. 3. Notção Mtricil ode A é mtriz dos coeficietes; é o vetor de icógits; b é o vetor de costtes. 3.3 Clssificção quto à solução

21 3.3. Sistem Possível ou Comptível Admite solução Sistem Possível e Determido Possui um úic solução; O determite de A deve ser diferete de zero; Se b for um vetor ulo (costtes uls), solução do sistem será solução trivil, ou sej, o vetor tmbém será ulo Sistem Possível e Idetermido Possui ifiits soluções; O determite de A deve ser ulo; O vetor de costtes B deve ser ulo ou múltiplo de um colu de A Sistem Impossível ou Icomptível Não possui solução; O determite de A deve ser ulo; O vetor B ão pode ser ulo ou múltiplo de lgum colu de A. 3.4 Ilustrção com Problems de Egehri 3.4. Método d Rigidez

22 3.4. Circuitos Elétricos

23 3.4.3 Iterpolção 3.5 Clssificção dos Métodos de Solução de Sistems de Equções Lieres

24 3.5. Métodos Diretos São queles que coduzem à solução, et meos de erros de rredodmeto itroduzidos pel máqui, pós um úmero fiito de pssos; Pertecem est clsse todos os métodos estuddos o º e º grus. No etto, esses métodos ão são usdos em problems práticos qudo o úmero de equções é elevdo, pois presetm problems de desempeho; Surge etão, ecessidde de utilizr técics mis vçds e eficietes como: Método de Elimição de Guss e Método de Guss-Jord Métodos Idiretos (Itertivos) São queles que se bseim costrução de seqüêcis de proimções. A cd psso, os vlores clculdos teriormete são utilizdos pr reforçr proimção. O resultdo obtido é proimdo; Gerlmete são utilizdos os seguites critérios de prd pr s iterções: Limitção o úmero de iterções e Determição de um tolerâci pr etidão d solução; Podem ão covergir pr solução et; Podem ser iviáveis qudo o sistem é muito grde ou ml-codiciodo; Eemplos de Métodos Itertivos: Métodos de Guss-Jcobi e de Guss-Seidel. 3.6 Métodos Diretos Pr sistems lieres possíveis e determidos de dimesão, o vetor solução,, é ddo por: No etto, clculr eplicitmete ivers de um mtriz ão é coselhável devido à qutidde de operções evolvids.

25 3.6. Método d Elimição de Guss Evit o cálculo d ivers de A; A solução usdo o Método d Elimição de Guss cosiste em dus etps: ) Trsformção do sistem origil um sistem equivlete usdo um mtriz trigulr superior (Esclometo); b) Resolução deste sistem equivlete. Por questões didátics, resolução do sistem equivlete será mostrd tes do esclometo do sistem Resolução do Sistem Equivlete Eemplo: Tedo o sistem esclodo, tor-se simples obteção d solução; Clcul-se iicilmete o 3 pel últim equção; Depois, utiliz-se o vlor de 3 ª equção pr obter o vlor de ; Em seguid, fz-se uso dos vlores já cohecidos de e 3 ª equção pr computr. De form gerl, temos:

26 Algoritmo pr resolução do sistem equivlete Pr i = (-),..., Pr j = (i+),..., Fim Fim Esclometo Percorre-se os elemetos bio d digol pricipl, trsformdo-os, trvés de operções elemetres, em termos ulos, e grtido que os elemetos que já form trsformdos teriormete ão mis sejm modificdos. Operções Elemetres ) Permutr dus equções do sistem; b) Multiplicr um ds equções do sistem por um úmero rel ão ulo;

27 c) Somr um ds equções do sistem um outr equção desse sistem multiplicd por um úmero rel; A plicção de operções elemetres o sistem em questão grte que o ovo sistem será equivlete o origil Esclometo sem pivotemeto Eemplo:

28

29

30 Algoritmo pr esclometo do sistem Pr j =,...,(-) Pr i = (j+),..., Pr k =,..., Fim Fim Fim Esclometo com pivotemeto Evitr que os pivôs usdos o esclometo sejm ulos. Eemplo:

31 Critério: buscr lih com mior coeficiete em módulo. Trocr segud pel terceir lih: Cotiur esclodo... Observção: O pivotemeto pode ser empregdo com o objetivo de miimizr os erros de rredodmeto e trucmeto qudo mtriz dos coeficietes A ão for digolmete predomite. Ates do esclometo de um dd colu, procur-se colocr como pivô o mior elemeto em módulo de todos queles d digol pricipl pr bio.

32 Resumido: Esclometo sem pivotemeto Repetir d primeir té peúltim colu; Repetir pr s lihs bio d digol pricipl; Aplicr operção elemetr com o objetivo de zerr o elemeto d lih correte bio d digol pricipl; Alterr lih d mtriz dos coeficietes; Alterr lih do vetor ds costtes. Esclometo com pivotemeto Repetir d primeir té peúltim colu; Verificr ecessidde de se fzer o pivotemeto; Procurr um lih dequd; No cso de ecotrr, fzer permut ds lihs; Verificr ecessidde de se fzer o esclometo d colu correte; Repetir pr s lihs bio d digol pricipl; Aplicr operção elemetr com o objetivo de zerr o elemeto d lih correte bio d digol pricipl; Alterr lih d mtriz dos coeficietes; Alterr lih do vetor ds costtes. 3.7 Métodos Itertivos Germ um seqüêci de vetores {} k, prtir de um proimção iicil {} 0. Sob certs codições ess seqüêci coverge pr solução, cso el eist. Sej o sistem lier A=b, ode: A: mtriz dos coeficietes, ; b: vetor de termos costtes, ; : vetor de icógits,. Esse sistem é covertido, de lgum form, em um sistem do tipo = C + g, ode: C é um mtriz ; g é um vetor. Prtido de um proimção iicil 0, costruímos cosecutivmete os vetores: = C 0 + g = C + g 3 = C + g k+ =C k + g

33 Costum-se dotr como critério de prd pr os métodos itertivos os seguites testes: k sej suficiete próimo de k- (ou sej, distâci etre k e k- sej meor que um dd tolerâci); Número máimo de iterções Método de Guss-Jcobi Idéi pricipl: Cd coorded do vetor correspodete à ov proimção é clculd prtir d respectiv equção do sistem, utilizdo-se s demis coordeds do vetor proimção d iterção terior. De form geéric tem-se o sistem bio: ode. Pode-se etão, isolr os termos do vetor de icógits, d seguite form: Dest form, podemos motr mtriz C e o vetor g: = + = + + = = b b b b L M M O M M M L L L = L M O M M L L C = b b b g M

34 Etão, pode-se clculr o vetor solução pr cd iterção k, como sedo: Ou geerlizdo pr os termos i do vetor solução de um iterção k: Eemplo: Clculdo mtriz C e o vetor g, obtém-se: Pode-se etão clculr o vetor pr s iterções: pr i b ii i j j k j ij i k i,,, ) ( ) ( K = = = = C = 3 7 g

35 Os resultdos obtidos pr s iterções estão dispostos tbel seguir: Iterção {} (k) Solução et Observ-se que quto mis iterções forem relizds, mis próimo estrá o vetor d solução et do sistem lier. Algoritmo Equto dist > tolerâci ite < úmero máimo de iterções. etão: ite = ite + Pr i =,..., s = b i Pr j =,..., Se i for diferete de j s = s ij * 0 j Fim Fim i = s/ ii Fim dist = orm(-0) 0= Fim

36 3.7. Método de Guss-Seidel Idéi pricipl: Cd coorded do vetor correspodete à ov proimção é clculd prtir d respectiv equção do sistem, utilizdo-se s coordeds do vetor proimção d iterção terior, qudo esss id ão form clculds iterção correte, e s coordeds do vetor proimção d iterção correte, o cso cotrário. De form geéric tem-se o sistem bio: ode. Isoldo, trvés d seprção pel digol, coforme foi feito o método terior: Num dd iterção (k), o clculr-se, id ão se tem posse dos demis vlores do vetor solução do sistem (, 3,.., ). Por esse motivo, utiliz-se vlores do vetor solução d iterção (k-). Já pr os outros elemetos de (k), pode-se fzer uso de vlores já clculdos iterção correte, por eemplo, o clculr-se já se cohece previmete o vlor de, e o clculr-se 3, já se cohece os vlores de e. Este fto costitui pricipl difereç etre os métodos de Guss-Jcobi e Guss-Seidel. Geerlizdo, pr um iterção (k) qulquer, um elemeto i do vetor do vetor solução pode ser represetdo d seguite form: = + = + + = = b b b b L M M O M M M L L L pr i b ii i j k j ij i j k j ij i k i,,, ) ( ) ( ) ( K = = + = =

37 Eemplo: Estimtivs pr primeir iterção: 3 () () () = 3 = 4 = ( 7 3 ) 0 ( 4 3 ) ( 5 0 ) 7 = 3 5 = 5 = 6 Os resultdos obtidos pr s iterções estão dispostos tbel seguir. Note que pr o mesmo sistem lier e pr um mesmo chute iicil, o método de Guss-Seidel tede covergir pr respost et do sistem um qutidde meor de iterções que o método de Guss-Jcobi. Isto ocorre porque como vimos, o método de Guss-Seidel fz uso de elemetos do próprio vetor solução d iterção correte pr tulizr su estimtiv. Iterção {} (k) Solução et Observ-se tmbém que quto mis iterções forem relizds, mis próimo estrá o vetor d solução et do sistem lier em questão.

38 Algoritmo Equto dist > tolerâci ite < úmero máimo de iterções. etão: ite = ite + Pr i =,..., s 0 = b i s = 0; Pr j =,...,(i-) s 0 = s 0 ij * j Fim Pr j = (i+),..., s = s ij *0 j Fim i = (s 0 +s )/ ii Fim dist = orm(-0) 0= Fim Codição de suficiêci pr covergêci dos métodos itertivos Ao se utilizr um método itertivo pr solucior um sistem de equções lieres deve tomr cuiddo pois, depededo do sistem em questão, e d estimtiv iicil escolhid, o método pode ão covergir pr solução do sistem. Eistem, porém, lgus critérios pr verificr covergêci de um método itertivo. Bst teder pelo meos um deles pr que covergêci ocorr idepedetemete d proimção iicil escolhid. Nesses critérios são clculdos vlores α s, ode é que o vlor máimo de todos os α s deve ser iferior.. A codição de covergêci Critério ds lihs Os vlores de α s são clculdos coforme equção bio: α = s j= j s sj ss

39 Critério ds colus Os vlores de α s são clculdos coforme equção bio: α = s j= j s js ss Critério de Sssefeld Ode o vlor de α é clculdo d mesm form que o α do critério ds lihs: α = E os demis α s são clculdos utilizdo os vlores já clculdos de α s : + K+ α = s s α + K ss α s + ss+ + K+ ss Eemplo: Utilizdo o critério ds lihs, verificr se o sistem com mtriz dos coeficietes A bio grte codição de covergêci pr os métodos itertivos. 0 A = Verific-se etão que idepedetemete do chute iicil pr o vetor solução 0, o utilizr um método itertivo pr resolver um sistem lier com mtriz dos coeficietes igul presetd cim, irá se covergir pr solução et do sistem.

40 4 INTERPOLAÇÃO Iterpolr um fução f() cosiste em proimr ess fução por um outr fução p() que stisfç lgums proprieddes. Em gerl, iterpolção de fuções é usd s seguites situções: São cohecidos vlores uméricos d fução f() em lgus potos discretos de e desej-se obter vlores de f() em potos descohecidos, ms detro do limite vlido; Qudo um determid fução f() possui os operdores de diferecição e itegrção muito compleos; N solução uméric de equções difereciis usdo o método ds difereçs fiits e o método dos elemetos fiitos. Cosidere potos distitos (,f()), (,f()),..., (,f()). O objetivo é ecotrr um fução iterpolte p(), tl que: As pricipis técics de iterpolção utilizds tulmete são bseds em poliômios (ou sej, p() é um fução poliomil). O gráfico bio represet um fução iterpoldor pr os potos (,), (,3), (3,5) e (4,3). Note que curv itercept todos os potos forecidos.

41 4. Métodos Numéricos pr Iterpolção Ddos potos distitos (,f()), (,f()),..., (,f()), desej-se proimr f() por um poliômio p() de gru meor ou igul (-). Supoh que você teh dois potos distitos (=), etão, o melhor poliômio que iterpol esses dois potos será um ret, ou sej, um poliômio de gru. D mesm form, ddos 3 potos distitos, o melhor poliômio será um prábol. Cso você foreç, por eemplo, 3 potos (=3) que perteçm um ret, o poliômio iterpoldor id sim será terá gru, ou sej, gru meor que (-). 4.. Método de Vdermode Cosiderdo codição básic pr iterpolção: e o fto de que o poliômio iterpoldor terá, o máimo, gru (-), temos que o poliômio iterpoldor ssumirá seguite form: Etão, obter o poliômio p(), sigific ecotrr os coeficietes p(k) = f(k), pr k=,...,. de form que Desse modo: Obtém um sistem de equções lieres, com equções e icógits. Escrevedo o sistem cim otção mtricil, tem-se:

42 A mtriz A é chmd mtriz de Vdermode e desde que os vlores de,,..., sejm distitos, o determite de A é diferete de zero, e etão, o sistem preset solução úic. Etão, pr ecotrr o poliômio iterpoldor de um série de potos distitos cohecidos, bst ecotrr solução do sistem lier cim, ssuto trtdo o cpítulo terior. Eemplo: Ecotrr o poliômio de gru que iterpol os potos d tbel bio: Solução: f() Resolvedo o sistem: ** Obs: A mtriz dos coeficietes A (Mtriz de Vdermode) pode estr ml codiciod, este cso, tl método ão é recomeddo. Algoritmo: Pr i =,..., Pr j =,..., Aij = i^(j-) Fim Fim = A -. {y}

43 4.. Método de Lgrge Sej p() um poliômio com gru (-) que iterpol f em,,...,. Etão, podemos represetr p() form: ou A equção mostrd cim é o chmdo Poliômio de Lgrge, ode Vmos tomr como eemplo um poliômio qudrático (=3), etão: E desse modo: Eemplo: Ecotre o poliômio de gru que iterpole o seguite cojuto de potos f()

44 Solução: Poliômio dotdo de gru, etão =3, logo: Etão, o poliômio iterpoldor de Lgrge é: Algoritmo: p = 0 Pr i =,..., s = Pr k =,..., Se k for diferete de i s = s * (-k)/(i-k) Fim Fim p = p + f(i)*s Fim

45 4..3 Método de Newto A fórmul de Newto é dd por: ode d k são os operdores difereçs dividids etre os potos (,f()),...,(,f()). Esses operdores são ddos por: Desse modo: Eemplo: Ecotrr o poliômio de gru que iterpole o seguite cojuto de potos: f()

46 Solução: Gru do poliômio =, logo =3 Poliômio dotdo: Clculdo os operdores difereçs divids: Etão, tem-se o Poliômio de Newto: Algoritmo: D = mtriz ul ª colu de D = {y} Pr j =,..., Pr i = j,..., di,j = (di,j- di-,j-)/(i i-j+) Fim Fim p=0 Pr i =,..., s = Pr j =,...,(i-) s = s * (-j) Fim p = p + s*di,i

47 Fim ** Obs: Note que pr cd método umérico de iterpolção presetdo utilizou-se o mesmo eemplo e como respost pr todos os csos foi obtido o mesmo poliômio iterpoldor. 5 AJUSTE Ddo um cojuto de potos, o juste ou proimção tet-se ecotrr um fução p() que melhor proime esses potos. Aqui, ão eiste ecessidde d fução pssr pelos potos cohecidos. Em gerl, us-se proimção de fuções s seguites situções: Qudo se desejr etrpolr ou fzer previsões em regiões for do itervlo cosiderdo; Qudo os ddos tbeldos são resultdos de eperimetos, ode erros obteção destes resultdos podem ifluecir su qulidde. Cosidere um tbel de m potos (, f()), (, f()),..., (m, f()) com,,..., m pertecetes um itervlo [,b]. Desej-se ecotrr um fução q() = g() + g() g() que melhor juste esses potos. Ou sej, determir fução q() que mis se proime de f(). Diz-se que este é um modelo mtemático lier porque os coeficietes determir precem liermete, embor s fuções g(), g(),..., g() possm ser fuções ão lieres de como, por eemplo, g() = e, g() = +, etc. Problem: Como escolher s fuções g(), g(),..., g()? A escolh ds fuções pode ser feit observdo o gráfico dos potos tbeldos ou bsedo-se em fudmetos teóricos dos eperimetos que foreceu tbel.

48 Eemplo: Eperiêci ode form medidos vlores de correte elétric que pss por um resistêci submetid váris tesões. 5. Método dos Míimos Qudrdos O Método dos Míimos Qudrdos é um método bstte utilizdo pr justr um determid qutidde de potos. Su dedução será mostrd seguir. Cosidere ddos m potos (, f()), (, f()),..., (m, f(m)) e s fuções g(), g(),..., g() escolhids de lgum form. Cosidere que o úmero de potos tbeldos m é sempre mior ou igul o úmero de fuções escolhids (ou o úmero de coeficietes determir i). O objetivo é ecotrr os coeficietes,,..., tis que fução q() = g() + g() g() se proime o máimo de f(). Sej dk = f(k) q(k) o desvio em k. Um coceito de proimidde é que dk sej míimo pr todo k =,,..., m. O Método dos Míimos Qudrdos cosiste em escolher os i s de tl form que som dos qudrdos dos desvios sej míim. Usdo cálculo diferecil, sbe-se que pr ecotrr um poto de míimo de F(,,..., ), é ecessário chr iicilmete os potos críticos (ou sej, todos os i s).

49 5.. Ajuste Lier Cosidere fução de juste dd por: ode e são os coeficietes serem determidos pelo método dos míimos qudrdos. A codição de miimizção é stisfeit se:

50 Com isso, obtém um sistem de equções lieres: Tmbém podedo ser represetdo form mtricil: Eemplo: Ecotrr melhor ret que just os vlores d tbel bio: 0,00 0,5 0,5 0,75,00 f(),0000,840,6487,70,783

51 Logo, fução de juste é dd por: e seu gráfico é mostrdo bio. 5.. Ajuste Poliomil O processo usdo cim pr cálculo d fução pr juste lier pode ser estedido pr juste poliomil. Assim, um fução poliomil de gru (-) é dd por: ode os coeficietes i podem ser obtidos trvés d epsão do sistem utilizdo o juste lier trvés do cálculo de gor pr i =,...,.

52 Ess epsão irá resultr o seguite sistem de equções ( equções, icógits): ou em otção mtricil: Note que mtriz A é simétric, ou sej, A = A T. Eemplo: Ecotrr melhor prábol que just os vlores d tbel bio: 0,00 0,5 0,5 0,75,00 f(),0000,840,6487,70,783 Poliômio dotdo: (=3)

53 Clculdo os termos d mtriz A e do vetor b: Motdo o sistem lier, ecotr-se o seguite sistem mtricil: Resolvedo o sistem cim, ecotr-se seguite solução pr o problem:

54 Ou sej, prábol que melhor just os potos forecidos tem equção: 5..3 Lierizção Algums fuções de dus costtes podem ser lierizds tes d plicção do método dos míimos qudrdos, com o objetivo de obter o sistem de equções visto teriormete. O procedimeto vri de cordo com o tipo de fução: Fução Epoecil Aplicdo logritmo em mbos os ldos, tem-se:

55 Etão, se fizermos: Ecotr-se seguite epressão: que d mis é seão um ret. Dí o ome lierizção Fução Logrítmic A fução pode ser epdid pr: Logo, se fizermos: ecotrmos lierizção: Fução Potecil Aplicdo logritmo em mbos os ldos: Com s seguites hipóteses: ecotr-se epressão:

56 Fução Hiperbólic Fzedo: Tem-se tmbém: Eemplo: Ecotrr melhor fução que just os vlores d tbel bio: - -0,7-0,4-0, 0, 0,5 0,8,0 y 36,547 7,64 8,55 3,85,8 0,86 0,406 0,46 Sugestão: Utilizr um fução epoecil. Solução: Como vmos justr os potos por um fução epoecil precismos fzer seguite dptção: Ou sej, coorded y de cd poto deverá ser substituíd por seu logritmo, logo: y' 3,5986,8486,0986,3486 0,5988-0,508-0,904 -,404 Etão fz-se um juste lier dos potos de bsciss e orded y, obtedo-se os seguites vlores pr os coeficietes d ret:

57 Pr dptr esses vlores, coeficietes d ret, pr fução epoecil, id bst fzer s seguites dptções: Logo, E etão, clcul-se os vlores de e b: Etão, fução epoecil que melhor just os potos forecidos o eemplo é: 5..4 Qulidde do Ajuste Um form de vlir qulidde do juste é trvés do coeficiete de correlção de Perso r. Este coeficiete pode ser clculdo pel seguite epressão: ode, Este coeficiete, ssume pes vlores etre - e. r=, sigific um correlção perfeit positiv etre s dus vriáveis; r= -, sigific um correlção egtiv perfeit etre s dus vriáveis, isto é, se um umet, outr sempre dimiui;

58 r= 0, sigific que s dus vriáveis ão depedem liermete um d outr. No etto, pode eistir um outr depedêci que sej "ão lier". Assim, o resultdo r=0 deve ser ivestigdo por outros meios. Algoritmo Verific tipo_de_juste; Cso tipo_de_juste sej Epoecil Pr i =,...,m yi = l Yi Fim Fzer Ajuste Lier com,y retordo coeficietes s e s = e s b = s Cso tipo_de_juste sej Logrítmico Pr i =,...,m i = l i Fim Fzer Ajuste Lier com,y retordo coeficietes s e s = s b = e s / Cso tipo_de_juste sej Potecil Pr i =,...,m yi = l yi i = l i Fim Fzer Ajuste Lier com,y retordo coeficietes s e s = e s b= s Cso tipo_de_juste sej Hiperbólico Pr i =,...,m i = /i Fim Fzer Ajuste Lier com,y retordo coeficietes s e s = s b = s Cso tipo_de_juste sej Poliomil (poliômio de gru -) Pr i =,..., Pr j = i,..., Aij = 0 Pr k =,...,m Aij = Aij + k^(i+j-) Fim Aji = Aij

59 Fim Fim bi = 0 Pr k =,...,m bi = bi + yk*k^(i-) Fim Fim s = (A^-). b 6 SISTEMA DE EQUAÇÕES NÃO LINEARES Dd um fução ão lier o objetivo é ecotrr s soluções pr ou sej, Por eemplo: Este sistem ão lier dmite qutro soluções, represetds pelos potos ode s curvs se iterceptm. 6. Notção Utilizd

60 Cd fução f i (X) é um fução ão lier em em X e portto F(X) tmbém é um fução ão lier em X. Pr sistems lieres, tíhmos: 6. Cosiderções F(X) tem derivds cotíus o domíio; Eiste pelo meos um poto X * D, tl que F(X * ) = 0. O vetor ds derivds prciis d fução f i (X) é deomido vetor grdiete de f i (X) e é deotdo por: A mtriz ds derivds prciis de F(X) é chmd mtriz Jcobi J(X): Eemplo: Determir mtriz Jcobi do sistem ão lier bio:

61 6.3 Crcterístics dos Métodos pr Resolução dos Sistems de Equções ão Lieres Itertividde A prtir de um poto iicil, germ sequêcis. N situção de covergêci, é um ds soluções do sistem qudo: Eistêci de critérios de covergêci Verificr se F( ) tem módulo pequeo. Ou sej: Verificr se está próimo de zero. Ou sej: Limitr o úmero de iterções K por um úmero máimo de iterções. 6.4 Métodos Numéricos Veremos qui bsicmete três tipos de métodos uméricos pr resolução de sistems de equções ão lieres. Os métodos serão descritos e crcterizdos seguir Método de Newto-Rphso Este é o método mis mplmete utilizdo pr resolver sistems de equções lieres. O método combi dus idéis básics comus s proimções umérics: Lierizção Procur-se substituir, um cert vizihç, um problem complicdo por su proimção lier. Ess proimção pode ser obtid, por eemplo, tomdo-se os primeiros termos de um epsão usdo Série de Tylor.

62 Iterção Devido à repetição do procedimeto, té que se grt covergêci pr solução do sistem ou o fim desejdo Cso Esclr Pr ilustrr mis fcilmete o uso do método de Newto pr solução de sistems de equções ão lieres, cosidere um sistem com um icógit e um úic equção: Epdido ess equção usdo série de Tylor próimo um poto iicil (,f()) e tomdo-se pes os primeiros termos dest epsão (lierizção), tem-se: ode é primeir derivd de f em. Iguldo equção terior zero e desevolvedo-, tem-se: Pesdo o processo itertivo: Grficmete, temos:

63 Tomdo tgete à curv em, tem-se que: E pr um iterção k qulquer: Cso Vetoril Cosidere gor o sistem mostrdo iicilmete. Usdo o mesmo rciocíio do cso esclr, tem-se que: ode o ídice superior o vetor X idic iterção: Rerrjdo o sistem, colocdo-o form mtricil, tem-se:

64 Reescrevedo, Multiplicdo equção cim pelo iverso d mtriz Jcobi, tem-se: Geerlizdo pr um iterção k qulquer, temos: Porém, como o processo de iversão é muito cro computciolmete, opt-se por resolver o sistem de equções lieres bio pr obter su solução. Eemplo: Aplicr o método de Newto à resolução do sistem ão lier F(X) = 0, ode: cosiderdo tolerâci chute iicil., úmero máimo de iterções k(m) = e Solução: Pr k = (Primeir iterção)

65 Pr k = (Segud iterção) Solução et: Algoritmo: Equto ( F( k = k + Clculr D = X K+ = < ) e (k<k(m)) e Fim 6.4. Métodos Qusi-Newto O método de Newto preset três crcterístics importtes que ifluecim velocidde de covergêci: Escolh do poto iicil (chute iicil); Cálculo do Jcobio (derivds); Solução do Sistem Lier. Vários métodos ecotrdos litertur presetm ltertivs pr o cálculo do Jcobio, tordo-os úteis pr solução dos sistems de equções ão lieres. Esses métodos são cohecidos como Métodos Qusi-Newto. Etre esses métodos estão o Método de Newto-Rphso modificdo e o Método d Secte, que serão descritos seguir.

66 6.4.. Método de Newto-Rphso Modificdo Este método cosiste em tomr, em cd iterção k, mesm mtriz Jcobi computd o psso iicil. Desse modo, Apesr d redução do custo computciol, este método pode ser mis sesível à covergêci, ou sej, o úmero de iterções ecessáris gerlmete é mior que qudo se us o método de Newto-Rphso. Eemplo: Aplicr o método de Newto Modificdo à resolução do sistem ão lier F(X) = 0, ode: cosiderdo tolerâci chute iicil., úmero máimo de iterções k(m) = e Pr k = (Primeir iterção) Pr k = (Segud iterção)

67 6.4.. Método Secte Este método cosiste em clculr s derivds d mtriz Jcobi de form proimd: Pr o cso esclr, tem-se grficmete: Por semelhç de triâgulos: Estededo pr um iterção qulquer k: ou id, utilizdo epsão por série de Tylor:

68 Note que equção cim é bstte semelhte de Newto Rphso: se fizermos proimção d secte pr mtriz Jcobi Outros Métodos Outros métodos bstte cohecidos pr solução uméric de sistems de equções ão lieres são: BFGS, DFT, Grdiete Cojuddo, Máimo Declive e Flecher-Rivers.

Geometria Analítica e Álgebra Linear

Geometria Analítica e Álgebra Linear Geometri Alític e Álgebr Lier 8. Sistems Lieres Muitos problems ds ciêcis turis e sociis, como tmbém ds egehris e ds ciêcis físics, trtm de equções que relciom dois cojutos de vriáveis. Um equção do tipo,

Leia mais

Resolução Numérica de Sistemas Lineares Parte II

Resolução Numérica de Sistemas Lineares Parte II Cálculo Numérico Resolução Numéric de Sistems Lieres Prte II Prof Jorge Cvlcti jorgecvlcti@uivsfedubr MATERIAL ADAPTADO DOS SLIDES DA DISCIPLINA CÁLCULO NUMÉRICO DA UFCG - wwwdscufcgedubr/~cum/ Sistems

Leia mais

APOSTILA Cálculo Numérico Universidade Tecnológica Federal do Paraná

APOSTILA Cálculo Numérico Universidade Tecnológica Federal do Paraná APOSTIA Cálculo Numérico Uiversidde Tecológic Federl do Prá UTFPR uro Césr Glvão, Dr. e uiz Ferdo Nues, Dr. Ídices NOÇÕES BÁSICAS SOBRE ERROS...-. ERROS...-. ERROS ABSOUTOS E REATIVOS...-.. Erro Asoluto...-..

Leia mais

FUNÇÃO EXPONENCIAL. a 1 para todo a não nulo. a. a. a a. a 1. Chamamos de Função Exponencial a função definida por: f( x) 3 x. f( x) 1 1. 1 f 2.

FUNÇÃO EXPONENCIAL. a 1 para todo a não nulo. a. a. a a. a 1. Chamamos de Função Exponencial a função definida por: f( x) 3 x. f( x) 1 1. 1 f 2. 49 FUNÇÃO EXPONENCIAL Professor Lur. Potêcis e sus proprieddes Cosidere os úmeros ( 0, ), mr, N e, y, br Defiição: vezes por......, ( ), ou sej, potêci é igul o úmero multiplicdo Proprieddes 0 pr todo

Leia mais

SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES

SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES Um problem fudmetl que ormlmete é ecotrdo descrição mtemátic de feômeos físicos é o d solução simultâe de um cojuto de equções. Trduzido pr liuem mtemátic, tis feômeos pssm

Leia mais

Matrizes e Sistemas de equações lineares. D.I.C. Mendes 1

Matrizes e Sistemas de equações lineares. D.I.C. Mendes 1 Mtrizes e Sistems de equções lieres D.I.C. Medes s mtrizes são um ferrmet básic formulção de problems de mtemátic e de outrs áres. Podem ser usds: resolução de sistems de equções lieres; resolução de sistems

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA - TURMAS DO

PROVA DE MATEMÁTICA - TURMAS DO PROVA DE MATEMÁTICA - TURMAS DO o ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - MARÇO DE 0. ELABORAÇÃO: PROFESSORES ADRIANO CARIBÉ E WALTER PORTO. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Questão 0. (UDESC SC)

Leia mais

3 SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES

3 SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES . Itrodução SISTEAS DE EQUAÇÕES INEARES A solução de sistems lieres é um ferrmet mtemátic muito importte egehri. Normlmete os prolems ão-lieres são soluciodos por ferrmets lieres. As fotes mis comus de

Leia mais

Resolução de sistemas lineares SME 0200 Cálculo Numérico I

Resolução de sistemas lineares SME 0200 Cálculo Numérico I Resolução de sistems lieres SME Cálculo Numérico I Docete: Prof. Dr. Mrcos Areles Estgiário PAE: Pedro Muri [reles@icmc.usp.br, muri@icmc.usp.br] Itrodução Sistems lieres são de grde importâci pr descrição

Leia mais

1- SOLUÇÃO DE SISTEMAS LINEARES E INVERSÃO DE MATRIZES

1- SOLUÇÃO DE SISTEMAS LINEARES E INVERSÃO DE MATRIZES - SOLUÇÃO DE SISTEMAS LINEARES E INVERSÃO DE MATRIZES.- Métodos etos pr solução de sistems lieres Métodos pr solução de sistems de equções lieres são divididos priciplmete em dois grupos: ) Métodos Etos:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA HIDRÁULICA APLICADA AD 0195 Prof.: Raimundo Nonato Távora Costa CONDUTOS LIVRES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA HIDRÁULICA APLICADA AD 0195 Prof.: Raimundo Nonato Távora Costa CONDUTOS LIVRES UNVERSDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARA AGRÍCOLA HDRÁULCA APLCADA AD 019 Prof.: Rimudo Noto Távor Cost CONDUTOS LVRES 01. Fudmetos: Os codutos livres e os codutos forçdos, embor tem potos

Leia mais

Quando o polinômio divisor é da forma x + a, devemos substituir no polinômio P(x), x por a, visto que: x + a = x ( a).

Quando o polinômio divisor é da forma x + a, devemos substituir no polinômio P(x), x por a, visto que: x + a = x ( a). POLINÔMIOS II. TEOREMA DE D ALEMBERT O resto d divisão de um poliômio P(x) por x é igul P(). m m Sej, com efeito, P x x x..., um poliômio de x, ordedo segudo s potecis m m decrescetes de x. Desigemos o

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Fluxos de Caixa Séries Uniformes de Pagamento

Elementos de Análise Financeira Fluxos de Caixa Séries Uniformes de Pagamento Elemetos de Aálise Ficeir Fluxos de Cix Séries Uiformes de Pgmeto Fote: Cpítulo 4 - Zetgrf (999) Mtemátic Ficeir Objetiv 2ª. Ed. Editorção Editor Rio de Jeiro - RJ Séries de Pgmetos - Defiição Defiição:

Leia mais

Matemática C Extensivo V. 6

Matemática C Extensivo V. 6 Mtemátic C Etesivo V 6 Eercícios ) D ) D ) C O vlor uitário do isumo é represetdo por y Portto pelo produto ds mtrizes A e B temos o seguite sistem: 5 5 9 y 5 5y 5y 9 5y 5 Portto: y 4 y 4 As médis uis

Leia mais

Escola de Engenharia de Lorena - USP Cinética Química Capítulo 01 Introdução a Cinética

Escola de Engenharia de Lorena - USP Cinética Química Capítulo 01 Introdução a Cinética 1.1 - ITODUÇÃO O termo ciétic está relciodo movimeto qudo se pes ele prtir de seu coceito físico. tretto, s reções químics, ão há movimeto, ms sim mudçs de composição do meio reciol, o logo d reção. Termodiâmic

Leia mais

CAPÍTULO VI FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL. LIMITES E CONTINUIDADE

CAPÍTULO VI FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL. LIMITES E CONTINUIDADE 1. Itrodução CAPÍTULO VI FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL. LIMITES E CONTINUIDADE Ddo um qulquer cojuto A R, se por um certo processo se fz correspoder cd A um e um só y = f() R, diz-se que se defiiu um

Leia mais

NOTAS DE AULA. Cálculo Numérico. Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR - Professores: Lauro Cesar Galvão Luiz Fernando Nunes

NOTAS DE AULA. Cálculo Numérico. Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR - Professores: Lauro Cesar Galvão Luiz Fernando Nunes NOTAS DE AULA Cálculo Numérico Uiversidde Tecolóic Federl do Prá - UTFPR - Proessores: Luro Cesr Glvão Luiz Ferdo Nues Ídice Cálculo Numérico Luro / Nues ii Noções ásics sore Erros - Erros - Erros Asolutos

Leia mais

2. Resolução Numérica de Equações Não-Lineares

2. Resolução Numérica de Equações Não-Lineares . Resolução Numéric de Equções Não-Lieres. Itrodução Neste cpítulo será visto lgoritmos itertivos pr ecotrr rízes de fuções ão-lieres. Nos métodos itertivos, s soluções ecotrds ão são ets, ms estrão detro

Leia mais

Apostila de Introdução Aos Métodos Numéricos

Apostila de Introdução Aos Métodos Numéricos Apostil de Itrodução Aos Métodos Numéricos PARTE II o Semestre - Prof. Slete Souz de Oliveir Buffoi Ídice SISTEMAS LINEARES... INTRODUÇÃO... MÉTODOS DIRETOS: ELIMINAÇÃO DE GAUSS... Sistem lier com... Eemplo:...

Leia mais

Revisão para o Vestibular do Instituto Militar de Engenharia www.rumoaoita.com & Sistema Elite de Ensino

Revisão para o Vestibular do Instituto Militar de Engenharia www.rumoaoita.com & Sistema Elite de Ensino Revisão pr o Vestibulr do Istituto Militr de Egehri wwwrumooitcom Sistem Elite de Esio CÔNICAS (IME-8/8) Determie equção de um círculo que tgeci hipérbole potos em que est hipérbole é ecotrd pel ret os

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA. I. Se a expansão decimal de x é infinita e periódica, então x é um número racional. é um número racional.

COMENTÁRIO DA PROVA. I. Se a expansão decimal de x é infinita e periódica, então x é um número racional. é um número racional. COMENTÁRIO DA PROVA Como já er esperdo, prov de Mtemátic presetou um bom úmero de questões com gru reltivmete lto de dificuldde, s quis crcterístic fudmetl foi mescl de dois ou mis tems em um mesm questão

Leia mais

FUNÇÕES EXPONENCIAIS E LOGARÍTMICAS - ITA. Equações Exponenciais

FUNÇÕES EXPONENCIAIS E LOGARÍTMICAS - ITA. Equações Exponenciais FUNÇÕES EXPONENCIAIS E LOGARÍTMICAS - ITA Equções Epoeciis... Fução Epoecil..4 Logritmos: Proprieddes 6 Fução Logrítmic. Equções Logrítmics...5 Iequções Epoeciis e Logrítmics.8 Equções Epoeciis 0. (ITA/74)

Leia mais

Levantamento de Dados. Escolha do Método Numérico Adequado

Levantamento de Dados. Escolha do Método Numérico Adequado UNIDADE I. Itrodução Estudreos este curso étodos uéricos pr resolução de proles que surge s diverss áres. A resolução de tis proles evolve váris fses que pode ser ssi estruturds: Prole Rel evteto de Ddos

Leia mais

As funções exponencial e logarítmica

As funções exponencial e logarítmica As fuções epoecil e logrítmic. Potêcis em Sej um úmero rel positivo, isto é, * +. Pr todo, potêci, de bse e epoete é defiid como o produto de ftores iguis o úmero rel :...... vezes Pr, estbelece-se 0,

Leia mais

Lista de Exercícios 01 Algoritmos Sequência Simples

Lista de Exercícios 01 Algoritmos Sequência Simples Uiversidde Federl do Prá UFPR Setor de Ciêcis Exts / Deprtmeto de Iformátic DIf Discipli: Algoritmos e Estrutur de Ddos I CI055 Professor: Dvid Meotti (meottid@gmil.com) List de Exercícios 0 Algoritmos

Leia mais

Matemática 1 Professor Paulo Cesar Pfaltzgraff Ferreira. Sumário

Matemática 1 Professor Paulo Cesar Pfaltzgraff Ferreira. Sumário Mtemátic Professor Pulo Cesr Pfltgrff Ferreir i Sumário Uidde Revisão de Tópicos Fudmetis do Esio Médio... 0. Apresetção... 0. Simologi Mtemátic mis usul... 0. Cojutos Numéricos... 0. Operções com Números

Leia mais

Unidade 2 Progressão Geométrica

Unidade 2 Progressão Geométrica Uidde Progressão Geométric Seuêci e defiição de PG Fórmul do termo gerl Fução expoecil e PG Juros compostos e PG Iterpolção geométric Som dos termos de um PG Seuêci e defiição de PG Imgie ue você tem dus

Leia mais

Sistemas de Equações Lineares Métodos Directos. Computação 2º Semestre 2016/2017

Sistemas de Equações Lineares Métodos Directos. Computação 2º Semestre 2016/2017 Sistems de Equções Lieres Métodos Directos Computção º Semestre 06/07 Sistems de Equções Muitos pricípios fudmetis em problems de ciêci e egehri podem ser epressos em termos de equções: vriável depedete

Leia mais

SISTEMA DE EQUAÇÕES LINEARES

SISTEMA DE EQUAÇÕES LINEARES SISTEM DE EQUÇÕES LINERES Defiição Ddos os úmeros reis b com equção b ode são vriáveis ou icógits é deomid equção lier s vriáveis Os úmeros reis são deomidos coeficietes ds vriáveis respectivmete e b é

Leia mais

0.2 Exercícios Objetivo. (c) (V)[ ](F)[ ] A segunda derivada de f é (4) x 0 2

0.2 Exercícios Objetivo. (c) (V)[ ](F)[ ] A segunda derivada de f é (4) x 0 2 A segud derivd de f é f() = { < 0 0 0 (4) Cálculo I List úmero 07 Logritmo e epoecil trcisio.prcio@gmil.com T. Prcio-Pereir Dep. de Computção lu@: Uiv. Estdul Vle do Acrú 3 de outubro de 00 pági d discipli

Leia mais

Método de Eliminação de Gauss. Método de Eliminação de Gauss

Método de Eliminação de Gauss. Método de Eliminação de Gauss Método de Elimição de Guss idei básic deste método é trsormr o sistem b um sistem equivlete b, ode é um mtriz trigulr superior, eectudo trsormções elemetres sobre s lihs do sistem ddo. Cosidere-se o sistem

Leia mais

Este capítulo tem por objetivo apresentar métodos para resolver numericamente uma integral.

Este capítulo tem por objetivo apresentar métodos para resolver numericamente uma integral. Nots de ul de Métodos Numéricos. c Deprtmeto de Computção/ICEB/UFOP. Itegrção Numéric Mrcoe Jmilso Freits Souz, Deprtmeto de Computção, Istituto de Ciêcis Exts e Biológics, Uiversidde Federl de Ouro Preto,

Leia mais

Revisão de Álgebra Matricial

Revisão de Álgebra Matricial evisão de Álgebr Mtricil Prof. Ptrici Mri ortolo Fote: OLDINI, C. e WETZLE, F.; Álgebr Lier. ª. ed. São Pulo. Editor Hrbr, 986 Álgebr Mtricil D Mtemátic do º. Gru: y ( y ( De( : y Em ( : ( Em ( : y y 8

Leia mais

TP062-Métodos Numéricos para Engenharia de Produção Interpolação Métodos de Lagrange

TP062-Métodos Numéricos para Engenharia de Produção Interpolação Métodos de Lagrange TP6-Métodos Numéricos pr Egehri de Produção Iterpolção Métodos de grge Prof. Volmir Wilhelm Curitib, 5 Iterpolção Cosiste em determir um fução g() que descreve de form proimd o comportmeto de outr fução

Leia mais

Z = {, 3, 2, 1,0,1,2,3, }

Z = {, 3, 2, 1,0,1,2,3, } Pricípios Aritméticos O cojuto dos úmeros Iteiros (Z) Em Z estão defiids operções + e. tis que Z = {, 3,, 1,0,1,,3, } A) + y = y + (propriedde comuttiv d dição) B) ( + y) + z = + (y + z) (propriedde ssocitiv

Leia mais

somente um valor da variável y para cada valor de variável x.

somente um valor da variável y para cada valor de variável x. Notas de Aula: Revisão de fuções e geometria aalítica REVISÃO DE FUNÇÕES Fução como regra ou correspodêcia Defiição : Uma fução f é uma regra ou uma correspodêcia que faz associar um e somete um valor

Leia mais

Cálculo Numérico Resolução Numérica de Sistemas Lineares Parte II

Cálculo Numérico Resolução Numérica de Sistemas Lineares Parte II Cálculo Numérico Resolução Numéric de Sistems Lieres Prte II Prof: Reildo Hs Métodos Itertivos Motivção I Ocorrêci em lrg escl de sistems lieres em cálculos de Egehri e modelgem cietífic Eemplos: Simulções

Leia mais

Geometria Analítica e Álgebra Linear

Geometria Analítica e Álgebra Linear NOTS E U Geometri lític e Álger ier Sistems de Equções ieres Professor: ui Ferdo Nues, r Geometri lític e Álger ier ii Ídice Sistems de Equções ieres efiições Geris Iterpretção Geométric de Sistems de

Leia mais

SISTEMAS LINEARES. Sendo x e y, respectivamente, o número de pontos que cada jogador marcou, temos uma equação com duas incógnitas:

SISTEMAS LINEARES. Sendo x e y, respectivamente, o número de pontos que cada jogador marcou, temos uma equação com duas incógnitas: SISTEMAS LINEARES Do grego system ( Sy sigific juto e st, permecer, sistem, em mtemátic,é o cojuto de equções que devem ser resolvids juts,ou sej, os resultdos devem stisfzêlos simultemete. Já há muito

Leia mais

6/16/2011. Relações de Girard Relações entre raizes e coeficientes. a x. a 1. Considere-se as raízes i, i=1,2,...n, e P(x) na forma fatorada:

6/16/2011. Relações de Girard Relações entre raizes e coeficientes. a x. a 1. Considere-se as raízes i, i=1,2,...n, e P(x) na forma fatorada: 66 Numero de Rizes Reis Teorem de Bolzo Sej = um equção lgébric com coeficietes reis,b. Se b , etão eiste um úmero pr de rízes reis, ou ão eistem

Leia mais

; determine a matriz inversa A -1

; determine a matriz inversa A -1 - REVISÃO MATEMÁTICA Neste cpítulo recordrão-se lgus coceitos de Álger Lier e Aálise Mtemátic que serão ecessários pr o estudo d teori do Método Simple - Mtrizes Iversíveis Defiição Um mtriz A de ordem

Leia mais

Prova 3 Matemática. N ọ DE INSCRIÇÃO:

Prova 3 Matemática. N ọ DE INSCRIÇÃO: Prov QUESTÕES OBJETIIVAS N ọ DE ORDEM: NOME DO CANDIDATO: N ọ DE INSCRIÇÃO: IINSTRUÇÕES PARA A REALIIZAÇÃO DA PROVA 1 Cofir os cmpos N ọ DE ORDEM, N ọ DE INSCRIÇÃO e NOME, coforme o que cost etiquet fixd

Leia mais

3. Admitindo SOLUÇÃO: dy para x 1 é: dx. dy 3t. t na expressão da derivada, resulta: Questão (10 pontos): Seja f uma função derivável e seja g x f x

3. Admitindo SOLUÇÃO: dy para x 1 é: dx. dy 3t. t na expressão da derivada, resulta: Questão (10 pontos): Seja f uma função derivável e seja g x f x UIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ CALCULO e PROVA DE TRASFERÊCIA ITERA, EXTERA E PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR 9/6/ CADIDATO: CURSO PRETEDIDO: OBSERVAÇÕES: Prov sem cosult. A prov pode ser feit

Leia mais

Vale ressaltar que um programa foi desenvolvido em MatLab para solucionar os sistemas de equações propostos.

Vale ressaltar que um programa foi desenvolvido em MatLab para solucionar os sistemas de equações propostos. MSc Alexdre Estácio Féo Associção Educciol Dom Bosco - Fculdde de Egehri de Resede Cix Postl: 8.698/87 - CEP: 75-97 - Resede - RJ Brsil Professor e Doutordo de Egehri efeo@uifei.edu.br Resumo: Neste trblho

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE ASSUNTO: SOMAÇÃO E ÁRAS E INTEGRAIS DEFINIDAS. INTEGRAIS DEFINIDAS

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE ASSUNTO: SOMAÇÃO E ÁRAS E INTEGRAIS DEFINIDAS. INTEGRAIS DEFINIDAS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ASSUNTO: SOMAÇÃO E ÁRAS E INTEGRAIS DEFINIDAS. PROFESSOR: MARCOS AGUIAR CÁLCULO II INTEGRAIS DEFINIDAS. NOTAÇÃO DE SOMAÇÃO

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Métodos Matemáticos Aplicados / Cálculo Avançado / Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Métodos Matemáticos Aplicados / Cálculo Avançado / Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire Uiversidde Slvdor UNIFACS Cursos de Egehri Métodos Mtemáticos Aplicdos / Cálculo Avçdo / Cálculo IV Prof: Ilk Rebouçs Freire Série de Fourier Texto : Itrodução. Algus Pré-requisitos No curso de Cálculo

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Fculdde de Enenhri, Arquiteturs e Urnismo FEAU Pro. Dr. Serio Pillin IPD/ Físic e Astronomi V Ajuste de curvs pelo método dos mínimos qudrdos Ojetivos: O ojetivo dest ul é presentr o método

Leia mais

TP062-Métodos Numéricos para Engenharia de Produção Integração Numérica Regra dos Trapézio

TP062-Métodos Numéricos para Engenharia de Produção Integração Numérica Regra dos Trapézio TP6-Métodos Numéricos pr Egehri de Produção Itegrção Numéric Regr dos Trpézio Prof. Volmir Wilhelm Curiti, 5 Itegrção Defiid Itegrção Numéric Prof. Volmir - UFPR - TP6 Itegrção Numéric Itegrção Defiid

Leia mais

Capítulo zero Glossário

Capítulo zero Glossário Cpítulo zero Glossário Esse cpítulo é formdo por tems idispesáveis à mtemátic que, certmete, você deve Ter estuddo de um ou outr form durte su vid escolr. Sempre que tiver dúvids o logo do restte do teto

Leia mais

Apostila de Introdução Aos Métodos Numéricos

Apostila de Introdução Aos Métodos Numéricos Apostil de Itrodução Aos étodos Numéricos PARTE II o Semestre - Prof. Slete Souz de Oliveir Buffoi Ídice SISTEAS LINEARES... INTRODUÇÃO... ÉTODOS DIRETOS: ELIINAÇÃO DE GAUSS... Sistem lier com...5 Eemplo:...7

Leia mais

SISTEMAS DE TEMPO DISCRETO DESCRITO POR EQUAÇÕES A DIFERENÇA

SISTEMAS DE TEMPO DISCRETO DESCRITO POR EQUAÇÕES A DIFERENÇA SISTEMAS DE TEMPO DISCRETO DESCRITO POR EQUAÇÕES A DIFEREÇA ( ( x( Coeficiete costte. ( ( x ( Coeficiete vriável (depedete do tempo. Aplicmos x( pr e cosidermos codição iicil ( ( ( M ( ( ( ( x( x( ( x(

Leia mais

Matemática. Módulo 10. Equações Diferenciais. Por

Matemática. Módulo 10. Equações Diferenciais. Por Mtemátic Módulo Equções Difereciis Por George L. Ekol, BSc,MSc. Abril 7 Module Developmet Templte C. ESTRUTURA DO MÓDULO I. INTRODUÇÂO. TÍTULO DO MÓDULO Equções Difereciis. PRÉ-REQUISITOS PARA O CURSO

Leia mais

MÓDULO IV. EP.02) Determine o valor de: a) 5 3 = b) 3 4 = c) ( 4) 2 = d) 4 2 = EP.03) Determine o valor de: a) 2 3 = b) 5 2 = c) ( 3) 4 = d) 3 4 =

MÓDULO IV. EP.02) Determine o valor de: a) 5 3 = b) 3 4 = c) ( 4) 2 = d) 4 2 = EP.03) Determine o valor de: a) 2 3 = b) 5 2 = c) ( 3) 4 = d) 3 4 = MÓDULO IV. Defiição POTENCIACÃO Qudo um úmero é multiplicdo por ele mesmo, dizemos que ele está elevdo o qudrdo, e escrevemos:. Se um úmero é multiplicdo por ele mesmo váris vezes, temos um potêci:.. (

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

SOLUÇÕES DE EDO LINEARES DE 2 A ORDEM NA FORMA INFINITA

SOLUÇÕES DE EDO LINEARES DE 2 A ORDEM NA FORMA INFINITA SOLUÇÕES DE EDO LINEARES DE A ORDEM NA FORMA INFINITA Coforme foi visto é muito simples se obter solução gerl de um EDO lier de ordem coeficietes costtes y by cy em termos ds fuções lgébrics e trscedetes

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

ESTABILIDADE. Pólos Zeros Estabilidade

ESTABILIDADE. Pólos Zeros Estabilidade ESTABILIDADE Pólo Zero Etbilidde Itrodução Um crcterític importte pr um item de cotrole é que ele ej etável. Se um etrd fiit é plicd o item de cotrole, etão íd deverá er fiit e ão ifiit, ito é, umetr em

Leia mais

INTERPOLAÇÃO POLINOMIAL

INTERPOLAÇÃO POLINOMIAL 98 INTERPOLAÇÃO POLINOMIAL Iterpolr um ução () cosiste em proimr ess ução por outr ução g() escolid etre um clsse de uções deiid priori e que stisç lgums proprieddes A ução g() é etão usd em substituição

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

Redes elétricas Circuitos que contém resistências e geradores de energia podem ser analisados usando sistemas de equações lineares;

Redes elétricas Circuitos que contém resistências e geradores de energia podem ser analisados usando sistemas de equações lineares; Álger Lier Mtrizes e vetores Sistems lieres Espços vetoriis Bse e dimesão Trsformções lieres Mtriz de um trsformção lier Aplicções d Álger Lier: Redes elétrics Circuitos que cotém resistêcis e gerdores

Leia mais

QUESTÕES OBJETIVAS QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE MATEMÁTICA.

QUESTÕES OBJETIVAS QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE MATEMÁTICA. 006 PROVA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MATEMÁTICA QUESTÕES OBJETIVAS QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE MATEMÁTICA UEM Comissão Cetrl do Vestibulr Uificdo Trigoometri

Leia mais

o quociente C representa a quantidade de A por unidade de B. Exemplo Se um objecto custar 2, então 10 objectos custam 20. Neste caso temos 20 :10 2.

o quociente C representa a quantidade de A por unidade de B. Exemplo Se um objecto custar 2, então 10 objectos custam 20. Neste caso temos 20 :10 2. Mtemátic I - Gestão ESTG/IPB Resolução. (i).0 : r 0.000.0 00.0 00 0 0.0 00 0 00.000 00 000.008 90 0.000.000 00 000 008 90.00 00 00 00 9 Dividedo = Divisor x Quociete + Resto.0 = x.008 + 0.000. Num divisão

Leia mais

Somas de Riemann e Integração Numérica. Cálculo 2 Prof. Aline Paliga

Somas de Riemann e Integração Numérica. Cálculo 2 Prof. Aline Paliga Soms de Riem e Itegrção Numéric Cálculo 2 Prof. Alie Plig Itrodução Problems de tgete e de velocidde Problems de áre e distâci Derivd Itegrl Defiid 1.1 Áres e distâcis 1.2 Itegrl Defiid 1.1 Áres e distâcis

Leia mais

Sequências Numéricas Progressão Aritmética. Prof.: Joni Fusinato

Sequências Numéricas Progressão Aritmética. Prof.: Joni Fusinato Sequêcis Numérics Progressão Aritmétic Prof.: Joi Fusito joi.fusito@ifsc.edu.br jfusito@gmil.com Sequêci de Fibocci Leordo Fibocci (1170 150) foi um mtemático itlio. Ficou cohecido pel descobert d sequêci

Leia mais

Método de Exaustão dos Antigos: O Princípio de Eudoxo-Arquimedes

Método de Exaustão dos Antigos: O Princípio de Eudoxo-Arquimedes Método de Exustão dos Atigos: O Pricípio de Eudoxo-Arquimedes Joquim Atóio P. Pito Aluo do Mestrdo em Esio d Mtemátic Número mecográfico: 03037007 Deprtmeto de Mtemátic Pur d Fculdde de Ciêcis d Uiversidde

Leia mais

Progressões Geométricas. Progressões. Aritméticas. A razão é... somada multiplicada. Condição para 3 termos Termo geral. b) 20 c) 40 3.

Progressões Geométricas. Progressões. Aritméticas. A razão é... somada multiplicada. Condição para 3 termos Termo geral. b) 20 c) 40 3. Aritmétics Geométrics A rzão é... somd multiplicd Codição pr termos Termo gerl om dos termos p r p p p q q q q 0) (UNIFEP) e os primeiros qutro termos de um progressão ritmétic são, b, 5, d, o quociete

Leia mais

... Soma das áreas parciais sob a curva que fornece a área total sob a curva.

... Soma das áreas parciais sob a curva que fornece a área total sob a curva. CAPÍTULO 7 - INTEGRAL DEFINIDA OU DE RIEMANN 7.- Notção Sigm pr Soms A defiição forml d itegrl defiid evolve som de muitos termos, pr isso itroduzimos o coceito de somtório ( ). Eemplos: ( + ) + + + +

Leia mais

MÉTODO NUMÉRICO FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA DE LORENA PROF OSWALDO COBRA.

MÉTODO NUMÉRICO FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA DE LORENA PROF OSWALDO COBRA. MÉTODO NUMÉRICO FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA DE LORENA PROF OSWALDO COBRA oswldocobr@debsfequilbr oswldoluizguimr@itelefoiccombr INTERPOLAÇÃO Vmos supor que possuímos seguite tbel de ddos: X,5, 4,5

Leia mais

Métodos Numéricos. Autores: Mário Barreto de Moura Neto Rafael Martins Gomes Nascimento Samara Anny Maia Fava Victor Sampaio Gondim

Métodos Numéricos. Autores: Mário Barreto de Moura Neto Rafael Martins Gomes Nascimento Samara Anny Maia Fava Victor Sampaio Gondim Métodos Numéricos Autores: Mário Brreto de Mour Neto Rel Mrtis Gomes Nscimeto Smr Ay Mi Fv Victor Smpio Godim Orietdor: Velser Drll Beício Corre Apresetção Itrodução Métodos pr Ecotrr Rízes Prte d Smr

Leia mais

b) Expressando cada termo em função de sua posição SEQUÊNCIAS c) Por propriedades dos termos Igualdade Lei de Formação a) Por fórmula de recorrência

b) Expressando cada termo em função de sua posição SEQUÊNCIAS c) Por propriedades dos termos Igualdade Lei de Formação a) Por fórmula de recorrência SEQUÊNCIAS Seqüêci ou sucessão é todo cojuto ordedo de úmeros que escrevemos etre prêteses e seprdos um um por vírguls ou poto e vírgul. Exemplos: (, 8, 6,,, 8,, 5) (,, 5, 7,,, 7, 9...) (4, 7, 0,, 6, 9...)

Leia mais

José Álvaro Tadeu Ferreira. Cálculo Numérico Notas de aulas

José Álvaro Tadeu Ferreira. Cálculo Numérico Notas de aulas UNIVERSIDADE FEDERA DE OURO PRETO Istituto de Ciêcis Ets e Biológics Deprtmeto de Computção José Álvro Tdeu Ferreir Cálculo Numérico Nots de uls Resolução de Sistems de Equções ieres Simultâes Ouro Preto

Leia mais

Capítulo 2: Resolução Numérica de Equações

Capítulo 2: Resolução Numérica de Equações Cpítulo : Resolução Numéric de Equções.. Riz de um equção Em muitos prolems de egehri há ecessidde de determir um úmero ξ pr qul ução sej zero, ou sej, ξ. A ξ chmmos riz d equção ou zero d ução. Equções

Leia mais

Cálculo II. Eliezer Batista Elisa Zunko Toma Márcio Rodolfo Fernandes Silvia Martini de Holanda Janesch

Cálculo II. Eliezer Batista Elisa Zunko Toma Márcio Rodolfo Fernandes Silvia Martini de Holanda Janesch Cálculo II Eliezer Btist Elis Zuko Tom Márcio Rodolfo Ferdes Silvi Mrtii de Hold Jesch ª Edição Floriópolis, Govero Federl Presidete d Repúblic: Dilm V Rousseff Miistro de Educção: Aloízio Mercdte Coordedor

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

José Álvaro Tadeu Ferreira. Cálculo Numérico. Notas de aulas

José Álvaro Tadeu Ferreira. Cálculo Numérico. Notas de aulas UNIVERSIDADE FEDERA DE OURO PRETO Istituto de Ciêcis Ets e Biológics Deprtmeto de Computção José Álvro Tdeu Ferreir Cálculo Numérico Nots de uls Resolução de Sistems de Equções ieres Simultâes Ouro Preto

Leia mais

TÉCNICAS DE CODIFICAÇÃO DE SINAIS

TÉCNICAS DE CODIFICAÇÃO DE SINAIS TÉCNICAS DE CODIFICAÇÃO DE SINAIS CÓDIGOS CÍCICOS Eelio M. G. Ferádez - Códios Cíclicos: Defiição Um códio de bloco lier é um códio cíclico se cd deslocmeto cíclico ds plrs-códio é tmbém um plr-códio.

Leia mais

Geometricamente, um esboço da interpolante g(x) sobre a função f(x) é visto na figura 3.1.

Geometricamente, um esboço da interpolante g(x) sobre a função f(x) é visto na figura 3.1. 4 APROXIMAÇÃO DE FUNÇÕES 4- INTERPOAÇÃO POINOMIA Itroução: A iterpolção Iterpolr um ução () cosiste em proimr ess ução por um outr ução g() escolhi etre um clsse e uções eii priori e que stisç lgums propriees

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRE. DISCIPLINA Matemática ALUNO(A) GABARITO

AVALIAÇÃO TRIMESTRE. DISCIPLINA Matemática ALUNO(A) GABARITO COORDENAÇÃO ENSINO MÉDIO AVALIAÇÃO - 0 TRIMESTRE NOTA UNIDADE(S): CAMBOINHAS PROFESSOR Equie DISCIPLINA Mtemátic SÉRIE/TURMA O /A E B DATA /0/00 NITERÓI SÃO GONÇALO X X ALUNO(A) GABARITO N IMPORTANTE:.

Leia mais

Sistems Lineres Form Gerl onde: ij ij coeficientes n n nn n n n n n n b... b... b...

Sistems Lineres Form Gerl onde: ij ij coeficientes n n nn n n n n n n b... b... b... Cálculo Numérico Módulo V Resolução Numéric de Sistems Lineres Prte I Profs.: Bruno Correi d Nóbreg Queiroz José Eustáquio Rngel de Queiroz Mrcelo Alves de Brros Sistems Lineres Form Gerl onde: ij ij coeficientes

Leia mais

QUESTÕES DE 01 A 09. Assinale as proposições verdadeiras, some os valores obtidos e marque os resultados na Folha de Respostas.

QUESTÕES DE 01 A 09. Assinale as proposições verdadeiras, some os valores obtidos e marque os resultados na Folha de Respostas. PROVA DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - SETEMBRO DE ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C GOUVEIA QUESTÕES DE A 9 Assile

Leia mais

2- Resolução de Sistemas de Equações Lineares

2- Resolução de Sistemas de Equações Lineares - Resolução de Sistems de Equções ieres Um sistem de equções lieres, com m equções e vriáveis, é escrito gerlmete como: m m m m ode ij são coeficietes m i j são vráveis j i são costtes m i A resolução

Leia mais

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes E. E. E. M. ÁREA DE CONHECIMENTO DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROFESSORA ALEXANDRA MARIA º TRIMESTRE/ SÉRIE º ANO NOME: Nº TURMA: Mteril envolvendo estudo de mtrizes e determinntes INSTRUÇÕES:. Este

Leia mais

Amortização ótima por antecipação de pagamento de dívidas contraídas em empréstimos a juros compostos

Amortização ótima por antecipação de pagamento de dívidas contraídas em empréstimos a juros compostos XXVI ENEGEP - Fortlez, CE, Brsil, 9 de Outubro de 2006 Amortizção ótim por tecipção de pgmeto de dívids cotríds em empréstimos uros compostos Lucio Ndler Lis (UFPE) luciolis@ufpe.br Gertrudes Coelho Ndler

Leia mais

Professor Mauricio Lutz FUNÇÃO EXPONENCIAL

Professor Mauricio Lutz FUNÇÃO EXPONENCIAL Professor Muricio Lutz REVISÃO SOBRE POTENCIAÇÃO ) Expoete iteiro positivo FUNÇÃO EPONENCIAL Se é u uero rel e é iteiro, positivo, diferete de zero e ior que u, expressão represet o produto de ftores,

Leia mais

Capítulo III. Circuitos Resistivos

Capítulo III. Circuitos Resistivos Cpítulo III Ciruitos esistivos. Itrodução Neste pítulo serão estudds s leis de Kirhhoff, utilizdo-se de iruitos resistivos que são mis filmete lisdos. O estudo desss leis é plido em seguid s deduções de

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto UFOP. Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB. Departamento de Computação DECOM

Universidade Federal de Ouro Preto UFOP. Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB. Departamento de Computação DECOM Progrmção de Computdores I BCC 701 01- List de Exercícios 01 Sequêci Simples e Prte A Exercício 01 Um P. A., Progressão Aritmétic, fic determid pel su rzão (r) e pelo seu primeiro termo ( 1 ). Escrev um

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

GGE RESPONDE ITA 2015 MATEMÁTICA 1 A RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES NO SITE: 01. Considere as seguintes afirmações sobre números reais:

GGE RESPONDE ITA 2015 MATEMÁTICA 1 A RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES NO SITE:  01. Considere as seguintes afirmações sobre números reais: 0. Cosidere s seguites firmções sobre úmeros reis: I. Se epsão deciml de é ifiit e periódic, etão é um úmero rciol. II. 0 ( III. l e (log )(log ) é úmero rciol. É (são) verddeir (s): ) eum b) pes II. c)

Leia mais

x 0 0,5 0,999 1,001 1,5 2 f(x) 3 4 4,998 5,

x 0 0,5 0,999 1,001 1,5 2 f(x) 3 4 4,998 5, - Limite. - Conceito Intuitivo de Limite Considere função f definid pel guinte epressão: f - - Podemos obrvr que função está definid pr todos os vlores de eceto pr. Pr, tnto o numerdor qunto o denomindor

Leia mais

0,01. Qual a resposta correta à pergunta de Chiquinho, considerandose os valores atribuídos às variáveis pelo professor?

0,01. Qual a resposta correta à pergunta de Chiquinho, considerandose os valores atribuídos às variáveis pelo professor? GABARIO Questão: Chiquiho ergutou o rofessor qul o vlor umérico d eressão + y+ z. Este resodeu-lhe com cert iroi: como queres sber o vlor umérico de um eressão, sem tribuir vlores às vriáveis? Agor, eu

Leia mais

CAPÍTULO VIII APROXIMAÇÃO POLINOMIAL DE FUNÇÕES

CAPÍTULO VIII APROXIMAÇÃO POLINOMIAL DE FUNÇÕES CAPÍTULO VIII APROXIMAÇÃO POLINOMIAL DE FUNÇÕES 1. Poliómios de Tylor Sej (x) um ução rel de vriável rel com domíio o cojuto A R e cosidere- -se um poto iterior do domíio. Supoh-se que ução dmite derivds

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

f(x + 2P ) = f ( (x + P ) + P ) = f(x + P ) = f(x)

f(x + 2P ) = f ( (x + P ) + P ) = f(x + P ) = f(x) Seção 17: Séries de Fourier Fuções Periódics Defiição Dizemos que um fução f : R R é periódic de período P, ou id, mis resumidmete, P periódic se f(x + P ) = f(x) pr todo x Note que só defiimos fução periódic

Leia mais

Somatórios e Recorrências

Somatórios e Recorrências Somtórios e Recorrêcis Uiversidde Federl do Amzos Deprtmeto de Eletrôic e Computção Exemplo: MxMi () Problem: Ddo um vetor de iteiros A, ecotrr o mior e o meor elemetos de A O úmero de comprções etre elemetos

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNICAMP VESTIBULAR 2009 1 a e 2 a Fase RESOLUÇÃO: Professora Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNICAMP VESTIBULAR 2009 1 a e 2 a Fase RESOLUÇÃO: Professora Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNICAMP VESTIBULAR 9 e Fse Professor Mri Atôi Gouvei. FASE _ 9 9. N décd de 96,com redução do úmero de bleis de grde porte,como blei zul, s bleis mike tártic pssrm ser o lvo preferêci

Leia mais

APOSTILA DE CÁLCULO NUMÉRICO

APOSTILA DE CÁLCULO NUMÉRICO APOSTILA DE CÁLCULO NUMÉRICO Professor: Willim Wgner Mtos Lir Monitores: Ricrdo Albuquerque Fernndes Flvio Bomfim ERROS. Introdução.. Modelgem e Resolução A utilizção de simuldores numéricos pr determinção

Leia mais

Cálculo Numérico Módulo III Resolução Numérica de Sistemas Lineares Parte I

Cálculo Numérico Módulo III Resolução Numérica de Sistemas Lineares Parte I Cálculo Numérico Módulo III Resolução Numéric de Sistems Lineres Prte I Prof: Reinldo Hs Sistems Lineres Form Gerl... n n b... n n b onde: ij n n coeficientes i incógnits b i termos independentes... nn

Leia mais

ATERRAMENTO ELÉTRICO DE SISTEMAS (PROGRAMA)

ATERRAMENTO ELÉTRICO DE SISTEMAS (PROGRAMA) ATERRAMENTO ELÉTRICO DE SISTEMAS (PROGRAMA). INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE ATERRAMENTO. MEDIÇÃO DA RESISTIVIDADE DO SOLO 3. ESTRATIFICAÇÃO DO SOLO 4. SISTEMAS DE ATERRAMENTO 5. TRATAMENTO QUÍMICO DO SOLO 6.

Leia mais

Função Logaritmo - Teoria

Função Logaritmo - Teoria Fução Logritmo - Teori Defiição: O ritmo de um úmero rel positivo, bse IR { } podemos escrever Resumido temos: +, é o úmero rel tl que, equivletemete E: 7 8 8 8 8 7 * { }, IR { } * +, IR + Usdo que fução

Leia mais