Capítulo zero Glossário

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capítulo zero Glossário"

Transcrição

1 Cpítulo zero Glossário Esse cpítulo é formdo por tems idispesáveis à mtemátic que, certmete, você deve Ter estuddo de um ou outr form durte su vid escolr. Sempre que tiver dúvids o logo do restte do teto d postil, recorr às próims págis pr esclrecê-ls. O teto foi escrito com crio e tem filidde de certr oss ligugem, tordo oss comuicção mis ágil e frt. Ates de mis d, vmos eplicr o que é glossário. Segudo Aurélio Burque de Holld, etre outros sigificdos, glossário quer dizer vocbulário que figur como pêdice um obr, priciplmete pr elucidção de plvrs e epressões regiois ou poucos usds (...). De cordo com os ovos Prâmetros Curriculres Nciois (os fmosos PCN s), formuldos prtir d Lei de Diretrizes e Bses d Educção úmero 9394 de 996 que oriet e fudmet o esio os íveis fudmetl, médio e superior, mtemátic é tid, oje, como um ligugem que possui um código de comuicção e tecologi próprios. Pr que eum de ós fle sozio vmos compreeder o sigificdo de lgums plvrs e termos esseciis à mtemátic. Os elemetos estão orgizdos em ordem lfbétic pr fcilitr busc. Bom trblo pr todos ós. Glossário: Adicior: jutr dus ou mis qutiddes (ou prcels) um só (som ou totl). Algoritmo: regr gerl pr obteção de um resultdo. Atecessor: quele que veio tes; o terior. Associr: grupr vários elemetos em pequeos subgrupos. Bse d potêci: é o úmero que será multiplicdo. Ccelr: é o mesmo que ulr. Comutr: é iverter ordem; trocr ordem. Decompor em ftores primos: ou ftorr um úmero turl sigific escrever o úmero ddo trvés de um produto ode todos os ftores são úmeros primos. Diferete: é quele que ão é igul. Holld Ferreir, Aurélio Burque. Novo Dicioário d Lígu Portugues.. ed., São Pulo: Nov Froteir, 985. p. 854.

2 Difereç: é o resultdo d subtrção. Dividedo: é quilo que será reprtido ou dividido. Divisão: é subtrção de prcels iguis. Divisor de um úmero turl: São úmeros turis que dividem etmete o úmero ddo. Divisor: é o úmero de prtes em que se desej reprtir o todo. Elemeto eutro: é quele que ão tede eum tipo de grupmeto. Epoete: idic quts vezes bse de u potêci deverá ser multiplicd. Ftor: elemeto que compõe multiplicção. Ídice do rdicl: idic potêci do rdicdo. Máimo Divisor Comum: o máimo divisor comum (mdc) de um cojuto de úmeros turis é o mior etre os divisores comus dos úmeros tomdos. Míimo Múltiplo Comum: Míimo múltiplo comum (mmc) é o meor etre os múltiplos de dois, ou mis, úmeros turis. Miuedo: primeiro elemeto d subtrção (quel de quem vmos retirr lgo). Módulo de um úmero iteiro: módulo ou vlor bsoluto de um úmero iteiro é distâci etre esse úmero e origem (o zero). Multiplicção: é som de prcels iguis. Múltiplos de um úmero turl: Pr determir os múltiplos de um turl bst multiplicá-lo por outro (s) úmero (s) turl (is). Numerl: idictivo do úmero. Número compleo: todo úmero d form + bi, ode e b são reis e i é uidde imgiári. Número composto: É o úmero turl que dmite divisão et por mis de um úmero primo. Número iteiro: tmbém eprimem idéi de qutidde ms vão mis lém disso, pois relciom qutidde um determido referecil, ou sej, todos os turis, seus iversos ditivos e o zero. Número irrciol: úmeros que ão podem ser epressos form de frção. Número turl: eprimem idéi de qutidde. Números opostos ou simétricos: dois úmeros são opostos ou simétricos qudo possuem o mesmo módulo. Número primo: Um úmero turl é primo qudo somete for divisível por ele mesmo e pelo úmero. Número rciol: todo úmero que pode ser epresso form de frção.

3 Número rel: é qulquer úmero rciol ou irrciol. Número: qutidde. Prcel: prtes que compõem dição. Potêci: é o resultdo d potecição. Potecição: é o produto de ftores iguis. Produto: é o resultdo d multiplicção. Propriedde: é um lei mtemátic. O mesmo que lgoritmo. Quociete: é o resultdo d divisão. Rdicl: é o símbolo que idic o cálculo de rízes. Rdicdo: é o úmero de quem se etrirá riz. Rdicição: é operção ivers d potecição. Resto: é sobr d divisão qudo est ão é et. Som ou totl: é o resultdo d dição. Subtredo: segudo elemeto d subtrção; é quti de se retir do subtredo. Subtrir: é retirr. Sucessor: é quele que vem imeditmete depois; o próimo. Eemplo : Máimo Divisor Comum - MDC - O Algoritmo de Euclides (ou método ds divisões sucessivs). Esse método cosistem em dividir o mior pelo meor úmero. Se divisão for et, o mdc é o meor etre os dois úmeros. Cso cotrário cotiumos divisão té coseguir o resto zero. Vej os eemplos: Método d decomposição em ftores primos: esse cso, decompomos cd úmero em ftores primos, otmos os ftores comus com os meores epoetes. O mdc será ddo pelo produto dos ftores comus com seus meores epoetes. Vej o eemplo:

4 f '( ) lim 0 f ( + ) f ( ) Eemplo : Míimo Múltiplo Comum - MMC Pr clculr o míimo múltiplo comum (mmc) bst decompor os úmeros evolvidos em ftores primos. O mmc é formdo pelo produto de tods s potêcis, com os miores epoetes, que compõem os úmeros ddos. Vej os eemplos: m.m.c (0,90,80,60) Dispositivo prático: decompor os úmeros ddos, simultemete: 0, 90, 80, 60 60, 45, 40, 30 30, 45, 0, 5 5, 45, 0, 5 5, 45, 5, 5 3 5, 5, 5, 5 3 5, 5, 5, 5 5,,,

5 mmc (0, 90, 80 60) Eemplo 3: Proprieddes Divisibilidde por : um úmero iteiro é divisível por qudo é um úmero pr. Divisibilidde por 3: um úmero iteiro é divisível por 3 qudo som de seus lgrismos for múltipl de 3. Divisibilidde por 6: um úmero iteiro é divisível por 6 qudo for um úmero pr divisível por 3. Divisibilidde por 5: um úmero iteiro é divisível por 5 qudo tiver o último lgrismo igul 5 ou igul zero. Um iteiro é divisível por dez qudo termi pelo lgrismo zero. Adição: Se os úmeros diciodos têm o mesmo sil, efetumos dição e coservmos o sil. Se os úmeros diciodos têm siis diferetes, efetumos difereç e coservmos o sil do mior. Em seguid mostrremos s proprieddes de potecição. Proprieddes: ) m. m+ ) m : m 3) m ( ) m 4) 0 5) 6) (.b).b 7) b b m 8) m 9)

6 Cpítulo Aritmétic ds Operções. Esse cpítulo prevê um rápid revisão sobre epressões umérics e lgébrics, prtido do trblo eclusivmete ritmético té lcçrmos s proprieddes de logritmos.. Resumo Operciol As operções com úmeros, que podemos relizr, são: Adição; Subtrção; Multiplicção; Divisão; Potecição; Rdicição; Adição e multiplicção possuem proprieddes opertóris. Els são: Comuttiv Associtiv Elemeto eutro São pssíveis de ccelmeto de elemetos A som (e o produto) de dois reis é sempre rel. A multiplicção possui, id, propriedde distributiv com relção à dição, isto é: (b + c) b + c. Vej, em úmeros: tto fz resolver primeiro: (3 + 4).7 4 ou fzer Multiplicr o que está for do prêteses pelo 3 e depois pelo 4 e depois somr os dois resultdos é o sigificdo de distribuir multiplicção. Importtíssimo: ierrqui ds operções: um epressão uméric, resolveremos sempre, em primeiro lugr, os operdores especiis: prêteses, colcetes e cves, ess ordem. Depois, potêcis e rdicis (d esquerd pr direit), seguir, multiplicções e divisões, d esquerd pr direit, e, por último, dições e subtrções, tmbém d esquerd pr direit.

7 Eercícios:. Efetue: b. 5 7, c. ( ) : ( ) d. ( + 7) : (0 6).( 4) e. 3 [4 + 3.(0 8 )] + (5 : 3) : ( + 3) ftor?. Em um divisão et, o divisor é 37 e o quociete é 6. Qul é o dividedo? 3. Num multiplicção, um dos ftores é 37 e o produto é 594. Qul é o outro 4. Associe V ou F cd um ds seguites firmções:. 4 é divisível por 6 ( ) muleres o uditório? b. 54 é divisível por 8 ( ) c. 30 é divisível por 5 ( ) d. é divisível por 7 ( ) e. 8 é divisível por 3 ( ) f. 6 é divisor de 4 ( ) g. 0 é divisor de 50 ( ). é divisor de ( ) 5. Sem efetur divisão, verifique se o úmero 440 é divisível por Escrev o cojuto de divisores do úmero Quto dá 7 de 7? 8. Num uditório, 5 3 dos espectdores são muleres. Qul porcetgem de Gbrito:. ) 60 b) 4,665 c) d) 49 e) o úmero é pr e som de seus lgrismos é que é múltiplo de V F V F F F V V 6. D(54) {,, 3, 6, 9, 8, 7, 54}

8 %. Epressões Algébrics Um epressão mtemátic formd somete por úmeros recebe o ome de epressão uméric. Qudo gregmos qulquer elemetos literl à epressão, cmmos epressão obtid de epressão lgébric. Vej o eemplo: diciomos 3 o dobro de um úmero e obtemos 57 por resultdo. Determie que úmero é esse. Pr cegrmos o resultdo, podemos fzer: 3 +. Número úmero 54 ou 54 úmero Operções com Epressões Algébrics Tods s operções que relizmos com úmeros são pssíveis de serem relizds com epressões lgébrics. Pr tto, devemos observr que prte literl deve ser etmete mesm. Cd elemeto formdo por um úmero e um (ou lgums) letr (s) cm-se moômio. Um epressão lgébric pode coter um ou vários moômios. Um epressão formd por mis de um moômio recebe o ome de poliômio... Produtos Nótáveis Cmmos de produtos otáveis lgums proprieddes que evolvem poliômios. Esss proprieddes têm omes especiis e ormlmete se plicm epressões formds por dois termos. Os cmdos biômios.

9 ... Qudrdo d som ( + b) + b + b que se lê: som de dois elemetos elevd o qudrdo é igul o qudrdo do primeiro elemeto mis dus vezes o primeiro elemeto multiplicdo pelo segudo mis o qudrdo do segudo elemeto. Esse resultdo vle pr epressões lgébrics e umérics. Vej o eemplo: ( + 3) Embor sej mis fácil fzer: ( + 3) Qudrdo d difereç ( b) b + b que se lê: difereç de dois elemetos elevd o qudrdo é igul o qudrdo do primeiro elemeto meos dus vezes o primeiro elemeto multiplicdo pelo segudo mis o qudrdo do segudo elemeto. Esse resultdo vle pr epressões lgébrics e umérics. Vej o eemplo: ( 3) Embor sej mis fácil fzer: ( + 3) ( )....3 Difereç de Dois Qudrdos b ( + b)( b) que se lê: difereç de dois elemetos elevdos o qudrdo é igul o produto d som pel difereç ds rízes dos úmeros evolvidos operção. Esse resultdo vle pr epressões lgébrics e umérics. Vej o eemplo: 3 ( + 3)( 3) 5.( ) 5 Embor sej mis fácil fzer: Ftor Comum em Evidêci Ftor comum é o elemeto que se repete em dois ou mis moômios de um epressão lgébric. Colocá-lo em evidêci sigific plicr propriedde distributiv d multiplicção, o cotrário. Esse resultdo vle pr epressões lgébrics e umérics. Vej o eemplo: ( + 3) Embor sej mis fácil fzer:

10 ...5 Agrupmeto Acotece sempre que é possível idetificr mis de um ftor comum em um epressão lgébric. Esse resultdo vle pr epressões lgébrics e umérics. Vej o eemplo: ( + 3) + 4.(6 + 7) Embor sej mis fácil fzer: Eercícios Ftore cd um ds epressões:. 7 b 5b. b + c + b + c ( + b) 5. ( ) ( + ) Gbrito Ftore cd um ds epressões:. b( 7 5b). ( + )( b + c) 3. ( + )( ) 4. b + b ( + )( + + ).3 Equções do Primeiro Gru Equção é tod epressão lgébric determid por um iguldde. Resolver um equção sigific clculr o vlor d icógit, ou sej, que úmero pode substituir letr epressão de form mter iguldde. Equções de primeiro gru são epressões lgébrics cujo epoete d prte literl é igul um.

11 Sistems de equções são cojutos formdos por mis de um equção com mis de um icógit cd um dels. O procedimeto pr solução segue o mesmo rciocíio ds equções. Eemplos: Resolv s equções bio, sedo U R: 90 ) S { 5 } b) S { }.3. Eercícios iguis. ) Resolv s equções bio: ) b) 3( + 5) ( + 7) 4( ) ) Determie o úmero rel m, pr que s epressões 3 m e m sejm 3) Tod produção mesl de um fábric foi vedid três lojs. Pr loj A, foi vedid metde d produção; pr loj B, foi vedid 5 form vedids 500 uiddes. Qul foi produção mesl dess fábric? d produção e pr loj C 4) Em um prtid de bsquete, Mrcelo certou rremessos de 3 potos e ( + ) rremessos de potos. Se Mrcelo mrcou 9 potos esse jogo, qutos rremessos de 3 potos ele certou? 5) Em um estciometo á veículos, etre crros e motos, um totl de 66 rods. Qutos crros e quts motos á esse estciometo? 6) Resolv s equções frcioáris seguir, (U R): 5 ) ( 0) 4

12 3 b) 3 + ( 4 e 0) 4.3. Eercícios ) ) S { 6} e b) S ) m 9 3) ) 5 rremessos { } 5) crros e 9 motos 0 4 6) ) S { 9 } e b) S { 5 } 3.4 Iequções do Primeiro Gru Iequção é tod epressão lgébric do primeiro gru determid por um desiguldde ( >,, <, ). Resolver um iequção do primeiro gru sigific clculr os vlores d icógit, ou sej, que úmeros podem substituir letr epressão de form mter desiguldde. Iequções do primeiro gru clssificm-se em: iequções simples, simultâes, produto e quociete. Pr cd um dos tipos de iequções, á um tipo de procedimeto pr solução..4. Iequções Simples: Neste cso, bst isolr. Vej o eemplo: resolver iequção + 4 > > 0 > 4 > >.4. Iequções Simultâes: Neste cso, devemos resolver s iequções seprdmete, de dus em dus e efetur itersecção ds resposts, operdo em form de itervlo: Vej o eemplo: Resolver iequção: 3 < + 5 Primeirmete: 3 3

13 Em seguid: 3 < < 5 + < 7 < 3,5 Costruido os itervlos: Logo, os vlores de que stisfzem { R < 3,5} 3 < + 5 são ddos por.4.3 Iequções Produto: Dds s fuções: f() e g(), cmremos de iequção produto tod iequção do tipo: f ().g() > 0, f ().g() < 0, f ().g() 0, f ().g() 0, Pr resolver este tipo de produto, estudremos os siis de f() e g() e determiremos o sil do produto f().g() pr obter o cojuto solução d equção. Vej o eemplo: Resolver iequção ( )( 4) 0 Fzedo f() e g() 4, comecemos pelo estudo dos siis de: f() 0 qudo f() > 0 qudo > f() < 0 qudo < e g() 0 qudo g() > 0 qudo < g() < 0 qudo > Colocdo um qudro os siis de cd fução e determido o sil do produto f().g(), teremos: Logo, o cojuto solução de ( )( 4) 0 será { R }

14 .4.4 Iequções Quociete: Dds s fuções: f() e g(), cmremos de iequção quociete tod f () f () f () f () iequção do tipo: > 0, < 0, 0 ou 0, com g() 0 g() g() g() g() Pr resolver este tipo de quociete, estudremos os siis de f() e g() e determiremos o sil do quociete f () g() pr obter o cojuto solução d equção. A regr dos siis é mesm que regr de siis pr o produto, isto é, pr resolver iequção quociete procederemos d mesm form que procedemos pr resolver iequção produto..4.5 Eercícios: Determie o cojuto solução ds iequções: ) ) < 6 < 3 5 3) ( )( 4) < 0 4) ( )( )( 3) > 0 5) Gbrito: Determie o cojuto solução ds iequções: ) V { R 3} ) V { R > 5} 3) V { R < < 4} 4) V { R < < e > 3} 5) V φ.5 Equções do Segudo Gru: Vimos o item.4 que Equção é tod epressão lgébric determid por um iguldde. E que Resolver um equção sigific clculr o vlor d icógit, ou sej, que úmero pode substituir letr epressão de form mter iguldde.

15 Tis defiições cotium vledo pr o estudo de equções de segudo gru. A úic difereç é que equções de segudo gru são epressões lgébrics cujo mior epoete d prte literl é igul dois. Qudo equção é do primeiro gru bstv isolr icógit pr resolver epressão. Pr resolver equções do segudo gru utilizremos fmos fórmul de Báskr: b ± b 4c (que estudmos lá oitv série, lembr-se?) N fórmul: é o úmero que multiplic. b é o úmero que multiplic. c é o termo idepedete. umerdor. Eemplo: Em , teremos: ; b 5 e c 6. N Fórmul de Báskr, os vlores de serim clculdos ssim: ( 5) ± ( 5) ± Outro eemplo: Neste cso, temos: ; b 4; c 0. Resolvedo: 4 ± 4 ± ± 5 ± 4 4.( ).0 4 ± ± 0.( ) Observe que, esse cso, somr zero ou subtrir zero ão lter o vlor do A epressão b 4c equção e é represetd pel letr greg delt:. <,5. Propriedde: d Fórmul de Báskr é cmd discrimite d Se > 0 etão equção possui dus rízes diferetes Se 0 etão equção possui um riz Se < 0 etão equção ão possui rízes prtes d curv!). Mtemticmete, escrevemos: crescete: >,5 e decrescete: No outro eemplo, terímos: y + 4 Neste cso, o gráfico esperdo é côcvo pr bio,.

16 .5. Iequções do Segudo Gru: Pr resolver iequções do segudo é ecessário, tes, reescrever epressão su form ftord, ou sej, todo poliômio d form + b + c pode ser reescrito form )( ) ode e são rízes d equção + b + c. ( Vej o eemplo: ( 3)( ) pois e 3 são rízes d equção dd ( 4)( ) pois e 4 são rízes d equção dd. Após trsformr epressão dd su similr ftord bst plicrmos o procedimeto de resolução de iequções produto (visto uidde terior).5. Eercícios: ) Resolv s seguites equções do º gru em R: ) b) + 0 c) d) e) 5 0 f) g) ) ( + ) + ( + 3) 394 ) A som de dois úmeros é 9 e seu produto é 48. Determie tis úmeros. 3) O produto de dois úmeros ímpres positivos e cosecutivos é 43. Quis são estes úmeros? 4) Num terreo retgulr de áre igul 00 m, um ldo mede o dobro do outro. Quis s medids dos ldos? 5) A som dos qudrdos de dois úmeros positivos é 490; um dos úmeros é o triplo do outro. Que úmeros são esses? 6) Um retâgulo é equivlete (tem mesm áre) um qudrdo de ldo igul 8 cm. Aumetdo-se os ldos desse retâgulo em cm cd, áre umet 8 cm. Quis s dimesões do retâgulo?

17 .5.3 Gbrito: ) ) S {, }; b) S ; c) S φ d) {3, 3}; e) S {0, 5 }; f) S {0, 3} g) S { 4; } ) S { 8; 6} ) 3 e 6 3) e 3 4) 0 m e 0m 5) e 7 6) cm e 7 cm.6 Logritmos: Sej α um úmero rel positivo. Ddo um iteiro > 0, potêci é defiid como o produto de ftores iguis o úmero. Ou sej:..... ( ftores) Vle propriedde fudmetl: m. m+ (m, ) iteiros positivos). Se quisermos defiir 0 de modo que propriedde cim cotiue válid, seremos obrigdos covecior que 0, fim de termos Procurdo esteder oção de potêci de modo brger epoetes egtivos e fzê-lo de form mter vlidez d propriedde fudmetl, devemos ter: tl form que relção. + 0, dode Assim, úic meir possível de defiir potêci m m+. (com > 0, iteiro) de cotiue verddeir, mesmo qudo m e são iteiros positivos ou egtivos, cosiste em pôr:. Evidetemete, relção fudmetl vle pr o produto de váris potêcis, como por eemplo m.. p. q m+ + p+ q Em prticulr, tomdo um produto de p ftores iguis m, obteremos m m m... mp m p, ou sej, ( ) mp

18 Procuremos gor, esteder oção de potêci de um úmero rel > 0, de modo icluir epoetes frcioários, d form p r, ode p, q são iteiros e q > 0. q Queremos dr ess defiição de modo ão destruir s proprieddes teriormete válids. Assim sedo, sej como for que defimos p q, devemos ter p q q p q q. p. Logo, p q deve ser o úmero cuj q-ésim potêci é igul p. Por defiição de riz, isto sigific firmr que p q q p. Em prticulr, q q. Agor, ddo um úmero rel > 0, sbemos defiir potêci iteiro positivo ulo, egtivo ou frcioário. Em sum, rciol r. Observemos que, mesmo pr p r e q r r, quer r sej está defiido, pr todo úmero u s frcioários (q > 0 e v > 0), vle v propriedde: r. s r+ s Com efeito, sbemos que r q p ( ) e ( ) s v u. Logo r s qv r qv s qv rqv (. ) ( ).( ). sqv pv uq pv+ uq.. Vemos que r s pv uq. é o úmero cuj qv-ésim potêci vle +. Isso quer dizer que pv+ uq r s. qv. pv + uq Como qv p q + u v r s r+ s r + s, temos.. De posse d defiição e d propriedde fudmetl ds potêcis de epoete rciol de um úmero rel > 0, os livros trdiciois defiem o logritmo do seguite modo: Ddo um úmero rel > 0, o logritmo de um úmero > 0 bse é o epoete y que se deve elevr de tl modo que y. Escreve-se y log e lê-se y é o logritmo de bse. Vmos usr o sil pr eprimir que s dus firmções são equivletes (isto é, têm o mesmo sigificdo). Podemos escrever, etão: y log y.

19 Ou sej, dizer que y log é o mesmo que firmr que y. Dest defiição ocorre imeditmete propriedde fudmetl dos logritmos, que é seguite: log (u) log u log. + Pr provr isso, bst escrever log u v, log y. Isto quer dizer que v y v y u e. Segue-se etão que. u, ou sej, que v + y u. Est últim iguldde sigific que v + y log ( u), que log ( u) log u + log. O desevolvimeto sistemático d teori ds potêcis com epoete rel (rciol e irrciol), pr servir de bse o estudo dos logritmos, é um processo logo e tedioso. A miori dos utores moderos prefere defiir diretmete os logritmos de modo geométrico, com bse oção de áre de um figur pl. As demostrções se torm mis simples e os coceitos mis ituitivos. Resumidmete: logritmo é um epoete em codições especiis de estudo!.6. Proprieddes de Logritmos: Com bse s defiições e demostrções cim descrits, presetmos s demis proprieddes opertórios do logritmo: () log c b c b (b) log (c) log 0 b 0 b (d) log + log c log ( c) b b b. (e) (f) (g) () log b log log log b log log b log log b b b c log b b b c logc (mudç de bse) c.6. Eemplo de utilizção ds proprieddes de Logritmos: Com bse o que foi estuddo respeito de logritmos, discut os problems:

20 Um pesso deposit R$ 5000,00 4% de juros. Quto el terá (pricipl + juros) pós 0 os: (i) se os juros são pgáveis ulmete, e (ii) se os juros são pgáveis trimestrlmete? (i) (ii) y ( + i) 5000( + 0,04) 0 log y log log,04 3, (0)(0,070) 3,8690 y R$7.396,67 i K 0,04 40 y ( + ) 5000( + ) k 4 log y log log,0 3, (40)(0,0043) 3,870 y R$7.430,00 Com bse s veds esperds e em ddos pr compis similres, o Diretor de Pessol ds Idústris Nciois predisse que o úmero de empregdos pode ser descrito pel equção t 0,5 N 00(0,04) ode N é o úmero de empregdos pós t os. Admitido que ele está correto, qutos empregdos s Idústris Nciois terão pós 3 os? Qutos empregdos compi empregou iicilmete? Qutos empregrá qudo tigir seu desevolvimeto máimo? Resolução: A compi empreg (00)(0,04) 8 pessos iicilmete e 00 qudo tiver tigido seu tmo máimo. Após 3 os el empregrá: N (00)(0,04) 0,5 3 log N log ,5 log 0,04,300 + (0,05)(,3979),63 N 33,75 ou proimdmete 34 pessos Eercícios:. Clcule o vlor de :. log 3 b. log 3 7 c. log 7 49 d. log 8 3 e. log 3 0 f. log 5 - g. log 6

21 . log 7 3. Um pesso plicou R$ 500,00 juros compostos de 5% o trimestre, durte um o. Escrev fução que descreve o motte como fução do tempo (em trimestres). 3. No eercício terior, clcule o motte pós:. um trimestre, b. dois trimestres, c. qutro trimestres. 4. Se, o eercício 3, os juros forem pgos em frções de tempo e o dieiro ficr plicdo pes um mês qul será o motte? 5. Se, o eercício 3, o cpitl cotiur plicdo por tempo idetermido, quto tempo, pós plicção, pesso terá triplicdo o seu cpitl? 6. A populção P de um pís tem seu crescimeto ddo pel lei P (,03), ode é o úmero de os que decorrem depois que esse pís ultrpssr dois milões de bittes. Ace populção estimd desse pís pr. 7. A produção de um idústri vem dimiuido o o. Num certo o, el produziu mil uiddes de seu pricipl produto. A prtir dí, produção ul pssou seguir lei y 000.(0,9). Quts uiddes form produzids o segudo o desse período recessivo? 8. Num certo o, um pssgem ére etre Rio de Jeiro e Lisbo custv mil dólres. Dí pr frete, esse preço vem sofredo rejustes uis de 0%. Epresse lei que dá o preço d pssgem ére etre Rio e Lisbo em fução do tempo. 9. O preço de um utomóvel ovo é P 0 (em reis). Ele sofre um desvlorizção de 0% o o. Epresse lei que dá o preço desse utomóvel pós os de uso. 0. O preço de um mercdori o iício do o er de R$ 50,00 e evoluiu com iflção, de cordo com fução P 50.(,0), ode P é o preço e é o tempo em meses, prtir do iício de jeiro. ) Clcule o preço dess mercdori o iicio de mrço, bril e juo. b) Em que mês do o o preço tigiu R$56,30? c) Fç o gráfico dess fução.. Um lbortório, o lçr um ovo produto de belez, estbelece um fução que dá qutidde y procurd do produto o mercdo em fução d qutidde de cis com cert qutidde de mostrs, que form distribuíds etre dos-de-cs. A fução estbelecid foi y 00.,. ) Qul foi procur do produto tes d distribuição de mostrs? E pós distribuição de dus cis? E pós distribuição de 4 cis?

22 b) Quts cis de mostrs devem ser distribuíds pr que qutidde procurd sej 000?. Num depósito przo efetudo em um bco, o cpitl cumuldo o fim de certo tempo é ddo pel fórmul C D(+t), em que C represet o cpitl cumuldo, D o vlor depositdo, t t de juro o mês e o úmero de meses. Supõe-se que, o fil de cd mês, os juros cpitlizdos são sempre cumuldos o depósito (sistem de juro composto). ) Pr um depósito de R$ 00,00, um t de 4% o mês, qul o cpitl cumuldo o fim de meses? E o fim de 6 meses? b) Se t fosse de 5% o mês, qul seri o cpitl cumuldo os mesmos períodos? 3. Cosidere que um certo pís troque de moed cd vez que iflção cumuld tige 900%. A ov moed vle sempre 000 vezes moed tig. Com um iflção de 5% o mês, em qutos meses esse pís trocrá de moed? 4. Num certo pís, t de iflção vem se mtedo em 0,7% o mês. Qul será iflção cumuld em meses?.6.4 Gbrito:. cálculo do vlor de :. 5 b. 3 c. d. 4 e. f. 0,04 g y 500.,5, ode przo de plicção 3. Mottes:. R$ 75,00 b. R$ 883,75 c. R$ 8,3 d. R$ 63,50 4. R$ 57,53

23 5. 5 trimestres bittes; 7. y 000.0,0, ode represet o úmero de os e y represet o preço d pssgem; 8. $ 80, y P.0,, ode represet o úmero de os e y represet o preço do crro, desvlorizdo; 0. cosiderdo jeiro como poto de prtid, teremos:. mrço: R$ 5,0; bril: R$ 53,06 e mio: R$ 54, b. 6 meses: julo.. mostrs:. 00 e 44 b. pelo meos cis.. Depósitos. R$ 6,3 e R$ 53,06 b. R$ 0,50 e R$ 68,0 3. Pelo meos 0 meses 4. 8,73066% o o.

24 Cpítulo Cojutos De cordo com Aurélio Burque de Hold Ferreir, cojuto é qulquer coleção de seres mtemáticos. Ampliremos est defiição e diremos: cojuto é qulquer coleção de objetos bem defiidos. A prtir dess últim defiição, podemos dizer que: um ci de lápis de cor é um cojuto cujos elemetos são lápis de cor; Um cest de fruts é um cojuto cujos elemetos são fruts; Um álbum é um cojuto de fotogrfis. Um cojuto é um grupo, um grupmeto, um coleção de objetos. Elemetos são os objetos de um mesm turez que formm os cojutos.. Coceitos e otções: Dizemos que: Cojutos são formdos por elemetos. Eemplo: A {, e, i, o, u} Elemetos pertecem ou ão cojutos. Eemplo: A (o elemeto pertece o cojuto A) b A (o elemeto b ão pertece o cojuto A). Cojutos podem ser represetdos por figurs. Esss figurs cmm-se Digrms de Ve (blões). Vej os eemplos: Podemos dr omes os cojutos. Esses omes podem ser letórios qudo estudmos cojutos sem rigor mtemático: gurd-roup, cômod, bú, cesto, etre outros. Mtemticmete fldo, cojutos serão sempre deomidos por letrs miúsculs do lfbeto ltio: A, B, C, etc.. D mesm form, podemos deomir elemetos por omes comus: peçs de roups, briquedos, fruts; ou mtemticmete: sempre utilizdo letrs miúsculs do lfbeto ltio:, b, c, etc.. HOLANDA FERREIRA, Aurélio Burque. Novo dicioário Aurélio d Lígu Portugues.. ed., Rio de Jeiro: Nov Froteir, 986, p. 455.

25 Pr determir um cojuto, podemos fzê-lo de dus meirs diferetes: Citdo (ou eumerdo) cd um de seus elemetos. Eemplo: A { brco, egro, ídio} Descrevedo s crcterístics dos elemetos que o compõe. Eemplo: A { três pricipis rçs que formrm o povo brsileiro } Cmmos de cojuto uiverso o cojuto formdo pel totlidde dos elemetos de um mesm ctegori. Cojuto uitário é o cojuto formdo por um úico elemeto. Cojuto vzio é quele que ão tem elemetos. Represetmos o cojuto vzio por { } ou.. Subcojutos: Ddos dois cojutos A e B, pode cotecer que todos os elemetos de A sejm tmbém elemetos de B. Nesse cso, dizemos que A está cotido em B ( A B) ou que B cotém A ( B A ), ou sej, A é subcojuto de B. São proprieddes dos cojutos:. Todo cojuto está cotido em si mesmo;. O cojuto vzio está cotido em qulquer cojuto; Se A é subcojuto de B, podemos defiir que: Os elemetos de B que ão pertecem A formm um ovo cojuto que cmremos complemetr de A em relção B e represetremos por: C B A ; Os elemetos de B que ão pertecem A formm um ovo cojuto que tmbém podemos desigr como sedo difereç B A..3 Iguldde de Cojutos: Dizemos que dois cojutos são iguis qudo possuem os mesmos elemetos..4 Subcojutos defiidos por um propriedde: Atrvés d descrição d propriedde crcterístic é comum descrevermos subcojutos de um determido cojutos uiverso.

26 Eemplo: Cosiderdo por Uiverso o cojuto formdo por todo tipo de fruts tropicis, determir o cojuto de fruts tropicis ts do Estdo de Mto Grosso do Sul, Brsil, eportds pr os EUA..5 Operções com cojutos: Ddos dois cojutos quisquer, podemos defiir: Uião como sedo o cojuto formdo por todos os elemetos que formm o cojuto A e formm o cojuto B; e B. Iterseção como o cojuto formdo pelos elemetos comus os cojutos A Difereç: cosiderdo elemetos que estão o cojuto A e ão estão em B; B A, difereç é o cojuto formdo por todos os Complemetr de A em relção B: é o cojuto formdo por todos os elemetos que estão o cojuto A e ão estão em B. Ao úmero de elemetos de um cojuto A, cmremos crdil do cojuto A e represetremos por (A). Sejm A e B dois cojutos quisquer, etão: (A B) (A) + (B) (A B)..5. Eercícios sobre cojutos:. (IEZZI, 990) Sedo A {, 9, 8}, B {, 5, 0} e C {, 4, 5, 6, 8}, clssifique em V (verddeiro) ou F (flso): ) A b) B c) C d) 8 A e) 8 B f) 8 C g) 0 A ) 0 B i) 0 C j) A { é lgrismo de 989} k) B { é lgrismo do o em que o Brsil foi descoberto} l) C { é úmero pr compreedido etre 0 e 0}. (IEZZI, 990) Sedo o cojuto uiverso o cojuto dos Estdos do Brsil e sedo A { é Estdo ode lígu oficil é o lemão} B { é Estdo ode ão eistem pris} C { é Estdo bdo pelo Oceo Pcífico}

27 D { é Estdo cujo ome começ pel letr T} Clssifique em V (verddeiro) ou F (flso); ) A é vzio b) B é uitário c) C é vzio d) D é uitário 3. (BIANCHINI e PACCOLA, 989) determição do tipo sgüíeo de um pesso deve-se à preseç (ou ão) dos tígeos A e B o sgue. Se um pesso possuir somete o tígeo A, el é do tipo A; se tiver somete o tígeo B, el é do tipo B; se tiver mbos, é do tipo AB e se ão tiver eum é do tipo O. Num grupo de 70 pessos verificou-se que 35 presetm o tígeo A, 30 presetm o tígeo B e 0 presetm os dois tígeos. Quts pessos são do:. tipo A? b. tipo B? c. tipo AB? d. Tipo O? 4. (BIANCHINI e PACCOLA, 989) (PUC/CAMPINAS-SP) Num comuidde costituíd de 800 pessos, á três progrms de TV fvoritos: Esportes (E), Novel (N) e Humorismo (H). A tbel seguite idic quts pessos ssistem esses progrms. Progrms E N H E e N N e H E e H E, N e H Nº de telespectdores Atrvés desses ddos, verific-se o úmero de pessos d comuidde que ão ssistem qulquer dos três progrms:. 00 b. 00 c. 900 d. os ddos do problem estão icorretos.5. Gbrito:. Verddeiro ou Flso. Verddeiro b. Verddeiro c. Flso d. Verddeiro e. Flso

28 f. Verddeiro g. Flso. Verddeiro i. Flso j. Verddeiro k. Verddeiro l. Flso. Verddeiro ou Flso. Flso b. Flso c. Flso d. Verddeiro 3. Atígeos. 5 b. 0 c. 0 d (ltertiv b).6 Cojutos Numéricos Importtes: A mtemátic, o logo dos os, preocupou-se em estudr os diferetes tipos de úmeros e grupou-os em diferetes cojutos uméricos cd qul com diferete proprieddes operciois. Neste mometo, os iteresse estudr lgus destes cojutos: turis, iteiros, rciois, irrciois e reis. Os demis ão têm plicção diret o osso estudo..6. Cojutos dos Números Nturis: Números turis eprimem idéi de qutidde e são represetdos por símbolos especiis. Os primeiros símbolos utilizdos pr cotgem form puzios, risquios, ós, cocs, ossos etldos, etre outros. Com o pssr do tempo, outros símbolos form utilizdos pr represetr qutiddes, pois pequeos objetos erm suficietes pr cotr peques qutiddes. Pr qutiddes miores esses objetos erm icoveietes.

29 O omem levou muito tempo pr resolver esse impsse. Muito tempo, mesmo, pssou pr que o omem percebesse que bstvm dez símbolos pr represetr qulquer qutidde: os lgrismos. Os dez lgrismos formm bse deciml de umerção. De cordo com MALVEIRA (993: 6-7): Os símbolos 0,,, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9 formm sucessão dos úmeros turis. Est sucessão, idicd pel letr N, tmbém é cmd cojuto dos úmeros turis. O cojuto dos turis é ordedo do meor pr o mior elemeto. Podemos represetá-lo trvés de um ret orded: Quto mis à direit, MAIOR o úmero; quto mis à esquerd, MENOR o úmero. O cojuto dos úmeros turis é ordedo do meor pr o mior úmero..6.. Operções com úmeros turis: Adição: grupmeto dos objetos de dus ou mis coleções. Proprieddes: ) Comuttiv: + b b + ) Associtiv: ( + b) + c + (b + c) 3) Elemeto eutro zero: + 0 4) A som de dois turis é sempre turl 5) Ccelmeto: b + b + Subtrção: é operção ivers d dição. No cojuto dos turis, o miuedo deve ser mior que o subtredo. Observção: um epressão uméric, com dições e subtrções, efetumos s operções ordem em que precem (d esquerd pr direit). Multiplicção: determi som de prcel iguis. Proprieddes: ) Comuttiv:. b b. ) Associtiv: (. b). c. (b. c) 3) Elemeto eutro :. 4) O produto de dois turis é sempre turl 5) Distributiv:. (b + c) b + c 5) Ccelmeto: b. b. Divisão: é operção ivers d multiplicção.

30 Proprieddes: ) Algoritmo d divisão: D dq + r, ode possível, o dividedo deve ser mior que o divisor. D dividedo d divisor q quociete r resto ) No cojuto dos úmeros turis, pr que divisão sej Potecição: é o produto de ftores iguis. Proprieddes: ) ) 3) m m. : m ( ) m+ m Rdicição: é operção ivers d potecição. Proprieddes: ) b b m ) No cojuto dos úmeros turis, pr que potecição sej possível, o rdicdo deve ser sempre um potêci perfeit, de cordo com o ídice do rdicl..6.. Divisores e Múltiplos o cojuto dos úmeros turis: Divisibilidde por : um úmero turl é divisível por qudo é um úmero pr. Divisibilidde por 3: um úmero turl é divisível por 3 qudo som de seus lgrismos for múltipl de 3. Divisibilidde por 6: um úmero turl é divisível por 6 qudo for um úmero pr divisível por 3. Divisibilidde por 5: um úmero turl é divisível por 5 qudo tiver o último lgrismo igul 5 ou igul zero. Um turl é divisível por dez qudo termi pelo lgrismo zero..6. Cojuto dos Números Iteiros: Números iteiros tmbém eprimem idéi de qutidde ms vão mis lém disso, pois relciom qutidde um determido referecil. Historicmete, podemos relcior o surgimeto do cojuto dos úmeros iteiros reltivos os primeiros livros de registros cotábeis; débitos e créditos são um ecelete cmio pr esclrecer egtivo e positivo.

31 As pricipis crcterístics do Cojuto dos Números Iteiros são: Os úmeros precedidos pelo sil + são deomidos úmeros iteiros positivos. Os úmeros precedidos pelo sil são deomidos úmeros iteiros egtivos. Ao cojuto formdo pelos iteiros positivos, iteiros egtivos e o zero, cmmos cojuto dos úmeros iteiros e represetmos pel letr Z. mior elemeto. Tl qul o cojuto dos úmeros turis, Z tmbém é ordedo do meor pr o Comprdo o cojuto dos úmeros turis com o cojuto dos úmeros iteiros, podemos cocluir que N Z. Destcmos os seguites subcojutos de Z: * Z - iteiros ão ulos; Z + - iteiros ão egtivos; Z - iteiros ão positivos; * Z + - iteiros positivos; * Z - iteiros egtivos; Represetção geométric Quto mis à direit, MAIOR o úmero; quto mis à esquerd, MENOR o úmero. O cojuto dos úmeros iteiros é ordedo do meor pr o mior úmero Operções com úmeros iteiros: Adição: grupmeto dos objetos de dus ou mis coleções. Se os úmeros diciodos têm o mesmo sil, efetumos dição e coservmos o sil. Se os úmeros diciodos têm siis diferetes, efetumos difereç e coservmos o sil do mior. Proprieddes: ) Comuttiv: + b b + ) Associtiv: ( + b) + c + (b + c) 3) Elemeto eutro zero: + 0 4) A som de dois iteiros é sempre iteir 5) Ccelmeto: b + b + Subtrção: é operção ivers d dição. No cojuto dos iteiros, o miuedo e o subtredo podem ser úmeros quisquer. Observção: um epressão uméric, com dições e subtrções, efetumos s operções ordem em que precem (d esquerd pr direit).

32 Multiplicção: determi som de prcel iguis. Proprieddes: ) Comuttiv:. b b. ) Associtiv: (. b). c. (b. c) 3) Elemeto eutro :. 4) O produto de dois iteiros é sempre iteiro 5) Distributiv:. (b + c) b + c 5) Ccelmeto: b. b. Divisão: é operção ivers d multiplicção. Proprieddes: ) Algoritmo d divisão: D dq + r, ode possível, o dividedo deve ser mior que o divisor. D dividedo d divisor q quociete r resto ) No cojuto dos úmeros iteiros, pr que divisão sej Potecição: é o produto de ftores iguis. Proprieddes: ) ) 3) m m. : m ( ) m+ m Rdicição: é operção ivers d potecição. Proprieddes: ) b b m ) No cojuto dos úmeros iteiros, pr que potecição sej possível, o rdicdo deve ser sempre um potêci perfeit, de cordo com o ídice do rdicl..6.. Divisores e Múltiplos o cojuto dos úmeros iteiros: Vlem s mesms regrs que o cojuto dos úmeros turis..6.3 Cojuto dos Números Rciois: p Um úmero é dito rciol qudo é d form, p e q Z, q 0. q As pricipis crcterístics do Cojuto dos Números Rciois são: Os úmeros precedidos pelo sil + são deomidos úmeros rciois positivos. Os úmeros precedidos pelo sil são deomidos úmeros rciois egtivos. Ao

33 cojuto formdo pelos rciois positivos, rciois egtivos e o zero, cmmos cojuto dos úmeros rciois e represetmos pel letr Q. Tl qul o cojuto dos úmeros turis e iteiros, Q tmbém é ordedo do meor pr o mior elemeto. Comprdo o cojuto dos úmeros turis e o cojuto dos úmeros iteiros com o cojuto dos úmeros rciois, podemos cocluir que N Z Q. Destcmos os seguites subcojutos de Q: * Q - rciois ão ulos; Q + - rciois ão egtivos; Q - rciois ão positivos; * Q + - rciois positivos; * Q - rciois egtivos; Represetção geométric Quto mis à direit, MAIOR o úmero; quto mis à esquerd, MENOR o úmero. O cojuto dos úmeros rciois é ordedo do meor pr o mior úmero..6.4 Operções com úmeros rciois: Adição: grupmeto dos objetos de dus ou mis coleções. Se os úmeros diciodos têm o mesmo sil, efetumos dição e coservmos o sil. Se os úmeros diciodos têm siis diferetes, efetumos difereç e coservmos o sil do mior. compreed: Proprieddes: ) Comuttiv: + b b + ) Associtiv: ( + b) + c + (b + c) 3) Elemeto eutro zero: + 0 4) A som de dois rciois é sempre rciol 5) Ccelmeto: b + b + Em especil, pr dicior dois úmeros rciois é ecessário que se Míimo Múltiplo Comum; Clsses de equivlêci; Redução de frções o mesmo deomidor;

34 Subtrção: é operção ivers d dição. No cojuto dos rciois, o miuedo e o subtredo podem ser úmeros quisquer. Pr subtrir dois úmeros rciois utilizmos o mesmo procedimeto d dição: reduzimos s frções o mesmo deomidor pr depois operá-ls. Observção: um epressão uméric, com dições e subtrções, efetumos s operções ordem em que precem. Multiplicção: determi som de prcel iguis. Proprieddes: ) Comuttiv:. b b. ) Associtiv: (. b). c. (b. c) 3) Elemeto eutro :. 4) O produto de dois rciois é sempre rciol 5) Distributiv:. (b + c) b + c 5) Ccelmeto: b. b. Divisão: é operção ivers d multiplicção. Proprieddes: ) Algoritmo d divisão: D dq, ode D dividedo d divisor q quociete ) No cojuto dos úmeros rciois, dividedo e divisor podem ser úmeros quisquer. Potecição: é o produto de ftores iguis. Proprieddes: ) m. m+ ) m : m 3) m ( ) m Rdicição: é operção ivers d potecição. Proprieddes: ) b b ) No cojuto dos úmeros rciois, pr que potecição sej possível, o rdicdo deve ser sempre um potêci perfeit, de cordo com o ídice do rdicl. Um outr crcterístic importte do cojuto dos úmeros rciois é o fto de ele ser formdo por todos os úmeros turis, úmeros iteiros, úmeros frcioários proprimete ditos, úmeros decimis fiitos e dízims periódics.

35 .6.5 Cojuto dos Números Irrciois: Todo úmero em que prte deciml é fiit ifiit e periódic pode ser escrito form, com e b iteiros e b 0. b E se prte deciml de um úmero for ifiit e ão periódic, como escrevê-l form de frção? Vmos cosiderr, por eemplo, o vlor proimdo de (, ) e tetr obter su frção gertriz. Nesse cso, ão á formção de período. Fzemos e obtemos: 0 4,435..., multiplicdo iguldde por 0 ; e, , multiplicdo iguldde por 0 0. Subtrímos os produtos: 0 4,435..., , Portto,, (O umerdor ão é um úmero 9 deciml ifiito e ão periódico). Observe que o vlor de ifiito e ão periódico. cotiu sedo um úmero deciml Como todo úmero rciol pode ser escrito form b, com e b iteiros e b 0, etão ão é rciol. Dizemos que é um úmero irrciol. [ ] Todo úmero que tem um represetção deciml ifiit e ão periódic é um úmero irrciol. Cmmos de cojuto de úmeros irrciois o cojuto formdo por todos os úmeros cuj represetção deciml é ifiit e ão periódic. Nesse ível de predizdo, ão discutiremos s operções detro do cojuto dos úmeros irrciois..6.6 Cojuto dos Números Reis: Cmmos de cojuto dos úmeros reis à uião do cojuto dos úmeros rciois com o cojuto dos úmeros irrciois.

36 .6.7 Operções com úmeros reis: Adição: grupmeto dos objetos de dus ou mis coleções. Proprieddes: ) Comuttiv: + b b + ) Associtiv: ( + b) + c + (b + c) 3) Elemeto eutro d dição zero: + 0 4) A som de dois reis é sempre rel 5) Ccelmeto: b + b + Subtrção: é operção ivers d dição. No cojuto dos reis, o miuedo e o subtredo podem ser úmeros quisquer. Observção: um epressão uméric, com dições e subtrções, efetumos s operções ordem em que precem. Multiplicção: determi som de prcel iguis. Proprieddes: ) Comuttiv:. b b. ) Associtiv: (. b). c. (b. c) 3) Elemeto eutro :. 4) O produto de dois reis é sempre rel. 5) Distributiv:. (b + c) b + c 5) Ccelmeto: b. b. Divisão: é operção ivers d multiplicção. Proprieddes: que o divisor sej diferete de zero. ) Algoritmo d divisão: D dq + r, ode D dividedo d divisor q quociete r resto ) No cojuto dos úmeros reis, tod divisão é possível, desde Potecição: é o produto de ftores iguis. Proprieddes: ) m. m+ ) m : m 3) m ( ) m 4) 0 5) 6) (.b).b

37 7) b b m 8) m 9) Rdicição: é operção ivers d potecição. Proprieddes: ) b b ).b. b 3) 4) 5) b m b.m. m m 6). m.m m+.6.8 Eercícios:. Escrev como um úic potêci: b c... d e. 5 /5 5 f. ( 3 ) 4 g. (3.5). (-) 0 i. (-) 5 j. (-3) k. (/5) l. (3/4) - m. (-/3) 3. (-/3) - o. (-/3) -

38 . Clcule o vlor de em: : y : , esse cso o vlor de y é? 4. Se 3 etão? Nesse cso? 6. (4 ) 4 8. Nesse cso? 7. /8. Nesse cso 8. Observe que 0, que é represetção de 0,3 como potêci de bse 0. D mesm form podemos escrever 300 como que é o úmero 300 escrito como potêci de bse 0, e id ou 0,5.0. Agor represete os úmeros bio como potêcis de bse 0:. 0,07 b. 0,0 c.,3 d. 00 e. 700 f g. 0, i j. 0, Resolv s seguites equções epoeciis:. 4 b. 9 3 c. 9 8 d. 3 e Gbrito. Reduzir um só potêci:. 8 ou 56 b. 3 3 ou c. 3+

39 d. 4 0 ou e. ou 0, 008 f. ou 4096 g. 5 ou 5. (qulquer úmero rel, diferete de zero, elevdo zero é igul um) i. 3 j. 9 k. 0,6 l. 6 9 m. 7., 5 o., y potêcis de ou 0,7.0 ou,07.0 b..0 3 ou,.0 ou 0,.0 c. 3.0, etre outros. d..0, etre outros. 3 e. 7,.0, etre outros. 4 f.,73.0, etre outros. 4 g. 3.0, etre outros. 5..0, etre outros. 7 i. 7,05.0, etre outros. 8 j. 03.0, etre outros.

40 9. Equções epoeciis:. b.. b. 5 c. 0,5.7 Represetção Geométric de R: Represetção geométric do cojuto dos úmeros reis é sempre feit ret orded, orietd d esquerd pr direit, sobre qul, escolemos um poto e cmmos de zero, ou, tribuímos o vlor zero. Quto mis à direit, MAIOR o úmero; quto mis à esquerd, MENOR o úmero. O cojuto dos úmeros reis é ordedo do meor pr o mior úmero..8 Vlor Absoluto de um úmero rel: Cmmos de módulo ou vlor bsoluto de um úmero rel, distâci etre esse úmero e origem (o zero). Represetmos o módulo por dus brrs verticis. Propriedde:, 0, < 0 módulo. Dizemos que dois úmeros são opostos ou simétricos qudo possuem o mesmo Com relção o cojuto dos úmeros iteiros, podemos dizer que: ) todo úmero positivo (represetdo à direit do úmero zero) é mior do que zero; ) todo úmero egtivo (represetdo à esquerd do úmero zero) é meor do que zero; 3) todo úmero positivo é mior do que qulquer úmero egtivo; 4) etre dois úmeros iteiros positivos, o meor deles é o que preset o meor módulo ou vlor bsoluto;

41 5) etre dois úmeros iteiros egtivos, o meor deles é o que preset o mior módulo ou vlor bsoluto;.9 Subcojutos d ret: Os subcojutos dos úmeros reis determidos por desigulddes são cmdos itervlos. Vmos estudr lgus desses itervlos. Pr isso iremos cosiderr dois úmeros reis e b, com < b. Itervlo fecdo: é qulquer cojuto do tipo { R b}, gerlmete idicdo por [; b]. Etão [; b] { R b}. Os úmeros reis e b são cmdos etremos do itervlo. Represetção ret: Observção: otção idic que o etremo pertece o itervlo. Eemplo: O itervlo fecdo de etremos represetdo ret uméric ssim: e é escrito ; R e Itervlo berto: é qulquer cojuto do tipo { R < < b}, gerlmete idicdo por ]; b[. Etão ]; b[ { R < < b}. Represetção ret: Observção: otção idic que o etremo ão pertece o itervlo. Eemplo: O itervlo berto de etremos 5 e é escrito: 5; R 5 < < } e é represetdo ret uméric ssim: ] [ { Itervlo fecdo à esquerd e berto à direit: são cojutos do tipo { R < b}, gerlmete idicdo por [; b[. Etão [; b[ { R < b}.

42 Represetção ret: Eemplo: [ 3 ; 0 [ { 3 < 0 } O itervlo fecdo à esquerd e berto à direit de etremos 3 e 0 é escrito: e é represetdo ret umerd ssim: Itervlo berto à esquerd e fecdo à direit: são cojutos do tipo { R < b}, gerlmete idicdo por ]; b]. Etão ]; b] { R < b}. Represetção ret: Eemplo: O itervlo berto à esquert e fecdo à direit de etremos 5 e 5 é escrito: ] 5;5] { R 5 < 5 } e represetdo ret uméric ssim: Sedo um úmero rel, tmbém são itervlos os seguites subcojutos: { R } [ ; + [ { R } ] ; + [ > { R } ] ; ] { R } ] ; [ < ] ; + [ R

43 Observção: os símbolos e + lemos, respectivmete, meos ifiito e mis ifiito..0 Aplicções: Operções com itervlos: Vejmos trvés de eemplo iterseção de itervlos. (Lembre-se: iterseção é o que eiste em comum etre os cojutos ddos!) Eemplo: Efetue: ] ; 4 ] [ ; 6 ] Logo, ] ; 4 ] [ ; 6 ] [ ; 4 ] Vejmos trvés de eemplo uião de itervlos. (Lembre-se: uião é o cojuto formdo com todos os elemetos dos cojutos ddos!) Eemplo: Efetue: ] ; 4 ] [ ; 6 ]. Eercícios: ) Determie os seguites itervlos, coforme o modelo: Itervlo fecdo de etremos e 8 Solução: [ ;8] { R 8} ) Itervlo berto de etremos 5 e 4 b) Itervlo fecdo de etremos 0 e 5 c) itervlo fecdo à esquerd e berto à direit de etremos 8 e d) itervlo berto à esquerd e fecdo à direit de etremos 5 e 5 ) Represet ret rel os itervlos: ) [-3, ] b) ], 5] c) ] ; 4[

44 d) [ 8; [ e) ] ;3] f) ], + [ g) ] ;0] ) { R 4 } i) { R 0 < 3} j) { R > 4} k) { R 5} 3) Determie os seguites itervlos represetdos ret rel: ) b) c) d) e) f) 4) Determie iterseção dos seguites itervlos: ) ] 5;3[ [; 8] b) ] 0; [ ] ; 4[ c) [ 5; 6 ] [ 6; 40] d) [ 4; 4] ]4; 6] e) ] ;3] ]5; 30] f) ] ; 3] ]; [ 5) Determie reuião dos seguites itervlos: ) [ ; 3] ]; 4 ] d) [ ; ] [ ; 3[ b) [ 3; 3[ [ 3; 5] e) ] ; 4 ] [ 3; 6[ c) ] ; [ [ 3; 5] f) ], 0 ] ]0; + [

45 . Gbrito: ) respodedo como o modelo: ) ] 5,4[ { R 5 < < 4} b) [ 0, 5 ] { R 0 5} c) [ 8, [ { R 8 < } d) ] 5,5] { R 5 < 5} ) Represetdo ret ) b) c) d) e) f) g) ) i) j) k) 3) Respodedo: ) [, 8 ] { R 8} b) ] 3,3[ { R 3 < < 3} c) [ 6,4[ { R 6 < 4} d) [ 5, + [ { R 5} e) ], 3[ { R < 3} f) ] 6, 3 ] { R 6 < 3} 4) efetudo itersecção: ) [, 3[ b) ], [ c) {6} d) φ e) φ

46 f) ], 3] 5) efetudo uião: ) [, 4] b) [ 3, 5] c) ] ; [ [ 3; 5] d) [, 3[ e) ], 6[ f) ], + [

47 Cpítulo 3 - Fuções Ates de itroduzirmos o coceito forml de fuções, flremos sobre s estruturs mtemátics que suportm tl teori. Vmos, tes, costruir o coceito de produto crtesio e relção biári etre os elemetos de dois cojutos. Sejm A e B dois cojutos ão vzios. Cmmos de produto crtesio de A por B ( e idicremos A B) o cojuto formdo por todos os pres ordedos (, b) ode A e b B. Ates de mis d, qudo tommos, o cso, um elemeto de cd um dos cojutos estuddos, dizemos que formmos um pr. Pr é todo cojuto formdo por dois elemetos. Amplido esse coceito, poderemos flr de pr ordedo que, segudo IEZZI (93, p. 65) pode ser ssim determido: Admitiremos oção de pr ordedo como coceito primitivo (*). Pr cd elemeto e cd elemeto b, dmitiremos eistêci de um terceiro elemeto (, b) que deomimos pr ordedo, de modo que se te (, b) (c, d) c e b d. Voltdo o produto crtesio: A B {(, b), A e b B} Se A ou B forem vzios o produto A B tmbém será vzio. Proprieddes: Se A B A B Se (A) e (B) m B A (A B) m Se A ou B for ifiito e eum deles vzio A B é ifiito. Um relção biári é um subcojuto do produto crtesio. Dizemos que R é um relção biári de A em B se, e somete se, R A B. é, (, y) R Ry. Utilizremos seguite omecltur: A cojuto de prtid ou domíio d relção R. B cojuto de cegd ou cotrdomíio d relção R. Qudo o pr (, y) pertece à relção R, escrevemos Ry (lê-se: erre y ), isto

48 3. Coceito de fução: Fução é um relção biári ode todo elemeto do primeiro cojuto (domíio) deve formr pr com elemeto do cotrdomíio, ms cd elemeto do domíio deve formr um úico pr. Pr idicr um fução, utilizremos um etre s seguites otções: f : A B f () ou A f B f () ou f : A B t.q. y f () Segudo IEZZI e MURAKAMI (994, p. 85) Se (, b) f (...) o elemeto b é cmdo imgem de pel plicção f ou vlor de f o elemeto, e idicmos: f() b que se lê f de é igul b. 3.. Domíio, Cotrdomíio e Imgem: y B tl que Coforme IEZZI e MURAKAMI (994, p ) Cmmos de domíio o cojuto D dos elemetos A pr os quis eiste (, y) f. Como, pel defiição de fução, todo elemeto de A tem ess propriedde, temos s fuções: Domíio cojuto de prtid Isto é, D A Cmmos de cotrdomíio o cojuto CD dos elemetos y B pr os quis eiste A tl que (, y) f. Como, pel defiição de fução, todo elemeto de A tem ess propriedde, temos s fuções: Cotrdomíio cojuto de cegd Isto é, CD A Cmmos de imgem o cojuto Im dos elemetos y B pr os quis eiste A tl que (, y) f, portto: Imgem é o subcojuto do cotrdomíio Isto é, Im B 3. Iguldde de fuções Dizemos que dus fuções f e g ( f : A B e g : C D) são iguis qudo presetm domíios iguis; cotrdomíios iguis e f() g(), D.

49 3.3 Operções com fuções drosofi 3.4 Cosiderções sobre o domíio de f: Segudo Gelso Iezzi (994) Domíio ds fuções umérics: As fuções que presetm mior iteresse mtemátic são s fuções umérics, isto é, quels em que o domíio A e o cotrdomíio B são subcojutos de R. s fuções umérics são tmbém cmds fuções reis de vriável rel. Observemos que um fução f fic completmete defiid qudo são ddos o seu domíio D, o seu cotrdomíio e lei de correspodêci y f(). Qudo os referimos à fução f e dmos pes seteç bert y f() que defie, subetedemos que D é o cojuto dos úmeros reis cujs imges pel plicção f são úmeros reis, isto é,, D é formdo por todos os úmeros reis pr os quis é possível clculr f (). D f () R. 3.5 Represetção gráfic: A represetção gráfic do pr ordedo dá-se trvés do Plo Crtesio. Plo Crtesio é formdo por dois eios perpediculres etre si, o poto 0. (Lembre-se: dus rets prlels ou cocorretes determim um plo). Nests codições: Vej figur: ddo um poto P qulquer, P α, coduzmos por ele dus rets: ' // e y' // y. Deomimos P iterseção de com y e P itersecção de y com. Nesss codições defiimos: Absciss de P é o úmero rel P represetdo por P. Orded de P é o úmero rel y P represetdo por P. Coordeds de P são os úmeros reis P e y P, gerlmete idicdos form de um pr ordedo ( P, y P ) em que P é o primeiro termo. Eio ds bscisss é o eio (ou O) Eio ds ordeds é o eio y (ou Oy) Sistem de eios crtesio ortogol (ou ortoorml ou retgulr) é o sistem Oy. Origem do sistem é o poto 0. Plo crtesio é o plo α. (Iezzi, 994)

50 Etre o cojuto dos potos P do plo α e o cojuto de pres ordedos (P, y P ), eiste um correspodêci biuívoc, isto é, cd poto correspode um úico pr e cd pr correspode um úico poto. 3.6 Fuções Usuis: De cordo com su lei de formção, podemos clssificr fuções como: cos t te lier Fução de primeiro gru: idetidde fim Fução qudrátic ou do segudo gru; Fução modulr; Fução epoecil; Fução logrítmic; Fuções trigoométrics, etre outrs. Ests são s fuções mis usuis d mtemátic Fução do Primeiro Gru: Cmmos de fução do primeiro gru tod epressão d form y + b com, b R. São eemplos de fuções do primeiro gru: 3 y 3 + 4; y + 8; y 3; y 0,5 3; y ; y 4 4 As fuções de primeiro gru são clssificds de cordo com os vlores de e b: Se e b são mbos diferetes de zero, dizemos fução fim; Se é diferete de zero e b igul zero, dizemos fução lier; Se é igul e b igul zero, dizemos fução idetidde; Se é igul zero e b diferete de zero, dizemos fução costte.

Matemática 1 Professor Paulo Cesar Pfaltzgraff Ferreira. Sumário

Matemática 1 Professor Paulo Cesar Pfaltzgraff Ferreira. Sumário Mtemátic Professor Pulo Cesr Pfltgrff Ferreir i Sumário Uidde Revisão de Tópicos Fudmetis do Esio Médio... 0. Apresetção... 0. Simologi Mtemátic mis usul... 0. Cojutos Numéricos... 0. Operções com Números

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA - TURMAS DO

PROVA DE MATEMÁTICA - TURMAS DO PROVA DE MATEMÁTICA - TURMAS DO o ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - MARÇO DE 0. ELABORAÇÃO: PROFESSORES ADRIANO CARIBÉ E WALTER PORTO. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Questão 0. (UDESC SC)

Leia mais

FUNÇÃO EXPONENCIAL. a 1 para todo a não nulo. a. a. a a. a 1. Chamamos de Função Exponencial a função definida por: f( x) 3 x. f( x) 1 1. 1 f 2.

FUNÇÃO EXPONENCIAL. a 1 para todo a não nulo. a. a. a a. a 1. Chamamos de Função Exponencial a função definida por: f( x) 3 x. f( x) 1 1. 1 f 2. 49 FUNÇÃO EXPONENCIAL Professor Lur. Potêcis e sus proprieddes Cosidere os úmeros ( 0, ), mr, N e, y, br Defiição: vezes por......, ( ), ou sej, potêci é igul o úmero multiplicdo Proprieddes 0 pr todo

Leia mais

Geometria Analítica e Álgebra Linear

Geometria Analítica e Álgebra Linear Geometri Alític e Álgebr Lier 8. Sistems Lieres Muitos problems ds ciêcis turis e sociis, como tmbém ds egehris e ds ciêcis físics, trtm de equções que relciom dois cojutos de vriáveis. Um equção do tipo,

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Fluxos de Caixa Séries Uniformes de Pagamento

Elementos de Análise Financeira Fluxos de Caixa Séries Uniformes de Pagamento Elemetos de Aálise Ficeir Fluxos de Cix Séries Uiformes de Pgmeto Fote: Cpítulo 4 - Zetgrf (999) Mtemátic Ficeir Objetiv 2ª. Ed. Editorção Editor Rio de Jeiro - RJ Séries de Pgmetos - Defiição Defiição:

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA. I. Se a expansão decimal de x é infinita e periódica, então x é um número racional. é um número racional.

COMENTÁRIO DA PROVA. I. Se a expansão decimal de x é infinita e periódica, então x é um número racional. é um número racional. COMENTÁRIO DA PROVA Como já er esperdo, prov de Mtemátic presetou um bom úmero de questões com gru reltivmete lto de dificuldde, s quis crcterístic fudmetl foi mescl de dois ou mis tems em um mesm questão

Leia mais

Z = {, 3, 2, 1,0,1,2,3, }

Z = {, 3, 2, 1,0,1,2,3, } Pricípios Aritméticos O cojuto dos úmeros Iteiros (Z) Em Z estão defiids operções + e. tis que Z = {, 3,, 1,0,1,,3, } A) + y = y + (propriedde comuttiv d dição) B) ( + y) + z = + (y + z) (propriedde ssocitiv

Leia mais

Vamos supor um quadrado com este, divididos em 9 quadradinhos iguais.

Vamos supor um quadrado com este, divididos em 9 quadradinhos iguais. Rdicição O que é, fil, riz qudrd de um úmero? Vmos supor um qudrdo com este, divididos em 9 qudrdihos iguis. Pegdo cd qudrdiho como uidde de áre, podemos dizer que áre do qudrdo é 9 qudrdihos, ou sej,

Leia mais

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA [Digite teto] CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA BELO HORIZONTE MG [Digite teto] CONJUNTOS NÚMERICOS. Conjunto dos números nturis Ν é o conjunto de todos os números contáveis. N { 0,,,,,, K}. Conjunto dos números

Leia mais

As funções exponencial e logarítmica

As funções exponencial e logarítmica As fuções epoecil e logrítmic. Potêcis em Sej um úmero rel positivo, isto é, * +. Pr todo, potêci, de bse e epoete é defiid como o produto de ftores iguis o úmero rel :...... vezes Pr, estbelece-se 0,

Leia mais

FUNÇÕES EXPONENCIAIS E LOGARÍTMICAS - ITA. Equações Exponenciais

FUNÇÕES EXPONENCIAIS E LOGARÍTMICAS - ITA. Equações Exponenciais FUNÇÕES EXPONENCIAIS E LOGARÍTMICAS - ITA Equções Epoeciis... Fução Epoecil..4 Logritmos: Proprieddes 6 Fução Logrítmic. Equções Logrítmics...5 Iequções Epoeciis e Logrítmics.8 Equções Epoeciis 0. (ITA/74)

Leia mais

Matemática C Extensivo V. 6

Matemática C Extensivo V. 6 Mtemátic C Etesivo V 6 Eercícios ) D ) D ) C O vlor uitário do isumo é represetdo por y Portto pelo produto ds mtrizes A e B temos o seguite sistem: 5 5 9 y 5 5y 5y 9 5y 5 Portto: y 4 y 4 As médis uis

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Cálculo II. Eliezer Batista Elisa Zunko Toma Márcio Rodolfo Fernandes Silvia Martini de Holanda Janesch

Cálculo II. Eliezer Batista Elisa Zunko Toma Márcio Rodolfo Fernandes Silvia Martini de Holanda Janesch Cálculo II Eliezer Btist Elis Zuko Tom Márcio Rodolfo Ferdes Silvi Mrtii de Hold Jesch ª Edição Floriópolis, Govero Federl Presidete d Repúblic: Dilm V Rousseff Miistro de Educção: Aloízio Mercdte Coordedor

Leia mais

Lista de Exercícios 01 Algoritmos Sequência Simples

Lista de Exercícios 01 Algoritmos Sequência Simples Uiversidde Federl do Prá UFPR Setor de Ciêcis Exts / Deprtmeto de Iformátic DIf Discipli: Algoritmos e Estrutur de Ddos I CI055 Professor: Dvid Meotti (meottid@gmil.com) List de Exercícios 0 Algoritmos

Leia mais

MÓDULO IV. EP.02) Determine o valor de: a) 5 3 = b) 3 4 = c) ( 4) 2 = d) 4 2 = EP.03) Determine o valor de: a) 2 3 = b) 5 2 = c) ( 3) 4 = d) 3 4 =

MÓDULO IV. EP.02) Determine o valor de: a) 5 3 = b) 3 4 = c) ( 4) 2 = d) 4 2 = EP.03) Determine o valor de: a) 2 3 = b) 5 2 = c) ( 3) 4 = d) 3 4 = MÓDULO IV. Defiição POTENCIACÃO Qudo um úmero é multiplicdo por ele mesmo, dizemos que ele está elevdo o qudrdo, e escrevemos:. Se um úmero é multiplicdo por ele mesmo váris vezes, temos um potêci:.. (

Leia mais

Método de Exaustão dos Antigos: O Princípio de Eudoxo-Arquimedes

Método de Exaustão dos Antigos: O Princípio de Eudoxo-Arquimedes Método de Exustão dos Atigos: O Pricípio de Eudoxo-Arquimedes Joquim Atóio P. Pito Aluo do Mestrdo em Esio d Mtemátic Número mecográfico: 03037007 Deprtmeto de Mtemátic Pur d Fculdde de Ciêcis d Uiversidde

Leia mais

MÓDULO II POTENCIAÇÃO RADICIAÇÃO

MÓDULO II POTENCIAÇÃO RADICIAÇÃO MÓDULO II POTENCIAÇÃO E RADICIAÇÃO MÓDULO II POTENCIAÇÃO E RADICIAÇÃO O ódulo II é oposto por eeríios evolvedo poteição e rdiição Estos dividido-o e dus prtes pr elhor opreesão ª PARTE: POTENCIAÇÃO DEFINIÇÃO

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

CAPÍTULO VI FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL. LIMITES E CONTINUIDADE

CAPÍTULO VI FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL. LIMITES E CONTINUIDADE 1. Itrodução CAPÍTULO VI FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL. LIMITES E CONTINUIDADE Ddo um qulquer cojuto A R, se por um certo processo se fz correspoder cd A um e um só y = f() R, diz-se que se defiiu um

Leia mais

Quando o polinômio divisor é da forma x + a, devemos substituir no polinômio P(x), x por a, visto que: x + a = x ( a).

Quando o polinômio divisor é da forma x + a, devemos substituir no polinômio P(x), x por a, visto que: x + a = x ( a). POLINÔMIOS II. TEOREMA DE D ALEMBERT O resto d divisão de um poliômio P(x) por x é igul P(). m m Sej, com efeito, P x x x..., um poliômio de x, ordedo segudo s potecis m m decrescetes de x. Desigemos o

Leia mais

Unidade 2 Progressão Geométrica

Unidade 2 Progressão Geométrica Uidde Progressão Geométric Seuêci e defiição de PG Fórmul do termo gerl Fução expoecil e PG Juros compostos e PG Iterpolção geométric Som dos termos de um PG Seuêci e defiição de PG Imgie ue você tem dus

Leia mais

o quociente C representa a quantidade de A por unidade de B. Exemplo Se um objecto custar 2, então 10 objectos custam 20. Neste caso temos 20 :10 2.

o quociente C representa a quantidade de A por unidade de B. Exemplo Se um objecto custar 2, então 10 objectos custam 20. Neste caso temos 20 :10 2. Mtemátic I - Gestão ESTG/IPB Resolução. (i).0 : r 0.000.0 00.0 00 0 0.0 00 0 00.000 00 000.008 90 0.000.000 00 000 008 90.00 00 00 00 9 Dividedo = Divisor x Quociete + Resto.0 = x.008 + 0.000. Num divisão

Leia mais

Escola de Engenharia de Lorena - USP Cinética Química Capítulo 01 Introdução a Cinética

Escola de Engenharia de Lorena - USP Cinética Química Capítulo 01 Introdução a Cinética 1.1 - ITODUÇÃO O termo ciétic está relciodo movimeto qudo se pes ele prtir de seu coceito físico. tretto, s reções químics, ão há movimeto, ms sim mudçs de composição do meio reciol, o logo d reção. Termodiâmic

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNICAMP VESTIBULAR 2009 1 a e 2 a Fase RESOLUÇÃO: Professora Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNICAMP VESTIBULAR 2009 1 a e 2 a Fase RESOLUÇÃO: Professora Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNICAMP VESTIBULAR 9 e Fse Professor Mri Atôi Gouvei. FASE _ 9 9. N décd de 96,com redução do úmero de bleis de grde porte,como blei zul, s bleis mike tártic pssrm ser o lvo preferêci

Leia mais

EXERCÍCIOS: d) 1.1 = e) = f) = g) 45.45= Potenciação de um número é o produto de fatores iguais a esse número; h)

EXERCÍCIOS: d) 1.1 = e) = f) = g) 45.45= Potenciação de um número é o produto de fatores iguais a esse número; h) d). = e).. = f).. = Potecição de um úmero é o produto de ftores iguis esse úmero; ) =. = 9 ) =.. = (OBS.: os úmeros:. são ditos ftores, ou ses) g).= h) 8.8.8= i) 89.89.89 = EXERCÍCIOS: 0. Sedo =, respod:

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA MATEMÁTICA FINANCEIRA Rio de Jeiro / 007 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO UNIDADE I PROGRESSÕES

Leia mais

PROF. GILMAR AUGUSTO PROF. GILMAR AUGUSTO

PROF. GILMAR AUGUSTO PROF. GILMAR AUGUSTO MÚLTIPLOS E DIVISORES - (Of. Justiç Bttis e Adrdi). Ds firmtivs: - O úmero zero é o úico úmero pr que é primo; - O úmero ão é primo em composto; - Os úmeros que têm mis de dois divisores são chmdos úmeros

Leia mais

b) Expressando cada termo em função de sua posição SEQUÊNCIAS c) Por propriedades dos termos Igualdade Lei de Formação a) Por fórmula de recorrência

b) Expressando cada termo em função de sua posição SEQUÊNCIAS c) Por propriedades dos termos Igualdade Lei de Formação a) Por fórmula de recorrência SEQUÊNCIAS Seqüêci ou sucessão é todo cojuto ordedo de úmeros que escrevemos etre prêteses e seprdos um um por vírguls ou poto e vírgul. Exemplos: (, 8, 6,,, 8,, 5) (,, 5, 7,,, 7, 9...) (4, 7, 0,, 6, 9...)

Leia mais

SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES

SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES Um problem fudmetl que ormlmete é ecotrdo descrição mtemátic de feômeos físicos é o d solução simultâe de um cojuto de equções. Trduzido pr liuem mtemátic, tis feômeos pssm

Leia mais

ESTABILIDADE. Pólos Zeros Estabilidade

ESTABILIDADE. Pólos Zeros Estabilidade ESTABILIDADE Pólo Zero Etbilidde Itrodução Um crcterític importte pr um item de cotrole é que ele ej etável. Se um etrd fiit é plicd o item de cotrole, etão íd deverá er fiit e ão ifiit, ito é, umetr em

Leia mais

Como a x > 0 para todo x real, segue que: a x = y y 1. Sendo f -1 a inversa de f, tem-se que f -1 (y)= log a ( y y 1 )

Como a x > 0 para todo x real, segue que: a x = y y 1. Sendo f -1 a inversa de f, tem-se que f -1 (y)= log a ( y y 1 ) .(TA - 99 osidere s firmções: - Se f: é um fução pr e g: um fução qulquer, eão composição gof é um fução pr. - Se f: é um fução pr e g: um fução ímpr, eão composição fog é um fução pr. - Se f: é um fução

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA DE BRASILIA CURSO DE MATEMÁTICA APLICADA

ESCOLA TÉCNICA DE BRASILIA CURSO DE MATEMÁTICA APLICADA AULA 0 POTENCIAÇÃO E RADICIAÇÃO. POTENCIAÇÃO N figur 0- teos o exeplo de u poteci DOIS ELEVADO A TRÊS ou DOIS ELEVADO AO CUBO ou siplesete DOIS AO CUBO. POTENCIAÇÃO Expoete (úero de vezes que o ftor se

Leia mais

Matrizes e Sistemas de equações lineares. D.I.C. Mendes 1

Matrizes e Sistemas de equações lineares. D.I.C. Mendes 1 Mtrizes e Sistems de equções lieres D.I.C. Medes s mtrizes são um ferrmet básic formulção de problems de mtemátic e de outrs áres. Podem ser usds: resolução de sistems de equções lieres; resolução de sistems

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

SISTEMAS LINEARES. Sendo x e y, respectivamente, o número de pontos que cada jogador marcou, temos uma equação com duas incógnitas:

SISTEMAS LINEARES. Sendo x e y, respectivamente, o número de pontos que cada jogador marcou, temos uma equação com duas incógnitas: SISTEMAS LINEARES Do grego system ( Sy sigific juto e st, permecer, sistem, em mtemátic,é o cojuto de equções que devem ser resolvids juts,ou sej, os resultdos devem stisfzêlos simultemete. Já há muito

Leia mais

Resolução dos Exercícios Propostos

Resolução dos Exercícios Propostos Mtemátic Ficeir: Aplicções à Aálise de Ivestimetos 4ª. Edição Resolução dos Exercícios Propostos Etre os méritos deste livro, que fzem dele um dos preferidos pelos estudtes e professores, está explicr

Leia mais

Professor Mauricio Lutz FUNÇÃO EXPONENCIAL

Professor Mauricio Lutz FUNÇÃO EXPONENCIAL Professor Muricio Lutz REVISÃO SOBRE POTENCIAÇÃO ) Expoete iteiro positivo FUNÇÃO EPONENCIAL Se é u uero rel e é iteiro, positivo, diferete de zero e ior que u, expressão represet o produto de ftores,

Leia mais

Reforço Orientado. Matemática Ensino Médio Aula 4 - Potenciação. Nome: série: Turma: t) (0,2) 4. a) 10-2. b) (-2) -2. 2 d) e) (0,1) -2.

Reforço Orientado. Matemática Ensino Médio Aula 4 - Potenciação. Nome: série: Turma: t) (0,2) 4. a) 10-2. b) (-2) -2. 2 d) e) (0,1) -2. Reforço Orientdo Mtemátic Ensino Médio Aul - Potencição Nome: série: Turm: Exercícios de sl ) Clcule s potêncis, em cd qudro: r) b) (-) Qudro A s) t) (0,) Qudro B - b) (-) - e) (-,) g) (-) h) e) (0,) -

Leia mais

SISTEMA DE EQUAÇÕES LINEARES

SISTEMA DE EQUAÇÕES LINEARES SISTEM DE EQUÇÕES LINERES Defiição Ddos os úmeros reis b com equção b ode são vriáveis ou icógits é deomid equção lier s vriáveis Os úmeros reis são deomidos coeficietes ds vriáveis respectivmete e b é

Leia mais

INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA LISTA 2 RADICIAÇÃO

INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA LISTA 2 RADICIAÇÃO INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA Professores: Griel Brião / Mrcello Amdeo Aluo(: Turm: ESTUDO DOS RADICAIS LISTA RADICIAÇÃO Deomi-se riz de ídice de um úmero rel, o úmero rel tl que

Leia mais

Recordando produtos notáveis

Recordando produtos notáveis Recordndo produtos notáveis A UUL AL A Desde ul 3 estmos usndo letrs pr representr números desconhecidos. Hoje você sbe, por exemplo, que solução d equção 2x + 3 = 19 é x = 8, ou sej, o número 8 é o único

Leia mais

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013 ANDRÉ REIS MATEMÁTICA TEORIA 6 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Adré Reis Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição NOV 0

Leia mais

Resolução Numérica de Sistemas Lineares Parte II

Resolução Numérica de Sistemas Lineares Parte II Cálculo Numérico Resolução Numéric de Sistems Lieres Prte II Prof Jorge Cvlcti jorgecvlcti@uivsfedubr MATERIAL ADAPTADO DOS SLIDES DA DISCIPLINA CÁLCULO NUMÉRICO DA UFCG - wwwdscufcgedubr/~cum/ Sistems

Leia mais

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo.

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo. TRIGONOMETRIA A trigonometri é um prte importnte d Mtemátic. Começremos lembrndo s relções trigonométrics num triângulo retângulo. Num triângulo ABC, retângulo em A, indicremos por Bˆ e por Ĉ s medids

Leia mais

MATEMÁTICA BÁSICA. a c ad bc. b d bd EXERCÍCIOS DE AULA. 01) Calcule o valor de x em: FRAÇÕES

MATEMÁTICA BÁSICA. a c ad bc. b d bd EXERCÍCIOS DE AULA. 01) Calcule o valor de x em: FRAÇÕES MATEMÁTICA BÁSICA FRAÇÕES EXERCÍCIOS DE AULA ) Clcule o vlor de x em: A som e sutrção de frções são efetuds prtir d oteção do míimo múltiplo comum dos deomidores. É difícil respoder de imedito o resultdo

Leia mais

Resolução de sistemas lineares SME 0200 Cálculo Numérico I

Resolução de sistemas lineares SME 0200 Cálculo Numérico I Resolução de sistems lieres SME Cálculo Numérico I Docete: Prof. Dr. Mrcos Areles Estgiário PAE: Pedro Muri [reles@icmc.usp.br, muri@icmc.usp.br] Itrodução Sistems lieres são de grde importâci pr descrição

Leia mais

No que segue, apresentamos uma definição formal para a exponenciação. Se a 0, por definição coloca-se a a a, a a a a e assim por diante. Ou.

No que segue, apresentamos uma definição formal para a exponenciação. Se a 0, por definição coloca-se a a a, a a a a e assim por diante. Ou. MAT Cálculo Diferecil e Itegrl I RESUMO DA AULA TEÓRICA 3 Livro do Stewrt: Seções.5 e.6. FUNÇÃO EXPONENCIAL: DEFINIÇÃO No ue segue, presetos u defiição forl pr epoecição uisuer R e., pr 2 3 Se, por defiição

Leia mais

QUESTÕES DE 01 A 09. Assinale as proposições verdadeiras, some os valores obtidos e marque os resultados na Folha de Respostas.

QUESTÕES DE 01 A 09. Assinale as proposições verdadeiras, some os valores obtidos e marque os resultados na Folha de Respostas. PROVA DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - SETEMBRO DE ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C GOUVEIA QUESTÕES DE A 9 Assile

Leia mais

Sequências Numéricas Progressão Aritmética. Prof.: Joni Fusinato

Sequências Numéricas Progressão Aritmética. Prof.: Joni Fusinato Sequêcis Numérics Progressão Aritmétic Prof.: Joi Fusito joi.fusito@ifsc.edu.br jfusito@gmil.com Sequêci de Fibocci Leordo Fibocci (1170 150) foi um mtemático itlio. Ficou cohecido pel descobert d sequêci

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

Revisão para o Vestibular do Instituto Militar de Engenharia www.rumoaoita.com & Sistema Elite de Ensino

Revisão para o Vestibular do Instituto Militar de Engenharia www.rumoaoita.com & Sistema Elite de Ensino Revisão pr o Vestibulr do Istituto Militr de Egehri wwwrumooitcom Sistem Elite de Esio CÔNICAS (IME-8/8) Determie equção de um círculo que tgeci hipérbole potos em que est hipérbole é ecotrd pel ret os

Leia mais

Unidade 8 - Polinômios

Unidade 8 - Polinômios Uidde 8 - Poliômios Situção problem Gru de um poliômio Vlor umérico de um poliômio Iguldde de poliômio Poliômio ulo Operções com poliômios Situção problem Em determids épocs do o, lgums ciddes brsileirs

Leia mais

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas.

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas. COLÉGIO PEDRO II U. E. ENGENHO NOVO II Divisão Gráfi de segmentos e Determinção gráfi de epressões lgéris (qurt e tereir proporionl e médi geométri). Prof. Sory Izr Coord. Prof. Jorge Mrelo TURM: luno:

Leia mais

0.2 Exercícios Objetivo. (c) (V)[ ](F)[ ] A segunda derivada de f é (4) x 0 2

0.2 Exercícios Objetivo. (c) (V)[ ](F)[ ] A segunda derivada de f é (4) x 0 2 A segud derivd de f é f() = { < 0 0 0 (4) Cálculo I List úmero 07 Logritmo e epoecil trcisio.prcio@gmil.com T. Prcio-Pereir Dep. de Computção lu@: Uiv. Estdul Vle do Acrú 3 de outubro de 00 pági d discipli

Leia mais

Matemática. Módulo 10. Equações Diferenciais. Por

Matemática. Módulo 10. Equações Diferenciais. Por Mtemátic Módulo Equções Difereciis Por George L. Ekol, BSc,MSc. Abril 7 Module Developmet Templte C. ESTRUTURA DO MÓDULO I. INTRODUÇÂO. TÍTULO DO MÓDULO Equções Difereciis. PRÉ-REQUISITOS PARA O CURSO

Leia mais

Progressões 16 2, 32 2 e por aí vai. outubro. julho a10. janeiro a7

Progressões 16 2, 32 2 e por aí vai. outubro. julho a10. janeiro a7 Progressões Itrodução Ao lçrmos um moed, teremos dois resultdos possíveis: cr ou coro. e lçrmos dus moeds diferetes, pssmos ter qutro resultdos diferetes: (cr, cr), (cr, coro), (coro, cr) e (coro, coro).

Leia mais

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 3 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 13/03/10

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 3 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 13/03/10 RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: /0/0 PROFESSOR: CARIBÉ Num cert comuidde, 0% ds pessos estvm desempregds. Foi feit um cmph, que durou 6 meses, pr tetr iserir ests pessos

Leia mais

Este capítulo tem por objetivo apresentar métodos para resolver numericamente uma integral.

Este capítulo tem por objetivo apresentar métodos para resolver numericamente uma integral. Nots de ul de Métodos Numéricos. c Deprtmeto de Computção/ICEB/UFOP. Itegrção Numéric Mrcoe Jmilso Freits Souz, Deprtmeto de Computção, Istituto de Ciêcis Exts e Biológics, Uiversidde Federl de Ouro Preto,

Leia mais

PROGRESSÃO GEOMÉTRICA

PROGRESSÃO GEOMÉTRICA Professor Muricio Lutz PROGREÃO GEOMÉTRICA DEFINIÇÃO Progressão geométric (P.G.) é um seüêci de úmeros ão ulos em ue cd termo posterior, prtir do segudo, é igul o terior multiplicdo por um úmero fixo,

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N Estudaremos este capítulo as equações diereciais lieares de ordem, que são de suma importâcia como suporte matemático para vários ramos da egeharia e das ciêcias.

Leia mais

A potenciação indica multiplicações de fatores iguais. Por exemplo, o produto

A potenciação indica multiplicações de fatores iguais. Por exemplo, o produto POTENCIAÇÃO E RADICIAÇÃO POTENCIAÇÃO A potecição idic ultiplicções de ftores iguis. Por eeplo, o produto... pode ser idicdo for. Assi, o síolo, sedo u úero iteiro e u úero turl ior que, sigific o produto

Leia mais

EXPOENTE. Podemos entender a potenciação como uma multiplicação de fatores iguais.

EXPOENTE. Podemos entender a potenciação como uma multiplicação de fatores iguais. EXPOENTE 2 3 = 8 RESULTADO BASE Podeos entender potencição coo u ultiplicção de ftores iguis. A Bse será o ftor que se repetirá O expoente indic qunts vezes bse vi ser ultiplicd por el es. 2 5 = 2. 2.

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b]

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b] Interl Deinid Se é um unção de, então su interl deinid é um interl restrit à vlores em um intervlo especíico, dimos, O resultdo é um número que depende pens de e, e não de Vejmos deinição: Deinição: Sej

Leia mais

Progressões Geométricas. Progressões. Aritméticas. A razão é... somada multiplicada. Condição para 3 termos Termo geral. b) 20 c) 40 3.

Progressões Geométricas. Progressões. Aritméticas. A razão é... somada multiplicada. Condição para 3 termos Termo geral. b) 20 c) 40 3. Aritmétics Geométrics A rzão é... somd multiplicd Codição pr termos Termo gerl om dos termos p r p p p q q q q 0) (UNIFEP) e os primeiros qutro termos de um progressão ritmétic são, b, 5, d, o quociete

Leia mais

MATEMÁTICA BÁSICA PROF ª. PAULA FRANCIS BENEVIDES

MATEMÁTICA BÁSICA PROF ª. PAULA FRANCIS BENEVIDES MATEMÁTICA BÁSICA PROF ª. PAULA FRANCIS BENEVIDES FRAÇÕES: Adição e Subtrção ) ) ) ) ) 6) Multiplicção 7 Divisão 7 7) ) = Número Misto 9) 0) Coversão de Número Decimis em Frção ) 0, = ), = ) 0, = TESTES:

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

CONJUNTOS NUMÉRICOS Símbolos Matemáticos

CONJUNTOS NUMÉRICOS Símbolos Matemáticos CONJUNTOS NUMÉRICOS Símolos Mtemáticos,,... vriáveis e prâmetros igul A, B,... conjuntos diferente pertence > mior que não pertence < menor que está contido mior ou igul não está contido menor ou igul

Leia mais

Função Logaritmo - Teoria

Função Logaritmo - Teoria Fução Logritmo - Teori Defiição: O ritmo de um úmero rel positivo, bse IR { } podemos escrever Resumido temos: +, é o úmero rel tl que, equivletemete E: 7 8 8 8 8 7 * { }, IR { } * +, IR + Usdo que fução

Leia mais

onde d, u, v são inteiros não nulos, com u v, mdc(u, v) = 1 e u e v de paridades distintas.

onde d, u, v são inteiros não nulos, com u v, mdc(u, v) = 1 e u e v de paridades distintas. !"$# &%$" ')( * +-,$. /-0 3$4 5 6$7 8:9)$;$< =8:< > Deomiaremos equação diofatia (em homeagem ao matemático grego Diofato de Aleadria) uma equação em úmeros iteiros. Nosso objetivo será estudar dois tipos

Leia mais

0,01. Qual a resposta correta à pergunta de Chiquinho, considerandose os valores atribuídos às variáveis pelo professor?

0,01. Qual a resposta correta à pergunta de Chiquinho, considerandose os valores atribuídos às variáveis pelo professor? GABARIO Questão: Chiquiho ergutou o rofessor qul o vlor umérico d eressão + y+ z. Este resodeu-lhe com cert iroi: como queres sber o vlor umérico de um eressão, sem tribuir vlores às vriáveis? Agor, eu

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Fculdde de Enenhri, Arquiteturs e Urnismo FEAU Pro. Dr. Serio Pillin IPD/ Físic e Astronomi V Ajuste de curvs pelo método dos mínimos qudrdos Ojetivos: O ojetivo dest ul é presentr o método

Leia mais

Apostila de Introdução Aos Métodos Numéricos

Apostila de Introdução Aos Métodos Numéricos Apostil de Itrodução Aos Métodos Numéricos PARTE II o Semestre - Prof. Slete Souz de Oliveir Buffoi Ídice SISTEMAS LINEARES... INTRODUÇÃO... MÉTODOS DIRETOS: ELIMINAÇÃO DE GAUSS... Sistem lier com... Eemplo:...

Leia mais

Matemática Fascículo 03 Álvaro Zimmermann Aranha

Matemática Fascículo 03 Álvaro Zimmermann Aranha Mtemátic Fscículo 03 Álvro Zimmerm Arh Ídice Progressão Aritmétic e Geométric Resumo Teórico... Exercícios...3 Dics...4 Resoluções...5 Progressão Aritmétic e Geométric Resumo teórico Progressão Aritmétic

Leia mais

a) 3 ( 2) = d) 4 + ( 3) = g) = b) 4 5 = e) 2 5 = h) = c) = f) = i) =

a) 3 ( 2) = d) 4 + ( 3) = g) = b) 4 5 = e) 2 5 = h) = c) = f) = i) = List Mtemátic -) Efetue s dições e subtrções: ) ( ) = d) + ( ) = g) + 7 = b) = e) = h) + = c) 7 + = f) + = i) 7 = ) Efetue s multiplicções e divisões: ).( ) = d).( ) = g) ( ) = b).( 7) = e).( 6) = h) (

Leia mais

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes E. E. E. M. ÁREA DE CONHECIMENTO DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROFESSORA ALEXANDRA MARIA º TRIMESTRE/ SÉRIE º ANO NOME: Nº TURMA: Mteril envolvendo estudo de mtrizes e determinntes INSTRUÇÕES:. Este

Leia mais

Função Modular. x, se x < 0. x, se x 0

Função Modular. x, se x < 0. x, se x 0 Módulo de um Número Rel Ddo um número rel, o módulo de é definido por:, se 0 = `, se < 0 Observção: O módulo de um número rel nunc é negtivo. Eemplo : = Eemplo : 0 = ( 0) = 0 Eemplo : 0 = 0 Geometricmente,

Leia mais

Definição: Seja a equação diferencial linear de ordem n e coeficientes variáveis:. x = +

Definição: Seja a equação diferencial linear de ordem n e coeficientes variáveis:. x = + Vléi Zum Medeios & Mihil Lemotov Resolução de Equções Difeeciis Liees po Séies Poto Odiáio (PO) e Poto Sigul (PS) Defiição: Sej equção difeecil lie de odem e coeficietes viáveis: ( ) ( ) b ( ) é dito poto

Leia mais

Geometria Analítica e Álgebra Linear

Geometria Analítica e Álgebra Linear NOTS E U Geometri lític e Álger ier Sistems de Equções ieres Professor: ui Ferdo Nues, r Geometri lític e Álger ier ii Ídice Sistems de Equções ieres efiições Geris Iterpretção Geométric de Sistems de

Leia mais

a.cosx 1) (ITA) Se P(x) é um polinômio do 5º grau que satisfaz as condições 1 = P(1) = P(2) = P(3) = P(4) = P(5) e P(6) = 0, então temos:

a.cosx 1) (ITA) Se P(x) é um polinômio do 5º grau que satisfaz as condições 1 = P(1) = P(2) = P(3) = P(4) = P(5) e P(6) = 0, então temos: ) (ITA) Se P(x) é um poliômio do 5º gru que stisfz s codições = P() = P() = P() = P(4) = P(5) e P(6) = 0, etão temos: ) P(0) = 4 b) P(0) = c) P(0) = 9 d) P(0) = N.D.A. ) (UFC) Sej P(x) um poliômio de gru,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana.

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana. PROCESSO SELETIVO/006 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Brz Mour Freits, Mrgreth d Silv Alves, Olímpio Hiroshi Miygki, Rosne Sores Moreir Vin QUESTÕES OBJETIVAS 0 Pr rrecdr doções, um Entidde Beneficente usou um cont

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto UFOP. Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB. Departamento de Computação DECOM

Universidade Federal de Ouro Preto UFOP. Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB. Departamento de Computação DECOM Progrmção de Computdores I BCC 701 01- List de Exercícios 01 Sequêci Simples e Prte A Exercício 01 Um P. A., Progressão Aritmétic, fic determid pel su rzão (r) e pelo seu primeiro termo ( 1 ). Escrev um

Leia mais

1- SOLUÇÃO DE SISTEMAS LINEARES E INVERSÃO DE MATRIZES

1- SOLUÇÃO DE SISTEMAS LINEARES E INVERSÃO DE MATRIZES - SOLUÇÃO DE SISTEMAS LINEARES E INVERSÃO DE MATRIZES.- Métodos etos pr solução de sistems lieres Métodos pr solução de sistems de equções lieres são divididos priciplmete em dois grupos: ) Métodos Etos:

Leia mais

{ 2 3k > 0. Num triângulo, a medida de um lado é diminuída de 15% e a medida da altura relativa a esse lado é aumentada

{ 2 3k > 0. Num triângulo, a medida de um lado é diminuída de 15% e a medida da altura relativa a esse lado é aumentada MATEMÁTICA b Sbe-se que o qudrdo de um número nturl k é mior do que o seu triplo e que o quíntuplo desse número k é mior do que o seu qudrdo. Dess form, k k vle: ) 0 b) c) 6 d) 0 e) 8 k k k < 0 ou k >

Leia mais

Cap 5 Equivalência de Métodos

Cap 5 Equivalência de Métodos Cp Equivlêci de Métodos. INTRODUÇÃO Qudo desejmos lisr ltertivs, o primeiro poto cuidr é que els sejm compráveis. ssim, ão fz setido lisr os vlores tuis ( ) de um ssitur de dois os de um revist com um

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-7 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA Questão Sore números reis, é correto firmr: () Se é o mior número de três lgrismos divisível

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE ASSUNTO: SOMAÇÃO E ÁRAS E INTEGRAIS DEFINIDAS. INTEGRAIS DEFINIDAS

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE ASSUNTO: SOMAÇÃO E ÁRAS E INTEGRAIS DEFINIDAS. INTEGRAIS DEFINIDAS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ASSUNTO: SOMAÇÃO E ÁRAS E INTEGRAIS DEFINIDAS. PROFESSOR: MARCOS AGUIAR CÁLCULO II INTEGRAIS DEFINIDAS. NOTAÇÃO DE SOMAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA HIDRÁULICA APLICADA AD 0195 Prof.: Raimundo Nonato Távora Costa CONDUTOS LIVRES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA HIDRÁULICA APLICADA AD 0195 Prof.: Raimundo Nonato Távora Costa CONDUTOS LIVRES UNVERSDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARA AGRÍCOLA HDRÁULCA APLCADA AD 019 Prof.: Rimudo Noto Távor Cost CONDUTOS LVRES 01. Fudmetos: Os codutos livres e os codutos forçdos, embor tem potos

Leia mais

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é Questão 0) Trlhndo-se com log = 0,47 e log = 0,0, pode-se concluir que o vlor que mis se proxim de log 46 é 0),0 0),08 0),9 04),8 0),64 Questão 0) Pr se clculr intensidde luminos L, medid em lumens, um

Leia mais

Prova 3 Matemática. N ọ DE INSCRIÇÃO:

Prova 3 Matemática. N ọ DE INSCRIÇÃO: Prov QUESTÕES OBJETIIVAS N ọ DE ORDEM: NOME DO CANDIDATO: N ọ DE INSCRIÇÃO: IINSTRUÇÕES PARA A REALIIZAÇÃO DA PROVA 1 Cofir os cmpos N ọ DE ORDEM, N ọ DE INSCRIÇÃO e NOME, coforme o que cost etiquet fixd

Leia mais

3. Admitindo SOLUÇÃO: dy para x 1 é: dx. dy 3t. t na expressão da derivada, resulta: Questão (10 pontos): Seja f uma função derivável e seja g x f x

3. Admitindo SOLUÇÃO: dy para x 1 é: dx. dy 3t. t na expressão da derivada, resulta: Questão (10 pontos): Seja f uma função derivável e seja g x f x UIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ CALCULO e PROVA DE TRASFERÊCIA ITERA, EXTERA E PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR 9/6/ CADIDATO: CURSO PRETEDIDO: OBSERVAÇÕES: Prov sem cosult. A prov pode ser feit

Leia mais

APOSTILA DE CÁLCULO NUMÉRICO

APOSTILA DE CÁLCULO NUMÉRICO APOSTILA DE CÁLCULO NUMÉRICO Professor: Willim Wger Mtos Lir Moitor: Ricrdo Albuquerque Ferdes ERROS. Itrodução.. Modelgem e Resolução A utilizção de simuldores uméricos pr determição d solução de um problem

Leia mais