CAPÍTULO VI FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL. LIMITES E CONTINUIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO VI FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL. LIMITES E CONTINUIDADE"

Transcrição

1 1. Itrodução CAPÍTULO VI FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL. LIMITES E CONTINUIDADE Ddo um qulquer cojuto A R, se por um certo processo se fz correspoder cd A um e um só y = f() R, diz-se que se defiiu um fução f de A R em R (simbolicmete, f : A R R ) ou, como tmbém se diz, um fução rel de vriável rel com domíio o cojuto A. Ao cojuto f (A) dos vlores y que correspodem pelo meos um A chm-se cotrdomíio d fução: f (A) = { y : A tl que y = f ()}. A letr (ou qulquer outr) que represet o elemeto geérico do domíio A d fução, chm-se vriável idepedete ; por seu ldo, letr y (ou qulquer outr) que represet o elemeto de f (A) que fução fz correspoder um vlor geérico do domíio, é desigd por vriável depedete ( o setido de que o vlor por el ssumido depede do vlor ddo à vriável idepedete ). Qudo se escreve, y = f () com domíio em A, quer-se sigificr brevidmete que estmos em preseç de um fução f : A R R que cd A ssoci y = f (). É mesmo frequete usr epressão id mis brevid fução f (), com domíio em A ou mesmo pes fução f () sempre que referêci o domíio sej dispe-sável por poder o mesmo ser subetedido. Como é sbido, o cálculo dos vlores f () que fução fz correspoder cd A fz-se ormlmete (ms em sempre) utilizdo um epressão lític (ou, meos frequetemete, utilizdo diverss epressões lítics válids cd um dels um prte do domíio). Qudo os vlores f () são clculdos medite utilizção de um epressão lític e ão se eplicit o domíio d fução, subetede-se que o mesmo coicide com o cojuto de vlores de pr os quis s operções evolvids epressão lític têm sigificdo o cmpo rel. Assim, por eemplo, qudo os referimos à fução y = ou f () =, estmos de modo brevido pesr fução f : A = [ 0, + [ R que cd 0 fz correspoder o úmero y =. Em vez d represetção lític de um fução us-se muits vezes, por ser sugestiv, su represetção gráfic; est obtém-se o plo, fido um referecil crtesio e represetdo os potos de coordeds [, f ()] pr todos os A. Dd fução f (), com domíio em A, cosidere-se um subcojuto B A. O cojuto f (B) = { y : B : y = f ()} é imgem ou trsformdo do cojuto B, ddo pel fução ; ssim, o cotrdomíio f (A) ão é mis que o trsformdo ou imgem do domíio d fução. Cso o cojuto f (B) sej mjordo, diz-se que fução 143

2 f () é mjord o cojuto B ; e λ = Sup f (B) = Sup f () chm-se supremo d fução o cojuto B. Cso o cojuto f (B) sej miordo, diz-se que fução f () é miord o cojuto B; µ = If f (B) = If f ( ) chm-se ífimo d fução o cojuto B B. Qudo f () sej mjord e miord em B, diz-se limitd esse cojuto eistido etão fiitos, λ = Sup f () e µ = If f (). B A fução f (), com domíio em A, diz-se ijectiv se e só se, B B, A, f ( ) f ( ), ou sej, se e só se vlores distitos do domíio correspodem vlores do cotrdomíio tmbém distitos. Neste cso f () dmite fução ivers que é fução f 1 ( y ) que cd y f (A) fz correspoder o A úico tl que y = f (). Pode porém cotecer que, embor f () ão sej ijectiv o seu domíio A, o sej em certo B A. Nesse cso, fução, embor ão ivertível qudo cosiderd defiid em todo o seu domíio, pode iverter-se se pes se cosiderr defiid ess prte B do domíio ode é ijectiv. Assim, por eemplo : ) A fução y =, com domíio em R, ão dmite ivers; o etto, fução pode iverter-se em qulquer dos itervlos [0, + [ ou ] -, 0], obtedo-se como iverss esses itervlos, respectivmete, = + y e = y. b) A fução y = se, com domíio em R, ão tem ivers (por ão ser ijectiv o seu domíio); o etto, fução pode iverter-se por eemplo em B = [ -π /, π /], obtedo-se como ivers = rc se y (com -π / rc se y π / ). Sej y = g () um fução rel de vriável rel com domíio A e z = f (y) um outr fução rel de vriável rel com domíio B. Vmos ver em que codições e como se defie fução compost de f com g, fução compost que como se sbe se represet usulmete por f o g : 1º Cso : Se B = g (A), todo o A correspode y = g () g (A) = B e, por su vez, cd y = g () g (A) = B fução f fz correspoder z = [ f o g]() = f [ g ()]. A fução compost tem ssim como domíio o cojuto A, que é igulmete o domíio d fução g (). º Cso : Cso sej B g (A) e B g (A), cosidere-se o cojuto A 0 A de todos os A que fzem y = g () B. Restrigido defiição de g () A 0 e de f (y) g (A 0 ), com s fuções ssim restrigids estmos o primeiro cso e podemos etão defiir fução compost z = [ f o g] () = f [ g ()], pr todo o A 0. Neste cso fução compost tem domíio ão em todo o A ms pes em A 0 A. 3º Cso : Cso sej B g (A) e B g (A) =, composição é impossível. 144

3 Vejmos eemplos de composição de fuções pr cd um dos dois csos possíveis referidos teriormete: 1) Sedo y = g () = com domíio em A = ] -, + [ e z = f (y) = y com domíio em B = g (A) = [ 0, + [, fução compost z = [ f o g] () = f [ g()] = = tem domíio em A = ] -, + [. ) Sedo y = g () = 3 com domíio em A = ] -, + [ e z = f (y) = y com domíio em B = g (A) = [ 0, + [, fução compost z = [ f o g] () = f [ g()] = 3 tem domíio em A 0 = [ 0, + [ (pois só pr 0, o vlor y = 3 pertece o domíio d fução f ). Como composição de f com g, qudo ests fuções se ecotrem o segudo cso, se pode reduzir sempre o 1º cso, por restrição dequd ds fuções evolvids domíios coveietes, os resultdos teóricos que evolvem fuções composts são por vezes eucidos o pressuposto de o domíio d fução f coicidir com o cotrdomíio d fução itermédi g, ou sej, B = g (A), sedo depois dptdos o cso em que sej B g (A) e B g (A). Em prticulr, se verificção de determids hipóteses por prte de f e g implicr um cert tese reltivmete f o g, o pressuposto de ser B = g (A), o mesmo resultdo é válido pr fução compost o cso de ser B g (A) e B g (A) desde que s mesms hipóteses sejm verificds pels restrições de g e f, respectivmete, os cojutos A 0 e g (A 0 ) em que A 0 desig o cojuto de todos os A que fzem y = g () B. Pr termir est rápid revisão dos coceitos básicos sobre fuções reis de vriável rel, flt rever defiição de fução crescete e decrescete. Sedo f () um fução rel de vriável rel com domíio A e sedo B A : ) A fução diz-se crescete em setido lto se e só se,, B, < f ( ) f ( ) ; diz-se crescete em setido estrito se e só se,, B, < f ( ) < f ( ) ; b) A fução diz-se decrescete em setido lto se e só se,, B, < f ( ) f ( ) ; diz-se decrescete em setido estrito se e só se,, B, < f ( ) > f ( ). 145

4 As fuções crescetes ou decrescetes recebem desigção geéric de fuções moótos (em setido lto ou em setido estrito).. Defiição de limite de um fução um poto Cosidere-se fução f () com domíio em A e sej um poto de cumulção de A (poto de cumulção próprio ou impróprio, pertecete ou ão o cojuto). É já cohecid do leitor defiição de Heie de limite de f () qudo tede pr, ou mis simplesmete limite de f () o poto : lim f ( ) = b A, lim = lim f ( ) = b, podedo est defiição b ser rel, + ou - (tl como ). Embor est defiição sej suficiete pr um bordgem elemetr d teori dos limites ds fuções reis de vriável rel, omedmete permitido um demostrção muito simples ds regrs mis usuis do cálculo de limites, em mtéris mis vçds é por vezes coveiete utilizr um outr defiição ltertiv (equivlete à de Heie). Trt-se d defiição de Cuchy : lim f ( ) = b δ > 0, ε = ε (δ ) > 0 : V ε () [ A - {}] f () V δ (b), podedo est defiição b ser rel, + ou - (tl como ). No teorem seguite estbelece-se equivlêci etre mbs s defiições: Teorem 1 : As dus defiições de limite, segudo Heie e segudo Cuchy, são equivletes Demostrção : ) Supodo que lim f ( ) = b segudo Cuchy, cosidere-se um qulquer sucessão, de termos pertecetes o domíio A d fução, tl que e lim =. Fido um qulquer δ > 0, determie-se o correspodete ε > 0 com o qul se verific codição que trduz defiição de Cuchy. Com esse ε, determie-se ordem prtir d qul V ε () ; prtir dess ordem tem-se V ε () [ A - {}] o que implic ser f ( ) V δ (b), ficdo ssim provdo que lim f ( ) = b. Em coclusão: tem-se lim f ( ) = b segudo Heie. b) Supodo gor que lim f ( ) = b segudo Heie, dmitmos por bsurdo que tl ão sucedi segudo defiição de Cuchy. Eistiri etão um prticulr δ > 0 pr o qul, com qulquer ε > 0, sempre se ecotrri um ε V ε () [ A - {}] tl que f ( ε ) V δ (b). Tomdo ε = 1/, pr = 1,,..., eistirim úmeros reis V 1/ () [ A - {}] tis que f ( ) V δ (b). Clro que os pertecerim A, 146

5 serim distitos de e lim = ; o etto, como f ( ) V δ (b) pr todo o, ão seri lim f ( ) = b, cotrrimete à hipótese de ser lim f ( ) = b segudo Heie. 3 - Codição ecessári e suficiete pr eistêci de limite fiito Pode demostrr-se com fcilidde um codição ecessári e suficiete pr eistêci de limite fiito de um fução um poto. Trt-se de um codição semelhte à codição ecessári e suficiete de covergêci de um sucessão (codição de Cuchy). Teorem : Sedo f () um fução com domíio em A e um poto de cumulção de A, codição ecessári suficiete pr que eist fiito lim f ( ) (com fiito, + ou - ) é que, δ > 0, ε = ε (δ ) > 0 :, V ε () (A - {}) f ( ) f ( ) < δ Demostrção : ) A codição é ecessári. Sedo lim f ( ) = b (fiito) etão, de cordo com defiição de Cuchy, δ > 0, ε = ε (δ ) > 0 : V ε () (A - {}) f () - b < δ /. Tomdo etão quisquer vlores, V ε () (A - {}) tem-se, f ( ) f ( ) f ( ) - b + b f ( ) < δ / + δ / = δ, verificdo-se portto codição do eucido, b) A codição é suficiete. Supoh-se verificd codição do eucido. Cosiderese um qulquer sucessão de termos A, tl que e lim =. Ddo um δ > 0, cosidere-se o correspodete ε = ε (δ ) cuj eistêci é ssegurd pel codição do eucido (supostmete verificd). De cert ordem ε(δ) em dite, tem-se V ε () e, portto, tomdos > m > ε(δ), tem-se, m V ε () (A - {}), o que implic f( ) f ( m ) < δ (pel codição do eucido). Ms tl trduz precismete covergêci d sucessão f ( ). Sej b = lim f ( ) (fiito) e vejmos que pr qulquer outr sucessão, s codições de, tmbém se tem b = lim f ( ) o que, de cordo com defiição de Heie, mostrrá que lim f ( ) = b (fiito) : pr qulquer outr sucessão, s mesms codições que, eistirá b = lim f ( ) ; e como, pertecem V ε () (A - {}), prtir de cert ordem, tem-se f ( ) - f ( ) < δ dode result, pssdo o limite, que b - b δ ; devido à rbitrriedde de δ, temse b = b, o que complet demostrção. 4 Sublimites. Limites lteris 147

6 Dd fução f () com domíio em A R, sej B A e um poto de cumulção (rel, + ou - ) do domíio A e tmbém do cojuto B. Represetdo por f B () restrição de f () o cojuto B, cso eist lim f (), esse limite chm-se sublimite d fução em reltivo o cojuto B. Tmbém se us o símbolo lim f () pr represetr o sublimite d fução em reltivo o cojuto B B B Csos prticulres de sublimites são os chmdos limites lteris. O limite lterl direito é o sublimite que se obtém (cso eist) com B = D = A [, + [; o limite lterl esquerdo é o sublimite que se obtém (cso eist) com B = E = ] -, ] A. Os limites lteris têm simbologi específic : f ( + 0) = lim f ( ) = lim f () = lim f ( ), o cso do limite lterl direito ; e pr o limite lterl esquerdo, f ( 0) = lim f ( ) = lim f () = lim f (). 0 Note-se que um fução pode ão ter limites lteris um poto, ms dmitir sublimites esse poto reltivmete outros subcojutos do domíio, como é o cso d fução, 1, se é rciol f () =, 0, se é irrciol pr qul ão eistem por eemplo os limites lteris, lim 0 + f ( ) e lim f ( ) 0 eistido o etto os sublimites em = 0 reltivos os cojutos Q e R Q (o primeiro igul 1 e o segudo igul 0). Coclui-se sem dificuldde que cso eist lim f ( ), com esse limite coicidem todos os sublimites de f () em =, porque com B A, codição que defie segudo Cuchy o limite, δ > 0, ε = ε (δ ) > 0 : V ε () [ A - {}] f () V δ (b), implic codição que defie segudo Cuchy o sublimite reltivo o cojuto B, δ > 0, ε = ε (δ ) > 0 : V ε () [ B - {}] f () V δ (b). Dqui result que eistido em = sublimites distitos pr fução est ão pode ter limite o referido poto. O teorem seguite tem utilidde prátic determição dos possíveis sublimites de um fução um poto., D E 148

7 Teorem 3 : Dd fução f () com domíio em A, sedo um poto de cumulção de A (com fiito, + ou - ) e sedo B 1, B,, B k cojutos em úmero fiito, dois dois disjutos, tis que B 1 B B k = A, dmit-se que é poto de cumul-ção de cd um dos B j e que eistem os sublimites λ j d fução em = reltivos cd um dos referidos B j. Nesss codições ehum λ distito de todos os λ j pode ser sublimite d fução em = Demostrção : Sej λ distito de todos os λ j. Nesss codições é possível fir δ > 0 suficietemete pequeo de form que vizihç V δ (λ) ão teh potos em comum com ehum ds vizihçs V δ (λ j ), j = 1,,, k. Como cd λ j é por hipótese sublimite de f () em = reltivmete o respectivo B j, eistem vlores ε j > 0 tis que, V ε j () [ B j - {}] f () V δ (λ j ) ( j = 1,,, k ). Com ε = Mi {ε 1, ε,, ε k } > 0 tem-se etão, por ser B 1 B B k = A, V ε () [ A - {}] f () U k j = 1 V δ (λ j ) f () V δ (λ). Pode gor ver-se com fcilidde que λ ão pode ser sublimite de f () em = reltivo certo cojuto B A de que sej poto de cumulção. Se o fosse, pr o δ > 0 fido cim como pr qulquer outro eistiri um ε* positivo tl que V ε* () [ B - {}] f () V δ (λ), e etão pr os vlores B - {} pertecetes à mis estreit ds vizihçs V ε () e V ε* () e tis vlores eistem por ser poto de cumulção de B ter-se-i simultemete f () V δ (λ) e f () V δ (λ) o que é mifestmete bsurdo O teorem precedete ão é válido se os cojutos B j evolvidos forem em úmero ifiito, flhdo demostrção este cso porque etão d grte que sej Mi {ε 1, ε,, ε k, } > 0 e tl é essecil pr vlidde do rgumeto presetdo. Se, s codições do teorem precedete os λ j forem todos iguis, ou sej, se tivermos λ 1 = λ = = λ k = µ tem-se que pr cd δ > 0 eistem ε j > 0 tis que, V ε j () [ B j - {}] f () V δ (µ ) ( j = 1,,, k ). Com ε = Mi {ε 1, ε,, ε k } > 0 tem-se etão, por ser B 1 B B k = A, V ε () [ A - {}] f () V δ (µ ). Dqui se tir que lim f ( ) = µ. Pode pois eucir-se o seguite 149

8 Teorem 4 : Dd fução f () com domíio em A, sedo um poto de cumulção de A (com fiito, + ou - ) e sedo B 1, B,, B k cojutos em úmero fiito, dois dois disjutos, tis que B 1 B B k = A, dmit-se que é poto de cumul-ção de cd um dos B j, que eistem os sublimites λ j d fução em = reltivos cd um dos referidos B j e que tis sublimites são todos iguis certo µ. Nesss codições lim f ( ) = µ Refir-se que tl como o cso do teorem 3, o teorem precedete ão é válido se os cojutos B j evolvidos forem em úmero ifiito, flhdo demostrção este cso porque etão d grte que sej Mi {ε 1, ε,, ε k, } > 0 e tl é essecil pr vlidde do rgumeto presetdo. Do teorem 4 e ds cosiderções que precedem o teorem 3 result imeditmete o seguite, Teorem 5 : Dd fução f () com domíio em A, sedo (fiito) um poto de cumulção de A e bem ssim dos cojutos D = A [, + [ e E = ] -, ] A codição ecessári e suficiete pr que eist lim f ( ) é que sejm iguis os limites lteris f ( + 0) e f ( 0), tedo-se etão que lim f ( ) = f ( + 0) = f ( 0) No cso especil ds fuções moótos, tem-se id o seguite teorem de frequete plicção: Teorem 6 : Sej f () com domíio em A e cosidere-se poto de cumulção, próprio ou impróprio, de A. Etão: ) Sedo fiito : 1) Se é poto de cumulção de D = [, + [ A e f é moóto em certo B θ = ], + θ [ A, etão eiste f ( + 0) ; ) Se é poto de cumulção de E = ] -, ] A e f é moóto em certo B θ = ] - θ, [ A, etão eiste f ( 0) ; b) Sedo = +, se f é moóto em certo B θ = ] 1/θ, + [ A, etão eiste f() ; lim + c) Sedo = -, se f é moóto em certo B θ = ] -, -1/θ [ A, etão eiste f() lim Demostrção : Vmos fzer demostrção pes pr o cso 1) hipótese em que f é moóto crescete. Nos resttes csos rgumetção é semelhte, pelo que se deim como eercício 150

9 Sej µ o ífimo de f() em B θ e vejmos que se tem µ = f ( + 0). Trtemos em seprdo cd um dos dois csos possíveis, µ fiito ou µ = -. Se µ for fiito, ddo um qulquer δ > 0, eiste um δ B θ tl que f ( δ ) < µ + δ, cso cotrário µ + δ seri um miorte de f em B θ mior que o respectivo ífimo; fzedo, ε (δ ) = δ -, tem-se, [ V ε (δ ) () - {}] D ], + ε (δ ) [ D < < + ε (δ ) D < < δ B θ µ f () f ( δ ) < µ + δ f () V δ (µ), devido à mootoi crescete de f em B θ ; ssim se coclui, usdo defiição de Cuchy, que µ = lim f(). +0 Se for µ = -, ddo um qulquer δ > 0, eiste um δ B θ tl que f ( δ ) < -1/δ ; um rgumeto semelhte o usdo teriormete lev que lim f () = Regrs de cálculo de limites de fuções A defiição de limite segudo Heie permite com fcilidde trsferir pr o cálculo de limites ds fuções reis de vriável rel tods s regrs reltivs o cálculo de limites de sucessões reis, com s mesms coveções e csos de idetermição. A título de eemplo vmos pes presetr s regrs referetes o limite do quociete de fuções, d epoecil de bse turl e d fução logrítimic de bse turl, o que poderá servir de modelo pr o leitor justificr por si vlidde ds demis regrs de cálculo : ) Limite do quociete - Dds s fuções f () e g (), sej um poto de cumulção dos respectivos domíios e dmit-se que eistem os limites θ = lim f ( ) e µ = lim g( ). Cosidere-se fução h() = f () / g (), cujo domíio é formdo pelos potos comus os domíios de f () e g () que ão ulem o deomidor, e dmit-se que é poto de cumulção do domíio de h (). Etão, dd um qulquer sucessão de termos pertecetes o domíio de h (), tl que e lim =, tem-se, lim f ( ) = θ e lim g ( ) = µ (defiição de limite segudo Heie) ; será portto, pel regr do limite do quociete de sucessões, 151

10 com s coveções seguites: lim h ( ) = lim f ( ) g ( ) = θ /µ, θ /(± ) = 0, (± )/µ = ± (µ rel positivo), (± )/µ = m (µ rel egtivo), e csos de idetermição : 0/0, (± )/(± ) e (± )/0. Ter-se-á etão, pel defiição de limite segudo Heie, lim h( ) = lim f ( ) g ( ) = θ /µ = lim f ( ) lim g( ), com s coveções e csos de idetermição suprmeciodos. b) Limite d epoecil de bse turl - Dd fução f (), sej um poto de cumulção do respectivo domíio e dmit-se que eiste o limite θ = lim f ( ). Cosidere-se fução h() = e f (), cujo domíio coicide com o de f (). Etão, dd um qulquer sucessão de termos pertecetes o domíio de h (), tl que e lim =, tem-se, lim f ( ) = θ (defiição de limite segudo Heie) ; será portto, lim h( ) = lim e f ( ) = e θ, com s coveções seguites: e + = + e e f () = 0. Tem--se portto (defiição de limite segudo Heie) l im e = e θ, com s coveções referids. c) Limite d fução logrítmic de bse turl - Dd fução f (), sej um poto de cumulção do respectivo domíio e dmit-se que eiste o limite θ = lim f ( ). Cosidere-se fução h() = log f (), cujo domíio é formdo pelo potos do domíio de f () que fzem f () > 0, e dmit-se que é poto de cumulção do domíio de h(). Etão, dd um qulquer sucessão de termos pertecetes o domíio de h(), tl que e lim =, tem-se, lim f ( ) = θ 0 (defiição de limite segudo Heie) ; será portto, lim h( ) = lim log f ( ) = log θ, com s coveções seguites: log (+ ) = + e log 0 = -. Tem--se portto (defiição de limite segudo Heie) l im l og f () = log θ, com s coveções referids. Tmbém s fórmuls de Beroulli estudds o âmbito do cálculo de limites de sucessões se dptm com fcilidde, de modo poderem ser utilizds o levtmeto de idetermições que surjm o cálculo de limites de fuções que evolvm epoeciis e logritmos. Assim, sedo u = u() um fução com domíio em A e sedo um poto de cumulção deste cojuto, dmit-se que lim u( ) = 0. Tem-se, 15

11 e u() = 1 + u( ) + m 1 [ u( ) ] [ u( ) ] [ u( ) ]! [ u( ) ] + L + + ξ m, ( m 1)! m! m e pode ver-se sem dificuldde que, lim u ( ) = 0 lim ξ m [ u ] ( ) = 1. De fcto, sedo lim u( ) = 0, se cosiderrmos um qulquer sucessão de vlores do domíio de u (), tl que e lim =, tem-se, lim u( ) = 0 (defiição de limite segudo Heie) e, portto, lim ξ m [ u( )] = 1 (m fio); etão, ovmete pel lim ξ u( ) = 1. defiição de limite segudo Heie, coclui-se que m [ ] Argumetos semelhtes permitem dptr s três outrs fórmuls de Beroulli estudds : log [ 1 + u()] = u() - [ u()]. λ[ u()], com lim u com lim u com lim u ( ) = 0 lim λ [ u ] ( ) = 0 lim η [ u ] ( ) = 1/ ; tmbém, log [1 + u()] = u(). η [ u()], ( ) = 1 ; e filmete, [ 1 + u()] α = 1 + u(). α. ζ [ u()], ( ) = 0 lim [ u ] ζ ( ) = 1. A utilizção prátic dests fórmuls o cálculo de limites de fuções fz-se os mesmos termos que o cálculo dos limites de sucessões. Assim, por eemplo, lim + e 1/ 1. log ( 1+ 1/ ) = lim + 1+ ( 1/ ). ξ 1 1.( 1 / ). η ξ = lim +. 1 = 0. η 6 - Limites ds fuções trigoométrics e sus iverss Os limites ds fuções trigoométrics obtêm-se com grde fcilidde prtir dos resultdos propostos pr demostrção os eercícios 17 e 18 do teto sobre successões reis. Assim, ) lim u ( ) = b (fiito) lim se[ u ] ( ) = se b. Com efeito, sedo lim u( )= b (fiito), se cosiderrmos um qulquer sucessão de vlores do domíio de u(), tl que e lim =, tem-se, lim u( ) = b (defiição de limite segudo Heie) e, portto, de cordo com o resultdo d líe c) do suprcitdo eercício 17, 153

12 será lim se [ u( )] = se b ; etão, ovmete pel defiição de limite segudo Heie, lim se u( ) = se b. pode cocluir-se que [ ] Do mesmo modo, com rgumetção semelhte bsed gor líe d) do mesmo eercício, b) lim u ( ) = b (fiito) lim cos[ u ] ( ) = cos b. E id, tmbém com rgumetção semelhte bsed gor líe e) do mesmo eercício, c) lim u ( ) = b [fiito, diferete de (k+1)π /] limtgu [ ] ( ) = tg b. Reltivmete à tgete, refir-se id que o cso de ser b = (k+1)π / eistêci ou ão de limite pr tg[ u()] depede do modo como u() tede pr b = (k+1)π / qudo tede pr : se tede por vlores meores que b, o limite d tgete é +, se tede por vlores miores que b, o limite d tgete é -, ão eistido limite for destes csos; ests coclusões obtêm-se de imedito eprimido tgete em termos do seo e do coseo e estuddo o comportmeto dests dus fuções qudo u() tede pr b dos diversos modos possíveis. Com bse o resultdo costte do suprcitdo eercício 18, coclui-se id de imedito (mis um vez utilizdo defiição de Heie) que, lim u( ) = 0 lim [ ( )] se u u ( ) = 1, resultdo muito útil pr muits plicções. Vejmos gor os limites ds fuções trigoométrics iverss, começdo por estudr os csos, lim ( rc se ), lim ( rc cos ) e lim ( rc t g ). Relembremos primeiro que : y = rc se é fução que se obtém ivertedo = se y o itervlo [ -π /, π /] ode est fução é ijectiv; y = rc cos é fução que se obtém ivertedo = cos y o itervlo [ 0, π ] ode est fução é ijectiv ; y = rc tg é fução que se obtém ivertedo = tg y o itervlo ] -π /, π / [ ode est fução é ijectiv. E relembremos tmbém que: o domíio de y = rc se é o itervlo [ -1, 1] e o cotrdomíio é o itervlo [ -π /, π /] ; o domíio de y = rc cos é o itervlo [ -1, 1] e o cotrdomíio é o itervlo [ 0, π ] ; o domíio de y = rc tg é o itervlo ] -, + [ e o cotrdomíio é o itervlo ] -π /, π /[. 154

13 Vejmos etão que lim ( rc se ) = rc se (-1 1). Sej um qulquer sucessão de elemetos de [ -1, 1], tl que lim =. Fzedo y = rc se, ou sej, = se y, tem-se y [ -π /, π /] e dmit-se por bsurdo que est sucessão poderi ão ter como limite rc se ; eistiri etão um subsucessão yα tl que λ = lim y rc se ( -π / λ π /) ; ms etão, α α = se yα λ = lim yα lim α = se λ, e como, por outro ldo, lim = lim α =, ter-se-i ecessrimete = se λ com -π / λ π /, ou sej, λ = rc se ; deveri etão ter-se o mesmo tempo λ rc se e λ = rc se o que é impossível. Em coclusão : qulquer sucessão de elemetos de [ -1, 1], tl que lim = correspode um sucessão y = rc se tl que, lim y = lim rc se = rc se, o que de cordo com defiição de limite segudo Heie permite cocluir que lim ( rc se ) = rc se, como se pretedi provr. Um rgumeto álogo permite cocluir que lim ( rc cos ) = rc cos. Vejmos gor o cso de lim ( rc t g ), cosiderdo seprdmete os csos : fiito ; = + ; = -. 1º Cso : fiito. Neste cso, um rgumeto semelhte o utilizdo o cso d fução y = rc se permitiri cocluir que lim ( rc t g )= rc tg. º Cso : = +. Cosidere-se um qulquer sucessão de elemetos de ] -, + [, tl que lim = +. Fzedo y = rc tg, ou sej, = tg y, tem-se y ] -π /, π /[ e dmit-se por bsurdo que est sucessão poderi ão ter como limite π / ; eistiri etão um subsucessão y tl que λ = lim y π / (-π / λ < π /) ; ms etão, α α α = tg yα λ = lim yα lim α = tgλ, π / < λ < π /, λ = π /, e como, por outro ldo, lim = + lim α = +, ter-se-i o mesmo tempo = + e + o que é impossível. Em coclusão : qulquer sucessão de elemetos de elemetos de ] -, + [, tl que lim = +. correspode um sucessão y = rc tg tl que lim y = lim rc tg = π /, o que de cordo com defiição de limite segudo Heie permite cocluir que lim ( rc t g ) = π /

14 3º Cso : = -. Um rgumeto semelhte o utilizdo o cso terior permite cocluir que lim ( rc t g ) = -π /. Os resultdos precedetes geerlizm-se os csos ds fuções : y = rc se u(), com -1 u() 1 ; y = rc cos u(), com -1 u() 1 ; e y = rc tg u(). Vejmos título de eemplo o cso d fução y = rc se u(), vledo pr s resttes um rgumetção semelhte. Vmos etão provr que, lim u( ) = b lim rc se u( ) = rc se b. Cosidere-se um sucessão de vlores do domíio de u = u(), tl que e lim = ; tem-se etão, pel defiição de limite segudo Heie, que sucessão u = u( ) tede pr b, porque por hipótese lim u( ) = b; ms de lim u = lim u( ) = = b result, de ovo pel defiição de limite segudo Heie, lim rc se u = lim rc se u( ) = rc se b, porque como se viu teriormete lim rc se u u b -1 u() 1-1 b 1 ; fic ssim provdo que, = rc se b e, por outro ldo, lim rc se u( ) = rc se b. Pr s outrs dus fuções trigoométrics iverss, tem-se : lim u( ) = b lim rc cos u( ) = rc cos b (-1 b 1) rc tg b, lim u( ) = b lim rc t g u( ) = π /, π /, 7. Cotiuidde potul < b <+ b =+ b = Sej f () um fução rel de vriável rel com domíio A e sej A. Diz-se que f () é cotíu em = se e só se, ou sej, se e só se, δ > 0, ε = ε (δ ) : V ε () A f() V δ [ f()], δ > 0, ε = ε (δ ) : - < ε A f() - f() < δ. 156

15 Qudo A ão sej poto de cumulção de A ( esse cso diz-se que é poto isoldo do domíio d fução), eiste sempre cert vizihç de em que o úico poto de A que í se ecotr é o próprio ; portto, este cso, codição que defie cotiuidde de f () em = é sempre verificd. Qudo A sej poto de cumu-lção de A, codição que defie cotiuidde de f () em = equivle ser lim f ( ) = f (). Com um rgumeto semelhte o utilizdo qudo se demostrou equivlêci ds defiições de limite de Heie e Cuchy, pode cocluir-se que A (poto isoldo ou ão) é poto de cotiuidde d fução f () se e só se pr qulquer sucessão de elemetos de A que teh por limite o rel correspodete sucessão f ( ) tiver por limite f (). O teorem seguite grte cotiuidde d fução compost z = [ f o g] () prtir d cotiuidde ds fuções y = g() e z = f (y). Teorem 7 : Admit-se que fução y = g() com domíio A é cotíu em certo poto A e que fução z = f (y) com domíio B = g(a) é cotíu o poto correspodete b = g() B. Etão fução compost [ f o g] () é cotíu em = Demostrção: A cotiuidde de f(y) em b = g() e de g() em trduz-se respectivmete por, 1) δ > 0, η = η (δ ) : y V η (b) g(a) f (y) V δ [ f(b)] ) η > 0, ε = ε (η ) : V ε () A g() V η [ g()], Etão, ddo δ > 0, determi-se η = η (δ ) pel codição 1) e prtir deste determise ε = ε (η ) = ε [η (δ )] pel codição ); clro que etão, com o ε e η ssim determidos, V ε () A g() V η [ g()] g() V η [ g()] g(a) f [ g()] V δ [ f(b)] f [ g()] V δ { f [ g()] }, ssim se provdo cotiuidde de [ f o g] () em =. Embor o teorem precedete teh sido eucido pr o cso B = g(a) - domíio de f (y) coicidete com o cotrdomíio de g() -, ele dpt-se com fcilidde o cso d composição de fuções em que B g(a) e B g(a). De fcto, restrigido o domíio de g() o cojuto A 0 de todos os A que fzem g() B, restrigido o domíio de f (y) o cojuto g(a 0 ) e tededo que cotiuidde de g() em se mtém qudo se restrige o domíio d fução, o mesmo cotecedo quto à cotiuidde de f(y) em b, o teorem é plicável à fução compost z = f [ g()] defiid em A

16 8. Descotiuiddes Dd fução f () com domíio em A, cosidere-se um rel Ad A = A A. Como já sbemos, fução é cotíu em =, os seguites csos : 1) A e A ( é poto isoldo do domíio) ; ) A, A e lim f ( ) = f (). A fução diz-se descotíu em =, os seguites csos : 1) A, A e lim f ( ) ou ão eiste ou eistido é distito de f () ; ) A, A e lim f ( ) ou ão eiste ou eistido é ifiito. Há id outro cso possível : A, A e lim f ( ) eiste fiito. Neste cso fução f () diz-se quse cotíu em =, o setido de que é possível, lrgdo o domíio d fução = e defiido f () = lim f ( ), obter um fução cotíu. Sedo poto de descotiuidde de f (), cso eistm os limites lteris f ( + 0) e f ( 0) ou pes um deles se em certo itervlo ] - ε, [ ou ], + ε [ ão houver potos do domíio d fução descotiuidde diz-se de primeir espécie. Nos outros csos, descotiuidde diz-se de segud espécie. O teorem seguite mostr que qulquer fução moóto um itervlo dmite qudo muito um ifiidde umerável de potos e descotiuidde. Teorem 8 : Fução moóto um itervlo dmite qudo muito um ifiidde umerável de potos de descotiuidde Demostrção : Vejmos primeiro o cso em que f () é crescete o itervlo limitdo e fechdo [, b], geerlizdo-se depois o resultdo os outros csos. Note-se que sedo fução crescete tem-se, pr todos os reis [, b], f () f () f (b), dode result que : 1) A fução f () é limitd o itervlo [, b] ; ) Em cd poto c ], b [ ode fução sej descotíu, os limites lteris f (c + 0) e f (c 0), cuj eistêci é ssegurd pelo teorem 6, verificm desiguldde f (c 0) < f (c + 0), ou sej, s (c) = f (c + 0) f (c 0) > 0. Fido δ > 0, vmos mostrr que desiguldde s (c) = f (c + 0) f (c 0) > δ ão pode ser verificd pr um ifiidde de potos c ], b [. Se tl pudesse cotecer, cosiderem-se m desses potos, c 1 < c < < c m. Ter-se-i etão, devido à mootoi crescete d fução, f (c ) f () f (c 1 + 0) f (c 1 0) > δ f (c 3 ) f (c 1 ) f (c + 0) f (c 0) > δ f (c 4 ) f (c ) f (c 3 + 0) f (c 3 0) > δ... f (c m ) f (c m ) f (c m 1 + 0) f (c m 1 0) > δ f (b) f (c m 1 ) f (c m + 0) f (c m 0) > δ 158

17 dode, somdo ordedmete, f (b) f () + f (c m ) f (c 1 ) m δ, ou id, de ovo pel mootoi crescete d fução, f (b) f () + f (b) f () m δ, dode result f (b) f () (m δ ) /. Or est últim desiguldde é icomptível com possibili-dde de m poder ser tomdo rbitrrimete grde. Logo, pes um úmero fiito de potos c ], b [, pode ter-se s (c) = f (c + 0) f (c 0) > δ. Cosidere-se gor o cojuto D dos potos de descotiuidde de f () que perteçm o itervlo ], b [. Pr cd c D tem-se como vimos f (c + 0) f (c 0) > 0. Decompoh-se o cojuto D os cojutos D 1, D, (em ifiidde umerável) defiidos como segue (lgus ou todos poderão ser vzios) : D 1 = { c : c D f (c + 0) f (c 0) 1 } D j = { c : c D 1/j f (c + 0) f (c 0) < 1/( j 1) } ( j =, 3,... ) Pelo demostrdo teriormete os cojutos D j ( j = 1,, 3,... ) são fiitos, evetulmete vzios. E como D = D 1 D D 3, coclui-se que o cojuto D é qudo muito umerável. Ddo que o cojuto dos potos de descotiuidde de f () em ], b [ é qudo muito umerável, o mesmo cotece quto o cojuto dos potos de descotiuidde de f () em [, b], pois este tem qudo muito mis dois potos que quele. Pr geerlizr o resultdo obtido o cso em que f () é crescete um qulquer itervlo I (limitdo ou ão), bst otr que é sempre possível determir um sucessão de itervlos limitdos e fechdos I = [, b ] de modo ter-se I = U =1 I. Em cd um dos I = [, b ] o úmero de potos de descotiuidde de f () é qudo muito umerável e é fácil cocluir que uião umerável de cojutos fiitos ou umeráveis é qudo muito umerável. Filmete pr geerlizr o resultdo o cso em que f () é decrescete um qulquer itervlo I (limitdo ou ão), bst otr que esse cso - f () é crescete e que tem o mesmos potos de descotiuidde que f (). 9. Cotiuidde um cojuto. Proprieddes especiis ds fuções cotíus Dd fução f () com domíio A, el diz-se cotíu o seu domíio se e só se for cotíu em todos os A. Por outro ldo, f () diz-se cotíu o cojuto B A se e só se restrição de f () B for cotíu em todos os B. Atete-se bem est últim defiição : ão se diz que f () é cotíu em B A se e só se for cotíu em todos os B ; diz-se que f () é cotíu o cojuto B A se e só se restrição de f () B for cotíu em todos os B. O eemplo seguite é elucidtivo: fução, 159

Geometria Analítica e Álgebra Linear

Geometria Analítica e Álgebra Linear Geometri Alític e Álgebr Lier 8. Sistems Lieres Muitos problems ds ciêcis turis e sociis, como tmbém ds egehris e ds ciêcis físics, trtm de equções que relciom dois cojutos de vriáveis. Um equção do tipo,

Leia mais

Matemática 1 Professor Paulo Cesar Pfaltzgraff Ferreira. Sumário

Matemática 1 Professor Paulo Cesar Pfaltzgraff Ferreira. Sumário Mtemátic Professor Pulo Cesr Pfltgrff Ferreir i Sumário Uidde Revisão de Tópicos Fudmetis do Esio Médio... 0. Apresetção... 0. Simologi Mtemátic mis usul... 0. Cojutos Numéricos... 0. Operções com Números

Leia mais

FUNÇÃO EXPONENCIAL. a 1 para todo a não nulo. a. a. a a. a 1. Chamamos de Função Exponencial a função definida por: f( x) 3 x. f( x) 1 1. 1 f 2.

FUNÇÃO EXPONENCIAL. a 1 para todo a não nulo. a. a. a a. a 1. Chamamos de Função Exponencial a função definida por: f( x) 3 x. f( x) 1 1. 1 f 2. 49 FUNÇÃO EXPONENCIAL Professor Lur. Potêcis e sus proprieddes Cosidere os úmeros ( 0, ), mr, N e, y, br Defiição: vezes por......, ( ), ou sej, potêci é igul o úmero multiplicdo Proprieddes 0 pr todo

Leia mais

FUNÇÕES EXPONENCIAIS E LOGARÍTMICAS - ITA. Equações Exponenciais

FUNÇÕES EXPONENCIAIS E LOGARÍTMICAS - ITA. Equações Exponenciais FUNÇÕES EXPONENCIAIS E LOGARÍTMICAS - ITA Equções Epoeciis... Fução Epoecil..4 Logritmos: Proprieddes 6 Fução Logrítmic. Equções Logrítmics...5 Iequções Epoeciis e Logrítmics.8 Equções Epoeciis 0. (ITA/74)

Leia mais

Revisão para o Vestibular do Instituto Militar de Engenharia www.rumoaoita.com & Sistema Elite de Ensino

Revisão para o Vestibular do Instituto Militar de Engenharia www.rumoaoita.com & Sistema Elite de Ensino Revisão pr o Vestibulr do Istituto Militr de Egehri wwwrumooitcom Sistem Elite de Esio CÔNICAS (IME-8/8) Determie equção de um círculo que tgeci hipérbole potos em que est hipérbole é ecotrd pel ret os

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO CURSO DE MATEMÁTICA APLICADA À ECONOMIA E GESTÃO ANÁLISE MATEMÁTICA I ELEMENTOS DE ANÁLISE REAL Volume Por : Gregório Luís I PREFÁCIO O presete teto destia-se a

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Fluxos de Caixa Séries Uniformes de Pagamento

Elementos de Análise Financeira Fluxos de Caixa Séries Uniformes de Pagamento Elemetos de Aálise Ficeir Fluxos de Cix Séries Uiformes de Pgmeto Fote: Cpítulo 4 - Zetgrf (999) Mtemátic Ficeir Objetiv 2ª. Ed. Editorção Editor Rio de Jeiro - RJ Séries de Pgmetos - Defiição Defiição:

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA. I. Se a expansão decimal de x é infinita e periódica, então x é um número racional. é um número racional.

COMENTÁRIO DA PROVA. I. Se a expansão decimal de x é infinita e periódica, então x é um número racional. é um número racional. COMENTÁRIO DA PROVA Como já er esperdo, prov de Mtemátic presetou um bom úmero de questões com gru reltivmete lto de dificuldde, s quis crcterístic fudmetl foi mescl de dois ou mis tems em um mesm questão

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA - TURMAS DO

PROVA DE MATEMÁTICA - TURMAS DO PROVA DE MATEMÁTICA - TURMAS DO o ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - MARÇO DE 0. ELABORAÇÃO: PROFESSORES ADRIANO CARIBÉ E WALTER PORTO. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Questão 0. (UDESC SC)

Leia mais

Método de Exaustão dos Antigos: O Princípio de Eudoxo-Arquimedes

Método de Exaustão dos Antigos: O Princípio de Eudoxo-Arquimedes Método de Exustão dos Atigos: O Pricípio de Eudoxo-Arquimedes Joquim Atóio P. Pito Aluo do Mestrdo em Esio d Mtemátic Número mecográfico: 03037007 Deprtmeto de Mtemátic Pur d Fculdde de Ciêcis d Uiversidde

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA HIDRÁULICA APLICADA AD 0195 Prof.: Raimundo Nonato Távora Costa CONDUTOS LIVRES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA HIDRÁULICA APLICADA AD 0195 Prof.: Raimundo Nonato Távora Costa CONDUTOS LIVRES UNVERSDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARA AGRÍCOLA HDRÁULCA APLCADA AD 019 Prof.: Rimudo Noto Távor Cost CONDUTOS LVRES 01. Fudmetos: Os codutos livres e os codutos forçdos, embor tem potos

Leia mais

Capítulo zero Glossário

Capítulo zero Glossário Cpítulo zero Glossário Esse cpítulo é formdo por tems idispesáveis à mtemátic que, certmete, você deve Ter estuddo de um ou outr form durte su vid escolr. Sempre que tiver dúvids o logo do restte do teto

Leia mais

Cálculo II. Eliezer Batista Elisa Zunko Toma Márcio Rodolfo Fernandes Silvia Martini de Holanda Janesch

Cálculo II. Eliezer Batista Elisa Zunko Toma Márcio Rodolfo Fernandes Silvia Martini de Holanda Janesch Cálculo II Eliezer Btist Elis Zuko Tom Márcio Rodolfo Ferdes Silvi Mrtii de Hold Jesch ª Edição Floriópolis, Govero Federl Presidete d Repúblic: Dilm V Rousseff Miistro de Educção: Aloízio Mercdte Coordedor

Leia mais

somente um valor da variável y para cada valor de variável x.

somente um valor da variável y para cada valor de variável x. Notas de Aula: Revisão de fuções e geometria aalítica REVISÃO DE FUNÇÕES Fução como regra ou correspodêcia Defiição : Uma fução f é uma regra ou uma correspodêcia que faz associar um e somete um valor

Leia mais

Professor Mauricio Lutz FUNÇÃO EXPONENCIAL

Professor Mauricio Lutz FUNÇÃO EXPONENCIAL Professor Muricio Lutz REVISÃO SOBRE POTENCIAÇÃO ) Expoete iteiro positivo FUNÇÃO EPONENCIAL Se é u uero rel e é iteiro, positivo, diferete de zero e ior que u, expressão represet o produto de ftores,

Leia mais

SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES

SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES Um problem fudmetl que ormlmete é ecotrdo descrição mtemátic de feômeos físicos é o d solução simultâe de um cojuto de equções. Trduzido pr liuem mtemátic, tis feômeos pssm

Leia mais

MATEMÁTICA A - 12o Ano Funções - Limite segundo Heine

MATEMÁTICA A - 12o Ano Funções - Limite segundo Heine MATEMÁTICA A - o Ao Fuções - Limite segudo Heie Eercícios de eames e testes itermédios. Seja f a fução, de domíio R \ {}, defiida por f) = e Cosidere a sucessão de úmeros reais ) tal que = Qual é o valor

Leia mais

APOSTILA Cálculo Numérico Universidade Tecnológica Federal do Paraná

APOSTILA Cálculo Numérico Universidade Tecnológica Federal do Paraná APOSTIA Cálculo Numérico Uiversidde Tecológic Federl do Prá UTFPR uro Césr Glvão, Dr. e uiz Ferdo Nues, Dr. Ídices NOÇÕES BÁSICAS SOBRE ERROS...-. ERROS...-. ERROS ABSOUTOS E REATIVOS...-.. Erro Asoluto...-..

Leia mais

APOSTILA DE CÁLCULO NUMÉRICO

APOSTILA DE CÁLCULO NUMÉRICO APOSTILA DE CÁLCULO NUMÉRICO Professor: Willim Wger Mtos Lir Moitor: Ricrdo Albuquerque Ferdes ERROS. Itrodução.. Modelgem e Resolução A utilizção de simuldores uméricos pr determição d solução de um problem

Leia mais

Lista de Exercícios 01 Algoritmos Sequência Simples

Lista de Exercícios 01 Algoritmos Sequência Simples Uiversidde Federl do Prá UFPR Setor de Ciêcis Exts / Deprtmeto de Iformátic DIf Discipli: Algoritmos e Estrutur de Ddos I CI055 Professor: Dvid Meotti (meottid@gmil.com) List de Exercícios 0 Algoritmos

Leia mais

b) Expressando cada termo em função de sua posição SEQUÊNCIAS c) Por propriedades dos termos Igualdade Lei de Formação a) Por fórmula de recorrência

b) Expressando cada termo em função de sua posição SEQUÊNCIAS c) Por propriedades dos termos Igualdade Lei de Formação a) Por fórmula de recorrência SEQUÊNCIAS Seqüêci ou sucessão é todo cojuto ordedo de úmeros que escrevemos etre prêteses e seprdos um um por vírguls ou poto e vírgul. Exemplos: (, 8, 6,,, 8,, 5) (,, 5, 7,,, 7, 9...) (4, 7, 0,, 6, 9...)

Leia mais

TEORIA E EXERCÍCIOS ANA SÁ BENTO LOURO

TEORIA E EXERCÍCIOS ANA SÁ BENTO LOURO ANÁLISE MATEMÁTICA I TEORIA E EXERCÍCIOS ANA SÁ BENTO LOURO 3 Índice Noções Topológics, Indução Mtemátic e Sucessões. Noções topológics em R............................. Indução mtemátic..............................

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

Escola de Engenharia de Lorena - USP Cinética Química Capítulo 01 Introdução a Cinética

Escola de Engenharia de Lorena - USP Cinética Química Capítulo 01 Introdução a Cinética 1.1 - ITODUÇÃO O termo ciétic está relciodo movimeto qudo se pes ele prtir de seu coceito físico. tretto, s reções químics, ão há movimeto, ms sim mudçs de composição do meio reciol, o logo d reção. Termodiâmic

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

Matemática. Módulo 10. Equações Diferenciais. Por

Matemática. Módulo 10. Equações Diferenciais. Por Mtemátic Módulo Equções Difereciis Por George L. Ekol, BSc,MSc. Abril 7 Module Developmet Templte C. ESTRUTURA DO MÓDULO I. INTRODUÇÂO. TÍTULO DO MÓDULO Equções Difereciis. PRÉ-REQUISITOS PARA O CURSO

Leia mais

5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.1- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA

5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.1- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA 5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA Itegrar umericamete uma fução y f() um dado itervalo [a, b] é itegrar um poliômio P () que aproime f() o dado itervalo. Em particular, se y f()

Leia mais

6.1: Séries de potências e a sua convergência

6.1: Séries de potências e a sua convergência 6 SÉRIES DE FUNÇÕES 6: Séries de potêcis e su covergêci Deiição : Um série de potêcis de orm é um série d ( ) ( ) ( ) ( ) () Um série de potêcis de é sempre covergete pr De cto, qudo, otemos série uméric,

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Amortização ótima por antecipação de pagamento de dívidas contraídas em empréstimos a juros compostos

Amortização ótima por antecipação de pagamento de dívidas contraídas em empréstimos a juros compostos XXVI ENEGEP - Fortlez, CE, Brsil, 9 de Outubro de 2006 Amortizção ótim por tecipção de pgmeto de dívids cotríds em empréstimos uros compostos Lucio Ndler Lis (UFPE) luciolis@ufpe.br Gertrudes Coelho Ndler

Leia mais

Capítulo V INTEGRAIS DE SUPERFÍCIE

Capítulo V INTEGRAIS DE SUPERFÍCIE Cpítulo V INTEAIS DE SUPEFÍCIE Cpítulo V Iters de Superfíce Cpítulo V Vmos flr sobre ters sobre superfíces o espço tr-dmesol Estes ters ocorrem em problems evolvedo fluídos e clor electrcdde metsmo mss

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNICAMP VESTIBULAR 2009 1 a e 2 a Fase RESOLUÇÃO: Professora Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNICAMP VESTIBULAR 2009 1 a e 2 a Fase RESOLUÇÃO: Professora Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNICAMP VESTIBULAR 9 e Fse Professor Mri Atôi Gouvei. FASE _ 9 9. N décd de 96,com redução do úmero de bleis de grde porte,como blei zul, s bleis mike tártic pssrm ser o lvo preferêci

Leia mais

Levantamento de Dados. Escolha do Método Numérico Adequado

Levantamento de Dados. Escolha do Método Numérico Adequado UNIDADE I. Itrodução Estudreos este curso étodos uéricos pr resolução de proles que surge s diverss áres. A resolução de tis proles evolve váris fses que pode ser ssi estruturds: Prole Rel evteto de Ddos

Leia mais

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo.

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo. TRIGONOMETRIA A trigonometri é um prte importnte d Mtemátic. Começremos lembrndo s relções trigonométrics num triângulo retângulo. Num triângulo ABC, retângulo em A, indicremos por Bˆ e por Ĉ s medids

Leia mais

Capítulo III. Circuitos Resistivos

Capítulo III. Circuitos Resistivos Cpítulo III Ciruitos esistivos. Itrodução Neste pítulo serão estudds s leis de Kirhhoff, utilizdo-se de iruitos resistivos que são mis filmete lisdos. O estudo desss leis é plido em seguid s deduções de

Leia mais

Aula 2 - POT - Teoria dos Números - Fabio E. Brochero Martinez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldanha Eduardo Tengan

Aula 2 - POT - Teoria dos Números - Fabio E. Brochero Martinez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldanha Eduardo Tengan Aula - POT - Teoria dos Números - Nível III - Pricípios Fabio E. Brochero Martiez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldaha Eduardo Tega de Julho de 01 Pricípios Nesta aula apresetaremos algus

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

Prova 3 Matemática. N ọ DE INSCRIÇÃO:

Prova 3 Matemática. N ọ DE INSCRIÇÃO: Prov QUESTÕES OBJETIIVAS N ọ DE ORDEM: NOME DO CANDIDATO: N ọ DE INSCRIÇÃO: IINSTRUÇÕES PARA A REALIIZAÇÃO DA PROVA 1 Cofir os cmpos N ọ DE ORDEM, N ọ DE INSCRIÇÃO e NOME, coforme o que cost etiquet fixd

Leia mais

Unidade 8 - Polinômios

Unidade 8 - Polinômios Uidde 8 - Poliômios Situção problem Gru de um poliômio Vlor umérico de um poliômio Iguldde de poliômio Poliômio ulo Operções com poliômios Situção problem Em determids épocs do o, lgums ciddes brsileirs

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA LISTA 2 RADICIAÇÃO

INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA LISTA 2 RADICIAÇÃO INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA Professores: Griel Brião / Mrcello Amdeo Aluo(: Turm: ESTUDO DOS RADICAIS LISTA RADICIAÇÃO Deomi-se riz de ídice de um úmero rel, o úmero rel tl que

Leia mais

SIDNEY DIAS COUTO LOGARITMOS CONCEITOS E APLICAÇÃO

SIDNEY DIAS COUTO LOGARITMOS CONCEITOS E APLICAÇÃO SIDNEY DIAS COUTO LOGARITMOS CONCEITOS E APLICAÇÃO LAVRAS MG 203 SIDNEY DIAS COUTO LOGARITMOS CONCEITOS E APLICAÇÃO Trblho de Coclusão de Curso presetdo à Uiversidde Federl de Lvrs, como prte ds eigêcis

Leia mais

Resolução dos Exercícios Propostos

Resolução dos Exercícios Propostos Mtemátic Ficeir: Aplicções à Aálise de Ivestimetos 4ª. Edição Resolução dos Exercícios Propostos Etre os méritos deste livro, que fzem dele um dos preferidos pelos estudtes e professores, está explicr

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b]

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b] Interl Deinid Se é um unção de, então su interl deinid é um interl restrit à vlores em um intervlo especíico, dimos, O resultdo é um número que depende pens de e, e não de Vejmos deinição: Deinição: Sej

Leia mais

Definição: Seja a equação diferencial linear de ordem n e coeficientes variáveis:. x = +

Definição: Seja a equação diferencial linear de ordem n e coeficientes variáveis:. x = + Vléi Zum Medeios & Mihil Lemotov Resolução de Equções Difeeciis Liees po Séies Poto Odiáio (PO) e Poto Sigul (PS) Defiição: Sej equção difeecil lie de odem e coeficietes viáveis: ( ) ( ) b ( ) é dito poto

Leia mais

ESTABILIDADE. Pólos Zeros Estabilidade

ESTABILIDADE. Pólos Zeros Estabilidade ESTABILIDADE Pólo Zero Etbilidde Itrodução Um crcterític importte pr um item de cotrole é que ele ej etável. Se um etrd fiit é plicd o item de cotrole, etão íd deverá er fiit e ão ifiit, ito é, umetr em

Leia mais

Cap 5 Equivalência de Métodos

Cap 5 Equivalência de Métodos Cp Equivlêci de Métodos. INTRODUÇÃO Qudo desejmos lisr ltertivs, o primeiro poto cuidr é que els sejm compráveis. ssim, ão fz setido lisr os vlores tuis ( ) de um ssitur de dois os de um revist com um

Leia mais

EXERCÍCIOS DE CÁLCULO

EXERCÍCIOS DE CÁLCULO Trcisio Prcio Pereir PhD i Mthemtics Exercícios de Cálculo. EXERCÍCIOS DE CÁLCULO Trcisio Prcio-Pereir Dep. de Mtemátic - Uiv. Estdul Vle do Acrú versão 2 Edição eletrôic Copyleft Trcisio Prcio Pereir

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA MATEMÁTICA FINANCEIRA Rio de Jeiro / 007 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO UNIDADE I PROGRESSÕES

Leia mais

José Miguel Urbano. Análise Infinitesimal II Notas de curso

José Miguel Urbano. Análise Infinitesimal II Notas de curso José Miguel Urbno Análise Infinitesiml II Nots de curso Deprtmento de Mtemátic d Universidde de Coimbr Coimbr, 2005 Conteúdo Primitivs 3 2 O integrl de Riemnn 8 2. Proprieddes do integrl de Riemnn..............

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES PROFESSOR: MARCOS AGUIAR MAT. BÁSICA I. FUNÇÕES. DEFINIÇÃO Ddos

Leia mais

NOTAS DE AULA. Cálculo Numérico. Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR - Professores: Lauro Cesar Galvão Luiz Fernando Nunes

NOTAS DE AULA. Cálculo Numérico. Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR - Professores: Lauro Cesar Galvão Luiz Fernando Nunes NOTAS DE AULA Cálculo Numérico Uiversidde Tecolóic Federl do Prá - UTFPR - Proessores: Luro Cesr Glvão Luiz Ferdo Nues Ídice Cálculo Numérico Luro / Nues ii Noções ásics sore Erros - Erros - Erros Asolutos

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

Como a x > 0 para todo x real, segue que: a x = y y 1. Sendo f -1 a inversa de f, tem-se que f -1 (y)= log a ( y y 1 )

Como a x > 0 para todo x real, segue que: a x = y y 1. Sendo f -1 a inversa de f, tem-se que f -1 (y)= log a ( y y 1 ) .(TA - 99 osidere s firmções: - Se f: é um fução pr e g: um fução qulquer, eão composição gof é um fução pr. - Se f: é um fução pr e g: um fução ímpr, eão composição fog é um fução pr. - Se f: é um fução

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

Definição 1.1: Uma equação diferencial ordinária é uma. y ) = 0, envolvendo uma função incógnita y = y( x) e algumas das suas derivadas em ordem a x.

Definição 1.1: Uma equação diferencial ordinária é uma. y ) = 0, envolvendo uma função incógnita y = y( x) e algumas das suas derivadas em ordem a x. 4. EQUAÇÕES DIFERENCIAIS 4.: Defiição e coceitos básicos Defiição.: Uma equação diferecial ordiária é uma dy d y equação da forma f,,,, y = 0 ou d d ( ) f (, y, y,, y ) = 0, evolvedo uma fução icógita

Leia mais

Equivalência entre holomorfia, analiticidade e teorema de Cauchy

Equivalência entre holomorfia, analiticidade e teorema de Cauchy Capítulo 6 Equivalêcia etre holomorfia, aaliticidade e teorema de Cauchy 6 Itrodução O resultado cetral deste capítulo é a equivalêcia etre holomorfia, aaliticidade e validade do Teorema de Cauchy Trata-se

Leia mais

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles c L I S T A DE E X E R C Í C I O S CÁLCULO INTEGRAL Prof. ADRIANO PEDREIRA CATTAI Somos o que repetidmente fzemos. A ecelênci portnto, não é um feito, ms um hábito. Aristóteles Integrl Definid e Cálculo

Leia mais

PROGRESSÃO GEOMÉTRICA

PROGRESSÃO GEOMÉTRICA Professor Muricio Lutz PROGREÃO GEOMÉTRICA DEFINIÇÃO Progressão geométric (P.G.) é um seüêci de úmeros ão ulos em ue cd termo posterior, prtir do segudo, é igul o terior multiplicdo por um úmero fixo,

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (II Determinntes) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Determinntes Índice 2 Determinntes 2

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N Estudaremos este capítulo as equações diereciais lieares de ordem, que são de suma importâcia como suporte matemático para vários ramos da egeharia e das ciêcias.

Leia mais

Matemática Fascículo 03 Álvaro Zimmermann Aranha

Matemática Fascículo 03 Álvaro Zimmermann Aranha Mtemátic Fscículo 03 Álvro Zimmerm Arh Ídice Progressão Aritmétic e Geométric Resumo Teórico... Exercícios...3 Dics...4 Resoluções...5 Progressão Aritmétic e Geométric Resumo teórico Progressão Aritmétic

Leia mais

O poço de potencial infinito

O poço de potencial infinito O poço de potecial ifiito A U L A 14 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial V(x) que tem a forma de um poço ifiito: o potecial é ifiito para x < a/ e para x > a/, e tem o valor

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

Até que tamanho podemos brincar de esconde-esconde?

Até que tamanho podemos brincar de esconde-esconde? Até que tamaho podemos bricar de escode-escode? Carlos Shie Sejam K e L dois subcojutos covexos e compactos de R. Supoha que K sempre cosiga se escoder atrás de L. Em termos mais precisos, para todo vetor

Leia mais

Disciplina: Séries e Equações Diferenciais Ordinárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL matos@mat.ufpb.br

Disciplina: Séries e Equações Diferenciais Ordinárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL matos@mat.ufpb.br Disciplia: Séries e Equações Difereciais Ordiárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL matos@mat.ufpb.br Ambiete Virtual de Apredizagem: Moodle (www.ead.ufpb.br) Site do Curso: www.mat.ufpb.br/ead

Leia mais

Departamento de Matemática - Universidade de Coimbra. Mestrado Integrado em Engenharia Civil. Capítulo 1: Sucessões e séries

Departamento de Matemática - Universidade de Coimbra. Mestrado Integrado em Engenharia Civil. Capítulo 1: Sucessões e séries Departameto de Matemática - Uiversidade de Coimbra Mestrado Itegrado em Egeharia Civil Exercícios Teórico-Práticos 200/20 Capítulo : Sucessões e séries. Liste os primeiros cico termos de cada uma das sucessões

Leia mais

f(x) é crescente e Im = R + Ex: 1) 3 > 81 x > 4; 2) 2 x 5 = 16 x = 9; 3) 16 x - 4 2x 1 10 = 2 2x - 1 x = 1;

f(x) é crescente e Im = R + Ex: 1) 3 > 81 x > 4; 2) 2 x 5 = 16 x = 9; 3) 16 x - 4 2x 1 10 = 2 2x - 1 x = 1; Curso Teste - Eponencil e Logritmos Apostil de Mtemátic - TOP ADP Curso Teste (ii) cso qundo 0 < < 1 EXPONENCIAL E LOGARITMO f() é decrescente e Im = R + 1. FUNÇÃO EXPONENCIAL A função f: R R + definid

Leia mais

CONJUNTOS NUMÉRICOS Símbolos Matemáticos

CONJUNTOS NUMÉRICOS Símbolos Matemáticos CONJUNTOS NUMÉRICOS Símolos Mtemáticos,,... vriáveis e prâmetros igul A, B,... conjuntos diferente pertence > mior que não pertence < menor que está contido mior ou igul não está contido menor ou igul

Leia mais

Cálculo Integral em R

Cálculo Integral em R Cálculo Integrl em R (Primitivção e Integrção) Miguel Moreir e Miguel Cruz Conteúdo Primitivção. Noção de primitiv......................... Algums primitivs imedits................... Proprieddes ds primitivs....................4

Leia mais

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas.

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas. COLÉGIO PEDRO II U. E. ENGENHO NOVO II Divisão Gráfi de segmentos e Determinção gráfi de epressões lgéris (qurt e tereir proporionl e médi geométri). Prof. Sory Izr Coord. Prof. Jorge Mrelo TURM: luno:

Leia mais

Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciência da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2

Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciência da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2 Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciêcia da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2. (2,0): Resolva a seguite relação de recorrêcia. T() = T( ) + 3 T() = 3 Pelo método iterativo progressivo.

Leia mais

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2 Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Função Logrítmic p. (UFSM-RS) Sejm log, log 6 e log z, então z é igul : ) b) c) e) 6 d) log log 6 6 log z z z z (UFMT) A mgnitude de um terremoto é medid

Leia mais

FUNC ~ OES REAIS DE VARI AVEL REAL

FUNC ~ OES REAIS DE VARI AVEL REAL FUNC ~ OES REAIS DE VARI AVEL REAL Clculo Integrl AMI ESTSetubl-DMAT 15 de Dezembro de 2012 AMI (ESTSetubl-DMAT) LIC ~AO 18 15 de Dezembro de 2012 1 / 14 Integrl de Riemnn Denic~o: Sej [, b] um intervlo

Leia mais

MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I

MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I 00 MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I TEXTO DE APOIO MARIA ALICE FILIPE ÍNDICE NOTAS PRÉVIAS ALGUNS CONCEITOS SOBRE SÉRIES6 NOTAS PRÉVIAS As otas seguites referem-se ao maual adoptado: Cálculo, Vol I James

Leia mais

MÓDULO II POTENCIAÇÃO RADICIAÇÃO

MÓDULO II POTENCIAÇÃO RADICIAÇÃO MÓDULO II POTENCIAÇÃO E RADICIAÇÃO MÓDULO II POTENCIAÇÃO E RADICIAÇÃO O ódulo II é oposto por eeríios evolvedo poteição e rdiição Estos dividido-o e dus prtes pr elhor opreesão ª PARTE: POTENCIAÇÃO DEFINIÇÃO

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

Análise Matemática I. Feliz Minhós

Análise Matemática I. Feliz Minhós Análise Mtemátic I Feliz Minhós ii Conteúdo Objectivos Geris Progrm 3 Sucessões 5. De nição............................. 5.2 Subsucessão............................ 6.3 Sucessões monótons.......................

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

2.1 Dê exemplo de uma seqüência fa n g ; não constante, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamente crescente;

2.1 Dê exemplo de uma seqüência fa n g ; não constante, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamente crescente; 2.1 Dê exemplo de uma seqüêcia fa g ; ão costate, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamete crescete; (b) limitada e estritamete decrescete; (c) limitada e ão moótoa; (d) ão limitada

Leia mais

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2 Instituto Superior Técnico eprtmento de Mtemátic Secção de Álgebr e Análise Prof. Gbriel Pires CI-II Resumo ds Auls Teórics (Semn 12) 1 Teorem de Green no Plno O cmpo vectoril F : R 2 \ {(, )} R 2 definido

Leia mais

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum Otimização e complexidade de algoritmos: problematizado o cálculo do míimo múltiplo comum Custódio Gastão da Silva Júior 1 1 Faculdade de Iformática PUCRS 90619-900 Porto Alegre RS Brasil gastaojuior@gmail.com

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

Secção 9. Equações de derivadas parciais

Secção 9. Equações de derivadas parciais Secção 9 Equações de derivadas parciais (Farlow: Sec 9 a 96) Equação de Derivadas Parciais Eis chegado o mometo de abordar as equações difereciais que evolvem mais do que uma variável idepedete e, cosequetemete,

Leia mais

O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA

O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA Paulo César de Resede ANDRADE Lucas Moteiro CHAVES 2 Devail Jaques de SOUZA 2 RESUMO: Este trabalho apreseta a teoria do teste de Galto

Leia mais

Notas de Aula do Curso PGE950: Probabilidade

Notas de Aula do Curso PGE950: Probabilidade Notas de Aula do Curso PGE950: Probabilidade Leadro Chaves Rêgo, Ph.D. 2013.1 Prefácio Estas otas de aula foram feitas para compilar o coteúdo de várias referêcias bibliográficas tedo em vista o coteúdo

Leia mais

ARA UMA EDUCAÇÃO P OBAL CIDADANIA GL CIDAC

ARA UMA EDUCAÇÃO P OBAL CIDADANIA GL CIDAC l o i c r e t I o t s e f i M M U R P O Ã Ç L C U B O ED L G I N D CID CIDC Este Mifesto foi relizdo com o poio ficeiro d Uião Europei, ms o coteúdo é pes d resposbilidde dos utores, e ão pode ser tomdo

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais