ESTIMANDO UMA MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO INTER-REGIONAL REGIONAL RIO GRANDE DO SUL RESTANTE DO BRASIL. TD Nereus

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTIMANDO UMA MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO INTER-REGIONAL REGIONAL RIO GRANDE DO SUL RESTANTE DO BRASIL. TD Nereus 20-2003"

Transcrição

1 ESTIMANDO UMA MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO INTER-REGIONAL REGIONAL RIO GRANDE DO SUL RESTANTE DO BRASIL Alexandre. A. Porsse Eduardo A. Haddad Eduardo P. Rbero TD Nereus São Paulo 2003

2 ESTIMANDO UMA MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO INTER-REGIONAL RIO GRANDE DO SUL RESTANTE DO BRASIL Alexandre A. Porsse, Eduardo A. Haddad, Eduardo P. Rbero Resumo O prncpal obetvo deste artgo é apresentar a metodologa empregada para estmar uma matrz de nsumo-produto nter-regonal Ro Grande do Sul Restante do Brasl. As novações do trabalho consstem na utlzação de dados dsponblzados pela Pesqusa Industral Anual do IBGE para obter a representação da estrutura econômca do recorte espacal da matrz e, também, utlzação de dados prmáros dscrmnados ao nível de produto e setor sobre a balança comercal nter-regonal. Uma nvestgação prelmnar dos resultados é realzada através de índces de lgações Rasmussen-Hrschman e pela decomposção regonal dos multplcadores da produção. Palavras-chave: Matrz de nsumo-produto nter-regonal, comérco nter-regonal e Pesqusa Industral Anual. JEL: C67, R12 e R15. Introdução Na lteratura de economa regonal, especalmente no Brasl, anda é pouco explorado o efeto das transações comercas regonas sobre as relações de nterdependênca econômca no espaço subnaconal. Embora sea mportante reconhecer a dfculdade de obter nformações estatístcas críves nessa área, alguns estudos recentes têm apontado que esses fluxos são muto expressvos e consttuem um canal de lgação mportante entre as economas estaduas, condconando fortemente sua dnâmca econômca e o padrão de complementardade e competção entre essas regões (ver Haddad, 1999 e Haddad e Domngues, 2001, Guhoto et al., 2001). Recentemente, a Fundação de Economa e Estatístca do Ro Grande do Sul elaborou uma matrz de nsumo-produto regonal para o estado, cuos resultados estatístcos foram estruturados e dvulgados na mesma formatação da matrz naconal produzda pelo IBGE. O trabalho é referencado em 1998 e sstematza os fluxos de transações para um grupamento de 28 setores e 43 produtos, passível de correspondênca com a classfcação setoral da matrz naconal que possu 42 setores e 80 produtos. O processo metodológco mplementado consstu num levantamento ntensvo de nformações estatístcas sobre oferta e demanda, mas, por se tratar de um modelo do tpo regão únca, o aprovetamento deste para análse de efetos gerados pela nterdependênca econômca entre o Ro Grande do Sul e o restante do país é lmtado, uma vez que matrz apresenta bascamente os fluxos totas do comérco nter-regonal (exportações e mportações nter-regonas). Pesqusador da FEE/RS, doutorando em Economa pela UFRGS e pesqusador vstante no Nereus (Núcleo de Economa Regonal e Urbana da USP). Professor da FEA/USP e do REAL (Regonal Economcs Applcatons Laboratory/Unversdade de Illnos) e coordenador do Nereus. Professor do Programa de Pós-Graduação em Economa da UFRGS e pesqusador do CNPq. 1

3 Então, buscando desenvolver um nstrumental para avalar as lgações econômcas nterregonas, o presente trabalho apresenta uma metodologa de reestruturação da base estatístca do modelo de nsumo-produto regonal do RS para um modelo de nsumo-produto nter-regonal Ro Grande do Sul-Restante do Brasl (RS-RB). 1 O prncpal obetvo é estmar o destno das transações pertnentes ao comérco nter-regonal de modo a permtr compreender o padrão das nterações econômcas estruturas no contexto desse recorte espacal. Adconalmente, vale destacar que esse modelo é parte de um trabalho mas amplo que busca consttur uma base de nformações estatístcas destnada à mplementação de um modelo nter-regonal de equlíbro geral computável. A próxma seção apresenta a estrutura geral do modelo almeado, seguda das seções que descrevem os procedmentos metodológcos de compatblzação e ntegração dos dados do Ro Grande do Sul com o Restante do Brasl, como também os crtéros adotados na estmação dos destnos do comérco nter-regonal, necessáros para estruturação do modelo. Por fm, os resultados são utlzados para calcular ndcadores que sntetzam algumas relações econômcas entre o Ro Grande do Sul e o Restante do Brasl. 1 Estrutura geral do modelo de nsumo-produto nter-regonal O modelo de nsumo-produto nter-regonal pretenddo é nsprado nas experêncas dos trabalhos de Haddad e Hewngs (1998), Haddad (1999) e Haddad e Domngues (2001), ambos fundamentados em Mller e Blar (1985) e Hulu e Hewngs (1993). A dmensão setoral do modelo compreende setores de atvdade econômca, sendo um pouco mas restrta em comparação ao modelo orgnal do RS para obter uma compatblzação com a classfcação setoral que das Tabelas de Recursos e Usos do Brasl (ver Tabela A1 no Anexo) 2. 1 O desenvolvmento da metodologa ora apresentada benefcou-se da experênca de pesqusadores da Fpe-USP em outros trabalhos de geração de modelos de nter-regonas. A referênca é Haddad e Domngues (2001). 2 Os setores benefcamento de produtos vegetas e fumo, desagrupados na matrz de nsumo-produto do RS, devem ser consderados conuntamente uma vez que formam um únco setor na matrz naconal. Adconalmente, o setor fctíco dummy fnancero, cua dscrmnação do fluxo de consumo ntermedáro pertence à rubrca ntermedação fnancera, recebe o mesmo tratamento aplcado na matrz de nsumo-produto nter-regonal São Paulo-Resto do Brasl (Haddad e Domngues, 2001), sendo ncorporado ao consumo das famílas. 2

4 Quadro 01 Matrz nter-regonal Ro Grande do Sul-Restante do Brasl Demanda ntermedára Exportações Governo Demanda fnal Consumo das famílas Formação Bruta de Captal Dmensão Demanda total Destno (vendas) Z rr Z rr E r G r C rr C rr K rr K rr DT r Z Rr Z RR E R G R C Rr C RR K Rr K RR DT R Impostos 1 T r T R T E T G T Cr T CR T Kr T KR T Importações 1 M r M R M E M G M Cr M CR M Kr M KR M Valor adconado Produção total 1 VA r VA R 1 VBP r VBP R r = Ro Grande do Sul R = Restante do Brasl A matrz Z nm, (n = r, R; m = r, R), representa os fluxos de consumo ntermedáro ntra-regonal se n = m e os fluxos de consumo ntermedáro nter-regonal se n m. Analogamente têm-se os vetores da demanda fnal ntra e nter-regonas exportações (E n ), consumo do governo (G n ), consumo das famílas (C nm ) e formação bruta de captal (K nm ) 3. O governo é dvddo em duas esferas em cada regão, consttundo quatro vetores representatvos dos gastos do governo regonal (estadual e muncpal) e do governo federal. Do lado da oferta, além do consumo ntermedáro, também são dscrmnados os vetores que compõem o valor bruto da produção regonal mpostos (T m ), mportações (M m ) e valor adconado (VA m ). Por fm, deve-se verfcar a condção de equlíbro em cada mercado regonal, ou sea, VBP n = DT n (n = m). Formalmente, consderando A nm as matrzes dos coefcentes regonas de nsumo-produto, X n o vetor de produção regonalzado e Y n o vetor da soma dos componentes da demanda fnal regonalzado, a representação teórca do modelo de nsumo-produto nter-regonal é a segunte: r rr rr r r X A A X Y R Rr RR R R X A A X Y A solução desse sstema é dada pela equação: X B B Y r rr rr r X B B Y R Rr RR R, B I A 1 onde B representa a matrz nversa de Leontef, que pode ser partconada em quatro blocos, ntra e nter-regonas. Algumas propredades dessa matrz, que permtem estabelecer um dagnóstco das lgações de nterdependênca setoral e regonal do modelo, são exploradas na seção 3. (1) (2) 3 A formação bruta de captal corresponde ao resultado da soma entre formação bruta de captal fxo e varação de estoque. 3

5 2 Metodologa de estmação da MIP RS-RB A ntegração dos dados do modelo de nsumo-produto regonal do RS aos dados da economa naconal exge o enfrentamento de três desafos. O prmero dz respeto ao corte temporal do modelo, 1998, para o qual não se dspõe da matrz de nsumo-produto do Brasl. 4 As nformações dsponíves para este ano referem-se exclusvamente às Tabelas de Recursos e Usos (TRUs), a partr das quas são dervadas as tabelas auxlares de destno (mportação, mpostos e margens de comérco e de transporte) que permtem deduzr a matrz de nsumo-produto do Brasl valorada a preços báscos (ver IBGE, 1999). Portanto, é necessáro desenvolver algum mecansmo que permta obter a MIP do Brasl em 1998 somente a partr das TRUs. Nesse sentdo, dado que o regme macroeconômco entre 1996 e 1998 é relatvamente estável, consdera-se que a economa não sofreu mudanças estruturas profundas e, dessa forma, as composções das tabelas auxlares de destno da MIP em 1996 serão utlzadas para gerar uma estmatva da MIP do Brasl em Defndo esse crtéro de obtenção da matrz naconal para 1998, antes de mplementá-lo, é precso resolver um problema referente a compatblzação entre a base de nformações estatístcas ndustras utlzada na elaboração da MIP-RS e as respectvas bases utlzadas na elaboração dos dados naconas que constam nas TRUs. No processo de construção da MIP-RS, optou-se por utlzar dados da Pesqusa Industral Anual (PIA) para dmensonar a ndústra gaúcha em vez de utlzar os dados das Contas Regonas, embora esses últmos seam compatíves com a metodologa do Sstema de Contas Naconas e, portanto, com os dados das TRUs. A decsão pela PIA reflete uma preocupação sobre a sensbldade dos valores provenentes das Contas Regonas assocada à robustez dos índces de quantdade e preços utlzados em seu arcabouço metodológco 6, cua mprecsão pode condconar elevados veses que afetam a representatvdade dos segmentos ndustras, tanto no total da ndústra naconal como estadual. Essa preocupação não é desprezível e optou-se por reavalar a estrutura das TRUs ncorporando-se os dados da PIA (ver seção 2.1). O tercero desafo dz respeto à estmação dos coefcentes dos blocos nter-regonas tal como defndos no Quadro 01. Para tanto, observando as nformações á dsponblzadas sobre a economa gaúcha, fo utlzado o método de quocentes locaconas usualmente empregado em modelos nterregonas. Esse método é apresentado resumdamente na seção 2.2, unto com os demas procedmentos metodológcos. 2.1 Tratamento dos dados das Tabelas de Recursos e Usos do Brasl O últmo Censo Industral do Brasl, realzado pelo IBGE, refere-se ao ano 1985, a partr do qual se pode extrar a real estrutura econômca de cada Undade da Federação naquele período. Depos dsso, dada a carênca de nformações censtáras, o DECNA (Departamento de Contas Naconas) desenvolveu uma metodologa que permtsse quantfcar a atvdade econômca setoral na ausênca de dados censtáros anuas como suporte para elaborar o Sstema de Contas Naconal e as Contas Regonas do Brasl 7. Como a metodologa das Contas Regonas é consstente com a metodologa do Sstema de Contas Naconas, os resultados naconas sobre valores totas do Valor Bruto de Produção 4 A últma matrz de nsumo-produto naconal dvulgada pelo IBGE está referencada em O processo consste em decompor o conteúdo de mportação, de mpostos e de margens dos valores a preços de mercado das TRUs de acordo com a composção de Quando da ocorrênca de desequlíbros fo mplementado o método de auste b-proporconal denomnado RAS para obter uma estrutura equlbrada (ver Mller e Blar, 1985). 6 Para uma revsão sobre a metodologa utlzada nas Contas Regonas ver IBGE (1996). 7 Para uma revsão hstórca do Sstema de Contas Naconas do Brasl ver Nunes (1998). Informações sobre a metodologa do Sstema de Contas Naconas e também sobre as Contas Regonas podem ser encontradas em IBGE (1990b, 1996 e 1997). 4

6 (VBP), Consumo Intermedáro (CI) e Valor Adconado (VA) apresentados nas TRUs também podem ser obtdos pela soma dos respectvos valores estaduas. Com respeto à atvdade ndustral, a metodologa consste na ntegração de nformações sobre a estrutura econômca naconal e de cada estado obtda do Censo Industral de 1985 com nformações de pesqusas amostras sobre evolução da produção físca (índces de volume ou quantdade) e dos preços (índces de preços) de bens setoras a fm de prover uma estmatva da evolução do valor da atvdade econômca ndustral no espaço estadual. Valendo-se de uma lustração smplsta, dessa abordagem resulta que, por exemplo, o valor corrente da produção em t+1 é gerado através da multplcação do valor corrente da produção em t por índces de volume e de preços representatvos da evolução entre t e t+1 8. Nessa metodologa, os índces de volume são obtdos da Pesqusa Industral Mensal (PIM) e os índces de preços provêm de pesqusas realzadas pela FGV (IPA-OG). Os prmeros são específcos a cada estado na sua maor parte, cobrndo as regões metropoltanas, mas os índces de preços são setoralmente homogêneos para todos os estados. Embora a metodologa permta o reconhecmento de mudanças estruturas nternas a cada estado, sua efcáca depende da capacdade das pesqusas estruturas como a PIM captarem de forma representatva e não vesada o comportamento da produção físca e, anda, da valdade da hpótese de preços relatvos constantes para a produção setoral dos estados, mplícta na abordagem metodológca. Aparentemente, depos que o IBGE começou a realzar pesqusas ndustras anuas a partr de 1996, o confronto das estatístcas dessas pesqusas com quelas resultantes das Contas Regonas parece ndcar que a metodologa não tem sdo muto efcaz, pelo menos setoralmente, uma vez que alguns segmentos ndustras apresentam sgnfcatvas dscrepâncas em determnados estados. Tas dscrepâncas, para a economa braslera como um todo, serão explctadas no decorrer do texto 9. De fato, quando da elaboração da MIP do RS, a constatação dessas dscrepâncas levou a decsão de usar, para o setor ndustral, as nformações estatístcas da PIA. Então, para garantr a consstênca estatístca da matrz de nsumo-produto nter-regonal RS-RB, o mesmo procedmento fo aplcado aos dados naconas. O processo de adaptação dos dados das TRUs aos dados da PIA consstu em substtur as nformações totas de VBP, CI e VA dos setores ndustras das TRUs pelos respectvos valores calculados a partr da PIA. Assm, através de um tradutor fornecdo pelo IBGE, se procedeu ao agrupamento dos dados setoras da PIA conforme a classfcação setoral deseada, que contempla 15 setores ndustras (ver Tabela A1 no Anexo). Em seguda, aos valores obtdos para o VBP, CI 10 e VA foram adconados estmatvas da parcela referente aos autônomos em cada setor, uma vez que a PIA cobre apenas a economa formal. Os valores pertnentes à economa autônoma foram estmados num processo smlar ao pratcado pelo IBGE, ou sea, dado o rendmento dos autônomos (proxy para o VA dos autônomos) em cada setor ndustral calculou-se o VBP e o CI através da relação nsumo-produto total das mcroempresas 11. Os resultados fnas desse tratamento estão reportados na Tabela 01, em confronto com aqueles das TRUs orgnas do IBGE. Pode-se observar que no agregado da ndústra os valores do VBP e CI 8 O prmero ano da sére gerada com base nesse procedmento é O presente trabalho não pretende responder precsamente quas razões explcam as dscrepâncas entre os dados ndustras das TRUs e da PIA, mas sm, uma vez dentfcados os dferencas entre os valores, utlzar aqueles que garantam maor consstênca estatístca para a base de dados do modelo. 10 Na PIA, consderou-se o custo das operações ndustras equvalente ao conceto de consumo ntermedáro. 11 Os dados brutos dos rendmentos dos autônomos em cada setor são apresentados na Tabela de Usos do Brasl. Já a relação nsumo-produto (CI/VBP) das mcroempresas fo calculada com base no Censo Industral 1985, pos não se dspõe de nformações atualzadas sobre esses dados. 5

7 nas TRUs são mas elevados que os valores obtdos através da PIA (31,7% e 62,3%, respectvamente), enquanto que o VA apresenta um dferencal relatvamente pequeno, ou sea, seu valor meddo pelas TRUs é 4,5% menor que aquele meddo através da PIA. No entanto, setoralmente, algumas dferenças são mas expressvas, com destaque para o setor petroquímco e para o setor calçados e couros. Tabela 01 VBP, CI e VA dos setores ndustras do Brasl TRUs versus PIA 1998 Setor Valores das TRUs R$ ,00 Valores austados pela PIA VBP CI VA VBP CI VA 02 Indústras metalúrgcas Máqunas e tratores Materal elétrco e eletrônco Materal de transporte Madera e mobláro Papel e gráfca Indústra químca Indústra petroquímca Calçados, couros e peles Benefc. de produtos vegetas, nclusve fumo Abate de anmas Indústra de latcínos Fabrcação de óleos vegetas Demas ndústras almentares Demas ndústras Total da ndústra Fonte dos dados brutos: Tabelas de Recursos e Usos do Brasl 1998, Pesqusa Industral Anual 1998 e Censo Industral Em geral, os resultados sugerem que a metodologa mplementada no Sstema de Contas Naconas apresenta maor grau de efcáca na estmação do VA total da ndústra. No entanto, setoralmente sua efcáca pode ser questonada, haa vsta o sgnfcatvo desvo encontrado na comparação entre os dados das TRUs e da PIA. Uma possível explcação para os desvos é o fato dos dados do Sstema de Contas Naconas serem obtdos através de índces de volume que não ncorporam necessaramente todo o espaço naconal e através de índces de preços homogêneos para todos os estados, enquanto os valores da PIA são gerados através de uma pesqusa estrutural que levanta os dados dretamente com as empresas pertencentes ao Cadastro Central de Empresas do IBGE 12. Nesse contexto e também dado que a base de dados da MIP-RS á ncorpora a PIA, optou-se por utlzar os dados de VBP, CI e VA calculados através da PIA no modelo de nsumo-produto nter-regonal RS- RB, o que envolve adaptar as TRUs com esses dados á que é a partr delas que se derva a MIP do Brasl. 12 No Apêndce é realzada uma exploração formal sobre a sensbldade da metodologa utlzada no Sstema de Contas Naconas (SCN) e nas Contas Regonas (CR) em produzr resultados acurados quando ocorre algum vés nos índces de quantdade e de preços. A dscussão desenvolvda é uma tentatva de compreender melhor as possíves fontes que explcam as dscrepâncas entre os dados de VBP e CI obtdos do SCN/CR e da PIA. 6

8 Mas até aqu, essas nformações representam somente a totaldade da oferta (VBP) e do consumo ntermedáro (CI) de cada setor, mas nas TRUs há uma dscrmnação da produção secundára em cada setor como também da tecnologa de produção setoral (composção dos gastos ntermedáros), as quas não são dscrmnadas na PIA. Para resolver essa lacuna assumu-se que a composção da produção (matrz de market-share) é a mesma da Tabela de Recursos orgnal, como também a tecnologa de produção (coefcentes de nsumo-produto), a pror, é dêntca àquela que consta na Tabela de Usos orgnal. Posterormente, são realzados austes pelo método RAS para corrgr os desequlíbros. Nesse sentdo, ao substtur os dados de VBP da Tabela de Recursos pelos dados da PIA manteve-se nalterada a composção da produção secundára em cada setor. Também se manteve fxa as relações entre margens de comérco e de transporte e valor da produção, calculadas a partr da Tabela de Recursos orgnal, vsando austar esses dos componentes dante dos novos dados da produção decorrentes da PIA. Os demas componentes da Tabela de Recursos (mpostos e mportações), que são consderados no cálculo da produção a preço de mercado, não foram alterados haa vsta que são almentados por bases de nformações ndependentes e são consstentes com a arrecadação efetva de mpostos. Formalmente, consdere a segunte equação de oferta: P MC MT T S X M (3) P = vetor de produção valorado a preços de mercado MC = vetor de margem de comérco MT = vetor de margem de transporte T = vetor de mpostos sobre produtos (ICMS, IPI, mposto de mportação, outros) S = matrz de market-share X = vetor de produção valorado a preços báscos M = vetor de mportações As hpóteses descrtas anterormente mplcam 13 : mc x m, mc TRU TRU PIA TRU 1 TRU x 1 mt mt x m, m TRU TRU PIA TRU 1 TRU x 1 m T TRU T, D TRU D, M TRU M, X PIA X, ( = 2, 3,..., 16 setores ndustras), ( = 2, 3,..., 16 setores ndustras), onde x é um elemento da matrz resultante de D X. Nessa matrz, a produção secundára é representada por valores não nulos quando. Do lado da demanda, a hpótese ncal assume que a tecnologa de produção obtda dos dados das TRUs se aplca aos dados da PIA e que os demas componentes da demanda fnal são os mesmos da TRU. Então, para a segunte equação de demanda: DAX F (4) D = vetor de demanda total a preço de mercado A = matrz dos coefcentes técncos de produção A X = matrz de consumo ntermedáro a preço de mercado F = vetor de demanda fnal a preço de mercado 13 O sobrescrto PIA ndca que as nformações setoras referentes à atvdade ndustral são aquelas da PIA, enquanto TRU ndca as nformações são dêntcas àquelas das TRUs orgnas. 7

9 consderou-se: A TRU A, PIA X X e F TRU F. Com a dedução dos vetores de produção (P) e demanda (D) a partr dessas hpóteses, é natural a presença de desequlíbros. Como á ndcado, para corrgr esses desequlíbros, fo aplcado o método de auste b-proporconal RAS no lado da demanda. Por fm, consderou-se que a composção do VA dos setores ndustras agora austado pela PIA em relação aos fatores de produção é a mesma dos dados orgnas da Tabela de Usos. Uma análse dos efetos desse processo sobre a estrutura econômca orgnal das TRUs pode ser realzada através de multplcadores da produção e índces de lgações para trás desenvolvdos por Rasmussen (1956) e Hrschman (1958). Os multplcadores da produção mostram o efeto de um aumento untáro na demanda fnal de cada setor sobre a economa como um todo, enquanto os índces de lgação para trás consstem numa versão normalzada desses multplcadores através da qual os índces superores à undade ndcam setores cuo efeto da mudança untára na demanda fnal é acma da méda 14. Como o obetvo aqu é realzar uma análse comparatva, esses multplcadores e índces foram calculados utlzando a matrz de coefcentes de nsumo-produto valorada a preços de mercado, obtda das TRUs orgnas e, também, das TRUs austadas aos dados da PIA. Os resultados apontam uma sgnfcatva redução da magntude dos multplcadores em pratcamente todos os setores da ndústra, a exceção apenas do setor máqunas e tratores, enquanto os demas setores não apresentam mudança sgnfcatva (ver Fgura 01). Tal comportamento mostra que o encadeamento produtvo dos setores ndustras é menos ntenso quando se consderam os dados da PIA e está coerente com a magntude dos austamentos, pos comparatvamente aos dados das TRUs orgnas, em méda, a queda nos valores do CI austados pela PIA é mas forte que a queda nos valores do VBP. Nota-se anda que o CI do setor máqunas e tratores apresenta o menor desvo, enquanto no VBP o desvo também é menos expressvo relatvamente a outros setores, explcando a pequena mudança no multplcador da produção deste setor. Já observando os índces de lgação para trás, que consttuem uma medda relatva, não se observam mudanças tão fortes quanto ndcado pelos multplcadores da produção (ver Fgura 02). De fato, o número de setores com mpactos para trás, na cadea produtva, acma da méda, é o mesmo em qualquer das TRUs, havendo uma alternânca de posção somente em dos setores (máqunas e tratores e papel e gráfca). 14 A formalzação desses multplcadores e índces é apresentada na seção

10 Aparentemente as mudanças mas expressvas são de natureza absoluta, tal como ndcado pela avalação dos multplcadores da produção, o que não é surpresa na medda em que os valores de VBP e CI calculados através da PIA se mostraram nferores aos respectvos valores das TRUs orgnas, notadamente quando se observa o CI dos setores. Em termos relatvos, quando se avalam os índces de lgações para trás, as mudanças são menos expressvas e não afetam sgnfcatvamente classfcação dos setores quanto aos mpactos acma e abaxo da méda. Vale ressaltar que a correlação entre os dos vetores de índces é da ordem de 91,9%, enquanto a correlação entre o rank desses índces é da ordem de 85,1%. 2.2 Tratamento dos fluxos ntra e nter-regonas Na estmação de matrzes de nsumo-produto nter-regonas, o método tradconalmente aplcado é aquele conhecdo como quocentes locaconas. O procedmento aqu utlzado segue as experêncas desenvolvdas em Haddad e Hewngs (1998), Haddad (1999) 15 e Haddad e Domngues (2001), também explctadas em Hulu e Hewngs (1993) e Mller e Blar (1985). Essa metodologa anda fo aplcada por Stern (1992) na regonalzação da matrz de nsumo-produto de 1985 para o Estado de São Paulo, com algumas lmtações. Posterormente, os resultados obtdos foram comparados com os dados da balança comercal nter-regonal do RS dscrmnada na MIP-RS e um novo procedmento para garantr a consstênca com essas nformações fo adotado, gerando um segundo grupo de estmatvas. Como hpótese ncal para regonalzação da matrz de nsumo-produto consdera-se que as tecnologas setoras naconas e regonas são dêntcas. Dessa forma os setores nas duas regões especfcadas utlzam a mesma receta de produção, sto é, apresentam os mesmos coefcentes de requstos técncos do respectvo setor naconal 16. Assm sendo, sob esta hpótese: a n nn nm a a a n m (5) n onde a e a são os coefcentes de requstos técncos naconal e regonal do nsumo (setor) utlzado pelo setor, e podem ser decompostos de acordo com a orgem do nsumo utlzado pelo setor, sea ele provenente da própra regão ( a ) ou de fora dela ( a nn nm ). Como a economa fo dvdda em duas regões, quatro matrzes de coefcentes serão estmadas, duas de coefcentes ntra-regonas e duas de coefcentes nter-regonas. O passo segunte fo escolher um estmador aproprado para os coefcentes técncos regonas. A lteratura em economa regonal apresenta numerosas contrbuções quanto a este problema, e um resumo de váras abordagens encontra-se em Mller e Blar (1985). Hulu e Hewngs (1993) consderam que exste pouca evdênca empírca quanto ao melhor método de estmação e empregam uma metodologa consderada parcmonosa partndo de estmatvas de quocentes locaconas smples. A mesma metodologa será aplcada neste trabalho, com a dferença da etapa de auste conforme os dados dsponblzados sobre comérco nter-regonal. A metodologa de estmação por quocentes locaconas (QL) estabelece uma relação dreta entre os coefcentes a e nn a da segunte forma: nm 15 Nos trabalhos de Haddad e Hewngs (1998) e Haddad (1999) esta metodologa fo aplcada como prmero estágo de estmação de um processo mas ntensvo em nformações, pos os autores também dspunham de dados censtáros (Censo 1985) para regonalzação da matrz de nsumo-produto. 16 Para o bloco A rr o processo é smlar àquele empregado durante a construção da MIP-RS, de modo que eventuas dferenças nos coefcentes devem ser margnas e resultantes do processo de auste b-proporconal RAS mplementado, no estágo fnal, para promover o balanceamento das nformações. 9

11 n nn nm Se QL 1 a a a 0 (6) n nn n nm n Se QL 1 a QL a a (1 QL ) a (7) 1 n n X X n onde QL (8) 1 N N X X n O quocente locaconal QL mede a concentração do setor na regão n em relação à sua n N concentração na economa naconal; X e X são os valores da produção do setor na regão n e na economa naconal. Dessa forma, se QL n 1, então o setor é mas concentrado na regão n que na economa naconal, e dessa forma supõe-se que ele é capaz de satsfazer os requstos de nsumo dos outros setores na sua regão. Se QL n 1, então a regão necessta mportar o nsumo para satsfazer os n requstos deste nsumo na regão, sendo que QL a do consumo ntermedáro é produzdo na própra n regão, e ( 1 QL ) a é mportado da outra regão. n Os dados para o cálculo de QL foram obtdos da MIP-RS e da MIP-BR (dervada das TRUs com austamento pelos valores da PIA e da MIP do Brasl 1996). A partr de (6) e (7) são calculados os elementos da matrz ntra-regonal para o RS (rr) e os componentes nter-regonas (Rr) e, analogamente, calculam-se os componentes da matrz ntra-regonal para o Restante do Brasl (RR) e da respectva matrz nter-regonal (rr). Cada matrz estmada tem dmensão, e seus elementos são coefcentes que posterormente foram convertdos em fluxos a partr dos valores da produção setoral em cada uma das regões. Além do consumo ntermedáro dos setores, a demanda fnal também fo ncalmente regonalzada segundo a metodologa de quocentes locaconas, utlzando como comparação a demanda fnal naconal, mas somente em relação ao consumo das famílas e da formação bruta de captal (formação bruta de captal fxo mas varação de estoques). As exportações do RS foram obtdas do Mnstéro da Indústra e Comérco, e por resíduo as exportações do Restante do Brasl, dado o total naconal. A abertura dos gastos do governo seguu as proporções dos gastos com pessoal das três esferas de governo (federal, estadual e muncpal) nas duas regões no ano de Para regonalzação do consumo das famílas, os quocentes locaconas são calculados através dos dados á setorzados do RS que constam na MIP-RS em comparação com os dados naconas da N MIP-BR. Dados os valores da demanda naconal por bens de consumo das famílas do setor ( C ) e o n consumo das famílas da regão n pelos bens do setor ( C ) calcula-se o quocente locaconal do n consumo na regão n ( QLC ) e, por consegunte, o coefcente de requsto do consumo na regão n n nn nm dos bens produzdos pelo setor decomposto nas parcelas regonas ( cl c1 c1, n m) 17. No mesmo sentdo, a abordagem de quocente locaconal fo aplcada para regonalzar a formação bruta de captal fxo. Cabe ressaltar que dada a dsponbldade de nformações desses vetores na MIP-RS, os dados para o Restante do Brasl são deduzdos por resíduo e, no caso específco da formação bruta de captal, se obtém duas undades padrão de captal regonalzadas, cua soma reproduz a undade padrão de captal do Brasl. 17 O processo é análogo àquele descrto nas expressões 5, 6, 7 e 8, não sendo dscrmnado para abrevar espaço. 10

12 Os vetores representando o total de mpostos ndretos sobre produtos (T) e mportações (M) nas duas regões foram obtdos pela proporção smples do VBP setoral regonal no VBP setoral naconal e, no caso do RS, compatblzados com os dados reas de mpostos e mportação medante auste lnear. Os respectvos vetores para o Restante do Brasl são obtdos por resíduo após esse processo de auste. Dessa forma foram gerados a demanda fnal regonalzada e os quatro blocos regonas de relações setoras, formando a estmatva ncal da matrz nter-regonal (Quadro 01). Esse sstema fo austado para totas de lnhas e colunas pelo procedmento RAS e, logo após, os fluxos nter-regonas foram consoldados e comparados com os dados efetvos da balança comercal nter-regonal do RS. Tal como em Haddad e Domngues (2001), observou-se que o método de quocentes locaconas subestma sgnfcatvamente os fluxos nter-regonas e, por consegunte, superestma os fluxos ntraregonas. Para efeto de lustração, as exportações e mportações nter-regonas do Ro Grande do Sul fcaram 43,9% e 46,4%, respectvamente, menores que os dados reas. Então, para promover uma aproxmação dos fluxos nter-regonas estmados com os fluxos efetvos, os blocos da prmera estmatva da MIP RS-RB foram submetdos a uma segunda rodada de austes. Os valores representatvos da dferença em cada setor foram alocados horzontalmente para o consumo ntermedáro setoral e para os componentes da demanda fnal do bloco nter-regonal conforme a estrutura dos blocos ntra-regonas, uma vez que a estrutura dos blocos nter-regonas obtdos va quocente locaconal possu dversos elementos nulos, sendo possvelmente daí a orgem da subestmação referda. Este mecansmo é smlar àquele utlzado por Haddad e Domngues (2001), dferencando-se apenas pelo fato de que os valores alvo do auste são específcos ao setor em função do nível de dscrmnação das transações regonas do RS, enquanto na matrz São Paulo-Resto do Brasl hava um valor alvo total para ser alocado em todos os setores 18. Como resultado tem-se uma nova confguração dos blocos regonas na qual os valores postvamente austados nos blocos nterregonas são compensados nos blocos ntra-regonas, permtndo manter nalterada a composção entre consumo ntermedáro e demanda fnal (ver sentdo das alterações no Quadro 02). Quadro 02 Dreção das alterações nas matrzes de fluxo ntra e nter-regonal Consumo Intermedáro Consumo das Famílas FBC Dm rr A rr A rr C rr C rr K rr K Rr A RR A Rr C RR C rr K RR K O sstema austado assm obtdo também fo submetdo ao método RAS e, novamente, os resultados para os fluxos totas nter-regonas estmados com esse austamento foram confrontados com os dados efetvos. Anda observou-se a persstênca de um desvo médo da ordem de 10,6%, possvelmente nfluencado pelo auste b-proporconal durante a execução do RAS, uma vez que o balanceamento dos dados nesse método depende da proporconaldade dos valores das transações ntermedáras em cada bloco. Então, uma últma rodada de austes fo mplementada aplcando fatores redutores nos blocos ntra-regonas e, recprocamente, fatores ampladores nos blocos nter-regonas, favorecendo uma melhor aproxmação com os valores efetvos do comérco regonal 19. O sstema 18 Para uma descrção formal do mecansmo de auste ver Haddad e Domngues (2001). 19 Consderando o fluxo total de comérco regonal, o desvo fnal fo da ordem de 3,4%. 11

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 Rcardo Kuresk 2 Glson Martns 3 Rossana Lott Rodrgues 4 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 4 O nteresse analítco pelo agronegóco exportador

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI.

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI. O desempenho setoral dos muncípos que compõem o Sertão Pernambucano: uma análse regonal sob a ótca energétca. Carlos Fabano da Slva * Introdução Entre a publcação de Methods of Regonal Analyss de Walter

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COÉRCIO ETERNO Nota préva: O texto que se segue tem por únco obectvo servr de apoo às aulas das dscplnas de Economa Internaconal na Faculdade de Economa da Unversdade do Porto.

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

COMPOSIÇÃO DO AGRONEGÓCIO NO ESTADO DE MINAS GERAIS ALINE CRISTINA CRUZ (1) ; ERLY CARDOSO TEIXEIRA (2) ; MARÍLIA MACIEL GOMES (3).

COMPOSIÇÃO DO AGRONEGÓCIO NO ESTADO DE MINAS GERAIS ALINE CRISTINA CRUZ (1) ; ERLY CARDOSO TEIXEIRA (2) ; MARÍLIA MACIEL GOMES (3). COMPOSIÇÃO DO AGONEGÓCIO NO ESTADO DE MINAS GEAIS ALINE CISTINA CUZ () ; ELY CADOSO TEIXEIA (2) ; MAÍLIA MACIEL GOMES (3).,3.UNIVESIDADE FEDEAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BASIL; 2.UNIVESIDADE FEDEAL DE VIçOSA,

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE a 2 edção Presdente da Repúblca Luz Ináco Lula da Slva Mnstro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Slva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presdente Eduardo Perera Nunes

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo CEPAL - SERIE Polítcas socales N 60 III. Consequêncas de um novo padrão de nserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na regão metropoltana de São Paulo A. Introdução Rcardo Paes de

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

The potential to create employment and income from tourism in Brazil

The potential to create employment and income from tourism in Brazil MPR Munch Personal RePEc rchve The potental to create employment and ncome from toursm n Brazl Mlene Taasago and Joaqum José Martns Gulhoto and Mara de Lourdes Rollemberg Mollo and Joaqum Pnto de ndrade

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL,

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, 1980/2000 2 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 3 3. ANÁLISE COMPARATIVA

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

Caderno de Exercícios Resolvidos

Caderno de Exercícios Resolvidos Estatístca Descrtva Exercíco 1. Caderno de Exercícos Resolvdos A fgura segunte representa, através de um polígono ntegral, a dstrbução do rendmento nas famílas dos alunos de duas turmas. 1,,75 Turma B

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA LIBERALIZAÇÃO DOS MERCADOS AGRÍCOLAS MUNDIAIS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA

IMPORTÂNCIA DA LIBERALIZAÇÃO DOS MERCADOS AGRÍCOLAS MUNDIAIS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA IMPORTÂNCIA DA LIBERALIZAÇÃO DOS MERCADOS AGRÍCOLAS MUNDIAIS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA ADELSON MARTINS FIGUEIREDO; MAURINHO LUIZ DOS SANTOS; JANDIR FERRERA DE LIMA; UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ

Leia mais

O SETOR DE TURISMO NA REGIÃO NORDESTE: MEDIDAS E IMPACTOS A PARTIR DA MATRIZ INSUMO- PRODUTO INTER-REGIONAL

O SETOR DE TURISMO NA REGIÃO NORDESTE: MEDIDAS E IMPACTOS A PARTIR DA MATRIZ INSUMO- PRODUTO INTER-REGIONAL O SETOR DE TURISMO NA REGIÃO NORDESTE: MEDIDAS E IMPACTOS A PARTIR DA MATRIZ INSUMO- PRODUTO INTER-REGIONAL Poema Iss Andrade de Souza * Joaqum José Martns Gulhoto ** Raul da Mota Slvera Neto *** RESUMO

Leia mais

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução Máqunas de Vetor Suporte.. Introdução Os fundamentos das Máqunas de Vetor Suporte (SVM) foram desenvolvdos por Vapnk e colaboradores [], [3], [4]. A formulação por ele apresentada se basea no prncípo de

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira Impactos dos encargos socas na economa braslera Mayra Batsta Btencourt Professora da Unversdade Federal de Mato Grosso do Sul Erly Cardoso Texera Professor da Unversdade Federal de Vçosa Palavras-chave

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal www.obconcursos.com.br/portal/v1/carrerafscal Moda Exercíco: Determne o valor modal em cada um dos conjuntos de dados a segur: X: { 3, 4,, 8, 8, 8, 9, 10, 11, 1, 13 } Mo 8 Y: { 10, 11, 11, 13, 13, 13,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial O mgrante de retorno na Regão Norte do Brasl: Uma aplcação de Regressão Logístca Multnomal 1. Introdução Olavo da Gama Santos 1 Marnalva Cardoso Macel 2 Obede Rodrgues Cardoso 3 Por mgrante de retorno,

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL.

DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL. DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL. 1 APRESENTAÇÃO Nos anos 90, o país assstu a vultosas entradas de capal estrangero tanto de curto

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

PROPOSTA DE METODOLOGIA PADRÃO PARA MENSURAÇÃO DE RISCOS DE MERCADO COM VISTAS À ALOCAÇÃO DE CAPITAL

PROPOSTA DE METODOLOGIA PADRÃO PARA MENSURAÇÃO DE RISCOS DE MERCADO COM VISTAS À ALOCAÇÃO DE CAPITAL PROPOSTA DE METODOLOGIA PADRÃO PARA MENSURAÇÃO DE RISCOS DE MERCADO COM VISTAS À ALOCAÇÃO DE CAPITAL RISCO DE TAXA DE JUROS 1. Introdução O rsco de taxas de juros é a exposção da condção fnancera de um

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO Roberta Montello Amaral (UNIFESO) amaralroberta@yahoo.com.br Crado em 1990, o Saeb é um sstema de avalação do MEC que, junto à

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2 Econometra - Lsta 3 - Regressão Lnear Múltpla Professores: Hedbert Lopes, Prscla Rbero e Sérgo Martns Montores: Gustavo Amarante e João Marcos Nusdeo QUESTÃO 1. Você trabalha na consultora Fazemos Qualquer

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MARIANA CAVALCANTI PINCOVSKY DE LIMA; ANDRÉ DE SOUZA MELO; RICARDO CHAVES LIMA; UFPE/PIMES RECIFE - PE

Leia mais

ESTRUTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE FLORES E PLANTAS ORNAMENTAIS 1

ESTRUTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE FLORES E PLANTAS ORNAMENTAIS 1 ESTRUTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE FLORES E PLANTAS ORNAMENTAIS Llan Crstna Anefalos 2 Joaqum J. M. Gulhoto 3 RESUMO: Este trabalho tem como obetvo estudar a estrutura do setor de flores e plantas ornamentas

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

Keywords: regional economics, cross-section econometrics and multivariate analysis.

Keywords: regional economics, cross-section econometrics and multivariate analysis. Julho/04 A Localzação da Indústra de Transformação Braslera nas Últmas Três Décadas Autor: Flpe Lage de Sousa (BNDES) Resumo O propósto desse artgo é avalar, numa perspectva geográfca, os setores ndustras

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC 201

MACROECONOMIA I LEC 201 ACROECONOIA I LEC 20 3.2. odelo IS-L Outubro 2007, sandras@fep.up.pt nesdrum@fep.up.pt 3.2. odelo IS-L odelo Keynesano smples (KS): equlíbro macroeconómco equlíbro no mercado de bens e servços (BS). odelo

Leia mais

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa LOGÍSTICA Capítulo - 8 Objectvos do Capítulo Mostrar como o armazenamento é mportante no sstema logístco Identfcação dos prncpas tpos de armazenamento

Leia mais

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05 LQA - LEFQ - EQ -Químca Analítca Complemantos Teórcos 04-05 CONCEITO DE ERRO ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Embora uma análse detalhada do erro em Químca Analítca esteja fora do âmbto desta cadera, sendo abordada

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas Unversdade Salvador UNIFACS Cursos de Engenhara Cálculo IV Profa: Ilka ebouças Frere Integras Múltplas Texto 3: A Integral Dupla em Coordenadas Polares Coordenadas Polares Introduzremos agora um novo sstema

Leia mais

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EGEHARIA DE TRASPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMETO DE EGEHARIA CIVIL ECV DISCIPLIA: TGT41006 FUDAMETOS DE ESTATÍSTICA 3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Meddas umércas

Leia mais

Estimativa dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro.

Estimativa dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro. Estmatva dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro. O. L. L. Moraes 1, H. R. da Rocha 2, M. A. Faus da Slva Das 2, O Cabral 3 1 Departamento

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações.

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações. A CONSTRUÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES POR INTERMÉDIO DO CAPM NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO: UM ESTUDO DE CASO PARA O PERÍODO 006-010 Rodrgo Augusto Vera (PROVIC/UEPG), Emerson Martns Hlgemberg (Orentador),

Leia mais

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe Avalação da Tendênca de Precptação Pluvométrca Anual no Estado de Sergpe Dandara de Olvera Félx, Inaá Francsco de Sousa 2, Pablo Jónata Santana da Slva Nascmento, Davd Noguera dos Santos 3 Graduandos em

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica.

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica. Análse do Retorno da Edcação na Regão Norte em 2007: Um Estdo à Lz da Regressão Qantílca. 1 Introdcão Almr Rogéro A. de Soza 1 Jâno Macel da Slva 2 Marnalva Cardoso Macel 3 O debate sobre o relaconamento

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN Otmzação de ustos de Transporte e Trbutáros em um Problema de Dstrbução Naconal de Gás Fernanda Hamacher 1, Fernanda Menezes

Leia mais

UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL

UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL Área 11 - Economa Socal e Demografa Econômca Classfcação JEL: I28, H52, C35. André Olvera Ferrera Lourero Insttuto de Pesqusa

Leia mais

O MODELO IS/LM: PEQUENA ECONOMIA ABERTA COM MOEDA PRÓPRIA

O MODELO IS/LM: PEQUENA ECONOMIA ABERTA COM MOEDA PRÓPRIA O MODELO IS/LM: PEQUENA ECONOMIA ABERTA COM MOEDA PRÓPRIA Vtor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconoma I Ano lectvo 2008/09 Uma pequena economa aberta é uma economa para a qual o mercado externo, tanto a nível

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Vtóra Agosto de 2013 Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

TRANSFERÊNCIAS FISCAIS E CONVERGÊNCIA REGIONAL NO BRASIL. PALAVRAS CHAVES: Crescimento, Transferências, Dinâmica, Convergência e Governo.

TRANSFERÊNCIAS FISCAIS E CONVERGÊNCIA REGIONAL NO BRASIL. PALAVRAS CHAVES: Crescimento, Transferências, Dinâmica, Convergência e Governo. TRANSFERÊNCIAS FISCAIS E CONVERGÊNCIA REGIONAL NO BRASIL PALAVRAS CHAVES: Crescmento, Transferêncas, Dnâmca, Convergênca e Governo. PEDRO JUCÁ MACIEL Analsta de Fnanças da STN/Mnstéro da Fazenda Mestre

Leia mais

Como aposentadorias e pensões afetam a educação e o trabalho de jovens do domicílio 1

Como aposentadorias e pensões afetam a educação e o trabalho de jovens do domicílio 1 Como aposentadoras e pensões afetam a educação e o trabalo de jovens do domcílo 1 Rodolfo Hoffmann 2 Resumo A questão central é saber como o valor da parcela do rendmento domclar formada por aposentadoras

Leia mais

Fast Multiresolution Image Querying

Fast Multiresolution Image Querying Fast Multresoluton Image Queryng Baseado no artgo proposto por: Charles E. Jacobs Adan Fnkelsten Davd H. Salesn Propõe um método para busca em um banco de dados de magem utlzando uma magem de consulta

Leia mais

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução Controle de qualdade de produto cartográfco aplcado a magem de alta resolução Nathála de Alcântara Rodrgues Alves¹ Mara Emanuella Frmno Barbosa¹ Sydney de Olvera Das¹ ¹ Insttuto Federal de Educação Cênca

Leia mais

EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL

EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL Vladmr Fara dos Santos, Wlson da Cruz Vera & Bríco dos ISSN Santos Res 1679-1614 EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL Vladmr

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 00 ODELOS ATEÁTICOS E CONSUO DE ENERGIA ELÉTRICA Clece de Cássa Franco Cdade Centro Unverstáro Francscano klleyce@hotmal.com Leandra Anversa Foreze Centro Unverstáro Francscano

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

3.1. Conceitos de força e massa

3.1. Conceitos de força e massa CAPÍTULO 3 Les de Newton 3.1. Concetos de força e massa Uma força representa a acção de um corpo sobre outro,.e. a nteracção físca entre dos corpos. Como grandeza vectoral que é, só fca caracterzada pelo

Leia mais

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS*

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* Sóna Costa** Luísa Farnha** 173 Artgos Resumo As nsttuções fnanceras

Leia mais

Determinantes da Desigualdade de Renda em Áreas Rurais do Nordeste.

Determinantes da Desigualdade de Renda em Áreas Rurais do Nordeste. Determnantes da Desgualdade de Renda em Áreas Ruras do Nordeste. Autores FLÁVIO ATALIBA BARRETO DÉBORA GASPAR JAIR ANDRADE ARAÚJO Ensao Sobre Pobreza Nº 18 Março de 2009 CAEN - UFC Determnantes da Desgualdade

Leia mais

Estudo para Implementação de um Sistema de Roteirização e um Novo Centro de Distribuição para uma Empresa de Água Mineral do Sul de Minas Gerais

Estudo para Implementação de um Sistema de Roteirização e um Novo Centro de Distribuição para uma Empresa de Água Mineral do Sul de Minas Gerais Estudo para Implementação de um Sstema de Roterzação e um Novo Centro de Dstrbução para uma Empresa de Água Mneral do Sul de Mnas Geras Ilton Curty Leal Junor ltoncurty@gmal.com UFF Dego de Olvera Pexoto

Leia mais

ABERTURA COMERCIAL, CRESCIMENTO ECONÔMICO E TAMANHO DOS ESTADOS: EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL.

ABERTURA COMERCIAL, CRESCIMENTO ECONÔMICO E TAMANHO DOS ESTADOS: EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL. ABERTURA COMERCIAL, CRESCIMENTO ECONÔMICO E TAMANHO DOS ESTADOS: EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL. André Matos Magalhães Vctor Carvalho Castelo Branco 2 Tago Vasconcelos Cavalcant 3 Resumo Este trabalho consste

Leia mais

Nº 20 Dezembro de 2011. A Evolução do PIB dos Estados e Regiões Brasileiras no Período 2002-2009 Valores definitivos

Nº 20 Dezembro de 2011. A Evolução do PIB dos Estados e Regiões Brasileiras no Período 2002-2009 Valores definitivos Nº 20 Dezembro de 2011 A Evolução do PIB dos Estados e Regões Brasleras no Período 2002-2009 Valores defntvos GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cd Ferrera Gomes Governador Domngos Gomes de Aguar Flho Vce Governador

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre Hansard OnLne Gua Unt Fund Centre Índce Págna Introdução ao Unt Fund Centre (UFC) 3 Usando fltros do fundo 4-5 Trabalhando com os resultados do fltro 6 Trabalhando com os resultados do fltro Preços 7 Trabalhando

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS Físca Laboratoral Ano Lectvo 003/04 ITRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS AS MEDIDAS DE GRADEAS FÍSICAS. Introdução.... Erros de observação: erros sstemátcos e erros fortutos ou acdentas... 3. Precsão e rgor...3

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada OS EFEITOS DO E-COMMERCE NA PRODUTIVIDADE DAS FIRMAS COMERCIAIS NO BRASIL Luís Cláudo Kubota; Danele Noguera Mlan Insttuto de Pesqusa Econômca Aplcada; Insttuto de Pesqusa Econômca Aplcada RESUMO O presente

Leia mais

Área Temática: Economia e Relações Internacionais O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS

Área Temática: Economia e Relações Internacionais O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS Área Temátca: Economa e Relações Internaconas O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS Paulo Rcardo Festel¹ Slva Zanoso Mssagga² Resumo:O objetvo deste

Leia mais

COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA AVALIAÇÃO DOS PESOS DA TAXA DE CÂMBIO EFECTIVA*

COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA AVALIAÇÃO DOS PESOS DA TAXA DE CÂMBIO EFECTIVA* COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA AVALIAÇÃO DOS PESOS DA TAXA DE CÂMBIO EFECTIVA* Paulo Soares Esteves Carolna Res 1. INTRODUÇÃO Uma Taxa de Câmbo Efectva (TCE) é um ndcador que agrega váras

Leia mais

reducing income disparities in Brazil and the Northeast and Southeast regions of the country, showing that the fight against social inequalities

reducing income disparities in Brazil and the Northeast and Southeast regions of the country, showing that the fight against social inequalities A Importânca da Educação para a Recente Queda da Desgualdade de Renda Salaral no Brasl: Uma análse de decomposção para as regões Nordeste e Sudeste Valdemar Rodrgues de Pnho Neto Técnco de pesqusa do Insttuto

Leia mais

Métodos de Monitoramento de Modelo Logit de Credit Scoring

Métodos de Monitoramento de Modelo Logit de Credit Scoring Métodos de Montoramento de Modelo Logt de Credt Scorng Autora: Armando Chnelatto Neto, Roberto Santos Felíco, Douglas Campos Resumo Este artgo dscute algumas técncas de montoramento de modelos de Credt

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE R. L. S. CANEVESI 1, C. L. DIEL 2, K. A. SANTOS 1, C. E. BORBA 1, F. PALÚ 1, E. A. DA SILVA 1 1 Unversdade Estadual

Leia mais

Análise Fatorial F 1 F 2

Análise Fatorial F 1 F 2 Análse Fatoral Análse Fatoral: A Análse Fatoral tem como prncpal objetvo descrever um conjunto de varáves orgnas através da cração de um número menor de varáves (fatores). Os fatores são varáves hpotétcas

Leia mais

ANALISADOR DE EVENTOS EM TEMPO QUASE-REAL

ANALISADOR DE EVENTOS EM TEMPO QUASE-REAL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPC.01 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO -V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO EM SISTEMAS

Leia mais

PLANOS DE SAÚDE: UMA ANÁLISE DOS CUSTOS ASSISTENCIAIS E SEUS COMPONENTES HEALTH INSURANCE PLANS: AN ANALYSIS OF CARE COSTS AND THEIR COMPONENTS

PLANOS DE SAÚDE: UMA ANÁLISE DOS CUSTOS ASSISTENCIAIS E SEUS COMPONENTES HEALTH INSURANCE PLANS: AN ANALYSIS OF CARE COSTS AND THEIR COMPONENTS PLANOS DE SAÚDE: UMA ANÁLISE DOS CUSTOS ASSISTENCIAIS E SEUS COMPONENTES HEALTH INSURANCE PLANS: AN ANALYSIS OF CARE COSTS AND THEIR COMPONENTS resumo A partr da motvação de contrbur para a nvestgação

Leia mais

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis.

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis. EXERCICIOS AVALIATIVOS Dscplna: ECONOMETRIA Data lmte para entrega: da da 3ª prova Valor: 7 pontos INSTRUÇÕES: O trabalho é ndvdual. A dscussão das questões pode ser feta em grupo, mas cada aluno deve

Leia mais