DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL."

Transcrição

1 DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL. 1 APRESENTAÇÃO Nos anos 90, o país assstu a vultosas entradas de capal estrangero tanto de curto prazo quanto como nvestmentos dretos. Entretanto, é somente na segunda metade da década que o volume de nvestmentos dretos supera o volume de entrada de capas de curto prazo. A maor parte desses nvestmentos fo dreconada para o setor de servços e, em grande medda, utlzado nas prvatzações. Esse novo perfl do nvestmento dreto externo nos últmos anos contrasta com aquele observado nos períodos anterores da hstóra braslera, nos quas o IDE concentrava-se na ndústra e era, em sua maor parte, responsável por nvestmentos novos e não pela compra de atvos já exstentes. As transformações ocorrdas na condução da polítca econômca do país durante a década seguem a tendênca observada nternaconalmente de lberalzação comercal e fnancera, por meo de um conjunto de mudanças nstuconas e comercas. A abertura comercal empreendda durante a década elmnou uma ampla gama de barreras não tarfáras às mportações e reduzu as tarfas de uma méda superor a 32%, no níco de 1990, para aproxmadamente 13% em Este fato amplou o coefcente de mportação da economa em pratcamente todos os setores e contrbuu para a reconfguração da ndústra naconal na década de 90. Requsos de moderndade e competvdade eram usados pelos formuladores da polítca econômca como justfcatvas para a adoção de uma postura mas lberal. A abertura da economa estmulara o aumento da efcênca das frmas naconas, devdo à necessdade de sobrevvênca em um mercado mas competvo. Esperava-se, assm, que a abertura promovesse ganhos de competvdade que seram refletdos no desempenho comercal do Brasl. Os números ndcaram, entretanto, o modesto crescmento das exportações brasleras, quando confrontadas com a necessdade de crescmento do país e com o grande volume de mportações realzado a partr da abertura. Assm como a abertura comercal, o aumento do nvestmento dreto externo no país era vsto como um elemento favorável para a nserção externa e para o crescmento da economa. Por um lado, os nvestmentos dretos possblaram uma fonte de fnancamento de longo prazo para os desequlíbros no balanço de pagamentos e, por outro, contrburam para o desempenho exportador do país, em vrtude da sua maor competvdade e do seu acesso prvlegado a tecnologa e a canas de comercalzação. É nesse contexto de modfcação na nserção externa braslera nos anos 90 que se coloca a questão da efetva contrbução que as empresas estrangeras tveram ou poderam ter na balança comercal do país. Dadas as modfcações pelas quas passou a economa braslera nos últmos anos e a crescente mportânca do capal externo em uma estrutura produtva que já era bastante nternaconalzada, este debate torna-se anda mas fundamental. Nesse sentdo, conhecer de que forma e até que ponto o comportamento comercal das empresas estrangeras se dferenca das naconas pode ser um elemento mportante para a defnção de polítcas públcas que objetvem a melhora do desempenho comercal braslero nos próxmos anos. Sendo assm, este estudo procura avalar a mportânca da orgem de capal da frma se estrangera ou naconal no seu desempenho comercal. O estudo se concentra nas empresas ndustras brasleras, no período de 1996 a Para essa avalação faz-se necessáro controlar outros fatores que poderam nfluencar o comérco exteror das frmas ndvduas, tas como produtvdade, tecnologa, escala e dferencação de produto. 1

2 A próxma seção traz uma breve revsão do debate recente sobre os mpactos da atuação de empresas estrangeras no desempenho comercal braslero. A segur, são apresentadas a metodologa e as técncas econométrcas empregadas na elaboração do trabalho. A quarta seção mostra alguns ndcadores sobre os fluxos de comérco das empresas naconas e estrangeras e reproduz os resultados obtdos nos exercícos econométrcos. Por fm, encontram-se as consderações e conclusões que podem ser extraídas do debate e dos exercícos quantatvos. 2 EMPRESAS TRANSNACIONAIS E COMÉRCIO NO BRASIL: O DEBATE DOS ANOS 90. A crescente nternaconalzação da economa braslera e a fragldade de seu balanço de transações correntes no últmo período, evdencada pelas dfculdades em compatblzar crescmento econômco sustentado e balança comercal equlbrada, reacenderam o debate acerca da possível contrbução das empresas estrangeras para o desempenho comercal do país. Partcularmente a mudança em dreção a uma maor abertura da economa parece ter levado alguns analstas a acredarem que o papel dessas empresas no comérco exteror braslero ra se tornar mas sgnfcatvo e benéfco para o país. Nesse contexto, exstem fatores recorrentemente cados como explcação do desempenho comercal dferencado das empresas estrangeras em relação às naconas. Em prmero lugar estão os fatores dretamente relaconados à atuação multnaconal dessas empresas, tas como o acesso a mercados e canas de comercalzação por meo das flas localzadas em outros países. Em segundo lugar, fatores como produtvdade, tamanho e tecnologa tendem a ser cados como vantagens competvas potencas das empresas estrangeras em relação às naconas. Por fm, a concentração das empresas estrangeras em setores mas avançados tecnologcamente e/ou com graus de nserção comercal sgnfcatvamente dferentes do restante da economa também é um fator constantemente lembrado nas explcações do desempenho comercal dferencado das empresas estrangeras. Alguns autores argumentavam que os nvestmentos estrangeros na década de 90, além de constuírem uma fonte adconal de fnancamento do balanço de pagamentos através da conta de capal, contrburam também para a melhora do desempenho comercal do país. Atrbuía-se essa expectatva ao fato de que as empresas estrangeras teram acesso a canas de comercalzação e a mercados anda não explorados pela economa braslera, e também à maor competvdade das estrangeras vs a vs as empresas locas. Esta pareca ser a expectatva de Frsch e Franco (1989) quando ressaltam o papel dos nvestmentos dretos e das EMN s para a redução da restrção externa. Por um lado, por meo do aporte dreto de capal e, ndretamente, pela contrbução das empresas estrangeras ao crescmento do saldo comercal. Segundo eles as EMN s ou suas assocações com empresas naconas que garantam a transferênca dos atvos ntangíves relevantes podem dar uma dupla contrbução ao crescmento das exportações em termos de acesso tanto à tecnologa quanto a mercados (Frsch e Franco, 1989:21). Durante os anos 90 város estudos foram realzados no sentdo de dentfcar os mpactos das empresas estrangeras no comérco exteror braslero. As expectatvas ncas a respeo da mportânca das EMN s no comérco foram sendo, em alguns aspectos, revstas a partr das evdêncas empírcas. Uma dessas evdêncas, de grande relevânca para o desempenho comercal do país, é a concentração dos nvestmentos dretos em segmentos orentados, especalmente, para o mercado nterno e/ou regonal, ou seja, os nvestmentos estrangeros na década foram essencalmente market seekng. Nesse sentdo, Laplane e Sart (1997, 1999) argumentam que a concentração do IDE na produção de bens ntermedáros e de consumo para o mercado nterno, alado à uma forte propensão a mportar produtos ntermedáros e bens de capal são um ndíco de que o 2

3 nvestmento estrangero não altera sgnfcatvamente a pauta exportadora braslera. Outro argumento levantado pelos autores que coloca em dúvda a contrbução das empresas estrangeras ao desempenho comercal do país dz respeo orentação dos nvestmentos recentes para o setor de servços, que passou a concentrar a maor parte do capal estrangero na economa. Os autores que vam na nova onda de nvestmentos estrangeros uma possbldade concreta de aumento da competvdade nternaconal do país concentraram seus argumentos, ora na transoredade do vés mportador dos novos nvestmentos, ora nos seus mpactos sobre a produtvdade da ndústra. Barros e Goldensten (1997), por exemplo, vêem com otmsmo o cclo recente de nvestmentos estrangeros argumentando que as mudanças estruturas que estavam acontecendo no momento ram alterar as tendêncas da ndústra braslera no futuro. Para eles, a pressão negatva dos nvestmentos estrangeros sobre a balança comercal cessara no momento da maturação desses nvestmentos, ao reduzrem-se as mportações de bens de capal. Além dsso, o crescmento do mercado nterno propcado pela establzação estara proporconando um aumento das escalas de operação das ndústras naconas, o que ncentvara novos nvestmentos para produção de componentes, até então mportados. Quantos aos mpactos das multnaconas sobre a produtvdade da ndústra braslera, Bonell (1998) argumenta que os nvestmentos estrangeros, alados com a abertura da economa, tveram um mpacto mportante no substancal crescmento dos ndcadores de produtvdade observados durante os anos 90. De fato, parece que as empresas estrangeras, bem como as naconas, tveram que fazer um grande esforço para se ajustar à nova suação de concorrênca com os produtos mportados. Esse processo de ajustamento contrbuu sgnfcatvamente para o aumento dos índces de produtvdade, salentado por város autores durante a década. Entretanto, Belschowsky (1994), a partr de entrevstas com 55 grandes empresas estrangeras, dentfca dos movmentos no processo de ajustamento dessas empresas: a concentração em atvdades centras e a busca por maor efcênca produtva. Este duplo movmento resultou em um ajustamento baseado, preponderantemente, na redução de pessoal e no aumento das compras de produtos ntermedáros, tanto nterna quanto externamente. Essa constatação aponta para um aumento do coefcente de mportação das empresas estrangeras a partr da abertura, o que podera sgnfcar uma restrção mportante para o desempenho comercal braslero durante a década. Autores como Morera (1999), entretanto, defendem que o cclo recente de nvestmentos estrangeros trara uma relação custo-benefíco mas vantajosa para o país devdo, prncpalmente, ao rompmento do vés ant-exportador do antgo regme de substução de mportações. A partr da análse de dados sobre produtvdade, concentração e comérco exteror de uma amostra de cerca de 20 ml frmas naconas e estrangeras, o autor conclu que, em vrtude das transformações ocorrdas na economa braslera nesta década, o atual cclo de nvestmentos estrangeros assume uma característca radcalmente dstnta dos cclos anterores (anos 60 e70). Em relação ao comérco externo, o autor rebate as análses que verfcam a exstênca de um vés pró-mportação dos nvestmentos estrangeros. Sua argumentação va no sentdo de que as empresas estrangeras também poderam atuar no sentdo nverso em vrtude do acesso a redes de dstrbução, capal e tecnologa, além das externaldades posvas geradas pela presença dessas empresas. Além dsso, Morera procura salentar que a maor propensão à mportar dessas empresas pode estar relaconada com os setores nos quas atuam, mas ntensvos em capal e tecnologa. A partr de exercícos econométrcos, o autor constata que para um dado setor e para um dado tamanho de frma, as exportações das empresas estrangeras são, em méda, 179% superores às naconas, enquanto no caso das mportações essa superordade chega a 316% (Morera, 1999:28). Em outro estudo, Morera (2000) demonstra que as empresas estrangeras têm uma probabldade maor a exportar e, além dsso, o valor esperado de suas exportações é 32% maor do 3

4 que o valor esperado das exportações das empresas naconas. Neste estudo, o autor não aborda as dferenças exstentes entre os dos grupos de frmas em termos de mportações. Outras varáves como recea total, ntensdade de capal e de mão-de-obra, saláro médo e qualfcação do trabalhador, concentração e utlzação da capacdade dos setores nos quas as empresas atuam também foram ncluídas no modelo estmado. Outro exercíco no sentdo de dentfcar as dferenças no comportamento comercal de empresas naconas e estrangeras fo elaborado em Chudnovsky et all (2002), a partr de nformações sobre as 500 maores empresas brasleras. Neste estudo, os autores observam um aumento do coefcente de mportação das empresas estrangeras no Brasl no período e uma pequena redução nos seus coefcentes de exportação nesse mesmo período. A partr de um teste de dferenças de médas no qual foram controlados o setor e o tamanho da frma, os autores dentfcam que não exstam dferenças sgnfcatvas nos coefcentes de comérco entre empresas estrangeras e naconas em Em 1997 e 2000, entretanto, embora as dferenças não se mostrassem sgnfcatvas para os coefcentes de exportação, eram sgnfcatvas para os coefcentes de mportação. Novamente, estas evdêncas contradzem as expectatvas ncas dos autores favoráves à maor nternaconalzação da economa braslera. Para Laplane et all (2000), estas expectatvas eram baseadas em hpóteses muo genércas a respeo da atuação das empresas transnaconas e desconsderavam as especfcdades da atuação das flas no Brasl. Mesmo entre as flas que estão no país, não exste homogenedade quanto aos seus modos de nserção nternaconal. Nesse sentdo, Hratuka (2002) procura elaborar uma tpologa das empresas estrangeras no país por meo de suas dferentes estratégas de nserção externa. O autor constata que apenas um tpo de estratéga, denomnada de ntegração global e claramente mnorára entre as flas brasleras, tem contrbuído para a melhora quantatva e qualatva da balança comercal braslera. Para ele, a abertura e a establzação não foram sufcentes para que a orentação ao comérco exteror das flas brasleras segusse de manera unforme na dreção esperada por aqueles que defendam o papel preponderante dessas empresas no processo de redução da vulnerabldade externa da economa braslera. A despeo dessas controvérsas, parece ser fato, apontado pela leratura e comprovado emprcamente para o Brasl, que as empresas estrangeras tem uma maor propensão a se engajar em atvdades de comérco do que as naconas. A esse respeo, Arbache e De Negr (2001) mostram que o fato de a empresa ser estrangera aumenta em 700% sua probabldade de exportar em comparação com a empresa naconal. Para chegar a essa conclusão, os autores controlam fatores como tamanho, escolardade e tempo de emprego dos trabalhadores na frma e setor de atuação. O debate anteror aponta alguns elementos mportantes para o aprofundamento da questão que este trabalho se propõe a dscutr, qual seja, a nfluênca da orgem de capal sobre o desempenho comercal das empresas em operação no país durante a últma década. O prmero elemento mportante dz respeo ao fato de que as empresas estrangeras parecem ser, de fato, mas orentadas ao comérco do que as empresas naconas como, alás, demonstra a leratura sobre o tema. Entretanto, parece exstr uma assmetra na dferença exstente entre estrangeras e naconas pelo lado das mportações e das exportações. Város estudos apontam para uma dferença maor nos coefcentes de mportação entre os dos grupos de empresas do que nos coefcentes de exportação, ambas dferenças a favor das empresas estrangeras. No caso específco da comparação entre as 500 maores empresas, a dferença nos coefcentes de exportação nem chega a ser estatstcamente sgnfcatva. A maor parte dos trabalhos, quando procura avalar a nfluênca da orgem de capal sobre o desempenho comercal das frmas, leva em consderação fatores como tamanho e setor de atuação. Entre os estudos relatados, apenas aqueles que procuram captar a nfluênca dessa varável sobre a probabldade da frma exportar controlam outros fatores que não tamanho e setor. 4

5 Esse fato nos sugere uma rota de aprofundamento da questão. Dado que e este é um ponto freqüentemente abordado no debate as empresas estrangeras possuem dferenças mportantes em relação às empresas naconas, dferenças essas que podem nfluencar o seu desempenho comercal, é mportante levá-las em consderação na análse dos fluxos de comérco dessas empresas. Os fatores cados na leratura que justfcam a maor presença no comérco exteror das empresas estrangeras estão relaconados, por um lado, às lgações nternaconas desfrutadas pelas empresas transnaconas, dervadas da sua própra multnaconaldade. Por outro lado, o debate braslero recente aponta a exstênca de dferenças de produtvdade, tecnologa e tamanho entre as empresas naconas e estrangeras. Todos estes fatores são elementos mportantes na determnação da competvdade nternaconal das frmas. Além dsso, a nserção setoral dferencada das empresas estrangeras também já fo cada como um fator relevante na determnação dos fluxos de comérco destas frmas. Assm, solar esses efeos daqueles decorrentes uncamente da orgem de capal pode acrescentar uma mportante contrbução ao debate, especalmente no que dz respeo à evolução da balança comercal braslera, dada a expressva nternaconalzação de sua economa. 3 METODOLOGIA. 3.1 Caracterzação das nformações As nformações relevantes para uma análse do desempenho comercal das empresas estrangeras, vs a vs as empresas doméstcas foram obtdas através dos mcro-dados de dversas nstuções 1, o que possblou a análse de um grande número de varáves relatvas ao comportamento das frmas ndustras brasleras. Utlzaram-se nformações provenentes do Censo de Capas Estrangeros do BACEN, de 1995 e de 2000; da Pesqusa Industral Anual (PIA) do IBGE; da Secretara de Comérco Exteror (SECEX); da Relação Anual de Informações Socas (RAIS), do Mnstéro do Trabalho e da Pesqusa Naconal por Amostra de Domcílos (PNAD), também do IBGE. A sére da PIA utlzada va de 1996 a 2000, ou seja, refere-se à nova metodologa da pesqusa adotada a partr de 96. A PIA forneceu nformações sobre as seguntes característcas das empresas: pessoal ocupado médo no ano, valor da transformação ndustral, setor da atvdade prncpal da empresa, compras de bens ntermedáros e procedênca (estrangera ou naconal), além de gastos em propaganda. À base de dados da PIA foram adconadas varáves de outras bases, como escolardade dos trabalhadores, provenente da RAIS e da PNAD 2 ; tempo de emprego do trabalhador na frma, provenente da RAIS e exportações e mportações por empresa, da SECEX. Os mcro-dados sobre operações de exportação e mportação da SECEX, em dólares, foram agrupados por empresa 3. 1 Regstre-se os agradecmentos ao IPEA, ao IBGE, à SECEX, ao BACEN e Mnstéro do Trabalho pelo acesso às nformações que possblaram a execução deste trabalho. 2 A escolardade, na base da RAIS, é defnda como uma varável categórca que nforma o estágo do ensno regular em que o trabalhador se encontra e se este estágo fo concluído ou não. A transformação dessa varável para uma outra que represente o tempo médo de estudo do trabalhador fo fea a partr dos dados da PNAD, de onde retrou-se a nformação sobre o tempo médo de estudo do trabalhador em cada uma das categoras educaconas (1º grau completo ou ncompleto, 2º grau completo ou ncompleto e assm por dante). 3 Para 1996, os CGC s das empresas mportadoras não foram dvulgados pela SECEX, o que restrngu a análse das mportações para os anos de 1997 a

6 A defnção da naconaldade da frma fo efetuada a partr do Censo de Capas Estrangeros. Para efeo deste trabalho, consdera-se empresa estrangera aquela com partcpação majorára de capal externo. É bom lembrar que esta não é a defnção adotada pelo Banco Central e pela maor parte dos organsmos nternaconas, que consderam a empresa como estrangera quando mas de 10% das suas ações são controladas por capal externo. Mesmo em partcpações mnoráras, é possível que o capal externo detenha o controle dessa empresa, embora sua propredade anda seja, majoraramente, naconal, o que já trara dferenças em termos de acesso a mercados externos e tecnologa. Entretanto, o que nos nteressa neste estudo é avalar o papel desempenhado pela propredade estrangera de uma empresa em seu desempenho comercal, por sso a opção pela partcpação majorára 4. Os dados dos dos censos de capas estrangeros fornecem os CGC s das empresas estrangeras majoráras em 1995 e em 2000 para todos os setores da economa. Comparando os CGC s dos censos com os da PIA, chegou-se a um número de empresas estrangeras na ndústra no período 1996 a Destas, 969 estavam presentes nos dos censos, ou seja, são majoraramente estrangeras durante todo o período analsado. Duas suações foram objeto de uma análse mas pormenorzada: 351 empresas ndustras que estavam presentes no censo de 1995 e desapareceram do censo de 2000 e 1063 empresas que não fazam parte do censo de 1995 e estavam no censo de Para o prmero caso, duas hpóteses foram nvestgadas: a empresa ter dexado de operar durante esse período ou ter sdo adqurda por uma empresa de capal naconal. Da mesma forma, para o segundo caso, a empresa pode ter se nstalado no país entre 96 e 2000 através de um nvestmento novo ou pode ter adqurdo partcpação majorára em uma empresa naconal. Prmeramente, consderou-se estrangera em 1996 todas as empresas do censo de 1995, o mesmo procedmento adotado para 2000 em relação ao censo do mesmo ano. A segur, nvestgouse a hpótese de compra de uma empresa estrangera por uma naconal e a hpótese nversa, de desnaconalzação, por meo de uma varável da PIA denomnada mudança estrutural, que dentfca se a empresa passou por algum processo de mudança de propredade (fusão, csão ou ncorporação de/por outra empresa) 5. Este procedmento fo capaz de atrbur a naconaldade, ano a ano, de 730 empresas. Para outras 684 empresas 183 das quas eram estrangeras em 1995 e não fguravam no Censo de 2000 e 501 eram naconas que se tornaram estrangeras adotou-se o procedmento de consderá-las estrangeras nos anos de 97, 98 e 99. A amostra que assm fo constuída é composta de empresas nos cnco anos analsados, sendo naconas e estrangeras. Esta fo a amostra utlzada para a análse das estatístcas descrvas das característcas das empresas naconas e estrangeras e fo responsável, no período, por cerca de 80% das exportações e 70% das mportações brasleras. Das varáves exstentes na amostra, o valor da transformação ndustral e a recea total e foram deflaconados pelo IPA-OG setoral (índce ago/94=100) e, para os setores da ndústra de transformação nos quas não exsta esse ndcador pelo IPA-OG da ndústra de transformação. As compras de bens ntermedáros foram deflaconados pelo IPA-OG geral e os gastos em propaganda pelo IGPM. As exportações e mportações em dólares foram deflaconadas pelo IPA norte-amercano. Além dessas varáves, calculou-se alguns outros ndcadores, entre eles um ndcador de produtvdade do trabalho com base na méda de todas as empresas em Para o cálculo da produtvdade utlzou-se a razão valor da transformação ndustral/pessoal ocupado médo no ano. 4 Apenas a título de lustração, 86% das empresas estrangeras (com partcpação de mas de 10% de capal externo) presentes no Censo de 2000 são empresas cuja partcpação do capal externo é majorára. 5 Maores detalhes sobre os procedmentos estão em De Negr (2003). 6

7 O coefcente de mportação de bens ntermedáros fo calculado a partr das nformações declaradas pelas empresas na PIA sobre a procedênca de suas compras de bens ntermedáros, se estrangera ou naconal. Também foram calculados coefcentes de mportação e de exportação, todos estes coefcentes defndos como a proporção de mportações e/ou exportações sobre o faturamento da empresa. 3.2 Procedmentos econométrcos Para os exercícos econométrcos, a amostra ncal sofreu reduções. Como o nteresse do estudo é avalar a nfluênca da orgem de capal sobre o fluxo de comérco das frmas ndvduas, a análse se concentrou no subgrupo das empresas exportadoras, no caso da estmação da equação de exportação, e no subgrupo das empresas mportadoras, para a equação de mportação. Além dsso, a análse se concentrou nas frmas pertencentes à ndústra de transformação, exclundo-se recclagem. Por fm, excluíram-se da prmera amostra obtda aquelas empresas com menos de 30 funconáros, devdo ao questonáro responddo por estas empresas não conter nformações sobre todas as varáves explanatóras utlzadas nos modelos. A amostra para a qual foram estmadas as equações contém, portanto, um total de observações a respeo de empresas exportadoras e observações de empresas mportadoras no período 1996 a Para estas observações, exstem nformações sobre todas as varáves explanatóras utlzadas no modelo. Entre as empresas exportadoras, são naconas e são empresas estrangeras. O total destas empresas responde por 66% das exportações brasleras no período estudado. As empresas mportadoras são responsáves, também, por 66% das mportações brasleras no período 1997 a Entre as mportadoras, são empresas naconas e são estrangeras. Os modelos estmados utlzaram técncas de análse de dados em panel. Uma das vantagens dos modelos em panel sobre os modelos de regressão cross secton é a sua capacdade de controlar a heterogenedade exstente entre os ndvíduos através da estmação de efeos ndvduas 6. Isso ocorre devdo à possbldade do modelo em panel captar aspectos dnâmcos relaconados a cada uma das varáves explanatóras, ou seja, é possível captar a nfluênca que a mudança em determnado parâmetro tem sobre a varável dependente, lvre de nfluêncas ndvduas não captadas pelos demas parâmetros da regressão. Um modelo com efeos ndvduas assume a segunte formulação: Y = α + X β + u, 2 onde é o erro aleatóro com meda 0 e varânca gual a σ, X é a matrz dos regressores, ou u varáves explanatóras do modelo, e α são os efeos ndvduas, constantes no tempo e específcos a cada uma das undades de análse -- no caso deste estudo, a cada uma das empresas. Se supomos que os α s são guas para todas as undades, então os mínmos quadrados ordnáros provêm uma estmatva consstente e efcente dos parâmetros estmados (Greene,2000:560) e, neste caso, estaríamos trabalhando com um modelo tradconal de regressão múltpla, na qual α sera o ntercepto. As duas formulações mas comuns, sugerdas pela leratura, a fm de especfcar a natureza dos efeos ndvduas em um modelo em panel são a utlzação de efeos fxos ou de efeos aleatóros. A abordagem de efeos fxos toma α como sendo um termo constante específco a um grupo (ou ndvíduo) no modelo de regressão e, por outro lado, a abordagem de efeos aleatóros especfca que α é um ruído específco de cada grupo, smlar ao erro. No modelo de efeos fxos, os efeos ndvduas podem ser lvremente correlaconados com os demas regressores enquanto 6 Para maores detalhes, ver os prmeros capítulos de Baltag, B. H. (1995) e Hsao, C. (1986). u t 7

8 que, no modelo de efeos aleatóros, supõe-se que não há correlação entre efeos ndvduas e demas varáves explanatóras. Desse ponto de vsta, o modelo de efeos aleatóros é mas restro que o modelo de efeos fxos, já que naquele é precso supor ausênca de correlação entre os efeos e os regressores. Para a estmação com efeos fxos o estmador de mínmos quadrados ordnáros sera um estmador consstente e efcente do modelo, chamado de LSDV (least squares dummy varable model). O modelo de efeos aleatóros, por outro lado, se fara pela utlzação dos mínmos quadrados generalzados, admndo que os nterceptos sejam ndependentemente e dentcamente dstrbuídos. A defnção de qual o modelo mas aproprado depende, em grande parte, de nformações sobre as característcas da amostra e sobre os objetvos específcos da estmação. Exstem, também, dos testes estatístcos que podem ser utlzados a fm de auxlar na escolha do método mas ndcado para a estmação de um modelo em panel: o teste F para efeos fxos e o teste de Hausman para efeos aleatóros. 7 Feas as consderações geras sobre a natureza dos modelos em panel, resta defnr os modelos estmados a fm de responder a questão sobre o papel da orgem de capal no desempenho comercal das frmas. As equações estmadas são as seguntes: Ln( X ) = β Ln( pess _ ocup) _ gast _ prop) 5 Ln( M _ gast _ prop) 5 1 ) = β Ln( pess _ ocup) _ gast _ prop) 1 produtv ) + β estranger a 6 + β estranger a Ln( mp _ b ) = β Ln( pess_ ocup) produtv) 2 + setor + ano + setor + ano produtv) + β estrangera + setor + ano 6 2 t _ empr) 3 t _ empr) 3 t _ empr) Onde: X é o valor das exportações da -ésma empresa no ano t, em dólares. 3 t _ est) 4 t _ est) 4 t _ est) M é o valor das mportações da -ésma empresa no ano t, também em dólares. mp _ é o valor das mportações de bens ntermedáros. b pess _ ocup é o pessoal ocupado médo no ano t, na empresa, que rá captar a nfluênca da escala de produção da frma no valor de suas exportações. produtv é um ndcador da produtvdade da frma que deve ter efeos posvos sobre as suas exportações, refletndo a sua capacdade de produzr e vender a custos menores. 4 (1) (2) (3) 7 O teste F testa a hpótese de que o termo constante seja gual para todos os grupos ( α = α j para j ). A hpótese nula é, portanto, de que exste apenas um ntercepto para todas as empresas. O segundo teste, realzado na estmação do modelo por efeos aleatóros, é o teste de Hausman, que verfca a exstênca de correlação entre os efeos ndvduas e as varáves explanatóras. Se os efeos não são correlaconados com as varáves explanatóras, o modelo de efeos aleatóros é consstente e efcente e o modelo de efeos fxos é consstente mas não efcente. No caso nverso, quando os efeos ndvduas são correlaconados com as varáves explanatóras, o estmador de efeos fxos é consstente e efcente mas o estmador de efeos aleatóros é nconsstente. A estatístca do teste de Hausman tem dstrbução 2 χ sob a hpótese nula de que o estmador de efeos aleatóros é correto. 8

9 t _ empr representa o tempo médo de emprego dos trabalhadores da frma, ou seja, a experênca dos seus trabalhadores. A baxa rotatvdade da mão-de-obra e a establdade organzaconal numa empresa pode ser um ndíco de uma maor efcênca. t _ est procura medr a qualfcação profssonal dos trabalhadores na frma, através do tempo de estudo médo desses trabalhadores. Espera-se que, quanto maor a qualfcação profssonal exgda pela frma, maor a ntensdade de tecnologa utlzada por ela. _ gast _ prop mede o valor dos gastos em propaganda da frma, em determnado ano, como proporção do seu faturamento. O valor dos gastos em propaganda proporcona uma ndcação do grau de dferencação de produto de cada frma: quanto maor o esforço de vendas da empresa, espera-se que menos homogêneo seja o seu produto 8. estranger a é uma varável bnára que assume o valor zero para a empresa naconal e um para a empresa estrangera. O parâmetro estmado para essa varável, quando sgnfcatvo, drá o quanto o fato de a empresa ser estrangera nfluenca o valor das suas exportações. setor é uma varável dummy que dentfca o setor de atuação da frma segundo a dvsão de atvdade da Classfcação Naconal de Atvdades Econômcas. A ntrodução dessa varável tem a função de captar as heterogenedades setoras que possam nfluencar as exportações da frma. Por fm, a varável ano representa um conjunto de quatro dummes destnadas a captar a nfluênca de cada ano nas exportações e mportações da amostra. 4 RESULTADOS Város fatores são cados na leratura, como determnantes do comérco nternaconal. Entre eles, dotação de fatores dferencada entre os dversos países, tecnologa, economas de escala e dferencação de produto. Ao nível da frma ndvdual, determnantes relaconados como o país no qual a frma opera deveram afetar da mesma forma as dferentes empresas. Dessa forma, para explcar os dferentes comportamentos de frmas ndvduas dentro de um mesmo país, os fatores relaconados à localzação não parecem ser relevantes. Mas mportantes são as característcas específcas de cada frma ou grupo de frmas. Algumas dessas característcas, mas precsamente as vnculadas ao tamanho, tecnologa e dferencação de produto encontram-se na tabela 1, para os grupos de frmas naconas e estrangeras, exportadoras e não exportadoras. Observa-se que o faturamento médo das empresas estrangeras é mas de 10 vezes superor ao das empresas naconas no total, evdencando o tamanho maor das prmeras. Entre as empresas exportadoras, o dferencal entre estrangeras e naconas se reduz para algo em torno de 4 vezes. O faturamento médo na ndústra como um todo é de pouco mas de R$ 18 mlhões sendo que os dos grupos de empresas estrangeras estão acma da méda e, entre as naconas, apenas o grupo exportadoras se encontra neste patamar. As exportadoras também são, em méda, maores do que às não exportadoras, sugerndo a mportânca do fator escala nas exportações de produtos manufaturados. A produtvdade é outro fator que pode determnar o desempenho comercal relatvo das frmas. Em relação a este ponto, as empresas estrangeras também possuem ndcadores superores aos das naconas, tanto entre as exportadoras quanto entre as não-exportadoras. Pode-se perceber que a dferença entre as naconas exportadoras e não exportadoras é maor do que a exstente entre as estrangeras exportadoras ou não, mostrando uma maor homogenedade das estrangeras em 8 Como ressalta Possas (1999), a magem e a marca de um produto, além de constuírem vantagens de dferencação por s mesmas, estão relaconadas a outras vantagens de dferencação da frma. Além dsso, a estratéga de marketng, embora não seja a únca forma de gerar vantagens competvas, constu-se num mecansmo mportante. 9

10 relação à produtvdade, ndependentemente de serem exportadoras. Entre as empresas exportadoras, as estrangeras apresentam uma produtvdade superor em mas de duas vezes e mea a das naconas. É bom observar que, em se tratando de produtvdade do trabalho, esse ndcador pode ocultar dferenças na ntensdade de capal e na tecnologa de cada um dos grupos de frmas. Tabela 1 - Faturamento, pessoal ocupado, produtvdade, tempo de estudo do trabalhador e gastos em propaganda para empresas naconas e estrangeras, exportadoras e não exportadoras méda do período 1996 a Empresas naconas estrangeras N Part % Faturamento (R$ ml) Pessoal ocupado Produtvdade * Tempo de estudo do trabalhador Gastos em Propaganda** méda desvo méda desvo méda Desvo méda desvo méda desvo Ñ exp ,3% ,7 1,9 0,53 1,88 exp ,5% ,0 1,8 0,81 1,88 total ,8% ,7 1,9 0,61 1,89 ñ exp 344 0,6% ,7 2,1 1,54 3,61 exp ,5% ,1 2,0 1,34 3,25 total ,2% ,0 2,0 1,38 3,31 TOTAL % ,9 2,0 0,67 2,05 * Produtvdade do trabalho. Índce: méda de 1996=100 ** Como porcentagem do faturamento. Gastos em propaganda se referem apenas a empresas com mas de 29 empregados. A produtvdade é outro fator que pode determnar o desempenho comercal relatvo das frmas. Em relação a este ponto, as empresas estrangeras também possuem ndcadores superores aos das naconas, tanto entre as exportadoras quanto entre as não-exportadoras. Pode-se perceber que a dferença entre as naconas exportadoras e não exportadoras é maor do que a exstente entre as estrangeras exportadoras ou não, mostrando uma maor homogenedade das estrangeras em relação à produtvdade, ndependentemente de serem exportadoras. Entre as empresas exportadoras, as estrangeras apresentam uma produtvdade superor em mas de duas vezes e mea a das naconas. É bom observar que, em se tratando de produtvdade do trabalho, esse ndcador pode ocultar dferenças na ntensdade de capal e na tecnologa de cada um dos grupos de frmas. O tempo de estudo médo do trabalhador, utlzado aqu como uma ndcação da tecnologa das frmas, é superor para as empresas estrangeras, exportadoras ou não. O dferencal é maor entre as estrangeras e naconas do que entre as exportadoras e não exportadoras, sugerndo que a tecnologa empregada não dfere substancalmente entre empresas exportadoras e não exportadoras. Os gastos em propaganda como proporção da recea total, proporconam um ndcador sobre o grau de dferencação de produto em cada frma. Frmas atuando em mercados mas dferencados tendem a gastar uma proporção maor do seu faturamento em propaganda a fm de ganhar parcelas de mercado dos seus concorrentes. A proporção da recea total despendda em propaganda é maor para as empresas estrangeras, mesmo quando atuam nos mesmos setores que as naconas 9 mostrando que, as estrangeras tendem a promover uma maor dferencação dos seus produtos, nclusve como uma forma de conqustar o mercado local. Isso é mas claro se observarmos que, entre as estrangeras, o gasto em propaganda é maor para frmas não exportadoras do que para frmas exportadoras. No 9 De Negr (2003). 10

11 caso de empresas naconas, ao contráro, os gastos em propaganda são maores para empresas exportadoras. A análse desta tabela nos mostra que as empresas estrangeras estão numa posção favorável em relação às naconas em termos de tamanho, produtvdade, tecnologa e dferencação de produto, o que lhes confere, ao menos potencalmente, maores vantagens competvas, em termos de comérco, em relação às naconas. Resta saber se estas vantagens potencas têm se traduzdo, no últmo período, em uma competvdade revelada maor das empresas estrangeras. Para tanto, o prmero procedmento econométrco utlzado para a análse dos dados consstu na estmação de equações de mportação e exportação para cada um dos anos separadamente. Os resultados destas equações estão expressos, de forma smplfcada e apenas para os anos de 1997 e 2000, na tabela 2. Percebe-se, a partr destas equações que o dferencal exstente entre empresas estrangeras e naconas se ampla no período consderado. Enquanto em 1997, as empresas estrangeras exportavam, em méda, 182% a mas do que as empresas naconas, o dferencal nas mportações era de 254% em favor das estrangeras 10. Esse dferencal se ampla, em 2000, para 273% nas exportações e para 369% nas mportações. É bom lembrar que esta dferença se manfesta depos de controlados os fatores expressos nas demas varáves explanatóras da regressão, tas como tamanho, setor de atuação, gastos em propaganda, produtvdade, qualfcação e experênca dos trabalhadores na frma. Assm, algumas das característcas relevantes para a explcação do desempenho comercal das frmas ndvduas e nas quas as empresas estrangeras são notadamente dferencadas das empresas naconas são controladas, a fm de se solar o efeo da propredade de capal sobre o desempenho comercal das frmas. Tabela 2 - Resultados da estmação de equações de exportação e de mportação para as frmas da ndústra de transformação braslera nos anos de 1997 e Equação de exportações Equação de mportações Parâmetros Estmatva teste t Estmatva teste t Estmatva teste t estmatva teste t Pess_ocup 1,153 42,040 1,137 42,620 0,929 42,810 0,880 36,830 Produtv 0,296 9,120 0,250 11,770 0,328 15,540 0,220 12,550 Estrangera 1,037 12,920 1,317 16,730 1,266 18,980 1,545 22,490 T_empr 0,108 2,490 0,274 5,320 NS NS NS NS T_est NS NS NS NS 1,193 12,300 1,677 13,090 I_gast_prop -0,185-11,530-0,168-11,200 0,024 1,85 * -0,032-2,420 Valor de F 125,89 139,99 173,08 153,25 R2 ajustado 0,427 0,438 0,437 0,436 N Obs.: NS: Varável não sgnfcatva. * Varável sgnfcatva a 10%. Além dos parâmetros apresentados, também foram estmadas dummes para o setor de atuação das empresas. Entretanto, exstem algumas característcas ndvduas que não são passíves de ncorporação ao modelo e que podem ter mpactos sobre os fluxos de comérco das frmas. Exemplos de algumas destas característcas são: ) o acesso a crédo para exportações, notadamente 10 Estes números foram obtdos a partr da segunte transformação do coefcente estmado para a dummy estrangera: (exp(β) 1)*100. Essa transformação é necessára em vrtude de a varável dependente estar expressa em termos de logarítmos naturas, o que não ocorre com a dummy e será fea sempre que se for analsar os coefcentes das varáves bnáras. 11

12 faclado no caso de empresas transnaconas; ) aspectos organzaconas das frmas; ) acesso a mercados e tecnologas, cados na leratura como fontes de dferenças sgnfcatvas entre as empresas transnaconas e as unnaconas, entre outros. Em outras palavras, exste uma sére de característcas ndvduas das frmas, vnculadas ou não à propredade de capal que podem exercer alguma nfluênca sobre os seus fluxos de comérco e que não são consderadas no modelo de regressão cross secton. A despeo dsso, os resultados apresentados são consstentes, como atestam o teste F, sobre a adequação do modelo, e os testes t para os parâmetros estmados. Como as nformações estão dsponíves para uma sére de város anos, é possível aprovear melhor os dados a partr da estmação de um modelo em panel. Desta forma, sera possível captar as heterogenedades entre as empresas da amostra, além das alterações macroeconômcas ocorrdas no período que tenham exercdo nfluênca sobre os fluxos de comérco das frmas. Um modelo em panel possu duas fontes de varabldade, que serão expressas nos coefcentes das varáves estmadas. A prmera delas reflete as dferenças exstentes entre as empresas ou grupos de empresas em um mesmo ano, da mesma forma que em uma regressão cross secton. A segunda fonte de varabldade reflete as modfcações ocorrdas em cada uma das empresas no período consderado, ou seja, capta o quanto a mudança temporal de uma das varáves explanatóras mpacta a varável dependente, controlados os demas fatores. A dferença entre o modelo de efeos aleatóros e o modelo de efeos fxos resde justamente no fato de captar uma ou ambas as fontes de varabldade. O modelo de efeos fxos, ao estmar uma dummy para cada uma das empresas presentes na amostra, desconsdera a prmera fonte de varabldade exstente nos dados, qual seja, a dferença entre grupos de empresas no mesmo ano. Assm, os coefcentes estmados no modelo de efeos fxos são resultado dos mpactos da modfcação temporal nas varáves explanatóras sobre a varável dependente. Desta forma, este modelo tende a solar mas efcentemente o efeo da propredade do capal sobre as varáves dependentes, já que os efeos ndvduas não mensuráves ou não ncorporados ao modelo são captados pelas dummes ndvduas. O modelo de efeos aleatóros, por outro lado, capta tanto a varabldade exstente entre as empresas em um determnado ano quanto a varabldade decorrente da mudança nas varáves explanatóras para uma dada empresa (sto é, a varabldade dentro de cada uma das frmas). A desvantagem do modelo de efeos aleatóros é que ele tende a superestmar os parâmetros do modelo, haja vsto que alguns dos efeos ndvduas não ncorporados ao modelo podem ser captados pelas outras varáves. Ao mesmo tempo em que o modelo de efeos fxos tende a solar mas efcentemente o efeo da propredade de capal sobre as exportações e sobre as mportações da frma, ou até mesmo, por essa razão, ele também tende a solar certos efeos que estão dretamente lgados à atuação multnaconal das frmas. Exstem város aspectos da atuação das empresas multnaconas que são característcas dferencadoras dessas empresas em relação às frmas unnaconas. Exemplos dessas característcas específcas são: ) o acesso a canas de comercalzação, não dsponíves para empresas doméstcas, através das outras flas da corporação; ) o acesso a tecnologas desenvolvdas pela matrz; ) os ganhos de especalzação decorrentes da dvsão do processo produtvo entre város países; v) o acesso ao crédo a custos menores do que aquele dsponível às frmas doméstcas etc. Ao solar a propredade de capal dos efeos ndvduas de cada uma das frmas, o modelo de efeos fxos tende a solar também estas característcas que, até certo ponto, são ndssocáves da atuação multnaconal da frma. Nesse sentdo, os coefcentes da dummy estrangera nos modelos de efeos fxos estaram expressando a modfcação medata no comportamento comercal da frma, dervada de uma eventual mudança de sua naconaldade. Da mesma forma que o modelo de efeos aleatóros tende a superestmar as estmatvas dos parâmetros, pode-se dzer que o modelo de efeos fxos tende a subestmá-las, pelo menos no caso específco deste estudo. 12

13 Outro ponto a ser consderado na análse dos dos tpos de modelos é o tamanho da sére de dados dsponível. Como o panel analsado possu observações para cnco anos apenas, a margem de varação possível de ser captada pelo modelo de efeos fxos é relatvamente pequena. Este fato pode explcar, nclusve, o número menor de varáves sgnfcatvas exstentes neste modelo, em comparação com o modelo de efeos aleatóros (ver tabela 3). A despeo das consderações sobre as vantagens e lmações de cada um dos modelos estmados, os testes estatístcos teste de Hausman e o teste F para efeos fxos apontam para a convenênca da estmação dos modelos de efeos fxos. Tabela 3 - Resultados da estmação de equações de exportação, de mportação e de mportação de bens ntermedáros para as frmas da ndústra de transformação braslera no período EFEITOS FIXOS Importações de Bens Exportações Importações (1) Varáves Intermedáros Estmatva teste t estmatva teste t Estmatva teste t pess_ocup 0,637 23,890 0,542 16,400 0,618 22,280 Produtv 0,085 9,540 0,054 6,320 0,043 5,760 Estrangera NS NS 0,235 2,090 0,153 2,890 t_empr NS NS NS NS NS NS t_est NS NS NS NS 0,127 2,110 _gast_prop -0,015-2,110 0,022 2,510 NS NS R2 0,996 0,996 0,998 Valor de F 13,81 11,22 11,48 N EFEITOS ALEATÓRIOS Importações de Bens Varáves Exportações Importações (1) Intermedáros estmatva teste t estmatva teste t Estmatva teste t Intercepto 6,783 36,680 6,183 32,300 7,845 46,760 pess_ocup 0,927 51,530 0,801 44,160 0,836 49,440 Produtv 0,124 14,860 0,096 12,500 0,082 11,820 Estrangera 0,530 11,660 1,355 24,570 0,625 15,650 t_empr 0,093 4,620 0,075 3,590 0,072 3,950 t_est 0,168 2,990 0,812 11,820 0,498 9,460 _gast_prop -0,053-8,000 0,021 2,910 NS NS R2 0,160 0,203 0,191 Hausman (valor de m) 679,20 497, ,73 N Obs.: NS: Varável não sgnfcatva a 10%. (1) Equação estmada para o período Além das varáves apresentadas, também foram estmadas dummes para o setor de atuação da empresa e para o ano. A prmera consderação relevante que pode ser fea a partr dos resultados apresentados na tabela 3 é que, em ambos os modelos, constata-se que a orgem do capal da frma tem mpactos maores sobre suas mportações do que sobre suas exportações. No modelo de efeos fxos, enquanto a orgem de capal da empresa não é sgnfcatva na determnação de suas exportações, ela é sgnfcatva na determnação de suas mportações. Este modelo aponta que as empresas multnaconas em operação no país mportam 26% a mas do que as empresas naconas, controlados todos os demas fatores que possam nfluencar o seu desempenho comercal. Estes 13

14 resultados são compatíves com aqueles obtdos em Chudnovsky et all (2002) a partr dos testes de dferenças de médas para as 500 maores empresas brasleras, onde se constatou que a orgem de capal não era estatstcamente sgnfcatva na explcação dos coefcentes de exportação das frmas, mas era para os coefcentes de mportação. O fato do teste de dferenças de médas se aproxmar mas do modelo de efeos fxos pode ser conseqüênca do recorte utlzado pelos autores. Ao analsar as 500 maores empresas, é possível que se tenha reduzdo a heterogenedade entre as frmas analsadas e, portanto, o mpacto de característcas ndvduas sobre os resultados. Por outro lado, no modelo de efeos aleatóros, a orgem de capal é um fator sgnfcatvo para explcar as dferenças entre as frmas, tanto pelo lado das mportações quanto das exportações, entretanto, essa dferença é sensvelmente maor nas mportações. Enquanto as empresas estrangeras exportam, em méda, 70% a mas do que as empresas naconas, elas mportam cerca de 290% a mas. Os resultados obtdos por Morera (1999), utlzando-se de uma regressão em corte transversal, apontam na mesma dreção, embora a dferença entre estrangeras e naconas tenha sdo, no seu caso, de 179% nas exportações e de 316% nas mportações, ambas a favor das estrangeras. O modelo de efeos aleatóros também apresenta resultados mas parecdos com as regressões apresentadas anterormente (tabela 2) do que o modelo de efeos fxos. Os resultados obtdos sugerem que o mpacto medato da desnaconalzação captado pelo modelo de efeos fxos é o aumento das mportações das frmas recém desnaconalzadas. Esta, portanto, é a únca modfcação relevante no comportamento comercal das frmas que pôde ser observada no curto prazo. É possível car três razões fundamentas para este mpacto. A prmera possível razão resde nas estratégas comercas das frmas multnaconas que possuem redes de dstrbução e fornecmento em escala global que tendem a ser aproveadas em suas novas flas. A equação de mportação de bens ntermedáros mostra essa tendênca das empresas multnaconas em aprovear os fornecedores globas da corporação para a compra de produtos ntermedáros, o que se torna evdente pela maor mportação de produtos ntermedáros observada para as empresas estrangeras. Estas mportam, em méda, 16% a mas em partes, peças e componentes do que as empresas naconas no modelo de efeos fxos e 87% a mas no modelo de efeos aleatóros. Em segundo lugar, uma nova base de operação em um determnado país abre a possbldade da mportação de produtos complementares às lnhas de produção exstentes naquele país, fazendo com que a flal recém nstalada atue também como uma base de comercalzação de produtos fabrcados em outras flas da corporação. Uma tercera razão possível para este comportamento, depende do fato de a frma multnaconal estar realzando nvestmentos ou não. No caso de nvestmentos novos, é possível que as mportações maores estejam relaconadas à compra de bens de capal. Já no caso de aqusções de empresas já exstentes, essa modaldade de mportação é menos provável, embora possa haver nvestmentos destnados a modernzar e reestruturar a frma adqurda. Podemos consderar o modelo de efeos aleatóros como uma melhor aproxmação da dferença entre empresas estrangeras e naconas em um prazo de tempo mas longo. Isso porque, neste prazo, a empresa estrangera rá apresentar algumas dferenças em relação à naconal que não são captadas pelas varáves explanatóras mas sm pela varável bnára que caracterza a orgem de capal. Nesse sentdo, possíves dferenças no acesso à mercados externos, na organzação produtva, entre outros, estaram agora refletdas no coefcente da dummy, o que não ocorre no modelo de efeos fxos. Assm, empresas estrangeras no mesmo setor, com o mesmo tamanho em termos de números de funconáros, com ndcadores de produtvdade, tecnologa e dferencação de produto semelhantes, tendem a exportar e mportar mas do que empresas naconas. É bom lembrar entretanto, que outras característcas não necessaramente vnculadas a orgem de capal da frma também poderam estar exercendo alguma nfluênca sobre os 14

15 coefcentes das varáves explanatóras no modelo de efeos aleatóros, o que sugere uma possível sobre-estmação destes coefcentes e um maor cudado na sua análse. Quanto às demas varáves de controle ncluídas na regressão, podemos perceber que a escala de produção representada pela varável pessoal ocupado e a produtvdade são fatores sgnfcatvos tanto para a explcação das mportações quanto das exportações em qualquer uma das especfcações do modelo. Ambas apresentam mpactos posvos sobre as duas varáves dependentes, sendo sua nfluênca maor sobre as exportações do que sobre as mportações das frmas. Os coefcentes destes parâmetros, no modelo de efeos fxos, nos dzem que a cada ponto percentual de aumento no tamanho da frma (número de funconáros) observa-se um aumento de 0,6% nas suas exportações e 0,5% nas mportações. Da mesma forma, cada ponto percentual de aumento na produtvdade, gera um aumento de 0,08% nas exportações e 0,05% nas mportações da frma. Dado que as empresas multnaconas são, em méda, maores e mas produtvas do que as empresas naconas, é possível que estes fatores, em certa medda, amenzem a maor tendênca a mportar observada para as empresas estrangeras 11. A qualfcação e a experênca da mão de obra nas frmas representadas pelas varáves tempo de estudo e tempo de emprego do trabalhador não apresentam sgnfcânca estatístca nos modelos estmados com efeos fxos, exceto para a mportação de produtos ntermedáros. Nos modelos com efeos aleatóros, por outro lado, sua nfluênca é posva e sgnfcatva. A prmera destas varáves pode ser encarada como uma aproxmação ao grau de utlzação de tecnologa na frma, o que sugere que, quanto mas ntensvas em tecnologa, maores tendem a ser tanto as mportações quanto as exportações das frmas. Entretanto, sua nfluênca é maor sobre o volume de mportações. Se assm for, este é um fator que tende a agravar a orentação mportadora das empresas estrangeras, dado que estas apresentam, na méda, trabalhadores mas qualfcados. A experênca do trabalhador na frma, por outro lado, embora com coefcentes pequenos, possu mpacto maor sobre as exportações do que sobre as mportações. Por fm, a varável gasto em propaganda 12, que pretende ser uma aproxmação do grau de dferencação de produto das frmas, possu, em ambos os modelos, nfluênca negatva nas exportações e posva nas mportações. Pode-se nterpretar este resultado como uma tendênca das empresas localzadas em segmentos com maor dferencação de produto em concentrarem suas vendas no mercado doméstco, em detrmento do mercado externo, bem como uma maor tendênca a mportar do que o restante das frmas. Novamente, este é um ndcador que, em méda, é maor para as frmas multnaconas do que para as frmas brasleras. A partr dos resultados dos modelos estmados anterormente e da constatação da maor nserção das empresas estrangeras nos fluxos de comérco, é possível a formulação de outras questões a respeo das dferenças entre naconas e estrangeras. Uma delas dz respeo à exstênca ou não de dferentes determnantes para os fluxos de comérco das empresas naconas e das empresas multnaconas. Em outras palavras, as varáves ncorporadas ao modelo teram mpactos dferencados sobre os fluxos comercas das empresas estrangeras em relação às naconas? A resposta à esta pergunta requer a estmação de equações de mportação e de exportação para empresas naconas e estrangeras separadamente. Entretanto, os resultados desta estmação 11 Em De Negr (2003) foram estmadas equações de exportação e de mportação para as empresas naconas e estrangeras separadamente. Nelas, a escala de produção mostrou-se mas nfluente sobre as exportações das empresas estrangeras do que sobre as exportações das empresas doméstcas. O mesmo ocorre para as mportações, embora a dferença no nfluênca exercda pela escala entre naconas e estrangeras seja relatvamente pequena. 12 É bom lembrar que esta varável está representada no modelo como proporção do faturamento, lvre portanto, de apresentar uma correlação muo elevada com o tamanho da frma. 15

16 não mostram dferenças relevantes nos determnantes do comérco entre empresas naconas e estrangeras 13. Este pode ser um ndíco de que a dferença observada anterormente entre naconas e estrangeras está, de fato, relaconada a característcas própras das empresas multnaconas não representadas nas demas varáves explanatóras utlzadas nos modelos. 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Não resta dúvda de que as modfcações macroeconômcas pelas quas passou a economa braslera durante os anos 90 tveram conseqüêncas mportantes no desempenho externo do país. Duas dessas mudanças são partcularmente relevantes e, até certo ponto, relaconadas. São elas a abertura comercal e o aumento no grau de nternaconalzação da economa braslera. A maor nternaconalzação produtva do país torna-se evdente quando observamos o crescmento da partcpação estrangera na ndústra braslera, embora este setor não tenha sdo o prncpal destno da nova onda de nvestmentos estrangeros no Brasl. A abertura comercal, alada a valorzação do câmbo na segunda metade da década, evdencou a fragldade da balança comercal braslera neste novo contexto macroeconômco e a necessdade de um esforço para amplar as exportações. Neste sentdo, torna-se mprescndível levar em consderação que cerca de metade dos fluxos comercas do país estão hoje, vnculados ao desempenho comercal de um grupo partcular de empresas, as empresas multnaconas. Entre as partculardades destas empresas está o fato de serem ntegradas ao comérco mundal através das demas flas da corporação ao redor do mundo, o que lhes dá acesso faclado a um número de mercados mas amplo do que as empresas doméstcas. Além dsso, as transnaconas podem desfrutar de economas de escala provenentes da maor especalzação de suas flas, podem aprovear as dotações de fatores dferencadas dos países em que atuam e têm acesso faclado a novas tecnologas e, anda, acesso a crédo a custos mas baxos do que suas congêneres unnaconas. Estas são algumas das vantagens de propredade que podem ser atrbuídas às empresas transnaconas. Entretanto, exstem outras característcas relevantes destas empresas que devem ser consderadas ao se tratar de comérco exteror. Por serem parte de uma corporação atuante em nível global, as flas de empresas estrangeras apresentam fluxos comercas e fnanceros determnados, em grande medda, pelos nteresses globas da corporação. Por sso, e dada sua relevânca e sua crescente partcpação no comérco nternaconal, as empresas transnaconas têm se tornado uma força nada desprezível na determnação dos fluxos e do padrão de comérco entre os países. Sua atuação no espaço doméstco é capaz de nfluencar os fluxos comercas do país hospedero, que fcam sujeos a outros determnantes além dos tradconas fatores de competvdade. No níco da década, alguns autores esperavam que a onda recente de nvestmentos estrangeros no país tvesse mpactos posvos sobre a balança comercal braslera. Estas expectatvas eram baseadas na constatação de que, além de possuírem vantagens de propredade dervadas de sua atuação multnaconal, as empresas estrangeras também seram mas competvas do que as empresas doméstcas. Assm, o acesso à canas de comercalzação e a tecnologas não dsponíves no mercado naconal, além da maor efcênca produtva das empresas estrangeras, contrbura, segundo esses autores, para o crescmento das exportações brasleras. É verdade que exstem dferenças mportantes entre as empresas estrangeras e naconas. Reconhecer estas dferenças, em termos de comérco, e avalar qual sua dreção e suas possíves 13 Equações de exportação e mportação estmadas para os dos grupos de empresas separadamente encontramse em De Negr (2003). 16

17 causas pode ser um aspecto fundamental no desenho de polítcas públcas que estmulem o desempenho comercal braslero nos próxmos anos. Uma das constatações deste estudo é, justamente, a de que exstem dferenças mportantes, em termos de abertura comercal, entre empresas naconas e estrangeras no país. Os resultados econométrcos demonstram que, a despeo de serem controlados fatores como produtvdade, tecnologa, escala e dferencação de produto, anda assm as empresas estrangeras se comportam, no mercado externo, de modo dferencado das empresas naconas. A dferença observada para o Brasl constu uma evdênca de que os fatores tradconas de competvdade não são sufcentes para explcar o comérco em um mercado global caracterzado pela presença macça de empresas transnaconas. Portanto, aspectos mcroeconômcos relaconados com estratégas comercas, fnanceras e gerencas das empresas transnaconas assumem um papel relevante na determnação do padrão de comérco das empresas estrangeras no Brasl. Além da constatação de que exstem dferenças no comérco exteror das empresas transnaconas e doméstcas no país, os resultados obtdos também apontam o sentdo destas dferenças. A maor abertura comercal das empresas estrangeras se dá de forma assmétrca, ou seja, a dferença exstente a favor das transnaconas é maor nas mportações do que nas exportações. Assm, apesar de sua maor abertura comercal, não se pode dzer que as empresas estrangeras estejam contrbundo para a melhora do saldo comercal braslero no período recente. Os resultados econométrcos mostram que, a despeo de terem desempenho exportador superor no longo prazo, o dferencal exstente entre o desempenho comercal de naconas e estrangeras pelo lado das mportações é substancalmente maor do que pelo lado das exportações. A propóso, o efeo medato da mudança de naconaldade de uma empresa doméstca é um aumento nas suas mportações, sendo que este efeo medato nexste nas exportações. É bom lembrar que o efeo da naconaldade nos fluxos comercas das frmas exste mesmo quando são controlados os seus setores de atuação. Este resultado va de encontro com algumas análses que procuram explcar o vés mportador observado nas empresas multnaconas como resultado apenas de sua atuação setoral, muo embora as empresas estrangeras tenham, de fato, uma especalzação setoral dferencada das naconas e estejam concentradas em setores fortemente mportadores. Pode-se argumentar que o maor volume de mportações das empresas estrangeras está relaconado com mportações de bens de capal, decorrentes de novos nvestmentos, ou com mportações de bens ntermedáros, decorrentes de sua relação com fornecedores globas da corporação. A propensão das empresas estrangeras a mportar, na méda, mas produtos ntermedáros do que as naconas reforça a hpótese de um maor conteúdo mportado nos seus produtos e, ao mesmo tempo, enfraquece o argumento de que novos nvestmentos poderam explcar as mportações maores das empresas estrangeras no Brasl. Nesse sentdo, a exstênca de fornecedores já estabelecdos em nível mundal estara desempenhando um papel preponderante nas mportações das empresas estrangeras. O acesso a canas de comercalzação, portanto, parece estar atuando no sentdo nverso do esperado, ou seja, ao nvés de estar amplando as exportações brasleras, estara contrbundo para um aumento de suas mportações de produtos ntermedáros. É precso consderar, entretanto, que o período analsado fo um período marcado pela sobrevalorzação do câmbo e, conseqüentemente, por um vés mportador muo forte. Porém, este vés atngu tanto empresas naconas quanto empresas estrangeras na década de 90. Algumas comparações com os anos 80 podem ser extremamente esclarecedoras do comportamento e das potencaldades da atuação dessas empresas no espaço doméstco. A prncpal dferença entre os dos períodos é que, nos anos 80, tanto as empresas estrangeras quanto as naconas foram superaváras no seu comérco externo enquanto que, nos 90, os dos grupos de empresas tveram expressvos défcs comercas. Város trabalhos ressaltaram a contrbução que as empresas estrangeras tveram, durante os anos 80, para os 17

18 superávs comercas brasleros. Por outro lado, alguns estudos realzados no período chegaram a resultados semelhantes aos obtdos aqu 14, qual seja, que as empresas estrangeras possuem um grau de abertura maor do que as naconas, especalmente pelo lado das mportações. Esta assmetra entre naconas e estrangeras no Brasl parece, portanto, não ter se alterado entre os anos 80 e os 90, embora as estrangeras, assm como as naconas, tenham dexado de ser superaváras. A partr deste quadro estlzado, e devdo ao maor grau de abertura das empresas estrangeras, parece razoável conclur que elas possuem uma sensbldade maor aos snas macroeconômcos, partcularmente aqueles relaconados ao comérco externo, o câmbo por exemplo. Porém, estes snas não alteram a dferença exstente entre naconas e estrangeras: que estas últmas possuem, em méda, volumes de comérco maores, especalmente no caso das mportações. Vale recordar que a desvalorzação cambal, ocorrda no níco de 1999, não reduzu o hato exstente entre o desempenho comercal de empresas estrangeras e naconas tanto nas exportações quanto nas mportações. Pelo contráro, esta dferença se amplou no período A comparação entre os anos 80 e 90 aponta para uma suação na qual a atuação comercal das empresas estrangeras tende a amplfcar os resultados de contextos macroeconômcos favoráves ou adversos ao comérco exteror. Da mesma forma, torna premente a necessdade de se conhecer os fatores que determnam a nserção comercal assmétrca das empresas transnaconas, em comparação com as doméstcas, em países como o Brasl. Algumas das causas possíves dessa assmetra já foram descartadas na dscussão precedente. Outras razões do comportamento dferencado destas empresas no comérco exteror devem ser nvestgadas a partr destas constatações. Estas razões estaram relaconadas a fatores locaconas do país? Quas seram os fatores mas mportantes? O mercado doméstco e regonal, as característcas nstuconas, regulatóras e macroeconômcas do país estaram condconando as decsões mcroeconômcas das empresas transnaconas? Estas e outras perguntas podem ser um camnho para saber até que ponto e que tpo de polítcas públcas poderam nfluencar as decsões de comérco destas empresas no sentdo de maxmzar sua contrbução ao desempenho comercal braslero. Em últma análse, a questão é saber de que forma nteragem as vantagens de propredade das empresas multnaconas com as vantagens de localzação do país, e quas destas característcas locaconas estão ao alcance e podem ser modfcadas por meo de polítcas públcas. A partr daí podera-se pensar em mecansmos e polítcas de ncentvo às exportações que fossem capazes de levar em consderação a exstênca de um segmento da ndústra que representa uma parcela substancal do comérco exteror braslero e que reage de forma dferencada às alterações nas característcas macroeconômcas, polítcas e nstuconas do país. 6 REFERÊNCIAS ARBACHE, J., DE NEGRI, J. A. Determnantes das exportações brasleras: novas evdêncas. mmeo, BALTAGI, B. H. Econometrc analyss of panel data. England: John Wley & Sons Ltd, BARROS, J. R. M e GOLDENSTEIN, L. Economa competva, solução para a vulnerabldade. Em Velloso (org) O Brasl e o mundo no lmar do novo século. V 2. Ro de Janero: José Olympo, 1998 BARROS, J. R. M., GOLDENSTEIN, L. Reestruturação ndustral: três anos de debate. Em Velloso (org) Brasl: desafos de um país em transformação. Ro de Janero: José Olympo, Ver, por exemplo, Wllmore (1987). 18

19 BIELSCHOWSKY, R. Two studes on transnatonal corporatons n the Brazlan manufacturng sector: the 1980s and early 1990s. Santago, Chle: CEPAL, BIELSCHOWSKY, R. e STUMPO, G. A nternaconalzação da ndústra braslera: números e reflexões depos de alguns anos de abertura. Em Baumann, R. (org) O Brasl e a economa global. Ro de Janero: Campus: SOBEET, BONELLI, R. A note on foregn drect nvestment (FDI) and ndustral competveness n Brazl. Texto para dscussão n Ro de Janero: IPEA, 1998 CHUDNOVSKY, D (org), Integracón regonal e Inversón Extranjera Drecta: El caso del Mercosur. BID - INTAL: Buenos Ares,2002. DE NEGRI, F. Desempenho comercal das empresas estrangeras no Brasl na década de 90. Dssertação de mestrado. Instuto de Economa UNICAMP, FRITSCH, W e FRANCO, G. O nvestmento dreto estrangero em uma nova estratéga ndustral. Revsta de Economa Polítca, vol. 9 n.2, abrl-junho/1989. GONÇALVES, R. Transformações globas, empresas transnaconas e competvdade nternaconal do Brasl. Texto para dscussão n. 320, PUC-RJ: set/1994. GREENE, W. H. Econometrc Analsys. 4th ed. New York: Prentce Hall:2000. HIRATUKA, C. Empresas Transnaconas e Comérco Exteror: uma análse das estratégas das flas brasleras no contexto da abertura econômca. Tese de doutoramento. Instuto de Economa UNICAMP, HSIAO, C. Analyss of panel data. Cambrdge: Cambrdge Unversy Press: JOHNSTON, J. e DINARDO, J. Econometrc Methods. Fourth Edon. Sngapura: McGraw- Hll,1997. LAPLANE, M e SARTI, F. Investmento dreto estrangero e a retomada do crescmento sustentado nos anos 90. Economa e Socedade n. 8: Campnas, jun/1997. LAPLANE, M e SARTI, F. Investmento dreto estrangero e o mpacto na balança comercal nos anos 90. TD n. 629, IPEA: Brasíla, fev/1999. LAPLANE, M. (et all) Internaconalzação e vulnerabldade externa. In Lacerda, A. C. (org), Desnaconalzação: mos, rscos e desafos. São Paulo: Contexto, MOREIRA, M. M. Estrangeros em uma economa aberta: mpactos recentes sobre produtvdade, concentração e comérco exteror. Texto para dscussão n. 67. Ro de Janero: BNDES, março de MOREIRA, M. M. Capal naconal na ndústra: reestruturar para sobrevver. In Lacerda, A. C. (org), Desnaconalzação: mos, rscos e desafos. São Paulo: Contexto, POSSAS, S. Concorrênca e Competvdade: Notas sobre estratéga e dnâmca seletva na economa capalsta. São Paulo: Hucec, WILLMORE, L. Transnatonals and foregn trade. XV Encontro Naconal de Economa vol 1: Salvador, dez/

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2 Econometra - Lsta 3 - Regressão Lnear Múltpla Professores: Hedbert Lopes, Prscla Rbero e Sérgo Martns Montores: Gustavo Amarante e João Marcos Nusdeo QUESTÃO 1. Você trabalha na consultora Fazemos Qualquer

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis.

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis. EXERCICIOS AVALIATIVOS Dscplna: ECONOMETRIA Data lmte para entrega: da da 3ª prova Valor: 7 pontos INSTRUÇÕES: O trabalho é ndvdual. A dscussão das questões pode ser feta em grupo, mas cada aluno deve

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL,

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, 1980/2000 2 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 3 3. ANÁLISE COMPARATIVA

Leia mais

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial O mgrante de retorno na Regão Norte do Brasl: Uma aplcação de Regressão Logístca Multnomal 1. Introdução Olavo da Gama Santos 1 Marnalva Cardoso Macel 2 Obede Rodrgues Cardoso 3 Por mgrante de retorno,

Leia mais

reducing income disparities in Brazil and the Northeast and Southeast regions of the country, showing that the fight against social inequalities

reducing income disparities in Brazil and the Northeast and Southeast regions of the country, showing that the fight against social inequalities A Importânca da Educação para a Recente Queda da Desgualdade de Renda Salaral no Brasl: Uma análse de decomposção para as regões Nordeste e Sudeste Valdemar Rodrgues de Pnho Neto Técnco de pesqusa do Insttuto

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica.

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica. Análse do Retorno da Edcação na Regão Norte em 2007: Um Estdo à Lz da Regressão Qantílca. 1 Introdcão Almr Rogéro A. de Soza 1 Jâno Macel da Slva 2 Marnalva Cardoso Macel 3 O debate sobre o relaconamento

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MARIANA CAVALCANTI PINCOVSKY DE LIMA; ANDRÉ DE SOUZA MELO; RICARDO CHAVES LIMA; UFPE/PIMES RECIFE - PE

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

Dinâmica e competitividade setorial das exportações brasileiras: uma análise de painel para o período recente

Dinâmica e competitividade setorial das exportações brasileiras: uma análise de painel para o período recente Dnâmca e competvdade setoral das exportações brasleras: uma análse de panel para o período recente Márco Holland Cléso Lourenço Xaver Resumo O propóso central deste trabalho é o de pesqusar o comportamento

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes A amplação da jornada escolar melhora o desempenho acadêmco dos estudantes? Uma avalação do programa Escola de Tempo Integral da rede públca do Estado de São Paulo 1 INTRODUÇÃO O acesso à educação é uma

Leia mais

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO Roberta Montello Amaral (UNIFESO) amaralroberta@yahoo.com.br Crado em 1990, o Saeb é um sstema de avalação do MEC que, junto à

Leia mais

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo CEPAL - SERIE Polítcas socales N 60 III. Consequêncas de um novo padrão de nserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na regão metropoltana de São Paulo A. Introdução Rcardo Paes de

Leia mais

UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL

UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL Área 11 - Economa Socal e Demografa Econômca Classfcação JEL: I28, H52, C35. André Olvera Ferrera Lourero Insttuto de Pesqusa

Leia mais

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI.

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI. O desempenho setoral dos muncípos que compõem o Sertão Pernambucano: uma análse regonal sob a ótca energétca. Carlos Fabano da Slva * Introdução Entre a publcação de Methods of Regonal Analyss de Walter

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear Probabldade e Estatístca Correlação e Regressão Lnear Correlação Este uma correlação entre duas varáves quando uma delas está, de alguma forma, relaconada com a outra. Gráfco ou Dagrama de Dspersão é o

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

MIGRAÇÃO INTERNA E SELETIVIDADE: UMA APLICAÇÃO PARA O BRASIL

MIGRAÇÃO INTERNA E SELETIVIDADE: UMA APLICAÇÃO PARA O BRASIL MIGRAÇÃO INTERNA E SELETIVIDADE: UMA APLICAÇÃO PARA O BRASIL RESUMO Francel Tonet Macel 1 Ana Mara Hermeto Camlo de Olvera 2 O objetvo deste trabalho fo verfcar possíves fatores determnantes da decsão

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS*

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* Sóna Costa** Luísa Farnha** 173 Artgos Resumo As nsttuções fnanceras

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

DECOMPOSIÇÃO HIERÁRQUICA DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA 1

DECOMPOSIÇÃO HIERÁRQUICA DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA 1 DECOMPOSIÇÃO HIERÁRQUICA DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA 1 ópco: Dspardades regonas - estudos comparados de desenvolvmento e gestão terrtoral Márco Antôno Salvato 2 Paola Fara Lucas de Souza 3 Resumo:

Leia mais

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COÉRCIO ETERNO Nota préva: O texto que se segue tem por únco obectvo servr de apoo às aulas das dscplnas de Economa Internaconal na Faculdade de Economa da Unversdade do Porto.

Leia mais

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada OS EFEITOS DO E-COMMERCE NA PRODUTIVIDADE DAS FIRMAS COMERCIAIS NO BRASIL Luís Cláudo Kubota; Danele Noguera Mlan Insttuto de Pesqusa Econômca Aplcada; Insttuto de Pesqusa Econômca Aplcada RESUMO O presente

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

RECESSÕES ECONÔMICAS REDUZEM A TAXA DE MORTALIDADE? EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL

RECESSÕES ECONÔMICAS REDUZEM A TAXA DE MORTALIDADE? EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL RECESSÕES ECONÔICAS REDUZE A TAXA DE ORTALIDADE? EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL Resumo Este artgo analsa a relação entre taxa de emprego e taxa de mortaldade no Brasl durante o período de 1981-2002. A fundamentação

Leia mais

IMPACTO DO FINANCIAMENTO DO BNDES SOBRE A PRODUTIVIDADE DAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO DO EFEITO QUANTÍLICO DE TRATAMENTO 1

IMPACTO DO FINANCIAMENTO DO BNDES SOBRE A PRODUTIVIDADE DAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO DO EFEITO QUANTÍLICO DE TRATAMENTO 1 IMPACTO DO FINANCIAMENTO DO BNDES SOBRE A PRODUTIVIDADE DAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO DO EFEITO QUANTÍLICO DE TRATAMENTO 1 Danlo Coelho Insttuto de Pesqusa Econômca Aplcada João Alberto De Negr (IPEA) Insttuto

Leia mais

Governança Corporativa e Estrutura de Propriedade no Brasil: Causas e Conseqüências

Governança Corporativa e Estrutura de Propriedade no Brasil: Causas e Conseqüências Governança Corporatva e Estrutura de Propredade no Brasl: Causas e Conseqüêncas Anaméla Borges Tannús Dam (UFU - Unversdade Federal de Uberlânda) Pablo Rogers (UFU - Unversdade Federal de Uberlânda) Kárem

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

Análise multivariada do risco sistemático dos principais mercados de ações da América Latina: um enfoque Bayesiano

Análise multivariada do risco sistemático dos principais mercados de ações da América Latina: um enfoque Bayesiano XXVI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasl, 9 a 11 de Outubro de 006 Análse multvarada do rsco sstemátco dos prncpas mercados de ações da Amérca Latna: um enfoque Bayesano André Asss de Salles (UFRJ) asalles@nd.ufrj.br

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

RISCO. Investimento inicial $ $ Taxa de retorno anual Pessimista 13% 7% Mais provável 15% 15% Otimista 17% 23% Faixa 4% 16%

RISCO. Investimento inicial $ $ Taxa de retorno anual Pessimista 13% 7% Mais provável 15% 15% Otimista 17% 23% Faixa 4% 16% Análse de Rsco 1 RISCO Rsco possbldade de perda. Quanto maor a possbldade, maor o rsco. Exemplo: Empresa X va receber $ 1.000 de uros em 30 das com títulos do governo. A empresa Y pode receber entre $

Leia mais

Desempenho dos microempreendedores no Brasil Adriana Fontes 1 Valéria Pero 2. Resumo

Desempenho dos microempreendedores no Brasil Adriana Fontes 1 Valéria Pero 2. Resumo Resumo Desempenho dos mcroempreendedores no Brasl Adrana Fontes 1 Valéra Pero 2 Os mcroempreendedores formam um grupo muto heterogêneo no Brasl, mas sobre-representados na pobreza. Este artgo examna, com

Leia mais

ESTIMANDO UMA MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO INTER-REGIONAL REGIONAL RIO GRANDE DO SUL RESTANTE DO BRASIL. TD Nereus 20-2003

ESTIMANDO UMA MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO INTER-REGIONAL REGIONAL RIO GRANDE DO SUL RESTANTE DO BRASIL. TD Nereus 20-2003 ESTIMANDO UMA MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO INTER-REGIONAL REGIONAL RIO GRANDE DO SUL RESTANTE DO BRASIL Alexandre. A. Porsse Eduardo A. Haddad Eduardo P. Rbero TD Nereus 20-2003 2003 São Paulo 2003 ESTIMANDO

Leia mais

INVESTIMENTO EM EMPRESAS BRASILEIRAS DE CAPITAL ABERTO: UM ESTUDO QUANTITATIVO DAS OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO PÓS- PLANO REAL

INVESTIMENTO EM EMPRESAS BRASILEIRAS DE CAPITAL ABERTO: UM ESTUDO QUANTITATIVO DAS OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO PÓS- PLANO REAL INVESTIMENTO EM EMPRESAS BRASILEIRAS DE CAPITAL ABERTO: UM ESTUDO QUANTITATIVO DAS OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO PÓS- ANO REAL Igor Vasconcelos Noguera Mestre Dscente CEPEAD/UFMG Rua Dona Lbâna, 15. Ap.

Leia mais

Os modelos de regressão paramétricos vistos anteriormente exigem que se suponha uma distribuição estatística para o tempo de sobrevivência.

Os modelos de regressão paramétricos vistos anteriormente exigem que se suponha uma distribuição estatística para o tempo de sobrevivência. MODELO DE REGRESSÃO DE COX Os modelos de regressão paramétrcos vstos anterormente exgem que se suponha uma dstrbução estatístca para o tempo de sobrevvênca. Contudo esta suposção, caso não sea adequada,

Leia mais

Análise Fatorial F 1 F 2

Análise Fatorial F 1 F 2 Análse Fatoral Análse Fatoral: A Análse Fatoral tem como prncpal objetvo descrever um conjunto de varáves orgnas através da cração de um número menor de varáves (fatores). Os fatores são varáves hpotétcas

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 Rcardo Kuresk 2 Glson Martns 3 Rossana Lott Rodrgues 4 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 4 O nteresse analítco pelo agronegóco exportador

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

Programa de reforma agrária Cédula da Terra: medindo a eficiência dos beneficiários

Programa de reforma agrária Cédula da Terra: medindo a eficiência dos beneficiários Programa de reforma agrára Cédula da Terra: medndo a efcênca dos benefcáros RESUMO Hldo Merelles de Souza Flho Mguel Rocha de Sousa Antôno Márco Buanan José Mara Slvera Marcelo Marques Magalhães Esse artgo

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE REDUÇÃO DE CUSTOS SALARIAIS: EVIDÊNCIA MICROECONÓMICA COM INFORMAÇÃO QUALITATIVA *

ESTRATÉGIAS DE REDUÇÃO DE CUSTOS SALARIAIS: EVIDÊNCIA MICROECONÓMICA COM INFORMAÇÃO QUALITATIVA * ESTRATÉGIAS DE REDUÇÃO DE CUSTOS SALARIAIS: EVIDÊNCIA MICROECONÓMICA COM INFORMAÇÃO QUALITATIVA * 39 Danel A. Das ** Carlos Robalo Marques *** Fernando Martns **** Artgos Resumo Este artgo nvestga a forma

Leia mais

Capítulo 1. Exercício 5. Capítulo 2 Exercício

Capítulo 1. Exercício 5. Capítulo 2 Exercício UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CIÊNCIAS ECONÔMICAS ECONOMETRIA (04-II) PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS Exercícos do Gujarat Exercíco 5 Capítulo Capítulo Exercíco 3 4 5 7 0 5 Capítulo 3 As duas prmeras demonstrações

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

SALÁRIO DE RESERVA E DURAÇÃO DO DESEMPREGO NO BRASIL: UMA ANÁLISE COM DADOS DA PESQUISA DE PADRÃO DE VIDA DO IBGE

SALÁRIO DE RESERVA E DURAÇÃO DO DESEMPREGO NO BRASIL: UMA ANÁLISE COM DADOS DA PESQUISA DE PADRÃO DE VIDA DO IBGE SALÁRIO DE RESERVA E DURAÇÃO DO DESEMPREGO NO BRASIL: UMA ANÁLISE COM DADOS DA PESQUISA DE PADRÃO DE VIDA DO IBGE Vctor Hugo de Olvera José Ramundo Carvalho Resumo O objetvo do presente estudo é o de analsar

Leia mais

Câmbio Real, Crescimento e Comércio Internacional: evidências empíricas

Câmbio Real, Crescimento e Comércio Internacional: evidências empíricas Câmbo Real, Crescmento e Comérco Internaconal: evdêncas empírcas Fabríco J Msso Frederco G Jayme Jr José Lus Orero 3 Resumo: O objetvo do trabalho é analsar emprcamente a relação entre taxa real de câmbo

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais

1. CORRELAÇÃO E REGRESSÃO LINEAR

1. CORRELAÇÃO E REGRESSÃO LINEAR 1 CORRELAÇÃO E REGREÃO LINEAR Quando deseja-se estudar se exste relação entre duas varáves quanttatvas, pode-se utlzar a ferramenta estatístca da Correlação Lnear mples de Pearson Quando essa correlação

Leia mais

ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS)

ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS) ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS) Lenlma Vera Nunes Machado CPF: 425.454.202-04 Economsta do Banco da

Leia mais

O Relacionamento entre a Governança das Empresas e a Qualidade das suas Informações Financeiras

O Relacionamento entre a Governança das Empresas e a Qualidade das suas Informações Financeiras RESUMO O Relaconamento entre a Governança das Empresas e a Qualdade das suas Informações Fnanceras Autora: Lase Ferraz Correa, Pascal Louvet O objetvo deste artgo fo dentfcar os mecansmos de governança

Leia mais

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) Unversdade de Brasíla Departamento de Economa Mestrado em Economa do Setor Públco Equlíbro Colusvo no Mercado Braslero de Gás Lquefeto de Petróleo (GLP) Orentador: Prof. Rodrgo Andrés de Souza Peñaloza

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS RETORNOS AOS INVESTIMENTOS EM EDUCAÇÃO PARA TRABALHADORES DO SEXO MASCULINO NO BRASIL vanessadafonsecapereira@gmail.

AVALIAÇÃO DOS RETORNOS AOS INVESTIMENTOS EM EDUCAÇÃO PARA TRABALHADORES DO SEXO MASCULINO NO BRASIL vanessadafonsecapereira@gmail. AVALIAÇÃO DOS RETORNOS AOS INVESTIMENTOS EM EDUCAÇÃO PARA TRABALHADORES DO SEXO MASCULINO NO BRASIL vanessadafonsecaperera@gmal.com Apresentação Oral-Desenvolvmento Rural, Terrtoral e regonal VANESSA DA

Leia mais

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil.

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil. 1 A INSERÇÃO E O RENDIMENTO DOS JOVENS NO MERCADO DE TRABALHO: UMA ANÁLISE PARA A REGIÃO SUL DO BRASIL Prscla Gomes de Castro 1 Felpe de Fgueredo Slva 2 João Eustáquo de Lma 3 Área temátca: 3 -Demografa

Leia mais

PRODUTIVIDADE E MUDANÇA ESTRUTURAL NA INDÚSTRIA BRASILEIRA, 1970-2001 +

PRODUTIVIDADE E MUDANÇA ESTRUTURAL NA INDÚSTRIA BRASILEIRA, 1970-2001 + RODUTIVIDADE E MUDANÇA ESTRUTURAL NA INDÚSTRIA BRASILEIRA, 1970-2001 + Frederco Rocha * Resumo Este trabalho tem como objetvo mensurar a contrbução da mudança estrutural da ndústra braslera para o ncremento

Leia mais

Índice de Oportunidades da Educação Brasileira

Índice de Oportunidades da Educação Brasileira Índce de Oportundades da Educação Braslera Centro de Lderança Públca - CLP Produto 2 METAS 13 de agosto de 2015 Sumáro Sumáro... 2 1. Introdução... 4 O Sstema de Educação Básca no Brasl... 4 2. Especfcação

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

7 - Distribuição de Freqüências

7 - Distribuição de Freqüências 7 - Dstrbução de Freqüêncas 7.1 Introdução Em mutas áreas há uma grande quantdade de nformações numércas que precsam ser dvulgadas de forma resumda. O método mas comum de resumr estes dados numércos consste

Leia mais

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento.

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento. Testando um Mto de Investmento : Efcáca da Estratéga de Investmento em Ações de Crescmento. Autora: Perre Lucena Rabon, Odlon Saturnno Slva Neto, Valera Louse de Araújo Maranhão, Luz Fernando Correa de

Leia mais

2 Incerteza de medição

2 Incerteza de medição 2 Incerteza de medção Toda medção envolve ensaos, ajustes, condconamentos e a observação de ndcações em um nstrumento. Este conhecmento é utlzado para obter o valor de uma grandeza (mensurando) a partr

Leia mais

DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA LEGAL: UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA SÉRGIO CASTRO GOMES; MARCELO JOSÉ BRAGA;

DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA LEGAL: UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA SÉRGIO CASTRO GOMES; MARCELO JOSÉ BRAGA; DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA LEGAL: UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA SÉRGIO CASTRO GOMES; MARCELO JOSÉ BRAGA; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA - UFV VIÇOSA - MG - BRASIL scgomes@unama.br

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

EFICIÊNCIA DAS ESCOLAS SECUNDÁRIAS PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE DE FRONTEIRA DE PRODUÇÃO ESTOCÁSTICA*

EFICIÊNCIA DAS ESCOLAS SECUNDÁRIAS PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE DE FRONTEIRA DE PRODUÇÃO ESTOCÁSTICA* Artgos Prmavera 2007 EFICIÊNCIA DAS ESCOLAS SECUNDÁRIAS PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE DE FRONTEIRA DE PRODUÇÃO ESTOCÁSTICA* Manuel Coutnho Perera** Sara Morera** 1. INTRODUÇÃO As classfcações obtdas pelos estudantes

Leia mais

Identidade dos parâmetros de modelos segmentados

Identidade dos parâmetros de modelos segmentados Identdade dos parâmetros de modelos segmentados Dana Campos de Olvera Antono Polcarpo Souza Carnero Joel Augusto Munz Fabyano Fonseca e Slva 4 Introdução No Brasl, dentre os anmas de médo porte, os ovnos

Leia mais

3.6. Análise descritiva com dados agrupados Dados agrupados com variáveis discretas

3.6. Análise descritiva com dados agrupados Dados agrupados com variáveis discretas 3.6. Análse descrtva com dados agrupados Em algumas stuações, os dados podem ser apresentados dretamente nas tabelas de frequêncas. Netas stuações devemos utlzar estratégas específcas para obter as meddas

Leia mais

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EGEHARIA DE TRASPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMETO DE EGEHARIA CIVIL ECV DISCIPLIA: TGT41006 FUDAMETOS DE ESTATÍSTICA 3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Meddas umércas

Leia mais

ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS

ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Insttuto de Cêncas Humanas Departamento de Economa ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS André Gustavo Lacerda Skendzel Orentador:

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 00 ODELOS ATEÁTICOS E CONSUO DE ENERGIA ELÉTRICA Clece de Cássa Franco Cdade Centro Unverstáro Francscano klleyce@hotmal.com Leandra Anversa Foreze Centro Unverstáro Francscano

Leia mais

PLANOS DE SAÚDE: UMA ANÁLISE DOS CUSTOS ASSISTENCIAIS E SEUS COMPONENTES HEALTH INSURANCE PLANS: AN ANALYSIS OF CARE COSTS AND THEIR COMPONENTS

PLANOS DE SAÚDE: UMA ANÁLISE DOS CUSTOS ASSISTENCIAIS E SEUS COMPONENTES HEALTH INSURANCE PLANS: AN ANALYSIS OF CARE COSTS AND THEIR COMPONENTS PLANOS DE SAÚDE: UMA ANÁLISE DOS CUSTOS ASSISTENCIAIS E SEUS COMPONENTES HEALTH INSURANCE PLANS: AN ANALYSIS OF CARE COSTS AND THEIR COMPONENTS resumo A partr da motvação de contrbur para a nvestgação

Leia mais

Empreendimentos de economia solidária e discriminação de gênero: uma abordagem econométrica

Empreendimentos de economia solidária e discriminação de gênero: uma abordagem econométrica Empreendmentos de economa soldára e dscrmnação de gênero: uma abordagem econométrca Grazelle Isabele Crstna Slva Sucupra Marcelo José Braga RESUMO A realdade vvencada por mutas mulheres no mundo atual

Leia mais

TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS, RESULTADOS E DISCUSSÕES 1

TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS, RESULTADOS E DISCUSSÕES 1 XIV ELAVIO El Fuerte Snaloa Méxco 9-14 de agosto de 2009 TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS RESULTADOS E DISCUSSÕES 1 Mayron César de O. Morera Lana Mara R. Santos Alysson M.

Leia mais

Abstract. Professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte UFRN, e-mail: fabriciopleite@ufrnet.br. 1

Abstract. Professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte UFRN, e-mail: fabriciopleite@ufrnet.br. 1 COMO O GRAU DE DESIGUALDADE AFETA A PROPENSÃO MARGINAL A CONSUMIR? DISTRIBUIÇÃO DE RENDA E CONSUMO DAS FAMÍLIAS NO BRASIL A PARTIR DOS DADOS DAS POF 2002-2003 E 2008-2009 ÁREA: CRESCIMENTO E DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

EFEITO SOBRE A EQUIDADE DE UM AUMENTO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO*

EFEITO SOBRE A EQUIDADE DE UM AUMENTO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO* Artgos Prmavera 2007 EFEITO SOBRE A EQUIDADE DE UM AUMENTO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO* Isabel Correa**. INTRODUÇÃO Apesar das reformas fscas serem um fenómeno recorrente nas últmas décadas em

Leia mais

NORMAS DE SELEÇÃO AO DOUTORADO

NORMAS DE SELEÇÃO AO DOUTORADO 1. INSCRIÇÕES PARA SELEÇÃO 1.1. Para a Área de Irrgação e Drenagem Poderão nscrever-se canddatos formados em Engenhara Agrícola, Agronoma, Meteorologa e demas Engenharas, ou em outras áreas afns a crtéro

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC 201

MACROECONOMIA I LEC 201 ACROECONOIA I LEC 20 3.2. odelo IS-L Outubro 2007, sandras@fep.up.pt nesdrum@fep.up.pt 3.2. odelo IS-L odelo Keynesano smples (KS): equlíbro macroeconómco equlíbro no mercado de bens e servços (BS). odelo

Leia mais

IX PRÊMIO SEAE 2014 CLASSIFICAÇÃO: 1º LUGAR

IX PRÊMIO SEAE 2014 CLASSIFICAÇÃO: 1º LUGAR IX PRÊMIO SEAE 2014 Tema 2. Regulação da Atvdade Econômca Inscrção: 17 CLASSIFICAÇÃO: 1º LUGAR Título da Monografa: A Estrutura Concorrencal do Mercado de Redes de Transporte de Telecomuncações e os Impactos

Leia mais

Análise de Regressão Linear Múltipla VII

Análise de Regressão Linear Múltipla VII Análse de Regressão Lnear Múltpla VII Aula 1 Hej et al., 4 Seções 3. e 3.4 Hpótese Lnear Geral Seja y = + 1 x 1 + x +... + k x k +, = 1,,..., n. um modelo de regressão lnear múltpla, que pode ser escrto

Leia mais

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS L. G. Olvera, J. K. S. Negreros, S. P. Nascmento, J. A. Cavalcante, N. A. Costa Unversdade Federal da Paraíba,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CE 071 ANÁLISE DE REGRESSÃO LINEAR. Cesar Augusto Taconeli

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CE 071 ANÁLISE DE REGRESSÃO LINEAR. Cesar Augusto Taconeli UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CE 7 ANÁLISE DE REGRESSÃO LINEAR Cesar Augusto Taconel Curtba-PR . INTRODUÇÃO Taconel, C.A. Análse de Regressão Lnear Ao se tratar da relação

Leia mais

Determinantes da Desigualdade de Renda em Áreas Rurais do Nordeste.

Determinantes da Desigualdade de Renda em Áreas Rurais do Nordeste. Determnantes da Desgualdade de Renda em Áreas Ruras do Nordeste. Autores FLÁVIO ATALIBA BARRETO DÉBORA GASPAR JAIR ANDRADE ARAÚJO Ensao Sobre Pobreza Nº 18 Março de 2009 CAEN - UFC Determnantes da Desgualdade

Leia mais

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. ECONOMETRIA Prof. Parca Mara Borolon. Sc. Modelos de ados em Panel Fone: GUJARATI;. N. Economera Básca: 4ª Edção. Ro de Janero. Elsever- Campus 006 efnções Geras Nos dados em panel a mesma undade de core

Leia mais

Caderno de Exercícios Resolvidos

Caderno de Exercícios Resolvidos Estatístca Descrtva Exercíco 1. Caderno de Exercícos Resolvdos A fgura segunte representa, através de um polígono ntegral, a dstrbução do rendmento nas famílas dos alunos de duas turmas. 1,,75 Turma B

Leia mais

A Hipótese da Curva de Kuznets Ambiental Global:

A Hipótese da Curva de Kuznets Ambiental Global: A Hpótese da Curva de Kuznets Ambental Global: Uma Perspectva Econométrco-Espacal Tercane Sabadn Carvalho Eduardo Almeda Resumo Com o objetvo de averguar a relação entre crescmento econômco e aquecmento

Leia mais