LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico"

Transcrição

1 O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa LOGÍSTICA Capítulo - 8 Objectvos do Capítulo Mostrar como o armazenamento é mportante no sstema logístco Identfcação dos prncpas tpos de armazenamento Descrmnar as prncpas funções do armazenamento Comparação da opção públca versus prvada Localzação do armazém Descrever os aspectos que nfluencam o projecto e layout do armazém Objectvos globas do armazenamento. Amílcar Arantes Amílcar Arantes 1

2 O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa 4 O armazenamento desempenha um papel vtal na obtenção do NS desejado a um custo total mínmo: Product Custos do stock Custos do Lote Prce Place/custom er servce levels Custos de processamento de encomendas e da nformação Promoton Custo do armazém Custos do transporte MARKETING Douglas M. Lambert, James R. Stock e Lsa M. Ellram, Fundamentals of Logstcs Management, McGraw-Hll, Amílcar Arantes Mas o que é o armazenamento? É a parte do sstema logístco da empresa que armazena produtos - MP, PVF e PA - entre e nos pontos de orgem e de consumo, provdencando nformações de gestão sobre o status, condção e dsponbldade dos bens armazenados. 4 A pressão em melhorar a rotação do stock, redução do tempo de chegar ao mercado (tme to market) -> a dstrbução está cada vez mas focada na satsfação rápda e efcente das encomendas! 4 A gestão efectva do armazém obrga as empresas a perceber: verdaderamente quas são as funções do armazenamento os mértos do armazém própro versus públco o lado fnancero e do NS das decsões a tomar o métodos que levam tornam o armazenamento mas efcente as estratégas de localzação óptma... Amílcar Arantes Amílcar Arantes 2

3 O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa Convém então separar o armazém do centro de dstrbução Crtéro Armazém Centro de dstrbução nventáro e gama mínma - os produtos Produtos todos de maor procura recepção recepção armazenamento Operações envo/ expedção(shp) envo/ expedção(shp) selecção e recolha (pck) elevado - podendo mesmo operar a Valor acrescentado reduzdo montagem fnal, ou parte desta Sstemas de nformação por pacotes (batches) em tempo real maxmzação do mpacto no lucro mnmzação de custos operaconas Focagem através da satsfação dos requsstos de para um dado requsto de "expedção" "dsponblzação" do produto ao clente Amílcar Arantes Decsões relaconadas com o armazenamento podem ser: 4 estratégcas - decsões que ldam com a atrbução de consderáves recursos logístcos, numa forma consstente e como suporte dos objectvos globas da empresa: a longo-prazo -> lgadas ao desenho do sstema logístco ou do tpo-projecto -> mas localzado num ramo do sstema logístco 4 ou operaconas - decsões utlzadas para a gestão e controlo corrente do desempenho do sstema logístco: tpcamente são decsões de rotna horzonte temporal nferor a um ano procuram mas a efcênca nas operações... Amílcar Arantes Amílcar Arantes 3

4 O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa Natureza e mportânca do armazenamento 4 Tradconalmente o armazenamento possblta a consttução de stocks (nventáro) durante todas as fases do processo logístco. Três tpos base de stock podem ser consttuídos: matéras-prmas, componentes e peças (physcal supply) produtos acabados (physcal dstrbuton) produtos em vas de fabrco (pouco sgnfcatvos) 4 Qual o nteresse de consttur stocks? obtenção de economas de transporte economas de produção descontos de quantdade manter a fonte de abastecmento Amílcar Arantes Qual o nteresse de consttur stocks? suportar a polítca de NS da empresa (utldade temporal) acomodar alterações no mercado de alguma forma elmnar o dferencal espacal e temporal entre a produção e o consumo Fornecer um determnado NS a um custo total logístco mínmo Apoar programas de JIT de clentes e de fornecedores Satsfação completa do mxde produtos da encomenda Provdencar um armazenamento temporáro de materas a serem elmnados ou recclados Amílcar Arantes Amílcar Arantes 4

5 O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa 4 Algumas utlzações do armazenamento: Apoo à Produção: funcona como ponto de consoldação de carregamentos dos város fornecedores da fábrca (nbound logstcs ), perspectva do fornecmento físco! fornecedor A fornecedor B fornecedor C armazém fábrca fornecedor D Douglas M. Lambert, James R. Stock e Lsa M. Ellram, Fundamentals of Logstcs Management, McGraw -Hll, Amílcar Arantes Algumas utlzações do armazenamento: Product mxng (varedade): consoldação das cargas para clentes, já com o devdo mx de produtos (outbound logstcs), perspectva da dstrbução físca! fábrca A CL, TL ou LTL Clente 1 A B C D fábrca B fábrca C fábrca D armazém central (mxng warehouse) CL, TL ou LTL Clente 2 A B C D Douglas M. Lambert, James R. Stock e Lsa M. Ellram, Fundamentals of Logstcs Management, McGraw -Hll, CL, TL ou LTL Clente 3 A B C D Amílcar Arantes Amílcar Arantes 5

6 O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa 4 Algumas utlzações do armazenamento: Armazém de consoldação: embora também seja numa perspectva de dstrbução físca, o objectvo é o de obter cargas completas! fábrca A Clente 1 fábrca B fábrca C armazém de consoldação Clente 2 fábrca D Douglas M. Lambert, James R. Stock e Lsa M. Ellram, Fundamentals of Logstcs Management, McGraw -Hll, Clente 3 Amílcar Arantes Algumas utlzações do armazenamento: Breakbulk - desconsoldação de encomendas: os produtos correspondentes a váras encomendas são consoldados num únco transporte da fábrca para o armazém e, neste, são separados e expeddos paras os város clentes. LTL Clente 1 fábrca D armazém de desconsoldação de cargas LTL Clente 1 Douglas M. Lambert, James R. Stock e Lsa M. Ellram, Fundamentals of Logstcs Management, McGraw -Hll, LTL Clente 1 Amílcar Arantes Amílcar Arantes 6

7 O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa 4 Sstemas Pull versus Push no armazenamento O sstema push (empurrar ) caracterza-se por: os planos de produção são fetos com base nas capacdades da fábrca a produção é feta na expectatva de que será mas tarde ou mas cedo vendda quando a produção apresenta uma taxa superor às vendas -> stocks caso as vendas não possam ser aceleradas, ou não correspondem às expectatvas, a produção é abrandada até que haja um equlíbro entre a procura e a oferta neste sstema, o armazém serve para absorver o excesso de produção! O sstema pull (puxar) caracterza-se por: sstema cada vez mas em utlzação a nformação é a charnera lotes cada vez mas pequenos e mas frequentes baseado na constante montorzação da procura do clente-fnal não exge portanto um reservatóro! o armazém serve como centro de fluxo oferecendo um NS melhorado por permtr um posconamento stock mas próxmo do clente! Amílcar Arantes Relação entre armazenamento e transporte As economas no armazenamento podem benefcar tanto o abastecmento físco - As encomendas de város fornecedores podem ser consoldadas num armazém (próxmo dos fornecedores) e transportadaspara a fábrca (normalmente muto dstante), sto é: pequenas encomendas, LTL, para o armazém próxmo - transporte dspendosos! encomendas consoldadas,, para a fábrca dstante - transporte mas barato! o custo total ( armazenamento + transporte ) vem assm reduzdo. como a dstrbução físca - permtndo a ntegração de uma estratéga de transportes que conduza a redução do custo total. Por exemplo, numa flosof a de fábrcas especalzadas(focused factores): os dferentes produtos das dferentes fábrcas são transportadas para um armazém, através de - economa no transporte por grosso posterormente váras encomendas são consoldadas com o mesmo destno, TL ou mesmo LTL - economa através de cargas mas completas o custo total ( armazenamento + transporte ) vem assm reduzdo. Amílcar Arantes Amílcar Arantes 7

8 O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa 4 Relação entre armazenamento e a produção A lógca de produção de pequenos lotes, como se espera, conduz à redução dos stocks ao longo da cadea logístca através da produção de quantdades muto próxmas da procura - produção flexível : no entanto, está lógca conduz a elevados custos de setups e de alterações de lnhas de montagem se a produção estver perto da capacdade máxma, poderão ocorrer rupturas! Custo de vendas perddas o custo total ( armazenamento + produção ) tem que ser reduzdo. Por outro lado, a lógca de produção em grandes lotes conduz a economas de escala na produção: no entanto conduz à acumulação de grandes quantdades de stocks aumentando das necessdades em termos de armazenamento, maores custos logístcos! Ou seja, a redução no custo untáro de produção tem que compensar o aumento no custo de armazenamento -> trade-offs. Amílcar Arantes Mas armazenamento porquê? Orgnalmente o armazenamento surge como uma forma das empresas obterem descontos de quantdade na compra de MP As economas não reflectem apenas á redução do custo de aqusção mas também a redução nos custos de transporte. Não raras vezes, é esta últma que motva a compra de grandes lotes de MP Mas uma vez, as economas de escala obtdas com a compra/movmentação de MP não podem ser absorvdas por custos de armazenamento superores! Actualmente, as empresas a operar em JIT negocam descontos com base no total de compras acumulado ao longo de um ano, por exemplo Outras razões para a consttução de stocks: grandes flutuações no preço da MP manter o acesso à MP, sto é stocks de segurança contra mprevstos (greves, acdentes, ruptura nos fornecedores, períodos de escassez ) Amílcar Arantes Amílcar Arantes 8

9 O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa 4 e o mínmo Custo Total Logístco A maor parte das frmas utlza o armazenamento por forma a atngr o custo total logístco mínmo, mantendo um determnado NS. Factores que podem nfluencar a polítca de armazenamento das empresas : a ndústra a flosofa da empresa a dsponbldade de captal característcas do produto - dmensão, se é perecível, substtuível, passível de obsolescênca competção sazonaldade utlzação de programas JIT o processo de produção utlzado. Amílcar Arantes Cross-Dockng, ou Ponto de rotação funconam com centros de dstrbução e de mxng de produtos por encomenda/ponto de destno entradas - provenentes do trunkng saídas - Cl ou LTL para a dstrbução fnal, já com os produtos prontos para a pratelera nexstênca de stocks (permanênca em méda nferor a 24h) permtem aumentar a fludez do escoamento de produtos. sstema de nformação (ntegrado) é fundamental! Amílcar Arantes Amílcar Arantes 9

10 O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa Funções do 4O armazenamento em combnação com as outras actvdades logístcas permte à empresa oferecer um determnado NS aos seus clentes, ao mínmo custo total. O papel do armazenamento: obvamente o de armazenar produtos consoldação e desconsoldação cargas/encomendas maor ênfase no fluxo fornecer nformação 4Três funções báscas do armazenamento: movmentação (actualmente: aumento da rotação de stocks e rapdez de chegar a clente fnal) armazenamento transferênca de nformação. Amílcar Arantes Funções do 4Movmentação - a função pode ser anda subdvdda nas seguntes actvdades: recepção de mercadoras : descargas actualzação do nventáro verfcação de danos verfcação da conformdade carga/encomenda/gua de transporte. transferênca: para o local de armazenamento para zonas onde são prestados servços especas para zonas de expedção, saída Amílcar Arantes Amílcar Arantes 10

11 O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa Funções do 4Movmentação - a função pode ser anda subdvdda nas seguntes actvdades: selecção/ recolha por encomenda: agrupar os produtos que constam numa encomenda- movmentação mportante embalagem ponto de rotação: transferênca drecta do cas de entrada para o cas de saída nformação é a charnera expedção: vsa a colocação dos produtos da encomenda no equpamento do transportador planfcação e organzação das cargas por clente. Amílcar Arantes Funções do 4 funções relaconadas com o armazenamento temporáro. O stock movmentado destna-se apenas a abastecer as saídas (por exemplo cross-dockng) funções lgadas ao armazenamento sem-permanente, sto é, armazenar mas do que as mercadoras movmentadas para satsfação das encomendas 4Transferênca de nformação: função que funcona em smultâneo com as outras duas funções báscas: captação de nformação correcta em tempo oportuno EDI, códgo de barras Amílcar Arantes Amílcar Arantes 11

12 O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa Armazém Própro ou Públco 4Armazém públco (alugado): vantagens: conservação de captal capacdade de ajustar a dmensão dsponível (sazonaldade) redução de rsco (localzação, dmensão, tecnologa ) economas de escala (o volume permte a rentablzação, especalzação ) consoldação ao nível do clente acesso rápdo a redes de dstrbução flexbldade (alterações do negóco ) fscas? conhecmento exacto dos custos de armazenamento! elmnação de questões laboras (cultura ) desvantagens: falhas na comuncação falta de servços especalzados falta de espaço em determnadas alturas. Amílcar Arantes Armazém Própro ou Públco 4Armazém própro (ou em leasng): vantagens: controlo (ntegração de outras funções logístcas e de produção) flexbldade (na operação, satsfação dos seus clentes ) mas barato (a longo-prazoe para grandes volume de operação ) melhor utlzação dos recursos humanos (posso utlzar especalstas no tpo de produtos ) benefícos fscas benefícos em termos de magem! desvantagens: perda de flexbldade (custos fxos, localzação e dmensão) lmtações fnanceras rentabldade comparatva Amílcar Arantes Amílcar Arantes 12

13 O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa Desenvolvmento de Instalações A localzação e dmensão dos armazéns são fundamentas para a sncronzação temporal e espacal da cadea logístca! 4Dmensão e Número de armazéns Dmensão do armazém em volume, em área? NS desejado dmensão dos mercados abastecdos dmensão físca e tpo de produtos sstema de manuseamento/movmentação throughput rate (fluxo por undade de tempo) tempo de produção economas de escala (em termos do armazém) a dsposção do stock área para admnstratvos tpo de estrutura/prateleras nível e comportamento da procura. Amílcar Arantes Desenvolvmento de Instalações 4Dmensão e Número de armazéns Número de armazéns custo de vendas perddas custo do stock custos de armazenamento custos de transporte, mas acma de um determnado número. 4Os computadores e sstemas de nformação podem ajudar a mnmzar os custos de armazenamento através de: melhoras no desenho/organzação do armazém melhora no controlo do stock melhora na recepção melhora na expedção dssemnação de nformação -> substtução de stocks por nformação ao longo da cadea de abastecmento. Quanto maor for a capacdade de resposta do sstema logístco, menores serão as necessdades de armazenamento ao longo da cadea logístca. Amílcar Arantes Amílcar Arantes 13

14 O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa Tpos de Desenho de Armazéns 4Formas mas frequentes, tpos báscos Armazéns de tpo fluxo drecconado : redução consderável do tempo de deslocação redução de congestonamentos mas fácl de adoptar a prátcas cross-dockng fácl de adoptar a nstalações fabrs. expedção apoo admnstratvo admnstratvos recepção 1996, J. M. Crespo de Carvalho, Logístca, Ed. Sílabo, LDA. Amílcar Arantes Tpos de Desenho de Armazéns 4Formas mas frequentes Armazéns de tpo fluxo em U : redução da dstânca méda de vagem redução do espaço necessáro para recepção/ expedção, espaço conjunto utlzação mas efcente dos equpamentos de movmentação organzação mas fácl de zonas de armazenamento com base no volume movmentado. expedção admnstratvos recepção 1996, J. M. Crespo de Carvalho, Logístca, Ed. Sílabo, LDA. Amílcar Arantes Amílcar Arantes 14

15 O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa Metodologa para a Localzação de Armazéns 4É mportante proceder a uma análse de sensbldade custo /servço para localzar uma nstalação de armazenamento! 4Algumas consderações geras: physcal supply - localzar o depósto central (prncpal) de um fabrcante próxmo da maor nstalação produtva, por exemplo... physcal dstrbuton - localzar o depósto ou centro de dstrbução próxmo dos clentes actuas (e futuros). Atenção às vantagens da centralzação/consoldação... Amílcar Arantes Metodologa para a Localzação de Armazéns Problema de localzação de uma únca nstalação: um armazém de abastecmento, uma fábrca, um armazém, um centro de dstrbução, uma loja... Um modelo bastante popular o modelo do centro de gravdade, gravítco ou do centro de massa: Modelo smples Apenas são consderado As taxas (tarfas custo por km e por ton, m 3 ou undade) de transporte E o volume (ton, m 3 ou undade) produzdo/utlzado/armazenado/venddo em cada ponto da rede Classfcação: modelo estátco e contínuo Modelo: Dado um conjunto de pontos representando pontos de fonte (produção) e de consumo Os volumes produzdos e consumdos a ser movmentados de e para um únca nstalação de localzação desconhecda (é o que se pretende determnar) As tarfas de transporte assocadas aos volumes deslocados Pretende-se mnmzar o custo total de transporte Amílcar Arantes Amílcar Arantes 15

16 O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa Metodologa para a Localzação de Armazéns Modelo gravítco: Formulação Mn TC = V R d Dstânca do ponto at é ao ponto da nstalação a localzar Custo total do transporte Tarfa de transporte [ /ton (m 3 ou undade)/km] Volume [ton, m 3 ou undades] transportado de/para o ponto Amílcar Arantes Metodologa para a Localzação de Armazéns Solução Exacta solução de 2 equações para determnação das coordenadas da nova nstalação Coordenadas dos pontos a nstalação a localzar X = (1) V R X / d V R / d Y = V R Y / d V R / d Coordenadas do pontos de fonte e procura (2) Factor de escala 2 d ( ) ( ) 2 = K X X + Y Y Amílcar Arantes Amílcar Arantes 16

17 O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa Estratéga de Localzação Localzação de uma únca nstalação - Modelo Gravítco Solução processo teratvo 1.Determnar as coordenadas X,Y de todos os pontos de fonte e de procura 2.Calcular uma prmera aproxmação para o centro de gravdade, omtndo o termo d X = Y = V R X V R Y V R V R ( X, Y ) 3.Utlzando calcular as dstâncas d 4.Com os valores de d, recalcular as coordenadas ( X,Y) utlzando as equações (1) e (2) 5.Recalcular d com base no novos valores ( X,Y) 6.Repetr os passos 4 e 5 até que os valores establzem 7.Por últmo, calcular o custo total de transporte correspondente à escolha da localzação Amílcar Arantes Metodologa para a Localzação de Armazéns Dada a smplcdade do modelo, por vezes surgem extensões ao modelo orgnal: Inclur o lucro por ponto Inclur o custo adconas de custos de dstrbução Defnr custos de transporte não lneares com a dstânca... Avalação do método. Para que os resultados obtdos possam ser avalados do seu valor, é necessáro perceber as smplfcações ntrínsecas do modelo: 1. Assume-se a procura concentrada num ponto 2. Não leva em consderação outros custos como o dos terrenos, ou de construção. Apenas consdera custos de transporte 3. As estrutura dos custo de transporte = parte fxa + parte varável com a dstânca apenas se consdera a parte varável 4. Os percursos entre pontos são, normalmente, lnhas rectas 5. Assumem um papel estátco...não ncorporam na solução os lucros e custos futuros Amílcar Arantes Amílcar Arantes 17

18 O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa Metodologa para a Localzação de Armazéns 4Modelo de scores Este modelo permte optar, em termos de custos e outros parâmetros que possam ser relevantes em termos de tomada de decsão, pela melhor solução de entre váras, para as quas se dsponha de nformação plausível, segundo os crtéros consderados mas ndcados e preponderantes : modelo adtvo S j = m = 1 W F J Sendo S j - score total para a localzação W - peso total para o parâmetro (%) F j - score para o parâmetro na localzação j n - número de localzações m - número de parâmetros. modelo multplcatvo S j = m W F j = 1 Amílcar Arantes Amílcar Arantes 18

Gestão e Teoria da Decisão

Gestão e Teoria da Decisão Gestão e Teora da Decsão Logístca e Gestão de Stocks Estratégas de Localzação Lcencatura em Engenhara Cvl Lcencatura em Engenhara do Terrtóro 1 Estratéga de Localzação Agenda 1. Classfcação dos problemas

Leia mais

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1 LOGÍSTICA Capítulo - 4 Conceitos relacionados com o Objectivos Aplicação dos conceitos básicos de gestão de inventário; Como calcular o stock de segurança; Verificar como as políticas de produção influenciam

Leia mais

Decisões de localização das instalações. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT

Decisões de localização das instalações. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Decsões de localzação das nstalações Professor: Leandro Zvrtes UDESC/CCT Introdução Localzar nstalações fxas ao longo da rede da cadea de suprmentos é um mportante problema de decsão que dá forma, estrutura

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura Análse logístca da localzação de um armazém para uma empresa do Sul Flumnense mportadora de alho n natura Jader Ferrera Mendonça Patríca Res Cunha Ilton Curty Leal Junor Unversdade Federal Flumnense Unversdade

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

LOGÍSTICA. Capítulo - 9 Movimentação de Materiais, Automatização e Questões Relacionadas com Embalagem

LOGÍSTICA. Capítulo - 9 Movimentação de Materiais, Automatização e Questões Relacionadas com Embalagem LOGÍSTICA Capítulo - 9 Movimentação de Materiais, Automatização e Questões Relacionadas com Embalagem Objectivos do Capítulo Mostrar de uma maneira geral os principais tipos de sistemas de movimentação,

Leia mais

Das ideias ao sucesso

Das ideias ao sucesso www.pwc.pt Das deas ao sucesso PwC Startup Portugal 1 mllon fund project Busness Plan FY 2014/2015 Crou recentemente uma empresa com forte capacdade de crescmento? Tem espírto empreendedor com deas novadoras?

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Equipas Educativas Para uma nova organização da escola. João Formosinho Joaquim Machado

Equipas Educativas Para uma nova organização da escola. João Formosinho Joaquim Machado Equpas Educatvas Para uma nova organzação da escola João Formosnho Joaqum Machado TRANSFORMAÇÕES NA ESCOLA BÁSICA TRANSFORMAÇÕES NA ESCOLA BÁSICA A expansão escolar e a mplementação das polítcas de nclusão

Leia mais

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN Otmzação de ustos de Transporte e Trbutáros em um Problema de Dstrbução Naconal de Gás Fernanda Hamacher 1, Fernanda Menezes

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações.

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações. 1. TABELA DE DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA As tabelas resumem as normações obtdas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de normações. As tabelas sem perda de normação

Leia mais

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA 2004-05 05 Capítulo - 2 Índice 1. Introdução 2. Definição de 3. 4. Desenvolvimento e Documentação de Padrões de SaC 5. Barreiras a uma Estratégia efectiva de SaC 6. Melhorar o Desempenho

Leia mais

Gestão de operações logísticas num armazém usando modelos de apoio à decisão

Gestão de operações logísticas num armazém usando modelos de apoio à decisão IO 2009 14º Congresso da ADIO, 7 a 9 de Setembro de 2009 67 Gestão de operações logístcas num armazém usando modelos de apoo à decsão Carla Aleandra Soares Geraldes * Mara do Samero Carvalho Gulherme A.

Leia mais

Distribuição de Massa Molar

Distribuição de Massa Molar Químca de Polímeros Prof a. Dr a. Carla Dalmoln carla.dalmoln@udesc.br Dstrbução de Massa Molar Materas Polmércos Polímero = 1 macromolécula com undades químcas repetdas ou Materal composto por númeras

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

SEQÜENCIAMENTO DE TAREFAS COM MÁQUINAS PARALELAS, PERMITINDO ATRASOS E COM TEMPOS DE PREPARAÇÃO DE MÁQUINA DEPENDENTES DA SEQÜÊNCIA.

SEQÜENCIAMENTO DE TAREFAS COM MÁQUINAS PARALELAS, PERMITINDO ATRASOS E COM TEMPOS DE PREPARAÇÃO DE MÁQUINA DEPENDENTES DA SEQÜÊNCIA. A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves a 7 de novembro de, Natal-RN SEQÜENCIAMENTO DE TAREFAS COM MÁQUINAS PARALELAS, PERMITINDO ATRASOS E COM TEMPOS DE PREPARAÇÃO DE MÁQUINA DEPENDENTES DA SEQÜÊNCIA.

Leia mais

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M.

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M. Lsta de Exercícos de Recuperação do Bmestre Instruções geras: Resolver os exercícos à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fcháro). Copar os enuncados das questões. Entregar a lsta

Leia mais

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo.

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo. Motores síncronos Prncípo de funconamento ão motores com velocdade de rotação fxa velocdade de sncronsmo. O seu prncípo de funconamento está esquematzado na fgura 1.1 um motor com 2 pólos. Uma corrente

Leia mais

Revisão dos Métodos para o Aumento da Confiabilidade em Sistemas Elétricos de Distribuição

Revisão dos Métodos para o Aumento da Confiabilidade em Sistemas Elétricos de Distribuição CIDEL Argentna 2014 Internatonal Congress on Electrcty Dstrbuton Ttle Revsão dos Métodos para o Aumento da Confabldade em Sstemas Elétrcos de Dstrbução Regstraton Nº: (Abstract) Authors of the paper Name

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

Software para Furação e Rebitagem de Fuselagem de Aeronaves

Software para Furação e Rebitagem de Fuselagem de Aeronaves Anas do 14 O Encontro de Incação Centífca e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Insttuto Tecnológco de Aeronáutca São José dos Campos SP Brasl Outubro 20 a 23 2008. Software para Furação e Rebtagem

Leia mais

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal www.obconcursos.com.br/portal/v1/carrerafscal Moda Exercíco: Determne o valor modal em cada um dos conjuntos de dados a segur: X: { 3, 4,, 8, 8, 8, 9, 10, 11, 1, 13 } Mo 8 Y: { 10, 11, 11, 13, 13, 13,

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS Físca Laboratoral Ano Lectvo 003/04 ITRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS AS MEDIDAS DE GRADEAS FÍSICAS. Introdução.... Erros de observação: erros sstemátcos e erros fortutos ou acdentas... 3. Precsão e rgor...3

Leia mais

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução Máqunas de Vetor Suporte.. Introdução Os fundamentos das Máqunas de Vetor Suporte (SVM) foram desenvolvdos por Vapnk e colaboradores [], [3], [4]. A formulação por ele apresentada se basea no prncípo de

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO - VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO

OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO Felpe Mendonca Gurgel Bandera (UFERSA) felpembandera@hotmal.com Breno Barros Telles

Leia mais

1 Princípios da entropia e da energia

1 Princípios da entropia e da energia 1 Prncípos da entropa e da energa Das dscussões anterores vmos como o conceto de entropa fo dervado do conceto de temperatura. E esta últma uma conseqüênca da le zero da termodnâmca. Dentro da nossa descrção

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear Probabldade e Estatístca Correlação e Regressão Lnear Correlação Este uma correlação entre duas varáves quando uma delas está, de alguma forma, relaconada com a outra. Gráfco ou Dagrama de Dspersão é o

Leia mais

Planejamento e Controle de Estoques PUC. Prof. Dr. Marcos Georges. Adm. Produção II Prof. Dr. Marcos Georges 1

Planejamento e Controle de Estoques PUC. Prof. Dr. Marcos Georges. Adm. Produção II Prof. Dr. Marcos Georges 1 e Controle de Estoques PUC CAMPINAS Prof. Dr. Marcos Georges Adm. Produção II Prof. Dr. Marcos Georges 1 Fornecmento de produtos e servços Recursos da operação Planejamento e Controle de Estoque Compensação

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC 201

MACROECONOMIA I LEC 201 ACROECONOIA I LEC 20 3.2. odelo IS-L Outubro 2007, sandras@fep.up.pt nesdrum@fep.up.pt 3.2. odelo IS-L odelo Keynesano smples (KS): equlíbro macroeconómco equlíbro no mercado de bens e servços (BS). odelo

Leia mais

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Defnções RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Problemas de Valor Incal PVI) Métodos de passo smples Método de Euler Métodos de sére de Talor Métodos de Runge-Kutta Equações de ordem superor Métodos

Leia mais

Avaliação de Empresas

Avaliação de Empresas Avalação de Empresas Gestão Fnancera Gestão Fnancera e Fscal IESF 2009 1 Cândda Botelho 2 1. Introdução... 4 2. Avalação de uma empresa... 4 2.1 Prncpas defnções de valor... 5 2.2 Premssas fundamentas

Leia mais

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery)

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery) Controle Estatístco de Qualdade Capítulo 8 (montgomery) Gráfco CUSUM e da Méda Móvel Exponencalmente Ponderada Introdução Cartas de Controle Shewhart Usa apenas a nformação contda no últmo ponto plotado

Leia mais

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza 9/04/06 Escolha do Consumdor sob condções de Rsco e de Incerteza (Capítulo 7 Snyder/Ncholson e Capítulo Varan) Turma do Prof. Déco Kadota Dstnção entre Rsco e Incerteza Na lteratura econômca, a prmera

Leia mais

UM MODELO DE ALOCAÇÃO DINÂMICA DE CAMINHÕES VISANDO AO ATENDIMENTO DE METAS DE PRODUÇÃO E QUALIDADE

UM MODELO DE ALOCAÇÃO DINÂMICA DE CAMINHÕES VISANDO AO ATENDIMENTO DE METAS DE PRODUÇÃO E QUALIDADE UM MODELO DE ALOCAÇÃO DINÂMICA DE CAMINHÕES VISANDO AO ATENDIMENTO DE METAS DE PRODUÇÃO E QUALIDADE RESUMO Felppe Perera da Costa, PPGEM/UFOP, Mestrando. felppe@mneral.em.ufop.br Marcone Jamlson Fretas

Leia mais

Palavras-chaves detector infravermelho, transmissão atmosférica, atenuação. I. INTRODUÇÃO

Palavras-chaves detector infravermelho, transmissão atmosférica, atenuação. I. INTRODUÇÃO Atenuação atmosférca da Radação Infravermelha: Influênca de elevados níves hgrométrcos no desempenho operaconal de mísses ar-ar. André Gustavo de Souza Curtyba, Rcardo A. Tavares Santos, Fabo Durante P.

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

Análise Fatorial F 1 F 2

Análise Fatorial F 1 F 2 Análse Fatoral Análse Fatoral: A Análse Fatoral tem como prncpal objetvo descrever um conjunto de varáves orgnas através da cração de um número menor de varáves (fatores). Os fatores são varáves hpotétcas

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

8 Indicadores de desempenho na cadeia de suprimentos

8 Indicadores de desempenho na cadeia de suprimentos 8 Indcadores de desempenho na cadea de suprmentos 8.1 O desafo da mensuração O estabelecmento de ndcadores de desempenho do supply chan management está sueto à estrutura da cadea, seus elos e partcpantes

Leia mais

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) Unversdade de Brasíla Departamento de Economa Mestrado em Economa do Setor Públco Equlíbro Colusvo no Mercado Braslero de Gás Lquefeto de Petróleo (GLP) Orentador: Prof. Rodrgo Andrés de Souza Peñaloza

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis.

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis. EXERCICIOS AVALIATIVOS Dscplna: ECONOMETRIA Data lmte para entrega: da da 3ª prova Valor: 7 pontos INSTRUÇÕES: O trabalho é ndvdual. A dscussão das questões pode ser feta em grupo, mas cada aluno deve

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DO PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA LOJA DE SERVIÇO AUTOMOTIVO

ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DO PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA LOJA DE SERVIÇO AUTOMOTIVO Perspectvas Globas para a Engenhara de Produção Fortaleza, CE, Brasl, 13 a 16 de outubro de 2015. ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DO PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA LOJA DE SERVIÇO AUTOMOTIVO

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

Avaliação de Económica de Projectos e Cálculo de Tarifas

Avaliação de Económica de Projectos e Cálculo de Tarifas Gestão Avançada ada de Sstemas de Abastecmento de Água Avalação de Económca de Projectos e Cálculo de Tarfas Antóno Jorge Montero 26 de Mao de 2008 Aula 5-1 COCEITO DE PROJECTO Processo específco utlzado

Leia mais

Oportunidades e desafios no mundo do aquecimento o setor tem crescido a cada ano, é verdade, mas continuar nesse ritmo

Oportunidades e desafios no mundo do aquecimento o setor tem crescido a cada ano, é verdade, mas continuar nesse ritmo -. -. - - - -- - -. ~- -- MERCADO -- -=-- - - -=-=-= - ---=- =-= - ~ Oportundades e desafos no mundo do aquecmento o setor tem crescdo a cada ano, é verdade, mas contnuar nesse rtmo requer a superação

Leia mais

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D Físca Módulo 1 Vetores, escalares e movmento em 2-D Vetores, Escalares... O que são? Para que servem? Por que aprender? Escalar Defnção: Escalar Grandea sem dreção assocada. Eemplos: Massa de uma bola,

Leia mais

HI SPEED NX - ciclos especiais O esterilizador agrega funções específicas para ciclos de líquidos com cálculo de F 0

HI SPEED NX - ciclos especiais O esterilizador agrega funções específicas para ciclos de líquidos com cálculo de F 0 SELEÇÃO Espaço útl da câmara B-100-405 x 405 x 600 mm B-200-405 x 405 x 1225 mm B-300-605 x 605 x 825 mm B-500-605 x 605 x 1225 mm Aplcação N - Uso geral NL - Lactáro NX - Cclos especas Impressora Impressora

Leia mais

Suporte Básico para Sistemas de Tempo Real

Suporte Básico para Sistemas de Tempo Real Suporte Básco para Sstemas de Tempo Real Escalonamento e Comuncação Sldes elaborados por George Lma, com atualzações realzadas por Ramundo Macêdo Suporte Básco para Sstemas de Tempo-Real Escalonamento

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR Matéra / Dscplna: Introdução à Informátca Sstema de Numeração Defnção Um sstema de numeração pode ser defndo como o conjunto dos dígtos utlzados para representar quantdades e as regras que defnem a forma

Leia mais

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostla de Estatístca Curso de Matemátca Volume II 008 Probabldades, Dstrbução Bnomal, Dstrbução Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna 1 Capítulo 8 - Probabldade 8.1 Conceto Intutvamente pode-se defnr probabldade

Leia mais

VACUUM TECHNOLOGY LC.25 LC.40 LC.60 LC.106 LC.151 LC.205 LC.305 LC.205HV LC.305HV MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. www.dvp.it - info@dvp.

VACUUM TECHNOLOGY LC.25 LC.40 LC.60 LC.106 LC.151 LC.205 LC.305 LC.205HV LC.305HV MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. www.dvp.it - info@dvp. VACUUM TECHNOLOGY MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO (Tradução das nstruções orgnas) BOMBAS DE VÁCUO LUBRIFICADAS A RECICULAÇÃO - nfo@dvp.t LC.25 LC.40 LC.60 LC.106 LC.151 LC.205 LC.305 LC.205HV LC.305HV

Leia mais

ALGORITMOS GENÉTICOS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA TOMADA DE DECISÃO EM ATIVIDADES DE GESTÃO AGROINDUSTRIAL

ALGORITMOS GENÉTICOS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA TOMADA DE DECISÃO EM ATIVIDADES DE GESTÃO AGROINDUSTRIAL ALGORITMOS GENÉTICOS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA TOMADA DE DECISÃO EM ATIVIDADES DE GESTÃO AGROINDUSTRIAL Danlo Augusto Hereda VIEIRA 1 Celso Correa de SOUZA 2 José Francsco dos REIS NETO 3 Resumo. As

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 4.3. Decisão Intertemporal do Consumidor O Mercado de Capital

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 4.3. Decisão Intertemporal do Consumidor O Mercado de Capital Mcroeconoma II Cursos de Economa e de Matemátca Aplcada à Economa e Gestão AULA 4.3 Decsão Intertemporal do Consumdor O Mercado de Captal Isabel Mendes 2007-2008 4/17/2008 Isabel Mendes/MICRO II 1 3. EQUILÍBRIO

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05 LQA - LEFQ - EQ -Químca Analítca Complemantos Teórcos 04-05 CONCEITO DE ERRO ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Embora uma análse detalhada do erro em Químca Analítca esteja fora do âmbto desta cadera, sendo abordada

Leia mais

Instruções de Utilização. Actuador de motor via rádio 1187 00

Instruções de Utilização. Actuador de motor via rádio 1187 00 Instruções de Utlzação Actuador de motor va rádo 1187 00 Índce Relatvamente a estas nstruções... 2 Esquema do aparelho... 3 Montagem... 3 Desmontagem... 3 Tensão de almentação... 4 Colocar as plhas...

Leia mais

www.halten.com.br 21-3095-6006

www.halten.com.br 21-3095-6006 NÍVEL: BÁSCO www.halten.com.br 21-3095-6006 ASSUNTO:CUROSDADES SOBRE RAOS E PROTEÇÃO O QUE É O RAO? O RAO É UM FENÔMENO DA NATUREZA, ALEATÓRO E MPREVSÍVEL. É COMO SE FOSSE UM CURTO CRCUÍTO ENTRE A NUVEM

Leia mais

Ventilação Não Invasiva

Ventilação Não Invasiva Ventlação Não Invasva Nossa meta é clara: aperfeçoamento sgnfcatvo em qualdade de vda A ventlação não nvasva bem sucedda faz com que os músculos respratóros se restabeleçam e o pacente se torne mas atvo

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE RESERVA GIRANTE EM SISTEMAS HIDROELÉTRICOS. Thales Sousa * José Antônio Jardini Mário Masuda Rodrigo Alves de Lima

OTIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE RESERVA GIRANTE EM SISTEMAS HIDROELÉTRICOS. Thales Sousa * José Antônio Jardini Mário Masuda Rodrigo Alves de Lima SNPEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E RANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉRICA GGH - 33 6 a 2 Outubro de 2005 Curtba - Paraná GRUPO I GRUPO DE ESUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH OIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE RESERVA GIRANE

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

Estimativa dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro.

Estimativa dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro. Estmatva dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro. O. L. L. Moraes 1, H. R. da Rocha 2, M. A. Faus da Slva Das 2, O Cabral 3 1 Departamento

Leia mais

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução Controle de qualdade de produto cartográfco aplcado a magem de alta resolução Nathála de Alcântara Rodrgues Alves¹ Mara Emanuella Frmno Barbosa¹ Sydney de Olvera Das¹ ¹ Insttuto Federal de Educação Cênca

Leia mais

Alocação de Bancos de Capacitores em Sistema de Distribuição de Energia Elétrica Utilizando Algoritmos Genéticos

Alocação de Bancos de Capacitores em Sistema de Distribuição de Energia Elétrica Utilizando Algoritmos Genéticos RAFAEL TERPLAK BEÊ Alocação de Bancos de Capactores em Sstema de Dstrbução de Energa Elétrca Utlzando Algortmos Genétcos Dssertação apresentada como requsto parcal para a obtenção do grau de Mestre, no

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

PROJECTO DO LAYOUT DE INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS

PROJECTO DO LAYOUT DE INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS 2 PROJECTO DO LAYOUT DE INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS Determnar a sequênca de operações de fabrco, quas e quantos recursos estão dsponíves para cada tpo de operação, como fluem os materas e as pessoas, qual

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE R. L. S. CANEVESI 1, C. L. DIEL 2, K. A. SANTOS 1, C. E. BORBA 1, F. PALÚ 1, E. A. DA SILVA 1 1 Unversdade Estadual

Leia mais

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira Impactos dos encargos socas na economa braslera Mayra Batsta Btencourt Professora da Unversdade Federal de Mato Grosso do Sul Erly Cardoso Texera Professor da Unversdade Federal de Vçosa Palavras-chave

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE MÉTODOS DE CÁLCULO DE PERDAS EM TRANSFORMADORES ALIMENTANDO CARGAS NÃO-LINEARES

COMPARATIVO ENTRE MÉTODOS DE CÁLCULO DE PERDAS EM TRANSFORMADORES ALIMENTANDO CARGAS NÃO-LINEARES COMARAVO ENRE MÉODOS DE CÁLCULO DE ERDAS EM RANSFORMADORES ALMENANDO CARGAS NÃO-LNEARES GUMARÃES, Magno de Bastos EEEC/ UFG/ EQ magnobg@otmal.com. NRODUÇÃO LSA, Luz Roberto EEEC/ UFG lsta@eee.ufg.br NERYS,

Leia mais

CAPÍTULO I 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO I 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO No mundo globalzado e etremamente compettvo em que as empresas dsputam espaço, clentes, reconhecmento e acma de tudo, condções de permanecer compettvas e lucratvas no mercado, é fundamental

Leia mais

XLVI Pesquisa Operacional na Gestão da Segurança Pública

XLVI Pesquisa Operacional na Gestão da Segurança Pública AVALIAÇÃO MULTICRITÉRIO DE SOLUÇÕES SUSTENTÁVEIS PARA LATICÍNIOS DO AGRESTE PERNAMBUCANO Djur Tafnes Vera Unversdade Federal de Pernambuco UFPE - CAA Rodova BR-104, Km 59 - Nova Caruaru, Caruaru - PE,

Leia mais

Fast Multiresolution Image Querying

Fast Multiresolution Image Querying Fast Multresoluton Image Queryng Baseado no artgo proposto por: Charles E. Jacobs Adan Fnkelsten Davd H. Salesn Propõe um método para busca em um banco de dados de magem utlzando uma magem de consulta

Leia mais

O USO DA INTEGRAL DEFINIDA NO CÁLCULO DA ÁREA ALAGADA DA BARRAGEM DO RIO BONITO

O USO DA INTEGRAL DEFINIDA NO CÁLCULO DA ÁREA ALAGADA DA BARRAGEM DO RIO BONITO O USO DA INTEGRAL DEFINIDA NO CÁLCULO DA ÁREA ALAGADA DA BARRAGEM DO RIO BONITO Crstna Martns Paraol crstna@hotmal.com Insttuto Federal Catarnense Rua Prefeto Francsco Lummertz Júnor, 88 88960000 Sombro

Leia mais

Análise do sistema logístico de descarga de cana inteira e picada de uma usina de cana de açúcar

Análise do sistema logístico de descarga de cana inteira e picada de uma usina de cana de açúcar Análse do sstema logístco de descarga de cana ntera e pcada de uma usna de cana de açúcar Abstract Ana Paula Iannon Renaldo Morabto Neto Unversdade Federal de São Carlos e-mal: pap@rs.ufscar.br Logstcs

Leia mais

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COÉRCIO ETERNO Nota préva: O texto que se segue tem por únco obectvo servr de apoo às aulas das dscplnas de Economa Internaconal na Faculdade de Economa da Unversdade do Porto.

Leia mais

ESTATÍSTICA. PROBABILIDADES Professora Rosana Relva Números Inteiros e Racionais ESTATÍSTICA. Professor Luiz Antonio de Carvalho

ESTATÍSTICA. PROBABILIDADES Professora Rosana Relva Números Inteiros e Racionais ESTATÍSTICA. Professor Luiz Antonio de Carvalho PROBABILIDADES Professora Rosana Relva Números Interos e Raconas APRESENTAÇÃO ROL:,,, 4, 4,,, DISCRETA : rrelva@globo.com PROGRESSÃO ARITMÉTICA CONTÍNUA PROGRESSÃO ARITMÉTICA DISTRIBUIÇÃO DE REQUÊCIAS

Leia mais

3 Formulação da Metodologia

3 Formulação da Metodologia 54 3 Formulação da Metodologa 3.1. Resumo das Prncpas Heurístcas de Solução A maora das heurístcas de solução para o ELSP aborda o problema na sua forma clássca, sto é, quando os tempos e custos de setup

Leia mais

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4)

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4) REGULAMENTO GERAL (Modaldades 1, 2, 3 e 4) 1. PARTICIPAÇÃO 1.1 Podem concorrer ao 11º Prêmo FIEB de Desempenho Socoambental da Indústra Baana empresas do setor ndustral nas categoras MICRO E PEQUENO, MÉDIO

Leia mais

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS L. G. Olvera, J. K. S. Negreros, S. P. Nascmento, J. A. Cavalcante, N. A. Costa Unversdade Federal da Paraíba,

Leia mais

1. Conceitos básicos de estatística descritiva. A ciência descobre relações de causa efeito entre fenómenos. Há fenómenos que são muito complexos

1. Conceitos básicos de estatística descritiva. A ciência descobre relações de causa efeito entre fenómenos. Há fenómenos que são muito complexos 2 Matemátca Fnancera e Instrumentos de Gestão Sumáro 1. Concetos báscos de estatístca descrtva 1.1. 2ª Aula 1.2. 1.2.1. Frequênca relatva 1.2.2. Frequênca relatva acumulada 3 4 A cênca descobre relações

Leia mais

Gestão da Produção - Optimizar a produção através do LEAN

Gestão da Produção - Optimizar a produção através do LEAN Gestão da Produção - Optimizar a produção através do LEAN Introdução Lean é uma filosofia de produção nascida após a segunda guerra mundial no sector automóvel com intuito de optimizar o sistema de produção.

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais