Alocação de Bancos de Capacitores em Sistema de Distribuição de Energia Elétrica Utilizando Algoritmos Genéticos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Alocação de Bancos de Capacitores em Sistema de Distribuição de Energia Elétrica Utilizando Algoritmos Genéticos"

Transcrição

1 RAFAEL TERPLAK BEÊ Alocação de Bancos de Capactores em Sstema de Dstrbução de Energa Elétrca Utlzando Algortmos Genétcos Dssertação apresentada como requsto parcal para a obtenção do grau de Mestre, no Programa de Pós-Graduação em Engenhara Elétrca da Unversdade Federal do Paraná. Orentadora: Dr.ª Thelma Solange Pazza Fernandes. Co-orentador: Dr. Alexandre Ras Aok Curtba 2007

2 Lvros Gráts Mlhares de lvros gráts para download.

3

4 AGRADECIMENTOS O resultado deste trabalho não se deve somente ao meu esforço e dedcação, mas também ao apoo de algumas pessoas, que devem ser ctadas aqu com carnho. Assm, presto os meus snceros agradecmentos: À Professora Doutora Thelma Solange Pazza Fernandes pela sua orentação e dedcação, pelos seus ensnamentos, conselhos e palavras de ncentvo durante todo o desenvolvmento deste trabalho; Ao Insttuto de Tecnologa para o Desenvolvmento (LACTEC) pelo apoo fnancero e pela nfra-estrutura concedda para a realzação deste trabalho; Ao Professor Doutor Alexandre Ras Aok que contrbuu como co-orentador através do seu conhecmento com excelentes observações para a fnalzação do trabalho e também por toda sua cooperação e apoo, juntamente com o LACTEC, para a concretzação deste projeto; Aos meus pas, Lucas José Beê e Mran Ana Terplak Beê pela dedcação, carnho, amor e compreensão durante todos os anos de mnha vda e também durante todo este período de mestrado; À mnha namorada, companhera e amga Janana Rodrgues Lenz, pelo seu companhersmo e palavras de conforto nas horas dfíces, e também por toda sua contrbução para que a realzação deste trabalho fosse possível; À Deus, que meu deu forças para segur até aqu; À Professora Doutora Elzete Mara Lourenço pelas sugestões e contrbuções fetas em relação a este trabalho durante a pré-defesa e a defesa; À Professora Doutora Patríca Texera Lete pela complementação dada a esta dssertação na ocasão da defesa; E a todos os outros que não foram menconados aqu, mas que de alguma manera contrbuíram e fzeram parte desta camnhada.

5 SUMÁRIO Lsta de Tabelas...VII Lsta de Fguras... IX Lsta de Sglas... XI Lsta de Símbolos...XII Resumo... XIV Abstract...XV CAPÍTULO I: Introdução Introdução Estrutura da Dssertação...3 CAPÍTULO II: O Estado da Arte Introdução Solução va Técncas de Intelgênca Artfcal Otmzação Mult-Objetvo Análse de Sensbldade Fluxo de Potênca em Redes de Dstrbução A Corrente Inrush Consderações Fnas...21 CAPÍTULO III: Algortmos Genétcos Introdução Termnologa Característcas Geras e Representação Seleção Operadores Genétcos Consderações Fnas...33 CAPÍTULO IV: Formulação do Problema de Otmzação Introdução Metodologa Utlzada pelas Empresas Dstrbudoras Regras Pratcas para a Instalação de BC s...36 v

6 4.2.2 Operação dos Controles dos Capactores Automátcos Controle com Sensor de Tempo e Tensão Verfcação da Elevação da Tensão Causada pela Instalação de Capactores Ajuste da Tensão Formulação va AGs Formulação Matemátca Obtenção das Indutâncas Equvalentes entre Bancos de Capactores Metodologa População Incal Codfcação dos Indvíduos Fluxo de Potênca Ajuste dos Capactores Automátcos Convergênca do Algortmo Desenvolvdo Crtéros de Seleção e os Operadores Genétcos Cração da Nova População Análse de Sensbldade e Incalzação Análse Econômca Consderações Fnas...65 CAPÍTULO V: Resultados Introdução Sstema 11 Barras Resultados das Smulações para o Sstema 11 Barras Estudo de Desempenho do Algortmo Desenvolvdo Sstema 70 Barras Resultados da Smulação para o Sstema 70 Barras Utlzando Confguração com 20 Indvíduos Resultados da Smulação para o Sstema 70 Barras Utlzando Confguração com 10 Indvíduos Análse da Corrente Inrush Análse de Sensbldade Smulação utlzando novos preços pra os BCs Resultados da Análse Econômca Comentáros Fnas...98 v

7 CAPÍTULO VI: Conclusões Conclusões Recomendações para Trabalhos Futuros Referêncas Bblográfcas Apêndce A: Cálculo de Fluxo de Potênca va Método da Soma das Potêncas Apêndce B: Cálculo de Perdas a Partr dos Fluxos pelas Lnhas de Transmssão Anexo A: Dados do Sstema de 70 Barras v

8 LISTA DE TABELAS Tabela Termnologa Bológca x Termnologa Computaconal x Termnologa de Otmzação de Reatvos...28 Tabela Condções de Carga...42 Tabela 4.2 Número de horas para cada condção de carga...42 Tabela Números de das útes, Sábados e Domngos num período de um ano...42 Tabela Porcentagem da Carga Total no Almentador para cada condção de carga...42 Tabela Tensão de saída em função dos patamares de carga...43 Tabela Custo dos Capactores...44 Tabela Valores adequados, precáros e crítcos para tensões nomnas de 1 kv a 69 kv..47 Tabela Valores adequados, precáros e crítcos para tensões nomnas até 1 kv...47 Tabela Tabela de Indutâncas...51 Tabela Codfcação dos ndvíduos...55 Tabela Interpretação do Indvíduo pelo Algortmo Genétco...56 Tabela Exemplo de seleção pelo método da Roleta...59 Tabela Dados de lnhas para o sstema 11 barras...67 Tabela 5.2 Dados de cargas para o sstema 11 barras...67 Tabela 5.3 Parâmetros da smulação para o sstema 11 Barras...67 Tabela 5.4 Custos encontrados nas smulações para o sstema 11 Barras...68 Tabela 5.5 Tensão nas barras onde houve alocação de reatvos para a condção de carga pesada nos das útes para o sstema 11 barras...70 Tabela 5.6 Tensão nas barras onde houve alocação de reatvos para carga leve nos domngos e ferados para o sstema 11 barras...70 Tabela 5.7 Funções objetvo consderadas em cada smulação...73 Tabela 5.8 Comparação entre as smulações 2 e Tabela 5.9 Comparação entre smulações 2 e Tabela 5.10 Comparação entre as smulações 2, 5 e Tabela 5.11 Comparação entre smulações 2 e Tabela 5.12 Comparação entre as smulações 2, 8 e Tabela 5.13 Comparação entre smulações 5 e v

9 Tabela 5.14 Comparação entre smulações 5 e Tabela 5.15 Comparação entre smulações 5 e Tabela 5.16 Comparação entre as smulações 13, 14 e Tabela 5.17 Comparação entre smulações 3 e Tabela 5.18 Comparação entre smulações 3 e Tabela 5.19 Resultados da smulação Tabela 5.20 Comparação entre smulações 8 e Tabela 5.21 Parâmetros da smulação para o sstema 70 Barras...83 Tabela 5.22 Custos encontrados nas smulações para o sstema 70 Barras...84 Tabela 5.23 Tensão nas barras onde houve alocação de reatvos para a condção de carga pesada nos das útes para o sstema 70 barras...86 Tabela 5.24 Tensão nas barras onde houve alocação de reatvos para carga méda nos domngos e ferados para o sstema 70 barras...86 Tabela Custos encontrados nas smulações para o sstema 70 Barras utlzando confguração com 10 ndvíduos...89 Tabela Comparação da alocação encontrada para smulação com 20 e 10 ndvíduos...90 Tabela 5.27 Alocação de Reatvos para o sstema 70 barras sem mnmzação de correntes Inrush...91 Tabelas 5.28 Correntes Inrush utlzando o crtéro da mnmzação das correntes Inrush...92 Tabela 5.29 Dstâncas entre barras utlzando o crtéro da mnmzação das correntes Inrush...92 Tabelas Correntes Inrush sem o crtéro da mnmzação das correntes Inrush...93 Tabela 5.31 Dstâncas entre barras sem o crtéro da mnmzação das correntes Inrush...93 Tabela 5.32 Resultados utlzando sensbldade Perdas x Q...94 Tabela Resultados utlzando sensbldade Q x V...95 Tabela Novos preços para BCs...96 Tabela Parâmetros para as smulações com novos preços de BCs...96 Tabela Alocação dos BCs...96 Tabela Resultados da smulação utlzando novos preços para BCs...97 Tabela Resultados da Análse Econômca...98 Tabela A.1 - Dados das Cargas do Sstema 70 Barras Tabela A.2 - Dados das Lnhas do Sstema 70 Barras v

10 LISTA DE FIGURAS Fgura Topologa da Rede e a Rede Dvdda em Camadas...18 Fgura Exemplo de mutação...30 Fgura Exemplo de cruzamento de um ponto...31 Fgura Exemplo de cruzamento de dos pontos...31 Fgura Exemplo de cruzamento unforme...32 Fgura Exemplo de eltsmo...32 Fgura Perfl do reatvo do almentador...35 Fgura BC lgado em estrela solada...36 Fgura Dspostvo de Tempo...39 Fgura Classfcação normalzada da tensão em nível de dstrbução...48 Fgura Crcuto de Indutâncas para 3 Capactores...51 Fgura Crcuto Adaptado para Cálculo de Indutânca Equvalente a partr do Capactor da Barra Fgura Crcuto Rearranjado para Cálculo de Indutânca Equvalente a partr do Capactor da Barra Fgura Fluxograma do Algortmo Desenvolvdo...54 Fgura Exemplo de um ndvíduo para um sstema com 11 barras...56 Fgura 4.10 Exemplo de seleção pelo método da roleta...59 Fgura 5.1 Sstema 11 barras...66 Fgura 5.2 Perfl de tensão para carga pesada nos das útes para o sstema 11 barras...69 Fgura 5.3 Perfl de tensão para carga leve nos das útes para o sstema 11 barras...69 Fgura 5.4 Porcentagem da queda de tensão para carga pesada nos das útes para o sstema 11 barras...71 Fgura 5.5 Porcentagem da queda de tensão para carga méda nos das útes para o sstema 11 barras...71 Fgura 5.6 Sstema 70 barras...83 Fgura 5.7 Perfl de tensão para carga pesada nos das útes para o sstema 70 barras...85 Fgura 5.8 Perfl de tensão para carga leve nos sábados para o sstema 70 barras...85 x

11 Fgura 5.9 Porcentagem da queda de tensão para carga pesada nos das útes para o sstema 70 barras...87 Fgura 5.10 Porcentagem da queda de tensão para carga méda nos das útes para o sstema 70 barras...88 Fgura 5.11 Porcentagem da queda de tensão para carga leve nos domngos e ferados para o sstema 70 barras...88 Fgura A.1 - Modelo de lnha conectada a duas barras Fgura B.1 - Modelo equvalente Π de uma lnha de transmssão x

12 LISTA DE SIGLAS AG - Algortmo Genétco ANEEL - Agênca Naconal de Energa Elétrca BB - Branch and Bound BC's - Bancos de Capactores CEB - Companha Energétca de Brasíla COPEL - Companha Paranaense de Energa EDF - Eletrctè de France FC - Fluxo de Carga FP - Fluxo de Potênca FPO - Fluxo de Potênca Ótmo GA - Genetc Algorthm HS - Hperplanos Suporte SA - Smulated Annealng SDC - Soma das Correntes TIR - Taxa Interna de Retorno TMA - Taxa mínma de Atratvdade TP - Transformador de Potencal TR Tempo de Retorno VPL - Valor Presente Líqudo VR - Valor Resdual x

13 LISTA DE SÍMBOLOS bar barra do sstema fxo Co j custo fxo de nstalação de capactor fxo aut Co j custo fxo de nstalação de capactor automátco d Das j dstânca entre capactores corresponde ao número de das (das útes, sábados ou domngos e ferados) em cada período estudado. f 1 f 2 f 3 f 4 f 5 custo das perdas custo de nstalação dos capactores fxos e automátcos custo da queda de tensão custo da volação dos lmtes de tensão somatóro das correntes nrush Horas, número de horas correspondente à condção de carga no da j j corresponde a condção de carga pesada méda, e leve Inrush, corrente nrush na barra k, para carga e da j I C I 3 j L eq k j corrente nomnal do banco de capactores corrente de curto-crcuto trfásco no ponto de nstalação do banco de capactores corresponde ao número de das útes, sábados ou domngos e ferados ndutânca total equvalente por fase entre bancos de capactores Nd número de barras onde o desvo fo maor ou gual a 4% cargapesada bar valor de carga pesada na barra bar N n_cap_aloc P j número de barras do sstema número de capactores fxos e automátcos alocados potênca total do banco de capactores p porcentagem da carga pesada ( cargapesada bar ) do almentador que corresponde a condção de patamar de carga no da j x

14 bar QT j dferença entre tensão de saída da subestação e tensão na barra bar referente r RTP T VD VL V ff x X Z 1s Z 1 ao patamar de carga e da da semana j resstênca do cabo em ohm/km relação de transformação do TP que almenta o controle tensão nomnal do crcuto tensão de referênca para deslgar o banco de capactores tensão de referênca para lgar o banco de capactores tensão fase-fase reatânca do cabo reatânca total entre o BC e a SE fonte mpedânca de seqüênca postva do sstema até a barra de 13,8 kv da subestação mpedânca de seqüênca postva do almentador de 13,8 kv, desde a barra da subestação até o ponto consderado wc índce de ponderação de f2 wp índce de ponderação de f 1 wv índce de ponderação de f4 w índce de ponderação de f5 Φ conjunto de barras canddatas à alocação de capactores. Essas barras compreendem apenas o tronco do almentador e que não estejam protegdos por chaves fusíves fxo χ j ndcador de capactor fxo aut χ j ndcador de capactor automátco x

15 RESUMO O crescente aumento da demanda tem tornado o gerencamento dos níves de potênca reatva cada vez mas mportante a fm de se contornar problemas de qualdade do fornecmento, tas como, aumento das perdas atvas, quedas de tensão e tensões fora dos lmtes regulamentados. Uma manera de se melhorar o desempenho de redes de dstrbução que apresentam esses problemas é através da nstalação de banco de capactores. Assm, esse trabalho se propõe a mplementar a técnca de Algortmos Genétcos na busca ótma dos tpos de banco de capactores (fxo ou automátco), tamanhos dos bancos (em kvar) e localzações dos mesmos em almentadores de dstrbução. A formulação adotada utlza, além dos crtéros de otmzação comumentemente utlzados, como por exemplo, a mnmzação das perdas atvas, dos custos dos capactores e a penalzação dos lmtes de tensão, crtéros como, a penalzação de quedas de tensão acma de 4% a partr da saída do almentador e a mnmzação de correntes nrush que surgem quando da energzação dos bancos de capactores. A penalzação das quedas de tensão é um crtéro complementar a fm de se garantr alternatvamente a qualdade do fornecmento. Já a mnmzação das correntes nrush tem como objetvo obter espaçamentos ótmos entre os bancos a fm de se evtar que essas correntes atnjam valores elevados e, por exemplo, danfquem elos fusíves das chaves quando das energzações ao longo dos períodos consderados. A formulação anda consdera dferentes stuações de carregamento e dferentes das da semana de modo a satsfazer smultaneamente todos os períodos consderados. Os resultados são apresentados através de sstemas radas de 11 e 70 barras. PALAVRAS-CHAVE: Alocação de Banco de Capactores, Redes de Dstrbução de Energa Elétrca, Algortmos Genétcos. xv

16 ABSTRACT The ncreasng of the demand has become the management of the reactve power levels, more and more mportant n order to resolve problems of qualty, such as, ncrease of the actve losses and voltages lmtatons. A way of mprovng the performance of networks dstrbutons that present these problems are through the nstallaton of capactors. Thus, ths work mplemented the technque of Genetc Algorthms to search types of capactors banks (fxed or automatc), szes of the banks (kvar) and localzaton of the same ones n a dstrbuton feeder. The adopted formulaton uses, beyond the commonly optmzaton crtera, for example, the mnmzaton of the actve losses, the capactors costs and the voltage lmts penalzaton, others as, the voltage falls penalzaton above 4% from the ext of the feeder and the mnmzaton of the nrush current that appears when the banks of capactors are energzed. The voltage falls penalzaton s a complementary crteron n order to, alternatvely, guarantee the qualty of the supply. Already, the mnmzaton of the nrush current has as objectve to get optmal dstances, between the banks n order to prevent that these currents reach hgh values that can they damage the fuses when they are energzed. The formulaton stll consders dfferent shpment stuatons and dfferent days of the week n order to satsfy all the perods smultaneously consdered. The results are presented through radal systems of 11 and 70 buses. Key-Words: Capactors Allocaton, Dstrbuton Network, Genetc Algorthms. xv

17 CAPÍTULO I INTRODUÇÃO 1.1 Introdução Com o aumento da demanda dos sstemas elétrcos de potênca, o gerencamento da potenca reatva tem se tornado cada vez mas mportante para as empresas fornecedoras de energa que necesstam manter as tensões dentro dos lmtes pré-estabelecdos pela ANEEL, garantndo assm bons níves de qualdade e confabldade para o consumdor. No entanto, o crescmento das cargas longe dos centros geradores, as extensas lnhas e as perdas decorrentes dos cabos resultam em varações de tensão nas barras, e assm comprometem a qualdade da energa elétrca fornecda. Além dsso, o alto nível de potênca reatva ndutva demandada nos sstemas de dstrbução também causa os problemas já conhecdos tanto no própro sstema de dstrbução, como no sstema de transmssão, ou seja, aumento das perdas e da queda de tensão, causando dfculdades no controle da tensão. Sendo assm, torna-se necessáro a nstalação de bancos de capactores (BCs) que vsam não só a redução das perdas e melhora nos perfs de tensão, mas também algumas outras vantagens enuncadas abaxo: Controle do fluxo de potênca; Melhora da establdade do sstema; Correção de fator de potênca; Compensação da energa reatva produzda por cargas ndutvas e pelas reatâncas das lnhas. Devdo à complexdade da rede e dos almentadores o ponto ótmo de operação normalmente não é alcançado e a compensação fca subutlzada. Dessa forma, torna-se necessáro desenvolver ferramentas para dar suporte à tomada de decsões do planejador para que ele possa fazer a aplcação ótma dos recursos destnados à expansão e operação do sstema de dstrbução, ou mesmo a recapactação do sstema exstente.

18 2 Bascamente, o problema da alocação de reatvos está em determnar, o tpo do banco de capactores (fxo ou automátco), o tamanho do banco (em kvar), a localzação do banco e os esquemas de controle deste banco. É um problema de dfícl solução, pos o número de pontos mínmos locas e o número de opções a serem analsadas aumentam com o aumento do número de barras. Os capactores dsponíves no mercado são os fxos e os automátcos. Os capactores fxos possuem um valor constante de potênca em kvar e estão permanentemente em operação. Já para os capactores automátcos é possível lgar e deslgar o banco de capactor dependendo da condção de carga e dos controles adequados como serão descrtos na seção no Capítulo 4. Os crtéros de otmzação comumente utlzados na solução desse problema (SUNDHARARAJAN e PAHWA, 1994) são a mnmzação das perdas atvas, dos custos dos capactores e penalzação dos lmtes de tensão. Além desses crtéros serão utlzados nesse trabalho: () penalzação de quedas de tensão acma de 4% a partr da saída do almentador, a fm de complementar e garantr alternatvamente a qualdade de suprmento; e () mnmzação de correntes nrush que surgem quando da energzação dos bancos de capactores, a fm de obter espaçamentos ótmos entre os mesmos de modo a evtar que essas correntes atnjam valores elevados. Esses város crtéros caracterzam este problema como um problema de otmzação multobjetvo que será detalhado no Capítulo III. A formulação desse problema é de programação não lnear (BAZARAS, 1979), pos as restrções de gualdade do mesmo são as equações de um fluxo de carga, as quas são equações não-lneares e anda, é de programação ntera msta, pos envolve varáves de otmzação que assumem valores 0 ou 1, ou seja, varáves que determnam a alocação ou não de capactores em determnada barra e; envolve varáves contínuas que determnam a potênca do banco de capactores a serem nstalados. Um problema dessa natureza (não-lnear, ntero msto e multobjetvo) pode ser resolvdo por dferentes técncas heurístcas assocadas a algortmos de otmzação clássca, metaheurístcas e Algortmos Genétcos (AGs). Devdo às boas característcas dos AGs, a serem enumeradas na revsão bblográfca a ser descrta no Capítulo II, a mesma fo escolhda, nesse trabalho, como a técnca para solução do problema de alocação de banco de capactores em redes de dstrbução.

19 3 1.2 Estrutura da Dssertação Assm, pela mportânca e complexdade da questão de se alocar banco de capactores em rede de dstrbução, esse trabalho se propõe a estudar e mplementar uma técnca de Intelgênca Artfcal baseada em Algortmos Genétcos que permta defnr pontos crítcos onde há necessdade de se realzar compensação de reatvos e otmzar a localzação desses através de desenvolvmento de uma ferramenta computaconal. Esta ferramenta utlza nformações da rede elétrca vsando obter o ponto ótmo de operação com base na localzação deal para a nstalação dos compensadores de reatvos e na análse da sazonaldade da carga. No Capítulo II é apresentada uma revsão bblográfca sobre a questão de se alocar bando de capactores utlzando dversas técncas de Intelgênca Artfcal. No Capítulo III é apresentada uma breve descrção da técnca de Algortmos Genétcos. No Capítulo IV, além da formulação matemátca do problema de otmzação utlzado, são apresentadas técncas de sensbldades utlzadas a fm de acelerar o processo de convergênca. O Capítulo V apresenta resultados obtdos para sstemas de 11 e 70 barras e, fnalmente, no capítulo VI são apresentadas as conclusões referentes ao trabalho desenvolvdo.

20 CAPÍTULO II O ESTADO DA ARTE 2.1 Introdução Neste capítulo serão apresentados alguns trabalhos que servram de motvação para escolha de Algortmos Genétcos como técnca de solução adotada nesse trabalho e para a formulação do problema de otmzação multobjetvo utlzada para a alocação ótma de banco de capactores. 2.2 Solução va Técncas de Intelgênca Artfcal Poneramente, SUNDHARARAJAN e PAHWA (1994) apresentaram uma nova metodologa para determnar o tamanho, localzação, tpo e número de capactores para serem nstalados em uma rede de dstrbução radal. O objetvo fo o de mnmzar as perdas de potênca de pco e as perdas de energa no sstema de dstrbução consderando o custo do capactor. Um método baseado em análse de sensbldade fo utlzado para seleconar as localzações canddatas para alocação de capactores. Em seguda, foram utlzados Algortmos Genétcos para determnar a seleção ótma de capactores. O problema formulado nesse artgo propõe mnmzar o custo da energa perdda (P ) no sstema em n períodos de ntervalos (T ), o custo da perda máxma (P o ) ao longo dos n períodos e do custo total dos capactores de acordo com a fórmula (2.1) a segur. onde K e : custo da energa perdda; K p : custo da perda máxma; K c : custo dos capactores; mn M: número de barras canddatas à alocação; n M K ( T P ) + K P + K C (2.1) e p o c j = 1 j = 1

21 5 Cj : tamanho do banco de capactor. A fm de se dmnur o unverso de busca, o problema é ncalzado, determnandose as barras canddatas à localzação de capactores a partr do vetor de sensbldade ( Perdas ) obtda a partr do Jacobano (J): Q Perdas P = J Perdas Q t Perdas θ Perdas V (2.2) Assm, as barras com maores sensbldades são as canddatas para alocação de capactores dentro dos AGs. GHOSE, GOSWAMI e BASU (1998) apresentam um modelo que combna recozmento smulado (Smulated annealng - SA) e Algortmos Genétcos (Genetc Algorthms - GAs) para solução do problema de alocação de capactores em uma rede de dstrbução vsando à redução de perdas de energa. Os resultados apresentados ndcaram uma grande melhora no processo de convergênca do algortmo atngndo valores de perdas menores ou guas aos obtdos através de Algortmos Genétcos smples. No artgo de MIRANDA, OO e FIDALGO (2001) fo apresentado um modelo que usa nformação sobre o gradente da função objetvo (mnmzação das perdas) para reparar os ndvíduos e melhorar as soluções dos Algortmos Genétcos, dando uma força na dreção da convergênca do procedmento. No caso de estudo utlzado, apenas as barras PQ foram utlzadas como canddata à solução. As smulações realzadas mostraram que a convergênca é bastante acelerada com a adoção do modelo híbrdo matemátco/algortmos Genétcos. Nesse artgo, anda foram comparados três métodos: Algortmos Genétcos smples; um modelo híbrdo de algortmo genétco/programação evoluconára; e o modelo híbrdo matemátco/algortmos Genétcos. Utlzando Algortmos Genétcos smples, os níves de tensão aumentaram, as perdas reduzram, mas um grande número de capactores fo necessáro para se consegur um bom resultado. Com o método híbrdo de Algortmos Genétcos/programação evoluconára fo conseguda uma melhora sgnfcatva nos resultados, foram alocadas apenas undades

22 6 fxas com valores nomnas menores reduzndo sgnfcatvamente o custo de nstalação dos capactores, as perdas foram reduzdas, mas apresentaram um valor cerca de 1% maor quando comparada com a prmera stuação. O modelo híbrdo matemátco/algortmos Genétcos fo o que apresentou os melhores resultados. As perdas e o custo dos capactores foram reduzdos mas anda, pos os melhores ajustes para os capactores automátcos foram encontrados. Em GALLEGO, MONTICELLI e ROMERO (2001), o problema da alocação de reatvos determna o tpo do banco de capactores (fxo ou automátco), o tamanho do banco (kvar), a localzação do banco e os esquemas de controle deste banco. Os capactores nstalados na rede de dstrbução corrgem o fator de potênca, provocam a redução das perdas e a melhora dos níves de tensão. A função objetvo é expressa através do custo das perdas e do custo do nvestmento durante um período. 0 mn v = k T p ( x ) + f ( uk ) s. a 0 u 0 u e = 0 G ( x, u H ( x k k nt 0 k 0 k k = 1 ) = 0; = 0,1,..., nt ) 0; = 0,1,..., nt u = u nc k C 1 k C 2 ou (2.3) onde nc : número de barras canddatas (barras onde a alocação do capactor é permtda); nt : número de níves de carga lustrado de um gráfco da curva de carga do sstema; G (x,y ) : representa as equações do fluxo de potênca para o -ésmo nível de carga; H (x ) 0 : representa as restrções de operação para o -ésmo nível de carga; u 0 k : representa o tamanho do banco de capactores que pode ser alocado na barra k; u k : representa o nível de operação do capactor alocado na barra k para um nível de carga ; C 1 e C 2 : conjuntos de barras canddatas para a nstalação de capactores fxos e automátcos, respectvamente. Dos tpos de capactores são consderados os fxos e os automátcos. Para os fxos tem-se que: u 0 =u 1 =...u nt (2.4)

23 7 Para os capactores automátcos, os taps podem ser mudados de acordo com o nível de carga. Nesse caso para cada capactor k exstem nt+1 dferentes níves de operação, então: 0 u 0 k u k (2.5) A alocação ótma dos capactores fo resolvda usando um método híbrdo extraído a partr da técnca da busca tabu, e aproxmada utlzando técncas combnatóras, como algortmos genétcos, recozmento smulado (Smulated Annealng), e aproxmações heurístcas prátcas. A combnação destas técncas fo desenvolvda buscando-se acelerar a convergênca. Os resultados apresentados para os sstemas de 9, 69 e 135 barras apontaram uma redução das perdas em todos os casos e, fo possível perceber que quando o algortmo utlzou capactores fxos e automátcos para fazer a alocação, o tempo computaconal fo consderavelmente maor do que quando se utlzou somente bancos automátcos, devdo ao número de vezes que o fluxo de potênca fo executado. ALCÂNTARA e SILVA (2005) estudaram a determnação da nfluênca de cargas dependentes da tensão na solução do problema de localzação e controle otmzados de capactores em sstemas de dstrbução de energa. Neste artgo, efetos de cargas dependentes da tensão, chamadas cargas de mpedânca constante (Z), corrente constante (I), potênca constante (P), e uma carga msta ZIP, foram estudados e dscutdos nos seus aspectos técncos e econômcos pelo uso de um algortmo codfcado em nteros baseado em AGs. Os resultados apresentados mostraram que tamanhos e localzações dos capactores dependem fundamentalmente do modelo de carga usado para o sstema. O trabalho escrto por COELHO et al. (2005) apresenta um aplcatvo computaconal desenvolvdo para alocações de bancos de capactores em almentadores de 13,8 kv. O aplcatvo basea-se na resolução de um modelo não lnear de alocação de capactores para a otmzação de perdas em sstema de dstrbução de energa elétrca, cuja função objetvo consdera um fator de penalzação nos lmtes de tensão das barras. Um algortmo fo mplementado em lnguagem computaconal compatível ao sstema utlzado pela Companha Energétca de Brasíla CEB, e utlza um método híbrdo baseado no consumo de reatvos das cargas e uma busca combnatóra. Em AGUIAR e FRANCO (2005), a alocação de bancos de capactores em redes de dstrbução de sstemas de potênca consttu um problema de otmzação clássco para

24 8 redução de custos de nvestmento e perdas de energa em sstemas de dstrbução radas. Neste artgo, o problema é abordado por meo de uma estratéga de aproxmação lnear e por uma mudança na representação das varáves. A aproxmação lnear do problema é feto em dos aspectos. Um utlza hperplanos suporte (HS) para aproxmar a função de perdas em cada trecho do sstema de dstrbução. O outro é relaconado com o tratamento dado ao produto de varáves nteras e contínuas. O problema clássco é transformado num problema de otmzação ntero msta, permtndo o uso de ferramentas de otmzação comercas na solução como os algortmos convenconas de programação lnear e otmzação combnatóra. Os lmtes superores e nferores de tensão são lmtados de forma rígda, não sendo utlzadas funções de penaldades para evtar a volação de lmtes, o que permte a avalação dreta da sensbldade dos custos totas em relação à varação dos lmtes de tensão. Exemplos de aplcações do modelo em váras redes de dstrbução, com dferentes horzontes de planejamento mostram a efcênca, robustez e outros índces de desempenho, caracterzando este novo método como uma alternatva atraente a aplcações dedcadas ao planejamento de redes de dstrbução rada. Os resultados das smulações em város sstemas de dstrbução sugerem que a nstalação de bancos de capactores fxos e chaveados em conjunto é atratva, pos controla melhor o perfl de tensão e reduz mas as perdas totas. O trabalho feto por DELFANTI et. al (2000) propõe uma metodologa para se estabelecer os pontos de nstalação de capactores com o objetvo de mnmzar o custo de nstalação dos mesmos. O problema formulado nesse artgo é o segunte: s.a. mn { barras ( χ Co + C1 qc ) (2.6) canddatas à compensaçã o reatva } Qg Qg ( qc, qg, v, r) Qg para { barras de geração tpo PV } V V ( qc, qg, v, r) V para { barras de carga tpo PQ} qg v qg v v qg para { barras de carga tpo PQ com geração de reatvo} para { barras de geração tpo PV } r r r para { barras com transformadores}

25 9 0 onde qc χ qc para χ =1 (se o capactor for nstalado) e qc : tamanho do banco de capactores; Co : custo fxo de nstalação; C1 : custo proporconal ao tamanho de qc ; { barras canddatas à compensação reatva} χ =0, caso contráro; qg : potênca reatva gerada por bancos pré-exstentes; v : magntude de tensão das barras de carga; r : relação de magntude de taps de transformadores; As varáves de otmzação desse problema são: χ, qc, qg, v e r. O problema é não-lnear com varáves ntera-msta. O algortmo de solução adotado para esse problema é o segunte: Passo 1: Cálculo de um Fluxo de Carga, o valor da função objetvo Fbest é arbtrado. Passo 2: Lnearza-se o problema de otmzação e resolve-se o problema lnear. Passo 3: Atualza-se χ, qc, qg, v e r. Passo 4: Calcula-se novo Fluxo de Carga para varáves atualzadas. Passo 5: Checa-se as duas prmeras restrções funconas. Se há volação, vá para passo 2, senão vá para Passo 6. Passo 6: Armazene o corrente ponto de operação e função objetvo F. Passo 7: Se F < Fbest, faça Fbest=F e vá para Passo 2, senão Pare. O problema lnearzado do Passo 2 fo resolvdo por três procedmentos: a. Utlzando-se do algortmo Branch and Bound (BB). b. Utlzando-se algortmos mcrogenétcos (AGs) (utlzando-se de população de cnco ndvíduos) c. Procedmento híbrdo, onde os Algortmos Genétcos substtu o BB quando ocorre um problema numérco.

26 10 De modo geral, o algortmo BB fo mas rápdo do que os algortmos genétcos, no entanto, ele fornece valores sub-ótmos. O procedmento híbrdo se mostrou mas efcente, pos utlzou resultados sub-ótmos no algortmo genétco, reduzndo sua convergênca. Em ALVES, SOUZA e FERREIRA (2002), o dmensonamento, localzação e controle de bancos de capactores são levados a efeto com base na curva de carga reatva. Na prátca, as curvas de cargas ndvduas são consderadas dêntcas à curva de carga do almentador para efeto do programa de operação dos bancos de capactores chaveados e que pode ser substtuída pela curva de duração de carga aproxmada em três degraus (pesada, méda e leve). O problema de otmzação fo formulado da segunte forma: max f ( s) = k p Pm ( s) + P ( s) ke t = 1 C ( n ( s) k + n ( s) k ) sujeto a restrções de tensão. onde = 1,..., 3 : cada nível de carga; s : conjunto de parâmetros que defnem os pontos de nstalação e os controles dos bancos; k p : custo da perda de potênca de pco em $/kw; ke : custo da perda de energa em cada nível em $/kw; 3 f f c c (2.7) k f : custo de banco de capactores fxos ( $/kvar); k c : custo do banco de capactores chaveados; n f : número de capactores fxos; n c : número de capactores chaveados; C : potênca de módulo de banco de capactor (kvar); P m : redução de perdas de potênca de pco em kw; P : redução de perdas de potênca em cada nível; t : duração anual de cada nível de carga em horas. O problema procura maxmzar a economa pela nstalação dos capactores e mnmzar o custo de nstalação dos mesmos e fo resolvdo por três procedmentos: a) Utlzando-se do algortmo mcrogenétco (utlzando-se de população de 5 a 20 ndvíduos)

27 11 b) Lógca Fuzzy c) Um método híbrdo, onde se nser o conhecmento especalsta da lógca fuzzy a fm de reduzr o espaço de busca e dmnur o tempo de processamento. O Método Híbrdo, ou seja, o dos algortmos mcro genétcos com a nserção da Lógca Fuzzy para a ncalzação do processo fo o mas efcente. No trabalho proposto por MENDES et al. (2001) a nstalação de capactores é avalada conjuntamente sob a ótca de redução de perdas e do conseqüente aumento do lucro na dstrbução de energa, além de aspectos operaconas. Esse artgo apresenta uma nova abordagem va algortmos genétcos (AGs) como o emprego de um enfoque memétco, onde uma fase de busca local é assocado ao algortmo genétco. A abordagem va algortmos memétcos se dferenca dos AGs báscos, no emprego de uma fase de otmzação a que são submetdos os novos ndvíduos gerados. Bascamente, a caracterzação memétca se dá após a mutação dos descendentes, numa otmzação desses descendentes medante uma busca local. Fo adotada uma estrutura herárquca populaconal, formado por subgrupos de 4 ndvíduos (1 líder e 3 segudores). As recombnações ocorrem sempre entre pares de um mesmo subgrupo, mtando um comportamento mult-populaconal, onde as recombnações só ocorrem entre subpopulações. A otmzação dos descendentes fo feta através de três buscas locas: () Busca Add/Drop: cada bt do cromossomo é alterado, de forma seqüencal. Assm, um local canddato escolhdo para receber capactores é desatvado ou um local vazo é suprdo com capactores. Se houve melhora, a mudança é mantda e passa-se ao bt segunte, senão o bt retorna ao valor orgnal. () Busca Local de Capacdade: essa busca local testa os tamanhos medatamente nferor e superor do capactor atualmente nstalado. Se há alguma melhora, o valor é modfcado. () Busca Swap: retra-se um capactor de uma posção e coloca-o em outra. A função de avalação adotada é: ftness = Ganho CustoCap Pen Pen (2.8) perdas anual A B onde

28 12 Ganho perdas = customwh 8,75 redução _ perdas : custo das perdas na rede (roda-se um Fluxo de Carga e calculam-se as perdas de energa antes e depos da nserção dos capactores. O valor é anualzado de MW para MWh pelo fator 8,75); CustoCap anual = 1 CustoCap 1 n ( 1+ ) anos e uma taxa de juros ; : custo dos capactores anualzados para um horzonte de n Pen A CustoCap GastoMax 2 = (max[ 0, anual ]) : restrção de orçamento, onde GastoMax é o máxmo gasto permtdo na compra dos capactores por ano; 2 Pen = (max[ 0, numcap numcapmax]) : restrção de número de capactores, onde B numcapmax é o máxmo número de capactores alocados. capactores permtdos e numcap é número de O resultado obtdo utlzando uma abordagem va algortmos memétcos se mostrou nteressante e trouxe resultados váldos. O trabalho de SOUSA (2003), ncalmente, smula um fluxo de potênca ótmo cuja função objetvo é a mnmzação das perdas de transmssão. O problema é resolvdo pelo Método dos Pontos Interores versão Prmal-Dual. Os multplcadores de Lagrange obtdos da solução do FPO são utlzados para se determnar as barras que são canddatas a terem alocação de reatvos. A partr da determnação destas barras, um problema de programação lnear é resolvdo a fm de quantfcar a potênca reatva a ser alocada. A nterpretação dos multplcadores de Lagrange ( λq ) relaconadas às equações de balanço de potênca reatva, é que eles fornecem uma relação de sensbldade entre a função objetvo (f(x)) e a varação de carga reatva λq Pd : f ( x) = Pd =1,...,nb (2.9) Ou seja, as barras com os maores multplcadores de Lagrange ndcam aquelas barras cuja varação de carga reatva mas nfluenca as perdas totas, sendo essas canddatas naturas a terem alocação de reatvo. Em seguda, a partr da matrz Jacobana do sstema elétrco representado, obtevese uma matrz de sensbldade S:

29 13 V S = (2.10) Q que relacona varações de tensões para varações de carga reatva. Assm, consderando que uma mudança na njeção de reatvo Q j na barra j, cause uma varação V na tensão da barras de carga, tem-se: V1 S11 S12 Λ S1 m Q 2 S 21 S 22 S 2m Q = Μ Μ Μ Ο Μ Μ V k S k1 S k 2 Λ S km Q V 2 1 m (2.11) onde k é o número de barras de carga e m o número de barras onde serão alocados reatvos. Com este sstema de equações lneares, formula-se um problema de mnmzação onde se pretende mnmzar as varações de njeção de reatvo ( Q) nas barras préseleconadas pelos multplcadores de Lagrange, de modo que as varações nas tensões provocadas pelas varações de njeção de reatvos fquem dentre dos lmtes operaconas de tensão das barras consderadas. A partr da determnação destas barras, aplca-se o método Smplex com a fnaldade de determnar a quantdade de reatvos a serem alocados. A formulação do problema é: mn m Q j=1 j (2.12) s. a. V V + V V Q 0 onde V = S Q Os resultados obtdos mostraram-se coerentes com a teora e produzram excelentes respostas. A solução do problema de programação lnear alocou reatvos elevando os níves de tensão para valores bem próxmos do lmte mínmo desejado, o qual não fo atngdo em alguns casos devdo ao fato de o fluxo de carga ser um problema não lnear e

30 14 de a abordagem apresentada utlzar uma aproxmação lnear para quantfcar a potênca reatva a ser alocada. Recentemente, PEREIRA, COSSI e MANTOVANI (2006) abordaram a alocação de banco de capactores como um problema multobjetvo e resolvdo por um algortmo evolutvo que utlza um esquema de codfcação e operadores genétcos projetados e dreconados para consderar as característcas específcas do problema de alocação de capactores. No entanto, o que chama a atenção nesse trabalho, é a consderação além das de praxe como mnmzação das perdas atvas e custos dos capactores, é a ntrodução das restrções de tensão como uma segunda função objetvo. Como descrto, mutos trabalhos encontrados na lteratura utlzam a técnca de Algortmos Genétcos para solução do problema de alocação de capactores, pos a mesma pode tratar de problemas de otmzação com város crtéros de otmzação (mnmzação do custo das perdas, custo dos capactores, ncorporação dos lmtes de tensão e outros) e que possuem um grande número de mínmos locas, onde a solução ótma global é dfícl de ser encontrada. Como os AGs operam sobre uma população de canddatos em paralelo, podem fazer a busca em dferentes áreas do espaço de soluções, alocando um número de soluções apropradas para busca em váras regões, ao contráro dos métodos de otmzação tradconas, onde a ncalzação do algortmo é feta com um únco canddato, que teratvamente é manpulado utlzando, geralmente, métodos determnístcos para resolução de um problema (SUNDHARARAJAN e PAHWA, 1994). De um modo geral, as técncas de solução do problema de alocação de capactores em redes de dstrbução se mostraram efcentes segundo os autores dos trabalhos apresentados nesta seção, porém o desempenho dos Algortmos Genétcos foram maores quando utlzado em conjunto com outras técncas, como smulated annealng (SA), programação lnear, lógca fuzzy, programação evoluconára ou mesmo utlzando um modelo híbrdo matemátco/algortmo genétco. Como observado na revsão bblográfca apresentada acma, os crtéros de otmzação comumente utlzados para o problema de alocação de BCs são a mnmzação das perdas atvas, dos custos dos capactores e penalzação dos lmtes de tensão. Ou seja, trata-se de um problema de otmzação multobjetvo, o qual será consderado na seqüênca.

31 Otmzação Mult-Objetvo Um problema de otmzação multobjetvo consste em determnar um vetor de varáves de decsão que otmza uma função vetoral, cujos elementos representam os índces de desempenho a serem otmzados. A solução que mnmza um índce provavelmente não mnmza os outros índces, sendo assm, necessáro ntroduzr o conceto de Otmaldade de Pareto. Segundo esse conceto, uma solução vável para um problema de programação multobjetvo é uma solução de Pareto, se não exstr outra solução que rá produzr uma melhora em um objetvo sem causar uma degradação em pelo menos um dos outros objetvos (LIN, 1976). Como o problema de alocação de bancos de capactores é um problema de otmzação multobjetvo cabe colocar que não exste somente uma solução ótma para o problema abordado e sm um conjunto de possíves soluções denomnadas efcentes ou Pareto-ótmo. E, como não se conhece a mportânca de cada um dos objetvos todas as soluções Pareto-ótmo são gualmente mportantes (PEREIRA JUNIOR, COSSI e MANTOVANI, 2006). Exstem dversos métodos para obtenção do conjunto de soluções Pareto (LIN, 1976): método dos pesos, das restrções, método que otmza com herarqua, o método do crtéro global, programação de metas e outros. Mas, como o problema neste trabalho será resolvdo por Algortmos Genétcos, o mesmo pode ser alado ao Crtéro da Otmaldade de Pareto afrmando-se que a lsta-pareto é preenchda com os ndvíduos domnantes para cada objetvo ndvdualmente. Ou seja, segundo o conceto de domnânca, uma solução domna a outra quando esta solução não é por que as outras em todos os objetvos ou quando a mesma é estrtamente melhor que as outras em pelo menos um objetvo (PEREIRA JUNIOR, COSSI e MANTOVANI, 2006). 2.4 Análse de Sensbldade Como a alocação de banco de capactores é um problema combnatóro de dfícl solução e com tempo de processamento elevado, há alguns trabalhos que procuram reduzr o unverso de solução do problema orgnal, através da utlzação da análse de

32 16 sensbldade da Matrz Jacobana. A partr dela, pode-se seleconar prevamente os melhores locas de nstalação reduzndo o número de varáves do problema. Entre os trabalhos que utlzam essa técnca, pode-se ctar o já menconado artgo de SUNDHARARAJAN e PAHWA (1994), que alocam ncalmente capactores em barras seleconadas a partr do vetor de sensbldade ( Jacobano (J). Perdas ) obtda a partr do Q Semelhantemente, BALA, KUNTZ e PEBLES (1997) e GALLEGO, MONTICELLI e ROMERO (2001) calculam a sensbldade de perdas em relação à potênca reatva utlzando a expressão: sendo que Perdas Q = 2. α. Q + β. P (2.13) δ δ α = rj.cos (2.14) V Vj onde r j : resstênca na lnha -j β V : magntude de tensão na barra δ : defasagem angular da barra. δ = rj.sen δ V Vj (2.15) A obtenção da relação Perdas não é tarefa trval, assm, pela Q smplcd ade da expressão (2.13) e levando em conta que esta análse pode ndcar as melhores barras para alocar os capactores, reduzndo assm o tempo de processamento do algortmo, a mesma será utlzada neste trabalho. Ou seja, as barras com as maores relação ncalmente seleconadas para receberem os BCs pela técnca de solução adotada. Perdas são as Q Além de se procurar as barras onde a relação entre as perdas atvas e a potênca reatva são grandes, também exste nteresse em se buscar por barras onde a relação entre

33 17 potênca reatva e as magntudes de tensão são sgnfcatvas (SOUSA, 2003), ndcando que nessas barras há uma boa resposta do perfl de tensão ao se varar a njeção de potênca reatva. Assm sendo, essa relação é também utlzada nesse trabalho (seção 3.6 no Capítulo 3) a fm de se escolher as prmeras barras a serem alocadas por BCs. Essa seleção ncal por barras potencas não é mutas vezes adotada por alguns pesqusadores por se entender que o problema é de planejamento e assm não requer rapdez na obtenção da solução do mesmo (estudo off-lne), mas de qualquer forma, se for possível reduzr o tempo de processamento do algortmo, a mplementação e a possível comprovação da efcáca desta técnca de sensbldade será uma grande contrbução para este trabalho. 2.5 Fluxo de Potênca em Redes de Dstrbução Os AGs utlzados para alocar os bancos de capactores requerem uma avalação de cada solução gerada. Para que se faça essa avalação é necessára a obtenção do novo estado da rede elétrca com a nstalação dos bancos seleconados a fm de se verfcar as perdas e a melhora no perfl de tensão, ou seja, é necessáro a resolução de um fluxo de carga. Os métodos usuas de Fluxo de Carga utlzados em sstema de transmssão, tas como os métodos de Newton-Raphson e Desacoplado Rápdo, não apresentam desempenho adequado no caso de redes de dstrbução radas devdo a problemas de domnânca e mau-condconamento da matrz de admtânca nodal. Esse fato resulta de característcas partculares das redes de dstrbução, tas como, a baxa relação X/R (reatânca/resstênca) dos parâmetros dos almentadores, trechos com mpedâncas relatvamente baxas (representação de chaves, reguladores de tensão e trechos pequenos de lnha entre cargas muto próxmas) assocados a outros com valor de mpedânca relatvamente alto. Város métodos efcentes para solução do problema de fluxo de potênca em redes de dstrbução radas estão dsponíves na lteratura especalzada. Esses métodos estão dvddos em duas grandes categoras: o Método da Soma das Correntes (SDC) ou das Potêncas (SDP), conhecdos como Varredura Frente e Trás ; e os métodos baseados na Impedânca Nodal Implícta.

34 18 SHIRMOHAMMADI et al. (1998) apresentam a metodologa do cálculo do FP va SDC para redes radas de dstrbução de energa, a qual é lustrada através da rede apresentada na Fgura 2.1, onde L1 é o nó denomnado superor e L2 denomnado, nferor. Fgura 2.1 Topologa da Rede e a Rede Dvdda em Camadas. O método proposto segue seguntes passos báscos: 1. Cálculo da Corrente Nodal: na teração k, a njeção de corrente I (k) no nó é calculada da segunte forma: I k = ( S V ) ( k 1) * YV ( k 1) = 1, 2,..., n (2.16) (k-1) onde V é a tensão no nó calculada na teração (k-1), S é a njeção de potênca no nó e Y é a soma de todos os elementos shunt no nó. 2. Varredura Trás: começando da extremdade da rede, e camnhando até o nó raz, a corrente no ramo J L no ramo L é calculada da segunte forma: J ( k ) Correntes nos ramos = I L2 + L b, b-1,...,1 (2.17) lgados ao nó L2 ( k ) L = onde I L2 é a njeção de corrente no nó L2 (ndcado na fgura 2.1), essa fórmula é aplcação dreta da Le de Krchoff das Correntes. 3. Varredura Frente: A partr do nó raz, e camnhando para o fnal da rede, as tensões são então atualzadas. Para cada ramo L, a tensão no nó L2 é calculada

35 19 utlzando a tensão atualzada no nó L1 e a corrente no ramo nesse passo é calculada da segunte manera: V (k) (k) = V Z J L 1,,...,b (2.18) (k) L2 L1 L L = 2 onde Z L é a mpedânca sére do ramo L. Essa formula é aplcação dreta da Le de Krchoff das Tensões. Esses três passos são então repetdos até que um crtéro de convergênca seja atngdo, como por exemplo, não haja mas varação no módulo de tensão das barras de uma teração para outra. Segundo o artgo, a técnca se mostrou robusta e efcente, resolvendo sstemas com um grande número de nós e ramos mas rapdamente que os métodos de solução de FP convenconas, sendo a mesma frequentemente ctada e utlzada por dversos trabalhos. SRINIVAS (2000) fez um apanhado geral sobre as técncas utlzadas na solução dos problemas de FP em redes radas de dstrbução de energa. Dentre elas o já ctado Método Frente e Trás e Impedânca Nodal Implícta. O Método Frente e Trás, que consste bascamente em duas etapas: varredura dreta e nversa até que seja atngda uma condção de convergênca possu duas varantes: Soma das Correntes proposta ncalmente por SHIRMOHAMMADI et al. (1988), onde a formulação é baseada em termos de corrente. Soma das Potêncas proposta ncalmente por BROADWATER et al. (1988), onde a formulação é baseada em termos de potênca. A metodologa utlzada neste trabalho para o cálculo do FP fo a va SDP que está apresentada no Apêndce A. Adotou-se a mesma pela smplcdade de se trabalhar dretamente com potêncas, que são os valores comumente utlzados. Os métodos baseados na matrz mpedânca nodal mplícta foram propostos por CHEN (1991) e utlzam uma formulação mas adequada para sstemas malhados. Baseam-se na formação e fatoração da matrz de admtânca nodal (Ybarra) e njeções de corrente equvalentes para resolver a rede. Nesse método, o efeto da fonte e das cargas é

36 20 representado separadamente por superposção. A segur é mostrado os passos detalhados do algortmo: 1. Incalza o algortmo estmando as tensões nas barras e calculando a Ybarra. 2. Otmza a ordenação e fatora a Ybarra. 3. Computa as njeções de corrente nas barras para os carregamentos dos transformadores, cogeradores, elementos shunt e carregamento das lnhas. 4. Calcula os desvos de tensão devdo às njeções de corrente usando a Ybarra fatorada. 5. Aplca o prncípo da superposção e atualza todas as tensões nas barras. 6. Verfca a convergênca, se não convergu, retorna ao passo Computa o fluxo nas lnhas e calcula as perdas no sstema. 2.6 A Corrente Inrush A energzação de um banco automátco de capactores mplca sempre no aparecmento de uma corrente transtóra denomnada corrente nrush. O valor máxmo, bem como a freqüênca dessa corrente, depende da tensão aplcada, da reatânca do crcuto (capactânca e ndutânca), da carga armazenada no capactor a ser energzado e do amortecmento provocado pela exstênca de resstores de pré-nserção e/ou outras resstêncas do crcuto. Quando já exstem capactores lgados na rede a corrente Inrush apresenta valores mas elevados (IEEE, 1973). As fórmulas para o cálculo dessas correntes nrush para as dversas confgurações dos bancos foram obtdas de IEEE Std / ANSI C (1973) e serão apresentadas a segur. a) Energzação de um Banco Isolado onde I nrush : Corrente Inrush em amperes; I ; k = 1, 15 I c I =. (2.19) nrush 1,41 I3 I k

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Revisão dos Métodos para o Aumento da Confiabilidade em Sistemas Elétricos de Distribuição

Revisão dos Métodos para o Aumento da Confiabilidade em Sistemas Elétricos de Distribuição CIDEL Argentna 2014 Internatonal Congress on Electrcty Dstrbuton Ttle Revsão dos Métodos para o Aumento da Confabldade em Sstemas Elétrcos de Dstrbução Regstraton Nº: (Abstract) Authors of the paper Name

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução Máqunas de Vetor Suporte.. Introdução Os fundamentos das Máqunas de Vetor Suporte (SVM) foram desenvolvdos por Vapnk e colaboradores [], [3], [4]. A formulação por ele apresentada se basea no prncípo de

Leia mais

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição)

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição) 14. orrentes Alternadas (baseado no Hallday, 4 a edção) Por que estudar orrentes Alternadas?.: a maora das casas, comérco, etc., são provdas de fação elétrca que conduz corrente alternada (A ou A em nglês):

Leia mais

ELEMENTOS DE CIRCUITOS

ELEMENTOS DE CIRCUITOS MINISTÉRIO D EDUCÇÃO SECRETRI DE EDUCÇÃO PROFISSIONL E TECNOLÓGIC INSTITUTO FEDERL DE EDUCÇÃO, CIÊNCI E TECNOLOGI DE SNT CTRIN CMPUS DE SÃO JOSÉ - ÁRE DE TELECOMUNICÇÕES CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICÇÕES

Leia mais

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20 1 3º Undade Capítulo XI Eletrcdade 3 Capítulo XII Campo Elétrco 8 Capítulo XIII Energa Potencal Elétrca 10 Capítulo XIV Elementos de Um Crcuto Elétrco 15 Capítulo XV Elementos de Um Crcuto Elétrco 20 Questões

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20 1 4º Undade Capítulo XIII Eletrcdade 3 Questões do ENEM. 8 Capítulo XIV Campo Elétrco 11 Questões do ENEM 13 Capítulo XV Energa Potencal Elétrca 15 Questões do ENEM 20 Capítulo XVI Elementos de Um Crcuto

Leia mais

Distribuição de Massa Molar

Distribuição de Massa Molar Químca de Polímeros Prof a. Dr a. Carla Dalmoln carla.dalmoln@udesc.br Dstrbução de Massa Molar Materas Polmércos Polímero = 1 macromolécula com undades químcas repetdas ou Materal composto por númeras

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE MÉTODOS DE CÁLCULO DE PERDAS EM TRANSFORMADORES ALIMENTANDO CARGAS NÃO-LINEARES

COMPARATIVO ENTRE MÉTODOS DE CÁLCULO DE PERDAS EM TRANSFORMADORES ALIMENTANDO CARGAS NÃO-LINEARES COMARAVO ENRE MÉODOS DE CÁLCULO DE ERDAS EM RANSFORMADORES ALMENANDO CARGAS NÃO-LNEARES GUMARÃES, Magno de Bastos EEEC/ UFG/ EQ magnobg@otmal.com. NRODUÇÃO LSA, Luz Roberto EEEC/ UFG lsta@eee.ufg.br NERYS,

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE R. L. S. CANEVESI 1, C. L. DIEL 2, K. A. SANTOS 1, C. E. BORBA 1, F. PALÚ 1, E. A. DA SILVA 1 1 Unversdade Estadual

Leia mais

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery)

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery) Controle Estatístco de Qualdade Capítulo 8 (montgomery) Gráfco CUSUM e da Méda Móvel Exponencalmente Ponderada Introdução Cartas de Controle Shewhart Usa apenas a nformação contda no últmo ponto plotado

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

INCLUSÃO DE RESTRIÇÕES DINÂMICAS NA ANÁLISE DE FLUXO DE POTÊNCIA ÓTIMO RAFAEL MONTES FONTOURA

INCLUSÃO DE RESTRIÇÕES DINÂMICAS NA ANÁLISE DE FLUXO DE POTÊNCIA ÓTIMO RAFAEL MONTES FONTOURA INCLUSÃO DE RESTRIÇÕES DINÂMICAS NA ANÁLISE DE FLUXO DE POTÊNCIA ÓTIMO RAFAEL MONTES FONTOURA DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA

Leia mais

Software para Furação e Rebitagem de Fuselagem de Aeronaves

Software para Furação e Rebitagem de Fuselagem de Aeronaves Anas do 14 O Encontro de Incação Centífca e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Insttuto Tecnológco de Aeronáutca São José dos Campos SP Brasl Outubro 20 a 23 2008. Software para Furação e Rebtagem

Leia mais

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza 9/04/06 Escolha do Consumdor sob condções de Rsco e de Incerteza (Capítulo 7 Snyder/Ncholson e Capítulo Varan) Turma do Prof. Déco Kadota Dstnção entre Rsco e Incerteza Na lteratura econômca, a prmera

Leia mais

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo.

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo. Motores síncronos Prncípo de funconamento ão motores com velocdade de rotação fxa velocdade de sncronsmo. O seu prncípo de funconamento está esquematzado na fgura 1.1 um motor com 2 pólos. Uma corrente

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN Otmzação de ustos de Transporte e Trbutáros em um Problema de Dstrbução Naconal de Gás Fernanda Hamacher 1, Fernanda Menezes

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 23 (pág. 86) D TM TC ula 24 (pág. 87) D TM TC ula 25 (pág. 88) D TM TC ula 26 (pág. 89) D TM TC ula 27 (pág. 91) D TM TC ula 28 (pág. 91) D TM TC evsanglo

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO

OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO Felpe Mendonca Gurgel Bandera (UFERSA) felpembandera@hotmal.com Breno Barros Telles

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como:

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como: REGRESSÃO LOGÍSTCA. ntrodução Defnmos varáves categórcas como aquelas varáves que podem ser mensurados usando apenas um número lmtado de valores ou categoras. Esta defnção dstngue varáves categórcas de

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS Físca Laboratoral Ano Lectvo 003/04 ITRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS AS MEDIDAS DE GRADEAS FÍSICAS. Introdução.... Erros de observação: erros sstemátcos e erros fortutos ou acdentas... 3. Precsão e rgor...3

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa LOGÍSTICA Capítulo - 8 Objectvos do Capítulo Mostrar como o armazenamento é mportante no sstema logístco Identfcação dos prncpas tpos de armazenamento

Leia mais

Nesse circuito, os dados indicam que a diferença de potencial entre os pontos X e Y, em volts, é a) 3,3 c) 10 e) 18 b) 6,0 d) 12.

Nesse circuito, os dados indicam que a diferença de potencial entre os pontos X e Y, em volts, é a) 3,3 c) 10 e) 18 b) 6,0 d) 12. Aprmorando os Conhecmentos de Eletrcdade Lsta 7 Assocação de esstores Prof.: Célo Normando. (UNIFO-97) O resstor, que tem a curva característca representada no gráfco abao, é componente do crcuto representado

Leia mais

SEQÜENCIAMENTO DE TAREFAS COM MÁQUINAS PARALELAS, PERMITINDO ATRASOS E COM TEMPOS DE PREPARAÇÃO DE MÁQUINA DEPENDENTES DA SEQÜÊNCIA.

SEQÜENCIAMENTO DE TAREFAS COM MÁQUINAS PARALELAS, PERMITINDO ATRASOS E COM TEMPOS DE PREPARAÇÃO DE MÁQUINA DEPENDENTES DA SEQÜÊNCIA. A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves a 7 de novembro de, Natal-RN SEQÜENCIAMENTO DE TAREFAS COM MÁQUINAS PARALELAS, PERMITINDO ATRASOS E COM TEMPOS DE PREPARAÇÃO DE MÁQUINA DEPENDENTES DA SEQÜÊNCIA.

Leia mais

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura Análse logístca da localzação de um armazém para uma empresa do Sul Flumnense mportadora de alho n natura Jader Ferrera Mendonça Patríca Res Cunha Ilton Curty Leal Junor Unversdade Federal Flumnense Unversdade

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

Energia de deformação na flexão

Energia de deformação na flexão - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Energa de deformação na

Leia mais

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução Controle de qualdade de produto cartográfco aplcado a magem de alta resolução Nathála de Alcântara Rodrgues Alves¹ Mara Emanuella Frmno Barbosa¹ Sydney de Olvera Das¹ ¹ Insttuto Federal de Educação Cênca

Leia mais

RECONFIGURAÇÃO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO USANDO O ALGORITMO IMUNOLÓGICO ARTIFICIAL CLONALG

RECONFIGURAÇÃO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO USANDO O ALGORITMO IMUNOLÓGICO ARTIFICIAL CLONALG Anas do XX Congresso Braslero de Automátca Belo Horzonte, MG, 0 a 4 de Setembro de 014 RECONFIGURAÇÃO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO USANDO O ALGORITMO IMUNOLÓGICO ARTIFICIAL CLONALG SIMONE S. F. SOUZA¹,

Leia mais

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos.

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos. Insttuto de Físca de São Carlos Laboratóro de Eletrcdade e Magnetsmo: Transferênca de Potênca em Crcutos de Transferênca de Potênca em Crcutos de Nesse prátca, estudaremos a potênca dsspada numa resstênca

Leia mais

ALGORITMOS GENÉTICOS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA TOMADA DE DECISÃO EM ATIVIDADES DE GESTÃO AGROINDUSTRIAL

ALGORITMOS GENÉTICOS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA TOMADA DE DECISÃO EM ATIVIDADES DE GESTÃO AGROINDUSTRIAL ALGORITMOS GENÉTICOS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA TOMADA DE DECISÃO EM ATIVIDADES DE GESTÃO AGROINDUSTRIAL Danlo Augusto Hereda VIEIRA 1 Celso Correa de SOUZA 2 José Francsco dos REIS NETO 3 Resumo. As

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO - VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA

Leia mais

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal www.obconcursos.com.br/portal/v1/carrerafscal Moda Exercíco: Determne o valor modal em cada um dos conjuntos de dados a segur: X: { 3, 4,, 8, 8, 8, 9, 10, 11, 1, 13 } Mo 8 Y: { 10, 11, 11, 13, 13, 13,

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE RESERVA GIRANTE EM SISTEMAS HIDROELÉTRICOS. Thales Sousa * José Antônio Jardini Mário Masuda Rodrigo Alves de Lima

OTIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE RESERVA GIRANTE EM SISTEMAS HIDROELÉTRICOS. Thales Sousa * José Antônio Jardini Mário Masuda Rodrigo Alves de Lima SNPEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E RANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉRICA GGH - 33 6 a 2 Outubro de 2005 Curtba - Paraná GRUPO I GRUPO DE ESUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH OIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE RESERVA GIRANE

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas Unversdade Salvador UNIFACS Cursos de Engenhara Cálculo IV Profa: Ilka ebouças Frere Integras Múltplas Texto 3: A Integral Dupla em Coordenadas Polares Coordenadas Polares Introduzremos agora um novo sstema

Leia mais

Algoritmo de Otimização para o Problema de Roteamento de Veículos no Transporte Conjunto de Cargas e de Passageiros

Algoritmo de Otimização para o Problema de Roteamento de Veículos no Transporte Conjunto de Cargas e de Passageiros Programa de Pós-Graduação em Engenhara Elétrca Centro de Pesqusa e Desenolmento em Engenhara Elétrca Escola de Engenhara da Unersdade Federal de Mnas Geras Algortmo de Otmzação para o Problema de Roteamento

Leia mais

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Defnções RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Problemas de Valor Incal PVI) Métodos de passo smples Método de Euler Métodos de sére de Talor Métodos de Runge-Kutta Equações de ordem superor Métodos

Leia mais

SÍNTESE DE CASADORES DE IMPEDÂNCIA DE BAIXA SENSIBILIDADE UTILIZANDO TÉCNICAS EVOLUCIONÁRIAS PARA APLICAÇÕES EM RADIOFREQUÊNCIA

SÍNTESE DE CASADORES DE IMPEDÂNCIA DE BAIXA SENSIBILIDADE UTILIZANDO TÉCNICAS EVOLUCIONÁRIAS PARA APLICAÇÕES EM RADIOFREQUÊNCIA SÍNTESE DE CASADORES DE IMPEDÂNCIA DE BAIXA SENSIBILIDADE UTILIZANDO TÉCNICAS EVOLUCIONÁRIAS PARA APLICAÇÕES EM RADIOFREQUÊNCIA Leandro Texera Dornelles Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-graduação

Leia mais

Associação de resistores em série

Associação de resistores em série Assocação de resstores em sére Fg.... Na Fg.. está representada uma assocação de resstores. Chamemos de I, B, C e D. as correntes que, num mesmo nstante, passam, respectvamente pelos pontos A, B, C e D.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE Aprova as Normas Geras do Processo Seletvo para

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014 Aula 7: Crcutos Curso de Físca Geral III F-38 º semestre, 04 Ponto essencal Para resolver um crcuto de corrente contínua, é precso entender se as cargas estão ganhando ou perdendo energa potencal elétrca

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

UMA ABORDAGEM IMUNOLÓGICA APLICADA AO PROBLEMA DE ALOCAÇÃO ÓTIMA DE BANCO DE CAPACITORES EM SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO RADIAL

UMA ABORDAGEM IMUNOLÓGICA APLICADA AO PROBLEMA DE ALOCAÇÃO ÓTIMA DE BANCO DE CAPACITORES EM SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO RADIAL UMA ABORDAGEM IMUNOLÓGICA APLICADA AO PROBLEMA DE ALOCAÇÃO ÓTIMA DE BANCO DE CAPACITORES EM SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO RADIAL Rosana Sate Taehara DEX/CEUL/UFMS Av. Ranulpho Marques Leal, 3484 CP 21 Três

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR Matéra / Dscplna: Introdução à Informátca Sstema de Numeração Defnção Um sstema de numeração pode ser defndo como o conjunto dos dígtos utlzados para representar quantdades e as regras que defnem a forma

Leia mais

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações.

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações. 1. TABELA DE DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA As tabelas resumem as normações obtdas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de normações. As tabelas sem perda de normação

Leia mais

UM MODELO DE ALOCAÇÃO DINÂMICA DE CAMINHÕES VISANDO AO ATENDIMENTO DE METAS DE PRODUÇÃO E QUALIDADE

UM MODELO DE ALOCAÇÃO DINÂMICA DE CAMINHÕES VISANDO AO ATENDIMENTO DE METAS DE PRODUÇÃO E QUALIDADE UM MODELO DE ALOCAÇÃO DINÂMICA DE CAMINHÕES VISANDO AO ATENDIMENTO DE METAS DE PRODUÇÃO E QUALIDADE RESUMO Felppe Perera da Costa, PPGEM/UFOP, Mestrando. felppe@mneral.em.ufop.br Marcone Jamlson Fretas

Leia mais

PREVISÃO DE PARTIDAS DE FUTEBOL USANDO MODELOS DINÂMICOS

PREVISÃO DE PARTIDAS DE FUTEBOL USANDO MODELOS DINÂMICOS PREVISÃO DE PRTIDS DE FUTEBOL USNDO MODELOS DINÂMICOS Oswaldo Gomes de Souza Junor Insttuto de Matemátca Unversdade Federal do Ro de Janero junor@dme.ufrj.br Dan Gamerman Insttuto de Matemátca Unversdade

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4)

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4) REGULAMENTO GERAL (Modaldades 1, 2, 3 e 4) 1. PARTICIPAÇÃO 1.1 Podem concorrer ao 11º Prêmo FIEB de Desempenho Socoambental da Indústra Baana empresas do setor ndustral nas categoras MICRO E PEQUENO, MÉDIO

Leia mais

Impactos em Máquinas Síncronas Durante o Fechamento de Anel na Recomposição do Sistema de Potência

Impactos em Máquinas Síncronas Durante o Fechamento de Anel na Recomposição do Sistema de Potência Impactos em Máqunas Síncronas Durante o Fechamento de Anel na Recomposção do Sstema de Potênca Weberson Carvalho Morera DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

Redução do Espaço de Busca de Redes de Distribuição Reconfiguráveis Utilizando Grafos

Redução do Espaço de Busca de Redes de Distribuição Reconfiguráveis Utilizando Grafos Redução do Espaço de Busca de Redes de Dstrbução Reconfguráves Utlzando Grafos Leroy U. Ramos *, Nraldo R. Ferrera *, Fernando A. Morera *, Hulman S. Sanca, e Benemar. A. de Souza *Departamento de Engenharía

Leia mais

Fast Multiresolution Image Querying

Fast Multiresolution Image Querying Fast Multresoluton Image Queryng Baseado no artgo proposto por: Charles E. Jacobs Adan Fnkelsten Davd H. Salesn Propõe um método para busca em um banco de dados de magem utlzando uma magem de consulta

Leia mais

MAE5778 - Teoria da Resposta ao Item

MAE5778 - Teoria da Resposta ao Item MAE5778 - Teora da Resposta ao Item Fernando Henrque Ferraz Perera da Rosa Robson Lunard 1 de feverero de 2005 Lsta 2 1. Na Tabela 1 estão apresentados os parâmetros de 6 tens, na escala (0,1). a b c 1

Leia mais

Decisões de localização das instalações. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT

Decisões de localização das instalações. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Decsões de localzação das nstalações Professor: Leandro Zvrtes UDESC/CCT Introdução Localzar nstalações fxas ao longo da rede da cadea de suprmentos é um mportante problema de decsão que dá forma, estrutura

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo. Departamento de Engenharia Civil. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil. Mestrado em Transportes

Universidade Federal do Espírito Santo. Departamento de Engenharia Civil. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil. Mestrado em Transportes Unversdade Federal do Espírto Santo Departamento de Engenhara Cvl Programa de Pós-Graduação em Engenhara Cvl Mestrado em Transportes EDSON PIMENTEL PEREIRA MODELO MATEMÁTICO PARA PLANEJAMENTO DA CIRCULAÇÃO

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

Programação matemática para alocação dos sistemas solares fotovoltaicos para microrredes autônomas em corrente contínua

Programação matemática para alocação dos sistemas solares fotovoltaicos para microrredes autônomas em corrente contínua Programação matemátca para alocação dos sstemas solares fotovoltacos para mcrorredes autônomas em corrente contínua Mnéa Cappellar Fagundes Unversdade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT Rua A, Sn, Barra

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2 Capítulo O plano compleo Introdução Os números compleos começaram por ser ntrodudos para dar sentdo à resolução de equações polnomas do tpo Como os quadrados de números reas são sempre maores ou guas a

Leia mais

Despacho Económico-Ambiental de Sistemas de Energia Termoeléctricos Inseridos no Mercado de Carbono

Despacho Económico-Ambiental de Sistemas de Energia Termoeléctricos Inseridos no Mercado de Carbono Desacho Económco-Ambental de Sstemas de Energa Termoeléctrcos Inserdos no Mercado de Carbono V.M.F. Mendes, J.P.S. Catalão, S.J.P.S. Marano e L.A.F.M. Ferrera Deartamento de Engenhara Electrotécnca e Automação

Leia mais

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou!

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou! A U A UL LA Hoje não tem vtamna, o lqudfcador quebrou! Essa fo a notíca dramátca dada por Crstana no café da manhã, lgeramente amenzada pela promessa de uma breve solução. - Seu pa dsse que arruma à note!

Leia mais

Marcus Rodrigo Carvalho

Marcus Rodrigo Carvalho Marcus Rodrgo Carvalho ESTUDO COMPARATIVO DE FLUXO DE POTÊNCIA PARA SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO RADIAL Dssertação apresentada à Escola de Engenhara de São Carlos, da Unversdade de São Paulo, como parte dos

Leia mais

SCATTER SEARCH APLICADO AO PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO DA ALOCAÇÃO DE SONDAS DE PRODUÇÃO EM POÇOS DE PETRÓLEO

SCATTER SEARCH APLICADO AO PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO DA ALOCAÇÃO DE SONDAS DE PRODUÇÃO EM POÇOS DE PETRÓLEO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& SCATTER SEARCH APLICADO AO PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DA ESTABILIDADE DE UM BRAÇO ROBÓTICO PARA COLHEITA DE FRUTAS

ANÁLISE DA ESTABILIDADE DE UM BRAÇO ROBÓTICO PARA COLHEITA DE FRUTAS XLIII Congresso Braslero de Engenhara Agrícola - CONBEA 2014 Centro de Convenções Arquteto Rubens Gl de Camllo - Campo Grande -MS 27 a 31 de julho de 2014 ANÁLISE DA ESTABILIDADE DE UM BRAÇO ROBÓTICO PARA

Leia mais

Suporte Básico para Sistemas de Tempo Real

Suporte Básico para Sistemas de Tempo Real Suporte Básco para Sstemas de Tempo Real Escalonamento e Comuncação Sldes elaborados por George Lma, com atualzações realzadas por Ramundo Macêdo Suporte Básco para Sstemas de Tempo-Real Escalonamento

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

1 Princípios da entropia e da energia

1 Princípios da entropia e da energia 1 Prncípos da entropa e da energa Das dscussões anterores vmos como o conceto de entropa fo dervado do conceto de temperatura. E esta últma uma conseqüênca da le zero da termodnâmca. Dentro da nossa descrção

Leia mais

01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo:

01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo: PROCESSO SELETIVO 7 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Rosane Soares Morera Vana, Luz Cláudo Perera, Lucy Tem Takahash, Olímpo Hrosh Myagak QUESTÕES OBJETIVAS Em porcentagem das emssões totas de gases do efeto estufa,

Leia mais

NODAL Versão 3.0 Programa de Simulação de Tarifas de Uso do Sistema Elétrico MANUAL DO USUÁRIO ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica

NODAL Versão 3.0 Programa de Simulação de Tarifas de Uso do Sistema Elétrico MANUAL DO USUÁRIO ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica NODAL Versão 3.0 Programa de Smulação de Tarfas de Uso do Sstema Elétrco MANUAL DO USUÁRIO ANEEL Agênca Naconal de Energa Elétrca ÍNDICE. INTRODUÇÃO...-.. CONSIDERAÇÕES...-.2. FUNÇÃO DO PROGRAMA...-2.3.

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Escola Politécnica. Departamento de Eletrônica e de Computação

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Escola Politécnica. Departamento de Eletrônica e de Computação Unversdade Federal do Ro de Janero Escola oltécnca Departamento de Eletrônca e de Computação CALIBRAÇÃO E RELANEJMENTO DE TAREFAS ARA UM ROBÔ INDUSTRIAL EM AMBIENTES HOSTIS Autor: Orentador: Coorentador:

Leia mais

Problemas Associados a Cones de Segunda Ordem

Problemas Associados a Cones de Segunda Ordem Problemas Assocados a Cones de Segunda Ordem Dense S. Trevsol, Mara A. D. Ehrhardt, Insttuto de Matemátca, Estatístca e Computação Centífca, IMECC, UNICAMP, 1383-859, Campnas, SP E-mal: ra8477@me.uncamp.br,

Leia mais

Rastreando Algoritmos

Rastreando Algoritmos Rastreando lgortmos José ugusto aranauskas epartamento de Físca e Matemátca FFCLRP-USP Sala loco P Fone () - Uma vez desenvolvdo um algortmo, como saber se ele faz o que se supõe que faça? esta aula veremos

Leia mais

E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL

E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL Clarssa Côrtes Pres Ernesto Cordero Marujo José Cechn Superntendente Executvo 1 Apresentação Este artgo examna se o rankng das Undades

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES GOVERO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DE PLAEJAMETO E GESTÃO (SEPLAG) Insttuto de Pesqusa e Estratéga Econômca do Ceará (IPECE) TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDAÇA O RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ETRE

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira Impactos dos encargos socas na economa braslera Mayra Batsta Btencourt Professora da Unversdade Federal de Mato Grosso do Sul Erly Cardoso Texera Professor da Unversdade Federal de Vçosa Palavras-chave

Leia mais

TRANSPORTE E ESTOCAGEM DE FUMO UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR USADO NA TOMADA DE DECISÃO

TRANSPORTE E ESTOCAGEM DE FUMO UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR USADO NA TOMADA DE DECISÃO TRANSPORTE E ESTOCAGEM DE FUMO UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR USADO NA TOMADA DE DECISÃO Janaína Poffo Possama janapoffo@gmal.com Unversdade Regonal de Blumenau Rua Antôno da Vega, 0 8902-900 - Blumenau

Leia mais

UM NOVO ALGORITMO GENÉTICO PARA A OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE INVESTIMENTO COM RESTRIÇÕES DE CARDINALIDADE

UM NOVO ALGORITMO GENÉTICO PARA A OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE INVESTIMENTO COM RESTRIÇÕES DE CARDINALIDADE Unversdade Estadual de Campnas Insttuto de Matemátca, Estatístca e Computação Centífca Departamento de Matemátca Aplcada DISSERTAÇÃO DE MESTRADO UM NOVO ALGORITMO GENÉTICO PARA A OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS

Leia mais